Page 1


O Anjo e a Fera

Elissande Tenebrarh


Capítulo Um França. 1820. Stephen acordou com um gemido alto. Sentou na enorme cama e olhou ao redor, tentando entender o que havia acontecido. Então, ele recordou. Estava em casa. Sua casa em Bordeaux, não na batalha. Correu a mão pelos cabelos, tentando aliviar o desconforto e, quando tocou seu próprio rosto, a respiração falhou. Levantou da cama e procurou por alguma vela que pudesse acender. Encontrou apenas pedaços de cera derretida sobre a mesinha ao lado da cama. Tateou pelo quarto escuro até a janela, onde encontrou o grosso tecido da cortina. Ele a puxou para o lado, buscando iluminar o ambiente com a claridade. As cortinas foram abertas e a luz da lua iluminou o quarto, dando a ele um alívio repentino. Ficou de costas para a janela, olhando para o quarto vazio. A lareira estava apagada, mesmo ele tendo alimentado o fogo antes de se deitar. Quanto tempo havia


passado desde que adormecera? Supunha que muitas horas. Virou-se para a janela novamente. Apoiou as mãos no batente e olhou para fora, para a escuridão. A noite estava mergulhada em silêncio. O mais profundo e inquietante silêncio, o qual ele mais temia. Encostou a cabeça contra o vidro frio da janela e fechou os olhos. Os pesadelos. Podiam-se passar dias sem que viessem, até mesmo semanas, mas eles sempre voltavam. Cada vez mais terríveis. Stephen ofegou. Aqueles malditos pesadelos o atormentavam como cacos de vidros presos em sua pele. Uma lembrança macabra de tudo que vivera naquele inferno. Sim, ele esteve no inferno. Stephen se viu preso junto com o próprio diabo. Conhecendo toda dor e degradação que um ser humano podia suportar. Mas ele não era mais humano. Sua alma não o pertencia mais, havia ficado perdida naquele campo de batalha. Um grito abafado encheu o ar, fazendo Stephen abrir os olhos rapidamente. Olhou pela janela e viu a luz de uma lamparina a algumas dezenas de metros. O grito soou de novo. Era uma mulher.


Um arrepio percorreu o corpo de Stephen e ele se afastou. Deu as costas à janela. Devia ser alguma prostituta fugindo de seu cafetão. Era algo comum. E ele não tinha nada a ver com o assunto. Caminhou de volta para a cama, deitando e puxando as cobertas até o ombro. Fechou os olhos. Outro grito. Desta vez mais agudo. Mais outro. E outro. Stephen se mexeu na cama, incomodado pelos sons histéricos. Talvez fosse alguma esposa que fora pega com o amante, e agora o marido a tivesse corrigindo. Tanto fosse. Virando para o outro canto mais escuro do quarto, Stephen fechou os olhos e tentou ignorar os gritos que agora se tornavam mais baixos. A última coisa que ouviu antes de pegar no sono foi uma pequena e baixa lamúria: — Socorro!

Rosaleen correu o máximo que pôde, que suas pernas permitiram. Infiltrou-se nas pequenas ruas escuras, pulando por cima de algumas caixas de lixo e às vezes


enroscando seu vestido em algum canto. Mas nada importava, ela só precisava fugir. Por mais que estivesse correndo há muitos minutos, ela sabia que eles continuavam atrás dela. Eles não desistiriam tão facilmente. Ela entrou em uma rua estreita com várias casas enormes. A noite estava clara e a possibilitou de olhar por onde estava andando. Diminuiu a corrida para uma caminhada rápida, ainda atenta a qualquer movimento ao lado. Não sabia mais onde estava. Nunca estivera ali antes. Puxou a barra do vestido para cima e começou a andar pela calçada de pedra. O que faria? Talvez devesse procurar uma igreja? Não tinha mais nada, a não ser a si mesma. Tinha fome, frio e medo. Muito medo. Rosaleen sentiu o ar mudar e parou abruptamente. Ouviu passos, e vozes. Eles estavam perto! Pavor atravessou suas veias e pânico a assaltou. Olhou para todos os lados, procurando desesperadamente por um lugar onde se esconder. Encontrou um beco atrás de uma enorme casa mais a frente. Talvez conseguisse correr até lá e se ajoelhar atrás de alguma coisa até eles irem embora.


Quando foi dar o primeiro passo rumo a seu esconderijo, mãos firmes seguraram o braço de Rosaleen, apertando seus músculos com extrema força. — Achei você, minha gatinha arisca. – aquela voz. Ela a reconhecia. Ela tentou correr, desvencilhar-se das mãos do homem, mas foi em vão. Ele a puxou de encontro a seu corpo, torcendo seu braço nas costas. — Me solte! Deixe-me ir! – ela gritou se debatendo. O homem torceu o braço de Rosaleen mais um pouco, e ela ficou imóvel. — Ei, Moll, Canth! Eu a encontrei! Venham até aqui! – ele gritou, chamando os outros homens. Rosaleen tentou fugir, mas o aperto do homem a impossibilitou de mover sequer um músculo. Os outros dois homens apareceram rapidamente, tropicando nas pedras da calçada. Eram altos e corpulentos, suas figuras sombreadas pela luz da lua. — Veja só! Você conseguiu, companheiro! – um dos homens comentou, rindo com prazer. Eles se aproximaram de Rosaleen e a analisaram mesmo no escuro. — Vamos sair daqui, não quero que alguém nos veja. – o homem mais alto falou. — Leve-a até aquele


beco. – ele apontou para um lugar mais a frente. O homem que prendia Rosaleen começou a arrastá-la pela rua, puxando-a violentamente. — Tire as mãos de mim! Eu não quero ir! – ela balançava o corpo no ar, ora ferrava os pés no chão, tentando evitar ser levada. Não adiantou. Seu captor a segurou pelo cabelo, puxando com força. Quando chegaram ao beco escuro, o homem lançou Rosaleen ao chão. Ela tentou se por de pé e fugir, mas foi atingida por um chute nas costelas, fazendo-a cair novamente. — É melhor se comportar, sua cadela sarnenta! – o homem mais baixo de todos gritou, cuspindo no rosto de Rosaleen. Ela passou a manga do vestido pelo rosto e tentou segurar as lágrimas. — O que vocês querem de mim? Por favor, deixem-me ir. Eu imploro, por favor. – ela pediu desesperada. Os homens responderam rindo. — Logo você estará livre, isso levará apenas alguns minutos. – um deles começou a desafivelar o cinto da calça, enquanto os outros acendiam uma lanterna e iluminavam o rosto de Rosaleen.


Ela levou a mão aos lábios quando a luz atingiu o homem a sua frente e ela viu o que ele fazia. — Não! – ela murmurou desesperada. Correu a mão pelo chão, em busca de algo para golpeá-lo, mas seus dedos agarrarem apenas lama. — Vocês dois – o homem chamou a atenção dos outros. —, deixem essa lamparina no chão e fiquem nas entradas do beco. Não quero que ninguém me atrapalhe. Os outros concordaram. Deixaram a lamparina no chão e se colocaram em vigia. Desesperada, Rosaleen engatinhou debilmente pelo chão lamacento, batendo as costas de encontro à parede gelada. Olhou para os lados. Não tinha mais como fugir. O homem agora tinha as calças presas no quadril, seu membro nojento apontando para fora. — Meu Deus, não, por favor… – implorou novamente. — Você vai gostar disso, menina. – um reflexo de luz bateu de encontro ao rosto do homem, e Rosaleen teve o vislumbre de um sorriso. O sorriso do diabo. Ele se ajoelhou em frente a ela e a prendeu. Tudo foi muito rápido e doloroso. Ela tentou golpeá-lo, fugir, empurrá-lo. Nada adiantou. Ele era forte e maior.


Rosaleen gritou. Gritou pela dor, pela vergonha, pelo medo. Gritou tantas vezes, implorando por ajuda, que alguém a ouvisse. Mas não vieram por ela. Foram minutos agoniantes, eternos e arrasadores. Quando ele terminou, sujando-a com seu sêmen, Rosaleen achou que ele enfim a deixaria ir. Mas, não. Não bastava apenas a degradação. Haveria mais dor. Ele a chutou, bateu em suas costas, braços, cabeça, socou seus seios. Dessa vez ele não a xingou. Não pronunciou nenhuma palavra. Apenas a espancou. Rosaleen dobrou o corpo, transformando-se em uma pequena bola. Ele finalmente parou. — Não deixarei você morrer. Quero que fique viva para se lembrar disso por toda sua vida. – o homem disse friamente. Ela não moveu nenhum membro, totalmente perdida na dor. — Moll, a jogue em algum lugar onde possa ser encontrada. – o homem ordenou a outro. Quando os braços nada gentis envolveram o corpo de Rosaleen, ela gemeu em protesto. O homem a


jogou sobre o ombro e a carregou para fora do beco. O trajeto foi curto. O homem parou em algum lugar que ela não sabia e então a jogou no chão. Rosaleen caiu, com as costas batendo contra algo duro, provavelmente uma pedra. Ouviu os passos do homem indo embora. Abriu os olhos, mas não o viu. Seus olhos se molharam com tímidas lágrimas. Mal tinha forças para chorar. E nem se mover. A dor era terrível. Queria morrer. Mas ela sabia que não aconteceria. Entorpecida pela dor, Rosaleen rolou os olhos, fixando o olhar no céu escuro, na lua prateada. Ficou ali, admirando aquele ponto distante no céu, enquanto as lágrimas fluíam calmamente por seu rosto e ela entrava em uma nuvem de tranquilidade. Ela caiu, caiu para a dor. Caiu para a escuridão. Fechou os olhos e se entregou ao que o destino lhe jogara.

Capítulo Dois Ele acordou com uma terrível dor de cabeça. Estava escuro e ainda era muito cedo. Não havia nenhum empregado de pé, nem mesmo Ned, seu mordomo.


Arrastou-se para fora da cama com um enorme esforço. As cortinas da janela ainda estavam abertas, o que lhe permitiu enxergar no quarto escuro. Pegou as roupas do chão e as vestiu. Dormia sem elas, sentia-se mais livre durante o sono daquela forma. Fechou o zíper da calça e os botões da camisa. Calçou as botas e pegou sua máscara em cima da mesinha ao lado da cama. Com um suspiro pesado, colocou-a sobre o rosto e amarrou a tira de couro na parte de trás da cabeça. As feridas ainda doíam, mesmo com todos aqueles anos que passaram. Mas ele era mais forte que elas. Pelo menos era o que repetia todos os dias para si mesmo. Dirigiu-se para a porta e a abriu silenciosamente. Por ainda estar tudo escuro, teve que descer a escada agarrado ao corrimão, pisando firme nos degraus. A sala estava iluminada pelas enormes velas presas ao chão por grandes castiçais, e então ele pôde finalmente enxergar. Pegou uma vela menor do castiçal e a acendeu na maior. Seguiu para a cozinha. Precisava de algo para beber. Stephen entrou na cozinha e foi direto ao armário, onde tirou uma garrafa avermelhada de rum. Pegou um cálice de cristal e sentou à mesa onde os empregados faziam suas refeições.


Parou por um momento, pensando que era extremamente cedo para beber. Mas o que mais podia fazer se era a única forma de se livrar daquela odiosa dor de cabeça e dos fantasmas que o perseguiam? Não havia outro método e não incomodaria seu mordomo naquela hora da madrugada. Serviu o primeiro cálice e o sorveu rapidamente, engolindo o liquido flamejante com amargura. Encheu o cálice novamente, mas desta vez bebeu mais devagar, sentindo o gosto quente em sua boca. Inclinou-se na cadeira e posicionou o cálice em frente à vela, a bebida cobre cintilando com a luz bruxuleante. Ouviu um gemido. Moveu-se inquieto na cadeira. Estava imaginando coisas, sempre acontecia. Precisava apenas ignorar, aí então, as alucinações iriam embora. Mais um gemido. Suspirou. Estava ficando louco. Era isso, sua loucura havia chegado a um nível extremo. Outro gemido. Ele bebeu o resto do rum e bateu o cálice na mesa. Inferno! Realmente tinha alguém gemendo!


Stephen olhou para a porta ao lado. Estava lá fora. Os gemidos vinham da rua. Ele levantou rapidamente, o corpo balançando pelo efeito da rápida ingestão da bebida. Conseguiu se firmar na mesa e arrastou suas pernas até a porta, sua cabeça ainda martelando terrivelmente. Apoiou a vela em cima de uma cadeira e tirou a trava da porta. Então, ele a abriu. — Mon Dieu! – gritou ao ver o pequeno corpo de uma mulher jogado abaixo dos degraus de mármore. Pelo menos ele achou que fosse uma mulher, pois a pouca luz não lhe permitiu ver muita coisa. Stephen se ajoelhou ao lado do corpo e sem ter muita consciência do que estava fazendo, enganchou as mãos atrás dos joelhos dele e apoiou a cabeça no outro braço, levantando-o facilmente. Olhou para todos os lados antes de entrar em casa novamente e ser banhado pelas luzes das velas. Desceu o olhar para o pequeno corpo e confirmou o que havia pensado. Era uma mulher. Uma jovem, na verdade. Não podia dizer exatamente, pois ela estava com o rosto coberto de lama e ferimentos abertos. Stephen olhou para todos os lados pensando no que faria com a jovem em seus braços. Não poderia


simplesmente deixá-la jogada em frente a sua porta, a ponto de morrer. Mas também não poderia colocar uma pessoa estranha dentro da sua casa. Ele fechou os olhos por um momento e respirou fundo, tentando tomar uma decisão rápida. Quando voltou a abri-los e deixou o olhar vagar sobre o pequeno corpo encolhido em seus braços, percebeu que, apesar de ser o que era, ele não podia ser estúpido e deixar a jovem morrer. Não, ele não era tão cruel assim. Tomando uma decisão rápida, Stephen caminhou para a sala, desviando de alguns móveis no escuro, pois não podia carregar uma vela. No enorme salão iluminado, ele notou que a mulher em seus braços começou a acordar e se debater contra ele, murmurando algo incoerente e aparentemente sem sentido. Antes de começar a subir as escadas, ele colocou o dorso da mão sobre o rosto dela e constatou o quanto ela estava quente, a febre era o motivo que a fazia delirar daquela forma. Stephen subiu com cuidado, firmando os pés nos degraus. — Me solte! Socorro… – a mulher murmurou contra o peito dele, empurrando com as duas mãos, tentando se defender, mas eram impulsos fracos, contra toda a força de Stephen. Ele chegou ao corredor escuro e estacou ao perceber que não sabia para onde levar a jovem. Deveria colocá-la em um quarto de hóspedes, mas eles não eram


usados há anos e provavelmente estavam em condições deploráveis, então só restava a ele uma única e terrível opção. Seu próprio quarto. Apoiou o corpo da jovem no braço esquerdo e, com a outra mão, abriu a porta do quarto, dando graças por ter deixado a cortina aberta, o que naquele momento facilitou muito seu trabalho já que a luz da manhã o guiou no escuro enquanto depositava sua pequena carga na cama ainda desfeita. Ela se encolheu em volta de si mesma e gemeu contra os lençóis. Stephen correu acender a lareira, alimentando a pequena chama que se formava com alguns gravetos. Quando o fogo já era suficiente para aquecer e iluminar o quarto, ele voltou a se aproximar da mulher. Ela continuava encolhida sobre a cama, os cabelos negros revoltos contra o rosto machucado, e as mãos sobre o ventre. Uma onda gelada percorreu o corpo de Stephen quando ele percebeu o sangue que cobria o ventre e as pernas da mulher e que agora se espalhava em um mar vermelho sobre os lençóis brancos. Ela gemia e chorava baixinho, revelando que obviamente sentia muita dor. — Senhor, o que houve? – Ned, o mordomo, apareceu na porta do quarto com os olhos arregalados em direção à cama. — Chame Moira, Ned. Mande que ela traga água


