Issuu on Google+


NOTA DA AUTORA

Embora tenha tentado permanecer fiel ao que acontece na política e na campanha eleitoral, este é, finalmente, uma história de amor entre Matt e Charlotte. Esta é uma obra de ficção; portanto, eu tomei algumas liberdades no mundo político, de modo que eu poderia criar a história que eu quisesse contar. Este não é um livro político, mas uma história de amor nascida no mundo da política. Eu espero que você fique tão imerso com esses dois como eu fiquei. Então entre, tire os sapatos e fique à vontade...

Disponibilização: Curly Claire Tradução: Equipe Curly Claire Revisão: Curly Leitura Final e Formatação: Niquevenen


ELE GANHOU O CORAÇÃO DE MILHÕES. MAS ELE ESTÁ DISPOSTO A PERDER O SEU?

Conheci o filho do presidente quando éramos jovens. Matthew Hamilton era bonito, polido e inteligente. Eu nunca conheci um cara como ele. Ele me prometeu que nunca iria concorrer à presidência. Prometi que se o fizesse, estaria ao seu lado. Três mandatos mais tarde, um convite para participar da campanha de Matthew Hamilton é a oportunidade mais estimulante que já experimentei. Estou determinada a fazer a diferença; ele está determinado a vencer. Focado em seu objetivo, Matt é firme, implacável e desarmante. Todos os olhos estão sobre ele e sua popularidade está surgindo. Mas logo, o próximo possível presidente dos Estados Unidos está me possuindo em mais de uma maneira — e apesar dos riscos, estou impotente para resistir. Estamos roubando toques, roubando momentos e roubando à noite. Mas nossa conexão química está rapidamente se tornando perigosamente inflamável, colocando não apenas meu coração, mas a chance de Matt na presidência na linha. Se ele ganhar vai levar tudo. Ficar afastada será a coisa mais dura de todas.


Para o futuro

NOTA DA AUTORA Embora eu tenha tentado permanecer fiel ao que acontece na política e na campanha, esta é, em última instância, uma história de amor entre Matt e Charlotte. Esta é uma obra de ficção; portanto, tomei algumas liberdades com o mundo político para que eu pudesse elaborar a história que eu ansiava em contar. Este não é um livro político, mas uma história de amor no mundo da política. Espero que você seja tão arrebatado por esses dois como eu. Portanto, se resolver, tire seus sapatos e entre...


PLAYLIST Hall of Fame - The Script Close - Nick Jonas Make Me Like You - Gwen Stefani Talk Me Down - Troye Sivan If I Had You - Adam Lambert Something in the Way You Move - Ellie Goulding Tear In My Heart – Twenty One Pilots Come Down To Me - Saving Jane Secret Love Song - Little Mix (feat Jason Derulo) Forbidden Love - The Darkness Perfect Ruin - Kwabs You’re Beautiful - James Blunt The Reason – Hoobastank

1

SEU NOME É MATTHEW Charlotte

ESTAMOS em uma suíte no Hotel Jefferson, onde Benton Carlisle, o gerente de campanha, está fumando seu segundo pacote de Camels com a janela aberta. Exatamente a seis metros daqui, a Casa Branca está toda iluminada durante a noite.


Todos os televisores dentro da suíte foram colocados em diferentes canais de notícias, onde as âncoras continuam informando sobre os progressos da contagem dos votos da eleição presidencial deste ano. Os nomes dos candidatos estão sendo especulados com três nomes, para ser mais exata. O candidato Republicano, o candidato Democrata, e o primeiro verdadeiramente forte candidato independente na história dos EUA, o filho de um ex-presidente e por trinta e cinco anos, o candidato mais jovem da história. Meus pés estão me matando. Eu estive usando as mesmas roupas desde que deixei meu apartamento esta manhã, fui para a estação de voto, e votei. Toda a equipe que fez a campanha no ano passado se encontrou aqui ao meio-dia nesta suíte. Nós estamos aqui há mais de doze horas. O ar é denso com a tensão, especialmente quando ele caminha para a sala depois de tomar uma pausa e se dirigir para um dos quartos para falar com seu avô, que está ligando de Nova York. Seu porte com ombros largos aparece na porta. Os homens entram na sala, as mulheres se endireitam. Há algo sobre ele que chama a atenção, a sua altura, seu olhar forte, mas irritantemente quente, a robustez polida que só o faz parecer mais masculino em um terno de negócio, e seu sorriso contagiante, tão real e envolvente que você não pode fazer nada a respeito, além de sorrir de volta. Seus olhos pausam em mim, visualmente medindo a distância entre nós. Parti para uma mensagem e apenas voltei, e é claro que ele percebe. Eu tento ficar composta. —Eu trouxe algo enquanto aguarda. — Falo tão suavemente quanto eu posso e lanço minha cabeça em um dos quartos com um saco marrom fechado com alimentos. Ele me segue. Ele não fecha a porta — noto isso, mas ele empurra de modo que apenas uma polegada permaneça aberta, dando-nos o máximo de privacidade possível. Eu retiro uma batata frita do saco e passo para ele. —Você esqueceu seu casaco, — eu digo. Ele olha para seu casaco, então os mais belos olhos escuros tão expressivos


levantam até os meus. Uma olhada. Um escovar de dedos. Um segundo de reconhecimento. Sua voz é baixa, quase íntima. —Isso teria sido difícil de explicar. Nossos olhos permanecem fixos. Quase não consigo deixar ir seu casaco e ele quase não quer pegá-lo. Ele estende a mão e tira, seu sorriso suave e triste e seu olhar perspicaz. Eu sei exatamente por que seu sorriso é triste, porque é macio com ternura. Porque eu mal estou conseguindo seguir esta noite e não há nenhuma maneira que este homem — que este homem que sabe tudo — não saiba. Matthew Hamilton. Possível futuro presidente dos Estados Unidos. Ele deixa o casaco de lado e não faz nenhum movimento para sair da sala, e eu olho para fora da janela enquanto tento não olhar para todos os seus movimentos. Pela janela aberta, uma brisa que cheira a chuva recente e os cigarros de Carlisle voa para o quarto. Washington parece mais calma nesta noite do que o habitual, a cidade ainda parece estar prendendo a respiração junto com o resto do país, juntamente comigo. Silenciosamente nos dirigimos para a sala para se juntar aos outros. Tenho muito cuidado para tomar um lugar na sala que é quase oposto a ele — instinto. A autopreservação talvez. —Eles estão dizendo que você tem Ohio, — Carlisle o atualiza. —Sim? — Matt pergunta, arqueando uma sobrancelha, então ele olha ao redor da sala, assobia para Jack, seu Pastor Alemão preto brilhante, para vir. O cachorro caminha por toda a sala e pula sobre o sofá, fixando-se no colo de Matt e o acaricia no topo de sua cabeça. —... Isso é certo, Roger, a campanha de Matt Hamilton teve um feito impressionante este ano, até que, bem, esse incidente... — os âncoras discutem. Matt pega o controle remoto e desliga. Ele olha para mim brevemente. Mais uma conexão, mais um olhar silencioso.


A sala fica em silêncio. Na minha experiência, caras adoram falar de si e de suas realizações. Matt, pelo contrário, evita. Como se ele estivesse doente de requentar a tragédia da história de sua vida. A história que tem sido o centro das atenções da mídia desde que sua campanha começou. Você pode observar diferentes graus de respeito na voz de uma pessoa quando eles falam sobre um determinado presidente dos EUA. Para alguns presidentes, o grau é inexistente, o tom mais parecido com desprezo. Para outros, o nome é transformado em algo mágico e inspirador, enchendo-o com o mesmo sentimento que você deveria ter quando olha para a bandeira americana com seu vermelho, branco, e azul: orgulho e esperança. Tal foi o caso com a presidência de Lawrence Hamilton — a administração começou pelo pai de Matt vários termos atrás. Meu próprio pai, que até então tinha apoiado a parte contrária, logo se tornou um torcedor Democrata convicto, influenciado pelo carisma do presidente Hamilton. O homem tem uma incrível conexão com as pessoas espalhadas por todo lugar e não apenas a nação, mas no exterior, o que melhora as nossas relações internacionais. Eu tinha onze anos quando fui apresentada ao charme lendário de Hamilton. Matt Hamilton, em sua adolescência, quando seu pai começou seu primeiro mandato, tinha tudo, seu futuro brilhante. Eu, por outro lado, ainda era muito menina, sem ideia de quem eu era ou onde estava indo. Mais uma década depois, mesmo agora eu luto com a sensação de fracasso de ter não vivido para algo importante. Um trabalho significativo e um cara que eu amasse, essas eram coisas que eu queria. Meus pais queriam mais de mim — política. Fui para os serviços sociais ao invés disso. Mas não importa quantas pessoas eu ajudei, o quanto eu disse a mim mesma que ser um adulto só significa que eu começarei a fazer a diferença, mas não posso me ajudar porque sinto que não vivi à altura do que meus pais queriam para mim. Mas o que eu queria para mim. Porque neste momento enquanto esperamos que o próximo Presidente dos Estados Unidos seja anunciado, tanto daqueles sonhos meus pairam no ar e eu estou com medo quando os resultados saírem, que ambos farão minhas esperanças desaparecer.


Eu espero em silêncio enquanto os homens conversam, a voz de Matt me atingindo ocasionalmente. Ignorando, se isso for possível, mas é tudo o que posso gerenciar hoje. A suíte é grande, decorada com os apelos dos gostos de quem pode pagar quartos que custam milhares de dólares por noite. O tipo de hotel que oferecem balas nos travesseiros e eles têm sido extremamente hospitaleiros conosco, porque Matt é uma celebridade. Eles foram tão longe ao ponto de enviar até pretzels de iogurte depois que a imprensa fez com que todos soubessem que ele é seu favorito. Havia até mesmo uma garrafa de champanhe no refrigerador. Matt pediu a um dos assessores de campanha para removê-la da sala. Todo mundo ficou surpreso, todos sentiram que isso significava que Matt pensava que tinha perdido a eleição. Eu sei que não é o caso, instintivamente. Eu simplesmente sei que se os resultados não são o que ele esperava, ele não vai querer que o champanhe fresco fique ali, um lembrete de sua perda. Deixando Jack no sofá, ele inquietamente anda em toda a sala e se senta ao lado de seu gerente de campanha perto da janela, e acende um cigarro. Memórias aparecem na minha cabeça. Dos meus lábios circulando o mesmo cigarro que estava em seus lábios. Eu observo Jack, seus olhos de filhote são quentes e levemente abana a cauda para evitar olhar para ele. O cachorro levanta a cabeça em alerta quando Mark entra na sala, ofegante, os olhos arregalados, como se ele não pudesse acreditar o que aconteceu, ou está acontecendo. Ele informa a todos que a contagem saiu. E quando ele anuncia o nome do próximo Presidente dos Estados Unidos da América, os olhos de Matt bloqueiam nos meus. Uma olhada. Um segundo. Um nome. Eu fecho meus olhos e abaixo minha cabeça ao ouvir a notícia, a sensação de perda me oprimindo.


2

E MATTHEW É COMO EU PENSEI POR ANOS

Charlotte Dez meses atrás...

DESDE QUE EU comecei a trabalhar por tempo integral, meus dias parecem chegar rápido e minhas noites são mais curtas. Quando fiquei mais velha, grandes encontros perderam seu significado, e reuniões esporádicas entre pequenos grupos de amigos é algo que agora adoro desfrutar. Eu estou tendo um aniversário hoje, e em nossa cabine está minha melhor amiga Kayla, seu namorado Sam, eu e Alan, uma espécie de amigo/pretendente e quem insistiu em celebrar, pelo menos por mais um pouco esta noite. —Você está fazendo vinte e dois hoje, querida, — Kayla diz enquanto levanta o copo de coquetel na minha direção. —Espero que agora você vá finalmente arrastar o seu traseiro e votar na eleição presidencial do próximo ano. Eu gemo, as opções até agora não me deixam animada. O concorrente atual e antipático presidente que está no seu segundo mandato? Ou os candidatos de partidos opostos, alguns que são simplesmente muito difíceis de considerar seriamente com a ideologia radical que eles estão abraçando. Às vezes parece que eles estão apenas dizendo a coisa mais louca que vem à mente para deixa-los no


topo. —Seria interessante se Matt Hamilton vencesse, — Sam acrescenta. Minha bebida espirra sobre a minha camisa à menção dele. —Ele tem o meu voto no automático, — Sam continua. —Sério? — Kayla levanta uma sobrancelha e continua a baber a tequila. — Charlotte conhece Hammy. Eu zombo e rapidamente passo a mão sob a mancha úmida na minha camisa. — Eu não, eu realmente não o conheço, — eu garanto aos rapazes, em seguida, faço uma careta para Kayla. —Eu não sei de onde você tirou isso. —Eu tirei a verdade de você. —Eu... nós... — Balanço a cabeça, atirando-lhe um olhar mal. —Nós já nos conhecemos, mas isso não implica que o conheço. Eu não sei a primeira coisa sobre ele. Eu sei tanto sobre ele como todos sabem e a imprensa é quase confiável. Deus! Eu não sei por que eu disse a Kayla as coisas que fiz a Matthew Hamilton... em uma idade quando eu era jovem e claramente muito impressionável. Eu cometi o erro de declarar a minha melhor amiga que eu queria casar com o cara. Mas mesmo assim, pelo menos, tive a inteligência de fazê-la prometer de que nunca diria a uma alma viva. Promessas de infância sempre tendem a parecer tão infantil quando somos adultos, eu acho, e ela não se importa de insinuar agora. —Vamos lá, você o conhece, e você foi apaixonada por ele durante anos, — Kayla diz, rindo. Eu assisto seu namorado me dar um olhar de desculpas. —Eu acho que Kay está pronta para ir para casa. —Eu não estou, porque não bebi o suficiente, — ela protesta quando ele a leva para fora da cabine. Ela geme, mas permite que ele a coloque em pé, e então se vira para Alan. —Qual é a sensação de competir com o homem mais quente da história? —Como? — Pergunta Alan. —A revista People sobre o Homem Mais Sexy Que Existe, você sabe... — Conta


Kayla. —Qual é a sensação de competir com ele? Alan envia a Sam um olhar que definitivamente diz sim, ela está pronta para ir para casa, cara. —Ela está tão bêbada, — Peço desculpas a Alan. —Venha aqui, Kay, — eu digo quando passo meu braço em volta da sua cintura, enquanto Sam permite que ela segure em seu ombro. Juntos, nós a ajudamos até lá fora e dentro de um táxi Alan a envia para casa. Alan e eu pegamos o próximo táxi. Ele dá ao taxista meu endereço, em seguida, se vira para mim. —O que ela quis dizer? —Nada. — Eu olho para fora da janela, meu estômago desaba sobre mim. Tento rir, mas me sinto mal com o pensamento das pessoas realmente saberem quão apaixonada eu estava por Matt Hamilton. —Eu tenho vinte e dois anos, isso aconteceu dez ou onze anos atrás. Foi uma paixonite. —Uma paixonite que acabou, certo? Eu sorrio. —Claro, — eu tranquilizo-o, em seguida, viro para olhar as luzes da cidade piscando enquanto passamos por toda a cidade em direção à minha casa. Uma paixonite que acabou, é claro. Você não pode acabar nada com alguém que você só viu, tipo o quê? Duas vezes? A segunda vez foi tão fugaz e num momento tão esmagador no tempo... e a primeira... bem. Foram onze anos atrás, e eu de alguma forma, lembro tudo sobre ele. Ainda é o dia mais emocionante que eu posso recordar, embora eu não goste do efeito que o filho do Presidente Hamilton teve na minha adolescência. Eu tinha onze anos. Nós vivíamos em um prédio de dois andares à leste de Capitol Hill em Washington, D.C. Meu pai, minha mãe, um gato malhado chamado Percy, e eu. Nós tínhamos uma rotina diária; eu ia a escola, mamãe ia para o escritório Mulheres do Mundo, papai ia para o Senado, e Percy dava-nos o tratamento silencioso quando todos chegavam em casa. Nós não fazíamos nada longe da nossa rotina, como meus pais preferiam, mas naquele dia algo interessante aconteceu. Percy foi enviado para o meu quarto, o que significava que a mãe não o queria


causando prejuízo. Ele ficava enrolado no pé da minha cama, lambendo suas patas, não estava interessado nos ruídos do andar de baixo. Ele só fez uma pausa para olhar de vez em quando para mim enquanto eu olhava através de uma pequena fenda na minha porta. Eu estava sentada pelos últimos dez minutos, observando o Serviço Secreto entrar e sair da minha casa. Eles falavam em voz baixa em seus fones de ouvido. —Robert? Uma última vez. Este? Ouuuu este? — A voz da minha mãe flutuava no meu quarto do outro lado do corredor. —Este aqui. — Meu pai parecia distraído. Ele foi, provavelmente, se vestir. Houve uma pausa grave, e eu quase podia sentir a decepção da minha mãe. —Eu acho que vou vestir este, — disse ela. Minha mãe sempre perguntava a meu pai o que vestir para as noites especiais. Mas se ele não pegasse o vestido que ela queria, acabava usando o que ela achava que ele fosse escolher. Eu podia imaginar a minha mãe arrumando o preto e colocando cuidadosamente o vestido vermelho em cima da cama. Meu pai não gosta quando minha mãe tinha muito a atenção, mas minha mãe adora. E porque não? Ela tem olhos verdes deslumbrantes e um cabelo loiro cheio. Embora meu pai seja vinte anos mais velho, minha mãe parece mais jovem a cada dia. Eu sonhava em crescer para ficar tão bonita e equilibrada como ela é. Eu me perguntei que horas eram. Meu estômago roncou quando o aroma de especiarias brincou com minhas narinas. Alecrim? Manjericão? Talvez todos estejam misturados, não importa quantas vezes Jessa, nossa governanta, explicou qual é qual. Lá embaixo, o chef de algum restaurante chique estava cozinhando na nossa cozinha. O Serviço Secreto estava preparando a casa durante horas. Tinham me dito que a comida do presidente iria ser provada antes de ser servida a ele. A comida parecia tão deliciosa que ficaria feliz em saborear cada pedaço. Mas meu pai pediu a Jessa para me deixar no andar de cima. Ele não queria que eu ficasse porque era “muito jovem”.


E daí? Eu pensei. As pessoas costumavam se casar com a minha idade. Eu era velha o suficiente para ficar em casa sozinha. Eles queriam que eu agisse com maturidade, como uma dama. Mas qual era o ponto, se eu nunca cheguei a fazer o papel que estavam me preparando? —É um jantar de negócios, não é uma festa, e Deus sabe que precisamos que as coisas ocorram bem, — Pai resmungou quando tentei defender minha causa. —Pai, — eu gemi. —Eu posso me comportar. —Você realmente acha que Charlotte pode se comportar? — Ele atirou a minha mãe um olhar, e minha mãe sorriu para mim. —Você não faz onze até a próxima semana. Você é muito jovem para esses eventos. Vai ser nada além de falarmos de política. Basta ficar em seu quarto. —Mas é o presidente, — eu disse com tanta convicção que minha voz tremia. Minha mãe saiu do quarto dela naquele vestido vermelho glorioso que com bom gosto caia sobre sua figura e me viu olhando ansiosamente para o andar de baixo. —Charlotte, — disse ela, com um suspiro. Arrumei-me da minha posição agachada. Ela suspirou novamente, então caminhou até seu quarto, pegou o telefone em sua mesa de cabeceira, discou, e disse: — Jessa, você pode ajudar Charlotte a se vestir? Meus olhos se arregalaram e, milagrosamente, Jessa de repente correu para o meu quarto, sorrindo alegremente e balançando a cabeça. —Menina! Você iria convencer um rei a deixar sua coroa! —Eu juro que não fiz nada. Mamãe simplesmente me viu espiando e deve ter percebido que esta é uma oportunidade única na vida. —Tudo bem, então, vamos colocar seu cabelo em uma longa trança, — Jessa disse quando começou a abrir as gavetas da minha vaidade. —Qual vestido que você vai vestir? —Eu só tenho uma opção. — Mostrei-lhe o único vestido que ainda cabia e ela me ajudou a colocá-lo cuidadosamente. —Você está crescendo rápido demais, — disse ela com carinho quando me levou para o espelho. Ela ficou atrás de mim e escovou meu cabelo.


Olhei para o meu reflexo e admirava o vestido. Eu gostei de como o tecido de cetim azul era. Imaginei-me de pé ao lado de minha mãe em seu vestido vermelho e meu pai em seu terno perfeitamente adaptado. Entrando no mundo misterioso e proibido de meus pais era emocionante, mas nada era mais emocionante do que encontrar com o presidente. Quando o presidente chegou, um grupo de homens se arrastou atrás dele, todos com ternos. Eles eram altos e bonitos, mas eu estava muito ocupada olhando para o jovem junto ao presidente para notar qualquer outra coisa. Ele era lindo. Seu cabelo era da cor de areia, e embora tenha sido penteado para trás, era indisciplinado nas extremidades e se enrolava no colarinho. Ele era uma polegada mais alto do que o presidente. Seu terno parecia mais nítido, mais adaptado. Ele estava olhando para mim, e embora seus lábios não se movessem e sua expressão não revelasse nada, eu poderia jurar que seus olhos estavam rindo de mim. Presidente Hamilton apertou a mão de minha mãe antes de cumprimentar o meu pai. Tirei meus olhos longe do jovem ao lado dele e vi os lábios do presidente enrolar um pouco quando ele olhou para mim. Quando foi a minha vez, eu levantei a mão. —Minha filha, Charlotte... —Charlie, — eu corrigi. Mãe sorriu. —Ela insiste em não perder a diversão. —Pequena menina. — O presidente sorriu para mim, apontando para o lado com evidente orgulho quando apontou para o jovem ao lado dele. —Meu filho, Matthew. Ele vai ser presidente um dia, — disse ele conspiratório. O homem que eu não conseguia parar de olhar riu baixinho. Foi uma risada baixa e profunda, e isso me fez corar. De repente, eu não queria apertar sua mão. Mas como eu poderia evitá-lo? Ele pegou minha mão na sua, era quente, seco e forte. A minha era suave e tremia. —Absolutamente não, — ele disse e piscou para mim. Eu sorri para ele timidamente e percebi que meus pais estavam nos observando com cuidado. —Você não se parece com um presidente, — falei ao presidente


Hamilton. —E como um presidente deve parecer? —Velho. Presidente Hamilton riu. —Dê-me um tempo. — Ele apontou para o cabelo branco brilhante e bateu nas costas de Matthew então deixei os meus pais levá-lo para a sala de jantar. Os adultos voltaram a falar de política e contas, enquanto eu foquei na deliciosa comida. Quando meu prato estava limpo, chamei o garçom e calmamente disse que queria mais. —Charlotte, — meu pai avisou. O garçom olhou para o meu pai, de olhos arregalados, depois para mim, assim com os olhos arregalados, e eu tentei repetir muito calmamente a pergunta. O presidente me olhou com interesse. Sentindo-me preocupada, eu me perguntava se era falta de educação pedir mais antes mesmo de já tendo terminado. Matthew tinha uma expressão séria no rosto, mas seus olhos pareciam estar rindo de mim novamente. Seu olhar não deixou os meus quando disse para o garçom, —Vou querer mais também. Eu atirei-lhe um sorriso agradecido, em seguida, comecei a ficar nervosa novamente. Seu sorriso era tão poderoso. Eu podia sentir isso perfurando meu coração. Olhei para as minhas mãos descansando em meu colo e admirei meu vestido. Eu esperava que Matthew achasse que eu estava bonita. A maioria dos caras na escola achava. Pelo menos, isso é o que me disseram. Enquanto meus pais conversaram com o presidente e Matthew, eu brincava com minha trança, colocando-a ao lado do meu ombro, então nas minhas costas. A atenção de Matthew voltou para mim, e quando seus olhos brilharam com um sorriso mais tranquilo, o tamborilar no meu estômago voltou. O garçom trouxe-nos dois novos pratos cheios de codornas recheadas e quinoa. Meus pais ainda estavam olhando para mim como se fosse muito ousado da minha parte repetir na frente do presidente.


Matthew se inclinou sobre a mesa e disse: — Nunca deixe ninguém dizer que você é muito jovem para pedir o que quiser. —Oh, não se preocupe, às vezes eu não peço. Isto me fez ganhar um bom riso de Matthew. O presidente fez uma careta para ele, depois piscou para mim. Quando Matthew voltou sua atenção para o grupo, eu notei seus olhos ficarem num tom mais claro do que o preto, como chocolate. Fiquei ali sentada, tentando absorver tudo, sabendo que naquele momento, naquela noite, seria a mais excitante experiência da minha vida. Mas como tudo na vida... isso não iria durar para sempre. Eu assisti com decepção quando o presidente levantou de seu assento e começou a agradecer aos meus pais pelo jantar. Levantei-me também, meus olhos fixos em Matthew. A maneira como ele se levantou, a maneira como ele andava, a maneira como ele parecia. Eu comecei a me perguntar como era seu cheiro também. Segui o grupo em silêncio em direção ao foyer. O presidente virou-se e bateu no seu rosto presidencial. —Um beijo, mocinha? Sorrindo, levantei-me na ponta dos pés e beijei sua bochecha. Quando voltei para a posição normal, meu olhar pegou o de Matthew. Como se no automático, meus dedos ressuscitaram. Parecia natural eu lhe dar um beijo de despedida também. Quando meus lábios roçaram sua mandíbula, era duro e fez um pouco de cócegas. Era como se estivesse beijando uma estrela de cinema. Ele virou a cabeça e beijou minha bochecha, em troca, e eu quase engasguei em voz alta a partir da surpresa de sentir os seus lábios na minha bochecha. Antes que eu pudesse me recompor, ele e o presidente saíram pela porta, e toda a azáfama do dia virou-se para tranquilizar os mortos. Apressando-me no andar de cima, assistir irem embora da janela do meu quarto. O presidente foi levado à parte de trás do seu carro preto brilhante com um motorista. Antes que ele entrasse, o presidente bateu na parte de trás da cabeça de Matthew e apertou a parte de trás de seu pescoço em um gesto amigável.


O buraco no meu estômago se transformou em uma bola quando desapareceram dentro do carro. O carro começou sair em nosso bairro tranquilo, pequenas bandeiras americanas batendo na frente. Um rastro de carros seguiu-os, um após o outro. Fechei minha janela, fechei as cortinas, então tirei o vestido e pendurei-o cuidadosamente. Eu, então, coloquei meu pijama de flanela e deitei na cama quando minha mãe entrou. —Essa foi uma noite agradável, — disse minha mãe. —Você se divertiu? Ela sorriu como se estivesse rindo para si mesma de alguma coisa. Concordei com honestidade. —Eu gostei de ouvir as conversas. Eu gostei de todo mundo. Ela continuou sorrindo. —Matthew é bonito. Você notou, é claro. Ele também é inteligente como um chicote. Eu balancei a cabeça em silêncio. —Seu pai e eu estamos escrevendo uma carta ao presidente para agradecê-lo por passar sua noite com a gente. Você quer escrever-lhe também? —Não, obrigada, — eu disse formalmente. Ela ergueu as sobrancelhas e riu. —OK. Tem certeza disso? Se você mudar de ideia, deixe no hall de entrada amanhã. Mãe deixou o meu quarto e eu estava deitada na cama, pensando na visita, sobre o que o presidente havia dito sobre Matthew. Decidi que iria escrever uma carta para Matthew, só porque eu não conseguia parar de me sentir intimidada e espantada com a visita. E se eu não tiver apenas conhecido um presidente esta noite, mas dois? Isso deve ser uma grande coisa, com certeza. Eu usei a primeira página dos artigos de papelaria que minha avó me enviou no meu aniversário, e na minha melhor caligrafia, escrevi: — Eu quero agradecer a você e ao presidente por terem vindo. Se você decidir se candidatar para presidente, você tem o meu voto. Até mesmo estarei disposta a participar de sua campanha. Lambi o selo e fechei com firmeza, coloquei a carta na minha cabeceira. Então desliguei o interruptor de luz e fiquei debaixo das cobertas.


Deitei na cama e no escuro. Ele estava em toda parte. No teto e nas sombras e no edredom. E eu me perguntava se o verei de novo e de repente o pensamento de ele nunca mais me ver agora já crescida me fez sentir uma dor no peito. Estou tão perdida em meus pensamentos que eu não percebi que Alan estava estudando meu perfil. —Uma paixonite que acabou, certo? — ele pergunta novamente. Viro-me para ele, assustada ao perceber que já paramos na frente do meu prédio. Eu rio e saio do carro, olhando para dentro. —Absolutamente. — Aceno com mais firmeza neste momento. —Estou focada na minha carreira agora. — E fecho a porta atrás de mim, acenando.

3

ANÚNCIO Matt

EU NUNCA FUI o tipo de garoto tentado a experimentar os sapatos do meu


pai. Muito limpo, muito clássico, muito grande. Mas, estranhamente, os sapatos são o que me lembro mais claramente sobre ele, andando em um círculo perfeito em torno de sua mesa durante uma tensa chamada telefônica. Eu aos seus pés, construindo um quebra-cabeça. Meu pai se esforçou pela perfeição em todas as coisas, incluindo sua aparência. Começando pelo seu terno de corte impecável, com o rosto suavemente raspado e o cabelo bem cortado. Enquanto eu, jovem e ignorante, sonhava com liberdade. Liberdade da vida privilegiada que o sucesso do meu pai deu a minha mãe e eu. Mil vezes, meu pai disse que eu seria presidente. Ele disse aos seus amigos, amigos dos seus amigos, e muitas vezes ele disse para mim também. Eu ria e fazia pouco caso. Durante os sete anos que passei crescendo na Casa Branca, e teve também os mesmos sete anos que passei rezando para sair da Casa Branca. Política me interessava, sim. Mas eu sabia que meu pai raramente dormia. A maioria das escolhas que ele fez estava errada para uma determinada percentagem da população, mesmo quando havia um ponto para a maioria. Minha mãe perdeu o marido no dia que ele entrou na Casa Branca. Eu perdi meu pai no dia em que ele decidiu que ser presidente seria o seu legado. Ele tentou fazer malabarismos com tudo, mas nenhum ser humano no mundo poderia governar o país e ainda ter energia para sua mulher e filho adolescente. Eu me concentrei em minhas notas e na minha graduação, mas fazer amizades era difícil. Eu não poderia casualmente convidar qualquer pessoa para a Casa Branca. Minha vida, como eu imaginava depois da Casa Branca, seria focada no trabalho, talvez em Wall Street. Eu teria a liberdade para fazer todas as coisas que nunca poderia sob o olhar atento da América. Pai correu para a reeleição, e ganhou. Então, três anos depois de seu segundo mandato, um cidadão infeliz colocou duas balas nele. Uma no peito, a outra em seu estômago.


Já se passaram milhares de dias desde então. Muitos anos gastando para viver do passado. Agora, quando fecho meus botões de punho e aliso minha gravata, acho que voltei para os sapatos e percebo que estou prestes a entrar neles. —Pronto, senhor? Eu aceno, e ele puxa para trás a cortina. O mundo está assistindo. Eles estavam especulando, esperando, perguntando. Será que você, não vai... Por favor, por favor, não... Ele vai ganhar se tiver que ser... Ele não tem chance... Eu espero que o ruído diminua, inclino-me em direção ao microfone, e digo: — Senhoras e senhores, tenho o prazer de anunciar que eu estou concorrendo oficialmente para Presidente dos Estados Unidos da América.

4


AS NOTÍCIAS Charlotte

NA MANHà DEPOIS DO MEU ANIVERSÁRIO, noto que a luz da minha secretária eletrônica está piscando. Aperto o play, meio escutando quando deito na cama, tentando sacudir minha dormência para longe. — Charlotte, é sua mãe, me ligue. — Charlotte, atenda ao telefone. Após uma terceira mensagem semelhante, levanto, pego um café, e retorno as ligações da minha mãe. — Você ouviu o rumor? — Ela pergunta no lugar de uma saudação. — Eu estive dormindo nas últimas... sete horas. — Eu balbucio. — Que rumor? — Está em rede nacional! E nós fomos convidados para o discurso da posse da campanha, Charlie, você deve vir. Hora de você colocar seus pés na política. Meu primeiro pensamento é o mesmo que eu tive há anos. Que eu não quero estar na política. Eu vi e ouvi muitas coisas sendo a filha de um senador. Eu vivi muito já. —É hora de você fazer a diferença, dar passos e abraçar o seu próprio poder pessoal... — minha mãe continua, e enquanto ela divaga, ligo a televisão. O rosto de Matt aparece para mim. Esse rosto bronzeado, ligeiramente mal barbeado, perfeitamente simétrico, e quente como o inferno. Ele está atrás de um pódio, um lugar que ele nunca foi fotografado antes. Os paparazzi o pegaram em encontros, na praia, em todos os lugares, mas nunca, até onde eu sei, atr��s de um pódio. Um terno preto e gravata carmesim cobrem um corpo em forma para uma capa da 1

GQ , o seu terno tão negro que os ternos dos homens que o rodeiam parece cinza em comparação.


Ele tem sido conhecido por ser um homem que ama fisicalidade, que se mantém em forma, experimentando cada aventura e desporto que a natureza tem para oferecer. Natação, tênis, caminhadas, passeios a cavalo. Seu corpo magro e atlético, claramente definido sob o terno equipado, é certamente uma prova disso. Uma boca cheia de curvas, em voz de sedução em um sorriso quando ele fala no microfone. Abaixo dele, uma linha preta de rolagem na tela diz: NOTÍCIA URGENTE: MATTHEW HAMILTON CONFIRMOU SUA INTENÇÃO DE CONCORRER À PRESIDÊNCIA. Eu li a linha novamente. Eu também vagamente ouvi sua voz na TV. Ele tem uma voz deliciosa, que coloca os pequenos pelos em meus braços em posição de sentido. — ... concorrendo para Presidente dos Estados Unidos da América. Algo dentro de mim dá cambalhotas; fui atingida por uma série de emoções — choque, excitação, descrença. Caio de volta no sofá e pressiono a mão no meu estômago para impedir que meus órgãos internos se movam. Minha mãe continua me dizendo o quanto meu pai e ela adorariam minha companhia, mas eu quase não ouço. Como eu posso, quando Matthew Hamilton está na TV? Ele é tão maravilho que eu aposto que cada mulher que olha para ele o quer como o pai dos seus filhos, e que coloque os lábios em ninguém a não ser ela, e use esses olhos para olhar para mais ninguém... Este deus. O príncipe da América. Decidiu concorrer à presidência? Ele fala de um jeito com confiança e força. Eu sei em primeira mão que a política não é para os fracos. Eu sei o que meu pai passou por alcançar e manter seu assento no Senado. Eu sei o tipo de sacrifício, paciência e disciplina, que exige para servir o povo. Eu sei que apesar de fazer o seu melhor, críticas o manterão acordado durante a noite mais vezes do que gostaria de admitir. Sei que ser presidente não pode ser mais fácil do que ser


senador. E eu sei que Matt não queria isso. Mas depois que seu pai foi assassinado, a nossa economia ficou uma merda. Estamos todos basicamente no ponto de estender a mão para um salva-vidas, e a situação é tão grave que provavelmente não será o suficiente. No entanto, ele está fazendo isso? Concorrendo? —Portanto, não há realmente nenhuma desculpa para você não vir! — Minha mãe continua. —OK. —Você acabou de acordar, Charlotte? — Minha mãe soa tão chocada que eu sorrio por ter conseguido surpreendê-la. Inferno, eu mesmo estou surpresa que eu não estou cantando a mim mesma alguma canção estúpida. A culpa é do meu aniversário e mais um ano passou à espera de um grande sinal de néon que me apontaria o caminho de vida ideal que ainda tem que aparecer. Outro ano passado à espera do momento — esta é quem você é, é isso que você está destinada a fazer. Quando me lembro da noite em que os Hamilton vieram para o jantar, eu senti como se estivesse tocada por algo emocionante, histórico e significativo. Esse momento marcou-me de muitas maneiras. Você não pode expressar em palavras o temor, honra e grande surpresa de estar cara a cara com o Presidente dos Estados Unidos. Faz você querer fazer grandes coisas também. Talvez vendo Matt novamente irá me trazer clareza. Ou pelo menos, eu poderia realmente começar a conhecê-lo e ver o que ele tem feito. Ver se ele realmente é capaz de viver para o nome Hamilton. Estou curiosa. Estou intrigada. Talvez esteja um pouco na necessidade de convencer-me de que a minha paixão infantil tenha, no final das contas, acabado. Ou talvez, como o resto do mundo, eu esteja somente muito animada. Que haja finalmente um homem que pode realmente ganhar o respeito de ambas as partes, reduzir a burocracia, e fazer um trabalho bem feito.


—Eu vou com você, — eu concordo, para a alegria da minha mãe. —Quando é?

5

AINDA AQUELA GAROTA

Charlotte

EU ME MUDEI para meu próprio apartamento perto dos escritórios das Mulheres do Mundo. Um quarto e um armário considerável. Meu guarda-roupa está preenchido com mais ternos de poderosos do que qualquer coisa, eles são uma obrigação para caçar patrocinadores e oportunidades de emprego para as nossas mulheres... novas oportunidades que as inspiram a ser melhor. Mas há uma pequena fileira de vestidos no armário abarrotado do meu novo apartamento. Eu não poderia ter dezenas de opções para escolher, mas para a noite da festa inicial tenho mais escolhas do que aquele vestido de quando eu tinha onze anos. Kayla está morrendo de ciúmes, e Alan e Sam estavam insinuando sobre estarem dispostos a me levar no caso de eu precisar de uma escolta no evento. Disse não, já que vou com a minha mãe. Meu pai, como um Democrata atual, não vai realmente apoiar um candidato independente. Mas minha mãe tem uma mente própria, e quando se trata de qualquer coisa que envolva Hamilton, parece que precisa fazer. Eu me pergunto que tipo de homem Matt Hamilton tornou-se, e se ele é o jogador que se tornou ao longo dos anos como o grande fascínio da imprensa com ele continuou a crescer. Eu acabo decidindo usar o vestido amarelo com a parte das costas nuas.


Penteio o cabelo vermelho deixando cair nas costas, adiciono um prendedor de cristal brilhante para impedi-lo de cair na testa, e sigo para o térreo, onde minha mãe espera no Lincoln Town Car.

A ÚLTIMA VEZ que vi Matt, foi há dois anos e oito meses depois do jantar com os meus pais. Eu estava mais alta, e oficialmente uma mulher, e como a minha mãe, eu estava vestindo um vestido preto. Ele estava vestido de preto, bem como, ao lado de sua mãe, que parecia pequena e ele com o braço em volta dela. Ele estava mais velho, um pouco mais encorpado, muito mais masculino, e seus olhos não brilharam para mim quando eu segui meu pai e minha mãe ao dar-lhe as minhas condolências. E então eu sento na parte de trás, tentando conter as lágrimas, enquanto eu assisto Matt enterrar seu pai. Sua mãe chorou suavemente, delicadamente, e o país chorou; ele estava lá, forte e orgulhoso, o menino do seu pai criado e treinado para enfrentar a catástrofe e seguir em frente.

DECORAÇÕES BRANCAS SALPICADAS com prata e azul nos rodeiam. Estou um pouco fora da minha zona de conforto quando sigo minha mãe até o salão. Passando pelas portas é como abrir as páginas de uma enciclopédia viva cheia de nomes importantes — políticos, filantropos, herdeiros e herdeiras — juntamente com pessoas em posições no topo das melhores escolas do país, Duke, Princeton, Harvard. E de repente todos os artistas e escritores e poetas... Vencedores do Pulitzer e Nobel, e rostos que você vê nos filmes de sucesso do ano... Eles de alguma forma desaparecem com Matt Hamilton partilhando esta mesma sala. Ele está no outro extremo, alto e de ombros largos, o cabelo escuro e brilhante sob


as luzes. Ele está vestindo um terno preto perfeito e uma gravata cor de platina, camisa branca e contrastando contra a matiz de ouro da sua pele. Minha boca seca e meu corpo parece começar a trabalhar um pouco mais para bombear o sangue através do meu sistema. Não é fácil perder Hamilton de vista, ele é o queridinho da mídia. Desde o adolescente rebelde, para o cara da faculdade particular, até o homem que ele se tornou. O candidato mais jovem da história, minha mãe diz que ele representa os anos dourados que seu pai nos presenteou com o crescimento, o emprego, a paz. Eu quero aquilo. Cada um dos milhares de adeptos aqui esta noite quer isso. À medida que nós percorremos a multidão cintilante, o ar fica cheio com os perfumes mais caros, saúdo alguns dos conhecidos de minha mãe, todos vestidos para impressionar. Os famosos sempre gravitaram em torno dos Hamiltons, a sua presença silenciosa. Tem sido nove anos desde a última vez que vi Matt, mais ou menos. (Eu realmente sei o tempo exato, mas eu quero fingir que não estava contando tão religiosamente.) Ele é mais alto do que parecia na televisão, que paira sobre os outros por algumas polegadas. E Deus. Ele é todo homem. Cabelo escuro. Olhos de café expresso. O corpo de um deus grego. Inspira confiança por todos os poros. Até mesmo o terno preto que ele usa é perfeito. Se alguma vez houve um homem com um ar de privilégio e sucesso, Matthew Hamilton é isso. Os Hamiltons têm sido influentes desde que nasceram. Sua linhagem é de senhores e senhoras inglesas. Eles o chamavam de príncipe quando seu pai estava vivo, agora ele está prestes a assumir o reinado. Quando a revista People o colocou entre “O Homem Mais Sexy”, Forbes o chamou de “Homem de Negócios Bem Sucedido”. Ele desapareceu por alguns anos após a escola de Direito, construindo e ampliando o império imobiliário de sua família. A


julgar pela quantidade de vans da imprensa fora do salão de baile inaugural, o mundo está sendo tomado pela tempestade com seu retorno. Cada manchete de hoje tinha o nome Hamilton nela. Eu nunca vi tantas pessoas importantes em um só lugar na minha vida. Não posso acreditar que todos eles saíram em seu apoio. A enormidade do alcance de Matt me surpreende, e eu estou de repente impressionada que eu poderia até mesmo pegar um convite para sua festa de inauguração em primeiro lugar. Com as Mulheres do Mundo, nós as ajudamos a atravessar momentos difíceis em suas vidas — divórcios, problemas de saúde, e trauma. O espírito da organização é útil e humilde. Aqui, é ao longo da mesma linha de todos unidos por uma causa comum, mas o ar aqui é extraordinariamente poderoso. As pessoas aqui são os agitadores do mundo. E hoje à noite, seu mundo gira em torno de Matthew Hamilton. Matt é subitamente envolvido por uma atriz. Ela está delirando sobre ele e usando o vestido mais esquisito que mostra seus músculos tonificados da bunda e seios. Meu estômago torce com a inveja. Não tenho a menor ideia do que eu poderia falar com aquela mulher, mas estou sem saber o que dizer para todos. —Ele é tão bonito, — minha mãe sussurra quando olhamos para ele. Meu nervosismo aumenta. Já existem muitas pessoas ao redor dele, à espera de uma introdução. Vejo-o apertar as mãos, a firmeza de seu aperto, a maneira como ele faz contato visual. Bem... direto. O nó no meu estômago continua a apertar. —Eu acho que vou me sentar ali, — sussurro para a minha mãe e aponto para uma área de estar com o menor número de pessoas zanzando. —Oh, Charlotte, — Ouço-a dizer. —Eu já o conheço, deixe que outros tenham uma chance! Não a deixo protestar mais e imediatamente vou para o meu ponto isolado. A partir daí, eu faço a varredura da multidão.


É tão fácil para eu ter uma conversa com as pessoas no trabalho, mas esta multidão pode intimidar qualquer pessoa. Localizo J. Lo em um vestido branco no canto da sala. Eu olho para o meu vestido amarelo-ouro e me pergunto por que escolhi uma cor tão chamativa, quando seria melhor para se misturar. Talvez eu tenha pensado — finja que você fez isso — iria funcionar. Que eu ficaria tão sofisticada como todo mundo aqui e em breve me sentiria assim. Eu passo um olhar de volta para a causa de todo o zumbido hoje. Todo mundo quer cumprimentar o príncipe Hamilton e eu posso ver que vai demorar um pouco para minha mãe ter sucesso, especialmente quando os homens continuam tentando puxá-lo para longe. Procuro dentro do salão de baile pelo banheiro e identifico-os na outra extremidade. Facilitando para os meus pés, mantenho o meu olhar em frente quando passo pelo lindo Matt entre um grupo de políticos, e vou até o banheiro das senhoras, onde eu entro e vejo a minha maquiagem e refresco-me. Três mulheres estão se enfeitando na frente dos espelhos. — Eu quero usar ele como uma pele, — ronrona mulher como puma. Contenho o riso e ainda finjo que eu não estou me divertindo com sua bajulação, especialmente quando elas estão com idade suficiente para ser sua mãe. Uma vez que eu saio, estou indo direto pelo corredor, em direção à minha mesa, quando piso na bainha do meu vestido na entrada da área de salão acarpetado. Olho para os meus sapatos e levanto meu vestido uma polegada, não retardando minha caminhada, quando topo com uma figura grande. Um braço voa para me firmar pela cintura. Sugo uma respiração e congelo, registro a mão na minha cintura, o lado do meu peito pressionando em um antebraço bem construído. Olho para cima, até avistar um peito plano, e o comprimento de uma gravata platinada, uma garganta bronzeada, e olho diretamente nos olhos escuros de Matt Hamilton. Suspiro. — Sr. Hamilton! Sinto muito. Eu não o vi, eu estava... — Seu aperto é quente, e percebendo que ele está lentamente me liberando quando percebe que recuperei meu equilíbrio me faz gaguejar. —Eu estava tendo problemas para vestir, — saio correndo. —Eu não deveria ter usado esse vestido.


Eu estou completamente sobrecarregada por sua presença. Magro e atlético. Maior que a vida. Rosto tão cinzelado e bonito. Tudo dele é tão quente que meus olhos doem. Eu odeio que meus dedos estão enrolando sob seu olhar. —Eu realmente não o vi. E para deixar registrado, não sou uma fã enlouquecida. Isto não é uma tentativa de obter a sua atenção, não em tudo... —E ainda assim você definitivamente tem isso. — Sua voz é rica e profunda, mas seu tom é lúdico e seus olhos estão brilhando. É difícil engolir, de repente. Seus lábios começam a se curvar eles são lindos e macios. Lábios bons para beijar. Para desmaiar mais e fantasiar também. Puxa, seu sorriso é lindo. Mesmo que dure apenas um segundo. — Mais uma vez, me perdoe. — Balanço minha cabeça, exalando nervosamente. —Sou Charl... —Eu sei quem você é. Embora seus lábios não estejam mais curvados em um sorriso, seus olhos estão brilhando mais intensamente, se isso é possível. Mal posso me concentrar. Esse cara é a coisa mais próxima de um deus em nosso país. —Estou bastante certo de que eu ainda tenho a sua carta em algum lugar, — diz ele em voz baixa. Matt Hamilton sabe quem eu sou. Matt Hamilton ainda tem a minha carta. Ele estava na faculdade em seguida. Agora o homem diante de mim está totalmente amadurecido, temperado com perfeição. E Deus, eu não posso acreditar que escrevi uma carta para ele. —Agora estou duplamente envergonhada, — eu sussurro, abaixando minha cabeça. Quando levanto os meus olhos, Matt apenas continua olhando para mim com um olhar direto que tenho certeza que impactam imensamente a todos. —Você disse


que iria me ajudar se eu concorresse. Balanço a cabeça em consternação, rindo levemente com a ideia. —Eu tinha onze anos. Eu era apenas uma garota. —Você ainda é aquela garota? —Matt. — Um cara bate seu ombro e o chama. Ele acena para o homem, então simplesmente me olha enquanto estou aqui, intrigada com a pergunta. —Você está ocupado. Eu só vou... — Digo, e tomo distância, dando alguns passos antes de olhar sob meu ombro. Ele está me observando. Ele olha para mim como se estivesse um pouco intrigado e um pouco rindo por dentro, ou talvez eu apenas tenha feito isso? Porque no instante seguinte ele se vira, suas costas largas afinando numa cintura fina proporcionando um visual lindo quando se vira para cumprimentar seus partidários excitados. — Eu não posso acreditar que você foi capaz de dizer oi antes de mim, essa fila é assassina. — Minha mãe está de repente ao meu lado. —As fãs continuam insistindo por sua presença. Volto logo. Ela volta para a fila enquanto tomo meu lugar à mesa, mais uma vez, conversando por um tempo com um dos casais lá. Eu ainda estou me recuperando do encontro. —Oh, você é a filha do Senador Wells, muito prazer. Não posso dizer que o conheço, mas ele é um bom homem. Ele votou contra... —Hugh, realmente, — sua mulher interrompe, parando o idoso senador. —Vamos dizer oi a Lewis e Martha, — diz ela, persuadindo-o a ir embora. Estou aliviada quando partem, temendo dizer alguma coisa para me envergonhar. Eu ainda estou cambaleando por causa do meu encontro com Matt Hamilton e não posso me concentrar em qualquer outra coisa. Eu vejo quando minha m��e espera pacientemente por seis pessoas antes de sua vez em cumprimentá-lo, até que finalmente ela o abraça, e ela parece pequena e feminina em seu alto e musculoso corpo. Quando eles saem do abraço, estou chocada ao notá-la apontando em minha direção.


Meu estômago se refugia em si mesmo quando seu olhar segue a direção do seu dedo. Aimeudeus, minha mãe está apontando para mim? Matt está olhando para mim? Nossos olhares se fixam em um flash de um segundo, há algo em seus olhos. Ele balança a cabeça, como se ele estivesse dizendo a ela que ele disse já disse oi. Enquanto falam, seu olhar permanece em mim. Estou brevemente consciente de curiosos olhando pelo salão quando todos sabem para onde seu novo candidato está olhando, mas eu não posso puxar meus olhos tempo suficiente para verificar exatamente quem está olhando. Deus. Ele ainda se destaca como uma realeza americana sem título. Ele cresceu para ser a mais deliciosa mistura de polido e terroso, e em algum lugar sob o olhar focado posso ver um primitivismo único que me atrai. Uma mulher que passa se inclina no meu ouvido. —Ele é tão quente, suave e rico como um bolo de lava. E ele faz a política ser emocionante, — diz ela. Eu olho para ela, em seguida, levo meu olhar de volta para o fumegante Matt Hamilton enquanto ele continua a saudar todos na fila. Ele está quase acabando, mas eu tenho certeza que não será por muito tempo. Uma sombra cai sob a metade de seu rosto, mas eu posso ver que sua atenção agora está focada em um casal de idosos, com um sorriso maldoso lá, mas ainda tão sexy e lindo que faz meus pulmões trabalharem alguns minutos a mais. Uma vez que ele termina de falar com o casal e está livre, ele começa a ajustar suas abotoaduras. E começa a caminhar na minha direção. Ele está caminhando na MINHA direção. O cara mais quente na sala está caminhando na minha direção, e meu coração simplesmente capotou mais de mil vezes em um segundo dentro do meu peito. Olho ao redor da sala, em uma tentativa de indiferença tipo lá-lá-lá-lá, mas não sou tão boa atriz. Estou com medo de olhar para o seu rosto lindo e sei que ele sabe o efeito que tem


em mim. Leva um momento para reunir toda minha coragem e cautela para ver a expressão que ele está usando. Fico mais calma quando o encontro olhando diretamente. Para. Mim. Ele não está olhando para mim. Alguém o fez parar para conversar. Exalo. Mas antes que eu possa liberar a tensão em meus ombros, Matt dá um tapinha no homem de meia-idade na parte de trás, sacode a mão, e começa a andar em minha direção novamente. Eu me sento aqui, lutando com estes sentimentos que não posso suprimir. Quero falar com ele. Quero sequestrar seu cérebro. Estou curiosa e profissionalmente com sede, e talvez eu queira me pressionar acidentalmente contra ele mais uma vez. Então, eu posso sentir o cheiro dele. Não, definitivamente não este último. De qualquer forma, tenho certeza de que com uma bebida, eu vou ficar um pouco menos nervosa. Mas é tarde demais para bebidas agora! Antes que eu possa levantar para cumprimentá-lo mais uma vez, Matt — Matt Fodido Hamilton, o completo doce Americano — toma um assento atrás de mim, olhos no nível com os meus enquanto ele se desloca para frente. —Para registro, eu não sou um homem louco e perseguidor apenas tentando chamar sua atenção. — Sua voz está tão perto que parece que ele apenas correu um dedo pela minha espinha. E o timbre é como o sexo em lençóis de seda. Seu perfume é um prelúdio para o sexo. Mesmo seus quentes olhos café escuro parece um convite para o sexo. Eu rio, ruborizando. Seus lábios têm uma contração muscular, e seu sorriso? É puro, uma ímpia


preliminar. Para meninas amáveis como eu que só assistem isso na TV. O tipo que foge despercebido até que sua calcinha esteja em toda parte, exceto onde elas pertencem. Oh Deus. Ele é a coisa mais quente que eu já vi. Eu estou lutando para reprimir um arrepio por dentro. — Não se preocupe, eu sei quem você é também. — Está certo. Mas eu aposto que você não sabe o quão sério eu sou sobre a obtenção de uma resposta. — Como? Ele apenas sorri e examina meu rosto, me levando no silêncio. Eu não posso evitar, mas faço o mesmo. Suas características estão ainda mais esculpidas agora, mil e um por cento de masculinidade, e cada polegada visível da pele em seu corpo parece ter sido beijada recentemente pela luz solar. Percebo o brilho de seu cabelo e olhos lindos e do jeito que ele cheira a perfume caro. O espaço que seu corpo ocupa e o calor que emana de cada polegada atlética dele me faz sentir quente por toda parte. Ele está realmente aqui. Na minha frente. Meu estômago vira, e eu rio conscientemente e nervosamente correndo minhas mãos pelo meu vestido. —Naquela época, você morreria se concorresse. Como eu ia saber? Eu quero dizer. Olhe para você agora, — eu digo, sinalizando para ele. Para Matt enlouquecedor Hamilton sentado ao meu lado, obviamente, sentindo-se muito entretido com meu nervosismo. —Eu sei o que você está pensando, — ele me avisa, sua expressão sóbria, mas com um brilho brincalhão em seus olhos. Que você é lindo? Eu me pergunto. Que eu não sei como você tem esse efeito sobre mim e porque eu ainda depois de todos esses anos te quero? — Confie em mim, você não sabe, — eu sussurro, ruborizando. Ele se desloca para frente e pega uma mecha do meu cabelo vermelho solto, puxando-o e observando-me lamber os lábios em nervosismo. —Você está se perguntando por que eu me elegi.


— Não! Eu estou... — Perguntando por que você está aqui falando comigo. Eu não digo isso, eu só paro e o vejo enrolar o fio do meu cabelo vermelho em torno da ponta do seu dedo indicador, em seguida, solta-o lentamente, me olhando enquanto ele desenrola o dedo muito, muito lentamente e deixa-o cair. — Então, como você está? — Pergunta ele, sua voz profunda. — Bem. Não tão bem quanto você parece estar, — eu digo. Puxa, estou flertando? Por favor, não esteja flertando, Charlotte! — Eu duvido disso. Absolutamente duvido disso, — Matt diz, sua voz ainda tão profunda e o sorriso ainda em seus olhos, mas não em seus lábios. Ele parece tão focado em mim que é como se ele não percebesse que todo mundo está olhando em sua direção. Estou nervosa em sua presença, mas, ao mesmo tempo, eu não quero que ele vá embora. — Você sabe, eu te conheci três vezes e percebo que eu não sei nada sobre você que não seja a história ocasional que eu ouço, — deixo escapar. —Eles são tão contrários que eu nem sei o que acreditar. — Nenhum deles. — Oh, vamos lá, Matthew! — Eu rio, depois percebo que o chamei pelo seu nome. — Quero dizer... Sr. Ham... — Matt. Charlotte. A menos que você queira que eu te chame de Charlie. — Deus, não! Você está me envergonhando hoje? — Na verdade não. Embora eu não possa negar que eu acho o rosa em suas bochechas muito charmoso. A curva dos seus lábios é sensual, e há uma vibração no meu estômago quando ele pisca para mim. Timidamente olho para baixo, e eu percebo que os bicos dos meus mamilos estão surgindo contra o meu vestido. Mortificada, levanto os braços para dobrá-los na frente de mim, mas não antes de eu pegar seus olhos notando também. Ele lentamente levanta o olhar para mim, sua expressão revelando nada enquanto ele puxa a sua atenção de volta para o grupo lotado.


— Eu tenho que ir. Mas eu não vou dizer adeus. — Ele levanta uma sobrancelha elegante em significado. Empurrando a cadeira para trás e de pé em sua altura máxima. Suas palavras me deixam confusa. Eu não consigo responder com rapidez suficiente, então ele simplesmente sorri para mim e me deixa a ponderar-lhes o resto da noite. Eu não tenho nenhuma ideia de quanto tempo minha mãe e eu ficamos lá, realmente, mas eu sei exatamente que nas três vezes que olhei na direção de Matt, ele virou-se para encontrar o meu olhar, como se ele tivesse algum tipo de radar ou simplesmente sentia-me o observando. Meu estômago ficou louco cada uma dessas vezes, e eu desviei meus olhos. Quando estava pronta para ir embora, minha mãe toma o momento para dizer seu adeus. Eu considero chamar a atenção de Matt para desejar-lhe boa sorte antes de sair, eu só realmente gostaria que não tivesse sido interrompida quando estávamos e que tivéssemos sido capazes de falar um pouco mais. Mas ele está ocupado quando o procuro no meio da multidão, e eu não quero interromper. Quando sigo a minha mãe até a porta, um de seus amigos congressista mais velho para e diz adeus para nós duas. Sorrio e aceno, e por cima do ombro, vejo os olhos de Matt encontrar os meus e percebo que ele estava me olhando sair. Ele sorri para mim, e inclina a cabeça infimamente num aceno, e há algo naquele sorriso e no aceno que me enche de uma estranha sensação de antecipação. Por quê, eu não sei.

EU VOU DE CARONA na parte de trás do carro com minha mãe, incapaz de parar de repetir as coisas que Matt me disse quando ele se aproximou. Escolho odiar o fato de que eu ainda não posso controlar as coisas que deixo aflorar em mim. — Ele vai vencer, — minha mãe diz suavemente. —Você acha? — Pergunto a ela. Querer que ele ganhe de repente me bate com tanta força que quase me oprime.


Sentada lá falando com ele, senti uma verdadeira qualidade nele e uma força que faz você querer se agarrar a ela. Não é bobagem, realmente, querer um presidente forte, é? Você quer alguém que pode manter a cabeça em uma crise, alguém confiante, e alguém real. — Bem, o seu anúncio causou uma grande agitação. Mas os Democratas e os Republicanos não vão deixar a presidência ir assim tão facilmente, — diz minha mãe, e pressiono meus lábios. Quando começo a sair do carro, minha mãe diz, — Charlotte, você sabe o quanto eu odeio que você viva sozinha aqui... —Mãe, — eu gemo, balançando a cabeça com uma careta a repreendendo, em seguida, aceno e fecho a porta atrás de mim. Naquela noite, não é a primeira vez nos últimos onze anos que eu sonho com Matt Hamilton novamente, mas é o primeiro em que o cara no sonho parece exatamente como ele parecia esta noite.

