Issuu on Google+

~1~


T.M. Frazier Série King #2 Tyrant

Tyrant Copyright © 2015 T.M. Frazier

~2~


SINOPSE Eu. Lembro. De. Tudo. Só que agora eu queria não lembrar. Quando o nevoeiro é desfeito da minha mente como fumaça através de um vácuo, a verdade que tem estado além do meu alcance por meses finalmente se revela. Mas o alívio que eu pensei que eu iria sentir nunca vem, e eu tenho mais medo agora do que tive na manhã em que acordei algemada na cama de King. Porque com a verdade vêm os segredos obscuros que eu não deveria saber. Vou colocar as vidas daqueles que eu mais amo em risco se eu deixar que minha memória volte, ou se eu procurar a ajuda do criminoso tatuado que me detém de corpo e alma. Eu não sei se eu sou forte o suficiente para resistir à atração magnética com King que fica mais forte a cada dia. Ele já me salvou em mais maneiras do que uma. Agora é a minha vez de fazer o que for preciso para o salvar. Mesmo que isso signifique me casar com outra pessoa...

~3~


A SÉRIE Série King – T.M. Frazier

~4~


Prólogo KING O tempo médio gasto entre o encarceramento de um criminoso reincidente é de seis meses. Eu só estava fora há três meses. Eu esperava encontrar Max naquele carro. Em vez disso, algemas tilintavam em torno de meus pulsos e o porco imbecil teve a audácia de rir quando ele apertou os punhos ao ponto de doer. Eu não estremeci, no entanto. Eu não lhe daria essa satisfação. Ele pressionou minha cabeça para baixo e me empurrou com força na parte de trás da viatura. Cai no banco e meu rosto bateu contra o estofado pegajoso que cheirava a vomito e mijo das más decisões tomadas de quem ali ficava. Minhas mãos formigavam com a perda de fluxo sanguíneo. O filho da puta teve sorte que eu estava sem poder para usar meus punhos. Três anos. Eles já me tiveram por três malditos anos e eles iriam me prender por muito mais tempo. Sequestro não era exatamente recompensado com um leve tapa nas costas, especialmente para alguém cujo registro é tão longo quanto o meu. Eu prometi que eu nunca ia voltar, mas manter minhas promessas é apenas mais uma das coisas que eu nunca fui bom em fazer. Eu estava dando um foda-se, embora. O sistema poderia me ter. Eu pertencia a eles, mas eles não me possuiriam, de jeito nenhum. Eles nunca iriam me possuir, porra. Ela me pertence. Seu coração e a sua fodida alma negra. Eu vou andar até a linha de comida de merda com um sorriso de comedor de merda no meu rosto arranhado usando meu macacão

~5~


laranja todos os dias nesse lugar filho da puta. Vou jogar cartas com o pior dos piores e fazer bonito com os guardas que estão dispostos a me tirar alguma folga. À noite, quando estiver sozinho na minha cela sem janelas, com meu pau na minha mão, eu vou lembrar como era a ter em minha cama; como os seus olhos arregalados e inocentes olharam para mim enquanto eu me movia dentro dela. O jeito que ela arqueou as costas para mim enquanto eu a fazia gozar uma e outra vez. Eu me repeti dizendo que eu não tinha nada para oferecer a ela, mas isso não era verdade. Eu tinha amor. Pequena. Doe. Ray. Seja qual for seu fodido nome. Eu a amava mais do que aquilo era normal, racional, ou algo assim e eu ficaria feliz em apodrecer na prisão de merda com um sorriso no meu rosto se eu soubesse que a minha menina ficaria bem. Mas eu não sabia disso. Eu não poderia saber disso. Eu deveria ter desconfiado que o filho da puta iria me trair, caralho. — O notório Brantley King, — disse o porco com um sorriso quando ele entrou no banco da frente. O couro do banco guinchou quando ele fechou a porta e ligou o motor. — Eu achava que você teria aprendido a lição por agora, garoto. Ele riu e balançou a cabeça. Era óbvio que esse cara estava recebendo algum tipo de prazer doentio de ser o único a me colocar fora de ação. — King, — o corrigi, desafiadoramente. Ninguém me chama de Brantley, só ela. — Como? — ele perguntou, levantando uma sobrancelha para mim através do espelho retrovisor. Me sentei em linha reta, encontrando seu olhar com o meu, como se eu estivesse olhando direto para sua alma do caralho. — Eles me chamam de King, filho da puta. A raiva dentro de mim cresceu para proporções épicas. Foi quando notei que o detetive não virou para a estrada principal, mas em vez disso, seguiu direto para o caminho através dos bosques.

~6~


Esse cara era a porra da policia. Avistei a arma; ele a colocou sobre o banco. Era um justiceiro, sua arma não era padrão da polícia. Esse cara não estava me levando para a delegacia. Ele estava me levando para a terra. Não havia tempo a perder. Minhas meninas precisavam de mim. Mais do que isso, eu precisava delas. O idiota tinha me algemado na frente. O que deveria ter sido o primeiro indício de que algo estava errado. Um policial de verdade nunca teria feito isso a menos que ele estivesse transportando um criminoso não violento. O que não era eu. Usando a corrente que ligava minhas algemas, eu as prendi no pescoço do falso detetive contra o encosto de cabeça e puxei de volta com toda a minha força, até que senti que meu bíceps fossem explodir. Suas mãos deixaram o volante e se debateram, enquanto ele tentava puxar a minha cabeça, mas eu me esquivei, me abaixando atrás do assento. O carro desviou do caminho e saltou de um lado para outro quando ele entrou em um lugar com mato até o joelho. A pressão montou atrás dos meus olhos quando eu o puxei de volta nos punhos, apertando mais e mais. Eu não liberei meu agarre até que o carro parou e cada polegada de vida havia drenado de seu corpo. O falso policial estava certo; eu nunca seria nada mais do que o notório Brantley King. Isso foi bom para mim, porque o senador tinha uma lição a aprender. Você não toma o que é meu e não espere senão pagar em sangue, suor, ou buceta. Ele pegou a minha menina. Ele queria levar a minha vida. Seu pagamento seria no sangue.

~7~


Capítulo um KING A vingança é doce. Isso é o que eles dizem de qualquer maneira. Mas não foi até que eu me arrastei para fora dos destroços, apanhando fragmentos de vidro na minha pele, que eu entendi quão verdadeiro esse provérbio realmente era. Eu praticamente podia saborear a vingança na minha língua, eu estava salivando em antecipação do momento que eu seria capaz de segurar um cinto em meu braço e o envolver em torno da porra do pescoço do senador por me trair. Tinha sido apenas alguns minutos desde que eu tinha matado um homem. Mas era um longo tempo desde que eu tinha tomado prazer nisso. Adrenalina como eu nunca tinha conhecido, em uma quantidade grande o suficiente para acordar um cadáver, corria em minhas veias. Eu estava totalmente sobre isso. Tinha fome disso. Era como se eu tivesse empurrado meu nariz em uma tigela de cocaína e inalado mais e mais até que eu me senti como eu fosse invencível. Eu era um „deus‟ filho da puta. E até que eu arrumasse a porra da bagunça que eu tinha feito, eu não estava pensando em morrer. Eu senti pena por qualquer filho da puta que tinha bolas grandes o suficiente para tentar ficar na porra do meu caminho. Esse foi o momento que eu o ouvi pela primeira vez. Ele.

~8~


Preppy. Hora de mostrar a esses otários do caralho que eles foderam com o garoto errado, do lado errado do maldito parque de trailers. A voz de Preppy era tão clara na minha cabeça, como se ele estavivesse ao meu lado. Eu estava ficando louco. Até o momento que eu me arrastei para fora da floresta e fiz meu caminho de volta para a casa, Bear estava descendo de sua moto. Quando ele me viu, ele jogou o cigarro no chão. Ele marchou em direção a mim com passos furiosos e rígidos; sua testa enrugada com linhas, com os punhos cerrados. A grama seca rangia sob seus passos pesados. — Ouça, seu filho da puta, eu não queria que ele viesse aqui para essa troca, mas a forma como você lidou com essa porra de merda não foi certo, porra. Ela merecia melhor do que isso, muito melhor do que isso, melhor do que toda essa mentira do caralho... — Bear parou quando viu a lama e o sangue, que eu estava coberto. — O que diabos aconteceu com você? Eu passei por ele, ignorando sua pergunta, correndo em direção a casa, tomando três degraus de cada vez. Eu abri a porta da frente com tanta força que os parafusos da dobradiça superior dispararam e cairam no piso. — Pequena! — gritei. Uma pequena parte de mim tinha esperança de que de alguma forma ela tinha encontrado uma maneira de ficar. Mas no segundo que eu entrei em casa, eu não tinha que procurar nos quartos para saber que ela tinha ido embora. Eu senti o vazio. — Porra! — gritei, pegando uma das cadeiras da cozinha. Eu a joguei do outro lado da sala, onde ela pulou sobre a mesa de café de vidro, no centro, fazendo um buraco do tamanho de um aro de basquete na parede fina quando ela bateu. Bear me seguiu até em casa. — Você vai me dizer o que aconteceu ou você vai quebrar a porra da casa um pouco mais? — eu passei por ele no meu caminho para a garagem. Eu precisava da minha moto e abastecimento. O tipo de abastecimento que exigia balas. — Nada que um corpo de merda em um saco de corpo não

pudesse consertar. Uma algema ainda estava presa em mim, do outro lado estava aberta e pendurada em meu pulso, a guarra manchada de sangue do falso policial. Assim que aquele filho da puta estava morto e o carro

~9~


bateu contra a árvore, eu me puxei para o banco da frente. Obrigado idiota do caralho, as chaves das algemas estavam ainda nos fodidos bolsos. — Tô vendo, — disse Bear. — Onde diabo está Doe? — havia um tom de proteção em sua voz que me fez sentir ódio do jeito errado, mas eu lidaria com isso mais tarde. Depois que eu tivesse a minha garota de volta. — O bom senador me fodeu. Não trouxe Max. E a última vez que

eu vi pequena, ela estava chutando e gritando quando eu estava sendo levado embora por um cara contratado para me matar. — a imagem dela lutando, o aperto do senador, me fez ver vermelho. — Faça algumas chamadas, — eu pedi. — Descubra onde ele poderia ter levado ela.

— Porra. — disse Bear. Em vez de pegar seu telefone, ele se

inclinou e descansou as mãos sobre os joelhos.

— Que porra é essa agora?

Bear beliscou a ponte de seu nariz. — Havia uma razão pela qual eu voltei aqui, cara, aém de chutar o seu traseiro para a sua merda com Doe. Estou pensando que antes de resolver este problema com uma saraivada de balas, você provavelmente deve saber que não poderia ter sido o senador que estava tentando te matar, — disse ele, se levantando em linha reta e se inclinando contra a parede onde ele acendeu um cigarro. — Que porra isso quer dizer? Ele era o único que tinha o cara que

me prendeu. É claro que era ele. — Bear balançou a cabeça. — Ele é um problema, mas ele não é o nosso único problema. Rage ligou há vinte minutos e como você sabe, o filho da puta têm olhos e ouvidos em todos os lugares. A palavra é que a merda que desceu com Isaac ainda não acabou. Longe disso. — ele passou a mão pelo cabelo e as cinzas do cigarro cairam no tapete. — Eu fiz a cabeça desse filho da puta explodir. Parece bom o bastante para mim, — eu argumentei.

~ 10 ~


— Não, não Isaac. Ele é comida de verme, mas alguém que está muito puto com Isaac por não ser capaz de continuar a vender sua merda na Flórida por causa dele estar morto. Alguém que não tem medo de matar famílias inteiras para chegar às pessoas que o desafiaram. Eu endureci, sabendo exatamente o que ele estava falando. — Eli. — Sim, cara, — Bear confirmou. — E se eu fosse um homem de apostas, eu colocaria meu dinheiro que é Eli querendo acabar com você ao invés do querido papai. Eli Mitchell era com quem Isaac tinha infiltrado seu dinheiro da droga. Bem, ele fazia até que eu, Preppy e Bear matarmos ele e a maioria da sua gangue. Com seus óculos escuros de aros grossos e sua baixa estatura, ninguém nunca pensaria que o cara era capaz de metade da merda que ele faz em uma base diária. Quando você quer tirar um coelho de um buraco, você joga uma bomba de fumaça. A versão de Eli de uma bomba de fumaça era matar qualquer um que você já amou até que você aparecesse e ele poderia finalmente te matar também. — A informação que tenho diz que Eli ainda está em Miami, mas ele está fazendo um movimento e logo. O MC está em bloqueio1, com medo de retalhiação. Pops está chateado como um inferno. — Primeiro Isaac e agora a porra do Eli, — eu disse. — Não é possível ter uma folga do caralho. Às vezes eu penso que seria melhor ter ficado preso. — Eu também me sinto assim, cara. Isto não é apenas mais uma merda do clube. Isto é a merda de um cartel. Maior, mais malígno... mais mortal, — disse Bear. — E eu não posso colocar Grace em bloqueio. Sei que ela é mais que uma mãe para você do que a idiota da sua mãe sempre foi, mas Pop está todo cheio de cuidado recentemente. Ele não quer ninguém no MC trazendo civis para o clube, especialmente durante o bloqueio, mas precisamos encontrar um lugar seguro para ela ficar por um tempo. — Bear olhou para mim e, enquanto falava, percebi o que ele estava tentando me dizer. — Eu não tenho ninguém perto o suficiente para me ameassarem e mandarem matar, que não está no MC, mas você com certeza como a merda têm. Pup. Bloqueio é quando o MC se tranca, literalmente, os membros e suas famílias em um lugar seguro para se resguardar de alguma ameaça ao clube. 1

~ 11 ~


— Porra! — eu gritei, percebendo que eu não podia levar ela para casa. Me virei e dei um soco na parede, fazendo um buraco claro através do drywall2 para o estuque de cimento do lado de fora da casa. Dor subiu nos ossos do meu braço em todo o caminho para o meu ombro, mas a dor era um sentimento melhor do que o sentimento que se encontra logo abaixo disso. O sentimento de fracasso. — É minha culpa que Preppy está morto. Nunca deveria ter o deixado começar a merda da Granny Growhouse3. Deveria ter... — eu corri minha mão sobre meu cabelo. Havia muito na lista. Felicidade, tristeza e arrependimento preenchendo cada polegada de espaço dentro dos últimos meses da minha vida. Havia tanta coisa que eu iria voltar atrás e mudar se pudesse. Eu pensei que tudo o que estava faltando na minha vida fosse Max. Mas agora era Max, Pequena... Preppy. E não importava o que eu fizesse, quem eu matasse, Preppy nunca mais voltaria. — Qual é o plano, cara? — perguntou Bear. — Nós vamos chegar até ele antes que ele possa chegar até nós... esta noite, — eu disse, estalando os nós dos dedos. O tempo para piedade tinha acabado. Eu tinha mais pessoas para matar. — Arriscado, cara. — Talvez, mas eu tenho que descobrir onde pequena está em primeiro lugar. Eu posso não ser capaz de tirá-la de lá, mas eu tenho que chegar até ela e lhe dizer o que está acontecendo. Bear assentiu. — Eu posso descobrir onde ela está. Levar uma mensagem a ela, — ele ofereceu. Eu balancei minha cabeça. — Não, esta mensagem precisa ser entregue pessoalmente. É a única maneira que ela vai me ouvir. — Eu posso entender isso, porque se eu fosse ela, eu iria querer cortar a porra de suas bolas, — disse Bear. Lancei um olhar para o lembar que ele estava pisando perto do limite do resquício da minha paciência. — Eu vou descobrir onde ela está, — Bear murmurou, puxando seu telefone do bolso. Ele apagou o cigarro no cinzeiro do parapeito da janela e acendeu outro. — Toda essa merda é fodido pra caralho, cara. Você tem um ferimento na cabeça ou algo assim?

Drywall é uma parede de gesso e madeira. Substitui a alvenaria. Granny Growhouse: Senhoras acima de qualquer suspeitas, que plantam maconha em casa para os fornecedores. 2 3

~ 12 ~


Eu dei um passo para o deck e me inclinei sobre o corrimão, respirando o ar salgado da noite. — Sim, de fato, eu tenho. Eu sofro da mesma condição que pequena faz. — E o que é isso? — perguntou Bear, me seguindo e se inclinando contra a grade. — Nós dois esquecemos quem diabos éramos. Bear discou alguns números; eu podia ouvir o toque através do alto-falante enquanto o segurava em seu ouvido. — Você lembra agora? — Sim, eu estou lembrando agora. — E quem exatamente você é? —erguntou Bear. — Eu sou o fodido bad guy.

~ 13 ~


Capítulo dois DOE Choque. Boca escancarada. Esmagada. Atordoada.

Não

consegui

encontrar

as

palavras.

Mas choque foi à palavra que melhor descrevia como eu me sentia naquele carro. Eu tinha um milhão de perguntas e não poderia encontrar a minha voz para pedir uma única resposta. E eu certamente não poderia me fazer ficar calma com os dois homens que se chamavam de minha família. Eles eram apenas estranhos, que, quando eu disse que não iria com eles de bom grado, trouxeram a grande arma. Um menino pequeno com cachos loiros e olhos azuis gelados que combinavam com os meus. Um menino que tinha me chamado de mamãe. Minha vida desde que acordei sem a minha memória tem sido um evento de várias formas inacreditáveis e nós monstruosos e fodidos. Toda vez que eu fui estúpida o suficiente para pensar que eu poderia o desembaraçar, o nó apenas ficava mais apertado, até que consumiu todo espaço disponível em torno de mim, se envolvendo em torno do potencial de nada de bom pelo resultado de eu ainda estar viva. Estrangulando isso até a morte. Foi fodido eles trazerem o menino. Foi só por causa dele que eu me sentei em silêncio, atordoada, incapaz de fazer as minhas habituais milhões de perguntas. Muito medo de o assustar ou dizer a coisa errada e o traumatizar para a vida. O silêncio naquele carro era ensurdecedor; tão quieto que eu tenho certeza que se você escutasse perto o suficiente, você poderia realmente ouvir o meu estado de choque. O som dos pneus girando

~ 14 ~


contra o asfalto, pois estávamos acelerando para a estrada, era um alívio bem-vindo. O homem que dizia ser meu pai estava sentado no banco do passageiro da frente. Tudo nele era rígido e duro como pedra. Seu terno não tinha uma única ruga ou mancha de suor e apesar do calor e umidade, ele manteve o paletó. Eu estava começando a pensar que o terno era sua própria entidade viva. Era também extremamente perfeito. Eu não ficaria surpresa se houvesse uma pequena vida alienígena em suas mangas, controlando o ser senador/terno. Um celular vibrou no banco da frente. — PRICE. — o senador latiu no receptor. Depois de alguns segundos resmungando para o telefone, ele avançou e apertou um botão, fechando a janela entre nós, separando o banco da frente da parte de trás. Me sentei na parte de trás de um lado do banco, junto ao comprimento do corpo de uma criança pequena e longe do garoto que se apresentou como Tanner. Meu namorado? Não, namorado DELA. — Você sabe... — disse Tanner para mim em um sussurro, um olhar malicioso em seus olhos castanhos. — ... ele é a própria razão pela qual eles pararam atender ao telefone já xingando. — forcei um pequeno sorriso e Tanner voltou a olhar para fora da janela. Pela maioria do tempo que durou o percurso de uma hora, quando eu sabia que ele não estava olhando, eu olhei para o perfil de Tanner e desejei que meu cérebro quebrado pudesse lembrar e percorrer em seu caderno de memórias perdidas, na esperança de localizar o cartão que listava Tanner e o que meus sentimentos significavam para ele. Tanner tinha boa aparência, tipo comercial de pasta de dental, limpo, fresco e em forma. Mas tudo que eu ficava pensando quando eu o olhava era que ele parecia... agradável. E mesmo que ele tivesse a minha idade, ele ainda era apenas um garoto. O que era uma palavra que eu nunca poderia usar para descrever... ele. Eu não poderia pensar sobre ele ainda. Eu não queria. Foi tudo muito rápido para processar. A traição de King, sua prisão. Eu não poderia entender. Mas quando eu olhei para Tanner outra vez, eu não ~ 15 ~


poderia deixar de fazer uma comparação. Onde Tanner tinha a pele limpa e clara, alto e magro como se seu corpo fosse construído por voltas de natação em uma piscina, King era bronzeado e tatuado e com um temporal constante em seus olhos. Seu corpo musculoso parecia como se fosse construído por lutar com o próprio diabo. Quando eu não estava olhando para Tanner, eu sabia que ele estava olhando para mim, porque eu senti seu olhar queimando um buraco em meu rosto. Mas cada vez que eu virava minha cabeça em seu caminho, ele desviava os olhos e fingia estar interessado em algo fora da janela. E depois havia o menino. O fato de que eu poderia ser uma mãe era completamente ridículo. Inacreditável na melhor das hipóteses. Mas por incrível que pareça, ele era a única coisa nesse carro que eu tinha alguma certeza. Meu pai, meu namorado, meu filho. O carro foi preenchido com a minha suposta família, e ainda, com a exceção do pequeno menino, cada fibra do meu ser foi me dizendo que minha família estava ficando cada vez mais longe a cada milha que nós nos afastávamos. KING. Talvez fosse tudo uma mentira. Cada centímetro dele. King me disse que me amava. Talvez isso fosse uma mentira também. Eu não sabia no que poderia acreditar. Não finja estar apenas viva. Viva. Ele me falou. Então eu vivi. E eu amei. A raiva que eu estava sentindo em direção a King por ter mentido para mim tinha caído temporariamente no segundo que eu vi o olhar de decepção cruzar sobre o seu rosto quando ele percebeu que Max não estava naquele carro. E então, quando o detetive o colocou em algemas, tudo o que eu sentia era me cegando de raiva.

~ 16 ~


Eu queria lutar por ele. Eu queria ser a única a lhe dar sua filha de volta. Eu queria lhe dar tudo ao meu alcance, mas tudo que eu podia fazer era assistir a cena horrível que se desenrolou em minha frente, paralisada nos braços do senador quando eles levaram King para longe. Minhas entranhas se sentiram como se estivessem sendo espremidas até a morte quando King foi empurrado no carro do detetive e levado de volta para uma cela sem janelas em algum lugar. Eu quis dizer isso quando eu disse ao senador que King tinha me salvado. E eu não quis dizer às vezes que ele me salvou de Ed ou mesmo de Isaac. Eu quis dizer quando ele me salvou de mim mesma. Eu nunca esperava me apaixonar por King. Meu captor, meu torturador, meu amante, meu amigo, meu mundo. Mas eu fiz. O menino no meu colo se agitou, suas pequenas respirações aquecendo minha pele através da minha camisa onde o seu nariz foi pressionado firmemente contra o meu estômago. Eu tinha perguntas. Tantas perguntas que minha cabeça estava doendo mais do que quando Nikki tinha atirado em mim. Eu queria gritar rapidamente como rodadas de uma metralhadora, mas eu não queria assustar o garoto gordinho desmaiado de sono, cujos cílios tocavam seu rosto enquanto ele dormia. Corri meus dedos pelo cabelo encaracolado e macio e ele suspirou com contentamento sonolento. — Eu não posso acreditar que é você, Ray. Eu pensei que nunca iria te ver novamente e aqui está você, sentada ao meu lado. Você se lembra de mim ainda? Ou ele? Ou alguma coisa? — perguntou Tanner timidamente. Meus olhos dispararam para cima para encontrar a única coisa que eu me lembrava de minha vida passada; o belo castanho colorido de seus olhos do meu sonho. Eu balancei minha cabeça. — Apenas seus olhos. Sonhei com eles. Uma vez, — eu admiti. — Então você sonhou comigo hein? — Tanner sacudiu as sobrancelhas sugestivamente. Ele cutucou meu ombro com o cotovelo e eu me mudei para longe do contato familiar. — Desculpe, — disse ele quando me viu endurecer. — Hábito. — Está tudo bem, — eu ofereci, embora eu não tivesse certeza se ele realmente estava bem. — Eu preciso te perguntar sobre ele, embora. ~ 17 ~


Tanner olhou carinhosamente para o garoto. — Pergunte tudo. — Quero dizer, quantos anos ele tem? Você disse que eu tenho dezoito anos. Quando tudo isso aconteceu? Como? — Como? — Tanner riu nervosamente. — Bem, Ray, quando um homem e uma mulher se amam... — ele parou quando viu que eu não estava sorrindo. — Desculpe. Eu estou tão acostumado a brincar com você. Você é meio a única que recebe minhas piadas, ou, pelo menos, que costumava fazer. — Tanner passou a mão pelos seus cachos e suspirou. Ele puxou a costura no assento de couro. O carro puxou para uma parada na frente de uma grande casa de três andares, com estuque rosa brilhante. Colunas altas forravam a varanda da frente que estava cheia de flamingos de plástico rosa e gnomos de jardim em vários tamanhos. A longa entrada foi cortada em linhas que imitavam os flamingos e também foi pintada com o mesmo tom de rosa berrante. O gramado estava coberto com mais flamingos de plástico. Fontes de concreto, pelo menos, trinta, todas em diferentes estilos se espalharam ao redor do pátio. — Dê ele para mim, — disse Tanner, abrindo a porta. Ele pegou o garotinho do meu colo e meu coração apertou. — Espere, onde você está indo? — perguntei de repente me sentindo em pânico. — Ele teve um longo dia. Ele costumava passar quase todas as noites em sua casa, mas ele está ficando comigo desde que você se foi. — disse Tanner. E embora eu não me lembrasse do menino que estava na minha frente, me senti desapontada que ele não estava vindo comigo. Tanner deve ter percebido meu desapontamento, porque ele acrescentou: — Mas eu prometo, eu vou passar por aqui em breve. Vá e se estabeleça, em seguida, vamos falar mais sobre tudo. O senador saiu do banco do passageiro. — Espere! — gritei. Tanner se virou. — Qual é o nome dele? — eu apontei para o menino, cujo rosto estava pressionado contra o ombro de Tanner e apesar de ter sido empurrado ao redor um pouco, ele permaneceu em sono profundo. Tanner sorriu. — Samuel. Meu coração caiu do meu peito. Samuel.

~ 18 ~


O nome de Preppy era Samuel. — Mas nós o chamamos de Sammy, — disse Tanner. — Tanner, — o senador disse, com desdém. Ele tomou o assento ao meu lado na parte de trás. Instantaneamente o desprezo que havia sido temporariamente colocado em banho-maria por causa de Sammy estava de volta com vingança e quando nós voltamos para a estrada, lancei minhas perguntas. — Por que você quer King preso? — perguntei incapaz de esconder a amargura na minha voz. — Ele me salvou. Me deu um lugar para ficar. Antes dele, eu estava vivendo nas ruas, lutando para encontrar proteção, ou comida. Minha única amiga era uma prostituta sem-teto que pensou que foi a única que teve pena de mim! O senador não vacilou ao ouvir o meu conto de aflição, nem parecia afetado de alguma forma. Em vez disso, ele ajustou uma abotoadura e fechou seu telefone. — Brantley King é um criminoso, um vigarista e um assassino, — ele afirmou, sem olhar para cima. — Seja qual for o relacionamento que você parece pensar que vocês dois tinham, era uma farsa. Uma bem ruim. Eu realmente estava esperando que quando ele sugeriu que vocês dois tinham sido... íntimos, que ele só estava me atraindo, mas vejo agora que ele estava realmente falando a verdade. Aquele homem veio a mim com o único objetivo de usar você como um peão para conseguir o que queria. Nada mais. Ele se aproveitou de você, uma adolescente e tentou me enganar. Agora ele está indo para onde ele pertence e recebendo o que merece, e que seja a última vez que eu ouço sobre isso, mocinha. — Ele só queria ter sua filha de volta, — argumentei, cruzando os braços sobre o peito. Ele pode ter pensado que ele efetivamente encerrou a conversa, mas essa merda ficaria difícil. — Nós nem sempre conseguimos o que queremos, — disse o senador, sem rodeios. Suas palavras ecoaram no meu cérebro como se eu as tivesse ouvido dizer antes. — Além disso, eu não sei que tipo de poder ele parecia pensar que um senador tem. O máximo que eu poderia ter feito por ele teria sido lhe escrever uma carta de recomendação para o tribunal de família. Talvez fazer uma chamada para o juiz Fletcher se ele ainda estiver no tribunal de lá. — Então por que você fez o negócio? Me leve de volta, — eu quis saber. — Eu nem te conheço. Me leve de volta! — eu gritei, alcançando a porta, não me importando que o carro estivesse em movimento e correndo solto na estrada. Eu empurrei a alça e abri a porta o suficiente

~ 19 ~


para ver a estrada de cascalho passar. O senador se aproximou e fechou a porta abruptamente, clicando no bloqueio. — Rami, não seja ridícula. Não há nada para você voltar. E, além disso, você realmente quer deixar o seu filho? — ele perguntou, levantando uma sobrancelha. Porra. — Tanner disse que você falou para as pessoas que eu estava em Paris para que você não ficasse envergonhado pelo fato de que sua filha tinha fugido. Você não acha que, em vez de inventar mentiras, seu tempo teria sido mais bem gasto procurando por mim? — eu perguntei com minha mão ainda na porta. — Se você fosse eu, você gostaria de ficar sabendo o porquê? O senador suspirou. — Procuramos por você, Ramie. Mas nós não sabíamos a respeito de sua perca de memória. Nós apenas pensamos quando não tínhamos te encontrado que você não queria ser achada. E paramos de fazer isso. Não é só você que está descontrolada e afetada, então pense nisso antes de sair por aí atirando suas acusações para as pessoas. — King não me raptou. Eu quero que você retire as acusações. Eu não o quero de volta na prisão, — eu disse, cruzando os braços sobre o peito. O senador estreitou seu olhar — Te digo que você verá um especialista que eu tenho contatado. Faça um esforço real para assimilar de volta sua antiga vida. Tente se lembrar de algumas coisas antes de ir e jogar tudo fora para ser a primeira-dama de... Logan‟s Beach. — ele disse: Logan’s Beach como se todo o lugar deixasse um gosto ruim na boca. Eu abri minha boca para argumentar, mas ele continuou. — Se dê um mês. Um mês de esforço real para a sua recuperação. Se após esse tempo você ainda quiser voltar, eu vou retirar as acusações contra ele e ter o meu motorista a deixando na casa dele com uma carta de recomendação para o juiz do tribunal de família, que ele poderá usar pela custódia de sua filha. Esse é o negócio. — ele ajeitou a gravata. — É a única proposta que eu estou oferecendo. — Eu não confio exatamente em suas propostas. Olha o que você fez com King, — eu cuspi.

~ 20 ~


— Ramie, ele é um criminoso! Ele não tem direito de voto, pelo amor de Deus. Ele é um não cidadão, tanto quanto eu estou preocupado, e eu não faço acordos com criminosos. Você é minha filha. — ele finalmente olhou a partir de seu telefone. — Eu nunca iria te fazer uma promessa que eu não tenha a intenção de manter. Eu não confiava nele. Nem um pouco. Ele era um maldito político afinal de contas. Mas que outra escolha eu tinha? Ele estava certo; não havia realmente nada para voltar. Mas então, houve a curiosidade irritante que nunca tinha morrido em todo tempo, me lembrando de que eu queria descobrir quem realmente eu era. Como a minha vida era antes. — Ok, — eu concordei. — Mas eu tenho mais perguntas. Sobre mim, sobre meu, — o telefone do senador tocou e mais uma vez ele latiu sua saudação para o receptor, efetivamente colocando um ponto final na nossa conversa. Eu não sei exatamente que tipo de relacionamento que eu tive com meu pai, mas eu estava começando a sentir que ele não era da minha equipe de torcida ou me ajudando com minha lição de matemática. Dentro de alguns minutos depois que tínhamos deixados Tanner e Sammy, o senador anunciou: — Aqui estamos nós. — ele colocou o telefone dentro de sua jaqueta. Palmeiras reais, que tinha pelo menos 30 metros de altura, estavam alinhadas em ambos os lados da calçada. Chegamos a um ponto no centro da unidade em forma de U, em frente a uma grande varanda aberta com grades brancas ao estilo do sul. Estiquei o pescoço para ver a casa. — Você vive aqui? — Não, nós vivemos aqui, — disse o senador corrigindo. — Você, sua mãe, eu, Sammy, e a governanta, Nadine. E quando eu não estou aqui, eu estou em Tallahassee ou DC. O senador se inclinou sobre mim e abriu a porta. Ele fez sinal para eu sair do carro. Eu tinha que proteger os olhos dos raios do sol que queimavam através das folhas separadas das palmeiras. A casa não era tão grande ou palaciana como eu imaginava que a casa de um político seria. A frente era de um branco imaculado, acentuado com persianas azuis. A cadeira de balanço na varanda gritava todo charme do sul e sua idade. Uma bandeira americana acenava ao lado da porta da frente. Sinos de vento pendurados nas árvores, balançando e tocando hipnoticamente com cada toque de brisa. — Lar doce lar, — disse o senador secamente. ~ 21 ~


Não. Pode ter sido um lugar que eu tinha vivido, mas não parecia em nada como casa. Ela nem sequer tem palafitas. — Nadine vai mostrar o seu quarto, — disse o senador, acenando para a mulher de meia-idade, com pele morena e cabelo castanho escuro puxado em um coque na nuca, quando ela saiu da casa. Ela usava calça preta e uma camisa polo de manga curta branca. — Nadine sabe de sua situação. Ela pode responder a quaisquer perguntas que você possa ter. — o senador pareceu satisfeito com as suas apresentações como se ele tivesse apenas introduzido um novo homem no trabalho de sua equipe. — Você se lembra de Nadine, Ramie? — Não, eu não me lembro de ninguém, — eu recortei. O senador revirou os olhos. — Eu vejo que a sua atitude não sofreu junto com sua memória. Nadine é... bem, Nadine faz tudo. Ela tem estado conosco desde que você nasceu. Nós falaremos mais em breve. — com um breve aceno de cabeça, o senador bateu de volta no carro. Ele abriu a janela. — Apesar do que você pode estar pensando, é bom ter você em casa, Ramie. — Você está indo embora? — perguntei. — Bem desse jeito? — Eu devo voltar em poucos dias. Tenho reuniões. Sua mãe não está por perto. Ela está no SPA... de novo. Falaremos em breve. — o carro partiu. — Sr. Fodida Personalidade, — eu murmurei. Nadine riu alto, em seguida, apertou a mão sobre a boca. Ela limpou a garganta. — Bem, ele está certo sobre uma coisa, — disse ela com um leve sotaque sulista, — que a sua atitude não foi a lugar nenhum. Nadine me levou para cima e abriu a porta da frente, dando um passo de lado para que eu pudesse entrar. — Então você me conhece bem, como eu era? — Menina, eu te conheço desde que você usava fraldas. Eu te conheço melhor do que você, — disse ela com um sorriso que me fez acreditar nela. — Agora vamos, vamos conseguir algo para comer e, em seguida, eu vou deixar você se instalar em seu quarto. — eu segui Nadine como um pato bebê perdido e eu odiava isso. Eu não tinha me sentido tão impotente desde que eu tinha vivido nas ruas e eu prometi a mim mesma que eu nunca faria isso novamente. Mas lá estava eu, na

~ 22 ~


sequência de tudo: uma estranha em torno de uma casa estranha, porque eu não tinha outras opções. Não, eu tinha sido deixada com nenhuma outra opção, eu me lembrei. Claro, eu poderia ter chamado um táxi e caído fora de lá, mas havia apenas outro lugar que eu poderia ir. E ele estava vazio. Mesmo se King não estivesse em seu caminho de volta para a prisão, será que ele ainda me queria lá depois de estar totalmente preparado para me usar como troca? Será que eu ainda quero estar lá depois de tudo isso? Eu não estava preparada para pensar sobre isso ainda. Dentro da casa, os andares eram todos de madeira escura. As paredes com um lustre cinza. Era de bom gosto, mas não arrogante. Confortável e moderno. Porra, eu odiava. — Tudo muito simples para a casa de um político, não? — eu questionei. Nadine fechou a porta atrás de mim enquanto eu estrava em um pequeno hall que dobrava para um corredor e ficou ao meu redor. — Ele é um político em ascensão, — explicou ela. — Ele não vem com dinheiro de família como um monte de bons meninos neste estado. Ele era um programador de computador. Ele é pelo que acredita e está em suas promessas de campanha, não na sua conta bancária, — Nadine me informou. — E isso é raro hoje em dia. — Você fala como se gostasse dele, — eu perguntei surpresa. Ela balançou a cabeça. — Não é uma questão de gostar dele ou não gostar dele. Ele tem seus pecados. Todos nós temos. Mas o homem merece o crédito onde o crédito é devido. — ela saiu de minha frente e novamente liderou o caminho. — Certamente suas técnicas de paternidade deixam muito a desejar, mas quando se trata de política, ninguém pode argumentar que o homem não tem conseguido algumas coisas notáveis. Chegamos a um ponto no centro da casa. A cozinha, sala de jantar e sala de estar todas compartilhavam um espaço aberto, com a cozinha em um ângulo no canto mais distante. Os armários eram altos

~ 23 ~


e off-white. As bancadas de um preto brilhante. — Se sente. — Nadine apontou para uma das banquetas de encosto alto debaixo do balcão levantado. Mas eu só fiquei ali; a realização do que realmente estava acontecendo finalmente começou a ressoar. Eu sempre me perguntei como era um lar. Eu cresci em um e eu finalmente estava lá. No entanto, eu não sentia nenhuma alegria como eu imaginava que eu iria sentir. Eu ainda estava em choque. Irritada. Brava. Confusa como o inferno. Mas exaltada? Não. Nadine tirou ingredientes de diferentes armários e ligou o fogão. — Se sente, menina. Eu vou preparar alguma coisa. Você pode me perguntar o que quiser. Eu sei como você está cheia de perguntas. — ela sorriu e limpou as mãos no avental que tinha amarrado na cintura. — Bem, eu acho que isso não mudou, — disse eu, finalmente tomando um assento. — Eu tenho tido muitas perguntas ao longo dos últimos meses. Nadine quebrou um ovo em uma tigela. — Mas você mudou. Eu posso ver isso. — E eu acho que é uma coisa ruim?— eu suspirei. — Não. — ela se aproximou de mim e apoiou os cotovelos no outro lado do balcão. — Na verdade... eu acho que eu meio que gosto disso. — Como eu estou diferente agora? — perguntei. Nadine franziu os lábios. — Eu não estou cem por cento certa ainda, mas eu vou te dizer assim que eu descobrir isso e eu vou ter a certeza de que você saiba. — estendendo a mão, ela beliscou a ponta do meu nariz. Com uma piscadela, ela se voltou para o fogão, onde ela começou a misturar os ingredientes com uma colher de madeira. — Não é justo. — eu disse, saindo de um lote de piedade maior do que eu pretendia. — Todo mundo me conhece, mas todo mundo é estranho para mim. Eu sou praticamente uma estranha para mim mesma.

~ 24 ~


— Criança, eu odeio dizer isso para você, mas o seu pai de alguma forma lhe deu a impressão de que ele é o tipo paternal e fofinho? — Nadine tirou uma concha de uma gaveta. — Não, — eu respondi imediatamente. — Bem, de certa forma, vocês dois sempre foram estranhos. Então, dessa maneira, as coisas são exatamente como eram antes, — anunciou ela com um sorriso. Mordi o lábio inferior. — Eu não sei se isso é uma coisa boa ou uma coisa má. Nadine deu de ombros. — E minha mãe? Quem vai para o SPA quando sua filha está voltando para casa? — não havia como esconder a minha amargura, porque eu era amarga. Nadine fez uma careta, como se tivesse esperando que eu não fosse perguntar sobre minha mãe. Ela manteve suas atenções sobre o que ela estava misturando. — SPA é um código por aqui. Significa que ela está escondida em um hotel em algum lugar ou ela está em uma clínica de reabilitação ou em um retiro no deserto, ou seja lá o que é que ela faz para limpar seu fígado abusado. — ela passou a mão sobre a toalha em seu ombro. — Eu quero dizer. Eu só... Eu já estava sufocada sobre o que ouvi a respeito de minha mãe, assim eu cortei Nadine quando eu senti que ela estava prestes a fazer uma desculpa para o seu comportamento. — O que você está fazendo? — perguntei, me inclinando sobre os cotovelos. — Seu favorito; café da manhã para o jantar! — meu coração gaguejou quando ela pegou um pouco de massa e a derramou sobre a chapa quente. Quando ela usou uma espátula para virar o conteúdo de sua panela, eu vi Preppy em pé em seu lugar, vestindo seu avental vermelho favorito. — Panquecas, — eu sussurrei, meu coração acelerou se transformando em lembranças. Me senti de repente tonta. Estrelas dançaram na frente de meus olhos. Eu me apoiei sobre o balcão para que eu não caísse do banco. Nadine veio e pousou um prato na minha frente com três panquecas perfeitamente redondas no centro, pingando com calda. Um tablete quadrado de manteiga nadou em torno no topo completamente derretendo e caindo no prato. O cheiro doce agrediu os meus ~ 25 ~


sentidos; arrastando cada pedaço de mágoa e dor que eu senti na noite que eu vi meu amigo morrer. — Você não gosta de panquecas mais? — perguntou Nadine, interpretando mal a minha reação. Eu balancei minha cabeça. — Não é isso, — disse eu, lutando para fazer as palavras saírem da minha boca. — Então qual é o problema, menina? — perguntou Nadine, colocando a mão no meu ombro preocupada. Eu não respondi. Eu não pude. Então, quando ela me puxou para seu peito macio e embalou minha cabeça, eu não me incomodei resistindo seu abraço. Eu estava tão preocupada com o King nas semanas após a morte de Preppy que eu nunca percebi que não tinha ficado adequadamente triste por causa de meu amigo. Eu não sabia que eu estava chorando até que eu senti meus ombros tremendo. — Por que as lágrimas? — Porque, — eu consegui cuspir em um curto suspiro. — Porque por quê? — Por que... panquecas.

~ 26 ~


Capítulo três DOE Nadine me segurou até que eu me acalmei. Ela empurrou o prato como se realmente as panquecas fossem a fonte do meu pequeno episódio. Nós duas concordamos que o que eu precisava era de uma boa noite de descanso. Nadine me levou até as escadas para a porta no final do corredor. Meu quarto. Elegantes cortinas brancas, paredes azuis macias e um edredom rosa fofo. Um pequeno lustre branco com velas elétricas penduradas acima da cama, que foi alinhada com bichos de pelúcia. Olhando em volta, não pude deixar de pensar em outro pequeno quarto em outra cidade não muito longe. Um com um colchão plano, cobertor azul desbotado, mas confortável, e uma pá do ventilador de teto quebrado de quando a cabeça de Preppy bateu com ele depois de ficar pulando entusiasticamente para cima e para baixo na cama. Meu coração deu um pequeno salto. Neste quarto - meu quarto tinha um quadro de cortiça pendurado acima de uma mesa branca simples. Fixado nele estava esboços desenhados em páginas arrancadas de um caderno. Eu andava pelo quarto lentamente, correndo a mão sobre as paredes ligeiramente texturizadas, o tecido brilhante das almofadas sob a pequena janela, e, finalmente, sobre os próprios desenhos, que eram em sua maioria paisagens misturadas com alguns retratos. Eu reconheci alguns como Sammy e outro como Tanner. No centro do quadro um dos dois juntos, sentado sob uma árvore, sorrindo para frente, presumivelmente para mim. — Você adora desenhar. Seu pai teve um infarto quando você disse que queria ir para a escola de arte, — Nadine falou a partir da porta. — Tudo isso tem que ser duro para você. Sim, e por razões mais do que você pensa.

~ 27 ~


Eu senti os olhos de Nadine em mim enquanto eu caminhava ao redor do quarto, querendo que algo familiar pulasse para fora. — Eu conheço esse olhar, — disse ela. — Que olhar seria esse? — perguntei. Arrancando um esboço do quadro, fui até a janela e o ergui. O desenho da vista combinou perfeitamente; a direita para baixo da moldura da janela e os botões nas almofadas, bem como o amplo gramado e árvores de carvalho espalhados, incluindo a janela obstruída parcialmente. Nadine entrou no quarto e se sentou no canto da cama. Eu fiquei de costas e continuei comparando o desenho para a versão real. — A tristeza. Você é uma menina bonita, mas a tristeza não é boa olhada em você. — eu me virei e peguei o final do triste sorriso de Nadine. Pousei o esboço sobre a mesa. — Honestamente? Eu não sei o que pensar. — Isto pode soar estranho, especialmente desde que você não se lembra de mim, mas eu te amo como você fosse um de meus próprios filhos. E não importa o que seus amigos estavam fazendo, você sempre foi você e tinha uma boa cabeça em seus ombros. Então eu sabia que quando você desapareceu do ar, você não fugiu como eles disseram. E eu certamente não comprei a porcaria a respeito de Paris. Você simplesmente não era... esse tipo de garota. Uma explosão de risos me escapou. — Não é esse tipo de garota? Aparentemente eu sou a filha de um senador, uma mãe adolescente e estava fazendo merda suficiente para toda a minha família me descrever como uma fugitiva, assim, desculpa minha risada, mas eu não tenho nenhuma fodida ideia que tipo de garota que eu sou. — tudo saiu em um longo suspiro me deixando sentindo uma pontada de culpa no instante em que as palavras duras saíram da minha boca. Nadine se levantou da cama. — Eu vou deixar você descansar um pouco, — disse ela, alisando suas calças com a palma de suas mãos e endireitando sua camisa. — Sinto muito, — eu disse suavemente quando ela chegou à porta. — Eu também, — disse Nadine, as nossas desculpas pairando no ar entre nós. Seu comportamento ocasional uma vez se tornou profissional. Seu sorriso, fácil e genuíno de quando eu cheguei, estava

~ 28 ~


agora apertado e forçado. — Sua mãe não está se sentindo bem estes dia. Ela vai te ver amanhã quando seu pai voltar. — Onde ela está? — perguntei. — Na cama com uma enxaqueca, — disse ela, sem rodeios. — Eu estive fora por meses e, no dia que eu volto, meu pai está trabalhando e minha mãe está na cama com uma dor de cabeça? — perguntei. — Sim, — confirmou Nadine, saindo do quarto e fechando a porta. Antes que se fechasse, ela acrescentou: — Tudo está de volta ao normal. Passei a maior parte da noite examinando os esboços no quadro de cortiça. Vendo através do armário as roupas que eram do meu tamanho, mas não do meu gosto. Lotes de saias e terninhos e camisas de mangas compridas. Muito conservador. Muito caro. Eu finalmente encontrei um par de calças de moletom e uma camiseta regata amarela na parte inferior de uma das gavetas e depois que eu tomei um banho no banheiro em anexo, eu me vesti e procurei através do balcão por qualquer coisa que pudesse desencadear uma memória. Eu encontrei um iPhone rosa e tentei ligar, mas a bateria estava morta. Eu liguei o carregador de parede na mesa de cabeceira. Parei quando vislumbrei o meu reflexo no espelho de corpo inteiro. Eu levantei a minha camisa e examinei minha barriga lisa. Como na terra houve um bebê aqui? Corri minhas mãos pela minha pele lisa e estiquei o meu estômago, tanto quanto eu podia para imitar uma barriga de grávida. Era estranho me ver toda inchada, especialmente desde que eu era pele e osso antes que a comida de Preppy tivesse adicionado um pouco de carne nos meus ossos. Preppy. Meus joelhos se dobraram e eu me peguei na borda da mesa, bem antes de eu atingir o tapete. Eu ainda não queria acreditar que ele se foi. Eu continuo pensando que iria vê-lo em torno de um canto ou o ouvir gritar algo que ele iria aprontar para me fazer rir. Mas não foi apenas Preppy. De certa forma eu senti como se King havia morrido também, porque não importa o que estava por vir para mim, nada jamais seria o mesmo. Se o senador voltasse atrás em seu negócio comigo, como ele fez com King, as chances de King ser uma parte real da minha vida de novo eram quase inexistentes.

~ 29 ~


De repente, sentindo em um nível de cansaço que eu não sentia desde que dormi nos bancos dos parques, me deitei na cama, empurrando a infinidade de bichos de pelúcia no chão. Rastejando para cima em direção aos travesseiros, eu pousei no meu lado. O colchão e edredom eram fofos e suaves, mas a cama parecia vazia. É porque ele não está aqui. Apenas alguns meses atrás eu era apenas uma menina sem um lar, um nome, ou uma família. Então eu era pequena. Uma menina que vivia em Logan Beach com a família de sua escolha e uma casa que eu amava. Agora eu era Ramie Price, filha de um senador, uma mãe. Eu estava finalmente de volta de onde eu viera. Onde eu pertencia. Eu estava finalmente em casa. Caindo em um sono pesado, eu me perguntava por que este lugar que era suposto ser a minha casa, eu me senti como um nada. Parada no meio do gelo, eu dou um passo hesitante em direção à costa, a primeira rachadura que ecoa do gelo sob a minha bota pesada é ensurdecedora. Eu tenho que dar outro passo. Eu tenho que fazer isso antes que seja tarde demais, mas eu não posso mover minhas pernas. Tudo o que posso fazer é olhar fixo com descrença enquanto as rachaduras se expandem em milhões, como cobras irregulares, elas correm em todas as direções, quebrando a base fina de gelo, e eu, colido com as águas escuras e congelantes. Está tão frio. Eu vou afogar. Mais e mais profundamente eu afundo na água escura até que dois braços aparecem em cima de mim, com as mãos estendidas, me pedindo para os agarrar para que eu possa ser salva. Um braço adornado com um relógio de ouro, o outro envolvido em um cinto de couro grosso. Eu tento agarrar os dois, mas eu não posso chegar e eles, não na água mais profunda. É então que eu percebo que, para ser salva, só posso escolher um. Eu chego em direção ao braço e agarro o com cinto, mas em vez de ser levantada para fora do abismo, ele me empurra de volta para o ar

~ 30 ~


gelado como eu esperava, o braço me vira e me empurra para baixo mais e mais até que eu não tenho escolha, senão inalar a água turva. Eu desapareço no esquecimento me perguntando se realmente havia uma escolha certa, porque eu tenho um sentimento que não importa qual eu escolhesse, ambos teriam me empurrado para baixo.

~ 31 ~


Capítulo quatro DOE Tap Tap Tap Eu pensei que o que eu ainda estava ouvindo era o gelo rachando do meu sonho, mas quando ficou mais alto e mais impaciente, eu abri meus olhos e percebi que o som estava vindo da minha janela. Quando abri os olhos, percebi que a TV que eu tinha deixada ligada tinha desligado em algum momento durante a noite e eu estava envolta em escuridão, o que fez o meu medo picar em proporções épicas. E então eu ouvi o som distinto da janela deslizando lentamente. Eu congelei, não tendo nenhuma ideia de onde poderia haver algo que eu pudesse me defender e não queria trazer mais atenção a minha localização. A única coisa que eu podia fazer era agarrar meu edredom no meu peito, e esperar. A sombra inevitável aparece através da janela, uma perna longa após a outra. Avistei um globo de neve em cima da mesa e estava prestes a fazer a minha jogada para o agarrar e o lançar para o intruso quando a sombra começou a andar em direção a minha cama. Então, para minha surpresa, quando a sombra se aproximou da cama, meu pânico diminuiu. Havia apenas uma pessoa cuja presença poderia aquietar minha alma e meu forte medo do escuro. King. Minha raiva em relação a ele, que eu tinha suprimido todo o dia, foi apenas um pensamento na parte de trás da minha mente enquanto eu pulava da cama. Mas, assim quando eu estava prestes a pular em seus braços, uma nuvem rolou para longe da lua, a luz irradiando para o meu quarto como um holofote, introduzindo o meu visitante. Tanner.

~ 32 ~


Eu parei abruptamente e quando eu percebi que ainda estava segurando meus braços abertos no ar, eu os abaixei e sem jeito coloquei meu pulso nas minhas costas. — O que você está fazendo aqui? — perguntei, sem fôlego. — Eu lhe disse que estava vindo falar com você, — respondeu Tanner. — E quem você pensou que eu era? Eu balancei a cabeça e acenei minha mão com desdém. — Oh, ninguém, você só me surpreendeu quando você entrou pela janela. — eu menti. — Onde está Sammy? Tanner me deu um olhar que dizia que ele não estava comprando a minha resposta, mas felizmente ele ignorou de qualquer maneira. — Minha mãe está cuidando dele. — Oh, — eu disse. Torcendo ao redor em minha cintura, evitando olhar Tanner nos olhos. — Eu sinto muito que eu te surpreendi. E honestamente, eu nem sequer pensei em vir através de sua porta da frente em vez da janela, porque a menos que eu tenha Sammy, isto é apenas como eu sempre entrei... — Tanner parou e fechou os olhos com força. Ele balançou a cabeça e se moveu para a cama. Ele me lançou um olhar hesitante e eu assenti. Sentando em apenas uma pequena porção do canto da cama, ele não estava realmente sentado, mais como se apoiando. — Eu continuo esquecendo que você não se lembre de nada disso. — ele apontou para si mesmo e depois para mim. — Você não tem que explicar nada para mim, — eu disse. Mas, apesar de meu protesto, Tanner tentou explicar de qualquer maneira. — Seu pai. Ele é um idiota, sempre foi. Mas você já deve ter percebido isso. Ele apenas levemente me tolera por causa do sobrenome da minha família. Meu pai é a quarta geração da Redmond Shoes C.E.O e, embora o senador venha tentando te convencer a se livrar de mim desde que usávamos fraldas, depois que tivemos Sammy eu acho que ele finalmente chegou a um acordo com o fato de que eu não ia a lugar nenhum. Mas não importa o quanto ele gosta do meu nome, eu ainda sou o cara que engravidou a sua filha adolescente. Assim, mesmo que nós compartilhamos um filho, eu ainda estou subindo aquela árvore maldita e me esgueirando por sua janela como eu venho fazendo desde que aprendi a subir em árvores, porque o seu pai desaprovador gosta de pensar que tem o controle sobre tudo o que acontece em sua casa. —

~ 33 ~


Tanner me deu um sorriso que brilhava a luz do luar. — Então eu estar aqui, como agora, é... desaprovador. — Desaprovador? — perguntei. A frase soou fora do lugar sendo falado por alguém da minha idade. — As palavras de seu pai, não minhas, — ele admitiu. — E você sabe o que quero dizer, Ray. Não seja uma espertinha, — disse Tanner, brincando. Me sentei ao pé da cama. — Eu tenho tanto para te perguntar, minha cabeça tem mais perguntas do que respostas, mas eu não tenho a menor ideia por onde devo começar, — eu admiti. Tanner me cutucou com o cotovelo dele. — Bem, eu tenho algumas perguntas... se você não se importa, — disse Tanner. — Então, sobre nós, uma pergunta de cada vez. Mas você tem que prometer responder honestamente. Nós nunca mentimos um para o outro e eu não estou prestes a começar agora. — Ok, — eu concordei. — Você começa... — disse Tanner. — O que você quer saber primeiro? Havia uma coisa que eu precisava saber primeiro. — Eu quero saber sobre nós, sobre Samuel. Sammy. — eu estava um pouco em choque antes de lhe perguntar sobre isso. Tanner bateu as mãos sobre os joelhos. — Então vou começar do início, — disse ele em algum tipo de sotaque estranho. Eu levantei uma sobrancelha, não tenho certeza de como reagir a sua marca de humor. Ele olhou para o tapete e continuou. — Você e eu estamos juntos desde que éramos pequenos. Se você pegar o atalho, que é apenas uma caminhada de cinco minutos entre as nossas casas. Nossas mães eram próximas antes da sua decidir que vodka é um amigo melhor do que as pessoas. Fomos em todas as classes juntos enquanto crescíamos. Nós costumávamos fingir que nos casamos em nosso forte quando éramos pequenos. Outra de nossas amigas fingiam ser o reverendo. Ela até mesmo cortou uma das camisas Hugo Boss do pai dela para fazer suas „vestes sagradas‟ e ficou de castigo por uma semana, e depois que seus pais disseram aos nossos, ficamos os três sem nos ver pelo verão inteiro. — Tanner riu nervosamente. Ele descansou o queixo sobre a palma de sua mão e suspirou. — É uma sensação muito estranha tentar nos explicar para você.