quente e panos limpos. – Stephen ordenou enquanto observava a mulher se debatendo. O mordomo obedeceu rapidamente, correndo pelas escadas. — Por favor, não… Não faça isso… – a mulher estalou contra os travesseiros, levando a mão ensanguentada até o rosto, tentando se proteger de algum perigo que só existia em sua mente. Stephen conteve a vontade de afastar as mãos dela do rosto, era melhor se manter fora do assunto. Moira cuidaria da mulher. Virou de costas e fixou o olhar nas chamas que consumiam a madeira na grande lareira de pedra em sua frente, o calor irradiando para sua pele. Atrás de si, a mulher continuava a murmurar algo sem sentido e a se debater. De repente, Stephen estava de volta à batalha, podia ouvir perfeitamente os gemidos de dor, os murmúrios de homens desesperados, podia sentir o cheiro de sangue no ar enquanto os corpos se acumulavam ao seu lado. Ele levou as mãos à cabeça e tentou controlar a dor que atravessava seu crânio. Parem os gritos! Parem! — Senhor, estou aqui. – a voz de Moira surgiu ao lado dele. Ele abriu os olhos e relaxou instantaneamente ao perceber onde estava. Do seu lado, Moira levava uma


bacia de água nas mãos e alguns panos nos ombros. A mulher olhou para a cama e Stephen percebeu algumas lágrimas em seus olhos. — Oh, meu Deus, que tamanha covardia! – ela deixou a bacia em cima da mesinha, e começou a tirar as mãos e o cabelo do rosto da mulher. — Olhem só o que fizeram a essa pobre criatura! – ela exclamou assustada com os ferimentos no rosto da jovem. Moira molhou um pedaço de pano na bacia e passou pelo rosto da mulher, lavando os machucados e os restos de sangue seco que se prendiam na pele arroxeada. — Não faça isso, me deixe… Por favor, não… – a jovem colocou as mãos em frente ao rosto e puxou as pernas para cima. Moira suprimiu um soluço quando viu a quantidade de sangue que manchava o corpo da mulher e os lençóis. Ela olhou para Stephen em busca de uma resposta e ele balançou a cabeça assentindo à pergunta silenciosa. Ele sabia o que ela perguntava e lhe doía dizer a ela que sim, confirmar o que havia acontecido. Stephen deixou Moira cuidando da mulher e saiu do quarto em silêncio, descendo a escada agora banhada pelas luzes do sol que começava a nascer, e foi direto para a cozinha. Encontrou Ned preparando chá, com as


mangas da camisa enroladas acima dos cotovelos, a figura do homem esguio era engraçada. Stephen sentou em uma das cadeiras perto da mesa e suspirou cansado. — Como ela está, senhor? — Moira está cuidando dela. – respondeu seco. Apoiou os braços em cima da mesa e inclinou o corpo contra a cadeira. — Eu não sei o que fazer com ela. O mordomo fez um leve movimento com os ombros. — A jovem precisa de cuidados. Ela foi… – a voz falhou. — Sim, ela foi. – Stephen concordou, fechando as mãos em punho e endurecendo a mandíbula. Sua cabeça latejava terrivelmente, a dor que achava ter passado havia se tornado mais forte agora, seu rosto ardia, as feridas queimando como o inferno. Inferno. Ele estava lá novamente, tinha voltado ontem à noite, quando rejeitou os gritos que tinha ouvido. Gritos que imploravam por ajuda, mas que ele ignorou. Stephen levantou e saiu da cozinha sem olhar para trás, subiu a escada dos criados e abriu a enorme porta do sótão, o lugar escuro dando boas-vindas a ele. Ele fechou a porta e respirou fundo, deixando o alívio temporário correr por seu corpo. Era ali, nas profundezas, na escuridão que a Fera


de Bordeaux, como todos chamavam, devia ficar. A Fera só machucava as pessoas, só trazia sofrimento, e na noite anterior, ele havia feito outra vítima.


Capítulo Três Quatro dias. Foi esse o tempo em que Rosaleen oscilou entre a inconsciência e a realidade. Quatro dias em que Moira passou todo o tempo ao lado dela, refrescando-lhe a testa com panos úmidos e dando láudano para aliviar as dores. A criada também havia banhado o corpo de Rosaleen e a vestido com uma bata de algodão usada. Durante o dia, a jovem passava a maior parte das horas dormindo pacificamente, mas à noite, tudo se tornava conturbado, junto com seus delírios e febre constante. Era como se ela estivesse revivendo tudo de mal que havia lhe acontecido naquela noite. Os ferimentos já estavam melhores, a aparência já não era tão terrível, os cortes no rosto, sobre os lábios, já começavam a cicatrizar e os olhos, a desincharem. No quarto dia, Rosaleen havia retomado a consciência e, vendo que tinha acordado em um quarto estranho, tentou levantar da enorme cama, mas foi impedida por uma jovem de olhos grandes, que tinha lhe dito se chamar Moira. A criada havia lhe explicado que seu senhor havia encontrado Rosaleen inconsciente na porta de sua casa e tinha tomado os deveres de resgatá-la, levando-a para dentro e lhe ajudando. Moira contou também que Rosaleen ficara inconsciente por três dias, queimando em febre e agora já que tinha acordado,


precisava se alimentar. A jovem criada tinha então se ausentado do quarto por instantes antes de voltar com uma enorme bandeja forrada de comida. Ao ver as iguarias, Rosaleen ouviu seu estômago roncar vergonhosamente. Enquanto comia, Moira tinha contado quaisquer amenidades possíveis, tentando distrair a mente de Rosaleen. Mas era difícil. Quase impossível. Não conseguia deixar de pensar no que havia acontecido. — As dores ainda estão fortes? – Moira perguntou ao retirar o prato de sopa das mãos de Rosaleen. — Não. Já estou melhor. Obrigada. – Rosaleen deitou novamente contra os travesseiros e fixou o olhar no teto. Sua cabeça ainda doía, na verdade, todo seu corpo ainda era uma massa disforme de dores terríveis, mas principalmente a dor se concentrava em seu peito. Não era meramente física. Era muito superior a isso, concentravase mais ao fundo. Já era quase noite e Rosaleen estava sozinha no quarto. Moira havia ido até a cozinha devolver a bandeja. Aproveitou para correr o olhar pelo quarto, avaliando como o grande cômodo era luxuoso. A janela era muito alta e ostentava cortinas azuis com bordados dourados, o tecido descia do teto cobrindo toda extensão da parede e flutuando até o piso. O olhar de Rosaleen foi para a grande lareira, onde o fogo crepitava mansamente. Ela piscou.


O quarto era o maior que já tinha visto na vida, parecia ter sido decorado para um homem, ao julgar pela enorme cama que ela se encontrava. Entretanto, Rosaleen podia sentir um perfume diferente no quarto. Cheiro de sândalo, de madeira queimando e algo mais… Diferente, aconchegante. A cama em que estava deitada era macia, tinha as mantas limpas e bem-arrumadas, os travesseiros mornos e fofos. Rosaleen concluiu que estava na casa de alguém muito rico. Moira tinha dito que seu senhor tinha a encontrado jogada em frente à sua casa. Mas que casa? E que senhor era aquele? Como ela não se lembrava de nada? Bem, ela sabia o que tinha acontecido, os flashes daquela terrível noite ainda estavam ali para atormentá-la, mas realmente não fazia ideia de onde estava. — Trouxe água fresca. – Moira apareceu novamente no quarto com um jarro que deixou na mesinha. Sentou na cama ao lado de Rosaleen e sorriu meigamente. — Obrigada. – Rosaleen se moveu incomodada na cama, o olhar que a criada lhe dirigia era ao mesmo tempo cheio de compaixão e de dúvidas. — Sei que passou por coisas horríveis, senhorita. – a jovem começou, com a voz engasgada. — Mas estou aqui para ajudar no que precisar. Meu senhor também a ajudara. — Quem é ele? – Rosaleen perguntou em um sussurro.


Os olhos de Moira brilharam com uma satisfação diferente. — Sirvo ao senhor lorde Edmond. – disse orgulhosa. Lorde Edmond? Era esse homem que tinha lhe salvado a vida? — Onde ele está? – Rosaleen apertou as mãos contra o lençol da cama, tentando acalmar o coração. Precisava agradecer ao homem por inutilmente ter lhe salvado a vida, mesmo que nesse momento ela considerasse a morte mais benévola que a degradação pelo qual estava condenada. Moira encolheu os ombros e fitou Rosaleen com preocupação. — Não o vi nesses últimos três dias, mas suponho que meu senhor esteja tratando de negócios. Ele é um homem muito rico, sabe?! – ruborizou-se pelo comentário ousado e sorriu timidamente. Moira gostava muito de seu senhor, possivelmente, podiam ter algum tipo de relação, supôs Rosaleen, um pouco dispersa em seus pensamentos. A criada a trouxe novamente para a realidade enquanto tratava de verificar os ferimentos de Rosaleen outra vez, certificando-se de que nada havia infectado. Depois da minuciosa inspeção, Moira levantou e foi até a janela.


— Deseja que eu feche as cortinas, senhorita? — Eu gostaria de ter a claridade, por favor. – Rosaleen pediu apressadamente, apertando a manta entre os dedos magros. Moira gesticulou com a cabeça e caminhou para a porta. — Vou precisar fazer o jantar para meu senhor, mas prometo-lhe voltar para vê-la antes de dormir. – juntou as mãos em frente ao peito e sorriu. — Talvez desejasse algo para ler? O coração de Rosaleen acelerou. Livros. — Sim, por favor. Adoraria algum livro para ler. – disse com um breve sorriso. Moira assentiu e saiu correndo pela porta, deixando Rosaleen sozinha outra vez. Não gostava da solidão daquele quarto, mas não teve alternativa a não ser permanecer banhada naquela estranha sobriedade do ambiente. Poucos minutos se passaram até que Moira voltasse com quatro livros de capa de couro, que deixou sobre o colo de Rosaleen. — Eu não sabia do que a senhorita gostava, então trouxe alguns romances e poemas. – a criada explicou com um sorriso gentil. — Obrigada. Gosto muito de ler. – Rosaleen passou a mão pela capa escura de um dos livros, sentindo


a textura do couro em sua pele. Moira deixou o quarto com um aceno de cabeça e voltou para seus afazeres. Rosaleen nem percebeu que ela havia saído, estava tão encantada com os livros que tinha nas mãos que tudo ao seu redor desapareceu. Quando abriu o livro de um poeta, percebeu que na primeira página havia uma assinatura, uma dedicatória do próprio autor. “Todo meu respeito e apreço por meu estimado amigo S.E, M.C” Ela correu o dedo pela caligrafia rebuscada e franziu a testa. Quem seria S.E? M.C ela deduzia que fosse o autor do livro, o qual nunca ouvira falar. Deu de ombros. Desde que aprendera a ler, há poucos anos, havia tido poucas oportunidades de ter um livro nas mãos, e essa era a primeira em que leria poemas. Os livros que o padre Bernard emprestava a ela eram na maioria religiosos, inclusive a própria Bíblia, que Rosaleen lera diversas vezes enquanto o religioso lhe tomava lições de catecismo. Sorriu. Foi uma época feliz. Seu pai havia ficado muito orgulhoso quando, em um dia de muito frio, Rosaleen esperou por ele até a noite, debruçada na janela, com os


olhos fixos na estrada que chegava a casa. Quando ele chegara cansado do dia do trabalho, ela se jogou nos braços dele e, com lágrimas nos olhos, fizera-o sentar em frente à pequena fogueira da cabana, e sentada ao lado dele, leu alguns trechos do Salmo 40. Quando ela terminara de ler, encontrou o pai lhe sorrindo ternamente, com os olhos marejados. — É uma princesa, Rosaleen. Sua mãe teria ficado muito orgulhosa. – ele tinha dito ao abraçá-la. Haviam permanecido ali, sentados, chorando juntos por alguns minutos, e naquele momento, Rosaleen se permitiu chorar pela mãe que partira muito cedo, pelo sofrimento do pai e pelo próprio destino. Ela não se enganava. Sabia que, com sua origem humilde e sua vida simples, não teria muitas oportunidades na sociedade. Talvez quem sabe poderia encontrar um jovem comerciante que lhe propusesse casamento e se tivesse sorte, poderiam levar uma vida razoavelmente modesta, onde criariam seus filhos. Ainda muito jovem, na idade em que as moças começavam a pensar em seu debute na sociedade, os flertes com os cavalheiros, os vestidos magníficos e os casamentos que teriam, Rosaleen era diferente das outras. Claro que sonhava, sim, fazia-o sempre em que se deitava em sua cama de palhas e olhava pelas frestas da janela com os olhos perdidos, esse era o único momento no qual sonhava com todas aquelas coisas. Mas não nutria nenhuma esperança, por mais que seu pai


lhe dissesse que o destino agia na vida das pessoas, e que ela acreditasse, que assim como a certeza do brilho das estrelas, sua vida poderia mudar radicalmente. Bem, seu pai estava certo. A vida de Rosaleen mudaria drasticamente, mas não para melhor. Agora, depois do que tinha acontecido, ela acreditava que o tal destino que o pai havia citado havia lhe apunhalado pelas costas, assim como Deus que, pensava agora, tinha-na virado as costas. Por quê? Era o que Rosaleen se perguntava naquele momento. Levou o livro até o peito e apertou com força, fechando os olhos e sugando forças do seu interior para não chorar. Por mais que o destino e Deus houvessem a traído, seria forte para não chorar. Precisava desesperadamente ser forte para não recordar o que havia acontecido naquela terrível noite. Se tivessem dado a ela a chance de escolher, ela teria escolhido não ser salva. Era algo insano escolher a própria morte quando a vida é lhe dada como opção, mas sim, Rosaleen teria escolhido, ao invés do que estava destinada agora. Estava destinada à dor, à degradação. Como poderia ela agora viver se estava arruinada? Sozinha, sem casa e sem sua dignidade.


Tudo fora arrancado dela de repente, sem dar chance de reação. O pai adoecera de um dia para o outro, tinha padecido do pulmão e dentro de poucos dias tinha morrido, deixando Rosaleen sozinha no mundo. Padre Bernard a tinha acolhido, oferecido comida e abrigo a ela, mas Rosaleen não movera os pés da cabana onde morava com o pai e ficou ali até os cobradores chegarem, exigindo o pagamento das dividas que o pai contraíra, as quais ela não tinha conhecimento. Com a situação que se encontrava, não houve outra solução a não ser entregar tudo que tinha, o que era pouca coisa; o espelho de prata que pertencera à mãe, alguns pratos, sua Bíblia e por fim, a própria casa. Para os cobradores não era o suficiente e deixaram claro que, para saldar a dívida, Rosaleen deveria pagar com seu corpo. Obviamente ela negou, tentou pedir ajuda ao amigo padre, mas não houve tempo, precisou fugir para a cidade, sem nenhum franco, sem nenhuma roupa. Pensou em conseguir um trabalho como costureira, ou lavadeira e morar em uma hospedaria. Mas ela não teve tempo para isso. Na sua primeira noite na cidade, Rosaleen tinha encontrado diversos problemas. Bordeaux não era como ela pensava. Em cada pequena rua, cada beco que tinha se esgueirado, havia encontrado pedintes e prostitutas oferecendo seus serviços, tinha visto crianças em condições deploráveis. Viu fome, frio e muita dor. Vagou por horas em meio àquela imundice. Sentiu seu estômago se contrair com a


fome e quase chorou quando parou em frente a uma hospedaria, onde exalava um perfume de carne assando. Não tinha como comprar comida e sabia que passaria a noite na rua. Antes mesmo de encontrar um lugar para dormir, os homens a encontraram, primeiro em uma vigilância sutil e, logo depois, começaram a persegui-la pelas ruas. Como um animal arisco, Rosaleen correu por entre os becos sujos e avançou para longe do centro da cidade. Guiada pela luz da lua, encontrou-se perdida em uma região de grandes casas, que ela deduziu ser a parte rica de Bordeaux. Tentou se esconder, correr, mas eles a tinham prendido, tinham-na arrastado até a escuridão… E a tinham quebrado. Rosaleen se moveu contra os travesseiros, ainda agarrada ao livro e de olhos fechados. Tentou se manter calma diante das lembranças que ameaçaram retornar para ela. Forçou sua mente a afastá-las, buscando em algum lugar distante algum pouco de paz e tranquilidade. Estranhamente, ali agarrada àquele livro, com o calor do quarto, conseguiu se acalmar, até que seu coração desacelerasse e seu corpo parasse de tremer. Levou alguns minutos até que Rosaleen pegasse no sono e por esse motivo ela não viu a estranha figura parada na soleira da porta, examinando-a atentamente.


