Issuu on Google+

~1~


T.M. Frazier #6 Preppy: The Life & Death of Samuel Clearwater, Parte Dois Série King

Tradução Mecânica: Anne Pimenta Revisão Inicial: Gio, Bia, Gabi, Lu L., Day, Le,Il, Dani, Li, Si, Carla e Nath Revisão Final: Anne Pimenta Leitura Final: Bia Data: 02/2017

Preppy Copyright © 2017 T.M. Frazier

~2~


SINOPSE Preppy se encontra de volta em um mundo que ele amou uma vez, mas não reconhece mais. Seu sorriso fraco não pode esconder sua agitação interior e as pessoas que ele vê como família de repente parecem estranhos. Exceto uma pessoa. Uma menina com olhos escuros e cabelo ainda mais escuro. Uma garota que nem é sequer uma opção. Pelo menos, não mais. Dre não pode decidir quem ela vai ouvir. Seu coração, sua cabeça, ou seu corpo. Porque duas dessas três coisas a levam de volta para a Logan’s Beach. Encerramento é o que ela diz a si mesma que ela está procurando, mas quando ela abre as portas que nunca foram destinadas a serem abertas, ela logo descobre que, quando se trata de Samuel Clearwater, encerramento NUNCA pode ser uma opção.

Este é o livro seis da Série King e a segunda parte da história de Preppy e Dre.

~3~


A SĂŠrie

~4~


Prologo PREPPY Há uma luz ao longe. Está brilhando, queimando, e cegando como a porra do inferno. Esta fora do meu alcance. A um sopro de distância. Posso falar sobre isso. Posso pensar nisso, mas é quase como se não fosse real. Como se não estivesse realmente lá, e isso me deixa louco, porque tudo que eu posso pensar é em alcançá-la. Alcançá-la por você. Porque como minha carta dizia, VOCÊ é minha luz quando eu estou cercado por nada além de escuridão. Eu tento ignorar isso, ignorar os ecos do meu nome sendo chamado entre o tempo e o espaço, porque FODA-SE a morte. Foda-se qualquer coisa que tentar me impedir de encontrar meu caminho de volta para você. Se e quando eu estiver liberto das amarras que me mantêm preso às portas do inferno, não tenho dúvidas, eu vou voltar para você, Doc. Porque VOCÊ é o que me manteve vivo todos esses meses. Me manteve querendo estar vivo. O que é difícil pra caralho às vezes, porque quando a morte me chama, ela soa como um velho amigo oferecendo o conforto que seria tão fácil aceitar. Mas você me conhece, provavelmente melhor do que ninguém, e eu nunca fui um homem que toma o caminho mais fácil. Talvez seja por isso que eu escolhi tomar o caminho de volta para você. Para os EUA. O Ceifador veio até mim, e ele exigiu que eu pegasse a mão dele e disse que era meu amigo, meu companheiro na morte.

~5~


Eu não pude evitar rir naquela cara de merda dele e dizer que a sua irmã é uma boqueteira. Felizmente, ele me enviou de volta para o outro lado do rio para o meu feliz e fodido caminho. De volta à vida. De volta à POSSIBILIDADE. Há muito tempo, quando eu era apenas um menino pequeno e magro sendo espancado por um valentão no pátio da escola, conheci alguém que me defendeu quando ninguém mais o faria. Planejamos ser nossos próprios patrões naquele mesmo dia. Não importava que fôssemos apenas crianças, porque o queríamos dizer naquela época é o mesmo que quero dizer agora mesmo. É por isso que, quando me deparo com o final da minha vida, eu cuspo no rosto do Ceifador. Porque meu nome é Samuel Clearwater, e eu não recebo ordens de ninguém. Nem mesmo da morte.

~6~


Um DRE — O que ele quis dizer com isso? — Ray perguntou, parando ao meu lado na cabeceira da cama de Preppy. Depois de sua explosão súbita, ele dormiu de novo, deixando-me mais desorientada do que quando entrei para encontrá-lo VIVO. — Por que ele te chamou de esposa? Eu balancei a cabeça. — Eu... eu não sei, — eu respondi, sem conseguir me concentrar em sua pergunta, ainda consumida com o fato de que Preppy estava vivo. Espancado e nada parecido com o seu antigo eu. Mas VIVO. — Provavelmente era apenas besteira, — disse Bear à porta. — Ele tem resmungado um pouco nos últimos dias. Um dos médicos acha que é um sinal de que seu corpo está curado o suficiente para lutar contra o coma. Ele disse que ainda pode levar algumas semanas, mas é um bom sinal. — Sim, mas os outros dois idiotas acham que pode ser apenas reflexo, e isso não significa merda nenhuma — acrescentou King, parecendo um pouco cético. — Como... como isso... como isso é possível? — eu perguntei, cobrindo minha boca aberta com a mão. Eu me inclinei sobre corpo dele como se estivesse checando para ver se ele era real ou se meus olhos chorosos me enganavam. Seu peito subiu e desceu, e soou como a música mais bonita que eu já ouvi. Ray parou quando ela estava prestes a responder, como se estivesse considerando minha presença com um novo tipo de ceticismo. Ela olhou fixamente para onde minha mão estava tocando Preppy. Aparentemente, ela foi a única que questionou minhas intenções,

~7~


porque os outros três que estavam com ela tinham desaparecido da porta, deixando nós duas sozinhas no quarto. Sozinhas não. Com PREPPY. Apertei sua mão e soltei um suspiro de alívio, enviando alguns agradecimentos ao universo com alguns soluços engasgados. — Ele estava... — Ray olhou para o chão e arrastou os pés. Ela cruzou os braços sobre o peito. — Ele esteve aqui o tempo todo. Em Logan's Beach — ela disse, como se ainda não conseguisse acreditar. Eu engasguei. — Por quê? Como? — Nós não sabemos muitos detalhes. Apenas que ele estava sendo mantido preso e que o cara que o estava prendendo deve ter um monte de gente no bolso para fazer todos acreditarem que Preppy estava morto. — O que a polícia disse? Ficou claro quão estúpida minha pergunta deve ter soado quando Ray inclinou a cabeça para o lado. — Quão bem você conhecia o Preppy? — Bem o suficiente para saber que foi idiota perguntar sobre o envolvimento da polícia. — eu lhe mostrei um sorriso. Ray assentiu como se eu tivesse respondido corretamente. — King e Bear estão nisso. Eles não estão confiando em ninguém para investigar se não eles mesmos. Eles passaram a maior parte das noites até o sol nascer analisando teorias e reconstruindo todos os passos para descobrir quem mais poderia estar envolvido. — ela apontou para Preppy — Mas só ele sabe o que aconteceu lá embaixo, e não há como um único segundo disso ter sido algo bom. A única coisa que sabemos é que ele tem sorte de estar vivo. Nós todos temos muita sorte de ele estar vivo. — Sim, sim, temos — eu concordei, voltando minhas atenções para Preppy cujas sobrancelhas estavam apontando para o meio do rosto em um V afiado como se ele estivesse tendo um pesadelo do qual ele não conseguia escapar.

~8~


— Você disse que era amiga dele? — Ray perguntou novamente como se ela precisasse de mais esclarecimentos do que eu tinha dado a ela. Então somos duas. — Nós nos conhecemos há muito tempo — eu disse, sem saber qual era a resposta certa. Eu não tinha ideia do que tínhamos sido, apenas o que não nos tornamos. — Preppy salvou minha vida uma vez, — eu disse a ela para dar algo sobre minha conexão com Preppy. — Mais de uma vez. — eu ri e enxuguei uma lágrima que corria em minha bochecha. Preppy de repente se sentou com um rugido assustado, seus braços estendidos e antes que eu pudesse engolir o soluço assustado ameaçando escapar da minha boca, suas mãos estavam enroladas firmemente em volta da minha garganta. Espremendo, apertando, até que eu vi estrelas e minha traqueia estava se fechando sob o poder do seu implacável aperto. A pressão por trás dos meus olhos estava aumentando até parecer que iam saltar da minha cabeça. Senti os vasos sanguíneos explodirem em raiva sob sua força. Eu não podia nem mesmo gritar. Preppy me empurrou grosseiramente. Minhas omoplatas picavam quando eu bati na parede. Um relógio de plástico colorido caiu da parede em minha cabeça antes de cair no chão. Uma estranha versão de ‘someday my prince will come’ tocou lentamente do relógio enquanto Preppy olhava intensamente para os meus olhos com todos as veias em seu pescoço tensas e seus dentes rangendo. Eu procurei seus olhos para algum flash de reconhecimento, mas não estava lá. Eu sabia pelo olhar amortecido em seus olhos que não era ele, para ele eu nem estava lá. Ele apertou minha garganta mais forte. Seus quadris me prenderam no lugar. Fiquei mais fraca e fraca a cada segundo. Não houve nenhuma luta. Não havia como ganhar. Eu ia morrer, e se eu pudesse rir, naquele momento eu teria, porque o meu pensamento final era que pelo menos eu tinha visto Preppy antes da minha morte, mesmo se ele fosse aquele que me mataria. Usando seu aperto ao redor de minha garganta como se sua mão fosse um colarinho e seu braço minha coleira, ele me levantou da parede e por um segundo eu senti como se ele fosse me soltar.

~9~


Em vez disso, ele me bateu de volta, com mais força. Desta vez foi uma prateleira de livros para colorir que choveu sobre nós. Havia gritos, uma legião inaudível de vozes masculinas e femininas, mas eles começaram a desaparecer tão rapidamente como surgiram. De repente, a pressão ao redor do meu pescoço tinha desaparecido, e eu caí no chão, ofegando por ar que eu não conseguia encontrar. As respirações rasas que eu consegui me machucavam como se alguém pusesse fogo em minha garganta. Era uma respiração de merda. Mas pelo menos eu estava respirando. Minha visão voltou lentamente e as vozes que pareciam tão distantes apenas momentos atrás estavam agora bem na minha frente. King e Bear tinham segurado Preppy pelos ombros. Eles o arrastaram contra a parede oposta em direção à cama. Ele gritou, alto e terrível. O som disparou diretamente através de mim. Foi então que eles lutaram contra ele e o colocaram de volta na cama quando ele falou. — Filhos da puta, saiam de mim! Não posso. Eu não posso! — seus gritos se transformaram em soluços, e eu observei quando sua força lentamente deixou seu corpo. Seus olhos rolaram para trás em sua cabeça, e seu corpo ficou mole. Depois de apenas alguns segundos, seu peito começou a subir e descer com firmeza, e ele se tornou uma pilha de membros finos pendurados no colchão. No segundo em que eu sabia que ele estava a salvo, eu saí do quarto, minhas mãos se envolveram em minha garganta ferida. Parei na porta da frente, temporariamente cega pela luz do sol, e por ELE. — Espere! — Ray chamou atrás de mim, mas eu não parei. Um pé na frente do outro até que eu estava no carro e acelerando na estrada no dobro do limite de velocidade. Eu parei no primeiro estacionamento que encontrei. Uma farmácia. Desliguei o carro e deixei minha cabeça cair no volante. Soluços escaparam. Gritos de alívio e confusão irromperam de mim como um vulcão de emoção reprimida. Depois de sentar lá pelo que pareceu apenas alguns minutos, eu finalmente me estabilizei o suficiente para ser capaz de sentar direito e verificar a hora. Não, não foram alguns minutos. Foram algumas horas.

~ 10 ~


Eu enxuguei as lágrimas das minhas bochechas com os dedos. Então, do nada, como se eu não tivesse controle sobre minhas emoções ou reações, comecei a rir. Preppy... estava vivo. Ele estava vivo. Minha risada ficou mais alta. Maníaca. Um cacarejo alto, mesmo que eu não reconhecesse. Toda a situação era inacreditável. Irreal até. Absurda. Surreal. Bonita. Um maldito milagre. Tanto para acabar assim.

~ 11 ~


Dois DRE Parei na entrada da casa de Mirna e inspirei profundamente, absorvendo todos os cheiros que eu tinha sentido falta nos últimos anos. A água salgada do Golfo do México, em uma distância não muito longe, as laranjas de uma dúzia ou mais arvoredos sobre a cidade, e o perfume de dar água na boca de barbecue que eu poderia praticamente provar no ar nas proximidades da estrada. Todos os cheiros de Logan's Beach. Todos os cheiros de casa. Mas parecia estranho. Como se o céu não tivesse sido tão azul. Não deveria haver quaisquer nuvens macias brancas perfeitas no cenário que flutuava sobre ele. Parecia errado que os semáforos ainda mudassem de vermelho para verde e de volta, e que as crianças em bicicletas enferrujadas perseguissem o caminhão de sorvete na rua, os alto-falantes quebrados tocando uma versão assombrada de uma melodia tipicamente otimista. Nem sequer comecei a falar dos fodidos sinos da igreja. A coisa engraçada sobre a vida é que mesmo que algo totalmente traumático estilhace você ao seu núcleo, algo que te balance fora de seu caminho, o mundo ao seu redor de alguma forma não sente o impacto. Ou não dá a mínima. Enquanto isso, lá estava eu, sob a luz do sol, no mais belo dia de verão, esperando ser atingida pelo meteoro que matava os dinossauros. Eu estava no limite, contorcendo-me como se não tivesse sido anos desde que eu me entreguei aos meus desejos de heroína. Eu amava tudo sobre Logan's Beach, mas não conseguia aproveitar. Quase como eu me sentisse culpada que eu podia sentir o cheiro dessas coisas

~ 12 ~


incríveis enquanto Preppy não podia. Não agora naquela cama e provavelmente não de onde quer que ele estava no último ano. Eu tive que pôr fim a meus pensamentos antes que eles viessem à minha frente. Fechando os olhos com força, afastei-me das milhares de coisas ruins correndo pela minha mente. Duas crianças escolheram esse momento para entrar na rua rindo como hienas raivosas. Uma estava em uma bicicleta, rebocando a outra que estava sentada em um skate. Elas me lembraram o quanto eu costumava me divertir com a minha meia-irmã quando eu era mais jovem. Dei a elas o meu melhor dedo do meio mental. Não porque elas mereciam o gesto, mas porque eu não tinha ideia de como colocar um pé na frente do outro, e elas estavam tendo o maior divertimento de suas vidas. Talvez eu devesse sair com elas. Ainda bem que o mundo continuou, porque se ele pausasse para combinar com o que estava acontecendo dentro de mim, ele teria parecido muito menos como o céu azul e bicicletas, e muito mais como zumbi e apocalipse. Foco, Dre, eu me castiguei. Você tem que se concentrar. Pelo seu pai. — Ei, Dre, você está aí? — Brandon perguntou, acenando com a mão um centímetro na frente do meu rosto. — Você estava totalmente fora. Eu afastei sua mão e ele riu. — Desculpe, estou um pouco preocupada. — Nós não temos que fazer isso hoje, — disse Brandon. — Parece que o que aconteceu foi duro. Qualquer um estaria lutando agora; você não precisa... — Não, eu preciso fazer isso. Eu preciso fazer algo para ocupar minha mente, ou eu ficarei louca pensando... — eu parei, saltando de pé a pé. — Nele, — Brandon terminou por mim. Ele sempre soube o que eu estava prestes a dizer e nunca me deixou fugir com o meu instinto de manter as coisas engarrafadas. — Você está se perguntando onde

~ 13 ~


você vai daqui, certo? Agora que ele está vivo? — não havia julgamento em sua voz. Apenas preocupação. Eu balancei a cabeça. — Não, quero dizer, sim? Brandon revirou os olhos e me girou pelos ombros para encará-lo. Ele acenou com os dedos em um movimento de ‘continue’, e eu sabia que ele queria que eu continuasse porque era o que ele sempre fazia quando eu era teimosa com minhas palavras. Eu respirei fundo. — Eu acredito que sim, eu não sei para onde ir a partir daqui, mas a verdade é que eu não sei se ele vai se recuperar ainda, os médicos nem sequer sabem. Então uma parte de mim não quer pensar nele como vivo ainda, porque tudo poderia mudar de novo... — minha voz rachou, e meus olhos caíram para o cascalho. — Ei, olhe aqui em cima, — Brandon disse, tomando meu queixo e dirigindo meu olhar de volta para ele. — Continue. — E mesmo se ele... — eu limpei minha garganta. — Sobreviver? Não muda nada. Ele ainda me dispensou. Ele ainda disse coisas e fez coisas para me ferir propositadamente, porque ele não me queria. — Mas ele queria você. Ele escreveu aquela carta, e isso foi anos depois que você partiu. — Sim, mas isso foi a um ano atrás agora. E o que Preppy passou foi uma situação que só Deus sabe, que mudou a sua vida. E mesmo que tudo isso não fosse um fator, ainda há uma razão gigantesca para que ambos saibam que não terminaria com rosas e sol, então podemos voltar a falar sobre a casa agora? — perguntei. Sorrindo de uma maneira ridiculamente estranha que expôs os meus dentes superiores e inferiores e fez o meu rosto parecer que foi pego em um túnel de vento. — Tudo bem, mas isso não acabou, ainda vamos falar sobre isso, — disse Brandon, apertando minha bochecha para virar o rosto de volta ao normal. — Promete? — eu perguntei, sarcasticamente. — Espertinha, — ele murmurou. Brandon inclinou o queixo para a casa. — Você sabe, seu pai não pediu para você fazer isso, — ele apontou. — E eu tenho certeza que ele ficaria chateado se descobrisse. — Bem, então, não vamos dizer a ele agora, vamos? — Pensei que parte da sua coisa de NA era não mentir.

~ 14 ~


— Não é como se eu estivesse dizendo a ele que estou levando o carro dele para uma carona até o shopping, quando na realidade eu estou planejando trocá-lo em uma loja por um dia de droga. Não é como se eu estivesse mentindo; estou simplesmente omitindo a verdade para seu benefício, não em detrimento dele. — O que quer que te deixe dormir à noite, — disse Brandon, revirando os olhos dramaticamente. Ele empurrou as mangas de sua camisa abotoada nos antebraço. — Certifique-se de contar para sua supervisora, Andrea. Acho que ela vai ter algo a dizer sobre a lógica que você inventou. — Deixe Edna fora disto, — eu adverti brincando, abanando o dedo para ele. Eu protegi meus olhos do sol quando eu me virei de Brandon para olhar amorosamente para alguém que eu amava. Alguém muito mais velho, mostrando muito mais desgaste. A casa de Mirna. E porque Preppy estava preso à sua palavra, MINHA casa. Meu coração pulou uma batida quando dei uma olhada. Imediatamente, eu avistei as linhas no pilar da varanda da frente, onde meu avô costumava marcar a minha altura quando criança, e a luz torta do lado da casa que ficou assim quando eu estava testando um conjunto de tiro com arco que minha avó tinha me dado pelo meu aniversário de um ano. Eu até amei o modo como todas as árvores na frente da casa se inclinavam para a esquerda, o resultado de um furacão que atingiu no verão quando tinha nove anos. Minha velha amiga precisava de algum conserto, tendo sido negligenciada por alguns anos, mas ela ainda era bonita para mim. Ela sempre seria. Mesmo que ela não fosse minha por muito mais tempo. O degrau na varanda, o que eu tinha ajeitado antes, estava deformado novamente. Desta vez o outro lado estava curvado para cima em uma posição de asa como se estivesse prestes a tomar voo. O telhado tinha perdido um monte de telhas, deixando manchas manchadas o papel de alcatrão desbotado espreitando por baixo. Toda a casa era como um outro personagem na história da minha vida. Um importante.

~ 15 ~


Durante toda a reabilitação, receber meu GED, ir para a faculdade da comunidade local, eu sempre tive essa ideia. Um plano para me mudar para Logan's Beach permanentemente depois que eu me formasse. Eu arrumaria a casa e a tornaria um lugar que eu poderia ficar orgulhosa em uma cidade que eu nunca consegui me afastar completamente. Para melhor ou pior, Logan's Beach era uma parte de mim. Um lugar onde minha vida quase terminou, e onde quase começou. No entanto, se eu tivesse aprendido alguma coisa sobre a vida pós-reabilitação, é que os planos mudam, e você deve aprender a se adaptar. Primeira ordem de ajuste: Vender a casa para ajudar o meu pai. — Você sempre falou sobre o quanto você ama este lugar, — disse Brandon com o nariz enrugado enquanto olhava para ela, como se ele não conseguisse entender o apelo em uma casa velha e desgrenhada em uma estrada esquecida no meio de uma pequena cidade com duas luzes na rua e três sinais de paragem. — Eu amo este lugar, — eu discuti. — Mas eu amo mais o meu pai. Vendê-la é o mínimo que posso fazer por ele. — Dre, não é culpa sua que o negócio dele não está indo bem, — Brandon apontou. — Ele é dono de uma livraria quando o mundo mudou para comprar livros on-line através da Bookazon.com. — Eu sei, mas é minha culpa que ele fez uma segunda hipoteca para me enviar para a reabilitação e um empréstimo pessoal para me enviar para a faculdade. Ele até trouxe Mirna para viver perto da gente em uma instituição que custava muito mais e assumiu todas as suas despesas porque eu queria estar perto dela em seus últimos dias. É por minha causa que ele está nadando em dívidas. Posso não ser a razão pela qual seu negócio está falhando, mas EU sou a razão pela qual ele está perdendo a casa dele. — eu disse, engasgando quando pensei em toda a dor que meu vício e minhas mentiras e minha falta de dar a mínima tinha feito com ele através dos anos. Brandon levantou uma sobrancelha para mim e enfiou os polegares no cinto. Ele olhou para a casa e depois para mim. Parecendo confuso e fora de lugar. Manchas de suor se formaram em torno do colar de sua camisa branca, o material muito grosso para o calor úmido do sul da Flórida. A umidade fez com que seu cabelo escuro

~ 16 ~


normalmente domado saltasse para fora de sua cabeça em todos os ângulos disponíveis. Sua pele excessivamente bronzeada se destacava contra sua camisa branca que ele tirou da cintura de suas calças, abanando-a para cima e para baixo para puxar ar por baixo. Se eu o observasse por muito mais tempo, eu tinha certeza que ele iria derreter ali mesmo na entrada de automóveis. Caminhei até a varanda e testei o primeiro degrau com a minha sapatilha, e ele se desintegrou em migalhas sob o menor pedaço de pressão. — Meu pai precisa da minha ajuda. Ele só NÃO pede por ela. Você sabe como ele é teimoso; você costumava trabalhar para ele. Além disso, ele ainda me vê como uma criança, como uma viciada, ele não quer me pressionar. — eu testei mais dois degraus que aguentaram um pouco melhor do que o que se transformou em pó de madeira. — Eu acho que ele tem medo de me empurrar para o limite novamente. — saltei os degraus e caminhei até a garagem. Passei a mão pela porta da garagem de uma só vaga, deixando uma marca na poeira que a cobria. Lembrando todas as coisas que meu avô me ensinou dentro dessa garagem. Pintura, soldadura, perfuração. — Seu pai te ama, — Brandon disse quando eu me juntei a ele na varanda. Ele seguiu meu rastro com cuidado até os degraus, apenas colocando seu pé onde o meu tinha acabado de provar que não iria cair no espaço abaixo. — Eu sei. E eu amo o meu pai. É por isso que estou fazendo isso. E se não fosse pelos avisos de atraso que encontrei empurrados em uma gaveta em sua cozinha e no processo da companhia de hipotecas em sua mesa, eu ainda não saberia que ele estava perdendo a casa dele. — Mas mesmo assim. Esta casa é especial para você. Parece que você vai transar com ela pelo amor de Deus, — disse Brandon com uma risada. — Eu não sei sobre esta parte de transar, — eu disse, retornando seu sorriso. — Mas é especial para mim. Sempre será, — eu admiti, — Mas se eu soubesse antes o que papai estava passando, eu teria vendido muito mais cedo. Ele nunca deveria ter... — Pare, Dre. Você precisava de reabilitação. Você precisava ir para a faculdade. Seu pai fez a coisa certa com você. Ele não te disse porque ele não quer que você se preocupe. Eu pensei que você tinha parado de culpar a si mesma? Não é outra das suas coisas de NA? — Brandon me puxou para o lado e me deu um rápido beijo na cabeça ~ 17 ~


antes de me soltar. Brandon e eu não tínhamos nenhum segredo. Ele conhecia todo o meu lado escuro e sujo, e eu conhecia todos os seus, embora colar em um teste na sexta série é tão escuro e sujo como Brandon já tinha chegado. — Obrigada, Squeaky, — eu disse, usando meu apelido para ele. — Estou sempre trabalhando nisso. Abri a porta da frente com calma, lembrando-me do modo como Mirna costumava estar do outro lado para me cumprimentar com um sorriso e seus famosos biscoitos. Parecia errado que ela não estivesse por perto. Na casa, ou no mundo. Mirna morreu seis meses atrás. — Bem, se você é inflexível sobre esta venda, então eu insisto em te ajudar a consertar este lugar, — Brandon disse, alisando seu cabelo castanho para trás com as duas mãos. Ele desabotoou a camisa, revelando mais suor empapando a parte superior branca. — O que você precisa que eu faça? Eu arqueei uma sobrancelha para ele. — Você? Ajudar? O que você sabe sobre consertar uma casa? — Nada mesmo, — ele admitiu com uma risada, seus olhos cinza escuros iluminados com diversão. Seu sorriso grande mostrou uns dentes brancos mais brilhantes do que deve ser capaz de caber em uma boca. — Mas você sabe sobre todas essas coisas, e você pode me ensinar. Sou um aprendiz rápido. Além disso, pra que você acha que eu vim até aqui? — Porque meu pai pediu para você cuidar de mim, — respondi honestamente. — Não, para o apoio moral e serviços manuais, — disse Brandon. Eu tentei conter minha risada. A última coisa útil que vi Brandon tentar fazer foi quando ele pendurou um quadro. Dentro de três minutos ele caiu da parede. Eu o coloquei de volta. A casa iria precisar de muito trabalho para trazê-la até condição vendável, mas o tempo não estava do meu lado. Eu precisava de qualquer mão oferecida, então Brandon era a única mão que oferecia. — Tudo bem, Brandon, vamos então. Eu sou Tim, o Homem-Ferramenta, e você é Al.

~ 18 ~


— Por que eu tenho que ser Al? — Brandon gemeu. — Ele usa xadrez. — Mais pelos faciais, — eu brinquei, mas meu sorriso rapidamente caiu no segundo que eu entrei na sala de estar e uma poderosa sensação de deja-vu bateu em mim. Então as lembranças voltaram para mim uma a uma como se estivesse experimentando tudo de novo. Sentada na sala tentando persuadir a minha avó, correndo das balas de Preppy para o bosque, meditando com Mirna no quintal, e dormindo com o corpo de Preppy envolto em torno do meu na minha pequena cama. Calafrios dançaram em minha espinha. Assim quando eu cheguei à cozinha, outra rodada de lembranças tomou forma em minha mente e uma garganta limpou atrás de nós. Eu pulei para encontrar Ray de pé na porta. Seus longos cabelos loiros estavam retos, a brisa que soprava através da varanda fazia com que ela tivesse que ficar colocando os cabelos atrás das orelhas. Ela usava uma simples camiseta branca e um par de shorts. Um bebê, não mais velho que seis meses, preso no quadril de Ray, usava roupa toda cor-derosa. A pequena compartilhava os mesmos olhos azuis brilhantes que Ray. Meu coração apertou quando o bebê riu, puxando o colar que Ray usava ao redor de seu pescoço. — Olá, Ray, entre, — eu disse, e então meus pensamentos imediatamente foram para Preppy. — Está tudo bem? — eu tentei não deixar minha súbita sensação de pânico se infiltrar em minha voz. — Sim, está tudo bem. Eu só queria passar por aqui e dizer que sinto muito pelo que aconteceu esta manhã com Preppy, — Ray disse, olhando ao redor da sala vazia enquanto realocava o bebê rindo. — Não é sua culpa. Não é culpa de ninguém, — eu disse. — Espere, como você soube onde eu estava? — Cidade pequena. Só tenho que jogar uma pedra na direção certa. — Olá, sou Brandon, — disse Brandon, apresentando-se e estendendo a mão para Ray. — Oi, muito prazer em conhecê-lo, Brandon, — Ray disse. — Eu sou Ray e aqui está a pequena Nicole Grace.

~ 19 ~


— Impressionante, como Grace de Grace? — eu perguntei quando Brandon e Ray apertaram as mãos. Ray inclinou a cabeça para o lado. — Sim, como a única — ela disse, cobrindo sua reação suspeita com outro sorriso. — Bem, prazer em conhecê-la, Nicole Grace — Brandon murmurou em sua melhor voz de bebê. Ele apertou a mão do bebê com o polegar. — Me desculpe. Eu deveria ter apresentado vocês dois — eu me desculpei. — Eu tenho muito na cabeça agora, e parece que meus costumes não fizeram a lista. — Não se preocupe, — disse Ray, dando uma volta pela sala, examinando as paredes nuas e as vigas de madeira penduradas que atravessavam o teto. — Eu vi a placa de venda no carro. Este é a sua casa? Você está vendendo? Eu balancei a cabeça. — Costumava ser da minha avó, — eu me balancei nos meus calcanhares com as mãos nos bolsos de trás, feliz por estar de volta à casa, mesmo que fosse por pouco tempo. — É linda, — disse Ray, admirando a vista do quintal pela imunda janela da cozinha. Mesmo que o lugar estivesse em ruínas, eu acreditava que seu elogio era genuíno, porque ela estava olhando ao redor como se ela pudesse ver o que a casa poderia ser novamente, e não o lugar que era. — Vou manter meus ouvidos abertos, e se eu ouvir sobre alguém que está querendo comprar, eu vou manda-los para cá — ela ofereceu. — Bem, então eu vou te dar a grande turnê e você vai saber para o que vai mandá-los — eu disse, abrindo caminho pelo corredor. Ray seguiu atrás. — Embora eu devo avisá-la. A casa não é supergrande, então vai ser uma turnê muito curta. — Ray riu, assim como o bebê. — Vou buscar o resto no carro — disse Brandon, saindo pela porta da frente. — Meu avô construiu esta casa — eu disse. — São três quartos e dois banheiros, embora eu saiba que não pareça do lado de fora. — eu abri a primeira porta do corredor. — Este costumava ser meu quarto. — Ray colocou a cabeça para dentro, e eu fechei a porta novamente. Teria tempo suficiente para me sentar e olhar para o papel de parede de morango e cortinas amarelas desbotadas e eu não queria sair em lágrimas na frente da minha convidada.

~ 20 ~


— Você também morava aqui? — perguntou Ray. — Só durante os verões quando eu era criança. Esta visita é a primeira vez que faço há anos. — mostrei a ela o banheiro no corredor e o antigo quarto de Mirna antes de abrir a porta no final do corredor. A mecânica da antiga casa de cultivo poderia ter estado lá há muito tempo, mas os sinais ainda estavam claros. Os ganchos no teto. Os pregos nas paredes onde os tubos estavam conectados. — Então é assim que você conheceu, Preppy — Ray lamentou, dando uma olhada ao redor do quarto. — Sim, mais ou menos — admiti. — Quando você veio para a casa, você realmente não sabia que o Preppy estava vivo, não é? — Ray perguntou. — Foi o choque de uma vida, — eu admiti. — Eu ainda não consigo acreditar. — eu fechei a porta e nos conduzi de volta para a cozinha. Toquei minha mão na garganta, sentindo as marcações inchadas deixadas pelas mãos de Preppy. Abri a porta de vidro deslizante para o quintal. Entre as tábuas do deck de madeira desbotado, o mato crescia por baixo, criando espaços enormes entre os painéis. O gramado onde Mirna me ensinou a meditar estava enorme, tendo se fundido com o campo por trás dele em algum ponto. Um trem assobiou à distância. — Bem, — Ray disse, meditando sobre a minha resposta. Ela colocou o bebê na frente dela no balcão e sorriu para o adorável bebê bochechudo. — Isso foi um inferno de uma turnê. Eu olhei para o bebê que tinha enfiado um dos dedos de Ray na boca e estava mordendo-o com as gengivas. — Posso? — perguntei hesitante, estendendo os braços. — Oh, claro, — Ray disse, pegando Nicole Grace do balcão e colocando-a em meus braços. Meu peito se contraiu, e senti como se eu não pudesse respirar. Ela era a coisa mais linda que eu já vi. — Você deve olhar para ela o dia todo, né? — eu perguntei enquanto eu embalava a menina em meus braços. — Sim, o pai dela também. Estamos cansados, mas vale a pena, — disse Ray. — Todos valem. Ela empurrou uma pequena mecha de cabelo macio da cabeça pequena de Nicole. — Tem algum?

~ 21 ~


Eu balancei a cabeça. — Não. Eu soube um tempo atrás que eu não posso ter filhos. — Desculpe — Ray ofereceu. Ela deve ter sentido que eu não queria mais falar sobre isso porque ela rapidamente mudou de assunto. — Tenho algumas coisas para fazer agora, — disse Ray. — Mas que tal nos encontrarmos mais tarde hoje depois que eu pegar as crianças da escola e deixá-los com King? Podemos ter alguma conversa de garota. Eu só tenho Thia, a old lady de Bear e ela está grávida. Não posso dizer o quão cansada estou de falar sobre fraldas e almofadas de amamentar. — Isso parece ótimo — eu disse. — Você precisa de ajuda com tudo isso? — Ray perguntou, olhando em volta da casa para o papel de parede descascado e parede rachada. — King e Bear são tão úteis, e eles vêm, e Bear tem um arsenal de caras que estariam dispostos a ajudar por tão pouco quanto algumas cervejas. Eu relutantemente entreguei seu bebê de volta à Ray e as levei para a porta da frente aberta. Ray desceu cuidadosamente os degraus da frente. Eu olhei para o meu ajudante que ainda estava lutando para tirar a placa de VENDA da carroceria do carro alugado. — Você sabe, Ray. Eu talvez posso precisar da sua ajuda — eu disse com um sorriso que ela voltou. — Ótimo, porque esse garoto ali é bonito e tudo, mas ele parece com o tipo que não reconheceria um martelo se ele caísse de uma prateleira e acertasse o topo da cabeça dele. — Infelizmente, isso é muito verdadeiro, — Brandon bufou, depois de finalmente puxar a placa. A gola e axilas de sua camisa estavam saturadas de círculos escuros de suor. — Oh, merda, eu quase esqueci a razão principal de eu ter parado aqui. Juro que esses pequeninos me dão o maior caso de paralisia cerebral materna às vezes, — disse Ray, caminhando para a velha caminhonete Ford estacionada no gramado. Ela alcançou através da janela aberta do assento do passageiro e voltou com um pedaço de papel dobrado. — Eu estava pensando sobre o que Preppy disse antes. A coisa sobre você ser sua esposa? — Foi apenas algo que ele disse em confusão, — eu repeti o mesmo raciocínio que eu tinha dado a ela naquela manhã.

~ 22 ~


— Não, eu não acho que é isso, — Ray argumentou, desdobrando a página e entregando-a para mim. Era uma fotocópia do certificado de casamento que eu havia feito para Preppy. Eu balancei a cabeça. — Não, você não entende. Isso é apenas algo que eu inventei. É falso. Todas as assinaturas. As testemunhas. Tudo forjado — expliquei, tirando o papel do meu rosto para encontrar Ray olhando para mim como se ela não estivesse convencida. — Era algo que Preppy precisava quando estava tentando a custódia da filha de King; não é real. Não houve casamento. Nenhum ministro. Não há nada. Não... é real, — eu repeti as mesmas palavras em um esforço para obter o meu ponto de vista. Ray bateu o ponto no canto inferior direito da página sobre o selo do condado oficial, um que seria considerado original. Não foi algo que eu coloquei lá. Ray continuou: — Recebi esta cópia do escritório do secretário do condado esta manhã — disse ela. — E de acordo com eles... é muito, muito real. — Merda, — eu xinguei, virando a página como se pudesse me dizer algo mais, inspecionando o lado em branco. — Isso nos faz... — Aos olhos do Estado da Flórida, casados? — Ray terminou para mim, dando-me uma piscadela. — Parabéns, Dre, você é a Sra. Samuel Clearwater.

~ 23 ~


Três PREPPY Mil sussurros esperançosos respiraram sobre meu corpo. Pequenas rajadas de ar salpicaram minha pele quando alguém gentilmente ergueu meu braço e dois dedos pressionaram firmemente no interior do meu pulso. Eu estava enrolado em vários estágios de reconforto, envolto em maciez desconhecida. O ar ao meu redor era fresco e leve, sem a umidade pegajosa que eu me acostumei que agarrava ao interior da garganta e pulmões, o tipo de ar molhado que ameaçava me sufocar com o cheiro forte de mofo e decaimento. O som de uma chuva pesada batendo contra uma janela em cima tocou em meus ouvidos. Um barulho de trovão ecoou, chacoalhando meus ossos doloridos. Uma explosão de relâmpagos brilhantes imediatamente seguiu, piscando na frente de minhas pálpebras fechadas como se estivesse de alguma forma anunciando meu novo estado semiconsciente para o mundo. Ou talvez, apenas para mim. — Olha, os olhos dele estão tremendo de novo, — disse uma voz feminina. — Deve ser isso. — por um segundo eu imaginei a menina de cabelos escuros com olhos negros e lábios vermelhos. A que eu pensava tantas vezes que eu comecei a questionar se ela era mesmo real ou apenas parte de uma fantasia que eu tinha criado para passar o tempo. Mas quando a voz continuou falando, a imagem da minha garota desapareceu e o reconhecimento se apoderou. Doe. Minha adrenalina aumentou, assim como a necessidade imediata de levantar e me juntar ao mundo ao meu redor, o mundo que eu tinha sentido falta com cada fodida célula, aquele que eu nunca pensei que teria o prazer de existir novamente. Era como se fosse sexta-feira à noite e todos os meus amigos fossem fazer algo e eu tinha que ficar em

~ 24 ~


casa e ouvir tudo sobre isso na parte da manhã, sentindo-me como merda e deixado de fora. Era como uma noite estendida, exceto com estupro e espancamentos constantes. De qualquer maneira, eu poderia recuperar o atraso. Mas então me lembrei de que nem tudo era o que parecia. Fiz uma pausa e tomei um breve segundo para me lembrar que o que eu estava sentindo, a voz que eu estava ouvindo, poderia ser um produto da minha imaginação como todas as vezes. Que a probabilidade de ninguém estar lá quando eu abrisse meus olhos, ou que seria o maldito diabo em si, era muito maior do que a possibilidade de ser meu amigo. Eu poderia estar morto. Ou tudo poderia ser algum tipo de alucinação fodida. Alguém apertou meu braço. Se fosse o diabo, ele tinha mãos minúsculas e usava hidratante. Mas não era. O gesto foi gentil. Amigável. Tranquilizador. Não. Não era o diabo. Embora esse toque simples parecesse como se todos os ossos em meus dedos estivessem sendo esmagados, também era a maior dor do caralho que eu já experimentei porque me dizia que tudo poderia ser real. Tentei abrir os olhos, mas era como separar um sanduíche congelado com as mãos. Tudo o que eu podia ver eram cores dançando atrás das minhas pálpebras como um show de luz que acontece atrás de uma tela. Quando eu tentei falar, eu engasguei com minha própria saliva, e pelo que pareceu um período de eternidade, um fluxo de tosse errática foi a única resposta que pude reunir. — Talvez ele ainda não esteja pronto, — disse uma voz feminina desconhecida. — Ele pode precisar de mais tempo. — Não, — argumentou Doe. — Eu sei que ele está chegando. Eu só sei que ele está. Eu posso sentir isso. Ele pode nos ouvir. É diferente agora. — sua voz estava confiante, embora desesperada, como se estivesse tentando convencer a si mesma, assim como quem quer que fosse com quem ela estava falando.

~ 25 ~


— Vocês duas consideraram a possibilidade de que ele está apenas sendo um fodido idiota? — King estourou. Não havia dúvida em sua voz. O filho da puta soou mais alto que o trovão entre uma garoa. — Talvez ele esteja zoando conosco. Eu não iria me surpreender. Merda, ele poderia ter estado acordado há dias, mas só quer que limpemos a bunda dele um pouco mais. — Shhhhhhhh! — foi a resposta. Eu queria sorrir. Rir. Mas nada que eu quisesse fazer, coisas que eram fáceis antes, estavam acontecendo. O que costumava ser um reflexo natural, algo que eu nunca tinha pensado, era agora uma luta maciça para fazer meu cérebro confuso e corpo inútil se recompor e tornar o Preppy funcional novamente. — Foda-se essa merda. Eu não vou ficar quieto. Esta não é uma maldita biblioteca. Nós estamos esperando que ele acorde porra, então vamos acordá-lo, caralho! Ele gosta de atenção, você sabe disso. O príncipe aqui não vai abrir seus olhos e nos dar a graça com sua presença até que ele saiba que ele tem toda a nossa fodida atenção. — houve uma pausa e então senti a respiração de King na minha testa enquanto ele se inclinava para perto. Sua sombra caiu sobre a luz enquanto ele falava comigo a poucos centímetros do meu nariz. — Estamos todos aqui. Você pode cortar a merda agora, Prep. — Pare, — eu comecei, apenas arranhando a palavra. O quarto ficou em silêncio, exceto por alguns suspiros. Senti como se alguém tomasse uma pequena respiração afiada e correu para dentro da minha garganta. Molhei meus lábios com minha língua e comecei de novo. — Pa... King se inclinou até mais perto até que seu peito estava contra o meu. — O que foi, Prep? — sua barba roçou contra a ponte do meu nariz. — Pare... — meus olhos finalmente cooperaram e abriram um pouco, embora ainda parecesse como se eles estivessem sendo grudados com supercola, abri-los era como puxar meus cílios para fora pelas fodidas raízes. Olhei através de uma fenda embaçada e me encontrei olhando para o topo da cabeça escura do cabelo de King. O filho da puta estava tentando me abraçar. Era fodidamente adorável.

~ 26 ~


— Prep, tente novamente. Podemos ouvi-lo, mas não podemos compreendê-lo. Fale mais alto, — ele exigiu, enunciando cada palavra como se eu fosse surdo e mudo, o volume de sua voz continuava mudando entre um tom mudo e uma explosão megafone. Ele se inclinou ainda mais perto até que eu estava certo de que ele estava tentando se deitar na minha cara de merda e sua orelha estava contra meus lábios. — Pare... de tentar me agarrar, — eu finalmente consegui dizer. — Não sou a favor de barba. King se endireitou e eu senti o alívio imediato quando seu corpo não estava mais me esmagando. Ele se inclinou sobre mim com uma merda satisfeita sorrindo em seu rosto feio de bunda. Doe estava à sua esquerda com lágrimas em seus grandes olhos azuis gelados. A garota que eu não reconhecia estava obscurecida da minha visão. Ela deu um passo para trás para permitir King e Doe mais espaço ao lado da cama. — Leve a porra do tempo suficiente — disse King, parecendo um pai orgulhoso cujo filho acabou de dizer as primeiras palavras. — Nós sentimos tanto a sua falta, — Doe acrescentou enquanto minhas pálpebras ficavam pesadas novamente. Era uma luta mantê-las abertas, mas de jeito nenhum eu iria fechá-las depois de finalmente dar uma olhada nas duas pessoas que eu pensei que jamais iria ver novamente. — Tanto. King a colocou em seu lado e a beijou em cima da cabeça. — Existe alguma coisa que possamos trazer para você? — Doe perguntou, limpando a umidade debaixo de seu olho com seu mindinho. — Sim — eu respondi, virando minha cabeça para o lado para que eu pudesse vê-los melhor. Uma sensação como um milhão de fios elétricos falhando ao mesmo tempo enviou sacudidas de dor pela minha coluna. Antes que eu pudesse parar, soltei um grito estrangulado. — O que está errado? Precisa do médico? Diga-me o que você precisa, Prep — Doe exigiu, soando em pânico. Ela colocou uma mão no meu ombro e senti como se ela tivesse colocado um ferro quente na minha pele. — Não — eu disse, limpando minha garganta. — Mas há algumas coisas que eu preciso.

~ 27 ~


Doe saltou do quarto e voltou segundos depois com um caderno rosa da Barbie e caneta combinando. — Vá em frente, — disse ela. Ela virou a folha do caderno e clicou na parte de trás da caneta. Fazendo um som de alegria. King conscientemente olhou para mim como se soubesse o que eu estava fazendo. Era um ótimo olhar. Me disse que não importava quanto tempo tivesse passado; ele ainda sabia que eu era um idiota. Eu estava fodidamente em casa. Eu mantive meus olhos treinados em King enquanto eu ditava minha lista para Doe. — Você está pronta? — eu perguntei. Ela assentiu com a cabeça. — Ok, e-eu preciso de maconha, coisa boa, não o tipo que você consegue daquele idiota em Harper's Ridge. Strippers, é claro, nada menos que peitudas, e elas têm que estar abertas a todas as coisas, inclusive anal. — eu pensei sobre isso por um momento. — Ok, isso faria delas prostitutas. Strippers depiladas e prostitutas. Preciso do sangue de uma cabra virgem, de três garrafas de tequila mexicana com o lacre ainda intacto. — olhei para Doe, cuja caneta não se movia sobre a página. Ela ergueu as sobrancelhas e abaixou a caneta para me olhar através do caderno multicolorido. Lágrimas escorreram pelo seu rosto. — Eu senti tanto sua falta, — ela balbuciou, deixando cair a caneta e o caderno de Barbie no chão e jogou seu corpo minúsculo em cima do meu em um longo abraço apertado. Ela enterrou o rosto no meu pescoço e eu senti suas lágrimas quentes queimando minha pele enquanto elas caíam de seus olhos. Eu ignorei a dor irradiando de meus músculos. Eu até resisti ao desejo de gritar ou até mesmo de me encolher, porque eu não queria assustá-la. — Eu também senti sua falta, garota, — eu sussurrei. Nós ficamos lá, envoltos em nosso abraço por um longo tempo até King aclarar sua garganta e Doe levantar sua cabeça do meu pescoço e olhar para ele. — Ele está de volta — ela fungou. — Sim, pequena. Ele está de volta, — King concordou, soando como se houvesse um ‘MAS’ na sequência da declaração que ele estava segurando. — Estou de volta, — eu murmurei, — mas King ainda acha que você me abraçou por muito tempo e agora está esperando que eu caia coma em breve porque senti seus peitos fantásticos pressionado contra mim.

~ 28 ~


— Algo assim — disse King. Doe revirou os olhos brincando enquanto King a puxava de cima de mim. — Eu estou bem agora. Não preciso de nada extravagante, apenas alguém que venha saltando em meu pau. — minha garganta já não estava tão áspera e estava ficando menos doloroso falar frases mais longas. — A propósito, seus peitos ficaram maiores? — perguntei a Doe. — Porque eu sinto que eles ficaram maiores. — eu estreitei meu olhar em seu top amarelo apertado. Sim, eles estavam definitivamente maiores. — Prep — avisou King. — Há muito pra te contar, — disse Doe, colocando a mão sobre o peito de King. — Tanta coisa aconteceu desde... — King pôs a mão dele sobre a dela. — Antes que vocês digam alguma coisa, eu vou sugerir uma edição, — eu disse. — O quê? — perguntou King. Levantei um dedo. — Apenas me sigam por um segundo. Em vez de dar a volta em torno do assunto dizendo quando eu estava desaparecido e em vez de declarar o óbvio: como ‘aquela época eu que fui preso contra a minha vontade e torturado até a beira da morte uma e outra vez na mãos de um psicopata’ eu estou recomendando que mudamos um pouco. — Okaaay... — Tanto quanto eu nunca gostaria de pensar ou falar sobre isso de novo, não é realmente realista. E desde que é fodidamente impossível não falar sobre isso quando muito do que está acontecendo na minha vida certamente tem a ver com a merda que aconteceu enquanto eu estava... em Nárnia. — Você tem que estar brincando comigo. Você quer que nós nos referimos ao seu tempo em um buraco sob o MC como Nárnia? — Sim, foi o que eu disse. King começou a murmurar o que me fez perceber que alguém estava faltando, uma pessoa muito grande sem camisa.

~ 29 ~


— Onde diabos está Bear? — eu fiz um movimento para me sentar, mas meus pulsos foram incapazes de suportar o meu peso para fazer a transição com êxito. King se inclinou e me ergueu sob minhas axilas, me ajustando em uma posição muito mais confortável, ligeiramente reclinada. Nem King nem Doe responderam à minha pergunta. Em vez disso, eles olharam um para o outro como se estivessem tendo algum tipo de conversa telepática não dita que eu não deveria fazer parte. — O quê? — eu perguntei, — Quero dizer, onde Bear poderia estar que é mais importante? A não ser que esteja saindo com prostitutas, então eu poderia fazer uma pequena exceção. — Eu estou aqui, filho da puta, — grunhiu Bear quando ele apareceu, de pé do outro lado de Doe. Eu não sabia se ele esteve lá o tempo todo ou se ele acabou de chegar. De qualquer maneira, uma coisa estava clara para mim, logo de cara. — Todo esse tempo... — eu disse. — E você ainda não conseguiu encontrar uma fodida camisa? Bear riu e colocou sua mão sobre meu antebraço da mesma forma que sempre apertava as mãos com os motoqueiros em seu clube. — Bem-vindo de volta, irmão. Doe e King se mexeram para dar a Bear mais acesso a mim. Ele se ajoelhou e se inclinou sobre a cama. Senti falta dos insultos entre nós. Eu senti falta de tudo sobre o maldito estúpido, até mesmo aquele estúpido sorriso peculiar que as meninas sempre pareciam evocar. Até mesmo o jeito como ele parecia sempre estar chateado, mesmo se não estava. Embora MUITAS vezes ele estivesse. Abri meus olhos o máximo que pude e olhei a aparência do meu velho amigo pela primeira vez em deus sabe quanto tempo. Ele parecia exatamente como eu me lembrava fisicamente, cabelos louros, barba loira combinando, tatuagens, olhos azuis brilhantes, sardas, colete de couro. Mas de outra forma ele parecia diferente. Muito diferente. Mais feliz, talvez?