6

A MANHÃ SEGUINTE Charlotte

AINDA ESTOU PENSANDO sobre a noite anterior, quando lidero Mulheres do Mundo. Eu tenho trabalhado com minha mãe desde que fiz dezoito anos, gastando meus estudos em Georgetown e horas de serviço social aqui. Ajudo a


administrar a organização e os meus dias são geralmente uma combinação de angariação de fundos, procura de emprego, e discurso de apoio para as mulheres que estão sob a nossa asa. Eu apenas concluí um telefonema quando um homem alto com uma cabeça cheia de cabelo salpicado de grisalhos aparece na porta do meu escritório e bate. — Oi, Charlotte. Bom dia. — Ele fala com a familiaridade de velhos amigos. Eu reconheço seu rosto, mas não consigo perceber de onde eu o conheço. — Benton Carlisle... — Ele estende a mão, que eu prontamente pego. — Infelizmente, não tivemos a oportunidade de ser apresentados na noite passada. Sou gerente de campanha de Matt Hamilton. Meu coração salta, independentemente de eu querer isso ou não. — Oh, claro, Sr. Carlisle, eu sinto muito. Eu não tomei café ainda. Por favor, sente-se. — Eu não vou ficar muito tempo. Estou aqui simplesmente em nome de Matt. — Matt? — Eu questiono. — Sim. Ele quer estender-lhe formalmente um convite para participar de sua campanha. Se ver o gerente de campanha de Matt no meu escritório não me chocou o suficiente, nada mais irá. — Eu… — Ele me disse que você era a primeira da fila para ajudar e ele odiaria se recusasse essa primeira oferta. Meus olhos se arregalam. —Sr. Carlisle... Ele ri. — Eu admito que fui pego de surpresa. A maioria dos nossos recrutas tem experiência, algo que você não tem. E, no entanto, aqui estou eu, fazendo a primeira coisa na parte da manhã. — Ele olha para mim como se perguntando o que eu fiz para merecer isso e eu não gosto de suas possíveis premissas. — Concordo que não tenho experiência. Agradeço a oferta, mas eu vou ter que recusar. — Justo. — Mas, por favor, envie os meus melhores votos para o Sr. Hamilton.


— Eu vou. — Ele deixa o seu cartão. — No caso de haver alguma coisa que podemos fazer por você. Nós apertamos as mãos, e eu assisto o homem partir de um jeito tão elegante e silenciosamente como ele entrou. Quando ele está fora de vista, desabo na minha cadeira, atordoada. O resto do dia eu me concentro com a grande pilha de trabalho, mas quando eu vou para o meu apartamento, sento no sofá com meu precioso gato empoleirado no meu colo, e eu me pergunto por que recusei a oferta. Eu tenho vontade de fazer algo importante para mim mesma, e deixar as sombras dos meus pais. Trabalhando em uma campanha, não seria emocionante? Excitante? Por que eu não aceitei? Pergunto-me se o meu medo tem a ver com a mesma razão que seria emocionante e excitante. Porque envolveria Matthew Hamilton, e ele é tanto o que me inspira a concordar e faz-me desejar ficar em uma distância segura.

AQUELA NOITE, eu assisto um programa de TV em que um dos candidatos está discutindo coisas puramente incendiárias sobre os imigrantes pobres, refugiados pobres, e como ele vai aumentar os impostos para que possamos tornar o maior exército do mundo novamente. Ele faz parecer como se recusar a ajudar aqueles que estão sofrendo é a única maneira que poderíamos voltar para os nossos dias dourados. Pressiono meus lábios e desligo a televisão. Talvez eu possa ajudar. Eu acredito nele. Eu acredito que ele é melhor do que qualquer uma das opções que eles estão jogando em torno da TV. Pego o cartão de Carlisle e ligo para ele. — Sr. Carlisle, aqui é Charlotte Wells. Eu estive pensando sobre a oferta... e sim. Eu quero ajudar. Eu estou pronta para ser usada em qualquer posição e estou pronta para começar segunda-feira. Há um silêncio atordoado, então, — Matt vai ficar satisfeito. Ele me envia o endereço de onde eu deveria me apresentar na segunda-feira, então eu desligo e fico de olhos arregalados para o meu telefone. Puta merda! Simplesmente aceitei trabalhar na campanha de Matthew Hamilton.


7

PRIMEIRO DIA Charlotte

MEUS OLHOS ESTÃO FIXOS na janela de trás da cabine do táxi quando olho para a sede da campanha presidencial de Matt Hamilton. É um dia claro de fevereiro. A cidade tem uma força tranquila que parece um lembrete permanente desta ser a casa do poderoso assento executivo do país. Monumentos deslumbrantes, tapetes verdes, políticos fervilhando com seus cafés nas ruas, e Washington está


orgulhosa e forte como a cidade mais elegante do país. Não há nenhum lugar que eu prefira viver. Se há algo além aqui... é apenas uma aventura temporária. 2

Meu pulso está em DC . O pulso da nação está em DC Se Nova York é o cérebro, Los Angeles é a beleza, DC é o coração, a alma vibra em nossos monumentos, cada um deles um testemunho da força e beleza da experiência americana. Assim, o táxi leva-me através do coração, passado o labirinto do Pentágono, ao 3

longo do Potomac , e pela Lincoln Memorial, as paredes brancas imaculadas da Casa Branca, e a cúpula do Capitólio. E não sei por que estou aqui. O que me possuiu para querer deixar o meu emprego com as Mulheres do Mundo? A TV tem repetido seu anúncio sem parar, e eu repassei a festa inaugural na minha cabeça tão infinitamente. Não, eu sei por que estou aqui. Porque ele me pediu, talvez. E porque eu quero me tornar uma pequena parte da história.

SAIO da cabine e vasculho minha bolsa enquanto o prédio de dois andares, sede da campanha de Matt Hamilton, aparece diante de nós. Pago o motorista, e meus passos começar a soar na calçada, sinto-me recarregada com esperança e expectativa. Sou levada pelo interior por uma mulher de meia-idade com uma voz nítida e uma caminhada ainda mais nítida. — Ele está pronto para vê-la. — Ela sinaliza para a área principal do segundo andar, onde um grupo de pessoas pairam ansiosamente em torno de Matt — 1,80m de atletismo natural, cérebro, e gostosura ao extremo está de calça cinza e uma camisa preta — todos olhando


para uma longa mesa. Os braços de Matt são cruzadas, ele está franzindo a testa para alguns dos slogans que está sendo mostrado. — Eu não estou certo sobre este. — Sua voz é profunda, e ele ferve com reflexão quando bate um dedo para algo que ele não gosta. — Cheira a merda, e isso não é o que somos. Nós, referindo-se a ele e sua equipe. Ele parece ser o cara mais pé no chão e despretensioso, mesmo quando ele é facilmente o mais famoso. — Charlotte. Ele levanta a cabeça e me vê. E ele fica com o riso em seus olhos como me lembro muito bem, e eu não posso ver o que ele acha tão engraçado sobre mim. Mas eu sorrio, no entanto, porque seu sorriso é contagiante. Enquanto caminha até mim, ele está usando esse encanto fácil que faz todo mundo querer ser seu melhor amigo. Ou sua mãe, ou melhor ainda, sua mulher. Ele tem essa coisa que um repórter disse uma vez que “sugere facilmente que ele precisa de algum amor.” A triste inclinação dos olhos dele torna-o ainda mais bonito. Ele é o homem que seu pai preparou e que toda uma nação tem esperado. Hamiltons inspiram lealdade mais do que qualquer outra família que sempre teve esse tipo de poder executivo. Sua mão aperta a minha. — Sr. Hamilton. — Matt... — ele corrige. Sua mão está quente, grande. Sou engolida. Sinto-a deslizando sobre a minha, agito e tento segurar seu olhar. Mas esse movimento me faz sentir como se ele estivesse apertando meu corpo inteiro. Estou arruinando meus nervos, e eu culpo o brilho nos seus olhos e eu quero que esse homem gostoso me ame, me leve para casa e que me foda loucamente. Ele deixa cair a mão ao seu lado e coloca-a no bolso, e eu olho para ele por um segundo e me pergunto se ele sentiu a mesma corrente elétrica que senti quando


me tocou. Ele olha para as minhas mãos também, como se percebendo quão pequena ela é comparada com a sua. —Está se acomodando bem? — Sim, senhor. Estou absolutamente encantada por estar aqui. — Matt... — alguém chama. Ele acena para o cara que lhe entrega um telefone, estende a mão livre e coloca-a levemente na parte de trás do meu ombro enquanto ele acena para mim. — Vamos nos recuperar, Charlotte. Ele me aperta — o mais leve toque — e o toque me acende — é um pouco inesperado, — e, embora ele dure apenas um segundo, envia um frisson de calor que derruba meu corpo. Meus dedos do pé enrolam no meu lugar. Eu não posso fazer nada, além de seguir o seu comando recuando para trás enquanto ele levanta o telefone celular ao ouvido e se retira para seu escritório para atender a chamada. Deus, estou tanto no problema. Concentre-se, Charlotte! Não. Nem pense nisso. Relaxo e colo um sorriso no meu rosto enquanto vou em direção ao meu cubículo.

MEU PRIMEIRO DIA consiste em um resumo básico das minhas funções como assessora política. — Por que ele fugiu? Ele tem ferozmente tentado proteger sua privacidade durante anos. Duas mulheres jovens falam perto da minha mesa, uma de cabelo escuro e outra com curto channel. — Verdade. Mas apenas durante o tempo que quis... — a loira diz a morena. Elas olham para ele. Resisto ao impulso de fazer o mesmo. Matt está no centro das atenções depois de anos lutando por sua privacidade


contra repórteres obcecados. A imprensa se infiltrou em Harvard, quando ele começou a faculdade, e todos os eventos onde ele foi convocado para ajudar a promover, ele acabaria sendo a atenção principal e não a causa que ele estava tão generosamente tentando incentivar. Isso o incomoda. — Quando ele me ofereceu o cargo, eu lhe perguntei: por que eu? E ele disse, por que não você? — A loira tem sua atenção. —Porque você é tão quente que nenhuma mulher pode trabalhar ao seu redor e pensar direito, ela responde a si mesma, rindo. Eu sorrio e retomo a minha atenção de volta para organizar minha mesa. Meu escritório é a perfeição, com uma vista para a cidade. Fora esse edifício que é sereno, como sempre, mas há um zumbido no interior deste edifício, nos meus colegas de trabalho, em mim. Depois de me instalar, vou para a pequena cozinha tomar um café. Com um copo cheio, eu viro no momento em que ouço passos atrás de mim, mas eu calculo mal o quão perto o recém-chegado está. Viro e topo com a pessoa e chapisco café sobre seus sapatos. Estou mortificada. Droga, Charlotte! Ergo os dedos manchados de café do copo e coloco-o de lado e agarro guardanapos. —Isso não aconteceu por acaso. Seu sapato. — Eu começo me abaixar, mas a loira com o channel se dobra também, e limpa antes de eu fazer. — Ei, está tudo bem. Um pouco de emoção nunca fez mal a ninguém. — Ela sorri. — Sou Alison. — Ela coloca a mão para fora, e a aperto. — A fotógrafa oficial da campanha. — Charlotte. — Charlotte, eu sei como você pode compensar isso. Ela acena atrás dela e caminhamos para o escritório de Matt enquanto carrega sua câmera e fica dentro. No instante em que percebo que esse é o escritório de Matt enlouquecedor Hamilton estou andando até ele, e corro meus dedos nervosamente pelo meu cabelo em observação de seus ombros largos e totalmente quente na cadeira atrás da mesa, todo lindo e ocupado enquanto lê alguns papéis.


Enquanto ele lê, meu dedo fica preso em um pequeno nó no meu cabelo e eu rapidamente tento suavizá-lo. Quando finalmente acabo, tenho a coragem de olhar para ele, e ele está me observando, com uma careta no rosto. — Você quer tirar uma foto comigo? — Sua voz é baixa e terrivelmente profunda. Eu olho em confusão. — Deus, não. Absolutamente não. — Todo esse esforço e você não vai deixar que o mundo se divirta? — Pergunta ele, sua expressão ilegível enquanto levanta uma sobrancelha, sinalizando para o meu cabelo. Oh Deus. Estou corando. As pessoas dizem que Matt gosta de vida, ele goza da vida tanto como ele quer mudar isso. Eu sorrio, um pouco nervosa, e apenas fico de lado enquanto Alison configura a câmera. — Aqui, Matt? — Ela pergunta. — Por que não podemos fazer algo mais natural? — Seu olhar sombrio permanece em mim quando ele engancha um dedo, me atraindo para frente. —Charlotte, pode me dar uma dessas cópias impressas atrás de você? — Ele pergunta, com a voz um pouco áspera. Sentindo um nó de nervosismo na minha garganta, pego um e caminho até ele, consciente dele observando cada passo que eu dou, quando eu ouço os cliques consecutivos. — Adorável, — diz Alison. Matt leva a pasta com graça preguiçosa, seu olhar ainda segurando o meu, sua voz ainda terrivelmente profunda e inquietante. — Viu? Eu sabia que havia uma razão pela qual você está aqui. Você me faz parecer bem, — diz ele, aprovando. Seus lábios se curvam apenas um pouco. Levanto minhas sobrancelhas; ele levanta a dele também, como se me desafiando. Calor rasteja até meu pescoço e bochechas. Realmente, não há nada que possa fazê-lo parecer um pouco melhor do que ele já é. Até o momento em que vou para casa estou muito envergonhada. Siga em frente e pareça como uma tola, Charlotte, me repreendo enquanto vou para o meu apartamento.


QUANDO CHEGO EM CASA, estou pensando na roupa mais sombria que eu tenho. Não importa se sou pequena e tenho um rosto de criança, eu quero ser levada a sério aqui. Meus pés estão me matando, meu pescoço está me matando, mas não coloco meu pijama até que eu separe um terninho preto, calça e um casaquinho preto bem cortado para amanhã. Espalho na cadeira que fica perto da janela e olho criteriosamente. É inteligente e decidida, exatamente como eu quero parecer amanhã. Matt Hamilton vai me levar a sério. Meus pais estão orgulhosos. Kayla envia mensagens de texto sem parar, e ela quer os detalhes. Eu passo ao responder, sozinha no meu apartamento. Eu não tinha percebido o quão solitária seria dormir no meu apartamento por conta própria. Você queria ser independente, Charlotte. É isso. A luz da minha secretária eletrônica está piscando, e reproduzo as mensagens. —Charlotte, eu não estou realmente feliz por você estar naquele pequeno apartamento, especialmente agora que você está fazendo isso. Seu pai e eu gostaríamos que você voltasse para casa, se você está decidida sobre embarcar em um ano de campanha. Me ligue. Eu gemo. Oh não, Mãe, você não vai. Nós tínhamos discutido que eu seria capaz de me mudar e esculpir meu próprio caminho aos vinte anos. Mamãe não estava feliz quando a data se aproximava e eu ainda estava na faculdade tentada a ser tola, empurrou para os vinte e dois. Agora, um mês depois do meu vigésimo segundo aniversário, paguei minhas dívidas, mantive minha posição, e me recusei que empurrasse a data para mais longe. Ela insistiu que o edifício era relativamente inseguro, com apenas um homem na portaria. Se algum dos habitantes ligasse o convocando, a portaria e o lobby ficariam sem ninguém. Era pequeno e desconfortável e não é seguro. Eu pensei que era perfeito. Bem situado, o tamanho certo para manter limpo e


arrumado. Embora eu não conheça ninguém com exceção de dois dos meus vizinhos, uma jovem família, outro veterano do exército. E eu sinto, à noite, que as coisas rangem e coaxam e me mantém acordada. Este foi o primeiro passo para construir o meu caminho sozinha. Então eu deito na cama e aperto meu alarme para amanhã. Estou fisicamente exausta, mas na minha mente meu dia continua se repetindo. Eu penso na campanha e em Matt e no assassinato do Presidente Hamilton. Penso no nosso atual presidente e minhas esperanças pessoais para o nosso futuro presidente. Cada pessoa que eu conheço, todas as pessoas conscientes de si mesmos e seus potenciais... todos nós queremos fazer um impacto, uma contribuição, para trabalhar em algo que é importante para nós. Estou em um novo caminho onde construí o meu próprio. Sou jovem e um pouco insegura, mas estou fazendo a diferença, mesmo que pequena.

8

A EQUIPE Matt


A COISA sobre as campanhas presidenciais é que você não apenas precisa do candidato certo. Você precisa da equipe certa. Eu olho as dezenas de pastas espalhadas através de minha mesa. Estou na minha sexta xícara de café, e tomo o último gole enquanto considero a mais recente adição à minha equipe. — Mulheres do Mundo, Charlotte Wells. Ela é quase uma estagiária, nenhuma experiência. Tem certeza sobre isso? — Perguntou Carlisle. Eu decidi tudo isso com a ajuda de uma caixa de donuts, caixas de comida vegetariana, latas de refrigerante e garrafas de água Voss. Você não pode dizer que Charlotte é bonita, ela é muito impressionante para isso. Você apenas não se esquece de um rosto como o dela. Cabelo vermelho como uma chama caindo nos ombros. E essa faísca em seus olhos. Ela é enérgica, sem remorso, requintada. Apesar de ter sido criada como filha de um senador, ela está até agora intocada pelo escândalo político e pelas relações decadentes que às vezes a política está emparelhada. Ela é mais adequada para o trabalho do que Carlisle acredita. Eu estou ciente de sua relutância, mas mais do que certo Charlotte vai provar a si mesma com honras. Ao invés de trazer os aliados políticos experientes da era do meu pai, todos muito dispostos a me apoiar, eu estou trazendo pessoas que querem fazer a diferença. Quem fez isso um hábito de pensar nos outros antes de si e em seus bolsos. Estou determinado a tê-la em minha equipe. Mesmo antes de colocar os olhos sobre ela na festa de inauguração, eu tinha planejado que Carlisle ligasse para essa menina que eu conheci, a única que chorou um oceano no funeral do meu pai. Aquele cuja carta eu rasguei, por alguma razão, no dia em que meu pai morreu. Depois da festa inaugural... vamos apenas dizer que ela tem estado em minha mente, e não só porque ela é linda e em outra vida, eu teria gostado de deslizar minhas mãos por baixo do seu vestido e sentir sua pele, inclinar minha cabeça e beijar sua boca por um longo tempo. Não, não é por causa disso, mas porque ela ama a presidência e ela sempre amou.


E agora ela foi confirmada na minha equipe, graças a Carlisle. Carlisle é o meu agente na campanha presidencial. Nós já recrutamos nossos consultores de mídia, estrategista-chefe e pesquisador, diretor de comunicações, chefe do setor financeiro, secretário de imprensa, uma porta-voz, diretor digital e fotógrafo oficial. Tê-los todos juntos na campanha me dá uma sensação de satisfação. Reunimos uma equipe que nos levará suavemente para a eleição deste ano. Eu estou pronto para chamá-lo um dia, então suavemente dou um tapa na parte de trás da cabeça de Carlisle, dizendo: — Confie em mim, — pego as chaves do carro e vou para fora.

MINHA CASA É um apartamento de solteiro de dois quartos perto do Hill. Muito longe dos 132 quartos e da área interminável da Casa Branca, é moderno e o tamanho perfeito para eu possui-lo, não para a coisa me possuir. Também estou a três quadras da minha mãe. Embora ela tenha uma agenda social intensa e um novo namorado que há uns cinco anos vêm tentando convencê-lo a se casar, sem sucesso, eu gosto de manter meu olho nela. Meu pastor alemão está latindo quando insiro a chave na fechadura. Ele é preto lustroso, e a mídia o chama de Black Jack. Ele é mais famoso do que o cachorro Taco Bell. Ele tem olhos quase tão negros como seu pelo e, felizmente, já passou a fase onde ele iria roer todos os meus sapatos. Ele está à porta, latindo três vezes. Eu abro e ele salta. Pego-o em um braço, fecho a porta com a outra, e coloco-o para baixo. Ele trota ao meu lado para a cozinha. Adotei-o quando fiz uma exibição de sensibilização para a adoção. Jack era um filhote de cachorro, em seguida, foi encontrado na rua enrolado sobre a mãe e suas duas irmãs mortas. A Casa Branca vai estar muito longe de ele onde começou. Pressiono o botão play da secretária eletrônica. — Matthew, é o congressista Mitchell. Parabéns, você pode contar comigo. — Matthew, aqui é Robert Wells, muito obrigado pela oportunidade que você está


oferecendo a minha filha. Claro que você pode contar com o apoio da família... Vamos fazer um almoço em algum momento. — Matt. — Uma voz feminina aleatório vem a seguir. — Eu espero que você receba essa mensagem. Eu... Eu estou grávida. Meu nome é Leilani. Eu estou grávida dos seus bebês... são gêmeos. Por favor, eles precisam de seu pai. Pego uma cerveja Blue Moon engarrafada da geladeira e um prato do aquecedor. Apago as mensagens, ligo a TV, coloco meus pés para cima, e começo a comer enquanto espero por Wilson. Ele queria vir e eu disse a ele que às 22:00 era o melhor que poderia fazer. Ele entra e pega uma cerveja, em seguida, cai no sofá à minha direita. Ele está beirando os cinquenta. Ainda solteiro, ele fica com seu sobrinho em seus dias de folga do Serviço Secreto. Surpreendente que ele não tenha me procurado depois que soltei a bomba da corrida presidencial em todo o país. Ele me observou por um momento, juntando as mãos, enquanto olha-me diretamente nos olhos. — Então aqui estamos nós. — Aqui estamos. — Eu sorrio e tomo um gole. Wilson parece que nunca esperou dizer isso, um fato que eu acho muito divertido. — Vi o anúncio. Nunca pensei que eu iria ouvir você dizer isso, caramba. — Ele arrasta a mão sobre a cabeça careca, olhando-me como se estivesse esperando por uma explicação. Eu só levanto a minha cerveja em um brinde. — Por quê? — Ele pergunta. — Nove anos, um monte de tempo para pensar sobre isso. Isso sempre estava lá... — Dirijo-me um dedo, simbolizando as rodas na minha cabeça. — Alguns dizem que você deveria ter esperado mais um mandato, até que você esteja um pouco mais velho. — Sim, eu não penso assim. A América não pode esperar mais. Dia de folga? — Eu desisti. Levantando a cerveja para os meus lábios, eu paro no meio do caminho.


— Você vai precisar de mim, — diz Wilson. — E eu quero estar dentro. Estou chocado em silêncio. Então me levanto enquanto Wilson levanta também (hábito, suponho), e aperto sua mão. — Vou levar você de volta a Casa Branca. — Não, eu vou sozinho. É perto. Eu sei que muitas senhoras vão estar gratas por isso. E sua mãe também. — Ela contratou você? — Pergunto, dividido entre sorrir e gemer quando resolvemos voltar aos nossos lugares. — Não. Fiz a minha escolha. Mas ela me ligou. Ela está preocupada. — Eu fiquei nas sombras para apaziguar o medo dela, Wil. Eu não posso ficar mais lá. — Balanço minha cabeça, em seguida, estudo-o com curiosidade. — Quando você começa? — Amanhã, — diz ele. Estamos tão acostumados um ao outro, não precisamos nos cumprimentar ou nos despedir, e ele simplesmente sai. Pego o controle remoto para mudar de canal quando as âncoras começam a discutir a seleção da minha equipe. — É isso mesmo, Violet, parece que Matt Hamilton está mais interessado em trazer sangue novo para a campanha do que a experiência. Nós vamos ter que ver se o método de prova é eficaz quando começarmos o ano eleitoral... Temos uma dúzia ou mais de nomes confirmados como parte da equipe de campanha. Uma das mais jovens entrou como assessora política, é a filha do ex-senador Wells... Nada que eu já não saiba. Uma foto de Charlotte pisca na tela. Ela está usando o broche do meu pai em sua lapela. Inclino-me para frente na minha cadeira e simplesmente olho para ela, o sorriso no rosto, o olhar em seus olhos, e porra, não posso acreditar como ela é linda. — Um enigma quanto à sua inclusão no pessoal permanente e especulações sobre o porquê de Matt Hamilton escolher ela... — Instinto, — lhes digo, recostando assim que a imagem desaparece, elevando minha cerveja e tomando um gole. — Ela parece ter uma formação católica sólida e uma propensão para ajudar aqueles em necessidade. Aquele rosto angelical definitivamente não vai ganhar


todos os inimigos... — Além disso, ela é pura e intocada para você, — eu digo, colocando minha cerveja de lado e observando as fotos dela em flash na tela. Tem sido nove anos desde o funeral do meu pai, mas eu ainda me lembro do jeito que ela chorou, como se o meu pai fosse o dela. — Nós temos um trecho dela nos braços de Matt Hamilton no funeral do Presidente Hamilton. Talvez haja algum envolvimento romântico? — Ainda não, — murmuro. Uau! Acabei de dizer isso? Não vai acontecer, Hamilton. Agora não. Porra. Termino a minha refeição e levo o prato para a cozinha, soltando-o na pia. Franzo a testa e inclino-me sobre ela quando o rosto aparece na minha mente. Charlotte, naquele vestido amarelo cintilante. A confirmação de Carlisle que ela tinha concordado em aderir à campanha. Estou confuso com o quanto isso me afetou. Quanto eu quero ela por perto. Volto para a sala para ouvir o resto. — Na verdade não. Hamilton tem sido muito cuidadoso com isso, um homem muito discreto. — É verdade que desde a sua saída abrupta da Casa Branca que ele está acumulando a simpatia do público e o apoio de uma quantidade de fãs que ele ganhou até agora é sem precedentes para um eleito independente e doações deveriam entrar antes que a angariação de fundos começasse. Vai ser interessante ver o que esta equipe de pessoas, muitos deles jovens, mas impressionantes, irão fazer. Estratégias originais e inventivas para atingir o público e uma campanha on-line massiva são esperadas. Esfrego a parte de trás do meu pescoço e desligo a TV. Estou acostumado com a atenção. Minha mãe nunca aprovou a vontade de meu pai para me usar para publicidade. Ela tentou ferozmente proteger minha privacidade, e eu acho que, antes disso, eu também. Mas meu pai me ensinou que a imprensa não tem que ser inimiga, eles podem ser amigos, ou ferramentas para ajudar sua administração. Esses anos na Casa


Branca, que foram sempre cercados de uma armada imprensa e fotógrafos. A 4

única pausa foi encontrada em Camp David , onde estava fora dos limites. No entanto, nós raramente íamos lá, não importava o quanto a minha mãe amava o local de férias. Papai sentia como se pertencesse ao povo, e insistiu em ser tão aberto e disponível quanto possível. — Eu passo muito tempo longe, eu quero que você me conheça, — ele me dizia. — Eu conheço. 5

Eu levava-o para o gramado sul enquanto ele embarcava no Marine One . Como sempre, eu era um adolescente com um fascínio por todas as coisas militares. — O que você acha? — Ele perguntaria a qualquer pessoa, com o orgulho paternal de qualquer pai americano. — Ele vai ser presidente um dia, — ele diria. —Ahh, não, — eu ia rir. Ele teria gostado de me ver tentar. Em vez disso, ele se foi há quase uma década. Minha mãe recebeu um telefonema de um senador dos Estados Unidos quando aconteceu. Meu avô viu na TV que seu filho estava morto. Tudo que eu me lembro do funeral é minha mãe beijando o topo de sua cabeça, os dedos e as palmas das mãos, colocando seu anel de casamento na mão dele e tomando a dele nas suas. O vice-presidente enviou a minha mãe uma carta, e uma para mim. Matt, eu sei o homem fenomenal e líder que seu pai foi. Ele não será esquecido. A carta era um lembrete que minha mãe e eu estávamos sem teto pela primeira vez em nossas vidas. Após o funeral de estado, nós embalamos nossas coisas enquanto a nova família se estabelecia na Casa Branca. Olhei para o oval do escritório uma última vez, as paredes, a mesa, a cadeira vazia, e saí, sem nunca imaginar quão determinado eu estaria em voltar mais tarde.


9

PRIMEIRA SEMANA Charlotte

EU TENHO sonhos inquietantes sobre a campanha, querendo saber quem vai ganhar as primárias com os principais partidos políticos e flashbacks do dia em que o pai de Matt foi morto. Ainda está escuro quando acordo. Tomo um banho quente, mas não estou tão cansada, mesmo que não tenha dormido bem. Ainda estou cheia de adrenalina e excitação quando tropeço semi-nua em torno de minha cozinha, vestindo-me e tomando meu café da manhã. Eu uso uma saia cáqui, uma camisa de botão branca lisa, e um par de sapatos abertos com sensatos saltos de sete centímetros. Meu cabelo está puxado para


trás em um rabo de cavalo prático, não muito apertado, mas firme o suficiente para não ter fios rebeldes escapando. A excitação na sala é palpável quando chego ao edifício. Teclados estão clicando, os telefones estão zumbindo, as pessoas estão manobrando pelas pequenas salas, saindo e entrando de um lugar para o outro rapidamente. Há respeito no ar, a gratidão por estarem aqui. Queremos que o nosso candidato ganhe. Matt pergunta o que todos nós desejamos do nosso próximo presidente, o que desejamos para o nosso país. Quando o grupo pondera suas perguntas, aquele olhar ridiculamente sexy está parado em mim. — Se você tivesse um gênio que concedesse a você três desejos, quais seriam eles? Cada palavra que ele diz é como uma proposta indecente. As mulheres ao redor parecem que transpiram um pouco. Gostaria de saber se elas estão pensando em dormir com ele como seu primeiro desejo e se casar com ele, como eu estou. Uma mulher levanta a mão. — Trabalho, saúde e educação. É o que cada pessoa quer. Para se sentir validada, ocupada, tendo algo a oferecer. O amor é impossível conceder, mas se isso nos deixa ocupada, sentindo-se útil e validada, você nos dá o amor-próprio. — Eu serei o seu gênio. Você está certa; o amor não é algo em meu poder para conceder. Mas, para os três primeiros desejos, eu vou ser o gênio para todos que esfregarem a minha lâmpada. — Ele bate na mesa, e então ele deixa-nos com todas as coisas para fazer. Twittando com a inspiração. Nós todos queremos impressioná-lo. Nós todos queremos sentir como se fizemos algo para esta campanha. Se Matt Hamilton for eleito presidente, nós estaremos fazendo história. Eu observo as pessoas unir os slogans. Hamilton é a mudança Uma nova visão Predestinado a liderar A mudança que precisamos. A voz que merecemos


Para o futuro Slogans para captar o que ele representa. Liderança para o povo O homem certo para o trabalho Meu favorito: Nascido para isso Resolvo tudo durante a manhã, e estou feliz de relatar que eu estou fazendo muito bem. O telefone começa a tocar mais violentamente do meio-dia em diante, e ele não para de tocar a partir de então. Eu respondo tão freneticamente que eu quase caio. — Sede de campanha de Hamilton Matt. — Matt, por favor, — uma voz masculina ressoa. — Posso perguntar quem é? — Seu pai, Law. Fui avisada deste pelos outros assessores, é claro. Ainda é difícil manter-se imperturbável após uma declaração como essa. — Sinto muito, repita seu nome, por favor. — Sou George Afterlife, e eu sou um médium psíquico e seu pai está me usando para mandar uma mensagem. É importante que eu fale com ele agora. É difícil ignorar o som de morte iminente, do outro lado da linha. — Sr. Afterlife, se você puder deixar uma mensagem vou ter certeza que ele a receba. — Matt, é seu pai! — O homem começa a gritar, mudando sua voz. — Matt não está disponível, mas se você deixar uma mensagem... — Eu preciso falar com Matt, eu sei a conspiração por trás do meu assassinato. Para os próximos dez minutos eu tento fazer o homem deixar uma mensagem, e tudo que ele deixa é um número. Anotei. O telefone toca novamente, e eu tenho um mini ataque cardíaco. — Sim? Sede de campanha de Matt Hamilton?


Uma voz ofegante diz: — Matt. Eu preciso falar com Matt. — Quem é? — Eu levo o meu bloco de notas para anotar a informação. — A namorada dele. Eu hesito. Namorada? Meu coração afunda um pouco, mas eu ignoro. — Seu nome, por favor. — Veja. Ele sabe o meu nome, sou a namorada. — Neste momento, estou me sentindo suspeita. Ele não tem uma namorada. Será que ele tem? — E isso é em relação a...? — Deus, foda-se! — Ela desliga. Uau. Eu desligo também. Eu fico até meia-noite, alternando entre atendendo telefonemas e trabalhando uma pilha de cartas. Passou apenas uma semana, e já começou a receber telefonemas silenciosos e notas estranhas no meu e-mail de sua “irmã” e “mulher” e seu pai “morto”. Como é que Matt consegue dormir com isso? Estou realmente talhada para isso?

DOIS DIAS DEPOIS, Carlisle convoca uma reunião. Essa corrida política é voraz, e a concorrência já está tomando precauções para tirar Matt. Acontece que o Presidente Jacobs já está tentando esfaqueá-lo. —Ele está te ameaçando? — Matt sorri e cobre sua expressão com a mão quando Carlisle nos convoca para a sala de TV e rebobina a gravação do mesmo dia. Nós assistimos uma popular entrevista do canal de notícias sobre a candidatura do presidente. Assisto sua linguagem corporal, e é difícil dizer qualquer coisa com ele parecendo tão sem vida e estoico. — Como ele pode efetivamente governar o país sem uma


primeira-dama? — Ele sinaliza a sua elegante Primeira Dama, que está sorrindo timidamente. No dia seguinte, Matt Hamilton aparece, no mesmo canal, parecendo ainda mais presidencial do que o presidente fez. — Acho que é ridículo que o Presidente Jacobs acredita que um único homem, independente, não pode efetivamente governar o país. — Ele olha para a câmera com sobriedade, com um leve sorriso nos lábios e os olhos castanhos escuros fortes, mas brincalhão na lente da câmera. — O papel oficial como Primeira Dama não foi ainda devidamente cunhado quando Lady Washington serviu em Mount Vernon durante o escritório de George Washington. Eu tenho uma esposa — seu lábio superior ondula — e seu nome é Estados Unidos da América. A enxurrada de ligações não tem precedentes. Carlisle, o gerente de campanha está freneticamente recebendo novos slogans a serem produzido.

COMPROMETIDO com você Feito para América Todos americanos

HEWITT, o gerente de imprensa de Matt, é citado durante a semana: — A única obrigação de Matt Hamilton são vocês, os Estados Unidos da América. Precisamos que ele seja claro. Sua Primeira Dama é seu país. — Eu tenho que dizer, a forma como Matthew Hamilton está representando a América, é bom ser americana novamente, — uma âncora de telejornal faz piadas com seu co-âncora do sexo masculino na mesma noite. O efeito disso no eleitorado feminino é quase impertinente. As Primárias serão daqui a poucos meses, mas já posso dizer que o seu adversário mais formidável será o atual presidente. Por outro lado, o candidato Republicano líder é tão radical e as pessoas estão tão cheia de coisas, ele está ganhando força também. De uma angariação de fundos para o próximo evento político, Matt está lançando


de duzentos a quinhentos convites por semana. Hoje, estamos todos sentados na mesa redonda de Matt, e a tensão é palpável. Pessoal de designer criativo e marketing estão lançando ideias, na esperança de responder a grande questão em pauta para o dia: — Como devemos comercializar a campanha de Matt. Os princípios têm sido dados por Carlisle, que disse simplesmente que os esforços da campanha devem girar em torno das forças de Matt: a presidência bem sucedida de seu pai e sua incrível popularidade como presidente, a popularidade de Matt entre as pessoas (especialmente daqueles prontos para a mudança real), e a singeleza de Matt. No entanto, a campanha ainda tem que vir com uma estratégia de campanha real para trazer as ideias de Matt com mudança para o público. Matt parece exasperado, correndo os dedos pelos cabelos escuros e esfregando os dedos através da ligeira barba em seu queixo. Eu quero falar, dar uma sugestão, mas o silêncio é intimidante... ele é intimidante. Sua expressão ilegível parece fazer todos na sala deslocar-se nervosamente. Ele levanta o olhar e varre através de todos, atendendo a cada olhar. — Nós podemos fazer melhor. Seu olhar só me passa, mas definitivamente se conecta, e nesse segundo, de repente eu tenho onze anos novamente, admirada e confusa com o efeito que ele tem. Eu mordo meu lábio, e eu penso sobre a carta de um jovem rapaz. Eu tenho sido capaz de responder a todas as cartas, até mesmo algumas bem loucas propondo união, mas eu não consigo descobrir o que dizer. Toda vez que penso nele me dói, mas eu não tenho coragem ainda para ir diretamente para Matt e perguntar a ele sobre isso. — Vamos, rapazes. — Ele suspira. — Isso é realmente tudo o que temos? Papeis embaralham e eu posso ouvir uma tosse estranha ou suspiro de vez em quando. Nós todos olhamos um para o outro, silenciosamente implorando com os nossos olhos para alguém, qualquer um, falar.


Sinto-me ansiosa para ousar e armar minha ideia, mas Carlisle me supera, e eu sinto meu coração afundar no peito. Carlisle sugere que Matt promova sua campanha como o “próximo passo” ou “continuação” do plano presidencial de seu pai. Chamando de Hamilton 2.0, o novo e melhorado plano de Hamilton. Matt imediatamente descarta. — Quero que as pessoas saibam que vou continuar o legado de meu pai, mas que também tenho ideias próprias. Carlisle suspira e exasperadamente levanta as mãos em derrota. — Alguém tem alguma ideia? Matt olha para todos nós e seu olhar penetrante se instala em mim. Eu sinto que minha respiração para no meu peito. Ele levanta uma sobrancelha para mim, em silêncio, me encorajando a falar. Para assumir um risco e falar minha ideia. Incapaz de ter seu olhar inquietante por mais tempo, limpo minha garganta e, imediatamente, todo mundo olha para mim. — O que vocês acham de algo que traz à tona o fato de que estamos trabalhando em tudo até os fundamentos? — Eu nervosamente começo. — Nós podemos chamar de campanha alfabeto. Estamos preparando, trabalhando e melhorando tudo de A a Z neste país. Artes. Burocracia. Cultura. Dívida. Educação. Relação de políticas estrangeira... A mesa está calma. Viro-me para Matt e eu vejo seus olhos brilhando em aprovação. Carlisle é o primeiro a falar, quebrando em um sorriso e virando-se para Matt. — Isso é realmente muito bom. Matt não vira para olhar para ele, apenas mantém seu olhar em mim. — É, — ele diz simplesmente. Ele balança a cabeça e permanece, abotoando o paletó. — Nós faremos isso. Quero ter um alfabeto completo de temas de campanha amanhã como primeira coisa, — ele anuncia enquanto anda. Imediatamente, todo o pessoal sai da mesa, aliviado por ter algo agora que Matt escolheu uma ideia. Uma ideia que simplesmente aconteceu de ser minha. Viro-me para me juntar a eles, um profundo sentimento de orgulho borbulhando dentro de mim e aquecendo meu peito. Eu continuo andando, mas antes de


chegar ao meu cubículo, Matt fala novamente. — Charlotte, venha ao meu escritório, por favor. Eu engulo o caroço na minha garganta e tento um — Claro — antes de seguir Matt até lá. Ele se senta e gesticula para eu tomar um assento em frente a ele. Sento e começo a torcer os anéis nos dedos. — Você fez bem lá, Charlotte, — diz ele, olhando para mim com os olhos quentes. Eu não posso dizer se ele quer me dar tapinhas nas costas e me dizer “bom trabalho” ou me beijar loucamente e me dizer “venha para mim.” Balanço minha cabeça, porque esse pensamento trouxe calor entre as minhas pernas. — Obrigada. — Sorrio. Ele sorri de volta e esfrega a barba em seu queixo, dizendo mais para si mesmo do que para mim, — Eu sabia que trouxe você nesta campanha por uma razão... Levanto minha sobrancelha para ele. — E qual razão seria essa? — Pergunto. Ele me olha de cima a baixo, um sorriso diabólico no rosto. — Sua aparência, é claro. Eu rio, e ele ri de mim, mas sua risada desaparece. — Eu trouxe você porque algo me diz que você é tão apaixonada por este país e sobre a mudança real como eu sou. Sinto-me corar. E ele me olha com curiosidade. — Eu não achei que você diria que sim, sabe, — confessa a mim, e, em seguida, estimula, — Por que você fez? — Por que eu fiz o quê? — Eu pergunto, perdida pelo olhar em seus olhos, e como eu me sinto como a única mulher no mundo quando eles estão olhando para mim tão atentamente. —Disse sim. Faço uma pausa e penso sobre sua pergunta. Na verdade penso nisso por um momento. Por que eu disse sim a ele?


Sinto minhas rodas mentais girando e antes que eu saiba, estou respondendo a ele com confiança. — Eu não podia deixar a minha chance de fazer algo grande passar. Ele olha para mim. Eu olho de volta. E nesse momento, eu sinto a mudança no ar. Eu sinto que acabei de ganhar algo que Matthew Hamilton não dar facilmente ou frequentemente: admiração. — Se você não precisar mais da minha ajuda, devo começar a trabalhar, — eu digo. Ele balança a cabeça. Nervosa sobre a conexão que sinto, apresso-me a voltar para minha mesa. Os telefones não pararam de tocar, as pilhas de cartas distribuídas na minha mesa e na de Mark (outro assessor) chegam a cada segundo.

10

ESSE CACHORRO PRECISA DE UMA COLEIRA Charlotte

NA MANHÃ SEGUINTE, meu alarme dispara às cinco horas. Antes de entrar na campanha de Matt Hamilton, eu colocava as sete e estava no trabalho às nove. Agora eu preciso estar no trabalho às sete e meia, e porque quero um bom começo, me levanto cedo, lavo o rosto, entro em minhas calças de corrida e camisas de mangas compridas, pego meu telefone, fones de ouvido, e uma jaqueta, e vou para a rua.


O sol aparece através de um par de nuvens cinzentas quando sigo a minha corrida favorita, que passa pelos monumentos de Washington. O dia é muito sombrio para admirar a vista, e eu quase desejo ter ficado na cama. Eu vejo um flash de movimento com o canto do meu olho e de um canto na distância surge um cachorro, feliz trotando pelo meu caminho. Ele late para mim, depois se senta diante de mim, todo atencioso e animado. Sendo uma pessoa de gato, meu relacionamento com os cachorros tem sido inexistente, então eu não sei o que fazer com a criatura, exceto tentar acalmá-lo. Quando pego no fim de sua coleira, algo escuro me chama a atenção, e eu levanto a cabeça. Eu estou no meio da trilha, piscando os cílios, lutando com o choque de ver Matt Hamilton andando na minha direção com uma camisa de corrida vermelha e calção azul-marinho. Seu rosto mostra a combinação de uma expressão e um sorriso. Ele parece surpreso e divertido em me ver, e eu estou chocada. Sua camisa modula sua pele, revelando a bela definição de seu peito. Ele é tão robusto e ao mesmo tempo tão elegante, é difícil pensar direito. Meu coração bate mil batidas por segundo. — Bom ver você aqui, — diz ele. — Bom também — Eu sorrio, minha garganta seca quando ele para diante de mim. E, então, começamos a andar, juntos, e ele está olhando meu perfil enquanto o sol beija cada polegada de seu rosto. Seu cachorro feliz trilha ao lado dele, e acho que é divertido ver a maneira como ele olha para cima devotadamente para Matt. Matt se vira para mim. — Eu vejo que você conheceu Jack. — Jack, — repito, sorrindo para o cachorro. — Ele tem o mau hábito de dizer oi a quem nós encontramos no parque. — Eu aposto que essas pessoas ficam muito animadas quando descobrem quem é o proprietário do cachorro. Suas sobrancelhas voam para cima. Eu não escondo o pânico por dizer isso em voz alta. Eu começo a rir e rapidamente digo: — Eu tenho uma gata. Doodles. Ela não é como Jack; ela odeia estranhos. Espero que ela não vá me considerar uma


estranha também um dia, já que ela fica com a minha mãe, porque eu estou em outra casa. Continuamos andando em silêncio confortável, bem, não tão confortável, eu suponho. Estou muito consciente dele. Como ele é alto comparado a mim. — Então, o que fez você ir para Georgetown? E tornar-se uma defensora para as mulheres? — Ele me pergunta. Estou surpresa por quão genuinamente interessado ele soa. Pela maneira atenta que ele olha para mim enquanto espera. — Eu quero ter certeza que os direitos das mulheres sejam conhecidos. — Eu dou de ombros. — E você? Eu sei que você foi para a faculdade de direito para executar o seu império. — Sério. Onde você ouviu isso? — A imprensa. Ele me dá um sorriso, então ri e balança a cabeça em repreensão. — Eu acho que você sabe melhor do que isso para ouvi-los. — Seu sorriso desaparece, e ele fica sóbrio e acrescenta: — Não, realmente. Eu admiro o fato de que você entrou no serviço público. O que a inspirou mudar o mundo? — Eu não sei, — Eu começo, pensativa. — Todo verão durante a faculdade, eu fui a viagens missionárias. Eu amava conhecer todas essas pessoas e eu amei ajudar. Especialmente as mulheres: é difícil imaginar quando você vive em um país de primeiro mundo os tipos de coisas que as mulheres em todo o mundo ainda estão submetidas. Isso me fez querer fazer algo para os outros. E você, Sr. Hamilton? O que lhe dá inspiração? — Volto-me para ele. — Andando ao seu lado observando enquanto fala. Minha respiração engata, e noto que seus olhos estão brilhando com um bonito tom de cetim escuro, e eu percebo que ele está flertando comigo, e eu sou uma bola de fogos de artifício no interior. — Então me diga sobre C, — diz ele. Estou confusa. — Cultura? — Charlotte. Vamos. Eu rio quando ele apenas dá um sorriso ínfimo e eu sinto meu rosto ficar rosa. — Bem, eu fui a Georgetown, mas você já sabe disso. — Dou-lhe um olhar aguçado.


— Meus pais amaram que eu fui para Georgetown. No momento em que me formei disseram, você deve entrar na política agora. Mas eles sabiam que meu objetivo era trabalhar para o serviço público, de modo que é onde eu fui... — Eu continuo pensando para ver o que mais eu poderia compartilhar. Eu ainda não consigo acreditar que ele colocou meu nome na letra C... — Todo mundo pensa que eu sou uma boa garota. Eu nunca fiz nada de errado; mas eu só não queria embaraçar meus pais. Envio-lhe um olhar tímido que diz sua vez. — Estudante de Direito. Como você sabe. — Ele me lança um olhar malicioso. — Eu sou o garoto mau, mas eu realmente não sou tão ruim assim. Tudo é sempre exponencial quando a mídia pega. Crescendo, houve na verdade muito poucas pessoas na minha vida que eu podia ter certeza de que não correriam para a mídia com a história da noite passada. Estou surpresa com isso, porque acabei de perceber quão difícil deve ser viver a sua vida sempre sob o escrutínio. Eu não sei se poderia fazer isso. — Eu estava tão nervosa quando nos conhecemos. Durante anos eu tinha uma foto sua na minha parede. — Você fez, não é? — Ele murmura, rindo um som baixo retumbante. Eu ri. — Minha mãe me deixou mantê-lo só porque provavelmente ajudou a manter-me longe dos meninos e, bem, eu sou filha única. Eu realmente sempre tentei ser boa. — Meu pai era um senador antes de se tornar presidente. Eu cresci sendo filho único, então eu sei exatamente o que se sente ao ser a menina dos olhos dos seus pais. Eu sorrio. — Exceto que você também é filho de um ex-presidente agora. O que deve ser duplamente difícil porque você é a menina dos olhos do público, também. — Não realmente. — Ele franze a testa quando pensa sobre isso. — Eu tenho achado suas cartas dos fãs muito divertidas. Eu gosto das mais loucas. Sabia que você teve várias propostas de casamento nas últimas quarenta e oito horas? Ele finge um olhar surpreso e cruza os braços, como se estivesse super


interessado. — Eu espero não ter aceitado. — Claro. Ao longo da campanha e presidência, você estará irremediavelmente solteiro. Carlisle mantém a todos informados. Ele só me dá um vislumbre do mero tique sexy de seus lábios e, em seguida, olha em frente, pensativo. — Eu não seria o primeiro presidente solteiro, você sabe, — ele diz, enquanto olha para mim novamente com um dar de ombro. — James Buchanan já preencheu esse papel. — Vinca sua testa. — Não foi um bom presidente. Mas foi um solteirão até o fim. — Seus lábios sorriem. Minha curiosidade é aguçada. — O que ele fez? — Pergunto. — Mais como não fazer. — Seu cenho franzido se aprofunda. —Sua incapacidade de tomar uma posição firme sobre a escravidão e parar a secessão nos levou à Guerra Civil. Nós continuamos olhando um para o outro com uma intensidade que quase enrola meus dedos do pé. Há uma brisa suave e eu percebo que minha camisa está pressionando minha pele, e sua presença faz meus seios ficarem pesados. Eu olho para baixo e meus olhos se arregalam quando percebo que meus mamilos estão duros como pequenos rubis. Eu cruzo meus braços, e Matt sorri. — Eu deixei seus mamilos duros naquele dia da inauguração da campanha também. — Oh, uau. Bem, meus mamilos não eram as únicas coisas ficando duro naquele dia, eu diria. — Você não sabe nem a metade. Eu gemo e reviro os olhos, rindo por dentro, mas odiando o quanto meus mamilos surgiram agora. Estou tão nervosa que tropeço. Ele me pega, seus reflexos muito rápido quando sua mão engancha em volta do meu cotovelo para me manter em pé, e de repente eu não posso respirar. Estou impressionada com o quanto temos em comum, e pela forma como ele me traz de volta a encontrar o equilíbrio e, em seguida, de alguma forma, me traz ainda um pouco mais, um pouco mais perto dele.


Ele levanta a outra mão e escova uma mecha de cabelo atrás da minha testa, os olhos tão escuros como nunca. Desejo inunda os nossos corpos a se conectar, a minha frente contra sua frente, e eu posso senti-lo. Eu posso sentir o quão grande ele é, como grosso e duro está pulsando contra minha barriga. E neste momento Matt Hamilton, minha paixão de todas as idades, o homem mais sexy do mundo, o candidato mais quente na história dos EUA, torna-se tão real para mim. Muito real. Eu posso sentir o calor do seu corpo através do tecido molhado de nossas camisas. Eu posso sentir o cheiro dele, um cheiro de sabão e chuva, e eu posso vê-lo como um cara, um cara muito quente com um destino extraordinário para cumprir. Eu sinto algo saltar para lamber meu rosto e eu empurro e dou um passo para trás, assustada com o beijo do cão. — Merda, — eu respiro, rindo. — Jack! — Uma maldição dura segue, e sinto Matt endireitar-me e, em seguida, colocar distância entre nós. — Desculpa. Você está bem? — Ele pergunta. Roça meu cabelo para trás, como se por impulso, antes de começar a andar novamente, e eletricidade formiga pelo meu corpo. Concordo com a cabeça rapidamente. Estou tão, tão nervosa. — Sim. Me desculpe, eu disse merda. — Por quê? — Seus lábios sorriem. —Não precisa. Eu rio, sem acreditar que estava esquecendo quem era, apanhada no momento de sua proximidade, o quanto eu quero ele, percebendo que, se ele quer ou não, seu corpo responde a mim também. — É melhor eu ir embora antes que eu esteja atrasada. Eu não gostaria que o chefe ficasse com raiva de mim. — O chefe nunca poderia ficar com raiva de você. Seu tom é sóbrio, mas seus olhos brilham, e todo o meu corpo fica corado sob seu respeito. — Tchau, Matt, — eu digo, levantando minha mão um pouco sem jeito em sinal antes de cortar um caminho através da grama e de ir pela calçada.


AQUELA NOITE, meus pais me convidaram para jantar, e eu não posso parar de pensar sobre Matt e seu enérgico Jack e as conversas que tivemos sobre sua infância e a minha. Então eu penso no dia que nos conhecemos, e o presidente, e sua morte. Pergunto ao meu pai por que ele acha que não havia nenhuma informação conclusiva sobre o assassinato do Presidente Hamilton. — O assassino nunca foi pego. — Ele dá de ombros. — Uma teoria é que era um ato terrorista por causa dos pontos de vista liberais do Presidente Hamilton; outros dizem que foi uma conspiração entre as partes. Eu franzo a testa, preocupada. — Você está preocupada que Matthew estará em perigo? — Ele me pergunta. Não posso deixar de olhar para ele com uma expressão preocupada. Ele suspira. — Ele vai ficar bem, desde que ele não abra essa lata de vermes. Eu franzo a testa ainda mais. — Matt não me parece como um homem que não vá abrir uma lata de vermes, especialmente se ele se sentir forte sobre isso. Ele balança a cabeça. — Não se preocupe com coisas que você não pode controlar. Faça o seu melhor e mantenha a sua cabeça longe disso, essa é a única maneira de ficar à frente na política. Caso contrário, qualquer um vai ver sua cabeça como potencial e vai empurrá-la para baixo. — Mas eu não quero estar na política. Ele ri. — Você já está agora. — Eu só estou lá por que... — Você tem um ponto fraco pelos Hamiltons, eu sei. Pessoas nas notícias estão surpresas que você está participando. Charlotte querida, você fez charme para Matthew naquela noite, não foi? Até mesmo o Presidente Hamilton. Eles têm um fraquinho por nós também. — Ele sorri melancolicamente, seus olhos tristes com as memórias. — Sabe por o que mais Matt tem um fraquinho? Além do país? Seu cachorro, — eu digo, lembrando-me desta manhã quando pego Doodles dos meus pés, a coloco no meu colo, e tenho um acidente vascular cerebral ao ouvi-la ronronar feliz.


11

PRESENTE Charlotte

NA MANHÃ SEGUINTE, tomo um banho, coloco uma roupa rapidamente, e paro em uma loja de animais no impulso para fazer uma compra. Eu não sei por que quero fazer esta compra em particular, mas minha mãe sempre foi o tipo de mulher que tinha surpresas para o meu pai. Eu não sei se é sua maneira de dizer obrigada por algo de bom que ele fez ou apenas a maneira como ele a fazia sentir. Eu quero dar algo para Matt, mas eu sei que não seria adequado. Mas quando o desejo de dar algo a Jack me bate, eu decido não combater. Uma vez que chego à sede de campanha, estou fora do elevador e vejo Matt no corredor. Imediatamente meu corpo responde: meu pulso saltando, mamilos endurecendo, vagina contraindo.


Ele está em jeans escuro e um suéter de cashmere cinza de aparência suave que contrasta fortemente com seu cabelo escuro. Ele está falando com seu gerente de campanha da web quando me vê. Faz uma pausa no meio da frase, e meu coração gagueja quando ele sorri para mim. Seus olhos estão quentes e há algo mais em seu olhar, quase como protecionismo. Ele continua falando com o cara, com a confiança que parece agarrar-se a ele como uma segunda pele, e eu vou para a minha cadeira. Expiro e olho em torno de minha área de trabalho, dizendo a mim mesma que eu tenho coisas a fazer. Todo mundo aqui é inteligente, muito rápido, e ansioso para trabalhar, a maioria deles confiante. Um pouco mais experiente do que eu, também. Vi que todos sem esforço respondem telefonema após telefonema, carta ap��s carta, e-mail após e-mail. Eu fico sentimental sobre essas coisas. Eu me vi na necessidade de uma caixa de lenços de papel ou de dar a minha resposta quando lia as cartas. Após um dia inteiro, ainda não sei como responder a carta deste pequeno menino. Eu lidei com as mulheres na fundação da minha mãe, mas nunca ninguém mais jovem do que dezoito anos. Há algo sobre alguém mais jovem tendo dificuldades que me atinge duas vezes mais difícil. — Leia esta carta, — Eu digo a Mark, cuja mesa está a poucos passos de distância da minha. — O que tem isso? — Eu gostaria de perguntar a Matt se ele poderia espremer em uma visita... — O que? De jeito nenhum. Ele tem quatrocentos pedidos de noivado por semana. Ele não tem tempo para tudo e todos. Nós temos milhares de cartas da mesma forma nas pilhas. Basta responder e ir para o próximo. Eu ando para minha mesa, infeliz sobre a sugestão de Mark. Ele se inclina para trás em sua cadeira e olha para o meu cubículo por um momento, e tenho certeza de que ele estava tentando pegar um vislumbre de meus seios quando me inclino para arrastar minha cadeira. — O que importa perguntar-lhe? É apenas um entre milhares, — então ele me pergunta, revirando os olhos.


Eu aceno a carta no ar. — É importante para este. Volto para as cartas na minha mesa, e coloco de lado e inclino minha cabeça para continuar a responder à mão.

CARO KIM,

MATT ESTÁ MUITO EMOCIONADO por sua carta e ele gostaria que você recebesse seus melhores desejos em sua próxima graduação. Por favor, receba este conjunto de marcadores com ambos os parabéns de Matt e de sua equipe de campanha. Tenho certeza de que podemos esperar grandes coisas de você no futuro.

COM OS MELHORES CUMPRIMENTOS, Charlotte Wells, assessora de campanha.

ALGUMAS HORAS DEPOIS, Carlisle nos convoca para uma reunião. Pego um bloco amarelo e sigo meus colegas de trabalho para a sala de conferência. Matt está observando cada passo que dou até a sala enquanto nós somos informados sobre a nova estratégia de campanha. Quando todos saem, nervos comem nas paredes do meu estômago enquanto vou para minha mesa, pego minha compra desta manhã, e de vou para o canto do edifício, onde Matt tomou posse. Ele já está atrás de sua mesa quando eu entro. — Eu tenho um presente para você. Ele se inclina para trás em sua cadeira e nossos olhos se encontram, e a mera forma como ele olha para mim dá um aperto no estômago e no meu sexo. — Não é para você, é para Jack, — eu tropeço para explicar. Ele olha para dentro da caixa, olha para o colar com o símbolo do metal unido, e levanta em uma das mãos. — Uma coleira de pulgas. — Ele bate o charme de pulgas com um dedo. — Engraçado. Pressiono meus lábios para não rir.


— Como você está nesta manhã? — Ele arrasta a coleira de pulgas ao lado de sua mesa, onde ele tem uma imagem de seu pai, sua mãe, e dele próprio. — Estou absolutamente fabulosa, Sr. Hamilton, — digo alegre, pressionando as pastas no meu peito. — Matt. — Ele enuncia cada letra claramente. — Matt. — eu digo. Seu sorriso atinge todo o caminho até seus olhos. — Boa garota, você ganhou um A hoje. — Você tem um crachá de intimidador. Matt. Eu me viro, e quando eu olho sob meu ombro, ele está chegando a um par de óculos de leitura e olhando para a proposta de Carlisle. Ele parece inteligente e tranquilo e intelectual enquanto lê com seus óculos, distraidamente correndo os dedos sobre a parte superior da cabeça. É quando o vejo levantar a cabeça e olhar para a coleira que comprei para o seu cachorro, seus lábios mudam. Só um pouquinho.