~ 34 ~


— Posso te assegurar que ouvir isso é provavelmente mais estranho, — eu admiti. Tanner lutou para iniciar novamente, mas ele respirou fundo e continuou. — Nós estávamos com quinze anos quando Samuel... aconteceu. Nós tínhamos originalmente planejado esperar para fazer... para fazer... as coisas fisicamente, até que aconteceu. — ele parecia aflito quanto bateu o tênis no chão. — Mas então eu fiquei doente. Doente de verdade. — ele se virou para mim. — Leucemia. Eu não sabia como reagir sob as circunstâncias, então lhe dei um pequeno sorriso e disse: — Eu sinto muito. Ele apertou os lábios e continuou. — No dia em que me disseram que eu nunca poderia ver a nossa formatura, nós mudamos nossos planos. Nós éramos jovens e estúpidos, mas nós dissemos nosso próprio faz de conta e prometemos um ao outro aqui neste quarto. — mesmo que a história que ele estava dizendo estava puxando cordas do meu coração, eu me senti removida disso. Como se não fosse parte de mim. Tanner coçou a cabeça e olhou novamente pela janela aberta. — Eu prometi para sempre esmagar Cheetos em seus sanduíches e você prometeu que não ia me esquecer quando eu morresse. E então nós... — ele parou desajeitadamente, mas se recuperou rapidamente, — ...e então nós fizemos Samuel. — ele sorriu de novo, desta vez um grande sorriso orgulhoso que me disse que ele estava realmente feliz com o que tinha feito. E que nós tínhamos feito. — Esta noite estou realmente esperando que você vá se lembrar um dia, porque eu podia esta à porta da morte, mas foi de longe a melhor noite da minha vida, — concluiu Tanner. Ele cruzou as mãos no colo e com o queixo ao peito, ele olhou para mim, esperando minha resposta. Sem saber o que dizer eu disse, a primeira coisa que me veio à mente, — A coisa do Cheetos eu continuo a fazer, — eu admiti. Tanner me ofereceu um pequeno sorriso e ainda uma menor risada. O peso emocional do que parecia ser a parte mais importante da nossa história juntos, obviamente pesou sobre ele fortemente. — Você ainda está doente? — perguntei. Ele balançou a cabeça. — Não. Para desgosto de seu pai, eu sobrevivi. Pouco depois de descobrimos que você estava grávida, eu fui

~ 35 ~


aceito em um programa de tratamento experimental em Colorado. Até o momento que Sammy nasceu eu estava de volta para casa e ficando melhor a cada dia. Eu ainda tenho que tomar algumas pílulas, aqui e ali, mas o câncer se foi e agora eles acham que eu vou viver para sempre, como um vampiro, ou melhor ainda, como um mutante, — disse ele, cruzando os olhos e apontando a sua língua . Mordi o lábio, perguntando se eu deveria mesmo tentar lhe fazer a pergunta na ponta da minha língua. — Você acha que eu posso vêlo? Sammy? Talvez passar algum tempo com ele? — perguntei. — Pode me ajudar a lembrar de mais, — acrescentei, esperando que ajudasse a Tanner dizer sim. Ele acenou com a mão no ar como se a minha pergunta era ridícula. — É claro, Ray. Você é a mãe dele. Você não precisa nem perguntar. — Tanner pegou minha mão, mas da mesma forma que estava prestes a apertar a minha, ele hesitou, antes de a retirar completamente e a apoiar em seu joelho. — Agora eu posso te fazer uma pergunta? — perguntou Tanner. — Sim, é a sua vez, — eu disse. Tanner mastigou a ponta de sua boca. — Você e o cara com as tatuagens. Você estava vivendo com ele, certo? E então, quando nós viemos para você, vocês estavam discutindo, como se vocês dois estivessem... — a voz de Tanner sumiu. Eu não queria que ele se sentisse estranho, então, em vez de forçá-lo a fazer a pergunta difícil, eu ofereci a resposta. — King. Seu nome é Brantley King, — dizer o seu nome me fez sentir como se eu pudesse ainda respirar e ao mesmo tempo, roubar o vento de meus pulmões. Mas isso era King; uma contradição em todos os sentidos. Tanner apoiou os cotovelos sobre as coxas e colocou seu rosto em suas mãos. — Isso é tão difícil de te perguntar, Ray, mas eu sinto que eu só preciso saber. Não, eu tenho que saber, — ele gemeu. — Vocês, quero dizer, vocês já...? Eu só queria acabar logo com isso. Puxando como um BandAid. — Sim. — afinal, eu lhe prometi honestidade, não igualdade. — Oh meu Deus. Eu acho que eu vou vomitar, — Tanner deixou escapar, pulando da cama.

~ 36 ~


— Você disse que queria que eu fosse honesta! — exclamei, pulando para cima também. — E não olhe para mim como se eu tivesse te traído. Eu nem sabia que havia um você para trair! Tanner mudou de pé para pé. — Eu sei, eu sei o que eu disse. Mas eu não esperava que a sua resposta fosse quebrar meu coração! — Tanner sussurrou e gritou. — E eu sei que não é como se você tivesse me traído porque a Ray que eu conheço nunca teria feito sexo com um cara estranho que ela acabou de conhecer. — Tanner andava pelo quarto. Ele não estava falando de propósito, ele estava apenas chateado, mas foi o tom crítico em sua voz que ralou em meus nervos e me arrependi da minha promessa de honestidade. — Olha só amigo, eu não sei quem é você ou essa Ray que você diz. Meu nome não é Ray, eles me chamavam de Doe. Como em Jane Doe. Como se alguém soubesse quem diabos eu era. Então, se você quiser falar sobre ficar com raiva e injustiça, ok, então entre na filha por essa merda! — gritei. Tanner agarrou seus braços em torno de seu estômago como se eu o tivesse agredido fisicamente no intestino. — Eu procurei por você, você sabe. Passei dias, semanas, meses. Eu nunca tinha perdido a esperança. — sua voz era tão baixa que eu mal o ouvi. Ele balançou a cabeça. — Mas você está certa, eu realmente não sei o que você passou. — Isso não vai nos levar a lugar nenhum, — eu disse. Eu caí para trás no colchão e rolei para o meu estômago, gritando minhas frustrações no meu edredom. Quando eu rolei de volta, a mandíbula de Tanner estava no chão. — O quê? — eu perguntei, olhando para o meu corpo para me certificar de que estava devidamente vestida. Tudo estava no lugar. Me Levantei, verificando novamente. Nada. Tanner gaguejou. — Se... se... seus... ombros. S... suas c... costas. Você tem uma tatuagem... — disse ele em descrença, capaz de terminar a frase. — Ok? E daí? — perguntei, cruzando os braços sobre o peito e descansando minha mão sobre o lugar onde King tinha me marcado, me sentindo defensiva e pronta para brigar. Tanner empalideceu. — É o nome dele. Você tem uma enorme tatuagem em suas costas, do nome dele, — repetiu ele. Não foi tanto

~ 37 ~


uma afirmação, mas uma acusação. Eu não sei como lhe explicar que a minha tatuagem não era o nome de ninguém, mas estava escuro no meu quarto e a obra era complicada, então teria sido fácil confundir com outra coisa. Eu respirei fundo e tentei lembrar que Tanner estava passando por algo que era difícil para eu entender, como eu estava passando por algo que era difícil para ele entender. — Eu não quero te ferir, Tanner. Mas eu não preciso de me defender com você também. — Eu não sei aonde vamos a partir daqui. Para onde eu vou. — ele passou a mão sobre a boca aberta e, em seguida, sua mandíbula. — Você esteve com outra pessoa. — Não é como se eu o quisesse. Você sabe, eu tinha toda essa ideia de que eu iria me preservar, me manter limpa ou pura ou algo assim, para a pessoa que eu era antes que perdeu a memória. Por esta pessoa, Ray. Mas o tempo passou e King e eu, nós estávamos juntos. E depois de um tempo eu estava tão cansada de lutar contra ele. Cansada de colocar a vida que eu poderia ter em espera por uma vida que eu não sabia nada. Então eu o deixei entrar. Eu deixei ele me tatuar. Deixei que ele me amasse... — as palavras trouxeram de volta memórias que causaram lágrimas a formigar na parte de trás dos meus olhos. — Eu não me arrependo embora. Nada disso. Eu não vou. E não importa o que você diz, porque você não pode me fazer sentir culpada. — Jesus Cristo, Ray. Ele é como um adulto e você é apenas uma adolescente! Além disso, você é a única garota com quem eu já estive, e a última vez que fizemos sexo foi quando tínhamos quinze anos! E você está aqui de pé, me dizendo que você o deixou... — ele deu um passo em direção à janela e se inclinou, apoiando as mãos para apoio. — Você o deixou tocar em você... — ele terminou em um tom de voz muito mais calmo do que ele tinha começado. Um nó se formou na minha garganta. — Sim. — eu disse, lutando contra as lágrimas. — Não se atreva a me julgar. Eu posso ser solidária com você porque eu sei como se sente ao ser confundido e oprimido, mas isso não muda o fato de que eu não conheço você. — eu olhei para baixo e ele segurou o ar. Eu não estava disposta a deixar que ele ou qualquer um me dissesse que o que King e eu tivemos foi de alguma forma errado. Tanner jogou as mãos no ar. — Bem, o que isso faz de nós dois? A Ray que eu conhecia nunca levantou a voz, não gritava, nem xingava. Você pode parecer como ela, mas você é apenas uma

~ 38 ~


impostora. — suas palavras me deram um tapa no rosto. Eu podia sentir a picada tão real como se ele tivesse usado sua mão. — Talvez você não devesse ter voltado afinal de contas. — ele disse, o canto do lábio se transformando em desgosto. — Saia, — eu exigi, batendo o pé no chão e apontando para a janela que ele tinha usado para entrar. — Agora. Tanner subiu na janela e tinha uma perna pendurada fora da borda, quando ele hesitou por um momento. Lentamente, ele se virou para mim, os olhos lacrimejantes brilhando. — Sinto muito. Eu realmente sinto. Eu só... Eu ainda amo você, Ray, — disse Tanner suavemente. Eu ainda estava em modo de defesa, mas eu percebi que a única razão que Tanner estava batendo em mim era porque ele realmente teve o coração partido. Eu não o podia deixar sair sem lhe dar alguma coisa. — Eu não posso te dizer o mesmo, mas eu sei que eu senti alguma coisa para você, antes de tudo isso. É a única razão que eu posso pensar que seus olhos eram a única coisa que eu reconhecia em tudo isso. Isso tem que significar algo, certo? — eu ofereci. Tanner sorriu um sorriso triste que não alcançou seus olhos. — Eu ainda os desenhei uma vez, — eu acrescentei, esperando que um pouco de informação pudesse lhe trazer algum tipo de conforto. — Você o ama? — ele perguntou com tristeza em sua voz. — Me diga a verdade, Ray. Eu posso lidar com isso. — eu não acreditei por um segundo. Eu procurei meu cérebro e meu coração para a resposta, que apesar de todas as besteiras, todas as mentiras, todo o mal-entendido, eu nunca duvidei. — Sim, — respondi simplesmente. Tanner se encolheu. Ele se virou e pulou da janela para um galho de árvore nas proximidades. Até o momento que eu caminhei até a borda, ele estava no chão tirando as folhas de suas calças. Ele olhou de volta para minha janela. — Mesmo ele sabendo quem você era, e não ter dito? Mesmo que ele te usou a fim de obter sua própria filha de volta? Você ainda o ama apesar de tudo isso? — ele gritou sua pergunta. Eu tentei explicar meus sentimentos complicados para ele o melhor que pude, — Você pode estar chateado e ainda amar alguém, ao mesmo tempo, — eu disse.

~ 39 ~


Tanner atravessou o gramado, mas antes que ele desaparecesse nas sombras escuras eu o ouvi murmurar, — Eu posso entender.

~ 40 ~


Capítulo cinco DOE Passei os próximos três dias em meu quarto, sozinha. Apenas saia da cama para um banho rápido e mudar de roupa. Mas eu não dormia. Eu não conseguia dormir com exceção de um cochilo aqui e lá quando meu corpo argumentou que estava cansado, enquanto o resto de mim estava em alerta máximo. Era meia-noite quando eu acordei de um cochilo e me encontrei na escuridão. O pânico começou a entrar. Eu tentei tomar uma respiração profunda, mas eu não conseguia puxar o ar. Eu me atrapalhei com o controle remoto, mas quando eu o peguei e apertei todos os botões nele, nada aconteceu. Disposta a continuar procurando por uma fonte de luz, eu procurei em volta na parede ao lado da cama por um interruptor, mas não consegui encontrar um. Finalmente, eu corri para a janela e empurrei as cortinas, esperando que a luz da lua fosse o suficiente para me permitir recuperar o fôlego por um segundo. Não tive essa sorte. Nuvens de tempestade pairavam no ar e retumbante através do céu, vibrando o chão debaixo dos meus pés. Tudo o que eu conseguia pensar era que eu ia morrer de puro pânico. Me agachei no chão e passei meus braços em volta dos meus joelhos. Meu peito estava tão apertado. O quarto girou em torno de mim, os livros na prateleira misturados em uma linha. Foi então que eu finalmente percebi uma coisa. Talvez meu pânico não era sobre estar sozinha no escuro. Talvez fosse apenas sobre estar sozinha. A única pessoa que eu senti qualquer tipo de ligação com a vida nova/velha era Sammy, e eu só tinha visto ele por uma questão de minutos. E com a forma como Tanner e eu tínhamos deixado as coisas, eu não sei quando eu seria capaz de ver Sammy novamente. Talvez nunca mais. Eu poderia ter dito a mesma coisa sobre King.

~ 41 ~


De repente, senti como respirar o ar naquela casa, naquele quarto, era como inalar o veneno. Quanto mais eu o respirava, mais eu sentia como se eu fosse morrer ali mesmo no chão do quarto que eu não me lembrava. Eu iria sufocar. Eu tinha que dar o fora. Eu não me incomodei com sapatos. Ainda de shorts e regata que eu usava para dormir, eu subi e abri a janela. Eu me embaralhei até que minhas pernas estavam penduradas sobre a borda como Tanner havia feito. Não havia nada além de escuridão sob os meus pés. Agarrada a moldura da janela com um braço, eu estendi o outro e estendi ao redor para o ramo de árvore que eu sabia que estava lá. O segundo que minha mão o tocou, uma sensação de familiaridade me cercou. A árvore e eu tínhamos sido por muito tempo conhecidas, eu tinha certeza disso. Eu talvez não soubesse para onde olhar ou o que me agarrar, mas meu corpo sabia. Sem um único passo em falso, eu consegui me abaixar para o ramo de árvore e com um segundo tipo de precisão natural, eu encontrei um ramo para agarrar e apoiar o meu pé, sem pensar muito em tudo. Em um ponto, sem saber exatamente onde a terra estava debaixo dos meus pés, eu me senti à vontade para saltar. Então eu fiz. Lâminas afiadas de grama grossa picaram as solas dos meus pés com o impacto. Me agachei para me preparar quando eu pousei. Quando me levantei e a luz da lua veio à vida, o seu suave mover quebrando o silêncio da noite como um trem de carga correndo solto em velocidade máxima. Tanner devia saber onde pisar, sem precisar da luz. E então eu corri. Correndo pelo quintal, levantando água, grama e lama para as costas dos meus traseiros, eu corri tão rápido como eu poderia fazer com minhas pernas curtas. A cerca baixa de ferro ao redor da propriedade parou na linha de arbustos que definia o quintal. A folhagem natural agindo como seu próprio tipo de cerca. Corri diretamente para um pequeno túnel com uma abertura no mato, abrindo quando eu me abaixei para ele, manobrando como se eu tivesse feito isso mil vezes antes. Folhas e espinhos ambos lamberam e picaram meus cotovelos, puxando meu

~ 42 ~


cabelo quando eu passei, mas eu continuei até que emergi do outro lado do caminho para uma pequena praia. As nuvens se revezaram passando lentamente sobre a lua; a luz refletindo na água ainda parecia como se alguém estivesse brincando com um controle em um interruptor de luz. Eu segui a linha da costa, a água fria lambendo meus pés, a areia mole empurrado para cima entre os dedos dos pés a cada passo. Quando me deparei com manguezais crescidos em meu caminho que foram crescendo a partir da „cerca‟ do quintal para a água a vários metros, eu não me dei conta do que eu estava prestes a fazer. Me virei e entrei na água escura. Eu havia sentido apenas um leve frescor em meus pés quando eu estava andando, mas quando a água avançou mais e mais nas minhas pernas, foi proporcionalmente ficando congelada. Quando a água subiu sobre a minha cintura, eu tremi. Eu empurrei através da água, afundando na terra macia, enviando pequenas ondas contra a base das árvores. Algo correu para a água na minha frente. No começo eu pensei que era uma cobra, a forma como ela deslizou de lado a lado fazendo uma forma de S na água. Eu estava me preparando para sair, mas quando ela deslizou por mim, eu percebi que não era uma cobra em tudo, mas um grande lagarto. Ele assobiou quando ele passou, como um motorista irritado me dando o dedo. Então eu subi nas árvores e voltei até a costa do outro lado. Meus shorts pesavam nos meus quadris, se agarrando a minhas coxas. Eu me encontrei em uma pequena alcova com um deck velho que ligava a um píer antigo. Amarrado ao cais, estava um barco de décadas em ruínas. A conexão era inteiramente desnecessária, visto que o barco estava principalmente na praia, descansando em um ângulo que me disse que provavelmente tinha estado assim por um longo tempo. Quando me aproximei, o forte odor de mofo, misturado com o ar salgado, ficou mais forte e mais forte. Muito para minha surpresa eu respirei fundo e ao contrário do extremo sentimento de pânico que eu tinha experimentado na casa, uma estranha sensação de calma tomou conta de mim. Eu sorri. Eu sabia que conhecia este lugar. Eu amei este lugar. Eu não sabia ou entenderia o como e o porquê disso, eu só precisava estar mais perto.

~ 43 ~


Eu dei um passo para cima do deck que protestou sob minha intrusão, rangendo e sibilando quando eu fiz meu caminho até o cais. Quando cheguei mais perto, percebi que o barco estava uns bons cinco metros de distância do cais. Avistei um longo pedaço de madeira compensada e o peguei, formigas correndo ao redor dele. Eu rapidamente o coloquei no deck, criando uma ponte improvisada. Eu cuidadosamente o atravessei, pulando para o convés de madeira rachada da casa de barcos, que era grande, mas na maior parte vazia pela exceção de três cadeiras dobráveis enferrujadas em frente às portas de vidro deslizantes sob a pequena saliência. Uma lata enferrujada do Dr. Pepper estava jogada no convés. A lanterna cor de rosa com um adesivo My Little Pony foi apoiada em uma das cadeiras. Eu peguei e tentei clicar no interruptor. Nada. Eu lhe dei uma agitação vigorosa e bati uma extremidade contra a palma da minha mão. Surpreendentemente ela veio à vida, incidindo diretamente em meu olho, me cegando temporariamente. Pisquei esperando os meus olhos se acostumar. Com minha lanterna para ajudar a iluminar o caminho, eu encontrei a alça da porta e tentei deslizar para a abrir. Demorou um pouco de força para ceder, como se detritos e lama endurecida estivesse no caminho. Muito parecido com o resto, à cabine estava vazia, exceto por alguns armários que revestiam a parede oposta. A maioria das portas estava tirada das dobradiças. Todas as prateleiras estavam faltando. Três sacos de dormir desbotados estavam contra outra parede. Um roxo, um rosa e um azul. Todos os três estavam cobertas de mofo. Cada polegada da parede e do teto, todo o espaço foi coberto com páginas de revistas e recortes. E quando eu olhei mais de perto, através da camada de sujeira que havia revestido as imagens ao longo do tempo, eu ainda conseguia distinguir as diferentes estrelas adolescentes de boy bands ou programas de TV. Revistas para adolescentes. De parede a parede revistas para adolescentes. Fechei os olhos novamente e inalei, esperando pegar outra dica do que despertou o meu reconhecimento. Este foi um lugar que eu passei muito tempo. Eu tinha certeza de que um daqueles sacos de dormir era meu e eu estava ainda mais certa de que eu, pelo menos, ajudei a decorar o lugar com as páginas da revista, porque, quando eu andava, me encontrei cantarolando uma das músicas de uma das boy

~ 44 ~


bands. Essa determinada banda parecia ter sua própria seção do espaço da parede dedicada inteiramente a eles. Eu estava tão perdida em minha missão de lembrar mais sobre esse lugar que eu não ouvi os passos se aproximando. Uma mão calejada forte cobriu minha boca por trás, abafando meu grito de surpresa; um braço em volta da minha cintura, me puxando para perto, de encontro a um corpo muito duro, muito familiar. — Sentiu minha falta, pequena? — a voz profunda vibrava contra o meu pescoço. O leve aroma de cigarros e sabão, misturado com um pouco de suor, invadiu meus sentidos. Meu corpo instantaneamente suavizou com a familiaridade de seu toque. Minha respiração acelerou. Ele me soltou apenas o suficiente para me girar para o encarar. King. Eu deveria ter ficado feliz em o ver. Exultante até. Eu estava pensando sobre ele quase sem parar desde a última vez que o vi dias atrás. Mas minha felicidade foi silenciada. Pela raiva. Um monte de raiva. Eu estava fodidamente chateada. E esse sentimento parecia ser mútuo, porque eu só poderia descrever a forma como os olhos verdes de King brilharam nos meus, furioso. — O que você está fazendo aqui? Eu pensei... — Não, — King interrompeu. — Eu sei que você está prestes a iniciar a sua pergunta e respostas a todas essas besteiras, que eu normalmente acho que é fodidamente adorável, mas agora, antes que eu perca minha merda, você vai ter que responder uma das minhas perguntas primeiro. — sua voz parecia tensa, rouca, como se estivesse lutando para manter o controle. Eu tentei falar novamente, mas ele cobriu minha boca com a mão, empurrando o polegar para dentro, me silenciando com a mordaça improvisada. — Por que diabos aquele fodido moleque escalou para dentro e fora de sua maldita janela há alguns dias? — ele tirou o polegar da minha boca e eu lamentei não o ter mordido quando tive a chance.

~ 45 ~


— Como? Você estava me vigiando? King levou o polegar molhado e o esfregou sobre meus lábios, e eu instintivamente me inclinei em seu toque. — Eu não. Mas eu tenho olhos em você. — as sobrancelhas de King se arquearam. Seu aperto em torno de mim aumentou. — Me responda, pequena, — ele perguntou. Seus dedos cavando em meus quadris. King não era alguém que podia ser ignorado. Sua língua saiu entre os lábios; ele deslizou ao longo da costura. Tentei não olhar e focar na raiva que vinha crescendo há dias, mas a reação do meu corpo não poderia ser contida. Era incrível como uma coisa tão pequena como molhar os lábios cheios com a língua talentosa já tinha meus mamilos em atenção, prontos para seu toque. King rosnou contra o meu pescoço, — Se ele te tocou, eu vou rasgar a porra da cabeça do corpo dele com minhas próprias fodidas mãos. — não havia nada sobre comportamento de King que dizia que ele poderia estar exagerando ou brincando. Assim que ele disse isso, eu sabia que ele quis dizer isso. Eu estava prestes a lhe responder. Para o aliviar do pensamento de que Tanner poderia ter me tocado, quando outra emoção bateu em mim. Fúria. Por que eu preciso aliviar suas suspeitas e colocar a sua mente à vontade quando eu era a única que foi injustiçada? Eu era a única que ele empurrou para fora da porta. Se ele pensou que eu poderia apenas fingir que isso nunca aconteceu, então King tinha outra merda vindo para ele. Eu coloquei minhas mãos em seu peito e empurrei com todas as minhas forças, ganhando apenas algumas polegadas de espaço entre nós. — Você! Como você ousa! Você não tem nenhum direito de estar com raiva de mim agora! — Pequena... — King começou, seu olhar duro se manteve firme, uma veia grossa inchou em seu pescoço sob uma tatuagem brilhantemente colorida do nome de Max. Eu balancei a cabeça e tentei dar mais um passo para trás, mas ele deu um passo para mim. — Não! Sem „pequena‟! Você sabia quem eu era e você nunca me contou! Toda besteira sobre eu ser „sua‟ e você me

~ 46 ~


manda embora na primeira chance que você tem! — eu joguei minhas mãos no ar. — Eu não acho que eu tinha outra escolha, — disse King. Ele tentou pressionar sua testa na minha, um gesto que normalmente me tornava calma e complacente, mas eu não estava pronta para a calma. Eu empurrei minha cabeça para trás, evitando o contato. — Não! Você tinha outra escolha. Você poderia ter me dito a merda. Você poderia ter me deixado tomar essa decisão com você em vez de fazer isso por mim! — eu mais uma vez empurrei o peito de King, desta vez ganhando espaço suficiente entre nós para sair de suas garras. Saí da cabine do barco e subi de volta para o cais, caminhando rapidamente de volta do jeito que eu vim. O ar da noite úmida pesava como roupa molhada. Eu entrei de novo na água, não com tanto cuidado como eu fiz na primeira vez. O trovão rachou em cima. Raios iluminaram o céu como fogos de artifício explodindo ao meu redor. E porque eu estava correndo através da água e não fui tão cautelosa como eu fui a primeira vez, eu perdi meu pé em cada passo, afundando até os tornozelos no chão macio. Houve um espirro alto atrás de mim. — Você veio aqui para me pedir desculpas? Porque é muito tarde! Você deveria ter pensado nisso antes de você ter mentido para mim, — eu gritei por cima do meu ombro. Antes mesmo que eu circulasse as árvores, King me agarrou pelo pulso, me girando. Água chicoteou através do ar para o meu cabelo, colando em toda a superfície. — Olhe para mim, — ele rosnou, inclinando meu queixo para cima para ele. — Eu não posso, — eu disse, apertando meus olhos bem fechados. — Olhe para mim, pequena, — ele exigiu novamente. — Eu não vou deixar você ir até você me ouvir. — Isso não é justo! — gritei, lutando para me libertar de suas garras. — Eu não quero olhar para você! Eu só quero que você me deixe ir, porra! — quando eu finalmente libertei minha mão de seu aperto, eu a levantei no ar. A palma da minha mão estava prestes a fazer contato com o rosto de King quando ele pegou meu pulso no ar. — Oh, pequena, — disse ele, sua voz profunda retumbou com algo sinistro. Ele se inclinou até que seu rosto estava na altura do meu. Senti seu hálito frio em toda o meu rosto quando ele disse: — Você

~ 47 ~


vai pagar por isso. — eu olhei para ele através dos meus cílios, assim quando ele me levantou no ar por minha cintura e me jogou para o ar. Eu caí de bunda quando eu afundei debaixo d'água. Eu não tinha sequer uma chance de voltar para o ar quando seus braços fortes me agarraram sob meus braços, me arrastando de volta para o ar da noite. Eu gaguejava, cuspindo água, enxugando os olhos. A água salgada queimou minhas narinas. — Que porra é essa! — gritei. King limpou o meu cabelo emaranhado da minha testa. Mais uma vez, ele inclinou meu queixo para ele. — Não olhe para mim ou você vai voltar para lá. — Vá se foder, — eu cuspi. King foi para me jogar novamente, mas desta vez, eu lutei contra ele tão fortemente que ele não podia me levantar, então ao invés disso ele me segurou firme e mergulhou na água, me arrastando com ele. Quando ele ressurgiu comigo ainda em seus braços, com a água batendo no ombro, ele enfiou os dedos em meus quadris. — Esta merda era muito mais fácil quando você estava com medo de mim. Eu não tenho medo de você mais, eu só estou com medo de uma vida sem você. E ele tinha ido e jogado tudo fora. E isso era mais do que estar com raiva dele. Fiquei magoada. Eu decidi abrir meus olhos e acabar logo com isso. Eu disse a mim mesa que eu não ia sentir nada. Que eu olharia para ele e ainda seria capaz de ir embora. Ainda é uma mentira, mesmo se você só está dizendo isso a si mesma. Lenta e relutantemente, eu abri meus olhos e quando olhei, minha respiração engatou na minha garganta. Eu me disse que era o raio de calor piscando no céu, preenchendo o ar em torno de nós. Eu disse a mim mesma que era porque nós estávamos de pé na linha grossa de luz que a lua cheia pintada toda a água que estava me fazendo querer me aproximar e tocar o brilho suave de sua pele colorida tatuada.

~ 48 ~


Porque certamente não era a maneira que eu podia praticamente ver as chamas dançando no olhar ardente de King quando ele penetrou a porra da minha alma. Não poderia ter sido a maneira que suas linhas duras de músculo subiam e descia com sua respiração rápida, esticando o tecido de seu já apertado peito. Ofegante. Ele estava ofegante. Ficamos assim durante o que pareceu uma eternidade, desafiando o outro a fazer o primeiro movimento, congelados no momento. Eu não senti uma só coisa por ele. Eu senti tudo. Raiva, confusão, amor... luxúria e tudo nadou em torno de nós na água quando nós olhamos fixamente um para o outro. O céu se abriu. Um trovão ressoou tão alto e profundo que eu senti isso no meu peito. A superfície da água mexeu, e veio à chuva, fria e implacável. Cada gota enviou salpicos de água de volta para nós, mas ainda não foi suficiente para interromper o feitiço de encarar que era muito mais do que apenas dois pares de olhos olhando para o outro, era um desafio. Um aviso. A luta pelo poder. — Você poderia ter me dito, — comecei a discutir de novo, totalmente preparada para manter a luta. Eu precisava disso. Fazia muito tempo desde que tivemos uma verdadeira, não desde a noite do carnaval e eu desejava isso para que pudéssemos saber o que precisava acontecer. A noite que eu lhe dei meu coração. — Não, — ele gritou. — Eu não poderia ter dito a você. — ele levantou a sua voz sobre a minha, me puxando tão perto que eu podia sentir que ele estava tão afetado por mim enquanto eu estava ao lado dele. Ele estava duro, grosso e pronto contra a minha coxa. E como a garota estúpida que eu era, meus joelhos tremeram. — Por quê? — eu cuspi. Era difícil me concentrar em nossas palavras quando eu sabia o que estava acontecendo logo abaixo da superfície. A chuva caía com tanta força que as nossas vozes eram abafadas como se estivéssemos falando debaixo d'água. — Por que não pode?

~ 49 ~


— Porque eu não podia arriscar! Se você soubesse a verdade, você teria... Eu só não podia arriscar, — disse King. — Arriscar o quê? O que você não poderia arriscar? — eu cutuquei. — Perder você! — ele explodiu. — Eu não podia arriscar perder você! — King passou um braço em volta da minha cintura e apertou sua ereção contra o ponto fraco entre as minhas pernas que estava reagindo a cada palavra sua, cada toque dele. Um lugar que ele desejava quase tanto quanto meu coração. Ele segurou minha bunda e me levantou, envolvendo minhas pernas em volta de sua cintura. — Houve um ponto que eu tinha tomado à decisão de lhe dizer a verdade. Eu lhe devia muito. Mas, em seguida, toda a merda desceu com Isaac e Preppy, então, quando eu fiz o negócio com seu pai por Max, eu pensei que estava fazendo um favor, lhe dando sua vida de volta e você ficaria fora de toda a merda que veio estando na minha vida. Eu apertei minhas coxas em torno de sua cintura, me esfregando contra a sua dureza. Eu gemia. — Mas você não estava me dando a minha vida de volta. — eu corrigi. Eu coloquei minhas mãos em suas bochechas e segurei seu rosto em minhas mãos, procurando qualquer sinal em seus olhos que o que eu sentia por ele pode ter sido errado, mas em vez disso, o que eu encontrei foi uma retumbante necessidade de consertar o que foi quebrado entre nós. Lágrimas se formaram nos meus olhos. — Você estava me levando para longe. — os lábios de King se entreabriram. Ele correu o polegar sobre meu lábio inferior, virando a cabeça e beijou o seu caminho até meu braço. — Arrepiada, — King observou, correndo as pontas dos dedos na minha pele já estimulada. Mordi o lábio e reprimi um gemido. — É só o frio, — eu menti. — Você tem o direito de mentir, porra. — King rosnou, dobrando meu pulso nas minhas costas, seus lábios desabaram sobre os meus. Éramos um embaraço dos lábios, fazendo barulho de dentes, balançando através da água para melhor nos alinhar com o outro. Não foi bonito. Foi necessidade.

~ 50 ~


— Eu ainda estou fodidamente com raiva de você por me deixar ir, — eu disse em sua boca, enquanto nossas línguas fizeram coisas que outras partes de mim pulsava para fazer. King acalmou e segurou meu rosto longe do seu, nossos peitos arfando em uníssono, os meus mamilos eretos esfregando contra sua pele quente e dura quando nós ofegamos juntos. Nossas respirações se misturaram no ar. Ele passou a mão pelo lado do meu rosto e segurou meu rosto em sua palma. — Eu não desisti de você, pequena. Eu soltei você. Eu acalmei. — Você me soltou? — eu não conseguia esconder a dor na minha voz. Por alguma razão, me liberar soou pior do que me deixar ir. King passou a língua do outro lado da ponta da minha orelha, me segurando firmemente contra seu calor. Calafrios percorreram minha espinha e meu próprio núcleo e eles não tinham nada a ver com a temperatura da chuva. — Eu tentei te libertar, pequena. Por Max. Mas havia um grande problema com esse plano e não importa o que aconteceu, ele nunca teria funcionado, — King confessou. — Por que isso? — perguntei a necessidade de saber, mas ao mesmo tempo consciente da pulsação entre as minhas pernas. Alívio e libertação, apenas um pedaço de tecido ou dois de distância. Muito para mim. — O problema era... você nunca me soltou, — King rosnou, batendo seus lábios nos meus. Ele gemeu em minha boca quando eu me esfreguei contra a sua ereção. Ele empurrou o tecido da minha bermuda de lado e no segundo que ele separou minhas dobras com o dedo indicador, eu estremeci. Ele mergulhou um longo dedo indicador dentro de mim, e por um segundo meus olhos reviraram em minha cabeça até que ele retirou. Eu gritei em frustração, me balançando contra ele, precisando dele para me fazer sentir outra coisa senão vazia. King desembrulhou minhas pernas dele e puxou meus shorts para baixo sobre a minha bunda. Eu pisei fora deles e os atirei para a costa. Ainda me segurando com um braço, ele desfez a fivela de seus jeans. Ele empurrou minha calcinha para o lado. — Enrole suas pernas em volta de mim novamente. — fiz o que ele disse, o meu clitóris se esfregando contra seu eixo grosso. Ele me levantou apenas o suficiente para se alinhar comigo. — Isso vai ser rápido e sujo, baby, mas eu preciso sentir você. — ele me pressionou em cima dele, me enchendo ~ 51 ~


rapidamente. Quando ele encontrou a resistência apertada do meu corpo, ele empurrou com mais força, como se estivesse morrendo de fome por mim. Quanto mais fundo ele afundou, mais alto ele gemeu. — Porra! — eu disse em um sussurro alto. Eu precisava dele se movendo, mas a sensação de estar tão cheia foi esmagadora. — Sim, pequena. Essa é a porra do plano. — ele empurrou para dentro de mim totalmente em um movimento longo e duro, que deixou minhas coxas tremendo. — Puta que pariu. Puta merda. Você é tão apertada, — King jurou. — Eu amo essa buceta. A porra da minha buceta. Me agarrei a parte de trás do seu pescoço enquanto ele me fodia com uma fúria que me disse o quanto ele quis dizer quando ele disse que precisava me sentir. E era quase tanto quanto eu precisava dele. — Sim. Sim. Sua. — eu balancei a cabeça furiosamente enquanto ele encontrava seu ritmo delicioso, acariciando meu interior, criando um redemoinho de água em torno de nós. A pressão na minha parte inferior do estômago se intensificou. Mais e mais com cada torção dura de seus quadris me deixou mais e mais ofegante. Seus golpes ficaram mais longos, mais duros, mais rápidos. — Você se sente bem pra caralho em torno do meu pau, — ele respirou. Eu estava pronta para finalmente reconhecer a minha total falta de controle sobre esta conexão maior do que a vida que compartilhamos. Eu não estava dando isso para ele. Era uma luta que eu não poderia ganhar. Era uma luta que eu nem sequer queria lutar. — Isto. Você. Isso é tudo, — King gemeu. Com uma mão em cada uma das minhas coxas ele me agarrou com força, batendo em mim uma e outra vez cada vez que ele me enchia ao máximo, os meus músculos se apertaram ao redor dele, quando ele se arrastou em mim, eu cerrei novamente, o procurando, necessitando... Mais. Me sentei com meu rosto pressionado contra seu rosto desalinhado, quando o belo homem que eu amava bateu em mim implacavelmente. Imperdoável. Senti sua frustração e seu ódio e seu desejo cego e tão esmagador quanto era, tomei cada única coisa que ele poderia me dar.

~ 52 ~


Sem muito aviso eu estava explodindo ao redor dele, tremendo enquanto eu pulsava e pulsava. Apenas quando eu pensei que estava começando a morrer para baixo, ele acumulou meu corpo tudo de novo. Seu pau se contorceu dentro de mim. Seus lábios se separaram, seus olhos nunca deixando os meus enquanto ele empurrava em mim mais uma vez, empurrando tão profundo como ele poderia, se mantendo lá com seus músculos tensos, as cordas em seu pescoço tensos quando ele me seguiu ao longo do limite. Nos mantivemos nos braços um do outro enquanto a chuva nos assaltava. A pulsação suave de seu pau ainda dentro de mim me fez querer começar tudo de novo. Eu rolei lentamente meus quadris contra ele, saboreando a sensação de como ele se sentia contra o meu corpo deliciosamente dolorido e sensível. — Calma, pequena. — King provocou, descansando sua testa na minha. E desta vez eu deixei. E, assim como eu esperava, uma calma tomou conta de mim quando ambos continuamos a respirar pesadamente. — Você não vê o que você faz comigo? — Eu posso sentir isso, — eu disse. — Muito melhor, — disse ele, me levantando contra seu peito. King gentilmente nos afastou em torno da água, comigo ainda ligada a ele em todos os sentidos. — Eu ainda estou muito brava com você, — eu consegui dizer. — Eu não estou algemada à sua cama mais, mas quando você mentiu para mim, você ainda estava me mantendo em cativeiro, porque você tirou minhas opções. O olhar de King endureceu. — Sim. Mas me pergunte se eu me sinto mal sobre isso. Sobre mentir para você. Sobre te manter. Há um monte de coisa que eu faria diferente, Pequena, mas isso não é uma delas. Se eu tivesse que fazer isso um milhão de vezes de novo, eu ainda teria mantido você para mim. E se você tentasse fugir novamente, eu ainda teria perseguido você e te algemado a minha cama. — ele segurou a parte de trás do meu pescoço enquanto ele falava, prendendo minha cabeça como se estivesse me segurando para que eu não virasse para longe dele neste momento. — E quando eu finalmente cedi ao que quer que seja essa coisa entre nós, e você me deixou entrar em você a primeira vez, e eu peguei você contra a casa... Eu não acho que você tem que adivinhar que eu não mudaria isso. Nem um fodido segundo. Minha respiração acelerou. Me lembrando da noite do carnaval quando tínhamos lutado e até o momento em que ele estava dentro de mim, e, em seguida, até mesmo o nosso sexo tinha sido combativo. ~ 53 ~


Deliciosamente combativo. — A única coisa que eu lamento é de como isso tudo terminou quando você saiu. A merda com o senador. Isso é tudo sobre mim. Eu estava fodido depois da prisão, depois de Preppy. Eu pensei que era a única maneira de receber de volta o único sangue vivo que eu tenho. — King correu a palma de sua mão para o lado do meu rosto e se inclinou mais perto. — Foi um erro, porque esta coisa aqui, entre nós? Não é o tipo de coisa que pode simplesmente ir embora. — ele roçou os lábios contra os meus e eu me inclinei para frente, buscando mais contato, mas ele me segurou no lugar por meus ombros. — O quê? — perguntei. Linhas duras apareceram entre os olhos. — Eu te disse que você precisava ouvir. O que eu precisava te dizer. Agora você precisa me dizer o que eu preciso saber. — o tom de King ficou mais duro. — Você tem dez segundos para me dizer por que esse maldito garoto estava em seu quarto. Você não tem que responder se você não quer. — Eu não tenho? — perguntei de repente me sentindo muito confusa. King balançou a cabeça. — Não. Mas só sei que se você optar por ir por esse caminho, eu vou matar o pequeno filho da puta independente de qualquer coisa. — King fervia. — Com muito ciúme? — eu levantei uma sobrancelha para ele. Eu o estava provocando, mas o filho da puta merecia cada segundo de agonia desinformada depois do que ele me fez passar. — Muito, — admitiu ele, para minha surpresa. — Então não me empurre, menina. — suas mãos apertaram em meus ombros, me lembrando de que King não era alguém que gostava de jogar jogos. — Ele queria conversar, — eu expliquei. — E depois... — E depois... o que? — ele disse através de seus dentes. Mordi o lábio. — Ele me perguntou se eu te amava, e eu lhe disse a verdade. Ele fez parecer que eu estava rompendo com ele. — Ele não tentou tocar em você? — King perguntou de novo, um brilho de alívio em sua voz. — Nãooooooo! — eu disse, puxando a palavra para dirigir o meu ponto na cabeça dura dele.

~ 54 ~


King parecia quase desapontado. — O garoto pode viver apesar de tudo, — ele disse. — Por hoje. — Você ainda não me disse como você chegou aqui mesmo, — eu disse. — Como você saiu tão rapidamente? Pagou fiança ou algo assim? Eu realmente não sei como isso tudo funciona. King suspirou. — Sempre com as perguntas, pequena. — ele colocou meu cabelo molhado atrás das orelhas em um movimento que era ao mesmo tempo suave e intimista. — Eu senti falta de suas perguntas irritantes. — Eu pensei que eu poderia nunca ver você de novo, — eu disse, enterrando meu rosto em seu pescoço, desejando que as lágrimas que ameaçavam derramando sobre minhas bochechas parassem. — Isso nunca iria acontecer, merda. Mesmo que o senador não tivesse me traído. Eu sempre vou encontrar o meu caminho de volta para você, baby. Sempre. — King traçou as pontas dos dedos sobre minhas pálpebras. — O que não está me dizendo? — perguntei, sentindo sua hesitação. — O detetive que me levou preso não era um detetive e ele não estava me levando para a cadeia. Ele era um justiceiro. — Eu não entendo... — Ele foi contratado para me matar. — Puta merda, — eu disse, me sentindo tola por lutar com ele como eu tinha feito quando ele tinha estado tão perto de perder a sua vida. — Graças à porra eu percebi isso antes que fosse tarde demais. — a chuva parou instantaneamente, como uma torneira que está sendo desligada. Imediatamente, uma névoa começou a subir a partir da água em torno de nós, nos ocultando em branca nebulosa umidade. — O que você fez? Como você ainda está vivo, se ele foi contratado para te matar? — eu cheguei a ele mais apertado, agradecida que ele estava na minha frente. A pergunta me fez querer vomitar. King deu de ombros. — No meu mundo é matar ou ser morto, baby. — ele colocou sua boca em uma linha dura. — Então, eu matei.

~ 55 ~


Eu deveria ter me incomodado que King apenas admitiu ter matado alguém, mas estranhamente isso não aconteceu. Eu estava contente. Então isso me bateu. — Porra, foi o senador não foi? Ele contratou o cara para matar você! — Isso é o que eu pensava no início. Que talvez o seu pai não quisesse me mandar de volta para a prisão e sim uma solução permanente o suficiente para me manter longe de você, — disse King. — Mas, como se vê, temos problemas ainda maiores. É esse cara, Eli. Ele era o principal fornecedor de Isaac e ele não viu com bons olhos a ideia de ter acabado. E todos os sinais da razão para que isso acontecesse foi Isaac acabar como comida de verme, apontando de volta para mim e Bear. Meus olhos se arregalaram. — E ele está vindo para você. — eu sussurrei, meu coração martelando no meu peito. King acenou com a cabeça. — Sim, um cara do Bear, Rage, sua informação é tão certa como se trata disso. Quando ele diz que alguém está lançando para você, você cala a boca e ouve. — ele parecia estar pensando em como dizer a frase em seguida. — Esse cara Eli? Ele é diferente. Pior do que Isaac se você pode acreditar nisso. Senti meu rosto empalidecer quando o sangue correu dele. — O que você vai fazer? King me deu um beijo na têmpora. — A mesma coisa que eu fiz com o detetive falso. Chegar até ele antes que ele chegue até nós. — Por que diabos você está mesmo aqui quando sua vida ainda poderia estar em perigo? — Eu tinha que vir te dizer, — disse King. — Mas é muito arriscado. Você não deveria ter vindo! — eu bati no seu peito com os punhos fechados. King rosnou. — Você parece não entender essa merda ainda, pequena, então eu vou te esclarecer, porra. Você é minha. Se eu tivesse meu jeito, eu já teria jogado você no meu ombro, levado você na minha moto e feito o meu caminho para casa, mas não é seguro lá agora. E, tanto quanto isso me mata, o lugar mais seguro para você agora provavelmente está aqui. — King parecia que ele não podia acreditar no que estava dizendo. — Eu não vou deixar você na mira de qualquer

~ 56 ~


merda. De novo não. — ele olhou para longe, recolhendo seus pensamentos, se acalmando. Ele fechou os olhos e respirou fundo. — Não foi culpa sua, — eu disse. Era a minha vez de forçá-lo a olhar para mim. — Eu não te culpo por nada disso. Eu posso ter uma memória de merda, mas eu não sou uma criança. Eu posso cuidar de mim mesma. Eu posso assumir a responsabilidade por minhas próprias ações. Eu sei que estar com você vêm com certos riscos. — eu pressionei um beijo suave em sua mandíbula. King deu um beijo suave no interior do meu pulso. — Olha, sobre o que aconteceu com Isaac, eu sei que nós nunca realmente conversamos sobre isso depois que a merda desceu com Preppy, mas você precisa saber que eu nunca vou deixar algo assim acontecer novamente, porra... — Pare. — eu levantei minha mão e o cortei. — Eu me recuso a ser uma vítima, então não me trate como uma, porra. Eu escapei com a minha vida, mas apenas por causa de você. É assim que eu vejo, e é assim que eu quero que você veja. Eu não vou ficar lamentando, Brantley King, de modo algum você vai me ver com pena e me tratar como uma vítima, porque eu tenho certeza como a merda que eu não me sinto como uma. — Onde é que eu achei essa menina forte e incrível? —perguntou King, olhando nos meus olhos como se estivesse procurando por sua resposta. — Você a achou em uma festa. Ela tentou se prostituir para você e falhou miseravelmente. — Ray? — uma voz gritou. — Merda, isso é Nadine. — quando King me lançou um olhar confuso, eu esclareci: — Trabalha na casa. — Porra! — ele nos empurrou para mais perto dos manguezais então não seríamos vistos. — Eu tenho olhos em você aqui. Você estará segura, eu prometo. — Sim, você disse isso. Quem? King balançou a cabeça. — Não importa, só sei que eles estão em você. — ele apertou seus lábios nos meus e suavemente chupou meu lábio inferior. Ele se afastou. — Eu voltarei assim que eu puder, mas eu não sei quanto tempo isso vai ser. Faça o que fizer, não tente me alcançar. Eli procura por essas merdas. Ele se alimenta em vir pegar as ~ 57 ~


pessoas perto de seu alvo, então é mais fácil de os atingir. Eu não posso arriscar ele vir atrás de você. Eu não vou deixar você em danos novamente. — ele beijou minha testa. — Eu não posso. — Ray, você está aqui? — Nadine chamou de novo, sua voz era mais alta agora. Ela estava mais perto. — Merda! — King assobiou. — Há mais uma coisa que eu preciso que você saiba. — seus lábios ficaram um pouco acima dos meus. — Você precisa saber que eu não dou a mínima se sua memória retorna enquanto eu estiver fora, porque isso não muda merda nenhuma para nós. Mas a partir deste ponto, há apenas uma coisa que eu preciso de você para lembrar. — O que é isso? — Isso. — King agarrou a parte de trás do meu pescoço e me puxou para ele, chocando seus lábios nos meus em um beijo que me fez tremer tanto de desejo como de medo. Uma paixão com raiva. Posse. E ele estava certo. Não havia nenhuma maneira que eu jamais iria o esquecer. Ele se afastou relutantemente, parando para olhar nos meus olhos quando ambos pegamos fôlego. Toquei meu lábio inferior, inchados de seu beijo. — Há tantas coisas que eu ainda tenho para te dizer. Coisas que eu não posso nem envolver minha cabeça ao redor agora, — eu disse a ele. Coisas como ter um filho. — Nós vamos descobrir toda essa merda logo. Eu prometo. Não importa o que é. — Mas e se a minha situação aqui é mais complicada do que simplesmente pegar e ir embora? — eu queria dizer a ele sobre Sammy, mas não houve tempo suficiente. Eu ainda não tinha tido tempo suficiente para realmente processar o fato de que eu era uma mãe. King correu o polegar sobre a parte de trás do meu pescoço. — Você deve saber por agora que eu não sou um homem que leva um não como resposta, pequena. Isso não é uma negociação. Quando toda essa merda acabar, eu vou te levar para casa. Comigo. Se você quiser lutar,

~ 58 ~


lutar contra mim? Vá para longe, porque, honestamente, eu estou ficando duro só de pensar em você algemada a minha cama de novo. — suas palavras vibraram contra minha garganta enquanto as falava para o lugar sensível atrás da minha orelha. — Você está na maldita casa flutuante, filha? — Nadine chamou a partir do cais. Entre os ramos das árvores, vi Nadine. Ela estava em pé no banco com os meus calções na mão. — Essa coisa estava boiando na água. Não é seguro. — Vá, — King sussurrou. — Eu te amo. — ele respirou fundo e desapareceu sob a água, mal fazendo uma ondulação na superfície. O martelar do meu coração, a única lembrança real de que ele nunca se foi realmente. Eu saí de trás das árvores e a cabeça de Nadine estalou em minha direção. Nadine empurrou um quadril e colocou a mão sobre ele. — Menina, eu estive procurando por você em toda parte! O que diabos você está fazendo aí? Eu fui verificar você e você se foi. Você me assustou pra caramba! — Desculpe. Eu não conseguia dormir e decidi vir para um mergulho, — eu menti. — Durante a tempestade? — perguntou Nadine cética. — Não estava assim quando eu vim para cá. Parecendo aceitar a minha resposta, Nadine jogou meus shorts. Eu deslizei de volta para eles antes de emergir de volta para a pequena praia. Nadine me guiou de volta para a casa pelo meu cotovelo como se eu fosse uma pessoa idosa que tinha saído. — Não parece que você acabou de chegar em casa? Eu balancei minha cabeça. Nadine acariciou minha mão. — Você sabe, essas águas são bastante escuras à noite e há coisas escondidas lá que as pessoas mais sensatas teriam muito medo. Tentei conter meu sorriso. Se ao menos você soubesse...

~ 59 ~


Capítulo seis DOE Eu estava prestes a voltar para a cama quando a luz do telefone que eu tinha ligado antes iluminava o quarto, lançando um brilho no teto. Eu o desliguei e arrastei para o meu estômago sobre o edredom, o apoiando sobre o travesseiro. A mensagem indicava que foi totalmente carregado. Abri a tela inicial, mas outra mensagem apareceu pedindo uma senha. Olhei ao redor do quarto e a primeira coisa que meus olhos pousaram foi em um dos esboços de Sammy pendurados no quadro de cortiça. S-A-M-M-Y, eu digitei. A tela desbloqueou. A tela inicial foi para o papel de parede com uma foto de Sammy, que estava sentado numa cadeira alta, sorrindo de orelha a orelha, azul por todo o rosto. Sorri para o bolo esmagado entre os dedos. Uma vela estava no meio do bolo aniquilado na frente dele. — Ray, obviamente, precisa de uma ideia na criação de melhores senhas. — eu murmurei. Eu cliquei no ícone da câmera e comecei a percorrer as fotos. A maioria era de Tanner e Samuel. Uma delas era uma selfie de todos os três, nós em um parque que devemos ter ido várias vezes porque há várias versões diferentes da mesma imagem. Estávamos todos sorrindo. Nós parecíamos felizes. Eu não sei como as imagens me fizeram sentir que não seja confusa. Eu estava prestes a desligar o telefone e, finalmente, descansar um pouco quando algo no fundo de uma das fotos chamou minha atenção. Não algo. Alguém. Persistentes em um banco do parque, não muito longe de onde estávamos tirando a nossa selfie em grupo, estava uma garota da minha

~ 60 ~


idade com o cabelo vermelho brilhante. Pisquei várias vezes pensando que eu só estava vendo coisas. Mas eu não conseguia afastar a sensação de que eu sabia quem era a menina. Seus olhos tinham círculos escuros ao redor deles. Suas roupas estavam esfarrapadas e rasgadas. Eu rolei as imagens novamente e lá estava ela em cada imagem, olhando diretamente para nós e isso me intrigou. Na última foto ela estava sorrindo, mas era um sorriso triste que não alcançou seus olhos. Chupei uma respiração profunda. Não, não, não poderia ser ela. Não fazia sentido. Corri ao redor do quarto e procurei através das várias fotos emolduradas, derrubando algumas mais no processo, até que eu encontrei o que eu estava procurando. Até que eu encontrei. A imagem na minha mão foi tirada em uma daquelas cabines de fotos antigas onde eles fazem as pessoas na foto parecerem que estão no Velho Oeste. Tanner e eu estávamos na imagem, fantasiados, eu como uma vaqueira e ele como um vaqueiro. Chapéus e botas de cano alto, bandanas amarradas em torno de nossos pescoços. E lá estava ela entre nós. Seu pé atrelado em um barril virado. Seu vestido caindo de seus ombros, à fenda lateral ia de sua coxa até o quadril. Ela parecia muito diferente da forma como ela estava na foto no parque, mas não havia dúvida de quem ela era, especialmente desde que na foto do velho oeste ela estava apontando uma arma falsa diretamente para a câmera. Eu a tinha visto fazer isso antes. A arma apontada para mim. Santa merda. E algo aconteceu. Como um plug finalmente conectado a uma tomada funcionando. No início, era apenas uma coisa caótica de luz e imagens. Mas, então, cresceu em uma velocidade de fluxo constante, que, uma vez que começou não parou mais, que uma vez que você flutuou para eles, não havia como sair. Onda após onda inundou minha mente. Essa foi a primeira.