~ 30 ~


De jeito nenhum... Ver Bear feliz era tão provável como detectar um pé grande no quintal. Algo que eu tinha que ver para acreditar. Eu não pude observar por muito tempo porque em uma fração de segundo tudo começou a mudar. O rosto de Bear se transformou como uma pintura de Dali. Meu sorriso desapareceu de meus lábios enquanto a imagem do meu amigo se dissipava e se tornava outra coisa. OUTRA pessoa. Já não era Bear sorrindo para mim, feliz por ver seu amigo perdido há muito tempo. Não, era alguém com linhas mais profundas na testa e uma carranca permanente nos lábios. Alguém que o cabelo loiro tinha mudado para cinza e cujas sardas tinham desbotado com o tempo. Seus olhos azuis já não eram brilhantes e não tinha sinais de lealdade ou de fraternidade atrás dele. Nenhum sinal de vida. Bear tinha desaparecido e puro maldito mal estava em seu lugar. Gritos coagulantes de sangue encheram o pequeno quarto, ecoando das paredes e através das minhas orelhas, os familiares e fodidamente aterrorizantes sons de alguém sendo brutalmente torturado. Minha visão ficou turva e eu desmaiei de volta ao purgatório, grato pela fuga. Não foi até que eu estava totalmente de volta ao esquecimento que percebi que aqueles gritos eram meus.

~ 31 ~


Quatro PREPPY As nuvens escuras em torno dos meus pensamentos começaram a clarear. Cada vez que eu acordava, o horror do que aconteceu e a realidade de onde eu estava, se afastava cada vez mais até que eu finalmente percebi que meus amigos estavam me dizendo era a verdade. Eu estava livre. Estava a salvo. Eu estava fodidamente VIVO. E o melhor de tudo? Chop estava morto. A única coisa que me irritou foi que eu não fui o único a terminar com o chupador de pau eu mesmo. A boa notícia era que eu estava começando a recuperar algumas das minhas forças. As dores em meus músculos e ossos se transformaram de pontadas afiadas em dores mais brandas. O ferimento da bala que Chop nunca permitiu curar completamente estava finalmente fechado, embora tenha deixado uma cicatriz horrível. A pele em torno dela era toda torcida em um caleidoscópio de tatuagens distorcidas em torno de uma cicatriz vermelha enorme. Eu chamei de o furacão da dor. Eu odeio o que isso fez com as minhas tatuagens, mas aquela coisa feia e maciça ia me dar um fodido crédito de rua. Enquanto meu corpo estava começando a se recuperar, Doe e King se revezavam em me atualizar sobre suas vidas. Todas as merdas que eu perdi como King finalmente ganhando a custódia de Max. Eu ~ 32 ~


senti como se estivesse em um episódio de Days Of Our Lives quando Doe me disse que ela tinha um filho que King tinha adotado, então eles tinham um novo bebê E ela finalmente teve sua memória de volta. Eu fiquei feliz de não saber os detalhes da história, mas estava satisfeito com as atualizações do momento. E se eu realmente precisasse de mais detalhes eu poderia ligar a TV em torno das 2h porque eu tenho certeza que sua história estava sendo contada em algum canal diurno. — Então espere, eu tenho chamado você de ‘Doe’... mas qual é a porra do seu nome? — eu perguntei, me empurrando para fora da cama. — Ramie, mas eu prefiro Ray. — Uau, — eu disse. Eu sabia que o nome dela não era realmente Doe, mas por algum motivo, o fato de ela ter um nome verdadeiro ainda era um choque. — Você pode me chamar de Doe, se quiser, entretanto, — ela disse, e eu senti como se ela realmente quisesse dizer isso. — Eu sinto que tenho mil nomes agora, Doe, Raemi, Pequena. Embora ‘mamãe’ seja o meu favorito atualmente. — O meu também — acrescentou King. E como se pudessem sentir que ela estava falando sobre eles, duas crianças loiras apareceram na porta. — Mamãe, mamãe, mamãe, mamãe, mammmmããããããe, — ambos chamaram, não esperando que ela respondesse, continuaram repetindo seu nome apenas para se certificar de que nenhum de seus pais mantivesse o controle total de sua sanidade. — Eu cuido disso. — Doe lhe deu um sorriso. King correu e pegou as duas crianças em seus braços. Eles chutaram as pernas e chiaram de prazer. — Vamos lá, vamos almoçar. E não acorde sua irmãzinha ou sua mãe vai... — sua voz se desvaneceu quando ele pisou no corredor. — Onde diabos está Bear? — eu perguntei, sentando-me. Ele era o único que eu não tinha visto muito. — Eu vagamente me lembro dele estar aqui quando eu acordei pela primeira vez. — eu dobrei meus joelhos, testando os limites das minhas articulações. Tudo se rachou e estalou como um maldito comercial de cereais, mas me senti bem por estar de pé em meu próprio poder.

~ 33 ~


Doe se ocupou checando os travesseiros. — Bear ficou muito com você, ele está muito ocupado no clube, tenho certeza. Há muita coisa acontecendo lá desde que ele assumiu o poder. — Você quer dizer desde que Bear matou Chop, — eu disse. — Está tudo bem, você pode dizer o nome dele. Você disse que o fodido morreu, certo? Não importa mais. Se ao menos isso fosse verdade. — Algo parecido. — Gostaria de ter estado lá para ver isso, — eu disse, mexendo os pés no tapete e tocando todo o mobiliário que eu podia, enquanto eu colocava cada vez mais espaço entre mim e a cama. — A vingança não é tudo, Preppy. Tudo o que importa é que você está aqui. — Não, eu não queria ter estado lá para ver Chop sendo morto. Eu queria estar lá para ver Bear pegando a garota, — eu disse e Doe riu. — Ela deve ser outra coisa. Qual é o nome dela? — Thia. — admitiu Doe. — Você vai gostar dela. — Eu tenho certeza que vou — eu disse, curioso para saber quem era a garota que fez Bear querer mais do que apenas uma foda rápida. Porque se ela é como a garota que te fez querer mais... Doe me tirou do meu pensamento. — Eu te trouxe algumas roupas, — ela disse, desviando os olhos da parte de trás da minha roupa de hospital que eu sabia que estava aberta nas costas porque eu senti o ar fresco do ar condicionado na minha bunda. — Tem certeza de que não precisa de ajuda? — ela perguntou novamente. — Nah. Eu só quero me vestir sozinho. Me sentir humano novamente. Você sabe, um passo de cada vez. — Prep — King advertiu, aparecendo na porta, desta vez sem as crianças. — Sério chefe? Eu estou de volta dos mortos e você ainda vai me dar uma dura sobre Doe? Quero dizer, em uma situação como esta, uma foda por pena não seria completamente inédito. — eu disse totalmente preparado para King jogar as minhas palavras de volta para mim. ~ 34 ~


— Você pode fazer e dizer o que quiser Prep, — respondeu King, num tom surpreendentemente calmo. Aparentemente, eu não era o único confuso por sua atitude calma recém-descoberta porque Doe parecia tão confusa quanto eu. Então King sorriu e foi então que eu SOUBE que algo não estava certo. Ou talvez as coisas mudaram mais do que pareciam... — Uh... eu posso? — eu perguntei meus joelhos rachando quando eles começaram a mexer novamente. Lentamente eu estirei a perna e treinei a memória do músculo, o lembrando como era dar pequenos passos. — Qual é o problema? — Você pode falar toda a merda que quiser para mim contando que você esteja preparado para ser morto de novo — ele disse, puxando Doe firmemente em seu lado. — De verdade desta vez. Eu fiz uma careta. — Você não é um amigo. Você é um monstro! — eu chorei dramaticamente, dando passos maiores e maiores enquanto cruzava o quarto. De repente, ao fazer o meu movimento Preppy através do tapete rosa, fui atingido com um flash de memória. Minhas mãos ao redor de uma garganta. Uma mulher gritando. Flashes de cabelos escuros. Eu parei. — Havia mais alguém aqui além de vocês? Quando eu acordei ou talvez até antes? — eu perguntei. — Você esperava alguém? — perguntou King. — Não, mas eu só tenho esse sentimento estranho... — eu saí, olhando para a sombra de rosa na parede. Embora agora fosse rosa, costumava ser azul. Meu antigo quarto. O quarto onde eu perdi o controle e envolvi minhas mãos em torno da garganta de Doc. Deve ter sido apenas uma lembrança. Uma distorcida, mas uma lembrança daquilo. — Deixa pra lá. Eu acho que meu cérebro ainda está falhando. Doe deixou as roupas na cama. — Estaremos na sala de estar quando terminar. Você precisa de ajuda para descer as escadas? — perguntou King. — Cai fora — eu disse, levantando a ele o dedo médio, que ele voltou.

~ 35 ~


— Bem-vindo filho da puta — resmungou ele, incapaz de esconder seu sorriso. Era como a nossa versão de abraço. Eu amava esse grande bastardo. Olhei para as roupas na cama. Uma camisa branca, calças, suspensórios rosa e amarelos combinando e gravata borboleta. Era o meu traje habitual de Nárnia. Eu corri minha mão para o tecido limpo e suave, mas quando eu peguei a camisa da pilha, eu deixei cair de volta para a cama como se tivesse picado minha mão. Eu empurrei os suspensórios e a gravata da pilha e peguei o que tinha embaixo, optando por um par de suéteres cinza e uma blusa branca. Fiz o meu caminho para a sala de estar, segurando a grade lentamente descendo os degraus, cada um se tornando mais fácil e mais fácil enquanto meus músculos se ajustavam à sensação de andar e me lembrei como era colocar um pé na frente do outro. As vozes que falavam em sussurros me pararam antes de virar a esquina. — Eu não sei por que mentimos para ele, isso foi estúpido, — disse Doe. Eu podia ouvir a culpa na voz de King quando ele respondeu. — O que devíamos dizer? Sim, Prep, você teve um visitante enquanto estava em coma, e, aliás, eu não sei quem é aquela garota para você, mas você acordou em pânico, quase a estrangulou até a morte, e você a chamou de esposa. Além disso, você meio que se assustou com Bear e nós estamos supondo que é porque ele se parece tanto com seu pai psicótico, então ele decidiu não vir aqui, então você não surtaria novamente e tenta matá-lo novamente? Meu corpo inteiro ficou rígido. Ela ESTAVA aqui. King suspirou pesadamente. Espiei ao redor e sua cabeça estava em suas mãos. Doe estava esfregando suas costas, sentada no braço do sofá. Os dois garotos estavam sentados à mesa ao lado, pegando os cantos de seus sanduíches e jogando-os um para o outro. — Eu sei que é difícil, mas temos que dizer a verdade. Ele merece isso. Somos sua família. Não podemos mentir para ele. — Como família dele, é nosso trabalho protegê-lo, então não podemos simplesmente jogar toda essa merda em seus ombros de uma

~ 36 ~


vez — disse King. — Ele já passou por coisas muito fodidas. Eu só queria saber onde ele estava. Ele estava tão perto a porra do tempo todo. Tão fodidamente perto... — a voz de King sumiu. Eu entrei na sala pronto para dizer que não era culpa dele e ele não deveria se culpar por não saber onde eu estava. Ela ESTAVA realmente lá. Nem King nem Doe me viram entrar silenciosamente na sala. King continuou. — Quero dizer, essa merda é fodida. Como diabos vamos dizer a ele que Grace morreu? Foi o choque disparando através do meu sistema que me fez caminhar diretamente para a mesa de café e deixá-los saber que eu tinha escutado. — Merda — King xingou. Ele se levantou e veio em minha direção. Levantei as mãos e dei um passo para trás. — Nós não queríamos que você descobrisse... — ele começou, correndo uma mão frustrada sobre seu cabelo. — É minha culpa. — Não, não — eu disse, acenando as mãos, tentando manter a bile subindo em minha garganta. Minhas pernas ficaram mais trêmulas, mas eu me mantive em pé, não querendo fazê-los se sentir pior pirando bem na frente deles. — Vocês não têm nada para se sentirem culpados. Grace estava doente, certo? Por muito tempo. Quer dizer, eu meio que já sabia, — eu menti. Eu tinha certeza que Grace seria como as baratas, sobreviveria ao apocalipse. Ela poderia ter sido atropelada por um caminhão e eu teria apostado que o caminhão teria mais danos do que ela. Virei-me para ir para o meu quarto. Ou o que era COSTUMAVA ser meu quarto. — Eu só vou tomar um banho — eu disse, subindo as escadas. — Preppy, espere — King gritou, mas eu continuei. — Ele precisa de um tempo — disse Doe. Com cada passo de volta para o meu quarto, a ameaça de perder a cabeça ficava cada vez maior. Não foi até que eu estava atrás da porta fechada quando deixei as lágrimas caírem. E cair foi o que elas fizeram.

~ 37 ~


Eu chorei pela perda de Grace, minha mãe de todas as formas exceto sangue. A mãe que nunca me decepcionou. A mulher que me deixaria ser eu quando eu fizesse algo que ela não aprovava, mas que não iria me julgar. Ela me amava por mim. Ela adorava toda minha loucura. Ela nunca tentou me mudar. Eu nunca cheguei a dizer adeus. Eu finalmente fui para o chuveiro, passei vários minutos sob a água mesmo depois que ela se tornou fria. Quando eu finalmente me arrastei, fui mijar e peguei um vislumbre do meu reflexo no canto do meu olho. Eu me virei para o espelho e enfrentei alguém que eu não tinha visto em muito tempo. Alguém que eu gostava de olhar. Muito. Eu não era estúpido. Eu sabia que depois da merda que eu tinha passado eu não era exatamente o material para capa de revista. Mas eu também não esperava estar olhando para um total estranho, porra. Eu me inclinei perto do espelho. Eu passei a mão pela minha barba comprida com os dedos e quase perdi minha a cabeça quando elas caíram em minhas bochechas profundamente fundas. Os ossos em torno dos meus escuros e ocos olhos me deixaram como um maldito homem das cavernas. Meus olhos uma vez cor de avelã, agora pareciam mais com um marrom descolorido. Pelo menos Grace nunca vai ter que me ver dessa maneira. Mesmo quando meu cabelo estava mais longo, eu sempre o mantinha meio longo e raspado dos lados para mostrar as tatuagens em ambos os lados da minha cabeça. Após a tortura, as partes que eram normalmente curtas cresceram bem além dos meus ombros, e por alguma razão parecia muito mais escuro do que o loiro médio que eu me lembro de ter. Eu parecia uma versão mais magricela e demente de Jesus Cristo. Caminhando para a morte. Eu poderia contar minhas costelas, algo que eu não tinha sido capaz de fazer desde que eu era criança e de repente eu estava de volta

~ 38 ~


no playground, apanhando pra caralho de um lutador de sumô de doze anos de idade que entrou na puberdade bem antes de seu tempo. Tudo sobre a alma patética naquele espelho contava uma história que não se repetia. Minha cabeça girou. Eu agarrei a pia para me apoiar e abaixei a cabeça, olhando para o anel fino em torno do dreno. Depois de cada coisa fodida que eu tinha passado na minha vida, eu nunca me considerei uma vítima. Mas uma vítima era tudo o que eu via naquele espelho. Com um último olhar franzido no meu reflexo, me arrastei até o banheiro e me encostei na parede, puxando meu pau flácido para terminar a mijada que eu tinha começado antes, mas eu não pude deixar de pensar em Grace. Você é uma boa pessoa, meu Samuel. Você é um bom rapaz. As palavras de Grace soaram em minha cabeça. Você é amado. No meio do mijo eu me afastei do banheiro, pulverizando urina no assento e no chão. Eu abri o armário debaixo da pia. Ajoelhei-me e meus joelhos estalaram, como cascalho sendo esfregado. Eu gemi com a sensação estranha e o som ainda mais horrível. — Você está bem, Preppy? — perguntou Doe do outro lado da porta. — Tudo bem, — eu berrei de volta. De todas as pessoas ela não merecia minha irritação. Instantaneamente me senti culpado. — Tudo bem — eu repeti, suavizando meu tom o máximo que pude, embora não fosse muito quando meus dentes ainda estavam rangendo e eu estava falando através da dor queimando minhas pernas e meu tronco. — Ok, nós estaremos na sala de estar. Então você sabe. É aqui que estaremos quando você estiver pronto. Esperando por você. — tristeza encheu sua voz. — Eu sinto muito, Prep, — ela adicionou. Eu ouvi o deslizar de sua mão quando ela correu para o lado de fora da porta, seguida pelo leve arrastar de seus pés no tapete e, finalmente, o som da porta do quarto fechando. Lembrei-me de pedir desculpas a ela por ser tão idiota. Ela não merecia o meu acesso de raiva por tudo que eu estava passando. Eu estava tão cansado. Cansado de ficar ali naquela cama por tanto tempo. Cansado de desperdiçar tempo. Cansado de não viver.

~ 39 ~


Cansado de estar morto. E talvez eu estivesse cansado de estar cansado. Uma vez que eu encontrei o que eu procurava, eu segurei na pia e me endireitei para me levantar. Eu conectei o que eu pensei que era a solução para o meu problema, acenando-o no ar apressadamente. — Tchau, filho da puta, — eu disse para o meu reflexo. Eu liguei e juro que eu vi o pânico em meus olhos enquanto o zumbido ecoava nas paredes do banheiro pequeno. Eu estalei sobre o botão e coloquei o aparelho sobre a parte superior da minha cabeça, descendo para trás. Uma sensação de satisfação imediata me percorreu enquanto eu corria meus dedos sobre a parte recentemente cortada da minha cabeça. Eu precisava fazer mais. Muito mais. TUDO ISSO TINHA QUE IR EMBORA. Eu não me preocupei em cortar o cabelo com uma tesoura primeiro, então cada tufo que eu raspava estava queimada como se estivesse lentamente sendo escalpelada, mas eu não parei. Eu não me importava com a dor. Não mais. Dor não era exatamente uma coisa nova para mim. No entanto, a liberdade era. Sentindo-se livre da raiva. Do arrependimento. Livre de não me importar se eu não pudesse ser a pessoa que eu era antes que toda a merda acontecesse. Aquela pessoa era quase tanto um estranho como o fodido Jesus no espelho que estava fazendo uma muita demorada e muito necessária depilação. Minha cabeça estava ensanguentada e raspada quando eu passei a máquina repetidas vezes. Eu não me importei.

~ 40 ~


Mais e mais pelos caíam e empilhavam em cima dos meus pés. Primeiro da minha cabeça e depois do meu rosto quando eu comecei a minha barba, até que eu estava completamente limpo e a pele que não tinha visto a luz do dia em anos estava agora descoberta ao mundo. Para mim. A satisfação que eu senti ao cortar tudo rapidamente se transformou em decepção e um súbito sentimento de afundamento. Agarrei os lados da pia e deixei minha cabeça cair com um rosnado. Eu esperava estar olhando para alguém novo. Alguém limpo. A realidade era que eu era nada disso. A raiva queimava no meu peito, borbulhando até ferver quando percebi que ainda era o homem torturado de momentos antes. Apenas sem barba. E agora toda a perda de peso e cicatrizes estavam descobertas para caralho. Cada caroço e corte mal curado. Minhas tatuagens uma vez coloridas nos lados da minha cabeça estavam esfarrapadas e marcadas como lágrimas em minha pele fina de papel, combinando com o resto do meu corpo fodido. Um rugido rasgou da minha garganta. Levantei-me e dei um soco no meu reflexo, enviando cacos de vidro para o chão, misturando as pilhas de cabelo com gotas de vermelho espesso que também escorria pelo centro do espelho rachado. Não foi suficiente. Eu acertei uma e outra vez, meu punho queimando com a dor de cada impacto contra o vidro. — Eu odeio você! — eu gritei no topo dos meus pulmões, cuspe voou da minha boca enquanto eu lamentava e gemia no espelho até que meus nós dos dedos estavam completamente cobertos de vermelho. Eu caí no chão enquanto meus ombros tremiam de raiva desesperada. Enrolei em uma bola, puxando meus joelhos para o meu peito e queria que o mundo acabasse. Que tudo isso fosse embora. Agarrei minha mão sangrando e fui para o único lugar onde me senti seguro. Fundo em minha mente para memórias tão claras e brilhantes que às vezes eu achava que nunca tinha acontecido.

~ 41 ~


Fechei os olhos e comecei a me afastar entre as pilhas de minha identidade despojada. Eu estava tão longe descendo o caminho que me levou para aquele lugar que quando eu ouvi toda a comoção acontecendo em torno de mim, eu não poderia levantar a cabeça para ver o que era. Nem mesmo quando a porta se abriu, as dobradiças caindo do quadro, caindo pelo chão. Nem mesmo quando uma cascata de vozes preocupadas, tanto masculinas como femininas, gritavam em cima de mim um para o outro. Ou talvez para mim. Eu não conseguia sequer abrir os olhos quando eu fui levado do banheiro e colocado de volta na cama que eu tinha aprendido a odiar. Perseguindo uma menina com olhos escuros, cabelo preto, e fodidos lábios vermelhos. — Fica comigo, — ela sussurrou, passando seu dedo em mim. Senti-me sendo virado pelo avesso, sendo torturado por outros problemas, que eu poderia ter infligido a mim mesmo, mas eu apenas deixei acontecer porque não importavam mais. Nada aconteceu. Eu a persegui mais e mais até que as vozes ao meu redor desapareceram. Mas não importa o quão rápido eu corro, ela só corre mais rápido. Logo eu não a perseguia mais. Ela se foi. Estou sozinho, parado nas trilhas do trem. Imobilizado. Olhando para o farol amarelo de um trem, me cegando, o deixando chegar cada vez mais perto... até que é tarde demais.

~ 42 ~


Cinco DRE Eu estava mais acordada do que um universitário que bebe sete copos de Starbucks por dia. Era o meio da noite e depois de um dia muito longo de lutar contra a selva que cresceu no quintal, armada com um cortador de grama emprestado, eu deveria ter sido dada como morta para o mundo, mas não importa o quanto eu me virasse na cama, eu não conseguia descansar. Não naquela noite. Não em nenhuma noite desde que eu tinha voltado para Logan’s Beach. A lua brilhava laranja através da janela. Cansada de lutar contra a falta de sono eu decidi que o sono e eu iríamos terminar por um tempo. Eu peguei meus óculos enquanto eu me sentava contra a parede. Eu liguei meu laptop enquanto escutava o barulho do vento batendo nas árvores. Peguei um doce de cereja da minha bolsa e arranquei o plástico. Chupar doces era um truque estranho que eu tinha criado na reabilitação e que eu usava sempre que eu estava me sentindo inquieta e naquela noite eu senti como se eu fosse pular da minha própria pele. Com a casa vazia sem os móveis, os rangidos e gemidos soavam como se alguém andasse vagarosamente por dentro do chão de madeira, cada ruído ecoando pelos pequenos quartos. Brandon estava profundamente adormecido no saco de dormir ao meu lado, roncando levemente de uma maneira que me fez achar adorável, e também querer chutar alguns de seus dentes perfeitos ao mesmo tempo. Eu entrei no site de propriedade local e decidi transformar minha noite em algo mais produtivo fazendo comparações de preços de propriedades locais, comparando custos para conseguir comprar uma propriedade sem ter que gastar uma fortuna. Com cada clique do

~ 43 ~


mouse, o pensamento de vender a casa fez com que um pauzinho cutucasse a parte de trás da minha cabeça, me perguntando como eu ia viver comigo mesma depois que tudo fosse dito e feito. Você não tem escolha, Dre. Um barulho na cozinha de algo caindo chamou minha atenção. Eu fechei meu laptop e olhei em volta do quarto escuro, meus olhos tendo dificuldade para se concentrar no espaço negro depois de olhar para a tela brilhante. Eu estava acostumada a ouvir coisas à noite. Ser paranoica e exagerar os sons na minha cabeça não eram exatamente novos para mim. Olhei para Brandon que ainda estava dormindo e percebi que provavelmente não era nada. Acabando minha pesquisa, eu me aproximei da minha bolsa para pegar outro doce, mas percebi que eu tinha deixado a minha bolsa no outro quarto. Lentamente sai do meu saco de dormir tentando não causar muitos mais rangidos no chão para não acordar Brandon. Foi então que eu vi. Uma figura fina e alta parada na porta de tela. Abri a boca para gritar, mas nenhum som saiu. Ao mesmo tempo, um flash iluminou o quintal e por um breve instante eu pude ver o homem usando um capuz preto levantado. Meus joelhos se dobraram quando o reconhecimento me atingiu e cai para frente procurando suporte. PREPPY. A barba tinha desaparecido, o rosto afundado, mas não importava nem se ele estivesse ali com uma máscara de esqui cobrindo todo o seu rosto. Eu o reconheceria em qualquer lugar. Eu me afastei do balcão e corri para a porta, abrindo com tal força que bateu alto como contra a parede. Eu saí para a varanda, mas eu era tarde demais. Estava vazia. Eu entrei e apertei o interruptor para a luz de trás. Foi a tempo de eu pegar o farfalhar das árvores logo além da cerca. Com minha adrenalina correndo, eu deslizei meus pés nos chinelos que eu tinha deixado perto da porta e desci os degraus da varanda de dois em dois. O trinco no portão da cerca estava enferrujado ~ 44 ~


e coberto de mato. Travou quando eu tentei abrir, então eu subi sobre a pequena cerca de metal, que estremeceu e vacilou sob o meu peso quando eu pulei do outro lado. A lua era brilhante como o inferno e meu único guia enquanto eu corria pelos bosques escuros. Eu não pude deixar de me lembrar que a última vez que eu estava correndo naqueles bosques eu estava fugindo do homem que eu estava indo atrás. Quando cheguei no fim da clareira, a torre de água apareceu, banhada pela luz da lua cheia. Eu sabia para onde ele estava indo. A última vez que eu estava lá em cima eu estava tentando acabar com tudo. Desta vez eu não tinha ideia do que estava esperando por mim. Mas eu estava determinada a descobrir.

***

PREPPY Pela primeira desde muito tempo eu estava do lado de fora no ar fresco da noite limpa na cidade que eu tinha vivido e amado a minha vida inteira. O céu acima de mim estava sem nuvens e cheio de milhões de estrelas cintilantes. Estava 26ºC, quente como o inferno, mas com uma brisa fresca que vinha da baía, deixando a temperatura mais aceitável, o que não dava vontade de arrancar todas as roupas no Sul da Flórida. Era uma noite linda. Perfeita em cada fodido momento. O tipo de dia que as pessoas do norte só sonhavam. Era um paraíso tropical, algumas pessoas esperavam toda a sua vida para sentir isso. E eu odiava isso. TUDO. ISSO. Era muito brilhante mesmo que fosse noite. A lua também está lá. O céu sem nuvens. O ar muito limpo.

~ 45 ~


Eu tenho certeza que existe um lugar especial no inferno para pessoas que amaldiçoaram uma bela noite como essa. Não me importava. Eu já estive lá. Até mesmo os pássaros chilreando e voando por cima parecia tão alto, que em um ponto quando eu estava subindo a torre, eu tive que cobrir minha orelha com uma das minhas mãos achando que eu estava sob ataque. Era como estar em um teatro e ter ficado com o assento ao lado do orador durante uma exibição de Alfred Hitchcock, The Birds. O aroma familiar e leve de água salgada flutuava no ar. Eu costumava inalá-lo como uma droga que poderia me elevar, mas agora fazia meu estômago rolar até o ponto onde eu tive que apertar o meu estômago para evitar a bile chegando na minha garganta e vomitar, tudo por causa de um cheiro determinado a invadir todos os meus sentidos. O mundo para qual eu voltei era uma roda gigante de sons e luz, me atacando a cada passo e eu estava impotente para fazê-lo parar, quando tudo o que eu queria era sair da maldita carona que eu nunca inscrevi para ter. Logan’s Beach costumava ser o meu lugar. A minha segurança. Mas sair da escuridão e entrar na luz ofuscante que eu tinha estado desejando por tanto tempo não era o que eu pensava que seria. Era um novo tipo de inferno. Eu estava finalmente em casa, e tudo que eu queria era um pouco de normalidade. Bem, normal para mim. Mas estando lá, olhando para a única cidade que tinha sido casa para mim, senti tudo menos normal. E tudo menos em casa. Estava certo. Naquele exato momento. Ao inalar o ar limpo que uma vez me agradou e que agora me fazia querer vomitar. Enquanto escutava os sons familiares que costumavam me dar paz, agora ecoavam através do meu cérebro como martelos no pavimento. Estava certo, então eu sabia que nunca encontraria o tipo de normal que costumava conhecer. A paz que eu tive uma vez. Não estaria lá. Nunca mais.

~ 46 ~


Minha única esperança era encontrar um novo tipo de normal, mas para mim esse pensamento era mais assustador do que qualquer tipo de tortura que eu tinha enfrentado nas mãos de Chop. O que poderia explicar por que eu a procurei. Embora a verdade fosse que eu não tinha ideia por que eu fui vêla. Porra, eu nem sabia se ela estaria lá. Mas uma vez que o choque da morte de Grace começou a se refletir, eu me lembrei de que Doe dizia que Dre estava na casa e aquelas palavras continuaram a repetir na minha cabeça. Quando eu percebi o que eu estava fazendo, eu já tinha escapado no meio da noite como um garoto quebrando o toque de recolher. Lembrando que a janela sobre a pia da cozinha tinha um bloqueio quebrado não era muito difícil abrir a janela e entrar na casa. A casa estava escura. Quieta. Vazia. No entanto, o segundo que meus pés bateram no chão, eu sabia que ela estava lá. EU A SENTI. Todas as portas no corredor estavam fechadas, exceto do último quarto que eu utilizava para ser o grow room1. Estava aberta, mas a apenas uma parcela. Apenas o suficiente para ver a parte de trás da cabeça dela saindo de um saco de dormir ao longo da parede sob a janela de trás. Eu queria ver mais dela, então eu abri a porta lentamente e estava prestes a entrar quando ela suspirou pesadamente. Foi quando percebi que ela estava acordada. Lentamente eu me afastei até que eu estava na segurança da cozinha. Eu subi no balcão e rastejei para fora da janela pela qual eu tinha entrado. Eu estava na varanda prestes a sair quando vi um movimento no canto do meu olho. Foi quando eu me virei e a vi pela primeira vez no que parecia ser uma vida inteira. Eu não sei o que eu esperava quando eu a visse novamente. Mas eu certamente não esperava sentir que todo o ar tivesse sido roubado dos meus pulmões.

1

Quarto utilizado para o cultivo de maconha. ~ 47 ~


Ela usava uma camiseta branca lisa curta o suficiente para me fazer pensar se ela estava usando shorts por baixo, a bainha escovando os topos de suas coxas enquanto ela andava. Seu cabelo preto brilhante estava puxado em um rabo de cavalo. Contra o luar parecia tão escuro que parecia quase azul, como as penas de um pássaro negro. Eu nunca a tinha visto usar óculos antes, mas ela usava pesados aros escuros que ela empurrou da ponta do nariz dela enquanto ela entrava na cozinha. Eu não conseguia me mexer. Eu não conseguiria fazer nada além de me perguntar novamente por que diabos eu estava lá em primeiro lugar e fiquei lá como um idiota, olhando a garota mais bonita que eu já vi. Ainda mais bonita do que eu me lembrava. Mais TUDO do que eu me lembrava. Um relâmpago no céu chamou sua atenção e foi quando sua atenção se moveu para a porta e ela me viu. Nossos olhos se encaram. Meu coração dolorido bateu contra o meu peito e todo o meu instinto gritou para eu ir para ela. E eu ia. Meu cérebro já tinha enviado a mensagem para a minha perna se mover e dar o primeiro passo e eu estava prestes a ir quando um flash de iluminação interrompeu meu pensamento e em vez disso eu virei e voltei para o caminho que eu vim. Sobre a cerca e através dos bosques quando eu percebi que eu não podia. Eu queria. Eu queria com cada fibra do meu ser. Eu simplesmente não poderia. Foi quando meus pés se moveram por conta própria e eu me vi empoleirado no topo do mundo que uma vez conquistei, me perguntando se eu me sentiria normal novamente quando a plataforma chacoalhou. Meu pescoço bateu na escada que tremia como se alguém estivesse escalando. Um conjunto de mãos femininas apareceu, estendendo a mão e segurando o corrimão. Não foi até que ela estava totalmente em cima da plataforma, se espanando, seu cabelo escuro soprando ao redor de seu rosto que ela finalmente falou. — Você sabe, se você está procurando um lugar para pular, alguém me disse uma vez que Causeway tem uma classificação de cinco estrelas no Yelp dos melhores lugares em Logan's Beach para acabar com tudo.

~ 48 ~


Seis DREE — Doc, — falou Preppy. Eu sabia que ele estava lá, mas nada poderia me preparar para o impacto de ouvir sua voz novamente. Isso me bateu como um gancho de esquerda inesperado, me tirando do meu centro de equilíbrio. Eu tropecei, me agarrando à grade enferrujada em uma tentativa de fazer parecer como se fosse a altura que causou minha instabilidade. — Preppy — eu respondi, limpando a minha garganta quando a minha voz saiu arranhada e aguda como a de um menino préadolescente. Não havia como confundir seu ofego. — Eu ouvi falar que você estava morto. Eles fizeram um funeral para você e tudo mais, você sabe — eu disse. — Eu nunca fui realmente um seguidor de regras. — Você nunca foi um seguidor da lei também, mas eu nunca esperei que você não fosse ouvir as leis da natureza. Você sabe. Vida e morte e tal. A maioria das pessoas não volta. — Eu não sou a maioria das pessoas. — Isso eu sei. Preppy estava sentado na borda do outro lado, envolto na sombra da torre. Eu só conseguia ver o contorno do seu corpo. Houve o clique de um isqueiro, a chama resplandecente escondida por sua mão quando ele acendeu um cigarro e fechou o isqueiro.

~ 49 ~


— Ouvi dizer que Causeway2 é uma armadilha para turistas agora, — disse ele, respondendo à minha declaração anterior. — Eu ouvi dizer que todos ficam fora de si até mesmos lá. É muito moderno. Cada hipster daqui até Miami está se jogando nessa coisa. Eu não sei se você sabe disso sobre mim, mas eu nunca fui muito de seguir a multidão. — Eu acho que eu posso ter ouvido isso em algum lugar — eu respondi. Dei um passo até ele. — Não, Doc. Fique aí — ele exigiu, a seriedade em sua voz congelou meu pé no meio do passo. Baixei-o de volta para a plataforma e estava prestes a perguntar a ele por que quando ele suplicou suavemente — Por favor. Sem saber para onde ir, eu caminhei até o parapeito, parando no mesmo lugar onde as coisas poderiam ter acontecido de forma diferente para mim. Olhei por cima do parapeito para o chão. — Uma longa descida — disse Preppy. — Teria sido — eu concordei — mas eu nunca descobri graças a este cara que não queria que eu assombrasse sua torre preciosa. — quando eu levantei minha cabeça de repente, eu me senti tonta e tive que fechar os olhos e respirar profundamente, inclinei meu queixo para a lua brilhante e balancei em meus pés. — Calma aí, Doc. — disse Preppy, sua voz suave, me aquecendo como uma manta muito necessária. — Eu não fiz merda nenhuma. Eu segui a garota que roubou de Mirna e quando eu cheguei aqui eu vi uma garota nua e quis tocá-la antes que ela caísse. Isso que aconteceu. — Preppy ajustou sua posição, suas roupas raspando contra a torre. — Como está Mirna? — Ela morreu. Seis meses atrás — eu disse. — Ela aguentou por muito tempo, mais do que a maioria aguentaria com seu tipo de doença. O engraçado é que, quando ela morreu, ela não tinha sido ela mesma há tanto tempo, que de certa forma, fiquei aliviada. — Sinto muito. Para uma idosa, ela era muito bonita — disse Preppy.

Nos livros anteriores, King foi chamado de Rei da Calçada por causa de Causeway, que é o nome da cidade. Em “Rei da Calçada” resolvemos traduzir porque parecia ficar sem sentido em inglês. Então vocês poderão ver Causeway como a cidade e “Rei da Calçada”, apelido de King, que no original seria “King of Causeway (rei da cidade). 2

~ 50 ~


Pensei no jeito que ela me perdoou depois que eu a roubei. Me deu um lugar para ficar. Me deu o benefício da dúvida quando eu não merecia. — Sim, sim, ela era. — eu limpei minha garganta em uma tentativa de segurar as lágrimas. — Por nunca pensar em falar com você de novo, isto é… — Fodidamente estranho — Preppy introduziu. — Sim — eu concordei. — Eu ia dizer incrível, mas estranho funciona também. — eu apertei minhas mãos e mordi o interior do meu lábio. — Incrível é apenas o irmão mais velho do estranho — Preppy falou. Eu olhei para o céu. — Eu tinha uma lista de coisas na minha cabeça. Uma lista de coisas que eu diria a você se eu tivesse a chance de novo e agora… — E agora? — Preppy perguntou, como se quisesse saber como aquela frase terminava. — E agora não consigo pensar em nenhuma dessas coisas — admiti. — Tempo — disse ele, de repente. — O quê? — eu me virei para o canto escuro, desejando poder ver seu rosto novamente. — Quando as pessoas não sabem o que dizer um ao outro, eles falam sobre o tempo, certo? Então… que merda, está meio quente hoje à noite. — uma linha de fumaça prata se elevou no ar quando ele exalou, fumaça cinza em cima de sombras negras. Engoli em seco. — Sim, está quente — eu disse. — Mas se você quiser falar de notícias e eventos atuais, ouvi dizer que há um perseguidor solto em Logan’s Beach. Ele permanece nas varandas dos fundos e olha para as janelas de mulheres despretensiosas. — Acho que ouvi isso também. Mas era apenas a janela de uma mulher despretensiosa. E ele não é um perseguidor. — Não? — Parecia mais um voyeur.

~ 51 ~


Eu ri e caminhei em direção a ele novamente, eu podia sentir a negação em seus lábios, mas antes que ele pudesse falar, eu sentei do lado do espaço escuro, apenas a alguns centímetros dele, com minhas costas contra a torre, ao lado de uma lona branca que estava cheia de baldes e escovas, cheirando a tinta fresca. — Por que veio me ver? — Por que você veio me ver? — foi sua resposta imediata. Nós dois estávamos quietos, provavelmente porque nenhum de nós poderia responder a essa pergunta de forma simples. — Aqui está quieto — acrescentou. — Sim, está. — Desde que eu estive em casa tudo parece tão alto — lamentou ele. — Preppy, o que aconteceu com v… Ele me cortou antes que eu pudesse terminar. — Não, Doc. Agora não. Hoje não. Provavelmente nunca. — eu olhei para cima e vi o brilho vermelho queimando de forma mais brilhante quando ele inalou, desejando que fosse apenas um pouco mais brilhante para que eu pudesse vislumbrar os lábios unidos ao final desse cigarro. Ele deveria estar olhando para mim também. — Eu gosto de seus óculos — disse ele. — Obrigada, — eu disse, empurrando-os para cima no meu nariz. — Minha visão estava um pouco borrada há anos. Eu sempre pensei que era por causa da heroína, ou talvez fosse por isso que eu não me importava. Não foi até depois que eu fiquei limpa e ela não melhorou que eu fui consultar. Eu fiquei chocada quando eles me disseram que não era a heroína. Era só eu. — eu ri nervosamente. — Acho que você provavelmente está surpreso que eu consegui ficar limpa depois de todo esse tempo. — Não, eu sempre soube que você chutaria essa merda — disse Preppy, a confiança em sua voz me pegando de surpresa. Ele respirou fundo. — Doc, eu tenho que dizer isso. Quatro anos atrás… — Preppy, não. Você não precisa, — eu interrompi. — Você não é obrigado a dizer nada sobre o que aconteceu naquela época. Foi há tanto tempo. Está tudo esquecido há muito tempo — eu menti. — Há quatro anos, — começou ele de novo, com mais determinação. — Eu fui um completo idiota com você. Pensei muito sobre isso desde então. Pensei que eu poderia apenas deixar pra lá, em ~ 52 ~


vez de lidar com o quão confuso eu estava me sentindo. Eu só queria mandar tudo para o fundo do meu cérebro e manter lá. — ele riu como se ele não pudesse acreditar em suas próprias palavras. — Durante anos eu pensei que eu era tão mauzão porque você ir embora não me afetou como deveria ter. A verdade é que afetou. Um monte, merda. Eu simplesmente não demonstrei, e por alguma razão estúpida em minha mente eu pensei que era o mesmo que não me afetar. Só levou até eu ficar sozinho na escuridão durante meses a fio para perceber o quão ridículo isso foi, realmente. Que porra aconteceu com você, Preppy? — Pensei dessa maneira por muito tempo também, — admiti. — E essa é uma das razões pelas quais estou aqui. Na cidade. Para um enceramento. Eu cometi tantos erros. Tantos erros estúpidos. — Você encontrou? — Preppy perguntou. — Seu encerramento? Olhei para o canto escuro e senti seus olhos em mim quando eu sussurrei: — Nem de perto. — apertei meus dentes contra meu lábio inferior. Eu suspirei e deixei minha cabeça cair contra a torre de água. — Por que não? — Preppy perguntou. Olhei para o perfeito céu sem nuvens e milhares de estrelas cintilantes. Fechei os olhos com força. — Porque eu te encontrei em vez disso. Um par de pássaros pretos gritando escolheu esse momento para praticamente cair do céu noturno, entrelaçando um com o outro. Meus olhos se abriram para a cena que se desenrolava na nossa frente. Os pássaros se separavam brevemente, apenas para voar uns poucos metros antes de colidir de novo, as garras estendidas, os bicos picando um ao outro. Uma pena ocasionalmente flutuou para a plataforma. O par trocou golpe após golpe enquanto eles se levantavam e caíam no ar parecendo um desfile de carnaval. — Você acha que eles estão brigando ou fodendo? — eu perguntei, sem perceber que eu tinha falado as palavras em voz alta até que fosse tarde demais. O clima entre nós ficou mais sério. Até mesmo os grilos devem ter percebido a mudança na energia, porque era como se eles tivessem percebido e pararam de chiar para que pudessem ouvir. — Eu acho que você e eu sabemos que você pode estar fazendo as duas coisas ao mesmo tempo. — suas palavras me levaram de volta para quando Bear se tornou uma ferramenta em nossa batalha de quem poderia fazer o outro se sentir pior.

~ 53 ~


Se houvesse um vencedor, com certeza pra caralho não tinha sido eu. — Quem sabia que o sexo poderia ser a arma final da destruição em massa? — eu perguntei, seguido de uma risada nervosa. Eu peguei a barra das mangas da camisa que eu estava usando para que eu pudesse puxá-las para baixo sobre minhas mãos. Eu podia sentir seus olhos em mim, observando cada movimento. Mexi-me para a esquerda e para a direita, sentindo os entalhes da plataforma de metal fundido tomando forma nas bochechas da minha bunda. — Então… vamos falar mais sobre o tempo? — eu perguntei, precisando quebrar a tensão que estava ficando cada vez mais pesada no espaço entre nós, antes que eu quebrasse. — Mais sobre qualquer outra coisa — Preppy respondeu, soando aliviado e entristecido. — Sabe, não aconteceu nada de novo desde que você foi… — eu hesitei, sem saber qual palavra usar. — Embora? — Bem, — Preppy começou. — King e sua garota tem um monte de crianças agora. Eles reconstruíram a garagem porque houve algum tipo de evento catastrófico sobre o qual eles não me contam. Mas na verdade eles não estão realmente me falando merda nenhuma ultimamente. Bear está se escondendo de mim por alguma razão. Meu quarto agora é cor-de-rosa e está sendo ocupado por uma criança de seis anos que gosta de entrar no quarto e olhar para mim enquanto durmo. — ele fez uma pausa. — E Grace morreu. — Eu sinto muito, — eu disse, estendendo a mão para confortálo, apenas para encontrar o metal frio da torre quando ele deslizou para trás, fora do alcance. Eu retraí minha mão e puxei meus joelhos para meu peito. — Esqueça o tempo. Diga-me algo engraçado. Conte-me uma piada, Doc. — sua voz estava diminuindo, como se ele estivesse cansado. — Eu não ouvi uma faz um longo tempo. Sentei-me por um segundo, respirando o cheiro de fumaça de cigarro e seu sabonete, pensando que eu estava em algum tipo de sonho que estava prestes a terminar. Todos os meus sonhos com Preppy terminaram abruptamente, então se era um sonho, o tempo não estava do meu lado. — Toc, toc, — eu comecei. — Quem está aí?

~ 54 ~


Eu hesitei e quase mudei de ideia sobre o que eu ia dizer a seguir, mas eu precisava segurar as palavras de saírem de meus lábios antes que eu acordasse deste sonho estranho e já fosse tarde demais. — Quem está aí, Doc? — Preppy perguntou em um sussurro. Eu respirei fundo. — Eu. — Eu quem? — ele perguntou, brincando. — Aparentemente… sua esposa. Silêncio. Eu limpei minha garganta. — Os documentos que eu deixei para você? — eu comecei, — Os documentos que você queria usar para conseguir a guarda da filha de King? Eles foram mostrados para os advogados e o juiz recentemente, muito recentemente, MUITO recentemente mesmo, e eu fiquei sabendo que você arquivou a licença de casamento. Então, aos olhos do gabinete do secretário da Prefeitura... bem, aos olhos do Estado da Flórida como um todo... — Nós somos casados — Preppy terminou, não soando nem um pouco surpreso. — Sim, — eu respondi. — Somos casados. — Acho que fiquei confuso, — disse ele, mudando de posição, embora eu não pudesse ver exatamente, eu ouvi metal raspando contra a plataforma, e eu presumi que deve ter sido um botão de suas calças. — Toda essa merda com Max estava sobre minha cabeça. Provavelmente pensei que eu deveria arquivá-los. — ele explicou de uma forma que me fez pensar que havia mais no que ele estava dizendo do que ele deixava transparecer. Ele te ama, sua idiota. Ele te enviou aquela carta. Ele disse que a amava. Arquivou os papéis porque a AMA. — Por que está de volta, Doc? Aqui? Em Logan’s Beach? — Quando eu fui para casa, meu pai me mandou para a reabilitação. A melhor em Nova York. Os negócios do meu pai sempre foram bem, então eu não questionei quando eu perguntei de onde o dinheiro para pagar estava vindo e ele mentiu para mim e me disse que seu seguro estava pagando por isso. — eu respirei fundo e me lembrei do olhar reconfortante em seu rosto quando ele tentou me convencer de que tudo ficaria bem.

~ 55 ~


— Mas não era. — Não, não era do seguro. Não havia seguro. Era tudo dele. Ele fez vários empréstimos. Primeiro para me mandar para a reabilitação e depois para a faculdade, — eu me encolhi porque eu odiava o fato de que meu pai se sacrificou tanto por causa de todos os meus erros. — Para encurtar a história, seu negócio está falindo. Ou, de acordo com as notificações de atraso e as exigências de pagamento que eu encontrei, já faliu. — E? — E ele está perdendo a casa, — respondi. — Por minha causa. — Isso não é culpa sua, — disse Preppy, soando muito parecido com Brandon. — Eu sei, — eu concordei, embora fosse uma mentira. — Mas isso não significa que eu não vou tentar e fazer o que puder para ajudá-lo. — Você está vendendo a casa? — Preppy adivinhou. — Sim, estou vendendo a casa. Como você sabia? — Ou eu podia ver para onde a sua história iria… ou talvez foi aquela grande placa de venda no jardim da frente da Mirna que poderia ter me avisado, — disse ele. — Eu quero dizer, o voyeur poderia tê-la visto quando ele a perseguiu. — Entendi — eu disse, meus lábios se transformando em um sorriso. — Sabe aquelas cartas que eu te disse que escrevi em caso de minha morte prematura? — Preppy perguntou. — Sim? — eu congelei. — Bem, eu as mantive e deixei instruções para Doe… quero dizer, Ray, a garota do King, para mandá-las por mim depois… — eu o ouvi se mexer e ele estendeu as pernas, suas botas pretas agora eram visíveis na luz. — Ray veio me ver hoje. Eu gosto dela — eu admiti. — Ela veio? — Preppy perguntou. — Sim, só queria dizer oi, — eu disse — Então o que aconteceu, com as cartas?