Três dias depois, Rosaleen já havia conseguido levantar da cama e já tinha a permissão de Moira para descer para o salão da casa. No primeiro momento, ela observou fascinada a enormidade da construção, as pinturas que ornamentavam as paredes, as cortinas de veludo que cobriam as janelas de vitrais e os sofás com almofadas de seda, ao lado da grande lareira de pedras brancas. Mas havia algo de errado com tudo aquilo. Rosaleen percebeu como apesar da grandiosidade e o luxo do ambiente, o lugar estava em um estado assustador de poeira e descuido. Com um olhar mais atento, notou que alguns moveis estavam desgastados e as cortinas das janelas, antes bonitas, vistas com mais atenção, mostravam-se corroídas pelo tempo e pelas traças. Tudo isso entristeceu Rosaleen. Era um lugar lindo, sem sombra de dúvida, mas não estava em seus melhores dias. Moira, depois disso, a conduziu para a grande cozinha da casa. Rosaleen esperou encontrar ali dezenas de criados, cozinheiras com seus afazeres, mas não foi bem assim. A cozinha era escura e não havia presença de ninguém ali, a não ser as duas. Apesar de aparentemente limpa, Rosaleen viu que o lugar também precisava de uma boa organização. — Onde estão as cozinheiras? – ela perguntou à Moira.


A criada deu de ombros e sorriu vagamente. — Não há cozinheiras. Eu mesma faço a comida para meu senhor. Rosaleen piscou confusa. — E quem é a governanta e a ama de chaves da casa? – questionou. Moira elevou as sobrancelhas e juntou as mãos em frente ao corpo. — Meu senhor tem apenas dois criados, senhorita. Ned é o mordomo e eu… – ela hesitou por um momento. — Bem, eu cuido de tudo que posso. Cozinho, lavo e cuido das necessidades do meu senhor. Rosaleen olhou ao redor, espantada em como a criada conseguia dar conta de tudo aquilo. Mas era óbvio: ela não conseguia cuidar de tudo. Isso deu a Rosaleen o que pensar e, bem lá no fundo, uma chama se iniciou na escuridão de seu coração. Havia uma chance. Moira continuou a levar Rosaleen por algumas dependências da casa, principalmente a ala dos criados. No resto do dia, as duas trabalharam juntas na cozinha, e Rosaleen ficou feliz por isso. Era bom fazer algo novamente, agora que o sangramento havia parado e seu corpo não doía tão terrivelmente. À tarde, quando o sol já começava a se pôr, Moira foi até o quarto de Rosaleen e lhe deu uma mensagem de seu senhor.


— Meu senhor a espera em sua biblioteca, senhorita. Ele gostaria de lhe falar. – a criada tinha dito com a voz tensa. Rosaleen não tinha gostado disso. Durante todos aqueles dias não tinha visto o tal homem e, pelo pouco que Moira comentara, seu senhor era muito reservado e vivia sempre ocupado. Mas agora ele queria falar com ela. Isso a deixou nervosa porém, não demonstrou. Manteve-se firme enquanto descia as escadas e seguia para a biblioteca. Parou em frente à porta e respirou fundo. Desamassou o vestido que Moira tinha lhe emprestado e prendeu algumas mechas de cabelo que despontavam de seu penteado. Não iria fugir agora. Mesmo que temesse desesperadamente ficar a sós com um homem que jamais vira, ela sabia que não tinha outra solução. Resignada, Rosaleen alcançou a maçaneta e abriu a porta de mogno lentamente. A biblioteca estava escura, apenas duas velas postas sobre uma mesa iluminavam o local, e pela claridade da lua, ela pôde distinguir a grande sombra parada em frente à janela, de costas para ela. Analisou como o homem era grande, muito maior que ela. O homem percebeu a presença dela, pois se moveu alguns centímetros de sua posição.


— Olá. – ela disse, quase sussurrando. Deu alguns passos para dentro da sala, aproximando-se mais do homem. A cada passo que dava, seu coração acelerava consideravelmente. Era como se caminhasse para algo incerto, sem noção de qualquer coisa. Seus pés pararam há poucos metros do homem, que ainda não tinha se movido e nem respondido. Ela olhou para a cadeira revestida de veludo que se encontrava ao seu lado e distraidamente passou os dedos para sentir a textura do tecido. Era suave ao toque e a fez recordar da cadeira que ficava na sacristia da igreja de padre Bernard. Rosaleen deixou de lado a cadeira e virou para o homem. Mas ele não estava mais lá. — Estou aqui, senhorita Wickford. – uma voz rouca e potente surgiu ao seu lado. Ela virou rapidamente para o som e levou as mãos à boca para conter um grito ao ver o homem ao lado das velas, banhado pelas luzes. Seu coração parou de bater por alguns segundos diante daquela visão.


Capítulo Quatro Quando era apenas uma criança, Rosaleen, em uma manhã de domingo, foi com o pai na missa da pequena igreja do vilarejo em que moravam. Ela havia assistido às orações com olhos atentos ao que o sacerdote dizia, mesmo não compreendendo nada. No final, depois que saíram da igreja, Rosaleen havia ido caminhar pelo roseiral que ficava ao lado da construção, o pai tinha permanecido conversando com alguns amigos e não deu por falta da filha. Rosaleen caminhara por entre as lindas flores coloridas, encantada com os aromas doces que as plantas dispersavam ao redor dela. Estava sozinha e nem vira o tempo passar, até que ouviu pequenos grunhidos vindo de algum lugar perto. Curiosa, a menina percorreu o campo até encontrar um pequeno cervo encolhido junto a uma cama de folhas secas. Rosaleen adorava animais e por isso não se intimidou em tocar naquele. Ela arregalou os olhos e saiu gritando quando percebeu a pata ensanguentada do animalzinho. Naquela ocasião, Rosaleen não sentiu medo. Não, ela não correu por esse motivo. O que a assustou foi o que


viu nos olhos daquele animal. Com sua sensibilidade, Rosaleen percebeu a dor que a criatura sentia, a agonia. Agora, naquele momento, parada em frente àquele estranho homem, ela não conseguia desviar a atenção dos olhos negros mais assustadores que já tinha visto. Mesmo com a claridade de apenas uma vela, Rosaleen percebeu os contornos do homem. Ele vestia uma calça de lã preta agarrada às coxas fortes, e um colete do mesmo tecido e cor contrastando com o peito forte e largo. Mas não foram os traços do corpo que lhe chamaram a atenção. Os malares profundos, nariz aquilino, lábios grossos e uma barba rala cobrindo o queixo anguloso. E os olhos… Rosaleen prendeu a respiração com a intensidade daquele olhar que a fitava. Uma máscara negra cobria o lado direito do rosto dele, dando-lhe um ar de criatura da noite. Um pouco perdida pela situação, Rosaleen deu um passo para trás, esperando pelo que o homem iria fazer. — Sente-se, senhorita Wickford. – ele apontou para a cadeira em frente à Rosaleen, mas não esperou que ela se sentasse, logo voltou a caminhar pela ampla sala. Rosaleen agarrou as saias do vestido e, sem desviar o olhar do homem, sentou na cadeira forrada de veludo, as costas retas, o queixo erguido como sua mãe havia lhe ensinado ainda muito pequena. O homem deu as costas a ela e voltou para a janela, onde a luz da lua o banhou por entre as grandes


vidraças. Rosaleen começou a pensar no que dizer, claro, primeiro deveria agradecer a ele por lhe salvar a vida. Era o mais cortês a fazer, por mais que seus sentimentos em relação a isso ainda não fossem de apenas gratidão. — Senhor eu gostaria de… — Não faça. – ele a interrompeu. Ela olhou para ele e viu que suas mãos estavam apertadas contra suas coxas e a respiração alterada. Estava bravo, era óbvio. Mas por quê? Por que ela não deveria agradecer? Altiva, Rosaleen alisou as saias do velho vestido, tentando disfarçar seu evidente nervosismo. — Eu insisto. Se o senhor não houvesse me salvado eu estaria morta. Tem minha gratidão por isso, meu senhor. – ela tentou denotar um pouco de respeito na voz, por mais que ainda não tivesse tal sentimento por aquele desconhecido. Um som baixo, quase imperceptível veio do homem, mas Rosaleen ouviu e não soube interpretar o significado daquilo. — Senhorita Wickford, costuma desafiar dessa forma a todos que lhe pedem que não abra a boca? – ele perguntou de forma áspera. Rosaleen apertou os olhos, ainda nervosa e agora


irritada com a indolência daquele homem. Por que ele a tratava daquela forma? Respirou fundo e tentou encontrar um ponto de equilíbrio. — Meu senhor, me desculpe por minha insistência, eu só queria demonstrar o quanto sou grata por sua atitude. Aprendi com meu pai que devo ser sempre justa em meus julgamentos. – disse cordialmente. Stephen não acreditou ter ouvido realmente aquilo. Em um gesto brusco, virou de frente para Rosaleen. Era um homem dado ao controle, mas naquele momento, tinha certeza que a raiva que crescia dentro de si não seria domada tão facilmente. — Mulher tola! – se aproximou alguns passos dela. Rosaleen arregalou os olhos e apertou as mãos contra as laterais da cadeira. Estava apavorada. Stephen gostou disso. — Eu não quero sua gratidão ou seu respeito, senhorita Wickford. Não preciso que me agradeça por eu ter salvado sua vida. – caminhou lentamente até a mesa de madeira robusta e parou frente a frente à Rosaleen. Ela olhou para sua direita, para a porta pelo qual tinha entrado na enorme biblioteca. Talvez devesse segurar suas saias e sair em disparada para fora? Consideraria aquilo.


Pouco se via na expressão fantasmagórica daquele homem, a máscara quase nada revelava do rosto, apenas os olhos eram feixes luminosos faiscando em direção a Rosaleen. Engoliu o nó que se prendia em sua garganta e a impedia de gritar ou chorar. Por mais que o homem parecesse ser um perigo iminente, Rosaleen não sentiu medo. Nem mesmo aquelas duras palavras a inibiram. Ergueu os ombros e levantou o olhar para encontrar Stephen inclinado sobre a mesa, as mãos firmes sobre a madeira e a expressão de irritação evidente. — Com sua licença, senhor, irei me retirar. – era melhor ela sair dali enquanto ainda lhe restava seu orgulho. Tinha feito o que era certo, tinha agradecido a ele por sua vida e agora iria finalmente embora daquela casa. Enquanto levantava e seguia para a porta, Rosaleen podia sentir o peso do olhar de Stephen sobre ela, mas, mesmo assim, continuou seu trajeto até a saída. Durante seu breve percurso até a porta, Rosaleen tentou ignorar o desespero que se formava em seu peito, com uma terrível pergunta a assombrando: Para onde iria? Não tinha mais casa, nem dinheiro, ou sequer suas próprias roupas. Parou perto da porta e respirou fundo. Iria recomeçar sua vida. Procuraria um emprego honesto e seria dona de si mesma. Quando as mãos de Rosaleen alcançaram a maçaneta, Stephen se irritou mais ainda – se possível. — Não se atreva a sair dessa biblioteca, senhorita


Wickford. Eu a proíbo! – ele a advertiu de forma mordaz. Rosaleen sentiu seu corpo se desprender do chão e virou-se rapidamente para ele. — Perdão? — A senhorita me ouviu. – Stephen contornou a mesa e começou a se aproximar de Rosaleen, e para surpresa dela, parecia que os passos dele eram exatamente os de um caçador em busca de uma presa. — Deixe-me explicar melhor; Quando se tem a vida salva por alguém, você passa a ter uma dívida muito grande com essa pessoa. – ele parou a poucos metros dela. — Estou cobrando minha dívida, senhorita Wickford, e quero meu pagamento. Pavor. Assombro. Rosaleen espremeu as costas contra a porta e arregalou os olhos. O que ele faria? Não tinha como fugir, tinha certeza que ele a pegaria rapidamente. — O q-quê…? – ela gaguejou. Em meio às sombras que a luz das velas formava na escura biblioteca, Rosaleen teve o vislumbre de um sorriso no rosto daquele homem. Um sorriso perverso. — Eu a assusto? – Stephen deu mais dois passos na direção dela. — Pobre senhorita Wickford, acha que eu posso lhe fazer mal? – Rosaleen virou o rosto para o outro lado e fechou os olhos. Isso fez com que Stephen


retrocedesse. Ele podia ouvir a respiração dela. Estava prestes a entrar em pânico. — Você trabalhará para mim, senhorita Wickford. – ele começou a falar, com a voz mais branda. — Sua dívida será paga com trabalho. Moira precisa de ajuda. Rosaleen abriu os olhos. Estava lúcida? — Trabalhar aqui? – conseguiu perguntar. — Foi o que eu disse. – Stephen colocou as mãos nos bolsos do colete e se apoiou na cadeira ao lado. — Você prestará serviços a mim. Serei seu senhor. As palavras soaram estranhas nos ouvidos de Rosaleen. Trabalhar para ele? — Isso não é uma proposta. Não estou lhe dando a chance de refletir se aceita ou não, já está decidido. — Eu…Eu… – ela balbuciou. Stephen a estudou por um momento e logo entendeu o que se passava. — Se está preocupada com sua integridade, fique tranquila, senhorita Wickford. Eu a quero para ser minha criada e não minha concubina. – disse secamente. As bochechas de Rosaleen tomaram um tom rosado, que por um momento Stephen considerou ser gracioso, mas logo afastou tal pensamento. — Meu senhor, acredito que esteja um pouco


equivocado. Não posso simplesmente abandonar tudo que tenho e me dedicar a trabalhar em sua casa. Eu… Uma risada baixa interrompeu Rosaleen. Ele estava rindo dela! — Ora, senhorita Wickford, eu não sou tolo. Sei que não tem absolutamente nada para abandonar. Ela abriu a boca em incredulidade. — Como…? Stephen voltou a sorrir. E estranhamente, Rosaleen pensou que quando ele sorria, seu rosto ficava mais harmônico… Quase bonito. — Tenho pessoas que trabalham para mim e que podem conseguir qualquer informação que eu precisar. – ele deu de ombros. Um homem poderoso, pensou Rosaleen. Poderoso, autoritário e que estava jogando com sua vida. — E seu eu não aceitar? – perguntou com audácia, cruzando os braços em frente ao peito. Stephen arqueou as sobrancelhas. Era um gesto curioso da parte dela, enfrentá-lo daquela forma. Admirável. — Como eu disse, você não tem escolha. Mas vou deixá-la a par de sua situação: A senhorita não tem nenhum mísero franco, está usando as roupas da minha criada, não tem para onde ir e nem como se sustentar.


Diga-me, senhorita Wickford, qual seria seu destino a não ser vender seu corpo pelas ruas empesteadas de Bordeaux? Isso fez Rosaleen relembrar as prostitutas que encontrara em sua primeira noite em Bordeaux, a situação terrível em que as mulheres perambulavam pelos becos com o corpo esquálido, os dentes faltando, jogando-se sobre os cavalheiros em busca de uma moeda. Deus! Ela não queria aquilo. E também não queria ter que trabalhar e servir aquele homem que nem sabia o nome! Mas que escolha tinha? Como ele mesmo tinha dito, ela não tinha nenhuma. Enfrentando a humilhante vontade de desabar em lágrimas, Rosaleen conseguiu encontrar alguma força interna para parecer serena diante daquele homem. Não demonstraria seu temor perante dele. — Está bem, eu concordo. Trabalharei para o senhor e pagarei minha dívida. –sim, ela faria, se esforçaria ao máximo e, quando estivesse paga, ela usaria o dinheiro que iria receber e poderia ter sua própria vida. Stephen se esforçou ao máximo para não sorrir diante da atitude orgulhosa dela. Era algo novo para ele, ser desafiado daquela forma. — Muito bem, senhorita Wickford, se retire e procure por Moira, ela lhe explicará suas funções nesta


casa. — Sim, senhor. – ela concordou com um leve e sútil gesto de cabeça. Abriu a porta e saiu silenciosamente da biblioteca. Stephen viu a porta se fechar diante de si, então foi até a mesa de bebidas e serviu-se de Porto, apreciando o calor que escorria por sua garganta. Apertou a mão em torno do copo e sorriu. Tinha a vida da senhorita Rosaleen Wickford em suas mãos. A jovem inglesa ainda não sabia, mas agora ela pertencia a lorde Stephen Edmond, décimo Duque de Caston. De corpo, e alma.