~ 61 ~


Não seria a última. Uma memoria. — Só mais uma vez, Ray. Eu prometo. Eu não vou perguntar de novo, mas eu tenho outro lugar para ir. É a terceira vez em um mês que a minha melhor amiga veio à minha janela do quarto no meio da noite e me pediu para entrar. Quebra meu coração, mas desta vez eu decidi que eu tenho que lhe dizer não. — Eu não posso. Não desta vez... e não mais. E se o meu pai te pegar? Ele disse que vai chamar a polícia. Além disso, você não pode continuar a subir até a árvore e vindo à minha janela no meio da noite. E se Sammy estivesse aqui? — Sammy está ai?! — ela exclama em voz alta. Ela olha por mim no meu quarto escuro. Sammy está com Tanner e mais uma vez ela estava ouvindo cada palavra que eu disse. — Sammy ama sua tia! Ei Sammy! Sou eu! Sua tia está aqui! — Ssshhhhh! Não, ele não está aqui, mas você vai acordar toda a casa! — eu não a quero repreender como se ela fosse uma criança. Eu quero falar com ela, como costumávamos fazer. Eu quero ter uma conversa normal com ela como se ela ainda é a garota que eu era ligada desde que tinha quatro anos de idade. A menina com quem eu fui à préescola, a garota com quem eu tive na minha primeira suspenção porque nós conversamos muito em sala de aula. Mas isso é o que faz as melhores amigas, aquela garota que eu conheci toda a minha vida não existe mais, e em seu lugar está uma pessoa que eu não reconheço. Seu cabelo ruivo uma vez está agora uma sombra estranha de roxo avermelhado. Seus olhos verdes, uma vez luminosos estão vidrados e sem foco. E para alguém que costumava levar ballet muito a sério e que se movia ao redor com facilidade e graça, ela está agora tão nervosa como se tivesse derrubado vários potes de café. Suas unhas estão como se ela as tivesse mastigado até as cutículas. — Então, você não me quer por perto o seu filho agora? — ela cruza os braços sobre o peito, mas balança. Estendendo a mão, ela agarra um galho de árvore para a sustentação para que ela não tombe no chão. Parte de mim quer a deixar entrar apenas para que ela não caia e quebre o pescoço. — Não. Não é isso. — normalmente eu danço em torno da verdade com ela e, normalmente, eu diria algo como isso. — Claro, eu quero você

~ 62 ~


em torno dele, mas... — e fazer alguma coisa. Mas eu tinha dançado e cantado essa canção por muito tempo e eu tenho assistido a minha melhor amiga sumir mais e mais, afundando mais e mais em drogas e sexo. Ela começou como apenas mais uma adolescente se rebelando contra seus pais rigorosos. Nosso primeiro ano do ensino médio ela fugiu no meio da noite e foi a festas em que os sêniors estavam jogando. Ela se embebedou. Ela se drogou. Ela ficou com meninos em nossa escola. Eu não a quero cortar da minha vida, mas eu me lembro de que essa garota não é a amiga que eu sempre conheci, aquela que era mais familiar para mim do que minha mãe bêbada ou meu pai tinha controle sobre tudo. Mas nada que eu tinha feito ajudou. Ela tinha ido para a reabilitação três vezes já. Durante a terceira vez, ela nem se incomodou de completar sua temporada de noventa dias e no dia em que completou dezoito anos, ela pulou fora e saiu. Isso foi quando seus pais a cortaram, para o seu bem. Foi também quando ela começou a desaparecer. Eu não a ouvi durante semanas. Então meses. Às vezes eu pensei que ela estava morta e então ela aparecia do nada, cada vez mais magra. Suas roupas em pedaços. Seu cabelo mais frágil. Sua pele coberta com marcas de pústulas e arranhões. Sujeira incrustada sob as unhas. Ela me confessou que estava vivendo nas ruas. No momento em que ela desapareceu novamente com todo o dinheiro que eu poderia dar, ela aparecia novamente em outro momento, ainda pior do que antes. — Tudo bem, eu não vou entrar, — diz ela, — mas eu estou morrendo de fome. Posso ter algum dinheiro? Apenas o suficiente para durar uma semana ou algo assim. Talvez uma centena? Por comida. — Se você estiver com fome eu posso te fazer um pouco de comida e levo ai fora para você, mas sem dinheiro. — estou tão perto de quebrar, mas eu me mantenho forte. — Mas... — seu lábio inferior começa a tremer. — Skinny vai me matar se eu não tiver o dinheiro para ele. Eu tenho que lhe dar cinquenta dólares hoje à noite, mas eu não tenho isso. Gastei em um táxi para vir aqui... para te ver. — aí está. A culpa. E funciona porque estou prestes a pegar a última parte do dinheiro do aniversário da bisavó que eu nunca toquei e entregar a ela. — Quem é Skinny e por que ele quer cinquenta dólares de você? Ele é o seu revendedor ou algo assim?

~ 63 ~


— Não. — ela olhou de um lado para outro como se estivéssemos sendo observadas, em seguida, seus olhos dispararam de volta para mim. — Ele é meu cafetão, — ela sussurrou. — Jesus Cristo! No que diabos você se meteu agora? — eu grito. Faço uma pausa e espero por sinais de que alguém na casa teria acordado e quando eu não ouço qualquer coisa, eu abaixo a minha voz para um sussurro irritado. — Por que diabos você tem um cafetão? — Eu não sei. — ela gagueja. — Eu não sei como eu fiquei tão errada, Ray. Eu não sei quando eu o conheci. Não me lembro de concordar em fazer as coisas que eu faço. Mas eu as faço e é nojento e eu odeio isso, mas ele realmente vai me matar se eu não levar hoje à noite algum dinheiro. — sua cabeça atira para cima. — E isso é muito injusto vindo de você, Ray, Miss Teen Mom América, — ela sussurra. Fique forte, Ray. Se lembre, ela é uma mestra manipuladora. Ela precisa de ajuda, não do dinheiro. Ambos seus elogios e insultos estão tentando reproduzir em minhas emoções, eu me lembro, dos artigos que eu li através do Google ao longo dos últimos meses. — Eu conversei com seus pais hoje. Eles disseram que, se você voltar para a reabilitação e ficar para o programa de seis meses, você pode voltar para casa quando você estiver pronta. Por que você não faz isso? — eu pergunto a ela, esperando que ela vá concordar em voltar novamente. Mas eu sinto que desta vez é diferente das outras vezes e, no fundo, eu sei que desta vez ela não vai voltar. — Eu sei Ray. Acabei de vir da casa dos meus pais. E eu concordei em ir. Eu só tenho que pagar a Skinny primeiro e eles não querem me dar algum dinheiro. — só quando eu estou prestes a quebrar, ela funga e uma pitada de pó branco se adere para o interior de uma de suas narinas. Me faz lembrar mais uma vez que cada palavra que sai de sua boca é o vício falando por ela, não ela. Eu sei que ela não foi para casa para ver seus pais. Meu quarto fica de frente de sua área de estar, onde tanto a mãe e o pai tinham assistido algum documentário toda a noite, até que apaguei as luzes apenas uma hora atrás. — Sinto muito. Eu simplesmente não posso, — eu digo, cruzando os braços sobre o peito. — Tudo bem! — ela grita, batendo a mão dela contra o tronco da árvore. — Mas posso pelo menos pedir sua lanterna? Está escuro demais aqui fora e eu não posso ver nada. Eu deixei a minha na porra do barco.

~ 64 ~


Vou até meu armário e retiro uma velha lanterna cor de rosa, que nós duas tínhamos comprado em uma loja de 1,99 quando estávamos na quinta série. Tínhamos feito a nossa própria versão do código Morse e passei muitas noites enviando luz uma à outra através de nossas cortinas, para as janelas uma da outra. Não foi até que um outro vizinho chamou a polícia e relatou um possível predador que fomos obrigadas a parar. — Aqui, — eu digo, lhe entregando a lanterna. Ela a pega e tenta acender. Quando ela não liga imediatamente, ela bate com ela na parte inferior com a palma da mão até que ela liga. — Você terá o que você quer agora. Eu estou saindo, Ray. Você nunca vai ter que lidar comigo de novo. — Espere! Você disse que iria voltar para a reabilitação. Por que eu não iria te ver novamente? — minha garganta se aperta. Eu cometi um erro. Não importa o que ela fez. Eu não posso perder minha melhor amiga. Ela está doente. Ela precisa de ajuda. Ela precisa de mim. — Porque eu disse a você, se eu não tenho dinheiro, Skinny vai me matar. — ela puxa seu chapéu escuro de sua cabeça e vira a lanterna para cima até que seu rosto é iluminado pelo brilho amarelo. Eu suspiro. Manchas roxas escuras estão espalhadas através de seu nariz quebrado, obviamente, ambos os olhos estão inchados, e um tem um halo de amarelo em torno dele. Os brancos de seus olhos estão com veias vermelhas. Os cantos de seus lábios rachados estão secos com sangue. Sua mandíbula não está centrada. Ela não estava mentindo. Ou talvez ela tivesse, mas alguém tinha batido nela, obviamente, muito. Estou prestes a mudar de ideia e abrir minha boca para dizer a ela que ela pode ter o dinheiro. — Não importa Ray. Foi bom conhecer você. — ela desliga a lanterna e começa a fazer o seu caminho para baixo da árvore, desaparecendo temporariamente para o quintal preto até que a sombra dela emerge sob a luz da rua na calçada da frente. Ela se vira. — Tchau, Ray, — eu a ouvi dizer calmamente, cortando o silêncio da noite. Há uma finalidade em seu adeus que faz o cabelo na parte de trás do meu pescoço se eriçar. Ela se vira para sair, mas para novamente e se vira. — E Ray? Faça o que fizer, não confie no tyrant4. Então eu vejo quando minha melhor amiga se vira de novo e vai embora. 4

Tirano. ~ 65 ~


Talvez pela última vez. Eu sussurro de volta para ela e só posso esperar que ela ainda possa me ouvir. — Tchau, Nikki.

~ 66 ~


Capítulo sete KING — O que exatamente diz essa porra mesmo? — perguntou Bear. — Aqui, — eu disse, lançando o envelope do outro lado da sala. Ele caiu no chão. Bear estendeu a mão e desdobrou o papel que eu gostaria de nunca ter recebido. Ele murmurou enquanto lia através da longa carta do estado me informando que desde que eu não me classifiquei para a tutela de Max, eles gostariam de colocá-la para adoção. Eles já tinham uma família interessada com a assistente social. Eles já tinham a levado de mim fisicamente, e agora eles queriam a minha permissão para dá-la a outra família e tirar King dela. Era a última coisa que eu precisava, porra. Bear e eu estávamos delirando com apenas algumas horas de sono em uma semana. Havíamos passado uma porrada de tempo de prontidão, ativamente à procura de Eli. Estivemos em todos os lugares desde Miami para Atlanta, mas o cara era como um fantasma. Cada pedaço de informação que recebemos nos trouxe algum lugar que ele tinha acabado de sair. Às vezes não tínhamos chegado a ele por apenas alguns minutos. — Diz aqui que eles não podem fazer nada sem você assinar, — Bear concluiu, sacudindo a carta com o dedo indicador, a jogando a esmo sobre a mesa de café. — Sim, mas também está basicamente dizendo que se eu não assinar, ela vai estar em um orfanato fodido até que ela tenha dezoito anos. — eu torci o último pedaço de minha máquina de tatuagem no lugar. — Não sei se eu posso fazer isso com ela, cara. Quando eu era criança, eu teria dado qualquer coisa para a minha mãe, na verdade, ser uma mãe. Porra, eu teria dado qualquer coisa apenas para saber quem era meu pai. — Mas sua mãe era a porra de uma piranha, — Bear afirmou, — e agora ela é uma maldita piranha morta.

~ 67 ~


— Ela ser uma maldita piranha morta é a razão pela qual eu não tenho a minha filha, — eu o lembrei, — e talvez ela esteja melhor vivendo com pessoas normais que não têm de se preocupar com toda essa besteira de matar ou ser morto. Bear revirou os olhos. — Besteira. Matar filhos da puta é negócio. Não tem nada a ver com a família. Que porra é que eles sabem, de qualquer maneira? Somos sem lei, meu amigo. Os civis não podem envolver seus pequenos cérebros fodidos em torno do que tudo isso significa sem mijar nas suas calças. — Você sabe que, aos olhos do MC, eu sou um civil, — retruquei. Bear me dispensou. — Só para o meu velho e que porra é que ele sabe? Parei por um minuto; antes que eu compartilhasse com Bear algo que eu nunca disse a ninguém. Nem mesmo Preppy. — Se eu alguma vez tiver a oportunidade de ser um verdadeiro pai para Max... Eu vou ser um civil completo. Como se você tivesse que me dizer. Eu sabia dessa porra de merda. Me deixe saber como será sua aplicação para a faculdade, seu fodido idiota, o fantasma de Preppy provocou. — Você não está pensando claramente agora. Nós vamos chegar até Eli e vamos mata-lo e tudo fica bem, em seguida, você pode pensar sobre o quão idiota você acabou de soar quando você me informou que o Rei da Calçada vai ser a porra de um legítimo5, — Bear zombou. Eu esperava essa resposta de Bear. Eu sabia que ele não iria entender que sacrifício uma pessoa faria para um filho, para a sua família. — Você sabe como você faria qualquer coisa por seus irmãos no MC? Bear assentiu. — Para o MC. Para você. Sim, cara. Qualquer coisa. Roubar, lutar, mutilar, matar. Merda, eu tomaria uma porra de uma bala. Eu iria voltar e tomar a porra da bala de Preppy agora se eu pudesse. — eu acreditei nele, porque a lealdade de Bear era profunda. — Bem, — eu comecei, — essas coisas são idiotas pra caralho comparadas ao que você estaria disposto a fazer para o seu próprio filho.

5

Ele quis dizer fazer coisas sem ser ilegal. ~ 68 ~


Foi à vez de Bear a sacudir a cabeça. Eu sabia que ele nunca realmente entenderia o que eu quis dizer, a menos que ele tivesse um filho algum dia, o pensamento era risível na melhor das hipóteses. Eu esfreguei minha mão sobre a barba por fazer no meu queixo, que durante a semana passada tinha virado mais do que um restolho. Tudo o que eu realmente queria era arrastar a pequena na minha cama e liquidar meu rosto entre suas pernas para o futuro previsível. Mas eu não podia fazer isso até que terminasse com Eli. O cara era inteligente. Ele gostava de sua vingança lenta, doce, e torturante. A tortura é a palavra que eu usaria para descrever não ser capaz de chegar até pequena. Era muito perigoso. O último cara que Eli perseguiu em seus sites perdeu sua família inteira, até seus primos em segundo grau antes que Eli, finalmente, colocasse um fim à miséria do cara de assistir a todos os que ele amava morrer um por um. — Vamos começar de novo na parte da manhã, — eu disse, — coloque mais antenas por aí, veja se podemos conseguir informações de alguém mais perto dele ou seu círculo íntimo. Alguém que sabe onde ele está no tempo presente, não passado. Eu esfreguei os olhos. Eu estava cansado, mas também inquieto. Minha pele estava literalmente louca para remover todos os últimos malditos problemas e avançar para as soluções. Como colocar uma bala no fodido Eli. Idealmente, eu gostaria de fazer isso sem sequer parar a porra do carro e, em seguida, voar de volta para pequena. Então, poderíamos organizar a coisa com Max. Juntos. — Você tem qualquer espaço em branco sobrando? — eu liguei a máquina sobre Bear, que estava deitado de bruços no sofá. Nós estávamos no apartamento que ele construiu para si mesmo na minha garagem. Sem janelas e apenas uma única porta de entrada e saída nos fazia sentir menos como alvos fáceis do que a casa principal. Bear falou, listando as partes de seu corpo que ainda não foram cobertas com tinta. — Alguns no meu pescoço, o interior do meu braço

~ 69 ~


direito, dois dedos eu acho... e meu pau, mas você não é meu tipo, filho da puta, então mãos fora. Ele não pode tatuar você no pau, Bear. Ele não faz micro retratos. Eu ri ao ouvir o som da voz de Preppy na minha cabeça e dei mais um trago no baseado de Bear que eu estávamos repassando. — O que é tão engraçado, porra? — ele perguntou, levantando a cabeça da almofada. Seus olhos bordados em vermelho. — Prep, — eu disse, segurando a fumaça em meus pulmões enquanto pude, deixando queimar no meu peito até que eu não tinha escolha, além de soltar. — Isso é fodido, mas... Eu ainda o ouço às vezes. Bear se sentou e tomou o baseado, puxando três vezes antes de se inclinar para trás no sofá com seus braços espalhados pela parte de trás das almofadas. — Eu sei o que você quer dizer. Eu também. Ele sempre esteve lá para acabar com toda a merda pesada. Agora que ele não está aqui, é apenas tudo pesado... e sem Prep. O plano tinha sido tirar uma noite e descansar um pouco antes de voltar. Eu virava na cama durante horas, sabendo que até ter a pequena de volta na minha cama, eu nunca teria uma boa noite de sono novamente. Ouvi Bear rosnando, prendendo a fumaça e tossindo. Então, finalmente, tínhamos acabado. Durante três horas estávamos ficando chapados e por um tempo foi quase como nos velhos tempos quando eu, Bear e Preppy passávamos muitas noites exatamente da mesma maneira. Exceto sem Preppy. E, assim como naqueles tempos, eu tinha quebrado a minha arma de tatuagem. — Você está pronto para fazer isso? — eu perguntei, segurando a arma, usando o pedal para fazer zumbir no ar. — Porra, sim. Me pinte, cadela, — Bear veio e se sentou em uma pilha de pneus que ele usava como uma mesa de café improvisada, de costas para mim. Com o queixo no peito, ele chegou por trás de sua cabeça, movendo o cabelo para o lado. Ele tocou os dedos em um dos poucos lugares não marcados de pele em seu corpo. — Aí, cara. Eu fui à mão livre e 40 minutos mais tarde, Bear tinha uma nova tatuagem de escrita forte. PREP

~ 70 ~


******

Ele nem sequer pediu para ver antes que ele caísse de costas no sofá. Ele acendeu um cigarro e derramou um pouco de pó branco de uma pequena bolsa em cima da mesa, a cortando em linhas com uma lâmina de barbear, usando uma nota de dólar enrolada para fungar duas linhas. Ele beliscou suas narinas juntas e riu. — Lembra-se daquela vez que eu pulei do telhado da garagem na baía? Cara, essa merda foi épica. — Eu me lembro, — eu disse, balançando a cabeça quando Bear tentou me entregar o dólar enrolado. — Sabe que Preppy teve um enfarte quando você o jogou na água. Ele tinha limpado seus suspensórios brancos três vezes naquela semana. Bear parecia tão cansado quanto eu, mas não havia mais do que apenas falta de sono. Eu nunca tinha o visto parecer tão desgastado. — O que você tem aí dentro? Você não foi montar por um tempo. Mesmo antes dessa merda toda descer com Preppy. Que porra está acontecendo com você? — perguntei. Bear suspirou, descansando a mão segurando o cigarro contra a sua cabeça. — Pops quer me passar o martelo. — Não foi sempre esse o plano? Bear deu de ombros. — Sim, quando ele morrer ou estiver com noventa. Mesmo assim, parte de mim pensou que ele seria enterrado com essa porra de martelo em suas mãos duras. Mas ele o quer passar para mim... agora. — Eu ainda não entendo. Qual é a porra do problema? Bear se levantou e começou a andar para trás e para frente na frente do sofá. — Para ser honesto, cara? Eu só não tenho certeza se quero mais isso. O que fazia sentido quando eu era novo agora não faz mais. Mudança de merda. No clube. Fora do clube. As coisas simplesmente não são como eu pensei que seriam, — Bear disse, olhando distraidamente para o teto. Ele balançou a cabeça como se estivesse limpando o nevoeiro para longe. — Talvez eu só precise de alguma buceta, — disse ele, — talvez quando tudo isso acabar eu vou enviar uma mensagem à garota britânica, Jodi. Ela fode como uma campeã e prefere na bunda. ~ 71 ~


— Uma garota aleatória não vai resolver essa merda, — eu disse. — Eu sei, mas meu pau na bunda dela, pelo menos, me faz esquecer por um tempo. — Bear se jogou de volta para o sofá. Ele coçou o braço. Eu acho que eu não era o único inquieto e ansioso para começar esta merda logo. — Se importa se eu te perguntar uma coisa? — Bear se inclinou para frente, agarrando seus cigarros da mesa. Ele não esperou pela minha resposta. — Por que Doe é a única com coragem de falar merda para você, quando você costumava passar por uma cadela ou duas por dia? Às vezes, ao mesmo tempo porra, — Bear lamentou. Eu levantei minhas sobrancelhas. — Nós vamos sentar conversar sobre nossos sentimentos de merda agora?

e

— Quero dizer, ela é linda, cara. E eu tenho tido meninas quentes, sexys, inúteis, mas em um tipo de „foda e pronto‟, saia do caminho. Ela é diferente. Uma garota como ela deveria estar muito longe de qualquer um até mesmo que se assemelha ao lixo branco da Flórida como nós. Eu peguei minha arma e a coloquei sobre a mesa. — Você está prestes a dizer algo que eu vou precisar disso? — perguntei. Mas era o que ele não estava dizendo, que foi escrito por todo seu rosto barbudo loiro, que estava realmente me irritando. Ele queria proteger a pequena. Porque ele a amava. Eu queria esvaziar o canhão de minha arma em seu peito do caralho, mas não o fiz. Porque eu entendi. Porque pequena era tudo em um pacote fodidamente bonito, e não era culpa dela que não só eu vi isso e não era culpa de Bear que ele sentiu isso também. Mas seria culpa dele, se ele agisse sobre isso. Se ele já tivesse a tocado, eu podia estar de pé sobre o seu cadáver, segurando a arma fumegante e eu ainda não sentiria nem um pouco culpado, porque seria culpa desse filho da puta se eu tivesse que acabar com ele. Bear sabia disso. — Foda-se você e sua arma, — Bear zombou, — Você já sabe que eu gostei dela desde o começo. — ele apagou seu cigarro em uma garrafa de cerveja vazia. — Lamento te a mandado subir as escadas

~ 72 ~


para você naquela noite. Não a manter para mim. — havia uma tristeza persistente em sua voz. — E então, quando você fodeu tudo isso por quase enfiar o seu pau em outra, eu nunca tinha estado mais chateado quando você mostrou arrependimento na doca. — Bear deu outra tragada no cigarro. — Da maneira que eu vejo, você me deve filho da puta. Bear a mandar para o meu quarto naquela noite foi a razão pela qual eu pus os olhos na pequena, era à única coisa por que o meu punho ainda não tinha se ligado com o seu nariz. Nós precisávamos de uma mudança na conversa antes que eu fizesse algo que nós dois lamentaríamos. Eu, porque ele era meu amigo. Ele, porque estaria cheio de fodidas balas. — Você ainda não respondeu à pergunta, filho da puta. — Bear se inclinou para frente. — Por que ela? Eu dei de ombros. — Eu não sei, — eu respondi honestamente. — É apenas mais um fato. Assim como o céu é azul. A grama é verde. — eu dei de ombros. — Ela é minha. Apenas é. Só sei isso. — Você acha que ela merece melhor do que essa merda? — Bear acenou com a mão ao redor da sala. — Do que você? — eu lhe lancei um olhar interrogativo. Se eu estava no limite antes desta conversa, eu estava oscilando agora. — Não para mim, filho da puta. Apenas... melhor. Do que isso. Do que esta vida. — Claro. — eu acendi um cigarro e inalei, lançando o isqueiro sobre a mesa. E então eu olhei para Bear e sorri. — Mas ela não tem melhor... ela me tem. Eu mal tinha começado a dizer as palavras quando concreto e aço desabaram em torno de nós, voando para dentro do apartamento quando um tornado foi rasgando. Eu abaixei; rastejando em meu estômago, procurando me esconder atrás da mesa de café. Tossi quando eu inalei uma golfada de poeira após a outra. Eu olhei, procurando a direção de onde o acidente tinha soado. Havia um buraco onde a parede tinha estado apenas alguns segundos antes. Os restos da parede; uma enorme pilha de blocos de concreto derrubado, cobriam a sala de estar.

~ 73 ~


E o sofรก que tinha estado contra essa parede. E a pessoa que tinha estado deitado no sofรก. Bear.

~ 74 ~


Capítulo oito DOE Era muito cedo. Ou tarde demais. Ou ambos, alguma coisa. Eu finalmente tive uma memória de alguém, uma pré-memória e era de alguém que eu conhecia no pós-memória. Nikki. A minha melhor amiga desde que eu usava fraldas. Que também foi a prostituta que tinha agido como se ela estivesse me fazendo um favor por me deixar, enquanto ambas tentavam sobreviver nas ruas. Não havia nenhuma dúvida em minha mente que era a ligação do meu passado e do presente que me ajudou a lembrar. Era a única coisa que ficou clara para mim. Tudo o resto era como dirigir um carro, com um para-brisa turvo, tentando olhar através das manchas para ver a estrada. Por que Nikki, sabendo quem eu era, sabendo que tínhamos sido praticamente irmãs, sugeriu me vender para um motoqueiro na festa de King em troca de uma cama quente e proteção? Incapaz de dormir e das muitas perguntas correndo pela minha mente, eu tinha saído para a varanda da frente e tinha ficado lá sentada olhando para a foto emoldurada de Nikki desde então. King não tinha sido o único a mentir para mim todo esse tempo. — Por que você não me disse quem você era? Quem eu era? — perguntei para a foto dela, correndo os dedos sobre a moldura prata. — Ei Ray, quanto tempo! O que há de novo? Como está indo? Como foi sua viagem? Como está Tyrant estes dias? — eu olhei para baixo, onde um carteiro estava no último degrau. Era leve, mas eu nem sequer me lembro do sol nascente. Ele usava shorts azuis escuros com meias até os joelhos. Seu sorriso era um daqueles genuínos que diziam que ele era ou uma daquelas pessoas verdadeiramente felizes, altamente medicamentada, ou completamente insano.

~ 75 ~


— Ei... — me sentei a partir do balanço da varanda, apertando os olhos em um esforço para ler seu nome no crachá, —... Barry? Ele está bem... Eu acho? — eu era uma mentirosa horrível, mas, ao mesmo tempo, eu não poderia lhe dizer que não só eu não me lembrava dele, mas que eu não tinha visto meu pai desde que ele me deixou no dia anterior com nenhuma palavra sobre quando ele estaria voltando. Eu não queria ofender o seu sorriso. Barry não disse outra palavra, mas ele não precisava. Suas sobrancelhas franzidas e nariz enrugado falou por ele. Ele colocou os envelopes no parapeito e sem outra palavra, ele caminhou para trás, antes de se virar e ir embora, como se tivesse acabado de alimentar um pit bull com raiva e estava tentando não ser mordido. Mas eu estava com raiva. Confusão é uma cadela. Isso leva a perguntas, o que só levam a mais perguntas que leva a ficar frustrada o que leva a ficar chateada. — Ele a quer ver em seu escritório, — disse Nadine. — Sua mãe está lá, também. Eles estão esperando por você. — Sério? — me levantei do balanço, alisando meu cabelo para baixo automaticamente e ajustando meus shorts, os puxando para que pudessem parecer mais longo. O que era estranho, porque eu não ligava para o que eles achavam de mim, mas o movimento para se certificar de que eu era apresentável era automático. Eu tinha visto o mesmo carro que me havia tomado à força de King naquela manhã, mas eu não tinha qualquer tipo de desejo de me apressar para o senador e o receber em casa também. Ele pode não ter sido a pessoa que tinha encomendado para que King fosse morto, mas havia algo consciente demais sobre toda a situação que estava me mantendo no limite com a minha guarda e firmemente travada no lugar. — A minha mãe está se sentindo melhor? — eu perguntei quando eu segui Nadine. A casa não era grande. As portas de vidro do escritório do meu pai podiam ser vistas de qualquer ponto da sala grande e cozinha e ficava a uma pequena distancia da porta da frente. Não havia necessidade dela me mostrar onde era. Mas então eu percebi que Nadine estava apenas tentando ser consciente de minha perda de memória. — Obrigada, — eu disse. Nadine assentiu com a cabeça e com um sorriso apertado, voltou para seu trabalho na cozinha.

~ 76 ~


E então aconteceu novamente. Pela segunda vez em menos de 12 horas. Desta vez, a pulverização foi apenas por um instante, as imagens chegando mais rápido, mais claras. Outra lembrança.

RAY 15 anos de idade O escritório do meu pai é seu templo, um santuário virtual para si mesmo e todos os seus ídolos políticos. Bandeiras americanas penduradas nas paredes em quadros, fotos de si mesmo apertando as mãos com os homens com dentes falsos brilhantes e brancos, e até mesmo sorrisos. Os homens que ele via como mais do que meros mortais. Os homens que ele aspirava a ser igual. Os deuses do Partido Republicano. Em sua busca para se tornar eles, meu pai tinha há muito tempo escolhido a política sobre a família. Exceto, é claro, quando a lei apoiava os valores da família envolvidos de algum tipo. Então, nós entrávamos em primeiro plano, desfilávamos ao redor e éramos usados como exemplo de tudo que uma boa família cristã conservadora deve ser. Uma cruz estava pendurada atrás da mesa, ao lado da bandeira americana. É besteira completa. ELE é besteira completa. Ele nunca pôs os pés dentro de uma igreja senão pela razão do que tem a ver com política, mas ele diz às pessoas que ele é um protestante. O que ele é, é um mentiroso. Tudo sobre ele, tudo sobre seu escritório, grita formalidade e besteira.

~ 77 ~


Era por isso que eu escolhi esta mesma sala como o lugar que eu iria lhe dar a notícia e durante suas horas de expediente, na esperança de que ele iria controlar seu temperamento em seu solo sagrado santo. Eu me vesti para a ocasião como se eu estivesse indo para uma entrevista. Uma jaqueta amarela e saia lápis, diretamente do manual Jackie Kennedy. Eu tenho me escondido há meses sob roupas largas, mas o terninho acentuava minha barriga arredondada. Eu estou de seis meses e não há mais como esconder. Eu espio meu pai através das portas de vidro francês, de costas para mim, se inclinando contra uma das cadeiras verdes na frente de sua mesa. Eu respiro fundo e empurro. — Pai, nós podemos conversar? — a palavra 'pai' parece engraçado de dizer. Eu não liguei para ele em anos. O uso da palavra é estratégico da minha parte da conversa como um lembrete do que ele é para mim. Algo que eu acho que ele muitas vezes esquece. Ele não foi qualquer tipo de pai para mim nos últimos anos. Ele não é um pai em tudo. Ele gira ao redor quando ele me ouve entrar, revelando que ele não está sozinho. Tanner está sentando em uma das grandes cadeiras verdes na frente da mesa do meu pai, sorrindo um pouco brilhante demais para o meu gosto. Algo está acontecendo. — O que está acontecendo? — eu pergunto, olhando para dentro da sala. O senador fala primeiro, — Tanner me disse suas novidades, — diz ele, endireitando a jaqueta, puxando a barra inferior. Ele olha para baixo, onde minhas mãos estão contra a minha barriga arredondada. Ele parece perturbado, como se alguém tivesse acabado de lhe dizer que seus números estão para baixo nas pesquisas, não que sua filha de quinze anos de idade, está grávida. — Ele fez? — eu iria matá-lo. — Sim, — diz ele, contornando sua mesa e tomando um assento em sua cadeira de espaldar alta, mais trono do que cadeira de escritório. Seus lábios se definem em uma linha reta. — E por mais que eu não quero, eu vou ter que trazer mais alguém sobre isso. Quem ele poderia estar trazendo? Oh. Merda. Minha mãe.

~ 78 ~


Eu ainda não tinha realmente pensado em contar a ela. Para mim, a minha mãe era uma não questão. Eu raramente a via e quando fazia, era em uma função onde ela fingia ser a mãe padrão perfeita, em seguida, quando as luzes se apagavam no salão de baile, o interruptor de ser 'mãe' era desligado e ela voltava a me ignorar como sempre. Eu nem mesmo ouço meus pais falarem um com o outro, a menos que eles estejam brigando por alguma coisa. E é sempre algo a ver com a campanha do meu pai. Eles pararam de discutir sobre a sua relação anos atrás. É difícil argumentar sobre algo que você não se preocupa. — Ok, — eu digo humildemente, me preparando para a tempestade de merda que estou prestes a receber. E embora eu esteja me encolhendo no banco ao lado de Tanner, eu estou estranhamente ansiosa pelo que está prestes a acontecer. Eu torço minhas mãos. Tanner não parece estar afetado. Ele está sentado casualmente com o tornozelo cruzado sobre o joelho. Meu pai se levanta, parecendo impaciente. — Eu vou voltar em um momento, — ele anuncia e sai da sala. Eu viro minha cabeça para Tanner. — O que exatamente você disse a ele? — eu sussurro. Ele sussurra de volta. — A verdade. Eu o soco no seu ombro. — Por que diabos você fez isso? Eu ia dizer a ele. Isso é o que nós tínhamos combinado! — Sim, mas eu pensei sobre isso e eu decidi que era melhor se viesse de mim, porque ele não pode ficar chateado comigo. — Isso não era sua decisão de fazer, Tanner. Você não pode simplesmente decidir todas as regras sozinho, você sabe. — eu cruzo meus braços sobre o peito. — E por que ele não pode ficar bravo com você? — Ele pode ficar bravo, ele apenas não pode chutar a minha bunda ou qualquer coisa. Porque se ele fizer, ele sabe que tudo o que levaria seria dizer ao meu pai quão bom o senador foi comigo. E, então o seu número de eleitores e dinheiro cairia a um ponto insuportável, — Tanner diz com orgulho. Ele pisca para mim. Ele tem um ponto.

~ 79 ~


Eu ainda estou chateada embora. — Estou feliz que você está sentado aí todo presunçoso e arrogante, enquanto eu estou literalmente tremendo nas minhas botas, — eu digo. Meu pai volta para a sala, seu telefone celular em sua mão. Ele toma seu assento e coloca seu telefone em cima da mesa. Talvez seu plano fosse ligar para a minha mãe? Eu sabia que ela não estava em casa, mas não tinha ideia de onde ela desapareceu. Eu posso apenas imaginar o que ela tem a dizer sobre isso. Suas perguntas para mim são sempre sobre em que eu tenho me metido ou conter algum outro comentário sarcástico sugerindo que eu sou outra coisa senão a filha obediente e perfeita. Ou era. — Ramie Elizabeth... — o senador começa. Isso é o que ele sempre me chama quando eu não vivo em seus padrões impossíveis. Em seguida, ele adiciona uma acusatória declaração na terceira pessoa para o fim disso. Ramie Elizabeth decidiu parar de estudar piano sem me dizer. Ramie Elizabeth parece pensar que seus pequenos desenhos são mais importantes do que uma verdadeira educação em uma escola real. Ramie Elizabeth estava andando de novo com aquela menina horrível, Nicole Arnold, novamente. De uma maneira estranha, estou muito feliz por ser capaz de dar a ele algo digno de sua decepção. Todo o resto tem sido um incômodo leve. Um pingo no oceano neste exato momento. Ele será capaz de colocar suas habilidades de marketing nunca falhas para o bom uso hoje. Porque hoje é fogo real. —... Você está grávida, — diz meu pai, como se ele fosse o único a me dar a notícia. Eu vacilo porque ouvir as palavras em voz alta de alguma forma faz com que seja ainda mais real. Como se agora que ele sabe, estou ainda mais grávida do que eu estava quando eu passei pela porta. — Eles não ensinam sobre preservativos na escola particular de vocês? — o senador me pergunta, então eu vejo o pesar em seu rosto quando a segunda pergunta deixa seus lábios, porque ele já sabe a resposta. ~ 80 ~


Tanner vê a mesma coisa que eu e ele responde por mim. — Não senhor. Eles não fazem, — diz ele com um sorriso enorme. E eu sei por que ele está sorrindo. Meu pai fez campanha contra o ensino de contracepção em nosso distrito escolar local. Seu plano para o ensino de educação sexual tinha sido a abstinência, só a abstinência. — Limpe esse sorriso de sua cara ridícula, — meu pai diz a Tanner, se debruçando sobre a mesa. — Eu vou ter Nadine chamando um médico particular. Claro que não pode estar atrás de um aborto, mas a partir de agora, a lei está do seu lado e ainda é a sua decisão de fazer até que os republicanos mudem as coisas como estão. — não é uma declaração sobre as minhas opções, era uma sugestão. Uma ordem. — Não! — eu digo, me levantando. Eu prendo meu vestido solto contra a minha barriga muito arredondada para que ele possa ficar cara a cara com o que ele estava sugerindo que eu faça. — É tarde demais para isso, — eu digo, — e mesmo se não fosse, eu não iria ligar para um médico e me livrar dele. — eu olho para baixo. — O que quer dizer com é tarde demais? — meu pai pergunta com cautela. — Ela já está de seis meses, — diz Tanner, tentando desviar um pouco sua amargura longe de mim. Felizmente funciona, porque o senador se move para um novo plano. Eu ainda estou esperando ele ligar para a minha mãe. — Precisamos resolver isso, descobrir como vamos abordar esta bagunça, — meu pai diz. — Há muita coisa a considerar em assuntos como estes, — e ele está certo. Temos de falar sobre o que eu vou fazer sobre a escola. Quem estaria me levando para as consultas do meu médico, e muitos outros detalhes. Eu entrelaço os dedos e tomo uma respiração profunda. — Olha, — eu começo, mas meu pai levanta a mão para me silenciar e pega seu telefone de mesa, o arrastando para o centro. Ele abre seu telefone celular e mexe nele. Encontrando o que ele está procurando, ele aperta o botão de viva-vos do telefone. — Aqui é Mags, — uma voz de mulher anuncia. — É Price, — meu pai diz. — Temos uma situação aqui. Nós teremos uma necessidade de elaborar uma estratégia, imediata, e então nós precisamos conversar sob o índice de aprovação. Talvez fazer uma enquete.

~ 81 ~


Mags. Eu conheço esse nome. O homem na minha frente, meu pai, se inclinou sobre o telefone de mesa, não se importando nem um pouco que sua filha adolescente está grávida. Ele não se importa que eu vá faltar à escola. Ele não se importa que eu não saiba nada sobre como cuidar de um bebê, ou que todo o meu mundo está prestes a mudar da maneira mais drástica que se possa imaginar. Não. Este telefonema é como jogar um balde de gelo sobre a minha cabeça, me arrastando de volta para a realidade de que era o senador. Porque o seu telefonema era unicamente para Mags Allbright. Relações públicas extraordinárias. Eu não sou sua filha. Eu sou uma situação. Esse foi oficialmente o último dia que eu o chamei de pai. Daquele dia em diante eu o chamava por um nome e apenas um nome. Senador. Meu pai estava sentado atrás de sua mesa e parecia muito como no dia que eu lhe disse que estava grávida, exceto, talvez, um pouco pior pelo desgaste. Havia círculos em torno de seus olhos, seu cabelo estava visivelmente mais grisalho, sua tez agora ligeiramente amarelada. Me sentei na mesma cadeira verde que eu sentei três anos antes. — Você não vai dizer olá? — perguntou uma voz a partir do canto. Virei à cabeça para ver a minha mãe sentada com a postura perfeita, com as pernas cruzadas nos tornozelos, em uma cadeira de espaldar alta. — Olá, — eu disse. Minha mãe se sentou para frente, se apoiando no braço do sofá. Ela pegou um copo de vidro que foi preenchido com algum tipo de licor negro e se levantou. Ela colocou o copo sobre a mesa do senador, a garrafa do lado. — Você está se sentindo melhor agora que você está de volta do... spa? — perguntei. — Estou bem, querida. Tão feliz de ter você em casa, — disse ela roboticamente. — Eu estou supondo que você não se lembra de mim também, — ela afirmou.

~ 82 ~


Eu balancei a cabeça e, em seguida, me lembrei do quadro de imagem que eu ainda estava segurando em minhas mãos. — Eu me lembro dela, no entanto. — eu virei a armação para cima na minha mão e apontei para Nikki. — Você se lembra de Nicole? — perguntou meu pai, parecendo muito surpreso. Eu balancei a cabeça. — Apenas uma memória. Ela veio à minha janela, me pediu ajuda. Dinheiro. — meus olhos se encheram de lágrimas, mas eu lutei de volta. — Eu disse não. O senador suspirou. — Eu a tinha proibido de vê-la depois que ela foi para a reabilitação pela primeira vez, mas você não escutou. Você nunca escutava quando se tratava dessa garota. — Aparentemente, uma vez o escutei porque me lembro de mandá-la embora da minha janela. — E você deve estar feliz por isso, — minha mãe entrou na conversa, — Porque ela... — Margot, — advertiu o senador. — Ela o quê? — perguntei. Eu já sabia a resposta, mas uma parte de mim precisava ouvir isso em voz alta. — Ela está morta, — minha mãe terminou, com um encolher de ombros. — Esse veneno que ela estava colocando dentro de si mesma, finalmente a matou. Eles a encontraram em um motel sujo no lado da rodovia. — não havia nenhuma reverência na voz de minha mãe, o nariz estava virado para cima como se ela cheirasse algo sujo no ar. — Ela tinha uma bolsa cheia de preservativos e drogas. Ela vendia para sustentar o vício. Me levantei da cadeira, quase a derrubando para trás. — Então, só porque você compra sua merda com um rótulo e a despeja em um copo, você acha que te faz de alguma forma diferente? — eu apontei para a bebida na sua mão. — Nikki atirou merda em uma veia, você está enviando em sua garganta. — eu balancei a cabeça em descrença. — Você é uma puta ignorante! Ela era uma viciada, assim como você é, obviamente, uma viciada. A única diferença entre as duas é que ela não tentou tornar isso bonito. — Saia, — minha mãe disse, com a mão tremendo visivelmente. Ela jogou o copo contra a parede e ele se espatifou contra um retrato de George W. Bush. ~ 83 ~


— Ambas. Parem. Margot, o carro está esperando. Vá. Vou te acompanhar em breve. — minha mãe olhou de soslaio para mim quando ela fez o que foi dito, deixando a sala como uma ventania. A porta batendo na frente fechou alguns segundos mais tarde. Meu pai não abordou o comportamento da minha mãe. — Nós temos que sair para um evento em Myrtle Beach. Enquanto isso, um especialista está vindo te ver. Ele é um especialista em trauma cerebral e perda de memória. Ele trabalha principalmente com os veteranos do VA, mas concordou em vir trabalhar com você. Experimente e se comporte enquanto estivermos fora e... sua mãe... ela está... frágil estes dias. Vá devagar com ela. — ele se levantou e abotoou o casaco. Ele abriu a gaveta da mesa e tirou um relógio de ouro brilhante berrante com diamantes vermelhos ao redor do aro. — Vamos estar de volta quinta-feira, — ele avisou e saiu da sala. De repente, meu medo de estar sozinha não faz sentido em tudo. Porque eu prefiro ficar sozinha a gastar mais um minuto com meus pais. Jurei ali mesmo ser a melhor mãe para Sammy, que de acordo com minhas lembranças, minha mãe nunca foi para mim. Eu queria que Sammy crescesse se sentindo amado e sabendo que não importa o que aconteça, eu sempre estarei lá para ele. A última coisa no mundo que eu queria era que ele crescesse e odiasse a própria mãe. Como eu odiava a minha.

~ 84 ~


Capítulo nove KING Quando a poeira abaixou, eu me arrastei na minha barriga, roubando um olhar para trás da mesa de café. O sofá onde Bear estava sentado já não podia ser visto nos escombros. E nem Bear. Houve uma comoção de vozes. Comandos foram latidos. Parecia que as ordens estavam sendo faladas em um buraco e tudo que eu poderia fazer era ouvir os ecos de suas vozes. Dor. Maçante e pulsante, irradiava a partir de minha cabeça. O sangue escorria em meus olhos. Minha visão ficou turva. Dois homens segurando AK‟s6 gritavam através da parede e entraram no apartamento. Eles pararam em algo pendurado na pilha de escombros no sofá e foi quando eu finalmente peguei um vislumbre de Bear. Ou, pelo menos, parte de Bear. Sua perna estava pendurada em um ângulo estranho, balançando sobre um grande pedaço de concreto. Sua calça jeans estava rasgada. Seu sangue espirrando. Algo se moveu e bateu minha atenção de volta para o buraco na parede. Havia um grande caminhão um pouco além dos destroços, ele ainda estava ligado, os faróis brilhando diretamente para o apartamento. Anexado a cabine estava algum tipo de dispositivo. Inclinado contra o caminhão, estava Eli. Ele me viu e sorriu, tirando seu chapéu para mim como se estivesse cumprimentando um velho amigo. Um ruído de trituração soou atrás de mim. Virei à cabeça para encontrar um dos homens de Eli em pé em cima de mim, apontando a AK na minha cara. — Você vai morrer hoje, — disse o homem. Cicatrizes cobriam um lado de sua mandíbula, uma fina tatuagem de prisão de 6

Metralhadora. ~ 85 ~


merda cobrindo seu pescoço. Um palito de dente pendurado em seu lábio, se movendo para cima e para baixo quando ele falou. — Depois de você, filho da puta, — rosnei, rolando para o meu lado, batendo em sua perna. Eu o joguei para fora de equilíbrio e ele caiu de lado. Peguei a arma que eu tinha escondido atrás do meu cinto e antes que ele pudesse levantar a arma novamente, eu já tinha apontado e ateado fogo, o mandando para o lugar no inferno reservado para pedaços de merda como ele. E eu. Eu corri até onde Bear estava preso sob os escombros. Tiros soaram, a mesa explodiu, cacos de vidro subiram para fora da mesa como se alguém apenas tivesse escorregado em uma piscina de água, em seguida, caiu de volta para baixo, enviando pedaços de estilhaços pelo ar, esfaqueamento na pele do meu pescoço e peito como um milhão de pequenas facas, não muito maior do que um grão de areia. Uma bala passou zunindo pela minha cabeça e se alojou na parede atrás de mim, errando minha testa por menos de uma polegada. Eu me levantei e apontei minha arma para o homem rosnando que usava um olhar de decepção no rosto, chateado que ele tinha perdido seu alvo pretendido. Eu. Eu levei mais tempo para mirar do que era seguro, de pé a céu aberto, sem cobertura, mas a minha pequena arma só tinha uma bala e eu precisava fazer valer a pena. Eu apertei o gatilho e os olhos do homem se arregalaram quando a bala perfurou sua garganta. Ele engasgou e borbulhava em seu próprio sangue quando ele caiu no chão. Soltei a arma e comecei a limpar os escombros do sofá. Depois do que pareceu uma eternidade, mas foi provavelmente apenas alguns segundos, eu limpei um bloco que revelou o rosto e pescoço de Bear. Me inclinei e encostei o ouvido no seu peito. Ainda respirando. Eu tinha que me mexer rapidamente. Eli estava em pé do lado de fora e só Deus sabia o que aquele filho da puta louco estava armando. Eu cheguei por trás de Bear e tentei pegar uma arma de um de seus coldres sob seu colete. Eu não tinha dúvida de que estava completamente carregado. Bear estava sempre preparado. Eu não tinha

~ 86 ~


libertado com sucesso a arma quando mais sete homens irromperam através do buraco na parede. Todos armados. Todas as armas destinadas a mim. Eu congelei. A porta da frente se abriu e mais quatro homens apareceram, seguido por Eli. — Eu sei que eu fiz a minha própria entrada, mas eu tinha que usar a porta da frente, você vê. É mais civilizado dessa forma. — disse Eli, empurrando os óculos escuros até a ponta de seu nariz. Ele olhou ao redor da sala e torceu o nariz. — E Deus sabe que alguém tem de permanecer civilizado nessa cidade de merda esquecida por Deus. Eu não iria culpar qualquer homem por desistir se eles estavam na mesma situação que eu estava. Desarmado, diante de um pelotão de fuzilamento. Eu não era um homem qualquer. Eu tinha coisas para viver. Pessoas por quem viver. Minhas garotas. Bear. Grace. Minha família. — Rei da Calçada, — Eli cantou, lendo de uma placa na parede que Preppy tinha feito para mim quando nos mudamos. — Eles adoram você aqui. — era uma afirmação, não uma pergunta. Ele soltou um longo suspiro. — Que pena, você sabe. Poderíamos ter feito alguns negócios juntos, você e eu. Ele soou como Isaac antes da merda ir para baixo com Preppy. — Mas agora? Agora que você matou Isaac sem pensar muito a respeito das repercussões... bem, eu não faço negócios com homens estúpidos, King. — ele ressaltou o meu nome como se fosse uma coisa ridícula de dizer. Eu abri meus dedos e assobiei por entre os dentes. — É melhor você ter cuidado com quem você chama de estúpido, filho da puta, — eu cuspi. — Isaac veio até mim e meu pessoal depois que eu já tinha oferecido o cortar em nosso negócio. Se você quiser chamar alguém de estúpido, deve ser ele, — eu ri. — Oh, espere, você não pode... porque eu fiz a cabeça do desgraçado explodir. — talvez eu fosse o único estúpido depois de tudo, porque eu sabia que insultar Eli não era a coisa mais brilhante a fazer, mas eu precisava deixar aquele filho da puta saber que ele não estava lidando com alguém que iria apenas rolar e morrer. ~ 87 ~


Isso não era uma fodida opção. Assim, enquanto Eli falava, formei um plano. — Isso não era a porra da sua decisão a fazer! — disse Eli, seu rosto pálido ficando vermelho. Ele tirou os óculos escuros. Seu olho direito estava ausente, nada além de um buraco em seu lugar. — Eu decido quem vive e quem morre nesse estado. Nem você! Nem ninguém! Eu! Essa é a minha decisão! Eu peguei a minha outra arma, a que eu tinha ameaçado Bear mais cedo no chão a poucos passos de distância. — Isaac se tornou minha decisão quando ele apontou suas armas de merda para mim e para os meus meninos e estuprou... — eu estava prestes a dizer a minha mulher, mas rapidamente corrigi, — a cadela de um motoqueiro que não gostou do que ele estava oferecendo. — Eu não me importo se ele estuprou a buceta de sua mãe, porra! — Eli fervia. — E o que você fez foi estúpido, porque isso vai lhe custar sua vida... — ele acenou para os meninos que começaram a descer sobre mim. Me recostando contra a parede, eu encontrei o que eu estava procurando e cliquei no interruptor com o meu ombro. A porta da garagem velha no lado da sala, uma que Bear tinha coberto com uma enorme bandeira dos Bastards Beach, gritou para a vida, guinchando e raspando, arrastando metal contra metal enferrujado conforme ela se esforçava para abrir pela primeira vez em anos, enviando o mobiliário e um armário de vidro, que tinha sido encostado a ela, ao chão. Vidro se estilhaçou. Madeira estalou. Foi apenas a distração que eu precisava. Apenas tempo suficiente para pegar a arma do chão e ir em direção a Bear. Eu puxei e puxei, mas ele estava preso sob o concreto. A bala atingiu de raspão meu ombro, deixando um rastro de carne queimada na minha pele. Eu mergulhei através do buraco na parede, conseguindo atirar no processo. Enviei pelo menos mais dois homens de Eli para o inferno no processo. Balas explodiam o concreto em volta de mim. Eu deslizei para o lado da garagem e fiz meu caminho para o mato grosso que crescia no quintal. Eu me escondi entre um vaso de raízes de cipreste. — O encontre ou vocês todos morrem! — gritou Eli, ainda dentro da garagem, com as mãos na parede, em cima do buraco. Passos pesados passaram por mim em ambos os sentidos. Alguns indo no caminho da estrada, outros pelo resto do caminho.

~ 88 ~


Eu não estava em qualquer uma dessas direções. Assim que os passos ficaram longe, eu corri através da mata, habilmente evitando a colisão enquanto eu cortava pelos troncos que eu estava familiarizado pela maioria da minha vida. Mesmo quando Preppy e eu não tínhamos vivido na casa de palafitas, tínhamos acampado na mata que a rodeava. Eu abaixei sob os manguezais e fiz meu caminho para a água. Eu segurei minha respiração, afundando o máximo que eu poderia antes de empurrar a vegetação e nadar pelo pequeno lago para o outro lado. Saí, apenas até o meu nariz, antes de me levantar para a beirada. Eu olhei através do lago, observando os homens correrem de volta para Eli. O mais provável, entregando a notícia de que eles não poderiam me encontrar. Ele balançou seus punhos no ar e soltou um rugido frustrado. Dois dos homens correram de volta para a garagem e saíram poucos minutos depois. Um estava andando para trás, enquanto o outro estava mancando para frente atrás dele. Eles estavam lutando para carregar algo quando eles fizeram o seu caminho para a fogueira no centro do pátio. Eli seguiu atrás dele, parecendo mais calmo do que momentos antes. Ele tirou um charuto e o acendeu com um isqueiro. A fumaça encobriu o seu rosto em branco. Ele jogou o isqueiro para a fogueira e depois atiçou as brasas com uma vara longa, que veio rugindo para a vida e eu era capaz de ver o que eles estavam carregando. Bear. Ele foi colocado perto do poço de tijolo, sua mão pendurada um pouco acima das brasas vermelhas. Eli olhou através do lago e mesmo que eu sabia que não podia me ver, de alguma forma ele sabia que eu estava olhando para ele, porque ele tirou o chapéu e sorriu. Era um desafio. Eu era o coelho que ele queria assustar para sair do buraco. Bear foi à bomba de fumaça que ele ia usar para fazer isso. Seu plano estava funcionando muito bem, porque de jeito nenhum eu não iria voltar para salvar Bear. No mínimo, eu iria morrer tentando.