~ 56 ~


— Bem… eu escrevi uma para você, — Preppy disse, acendendo outro cigarro. — Mas acho que só escrevi DRE no lado de fora do envelope, — ele riu. — Sem endereço. — Por que isso é engraçado? — perguntei. — É engraçado porque Doe não queria abri-la e invadir minha privacidade. Quando ela limpou a minha coleção de músicas, os meus CD’s velhos e outras merdas, ela percebeu que eu tinha um monte de coisas de NWA3, Dre e Snoop. — Ok? — eu perguntei, confusa sobre onde ele queria chegar e como na terra West Coast Rappers4 desempenhava um papel na história. — Ela me disse que ergueu minha carta na luz, para ver se tinha um endereço dentro, mas tudo que ela podia ver era a primeira linha, que dizia Doc. De repente, eu entendi onde ele queria chegar. — Não, ela não fez, — eu exclamei com um guincho, cobrindo minha boca com a mão. — Oh sim, ela fez. Enviou minha carta ao Dr. Dre, o rapper, através do fã-clube do Dr. Dre. — Merda! — eu me inclinei, segurando meu estômago para que o riso não me dividisse em duas. — Não, Doc, espere. Essa não é a parte mais engraçada. A parte engraçada… é o que eles mandaram de volta. — Eu quero saber? — eu perguntei, inclinando-me para ele. — Eles mandam de volta um fone de ouvido autografado do Dr. Dre e… — E? — eu o incitei, ansiosa para ouvir o resto. — E… uma ordem de restrição — concluiu. Nós dois explodimos em um ataque de riso. Depois de me acalmar, me lembrei de que, quando recebi a carta de Preppy, ela foi entregue por um serviço de correio de fora de LA, achei estranho na época, mas tinha assuntos mais urgentes à mão. Como uma carta de N.W.A, sigla do inglês Niggaz Wit Attitudes (Negros com atitudes) foi um grupo de Gangsta Rap americano formado em 1986 em Compton, Califórnia, formado por Eazy E, Dr. Dre, Ice Cube, DJ Yella, MC Ren e Arabian Prince. 4 Dre e Snoop são rappers. 3

~ 57 ~


PREPPY. Eu podia recitar cada palavra dessa carta. Eu podia descrever como ele inclinava as letras para a esquerda e como os seus y mergulhavam tão baixo na linha que eles alcançavam a frase abaixo. Então, é claro, eu lembrei que meu endereço estava no interior. Quem deve tê-la aberto no fã-clube deve tê-la enviado para mim. Ele acha que eu nunca recebi. — O que a carta dizia? — eu perguntei depois que o nosso riso tinha diminuído. Eu imediatamente me arrependi. Não era como se ele realmente fosse me dizer. Eu tinha razão. Preppy fez uma pausa. — Nada importante. Você sabe. Isso e aquilo. Provavelmente apenas algumas coisas sobre o tempo. Depois de um pacífico silêncio, foi Preppy quem falou primeiro: — Você viu o que eles fizeram com essa coisa? — ele perguntou, seguido por uma batida de seus nódulos contra o lado da torre de metal. — O que você quer dizer? — eu perguntei. — A pintura? Eu acho que eles finalmente pensaram em algo que foi capaz de cobrir o pau preto grande que eu havia pintado. Eles mataram a minha obra-prima. — ele disse, e com a nova mudança no assunto eu imediatamente me senti mais leve. — Bastardos. — Que pena, — eu disse, fingindo choque. — Mas eles só cobriram isto nas últimas semanas, porque eu vi isto do avião quando eu aterrissei. — Você viu isso do avião? — ele perguntou com espanto em sua voz. — Aí vem eles e cobrem isso. Era como um fodido marco. A maior coisa que aconteceu a esta cidade desde que os turistas percebessem que nosso bairro tinha uma praia de areia branca. — ele riu suavemente. — Era sempre bom dar umas risadas quando eu podia ver o esboço fraco dele nos cartões-postais que vendem naquelas lojas de armadilhas turísticas. — Bem, — eu bati minhas mãos contra meus joelhos e me levantei. Eu verifiquei os baldes de tinta, sentindo os olhos de Preppy em mim enquanto me dobrava para examinar as ferramentas à mão. — Só precisamos consertar isso então, não? — quando me virei de volta, estava segurando uma lata de tinta preta em spray, presumivelmente o que eles haviam usado para escurecer as letras LOGAN'S BEACH. —

~ 58 ~


Então, o que você diz? — eu sacudi a lata e fez aquele barulho que só as latas de spray produzem. — Devemos? — Mais uma vez, Doc. Sente-se — Preppy bocejou e eu relutantemente larguei a tinta e fiz o que ele pediu, sentando no meu lugar ao lado da sua sombra. — Eu fiz isso? — ele perguntou de repente. Percebendo que eu não podia vê-lo, ele acrescentou: — Seu pescoço, foi eu, não foi. Eu balancei a cabeça. — Não. Quero dizer, sim, você enlouqueceu e foi para a minha garganta, mas isso só deixou algumas marcas vermelhas. Isso foi semanas atrás. Aquelas já sumiram. — eu cobri o corte em meu pescoço com minha mão. — Mas isso foi de uma briga com um cortador de grama. Se você ainda não sabe… eu não ganhei. — Droga, — ele gemeu, parecendo sofrer. Ele se ergueu ficando em uma posição agachada, como se tivesse medo de entrar na luz, ou estivesse pensando sobre ficar ou ir embora. — Você não tem que ir, — eu disse, minha voz um sussurro. Passaram-se alguns segundos. Uma buzina soou a distância. — Você vai ficar comigo? — ele perguntou, parecendo cansado. — Só por um tempo? Eu não tenho dormido nada. — Aqui? — eu perguntei. — Aqui. Vire-se. Do seu lado. Fiz o que ele pediu e deitei na plataforma fria de lado, de costas para ele. Ele lentamente se moveu para trás de mim, e então eu o senti. No segundo em que a sua pele encostou na minha, era como mudar uma lâmpada que estava queimada por muito tempo. Brilhante e elétrica, e quente, era o que eu senti enquanto ele passava seu braço sobre o meu. Seu polegar roçou minha mão e eu tremi. Ele exalou em um profundo suspiro como se pudesse sentir a nova luz entre nós. — Nós ainda somos os mesmos que você conhecia — ele sussurrou. Virei a cabeça para perguntar o que ele queria dizer, mas ele me parou com a mão, virando o rosto para longe dele. — Não olhe. — Você não precisa se esconder de mim, Preppy. Já te vi. — Eu sei, — ele respondeu, me segurando mais apertado, e assim eu senti. A luz aumentou até virar uma tempestade elétrica. Havia uma carga no ar, energia ao nosso redor. Ele entrelaçou seus dedos com os

~ 59 ~


meus e eu juro que meu coração parou de bater. — Eu sei, — repetiu ele. Ele exalou, sua respiração na minha nuca, seus lábios contra minha pele. — Mas talvez eu seja o único que está se escondendo de mim mesmo. Foi a última coisa que Preppy disse antes que sua respiração se equilibrasse. Com Preppy embrulhado em torno de mim eu desmaiei pouco depois. Quando eu acordei no dia seguinte o sol estava alto no céu, os raios quentes queimando buracos em minhas retinas. Eu estava sozinha. Por um momento eu pensei que tudo tivesse sido um sonho, até que meus olhos se ajustaram a luz e caíram sobre o grande pau preto pintado com spray recentemente no lado da torre.

~ 60 ~


Sete PREPPY Eu estava além de inquieto. Eu tinha decidido que a razão pela qual eu não conseguia dormir era porque o colchão era muito macio. Deslizei para o chão, mas não consegui desligar a minha cabeça. Eu só adormeci por um curto período de tempo na torre com Dre, mas foi o sono mais profundo que eu tinha tido, além de estar em um coma de merda. Quando eu acordei eu passei muito tempo cheirando seu cabelo como o doente que eu era, antes de decidir que o grande pau preto precisava fazer um retorno. Fiquei feliz por ela. Por ficar limpa. Por ir à faculdade. Por querer ajudar seu pai. Não, eu não estava feliz, essa não era a palavra certa. Eu estava ORGULHOSO. Mas o orgulho não conseguia deter o pensamento egoísta que me incomodava na parte de trás do cérebro, que eu senti falta de quando Dre era uma viciada e uma bagunça, para que eu pudesse de alguma forma ajudá-la novamente. Havia dois problemas com esse pensamento. Um, ela não precisava ser salva. Dois, eu não poderia ser a porra do cavaleiro de ninguém. Porra, ela era tão linda. Dre não precisava de um pingo de maquiagem. Seus longos cílios e lábios rosados gordos a faziam ter uma beleza natural, sem falhas. Os óculos novos eram como um bônus nerd que trouxeram mais atenção para seus grandes olhos escuros. Eu me perguntei se ela ainda usava roupas de estilo dos anos 50, os saltos e meu favorito de merda… os lábios vermelhos.

~ 61 ~


Eu rolei em minhas costas e deslizei minha mão para baixo em minhas calças enquanto eu pensava nesses lábios. Eu me lembrei de como eles pareciam contra os meus. Lamento nunca ter tido a chance de vê-los envoltos em torno do meu pau. Lembrei-me que a sua buceta tinha o gosto melhor do que qualquer café que provei. Os ruídos que ela fazia quando estava gozando assaltaram minha memória. Essa memória deu lugar à nossa primeira vez. A forma como ela lutou contra mim, mas amou cada fodido segundo quando eu fodi com ela nos trilhos do trem. Foi então que percebi que ela era quase tão doente quanto eu. Esse momento da minha vida foi melhor do que qualquer filme pornô e ao longo dos anos tinha sido a minha imagem mental número um para me fazer gozar. No entanto, depois de alguns minutos, meu pau ainda estava flácido. Nem uma pontada. Nem uma fodida faísca. Eu puxei minhas bolas e esfreguei a tira sensível de pele debaixo delas. Então levei minha mão até o meu pau e corri a minha palma sobre ele, querendo fazê-lo voltar à vida. Eu respirei fundo e pensei na maneira como os peitos de Dre saltavam na minha mão quando eu a fodia por trás. A maneira como ela gemia e tencionava seus músculos das coxas quando ela estava prestes a gozar. Nada. Eu podia estar vivo, mas meu pau ainda estava fodidamente morto. Eu soltei meu pau inútil e deixei minha cabeça cair3 de volta contra o tapete, soltando um rosnado de frustração. Posso não ter ficado duro, mas eu precisava gozar, liberar. Era a única maneira que eu sabia para me livrar da besteira persistente em meu cérebro e tentar limpar algum espaço para todas as outras merdas flutuando lá. Você ainda está se curando, idiota. Se recomponha. Eu disse a mim mesmo. Quando o sol estava alto no céu e eu podia sentir o calor de seus raios através da janela fechada, eu finalmente desisti de dormir e de ter uma ereção. Eu caminhei para a sala de estar. No segundo em que dei o último passo, eu fui assaltado pela luz. Eu protegi meus olhos do ataque vindo através da janela dianteira com meus antebraços. Usando minha palma para lutar contra os raios

~ 62 ~


cegadores, eu me arrastei para a parede e estendi a mão para a corda de metal, para poder fechar as cortinas, mas ela não estava lá. Espreitando através das fendas em meus olhos, eu percebi que as longas persianas de plástico branco que costumavam ficar ali já não estavam lá. Em seu lugar havia uma persiana de madeira mais moderna. Encontrei a manivela e a virei, suspirando de alívio quando voltei a ficar no conforto da escuridão. Pisquei rapidamente para me livrar das estrelas ainda dançando atrás dos meus olhos. Eu pensei que estava sozinho até que eu girei e encontrei Doe olhando para mim da cozinha. Ela ofegou, cobrindo a boca com a mão enquanto me olhava de cima para baixo, vendo minha cabeça raspada e rosto livre de cabelo pela primeira vez. Quando percebeu que estava olhando fixamente, desviou o olhar para a bolsa que estava organizando no balcão e limpou a garganta. — Um… as roupas que eu trouxe você não servem? — ela fechou a bolsa e levantou os olhos para mim, escondendo melhor o seu choque com minha aparência, apenas suas pupilas dilatadas mostraram seus verdadeiros sentimentos. — Eu estou bem, — eu disse, olhando para minha camiseta e shorts. — Eu não preciso de muito. Quando você reformou? — eu perguntei vendo os novos pisos de madeira e a tinta nova. Os armários eram os mesmos, mas tinham sido lixados e pintados de um branco brilhante. — Parece que adultos vivem aqui agora — eu disse. — Isso é engraçado, porque foi invadido por crianças, — disse Doe com um sorriso. Ela empurrou a tira do seu top que continuava caindo de seu ombro. — Preppy, se você não gosta da cor da camiseta ou das gravatasborboleta eu posso comprar cores diferentes, ou você pode vir comigo e escolher. Há uma nova loja chamada GENTS do outro lado da estrada com uma parede inteira de gravatas-borboleta, mas fica aberta apenas durante a temporada, então teremos que esperar para ir lá quando estiver aberta novamente em novembro. Podemos ter que lutar contra alguns turistas para escolher os melhores produtos que eles colocam, mas pode ser divertido. Eu dei de ombros. — Jeans estaria bom. — Lembra quando você me comprou aquele vestido para o nosso encontro? — ela perguntou, fazendo aspas no ar quando disse a palavra ‘encontro’. — Ele se encaixou perfeitamente e você nem sabia o meu tamanho. Merda, nem eu sabia o meu tamanho. A saia que eu estava usando era da seção prostituta da loja de roupas usadas e qualquer

~ 63 ~


prostituta que tenha usado antes de mim tinha uma bunda enorme. — Doe falou rindo. — Isso foi há muito tempo — acrescentou. — Para mim, foi ontem — eu disse. O sorriso lentamente saiu de seu rosto e ela mudou de assunto. — Você fez uma lista de coisas que você precisa? — eu amava aquela garota como uma irmã, mas a forma como ela olhava para mim, como se eu fosse um cachorro triste com uma perna quebrada estava começando a me irritar. — Está no balcão. — eu abri a geladeira e peguei uma cerveja. — Que porra é essa? — perguntou Doe, acenando a lista no ar. — Você me pediu para fazer uma lista das merdas que eu queria. — Eu quis dizer comida — Doe arqueou um quadril. — E o que você acha que é? — eu abro a cerveja no canto do balcão e me encolho, segurando uma mão sobre a minha orelha direita até o eco desaparecer. Eu abri minha boca como se estivesse destrancando meus ouvidos em um avião, mas eu sabia que abrir a boca não seria o suficiente para me curar da minha aversão ao som e à luz. Eu era como uma Helen Keller reversa. Sentei no sofá e peguei o controle remoto, trocando os canais. Doe parou na minha frente, bloqueando minha visão da tela enquanto ela lia minha lista. — Boquete, maconha, as últimas três temporadas de American Ninja Warrior, cerveja boa, Johnny Walker, José Cuervo… — ela parou e amassou o papel. — Esta não é uma lista de compras, Preppy, é uma lista de crimes. — ela jogou o papel em mim e ele bateu do meu rosto, rolando no chão. — Dê esse tipo de merda a King ou Bear, enquanto isso, se você precisar de roupas, ou comida, ou coisas como desodorante e creme dental, então eu sou a sua garota. — Por que você está tão chateada comigo? — eu perguntei, tirando meus olhos da TV para dar e ela um olhar interrogativo. — Porque… eu não sei, porra! — ela gritou, pegando sua bolsa do balcão e abrindo a porta da frente. — Aonde você vai?

~ 64 ~


— As crianças estão na escola e o bebê está com King no estúdio, então eu vou ao mercado comprar coisas para o jantar, e então vou ao túmulo da Grace colocar flores frescas e depois pegar as crianças e então esta noite eu tenho uma hora marcada para tatuar uma bunda inteira com o rosto de um tigre. Você pode vir comigo, você sabe. No túmulo da Grace? — Não, eu estou bem aqui, — eu disse, tomando um gole da minha cerveja e voltando para a TV. — Espere, quando você começou a tatuar? — eu gritei, mas ela já tinha ido embora. A tela se fechou e se o som dela descendo as escadas indicou como ela se sentia sobre a minha recusa em acompanhá-la para ir ao cemitério, então Doe mostrou o mais irritado foda-se. Demorou um minuto sólido de cobrir meus ouvidos e balançar para frente e para trás para aqueles sons pararem de saltar em torno da minha cabeça. Esfreguei os olhos. — Mulheres — eu murmurei, me escorando contra as almofadas. — Ela meio que está certa, — disse alguém. Virei a cabeça para o corredor quando uma menina com longos cabelos rosa e uma barriga de grávida muito grande caminhou da porta dos fundos para a sala de estar. Ela se encostou na parede ao lado da TV. — Você não foi ao cemitério desde que eles te falaram sobre Grace. Deveria ir com ela algum dia. — Você quer dizer desde que eu descobri sobre Grace, — eu a corrigi, incapaz de esconder a amargura na minha voz. — Não tem por que. Apenas uma caixa no chão cercada por outras caixas enterradas no chão. Nunca fez muito sentido para mim visitar pessoas que não podem falar. — Você sabia que Ray também visitava seu túmulo enquanto ela está lá? Levava flores e tudo. Mesmo depois que você voltou. Ela ainda está fazendo isso. Eu não sei se é por hábito ou… — Ou o quê? — eu perguntei. — Onde exatamente você está querendo chegar oh rosa sábia? — Ou talvez ela ainda esteja visitando sua sepultura porque ela sente que você realmente não voltou ainda. Foi a minha vez de rolar meus olhos. — Isso é ridículo, estou bem aqui… espere, eu tenho um túmulo? — eu levantei meus pés sobre a mesa de centro e esperava que ela deslizasse para fora dela para abrir

~ 65 ~


espaço. Não tive essa sorte. Oh, ela levantou seus pés, e no segundo em que meus calcanhares entraram em contato com a mesa ela, escorou suas pernas em minhas canelas e suspirou profundamente. — Isso é assustador pra caralho… e fodidamente legal. — Você não quer saber quem eu sou? — ela perguntou. — Eu ia chegar lá, — eu menti, olhando para as adagas ofensivas em seus pés, descansando em minhas pernas. A garota me deu uma estranha sensação de deja-vu e embora eu estivesse certo de que eu não a conhecia, eu meio que me sentia como se a conhecesse. — Eu sou Thia, a noiva de Bear, — ela falou. — Mas você pode me chamar de Ti, se quiser. — ela bateu na barriga dela e sorriu. — E aqui está Trey. Bem, Trey se for um menino, ou Jackie Marie se for uma menina. — Bear? — eu perguntei, a menção de seu nome agitando meus nervos. O filho da puta ainda não tinha dado as caras. — Eu não conheço nenhum Bear. Quero dizer, o nome soa vagamente familiar, mas não consigo lembrar do rosto dele. Embora pareça feio pra caralho. Pareceria mais familiar se ele mostrasse o seu fodido rosto e parasse de me evitar. Thia revirou os olhos. — Ele está te dando um tempo, idiota. Leve isso como um presente porque confie em mim, você precisa dele. — Tempo para quê? — eu perguntei, afastando as pernas dela e me sentando para poder me inclinar e olhar melhor para a estranha na minha frente. — O que diabos isso quer dizer? — Você vai descobrir. — Obrigado Dali-lama de cabelo rosa, eu me sinto muito melhor sobre um dos meus melhores amigos me ignorando agora que você explicou tudo. A merda é tudo rosas de novo. — eu tomei o resto da minha cerveja e a bati forte na mesa, o fundo da garrafa fazendo um SMACK alto contra o vidro. — Por que você não se concentra no que é importante, Preppy? — E o que exatamente é isso? — O fato de que Ray está no cemitério agora colocando flores na sua cabeça de pedra quando você está vivo e aqui, sentado na fodida sala de estar dela.

~ 66 ~


— MINHA sala de estar, — eu corri. — Viu? Isso é exatamente o que quero dizer. Você não está se concentrando no que é importante. — Thia disse, levantando-se lentamente em uma série de pequenos movimentos muito parecidos com um caminhão fazendo uma curva em uma estrada estreita. — Além disso, ela não queria te contar, mas ela estava indo visitar Dre. Elas se tornaram boas amigas. — Espere, o quê? — eu perguntei, mas ela já estava do outro lado da casa. O que estava acontecendo com as pessoas que me diziam partes de uma história antes de sair? — Mulheres, — eu murmurei de novo quando eu pensei que ela tinha saído pela mesma porta que ela tinha entrado. — Eu ouvi isso! — Thia disse atrás de mim. Eu pulei e deixei cair minha garrafa vazia no chão. — Era para escutar! — eu disse de volta, pegando a garrafa do chão e colocando de volta na mesa de café. Eu circulei o sofá e peguei uma nova cerveja da geladeira, sentindo o olhar de Thia em mim o tempo todo. Quando eu me sentei de volta no sofá, eu senti na parte de trás do meu pescoço seu olhar queimando um buraco na minha pele. — Você sabe como causar uma impressão — eu disse. — Bem, agora pelo menos, você vai se lembrar de mim, — ela disse, desta vez fazendo o seu caminho até a porta dos fundos e abrindo-a. — Menina grávida com cabelo rosa, sem filtro e problemas com limites. Não pense que vou ter qualquer dificuldade em lembrar quem você é. — eu disse, levantando minha cerveja para ela em um elogio fingido antes de tomar um longo gole da garrafa. Ela fez uma pausa e sorriu brilhantemente. — Bem, se você ficar um pouco lento com os detalhes e você não conseguir se lembrar de quem eu sou, há uma pequena coisa sobre mim que pode ser capaz de acalmar um pouco sua memória. — Oh, mesmo? — eu perguntei, — Fale para mim, Thia. O que é que vai fazer você tão memorável? Ela piscou. — Você pode apenas se lembrar de mim como aquela garota que matou Chop.

~ 67 ~


Oito PREPPY Eu estava começando a pensar que as desculpas que todos estavam me dando sobre a ausência de Bear eram absolutas mentiras até que ele finalmente apareceu de pé na porta da varanda da frente, sua estrutura maciça ocupando cada centímetro do espaço disponível. Ele olhou para a sala de estar. — Prep? — ele perguntou, dando um passo hesitante em minha direção. — Já era hora, cadela. Traga sua bunda grande aqui. Você não pode pegar o que eu tenho, mas se pudesse eu não iria piorar as coisas. — fiz uma pausa quando ele entrou na sala porque o pânico subiu ao meu sangue. Os olhos de tom azul profundo, as sardas, o tamanho, a postura, tudo sobre ele gritava CORRA. Eu endireitei minha coluna, esticando meus pés no tapete, me empurrando para trás contra as almofadas do sofá até que caíram. Eu tropecei sobre ele, não sendo capaz de tirar os olhos da figura se movendo em minha direção. O único que me assombrava. — Não! — eu chorei quando eu me embaralhei contra a parede para achar a porta. Ele tinha vindo para mim. Eu precisava fugir, mas já era tarde demais. Antes que eu pudesse alcançar a porta, ele estava em cima de mim, as mãos nos meus braços me segurando no lugar. Fechei os olhos com força e me preparei para o golpe, para a dor, porque isso era o que sempre vinha em seguida. A dor. Só que ela nunca veio. — Preppy! Sou eu, Bear. Eu não sou o meu pai. Eu não te machucaria como aquele chupador de pau fez, porra. Você pode me ouvir? EU NUNCA IRIA TE MACHUCAR! — ele gritou.

~ 68 ~


Algo familiar em sua voz me fez voltar lentamente à realidade e abrir os olhos. Para meu alívio, não era Chop que estava ali de pé com preocupação estampada em seu rosto. — Você nunca iria me machucar, — eu repeti lentamente. Bear balançou a cabeça, sua respiração irregular. Ele afrouxou o aperto sobre os meus ombros. — Nunca — disse ele. Eu assenti com cabeça lentamente e ele me soltou, dando um passo para trás. Eu me inclinei para me recompor, sacudindo a adrenalina correndo em minhas veias. — Nunca. — Nunca. A neblina se dissipou e eu me levantei reto, olhando para meu velho amigo — Mesmo se eu tivesse fodido a sua namorada? — Nunca. Quero dizer, eu iria matar você, mas eu não iria te machucar. Eu faria isso bem rápido. Você sabe, porque nós somos irmãos e tudo mais. — Você é tão romântico, Bear — eu ainda estava tentando recuperar o fôlego. — E você é um idiota, Prep — disse Bear, empurrando seus polegares através do passador de cinto da sua calça jeans preta. — Bem, pelo menos agora eu sei por que você não veio mais cedo, — eu admiti. — E eu estava de zoando se alguém ouviu. — Eu sei. Entendi. — Bear sorriu. — Agora venha aqui, você está vivo, filho da puta. — ele me puxou para um dos únicos abraços que Bear sempre me deu voluntariamente e a necessidade de zombar dele diminuiu com a necessidade de me reunir com a outra metade da dupla que tinha sido meus melhores amigos. Lá estávamos nós, no meio da sala de estar, nos abraçando, cada um tentando segurar nossas lágrimas até que nossa necessidade de chorar pesou mais do que nossa necessidade de sermos os homens maus que éramos e não fomos mais capazes de conter as lágrimas. — Eu não estou chorando, porra — Bear soluçou. — Eu também não, seu merda fodido — eu solucei de volta quando meu velho amigo me segurou mais apertado e nós nos abraçamos e nos golpeamos duro nas costas até que eu estava certo que íamos nos dar contusões se continuássemos por muito mais tempo.

~ 69 ~


Provavelmente algumas costelas quebradas. Quando ele finalmente me soltou, rapidamente enxugamos nossos olhos e narizes em nossas camisetas, porque homens de verdade não choram, e foi quando eu notei a nova tatuagem na nuca de Bear. — Bear? — eu perguntei, enquanto ele puxava um maço de cigarros do seu bolso. — O que é isso? — eu perguntei, apontando para a razão pela qual eu seria capaz de tirar sarro de Bear para o resto de sua fodida vida. — É isso que eu acho que é? — eu dei um passo atrás dele para tentar ver melhor. Percebendo que eu estava boquiaberto, ele rapidamente cobriu a nuca com a mão e recuou contra a parede. — Isso não é nada. — Não, Bear, — eu disse, aproximando-me lentamente. — Essa tatuagem diz PREP. Isso é... TUDO... Bear baixou a mão e revirou os olhos. Ele sorriu enquanto pegava seu isqueiro. — Tudo bem, filho da puta. Pensei que a sua bunda estava morta então eu fiz uma tatuagem do seu nome na parte de trás do meu pescoço. Eu sei que você provavelmente já pensou em mil coisas idiotas a dizer sobre isso, mas podemos simplesmente ignorar essa parte por agora? Haverá muito tempo para isso mais tarde. Além disso, eu vou cobri-la com um dragão ou uma tatuagem de Chuck Norris ou algo realmente viril. O olhei nos olhos e levantei meu dedo indicador. — Você tem um passe. Apenas um. E é TEMPORÁRIO. — Você é tão fodido. Aqui, — disse Bear, chegando a uma bolsa que estava na porta. — Isto é para você, — ele me jogou uma caixa de camisetas extra. — O que diabos é isso? — eu perguntei, seguindo ele para a varanda da frente. — Considere isso um kit de iniciação do Preppy, — disse Bear. A coloquei no corrimão e a abri para encontrar várias camisetas, suspensórios e conjuntos de gravata. Fechei a tampa e guardei. — Obrigado, cara. — Quando estiver pronto, — disse Bear, apontando para a caixa. — Apenas para quando você estiver pronto. — por mais merda que eu lhe desse, Bear sempre teve um jeito estranho de me entender e saber quando não me empurrar.

~ 70 ~


Eu assenti. — Agora olhe debaixo das roupas, — disse ele com o cigarro pendendo em seu lábio inferior. Eu lancei a ele um olhar de ‘Que merda é essa’ e abri a caixa novamente. Passando sob as roupas e chegando no fundo da caixa, puxei um maço de cigarros, um saco de plástico com vários baseados já enrolados e uma caixa de preservativos tamanho extra grande. — Mais uma vez, para quando você estiver pronto, — disse Bear, desta vez com um sorriso malicioso. Ele me entregou mais duas caixas, que estavam ao lado da mochila, a menor no topo continha um celular e a maior no fundo, um laptop. As caixas pareciam novas, mas o lacre de plástico tinha sido removido. — Obrigado, cara. — eu puxei o saco e o enrolei sob meu nariz, inalando profundamente. — Deus, eu senti falta desse cheiro. — Bem, a maconha e cigarro são meus e de King. Ti e Ray escolheram as roupas. Ti foi ainda mais longe como levar o laptop para um cara nerd na loja de informática que colocou para você nos favoritos todos os tipos de sites pornôs estranhos. Olhei alguns deles, fizeram a minha pele arrepiar, então que eu acho que você vai gostar. Porra, eu fui um imbecil com ela... — Eu conheci sua garota no outro dia, ela parece... interessante, — eu disse. Bear sorriu. — Ela me disse que foi ela quem puxou o gatilho... — eu não consegui me lembrar o nome dele. — Isso é verdade? Bear assentiu com a cabeça. — Sim, ela salvou minha vida, também. Eu vou te dizer, você não sabe o que realmente é o amor até que você ver sua garota limpar seu pai filho da puta da face da terra. — Porra, eu acho que eu também a amo. — Bear olhou para longe como se estivesse recordando uma lembrança. — Acha que ela estaria de acordo com uma foda por pena? — eu perguntei, segurando a caixa de preservativos. — Eu vou fingir que você não disse isso, porra — disse Bear, com suas narinas dilatadas. Ele pegou a caixa das minhas mãos. — Você é um insensível, — eu disse, colocando o baseado entre meus lábios e estendendo minha mão para o isqueiro de Bear.

~ 71 ~


Bear balançou a cabeça. — De jeito nenhum, cara. Você vai ter que ir para a garagem e se esconder em um canto como o resto de nós. Morto ou não, Ray vai te chutar da maldita varanda se você fumar maconha pela casa. — Desde quando você se importa? — Desde que pegamos Sammy, Max, e Nicole correndo por aqui. Não fume essa merda até que as crianças estejam dormindo ou na escola, e mesmo assim ainda é só na porra da garagem. — Sammy? — Você não sabe os nomes das crianças? Eu me inclinei sobre o parapeito, agradecido que o sol estava se pondo porque significava que a pressão atrás dos meus olhos aliviaria uma vez que a noite avançasse. — Quero dizer, Doe me deu um resumo sobre as crianças e eu os ouvi gritando entre eles. Eu sabia que a menina era Max e o garoto era de Doe... quero dizer, filho de Ray, mas eu nunca pensei em seu nome antes. — Sim, acontece que ela colocou o nome de Samuel no filho dela anos antes de te conhecer, quão irônico é isso? Agora temos dois de você andando por aí. Ele é um bom garoto. Engraçado também. Uma semana ele está tentando me copiar vestindo seu próprio colete e querendo andar de moto e na semana seguinte ele tem cintos em torno de seus braços porque ele quer ser como King. Conheça ele. E as meninas. — Bear virou para lado para me encarar, apoiando seu cotovelo contra o corrimão. Ele apontou seu cigarro para mim enquanto falava. — Aquelas crianças são as melhores coisas que aconteceram a este lugar em um longo tempo. Eu distraidamente fui acender novamente e Bear ergueu as sobrancelhas. Puxei-o dos meus lábios. — Eu não posso fumar um maldito cigarro na minha própria casa? Como é que as pessoas vivem assim? — eu perguntei, horrorizado. Essa já não é mais a sua casa. Ele me deu um tapa nas costas. — Uma respiração por vez, irmão. — Eu não acho que estive fora por um tempo, — eu disse, jogando

o saco de volta para a bolsa. — Eu acho que muito mudou em um curto espaço de tempo. Você tem uma garota, e eu não posso me envolver livremente no meu amor por narcóticos ilegais. Que merda? — eu percebi que eu soava como garoto chorão, bem, um garoto chorão que ~ 72 ~


quer fumar um baseado em sua varanda, mas eu era incapaz de parar a confusão muito real que eu estava sentindo. Uma parte de mim, uma parte MUITO egoísta de mim, sempre esperou que enquanto eu estivesse fora o mundo estava de alguma forma pausado. Mas não estava. O mundo seguiu em frente. Todos seguiram em frente. — Essa besteira, Prep, é chamada de vida adulta, — disse Bear, me dando tapinhas nas costas. — Uma merda, não é? — ele riu, mas sua expressão me disse que ele achava qualquer coisa, MENOS uma merda. — Eu não posso acreditar que você tem uma garota, — eu disse. — Se eu tivesse que apostar entre você se estabelecer e o apocalipse de zumbi, meu dinheiro estaria apostado nos zumbis. Tanta coisa aconteceu enquanto eu estava... desaparecido. Bear me ofereceu um sorriso triste. O tipo de sorriso que todo mundo estava me dando desde que eu tinha acordado. O tipo de sorriso que estava me deixando um tanto furioso e doente do estômago. — Então sua garota sabe que você está apaixonado por mim? — eu perguntei, olhando para seu pescoço novamente antes de enfiar o baseado atrás da minha orelha. — Prep, — avisou Bear. — Mais tarde. — Estraga-prazeres, — eu murmurei. — E sim, eu tenho uma garota. Boa também. Engravidei ela e tudo, — Bear disse orgulhosamente. Ele acendeu o cigarro e me jogou o isqueiro. — Uau, você esperou até que eu estivesse longe para procriar mais lixos brancos? — eu bati o fundo do pacote fresco contra a minha mão algumas vezes antes de puxar um para fora e acender o meu próprio. A primeira inalação da fumaça encheu meus pulmões, algo fodidamente GLORIOSO e me deixando meio doidão já que eu não tinha fumado um cigarro desde que eu era criança, atrás da escola. — Não, porque eu coloquei um anel no dedo dela, também. — Lá vai a piada que eu ia jogar em você. — Prep, Ti e eu estamos ficando no apartamento da garagem enquanto o clube está passando por uma reforma, — disse Bear.

~ 73 ~


— Que tipo de reforma? Como uma restauração? — É um pouco mais abrangente. Eu dei de ombros e dei outro trago. — Bem, aquele lugar sempre foi um buraco de merda. Seria bom uma nova tintura ou se livrar do pântano que vocês chamam de piscina no meio daquela maldita coisa. Com o que você começou? — Materiais perigosos e remoção de sangue. — Decisão boa. — Eu achei que era também, — Bear se inclinou para frente na grade, olhando para o chão abaixo. — Mas desde que Grace... — Sim... — eu interrompi, deixando que ele soubesse que não havia necessidade de terminar sua frase para estabelecer a tristeza óbvia. — Ti e eu vamos para a casa de Grace em breve. Estou pensando em comprar alguma propriedade no outro lado da baía e construir alguma coisa ali. O que estão falando é que o velho Jenson está querendo vender, mas eu acho que por agora vamos ficar na casa de Grace, então teremos algum espaço depois que o bebê nascer. — A casa de Grace? — eu perguntei. — Você comprou a casa de Grace? Bear sorriu maliciosamente. — Não. Eu não comprei. — ele olhou para mim. — Eles não te contaram, não é? Eu balancei a cabeça. — Que diabos, filho da puta? Fala logo! — eu exigi, apagando meu cigarro com a sola do meu sapato. O sorriso de Bear ficou mais brilhante. Merda, quando ele conseguiu tantos dentes? — Prep, ao que parece, Grace era minha avó. — Puta merda. — o primeiro pensamento que me atingiu foi pura alegria. — Cara, estou com maldito ciúmes, mas isso pode ser a melhor coisa que já vi ou ouvi. Desde sempre. — Sim, pode ser — Bear concordou. — Bem, — eu apontei para seu pescoço. — Talvez depois dessa maldita tatuagem.

~ 74 ~


Nove DRE — Eu queria que você não fosse embora amanhã, — eu disse a Brandon enquanto esperávamos que o corretor de imóveis chegasse. A casa ainda precisava de algum trabalho. Eu ainda não tinha acertado as calhas ou a pintura, mas Brandon sugeriu falar com um profissional para ver o que eles achavam sobre cotação de preço e tempo de venda. Especialmente porque eu não tinha conseguido nem mesmo uma única ligação dos meus anúncios para À VENDA PELO DONO. — Eu gostaria de poder ficar mais tempo, também. Mas Ralph me ligou esta manhã e parece que o mundo inteiro vai desmoronar se eu não voltar até o fim de semana. Pelo menos, você conhece Ralph, é assim que ele faz parecer. Foram apenas algumas semanas, mas, infelizmente, sinto falta. Só então um novo modelo Honda parou e um homem alto em seus trinta anos saiu. Ele era magro e usava jeans com uma camisa de botão branco e um blazer azul. Seu cabelo estava puxado para trás e ele usava óculos pretos com armação grossa que me lembrava dos meus. Suas botas eram vermelhas brilhantes e pontudas. — Olá, você deve ser... Andrea, sim? — ele perguntou com um grande sorriso, apertando minha mão. — Eu sou Easton Feather, mas você pode me chamar de East porque é assim que todos os meus amigos me chamam e eu posso dizer desde o segundo que falamos no telefone que vamos ser grandes amigos. Eu sorri para o seu entusiasmo. — Sim, eu sou Andrea, mas você pode me chamar de Dre. Este é meu amigo Brandon, — eu disse, e os dois homens apertaram as mãos. — Eu te conheço? Você me parece familiar? — East me disse, puxando seus óculos para baixo da ponte do nariz.

~ 75 ~


— Acho que não, mas eu costumava vir aqui todo verão então você pode ter me visto por aí. East estalou os dedos. — Deve ser isso. É uma cidade pequena e parece ainda menor quando você ouve como algumas das mulheres fofocam por aqui. — East se abanou com a prancheta e olhou para a casa por cima do meu ombro. — Então Dre, — East começou, — como eu disse a você no telefone eu recomendo um passeio pela propriedade primeiro para poder ver com o que estamos trabalhando e então eu vou fazer um levantamento de algumas casas sendo vendidas na área para comparar. É mais para ter uma melhor ideia do preço. Então eu vou passar o meu plano de listagem com você e te deixar saber o que eu vou fazer em termos de marketing como abrir a casa para possíveis compradores, postagem nos mais recentes aplicativos imobiliários, e assim por diante. — ele olhou para a casa e fez alguns rabiscos na prancheta. — Parece bom? Vamos? — ele perguntou, subindo os degraus da varanda e entrando na porta da frente sem esperar por uma resposta. — Acho que sim, — disse Brandon com uma risada enquanto seguíamos East para dentro da casa. Ao longo das próximas duas horas East fez exatamente o que ele prometeu e fez uma avaliação completa da casa, bem como um plano para vender e comercializar com uma lista completa de composições. Depois de tirar fotos para a lista, ele apertou nossas mãos e disse adeus, prometendo me enviar um e-mail com o link para o catálogo na parte da manhã antes que fosse ao ar. — Ele é... estranho, — Brandon sussurrou sem mover os lábios enquanto acenamos de volta para East, que tinha acabado de sair da entrada da garagem e descia a estrada. — Eu gosto dele, — eu disse. — Ele é legal. E honestamente, enquanto ele puder fazer o que disse que pode com a casa, ele pode ser tão estranho quanto ele quiser. — Verdade, — Brandon disse, segurando a porta da frente para mim enquanto eu passava debaixo de seu braço. — Quer me ajudar a fazer as malas? — Mas você não vai ir até amanhã — eu comecei a lamentar. Mas então eu vi algo no canto do meu olho, algo no quintal. Quando eu fui até a janela e espiei a parte de trás, eu poderia ter jurado que o que eu

~ 76 ~


vi atrás da cerca era uma criança. Ela desapareceu tão depressa quanto tinha aparecido. — O quê? — Brandon perguntou, de pé ao meu lado na janela. — O que você viu? — Eu acho que havia uma criança no quintal, — eu disse, abrindo a porta deslizante de trás e arrastando para o portão de trás com Brandon no meu encalço. — Uma criança? Como uma pequena e magricela? — Sim? Achei que você tivesse dito que não viu nada. — Eu não vi. Não agora, de qualquer maneira. Mas no outro dia eu estava saindo quando o vi de pé atrás de mim no espelho retrovisor. Quando eu me virei, ele fugiu. Deve ser apenas um garoto daqui, curioso para saber quem é sua nova vizinha. — Sim, deve ser... — eu disse andando de volta para a casa com Brandon. Meu telefone tocou. — Olá? — Então vamos ter uma festa esta noite — Ray praticamente gritou em meu ouvido. — Venha para a minha casa por volta das nove. Um dos GG's vai cuidar das crianças na casa dele, então nós vamos fazer uma enorme fogueira. Um monte de bebidas. Esteja aqui ou eu vou te buscar! — Ray não me deu uma chance de responder. A linha ficou muda. — Festa? — Brandon perguntou. — Eu quero dizer; eu poderia ir para uma festa. — ele fez uma pausa. — Ou seria muito estranho para você estar lá? O som de um estalo de um galho chamou minha atenção e eu voltei para o bosque. Houve um leve sussurro da moita. Eu esperei e escutei. Nada. — Dre, você me ouviu? — Brandon perguntou. — Seria muito estranho para você estar lá? Você sabe, já que ELE vai estar lá. — Coisas estranhas estão acontecendo — eu disse, ainda olhando para o bosque.

~ 77 ~


— Hã? Sem ofensa, mas... do que diabos você está falando? — ele perguntou. — Estou falando de uma festa e você está olhando para o espaço como se tivesse visto um fantasma do Papai Noel ou algo assim. — Festa. Eu. Você. Entendi. Eu estou dentro, — eu disse, voltando para a casa com uma estranha sensação de medo pairando sobre mim. Eu não sabia se era por causa da festa ou o pensamento de vê-lo novamente, ou porque todos os pelos do meu braço estavam em pé, eu não poderia afastar esse sentimento. Uma sensação de que estava sendo vigiada.

~ 78 ~


Dez PREPPY — Ei! Levante sua bunda e venha para a garagem. Temos algo para você — disse King do fundo da varanda. Sentei-me nos degraus da frente brincando com meu novo laptop. — Que porra você está fazendo? — Olhando fotos nuas da sua mãe. — Desligue o pornô e venha comigo — ele exigiu. — Eu nem estava olhando pornografia. Apenas verificando o que estava acontecendo no mundo desde que eu voltei para ele, — eu admiti. — Alguma coisa interessante? — perguntou King, colocando um cigarro entre os lábios, mas sem acendê-lo. — Bem, parece que eu perdi a eleição — eu disse. — Pra quê? — perguntou King. — Presidente. — O que? — Dos Estados Unidos. Eu olhei para cima para vê-lo sorrindo. Ele estava zoando comigo. — Você é um idiota. Eu estava começando a pensar que toda essa tinta de tatuagem se infiltrou em seu cérebro, — eu disse. — Eu pensei que eu era o único que deveria ter todas as piadas. Bear apareceu ao lado de King. — Vamos apenas atualizar você até depois da cirurgia — disse ele, digitando uma mensagem em seu telefone e empurrando de volta em seu bolso. — Que cirurgia? Que porra você está falando? — eu perguntei, me perguntando se eu tinha perdido alguma coisa.

~ 79 ~


— Você sabe, aquela para tirar a cabeça de sua bunda, — disse Bear com uma risada estrondosa. Eu zoei ele de novo. — Eu espero que seu filho não herde sua cara de pau, na verdade, é melhor não herdar sua aparência, pois você não tem nada a oferecer nesse departamento. — Eu realmente concordo com você nisso. Quanto mais o garoto puxar da Ti, melhor — disse ele, parecendo menos com o malhumorado Bear que eu me lembrava e mais com esse cara estranho e feliz que invadiu seu corpo. Era como assistir a um daqueles shows de invasão alienígena e Bear era o produto de algum alienígena feliz que decidiu fixar residência em seu corpo sem camisa. — Mas agora, — continuou Bear. — Eu preciso que você levante o seu traseiro e vá para a garagem. Temos algo para você. — O quê? Por quê? — eu perguntei. — Por quê? Porque eu te disse. Se levante. Sem essa. Não seja uma vadia — King disse. — Eu vou estar lá, me dê um segundo. — eu abri o site de redes sociais que eu tinha estado quando eles me interromperam. Eu tinha dito a verdade quando eu disse a King que eu não estava olhando pornografia. Meu pau não tinha exatamente recebido o memorando de que eu estava vivo ainda, mas eu tinha esperanças para o filho da puta ou então era apenas uma enorme inútil coisa morta pendurada entre as pernas cerca de 60 anos mais cedo. Olhando de volta para mim da tela do computador estava o cabelo preto brilhante e olhos escuros quase pretos. Em sua foto de perfil, ela estava de pé sobre areia escura atrás de dunas cobertas de grama, nada como as praias na área de Logan's Beach. Era uma foto simples. Ela não estava olhando para a câmera, em vez disso ela estava olhando para longe, a sombra de quem quer que tirou a foto estava sobrepondo parte de seu rosto e imediatamente eu odiei quem quer que fosse esse filho da puta que tirou a foto. Garoto ou garota. Talvez porque estava me obstruindo de uma visão completa de seu rosto ou talvez fosse porque ela parecia tão desprotegida e eu odiava alguém que não era eu que tinha chegado a vê-la dessa forma. Ela não postava muitas vezes. As fotos esporádicas que estavam em sua linha do tempo estavam todas datadas com vários meses de diferença.

~ 80 ~


Eu cliquei sobre a seção informação da sua página. — Venha, porra! — King gritou e agradeci a Deus que ele estava na garagem ou minha cabeça estaria nadando com o som da sua voz grave e alta. — Jesus Cristo, vocês dois! — gritei de volta. Antes de desligar o computador, eu poderia fazer Bear e King esperar mais quarenta segundos para que eu pudesse invadir a conta do Facebook de Dre e atualizar seu status de relacionamento. Para Casada. Eu não tinha certeza por que diabos eu fiz isso, mas eu estava feliz pra caralho que eu fiz. E quando eu saí pela porta da frente e fui em direção à garagem para encontrar Bear e King, eu estava com um grande sorriso genuíno fodido enfeitando toda a minha cara.

***

— Deus, eu senti saudades de você, você é tão linda, — eu murmurei, como se eu estivesse conversando com uma criança. Levantei o pedaço do espelho quebrado até o nível dos olhos para que eu pudesse ter um olhar mais de perto nas linhas perfeitas de pó branco, separadas em linhas pitorescas no topo do vidro. — Porra, eu acho que estou tremendo... tem sido um longo tempo, mas está tudo bem, nós vamos consertar isso, agora. Nós vamos consertar isso, querida. — Você vai cheirar essa merda ou fodê-la? — perguntou Bear, e tanto ele como King riram, lembrando-me que havia outros dois na garagem de King além de mim e da droga. Bear estava sentado no chão com uma perna levantada para poder descansar o cotovelo, as costas contra uma cômoda com gavetas que se abriam para uma das muitas caixas de ferramentas de King. King estava sentado em um banquinho com rodas, o cotovelo apoiado contra um espaço embutido no balcão encostado na parede, uma cerveja nos lábios. Minha droga e eu estávamos ocupando espaço na almofada do meio do sofá de couro preto destinado a ser uma área de espera para os clientes da King’s tattoo.

~ 81 ~


O estúdio era novo. Algo que King havia feito quando reconstruiu a garagem e o apartamento. Era pequeno, mas era limpo, e todo o equipamento em condição para a arte. Um letreiro de néon feito sob encomenda estava pendurado sobre a porta no interior. Era um crânio usando uma coroa e uma gravata borboleta. KING’S TATTOO que mudava do verde para o azul e para o vermelho. Com todas as luzes mudando de cor da parede, ela refletia uma tonalidade ligeiramente diferente sempre que a cor trocava. King não precisava do negócio de tatuagens, o dinheiro que ele fazia permanentemente marcando a pele dos motoqueiros e turistas era apenas uma fração do que fazíamos com as Granny Growhouses além da outra merda que sempre tínhamos nas mãos. Mas quando olhei em volta para as fotos emolduradas dos trabalhos que King tinha feito recentemente, eu sabia que ele fazia isso porque era uma parte dele. Da mesma forma do que eu me drogando. Porque era uma parte de mim. Ou pelo menos, seria. — Venha para o papai, — eu disse. Segurei a nota enrolada no nariz e fechei uma narina, inclinando-me, cheirando até o último pó de cocaína. Eu me sentei de volta, fungando para me certificar de que tudo que tinha sido pulverizado estava o mais longe possível no meu fodido cérebro. Eu enxuguei meu nariz e a onda me bateu mais duro do que eu me lembrava de bater. Ficar chapado era fodidamente incrível. Senti-me invencível quando Bear pegou a nota da minha mão e cheirou sua própria linha. Passou-a para King, que balançou a cabeça e levantou o baseado que estava fumando. — Não me diga que você não festeja mais — eu disse. — Que aquela buceta te chicoteou tanto que você não pode cheirar uma fodida carreira com seu amigo morto e sumido por muito tempo? Quero dizer, estamos seguindo todas as regras, certo? É depois do escurecer, as crianças não estão em casa, e estamos em sua loja na garagem. Artigo QUINZE, LINHA VINTE E SETE, as suas regras novas claramente afirmam que esta é uma hora aceitável para ficar doidão. — Não, atualmente prefiro ir mais devagar. Se chama relaxar, caso você nunca tenha ouvido falar dele. — Parece terrível, — eu disse, jogando mais pó do saco no espelho. — Apesar de tudo o que você tem feito, suas tattoos realmente melhoraram. — eu apontei para a coleção de fotos na parede. — Essa

~ 82 ~


merda é absolutamente incrível, cara. — eu inclinei meu queixo para baixo. Um braço todo tatuado de uma mulher com cores cinzentas claras misturadas com rosa e azuis. — Quero dizer, é feminino, mas ainda é muito foda. King riu. — Ray fez. Eu sabia que ela estava ajudando King e que ela tinha tatuado o pássaro na mão dele, mas eu não sabia que ela estava nesse nível. — Ela está ficando muito boa — disse King, radiante de orgulho. — Então eu acho que posso pegar sua caminhonete emprestada agora, se estiver tudo bem com você, chefão, — eu comecei, pegando o baseado que ele passou para mim. O pó esgotou meu cérebro preguiçoso e por alguns momentos me fez sentir quase fodidamente normal. Quase. — Eu acho que eu tenho algum dinheiro enterrado em algum lugar. Só tenho que lembrar onde primeiro, então eu vou para Dunn em Coral Pines e pegar meu próprio carro, vendo como o meu último explodiu e tudo. — Por quê? — perguntou King, como se fosse uma ideia distante. — Olha, os carros levam você do ponto A para o ponto B, — eu indiquei. — Espere, você é o único que tem um diploma e Bear abandonou o ensino médio, certo? Ou é coisa da minha memória louca? Bear riu e King rolou e chutou o pé. — Como é que eu vou ir para as GG's inspecionar e coletar? — eles fizeram uma pausa com a risada e eu não perdi o olhar preocupado que passou entre eles. — Preppy, você não tem que voltar a trabalhar. Nós só temos três ou quatro das casas GG, de qualquer maneira. Eu tenho Billy trabalhando por agora, além de Ray. Não há pressa. — Billy? Como o cozinheiro Billy? — O único. A casa dele foi inundada alguns meses atrás e até que o seguro entre em ação, ele tem ajudado aqui e ali — King explicou. Bear arranhou seu pescoço. — Sim, cara. Então você pode relaxar por um tempo. Se curar. Tire um pouco de tempo para si mesmo.