Capítulo Cinco Na manhã seguinte, o dia mal havia começado e Rosaleen já estava de pé em frente ao espelho do quarto com os cabelos arrumados, presos em um coque no alto da cabeça, o vestido cinza de Moira desamassado em seu


corpo e a insinuação de um sorriso sereno no rosto. Estava pronta para começar seu trabalho. Conferiu pela última vez se estava tudo em ordem com sua aparência, viu que as sombras escuras dos olhos já tinham sumido completamente e as manchas arroxeadas agora eram apenas fracas pinceladas esverdeadas sobre a pele pálida. Sorriu fracamente. Era bom ver que seu rosto estava voltando ao normal, esperava, porém, que assim como as marcas na pele, as lembranças daquela noite se dissipassem de sua mente. Decidida, Rosaleen deixou o quarto, fechou a porta silenciosamente para não acordar qualquer outra pessoa e caminhou pelo largo corredor. Enquanto passava em frente aos outros quartos, ela se perguntou o motivo pelo qual ela ainda estava dormindo naquele fabuloso cômodo. Ela era uma criada naquela casa, então por que seu senhor não havia mandado que ela se retirasse daqueles aposentos, que evidentemente deveriam ser usados para acolher uma pessoa importante, algum convidado, e não uma simples e pobre criada? Não sabia a resposta para aquilo. Devesse talvez perguntar a seu senhor ou seria impróprio? Não perguntaria nada, decidiu. Enquanto não colocassem objeções a respeito, Rosaleen não iria interferir nisso. Estava bem acomodada naquele imenso quarto, alimentado pela lareira e com a cama mais


confortável que já vira em toda sua vida. Havia algo mais. Durante a noite, Rosaleen tinha jurado ouvir alguns barulhos vindos da parede ao lado de seu quarto. Os ruídos eram semelhantes a móveis sendo arrastados e algo caindo sobre a madeira. Consideraria que fossem ratos, seria melhor pensar isso do que supor que fossem fantasmas, certo? Até porque ela não acreditava em fantasmas de forma alguma. Tirando esses pensamentos tolos da cabeça, Rosaleen desceu pelas escadas escuras e passou pelo salão principal, que estava banhado pela escuridão. Tateou o caminho para a cozinha até ver uma pequena luz mais a frente. — Tem alguém aí? – perguntou espiando pelo vão da porta. Uma sombra passou na frente da vela e se aproximou de Rosaleen. Assustada, ela deu um passo para trás. — Moira! – sussurrou levando as mãos ao peito. A criada sorriu e voltou a se agachar próxima o fogão, onde tentava iniciar um fogo. — Desculpe-me por assustá-la, não foi minha intenção. Eu achei que fosse outra pessoa, não esperava que você fosse aparecer por aqui tão cedo. – explicou, enquanto juntava alguns gravetos e colocava dentro da abertura do fogão.


Rosaleen contornou a mesa no centro da cozinha e parou ao lado de Moira. — Ontem você me disse que eu deveria acordar cedo para começar meu trabalho. – contou Rosaleen, lembrando da conversa que tivera com Moira assim que saíra da biblioteca do seu senhor. Moira olhou por cima do ombro e soltou uma risada abafada. — Está certo. Eu só não esperava que fosse acordar tão cedo. Ninguém mais levanta a essa hora além de mim. Pode colocar a água para ferver? – indicou uma panela em cima de uma mesinha. Rosaleen encheu a panela com a água de um barril que ficava em lado da cozinha e, depois que Moira iniciou o fogo, ajudou-a a colocar a pesada panela sobre o fogão. — Agora vou começar a preparar as ervilhas para cozinhá-las e até a hora do almoço elas estarão prontas. – a criada sentou em um banco e espalhou uma bacia com ervilhas frescas sobre a mesa, onde começou a limpá-las. Rosaleen caminhou pela cozinha, observando todos os detalhes, pensando no que poderia fazer. — Quer que eu prepare o desjejum do seu senhor? Moira negou com a cabeça. — Meu senhor é muito exigente, somente eu sei o que ele gosta de comer. E agora, ele também é seu senhor, senhorita. – sorriu novamente, dessa vez de forma


convencida. Rosaleen deu de ombros. Ainda não estava acostumada com aquela situação. Aproximou-se de um armário e passou os dedos pela madeira desgastada, uma grossa camada de poeira grudou em sua pele, fazendo-a franzir a testa. — Moira por que o salão está daquela forma? Seu senhor não se incomoda com a aparência daquele lugar quando recebe visitas? – perguntou ao sentar ao lado da criada. Moira deu um suspiro pesado. — Meu senhor não recebe visitas há anos. – ela entregou algumas ervilhas para Rosaleen, que começou a ajudá-la. — Ele não permite que eu toque em qualquer coisa naquele salão. Sinceramente, tenho desejo de poder arrancar aquelas cortinas horrorosas e aqueles móveis que devem ter mais de quatro gerações. – riu baixinho. Rosaleen largou as ervilhas e olhou para Moira. — Você faria isso? A criada colocou um monte de ervilhas dentro de uma bacia e voltou a atenção para Rosaleen. — Oh, claro que sim. Mas meu senhor me mataria por isso. Rosaleen abriu bem os olhos. — Ele a mataria? – questionou em pânico. Moira riu mais uma vez.


— Estou brincando, senhorita. Ele jamais seria capaz de algo assim, eu lhe asseguro. Alívio percorreu o corpo de Rosaleen e uma ideia ousada começou a surgir em sua mente. — Moira, depois de terminar de preparar o desjejum, você poderia me ajudar em algo? – quando a criada balançou a cabeça concordando, Rosaleen levantou, limpou as mãos em um pano, acendeu uma vela junto à outra e foi em direção à porta. — Espero você no salão. Parada na entrada do salão escuro, Rosaleen juntou sua coragem e começou a acender os candelabros em cima das mesas, deixando que o ambiente se iluminasse completamente. Sentou diante da velha lareira e, depois de várias tentativas falhas, finalmente conseguiu que uma tímida chama crepitasse ali. Satisfeita, Rosaleen passou para o próximo problema, o qual mais ansiava resolver: As cortinas. Ela não considerava que as cortinas fossem feias. Em verdade, o corte era bonito, mas a cor escura deixava o lugar sóbrio demais, além é claro, do fato do veludo estar corroído pelo tempo. Rosaleen não conseguiu esperar por Moira e, com um leve esforço, conseguiu subir no sofá, onde começou a puxar as cortinas pesadas, fazendo-as cair no chão e levantar uma grande nuvem de pó. Ela tossiu, tentando respirar.


Ela desceu do sofá para admirar seu primeiro trabalho. Por entre os vitrais, podia se ver ao longe pequenas nuvens rosadas surgindo, revelando o dia que começava. Era um presente para seu primeiro dia ali. Então, pela primeira vez desde a morte de seu pai, Rosaleen sorriu verdadeiramente. Sim, ela iria ser dona de sua própria vida, iria também provar àquele homem, o qual ela recusava chamar de seu senhor, de que ela poderia mudar o lugar que ele chamava de casa. Levou a mão ao peito e fechou os olhos, sentindo depois de muito tempo o ritmo do próprio coração.

— Jamais desobedeça minhas ordens novamente. Está me ouvindo, seu verme? — Sim, senhor. — Ótimo. Agora fique de joelhos! Cada vez que meu chicote queimar em suas costas, quero que lembre de como conduzir um cavalo corretamente. Entendeu? Não teve tempo de responder. A primeira lambida do chicote acertou próximo a suas costelas e o fez tremer sobre seus joelhos. As seguintes foram em sua coluna, e ele rangeu os dentes, tentando não gritar. As outras foram mais fortes e abrangeram toda a


extensão das costas e braços. Ele apenas abaixou a cabeça e suportou. Agora saberia como conduzir um cavalo. Stephen jogou as mantas para longe da cama e deitou sobre seus braços, fixando o olhar no teto. Mais uma vez, mais uma noite ele havia ido para o inferno. Sempre se repetia. Já devia ter se acostumado ou pelo menos não se incomodar mais. Mas mesmo assim, depois de tantos anos, ainda era difícil conviver com aqueles monstros. Era um homem adulto, em seus trinta e um anos, já devia ser capaz de controlar tais coisas, porém, quando a noite chegava, Stephen se tornava apenas um menino. Um menino amedrontado. Irritado, rolou na cama e pegou sua máscara. Apertou-a contra os dedos e suspirou. Detestava-a. Odiava usá-la, mas ao mesmo tempo era seu disfarce, seu escudo contra o mundo. A única forma de tornar mais branda a Fera. Seguindo o doloroso ritual matutino, Stephen levantou da cama e foi até a bacia de água que seu mordomo havia deixado em uma mesinha. Com extremo cuidado, diante do espelho, começou a barbear o lado humano, como ele dizia. O outro lado, a parte Fera, era mais difícil e requeria mais atenção, porque na maioria das vezes era doloroso. Quase seis anos havia se passado,


mas as cicatrizes ainda doíam terrivelmente. Eram marcas que carregava em seu corpo e que, cada vez que se olhava no espelho, revivia aqueles momentos infernais. Assim que terminou, Stephen seguiu para seu quarto de banho. Minutos depois, já estava perfeitamente vestido em sua calça cinza, camisa branca aberta no peito e um casaco preto novo, recém-chegado do alfaiate. Parou para pegar sua máscara sobre a cama e, no momento em que a segurou na mão, ouviu um barulho alto vindo do andar de baixo. Enquanto prendia a máscara no rosto, outro barulho, desta vez seco, soou lá embaixo. Ouviu também algumas vozes. O que estava acontecendo? Não sabia muito bem o motivo, talvez fosse sua intuição, mas enquanto percorria o corredor e descia as escadas, Stephen julgou que a possível culpada para aqueles sons indesejados no começo da manhã era sua nova criada, a senhorita Wickford. Ele não estava errado. Assim que chegou no inicio das escadas, encontrou a cena mais inusitada que jamais podia esperar. O salão principal estava sendo demolido! As cortinas haviam sido retiradas e jogadas para o lado e agora o sol batia contra os vitrais iluminando todo o ambiente. Os quadros das paredes estavam amontoados no chão, e ainda mais: a cena que mais o chocou foi a senhorita Rosaleen Wickford, sua criada, empoleirada


sobre uma mesa de mais de cento e cinquenta anos, enquanto seus criados, Moira e Ned arrastavam o sofá e as cadeiras. O que inferno ela estava fazendo? Assim que viu Stephen, Rosaleen parou de tirar o pó de cima do castiçal da parede e segurou o pano de encontro ao peito. Ele avançou para ela, com passos decididos. Isso deixou Rosaleen apavorada e ela, sem perceber, começou a se inclinar sobre a velha mesa. Foi muito rápido. Primeiro Rosaleen estava tentando se segurar em algo, em seguida estava caindo e, em outro momento, via-se nos braços musculosos de Stephen. Ele a apertou contra o peito, e Rosaleen fechou os olhos, tremendo. Não ousou olhar para ele e nem se mover. Em parte, sim era medo. E também era o perfume que sentia a aquecendo. Perfume dele. — Nós vamos conversar. – Stephen sussurrou no ouvido de Rosaleen. E ela, bem, ela achou que fosse desmaiar nos braços dele.


Capítulo Seis Stephen, desde muito jovem, orgulhou-se de sempre conseguir exercer controle sobre todas as coisas que pudessem desestabilizá-lo. Sabia exatamente o que fazer quando algo premeditado saía do poder de suas mãos. Conseguia conduzir uma situação extrema até que ela estivesse sob suas ordens. Tinha orgulho de seu temperamento controlado, que já lhe fora útil no passado. O que Stephen não contava, entretanto, é que se encontraria na situação a qual estava agora. Não tinha percebido que seu instinto e consciência masculina o fariam gostar de ter aquele pequeno corpo que se agarrava


em seus braços e, mais ainda, amaldiçoava-se por quase perder a razão quando sua peculiar criada, a senhorita Rosaleen Wickford, escondeu o rosto em seu peito. A respiração morna dela em sua pele – nem mesmo as camadas de roupa puderam impedir essa sensação – causou um breve aquecimento em seu corpo. Mon Dieu! Era demais! Com um suspiro resignado, Stephen conseguiu colocar Rosaleen no chão e precisou segurá-la por alguns segundos, até que ela recuperasse o equilíbrio. Constrangida, Rosaleen se afastou alguns passos e começou a ordenar inutilmente o cabelo desgrenhado. Não ousou olhar para ele. Era inteligente o suficiente para saber que estava em uma situação complicada. Juntou as mãos em frente ao corpo e esperou pelo que ele iria dizer. Stephen bufou irritado. — Senhorita Wickford, poderia ter a caridade de me informar por que estava destruindo meu salão? – ele perguntou com a voz tremendo. Rosaleen se assustou ao ouvir aquilo. Destruindo? Ele achava que ela estava destruindo o salão? Ela ergueu o rosto e seus olhos se encontraram com os dele. E na verdade, essa foi a primeira vez que Rosaleen realmente olhou para aquele homem sem a barreira das sombras. E o que viu a fez prender a


respiração. Agora, com os raios dourados do sol atravessando os vitrais e atingindo a sala, ela podia notar os traços mais simples dele. Mas, bem, ele não tinha nenhum traço simples. Aqueles olhos. Faziam-na lembrar do verde dos campos em que brincava quando criança. A cor contrastava com a pele morena, uma raridade na sociedade francesa da época em que a palidez era apreciada. Ele era… Bonito. Rosaleen tinha um desejo incontrolável de retirar aquela máscara e descobrir o segredo que se escondia naquele rosto másculo. Ah, como ela queria. Mas não podia. Principalmente porque tinha certeza também que naquele exato momento seu nada convencional senhor estava evidentemente irritado com ela. Isso lembrou Rosaleen de que deveria parar de divagar a respeito do homem e se concentrar em mostrar a ele que aquele salão estava à beira de um colapso. — Eu estou falando com você, senhorita Wickford. Vai fugir da minha pergunta? – Stephen tentou controlar o nervosismo em sua voz, mas foi um pouco falho. Rosaleen não se encolheu diante da urgência daquela voz. Ao contrário, mudou a atitude. Ergueu o rosto e os ombros, demonstrando que não iria simplesmente aceitar que falassem com ela daquele jeito. — Não estou fugindo de nada, meu senhor.


Acredito que seus olhos o estejam traindo, porque é evidente que seu salão está inteiro. Eu apenas estava tirando o pó e organizando algumas coisas. – os olhos dela brilharam com a provocação tão clara. Atrás de Rosaleen, ouviram-se cochichos baixos, vindos de Moira e Ned, que com toda certeza, estavam escandalizados pelo comportamento da nova criada. Stephen franziu a testa. A senhorita Wickford sofria de alguma demência? Como ousava falar com ele daquela forma? Apoiou-se em um móvel qualquer e a encarou. — Eu não lhe dei permissão para isso. Rosaleen o fulminou com o olhar. — Não, não deu. Porque meu senhor estava dormindo com o sol já alto no céu. – ela espetou. Dessa vez, exclamações assustadas preencheram o ambiente e, por um momento, Rosaleen se arrependeu do que dissera. Jesus! Tinha ido longe demais! Stephen tentou controlar a raiva, tentou acalmar o latejar em seu rosto. Mas não conseguiu evitar que seus pés se movessem até ela. Rosaleen, assustada, olhou para os lados à procura de uma rota de fuga, mas só tinha duas opções: Se jogar pelos vitrais da janela, ou tentar passar por ele sem


ser pega. Nenhuma das opções era boa, apesar de que ela estava quase cogitando se atirar pela janela. — Eu… – ela gaguejou, parando a mão na garganta, alarmada. — Afugentando a pobre moça, Stephen? – uma voz surgiu ao lado deles, vindo da entrada do salão. Todos se viraram para ver Lorde Matthew Cheeven entrar pela grande porta. Um homem alto, robusto, de cabelos negros despenteados e um sorriso malicioso. Assim que o viu, Stephen amaldiçoou-se por ter se esquecido da visita do amigo naquela manhã. Com um grande esforço conseguiu desviar a atenção de Rosaleen e cumprimentar Matthew com um aperto de mãos. — Como você entrou? – perguntou observando o amigo. Matthew sorriu e olhou para Rosaleen. — Ninguém atendeu à porta. Quem é sua amiga? – apontou para ela. Stephen conteve a vontade de revirar os olhos diante do comentário. — Ela é minha nova criada. – explicou. Mathtew se aproximou de Rosaleen, sorrindo


sedutoramente. Capturou a pequena e empoeirada mão dela e a levou aos lábios, depositando um pequeno e cortês beijo. — É um prazer, milady. – ele acariciou a mão dela antes de se afastar. Rosaleen abriu e fechou a boca, espantada pelo gesto do homem. Não tinha a mínima ideia do que responder. Olhou para Stephen e percebeu que ele a encarava furioso. Constrangida, ela apertou as saias do vestido entre as mãos e correu para onde Moira estava. — Vamos para meu escritório. – Stephen interrompeu o momento estranho, empurrando Matthew para a sala do outro lado do salão. Enquanto o seguia, Stephen lançou um olhar para Rosaleen. Assim que chegou à porta do escritório, parou a mão na maçaneta e apontou para ela. — Nós ainda teremos nossa conversa, criada. – sua voz era fria e cortante. Finalmente ele entrou e fechou a porta, e então, Rosaleen pôde respirar por um momento.