~ 89 ~


Capítulo dez DOE Eu senti como se estivesse andando por aí usando armadura para me proteger dos pais que realmente não dão a mínima para mim, e das questões que estavam no meu cérebro sem resposta como um maldito aneurisma prestes a estourar e sobre Tanner. Que, ao olhar para trás, eu me sentia uma merda sobre como nós deixamos as coisas. Eu realmente senti como se ele pudesse ser um bom amigo. Mas em vez de ser solidária com o que ele estava sentindo, eu joguei na cara dele e gritei com ele. Eu estava sozinha. Totalmente na merda e sozinha e por algum motivo isso me deixou louca. Eu era ou uma cadela furiosa ou tão insensível a tudo que eu era praticamente uma muda. E eu tinha empurrado Tanner para longe. Que por sua vez significava que eu tinha empurrado Sammy para longe. E isso era o oposto do que eu queria. Eu tinha estado prestes a ir ver Tanner, mas ir para ele e o forçar a falar comigo antes que ele estivesse pronto seria como o chutar enquanto ele está no chão. Então eu decidi esperar ele vir falar comigo quando estivesse pronto. Se ele alguma vez fosse estar pronto. Pelo menos com a chegada do especialista eu tinha uma distração temporária para ocupar meu tempo. O especialista tinha aparecido e me queimado a cabeça por uma hora. Dr. Royster, um homem com idade para ser avô do meu avô, não me perguntou nada sobre como eu estava me sentindo. Ele cortou direto ao ponto e me perguntou o que eu me lembrava. Eu disse a ele sobre Nikki. — Não há duas lesões cerebrais iguais. — Dr. Royster tinha dito. — Especialmente aquelas que afetam a memória. — no final, ele

~ 90 ~


me disse que eu deveria procurar a ajuda de alguém que me conhecia. Alguém com quem eu passei mais tempo e com quem eu poderia andar através da minha vida e de minhas memórias e esperar evocar algum tipo de exorcismo mental. Após o especialista sair, eu encontrei Nadine na cozinha. — Como foi? — perguntou ela, utilizando produtos de limpeza para as bancadas e esfregando com um pano. — Basicamente, se ele estivesse me dando as minhas chances de viver, eu tenho um 50/50, — eu disse, tomando um assento em uma das banquetas. O produto cheirava uma combinação nauseante de vinagre e água sanitária. — Ele também quer que eu tenha alguém para me levar através das memorias de minha vida. Lugares que eu fui, coisas que eu gostei. — eu me inclinei para frente e mordi meu lábio inferior, — O que você me diz? Nadine sorriu. — Garota, eu adoraria te ajudar, mas eu não acho que refazer seus passos sobre como eu faço o café da manhã e me observar dobrar roupa é realmente o que ele tinha em mente. Se você quiser falar com a pessoa que você conhecia melhor, você precisa falar com... — ela fez uma pausa e dobrou o pano, o colocando sobre a torneira da pia, colocando suas mãos espalmadas sobre o balcão. Ela olhou pela janela como se estivesse refletindo sobre alguma coisa. — Nikki? — eu ofereci. — Quem te disse sobre ela? — perguntou Nadine, olhando para mim. Eu dei de ombros. — Eu acho que minha mãe mencionou algo sobre ela ser minha melhor amiga e uma má influência. — Ela era muito mais do que isso, — disse Nadine. — Ela era como uma irmã para você. Vocês duas faziam tudo juntas. — Incluindo fugir? — perguntei. — Certo? Nadine desviou o olhar pensativa e se virou para mim. — Atrás dela? Talvez. Mas nunca fugir. Você não deixaria Samuel e Tanner. Você não me deixaria. Isso eu sei. — ela me bateu na ponta do nariz. — Tanner, ele é o cara que você quer falar. Além de Nikki, vocês dois eram mais apertados do que a tampa em um pote de picles. — Eu posso ter estragado isso. Ele veio falar comigo e ele ficou bravo. Em vez de ser compreensiva, eu meio que gritei com ele. — Nadine balançou a cabeça e ofereceu um pequeno sorriso. ~ 91 ~


— Menina, não há nada que o menino não iria te perdoar. Vá o encontrar. Tenho certeza que ele vai ajudar. — Nadine me enxotou para fora da banqueta. — Agora saia menina, eu tenho que limpar estes pisos. Quem decidiu que a madeira escura era boa foi o próprio diabo porque eu estou passando pelo inferno tentando a manter limpa. Tanner vivia a apenas uma quadra ou duas de nós. Nadine me apontou na direção certa. Mas, assim como eu sabia onde a casa de barco era, meus pés sabiam o caminho para Tanner. Uma grande mulher com bochechas rechonchudas e batom vermelho brilhante atendeu a porta e me informou que eu tinha acabado de perder Tanner. Me sentindo derrotada, eu fiz o meu caminho de volta para casa, mas eu não estava pronta para voltar para dentro. Eu fiz meu caminho de volta para o barco abandonado. Eu carreguei meus sapatos quando os meus pés afundaram na areia macia. Eu tinha acabado de circular os manguezais quando vi Tanner, sentado na beira do cais, com os pés pendurados na beira. Ele estava vestindo uma camiseta azul e calções de basquete. Ele parecia estar perdido em memórias, com foco em seus chinelos que pendiam de seus dedos do pé. — Ei, — eu disse quando eu me aproximei dele. — Onde está Sammy? Ele olhou para cima e protegeu os olhos do sol. — Ei. Ele está com meus pais no clube. Avós/crianças, uma quadrilha feita. — ele riu, mas sorriso nunca alcançando os olhos. — Este lugar está ocupado? — perguntei. — Todo seu, — disse Tanner, suavemente fugindo para o lado para dar espaço para mim. Me sentei ao lado dele e olhei sobre a água, sem saber o que dizer, nervosamente mexendo com as minhas mãos em meu colo. Felizmente, Tanner falou primeiro. — Aqui era meio que o nosso lugar, você sabe. Passamos horas aqui, pescando no lago na parte de trás do barco ou observando as tempestades. Quando seu pai lhe disse que era um perigo para a segurança e a queria longe daqui, você chorou por uma semana. — Ele não parece o tipo de pessoa que não iria fazer algo só porque me perturba. — Oh, ele não é. — Tanner concordou. ~ 92 ~


— Então por que isto ainda está aqui? Tanner sorriu. — O senador não vê emoção, ele vê a razão, e mais do que isso, ele vê legalidades. — ele riu e seus olhos castanhos brilhantes iluminaram. — Eu gostaria que você pudesse se lembrar do olhar em seu rosto quando você lhe entregou o inquérito que imprimiu online. Quando você apontou que o barco não estava em sua propriedade, então tecnicamente não era dele para remover, eu pensei que ele ia desmaiar. Então, quando você lhe informou que você arquivou os documentos, o declarando um marco histórico... Acho que foi a única vez que eu já tinha visto ele realmente rir. Ele parecia quase... orgulhoso. — Então o barco ficou, — eu disse. — Sim, ele teve as paredes reforçadas com tubos de aço para que ele não caísse em torno de nós, mas ficou. — ele se virou, levantando o pé para cima da doca, apoiando o queixo no joelho. — Por sua causa. — Então eu acho que ele pode não ser de todo mau. Embora eu ainda veja isso. — Ouça, — eu comecei. — Eu queria dizer que eu estou... — Não, Ray. Eu sou o único que está arrependido. Eu gritei com você. — Tanner abanou a cabeça. — Eu nunca gritei com você antes. Eu estava tão furioso comigo mesmo quando deixei sua casa. Eu deveria ter sido simpático. Você precisava de um amigo e, em vez disso, eu descarreguei toda a minha merda em você. — Não se desculpe. Isso tem que ser difícil para você. Minha atitude de ser tão defensiva não tem ajudado em nada. — Bem, então eu acho que isso está resolvido, — disse Tanner. — Nós dois estamos desculpados. — Está bem, — eu admiti. — Então, onde devemos ir primeiro? — perguntou Tanner, se levantando a partir do cais e estendendo a mão. — Hã? — Eu vim te ver e falei com Nadine, ela disse que você precisa de um guardião de sua memória. — ele apontou para si mesmo com os polegares. — Eu sou seu cara.

~ 93 ~


— Você não tem que fazer isso. — peguei a mão dele e ele me ajudou a levantar. Agora foi a minha vez de proteger os olhos do sol quando eu olhei para ele. — Eu sei exatamente onde devemos ir primeiro, — disse ele. Quando eu comecei a me afastar, ele olhou para onde sua mão ainda segurava a minha. — Desculpe, — disse ele, soltando. — Eu não posso prometer coisas que vão continuar acontecendo. É realmente apenas um hábito. Mas eu prometo que vou ser mais compreensivo quando você se afastar. — Talvez isto não... — eu comecei. — Se vista confortavelmente. Encontro você lá na frente em 20 minutos! — disse Tanner, girando e correndo de volta para a doca. Eu não me sinto ameaçada pela afeição de Tanner. Na verdade, uma parte de mim gostou quando ele agarrou a minha mão. Não porque eu gostava dele dessa maneira, mas porque me sentia bem em saber que enquanto eu estava fora e preocupada que ninguém tinha me procurado, que eu não tinha ninguém que se importasse, Tanner estava aqui o tempo todo, sentindo minha falta. Com o nosso filho.

~ 94 ~


Capítulo onze DOE Tudo no armário de Ray, meu armário, era de cor clara. Além das portas estava um mar de branco, amarelo e rosa. Principalmente vestidos, tipo Jackie-O7. Saia social e blusas com botão até o pescoço. Não é que era feio. Ao contrário, era realmente bonito. Um pouco conservador, mas bonito. Mas eu desejava as roupas que eu tinha deixado para trás com King. Tops pretos, calças jeans justas e chinelos. Todos foram escolhidos e comprados para mim, cortesia de Preppy. Que foi a outra razão pela qual eu provavelmente os amava tanto. Corri minhas mãos sobre os diferentes tecidos no armário e me perguntei como no espaço de poucos meses meu gosto poderia mudar tão drasticamente. Ou talvez eu sempre tenha gostado de minhas roupas confortáveis, mas simplesmente não tinha sido capaz de dizer o que penso. Talvez quando eu perdi minha memória, eu cresci um par de bolas. Depois de um pouco mais de pesquisa, eu tinha encontrado algumas coisas que eu me senti confortável e depois de um banho rápido, coloquei um par de Converse preto, uma camiseta com decote em V preta, e um par de shorts jeans rasgados. Eu esperei Tanner na frente de casa como ele tinha instruído. Ele parou em uma caminhonete preta no mais recente modelo com detalhes cromados brilhantes. Algo

7

Jackie-O:

~ 95 ~


tinha sido feito a ela para a tornar muito mais alta do que a maioria das caminhonetes na estrada, o que me levou a pensar sobre uma outra caminhonete preta. Mais como uma caminhonete de estilo fazenda dos anos sessenta ou setenta e o homem que parecia tão bom em o conduzir. — Mamãe! — Sammy gritou do banco de trás, me trazendo de volta para o presente e meu coração deu um pequeno salto. — Vamos fazer algumas lembranças! — disse Tanner, circulando o carro para abrir a porta para mim. Durante toda a metade de uma hora de viagem, Sammy balbuciava sem parar. Fiquei impressionada com a paciência de Tanner, especialmente quando Sammy deixou escapar um grito agudo que só poderia ser descrito como um grito pterodátilo e Tanner apenas riu e encolheu os ombros. — Ele faz isso quando está frustrado. — Tanner apertou os lábios. — E quando ele está feliz, e quando ele está chateado, e quando... ele faz isso o tempo todo, — ele admitiu. Nós entramos em uma saída marcada pela reserva indígena. Nós cruzamos debaixo de um sinal feito de galhos dobrados que anunciaram que o lugar era chamado ALLIGATOR FUN LAND. Sammy gritou de alegria quando Tanner o levou para fora do seu assento e o segundo que seus pequenos pés tocaram o chão, ele correu pelas portas na frente de nós. Nós perseguimos Sammy de exposição para exposição. O tempo todo, Tanner me falou o que tínhamos feito antes. O que eu tinha dito. O que eu tinha pensado sobre os flamingos ou as tartarugas. Qualquer coisa para ligar o passado ao presente e desencadear uma memória. Na maioria das vezes, eu apenas sorri e acenei com a cabeça enquanto eu observava a energia do menino que era meu filho correr círculos em torno de nós. Para o almoço, comemos cachorro-quente de um carrinho e trouxemos para a pequena arena para assistir a alimentação dos jacarés. Sammy se arrastou no meu colo. — Mamãe, olha! — ele gritou, apontando para onde um homem vestido em um equipamento tipo safari, shorts cáqui e camisa de gola e manga curta combinando, tinha entrado em um portão no pequeno lago escuro. — Onde estão os jacarés? — ele perguntou, mastigando seu punho enquanto ele falava, espalhando a mostarda de seu cachorro-quente em cima em seu nariz. Tanner estendeu a mão e enxugou seu rosto com um guardanapo.

~ 96 ~


— Você tem que prestar atenção, — disse Tanner, apontando para a água. Quando o treinador amarrou um pedaço de carne vermelha na extremidade de uma corda, ligada a uma vara longa, o público de cerca de vinte pessoas ficaram quietos. Ele empurrou a vara sobre a água e a balançou para que a corda e a carne pendurada dançassem no ar. Em menos de um segundo, vários jacarés subiram à superfície em uma série de espirrar e se debater, abrindo as suas mandíbulas fortes e subindo uns sobre os outros para chegar à carne. O maior de todos eles era o único que foi bem-sucedido, apertando seus dentes afiados tipo navalha em torno da carne, arrancando a corda e desaparecendo de volta sob a água tão rapidamente como tinha aparecido. Tanner e Sammy aplaudiram e comemoraram juntos com o resto do público, mas a coisa toda me fez sentir perturbada. O treinador estava provocando animais mantidos em cativeiro. Parecia errado. Havia problemas suficientes no mundo; não havia necessidade de ficar olhando para ele oscilando a isca na frente de uma besta com fome e dentes afiados. Tanner cutucou meu cotovelo. — O show de alimentação nunca foi o seu favorito. Ou isso mudou ou Ray era realmente uma boa mentirosa. Dei de ombros e olhei para Sammy que ainda estava no meu colo, aplaudindo tão rápido que ele errada suas mãozinhas. Ele olhou para mim e sorriu, com a crosta de mostarda em torno dos cantos da boca. Eu não me importava se isso me deixasse com um gosto ruim na minha boca, se isso fazia Sammy sorrir assim, estava tudo bem por mim. — Nah, isso é ótimo. No caminho de volta para o carro, Sammy andou entre nós, agarrando ambas as mãos. Nós o balançamos para trás quando ele gritou em delírio, meu estômago fazendo um pequeno salto cada vez que eu sabia que seu sorriso era resultado de algo que eu tinha feito. Nós tínhamos feito. — Você sabe, nós tivemos nosso primeiro beijo aqui. No estacionamento. Nós realmente não podíamos nos dar ao luxo de entrar, então colocamos um cobertor na grama pela cerca para assistir um dos shows até que nos disseram para sair por segurança, — disse Tanner, seus olhos vesgos quando uma nuvem baixa descobriu o sol brilhante.

~ 97 ~


— Ah é? — eu olhei em volta para o lote lotado com as famílias e procurei por algo familiar, algo que iria colocar tudo no lugar para mim. Mas ele nunca veio. Quando as perninhas de Sammy ficaram cansadas para continuar caminhando, Tanner o levantou e o levou sobre seus ombros quando fizemos o nosso caminho através do estacionamento. Quando a mão de Tanner procurou a minha, eu já podia ver onde a caminhonete estava estacionada. A felicidade que irradia dos meninos era contagiante quando eles listaram todas as suas partes favoritas do dia. Eu não queria arruinar o dia incrível que tivemos recuando e novamente lembrando a Tanner que a garota que ele amava não era mais sua. Assim, por cerca de vinte passos para o carro eu deixei Tanner segurar minha mão. E por todos os cerca de vinte passos, eu pensei sobre King. Depois que nós tínhamos saído, fiquei surpresa quando, em vez de me levar de volta para minha casa, Tanner passou direto e, entrou na garagem de seus pais na casa rosa. — O que estamos fazendo? — perguntei quando Tanner continuou até a calçada longa e sinuosa para a parte de trás da casa. — Eu moro na casa da piscina atrás, — explicou Tanner. — Não, eu quero dizer por que você não me deixou em casa? — Eu percebi que você pode querer dar um banho em Sammy, ler uma história para dormir, me ajudar a o colocar para a cama, — disse Tanner, estacionando o carro do lado de fora de uma casa em uma versão menor, mas ainda rosa brilhante da casa principal. As janelas do veículo eram apenas ligeiramente mais baixas do que o telhado da casa da piscina. A verdade era que eu queria fazer tudo isso e muito mais. Eu nem sequer tive que pensar muito sobre isso para saber que o que eu realmente queria era manter Sammy comigo. Por ele para dormir em seu quarto no fim do corredor, eu sendo a única que ele acorda pela manhã, e que o coloca para dormir à noite. Mas eu não iria empurrar qualquer coisa. Eu ainda era a garota com a lesão cerebral. Claro que ninguém confiaria nele comigo em tempo integral quando eu nem me lembro de ser mãe em primeiro lugar. Mas eu não tenho que me lembrar de ser mãe de Sammy realmente para ser sua mãe. ~ 98 ~


Porque ele lembrava de mim. E olhando no espelho retrovisor, os olhos idênticos de Sammy, eu sabia que nada mais importava além de ser tudo que ele queria que eu fosse. Que eu queria que eu fosse. — Simmmmmmmm, — Sammy gritou, acordando de seu assento de carro. — Históriaaaaaaaaaaa. — Eu acho que eu vou dar o banho e ler uma história para dormir, então. — não é como se eu pudesse argumentar com esse nível de entusiasmo, mesmo se eu quisesse. Eu não quis. — É bom ver você sorrir. — disse Tanner, abrindo o lado do passageiro. Dentro da casa da piscina era mais como um grande quarto de hotel; cama e sala de estar em um mesmo espaço. Uma pequena porção da sala principal havia sido emparedada para fazer um quarto improvisado para Sammy. Tanner abriu a água do banho e no começo eu fiquei ali no centro do banheiro me sentindo inútil e desconfortável, sem saber o que fazer com as mãos. Mas quando Sammy jogou uma toalha e ela bateu no meu rosto, eu a puxei e fui até a banheira. No segundo que me ajoelhei ao lado dele, tudo se encaixou. Eu lavei o seu cabelo e o ensaboei como se eu tivesse feito isso mil vezes antes. Porque eu fiz isso mil vezes antes. Quando a hora do banho tinha acabado, eu vesti Sammy em um pijama que Tanner tinha colocado na cama e ele murmurava no meu colo enquanto eu lia para ele Larry the Leopard por Dr. Nellenbach. Quando ele adormeceu com a cabeça no meu ombro, eu andei para o outro lado do quarto e o coloquei na sua cama, que era baixa e tinha um gradil do lado para que ele não caísse no chão durante a noite. Eu estava prestes a sair quando a voz de Sammy me puxou de volta para o quarto. — Mamãe? — ele perguntou. — Eu estou aqui, — eu disse, me ajoelhando ao lado de sua cama. — Mamãe, canção luz do sol? — perguntou Sammy, conversando com o polegar na boca. Ele bocejou. — Música da luz do sol quando fica a noite.

~ 99 ~


Eu abri minha boca para dizer a ele que eu não sabia qual a música que ele estava falando, mas as palavras da canção saíram em seu lugar. Quando eu suavemente cantei para ele, Sammy fechou os olhos e cantarolou. Você é meu raio de sol, meu único raio de sol Você me faz feliz quando o céu está cinza. Você nunca saberá querido, o quanto eu te amo, Por favor, não leve o meu raio de sol embora. Quando a música acabou, Sammy abriu os olhos. — Mamãe deita comigo? — Sammy ergueu seu pequeno cobertor. Era uma oferta que eu não podia recusar. Me sentei em seu colchão e o levantei em meus braços. Me sentei de volta contra a cabeceira da cama e o segurei sob meu queixo, colocando o cobertor sobre nós dois. E por um longo tempo eu fiquei lá, respirando em seu cabelo. Absorvendo a sensação de seus dedos gordinhos suaves distraidamente brincando com os meus. A paz que eu não tinha conhecido desde que deixei King tomou conta de mim. A maneira como eu me sentia sobre Sammy foi a sensação mais esmagadora que eu já tinha experimentado. Como se cada parte de mim pertencesse a ele. Como a própria razão pela qual fui colocada sobre a Terra fosse para ser sua mãe. — Mamãe, — disse Sammy, aninhando no meu peito, — eu amo você muito. Cobri minha boca com a mão para abafar o som do soluço que veio do nada. Eu escovei os cachos de seus olhos e me inclinei para o beijar na cabeça. — Eu também te amo, baby. Demais, — eu disse a ele. E eu amava. Meu cérebro pode ter se esquecido dele, mas meu coração não. Eu fiquei lá por um longo tempo com o meu filho envolvido em meus braços. Muito tempo depois de sua respiração se tornar leve e eu saber que ele já dormia há muito tempo. Tive o cuidado de não o acordar quando eu mexi debaixo dele. Quando meus pés tocaram o chão, Sammy se agitou e eu o acalmei até que ele rolou de bruços com as mãos acima da cabeça. ~ 100 ~


Profundamente no sono. Eu mantive meus olhos sobre Sammy quando eu saí na ponta dos pés para fora, andando para Tanner, que estava em pé na porta. — Você esteve aqui o tempo todo? — eu sussurrei. — Sim, — admitiu Tanner, dando um passo para o lado para me deixar passar. Ele fechou a porta. — Eu não conseguia tirar os olhos de vocês. Ler histórias, hora do banho, é algo que eu nunca pensei que veria de novo. — Foi incrível... — eu admiti. Tanner sorriu e se sentou no sofá. — Seu quarto em sua casa é maior, mas depois eu construí isso para quando ele ficasse comigo. Embora eu admito que às vezes minha mãe é quem fica com ele. — ele deu um tapinha na almofada do sofá ao lado dele. — Minha mãe e meu pai tem mimado ele nestes últimos meses. — Dois quartos em duas casas, — eu disse, ainda de pé. — Ele normalmente só ficava aqui comigo um par de noites por semana. — Tanner disse, mais uma vez batendo na almofada, fazendo sinal para eu tomar um assento. Me sentei, mas na extremidade oposta do sofá, contra o braço. — Eu não mordo, Ray, — disse Tanner com uma risada. Eu tentei relaxar, mas eu precisava dizer alguma coisa e eu não sabia como ele iria levar isso. — Eu não quero empurrar as coisas, Tanner. E eu sei que eu realmente não me lembro dele como meu filho. Mas eu o sinto. Ele é uma parte de mim. Eu sei disso. — fiz uma pausa. Depois de começar com todas as razões por que ele deveria estar relutante em permitir o que eu estava prestes a perguntar, eu estava hesitante em continuar. Fechei os olhos. Respirei fundo e soltei. — Eu quero Sammy comigo, tanto quanto possível. Eu acho que ele quer estar comigo também. — eu virei minha cabeça e me preparei para a rejeição. Tanner zombou. — Você é a mãe dele, Ray. Você não precisa de minha permissão para passar um tempo com ele. — ele esticou o braço sobre as costas do sofá. — Vamos só levar mais lento. Sammy pode começar a gastar mais tempo com você, mas eu acho que seria melhor se ele fosse gradualmente. Foi uma adaptação difícil para ele ficar sem você, eu não o quero pressionar em qualquer coisa muito rapidamente.

~ 101 ~


Eu senti meu rosto se iluminar. Era bom voltar a sorrir. — Obrigada, eu realmente quero dizer isso. Isso seria ótimo. — eu suspirei de alívio. — Posso te perguntar uma coisa? — Absolutamente tudo, — disse Tanner e eu poderia dizer pela maneira como seus olhos brilhavam quando ele falou que ele realmente quis dizer isso. — Se estávamos juntos, então por que nós não moramos juntos? Com Sammy? Estas duas casas a menos de uma milha de distância parece um pouco estranho, você não acha? — E eu sei que não é comum nestes dias, mas depois que tivemos Sammy, decidimos que queríamos fazer as coisas da maneira certa e esperar até depois da formatura, como a forma como nós tínhamos planejado originalmente. — Tanner riu e franziu o nariz. — Na verdade, você decidiu que iríamos esperar. Eu não vou mentir, eu tentei falar com você algumas milhares de vezes ou mais. Então era isso. Nós iríamos morar juntos depois da... — ele parou e deu um tapa na coxa. — Nada, eu não deveria ter dito nada. Esqueça. — Não, me diga. Você prometeu me ajudar, me levar através das minhas memórias certo? — eu lembrei a ele. Tanner se levantou e caminhou até a cozinha. Ele abriu uma das gavetas e tirou algo dela. Segurando o que quer que fosse em uma mão e a cobrindo com a outra, ele caminhou de volta para mim e se sentou no sofá, desta vez com a coxa pressionando contra a minha. Tanner tomou um lado, revelando uma pequena caixa preta na palma da mão. — Nós não iríamos morar juntos até depois... — muito pânico. É o que eu senti quando ele abriu a parte superior articulada da caixa, revelando um anel fino de ouro coberto com um pequeno diamante redondo. As poucas outras memórias que eu tinha recordado fluíram em minha mente. Esta batendo fora de controle.

RAY 15 anos de idade

~ 102 ~


Tanner está doente. Realmente doente. Quebra meu coração ver os círculos escuros sob seus olhos. A jovialidade de sua brilhante camisa polo rosa não faz nada para iluminar o humor do que eu sei que ele está prestes a me dizer. Quando ele vai se sentar à beira da minha cama, ele se encolhe quando ele se conecta com o meu colchão macio. Ele está com dor, tem sido assim por muito tempo. Mas não importa quantas vezes eu lhe pergunte se ele está bem, ele esconde e me diz que ele está bem. Ele não pode esconder mais. Ele estava prestes a vir com a verdade e eu não sei se o meu coração pode lidar com isso. — Então, você sabe que eu estive doente por um tempo, — ele começa, pegando minha mão e entrelaçando os dedos com os meus. Mãos segurando veio naturalmente para nós. Nós temos feito isso desde que éramos pequenos. Ele é meu melhor amigo. Ele e Nikki. Sempre fomos. Estamos habituados a brincar de nos casar no barco quando éramos mais jovens. Após a insistência de Tanner, Nikki era sempre o reverendo e Tanner e eu sempre a noiva e o noivo. — Você é tão mandão. Você está sempre nos dizendo o que fazer. Não é justo. — Nikki disse a ele. — Por que eu nunca chego a ser a noiva? — ela lamenta. — Porque Nikki, — Tanner iria responder. — Eu e Ray vamos realmente nos casar algum dia. Tanner tem sido sempre tão certo do nosso futuro juntos. É sua certeza que me impede de dizer que eu penso nele apenas como um amigo. Mas isso também é uma mentira de certa forma, porque eu não o posso amar como uma esposa que ama seu marido, ou a forma como uma namorada ama seu namorado, mas Tanner e eu somos tão próximos que ele é muito mais para mim do que apenas um amigo. E eu o amo. Ele é a minha família. Ele é o meu mundo. Ele e Nikki são. Eu sempre pensei que talvez eu fosse crescer e me sentir da mesma forma que eu sei como ele se sente sobre mim. Temos tempo. Nós ainda somos tão jovens. Nós temos toda a nossa vida pela frente...

~ 103 ~


Recentemente, todas as questões do futuro de Tanner estão paradas. — Sim, é claro que eu sei que você está doente, mas você está recebendo tratamento, certo? Você está ficando melhor. — eu sei que antes de atravessar as palavras da minha boca que não é a verdade, e em algum lugar na minha mente, eu estou esperando que ele fosse continuar a mentira que ele estava recitando ao longo dos últimos meses. Que ele está ficando melhor. Que ele vai ficar bem. Eu procuro seus olhos por qualquer sinal de que ele está prestes a me dizer que ele fez uma recuperação milagrosa, mas a esperança em seus olhos está morrendo bem na minha frente. — Ray, parei de responder ao tratamento. Eu sinto que alguém está me perfurando no intestino. Não, no coração. — Mas há outra coisa que eles podem fazer, certo? Algum outro tratamento? Aqui, — eu digo, agarrando o meu laptop de minha mesa de cabeceira, o abrindo. — Vamos ao Google ver o que mais há para experimentar. Talvez algo oriental ou holística. — meus dedos voavam sobre o teclado enquanto eu tentava encontrar algo que eu sabia que não existia. Tanner pode ter mentindo para mim, mas eu não vou mentir para mim mesma. — Ray, — Tanner diz suavemente, fechando meu laptop e puxando meu queixo para cima para que os nossos olhos se encontrem. — Não há mais nada. Confie em mim, eles já tentaram de tudo. — Tanner esteve dentro e fora do hospital muitas vezes para contar desde que ele ficou doente. Em um ponto, ele estava longe mais do que ele estava em casa porque seus pais estavam voando em todo o país em busca de especialista para especialista. — Mas nós temos tempo. Não há mais nada que eles podem fazer para mim, mas o que eu tenho é de crescimento lento. Eu não vou ver a formatura, mas eles acham que eu tenho seis meses, talvez um ano. Possivelmente mais. Seis meses. Um ano. Mais um aniversário com Tanner, mais um Natal. Temos quinze. A vida não é suposta terminar em quinze anos. Vidas deveriam estar apenas começando. Há tantas coisas que Tanner não iria obter como experiência. Formatura. Graduação. Ter filhos. Nós temos o resto de nossas vidas...

~ 104 ~


Eu sempre pensei que o resto de nossas vidas deveriam ser superiores a seis meses. Um ano. — Isso é muito pouco tempo, — eu admito, formam lágrimas quentes nos meus olhos e se espalham em meu rosto. Tanner se inclina e limpa uma lágrima. Seus olhos castanhos podem ter perdido a esperança, mas ainda há vida neles. Não haveria crianças de cabelos encaracolados e de olhos castanhos como os olhos dele o chamando de papai. — Eu acho que vou vomitar, — eu digo, pulando da cama. Eu mal consigo chegar ao banheiro antes de esvaziar o conteúdo do meu estômago até que eu estou levantando e nada mais vem à tona. Eu faço uma promessa ali mesmo, me inclinando no vaso sanitário, que eu vou fazer o melhor do tempo que nos resta. Fazer tudo o que podia para me certificar de que quando Tanner se fosse, ele iria depois de experimentar tudo o que podia antes que seu tempo acabe. Eu puxo a descarga e escovo os dentes. Quando eu volto para o meu quarto, Tanner está se inclinando contra a minha cabeceira, olhando pela janela. As nuvens estão rolando sobre o sol, lançando uma sombra sinistra sobre seu corpo. — Como você está se sentindo agora? — eu pergunto, fazendo meu caminho até ele. — Fisicamente. — Eles me deram alguns remédios esta manhã. Eu estava com um pouco de dor, mas agora eu estou realmente me sentindo muito bem. Se eles não me dissessem que eu ia ser comida de vermes em um ano, eu provavelmente estaria me sentindo ótimo. — ele me pisca um pequeno sorriso e eu me encolho ao ouvir suas palavras, sabendo muito bem que elas são parciais, se não todas mentiras, mas a minha vontade de lhe dar tudo e mais no tempo que eu ainda tenho com ele é forte e me mantém focada no belo garoto de cabelos encaracolados na minha cama. — Você está bem? — ele me pergunta. Deixei escapar uma risada. — Você está realmente me perguntando se eu estou bem? — eu bufo. Tanner encontra o humor na sua pergunta e ri também. — Sim, eu acho que eu estou. — ao longo dos anos tem sido aquele sorriso dele que me leva para fora de cada lugar escuro. Eu mesma estive em vários e embora a minha situação familiar esteja longe de ser ideal, Tanner sempre me faz sentir bem quando tenho seu sorriso, eu sou a garota mais sortuda do mundo. — Posso tentar algo? — pergunto. Ele olha para mim e levanta uma sobrancelha. — Claro, o que é? ~ 105 ~


Eu não respondo. Em vez disso, eu puxo minha camisa sobre a minha cabeça e solto meu sutiã. — O que você está fazendo? — ele sussurra, os olhos arregalados quando ele olha para os meus seios nus pela primeira vez. — Apenas me diga se eu te machucar, — eu digo, empurrando meu jeans para baixo até que eu estou apenas em minha calcinha de algodão. — Ray, você não tem que fazer isso. Eu não quero que você transe comigo porque você sente pena de mim. Eu não quero sexo de piedade de você. — Você disse sexo? — Eu lati alto o suficiente para outras pessoas na cassa ouvir. — Disse sexo? — eu repeti em um sussurro. — Tanner Redmond, isto não é sexo de piedade. Isto é apenas fazer o máximo de proveito da vida. — eu escarranchei sobre ele e procurei por sinais de dor. Não havia nenhum. Eu agarrarei seus pulsos e coloquei a palma de suas mãos nos meus seios. — Eu não quero fazer desta maneira, Ray, — diz Tanner, embora algo se enrijecimento em seu jeans me diga o contrário. Ele deve ler o meu rosto. — Não, eu quero. É claro que eu quero, porra. — Tanner nunca amaldiçoa, mas não havia emoção em sua voz. — Role. — ele me empurra dele até que eu estou de costas. Ele se levanta e retira sua camisa. Seu corpo musculoso e bronzeado uma vez foi substituído com a pele pálida sobre os ossos salientes. Ele ainda é bonito para mim. Ele sempre seria lindo para mim. Eu levanto os meus quadris e retiro a minha calcinha. Sua tenda sobe em sua cueca boxer quando ele olha para mim. — Debaixo das cobertas, — diz ele. Eu desloco e levanto meu edredom e lençóis, realizando manobras por baixo. Ele empurra para baixo as boxers e eu levanto as cobertas para que ele possa se juntar a mim. Eu abro minhas pernas e ele se instala em cima de mim, sua excitação pressionando contra o meu estômago. Pela primeira vez em nossas vidas estamos pele com pele. — Você está nervosa? — Tanner pergunta. Ele provavelmente poderia sentir meu coração batendo como um martelo e vibrando a velocidades de quebrar no meu peito. Porque eu sinto o dele e ele está fazendo exatamente a mesma coisa. — Não, — eu minto. — Nem eu, — ele mente. ~ 106 ~


Tanner me beija e depois de alguns minutos ele se posiciona com a mão e, lentamente, me penetra. Dói em primeiro lugar. Apenas uma pequena pitada de dor, mas depois foi embora. Isso não se sente bem, é desconfortável na melhor das hipóteses, mas é bom estar compartilhando isso com ele. É apenas alguns minutos. Ele cai em cima de mim e beija meu pescoço. — Eu amo você, Ray. Eu te amo tanto que dói. E doeu. Muito. — Puta merda! Eu apertei minhas mãos sobre minha boca em surpresa. — O quê? Você se lembra de alguma coisa? — Tanner perguntou ansiosamente, procurando meus olhos para sua resposta. Eu balancei a cabeça lentamente, incapaz de lhe explicar o que eu acabei de experimentar. Tanner sacudiu meus ombros como se ele estivesse tentando sacudir a minha resposta de mim. — Ray! O que você lembra? O que é isso? Me conte! — Acabei de me lembrar... — O quê? O que você acabou de lembrar? — Acabei de me lembrar de que eu te amo.

~ 107 ~


Capítulo doze KING Ouvi Bear antes de o ver. Seu grito abafado rasgou o ar, a brisa o levou ao longo do lago e na minha cara como se ele estivesse parado ali, gritando para mim. Eu tinha invadido uma das casas de armazenamento de Preppy na floresta e encontrei exatamente o que eu precisava. Centro de abastecimento apocalipse zumbi, Preppy corrigiu. Eu mesmo encontrei um rádio transmissor no galpão, mas quando eu chamei o MC e pedi pelo velho de Bear, o garoto que respondeu me disse que Chop não estava recebendo chamadas. Quando liguei para o celular de Chop, ele foi para a caixa postal. Liguei para cada membro do MC de Bear cujo número eu tinha memorizado, mas assim que eles ouviram quem chamava, todos eles desligaram sem mesmo me deixar explicar que Bear estava em apuros. Deixei mensagens de voz. Enviei mensagens. Nada. Os Beach Bastards MC, com exceção de Bear, estavam trabalhando seu caminho para o topo da minha lista de filhos da puta que precisam ser ensinados uma lição de boas maneiras. Como era ter respeito. Como era a porra de uma fraternidade. Nós não precisamos desses filhos da puta, chefe. Preppy entrou na conversa. Você e eu temos essa merda. Bem, nós teríamos essa merda se eu pudesse segurar minha arma, ou tivesse um corpo, ou estivesse fodidamente vivo. Então nós teríamos muuuito e totalmente essa merda. — Mas você tinha que ir e morrer, — eu estava irritado que Preppy não estava lá comigo, e com raiva de mim mesmo por falar em voz alta com o meu melhor amigo morto e com raiva que eu estava zangado com ele por estar morto, pelo amor de Deus.

~ 108 ~


Eu carreguei tudo em uma mochila que rolei em uma lona. Eu a carreguei em cima da minha cabeça quando eu entrei na água, me mantendo perto da borda, de modo que eu não seria descoberto porque mesmo estando escuro lá fora, no centro da baía aberta, parecia estar iluminada, refletindo a luz da lua e das estrelas. Eu fiz meu caminho de volta para a floresta. Eu podia ver que a luz da fogueira era quase tão alta quanto a casa. O grito de Bear mais uma vez rasgou através do ar. Quando eu finalmente tinha os olhos sobre ele, eu achei que o que estavam fazendo com ele, fosse realmente muito, muito pior do que eu imaginava. Bear estava amarrado em partes. Uma corda manteve seus braços dobrados em seus lados. Uma manteve as mãos amarradas atrás das costas. Uma delas foi amarrada na cabeça, escondida em sua boca aberta como uma mordaça. Bear estava mordendo tão duro que seus dentes estavam quase encontrando o meio da corda grossa. Lágrimas de dor correram ao lado de seu rosto. Ele estava em seu estômago, disposto em várias cadeiras. Suas calças puxadas para baixo em torno de seus tornozelos, a sua bunda no ar. Os homens de Eli estavam atrás dele e o cutucavam com algum tipo de pau quebrado. Eles riram cada vez que Bear gritava. Um fazia as nádegas de Bear ficar aberta e outro colocava o objeto dentro e fora dele. Eli estava sentado perto de uma das cadeiras dobráveis em torno do poço, que era geralmente ocupado por motoqueiros quando eu fazia festas. Ele estava descansando a cabeça contra suas mãos entrelaçadas. Suas pernas estavam esticadas e descansando na borda da fogueira. Eli estava como se estivesse assistindo a uma ópera, vendo algo lindo e maravilhoso, os olhos arregalados, enquanto ele observava atentamente a brutalidade ocorrendo na frente dele. Eu abri meus dedos. Quando a tortura continuou, outro cara veio com algo laranja brilhante e para meu horror e seu divertimento, colocou as brasas do fogo sobre o traseiro de Bear. Um filho da puta com tatuagem da suástica preta em sua cabeça raspada tirou seu pau de suas calças e se aproximou de Bear, cuja cabeça estava agora pendendo para fora da cadeira, o queixo quase tocando a grama. O homem puxou a corda da boca de Bear e puxou seu cabelo, levantando a cabeça para cima. O homem agarrou a base de seu pau e esfregou a ponta nos lábios de Bear. Bear deve ter perdido a consciência porque ele nem sequer se moveu. Não foi até que o filho da puta forçou e empurrou seu pau na boca de Bear que eu soube que ~ 109 ~


Bear não só estava consciente, mas ele estava pronto para uma fodida luta. Seus olhos se abriram e o cara pulou para trás, segurando em sua virilha e gritando, tentando segurar o sangue que jorrava entre os seus dedos. Bear cuspiu o que restou do pau do homem e sorriu de orelha a orelha, o sangue escorrendo pelo seu rosto, cobrindo os dentes. E ele riu. Era agora ou nunca. Eu saquei minha arma e puxei uma granada da mochila. Eu respirei fundo e limpei minha mente de tudo, exceto o que eu estava prestes a fazer. Me agachando o mais perto que pude para o chão, eu serpenteei meu caminho até a fogueira. Eu puxei o pino da granada com meus dentes e a joguei no fogo. Um segundo. Dois segundos. Três segundos. BOOM. O poço de fogo explodiu em uma parede de luz branca que cegava. Uma imagem da pequena dormindo pacificamente na minha cama, seus membros enroscados com o meu, passou pela minha mente enquanto eu corria em direção ao caos. Salvar Bear. E diretamente para a possibilidade, que amanhã, eu estaria em um lugar reservado só para mim. No inferno.

~ 110 ~


Capítulo treze DOE Fazia três semanas sem uma única palavra de King. Eu estava começando a perder a esperança de que ele iria voltar para mim. A missão de Tanner para me ajudar a lembrar da minha vida continuou, convicto pela revelação de que me lembrei de o amar quando éramos crianças. Tentei lhe explicar que era uma memória, não um sentimento atual, mas eu sabia que Tanner olhava como um passo para trazer o que nós tínhamos tido no passado. — Como estão as consultas com o terapeuta? — perguntou o senador, cortando bife, o sangue jorrando da carne, inundando o prato com vermelho. Ele esfregou a peça com seu garfo no molho antes de o levar a boca e puxar do garfo com os dentes. Foi a primeira vez que eu estava sentada em uma refeição real com o meu pai, minha mãe mais uma vez no „SPA‟ ou onde quer que ela diga estar. Mas, apesar de meu cérebro irritado me dizendo que eu não deveria estar nervosa, eu ainda estava limpando as palmas das mãos úmidas em minhas calças jeans. Sammy estava cochilando no sofá a alguns metros da mesa de jantar redonda onde nos reunimos. — Ok, eu acho. Eu realmente não sei como essa coisa irá funcionar, apesar de tudo. — na realidade, o terapeuta mal me fez qualquer pergunta e em duas ocasiões, ele cochilou durante a sessão. — Bom. Eu quero que você continue suas visitas com ele. Temos algumas aparições públicas chegando que eu gostaria que você estivesse presente. Há um evento de caridade para a campanha em algumas semanas. Estamos o realizando no quintal da Redmond, a casa dos pais de Tanner, — disse o senador, fazendo o evento soar mais como uma reunião de negócios, do que em vez de uma festa. Eu franzi o nariz e cutuquei o meu jantar com o meu garfo. — Eu não sei se isso é uma boa ideia. Eu suponho que deveria saber quem são essas pessoas. Não vai parecer óbvio quando eles começarem a falar comigo e eu olhar para eles como se tivessem trinta cabeças? — perguntei. ~ 111 ~


— Ray, você nunca gostou do que eu faço para viver. Você realmente nunca aceitou ser a filha de um senador, — disse meu pai, sentado em frente na sua cadeira. — Não seria incomum para você não saber quem são essas pessoas. — Ray, poderia ajudar com a sua memória. Você deve vir, — Tanner interveio suavemente. Tentar recuperar a minha memória seria a única razão pela qual eu concordaria em desempenhar o papel de „filha obediente‟. — Minha mãe vai estar lá? — perguntei. O senador manteve os olhos em seu prato. — Sim, ela comparece a todas as funções de campanha. É parte de nosso acordo... Eu bufei. — Ela respeita a todas as funções, mas ela está de alguma forma esquecida de cuidar e respeitar a sua própria vida, — eu murmurei. O senador suspirou. — Sua mãe... ela me culpa por... bem, tudo, — disse o senador. — É difícil para ela estar em torno de tudo isso muito tempo. Ela começa a ficar inquieta. — e por um simples lampejo de um segundo, eu me senti quase mal por ele. Por um décimo de milésimo de segundo pensei que eu vi um pequeno vislumbre de um homem que não era um senador em tudo, mas um marido frustrado com uma esposa infeliz. Ele parecia quase... humano. Mais uma vez seus olhos focaram em mim e ele continuou. — Você vê, Ray, quando você estava grávida de Samuel, tomámos todas as precauções possíveis para não alertar a mídia de sua „condição‟. E naquela época, eu não carregava o cargo que eu carrego agora, então foi mais fácil manter as coisas escondidas. Mas agora que você está de volta, depois de partir para Paris durante o verão, como eu os tenho levado a crer, vai ser bom para você aparecer. Eles já viram Samuel, e várias chamadas de meus contatos com meu escritório perguntando sobre quem ele é. Algum repórter do Times chegou ao ponto de olhar a certidão de nascimento. Então, agora parece que temos uma situação em nossas mãos que requer uma solução delicada... Ele limpou a boca com o guardanapo de linho e o colocou no meio do seu prato vazio. — E, é claro que você não se lembra, mas nós tivemos conversas profundas sobre o que era melhor para a nossa família. E para sua nova família. — o senador fez um gesto para Tanner e, em seguida, em direção ao sofá. — Agora é um momento melhor do

~ 112 ~


que qualquer outro. Você não precisa fazer um grande espetáculo sobre isso, apenas uma visita ao cartório. Algo no papel para a mídia ver essa união de vocês e Samuel como filho legítimo. Vocês não tem que viver juntos, não se você não está pronta. É apenas a documentação que precisamos agora para deter quaisquer fundos da campanha. — Você quer que nós... nos casemos? — eu perguntei. Minha mão enrolou firmemente em torno do guardanapo no meu colo. A mão de Tanner chegou debaixo da mesa e cobriu a minha. O senador pigarreou. — Se você não fizer isso, há uma grande possibilidade de que eu perder a eleição, porque a minha campanha está fortemente baseada em valores familiares conservadores. Ao longo dos anos, eu passei uma grande parte do tempo angariando apoio por causa desses valores em que estou junto. Se você não fizer dessa família de vocês algo legítimo, eu corro o risco de parecer uma fraude e deixando com ódio todas as pessoas que eu beijei a bunda desde o primeiro dia, para conquistar isso. Isso poderia evoluir para o mais rápido escândalo político que este estado já viu. — Eu não entendo como as minhas decisões afetaria sua campanha. Não é sua vida. É a minha, — argumentei. — Não, claro que você não entende, — disse o senador, apertando a ponte de seu nariz. — Mas entenda isso, mesmo se a minha campanha sobreviver ao escândalo da sua gravidez na adolescência, ela nunca iria sobreviver a um caso tórrido com um criminoso condenado, dez anos mais velho que você. Eu não iria sobreviver até o fim do meu mandato, se quer ao final da eleição. — ele cruzou as mãos sobre o prato. — Mas se você fizer isso, se você casar com Tanner, então eles não vão ter necessidade de olhar mais fundo sua vida e espero que o nome Brantley King nunca apareça em nossas vidas. Este é o lugar onde o senador e eu discordamos. Eu não queria nada mais do que Brantley King ser uma parte da minha vida. — E sobre o que Tanner quer? Você nem sequer perguntou a ele. — eu disse. Tanner permaneceu quieto, empurrando ao redor da comida em seu prato. — Basta pensar nisso, — disse o senador, se levantando da mesa. Ele balançou a cabeça e saiu da sala sem dizer mais nada.

~ 113 ~


Tanner ainda estava segurando minha mão debaixo da mesa. Eu disse que precisava tomar um gole de água como uma desculpa para puxar minha mão da sua. Eu tremia quando eu levantei o copo à boca, o tilintar do copo contra os meus dentes. O pânico se estabeleceu de repente e eu deixei cair o copo que eu estava segurando quando o meu peito se apertou até o ponto de constrição da minha respiração. Com minhas mãos entrelaçadas em torno de minha garganta, eu vi o copo caindo da mesa de madeira e foi ao chão, se quebrando em um milhão de pedaços afiados, a água correndo como um rio em cada canto e no vão das tábuas do assoalho. O senador queria que eu me casasse com Tanner, a fim de ajudar a sua campanha e carreira. Tanner queria se casar comigo porque ele estava ansioso para retomar onde havíamos parado antes de eu ter perdido minha memória. Mas o que eu quero? Eu queria Sammy. Eu queria King. E eu queria Tanner na minha vida, mas ainda não tinha certeza de como se encaixaria. Mas nada disso importava. Porque se eu me casasse com Tanner, mesmo no papel, não havia dúvida de que isso não viveria o suficiente para ver o nosso primeiro aniversário de casamento. Com King eu era forte, intencional e determinada. Eu gostava de quem eu era quando eu estava com ele. Mas aqui era a casa que eu tinha crescido, cercada por pessoas que eu conhecia por toda a minha vida. Eu não tinha ideia de quem eu era.

~ 114 ~


Capítulo catorze DOE Talvez fosse toda a conversa de casamento. Talvez estivesse me sentindo sozinha o tempo todo, mesmo que eu estivesse cercada por pessoas. Mas eu estava começando a perder a cabeça. Fazia quatro semanas sem nenhuma palavra. Sem sinal. Sem nada de King. E eu estava fazendo um buraco no tapete do meu quarto andando para lá e para cá até que uma ideia imprudente me bateu. King tinha dito que não era seguro ele entrar em contato comigo, ou eu entrar em contato com ele. Mas e se eu tentasse alguma informação dele através do MC de Bear, então não iria me ligar diretamente a King aos olhos de quem especula a minha vida. Tão logo surgiu a ideia, me dei conta que eu estava correndo. Peguei um conjunto de chaves do painel pendurado na porta e corri para a garagem, pulando em um grande Lexus bege que cheirava a perfume floral. Um cheiro que eu sabia que me era familiar. Um cheiro que eu sabia que eu odiava. Eu coloquei a chave na ignição e o motor ligou. E então fiz uma pausa. Eu não sei como dirigir a merda de um carro! Bati meu punho no volante e, em seguida, minha testa em frustração. Mas quando eu perdi a esperança, olhei para cima do volante e vi algo encostado na parede da garagem que eu soube imediatamente que eu poderia dirigir. Até o momento em que eu cheguei ao clube dos Bastards Beach, minha ansiedade tinha me tirado o fôlego, mas eu não estava nem um pouco intimidada.

~ 115 ~


Eu pulei e deixei a lambreta8 cair. Corri até o portão onde um garoto magro estava à porta. Em seu colete estava escrito „Prospecto‟ em letras enormes. Ele não tinha um patch ainda. — Você se perdeu ou algo assim? — ele perguntou. Eu descansei minhas mãos em meus joelhos e levantei um dedo, ainda recuperando o fôlego. — Eu preciso falar com Bear, se ele está aqui, — eu bufei, — e se ele não está, eu só preciso falar com alguém que pode mandar uma mensagem para ele, ou para King. — Oh, eu me lembro de você. Da festa, antes de toda a merda ficar ruim. Fico feliz em ver que você não está cheia de buracos de bala. — ele pulou de seu banco. — Espere. — ele abriu o portão e desapareceu por trás dele. Ele tinha ido embora pelo que pareceu uma eternidade. Embora o sol tivesse descido, a umidade tinha me envolvido inteira e eu estava completamente suada e encharcada. Eu parecia que tinha passado através de uma tempestade, mas não havia uma nuvem no céu. Esperei o prospecto abandonada no portão, chutando o cascalho ao redor sob meu tênis. Quando ele finalmente reapareceu, ele usava um olhar de desculpas em seu rosto. Um homem com uma barba grisalha, versão mais antiga de Bear, exceto um pouco mais baixo e mais cheio, o seguiu através do portão. O patch em seu colete, disse que era o presidente. Ele acendeu um cigarro e empurrou o isqueiro no bolso de sua camisa. Seu rosto era fortemente alinhado com os sinais da idade, mas não havia dúvida das sardas sob seus olhos. As mesmas que Bear tinha. — Bom, você deve ser o pai de Bear. Eu preciso falar com ele... — eu hesitei, sem saber o nome do pai de Bear. — Chop, — o homem encheu o espaço em branco, apontando para o patch com seu nome. — Você é a mulher que King reivindicou? — Reivindicou? — fiz uma pausa, me lembrando de que Bear tinha usado o mesmo termo na doca antes. — Hum, sim. Acho que sim.

8

~ 116 ~


— Você é a garota que eles quase mataram no dia que destruíram meu clube, — Chop disse, mudando o palito que pendia da sua boca com a língua. — Porque nós temos o nosso próprio problema aqui sem você trazer essa merda na minha porta. — Não, isso foi com Isaque. Ele nos encurralou, ele tentou... — eu balancei minha cabeça. — Por favor, eu só preciso falar com Bear, só por um minuto. — Ele não está aqui. — Chop deu de ombros. Deixei meus ombros curvarem em decepção. — Então você pode, por favor, só enviar uma mensagem para ele ou King para mim? — eu perguntei e esperei. Chop estreitou seu olhar para mim como se eu tivesse cuspido em seu pé. Ele apontou um dedo acusador para mim. — Como eu disse a meu filho um milhão de malditas vezes, Brantley King não era um membro deste MC e, portanto, não era da minha conta seus problemas. Era? Chop se virou, mas, em seguida, ele parou e olhou para mim por cima do ombro. — King está morto. Ele e Bear estão. — ele não esperou por minha reação antes de desaparecer atrás do portão. Eu caí de joelhos, o cascalho cortando a minha pele quando o meu mundo desabou ao meu redor. Preppy. Bear. King. Todos mortos. Eles estão. Todos. Mortos. — Nããão!! — eu lamentei. O prospecto acendeu um cigarro e olhou para mim com pena. Ele se afastou de mim, reorientando os olhos na rua vazia. — Desculpe, garota.

~ 117 ~


Capítulo quinze DOE Nunca mais eu seria capaz de olhar para um cinto, uma moto, ou alguém com tatuagens sem lutar por ar. Foi só por causa de Sammy que eu não queria estar morta também. Ele era à única razão pela qual eu era capaz de me levantar pela manhã e plantar os pés no chão. Eu amei a minha tatuagem nas costas mais do que nunca porque King a tinha dado a mim e isso era algo que eu levaria comigo para sempre, uma parte permanente dele. Uma ideia me bateu e uma vez que tomou conta, não havia como tirar da cabeça e não havia nada que eu não faria para que isso acontecesse. Porque, pela primeira vez desde que descobri que King estava morto, um pedaço de esperança surgiu através da nuvem de desespero.

*****

Levei uma eternidade para me lembrar onde era a casa que King tinha me levado, quando ele tinha estacionado e esperou, apenas um vislumbre de sua menina. Eu só tinha visto a parte de trás da casa e com apenas uma vaga lembrança de onde ela ficava. Levei boa parte da manhã até finalmente a encontrar. Eu me lembrei de que filhos adotivos sob guarda são movidos de lugar para lugar o tempo todo. A possibilidade era alta de ela não estar mais lá. Eu tinha que tentar de qualquer maneira. Eu fiquei esperando do outro lado da rua, em um lote vazio, pelo que pareceram horas no calor escaldante. Quando a porta da frente se ~ 118 ~


abriu e saiu uma mulher de cabelos curtos segurando as mãos de duas crianças pequenas aproximadamente da mesma idade. Entre a imagem na cômoda de King e o pequeno vislumbre que tive dela no único dia que eu a vi, eu a reconheci imediatamente. Max. A mulher colocou as crianças em uma minivan que estava esperando. Os segui até um edifício onde outros homens e mulheres deixavam os seus filhos na porta. Uma placa de madeira, quase ilegível, tendo sido desbotada pelo sol brutal da Flórida, mostrou que o lugar era chamado de Learning Academy de Mary e Day Care Center. A mulher que trouxe Max parou para descer as crianças. Eu esperei até que ela partisse para fazer a minha aparição. Eu tentei fazer o meu melhor para minha apresentação, desamassar a saia plissada na altura do meu joelho com as palmas das minhas mãos, mas não havia nada que eu pudesse fazer depois de horas andando e esperando na lambreta. Corri meus dedos pelo meu cabelo e respirei fundo. Sinos soaram quando entrei pela porta. Sons de crianças rindo e chorando encheu através do ar. Cheirava a desinfetante e açúcar. — Posso te ajudar? — perguntou uma mulher rechonchuda de olhos brilhantes sentada atrás de uma divisória. Eu armei o maior e mais brilhante sorriso que poderia mostrar. Você consegue fazer isso. — Tenho certeza que pode, minha senhora. Eu farei faculdade no outono e eu estou procurando uma creche para meu filho. Eu estava esperando conseguir visitar suas instalações, — eu disse docemente. A mulher examinou meu rosto como se ela estivesse esperando eu dissesse que era uma piada. — Você é apenas um bebê ainda, — ela brincou. — Você não é velha o suficiente para ter seus próprios filhos. — seus olhos eram suaves e sábios. — E eu não sei, — eu concordei. — Você poderia me mostrar às instalações de vocês? — eu pressionei. Ela balançou a cabeça e moveu alguns papéis sobre a mesa. — Oh, eu não posso querida, desculpe. Mary, a diretora, não está aqui e ela é a única pessoa autorizada a dar os tours pela creche. É uma questão de segurança e somos cuidadosos quando sobre a segurança

~ 119 ~


aqui. — outra pessoa da equipe vestindo a mesma camisa turquesa como a recepcionista entrou na área de espera. Ela deu um pequeno aceno e Audrey apertou um botão na parede ao lado dela. Um som de zumbido veio a partir de cima da porta que conectava a pequena área de espera com o resto do edifício. A mulher abriu a porta e atravessou quando fechou mais uma vez, fazendo um som de clique alto. — Está vendo? — ela apontou para a porta. — Segurança em primeiro lugar. — Oh, — meu rosto caiu e meus ombros também. Ela explicou ainda: — Ela está normalmente aqui todos os dias, pode voltar amanhã, se quiser. Mas se ela não comparecer às reuniões de financiamento público, então nós não temos as crianças adotivas, e se não tivermos as crianças adotivas, então nós temos que contar com as famílias que podem pagar a creche. — ela suspirou. — O que significa que eu estaria lá fora em busca de um emprego, o que não tem muito hoje em dia. Minha confiança foi renovada de repente e eu me inclinei em sua janela e sorri docemente. — Qual é seu nome? — perguntei. — Audrey, senhorita, — ela respondeu com seu próprio sorriso doce. — Bem, Audrey, se o financiamento é o seu problema, acontece que eu sei de um senador que poderia ser capaz de te ajudar... Cinco minutos mais tarde, eu estava seguindo em torno de Audrey quando ela me deu um tour pessoal do centro de Day-care. Eu não estava mentindo sobre o financiamento. Eu iria falar com o senador e ver se eu os poderia ajudar. Eu só não sabia se ele iria colaborar para isso. Audrey me trouxe para a sala principal cheia de mesas pequeninas em estilo cafeteria, com igualmente pequenas cadeiras em torno delas. — Nós os alimentamos tanto no café da manhã e no almoço e mais dois lanches. Os espaços são organizados por idade. Bebês em um. Um ano de idade em outro, e assim por diante... — Audrey continuou falando, mas quando vi Max apenas a passos de onde eu estava, eu fingi interesse no quadro de avisos pendurado acima da mesa, ela estava sentada lá. — Esse é o nosso quadro de atividades, — disse Audrey, chegando para ficar ao meu lado. — Essa é a programação das aulas de música,

~ 120 ~


horários... — sua voz se desvaneceu em segundo plano quando outra pessoa entrou na conversa. — Você é realmente linda, — cantou uma pequena e doce voz. Eu olhei para familiares e brilhantes olhos verdes que literalmente me tiraram o fôlego. Eles eram da mesma cor que o seu, mas onde os olhos de King traziam a dura realidade e o amargo da vida que ele viveu, os dela eram nulos de qualquer desprezo e limpos com inocência. Me ajoelhei ao lado dela. — Obrigada. Você também é muito linda, — eu disse. Ela riu, seus pequenos dentes minúsculos e quadrados me lembrou de Sammy. Ela mordeu a ponta dos dedos. — Eu gosto disso, — disse Max, se aproximando para tocar uma pulseira que eu tinha colocado naquela manhã, em um esforço para parecer mais com Ray Price nas fotos emolduradas em meu quarto. Eu apontei para a pequena pulseira de plástico roxa em seu pequeno pulso. — Eu gosto mais da sua. Audrey limpou a garganta. — Eu gostaria de lhe mostrar o playground. Ele está modernizado e acreditamos firmemente em ter pelo menos 30 minutos de atividade física por dia, contanto que não esteja mais quente do que o aceitável lá fora. — Eu tenho que ir, — disse Max, que baixou a cabeça em desapontamento. — Mas eu tenho certeza que vou te ver novamente, — eu sussurrei, ela levantou a cabeça e os olhos do pai encontraram os meus. Doeu meu coração, mas eu tinha que rasgar meu olhar do dela para que eu não fosse o perder da cabeça logo ali na frente de Audrey e as três dezenas de crianças no lugar. Me levantei para sair, mas uma mão pequena envolveu em torno de um dos meus dedos e me puxou. — Aqui, — Max, sussurrou. Ela tirou a pulseira de plástico roxo e a colocou em torno de meu pulso. Meu coração explodiu em uma onda de calor. Amor à primeira vista não era algo reservado para os amantes, porque naquele dia eu tinha realmente experimentado. No espaço de três minutos, eu tinha perdido meu coração tudo de novo. Eu não a queria deixar. Eu a queria pegar e correr o mais rápido que pudesse para fora da porta e a levar junto com Sammy de volta para a casa sobre palafitas. Cada passo de uma vez, eu disse a mim mesma.