~ 83 ~


Eu balancei a cabeça. — Passei muito tempo pensando sozinho. Não preciso mais fazer isso. Eu estou pronto. — eu olhei para ambos e esfreguei meu nariz. — Vocês vão me dizer que eu não estou? — Preppy, — disse King, inclinando-se para frente e dando uma longa e lenta tragada no baseado. — Ray precisa da caminhonete para as crianças e eu tenho a minha moto, mas Bear e eu já conversamos sobre isso e ele tem alguns passeios ao redor do clube que podemos arranjar para você. — Tudo bem então, — eu disse, cheirando mais duas linhas e acendendo meu próprio cigarro. — Eu senti falta das drogas — lamentei. A cocaína pode não ser reconfortante para algumas pessoas, mas para mim era como bolo de carne e torta de maçã. Era casa. Olhei para o teto e depois pela janela do quintal. — Como diabos você pagou esta garagem? A casa está sendo reformada? A última vez que verifiquei suas finanças só giravam em torno de Max voltando e isso foi que mais do que qualquer um de nós tínhamos combinado. King me contou a história, embora eu sentisse que era mais do mesmo deja-vu que senti com Thia quando ele estava me contando sobre o ex-marido de Ray e Max e indo salvá-la do psicopata. — Isso não responde à minha pergunta. Como você pode pagar tudo isso? Bear respondeu. — Porque, como se sabe, King não precisava do dinheiro para Max. O senador a trouxe de volta por sua própria vontade. Então parece que Ray entrou com algum dinheiro. Um monte de dinheiro. — Bear sorriu, — Então... — Chefão, — eu disse, voltando minhas atenções para ele. Ele já estava revirando os olhos. — Você tem uma sugar mama5? — Vá se foder, Prep, — disse King, embora estivesse rindo quando ele disse isso. Ele pegou a garrafa de uísque de Bear e derramou um longo fluxo em sua garganta antes de passar para mim. Eu ainda estava engolindo quando Bear saiu da caixa de ferramentas. Ele olhou para mim com um olhar sério em seu rosto. Um olhar que eu queria evitar porque olhares sérios vinham com perguntas Uma mulher mais velha que gasta dinheiro em uma pessoa mais jovem, geralmente em troca de companheirismo e / ou favores sexuais. 5

~ 84 ~


sérias e eu não queria nada disso. — Prep, eu preciso perguntar. A garota. Aquela que veio te ver. Eu me lembro dela. Eu pensei que ela era uma BBB6 ou algo assim, mas isso não parece certo também. — Alguma coisa assim, — eu dei de ombros, tomando da garrafa. Eu devolvi para Bear. — Prep, eu conheço você desde que nós éramos jovens estúpidos, agora que eu sou mais velho e um pouco menos estúpido, eu sei que há mais nesta história, então você vai me dizer por que de jeito nenhum uma BBB viria aqui, a não ser que fosse para te esfaquear enquanto dorme. — Eu também gostaria de ouvir isso — disse King, inclinando-se sobre os joelhos. — Não há muito a dizer, — eu menti. — Você deve conhecê-la muito melhor do que você acha que conhece — eu disse para Bear. Como porta dos fundos é o melhor7. — Bem, se ela era uma garota do clube, então sim, claro que eu a conheço. E eu a reconheci imediatamente quando ela veio para a casa. Eu não consigo me lembrar dela ao redor do clube, ou estar nas festas com as outras BBB's. — Ela não era uma BBB. Ela era... uma garota que andava por aí — eu tentei explicar sem entrar em muitos detalhes, ficando cada vez mais frustrado com a porra da inquisição. — Uma amiga... que você estava fodendo? — King perguntou. Suspirei e encostei os cotovelos nos meus joelhos. — Você passou longe — eu disse para King. — E Bear estava naquele passeio longo para onde quer que tenha sido. Grace estava no centro de tratamento. Dre apareceu por causa da H8. — eu sorri para a memória. — Ela tentou roubar um das minhas GG's. Acabou por ser a casa da avó dela. Mirna. Ela ficou. Ajudou-me com alguma coisa que eu precisava de ajuda. Depois foi embora. Isso foi tudo o que houve. — eu dei de ombros e passei a nota para Bear, que cheirou duas linhas da mesa. Seus olhos azuis escuros estavam abertos, brilhantes e claros pra cacete. — Não é um grande negócio, — eu adicionei.

6 7 8

Sigla para se referir às prostitutas do clube. Quem leu o livro anterior sabe. Rs... Heroína. ~ 85 ~


— Prep, esta menina voltou depois de anos do nada, e então a coisa de ser sua mulher — disse Bear como se estivesse tentando provar um ponto. — Nós não conhecemos essa garota. Ela poderia estar envolvida em tudo isso de alguma forma. Parte do plano mestre que o manteve trancado por Chop. Talvez se você nos contar mais. Diga-nos exatamente o que aconteceu lá embaixo — ele empurrou. — De jeito nenhum — eu disse. — Preppy, se você nos contar, então... — King começou. — Escute, — eu o cortei. Eu apontei entre os dois. — Eu sei que vocês dois estão tentando descobrir o que aconteceu comigo. Querem saber quem mais estava envolvido ou quem ajudou Chop a encobrir o fato de que eu ainda estava vivo. Eu entendo que precisamos descobrir quem mais pode ter tido as mãos nisto para que possamos tirá-los maldito planeta, mas guarde seus malditos chapéus de detetive por um segundo aqui. A garota, Dre, ela não está tentando me enganar ou me matar ou algo assim. Ela não fazia parte de nenhuma das merdas de Chop. Eu a chamei de minha mulher quando eu estava acordando porque estava saindo de um fodido coma. Quer dizer, eu vi um vídeo uma vez no YouTube, onde o cara estava acordando da cirurgia dentária e pensou que sua esposa era Madre Teresa, começou a rezar para ela e tudo mais. King se inclinou para frente contra suas mãos na parte de trás do sofá na minha frente. — Diga-me alguma coisa, este novo visual tem algo a ver com essa garota voltando? — Como diabos você sabe que ela está de volta? King ergueu as sobrancelhas como se eu já deveria saber. Eu sabia. — Ray — eu murmurei. King assentiu com a cabeça. Não sendo mais capaz de ficar sentando eu me levantei e parei na frente do sofá. — Não, isso não tem nada a ver com ela — eu respondi, e era a verdade. Como é que eu ia dizer aos meus amigos que eu raspei a cabeça e o resto porque eu odiava olhar para mim só para descobrir que eu odiava a versão raspada de mim ainda mais? Eles tinham passado por tanto achando que eu estava morto. A última coisa de que eles precisavam era desnudar meus fodidos fardos também.

~ 86 ~


É por isso que eu nunca vou contar a eles tudo o que aconteceu com Chop. Nunca. Ambos me olharam com ceticismo. Eu estava prestes a explicar ainda mais que eles não precisavam se preocupar com Dre quando os olhos de Bear se iluminaram. — Droga, eu me lembro dela agora. Eu me lembro de falar com você sobre ela. O pai dela estava procurando por ela ou algo parecido... — seu rosto se iluminou em um sorriso enorme e eu queria tanto sorrir de volta e socar seu maldito rosto quando eu percebi que memória ele estava se lembrando. — Como diabos eu quase esqueci isso? — Esqueceu o quê? — perguntou King. Bear esfregou a testa enquanto tentava recordar a lembrança. — Eu não consigo me lembrar de todos os detalhes, mas foi aqui. Uma festa, eu acho. — Sim, é isso — eu disse. — Você a pegou... aqui? — perguntou King. — Por que isso é tão estranho? Nós tivemos todos os tipos de cadelas em nossas festas. O sorriso de Bear ficou ainda mais brilhante e eu congelei, sabendo exatamente o que ele estava prestes a dizer, porque vi as lembranças se apoderando do cérebro dele. — Porque esta é a única cadela que ambos enfiamos nossos paus ao mesmo tempo. Eu poderia ter dito um milhão de coisas, mas em vez disso eu escolhi mudar o assunto. — Então, quando vamos fazer a festa da minha volta? — perguntei. — Você está pronto para isso? — Estou pronto para qualquer coisa, — eu disse, cheirando outra linha e esperando que a droga me ajudasse a acreditar na minha própria mentira.

~ 87 ~


Onze DRE A casa em si sentia a mesma, mas parecia um pouco diferente. A garagem tinha sido remodelada ou substituída porque mesmo no escuro parecia nova. A casa principal tinha uma nova camada de tinta com certeza. As janelas numerosas estavam limpas e pareciam ter quadros novos. O beiral que tinha ferrugem e estava caindo eram todos novos também. O espaço sob a casa que costumava ser desordenado com peças aleatórias quebradas estava completamente livre de lixo e agora estava sendo usado como estacionamento. A caminhonete que Ray tinha dirigido quando ela veio me ver na casa de Mirna ocupava o espaço na parede mais distante. Várias motos tomavam o resto do espaço. Tochas com chamas brilhantes queimavam ao longo da calçada da frente. Todas as luzes estavam brilhando na parte inferior, mas só uma única luz estava no andar de cima, a janela brilhando de amarelo antes que quem estivesse naquele quarto, aquele quarto muito familiar, abruptamente fechasse as cortinas. — Essa foi uma péssima ideia — eu sussurrei para Brandon, que envolveu seu braço em volta do meu ombro. — Eu não deveria ter vindo. — eu me virei, mas Brandon me agarrou pelo pulso. — Você está aqui agora, Dre. Você veio vender a casa e encerrar isso, certo? Bem, — disse ele, apontando para a casa. Risos, juntamente com a batida da música tocando ecoava do quintal. Eu sabia o que Brandon estava prestes a dizer e ele deve ter visto que eu sabia porque ele nunca terminou a frase. Em vez disso, ele pegou minha mão e me puxou para a casa. Eu poderia ter discutido, mas não tinha sentido. Eu odiava quando ele estava certo, o que era muitas vezes. Eu tentei relaxar meus ombros rígidos tomando uma respiração profunda e calmante e exalando lentamente.

~ 88 ~


Não, não funcionou. — Ei, aqui — gritou Ray, nos observando da varanda, agitando os braços ao redor no ar. — Estou tão feliz que você conseguiu vir — disse ela, aproximando-se de nós. Com Ray estava a mesma garota bonita com cabelo louro morango9 que estava lá no dia em que descobri que Preppy estava vivo. — Este é Thia — Ray apresentou. — Você pode me chamar de Ti, — ela ofereceu com um sorriso doce. Meus olhos caíram para a pequena barriga de grávida entre nós. — Sim, eu sei, eu estou enorme, — Ti disse quando ela viu onde eu estava olhando. Ela bateu na barriga dela. — Qualquer dia a partir de agora ele vai finalmente parar de pisar na minha bexiga. Juro por Cristo que sinto que o bebê está usando a minha pélvis como um trampolim. Para cima e para baixo e para cima e para baixo. Estou em estado de choque que ainda não me parti em duas. — eu podia sentir como ela estava desconfortável. Gotas de suor apareceram em sua pele pálida, parando na ponte de seu nariz e bochechas. Ela se abanou com a mão. — Está quente aqui fora? Eu sinto que está realmente quente. Era a noite a mais fresca desde que eu tinha chegado em Logan’s Beach, embora isso não significasse nada para uma mulher grávida. — Sou Brandon, — ofereceu Brandon, apertando a mão de Ti. — Merda, me desculpe. Esqueci de te apresentar de novo — pedi desculpas. — Não se preocupe, eu sei que você tem muito na cabeça. — Brandon deu um aperto no meu ombro e não soltou. Ele se virou para Ray e Thia. — Senhoras, eu acho que esta aqui poderia precisar de uma bebida. — Sim! — Ray disse, segurando sua própria cerveja pingando. Thia a olhou amorosamente. Como se fosse uma velha amiga que ela sentia falta. Eu tentei não rir, escondendo meu sorriso atrás da minha mão. — Vou te mostrar onde estão as geladeiras — disse Ray, enganchando seu braço ao meu. Ela me levou para longe de Brandon, que se ofereceu para ajudar Thia a subir os degraus da casa para encontrar Bear. Ray me mostrou onde as geladeiras estavam na sua casa na parte de trás. Havia uma multidão de pessoas em todas as formas, de pé, inclinados, em torno da fogueira no quintal. O cheiro de fumaça de 9

É um rosa, mas é um tom natural. Muito raro. ~ 89 ~


cigarro e de maconha pairou no ar da noite. Ray chegou até uma das geladeiras, torceu o topo de uma cerveja e me entregou. Eu tomei um gole do líquido borbulhante, observando a multidão diante de mim. Eu disse a mim mesma que eu não estava procurando por ELE, mas eu sabia que era uma mentira. Eu também teria mentido para mim mesma se eu dissesse que a saia apertada de cintura alta preta que eu estava usando que abraçava meus quadris e bunda não era para ele. Nem era a blusa azul de bolinha com taças em forma de coração no sutiã que empurraram meu decote até limites inacreditáveis. Nem a hora que passei enrolando meu cabelo em cachos perfeitos e aparando minha franja para caísse do lado certo. Ou o vermelho brilhante em meus lábios ou o perfume atrás das minhas orelhas. Então mesmo SE fosse para ele. Era para mim também. Fazia muito tempo que não vestia o estilo de pin-up que eu tanto amava, mas o segundo que meu pé bateu no chão de Logan's Beach, senti uma necessidade de usar as roupas que eu gostava, para me sentir mais conectada com o lugar que eu amei. Eu raramente usava joias, mas eu tinha colocado o anel de noivado de diamante minúsculo da minha avó que meu avô tinha dado a ela quando ele propôs e ela tinha me dado quando eu ainda era apenas uma garota e não podia apreciá-lo como eu fazia agora. Ainda bem que meu pai tinha escondido em um cofre e me deu como um presente depois que eu terminei a reabilitação, porque não havia dúvida que se eu tivesse ganhado mais cedo eu teria vendido em algum momento durante o que eu comecei a referir em minha cabeça como OS ANOS SOMBRIOS. Não achei Preppy, mas eu instantaneamente reconheci Billy, o chef que preparou os caranguejos que Preppy e eu comemos. Não foi difícil vê-lo, não era como eu pudesse o deixar passar despercebido. Ele tinha quase dois metros de altura, era pelo menos uma cabeça mais alta do que a maioria da multidão e a massa do seu corpo era enorme. O macacão de brim que ele usava sem uma camisa por baixo não era exatamente um equipamento que o fazia se misturar. Ele estava de pé no fundo da multidão, um copo enorme nos lábios. Eu bati meu pé com a canção de Kane Brown tocando pelo cara empoleirado no degrau inferior da varanda dos fundos e fingi que estava relaxando quando na realidade eu sentia como se minha via aérea estivesse apertando, cortando minha capacidade de respirar a cada segundo que passava.

~ 90 ~


King veio até nós, inclinou a cabeça para mim, e a agarrou com a mão, arrastando-a sem dizer uma palavra. Muito homem das cavernas, pensei. Muito sensual. Thia encontrou Bear porque eu os avistei na fogueira onde King tinha se aproximado, puxando Ray, mas eu não vi Brandon em qualquer lugar. De repente, senti um tipo de consciência correr através do meu corpo. Bateu-me tão forte que meus mamilos se apertaram sob minha camisa. Eu sabia exatamente quem eu iria ver quando eu me virei para onde eu sentia algo me puxando pelo ar. Eu segurei a respiração. Eu sabia que ele estaria lá. Mas eu não estava preparada para como me senti quando o vi. Palmas suadas. Coração batendo rapidamente. Um sentimento de excitação e pânico tudo ao mesmo tempo. Foi exatamente como quando comecei a usar heroína. Logo antes de eu mergulhar a agulha no meu braço havia um sentimento quase tão bom quanto a onda em si. A antecipação. O medo. Eu sabia profundamente que não importava o quão preparada eu estivesse para vê-lo, porque eu nunca estaria preparada para o jeito que Preppy me fazia sentir. A segunda vez que eu o vi na multidão, eu sabia que isso não iria ser algum tipo de encontro quente e tranquilo. Não, foi uma fodida recaída.

~ 91 ~


Doze PREPPY — Esse cara de novo não! — uma voz feminina elevada atrás de mim gritou, uma menina de cabelo loiro brilhou na frente de meus olhos, mas eu não precisava ver seu rosto para saber quem era a fonte dessa voz irritante. Eu me virei e fiquei cara a cara com Rage. Literalmente, a única pessoa viva no planeta que sabe como empurrar cada botão que eu tenho apenas por existir. Além disso, ela era a única garota gostosa do planeta que poderia muito bem não ter uma vagina porque não havia nada sobre ela que eu ou o pequeno Preppy gostava. NADA. — Oh, merda! Quem convidou Suzie Home-Killer para a festa? — perguntei. — Você não tem filhotes para cuidar ou algo assim, Rage? Devo esconder o coiote para que você não fique apertando ele? Ela apontou para mim com sua garrafa de cerveja. — Para sua informação, esse coiote fodido me ama. Oh, e eu estou contente de ver você abandonou o laço feio, — ela disse, apontando para o colarinho de minha camiseta. — Era uma tendência morta. Eu apertei meus lábios. — Engraçado, especialmente quando eu tenho certeza que todos que você já conheceu se tornaram uma tendência morta em algum momento. Ela inclinou a cabeça para o lado. — Bem, então eu não ficaria muito perto se eu fosse você — disse ela, dando um passo à frente. Eu dei um passo em direção a ela em desafio. — Não me incomoda. Você não ouviu? Já estive morto. Ela riu e se você não soubesse que ela era Satanás, qualquer outra pessoa tomaria isso como uma risada genuína como se eu tivesse acabado de contar uma piada engraçada. — É mesmo, eu me esqueci de te perguntar — ela fez uma demonstração de limpar sua garganta. — Ei

~ 92 ~


perdedor, andou fazendo alguma coisa estúpida ultimamente? Você sabe, como ser capturado e torturado? Quero dizer, só pra registrar, estou contente por você estar de volta dos mortos, se é só para me divertir com você por ser estúpido o suficiente para ser morto em primeiro lugar. Eu bufei. — É mesmo? Você acha que ser morto é estúpido? Eu não sou aquele que fica nervosa e de repente um quarteirão cai nas ruas. Rage revirou os olhos. — OMG, foi como dois prédios no máximo. — ela fez uma pausa. — Dessa vez. — ela sorri de uma maneira astuta que me diz que ela ainda está orgulhosa do trabalho que ela fez. — Tão agradável como sempre, Rage, — eu disse, dando um passo para trás e tomando um gole da minha cerveja, procurando no gramado de repente vazio para poder falar com qualquer um que não fosse Genghis Rage. — Bem, eu não posso dizer que não estou desapontada ao te ver entre os vivos de novo, — ela disse, polindo suas unhas francesas bem feitas em sua camiseta rosa chiclete que tem escrito NINGUÉM DÁ A MÍNIMA. Olhei para ela com seus olhos azuis mortos e frios. — Engraçado, estou delirantemente feliz por estar vivo, mas de pé aqui agora, olhando para você, é a primeira vez que eu estou meio que desejando estar morto também. Você sabe, mas não tão morto quanto sua alma. Ela sorriu perversamente. — Eu sempre amei seus elogios, Samuel, — ela cantou caprichosamente, batendo os cílios por um momento antes de devolver a desaprovadora carranca ao rosto. — Quase tanto quanto eu amo pensar sobre como eles vão lançar seu episódio de ‘Making of a Serial Killer’. — Se você quer estar morto de novo, apenas diga a porra da palavra e isso pode ser arranjado — ela cuspiu, mexendo seus pés. — Você quer briga, cadela? — eu disse, saltando em meus pés e levantando meus punhos como um boxer. — Porque nós podemos ir agora mesmo. — Com prazer — disse Rage. Ela estava prestes a pôr a cerveja na grama quando uma voz nos interrompeu.

~ 93 ~


— Já chega, crianças — disse um motoqueiro alto que colocou seu braço em torno de Rage. Eu esperei que ela o empurrasse e saltasse de volta para mim querendo brigar, mas seu comportamento inteiro suavizou em seu toque e surpreendentemente ela nem sequer hesitou. — Oooooh. Vejo que a Barbie Bomber encontrou seu Ken? — perguntei olhando de Rage para o motoqueiro. — Cuidado — o cara avisou, protetoramente em pé na frente de Rage, que ficou na ponta dos pés e franziu o cenho sobre o ombro antes de sair na frente dele. — É bom ver que Rage não está morta por dentro como nós achamos por tanto tempo. Oi, eu sou Preppy, — eu disse, estendendo a mão. — Nolan, — o homem me cumprimentou e um pequeno sorriso que me disse que ele estava tentando o seu melhor para não rir. Um outro motoqueiro em um colete semelhante chegou e pôs uma cerveja nas mão de Nolan, passando os braços por cima dos ombros dele, sussurrando o que eu suponho que fosse merda estúpida de motoqueiro. — Falando de pessoas cujas almas você aniquila, onde está Smoke? — perguntei. Smoke era seu mentor e um fodido rastreador. Eu só estava perguntando por que eu já tinha ouvido que ele tinha deixado a cidade e que era de alguma forma culpa dela, embora eu não soubesse todos os detalhes. Ela encolheu os ombros e as linhas de raiva em forma de V em sua testa se endireitaram. — Não faço ideia atualmente — disse ela, colocando as mãos em seus bolsos traseiros e balançando sobre seus saltos. — Esperemos que longe — Nolan disse através de seus dentes rangendo, grunhindo por cima de seu ombro. — Nolan — ela avisou, utilizando um tom muito mais suave que eu já a ouviu usar antes, mas Nolan já estava de volta à conversa com o outro motoqueiro. — OMG. Você está com um cara! — eu sussurrei, apontando para Nolan. — Uau, isso é incrível. Diga-me, foi o pau dele ou o fato de que ele não assassina bebês enquanto eles dormem que fez você ir de Ted Bundy para Teddy Bear? Diga-me, você está pensando em fazer aquela coisa toda de viúva negra, onde você se aproxima deles antes de cortar

~ 94 ~


suas gargantas enquanto dormem, um por um? Porque eu não vou mentir, esse é um plano muito legal. — Eu não sou um personagem em uma história em quadrinhos, idiota. E eu não mato bebês — ela rosnou. — E eu não mato ninguém enquanto dorme. Isso é apenas... rude. Eu dei de ombros e tomei outro gole da minha cerveja. — Se funciona dizer isso para si mesma para que você possa dormir à noite. Ou, espera, VOCÊ dorme agora ou ainda está pendurada no teto como um fodido morcego? Rage olhou para mim sem responder, mas o brilho disse tudo. Se olhares pudessem matar. Bem, eles não precisavam porque ELA poderia matar. Eu cheguei até o meu cigarro no bolso e acendi um. Rage fez uma demonstração como se espantasse a fumaça de seu rosto, embora eu não estivesse perto dela. — Você dorme? Uau, é como se eu nem sequer te conhecesse. Diga-me, quais são as outras diferenças principais entre a cadela furiosa que você era e a cadela furiosa que você se tornou? — cruzei meus braços sobre meu peito e me inclinei como se eu mal pudesse esperar para ouvir sua resposta. — Vá se ferrar, Preppy. — Oh, qual é, Rage. Você pode fazer melhor do que isso. Quero dizer, é tão bom ver que você se estabeleceu e com ninguém menos que um motoqueiro. Eu realmente não tinha ideia de que você estava na vibe caseira, tricotando lenços e planejando bebês. Peço desculpas por tudo o que eu disse, Rage. — eu ofereci, levantando minhas mãos em rendição. Ela desdenhou. — É totalmente legal que você fica descalça na cozinha. Feminismo é para os pássaros10 e essas coisas. Oh merda, isso significa que você vai ser mãe? — E você? — ela perguntou, apontando para as crianças correndo pelo quintal. — Não parece exatamente que você está sozinho aqui. — Sim, bem, ainda me sinto como eu — eu murmurei, oferecendo esse pedaço de verdade desde que todos estávamos sendo honestos com nosso ódio e tudo mais. — Eu sei muito bem o que você quer dizer — disse ela, olhando para Nolan que ainda estava profundamente entretido, conversando.

10

É um blog feminista. ~ 95 ~


— Nós acabamos de concordar em uma coisa? — eu perguntei com um balançar de minha cabeça e um tom de nojo em minha voz. — Escute, o universo já está fodido. Nós não precisamos desse tipo de karma em nossas vidas. — Não, não concordamos com nada — argumentou. — Eu estava apenas dizendo quão aborrecida sua vida é e então eu queria acrescentar como você parece um merda após alguns meses de tortura suave. — ela se inclinou e sussurrou. — Aposto que você gritou como uma cadela — ela se afastou e tomou um gole de sua cerveja. Uma parte de mim, uma profunda parte de mim gostava de que Rage não tivesse filtro e dissesse o que quer que estivesse em sua cabeça. Era refrescante de uma forma porque todos os outros pareciam estar andando sobre a porra de ovos em torno de mim e de uma forma Rage estava certa. Estava ficando realmente chato. — É isso que Nolan faz? — eu perguntei com uma piscadela. — Será que ele te faz gritar como uma puta ou você apenas puxa o pau dele e compara quem é maior? Eu podia ouvi-la rosnar audivelmente e então suspirar pesadamente. — Bem, Preppy, tem sido real. Até que nós sejamos forçados juntos na mesma situação social de novo, o que espero que não seja em breve — ela disse tilintando o pescoço de sua cerveja na minha com um sorriso falso emplastrado em seu rosto que caiu antes que ela até mesmo virasse de volta. Ela passou por Nolan, chamando sua atenção, a cabeça dele girando na direção dela enquanto ela murmurava: — Fracote, não consegue aguentar uma tortura como um maldito homem. Respondi com um murmúrio meu — Assassina louca. — Você sabe, — eu disse a Nolan cujo amigo tinha acabado de caminhar para a casa. — Às vezes eu acho que a razão pela qual ela é tão quente é por causa do fogo empurrado no traseiro dela. Surpreendentemente, Nolan riu em vez de me dar um soco na cara enquanto observava Rage se afastar, seu foco principalmente em seu traseiro balançando. — Quente. Sim, ela é definitivamente quente — disse ele, mordendo o lábio inferior e balançando o peso de uma perna para a outra. — Eu ummmm... eu tenho que ir... — suas palavras pararam enquanto ele perseguia Rage, que eu tinha certeza que estava indo para qualquer círculo do inferno que ela geralmente se rastejava em busca de consolo pelo seu ego machucado.

~ 96 ~


Eu dei um profundo trago em meu cigarro. De certa forma Rage e eu odiando um ao outro foi a coisa mais normal que eu tinha experimentado desde que eu tinha voltado e por um breve momento eu me senti um pouco melhor. Um pouco mais leve. Como se tudo não estivesse certo com o mundo, longe disso, mas talvez, apenas TALVEZ, poderia estar. Algum dia. Eu me senti tão bem que quase acreditei em minha própria mentira e isso para mim era progresso. Também poderia ter sido o vento. Vento ou progresso, de qualquer jeito que eu estava começando a me sentir bem. Até que eu levantei minha cerveja até minha boca e peguei um vislumbre de uma figura feminina através do vidro verde da garrafa. Uma figura que, embora distorcida e turva, o brilho alaranjado das tochas ardentes brilhando em ambos os lados dela, eu reconheceria em qualquer lugar. Eu mantive a garrafa nos lábios uns trinta segundos depois de eu ter drenado, pensando que o que eu estava vendo era uma figura da minha imaginação como tinha sido cruelmente tantas vezes antes. Lentamente, eu abaixei a garrafa e pude vê-la claramente pela primeira vez em muito tempo. Minha respiração engatou em minha garganta. Ela ainda era a mulher mais linda que eu já tinha visto. Cabelo escuro, saia curta e apertada e lábios vermelhos brilhantes. Minha esposa estava em casa.

***

— Atenção todos — disse King, de pé sobre um banco de madeira apoiado contra a borda de tijolos que cercava a fogueira. As chamas subiram pelo menos três metros acima de sua cabeça. Ele estendeu a mão e puxou Ray para ficar com ele no banco. Mesmo no escuro eu podia ver o rosto dela ficando vermelho brilhante de constrangimento quando escondeu seu rosto em suas mãos, espiando através dos

~ 97 ~


espaços entre seus dedos antes de cobrir novamente. King puxou a mão dela do rosto e a tomou na dele. Ele levantou uma garrafa de uísque para os festeiros que se reuniram para ouvir o que ele tinha a dizer. Falar em público não era exatamente a coisa de King. Falar não era exatamente a coisa dele, mas quando ele olhou para Ray e falou com a multidão, não houve nenhum dos murmúrios ou grunhidos que eu me lembrava de King usando para se comunicar. Na verdade, o filho da puta era francamente articulado, embora eu também percebi que ele estava um pouco bêbado. — Temos muito para comemorar esta noite — ele começou, seus olhos varreram a multidão até que eles encontraram os meus. — A primeira coisa é que meu melhor amigo voltou da porra dos mortos! — ele tomou um gole de sua garrafa e levantou no ar, apontando para mim e eu fiz o mesmo. A multidão aplaudiu e gritou, suas vozes girando em torno de mim como um tornado de barulho, empurrando-me para frente e para trás. Eu vacilei em meus pés, tentando ficar de pé. Eu estava prestes a cair quando King ergueu as mãos e conseguiu que a multidão se acalmasse, sem me lembrar do estado em que eu estava. Eu abri e fechei minha boca, movendo minha mandíbula em uma tentativa de fazer meus ouvidos estalarem, mas não estava funcionando. Nada estava funcionando. Eu era um prisioneiro do barulho que me assaltava como flechas tóxicas disparadas em meus tímpanos. — A segunda coisa que temos para comemorar é que agora que tenho os meus melhores homens aqui comigo. Minha família. Parece uma agora. Então, Ray e eu vamos nos casar em duas semanas a partir de agora e vocês são todos bem-vindos ao nosso casamento! A multidão irrompeu ainda mais alto do que antes e eu senti como se um canhão tivesse explodido ao lado do meu ouvido. King pegou Ray, que envolveu suas pernas em torno da cintura dele enquanto a beijava para que todos pudessem ver, reclamando-a com a boca. Alguém assobiou atrás de mim, o som perfurando meu crânio. Minha visão mudou de borrada para clara e depois novamente. Balancei em meus pés. Quando a atenção estava fora de mim, eu tropecei através da multidão em direção à casa, tropeçando sobre pessoas que provavelmente acharam que eu estava bêbado enquanto eu passava através deles como um touro cego. O mundo estava girando. Eu cobri minha orelha com uma mão e fui tateando a parede da casa com a outra. Um par de mãos agarraram meus ombros e meus instintos de luta chutaram. Eu as afastei e pulei

~ 98 ~


para trás, levantando meu punho no ar. Foi então que meus olhos escolheram se concentrar novamente, mas a pressão por trás deles era insuportável. Eu olhei para o chão, para minúsculos pés descalços femininos. Viajei até os tornozelos nus até a saia preta que parava logo abaixo de seus joelhos e eu acenei, tentando deixá-la saber que ela poderia me guiar. Ela entendeu a mensagem e novamente tocou meus ombros. Eu me encolhi, mas percebi quando sua mão deslizou pelo meu braço e ela me guiou para frente da casa. Longe da multidão. Longe do barulho. Longe do pesadelo que ambas as coisas me trouxeram uma e outra vez. — Eu estava perdido — eu disse, sem fôlego, não exatamente certo do que eu estava tentando dizer, embora Dre parecesse entender. Ela segurou meu braço mais forte. — Sim, mas eu encontrei você.

DRE — Só me dê um minuto — disse Preppy, respirando pesadamente. Ele se recostou contra o espesso tronco de uma enorme figueira no canto mais distante do pátio da frente. O mais distante que poderíamos ficar de tudo o que tinha feito Preppy quebrar no meio da festa. Ele estava esfregando os olhos e a testa, estremecendo e mostrando os dentes. — Você está com dor? — eu perguntei. — Onde? — eu olhei para ele e não consegui ver nada óbvio. Sem lágrimas em seu moletom com capuz ou jeans, sem manchas de sangue de qualquer tipo. Na verdade, além de como ele estava respondendo a tudo o que estava lhe causando tal angústia, ele parecia bom. Muito bom. Ele tinha engordado desde que eu o tinha visto pela última vez. Suas bochechas não estavam tão vazias quanto antes. Seu rosto já não estava bem raspado e daqui alguns dias seria capaz de chamá-lo de ‘barba por fazer’. Onde o cabelo em sua cabeça era mais claro que em seu rosto, agora parecia combinar perfeitamente, sendo ambos um tom mais claro de marrom. Seus olhos cor de avelã não estavam tão vidrados, mas ainda pareciam desfocados.

~ 99 ~


— Eu estou bem! — Preppy disse, piscando rapidamente várias vezes. Ele olhou para mim. Ele estava qualquer coisa, menos bem. Justo quando eu pensei que ele estava se acalmando, ele agarrou os lados de sua cabeça e caiu de joelhos na grama. — Aaaagggrrrrrr, — ele gritou como se alguma coisa dentro dele estivesse sendo arranhada. Ajoelhei-me ao lado dele, insegura de como ajudá-lo, especialmente porque eu não sabia o que era que o estava machucando tanto. Distrai-o, pensei. Então eu fiz a única coisa que eu poderia pensar. Eu parei bem na cara de Preppy, agarrei seus ombros... e eu pressionei minha boca na dele. No início, todo o seu corpo saltou como se eu o tivesse picado, mas pelo menos ele parou de gritar. Eu não fiz nada. Eu fiquei perfeitamente imóvel e esperei enquanto sentia seu corpo inteiro relaxar, seus lábios suavizar contra os meus. Um formigamento de desejo vibrou em meu clitóris enquanto eu apertava meu peito contra o dele, empacotando-o contra a árvore. Ele se afastou o suficiente para falar, — O que diabos foi isso? — ele perguntou, sua respiração fria contra meus lábios enquanto ele ofegava contra mim. Suas pupilas estavam largas e escuras, apenas um pouco de seus belos olhos castanhos eram visíveis. Onde quer que ele tivesse ido, ele voltaria. — Distração? — eu perguntei, soando sem fôlego. — Huh? — ele perguntou, não fazendo nenhum movimento para me afastar. — Distração — eu disse, de repente pensando que talvez eu tivesse feito a coisa errada afinal de contas. — Quando eu era pequena e eu quebrei meu braço caindo de uma árvore que eu estava escalando, meu pai, ele me distraiu quando o médico estava colocando o gesso. Ele pulou ao redor da sala de emergência fazendo esses barulhos de macaco. — eu ri da lembrança. — Eu achei que ele estava louco até que eu percebi que o gesso estava no lugar e eu não tinha sentido nada. — Então esse beijo tinha a intenção de ser uma distração? — Preppy perguntou, diversão dançando em seus olhos. Ele se inclinou mais perto e meus mamilos endureceram em consciência. Minha calcinha estava úmida quando ele agarrou meus braços e correu suas mãos pelos meus quadris e em torno da minha bunda.

~ 100 ~


Eu balancei a cabeça. — Então Doc — ele disse, correndo as costas de sua mão, os nódulos de seus dedos pela minha bochecha e mandíbula. Eu me inclinei em seu toque. — Eu acho que podemos fazer melhor do que isso. Eu estava prestes a perguntar o que ele queria dizer quando seus lábios encontraram os meus. Não era nada como o primeiro beijo que era prático e de lábios apertados. Era macio e duro tudo ao mesmo tempo. Ele moldou sua boca na minha, sua língua se conectando com a minha de uma forma que me fez sentir uma vibração entre as minhas coxas, como se sua língua estivesse lambendo bem na entrada da minha buceta. Eu gemi em sua boca quando ele segurou a parte de trás da minha cabeça e me segurou no lugar enquanto ele me assaltava com a boca, e eu abri para ele. Ouvi algo à distância. Meu nome sendo chamado? Mas eu estava muito longe para me importar, muito perdida na onda que era Samuel Clearwater para me preocupar de quem precisava de mim ou por quê. Porque eu precisava desse beijo naquele momento e eu ia pegá-lo enquanto pudesse. — Dre! — gritou Brandon. Preppy recuou e nós dois olhamos para o pátio onde Brandon estava freneticamente procurando por mim. — Quem diabos é esse? — Preppy perguntou, segurando-me contra ele mais apertado. — Brandon. — logo que eu disse isso, Brandon nos avistou e começou a correr. — Brandon? — Preppy perguntou, nós estávamos ambos respirando com dificuldade, meus mamilos esfregando contra seu peito e o tecido do meu top enquanto respirávamos o mesmo ar. — Quem diabos é Brandon? — ele perguntou. Foi quando ele olhou para baixo entre nós, seus olhos ficaram furiosos. Seus braços se esticando. Olhei para baixo para ver o que ele podia estar vendo e foi quando eu vi o anel de Mirna no meu dedo, o diamante cintilando contra o reflexo da lua. Preppy grunhiu e me soltou abruptamente, pondo-me de lado e sem ele para segurar, minhas coxas tremendo com fraqueza, eu caí contra a árvore. Ele encontrou com Brandon no meio do caminho entre o quintal e a árvore, mas antes que eu percebesse quais eram suas

~ 101 ~


intenções, seu punho estava voando e Brandon estava no chão, apertando seu nariz sangrando. — Preppy! — eu gritei, mas ele já tinha desaparecido na multidão. Corri para Brandon e comecei a ajudá-lo. — Vamos, vamos pegar um pouco de gelo. — Merda — Brandon gemeu, parando sem equilíbrio e segurando meu ombro. — Era quem eu acho que era? — ele perguntou. — Sim, era. — Bem, eu acho que seu namorado acabou de quebrar meu fodido nariz — disse Brandon soando como se estivesse falando em um microfone através da janela em um restaurante de fast food. — Ele não é meu namorado — eu discuti quando o levei até as geladeiras para pegar um pouco de gelo. Eu peguei alguns cubos, envolvendo-os em um guardanapo e pressionando-o em seu rosto. Ele sibilou. — Na verdade, eu acho que ele viu o anel da minha avó e achou que você me deu. Brandon começou a rir. Completamente descontrolado. — Oh, merda, eu tenho que ligar para Ralph agora — Brandon disse, alcançando seu telefone em seu bolso. — Por quê? — Porque, seu namorado acha que eu sou heterossexual. Quem melhor para apreciar o humor nisso do que o meu namorado? — Brandon disse. Ele sorriu quando seu polegar estalava através da tela. Ele estava certo. A situação provavelmente seria engraçada para mim. Algum dia. Brandon estava prestes a segurar o telefone até seu ouvido quando a multidão irrompeu em aplausos mais uma vez. Olhei para onde Thia e Bear estavam e ele estava plantando um grande beijo na boca dela. — Preppy, você é o próximo! — alguém gritou, e eu vi que era Billy. Sua jarra de cerveja agora na metade do que tinha estado dez minutos antes. — Não beba a água daqui ou você vai se contaminar! Ao som de seu nome fez meu estômago revirar. Brandon tinha terminado de discar e estava segurando o telefone em sua orelha. Eu ~ 102 ~


ouvi Ralph na outra extremidade dizendo. — Olá? Baby, é você? — Brandon abriu a boca e estava prestes a falar, mas parou quando alguém do outro lado da multidão entrou na conversa. — Na verdade, eu me casei antes desses dois fodidos — a voz falou. Preppy. A multidão ficou quieta. Algumas pessoas na frente se embaralharam e se separaram e foi quando eu o vi novamente. Desta vez, ele estava parado na beira da fogueira, onde Bear estava de pé apenas alguns segundos antes. — Na verdade, minha esposa está aqui esta noite, — disse Preppy. Ele olhou ao redor e me viu com Brandon. Nossos olhos se encontraram e ele me encarou. Ele levantou a garrafa em sua mão em minha direção. Ele oscilou ligeiramente. — Isto é para você, Doc. Minha esposa não é linda? — senti centenas de olhos se virarem para mim. — Não se preocupe com o cara sangrando. É apenas o noivo da minha esposa que eu acabei de dar um soco do caralho. — ele jogou a garrafa na fogueira que rachou contra o tijolo. Chamas dispararam mais alto no céu quando ele se afastou e desapareceu de vista. Várias pessoas estavam chamando o nome dele, inclusive eu. Brandon poderia ter sido o cara a levar o soco de Preppy, mas senti como se ele tivesse me dado um soco no intestino.

~ 103 ~


Treze PREPPY A vida era muito barulhenta. E Doc estava fodidamente envolvida. Ela me beijou. O barulho estava em toda parte e em qualquer lugar. Sussurros, risos, vibrações, música, pneus no cascalho, pássaros nas árvores. Até mesmo o zumbido baixo da máquina de tatuar de King na sala ao lado parecia um martelo e isso fazia meu pulso bater na minha cabeça. A cada momento que passava o barulho aumentava cada vez mais alto até que eu estava de cara no colchão cobrindo minha cabeça com um travesseiro e gritando nos lençóis sobre a tortura da vida cotidiana no meu ouvido. Eu vim para o apartamento para que Doe, eu quero dizer RAY, e o filho do King pudessem ter seu quarto de volta, mas também porque eu pensei que seria mais silencioso. Eu estava errado. A última gota foi um grilo filho da puta do lado de fora da janela aberta. Eu pulei de pé e arremessei a gaveta do armário, descartando o conteúdo para o chão. Eu estava tão concentrado na minha busca que eu não ouvi Bear entrar até que ele falou da porta. — Algo que eu possa ajudá-lo a procurar? — Minha arma. Você sabe onde ela está? — eu perguntei sem olhar para ele. — Você ficou com ela ou jogou fora como o resto das minhas coisas?

~ 104 ~


— Vá se foder. Nós guardamos suas coisas por um longo tempo e você sabe que nós não jogamos as armas fora. — Bear inclinou sua cabeça. — Você tem alguém para matar? — Porra, eu tenho — eu corri. — Você vai me dizer quem? — Está alto demais! — eu gritei, abrindo o último armário na cozinha, empurrando os tachos e panelas sem sorte. Fechei a porta e fui para o quarto começar minha busca lá. — O que está alto demais? — perguntou Bear, seguindo-me para o quarto e depois para o banheiro. — Foda-se, — eu finalmente disse, desistindo da minha busca. Eu me virei para Bear e estendi minha mão. — Deixe-me usar a sua. — Primeiro me diga quem é você que está pensando em matar, — insistiu Bear, colocando uma mão protetora dentro de seu colete sobre sua arma. — Você realmente não ouviu isso? Bear olhou ao redor e até mesmo fechou brevemente os olhos antes de abri-los novamente. — Eu não tenho a menor ideia do que você está falando. — Feche os olhos novamente. ESCUTE essa porra — eu disse, frustrado. Minha mente correndo. Bear fechou os olhos e tirou a mão da arma. Eu cheguei até seu colete e antes que ele pudesse me parar, eu disparei através da janela aberta, explodindo o pequeno inseto verde em pedacinhos e no processo explodindo o pedaço de mármore falso cobrindo a janela e derrubando o vidro da janela quando caiu de sua posição travada. — Muito melhor. — eu disse, jogando a arma de volta, antes que ele tivesse a chance de agarrá-la de mim. — Não pegue a arma de outro homem, idiota — Bear rosnou, raiva em cada palavra enquanto eu subia na cama. — Que porra você acha que está fazendo? — Livrando-me do maldito ruído por aqui. Isso é o que eu estava fazendo.

~ 105 ~


— Preppy, você perdeu a maldita cabeça, isso foi o que você fez — Bear latiu sobre mim. A porta do apartamento se abriu e King entrou na sala, um olhar frenético no rosto. — Que merda é essa? — Preppy sentenciou um grilo na janela à morte, disparando nele — disse Bear. — O que diabos há de errado com você? — gritou King, me puxando para cima e me segurando na frente dele, seu rosto apenas a alguns centímetros do meu. Uma veia irritada pulsava na testa dele como sempre fazia quando estava chateado. Eu tinha saudades dessa veia. — Que diabos é o seu problema? — perguntei. — Está zoando comigo agora? Meu problema é que temos crianças e mulheres vivendo aqui e você está disparando uma arma na maldita janela como se fosse o faroeste selvagem. Porra, Prep. Eu sei que as coisas estão diferentes por aqui agora, mas essa merda que você acabou de matar voaria assim que você se aproximasse. — Eu estou tão arrependido de não estar à altura dos seus padrões de novo homem de família — eu disse, agarrando seu pulso e jogando-o para longe de onde ele tinha puxado um punhado da minha camisa em sua mão. Peguei uma mochila debaixo da cama e joguei alguns shorts e camisas nela. — Você precisa de ajuda? — perguntou King, sua raiva se transformando em frustração. — Precisamos enviar você para algum lugar? Só me diga o que você precisa, Preppy! — Eu preciso que o barulho pare. Eu preciso que a luz pare de queimar meus olhos de merda. Eu preciso que o meu pau de merda funcione, em vez de ficar mole entre as minhas pernas. — eu fechei a mochila e joguei sobre meu ombro. Olhei de volta para King que estava ali com aquele olhar no rosto que eu estava cansado de ver. — Eu preciso que meus amigos parem de olhar para mim como se eu fosse um cachorro que foi atingido por um fodido carro. — Onde diabos você pensa que está indo? — perguntou Bear enquanto eu ia até a porta. — Em algum lugar muito mais quieto. O braço de King disparou, bloqueando-me da porta.

~ 106 ~


— Apenas deixe ele ir — Bear disse puxando o braço de King. Ele relutantemente baixou com um rosnado e eu saí, batendo a porta e deixando meus dois melhores amigos atrás de mim. Ninguém me seguiu. O que era bom. Porque eu não fazia ideia para aonde eu estava indo.

~ 107 ~


Catorze KING — Ei, você está ocupado? — perguntou Pequena, passando sua cabeça loira pela porta. — Acabando, — eu disse, tirando minhas luvas pretas e as jogando na lixeira. Eu rolei meu banco para o centro da sala e ela não precisou de outro convite, ela entrou e parou entre as minhas pernas para que eu pudesse envolver meus braços em torno dela, mas não estava perto o suficiente. Nunca estaria. Eu agarrei seus quadris e a puxei até que seu corpo estava firmemente contra o meu, e o meu rosto contra seu peito. — O que está acontecendo? — eu murmurei entre seus peitos. Meu último cliente acabou de sair e eu estava cansado. Foi a última sessão de seis para uma das maiores e mais intrincadas tatuagens que eu já fiz. — Oh, uau. É linda, — Pequena exclamou e quando eu olhei para cima ela tinha meu telefone em uma mão e a outra estava cobrindo sua boca enquanto ela olhava para a tela para a foto que eu tinha acabado de tirar antes de eu embrulhar suas costas e enviar o cliente em seu caminho. — É a sua melhor. — Você diz isso sobre todas elas — eu disse, pressionando novamente meu rosto entre seus peitos e queria muito dormir lá para o resto da noite. Pequena riu e deu um passo para atrás, mas eu não a deixei ir longe, então eu agarrei sua mão e a puxei de volta para mim. — Eu preciso falar com você sobre algo sério — disse ela.

~ 108 ~


— Você está grávida de novo? — eu perguntei, incapaz de esconder a esperança em minha voz. Alguns podem ver a minha necessidade de engravidar a minha mulher como patético, mas eu a via estar grávida do meu bebê como mais do que apenas carregando uma criança. Estar grávida de meu bebê era como possessão para ela. Um corpo e uma alma, esse tipo de coisa. Me deixa duro toda só de pensar em sua barriga crescendo e seus seios inchando novamente. — Não! — ela disse, batendo-me alegremente no ombro. — Nós dissemos que íamos fazer uma pausa. Temos três e preciso de um minuto para... apenas respirar! — Quanto tempo você precisa para respirar, baby? — eu murmurei, ligeiramente correndo meus dentes sobre o ponto sensível de pele debaixo do seu mamilo sobre sua camisa. — Uma semana? — eu cavei meus dedos em seus quadris e movi minha cabeça para baixo para beijar a pequena tira de pele entre o seu umbigo e seus shorts. — Duas semanas? — eu perguntei, lambendo um círculo ao redor de seu umbigo. Eu olhei para cima, assim quando suas bochechas pálidas se tornaram rosa brilhante. — Três? Porque você sabe, baby, eu vou te dar o que você quiser. — eu esfreguei meus polegares sobre o topo de suas coxas, mergulhando-os na abertura desgastada de seus shorts. O arrepio se elevou sobre sua carne quente. — Tempo — ela disse severamente. Bem, tão severamente quanto podia com meus polegares circulando tão perto de sua buceta. — Eu só quero um pouco de tempo. — Eu vou te dar dois meses — eu negociei sem esperar que ela respondesse. Em vez disso, eu vi quando seus olhos se tornaram escuros enquanto eu corria meu nariz sobre seu estômago e respirei sua excitação. Não havia perfume melhor na terra do que a minha mulher quando ela estava excitada. MINHA mulher. Algo que eu poderia dizer um milhão de vezes e nunca ficava velho. MINHA. — Nós... podemos conversar sobre essas coisas. Coisas do bebê. De... depois... — ela balbuciou. — Agora eu preciso falar com você. É sobre Prep.