— Quem é ela? – foi a primeira coisa que Matthew perguntou quando Stephen sentou em sua cadeira, atrás da mesa abarrotada de papéis.


Sem olhar para o amigo, Stephen se propôs a responder: — Eu já lhe disse, é minha nova criada. Matthew sentou em uma das cadeiras em frente à Stephen. — Ela é muito bonita. – atentou com naturalidade. Stephen ergueu os olhos dos papéis que analisava e fitou o amigo. — Ela é? Matthew soltou uma risada abafada. — Apesar de ser magra, ela tem curvas. Onde você a encontrou? Stephen molhou a pena na tinta ao lado e começou a escrever em um documento. — Na porta da minha casa. — O quê? – a expressão de confusão no rosto de Matthew quase fez Stephen rir, mas então ele começou a contar tudo que acontecera nos últimos dias, como tinha encontrado Rosaleen e o motivo que a tornara sua criada. — Você é um maldito canalha, Edmond. – Matthew disse quando ele terminou de contar a história. Stephen apenas meneou os ombros. — Infelizmente, meu amigo, sei disso há muitos anos.


Matthew estalou a língua. — Você está jogando com a vida dessa mulher, como se ela fosse um simples objeto. Não achei que você fosse tão cruel assim, Edmond. Stephen franziu a testa. — Se minha memória não me é falha, há alguns anos você me acompanhava em todos os tipos de lugares onde podíamos encontrar vícios, mulheres e bebidas, e hoje em dia, é considerado o maior libertino da sociedade, que seduz as mulheres e depois as deixa chorando destroçadas. – um sorriso cínico surgiu em seus lábios. — Tem certeza que eu sou o cruel aqui? Matthew espalmou as mãos e as levantou no ar, suspirando. — Tudo bem, vamos esquecer o passado. Nós dois somos cruéis. A diferença, meu amigo, é que eu uso as mulheres, mas antes de descartá-las, dou o maior prazer que elas já sentiram na vida. E você? Que prazer está dando a essa mulher que, mesmo depois de tudo que passou, você a trata dessa forma? Stephen se recostou na cadeira. — Do que está falando? — Ora, Edmond, quando entrei em seu salão, você estava próximo a voar no pescoço daquela pobre mulher. E agora me pergunto, por qual motivo?


— Ela estava destruindo meu salão. Matthew piscou, surpreso. — Eu achei que ela estivesse limpando-o. Foi o que vi quando entrei. E para ser sincero, ela fez um ótimo trabalho. Não aguentava mais ver aquele lugar empoeirado e escuro. – fez um gesto vago com as mãos. Agarrando as laterais da cadeira, Stephen o encarou. Matthew realmente pensava aquilo sobre seu salão? A revelação era estranha para ele. — Não quero mais falar sobre isso. – disse simplesmente. — Não? — Você está aqui como meu contador e não como conselheiro. Aliás, não preciso de conselho algum. – explicou enquanto separava o selo do ducado em cima da mesa. — Eu não me atreveria a dar conselhos ao Duque de Caston. Apesar de que, talvez eu me atreva a conhecer melhor a sua adorável criada. Acho que podemos ser bons amigos. – Matthew sorriu provocador. Stephen segurou a cera na palma da mão e olhou para ele. — Não se atreva. – ameaçou-o. Matthew alargou o sorriso. — Por que não?


— Eu sou seu senhor. Ela só recebe ordens minhas e eu estou dizendo que ela não irá ser sua amiga. – Stephen tentou não usar um tom muito urgente nas palavras. Em efeito, o amigo se inclinou na cadeira e riu. — Você é possessivo assim com todos os seus criados? Stephen o ignorou. — Cale a boca e comece a trabalhar. Tenho muitos documentos para assinar, e as contas precisam ser feitas. – jogou um maço de papéis no colo de Matthew e voltou a se concentrar no trabalho.

Rosaleen estava mais calma agora. Depois de ter ingerido – por insistência de Moira – quatro xícaras de chá de uma erva doce que tinham lhe dito ser calmante. Moira e Ned tinham a arrastado até a cozinha, pois ela mal conseguia se mover, pelo estado de choque das ações anteriores, dela e de Lorde Stephen. Stephen. Esse era o nome de batismo do seu senhor. Essa constatação em nada a acalmou, apesar dos chás que havia tomado, outro problema havia surgido: Poucos minutos antes, Moira informou que Rosaleen serviria o almoço


para os dois lordes no salão de jantar da casa. Rosaleen teria com muito prazer ingerido mais algumas xícaras daquele chá calmante, mas suas pernas já estavam moles demais e tinha medo que elas não funcionassem quando precisasse. Quem preparou a comida foi Moira, como tinha a mesma explicado, somente ela cozinhava para seu senhor. Rosaleen não a contrapôs, obviamente. Quando Ned chegou à cozinha informando que os lordes já estavam prontos para serem servidos, Rosaleen procurou em sua mente alguma prece que a ajudasse a executar aquele trabalho. Já tinha feito isso antes, mas não em uma casa tão grande e luxuosa. E se confundisse algum talher? Se cometesse algum erro imperdoável? Se derrubasse… — Aqui. – Moira colocou a bandeja com o faisão assado nas mãos de Rosaleen e a empurrou para o salão de jantar. Ela seguiu quase tropeçando nos tapetes e desviando das esculturas sobre as mesas. De cabeça baixa, entrou no salão azul, onde uma enorme mesa ficava no centro, mas que agora abrigava apenas dois homens. Com um rápido olhar, ela percebeu que Lorde Stephen estava sentado na extremidade de mesa e, a sua esquerda, estava Lorde Cevem.


Reunindo toda coragem que conseguiu, Rosaleen apertou a bandeja nas mãos e alcançou a mesa em alguns passos. Parou ao lado de Stephen, que com um olhar indiferente, indicou que servisse Matthew. Se concentrando tanto quanto podia, Rosaleen conseguiu servir uma generosa porção de carne para o convidado, sem cometer nenhum erro. — Obrigado, senhorita Rosaleen. – ele ergueu a taça em um brinde malicioso. Rosaleen corou pelo gesto e desviou o olhar. Quando fez menção de servir Stephen, ele ergueu a mão, impedindo-na. — Eu mesmo faço isso. Vá até a cozinha e me traga o vinho. Ela obedeceu sem pestanejar. Deixou a bandeja sobre a mesa e girou nos calcanhares de volta para a cozinha. — Moira, o vinho! – apoiou-se na mesa e respirou fundo. A cozinha ficava a três cômodos do salão de jantar e, considerando que cada cômodo daquela casa era enorme, a distância entre os dois era cansativa. Moira abriu um armário e tirou uma garrafa de vinho, que entregou a Rosaleen. Ela olhou encantada pela garrafa. — É um dos vinhos da reserva do meu senhor. Ele


mesmo planta as uvas e as transforma na bebida. – informou orgulhosa. Rosaleen olhou para a garrafa em suas mãos. Nunca tinha provado vinho, nem mesmo durante as longas missas na capela do povoado em que morava. Mas lembrava de seu pai falando sobre os maravilhosos vinhos produzidos em Bordeaux, mesmo que nem ele tivesse tido a chance de experimentar. O peito de Rosaleen pulsou apertado. Pensar no pai a fazia querer chorar. Mas não podia. Não agora. — Obrigada. – agradeceu ao se virar para voltar para o salão.

— Lady Isobel tem citado seu nome em alguns salões de Paris. – Matthew contou enquanto devorava um pedaço do faisão. Stephen levantou a cabeça. — O que ela disse? – perguntou um pouco preocupado. Lady Isobel havia sido sua amante durante quatro anos, antes que ele fosse enviado em sua missão. Ela era uma viúva, alguns anos mais velha que ele. Juntos tinham chocado a sociedade francesa com seus comportamentos lascivos em lugares públicos, eram vistos em casas de jogos e até mesmo em clubes de lutas


no submundo de Paris e às vezes em Bordeaux. Matthew deixou o garfo sobre a mesa e refletiu por um momento. — Ela tem sussurrado nos ouvidos das matronas e algumas pessoas importantes que… Bem… Ela o iniciou em certas coisas… Nesse momento, sem que nenhum dos dois percebesse, Rosaleen entrou no salão, carregando a garrafa de vinho e duas taças em uma bandeja de prata. — Que coisas? Rosaleen desviou de uma mesinha e se aproximou dos dois lordes. — Sexo. – respondeu Matthew. De repente, os dois se viraram ao ouvirem um barulho de algo se quebrando, e um gemido baixo. Stephen levantou rapidamente e foi até onde sua criada estava caída, embolada em seu vestido e molhada pelo vinho que carregava. Assim que viu lorde Edmond se aproximar, ela tentou levantar rapidamente, batendo as mãos contra os cacos de cristal e se cortando. — Pare com isso, senhorita Wickford! – ele a advertiu, ajoelhando-se ao lado dela e segurando as pequeninas mãos ensanguentadas. Rosaleen congelou diante da ordem.


— Suas mãos… – ele a ajudou a levantar, o corpo dela tremendo. — Me desculpe… Eu… Seu vinho… – ela gaguejou olhando para poça escura de vinho que escorria pelo chão. Stephen rangeu os dentes. A mulher cortava as mãos e estava preocupada com uma mísera garrafa de vinho? Retirou um lenço de linho branco do bolso e enrolou nas mãos de Rosaleen, que gemeu de dor. — Suba para seu quarto. Não faça nada até que eu mande. Em alguns minutos iremos ter nossa conversa, senhorita Wickford. Ele mal terminou de falar e Rosaleen já estava correndo para fora do salão. Stephen passou as mãos pelo cabelo e bufou. — Acho que sou mais cruel que você meu amigo. Nunca fiz isso por uma mulher. – Matthew comentou atrás dele. Ele se virou para ele. — Calado! – rosnou antes de sair batendo os pés para a cozinha.

No andar de cima, Rosaleen sentou na enorme


cama de seu quarto luxuoso demais para uma simples empregada e fez de tudo para acalmar a respiração e o palpitar do coração. Sua mão doía terrivelmente, mas o que mais a estava preocupando era que, a qualquer momento, Lorde Edmond abriria aquela porta, e ela teria que enfrentá-lo. Por Deus! Por que tinha tropeçado? Claro, havia sido por ouvir aquela palavra… Fechou os olhos e deitou nos lençóis macios. Estava em uma situação muito, muito difícil. Será que ainda havia aquele chá na cozinha?


Capítulo Sete Em meio ao silêncio da enorme casa, ele subia lentamente pelos degraus da grande escadaria que chegava ao andar superior. Equilibrava nas mãos uma vasilha com água e panos limpos. Todos estavam trabalhando. E estranhamente, ele aproveitou esse momento para falar com ela. Havia algo, uma força estranha que o puxava diretamente para aquele quarto. Sabia o quão ridículo isso era, mas mesmo assim, não foi capaz de ignorar a sensação. Antes de Matthew ir embora, ele tinha dito a Stephen que Rosaleen era um espécime de mulher raro de encontrar. Quando Stephen perguntara o motivo do comentário, o amigo com um sorriso travesso, havia explicado que a senhorita Wickford fora a única mulher que até agora tinha conseguido tirar o intocável Lorde Stephen fora de sua razão. Enfer!* Stephen quase havia socado o amigo por tal comentário, por mais que em seu íntimo soubesse que ele tinha razão. Em toda sua vida, nenhuma mulher cometera a atrocidade de afrontá-lo. Ele era Lorde Stephen Edmond, Duque de Caston, e todos o temiam e respeitavam. Estava acostumado a isso. Acostumado em


ser A Fera de Bordeaux, que assustava todos, deixava em prantos qualquer mulher que tentasse uma aproximação mais ousada. Qualquer mulher, menos ela… Rosaleen, diferente de qualquer outra, olhava-o nos olhos, desarmava-o com sua boca esperta, sempre preparada para uma resposta rápida que o fazia ter vontade de calála. Por Deus! Se Matthew não tivesse interferido, provavelmente ele a teria castigado por sua insolência e principalmente, por ter destruído seu salão. Quando chegou em frente a porta do quarto de Rosaleen, Stephen parou por um momento, tentando ouvir algum ruído vindo de dentro. Tudo estava em mais perfeito silêncio. Muito estranho. Em outro momento, no passado, quando Stephen estava perto de ser um cavalheiro honrado, ele teria batido na porta, mas naquele momento, não. Ora, ele não precisava se anunciar em sua própria casa! Segurando a bacia e os panos junto ao peito, Stephen abriu a porta lentamente e entrou de uma vez. O quarto estava escuro, as grossas cortinas fechadas deixavam o local com ar de mistério. Fora a escuridão, o que mais chamou a atenção de Stephen foi a pequena forma embolada sobre os lençóis da cama. Rosaleen estava encolhida, os joelhos


recolhidos e as mãos machucadas apoiadas em um travesseiro. Ele engoliu em seco. O horroroso vestido cinza de Rosaleen estava enrolado em seu quadril, revelando as meias de lã branca. Stephen inclinou a cabeça para o lado para ver melhor. Ela deveria estar usando meias de seda. Tão rápido quanto chegou, ele logo afastou aquele pensamento indesejado. É claro que ela não iria usar meias tão luxuosas, ela era uma criada, afinal. Outro pensamento atingiu Stephen ao olhar ao redor. Por que infernos ela ainda dormia naquele quarto se ela era uma simples criada? Era óbvio que teria que colocá-la para fora dali. Era uma regalia que nem mesmo o melhor criado da França mereceria, quem diria então aquela mulher desastrada. Com cuidado, Stephen deixou a bacia em cima da mesinha ao lado da cama de Rosaleen e parou para observá-la. Ela dormia profundamente. Tinha o rosto sereno, tranquilo, muito diferente de momentos antes, quando estava de joelhos sobre os cacos da garrafa de vinho. Era estranho vê-la assim, sem as ondas e o farfalhar do vestido pelos cômodos. Stephen franziu a testa ao se lembrar da visão da senhorita Rosaleen de pé sobre sua mesa que pertencera ao bisavô. E então o pavor que o tomou quando a viu


balançar sobre a velha mesa, a ponto de cair e se estatelar no chão, e logo depois sua reação impensada em segurá-la nos braços, contra seu peito. E por último, a reação inesperada que ela havia causado nele. Ele tinha odiado terrivelmente tal sensação, ao mesmo ponto em que o contato havia o aquecido momentaneamente. Mas que culpa ele tinha? Ele era homem, afinal. Tinha necessidades, desejos. Desde que acontecera aquela tragédia com ele, Stephen por decisão e senso comum de que todas as mulheres o rejeitariam por seu rosto, havia se afastado de todas as atividades sexuais ao qual antes era viciado. Sim, Stephen, anos atrás fora o maior libertino de toda Paris, tornando cada evento social, cada baile e sarau em um grandioso e suculento escândalo. Tivera amantes, tantas que não era capaz de recordar sequer o nome delas, mas nunca adormecia em uma cama desconhecida, o calor delas o anojava. Mas mesmo assim, também havia sido cotado por quase todas as mães de debutantes, que sonhavam em ver suas filhas casadas com o notável Duque de Caston e com a união do casamento, vê-lo se tornar um homem honrado. Obviamente isso nunca aconteceu. Ele jamais permitiu cair em tais armadilhas. Agora, anos depois, ele não precisava ter nenhuma preocupação, pois com toda certeza nenhuma mulher digna se envolveria com ele. Nem mesmo uma prostituta que seria paga por tal serviço repugnante.