~ 121 ~


Eu soltei a pulseira em torno do meu pulso. Me ajoelhei novamente e de costas para Audrey, eu cuidadosamente coloquei a pulseira delicada, dobrando duas vezes, sobre o pulso de Max. Eu não fiquei para ver sua reação ao meu presente; medo de que se eu passasse mais de um segundo com ela, eu não seria capaz de sair pela porta. Me levantei e voltei para Audrey, esperando que ela não notasse a dor súbita na minha voz ou lágrimas nos meus olhos. — Agora me mostre este maravilhoso parque infantil, — eu disse, com uma fungada. Audrey continuou sua turnê e quando eu a segui, eu senti o olhar de um par de belos olhos verdes nas minhas costas enquanto eu caminhava pela porta e para a luz ofuscante do dia.

~ 122 ~


Capítulo dezesseis DOE Quando eu disse ao meu pai que King estava morto, sua única preocupação era como diabos ele tinha saído da prisão em primeiro lugar. Eu não tinha tempo nem energia para explicar o que realmente tinha acontecido, porque o que eu realmente queria era a sua ajuda. — Eu quero adotar a filha de King, — eu disse a ele, de pé em frente de sua mesa enquanto ele clicava em seu computador. O senador revirou os olhos. — Você é uma adolescente com nenhuma fonte de renda. O tribunal não exatamente irá olhar para você favoravelmente para uma adoção, — ele me disse, clicando no teclado em seu computador. — Você disse que conhece o juiz. Você pode ajudar com uma palavra nisso, — eu disse. — Sim, eu posso fazer. Mas isso é apenas uma recomendação, Ramie. Mesmo com um favor do juiz você ainda vai ter que seguir o procedimento adequado. Ser uma mulher solteira não é encarado como sendo uma candidata favorável. — Então eu vou consertar isso.

*****

— Isso vai aumentar minhas chances de ser capaz de adotá-la, — eu terminei. Eu estava sentada no sofá de Tanner na casa da piscina, enquanto Sammy assistia TV, embrulhado em seu cobertor favorito no chão. De vez em quando ele olhava de volta para mim e depois de ver que eu ainda estava lá, ele sorria e voltava para o Elmo. — Ok, — Tanner concordou de forma demasiadamente rápida. Eu balancei minha cabeça. — Não, Tanner. Não é tão fácil. Você tem que ter tempo para pensar sobre isso. Só porque não seria um

~ 123 ~


casamento tradicional e apenas no papel não significa que ele não vá afetar sua vida em alguns aspectos. Você tem que considerar tudo isso antes de tomar uma decisão e se pensar sobre isso, não há realmente nenhuma parte boa em tudo isso para você, então você teria que ser louco por concordar. Tanner abanou o dedo indicador no ar. — E é por isso que você nunca esteve na equipe de debate, Ray, — disse Tanner. — Você está defendendo o lado errado, — ele acrescentou. — Estou falando sério, — eu disse. — Isto é sério. Tanner sorriu. — Eu sei. E eu sei que não significa muito, mas eu realmente sinto muito sobre King. — foi a primeira vez que Tanner havia dito seu nome. — Obrigada. Eu quero fazer isso para ele, mas para mim também. Talvez seja egoísta, mas eu quero manter um pedaço dele perto de mim. — E veja, eu entendo, pois é a própria razão de eu aceitar a sua proposta, — disse Tanner, — Porque eu quero te manter perto de mim. — Mas isso não vai ser... Tanner levantou a mão para me parar. — Você não tem que continuar dizendo isso. Eu entendo totalmente. Mas eu tenho condições. — Quais condições? — eu perguntei. Tanner cruzou o tornozelo sobre o joelho. — Eu vou aceitar sua proposta e concordar em casar com você sobre a condição de que você tem que tentar superar. Não a princípio, eu sei que você ainda está sofrendo, mas, eventualmente, eu quero que você tente e faça de nosso casamento um casamento real. Nós vamos fazer um esforço em conjunto. Por nós. Por Sammy. — ele estendeu a mão e agarrou a minha mão. — Eu prometo, se você tentar e se após um ano você ainda não sentir nada por mim, então eu vou recuar tanto quanto você quer que eu faça. — Eu... — eu comecei a discutir. Mas, em seguida, Sammy virou e sorriu para mim. Eu estava disposta a me prostituir com um motoqueiro em troca de proteção, por que eu não estava tão disposta a dar uma pequena parte de mim mesma para a única família que eu tinha?

~ 124 ~


— Ok, — eu concordei. — Mas eu preciso de tempo, Tanner. Quero dizer. Eu não sei quando eu vou estar pronta, — eu disse. Tanner beijou as costas da minha mão e voltou para a cozinha, onde ele pegou a caixa do anel que ele me mostrou no dia em que ele me levou com Sammy para o parque de jacaré. — Eu acho que isso é seu então. — ele não tentou descer em um joelho. Ele não tentou o colocar no meu dedo para mim. Ele simplesmente me jogou a caixa. E foi a melhor coisa que poderia ter feito, porque só então, eu tinha esperança real de que ele realmente entendia por que eu estava fazendo isso. E porque ele entendia o quão importante ter Max junto comigo, eu poderia tentar e dar ao nosso casamento uma verdadeira chance no futuro que era tão importante para ele. Eu abri a caixa e olhei para o pequeno diamante, — Eu acho que é.

~ 125 ~


Capítulo dezessete DOE Na manhã da festa eu fui para o tribunal com Tanner e pegamos a aplicação para iniciar o processo e me tornar mãe adotiva de Max. Foi também nessa manhã que eu me tornei a Sra. Tanner Redmond. E enquanto eu estava morrendo por dentro, era o pensamento de estar lá para Sammy e Max que me impediu de parar de respirar. Eles foram os únicos que me impulsionavam para frente, movendo meus pés, um em frente do outro. King estava disposto a fazer o que fosse preciso para ter a sua filha de volta. Ele provou isso quando ele esteve disposto a me deixar ir. Agora era a minha vez de fazer isso por ele. Escolher algo para vestir em um casamento onde eu estaria relutante como noiva era uma tarefa assustadora. Eu não queria fingir que o casamento era algo que não fosse. Eu passei sobre o vestido até o joelho, fazendo uma pausa por um momento para olhar um branco com um bolero, mas era muito „casamento‟ e isso não era um casamento. Era apenas um acordo de papel. Um negócio. Negócios de família. Eu finalmente decidi deixar os vestidos completamente e ao invés, escolhi um par de jeans escuros e um top preto com decote em V. Eu estava fazendo isso para King. Eu não estava pronta para fazer um show como um pequeno pônei conduzido ao redor por seu cabresto. King teria gostado de minha escolha ao me vestir. E o senador pode ter conseguido algo de mim, mas eu nunca iria ser domada. Eu não estava prestes a vestir branco e fingir ser um anjo quando eu tinha vivido e me apaixonado pelo diabo.

~ 126 ~


Havia uma parte de mim totalmente selvagem que floresceu quando eu estava com King. Eu gostava de estar com ele. Eu sabia que eu estava com ele. Essa parte, a parte que não podia ser controlada, pertencia a King e não importa onde eu fosse ou onde estava ou o que qualquer um de nós estava fazendo, ninguém poderia tirar isso de mim. No tribunal, eu esperava para assinar alguns papéis. Assinaturas e folhas marcadas. Era isso. Mas quando Tanner e eu tínhamos acabado de assinar a licença e a mulher atrás do balcão forneceu nossas identidades, ela se levantou e deslizou a cadeira para trás contra o piso de linóleo. Para minha grande surpresa e horror, ela começou a falar. — Você, Tanner Redmond, aceit... — Espere, — eu disse. — Eu pensei que nós iríamos apenas fazer a papelada. A mulher olhou para mim através de seus óculos de lentes grossas de uma maneira que me fez sentir como se eu tivesse nove anos de idade. — Senhorita, a cerimônia terá menos de um minuto de duração e no estado da Flórida, uma cerimônia precisa ser pré-formada para fazer o casamento legal e uma vez que você marcou a opção de que você gostaria de apresentar a licença hoje... posso continuar? — Sim, — eu disse. Tanner pegou minha mão e a apertou. Eu estava cansada dele achar que precisava me tranquilizar. Eu não queria garantias; eu queria parar de ter que passar por coisas que exigiam isso. Eu balancei a cabeça e a mulher começou. Ela estava certa, a cerimônia foi curta. Pouco menos de um minuto. — Você aceita Tanner como seu legítimo esposo... — elas não eram palavras românticas, mas mesmo assim, elas eram promessas. Promessas faladas em voz alta na frente da funcionária e tudo o que Deus podia ouvir. Eu roboticamente recitei os meus votos, mentindo para Tanner com cada promessa falsa que falei. A fim de empurrar a necessidade de fugir e fazer isso sem correr gritando pelas escadas do tribunal, imaginei brincando com a filha de King. A empurrando em um balanço. Construindo uma casa na árvore. Correndo através dos sprinklers9 com ela. Em seguida, a

9

~ 127 ~


imagem mudou e eu estava exatamente onde eu estava de pé, no tribunal, recitando os votos, mas não era Tanner que eu estava fazendo promessas. Era King. E elas não estavam em minha cabeça em tudo, elas eram reais. Meu coração disparou e eu sorri feliz, imaginando que eu estava prometendo amar King na doença e na saúde, nos momentos bons e nos maus, até o fim de nossos dias. Quando a oficiante disse: — Você pode beijar a noiva. — eu tinha ido tão longe me inclinando, antes de voltar do meu sonho, virando a cabeça no último segundo para que Tanner só pegasse a borda da minha boca. Quando ele se afastou, apesar da minha aversão óbvia para seu beijo, ele estava sorrindo como se eu realmente fosse sua esposa. Então isso me bateu. Eu realmente era. Devo ter parecido que eu estava prestes a ter um desmaio e eu tinha quase certeza que estava prestes a acontecer, porque a oficiante ficava me perguntando se eu estava bem. — Senhora Redmond, você está bem? — eu balancei a cabeça e sorri o melhor que eu pude controlar. Tanner pagou a taxa de quarenta e dois dólares do certificado e arquivamento. Eu não falei novamente. Eu não pude. Porque se eu tivesse respondido sua pergunta, se eu abrisse minha boca para falar, eu tinha medo de que a verdade saísse da minha boca. Então, eu continuei quieta e Tanner e eu caminhamos em silêncio pelo tribunal e permanecemos em silêncio durante toda a viagem para casa. Eu nem sequer disse adeus quando ele me deixou em minha casa. Eu não voltei a falar até que eu estava sozinha na minha cama em um quarto que eu não lembro, em uma vida que eu não queria, em uma família que foi construída sobre uma montanha de mentiras. Rolei e pressionei meu rosto no travesseiro. E, assim como milhões de outras noivas antes de mim, eu chorei no dia do meu casamento.

~ 128 ~


Capítulo dezoito DOE Eu vomitei três vezes desde a manhã e ainda estava enjoada, ameaçando expulsar qualquer que seja o conteúdo que ainda permaneceu no meu estômago, se houvesse. Eu não tinha dúvida de que o que eu estava passando era uma rejeição física das minhas circunstâncias atuais. A festa, ou arrecadação de fundos, estava sendo realizada no quintal da família de Tanner e era o último lugar que eu queria estar. O senador estava onde queria estar, apertando as mãos e recordando os nomes e ocupações de cada um convidado da festa como se fosse o melhor amigo de todas essas pessoas. A piscina olímpica tinha sido coberta com plexiglass10 para criar a ilusão de andar sobre a água. Bem apropriado, eu pensei quando eu vi o meu pai andar sobre a piscina. Minha mãe ficou pelo bar com várias mulheres vestindo modelos de variação do mesmo estilo de vestido de verão e as mesmas joias e os coques franceses como penteado. Elas não estavam fazendo muito bem em fingir estar sóbrias quanto ela. Enquanto meu pai estava agindo como o político perfeito e aperfeiçoado. Eu estava aprendendo que minha mãe era tão perfeita igualmente na arte de aparecimento em público. Meu nono aniversário. Minha mãe tropeça para o quintal vestindo um apertado vestido azul e sapatos dourados baixos. Ela tem um copo de vinho em uma mão e bate sobre uma mesa cheia de meus presentes de aniversário na frente dos meus amigos da escola. Nadine corta meu bolo

10

~ 129 ~


e minha mãe diz a todos que não devemos comer o bolo porque ele é rico em calorias e vai deixar as nossas bundas gordas e os homens não gostam de bundas gordas. Seu copo de vinho cai de sua mão e o mago que Nadine contratou tem de a agarrar pelo braço para a salvar de cair na piscina quando seu calcanhar pega na beirada. Milagrosamente, ela consegue pegar o copo de vinho. — Peguei! — ela grita, o segurando para o nosso pequeno grupo como se fosse um troféu. — É isso aí, — diz ela novamente, antes de caminhar de volta para a casa sem dizer uma palavra. Eu acho que ela nem sempre foi boa. Estava quente demais para o cardigã branco que eu estava usando, mas eu estava atuando por meus pais esta noite, o que significava encobrir quaisquer sinais de que eu não era a imagem perfeita da filha do senador. Várias pessoas vieram até mim para me receber em casa e apertar a minha mão. Eu sorri educadamente e repeti como estava sendo o seu verão e quais o plano para o restante. O senador tinha me dito um segredo seu: quando você não se lembra da pessoa, nome ou rosto, lhes pergunte sobre eles. — Ramie! É tão bom ver você! — um homem gordo e baixo, vestindo um terno de linho branco apareceu em minha linha de visão. Ele pegou uma taça de champanhe da bandeja de um garçom que passava e a entregou para mim. — Como foi Paris? — perguntou. — Paris? — eu disse. Sua risada saiu em uma grande explosão, como um tiro através de um canhão. — Eu vejo que você ganhou um sentido de humor na França. Difícil de fazer. Os franceses não são exatamente conhecidos por seu humor, — disse ele. — Você ainda está considerando a escola de arte? Francine disse que seus desenhos são bastante impressionantes. Quanto tempo se passou desde que você a viu? Porcaria. Meu pai se aproximou e ficou ao meu lado. Com um sorriso ainda no rosto, ele acenou para os transeuntes que o cumprimentavam e ele retornava com o seu. Com um movimento gracioso, ele tomou a taça de champanhe da minha mão e a segurou na sua, como se a bebida fosse sua. Merda. Beber na minha idade não é permitido. Eu me castiguei mentalmente. — George, meu amigo, como você tem estado? Ramie

~ 130 ~


esteve me dizendo como ela e Francine não se falam a tempo. E a escola de arte é tão longe em Rhode Island. Acho que agora que ela tem sua própria família, ela estará aplicando perto de casa. — Ah, então você vai se juntar a seu pai na campanha eleitoral? — ele me perguntou. — Nós realmente não conversamos sobre isso ainda, — eu respondi tão docemente como eu poderia controlar. — Bem, eu acho que você deve considerar isso. Ver este homem atrás de um palanque é uma coisa maravilhosa, — disse George, erguendo o copo para o meu pai. — Ah, você é muito amável George. Vamos almoçar esta semana, se você estiver livre. — Sempre estou, — disse George. — Ah, eu vejo Nathan ali. Ele me deve dez quilos de puãs de caranguejo por perder a nossa aposta no jogo Rays. Oops... — ele disse cobrindo sua boca. — Eu não deveria dizer ao nosso futuro presidente sobre meus hábitos de apostas, deveria? — Eu sou um político George, não a polícia. E os caranguejos de Nathan são os melhores, então eu não posso te culpar por essa aposta. — Estou ansioso para ouvir você falar, — disse George. — É bom ver você novamente, Ramie. Vou dizer a Francine para te ligar. — Isso seria ótimo, — eu disse. Quando George estava fora do alcance da voz, meu pai, com seu sorriso ainda estampado em seu rosto, se inclinou tão somente para que eu o pudesse ouvir. — Champanhe? — ele perguntou por entre os dentes. — Ele me entregou. Eu não estava pensando, — eu disse em tom de desculpa. — Eu estou tentando aqui, então me dê alguma folga. Eu fiz o que você me pediu. Além disso, tenho um garoto e tecnicamente um marido e eu não posso ter uma taça de champanhe? Talvez você precise acrescentar isso a sua plataforma política. — Sim e então eu vou ter certeza de ir em frente e legalizar a prostituição e chamar os cartéis para ver se talvez eles queiram montar algumas lojas de drogas. Um shopping de drogas ilegais. — Puta merda. Se você não fosse tão idiota, você realmente seria engraçado, — eu disse. Um cacarejar alto rasgou o ar e os olhos do

~ 131 ~


senador correram até onde minha mãe e as outras mulheres, que pareciam esposas perfeitas e bebiam como membros dos Bastards Beach, estavam atingindo seus limites. — E se você está realmente sobre a coisa com bebidas, talvez você deva pensar sobre o restabelecimento de proibição. — Notável, — disse ele, fazendo o seu caminho até a minha mãe. Eu vi quando ele usou a mesma técnica para levar sua bebida como ele fez comigo. Minha mãe lhe lançou um olhar quando ninguém estava olhando e em um ponto, beliscou o braço dele longe o suficiente para que eu o visse visivelmente estremecer. Uma coisa era certa, esta vida estava me transformando em uma cadela furiosa. — Champanhe, senhora? — uma voz familiar perguntou atrás de mim. Me virei e me encontrei no nível dos olhos com uma camisa preta e uma gravata amarela com listras cor de rosa. Eu olhei para a bandeja que estava segurando e eu podia jurar que vi tatuagens coloridas que espreitavam para fora no pulso segurando a bandeja de taças de champanhe. Eu respirei fundo. Preppy? Minhas mãos tremiam. Assim quando eu estava prestes a olhar para o garçom, veio o barulho do microfone retumbando nos alto-falantes. Eu cobri meus ouvidos e me virei para onde meu pai tinha feito o seu caminho até o palco improvisado criado ao lado da casa da piscina de Tanner. O senador estava batendo no microfone e gesticulando para que alguém fora do palco viesse fazer o ajuste quando eu girei de volta para o garçom, mas ele já tinha ido embora. E quando eu olhei em volta por ele, eu encontrei vários dos mesmos com camisas escuras e gravatas amarelas, todas as bandejas com as mesmas taças de champanhe, com bolhas cor de rosa. Eu estou vendo coisas. Minha mente e corpo estão ambos agora rejeitando minha farsa de vida. — Mamãe! — uma voz quebrou no meio da multidão. Sammy veio correndo contra minha perna. Eu sorri e o levantei, o colocando no meu quadril em um movimento que parecia natural para mim. Nadine, que

~ 132 ~


estava o perseguindo em torno dos festeiros, apareceu ao meu lado, sem ar. — Seu pequeno está ficando rápido, — disse ela, com as mãos sobre os joelhos. — Não deixe que essas perninhas enganem você. Ele pode realmente correr! Ou isso, ou eu estou fora de forma. Poderia ser os dois, — ela bufou. Nadine tinha trocado sua polo habitual e calças cáqui para uma camisa de botão preta e calças pretas. Em vez dos tênis pretos ortopédicos, ela estava usando um par de sapatilhas pretas brilhantes. — Você está ótima, Nadine, — eu disse. Ela devolveu o elogio com um rolar de olhos. — Eu estou feliz por vestir preto, — disse ela, se abanando. — Porque eu estou suando como se estivéssemos em pé no meio do Hades com o próprio diabo. Eu pensei que King era o diabo. Mas eu tinha certeza de que eu estava no inferno e que ele estava longe de ser encontrado. Eu olhei para o palco. E eu tinha certeza de que o diabo votava em republicano e usava Hugo Boss. — Mamãe, Nay-neene não poderia me pegar! — exclamou Sammy. — Eu sou rápido! Eu sou rápido assim! — disse ele, segurando o vermelho Matchbox Corvette que ele tinha em suas mãos e o pilotando no ar. — Oh sim? Você está sendo bom para a Senhorita Nadine? — perguntei, bagunçando o cabelo dele perfeitamente penteado, seus cachos naturais saltando para a vida, sua risadinha expondo sua linha inferior de dentes adoravelmente pequenos. — Não, — ele disse, ainda olhando para o seu carro. Seus cachos naturais ganhando vida. — Não, isso é melhor, — eu disse, tocando meu nariz contra o dele. Eu estava muito ocupada interagindo com Sammy quando Nadine limpou a garganta. Quando olhei para cima, eu notei que um monte da multidão tinha deixado de fazer o que estavam fazendo e estavam assistindo eu interagir com meu filho. Meu pai estava de volta ao microfone, sem interferência e a multidão virou de mim para ele. Minha mãe ficou obedientemente do seu lado esquerdo, ao lado da bandeira americana. Ele começou seu discurso saudando a multidão pelo evento e mencionando as instituições de caridade que seriam beneficiárias do leilão e doações que receberiam durante a noite. — O que eu perdi? — disse Tanner,

~ 133 ~


empurrando através da multidão para ficar ao meu lado e de Samuel. — Ei garoto! Mãos para cima! — Samuel ergueu a palma para cima e Tanner bateu com a sua. — É isso aí amigo, você está ficando bom nisso. — Não muito. Ele apenas começou, — eu disse. O senador fez uma pausa e olhou para a multidão. Ele pegou as cartas do palanque e as colocou no bolso de sua camisa. — Eu tinha todas essas notas preparadas. Eu queria falar com vocês sobre a agenda da campanha e sobre o que esperamos alcançar ao longo dos próximos meses. Mas eu não posso fazer isso agora. — a multidão murmurou em confusão e alguns gritaram, — Por que não? — era o que o senador, obviamente, queria. — Eu nunca fiz nenhum segredo que os valores cristãos familiares e tradicionais americanas são uma das coisas mais importantes durante esta campanha. — a multidão aplaudiu e ele ergueu a mão para os silenciar. — Mas como vocês sabem, a família nem sempre é previsível. Não é algo que você pode controlar, — disse ele. — Como todos sabem até agora, quer seja através de rumores ou por ler na noticia recentemente, há alguns anos, eu me tornei avô. Foi a primeira vez que o ouvi fazer referência a Sammy como algo diferente de meu filho. Avô não era exatamente o título que eu teria dado a ele em momento algum. — Minha filha, Ramie, e seu namorado, Tanner, tomaram a decisão de entrar em um relacionamento que eles não estavam prontos com a tenra idade de quinze anos. Eu não estou desculpando suas ações nem o seu comportamento, mas o que alguns de vocês não sabem é que Tanner estava doente... — Oh meu Deus, ele está lhes dizendo tudo, — eu disse, cobrindo minha boca, em choque. Tanner agarrou a minha mão e a segurou na sua. — Eu não estou surpreso, — ele murmurou. — Você realmente acha que ele apenas os iria deixar pensar que éramos dois adolescentes excitados que tiveram relações sexuais sob o seu teto? Muita culpa nisso. Ele vai culpar minha doença agora. Esta é uma forma de arte para ele. Mais do que seus desenhos são para você. Ele está criando emoção, opiniões. Ele está dizendo a eles o que eles precisam pensar sem vir a público e dizer isso. É meio que bonito se você pensar sobre isso.

~ 134 ~


— Você não parece envergonhado, — eu disse. — Você parece impressionado. — Eu não estou envergonhado. Ele está dizendo a verdade. Somos nós. Nada sobre nós jamais me incomoda, Ray. Além disso, é provavelmente a coisa mais honesta que ele disse durante todo o dia, — disse Tanner, olhando para o palco com um interesse que me deixou desconfortável. — Nós pensamos que o íamos perder, — continuou o senador. Minha mãe estendeu a mão para um lenço que um dos guardas lhe entregou e tocou de leve no canto de seus olhos. — Belo toque, mãe, — eu sussurrei. — Todos os médicos disseram a mesma coisa... que não havia esperança para ele. Eles disseram a seus pais, Chuck e Ranae, para fazer seus arranjos finais. — o senador os procurou no meio da multidão e acenou com a cabeça em direção a eles. — É bom ver vocês dois aqui, — disse ele com um sorriso quando ele os encontrou. — Estávamos todos nos preparando para a morte do melhor amigo da minha filha. — o lugar ficou quieto. Ele os tinha comendo na palma de sua mão e eles começaram a pular para comer cada pedaço que ele estava jogando para eles. — Foi uma coisa estranha pensar sobre isso, especialmente desde que Margot e eu, e eu sei que os pais de Tanner também, sempre achamos que as nossas duas crianças iriam crescer para se casar e ter sua própria família. — os olhos do senador ficaram enevoados. Ele deve ganhar um Emmy. Minha mãe caminhou até ele e enxugou os olhos com um lenço. Não, estes dois devem ganhar um Oscar. — Desculpe por isso, — disse ele fungando. Ele parou por um instante antes de olhar para a multidão. — É engraçado como Deus trabalha. Você nunca sabe qual será o seu plano. Chuck e Ranae haviam desistido da esperança de se tornar avós. Nossos corações doíam por nossa filha e o futuro que já não era uma possibilidade para ela. No dia em que Tanner recebeu a notícia de que seu tempo aqui na grande criação de Deus estava chegando ao fim, a minha filha e Tanner tomaram uma decisão que eu não concordo, que eu não apoio. Mas, em muitos aspectos, eu vejo agora como parte de um plano mais amplo; Grande plano de Deus para nós, quando seus seguidores já não têm qualquer esperança de compreensão. Essa decisão resultou na minha filha e Tanner vindo para mim em meu escritório em casa. Eles me informaram que ela estava grávida e eu chorei abertamente. Minha própria filha. A filha que eu criei para entender claramente os valores

~ 135 ~


que a família defendia e acreditava tinha chegado a mim e me dito que ela desobedeceu minhas regras e as leis de Deus. Não foi até mais tarde naquela noite que eu acordei de um sono agitado que me dei conta. Este é o plano de Deus. Esta foi a sua forma de presentear Chuck e Ranae com o neto que tinham desistido de ter e me deu nova causa. E fomos a cada especialista e médico neste grande país, e até mesmo o mundo, para ver se eu poderia salvar a esperança da minha filha ter um futuro, uma família, sua própria família. Metade da multidão estava em lágrimas e Tanner se inclinou para o meu pescoço. — Isso tudo soa muito melhor do que „minha filha teve sexo por piedade com o namorado doente e eles não utilizaram um preservativo‟. — a cabeça de meu pai virou e ele nos deu um olhar que eu sabia que era para mim, como se ele tivesse ouvido o comentário de Tanner, embora fosse impossível. — Com a ajuda do Dr. Reynolds, no Tennessee, fomos capazes de trazer Tanner de volta da beira do abismo. — a multidão começou a aplaudir e novamente o senador levantou a mão. — Agora estou orgulhoso de dizer que Tanner teve uma remissão completa de sua leucemia e continua a não mostrar sinais do câncer que quase o levou de nós. — desta vez, ele permite o aplauso multidão. — Venham até aqui, vocês dois. Tragam Samuel. — uma centena de pares de olhos se voltaram para nós e nós não tínhamos escolha a não ser fazer o nosso caminho para o palco. Samuel aplaudiu junto com a multidão e riu. Eu teria dado qualquer coisa para estar envolta na mesma bela felicidade ignorante. Nós estávamos ao lado de minha mãe, que fez um show para tirar Samuel das minhas mãos e o colocar em seu quadril, assim como eu o tinha. Ela se virou para a multidão e acenou e Samuel a imitou, que só os fez ficar mais emocionados. — Agora eu não contei a melhor parte, — disse o senador, apontando para a multidão se acalmar. Ele era o maestro e eles eram sua orquestra, tocando para cada um de seus gestos. Este foi o grand finale, porque eu sabia o que estava por vir, e não havia nada que eu pudesse fazer para pará-lo. — Esta manhã, em uma pequena cerimônia, cercados apenas pela família e seu filho, minha filha e Tanner Redmond se casaram. — o aplauso de uma centena de pessoas era ensurdecedor. O senador gritou no microfone acima da multidão. — Então, eu gostaria de aproveitar este momento para lhes apresentar os Sr. & Sra. Redmond e seu belo filho, meu neto, Samuel. Que Deus abençoe sua união. — ele se aproximou de mim e

~ 136 ~


segurou meu rosto entre as mãos, me puxando para um abraço que fez meu estômago revirar. — Seu filho da puta, — eu disse. — Isto não era para uma exibição pública ou uma ferramenta política. — fiquei surpresa, embora eu soubesse que não deveria. O senador se preocupava com a campanha em primeiro lugar, em segundo o financiamento da campanha e os que o apoiavam em terceiro. — É tudo uma ferramenta política. Tudo isso, — disse o senador. — Você. Eu. Tanner. Samuel. Sua mãe. É tudo para o bem maior. — eu honestamente acho que ele acreditava nessa porcaria. Ele me soltou e puxou Tanner para um abraço. Ao contrário da carranca que eu estava usando, Tanner estava sorrindo de orelha a orelha e realmente parecia que ele estava se divertindo, aceitando os parabéns como se o casamento fosse real. Eu sou tão estúpida. De repente eu estava com tanta raiva que eu não conseguia respirar. Eu estava com raiva de mim mesma, do senador, de King por me deixar, de Tanner por nenhuma explicação razoável. Minhas mãos tremiam enquanto eu via vermelho. O senador acenou para a multidão. Nadine veio ao palco e tomou Sammy que estava mexendo nas joias da minha mãe e fez sinal que ela iria o levar de volta para a casa. Eu balancei a cabeça. Nadine tinha um grande senso de quando a merda estava prestes a bater no ventilador e eu estava feliz por isso. Porque a merda estava prestes a bater no ventilador. Eu dei um passo para o meio onde meu pai e Tanner estavam acenando para a multidão e eu adicionei uma aparição. O senador olhou para mim com desconfiança e Tanner ainda estava sorrindo como se tivesse acabado de ganhar na loteria e foi aceitar o cheque gigante. — Está quente aqui, não é? — eu disse, me inclinando para meu pai, que franziu a testa e, em seguida, se corrigiu quando percebeu que ele fez uma expressão facial negativa em público. — É a Flórida durante o verão. É sempre quente, — disse Tanner antes que seus olhos se arregalaram em realização do que eu ia fazer. — Não, — ele avisou, mas eu não ouvi. — Se você quiser me colocar em exposição, você vai ter que colocar tudo de mim em exposição. — eu fiz uma demonstração me ~ 137 ~


abanando e então eu desabotoei meu cardigã e tirei. Meu pai não achou nada de anormal sobre eu tirar meu cardigã. Ele estava certo. Era a Flórida durante o verão. Estava quente. Mas ele não sabia o que estava por baixo do casaco de lã. Ele ainda tinha de o ver. Eu segurei minha camisa em minhas mãos e ouvi um suspiro atrás de mim que eu assumi que veio da minha mãe. — Não, — Tanner repetiu e desta vez ele parecia irritado. Avistei uma cadeira e me virei para meu pai. — Aonde eu posso por meu casaco? — eu perguntei a ele. — O que você está fazendo, Ramie? — ele perguntou, parecendo preocupado. — Nada, papai, — eu disse. Virei às costas para a multidão e me curvei para colocar meu casaco na cadeira. A tatuagem que King tinha me dado ficou em plena exibição para a multidão. Não havia nada que alguém pudesse fazer. Meu pai poderia correr para me cobrir, mas iria fazer parecer que ele não aprovava. Ele podia me enfrentar, mas iria tornar isso pior. Me virei e atirei um olhar que disse a eles que eu não era alguém para ser fodida. Com um último aceno para a multidão, que agora estava sussurrando alto como um bando de fanáticas meninas mimadas, saí do palco. Eu andei ao longo da linha da propriedade para a parte de trás da casa, não querendo lidar com qualquer um dos festeiros que poderiam ter sido persistentes na passagem a partir do pátio de volta para a casa. — Que diabos foi isso? — perguntou Tanner, correndo para me alcançar enquanto eu passava pelo carvalho na casa da árvore. — O que foi isso, Ray? — ele repetiu. Eu parei e me virei para encará-lo. — Isso fui eu não sendo pisada! Você disse que eu poderia ter um tempo. O olhar em seu rosto na frente dessas pessoas disse que você já acha que isso é real. Mas não é real, Tanner. Não para mim. Eu não estou preparada. E eu posso ter te amado uma vez, na verdade, eu sei que eu te amei uma vez, mas eu nem sei se era amor romântico. Eu amo que você é gentil com o nosso filho e eu respeito você pra caramba por tudo que você passou e eu odeio ter te machucado. Mas eu não quero ficar com você agora. Não quando meu coração ainda pertence a outro lugar.

~ 138 ~


— O que você espera de mim, Ray? Pedir desculpa por estar feliz em ser seu marido? Porque eu não estou. Eu não sinto muito, eu casei com você, qualquer que seja o motivo. Você é o amor da minha vida pelo amor de Deus! Sempre foi. Nós sempre fomos feitos para ficar juntos. Então, é claro que eu agarrei a oportunidade de o anunciar ao mundo, porque isso sempre foi concebido para acontecer. — os olhos de Tanner suavizaram e ele deu um passo em minha direção, dobrando sua mão ao redor do meu pulso. — Não, Tanner, — eu disse, recuando de seu alcance. — Não. Tanner me ignorou e chegou em volta do meu pescoço para me puxar para ele. Ele suavemente apertou seus lábios contra os meus, e eu apenas fiquei lá e deixei que isso acontecesse. Seus lábios eram macios e quentes, seu hálito fresco contra minha pele. Imaginei que Tanner realmente era a pessoa que eu queria, mas em vez de recordar sentimentos por ele, a cara irritada de King se manteve piscando na minha mente. Tanner abriu a boca e eu relutantemente segui o seu exemplo, sua língua dançando na minha. De certa forma eu desejava que as memórias viessem à tona. Sentir o que ele queria que eu sentisse. Mas à medida que continuamos a nos beijar e suas mãos deslizaram do meu pescoço até a cintura, a única coisa que eu senti... foi errado. Além de errado. Eu empurrei contra seu peito, mas ele gemeu na minha boca e me segurou mais apertado. Tentei de novo e quando ele não se mexeu, eu mordi. Instantaneamente ele cambaleou para trás, segurando sua mão contra seu lábio inferior ensanguentado. — Você está arruinando tudo o que eu pensei que eu senti por você. Não faça uma bagunça do que eu me lembro sobre nós. — Eu sou o único fazendo uma bagunça disso? — ele riu. — Você estragou tudo quando você foi atrás de Nikki. Você não podia simplesmente a deixar ir. Eu disse uma centena de vezes para não se misturar em sua confusão de vida, mas não, você tinha que deixá-la te arrastar com ela. Você a colocou acima de sua família, indo atrás dela, me machucando, indo embora. Você é a única que nos arruinou aquela noite. Eu não. Eu estou tentando nos salvar, enquanto você está fazendo um inferno dobrado em nos destruir! Então, foda-se, Ray! Você quebrou meu coração quando você saiu. Você o rompeu em pedaços, quando você voltou. E eu não sei quem você pensa que é, mas você não é a Ray que eu conhecia. E essa pessoa que eu vejo diante de mim? Eu meio que a odeio agora, — disse Tanner. Ele se virou e saiu para a escuridão.

~ 139 ~


Eu abri minha boca para chamá-lo, mas eu não sabia o que mais eu poderia dizer. Ele estava machucado e eu tinha o ferido. Eu não tinha feito nada, além de fazer uma decisão estúpida após a outra desde que eu voltei. Foi estúpido da minha parte exibir a tatuagem. Eu tinha agido por pura raiva. Mas isso não lhe dá o direito de me tratar como se eu fosse uma mercadoria que pode ser comprada ou negociada... ou casada. Embora isso fosse exatamente o que eu era.

~ 140 ~


Capítulo dezenove DOE Eu fechei a porta do meu quarto e pressionei minha testa contra ela. Devastação não explicaria como eu me sentia. King estava morto e eu tinha perdido minha única amiga, porque eu era estúpida o suficiente por pensar que eu poderia usar uma certidão de casamento como uma ferramenta para conseguir o que eu tão desesperadamente queria. Uma família. Uma família real que eu escolhi, assim como eu tinha escolhido King e Preppy. Deixei escapar um grito frustrado e cerrei os punhos, batendo na porta até que eu estava exausta. Esfreguei meus lábios para apagar o gosto de Tanner até sentir arder. — Tire a porra das roupas, — uma voz profunda resmungou. Consciência tomou conta de mim como a eletricidade estática. Engoli em seco e virei meu rosto manchado de lágrimas da porta. Centenas de anos poderiam passar sem ouvir isso e eu ainda saberia exatamente a quem a voz pertencia. King surgiu a partir do canto do quarto, a sombra que caia longe de seu corpo como uma imagem sendo lentamente puxada para fora. — Você sabe que eu não gosto de me repetir, mas para você, eu vou fazer apenas uma vez, pequena. — ele parou na minha frente e olhou para baixo, os olhos ardendo de tanto luxúria e ira. — Tire a porra das roupas. — Você está vivo, — eu sussurrei quando meu coração batia no meu peito. Eu estava imaginando isso? — Você está prestes a descobrir quão vivo eu realmente estou. — ele caminhou na minha direção. — Você e eu nos comunicamos melhor quando estou dentro de você e não há muito que eu tenho a dizer. Então, ao invés dessas perguntas e respostas que vai nos levar a

~ 141 ~


porra de um monte de nada, vamos fazer isso de uma maneira que eu já sei que funciona. — Eu pensei que você estivesse morto. — meu peito arfava com o medo e o desejo. Minha pele se arrepiou, meus mamilos apertaram. — Você estava de luto quando aquele garoto tinha a língua na sua maldita garganta? — King alcançou para o meu lado, segurando o dedo que segurava o anel de Tanner. — É a sua dor a razão pela qual você está usando isso? Eu arranquei meu dedo de sua mão e coloquei minhas mãos contra seu peito. Minha intenção era o afastar, mas assim que eu fiz contato, eu não poderia deixar isso passar. Eu não quis. Eu aguarei sua camisa em minhas mãos. O alívio que senti por ele estar vivo estava sendo substituído por minha raiva pelo seu tom acusatório. — Eu pensei que você estivesse morto, — eu repeti. Ele falou em meu cabelo, seu hálito quente contra o meu couro cabeludo. — Oh, pequena. Tenha certeza que até mesmo a morte não poderia me manter longe de você. Eu inalei, sentindo o cheiro de cigarros e perfume. Eu tinha sentido falta da familiaridade do seu cheiro quase tanto quanto eu sentia falta dele. — Eu nunca pensei que eu o iria ver novamente. Eu fui até o MC. O pai de Bear foi a pessoa que me disse que você estava morto. King balançou a cabeça lentamente de um lado para o outro. — Ele vai ter o que merece. — ele estreitou os olhos. — Assim como você, — ele disse tão baixo e profundo que eu senti suas palavras irem ao meu âmago. — O quê? — Você realmente acha que seria tão fácil se livrar de mim? Pelo amor de Deus, eu me lembro como é quando estou dentro de você. Você acha que eu posso simplesmente esquecer isso? Você acha que eu não venho tentando há semanas me convencer de que é apenas meu pau que você sente falta? Porque eu vou te dizer, nada me faria mais feliz do que ser capaz de me livrar desta fodida mágoa, agora. Bem aqui. — King bateu no peito com o punho fechado. — Às vezes eu desejo que eu possa simplesmente esquecer tudo, mas eu não posso. Eu não vou. Porque eu não quero te esquecer jamais. E me congratulo com esta dor porque me ~ 142 ~


lembra de que você é real. — mordi o lábio tão forte que eu podia sentir o gosto de cobre na minha boca. King falou enquanto caminhava em direção a mim, me apoiando ainda mais nas sombras até que minhas costas estavam conectadas com a cômoda. Ele colocou as mãos na parede em torno de mim, me enjaulando, se inclinando até que estávamos olho no olho. — Eu não sei por que você está se segurando tanto, pequena, quando seu corpo está claramente me dizendo que você ainda é minha. — diz King me inalando, como eu fiz com ele. Fechando os olhos, ele esfregando o nariz em toda a minha linha da mandíbula. — Você o ama? — ele rosnou, mordiscando meu pescoço com os dentes. — Sim, — eu admiti. King recuou e fez uma careta. Eu esclareci. — Nunca foi um amor como ele pensou que fosse, como ele queria que fosse. Eu o amava como meu melhor amigo, não como o que eu sinto... — seus olhos procuraram os meus, aguardando ansiosamente o resto da minha resposta. — Semanas passam sem uma única palavra, e você aparece do nada, se esgueira para o meu quarto e manda que eu tire a roupa no dia... -— eu não poderia terminar a frase. Eu não poderia dizer as palavras que eu não queria que fossem verdade. Porque King estava vivo. E eu era casada. — Se casou, caralho. — King terminou para mim. Suas narinas abriram. Ele se virou com os punhos cerrados, como se estivesse procurando algo para perfurar. Ele colocou as mãos sobre a cabeça, frustrado. — Eu assisti toda a porra do carro lá fora. Eu sei tudo. — Puta merda! — exclamei. King rosnou. — Você parece ter esquecido quem diabos eu sou, pequena. Então, eu vou te lembrar. — ele pressionou seus quadris contra o meu. — Eu sou o homem que tomou você contra a sua vontade e lhe algemou na porra da minha cama. Eu sou o homem que você queria, então eu mantive você. — ele levantou uma sobrancelha. — Você realmente acha que você tem uma escolha quando se trata de ser minha? King me levantou sobre a cômoda e se empurrou entre as minhas pernas, forçando-as. Ele segurou meus pulsos atrás das costas forçando meus ombros para trás e empurrando meu peito no seu. Meu vestido subiu ao topo das minhas coxas. King tirou uma mecha de

~ 143 ~


cabelo atrás das orelhas e se inclinou para mim, seus lábios apenas um sopro de distância dos meus. O quarto estava ficando quente. Eu não conseguia respirar. Eu precisava... Eu não sei o que eu precisava. — Sem mais perguntas. Eu abri minha boca para argumentar. — Pare de falar, merda, — ele retrucou. King me levantou do armário, me carregou e me colocou na frente do espelho de corpo inteiro que estava pendurado na porta do armário. Ele estava atrás de mim. A cabeça mais alta do que a minha e me superando em cinquenta quilos, nossas diferenças nunca tinham sido mais evidentes. Seu jeans escuro e a camiseta escura eram um contraste gritante com meu traje branco. Minha pele pálida ao lado de sua pele bronzeada. Meu cabelo branco com o seu preto. Era uma visão que fez meus joelhos fraquejarem. Porque, embora o reflexo no espelho fizesse nossas diferenças óbvias, ele também me fez ver o quão bem nós dois nos encaixávamos. — Você vê isso? — disse King, seus braços em volta da minha cintura, falando para o meu reflexo. — Você vê como essa porra funciona? Como nós nos encaixamos? — ele empurrou meu cardigã dos meus ombros e ele caiu no chão. Ele me girou e pegou um espelho de mão para fora da mesa e a segurou na minha frente, da mesma maneira que ele fez quando ele estava mostrando a um cliente a sua nova tatuagem. — Você vê isso? O que essa merda diz? — ele perguntou. Apontando para a tatuagem que ele tinha me dado. Que eu acabei de colocar em plena exibição para meu pai e Tanner. — Ela diz, eu não quero repetir a minha inocência, eu quero o prazer de perder tudo de novo. É uma citação de F. Scott Fitzgerald, — eu respondi. — Não. — ele empurrou minha cabeça, deslocando minha perspectiva de uma visão um pouco de lado. — Me diga de novo. Olhe na coroa, na vinha. O que diabos essa merda diz? — King, — eu sussurrei. — Diz... King.

~ 144 ~


Capítulo vinte KING — Você é minha. Você sempre foi, — disse eu, sem falsa modéstia. Pequena olhou no espelho com os olhos arregalados, ainda olhando para a tatuagem descobrindo o meu nome. — Você tatuou seu nome em mim, — disse ela em descrença. Meu olhar encontrou o dela no espelho. — Marquei você na primeira fodida chance que eu tive. Meu único arrependimento é não ter o tornado maior, porque talvez então o garoto tivesse pensado melhor antes de colocar seus lábios em você. — Não é culpa dele, — disse ela, olhando para mim. Ela me irritou defendendo o desgraçado. Ele poderia se chamar seu marido ou o que queria porque eu descobri tudo o que eu precisava saber quando sua respiração se acelerou com a minha proximidade, quando ela disparou a língua para fora e molhou os lábios em antecipação, a forma em que seus mamilos se endureceram contra o tecido do pequeno vestido sexy conservador dos diabos que ela estava usando. Não era apenas físico, porque embora o ar ao nosso redor crepitasse com a nossa conexão quase palpável. Eu praticamente podia sentir o seu gosto na minha língua. Eu a queria saborear na minha língua. Eu queria colocar meu rosto entre suas coxas e a sentir se contorcer sob minha boca enquanto ela arranha o topo da minha cabeça com as unhas até que ela goze. Eu estava tão duro que levou o pouco de autocontrole que eu tinha para não a dobrar sobre a cômoda, virar o vestido sobre sua bunda e foder algum sentido para a minha garota. Passei a mão sobre sua boca e os seus lábios entreabertos. Aqueles lindos lábios rosados dela teriam feito meu pau duro imediatamente se já não fosse uma barra de ferro lutando contra meus jeans. — Eu já queria cortar a garganta do senador pela façanha que ele puxou com Max, mas quando o vi de pé lá em cima, vestindo seu melhor terno e seu relógio de ouro ridículo de membro do clube de

~ 145 ~


campo e o ouvi dizer às pessoas que você estava casada com alguém que não fosse eu, eu queria descarregar a minha arma em seu crânio, em seguida, recarregar para o garoto. Minhas palavras poderiam ter sido duras, mas elas eram verdadeiras. Peguei o espelho da pequena e o coloquei sobre a cômoda. — Por um segundo eu pensei que talvez eu apenas imaginasse essa coisa entre nós. — eu desatei o zíper de seu vestido de verão e o deixei cair no chão, revelando um sutiã sem alças bege e uma calcinha igual. Eram peças cotidianas, mas em minha menina, ela poderia muito bem estar vestindo calcinhas enormes e carregando um chicote, porque ela era a coisa mais sexy que eu já vi nessa merda. Meu pau estava em agonia enquanto eu varria o meu olhar sobre seu corpo. — Foi esse olhar que me parou, — eu disse. — O que quer dizer? — ela perguntou, girando pra ficar de frente para mim. — O olhar que você tem quando você é você mesma. E eu estava certo. Porque você tirou seu suéter. Você lhes mostrou a sua tatuagem. — eu corri meus dedos a partir da base do pescoço até as bochechas de sua bunda. — Eu estava mostrando a eles que eu não era um macaco e não importa que eu concordasse, eu não iria dançar para eles, — disse ela, incapaz de conter a emoção de ser capaz de colocá-los em seu lugar. — Você lhes mostrou mais do que isso. — eu disse, circulando ela. Apreciando seu corpo que eu tinha sentindo tanta falta. Tomando tudo. — Você lhes mostrou que você era minha. — eu estava atrás dela novamente e cheguei entre suas pernas, sua calcinha já embebida. Ela fechou os olhos enquanto eu a acariciava através do material. — Mas o mais importante, — eu disse a ela quando eu esfregava mais rápido e sua boca abriu quando ela se perdeu no prazer de meu toque, — Você me mostrou que ainda era minha. Eu girei e bati meus lábios nos dela. Ela estremeceu sob o meu toque. — Não tente chegar a uma desculpa para discutir comigo, pequena. A hora para desculpas acabou. Vou te dizer agora que não importa o que você diz. Não há nada que você pode dizer que muda alguma coisa. Eu aleguei você e eu não estou pedindo desculpas por merda nenhuma dessa vez.

~ 146 ~


— Eu tenho que explicar. -— ela começou a discutir, mas eu a interrompi. — Podemos conversar mais tarde. Preciso de você dobrada como um animal para te lembrar de que essa buceta é minha e só eu te fodo assim, certo? — eu disse, mordendo o lóbulo da sua orelha. Eu a virei sobre seu estômago. Eu a empurrei entre suas omoplatas até que ela estava inclinada sobre a cama em seus cotovelos. Eu soltei o seu sutiã e deixei cair para a cama. Eu puxei a calcinha com uma mão e a joguei no chão. Olhei para a visão surpreendente do caralho que era minha menina, nua, se inclinando para mim. Eu tirara meu cinto e tirei meu jeans enquanto ela se preparou em suas mãos e joelhos. Eu rastejei por ela sobre o colchão e tirei minha blusa para que pudéssemos ficar pele com pele. Ela levantou a cabeça e os meus lábios roçaram a parte de trás da sua orelha. — Você precisa lembrar a quem você pertence, pequena? — Sim, — ela respirava. Eu posicionei meu pau em sua entrada e empurrei duro, além da resistência de sua buceta apertada. Cada centímetro em seu calor era uma combinação de agonia, tortura e prazer. Parei quando eu estava totalmente encaixado dentro da melhor buceta alguma vez criada. Quente. Molhada. Pronta. — Me diga que você sentiu minha falta, — eu disse. Doe gemeu e pressionou sua bunda contra mim, tentando me mover, mas eu fiquei imóvel. — Não, baby. Não até que você me diga o que eu quero ouvir. — Eu— eu recompensei sua tentativa com um circular lento dos meus quadris e ela gemeu no travesseiro. — Você o quê? — perguntei, parando novamente. — Eu senti sua falta, — mais uma vez eu circulei meus quadris, desta vez acrescentando um único golpe duro. — Senti... — O que você sentiu? — perguntei. — Eu senti sua falta! — ela disse. Eu perdi todo o controle. Cheguei em torno dela e envolvi uma mão em torno de sua garganta; com a outra eu me ancorei à cama. Eu empurrei nela furiosamente, como o homem louco que eu era. — Eu senti sua falta também, baby. Pra caralho. — uma e outra vez eu implacavelmente bati nela como se eu estivesse tentando foder o meu caminho de volta para sua vida. — Isso sou eu dentro de você. Você me

~ 147 ~


disse tudo o que eu precisava saber. Eu não vou desistir de nós. Não agora. Nem nunca. Pequena gemeu e sua buceta se apertou em torno de mim e eu tive que abrandar o meu ritmo para não explodir lá. Uma sombra do outro lado da janela aberta agarrou a minha atenção e minha cabeça se levantou para ver um par de olhos nos observando a partir da árvore do lado de fora da janela. Ele pode ter pensado que ele estava escondido por galhos e folhas, mas como um leão pode farejar machos nas proximidades, eu sabia exatamente quem era. Tanner. Eu poderia ter parado logo em seguida. Puxado meu pau para fora dela. Coberto nós dois. Ou, pelo menos, fechar a janela. Eu não fiz nenhuma dessas coisas. Me inclinando sobre a minha garota, eu lambi seu pescoço enquanto ela gemia meu nome uma e outra vez, alheia a nossa nova audiência. — A quem essa buceta pertence? — eu perguntei, olhando fixamente para fora da janela para os olhos horrorizados de nosso hóspede não convidado. — Você. Sempre. Sempre foi você, — ela respirava. Sua buceta apertou em torno de meu pau novamente e eu lutava para manter o controle. Eu não tinha acabado ainda. Esse garoto tinha que saber, sem sombra de dúvida que a pequena pertencia a mim. Ela é minha. — Eu amo você, pequena. Tanto, — eu disse a ela, empurrando cada vez mais duro. — Você me ama? — perguntei, me certificando que eu acariciava o feixe de nervos sensíveis na parede frontal da sua buceta que a fez gritar. Eu tinha sentido falta de seus malditos gritos. — Sim. Muito. Eu te amo tanto! — ela disse. Ela começou como um sussurro, mas quando seu orgasmo tomou conta, se tornou cada vez mais alto até que ela teve que enfiar um travesseiro no rosto para evitar que alguém que possa estar na casa nos ouvisse. Mas alguém tinha ouvido.

~ 148 ~


Quando senti a sensação de formigamento começar na base da minha espinha, uma ideia pegou e foi como se meus instintos mais básicos assumissem. Uma vez que eu pensei em fazer isso, eu não conseguia pensar em mais nada. Eu empurrei para ela duas vezes mais e puxei para fora de seu calor apertado. Eu puxei meu pau na minha mão, fazendo um show, jorrando minha porra em suas costas nuas. Doe caiu sobre seu estômago em exaustão, mas eu não estava completamente feito. Eu olhei para fora da janela, diretamente para onde Tanner estava em vão escondido. Corri minhas mãos através da bagunça que eu tinha acabado de fazer sobre ela, a deslizando em torno de suas costas e da bunda dela, a marcando como minha. Eu a puxei para cima pelos cabelos e enfiei dois dedos cobertos de gozo em sua boca. Ela gemeu e avidamente os sugou. Minha mensagem era clara. Tanner se levantou nos galhos, não mais se preocupando em esconder sua presença. Por um longo momento, ele continuou a olhar, até que finalmente ele se virou e pulou da árvore. Ambos, pequena e Tanner agora sabiam a quem ela pertencia. E certo como o diabo não era ele.