~ 109 ~


— Prep? — eu perguntei, percebendo que Pequena estava falando sério sobre o que ela tinha para falar comigo e eu precisava de algum espaço para que eu pudesse realmente ouvi-la, então levei minhas ferramentas para a pia onde comecei a desmontar meus equipamentos de limpeza e esterilização. Pequena suspirou e se sentou no sofá de couro preto ao meu lado, puxando as pernas para cima das almofadas e descansando o queixo sobre os joelhos. — Ele se sente fora de si. Tudo parece desligado. King deu de ombros. — Todo mundo lida com merdas à sua maneira e ele não tem estado por perto faz um tempo. Deixe ele relaxar nas coisas do jeito dele. Ele surta de vez em quando. Ele passou por muitas merdas. Pequena suspirou, seus olhos pareciam cansados. — Eu não sei como dizer isso para você, então eu vou dizer — ela respirou fundo e olhou para o chão quando ela disse. — Eu não acho que Preppy esteja dizendo a verdade. — Sobre o que aconteceu com ele? — eu perguntei. — De jeito nenhum. Ele não está dizendo muito e isso é compreensível, mas os caras de Bear o arrastaram para fora do buraco. Não há como ele mentir sobre isso. Ela abanou a cabeça. — Não, sobre a garota. Sobre Dre. Sobre quem ela é para ele. Eu balancei a cabeça, — Por que ele mentiria sobre ela? — Porque você não vê? Ele mente para nós porque ele não quer que nos preocupemos com ele. Ele diz que está bem quando claramente não está bem. Se essa garota significava algo para ele, então ele está guardando isso para si mesmo, assim não vamos tentar consertar as coisas para ele. Eu limpei a última parte da minha máquina de tatuagem, colocando as ferramentas no esterilizador e acertando o botão. As luzes azuis do néon iluminaram o mini refrigerador. Um zumbido baixo vibrava da máquina. — Você não acha que ele merece o benefício da dúvida? Depois de tudo o que ele passou? — eu me virei e me encostei no braço do sofá, dominando minha garota. — Sim. Mas...

~ 110 ~


— E depois de tudo que passamos? Eu não sei você, mas eu não quero ir cavando em merda que não precisa ser cavada apenas porque uma parte da história dele parece fora para você. Está tudo fodido. Muito fodido mesmo. O que importa é que ele está em casa e ele tem que lidar com sua merda quando ele estiver pronto. Dê a ele uma folga, baby. — Eu sei, mas ele nem fala sobre o que aconteceu com ele — disse ela, olhando para as suas mãos. Eu inclinei seu queixo para cima e eu encontrei seu olhar azul preocupado. — Ele precisa de tempo. Você me entende, Pequena? — Eu entendo — ela respirou, me dando aquele olhar que sempre fazia minhas bolas se apertarem. — Ótimo — eu disse, me inclinando para pressionar meus lábios contra os dela e empurrando seus ombros para que suas costas estivessem contra as almofadas. Afastei as pernas e rapidamente me posicionei entre elas. Meu lugar preferido do mundo. — Agora vamos parar com todas as conversas sérias enquanto eu te fodo seriamente até que você esteja me implorando por outro bebê. — eu cheguei atrás dela e agarrei seu traseiro, levantando-a do sofá o suficiente para que meu pau pressionasse contra seus shorts na zona da buceta dela. — Eu desisto. Eu prometo — ela me assegurou, respirando pesado. — Chega de bisbilhotar. — Boa garota — eu disse, pressionado as minhas mãos na sua camiseta. Sentindo que seus mamilos se endureceram sob meu toque me deixou incrivelmente duro e eu estava no caminho certo para corrigir a situação que ela tinha começado no segundo em que ela entrou em minha loja usando aquele pequeno pedaço de material que ela chamava de shorts e aquela camiseta impossivelmente apertada que fazia todo tipo de maravilhas para seu corpo já maravilhoso. — Vou sair — ela disse de novo e eu senti que não terminamos de falar sobre isso quando ela empurrou contra meu peito até que eu não tinha escolha, a não ser colocar um joelho no chão para que eu pudesse me levantar dela. — Assim que você dê uma olhada nisso — ela puxou um pedaço de papel dobrado de entre seus peitos e não poderia dar a mínima nem se fosse a declaração da independência ou as direções

~ 111 ~


para o Santo Graal, tudo o que eu poderia me concentrar em era na minha necessidade de passar a minha língua entre seus peitos enquanto meus dedos tocavam sua buceta por trás. — Eu cavei isso há um tempo. Mas eu prometo que não vou mais cavar. Por favor — ela implorou, estalando meu foco de volta até seus olhos. Não era o tipo de mendicância que eu esperava. Esfreguei minha mão sobre meu rosto e peguei o papel de suas mãos. Ela se sentou ao meu lado e observou enquanto eu o desdobrava. Era uma cópia de algum tipo de documento oficial. — O que exatamente é isso? — eu perguntei, olhando para algum tipo de cópia de foto de um documento oficial. Eu mentalmente me preparei para o que estava por vir, porque qualquer coisa que tivesse a ver com a lei geralmente não terminava bem. Pelo menos, não para mim. Pequena cravou o dedo no papel. — Apenas continue. Por favor — insistiu ela, suas mãos se enrolaram ao redor do meu bíceps, sua cabeça contra meu ombro enquanto seus lábios se moviam silenciosamente enquanto ela lia junto comigo. O cheiro do shampoo feminino que ela usava flutuou em minhas narinas e não fez nada para ajudar a reduzir a enorme ereção ainda pressionando dolorosamente contra o meu jeans. Foco. Eu suspirei, comecei de novo e parei depois de ler a primeira frase. De jeito nenhum. Sem acreditar no que eu estava lendo, olhei de Pequena para a página e comecei tudo de novo. Pequena não estava mais olhando para o documento, mas para mim enquanto eu lia de novo, desta vez em voz alta. — Estado da Flórida, Divisão de Estatísticas Vitais, Certificado de Casamento. Emitido a Samuel Clearwater e Andrea Anne Capuleto, emitido neste dia, junho... — fiz uma pausa e li o resto rapidamente, balbuciando através do resto dos fatos numéricos com a mão sobre a boca até chegar ao fundo onde tanto o selo oficial da Flórida quanto o selo do condado estavam ali no fundo. — Como essa garota disse que era seu nome? — eu perguntei. — Dre. Abreviatura de... — Andrea — eu terminei para ela. Pequena assentiu. — Eu mostrei isso a Dre. Ela estava surpresa como o inferno. Ela disse que estava tentando ajudar Preppy a

~ 112 ~


conseguir Max forjando alguns documentos para fazer com que Preppy parecesse mais um cidadão íntegro, mas Preppy realmente arquivou o processo depois que ela já tinha ido embora. — Santa porra. Ele mentiu para mim — eu disse, odiando a maneira como as palavras soaram vindo da minha própria boca e parecendo amarga e ferida que meu melhor amigo, um homem que eu via como meu irmão poderia mentir para mim. — Durante anos ele está mentindo para mim. — Então você não se importa que ele é casado? — Não, eu não me importo. Quero dizer, eu não sei por que, mas ele se casar nunca iria me incomodar. O que mais me importa é que eu fui enganado por uma das únicas pessoas no planeta que eu nunca pensei que eu tinha que me preocupar em mentir para mim! — eu disse, minha voz aumentando junto com meu temperamento. — Você deve falar com ele. Perguntar o que é isto tudo. Talvez possamos ajudá-lo — disse Pequena. — Isso é o que eu vou fazer — eu disse, chegando até a porta com Pequena perto de mim. — O que você está fazendo? — ela perguntou, esforçando-se para manter o ritmo ao meu lado enquanto eu irrompia até a casa principal. — Vou ter algumas respostas — respondi. — Espere! — Pequena gritou, me puxando pelo braço. Eu parei e me virei para encará-la. — Nós nem sabemos onde ele está! Instantaneamente meu temperamento esfriou ao lembrete de que temos estado sem ele por tanto tempo. Nós fodidamente o QUEIMAMOS pelo amor de Deus e agora sabíamos que ele estava vivo, mas não onde ele estava. — Vamos encontrá-lo. E então você vai falar com ele. Eu prometo, se isso foder as coisas ainda mais, então podemos falar sobre você me engravidar novamente. — ela pressionou seus lábios macios no meu pescoço e cheirou e a proximidade enviou um tiro de excitação diretamente para o meu já endurecido pau. — Mas e agora? — perguntei.

~ 113 ~


— Agora? — ela perguntou, ficando mais ousada, enfiando a mão na parte de trás do meu jeans e segurando minha bunda. — Agora nós praticamos. Um rosnado saiu da garganta enquanto eu a levantava em meus braços, suas pernas imediatamente envolveram minha cintura. Eu senti o calor da sua buceta contra meu pau enquanto eu caminhava com ela para as sombras debaixo da casa e a empurrava contra um pilar. — Eu particularmente gosto deste pilar — ela disse, apertando as pernas em torno de mim. — Você me deixa maluco, mulher, — eu disse, agarrando seu rosto em minhas mãos e beijando-a furiosamente. — Você pode negociar comigo o quanto quiser, mas é melhor lembrar quem está no comando aqui. — eu apertei seu traseiro. — Disto, — ela arqueou suas costas contra o pilar. — Disto, — eu disse, beliscando seu mamilo entre meus dedos. — Disto — eu rosnei, empurrando minha mão pela frente de seus shorts e pegando sua buceta em minha palma. Sua cabeça caiu para trás enquanto ela girava seus quadris, seu corpo implorando por mais. — Mais — disse ela, sem fôlego. Eu reclamei seus lábios novamente, balançando ritmicamente contra a abertura de sua buceta, beijando-a profundamente e furiosamente, minha língua se entrelaçando com a dela de uma forma que me fazia doer por querer estar profundamente dentro dela. Nunca importou quantas vezes eu tinha beijado Pequena ou mesmo quantas vezes eu a fodi desde que nós nos encontramos primeiramente. Nada disso importava, porque era como se o tempo só me fizesse querer mais e mais. Eu estava doente de desejo por ela. Uma doença que eu não queria me curar. Eu recuei para respirar e empurrei um cabelo perdido em seus olhos, dobrando-o atrás de sua orelha. Seu rosto corou, seus lábios inchados e vermelhos. Assim que ela falou a última sílaba da sua pergunta, eu entrei em sua buceta em um longo impulso que me fez ver estrelas com ela espremida ao redor de mim como um fodido vício. Ela gritou e enterrou suas unhas nos meus ombros. Claro que meu telefone tocou quando eu estava prestes a me divertir com a minha menina. Parou, mas só para começar de novo. Finalmente, Pequena meteu a mão no bolso de trás e me entregou. Eu olhei para ela quando eu lati. — O quê? Nós já vamos — eu disse, clicando em END no telefone e discando o número de Bear. Eu coloquei

~ 114 ~


Pequena em seus pés e endireitei minhas calças jeans enquanto esperava que ele atendesse. — O que foi? — Ray perguntou, correndo ao meu lado para me acompanhar enquanto eu fazia meu caminho para a garagem onde Bear esteve mais cedo. Eu bati na porta e ela levantou segundos depois, Bear estava lá com um cigarro pendurado de sua boca e uma chave gordurosa em sua mão. Olhei de Ray para Bear. — Billy ligou. Ele disse que Preppy veio gritando e quebrando a barraca de caranguejo dele. Quando Billy tentou acalmá-lo, ele correu pelas portas de trás. Ele não consegue encontrá-lo em qualquer lugar e ele só espera... — eu parei. — O que? Ele espera o quê? — Ray perguntou, puxando minha camisa. — Que ele não tenha saltado do paredão.

~ 115 ~


Quinze DRE Quando escutei uma batida na porta da frente eu assumi que era o corretor de imóveis que estava vindo para mostrar um possível comprador da casa, mas quando eu abri a porta e vi Ray parada na minha varanda eu fiquei agradavelmente surpresa. Bem, fiquei agradavelmente surpresa até perceber em que estado ela estava. Seus olhos estavam vermelhos. Ela estava torcendo as mãos e pulando nervosamente sobre seus pés. King estava parado do lado de fora da caminhonete na entrada, uma expressão ilegível no rosto. — Ele está aqui? — Ray perguntou, olhando por cima do meu ombro para dentro da casa. — Quem? — eu perguntei. — Preppy! — gritou Ray, empurrando-me e passando pela casa vazia, correndo de quarto em quarto. Ela correu para fora tão rápido como ela entrou e sacudiu a cabeça para King que apertou os punhos e deu um soco contra o teto da caminhonete. Sua cabeça caiu. Ray correu para a caminhonete e King entrou no banco do motorista. — Espera! O que há de errado? — eu perguntei, correndo atrás deles, sentindo uma sensação de medo crescendo dentro de mim. Eles me ignoraram. King colocou a caminhonete em sentido inverso. Eles tinham andado cerca de três metros pela entrada da garagem quando eu pulei na frente da caminhonete e levantei minhas mãos. King pisou nos freios para evitar bater em mim. — Que porra é essa. Saia da frente, merda! — disse King, passando a cabeça pela janela. Dizer que King era assustador era o eufemismo do século. O homem era francamente aterrorizante, mas de jeito nenhum eu ia deixá-los ir. — Eu vou sair quando você me disser o que diabos está ~ 116 ~


acontecendo e por que vocês estão na minha casa e me perguntando se ele está aqui. King estacionou a caminhonete e saiu. Ele bateu a porta e veio até mim em alguns passos longos. Ele olhou para mim e eu podia sentir a raiva em seu olhar. — Você precisa sair da porra do caminho — ele estava fervendo. Eu balancei a cabeça e, embora minhas mãos estivessem tremendo, não havia como eu me mexer. — Não. Você vai ter que me atropelar primeiro. Diga-me o que diabos está acontecendo — eu disse, mantendo-me firme. King abriu a boca para falar, mas Ray apareceu ao seu lado, pegou a mão dele na dela e acariciou. — Preppy se assustou e fugiu. Não consigo encontrá-lo em lugar nenhum. Pensei que ele poderia ter vindo pra cá. — Ray parou e olhou para o chão. — Ele não está bem e nós estamos preocupados que ele poderia ter feito algo... estúpido. King soltou a mão dela e ambos voltaram para a caminhonete. Saí do caminho com um coração afundando, vendo-os andar quando, de repente, me atingiu. Fui para o lado do passageiro e abri a porta. Mais uma vez, King foi forçado a pisar nos freios. — O que diabos você está fazendo? — Ray chiou quando eu pulei para dentro, forçando-a a deslizar para o meio. Fechei a porta e me virei para um King e Ray muito confusos e preocupados. — Eu sei onde ele está. King ligou para Bear no caminho e disse a ele onde nos encontrar. Depois de apenas alguns minutos Bear apareceu atrás de nós em sua moto, o rugido do motor chacoalhando o espelho retrovisor enquanto ele nos seguia pela estrada. Não foi até que nós atravessamos a cerca e os pinheiros altos que percebemos que a lua não era a única coisa que iluminava a torre de água. Estacionados no campo abaixo onde havia uma série de luzes vermelhas e azuis de um caminhão de bombeiros, vários carros da polícia... e uma ambulância.

~ 117 ~


Dezesseis DRE O hospital era um maldito manicômio. Médicos e enfermeiras corriam, voando pelo corredor a velocidades desumanas como superheróis vestidos de jaleco branco, gritando uma complicada série de ordens um para o outro que não soava nada como palavras que eu já tenha escutado antes. Tudo no lugar piscava e tocava e quando um alarme ocasional soava, mais dos jalecos brancos se lançavam pelas portas do PS, seus estetoscópios balançando de seus pescoços como trombas de elefante. A sala de espera estava lotada, cada assento foi tomado enquanto as enfermeiras na mesa ligavam para números como se fossem atendentes de supermercado. Os corredores estavam alinhados com pessoas em macas, todos em diferentes estados de preocupação. Nos encostamos às paredes para dar espaço, para a equipe médica enquanto eles passavam com outro paciente. O cheiro do lugar era repugnante, como feridas abertas e antisséptico. Meu estômago embrulhou. — Precisamos ver Samuel Clearwater, ele chegou agora pouco. Em que quarto ele está? Como ele está ? — perguntou King. A enfermeira da recepção, parecia estar prestes a discutir até que ela olhou de seu computador para King e Bear. Ela olhou de volta para a tela. — Ele ainda não está no quarto. Está em uma sala de avaliação. — Onde fica a sala de avaliação? — perguntou Bear. Ela abanou a cabeça. — Negativo! Você não pode entrar lá a menos que você seja família. — Somos a coisa mais próxima de família que ele tem — argumentou Ray.

~ 118 ~


— Infelizmente, neste hospital ser próximo não é o suficiente. Vou enviar um médico com uma atualização assim que tivermos uma. Eu sugiro que vocês se sentem e esperem. Se e quando ele conseguir um quarto vocês pode vir um de cada vez, mas por agora vocês tem que esperar como todo mundo. — Foda-se isso — rugiu King, dirigindo-se para as portas duplas marcadas NÃO ENTRE com grandes passos determinados. — Senhor! — a enfermeira exclamou colocando seu corpo minúsculo na frente de King antes que ele alcançasse a porta. Ela passou as tranças sobre os ombros e foi quando eu tive uma visão clara de seu nome. Ivy. E a enfermeira Ivy aparentemente tinha um enorme conjunto de bolas para se erguer contra King. — Não me faça chamar a segurança aqui e fazer você ser jogado pra fora. Porque então você terá que ligar de sua cela de prisão, para saber notícias, em vez de sentar pacientemente na sala de espera como eu tão bem pedi para você fazer. — Ouça, querida — disse Bear, sorrindo para Ivy, que parecia ainda menos impressionada com sua tentativa de uma aproximação mais suave, embora as linhas em sua testa diminuíram apenas uma fração. Afinal de contas, ela era uma mulher e a voz lenta e doce de Bear soava como um profundo ronronar. O tipo que vibra todo o caminho através de você. — Nosso amigo lá dentro. Ele odeia hospitais mais do que tudo. Tudo o que estou pedindo é que você deixe um de nós ir lá e verificá-lo, muito rápido, apenas para ter certeza de que ele está bem, e então nós vamos sair da porra do seu caminho. — A enfermeira Ivy cruzou os braços sobre o peito, sua determinação em mantê-los fora era inabalável. Dois guardas uniformizados se aproximaram de King e Bear. — Senhora, por favor — disse Bear, enquanto os guardas se interpunham entre eles e Ivy. — Ele precisa de alguém lá com ele e ele não tem família aqui. — Sim, ele tem! — eu gritei um pouco alto demais. Não só King, Bear e Ray se viraram para mim, mas também a enfermeira, os guardas e a maior parte da sala de espera. — Eu posso ficar lá com ele. Eu sou da família. — Claro que você é, senhorita, — a enfermeira disse, rolando seus olhos. — E quem exatamente é você? Irmã dele? Não espere, a mãe? Eu sabia, sobretudo, que eu poderia acabar com a cadela. Eu pisei entre King e Bear. — Não, eu sou a ESPOSA, — eu rosnei.

~ 119 ~


Ela olhou para King e Bear. — Nenhuma família, hein? — ela disse com os lábios franzidos. — Você não sabia que seu amigo tem uma esposa? — ela perguntou com ceticismo. — É complicado — falou Ray. — Leve-me para o meu marido. Agora — eu disse para a enfermeira, empurrando os guardas que se afastaram. Relutantemente, e com muito mais atitude do que era necessário, Ivy empurrou o papel em minhas mãos e apertou um botão abrindo as portas duplas. Os guardas de segurança se afastaram. Virei antes que as portas se fechassem de novo. — Eu vou voltar e deixar vocês saberem o que está acontecendo assim que eu souber alguma coisa — eu disse aos amigos de Preppy. King me deu um aceno de apreciação antes de eu seguir a enfermeira pelo corredor largo no caminho para encontrar Preppy. Meu marido.

***

A enfermeira me acompanhou através de outro conjunto de portas e me apontou para uma cortina antes de voltar para a sala de espera, resmungando para si mesma ao longo do caminho. Cautelosamente, puxei a cortina para o lado e minha respiração ficou presa em minha garganta quando vi Preppy deitado ali na maca com a cabeça inclinada para trás e os olhos fechados. Ele estava inconsciente. Um médico com óculos e um jaleco de laboratório branco longo pairava sobre Preppy, uma agulha na parte de trás da mão de Preppy. Quando o médico percebeu que eu estava lá, os olhos dele encontraram os meus e ele puxou a agulha e se levantou, ajustando seu casaco. — Eu sou a esposa dele — eu disse antes que ele pudesse protestar contra minha presença. — O que está acontecendo com ele? — eu perguntei, de pé ao lado da maca e pegando a mão de Preppy na minha num gesto muito esperto. Eu o examinei, mas não havia sinais óbvios de lesão. Nenhum sangramento ou contusões. — O que aconteceu com ele?

~ 120 ~


O médico enfiou a agulha no bolso da camisa. — O que é isso? — eu perguntei, apontando para onde ele tinha acabado de cobrir seu bolso com o jaleco. — Só um leve sedativo — ele respondeu, empurrando os óculos para o nariz. Isso foi quando eu observei a tatuagem de smiley na parte de trás da mão dele. — Ele parece perfeitamente sedado para mim, — eu disse, olhando para a boca de Preppy, que estava aberta, um profundo ronco saiu de sua boca. — É por isso que decidi não dar a ele — respondeu o médico, anotando algo em sua prancheta. — Por que sedá-lo? O que exatamente está acontecendo aqui? Por que ele está aqui? — Seu marido foi encontrado na torre de água prestes a cometer suicídio. Foi encontrado por um transeunte preocupado e a polícia chamou uma ambulância que o trouxe aqui. É o protocolo padrão para esses tipos de coisas. Suicídio? A torre de água? — Quem foi o transeunte? — perguntei. — Eu gostaria de verificar com ele. Falar com ele sobre o que ele viu. — Você não pode. Foi um telefonema anônimo. — o médico colocou a prancheta em um slot na parede. — Se me der licença, senhora. — Não, eu não vou te dar licença. Deve haver algum erro. Essa pessoa se enganou. Meu marido não faria isso — argumentei. Eu sabia que Preppy jamais tentaria suicídio. Eu sabia que mesmo no pior dos piores momentos ele nunca iria tirar a própria vida. Eu estava tão certa disso quanto eu estava sobre o fato de que a terra é redonda e o céu é azul. Eu quero ser um velho com o pau de coelho pendurado entre minhas pernas... — Senhora, não importa se você acha que ele iria ou não tentar se matar. Estamos levando ele para a ala psiquiátrica para uma avaliação completa. Saberemos mais em poucos dias e, se tudo correr bem, ele poderá voltar para casa em setenta e duas horas.

~ 121 ~


— Poucos dias? — eu perguntei, soltando a mão de Preppy e dando um passo em frente em direção ao médico. — Isso não vai acontecer — eu argumentei. — Não, ele vai voltar para casa comigo. — Senhora — disse o médico, parecendo aborrecido. — A lei... — Senhor, — interrompi. — A lei afirma que ele só pode ser colocado em uma ala psiquiátrica por até setenta e duas horas, se ele for uma ameaça para si próprio ou outros, ou se ele for preso e o juiz pedir uma determinação de seu estado mental antes da prisão. — eu sabia disso porque eu tinha olhado por cima depois que meu pai me ameaçou com a mesma coisa depois da heroína e eu me tornei especialista bem rápido. Eu só esperava que as leis na Flórida fossem semelhantes às de Nova York. — Ele está sendo acusado de alguma coisa? O médico esfregou a testa. — Não que eu saiba. — Certo, eu sei de fato, que meu marido vai até a torre de água para relaxar de vez em quando e olhar para a cidade que ele tanto ama. Se na verdade alguém viu como uma possível tentativa de suicídio, então eles estavam muito enganados. — Desculpe senhora, não há nada que eu possa fazer. Ele tem que ficar para uma avaliação... Eu fui firme. — Sem a prova de que ele estava tentando se machucar, o que você não tem, já que o testemunho foi anônimo, então você não tem motivos para prendê-lo. — Ela está certa, — disse um policial que tinha acabado de entrar na área da cortina. — É a lei. Ele é livre para ir. — Tudo bem — o médico bufou. Ele afastou a cortina. — Mas se ele acabar morto porque você não achou que ele era capaz de se matar, então é com você. — ele apontou para o oficial e lhe disparou uma careta de desaprovação. — Eu suponho que você pode soltar as algemas. — o médico então rabiscou em um pedaço de papel e entregou para mim. — Papéis de liberação — murmurou ele ao sair. — Obrigada — eu disse, olhando para o oficial quando o médico estava fora de alcance. — Eu realmente aprecio... — Você sabe que não é realmente a lei, certo? — perguntou o oficial. Ele soltou Preppy da maca. Quando terminou, cruzou os braços e tomou uma posição. Ele era enorme em presença e estatura. O nome no seu distintivo era Wiggum. — Mas tudo bem. ~ 122 ~


— Eu não tinha 100% de certeza, mas valeu a pena tentar — expliquei. — Preppy odeia hospitais e eu sei que ele não faria o que eles disseram que ele estava tentando fazer. — de repente algo estranho me atingiu. Olhei para o oficial que não se parecia com nenhum dos policiais que eu já tinha visto. Ele tinha tatuagens no pescoço e nas mãos. Uma mandíbula cinzelada, a barba por fazer e um cabelo escuro e brilhante que sobressaía sob o chapéu da polícia. — Mas se não é a lei, então por que você diria que era? Por que colocar seu trabalho em risco por alguém que você não conhece? — Quem disse que eu não o conhecia? Além disso, eu estaria muito preocupado com meu trabalho... — o oficial Wiggum se virou para mim e sussurrou: — Se eu fosse realmente um policial. — Se você não é um policial, então quem é você? — eu perguntei para o falso policial Wiggum, e então ele tirou uma seringa de uma caixa. — Espere, o que você está dando a ele? — eu coloquei minha mão na frente do IV e a agulha picou minha pele quando ele estava prestes a empurrar o êmbolo. Ele rosnou em aborrecimento. — Sou apenas alguém que estava no lugar certo na hora certa — ele disse, agarrando meu pulso que ele tirou de seu caminho. Lambi a gota de sangue do dorso da minha mão. — E acalme seu rosto bonito. Estou apenas dando a ele algo que vai acordá-lo um pouco — disse ele, empurrando o êmbolo. — Qualquer que fosse o tranquilizante de cavalo que eles lhe deram quando o prenderam, tinha a intenção de mantê-lo em estado de coma por um bom tempo. — Então como eles deveriam fazer uma avaliação sobre ele? Isso não faz sentido. — Algo me diz que nunca planejaram fazer qualquer tipo de avaliação. Mantenha seus olhos abertos por aqui. A merda foi um pouco longe. Não confie em ninguém. Especialmente não na polícia ou até mesmo os médicos. — ele se inclinou sobre Preppy e deu a cada uma de suas bochechas um par de bofetadas curtas. As pálpebras de Preppy vibraram. Ele gemeu suavemente e o som disparou direto para o meu coração. Eu estava tão focada nele acordando que eu não percebi que o homem no uniforme de policial estava olhando para mim. — O quê? — eu perguntei, me sentindo desconfortável sob seu olhar escuro. — Você deve ser Dre, — ele disse, sem nenhuma emoção ligada às palavras. ~ 123 ~


— Como você sabe quem eu sou? Finalmente ele sorriu, embora fosse um pequeno sorriso torto. — Eu sei de tudo — ele afirmou. Ele se levantou e me inclinou o chapéu ao sair. Ele olhou para Preppy uma última vez. — Vou dizer a King e a Bear que ele vai para casa. Não saia do lado dele e quando ele acordar, diga a Prep que ele me deve uma. Mais uma vez. Eu assenti. — Eu vou. Obrigada. Antes que ele pudesse me afastar, percebi algo. — Espere! Quem eu digo a ele que ele deve? A menos que Wiggum seja realmente seu nome? — perguntei, apontando para o distintivo dele. Ele balançou a cabeça e sorriu. — O nome é Smoke.

~ 124 ~


Dezessete PREPPY Por alguns momentos antes de Dre perceber que eu estava acordado, eu a observava. Fazia tanto tempo que não a via. Realmente vê-la na luz, mas nada e tudo tinha mudado. Sua pele estava clara, assim como os brancos de seus olhos. Ela estava estonteante depois de ter largado as drogas e me fez sentir quente e incomodado em cada parte do meu corpo, mesmo que ele tenha se recusado a trabalhar por semanas. Mesmo que ela esteja usando mangas curtas, ela faz o movimento como se estivesse puxando suas mangas para baixo para cobrir as cicatrizes em seus braços que agora eram quase imperceptíveis. Transformou-se de um hábito em um capricho nervoso e era fodidamente adorável. Dre estava conversando com alguém, mas eu não conseguia ver quem diabos era e eu não me importava. Eu ainda estava observando Dre e não acreditando que ela estivesse realmente lá. Ela ainda mordeu o lado de seu polegar também e se você olhasse para ela do ângulo errado, quase parecia que ela o estava sugando, o que fez meu pau inútil se contrair pela primeira vez em uma eternidade. Algo sobre ela ter as mesmas pequenas peculiaridades me fez sentir como se não estivesse tão fora de sintonia, embora eu soubesse que quando a minha inspeção a Dre pousou no diamante cintilante em sua mão esquerda que fora de sintonia era um eufemismo de merda. Eu suprimi uma risada, não querendo que ela soubesse que eu estava consciente ainda, quando percebi que ela estava falando com Smoke e ele estava usando um uniforme completo da polícia. Vai saber o que era isso, mas o que me fez achar graça e rir disso foi que o seu crachá dizia Wiggum. Eu esperei até ele sair antes de dizer — Wiggum. O chefe Wiggum é o chefe da polícia dos Simpsons. — Ótimo, você está acordado. O que você estava fazendo na torre d'água? — ela perguntou, alisando meu cabelo do meu rosto. Eu queria ~ 125 ~


me inclinar em seu toque, mas em vez disso, eu vacilei um pouco, cortesia do que adquiri de Chop e ela retirou sua mão. Eu lhe mostrei o maior sorriso que pude, esquecendo meu dente perdido. Devia ter parecido uma bagunça. — Eu... — eu comecei, realmente não lembrando por que eu estava lá em primeiro lugar, mas a memória bateu e eu me lembrei da festa. O anel. O garoto que nocauteei. O BEIJO. Decidi ir com a verdade. Mais ou menos. — Eu estava procurando você. — Você estava tentando pular? — ela perguntou, cruzando os braços sobre o peito como se ela estivesse chateada e desapontada, mas eu não me fixei nisso porque o movimento empurrou seus peitos sobre o decote da camisa e de repente eu odiava o tecido de algodão escondendo de mim o que eu sabia serem perfeitos mamilos rosa. — Não, mas eu poderia ter gritado um pouco. Certo, muito. Alguém deve ter chamado os policiais sobre o lunático na torre de água e eles me arrastaram pensando que eu ia dar um longo salto para lugar nenhum. — Mas você não ia? — ela perguntou, como se ela estivesse se certificando. — Não, Doc — eu a tranquilizei. Ela assentiu com a cabeça e respirou lentamente, como se estivesse segurando a respiração. — Um dos oficiais deve ter ficado um pouco chateado — eu disse, sentindo o galo na minha testa. — Idiota. — King e Bear estão na sala de espera. Eu vou dizer a eles que você está pronto para ir para casa — ela disse, se levantando. Eu agarrei seu pulso e ela se sentou de volta. — Não, Doc. Eu não posso voltar lá. É demais. — eu parei. — É tudo... demais. — Aonde você quer ir? — Com você — eu disse, implorando com meus olhos. — Eu quero ir com você. — Preppy... — ela começou, olhando para o seu colo. — Essa não é uma boa ideia. — Porque você está noiva? — eu perguntei soando mais amargo do que eu pretendia. — Porque as pessoas casadas não podem ficar noivas, a menos que as regras tenham mudado. Merda, tudo mudou. Não me surpreenderia.

~ 126 ~


— Não, porque eu não vou estar aqui por muito tempo. Estou indo para casa para ajudar o meu pai no instante em que a casa for vendida e o corretor de imóveis acha que pode ser realmente em breve. E eu não— Ok, então eu só vou ficar até vender ou até você ir para casa. Basicamente, eu vou estar lá enquanto você estiver lá. — Preppy — disse Dre, parecendo pouco convencida. Eu ia ter que trazer as grandes armas11. — Como seu marido no papel, não tenho que assinar a venda? — eu perguntei. Doc endireitou a coluna: — Espere, o quê? — Mesmo que seja tecnicamente, somos casados, certo? A casa seria considerada nossa propriedade marital, então eu teria que assinar a venda, independentemente do nome de quem a casa está. — Porra12, — Dre balbuciou quando ela percebeu que eu estava certo. Era adorável quando ela xingava. — Parece bom. Talvez mais tarde. Agora eu só estou esperando que você diga ‘sim, Preppy, eu adoraria que você viesse ficar comigo por um tempo’. — Então... você está me chantageando? — perguntou Doc. Eu sorri. — Absolu-fodida-mente.

DRE — Esse é o garoto que você está fodendo? — Preppy perguntou, apontando para o protetor de tela no meu telefone. Era uma foto de mim e Brandon na minha formatura na faculdade. Eu me formei em três anos e tinha um grande sorriso no rosto. Brandon estava segurando meu diploma como se fosse um troféu. Para mim, era como se fosse. 11 12

Ajuda, usar argumentos. Porque fuck pode ser foder como porra, então tem ambiguidade. ~ 127 ~


— O quê? — eu peguei meu telefone de sua mão e o empurrei no meu bolso traseiro. — Ele não é um garoto — eu revidei. — Oh, sim? Poderia ter me enganado. Ele se parece com Zach Effron ou um Backstreet Boy13 em 1997. Quero dizer, qual é, Doc, ele nem sequer tem pelos faciais. Aposto que ele ainda não germinou nenhum pentelho, parece um pouco jovem demais para isso. Que tipo de homem não tem nenhum pelo facial? Eu olhei para a barba curta no rosto dele. — Quero dizer, que tipo de homem normalmente não tem pelo facial. Minha falta de barba é devido a circunstâncias especiais. — Tal como? — Tal como uma merda fodida sobre a qual eu não quero falar — Preppy disse. Ele então começou a assobiar quando abriu a porta deslizante e saiu para o terraço. — Olha, eu disse que isso não era uma boa ideia — Ray disse passando pela porta e colocando uma bolsa do que eu presumi ser as coisas de Preppy no chão. — Ele não fala com nenhum de nós. Ele não nos diz nada. Insiste que tudo está bem quando as pessoas levadas para o hospital por tentativas de suicídio não estão bem. — Eu posso ouvir você — Preppy disse, voltando para dentro e pegando a bolsa do chão. — Obrigado, garota. — Então, sobre o que vocês dois estavam discutindo? — Ray perguntou. — Noivo de Doc. Onde está ele por sinal? — Quer dizer, Brandon? — Ray perguntou. — Ele quer dizer Brandon, — eu disse com um sorriso. — E Brandon teve que ir para casa. — Oh, sim? E por que isso? — Preppy perguntou. — Porque, ele sentiu falta do namorado dele — eu disse casualmente. — Oh, ok, porque ele... espere. O quê? — Preppy perguntou.

13

Boy band que atingiu o auge da carreira no ano de 1997. ~ 128 ~


Ray bufou. — Preppy, Brandon é gay. — nós duas explodimos em um ataque de riso enquanto Preppy nos olhava como se tivéssemos enlouquecido. — Calma aí. Brandon é gay? — Preppy perguntou como se não tivesse ouvido direito da primeira vez. Ele se inclinou sobre o balcão nos cotovelos. — Porra, eu perdi meu cabelo, uma parte do meu fodido intestino... e meu gaydar? — Parece que sim — Ray disse, plantando um beijo no rosto de Preppy. Ela pode não ter o notado hesitar, mas eu sim. — Eu vou verificar as crianças. Comportem-se — ela cantou enquanto fechava a porta da frente atrás dela. — Não se sinta mal. Eu também perdi os sinais quando eu o conheci. — eu ri da lembrança. — Eu realmente pensei que ele estava me convidando para sair quando eu o conheci até que nós realmente saímos e seu namorado nos encontrou depois do filme. — eu tentei ignorar a espessura do ar ao nosso redor. Tentei fingir que cada palavra dele não me fazia sentir algo que eu não queria sentir. Alívio. Luxúria. AMOR. — Então voltando para sua pergunta anterior. O tipo de homem que gosta de uma aparência limpa. É esse que não tem pelos faciais. — Ah, é? — ele perguntou, dando um passo adiante, invadindo meu espaço, olhando para os meus olhos com uma intensidade que me fez morder com força meu lábio inferior. — Você gosta de uma aparência limpa, Doc? Ou você gosta dela sujo. Barbas. Tatuagens... cicatrizes. Sim, eu gosto dela suja. Muito suja. Fiquei atônita em silêncio. Sua proximidade estava fodendo com meu cérebro e eu estava com medo de que a qualquer segundo eu fosse dizer bruscamente algo que escavaria um buraco mais profundo do que eu já tinha escavado para mim. Abri a boca para responder, mas não consegui emitir as palavras. Não era como se eu precisasse. Preppy respondeu por mim. — Se bem me lembro, você gosta dela suja. Realmente suja. Ele deu outro passo em minha direção. — Lembra da primeira vez? No campo? Nas trilhas do trem? Lembra como eu puxei seu cabelo enquanto eu te fodia por trás e estiquei você? Lembra de como você se sentiu comigo me movendo dentro de você? Como se sentiu quando você gozou e gritou na porra da minha orelha? Eu sim. Eu lembro. Pensei naquele grito todo fodido dia desde então. Foi ensurdecedor. —

~ 129 ~


ele riu e apertou os dentes contra o lábio inferior. Ele gemeu, o som disparando direto para minha buceta. — Eu ainda posso ouvir isso agora. Eu também podia. O cabelo na parte de trás do meu pescoço estava em pé. — O que você está fazendo? — eu perguntei, tentando sair de perto dele, mas ele moveu seus braços e apertou suas mãos contra a parede, me segurando dentro. O calor do seu peito irradiou para o meu e eu tentei olhar para qualquer lugar, menos em seus olhos, com medo do que eu poderia ver, mas não havia qualquer outro lugar para olhar. Especialmente quando seu rosto se aproximou do meu. Ele pressionou seu joelho entre minhas coxas, separando minhas pernas. — Eu? — ele perguntou, com fingida inocência. — Estou apenas relembrando com uma velha amiga. — Isso não me parece uma lembrança — ofeguei. Ele me olhou profundamente nos olhos. — Não, AINDA não. — ele sorriu. — Mas será. Em breve. — Eu... eu não posso — eu gaguejei. Eu puxei meu rosto de sua mão, mas ele me virou de volta pelo meu queixo. — Oh Doc, você se lembra o quanto eu amo quando você me diz não. — ele se abaixou até que seus lábios estavam a um fio de cabelo dos meus. Meus mamilos endureceram de antecipação de sentir seus lábios contra os meus. Talvez, só desta vez. Eu menti para mim mesma. Mais uma vez só para lembrar como era quando ele... Uma porta de carro bateu na entrada da garagem, jogando um balde de água fria sobre o calor escaldante entre nós. Preppy olhou para cima e eu pulei sob seu braço e para longe dele. Eu limpei minha garganta e ajustei minha camisa, tentando esconder meus mamilos endurecidos debaixo da blusa fina. — Deve ser o corretor de imóveis — eu disse, o mais casualmente possível. — Ótimo — disse Preppy, suspirando. — E quando ele sair, precisamos conversar, — eu disse, tentando não parecer afetada por ele. — Sobre o quê? — Preppy perguntou. A campainha tocou. ~ 130 ~


Eu ajustei o meu cabelo e me alinhei antes de abrir a porta para deixar o corretor de imóveis e seus clientes entrarem, voltei para Preppy e engoli seco. — Nosso divórcio.

***

Nós nunca tivemos uma conversa sobre um divórcio, embora precisássemos tê-la em algum ponto. Ou talvez uma anulação em vez disso, mas eu tinha certeza que se existissem restrições de tempo sobre esse tipo de coisa, já tínhamos ultrapassado. Nós não falamos sobre o que aconteceu com ele também. Ou qualquer outra coisa quanto ao assunto. Fazia pouco mais de uma semana que Preppy se mudara para casa. Ele raramente saía do velho quarto de Mirna e notei que quando o fazia, era só à noite. Se ele alguma vez estava de pé durante o dia, a primeira coisa que fazia era fechar as cortinas e colocar óculos escuros. Eu sabia que ele estava tendo problemas com a luz e eu vi na festa o que aconteceu com ele quando o volume em torno dele ficava muito alto. Havia flashes do velho Preppy de vez em quando. Uma observação sarcástica. Insinuações sobre minhas saias curtas. O brilho ardente do desejo em seus olhos tristes que fazia meus joelhos se enfraquecerem e meu coração querer estourar dentro do meu peito. Várias vezes à noite ele gritava através de seus pesadelos e quando eu tentava entrar para ajudá-lo, eu não conseguia. A porta estava sempre trancada. Eu me sentava no corredor com minhas costas do outro lado da porta e o ouvia batalhar contra os demônios que assaltavam seus sonhos até que os gritos cessassem. Quando eu não conseguia dormir, eu ligava meu laptop e pesquisava sobre pessoas que passaram por situações traumáticas. Aconselhamento e medicação eram as duas recomendações, embora Preppy nunca concordasse com aconselhamento e automedicação era mais a coisa dele. Eu suspirei e coloquei a página nos favoritos, clicando sobre o link de Logan’s Beach para ver se qualquer outra coisa tinha sido

~ 131 ~


vendida recentemente na área e eu fui surpreendida que diversas casas em necessidade de mais reparo e com preços muito mais altos tinham sido vendidas recentemente. Eu fiz uma nota para perguntar a East se havia algo de errado com a nossa listagem, especialmente porque os potenciais compradores, para quem o corretor de imóveis mostrava a casa nunca voltaram com uma oferta e não tinha havido um único comprador interessado desde então. Embora uma parte de mim estivesse aliviada que ainda não tinha sido vendida, outra parte estava frenética para fazer acontecer. Com a data do leilão se aproximando, o tempo estava se esgotando para o meu pai. Eu tinha que pensar em outra maneira criativa para vender a casa ou fazer uma quantidade substancial de dinheiro e RÁPIDO. — Pai? — eu perguntei quando meu telefone tocou. — Pai, está tudo bem? Está tarde. — Tudo está bem aqui. Eu só estava verificando para ter certeza de que tudo está bem ai. Brandon me contou o que aconteceu com aquele garoto e eu estava preocupado que... — ele parou e eu ouvi sua culpa escorrendo no telefone. — Você queria saber se eu estava usando novamente. — Sim — meu pai respondeu honestamente. — Não, pai. Eu não estou. Eu nem pensei nisso — eu disse, e com essa declaração fiquei orgulhosa. — Embora eu tenha tomado dois copos de vinho com um amigo na outra noite e acho que o que aconteceu... — eu disse. — O quê? — Absolutamente nada — eu sussurrei. — Exceto talvez um monte de riso e eu adormecer antes das oito horas. Meu pai riu suavemente. — Estou tão orgulhoso de você, Andrea. Levantei-me e saí para o quintal. O ar fresco da noite parecia o céu contra a minha pele úmida. Depois que eu fechei a porta, me virei e saltei contra a porta, deixando cair meu telefone. — Olá? — eu ouvi meu pai dizendo. Inclinei-me e peguei o telefone. — Olá, pai. Tudo está bem, mas eu tenho que ir. Eu ligo de volta pela manhã. — eu fechei o telefone e desci lentamente os degraus. Meus olhos focados em Preppy que estava sentado no quintal sob a luz da lua com o rosto inclinado para o céu, gemendo e balançando de um lado para o outro como se ele estivesse com dor. ~ 132 ~


Nu. Muito, muito nu. As cicatrizes vermelhas e brancas brutais cortando suas tatuagens uma vez tão belas me fez querer correr minhas mãos sobre elas como se eu pudesse curá-lo. Eu queria chorar por ele e matar o filho da puta que fez isso com ele. Eu dei a volta nele e me agachei, então nossos olhos estavam no mesmo nível. Seus olhos se abriram. Seu olhar injetado e desfocado encontrou o meu. — Ajude-me.

***

— Como você quer que eu te ajude? — eu sussurrei. Eu não sabia que tipo de problema ele estava tendo. Porra, eu nem sabia se ele estava acordado, então eu não queria assustá-lo falando alto demais. Ele estendeu a mão e empurrou a alça do meu top no meu ombro. Seu toque fez meu corpo tremer. Ele tirou a outra alça e puxou a barra da minha camisa. — Por favor — ele implorou suavemente, mas não havia nada sexual sobre o que ele estava pedindo. Não havia desejo em seus olhos. Somente dor. Eu lentamente me despi, puxando minha calcinha e saindo dela antes de me ajoelhar diante dele. — Venha aqui, — ele sussurrou, me puxando pelos ombros até que eu o estivesse montando. Ele estava parcialmente duro, só sentindo ele contra mim me fez querer jogar a cautela ao vento e colocá-lo dentro do meu corpo, mas isso não era sobre mim. Eu não estava realmente certa sobre o que era isso, mas o que quer que fosse ele precisava, então eu ia fazer o meu melhor para dar a ele. Ele envolveu seus braços em torno da minha cintura e pressionou sua cabeça contra meu peito nu. Ele respirou lentamente como se estivesse tentando se estabilizar e então eu percebi que ele estava tentando não chorar. Alguns momentos depois seus ombros tremeram.

~ 133 ~


— Deixe sair — eu sussurrei, segurando-o mais apertado contra mim. — Deixe tudo sair. Os ombros de Preppy tremeram com mais força e senti suas lágrimas quentes contra a minha pele. Eu senti minhas próprias lágrimas começarem e uma vez que elas desceram, eu não pude detêlas. Então lá estávamos nós, sentamos. No quintal. Nus. Envolvidos nos braços um do outro até que o sol surgiu. Acordei na grama, coberta por um cobertor. Preppy sumiu. Voltei para casa e pensei em quando conheci Preppy. Eu era vulnerável. Fraca. Todo mundo na minha vida tinha pisado na ponta dos pés em torno de mim enquanto eles trabalhavam suas bundas para me salvar. Não Preppy. Doía-me ter que deixar Logan’s Beach quando a casa fosse vendida. Quebrou meu coração que Preppy e eu nunca pudéssemos ter uma chance de qualquer coisa real, não quando ele descobrisse o segredo que eu estava mantendo dele. Mas eu sorri para mim mesma, porque quando eu fui fraca, Preppy me salvou ao me dar sua força.