Rosaleen se moveu na cama, e Stephen saiu do transe perturbador em que se encontrava. Não gostava quando divagava. Para ele, recordar era o pior método de tortura que havia. Cada vez que aquelas cenas voltavam, ele tinha vontade de bater a própria cabeça contra a parede, ou então acabar ele próprio com tal sofrimento. Não, naquele momento não poderia pensar naquilo. Havia um trabalho para fazer. Tentando não acordar Rosaleen, Stephen tocou nas mãos dela. O lenço que ele enrolara sobre as feridas estava empapado de sangue, e ele precisou usar toda sua delicadeza para não feri-la mais ainda enquanto retirava o tecido. Mas felizmente, ela não acordou quando ele retirou os cacos de vidro da palma de sua mão, nem quando limpou o sangue acumulado com os panos úmidos. Era estranho ter aquelas pequenas mãos nas suas grandes e desajeitadas. Apesar dos cortes, a pele dela exalava um calor agradável. Assim que terminou de prender as bandagens nas mãos de Rosaleen, Stephen juntou os panos usados e jogou dentro da bacia. Ficou de pé em frente a ela, observando-a dormir. Os ferimentos não eram graves, mas com certeza, ela não poderia usar as mãos durante alguns dias, o que significava que ela não poderia trabalhar. Rosaleen se moveu durante o sono e seu vestido subiu mais alguns


centímetros, deixando uma parte da coxa exposta. Isso fez Stephen se sentir incomodado. Muito. Stephen pegou a bacia e caminhou em direção à porta, mas parou antes de alcançá-la. Resignado, voltou até a cama de Rosaleen e, com um gesto inesperado até por ele mesmo, puxou as saias do vestido para baixo e jogou uma manta sobre ela. Pegou novamente a bacia e voltou para a saída. — Durma bem, senhorita Wickford. – ele sussurrou antes de sair do quarto. Rosaleen abriu os olhos lentamente e procurou pelo quarto de onde tinha vindo aquela voz. Talvez fosse um sonho. Mas quando viu as bandagens em suas mãos e a manta sobre seu corpo, percebeu que ele havia estado ali. Um arrepio percorreu a nuca de Rosaleen ao saber daquilo. Ele tinha cuidado dela. Sorriu. E eles não tinham conversado como ele queria. Esticando-se sobre os travesseiros, Rosaleen conteve uma gargalhada. Tinha ganhado do imperturbável Lorde Edmond! Feliz, ela se virou para o outro lado, ajeitou os travesseiros e voltou a dormir tranquilamente.


Capítulo Oito Rosaleen estava considerando adoráveis os castiçais de bronze em cima da lareira. O fogo formava desenhos interessantes com as sombras dos objetos. Em algum momento, achou ter visto a forma de um pequeno coelho de orelhas grandes. Bufou. Estava ficando louca! Três dias confinada naquele quarto e já estava perdendo a razão. Por ordens expressas de seu senhor, Rosaleen fora obrigada a permanecer em repouso por ter se estatelado sobre os cacos de vidro. Era para ser uma atitude digna de Lorde Edmond, mas ela não concordava com isso. Suas mãos estavam boas! Os cortes ainda doíam, mas não eram tão profundos, e ela ainda podia mover as mãos. E, além do mais, não gostava de passar o dia todo sem fazer nada! É claro que ela havia tentado sair daquele quarto. Tinha até espiado pelo vão da porta, procurando por


qualquer um que pudesse vê-la. Mas Moira havia a encontrado quando começava a descer os degraus da escada, e como uma menina teimosa, Rosaleen fora arrastada pelos braços até o quarto, onde a criada deixou bem claro as ordens do patrão. — Meu senhor ordenou que não saia deste quarto, senhorita Rosaleen. Suas mãos estão feridas, e não poderá trabalhar até que elas estejam melhores. – Moira informara enquanto dobrava as bandagens de pano limpo. Sentada sobre a cama, Rosaleen chacoalhou os braços sobre a cabeça. — E onde ele está? – exclamou nervosa. Moira sentou ao lado de Rosaleen na cama e pegou as mãos dela. — Acalme-se, senhorita. Meu senhor teve que viajar junto com Lorde Cheeven e deve voltar amanhã. – começou a desembrulhar a mão esquerda de Rosaleen. — Para onde ele foi? Moira olhou de forma estranha para ela. — Ele é muito reservado, quando precisa se ausentar de casa, nunca diz para onde vai. – explicou. Rosaleen compreendeu. Moira era muito fiel ao seu senhor e também muito discreta. — Não suporto ficar enclausurada neste quarto. Por favor, me deixe sair, Moira. Garanto-lhe que Lorde


Edmond não ficará sabendo. – forçou um sorriso amistoso. Moira terminou de trocar as bandagens das mãos de Rosaleen e jogou os panos sujos dentro de uma bacia. — Não insista, senhorita. – levantou e limpou as mãos no avental. – Meu senhor disse que se fosse necessário, com a ajuda de Ned, eu devesse amarrá-la a essa cama. O queixou de Rosaleen caiu. — Isso é um abuso! Não podem me manter aqui! – gritou, mas Moira já tinha pegado a bacia e saído pela porta. Irritada, Rosaleen deitou nos travesseiros macios e suspirou. Havia se tornado uma prisioneira naquela casa! As coisas não ficarão assim. Se Edmond é teimoso, eu também serei! – reclamara ao socar os travesseiros, tentando deixá-los mais confortáveis.

Na manhã seguinte, Rosaleen acordou bem cedo. Sentia-se bem-disposta. Precisou de um pouco de esforço para se vestir, visto que suas mãos ainda se encontravam machucadas, mas agora bem melhores. O remédio que Moira aplicara


sobre as palmas das mãos de Rosaleen ajudara a prevenir uma possível infecção e aliviar a dor. O unguento tinha um cheiro horrível – que infelizmente passara para os lençóis, os quais ela lavaria mais tarde. Antes de descer para a cozinha, lavou as mãos na água gelada da bacia que ficava em cima da mesinha e, por um instante, olhou-se no espelho. Definitivamente sua aparência estava mais agradável do que nos dias anteriores. Não havia mais marca alguma no rosto. Rosaleen sorriu para si mesma. Talvez aqueles dias de repouso não haviam sido de todo mal. Dando as costas para o espelho, ela seguiu para fora do quarto, balançando alegremente o vestido. Como o lugar estava escuro, ela foi obrigada a se apoiar no corrimão de madeira da escada e descer os degraus lentamente. Já havia cortado as mãos, se caísse e quebrasse o pescoço, suspeitava que Lorde Edmond não ficaria muito feliz. Um sorriso iluminou o rosto de Rosaleen quando percebeu que o salão ainda estava como ela deixara. As cortinas não estavam mais lá e isso a agradou muito. Os móveis que tinha arrastado e trocado de lugar foram mantidos na ordem que escolhera. Ainda não amanhecera, mas com a janela desnuda, era possível ter um pouco de claridade entrando no salão.


Rosaleen quase pulou de alegria, porque sabia que tinha conquistado uma pequena vitória. Lorde Edmond não mandara que as coisas voltassem para os antigos lugares! Começou a caminhar para a cozinha, mas parou ao notar a velha mesa de madeira que tinha usado como apoio para subir e retirar as cortinas… A mesma mesa da qual tinha caído… Diretamente para os braços de Stephen… Um arrepio diferente passou pelo corpo de Rosaleen ao recordar a sensação de estar nos braços daquele homem. No começo, sentira medo, achou que ele fosse castigá-la, mas estranhamente, logo depois ao sentir o perfume e o calor que emanava do corpo dele, tinha relaxado em seus braços. Ou melhor, tinha praticamente deixado de sentir as pernas e precisou se concentrar muito para se manter em pé depois. Rosaleen franziu a testa. Provavelmente a reação se devia ao fato de quase ter caído com o rosto no chão e não nos braços musculosos de Lorde Stephen… Bem, ela decidiu ignorar tais pensamentos estranhos, ou então ficaria ali divagando até o sol aparecer. Quando entrou na cozinha, Rosaleen sorriu ao ver que Moira já estava acordada, e já trabalhava no que devia ser o almoço para seu senhor – ela mesmo tinha dito


que ele voltaria naquele dia. — O que faz aqui, senhorita? – Moira perguntou enquanto descascava algumas batatas. Rosaleen sentou no banco em frente a ela. — Vou trabalhar. Não suporto mais ficar trancada. – entrecerrou os olhos para a outra mulher. — E nem tente me impedir. Moira riu baixinho. — Não se preocupe, Ned e eu não a amarremos à cama. – garantiu. Rosaleen relaxou e deixou os ombros mais soltos. Olhou para os legumes que estavam dispostos sobre a mesa e decidiu que faria algo diferente naquele dia. — Moira, eu sei que somente você prepara o almoço do seu senhor, mas eu… – hesitou por um momento, refletindo se estava fazendo o certo. – Hoje eu gostaria de cozinhar. Tenho certeza que ele não notará a diferença. Moira parou o que estava fazendo. — Eu não sei, senhorita. Sinceramente, eu adoraria não ter que cozinhar por um dia, mas e se ele descobrir? – perguntou preocupada. Rosaleen meneou a cabeça. — Usarei os mesmos temperos que você usa. Garanto que ele nem perceberá. Por favor, Moira. Sinto


falta de cozinhar, eu fazia isso todos os dias quando morava com meu pai… – a voz dela foi sumindo com cada lembrança que começou a voltar. Moira pensou por algum tempo e depois sorriu. — Está bem. Mas será nosso segredo! Rosaleen assentiu ansiosamente e logo pegou alguns nabos e começou a descascá-los. Iria usá-los no cozido que faria para o almoço. Contente, sob as luzes das velas e o calor do fogo, ela picou todos os legumes que iria precisar e os separou em um lado. Moira também tinha terminado com as batatas e agora as duas estavam em um terrível silêncio. Rosaleen não gostava daqueles silêncios, eram muito constrangedores e, na maioria das vezes, ela não conseguia encarar a pessoa em sua frente. Mas, bem… Limpou a garganta, chamando a atenção de Moira. — Sim? — Moira, eu queria perguntar a você… – começou ela, encarando a luz tremeluzente de uma vela. — Como Lorde Edmond, seu senhor… Seu rosto… – perdeu-se nas palavras ao ver que a outra mulher se retraía. Rosaleen fechou os olhos e se arrependeu do que dissera. Estava invadindo a privacidade dele? Ela era uma criada, e criados não deveriam se preocupar com a


vida dos seus senhores… — Ele esteve na guerra. – a voz de Moira surgiu baixa, com um tom triste. Rosaleen abriu os olhos. — Meu senhor serviu ao nosso rei, foi enviado em diversas batalhas. Era temido por todos os inimigos, tinha uma inteligência acima dos demais… — O rosto, como ele… O que há com o rosto dele? – Rosaleen a interrompeu, com as mãos chispadas. Moira abaixou a cabeça, triste. — Eu não sei muito bem. Ned me contou uma vez que meu senhor tinha se ferido em uma batalha. Que parte do seu rosto se deformou… É tudo que sei, senhorita. – e de repente, a mulher se levantou incomodada. Rosaleen observou o nervosismo de Moira e por parte entedia como ela se sentia. Até mesmo ela, Rosaleen, tinha sentido… Pena? Misericórdia? Compaixão. Decidiu não tocar mais naquele assunto – por enquanto. Mas ainda não estava satisfeita com aquela resposta e sim, precisava saber mais, porque tinha certeza que o passado de Lorde Stephen influenciava no que ele era hoje. Amanheceu e Moira e Rosaleen, depois de um desjejum rápido, começaram com seus afazeres. Primeiro, as duas se reuniram para lavarem as roupas na tina que


ficava atrás da casa, e depois precisaram ferver e tingir algumas peças que necessitavam de reparos. Na metade da manhã, encontraram Ned na cozinha, conversando com um caçador que acabava de lhe vender partes de um cervo. Concentraram-se, então, em preparar e salgar a carne para os dias seguintes e depois transportarem os pedaços para a despensa. Estavam cansadas, mas precisavam concluir o almoço que seria servido à Lorde Stephen. Na verdade, Rosaleen foi quem, como o combinado, dispôs-se a terminar o almoço. Adicionou todos os ingredientes no caldeirão e a carne de cervo, para depois colocá-lo sobre o fogão. — Vou precisar ir até a horta. – Rosaleen informou ao tirar o avental e deixá-lo sobre uma cadeira. — Pode cuidar do cozido para mim? — Oh, sim. Pode ir, senhorita. – Moira disse indo dar uma olhada no caldeirão. Rosaleen saiu pela porta de trás e foi para a horta. Sentiu o vento frio bater em sua pele e sorriu agradecida. O sol estava quase no topo do céu e era uma sensação agradável olhar para as flores e a grama que percorriam ao lado da enorme casa. Olhou também as outras casas que ficavam ao lado. Eram grandes, mas nenhuma se comparava àquela. Lorde Edmond era um homem muito, muito rico. –


concluiu Rosaleen, mentalmente. Pegou todos os temperos que precisava e, mais adiante, percebeu uma planta de folhas estreitas, que recordava muito bem: usava para temperar a carne quando morava na vila. Aproximou-se para pegar algumas folhas, mas parou abruptamente quando viu algo se mover ao lado. Deu um passo para trás e viu que as folhas voltaram se mover. Assustada, Rosaleen virou-se para correr. Mas antes que ela desse o terceiro passo, um latido soou atrás dela. Ela parou novamente e virou para trás. Uma bolinha de pelo marrom estava observando-a com seus grandes olhos curiosos e abanando o rabo alegremente. — Olá. – lentamente, agachou-se próximo ao animal. — Está perdido? – levou a mão para acariciá-lo, um tanto receosa, mas ele aceitou o toque e se aproximou mais dela. — Você não tem um dono, verdade?! – o cãozinho latiu em resposta, e Rosaleen riu encantada. — Pois, agora você tem! – disse pegando-o no colo e se dirigindo de volta para a casa.

— Levaríamos a carga para Veneza e para a


América. – explicou o comerciante. Stephen olhou para Matthew, questionando-o com o olhar. O amigo o encarou por um momento e depois, com um leve gesto de cabeça, concordou. — Posso garantir uma carga para dois meses, mas somente se o valor for cumprido. – Stephen informou. O homem idoso sentado a sua frente cerrou os lábios. Não estava contente com o que Lorde Edmond havia pedido. — Dois mil francos por uma carga?! Desculpeme, meu Lorde, mas conheço pessoas que aceitariam o que estou disposto a pagar. – o homem jogou o corpo para trás e a cadeira rangeu, e por um momento, Stephen achou que o velho fosse ao chão. Stephen apoiou os cotovelos na mesa do comerciante e o fitou atentamente. — Certamente conhece. Mas nenhum deles possui vinho da qualidade do meu, e o senhor sabe disso. Deve saber também que tenho contato com essas pessoas que está tentando negociar. – tirou os braços de cima da mesa e sentou corretamente. O aviso – ou ameaça – surtiu o efeito desejado, pois o comerciante ficou visivelmente nervoso, com o rosto tão vermelho e suado que precisou secá-lo com um


lenço. — Bem, talvez… Talvez possamos fazer negócios, meu Lorde. – começou a mexer em alguns documentos. Do lado de Stephen, Matthew sorriu debochado.

Levou mais de um quarto de hora para que Lorde Stephen e Lorde Cheeven conseguissem entrar em um acordo com o comerciante, e depois de assinarem os documentos, Matthew conseguiu convencer Stephen a tomar um vinho antes de pegarem a estrada de volta para casa. — O homem quase desmaiou quando você o confrontou. – Matthew riu levando a taça aos lábios. Stephen ergueu sua taça de vinho e a contemplou. Balançou-a levemente, e o liquido arroxeado girou e girou no cristal fino. Por um momento, a mente de Stephen foi transportada para o passado. Um passado recente. Para a senhorita Rosaleen, de joelhos, com as mãos sobre a mancha de vinho no piso. Seus olhos assustados, seu corpo trêmulo. — Stephen? Está me ouvindo? – Matthew o chamou. Stephen piscou, voltando para a realidade.


