Issuu on Google+


Introdução A versão beta corresponde ao momento em que a equipa efectua uma revisão completa do design da aplicação multimédia. É neste momento que também se procede à versão final do design da aplicação e ao seu "congelamento " (Strauss, 1997). O presente documento serve de instrumento auxiliar e de apoio à versão Beta, encontrando-se dividido em diferentes secções: 1. Mapa de Navegação 2. Planeamento e Actualização de Tarefas 3. Implementação da Versão Beta a. Correcção de Bugs/Melhorias da prototipagem 4. Dificuldades de implementação 5. Conclusão e Reflexão Crítica da versão Beta Acresce-se ainda o facto que o momento do desenvolvimento da versão Beta é ideal para o reajuste das funcionalidades implementadas, revisão da estrutura e divisão do projecto e gestão das tarefas e previsão de cenários de risco. A equipa do projecto virtUA ainda assegurou, também, neste momento, o diálogo com a Universidade de Aveiro (cliente) para proceder à validação das componentes produzidas.


Mapa de navegação e áreas-alvo de prototipagem O mapa de navegação que se segue diz respeito à actualização das diferentes áreas e módulos a desenvolver nesta fase:

Fig. 1 – Mapa de Navegação, enquadrado na versão Beta

Fig. 2 – Transição do Protótipo de alta-fidelidade para a versão Beta Pelo que se pode constar, segundo a transição do protótipo de alta-fidelidade para a versão Beta, ir-se-á implementar as galerias do Website e preparar o Unity para efectuar a sua recepção, para além de corrigir todos os erros detectados nos outros ecrãs.


Planeamento e actualização de tarefas O controlo de produção do projecto virtUA é feita através do codeUA, actualização e calendarização do processo de debugging e flexibilidade do GANTT. Dado que nesta fase, verifica-se um aperto ao nível temporal e o codeUA pareceu, neste momento, a solução para o modelo de gestão ágil da equipa.

Fig.3 –GANTT Segundo o codeUA


Implementação da Versão Beta 1. Upload de fotografias no Website Com a finalidade do utilizador poder partilhar fotografias com os restantes utilizadores do projecto e como alternativa à inserção de post no espaço Memórias, implementou-se a opção de upload de fotografias na Galeria, após o login na aplicação.

Fig.4 – Inserção de fotografias nas galerias Com a finalidade do utilizador poder partilhar fotografias com os restantes utilizadores do projecto e como alternativa à inserção de post no espaço Memórias, implementou-se a opção de upload de fotografias na Galeria, após o login na aplicação. O plugin utilizado é PhotoSmash, em que se pode controlar o tamanho das thumbnails, das fotografias entre outras opções.


2. Construção dos edifícios e envolvente No desenvolvimento da versão Beta, procedeu-se à construção de edifícios do Pavilhão II, III e BA e a criação da envolvente do pavilhão I. Para os diferentes edifícios, atravessou-se as seguintes fases:  Visita ao edificio, recolha e registo gráfico;  Recolha da planta e organização das layers;  Modelação de objectos e composição;  Texturização;  Importação para o Unity e criação da envolvente; Pavilhão I (Criação da envolvente)

Fig.5 – Criação da envolvente do Pavilhão I

Fig.6 – Criação da envolvente do Pavilhão I


Pavilhão II

Fig. 7 – Modelação do Pavilhão II

Fig. 7 – Modelação do Pavilhão II


Pavilhão III

Fig.7 – Wireframe do Pav III

Fig.8 – Modelação do Pav III BA


Fig.9 – Modelação do BA


3. Aumento da velocidade na navegação Na aplicação Unity, procedeu-se ao incremento da velocidade de navegação, de forma progressiva. Ou seja, com o decorrer da aplicação, há um incremento da velocidade de navegação. O mesmo se aplica quando utilizador pressiona a tecla shift e mais uma das teclas de direcção, accionando o modo de “corrida” na aplicação. 4. Melhorias ao nível topográfico Como foi referido, houve alterações a nível da envolvência dos edificios na aplicação Unity. O mesmo seguiu ao nível topográfico e declive do terreno.