~ 134 ~


Dezoito PREPPY — Nós fodemos? — eu perguntei a Dre, que deixou cair um garfo. Eu sabia que não, mas eu amei tirar uma reação dela. — Quero dizer, eu não acho que nós fizemos. Mas eu acordei nu na varanda. Não foi a primeira vez que eu dormi lá fora, mas eu não me lembro de realmente ir lá fora. — Não, não fodemos, — disse Dre. Meu pau se contorceu quando ela disse FODEMOS e eu fiz uma nota para fazê-la xingar mais a partir de agora, porque era o primeiro sinal de que meu pau não era inútil afinal. — Eu acho que você é sonâmbulo. — ela estava irritada, o que me fez acreditar que eu nu na varanda era mais do que um simples caso de sonambulismo. — Você tem que ser legal comigo, Doc. — eu disse, arrastando a cadeira contra o piso enquanto eu a puxava para fora da mesa. Eu puxei a outra também. Eu sentei em uma, apoiando minhas pernas na outra, cruzando meus pés nos tornozelos. Eu abri seu laptop e puxei a página que ela tinha marcado e apontei para ela. — Eu tenho depressão pós parto. Dre bufou através de uma explosão de riso, enrugando o nariz. Fui instantaneamente atingido com uma dor nas minhas bolas, mas não era uma dor que eu me importava. De modo nenhum. Na verdade, era a primeira sensação até mesmo remotamente prazerosa naquela região do meu corpo que eu tinha desde que voltei do abismo. — Hum... Preppy? — ela perguntou, não esperando que eu respondesse. — A depressão pós-parto é o que acontece com algumas mulheres após... após terem bebês. O que eu penso que você quer dizer é algo chamado transtorno de estresse pós-traumático. Eu acenei. — Escute, só porque eu te chamo de Doc, não significa que você seja um especialista em medicina — disse eu, provocando outra pequena risada enquanto ela se virava e descobria uma bola de ~ 135 ~


massa que estava descansando em uma tigela no balcão. — Além disso, não importa de que diabos isso é chamado, o que importa é que eu tenho, então o que eu estou dizendo é que eu necessitarei ser cuidado. Muito cuidado. Certo? — eu perguntei e quando ela me mostrou um olhar ‘nunca nessa merda de vida’, eu fiz um bico exagerado e o que eu só podia imaginar ser um muito patético beicinho. — Oh, é? É isso mesmo? — perguntou Dre, virando-se com uma das mãos em seu quadril protuberante, uma sobrancelha perfeitamente arqueada se elevando para cima em direção à sua linha do cabelo, e seus lábios vermelhos fodíveis tremeu para o lado. — E que tipo de AJUDA é que você está precisando tão desesperadamente? Eu abri a boca para dizer algo no meu habitual sarcasmo, mas no último segundo eu limpei minha garganta e até mesmo eu não esperava o que derramou de meus lábios. Minha voz era muito mais baixa e rouca do que um momento atrás. Quase um sussurro. — Todo o tipo. Eu preciso de toda a ajuda. — não havia nenhum traço de qualquer tipo de humor em minhas palavras. O que eu estava tentando dizer a ela? Dre parecia estar meditando sobre o que eu tinha acabado de dizer. Seus lábios achatando em uma linha reta. Ela olhou para a pia e através da janela para o quintal negligenciado. O sol saiu de trás de uma nuvem e seu rosto se clareou instantaneamente, iluminado pelos raios do amanhecer. Ela fez uma pausa pelo que pareceu ser uma puta eternidade, fechando os olhos e absorvendo a luz quente. O relógio acima do fogão estava cada vez mais alto, conforme anunciava cada segundo que passava, até que ele se transformou em um insano tique-taque batendo nos meus tímpanos. TICK-TACK TICKTACK. Finalmente, Dre rompeu minha impaciência quando se virou para mim novamente e enxugou suas mãos em seu avental florido. Seus lábios se voltaram para cima em um sorriso branco brilhante, cheio de dentes que cobriu todo o seu rosto. Meu coração acelerou como se tivesse sido atingido com pás elétricas, tanto que saltou uma batida e eu tossi na dobra do meu cotovelo. — Ok, então. — Ok então... o quê? — eu perguntei, casualmente olhando para minhas mãos e virando-as como se eu estivesse inspecionando minhas próprias tatuagens. — Ok, se você precisar de ajuda, eu vou dar a você. — ela fez uma pausa e eu não tinha percebido que ela tinha atravessado a cozinha até que eu olhei para cima de minhas mãos e a encontrei de pé sobre mim, ~ 136 ~


tão perto que seu joelho estava pressionado contra a minha coxa. Eu estiquei meu pescoço para olhar para seu rosto. — Mas minha ajuda tem condições. — Que tipo de condições? — eu perguntei e ela se afastou. — Por que você está me afastando, Doc? — eu perguntei, odiando a sensação de espaço entre nós. Ela se virou de repente, seu rosto sério. — Porque você me machucou! Porque você me destruiu! Porque quando você me afastou da última vez, eu poderia ter morrido como você. E eu fui para reabilitação e faculdade e havia um milhão de vezes quando eu queria te ligar e falar com você e te contar sobre o meu dia e eu não podia porque você decidiu que não devíamos estar juntos. VOCÊ. Não nós, VOCÊ. Então você fodidamente morreu e eu odiei você por isso. Tudo isso! — Você está brava comigo porque... eu morri? — Sim, e porque você nunca soube a verdade. Há tantas coisas que você precisa saber que eu nunca disse a você. — Então me diga, Doc, — eu disse. Ela abanou a cabeça. — Por favor, todo mundo me poupa da verdade porque eles têm medo que eu vou desmoronar. Isso é o que está me deixando mais louco do que qualquer outra merda. Apenas me diga a porra da verdade! — Você pode me odiar. — Pode ser. — Ok, — ela concordou, com um pequeno aceno de cabeça. Ela endireitou sua espinha. — Então venha, — disse ela, checando o relógio do fogão. — Temos tempo para fazer isso. — Onde estamos indo? — eu perguntei confuso por que essa conversa precisava de um passeio. — Para a verdade.

~ 137 ~


DRE — Então é assim que tudo funciona? — Preppy perguntou, apontando para o homem no altar. — Você simplesmente vai lá e conta as merdas sobre todos os seus negócios para estranhos? Meus lábios se curvaram em um sorriso pela escolha de palavras de Preppy. — Quase, é suposto que lave a alma e se lembre de que você não está sozinho. Você deve tentar isso em algum momento. É muito libertador. — eu arranhei meu nariz em pensamento. — Bem, não imediatamente, mas eventualmente parece muito libertador — eu emendei. — Às vezes. — Sim, eu entendi tudo isso, mas quem é que tem tanto tempo? — eu o golpeei com o panfleto que eles me deram no caminho, que era o que eu suponha que eles dão na maioria das reuniões de NA14. Uma agenda de reuniões e uma lista de pessoas que você pode ligar se você sentir vontade de usar novamente. — Por que você está indo para o fundo? — Preppy perguntou em um sussurro alto, se aproximando de mim no banco. — A reunião não é lá na frente onde estão todas aquelas outras pessoas? — Eu só... não sinto que eu preciso estar lá em cima agora — eu expliquei, embora não estivesse realmente explicando nada. — Não entendo — disse Preppy, esquecendo-se de sussurrar. Várias cabeças se viraram para ver de onde a comoção estava vindo e eu lhes lancei um sorriso de desculpas, embora eu realmente não estivesse arrependida15. Preppy não era um conformista. Estar em silêncio, especialmente em um cenário como uma igreja, era uma tarefa enorme para ele. Eu estava realmente meio que impressionada de que ele não estava fazendo piruetas pelos corredores. — Eu nem sempre me sento na parte de trás. Depende apenas de... como eu estou me sentindo. — Eu ainda não entendo Doc, use palavras fáceis se você tiver que explicar isso para mim. — Ok, então agora estou sentada no banco de trás perto da porta, apenas ouvindo. É como se estar de volta aqui me fizesse sentir como se estivesse montando essa linha invisível separando a reunião que está

Narcóticos Anônimos Sorry significa pra nós: desculpa, as vezes sinto muito. Mas na frase em inglês, não conseguimos traduzir de forma literal, então fica meio sem sentido colocar “eu não estivesse sentindo muito”. 14 15

~ 138 ~


acontecendo lá em cima e o mundo exterior, que é como me sinto na maioria das vezes. Como se eu não pertencesse lá em cima, mas eu sei que preciso estar aqui de alguma forma. — E em outros dias? — Preppy genuinamente interessado no que eu ia dizer.

perguntou,

parecendo

— Há alguns dias que são um pouco mais difíceis — eu admiti. — Dias em que eu estou lá em cima com os outros, participando, contando minha história, porque eu sinto que o mundo exterior não entende e eu preciso estar lá em cima com pessoas que sim. — Quanto tempo faz desde que você esteve lá em cima? — Preppy perguntou, bem quando Steve, o líder da reunião, chamou meu nome. — Andrea, você está pronta? — Steve perguntou, apontando para o altar vazio com um sorriso. Eu acenei para Steve e fiquei de pé. — Eu estarei lá em cerca de três segundos. — meu coração martelou no meu peito enquanto eu arrastava os pés para fora do banco. — Eu vou entender se você quiser sair antes de eu terminar — eu adicionei, olhando para ele uma última vez. Ele queria a verdade e eu estava prestes a dar a ele em grande estilo. Da MAIOR maneira. — Eu não vou a lugar nenhum — ele me tranquilizou, embora não houvesse nenhuma maneira de que ele soubesse com o que exatamente estava concordando. Fiz o meu caminho para frente da igreja, onde o pequeno pódio de madeira foi posicionado diretamente na frente dos bancos no centro do corredor. Olhei para a multidão de uma dúzia de homens e mulheres, alguns adolescentes na multidão e respirei fundo. Preppy me mostrou um sorriso reconfortante do banco de trás e eu esperava que não fosse o último. — Meu nome é Andrea — eu comecei, minha voz trêmula. — Mas todos me chamam de Dre. Eu sou uma viciada. A heroína era a minha arma de escolha se vocês estiverem interessados em saber. — eu olhei para o canto. — E eu tenho estado sóbria por alguns anos agora. Minha introdução foi seguida por vários ‘Olá Dre’ da multidão e alguns aplausos de encorajamento. — Vocês sabem, eu estive em mil

~ 139 ~


desses encontros. Eu me apresentei a centenas de outras pessoas da mesma maneira. — eu balancei minha cabeça e clareei minha garganta. — Por alguma razão estúpida eu continuo esperando que isso fique mais fácil. — a multidão riu. — Mas contar a minha história nunca é. Steve falou da primeira fila: — Talvez nunca fique mais fácil, mas é uma boa lembrança de por que você está aqui e por que você nunca voltou a usar. Houve mais palavras de encorajamento murmuradas da pequena multidão, mas não foi sua reação que me fez segurar nas bordas do pódio para me apoiar. Lancei um último olhar para Preppy na última fileira. Ele estava parcialmente escondido nas sombras, então eu não conseguia entender sua expressão e naquele momento eu estava grata por isso. Eu continuei. — Agora eu tenho estado sóbria por vários anos. Perdi pessoas. Acho que foi assim que tudo começou. Eu perdi minha irmã e eu me culpei. Seu namorado me culpou também, e caímos em nossos vícios juntos. Ele se tornou violento. Ele... ele me machucou. Ele me ESTUPROU. Eu disse a mim mesma que merecia. No final, eu também o perdi. — eu respirei fundo e olhei para o pódio. — Quase me matei uma noite. Eu quase pulei da torre de água aqui mesmo em Logan’s Beach. Mas fui salva por uma pessoa. Eu não o chamaria de anjo da guarda exatamente. Mais como um diabo com bom timing. — Depois de um monte de outras coisas com as quais eu não vou aborrecê-los, fiquei sóbria e meu pai me levou para casa e eu entrei para reabilitação. — Uma noite, não muito tempo depois de eu ter chegado lá, eu percebi o quão cansada eu estava. Não cansada de não dormir, mas cansada de sentir dor. Porque só quando eu pensei que meu coração não poderia quebrar mais, ele continuava se estilhaçando uma e outra vez e depois de um tempo, quando eu pensava que eu ficaria bem... eu não aguentava mais. — E como uma viciada, eu só conhecia uma maneira que eu poderia fazer tudo ir embora. — Eu nem lembro como eu consegui escapar da instalação de reabilitação, ou por qual porta ou janela eu escapei. Tudo o que sei é que naquela noite, menos de uma hora depois de pensar em usar

~ 140 ~


novamente, eu estava sentada no chão sujo da sala de algum traficante de drogas segurando um isqueiro em uma mão e uma colher na outra. Eu parei. Meu peito apertou. Eu lutei contra as lágrimas que ameaçavam cada vez que eu estava prestes a chegar na próxima parte. A parte mais importante. As lágrimas ganharam e quando comecei a falar, elas estavam caindo em correntes quentes pelo meu rosto. — Naquela noite, tudo mudou num instante. Antes que eu pudesse amarrar meu braço, meu intestino se torceu. Eu pensei que poderia ter sido a culpa do que eu estava prestes a fazer. E eu acho que poderia ter sido em parte isso, mas quando passou, eu amarrei o meu braço e assim quando eu levantei a agulha para furar minha pele uma dor rasgou meu estômago e eu desmaiei. — Eu acordei no hospital pensando que eu tinha tido uma overdose. Meu pai estava lá e ele me disse que eu não tinha drogas no meu sistema. Ele tinha lágrimas nos olhos e quando eu perguntei o que estava errado, — minha voz rachou. — Ele me disse que queria ser o único a me dizer que eu... — eu respirei fundo para me recompor. — Desculpa. Ele queria ser o único a me dar a notícia de que eu tinha perdido um bebê. Meu bebê — eu disse, um soluço escapando dos meus lábios. — Um bebê que eu nem sabia que eu estava carregando por quinze semanas. Uma garotinha. — Eu a amei no segundo que ele me falou sobre ela e eu senti tanto como qualquer mãe poderia lamentar a perda de uma criança. Quando a culpa veio de novo, a culpa enlouquecedora, ela caiu em mim mil vezes pior do que nunca antes e eu percebi que ela nunca foi destinada a estar nesta vida. — Se não fosse por essas dores eu teria usado e eu sei em meu coração que ela não sobreviveria se eu tivesse. E talvez eu também. Aquela doce filha por nascer, que nunca teve a chance de tomar seu primeiro fôlego, impediu-me de cometer o maior erro da minha vida. — Ela salvou minha vida. — Depois que eu saí do hospital, eu voltei para a reabilitação e eu nunca toquei em uma agulha novamente. E cada vez que me sinto deslizando para o abismo, encontro conforto ao pensar nela. De certa forma, eu gosto de pensar que falar sobre ela lhe dá um novo tipo de vida, porque embora tenha sido curta, teve um grande significado. Ela fez sentido.

~ 141 ~


— Eu estava escorregando. Eu não era forte o suficiente para me salvar, mas acontece que ela foi forte o suficiente por nós duas. Então agora é meu trabalho ser forte por ela — eu examinei a multidão e meus olhos caíram sobre a sombra imóvel na linha de trás. — E eu não tenho nenhuma intenção de desapontá-la, nunca.

***

Eu sai logo após meu testemunho, não esperando até o fim. Caminhei pelo corredor para encontrar a última fila vazia. A dor brotava no meu peito quando eu disse a mim mesma que era esperado. Não haveria nenhuma razão para ele ficar por perto depois do que eu acabei de dizer. Eu sabia que ele estaria com raiva, eu sabia que ele me odiaria pelo que eu tinha feito e ele tinha todo o direito. Mas ele tinha o direito de saber e, embora eu estivesse esmagada, ele não estava lá, uma grande parte de mim estava feliz por ele finalmente saber sobre sua filha. Eu empurrei as portas duplas que levavam ao átrio da capela na frente da igreja e estava prestes a sair pela frente quando uma voz me parou. — Ela era minha? Virei-me para encontrar Preppy de pé contra a parede no canto, sua expressão ilegível. — Pensei que tivesse ido embora. — Ela era minha? — ele repetiu. Eu balancei a cabeça. — Porra — ele cuspiu. — Por que você não veio me dizer? Por que... — ele parou, empurrou a parede e veio para na minha frente. Seus olhos se enrijeceram de vermelho enquanto procuravam respostas minhas. — Depois de como deixamos as coisas, não achei que você realmente se importava e mesmo se você se importasse, qual seria o ponto? Era tarde demais, não havia nada que pudesse ser feito. — Eu teria me importado — ele argumentou. — E eu poderia ter estado lá por você.

~ 142 ~


— Eu não tinha como saber isso. — eu respondi, mordendo meu lábio inferior e eu poderia dizer pela mudança em sua expressão que ele entendeu. — Você... — ele começou, suas sobrancelhas franzidas. Ele olhou para o meu estômago em confusão e estendeu a mão, colocando sua palma achatada sobre o tecido do meu vestido, em seguida, agrupando o tecido em suas mãos. Senti o calor de sua mão através do material do meu vestido como se ele estivesse tocando a pele nua. — Você estava carregando meu bebê — sua voz quase um sussurro. Embora não fosse uma pergunta, eu acenei com a cabeça, fungando e mexendo meus pés enquanto ele continuava a olhar para mim como se ele estivesse me vendo pela primeira vez. — Você teve que passar por isso sozinha, — disse ele. — Meu bebê... — Eu sinto muito — eu disse, enchendo o silêncio constrangedor. — Meu corpo ainda estava se recuperando e era muito fraco para carregá-la e eu sint... — Pare — Preppy disse, levantando uma mão. — Mas... — Pare! — disse ele. — Porra, Doc! Você deveria ter me contado. Eu estaria lá por você. Eu teria vindo correndo se eu soubesse que você tinha acabado de perder nosso bebê. Você não devia estar sozinha para isso. — Eu sinto tanto, tanto... Minhas desculpas foram interrompidas quando Preppy desceu sobre mim, esmagando seus lábios contra os meus. Eu gritei quando o sentimento surpreendente de confusão e desejo pulsou através de todo o meu corpo, enquanto seu beijo ficava mais profundo e mais desesperado. Ele me levantou dos meus pés, empurrando minhas costas contra a parede ao lado de uma porta sinalizada ESCRITÓRIO. Eu abri a boca para ele e quando nossas línguas se entrelaçaram, ele gemeu e usou seu joelho para abrir minhas pernas. Meu vestido subiu pelas minhas coxas, uma camada menos entre nós quando suas mãos encontraram minha bunda nua. Uma tira fina de algodão molhado era tudo o que restava para me cobrir.

~ 143 ~


Preppy balançou contra mim, gemendo. Eu engasguei em sua boca quando senti seu pau duro, enorme e pronto, contra o meu núcleo. — Eu pensei — eu comecei, procurando seu rosto. As veias em seu pescoço estavam saltadas. Seu rosto estava ruborizado. Preppy riu e falou contra meus lábios. — Pensei também, Doc. Eu acho que meu pau estava apenas esperando pela hora e lugar certo. — Uma igreja durante uma reunião de NA? — eu perguntei com um sorriso, ofegante quando meu corpo respondeu a cada toque dele. Ele balançou contra mim novamente, mais duro dessa vez. Minhas entranhas se apertaram, precisando que ele me enchesse, desejando que ele estivesse dentro de mim. — Se meu pau quer foder você em uma igreja, então quem diabos sou eu para discutir? — Preppy perguntou antes de pressionar seus lábios de volta para os meus e continuar a agonia do beijo mais apaixonado que eu já experimentei em minha vida. — Eu tomarei isto como um sinal de Deus que eu deveria te foder aqui e agora. — O quê? — eu perguntei sem fôlego, quando Preppy mergulhou uma mão entre nós, empurrando minha calcinha de lado. No segundo que seus dedos conectaram com a minha carne delicada, eu saltei da parede e Preppy me agarrou mais apertado pela cintura, puxando-me mais, bloqueando-me nele. — Shhhh, vou te foder, Doc. Vou te fazer gozar tão duro que você vai cair no meu pau — ele disse, sua voz baixa e crua enquanto ele circulava meu clitóris dolorido e eu me contorci por mais. — É isso que está acontecendo? Nós estamos fodendo? — eu perguntei. — Porque há uma sala cheia de gente lá que vai sair daquelas portas em cerca de dez minutos ou algo assim. Ele olhou profundamente em meus olhos. — Doc, eu esperei muito tempo por isso. Eu não me importo de estar em uma igreja. Eu não me importo se tivermos um público reunido em torno de nós. Eu não me importo se os policiais aparecerem e tentarem nos arrastar para longe porque eu não vou deixar. Tudo o que me importa é isso e nós. Agora mesmo. Agora, porra! — ele gemeu inserindo um dedo dentro de mim. — Porra, merda! Você é mais apertada do que eu me lembro. Puta que pariu. — Preppy olhou ao redor e depois de volta para mim. — Aqui — disse ele, pegando a maçaneta da porta do escritório e me levando para dentro da pequena sala. — Mas só porque eu sei que uma vez que eu entrar dentro dessa buceta apertada, eu não vou querer sair por um bom tempo. ~ 144 ~


Meu interior gritou com suas palavras e eu estava embaraçosamente molhada, pingando na parte interna das minhas coxas. A sala era pequena. Alguns computadores estavam alinhados nas paredes com uma mesa no meio e um pequeno sofá do outro lado. Em um dos computadores, sentado no escuro, estava um cara corpulento em torno de seus trinta e poucos anos com a cabeça raspada. Quando entramos na sala, ele se levantou abruptamente, derrubando uma cadeira enquanto Preppy me soltava, mas não me deixou ir muito longe, ele me segurou perto dele. — Saia — Preppy instruiu o homem. — Ei! Ei, vocês não podem estar aqui — ele disse, puxando as calças sob a batina que já estavam bem acima de seu umbigo e tentando fechar seu zíper. — Saia agora, antes, que o pastor descubra que seu pastor assistente estava aqui olhando pornografia durante seu horário na igreja — Preppy advertiu, acenando com a cabeça para onde uma loira peituda estava nua com as pernas espalhadas na tela do computador em que o homem estava sentado. — Preppy? É você? — o homem disse, ajustando seus óculos e dando um passo mais perto. — Você sabe; eu tinha ouvido que você estava de volta, mas eu não... — Fora, agora. Nós vamos conversar mais tarde — Preppy pediu com uma certa quantidade de súplica em sua demanda. — Ah, é claro, cara — ele disse, pegando alguns papéis da escrivaninha. Ele jogou o conjunto de chaves para Preppy no caminho para fora da porta. — Tranque e coloque a chave na caixa de doação do lado de fora da porta. É bom te ver, Preppy. — ele falou de volta, soando alegre e um pouco assustado quando a porta se fechou. Preppy checou para se certificar de que a porta estava fechada, mas não havia nenhuma fechadura para virar, o que explica por que o ministro assistente também não trancou. Preppy não perdeu tempo trazendo minha boca de volta para a dele. Ele chegou debaixo do meu vestido e puxou a minha calcinha que eu deixei ir. Ele me levou mais para o fundo da sala enquanto eu me atrapalhava para abrir seu cinto, agarrando-o em minha mão, apertei sua carne quente e sua cabeça caiu para trás contra a parede. Seus olhos se fecharam. Eu apertei de novo e ele empurrou minha mão, deixando suas calças caírem no chão. Fiquei de joelhos, querendo

~ 145 ~


provar o que estava pingando pela ponta de seu pau glorioso quando ele me agarrou pelos cotovelos e me manteve em pé. — Quero sua boca, Doc. Eu quero toda você. Mas tem sido um tempo muito longo e eu só preciso estar dentro de você. Agora, porra. — Eu só queria provar você — eu admiti, mordendo meu lábio inferior. — Agh, não diga merdas assim. Quero durar mais de um minuto, — disse ele, puxando-me contra ele e me beijando até que nós dois estávamos gemendo e se contorcendo um contra o outro. Seus dedos encontraram minha umidade e separaram minhas dobras, primeiro, depois outros dedos lentamente entraram em mim e eu senti como se eu fosse queimar. Calor, prazer, faíscas e muito mais pingou do meu corpo, transformando todos os sentidos de prazer que eu tinha em alerta máximo. Eu estava viva com a antecipação, uma necessidade surgiu dentro de mim tão feroz, implorando por Preppy com cada golpe de seus dedos. — Preppy — eu implorei, precisando de mais. Ouvindo o desespero na minha voz e sentindo-o no meu corpo zumbido, ele me pegou e me empurrou contra o braço do sofá, abriu minhas coxas, alinhou seu pau na minha abertura e empurrou para dentro, apenas uma parte, centímetros e depois fez uma pausa. Eu olhei para cima para encontrá-lo olhando para mim. — Eu não posso acreditar que isso realmente está acontecendo. É você — ele disse, repetindo as palavras da primeira vez que nos vimos novamente. — Sou eu — eu respirei, segurando os lados de seu rosto enquanto empurrava o resto do caminho dentro de mim. Eu gritei, sem saber quem estava por perto e não me importando quem ouvia. Dor só levou ao prazer, especialmente quando Preppy falou, suas palavras abanando as chamas do fogo que já estavam queimando em lava quente. — Porra, Doc. Você é tão fodidamente apertada. Puta merda. Sua buceta é tão apertada que quase dói. Como isso é possível... ahhhhh, — ele gritou, fechando os olhos com força. — Você é tão gostosa. Melhor do que eu me lembro. Fodidamente perfeita. — Ninguém, desde você — eu admiti, o prazer e as emoções quebrando em mim, as lágrimas tão fortes novamente pingaram dos cantos de meus olhos enquanto eu me esforçava para manter um domínio sobre tudo. Seus olhos se abriram e encontraram os meus e ele sorriu. Seus olhos pesados quando eles se encontraram. Ele estendeu a mão e ~ 146 ~


levantou meu vestido acima de meus peitos. E se inclinou sobre mim, me empurrando ainda mais no sofá, trazendo meus joelhos contra seu peito quando ele me deu cada centímetro de seu grande pau, empurrando dentro de mim em longos e duros golpes. A forma como ele escovava o feixe de nervos dentro da minha buceta enviou faíscas pela minha espinha. Uma e outra vez as faíscas acenderam até que todo o meu corpo estava em chamas, um inferno de necessidade pronto para queimar. Preppy pegou sua velocidade. — Você está tão fodidamente perto. Eu sinto. Beije-me. Beije-me quando você gozar. Nossos lábios se encontraram e eu fechei meus olhos no instinto, perdida na sensação. — Abra seus olhos, — ele exigiu. — Beije-me e olhe para mim quando você gozar. Eu quero que você me veja, — disse ele. Mais três golpes, levantei meus quadris ao máximo na posição que dava para levar o máximo dele. Com meus olhos abertos e meus lábios sobre os dele, o fogo queimou fora de controle, derretendo minhas vértebras, todo meu corpo contraindo em espasmos por uma explosão interminável de prazer que me fez gritar na boca de Preppy. Eu ainda estava montando meu orgasmo, contorcendo-me em seu pau quando ele se acalmou e separou nossos lábios, rosnando através de sua própria libertação, córregos quentes derramando dentro de mim, seu pau pulsando pelo que pareceram minutos. Mesmo depois que ele se retirou de mim logo, gotas brancas ainda estavam pingando da ponta, caindo sobre meu clitóris. — Puta merda! — disse Preppy, tentando recuperar o fôlego. Eu deitei lá, em um ângulo incômodo no lado do sofá, olhando para uma cruz pintada no teto baixo do escritório. Meus membros eram geleias enquanto eu tentava lembrar como respirar ou mesmo me sentar. Ou mesmo o meu próprio nome de merda. — Sim — eu concordei. — Quero dizer, foi bom. Preppy riu e caiu em cima de mim, segurando meu rosto em suas mãos. — Ei, Doc? — ele falou, procurando meus olhos. Sua risada se acalmou e seu sorriso caiu. Meu estômago virou. — Sim? — Desta vez... eu vou ficar com você. — Não faça promessas que você não pode cumprir — eu disse. ~ 147 ~


Ele olhou nos meus olhos e acariciou minha bochecha. — Eu vou tentar o mais duro possível para ficar com você.

~ 148 ~


Dezenove PREPPY Ainda estávamos na cama quando me virei para Doc. Seu cabelo estava uma bagunça, saindo de um milhão de maneiras de sua cabeça. Seu batom vermelho estava manchado em suas bochechas. Ela era fodidamente linda. Eu puxei sua perna para que sua coxa estivesse descansando sobre a minha. — O que você fez antes, você sabe, sobre desestressar? Por diversão? — Doc perguntou, girando uma mecha brilhante de seu cabelo entre seus dedos. Claro que a primeira coisa que veio à minha mente foi foder, embora foder alguém além dela não era o caso. Uma guerra na tentativa de não machucar ninguém enquanto tenta tirar algum tipo de prazer da situação. Até Dre, eu tinha falhado nisso. Eu falhei muito. Ainda assim, eu devia ter aquele olhar sujo nos meus olhos. — Fora isso, — ela disse, cutucando meu ombro. — O que é algo que você não fez há algum tempo? Algo que possamos fazer juntos? Agora mesmo. Um sorriso escorregou em meu rosto e eu sorri para minha garota como um tolo quando uma coisa veio à mente que sempre me fez sentir melhor uma vez que eu fazia isso. — Há UMA coisa... — meu sorriso ficou ainda maior. — Diga-me, Doc. — eu me inclinei para perto — Como você se sente sobre delitos menores? — Eles têm seus usos. — Vamos. Vou te mostrar o quanto esses usos podem ser divertidos. Vinte minutos depois estávamos de pé na frente do Stop-N-shop, nas sombras, onde a única luz do estacionamento não podia alcançar. Nós tínhamos uma visão clara do jovem gorducho que trabalhava no caixa, mas não tinha como ele nos ver.

~ 149 ~


— Na contagem de três — eu disse, — Um... — Espere, por que estamos fazendo isso mesmo? — Dre perguntou com uma risadinha que fez minhas bolas se apertarem. — Porque vingança é doce e bullying é errado, você não lê jornal? Essas pessoas precisam de uma lição para as gerações futuras. — Ele te intimidou? — ela perguntou, soando como se ele também tivesse chutado seu filhote. — Sim, costumava chutar minha bunda o tempo todo na escola primária. Você sabe, eu ganhei, mas ainda era muito chato. — Esse filho da puta! — Exatamente. Estamos fazendo isso ou o que, Doc? Se você estiver nisso, segure essa saia bonita e pegue suas bolas. Você está dentro ou fora? Ela não hesitou. — Oh, eu estou dentro. — Dre levantou o braço em posição de lançamento e inclinou o queixo para mim. — Pronta! Eu comecei a contagem regressiva. — Um... Dois... Três! — em três nós dois arremessamos tão duro como podíamos, não parando até que as duas dúzias de ovos na caixa tinha acabado e estavam esmagadas contra a janela. — É muito bonito, — Dre disse, admirando os pedaços e as gemas deslizando pelo vidro, as luzes do interior da loja deram ao que fizemos um efeito iluminado, fazendo com que parecesse que a janela estivesse brilhando. — Nós provavelmente deveríamos correr — eu sugeri, ouvindo o ding da porta da frente e o barulho de passos irritados através do pavimento. — Claro, para onde você quer ir agora... — Não, nós deveríamos correr! — eu gritei, agarrando seu braço e a arrastando comigo até que ela percebeu que Tyler estava bem atrás de nós, assim quando luzes azuis e vermelhas de um carro de patrulha que tinha acabado de patinar no estacionamento. — Merda! — Dre gritou soando mais encantada do que deveria estar quando a possibilidade de ser algemada na parte de trás de um carro de patrulha no final da noite era bem alta. — Desta forma — eu disse, levando-a sobre a cerca na parte de trás da loja e, em seguida, descendo o caminho que levava através de ~ 150 ~


uma área arborizada e acabava na frente da minha casa. Atravessávamos plantas mortas e raízes de árvores, minha lembrança do caminho que eu conhecia tão bem a única coisa que nos guiava no caminho escuro. Dre gritou de novo quando ouvimos o som da cerca chacoalhando. Um brilho disparou de um lado para o outro à nossa frente, cortesia de uma lanterna forte. — Pare, vocês estão presos! — ordenou o oficial que nos perseguia. — Se continuarmos assim, ele vai nos pegar. Precisamos de um plano melhor — Dre apontou. Ela estava certa. Eu não era o único que conhecia o caminho, mas de repente, como uma lâmpada de ideia brilhante, a luz de uma casa apareceu à vista, o que definitivamente não existia da última vez que eu estava naqueles bosques. Risos e música rock suave encheram o ar. Um tinido de copos. Respingos de água. O cheiro de carne em uma grelha. Parecia que alguém estava fazendo um churrasco, e aqueles caras estavam prestes a ter dois novos melhores amigos. — Vamos, — eu disse, saltando sobre a pequena cerca de piquete branca que revestia o quintal. Enquanto corríamos em direção à parte de trás da casa, percebi que não era um churrasco comum. Dois homens estavam sentados em uma pequena banheira quente no deck de trás, bebendo vinho tinto, enquanto uma grelha fechada estava acesa a poucos metros de distância. A mesa ao ar livre estava posta para quatro, com pratos e copos, como se estivessem esperando mais companhia. — O que diabos você está... — Dre começou a perguntar enquanto eu tirava minhas roupas. — Tire suas roupas, — eu disse a ela. — Agora. — Quem diabos são vocês? — perguntou o homem mais novo dos dois, levantando-se na água para revelar uma das menores sungas que nenhum homem deveria ser submetido a usar em sua vida. O outro homem, um cara mais velho de cabelos prateados, parecia levemente divertido e muito chapado. Eles devem ter fumado mais cedo, porque embora a fonte não estivesse por perto, o cheiro leve de maconha permeava no ar. — Nós, cavalheiros, somos sua companhia para a noite — eu anunciei, — E nós estivemos aqui o dia inteiro — eu adicionei, olhando para o bosque, o raio da luz estava se aproximando. — Eu sou Samuel e

~ 151 ~


esta é minha esposa, Dre. — Dre deu a eles um pequeno aceno enquanto continuava a se despir. Ela acrescentou um de seus famosos sorrisos de lábios vermelhos, embora eu tinha certeza de que não era tão eficaz sobre eles como sempre parecia ser em mim. Eu agarrei a garrafa de vinho da borda da banheira e servi nos dois copos vazios que estavam por perto. Dre chutou seus sapatos até que ela estava apenas em sua calcinha e sutiã. Ela pegou suas roupas e as minhas e as jogou na janela aberta da cozinha. Os homens a observavam com expressões confusas em seus rostos. O homem que estava de pé afundou lentamente na água borbulhante. — E se você irem na onda do que está prestes a acontecer, vou dar à vocês um suprimento de seis meses da melhor erva que vocês podem conseguir em toda Logan’s Beach. O homem mais velho parecia estar pensando na minha oferta, embora eu desejasse que ele pensasse mais rápido. MUITO MAIS RÀPIDO. — Isso seria bom, porque as coisas que eu comprei hoje perto da ponte... como vocês dizem... era uma merda, — disse ele com um sotaque espanhol muito pesado. Eu entrei na banheira de hidromassagem em apenas meus boxers, minhas pernas não tendo escolha a não ser escovar contra cara da sunguinha na banheira pequena. Entreguei a Dre seu copo de vinho e a ajudei a entrar na banheira ao meu lado. Peguei um punhado de água e molhei meu cabelo antes de envolver meu braço em torno dos ombros de Dre e puxá-la para perto de mim. — Sou Fred e esse cavalheiro sexy é Meryl, — Fred anunciou antes de empurrar alegremente Meryl no ombro. — E você disse que deveríamos ter construído em Miami porque não há excitação em Logan’s Beach. — ele levantou seu copo em nossa direção e depois ofegou com um sussurro de prazer quando o oficial pulou a cerca de trás e começou a vir em nossa direção. — De quanto mais excitação você precisa? — ele disse, atrás de sua mão como se o oficial pudesse ler lábios na escuridão. Quando o oficial chegou até nós, sem fôlego, com folhas e galhos presos por todo o seu uniforme azul escuro, nós quatro estávamos em uma conversa falsa, rindo e brindando como velhos amigos. — Este é o amigo que você disse que iria se juntar a nós? — Dre perguntou, ela se virou para o oficial. — Você trouxe mais vinho? — ela levantou seu copo. — Porque isso é coisa de deus.

~ 152 ~


— Você sempre teve uma queda pelas coisas caras — Fred provocou, soando como um ator natural. — O que podemos fazer por você, oficial... Beaman? — ele perguntou com um tom alegre, inclinando a cabeça para o lado para ler o distintivo. — Vocês dois — Beaman disse, apontando de mim para Dre. — Saiam daí agora. Vocês estão presos por vandalismo, por fugirem de um oficial da lei... — Acho que você está enganado, senhor, — falei. — Você pegou as pessoas erradas. Estivemos aqui por horas nos divertindo com os nossos amigos. Mas ouvimos um barulho, então você pode querer verificar os bosques. — eu sorri e tomei um gole do meu vinho que era realmente bom, considerando que eu não sabia merda nenhuma sobre vinho. — Não me faça acrescentar mais acusações à lista — advertiu o oficial, colocando a mão na arma e passando os dedos sobre o cinto. — Como falta de cooperação a uma investigação, e... — Espere só um segundo, oficial. Estes são os nossos hóspedes em nossa casa e eles estiveram aqui a noite toda como eles disseram. Agora vá em frente e continue procurando por quem você está confundindo — argumentou Fred. Beaman sacudiu a cabeça e não tirou os olhos de mim quando disse: — Não estou confundindo nada, senhor. Vocês dois, saiam da daí e venham comigo ou eu vou... — ele mexeu em seu coldre. Esse único movimento me irritou ao ponto de minha visão ficar turva com raiva. Normalmente, como se alguma coisa fosse fodidamente normal, essa pequena demonstração de poder seria o gatilho que me provocava uma raiva que acabava me fazendo ligar para Smoke para sumir com os corpos. Mas eu não queria colocar Dre em qualquer tipo de perigo. Eu não podia. Era apenas um delito. Que diabos. Ponto: Preppy: 78. 903. 948. 098 Policial: 1 Acho que poderia ir com ele uma vez. Eu estava prestes a baixar meu copo de vinho e fazer o que ele disse quando Meryl se levantou, a água deslizou sobre o seu cabelo

~ 153 ~


cinza encaracolado, pousando em uma poça sobre a barriga que ocultava a sunga que ele estava usando. Deus, eu esperava que ele estivesse usando uma sunga. — Deixe-me perguntar uma coisa, você viu que esses dois cometeram o crime do qual você os está acusando? — perguntou Meryl, severamente, assumindo uma postura muito profissional como se não estivesse na maior parte nu. Ou possivelmente nua. Merda, ele estava definitivamente nu. O oficial suspirou, frustrado. — Não, mas os vimos correndo e recebemos um telefonema... — Correr não é ilegal — argumentou. — Se fossem eles. O que certamente não era. O oficial Beaman abriu a boca para protestar, mas Meryl o interrompeu. — Além disso, Policial, — insistiu na palavra POLICIAL: — Esta é uma propriedade privada, onde estou recebendo convidados, e você, não tendo testemunhado o crime em questão, não tem o direito legal de estar na minha propriedade. Se você sentir a necessidade de voltar ou achar que tem motivos legais válidos para fazer isso, é bemvindo para voltar com um mandado, ou então meu escritório estará lidando com você e acredite em mim, eles vão chover a fúria de um homem aposentado, gastando seus seis meses de aposentadoria tentando aproveitar suas férias, do jeito que você NUNCA viu! — Meryl alcançou em direção à mesa, arrancou sua carteira de seu jeans e entregou um cartão ao oficial. Fiquei absolutamente chocado quando os olhos do oficial Beamans se abriram e ele inclinou o chapéu para Meryl, oferecendo suas desculpas. — Desculpe ter incomodado sua festa, senhor. Estávamos quase livres, o policial estava voltando para a cerca, quando um garoto alguns anos mais novo do que eu veio correndo da casa para o deck. Ele não tirou os olhos das sacolas em sua mão, apenas as colocou na mesa e começou a vasculhar através delas. O policial parou para tomar conhecimento do garoto. — Pops, eles não tinham da marca que você queria. Mas eles tinham esta outra com o símbolo estado da Flórida sobre ele. Quase não tem opção nessa cidade, então que você terá que se contentar com os cigarros que eu pude encontrar. Fred, você tem alguma... — o garoto ~ 154 ~


parou na metade da frase quando percebeu que Fred e Meryl não estavam sozinhos. Seus olhos pousaram em Dre e então em mim enquanto ele estava congelado em choque. — Ei garoto — Beaman gritou. A cabeça do menino estalou para o oficial. — Uh, sim? — ele perguntou, levantando as mãos no ar como se estivesse preso. — Merda, — Fred murmurou. — Você esteve aqui o dia todo? — Sim, com certeza — respondeu o garoto. — Merda — era minha vez de murmurar. — Esses dois estiveram aqui o dia todo? — ele perguntou, olhando para nós de forma triunfante quando ele apontou para mim e Doc. Ela apertou meu braço. — Uhhh, sim, cara. Tem sido uma festa aqui — o garoto respondeu sem titubear. Ele riu sem preocupação e acendeu um cigarro. — Acabei de voltar. — Diga-me, eles estiveram aqui o dia todo. Quais são os nomes deles? O garoto sorriu e bateu na cabeça com a palma aberta, como se estivesse tentando lembrar de uma apresentação que nunca aconteceu. — Ah, cara. Eu não lembro o nome da garota. Eu a conheci esta noite e eu bebi um monte de cervejas. — ele se virou para Dre. — Desculpe, eu não sou muito bom com nomes. — Tudo bem então. Qual é o nome dele? — perguntou o oficial, apontando para mim. Fred se sentou reto e Meryl estava prestes a intervir enquanto o garoto coçava a cabeça e bocejava como se ele fosse questionado pela polícia diariamente e tudo isso o estava aborrecendo até a morte. Acho que quase me afoguei quando ele disse. — Ah, ele? Ele é Preppy, mas não me pergunte qual é o nome verdadeiro dele porque eu não sei. Todos apenas o chamam de Preppy ou Prep. Isso é algum tipo de teste estranho? — ele se sentou na mesa do pátio. — Estou em um show com a câmera escondida? — ele abaixou a cabeça e inspecionou o interior do guarda-sol aberto na mesa.

~ 155 ~


Quando desaparecido.

ele

puxou

a

cabeça

para

fora,

o

oficial

tinha

— Santo Deus! — exclamou Fred. — Isso foi ótimo! — Por que ele estava tão assustado com você? — Dre perguntou a Meryl. Meryl sorriu e deu uma profunda tragada em seu cigarro, soprando anéis de fumaça no ar. — Eu sou o maldito advogado do Estado! — disse ele, e todos começaram a rir. Todo mundo, exceto eu e o garoto. — Nosso novo cúmplice aqui é Kevin — introduziu Fred. — Como você sabe meu nome? — eu perguntei para Kevin, não me juntando a Fred, Meryl e Dre no brinde que eles estavam compartilhando, por causa de uma irritação na parte de trás do meu cérebro que me disse que havia algo sobre esse garoto. Algo... familiar. Kevin pegou um cigarro e encolheu os ombros com indiferença. — Eu só sei — ele disse com um encolher de ombros. Ele apagou o cigarro. Todos os olhos se voltaram para ele e Dre ofegou como se estivesse percebendo algo que eu não tinha. — Talvez por você ser meu irmão e tudo mais. Eu endureci. — De jeito nenhum você é meu irmão. Eu nem sequer sei quem é meu pai. — Nem eu. Mas você conhece a puta da sua mãe? — Infelizmente. — Bem, é a mesma fodida mãe que eu tenho.

~ 156 ~


Vinte DRE — Você acha que ele está dizendo a verdade? — eu perguntei a Preppy enquanto eu lavava minhas mãos na pia da cozinha. — Provavelmente. Não vejo por que alguém mentiria sobre tê-la como mãe. — ele pressionou seu nariz contra a minha nuca e inalou. Eu me arrepiei toda. — Eu acho tão fofo que você coloque os biscoitos lá fora para esfriar — Preppy disse, vindo por trás de mim e pressionando seu corpo no meu. — Esse é o jeito que Mirna sempre fez isso e é a receita dela. Tenho que fazer isso do jeito certo ou não vale a pena fazer. — Outra lição aprendida na reabilitação? — Não, eu acho que esse foi em American Ninja Warrior. — Sério? — Preppy perguntou, me puxando excitadamente contra ele. Eu ri e balancei a cabeça. — Nãooooo! — eu exclamei, batendo nele com a toalha na minha mão, em seguida, dando a ela um último enxágue antes de colocá-la sobre o pescoço da torneira. — Olhe para você, toda doméstica. Você é como aquela mulher naquele antigo show. Como se chamava? Leave it to Beaver? — Na verdade era Leave it to Beaver, — eu corri. — Merda, você está certa, Leave it to Beaver deve ter sido a paródia pornô. — Preppy escovou o cabelo do meu ombro e apertou seus lábios contra a curva onde meu pescoço e ombro se encontravam, arrastando-os através da minha pele, mordendo o lugar especial atrás da minha orelha que me fez pressionar minha bunda contra ele e a dureza instigou minha parte inferior das costas. Eu inclinei minha cabeça para dar a ele mais acesso.

~ 157 ~


A barba de Preppy fazia cócegas na minha pele enquanto ele beijava e lambia todos os lugares que ele sabia me deixava querendo mais. Eu me inundei de arrepios. Por ELE. Sempre ELE. Meus lábios, meus mamilos, minha buceta estavam todos prontos por causa dos seus lábios mágicos. Mas ele não tinha pressa. Eu tentei girar, mas ele me segurou no lugar pela minha cintura. — Nuh-uh, Doc. Eu vou tomar meu tempo com você hoje. — Preppy agarrou a bainha de minha saia, agarrando-a em suas mãos antes de puxar lentamente o algodão macio acima das minhas pernas. Seus dedos roçaram a pele nua na parte externa das minhas coxas, e eu tremi. Eu estava molhada, necessitada, e pronta para ele apenas me curvar sobre a pia e tomar o que era dele quando eu notei algo através da janela da cozinha. Não algo. Alguém. Cinco dedos no deck. — Merda! Olha! Há alguém lá fora! — eu gritei, apontando para o que eu tinha acabado de ver. Preppy imediatamente saiu de trás de mim e mudou nossas posições para que ele estivesse de pé protetoramente na minha frente. O pensamento de um intruso me deixou no modo de pânico completo até o olhar curioso no rosto de Preppy me fazer pensar que meu pânico poderia ter sido um pouco idiota. Ele me virou de volta para a janela e apontou para a mão. Ele sorriu. Foi quando eu dei um olhar mais atento e notei que os dedos eram minúsculos e ligados a uma mão igualmente pequena e gorducha. Eu não podia ver o topo da sua cabeça enquanto ele cegamente apalpava o deck. Ele deve ter estado na ponta dos pés enquanto ele ou ela continuava a apalpar ao redor do deck até a sua mão desembarcar no topo do prato dos famosos biscoitos de chocolate de Mirna. Primeiro um biscoito desapareceu e depois outro, os biscoitos quase maiores do que a mão do ladrão que os roubava. Preppy caminhou até a porta deslizante e silenciosamente abriu. Eu o segui enquanto ele se agachava ao lado do prato, nosso convidado nem sequer percebendo que estávamos lá até que Preppy falou. — Ei garoto, você tem bom gosto por biscoitos. São os melhores do mundo.

~ 158 ~


O garoto deu um passo para trás e foi então que eu pude ver o que Preppy já tinha visto. Um garotinho. Não mais de cinco ou seis anos de idade. Bem magrinho, o rosto sujo e cabelos castanho-escuros ainda mais sujos, emaranhados ao lado da cabeça. Ele estava nadando em uma camisa rasgada de três tamanhos maior do que ele usaria, suas mangas cobrindo as mãos e os biscoitos quando ele baixou os braços e olhou para o chão com vergonha. Seu jeans parava logo abaixo de suas panturrilhas. O dedo grande do seu pé esquerdo saia de seu tênis, que pelo que parecia, era três tamanhos abaixo do que ele usaria, para começar. — Você pode ter pegar quantos quiser. De fato os coloquei só para você — eu disse, tentando fazê-lo se sentir menos culpado do que parecia. Ele ficou em silêncio, mas olhou para mim com confusão em seus brilhantes olhos azuis. — Você mora por aqui, certo? — eu perguntei, jogando verde. Ele assentiu. — Bem, eu vi você por perto e eu pensei comigo mesma. Acho que ele gostaria dos famosos biscoitos de chocolate. Eu não disse isso? — eu perguntei a Preppy. — Uh. Sim. Claro. Como conhecedor de biscoitos, eu posso reconhecer um homem que gosta deles. — Preppy sorriu e se sentou no deck, as pernas pendendo para o lado. — Vá em frente, cara. Pegue. Eles são todos para você. Estou surpreso que você tenha levado tanto tempo para chegar aqui. — o rapazinho levantou o braço com relutância, a manga caindo até o cotovelo enquanto levava o biscoito até a boca e dava uma pequena mordida. Seus olhos nunca saíram de Preppy, como se ele estivesse pedindo permissão durante todo o tempo em que mastigou e engoliu aquele primeiro bocado. — Tá vendo? O que eu te disse. Muito bom, né? O menino balançou a cabeça com entusiasmo e deu outra mordida, desta vez conseguindo empurrar quase todo o biscoito na boca de uma só vez, e depois outro e outro até que ele tivesse devorado pelo menos mais quatro em rápida sucessão. Preppy pegou um e imitou o menino, os dentes cobertos de chocolate quando falou. — Eu sou Samuel Clearwater, — Preppy se apresentou, estendendo a mão e engolindo com força. — Mas meus amigos me chamam de Preppy. — o menino olhou para a mão estendida de Preppy como se ele tivesse acabado de trazer uma cascavel do bolso. Seus olhos se arregalaram e ele deu um passo para trás. Preppy puxou seu braço, casualmente coçou a parte de trás de sua cabeça e dobrou

~ 159 ~


as mãos juntas em seu colo. Ele balançou os pés como se estivesse correndo no lugar. — Você tem um nome ou eu deveria te chamar de garoto do biscoito? O menino encolheu os ombros e meu coração se partiu naquele momento. Eu me senti vazia. Quem quer que deveria cuidar dessa criança não estava se importando e imediatamente senti raiva queimando em meus pulmões porque quando Preppy perguntou a ele seu nome, ele não encolheu os ombros como se ele não soubesse. Ele encolheu os ombros como se seu nome não importasse. Senti meus olhos começarem a aguar. — Você sabe o quê? Esqueci de trazer o leite. Eu sinto muito. Vocês dois conversem aí por um segundo e eu já volto. — eu disse, levantando-me e correndo de volta para dentro. Quando eu estava de volta para dentro e fora da vista do menino e de Preppy, eu levei um segundo para me inclinar sobre a pia e me recompor. Então eu fiz vários sanduíches com o que eu poderia encontrar na geladeira e os empilhei em uma bandeja com dois grandes copos de leite. Quando voltei lá para fora, coloquei a bandeja no topo do degrau e sentei ao lado. — Você sabe, Preppy. A gente acabou fazendo muitos sanduíches para o almoço hoje. Preppy imediatamente entendeu e me lançou um sorriso grato. — Sim, é uma pena eles terem que ir para o lixo. Ou, ei, — ele se virou para o garoto que acabara de comer o último biscoito. — Quero dizer, eu não sei se você é um cara de sanduíche também, mas eles vão acabar sendo desperdiçados, então se você quiser... — o menino já estava balançando a cabeça. Eu podia vê-lo olhando para a bandeja e achei que ele iria querer comer quando ele parou e apontou para si mesmo. Ele olhou ao redor do quintal e então apontou para o cortador de grama que tínhamos colocado ao lado da mangueira ao lado do deck. Então ele fez de novo, mais devagar dessa vez. — Você está tentando nos dizer seu nome, não é? — perguntei. Ele acenou com a cabeça e acrescentou um sorriso torto e cheio de dentes. Ele novamente apontou para o cortador de grama.