— Estou. O homem é um bastardo, bastou olhar para meu rosto e tremeu de medo. – sorriu. Matthew assentiu e deixou a taça sobre a mesa da hospedaria onde estavam. Tinham passado os últimos dois dias ali, enquanto negociavam a nova safra de vinhos. Era uma vila com vários escritórios de comerciantes, não era distante da casa de Stephen, mas os dois haviam decidido que era melhor se instalarem na vila, por ser mais prático. — Eu sei que talvez não seja o momento, mas eu gostaria de lhe falar um assunto importante. Stephen sorveu um gole de vinho e olhou para o amigo. — Do que se trata? — Sua criada, a senhorita Rosaleen. – respondeu Matthew. — Qual é o problema com ela? Se pensa em se tornar amigo dela… — Não. Não é isso, meu amigo. – Matthew o acalmou, mas nem mesmo ele estava tranquilo. — Você está suando, Matthew. O que está acontecendo? Diga logo, homem! – Stephen exclamou. O amigo inspirou profundamente. — Tenho pensado em algo. Você me contou o que aconteceu com ela, sobre a violação… – estudou a reação de Stephen antes de continuar. – O que eu quero dizer é se


você está preparado para enfrentar as consequências disso na vida dela, meu amigo. Stephen balançou a taça de vinho novamente. — Não compreendo. — Vou ser mais claro, Stephen: sua adorável criada Rosaleen pode estar carregando dentro dela o resultado daquela terrível noite. – Matthew falou rapidamente, despejando tudo aquilo. Stephen parou com a taça a meio caminho dos lábios. Estava estático, os olhos bem abertos e a respiração falha. — Tem pensado nisso, meu amigo? O que você irá fazer se isso aconteceu? A jogará na rua mesmo sabendo que ela não tem casa e nem dinheiro? Ou esperará que a criança nasça para doá-la para algum casal desafortunado? — Eu não havia pensado nisso. – Stephen deixou a taça sobre a mesa e passou a mão pelos cabelos. Jesus! Por que nem mesmo tinha considerado essa possibilidade antes de deixá-la ficar naquela casa? E agora? — Pois pense, Stephen. Sei que toda a sociedade o chama de A Fera de Bordeaux, mas nós dois sabemos que você não é tão cruel a ponto de colocar aquela pobre moça para fora.


Stephen o estudou. — O que sugere que eu faça? – perguntou. Matthew deu de ombros. — Eu tenho uma ideia, mas ainda não direi. Procure todas as alternativas e depois me procure se não encontrar outra melhor. Stephen não respondeu. Logo que terminaram o vinho, juntaram suas coisas e seguiram para a carruagem parada em frente à hospedaria. Em poucos minutos, já estavam a caminho da casa de Lorde Stephen.

— Ele colocará na rua a nós três! – exclamou Ned, alterado. — Fale mais baixo, vai assustá-lo! – Rosaleen falou, em defesa do animalzinho que segurava no colo. O mordomo revirou os olhos e saiu pisando fundo para fora da cozinha. Rosaleen virou-se para Moira e tentou usar todo seu talento de atriz. — Por favor, Moira, Cookie não tem ninguém. Posso cuidar dele, alimentá-lo e limpar o que ele sujar. – fez um beicinho infantil. Moira colocou as mãos na cintura e negou com a cabeça.


— O problema não sou eu, senhorita. Gosto de cães. Mas meu senhor não suporta nenhum tipo de animal que não seja algum de seus cavalos de raça. – explicou. Rosaleen esfregou a bochecha na cabecinha de Cookie e ele balançou o rabo, agradecido pelo carinho. — Então, não mostraremos a ele. Eu o manterei afastado de Lorde Edmond, prometo. – sorriu coquete e Cookie latiu concordando. Moira levou a mão ao rosto. — Está bem. Mas se meu senhor descobrir, assuma a culpa. Preciso desse trabalho para viver. Rosaleen riu. — Por que você tem tanto medo de Lorde Edmond, Moira? – questionou. A criada distraidamente acariciou as orelhas de Cookie. — Eu não tenho. Eu o respeito. Mas nem todos são assim. Meu senhor é conhecido como A Fera de Bordeaux. – contou. Rosaleen se espantou. — Por causa de sua aparência? — Sim. — Sabe, Moira, eu não o acho assustador. Na realidade, eu o acho…


— Meu senhor Lorde Edmond acaba de chegar e solicita almoço para dois. Lorde Cheeven o acompanhará. – Ned surgiu na porta, interrompendo Rosaleen. — Tudo bem. Senhorita Rosaleen dê um jeito em seu cão e vá servir nosso senhor. Vou preparar o caldeirão. – Moira orientou. Rosaleen foi até a despensa e colocou Cookie dentro de uma caixa de madeira. O cãozinho latiu e se pendurou na lateral da caixa. — Quieto, Cookie. Você precisa ficar em silêncio. – deu umas batidinhas na cabeça do animal. — Se você se comportar, prometo trazer algo bem gostoso pra você comer. – e com um sorriso empolgado, foi correndo lavar as mãos.

— Vinho, senhor? – Rosaleen ofereceu a Stephen. Desviou os olhos de Matthew e olhou para Rosaleen e sua expressão se fechou por trás da máscara. — O que faz aqui, senhorita Wickford? Pensei ter dito para que ficasse em repouso! – rosnou. Rosaleen lambeu os lábios, impaciente. — Eu me sinto melhor, senhor. — Deixe-me ver suas mãos. – ele ordenou. — Stephen… – Matthew tentou interferir, mas o


amigo o censurou com um olhar. Rosaleen hesitou por um momento, mas acabou deixando a garrafa de vinho sobre a mesa e, dando dois passos, aproximou-se de Stephen. Esticou as mãos e mostrou as palmas a ele. Stephen resistiu à vontade de correr os dedos pela mão machucada de Rosaleen e contentou-se em apenas olhar. Realmente os cortes estavam melhores. — Usou unguento? De cabeça baixa, ela assentiu. Stephen suspirou. — Pode voltar para a cozinha. — Sim, senhor. – ela puxou as saias do vestido e correu para a cozinha. Mas, antes de chegar atravessar o segundo salão, Rosaleen esbarrou em Moira e Ned, que estavam com os olhos arregalados. — Rosaleen! – Moira exclamou. Assustada, Rosaleen apertou o braço da mulher. — O que houve? – perguntou. Moira não teve tempo de responder, porque um segundo depois, vindo do outro salão, ouviram uma voz trovejando. — Senhorita Wickford, venha aqui agora! – era


Lorde Edmond gritando. Ela abriu a boca e olhou para Moira. — Cookie fugiu. – Ned disse em voz baixa. E então, Rosaleen tapou o rosto com as mãos. Estava totalmente encrencada!

Capítulo Nove Quando chegou ao salão de jantar caminhando tropegamente, Rosaleen logo percebeu que sua situação precisamente não era das melhores. Dizer que Stephen estava irritado seria uma forma muito branda de descrevêlo naquele momento. Ao menos assim ela pensou. Porém,


isso não a impediu de que a visão à sua frente a fizesse cobrir os lábios com as mãos para conter o riso. Provavelmente, nenhum de seus amigos, se o visse, acreditaria em tal cena. Mas, Lorde Stephen Edmond, Duque de Caston, tinha apenas um amigo, o qual estava sentando ao seu lado naquele precioso momento, enquanto ele tentava inutilmente segurar o cãozinho marrom que aferrava os dentes em sua bota. — Maldição! Tirem esse animal de cima de mim! – ele gritou, balançando a perna de um lado para o outro inutilmente. Rosaleen se assustou. Sabia que se não fizesse nada, Lorde Edmond iria golpear o pobre animal. — Cookie, solte-o! – ela se ajoelhou aos pés de Stephen e segurou o cão pelas patas traseiras, arrastandoo para longe da bota de seu senhor. Rosaleen precisou usar um pouco de força para puxar Cookie para seus braços, pois o animal não cooperava, debatendo-se muito. Por esse motivo, ela acabou perdendo o equilíbrio e caindo com o traseiro no chão. — Senhorita Wickford, levante desse chão! – Stephen ordenou e quando viu que ela estava embolada em suas saias, ele mesmo a ajudou a levantar, segurando-a pelos braços e a colocando de pé. O maldito cão pulando em seu colo e lambendo seu rosto.


Se pudesse, Rosaleen escolheria que o chão se abrisse aos seus pés e ela fugisse daquele terrível olhar que Lorde Edmond dirigia a ela. E havia mais um problema: Cookie agora estava tentando subir em seu ombro, cravando as unhas em sua carne. Mas ela não podia gritar, porque provavelmente Stephen não perderia a oportunidade de enxotar seu novo amigo. Então, ela fez a única coisa que podia, puxar Cookie discretamente de seu ombro, sem que as unhas do animal se afundassem mais em sua pele. — De quem é esse animal? – Stephen perguntou com os olhos faiscando na direção de Rosaleen. Ela conseguiu apertar Cookie contra seu peito e impedir os movimentos do cão, mas quando ouviu a pergunta de seu senhor, engoliu em seco pensando no que responder. — Eu… Bem… Ele… Cookie… – gaguejou olhando de Stephen para o animal e depois parou com a boca aberta sem saber como explicar. Stephen compreendeu tudo e isso o irritou mais ainda. O cão era dela. O terrível animal era de sua criada. Ao ver que o amigo perdia o controle de sua ira, Matthew levantou elegantemente da mesa e se colocou ao


lado de Rosaleen. – Senhorita. – ele abriu os braços e olhou para Cookie. – Deixe-me cuidar dessa preciosidade. – sorriu confidencialmente. Rosaleen hesitou por um momento, mas logo estendeu o animal para Matthew, que o agarrou e sem pestanejar, saiu do salão afagando-o. Estavam sozinhos e a consciência disso não deixou que Rosaleen erguesse os olhos para fitar seu senhor. Não estava com medo. Apenas achava que precaução era bom naquele momento. — E então, o que tem a me dizer, senhorita Wickford? Será que pode me explicar por que esse cão imundo está dentro da minha casa? – perguntou Stephen entre dentes. Rosaleen deu de ombros e virou o rosto para o outro lado, tentando evitar o confronto. Mas era inevitável, sabia disso. Stephen apertou as mãos em punhos e se aproximou de sua criada. Parou a poucos centímetros, apenas o suficiente para intimidá-la. – Ficará calada? Sabe que sou seu senhor, não sabe?! Ouve uma força, algo inexplicável que a fez olhar para ele, talvez fosse sua altivez falando mais alto, ou


então, o tom da voz de Stephen que a intimou a reagir. Mas quando Rosaleen encontrou os olhos esverdeados fitando-a com raiva, soube que não era apenas altivez ou medo, era mais profundo. Nunca estivera tão perto daquele homem, e nem de outro, e não sabia ao certo por que estava sentido aquela sensação desconcertante… Ora! Sabia sim! — Você não é meu senhor. – disse friamente. Stephen tinha ouvido corretamente? Acreditava que não, por certo fora algo de sua mente. Mas, não! Sabia que não estava velho o suficiente para ouvir mal, e tampouco, louco. Ah, sua peculiar criada estava o desafiando? Bem, ele gostava de desafios. Rosaleen se surpreendeu quando um sorriso sútil dançou nos lábios de Stephen, e por um momento, achou ter visto o próprio diabo em sua frente. O que ele…? — Venha comigo! – Stephen capturou o braço de Rosaleen e começou a arrastá-la para fora do salão. Em pânico, ela começou a bater os pés no chão para impedi-lo, mas o homem era tão forte e muito maior que ela. Sem ver outra saída, começou a gritar. — Me solte! Pare! – gritou se debatendo. — Fique quieta! – grunhiu se esquivando dos


braços dela. Quando estavam perto das escadas, Moira e Ned se colocaram ao lado de seu senhor, com os olhos arregalados, a criada com o avental sujo e o mordomo com as mangas da camisa dobradas. — Meu senhor… Acho que… — Calado! – Stephen interrompeu o mordomo. – Você é pago para trabalhar e não interferir em minha vida. Ordeno que fiquem aqui embaixo, compreenderam? – ele os encarou por um momento, até que os dois criados balançaram a cabeça concordando. Então, Stephen começou a subir a escada, levando Rosaleen consigo, ela tropeçando nos degraus. Rosaleen queria chorar. Se não bastasse a situação humilhante de ser arrastada escada acima, ainda tinha que enfrentar os olhares especulativos de Moira e Ned. Sem forças para lutar, deixou-se ser carregada por Stephen, fosse qual fosse seu destino, teria de enfrentá-lo. Ela era como uma pluma. Leve. Stephen jurava poder sentir os ossos dela cutucando seu estômago. Por Deus! Aquela mulher não se alimentava? Vivia apenas de brisa? A questão aborreceu Stephen enquanto ele percorria o corredor e parava em frente ao quarto da senhorita Rosaleen. Com um pontapé, Stephen escancarou a porta de


madeira crua e entrou no quarto, colocou Rosaleen de pé e fechou a porta com um baque. Ela olhou para todos os lados, procurando algo naquele quarto com o que pudesse se defender. Encontrou um castiçal de bronze sobre a lareira, poderia usá-lo… Golpeá-lo na cabeça. Não deixaria que ele lhe fizesse mal! Rosaleen tentou discretamente dar dois passos em direção a sua possível arma, mas Stephen percebeu seu movimento e interceptou seu caminho antes que ela conseguisse tomar distância. — Não há como fugir de mim, senhorita Wickford. Sua única opção será me enfrentar. Sua coragem é suficiente para isso? – ele se aproximou ameaçadoramente. Rosaleen prendeu a respiração. Apesar de o sol estar a pino lá fora, o quarto estava escuro, pois as cortinas estavam fechadas. Estranhamente, aquilo, junto à imagem de Stephen mascarado chegando lentamente mais perto dela, só fez aumentar o tremor em seu corpo. Nervosa, Rosaleen cruzou os braços em frente ao peito. — Me desculpe. Eu encontrei Cookie na horta e pensei que… – ela o olhou suplicante. — Eu nunca tive um cão antes, pensei que… – a voz foi sumindo, conforme ela foi ficando sem coragem. Como poderia explicar a ele?


Se fosse outro tipo de homem, Lorde Edmond teria se compadecido daqueles doces olhos que o fitavam. Mas ele era o pior, o mais decadente dos homens, e era guiado por aquela coisa. Foi por isso, que em vez de se tranquilizar, ele teve um efeito reverso. Aqueles olhos amáveis o encheram de ódio. — Acha que é isso? – ele explodiu. Rosaleen arregalou os olhos e se afastou. —Acredita que o problema é esse maldito cão?! – empurrou-a contra a parede com brutalidade. — Eu… Não foi… – Rosaleen se espremeu contra a parede, apavorada. Inesperadamente, Stephen soltou uma gargalhada, causando arrepios no corpo dela. — Sabe do que você precisa? – ele apoiou as mãos na parede, ao lado do corpo de Rosaleen, e chegou mais perto. E no momento que o fez, sentiu algo mudar. Stephen queria apenas assustá-la. Não planejava sentir aquela onda de calor desesperador que subiu por seu corpo, aquele desejo quente que se apossou dele. Stephen também não esperava que suas mãos desencostassem da parede e a tocassem. Esperava menos ainda que sua boca descesse sobre a dela. Sim, Lorde Edmond, décimo Duque de Caston, se viu completamente perdido, beijando a sua criada, a


senhorita Rosaleen Wickford. No começo, foi apenas um toque sútil, um roçar de lábios, mas logo Stephen perdeu o controle e acolheu o rosto dela em suas mãos. Rosaleen não pensou. Não reagiu. Por mais que o medo gritasse em alerta em sua mente, ela não teve forças para se desvencilhar dele. Na verdade, ela não tentou. Stephen desceu a mão pelo pescoço de Rosaleen, arrastou os dedos pelo braço e parou em sua cintura, rodeando-a e a trazendo para mais perto. Ela deixou escapar um leve suspiro, e ele aproveitou para aprofundar o beijo. Quando a língua de Stephen tocou os lábios de Rosaleen, abrindo-os, ela gemeu em resposta. O que era aquilo? O que ele estava fazendo? Mas logo o choque foi substituído por uma descarga de prazer quando sua língua tocou a dele. Naquele momento, qualquer traço de consciência fugiu do cérebro de Stephen. Naquele momento, a Fera surgiu. O beijo se tornou urgente, Rosaleen precisou se apoiar nos braços de Stephen para não cair, para suas pernas não cederem. Sentiu as mãos dele deslizarem pela lateral de seu corpo, apalpando-a, sentindo as curvas. O


ventre de Rosaleen se contraiu, como se estivesse em chamas, e mais abaixo, em um lugar desconhecido, uma pulsação se iniciou. Desesperada, Rosaleen começou a afastar o beijo, empurrar Stephen para longe. Ele retirou os lábios dos dela, mas continuou a beijá-la no pescoço. — Tão doce… – a língua dele encontrou um ponto atrás da orelha dela, que arqueou o corpo para ele. Rosaleen apertou os braços de Stephen e deixou a cabeça para trás. O que estava acontecendo com ela? Por que agia daquela forma? — Diga para mim. – Stephen a mordeu de leve no ombro, fazendo-a gemer alto. — Quem é seu senhor? – correu a ponta da língua pelo pescoço e voltou até os lábios de Rosaleen. — Diga. – rosnou dando pequenos beijos nas comissuras da boca dela. Rosaleen abriu os olhos. — Me solte! Tire suas mãos de mim! – gritou, usando toda sua força para empurrá-lo. Stephen cambaleou para longe, atordoado pela reação dela. — Você não é meu senhor. Jamais será! Você é um monstro! – exclamou alterada e, em um gesto de desprezo, passou o dorso da mão pelos lábios, limpando o rastro do


beijo. O corpo de Stephen tremia com a respiração acelerada e a dor que começava a palpitar em seu rosto. Sua visão ficou embaçada. Vinha apenas um vulto do que antes era Rosaleen. Ela o chamara de monstro. Ela o vira por dentro. Rosaleen sabia quem ele era. Atordoado pela dor em seu rosto e o ódio que queimava em suas veias, Stephen caminhou para a porta, mas antes se virou lentamente para Rosaleen. — A farei pagar por cada uma de suas palavras, criada. De hoje em diante verá como posso ser mal quando desejo. – abriu a porta e saiu. Quando finalmente ficou sozinha, Rosaleen se moveu até a cama e caiu entre os lençóis. Abraçou um travesseiro fofo e fechou os olhos. Ficou assim por vários minutos, pensando no que tinha acontecido. Não chorou. Não havia motivo. Tinha sido beijada pela primeira vez em seus vinte e cinco anos. E não tinha a mínima ideia de como reagir a isso. Só sabia de algo: Não poderia mais permanecer naquela casa. Lorde Edmond tinha deixado bem claro como seria seu comportamento para com ela daquele momento em diante. Rosaleen fugiria.