Fig.8 – Modelação do Pav III 5. Ecrã Informativo O ecrã informação foi melhorado em termos de alinhamento textual e ajustado ao nível da informação/conteúdo. A inserção de áudio passou pela gravação em estúdio, captação de som, edição e programação em javascript. 6. Ecrã Opções O layout do ecrã opções foi actualizado e procedeu-se à correcção de alguns bugs/erros ao nível de design e conteúdo.


7. Galerias A visualização de fotografias no próprio Unity tem em conta a sua interacção do utilizador com as memórias num ambiente imersivo. É de realçar a mudança de côr da mira para azul de modo a distinguir-se da outra e a tooltip de ajuda para navegar entre as fotografias. Quando o utilizador se aproxima do ícone, aparece a galeria de imagens e quando o utilizador se afasta transforma-se outra vez no ícone de forma a criar a dinâmica de interacção e não se tartar de algo estático. É de referir que, posteriormente, na entrega final, proceder-se-á à conexão das fotografias com a base de dados de modo a evitar a redundância de informação e o ícone, também, será alterado.

Fig. – Galeria despoletada pelo ícone

Fig. – Ícone


Correcção de Bugs/Melhorias da prototipagem A equipa procedeu a uma revisão de erros/bugs tendo presente o protótipo de altafidelidade. Assim, a seguinte tabela diz respeito a correcções dos bugs:

Fig.4 –Grelha de correcção de bugs O grupo procedeu a uma tipificação dos erros em: programação, conteúdo e design e respectiva classificação de erros em termos de prioridade e dificuldade. Em termos de prioridade, proceder-se-á ao alinhamento do conteúdo e correcções ao nível da timeline.


Dificuldades de implementação A equipa, ao longo da implementação do projecto, deparou-se com algumas dificuldades, nomeadamente, ao nível de:  Dificuldade conceptual e de implementação ao nível da integração da galeria no Unity. A solução a integrar pode não ser a mais viável, pelo que é necessário verificar em termos de usabilidade e observação em termos de interacção;  Modelação tendo presente algumas questões de assimetria dos edificios;  Integração das texturas dos edifícios no próprio Unity;

Conclusão e Reflexão Crítica da versão Beta A versao Beta é marcada por pormenores e a sua atenção em termos funcionais e de conteúdo. Nesta fase, para além da correcção de bugs e progressão no mapa de navegação, a equipa avança em termos de testes à aplicação, ajuda contextual e sistemas complementares e, também, ao nível da estratégia de lançamento do produto. A estratégia de lançamento do produto do projecto virtUA será Soft Lunch. Esta estratégia de lançamento passará pela publicação do website online. Dado que o produto não está completo, a divulgação é feita em meios de fechados para aguardar algum feedback e bugs reportados. Acresce-se o facto que ao conhecer a faixa etária de utilizadores que fornece feedback positivo, torna-se mais fácil reajustar o público-alvo do projecto. Com a elaboração dos testes de usabilidade, a equipa irá ter em atenção ao desenvolvimento de mecanismos de ajuda de auxilio ao utilizador. Como sistemas de ajuda contextual em que os mesmos são dependentes do contexto de uso e dependentes do conteúdo e interacção com a aplicação, a equipa irá integrar tooltips, ecrãs accionados pelo utilizador (voluntariedade – exemplo da mira, menus, etc).


Como sistemas complementares, desenvolver-se-á: sistema de perguntas mais frequentes – FAQ: Frequently Asked Questions) – página com perguntas e respostas mais relevantes para a interacção com o website e navegação virtual; página contactos com contacto telefónico, correio electrónico, postal e formulário de contacto directo, área de pesquisa por palavra ou expressão e sistema de contacto com o utilizador (e-mail, página twitter e ligação ao facebook). Para a entrega final, a equipa ainda terá que desenvolver várias funcionalidades tendo por base a versão Beta, como a título de exemplo: continuação da melhoria do projecto tendo em conta os testes de usabilidade e acessibilidade, modelação e desenvolvimento dos diferentes intervalos de tempo da evolução do Campus de Santiago e melhoria da integração das fotografias na aplicação Unity e conexão com a Base de Dados.


TP6 - Versao Beta - virtUA