~ 149 ~


Capítulo vinte e um DOE King caiu em cima de mim, me pressionando contra o colchão enquanto nós dois pegávamos nossas respirações. O peso dele sobre as minhas costas foi quase esmagador, mas eu não queria me mover. Com medo de que se eu fizesse, eu acordasse e isso teria sido um sonho. King se sentou e se encostou na cabeceira da cama me puxando para perto dele. — Agora eu posso te dizer por quê? — eu perguntei, ainda recuperando o fôlego. King acenou com a cabeça. — Eu pensei que você estivesse morto, — eu comecei. — Eu entrei em pânico quando eu não tinha ouvido falar de você por um tempo. Eu fui ao clube de Bear esperando que eles pudessem mandar uma mensagem para você de alguma forma. O pai de Bear me disse que você estava morto. — King me deu um aperto reconfortante, me incentivando a continuar. — E eu senti sua falta. Eu senti tanto sua falta. — uma lágrima correu pelo meu rosto quando me lembrei como eu me senti quando o velho de Bear tinha me dito que King estava morto. King se inclinou e pegou a lágrima entre os lábios, a capturando antes que ela tivesse a chance de escorrer da minha mandíbula. — Eu fui ver Max. King congelou. — O quê? Você viu Max? — ele perguntou incrédulo. Eu balancei a cabeça. — Sim. E ela é tão bonita. Ela tem seus olhos, seu sorriso. Ela me deu isso. — eu levantei meu pulso para lhe mostrar a pulseira roxa de plástico e King correu os dedos sobre ela, como se estivesse examinando as joias da rainha. — Eu soube imediatamente que ela precisava ficar comigo. Eu a queria adotar. — Baby, — disse King em um sussurro tenso. Limpei a outra lágrima em minha outra face. — Eu queria aumentar minhas chances de fazer isso acontecer. O senador me disse que as mulheres solteiras que querem adotar são muitas recusadas. — eu me virei para o olhar nos olhos. — Eu não queria que isso

~ 150 ~


acontecesse. Eu teria feito qualquer coisa. Por ela. Por você. Mas para ser honesta, eu estava fazendo isso principalmente para mim, porque ela é um pedaço seu e eu queria aquele pedaço comigo, sempre. — eu ri. — Então eu fiz o que tinha que fazer. — Você se casou com Tanner... por mim, — disse King. Não havia mais raiva. Nenhum julgamento. De qualquer coisa, soou admirado com o que eu tinha feito. Gentilmente chegando a mão em meu rosto, ele se inclinou para frente e deu um beijo em meus lábios. Onde a maioria dos nossos beijos eram cheios de calor e paixão, este foi todo ternura e amor. Ele se afastou lentamente, me olhando por cima, como se estivesse procurando algo. — E por mim. — eu o lembrei. — Eu odeio dizer isso a você, mas eu me apaixonei por ela mais rápido do que por você. King riu. — Eu amo você. Eu nunca disse isso a ninguém, além de Max antes. Desde o dia que você apareceu na minha festa, foi você. — ele me beijou de novo, em seguida, descansou sua testa na minha. — Só você. — era exatamente o que eu precisava ouvir. Calor se espalhou no meu peito e eu senti meu coração se expandir quando o homem bonito na minha frente me adorava com os olhos. — Eu nunca o amei, só para você saber, — eu disse, oferecendo a King algo que eu sabia que ele queria ouvir. — Me lembro dele, mas não era esse tipo de amor. Não para mim, de qualquer maneira. — Você o amava o suficiente para o deixar te foder. Para ter seu filho, — King afirmou. Não havia nenhuma amargura em sua voz, e, embora não fosse uma pergunta, parecia que ele estava esperando por uma resposta. — Tanner estava doente, — eu disse. — Morrendo. Eu pensei que o que eu sentia por ele era amor verdadeiro, mas agora eu sei que era apenas o tipo de coisa que você sente por um amigo próximo. Ele não ia na formatura, ou baile, ou, você sabe, meninas. A ideia foi minha. — eu balancei minha cabeça. — Mas, nós fizemos Sammy. Assim, como jovens e estúpidos como éramos, como eu era, eu não me arrependo. Eu posso não me lembrar do meu filho, mas eu o sinto aqui. — eu coloquei minha mão sobre meu coração. King riu. Tão bom como era ouvir sua risada eu me senti ficar com raiva de novo. — O que exatamente você acha engraçado de tudo isso? — eu lati, sentando e olhando de soslaio para ele.

~ 151 ~


King estendeu a mão e me arrastou de volta para ele. — Porque, pequena, eu podia sentir meu sangue fervendo quando eu pensei que você estava prestes a descrever foder outro cara. Mas, em vez disso, minha doce menina me conta como ela desistiu de sua buceta virgem para seu amigo morrendo. — King esfregou seu nariz no meu pescoço. — Nunca foda ninguém por pena, — ele disse e começou a rir. Peguei um travesseiro e o joguei a cabeça, mas ele a pegou e a jogou no chão, agarrando meus quadris e me estabelecendo em cima dele. — Agora me diga onde diabos você estava durante um mês inteiro. — eu exigi, me sentindo livre para estar chateada com ele agora que ele estava vivo e bem. Cruzei os braços sobre o peito. Ele puxou meus braços para longe do meu corpo e moveu os lábios do meu ouvido para meus mamilos, fazendo minha cabeça rolar para trás. Eu empurrei a cabeça até que ela caiu para trás contra a cabeceira da cama com um baque. — A merda com Eli acabou, — disse ele parecendo aliviado. Ele pousou as mãos na minha cintura. — Não foi bonito, pequena. Ele nos encontrou primeiro. A merda ficou tão ruim que você nunca precisa saber a respeito. Merda com Bear. — O que aconteceu com Bear? — eu perguntei, me sentindo em pânico. King apertou meus quadris para agarrar a minha atenção. — Ele está vivo. Curado. Sem danos permanentes ao seu corpo, mas depois do que ele passou, eu não esperava que ele fosse ficar bem da cabeça, não por um longo tempo. Um homem só pode passar por até certo ponto. Bear passou por muita coisa e então abuso. Esses filhos da puta o torturaram. — o queixo do King endureceu e seus dedos apertaram dolorosamente em meus lados. Meu coração doeu por Bear e por King. — Mas acabou agora. — disse King, cobrindo meu rosto. — Eu não posso dizer que não pensei que iríamos sair vivos de lá, mas eu estou aqui agora e eu estou te levando para casa. — E quanto a Sammy? — perguntei. — Eu posso falar com Tanner, se quiser, — King ofereceu. — Explique que vai querer um tempo com Sammy. No entanto, você o quer conosco.

~ 152 ~


Ele queria que eu trouxesse Sammy para casa com a gente também. Eu balancei minha cabeça. — Eu acho que é melhor se eu for a única a falar com Tanner. Eu estraguei isso. Eu sou a única que precisa corrigir. King acenou com a cabeça. — Bom. Eu vou estar aqui amanhã à noite com a van. Junte suas coisas. Junte as coisas de Sammy também. Se Tanner não ver a razão, me deixe saber. King estendeu a mão para sua calça jeans e tirou um telefone. — Aqui. Isso é seu. Meu número é o único programado. Qualquer problema, você me chama. Se você me quer aqui antes de amanhã à noite, eu vou estar aqui. — Tão simples assim? — perguntei, sentindo como se eu tivesse acabado de receber uma segunda chance na vida. E de uma forma eu tinha. Porque King estava vivo e eu ainda era dele. — Não. Não é assim tão simples. Diga a ele que você quer uma anulação e você quer essa merda para ontem. Se ele não aceitar, diga a ele para vir me ver, porra. — King pressionou seus lábios nos meus e respirou profundamente. — Neste mundo, há muito pouco que eu acredito, pequena. Mas eu acredito que nós pertencemos um ao outro. — Você não acredita em Deus? — perguntei. — Não, pequena. A única coisa que eu tenho fé é em você. King saiu em algum momento depois que eu adormeci em seus braços. Quando a luz da manhã inundou meu quarto, eu rolei para evitar seus raios. Quando eu finalmente abri meus olhos, eu vi algo na mesa de cabeceira que fez meu coração vibrar e voar. Meu sorriso foi nada menos do que ridiculamente enorme. Eu o amei imediatamente. Era igual o que ele tinha deixado para Grace em sua mesa no corredor todos esses meses atrás. Na minha mesa de cabeceira na parte superior do telefone que o King tinha me dado, estava um pequeno coelho de cerâmica branca.

~ 153 ~


Capítulo vinte e dois DOE A manhã depois que King me deixou eu me senti tanto exultante e absolutamente miserável. Eu tinha King de volta. Ele estava vivo e eu estava tão grata ao ser universal que foi responsável por o manter seguro. Mas, ao mesmo tempo, eu magoei Tanner. Não apenas pelo grande erro óbvio de me casar com ele, mas enquanto ele estava em sua busca para me ajudar a lembrar de vez, eu o deixei se sentar muito perto de mim no sofá. Eu deixei ele segurar minha mão. A culpa foi minha. Tudo com Tanner tinha sido minha culpa, e pela segunda vez em vários meses, eu ia o machucar mais uma vez. Eu tive que ir falar com ele e eu esperava que ele de alguma forma entendesse. Eu tomei um banho rápido e coloquei um par de shorts de corrida. Peguei uma blusa de algodão macio da gaveta e a puxei. Eu gritei quando o tecido esfregou contra os meus mamilos, me sentindo muito mais como se eles tivessem sido raspados com um ralador de queijo do que coberto de algodão macio. O que diabos havia com meus mamilos... Eu corri para o calendário de mesa e passei uma quantidade embaraçosa de tempo fazendo as contas, mas com minhas mãos trêmulas e minha cabeça girando, mesmo o mais simples dos cálculos não saia. Eu empurrei a calculadora para longe e tirei um pedaço de papel. Talvez uma palavra ajudasse a o tornar mais claro. Vomitando com frequência + Sem período este mês, ou talvez até mesmo no mês passado + Mamilos Ralador de Queijo ~ 154 ~


+ Sexo com King na água na casa de barcos + Sem proteção de qualquer tipo = PUTA. QUE. PARIU.

~ 155 ~


Capítulo vinte e três DOE Eu encontrei Tanner sentado no telhado da casa flutuante. — Você sabe, eu estou começando a pensar que foi você quem fez o senador manter este monte de ferrugem, — eu disse. — Você está sempre aqui. Tanner se virou. Havia uma tristeza evidente em seus olhos, mas havia algo mais também. Algo que eu não podia identificar. — Sammy queria vir te ver, mas na hora que ele chegou aqui ele estava cansado, então Nadine se ofereceu para colocá-lo para uma soneca. Achei que você ia fazer o seu caminho até aqui, mais cedo ou mais tarde. — Tanner suspirou. — Este lugar é provavelmente o meu lugar favorito no mundo, você sabe. Nós três passamos todo o nosso tempo aqui quando éramos crianças. A única coisa que eu poderia fazer por ele foi ouvir, porque ao longo dos últimos meses ele tinha feito a sua parte de me ouvir. — Quero pedir desculpas, sobre a festa. Aquilo não foi certo. Eu não estava certo. — ele colocou as mãos em cima de sua cabeça e soltou um suspiro. — Eu não deveria ter ido junto com o senador e seu discurso, especialmente quando eu soube que seu coração não estava nisso. — ele olhou para o céu e fechou os olhos como se estivesse reunindo seus pensamentos. Ele se virou para onde eu estava no banco. — Eu só queria que fosse verdade. Eu me empolguei. Sinto muito, Ray. — Você não tem que se desculpar. Eu sinto que estamos sempre pedindo desculpas um ao outro, — eu disse. — Provavelmente porque nós estamos. — ele pulou do telhado para o cais. Ele parou na minha frente com as mãos nos bolsos da frente da calça jeans. — Eu sei por que você está aqui. — Você sabe? — Você está indo embora, — disse Tanner deslocando seu peso de um pé para o outro.

~ 156 ~


— Sim, eu estou, — eu respondi. — Nunca me senti bem aqui e quanto mais eu me lembro, mais eu sei que é a decisão certa eu ir. — Ele está vivo. Você vai voltar para ele, — disse Tanner. Não era uma pergunta. Era uma declaração. — Como você sabia? — perguntei. — Eu o vi ontem à noite. Mordi o lábio inferior. — Sim, eu vou voltar para ele. Tanner sacudiu a cabeça e descansou sua testa na palma da mão. — Eu acho que isso muda tudo. — Se eu aprendi alguma coisa ao longo dos últimos seis meses, é que a família pode significar tantas coisas diferentes. Só porque não estamos juntos, não significa que não podemos ser uma família, Tanner. A família é o que você faz, o que você quer que ela seja. — Isso não é verdade, porque eu quero que seja você, — disse ele, estendendo a mão para a minha e a levantando como se estivesse estudando isso. Como se ele quisesse olhar em qualquer lugar, menos em meus olhos. — Pode ser eu. Eu ainda estarei em sua vida. Só não do jeito que você está pensando que eu deveria estar, — eu o lembrei. — Posso assumir que ele está vindo buscar vocês dois? — perguntou Tanner. — A menos que você magicamente aprendeu a dirigir recentemente. — Você deveria ter me dito isso antes. Eu tentei conduzir o carro da minha mãe e quando liguei o motor eu percebi que era tudo que eu sabia fazer. — eu olhei para ele interrogativamente. — Você está levando isso muito bem, Tanner. Ele me puxou para um abraço e apoiou o queixo no topo da minha cabeça, pressionando meu rosto em seu peito. — Eu amo você, Ray, — disse ele. Lágrimas brotaram nos meus olhos. Tanner tinha sido um bom amigo e eu realmente ia sentir falta dele, mas eu estava pronta para ir com King. — Aqui, — eu disse. Puxando o anel do meu dedo eu o empurrei em sua mão e fechei os dedos em torno dele. — Porra, — Tanner disse, com os olhos vidrados. — Isso torna tudo real, então, hein? Você realmente está indo embora? ~ 157 ~


— Eu acho que sim, — eu disse. Tanner abriu os dedos e estudou o anel antes de o colocar no bolso. — Posso te pedir um favor? Uma última coisa antes de ir? — Claro, — eu disse. — Um beijo. — Tanner, eu não posso... -— comecei a discutir. — Só mais um, Ray. Um último adeus. Algo para me dar algum fechamento. — Tanner olhou para mim com os olhos marrons grandes que eu me lembrava do meu sonho. Eu sabia por que eles eram a única coisa que ficaram comigo. Eles eram tão expressivos que estavam praticamente argumentando o caso de Tanner para ele, me suplicando para aceitar a dar ao garoto uma pausa e apenas o beijar logo. — Um beijo rápido, — eu concordei, apenas querendo acabar logo com isso. Eu podia ver o seu coração se quebrar e ser uma espectadora nesse esporte foi adicionando outra camada de culpa em cima mais do que eu já estava sentindo. Eu tive a oportunidade de lhe oferecer algum fechamento e eu peguei. — Eu nunca pensei que iria ter um último beijo, — Tanner comentou. Ele deu um passo para frente e segurou meu rosto entre as mãos. — Você é muito persistente. E muito mandão. É apenas Tanner. Ele só quer dizer adeus. — Eles não me chamam de Tyrant por nada, — disse Tanner, se inclinando tão perto que eu podia sentir sua respiração fria contra o meu rosto diante de seus lábios roçando suavemente sobre a minha pele. Não confie em Tyrant. Foi a última coisa que Nikki tinha me dito quando ela veio para minha janela. E então aconteceu. No início, foi como parafusos explodindo em meu cérebro. Faíscas de luz dentro e fora e uma luz fluorescente lutando para ligar. Então, foi como se meu cérebro fosse um festival onde alguém tinha localizado o cabo de alimentação e ligado de volta e o transformou em energia, luzes, música, carrossel e tudo mais.

~ 158 ~


Minha memória. Tudo. Tanner se afastou quando uma lembrança muito clara veio pulando no meu cérebro. De um Tanner muito diferente. Sammy se recusou a fechar os olhos até que eu lesse, pelo menos, três histórias de ninar. Ele olha para mim com aqueles olhos inchados, bordados em vermelho e os esfrega com as costas da mão. Ele está lutando uma batalha perdida com a necessidade de sono, embora ele esteja colocando um esforço admirável. Depois de três leituras e duas canções, meu rapaz sucumbiu segurando seu cobertor favorito, aquele com o padrão feito inteiramente das sombras de diferentes tipos de motos. — Bons sonhos, — eu digo, o beijando na testa. Depois de fechar a porta tão suavemente quanto eu pude, eu me deparo com Nadine no corredor. Ela está carregando um cesto de roupa já dobrada. — Ray, por que você não vai ver Tanner hoje à noite? Eu vou manter o monitor do bebê no meu quarto. Vocês dois depois que tiveram ele não tiveram qualquer tempo juntos. Pode lhe fazer algum bem lembrar que você ainda é jovem demais. — Tem certeza? — pergunto. Ela está certa. Eu poderia usufruir de algum tempo sendo apenas uma garota. Entre cuidar de Samuel e me preocupar com Nikki, há pouco tempo para muito mais. E eu sinto falta de Tanner. Não nos víamos mais tanto quanto antes. — Claro, — diz Nadine. — Além disso, uma vez que ele está dormindo, eu poderia ter Marti-Gras11 no corredor e ele nem ligaria. — isso é verdade. Muitas vezes ele vai dormir e acorda na mesma posição. Agradeço a Nadine e troco de roupa, tomo o tempo extra para me fazer parecer mais como uma colegial e menos como uma mãe que iria passar a tarde tentando descobrir como Samuel ficou com giz de cera derretidos em seu cabelo. Tanner e eu temos planos para este sábado. Ele acabou de se mudar para a casa da piscina na casa de seus pais. Ele vai me fazer o Marti-Gras: é um carnaval que ocorre todo o ano em Nova Orleans, Estados Unidos, sendo um dos mais famosos Carnavais do mundo. Conhecido por suas máscaras de gesso, colares de conchinhas e paradas com bandinhas durante todo mês antes do Carnaval. 11

~ 159 ~


jantar. Ele me prometeu que todos os planos foram feitos. Nós não fizemos mais sexo, uma vez que concebemos Samuel. Somos muito jovens e nossas vidas se tornaram tão complicadas, que nós tínhamos concordado em esperar. Mas estou finalmente pronta e sábado foi escolhido como o dia. Mas na caminhada para a casa de Tanner, eu mudei de ideia. Hoje à noite é tão boa para isso como qualquer outra noite. Eu chamo Tanner, mas não há resposta. Eu lhe envio uma mensagem, mas ele não responde. Quando eu chego mais perto de sua casa, eu vejo que a luz está acesa na casa da piscina. Eu sorrio. Talvez ele tenha adormecido estudando. Estou planejando como eu poderia rastejar em sua cama e me aconchegar ao lado dele quando eu ouço uma voz. Uma voz irritada. — Que porra é essa que eu te disse sobre ir para ela? — Tanner pergunta. Eu nunca o ouvi levantar a voz, e no começo eu não acho que é ele. Rastejando para o lado da casa, eu me agacho pelo canto da janela e espio. Com certeza a voz é de Tanner. Ele está andando para lá e para cá na frente de sua cama, com os punhos cerrados ao lado do corpo. — Você disse que não, — diz uma voz feminina. Eu reconheço a voz imediatamente, mesmo que seja uma mera sombra do que costumava ser. Nikki. Empurrando para cima as pontas dos meus dedos, eu a vejo sentada no canto da cama de Tanner, com a cabeça entre as mãos. Ela parece ainda pior do que ela estava quando veio me ver na semana anterior. O que ela está fazendo no Tanner? — Se você precisa de algo, você vem para mim. Mas não, você foi para ela e eu tive que ouvir tudo sobre como rasgada ela está porque você se transformou em uma fodida drogada e ela não pode te salvar. Você sabe o quanto eu dou a mínima para você ser uma viciada? Zero. Eu não dou a mínima. Mas o que eu me importo é com Ray estar chateada e me fazer esperar mais três malditos anos para ter a porra do meu pau molhado.

~ 160 ~


— Não é como se você fosse um celibatário, idiota, — diz Nikki, olhando para ele por uma fresta em sua franja gordurosa. — Não, eu tinha que resolver isso e foder sua bunda desagradável! — grita Tanner, rondando a cama para ficar na frente dela. — O que você tem para mim? — Nikki pergunta, com as mãos tremendo visivelmente. Tanner levanta a mão e com um som sibilante no ar, bate sua mão no rosto de Nikki, a forçando cair de volta na cama. — Você está mesmo me ouvindo, porra? — ele ferve. Eu não tenho nenhuma ideia de quem eu estou olhando. Este não é o Tanner que eu conheço e ele está batendo em uma Nikki que eu também não sei mais quem é. Quem diabos são essas pessoas e onde estão meus amigos? Nikki geme, mas não diz uma palavra. — Se você fizer alguma coisa para me impedir de estar até as bolas enterradas em Ray na noite de sábado, eu vou cortar tudo. Você pode me ouvir? — Tanner rasteja para cima da cama e empurra Nikki para baixo, segurando seus ombros. Ele puxa um pequeno saquinho do bolso da camisa e balança no ar. Nikki ganha vida quando ela o vê como se estivesse acabado de dar um tiro de adrenalina. Ela tenta agarrar de suas mãos, mas Tanner o puxa fora do alcance. — Depois, — diz ele, colocando o saquinho de volta no bolso. Tanner se inclina para frente e descansa as mãos na cabeceira quando Nikki desfaz seu cinto. Eu não quero ver mais. É como um filme de terror. Mas eu não posso tirar meus olhos. Mas quando Nikki puxa o pau de Tanner para fora da calça e envolve a boca em torno dele, o meu estômago revira. Me viro para o lado e vomito na grama. — Que diabos foi isso? — pergunta Tanner. Nikki se retira dele, mas ele agarra a parte de trás de sua cabeça e começa a empurrar em sua garganta. Seus olhos lacrimejarem e ela engasga toda vez que ele empurra. — Eu te disse para parar, sua fodida? Lágrimas silenciosas escorrem pelo meu rosto enquanto eu testemunho as duas pessoas que não têm qualquer semelhança com as crianças com quem eu cresci, a garota que eu queria como minha irmã, o menino que queria me casar e destruindo tudo o que eu achava que sabia sobre eles em um dia. Sobre a nossa amizade. Era tudo mentira.

~ 161 ~


Tudo. — Isso não está funcionando, — diz Tanner, tirando da garganta de Nikki e a lançando ao redor, enquanto agarrava algo do seu bolso traseiro. — Vamos ver se esse seu cu foi completamente arruinado por agora, ou se ele ainda está tão apertado como ele era quando você tinha doze. Puta merda. Minha vida inteira é uma mentira. Este monstro é o pai do meu filho. Não consigo respirar. Meu estômago revira novamente. Nikki eleva o pedaço de tecido que mal cobre a bunda dela até a cintura e revela que ela não está usando calcinha. Tanner põe um preservativo, agarra seus quadris e se empurra dentro dela. Nikki grita e segura os lençóis em suas mãos. — Eu vou te ensinar uma lição do caralho, puta. Você precisa de uma dose? Você vem aqui e você vai chupar meu pau por ela, o levar na bunda como você está agora, mas você vai ter o que você quer e eu vou conseguir da minha futura esposa o que ela pensa que pode me negar. É isso aí. Isso é tudo o que eu poderia tomar. Bile sobe na minha garganta. Me viro para sair, mas eu estou de repente tonta. Eu caio de joelhos, minhas mãos aterrissando no lado da casa com um baque. Eu tento escutar qualquer comoção, ou um sinal de que eles poderiam ter me ouvido, mas eu não ouvi nada. Eu fico de pé novamente e me esforço para colocar um pé na frente do outro. Cada passo é uma aventura angustiante. Os três blocos até a minha casa parecem uma travessia do deserto impossível. Eu só cheguei alguns metros quando uma voz atrás de mim me assusta. Quando eu viro, eu perco o meu equilíbrio, caindo para trás na grama. Eu olho para cima quando Tanner está sobre mim. — Você viu tudo, não é? — Você é... você é um monstro. — eu digo, usando minhas mãos e pés para engatinhar para trás, longe do menino que apenas alguns minutos antes eu pensei que eu amava. — Oh, Ray. Você não tem ideia do caralho. — Você está bem, Ray? — perguntou Tanner, quando eu recuei abruptamente. Limpei a boca com as costas da minha mão.

~ 162 ~


— Não, está tudo bem, — eu menti. — Eu tenho que ir agora. — eu nervosamente torci a barra da minha camisa em minhas mãos. Eu estampei um sorriso falso e dei um passo para trás. — Você tem certeza que está bem? — perguntou Tanner, dando mais um passo em minha direção. Eu levantei minha mão. — É claro. Eu estou apenas, você sabe, oprimida, — eu disse enquanto recuei da doca. — E eu nem disse ao senador ainda que eu vou sair, não que ele se importe. — Ele não está em casa. Ninguém está, só Nadine, — ele me lembrou. — Então, eu deveria pelo menos ligar para ele, certo? — eu perguntei em um tom muito mais agudo do que eu pretendia. Por que eu tenho que ser uma má mentirosa? — Sammy deve acordar de seu cochilo em breve. Vá arrumar as coisas e então eu levarei vocês, — Tanner ofereceu. — Não, quero dizer, você não tem que fazer isso. King... — Ah, vamos lá, — disse Tanner, continuando a avançar em direção a mim. — Além disso, você disse que ainda sou da família? Nenhum dano em um pequeno passeio de carro juntos. Exceto que havia. Eu tropecei sobre o local onde a doca encontrava o solo macio, caindo na minha bunda. — Eu sou tão desastrada. — eu estava prestes a me levantar, mas Tanner me assustou se movendo rapidamente para o meu lado, me içando do chão. — Eu tenho você, — disse ele e quando me virei para ele e meus olhos encontraram os dele, eu vi um flash rápido do Tanner da minha memória. Eu tomei uma respiração. — Obrigada, — eu disse, tentando parecer casual, escovando a terra das minhas pernas. — E sim. Você está certo. Um passeio soa muito bem. Apenas me deixe tomar um banho e arrumar as coisas de Sammy. Tanner sorriu e colocou uma mecha de cabelo atrás da minha orelha. Todos os pequenos cabelos da minha nuca se eriçaram e não pelas mesmas razões que faziam com King. Havia algo frio por trás de suas palavras. Assustador. ~ 163 ~


Sinistro.

~ 164 ~


Capítulo vinte e quatro DOE Ele era o garoto na porta ao lado. Com esse último beijo, ele tinha sido substituído com o monstro da minha memória. Aquele beijo trouxe tudo à tona e, o que eu vi, sacudiu meus ossos. — Eu vou correr para minha casa e pegar a caminhonete. Eu te encontro lá na frente, em sua varanda em digamos, trinta minutos? — Trinta minutos. Sim, — eu assenti. Com um pequeno aceno, eu me virei e corri até a casa, praticamente caindo novamente, desta vez sobre o ponto inicial da porta de vidro de correr. Eu fiz o meu caminho até as escadas e corri para o meu quarto. Eu abri a gaveta de cima da penteadeira onde eu tinha escondido o telefone que King tinha me dado, tirei a gaveta das dobradiças e enviei as meias e telefone para o outro lado do quarto. Eu mergulhei para o telefone e apertei o botão de discagem rápida. O telefone tocou várias vezes. — Vamos lá, atende, — orei, nervosamente tocando meus dedos sobre o tapete. Quando não estava respondendo, enfiei o telefone no bolso de trás. Eu estava indo pegar uma mochila para lançar algumas coisas nela, mas olhando em volta naquele quarto, não havia nada lá que eu precisava. Nada do que eu queria. As únicas coisas essenciais para mim eram Sammy e King. E um deles estava dormindo no corredor. Eu tentaria ligar para King novamente depois que eu pegasse Sammy de seu quarto. — Nadine! — gritei pelo corredor. Os únicos sons estavam vindo do andar de baixo, o zumbido da geladeira e da máquina de lavar louça trabalhando. — Nadine! — eu chamei novamente. — Eu preciso que você tire seu carro da garagem. Vou explicar quando estivermos na estrada, mas nós temos que sair agora! Eu abri a porta do quarto de Sammy. Virei à maçaneta o mais silenciosamente que pude a fechando novamente atrás de mim com um clique suave. Eu esperava que Nadine tivesse me ouvido e estava pegando o carro. Eu fui nas ponta dos pés até o berço de Sammy. Me inclinando sobre as grades, eu esperei ver o meu homenzinho sonolento

~ 165 ~


com seu cabelo apontando em um milhão de direções, segurando o cobertor de motos favorito. Sammy não estava em seu berço. Ele estava vazio. A luz acendeu e todos os pelos do meu pescoço e braços se arrepiaram. — Que beijo fodido você deu, — disse uma voz, me assustando tanto que eu saltei e bati em uma pilha de brinquedos de Sammy, que veio a vida em uma explosão de música e luzes piscando. — Tanner. Eu pensei que você estava nos esperando na frente? Onde está Sammy? — eu tentei esconder o tremor na minha voz. Eu caí para trás e pousei em algo macio, mas não podia ser movido. Quando me virei para ver o que era, eu dei de cara em uma Nadine imóvel. Seus olhos eram desfocados e estavam olhando para frente. Sua boca ainda aberta, como se tivesse sido surpreendida. Morta. Nadine estava morta. — Que porra é essa que você fez! — eu chorei. Tanner levantou de onde estava sentado na cadeira de balanço que eu costumava balançar Samuel para dormir. — Onde diabos está meu filho?! Tanner se ajoelhou sobre mim e sorriu. Mas não era o mesmo sorriso comercial de pasta de dentes que eu tinha visto antes. Não havia nenhum menino perfeito por trás da expressão ameaçadora e enlouquecida pelo olhar em seus olhos. — Você costumava me beijar como se eu fosse a pessoa mais importante do mundo, — disse ele quando ele estendeu a mão e correu o polegar sobre meus lábios. Eu empurrei minha cabeça para longe, mas ele agarrou meu queixo e puxou de volta para ele. — Você costumava me amar, — ele cuspiu. — Em algum momento eu provavelmente amei. — eu balancei minha cabeça. — Mas eu não me lembro, — eu menti. Tanner recuou, entregando um tabefe como punição no meu rosto. — Mentirosa! — doeu tanto que sacudiu minha bochecha e eu jurei que eu o podia ouvir vibrando em meu ouvido. — Eu sei que você se lembra. Você quer saber como eu sei?

~ 166 ~


— Onde está Samuel? — perguntei novamente. — Me deixe ir, Tanner! — eu tentei ficar de pé. — Não! — gritou Tanner, me empurrando sobre os meus ombros, me prendendo ao chão. — Você vai ficar bem, fique aí enquanto eu estou falando com você. Vou perguntar de novo, você quer saber como eu sei que você se lembra de mim? — Tanner assobiou por entre os dentes. Eu lentamente balancei a cabeça, nos dando o jogo de perguntas e respostas, pois Tanner estava tão inclinado em jogar como o inferno. — Porque, Ray, eu senti o seu medo. Eu senti seus lábios tremerem contra os meus. E a única razão pela qual eles iriam fazer isso... seria se você se lembrasse da última vez que você me viu. — Você quer dizer a noite que eu peguei você transando com Nikki? A noite que eu vi você lhe dar drogas? Bater nela? Você quer dizer essa fodida noite? — eu gritei, empurrando em cima dele. Toda a raiva daquele tempo correu de volta para mim. Tanner prendeu meus pulsos para o meu lado e riu na minha cara. — Sim, essa noite mesmo. — Tanner chegou até a minha garganta. — Mas eu me refiro a ela como a noite que eu matei você. Pelo menos, eu pensei que eu fiz. Ele apertou minha garganta, cortando minha via aérea e, em seguida, aconteceu o inesperado. Começou como um flash de luz branca, seguido de imagens de antes de perder a minha memória: Tanner está de pé em cima de mim, dando golpe após golpe no meu rosto e corpo quando Nikki grita para ele parar. A sensação de ser arrastada sobre o concreto e içada em uma pilha de lixo. A imagem inclinada da parte de trás das pernas de Tanner enquanto ele casualmente me arrasta para um beco. A sensação de um dedo debaixo do meu nariz à procura de sinais de respiração. O som de Nikki me pedindo desculpas e sussurrando. As luzes azuis e vermelhas piscando à distância. Sirenes ficando cada vez mais altas enquanto se aproximam. Nikki se desculpando pela última vez antes que a sensação de sua estrutura frágil enrolada contra mim desaparece.

~ 167 ~


Sendo carregado em uma maca quando as pessoas gritam ordens ao meu redor. E então uma lembrança final, mas esta diferente, esta foi a partir de semanas depois que eu acordei no hospital. Uma que eu estava vendo de uma perspectiva totalmente nova. Eu acordo e abro meus olhos para Nikki que está sobre mim, os olhos franzidas em confusão. — Ray? — Hã? Eu sinto muito, eu te conheço? — por alguns segundos eu pensei que ela era alguém do meu passado, mas, em seguida, sua expressão ficou irritada, quase fria. — Não, você não me conhece... mas você está no meu fodido banco. E então tudo fez sentido. Por que Nikki não me disse quem era, quem eu realmente era. Por que nós fomos para a festa de King naquela noite. Por que ela insistiu que a solução para todos os nossos problemas seria a proteção de um motoqueiro. O tempo todo que passamos juntas ela não estava mentido para mim. Ela estava tentando me proteger. O mínimo que eu podia fazer era lutar para me proteger. Eu levantei meu joelho e com toda minha força eu consegui um golpe direto entre as pernas de Tanner. Quando ele estendeu a mão para o seu corpo em suas bolas, eu segurei sua cabeça entre as mãos, e, em seguida, houve um estalo ensurdecedor, enquanto minha cabeça conectava com a sua. Sangue, quente e grosso, escorriam para o canto do meu olho. Fiquei com as pernas trêmulas. — Sua puta! — Tanner lamentou. Se segurando no berço de Sammy, a fim de me manter de pé, eu tentei colocar um pé na frente do outro e eu quase cheguei à porta, mas não fui rápida o suficiente. Tanner agarrou meu tornozelo e, no passo seguinte, eu aterrei de queixo no tapete. Meus dentes cortaram minha língua, enchendo minha boca com o gosto de cobre. — Eu preferia que você me amasse, mas tudo bem você ter medo de mim. — Tanner me virou sobre as minhas costas. Minha cabeça bateu no rodapé e o lado do meu rosto bateu na lateral da cômoda de

~ 168 ~


Sammy. Rolei de lado a lado tentando limpar o zumbido da minha cabeça. — Você não passa de uma provocadora de pau do caralho, Ray. A única vez que consegui foder você eu estava morrendo com quinze anos de idade. Eu pensei que nós termos um filho iria nos unir, nos trazer mais perto. Eu pensei que, pelo menos, então você iria me deixar entrar em sua maldita buceta em uma base regular. É por isso que fiz furos no preservativo que usamos naquele dia. Me chocou pra caralho quando isso realmente funcionou. E eu acho que isso faz você a sortuda. Você foi à única, especial o suficiente para levar meu bebê... porque eu tinha feito Nikki abortar quando ela engravidou. — Tanner teve a audácia de piscar. — Mas, mesmo assim, com meu filho em sua barriga, você não iria usar meu anel. Não iria usá-la de jeito nenhum. Disse que tinha planos. Planos para você... — Tanner usou os dedos para fazer aspas no ar. — Não sabia se eles iriam me incluir como mais do que seu melhor amigo e pai de seu filho, — disse ele, usando uma voz aguda, ironicamente balançando a cabeça para trás e para frente, de lado a lado. — Bem, se vire para mim Ray, isso me deixou duro, merda. — Vá se foder, — eu cuspi. — Saia de perto de mim! Você é a porra de um monstro! — Agora você entendeu! Já era hora! Você sabe o quão exaustivo é ficar fingindo ser algo que não sou? A porra do garoto dos sonhos? Seu pai até mesmo gostava de mim e aquele idiota não gosta de ninguém! Ele não estava nem chateado quando eu te fodi! Você sabe o quão difícil foi fazer isso? — Será que seus pais sabem a fodida aberração que você é? — eu perguntei, lutando debaixo dele. Olhei em volta no chão, mas não havia nada que eu pudesse usar como arma. — Você sabe melhor do que eu. Eles são mais alheios para mim do que o senador é para você. Tanner puxou a barra da minha blusa até os meus seios e eu chutei os meus pés para o empurrar de cima de mim, mas ele empurrou meus joelhos juntos e montou em mim, paralisando o uso de minhas pernas. — Mas é por isso que eu tinha Nikki. Ela me deixou encher cada buraco do caralho dela desde que tínhamos doze anos. E quando ela começou a experimentar as drogas, foi como ganhar na loteria, porque em troca disso, a cadela me deixava fazer tudo. Cortar, queimar, sufocar, amarrar até que seus pulsos sangrassem. Nikki. ~ 169 ~


Me lembrei. Todas as vezes que ela tinha ido até minha casa com marcas por todo o corpo. Ela sempre deu desculpas. Ela se cortou em um prego na casa flutuante. Ela entrou e bateu em uma porta. Ela foi jogada do cavalo de seu primo. Nikki sempre foi desajeitada. Ela não tinha um namorado a ser suspeito de fazer isso. E seus pais eram pacíficos. Não havia nada para me fazer questionar que suas desculpas eram mentiras, mas todo o sinal que algo estava muito errado estava lá. Eu tinha falhado com ela. Eu tinha falhado com ela porque eu estava muito ocupada com a minha vida perfeita para sequer pensar sobre o fato de que algo estava longe de ser perfeito na dela. Eu me arrepiei quando eu pensei em todas as vezes que eu tinha me gabado de Tanner. Sobre como ele era atencioso comigo. Sobre o quão bom ele era com Sammy. Ela era a única pessoa que eu poderia falar sobre quão nervosa eu estava para iniciar a minha vida com alguém. — Você deveria agradecer a Nikki, realmente, ela foi à única razão pela qual eu te deixei ter o seu espaço. A razão pela qual eu era o namorado perfeito e paciente. Ela tomou cada única coisa que eu queria dar para você. Mas a puta tinha que ir e foder tudo. Quando eu te arrastei para o beco, ela tinha que ir pedir ajuda. — Tanner revirou os olhos. — E quando eles não encontraram o seu corpo, e ela parou de voltar para as drogas, eu sabia que você estava viva e que a puta estava com você. Que vocês duas estavam se escondendo de mim. — Tanner sorriu um sorriso cruel e novamente juntou as mãos em volta do meu pescoço e apertou, jogando mais uma rodada do seu jogo asfixia doente. — Mas, eventualmente, eu cheguei à Nikki, nesse quarto de motel de merda, e quando ela não quis me dizer onde você estava... — Tanner olhou para o lado, perdido em sua memória. Seu rosto ficou vermelho. Sua testa enrugou quando ele ficou mais irritado. Seu pescoço com veias pulsantes e grossas. Ele reorientou a sua atenção em mim, apertou sua mão ao redor da minha garganta, pressionando cada vez mais, até que eu não era mais capaz de sugar uma respiração. Tanner apertou seus lábios contra meu ouvido. — Eu matei a puta. — ele soltou de repente minha garganta. Puxei o ar quando minha traqueia abriu em um ritmo dolorosamente lento enquanto eu tentava encher meus pulmões. — Vá. Se. Foder. — eu disse, logo que eu tive ar suficiente para o dizer. Tanner matou Nikki. Ela não morreu por overdose ou por

~ 170 ~


acidente. Ela não se matou de propósito. Meu pai não a matou. Não, o garoto da porta ao lado12 a matou. O menino ao meu lado. — Eu acho que eu gosto quando você está com medo de mim, faz a porra do meu pau endurecer. — Tanner agarrou meu pulso e apertou a minha mão para sua ereção, seu endurecimento pressionando contra seus shorts. — Talvez eu estivesse errado todo esse tempo. Talvez devesse ter sido você, em vez de Nikki a tomar no cú, — disse Tanner, agarrando uma porção de meu peito e cavando suas unhas na carne tenra. Eu tentei não reagir. Tentei não gritar. Eu não queria desperdiçar minha energia em algo que não iria conseguir qualquer resultado. Aprendi a lutar com King. — Você acha que eu tenho medo de você? — eu ri, balançando a cabeça de um lado para o outro. — Eu conheço o medo, o medo real. Merda que faria você borrar seus shorts cáqui do caralho. Você acha que pode me assustar? Pense de novo. Porque eu vi como é o medo real e eu vou te dizer uma coisa, o medo real é muito maior do que você, tem os olhos verdes brilhantes e muito mais tatuagens. — Você está falando sobre o maldito criminoso? — perguntou Tanner, amargamente. — Aquele filho da puta vai pagar pelo que fez comigo na noite da festa. O que King fez para Tanner na festa? — Oh, ele não te disse? — ele perguntou. — Eu vim para a sua janela para fazer mais um pedido de desculpas falso para a toda poderosa Ray Price quando eu vi vocês dois. — meus olhos se arregalaram. — Aquele filho da puta sabia que eu estava lá assistindo, fez um show do caralho com você na minha frente, fazendo com que você dissesse a ele que você o amava. — Tanner soltou como se estivesse prestes a vomitar, mas respirou fundo e continuou: — Ele jogou sua porra quando gozou em todas suas costas, literalmente o esfregando e dizendo que você era dele! — Tanner agarrou os lados da minha cabeça e começou a levantar e a batendo de volta para o tapete, como se ele estivesse tentando forçar seu ponto dentro de mim. Uma e outra vez até que meus olhos começaram a nublar e eu via duplicado. Dois Tanners enlouquecidos gritavam para mim, cuspe voando de suas bocas quando eles batiam a minha cabeça no chão. — Essa expressão “o garoto ou garota da porta ao lado”, é no sentido da pessoa ser normal, não chamar atenção. 12

~ 171 ~


Mas você não é dele! Você não está fodendo com ele, Ramie! Você não está! Você é minha! — Tanner rugiu. Inclinando o punho para trás, seu golpe aterrou no centro morto do meu estômago. Todo o ar deixou meus pulmões. Uma dor aguda rasgou minha espinha. Virei de lado e me dobrei ao meio, abraçando minha cintura. Rezei para que ele não tivesse tirado a vida que King e eu tínhamos feito. — Você tem medo de mim agora, vadia? — Pare! Não! Eu... — eu resmunguei, apenas evitando dizer as palavras. Os olhos de Tanner se desviaram. Seu peito arfava para cima e para baixo. Ele não piscou. Ele abriu a boca, mas as palavras não saíam. Então, de repente era como se ele tivesse registrado o que eu disse, porque ele se levantou do chão e chutou ao lado da cômoda, enviando o monitor de bebê e os conteúdos da estação de troca de fraldas de Sammy no chão em volta da minha cabeça. Ele cruzou o quarto e ficou em cima de mim, me encarando de um jeito que eu podia sentir o calor de seu olhar. Eu vacilei quando ele se inclinou para baixo, mas ele só pegou algo do chão. O telefone que King tinha me dado. Um sorriso malicioso iluminou seu rosto. Com um rugido gutural, ele levantou a bota. A última coisa que eu vi foi o seu calcanhar. A última coisa que eu senti foi ele se conectar com a minha cara.

~ 172 ~


Capítulo vinte e cinco KING — Então eu decidi que não vou morrer, — Grace anunciou, me entregando uma cerveja. Desde que eu a trouxe de volta para casa da casa segura, eu notei uma mudança nela. Ela estava se movendo com mais facilidade. Sua pele tinha um pouco de cor de volta nela, as bolsas debaixo de seus olhos tinham ido embora. — Isso é apenas algo que você pode decidir agora? — perguntei, tomando um gole da minha cerveja, colocando de volta em cima da mesa. Grace estendeu a mão e pegou a garrafa, a colocando no porta copos que ela tinha colocado em cima da mesa para mim, mas eu tinha esquecido de usar. Tenho certeza que se você voltasse para minha casa e procurasse de cima para baixo, você não ia encontrar um único porta copos. — Sim. É. — Grace estendeu a mão e a colocou no meu antebraço. — Você tem passado por tanta coisa, meu rapaz. Eu não quero fazer você passar por qualquer outra coisa. Além disso, você e as crianças precisam de mim. Isso é óbvio. Então não, eu não estou morrendo. Vou ficar aqui. — O que o seu médico diz sobre a sua nova revelação de vida? — perguntei, tomando outro gole da minha cerveja. Com Eli fora do caminho como uma ameaça, e uma data para trazer minha menina de volta para casa, eu finalmente me senti como se eu pudesse baixar minha guarda. — Oh, o que é que ele sabe? Estou me sentindo ótima e é nisso que eu vou focar. Voltando a ele, semana após semana, desperdiçando horas de minha vida só para ouvi-lo me dizer o tanto que me resta? É absolutamente inútil. Então eu decidi que eu não vou a lugar nenhum, e isso é que é. — Honestamente, — eu comecei, — se alguém pode evitar o encontro com seu criador só porque eles decidiram viver ao invés... Eu acredito que você pode. — e era a verdade. Grace não era apenas uma idosa com muitos coelhos de cerâmica. Ela era uma força a ser ~ 173 ~


reconhecida e se ela queria usar essa força para lutar contra o barqueiro, então quem era eu para discutir? — Então, você não vai precisar de mim para te trazer maconha mais? — Eu não disse isso, — Grace cantou. — E eu tenho que usar isso muito mais vezes, especialmente agora que meu filho vai ter uma criança correndo por aí. Avó Grace tem seu quinhão para mimar e eu estou te avisando, uma vez que já está no sistema, é difícil recuperar de volta. — A criança tem um pai, Grace. Eu só vou ser seu... — fiz uma pausa. Na minha cabeça eu nunca vou colocar um título no que Doe e eu éramos. Ela era só minha. Assim, quando confrontados com a necessidade de dizer isso em voz alta, eu hesitei. — Tipo padrasto, — Grace ofereceu. Seu sorriso se transformou em uma linha reta. Ela pegou a etiqueta na sua cerveja, com foco na embalagem enquanto ela falava. — Sinto muito sobre Max. Eu teria feito qualquer coisa para você, você sabe disso. Eu teria adotado ela eu mesma se eles tivessem me deixado. Eu balancei a cabeça. Antes de ter deixado Doe na noite passada, eu disse a ela que eu tinha assinado sobre a adoção de Max. Eu poderia lutar contra isso. Mas Max merecia uma boa casa e não uma batalha que a poderia manter em um orfanato até que ela tivesse dezoito anos. Eu só esperava que um dia ela fosse me procurar e me deixar explicar por que eu fiz o que fiz, não porque ela era um fardo, mas por causa da enorme quantidade de amor que eu tinha por ela. — Ou você pode ser o seu verdadeiro pai se você decidir se casar com a garota, — disse Grace. — Não é possível me casar com ela. Ela já está casada, — eu a lembrei. — Agora ela está. Mas isso tudo vai ser corrigido. E se você é metade tão inteligente como eu acho que você é, você vai descobrir que ser casado não é apenas matéria para comediantes. Se vocês dois têm metade do que Edmond e eu tínhamos, é melhor você a pegar o mais rápido que puder. A segure tão apertado e nunca a deixe ir. — Ela é uma adolescente, Grace. Grace balançou a cabeça. — Não há nada sobre a garota que é uma adolescente com exceção da idade dela. Ela já viveu duas vidas. Eu

~ 174 ~


acho que você precisa ter certeza de que a vida número três seja a que valerá a pena. — Esse é o plano. — Então, quando você ansiosamente.

vai trazê-la?

Grace perguntou

— Hoje à noite, — eu disse, escondendo o sorriso que ameaçou levar o meu rosto. Eu posso contar a quantidade de vezes que eu tinha sorrido no último ano e cada um desses sorrisos era por causa da minha menina. Meu telefone tocou no meu bolso indicando uma mensagem de texto. Eu iria ignorar, mas depois me lembrei que eu tinha dado o número para a pequena no caso dela precisar de mim. O puxei para fora do meu bolso e olhei para a tela. Eu tinha uma chamada não atendida dela. — Porra, — eu amaldiçoei. Eu não tinha sequer o sentido vibrar ou o ouviu tocar. Pequena também enviado uma mensagem. Bem, era de seu número. Eu cliquei no ícone. O que vi fez meu coração correr e meu sangue ferver. Na tela havia uma versão quebrada, sangrando e machucada da minha pequena. O cabelo que caiu em seu rosto estava manchado de vermelho. Ela foi amarrada a uma cadeira, com a boca escancarada. Sua mandíbula para um lado como se tivesse levado socos repetidamente. Suas roupas estavam rasgadas e penduradas de seu corpo. Então eu notei que a imagem tinha um triângulo de lado no meio dela. — O que diabos é isso? — perguntei em voz alta. Grace veio para ficar ao meu lado para ver o que era que tinha me surpreendido completamente em silencioso. Apertei o triângulo, e a cena horrível que eu pensei que era apenas uma imagem estava passando na minha frente em forma de vídeo. Pequena estava sendo atingida uma e outra vez no rosto com o punho fechado de um homem. Ela estava gritando, chorando, implorando pelo espancamento parar. Até o momento que o quadro congelou novamente, ela estava sem vida, mas os golpes continuaram. Entregue por um punho fechado usando um relógio de ouro enfeitado com diamante vermelho.

~ 175 ~


O senador. Outra mensagem apareceu. CASA DE BARCO 23h00 SOZINHO DESARMADO OU ELA MORRE

~ 176 ~


Capítulo vinte e seis KING A pior fodida sensação do mundo é não ser capaz de ajudar a pessoa que você ama. Ao ouvir seus gritos de dor e a ver sangrando e quebrada foi o suficiente para conduzir qualquer homem são a loucura. E eu não era são para começar. Eu pensei que o senador poderia me querer morto, mas eu sinceramente nunca pensei sobre ele ferir a própria filha. Eu feri as pessoas. E dada a oportunidade de ser pai, eu vi que nunca prejudicaria a minha filha. Eu estava esperando que o senador agisse sob uma honra entre seus conjuntos de regras, mas, aparentemente, eu subestimei sua determinação de arruinar vidas. Eu ia atrás dela e eu não me importava se eu morresse. Eu não me importava se ele atirasse um canhão em minha cabeça, mas eu iria salvar Doe. E então, se eu ainda estivesse respirando, eu iria ter certeza de que antes de eu matar o senador, ele sofresse a dor e o medo que ele nunca soube que existia. Uma coisa engraçada acontece quando você teme pelo pior. Algumas pessoas cedem ao pânico e para quando uma situação parece terrível. Outros ficam e lutam, mesmo que a situação seja desesperadora. O psicólogo da prisão chamou isso de luta ou fuga de resposta. Eu sou um lutador filho da puta. Sempre fui, desde o parque infantil para o pátio da prisão. A mensagem dizia para vir sozinho, mas isso não significava que eu não precisava de ajuda em stand by. Eu olhei para o meu telefone. Oito horas. Eu tinha tempo e agradeci a Deus, porque eu precisaria de cada segundo disso. Eu chamei Bear. Sem resposta. Eu bati meu punho no volante e descansei minha testa contra ele. Claro que não. Ele tinha estado ainda mais fodido da cabeça desde a merda

~ 177 ~


com Eli desceu. Ele provavelmente estava fodendo com seu pau profundamente em alguma vadia dos Beach Bastard. Olhei para cima do volante e vi um sinal para a saída de Coral Pines. Era um sinal, mas eu tomei isso como um sinal. Só havia uma pessoa que eu conhecia em Coral Pines e ele era exatamente o que eu precisava. Girei os pneus na grama molhada. Eu corri pela rampa e em direção à única pessoa que eu conhecia que poderia ajudar nesse momento. Não, a única pessoa que poderia matar em um piscar de olhos.

*****

Jake Dunn era um assassino de aluguel. Ou pelo menos ele era antes de se casar e se estabelecer. Apenas algumas pessoas neste mundo sabiam sobre ele. Por ele não ter as tatuagens e a atitude, à primeira vista, você poderia pensar que ele era apenas mais um garoto limpo da praia. Jake Dunn andando e falando era equivalente a um anjo da morte. E a única razão pela qual eu mesmo sabia sobre essa parte de sua vida era porque nós tivemos um conhecimento mútuo que nos colocou em contato enquanto estávamos na prisão. O holandês chamado Jake O Moordenaar. O Assassino. Sutil. Quando eu puxei até a pequena casa em Mayberry de Jake, eu nem sequer tive tempo para realmente apreciar o absurdo de Jake Dunn viver em uma casa com pequenos portões rosa e um balanço colocado no jardim da frente. Eu pulei para fora da caminhonete e subi os degraus da frente, freneticamente batendo na porta. — Só um minuto! — a voz de uma mulher chamou. Bati mais alto. — Só um minuto, porra! — ela gritou novamente.

~ 178 ~


A porta abriu e a cabeça vermelha e pequena que parecia estar prestes a dizer algo, que ela tinha assumido que sabia quem estaria na outra extremidade até que olhou para cima, fechou a boca. Ela nunca me esperava. — Eu suponho que você não está aqui para verificar o status de seu trabalho de arte, — disse ela sem rodeios cruzando os braços e se inclinando contra o batente da porta. Ela estava vestindo shorts e um top apertado que deixou claro que ela não estava usando sutiã. — Eu preciso de Jake, — eu disse. Eu queria a jogar de lado e entrar para encontrá-lo, mas Abby era a única coisa no mundo que realmente importava a Jake, e sua filha, então as chances de fazer isso e ainda receber a ajuda dele, e não acabar no fundo do pântano, eram quase nulas. — Sim, eu assumi isso. Ele está lá fora. — ela olhou para as minhas roupas enlameadas. — Dê a volta, — disse ela, apontando para o lado da casa. Eu me virei, mas suas palavras me pegaram. — Você está bem? — Não. Eu não estou bem. Minha menina está em apuros, — eu disse honestamente. Eu não tenho tempo para jogos mentais. Eu não tenho tempo para nada. Eu só tinha até 23h00 para descobrir como eu iria salvar a minha menina. — Eu vou te levar lá, — saindo para a varanda da frente, Abby fechou a porta de tela atrás dela e me levou para onde Jake estava sentado no quebra-mar, uma Corona ao seu lado, um cigarro pendendo de seus lábios. Uma vara rosa Barbie de pesca em suas mãos. — Babe, eu vou dar a ela uma vara real porque este pedaço de merda barato nem sequer enverga corretamente. Eu sei que ela gosta dela porque é rosa, mas Jesus Cristo, essa coisa não poderia pegar um peixe pequeno. — Jake, — ela interrompeu e ele olhou para cima do que ele estava fazendo e me viu me aproximando. — Ele precisa de sua ajuda. Jake tomou um gole de sua cerveja e pousou a vara. — Aperte o play, — eu disse, lhe jogando o telefone.

~ 179 ~


Abby foi ficar ao lado dele e enquanto eles observavam, nenhum dos dois disseram uma coisa. Enquanto Abby parecia horrorizada, Jake nem sequer reagiu e ouvir novamente fez outra parte de mim morrer. — O que você precisa é de um soldado. Eu não sou exatamente esse tipo de soldado, — disse Jake. — Se eu a conseguir de volta e o filho da puta estiver de alguma forma ainda vivo quando estiver tudo dito e feito, você pode o ter. Faça o que diabos você quer com ele, desde que o resultado seja o mesmo - ele não estar mais respirando. Jake franziu o nariz. — Não, cara. Não posso tirar isso de você. Vingança como esta faz seu sangue ferver e seu pau endurecer, tudo ao mesmo tempo. Jake me jogou meu telefone e eu rolei através das imagens, parando na que eu tinha tirado naquela manhã. Eu tinha tirado para o meu próprio prazer doentio, não percebendo como é que poderia vir a calhar. Eu segurei o telefone, lhe mostrando a tela. — Você também pode ter isso, — eu disse. — Jake, — disse Abby, o cutucando com sua coxa. Os olhos de Jake estavam colados à tela, suas pupilas tão grandes como pires. — Jake, — disse ela de novo, o empurrando mais forte. Jake olhou para ela, em seguida, de volta para mim. — Ok. Eu vou fazer isso. Especialmente porque a minha menina está olhando para mim como se eu não terei qualquer ação neste século se não o fizer. E desde que eu estou tentando minha fodida mágica para engravidá-la de novo... — Jake colocou a mão nas costas de Abby e sorriu para ela. Não havia dúvida da ligação entre os dois, e para um cara que tomava vidas pelo prazer, houve uma reverência na maneira como ele olhou para ela. Como se ele a adorasse. Jake tirou os olhos de sua esposa e quando ele olhou de volta para mim, eu jurei que eu vi seus olhos mudarem de azul para preto. Sua voz era até um pouco mais profunda. Ainda mais dura. — Você tem um soldado, — disse ele, soprando a fumaça para fora através de seu nariz no ar da noite como um dragão cuspidor de fogo. — Eu vou pegar o seu casaco, — disse Abby, correndo de volta para a casa. Jake a seguiu com os olhos até que ela desapareceu atrás das portas de vidro deslizantes.