TENHO VISTO Matt na sede de campanha todos os dias. No começo, ele estaria sorrindo e olhando diretamente para mim, mas ultimamente tenho parecido invisível para ele. Ele olha sob meu ombro quando lhe pergunto qualquer coisa, respondendo secamente com comentários como: — Bom, aprecio isso. Ontem, seu olhar caiu até o broche que eu estava usando, que foi lançado em comemoração na presidência de seu pai, um círculo do ouro com uma águia nela e um lema latino gravado abaixo. Comprei-o no momento em que saiu e a edição limitada esgotou em poucas horas. O olhar escurecido em seus olhos me confundiu. Ele parecia insatisfeito, ou muito próximo a isso. Ele pegou a pasta que lhe entreguei e foi embora, folheando enquanto se dirigia a seu escritório. Na sequência desse encontro, eu fui ao banheiro. Verifico minhas roupas; que não estão amassadas ou manchadas. Eu corro minhas mãos pela minha calça e


camisa, tocando o pino no colarinho. Insegurança me atinge. Talvez ele ache que é lamentável? Talvez o fantasma de seu pai estivesse atrás de mim? Talvez ele esteja descontente com a imprensa ruim que eu estou recebendo? Quando eu saio, ele está falando com Alison e olhando diretamente em seus olhos, e eu me viro e tomo o caminho mais longo para o meu cubículo. De volta ao meu lugar, meu computador hibernando olha fixamente para mim. Eu tenho tentado tão arduamente colaborar e ser eficiente, e eu estou desapontada que ele não está claramente feliz com o meu trabalho. — Não zombe de mim, — eu digo para a tela quando pego uma pilha de cartas e mantenho a leitura. Tantas petições. Muitas pessoas esperando pela mudança. Então, muitas pessoas que querem um pedaço de Matt Hamilton. Meus olhos estão cansados. Eu tive cerca de cinco xícaras de café. Ouço o barulho, e o vejo em seu escritório. Nós somos os únicos no prédio. Duas luzes no interior. Vejo-o raspar a mão sobre o rosto e levantar a cabeça, e eu abaixo a minha para que ele não perceba que estava olhando para ele. Meu estômago torce quando ouço passos. A energia de Matt começa a envolver-me, e eu sinto meu coração começar a se agitar quando o ouço agarrar a cadeira da cabine de Mark ao lado da minha e arrastá-la para que possa sentar ao meu lado. Ele coloca seu café ao lado do meu, e uma pasta, e seus óculos de leitura. — Não tem café? — Ele levanta meu copo vazio. — Se eu tiver mais um nunca vou dormir de novo na minha vida, — gemo, e ele ri, uma risada tão agradável, e leva o meu copo e vai recarregá-lo. Ele coloca-o no mesmo lugar que ocupava antes. Ao lado do seu. Em seguida, ele puxa o assento ao meu lado, e eu não consigo me concentrar por um momento. Estou muito consciente dele, de ninguém no edifício, além de nós. Matt tem uma maneira de ocupar mais espaço do que o seu corpo precisa. Ele se desloca para apoiar os cotovelos sobre os joelhos, e meu coração tropeça na sua


proximidade. — Ei. Por que você ainda está aqui, Charlotte? — É meu cubículo. Ele sorri ironicamente e apenas olha para a minha insolência. Estou muito consciente dele sentado lá, com os ricos contornos de seus ombros pressionando no tecido preto, de aparência suave de sua camisa. Eu tento não notar. — Eu estava tentando terminar essa pilha de cartas, — eu finalmente respondo, agarrando a caneta quando pretendo voltar ao trabalho. Eu não posso. Ele está olhando para mim. — Eu tenho certeza que você não concordou em me ajudar para que pudesse gastar todas as noites respondendo cartas, — diz ele. — Talvez eu tenha feito. Mas por que a pergunta? — Eu estreito meus olhos. — Quando você recebe uma carta de uma garota que acabou de conhecer, você sabe que ela está falando sério. — Eu perfumei o papel de carta, então é claro que eu estava falando sério, — eu digo maliciosamente. — Embora pareça que você não quis dizer isso quando disse que não queria concorrer quando nos conhecemos. — Sim, bem. — Uma risada sobe em seu peito, e ele arrasta a mão pelo cabelo. — Você mudou de ideia, — eu digo. — Você poderia dizer que eu amadureci a ideia. Leva tempo para reunir coragem de acreditar que você pode fazer. Em seguida, dá para acreditar que você pode fazê-lo melhor do que ninguém. Ele parece calmo, como se ele não tivesse nada a esconder, seus olhos quentes e simplesmente... amigáveis quando se inclina para trás e coloca seu braço atrás da cadeira enquanto se desloca. — Eu ficava pensando se não fosse eu, quem seria? Se não agora, quando? — Ele olha para fora das janelas no extremo antes de olhar de volta para mim. — Eu gostaria de mudar as coisas. Ainda não há igualdade, ainda há uma necessidade de postos de trabalho, ainda há demasiadas ambições de autosserviço. Nós somos todos lobos selvagens que foram alimentados à porta de casa por muito tempo e se esqueceram de como caçar. Onde estão os trabalhadores que construíram a América? E o desemprego?


Ele soa tão apaixonado, e ele está tão perto, eu estou um pouco sem fôlego. — Eu amo como pró-ativo você está se sentindo nesse emprego. — Porque nada parece tão bom quanto um dia bem investido em fazer a coisa certa. — Seus olhos vagueiam levemente para meus lábios por um momento minúsculo. — Na verdade, não há nada. Mas há algumas coisas que valem a pena. Nenhum de nós está rindo. Na verdade, o ar está um pouco carregado, um pouco elétrico. Ele quer beijar, uma parte de mim sussurra. Não, Charlotte, ele quer sexo! Eu me sinto corar com isso, ciente de Matt me olhando como se ele estivesse gostando disso imensamente. Coloco a caneta na mesa e olho para ele. — O que você disse outro dia, sobre nunca ser capaz de confiar em alguém que não vá correr com a história. Há tantas histórias sobre sua família e você... São todas reais? — Confie em mim. Eles não são tão interessantes como você acha que são. — Não é verdade! — Eu protesto. — Eles são todos fascinantes. Ele sorri. Desloca-se para frente. — Você é fascinante, — ele sussurra. Eu quase engasgo com minha saliva. — Acho tudo sobre você fascinante. Mesmo o fato de que você está sentado aqui agora a esta hora. — Assim como você está, — Eu me oponho. — Eu sou o candidato. — E você é meu candidato. Então, eu estou aqui. A palavra meu tem uma sensação diferente quando dita para ele. A ideia de que Matt poderia ser meu é simplesmente alucinante, para dizer o mínimo. Mas ele poderia ser meu presidente. Ele foi minha primeira paixão. Ele é meu chefe, e meu candidato.


E agora ele é meu próprio sopro porque nada que já senti é tão excitante para mim como este homem, este homem neste momento, bebendo seu café, inclinando-se para trás na cadeira, observando-me com esses preguiçosos olhos, como se ele não tivesse a intenção de ir a qualquer lugar. Como se o que aconteceu quando corremos/caminhamos juntos foi um tipo de conexão com ele também. — É verdade que você teve um chimpanzé na Casa Branca? Você foi presenteado por um embaixador estrangeiro? — Pergunto. Eu admito que sou viciada em falar com ele, para aprender mais sobre ele. — Baboo. Ela tinha seis meses de idade quando a pegamos. — Sério? Todas suas amigas de faculdade eram terrivelmente ciumentas porque ela tinha que viver com você? Eu não posso nem comentar sobre a lista das namoradas. Christina Aguilera, Jennifer Lawrence, era verdade? Matt devolve o café a mesa, com um sorriso nos lábios. — Não. Ambas são amigas. Meus anos na Casa Branca me ensinaram a guardar todos os meus passos e depois... vamos apenas dizer que eu gosto de ser o caçador no relacionamento. — Ele me olha maliciosamente. — E você, Charlotte? — Oh, não. — Balancei minha cabeça, rindo. — Meus pais desistiram de me juntar com alguma entidade política promissora. Eu simplesmente não encontro o cara certo. Há um silêncio. Matt parece estranhamente satisfeito. Ele se inclina para frente. Tão perto que seu ombro toca o meu, e uma parte de mim se pergunta se é de propósito. — Você quer? — Sua voz é profunda e um pouco tranquila. Ele levanta a mão e enfia uma mecha de cabelo atrás da minha orelha, quase como ele fez quando estávamos correndo/andando juntos, e um arrepio corre pela minha espinha. Meu coração bate e falha no meu peito enquanto olhamos fixamente um para o outro e Matt abaixa a mão, ainda olhando para mim com as pálpebras pesadas. — Claro, todo mundo quer encontrar isso. Eu sou realista, mas eu sonho em encontrar o que os meus pais têm. — Então por que não...? — Ele estimula, seu olhar me acariciando.


— A maioria dos políticos são velhos, fechados, ou chatos. Ele ri — um som rico e profundo. Quando ele fica moderado, sua voz cai um decibel. — Ainda bem que eu sou um advogado e um homem de negócios, e não um político. Porque eu não sou fechado, e definitivamente não sou chato. Minha garganta seca. Oh Deus. Ele é definitivamente nada como a política já viu, mesmo com os Kennedys. Mas você não está disponível, penso comigo, embora eu de alguma forma me retraia muito de dizer isso com a língua presa. Um silêncio se instala entre nós. Eu sinto meus mamilos estourando e temo que se Matt desviar seu olhar, vai notar. Há uma piscina de calor entre as minhas pernas e um aperto no meu sexo, e estou desesperada para me livrar disso. Leva-me um momento e uma respiração profunda para obter um controle sobre a tensão sexual crepitando entre nós. Lembro-me porque eu estou aqui, trabalhando tão tarde, retrabalhando em um itinerário que eu já tinha trabalhado um par de dias atrás. Chego até debaixo da minha papelada para retirar um envelope, olhando interrogativamente nos seus olhos. — Você iria ler isso? Antes que eu saiba, eu estou estendendo minha mão. Ele toma um gole de seu café e rapidamente coloca-o de lado. Em seguida, ele pega os óculos, coloca-os, e pega a carta. Nossos polegares se tocam quando ele pega a carta, e outro aperto no fundo da minha barriga acontece. Ele sorri, como se definitivamente fizesse isso de propósito. Mas seu sorriso desaparece quando Matt verifica a carta. Sei de memória o que diz. Isso me tocou profundamente.

CARO MATT HAMILTON, Estou muito feliz que você está concorrendo à presidência. Minha mãe se preocupa que algo possa acontecer a você, então acho que você é muito valente. Estou muito


bravo também. Eu tenho sete anos de idade e recebendo um novo tratamento experimental da minha muito ruim leucemia chamada de PCL. Eu perguntei se isso poderia me matar também. Mas o meu pai diz que alguém tem de ser o inovador e abrir novos caminhos desconhecidos como você. Meu sonho é ir para a Casa Branca quando você se tornar presidente. Eu sei que vou ir muito bem com este tratamento, porque estou esperançoso. Então, vença Matt! Ah, e meu nome é Matt também meus pais me nomearam como você. Matt

— VOCÊ QUER VISITAR ESTE MENINO? — Pergunto. Matt puxa os óculos e olha para mim. Apenas olha para mim. Tão intensamente e como se pudesse ver tudo o que eu sou, sempre fui e sempre serei. Rapidamente retiro a programação da semana seguinte e minha própria versão dela. — Ele é filho de uma das Mulheres do Mundo. Eu reconheci seu nome no envelope de correio. Eu acho que posso encaixa-lo antes de deixarmos D.C. — ele está sendo tratado no Children’s National ao Noroeste de Michigan. Pus a nova versão de sua programação para ele ver. Mas ele não olha para o calendário. Apenas para mim. Sua voz é suave, mas mais profunda do que era antes. — É por isso que você está aqui tão tarde; você está tentando encaixar isso, — diz ele. É mais uma afirmação do que uma pergunta. Eu mordo meu lábio quando um brilho de admiração aparece em seus olhos. Ele desliza o calendário sobre a mesa de volta para mim sem sequer olhar para isso. — Eu ficaria feliz de ir. Eu sorrio, meu peito inchado de felicidade. Eu me lançar para frente e dou-lhe um abraço e um beijo doce, mas casto em sua mandíbula. — Obrigada! Muito, muito obrigada! Quando meus lábios tocam o seu queixo, de repente, seu cheiro está me cercando


em um manto de colônia elegante e sabão. Eu começo a ir para trás, assustada com a minha própria ação impulsiva. Eu percebo suas mãos caindo na minha cintura, me segurando delicadamente, mas com firmeza. Ele olha para mim com um leve sorriso nos lábios, e eu olho de volta; nosso choque mútuo com a minha impulsividade se transforma em outra coisa. Nós compartilhamos um momento de compreensão silenciosa, uma conexão mais poderosa do que qualquer coisa que eu já senti. A solidão do edifício de repente torna-se ainda mais pronunciada. O calor de seu corpo. As manchas de preto em seus olhos, a íris escuras, a espessura de seus cílios, e mais especialmente, o olhar em seus olhos. Estou ciente da admiração em seu olhar quando ele levanta a mão e escova minha bochecha com a ponta do polegar. Prendo a respiração, doendo pela proximidade, para estabelecer fisicamente esta conexão que eu sinto, sinto seu hálito quente na minha pele. Ele roça o polegar sobre meu rosto uma segunda vez, e, em seguida, como se isso não fosse suficiente, os lábios seguem. O toque mais nu, mil vezes mais poderoso do que uma sessão de exploda minha mente com alguém. — De nada. — Sua voz é rouca. Quando eu me libero, nós dois não conseguimos parar de olhar um para o outro. Ele está sorrindo de novo, seus olhos como o metal líquido e um pouco quente demais, e eu sorrio timidamente em resposta. E de alguma forma este é o mais honesto, mais quente sorriso que alguém já me deu e que eu já dei a alguém de volta. Acho que as coisas devem parecer estranhas, mas isso simplesmente parece um pouco mais acentuado no minuto seguinte. O som de sua respiração ou o farfalhar de suas roupas enquanto ele pega seu material de volta para seu escritório, o timbre de sua voz quando ele me diz que se eu estiver pronta, ele vai estar pronto e pode me dar uma carona para casa, o contorno de seu corpo perto do meu enquanto ele me ajuda em meu casaco. Eu vou na parte de trás do Lincoln preto com ele, o seu motorista, Wilson, nos levando. O olhar de Matt reduz de repente. Delicadamente, ele pega o broche de águia na minha gola. Acaricia a águia com a


ponta do polegar. Uma vez, isso é tudo. — Você sempre usa isso, — diz ele. Um sorriso ridiculamente sexy enrola seus lábios, mas desta vez, seus olhos não estão sorrindo. Ele procura a minha expressão com curiosidade. E seu sorriso desaparece. Ele ainda está segurando o broche. Eu estou segurando minha respiração, querendo mais desses toques, mais dele. Mas eu sei o quão ridículo é pensar sobre qualquer coisa com ele. Ele é tão orientado a ganhar, eu sei que a última coisa que ele precisa agora é uma distração como eu. — Lembra-me dos bons velhos tempos, — finalmente respondo, tentando me desvencilhar do desejo em espessura em minhas veias. — O que você vai trazer de volta. — Estou pronto. Nós sorrimos. O próprio ar entre nós parece estar em chamas. — Boa noite, Matt. Estendo a mão para a porta, mas ele se inclina sobre mim e coloca os dedos nos meus, clica para abrir para mim, seu calor me envolvendo novamente, seus dedos deslizando sobre os meus, acariciando como uma pena. — Boa noite, Charlotte. Ele observa nas sombras do carro, seus olhos dançando da maneira que faz às vezes quando eu faço algo que o diverte, e ele ainda parece o cara digno que eu conheci quando tinha onze anos. Ele pode ver o quanto ele me perturba? É claro que pode. Chego ao meu apartamento e meus pés doem, minhas costas doem, meu cérebro dói. Sinto-me muito esgotada para fazer qualquer coisa, além de chutar os sapatos, esticar os braços para fora, e cair de bruços na cama. Mas eu não consigo dormir. Seus lindos olhos salpicados de sombras escuras continuam me encarando. E eles estão olhando para mim como um homem olha para uma mulher que quer.


Matt está olhando para mim como se ele me quisesse.

EU NÃO CONSIGO PARAR DE PENSAR sobre a maneira que eu impulsivamente me joguei para Matt e beijei-o. A maneira como ele cheirava, a forma como ele parecia, tão quente e masculino e forte. Estou inquieta nesse fim de semana e chamo Kayla para vir ao meu apartamento. — Então, como é que vai? Empurrando o pensamento de tê-lo beijado à parte, penso em como é ótimo a sensação de ter uma campanha com ele. — Incrivelmente bem, — eu admito. — Ele está tão magro e construído e alto e escuro como ele está na TV? — TV não pode capturar com precisão o seu carisma em pessoa. Ele é... ele é atraente com seu rosto sozinho, mas combinado com a sua personalidade e energia é uma espécie de perverso. — Eu estou morrendo de fome, comi o jantar com pressa para que eu pudesse ir para a cama cedo. — Ele está concorrendo a presidente. Sua infância mega apaixonante, e a minha! — Kayla marcha até o controle remoto da TV e coloca no primeiro canal. Ele está na tela, tão atraente como ele é em pessoa. — O que os Republicanos estão dizendo? — Eu pergunto a ela. — Eles estão cagando nas calças. — E os Democratas? — Cagando em suas calças. Ela suspira e cai no meu sofá. — Nunca votei para um candidato Independente na minha vida, mas estou com ele. Hamilton para a vitória! — Ela olha para mim. — Nós sentimos falta de você em Mulheres do Mundo. Você está planejando voltar depois da campanha? — Claro. — Por que deixar as Mulheres? — Porque ele é o que a América está esperando. Nós merecemos.


— Você odeia ser o centro das atenções, mesmo que secretamente admire o quão bem sua mãe leva isso. — Eu sou tímida. — Dou de ombros. — Isso não vem tão fácil para mim como é com a minha mãe. Mas eu quero estar lá quando ele chutar a bunda. — E a nossa viagem à Europa este ano? — Pergunta Kayla. Junto-me a ela no sofá, suspirando quando olho para o teto. — Nós podemos ir para a Europa a qualquer momento, mas não é todo o dia que Matt Hamilton concorre para presidente. — O pai perfeito do bebê e cada mulher lá fora sabe disso. Se você não pode tê-lo em sua cama ou ser o pai de seus filhos, pelo menos, deixe-o ser nosso chefe no comando. — Comandante chefe, — eu corrijo. — Ele pode ser qualquer coisa que ele quiser. Eu gemo e rio.

12

NOS ENCONTRAMOS CORRENDO O MESMO CAMINHO Charlotte

EU REALMENTE NÃO TINHA PERCEBIDO que estava entrando em um


trabalho de alto estresse, quando eu disse que sim. Você quer ajudar as pessoas, tem tempo limitado, e você não pode ajudar a todos da maneira que quiser. Isso gera algumas grandes frustrações reprimidas e estou tendo problemas de ventilação. Dirijo até o parque para uma corrida rápida de manhã e ele está lá. Matt Hamilton é o cara mais descontraído que conheço, que pode manter a calma durante a adversidade. Enquanto o mundo está em uma algazarra sobre a notícia, e a TV mantém repetindo seu anúncio, ele está se alongando. Um boné cobre o meu cabelo vermelho que eu torci abaixo dele. De alguma forma ele ainda me reconhece, as sobrancelhas subindo apenas uma fração quando nossos olhos se encontram. Ele não está usando um boné, seu cabelo sopra ao vento, e a camisa que ele usa está pressionada contra seu torso definido. Ele não só está concorrendo para a presidência, ele está correndo a maratona 6

TCS em Nova York. Embora já seja uma enorme maratona, as inscrições dispararam quando rumores de sua participação vazou. — É perigoso, Matt, — Carlisle advertiu apenas esta semana. Matt riu. — Eu não estou fazendo uma campanha no medo: medo não tem lugar quando você decide liderar um país. — Imprudente! — Carlisle insistiu. Matt levantou-se de trás da mesa e bateu nas costas de seu gerente de campanha, balançando a cabeça, franzindo o cenho para ele. — Relaxe. É apenas uma maratona. Além disso, correr me ajuda a manter a cabeça limpa. Enfio meu rosto sob o boné até que passo por ele com um breve aceno de reconhecimento. Eu ouço seus leves passos correndo ágeis atrás de mim enquanto ele pega junto comigo, e eu estou um pouco mais ofegante quando o vejo pela minha visão periférica. — Bom dia, Charlotte. — Bom dia, — eu digo sob a minha respiração, tentando manter o meu ritmo. Nós corremos em silêncio o resto da hora. Isso vem acontecendo todos os dias, por quase duas semanas. Nós parecemos


estar... correndo juntos. Não de propósito, no entanto. Nós dois simplesmente parecemos querer fazer isso nesta hora, neste parque, diariamente. — Algum tempo livre esta manhã na sede? — Ele pergunta. — Eu tenho uma agenda lotada. — Nunca é cheio demais para mim. Meus lábios torcem ironicamente. Seus lábios torcem ironicamente também. — Nós temos alguns negócios para discutir com você. — Que tipo de negócio? — Pergunto desconfiada. — Seu ou meu? — Não é a mesma coisa? Eu paro de correr, curiosa, mais curiosa do que os nossos gatos, como minha mãe diz. — O que é isso? Ele ri. — Paciência, gafanhoto. Vou mandar Carlisle correr por você. Eu olho para o seu enorme cachorro preto, prontamente sentado protetoramente ao seu lado. Eu sorrio. — Ele gosta de sua coleira de pulgas? Ele olha o cachorro como se só agora percebesse que ele parece poderoso e confortável com isso. Ele sorri, em seguida, engancha o seu dedo sobre a extremidade do colar. — Vamos, Jack. — Ele se dirige para o carro. — Quer uma carona? — Eu estou bem, obrigada. Parecendo decepcionado, ele abre a porta e entra, e eles vão embora. Eu fico, esticando um pouco mais, e não consigo parar de repetir nossas conversas e rir. Por que eu continuo correndo neste parque? Por que ele continua correndo neste parque? Por que é de repente importante para eu saber? Eu sabia que iria ser contestada em muitas maneiras quando assumi o trabalho, mas eu nunca imaginei que me tornaria tão fascinada não só com os aspectos da campanha, mas com o próprio candidato. Ele é um homem que poderia, em menos de um ano, tornar-se nosso presidente. O conhecimento sobre o nosso país e uma compreensão verdadeira de como ele funciona escoa de seus poros. Estou muito curiosa para saber mais sobre seus pontos de vista, mas é Matt que


me deixa mais curiosa de tudo.

NA PAUSA PARA O ALMOÇO, ouço dizer a notícia de Matt pedindo a Rhonda para alterar a programação para acomodar um pedido meu parece não ter ficado muito bem com alguns dos outros assessores do sexo feminino. — Você sabe, ele nunca prestou muita atenção a qualquer uma de nós. — Martha vira o cabelo dela, obviamente, irritada. — Matt e a família de Charlotte se conhecem, — Alison diz quando eu entro. — Oh? — Ela se vira, questionando os olhos do meu jeito. — Um pouco, — Eu protejo. — Ah, então é por isso. — Ela parece aliviada. A energia na sala parece mudar, e toda a atenção foge de mim para a porta. Meus olhos vão para Matt quando ele para na secção de cafeteria para pegar uma garrafa de água. Ele a abre, pensativo enquanto olha para o grupo de mulheres, em seguida, levanta a cabeça e me vê. Eu sorrio e passo pela porta e quando meu ombro escova o dele minha pele crepita acaloradamente. Distraidamente escovo minha mão pelo meu braço quando volto para minha mesa. Estou passando por minha pilha de cartas quando Carlisle para na minha mesa. — Matt quer que você seja seu novo planejador, — diz Carlisle. Eu começo com surpresa. — Eu? — Você precisa estar aberta para viajar; vamos visitar todos os cinquenta estados. É uma boa ideia para que haja apenas um planejador ou então uma tonelada de confusões podem surgir. Confie em mim, não é divertido ter algo em New Hampshire uma hora antes de ter algo em San Francisco. Fico boquiaberta.


— Vamos vir do que se espera de você nos próximos meses, — começa Carlisle. Estou informada em um quarto de seis por seis sobre meus deveres como planejadora política. — Como nossa primeira e única planejadora, você irá supervisionar a agenda de Matt para toda a campanha. Você vai ter assessores políticos e equipes para organizar, você vai reservar seus exercícios de ginástica, certificar-se que os aviões e ônibus estão todos abastecidos com o essencial, organizar comícios e todo o seu engajamento social e pessoal para o resto do ano. Precisamos de um bom equilíbrio entre todos os seus compromissos. Você acha que pode fazer isso? Minha cabeça está girando, mas eu me forço a responder. — Eu... Se Matt acha que eu posso, então eu posso, — digo bravamente. Ele me lança um olhar terrível. — Só para ficar claro, um erro na programação poderia custar-nos toda a campanha. Cada minuto e segundo devem ser contabilizados. O planejador de seu pai permaneceu na sede durante sua campanha, mas Matt quer uma abordagem mais prática. Ele parece preocupado com a minha capacidade de fazer o trabalho, então eu aceno com mais firmeza do que o necessário. — Rhonda estará com a coordenação de imprensa, mas ela pode ajudar se você ficar presa em qualquer parte do processo; ela pode ajudar sobre quaisquer dúvidas que possa ter. Matt vem para ver Carlisle, e quando meu braço esfrega no dele enquanto passo pela porta, minha pele crepita acaloradamente. Estou suavizando os dedos sobre a pele formigando do meu braço enquanto vou para a minha mesa, quando a assistente aborda Carlisle. — Charlotte... — Ela aponta na direção do pavimento onde Matt tem o seu escritório. — Você vai ficar aqui agora, fora do escritório de Matt. Eu engulo, em seguida começo a recolher minhas coisas pessoais, mais determinada do que nunca a fazer a diferença e provar a mim mesma que posso.


13


ATENÇÃO Charlotte

É MEU primeiro dia como sua planejadora oficial quando chego na sede de campanha na segunda-feira seguinte, saio do elevador, e imediatamente começo a trabalhar. Estou determinada a impressionar e ser tão durona como todos na Equipe Hamilton estão provando ser. Especialmente agora que eu sou sua planejadora; há apenas uma de mim. Estou tentando entrar de cabeça nas coisas a fazer mais prementes de Matt quando Rhonda aparece. — Como estamos indo? — Ela me pergunta quando se aproxima. — Ótimo! — Eu sorrio, em seguida, espalho algumas páginas com dispersos itinerários – é preciso trabalhar para realmente supervisionar a programação de Matt, não só porque é seu, mas porque envolve muitas pessoas. — Estou um pouco preocupada que estou perdendo algum tempo valioso com a duração que leva para a equipe chegar de ônibus, e fico me perguntando se não deveria fazer o uso do tempo de alguma forma para Matt. Rhonda arrasta uma cadeira e olha para as páginas. Matt não quer slogans em todas as cidades no território continental dos Estados Unidos; ele está fazendo campanhas agressivas on-line com ambas as opiniões pessoais e soluções propostas. Mas mesmo com a campanha on-line, sua agenda é mortal. Literalmente pode matar um homem que não é tão enérgico como ele. Eu não posso imaginar qualquer Presidente Jacobs ou Gordon Thompson, o candidato Republicano principal, ambos muito mais velhos e muito menos atléticos, suportando. Como planejadora principal e quando nós embarcarmos na viagem pelo país, eu estarei trabalhando no campo agora. Ao invés de ficar enfiada na sede, eu vou estar lá fora, vigiando todos os assessores de campanha de campo locais,


assegurando que tudo corra bem em cada localização e engajamento que Matt esteja. Rhonda tornou várias vezes bem claro que o meu trabalho é gerenciar as agendas pessoais e profissionais de Matt, e não só isso, mas estou gerindo os grupos de prospecção que chegarão em cada local antes de Matt para me certificar que tudo está como deveria estar. Ela me diz que um bom fluxo de agendamento é primordial para tornar a campanha mais eficaz. Que eu preciso me concentrar no tempo pessoal de Matt em primeiro lugar, em seguida, conseguir um equilíbrio entre eventos destinados a escolas secundárias, veteranos, industriais, trabalhadores médio. Tenho que incluir todas as minorias, e definitivamente, as mulheres e os jovens, que parecem ser seus fãs mais dedicados. Para esta lista, depois de falar sobre isso com os gestores, eu estou adicionando hospitais e hospícios na mistura também. — Ele precisa de tempo para correr todos os dias. Todos os dias, certifique-se de dar-lhe uma hora de corrida e pelo menos meia hora para tomar banho e se preparar para o dia. Confie em mim, ele está com a bola e muito mais afiado quando ele começa seu dia assim. Adicione uma noite de folga durante a semana para que ele possa ver seus amigos e familiares ou simplesmente ter tempo livre, — disse ela quando explicou este primeiro para mim. — Apenas uma noite de folga? — Estou horrorizada em pensar que ele está trabalhando muito. — Apenas uma, e isso veio do próprio Matt, — Rhonda assegurou-me, mas ela parecia com os olhos arregalados e preocupados como eu. Agora vamos sentar aqui em conjunto, criar sua primeira agenda de campanha ativa, aquela em que ele estará viajando extensivamente. Enquanto Gordon Thompson e Harold Jacobs estão jogando-se em pleno direito em suas campanhas, assim somos nós. Nossos primeiros estados a visitar são estados conhecidos por serem principalmente vermelho ou azul, o que significa Texas, por serem principalmente Republicano e na Califórnia porque são principalmente Democratas. — Charlotte, tem havido algumas conversas. Eu ergo minha cabeça. — Perdão?


— Alguns dos assessores. — Ela sinaliza para fora da porta. — Eles falam sobre Matt dar mais atenção a você. Alison os apaziguou dizendo que vocês são amigos de infância, mas eu ainda gostaria de dar-lhe alguns conselhos. Sinto-me tão chocada e desconfortável com o pensamento de alguém assumindo qualquer coisa ultrajante que fico muda, sem piscar, quando encontro um olhar amigável de Rhonda. — Não, — ela diz calmamente, segurando meu olhar. Ela balança a cabeça, olhando para o itinerário, cortando uma linha vermelha grande sobre um evento e adicionando uma seta vermelha grande para movê-lo para o dia seguinte. — Matt é inabalável agora sobre onde ele está. — Ela olha para mim novamente. — Ele possui o coração de todos os americanos, simplesmente porque todos nós o assistimos perder seu pai, o jeito que ele fez, mantendo sua mãe em seus pés, e continuando a ser muito firme e humilde, apesar de ele ser um dos homens mais famosos do mundo. Qualquer sujeira que vier sobre ele, não há nada que Carlisle não tem estudado e possa facilmente contra-atacar. Meus olhos se arregalam. — Você não está sugerindo... — Charlotte, tenho cinquenta e cinco anos, já fui casada duas vezes, com três filhos, — diz ela, sorrindo um pouco como minha mãe fez quando Matt e seu pai, o presidente, vieram para o jantar e ela me disse que Matt era bonito. — Se você acredita nele sendo a solução que estamos procurando... — Eu acredito! — Digo com veemência, arrastando o cronograma para o meu lado e franzindo o cenho para ele, tentando me concentrar nele novamente. — Dessa maneira, mantenha-se profissional. Vocês estarão gastando muito tempo juntos. Penso nas coisas que penso quando estou sozinha no meu apartamento e um calor de culpa arrasta-se até meu rosto, mas eu olho para o calendário e tento recuperar meu foco. Uma vez que Rhonda e eu finalmente encerramos a agenda de campanha, ela bate palmas. — Acho que terminamos aqui. Você vai ter certeza que ele receba uma cópia?


— Claro. Ela veste o casaco e dizemos adeus enquanto ela vai para seu novo escritório e eu vou para fora do meu e na direção de Matt. Ao me aproximar, ouço os sussurros de Carlisle dizendo Matt, — Devemos desenterrar a sujeira em Jacobs... Ele cometeu muitos erros durante sua administração... e não me faça começar com Gordon. — Estamos executando uma campanha limpa e estamos jogando na defesa. Nenhum ataque a menos que nós sejamos atacados pessoalmente, aí sim nós contra-atacamos. Então, e só então. — Matt, estes dois são especialistas em atacar. Essa é a maneira como as eleições são ganhas. Você faz as pessoas terem medo, e então você brilha na luz e veste o chapéu do seu salvador. Pessoalmente, acho que Jacobs deixou a economia ir para a merda só assim ele pode vir com um plano brilhante para salvá-lo. Quanto a Gordon, inferno, ele vai jogar fora tudo de errado contra você, começando com o fato de que você não serviu nas forças armadas. — Nem ele serviu. — Mas ele vai ser o único a dizer. — E tornar mais fácil de salientar que eu estava fazendo outras coisas que meu pai, o presidente, me pediu para fazer. Ele me queria aprendendo a ser um líder, inferno, Benton, isso me incomoda, ele não me deixou servir e você sabe disso. — Gordon vai agarrar-se a isso. Jacobs vai se manter sobre a questão Primeira Dama... — Realmente, se é isso que temos que ter medo... — Matt deixa escapar uma risada baixa, autoconfiante. Carlisle suspira. — Você tem um pouco de senso de humor, que faz você ser acessível, mas, Deus, sua teimosia, Matt. Bato na porta. Matt levanta a cabeça, me pede para entrar, e de repente ele está observando cada passo que dou dentro da sala. Coloco a pasta sobre a mesa e, quando lentamente saio da sala, ouço Carlisle insistir, — Precisamos de mais slogans, Matt. As pessoas precisam saber o que


você traz para a mesa. — Trago eu mesmo. Carlisle suspira. — Carlisle. Durante anos, o público passou a acreditar em cada promessa feita por cada candidato como sendo pura besteira. Ninguém acredita neles mais. Política foi totalmente contaminada pela propaganda. Não era assim no começo, Carlisle. Não havia campanhas de slogans; inferno, até Andrew Jackson, nem mesmo caluniou as campanhas. Sirvo o meu país. — Falando disso. Nossos adversários estão mal em andamento com as primárias e eles já estão atacando as ruas com propaganda. Matt ouve com atenção, em seguida, diz: — Estamos em tempos modernos, Carlisle. A internet funciona. Hamilton é uma árvore amigável. — Ele angula a cabeça. — Charlotte. — Matt levanta a voz quando chama o meu nome quando saio. Espio de volta. — Você pode salvar mais árvores como o presidente, — murmura Carlisle quando Matt acena para que eu siga a diante. Estou tentada a dizer a Carlisle que eu gosto das diferentes abordagens de Matt. Figuras políticas são amados e odiados em todo o mundo. Eles vieram a ser vistos como males necessários. Mas não foi assim com Washington. Ele é o único presidente que recebeu todos os votos, ele só era um campeão, um líder, não um — mal necessário. Não houve propaganda, nenhuma campanha de marketing, sem slogans de merda. Matt não é um político, e eu acho que isso faz a diferença. Ele não dá discursos praticados. Ele nem sequer parece 100% polido. Ele prefere camisas e calça quando sai em público. Ele parece firme, que é o que o país quer, um pouco rebelde, que é o que o país precisa, e diferente, a personificação da mudança que anseiam. Mas eu mantenho meus pensamentos para mim. Carlisle sai e Matt me chama com os dedos, balançando a cabeça na direção da porta agora vazia. — O que você acha? — Eu... sobre o que Carlisle disse?


Ele balança a cabeça, aquele brilho irritantemente adorável aparecendo em seus olhos. Eu sorrio reservada. — Eu acho que você é teimoso, — Eu admito, amassando o meu nariz de brincadeira para ele. — Isso é tudo? Dou de ombros misteriosamente. Mas não, isso não é tudo em tudo! Ele tem bom senso, unidade e disciplina. Quando os debates de caráter chegarem mais tarde no jogo, Gordon teve quatro mulheres, Presidente Jacobs permite que sua mulher governe o país por ele, e Matt, por outro lado, é um homem muito equilibrado. Ele ouve opiniões de pessoas que ele respeita e cuja inteligência coincide com a sua, mas no final ele faz a sua própria escolha. Levantamos centenas de milhões de dólares para sua campanha, a maioria dos fundos provenientes de pequenas doações de americanos prontos para uma mudança. A infraestrutura tecnológica que nós configuramos na sede, a fim de alcançar os três milhões de americanos através da rede é sem precedentes, até esta eleição. Mas os interesses das pessoas nunca foram mais difíceis de irritar do que nos dias em que vivemos agora. — Eu acho que ir pesado na internet pode obter para você um monte de atenção com os eleitores jovens, — eu finalmente digo, — e se você pode descobrir uma maneira de deixá-los interessados em seus planos mais emocionantes com cada letra do alfabeto, isso podia realmente colar. Ele esfrega o queixo com as pontas dos seus dois dedos indicadores, faz um som de hmm, e franze a testa, pensativo. — C é para Charlotte. — J é para junk food em lanchonetes, que deve ser parado de uma vez. Ele ri. Sinalizo na sua agenda. — Aqui está a programação para os meses de Abril e Maio. Desde que as coisas ficam muito pesadas no final de abril, eu pensei que poderia incluir um fim de semana livre para você recarregar. — É gentil de sua parte. — Ele desliza sobre os óculos e varre as informações.


— Sim, bem, estou muito pensativa, — eu digo. Viro e olho para fora da janela, porque algo sobre os momentos que ele desliza sobre os óculos sempre faz algo comigo. — Uma garota pensativa que de alguma forma consegue me fazer pensar muito nela. — Eu viro minha atenção para ele em surpresa quando ele olha para mim ao longo dos aros. Meu coração bate forte. Ele coloca o calendário para baixo e ergue os óculos, dobra-os e os coloca sobre a programação, com os olhos fixos em mim. Um silêncio se instala na sala, fazendo-me ciente de como inquieta estou por dentro. — Por que você quer que eu seja sua nova planejadora? — Pergunto suavemente. Ele se inclina para trás com um sorriso sagaz que rapidamente se transforma em admiração. — Porque eu acredito que você tem uma boa cabeça sob seus ombros, você é dedicada e inteligente, e de qualquer modo, — ele sorri mais amplo — Eu pensei que você fosse um pouco demais para ficar respondendo telefonemas e cartas. — Eu não sou tão macia! — P é para pudim. — Sem pudim, Matt! — Estreito meus olhos e inclino um lado sobre a mesa. — Você me queria mantendo atenção para cartas como aquela que o pequeno Matt enviou. — E eu sei que você ainda está. Faço uma careta. — Como você me conhece tão bem? Hmm? Ele espalha seus braços e cruza-os atrás da cabeça. — Alguns dizem que eu sou um homem perspicaz. — Discordo. Você não conseguiu ver como coração de pedra eu sou, capaz de ler 7

suas cartas, dia após dia. Quão dura eu posso ser. H é para o coração de pedra . Ele ri. É tão bom ouvi-lo rir. — Não, Charlotte, é apenas uma palavra por carta, de modo que faria você acabar de todo o coração.


Balanço a cabeça, franzindo a testa. — Eu posso mostrar a dureza do meu coração em seu próximo planejamento que eu fizer. — Faça, eu consigo progredir sob pressão. — Bom para você, porque eu estou trazendo. — Você sempre traz. Seu olhar desliza passando pelo meu ombro ao som de uma batida suave. Alison está à porta, olhando para nós, estreitando os olhos. — Matt, as imagens que você pediu. Ela caminha como que se desculpando e sai, mas logo Alison fala comigo. — Você estava apenas flertando com Matt? — O que? Não! Nós estávamos tendo uma discussão. — Você estava discutindo com Matt? — Eu... não! — Vou para minha mesa, sento e levanto a cabeça para olhar pela janela do escritório, onde ele está usando aqueles óculos sexy de leitura, uma mão sobre a boca como se para cobrir seu sorriso.

14

OLHOS


Charlotte

LIGUEI para Children’s National e disse a Carlisle sobre a visita de Matt para que ele pudesse alertar o coordenador de imprensa e todos os que precisavam ser envolvido. — Você vem comigo, — Matt disse antes que ele fosse. — Eu? — Foi ideia sua. Gemo interiormente. Passar mais tempo com Matt é a última coisa que eu preciso agora. Mas eu amo vê-lo em ação, por isso eu me apresso para colocar meu suéter e sigo-o para fora. Quando chegamos ao hospital, há uma pequena multidão, agitando cartazes e cantando. — Matt! — uma jovem mulher suspira seu nome. —Matt Hamilton! — seu amigo chama, mais alto, colocando as mãos em torno de sua boca para que sua voz saia mais alta. Ele agradece, e em seguida, espera por mim para ir junto com Wilson. Pequeno Matt está vestindo uma camisa Redskins, um boné igual e um IV. A forma como seus olhos se iluminam quando seu herói entra na sala faz meu peito apertar. Eu me afasto e tento me reagrupar quando eu ouço a voz de Matt. — Soube que havia um tigre no edifício. Eu tive que vir ver. — Onde?! — o menino pergunta animadamente. — Eu estou olhando diretamente para ele. Quando eu olho ao redor, Matt está batendo no boné do menino, sorrindo para ele. O menino sorri. — Uau. Você veio. Matt puxa uma cadeira para sentar-se ao lado dele na cama. — Charlotte, vê a senhora na porta, parece ser tão fã de você como você é de mim. — Uau, — diz ele. Logo eles conseguem formar uma multidão. Pequeno Matt diz a Matt que ele quer


ser um jogador de futebol quando crescer. Os pais se aproximam de mim e começam me dizendo como eles são gratos sobre Matt e a conversa com o pequeno Matt. — Se você ganhar, você vai me convidar para a Casa Branca, — diz pequeno Matt. — Não SE, quando... você estiver vindo para a Casa Branca, — Matt promete. Ele joga xadrez com o menino acamado. Os enfermeiros começam a alinhar-se no corredor, sorrindo e admirando. Não é o fato de que ele está fazendo isso, é o fato de que você pode dizer que ele está realmente se divertindo que me toca. Eu acreditei nele: Hamilton e tudo o que o nome representa. Mas agora mesmo se eu nunca o tivesse visto e tivesse uma paixão estúpida por ele, se ele nunca tivesse sido criado sob os holofotes e com a fama de seu nome, é hoje que Matt com todas as falhas que a mídia tenta exagerar ganha meu voto. Quando saímos, Wilson nos pega no meio-fio. Matt está calmo. Eu também. — Obrigado. — Sua voz é baixa e soa dolorosamente honesta. — Me deixou triste. — Minha própria voz falha, então eu paro de falar. Eu olho para fora da janela e tento me reagrupar. Ele parece perceber que ele está fora de seu elemento com uma mulher quase chorando no carro. — Vamos pegar um pouco de comida. — Não. Ele franze a testa, em seguida, seus olhos brilham em confusão e diversão. — Você é muito quente para a política, Charlotte. Precisamos endurecê-la. — Leve-me para uma luta de espadas, mas não para comer. Não estou com fome agora. — Suspiro e atiro-lhe um olhar de soslaio. — É sua culpa. — Como é? — Eu não estaria na política se você não tivesse me convidado. — Diz a senhora que se ofereceu para me ajudar quando ela tinha o que? Sete


anos. Eu arco minhas sobrancelhas. — Onze. — Eu elevei o meu queixo. — Ainda posso votar em Gordon. — Deus, não. Não, — ele diz enfaticamente. Ele ri e passa a mão em frustração sobre seu cabelo. — Bem, alguém precisa te derrubar. Gordon Thompson tem o meu voto, — declaro. — Você me fere, Charlotte, — diz ele. — Oh, você parece tão ferido, haha. Ele parece mortalmente sóbrio, exceto com seus olhos, rindo de mim. — Minhas feridas são profundas. — Quão profundo? Isso de profundidade? — Eu prendo meus dedos separados por um fio de cabelo. Ele olha de sobrancelhas franzidas, em seguida, pega-os para reajustar a um centímetro. — Esta profundidade. Eu deveria rir. Foi engraçado até que ele me tocou. Agora é quente e grudento e ele está olhando para mim com um sorriso congelado e olhos atentos. Eu vejo um brilho de desejo em seus olhos – um anseio tão profundo como eu me sinto, verdadeiramente profundo, não medido em frações minúsculas. Eu rio, finalmente, quando tento abafar as sensações atirando através de mim. — Uau. — Eu olho para o centímetro. — Um centímetro. Isso é profundo. Refiro-me ao espaço entre os dedos, mas eu não sei o que estamos falando mais. — Eu disse a você. — Ele sorri. Ele abaixa suas mãos, e eu não posso deixar de notar o quão forte os dedos longos são quando caem ao seu lado. Cada mulher que vive na América provavelmente teve fantasias sobre Matt. E eu tive o suficiente para que os meus sentidos rodassem como um redemoinho. Continuo afetada em toda a nossa viagem. Minha mente corre, perguntando... simplesmente perguntando.


Matt verifica alguns e-mails, a coxa tocando a minha. Ele não se afasta. Pergunto-me se eu quero afastá-lo. Não, eu estou fora do ar e queimando por dentro. E eu não quero. Eu tenho que me lembrar que o que estou fazendo aqui é muito mais valioso do que um pouco de paixão tola. O que eu estou fazendo aqui transcende além de mim... além até mesmo de Matt. Não só a campanha era emocionante, mas ouvir sobre pontos de vista e ideias de Matt continua renovando a minha esperança. Eu não havia percebido o quanto nós perdemos um líder forte, um líder inspirador, até cada vez que eu olho para o que quero. Ele poderia fazer essa diferença. Um homem como ele poderia fazer essa diferença. Então nós seguimos com isso, em tensão silenciosa, minha mente cheia de Matt e meu corpo vazio. Seus olhos encontram os meus, queimando com importância. — Eu quero que você seja meus olhos e meu coração, para me manter em contato com as pessoas reais lá fora, aqueles que por toda a minha vida eu nunca vou chegar a conhecer. — Ok, Matt, — eu digo. E então ele se inclina, e eu recupero o fôlego e fecho os olhos quando seus lábios escovam meu rosto e ele me beija lá. É o mais breve beijo como o que ele me deu quando eu tinha onze anos, mas eu sou uma mulher agora, e ele é todo homem e, de repente, inesperadamente, seu braço começa a entrar na minha cintura e ele me cambaleia em direção a ele, pressionando-me contra o seu lado. A próxima coisa, eu sinto sua cabeça mergulhando lentamente até mim, seu nariz pastando minha bochecha. Minha respiração fica presa na garganta, e eu sintome lutando contra o desejo de virar a cabeça apenas um pouquinho e beijá-lo na boca. Ele tem cheiro de hortelã e um pouco de café misturado com seu perfume. Aspiro trêmula e sinto seus lábios tocar o local na minha bochecha onde o nariz tinha estado antes. Seus lábios são quentes, suaves, mas firme.


Sua mão aperta meu quadril, me segurando perto dele, quando inclina a cabeça e coloca um beijo no meu pescoço. Deixo minha cabeça cair para trás, e ele ri sombriamente, esfregando o nariz levemente contra o meu pescoço, me acariciando. Ele usa sua mão para virar a minha cabeça para encará-lo, e quando eu olho em seus olhos, sinto a inclinação do meu mundo sobre o seu eixo e giro em todas as direções. Todo o resto é abafado como todos os pensamentos em minha cabeça em torno do centro que é ele, e eu. Tudo o que eu estou pensando é no que estou sentindo. Quão forte meu coração está batendo. Como minha respiração está chegando em intervalos mais rápidos. Como a minha pele está quente e formigando; como todo o meu corpo parece estar segurando a respiração em antecipação doce para Matthew se mover novamente, para me tocar de novo, para beijar outra parte de mim. Eu sussurro seu nome e ele geme, — Você parece incrível. Ele se inclina e beija minha clavícula, correndo o nariz ao longo do meu pescoço e me inspirando. — Deus, e você cheira tão bem... — Ele sussurra entrecortado. Sua voz profunda queimando através de mim, consumindo tudo em seu caminho e deixando apenas essa necessidade profunda, quase primal ser o mais próximo a este homem do que é possível. Quando eu sinto a língua entre os lábios temporariamente tocar a pele do meu pescoço, ouço-me gemer. Ele me segura mais perto dele, até que eu estou quase sentada em seu colo, a cabeça enterrada no meu pescoço, beijando e acariciando, lambendo e degustando. Começo a ficar preocupada, querendo saber onde estamos e quando vamos chegar à sede de campanha. Eu sei que ninguém pode nos ver, desde que seu carro tem vidros escurecidos e uma partição que nos separa de seu motorista, mas ainda assim, algo sobre isso parece escuro e proibido. — Eu...


— Shhh... apenas deixe-me fazer isso, Charlotte. Por favor, — diz ele quando levanta a cabeça do meu pescoço e segura minha cabeça entre as mãos, os olhos encarando os meus e, em seguida, baixando para os meus lábios, depois viajando de volta para os meus olhos. Sinto-o mais perto de mim, e eu lentamente começo a perceber que ele quer me beijar. Agora mesmo. Neste carro. Matthew Hamilton, possível futuro Presidente dos Estados Unidos e minha primeira paixão, quer me beijar. Eu estendo a mão e mantenha seu rosto na minha mão também, e seus olhos se incendeiam. Eu não sei se deveria fazer isso ou não, mas agora tudo o que eu ouço meu corpo dizer é que eu preciso tocar este homem. Beijar seu rosto, meus lábios persistente. Sinto-o relaxar, mas suas mãos em mim apertam. O que estamos fazendo? — Senhor, nós estamos aqui, — a voz murmurou através da divisória. Acho que ouço Matt maldizer sob sua respiração. Movo-me de seu colo poucos centímetros para sentar no meu próprio assento, e inalo uma respiração instável quando Matt abre a sua própria porta e vem em torno do carro para abrir a minha. O olhar que trocamos quando travamos os olhos enquanto saio do carro, não posso possivelmente descrever. É cheio de necessidade, luxúria, desejo, curiosidade, e algo mais... Eu me forço a desviar o olhar e caminhar em direção ao prédio, a sensação de seus lábios ainda na minha pele.


15

FICAR SOZINHO NO TOPO Matt

AQUILO FOI eu sendo tolo e imprudente. Eu estive pensando no cabelo vermelho, olhos azuis, lábios macios, e quanto eu queria mergulhar minha língua e sentir o gosto dela. Eu queria abrir a boca e beijá-la, lenta e saboreando, e em seguida, rápido e selvagem. Neste ponto, apenas dois podem se saciar. Pensei que, depois de um impulso após o hospital fosse o suficiente para acalmar o fogo me queimando... Não é. Ela está na minha cabeça durante as últimas dezoito horas. Estou sem dormir. Eu preciso de um bom treino ou meu foco ficará disperso, mas minha agenda não poderia permitir um hoje. Meu avô veio da Virginia após o estrondoso sucesso de nossos primeiros dois meses de campanha, e minha mãe – quem optou por ignorar silenciosamente o fato de que eu estou correndo – não tinha outra escolha, além de nos dar boas-vindas para o café da manhã esta manhã. Estou ciente dos problemas de campanha antecipada. Entre eles, o meu avô. Meu avô foi o motor da política incansável que levou meu pai para o exército, ao Senado e, mais tarde, para a Casa Branca. Ele mexeu os pauzinhos e colocou meu pai no cavalo branco de George Washington, mas foi meu pai que montou o cavalo como se fosse dono dele. Aquele que tinha ganhado a reeleição pela maior


margem na história, mantendo quase 70 por cento do país feliz quando tomou posse no seu primeiro mandato. Meu avô o levou lá, mas meu pai permaneceu lá. Eu não quero o motor da política do meu avô me apoiando agora, porque seria necessário sacrificar o mérito de favores durante a nomeação do meu gabinete. Isso é uma maneira de impedir o país de crescer mais do que nunca, e isso é o que tem nos impedido de ser irrefutavelmente a força mais poderosa no mundo. Hábitos precisam ser postos de lado, novas ideias serão propostas, sangue novo trazido para refrescar as perspectivas antiquada sobre como liderar a América. O mundo está mudando, e temos de estar na vanguarda dessa mudança. Meu avô não guardou segredo de ninguém que ele me quer na vanguarda... mas de uma das partes. Quem quiser manter o status quo. Eu sou o último a chegar ao tríplex da minha mãe. Minha mãe se senta em uma cadeira alta, régia em pérolas e uma saia branca com uma jaqueta. Ela é uma moderna Jackie Kennedy, doce e composta, moralmente tão forte como o titânio. Há fortes semelhanças entre nossas famílias, os Kennedys e os Hamiltons. Até o ponto onde a mídia tem especulado, após o assassinato do pai, se os Hamiltons também têm uma maldição sobre a cabeça que não vai deixá-los realizar os seus destinos brilhantes. Mãe fica tão longe de meu avô quanto possível, com os cabelos ainda com o mesmo tom quase negro quanto o meu, seu equilíbrio notável. Grande, brusco e sem noção, o relacionamento de Patrick Hamilton com o meu pai era bem próximo. Até que meu pai se foi, e meu avô se intrometeu e insistiu para que eu entrasse na política. A última coisa que minha mãe queria era me ver fazer isso. — Tenha uma vida, Matt. Vá e estude o que quiser, seja o que quiser. — Exceto um político. Ela não disse isso, mas ela não precisava dizer. Em sua mente, ela não seria uma viúva, mas em vez disso seria uma mulher feliz se meu pai não fosse presidente. Em sua mente, ela teria vivido uma vida feliz. Ela levou o dever em vez disso, e ela fez isso formidavelmente, mas sem maquiagem e penteado não se pode esconder as sombras nos olhos sobre o assassinato não resolvido do meu pai. Beijo sua testa em saudação. — Sinto muito que isso esteja fazendo com que você


se preocupe. Não, — eu comando. Ela sorri levemente para mim e dá um tapinha na minha mandíbula. — Matt. Apenas uma palavra, mas combinado com o olhar em seus olhos, estou calmamente lembrando que o meu pai foi um dos cinco presidentes que foram mortos, todos com um tiro. Lincoln, Garfield, McKinley, JFK, e Hamilton. Sento-me na sala de estar e ela sinaliza para Maria, sua cozinheira, para nos trazer café. — Eu tinha almoço com os Democratas, — Avô diz enquanto bebe seu café. — Eles querem que você se junte as primárias; eles têm certeza que você vai ganhar — Eu já lhes disse, eu estou concorrendo de forma independente. — Matt, o seu pai... — Eu não sou o meu pai. Embora eu pretenda continuar o seu legado. — Olho para a minha mãe, que parece estar lutando contra um misto de orgulho e preocupação. — Por que você não considera pelo menos os Democratas? — Avô insiste. — Por que... — inclino-me para frente, olhando-o diretamente em seu globo ocular — eles falharam em protegê-lo. Tanto quanto estou preocupado, eu estou melhor sozinho. — Olho para fora. Ele não é o homem mais fácil de lidar, mas eu posso ser tão difícil como ele é. — Meu pai me disse para nunca confiar em minha própria sombra. Eu mantive as pessoas na baía, mas agora eu estou escolhendo quem eu deixo entrar. E fora. Lá fora é a minha concorrência. Eu estou deixando de fora meu país. Eles merecem mais do que aquilo que tem conseguido ultimamente. Eu estou pavimentando o melhor caminho para seguir. — Porra, Matt, realmente! — meu avô explode. Seu temperamento é formidável, e minha mãe rapidamente avança com seu habitual charme calmante. — Patrick, aprecio que você expresse suas opiniões para Matt, mas não estou feliz com ele concorrendo. Matt... — ela se vira e olha para mim suplicantemente — nós demos a este país tudo o que tínhamos; demos seu pai. Nós não devemos nada mais a ninguém. — Nem todos nós tivemos. Ainda há mais Matt... — diz meu avô. — Isto é o que


Lawrence queria. Mantenho minha atenção na minha mãe. Eu sei que este é o seu pior pesadelo. Ela não quer que eu lidere o país. — Estou terminando o que o pai iniciou – este é o nosso legado. Tudo bem? — Aceno com firmeza, silenciosamente pedindo sua compreensão. Ela não superou o que aconteceu com meu pai. Ela balança a cabeça com sua teimosia. — Você ainda é muito jovem, Matt, você tem apenas trinta e cinco anos. — Sim, bem, os meus trinta e cinco anos contam em dobro. — Sorrio com ironia e inclino-me para trás na cadeira, olhando para o meu avô. — Eu estava mais perto de meu pai do que o vice-presidente para um mandato e meio. Estou fazendo isso, e quando eu chegar ao topo, o meu gabinete será nomeado com base no mérito, e não por favores políticos que devo. — Droga, menino, você tem vontade própria, mas você precisa olhar para o retrato grande aqui. Recursos não podem ser negado. — Eu não estou negando. Simplesmente confio que tenho meus próprios recursos para combatê-los. Avô suspira. Ele se levanta e abotoa seu casaco, em seguida, beija a minha mãe na bochecha. — Obrigado, Eleanor. — Ele olha para mim quando levanto também. — Você está fazendo inimigos poderosos, Matt. — Eu vou ser ainda mais poderoso. Ele ri e balança a cabeça em descrença, então dá um tapinha nas minhas costas e diz: — Eu vou apoiá-lo. — Diz relutante e mal-humorado, sai, e minha mãe suspira. Eu olho atrás dele. Suas palavras atingiu um alvo, embora não o alvo que meu avô tinha apontado. Todo esse esforço, o sonho que estou perseguindo... Estive determinado a fazê-lo sozinho. Eu vi o que a negligência do meu pai fez com a minha mãe. Eu experimentei em primeira mão o que isso fez para mim. Eu não gostaria de desejá-lo a alguém que eu for cuidar. Mas a ruiva, planejadora de olhos azuis com um coração gentil e que tem um


verdadeiro amor por seu país continua martelando na minha cabeça. Pela primeira vez, eu me pergunto como seria alcançar as alturas enquanto desejo alguém ao meu lado. — Matt. — Minha mãe aperta os lábios enquanto trava uma batalha interna, uma batalha de mãe entre apoiar seu filho ou protegê-lo. — Você quer usar a Casa Branca para mudar o mundo, e eu vou apoiá-lo. — Ela caminha até mim e me puxa em seus braços para falar no meu ouvido. — Mas isso vai mudar você antes de você poder mudar um centímetro dele, — diz ela, infelizmente, beijando minha bochecha. Eu arrasto minha mão sobre meu rosto em frustração quando a vejo subindo as escadas. Ela é uma mulher forte, mas a força também se quebra. Quando o pai ganhou, ela passou de cidadã privada para o público e tratada com graça e estilo. O país nunca viu seu sofrimento quieto quando lentamente perdeu meu pai para o seu trabalho e, em seguida, duas balas, uma no estômago e outra no seu coração. Sim, a Casa Branca mudou a todos nós. Mas o que acontece na Casa Branca se reflete em toda a nação, e eu estou determinado a mudar as coisas para melhor. Eu ainda terei um dia muito agitado, quando saio e subo a bordo do Lincoln preto que Wilson estacionou na porta da frente. Entro em silêncio e vou em direção a minha primeira palestra do dia. Na minha mente, Charlotte está ofegando enquanto deslizo meus lábios pela sua bochecha e na direção dela. Ela está segurando a respiração quando pressiono suavemente, testando ela, quase perdendo o controle quando percebo o que ela quer. Ela quer tanto quanto eu. Empurro o pensamento de lado quando o carro para, e saio para a multidão. — Matt! — Ouço meu nome me cercando, e começo a apertar as mãos em ambos os lados do povo que me cerca, o maior número possível no meu caminho para o edifício principal, agradecendo-lhes por terem vindo.


