Issuu on Google+

Aluno : Marcos Ferreira N: 14 , turma : 6 E

Diretora de turma: Marybel Maia


Ajudar os animais Devemos proteger e ajudar as espécies de animais , porque algumas delas estão a ser ameaçadas e também são torturadas e mortas . Veja então imagens dos animais extintos e em vias de extinção .


Extintos


arouque


O arouque foi um bovino, extinto em meados de 1627. O animal de grande porte e comportamento indócil habitava em regiões que hoje pertencem a Portugal, Coréia, Sibéria e Índia. Pinturas em cavernas mostram que o arouque era caçado pelos homens no sul e centro da Europa desde os tempos antigos.


Dodo


O Dodô, também chamado de Dronte, era uma ave não voadora com cerca de um metro de altura que vivia nas ilhas Maurício, uma das ilhas da costa leste de África, perto de Madagascar. O animal, que se alimentava de frutas, foi extinto por volta de 1700 durante o processo de colonização do local. O Dodô, era da família dos pombos, possuía asas curtas, e um bico longo e pesado.


Alce irlandĂŞs


O alce irlandês foi o maior cervo que já existiu. O animal, que também era conhecido como cervo gigante, viveu na Eurásia, na Irlanda a leste do lago Baikal. Os últimos restos da espécie encontrados foram datados de cerca de seis mil anos atrás.


Tigre da Tasm창nia


O lobo da tasmânia ou tigre da tasmânia foi o maior marsupial carnívoro dos tempos modernos. O animal, nativo da Austrália e Nova Guiné, tornou-se extinto no século XX devido à caça intensiva. O extermínio dos animais era encorajado por recompensas, pois era considerado uma ameaça aos rebanhos. Fatores como doenças, a introdução de cães, dingos e a invasão humana de seu habitat também contribuíram para a extinção do animal. O último registo visual do tigre da Tasmânia ocorreu em 1932 e o último exemplar morreu no Zoológico de Hobart em sete de setembro de 1936.


quagga


O Quagga foi um mamífero da família das zebras que vivia na África do Sul na região do Cabo e de Orange. Ao contrário das zebras, os quaggas apresentavam listras apenas na metade da frente do corpo, enquanto que as costas eram de cor castanha lisa. A extinção dos Quaggas deu-se devido à caça massiva praticada pelos colonos Boer, que procuravam a sua carne e pele. O Quagga também representava um problema para os agricultores, pois alimentava-se das pastagens do gado. O último Quagga foi caçado em 1878 e o último exemplar morreu no Jardim Zoológico de Amesterdão em 1883.


Moa gigante


O Moa Gigante era uma ave gigantesca, uma das maiores que já existiram, que viveu há 700 anos atrás durante o Holoceno na Nova Zelândia. A sua extinção coincide com a chegada do homem na Nova Zelândia, que ,juntamente, com provas fósseis que consistem em ossos quebrados por ferramentas humanas, carbonizados, em forma de colares e anzóis e com marcas de dentes humanos, demonstram ser os mesmos os responsáveis pela extinção dessa magnífica ave ocorrida em menos de 100 anos, nos quais foram mortos mais de 170 mil espécimes. O Moa gigante não possuía mais ossos das asas e nem as junções das asas com o corpo. Os Moas alimentavam-se de diferentes folhas.


Ararinha azul


É a arara mais rara do mundo! O último exemplar selvagem conhecido dessa espécie e que habitava a região de Curaçá, no sertão da Baia, desapareceu em Outubro de 2000. Este macho de tão solitário acabou acasalando com uma fêmea de Maracanã (Ara maracana), que também vive no mesmo habitat. Logicamente, mesmo com o casal tentando reproduzir, não houve Filhotes. Existem ainda cerca de 60 exemplares espalhados em cativeiros pelo mundo. Essa espécie foi desaparecendo e a sua população, que já era restrita, extinguiu-se, devido ao tráfico de animais que a capturava para vendê-la como ave ornamental ou de estimação. A destruição do seu habitat original contribuiu também para o seu desaparecimento. Essa arara é também única na sua aparência. O azul é de um tom diferente, chegando em algumas penas a tornar-se cinzento, cores menos apelativas do que a maioria das araras que conhecemos. O bico é menor em relação às outras espécies e tem uma outra particularidade, possui um pedaço de pele nua de penas de cor cinzento escuro que vai desde a parte superior do bico até ao olho, essa parte cinzenta deixa sobressair a cor amarela da íris do olho. Esta arara alimenta-se de sementes das carabineiras, de pinhão, aveleira e de baraúna e o ultimo morreu no Jardim Zoológico de Lisboa.


Ameaรงado


Arara azul


Ameaçado por destruições de habitat e de venda para serem mascotes .  Há trezentos deles em habitats protegidos. 


Lince ibĂŠrico


Também conhecido pelos nomes populares de Cerval, lobo-cerval, gatofantasma, gato-cerval, liberne, nunca-te-vi, gato-cravo ou gato-lince, é a espécie de felino mais gravemente ameaçada de extinção e um dos mamíferos mais ameaçados. Tem um porte muito maior do que um gato doméstico e o seu habitat restringe-se à Península Ibérica. Apenas existem cerca de 140 linces ibérico em liberdade em toda a Península Ibérica.


foca – do – monge – do – mediterrâneo


Também conhecida por lobo-marinho é provavelmente o membro da família das focas mais ameaçado de extinção. Outrora espalhada pelo Mediterrâneo e águas adjacentes, hoje estima-se que haja somente em torno de 400 espécies restantes desse mamífero marinho.


Lobo ibĂŠrico


É uma subespécie do lobo-cinzento que ocorre na Península Ibérica. Outrora muito abundante, a sua população atual deve rondar as 2000 espécies, das quais cerca de 300 habitam a região norte de Portugal.


Abutre - barbudo


O abutre-barbudo preenche um nicho ecológico altamente especializado, já que se alimenta quase exclusivamente de ossos (que engole inteiros ou atira ao solo em voo, para comer a medula óssea, uma fonte de proteína não aproveitada por outras espécies necrófagas). Daí não possuir o pescoço sem penas dos demais abutres, que não lhe conferiria qualquer vantagem evolutiva, pois não enfia a cabeça no interior das carcaças. Patrulha áreas montanhosas em busca de ossos de animais mortos em avalanches, como a camurça, ou espreita outras aves necrófagas enquanto estas limpam os cadáveres.


Cegonha - preta


É uma ave ciconiforme da família das cegonhas. Habita lagos, rios ou regiões alagadas rodeadas por densas florestas. A cegonha preta distribui-se, em Portugal, apenas pelas regiões mais interiores, inóspitas e isoladas. Os troços internacionais dos rios Douro, Tejo e Guadiana oferecem para esta espécie condições privilegiadas, sobretudo devido à fraca perturbação humana que aí se regista e à abundância de locais de nidificação.


A tortura


ď‚žE

por causa do Homem os animais sĂŁo vitimas disto .


Mas

a ajuda vem sempre a caminho…

Até

há muitas pessoas que dão carinho aos animais e ficam amigos deles.


Se as pessoas compreendessem como os animais podem ser maravilhosos e meigos, talvez pudÊssemos evitar a tortura, a morte e a extinção de muitos deles!


Direitos dos animais