~ 160 ~


— Quero dizer, cortador de grama é um nome estranho, garoto. Não vou mentir. Mas nós estamos no sul e eu odeio dizer a você, mas eu já ouvi pior. — Preppy se inclinou e sussurrou. — Minha sala no terceiro ano tinha três Bubba e eu fazia educação física com um garoto chamado Bird Dog e seu irmão mais velho, White Zombie. Vamos te chamar de Mower, ou Mo. O garoto acenou para nós, pulando para cima e para baixo. — Esse é seu nome, não é? — eu perguntei. — Mo? Ele balançou a cabeça e estendeu suas mãos de modo que uma estava estendida e a outra em sua bochecha como se ele estivesse prestes a disparar uma flecha. — Não, o nome dele é Bo! — Preppy exclamou como se acabasse de ganhar um jogo. O menino saltou para o ar e Preppy levantou a mão para um high five, mas no segundo que ele viu a hesitação em seus olhos, ele baixou, mas manteve o sorriso em seu rosto. Bo olhou para mim e depois para a bandeja. — Vá em frente, Bo. Pegue o tanto quanto você quer. Enquanto ele devorava os sanduíches, Preppy e eu nos encaramos. — O que diabos vamos fazer sobre este pobre garoto. — pensar que talvez ele pudesse estar perdido e pudéssemos ajudá-lo a encontrar o caminho de casa, ou talvez sua família fosse sem teto, migrando para cidades como Logan’s Beach para evitar o clima mais rigoroso no norte ao escapar das tempestades não era uma opção. Eu tinha centenas de razões na minha cabeça por que um garotinho que presumivelmente não podia falar e que se encolhia com o toque humano, entrou no quintal de Mirna, sujo, faminto e completamente sozinho. Sua camisa muito grande caiu para um lado, expondo sua clavícula e cada cume de sua caixa torácica. Minha respiração ficou presa na minha garganta. Não havia como confundir o hematoma roxo e amarelo na forma de um punho fechado em seu peito. Os olhos de Preppy se encontraram com os meus e suas narinas se inflamaram. Eu vi tanta raiva queimando dentro dele que o vapor poderia muito bem sair do alto de sua cabeça. — Então, onde você mora? — eu perguntei e de repente Bo olhou de mim, para Preppy, e algo sobre a expressão em seu rosto mudou. Ele agarrou o último sanduíche e correu pelo pátio, correndo através de um buraco na cerca, como um coelho assustado sendo perseguido por um cão.

~ 161 ~


Preppy se levantou e correu de volta para a casa. — Aonde você vai? Devemos ir atrás dele! — gritei. Preppy voltou alguns segundos depois com uma arma na mão. Ele abriu, batendo o cartucho na palma da mão antes de colocar um na câmara. — Eu vou atrás dele, — ele disse, enfiando a arma na cintura de suas calças. — E o filho da puta responsável por ele.

~ 162 ~


Vinte e um DRE Preppy voltou parecendo derrotado. Ele não foi capaz de encontrar Bo, mas ele foi capaz de encontrar outra coisa. Amargura. Eu pensei que ele estava no quintal, mas quando eu espiei pela janela e notei que ele não estava lá, eu fui procurando por ele. Eu o encontrei bem. Sentado nas trilhas do trem. — Não se preocupe. Vamos encontrá-lo. — eu disse, chegando atrás dele e envolvendo meus braços em torno de seus ombros. — Nós? Engraçado — Preppy murmurou. Eu o soltei e parei na frente dele com minhas mãos em meus quadris. — Que diabos é o seu problema? — Eu? — ele balançou a cabeça. — Eu não tenho nenhum problema. Oh, a menos que você queira dizer isso. — ele jogou uma pilha de papéis em meus pés. Eu não precisava me abaixar para ver que eles eram papéis de divórcio. O endereço de retorno era de um escritório de advocacia em Nova York. Papai. — O que você quer que eu diga, Preppy? Eu não mandei isso, mas aparentemente você acha que sim. Eles são do meu pai. Eu disse a ele o que estava acontecendo. Ele se adiantou. Ele achou que estava fazendo a coisa certa. — Talvez ele esteja — ele cuspiu. — Por que você diria isso?

~ 163 ~


— Porque eu não posso salvá-lo! — ele gritou, levantando-se. — Eu não posso salvar Bo. Ele está lá fora, em algum lugar frio e ele está sozinho ou levando uma surra e eu não posso salvá-lo. Eu não posso cuidar dele e não posso cuidar de você. — Isso é besteira. — Não, é a vida de merda. E você deveria ir para casa, Doc. Volte para o seu pai antes de perceber que não há nada para você aqui. — Você não quer dizer isso. — Eu não dou a mínima para o que acontece a mim. Eu nem sei quem eu sou para me preocupar, então, como diabos eu deveria cuidar de você? — Samuel Clearwater, eu precisei de você para cuidar de mim uma vez e você fez. Você salvou minha vida. Mas eu não sou mais aquela garota. Eu posso cuidar de mim mesma. Eu posso salvar a mim mesma se eu preciso e se você precisar de mim, então eu posso te salvar também. — É mesmo? Assim como você salvou nosso bebê? — ele perguntou amargamente assim quando as luzes do trem iluminaram as faixas e o lado do rosto de Preppy. Ele olhou para o trem e depois para mim. Balançando a cabeça como se eu o repugnasse. — Desminta isso — eu gritei quando o trem se aproximou e o chão abaixo de nós vibrou. A luz ficou mais brilhante. Preppy se levantou, mas não se afastou das trilhas. O trem estava a segundos de distância. — Eu não posso salvá-lo a menos que você queira ser salvo — eu disse. — Saia da porra dos trilhos! Eu não quero você morrendo novamente! Não! — Vá para casa, Doc, — repetiu Preppy. Em vez de se afastar dos trilhos, ele foi para o outro lado, o trem não acertando-o por centímetros. Assim que o trem passou e eu podia ver do outro lado dos trilhos, Preppy tinha ido embora. Passaram-se dias sem sinal dele. Deixei King e Ray saber o que aconteceu e que ele tinha sumido novamente. Procuramos por ele em todos os lugares sem sorte. Minha única esperança era que ele não estivesse se machucando ou voltando a jogar pique pega com o trem. Mal sabia eu que a decisão de ficar ou ir ia ser feita por mim. Meu telefone tocou e Edna estava do outro lado, parecendo em pânico.

~ 164 ~


— Edna, o que há de errado? — eu perguntei. — É seu pai... ele teve um ataque cardíaco. — Ele... — a possibilidade era dolorosa demais para até mesmo falar a palavra. — Eles o trouxeram de volta. Eu não faço ideia. — Eu estou indo — eu disse, terminando a chamada e pegando minha mala. Eu escrevi uma nota e a deixei no balcão apenas no caso de Preppy voltar para casa. Eu vim à Logan's Beach para um encerramento. Em vez disso, eu estava indo embora da mesma maneira que eu fui a primeira vez. Com o coração partido.

~ 165 ~


Vinte e dois PREPPY — Ray disse que você estava de volta, — disse King da porta do apartamento da garagem. — Ela também disse que você estava com cara de merda. — Ela se foooooi, — eu cantei. — Dre foi embora e ela não vai voltar. — Eu imaginei. — Então, deixe-me fazer uma pergunta importante, — eu arrastei. — Quanta madeira uma marmota carregaria se uma marmota pudesse... foder16. — eu levantei meu dedo indicador. — Espere, quem é Chuck e por que a marmota está fodendo com ele? — eu falei, derramando líquido âmbar ao redor da garrafa, errando minha boca inteiramente enquanto eu tentava levantar aos meus lábios. Desceu pelo meu queixo em minha barba já encharcada de licor. — Quero dizer, eu não vou dar mínima porque Chuck deve ser livre para foder com quem ele quiser, e tudo mais. King cruzou os braços sobre o peito, as fivelas nos grossos cintos de couro que usava ao redor dos antebraços balançaram. — Prep, você está bêbado pra caralho. Eu estalei minha língua. — Isso não é verdade, patrão. — eu olhei de soslaio depois que outra versão mais confusa de King apareceu ao lado dele parecendo irritado de forma idêntica. — Merda — ele bufou, erguendo uma sobrancelha cheia de cicatrizes para mim. — Não minta pra mim. Posso sentir o cheiro daqui.

Gente, essa frase não tem nada aqui no Brasil que se encaixaria. Fica totalmente sem sentido! Não sei como traduzir de uma forma satisfatória. Em inglês a frase é: How much wood would a woodchuck chuck if a woodchuck could...fuck chuck. Woodchuck é marmota. Wood é madeira. Chuck pode ser várias coisas. 16

~ 166 ~


— Nãoooo, você está erraaaaaaado, senhor. — eu ri, soando como uma garota, derramando mais uísque pela minha garganta. Apontei para o meu melhor amigo com o pescoço da garrafa, que escorregou da minha mão e caiu no chão. Eu fiz um O com a minha boca e minha risada infantil se transformou em um ataque de riso quando eu deslizei para baixo da poltrona reclinável e caí de bunda no tapete. Decidindo que o tapete, embora agora molhado, era a coisa mais macia e peluda que eu já senti, eu continuei a deslizar para baixo até que eu estava em minhas costas. Eu não sei quanto tempo tinha passado, mas quando eu finalmente olhei para cima, eu me encontrei olhando para dois conjuntos muito irritados de olhos verdes girando em torno de mim, como em um daqueles desenhos antigos onde Bugs Bunny é atingido na cabeça e está subitamente sendo circundado por pequenos pássaros azuis girando. — Sim, não está bêbado — disse King, sarcástico, cruzando os braços sobre o peito. As pulseiras em torno de seus antebraços tiniram quando as fivelas se chocaram. — Ouçam, seus filhos da puta — eu apontei entre o King sólido para o King distorcido. — Vocês dois estão errados. Eu não estou apenas bêbado. — coloquei um dedo sobre meus lábios e abaixei minha voz para um sussurro. Olhei em volta como se alguém pudesse me ouvir. — Eu também estou muito, muito chapado. — Se recomponha, Preppy. Temos crianças por aqui agora. Eu não posso ter você chapado às oito da manhã ou tropeçando por aí enquanto eles estão brincando no quintal. — King apontou para a droga sobre a mesa. — Você não pode deixar essa merda por aí. Há um cofre na minha loja e outro escondido no armário de trás. Você pode manter seu tesouro lá. Sentei-me, sua menção das crianças achando caminho através da neblina e acordando uma pequena parte do meu cérebro. — Eu perdi tanta coisa — eu disse, de repente sentindo uma tristeza passar sobre mim. Eu limpei meu nariz escorrendo com a parte de trás da minha mão e percebendo que havia resíduo de pó branco na parte de trás, eu lambi. Eu balancei a cabeça. — Eu perdi tudo. — Nem tudo, Prep, — disse King, se agachando ao meu lado. — Mas você pode consertar isso. Olhe para aquela janela. Olhe para aquelas crianças. Vá conhecer seus sobrinhos e sobrinhas. Vá falar com a menina de Bear e conhecê-la. Vá insultar Bear, pelo amor de deus. Eu achei que ele estava fodido quando achamos que você estava morto,

~ 167 ~


mas eu acho que ele está mais fodido agora que você está de volta porque você não é você. — O que diabos Bear sabe. Eu sou eu. Estou bem. King passou a mão pelo cabelo e apertou os olhos como se estivesse sofrendo. — Você sabe que eu realmente disse a mim mesmo que você estava bem. Que tudo ia ficar bem. Eu acho que eu disse a mim mesmo porque eu queria que fosse verdade. Mas essa merda não está bem, Prep. Você precisa de ajuda ou tempo ou algo assim. O que quer que seja essa merda que você está fazendo não está funcionando. Você precisa ser capaz de superar tudo o que foi que você passou. Se você não pode falar conosco e nos dizer o que aconteceu, então você precisa conversar com alguém para te ajudar a superar isso. — Eu não quero falar sobre isso. Nem com você. Nem com ninguém. Eu nem quero falar sobre isso comigo mesmo. Isso nunca aconteceu. Acabou — falei, pegando a garrafa e enfiando a língua no pescoço para alcançar o resto do licor não derramado que se agarrava ao topo. King pegou a garrafa da minha mão e a atirou pela sala, longe do meu alcance. — Devolva isso, filho da puta — eu exigi, estendendo a mão para fora e sacudindo meus dedos para minha garrafa perdida de bebida. — Você acha que já passou por merda? Bem, você não é o único. Ray foi estuprada por Isaac logo antes dele, ou um de seus homens, atirar em você. Ela foi sequestrada pelo ex que brincou de ‘queimar esta tatuagem’ nela com uma tocha fodida. Fui baleado quatro vezes tentando salvá-la. Quer ouvir mais merda? Pergunte a Bear o que está acontecendo desde que você se foi. Pergunte a ele o que Eli e seus homens fizeram com ele. Eu sei que você está fodidamente machucado, mas tire a cabeça da bunda tempo suficiente para entender que você tem pessoas ao seu redor. Família. E nós estamos aqui para ajudar, então pare de nos afastar. — O que diabos aconteceu com Bear? — eu perguntei, sentandome. — Pergunte a ele você — retrucou King. — Eu faria, mas todo mundo tem andado na ponta dos pés em volta de mim e ninguém me diz nada!

~ 168 ~


— Então levante a bunda e venha. Respire um pouco de ar fresco e pelo menos tente! Eu balancei a cabeça. — Eu quero. De verdade. Mas eu não posso, cara. Eu simplesmente não posso. Cada vez que eu tento a luz lá fora me cega pra caralho. Toda vez que eu me convenço de que está tudo bem, meu peito se aperta e eu... eu simplesmente não consigo. E você está certo. Eles não precisam estar me vendo assim, então eu vou. — Prep, isso não é o que eu estou dizendo e não é o que eu quero. Isso não é o que qualquer um de nós quer. Você passou por um inferno. Nós entendemos. Deixe-nos te ajudar a superar isso. Venha aqui fora. Respire um pouco de ar e faça algo diferente de cheirar pó. Eu ri. — Foi a sua tentativa de brincar? — perguntei, acendendo um cigarro e me encostando na poltrona. Minha testa começou a latejar com o início de uma dor de cabeça. — Acho que sim, — disse King, coçando a nuca. — Foi horrível. — Vá se ferrar. — King sorriu, agarrando meu rosto em suas mãos. — Pelo menos tente, Prep. Tente para nós. — Eu não sei se eu posso — eu disse honestamente. King me surpreendeu entrando e me puxando pelo braço. — Venha, — ele disse, me arrastando para sua loja e me empurrando para o sofá. Ele foi até uma foto na parede e a desviou para revelar um cofre. Ele digitou alguns números no teclado e quando a porta abriu, seu braço desapareceu na parede e quando ele o puxou para fora, ele estava segurando um caderno em suas mãos enluvadas pretas. Um caderno familiar. Ele atirou para mim e eu o peguei. Eu não precisava abri-lo para saber o que era. Eu corri a mão sobre o garoto de onze anos de idade na capa. SAMUEL CLEARWATER escrito em letras do estilo grafite sobre a parte superior. — Eu não posso acreditar que você ainda tem isso — eu disse. King estendeu a mão e virou para uma página com orelhas de cachorro, revelando o desenho da casa de palafita que desenhamos naquele primeiro dia no playground. O dia em que nos conhecemos. A tinta do marcador mal tinha desaparecido. As gotas de vermelho do meu nariz sangrando por levar um soco minutos antes ainda eram visíveis

~ 169 ~


sobre o papel. — Claro que eu guardei isso. Eu não quero esquecer de onde eu vim ou para onde vou. — ele apontou para a p��gina. — Esta poderia ter sido duas crianças fodidas fazendo um plano, mas eu ainda vivo pelo que escrevemos naquele dia e se Deus quiser, daqui a muito tempo, eu vou morrer por isso algum dia também. Eu quero saber se você ainda está comigo. Olhei do caderno para ele. — Nós éramos apenas crianças, Chefe. Éramos apenas colegas — eu disse, fechando o caderno e jogando-o na mesa. King soltou um suspiro frustrado. — Preppy, já que éramos crianças, sempre dissemos que íamos sair para o mundo e não íamos esperar que alguém nos desse nada. Nós íamos fazer o que queríamos e conseguir o que queríamos. Desde aquele dia, cara. Eu e você naquele playground com aquele caderno. Nós traçamos nossas vidas nesses rabiscos. Não me diga que você não se lembra disso e o que isso significa porque eu tenho certeza que você se lembra sim. — Eu me lembro — eu murmurei, me perguntando onde King iria com tudo isso. — Você sabe; eu não acho que você se lembre. — King fez o seu caminho até mim, parando apenas quando seus joelhos estavam pressionados contra os meus, elevando-se acima de mim, brilhando como se estivesse prestes a me estrangular com suas mãos nuas. As narinas dele inflaram. — Você tem que se lembrar. Então me diga, o que fazemos quando queremos algo? — Nós... nós pegamos — eu disse, esfregando minha testa e lembrando as palavras que as versões ingênuas de nós mesmos escreveram naquele dia. — Mais alto — King exigiu, me agarrando pelos ombros e me levantando. — Nós pegamos. — eu disse um pouco mais alto, empurrando suas mãos de mim só para ele ter me segurar novamente, mais duro desta vez, e se aproximou ainda mais até que ele estava bem na minha cara e nossos narizes estavam quase se tocando. — Mais alto, filho da puta — exigiu King com um rosnado. — Nós pegamos! — eu gritei, empurrando contra ele só para tê-lo empurrando contra mim novamente. Ele me agarrou pela parte de trás da cabeça e empurrou sua testa contra a minha, então ele estava me

~ 170 ~


olhando diretamente nos olhos e eu não tive escolha a não ser olhar de volta. — De novo! Mais alto! O que nós fazemos quando queremos algo? — King gritou, a raiva fez a veia em seu pescoço pulsar enquanto ele falava através de seus dentes. — Me. Fale. O. Que. Nós. FAZEMOS!!!! Eu cheguei ao meu ponto de ebulição. Seus dedos escavaram na parte de trás do meu pescoço enquanto nos esquivávamos. — Nós pegamos! — eu gritei. — Nós pegamos! Porque é nosso! É tudo nosso, porra! — Grite isso! Mostre-me que você ainda acredita nisso! Em nós! — King disse, me sacudindo pela nuca e gritando em meu rosto. — Nós pegamos, porra! — eu rugi de volta com tudo que eu tinha, meus dentes se apertando quando King segurou sua testa contra a minha. — Nós pegamos toda essa porra!!!!! King me deu uma palmada nas costas e me soltou, mas ele continuou no meu espaço, seus olhos nunca deixando os meus. — Ótimo. Agora me diga o que acontece quando alguém está no caminho para pegarmos o que é nosso? — ele pegou o caderno e o empurrou contra meu peito. Eu fechei minhas mãos ao redor dele e olhei para meu melhor amigo com nova determinação que eu sentia se construir na minha alma. — Nós os matamos — eu bufei, me sentindo mais como eu naquele momento do que eu tinha me sentido antes de entrar no buraco. — É isso que nós fazemos — ele disse com um sorriso satisfeito e outro tapa nas minhas costas. Ele me puxou para um abraço antes de me empurrar de volta para a cadeira e se virar para pegar o banquinho. Ele o colocou na posição vertical e se sentou, rolando de volta para mim e pegando a agulha de novo. — E agora? — eu perguntei, sentindo que ele tinha mais a dizer e eu queria ouvir isso. — Agora? Eu vou trabalhar em algumas dessas cicatrizes e você vai gastar algum tempo trabalhando em se recuperar de novo. O que for preciso. — E depois?

~ 171 ~


King acendeu um baseado e passou para mim. — E então você me diz. Um sorriso perverso se espalhou pelo meu rosto. — E então eu vou pegar minha garota. Bear entrou com o capacete na mão dele, parecendo que tinha acabado de pilotar sua moto a velocidades de quebrar o pescoço. — Desculpe interromper a pequena reunião de vocês — ele se virou para mim, — mas aquele garoto que você estava procurando, Prep? Meus meninos o encontraram. Eu estava imediatamente sóbrio. — E? Bear balançou a cabeça e soltou um longo suspiro. — E... não é bom, cara.

~ 172 ~


Vinte e três PREPPY Bear me disse que Bo estava no hospital e meu coração fodido afundou em meu intestino. Vinte minutos depois eu estava olhando para a enfermeira no check-in que parecia ter levado uma surra. Ela tinha contusões roxas em seu rosto. Um em seu queixo e outro sob seu olho direito. Eu poderia dizer que ela tinha tentado encobrir isso com maquiagem, mas nenhuma quantidade de corretivo poderia cobrir aqueles fodidos machucados, e eles estavam frescos, só iria piorar. — Um acidente de carro — ela disse quando me viu olhando. — Não sabia que os carros tinham punhos — comentei. Ela franziu os lábios e baixou o gráfico que tinha estado segurando, olhando-me nos olhos pela primeira vez desde que eu tinha chegado. Ela suspirou e olhou em volta para se certificar de que ninguém estava ouvindo. Ela baixou a voz para um sussurro. — O garoto que você está procurando foi trazido há poucos dias com uma pequena concussão e um pulso torcido. Ele tinha sido golpeado muito forte e pelo que eu poderia dizer, muitas vezes. Não é a primeira vez que ele está aqui também. Entre você e eu, eu liguei para os serviços infantis, mas quando eu levei o assistente social para o quarto dele, ele já tinha ido embora. — Você o deixou ir? — eu perguntei através de meus dentes, esticando meus dedos para aliviar a tensão em minhas mãos. — Deixou ele ir? — ela olhou atordoada em minha pergunta, abraçando sua prancheta em seu peito. — Nós não o perdemos, ele escapou. — Você tem um endereço residencial para ele? — eu perguntei, inclinando-me para olhar o gráfico em sua mão. — Por favor, eu tenho que encontrá-lo. ~ 173 ~


— Você sabe muito bem que eu não posso te dizer isso, — ela sussurrou. Eu estava prestes a pedir a ela do jeito certo, implorando até que ela cedesse, mas as luzes fluorescentes acima de sua cabeça pegaram as bordas amareladas de suas contusões eu pensei em outra coisa. — A mesma coisa que está acontecendo com ele está acontecendo com você. Eu reconheço um bom traseiro chutando quando eu vejo um. Merda, eu comecei milhares em minha vida, mas eu tenho essa ideia maluca que eu só posso iniciar brigas com alguém que merece, alguém que pode lutar de voltar. — Eu não posso ... — Não, apenas escute. Está vendo aquele garotinho? Era eu. Anos atrás em outra vida, eu era o único com a concussão e o pulso quebrado. Aquele que tinha sido espancado e morrendo de fome regularmente. — Nós... nós todos temos problemas — ela disse, dando um passo atrás quando eu entrei em seu espaço. Coloquei minha mão ao lado de sua cabeça na parede e me inclinei para perto. — Sim, todos nós temos. E agora meu primeiro problema é encontrar Bo para poder mantê-lo seguro. Você quer saber qual é meu segundo problema? — perguntei. Ela assentiu com a cabeça. — Meu segundo problema é que eu vou encontrar a pessoa responsável por machucá-lo. — O que você vai fazer quando você encontrá-los? — ela perguntou, soando tanto assustada e intrigada. — Isso me leva ao meu terceiro problema. Eliminação do corpo. Ela ofegou, mas não se afastou. — E se eu pudesse te prometer a mesma coisa? — eu sussurrei. — O quê? — ela perguntou, seus olhos se arregalando. Peguei um post-it virado no quadro de avisos acima da cabeça dela e agarrei a caneta de suas mãos. — Escreva o endereço de Bo. Embaixo dele, escreva o nome e endereço do desgraçado que fez isso com você. — eu dei de ombros. — E eu vou cavar um buraco extra.

~ 174 ~


Ela pegou o papel e a caneta das minhas mãos. — Eu não sei do que você está falando. Não há ninguém me machucando. Eu te disse. Foi um acidente de carro. — ela sorriu para outra enfermeira andando por ali e depois de um segundo disse. — Mas eu te darei o endereço do menino para que você possa sair daqui e me deixar em paz. — ela rabiscou o papel e me entregou. — Não é um endereço certo. Nós não temos nenhum endereço oficial arquivado, mas um dos outros enfermeiros disse que o vê por aí de vez em quando. — Obrigado, — eu disse, virando-me para sair. — Vá salvar aquele menino, — ela gritou. Esperei até chegar ao estacionamento para verificar o post-it na minha mão. Ela tinha escrito a localização de Bo. E mais. Verifique o Parque de Trailers Rainbow Ends para o seu menino Trip Reid 1720, rua Alabaster Apt. 04 Cabelo preto. Tatuagem de cobra em seu antebraço. Gancho médio direito Ele está sempre em casa... Obrigada.

***

King, Bear e eu examinamos o parque de trailers para qualquer sinal de Bo, mas ele não pôde ser encontrado. Alguns dos vizinhos nos apontaram na direção de um monte de lixo. Nem sequer sabíamos que um trailer estava embaixo se não tivéssemos sido informados. Empurrei uma pilha de latas vazias com meu pé e estava prestes a chutar na porta quando um homem alto com olhos injetados e uma cerveja na mão se aproximou de nós. — Sério que você está procurando o garoto? — ele perguntou, ajustando a aba de seu chapéu de caminhoneiro representando a silhueta de uma stripper deslizando por um pole. — Sim, estamos procurando por ele. Você é pai de Bo? — King perguntou, pisando na minha frente, e por uma boa razão. Eu estava ~ 175 ~


tão puto que eu teria disparado primeiro e perguntado depois. A coisa engraçada sobre homens mortos era que eles não falam e precisávamos deste saco de merda para nos dizer onde Bo estava. — Sou Buck. Eu sou o padrasto do menino — ele corrigiu, cruzando os braços sobre o peito nu, que estava coberto de tatuagens estilo presidiário. — Olha essa porra — eu murmurei. — Que porra você quer com ele? — perguntou Buck. — Ele roubou alguma coisa de vocês? — ele se inclinou para o lado, cuspindo tabaco preto no asfalto. Ele limpou a saliva do queixo com o dorso da mão. — Eu disse a esse garoto para parar de roubar. Eu acho que a surra eu lhe dei da última vez não lhe ensinou qualquer tipo de lição. Parece que ele vai ter outra. Minha raiva tinha chegado ao ponto de não retorno e King sentiu isso também porque ele se afastou e me deixou avançar. — A única coisa que ele roubou foi comida. E enquanto eu tenho certeza que o dinheiro de cigarro e cerveja vem primeiro para você, poderia ter se preocupado em alimentar seu fodido filho. — Quem diabos é você para me dizer como disciplinar meu filho? Tirar algumas coisas constrói caráter. É como meu pai e o pai dele fizeram e é como eu faço isso. — Então, as contusões e espancamentos também fazem parte disso? — perguntei. — Se o garoto não responde minhas perguntas, ele é punido. — Espere, ele não pode falar... então você deu a ele uma concussão? Deixou ele pra morrer de fome? — Que porra é essa? — perguntou Bear. — Não pode falar ou não quer? — Buck perguntou, esmagando a lata de cerveja vazia em sua mão e jogando-a na pilha ao lado da porta. — Nunca devia ter me incomodado com o menino ou a puta da mãe dele. Espero que onde quer que ele esteja, ele não volte novamente ou ele vai aprender o que realmente é castigo. — ele balançou a cabeça. — Se você quer tanto o pequeno retardado, pode ficar com ele. — Onde diabos você acha que vai? — eu perguntei, bloqueando seu caminho de volta para o trailer.

~ 176 ~


Buck olhou por cima do meu ombro para a multidão de vizinhos que haviam se reunido para observar a comoção. Buck salivou, o tabaco cobriu seus dentes amarelos. — O que você vai fazer? Chamar os malditos porcos17? Se eles sequer se preocuparem em me prender, vou pegar trinta dias no máximo e estarei fodendo a mamãe de novo antes que a temporada de futebol comece. Buck riu. — Ele deve ser novo na cidade — disse King de algum lugar atrás de mim. — Realmente novo. Porque nós não chamamos a polícia, — Bear adicionou, empurrando sua arma em minha mão. Assim que toquei no metal frio, eu sabia que não era sua arma, afinal. Era minha. — Nós apenas nos livramos do lixo — disse-me Bear. — O quê? Vocês vão atirar em mim na frente de todas essas pessoas? Você vai me matar no meio do fodido dia com um grupo das testemunhas que estão por perto e que poderiam colocar vocês na cadeia? — Buck girou seus olhos. — Ele realmente deve ser novo na cidade — brincou Bear. Eu levantei a arma e a apontei para o peito de Buck. — Por que você continua dizendo isso? — gritou Buck, levantando as mãos no ar. Ele olhou por cima do meu ombro para a multidão onde nenhuma pessoa estava fazendo nenhum movimento para protegê-lo. — Porque — eu disse, destravando a arma. — Nenhum deles vai chamar os malditos policiais. — Ah, é? — Buck desafiou — E por que diabos não? Eu puxei o gatilho duas vezes, enviando o corpo sangrando de Buck rolando em um monte de seu próprio lixo. — Porque, ao contrário de você, eles sabem quem nós somos. Talvez eu não tenha encontrado Bo, mas encontrei outra coisa. Um velho amigo meu que eu nem sabia que sentia falta. E seu nome era Vingança. — Agora eu me sinto tão beeeeeem, — eu cantei da janela aberta da caminhonete enquanto voávamos pela estrada. Eu respirava o ar 17

Policiais. ~ 177 ~


salgado e não era suficiente. Abri a boca para que eu pudesse saboreála na minha língua. Bear me puxou para dentro pela minha camisa. — Porra, isso foi melhor do que qualquer terapia, — eu disse depois de plantar meu traseiro no assento. — Que agitação do caralho! — Sim, Prep, se isso te deixa em um estado tão relaxado, deveríamos encontrar alguém para matar — disse Bear. Puxei o caderno do meu bolso e sorri. — Feito. — Já era hora de você começar a se sentir melhor — disse King, virando para a estrada de terra sob a ponte. — Não! — exclamei, virando-me para ele e gesticulando com minhas mãos enquanto eu falava, uma das quais ainda segurava a arma. MINHA arma. — Eu não me sinto melhor; eu me sinto... — eu olhei para os meus dois melhores amigos que estavam ansiosamente esperando que eu dissesse algo, mas os sorrisos de comedores de merda em seus rostos me disse que eles já sabiam. — VIVO. Eu me sinto fodidamente VIVO.

~ 178 ~


Vinte e quatro Cinco meses depois

DRE Eu puxei as cobertas até meu queixo, mas ainda era incapaz de agitar o frio que tinha se infiltrado em meus ossos. Cada único grau da temperatura que diminuía me fez sentir falta de Logan's Beach ainda mais do que eu já sentia. Quando eu percebi que o frio estava vindo da janela do meu quarto que eu não me lembrava de ter deixado aberta, eu envolvi meu cobertor em torno dos meus ombros para fechá-la e sonolenta acabei batendo na minha mesa no processo. — Você parece um fodido esquimó, — disse uma voz profunda do nada. Eu me virei e saltei para trás, segurando minhas mãos no peitoril da janela enquanto a porta rangia lentamente. Um rosto que eu nunca pensei que veria novamente saiu das sombras. Ele sorriu e seus olhos brilharam. — O quê? — eu perguntei. — Por quê você está aqui? — Por que eu não estaria aqui? — ele perguntou como se fosse uma pergunta absurda, e eu não tinha certeza se ele estava me dizendo que essa era a razão dele estar lá ou apenas declarar um fato. — Porque foram cinco meses e eu não ouvi uma maldita coisa de você — eu disse, tentando recuperar o fôlego. Preppy caminhou ao redor do quarto lentamente, pegando quadros e troféus da minha juventude e correndo as mãos sobre a minha medalha por ganhar o primeiro lugar na feira de ciências da oitava série. — Você me assustou, você sabe. — Como está seu pai?

~ 179 ~


— Ele está bem agora. Foi um ataque cardíaco fraco. Ele só tem que ver o que ele come e seus níveis de estresse. Ele teve sorte de perceber os sinais tão cedo quanto ele fez e Edna pedir ajuda — eu disse. — Isso é bom. O que você fez para ganhar isso? — Preppy perguntou. Ele ergueu a medalha. Eu apertei meus lábios. — Uma impressora portátil. — Para livros e essas merdas? — ele pôs a medalha de volta no lugar. Eu balancei minha cabeça e envolvi o cobertor em torno de mim ainda mais apertado. Eu tremi, mas desta vez o frio não teve nada a ver com isso. — Uma impressora de dinheiro. Preppy sorriu e eu vi o orgulho brilhar em seus olhos. — Você fez dinheiro falso na oitava série... e você ganhou? Dei de ombros. — Não foi tão difícil. O segundo lugar era um daqueles vulcões que pingavam sopa de tomate do topo. — Preppy ficou quieto quando se aproximou da cama onde estava de um lado e eu fiquei do outro lado. — Por que você está aqui? — eu perguntei. — Os papéis do divórcio — disse Preppy. Meu coração afundou. — Então você veio aqui para entregá-los pessoalmente? Preppy enfiou a mão no bolso traseiro e tirou um papel. — Algo assim — disse ele, abrindo-o e derramando confete de papel na minha cama entre nós. — É mais como trazê-los de volta. Preppy ficou em silêncio enquanto andava pelo quarto, puxando os cabelos. Uma veia pulsava em seu pescoço. Eu não pude deixar de notar que ele tinha ganhado uma quantidade substancial de peso desde que eu o tinha visto pela última vez. Principalmente músculo. Seu bíceps flexionava sob o tecido branco. Ele não era mais magro. Ele poderia ter sido magro, mas quando seus braços se ergueram sobre sua cabeça e ele deixou escapar um profundo suspiro, eu não pude evitar olhar os abdominais aparecendo em sua camisa. Isso também foi quando eu percebi que, à exceção de uma gravata borboleta, ele estava usando o traje típico de Preppy. Suspensórios,

~ 180 ~


calças, botas. Seu cabelo tinha crescido no estilo que eu lembrei de anos atrás, longo no topo, raspado nos lados. Minhas entranhas se cerraram, mas minha mente correu junto com meu coração. Eu não aguentava mais. — O que você quer? — eu gritei, literalmente puxando as raízes do meu cabelo e jogando eles pelo colchão até que eu estivava de joelhos na cama olhando nos olhos do homem que tinha quebrado meu coração em mais de uma ocasião. Ainda bem que meu pai estava fora. — Você tem que me dizer o que você quer! Ele ficou de pé e gritou de volta. — Eu quero você! — Então me deixe entrar! — eu gritei com os dentes apertados, empurrando contra seu peito. — Diga-me o que aconteceu com você e me deixe entrar! Preppy grunhiu. — Ele me torturou! — ele gritou, seu rosto ficando vermelho com raiva, uma veia pulsando em sua garganta. Eu ofeguei e me sentei de volta em meus pés, observando enquanto suas paredes finalmente desmoronavam. — É isso que você quer ouvir, porra? Você quer saber sobre todas as vezes que ele me bateu com um martelo, esperou que meus ferimentos começassem a curar, antes de bater novamente em cima das contusões? Você quer ouvir como ele me cortou com uma faca afiada até que minha pele fosse rasgada? — sua voz ficou mais baixa, mais sombria. — Ou talvez você quer ouvir sobre como ele enviou um de seus motoqueiros para me foder na bunda em uma tentativa de me quebrar? Você quer saber como ele soou quando ele riu quando ele gozou nas minhas costas? Ou como ele me chutou na minha coluna quando ele terminou e eu apaguei quando minha cabeça bateu na porra da parede porque eu não conseguia me segurar. — Preppy olhou para o céu e depois para mim. — Eu não poderia me segurar, não importa o quanto eu lutava contra ele, eu tentei. Eu fodidamente tentei! — Preppy... — Não, eu não preciso nem quero a sua fodida piedade. — ele se acalmou, afundando de joelhos no tapete e eu escorreguei da minha cama, esticando meu pescoço para que eu pudesse olhar em seus olhos. — Tenho pesadelos o tempo todo. Você sabe qual é a única coisa que os faz ir embora? — ele colocou a mão dele sobre a minha. — Você. Você silencia o mundo quando tudo está muito alto. Você me faz sentir menos quebrado.

~ 181 ~


— Você não está quebrado! — eu disse, agarrando suas mãos na minha e longe de seu rosto. Ele abriu os olhos. — Você não está quebrado. — Eu sempre vou estar um pouco quebrado — disse ele, olhando para mim com olhos vidrados. — Isso é besteira — eu disse. Eu soltei suas mãos e me levantei abruptamente. Puxei a gaveta da minha mesa e peguei a prova que eu precisava. Eu desdobrei o pedaço de papel enrugado e caminhei de volta para ele, empurrando-o em suas mãos. — Um homem quebrado não escreveu estas palavras. — Você recebeu minha carta — disse Preppy, virando a página em suas mãos, a tinta borrada com os milhões de lágrimas que eu chorei lendo suas palavras mil vezes, uma e outra vez. Um pequeno sorriso apareceu em seu rosto. — Você mentiu para mim, Doc — disse ele, parecendo divertido e irritado. — Sim. Eu não te disse porque eu não sabia se você ainda sentia o mesmo e eu não queria fazer suposições quando você estava em um lugar de merda. Sua voz suavizou a um sussurro. — Você quer ouvir sobre a única razão de eu ter sobrevivido a esse lugar foi pensando em você todo dia e noite? Eu até meditei como Mirna me mostrou e tentei ir a algum lugar em minha mente, em qualquer lugar que não fosse lá. Eu passei horas na minha cabeça tendo conversas falsas com meus amigos. Com você. Eu não me lembro muito, apenas de querer fugir. Estou vivo por sua causa. — Não, você está vivo porque você é VOCÊ. Porque você lutou com o ceifador e você ganhou. Porque você é Samuel fodido Clearwater e você faz suas próprias regras. — eu ri e engasguei em um soluço. Preppy sorriu. — Aquele lugar que você foi em sua mente? Foi em casa. Sua família. Eu te ouvi. Todos nós ouvimos. Eu. King. Bear. Ray. Até Thia. — Você realmente acredita nisso? — Preppy perguntou, levantando uma sobrancelha e escovando um cabelo do meu rosto. — Sim. Tão louco quanto parece, sim, eu acho que sim. Preppy se inclinou para perto, puxando meus lábios a uma polegada dele. — Você sempre foi um pouco louca — ele suspirou. Ele se

~ 182 ~


inclinou para me beijar e eu me afastei. Levantei-me, caminhei para o outro lado do quarto. — Você me fez pensar que estava morto de novo. Eu não posso viver em um estado constante de medo que você vai ser ferido ou pior. Eu simplesmente não posso. Você me quebrou e eu não posso. — Você foi quem me ensinou isso. Se você está sofrendo, não precisa ficar machucando. Vou carregar sua dor para você. Vou carregar tudo para você. Eu voltaria para aquele buraco de novo se isso significasse te ver apenas uma última vez. Eu sou um homem egoísta e, quando se trata de você, eu sou o homem mais egoísta de todos eles, porque eu quero você, independentemente do fato de que eu não sou bom para você. — Eu não... — eu comecei, mas parei quando percebi que não tinha ideia do que eu ia dizer. Seus olhos falavam muito de como ele estava se sentindo. Triste, mas determinado, cercado de vermelho, mas bem abertos e claros. — E se tudo isso chegar ao fim antes mesmo de ter uma chance de começar de novo, então não há nenhum risco de eu dizer o que eu tenho para te dizer agora. O que eu tenho a dizer antes de me engolir todo. Eu balancei a cabeça, ambos temendo e antecipando o que estava por vir. Mas nada poderia me preparar para essas três pequenas palavras que pisotearam sobre mim como um maldito rebanho. — Eu te amo. Eu balancei a cabeça novamente, não para discordar, mas para sacudir as palavras do meu cérebro. Palavras que ele não poderia ter dito realmente. Era minha imaginação ou mentira. Tinham que ser. De qualquer maneira, meu coração não podia aguentar muito mais. Os remendos que mal se mantiveram da última vez começaram a se desfazer quando eu o vi naquela cama. VIVO. E com aquelas três pequenas palavras que seguravam tanto poder, eu os senti descer pela minha garganta, em meu peito e começar a cortar os fios desgastando ponto por ponto. — Não. Não, você não pode simplesmente me amar. — eu me ouvi sufocar. — Você só acha que ama porque agora eu pertenço a outra pessoa — eu racionalizei. — E você quer o que você não pode ter. — Foda-se isso — ele disse, raiva amarrando suas palavras, suas sobrancelhas apontadas para dentro, fazendo com que linhas em sua testa aparecessem. — Você acha que eu decidi que AGORA eu te amo?

~ 183 ~


— Bem, talvez eu não te ame. — Doc, isso não foi uma revelação porque você apareceu com o dublê do Justin Bieber e eu achei que você estava noiva. Eu te amo porque eu te amo. Eu amei você desde muito antes que eu fodesse tudo, você sabe, a primeira vez. Eu pensei que se eu fingisse estar feliz, eu ficaria feliz, mas levou meses sendo torturado todo fodido dia para perceber que a verdadeira tortura não foi ter dito a você como eu me sentia desde o primeiro dia. — Você... — Eu te amei quando levei seu corpo partido para Mirna na primeira vez. Acho que te amei desde o momento em que te vi naquela torre d'água. Você estava tão quebrada... e tão linda. — Quando você me salvou — eu disse, incapaz de encontrar minha voz, ela saiu como um sussurro. Preppy sacudiu a cabeça. — Não, quando você ME salvou. — eu ofeguei e coloquei minha mão sobre meu peito, onde eu tinha certeza que eu estava prestes a desmaiar de dor. Lágrimas brotaram em meus olhos e gotas quentes rolaram pelas minhas bochechas até meu queixo. Preppy estendeu a mão e limpou a lágrima do meu queixo com o polegar. Ele então colocou sua própria mão sobre seu peito como se estivesse sentindo o mesmo tipo de desentupimento que eu. — E antes de dizer qualquer outra coisa. Antes que você me diga que eu realmente não posso te amar, ou pra eu dar o fora, ou que você não se sente da mesma maneira, eu tenho que dizer primeiro, que eu não gosto de mentirosos. — Quem mentiu para você? — eu perguntei, tentando olhar em qualquer lugar menos em seus olhos, mas era impossível. Eu estava presa a seu olhar determinado. — Você, Doc. Você mentiu para mim, — ele rosnou. — Quando? — Duas vezes, na verdade. Primeiro, quando você me disse que você não me amava. — Preppy deu um passo adiante, e eu instintivamente dei um passo para trás. Ele riu baixo e profundamente. — Porque você e eu sabemos que é besteira. — E a segunda vez? — eu tentei engolir o nó se formando em minha garganta que estava ameaçando minhas vias aéreas, fazendo

~ 184 ~


com que eu respirasse erraticamente. Meu peito subia e descia com a necessidade de recuperar o fôlego. Ele sorriu perversamente. — Então, quando você disse que eu não poderia ter você. — Por que... por que tudo isso? Por que agora? — eu perguntei. — Porque, Doc. Quando eu ainda estava naquele fodido buraco, fiz uma promessa a mim mesmo de que iria encontrar você. Encontrarnos novamente. O que eu não percebi foi que antes que eu pudesse fazer isso, eu tinha que me encontrar primeiro e não havia nada que você ou qualquer outra pessoa pudesse fazer para empurrar isso. — Você se encontrou? — Porra sim, eu me encontrei. — Terapia? — Algo parecido. — Agora volte para casa. Temos outra coisa que temos que cuidar. Juntos. — O que é? — eu perguntei, meu coração ainda vibrando como uma estudante. Ele enfiou a mão no bolso de trás e me entregou uma pilha de papéis. — Nós o encontramos. Encontramos Bo. Ele tem morado comigo por um tempo. Doc, não quero que ele tenha a mesma vida que eu. Eu me vejo nele e acho que ainda podemos salvá-lo. Só tenho que conseguir que a mãe inútil dele assine isso. O pedido de Adoção de Menor era o título. Eu pulei em seus braços e assenti. Lágrimas derramaram pelo meu rosto. — Então o que você acha, Doc? — ele perguntou. — Você quer ser mamãe? Eu arranhei meu rosto como se tivesse que pensar nisso. — Você vai ficar comigo desta vez? Preppy sorriu de orelha a orelha. — Sim, Doc. E eu nunca vou deixar você ir embora — disse Preppy. Ele estendeu a mão atrás dele e tirou a camisa daquele jeito que só os homens podem fazer. Eu engasguei quando ele se inclinou para o criado-mudo e acendeu a lâmpada.

~ 185 ~


— Uau, — eu disse. Quando notei os músculos de Preppy sob sua camisa, não era nada comparado a vê-los apertados e perfeitos sem sua camisa. E embora seu corpo me fizesse babar, não era o que eu estava olhando. Era a ferida. A do tiro. Aquela que curou mal e deixou uma cruz entrecortada de cicatrizes em seu torso agora tinha sido tatuado em uma grande coisa colorida e intrincada que me fez lacrimejar de novo. Lábios vermelhos. Óculos. Saia lápis. Até os saltos que Mirna me deu. — Sou eu, — eu ofeguei. — Então você vai me responder ou simplesmente ficar aí babando? — ele perguntou com uma piscadela. — Você vai voltar para casa? — Sim. Eu vou voltar para casa. — eu disse e o fogo no rosto de Preppy foi o suficiente para derreter os temores ou dúvidas que eu poderia ter tido. — Bom, agora podemos chegar à parte em que vamos foder — disse ele, e sua boca caiu sobre a minha. — Espere, onde vamos viver? A casa de Mirna já foi vendida. Eu mandei as chaves há meses atrás — eu disse. — Mais foda, menos conversa — disse Preppy, atirando-me para a cama. Quem era eu para discutir? Ele não perdeu tempo, agarrando meus shorts e calcinha e arrastando-os de minhas pernas, jogando-os para o lado. Sem hesitação, ele abriu minhas coxas e mergulhou dentro. O segundo que a sua língua fez contato com o meu clitóris, eu gemi longo baixo e alto. — Eu senti falta desta linda buceta — ele disse contra mim, as vibrações de suas palavras misturadas com o movimento circular da língua estavam me trazendo cada vez mais perto do limite. Eu estava prestes a gozar, eu podia sentir isso ali mesmo, apenas alguns traços mais longos da língua talentosa de Preppy e eu... ouvi meu pai entrar, voltando de seu jogo de boliche. — Andrea? — ele gritou, mas Preppy não parou. Não só ele não parou, ele empurrou um dedo longo e grosso em minha bunda e eu gritei. Ele estendeu a mão e pegou meu peito, beliscando duramente meu mamilo. — Você está em casa? Nós perdemos para esse grupo de mulheres em seus oitenta anos de novo. Tenho certeza de que vamos estar no último lugar esse ano.

~ 186 ~


— Responda ele — Preppy disse contra minhas dobras. Ele puxou seu dedo só para empurrá-lo de volta. — Estou aqui pai. Estou apenas... muito cansada, então vou dormir cedo — gritei de volta. Preppy empurrou sua língua dentro de mim e arqueei minhas costas. — Sim, eu estou cansado também, vejo você pela manhã — ele disse, eu ouvi sua porta fechar e no segundo que ela clicou, Preppy aumentou seus esforços, implacavelmente fodendo minha buceta com sua língua e minha bunda com o dedo até que eu agarrei um travesseiro, colocando sobre o meu próprio rosto, e gritei o meu orgasmo. Foi Preppy quem finalmente tirou o travesseiro do meu rosto. — Achei que você estava sufocando aí embaixo — ele riu. — Você é bom — eu disse. Ele se instalou entre minhas pernas e empurrou todo o seu enorme comprimento dentro de mim em um impulso rápido. Eu estava prestes a gritar novamente, mas ele colocou dois dedos na minha boca. — Morda-me, se precisar, mas não faça barulho, Doc. — disse Preppy, perversamente. No começo ele construiu um ritmo lento, chegando atrás de mim e empurrando um dedo em minha bunda que aumentou tudo o que seu pau estava fazendo na minha buceta. Era impossível não gritar, então eu fiz o que ele disse e eu mordi sua mão. — Isso, morda-me. Mostre-me o quanto você quer gritar. Eu mordi mais duro e ele respondeu empurrando ainda mais duro. Eu estava tão sensível que quando ele se abaixou e mordeu meu mamilo eu já estava gozando, o prazer tão grande que eu estava perdida para qualquer coisa além de Preppy e eu e o melhor orgasmo. Preppy gozou, soltando longos jatos quentes e brancos sobre o meu pescoço e peito, reclamando-me, marcando-me, fazendo-me sua. Ficando comigo.