16

CAFÉ Charlotte

ESTOU nervosa no dia seguinte depois do que aconteceu no carro entre Matt e eu. Estou na cozinha, tipo me perguntando se eu deveria ir e dar-lhe um copo de café. Talvez porque eu queira falar sobre isso, para saber por que ele me beijou. Ou talvez porque eu quero vê-lo. Antes que eu possa pensar melhor, eu despejo duas xícaras com a lembrança do momento que ele trouxe café para a minha mesa naquela noite. Coloco o meu na minha mesa no mesmo local que ele fez, então até o escritório dele e abro a porta. — Posso entrar? Matt estava olhando algum documento e quando ele levanta os olhos para me olhar por cima dos aros dos óculos, meu coração tropeça um pouco. Ele acena


uma permissão, e eu começo a andar, mas Jack levanta de onde ele estava deitado perto da mesa de Matt. — Oi, Jack, — eu digo sem jeito. — Eu te trouxe café, — Digo a Matt quando ele fica de pé. Quando entrego o copo quente, o cão corre em direção a Matt e salta tentando desesperadamente lamber a caneca de café, acidentalmente derramando todo o seu conteúdo sobre a camisa de Matt. — Jack, senta! — O cachorro senta-se imediatamente, mas o café já está encharcando a camisa. — O café é sua fraqueza. — Isso é definitivamente algo que você não pode opinar. Como é a sensação de viver uma vida sem vícios? — Pergunto. Ele pisca para mim enquanto atravessa a sala para fechar a porta. Quando passa, faz o calor aumentar uma vez mais, e diz, perto do meu ouvido: — Eu não teria tanta certeza sobre isso. Parece que meu estômago se iluminou como fogo com a combinação de suas palavras e o olhar em seus olhos quando levanta as mãos e começa a desabotoar a camisa. De repente, eu estou olhando para uma expansão de peito nu. Ele é tão quente que eu mal posso respirar. Embora seja um fato bem publicado que Matt Hamilton parece incrível em roupas, incrível não pode mesmo capturar a perfeição atlética completa de sua forma e músculos. Cada músculo do peito é definido e flexiona com dureza. Ele também tem cabelos escuros sedosos em seu peito e eu acho isso tão quente que o calor inunda entre minhas pernas. Algo quente e feminino começa piscando na minha barriga quando olho impotente para ele. — Pode me passar a camisa da campanha? — Ele pergunta. Olho para as prateleiras atrás de mim. Pego uma camisa branca com o logotipo roxo com o número 16 de Hamilton. É como uma camisa esportiva. Entrego, tentando não notar como sua calça acentua seus quadris estreitos, junto com os ombros largos formam um estilo de pirâmide invertida com sua cintura


estreita, e com esse abdômen de enlouquecer me faz querer rastrear cada gominho com meus dedos. E essas armas incríveis ficam bem visíveis, os bíceps protuberantes enquanto ele levanta a camisa sobre a cabeça. — Eu gosto disso. — Aponto nervosamente para a camisa. — Queria que alguém testasse. Acho que encontrei. Ele puxa-a sobre a cabeça, e eu engulo. Oh Deus. Eu não posso parar a sondagem. Ele joga a camisa manchada de lado e passa os dedos pelo cabelo. Jack furtivamente se levanta e está lambendo o café aos meus pés. — Ah, não, Jack. — Eu me ajoelho e tento pará-lo. Matt trata de agarrá-lo pelo colarinho e leva-lo embora. — Bem, eu não acho que ele conseguirá dormir, — digo, por meio de um olhar de desculpa. — Nenhum de nós dois conseguirá. Vejo-o sorrir para seu cachorro e passar a mão sobre a sua cabeça, mesmo quando ele franze a testa para ele por ser pernicioso. — Você nunca dorme, não é? — Deixo escapar. Ele levanta o olhar. — Tem muito coisa na minha cabeça. Tenho sorte se eu conseguir algumas horas seguidas. — Vejo-o agarrar sua camisa encharcada e pendurar nas costas da cadeira. — Eu poderia lavar isso para você, Matt, — digo. Isso apenas deslizou pelos meus lábios, mas estou mortificada um segundo depois que me ouço dizer isso. Matt olha para a camisa. — Eu quero dizer... a menos que você tenha... que você provavelmente tenha alguém para lavar a sua roupa. — Sim. Lavagem a seco. — Ele ri. Sinto-me estúpida quando ele se inclina com o guardanapo que tinha trazido com o copo de café, então faz uma bola e joga na lata de lixo. — Mas essa é a proposta mais excitante que já recebi de uma mulher. — Sério. Eu realmente teria suas roupas lavadas. — Estou tão surpreso quanto você está.


Eu rio, então eu mordo o lábio e pego a camisa pendurada na parte de trás da cadeira. Seus olhos estão super quentes. Vou para fora da sala com sua camisa dobrada em meu braço. Eu não dormi mais do que quatro horas naquela noite. Não consigo parar de pensar nele, e o fato de que estávamos flertando e seus olhos eram quentes e ele é tão quente, e eu não tenho certeza se eu gosto disso. Viro e salto para fora da cama no início da manhã. Estou no escritório antes de qualquer pessoa. Coloco a camisa limpa, perfeitamente dobrada, em sua mesa para quando ele chegar – sei que está perfeita, porque tentei dobrar um milhão de vezes. — Bom dia, Matt. Eu ando até ele, e ele pega meus dedos por um segundo enquanto passo. — Bom dia, Charlotte.

17

BACIA DAS MARÉS

Charlotte

NAQUELE DIA, DEPOIS DO ALMOÇO, Matt para no meu cubículo, onde Alison está me mostrando alguma foto dele em um evento que estão fazendo meus dedos enrolarem. — Como está o meu mês? — Ele olha para mim, e de alguma forma parece como se “mês” significasse outra coisa, seu olhar é lancinante. Eu engulo ao vê-lo em uma camisa de negócios e calças pretas lisas. — Ocupado,


— apresso-me em dizer. Eu não sei como essa pequena inclinação de seus lábios pode causar uma grande inclinação na minha cavidade torácica. — Do jeito que eu gosto. — Ele sorri para mim, acena para Alison, e Alison dobra rapidamente as imagens contra o peito e sai. Matt fica na entrada por um momento. A área é um pouco menor quando ele vem, anda em volta da minha mesa, e se inclina sobre meu ombro para olhar para o meu projeto. — Quando estou livre esta noite? — Ele pergunta. Um arrepio percorre minha espinha, ouvindo sua voz tão de perto. Tento parar o salto do meu coração quando baixo a página e sinalizo com meu dedo para mostrar a ele. — Perfeito. — Ele inclina mais um pouco junto ao meu ouvido. — Eu vou buscá-la às seis. Não pergunto para onde estamos indo ou por que, simplesmente aceno quando ele sai. Estou tremendo de nervosismo enquanto vou para casa trocar de roupa. Nem sequer sei o que vestir, mas opto por uma saia e um top de seda. Por alguma razão fico mudando de sapatos para sapatilhas, e a instintiva vontade de parecer feminina e um pouco sexy vence. Acho que não estou orgulhosa disso, mas que seja. Coloco um salto alto.

ÀS 6 DA TARDE, Matt está lá embaixo esperando dentro de um Lincoln Town preto, e com um detalhe, Wilson, abrindo a porta para mim. Estou uma pilha de nervos. A memória do seu sussurro mantém um formigamento na minha espinha, quente e emocionante. Subo na parte de trás do carro, surpreendida ao notar Matt vestindo moletom preto e uma camiseta preta. E tênis. Seu cabelo está perfeito. Ele parece como uma propaganda de revista para a Nike. Enquanto Wilson nos leva para o tráfego, estudo minha própria roupa – uma saia


e uma blusa e sapatos de salto – e, finalmente pergunto: — Estamos indo correr? Matt está olhando para os meus sapatos com uma inclinação nos lábios, seus olhos subindo para os meus. — Mais como algumas caminhadas à luz do dia. — Eu... — Desamparada, olho para os sete centímetros. — Isto vai ser um problema, — eu digo. Ele apenas sorri para mim, mas não parece especialmente com o coração partido. — Vai. Ficamos na traseira do carro passando pela cidade em silêncio, franzo a testa para ele, perguntando por que ele não parece preocupado. Matt nunca me pareceu egoísta. — Wilson, pare para que a Senhorita Wells consiga um par de tênis. — Espere. Matt! — Eu protesto. Ele pega um boné da Nike branco na parte de trás do carro e também coloca um par de óculos Ray-Ban. — Dois minutos, nós estamos dentro e fora, — ele diz a Wilson enquanto sai e olha para dentro. Uma sobrancelha sobe em questão. — Você vem? Dois minutos no interior do centro comercial acabam sendo vinte. Tento um par de Nike branco e rosa que eu sempre quis, e quando eles se encaixam perfeitamente, Matt olha para Wilson e Wilson pega a caixa e vai pagar, enquanto Matt e eu esperamos do lado de fora da loja. As pessoas estão olhando em sua direção especulando, mas não tem certeza, e Matt mantém seu olho em seu telefone para evitar atenção. Quando estamos de volta no carro e ele empurra o boné e os óculos de sol e os coloca de lado, eu digo: — Eu acho que os Hamiltons nunca tem qualquer privacidade. Ele sorri para mim, mas com um olhar assombrado em seus olhos. — Nunca. O carro anda. Ele admite, — Eu tinha quase me esquecido como era mais simples. Mais simples. Gostar... de andar comigo, eu percebo. As pessoas vão ver.


Estou ansiosa agora. — Vire o carro. Ele balança a cabeça, chocado. — Como? — Vire o carro, Matt. Ele ri e arrasta uma mão sobre o rosto, como se eu o exasperasse. — Sério. Isso pode parecer uma coisa que não é. Diga-lhe para virar. — Arrasto meus olhos até Wilson, em seguida, olho para Matt. — Eu não posso. — Ele balança a cabeça em perplexidade. — Por que não pode? — Eu estou ficando impaciente, e assim ele também. — É o único buraco na minha agenda aberto e minha única chance de ficar sozinho com você por um tempo. — Ele olha para Wilson pelo espelho retrovisor quando o carro para e diz-lhe: — Vejo você no Memorial Jefferson daqui a duas horas. Ele abre a porta para mim e eu pego o bloco de notas para manter isso profissional. Seus lábios sorriem quando ele vê isso, mas não diz nada quando começamos a descer a trilha, que fica em torno de uma grande massa de água 8

azul rodeada por um caminho que corre ao redor da circunferência da Bacia . A partir daqui você pode ver o monumento de Washington, as altas colunas e cúpula branca majestosa do Memorial Jefferson, e à direita na frente, o local onde as primeiras cerejeiras foram plantadas. É primavera, e as árvores estão totalmente florescendo, suas longas pernas finas pontilhada com flores de cerejeira. É um dia frio, mas o sol aquece o meu rosto enquanto caminhamos em direção ao memorial mais próximo, que foi construído há poucos anos. — Eu nunca fiz este passeio antes, — Admito. Paro na enorme escultura em mármore de Martin Luther King Jr. — Eu só estive nesta área uma vez, realmente, quando meu pai me trouxe para o pedalinhos. — Robert veio no pedalinhos? Gostaria de ter visto isso, — Ele parece se divertir com o pensamento enquanto absorvo o monumento de trinta pés de altura de um homem cuja citação é uma das minhas favoritas, “A escuridão não pode expulsar a escuridão; apenas a luz pode fazer isso. O ódio não pode expulsar o ódio; só o


amor pode fazer isso.” Eu percebo que Matt está me observando, como se ele soubesse a citação de memória, mas não a visão de mim. Minhas bochechas aquecem quando começo a andar pela trilha ao seu lado. Ele olha para os nossos pés, para de andar e abaixa para amarrar meus tênis de corrida. Estou sem fôlego quando ele está de pé com toda a sua altura intimidante e sacode a cabeça para a cúpula branca do outro lado da água. — Vê aquilo? Olho em volta, pensando que ele viu alguns repórteres. Chame isso de paranoia. — Não vi nada. — Eu estou tentando descobrir se alguém está reconhecendo-o com seus um metro e oitenta, um homem lindo de morrer, quem não olharia? Rapidamente abro meu bloco de notas e finjo rabiscar alguma coisa. Ele ri e vira a cabeça para me virar para enfrentar a água. O toque envia uma corrente elétrica pela minha espinha e eu não consigo ver direito. — Sério? Você acha que esse pequeno bloco faz diferença? As pessoas vão ver o que eles querem ver. Isso não é diferente do que as nossas corridas matinais. Agora olhe. — Para o quê? Ele ri baixinho. — Pare de falar e olhe. Matt vira meu rosto uns 30 centímetros sobre a água, e vejo. Como os monumentos refletem na água, a água redobra o efeito da sua beleza. Olho para o edifício clássico branco através da água. — Oh. E ele está olhando para mim, com seu dedo no meu queixo. — Leve-me, — eu digo, em seguida, limpo a garganta quando vejo a risada masculina em seus olhos quando aponto para o Memorial Jefferson. — Quero dizer, me leve lá. Eu nunca estive lá dentro. — Esse é o plano. — Ele sorri, obviamente, sendo ainda apenas um cara com a mente de um indivíduo com um nome famoso. Seguimos em frente, meu corpo extremamente consciente do seu movimento ao meu lado. Nós passamos uma pedra japonesa e outros memoriais, até chegar ao Memorial


Jefferson. Damos alguns passos, atravessamos as colunas brancas altas, e entramos no edifício cavernoso até estarmos de pé sob uma enorme cúpula. Inscrições cobrem as paredes de mármore. De frente e no centro, e de pé em cima de um grande bloco de mármore está um monumento de seis metros de altura maciço para Jefferson, terceiro presidente dos Estados Unidos, um dos nossos fundadores. Chegamos num banco perto de um dos painéis, que tem uma citação da Declaração de Independência. Olho em torno do lugar. É um daqueles monumentos que é um pouco mais de difícil acesso, porque não há espaço de estacionamento do lado de fora. Parece como se ele tivesse sua própria ilha... longe de tudo, mas tão perto do coração da cidade ao mesmo tempo. — Você sempre encontra lugares distantes para fugir e pensar? — Pergunto a Matt. — Eu costumo vir sozinho. As manchas escuras em seus olhos estão um pouco mais escuras quando ele me leva sob as luzes amarelas quentes acima de nós. Há uma chama brilhante ali, em seus olhos. — Exceto que fico desejando algum tempo sozinho com você. — Seus lábios se inclinam com travessura. Seu sorriso logo desaparece e sombras entram nos seus olhos. — Seria mais fácil se eu não concorresse. Durante o tempo do meu pai na Casa Branca, eu costumava sonhar com a liberdade. Mil vezes, meu pai disse que eu seria presidente. Ele disse aos seus amigos, aos amigos dos amigos, e muitas vezes repetia para mim. Eu ria e desdenhava. — Ele me disse também, — eu digo bem-humorada, e o calor do seu sorriso envia arrepios pelo meu corpo. Ele não faz nenhum esforço para esconder o fato de que está olhando para mim com ternura. — Ele disse, não foi? Os olhos dele. Simplesmente me comem.


— Eu perdi meu pai no dia em que ele decidiu que ser presidente seria o seu legado. — Seus olhos estão nivelados nos meus sobre suas sobrancelhas desenhadas. — Ele tentou fazer malabarismos com tudo, mas ele não conseguiu. Nós ficamos pensando quando acabou que ele seria nosso de novo. Mas ele continuou promissor quando acabou, ele tinha tempo para nós de novo. Engulo um nó de emoção na minha garganta. Eu sei o que vem a seguir. — Nunca aconteceu. — O brilho frio nos seus olhos envia um frio através de mim. — Já se passaram milhares de dias desde então. Muitos anos vivendo no passado. Muitos anos me perguntando por que. Muitas noites querendo que as coisas estejam bem no nosso país. Estamos em silêncio. Existe uma tensão que emana dele, pulsando em torno de mim, tentando envolver meus braços em torno dele e simplesmente esmagá-lo contra mim se isso fosse mesmo possível. Matt olha para a estátua e arrasta a mão pela mandíbula. — Charlotte, tenho um enorme respeito por você e sua família. De muitas maneiras, eu me sinto responsável por você. — Matt, você não é, você não é responsável por mim... — Eu não deveria querer você, — diz ele, me cortando. — O quê? — Meus olhos se arregalam em descrença. O que posso dizer quando ele olha para mim dessa maneira? Ele está olhando para mim como se estivesse frustrado por me querer. O silêncio se instala entre nós. — Eu penso em você. Eu penso em você muitas vezes, se você quiser saber, — diz ele. Nervosamente dobro uma mecha de cabelo atrás da minha orelha e olho para o meu colo. — Eu penso em você também. Meu comentário parece vir com nenhuma surpresa. — Então o que vamos fazer sobre isso? — Ele pergunta baixinho. — Nada, — eu digo.


Ele ri, e arrasta uma mão sobre o rosto e com impaciência, balançando a cabeça. — Nada não tem significado no meu vocabulário. É arriscado? Sim. É egoísta da minha parte? Talvez. Mas eu não estou só fazendo nada. Engulo. — Matt. — Olho em volta nervosamente, tentando afastar-me do caminho que essa conversa tomou. — Você já percebeu que as pessoas poderiam falar se alguém nos reconhecer? Por que você me trouxe aqui? — Não é óbvio? Eu sabia que você ia adorar isso aqui. Sorrio. — Eu realmente adorei, seu homem perverso. — Tento empurrar seu peito, brincando, mas ele pega meu pulso e me puxa mais perto, seus olhos escuros. — Eu sou tão perverso que você não tem ideia. Ele está olhando para a minha boca como se quisesse beijá-la. Matt está olhando para a minha boca como se fosse devorá-la. — Você sabe que não pode me beijar, — falo enquanto olhamos um para os lábios do outro. Ele roça o polegar sobre meus lábios. — Eu posso beijar você. Eu definitivamente quero beijar você. Acho que nós dois sabemos que eu quero beijar você. Longa e profundamente. Quero a minha língua rolando na sua, Charlotte, e quero seus pequenos gemidos delicados, também. Deus me ajude. Tenho certeza de que nada poderia parar este homem de conseguir qualquer coisa que quer. Exceto, eu, talvez. Porque Rhonda está certa. O que estamos fazendo juntos me transcende, o transcende também. E mesmo que eu tenha vinte e dois anos, sei que fazer Matt voltar para a Casa Branca será a maior coisa que já fiz. — Exceto... que C é de campanha. Nós não podemos fazer algo tolo, — eu digo, tentando fazer lavagem cerebral em mim mesma afirmando que não quero isso tanto assim. Ele sorri com ternura. — Se você me perguntar agora, C é de Charlotte vindo nos meus braços.


Chocada e sem fôlego por sua franqueza, viro para olhar cegamente a inscrição de liberdade na parede em frente de mim, de todos nós tendo liberdade. E, no entanto nunca fui mais consciente de não ter a liberdade de me apaixonar por este homem. — Não haverá nada disso, — eu digo. Matt desliza a mão para acariciar o topo da minha, fazendo uma pausa e deixando sobre a minha quando um grupo de adolescentes entra na caverna, e ele aperta o maxilar e permanece em silêncio enquanto, felizmente, eles não olham em nossa direção. Desloco-me no banco, uma polegada de distância do seu toque, então volto para Matt e estreito os olhos em suspeita exagerada, perguntando como muitas mulheres conseguiram sua atenção. E quanto tempo dura. — Por que você não está casado ainda, de qualquer maneira? — Eu estava esperando que ela crescesse. Ele está inclinado para frente agora para recuperar o espaço que acabei de colocar entre nós, seus olhos dançando de uma maneira que faz meu coração bater forte um milhão de milhas por hora. — Bem, — me atrapalho procurando uma resposta, — Acho que é por isso que você é um playboy, você ficou praticando todo esse tempo, então sua noiva criança pode, eventualmente, apreciar a sua experiência... — Ela vai adorar isso. — Ele acena com a cabeça. — Ok, — eu digo levianamente. Como se meu estômago não estivesse embrulhado e eu não estivesse apertando minhas coxas juntas aqui sentada. A sobrancelha de Matt levanta. — Você não acredita em mim? — Oh, eu não quero uma amostra. Obrigada. Além disso, você não pode ter uma mulher como eu. — Mulher? — Ele zomba. — Você tem o quê? Dezoito anos de idade? — Ele se inclina para trás e estica o braço, me olhando. — Dezoito de seus cinquenta! — Atiro de volta. Ele está inclinado para frente de novo, seu ombro tocando o meu, e a provocação em seus olhos tornou-se mais perigosa e excitante, um pouco mais desafiadora.


— Um dia eu vou fazer todas as coisas que eu preciso. E ela vai ser minha. Marque minhas palavras. — Será que ela já sabe disso? — Eu pergunto, em voz baixa. — Eu já disse a ela, — diz ele. Sua voz é grossa e baixa, mas seus olhos ainda estão acesos com travessura. — Talvez... talvez ela já seja sua. — Ela é? — Só um pouquinho, — eu digo, levantando o polegar e o dedo indicador para desenhar um centímetro. Ele olha para os dedos, depois para mim. — Eu não sou um homem que está satisfeito com apenas um pouco. — Ele sorri. — Isso é tudo que ela tem. Ele balança a cabeça. — Ela pode fazer melhor. Muito melhor. Os adolescentes saem do memorial, e Matt e eu estamos sozinhos novamente. Ele desliza a mão para a parte de trás do meu pescoço em um gesto de propriedade, então ele olha nos meus olhos de uma forma tão possessiva que um milhão de borboletas vibram no meu estômago. Um sorriso começa a puxar os cantos de sua boca. — Venha aqui, Charlotte, — ele suavemente comanda. Congelo. Ele disse que não quer dizer para não fazer nada, e agora eu posso ver em seus olhos que ele tem um monte de coisa em mente. O sorriso de Matt desaparece, e ele agarra a parte de trás do meu pescoço e me puxa para mais perto, então ele inclina a testa na minha, seus olhos me segurando encantada. — Eles vão tentar encontrar sujeira em mim. Qualquer coisa que possam encontrar. Eu não quero que você esteja nessa lista. Você é melhor do que três minutos no noticiário da noite para atacar meu caráter. — Eu não estaria preocupada comigo se isso não afeta você, — eu respiro. — Eu posso lidar com seus ataques. Eu não quero que eles ataquem você, — ele fala com raiva. Ele raspa o polegar sobre meu lábio inferior.


Impulsivamente, lambo a ponta de seu dedo. Em um piscar de olhos, seus olhos escurecem com necessidade. Então ele cautelosamente inclina meu rosto quando abaixa para trazer nossos olhos para o mesmo nível. Primeiro ele fuça meu nariz e acaricia seu polegar novamente em meu lábio inferior. Ele pressiona suavemente em meus lábios para abrir minha boca. Meus olhos fecham. Cada pensamento na minha cabeça se torna nada quando ele rapidamente pega minha boca com a sua. Tudo desmorona. Ele me beija suavemente no primeiro segundo, e então sem desculpas, profundamente, acelerando como um motor de um foguete, seguido pelo lançamento para o espaço, e então eu estou em uma galáxia de estrelas brilhantes e noite sem fim, perdida e flutuando, aquecida por um sol que não posso ver, e sua boca um vórtice com fome, um buraco negro delicioso, me sugando. Ele segura meu rosto com uma das mãos, fazendo as coisas mais perversas com minha língua até que ele retira seus lábios, olhando para minha boca. Olha meus lábios beijados enquanto desliza a mão por baixo da minha saia, tocando a pele nua no interior da minha coxa. A ponta do dedo me toca por cima da minha roupa íntima – trilhando um caminho suave no meu sexo molhado. É um toque fantasma – mal está lá, mas provoca um tremor arrepiante em mim. Gemo, e sua testa paira sobre a minha enquanto arquejamos e deslizamos nossos lábios um no outro. Matt lambe meu lábio inferior, então dentro da minha boca antes de recuar. Ele coloca seu rosto no meu e cheira meu pescoço. Ele geme novamente e me beija, língua mergulhando acaloradamente. E abandonando-me segundos depois. — Você está me torturando? — Suspiro, tão excitada que meu corpo inteiro está tremendo. Ele está respirando com dificuldade, seu peito se expandindo a cada respiração. — Se eu estou torturando você, então o que estou fazendo a mim mesmo não tem nome. — Você é inalcançável, Matt. — Eu olho para o rosto de capa de revista. — Matt


Hamilton. Você é tão inalcançável, você é como um cartaz, algo que eu posso olhar, mas não tocar. Um olhar sombrio se instala em seu rosto quando ele se inclina para frente novamente. Estou irrefletida, e sem mente quando ele pressiona novamente seus lábios nos meus. Um beijo com apenas um movimento de sua língua. Tão perfeito e tão certo, que me esqueço que é errado. Eu inspiro, e ele me inala através de sua boca. Eu gemo seu nome neste momento. — Matt. Isso não pode funcionar. Não vai funcionar. O escândalo que causaria, a forma como iria arruinar tudo o que ele – pelo que nós – tão metodicamente trabalhamos. — Eu vou encontrar uma maneira de fazê-la ficar sozinha comigo. Eu quero passar tempo com você. Eu quero sentir mais de você, — ele fala grosso, beijando minha orelha, sua respiração quente e batendo na minha pele, trilhando os dedos para cima e para baixo da minha coxa, debaixo da minha saia. Seus dedos varrem toda a minha calcinha de novo, provocando outro gemido dos meus lábios. — Eu gostaria disso, — eu gemo quando ele esfrega minha protuberância um pouco. Ele olha para mim com possessividade, observando-me recuperar o fôlego e gemer enquanto esfrega mais forte, quando um novo grupo de pessoas passa pelo monumento. Ele aperta a mandíbula, então suavemente puxa sua mão. Eu respiro, — Isto é um erro? — Não vai ser. — Sua voz é firme. Olhos piscando e determinados quando levanta a cabeça para fazer a varredura da multidão. — Vamos, — ele diz gentilmente, tomando meu cotovelo e me guiando. Nós voltamos para o carro em silêncio, a mão na parte inferior das minhas costas enquanto ele me guia para o banco traseiro. Seu toque me queimando –


lembrando onde esteve mais cedo.

Matt

CONDUZO Charlotte para dentro do carro, e Wilson me lança um olhar pelo espelho retrovisor quando se instala. Atiro outro de volta, dizendo para salvá-lo. Fecho a partição entre nós, e meu olhar pousa em Charlotte. Ela senta-se calmamente na parte de trás do carro, e porra, não posso tirar o gosto dela da minha boca. Meu coração está retrocedendo em minha caixa torácica, o meu corpo tenso de desejo. A sensação do local úmido que eu acariciava entre suas pernas está gravado na ponta dos meus dedos. Eu poderia me sobressair em estar no controle e posso me sentir protetor com ela, mas eu sou um homem. Eu tenho instintos; tenho necessidades. E essas necessidades estão sendo construídas todos os dias olhando para ela, a cada noite pensando nela, e agora eu só preciso muito dela. Eu quero provar sua boca novamente. Eu quero provar cada polegada sua até que ambos nos afoguemos em prazer e, em seguida, eu quero fazer tudo novamente. Eu estudo o perfil dela e Deus, ela é tão bonita. — Devemos esquecer o que aconteceu? — Ela pergunta, trazendo seus olhos nos meus. Eu sorrio, balançando a cabeça negativamente. — Não, — eu digo a ela, minha voz grossa. Eu estendo a mão e gentilmente pego a parte de trás do seu pescoço, puxando-a para mim, incapaz de resistir ao esmagamento dos seus lábios sob o meu. Quando a sinto, esfrego minha língua ao longo da sua, persuadindo-a a deixar ir enquanto uso minha outra mão para apertá-la, em volta da cintura e costas, puxando-a para que seus seios sejam esmagados contra meu peito e a única coisa entre mim e sentir seus mamilos pequenos exuberantes, é nossas roupas. Ela é toda macia, e Deus, como cheira bem, e todo o resto dela. Gemo com o pensamento de tê-la debaixo de mim, devassa e selvagem. Quando as


coisas esquentam e eu tenho seu peito em uma mão, o mamilo enruga quando meu polegar o circula, nossas respirações ofegantes se tornam audível na parte de trás do carro e eu beijo seus lábios, então sigo um caminho da pele no pescoço e mandíbula. E paro na parte de trás da orelha dela, onde a sinto tremer e parece ficar ainda mais louca de desejo. Nós dois estamos fora de controle, uma urgência com nossos beijos, nossos movimentos, nossa necessidade. Eu deslizo minha mão sob sua saia e coloco sua calcinha de lado, facilitando meu dedo médio através de sua abertura. Ela sacode e seus dedos afundam em meus ombros, suas respirações explodem para fora dos lábios e na minha boca. — Eu quero você, — eu digo a ela, mergulhando minha língua em sua boca enquanto eu puxo o dedo e insiro-o de volta, sentindo-a estremecer de prazer. — Quero que você se contorça de prazer assim, — eu prometo. Alivio a pressão e olho para ela, e Charlotte inala profundamente enquanto afago meu dedo do lado exterior das suas dobras, agora liso e me querendo. Eu sorrio e esfrego a ponta do meu dedo polegar da outra mão ao longo de seu lábio inferior, puxando-o para além do topo. Eu gemo quando a sua respiração pega, recebendo um último gosto dela e uma última sensação do seu sexo apertando ao redor do meu dedo quando o conduzo para dentro. Estou brincando com fogo e não me importo. Esta garota faz isso comigo, da maneira como seu cabelo cheira à maneira como ela se move agora enquanto movo meu dedo. Eu nunca quis ter uma mulher da maneira que eu quero ela. Quando o carro para, seguro seu rosto entre as mãos, alivio de volta, e abaixo minha testa na dela, o meu olhar pairando no rosto dela enquanto eu olho em seus olhos vidrados, cheios de luxúria. — Vou encontrar o momento certo para nós. Vamos manter a nossa cabeça no jogo. Por agora. — digo. Um sorriso trêmulo aparece em seus lábios, em seguida, ela sai do carro para seu apartamento. Pressiono o botão do microfone. — Espere até que ela esteja em segurança lá dentro, — digo a Wilson. — E nem


sequer diga uma palavra. — Eu não disse merda nenhuma, — diz Wilson. Rio para mim mesmo, meus olhos caindo sobre as costas dela. Meu sangue está fervendo em minhas veias quando a vejo desaparecer. Levo meu dedo até minha boca, chupo seu sabor doce e ácido, e fecho os olhos. Deixo cair a minha cabeça para trás e olho para o teto do carro, exalando fortemente enquanto abaixo minha mão. Manter a nossa cabeça no jogo, eu disse. Embora ela e eu saibamos que há outro jogo que estamos jogando agora.

QUANDO CHEGO ao meu apartamento, meu melhor amigo da faculdade, Beckett, está à porta, vestido com jeans e uma gola alta, com a sua habitual camisa formal envolto em torno de seu pescoço. — Bem, olá, Romeo, — ele ri. Franzo a testa com o comentário, abro a porta e o deixo entrar, jogando minhas chaves e minha carteira na mesa de café. — Temperamental. Suponho que é a ruiva, — diz Beckett. — O quê? — Viro-me para encará-lo, e Beckett parece surpreso com o quão rápido ele foi capaz de me fisgar, quando normalmente... Eu nunca mordo a isca. — Está tudo nas notícias. Você a levou para fazer compras. Que delicado, — Beckett explica, rindo na última palavra. O que... Ando pela sala de estar, ligo a televisão e pego uma manchete. “Matt Hamilton faz compras com misteriosa ruiva...” — Jesus. — Eu jogo o controle remoto de lado, soco minha mão em um travesseiro, então tomo uma cerveja e jogo uma para Beckett quando caio no sofá. — Esta garota me faz perder a cabeça. — Arrasto minha mão sobre meu rosto, meus molares cerram com força suficiente para quebrar o queixo de um homem.


— O que está acontecendo? — Ela está na minha campanha. É a filha do Senador Wells. Ele suspira. — Matt, merda, cara, você precisa ter cuidado. — Que inferno, eu sei disso. Você acha que eu não sei? — Raspo minha mão em meu queixo, tentando soltá-lo, então tomo um gole da minha cerveja, deixo cair a cabeça para trás no sofá, e expiro. — Eu estou tão envolvido com esta garota. Com a tensão da eleição, e o fato de que a vejo todos os dias, eu estou ficando louco. — Balanço minha cabeça. Foi imprudente – e isso não importava. Nada importava, além de alimentar essa sede selvagem. Livrar-se da porra da sensação de ter as mãos atadas. Saciar a fome de tocá-la, sabendo muito bem que ela queria, desejava tanto quanto eu. Eu não só desejo esta garota, eu gosto de estar com ela. Crescendo do jeito que cresci, parece que mil e uma expectativas estavam empilhadas em mim, uma após a outra. Pode ser estranho quando as pessoas te colocam em um pedestal. Isso desgasta você, ter que ser o melhor homem o tempo todo, para viver sempre com o nome Hamilton. Todo mundo sempre quis que eu fosse algo maior do que eu sou. Para guardar e seguir o legado de meu pai e o nome da família. Mesmo que pareça que meu único desejo é ser exatamente isso, com ela, parece que ela quer que eu seja nada mais do que eu sou, e nada menos. Os poucos momentos juntos que tivemos, eu fui capaz de ser livre com ela. Ser real com ela. Ela é a única mulher que eu já estive verdadeiramente confiante de que não vai sair da minha cama e levar a nossa história para a imprensa. A única garota com quem estou, não há desconfiança nenhuma, nem de mim, e nem dela. Mas também sei que eu posso ter uma dose de pó mágico com o público. Eles têm me perdoado por todas as minhas transgressões, rumores ou reais. Mas não posso dizer que seriam tão bons com ela se isso vazar. — Sim. Eu preciso ser mais cuidadoso. — Eu olho para Beckett com uma tonelada de frustração pesando sobre mim. Três familiares batidas de Wilson ressoam na sala, e ele abre a porta. Eu sei o que


ele está prestes a dizer. A imprensa está provavelmente do lado de fora. E eles querem um comunicado. — Estão todos lá fora? — Ele sabe muito bem quem são. — Sim. Eu fico de pé. — Vamos, Beckett, vamos dar-lhes uma diversão para mantê-los longe de sua porta. — Como você pode ficar tendo que dar uma declaração para cada vez que você fizer uma merda, cara? — Rosna Beckett. — Você se acostuma com isso.

18


RUMORES Charlotte

NA MANHÃ SEGUINTE, todo mundo está falando sobre o caso. Ontem à noite, às onze horas, a primeira manchete era Matt e eu aparecendo em um canal local. “Imagens da câmera de segurança flagraram Matt e uma ruiva misteriosa que pensamos ser uma assessora de campanha 'secreta' tentando comprar sapatos...” Eu odeio vê-lo, eu odeio isso com todas as fibras do meu ser, mas os momentos que compartilhamos... a sensação persistente de suas mãos sobre mim na Bacia das Marés... quase faz os rumores escandalosos da compra valer a pena. Desço para verificar minha caixa de correio, só para encontrar dois repórteres na minha porta. Eu sei que Matt deve lidar com muito mais, só que para mim, dois repórteres já é muito. — Senhorita Wells... — Sem comentários, obrigada. — Eu me esforço para abrir a porta mais uma vez. — Era você e Matt Hamilton naquele vídeo? Deslizo para dentro do prédio e vejo minha secretária eletrônica piscando loucamente com cinquenta e duas – cinquenta e duas – mensagens. Preciso desliga-la. Eu recebo um email de meus pais. ESCÂNDALO, é o título. Eu não o abro. Kayla me envia mensagens. Respondo: Eu estou bem, obrigada por se preocupar. EU NÃO ESTOU ENVOLVIDA


ROMANTICAMENTE COM MATT HAMILTON! Envio. Não estou envolvida, digo a mim mesma. Mulheres eleitoras estão enlouquecendo, porém, e naquela noite, Matt está no noticiário. — Não é verdade que eu estou em um relacionamento com a Senhorita Wells. Nós caminhamos em torno da Bacia enquanto analisávamos a minha agenda da campanha, então vamos manter o foco sobre isso. Desligo a TV com uma sensação de peso no estômago. Como frango grelhado e salada enquanto penso sobre a situação, em seguida, coloco minha roupa de corrida. Naquela noite, eu mergulho em uma corrida, e corro como se estivesse correndo uma maratona quando eu vou para a casa dos meus pais para dizer adeus antes da viagem de campanha. Eles estão me esperando na sala de estar e eu sei que eles estavam discutindo a notícia. Os olhares sombrios em seus rostos dizem tudo. Meu pai só me abraça e me diz do seu jeito áspero para cuidar de mim mesma, então vai lá para cima. Minha mãe me dá um copo de limonada e me observa preocupada quando nos sentamos em sofás opostos na sala de estar. — Nós vimos a notícia. Eu gemo. — Você também não, mãe. Ela balança a cabeça. — Definitivamente sim, Charlotte. Durante décadas, seu pai e eu temos evitado qualquer tipo de escândalo. Escândalo é um assassino de carreira na política. — Mãe, eu sei, foi algo completamente inocente. — Basta lembrar que você é uma mulher, Charlotte. Damas são sempre damas primeiramente, e apenas depois são mulheres. Compreende? — Sim, eu entendo. Não se preocupe, eu não iria causar nenhum escândalo para nós. — Não é que Matt não seja... bondoso, ele é um sopro de ar fresco para este país e ele está trabalhando de forma independente. Charlotte, alguns vão querer destruí-lo e você não quer alimentar o fogo. Ele pertence à América agora. Ele sempre vai pertencer. — Eu sei, Mãe, eu sei, — eu digo.


— Não se apaixone por ele. Abaixo minha cabeça, rindo melancolicamente. — Por que você diria isso? Seus olhos brilham com simpatia e compreensão. — Porque qualquer mulher faria. Mas você não é qualquer mulher. Você é filha do seu pai e minha filha. Eu a aplaco pela próxima meia hora, e eu sei que eu deveria estar preocupada, e estou preocupada. Mas nada pode me impedir de bater na minha cama e reviver os beijos de Matt mil vezes.

19

VIAJANDO Charlotte

ESTAMOS VIAJANDO em um avião bimotor para a campanha. Nossa primeira parada é Dallas, e eu sou a única mulher a voar entre um grupo de quatro homens e um cachorro. O agente de campanha de Matt, Hessler, seu avô intimidante Patrick, Carlisle, Jack, e seu dono quente, Matt. Beijador Celestial. Hamilton. Estou nervosa com a notícia. Os beijos que compartilhamos eram tão perigosos. Eu não tinha ideia de que eu poderia ser tão imprudente e impulsiva até aquela noite. Matt sorri para mim com tristeza quando ele me cumprimenta e juro que cada borboleta existente no meu estômago toma voo porque ele parece genuinamente feliz em me ver. Como se ele se arrependesse de quase ser pego, mas ele não se arrepende dos beijos nem um pouco.


Deus. Seus beijos. Eu tento não me lembrar da corrente de calor que causou dentro de mim enquanto saúdo os homens que entram no avião. Carlisle, a julgar pela tensão em seus ombros quando olha para mim, parece muito infeliz com a notícia. E a primeira pista que eu consegui que implica que eu não deveria sequer estar viajando com Matt vem de seu avô. Ele me vê e pergunta: — Quem é ela? — Minha planejadora. Ela é filha do Senador Wells e um velho amigo da família. — Matt nos apresenta. — Charlotte, Patrick Hamilton, o meu avô. — Eu sei quem ela é, por que ela está aqui? — Seu avô bufa, virando-se e embarcando no avião. Uau. O homem me odeia. Matt atira-me um olhar de ignore-o e põe a mão protetoramente na parte de trás do meu pescoço enquanto ele me insta a caminhar pelo avião. Uma corrente elétrica dispara na minha espinha e, embora o toque durasse apenas um segundo, a sensação de seu toque dura por muito mais tempo. Matt larga seu grande corpo na cadeira da frente para a cabine do piloto. Eu tomo o assento atrás do seu. Eu nunca antes fui tão grata por Matt trazer Jack. Ele deixa-o fora do seu transporte após a decolagem e Jack vem imediatamente me cheirar e lamber minhas mãos. Ele está mantendo os olhos em Matt, enquanto ligo meus fones de ouvido para dar aos homens um pouco de privacidade enquanto falam. Ainda assim, ouço-os discutindo vários assuntos – como a estabilização da economia, Matt vindo Independente na campanha. — Você é um graduando de Harvard, como seu pai... Você viveu no exterior; você sabe o que está lá fora, — seu avô apaixonadamente argumenta. — Seu pai era muito jovem a primeira vez que ele queria se eleger e foi dito a ele para esperar e ele fez. Você toma o bolo de tudo, Matthew, realmente você faz. — As pessoas são leais a ele, Patrick, — Carlisle apazigua. — Ninguém cavou nada sobre Lawrence depois de sua morte. Não houve vazamentos não autorizado de informações a respeito de sua presidência. As pessoas são incrivelmente leais


aos Hamiltons. — Mas eles são leais a seus partidos, também, — Patrick interpõe com um olhar significativo na direção de Carlisle. — O que você quer que eu seja, um senador? — Matt pergunta em uma voz de aço que silencia a todos. Mesmo seu avô finalmente parece calar a boca. Estou ciente de seu avô constantemente olhando em minha direção durante o voo. Ele nem sequer tenta diminuir sua voz quando diz: — Você mantenha suas mãos longe dela. Você pertence ao país agora. Silêncio mortal recai no ambiente. As orelhas de Jack se agitam como se ele sentisse alguma coisa. E embora o ar seja grosso com a tensão, Matt se inclina para trás em descanso para pousar seus olhos no de seu avô. — Sim, vovô. Eu aprecio você estar aqui... mas eu sei o que estou fazendo. Pulando fora do assento ao meu lado, Jack delimita o corredor e senta-se aos pés de Matt, empurrando a coxa de Matt com seu nariz. Matt mantém seu olhar intimidante em seu avô enquanto ele distraidamente acaricia a mão sobre a cabeça de Jack e olha para mim. Ele tem as mangas da camisa enroladas até os cotovelos e ele é tão musculoso que as veias saltam em seus braços. Lembro-me de nossa conversa e as palavras de minha mãe, não completamente diferente das do seu avô, e eu rapidamente desvio dos olhares – me sinto sugada pelo escuro, flash de propriedade em seus olhos – que me obtêm ocupada mais uma vez, olhando os nomes dos locais que teremos reunião de assessores e saudação na sede de Dallas hoje.

NÓS VERIFICAMOS o hotel e seguimos para o nosso escritório local, e até a próxima semana, a maratona de mídia e multidões começa em todos os estados do sul.


Onde quer que haja terra, há sempre um comitê de recepção de pessoas agitando cartazes e cantando. — HAMILTON PARA O PAÍS. — NASCIDO PARA ISSO! Eu estou tão orgulhosa do estúpido e maravilhoso Matt e como ele está afetando as pessoas. Seu carisma fácil simplesmente ganha as pessoas instantaneamente. Durante anos, ele protegeu sua privacidade, enquanto desprendia o ar de uma beleza cultivada com dinheiro ilimitado e apetites desatados. Ele se parece com um bad boy da política, ao mesmo tempo em que ele se parece com o homem que você quer confiar a si mesmo e seus filhos. Ele já tem respeito internacional. Seu pai tem uma biblioteca inteira em seu nome, como muitos ex-presidentes têm, e uma história de relíquias preservadas, e agora parece que a mídia tem esperado décadas antes do poderoso legado Hamilton novamente. Ele sabe exatamente como cumprimentar os repórteres; ele nem sabe os nomes da maioria. As luzes de flash reluziam quando pousamos em Miami e saímos do jato na direção de um SUV prata. — Como você faz isso? — Eu olho para Matt, que está vestido com jeans e uma camisa de botão branca, que emite mais calor do que o sol da Flórida. Ele me lança um olhar questionador de lado. — O quê? — Ele pergunta com um sorriso, o vento brincando com seu cabelo. Maldito vento. Meus dedos estão com inveja. — Saber exatamente como tratá-los, — acrescento. Ele dá de ombros, como se dando bem com a imprensa é simplesmente uma segunda natureza para ele. — A coisa com a imprensa é, — diz ele, — você precisa mantê-los alimentados para que eles não roubem sua casa e façam um piquenique à sua custa. Mantêlos saciado com apenas a quantidade certa de informações para que eles não fiquem com fome o suficiente para tentar a vasculhar todo o conteúdo da sua cozinha.


Eu sorrio. — Você é astuto. — Cauteloso, — ele facilmente contradiz. — Calculista. Ele continua a sorrir, em silêncio, então ele olha para os meus lábios por tempo suficiente para fazer meu estômago vibrar e ele silenciosamente admite: — Sem resposta. Eu rio e tento me livrar do seu efeito sobre mim à medida que subimos no SUV. Eu estou nervosa. Minha barriga está apertando, e borboletas voam de tanto nervoso. Não por causa da viagem. Mas você sabe que as vibrações estão lá, mesmo quando sua mente está em outro lugar? Eu tenho constantemente. Eu tive por toda a semana passada. Eu não pude me livrar delas. Minha respiração está fraca quando Matt encontra meu olhar. Eu continuo sentindo meu sexo apertar quando ele olha para a minha boca, ou me pede alguma coisa e parece arrastar propositadamente a ponta do dedo sobre o meu polegar quando eu entrego. Estamos no carro agora. Estou imprensada entre ele e seu avô, e mesmo assim o carro tem tudo de Matt. O cheiro de Matt, o espaço do corpo que Matt ocupa. Este é o primeiro cara que eu já fantasiei, e a nova versão dele foi apenas uma vaga ideia do homem que ele é agora. Todo o passeio para o nosso hotel, estou ciente de um zumbido baixo na boca do estômago e as coisas que suas mãos estão fazendo enquanto ele brinca com o seu telefone e recebe uma ligação de alguém chamado Beckett, que eu aprendi é um de seus amigos de Harvard e que parece que vai recuperar o atraso com a gente depois. Silenciosamente eu olho para fora da janela para a paisagem, e então opto por rever o itinerário da semana. Quando Matt termina a sua chamada, ele se inclina sobre meu ombro. Sua mandíbula está a poucos centímetros de tocar o meu ombro. E é estranho que meu ombro está quente, simplesmente por essa proximidade


dele? Meu estômago aperta mais do que antes, e levanto a agenda para que Matt possa olhar para ela. Seus bonitos lábios se curvam, e ele balança a cabeça, aquele sorriso adorável ainda em seus lábios. — Não mostre isso para mim. Tenho dificuldade em ler letras pequenas. Lembra? — Ele repreende, mas depois ele pega seus óculos de leitura, desliza-os, pega a minha cópia – arrastando o seu polegar sobre a parte de trás do meu – e roça. Meus pulmões se tornam rochas; realmente não posso dizer que eu estou respirando direito. Mas eu não quero desmaiar aqui, na frente dele e seu avô! Eu estudo os planos de seu rosto enquanto ele lê, seu cabelo macio cai em sua testa. Ele fecha a agenda e remove seus óculos. — Eu vou estar ocupado, — diz ele. — Eu sei que você gosta de estar ocupado. E, neste ponto, você meio que não têm outra escolha. Ele franze a testa, como se ofendido, eu mesmo insinuo isso. — Eu não quero isso. — Em seguida, um brilho de admiração instala-se em seus olhos. Ele abaixa a voz para que só eu possa ouvi-lo. — Você está fazendo um grande trabalho, Charlotte. Você é uma das pessoas mais trabalhadoras que já conheci. Eu posso dizer que você realmente acredita no que está fazendo. Sua voz tão perto dispara um milhão de faíscas ao longo do meu corpo. Eu mantenho o meu olhar no seu. Eu mantenho a minha voz baixa também. — Eu nasci aqui. E eu vou morrer aqui. E eu quero que meus filhos vivam aqui. E os meus netos. E eu quero que seja tão maravilhoso quanto foi para mim, ainda mais maravilhoso do que é agora. Ele olha fixamente nos meus olhos, e por um mero segundo, um sorriso aparece. — Bem, eu não estou pensando em filhos ou netos, mas eu gostaria de ter certeza de que o seu seja tão maravilhoso como você quer que seja. Eu não esperava isso. Ouvindo Matt – jovem, viril e a fantasia de todas as mulheres – dizer me


confunde. — Por quê? Há um silêncio. — Por que você não planeja ter filhos? — Pergunto, desta vez sendo mais específica. Minha voz ainda baixa. Soa um pouco atordoada e talvez um pouco lamentável, mas isso é porque eu acho que Matt seria um grande pai. Matt Hamilton seria o mais quente pai de um bebê no continente. No mundo. Um sorriso puxa um dos cantos de seus lábios e a diversão ilumina os olhos sobre o meu descaramento. — Eu não gosto de fazer as coisas pela metade. Quando registro o que ele disse, olho para o meu colo. Com o canto do meu olho, eu estou ciente do avô de Matt olhando para mim com uma careta. E então aquilo me atinge. Seu plano para ser presidente terá precedência sobre tudo o mais, até mesmo os seus planos pessoais. Eu nem sei o que dizer. Dói saber disso, mas além disso... Não acho que seja possível admirá-lo mais do que já faço.

— CHARLOTTE — Alison diz ao meu lado enquanto se mistura com a multidão, a câmera sempre pronta para tirar a fotografia seguinte. Estamos em um evento que consiste principalmente de empresários e mulheres, e a sala está em sua total capacidade, quase mil pessoas aqui nesse evento exclusivo, todos com o desejo de conhecer o seu candidato. — Vocês duas estão adoráveis esta noite, — Mark diz quando se junta a nós para se misturar. Estamos em Miami, e porque o evento caiu no fim de semana, Mark surpreendeunos, unindo-se a nós inesperadamente. — Não poderia perder a diversão, Mark? — brinca Alison.


Há um silêncio entre eles e Alison ri, e todo o tempo, eu continuo roubando olhares secretos até Matt. Um segundo, seus olhos deslizam por cima da multidão e em minha direção como se ele tivesse um sexto sentido. Eu me afasto e rio com Mark. — Uh, o que é tão engraçado? — Me desculpe, eu... — Balanço minha cabeça e sorrio. Enquanto Alison vai tirar uma boa foto de Matt, Mark e eu compartilhamos histórias de vida, a minha um pouco protegida, eu acho, e eu sei que ele se casou com sua namorada de infância e se divorciou apenas com trinta anos. — Soa difícil, — digo a ele. — Isto é. Amor adulto é diferente, muito mais... sacrificante do que pensávamos. É uma espécie de abertura de olhos. Nós nos separamos. Mas o suficiente de lágrimas. E agora quero saber sobre você. — Mark. Ele se vira para um dos nossos colegas de trabalho, um homem de meia-idade que está no comando da publicidade na web. — Quando eu voltar, — Mark termina. Ele pisca e me deixa no momento em que Alison retorna. — Ele é legal e ele está dando em cima de você, para sua informação, — diz ela. — Ele é legal e ele não está dando em cima de mim. Vejo-o ir embora e procuro em mim uma pequena faísca e não, não há nenhuma faísca. Alison começa a circular pela sala, tirando fotos de outras figuras significativas. Olho para onde Matt foi e sinto um pontapé de decepção que ele não está mais lá. — Ele estava com sede. Oscilo ao redor quando ouço sua voz atrás de mim, e ele me mostra um copo de vinho. Franzo a testa. — Eu estava procurando por Mark, — minto. — Hmm. — Seus olhos brilham, e ele toma um gole. Nós estamos lado a lado, seu ombro tocando o meu. Eu olho para Carlisle do outro lado da sala, cuja expressão é mais do que êxtase –


obviamente, porque a arrecadação de recursos está indo bem, e o comparecimento às urnas foi maior do que tínhamos previsto. — Você parece ter uma habilidade inata para atrair multidões, — eu elogio. Matt olha em torno do salão de baile, e depois de volta para mim. Com essa cara mercurial, ele faria qualquer outro presidente suar durante as negociações. — Você não está bebendo nada, — ele finalmente diz. — Sou muito preguiçosa para ir ao bar e eu prefiro que os garçons cuidem dos convidados, mas Mark se ofereceu. — Mark está com Carlisle. — Ele acena para um dos garçons, que vem imediatamente à frente. — A senhora gostaria... o que você gostaria, Charlotte? — Qualquer vinho branco está muito bom. — Borboletas correm pelos meus braços quando ele arranca uma taça da bandeja e a entrega. Ele está olhando para mim, observando-me saborear, quando ele é abordado por um grupo de recém-chegados, e eu, relutantemente, tomo distância e começo a me misturar com a multidão novamente. — Charlotte, ah, sim. Virando de surpresa com a voz, vejo um jovem, afro-americano com uma bela altura. Seu rosto é vagamente familiar, mas eu não consigo identificá-lo. — Eu conheço você? Ele balança a cabeça na direção de nosso candidato. — Eu sou amigo de Hamilton. — Ahhh. — Dias de faculdade, — explica ele. — Ahhhh! — Aponto para ele descaradamente. — Eu aposto que você sabe algumas coisas. — Roubo uma olhada para Matt, mas ele está em um grupo tão grande que não consigo localizá-lo. Ele levanta os dedos e invisivelmente fecha os lábios. —Definitivamente não estarei dizendo nada. — Oh, vamos lá. — Agora percebo por que ele parecia familiar. Vestido com jeans e um suéter formal, percebo que Beckett é o melhor amigo de Matt. Ele tem a cabeça raspada, tez imaculadamente lisa, olhos quentes e lábios cheios, e os


dentes que transmitem um flash branco contra o sorriso. Ele sorri e sinaliza para que eu tome um assento em uma das mesas próximas, juntando-me. — Nós costumávamos tentar despistar o Serviço Secreto, que iam onde quer que ele fosse. Incomodava Matt. Ele tentou perdê-los por toda a vida. E olhe para ele agora. Rio. De alguma forma, eu posso dizer que ele é protetor com Matt. Em seguida, falamos sobre o pai de Matt e a era de ouro, e o que o matou. Caímos em silêncio quando vemos Matt se aproximar de nós. — Beckett estava me contando algumas histórias... — Digo a ele. Ele olha seu amigo de forma duvidosa como se de repente, ele simplesmente não confiasse nele. — Ele disse que você faria qualquer coisa para se livrar de seus detalhes. Que você aprendeu a voar no helicóptero Marine One como seu décimo oitavo presente de aniversário dado pelo seu pai, e que o seu primeiro cachorro na Casa Branca tinha o nome de Lucky, mas sua mãe o chamava Loki porque ele amava rasgar as camas de tulipa. — Ele lhe contou tudo isso? — Ele abaixa uma sobrancelha um pouco mais longe do que a outra e lhe dá um olhar de você não deveria, e Beckett ri. — Eu não pude resistir. Ele dá um tapa em suas costas e, quando Beckett levanta-se para ceder seu assento ao meu lado, eu juro que ele lhe diz: — Eu não culpo você. Borboletas pipocam no meu estômago, rápida e violentamente. Não é apenas as palavras, mas o tom carinhoso que me surpreende. Desvio o olhar e olho para o copo na minha mão, de repente muito preocupada com a quantidade de líquido que está lá dentro, e a situação exata do vinho. Matt diz simplesmente algo para Beckett que não posso ouvir, a mão apoiada na parte de trás da cadeira que Beckett acabou de desocupar. Fico sentada aqui, lutando com todas as minhas emoções. — Se essa é a multidão que você projeta como candidato, não vou querer saber que tipo de poder você terá como presidente — eu digo quando olho em volta.


Matt me observa todo esse tempo. Seus olhos do tipo café expresso diminuem um pouco. — O que mais Beckett disse a você? — Pergunta ele, desconfiado. Eu dou de ombros misteriosamente, e seus lábios tremem por causa da minha teimosia quando Carlisle vem e pede a Matt para dar um discurso. Quando Matt se levanta e atravessa a sala, a multidão irrompe em aplausos, e eu sou atingida pelo momento ISTO É O QUE VOCÊ É. ISTO É O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO. Eu não consigo parar de sorrir. Ele está calmo quando vai até um pequeno pódio. Matt Hamilton. Eu quero o calor da luz que Matt Hamilton representa. Matt espera para que todos possam se estabelecer e, em seguida, todo mundo espera em silêncio, todos os olhos sobre ele. — Eu gostaria de agradecer a todos por terem vindo esta noite, é bom ver tantos rostos familiares e tantos outros novos também. — Ele acena para todos. — Tenho certeza que vocês notaram que nos falta slogans na decoração de hoje à noite... Eu gostaria de agradecer a minha equipe por seus esforços – a verdade é que ninguém presta mais atenção aos slogans. — Eles precisam saber o que você traz a mesa! — Um homem idoso muito barulhento grita. — Eu trouxe a mim. Silêncio. Ele espalha as palmas das mãos no pódio e se inclina para frente. — Durante anos, o público passou a acreditar em cada promessa feita por cada candidato, o que acabou sendo uma mentira. Ninguém acredita neles mais. Política foi totalmente contaminada pela propaganda. Quero que fique claro que estamos executando uma campanha de slogan muito fácil, e uma campanha sem calunia. Sirvo meu país. Quando perguntado como eu pretendo servir, minha equipe, — ele olha incisivamente para mim, — e eu tivemos que vir com isto. — Ele acena atrás dele para onde Carlisle se virou visualmente. — Estamos chamando de campanha alfabeto. Estamos preparando, reformulando e melhorando tudo de A a Z neste país. É um objetivo ambicioso e que eu vou trabalhar incansavelmente para alcançar. Há tantas coisas certas sobre este país, e tantas coisas que podem


ser melhoradas. Queremos voltar aos tempos em que queremos até ultrapassar os tempos em que foram fenomenais. — Ele começa a nomeá-los. — Artes. Burocracia. Cultura. Dívida. Educação. Políticas de relações exteriores... Há risinhos de excitação correndo pela sala. Fico ali, impressionada como o resto da sala, sentindo uma conexão com ele. Um tipo de conexão que eu nunca na minha vida senti antes.

20

UM TOQUE

Charlotte

AS MULTIDÕES ESTÃO AUMENTANDO.


Até o mês passado, tivemos mais de 500.000 pessoas em cada estado. Estranho. Mas de alguma maneira eu sinto que conheço essas pessoas. Às vezes é o olhar em seus olhos. Como se Matt fosse a única esperança do mundo. Ele fala com eles sobre tudo, não apenas o presente, mas como podemos moldar o futuro dentro do nosso presente. Como as decisões que tomamos agora afetam aqueles que ainda não viveram. Nossos melhores compromissos são com crianças. Mas adivinhem? Eles não podem votar! E mesmo assim, eles são meus favoritos. Há algo sobre Matt quando está com as crianças que me atinge em muitos níveis. Hoje nós estamos deixando um hospital infantil, e estou distribuindo guloseimas para as crianças quando Matt anda até mim e me diz que é hora de sair. Foi quando um deles gritou: — Beije ela, Matt, beije ela! Carlisle murmura instantaneamente na direção de Matt: — Sim, é provavelmente a oposição querendo enforcá-lo por isso mais tarde. — Ele é uma criança, — diz Matt para Carlisle, rindo. Ele atira um olhar divertido, então me olha, algo malicioso escondido em seu olhar enquanto ele levanta a minha mão e passa seus quentes lábios de veludo em meus dedos. Há um brilho escuro em seu olhar, lembrando-me que nós dois sabemos de um segredo que ninguém além dele e eu sabemos. Acabou cedo demais; e eu solto minha mão como se ele me queimasse e tento focar nas crianças que estão encantadas, todas rindo por causa do que Matt fez. O toque fica comigo. Ele fica comigo enquanto nos dirigimos para o carro, onde estão os repórteres experientes que estavam espiando através das janelas do hospital. — Matt, faça novamente, nós perdemos isso! — Grita um repórter. — Bom. — Ele sorri quando me ajuda a entrar no carro e fecha a porta. Todos nós vamos embora. Fico em silêncio, a mão que ele beijou está enrolada protetoramente sobre meu


colo. Estou ciente dos nossos ombros com poucos centímetros nos separando. Nossas coxas se tocam, o cheiro dele em meus pulmões. E seu beijo permanece. Seu toque permanece. Ele permanece. Movo-me e coloco alguma distância entre nós, enquanto pretendo olhar pela janela. Meus pensamentos correm com as batidas do meu coração. Sinto-o olhando para o meu perfil, seu olhar como um peso, tangível sobre mim. Ele saberá como você se sente, Charlotte. Ele saberá que uma parte de você está pensando — beije-me. Beije-me quando estivermos sozinhos. Beije-me porque você quer, como você fez em D.C. Luto contra o sentimento toda a noite em meu quarto de hotel, dizendo-me que é melhor que não fiquemos juntos depois daquela noite na Bacia das Marés. É arriscado, e o futuro do país importa mais do que uma semana ou um mês de atividade sexual deliciosa. Matt estava apenas entregando-se a criança no hospital, eu me lembro. Mas não importa o quanto eu analise-o, as vibrações não vão parar; esta falta dele só aumenta e aumenta dentro de mim sem ter para onde ir. Vou para a cama cedo, com imagens de observá-lo trabalhar naquela manhã na academia de dança do hotel na minha cabeça. Ele adora trabalhar fora. Ele está dando a esta campanha tudo que ele tem. Eu me pergunto se ele é tão árduo em amar como ele é no resto das coisas que faz. Imagino-o no mais alto cargo na terra, sua cama sempre aquecida por alguém capaz de aliviar as tensões que um presidente deve suportar. E sinto uma pontada de ciúme, em seguida, pressionando meus lábios em desgosto e empurrando os pensamentos da minha mente, optando por pegar alguns dos meus arquivos de trabalho, porque eu já sei que não vou ser capaz de dormir ainda. Pego minhas canetas e começo a fazer anotações quando há uma batida na porta.