~ 180 ~


— Sua menina? — perguntou Jake, me entregando de volta o meu telefone, o vídeo de Doe parado em seu rosto fez uma pausa. — Ela era assim? — ele apontou para onde Abby tinha acabado de desaparecer por trás das portas de vidro deslizantes. — Assim como? — Ela é melhor do que você, mas por algum motivo estúpido você conseguiu isso? — Parece que sim, — eu disse. Jake jogou o cigarro em um balde rosa marcado PAI, COLOQUE Os SEUS CIGARROS DESAGRADAVEIS AQUI ENTÃO VOCÊ NÃO VAI MATAR OS PEIXES. — Apenas aceite minha sugestão de que quando toda essa merda estiver acabada e ela sair com um coração que ainda bate e os pulmões que ainda puxam o ar dentro deles, faça essa merda legal. Case-se com ela. A engravide. Qualquer coisa que você possa fazer para se amarrar egoisticamente com ela para a vida toda. Abby voltou e entregou a Jake sua jaqueta de couro. — As chaves estão no bolso, — disse ela. Jake deu um passo em direção a ela e agarrou a parte de trás do seu pescoço, pressionando sua testa contra a dela. — Verifique Gee. Diga a ela que seu pai não vai demorar muito. — ele tocou o pingente do colar que ela usava e Abby cobriu a mão dele com a sua. Depois de um minuto, eles se separaram e Jake encolheu os ombros em sua jaqueta, liderando o caminho de volta para frente da casa. — Eu tenho a minha caminhonete, — eu disse quando chegamos à calçada. — A mensagem disse que você tem que estar lá as onze hoje à noite? — Sim. Jake balançou a cabeça. — Eu vou pegar a minha moto. Limpar a minha mente enquanto eu monto. — Eu vou para o clube ver Bear. Eu não o encontro em seu maldito telefone. Nos encontramos no meu lugar em uma hora, — eu disse, voltando para o meu carro. Jake acendeu um cigarro. Ele montou sua moto e girou a chave, o rugido do motor veio para a vida. Com um rápido aceno da ponta do

~ 181 ~


queixo para mim, ele partiu para a estrada, levantando poeira branca no ar da noite negra quando ele acelerou pela estrada. Olhei para o meu telefone. 21h00. Duas horas. Duas horas atĂŠ que eu iria ver a minha menina novamente. Viva ou morta.

~ 182 ~


Capítulo vinte e sete KING Eu fui até a sede do clube e o prospecto magro que cuidava do portão, um merda que eles chamam de Thor, levantou de seu banquinho e abriu o portão. Eu entrei no estacionado ao lado da moto de Bear, deixando as chaves na ignição e a porta aberta. Eu pulei do assento do passageiro e me dirigi para o pátio. — King! — Thor chamou atrás de mim. Quando me virei, o garoto magro do portão estava correndo na minha direção. — Pare! — ele gritou, chegando a um impasse sem fôlego na minha frente, apoiando as mãos nos joelhos para recuperar o fôlego. Ele levantou seu dedo indicador. — Eu não tenho tempo para você aprender a respirar de novo, garoto. Que porra você quer? — eu perguntei a ele asperamente. — Eu esqueci. Eu não deveria te deixar entrar mais aqui. Você não pode estar aqui, — disse Thor. — Quem diabos te disse isso? — Prez. Ele disse que você não é um de nós, que você não pode vir por aqui, não mais e eu fumei um baseado e esqueci e eu estou totalmente fodido. Ele vai me matar. — Que diabos o seu VP pensa dessa ordem? — perguntei, cruzando os braços sobre o peito. Os olhos do garoto se arregalaram enquanto eu olhava para baixo. — Não sei, cara. Ele está escondido em seu quarto, comendo e expulsando as bunda doces. Ele não sai, exceto para pegar mais uma garrafa e comprar droga de Wolf. Não fala com ninguém. Mas, falando sério, você tem que sair. Prez vai me matar, e pior do que isso, eu nunca vou conseguir meu patch! — O que você tem mais medo? Dele te matar? Ou não conseguir o seu patch? — Patch, naturalmente, — Thor zombou, franzindo o nariz.

~ 183 ~


— Merdinha estúpido, — eu murmurei, indo em direção ao quarto de Bear. — Sério cara, se você não for embora, eu vou atirar em você ou eles vão atirar em mim. — Então atire em mim! — eu gritei por cima do meu ombro. — Porra, cara! — ele gemeu. — Só não demore. E não deixe ninguém ver você! PORRA! Lynyrd Skynyrd explodia de dentro do quarto de Bear, alterando para Johnny Cash e no milésimo de segundo de silêncio entre as músicas, eu ouvi uma ligeira comoção no interior, como raspagem de móveis contra o chão. Bati meu punho na porta. — Bear, traga sua fodida bunda aqui fora. — olhando em volta eu não achei ninguém além de algumas das bundas doces na varanda em frente ao pátio que piscaram torto e levantaram os dedos para mim. Bati novamente. Quando ele ainda não veio para a porta, caminhei até o final do corredor para o velho poço do elevador, que já não abrigava um elevador, e puxei a parede com o joelho, desmoronando até que eu encontrei um pedaço de concreto que era grande o suficiente para fazer o que eu precisava. Voltei para o quarto de Bear, puxei meu braço para trás e lancei o bloco através da janela. Uma mulher lá dentro gritou quando eu pisei através da janela, me abaixando sob os cacos irregulares de vidro que ainda se agarravam à estrutura. Bear estava deitado em sua cama. Nu, exceto por seu colete, uma menina asiática pequena montada nele, a fonte do grito. — Dê o fora, — eu disse a ela. Ela pulou de Bear e puxou para baixo o pedaço de material que tinha se amontoado em cima de seus seios até que mal cobria sua bunda. Ela correu e passou por mim, pegando um par de saltos altos em seu caminho para fora da porta. — Você não deveria estar aqui, — disse Bear. Os hematomas em seu rosto ainda eram tão ruins como se ele tivesse recebido os golpes apenas algumas horas antes. Seus movimentos eram rígidos na melhor das hipóteses. — Sim, Thor me disse logo depois dele ter me deixado entrar. — Está uma fodida loucura aqui. — Bear soltou um suspiro de frustração e passou a mão pelo seu bagunçado cabelo loiro. — E eu tenho que ser o capitão da tripulação fodida quando a merda afundar

~ 184 ~


mais rápido do que a porra do Titanic. — um alarme soou. O som de vozes abafadas no andar de baixo subiu até o quarto de Bear. — Alarme, — Bear disse categoricamente. — A cavalaria está de volta — ele rolou para o lado e puxou um cigarro de sua mochila na mesa de cabeceira. O acendeu e se recostou na cama, tirando a camisinha e jogando no lixo. — Pops disse que eu não posso jogar com você mais, — Bear riu, tomando um gole de uma garrafa de uísque, que ele pegou do chão ao lado da cama. — Eu percebi quando ele não respondeu minhas chamadas. Quando estávamos no meio do mato com Eli. — Bear se encolheu com a menção de seu nome. — E eu não dou a mínima para o que seu velho pensa agora porque temos um monte de problemas e nenhuma porra de tempo, então cubra a porra do seu pau e entre na caminhonete comigo e eu vou lhe informar a respeito no caminho. — Nós sempre temos problemas, — Bear murmurou. — Qual é a fodida novidade? — ele balançou as pernas para o lado da cama e esfregou os olhos com as palmas das suas mãos. — Isto é o que há de novo, idiota, — eu disse, lhe atirando o telefone. — Você veio todo o caminho aqui, invadiu o meu quarto, praticamente rasgou uma asiática perfeita e sua buceta do meu pau e mais do que provável custou para Thor o seu patch, porque você queria me mostrar o seu novo telefone? — perguntou Bear, balbuciando as palavras. Ele segurou o cigarro sobre o piso e apagou diretamente sobre o tapete. Um cinzeiro não utilizado estava a menos de dois passos da sua cama. — Aperte o play, — eu disse, perdendo a mordida na minha voz. Bear revirou os olhos para mim e clicou na tela. A luz do telefone brilhou em seu rosto quando o vídeo foi reproduzido e, embora eu não pudesse ver a tela, o reflexo sobre a pele dele me disse que ele estava vendo. Eu levei um par de respirações profundas para empurrar o desejo de estender a mão e estrangular algo, qualquer coisa, alguém. QUALQUER UM. Quando Bear assistiu a situação se desdobrando na palma da sua mão, e a realidade do que estava acontecendo bateu nele, toda a sua atitude mudou. Ele ficou rígido, enrijeceu os ombros e seus olhos

~ 185 ~


focaram. Suas sobrancelhas franziram em confusão no início, mas no momento em que o vídeo acabou e a tela escureceu, seus punhos estavam cerrados com raiva. — Se você se preocupa com ela tanto quanto eu acho que você o faz, então levante sua bunda, guarde seu pau em suas calças e entre no carro de merda. — Bear se levantou da cama e puxou as calças. Ele andou até a cômoda e a empurrou da parede, expondo um buraco no drywall13. Ele foi até lá e tateou ao redor, puxando duas pistolas, se certificando que ambas estavam carregadas antes de as colocar nos coldres sob seu colete. — Vamos ir logo, porra. — disse ele, empurrando os pés em suas botas que estavam ao lado da porta aberta do banheiro minúsculo. Ele não se incomodou com os cadarços. Bear me empurrou de lado e saiu do quarto primeiro, liderando o caminho em direção à escada dos fundos. O som de botas subindo a escada do outro lado do pátio ecoou por baixo das saliências frágeis. — Eu acho que não importa quais regras eu faça, garoto. Você não vai ouvir nenhuma delas de qualquer maneira. — Chop estava no final das escadas. — Tinha esperanças para você. Mas como diabos eu deveria passar o martelo a um VP que não respeita seus irmãos, seu presidente, ou as regras em que vivemos por aqui? — Podemos discutir sobre toda essa merda depois, Pops, — Bear disse com desdém. — A menina de King vai ser morta em cerca de uma hora se não chegarmos a ela, então para que possamos evitar ver seu pequeno coração para fora, me espere voltar. — Em apuros novamente? A menina parecia assustada quando ela veio aqui há algumas semanas. — disse Chop, chupando os dentes superiores. — Ela esteve aqui? — perguntou Bear, recuando até Chop. Dois de seus homens ladearam em seus lados quando me viram, ajustando seus coletes para me mostrar um flash de suas pistolas, me lembrando que eles estavam armados. Assim como eu, porra. — Sim, ela estava aqui. Queria falar com Bear, — falou Wolf, que estava de pé ao lado de Chop. Seus braços decorados com tatuagens gráficas coloridas de Jack, o Estripador, juntamente com as prostitutas que ele era famoso por ter assassinado, em diferentes níveis de 13

Parede de gesso acartonado. ~ 186 ~


desmembramento. Era alguma merda doente para colocar em seus braços para o mundo ver, mas era um ótimo trabalho. Um dos meus melhores. — Por que ninguém me disse que ela veio me procurar? — perguntou Bear, seu peito arfando com raiva. — Primeiro, porque nós estávamos em bloqueio enquanto você estava fazendo sabe se lá o que com este aí. — ele acenou com a mão para mim. — E porque eu dei as ordens. Este ainda é o meu clube, — disse Chop. — E a verdade simples é que ela não é negócio do clube, filho. Ela não é a old lady de ninguém e ela não está vindo aqui para chupar o pau de ninguém. Então, eu mandei ela ir embora. — Sim, você também disse a ela que estávamos fodidamente mortos. — eu disse, sentindo a raiva crescer. Chop teve a porra da audácia de rir. — E daí, porra? Eu disse a ela que vocês estavam mortos. — Vá se foder! — Bear rugiu, se lançando para o pai. Se pequena não estivesse em perigo imediato, eu teria jogado a cautela pro ar e acabado com eles. Motoqueiro por motoqueiro. Mas esta não era a minha luta e mesmo que fosse, eu não tinha tempo para isso. — Isso não é da sua conta para fazer. — Sim, é da minha conta! Isso é o que você não parece entender, porra! Cada decisão que envolve este clube é a minha decisão de fazer! Eu sou a porra do Presidente, mas você não parece se lembrar do que esse título significa nos dias de hoje! Eu quero te passar a porra do martelo, mas você cospe na minha cara toda vez que você recusa. Bear recusou ser presidente? Peguei Bear pelos ombros, o pegando antes que ele alcançasse Chop. Ele me sacudiu, mas parou. Olhei em volta para os vários homens em linha reta encarando, observando nosso confronto se desdobrar. — Eu conheço a maioria de vocês toda a minha vida de merda, — eu disse. — Eu tenho conhecido todos vocês, vadias, mais tempo do que a maioria de vocês conhecem um ao outro. Eu nunca pedi à vocês favores especiais. Eu nunca pedi à vocês nada que eu não paguei de volta dez vezes. Mas minha menina vem aqui procurando ajuda e vocês a mandam embora, porque o Prez aqui está chateado que eu não quis o colete quando ele ofereceu? — eu balancei a cabeça e olhei para Chop. — Se é assim que você trata alguém que você conhece

~ 187 ~


há décadas, então eu fiz a porra da decisão certa por não aceitar os patches. Você está com raiva de mim porque um pouco de sangue foi derramado na sua porta? Fique bravo comigo. Mas não é a porra do seu sangue que foi derramado. Era meu sangue. Meu amigo. Minha família. Então você pode aproveitar esta irmandade e vá se foder com eles. Porque eu sei o que é uma irmandade. — eu dei um último olhar para os homens em torno de mim. — Quando alguns de vocês precisaram de alguma coisa, eu nunca mandei nenhum desses desgraçados para fora da minha porta. Preppy sabia o que era irmandade. Bear sabe o que é irmandade. Você? — eu apontei para Chop. — Você não sabe de nada. — É melhor você prestar atenção nessa sua boca, rapaz. — Chop fervia. Ele apontou para Bear. — O que quer que sua garota tenha, ela não lhe diz respeito, ou a nós. Nem ele. — Chop voltou sua atenção para mim. — Você teve uma chance de ser um Beach Bastard, rapaz. Muitas chances. Mas você não queria essa vida. Você virou as costas para a oportunidade de ter a lealdade e proteção deste clube. — ele se virou para Bear. — No entanto, você ainda dá a mão a ele quando ele anda por aí usando um maldito colete invisível! — ele me olhou de cima e para baixo como se tivesse nojo de mim, em seguida, se virou para seu filho. — Ele não merece sua lealdade, menino. Seus irmãos poderiam ter morrido por causa dos traficantes dele, ou você ainda não entendeu ou não se importa, e honestamente, eu não sei qual fodida coisa me irrita mais! — Chop encarou o rosto de Bear. Eles estavam ombro a ombro, olhando nos olhos azuis idênticos enquanto ambos estufavam o peito e mudavam seu peso de um lado para o outro. — Isaac estava aqui porque alguém no nosso clube o deixou entrar. Um dos nossos irmãos, uma das pessoas que deveria ser leal, se certificou de que Isaac estivesse no lugar para acabar com todos nós. Não apenas King ou Preppy, mas eu também. Quem o deixou entrar foi um dos nossos próprios irmãos e ele não deu a mínima que o resultado final era para ser uma bala na minha cabeça, porra. — Chop abriu a boca para falar, mas Bear não tinha terminado. — E não se atreva a falar para mim sobre lealdade. Basta perguntar a mamãe. Oh, espere, você não pode. Ela está fodidamente morta por sua causa. — Você é um ingrato filho da puta, — Chop torceu o nariz como se ele estava prestes a soltar fogo de suas narinas. — Você está questionando a porra da minha lealdade para com este clube? Tomei balas para você. Eu matei sem pestanejar. Eu me dediquei cem por cento desde o dia que eu coloquei este colete. É você

~ 188 ~


quem precisa de uma verificação da realidade, Pops. — Bear deu um passo para trás. — Prep, King, eles eram mais família para mim enquanto eu crescia do que vocês alguma vez foram. E se você realmente quiser falar de lealdade, então vamos falar de lealdade. Porque se Prep ainda estivesse aqui, eu tomaria essa bala para ele. Eu ficaria feliz em dar a minha vida pela dele. E agora a garota de King está com problemas, pode já estar morta e eu entraria em seu lugar em um piscar de olhos para que ele não tivesse que viver sem a sua menina. Chop deu mais um passo para frente, a testa quase tocando Bear. — Eu não estou falando sobre eles. Eu estou falando sobre a porra dos seus irmãos. — Eu também, meu velho, — disse Bear, evitando seu pai e indo em direção ao portão. — Eu também. — Bear acenou para mim. — Vamos ir logo, porra. — É a sua decisão garoto, — seu pai chamou. — Mas se você sair agora, então você deixa o seu colete aqui. E eu quero dizer isso, porra. Sem hesitar, Bear tirou o colete e o segurou para cima, expondo seu peito nu e o coldre de arma que o colete tinha facilmente escondido. — Por mim tudo bem, Pops. Porque esta coisa que nós temos aqui? — Bear olhou em volta para as varandas que estavam agora cheias de espectadores. — Essa coisa toda deveria ser sobre a família, mas tanto quanto eu quero que isso seja verdade... não é. Já não é real tem um fodido longo tempo. — A única família real que você tem é a mim, menino, — Chop assobiou, com o rosto avermelhado quando ele se concentrou sobre o colete na mão de Bear. — É aí que você está errado, meu velho. Porque se ele usa um maldito colete ou não, King é meu irmão. E se você não pode respeitar minha família... — Bear olhou para os motoqueiros nas varandas. Então ele foi até uma cadeira de plástico quebrada que se inclinava contra o estuque lascado. Com um último olhar para o pedaço de couro que significava tudo em seu mundo, ele pôs seu colete na cadeira. — Então eu não posso respeitar a sua. — Vamos, cara, — eu disse para Bear. Eu tinha estado em torno dos Bastards Beach desde que eu tinha quinze anos. Tempo suficiente para saber que eu precisava tirar Bear de lá tão rápido quanto possível. Não apenas porque o tempo estava passando para pequena, mas porque eu sabia que uma vez que o seu tempo como prospecto ~ 189 ~


acaba e você se torna um membro com seu colete dos Bastards Beach, não há como se afastar de seus irmãos. Não tem como largar o seu colete. Você é enterrado nele... ou enterrado sem ele. E se você fosse enterrado sem ele, sua morte não era por causas naturais. Eu tinha que tirar Bear de lá antes que eles se lembrassem disso.

~ 190 ~


Capítulo vinte e oito KING São 10h55. Bear, Jake e eu estávamos deitados debaixo das raízes altas dos manguezais na linha da propriedade. A casa de barco em nossas vistas. É aí que o senador estava torturando minha menina. É onde ele ia morrer. — Mais uma vez, o plano é que você espere dez minutos, — eu disse. — Não importa o que você ouça, não importa o que você veja, você espera dez minutos. Não posso arriscar a pequena ser morta porque eu não joguei pelas regras do senador psicopata. — Jake e Bear ambos concordaram com a cabeça. — Eu também preciso ter certeza de que vocês dois sabem como isso termina. Quando vocês entrarem e a escolha for entre eu ou ela, escolham ela. Sempre escolham ela. Eu vou sempre escolher ela. Eu abri meus dedos. — Eu não posso fazer isso a menos que eu saiba que no final, não importa como esta merda fique ruim, que ela vai, pelo menos, sair viva, — eu disse. Olhando em direção ao barco, Jake assentiu. — Concordo. — Sem problema, — disse Bear. — No caso de você não conseguir sair, eu vou cuidar realmente de sua menina para você. — Jake, — eu disse. — Se eu não sair desta, dispare nesse filho da puta na cabeça. — me levantei e comecei a andar em direção ao barco. — 10-414 — respondeu Jake. — Que porra é essa? — Bear empurrou meu ombro. — Você não pode dizer esse tipo de merda para ele, cara. Ele vai levar a sério, porra.

14

É um termo que quer dizer: Entendi sua ordem. ~ 191 ~


Isso foi fodido, Chefe. Jake não saberia o que é sarcasmo nem se mordesse na sua bunda, Preppy entrou na conversa. — Bom. Porque eu não estava fodidamente brincando, — eu disse. — Está na hora, — disse Jake, verificando o pente em sua arma. Eu visualizei Doe na minha cama, nua e metade coberta com um lençol, assistindo a um dos filmes de ação dos anos 90 que ela tanto amava, se virando para olhar para mim para garantir que eu estava prestando atenção a todas as partes que ela considera muito importante. É essa cena e a cena do senador pedindo misericórdia que eu carregava comigo enquanto eu avançava. Eu abri meus dedos novamente e entreguei a Bear minha arma. — Porra, sim. Era finalmente hora para chegar até a minha garota de uma vez por todas. Não importa o que, eu não iria sair sem ela.

~ 192 ~


Capítulo vinte e nove DOE Eu sabia que eu estava em um estado de sonho e não importa o quão duro eu tentasse, eu não podia acordar dele. Eu não conseguia abrir os olhos. Tentei mover minhas mãos, mas eu não as conseguia sentir. Eu senti como se estivesse flutuando e eu não tinha mais como usar os meus membros. Por um momento, eu pensei ter ouvido a voz do meu pai. — Ramie, Ramie acorde, — ele estava dizendo. Mas eu não podia falar com ele. Eu flutuava mais longe até que eu só podia ouvir os ecos da sua voz. Eu me afastei mais e mais até que eu já não estava flutuando. Eu estou com nove anos de idade. É meu aniversário. Minha mãe acabou de sair e me envergonhou na frente de todos os meus amigos. Ela estava bêbada de novo. Ela acabou de dizer aos meus amigos que ninguém quer uma esposa gorda, então não devemos comer o meu bolo. Ela volta para casa e Nadine acaba cortando fatias que nenhum dos meus amigos toca. A música que estava tocando acabou e, embora todos foram se revezando em selecionar músicas, ninguém entra na conversa até que era a sua vez de escolher outra. Meu pai aparece na porta de vidro de correr. Ele está vestindo um terno. É a única coisa que eu o vi usar durante o tempo que me lembro. Eu não acho que ele é dono de qualquer outra coisa. Ele raramente até mesmo tira o blazer. Uma vez quando estávamos em uma feira de condado, onde ele estava dando um discurso a fim de apoiar a Futuros Fazendeiros da América, seu paletó estava fora. Seu assistente estava segurando sobre o braço como se estivesse segurando a coroa da rainha da Inglaterra. As mangas arregaçadas. A cena me deixou perplexa tanto que quando seu discurso acabou, eu lhe perguntei se ele estava doente. Ele tinha rido e bagunçou meu cabelo até que estava todo bagunçado e caía no meu rosto. Naquela manhã, minha mãe tinha insistido em os secar perfeitamente, queimando meu couro cabeludo em sua busca para me fazer parecer perfeita para a imagem perfeita. — Assim é melhor, — disse ele, antes de ser levado para fora do palco para a imprensa que o aguardava. ~ 193 ~


Meu pai desliza a porta aberta para o quintal. Em sua mão, ele está carregando um grande buquê de rosas amarelas. Eu acho que elas são para minha mãe, mas a maioria das noites eles nem sequer dormem no mesmo quarto. E tem sido meses desde que um deles se preocupou em pedir desculpas para o outro após uma de suas brigas. Eles nem sequer realmente se preocupam de brigar. Eles se ignoram. Eu preferia a briga. Porque, pelo menos eles comunicando em algum nível, mesmo irritados e amargos.

estavam se

Meu pai sorri e caminha até onde estou sentada na beira da piscina em silêncio enquanto Nadine tenta levantar os espíritos dos meus colegas e amigos. — Feliz Aniversário, Princesa, — meu pai diz, me entregando as flores. — Para mim? — eu pergunto, empurrando minha franja dos meus olhos. — É o seu aniversário não é? — Sim, é. — eu soo derrotada, assim como eu me sinto. — Você está com nove anos agora e isso é um grande aniversário. Eu estava pensando em comprar outro bicho de pelúcia, mas eu percebi que as flores seriam um presente muito mais apropriado para uma jovem como você. — meu pai prende o nariz dentro do buquê e inala, apenas para se afastar abruptamente para fechar os olhos e tossir. Eu ri. — As pessoas sempre dizem que essas coisas cheiram tão bem. Para mim, eles cheiram mal. — meu pai riu quando viu o meu sorriso e me entregou o buquê. — Mas, mesmo assim, elas são para você, minha doce menina. — o papel de seda verde está derretendo debaixo da minha mão molhada que não é grande o suficiente para circundar totalmente as hastes. As flores caem na minha mão e meu pai as pega antes que caem na piscina. Ele as estende para mim e eu pressiono meu rosto no buquê e inalo como ele fez, mas não tenho a mesma reação. Eu decidi ali mesmo que as rosas eram meu cheiro novo favorito. A minha coisa favorita. — Por que todos os frequentadores da festa parecem como se eles simplesmente jogaram e perderam? — ele pergunta, olhando por cima na mesa onde meus amigos se sentam em silêncio. Eu não quero lhe dizer que a mãe estragou minha festa em todos os sentidos, mas eu não tenho que fazer isso, porque a porta de vidro se abre e minha mãe sai em um

~ 194 ~


biquíni preto e chapéu flexível. Ela ainda está segurando um copo, exceto este está cheio até a borda. — Margot, — meu pai diz, em um tom de aviso. — O quê? — ela se encaixa em voz alta. Meu pai se levanta e agarra o cotovelo de minha mãe quando ele a leva de volta para dentro. Sua mandíbula está apertada e eu posso dizer que, apesar de sua boca não estar abrindo e fechando, ele está fazendo aquela coisa onde ele fala através de seus dentes porque seus lábios estão se movendo. — BASTA! — uma mensagem de dentro da casa seguida por um barulho. Alguns minutos se passam e ele não volta para fora. Eu apenas entendi e estava prestes a apenas dizer aos meus amigos que eles deveriam sair antes que as coisas piorem, quando a porta se abre e meu pai vem correndo para fora de casa. Não em um terno. Não em uma jaqueta. Não em um conjunto. Não. Meu pai. Senador em seu âmago. Estava vestindo uma longa sunga preta. E nada mais. O tronco nu. Meu. PAI. Tronco Nu. — Bola de canhão! — ele grita quando ele salta para fora da borda da piscina e se lança no ar, abraçando os joelhos para seu peito enquanto ele cai na água, a água espirando sobre a borda como uma onda, molhando a mesa de piquenique onde meus amigos estavam sentados em choque total. Seguido por risadas total. — Agora vamos ver quem tem o melhor pulo, — meu pai diz vindo à tona para respirar e sacudindo a água do seu cabelo preto. — Nadine, você e eu seremos os juízes. O vencedor ganha bolo extra! — Mamãe disse que não devemos comer o bolo. Disse que vai nos deixar gordas. — Bem, sua mãe pode... — ele fecha a boca, respira e começa de novo. — Sua mãe disse isso porque ela não gosta de bolo. Que pena para ela. Além disso, todo mundo sabe que as calorias provenientes do bolo não contam em um aniversário. É como a ciência básica. Certo, gente? — ele perguntou. Meus amigos aplaudiram e gritaram. Papai se içou e ficou em seus pés quando meus amigos alinharam um por um para mostrar o seu melhor estilo bola de canhão.

~ 195 ~


— Ramie, você vai primeiro. Tem que fazer direito. A família Price é famosa mundialmente por suas habilidades de bola de canhão, então não me decepcione! Eu vou primeiro e emerjo da água sobre palmas e aplausos. — Viu? Eu não disse a vocês? Está em seu sangue! Após a competição, o assistente do meu pai entra no quintal pelo portão lateral e o informa de uma próxima teleconferência que ele está quase atrasado. Com outro ‘Feliz Aniversário’ e um beijo no topo da minha cabeça, o meu pai envolve uma toalha em torno de sua cintura e vai embora. Eu olho para a mesa de piquenique onde meus amigos estão felizes com bolo em suas bocas e discutindo sobre quem teve o melhor pulo. Minhas rosas estão no centro da mesa, um velho balde de tinta cinza servindo como um vaso improvisado. Foi o melhor dia da minha vida e, embora ele só tivesse sido parte dela por menos de uma hora, foi o melhor dia com o meu pai que eu já passei. Porque nessa hora não era sobre política, valores, campanhas, minha mãe, como nós aparentamos para o público, era apenas sobre mim e meu aniversário. — Você acredita que seu pai realmente pulou na piscina!? — Nikki exclama, despejando uma colher de sorvete no seu terceiro pedaço de bolo. — Eu sei. — eu sussurro, ainda não acreditando eu mesma. Ao contrário dos outros convidados, apenas Nikki e Tanner sabem que este não era um comportamento normal para o meu pai. — Eu gostaria que meu pai fosse mais parecido com o seu, — disse Stephanie, enrolando uma mecha de seu cabelo encaracolado vermelho nos dedos. — Porque seu pai é o melhor. Eu pego um vislumbre do lado da casa de meu pai saindo da garagem em seu uniforme padrão de terno e gravata, mas antes dele entrar no carro que o está aguardando, ele se vira e nossos olhos se encontram. Ele acena e me sopra um beijo. Eu o pego no ar e o pressiono no meu rosto. Ele me pisca um último sorriso e acena antes de entrar no carro. — Sim. Meu pai é o melhor, — eu concordo. E, naquele dia, naquele momento, pela primeira vez na minha vida, eu quis dizer isso.

~ 196 ~


— Ramie, acorde. Acorde! — eu abri meus olhos, mas apenas um colaborou. O outro estava inchado e fechado. E, embora minha cabeça ainda estivesse girando, minha visão, finalmente, focou no meu pai, que estava ajoelhado em cima de mim. Eu tentei levantar meus braços, mas eles não quiseram se separar. Olhei para baixo para os encontrar unidos em uma trama de nós elaborados. — Pai? — eu perguntei, ainda pensando que eu poderia ser pega em minha memória. Mas, como uma gota de suor da sua testa frisada pingou sobre meu braço, eu sabia que era realmente ele. — Quem diabos fez isso com você, Ramie? — meu pai perguntou com preocupação genuína em sua voz. Ele tateava em torno de meus pulsos, tentando desatar os nós impossíveis. Eu abri minha boca para falar novamente, mas minha língua estava pesada na minha boca, seca e grossa. Tudo que consegui foi alguns gemidos e grunhidos. — Vai ficar tudo bem. Eu vou te ajudar. Eu precisava o avisar. Dizer a ele sobre Nadine. — Tanner, — eu resmunguei. — Tanner. — Onde está Tanner? — meu pai ainda perguntou, puxando as cordas. — Ele foi a pessoa que me disse para vir aqui. Ele me mandou uma mensagem, disse que houve algum tipo de acidente. Peguei emprestado o carro do meu secretário e corri para cá. E onde está Samuel? — eu fui trazida totalmente de volta ao presente com a menção do nome do meu filho. Me sentei e o quarto girou. — Papai, vá encontrar Sammy. Por favor. Não se preocupe comigo. Basta ir encontrar o meu filho! — implorei. Minhas palavras saíram estranhas, mas compreensíveis. Meu pai conseguiu soltar os nós em meus pulsos e serpenteou seu braço em volta dos meus ombros. Ele me levantou do chão. Não foi até que eu estava em pé que eu percebi que estávamos na casa do barco. — Pai, Sammy... porque Tanner... Nadine, — eu comecei de novo, mas a série de nomes de nenhuma maneira formou o aviso que eu estava tentando transmitir. — O que aconteceu com Nadine? — perguntou meu pai, ainda estava trabalhando nas cordas. — Ela está morta. Tanner... — E quanto a mim, Ray? — perguntou Tanner entrando através de um grande buraco enferrujado no lado do barco. Em sua mão estava

~ 197 ~


uma pistola prata brilhante com o punho preto. — Você está falando sobre essa puta, Nadine? Que morreu por nossa causa. — O que você fez? — perguntou horrorizado. Seu rosto empalideceu.

meu

pai,

parecendo

— Acontece que a cadela estava mantendo um olho em sua filha para o pedófilo que sua filha tanto está obcecada. — Tanner estalou a língua. — Nada para se preocupar agora. A cadela teve o que mereceu. — Filho, você não tem que- — meu pai começou. Tanner riu. — Filho? — ele acenou com a arma de lado a lado. — Ray não quer que eu seja seu filho mais. — Cuidado com a boca, menino e abaixe essa pistola. Solte Ray. Vou leva-la para o hospital. Você e eu podemos conversar quando voltarmos, — argumentou o meu pai, seu sotaque sulista aparecendo em pleno vigor, o que me fez perceber que em público ele tentava se conter, mas agora, não preocupado com discursos pré-planejados ou constituintes para impressionar, seu sotaque era muito mais pesado e mais grosso do que eu me lembrava. Ele não tinha perdido seu sotaque, ele tinha apenas o escondido. — Se afaste, Tanner. — meu pai deu um passo em direção à porta e eu mancava ao lado dele. Tanner apontou a arma para o teto acima de nossas cabeças e disparou um tiro que rasgou um buraco no teto que atingiu a casa flutuante, ecoando no pequeno espaço, enviando ferrugem em torno de nós. Tanner novamente nos mirou. — A única coisa que você vai fazer é soltá-la ou você pode assistir quando eu a matar primeiro. Meu pai não se moveu. Em vez disso, ele me puxou para mais perto de seu lado, com a cabeça descansando no ombro do paletó. — Não há necessidade de fazer isso, — meu pai começou, seu sotaque desaparecendo da sua voz. Sua persona política fria e calma assumindo. — Você tem muita coisa acontecendo e um futuro brilhante pela frente. Você não quer jogar tudo fora só porque minha filha quebrou seu coração. — Não, não é só porque ela quebrou meu coração, porque ela está brincando com ele desde que éramos crianças! — Tanner deu mais alguns passos para dentro. Ele estava na área de cozinha e estávamos de frente para ele, de costas para a porta de vidro deslizante. — Mas ela não me deixou. Ainda não. Eu vou tê-la na hora certa. — Tanner

~ 198 ~


engatilhou a arma. — Agora a solte, senador. Eu não vou me repetir novamente. — relutantemente, meu pai afrouxou o aperto em torno de mim e gentilmente me colocou de volta no chão. — Bom, agora passe para o lado. — meu pai olhou para mim e com uma expressão de dor no rosto normalmente ilegível. Ele deu dois passos para o lado e ergueu as mãos no ar. — Eu posso te ajudar, Tanner, — o senador ofereceu. — Assim como quando você estava doente e eu o ajudei. Eu posso fazer isso por você de novo, — disse ele calmamente. — Eu posso te ajudar. Cada movimento de Tanner era nervoso, suor escorria da sua testa. Sua camisa pólo branca estava molhada e amarelada nas axilas. — Você quer me ajudar? Você pode dar o fora do meu caminho, — Tanner gritou. — Tudo que eu preciso é ela! — ele apontou a arma para mim e, em seguida, voltou para o meu pai. — Como você quer que eu faça isso? — perguntou o senador. Um bom negociador faz mais perguntas do que dá respostas... me lembrei do que meu pai sempre dizia. Tanner riu e lambeu seu lábio inferior. O sugando em sua boca, ele a mordeu e franziu o nariz. — Você pode morrer.

~ 199 ~


Capítulo trinta KING A primeira coisa que ouvi foi um gemido. Um pequeno miado vindo de algum lugar no barco. Pequena. Olhei para o lugar, mas eu não a vi, meus olhos se aterram no senador, que estava de pé entre a cozinha e a sala principal de costas para mim. Eu abri meus dedos. — Onde diabos ela está? A minha resposta foi a explosão retumbante de uma arma de fogo que atravessou o peito do senador. Suas costas explodiram. Pedaços de seu terno, juntamente com a carne e o sangue espalharam quente e úmido contra minhas roupas e pele. O senador caiu de costas no chão, com os olhos rolados enquanto ele borbulhava e se esforçava para respirar. Sangue acumulou em sua boca e derramou para o lado em sua bochecha. Que porra é essa? Olhei para cima do senador morrendo em meus pés, de onde o tiro tinha vindo. De pé na cozinha agora destinado a mim estava Tanner. Com o relógio de ouro do senador em seu pulso. — Você? — Você vê isso? — perguntou Tanner, segurando seu pulso e apontando para o relógio. — Bonito certo? O senador me deu ontem à noite depois da festa. Um presente de casamento para seu novo filho. — vermelhidão rastejou do pescoço para seu rosto. Seus olhos loucos olharam para mim e ele empurrou a arma enquanto ele falava. — Mas eu acho que não era tão bom quanto o presente que você deu a Ray, — ele cuspiu. — Onde diabos ela está? — eu rugi. Dei um passo em direção a ele e ele engatilhou a arma, parei nos meus pés. — Me diga onde ela está agora e eu prometo que quando eu te matar, eu vou fazer isso rápido.

~ 200 ~


— Se sente, seu fodido e se algeme na cadeira e talvez eu vá te dizer onde ela está. — ele gesticulou para a única cadeira de madeira no centro da sala. — Vá se foder. — Me deixe reformular. Se sente naquela cadeira do caralho e se algeme a ela ou eu a vou mata-la como acabei de fazer com o pai dela. Só que eu acho que eu vou apontar para sua cabeça do caralho, visto que é onde todo o problema parece estar vindo, — disse Tanner, um brilho maligno em seus olhos. Eu relutantemente fiz o que ele pediu e me sentei na cadeira. Ele me jogou um par de algemas. — Para a cadeira. Atrás das suas costas. — eu algemei um lado e depois o outro, virando a cadeia através do encosto. Tanner circulou em torno de mim e apertou os punhos. — Você sabe, eu estou alegre pelo idiota que contratei para matar você não pôde fazer a porra do trabalho que eu paguei a ele para fazer, porque como é que se diz mesmo? Se você quer algo bem feito, você tem que matar você mesmo. — Qual é a porra do seu jogo aqui? — perguntei. — Este não é um jogo de merda, idiota. Esta é a minha vida. Uma vida que você está tentando tirar de mim. Você achou que eu simplesmente ia me afastar e deixar que isso acontecesse? Ela deveria ser minha esposa. — Ela não é, porra. — eu disse, clicando as algemas no lugar. Foi preciso todo o autocontrole que eu não sabia que eu tinha para não destruir o garoto com minhas próprias mãos. — Sim, ela é! Fizemos os votos, caralho! — Tanner bateu o pé no chão e seu rosto ficou vermelho. — Eu tenho a porra da bênção de seu pai! Ele olhou em volta da minha cadeira para o senador que jazia sem vida no chão. — Ou... devo dizer, tinha. — Tanner sorriu, seu sorriso maníaco de anúncio pasta de dentes. Seus olhos eram vermelhos sangue. Eu puxei as algemas, ansioso para o machucar de qualquer maneira que podia, mas elas não se moveram. — Ouça, seu fodido amador, não há nenhuma maneira de você vai sair dessa sem sentir a ira de alguém. Mesmo se você me matar e a ela você não sairá dessa limpo. ~ 201 ~


— Eu? Eu não estou saindo de qualquer coisa. Eu sou apenas o genro. Eu estava tão chocado quanto todo mundo que ouviu sobre o assassinato do senador. — ele exagerou sua surpresa com a mão sobre sua boca. — Mas eu também estava tão feliz em saber que o homem que o matou, Brantley King, o criminoso com uma ficha policial maior do que um campo de futebol, também foi encontrado morto. — Inteligente, — eu disse sarcasticamente. — Cala a boca, porra! — ele cuspiu, balançando a arma para mim. — Onde diabos ela está? — perguntei, novamente. Seu sorriso retornou. Tanner foi até o armário e abriu a porta. De lá caiu uma bagunça de cabelos branco-loiro listrados em vermelho. Ela foi amarrada a uma cadeira branca. Ela caiu no chão com um baque surdo. Meu coração apertou quando eu não vi o seu peito movendo, mas começou a subir novamente quando alguns fios de seu cabelo que tinha caído em seu rosto foram empurrados para longe quando ela exalou. Ela estava viva. E assim foi a minha vontade de matar esse filho da puta. — Se você de alguma forma sair desta vivo, eu lhe asseguro, você não ficará assim por muito tempo. Eu posso estar sozinho agora, mas há pessoas lá fora. Elas sabem onde eu estou, — eu avisei. — Sim, mas quem eles acham que você está encontrando? — Tanner riu. — Eles acham que você está pegando o senador, certo? Então, quando eu rastejar para fora daqui eles vão facilmente acreditar no que eu disser a eles, porque é o que você tinha acreditado. Você invadiu aqui. Teve uma briga com o senador. Tiros foram disparados. Pessoas morreram. Isso é tudo o que parece. Ele se inclinou e afastou o cabelo do rosto dela, a beijando nos lábios. Ela se mexeu e meu coração pulou. Estava me matando não poder ajudá-la. Eu a queria levar para fora de lá e colocar uma bala no cérebro do garoto. — O que está acontecendo...? — ela levantou a cabeça para perguntar. Seus olhos se abriram e pousaram em Tanner. Ela saltou como se tivesse sido encharcada com água gelada, mas amarrada a sua própria cadeira, as pernas e os pulsos, ela não poderia se mover mais do que uma ou duas polegadas, enquanto ela tentava desesperadamente fugir pelo chão e se afastar de Tanner. Ele

~ 202 ~


pegou a cadeira virada e a colocou na minha frente, então ela estava de frente para mim. Ela estava perto o suficiente para que se eu estendesse a mão para ela, eu poderia tocar na perna dela. Se eu tivesse meus braços soltos. — Ssshhhhh querida, — disse Tanner, correndo o cano da arma pelo seu rosto. — Eu estou aqui. Seu marido está aqui. Tudo vai ficar bem agora. — Tanner. Não. Eu tenho que ir. Eu tenho que ir buscar... — ela tropeçou em suas palavras, claramente confusas de qualquer dano que Tanner tinha infligido. Tanner agarrou seu queixo e forçou a cabeça para cima. — Isso que você está procurando, querida? — perguntou ele, esfregando o nariz contra sua bochecha. Os olhos de Doe pareciam finalmente se concentrar e quando eles fizeram, pousaram em mim, seus olhos se arregalaram de surpresa e ela engasgou. Ela lutou contra suas restrições, mas foi inútil. Surpreendentemente, Tanner soltou suas amarras. — Se ajoelhe, — ele sussurrou. — Por favor. Não faça isso. Vamos conversar? Você e eu. Deixe ele ir. Ele não tem nada a ver com isso de qualquer maneira. Vamos dar uma volta como costumávamos fazer e conversar. — O tempo para conversas acabou. Estou tão cansado dessas fodidas conversas! — ele gritou em seu rosto. — AJOELHE! — ele ordenou novamente. Desta vez ela obedeceu, olhando diretamente para mim. Sinto muito, ela murmurou para mim. Eu gostaria de poder dizer a ela que isso não era culpa dela. Isto foi minha culpa. Tudo foi. Mas eu estava tão cansado de merda me culpando por tudo o que aconteceu. Então, ao invés disso eu me concentrei em não perder a esperança. Me concentrei sobre o que seria a sensação de apertar o último suspiro dos pulmões de Tanner. — Não toque nem fodendo ela, — eu rugi. — Você acha que ela realmente quer um pedaço de lixo branco 15 de merda como você? Ela está confusa. Ela não sabe o que ela quer. A única razão que ela estava com você era porque ela tem uma lesão 15

Eles chamam de lixo branco os criminosos. ~ 203 ~


cerebral. — os olhos de Tanner estavam vidrados. — Ela é minha esposa. Seremos finalmente a família que sempre deveríamos ser. — Tanner parou. Eu o queria manter falando. Se eu o mantivesse falando, então talvez eu pudesse o impedir de machucá-la tempo suficiente até Bear e Jake aparecer. — Você realmente acha que ela vai querer você agora depois de ter mostrado a ela que você é um psicopata completo? — O casamento é tudo sobre perdão, — disse Tanner. Em seguida, ele zombou. — E refresque minha memória, Sr. King, porque você matou sua própria mãe? Eu dei de ombros. — Ela merecia. Tanner bateu na cabeça de pequena. — Bem, esta fodida merece isso. — ele estendeu a mão para a bainha de sua camiseta e a puxou por cima da cabeça até que estava envolvida em torno de seus braços como outra ligação. Ela não estava usando sutiã. Seus seios nus foram expostos ao ar da noite e Tanner soltou um bufo. — Quase esqueci os grandes peitos que você tem, esposa. Faz tanto tempo. Puxei nos punhos, eles cavaram na pele em meus pulsos até que eu senti o fio de sangue quente gotejar das minhas feridas, escorrer dos meus dedos e cair no chão. Tanner contornou Doe e se ajoelhou atrás dela, mexendo com algo no chão que eu não podia ver. — Agora isso... — disse ele, batendo em sua tatuagem. Houve um som de assobio. Gás sendo liberado a partir de um bujão. Ele levantou o que ele estava mexendo. Um mini maçarico. — Isso tem que sair. — ele apertou a chama para a pele dela. Puxei mais duramente nos punhos. O cheiro de carne queimada encheu o ar. Assim como seus gritos estrangulados. Ele poderia muito bem ter queimado a porra da minha pele, porque eu senti sua dor em cada músculo do meu corpo. A dor que eu sentia por ela era mais dor do que eu já senti por mim mesmo. Ela não era só minha. Ela era uma parte de mim. — Isso faz você se sentir como um homem, filho da puta? — eu gritei assim quando os gritos de Doe pararam abruptamente. Seus olhos

~ 204 ~


reviraram em sua cabeça. Tanner desligou o maçarico e ela caiu para frente, se contraindo como se ela tivesse acabado de ser eletrocutada. A fumaça subia de sua pele queimada. Ele puxou seu cabelo e sua cabeça dela caiu para trás. Seus olhos e lábios estavam parcialmente abertos, sem a vida que estava neles apenas ontem. Suas bochechas estavam cobertas de sangue seco. Ele soltou seu cabelo e seu queixo caiu sem vida em seu peito. — Veja? Ela só está sendo punida. Isso é o que acontece com as meninas más. Elas são punidas. E Ray aqui tem sido uma garota muito, muito má. — Qual é o ponto do caralho de tudo isso? — perguntei. — O ponto do caralho? A porra do ponto é o mesmo que você estava fazendo para mim quando você estava transando com ela na cama onde fizemos o nosso filho! — gritou Tanner. — E agora você a contaminou! Você arruinou o que era meu! — Tanner passou a mão no cabelo de Doe, a beliscando. — Tudo vai ficar bem embora... — ele caminhou até a cozinha e abriu um dos armários, tirando uma faca de pesca enferrujada. — Assim que eu resolver um último problema. — Tanner rasgou seus shorts e calcinha por suas pernas. Ele empurrou seus joelhos separados, expondo sua buceta. — Que porra você está fazendo? — rosnei quando Tanner se ajoelhou na frente dela e levantou a faca. — Oh, você não sabia? Parece que minha esposa aqui fodeu e está grávida de novo! — ele olhou para mim por cima do ombro. — Mas eu vou corrigir isso assim que eu cortar o bastardo dela.

~ 205 ~


Capítulo trinta e um DOE Queimando. Dentro e fora eu estava queimando. Dor implacável afiada queimou através de mim e até mesmo no meu estado de clareza parcial eu podia sentir as chamas viajando mais profundo através das camadas de pele, músculo e osso. Foi um grito que me trouxe de volta à consciência. Não, um rugido. Um rugido gutural com tanta força por trás dele que ele literalmente me arrastou de volta do precipício do desconhecido. Através da estreita fenda no único olho que não estava fechado de tão inchado, eu vi Tanner se inclinando sobre mim. Mas além dos cachos loiros, havia King. Ele estava sentado em uma cadeira com as mãos atrás das costas, assim como eu tinha visto ele antes que Tanner tivesse levado o maçarico para minhas costas e ombro, seus brilhantes olhos verdes mais escuros do que eu já tinha visto. Os músculos de seus braços e peito apertaram, os músculos ondulando sob sua tremenda força. Com o rugido que me trouxe de volta à vida, ele tirou as mãos com tal força que a parte de trás da cadeira de madeira foi quebrada em um milhão de pedaços. Era como se eu estivesse olhando para ele em câmera lenta. Irritado, King era uma coisa bonita de se ver. E quando eu disse sobre Tanner conhecer o verdadeiro medo, este foi o medo que eu tinha falado. Tanner estava prestes a o conhecer também. Antes de King ser capaz de dar um único passo, uma mão sangrenta surgiu do chão e pegou o cinto de King, puxando uma pequena arma de trás da fivela. A cabeça de Tanner estalou de volta a King. Ele deixou cair uma faca enferrujada que ele estava segurando e pegou sua arma. Ele se levantou, mexendo com ele, despreparado por King estar solto.

~ 206 ~


Despreparado por meu pai ainda estar vivo. E armado. Meu pai se levantou de joelhos, apontou a pequena arma e disparou. — Não! — gritou Tanner, levando o tiro em seu ombro. Meu pai caiu de costas no chão com um baque. — Papai! — eu gritei tão alto que pude, sem saber se eu tinha produzido qualquer som. E então eu estava deslizando pelo chão. — Você a quer, filho da puta? Você vem pegar, porra, — Tanner fervia. Chutando o joelho ele me empurrou através do buraco na lateral do barco. E então eu estava caindo na água fria. Dor lancinante pior do que a queimadura em si explodiu em meu ombro. Eu abri minha boca para gritar. Água encheu minha boca e pulmões. Então, isto é o que se sente quando está morrendo, eu pensei enquanto derivava mais e mais longe do meu corpo. Eu sabia que eu estava morta. Eu sabia, porque quando eu abri meus olhos, Preppy estava olhando para mim com o mesmo sorriso ridículo que me fez querer ser sua amiga novamente. Tatuagens coloridas cobrindo a maior parte de sua pele exposta, camisa lilás, gravata quadriculada brilhante e seus suspensórios brancos favoritos. Parecia um coelho demoníaco. — Babe, eu sei que você acabou de ser massacrada por aquele filho da puta psicopata, porque eu assisti a coisa toda, uma droga não poder cortar o pau do garoto para você e o fazer sufocar, mas eu só tenho que lhe dizer antes, eu confesso... seus peitos são fodidamente fantásticos, sua parte superior é maravilhosa. Eu ri. Foi tão bom ouvir a voz de Preppy novamente e seu fluxo interminável de palavrões atados as palavras. Naquele exato momento eu não poderia ter estado mais em paz se ele estivesse cantando hinos da igreja para mim. — Eu não me importo de todo o sangue em cima de você. Eu meio que gosto disso, na verdade. Muito zumbi gostosa. Muito bom, porra. Me lembra de um filme quente e pornô que eu vi. Deixou o pequeno Preppy feliz e louco como a merda. ~ 207 ~


— Eu estou morta, não é? — eu perguntei grogue, cobrindo os olhos com o meu antebraço da luz brilhante. E então isso me bateu. Me sentei em linha reta, o susto fez Preppy cair no chão em sua bunda. — Oh meu Deus, eu estou morta. E Sammy? King? — perguntei freneticamente. — Acalme seu clitóris. — disse Preppy se sentando no chão e esfregando sua bunda com a mão. — Você não está morta. Ainda não. Mas eu te digo, babe, se você for antes do meu filho da puta melhor amigo? Eu e você vamos finalmente ter esse encontro. — ele balançou a cabeça e me piscou o olho. Eu não estava morta. Eu respirei fundo para me acalmar. — E quando nós conseguimos ter esse encontro, eu estou definitivamente vou dar fodida enorme gorjeta. — Preppy acrescentou, me sacudindo o ombro. Eu ri. — Eu não acho que vai cair bem para King. Preppy deu de ombros, — Que se foda ele, eu não dou a mínima. Quando ele nos encontrar aqui ele pode me matar tudo de novo se ele quiser. — Preppy plantou um beijo na minha bochecha. — Porque você e meu amigo são totalmente a merda pela qual vale a pena morrer de novo. — Eu sinto falta de você Preppy. Eu sinto tanto a sua falta. Toda esta coisa que aconteceu e você não está lá, às vezes é demais... — eu passei meus braços em torno de Preppy e o puxei para perto. Ele se aninhou em meu pescoço, seu hálito quente contra a minha pele. — Olhe em volta. Abra seus malditos olhos e dê uma boa olhada onde estamos agora. — sem deixar Preppy, eu fiz o que ele instruiu e abri meus olhos. Eu estava sentada na mesa da sala de jantar na casa de King, Preppy estava agachado no chão na minha frente. — Nós... estamos em casa, — eu engasguei. Preppy levantou do chão e me puxou com ele. — Certo. Estamos em casa. Você não tem que sentir minha falta, porque eu estou aqui. Sempre com você. Olhando você. Olhando para o chefe. Porra, eu estou até mesmo olhando Bear, enquanto ele faz o que prometeu que faria se eu resmungasse na frente dele e apagar meu disco rígido filho da puta como um bom garotinho motoqueiro. — Mas você não está aqui. Não realmente. — eu disse.

~ 208 ~


— Porra, sim, eu estou aqui. Eu sempre estarei aqui. Você não pode me fazer ir nem se você trouxer um padre exorcista. Porque eu estou um passo acima do demônio... Eu sou Preppy. — Eu ainda vou sentir sua falta. — Não há problema em sentir minha falta. Mas você tem muito com King, Bear, as crianças. Você vai ser tão ocupada que não vai ter tempo para sentir minha falta. Mas eu te digo isso; vou me certificar de que você saiba que eu estou por perto. Quando você não consegue se lembrar onde você colocou as malditas chaves do carro? Isso é arte do Fantasma Preppy ao colocar elas no congelador. Não consegue encontrar o controle remoto, mas os canais sempre mudando? Isso porque o Fantasma Preppy não consegue lembrar qual é o canal da American Ninja Warrior. — Preppy enxugou uma lágrima do meu rosto com o polegar. — Eu te amo Preppy. — eu disse, o puxando para outro abraço. — Muito. — Eu também te amo, babe. Tanto quanto um filho da puta pode amar a menina do seu melhor amigo, um amor de amigo. — Preppy colocou as mãos nos meus ombros. — É hora de você voltar para o chefe. — ele anunciou. Eu balancei a cabeça. — E, babe? — perguntou Preppy. — Sim? — Seja boa para ele. Seja boa com o coração dele. Ele é o melhor filho da puta que eu já tive o privilégio de conhecer. — Eu irei. Eu prometo. — E não diga a ele que eu disse isso. O garoto já tem uma grande cabeça do caralho. — Então o que acontece agora? — perguntei. — Agora? — perguntou Preppy, levantando minha mão, me girando ao redor como uma bailarina. — Agora, você vai viver, porra.