~ 187 ~


Vinte e cinco DRE Ainda bem que eu estava usando um cinto de segurança, porque se eu não tivesse sido amarrada no banco de trás, eu teria batido a minha cabeça no teto de metal exposto da van de Billy pelo menos uma dúzia de vezes enquanto nós seguíamos pelos buracos da rodovia. Coloquei meu braço nos ombros de Bo e o segurei mais apertado para mim. Seu próprio cinto de segurança estava em uso, mas eles foram feitos para pessoas de um certo tamanho, não idade. Bo poderia ter seis anos de idade, mas seu cinto estava fazendo força para realmente mantê-lo seguro. — Ele precisa de um assento infantil — eu apontei, tentando me distrair de qualquer coisa além de onde estávamos indo ou a tarefa em mãos. Nesse momento era a segurança do transporte. Preppy estava no banco do passageiro. Ele se virou e olhou o cinto solto em volta da cintura de Bo. — Vou arrumar isso — disse ele, tirando o telefone e digitando rapidamente. — Ray diz que tem um extra. Bo pegou aquele momento para sorrir para mim. Eu podia sentir o nervosismo irradiando dele quase tanto quanto eu podia sentir o meu próprio. Eu vi na forma como seus olhos mudaram de objeto para objeto na van como se ele estivesse tentando encontrar algo para se concentrar, no entanto, quando ele sorriu para mim foi como se ele estivesse tentando me confortar, em vez de o contrário. O que era bom, porque eu precisava disso. Minhas tripas estavam torcendo uma e outra vez. Eu engoli a bílis subindo em minha garganta enquanto eu torcia minhas mãos suadas no meu colo. A sensação de intranquilidade apenas ficando pior quando fizemos uma curva na estrada esburacada e paramos em um sinal

~ 188 ~


enferrujado caindo do poste que nos disse que estávamos entrando no parque de trailers. Do assento traseiro eu pude ver o corpo inteiro de Preppy ficar completamente rígido enquanto passávamos por trailer após trailer em ruínas. Lixo estava empilhado na frente de quase todos. Um casal de meia-idade parou no meio da rua entre uma seção de quatro trailers estacionados voltamos um para o outro. Eles não se moveram quando nos viram chegar, então Billy virou a roda e manobrou ao redor deles. O homem estava sem camisa, usando apenas calças de cor clara que estava aberta na braguilha enquanto tirava uma garrafa embrulhada em um saco de papel marrom. Ele nos olhou quando passamos. A mulher, que estava usando uma blusa lavanda manchada e um par de calcinhas de algodão, franziu o cenho, embora eu não tivesse certeza se era para nós ou para o homem com quem ela estava discutindo. Quando passamos por eles, continuei a olhar pela janela de trás. O homem tinha virado as costas para a mulher e foi quando ela saltou para ele, envolvendo os braços e pernas ao redor dele fortemente e gritando em um tom alto que me fez agradecer pelas janelas estarem fechadas. A garrafa caiu da mão do homem e rolou em toda a rua enquanto ele tropeçava e tentava se equilibrar e foi a última vez que os vi antes de virarmos a esquina e eles desapareceram de vista. Bo estava olhando para fora da janela também, embora ele parecesse impassível pela visão do casal. Foi quando nos viramos que ele pegou minha mão e apertou firmemente, suas unhas pequenas pressionando com força na pele da palma da minha mão. Ele se inclinou contra mim e aconchegou seu rosto em meu braço como ele não estivesse cortando minha circulação onde nossas mãos estavam unidas. Ele podia apertar tão forte quanto quisesse. Eu respirei fundo. Eu não ia me afastar. Não agora. Nem nunca. Eu tinha silenciosamente questionado por que Billy estava vindo junto conosco até que chegamos ao nosso destino, um trailer mal iluminado na parte de trás do parque, e percebi que Billy deve ter estado lá para ficar com Bo porque de jeito nenhum ele ia entrar com a gente. Eu não ia deixá-lo voltar dentro dessa coisa.

~ 189 ~


Nunca. Preppy saltou do carro e dei um aperto na mão de Bo quando a porta se abriu. — Estaremos de volta. Fique com Billy, ok? — Preppy pediu, estendendo o punho para Bo bater, o que ele fez. Eu saí e batemos a porta. Billy saudou Preppy quando nos viramos para a pilha de alumínio em ruínas, à nossa frente. Parecia um ferro-velho e cheirava a um esgoto aberto. Caixas de pizza, cascas de ovo, envoltórios de fast food com moscas zumbindo sobre eles estavam espalhados pela pequena calçada para os degraus da frente. O cheiro de urina queimou minhas narinas quando nos aproximamos da porta. — Você está pronto para isso? — eu perguntei a Preppy quando ele pegou minha mão e levantou para seus lábios para dar um beijo rápido. — É ruim que não. — ele abriu a porta sem bater e entrou.

***

A mãe de Bo, por falta de um termo melhor, era Trish. Ela não se levantou quando entramos e eu não tinha certeza se era porque ela não podia ou simplesmente não queria. Ela era minúscula e frágil, empoleirada em uma poltrona esfarrapada com um cobertor de malha com tantos buracos que não havia nenhuma maneira de servir a qualquer tipo de propósito. — Espero que vocês dois saibam que vocês são os que estão fazendo um negócio ruim. O garoto nem fala. Pode até ser um retardado — ela disse, olhando de mim para Preppy como se fôssemos loucos. Eu estava FURIOSA de uma maneira que eu nunca tinha estado antes. Preppy deve ter percebido a minha raiva porque ele estendeu a mão e agarrou meu braço como se a qualquer momento eu fosse para cima dela e posso dizer honestamente que eu estava definitivamente pensando sobre isso. Eu respondi através dos meus dentes — Você já pensou que, ao contrário de algumas pessoas que abrem a boca sem antes pensar, que talvez Bo esteja apenas esperando algo importante para dizer? — Seja o que for, contanto que você saiba no que está se metendo, — disse ela, coçando as crostas de seu braço, uma gota de sangue borbulhou até a superfície e escorreu até seu pulso e depois ~ 190 ~


para as linhas de sua palma, mas ela não pareceu notar. — Então quanto? — Você quer que nós o COMPREMOS de você? — Preppy perguntou em completa descrença, embora algo me dissesse que ele não estava tão surpreso como sua voz aparentou. — Você tem que estar brincando comigo? — foi a vez dele de ficar com raiva. As cordas em seu pescoço apertaram. Ele enfiou a mão na cintura de suas calças e puxou sua arma, segurando-a com duas mãos trêmulas como se fisicamente doesse não puxar o gatilho. Trish mal se encolheu quando ela olhou para cima e viu o barril de prata apontado para o topo de sua cabeça cinzenta e gordurosa. Ele destravou a arma, o clique ecoou pela pequena sala. Ele deu um passo adiante, olhando para o fantasma de uma mulher enquanto pressionava a arma contra a testa dela. — Você dá a ele essa merda de vida neste esgoto aberto que você chama de casa. Você faz ele passar fome. O negligencia. E Deus sabe o QUE mais você fez a ele e agora quer vendê-lo? — uma risada que soava demoníaca escapou dele. — Porra, eu vi muitas merdas na minha vida, mas essa aí parece a minha própria mãe. — E por que eu não deveria ser paga? — Trish perguntou, ignorando tudo o que Preppy disse que não estava de acordo com o que ela queria ouvir. — Você quer algo que é meu. No meu mundo você tem que pagar pelo que quer. — ela acendeu um cigarro com as mãos trêmulas e inalou uma vez antes que a cinza caísse em seu colo, ela a escovou para fora de seu cobertor e caiu no chão onde ela sacudiu com seu pé descalço e sujo. — Você o trata como um maldito cão e quando te dizemos que vamos levá-lo, tudo o que você pode responder é quanto? — Preppy lambeu seus lábios como se ele pudesse provar a matança na frente dele — Eu digo a você como é, sua fodida estúpida, assine esses papéis e eu pago a você não atirando em sua fodida cabeça agora! — ele rebenta. — Prep, — eu disse, usando o tom de voz mais calmo que eu poderia reunir. Eu sabia que Preppy se identificava com Bo e a maneira como ele foi criado e negligenciado, mas olhando para essa mulher frágil em meio à dependência pesada eu não podia deixar de pensar que se as coisas não tivessem acontecido exatamente como aconteceram, eu poderia tão facilmente ter acabado como ela. — Deixe-me falar com ela.

~ 191 ~


— Doc, — Preppy começou a discutir, mas ele deve ter visto a determinação escrita em todo o meu rosto. — Três minutos, eu estarei lá fora — disse ele, com um olhar que dizia que não gostava da ideia. Com um último olhar para a mãe de Bo, ele abaixou a arma para o lado, mas não guardou antes de sair, fechando a porta do trailer. — Trish, certo? — eu perguntei, dando um passo para a sala de estar sobre uma pilha de trapos. Eu me desviei do sofá e tentei não mostrar a minha cara de nojo no momento em que eu vi milhares de pulgas pulando do tapete enquanto eu passava em torno do lixo, meus tornozelos sob ataque instantâneo enquanto elas mordiam. Eu continuei. — Isso. Tricia, mas todos me chamam de Trish. — Heroína? — eu perguntei, apontando para a agulha na mesa lateral. Trish olhou para mim pela primeira vez como se ela estivesse percebendo que eu estava lá. — Não é da sua conta. Você acha que só porque você é muito limpinha que você pode entrar na porra da minha casa e levar o meu filho por nada? Que você é melhor do que eu porque você não está dependendo de uma fodida agulha para passar o dia? — Trish sacudiu a cabeça e acendeu a ponta de outro cigarro do cinzeiro transbordando na mesa lateral próxima da sua cadeira. Eu me aproximei e me ajoelhei ao lado dela. Eu puxei minhas mangas e coloquei meus antebraços sobre seus joelhos ossudos. Meu toque a assustou e ela se sentou como se eu tivesse esfaqueado ela. — Eu nem sempre fui forte, — eu disse, usando meus olhos para apontar para as cicatrizes no interior dos meus braços. — Eu sei muito mais sobre como você está se sentindo do que você acha que eu sei. — o olhar de Trish percorreu minhas cicatrizes. Seus olhos encontraram os meus. — Eu estive onde você está. Eu sei como é ter algo tão pequeno tomando todo o controle quando se trata de sua vida. Trish parecia estar contemplando alguma coisa. Ela se sentou de volta em sua cadeira e eu me levantei, puxando minhas mangas de volta pelos meus braços. Ela olhou para seus próprios braços e depois para mim. — Então você acha porque você costumava ser uma viciada você pode me intimidar em te dar meu filho? É isso? Eu balancei a cabeça. — Não, eu acho que você é uma viciada, mas entende que ele estaria melhor vivendo em algum lugar onde seu vício não é o que ele vê todas as manhãs e todas as noites. Onde o uso da heroína não será o normal pra ele. Onde a geladeira estará cheia e a ~ 192 ~


barriga dele também. Onde as roupas serão limpas e ele vai para a escola todos os dias. Mas o mais importante, onde ele vai ser amado e o amor será mais importante do que qualquer coisa. Virá primeiro... — eu olhei para a agulha e colher sobre a mesa. — antes de qualquer agulha. Trish bufou. — Meu amor por ele vem antes ... — Não me enrole — eu interrompi. — Isso vem primeiro, segundo, terceiro... e é isso. Os ombros de Trish se curvaram ainda mais. Com um grunhido, ela pegou uma caneta do lado da mesa e estava prestes a assinar o nome dela na página quando Preppy abriu a porta da frente: — Espere. — ele disse. Eu estava prestes a perguntar a ele por que quando ele se virou e chamou Billy que apareceu um segundo mais tarde carregando algo na mão. Ele se aproximou de Trish sem olhar em volta, sem dizer uma palavra. Acho que foi a única vez que eu o vi não sorrindo. Ele acenou com a cabeça para Trish assinar e quando ela terminou, ele pegou a caneta da mão dela. Foi quando percebi que ele estava segurando um selo que ele pressionou no final de cada página. Ele rubricou algumas linhas sob a assinatura dela, e com um aceno para Preppy, ele saiu sem dizer uma única palavra. Peguei os papéis e os entreguei a Preppy, que ainda estava junto à porta. — Você vai ficar bem, garoto. Você sabe disso? — Trish gritou quando estávamos prestes a partir. — Eu sabia que você não ia deixar que aquele ali me matasse. — ela me mostrou um sorriso de dentes podres. — Você está certo, — eu me virei e olhei para a razão por trás da dor do pobre Bo. Eu olhei para ela com todo o ódio que eu podia reunir. — Porque se você não assinasse os papéis e fizesse a coisa certa por Bo, então eu teria matado você eu mesma. Trish teve a audácia de rir. — Não dá para entender uma viciada, — resmungou ela. — Por um minuto achei que você fosse como eu. Mas você mentiu. Você é apenas mais uma idiota fazendo ameaças para conseguir o que quer. Agarrei a mão de Preppy e voltei para Trish. — Você está confundindo compreensão por simpatia. Eu entendo o que você está passando, mas eu me odiava quando eu estava passando por isso e por causa do que você fez a Bo... eu odeio você ainda mais.

~ 193 ~


Preppy me ajudou a descer as escadas onde Billy estava esperando por nós, encostado na van. — Espere um segundo, — disse Preppy, voltando para a porta, ele abriu e desapareceu lá dentro, ressurgindo apenas alguns segundos depois? — O que você fez? — eu perguntei, embora eu tivesse certeza de que ele não a matou considerando que eu não tinha ouvido nenhum tiro. — Ela queria pagamento por Bo, — disse Preppy, com um encolher de ombros. Ele abriu a porta da van e eu deslizei para dentro ao lado de um Bo dormindo que estava esparramado através do banco. Seu peito subia e descia em ritmo lento. — Então eu dei a ela. — Você deu o dinheiro dela? — eu sussurrei boquiaberta, não querendo acordar Bo. Preppy sorriu perversamente e, com as mãos no teto, se inclinou para a van e sussurrou no meu ouvido. — Não. Eu dei a ela algo que ela queria mais, e o suficiente para quase garantir que ela não será um problema para nós. — Preppy me beijou na bochecha e fechou a porta, rodeando a van. Heroína. Ele lhe deu heroína. Preppy estava certo. Tão longe quanto Trish estava, ela não seria capaz de resistir. As chances de ela sobreviver mais um dia eram fracas... ela estaria morta pela manhã. Eu esperei a culpa familiar que costumava vir o tempo todo, mesmo quando não tinha motivo para isso. A qualquer momento eu esperava que a minha voz interior me dissesse que não devia permitir que Trish morresse. Nada. Quando Preppy apareceu no banco do passageiro e Billy começou a dirigir a caminhonete, eu não conseguia impedir que o sorriso rastejasse em meu rosto. Quando saímos do trailer, Bo se mexeu, então o puxei para o meu colo e acariciei seu cabelo recém-cortado. Eu dei uma última olhada no trailer ferrado enquanto nós entrávamos na estrada, grata que Bo jamais teria que gastar outro segundo lá, nem uma única noite. A coisa

~ 194 ~


não era adequada para habitação humana. Não para Bo. Nem mesmo para Trish. Bo roncou levemente. Preppy se inclinou para trás e escovou o cabelo de Bo de seus olhos e com um olhar amoroso ele olhou para seu filho. Nosso filho. — Eu poderia ter acabado facilmente como ela — eu sussurrei, sentindo as lágrimas escorrendo dos meus olhos. Alívio e felicidade me encheram com cada rotação dos pneus que nos levava mais longe e mais longe do parque de trailer. — Não, você não teria terminado como ela — Preppy argumentou. — Você não pode dizer isso; você não sabe. — Você nunca teria terminado como ela — disse ele novamente. — NUNCA. — Como você pode ter tanta certeza? — eu passei minha mão sobre a bochecha de Bo sentindo o calor de sua pele contra a minha palma. Preppy cobriu minha mão com a dele, entrelaçando nossos dedos. Olhei para cima para encontrar seus olhos brilhando enquanto eles olhavam diretamente para os meus. Senti sua determinação quando ele disse: — Porque eu não teria deixado.

~ 195 ~


Vinte e seis PREPPY — Sinto muito ter demorado tanto tempo para visitar, — eu disse enquanto pairava acima do túmulo de Grace, sentindo meu coração bater na minha caixa torácica como se estivesse zangado comigo por levá-lo para o passeio que nunca pediu para ir, batendo contra o meu interior para deixá-lo sair. Tarde demais, filho da puta. — Não sabia se voltaria a te ver, mas não é assim que eu pensava que seria — gaguejei um suspiro, a garganta apertada dolorosamente mal consegui engolir. Enfiei minhas mãos em meus bolsos, depois tirei. Eu chutei a grama bem aparada com a minha bota, em seguida, caí de joelhos. Eu me inclinei para a frente, apoiando minhas mãos contra a lápide baixa que era mais como uma placa do que uma pedra real. Eu precisava estar perto dela, ou o que restava dela. Eu me encolhi, afastando a imagem de Grace como um cadáver se decompondo que continuava a piscar através da minha mente. O sol começou a se pôr, lançando uma sombra sobre o pequeno cemitério. Um jardineiro com macacão saiu de uma pequena tenda verde. Ele parou alguns metros em um ponto sem marcação e jogou uma pá na grama. Com a ponta de sua pesada botina de trabalho amarela, ele clicou em um trinco no fundo de cada um dos quatro postes de metal, travando as rodas no lugar. Quando ele pausou para limpar sua testa suada com um pano pendurado em seu bolso traseiro, ele olhou para cima e seus olhos encontraram os meus. — Como você está hoje, filho? — ele perguntou com um forte sotaque espanhol. Ele empurrou o pano de volta em seu bolso e pegou a pá, esfaqueando-a no chão. Ele começou a raspar a camada superior de grama, despejando-a em um balde.

~ 196 ~


Olhei para a placa de Grace e voltei para o jardineiro. — Não vou mentir, cara. Eu poderia estar totalmente e fodidamente melhor , — eu disse, minha voz tremendo com meu pesar. — Era a sua mãe? — perguntou ele, gesticulando com o queixo para a lápide enquanto ele virava outra pá cheia de grama no balde. Eu balancei a cabeça. — Tão perto quanto uma. Ele assentiu e continuou trabalhando. — Meus pêsames. Sei que não pode ajudar, mas a morte é apenas uma parte da vida. Todos nós morremos. Alguns antes dos outros. Depois de trabalhar aqui por trinta anos, é estranho mas eu posso te dizer que a morte não é algo para estarmos triste. É algo para ser comemorado. — ele colocou uma mão em seu peito. — Na minha cultura, quando um ente querido morre, nós fazemos uma festa enorme e bebemos até não podermos sentir os nossos rostos e depois dançamos e fazemos amor sob as estrelas e depois bebemos mais até não podermos sentir o resto de nossos corpos. É sobre alegria. É sobre celebrar a vida, não amaldiçoar a morte. Eu me inclinei para trás e sentei em minha bunda, não me importando com manchas de grama. Peguei um pouco do mato, puxando com minhas mãos, jogando-os de volta no chão. — Pela primeira vez na minha vida eu posso realmente dizer que eu não estou exatamente animado para uma festa agora. Ele parou a pá e se virou para mim, apoiando o queixo no grande cabo. O nome Diego bordado no peito direito de seu macacão desbotado. — A dor é normal, mas você não pode deixá-la consumir você. — Diego apontou para a distância, onde sobre a calçada rachada que corria através do meio do cemitério, uma mulher de meia-idade com cabelo loiro curto usava um vestido branco curto. Ela se agachou sobre uma cova e pôs um maço de cravos azuis. — Você a vê? — ele perguntou. A mulher começou a chorar abertamente, seus ombros tremendo, seus olhos fechados com força, sua boca se contorcendo e torcendo enquanto ela se deitava sobre o túmulo. Os sons de seus soluços foram apanhados pelo vento, espalhando sua tristeza sobre o já deprimente cemitério. — Ela está aqui todos os dias à mesma hora. Coloca flores no túmulo do marido e chora por horas e horas antes de ir embora, só para voltar e fazer tudo de novo no dia seguinte. Sempre veste branco como se fosse o dia do seu casamento. — E daí? — eu perguntei. — Quero dizer, seria estranho se ela estivesse fazendo isso no meio da pista ou no salão de bingo, mas não está chorando como se é esperado neste lugar? — eu protegi meus

~ 197 ~


olhos do repentino aparecer do sol por trás das lentas nuvens passando, começando a se esconder para o final do dia. — O marido dela morreu há dezessete anos. — Oh, — eu disse. — Sim, exatamente — ele retomou sua pá. — Uma vez que você se perde, não há como voltar de uma dor assim. — ele olhou para a mulher e balançou a cabeça. — É por isso que você precisa comemorar e lembrar que você ainda está vivo. — ele baixou sua pá e se aproximou de um pequeno refrigerador vermelho, o gelo derramado sobre os lados quando ele tirou um pacote de seis de cerveja. — Então, o que vai ser, filho? Nós comemoramos? — ele empurrou a cabeça para a mulher de branco. — Ou você vai deixar a morte de outra pessoa engolir o pouco de vida que você tem nesta terra? — Quem diabos é você? — eu perguntei, sentindo um sorriso puxando os cantos da minha boca. — Você é como o maldito coveiro Tony Robbins ou algo assim. Ele encolheu os ombros. — Ou algo assim. — Diego levantou o pacote de seis no ar. — A escolha é toda sua, cara! Olhei para o túmulo de Grace, o túmulo da minha MÃE, e pensei no que ela desejaria para mim, e imediatamente percebi que não seria tristeza nem lágrimas. Ela sempre disse que queria que eu fosse feliz e naquele momento eu queria fazer tudo o que ela sempre quis para mim. Eu levantei meu queixo até Diego e estendi minhas mãos. — O que você está esperando? — seu rosto se iluminou, um único dente de ouro brilhava enquanto ele jogava a cerveja para mim. Eu peguei, mas de um jeito desastrado com a lata fria molhada que quase escorregou. — Diego Martinez — disse o jardineiro, apresentando-se formalmente quando se sentou ao meu lado e estendeu a mão. — Samuel Clearwater — eu ofereci, tirando minha mão da cerveja e limpando-a em minhas calças já manchadas de grama antes de aceitar a mão do meu novo fornecedor de álcool e exemplo de vida. Diego e eu celebramos aquela noite. E por celebrar quero dizer que nos embebedamos lá no túmulo de Grace. Não só ele tinha cerveja naquele refrigerador, mas ele também tinha uma garrafa considerável de tequila sem marca que eu tenho certeza que ele tinha feito em casa porque tinha gosto de gasolina pura. Estávamos no meio da garrafa quando o mundo desapareceu e eu escorreguei para a inconsciência.

~ 198 ~


Os raios quentes do sol me acordaram no dia seguinte e então voltaram a me cegar quando eu abri meus olhos apenas uma fresta, deixando entrar somente uma pequena quantidade da luz muito brilhante. — Ah, — eu gemi. Minha própria língua tinha gosto de ranço, minha boca tão seca que era como se eu tivesse lavado a boca com areia durante toda a noite. Sentei-me lentamente e pisquei algumas vezes para me adaptar melhor ao assalto aos meus sentidos. Quando finalmente pude abrir os olhos, descobri que ainda estava no cemitério, ainda sentado sobre o túmulo de Grace, mas estava sozinho. Não havia sinais de Diego ou de sua garrafa maligna de tequila, do refrigerador, ou até mesmo o cobertor que ele tinha estendido no dia anterior. O único sinal que ele esteve lá foi a ressaca persistente e a agonia em meu cérebro que parecia como se um gato zangado tivesse usado como um poste de arranhar. — Vejo você mais tarde, Grace. — eu sussurrei, descansando minha mão em sua lápide e dando algumas pancadinhas antes de me por de pé. Eu dei alguns passos, mas então minha cabeça girou, o cemitério rodopiando em torno de mim. Parei e me debrucei em uma lápide próxima para me endireitar. Depois de alguns segundos eu me senti bem o suficiente para continuar, mas quando eu me endireitei, foi o nome na lápide que eu tinha me apoiado que chamou a atenção. — De jeito nenhum — eu disse em voz alta enquanto eu passava a mão pelo nome gravado na pedra. DIEGO MARTINEZ. Eu revirei os olhos para mim mesmo. — É um nome comum, — expliquei para mim mesmo, o que era totalmente verdade. No sul da Flórida eu não poderia balançar meu pau sem encostar em pelo menos três Diego Martinez. Então eu li o que estava escrito abaixo de seu nome e eu pulei de volta como se tivesse levado um choque. Talvez eu tivesse sofrido muito mais trauma mental pelas mãos de Chop, então eu teria um sexto sentido e percebido porque eu estava a poucos momentos de imprimir meu próprio bilhete de ida para um daqueles agradáveis e acolhedores quartos acolchoados sem janelas. Diego Martinez. Pai amoroso, marido, avô. Descansado nos terrenos que ele cuidou amorosamente por mais de trinta anos.

~ 199 ~


Agora cuidando de seu trabalho duro do seu lugar no céu. Nós celebramos sua vida. 5 de maio de 1944 - 17 de junho de 2016 Danos cerebrais a longo prazo. Era a única explicação para as alucinações e para a dor de cabeça. — Preppy...? — eu amava ouvi-la dizer meu nome. Eu virei para encontrar a outra pessoa no mundo que às vezes me fazia pensar que eu estava ficando louco. Porque lá, a menos de três metros de mim, usando um vestido amarelo sem alças que flutuava ao redor de seus joelhos, não era outra senão a própria Doc, olhando para mim com uma preocupação gravada em sua testa. — Você por acaso não viu um jardineiro por aqui, não é? Cobertor cinza? Parece com o cara dos filmes de Machete? Ela olhou ao redor do cemitério vazio. — Não... eu deveria ter visto ele? — ela perguntou lentamente. Seu foco caiu do meu rosto para as manchas de grama no meu jeans. — Você está bem? Estendi a mão com a palma voltada para ela. — Espere. Dê-me um segundo, Doc. — com a minha cabeça ainda martelando, fechei os olhos com força e depois os abri de novo, com certeza Doc ainda estava lá, mas desde que eu estava ficando louco e tudo mais, eu não confiava em minha própria visão e precisava de mais evidências. — Eu vou fazer uma pergunta e eu preciso que você responda para mim, ok? — eu dei um passo para frente e Doc me piscou um pequeno sorriso branco, fazendo um trabalho de merda em esconder a preocupação gravada em seus olhos pretos. — Ok... — ela disse hesitante. — Só me diga a verdade, Doc... você realmente está aqui agora? — eu perguntei, ainda não acreditando que minha garota estava finalmente em casa comigo. Doc olhou para seus pés como se estivesse checando onde ‘aqui’ era. — Sim, quero dizer. Eu acho que sim. — Apenas fique aí, — eu ordenei, não querendo ter esperança antes que eu tivesse a evidência sólida. Eu estendi os braços em linha reta, parando meus cotovelos em uma postura muito zombie. Avancei

~ 200 ~


lentamente e não parei até que senti o cheiro de lavanda do shampoo e minhas mãos estavam descansando em seus ombros. Eu apertei meus dedos, sua pele macia estava quente e muito viva sob meu toque. — Você realmente está aqui — eu sussurrei, levantando o queixo dela para que eu pudesse olhar melhor para as sardas no nariz dela. — Estou realmente aqui — disse ela, como se ela realmente não pudesse acreditar. — Você está realmente aqui — eu disse de novo, interrompendo-a e dando a ela outro aperto nos ombros. — Satisfeito? — ela perguntou, seus olhos travando nos meus. O ar que nos rodeava estava espesso e carregado. De repente, tocar seus ombros não era suficiente. Quando se tratava de Doc, nunca seria suficiente. — Porra. Nem de perto, — eu admiti, descansando minha testa contra a dela. — Que horas são? — eu perguntei. — Está na hora. Todo mundo está começando a aparecer na casa, até Kevin está vindo, — disse ela, me puxando pela mão. Eu ainda não tinha certeza se o garoto era meu irmão, mas ele era o suficiente de um delinquente para definitivamente me dar razão para acreditar que era uma possibilidade. — Eu tenho que ir buscar meu pai no aeroporto, mas eu estarei de volta. Tem certeza que quer fazer isso? Conhecer os pais é uma grande coisa, você sabe, — disse ela, mordendo o lábio vermelho brilhante. — É. E sinto muito por não poder te apresentar aos meus, mas não sei quem é meu verdadeiro pai, King matou meu padrasto, e minha mãe é uma super covarde. — Devidamente anotado. Eu acenei com a cabeça e ela sorriu brilhantemente. Eu segurei em sua mão e a deixei me guiar através do mesmo cemitério que eu a tinha perseguido por anos atrás. Eu não sabia para onde estávamos indo, só que ela tinha algo para me mostrar, mas eu decidi que Doc poderia ter me arrastando através dos portões de volta ao inferno e eu não me importaria menos. Eu seguiria minha esposa em qualquer lugar.

~ 201 ~


— Oh, eu quase esqueci, você vai precisar disso, — ela disse me jogando algo suave para mim. Eu sabia o que era antes de abrir a mão. — Acho que está na hora, — disse Doc. Desdobrei a palma da mão e passei o polegar pelo pano rosa e amarelo de uma gravata borboleta. Eu sorri. Definitivamente já era hora.

~ 202 ~


Vinte e sete DRE Meu pai se retorceu no assento do passageiro e, com a boca ligeiramente aberta, passou uma palma sobre o couro preto flexível em um lento e apreciativo movimento de admiração como se estivesse inspecionando um cavalo. — Você tem certeza que eu não posso ficar com ele? Quero dizer, não é como se ele tivesse deixado você dirigir. Você é uma motorista terrível. Lembra quando você atropelou o gato da Sra. Stephens? — meu pai brincou com uma piscadela. — O quê? — eu perguntei, erguendo minha voz em fingida ofensa. — Se você não se lembra, que tirei minha carteira de motorista só essa semana! E não é por nada, mas saiba que o gato era suicida. — Um gato suicida? — perguntou meu pai, arqueando uma sobrancelha. — O que mais você chamaria? — eu ligeiramente bati na roda. — Esse gato era malvado. Sem mencionar cem anos de idade. E que gato preto sai por uma estrada sem luz no meio da noite? — Um suicida — meu pai respondeu, mas seu rosto sério só durou um segundo antes de seu sorriso reaparecer e ele começar a rir, alto. Era um som que eu não tinha percebido o quanto eu tinha sentido falta até então. Tinha sido muito tempo. — Então, meu velho, a menos que você queira que eu acerte seu lado do carro nos trilhos eu sugiro que você seja agradável com sua filha sobre suas habilidades de condução — eu brinquei de volta. — E NÃO, você não pode ficar com ele — eu disse, batendo no painel. — Você fez um ótimo trabalho com ela, pai. Ele vai adorar e eu prometo que ela estará em boas mãos.

~ 203 ~


O riso do meu pai finalmente cedeu. — Espero que sim, querida. — Ele vai amá-la — eu lhe assegurei de novo, mas quando eu olhei para ele, percebi que não era só o carro de quem ele estava falando. — Não tanto quanto eu — meu pai disse, seus olhos jorrando com lágrimas. — Não — eu disse, sentindo meu peito apertar e minha garganta começar a fechar. — Não — eu repeti, apontando acusadoramente para ele enquanto tentava focar minha atenção no para-brisa dianteiro. — Você não tem permissão para me fazer chorar. Esta é uma viagem feliz. — depois de encontrar a estrada e fazer a curva, eu arrisquei olhar de volta para o meu pai. — Já choramos lágrimas suficientes, não? — eu perguntei, fungando minhas próprias lágrimas. Meu pai limpou a garganta. — Isso é verdade. — eu me virei para a entrada de carros, mas em vez de estacionar na frente da garagem ao lado dos outros carros, eu tinha pré-arranjado com o Sr. Ronson, um vizinho a algumas casas abaixo para usar a garagem dele, então Preppy não iria ver a sua surpresa antes da hora. Meu estômago virou imaginando qual seria sua resposta. — Ele não é como os outros caras, — eu expliquei para meu pai pela sétima vez desde que estivemos no carro juntos. Ray e eu o pegamos no aeroporto na caminhonete de King e ela nos deixou no centro de autotransporte para buscar o carro e ter certeza de que ele sobreviveu à viagem. Eu tinha segurado a respiração por toda a inspeção, mas felizmente, ela estava boa para ir. Eu fui pegar a bolsa do meu pai do porta-malas, mas ele me parou. — Vou ficar com um velho amigo na cidade. Não há necessidade de tirar isso. Vou tirar quando eu chamar um táxi mais tarde. — Que amigo? — eu perguntei, ele não tinha mencionado uma única coisa nas semanas que antecederam sua visita. Eu sempre achei que ele ficaria conosco. Ele mudou de assunto e me levou para longe do carro antes que eu pudesse perguntar mais sobre esse amigo misterioso. — E não se preocupe com o que vou pensar dele. Lembre-se que eu falei com ele um par de vezes antes, então eu tenho uma pequena ideia. Você não tem ideia.

~ 204 ~


— Sim, mas não foram boas conversas. Eu só, eu não quero que você o odeie. É importante para mim. — Querida, — ele disse, passando o braço em volta do meu ombro e me puxando para perto enquanto caminhávamos até o portão. — Eu sou seu pai — ele baixou a voz para um sussurro quando ouvimos os festeiros no quintal e a chama da fogueira. — É meu dever odiar quem você escolher amar. Mas, — ele me mostrou um grande sorriso. — Você não é exatamente como as outras mulheres jovens, então por que eu esperaria que você estivesse com um homem como todos os outros? Você já viu aquele programa de namoro? O homem solteiro? Honestamente, se é daquele jeito que os jovens de hoje se comportam, fico feliz que você gosta desse cara que... como diz o ditado? Gosta de bater forte no seu próprio tambor18. Eu ri de sua falha total em dizer ‘Bater forte no seu próprio tambor’, mas quando era sobre Preppy, bater duro no seu próprio tambor funcionou bem. — Sim, pai. Algo parecido. E... — eu parei e me virei para ele. — Só... obrigada. Por tudo — eu disse em um quase sussurro. — Eu não mereço um pai tão bom quanto você. — Sim, você merece — ele argumentou quando começamos a andar de novo. — Você merece o mundo. — Mais uma coisa, — disse ele, apontando o dedo no ar enquanto o pensamento lhe chegava. — O quê? — eu perguntei, um sentimento de medo me atingiu instantaneamente. Meu pai contorceu seu rosto. — Eu tenho que chamá-lo de Preppy? — e com isso o pavor se esvaiu e nós fizemos nosso caminho para a festa, de braços dados, rindo. Eu nunca respondi. Ray e Thia já estavam sentadas ao redor da fogueira conversando. Eu apresentei meu pai a ambos e depois a Billy que fez com que meu pai falasse sobre pesca de água salgada mais que em qualquer outro momento. Enquanto conversavam, eu examinei o quintal por Preppy, que estava no canto conversando com King e Bear. Suas vozes viajavam enquanto todos falavam animadamente. — Você estava lá, porra! — gritou Bear, andando de um lado para o outro. Preppy cobriu a boca com a mão como se estivesse sufocando 18

Significa se vangloriar. ~ 205 ~


uma risada. — Você falou comigo todos os dias. Você era como minha... minha voz da razão ou alguma merda assim. — Você sabe como isso parece estúpido, Bear? — Preppy perguntou. — Quero dizer, vamos deixar de lado a sua ilusão de que você me ouviu falar dentro de sua cabeça quando você achou que eu estava morto... — ele levantou o braço acima da cabeça e apontou para si mesmo. — ...e vamos nos concentrar no que diabos você estava fumando que fez você pensar que ESTE CARA BEM AQUI poderia ser a sua fodida voz da razão? Bear puxou seus cabelos e rosnou. — Porra, eu desisto da vida, cara. — Boa decisão. Porque sério, você é uma merda nisso — Preppy disse, seguido pela risada profunda de King berrando e um gemido de Bear. Como se ele me sentisse olhando para ele, ele se virou. Quando nossos olhos se encontraram, seu sorriso só ficou mais brilhante. Ele correu pelo pátio e me levantou em seus braços. — Tenho uma surpresa para você — murmurei ao seu ouvido. — Anal? — ele gritou a pergunta. O pátio ficou em silêncio e a dúzia de frequentadores da festa voltou sua atenção para nós, incluindo meu pai que limpou a garganta. — Prep? — eu perguntei, ele ainda não tinha me soltado e estava aconchegando seu nariz em meu cabelo. — Este é meu pai — eu disse. Preppy finalmente me soltou e no movimento mais Preppy de sempre, ele também parecia não dar a mínima que ele apenas gritou a palavra ANAL na frente do meu pai que ele estava conhecendo pela primeira vez. — Oi, Sr. Capuleto. Sou Samuel Clearwater — disse Preppy alegremente. — Eu pensei bastante neste momento e queria que você soubesse que não aceitarei menos de três hectares de terra e sete das suas melhores cabras de ordenha. Essa é a minha última oferta, senhor. — então, sem titubear, ele ignorou a mão ainda estendida de meu pai e o envolveu em um apertado abraço sem me afastar do caminho. Portanto, eu me tornei a carne em um abraço sanduíche entre os meus dois homens favoritos no mundo inteiro. Eu também não podia respirar. Eu nunca fui mais feliz. ~ 206 ~


— Como é, filho? — meu pai perguntou depois de Preppy finalmente nos soltar. Bem, soltar meu pai. Eu ainda estava encurralada ao seu lado. Seu braço em volta da minha cintura, seus dedos dançando em meu quadril. Ainda. Nunca estive mais feliz. — Eu achei que é assim que tudo isso funciona? Primeiro os homens negociam. É assim que eles fazem isso nos filmes. Embora nós estejamos fazendo isso um pouco tarde, então eu posso entender a confusão, — Preppy brincou. — Que porra de filmes você está assistindo? — eu perguntei, sem me importar de ter xingado na frente do meu pai que estava olhando para Preppy como se tivesse nascido outra cabeça em seu pescoço. Eu não pude não sorrir para ele e sua loucura. Terras? Cabras? Preppy deu de ombros: — Não sei, Doc, do tipo em que animais da fazenda e as terras são trocadas antes que uma merda como esta aconteça. Talvez fosse a Princesa Noiva... — ele se perguntou, olhando para a baía por um momento antes de focalizar seu sorriso de volta em meu pai cujas sobrancelhas estavam tão firmemente juntas que fizeram um V no meio da testa tão aguda que eu pensei que poderia dividir seu rosto em dois. — Espere, como essa merda funciona? — perguntou meu pai, usando uma rara palavra. — Do que estamos falando aqui? Preppy me soltou temporariamente para ir até os coolers na grama encostados na varanda dos fundos. Ele atirou uma cerveja para o meu pai que pegou e imediatamente estalou o topo. Preppy tirou mais duas, abrindo ambas antes de me entregar uma. — Bem, eu suponho que eu poderia me conformar com menos terra. Vou te dizer uma coisa, senhor, assim que eu decidir quanta terra vai ser, eu te contato com meus novos termos. Parece bom? — Preppy perguntou, tomando um gole de sua cerveja. Meu pai suspirou, e eu tentei não rir sabendo muito bem como é conhecer Preppy pela primeira vez. — Filho, você precisa me dizer o que você está falando ou até sua medicação, porque eu sou um homem velho e você me fez andar em círculos por aqui e eu só tomei um gole de cerveja. — ele olhou para mim. — Você sabe do que ele está falando? — eu balancei a cabeça porque honestamente eu não tinha ideia, mas eu sabia que havia um ponto, sempre havia um ponto.

~ 207 ~


Bem, às vezes havia um ponto. Meu pai tomou outro gole de sua cerveja e eu fiz o mesmo, as bolhas frescas fazendo cócegas em minha língua e garganta. Claro que aconteceu que Preppy esperou até que meu pai e eu tivéssemos tomado um bocado de cerveja para explicar, o que resultou em nós dois pulverizando cerveja de nossas bocas e narizes. Em nós mesmos. Um no outro. E para o deleite dos outros, em todos dentro de um raio de três metros. — O dote, é claro, — explicou Preppy, como devíamos já ter adivinhado. — Você sabe, para a mão da sua filha em casamento. — Eu sou gado? — perguntei. — Eu não sei? Você quer ser? — Preppy perguntou, balançando as sobrancelhas. — Eu nem sei o que isso significa! — eu ri, golpeando-o no ombro. — Nossa — meu pai disse, sacudindo sua garrafa de cerveja vazia. — Acho que vou precisar de mais uma delas antes que essa conversa vá mais longe. Preppy correu para pegar outra quando Bo veio bater na minha perna. Max e Sammy estavam perseguindo ele pelo quintal. Não passou despercebido para meu pai. — Este é o famoso Bo? — ele perguntou, se agachando. Bo se escondeu atrás da minha perna. — Ele é um pouco tímido, — expliquei a meu pai. Eu me aproximei para dar ao cabelo de Bo um farfalhar. — Bo este é seu... — eu parei, sem saber do que meu pai queria ser chamado. Felizmente ele terminou para mim. Meu pai acenou pra mim. — Bo, eu sou seu vovô. Você pode me chamar de vovô ou papai ou... — eu dei ao meu pai um olhar severo para lembrá-lo de que Bo não falava. — Você pode me chamar como quiser. — papai pegou sua mão aberta e segurou seu polegar na testa dele. Bo olhou de trás de mim. Quando papai estava seguro de que Bo estava olhando, ele afastou a mão de seu rosto fazendo dois pequenos arcos no ar. — Esse é o sinal para Vovô.

~ 208 ~


Meu coração se derreteu e eu senti como se eu fosse chorar. — Que diabos há de errado com você? — Algo entrou no meu olho! — eu estalei, e meu pai apenas riu. Bo apontou para mim e sorriu para seu novo avô. — Oh, ótimo, você está se divertindo comigo também! — eu disse, fazendo cócegas nele. — Tenho algo para você, Bo, — meu pai disse. Preppy veio com a cerveja do meu pai na mão. Papai abriu a carteira. — Sua mãe diz que você tem seis anos, o que significa que devo a você seis anos de presente de aniversário, Natal, Páscoa... — ele contou várias notas antes de tirar tudo da carteira e empurrá-la nas mãos de Bo. — Pai, você não tem que fazer isso, especialmente desde que... — eu comecei, mas parei antes de falar sobre perder sua loja e danificar seu orgulho. — Especialmente desde que? Você pode dizer isso, querida, — papai disse, se levantando. Preppy se ajoelhou e ajudou um sorridente Bo a contar o seu dinheiro. — Especialmente desde que você perdeu o seu negócio — eu disse em voz baixa. Papai me surpreendeu, rindo. Preppy pegou Bo e o colocou sobre seus ombros, pendurado em seus joelhos. Bo envolveu seus pequenos braços em torno da cabeça de Preppy, cobrindo os olhos com as mãos. Preppy os levantou para poder trocar um olhar de conhecimento com meu pai. — O que está acontecendo aqui? — eu perguntei. — O que eu estou perdendo? — Seu pai não perdeu a loja — disse Preppy. — Não? Papai abanou a cabeça. — Não. Eu fui comprado. Alguma grande livraria me fez uma oferta mais que justa e eu pulei nela. Eles nem sequer querem assumir, eles me pagam para fechar e sair do caminho. De qualquer maneira, agora estou livre de dívidas e meu horário ficou melhor para passar mais tempo com minha linda filha e sua nova família. — E você sabia sobre isso? — eu perguntei a Preppy que estava inclinado para um lado, tanto quanto ele poderia sem Bo cair.

~ 209 ~


— Talvez? — ele disse, mas saiu como uma pergunta. Ele colocou Bo na grama e os dois partiram pelo pátio, perseguindo um ao outro através das pessoas que felizmente abriram caminho para o novo pai e filho. — Nós meninos. Nós conversamos — papai disse, maliciosamente. — Quando? — eu perguntei. — No dia em que você voltou de Logan’s Beach... e todos os dias depois — disse papai. Ele apontou para Preppy que pegou Bo em seus braços e estava girando ele ao redor, seus pés quase acertando Bear e King que pulou para trás e fingiu ter sido atingido. — Esse Samuel. Eu não sei o que fazer com ele. Francamente, eu não entendo metade da merda que sai da boca dele, mas eu sei uma coisa e é a única coisa que importa pra mim. — O que é? — Que ele te ama. Ele olha para você da mesma forma que eu olhava para sua mãe, mas eu não precisava ver isso para saber. Eu ouvi isso na voz dele muito antes disso, — meu pai disse, envolvendo seus braços ao redor dos meus ombros. Eu enxuguei meus olhos, fungando. — Sem lágrimas, garota, — meu pai disse com uma risada. — Este é um momento para comemorar! — Espere, — eu disse, percebendo algo. — Então, entre o dinheiro deles e o dinheiro da venda da casa de Mirna, você ficará bem? Pelo menos por algum tempo, quero dizer? Meu pai assentiu e tomou um gole de sua cerveja. — Filha, seu velho vai ficar bem até que Bo esteja pronto para ir para a faculdade. E isso é só com o dinheiro da venda da loja. Eu nunca toquei no dinheiro que você colocou em minha conta da casa de Mirna. Eu o transferi de volta pra cá em uma conta em nome de Bo. Você pode usar ele para sua faculdade ou qualquer outra coisa que ele vai precisar quando crescer. Confie em mim, as crianças são caras, — disse ele com um sorriso. Papai deu outro aperto no meu ombro. — Vou procurar o quarto dos meninos. Eu o observei caminhar em direção à casa. Eu puxei minhas mangas imaginárias. Preppy veio ao meu lado e colocou as mãos nos joelhos. Ele estava sem fôlego de correr com Bo que agora estava feliz perseguindo Max e Sammy ao redor do quintal. ~ 210 ~


Apertei os lábios, tentando não rir. — Eu não estou sem fôlego, você me tira o fôlego — disse ele, de pé e me puxando contra seu peito. Ele me deu um beijinho na bochecha e foi novamente, se dirigindo para as três crianças fazendo barulhos de monstro. — Um centavo por seus pensamentos? — Ray perguntou, chegando com uma mão no bolso de trás e uma cerveja na outra. — Meu pai, ele nunca usou o dinheiro da venda da casa de Mirna, — eu disse, ainda não conseguindo acreditar no que ele acabou de me dizer. — O dinheiro, ele colocou em uma conta para Bo. — Eu sei — disse Ray. — Estou feliz por ele ter feito isso, mas eu gostaria de ter sabido mais cedo. Espere, você sabe... — Sim, eu sei, — ela admitiu. — Mais cedo quando? Como antes de vender a casa? — Sim, — eu concordei, mais confusa do que nunca. — Mas oh bem, eu acho que as coisas acontecem por uma razão. Quero dizer, eu não posso acreditar que meu pai tem uma oferta tão grande na loja quando estava falhando tão miseravelmente. Se eles só pagaram para fechar ou não, parece estranho que uma empresa pagaria tanto dinheiro para um negócio falindo. — É estranho, porque nunca aconteceu. — Hã? Ray se balançou de novo em seus pés. Meu pai saiu da casa e eu oficialmente o apresentei a Ray. — Sr. Capuleto, Dre estava me contando sobre a venda do seu negócio, parabéns. Diga-me, você se lembra do nome da empresa que comprou sua loja? — ela perguntou, mastigando seu lábio. Meu pai olhou para cima e torceu seus lábios. — Deixe-me pensar. Oh sim, agora eu me lembro. Bow Tied19 Books. — ele apontou para Preppy. — Combina, não é? — ele perguntou, não fazendo a mesma conexão que eu. Eu cuspi minha cerveja e Ray riu. — Você está bem? — meu pai perguntou.

19

Gravata borboleta. ~ 211 ~


— Sim, esta cerveja está choca. Isso é tudo. Uma das GG veio para se apresentar ao meu pai. — Eu disse a você, — Ray cantou em meu ouvido. — E aqui, isso pertence a você — ela disse, jogando-me um jogo das chaves que eu as reconheci imediatamente pelo chaveiro verde do pé de coelho afortunado de Mirna. — Eu já assinei de volta para você e Preppy. — Como? — eu perguntei. Ray encolheu os ombros. — É uma longa história. — Eu pagarei você de volta. Eu vou... — Não, — Ray disse, fechando minha mão em torno das chaves. — Isto é o que a família faz. — ela olhou para Preppy, que agora tinha Bo nas suas costas e estava correndo atrás de King e Sammy enquanto Max gritava ao redor deles, escondendo atrás das pernas de Bear. — E goste ou não, você é família agora. — e com isso Ray se aproximou de King e ficou nas pontas dos pés, plantando um pequeno beijo em sua boca. Ele devolveu seu beijo com um dos dele que não era tão simples. — Dre, você sabe se há algum vinho por aí? — meu pai perguntou. — Sandra não é uma grande fã de cerveja. Eu sorri para a senhora de cabelos grisalhos com a qual meu pai tinha o braço ligado. — Sim. Eu acho que há uma garrafa de vinho tinto lá dentro. — eu corri até a varanda e levei um minuto para encontrar uma garrafa de vinho que tinha poeira sobre ela. Eu estava tentando encontrar um abridor quando percebi que era uma tampa de rosca. — Esperançosamente Sandra não se importaria com vinho barato, — eu disse a mim mesma. Com uma garrafa de cerveja na mão, virei-me e parei a ponto de bater em Bo, que tinha uma carranca no rosto onde apenas momentos antes ele estava sorrindo de orelha a orelha. — Ei, Bo! Qual é o problema? — eu perguntei, agachando-me e inspecionando-o para qualquer lesão. Ele sacudiu vigorosamente a cabeça de um lado para o outro. Ele olhou para mim e seus olhos se arregalaram. O terror estava escrito em todo seu rosto perfeito de bebê. Quando eu percebi que não era eu que ele estava olhando, mas algo sobre o meu ombro, já era tarde demais. Eu reagi tarde demais.

~ 212 ~


Uma mão forte segurando um trapo veio sobre meu nariz e boca, a outra segurando a parte de trás do meu pescoço. Antes que eu pudesse pensar em lutar contra o que quer que fosse ou quem estava atrás de mim, meus membros ficaram entorpecidos. Meu cérebro flutuava em meu crânio. A imagem assustada de Bo ficou embaçada, e então de lado quando eu bati no chão. Meu coração quebrou. Bo estava com medo de eu não poder ajudá-lo. Eu não podia protegê-lo. Apenas alguns dias e eu já tinha falhado como sua mãe. Quando a escuridão me reclamou, ouvi um grito estrangulado. Um som bonito, mas doloroso. Eu derivei para algum lugar desconhecido, grata que a última coisa que eu pude ouvir era a voz pequena do meu filho pela primeira vez. Mesmo que ele estivesse gritando. — Mamãaaaaaaaaaaae!

FIM Por enquanto...

~ 213 ~


Série King #6 Preppy The Life & Death of Samuel Clearwater (Part Two) T. M. Frazier