21


REUNIÃO Charlotte

É MEIA-NOITE. Então porque há uma batida na porta? Matt. O nome floreia na minha mente e, de repente, no fundo do meu estômago e na minha cavidade torácica, a esperança está chutando e pulando e gritando quando puxo um robe sobre mim, amarro a faixa, e com pressa vou abrir a porta. Que seja Matt. Que seja Matt. Wilson está no outro lado. — Ele quer ver você. — Ele varre meu quarto por cima do meu ombro. — Sozinha. Oh. Deus. Dez. Já se passaram dez dias desde que ele disse que me queria. Gostaria de saber quando seria o dia. Eu mesma comecei a acreditar que podia não acontecer. Mas agora Wilson está em minha porta. Dizendo que Matt quer me ver. Eu nem sequer sabia o que esperar desta reunião. Ele poderia muito bem não querer nada, além de debater – ou talvez me dizer que é uma má ideia, agora que ele teve tempo para refletir sobre isso. Ele estaria certo. Tão certo. Então eu tento acalmar meu desejo imprudente por Matt Beijador Celestial Hamilton e me preparar para uma reunião com o computador portátil profissional na mão, pronto para gravar quaisquer ideias ou alterações. Mesmo que Wilson tenha dito que ele queria me ver sozinho, eu me recuso a ter esperanças... ou afogá-las.


Eu tenho dificuldade para engolir quando balanço a cabeça e digo: — Encontro você no banco do elevador em dois minutos. Fecho a porta e inclino-me nela, tentando pegar um grande fôlego. Porra. Matt vai ser o meu fim. Talvez o fim da minha carreira, também. E eu provavelmente deveria levar isso em séria consideração antes de fazer algo imprudente. Eu não. Parto para ação e corro até o meu armário pequeno. Pego uma saia e blusa, recolho minhas coisas, pego minha chave do quarto e fecho a porta, seguindo Wilson para os elevadores, depois pela saída de volta para o estacionamento subterrâneo do hotel. A porta se abre de dentro do carro quando me aproximo. — Charlotte, — uma voz deliciosamente perversa murmura das sombras do banco de trás. — Matt. Engulo o nó de emoção e desejo que reúne na minha garganta. Estou já molhada. Mamilos pressionam no tecido do meu sutiã e na blusa. Ele abre um espaço e eu deslizo para dentro, fechando a porta atrás de mim. Ele está vestido de preto. Tem um cheiro caro. E ele parece mais quente do que o pecado. Ele também se move mais rápido que o pecado quando pega meu queixo entre o polegar e o dedo indicador e me obriga a olhar em seus belos olhos escuros. — Espero não ter perturbado seu sono. Sua voz é rouca, e tão minha. — Na verdade, você fez. Mas você não teve que enviar Wilson para bater na minha porta para fazer isso. Ele sorri e olha para mim, deslizando a outra mão sobre o assento até cobrir a


minha. Recupero o fôlego com o toque. Ele aperta os meus dedos, forçando-me a encontrar o seu olhar. Wilson dirige pelas ruas escuras, enquanto Matt levanta minha mão com as suas, envolvendo-a e deixando cair um beijo no interior da palma da minha mão. Recupero o fôlego, a ponta quente e sedosa de sua língua aparecendo. Circulando a pele sensível no centro da palma da minha mão. Eu gemo, avançando mais perto de seu corpo. Emanando calor. Matt agarra-me pela cintura e me puxa o resto do caminho para ele. Ele escova meu cabelo da minha testa. — Eu pedi a Wilson para me ajudar a garantir um pouco de privacidade para nós. — Ele estuda meu rosto. — Estou feliz com isso, — eu admito, densamente. Chego até o seu rosto sombreado. Deus, isso está acontecendo? Sério? Estou acariciando meus dedos levemente sobre sua carne tensa. Amando a sensação da sombra da barba em seu queixo sob meus dedos. A forma como a mandíbula aperta enquanto me deixa tocá-lo, seus olhos absolutamente se banqueteando no meu rosto. — Se você não parar de olhar para mim desse jeito, não vamos chegar nos elevadores, — adverte. — Como estou olhando para você? — Do mesmo jeito que você olhou para mim quando eu beijei sua mão no hospital. — Ah não! Olhei para você de que jeito? Isso não pode ser muito bom! As pessoas podiam ver. Seus lábios puxam nos cantos. — Eles estão acostumados com meninas que flertam comigo. São minhas próprias reações que preciso me concentrar. — Ele sorri, se inclinando e bicando meus lábios. Eu lambo meus lábios, provando-o sobre eles. — Você é muito bom em controlar suas reações.


— Eu não teria tanta certeza. Meu avô está comigo. — Ele me odeia, não é? — Ele odeia a ideia de qualquer coisa de pé entre mim e o que ele quer para mim. Exalo. — Você estava ótima com as crianças lá hoje. No hospital, — diz ele. Voz baixa e sensibilizada. — Eu? É você que elas amam. Ele ri, balançando a cabeça lentamente. — Se isso for verdade, então você os conquistou também; se não por que eles me pediriam para beijar uma garota se não é alguém que gostariam de me ver junto? — Ele sorri e se inclina para trás, olhando-me. — Veja, as crianças não são afetadas por normas e regras. Elas só veem a verdade e sabem exatamente como elas gostariam que fosse. — Isso me fez rir porque você se entregou as crianças, mas não aos repórteres curiosos. — Eles me jogaram uma isca, eu não estou dando-lhes isso. Pelo menos, não por vontade deles. — Ele olha para mim, e a compreensão dos riscos pesa com o silêncio entre nós. Wilson estaciona em um pequeno hotel apenas a alguns quarteirões de distância do nosso. É mais discreto, não exatamente uma estrela, mas não cinco de qualquer forma. Um lugar onde não seria de se esperar que Matt ficasse. — Estou bem atrás de você. Desligue o telefone, — instrui Matt. Estou tão nervosa que estou mordendo meu lábio inferior quando pego a chave do quarto que Matt me entrega antes de eu abrir a porta do carro. — Não brinque muito duro com esses lábios – isso é para eu fazer mais tarde. Faço uma pausa. Libero meu lábio. Assisto a curva de seus lábios em um sorriso lento e satisfeito. E eu sorrio de volta. Então rapidamente desligo meu telefone, expiro, guardo a chave no bolso lateral,


e sigo para os elevadores. Isto é tão imprudente. Tão imprudente, mas a perspectiva de seu toque é muito emocionante. Uma mulher em um suéter vermelho entra no elevador comigo. Meu coração começa vibrando no meu peito. Eu mantenho minha cabeça para baixo, ocupada olhando para a minha Mary Janes. Meu pulso pulsa com adrenalina, expectativa e medo. No final do corredor, deslizo a chave na fechadura e entro no quarto. Espaçoso, simples, moderno e elegante. Corro para o banheiro, deixo meu cabelo solto, belisco meu rosto, e depois saio e ando pelo quarto. Eu espero alguns minutos, até... A porta se abre. Sua forma alta enche a porta. Ainda vestido de preto, exceto por um boné na cabeça. O único cara que eu sempre quis. Ele entra em cena e fecha a porta com um cotovelo. Exalo. — Alguém viu você? — pergunto. Ele tira o boné de New York. — Não. — Eu tive a certeza de manter minha cabeça abaixada, eu... Grande e ágil e lindo, ele atravessa a sala, pega a minha mão, levanta à boca, e planta um beijo sobre o dorso dos meus dedos. Assisto paralisada quando ele começa a chupar as pontas dos meus dedos em sua boca quente. Seu olhar é como um míssil de calor com o objetivo direto para o ponto quente entre minhas pernas enquanto ele me lambe. Observando-me com os olhos aquecidos enquanto ele mordisca e suga cuidadosamente cada um. Eu gemo baixinho. Ele solta a minha mão, os dedos quentes curvam em torno de meu quadril. Eu sinto o nariz no topo da minha cabeça, contra o meu couro cabeludo. O movimento de uma mão no meu cabelo, a partir do topo da minha cabeça para


a minha volta. Sob a minha camisa, seu braço agora corre em volta da minha cintura, puxandonos. Estou tão desfeita, um tremor me dilacera. Fazendo-o apertar mais minhas costas. Eu sei que não deveria querer essas coisas. Ele não vai ser o tipo de homem para me dá um beijo de boa noite todas as noites. Ele pode estar tão ocupado que seria muito compreensível se ele esquecesse seu próprio aniversário. Ele não é o cara que você pode ter a sua vida feliz junto; ele é o cara que mulheres se atiram, ele é o cara que quer mais do que aquilo que você pode dar e ele sempre vai perseguir isso. Eu sei de tudo isso, mas eu não consigo parar de chegar mais perto e sentir o seu batimento cardíaco através do algodão da sua camisa. Temos trabalhado incansavelmente durante meses. Ele parece muito bem agora. E parece bom demais sentir seus olhos em silêncio me acariciando enquanto suas mãos lentamente acariciam meus cabelos e ele me diz: — Você já pensou sobre isso? Eu concordo. Ele agarra a parte de trás do meu pescoço e me segura e me beija. Nos próximos minutos, eu estou tremendo sob seus beijos e carícias. Sua mão corre a partir do topo da minha cabeça até meus pés enquanto remove meus sapatos. Sinto-me protegida, amada... O que estamos fazendo é arriscado, mas como isso pode ser errado quando parece tão certo? Matt relaxa e pega meu rosto, e ele parece tão quente agora, eu poderia estar olhando para o sol. Ele está olhando para mim como se eu o deslumbrasse também, e o sorriso nos lábios suaviza um pouco quando seus olhos começam a pulsar como uma coisa viva, respirando. Nós dois estamos altos com a adrenalina, a proibição de finalmente, finalmente ceder a esta atração entre nós. Ele me apanha pelos quadris e me levanta no ar, apenas alguns centímetros, de


modo que os meus lábios estão exatamente onde ele quer que estejam. E ele toma-os. Vorazmente. Seus lábios forçando os meus, mergulhando sua língua, sua cabeça inclinada para o melhor acesso. O desejo que está aumentando dentro de mim borbulha e envolvo meus braços ao redor de seus ombros. É como se todos os dias desde que entrei para a sua campanha, eu estive esperando por isso. Para sentir as mãos de Matt em torno de mim, segurando-me em seu peito duro. Engolindo-me em seu forte abraço. Toda a minha resistência desaparece quando sua língua acaricia a minha, e eu chupo e lambo e esfrego sua língua em um turbilhão de calor e paixão e imprudência. Eu aperto meus braços em volta do seu pescoço, e ele faz um som baixo que vem do fundo do peito, como se ele aprovasse o meu beijo selvagem. Ele está respirando rápido, mas eu estou respirando mais rápido. Ele me coloca em pé, e sua mão cobre meu rosto e seus dedos causam um acidente vascular cerebral ao longo das minhas têmporas. — Eu tenho tentado fazer a coisa certa. Porra, eu não posso, — diz ele. — Não faça isso. Eu viro meus lábios para beliscar a palma da sua mão. Ele libera um som que eu nunca o ouvi fazer antes, como um rosnado que contém uma palavra dentro dele: Charlotte. Seus lábios esmagam os meus. Beijamo-nos loucamente por cerca de trinta segundos, em seguida, ficamos livres para estudar um ao outro. Eu olho para o rosto dele, e ele olha para mim, ainda é o cara que eu desejava quando era mais jovem, mas agora muito mais quente, e mais inatingível do que nunca. Nada importa, não importa. Tudo que eu sei é que eu o quero. Meu corpo está em chamas e eu poderia estilhaçar a qualquer segundo. Eu tomo sua mão e coloco-a em minha camisa e a arrasto mais para baixo, por


baixo do tecido da minha blusa, depois para cima, pressionando-a para o meu peito – até meu sutiã. Matt me recompensa com um largo sorriso sensual quando põe as mãos quentes em mim. Ele se inclina e me beija lentamente desta vez, acariciando o polegar sobre meu mamilo. Deixo a mão permanecer no meu peito, emocionada quando ele abre um botão com a mão livre e a coloca dentro da minha camisa. Agora, ambos os meus seios serão acariciados. Brincando. Massageando. Engolindo um gemido, aperto seus ombros e amasso o tecido da camisa em minhas mãos, arqueando-me contra ele. — Eu quero deitar você e correr minha língua sobre cada polegada do seu corpo, — ele diz com a voz grossa. Seu corpo vibra com o seu desejo, e eu posso ver que ele gosta de como eu estou esfregando-me contra ele como um gato. Ele retira minha blusa e me expõe apenas com meu sutiã de renda. — Deus, você é tão bonita que eu preciso ver tudo de você. — Ele me venera com os seus olhos, então nossas bocas estão fundindo de volta juntas. Ele me beija com prazer, como se ele pretendesse me aproveitar toda a noite. Sim! As coisas estão ficando quentes quando há ruídos no corredor do hotel. Matt toma distância. Ele levanta a cabeça e se vira para vigiar a porta, e eu espero, prendendo a respiração. Suas narinas se alargam quando os ruídos desaparecem. Dúvidas tentam se infiltrar, mas elas não têm chance contra isto – contra ele. Ele olha para mim, com o peito arfando, os lábios inclinando um pouco. Ele olha para mim e lambe os lábios. — Charlotte, Charlotte. Você não tem ideia do tipo de coisas que eu quero fazer com você, querida. Mostre-me! Faça! Por longos segundos, ele olha para o meu sutiã de renda e, lentamente, abaixa a cabeça e captura um mamilo. Ele passa rapidamente a língua. Já está duro, mas


quando ele suga sobre o tecido fino, endurece mais. Seu rosnado me excita. Eu gemo e esfrego as mãos sobre suas costas quando ele leva as mãos entre nossos corpos, sob o cós da minha saia. Seus dedos deslizam em minha calcinha, roçando em minhas dobras. — Dê-me isso, linda, — ele rosna, como se estivesse cantando quando encontra minha protuberância, minhas dobras, e provoca o dedo ao longo da minha umidade. — Deus, eu quero tudo. — Por favor. — Inclino meus quadris enquanto ele empurra o dedo dentro de mim. Aperto em torno dele, todo o meu corpo apertando enquanto um miado baixo borbulha da minha garganta. — Isso é maravilhoso, querida, você gosta quando eu faço isso? — Pergunta ele densamente enquanto ele insere um segundo dedo. Ele está tirando meu sutiã do caminho e circulando a ponta da sua língua em meu mamilo à mostra, murmurando: — Deus, você é tão linda assim, — então há uma batida na porta. Matt retira os lábios do meu corpo e amaldiçoa em voz baixa, extraindo seu dedo e lambendo-o para limpar. Isso tem que ser a coisa mais sexy que eu já vi, que Deus me ajude. Sorrindo, ele se dirige para a porta. Ele olha pelo olho mágico e aguarda até que eu arrume minhas roupas antes de abrir. Wilson entra rapidamente e fecha a porta. — Alguém deve tê-lo reconhecido e avisou a imprensa. Precisamos sair, Matt. — Ele está franzindo a testa e parece estar evitando olhar para mim. — Jesus, — rosna Matt. Ele raspa os cinco dedos pelos cabelos, obviamente chateado. Então Matt olha para mim com um pedido de desculpas. Ele lança um olhar rápido para Wilson. — Dê-nos um minuto. Wilson sai, e eu não posso me mover rápido o suficiente.


Posso dizer que Matt consegue ver que estou mortificada quando atravessa a sala, enquanto corro para arrumar minhas roupas. Ele pega meu rosto e me olha de perto, nossos olhos com apenas alguns centímetros de distância. — Ei, mantenha a calma, querida. Nós somos adultos. Nós não estamos prejudicando ninguém. — Eu sei. Eu só não quero estragar nada. É que, desde aquela noite... Balanço minha cabeça. Eu poderia apenas bater-me por ser tão fraca em torno dele, por ter essa falta de controle quando se trata dele. — Eu não poderia me esquecer de você, nem alguns anos foram suficientes. Eu acompanhava você em todos os lugares que ia. Eu não tinha certeza se deveria aceitar o trabalho. Quando Carlisle veio me oferecer o emprego, pensei que se eu ainda sentisse a faísca que sentia com o simples pensamento de você, eu ficaria longe. Eu deveria ficar longe... — Conte-me sobre a faísca, — diz ele, com os olhos brilhando agora. Pressiono meus lábios, franzindo a testa, de repente brava com ele por me olhar com esse sorriso agora. — Não é uma faísca. — Não? Cerro os dentes, atirando fogo para ele com o meu olhar. — São... faíscas, plural. — Balanço minha cabeça. — É uma tocha. A tocha olímpica. — Ahhhh, — diz ele. Eu juro que este homem pode rir em silêncio com os olhos. Eu não sei como ele faz isso! Empurro seu peito duro com força e mantenho o cenho franzido. — Por que não consigo não gostar de você como eu faço com seus adversários? — Porque você quer dormir comigo. Eu ri apesar de tudo, em seguida, viro para a janela. Calma agora. Ele dá um passo atrás de mim, inala o meu cabelo lentamente. Meu coração vira no peito, porque ele está escovando seu nariz levemente em meu couro cabeludo. Sua voz está perto do meu ouvido. — Durma comigo quando chegarmos a D.C.


neste fim de semana. — Matt... — Eu começo. Sim! Não. Não. NÃO. Estou dividida quando o enfrento lentamente. Ele é O Homem Mais Sexy do Mundo pela People’s, apesar de anos trabalhando para ser levado a sério. Brincando com uma jovem estagiária não é a imagem que ele trabalhou para conseguir. — Nós começamos algo aqui. E não estou prestes a deixar isso ir, — diz ele, me cortando. Uau. Ele é muito teimoso. Exalo. Ele pega meu queixo e sorri para mim. Ele repete, — Durma comigo em D.C... Dou um passo para trás, longe do seu toque. — Eu só estou percebendo que não sei se posso fazer isso. — Por quê? — Porque eu não tenho certeza de que não quero mais. Minha admissão é decepcionante para mim. E para ele. — Mais, — ele repete. Ele deixa cair seu aperto. Em seguida, passa uma mão pelo cabelo, enquanto um pequeno músculo inquieto começa a trabalhar na parte de trás de sua mandíbula. — Meu maior medo é que meus filhos vão experimentar coisas na vida e eu não vou saber nada sobre isso. Que eu vou ser o último a desejar-lhes um feliz aniversário. Que minha mulher vai estar sozinha todas as noites, porque eu estou muito ocupado até mesmo para dar-lhe um beijo de boa noite. Eu não podia fazer isso com você, Charlotte. Eu vi minha mãe sofrer muito ao lado do meu pai quando ele assumiu o cargo. Ele enfia as mãos em punho nos bolsos, olhando para mim atentamente. — Eu quero você, Charlotte. Quero você. Isto. Mas se eu ganhar...


Sombras caem sobre seus olhos e a realidade inunda meu coração para as palavras não ditas que pendem fortemente no ar – ganhar não tem um mais. É um sacrifício que ele está disposto a fazer para tornar-se líder deste país, e eu o admiro por isso. — Você vai ganhar, — digo a ele. Estou lutando para manter o arrependimento da minha voz. Matt apenas olha para mim, meus lábios, meu rosto, levantando seus dedos enquanto seus lábios ondulam. — Toda essa convicção, — ele canta, esfregando a ponta do polegar sobre meus lábios. Meu coração está tropeçando. Não posso deixar de olhar para seus lábios cheios, sensuais. Eu não poderia ter mais, mas não posso negar-me outro beijo deste homem. Eu inclino-me na ponta dos pés, deslizando meus braços em volta do seu pescoço. Em torno desse pescoço de homem rebelde, teimoso, confiante, amável, sexy e maior do que a vida. E os meus lábios se encontram com os dele. Nós estamos nos beijando calorosamente, e há uma leve batida na porta, e os momentos roubados desaparecem – e enquanto ele mexe o queixo e sorri, e sai pela porta, a realidade começa a afundar.

22


FLERTANDO COM O PERIGO Charlotte

PUXO O zíper do meu casaco preto até o pescoço. Coloco um boné de beisebol, enfiando o rabo de cavalo no pequeno orifício na parte de trás do boné, e os óculos no meu rosto, embora o sol já esteja se pondo. Estou no meu apartamento em Washington e é uma tarde de sábado. Desde a nossa — reunião — no quarto de hotel, e quase ser pego, que não consigo parar com essa sensação esmagadora de pavor. Meu estômago torce e dá voltas em nós pensando o que eu estou prestes a fazer. Eu sei que isso é arriscado, muito além de arriscado, indo para a sua casa numa noite livre, mas eu preciso falar com ele. Em particular. Se eu não fizer essa única coisa arriscada, vamos continuar fazendo um milhão de coisas arriscadas até o Dia da Eleição. Eu preciso parar com isso antes de estarmos mais profundo... ao ponto de não retorno. Uma parte de mim teme que já estejamos, e uma parte da minha alma me diz que nenhuma tentativa de qualquer uma das partes pode realmente parar a avalanche de emoções agora surgindo entre nós, presente em cada olhar, toque, sorriso, e beijo. Eu preciso que ele saiba que não podemos continuar esta coisa perigosa que começamos, porque eu nunca iria me perdoar se lhe custasse a Presidência. As eleições presidenciais e campanhas, especialmente as presidenciais, é uma coisa muito delicada. Um movimento errado, um comentário errado, um deslize pode significar perder. E para Matt, um candidato Independente já tendo que lutar contra dois partidos de longa data na história, lealdade, truques sujos, e um monte de dinheiro aos seus lados... ele não pode ter nenhum deslize.


Pergunto aos meus pais se eu posso pegar o carro emprestado por uma noite e digo que eu vou sair para beber com meus amigos. No entanto, dirijo para a casa de Matt Hamilton. Eu não queria tomar um táxi porque não queria que ninguém mais soubesse da minha pequena viagem. Quando vou até sua casa, sinto meu estômago virar e torcer em um milhão de nós. Eu me forço para abrir a porta do carro e subir os degraus para tocar a campainha. Um par de respirações trêmulas, e mais um par de pensamentos para me controlar, então Matt Hamilton está na porta. Descalço, cabelo despenteado, com jeans pretos e uma camisa azul escura. Ele inala uma respiração profunda quando me vê, e passeia os olhos sobre o meu corpo antes de me perguntar com voz rouca: — Por que você está aqui, Charlotte? Eu sorrio, mas sei que não chega a atingir meus olhos. — Posso entrar? Ele não responde, apenas me olha com curiosidade e dar um passo de lado para me deixar passar por ele. Ele se movimenta apenas o suficiente para me deixar passar, mas não o suficiente para eu fazê-lo sem tocá-lo. Meu ombro esfrega em seu peito, e o cheiro dele me envolve. Ele me leva à sua sala de estar, onde vejo que a TV está ligada com o volume baixo. E sua mesa é uma confusão de papéis e pastas. Ele fica em frente a mim e aperta as mãos atrás da cabeça, seus olhos nunca deixando os meus. Ele se senta em silêncio me olhando profundamente, e eu apenas observo. Cada fibra do meu ser me dizendo para rastejar em seu colo e deixar seu calor me acalmar, afastado qualquer dúvida ou medo da minha cabeça, mas não posso me mover. — Eu não posso fazer isso, Matt. O que aconteceu em seu quarto de hotel... Encontro seu olhar, seus olhos como brasas, sua mandíbula apertada com força. Engulo em seco e continuo. — Nós quase fomos pegos. Eu não posso ser a razão para você perder a presidência. — Você não vai ser a razão se eu perder. Se tiver uma razão, você vai ser a razão para eu vencer.


Balanço a cabeça. — Você sabe que nós estamos brincando com fogo. Este é o Salão Oval. A Casa Branca. Eu não posso deixar que você o jogue fora por minha causa. — Eu não vou jogar nada fora, Charlotte. — Ele me olha de forma constante. — Por que você está tão preocupada? — ele estimula. — O que você acha? Toda a nação tem os olhos em você, Matt! A última coisa que você precisa é um escândalo. — Não haverá um escândalo. Eu não vou permitir isso. Você precisa confiar em mim. — Ele se inclina para frente, os olhos varrendo minhas feições, com a voz firme, duro e muito sério. — Eu nunca iria deixar nada acontecer com você. E mesmo se algo estourar como uma notícia, eu iria protegê-la. — Se alguma coisa acontecer, você sabe que terá que me jogar debaixo do ônibus. Seria a única maneira de salvar sua imagem com as pessoas e seguir com a campanha. — Meu coração se parte com minhas palavras, porque, tanto quanto dói, essa é a verdade. Ele teria que colocar a culpa em mim, controlar os danos de uma forma que me faria parecer uma menina com fome de poder procurando o caminho para a Casa Branca, e fazer Matt parecer à vítima. Isso é apenas política. Ele se levanta e começa a andar, e solta uma risada sarcástica. — Você realmente acha que eu faria isso com você? Fico em silêncio, incapaz de falar. — Jesus, eu preferiria perder a presidência a machucar você, — ele rosna, em uma voz tão baixa que eu não tinha certeza se o ouvi direito. — Isso é exatamente porque precisamos parar! — defendo. Ele passa a mão em seu cabelo em um movimento exasperado. — Eu não quero parar, — diz ele, olhando para mim com tanta convicção e desejo em seus olhos, que quase me assusta. — Nem eu, — eu sussurro, — mas temos. — Porra, Charlotte, apenas deixe-me ter você! Deixe-me ter isso! — Seus olhos me prendem na cadeira, sua frustração bruta e desenfreada queima. — Eu posso ser o próximo Presidente dos Estados Unidos! Eu serei amaldiçoado se eu não tiver o


que eu quero, — ele rosna, — e eu quero você. Eu não só quero você, eu preciso de você. Não importa o que eu estou fazendo, eu estou pensando em você. Não importa com quem estou eu preferiria que fosse você... Ele fica lá, seu peito subindo e descendo com cada respiração, com os punhos cerrados ao lado do corpo, o músculo em sua mandíbula ondulando. Fico sentada em choque com sua explosão... com suas palavras. Meu coração está praticamente estourando no meu peito com a adoração que sinto por este homem e eu me deixo ir. Eu me deixo ir até ele. Porque eu quero. Levanto-me da cadeira e suas pupilas dilatam enquanto ando em direção a ele, os punhos ainda cerrados ao lado do corpo. Vejo-o lutando contra o desejo de estender a mão para mim. Ando até ele, nossos peitos quase se tocando. Matt abaixa a cabeça para olhar para mim, já que ele é mais alto, e a turbulência nos seus olhos me incendeia. Eu envolvo meus braços em volta do seu pescoço e me prendo contra seu corpo, e começo a beijá-lo com tudo o que tenho. Eu não me importo com mais nada. Não me importo que não haja futuro para nós se ele ganhar. Eu não vou negar a nós dois este momento. Ele disse que precisa de mim. E eu preciso dele. Beijo-o e nos meus beijos, desencadeio todo o desejo, toda a paixão, toda a necessidade que eu tinha tentado tão desesperadamente reprimir; e ele faz o mesmo. Imediatamente seus braços envolvem em torno da minha cintura e sinto-o me levantar. Instintivamente, coloco minhas pernas em volta da sua cintura. Suas mãos agarram minha bunda, me segurando contra ele, e continua devolvendo meus beijos com igual intensidade. Ele me beija com tudo que tem. Todas as memórias de tudo que existe no universo que não seja este homem, neste momento, desaparecem completamente. Ele rosna contra meus lábios e o sinto começar a andar enquanto me beija. Ele quebra o beijo por um momento para me levar até as escadas, mas não posso manter minha boca fora dele, de sua mandíbula... do seu pescoço... mordiscando e sugando sua pele deliciosa.


Ele chuta a porta aberta, e acho que quebrou as dobradiças, mas não me importo. O quarto está escuro, exceto por uma lâmpada ao lado da cama. Ele me coloca em cima da cômoda, a primeira coisa que ele encontra, e fica entre as minhas pernas, sua boca de volta na minha — tira o meu fôlego. Seu beijo é droga, os lábios quentes e macios, porém firme. Sua língua é quente também e cada vez que ele coloca dentro da minha boca, eu sinto arrepios. É uma sensação íntima e incrível. Eu suspiro contra ele, mas meu suspiro rapidamente se transforma em um gemido quando sua mão viaja para baixo e abre meu casaco. Ele empurra até metade dos meus ombros, e as alças da minha blusa vão em seguida. Ele nem sequer tira meu sutiã, apenas puxa para baixo uma das alças e pega meu mamilo na boca. Eu suspiro, colocando minhas pernas mais apertadas em torno dele, e deixando minha cabeça cair para trás por causa de como todo o sentimento é requintado. — Matt... Ele suga com mais força, girando sua língua contra meu mamilo, deixando-me mais molhada e úmida a cada segundo. — Eu poderia fazer isso o dia todo, — ele geme quando puxa a outra alça e toma o outro mamilo na boca. Então, quando me acostumo com o calor de sua boca em mim, ele puxa para trás, ganhando um gemido de mim em sinal de protesto. Ele olha para mim e toca meu rosto, dando-me um beijo lento, terno antes de alcançar entre nós e desabotoar meu jeans. Sinto meu batimento cardíaco ficar mais rápido, quando percebo o que ele quer fazer. Salto rapidamente para fora da cômoda e tiro minha calça jeans, meu casaco, e minha blusa, deixando apenas minha calcinha e sutiã. Matt puxa sua camisa, revelando milhas de músculos rígidos, fortes no seu peito muito másculo. Ele me venera, de pé lá, apenas de calcinha e sutiã, seus olhos se enchem de admiração e desejo. Eu olho para ele, silenciosamente implorando-lhe para me levar para a cama logo.


E ele faz. Ele me pega e me estabelece na cama, seguindo de perto. Ele encontra-se em cima de mim, beijando-me sem sentido, as mãos viajando pelo meu tronco e agarrando minha bunda. Ele suga meu pescoço, lambendo e mordendo. Raspo minhas unhas pelas suas costas e gemo, balançando meus quadris contra sua dureza. — Por favor... — Eu imploro. Ele ri contra o meu pescoço, e então levanta a cabeça para me olhar nos olhos quando coloca a mão sobre a minha calcinha. — O que você quer? Minha adorável, linda, sexy Charlotte. — Ele continua beijando meu pescoço e esfregando os dedos contra minha calcinha molhada. Antes que eu possa responder, ele puxa minha calcinha para o lado e desliza o dedo dentro de mim, e eu suspiro em resposta. Minha respiração está ficando rápida e arfante, e estou fora de controle com a necessidade quando puxo sua cabeça para que ele possa me beijar novamente. Ele não precisa perguntar. Seus lábios se prendem aos meus sem desculpas ou restrição, então ele passa a língua pelo meu pescoço, beijando e mordiscando minha pele. Eu estou alta, absolutamente vidrada nele neste momento. Matt arrasta os dedos ao longo da minha barriga. Acaricio seu peito e beijo seu mamilo também. Um gemido de fome e aprovação ecoa do seu peito. Eu empurro a camisa sobre sua cabeça, e seu cabelo fica amarrotado e sexy. Ele se inclina sobre mim novamente. Matthew desprende meu sutiã e expõe os meus seios. Ele me toca. Meus mamilos endurecem sob o toque sensível e tomo uma respiração. Eu espero, com meu corpo tenso, querendo. Ele acaricia a ponta do polegar sobre a ponta do meu seio, enviando um arrepio até minha espinha.


— Tão sensível, — diz ele enquanto se inclina e beija o interior da minha coxa. Contorço-me um pouco, e sua risada acaricia minha pele. — Tão doce. — Ele move os lábios sobre o meu sexo. Oh Deus. Ele arrasta a mão para cima do meu quadril, até meus seios. Meus músculos contraem profundamente e um gemido baixo sai de mim. Ele puxa minha calcinha e joga-a no chão. Seu polegar circunda meu clitóris e passa por cima de minhas dobras molhadas, então me penetra. Cerro os músculos, até os músculos da barriga. — Ohhh. Ele puxa meu peito com uma mão. Ele respira minha pele e lambe duas vezes meu mamilo. Sua língua quente movese languidamente sobre a minha pele e meu corpo abaixo dele está em chamas. Ele passa a língua sobre minha barriga e no meu sexo outra vez. Ele está com muita fome. Eu estou com muita fome. Eu quero tocá-lo. Corro meus dedos sobre seu peito, os músculos visíveis tremulam com as luzes da cidade que passa através da janela. Ele beija o interior da minha coxa outra vez. Contorço-me e empurro meus quadris para cima em um apelo silencioso. Sua língua mergulha no meu sexo, me degustando. Estou prestes a gozar. Isso é tão bom. Eu estou tão quente para ele, e isso não é nada engraçado. — Não estou conseguindo entender quão bom é seu gosto. Você é tão linda. Seus olhar terno e selvagem vem até mim enquanto beija meu sexo por mais um minuto, observando a minha reação, e é uma combinação intoxicante. Puxo-o para cima e o beijo. Ele me beija de volta, sentindo meu gosto. Nossas línguas se movem, nossas mãos buscando, explorando, amassando. Ele agarra meus quadris e se inclina para lamber meu mamilo. Eu suspiro e empurrou meu peito para cima, e sua risada novamente roça ma minha pele. — Não ria de mim, isso é sério, — eu gemo. — É muito sério. Ele beija os lábios do meu sexo com uma língua lânguida e molhada. Sinto-me


oprimida, mas ele me acalma com uma mão no osso do meu quadril. Ele facilita o polegar sobre meu clitóris e começa a esfregar em círculos, enquanto sua língua mergulha languidamente dentro de mim. Meu clitóris está sendo agitado em pequenos círculos deliciosos pela ponta do polegar, e eu estou mordendo meu lábio inferior para não gemer muito alto. Minha respiração vem em um ritmo rápido, irregular quando Matt desloca para trás e retira as calças jeans com rápidos empurrões poderosos de suas mãos, vejo tudo dele, sua pele dourada e os músculos, e eu salivo em silêncio. Ele é bem delineado, com uma constituição atlética e de proporções perfeitas, e eu quero cada polegada dele. Ele coloca um preservativo. Ele é tão grande e grosso, lambo meus lábios, gritando silenciosamente em antecipação. — Isto é o que você quer, Charlotte. E então ele empurra. Ele é tão espesso e ele move-se rapidamente, levando-me de surpresa com a deliciosa sensação de alongamento no meu sexo. Eu faço um barulho alto. — Oh deus, Matt! Meu orgasmo ganha intensidade, com uma ondulação, torcendo, apertando, que se estende desde as pontas dos meus dedos dos pés até as pontas dos meus dedos da mão. Eu gemo em um segundo, e no próximo, eu estou enfrentando o mais intenso orgasmo — de tirar o fôlego, que abala a alma, agita meu corpo — que eu já tive na minha vida, causada pelo pau grosso de Matt dentro de mim. Eu estou resistindo debaixo dele, o prazer quase agonizante, agarrando seus ombros como se fosse a vida. Ele me agarra pela cintura e move-se dentro de mim, mais rápido, mais profundo, e grita quando goza. Ele me segura contra ele enquanto goza, de forma muito intensa, seu pau empurrando várias vezes dentro de mim, trazendo-me a um segundo orgasmo. Xingando baixinho, ele continua a balançar seus quadris enquanto escova o cabelo para trás do meu rosto, prolongando o prazer, olhando para mim até que


as convulsões em meu corpo se transformem em tremores e, depois em pequenos arrepios. Em seguida, ele rola de costas na cama e me leva com ele, escovando uma mecha molhada teimosa de cabelo vermelho novamente. Eu estou ofegante contra seu pescoço. Estou suada; nós dois estamos. Fecho os olhos, não é certo o que acabou de acontecer e não tenho certeza se não quero desesperadamente que isso aconteça de novo, mesmo que não deveria. Meu corpo pulsa a partir da maneira como ele me fodeu. Meus mamilos estão sensíveis. Acaricio meu dedo em seu peito. Estou encolhida ao seu lado. Minha boca está provavelmente vermelha. Eu amo que sua boca esteja vermelha por causa dos meus beijos também, seu cabelo está amarrotado, e mesmo neste estado, ele parece que poderia enfrentar o mundo. E então lembro que em breve, ele vai. Olho para o relógio na mesa de cabeceira, desejando que o tempo parasse. Que pudéssemos ficar nesse momento. Para que nossas vidas fossem diferentes. Ele é apenas um rapaz. E sou apenas uma garota. E nós dois estamos aqui, sem expectativas de qualquer pessoa, além de um do outro. Nenhuma campanha. Nenhuma mídia minuciosa. Sem culpa sabendo que nossas ações não afetam apenas nós dois, mas aqueles em torno de nós, a equipe. Meus pais. A mãe dele... o país. — Sua mãe não está feliz que você está concorrendo, está? — Eu pergunto, acariciando meu dedo no seu peito, como as pontas de seus dedos como pena nas minhas costas. Matt olha de perto para o meu rosto, parecendo confuso e divertido que escolhi lhe perguntar algo sobre a campanha, em vez de o que aconteceu. — Como você sabe? — Ela tem evitado cada evento e não está falando sobre isso. Ele arrasta a mão sobre o rosto, em seguida dobra seu braço atrás dele enquanto desliza a mão debaixo do travesseiro. — Ela se preocupa. Ele aperta o outro braço em volta de mim e eu chego mais perto, desejando seu calor.


Matt está olhando para o teto, pensativo. Sei que eles são próximos, ele e sua mãe. E eu realmente sinto por sua mãe. Seu marido foi brutalmente assassinado. Matt é tudo que ela tem; é claro que ela está preocupada. Mas eu posso ver que Matt não seria um homem que recua de qualquer coisa. — Matt? Quando você me disse sobre o seu maior medo? — Faço uma pausa por um momento. — O meu é decepcionar meus pais. Falhar em ser tudo o que eles queriam que eu fosse, alguém grande, responsável, respeitável. Olhe para mim agora. — Eu gemo. Ele olha para o meu rosto, pensativo. Só um pouco preocupado. — Somos completamente um casal, não somos?— Ele corre o dedo no meu nariz. — Playboy da América e queridinha da América. Eu sorrio para ele, ainda sem fôlego. — Eles podem ter pensado que você era apenas um rosto lindo, mas eles te levam a sério agora. — Eu os levo a sério. E eu levo você a sério. — Ele acaricia a mão pelo meu rosto, seu olhar tão quente e cativante. — Eu não quero que você se machuque. Isto não devia mesmo estar acontecendo. Eu não deveria ter minhas mãos em você. — Ele acaricia um caminho pelo meu corpo com aquelas mãos, as mais deliciosas mãos. Em seguida, ele abaixa a cabeça e acrescenta: — Eu definitivamente não devia fazer isso. — Ele coloca a mão no meu sexo e acaricia com um beijo ao longo da minha bochecha. Eu pego sua mandíbula e puxo-o para a minha boca, sussurrando: — Sim, você deve. Ele muda em cima de mim, todo discreto e puro músculo. — Eu não me canso de você, linda. Eu simplesmente não consigo ter o suficiente. Ele está tão duro que imediatamente coloca um novo preservativo. Eu envolvo meus braços ao redor de seus ombros enquanto ele vem para mim lentamente, como se eu fosse preciosa. Ou como se ele soubesse que estou um pouco dolorida. Ele move-se dentro de mim. Eu gemo e o saboreio, arranhando suas costas com minhas unhas. Movo-me debaixo dele. Eu sei que isso é louco, perigoso, terrível para nós dois. E eu sei que também é emocionante, inevitável, e nada que eu pudesse pensar em me negar.


Eu não posso negar isso. Se eu quiser parar esse sentimento mesmo depois de onze anos, ele será o único antídoto. Ligando as mãos atrás do seu pescoço grosso, levanto a cabeça e coloco meus lábios nos dele. Estou com fome, gemendo quando Matt agarra meu rosto para me segurar e coloca sua língua em mim.

23

MUDANÇAS Charlotte


QUANDO CHEGO à sede da campanha na manhã de segunda-feira, eu não estou totalmente certa se eu deveria estar sentindo pavor, ansiedade, incerteza, medo, excitação, felicidade, ou simplesmente só felicidade. Tudo o que sei é que ainda posso senti-lo entre as minhas pernas. Visões de sábado vibram pela minha mente durante todo o dia e servem como um belo lembrete, fugazes de uma noite que nunca vou esquecer. Há uma mudança visível, invisível para qualquer outra pessoa que não seja Matt e eu. Cada vez que encontrarmos nossos olhos há uma compreensão silenciosa que agora compartilhamos algo especial. Toda vez que ouço o som de sua voz dirigir seu pessoal ou tomar decisões relacionadas à campanha, lembro-me dele sussurrando coisas sujas no meu ouvido, gemendo meu nome, gemendo quando gozou. Várias vezes. As coisas mudaram. Estive com ele de maneiras mais íntimas do que qualquer um pode ser com o outro, e isso me deixa absolutamente feliz. Quando eu olho para ele, fico tonta e meu coração começa a bater mais rápido e mais rápido. Se alguém falasse comigo naquele momento, eu não ouviria quem quer que fosse por causa do som do meu coração, enlouquecendo por este homem. Há uma mudança nele também. É como se a sua masculinidade fosse multiplicada por mil. Seu sorriso tem mais travessuras. Sua caminhada é agora um andar mais confiante, e Deus, a sua voz... Ele poderia estar falando sobre impostos estaduais e pelo tom de sua voz, você poderia pensar que ele está descrevendo posições sexuais. Os olhares estão me matando. Às vezes eles vêm com um sorriso sexy privado. Às vezes com nenhum sorriso em tudo, sua expressão quase como uma expressão pensativa. Às vezes eles vêm com um olhar de surpresa, como se ele fosse surpreendido ao pegar-se olhando para mim.


Eu tento não ser pega olhando também, mas há sempre um segundo quando eu estou olhando para o seu perfil, e no próximo, quando ele de alguma forma sente e me olha e eu rapidamente desvio o olhar. É apenas um segundo, mas é o suficiente. Faz com que me esforce mais para não olhar e é mais difícil de ser totalmente profissional. Porque eu sei que, quando ele olha de volta, sei que está pensando naquela noite também.

ESSA QUINTA-FEIRA, estamos em um dos maiores campus universitários no Colorado e Matt está falando com uma multidão de dezenas de milhares. Ele estava muito animado sobre esta visita. — Nosso futuro está em nossos estudantes universitários e os nossos filhos. Inferno, eu não posso enfatizar o suficiente o quanto é importante inspirá-los a se envolver ativamente, fazer uma contribuição. — Ele me disse isso durante o voo, e isso me fez duplamente determinada a certificar-me de que tudo corresse bem. Até mesmo o clima parece ter sido sobre o plano (e o clima é o pior pesadelo para um programador). O céu está claro, e a multidão é maior do que esperávamos. O poderoso discurso de Matt não deixa dúvidas de sua capacidade de liderança. Enquanto Matt está por trás do pódio, há uma voz da multidão. — Vai, Hamilton! Outro grito da multidão. — Onde você esteve, Hamilton? — Desculpe ter mantido vocês esperando, — diz ele, os lábios moldado em um de seus sorrisos assassinos. Meu estômago estremece de emoção. A multidão continua interrompendo, gritando: — Matt! Você é o nosso candidato, Matt! Às vezes Matt ri, ou saúda-os, como se fossem velhos amigos. Mas quando ele se torna sério, o mesmo acontece com as pessoas. Suas mãos estão no pódio, ele fica ereto e confiante quando fala de nós sermos o melhor, de como, a fim de ser grande você precisa trabalhar mais duro do que o resto. Como as mesmas portas velhas não abrirão novas oportunidades. Como facilmente estar no topo nos deixa tentado a deixar a bola cair e relaxar na nossa própria glória... uma glória que precisamos acender, como uma nação,


juntos. — Nenhum homem vai lhe trazer o que você procura. Ninguém vai soltar seus sonhos realizados à sua porta. Então o que é que você quer? E mais importante, o que está fazendo para obtê-lo? — Hamilton, Hamilton, Hamilton! — As pessoas gritam. Uma onda de felicidade percorre meu corpo quando o coro toma toda a arquibancada. Deus! Eles o amam, eles o adoram, e pela forma como ele sorri e ri pelos louvores que eles lançam em seu caminho, ele os adora de volta. Nenhum outro candidato na história dos EUA ganhou a presidência nesta idade, mas as multidões estão vindo vê-lo. Sua riqueza e nome teriam ganhado alguns seguidores, mas é o seu carisma, sua terrena, essa relatividade que ele tem que faz você sentir como se ele te pegasse, os seus problemas, como se ele soubesse o que você precisa, mesmo que você não saiba. E não é só isso, mas em comparação com os seus concorrentes, o candidato Republicano principal e o presidente Democrata (fósseis, eles dois), ele parece tão jovem e forte, cercado por uma equipe, com novas ideias frescas. As probabilidades estão contra ele, mas os pontos estão em seu favor. América quer uma mudança. América quer crescer. América quer ser jovem e poderosa novamente.

— COMO você acha que foi? — Matt me pergunta quando nos dirigimos para o hotel. Balanço a cabeça e tento um olhar decepcionado, mas quando aquele sorriso aparece, não posso manter a fachada por mais tempo. — Aplaudido de pé, — eu digo, levantando as sobrancelhas. — As pessoas se conectaram. Isso foi insano! Matt sorri e olha pela janela do carro, coçando o queixo, pensativo, seu sorriso ainda lá enquanto ele suavemente admite, — Isso foi insano. Corro para tomar banho e chegar a tempo para um jantar com a equipe. Estou indo lá embaixo para encontrar Carlisle e outros membros da equipe em um dos


restaurantes do hotel. Quando as portas do elevador se abrem, apenas Matt está lá dentro. Meu coração salta, e nós compartilhamos um sorriso quando entro. Ele cheira tão bem, como colônia e sabonete, e o calor de seu corpo junto ao meu me embriaga. — O que você está usando por baixo? — Você nunca vai saber, — eu digo, em tom de gozação. — Hmm. Mas vou saber lá pela meia-noite. — Ele levanta uma sobrancelha, me avisando, e me beijando com seu olhar. O simples pensamento de estar em uma sala sozinha com Matt esta noite não faz nada para acalmar meu corpo agora. Nós saímos do elevador, caminhando lado a lado com uma boa distância entre nós. Ele puxa minha cadeira quando chegamos a nossa mesa, mas Matt é tipicamente cortês, por isso, felizmente, ninguém parece prestar atenção extra nisso. Só que ele roça o polegar ao longo da parte de trás do meu pescoço enquanto eu tomo meu assento — é um toque sutil. Completamente roubado. E leva todo o meu esforço impedir que meu corpo inteiro trema abertamente em resposta. Sentamos para o jantar, e a equipe discute, analisa e discute, e eu não consigo acalmar o zumbido dentro de mim. Ele está me observando do outro lado da mesa. Vejo-o tomar um gole de água antes de deslizar os óculos para ler os números das pesquisas que Hessler trouxe. De repente, estou com sede e tomo um gole rápido, tentando ler a pasta na frente de mim. Quando saio e misturo-me em grupos para os elevadores, Matt entra no mesmo que eu. Ele fica à minha esquerda até o andar de cima. Sua proximidade me afeta tanto que eu quase não posso esperar para fugir. Meu coração está batendo loucamente no meu peito.


Meu ombro queima onde o seu bate no meu. Estou ciente de como ele é alto ao meu lado, pelo menos uma cabeça mais alto. Estou ciente de cada respiração sua, mais lenta do que a minha. Meu andar surge, e quando saio, dou a volta para dizer adeus ao grupo. Eu olho para Matt uma última vez. Ele está olhando para mim, furiosamente, com as sobrancelhas inclinadas, parecendo um pouco pensativo e com muita fome, como se nós não tivéssemos acabado de jantar. Volto para o meu quarto e espero que ele me envie uma mensagem de que o caminho está livre. Dez minutos depois, a campainha do meu telefone soa. Dez minutos mais, as mãos quentes estão deslizando pela minha saia para revelar a minha roupa íntima. Puxando-a para baixo. Revelando cada dobra molhada por baixo. Eu estou no seu quarto, e a próxima coisa que eu sei, é que a língua molhada de Matt está em mim.


24

TOALHA Charlotte

NÓS ESTAMOS EM WASHINGTON NOVAMENTE. Matt terminou nossa última viagem mais cedo e pediu um novo cronograma acelerado, o qual eu tenho trabalhado a noite inteira. Ele disse que ia me encontrar na sua suíte do Jefferson, que ele usou esta noite, quando dois membros da informação nos disseram que sua casa fervilhava com muitos paparazzi. No final da manhã, bato na porta da sua suíte. Enfeitei meu cabelo e depois repreendi a mim mesmo. Pare de se embelezar, Charlotte! Espero encontrar Carlisle aqui, mas quando Wilson abre a porta e permite-me entrar, encontro apenas o silêncio. Ando pela sala de estar com as folhas na mão. Eu congelo quando Matt entra na minha linha de visão, seu grande corpo aparecendo nas portas duplas do quarto. Ele está vestindo nada além de uma toalha branca do hotel envolta em torno de seus quadris, sua pele dourada e suave. Deus me ajude.


A toalha está pendurada tão perigosamente baixo que eu posso ver o V em seus quadris. Ele tem pernas longas, com coxas e panturrilhas musculosas, depiladas e bronzeadas. Ele também está com os pés descalços. Seu cabelo está molhado pelo banho e penteado para trás, revelando o sua testa forte, com traços perfeitos. Embora ele pareça incrível em roupas, — incrível — não posso sequer começar a capturar a perfeição atlética completa de sua forma e músculos. Cada músculo é definido e flexionado. E aqueles braços incríveis... os bíceps ficam salientes quando ele levanta a pequena toalha que ele tem em seu punho e a coloca sobre os cabelos para secálo. Ele joga a toalha de lado e passa os dedos pelo cabelo enquanto volta sua atenção para mim. — Será que você conseguiu fazer? Oh. Sim. AQUILO. — Charlotte. — Olhos chocolate começam a piscar, e meu corpo inteiro cora quando percebo que ele claramente me observa boquiaberto, seu cabelo desordenado e ainda mais sexy quando ele coloca os óculos no nariz e lê. Tentei mudar nos próximos compromissos para que a nossa equipe de campo tivesse tempo para chegar ao ônibus, mas eu não posso fazer nada se sempre que voamos chegamos mais cedo, mesmo que Matt odeie perder tempo esperando. — Isso nos deixa em desvantagem de um dia, — diz ele. Ele geme de desagrado, e dentro de mim, sinto um aperto instintivo profundo, visceral dos meus músculos da barriga com o som. Não apenas minha barriga. Meu sexo aperta também. Mesmo meu peito parece contrair. Tudo isso em reação a esse som muito masculino, muito sexy. Lembrando-me muito de sexo. Entre Matt Hamilton e eu. — Sinto muito, Matt, eu apenas... Não consigo descobrir como fazer o resto da equipe chegar a tempo para estar no seu discurso. Talvez algo pequeno... — Ei. Está tudo bem. — Ele fecha a pasta e me olha. Ele pode dizer que eu quase não dormi? Seu olhar amolece. — Eu deveria levá-la em algum lugar. Cuidar para


que tivesse um café da manhã. Mordo meu lábio. Os olhos de Matt escurecem. Libero-o. — Eu não diria não a um grande café de baunilha. — Vamos fazer isso. Eu me sinto ruborizar porque isso soa muito como um encontro. — Nós não podemos! — Eu rio. — Eu não posso nem ficar aqui por mais do que alguns minutos por medo de que nos observem ainda mais. Ele se senta, e suas coxas grossas são reveladas pela toalha. — Eu sinto muito. Eu realmente não posso culpá-los por estarem obcecados com você, — acrescento. Ele olha para mim. Tudo o que posso pensar são as suas mãos em mim. Minhas mãos rastejando sob a toalha. Dedos tocando seu peito. E aquele grande, pau pesado dele. Uau. Eu só penso nisso? O que esta acontecendo comigo? — Venha me beijar. Matt parece ler minha mente. Mesmo assustada com o comando, sorrio e mordo o lábio inferior. — O que? — Eu disse: venha me beijar. Eu sou o único que deveria estar mordiscando esse lábio. Dou um passo em frente, os olhos de Matt escurecendo enquanto ele me observa. Há uma batida na porta. Seguido pelo som de uma chave na fechadura. Rapidamente retomo o passo em frente que dei. Carlisle e Hessler se juntam a nós. Carlisle mergulha direto para negócios depois de uma breve, — Como está o nosso príncipe americano hoje? — e uma piscadela em minha direção. Matt vai para o quarto, suponho que para se trocar. — Eu devo ir.


Matt sai com uma calça e uma camisa azul. — Não. Vou levá-la para casa. — Não, está tudo bem. Vou me encontrar com uma amiga, na verdade, para um croissant, são a três quarteirões de distância. E seu aniversário está chegando; prometi que iria. Estarei em casa mais tarde. Chame se precisar de mim. Corro lá para fora, em seguida, verifico a hora e me dirijo para meu bar favorito perto de Mulheres do Mundo. Eu espero lá pela minha amiga Larissa. Ela chega com dez minutos de atraso, e todo esse tempo, eu estou com raiva de mim mesma por responder fisicamente a Matt. Eu tentei tão intensamente estar focada no trabalho e na minha carreira. Por que eu preciso estar me apaixonando pelo homem que trabalho? Expiro quando vejo Larissa correndo em frente do restaurante, tentando empurrar o Príncipe da América fora de minha mente. Acabamos tomando café, em seguida, fazemos compras, e depois, bebidas. — Então, como é trabalhar para deus? — Ela pergunta-me, baixando a voz quando se senta no bar de um dos nossos cafés favoritos. — Não. Sério. Diga-me, estou morrendo de vontade de saber. — É cansativo, — eu digo. Por favor, Deus, não deixe minha expressão revelar nada. Que eu quero ele. Que, milagrosamente, ele me quer. Que nós dormimos juntos. Que eu ainda não quero que isso acabe e tenho certeza por causa da maneira possessiva que ele olhou para mim em seu quarto de hotel, nem ele quer que acabe. Quando eu sento lá mentindo através dos meus malditos dentes, percebo que, pela primeira vez na minha vida, eu estou fazendo algo que eu não deveria. Percebo como é desconfortável ter um segredo. Quero gritar algo para o mundo, mas, ao mesmo tempo, não quero nada mais do que protegê-lo. Que o mundo nunca, nunca toque em qualquer parte deste nosso precioso segredo. Que ninguém saiba que sua fraqueza tem um nome, um coração batendo, e um


rosto muito famoso. — Eu mataria por apenas um dia nessa campanha, Charlotte. Quer dizer, Matt Hammy! Ele é tão lindo em pessoa como eles dizem que ele é? — Mais ainda, — eu gemo, revirando os olhos. Desvio a atenção para seu novo namorado, e felizmente, isso é o fim da minha conversa sobre Matt Hamilton. Se ao menos fosse tão fácil afastá-lo dos meus pensamentos.

NO MOMENTO EM QUE CHEGO ao meu apartamento naquela noite, tive muitos cafés misturados com álcool. A exaustão está pesando em mim e há uma dor nas minhas têmporas quando saio do elevador para o meu andar. Uma figura está sentada a minha porta, uma figura grande. Com um boné azul. Matt. Delicioso. Hamilton. — Eu precisava fugir. Se importa se eu ficar aqui esta noite? — A luz diabólica em seus olhos lampeja, e seus lábios levantam nos cantos quando ele percebe o choque no meu rosto. Por dentro, eu estou balbuciando e tropeçando. Como ele se livrou da imprensa? Tenho certeza de que Wilson deve ter mantido tudo escondido para ele escapar despercebido, mas... oh meu deus, Matt está na porta do meu apartamento. Minha mãe iria morrer se soubesse que ele está no meu pequeno apartamento de “merda”. Abro a porta com as mãos trêmulas, deixando-o entrar, me preocupando que ela pode estar certa. Ele está olhando em volta com uma careta, e de repente as minhas preocupações se multiplicam, pego sua mão e tento distrai-lo. — Eu tenho uma grande cama. Vamos, — eu sussurro. — Você realmente não deve viver aqui sozinha, — diz ele, franzindo a testa


profundamente para mim. Eu sorrio e o puxo em direção a mim, balançando meus quadris até o quarto para chamar sua atenção. Ele segue em silêncio, seus olhos em mim agora, em vez do meu apartamento. Chuto meus sapatos e deito na cama, me perguntando por que ele não está no Hotel Jefferson com um não perturbe na porta. Por que ele está aqui. E o pego olhando ao redor do meu quarto e na minha janela, um olhar de protecionismo em seus olhos, mas quando seus olhos voltam para mim e ele me vê aqui, — deitada na cama, ofegante, esperando — seu olhar muda. Torna-se em parte macio, em parte quente, e isso apenas me dá uma dica de por que ele está aqui. Além disso, sabendo que sua equipe nunca realmente o deixa descansar, eu suspeito que os momentos comigo sejam seus únicos momentos de descanso — as únicas vezes que ele realmente desconecta. — O seu lugar foi invadido hoje à noite de novo? — Pergunto. — Sim, mas sempre é. Ele fala casualmente. Ele tira os sapatos, joga o boné de lado, e estende-se na cama ao meu lado, estamos de lado, nossas cabeças suspensas pelo cotovelo, um de frente para o outro. Ele sorri e estende a mão para passar o dedo indicador pela minha bochecha. — Não poderia ficar longe. Queria ver se você tem uma casa segura. — Ou só queria me ver, — eu sussurro. — Sim. De repente, ele se desloca por cima de mim, e eu estou de costas, com o grande corpo de Matt em cima do meu. Ele está acariciando sua mão pelo meu braço, seu polegar acariciando a minha pele, seu peso a melhor sensação do mundo ao lado do... sexo com ele. — Você realmente quer passar a noite aqui? — Pergunto, sem fôlego, esfregando os meus dedos dos pés ao longo dos seus pés descalços. — Tenho certeza de que sua cama é muito mais confortável. Ou a do hotel. Estou balbuciando, não estou? Eu só... Ele está acenando com a cabeça lentamente, olhando para mim.


— É uma surpresa vê-lo aqui, — eu finalmente admito. — Uma boa surpresa? Isso me leva um tempo para admitir, mas eu faço. Concordando. — Uma boa surpresa. — Você terminou? — Pergunta ele, enrolando a mão sob meu cabelo para levantar minha cabeça acima algumas polegadas. Seus olhos são incrivelmente escuros quando continuo acenando com a cabeça. Engulo, em seguida, sorrio e levanto a cabeça um pouco mais alta. Eu não tenho que levantá-la longe demais. Matt fecha a distância entre nós, seus lábios e os meus, e eu estou sendo beijada pela primeira vez na minha própria cama. Pequena como ela é. — Devemos conseguir um bairro mais seguro e um apartamento melhor, — diz ele, mordiscando meu queixo. — Não, — eu disse, inclinando a cabeça para trás para lhe dar acesso. — Por quê? — Ele volta. — Porque não há um nós aqui. Eu não sou sua mulher. Ele se afasta e suas sobrancelhas reúnem. — Você trabalha para mim. — Eu estou debaixo de você agora, Matthew. Ele sorri, balança a cabeça censurando, em seguida, volta a me olhar enquanto alisa a mão para escovar meu cabelo para trás. — Eu gosto de como real você é, Charlotte. A maneira como você se levanta por si mesma, e a maneira como você se levanta pelos outros. Eu gosto como honesta e trabalhadora você é. Como você é doce. — Ele capta os meus lábios entre os dele, roçando a mão ao longo da minha testa novamente, olhando nos meus olhos. — Você pode me culpar por querer protegê-la? Eu nunca pensei que iria encontrar uma mulher como você. Que empurra todos os meus botões. Eu quero você contra qualquer superfície dura disponível e quero protegê-la de tudo ao mesmo tempo. Eu nunca esperei você. E eu não esperava por você agora. Demora alguns segundos para encontrar a minha voz. — Você realmente acreditava que nunca iria encontrar alguém que estivesse com você?