~ 209 ~


Capítulo trinta e dois KING Corri até o buraco no barco. Passando por cima de Tanner, eu mergulhei na água, registrando a picada das balas quando elas acertaram meus braço e quadril. A água estava escura, mas superficial. Os cabelos brancos da pequena flutuaram em torno da superfície, o resto dela estava submerso sob as águas turvas. Eu a levantei pelos ombros e a embalei contra mim quando eu nadei ao longo da costa, chutando através da água o mais rápido que pude. Eu a coloquei no chão na areia, e, embora a água tinha lavado a maior parte do sangue, o ferimento preto e roxo em torno de seu olho e mandíbula estavam muito mais que pronunciados. Seu rosto estava tão inchado, eu mal podia a reconhecer. Eu me inclinei com a cabeça para trás e abri a boca. Fechando seu nariz, eu respirei fundo e depois cobri a sua boca com a minha, soprando meu ar em seus pulmões com toda a força que eu poderia gerir. Instantaneamente água encheu minha boca e eu soltei, virando a cabeça para o lado enquanto ela tossia o resto para a areia. Eu soltei um pequeno suspiro de alívio. — O garoto está fugindo. Que eu faço? — perguntou Jake categoricamente quando ele veio correndo até a praia com Bear ao seu lado. — Porra! — Bear gritou quando seus olhos pousaram sobre pequena. — eu disse que não deveríamos ter esperado dez minutos. Foram dez malditos minutos muito longos. Olhei para Jake e inclinei meu queixo. — Pegue a porra do garoto, — rosnei. Os olhos de Jake brilharam com algo tão escuro e tão brutal que eu não quero nunca me encontrar no lado errado daquele olhar. Ele se virou e desapareceu por entre as árvores. Eu levantei pequena em meus braços, tentando ser tão cuidadoso quanto eu poderia para não tocar a ferida no ombro dela. Ela estava respirando, mas ainda inconsciente. — Eu vou puxar a van aí, — disse

~ 210 ~


Bear. — E eu sei que você está ocupado salvando a menina e tudo, mas você sabe que você foi atingido né? — Eu não dou a mínima, — eu disse, registrando plenamente que eu tinha levado um tiro. E mais de uma vez. Bear saiu e quando eu cheguei na frente da casa com Doe, Bear já estava lá com a van. Ele abriu a porta de trás e pulou quando eu relutantemente entreguei pequena para ele e subi para dentro, fechando as portas atrás de mim. Ele colocou pequena no banco de trás e eu pulei, me firmando entre os assentos dianteiros e traseiros de modo que eu estava no nível dos olhos de pequena. — O menino! — gritei, me lembrando do filho de pequena assim que Bear pulou de volta no assento do motorista. — Precisamos o encontrar. Ele tem dois ou três anos e ele é... — eu comecei a descrever quando Bear me cortou. — Você quer dizer esse cara? — Bear apontou um dedo tatuado no banco do passageiro, onde o filho da pequena se levantou de joelhos e espiou a cabeça sobre o assento. — Eu acho que ninguém teve a conversa a respeito do perigo de estranhos falando com ele. Porque a regra número um é você não saltar em vans com os bandidos, — disse ele, jogando o carro na estrada. — Oi mamãe, — disse o garoto. — Você está doente? — perguntou Sammy. — Mamãe caiu. Ela só precisa de um pouco de sono, — eu disse suavemente, tentando sufocar o pânico aumentando a cada segundo que minha menina estava inconsciente. Sammy sorriu, revelando os dentes minúsculos. — K, — disse ele, antes de se virar e se jogar de volta no assento. — Garoto, o cinto de segurança, — Bear ordenou. Sammy estendeu a correia sobre seu colo, mas foi levantado do assento quando ele saltou para trás. Bear inclinou e colocou o cinto na fivela para ele e continuou na estrada. Pequena agitou, apenas um pequeno gemido e seu único olho bom vibrou antes de abrir um pouco. — Preppy? — ela perguntou em um sussurro, olhando para o espelho retrovisor. — Não pequena, Preppy se foi, — eu disse.

~ 211 ~


— Estou morrendo? — perguntou ela. — Você está muito viva, — eu sussurrei, pressionando meus lábios em sua testa. — Não, eu estou morrendo, — argumentou. — Por que você diz isso? — perguntei. — Porque, — ela apontou. — Eu vejo Preppy... — ela parou. — Fique comigo, amor. Fique comigo, — eu disse a ela quando nós chegamos no hospital. Mas já era tarde demais. Seus olhos rolaram em sua cabeça e ela escorregou de volta para a inconsciência. Quando Bear parou na emergência, ele saiu correndo para abrir a porta para nós. Ele ficou com Sammy enquanto eu corria através das portas de vidro. Uma enfermeira nos viu chegando e fez sinal para nós seguirmos ela para uma sala onde eles colocaram pequena em uma maca. — Senhor, senhor você é da família? — outra enfermeira veio até a mim perguntar quando eu assisti um cara com um casaco branco cortar as roupas de pequena e empurrar uma agulha IV em sua veia. Eu não sabia como responder. Claro, ela era minha família, mas como diabos eu poderia fazer a enfermeira entender isso? — Ela está grávida. Eu sou o pai, — eu disse. Ela apontou um dedo de luva para uma cadeira no canto. — Se sente, — ela ordenou. Ela gritou para as pessoas de uniforme e os informou da gravidez de pequena. Isso os fez entrar em erupção em um coro de vozes, todas gritando instruções especiais sobre outro. Quando a enfermeira notou que eu ainda estava de pé, ela colocou a mão na minha barriga e me empurrou para a cadeira. Tomei alguns passos em direção a ela, mas ainda não sentei. Quando a enfermeira notou que sua luva branca foi revestida em vermelho, ela levantou a outra mão e apontou para as palmas das mãos sangrentas. — Onde é que isto vem? — ela perguntou, parecendo mais irritada do que preocupada. — Não importa, — eu cuspi. — Basta cuidar dela. — eu estiquei o pescoço ao redor da enfermeira que, em seguida, se levantou nas pontas dos dedos dos pés calçados de tênis, acenando com a luva sangrenta na minha cara. Eu resmunguei. Eu não me importava se eu morresse.

~ 212 ~


Desde que ela vivesse. A enfermeira arrancou as luvas e, em seguida, estalou os dedos na frente dos meus olhos. — Eu sugiro que você tome um assento na maca ali mesmo, Sr. King. Você ainda pode a ver de lá enquanto eu o examino e o costuro. Ela finalmente chamou a minha atenção. — Como você sabe o meu nome? — perguntei, me inclinando um pouco, com vontade de mandar esquecer e ir se foder, mas não funcionou. A cadela jogou o cabelo sobre o ombro e deu um passo em minha direção, tentando me intimidar com todos os seus cinquenta quilos em jaleco rosa. — Como você sabe o meu nome? — eu repeti. Ela revirou os olhos e se inclinou na cintura. Ela levantou a bainha em uma das pernas, revelando uma tatuagem de uma pequena margarida em seu tornozelo. — Isso, você fez, idiota. Eu reconheci o meu trabalho imediatamente. Ela lançou o tecido e balançou o material de volta no lugar. Atrás dela o caos continuou ao redor da pequena. Eles colocaram uma máscara sobre seu rosto e um tubo conectado em uma das máquinas apitando e piscando ao redor da maca. — Olhar para ela não vai fazê-la ficar melhor. Precisamos concertar você. Eu balancei minha cabeça. Ela caminhou até a parede de vidro do outro lado da sala e com o canto do meu olho eu a vi puxar um novo conjunto de luvas de um distribuidor. Quando ela se voltou para mim, ela estava puxando o látex sobre seus dedos. Um cara com um casaco branco, combinando com o cabelo colorido, cortava as roupas de pequena com um par de tesouras. Meus punhos cerraram com tanta força que meus dedos estavam prestes a saltar para fora da minha pele. A enfermeira, a mais irritante do mundo, permaneceu imperturbável, se recusando a aceitar que eu a estava ignorando. — Qual é o nome dela? — perguntou a enfermeira. — Doe. — eu disse, então eu corrigi, — Ray, ou nome dela é Ray.

~ 213 ~


— Doe. Ray, — repetiu ela, as sobrancelhas questionando o nome, tanto quanto sua voz. — A família dela pertence ao grupo de música ou algo assim? — Ou algo assim, — eu murmurei. — Me diga Sr. King, como diabos você está pensando em cuidar da senhorita Doe-Ray quando ela estiver melhor, se você está de pé aqui, crivado de buracos de bala, se deixando sangrar até a morte por todo o meu piso branco? — ela argumentou. A cadela irritante tinha um ponto. Se pequena sair disso. Quando ela sair disto. Ela vai precisar de mim mais do que nunca. Relutantemente, eu me afastei e sentei na maca enquanto a enfermeira me olhava. Eu tentei me concentrar nas palavras que eu disse apenas alguns minutos mais cedo, em vez das coisas que eles estavam fazendo com ela que me fez querer bater meu punho através da parede do caralho. Ela está grávida. Eu sou o pai. Eu desejei ali mesmo, com tudo que eu tinha, a qualquer Deus de qualquer religião que queria ouvir, que tanto pequena e o bebê ficassem bem. Nosso bebê. Que minha menina ficasse curada. Eu desejei que quando isto estivesse acabado e espero que ela esteja estável, que eu tenha forças para arrancar a cabeça fodida de Tanner com minhas próprias mãos. Você não brinque com o que é meu. Era uma lição que ele iria descobrir de uma maneira muito dura do caralho.

~ 214 ~


Capítulo trinta e três KING Estável. Era a palavra que eu estava esperando antes que eu pudesse finalmente soltar um suspiro longo. A enfermeira tinha finalmente saído do quarto e disse isso. Me sentei ao lado de pequena, segurando a mão dela. Fazendo promessas a ela que eu nunca pensei que eu iria proferir a ninguém. Eu prometi a ela uma casa, uma vida, uma família. Eu prometi a ela um lugar seguro para o nosso filho crescer. Eu disse a ela o quanto eu a amava e o quanto ela significava para mim. — Grace está aqui, na sala de espera, — Bear disse, entrando no quarto. Ele estava falando para mim, mas seus olhos nunca deixaram pequena. Ele veio até ela com as mãos nos bolsos. — Ela está cuidando do garoto. Meu celular vibrou no meu bolso. O puxei para fora e estava prestes a clicar ignorar até que eu vi quem era na outra extremidade. Eu pressionei atender e segurei contra o ouvido. — Consegui, — disse Jake. — Celeiro na 86 passando pela We Are God billboard. — a linha ficou muda. — Jake? — perguntou Bear. Eu balancei a cabeça. — Fique aqui com ela no caso dela acordar. Eu vou estar de volta. — eu beijei pequena na testa e, embora eles tenham dado medicamentos para mantê-la sedada, eu esperava que ela pudesse de alguma forma ainda me ouvir quando eu disse: — Eu te amo, baby.

*****

Golpe por golpe eu mostrei a minha indignação sobre o doente fodido que ousou impor as mãos sobre minha pequena. Sua pele pálida e branca inchou e rasgou, ficando vermelha onde meus punhos batiam,

~ 215 ~


uma e outra vez até que seus traços se transformaram em algo irreconhecível. Sua farsa de menino americano de boa aparência tinha ido embora. O filho da puta agora parecia o pedaço de merda monstro que ele era. Esta não foi uma raiva controlada. Longe disso. Isso foi eu soltando a raiva e a frustração que eu estava sentindo desde que o falso policial tentou me levar para debaixo da terra. Eu olhei para minha mão, revestida de vermelho pegajoso e sorri. Eu queria mais. Eu precisava de mais. — Pare. Por favor. Eu imploro, — Tanner gemeu, revelando dentes brancos brilhantes revestidos de vermelho sangue ainda mais brilhante. Ele rolou a cabeça de um lado para o outro, engasgando com o sangue que tinha juntado em sua garganta. — Você começou isto, filho da puta. Você não pode ter isso agora só porque você está fodido e mijando. Isso está em você. Você colocou suas mãos sujas de merda na minha menina, queimou sua pele, tentou mata-la e eu tenho que mostrar misericórdia? — eu balancei minha cabeça. — Não brinque com o que é meu, e infelizmente para você, você está prestes a aprender essa lição da maneira mais difícil. Eu olhei para Jake, que estava de pé ao meu lado. Seus olhos eram negros e intensamente focados em Tanner. No começo eu pensei que ele estava quase entediado e esperando que eu acabasse com o garoto logo, mas quando eu olhei mais perto, percebi que sua expressão não estava entediada em tudo. Era luxúria. E não para o menino, mas para seu sangue. — Você não pode me matar, — disse Tanner, ofegante. — Eu acredito que eu posso e eu acredito... que eu vou. — eu corri o cano da minha arma em seu nariz e o empurrei em uma de suas órbitas, enquanto ele se contorcia debaixo de mim. — Tem sido um longo tempo desde que eu matei alguém pelo puro prazer disso... muito tempo realmente, — eu disse caprichosamente. ~ 216 ~


— Você acha que Ramie vai ficar com você? — disse o pequeno pentelho. — Ela é uma adolescente, porra. Ela não sabe o que ela quer. Ela poderia te deixar amanhã, quando ela perceber que você é apenas um pedófilo com nada para oferecer a ela. Ela vai se lembrar logo que ela é melhor do que você e então ela vai te deixar. — É aí que você está fodidamente errado, — eu disse. — Você obviamente não me conhece muito bem, porque ela me deixar não é uma opção. — Então você é apenas mais um monstro como eu sou. Você e eu não somos tão diferentes afinal de contas, — ele brincou, suas pupilas tão grandes como suas órbitas. — É aí que você está errado, — eu corrigi. — Nenhum de nós está disposto a aceitar um não como resposta. Não soa muito diferente para mim. — sua respiração se tornou mais e mais difícil, suas palavras levaram grande esforço para sufocar. Jake estava ficando inquieto, passando a arma da sua mão direita para a esquerda uma e outra vez, seu foco em Tanner totalmente. Eu ri e passei a mão sobre a minha cabeça. — Bem, para começar, amanhã eu vou estar respirando... e você não. Jake balançou e inclinou a cabeça para Tanner, pressionando a palma da mão contra sua mandíbula e estalando os ossos em seu pescoço. Os olhos de Tanner arremessaram de mim para Jake, sua voz tensa se transformou em pânico. — Ramie nunca vai te perdoar se você me matar. Eu fodido tudo, eu admito. Estou totalmente fodido, mas ela ainda não me quer morto. Eu sou o pai de seu filho, pelo amor de Deus! — Errado de novo, mostra o quanto você realmente não a conhece. Não só ela vai me perdoar, mas ela vai me agradecer quando estivermos em casa e ela estiver de volta na minha cama onde ela pertence. — eu cocei a cabeça com o cano da minha arma e me levantei. — Mas apenas no caso, você está certo, eu não vou te matar. — eu guardei a arma no coldre na parte de trás da minha calça jeans e Tanner soltou um suspiro de alívio. Eu me virei, sabendo muito bem o que ia acontecer a seguir. Eu só tinha dado dois passos em direção à porta quando ouvi o som de um único tiro.

~ 217 ~


— Jake vai.

~ 218 ~


Capítulo trinta e quatro DOE/RAY Um Mês Depois Passei um tempo com os pais de Nikki assim que eu fui capaz. Eu precisava que eles soubessem que Nikki não morreu sozinha como uma drogada que procurava um alívio, mas como uma amiga, protegendo sua melhor amiga até seu último suspiro. Nós colocamos Nadine para descansar perto de Nikki, e, assim como no funeral de Preppy, eu fiz as homenagens para a mulher que era mais uma mãe para mim do que qualquer outra pessoa. Olhando para trás, Nadine sempre defendeu meu pai, todas as vezes ela estava lá para ele, mesmo quando sua própria esposa não. Eu não pude evitar achar que talvez os dois tivessem mais do que uma relação empregada e patrão. Minha mãe não tinha se separado oficialmente, mas quando a notícia chegou - sabe-se lá aonde ela havia se isolado - sobre Tanner e Nadine e o que tinha acontecido naquela noite, ela tinha acabado por nunca mais voltar. Ninguém se importava. E no final, quando isso realmente conta, meu pai acabou por ser um pai de verdade depois de tudo. Estávamos em pé no banheiro e King estava mais uma vez substituindo as bandagens nas minhas costas sobre minhas queimaduras. Desde que tinha de ser feito três vezes por dia, ele havia se tornado um especialista. King também vinha fazendo pesquisas sobre tatuagens sobre cicatrizes e visitou o artista que tinha feito alguns trabalhos para a esposa de Jake, que tinha cicatrizes por todo o corpo e tatuagens que cobriam um monte delas. Ele tinha um esboço pronto para mim, mas eu não estava pronta para olhar ainda. Eu ainda tinha que fechar meus olhos quando King mudava minha atadura, ainda não era capaz de chegar a termos com a minha pele arruinada. Mas quando eu estivesse curada, tanto física como mentalmente, eu sabia que King seria capaz de fazer algo bonito sobre algo tão feio. ~ 219 ~


Eu estava estressada e áspera por um par de semanas, mas eu estava finalmente começando a me sentir bem novamente e apenas a tempo também, porque em menos de 24 horas, nos tornaríamos pais em tempo integral. — Eu levei a última das caixas até o Goodwill, — disse King, pressionando os lábios em meu pescoço. King teria levado apenas algumas horas para limpar as coisas de Preppy da casa. Mas ele não queria apenas se livrar de suas coisas, ou as empurrar de lado como se fossem um trabalho que precisava ser feito. Bear se sentia da mesma maneira, de modo que os dois passaram dois dias enfurnados no quarto de Preppy, passando por seu material, relembrando os velhos tempos e bebendo uma garrafa inteira de tequila, fumando maconha e fazendo só Deus sabe o que com as coisas que eles podem ter encontrado escondido no quarto de Preppy. Acabou e o quarto de Preppy tinha sido esvaziado. Bem na hora também. Porque ele tinha que fazer um monte de ajustes, mas com a ajuda dos pais de Tanner, que eu tinha de tranquilizar um milhão de vezes de que não iria ser cortados da vida de Sammy, ele finalmente estava voltando para viver conosco amanhã. Eu não queria o levar para longe deles de repente; não seria bom para ninguém. Além disso, eu precisava de tempo para me curar. As últimas semanas tinham sido uma transição, não apenas para Sammy, mas para todos nós. — Estou tão feliz que ele está vindo para casa hoje, especialmente agora que estou podendo me mover, — eu disse. — Algumas outras coisas que podemos fazer agora que você está podendo se mover vêm à mente. Malditas coisas sujas, — disse King, dando em minha cintura um aperto. Meu estômago se agitou e eu não tenho certeza se era a sua palavra ou o bebê. Eu apertei minhas mãos sobre a dele e olhei para o reflexo de King no espelho. Eu não pude deixar de pensar sobre Max e o que poderia ter sido. — Eu vejo esse olhar e sei o que você está pensando, pequena. Mas você tem que parar de se concentrar sobre as coisas ruins. Nós fizemos o suficiente. Max vai ter uma boa família que vai cuidar dela e dar a ela tudo o que ela poderia querer. Sim, é uma merda, e não há um segundo que passa que eu não quero estar em sua vida, mas ela passou por merda o suficiente. Ela não precisa passar os próximos quinze anos em um orfanato só porque eu era muito egoísta para assinar sobre ela ter uma vida real ou porque eu queria lutar contra o sistema um pouco mais e não chegar a lugar nenhum. Além disso, quando ela ficar mais velha, talvez ela vá querer me conhecer. Me ~ 220 ~


encontrar. E esse é o dia que eu vou focar quando a merda ficar pesada na minha cabeça, — disse King. — Como foi que eu ganhei um homem tão forte e incrível? — perguntei. — Você veio para a festa dele uma noite... — King riu. — Venha, vamos. — Para onde estamos indo? — perguntei. — Você vai ver, — disse ele, o mal brilhando em seus olhos. King me conduziu através da grama. Eu tive que pular por cima de tijolos de uma fogueira que tinha encontrado seu fim em algum tipo de explosão. Um buraco queimado no centro do quintal era tudo o que restou. Sempre que eu perguntava sobre isso, King simplesmente dava de ombros e me dizia que não era a história dele para contar. Passamos pela garagem em ruínas, que foi caindo mais e mais a cada dia. King tinha planos para derrubá-la e construir uma maior com uma nova loja de tatuagem e um apartamento para Bear. Se ele quiser. King me levou até o cais, o lugar onde ele tinha compartilhado o primeiro de seus segredos mais profundos comigo todos esses meses atrás. Max. A mãe dele. Parecia um milhão de anos atrás e ainda era tão claro para mim como se tivesse acontecido naquela manhã. — Você sabe, com toda a merda que aconteceu ao longo dos últimos meses, houve algumas vezes que eu pensei que nunca estaria de pé nesta doca com você de novo, — disse King. — Só para que fique claro, você não está me deixando desta vez? — eu sussurrei. King me girou em seus braços. Eu coloquei as palmas das minhas mãos sobre seu peito duro. O calor de sua pele aqueceu minha mão através de sua camisa. King balançou a cabeça e inclinou meu queixo para cima com o punho. — Porra, não. — lentamente ele correu as pontas de seus dedos por meus braços do ombro ao cotovelo. A minha pele formigava à vida com a consciência quando o leve toque viajou para cima e para baixo em minha pele sensível. Meu lábio inferior tremeu em antecipação. Os

~ 221 ~


meus joelhos também. Ele agarrou meu pulso e apertou a minha mão contra os lábios dele. — Você e eu... — eu senti o seu sorriso contra a palma da minha mão. Era como se eu tivesse tocado uma cerca elétrica. Faíscas atravessaram minha mão e meu braço, se espalhando através de meu peito antes de descer entre as minhas coxas. — Vamos sempre ser essa coisa incomum. — Vamos? — perguntei, sem saber por que saiu como uma pergunta, porque é algo que eu sabia desde o segundo que meus olhos tinham bloqueado com os seus em seu estúdio de tatuagem. Era algo que eu tinha passado tempo demais lutando contra. E eu estava farta de lutar. Meu futuro estava com King. — Porra, sim nós vamos, — disse ele, beliscando a carne delicada do meu pulso. Se King fosse mergulhar seus dedos entre as minhas pernas, ele iria descobrir muito rapidamente quanto ele tinha me afetado com apenas algumas palavras. Uma palavra, na verdade. Sempre. — Eu vou fazer de tudo para você, menos te deixar, — ele murmurou contra a minha orelha. — Isso não é uma opção. — ele se afastou um pouco, segurando minha cabeça em suas mãos, seus polegares cavando em minhas têmporas e apertou seus lábios contra minha testa. — Nunca mais, — ele acrescentou. Enredando os dedos pelo meu cabelo ele me surpreendeu quando ele recuou, forçando minha cabeça para trás de repente. Qualquer outra pessoa poderia confundir esse gesto como algo para infligir dor, mas quando eu olhei em seus olhos e testemunhei o olhar de pura satisfação atravessando seu rosto, eu sabia exatamente o que estava fazendo. Ele estava se certificando que eu era real. Seu sorriso ficou brilhante. Sua expressão séria. King lambeu seu lábio inferior, o deixando brilhando sob o luar. Pura. Fome. Na minha vida eu tinha tido fome ao ponto de sentir como se eu estivesse à beira da morte. No entanto, na frente deste homem, a mais brilhantemente bela e perfeita criatura que jamais ocupara a terra, a

~ 222 ~


fome parecia um mero estômago roncando em comparação com a fome que eu sentia por ele. Eu queria deitar na cama nua com ele e assistir a filmes em um domingo. Eu queria o ajudar em seu estúdio de tatuagem, criando a arte que iria mudar a vida das pessoas. Eu queria criar nossos filhos na casa construída sobre palafitas. Os beijos de King se mudaram para embaixo do meu olho direito, e por um momento apenas ficamos ali, nossas bochechas pressionadas juntas. Eu não percebi o quanto eu senti falta da sensação de sua barba contra o meu rosto. O quanto eu sentia falta de ter que esticar meu pescoço para olhar para ele. Eu senti falta dele me atirando por aí como uma boneca de pano, enquanto ao mesmo tempo me adorava como se eu fosse o objeto mais precioso do mundo para ele. Ficamos lá, apreciando a sensação um do outro, existindo no espaço de outro, a respiração um do outro. Até que já não era suficiente. Porque com a gente, nunca foi. Ele era real e estava bem na minha frente. Eu era como uma viciada que não tinha acabado de cair do vagão, mas que saltou cegamente, enquanto ele ainda estava em movimento. Naquele momento, eu estava disposta a fazer qualquer coisa para alimentar a fome insaciável que estava eclodindo dentro de mim, ocupando todos os sentidos que eu tinha. Eu queria o tocar, o saborear, o cheirar, o beber todinho. Eu queria tudo. Nós não estávamos morrendo de fome um do outro. Nós estávamos fodidamente vorazes. Nós ainda estávamos nos beijando quando ele chegou por trás e puxou a camisa sobre a cabeça, mas ele não fez rápido o suficiente. Eu precisava de vê-lo. Eu precisava sentir seu calor contra mim. Eu precisava provar o suor da sua pele na minha língua. Quando ele estava livre de sua camisa, ele a atirou para o deck. King era ainda menos paciente. Ele não removeu completamente a minha camisa, apenas a puxou para baixo para expor meus seios. Isso era exatamente como eu me sentia. ~ 223 ~


Exposta. Ser vulnerável na frente de King era um risco que eu estava mais do que disposta a assumir, porque valia bem a pena a recompensa. Seu olhar caiu para meus seios. Ele resmungou de dentro de sua garganta, olhando para mim com necessidade animalesca e algo que eu não esperava a partir de King. Avaliação. — Eu amo esses peitos, — disse King, se ajoelhando. Ele passou os lábios cheios ao redor da ponta do meu mamilo, lambendo ligeiramente. Eu gemi com o contato, precisando de mais. Muito mais. King riu. — Eu tenho você, baby, — disse ele. Achatando sua língua, ele deslizou por cima do meu pico endurecido em uma longa lambida que me fez querer gritar. E então ele fez isso de novo, a um ritmo que era tão tortuosamente lento que eu o prefiro me morda e tire sangue do que continuar o mergulho preguiçoso de sua língua ridiculamente talentosa. — Tão perfeitos. — ele me soltou apenas tempo suficiente para falar as palavras contra o vale dos meus seios antes de começar a se voltar novamente para o outro peito. Desta vez, ele começou lento, mas depois aumentou a velocidade até que ele estava trocando entre os dois para sugar, me deixando quase incapaz de ficar nos meus próprios pés. Percebendo meu desequilíbrio, King me segurou em minha cintura. Eu me contorci contra ele, me segurando no topo de sua cabeça. Seu cabelo curto contra minhas palmas quando ele me trouxe para a beira do esquecimento. E então ele parou. King ainda estava segurando a minha cintura, mas sua atenção estava em outro lugar. Seu olhar fixo em minha barriga. Timidamente, ele estendeu a mão e a colocou contra o ponto ligeiramente arredondado do meu estômago. — É tão louco, — ele sussurrou. Ele traçou círculos em torno do meu umbigo, dando um beijo na pele logo abaixo dela, inalando quando ele fez o seu caminho de volta até o meu pescoço, se levantando de seus joelhos. Havia certa reverência em seus olhos, mas que não escurecia o fogo. Eu estava quase esmagada pela forma como ele estava olhando para mim, então, quando King deu um passo em minha direção, eu dei um passo hesitante para trás. — Você esta fugindo de mim, pequena? — ele perguntou com baixa ferocidade em sua voz. — Talvez eu esteja, — eu provoquei, girando e andando pelo deck de volta para a casa. King me capturou, indo até a mim e me virou para

~ 224 ~


seu olhar, me forçando recuar novamente até que minhas costas foram pressionadas contra a parede. Ele estava sendo duro, mas cauteloso, ao mesmo tempo, tomando muito cuidado para garantir que a queimadura em minhas costas não me prejudicasse. Foi então que eu percebi que eu não estava apoiada contra uma parede. Mas um pilar. O pilar. O pilar onde King e eu tínhamos tido relações sexuais pela primeira vez. Irritado, quente, cheio de ódio, amor alimentado por sexo. — Aqui, — disse King, — Muito melhor. — Relembrando agora? — perguntei, mordendo meu lábio inferior. King chegou por trás do meu pescoço e inclinou a minha cabeça para ele. — Talvez, — ele sussurrou. — E mais tarde, quando eu terminar com você aqui fora, eu quero te levar lá para cima e relembrar um pouco mais. Talvez te algemar à minha cama. — ele traçou meu lábio inferior com o seu, e quando eu fiz um movimento para mais contato, ele se afastou. — O que pequena? Você quer que eu TE algeme para que você não possa se mover? Correr a minha língua entre suas pernas, fazer você gozar com tanta força que dói? Ou eu deveria usar um cinto de novo? Envolver em torno de seu pescoço para que eu tenha você exatamente onde eu quero você? — ele beijou o canto da minha boca, me provando, me provocando. Me deixando selvagem com luxúria. Qualquer um poderia ter caminhado por nós e eu não teria lhes dado atenção. Nós poderíamos foder horas e dizer a todos que eu não me importava. Tudo que eu queria era ele me tocando de uma forma que me deixava latejando e tentando pressionar minhas coxas juntas para alívio. Ele passou a língua atrás da minha orelha, sugando a pele sensível em sua boca. Eu praticamente me lancei para ele, jogando minhas mãos em volta do seu pescoço, em um esforço para chegar mais perto, mas novamente ele me negou o que eu estava procurando, o que eu precisava. — Ainda não, pequena. Eu iria estrangular o imbecil. — Você está tentando me irritar? — perguntei. Meu peito subindo e descendo com a minha impaciência. Eu ia ser a primeira pessoa na história a morrer de luxúria. Bolas azuis femininas. ~ 225 ~


— Talvez. Mas eu me lembro como era quente transar com você quando você estava com raiva. Aqui mesmo, contra a casa. Eu fico tão duro toda vez que penso sobre estar dentro de você que é como pela primeira vez, mesmo quando você queria arrancar a porra dos meus olhos. Eu queria deixar tudo bem entre nós, mas, ao mesmo tempo, eu queria te deixar ainda mais irritada. Fazer você ficar ainda mais quente. Você estava tão fodidamente chateada, mas bonita pra caralho. Você estava tão quente que sua buceta estava implorando para meu pau te punir. Punir. — Sim. Me punir, — eu sussurrei. — Por favor. Me puna. E foi então que um passado de ter qualquer vergonha de tudo havia mudado para mendigar. E então, quando ele me fodesse, depois, eu iria afoga-lo na baía. King moía sua ereção enorme contra a minha coxa. — Você vê o que você faz para mim? Você sente o quanto eu te quero? — tudo o que eu podia fazer era acenar com a cabeça. Eu não tinha certeza do que ele estava pedindo. Nesse ponto, a resposta para tudo ia ser SIM. — Não faça um movimento, — ele ordenou. Inserindo dois dedos no cós do meu short, puxando para baixo das minhas coxas. No caminho de volta para cima, ele apertou o nariz entre as minhas pernas e respirou profundamente, correndo sua língua para fora para uma lambida. — Puta merda. Você está fodendo gotejamento. — ele chupou meu clitóris em sua boca. — Eu senti falta do seu gosto e de te saborear, pequena. Tão doce e inocente. Você tem um gosto bom demais. — suas palavras vibraram contra o meu núcleo, que estava além de pronto para ele colocar o pulsante monstro contra a minha perna para uma boa utilização. Em vez disso, ele estava de volta, me forçando com mais força contra o pilar. Ele alcançou entre nós e entre minhas dobras, espalhando minha umidade, empurrando seu dedo médio grosso dentro de mim. Seu dedo estava quase no meio do caminho, mas eu já estava apertando em torno dele. — Sua buceta, eu senti falta disso também, — disse King, sua voz áspera e tensa. A confiança que possuía há poucos momentos era agora uma luta óbvia quando ele tentou manter o controle. Abaixei minha cabeça de volta contra o pilar. Ele empurrou todo o caminho e enganchou seu dedo ligeiramente. Quando ele começou a bombear, eu me contorcia contra sua mão.

~ 226 ~


Cada vez que ele tirava, me senti tão incrível como quando ele empurrou de volta para dentro. Ele começou a bombear mais rápido e estável no início, depois mais errático. Mais desesperado. Mais como se a única missão de King na vida era de rasgar um orgasmo do meu corpo. Eu estava perdida na sensação de dentro e para fora. Do empurrar e puxar. O aperto e liberação. O pulsar e latejar. A maravilha alucinante de ser capaz de ver não só este homem novamente. Mas o beijar e o tocar. Ter um filho dele. Houve um tempo não muito atrás, quando eu realmente pensei que nunca o iria ver novamente. Eu certamente nunca pensei que ele teria o dedo me fodendo de novo contra o pilar onde tudo tinha começado. Onde nós tínhamos começado. Foi nesse mesmo lugar onde eu me dei a ele pela primeira vez. E foi nesse mesmo lugar de novo, onde eu me dei a ele tudo outra vez. Nunca, mesmo que em meu coração, eu realmente deixei de ser sua. A sensação começou a construir no meu interior. Prazer em cima de prazer. Eu já não podia contar o empurrar e tirar. Eu estava tão carregada, eu sentia como eu pudesse alimentar uma cidade inteira sobre a energia zumbindo dentro de mim. O prazer da montaria se tornou quase demais. Eu precisava desesperadamente de algum tipo de liberação antes que eu desmoronasse sob a pressão. — Porra16! — eu gritei. — Esse é o plano, pequena. — King removeu os dedos e os sugou em sua boca. — Porra. Minha língua vai gastar um monte de tempo em sua bela buceta, mas agora eu preciso colocar meu pau dentro de você. — Sim, — eu suspirei. 16

Ela fala fuck, que tem ambos sentidos, foder e porra. ~ 227 ~


King fez um rápido trabalho em seu cinto e calça jeans. Seu pau saltou livre de seu confinamento. Sem demorar, King envolveu sua mão ao redor do eixo grosso e empurrou a cabeça em minhas dobras, o encharcando com minha umidade, antes de empurrar para dentro com um golpe longo e duro que nos fez gritar ao mesmo tempo. King agarrou a parte de trás das minhas coxas, seus dedos pressionando duramente em minha carne. E então ele me beijou. Duro. Ele me beijou como se fosse beijar pela vida selando a nossa conexão. Nosso destino. Nossas vidas. Juntos. Eu estava perto. Tão perto que eu estava quase com medo de quão duro eu iria gozar. A respiração de King mudou de constante contra os meus lábios para errático enquanto ele martelava em mim duro e rápido. Meus mamilos roçaram seu peito a cada estocada. Ele esfregou meu clitóris contra a base de seu pau. O homem que eu uma vez tinha tanto medo, um homem que era capaz de tanta violência, e ainda assim muito amor, estava lutando pelo controle. Por minha causa. Porque ele estava me fodendo. Porque ele me queria. Sempre. Vamos sempre ser essa coisa. Foi a minha ruína. A tensão que vinha crescendo dentro de mim apertou até o ponto de dor antes dela finalmente quebrar, enviando cada parte do meu corpo em espasmo atrás de espasmo, rolando em cima de mim em ondas brutais, cegando em prazer quente. Eu gritei, um gemido soando estrangulado, segurando firmemente sobre King, quando eu comecei a convulsionar ao redor de seu pau quando ele lançou um gemido. Eu montei o meu orgasmo, me contorcendo contra ele até que ele tinha espremido até a última gota de prazer do meu corpo fraco.

~ 228 ~


Ele me seguiu, empurrando com selvagem abandono até que ele explodiu dentro de mim, me enchendo de calor. Com amor. Com ele.

*****

King descansou sua testa contra a minha enquanto tentávamos recuperar o fôlego, mas ele não me colocou para baixo. Minhas pernas ainda enroladas na sua cintura. Nossos corpos ainda um, nenhum de nós querendo quebrar a ligação que tínhamos esperado tanto tempo para ter. — Como você quer ser chamada agora? — ele perguntou do nada. — Doe? Ray? — Por que isso importa? Porque mesmo seu escolher, você vai continuar me chamando de pequena de qualquer maneira. — É verdade, mas precisamos saber o que colocar no formulário. — disse King, pressionando beijos suaves em todo lugar nos meus lábios e rosto, até mesmo na ponta do meu nariz e do olho fechado. — Para fazer o que? — perguntei. — Está lá em cima no balcão. Grace o pegou mais cedo para mim. Nós vamos assinar juntos, mas podemos preencher aqui fora. Achei que uma vez que estávamos mudando seu sobrenome, você pode mudar o primeiro nome ao mesmo tempo. Salva alguns problemas. — Meu último nome? — perguntei. — O que quer dizer? Que coisa é essa? — Sempre com a porra das perguntas, pequena. — King brincou com falso aborrecimento. — O papel que você precisa preencher quando você vai se casar. O casamento no papel... porra. — King disse com desdém como se tivéssemos conversado sobre isso um milhão de vezes antes. Engoli em seco. — Você está me propondo?

~ 229 ~


Ele levantou uma sobrancelha. — Porra, não. — Mas você quer que eu preencha um formulário de casamento... — eu comecei. — Onde nós... — eu apontei entre nós dois. — nos casaríamos. — King concordou. — E seremos um do outro, — acrescentei. Ele sorriu contra a minha pele e acenou com a cabeça novamente, continuando no seu ataque de beijos suaves no meu ombro e meu braço. — Você sabe que propor é pedir a alguém para se casar com você e isso parece muito com o que você está fazendo aqui, — argumentei. O pau de King, ainda dentro de mim, começou a se contorcer de volta à vida, crescendo e me esticando novamente, quando ele roçou os lábios sobre os meus mamilos. Seu sorriso virou francamente mau. Seus olhos brilhantes dançavam com travessura. — Nós, — disse King. — Você e eu, vamos nos casar. Vendo como eu te amo, e eu sei que você me ama, e estamos prestes a ter um casal de filhos correndo pela casa. Mas eu não estou pedindo nada. Pedir lhe daria a impressão de que você tem uma palavra a dizer neste processo. Então, não, eu não estou propondo. — ele saiu de mim um pouco e, em seguida, empurrou de volta. Eu gemi. — Você é louco, — eu disse, movendo os quadris com o dele, tentando o trazer mais profundo. A proposta foi unilateral, mas nunca injusta. E eu não teria mudado nada. — Então eu vejo que realmente estamos de volta aonde nós começamos, — eu ofereci quando King bateu em mim e nós dois tivemos uma pausa por um segundo para apreciar a sensação. Eu tentei não sorrir. Eu tentei fingir estar com raiva de sua demanda do casamento, mas eu falhei miseravelmente. Acho que foi o sorriso de orelha a orelha que me denunciou. — Sim. Estamos de volta aonde tudo começou, — disse King. Ele segurou meu rosto em minhas mãos e olhou profundamente em meus olhos. — E não há nenhum outro lugar nesse fodido mundo onde eu preferia estar. King começou a se mover novamente, mas desta vez foi diferente. Mais devagar. Menos urgente. Ele revirou os quadris e minha

~ 230 ~


boca abriu enquanto bebia cada sensação persistente de suas estocadas lentas. Ele pontuou cada uma com uma leve torção de seus quadris até que estávamos vendo ambos as estrelas novamente. King não tirava os olhos dos meus quando ele me fez gozar uma segunda vez. Ele não desviou o olhar quando ele encontrou a sua libertação dentro de mim também. E quando meu orgasmo começou a se desvanecer, havia apenas um pensamento em minha mente. Me senti livre. Com King, eu era eu mesma, quem eu queria ser. A pessoa que eu deveria ser. E aquela garota, pertencia a King. Corpo e alma.

~ 231 ~


Capítulo trinta e cinco KING — Bear está ensinando ele a bufar e a pegar strippers, — eu respondi sarcasticamente quando pequena me perguntou onde estava Sammy. Ela me deu um soco de brincadeira no ombro. — Ái, — eu disse, segurando meu braço como se ela fosse realmente capaz de me machucar. Fisicamente nunca, já emocionalmente... — Ok, talvez a coisa de stripper fosse um exagero leve, — eu admiti. — Mas eu o deixei com Bear. Ele está lhe mostrando sua moto. Eu só queria entrar e me certificar de que estava tudo bem. Você já estava aqui há algum tempo. — Eu estive aqui durante dois segundos, seu besta. Eu estava apenas começando a fazer o lanche de Sammy, — disse ela, me empurrando para a porta. — Super protetor, não acha? — Eu? — perguntei. — Nunca. Ao longo da garagem, Bear estava segurando Sammy no banco de sua moto. Embora ele não pudesse alcançar, Sammy ainda estendeu os bracinhos roliços para o guidão. — Vroooom Vroooom. — Ei grandão, você fica bem nessa moto, — eu disse, o pegando do assento e voando ao redor dele no ar como se ele fosse o SuperHomem. Ele riu e bateu as palmas. Parecia a coisa certa ele estar conosco em tempo integral. E de acordo com pequena, é bom para as crianças ter uma rotina. O que quer que isso significasse. Voei Sammy nos braços de sua mãe e eu dei um beijo em seus lábios. — Eeeeeeecaaaaa, — Sammy gritou, balançando em seus braços. Nós dois rimos e eu voltei para Bear. Ele acendeu um cigarro e se encostou em sua moto.

~ 232 ~


Ele deu uma longa tragada, soprando a fumaça pelo nariz. Sem o seu colete, vestindo apenas uma camiseta preta. O couro e patches estavam visivelmente ausentes. Parecia tão vazio quanto o olhar vago em seus olhos. As cicatrizes em seu rosto a partir da noite com Eli ainda estavam vermelhas e visíveis através de sua barba. — Você realmente quer ir? — perguntei, depois de perceber que ambos os seus alforjes já estavam lotados. — Sim, eu já tirei todas as minhas coisas da garagem. Está no armazém agora. — Eu te disse que você pode ficar, — eu disse, repetindo o que eu disse a ele várias vezes ao longo do último mês. — Nós podemos fazer o seu quarto, mover alguma merda. Nós sempre temos espaço para você, irmão. Bear balançou a cabeça. — Depois de toda a merda que aconteceu com a morte de Preppy, então o clube, então a merda com Eli, e, em seguida, a porra do garoto louco... — ele deu outra longa tragada em seu cigarro. — Eu só quero ir embora, cara. Arrumar a porra da minha cabeça. Ver novos ares. Descobrir o que diabos será o meu próximo passo. Eu colei meus olhos no filho da puta. — Você planeja voltar? Bear deu de ombros. — Não sei o que responder ainda. — ele apagou o cigarro e montou sua moto. Ele ligou o motor e ele rugiu para a vida. Com uma única saudação triste, Bear arrancou até a calçada. Uma nuvem de areia solta voou por trás de sua moto, o seguindo na estrada. — Tchauu! — Sammy gritou, pulando para cima e para baixo, acenando freneticamente depois que Bear tinha desaparecido. — Espero que ele encontre o que ele está procurando, — disse pequena quando ela veio ficar ao meu lado. — Eu também, — eu disse. A merda de Bear com seu pai e o MC ainda não tinha sido resolvida. Eu esperava que, onde quer que ele fosse, o tempo longe o ajudasse a por a cabeça no lugar para que ele

~ 233 ~


estivesse pronto para lidar com a tempestade de merda que sem dúvida, viria em sua direção quando ele voltasse.

*****

DOE — Olhe! — disse Samuel, apontando para onde um Lexus bege com vidros escurecidos estava chegando em nossa casa. — Quem diabos é? — perguntou King. Peguei Samuel e dei de ombros. — Nenhuma pista. — mas então me lembrei de que ele se parecia muito com o Lexus da minha mãe, o que eu tinha tentado pegar a noite que eu corri para o MC. O carro parou e King pisou na minha frente e de Sammy, seu corpo instantaneamente apertado. Quando a porta se abriu e o motorista saiu, deixei escapar um suspiro que eu não sabia que eu estava segurando. Era meu pai. — Eu pensei que você ainda estava no hospital, — eu disse, dando um passo a frente. Meu pai não se aproximou. Ele ficou ao lado do carro, com a porta ainda aberta, o carro ainda estava ligado, se inclinando contra a moldura da janela. — Eu me dei alta alguns dias atrás. Cansado de enfermeiros tentando limpar minha bunda quando eu sou perfeitamente capaz de fazer isso sozinho, — disse ele com uma risada curta que o fez tossir e depois estremecer de dor. Foi a primeira vez em anos que eu tinha visto meu pai vestindo nada além de um terno. Ele parecia mais velho sem ter que se esconder. Sua camiseta branca e calça jeans o faziam parecer como qualquer outro pai. — Eu queria vir aqui e dizer que sinto muito, — meu pai disse suas palavras dirigidas para King, que estava logo atrás de mim. King cruzou os braços sobre o peito. Depois que meu pai tentou me resgatar de Tanner, eu sabia que King não estava vendo ele como antes. Ele não estava pronto para gostar dele ou confiar nele, mas com o tempo, acho

~ 234 ~


que ele poderia o tolerar. — Por tanto tempo, — disse ele, as lágrimas brilhando em seus olhos. — Eu deixei um trabalho que eu adoro vir antes do trabalho que eu mais amo, que era ser pai. Eu voltei na minha infância para uma época em que meu pai era apenas um programador de computador, um voluntário feliz no gabinete do prefeito, enchendo envelopes nos fins de semana em nossa sala de estar. Minha mãe sempre tinha sido quieta, infeliz com a vida que ela escolheu para si mesma. Na maioria das vezes era apenas o pai e eu. Ele dobrava os panfletos e eu lambia os envelopes. Éramos uma equipe incrível. Éramos felizes por um tempo. Foi só quando ele começou na política, quando ele começou a se afastar também, se atirando para isso de corpo e alma. Foi por isso que fiz dos meus melhores amigos a minha família. Tanner e Nikki. Olhando para trás, para minha infância, eu ainda não conseguia identificar quando o interruptor tinha sido ligado e eu sabia que Tanner virou o monstro que ele se tornou. Embora seus pobres pais, com a ajuda de um conselheiro, parecem pensar que isso começou após o diagnóstico de leucemia. Era comum para os pacientes que tinham vindo tão de perto a morte desenvolver uma espécie de curiosidade mórbida sobre a morte. Também era comum desenvolver transtornos de humor, tendências violentas e obsessões compulsivas. Tanner desenvolveu todas essas coisas. Ao extremo. O choque de tudo isso veio de como ele era bom em esconder isso tudo. A leucemia pode ter sido o ponto de inflexão, a bifurcação na estrada para a terra de não retorno para Tanner, mas eu sabia que ele tinha começado a abusar Nikki cedo, aos dez anos de idade. Em retrospectiva, houve sinais. Sinais que nenhuma criança jamais teria percebido. Mas esse fato não mudou que eu tive culpa. Tanto que senti como se estivesse carregando uma tonelada de tijolos nas minhas costas.

~ 235 ~


Nikki sempre tinha sido feliz e extrovertida. Ela era mandona, confidente e um pouco linguaruda. Tudo mudou muito lentamente. Ao longo de oito anos, a Nikki que eu conhecia lentamente se afastou e foi substituída pela Nikki que precisava de drogas para lidar com o abuso. Um dia Nikki estava apontando o dedo em Tanner, o chamando de traidor quando obviamente ele nos enganava em um jogo de corrida, avançando nove pontos em vez dos sete que ele conseguiu. No próximo Nikki estava olhando para o jogo sem expressão. Dando de ombros quando Tanner tinha obviamente nos enganado. E, embora Tanner acabasse por ser um monstro, eu não podia evitar lamentar pelo menino que ele costumava ser. Um dos meus melhores amigos. Eu ainda fui ao seu funeral com o King ao meu lado. Eu decidi que mesmo Tanner ter feito todas as coisas horríveis que ele fez, não valia a pena o esforço de me lembrar. E quando eu pensei na minha infância e meus melhores amigos, toda vez que o mal de Tanner começava a rastejar em minha mente, eu parava. Quando King voltou e me disse que estava tudo acabado, era como se um interruptor tivesse sido ligado em minha mente, fechando essa parte da minha vida. Eu não perguntei. Eu não quis saber. Eu só queria viver. — Eu não sei quanto a você, mas eu acho que temos que nos perdoar e desculpar sobre tudo isso. — eu disse. Meu pai concordou. — Mas eu não acho que eu algum dia vou ter pedido desculpas o suficiente, — disse ele, ajeitando os óculos. — Por que você não entra em casa? Estávamos prestes a fazer café da manhã, — eu ofereci. King enrijeceu ao meu lado e eu lhe dei uma cotovelada. Meu pai sorriu. — O que me leva a verdadeira razão pela qual estou aqui, — disse ele, chegando ao carro e desligando o motor. Ele finalmente fechou a porta e caminhou para o lado do passageiro. Ele abriu a porta. — Está tudo bem, você pode sair. Você está em casa agora, — disse ele no carro. Com quem ele estava falando? E então eu tive que piscar várias vezes para me certificar de que o que estava na minha frente estava realmente acontecendo. Meus olhos

~ 236 ~


se arregalaram no segundo que as tranças louras saíram atrás da porta. Quando sua pequena sapatilha bateu no chão, meus olhos se lançaram para King e vi como o peso do que estava acontecendo veio esmagamento sobre ele. Ele caiu de joelhos sobre o cascalho, com as mãos cobrindo a boca aberta. Meu pai se ajoelhou ao lado da menina e apontou para King. — Se lembra dele das imagens que lhe mostrei? — ele perguntou a ela. A menina assentiu. — E quem é esse? — Papai. — ela segurou a bainha de seu vestido branco nas pequenas mãos e balançou de um lado para o outro. King soltou um suspiro audível, as lágrimas brotaram de seus olhos. — Você quer ir dar a seu pai um abraço? — meu pai lhe perguntou. Timidamente a menina se arrastou para King, olhando para os sapatos. Quando ela parou bem na frente de King, ela olhou para cima. E ela sorriu. — Oi papai, — ela disse. King abriu os braços e ela correu para ele, fechando os braços em volta de seu pescoço. Os ombros de King subiam e desciam quando ela enterrou a cabeça em seu pescoço. Ele a segurou firmemente, com as mãos na parte de trás de sua cabeça. Olhando para o meu pai em completa descrença, eu o encontrei sorrindo calorosamente para Max e King e o reencontro há muito esperado. — Oi, Max. Oi, baby, — disse King, recuando para que ele pudesse dar uma boa olhada em sua menina, lágrimas em seu rostinho vermelho. — Por que você está chorando, princesa? — perguntou King. — Porque eu estou feliz, — disse ela entre a ingestão de falta de ar. — Eu também, baby, — disse ele, a puxando novamente para outro abraço, desta vez se levantando com ela em seus braços. — Eu também.

~ 237 ~


Eu não tinha percebido que eu estava chorando até que Sammy estendeu a mão e enxugou uma lágrima do meu rosto. — Não mamãe, não chore. — Elas são lágrimas de felicidade, querido. Lágrimas muito felizes, — eu disse a ele. — Como? — perguntou King. — Eu liguei para o juiz. Acontece que eu poderia fazer mais do que apenas escrever uma carta de recomendação, afinal, — meu pai disse. — Ela é nossa? — perguntou King. Eu poderia dizer que ele estava esperando para acreditar. Por alguém vir e a levar ou para meu pai lhe dizer que esta foi apenas uma visita. Meu pai concordou. — Você vai ter uma reunião com o conselheiro, ter alguns encontros para pais e haverá algumas visitas domiciliares. Coisas que eu não há como eu ter me livrado delas. — ele riu nervosamente. — Mas o juiz já ajeitou tudo. Ela é toda sua. King se levantou e se aproximou de mim. E lá estávamos nós. King estava segurando sua filha nos braços. Eu estava segurando meu filho nos meus. Nosso bebê crescendo em minha barriga. — Oi, — Sammy disse para Max. Max apertou o lado de seu rosto no peito de King. — Oiiiii, — ela cantou, entre os dedos em sua boca. Ela olhou para mim e seus olhos se arregalaram com o reconhecimento imediato e seus olhos foram para meu pulso. — Eu ainda tenho isso, — eu disse, a segurando para que ela pudesse ver. — E você? — Max ergueu seu pulso e deu uma risadinha. — Mamãe, você ainda está fazendo panquecas? — Sammy interrompeu, puxando as pontas do meu cabelo para chamar minha atenção. Lágrimas formaram nos meus olhos quando olhei ao redor da minha família. Minha família real.

~ 238 ~


A única que eu deveria ter. Eu empurrei o cabelo de Sammy de seus olhos e dei um beijo em sua testa. Eu olhei para King que sorriu de orelha a orelha, um raro sorriso, seus olhos brilhando com suas próprias lágrimas felizes. King estendeu a mão e agarrou a minha. Eu lhe dei um aperto e sorri. — Sim, panquecas. Eu estava finalmente em casa.

~ 239 ~


Epílogo KING — Estou feliz por não apenas te matar na primeira oportunidade que tive. Acontece que te manter vivo serviu a um propósito maior. Então, de certa forma, eu sou grato que você está aqui agora, ainda respirando. — debrucei sobre a cadeira e olhei para a alma negra do filho da puta. — Você vai me deixar ir? — perguntou Eli, com o rosto inchado e sangrando, coberto de queimaduras por causa da fogueira. — De jeito nenhuma, pedaço de merda. Você vai morrer. Mas não agora e não pela minha mão. Eu tenho planos especiais para você. — O-ooo que que você vai fazer? — Eli gaguejou. — Eu vou dar você a um amigo meu. Que, em troca de um pouco de tempo de diversão com você esta noite, me ajudou a matar outro filho da puta idiota que decidiu foder com a merda da pessoa errada. — me levantei e estralei meus dedos, abrindo espaço para Jake aparecer. Os olhos de Eli saltaram. — Eu sei quem é você! — disse Eli. — O chamam... O Moerdenaar. — Ótimo. — eu disse, batendo as palmas. Então vocês dois já estão familiarizados. — eu me empurrei da parede e me dirigi para a porta, deixando Jake olhando silenciosamente para Eli, seus olhos negros, o demônio dentro dele pronto para fazer o que faz melhor. Matar. — Mas você acabou de dizer que eu não ia morrer agora, — Eli chamou freneticamente por mim quando eu abri a porta do galpão. — Você não vai, — eu disse. — Jake aqui cancelou sua agenda. — eu derrubei meu queixo para Jake. — Ele é todo seu por essa noite. Com quilômetros e quilômetros de nada, além de mar em todas as direções, Jake poderia fazer Eli gritar tão alto quanto ele queria. Que foi

~ 240 ~


exatamente o que ele fez, porque eu não tinha andado dez passos antes do grito de Eli atravessar a noite. Eu parei para acender um cigarro e sorri para mim. Eu assobiei todo o caminho para a minha moto. Naquela noite, com minha garota aconchegada perto de mim, minha mão sobre a sua barriga crescendo, Max e Sammy dormindo no antigo quarto de Preppy; eu era capaz de tomar uma respiração profunda muito aguardada e longa. Os sons de Tanner e Eli implorando e gritando por suas vidas me induziram a um sono muito profundo e muito feliz.

DOE Cinco meses mais tarde Eu estava sentada na mesa da cozinha trabalhando em um esboço de uma tatuagem de um dos clientes de King, meus pés inchados apoiados em uma das outras cadeiras, quando King veio estourando da cozinha com olhar frustrado. — Baby, você viu minhas chaves? Elas estavam em cima da mesa e agora não consigo encontra-las, — disse King, procurando através das gavetas e armários. Eu olhei para cima de meu esboço. — Não, talvez uma das crianças pegou? — Eu não vejo como elas poderiam, eu estava com elas uma hora antes quando eu as deixei com Grace. — eu descansei minhas mãos na minha barriga, o bebê, outra menina, tinha o chute tão feroz que meu estômago saltava a cada alguns segundos. — Queria tentar... — meu pensamento foi interrompido quando um som explodindo da sala de estar apanhou a nossa atenção. Nós lentamente nos viramos para a TV, que estava mudando de canal por canal. — Que porra é essa? — perguntou King, entrando na sala de estar. Ele pegou o controle remoto da mesa e começou a apertar os ~ 241 ~


botões, mas a TV ficava mudando os canais no mesmo ritmo de antes até finalmente parar. Puta Merda. Puta. Que. Pariu. American Ninja Warrior — Verifique o freezer, — eu disse. — Por que diabos... — King começou. — Suas chaves, elas estão no congelador, — eu disse, me virando para King, que olhou para mim como se eu fosse tão louca como eu me sentia. Relutantemente, ele foi até a cozinha e com certeza ele pegou suas chaves do congelador e balançava no ar. — Quem diabos as colocou lá dentro? — perguntou King. Porra, sim eu estou aqui. Eu sempre estarei aqui... — Um amigo, — eu disse, enxugando uma lágrima do meu olho. — Meu melhor amigo.

~ 242 ~


Tyrant - King #2 T.M. Frazier