— A maioria se preocupa demais em colocar uma fachada que acreditam que corresponde a minha. — Eu não. — Eu sei. O que faz você mais rara do que qualquer coisa para mim. Tão preciosa. — Sua voz engrossa quando expressa sua apreciação. Eu pego sua mandíbula e beijo-o, e Matt agarra minhas mãos e coloca sobre a minha cabeça, me beijando, suavemente, mas com uma urgência e uma força subjacente. E então eu estou ficando despida e levada, em uma cama que eu sempre dormia sozinha, pelo único homem que eu já quis e o único que eu realmente não posso ter. Não se ele fizer isso. Mas eu pego o que eu posso conseguir, gemendo baixinho sob seu beijo enquanto suas mãos se movem sobre mim.

25

A ÚLTIMA PRIMÁRIA Charlotte


O PRÓXIMO FIM DE SEMANA, Matt visita seu avô na Virginia. Estou meio que feliz pela distância. Estamos afundando muito rápido. Embora uma parte de mim queira entrar ainda mais profundo, profundo o suficiente para afogar, eu sei que não é o melhor para ele, para mim, para qualquer um. Matt é um garanhão na cama. Passamos toda a noite nos tocando, gozando, e conversando. Ninguém dormiu, e ninguém parecia querer dormir. Eu não queria deixa-lo. Estou viciada nos tempos que passamos juntos. Eu continuo querendo mais. Mas nesta fase da campanha, não estamos brincando com fogo. Nosso caso secreto escandaloso é uma bomba nuclear, e qualquer deslize em mantê-lo escondido será o jogo que o define. Meus pais me chamaram para um jantar numa noite e me preparam para a campanha. Eu sei desde que cresci em sua casa, onde na política, a discrição é uma obrigação. A última das primárias será amanhã, e papai disse que ouviu Matt ser cortejado por ambas as partes, mas tinha declinado. — Você está fazendo um bom trabalho contra décadas e décadas de mudanças de poder entre as duas partes, mas isso vai ser suficiente, Charlotte? Qual é o plano de Matt se eles atacarem, encontrar algum escândalo em seu passado? — Pai, eu não sou a sua sombra e eu não sou uma leitora de mente, porque estou ocupada ajudando a organizar sua agenda e é isso. — Será que vamos ser convidados para a arrecadação de fundos para a alfabetização que ele estará fazendo nessa campanha? — Mamãe pergunta. — Você está na lista. Todo mundo está na lista, mesmo toda a Hollywood e Nashville; Matt ama a música e ele ama cientistas e geeks da tecnologia. A campanha teve apoio de tão longe de quase seis dezenas de figuras públicas. Mesmo Mayweather postou em suas mídias sociais com uma imagem de pilhas e pilhas de dinheiro e uma mensagem que dizia “Floyd Money Mayweather não faz arrecadações de duzentos dólares, eu faço o dinheiro, e acrescento um par de zeros a mais.” Percebo quão fantástico tudo soa uma vez que me ouço falando isso. Como é que


Matt dorme com tudo isso acontecendo? Como é que alguém carrega as expectativas de um país inteiro em seus ombros, e se mantem também? — Não temos certeza de que podemos assistir à gala, porém, — Papai me avisa em voz baixa. — Você percebe que a minha aparição em um evento como esse seria um apoio também?

Encontro o seu olhar e aceno em silêncio, querendo pedir-lhe para agradar e, por favor, apoiar Matt, mas eu o respeito muito para perguntar o que ele está esperando. Eu simplesmente sei que ele tem medo de que não importa as pessoas, as partes irão se certificar de que aquele que termina no topo não será Matt Hamilton.

MAIS TARDE, NAQUELA MESMA NOITE, encontro com meus amigos no mesmo bar onde eu comemorei meu aniversário meses atrás. — Hamilton para a vitória, — Kayla diz durante o jantar. — Ele tem o meu voto. E eu sei que ele tem o seu! Sorrio, dizendo: — É claro. Ela franze a testa. — Espere. O quê? Será que ele tem mais do que o seu voto? Rio, mas, oh, Deus, não é nada engraçado. Como eu poderia deixar isso acontecer? Eu estava com medo que seria, e admito para mim mesma que era principalmente a razão pela qual estava hesitante em participar da sua campanha. Mas... você não pode controlar por quem você se apaixona. Exceto uma parte de mim acredita que eu posso, mesmo sendo errado eu me apaixonar do jeito que eu fiz, porque sei que isso não vai a lugar nenhum. Mas ainda o quero. E eu penso nele. E, apesar de saber que deixei as coisas irem longe demais, talvez eu devesse parar antes de ficar pior, mas já ficou. O desejo de fazer a diferença. Desejo... de estar com ele.


Eu olho para Kayla, e ela tem um bom rapaz; ela é a única a ser levada para casa hoje à noite, que tem um trabalho que ama e pais que não se importam se ela é uma professora ou um guitarrista (ela é, na verdade, ambos). Eu tenho um trabalho que é temporário, um homem que eu nunca posso realmente ter, e se minha mãe perceber que estou perigosamente atraída por Matt, ela vai se preocupar. Eles me queriam nos braços de um político promissor, é verdade, mas não um candidato à presidência, que todas as mulheres do país acreditam que pertence a elas. Eu jurei que nunca seria uma garota de político – que engana você com outra mulher ou com seus empregos, ou os verdadeiramente desprezíveis que enganam os eleitores que o colocaram em seus tronos. Mas não importa o quão desagradável eu ache tudo, vivo em D.C. e respiro política. A política tem me alimentado toda a minha vida, me colocou em uma carreira. A política é agora o meu trabalho. A política está em cada poro e célula do homem que consome meus sonhos. O fato de que ele está conduzindo e é a pessoa mais não corrompida no mundo político a partir de agora só acrescenta ao seu apelo, a minha admiração, e o meu respeito. Meu desejo de permanecer ao seu lado até o fim é muito grande, não importa o quanto dói na menina dentro de mim que só queria um cara para amar e que a ame de volta. Naquela noite subo na minha cama, no meu pequeno apartamento, percebendo o quão solitária realmente estou quando tudo ao meu redor está calmo. Campanha é desgastante. Também é revigorante e esclarecedor. Nós nos encontramos com centenas de milhares de pessoas. Você começa a ver todas as variedades, todas as etnias que agora compõem os americanos. Você começa a ver a coragem, o sofrimento, a esperança, educação, grosseria, raiva, desespero, tudo isso é a América. A tristeza é quando você não ouve aqueles com dor até que eles estão chorando. Você não ouve aqueles que sofrem, porque às vezes eles são os mais silenciosos.


NO DIA SEGUINTE, estamos todos reunidos nos preparando para assistir os resultados das primárias. E eu sinto falta dele. Eu sinto falta de sua energia e paixão que sinto quando estou perto dele. Eu sinto falta de viajar com ele, dele me pedindo favores, como trazer um café, e como eu perco o foco quando ele coloca os óculos e lê os horários que trago ou os arquivos que ele me pede para imprimir. Hoje à noite, quase uma centena de membros de nossa equipe está aqui, assistindo a TV de tela plana em um dos quartos de mídia quando vemos a última primária. Os dois homens na liderança são o democrata Presidente Jacobs, e o republicano Gordon Thompson. Presidente Jacobs. A única coisa boa que ele fez para o nosso país, ele ainda tem que fazer, que é passar o escritório e deixar alguém mais competitivo com ideias melhores intervir. Gordon Thompson. Ele quer aumentar o orçamento militar ao reduzir gastos em programas sociais. Ele parece realmente pró-guerra. E claramente interessado nas classificações, Thompson parece reunir tudo, a mídia sendo incessante em repetir o que ele vê em blogs, no Facebook e jorrando na TV — quando Matt chega. Ele encontra o meu olhar. Nossos olhos parecem bloquear por uma eternidade. Matt para de olhar apenas quando todos começam a recebê-lo. Ele cumprimenta de volta de forma amigável e, em seguida, senta-se à minha direita. As luzes são reduzidas e, em seguida, estão fora. A TV pisca e todos estão em silêncio, observando e ouvindo as especulações sobre os candidatos do partido Democrata e Republicano. E eu estou tentando me controlar, mesmo Matt estando sentado exatamente a cinco centímetros de distância. Estou ciente do calor do seu corpo. E espantada com a trilha crepitante de fogo em minhas veias, porque ele está muito perto. Seu limpo perfume viril faz meus pulmões doerem. Um desejo incontrolável de me aproximar não me deixa. Inclino-me para trás um pouco na minha cadeira. Respiro, e depois percebo que ele virou para olhar para mim. Ele está olhando para o meu rosto como se estivesse marcando em sua memória,


e parece frustrá-lo, porque ele passa a mão inquieta sobre as costas de seu pescoço. Ele se levanta e vai pegar um café, então ele está a alguns passos à minha direita, olhando para a TV, franzindo a testa mais forte. Ele parece tão bom. Estivemos em um borrão de campanha em salões de recepção, ensino médio e ginásios universitários, correndo em direção ao Dia da Eleição. As coisas vão ficar ainda mais intensas a partir de hoje, estou certa de que vamos gastar mais alguns meses longe de D.C. E de repente eu não sei se posso fazer isso. Se eu posso viver com esta pequena dor implacável enquanto viajo com ele, vê-lo beijar os bebês e realmente, realmente pegá-los no colo, porque ele quer, não por causa da imprensa. Enquanto a notícia continua, ele pisca na tela. Uma cabeça cheia de cabelo negro despenteado aparece. Com sua roupa informal só o faz se destacar mais. — Bom senso, unidade e a disciplina de Matthew Hamilton vão ser fortes armas contra os candidatos Republicano e Democrata, — o apresentador está dizendo antes de voltar para contabilizar os resultados. Então aqui estamos nós, vendo os primeiros resultados quando os indicados presumíveis das partes opostas são nomeados. Sem surpresas nenhuma — Jacobs e Thompson. Embora Hessler ainda esteja surpreso. — Que porcaria. Um deles é quase tão antigo como um maldito sacerdote. E não me fale sobre o outro. Não há lixeiras suficientes no país para encher com todas as besteiras que ele jorra, — Hessler geme por causa dos adversários. Nós todos olhamos para Matt esperando por sua opinião. Matt passa as mãos pelo pescoço, franzindo a testa, pensativo. — Nosso governo vai manter quem ganha em cheque. Essa é a beleza do nosso sistema. Hessler bufa. — Enquanto eles não se aconchegarem com a ideia de emitir uma tonelada de ordens executivas. Matt sorri, em seguida, olha pensativo para a TV, obviamente, pesando nas virtudes e defeitos de seus oponentes.


Levanto-me e sigo para a cozinha fora da sala de visualização e tenho que passar por Matt. Ele não se move para me deixar passar. Seu olhar escurece quando me aproximo, e ele estende a mão impulsivamente para o meu pescoço. Delicadamente, ele aproveita o broche de águia na minha gola. Acaricia a águia com a ponta do polegar. Uma vez, isso é tudo, seus olhos brilhando com orgulho enquanto ele faz. Prendo a respiração. Ele procura a minha expressão com curiosidade. E seu sorriso desaparece. Ele ainda está segurando o broche. Tenho medo de que ele pode ver que eu estou quase ofegante — essa porra de corpo! Há um pequeno furacão de borboletas se agitando no meu estômago e tenho medo que esse cara — tão extremamente perspicaz o tempo todo — possa vê-lo também. Estou nervosa avançando para trás, e o movimento faz com que ele solte sua mão. Ele finalmente se move para me deixar passar, e Mark de repente me segue para um refresco. — Alguma coisa acontecendo com vocês dois? — Pergunta ele. — Sim, — eu digo, irritada com a forma como intrometido ele é. — Nada. — Bom. Ufa! Eu estava preocupado por um momento. Pressiono meus lábios e tiro uma garrafa de água do pequeno frigobar. — Tudo o que todo mundo está falando aqui, todos aqueles telefonemas de meninas alegando que são Charlotte e elas querem falar com Matt. — Talvez os seus nomes sejam mesmo Charlotte. — Fecho o frigobar e abro a garrafa. — Todas as três dúzias? De jeito nenhum. — Ele balança a cabeça e mexe as sobrancelhas. — Há apenas uma Charlotte, tanto quanto eu estou preocupado... e infelizmente, também há apenas uma Charlotte, tanto quanto Matt está preocupado. Ele não pode parar de olhar para você. — Mark... nada está acontecendo. Ele sorri então, e se inclina com um cotovelo na maçaneta da porta. — Bom. Você quer sair comigo neste fim de semana? — Como?


— Um encontro. — Ele sorri. Hesito, em seguida, percebo que Matt está apenas a alguns passos atrás dele. Ele tinha estado em uma conversa com Carlisle, mas agora está olhando na minha direção. Se eu estou determinada a tirá-lo do meu sistema e quaisquer rumores sobre nós, talvez um encontro seja bom. Há outros peixes no mar, sem necessidade de ir para o Grande Tubarão Branco. Mas tudo o que posso dizer é: — Não até nós ganharmos. Então, eu calmamente saio e volto para a sala de visualização, bebendo minha água. A multidão logo se dispersa, e eu me vejo lutando contra o desejo de ficar para trás e perguntar a Matt sobre seu fim de semana. Vou para os elevadores com a multidão, fazendo o meu melhor para me forçar a ir para casa. Matt franze a testa quando passo por ele com desdém. Ele se move abruptamente para me parar, levando-me pelo cotovelo. — Ei. Eu olho para cima e olho em volta, preocupada que alguém pudesse ter visto. Mas todos eles vão para os elevadores. Nós olhamos um para o outro, e há milhares de mensagens em seu olhar que não consigo decifrar, mas de alguma forma sinto na minha barriga, como um emaranhado de crepitação. Lábios se inclinando para cima em uma maneira adorável e eu tento não notar, Matt acena para frente. E eu cautelosamente ando com ele. Ele tem tanto poder que não é apenas uma pessoa, mas uma presença. Ele está vestindo um sorriso, um pouco de brilho perverso nos olhos, como se soubesse... tudo. Ele franze a testa para mim e empurra a maçaneta da porta de seu escritório. — Depois de você, Senhorita Wells. Ele sorri como um cavalheiro, mas seu olhar é de um homem das cavernas impertinente quando entro e ele fecha a porta atrás de si. Aspiro por coragem, mas há uma coisa sobre o seu escritório aqui na sede. A metade superior é de vidro, e qualquer um que retornar ao edifício poderia nos


ver. Meu coração está batendo loucamente quando ouço sua abordagem por trás. Ele desliza uma mão ao redor da minha cintura e me puxa para trás contra a parede do seu peito. — Hmm. Seu cabelo cheira tão bem. Exalo. — Sempre diferente, — acrescenta ele como uma reflexão tardia. — Estamos sempre nos mudando de hotel; estou à mercê do que é oferecido no meu quarto. — Este é real, embora. Este é o seu, — ele murmura. Ele agarra meus ombros. Sua mão bronzeada com dedos longos, dando-me um delicioso pequeno aperto. Tento suprimir minhas reações quando giro em torno do seu domínio e levanto os olhos para o rosto dele. Ele está olhando para mim em silêncio, como se estivesse tentando me descobrir. — Então, Mark, — diz ele, seus olhos me digitalizando. — Que Mark? Ele levanta as sobrancelhas sugestivamente. — Oh, você quer dizer Mark. — Mark Conelly. — Seus olhos vão levemente para a porta, então para mim. — O que ele quer com você? — Nada. Ele é apenas um amigo. — Tem certeza? Há um pouco de barulho estranho no meu corpo quando eu vejo os redemoinhos turvos da escuridão em seus olhos. É Matthew Hamilton, o homem que tem tudo, o mundo a seus pés, ciumento? O ângulo de sua mandíbula parece tão afiado como sempre. — Tenho certeza. Nada está acontecendo ainda. — Ainda? — Ele quer um encontro, mas quero concentrar-me primeiro na campanha. Não


recusei diretamente, pois ele estava... especulando sobre nós. — Entendo. Eu quero saber o que ele está pensando, mas ele fecha os olhos e depois os abre olhando diretamente para mim. — Ele é velho demais para você, — ele finalmente afirma. — Ele é um ano mais novo do que você, — contrario. — Ele é divorciado. Completamente inelegível para você. Eu dou de ombros. — Tenho outras opções. Meu amigo Alan tem tentado manter as coisas sérias durante anos. Seus olhos se arregalam. — Não há como vencer isso com você? — Ele ri e passa os dedos pelo cabelo, franzindo a testa em uma mistura de diversão e confusão. Embora Matt pareça estar calmo, temo que haja algum tipo de tempestade à espreita em seu olhar. Algo que está sendo mantido firmemente sob controle. Permaneço em silêncio enquanto luto com mil coisas que eu quero fazer ou dizer. Eu senti falta dele. Eu senti falta do seu rosto e a forma como ele cheira e a forma como o escritório vibra quando ele está aqui. Eu senti falta de acordar com minha barriga cheia de borboletas porque simplesmente sei que vou vê-lo. Eu também não gosto desses sentimentos, mas é difícil afastá-los quando eles estão simplesmente... lá. Mais forte do que nunca, quando ele está perto. — Por que você está mesmo considerando sair com ele? — Por que. — Eu olho para longe, e, em seguida, sussurro, — Isso poderia ajudar a dissipar quaisquer rumores entre nós. E por que... você está sob minha pele, Matt. Há um silêncio. Eu fico no lugar, mesmo quando todos os meus instintos me dizem para ir embora e não olhar para trás. — Não saia com ele. — Ele espera um momento, em seguida, acrescenta: — Com qualquer um deles. Ele me puxa para o seu peito, balançando a cabeça para mim. Hesito, então me inclino para frente e coloco meu rosto lá. Ele vira a cabeça no


meu couro cabeludo e inala. Então ele fuça meu nariz e acaricia seu polegar em meus lábios. Ele pressiona suavemente para baixo no meu lábio inferior para abrir minha boca e esfregar o polegar sobre minha língua. Meus olhos se fecham. Chupo o polegar e, em seguida, pego a mão dele e mudo para beijar a palma da mão. Ele me aperta mais forte, e arrasta seu rosto para baixo, sua mandíbula ligeiramente ralada quando ele pressiona seus lábios nos meus. Gememos enquanto nossas línguas mexem uma contra a outra, uma e outra vez. Minha mão segura forte sua camisa. Ele desliza a mão para cobrir minha bunda e me arrasta um pouco mais perto quando tira sua boca da minha, volta e me beija novamente. Eu gemo seu nome. — Matt. Ele separa nossos lábios e olha para mim, respirando com dificuldade. Realidade vem a mim lentamente. Estamos na sede, com vidro nos rodeando. Estou beijando o Príncipe da América. Presidente Jacobs. Thompson. Eles iriam adorar isso. Matt parece saber o que eu estou pensando. — O cara para quem você faz a campanha, eu não sei como não ser ele. Isso é o que todo mundo espera que eu seja. — Ele toca seus dedos na minha bochecha. — Mas com você é diferente. Exalo quando entendo suas palavras. O que ele quer dizer é que, no escuro da noite, ele não quer ser presidente, ou Matthew Hamilton. Ele quer ser apenas um homem capaz de perder o controle sem ter uma história no dia seguinte na mídia. Eu quero segurá-lo para mim, e eu quero dizer a ele que eu amo o jeito que ele perde o controle, e que eu amo o fato de que ele usa todas as expectativas que o mundo já colocou em cima dele, porque ele só fez o nome Hamilton ser muito bom. Em vez disso eu simplesmente peço-lhe uma carona para casa, perguntando se um homem tão isolado como Matt já baixou a guarda assim com alguém antes. — Vamos despistar. Eu quero deixar Charlotte em casa, — Matt diz para Wilson depois de entrar no carro, e Wilson faz alguns movimentos passando por vários


estacionamentos subterrâneos distraindo alguém que possa acompanhando antes de estacionar na frente do meu apartamento.

estar

nos

Matt me segue para dentro do prédio. Seu rosto está determinado, e ele parece pensativo. — Se você ainda está pensando sobre a coisa com Mark, agora você sabe como eu me sinto assistindo mil lindas mulheres se atirando em você. Ele ri, em seguida, arrasta a mão sobre o rosto. — Estou com ciúmes. Eu sou homem o suficiente para admitir isso. Estou com inveja de qualquer cara que pode sair com você, andar na rua com você em seus braços. Meus olhos se arregalam com a confissão. Matt Hamilton com ciúmes como qualquer cara normal? Eu sinto que não se pode comparar qualquer coisa com a corrente elétrica deliciosa sob o efeito que suas palavras enviam através de mim. Minhas coxas estão derretendo aos meus pés, enquanto ando para o meu apartamento. Um dos meus vizinhos do sexo feminino aparece. — Charlotte, eu... Matt gira. Minha vizinha gagueja. — Oh, uau. — Prazer em conhecê-la. — Matt sorri facilmente, e os olhos da minha vizinha não podem ficar maiores. Matt me dá um olhar interrogativo, e eu rapidamente anuncio: — Matt, minha vizinha Tracy. — O prazer é meu, Matt! — Minha vizinha diz. Matt cumprimenta-a e então o levo para o meu apartamento. — A papelada está bem aqui, Sr. Hamilton, — digo, quando o conduzo para dentro, certificando-me que Tracy ouça e rezando para que vai mantê-la apaziguada. Uma vez que estamos dentro digo a ele incisivamente, — Meu ponto. Sobre as meninas quererem se jogar em você ou limpar o chão para você passar. É tão escuro no meu apartamento, acendo uma lâmpada e ainda parece como se


sombras estivessem nos engolindo. Entro na cozinha e retiro um pedaço de pão apenas para tentar manter minhas mãos ocupadas, não indo para sua camisa, sua mandíbula, seu cabelo. — Vou pegar algo para comer. Às vezes eu fico tonta quando não como por um tempo... Quer um pouco? Ele cai em um banquinho e arrasta o outro com a ponta do pé para que ele possa sustentar o pé no apoio para os pés e inclina para frente. — Olhe para você, — diz ele. — O que? — Como uma pequena dona de casa, — ele canta em apreciação. Preparo um sanduíche, rindo. Eu não posso pensar com Matt na minha cozinha. — Eu conheço algumas receitas, — me vanglorio. — Jessa me ensinou quando eu era jovem. O dia que você e seu pai vieram, fiquei chocada que a comida do presidente iria ser provada antes que ele pudesse comer. — Eu olho para ele. — Foi o destaque da minha vida. Eu senti como se tivesse sido selecionada para algo especial, e é por isso que eu comprei o broche. Eu estava mesmo inspirada para me juntar a Mulheres do Mundo por causa disso. Eu mantive você muito presente em minha mente. — Sorrio. Ele só olha para mim, e percebo que ele parece um pouco pensativo. — Por favor. Não seja tão encantador. Não tente me impressionar. Eu provavelmente iria votar em você de qualquer maneira. — Eu sorrio, e ele não ri. Ele permanece assim enquanto mordo meu sanduíche, e quando mastigo, levanto o sanduíche em oferta. Ele observa-me terminar de mastigar, e quando coloco meu sanduíche meio comido e limpo meus lábios com um guardanapo, ele silenciosamente enfia meu cabelo atrás da minha orelha, inclinando-se como se quisesse estar perto. Digo nervosa agora, — Realmente, eu já estou apaixonada por cada parte de você. Eu congelo quando percebo o que disse, e meus olhos se arregalam, e seus olhos escurecem, estreitando quando ele levanta a mão e arrasta o dedo em meus lábios – uma mistura de áspero e suave, lascivo e amoroso. — Se você está tão apaixonada, por que está dando a Mark um segundo pensamento? — Ele diz com desprezo.


Estou ofegante. — Você não desistiu disso? Isso é totalmente uma síndrome de filho único. Não compartilhar seus brinquedos? — Eu estalo. Ele olha como se me quisesse contra a parede, e eu quero correr a minha língua e os dedos nele. — Eu posso dar um segundo pensamento sobre Mark, — acrescento. — Mais do que isso, após a eleição. Você não pode ter tudo, Matt. — Mas eu quero tudo, é você que eu quero, você quer que eu queira você – é disso que se trata? Com Mark e agora esse outro cara? — Não. — Não saia com Mark. Não sai com esse outro que eu nem sei o nome. Ele não é certo para você. — Ele balança a cabeça e acaricia meus lábios com os dedos agora. — Não dê esses lábios a qualquer um. Eles são muito bonitos. E muito raros. E eles são meus. Eu gemo e coloco minhas mãos no meu rosto, odiando que eu ainda sou aquela garotinha de onze anos de idade, com uma queda, só que agora a minha queda está me esmagando em seu abraço. — Matt... — Eu levanto o meu olhar. — Minha vizinha viu você. Você tem que ir. — Você está preocupada que ela vai sonhar comigo? — Desaforo voa em suas palavras e em seus lábios. — Não, — eu nego, mas talvez eu esteja! — São os rumores, então, — diz ele, seu olhar escurecendo. Eu concordo. — Mas eu vou dizer que eu te seduzi. Que eu tinha más concepções para a Casa Branca. Um sorriso joga em seus belos lábios quando uma textura nova envolve sua voz, fazendo o som sair mais áspero. — Charlotte, não há nada remotamente mal sobre você. — Há sim. Porque eu não deveria estar aqui, querendo o que eu quero de você, sabendo o que está em risco. Sou a personificação da maldade. Na verdade, eu nunca tinha descido tão baixo. Ele leva uma mecha do meu cabelo vermelho selvagem, enrolando-o em torno de seu dedo indicador. Seu cenho franzido é confuso, mas seus olhos parecem nada,


além de fascinado. — Por que você insiste em afirmar que você é um coração de pedra e malvada – isso é uma fantasia secreta sua? — Ele puxa o cabelo um pouco para frente, que atrai toda a minha cabeça um pouco para frente quando ele acrescenta, — porque eu gosto de você exatamente do jeito que você é. Minha voz fica esfumaçada. — Eu simplesmente gostaria de salientar que eu sou multifacetária... — Ele puxa meu cabelo mais perto e meu cérebro começa a dispersar. — Há muitas partes de mim que você não conhece. Como, — ele libera o fio e usa seu dedo para rastrear o lóbulo da minha orelha... — o fato de eu ter a coragem de... Eu ter a coragem de seduzi-lo. — Sério? — Lá vai ele, rindo de mim com os olhos de novo e fazendo minha barriga se agitar selvagemente. Dou um passo para trás e puxo minha blusa de dentro da saia, meu coração batendo mais rápido e mais rápido enquanto Matt continua olhando para mim, seu sorriso começando a desaparecer. — Você não acredita em mim? — Eu estimulo. Ele só olha para mim, seu olhar fixo e intenso. Cerro os dentes com determinação e, lentamente, desfaço todos os botões, então abro a blusa e empurro o material sobre um ombro. O rastro do riso em seus olhos torna-se sombreado com o calor enquanto seu olhar recai sobre meu ombro nu. De repente, não há nada além do silêncio na sala. Nada além do silêncio e seus olhos traçando meu ombro, até meu pescoço, para os meus lábios, em seguida, olhando direto nos meus olhos. Perco todo o poder de respirar. Ele sempre paira sobre mim quando está perto e agora ele parece todo masculino, escuro, e há um pouco demais de testosterona no ar. Matt nunca pareceu mais sexy do que ele está agora, ali de pé lutando uma batalha que não quero que ele ganhe. Lambo meus lábios e reúno a coragem quando me livro de um lado do ombro e elaboro meus braços para cobrir a minha frente. Eu vejo seu rosto, com medo da sua rejeição, medo da minha própria imprudência.


Eu provavelmente deveria parar agora. Não. Matt deveria me parar agora. Eu deveria sair de seu espaço pessoal, ou, mais provavelmente ele deveria sair do meu, e ainda assim deixo cair minha blusa, e Matt permanece diante de mim, com os olhos fixos no meu rosto – escuro como crepúsculo. Mais silêncio. Matt é tão concentrado, tão apaixonado; Eu nunca vi tanta paixão nos olhos de um homem antes, quando ele fala sobre os Estados Unidos da América. Eu amo isso, mas eu também amo a forma como ele olha para mim com a mesma paixão agora. Eu. Apenas eu. Ele pode ter qualquer mulher que ele quiser e ainda assim ele escolhe ninguém. Ele escolheu seu país, por agora, e eu sei que eu deveria respeitar isso. O que você está fazendo, Charlotte?! Os segundos pulsam, e estou diante dele apenas de saia e sutiã. Eu não consigo pensar em nada quando ele levanta a mão para tocar-me e lentamente arrasta os dedos, para cima de meu umbigo, entre os meus seios, até meu pescoço, em seguida, de volta para baixo. Uma carícia, suave como uma pluma, a colisão de seus dedos mal pastando em minha pele – seu olhar pastando no meu com aquela delicadeza e uma frustração atormentada que nunca tinha visto antes. Está gravado em cada linha de seu rosto bonito e perfeito, na linha da sua mandíbula, no conjunto de seus lábios, como se eles estivessem apertados para evitar pressionar contra os meus. Não tenho palavras para definir – o que quer que seja – que estou sentindo. Eu nunca quis nada do jeito que eu quero – a necessidade de Matt me beijar agora. Eu mal posso falar. — Você acredita em mim agora? — Eu engulo. — Você não vai me impedir de... de tirar o resto? Ele corre os nós dos dedos até meu tronco novamente, desta vez pela minha garganta, onde ele espalha seus dedos abertos debaixo do meu queixo, sua mão aberta abrangendo meu rosto enquanto a palma da mão embala meu queixo. — Quieta agora. Vou olhar para você por um longo, longo tempo. — Seus olhos


quentes transformam meus ossos a cinzas. Engulo, atordoada com o desejo sob seu olhar. Ele roça um beijo na minha bochecha, seu hálito quente. — Vou deixar essas bochechas ficarem ruborizada com um vermelho brilhante com o jeito que meus dedos vão brincar com você, — diz ele, então ele deixa o nariz lá e inala contra a minha pele. Ele acaricia os meus lados, o nariz passando pelo meu ouvido agora. — Você é tão apaixonada... Você tem mais amor por seu país do que qualquer um que eu já vi. E isso me deixa louco quando todo esse fogo vivo vem para mim. Eu não me importo de ver esse fogo queimar agora. Minha voz é grossa com a luxúria e desejo. — Nosso país é maravilhoso, — eu digo, apenas respondendo ao primeiro comentário. E você é maravilhoso na cama, eu penso comigo, mas eu não estou alimentando o seu ego mais. O mundo faz isso em excesso já. — Você sabe o que seria maravilhoso? — Diz ele, contraindo os lábios pensativamente para o lado. Ele agarra minha bunda em suas mãos. — O que seria requintado? — Ele continua. Ele aperta os montes e com um empurrão, me aperta contra seu peito. — Você. Ele mergulha sua cabeça. E Matt está me beijando. Ardentemente. Quase como se me punindo pela coisa com Mark, por tentá-lo, por eu nem sei o que. Sua língua empurra, aquele primeiro impulso molhado e duro e oh tão bom. Sua mão aperta meu pescoço, possessivo. Ele aprofunda o beijo, se isso é mesmo possível. — Eu pensei nesta boca, todo fim de semana. E esses seios lindos... Ele enrola uma mão envolta do meu peito, a outra na parte de trás do meu pescoço. Sua mão está quente e suave na minha nuca enquanto ele acaricia meu peito. O toque é tão desejado, tudo o que posso fazer é absorver a sensação de que a mão


grande está provocando meu mamilo, me quebrando. Enquanto a outra está colocada na parte de trás do meu pescoço como se sozinha, segurasse minha espinha junta, impedindo meu corpo de cair, mantendo minhas células unidas. Ele olha para mim e aperta meu mamilo e me puxa para perto um pouco mais ou menos, e eu prendo a respiração – a respiração que é perfumada com ele. Seus lábios ondulam um pouco, e enche meu corpo de calor. Inalo bruscamente quando ele levanta a mão e corre por minhas curvas, olhando nos meus olhos enquanto traça os contornos. Carne e sangue. Mas ele olha para mim como se achasse que eu sou feita de outra coisa. Seus dedos bordam a minha cintura e, em seguida, na minha calcinha enquanto ele começa a gentilmente me beijar novamente. Abro a boca e respiro, — Matt. Ele me inspira, em seguida, começa a beijar meus lábios novamente. Quente. Firme. Urgente. Eu gemo e envolvo meu braço em torno do seu pescoço. — Matt... não acho. Você precisa ir, — eu gemo, empurrando minha língua na sua boca, agarrando punhados de seu cabelo sedoso. — Eu sei que isso é... nós não podemos... você vai parar ou eu vou ter que pará-lo? Por favor, não me faça parar. Eu não sei se eu posso... — Eu gemo. Eu não só me preocupo que minha vizinha vai nos ouvir, mas que um escândalo vai entrar em erupção, mas eu também não sei o quanto mais dele eu posso tomar antes de atingir o ponto de não retorno. Ou talvez eu já tenha chegado a esse ponto. Nunca haverá – nunca – um homem que me excita como este. Ele é tudo o que respiro, tudo o que vejo, tudo que eu quero é que ele me leve até o balcão da cozinha, e eu suspiro de surpresa, me penduro em seus ombros em busca de apoio. Ele chega por baixo da minha saia para puxar minha calcinha. Seus olhos encontram os meus e me sustento com seu olhar penetrante enquanto pega minha boca com a dele e começa a esfregar minhas dobras entre os dedos.


Eu não sei como me sentir, como reagir – meu mundo está se fragmentando, peça por peça; não há nenhuma realidade, nada, além de meus braços ao redor de seu pescoço, apertando, e sua boca quente, e seus dedos peritos, dando-me o que eu preciso. — Matt. Ele me mantém no balcão da cozinha e meus joelhos estão fracos quando ele abre as minhas coxas para dar mais espaço para os dedos. Necessidade queima brilhante como fogo quando ele desliza dois dedos dentro de mim. Cobrindo meu peito em sua mão, acariciando. Puxando a boca livre da minha para vaguear pelo meu pescoço, para chupar um mamilo. Eu quebro em seus braços, sob seu toque e seu beijo. Só depois que eu gozo, com ele me dizendo shh, eu tenho você em meus lábios, eu pareço retornar a Terra. Eu estou com as pernas trêmulas, e ele agarra meus quadris e descansa sua testa na minha. Seus olhos estão iluminados com calor e travessura diabólica, me derretendo um pouco mais, se isso é mesmo possível. Minha voz sai sussurrada. — Uau. — Eu levanto a minha mão e coloco sobre sua mandíbula, acariciando-o com uma ternura que eu não tenho certeza que já lhe havia demonstrado. — Nunca parece o suficiente. Eu continuo desejando mais você. Ele vira a cabeça, colocando um beijo suave no interior da palma da minha mão. Com a voz mais grossa e mais espessa do que nunca, ele diz: — Nós não terminamos ainda. Ele cautelosamente beija o interior do meu pulso quando passa minha mão para enrolar em torno da volta do seu pescoço. Quando nos alinhamos, ele abaixa a cabeça e me dá um beijo de boa noite. Um beijo lento e lânguido, uma fome subjacente em cada impulso de sua língua. Eu estou tremendo, fraca do meu orgasmo, enquanto ele está sussurrando, — Eu te vejo amanhã, linda, — e ele bica meus lábios, lentamente, quase como se em gratidão, e ele vai embora, dizendo-me antes que ele saia, — Tranque. Na manhã seguinte, eu estou corando enquanto me visto para o trabalho, antecipando o momento em que vou vê-lo.


Quando o ritmo agitado da nossa campanha fica entre Matt e eu, gastamos todas as manhãs correndo, quase acho que inventei isso, que isso não aconteceu, todas as coisas que ele disse, todas as maneiras que me mantêm afundando cada vez mais, mas minha boca sente esse último pingo dos seus lábios nos meus. E quando Matt finalmente entra na sede e olha para mim, o olhar em seus belos olhos escuro continua me lembrando de que definitivamente aconteceu, e que para ele significa que isso vai acontecer novamente.

26


NUNCA O SUFICIENTE DE VOCÊ Matt

EU NÃO CONSIGO ter o suficiente dela. Estive mordendo, mordiscando, beijando-a, chupando-a... Estamos no chuveiro e eu a tenho despojado de camisola e calcinha branca frágil. Mudo o chuveiro e aponto-o na direção de Charlotte, em seguida, assisto a lâmina de água ir para baixo nas suas curvas. Pego os picos rosados de seus mamilos. O algodão agarrado ao seu corpo molhado. Meus olhos arrastam para baixo, para a renda de sua calcinha e seu sexo visível através do tecido molhado. Meus olhos sobem lentamente até seu rosto, e sua língua se lança para fora, seus olhos arregalados com preocupação. Há mais do que preocupação lá. Há desejo, e um pouco de imprudência. — Matt? Minha garganta fica grossa quando chego para tocar seu rosto com o polegar, arrastando-o para baixo em sua mandíbula quando me inclino no seu ouvido. — Sim? — Eu digo, olhando em seus olhos, em seguida, em sua doce boca. A boca que quero debaixo da minha novamente. Aqui, não há nenhuma razão para não levá-la, devorar sua suavidade até que ela engasgue. Eu desço e deslizo meus braços ao redor da cintura dela, puxando-a para mais perto, então escovo sua boca molhada com meus lábios. Eu estou a usando. Não posso usá-la assim. Mas eu não posso me conter. Meu alarme me acorda. Empurro meu braço para fora e desligo, em seguida, saio do chuveiro. Dez minutos sob a água fria e eu ainda não posso esfriar, contando as horas até que eu possa ficar sozinho com ela novamente.


— EU QUERO ver Charlotte esta noite. Preciso da sua ajuda novamente. Wilson olha para mim enquanto tomamos café na minha suíte no The Jefferson, esperando até que o resto da minha equipe esteja aqui. Wilson me olha em silêncio, então arrasta a mão sobre a cabeça careca. — O que você está fazendo, Matt? Achei que você tinha tirado essa merda de seu sistema na faculdade, cara. Balanço minha cabeça. — Não é o que você pensa, é diferente com ela. — Encontro seu olhar. — Eu quero que você trate-a de forma diferente. Eu quero que você a proteja como se ela fosse eu. Se esta merda vazar, eu não quero Hessler ou Carlisle jogando-a sob o ônibus. — Isso não vai vazar. Não se eu puder evitar, — Wilson afirma. Aperto meu queixo e olho para o meu café e apenas a vejo. Apenas ela. — Não posso deixar de persegui-la. Não posso deixá-la ainda. — Eu rio sarcasticamente. — Você provavelmente acha que é uma obsessão... mas é mais do que isso. Ela significa mais do que isso. Ela me motiva. Ela me fascina. Ela me alimenta. Esta mulher não só me faz querer ser um grande homem, ela me faz querer ser o melhor maldito presidente que já viveu. Ela é o que eu nunca soube que queria e descobri que preciso. Sei muito bem que eu vou ter que deixá-la em breve, mas eu não posso desistir dela ainda. Wilson concorda. — Estou com você.


27

INTENSO Charlotte ANTES DE SAIRMOS DE D.C, Matt nos reserva uma suíte em um pequeno hotel cinco estrelas, onde tem um dos melhores restaurantes da cidade que oferecem um jantar surpreendente. Parece um encontro muito secreto, muito maravilhoso com o homem que todo o país desmaia e o único pelo qual estou lentamente e, secretamente, apaixonada, e agora cada vez que nossos olhos se encontraram, parece que estamos lembrando a noite e a noite de sexo quente que compartilhamos. Infelizmente, a última vez por um tempo. Ao longo das últimas duas semanas, nós estivemos com a cabeça na campanha intensamente. A eleição parece tão real agora. Estamos na suíte de Matt no Hotel Wynn, em Las Vegas. O trabalho tem sido tão desgastante, não tivemos a oportunidade de desfrutar de todos os momentos mais privados para salvar um – todos os outros foram segundos roubados que quase sempre aconteceram com uma sala cheia de pessoas. Um beijo aqui. Um roçar de seus dedos lá. Hessler, um homem com ainda menos sentido de humor do que Carlisle parece ter tido seu primeiro sorriso em todos os meses que o conheço quando ele vem com os resultados mais recentes da pesquisa. — As pesquisas estão lhe dando a liderança. — Não há tempo para sentar e cantar uma canção de vitória ainda, — Matt diz, seu Starbucks na mão. Eu já terminei o meu café. Quando o café não consegue fazer o truque para mantê-lo acordado, é realmente


hora de mudar para Red Bull. Estou mal acordada agora. Estou sentada no sofá, e minha cabeça está inclinada na minha mão enquanto tento manter meus olhos abertos. Eu não quero perder uma única palavra das âncoras na TV, e, ao mesmo tempo, ouvir a conversa dos homens ao redor me acalma. Desde que começamos, tem sido assim por muitos meses de extensa viagem e noites como esta. Ideias geniais, planejamento, pensando, e, para mim, querendo. Querendo ele... muito. Eu pensei que com o tempo, isso iria ficar mais fácil. Sua proximidade. E em vez disso, está ficando mais difícil. Ainda temos alguns meses de campanha. Estranho como eu anseio que seja mais para que eu possa passar com ele, e, ao mesmo tempo, estou tão viva – que sinto que estou participando de algo histórico, algo que vai definir o nosso futuro – e só não quero que isso acabe. — Charlotte, vá dormir um pouco, — diz Matt. Eu tento me manter acordada quando ouço o comando nas proximidades. Deus. Eu estava cochilando no sofá? Amplio meus olhos e Matt está inclinando-se sobre mim, sua sombra cobrindo todo o meu corpo. Seus olhos são um redemoinho de bronze, e me pergunto se eles veem através de mim. Sua mão é uma marca própria, que penetra na minha pele. Como o toque de um fio vivo, seu aperto no meu ombro atira faíscas através do meu corpo. Como posso possivelmente sentar aqui e ficar parada enquanto tudo isso acontece dentro de mim é um mistério. — Vou dormir quando morrer, — eu digo, sorrindo sem entusiasmo. Um breve sorriso toca seus lábios. É o seu sorriso divertido, o que faz com que seus olhos ganhem um tom mais claro. Sento-me na posição vertical, feliz que o gerente da campanha está tomando notas, se mantendo ocupado. Matt me entrega um copo de café, e eu sei que é o seu, porque foi eu a única que trouxe e está marcado com a caneta. O seu tem a palavra Matt inscrito na minha própria caligrafia. Pego o copo, e ainda está quente. Ele toma um assento ao meu lado e meu


cansaço desaparece um pouco. É difícil não sentir as coisas que sinto por este homem quando temos viajado juntos por tantos meses. Quando o vejo segurando bebês, dançando com senhoras de idade; quando o vejo agitar as multidões em um rugido; e, especialmente, quando vejo seu cabelo despenteado e um par de óculos de leitura que ele coloca para ler os jornais de manhã, taticamente meço os efeitos da campanha que estamos travando contra os Republicanos e os Democratas. Jack encosta no sofá entre nós, mas uma parte da sua cabeça está em Matt e seu corpo está totalmente em mim. É incrível o quanto eu aprendi a amar seu cachorro, considerando a forma como nos conhecemos, que foi menos do que estelar. Agora eu almejo seu calor difuso, a lambida de sua língua quente e úmida nas minhas bochechas. Enquanto saboreio meu café, Matt chega para acariciá-lo, ao mesmo tempo em que eu. O polegar de Matt traça a parte de trás de uma das orelhas do cachorro, acariciando lento e longo, enquanto eu estou na outra, nós dois olhando para Jack enquanto o acariciamos. Roubo um olhar para o perfil de Matt e ele parece pensativo, um músculo trabalha na parte de trás de sua mandíbula. Estou me lembrando da nossa última vez sozinhos, um encontro de quinze minutos onde ele me seguiu até o banheiro das mulheres, trancou-nos, e beijoume como um louco ao mesmo tempo em que colocou os dedos na minha calcinha. Ele lambeu os dedos depois, e eu passei o dia todo desmaiando quando ele encontrava meu olhar, trazendo a ponta do seu dedo nos lábios, em seguida, a sua língua e lambendo. O sorriso dele depois que o lambeu? Seu sorriso era o mais sexy de todos. Estou pensando em tudo isso, quando o polegar se move da parte de trás da orelha do seu cachorro para escovar sobre o meu. Levanto meus olhos, e ele sorri para mim, um sorriso que sinto por toda parte, e sorrio de volta, acariciando Jack de forma mais vigorosa, eletrificada cada vez que Matt propositadamente passa a mão sobre a minha enquanto ele faz o mesmo. — Você é um bom cachorro, não é? Muito desportivo com o seu colar de pulgas, — digo a Jack, e olho para Matt. O sorriso no seu rosto é divertido. Sensível. Começo a ficar vermelha, e seu


sorriso começa a desvanecer-se, e seu olhar se torna um pouco escuro e muito íntimo. Claro que ele sabe o seu efeito sobre mim. Ele sabe do seu efeito sobre cada mulher, e embora eu saiba que ele não gosta de sua beleza física para diminuir as questões que ele quer discutir, não parece incomodá-lo um pouco que ele tem esse efeito sobre mim. O pior de tudo, não é apenas a sua beleza. É sua mente, sua paixão, sua dedicação, e a maneira como ele me faz sentir viva, ambiciosa, esperançosa, vital. Evito seu olhar e me concentro em Jack. Logo, a equipe começa a se mover. Eu continuo brincando com Jack, relutante em sair até que ouço que a última pessoa da equipe saiu pela porta e Matt fala com Wilson, que está do lado de fora, montando guarda. — Wilson, você pode entrar por um momento? Eu estou saindo quando Matt faz Wilson entrar. — Fique, Charlotte. Viro-me para ele, e Matt admira meu rosto quando olha nos meus olhos. — Já faz duas semanas. Eu preciso de você. Eu preciso tocar em você. — Estamos esgotados. Ele sorri, balançando a cabeça. Wilson fecha a porta atrás dele, e Matt levanta a cabeça. — Wilson, acha que pode nos tirar daqui? Eu gostaria de levar Charlotte a algum lugar privado. Não em um hotel. — Com certeza. Qualquer ideia de onde? — Na casa do meu pai. Wilson levanta as sobrancelhas, depois assente e sai. — Não podemos ficar aqui, a equipe pode entrar a qualquer momento, — Matt me diz. — Onde estamos indo? — Meu pai tinha um refúgio secreto e nunca vendeu. — Ele vai pegar sua chave do quarto e seu telefone, e quinze minutos depois, estamos saindo por uma saída diferente do hotel.

ACONTECE QUE o refúgio do presidente Law Hamilton é em Laguna Beach.


Nós pegamos um avião que nos leva de Vegas para Los Angeles, e o piloto é um velho amigo de Matt e jura segredo. Matt e eu voamos sozinho na cabine, enquanto Wilson vai com o piloto. Ao resto da equipe de Matt foi dito que ele não precisava de cobertura durante a noite enquanto se hospedava. O piloto parece feliz de ver Matt comigo. Ele sorri enquanto cumprimenta-nos e se despede com uma expressão “vai lá, homem!” Uma vez em terra, há uma BMW preta SUV esperando no hangar, e Matt leva-me à porta do passageiro, em seguida, sobe ao volante, dizendo a Wilson, — Tenha uma noite de folga. Encontre-nos no início da manhã. — Ok. Wilson aperta a mão estendida de Matt, então ele espia dentro e sorri para mim. — Cuide bem dele, tudo bem? — Eu vou, — eu digo, rindo. Wilson sorri e fecha a porta uma vez que Matt está ao volante. Nós dirigimos por trinta e cinco milhas tendo como cenário a praia, e Matt estendendo a mão para pegar a minha e levá-la à boca para que possa escovar os lábios nas costas da minha palma. — Quase vale a pena ter esperado para ficar a sós com você de novo. — Eu quase me sinto estranha que estamos completamente sozinhos. Ele ri, em seguida, aperta minhas mãos e continua dirigindo com este sorriso suave, satisfeito nos lábios, muitas vezes trazendo a minha mão para beijar a parte de trás dela ou lamber as pontas dos meus dedos. Ele estaciona na garagem de uma bela casa moderna à direita na praia. — Eu pensei que os Hamiltons tinham uma casa em Carmel, não em Laguna. — Nós temos. Este é o lugar secreto do meu pai. Ele costumava vir aqui para ficar longe de tudo, e pensar. Agora é minha. — Ele pisca quando abre a porta do carro para sair. Ele me leva para dentro passando pela porta da garagem e com um comando, — Luzes, — recebe as luzes que começam imediatamente na sala de estar e cozinha. Quando o sigo para dentro, estou impressionada pela forma como a casa de um presidente é. Muito normal. Moderno e simples, e também é bastante acolhedora, com estantes cheias de um lado, fotos de família pontilhando as prateleiras e, em vez de obras de arte, mapas de todo o mundo decoram as paredes. Seu pai amou o mundo, como Matt faz.


— Venho aqui algumas vezes. Lembra-me muito dele. Venho aqui para estar próximo, e para fugir e pensar. Movida por suas palavras, sigo-o até o que parece ser a biblioteca e vamos para a sala de estar, e fico sem fôlego com a vista. — Isso é como um monumento que te ajuda a pensar. Ele ri, então se dirige para a cozinha adjacente e abre alguns armários. — Nada fresco aqui, mas você gosta de... feijões enlatados? — Deus, o que é isso? — Eu sorrio, então o vejo puxar uma garrafa de vinho. — O vinho é bom. Não estou com fome, apesar de tudo. — Você está cansada? — Ele pega dois copos, os coloca de lado, e abre seus braços. Eu ando para dentro daqueles braços e pressiono meu rosto em seu peito. Expiro muito alto. — Como você faz isso? — Pergunto-lhe. — Às vezes, eu não sei. — Estou encantada com a honestidade em sua voz, mas ele também soa confiante, como se soubesse, como se não tivesse dúvida sobre ser capaz de fazê-lo todos os dias. Ele nos leva até um dos sofás, seu braço ainda em torno de mim. — Às vezes eu acho que estou apenas entrando em colapso. Ele se mexe para nos deixar mais confortável e mais perto, acariciando a mão pelo meu cabelo. — Sinta-se livre para entrar em colapso aqui. Você está segura, e vou cuidar de você. — Eu posso ouvir o mar. E eu posso ouvir o seu batimento cardíaco. — E eu posso ouvir sua respiração. Encontro-me inalando também, inalando o cheiro quente, caro dele. — Você deve ir para a cama. Você tem um dia agitado amanhã, — advirto. — Se você quiser deixar minha agenda mais fácil, eu poderia até mesmo saber o que significa dormir em uma cama de verdade. Rio. Ele se desloca para frente. — Eu não quero dormir. Eu não quero perder um segundo disso. — Você vai ter mais momentos como este se continuar suavemente organizando nossas fugas. — Eu passei tanto tempo planejando nossas fugas, é embaraçoso. — Ele sorri. — Para ser honesto, você é a única mulher que já passei tanto tempo pensando.


— Uau, Senhor Suave Candidato Presidencial. Você com êxito conseguiu me fazer soar como uma tarefa. — A tarefa não é você. É não ter você como eu quero. É não ter tudo de você. Ele se inclina para trás, acariciando sua mão distraidamente pelo meu braço. — Então, muitas pessoas acidentalmente caem no que se tornariam suas realizações mais renomadas. Steve Jobs, sua amizade com Wozniak. Mesmo Escobar não acordar uma manhã e decidir se ele seria o mais famoso barão da droga; ele era um contrabandista – a droga basicamente veio até ele. — E você? — Eu não iria concorrer se meu pai estivesse vivo. Eu queria algo ao longo das linhas normais da vida. Não que os meios de comunicação tornem isso possível; eles queriam que eu concorresse desde... sempre. Ele estende a mão para saborear o seu vinho, em seguida, coloca-o de lado e se volta para mim. Sento e estou ciente dos nervos se animando que passam por mim quando ele levanta a mão para me tocar. — Mas não podemos viver em um país onde os nossos presidentes são assassinados e nunca descobrir quem é o responsável. Somos mais do que isso, mais esperto do que isso. Nós não esquecemos o que significa ser um americano – a Constituição não diz “Eu, tudo para mim”. Diz “nós, o povo.” Todo mundo está fora de si agora, e não é isso que somos. — Ele diz isso com a certeza de alguém que nunca se contenta com menos que o melhor. Ele estende a mão para mim e minha barriga vibra. — Portanto, não é apenas sobre mim. — Ele beija minha bochecha de uma forma que é quase fraternal. — Lembre-me que eu nunca posso manter minhas mãos longe de você na frente da equipe, — ele sussurra, antes de beijar a parte de trás da minha orelha, com os olhos brilhando. — A propósito, você tem um cheiro divinal. Eu sorrio e encontro seu olhar. Exalo e chego meu rosto mais perto, deslizo minha mão sobre seu peito e pressiono meus lábios nos dele. Matt geme baixinho, seu corpo apertando sob meus dedos, seu aperto firme em torno de mim quando ele suga minha língua, a sua fome palpável, desencadeada. A sombra de barba ao longo de sua mandíbula faz cócegas em minha pele. — Eu quero seus devassos gemidos esta noite, — ele murmura baixinho na minha boca, encontrando o meu olhar enquanto desliza a mão sobre minha blusa. — Eu


quero que você me molhe até os pulsos. — Ele mergulha sua língua dentro e abocanha meu seio, sacudindo meu mamilo. — Eu quero você se desfazendo para mim, porra, que você esteja tão desfeita que eu pense que está quebrando. — Sim, — eu respiro, movendo os braços, segurando-o perto quando me mexo embaixo dele e o puxo para cima de mim no sofá. — Você não está cansada demais para gozar, não é? — Ele acaricia os dedos sobre o meu sexo. Solto um miado. — Não se preocupe, querida, eu vou te dar o que você precisa. Entendo tudo sobre você. Apenas relaxe, deixe-me te dar tudo o que precisa, — diz ele em voz baixa, arrastando seus lábios ao longo do meu rosto, meu pescoço. Gemo baixinho e deslizo minhas mãos para cima de seus braços rígidos. — Você é linda. Deus, você é linda. Eu só quero estar em você. Quero estar olhando para você, assim. Contorcendo-se e barulhenta. Você é tão doce, querida, ninguém sabe que há uma bomba sexual por baixo daqueles terninhos de negócios. Só eu. — Sim, Matt, você, — Eu concordo, deslocando debaixo dele quando ele abre as calças e a tira, e então ele coloca um preservativo e enche-me, e eu estou perdida nisso, nele. Vamos para o quarto uma hora mais tarde, abraçados nus na cama. — Eu gosto daqui, — eu digo. — Você é a primeira boa memória deste lugar que tive por um tempo. — Ele escova meu cabelo para trás e sorri para mim. — Eu estou feliz que te trouxe aqui. — Ele me beija, o beijo mais doce que eu já tive na minha vida, e não importa quão exausta estou não consigo dormir. Como ele, eu não quero perder um momento disto, nem mesmo um segundo. Esta não é uma paixão infantil mais. Eu o amo. Eu amo Matt com todo o meu ser. Eu o respiro, respiro por ele. Eu respiro para ajudá-lo a ganhar, mesmo se isso signifique que não vou nunca, nunca sentir seus braços em volta de mim assim novamente.


EU ACORDO COM UMA VOZ ROUCA. — Charlotte, vamos embora. Agito-me. — Que horas são? — Cinco. Nós precisamos ir. — Ele acaricia o topo da minha cabeça e acena para uma xícara de café. — No caso de você precisar dele. Você teve uma boa noite de sono? Ou devemos chamá-la de uma soneca, foi tão breve? Eu sorrio e dou um aceno de cabeça, e eu não esperava que ele fosse beijar minha boca porque estamos com pressa. Mas ele faz, com os olhos possessivos quando vem por trás e dá um tapinha no lado da minha bunda. — Tudo bem, levante-se e brilhe, linda. Caio de volta na cama, apertando os olhos fechados, e mordo de volta um sorriso antes de me empurrar para fora da cama.

28

FAÇA CHUVA OU SOL Charlotte PAREÇO ser eficiente em organizar a equipe de campo, bem como todos os compromissos de Matt perfeitamente, mas sou muito ruim em coisas que as pessoas mais normais são boas. Não consigo dormir. Mal posso comer.


Estou alta por causa dele, por causa da aparência, os toques roubados, o desejo secreto, observando-o em reunião após reunião, falando com firmeza e de coração para multidões chamando seu nome. Já faz oito dias desde que estávamos na casa de seu pai na praia, e eu ainda estou afetada pela intimidade que compartilhamos. Estou apaixonada por ele; não há dúvida disso. Não é apenas sexo, não apenas uma quedinha. Tudo ficou claro durante o nosso tempo juntos. Estar com ele em seu refúgio secreto foi especial – tão especial como a noite que Matt veio para jantar com seu pai. Sinto-me culpada por cair pelos meus desejos, potencialmente colocando sua candidatura em perigo quando sei que este homem seria tão bom para o país. Mas eu anseio por mais tempo com ele. Na tentativa de colocar um pouco de espaço entre nós, eu disse a Carlisle que iria de ônibus com a equipe de campanha para Nova York, mas Matt simplesmente enviou Wilson ao meu quarto de hotel para me dizer a que horas ele me esperava no aeroporto. Eu subi no avião junto com Hessler, Carlisle, um estrategista político famoso chamado Lane Idris, Matt, e Jack. Estava grata pelo avô de Matt estar ocupado com seu negócio imobiliário na Virgínia e não estaria voando com a gente. Escuto os homens falarem de política e observo Matt, pensando em suas sugestões. Quando a conversa se volta para outros assuntos, Matt se vira para mim e olho para o livro no meu colo. O livro que estou lendo é Democracia na América por Alexis de Tocqueville. Eu amo isso porque não é sobre quão perfeita a democracia é, mas sim como imperfeita ela é. Como tudo na vida, a democracia precisa ser equilibrada. É estranho estar pensando em equilíbrio quando nunca me senti tão desequilibrada na minha vida. Passamos por um voo curto discutindo política e democracia. Aprendo que o livro favorito de Matt é A Mente Correta, que examina como os conservadores, liberais e libertários têm opiniões diferentes sobre o que é certo e errado, a maioria com base em seus sentimentos. Ele chama isso de um abridor de olho em todas as nossas maldições e virtudes, e diz que o candidato deve unir as pessoas. Quando chegamos à Nova York, faço um bom trabalho de agir fria e calma, até que Matt me diz que ele está indo para uma refeição com Hessler e me pede para


ir junto. — Claro, — eu digo, com toda a calma que posso. Mas quando paramos no escritório de campanha local primeiro, faço um desvio para o banheiro e retiro meu kit de maquiagem, certificando-me de parecer surpreendente. Só porque nunca tinha saído com ele, e parece que esta é a coisa mais próxima de um encontro que poderíamos ter. Matt pede a seu motorista para nos deixar em Nolita, para que possamos caminhar um pouco antes de chegamos ao restaurante em Chinatown. Estamos presos por quatro guardas de segurança quando Hessler, Matt, e eu passamos pela rua Mott ao Peking Duck House, um restaurante que ele carinhosamente se lembra de vir com seus pais em ocasiões especiais. Há algo tão vibrante sobre as ruas de Nova York. E Matt se encaixa bem. Ele chamou muita atenção nas outras cidades que visitamos, mas Nova York é usada por celebridades. No meio da agitação, todo mundo está fazendo suas próprias coisas e Matt Hamilton não é Matt Hamilton hoje. Ele é apenas um cara quente vestido casualmente em jeans e uma camisa com decote V, caminhando ao lado de uma menina que está tendo problemas para manter a calma. É bom ser capaz de caminhar ao lado dele sem atrair a atenção de todos que passavam. — Isso é incrível, — eu digo, sorrindo enquanto percebo tudo que nos rodeia. Hessler está fumando à minha esquerda; Matt está com as mãos nos bolsos, um olhar de prazer pensativo em seu rosto enquanto ele estuda o meu perfil. — Você está com fome? — Ele pergunta. Gemo e agarro meu estômago. — Extremamente. Você? — Eu definitivamente estou de olho em algo saboroso, — diz ele com um brilho perverso nos olhos. E ele se inclina para sussurrar, — Como sempre, você está incrível. Eu sinto meu rosto quente na aspereza da sua voz. Eu olho para a minha blusa de corte baixo de renda preta, saia preta curta e sandálias de salto alto pretos. Ele sorri para mim, divertindo-se com o rubor subindo pelas minhas bochechas enquanto levanta o braço sobre a minha cabeça e pega a porta que Hessler acabou de abrir. No movimento, sinto no ar o delicioso aroma de sua colônia Bond No. 9. Quando Hessler caminha em direção a nossa mesa, Matt suavemente escova os dedos sobre minhas costas, logo abaixo da queda do meu cabelo. O gesto é


simples, um pouco possessivo, e tão inesperado que uma fita intensa de calor dispara na minha espinha. Eu não posso acreditar o quão ligada estou na hora que sento. E fico mais molhada cada vez que Matt move sua mão debaixo da mesa ao longo da minha coxa, seus dedos acariciando o interior das minhas pernas sob a barra da minha saia. Ele ocasionalmente retira a mão, mas nunca por muito tempo. Posso ver quando olho além do restaurante, confirmando que seu toque é privado — somente para nós. Temos o mais delicioso almoço enquanto ouço Matt e Hessler falando sobre os seus interesses fora da política. Hessler é um ávido jogador de golfe. Matt cresceu jogando beisebol e ainda segue de perto os Mets, seu time favorito. Hessler sai cedo para fumar antes de ir ao comício no Parque Washington Square. Matt pega a conta, enquanto Wilson e os outros três guardas de segurança nos esperam lá fora. Assisto pingos de chuva começar escorrendo ao longo das janelas enquanto esperamos pelo seu cartão de crédito ser devolvido. No momento em que saímos, ela está caindo mais forte. Matt diz a Wilson e os outros guardas para ficarem seis metros atrás de nós. Meu batimento cardíaco acelera quando antecipo um tempo a sós. Eu sorrio para os guardas quando começamos a caminhar, e eu puxo um guardachuva para fora da minha bolsa. Matt segura-o sobre nossas cabeças quando me aproximo mais dele e começamos a caminhar até a rua. A chuva está caindo com tanta força que o guarda-chuva fornece pouca proteção. Eu começo a rir e aponto para uma banca de frutas coberta deserta. — Devemos ficar sob esse toldo. — Uma boa estratégia. — Ele me lança um sorriso e um olhar como se soubesse que estou intencionalmente tentando guiá-lo para o lado. Eu abro minha boca para falar o que pensei, mas antes que consiga, Matt firmemente me puxa para ele e ternamente pressiona seus lábios nos meus. Sua mão desliza ao redor da minha cintura, para baixo na minha bunda, me agarrando firmemente contra ele. Ele abaixa o guarda-chuva um pouco, nos protegendo de olhares indiscretos. Ele me aperta com vontade, sua boca devorando avidamente a minha.


O momento é elétrico, surpreendente — sua boca tão molhada como os pingos de chuva em meu cabelo, doce e hortelã e com fome. A camisa molhada, colada contra seu peito esculpido. Sua língua se move sobre a minha. Eu profundamente inalo o cheiro de sua colônia. Delicioso. Intoxicante. Então, como se acordada de um lindo sonho, de repente volto aos meus sentidos. — Você está louco? — Sussurro e saio do seu agarre, minha voz quase inaudível através da chuva batendo. Ele sorri, os olhos dançando. — Sim. Eu ri, e ele está sorrindo, mas o sorriso não dura muito tempo. Ele me puxa de volta contra ele e descansa sua testa na minha, seus olhos procurando os meus. — Diga-me como posso satisfazer este país quando me sinto tão carente? Diga-me. — Ele me aperta, silenciosamente pedindo uma resposta. Sei o que isso significa. Ele quer dizer que me tem, mas não publicamente, e eu o tenho, mas não por muito tempo. O que temos satisfaz nossos desejos físicos, mas somos deixados querendo mais. Matt cautelosamente inclina meu queixo enquanto ele abaixa seu rosto no meu. Primeiro ele fuça meu nariz e acaricia seu polegar em meus lábios. Ele pressiona suavemente para baixo no meu lábio inferior para abrir minha boca. Meus olhos lentamente fecham e minha mente fica vazia quando ele ternamente pressiona os lábios na minha bochecha. Inspiro profundamente, e ele também. — Como você não fica incomodado com isso? A imprensa seguindo cada movimento seu? Esta é a primeira vez que estivemos fora sem sermos seguidos, — eu digo sem fôlego. — Eu cresci com dezenas de lentes em torno de mim, eles nunca foram muito longe. Eu cresci cego para os olhos externos, e na maioria dos dias eu não me importo de estar sendo observado. — Ele olha para os meus lábios, em seguida, retorna o olhar para os meus, e silenciosamente acrescenta: — Mas às vezes eles estão tão perto que eu sinto que não tenho nenhum espaço para respirar. — Ele sorri para mim e levanta o guarda-chuva. — Vamos, nós temos uma reunião para participar. — Parque Washington Square. Eu ainda não posso acreditar que consegui uma


autorização, embora, provavelmente é porque sua família é proprietária de uma boa parte de Nova York. Ele sorri. — Talvez seja porque eu sou charmoso. — Oh, eu não apostaria nisso, — minto.

A CHUVA mal parou no tempo para a reunião, mas isso não impediu a multidão. Pelo contrário. Eles encheram o parque, e até mesmo as ruas circundantes ficaram lotadas. Ele arrasou no comício no Parque Washington Square. Depois de despertar o público para um — HAMILTON! HAMILTON! HAMILTON! — Voltamos para o hotel em vários carros. Vou com ele e Carlisle. A cidade está viva, repleta de luz e de ruídos à medida que nos aproximamos do nosso hotel. Fico em silêncio e em reverência. Estou em Nova York com o homem mais quente que eu já vi, sentada na parte traseira de um carro de luxo, o coração batendo com emoção e um pouco de formigamento quente entre as minhas coxas por causa de sua proximidade e porque ele está com a mão descansando apenas numa distância em que ele consiga passar o polegar na minha coxa e descansando em seu assento como se essa mão pertencesse lá. Suponho que deveria tirá-lo, mas eu gosto da maneira como me sinto quando ele faz isso. E me excita, é verdade. Mas também me relaxa. Estou passando pelo Village, Midtown, e, em seguida, Quinta Avenida ao longo do lado leste do Central Park. — Estamos recebendo uma boa cobertura da mídia, — anuncia Carlisle. — Isso é bom, — diz Matt. Eu sorrio, tão orgulhosa dele hoje. Faça chuva ou faça sol, haverá campanha da equipe de Hamilton. Naquela noite, espero que ele me envie uma mensagem de que a barra está limpa, e quando ele me diz que está vindo para cá, abro minha porta e puxo-o para dentro do meu quarto.


EU AINDA ESTOU DELICIOSAMENTE DOLORIDA da foda ele me deu ontem à noite — fodas — porque na verdade foram três: uma lenta e gentil, outra rápida e primal, e uma muito molhada e apaixonada no chuveiro — quando cheguei ao escritório de campo de Nova York na manhã seguinte. Carlisle e Hessler nos convocaram para uma reunião, como eles frequentemente fazem. Somos recebidos num quarto de oito por oito, lotado. Matt está no canto, encostado na parede, braços cruzados enquanto permite que seus gerentes falem. Meus olhos encontram o dele no meio da multidão. É apenas um olhar. Isso é tudo que damos um ao outro. Mas é o suficiente para fazer minha barriga ficar louca. — Vamos atualizar o que está acontecendo, — começa Carlisle. Deslizo meus olhos de volta para Carlisle e foco no resumo. Merda está ficando real e vamos precisar trazer as grandes armas para cada evento, e estar ciente de que a nossa concorrência estará ciente de todos os nossos movimentos. Presidente Jacobs, sessenta e cinco anos, conservador, um pacificador, um pouco fraco. Gordon Thompson, cinquenta e nove anos, radical, um pouco de guerra em suas veias. Carlisle nos atira um olhar terrível e, em seguida, olha para mim um pouco descaradamente. — Só para ficar claro, estamos trabalhando com o melhor candidato independente que os EUA já viu. O terceiro candidato já ganhou. Este será sem precedentes. Matt Hamilton nasceu para isso; todos nós sabemos disso. Nem sempre o favorito prevalece na política. É o único que disputou mais apoio em sua campanha. Portanto, cabe a nós fazer com que seus partidários multipliquem como Jesus fez com o pão. OK? Todo mundo concorda. Minha garganta fecha e culpa começa subindo minha garganta. Concordo com a cabeça vigorosamente. Acenando para Carlisle, apaziguado. — Vamos levar nosso candidato de volta para a Casa Branca, onde ele pertence. — Ele dá um aceno final, e todos nós dispersamos. Vou para a porta do escritório de Matt com seu itinerário na mão. — Bom dia, Charlotte, — diz ele enquanto entra e me acompanha para dentro.


— Bom dia, Matt. O momento que fecho a porta, Matt me coloca na mesa, e eu suspiro de surpresa, mas penduro sobre seus ombros em busca de apoio. A possibilidade de ser pego me faz fazer uma varredura pelo escritório, então percebo que não estamos na sede, que este escritório não tem janelas. Paredes significam privacidade para nós, então me solto e fico flexível em seus braços, molhada e imediatamente pronta. Ele chega por baixo do meu vestido para puxar minha calcinha para baixo. Seus olhos encontram os meus e seguro em seu olhar nublado e tempestuoso enquanto ele pega minha boca na dele e começa a esfregar minhas dobras com os dedos. Eu suspiro, e ele sufoca o meu suspiro sob seus lábios, meus braços apertando ao redor de seu pescoço e sua boca quente e dedos peritos dando-me o que eu preciso. — Matt... Ele me mantém sobre a mesa e meus joelhos estão fracos quando ele faz minhas coxas abrirem mais para ele se encaixar entre elas. Necessidade queima brilhante como fogo quando ele começa a entrar em mim. Ele faz uma pausa. — Deus, eu não tenho um preservativo. Pego sua mandíbula. — Eu estou protegida, estou tomando pílula. Estou limpa. — Estou limpo também. Eu nunca... — Ele sai enquanto olha para mim, toma meu seio na mão, acariciando, me beijando, em seguida, puxa a boca livre para percorrer meu pescoço, para chupar um mamilo através do tecido do meu vestido. Estou irrefletida, arqueando. Matt me ajuda a ficar de pé, então me vira e levanta a saia sobre a minha bunda, abrindo minhas pernas. Eu engulo um gemido quando o sinto entrar em mim. Ele se inclina sobre mim, beliscando a parte de trás do meu pescoço. — Deus, você é o paraíso, — diz ele, as mãos nos meus quadris enquanto ele bate em mim por trás. Gemo desta vez; ele alcança e cobre minha boca. Lambo a palma da sua mão, e ele empurra dentro de mim novamente. Choro contra sua mão novamente. Ele me bate tão forte quanto ele precisa. Tão forte quanto eu preciso. Ele abafa meu grito de satisfação com a palma da mão e enterra seu próprio rosnado no topo da minha cabeça. Nós não falamos disso quando terminamos. Apenas sorrio nervosamente, e ele


sorri e acaricia minhas costas, endireitando-se até que ele parece tão perfeito como sempre. — Charlotte, — diz ele antes de eu sair. — Sim? — Se eu ganhar, eu quero você na Casa Branca. Trabalhando lá. — Ele se deixa cair atrás de sua cadeira. — Eu estou no meu melhor jogo quando você está ao meu redor, vamos colocar dessa maneira. — Você está me chantageando? Emocionalmente? — Estou lhe fazendo um pedido. — Você está me perguntando com aquele olhar exigindo, o que significa que você está exigindo. — Então eu estou exigindo-barra-pedindo. Franzo a testa. Ele olha para mim, mudando para apoiar os cotovelos na mesa. — Se eu for eleito, vou fazer tudo o que prometi aquelas pessoas lá fora que eu faria. Eu preciso da melhor equipe possível; um presidente só pode realizar o que seu sistema de apoio permite. Eu quero você na Casa Branca. — Eu nunca tive a ambição de trabalhar na Casa Branca, — eu digo. — Não é um lugar que eu quero ter uma carreira. É mais como o tipo de lugar que eu acho emocionante para visitar e amar de longe. E eu não acho que eu poderia suportar o quão difícil seria vê-lo todos os dias e lembrar... Seus olhos estão frustrados. Tenho medo de que ele vai empurrar, e não quero isso. Ele é muito tentador para mim. Estar com ele é muito viciante. Eu quero ser madura e realista sobre isso. Sobre nós. Portanto, antes de Matt insistir, vou para fora e volto ao trabalho, trazendo a minha atenção para o nosso objetivo final: dar ao nosso país a chance de se juntar ao líder forte e carismático que estávamos esperando.


29

MAIS Charlotte ESTAMOS em San Francisco agora. É meio-dia, quando nos reunimos em nossos escritórios locais de campanha improvisados, quando Carlisle deixa cair um jornal sobre a mesa de Matt. Na parte inferior da primeira página tem duas imagens – uma de Matt sorrindo para mim e me ajudando a sair do carro para o nosso hotel. A legenda abaixo de ambas as imagens, O amor está no ar para Matthew Hamilton? Ele não leu o artigo. Em vez disso ele pega o seu telefone celular para fora, colocando-o no alto-falante e marcando uma discagem rápida enquanto ele digitaliza o resto da notícia. Uma voz masculina fala, indicando o seu nome e o nome do jornal de onde colocaram essa imagem. Matt cumprimenta-o e imediatamente chega ao ponto. — Quem tirou essas fotos? — Não fui eu, Matt, por Deus, eu juro. Matt passa a mão sobre as costas de seu pescoço e suspira, franzindo a testa para o telefone. — Nós estamos fazendo uma campanha aqui, não uma temporada de The 9

Bachelor . Vamos manter o nosso olhar sobre o que é importante, tudo bem?


— Claro que sim, Matt. E ei, obrigado pelo livro que você enviou no último Natal. Minha mulher mantém sobre a lareira como exposição. — Estou feliz, Tom. E obrigado pela cobertura. Ele desliga e olha para mim, depois para Carlisle, em seguida, ele retoma a leitura da notícia, tomando calmamente seu café enquanto eu me esforço para parecer discreta. Temos uma reunião com duas dúzias de nossos membros da equipe de campanha em seguida. Pelas duas horas e meia, a equipe está fazendo anotações com canetas com logotipo da campanha de Matt, e, em seguida, eles estão todos em pé, como se fossem levantar para sair e começam a apertar as mãos, agradecendo-lhes. Estou surpresa que muitos dos membros da equipe do sexo masculino se aproximam de mim para dizer adeus também. Matt caminha ao meu lado enquanto saímos da sala de conferência. Deixamos o prédio e andamos dois quarteirões do nosso hotel. Normalmente, há outros membros da equipe arrastando atrás de nós, mas hoje parece que estamos indo em direção ao hotel sozinhos. Meu batimento cardíaco acelera. Matt deveria tomar banho e ter um almoço rápido antes de acompanhar Carlisle para atender o Senador Lewis, que tem uma grande quantidade de delegados e apoio neste Estado. Estou esperando para tomar um bom banho e talvez tirar um cochilo; a noite anterior está pesando um pouco sobre mim. Espanta-me que não parece pesar sobre Matt um pouco. Ele parece melhor do que nunca, embora a verdade seja que ele está sempre ativo, cheio de calma, de energia constante. O silêncio engolfa o elevador quando chegamos ao nosso andar. Matt enfia as mãos nos bolsos da calça e olha para mim. O fato de que nós estávamos nos beijando calorosamente recentemente em público, em Nova York, de repente é a única coisa que eu posso pensar. Ele me pergunta se eu gostaria de ir até o terraço superior do edifício por dez minutos. Eu concordo. O sol está quase se pondo quando saímos. O grande terraço tem uma bela vista da cidade, especialmente no horizonte, laranja com o brilho do sol poente. Nós estamos lá e apreciamos a paisagem por um momento. Estamos em silêncio por um tempo, o tipo de calma onde você realmente não


precisa dizer nada, onde apenas estarmos naquele lugar já é suficiente. — Estamos na reta final agora. — Ele sorri, então olha significativamente no elevador atrás de nós e balança a cabeça. — Esta pequena fuga é agradável, mas não privada o suficiente para me satisfazer. Quero continuar vendo você o máximo que puder. Sozinho, Charlotte. Minhas bochechas ruborizam com as suas palavras. Pego meu cabelo quando ricocheteia com o vento. — Tenho certeza de que a medida que avançarmos na eleição nossos momentos se tornarão mais e mais fugazes, — Eu admito, rindo. — Não vou permitir que isso aconteça. — Ele mergulha as mãos nos bolsos. — Quero passar cada momento do meu tempo livre com você, e eu quero que você gaste o seu comigo. Eu me sinto tímida, de repente. — Você precisa dormir, — eu sussurro, atirandolhe um olhar de repreensão. Levemente sorrindo, ele estende a mão para escovar a parte traseira de seu polegar ao longo do meu. — Eu tenho notícias para você, Senhorita Wells, meu tempo livre é meu para fazer o que eu quiser. E eu pretendo estar com você em cada um deles. Oh deus, meu sexo se contraiu totalmente. Ele é tão sexy quando ele fala assim para mim. Estou ruborizada, incerta sobre continuar a jogar este jogo, especialmente quando está chegando perto do dia da eleição, quando o olho da câmera aumentara mais e mais sobre ele enquanto continua fazendo notícia e acumular eleitores. — Gostaria disso. Mas eu não sei se é uma boa ideia continuar a correr riscos... Estamos terminando isso em breve. — Dou um olhar tímido para ele. — Não estamos? Ele solta a mão, apertando sua mandíbula. — Assisti minha mãe tomar um banco traseiro para este país. Eu não posso permitir que você faça isso também, — diz ele. — Talvez eu não me importe de tomar um banco traseiro para o presidente... — Eu paro, de repente percebendo o que está saindo da minha boca. — Isso não está acontecendo. Nunca. — Seus olhos piscam, e fico muito chocada com a determinação em suas palavras e voz.


Eu rapidamente tento explicar. — Olha, as necessidades de uma mulher não devem vir antes de um país inteiro. Eu não iria esperar... — Você não precisa fazer isso por ninguém. Nem mesmo por um país. Eu não estou fazendo isso para você, não me peça para fazer isso. Nem eu, nem ninguém. — Ele olha para mim, em seguida, passa a mão pelo cabelo. — Deus. Você ainda tem muito pela frente, você tem muito a oferecer, você não merece passar por isso por oito anos, quatro anos ao menos... — Ele sai com os olhos escuros, como se odiasse lembrar. — Não seria um inferno se eu passasse com você, — sussurro. Somos interrompidos quando um dos nossos membros da equipe aparece no terraço. Damos um passo para trás longe um do outro quando ouvimos o elevador soar e depois Hessler vem instantaneamente para falar de negócios com Matt. O sorriso de Matt desaparece, e ele abre um botão na manga da camisa e dobra o punho da camisa enquanto escuta. Começando o trabalho sujo. Passo mais tempo ouvindo do que os cinco minutos que passamos juntos sozinhos agora, e então me desculpo rapidamente. Percebo a frustração em seu olhar quando saio, a forma como sua mandíbula aperta como se ele estivesse se impedindo de dizer algo.

30


NOTÍCIAS Charlotte QUASE NÃO DORMI. Eu continuava querendo ir para ele, porque abri uma ferida, lembrando como Matt ficou incomodado apenas pensando em mim na mesma situação que sua mãe uma vez suportou. Eu ficava pensando nele querendo passar mais tempo comigo, e eu continuei verificando minha agenda, fazendo outro X em outro dia com ele que nunca vou recuperar. Eu também recebi um telefonema da minha mãe, e se eu já não tivesse o suficiente na minha mente, esse telefonema também tinha me feito virar a noite toda. Ela está preocupada com os rumores e preocupada se eu poderia estar prejudicando esta campanha mais do que fazendo algo bom. — Metade da imprensa está especulando sobre vocês dois, — avisa. — Tem certeza de que não quer considerar desistir enquanto vocês estão em vantagem e Matt é o favorito do país, e voltar para Mulheres do Mundo? —Perguntou ela. — Eu tenho certeza, — digo a ela, mas ontem à noite, quando o sono me iludiu, com a avalanche de dúvidas que ela plantou foi como uma tonelada de tijolos em cima de mim. Esta manhã eu estou com pressa de ficar pronta. A TV está no noticiário local, e eu estou escutando parcialmente quando ouço meu nome sendo citado. Congelo no banheiro, onde estou aplicando maquiagem. Incrédula, saio do quarto e olho para meu rosto na tela da TV – uma foto minha de um anuário do ensino médio, outra de mim que está discretamente atrás de Matt em um dos eventos. Um círculo vermelho grande está em torno de mim e de Matt naquela foto. A próxima imagem que aparece é da minha mídia social que a equipe de campanha tinha. Estou de biquíni, com Kayla, Sam e Alan. Será que a imprensa tem acesso a isso através de outras mensagens nos perfis dos meus amigos? É um choque ver minha imagem na TV. Minhas imagens pessoais lá fora.


Verdade, mídia social é público. Mas na TV? Coloco o batom de lado na mesa de cabeceira, meus olhos arregalados enquanto escuto. Eles agora estão especulando sobre mim? Apenas eu? — Acho que haverá um romance...? — Talvez, Carl. Seus colegas em Georgetown descrevem-na como sendo uma menina doce, trabalhadora, que sempre fez a coisa certa. — O Presidente Lawrence ou como eles o chamavam, 'Law' Hamilton e o Senador Wells tinham uma amizade que remonta aos seus anos no exército, então talvez isso seja apenas uma amizade entre Matt Hamilton e Charlotte Wells. O tempo dirá. Lembro-me da última noite que passei nos braços de Matt. O quarto do hotel se torna pequeno e claustrofóbico. Estou tropeçando como uma bêbada, e a avalanche de medo que minha mãe plantou parece crescer mil vezes. Realmente, existem outras notícias a serem contadas. Passo pelos canais. Em outra estação, eles estão falando que Gordon ter um acordo para canalizar apoiantes dos candidatos Republicanos que perderam a sua candidatura à presidência. Em outro tem uma história sobre o Presidente Jacobs e sua mais recente ordem executiva. Eu lanço para outro canal, que está mostrando Matt falando durante um de seus compromissos. — Nosso país está à beira da transformação. — E a multidão, embriagada com ele, está delirando com o momento. Franzo a testa, marcho para o armário do hotel para procurar as roupas que eu embalei, e pego meu terno com a energia mais poderosa que diz que eu significo simplesmente negócio e isso é tudo o que quero dizer. Sou grata pelo resto do dia se concentrar em outro assunto. A campanha. Ainda mais grata ao descobrir que Matt tinha decidido cortar as asas dos especuladores. O comentário de Matt sobre a questão da nossa relação na TV naquela noite: — Senhorita Wells é uma velha amiga da família, e mais importante, ela é perfeita em seu trabalho. Obrigado. — E com um aceno e um sorriso, ele os deixa sussurrando e sorrindo. Alimentá-los com migalhas... mas por quanto tempo será o suficiente para saciar


seus apetites?

31

DEBATE Charlotte CAMINHO PARA o primeiro debate com Hessler e Alison, e chego ao evento bem a tempo de assistir Matt saindo do carro em frente a nós, as câmeras perseguindo ele como abelhas ao mel. Eu sei que fisicalidade é importante em debates e palestras. Matt não tem qualquer problema com isso. Ele caminha em linha reta, o casaco na mão, um rastro de pessoas atrás dele. — O que você fez para se preparar para isso esta manhã? — Qual é o seu plano para ganhar o debate esta noite? — Nenhuma preparação. Eu nasci para isso. — Seus lábios enrolam maliciosamente e então ele acena formalmente ao repórter. Nós seguimos pelo corredor de debate, preparando-se, vendo o palco e a sua posição à direita do centro, onde o presidente Jacobs estará. Há emoção no ar, a vibração tão carregada, você pode sentir a antecipação. Matt parece estar calmo, mas ele tem a sua cara de jogo. Eu sei que este não é um momento para mudar os planos ou repensar as estratégias; é um momento para se sentir confiante, calmo e estável. Carlisle, também, parece relaxado. Ele sabe que Matt faz bem este tipo de configuração. Ele tem uma força inata para se conectar com o público e os eleitores, até mesmo repórteres. Antes de o debate começar, Alison está tirando fotos como se fosse a última vez. Vejo-o ficar lá, composto e poderoso, cada palavra sai comedida e suave. Sei que ele está improvisando tudo; seus discursos são muito coloquiais, muitas vezes faz as pessoas sorrir, mesmo quando ele não está tentando ser engraçado. Ele é simplesmente natural e encantador quando conhece as pessoas, trata-os como


igual, algo que muitos políticos fingem fazer, mas na verdade não. Matt não tem nenhum osso político em seu corpo. E talvez isso seja o que acabe fazendo-nos perder esta eleição. Ele não quer fazer as coisas que Carlisle nos assegurou que tinha trabalhado para a campanha de seu pai, como o apoio com troca de futuras posições no governo. Matt não pretende vender nada. Ele quer que as pessoas trabalhem em altas posições devido ao seu valor, não porque ele precisa de seu apoio. Ele é o único candidato a financiar plenamente sua própria campanha. Todo o dinheiro da arrecadação de recursos passou a apoiar algumas das causas que ocupa alguma importância, fiquei surpresa quando recebi um telefonema da minha mãe, agradecendo a sua doação para Mulheres do Mundo. O calor está demais. Gotas de suor estão ao longo da minha testa enquanto os candidatos tomam suas posições. Matt está falando sobre os direitos das mulheres, e olha para mim brevemente antes de o assunto virar para direitos iguais para todos. Eu não posso acreditar quão ligada fico olhando para ele enquanto fala sobre sua visão e seus planos. Isso me estimula em todos os sentidos – mentalmente, emocionalmente e fisicamente. Ele fala do que eu espero para o futuro do meu país. Gordon continua, culpando os Democratas pelos nossos problemas, culpando todos, mas não fornece soluções. Ele fala duro, mas sua linguagem corporal diz o contrário; ele mantém os ombros nos ouvidos e fala com um tom suplicante. O moderador continua voltando para Matt. Ele tem uma linguagem corporal mais confiante e assertivo, a voz firme. A postura alfa é atraente, e Matt é um candidato muito simpático, sua voz mais firme e mais forte. As pessoas querem alguém que assuma o comando, que vai lutar por aquilo em que acreditam. Eles também querem alguém que possa manter a calma, alguém autêntico quando fala, como se ele não memorize o discurso. Ele olha com respeito os outros candidatos, ouve o que eles discutem sem revirar os olhos ou zombar – como Gordon faz. Gordon escuta com desdém ao que Matt e Presidente Jacobs dizem, mostrando abertamente seu ódio. Matt não interrompe seus adversários; ele está em silêncio, olhos focado e atento enquanto escuta, um ar presidencial já está nele. Eu amo como ele continua desmoronando os comentários sexistas de Gordon. — Como pode Matt Hamilton aqui, — Presidente Jacobs ridiculariza o nome, —


ser o comandante chefe quando ele nunca serviu no exército por um dia, enquanto eu servi quatro anos? — Matt? — O moderador pergunta. — Você se importaria de responder ao Presidente Jacobs? Matt sorri para o presidente, como se ele não tivesse sido insultado, então ele olha para o público e fala diretamente a eles. — Qualquer um que me conhece sabe que esta é uma das minhas maiores frustrações. Meu desejo era me alistar na Marinha, e foi o pedido do meu pai que eu o fizesse depois que terminasse minha graduação de Direito. O verão depois que me formei, meu pai foi baleado, e eu escolhi ficar aqui para apoiar a minha mãe, que temia perder-me em seguida. Há um silêncio completo. — Se você está questionando a minha capacidade de dar uma chamada dura quando é necessário ou comandar nossas forças armadas adequadamente, devo lembrá-lo, é você que teve ampla oportunidade para retaliar contra ataques terroristas e recusou... — Você está sugerindo que os Estados Unidos vá para a guerra? — Guerra, não. Eu não acredito em uma raça inteira pagando pelos erros cometidos de poucos. Mas eu acredito que nós temos mais músculos para empunhar do que o que temos empunhado até agora. Eles falam sobre imigração, impostos, e, em seguida, é claro, a questão da falta de uma Primeira-Dama de Matt é abordada. — Você está quebrando com a tradição! Os dignitários da Casa Branca precisam de uma anfitriã, — diz o Presidente Jacobs. — Quem seria eu para negar-lhes? — Matt sorri, e o público ri. Uma vez que o riso diminui, Matt fica sóbrio e se inclina para o microfone. — Ao longo de nossas presidências, tem havido um número de mulheres formidáveis que serviram como Primeira-Dama, sem ser casada com o presidente. Harriet Lane agiu como Primeira-Dama durante a presidência de seu tio, James Buchanan, e houve pelo menos doze outras que serviram em uma forma similar. Nessa qualidade, tenho mulheres incríveis na minha equipe, senhoras com classe e paixão e mais humanidade do que muitos de nós juntos. Ele olha para o centro da câmera. — E também acontece de eu ter uma mãe viva, que não só serviu como PrimeiraDama antes, mas continua até hoje a ser uma das mais amadas.


Há aplausos. — Então você teria uma Primeira-Dama não tradicional? Em uma idade tão moderna? — Pergunta Jacobs. Ele atira a Jacobs uma olhada. — Primeiro você me critica por não ter uma, agora você me critica porque eu acho que há vantagens em ter uma? A Primeira-Dama deve ser mais do que uma anfitriã bonita no braço do presidente. Eu prefiro me cercar de pessoas capazes que merecem o papel. As pessoas ficam em silêncio enquanto eles absorvem isso, mas a tensão é alta. Carlisle está franzindo a testa para mim como se ele não esperasse esta parte do debate. Ele se recupera rapidamente quando vê a reação na sala. Logo, os candidatos fazem suas declarações finais, com a declaração final de Matt. — Debates são cercados de divisões, sobre diferentes pontos de vista, mas existem algumas verdades universais que não podem ser negadas. A verdade universal de ciclos de primavera, verão, inverno, outono; a verdade universal da gravidade; e uma verdade universal que nós descobrimos desde o primeiro momento que nossos antepassados apareceram na terra há mais de seis milhões de anos – o homem se adapta. — O homem tem usado seu cérebro para enganar predadores que são mais forte, mais rápido, mais numeroso. O homem aprendeu a domar alguns desses predadores: os lobos se tornaram nossos amigos, os animais foram criados para alimentação. O homem aprendeu a cultivar, alimentando milhões onde antes alimentavam menos de um quarto disso; o homem inventou abrigo, roupas, armas, escrita, comércio, arquitetura, que desafiou suas capacidades físicas e, agora, uma rede e infraestrutura que conecta todos nós. Planos, tradução, a internet. Estamos mais entrelaçados do que já fomos. — Então, por que nós ainda estamos divididos? — Vivemos em um mundo onde ainda existe o racismo e a pobreza. Vivemos em um país onde ainda há oportunidade desigual para todos nós... Um mundo onde milhões de nossos filhos continuam sem educação. Eu sou a possibilidade de cada americano encontrando realização em sua vida – fazendo a diferença para os outros e para si mesmos. Não consigo recuperar o oxigênio. As declarações de Gordon e Presidente Jacobs parecem estúpidas agora. Focados apenas em pequenos pedaços do que Matt


acabou de nos lembrar, é na verdade, um mundo vivo e respirando.

ESTAMOS na suíte de Matt em Dayton, Ohio. A boa notícia é que não só é o primeiro debate como também Carlisle está excitado. A cobertura da mídia que influencia os eleitores realmente parece pró-Matt. — Estou muito velho para toda essa excitação, — Carlisle diz, suspirando exausto, mas feliz. Trago-lhe um café quente. — Na sua idade, a maioria dos homens concorre para presidente. — Eu sorrio e lanço um olhar para Matt, notando que ele sentiu a piada vinda em sua direção e está sorrindo para si mesmo. A imprensa tem especulado interminavelmente que ele é muito jovem para ser presidente. E ainda hoje ele era o único homem no palco. Carlisle ri da minha piada com a idade de Matt. — Eu já coloquei um no lugar e estaria muito feliz com minha empresa de consultoria, se não fosse por este. — Ele dá um sinal de positivo com o dedo para Matt enquanto se dirige para a janela. — Ele atraiu você, — eu digo. — Ele atraiu você, — contraria Carlisle. Eu sorrio. — Ele é o único, — ele diz com convicção firme. — Se eu não puder levá-lo para a Casa Branca... — Ele vai concorrer novamente. — Menina, eu tenho uma doença cardíaca. Mais um é tudo o que posso tomar. — Ele dá um tapinha em seu estômago como se seu peso fosse o culpado pelo seu problema de coração, o que poderia estar certo, e me acena com a mão. Ando até Matt e fico ao lado dele, e nós olhamos pela janela por um momento. Sei que nunca vamos chegar perto o suficiente para que sua respiração se confunda com a minha. Então, só fico o mais próxima dele possível de um modo que não me queime.


32

SENHORA HAMILTON Charlotte ESTAMOS FAZENDO uma parada em D.C. mais uma vez. Carlisle e Hessler estão reunidos com um par de delegados esta noite, e eles me pediram para acompanhar Matt para um jantar com sua mãe e seu avô. — Esse velho idiota, pelo menos, segura a língua com alguém que ele considera um estranho. — Carlisle me diz. — Você odeia o Sr. Hamilton? — Pergunto-lhe quando andamos para a reunião de avaliação esta manhã. — Eu admiro muito ele. Só quero que ele saia das costas de Matt; já temos o suficiente. Você percebe que ao obter a liderança nas pesquisas, estamos realizando algo que nunca foi feito? — Matt sabe que você me quer lá? — Claro que ele sabe. Ele é o único que sugeriu isso. — Oh.


Meu pobre coração dá uma guinada, porque de repente tenho a certeza que Matt orquestrou tudo isso para sua vantagem em primeiro lugar. Carlisle assente em demissão e me apresso para terminar de me certificar que temos o resultado da votação em cópias para cada gerente e diretor da campanha que vai assistir à reunião desta manhã. Recebo um chute de emoção com o pensamento de encontrar uma mulher que tem sido adorada pela mídia durante anos. — Eu poderia estar menos apreensiva em conhecer a rainha do que a sua mãe, — eu digo a Matt naquela noite enquanto ele me leva para sua casa. É a primeira vez que verei a mãe de Matt em pessoa, e estou impressionada com sua beleza e classe. A primeira e única Eleanor Hamilton. Ela é tão polida e elegante como Matt é; seus olhos escuros e cabelos vêm dela. Minha mãe sempre a admirava - todo mundo a admirava. Ela e Matt são a personificação da força sob a adversidade. — Charlotte, é muito bom finalmente conhecê-la. — Sua voz é suave e quente enquanto ela pega a minha mão. — Eu posso ver porque todo mundo está tão atraído por você. Sorrio, mas sinto pontos de calor em minhas bochechas quando ela olha para Matt. A decoração em sua casa é moderna e elegante também. Pisos de madeira. Tapetes intocados com uma pitada de fios de ouro num padrão delicado. Os papéis de paredes são suaves como obra de arte. Eu realmente não tinha notado que eu não conseguia parar o que quer que tivesse começado. Bem, veja como isso foi. Um frio corre pelas minhas costas quando ouço o avô de Matt. — Matt. — Ele bate nas costas de seu neto e me ignora. Matt leva-me pelo braço e me traz um passo à frente, sua voz severa e baixa. — Charlotte, avô. Você a conheceu algumas vezes durante a campanha. — Ahh, sim, Charlotte, — diz ele secamente. — Senhor. — Retorno seu aceno. — Eu estou dando-lhe um passeio pela casa, — Matt diz a sua mãe. — Primeira vez aqui? Eu não acredito nisso, — diz o avô. Matt ignora e me leva até uma sala com painéis de madeira de frente para uma janela com vista para Washington.


À sua direita, há uma grande sala com vista para a Casa Branca. — Uau. — Eu tenho dificuldade em encontrar a minha voz, meus olhos arregalados quando percebo a majestade da casa presidencial, iluminada à noite. — Deve ser difícil acreditar que você viveu lá uma vez. Sinto-o dar de ombros ao meu lado, com a voz baixa. — Na verdade, é mais difícil de acreditar que este é meu ponto de vista agora. E às vezes ainda mais difícil pensar que eu nunca vou vê-lo novamente. Eu não posso evitar, pergunto: — Alguma vez você já quis saber por que isso aconteceu? — Pergunto-me isso a cada dia. Vem. Ele me leva para o quarto; a vista do terraço é arrebatadora e sem fim. — Tudo isso representa liberdade e esperança, — eu digo, sinalizando para D.C. — Como você pode ainda acreditar na justiça depois disso? — Você acabou de fazer. — Ele abre a porta de vidro. — Você pode sentir o cheiro no ar. — Já tentou descobrir? — Eu tentei. Porque, porque e pode ter sido uma encomenda. Eu penso nisso constantemente. Eu sonho com a cena, mais e mais, mas eu não quero viver nesse lugar. — Ele aponta a seus pés. — Eu quero viver no agora. — Ele aponta para fora da janela. — E isso é onde estamos indo. Isso é onde minha cabeça está no agora. — Eu posso dizer pela sua expressão que ele está sendo puxado pelas memórias. — Naqueles primeiros meses, eu estava consumido com isso. Os investigadores misteriosamente desapareceram ou foram substituídos por uma nova equipe. Minha mãe não conseguia dormir sem ajuda médica. Seu maior medo é me perder também. Sua esperança era que eu seria um advogado. — E sua? — Minha esperança? — Ele pergunta, aparentemente surpreso que eu ainda tenho uma pergunta. — Nossas esperanças mudam, não é? Como os nossos caminhos se desdobram. Agora é fazer o que ele queria que eu fizesse, algo pelo país. Eu ouço vozes na sala de estar. — Por que seu avô não gosta de mim? — Ele não gosta de quem fica em seu caminho. — Eu não estou em seu caminho; tento ficar longe dele tanto quanto eu posso. — Eu rio.


Os lábios de Matt contraem sardonicamente. — Você é mais uma ameaça para a minha candidatura do que qualquer dos candidatos reais. — Como pode ser possível? — Sinalizo para mim mesma. — Eu não sou ninguém, não tenho aspirações políticas. Ele bate com a ponta do dedo na ponte do meu nariz, que me parece estar amassando. — Você está me distraindo. — Um décimo do que você está, no máximo! — Gemo. Ele ri. Voltamos para a sala de estar e tomamos uma bebida com o avô e a mãe de Matt. Eu observo que a conversa é tensa; acho que o fato de Patrick e Eleanor serem tão opostos agora é uma das razões por que a tensão está tão espessa no ar. Mal posso tomar uma boa respiração. Mesmo Jack – que está descansando à beira da lareira na sala de estar parece estar um pouco mais alerta, a cabeça inclinando como se ele estivesse tentando acompanhar a conversa. Matt parece estar acostumado com isso, no entanto, e uma vez que Patrick vai embora, eu relaxo um pouco. Peço desculpas para ir ao banheiro, deixo Matt sozinho por um momento com sua mãe. Ouço-os falando quando volto. — Eu vejo a maneira como você olha para aquela menina e me pergunto por que concorrer, por que não se acalma? — Sua mãe está pedindo a ele. Matt suspira e fica olhando para fora da janela. — Se eu não concorrer, a morte do pai terá sido por nada. — Não, isso nunca poderia ser por nada, — sua mãe diz apaixonadamente, indo até ele. — Pode ser para nada se não mudarmos e tudo permanecer o mesmo, — Matt diz a ela com um suspiro. Ele a abraça de lado e beija sua testa, e ela repousa a cabeça em seu ombro. Há um poderoso vínculo mãe e filho muito suave. Ela parece mais velha e frágil, quando está ao lado dele; sua força é notável em comparação com a sua fragilidade. Em uma entrevista, a mãe de Matt confessou que no dia do tiroteio, ela pensou que tinha perdido os dois. Quão devastador deve ter sido para ela! Ela deve estar com medo porque o atirador nunca foi pego.


O assassinato do Presidente Hamilton passou a ser um mistério por resolver, como tantos assassinatos políticos antes disso. Depois de tanto sofrimento, no entanto, a mãe de Matt é ainda tão refinada. Há uma força sob a seda. Suas roupas farfalham quando ela retorna para sentar no sofá da sala de estar. Depois, há confusão na voz dela enquanto olha para as costas de Matt. — Você teve uma vida difícil lá, dando o seu pai para a melhoria do povo. Dificilmente teve qualquer privacidade, sem normalidade, mesmo quando eu tentei tanto dar a você. Por que você quer voltar? — Você não quer voltar? — ele pergunta a ela, parecendo confuso quando ele se vira e caminha para ter um assento ao lado dela. — Cuidar das suas tulipas? Galas eram sua vida. Você foi a melhor Primeira-Dama que este país já viu. Você não quer preencher aquela fonte da frente com patos de novo? Chegar com o Marine One no gramado sul da Casa Branca toda iluminada durante a noite? Seus olhos lacrimejam e ela dá um tapinha de leve nos cantos para mantê-los secos. — Eu quero ver os navios que papai tinha lá nas paredes do Salão Oval novamente. Eu quero estar no outro lado da mesa de papai, fazer as chamadas que ele nunca pode fazer. — Matt! — Diz ela. — Foi a sua casa durante sete anos. — Ele espera um momento. — A Casa Branca não é apenas a Casa Branca, mãe; eu vejo isso agora. A Casa Branca é o mundo. Ajude-me a mudá-lo. — Eu sei o que você está pensando. Todo presidente viúvo ou solteiro teve que fazer algo em relação à Primeira-Dama. Ouvi você no debate. Mas Matt, eu não posso agir como Primeira-Dama mais. — Ela se levanta, em seguida, coloca a mão no topo de sua cabeça, como ela provavelmente fez quando ele era um menino. — Por favor, repense isso. A Casa Branca é apenas a Casa Branca. Aqui fora, você pode ter uma vida. Ela olha para mim quando entro na sala em silêncio, sem saber se eu deveria ficar quieta ou deixá-los saber que estou aqui. — Eu sei que você quer uma, — ela diz a ele, ainda olhando para mim. Beijando sua testa e agarrando sua bolsa de grife cintilante, ela sorri radiante para mim, como uma rainha recebendo seus rolamentos. — Então, prazer em conhecê-la, Charlotte.


Matt passa as mãos pelo seu rosto enquanto ela sai, e por um longo momento, sento-me com Matt na sala, deixando-o recolher seus pensamentos. — Charlotte, você poderia reorganizar as coisas e me dar alguns dias de folga? Eu preciso ficar sozinho. Eu preciso pensar. Sobressalto-me com seu pedido, não esperava por isso. — Claro. Claro, Matt. Ele olha para o relógio. — Nós provavelmente devemos levá-la para casa. A mídia vai contar exatamente quantos minutos você permaneceu em minha casa depois que minha mãe a deixou. Fico em pé rapidamente. — Espera. Não tão rápido. — Ele pega a minha mão e me puxa para baixo novamente para que eu tome um assento ao lado dele. Meu coração começa a bater descontroladamente no meu peito. — Desde que eu vi você caminhar através da porta da festa inaugural da campanha, ninguém mais vale a pena pensar. A partir do momento em que começamos a conversar, eu sabia que queria você ao redor. — Ele me puxa para mais perto. — Eu quero um beijo agora. Com esforço, levanto Jack pelas patas e ele lambe os lábios de Matt e Matt ri e limpa a mandíbula e a boca, acariciando o topo da cabeça de Jack enquanto ele me lança um olhar. — Correção, eu quero o seu beijo agora. Eu sei, mas eu não posso resistir a provocá-lo, então me inclino e beijo sua mandíbula, sentindo o calor da cabeça de Jack entre nossas barrigas quando ele se instala no colo de Matt. — Não me beije como você beija seu pai. Beije-me como beijaria seu amante secreto. Assim. — Ele segura meu rosto em uma mão e pressiona a boca para a minha. Ele abre meus lábios com os seus. Um beijo lento. O tipo que enrola seus dedos do pé e faz todos os sentidos ficarem intensos. Eu respondo, tomando seu queixo em minhas mãos, sentindo seus músculos flexíveis sob as palmas das mãos enquanto ele move a boca sobre a minha, sentindo a sombra da barba em sua pele. Ele diz, — Hmm, — e aprofunda o beijo enquanto o beijo suavemente de volta. Minha boca está molhada e inchada e formigando quando tomo distância. — Venha aqui, — diz áspero. — Jack, sai, — Matt ordena. Jack vai para o seu lugar ao lado da lareira e eu de alguma forma acabo no colo


de Matt, e nos beijamos de novo, mais profundo, mais pesado, a respiração começando a ficar intensa. Ele parou, ou fui eu, me pergunto aturdida alguns segundos mais tarde. Suas mãos estão em meus quadris e ele está olhando para mim com olhos escuros. — Acho que é drasticamente inconveniente que eu pense em você nos momentos mais inoportunos. Como vou governar um país quando eu não posso controlar os meus próprios pensamentos sobre você? — Todo momento em que você pensa em mim não pode ser inoportuno. Tem de haver algo de bom. — Verdade. — Ele franze a testa enquanto pensa sobre isso. — No chuveiro, e ainda mais definitivamente na minha cama. Fecho meus olhos bem apertados. — Não ponha essa ideia na minha cabeça. Ele ri. — Como se ela não estivesse lá. Estou corando. Eu amo quando seus lábios cheios sorriem com humor e um sorriso se espalha e ilumina seus olhos. Mas então seu queixo quadrado fica tenso visivelmente. Ele se inclina para frente e move sua boca sobre a minha, devorando. Sua boca diminui, torna-se mais suave e ainda mais firme. Ele se retira, deixando minha boca ardendo em fogo. Sinto algo cru, vulnerável, e eu não quero que ele veja. Então eu fecho meus olhos e beijo-o suavemente. Seus lábios deixam os meus para mordiscar minha orelha, e depois quando tento recuperar o fôlego, sua língua vem e pasta sobre a minha, brincando, degustando, acariciando. Ele inclina meu queixo e me obriga a encontrar seu olhar. — Eu não me importaria de acordar com o seu rosto todas as manhãs. — Eu posso ver pela dobra de seus olhos que ele está sorrindo. Sorridente quando olha para mim, mas então seu sorriso desaparece, e eu sei no que ele está pensando. Ele não quer uma mulher. Não alguém a longo prazo. Não na Casa Branca. Quero dizer-lhe que estou disposta a tentar, que eu estaria disposta a ficar atrás dele, apoiá-lo, não pedir mais do que ele poderia me dar. Em vez disso eu tenho medo de que estaria mentindo, que eu realmente não teria nenhuma ideia no que estaria me metendo, que eu poderia ressentir-me dele e ansiar seu tempo e sua atenção, seu amor e conforto, coisas que um homem normal daria prontamente à


mulher que ama. E então, lhe digo: — Você tem muito em suas mãos, não há espaço para mim em sua cama. Somos um casal perfeito, na situação mais imperfeita. Ele não será um homem que vai estar lá para sempre me dar um beijo de boa noite. Não como o presidente. Se eu pudesse desejar uma coisa, eu gostaria de ouvi-lo dizer que me ama. E ele nunca fará. Ele não pode. Ouvindo a forma apaixonada que ele falou com sua mãe sobre o retorno à Casa Branca, vejo isso claramente: ele tem uma missão, uma vocação, e nada vai impedi-lo. Você já amou tanto alguém que doeu como o inferno? Eu não tinha até agora. Saio do seu colo e ficamos lá sentados tranquilamente. Nos conhecemos onze anos atrás, quase doze agora. Nesse meio tempo, parece que ele nunca saiu da minha cabeça. E me pergunto se já estive na dele. Por um momento, pelo menos. Até que ele me viu de novo na festa de inauguração da campanha. Não há necessidade de falar. Meu conhecimento sobre ele é mais profundo agora do que quando começamos a campanha. E ele me conhece. Ele sabe que eu tenho medo de altura e ainda assim eu não consigo me impedir de segui-lo para lugares altos. Ele sabe que eu tenho uma fraqueza por crianças e animais e sou tão protetora sobre minha privacidade como ele era quando seu pai era presidente e ele foi empurrado para o centro das atenções. Ele sabe que talvez eu suporte esta situação só porque eu quero estar perto dele e porque ele está certo: eu amo o meu país e eu quero fazer o que puder para torná-lo um lugar melhor, se não fosse por mim, para as crianças e animais que eu tanto amo.


33

SAIR

Charlotte ESTOU ORGANIZANDO sua agenda para que ele possa tirar três dias de folga. Já é de conhecimento que os Hamiltons têm uma enorme mansão em Carmel e o imagino lá, pensando, tomando banhos de sol, talvez encontrando-se com seus amigos, limpando a cabeça de tudo, quando chega uma mensagem no início da segunda-feira.

TIRANDO MAIS UM DIA DE FOLGA. Você vai ter que lidar com as coisas por aí. M

Eu respondo:

CONTE COM ISSO.

SUSPIRO e deixo o meu telefone de lado, preocupada. Após o debate, Gordon e Jacobs estavam atacando Matt implacavelmente.


Estamos chegando mais perto do dia da votação, e ele perdeu dois pontos nas últimas pesquisas por conta de uma campanha implacável contra ele de ambas as partes. Presidente Jacobs o acusa de ser um namorador sem os valores da família, com nenhuma mulher. Gordon o acusa de ser um playboy, listando dezenas e dezenas de mulheres que ele teve um caso, alegando que sua fobia de compromisso é um indício da sua incapacidade de ficar em algo. Se ele não pode se comprometer a uma mulher, como você pode esperar que ele se comprometesse com um país inteiro? Engraçado, isto vindo de um homem que teve quatro mulher. E nessa lista de mulheres, é claro, ele me menciona. Charlotte Wells. Como é ridículo Matt considerar trazer uma inexperiente de vinte e poucos anos de idade para a Casa Branca. Gostaria de saber se Matt viu tudo isso, e o que ele pensa. Imagino-o, dizendo: — As pessoas vão pensar o que querem pensar, — e deixar por isso mesmo. Mas eu não posso sentir o mesmo. Eu sinto um arrepio de humilhação quando penso em duas coisas. No que as pessoas acreditam. No que meus pais vão estar expostos se Matt e eu continuarmos brincando com fogo. E de perder para os dois homens que não merecem o lugar que eu acredito que meu candidato merece. Meus pensamentos estão correndo perigosamente quando abro meu computador e há um fluxo de notícias. Fotos de mim e de Matt correndo... De Matt comprando sapatos para mim... De Matt olhando para mim durante eventos de campanha... Continuo esperando, temendo que alguém tenha uma foto nossa se beijando em Nova York. Mas não aparece. Eu continuo vendo, mas ainda não aparece. Eu não posso continuar com a culpa e a preocupação, de que tudo irá se foder em um segundo. Fecho a aba de notícias, minha garganta apertada enquanto abro um novo arquivo no computador. Meus dedos estão tremendo, mas em meu coração, por baixo da dor, eu sei que isso é o que eu preciso fazer.


ANDO ATÉ O escritório de Carlisle naquela noite. Sento-me e deslizo o papel sobre a mesa. A carta está de frente para ele, mas ele não a lê; seus olhos estão fixos em mim. — Minha demissão, — digo em voz baixa. Ele lê, sua expressão opaca, então ele abaixa o papel e gira em torno de mim. — Você tem certeza sobre isso? — Ele coloca uma caneta ao lado, para que eu possa torná-lo oficial e assiná-lo. Fico olhando para ele e minha garganta começa a fechar quando leio minha carta de demissão. Matt tinha um monte de coisas para pensar. E eu não sabia que, na sua ausência, eu também teria. — Eu não poderia me perdoar se ele perder a eleição por minha causa, —digo a Carlisle. — Eu conheço Matt. Eu o conheço desde que era um adolescente nos ajudando com a campanha de seu próprio pai. — Ele aperta os lábios. — Ele não vai aceitar sua demissão, — acrescenta. — Ele tem que aceitar. Você precisa fazê-lo ver com razão. Carlisle, estamos tão perto de ganhar; nós estamos falando sobre a diferença que poderia fazer não para uma pessoa, para milhões. — Eu sei, eu sei, caramba. — Ele suspira, coloca as mãos nos bolsos, e olha para mim. — Mas ele quer o que ele quer. Ele quer você na campanha. Todos concordamos. — Ele balança a cabeça. — Nós vamos tirar o que quer que venha em nosso caminho; você não vai ser um bode expiatório. Matt não vai permitir isso, ele mesmo disse. Engulo. — Não estou preocupado comigo, estou preocupada com ele. — Esse é meu trabalho, menina. — Ele se levanta e me dá um tapinha no meu ombro. — Não pense que só porque Matt é um cara legal, que ele não está disposto a descer e jogar sujo com eles, se ele precisar. — Isso não é o que ele representa; isso não é o que ele acredita. Carlisle se inclina para trás e me olha com atenção. — Eu te julguei mal, Charlotte. — Ele sorri para mim, e acena com a cabeça de novo quando finalmente aceita minha carta de demissão. — Obrigada; isso significa muito vindo de você. Eu aprendi muito nestes últimos meses. — Hesito na porta, mas, em seguida, volto para dar-lhe um abraço. —


Obrigada por me dar uma chance, com inexperiência e tudo. — Bem, você era inexperiente apenas uma vez, e agora você não é mais. — Ele sorri para mim com a maior ternura que já vi enquanto pega minha carta de sua mesa e desliza-a no topo de uma pilha na gaveta direita. — Nós vamos lidar com isso de forma discreta, — diz ele. — Rhonda pode ser a programadora. Vamos dizer que você decidiu continuar a trabalhar e fazer a diferença nas Mulheres do Mundo. — Obrigada, e não se preocupe em falar com a mídia, — eu digo quando ando para a porta, de repente sobrecarregada com tristeza. Arrumo minhas coisas só depois de todos saírem do edifício para que não haja perguntas que eu não posso responder. Não posso acreditar que estou desistindo dele. Eu não posso acreditar que não serei capaz de ficar e ver isso. Tudo o que eu queria fazer foi agora reduzido no fato de o melhor a fazer é desistir? Estou desapontada que deixei minhas próprias emoções egoístas ficar no caminho. Mas eu não posso me arrepender do tempo que passei com ele. Vou até a mesa de Matt e removo o broche que sempre usei. O broche que homenageia meu presidente favorito, e que estou esperando que seu filho substitua. Coloco-o sobre a mesa e espero que ele saiba o que isso significa... Bem, isso significa que estou saindo porque me importo. Naquela noite, eu faço o que minha mãe tem implorado que eu fizesse. Pego minhas coisas e vou dormir na casa dos meus pais. Quando ela entra no meu quarto, há um longo silêncio entre nós. — Você quer falar sobre isso? — Ela pergunta baixinho. Balanço minha cabeça. Uma lágrima desliza pelo meu rosto. Rapidamente limpo a lágrima. Dou de ombros e olho para fora da janela, segurando as outras lágrimas. Ela calmamente vem e me abraça em seus braços quentes. — Você está fazendo o que você precisa fazer. A política não é para os fracos de coração, — ela me tranquiliza. Eu sei que ela sabe que me apaixonei por ele. Ela veio e me avisou desde o início. — Eu sei. — Eu aceno. — Eu sei, é por isso que eu nunca realmente quis até... bem, até ele. — Você fez a coisa certa. — Ela aperta meu ombro. — Então, muitas carreiras em torno da política têm sido arruinadas por um escândalo e...


— Preciso da sua ajuda. Por favor. O que eu faço? Eu só não sei o que fazer... Eu não quero estar apaixonada por ele para sempre. — Nada, Charlotte. Você continua como se nada tivesse acontecido. Na segundafeira, você volta para Mulheres do Mundo. Você vai sorrir, você vai pensar nos outros, você vai esquecer isso, você vai esquecê-lo. Vocês dois... Eu não posso falar em voz alta, enquanto estou tão impotente durante esse momento em que tudo o que eu queria era os braços de Matt em torno de mim e nada mais. Durante uma de nossas conversas mais confortável durante todos esses meses de campanha, Matt uma vez me disse que uma mentira marca para sempre o público. Você não pode mentir, nunca. Torça as verdades, talvez, brinque com as palavras... mas uma mentira, nunca, jamais. Saí para que ele não tivesse que mentir sobre mim. Quando a minha mãe sai, tomo um banho extra longo no meu velho banheiro, então entro no meu pijama mais quente e vou para a cama. A mesma cama onde eu fantasiei sobre Matthew Hamilton a primeira vez. Estou tão confusa, me sinto pesada, como se o ódio do mundo estivesse nos meus ombros. — Aqui, gatinha, — chamo minha gata. Doodles é uma bola de pele branca enrolada no parapeito da janela. Ela não se move do seu lugar. — O que? Você vai me dar o tratamento do silêncio, porque eu estava fora por tanto tempo? Oh, vamos lá, Doodles, eu preciso de um abraço agora. Nenhuma resposta. Abraço meu travesseiro, e, eventualmente, sinto minha gata se juntar a mim na cama no meio da noite, quando ainda estou acordada, olhando pela mesma janela.

MÃE PENSOU QUE É melhor esperar uma semana antes de voltar ao trabalho, apenas no caso de qualquer imprensa vir bater à nossa porta de escritório. Ela quer me proteger disso, e eu quero proteger Matt disso, então eu concordo.


Naquela noite, jantamos – meu pai, minha mãe e eu. — Eu acho que você deveria voltar a morar com a gente por um tempo. Até tudo isso se estabelecer. — Não há nenhuma poeira para assentar. — Balanço minha cabeça com firmeza para a minha mãe. — Eu vou voltar para meu apartamento amanhã. No momento em que chega a sobremesa, verifico a hora novamente. — Existe algum lugar que você precisa estar, Charlotte? — Meu pai perguntou. Ele soa terrivelmente exasperado. — Não eu, Matt, — Distraidamente respondo quando olho para a televisão na sala de estar. — Ele tem um compromisso esta noite. Tenho certeza de que vai ser transmitido pela televisão. Pego o controle remoto no topo da TV e percorro os canais. Carlisle é exibido na tela, ali de pé, em vez de Matt. — Desculpas, amigos e simpatizantes, esta noite foi necessário que Matt cancelasse. Estou aqui para responder a quaisquer dúvidas que possam ter... Ele cancelou? Estou chocada. Ele nunca cancela. Mesmo quando ele tinha uma dor de cabeça, ele simplesmente acabava com todos os Advils que colocava na sua mesa. Largo o controle remoto e vejo como Carlisle começa a responder a perguntas. E se alguma coisa deu errado? Quero chamar Carlisle, mas ele está claramente ocupado. Se eu chamasse Hessler, ele me diria? E talvez Mark ou Alison – será que qualquer um deles sabe? Pego meu telefone e rapidamente passeio pelos meus contatos, minha mão tremendo. — Venha tomar chá conosco, Charlotte, — minha mãe chama. A campainha toca e minha mãe se vira. — Jessa, querida, você pode ver quem está na porta? Jessa corre da cozinha para a porta da frente, passando pela sala de jantar e pela sala de estar como sempre faz, então volta para onde estou sentada. — É o Sr. Matt, senhorita. A xícara de chá da minha mãe faz barulho, meu pai levanta a cabeça, e eu não acho que estou respirando. — Bem, não fique aí, faça-o entrar, — minha mãe insiste.


Eu estou no meio da sala, enquanto os meus pais parecem estar congelados em extremos opostos da mesa de jantar, quando Matt aparece. Eu não acho que estou respirando quando o vejo. Só não esperava vê-lo tão cedo. E de repente dói. Meus olhos doem. Meu peito dói. Tudo dói. Sinto como se algo estivesse apertando em volta do meu coração, e leva todo meu esforço consciente para impedir que meus pais percebam. Matt está vestindo uma camiseta preta e calças pretas, com o cabelo molhado da chuva lá fora, e ele nunca pareceu tão quente. Tão sexy. Tão no controle. Seus olhos encontram os meus, e depois de um breve olhar crepitante, ele olha para meus pais. — Senador Wells, — diz ele. A cadeira do meu pai chia quando ele levanta. — É um prazer tê-lo em nossa casa, Matt. Ele cumprimenta minha mãe, e ela o abraça com carinho. — Você chegou a tempo de tomar um chá ou café, — diz ela. — Você gostaria de algum? — Obrigado. Na verdade, estou aqui por Charlotte. — Seus olhos estão encapuzados misteriosamente, até o ponto onde eu não posso ler o que ele está pensando. — Isso é o que nós pensamos, — meu pai diz com um aceno de cabeça. — Obrigado, Matt, pela oportunidade que deu a ela, fazendo campanha para você; nós nunca a vimos mergulhar em qualquer coisa com tanta paixão. — É a ela que eu vim agradecer por seu apoio, — diz Matt. Seus olhos deslizam na minha direção e ele bebe-me como se a mera visão de mim fornecesse uma dose de vitaminas para sua alma. Coro num vermelho intenso com o pensamento enquanto meus pais sobem as escadas. Caio no sofá, e Matt toma um assento em frente a mim. A casa dos meus pais parece menor com ele dentro. Tão pequeno como senti quando seu pai e o Serviço Secreto estavam aqui, só que agora é só ele. Matt. Doodles está balançando o rabo, nos olhando. — Qual é o nome dela? — Matt estende a mão, palma para cima, e Doodles vai para ele, apenas com isso. — Doodles. Ele levanta a sobrancelha e sorri, puxa-a para cima, e a coloca no colo. Sinto-me quase devastada pela vontade de ir e substituir Doodles do seu colo e beijá-lo, mas o barulho vindo do andar de cima me faz lembrar onde estamos, que


estamos na casa dos meus pais. E de repente sinto falta de Jack tanto quanto sinto de Matt e seu toque. Eu sinto falta de tocá-lo quando não posso tocar em Matt, enrolando a mão na pele de sua cabeça e sentir o seu grande peso de cachorro em meu colo, tão confiante, que não há nada que eu poderia fazer de errado aos seus olhos. Aparentemente, ele compartilha isso com seu mestre. Oh Deus. Matt. Por que ele está me olhando assim? Por que ele está aqui? — Você não deveria estar aqui, — eu digo sem fôlego. — Você sabe que não deveria estar aqui. — Mas eu estou. — Ele coloca Doodles a seus pés e se inclina para frente, com um brilho de determinação nos olhos. Eu tenho que lutar por moderação para evitar ir direto para ele dizendo... Dizer o quê? — Como foi a pausa? — pergunto em voz baixa. Eu não quero que meus pais nos ouçam. Não quero que ninguém nos ouça. Parece que meu tempo com Matt é sempre roubado, e muito pouco desses momentos fico sozinha como ele. Eu valorizo nosso tempo juntos. — Fui ver o meu pai. — Há um traço de tristeza em seus olhos. — Eu sempre vou visita-lo no Cemitério Nacional de Arlington, quando preciso me sentir ligado aterrado. — Ele está acariciando minha gata com sua grande mão, mas seus olhos não me deixam, nem por um segundo, enquanto ele fala. — Então eu fui para a nossa casa em Carmel. Apenas para ficar sozinho por um tempo. — As coisas ficaram muito agitadas, eu sei, — eu digo. Quando ele fala, sua voz é quente. — Eu deveria concentrar-me na campanha e eu continuei pensando em você. — Seu sorriso é tão íntimo como um beijo. — Você pode imaginar a minha decepção quando eu voltei para D.C. para saber que você tinha ido. — Foi o melhor; você sabe. Seu sorriso de repente ganha uma centelha de erotismo. — Na verdade, eu não sei. — Matt, Gordon e Jacobs estão atrás de qualquer coisa que eles podem tirar de você. — E confie em mim quando eu digo que não vou deixar que seja você.


Expiro, em seguida, coloco meus braços em volta de mim. — Por que você saiu? — Ele pergunta. Tento manter o meu nível de voz. — Eu pensei que era o melhor. — Nunca. Essa é a última coisa que eu queria quando isso começou. — Seus olhos seguram os meus, um músculo trabalha na parte de trás da sua mandíbula. — Eu não quero que você saia. Se há alguma coisa, eu quero você perto de mim. Coro e tento manter qualquer conversa sobre a conexão entre nós de lado. — As pesquisas, Matt... — Dois pontos perdidos são dois pontos que posso ganhar de volta. Nós vamos ganhá-lo de volta. Você vai acumular minha agenda, mesmo se eu não dormir. Eu rio, mas ele não faz. Ele se inclina para frente, suas coxas esticando o material de seus jeans e o algodão dos ombros da sua camiseta. — Volte para a campanha. — Charlotte, — ouço Jessa dizer quando traz uma bandeja de chá da cozinha, — sua mãe queria que eu trouxesse isso. — Ela manda um olhar radiante na direção de Matt, cora como se ela tinha dezenove anos, ao invés de sessenta e três anos. — Obrigada, Jessa. — Obrigado, — Matt diz calorosamente, estendendo a mão para um copo e tomando um gole. Ela parece corar ainda mais quando ela volta para a cozinha. — Minha mãe vai estar preocupada com um escândalo. Você precisa ir, Matt. Levanto e puxo sua mão, forçando-o a soltar o copo, coloco-o na mesa, e ele pega meus dedos enquanto se levanta. — Posso contar com você? Sua proximidade de repente me engole. Cada átomo do meu corpo está acordado e movimentado com seu calor estar tão perto, a sensação de seus olhos no meu rosto, expectante, quente como o sol e apenas tão brilhante. — Sempre, — coaxo. Sua mão e a minha estão ligadas e queima. Ele sorri para mim, um sorriso deslumbrante, e aperta os dedos, olhando para mim com a expressão mais adorável no rosto. — Obrigado. Ele me solta e acaricia a gata uma última vez antes de caminhar até a porta, e eu ando com ele. — Obrigada por ter vindo. Vou levar minhas coisas de volta amanhã, — eu digo. — Amanhã é a gala... — ele começa, e o corto.


— Eu vou estar lá também, — asseguro-lhe, empurrando-o para fora da porta antes que ele possa me beijar. Mesmo um beijo na bochecha vai me devastar, e eu tenho medo de ceder ao impulso de fazer mais. Ele está sorrindo, divertido quando me vê fechar a porta. Fecho os olhos e inalo, odiando que eu sei a mesma coisa que eu já sabia: que ele nunca pode realmente ser meu. Mas, para citá-lo de volta, isso não me impede de querer ele.

34

GALA Charlotte A GALA DESTA NOITE parece ser a maior e mais movimentada de todas as galas que já foi realizada. Estamos no grande salão de baile do Hotel Jefferson.


A Casa Branca está tão perto, você pode praticamente sentir o seu poder de agitação e de afluência que o rodeia. Olhei para as suas colunas brancas quando cheguei, e não pela primeira vez me perguntei como a vida de Matt seria lá. Se havia alguma normalidade em tudo. O salão de baile está brilhando esta noite, todo mundo que é alguém está participando – de grandes industriais a artistas proeminentes, músicos, médicos e professores e minha atenção está focada em detectar apenas uma pessoa. O único. Estou em um vestido branco e meus olhos estão espantados com as luxuosas decorações que me cercam em minha busca da única coisa que mais quero ver. A figura do homem que deixa meu coração batendo assim. — Charlotte! — Alison lança-se e me abraça. — Uma visão em branco, eu aprovo! — Ela diz feliz, então se inclina para trás e levanta a câmera. Clique. — Alison, vamos lá! — Gemo, e ela me puxa para a multidão, onde digo olá para os meus colegas da equipe. Ninguém sequer chegou a perceber ou saber que eu tinha me demitido, e eu tenho certeza que foi a mão perita de Carlisle no controle de danos. Continuo procurando por Matt no outro lado da sala com meu coração batendo e um nó de antecipação nervosa no meu estômago. Parece uma eternidade até que meus olhos encontram a figura alta e escura de um homem e eles fica lá, absorvendo tudo o que é Matt Hamilton. Vestido em um terno escuro como breu e gravata preta, suas mãos com dedos longos e magros, balançando quando as pessoas andam para cumprimentá-lo. Os contornos de seus ombros pressionados contra o paletó. Ele está entre a multidão, perversamente bonito, com o rosto animado quando fala com eles sobre algo que está claramente apaixonado. O nosso país, eu sei... E então seus olhos se erguem e ele me vê através de um mar de cabeças. Os toques de humor em torno da boca e dos olhos desaparecem quando nossos olhos se encontram. A intensidade de seu olhar me atinge como um soco. Seu olhar é tão apaixonado, que envia um tremor através de mim. Quanto mais eu tento esconder o que eu sinto por ele, mais difícil isso me atinge. Eu olho para longe, em qualquer lugar, realmente.


Isso é quando os meus olhos caem sobre um casal entrando no salão de baile. Meus pais. Meus olhos se arregalam em surpresa. Minha mãe me vê e agita suas mãos como uma rainha em minha direção. Os olhos do meu pai estão em algo – em alguém. Estou tão surpresa que meu pai concordou em participar, isso me leva algumas piscadas para me certificar de que ele está realmente aqui. Sendo um Senador Democrata, é uma enorme prova de seu apoio para Matt. Enorme. Ao me aproximar para cumprimentá-los, vejo Matt fazer o mesmo. Sua caminhada é toda com confiança e vitalidade. — Senador Wells, — diz ele, quando cumprimenta meu pai. Seu aperto de mão é firme e rápido, cheio de graça e virilidade. Deus, a sua voz. Como você pode até mesmo sentir falta da voz de alguém? Um calor enche meu estômago quando vejo o respeito genuíno nos olhos dos dois homens quando se cumprimentam. Pensei que talvez meu pai estando aqui significasse que ele estava me apoiando quando resolvi me aventurar no mundo da política, onde meus pais sempre quiseram me ver. Mas quando os vejo, sei que o meu pai não só está aqui para me apoiar – ele quer que Matt vença. Saber que meu pai finalmente apoia Matt – e saber que Matt, sua campanha, o seu contato com as pessoas, ganhou-o como seu próprio pai fez todos aqueles anos atrás, faz com que minha admiração e respeito por Matt cresça. Estou morrendo de vontade de falar com ele, mas é impossível com ele sendo o centro das atenções. O centro de tudo. Ando para cumprimentar meus pais também, e eu sinto os olhos de Matt em mim. Por alguma razão, ele muda sua postura para ficar mais perto de mim quando é recebido pelo prefeito de D.C e sua mulher, e, instintivamente, eu permaneço onde estou e deixo-o me apresentar também. A conversa gira em torno de nós, e todo esse tempo, eu só estou ciente da baixa pulsação, maçante dentro de mim. Matt está casualmente ao meu lado, uma tensão quase imperceptível emana de seu corpo. Ele aproveita o momento em que está livre da atenção dos outros para olhar para mim. — Esse é um vestido muito bonito.


A sala fica um borrão em torno de mim quando me perco em seus olhos de café expresso. Quero levantar na ponta dos pés e beijá-lo, fazer o que uma menina faz com um cara que ela ama, dizer que senti a falta dele, que o quero, e que penso nele. Eu quero colocar sua mão no meu corpo. Isso é tudo o que eu quero. Apenas sua mão no meu corpo, mesmo se for apenas um toque suave. Ele estende a mão para pressionar os dedos na parte inferior das minhas costas para me guiar longe de alguém que quer passar. O movimento nos coloca em vista de um grupo de homens conversando, e um deles chama alegremente, — Matt! — E caminha imediatamente. — Ahh, sim, Congressista Sanders. — Ele cumprimenta o homem que se aproxima com um aperto firme de sua mão. Eles começam a conversar e entre as trocas, ele olha para mim por três segundos. Encontro o seu olhar e estou ciente dos nervos passando por mim. Subo na ponta dos pés e digo: — Quero meu broche de volta, — antes de passar por ele para dizer olá a alguém. Quando olho para ele minutos depois, ele está sorrindo para algo que alguém diz quando nossos olhos se encontram. Seu sorriso vacila por um minuto com o calor que rouba em seus olhos, mas ele consegue mantê-lo no lugar, mesmo quando ele olha para mim. O olhar em seus olhos me diz exatamente o que ele quer fazer comigo, como ele me quer. Cada parte do meu sexo sente. Sabe disso. Matt vai me foder sem sentido hoje à noite.

35

ENCONTRO SECRETO Charlotte WILSON ME LEVA para uma casa em Washington, D.C. Ele estaciona na frente de um belo arenito de dois andares, e por que o império dos Hamiltons consiste em uma vasta corporação imobiliária de bilhões de


dólares, eu presumo que pertence a Matt. Subo os degraus quando Wilson abre a porta e me deixa entrar. — Ele está lá em cima, — diz Wilson. Subo as escadas e vou em direção ao raio de luz que sai de uma porta aberta. Do outro lado da porta, Matt olha pela janela. Calças pretas cobrindo suas longas pernas, presas por um cinto brilhante e uma camisa branca de botões com os primeiros botões abertos, e ele segura um copo de vinho na mão. Ele se vira quando me sente – como não sentiria? E lentamente coloca o copo de lado com um tilintar. Fecho a porta atrás de mim e estou perdida no turbilhão de bronze em seus olhos. É como se eu estivesse em um subespaço. Não há pensamentos ou razão, só preciso... apenas calor e desejo e ele. Sombras dançam pela sala, brincando com a luz de velas. Matt aperta sua mandíbula quando olha para mim. Seus olhos brilham como fogo no meio da noite e ele começa a caminhar em direção a mim com tal propósito único de que eu faça o mesmo. — Amanhã, isso nunca aconteceu, — digo com urgência. Ele me pega pelas nádegas e levanta-me, minhas pernas enrolando em torno dele enquanto nossos lábios esmagam juntos. Uma parte de mim quer que Matt me diga que isso poderia funcionar entre nós, que embora eu seja uma garota normal e ele é um homem em circunstâncias extraordinárias, poderíamos trabalhar com isso. Mas ele não é um homem que você conseguirá manter. Assim, ao mesmo tempo, eu quero a sua garantia. Eu sei que é impossível. Eu sei que isto é tudo o que tenho – os poucos momentos que vou ter a sós com ele enquanto ele é apenas Matt. O homem pelo qual eu me apaixonei. — Você não consegue desistir de mim, — diz ele, aquela escuridão de seus olhos se intensificando. — Você não consegue se afastar de mim. Da próxima vez que você fizer isso, tudo que você terá que fazer é olhar para trás para perceber que estarei perseguindo você. Ele abaixa a cabeça novamente, abre meus lábios com os seus, e nossas línguas colidem. — Você não pode ter tudo, Matt, — respiro em sua boca. Estou beijando-o descontroladamente agora, sem restrição, mordendo os lábios um pouco quando


agarro seu cabelo. Seus olhos estão com as pálpebras pesadas enquanto ele começa a desabotoar a camisa. Ele parece quente como o calor em si, os lábios vermelhos de mim. Meu coração dá uma guinada quando ele abre sua camisa. Eu vejo uma extensão de pele bronzeada, suave e músculos. Ele dá de ombros fora de sua camisa, seus ombros e bíceps flexionam com o movimento. Estou tentando rapidamente abrir meu vestido. Encolho os ombros e o deixo deslizar pelas minhas pernas. Ele tira o cinto e cai com um barulho, e antes que ele possa remover suas calças, estou de volta nele e estamos nos beijando. Estamos nos beijando sem retenção, selvagem, nossas mãos e bocas umas sobre as outras. Ele geme entre seus selvagens, beijos ferozes, — Eu não posso mesmo encontrar as palavras para descrever quão perfeita você é. — Ele segura meu rosto e me beija, e seguro sua mandíbula e beijo-o de volta, então me afasto e com facilidade vou para a cama. Ele me segue. — Eu senti falta desses olhos azuis. E até mesmo senti falta do jeito que você enruga o nariz para mim. Eu enrugo meu nariz. Seus olhos riem silenciosamente, e rio em voz alta, mas ficamos sóbrios. Senti falta de seus olhos também. Minhas panturrilhas chegam a cama e ele chega em mim, sua mão enrolando em volta da minha cintura enquanto agarro o seu ombro para me preparar. Seu peito sacode com um suspiro, como se meu toque o chamuscasse. Ele está sorrindo enquanto me puxa para ele. Meu tronco toca o seu e fogo rasteja em minhas veias. Um tremor corre por minhas terminações nervosas enquanto seus dedos se espalham nas minhas costas. Pressionada contra seu peito, meus mamilos se tornaram duros como rubis. Eu quero que ele tire meu sutiã e os exponha para ele. Eu quero que ele tome-os em sua boca e os prove. Eu quero tanto ele, eu queimo por ele, em minhas veias e meu coração e entre as minhas pernas. Ele desliza os dedos no meu cabelo e exerce apenas a quantidade certa de pressão para puxar minha cabeça um pouco mais perto, mesmo quando ele inclina a


cabeça na minha. Um músculo vibra atrás de sua mandíbula enquanto ele aperta os lábios na minha bochecha, arrastando-os para baixo do meu queixo até meu pescoço. Sua respiração é quente na minha pele quando ele sussurra, — Perfeição. Antes que eu saiba, ele já tirou minha calcinha e está tirando meu sutiã. Tremendo quando um vento atinge minha pele, me inclino para trás na cama – nua. Deixando-o olhar para mim enquanto olho para ele. Seu corpo poderia estar na página central duma revista – e contudo é real. Está aqui, e é tudo meu. Uma última vez... Ele está em cima de mim no instante seguinte, com fome. Tão faminto. Ele chupa meu mamilo e separa minhas pernas com a mão, acariciando o interior das minhas coxas enquanto vai para cima. Eu nunca quis devorar outro ser humano da maneira que eu quero devorá-lo. Beijo sua mandíbula e balanço meus quadris para persuadi-lo a me tocar. Ele faz, em primeiro lugar acariciando com um dedo ao longo das dobras do meu sexo. Eu posso ouvir um som molhado, liso quando o dedo indicador trilhas para cima e para baixo, para cima e para baixo. Então, ele introduz a ponta em mim. — Deus... Matt. — Diga isso de novo. Diga novamente desse mesmo jeito, — diz ele, fazendo um caminho com beijos até meu outro seio e tomando o mamilo. Sugando. Lambendo. Banhando. Degustando. Minha voz fica por um fio. — Matt. Ele agarra meu cabelo e me mantém no lugar enquanto arrasta sua boca para baixo, seus ombros flexionando, à luz das velas fazendo amor com seu peito musculoso quando ele começa a beijar entre minhas pernas. Ele conduz sua língua ao longo das minhas pregas e eu gemo, sua língua imerge dentro de mim. Movimento-me urgentemente debaixo dele enquanto ele brinca com meu corpo em um frenesi, me deixando tonta. As almofadas dos seus dedos sobre as pontas dos meus seios, acariciando meus mamilos. Gemo no fundo da minha garganta novamente. Ele amaldiçoa baixo em sua garganta, indo para trás, e retira o resto de suas roupas rápido – sem tirar os olhos de mim. Deus, seu pau é tão grosso e longo, tão enooorme...


Ele rasteja sobre mim e eu estou ofegante, seus olhos explorando. Seus dedos curvam ao redor do meu quadril, segurando-me ainda. E depois de forma lenta, mas poderosa de seus quadris, Matt empurra dentro de mim. Eu quase gozo quando ele faz todo o caminho, cada polegada de seu pênis acariciando cada polegada do meu canal. Eu suspiro, segurando minhas pernas em volta de seu corpo de modo que meu sexo se agarra a cada polegada dele. Nós não estamos falando. Deixando não dito o fato de que estamos nos despedindo, roubando este momento, e nós dois parecemos querer saboreá-lo com todas as nossas sensações. Visão, audição, tato, paladar, cheiro. Movo-me com ele enquanto ele impulsiona propositadamente. Eu estou contorcendo e torcendo, beijando e tocando-o tanto quanto possível até mesmo quando Matt me beija e me toca. Ele faz o que qualquer homem vivo, que repira, e com sangue nas veias faria com uma garota como eu. Meus olhos seguram os seus, se agarram ao seu, ampliando enquanto levo-o dentro de mim – longo, duro, pulsando com a vida. Ele não tira os olhos de mim. Eles estão pesados e tão masculinos, e olhando para mim como se eu fosse alguma Mona Lisa viva, ou a Estátua da Liberdade que respira. Não há ar suficiente no mundo para encher meus pulmões no momento. Ele está respirando tão forte. Ele balança os quadris e continua entrando, me observando. Meu corpo se contrai com dolorosa necessidade, e cada vez que eu sinto-o se mexer – tão duro, tão grande, tão perto – fico mais molhada e úmida, absorvendo tudo. Os movimentos de sucção suave de sua boca nos meus mamilos enviam para meu sexo, que continua apertando ao redor dele. Corro os dedos pelo peito dele e deixo a minha própria boca vagar, degustando, degustando, degustando. Ele está quente, suado, e salgado. Ele geme e empurra para dentro, puxando minha cabeça para trás, vendo o arco do meu pescoço, e ele me diz para continuar a fazer esses sons, que eles estão o deixando louco. Eu sou a única que está perdendo a cabeça agora. Estou amando o jeito que ele geme, me olha, sente, saboreia, quando nos movemos sem controle. Ele entra em mim de novo, profundo e duro, com as mãos segurando-me pelos quadris, nossos quadris balançando, nossos corpos arqueando, e nossas bocas torcendo em torno de si. — Você está comigo? Charlotte, você está comigo?


Respondo-lhe com um sussurro, somente — sim — quando meu corpo se debate com o orgasmo. Ele pressiona um beijo na minha orelha, enrijece seu corpo quando ele goza também. Estamos respirando com dificuldade quando viramos de lado, um de frente para o outro. Ele se apoia em um braço. Eu não tenho energia para fazer isso. Mas com nossos olhos, estamos nos comunicando. — Matt... — Ei. — Ele leva meu queixo, sério agora. — Não pense sobre isso. Estamos tendo cuidado. Eu fecho meus olhos. Rolando em suas costas, ele exala e olha para o teto. — Quando toda esta campanha começou, eu não tinha ideia. — Ele olha para mim. — Não fazia ideia sobre você, C. — C? Você quer que eu te chame M? — Não, mas estou ansioso para ter uma grande ereção no dia em que você me chamar de Sr. Presidente... — Ele rola de volta para seu lado e toca entre as minhas pernas e eu realmente não posso reclamar mais. — Deus, Matt... — Eu sou um homem. Eu sou de carne e osso. E eu quero você. Você foi enviada para cá para me torturar? Enviada por Jacobs ou Gordon para me arruinar? — Você é o único que tem a ideia de me torturar. Fazendo-me viajar com você, sempre tão perto de você. O que você acha que isso faz comigo? Não faz o meu trabalho ser fácil. — Mas não é apenas sobre mim, Charlotte. — Ele olha para a janela. — Isso, desde o momento que decidi que isto é o que eu quero fazer acima de tudo. Não é apenas sobre mim. — Ele toma meu rosto na mão, alguma tortura silenciosa em seus olhos, mesmo quando ele move o dedo dentro de mim. — Eu sei. — Engulo, e meu rosto arde sob a sua palma da mão quente enquanto meu quadril se move involuntariamente. — Então tire a sua mão. Quanto mais eu ficar aqui, mais perigoso isso se torna. Ele move a outra mão para a parte de trás do meu pescoço, sussurrando quando ele esfrega o polegar sobre meu clitóris, — Eu vou, depois de você me beijar. Essa noite é sobre você.


Fecho os olhos, levantando a cabeça. Sua respiração banha meus lábios. — Você me faz querer ser a melhor versão de mim mesmo que jamais pude ser. — Ele lambe meus lábios. Beijo sua boca. Beijo sua boca e viro-o e me arrasto para baixo em seu corpo. Mais baixo. E mais abaixo. Trilho beijos na linha de cabelo escuro de seda que viaja por seu peito, a pele lisa acima do seu umbigo, e depois para baixo no tapete de cabelo que leva a seu pênis. O pego em minhas mãos. Cheio. Grosso. A coroa de seu pênis inchada ao máximo e gotejando de desejo por mim. Lambo a gota. Matt está me observando, um olhar predatório em seus olhos quando ele pega a parte de trás da minha cabeça e me puxa para mais próximo, mais perto de seu pênis, até que eu segure a base com as minhas mãos e leve-o em minha boca.

36

MANHÃ Charlotte EU DESLIZO em um moletom cinza confortável que pertence a Matt


enquanto tomamos café muito cedo na manhã seguinte. Eu estou enrolada no sofá enquanto Matt fica perto da janela, uma mão segurando seu café enquanto olha pensativamente para fora. Ele usa apenas as calças, e eu posso ver marcas de unha parte de trás de seus braços musculosos. Eu fiz isso? — Ainda estamos prontos para sair para a última parte da campanha na segunda-feira? — Ouço-me perguntar. Ele se vira para mim, sua expressão pensativa. — Tudo pronto. — Ele faz uma pausa, sua voz mais rude. — Você percebe o quão difícil é dar tudo de mim nessa última parte da campanha quando eu sei que se eu ganhar, eu perco você? — Você iria concorrer novamente. Se você perder. Ele aperta a mandíbula. Eu rapidamente tento me desviar das lágrimas e fortaleço minha voz. — Matt, eu estava nos bastidores durante meses, olhando para mil e um estranhos, e eu percebi que todos nós temos algo em comum. Você. Você é como uma parte da história deste país. Você representa um momento doloroso, e a força para continuar e prosperar. Você inspira as pessoas apenas por ser quem você é. Matt. Vou até ele, e ele coloca sua caneca de café de lado. Ele pega a minha mão e levanta-a aos lábios, beijando meus dedos. — Em muitas maneiras eu concorri por você. — O quê? — Eu ri, incrédula. — Pensando que você e pessoas como você estão lá fora. Merecendo muito mais. — Então nos dê mais. Seu olhar desliza para a janela, o rosto gravado com o pensamento. — Quanto mais é o suficiente? Quantos monstros terão de ser mortos? Quantas vozes dissidentes terão de ser caladas? — Eu não sei, mas você vai descobrir ao longo do caminho. Matt aperta a mandíbula e abaixa nossas mãos, apertando meus dedos. — Matt, se alguém é digno de qualquer coisa, é você. Se alguém é digno de liderar nosso país, é você. Quem você quer que esteja lá? Thompson? Jacobs? — Deus, não, porra, não. Ele se vira para mim, e eu encontro seu olhar de frente, sabendo que isso é um adeus. Sabendo que esta é a última manhã em que irei acordar com ele, e vendo


nos olhos dele que ele sabe disso também, mesmo que ele não goste. Aspiro trêmula. — Você está a dois pontos de distância da liderança. Vá lá fora e consiga isso, Matt. Porque você sabe o quê? Não vou ajudá-lo no próximo ano. — Faço uma careta, e empurro seu peito como se ele tivesse me intimidado em dizer isso. Ele ri, em seguida, agarra o meu pulso e me puxa contra a superfície plana de seu peito enquanto ele olha para mim. — O que você vai fazer então? No próximo ano? Ele observa sua mão enquanto acaricia as pontas dos dedos ao longo da minha bochecha, deixando-me sem fôlego. Engulo. — Em um ano? Eu vou estar vivendo o sonho americano, porque você vai ser meu presidente. Ele aperta a mandíbula e sussurra: — Venha aqui, — envolvendo os dois braços firmemente em torno de mim enquanto abaixa a cabeça. — Você não pode me beijar de novo, não mais, — Eu protesto sem reservas. Mas enquanto digo isso, fico na ponta dos pés e o deixo me beijar, lentamente, um beijo de adeus. Eu tremo quando penso nisso sendo a última vez que sentirei seus lábios nos meus. — Você está chorando? — Sua voz é um murmúrio. Eu pisco de voltas as lágrimas com orgulho, mas ele é mais rápido do que eu e limpa meu rosto. — Charlotte... — Sua voz parece surpresa e protetora. Seus olhos escurecem quando ele olha para mim e acaricia a parte de trás da minha cabeça. — Foda-se, isto não é um adeus. Eu poderia perder. Eu poderia perder, porra. — Não! — Eu dou um passo para trás, colocando alguma distância entre nós. — Matt, eu quero que você ganhe essa presidência. Um flash de determinação passa pelas suas feições. Ele aperta os dedos nas palmas da mão, em seguida, rosna, — E eu quero ganhar esta presidência, Charlotte. Concordo com a cabeça neste momento, chegamos a um entendimento. Já expulsamos um ao outro dos nossos sistemas na última hora. Acabou. Está feito. Então caminho até seus braços e apenas nos abraçamos. Sabendo que isto é um adeus. Não um adeus de mim deixando a campanha novamente. Mas um adeus... do que poderia ter sido. Política não é simples, é confuso; há sempre engano e algo escondido embaixo.


Desta vez é o fato de que eu o amo, e acho que ele poderia, em outro tempo ou lugar, vir a me amar, mas você não pode fazer duas coisas ao mesmo tempo... Minha mãe diz que, infelizmente, ela não acha que já houve uma Primeira Dama verdadeiramente feliz na Casa Branca ou um presidente capaz de fazer uma pessoa feliz. Ele ocupa o cargo mais poderoso na terra, mas é tão desgastante, o amor não tem lugar na Casa Branca. Quase de uma forma fraternal, da mesma forma que ele me beijou quando eu tinha onze anos, Matt beija minha bochecha. Ele envolve seus braços em volta de mim e eu inalo seu cheiro, fechando os olhos, enrolando minhas mãos em torno dele, forçando as minhas lágrimas de volta, porque embora uma parte de mim queira ficar com ele, eu quero que ele ganhe também. Não há tempo para isso. Nós temos uma eleição para ganhar.

ONDE QUER QUE VAMOS, todas as pessoas parecem estar assistindo Matt e se ele olha para mim, sorri para mim, ou tanto quanto fica perto de mim. Carlisle me enviou olhares de aviso para evitar dar a Gordon ou Jacobs algum tipo de munição. Ainda assim, Hewitt, como gerente de imprensa, está jogando o cartão de amigos de infância, e Matt é tão teimoso e, secretamente, louco por dar ao público tal acesso aos seus assuntos particulares. Ele tem estado descaradamente usando a especialidade do gerente de imprensa para manipular a situação para me manter perto e continuar a olhar para mim tanto quanto lhe agrada. Que por sua vez, tanto agrada e me angustia. Nós viajamos para Des Moines, Iowa; Manchester, New Hampshire; Milwaukee, Wisconsin; Charleston, Carolina do Sul; e numa tarde, vamos visitar uma árvore chamada de Presidente. Estamos diante dela, perto do sinal de madeira que a identifica, no meio da floresta gigante do Parque Nacional da Sequoia na Califórnia. A árvore tem mais de três mil anos de idade, e a coisa mais divertida é as sequoias menores que a rodeiam chamadas de Grupo Congresso: dois densos montes de sequoias médias representam a Câmara e o Senado. — Se você ganhar e seu ego começar a ficar muito grande, uma viagem aqui e ele vai ser esmagado novamente. Eu nunca me senti tão pequena ao lado de uma


árvore. — Eu olho para a sua altura, seu tronco no topo, onde suas folhas sussurram com a brisa. Ficando aqui, fico maravilhada com quantas pessoas eu conheci e todas as paisagens que já vi. Fui retirada da minha bolha em D.C. para ver o manto colorido que compõe o nosso país. É incrível, excursionar por todos os estados, cada um original do seu próprio jeito, cada um com seus próprios surtos de crescimento e desafios. Você não conhece a América até que você dê um passo para trás e realmente olhe para ela. Isso me faz querer ver mais do mundo – viajar, fazer tudo, ver tudo, ser tocada por tudo e tocar de volta em troca. Isso me ajuda a lembrar da razão pela qual eu vou ficar longe de Matt... mesmo quando Matt ainda esculpe sem esforço tempo para passar momentos a sós comigo.

37

RETORNO PARA D.C. Charlotte NÓS CHEGAMOS em D.C. cedo no dia seguinte. Minha secretária eletrônica está inundada com telefonemas. Minha mãe amaria que eu passasse a noite em casa. Kayla, Alan, e Sam querem me ver. Olho em volta do meu apartamento, em seguida, percorro os contatos do meu telefone. Depois de negar tudo. Depois de tudo. Uma noite. Amanhã vamos votar, e é isso. Mas não posso deixar por isso mesmo. Gostaria de dizer a ele que eu o amo, mas isso não é algo que você faz para


alguém quando você sabe que ele pode ter um caminho muito difícil e exigente pela frente. Isso é algo que você pode fazer se ele não conseguir, se o público escolher outra pessoa, e talvez então ele esteja livre... para me escolher. Mas eu não quero imaginar alguém que não o escolha, negando o que ele tem para dar. Eu também sou humana e não importa o quanto eu quero fazer a diferença, eu quero coisas para mim também. Essas coisas ficaram em segundo plano até que tudo o que eu estou consciente de querer, a cada segundo do dia, é ele, de qualquer maneira que eu posso tê-lo, mesmo que seja apenas um pequeno pedaço. Hoje à noite eu poderia tê-lo todo, tudo dele. E eu quero ele – não quero guardar nada, exceto as palavras. Mas posso dizer-lhe com cada beijo que eu não posso fazer nada sobre o jeito que eu tremo, a maneira de ser tocada por ele me faz sentir como se a única coisa no mundo para mim é ele naqueles momentos. Sento e penso nele, e antes que eu possa pensar melhor, envio uma mensagem perguntando se eu posso vê-lo. Eu não sei o que é que eu quero, mas eu sei que não posso ir à sua casa, nem Matt poderia vir aqui. Ele está sendo muito observado de perto, e eu estou sendo observada, e não vai ser justo. Isso precisava parar naquela última noite que compartilhamos, mas eu não vou ser mais sua programadora de campanha. Depois de amanhã, eu não tenho certeza para onde ir a partir daqui, e se irei vêlo novamente. Nos encontramos no Memorial de Abraham Lincoln. Estamos sentados nos degraus, olhando para D.C. quando o vento chicoteia através do meu cabelo e meu rosto arde. — Você poderia realmente ganhar amanhã, — eu sussurro. — Eu sei. — Eu quero você ganhe. — Você quer? — Ele estuda minhas feições. Silêncio. Eu tremo. — O que está feito está feito, o que não está feito não está feito, eu acho. — Eu dou de ombros. — Fizemos tudo o que podíamos, não é? — Está certo. Antes que eu saiba, ele tira o casaco do corpo e coloca sobre meus ombros. — Charlotte, — diz ele suavemente, — nós não estaríamos aqui sem você. — Sim, nós estaríamos... — eu asseguro-lhe.


Esperamos por um jovem casal passar por nós, então ele aproxima sua mão da minha, nos degraus, escondida pelo casaco caindo, e arrasta o dedo sobre a parte de trás da minha. — Se eu perder, eu quero que você saia em um encontro oficial comigo. Deixo minha cabeça cair e de repente me sinto mais emocional do que eu já estive, um ano inteiro de campanha tanto para ele e contra meus sentimentos por ele me atinge com força. Eu não quero que ele perca, mas eu odeio ansiar por ele neste momento. — Isso é muito injusto. — Minha voz embarga. Meu rosto está subitamente molhado. Eu não sei por que estou chorando; apenas estou. — As chances de você perder são tão grande, — eu digo com os meus dedos. Eu estou fungando agora, e levanto e dobro seu casaco mais perto dos meus ombros para que eu possa esconder meu rosto dentro da gola. Ele se levanta também, aproximando-se, com sua voz suave. — Mostre-me as minhas chances de novo, — diz ele. Aperto a jaqueta fechada com uma mão e levanto a outra, fazendo um pequeno espaço entre meus dedos magros. Ele pega meus dedos nas mãos e amplia o espaço entre eles um pouco. — Eu diria mais como isto. — Ele sorri para mim, tentando me animar, eu o amo ainda mais por isso, porque o sorriso não alcançou seus olhos em tudo. — Eu amo você. Eu amo você e seus óculos bobos, — eu digo, alargando meus dedos, tanto quanto eu posso, e então eu acrescento, rindo e chorando: — Eu não posso nem mesmo usar os braços para mostrar a você. Num segundo o seu sorriso está lá, o próximo ele é substituído com um olhar de emoção feroz. Seus olhos turvam com isso, com algo que eu nunca tinha visto nos olhos de Matt antes. Impotência. Eu começo a andar, abaixando minha cabeça no casaco para me esconder de outro grupo de transeuntes. Ouço o burburinho começar atrás de mim antes que o parem. — Puta merda, Matt Hamilton! — Diz o cara. — Quero dizer, senhor... é um prazer, um verdadeiro prazer. Ouço Matt cumprimentá-los, mas posso sentir seus olhos em mim enquanto deslizo meus braços nas mangas do casaco e uso-o como um escudo contra o frio e vou embora.


Pego o trem para o meu apartamento. A primeira coisa que faço quando chego é jogar água fria no meu rosto. Estou secando quando ouço uma batida. Soltando a toalha, abro a porta, e Matt está do outro lado. Suas mãos estão caídas ao seu lado, seu olhar um pouco selvagem. Eu suspiro. — Matt! — Eu olho ao redor do corredor, aliviada por encontrá-lo vazio. — O que você está fazendo aqui? Minha vizinha podia ver você... Num segundo Matt está do outro lado da porta, no próximo ele está fechando-a atrás dele e a parte de trás da minha cabeça está em suas mãos, e os seus lábios desabam nos meus.

38

DIA DE ELEIÇÃO Charlotte NA MANHÃ SEGUINTE acordo sozinha na cama. Pelo chão, a poucos pés da cama e ao lado das minhas roupas, está o casaco de Matt. Seu casaco – Dia de Eleição! Levanto apressada e ligo a TV enquanto troco de roupa. Trinta minutos depois, estou na fila no meu local de votação. Observo a fila dos eleitores e sei em quem cada um vai votar. A votação já foi mais emocionante? Há uma antecipação no ar, ou talvez seja apenas eu, meus dedos coçando quando finalmente deslizo por trás da cortina de privacidade e olho para a folha de votação. Por um segundo, meu peito dói. Eu sei o que estou perdendo. Eu sei o que eu estou escolhendo. Mas o desejo de vê-lo ganhar supera meu próprio egoísmo, e eu marco um X ao lado de seu nome. Fico olhando para a cédula por um momento. Eu perdi a votação para o último presidente quando eu estava presa em casa por causa da gripe. É a primeira vez na minha vida que realmente voto, e aos onze anos de idade, prometi ajudá-lo se ele alguma vez concorresse para presidente e mal posso acreditar que é hoje, que estou de pé aqui e votando nele.


Sinto uma estranha sensação de perda quando saio e ainda me distraio enquanto tento ter certeza que ninguém está me seguindo quando pego o trem, em seguida, caminho algumas quadras até o Hotel Jefferson. Desvio do lobby para o banheiro por um momento, retiro meu kit de maquiagem. Coloco apenas batom, blush, e rímel, mas dou uma pincelada de um pouco de cada um no meu rosto. Eu não preciso adicionar cor. A tonalidade vermelha mancha minhas bochechas, e meus olhos parecem um pouco mais redondo, muito escuro, e muito brilhante. Oh Deus. É quase como se eu estivesse com medo de ir lá para cima, entrar na sala, e todo mundo ver através de mim. Exalando com coragem, vou para fora, pego os elevadores, e me dirijo para a suíte de Matt. A última vez que estivemos em D.C., foi organizada uma festa beneficente no salão de baile do hotel. Uma vida atrás e, ao mesmo tempo, parece que foi ontem. Bato na porta e quando Alison abre, meus olhos se fixam em uma alta e grande figura de pé junto à janela do outro lado da sala, com as mãos nos bolsos. Ele é o único mais distante da porta, e há dezenas de pessoas entre nós. Mas isso não importa; espaço não importa. Ele me vê; eu o vejo. Seu olhar parece muito masculino quando nossos olhos se encontram. É tão escuro como foi na noite passada, e ele faz o meu estômago contrair dolorosamente. O calor se espalha por mim quando entro. Será que ele é capaz de dizer que ele me deixa nervosa? Claro que sim. Saúdo todos quando ando pela suíte, deixando-o por último. — Matt. — Sorrio para ele, animada que o dia finalmente chegou. — Charlotte. Ele retorna o meu sorriso, mas a maneira como ele diz meu nome soa rouca. Ele não parece esgotado, como o resto de nós. Parece que ele apenas acabou de sair do spa e centros bem-estar de um dos andares inferiores. Deus, eu invejo a sua capacidade de manter a calma. Mas um ano é tempo suficiente para conhecer alguém e eu conheço a sombra de fome em seus olhos escuros muito bem, e eu sei que sua mente está trabalhando a toda velocidade.


Talvez especulando sobre as pesquisas quando ouvimos os locutores num segundo plano, enquanto os segundos vão passando, e os minutos viram horas no que parece que é o dia mais longo do ano. Quando me sento em um dos sofás ao lado de Alison e Mark e alterno entre assistir Carlisle fumando e olhando para a TV, estou perfeitamente ciente de Matt e onde ele se senta e respira, e cada polegada que ele fisicamente ocupa nesta sala. Com o canto do meu olho, vejo-o levantar os olhos e dar um sorriso satisfeito, e isso me faz contorcer e lembrar mais do que isso. Ele está lendo algo, a cabeça de Jack em seu colo, a mão de Matt no topo da cabeça preta peluda de Jack. Lembro-me da sua mão na noite passada... Nós bloqueamos o mundo quando ele fechou a porta. Lembro-me dele me apoiando no meu quarto, com as mãos abrindo seu casaco, deslizando sob a minha camisa. Possessivo e firme, que é como o seu toque parecia. Seu beijo. Eu precisava dele tanto que quando ele me despiu, eu queria correr, agarrando-o enquanto eu o despia também. Mas Matt não estava com pressa. Ele me beijou e ternamente fez shh enquanto ele me deitou na cama, e ele me pegou na luz da lua que entrava pela janela enquanto me acariciava. Eu derreti em uma necessidade incandescente pura enquanto ele beijava minha boca, minhas bochechas, mordiscou a linha da minha garganta. Sua boca se moveu ao redor e sobre os picos dos meus seios, por todo o meu estômago, pelo o interior das minhas coxas, e então passou um longo tempo entre elas. Sua língua foi para dentro de mim com movimentos lentos e profundos que pareciam ser o que ele precisava para matar a sede. Suas mãos seguravam minhas coxas abertas enquanto eu tremia tentando fechálas, os sentimentos muito intensos. Quente e firme, ele usou os lábios e sugou apenas a quantidade certa de pressão para me desfazer. E eu realmente me desfiz. Senti como se estivesse cortado uma corda em mil. Gozei contra sua boca com seu cabelo entre meus dedos, mas mesmo assim, ele parecia com fome. Seus olhos, quando saiu de entre as minhas pernas, brilhavam marrom escuro enquanto ele acariciava seus dedos pelo meu rosto e capturava minha boca em um beijo


esmagador que enrolou os dedos dos meus pés. Eu me lembro da sua fome. Como construiu e construiu e não diminuiu. Não depois de uma hora, nua sob os lençóis com ele, nem mesmo depois de mais uma hora. E eu me lembro do som que fiz depois que ele me fez gozar com seus dedos e então, finalmente, deslizou as mãos para o recanto na parte baixa das costas e apertou minha bunda enquanto ele entrava em mim. Gemi seu nome. E eu me lembro da maneira como ele sorriu contra a minha boca, um sorriso de alívio, e se moveu, gemendo meu nome, me dizendo que eu era maravilhosa, muito maravilhosa. Eu me lembro como nós fizemos isso, durante toda a noite. Ele, sussurrando coisas tão bruscamente que eu não entendia o que ele disse, só ouvi a fome e ternura em sua voz e o raspar de seus dentes na minha pele quando ficamos mais ásperos, mais desesperados, com a respiração mais rápida. Lembro-me de tudo isso, hoje, de todos os dias, e eu sinto meu rosto começar a ficar vermelho brilhante quando tento empurrar tudo para fora da minha mente. Incrível como eu posso esquecer as coisas que sonhei, minhas chaves do apartamento, meu celular, mas não um único detalhe sobre ele. Coisas do passado vêm à tona. Segurando o seu casaco para ele, bebendo acidentalmente da sua xícara de café, derramando minhas pastas a seus pés e ele ajoelhando-se para me ajudar. Eu levanto o meu olhar para encontrá-lo lendo a cópia diária do Washington Post. Ele está usando seus óculos. Quando ele levanta o olhar e me olha por cima dos aros de ouro, os olhos escurecem e os meus seios de repente ficam sensíveis sob o meu sutiã. Eu lambo os meus lábios e eles parecem mais sensíveis depois de ser beijada por ele a noite toda. O olhar de Matt cai brevemente para os meus lábios, e eu não posso fazer nada, além de deixar meu olhar cair para sua boca, que parece completa e firme. De repente, tudo o que eu quero é sentir isso de novo, firme e com fome, sua língua voraz contra a minha. Eu não sei como vou fazer isso. Como foi possível apaixonar assim por ele. Mas isso é o que eu preciso fazer. Porque isto foi apenas temporário, pois o


encontro que ele propôs não vai acontecer. Eu preciso esquecê-lo e eu preciso colocar o máximo de esforço nesta tarefa, como fiz em sua campanha. Ainda assim, ele está olhando para mim do outro lado da mesa com aqueles olhos escuros que parecem ao mesmo tempo quentes e macios. Com uma sacudida, lembro-me do casaco espalhado pelo chão do meu apartamento junto com minha roupa íntima. O pensamento de alguém vendo que eu tenho isso em meu poder me preocupa, e meus olhos se arregalam e levanto. Matt franze a testa fica de pé tirando seus óculos, instintivamente, como se para me ajudar. — Eu esqueci que tenho algo para você, — digo. Eu posso ver que ele não gosta da ideia de eu deixar esta suíte, mas não lhe dou tempo para me parar quando corro para a porta. — Fique longe dos paparazzi e se eles te questionarem, você sabe o que fazer, — Carlisle disse atrás de mim. — Sem comentários, — asseguro-lhe quando abro a porta. Meus olhos se encontram com Matt, e eu sinto um salto familiar do meu coração. Fecho a porta atrás de mim, os nervos multiplicando em segundos. Eu mantenho minha cabeça abaixada para evitar qualquer paparazzi, que eu felizmente consigo desviar quando vou ao meu apartamento para pegar o casaco de Matt. Uma vez que eu chego ao meu prédio, entro apressadamente e o encontro no mesmo lugar que deixei. Meu coração faz isso de novo. Ando em direção a ele lentamente, quase como se esperasse que ele me mordesse como uma cobra. Mas isso não é verdade por que de repente o tempo parece abrandar – porque de repente não quero levá-lo de volta. Eu quero deslizar o casaco em torno de mim mais uma vez. Quero usá-lo e abraçar-me e fingir que meus braços são os seus braços. Eu quero colocar o meu rosto de volta em seu colarinho e respirar o cheiro dele. O desejo de fazer isso é tão enorme. Reprimo o impulso, com muito esforço, chamando de volta o meu lado profissional, o lado que sabe que a noite passada foi apenas não planejada, mas foi um erro.


Então levo o casaco em minhas mãos e dobro-o perfeitamente em um saco de compras de lojas de departamento, então volto para o Hotel Jefferson, determinada a ser profissional e deixar a noite passada para trás como nossa despedida.

39

SEU NOME É CHARLOTTE Matthew HÁ uma calma que eu não esperava enquanto esperamos que os resultados da votação popular saia. Charlotte trouxe meu casaco há um tempo. Inferno, eu não quero isso. Eu queria um pedaço de mim com ela. Eu não posso deixa-la, sou egoísta o suficiente para não querer que ela se livre de mim também. Sua preocupação com os outros me deixa desconcertado. Ela tem estado mais preocupada com um escândalo do que eu tenho todo esse tempo. Mais preocupada em ter a certeza de que o homem que o país vê é o que ela me faz querer ser. Ela está em minhas veias, esta menina. Ninguém diria que estou sentado, observando e esperando, levantando os olhos para encontrá-la olhando para a tela, girando seu cabelo em um dedo, mordendo os lábios, às vezes olhando para mim - ninguém adivinharia o quanto eu quero cada polegada e pedaço da respiração dela. A suíte está inundada com os membros integrantes da minha equipe. Carlisle, é claro, assim como o nosso estrategista-chefe, o nosso diretor de comunicação, e alguns agentes de campo. Há um zumbido no ar. Carlisle fuma, escorrendo tensão. E aqui estou eu, mais calmo do que eu esperava, a minha mente dividida em duas partes iguais: uma querendo saber sobre cada voto, cada Estado, cada resultado da pesquisa; o outro fixo na mulher do outro lado da sala, que estava em meus braços apenas algumas horas atrás.


Uma parte de mim quer atraí-la para um lugar privado e dizer algo que vai satisfazer a nós dois, mas mesmo eu sei que não existem tais palavras. Estou concorrendo para o mais poderoso cargo na terra. Irônico que eu não posso prometer algo tão simples como o meu amor para ela. Minha mente voa quando imagino o que eu faria se Jacobs ou Gordon me ultrapassassem nesta eleição. Imagino-me indo para o Senado, fazendo meu caminho novamente para a eleição, dividindo a atenção entre o trabalho e a mulher que estou obcecado. Mas quando eu estiver de volta na corrida eleitoral novamente, o que vai acontecer? Minha mãe e eu perdemos meu pai no dia em que ele se tornou presidente. Eu não quero que Charlotte me perca. Eu não quero perder a faísca em seus olhos quando ela olha para mim, cheia de admiração e respeito e desejo – a faísca que inevitavelmente morre quando você fere aqueles que você ama, mesmo que involuntariamente. Isso não vai funcionar, digo a mim mesmo. Você sabia disso e ainda assim não conseguiu se manter afastado. Você ainda quer segurar esta garota e nunca deixála ir, mesmo que seja o que seja exatamente o que você se prepara para fazer com cada pedaço de notícias que chega no quarto. É transmitido na TV e em podcasts ao vivo alguns dos jovens membros da equipe estão brincando em seus telefones. — A vitória de Matthew Hamilton requer que todos os jovens eleitores lá fora, cada minoria, cada mulher, saia e vote, e o comparecimento às urnas tem sido sem precedentes hoje... — Retornos iniciais têm sido surpreendentes... — Hamilton lidera no Texas. Alabama. Nova York. As pessoas querem mudanças e eles querem isso agora. — Eles estão dizendo que você tem Ohio, — diz Carlisle. — Sim? — Eu levanto minha sobrancelha, um pontapé de inquietação se instalando na minha barriga. Algo que não posso fazer sair do meu sistema agora. Eu faço a varredura do quarto para Jack e o chamo. Ele pula no sofá e coloca sua cabeça no meu colo. Afago sua cabeça distraidamente, enquanto Carlisle passa pelos canais, o controle remoto em uma mão, cigarro na outra. Ele para em um. — É isso mesmo, Roger, a campanha Hamilton teve um feito impressionante este ano, até que, bem, esse incidente em que Hamilton não compareceu e deu razão


aos rumores — a âncora está dizendo, e pego o controle remoto e desligo a TV, olhando para Charlotte em silêncio. Incomoda-me que os meios de comunicação especulem sobre ela, e hoje não tenho paciência para isso. Seus olhos azuis cristalinos olham para mim e uma cor rosa rasteja até suas bochechas doces. Não haverá nenhum beijo de rosa longe dessas bochechas. E de repente a sensação de impotência me incomoda muito. A sala fica em silêncio enquanto jogo o controle remoto de lado. Carlisle acende outro cigarro na janela, e eu logo deixo Jack no sofá e me junto a ele. Quase posso ouvir o relógio na minha cabeça quando Mark entra. Tic, tac, tic, tac, tic, tac. — O comparecimento às urnas foi sem precedentes, — começa Mark. Ela olha para mim, impotente por um segundo, e meus olhos encontram os dela, a excitação na voz de Mark crepitante na sala. — Você ganhou estados suficientes para garantir o voto do colégio eleitoral. Um coro de suspiros e exclamações segue sua declaração. — Puta merda! — OH MEU DEUS! — Porra, eu sabia! — Esta última observação é de Carlisle. Leva um segundo para processar o que eu ouvi, eu sou como meu pai. Ele está de pé nesta sala usando aquele sorriso orgulhoso que ele costumava ter quando ele falava sobre mim, e ele está dizendo Charlotte, ele vai ser presidente um dia... Meus olhos parecem ter uma vontade própria quando deslizam infalivelmente para encontrar os de Charlotte. Ela está olhando para baixo em seu colo, com um sorriso nos lábios e uma única lágrima no rosto enquanto fica de frente para mim. Parece que leva um momento para perceber totalmente o que ela ouviu também. Ela é a coisa mais sexy que eu já vi quando enxuga uma lágrima, salta como uma menina, e aperta as mãos. Seu pulso vibra, e minha boca quer estar sobre a dela, eu quero minhas mãos sobre a dela, eu quero estar nela. Ela mantém uma distância e permite que os outros venham e me felicite em primeiro lugar. Abraços e alegria, e palmas, Carlisle ligando a TV para ainda mais confirmação, e eu olho para a tela, fortemente decidido a cuidar do que me foi dado. A América é minha.


Eu estou sendo engolido por Carlisle, as mãos tremendo, todo com felicitações. — Matt! Agora é a hora para o champanhe. Alguém está trazendo uma garrafa que os fiz remover mais cedo. Charlotte pende atrás, e não é até que todos na sala tiveram uma palavra a dizer que ela anda em frente, sua voz não traindo nada. — Você está tão perto de ser presidente, Matt, — diz ela, mostrando-me uma pequena distância com seus pequenos dedos. Eu sorrio e penso comigo mesmo, Não tão perto como eu estava em dizer que te amo também. Ela é a última a me abraçar, e quando eu puxo seu pequeno corpo em meus braços, ela puxa de volta apressadamente; Charlotte se certifica de que a abracei pelo mesmo período de tempo que abracei todos os outros. Não é o suficiente. Abraço-a com os meus malditos olhos enquanto ela sai dos meus braços. Ela reúne suas coisas e enfia uma mecha gloriosa de cabelo vermelho atrás da orelha, e depois vai embora. Eu nunca estive tão consciente do preço que eu paguei pela minha vitória.

Continua em COMMANDER IN CHIEF...

Caros leitores

MUITO OBRIGADA POR LER MINHA NOVA SÉRIE CASA BRANCA. A história de Matt e Charlotte me consumiu desde o início, e eu estive trabalhando sem


parar para lhes trazer uma sequência, COMMANDER IN CHIEF, no início do próximo ano. Tem sido uma experiência fantástica para mim, diferente, emocionante, brilhando com esperança e cheio de paixão. Eu não posso esperar para compartilhar a continuação do romance ardente entre Matt e Charlotte. Obrigada por seu apoio e entusiasmo com meu trabalho.

XOXO, Katy

Agradecimentos

Mal posso acreditar que este livro aconteceu. Comecei no ano passado e trabalhei nele esporadicamente, às vezes pensando que seria um projeto de estimação só para mim. Em outras ocasiões, eu estava muito consumida por ele para me preocupar com o que iria acontecer. Então eu terminei, e estava tão ansiosa para ir logo para Commander in Chief, que eu simplesmente não poderia mantê-lo só para mim. Este livro é para Amy, que é a mais incrível – a melhor agente, conselheira e amiga. Sou tão abençoada por tê-la na minha equipe, assim como todas as outras pessoas incríveis na Agência Rotrosen Jane. Eu também não poderia ter feito isso sem o amor de minha família e seu apoio, e tantas outras pessoas que contribuíram de maneiras pequenas e grandes para apoiar a minha escrita. Um enorme, enorme obrigada aos meus editores: Kelli Collins e Sue Rohan por sua experiência, Gwen Hayes, minha editora Lisa, minha revisora Anita


Saunders, e minhas betas Nina, Angie, Kim J., Kim K., Jenn, Monica, Mara, e CeCe. Para a fabulosa Nina da Social Butterfly e toda a equipe de Relações Públicas da Social Butterfly, as senhoras são verdadeiramente fenomenais. Obrigada por estarem tão animadas com meus livros como eu e por tudo que vocês fazem. Para Melissa, obrigada por tudo, e para Gel, por seu incrível material de apoio e promoção. Obrigada aos meus editores estrangeiros por traduzir minhas histórias para que eles possam ser lidos em todo o mundo. Para Julie da JT Formatting e minha designer de capa, James da Bookfly Covers, você fez um trabalho incrível! Bloggers, estou sempre tão grata por seu apoio e entusiasmo pela leitura. Vocês sempre fazem o meu dia quando optam por partilhar e promover o meu trabalho, dentre tantas outras histórias surpreendente que compartilham, leem e avaliam. Obrigada! E para meus leitores. Vocês estão sempre no fundo da minha mente, cada vez que eu estou escrevendo. Quando chego às partes que me fazem sorrir ou em outras pequenas coisas especiais para mim, e eu penso sempre comigo: “Eu me pergunto se eles vão sentir isso, desse jeito.” Esse é sempre o meu objetivo para vocês, por isso estou sempre grata ao ser dada a oportunidade de persuadi-los a entrar no meu mundo. Obrigada por seu apoio e seu amor. Obrigada a todos que pegaram, compartilharam e leram este livro. Katy


Notes [←1] É uma revista voltada para o público masculino, com dicas de estilo, cultura pop e últimas tendências em entretenimento.


[←2] D.C é a abreviatura de Distrito de Colúmbia, onde a cidade de Washington está localizada.


[←3] Potomac é um rio que banha os estados de Washington, Virgínia Ocidental, Virgínia e Maryland.


[←4] Camp David é referência aos Acordos de Paz sempre feitos na Casa de Campo Presidencial em Maryland.


[←5] Marine One é como é chamado o helicóptero oficial que leva o Presidente dos EUA.


[←6] É uma corrida com quatro quilômetros de distância e feita em 40 minutos.


[�7] No original, ela diz Heart of Stone.


[←8] A autora está fazendo referência à Tidal Basin (Bacia das Marés). É uma enseada adjacente ao Rio Patamac, que tem uma vista maravilhosa, que em certa época do ano tem um Festival da Flor de Cerejeira.


[�9] The Bacharelor Ê um reality show sobre encontros amorosos roteirizados.


Série White House #1 Mr. President - Katy Evans