Não seria vítima de outro homem novamente.

Capítulo Dez Monstro. Era assim que ela o chamara. A senhorita Wickford havia enxergado através de sua máscara, tinha o desnudado com seus olhos perspicazes. Mas ela se deixou ser beijada, permitiu que Stephen cobrisse seus lábios com os dela. Ah, e como foi agradável para ele tal contato. Muito agradável, na verdade. E podia jurar que a senhorita Wickford tinha se aquecido sob seu contato, ele sentiu a pele dela arder, sua respiração falhar, sua língua dançar junto a sua… Isso até o momento em que ela o rechaçou. Stephen riu amargamente ao se lembrar disso. Sorveu mais um gole de conhaque e estreitou o copo entre os dedos. Estava trancado em sua biblioteca havia horas, nem lembrava ao certo quantas, tinha estado ali, jogado sobre a poltrona em frente à lareira acesa, as cortinas cerradas. Monstro. Era isso que ele era, não é?! Um monstro.


Stephen podia sentir pena de si mesmo, mas sabia que ela estava certa. Talvez, o fato de Rosaleen dizer isso a ele abertamente, enfrentá-lo, tenha-o ferido. Ninguém, nem mesmo Matthew foi capaz de dizê-lo. Com um suspiro, Stephen olhou pela última vez para o copo em sua mão, antes de jogá-lo na lareira. Com um ruído, as labaredas aumentarem, lambendo as pedras de granito. Olhou para as chamas crepitando e entrecerrou os olhos. Sabia que devia estar arrependido por tê-la beijado, afinal, a pobre mulher tinha passado por coisas horríveis há apenas alguns dias e estava amedrontada… Mas mon Dieu! Ele não conseguiu resistir. Não pode deixar de invadir aqueles lábios rosados e descobri-los doces e quentes, não suprimiu a vontade de beijar aquela pele sedosa… Sim, tinha sido um fraco. Um homem, um mortal. Jamais imaginava que perderia o controle daquela forma. Sempre fora um homem que soube como disciplinar seus anseios sexuais. Antes do ferimento, mantinha duas amantes fixas em casas do outro lado da cidade, as quais visitava várias vezes na semana. Bem da verdade, Lorde Edmond fora um dos maiores libertinos que a sociedade tinha presenciado. Em Paris, havia chocado a todos com seus encontros amorosos nos terraços das casas de baile. Frequentava regularmente o


bordel de Carla, uma velha amiga que sempre soubera como satisfazê-lo. Agora, porém, abstinha-se de tais atos carnais, por mais que isso lhe custasse caro. Os problemas, infelizmente só aumentavam. Matthew tinha lhe dito naquela manhã que era provável que Rosaleen pudesse carregar dentro de si o resultado daquela horrível noite. Stephen não conseguia tirar aquilo da cabeça. E se realmente ela estivesse nessa situação, o que ele faria? A colocaria na rua? Ordenaria que não tivesse a criança? Não, isso ele não faria. Mas então o quê? Primeiro, pensou, deveria ter certeza do fato, aí então poderia pensar mais claramente em que decisão tomar. — Moira! – ele berrou a plenos pulmões, fazendo os cristais ao seu lado tremelicarem. Menos de um minuto se passou quando a porta da biblioteca se abriu, e Moira entrou com os olhos assustados, observando tudo atentamente. — Estou aqui, senhor. – ela disse em voz baixa. Stephen fez um gesto com a mão. — Feche a porta e sente-se à minha frente. – ele apontou para a cadeira perto da lareira. A mulher o obedeceu, caminhando rapidamente até o local indicado e sentado em extremo silêncio.


Stephen revirou os olhos. A mulher estava tremendo. O que achava que ele faria a ela? — Eu preciso que você faça algo importante, Moira. — Qualquer coisa, senhor. – ela abaixou a cabeça solenemente. Ele a observou por um tempo. Deveria mesmo encarregá-la de tal tarefa? Provavelmente não, mas então quem o faria? Ned? Ele mesmo? Não, absolutamente não. Somente Moira poderia fazer aquilo. — Quero que pergunte à nova criada, a senhorita Wickford… Sobre… Bem… –ele parou por um momento, mas logo conseguiu reunir mais coragem. — Quero que pergunte a ela sobre suas regras. – concluiu rapidamente. O olhar que Moira dirigiu a ele poderia ter sido interpretado como curiosidade, ou espanto, mas Stephen achou melhor considerá-lo como completo assombro. Deus! Por que a mulher o encarava daquela forma? Ele era o senhor daquela casa, poderia então, obviamente, interessa-se pela saúde de seus criados, incluindo a senhorita Wickford. Era algo normal, aceitável. Moira abriu a boca para dizer algo, mas nenhum som saiu. Stephen perdeu a paciência. — Pode falar, Moira.


Ela piscou um pouco perdida. — Me perdoe meu senhor, mas por que deveria eu perguntar tal coisa? — Não tenho tempo para perguntas, Moira. Ficarei muito agradecido se exercer essa tarefa com total descrição. – ele a encarou fixamente. — Serei muito generoso por sua dedicação. A mulher corou diante da menção da generosidade do patrão. — Eu o farei, meu senhor. – levantou em um pulo e, depois de um gesto cortês e o assentimento de Stephen, ela correu para a porta. O barulho do trinco fez Stephen relaxar na poltrona. Deixou os ombros relaxarem, e inclinou a cabeça sobre o estofado macio. Sem saber muito bem o próprio motivo, desamarrou a máscara e a puxou, retirando de seu rosto. Segurou-a com as mãos cerradas e fechou os olhos, suspirando. Maldita senhorita Wickford, estava fazendo de sua vida um tormento.

O cãozinho latiu, lambendo seu tornozelo, e quando ela abaixou a cabeça, encontrou um par de pequenos olhos negros fitando-a com curiosidade.


— Não me olhe desse jeito, Cookie! Já comeu o suficiente por hoje! – Rosaleen desviou a atenção do animal e voltou a se concentrar em seu trabalho. Estava cortando a carne que seria cozida para o jantar. Moira a estava ajudando, mas Lorde Edmond havia chamado por ela, ou melhor, gritado. Cookie deu uma volta completa ao redor da mesa e voltou aos pés de Rosaleen, deitando de barriga para cima e latindo novamente. — Quieto! Oh, está tentando me comprar com seus truques? – quando o cão se colocou sobre as patas novamente e começou a mordiscar-lhe o sapato, Rosaleen não pôde evitar rir diante da cena. — Está bem, apenas mais um bocado e acabou, certo?! – alegremente, ela apanhou um pedaço de carne que tinha fatiado e estendeu para Cookie, que devorou tudo em um instante. — Espero que não esteja alimentando aquele animal debaixo da minha mesa novamente. – Moira comentou ao entrar na cozinha de repente. Constrangida, Rosaleen desviou o olhar. — Que animal se refere? – perguntou enquanto empurrava discretamente Cookie para debaixo da mesa com a ponta do pé. Moira parou em frente a ela, com as mãos nos quadris, no mesmo momento em que o cãozinho emitia um


gemido por ser espremido contra a mesa. — Esse que está se debatendo sob seus sapatos. – a criada apontou para o chão. Desconcertada por ter sido pega no flagra, Rosaleen tentou disfarçar com um sorriso. Moira balançou a cabeça em negativa, e Rosaleen desistiu de sua encenação. — Por favor, não conte a ninguém, eu prometo que em breve eu o tirarei dessa casa, Moira. Eu lhe juro, me dê apenas mais um tempo. Moira suspirou levemente. — Tudo bem, mas faça logo. Não quero que meu senhor o encontre novamente. Deus sabe o que ele poderia fazer ao pobre animal. – lançou um último olhar ao cãozinho e então foi até a pia cuidar de algumas coisas. Enquanto voltou a cortar a carne, Rosaleen percebeu que Moira não mencionara o acontecido no salão de jantar durante o almoço. Tinha visto que ela e Ned haviam tentado interferir por ela, mas em resposta receberam a ira de seu senhor. Era certo que Moira não havia perguntado absolutamente nada por que tinha uma grande devoção e respeito por Lorde Edmond. Seria por isso então, que Rosaleen não contaria a ela que fugiria naquela noite. Sim, tinha decidido isso há algumas horas. Levara tempo pensando em um plano para


como escapar da casa no silêncio da noite sem ser vista. Sabia que seria uma prova e tanto, mas não deixaria que seus medos a impedissem de sair daquele lugar. Por um lado, Rosaleen estava contente por ter um teto sobre sua cabeça, uma cama enorme e quente na qual se deitar, e várias refeições ao dia, mas a soma de todos esses benefícios juntos não anulava seu maior temor: Estar à mercê de Lorde Edmond. Naquela manhã, ela experimentara sua ira, quando inesperadamente ele se jogou sobre ela e a beijou escandalosamente… Tudo bem, precisava relutantemente admitir que mesmo assombrada, tinha desfrutado muito de tal contato, a forma como os lábios dele eram quentes, macios e a insistência de sua língua contra a dele. Lembrar disso fez Rosaleen sentir uma estranha onda de calor em seu corpo. Com um aceno de cabeça, dispersou tais pensamentos. Não, não devia pensar em prazer ao lembrar daquilo. Stephen tinha se comportado como um idiota ao beijá-la daquela forma. E, quando ele ordenou que ela o chamasse de seu senhor, fez a única coisa que pôde no momento. Empurrou-o, e gritou. Chamou-o de monstro! Talvez houvesse exagerado? Talvez… Oh céus! Rosaleen deu-se conta que, com toda certeza do mundo, Stephen tinha interpretado errado o que ela dissera. Quando o chamara de monstro, Rosaleen não o dissera por sua aparência, como ele certamente acreditava, ela o fizera


por seu comportamento. Frustrada, Rosaleen partiu um cubo de carne em dois e puxou outro naco para cortar. O que poderia ter feito, afinal? Nunca nenhum homem a tinha beijado daquela forma antes (nem de outra forma). Vivera quase sua vida toda no vilarejo, cercada por um pai ciumento e cuidadoso, que a manteve longe de qualquer rapaz que pudesse se interessar por ela. Apresentada à vida religiosa ainda criança, Rosaleen aprendera nos sermões das velhas senhoras, que a tentação da carne conduzia diretamente para o inferno, e que as moças direitas deveriam se manter longe de tais atos, deixando somente seu marido tocá-la depois do casamento. E fora assim, até seus vinte e cinco anos, ou até algumas horas atrás, quando Lorde Edmond havia a beijado. — Se você continuar a cortar dessa forma, temo que serviremos chouriço ao meu senhor. – Moira apontou para a carne que Rosaleen picava. Rosaleen piscou desconcertada. — Eu estava distraída. Moira deu de ombros, rodeou a mesa e sentou no banco oposto a Rosaleen. — Acontece comigo frequentemente. Principalmente quando estou em meus dias de


sangramento. – lançou um olhar despreocupado à Rosaleen. — E você? Rosaleen a olhou. — Hmm? — Eu perguntei sobre seus dias de sangramento. Com um leve movimento de ombros, Rosaleen respondeu: — Não estou em meus dias. Na verdade, acredito que esse mês eu esteja com algum atraso. – juntou os cubos de carne que tinha cortado e colocou em uma panela de ferro. — Isso sempre acontece? Os atrasos? – Moira perguntou. Rosaleen franziu a testa. — Não. Sempre fui muito correta. Acho que essa é primeira vez. – vendo a expressão de Moira, adiantouse a perguntar: — Algo errado? A criada se levantou pegando a panela com a carne e correndo para o fogão. — Oh, não. Eu estava apenas pensando em como nós mulheres temos que sofrer todos os meses com isso. – deu uma risadinha e se virou para cuidar da panela. Rosaleen concordava plenamente. Quando o jantar ficou pronto, uma hora mais tarde, Ned apareceu na cozinha para informar que Lorde


Cheeven estaria presente para o jantar daquela noite. — Eu ajudarei aqui na cozinha. – Rosaleen se ofereceu prontamente. Moira negou. — Meu senhor ordenou que você fique em seu quarto, ele não quer que você ajude no jantar de hoje. Rosaleen fechou a cara. — Posso saber o motivo? Moira passou por ela com a panela de carne. — Não sei lhe dizer. Quer que eu pergunte a ele? – sorriu ao ver a raiva de Rosaleen e saiu balançando os quadris para o salão de jantar. Completamente irritada por ter sido dispensada de suas funções, Rosaleen agarrou Cookie em seus braços e a toalha na qual tinha separado um pouco de pão e queijo, e subiu para seu quarto pela escada dos criados. Iria descansar o máximo que conseguisse, pois sabia que teria um longo caminho pela frente. — Devo servir o brandy, senhor? – Moira perguntou ao lado da mesa de jantar. Stephen e Matthew haviam terminado de comer, e agora conversavam sobre algum negócio não muito importante. — Nos serviremos de vinho na biblioteca. Pode se retirar, Moira. – Stephen a dispensou. A criada juntou os pratos de cima da mesa e


rumou para a cozinha. Os dois amigos seguiram para a biblioteca, onde Stephen o mandou sentar. — Está diferente. – Matthew soltou, enquanto Stephen servia duas taças de vinho. Ele ergueu a taça contra a luz das velas e a estudou por uns segundos. — Acha realmente? Creio que está normal. – entregou a taça para o amigo e fez um brinde silencioso antes de se sentar em uma das grandes poltronas de veludo. — Sabe do que falo. – Matthew o fuzilou com olhar. — Não, não o sei. Explique, por favor. – Stephen cruzou as pernas sobre a banqueta em frente e suspirou com o calor adocicado do líquido em sua garganta. Matthew bufou. Estava perdendo a paciência. — Aconteceu algo contigo, meu amigo. Ainda não sei o que é, mas algo me diz que a sua criada está envolvida nisso. Stephen arqueou uma sobrancelha. — E por que acha isso? – sorvou mais um gole de vinho e esperou pela resposta. — Porque vi como a arrastou escada a cima, vi sua raiva… – Matthew parou com a taça de vinho no ar, a


caminho dos lábios. — Por Deus! Stephen não me diga que você castigou a pobre mulher… Stephen lentamente retirou as pernas da banqueta e deixou a taça na mesinha ao lado. — Não, não a castiguei… Fisicamente. – curvouse na direção do amigo, com o rosto sombrio. — Eu a beijei. Matthew permaneceu congelado por algum tempo, antes de absorver as palavras do amigo. — Seu bastardo miserável! – caiu na gargalhada, assustando Stephen. — Não imaginei que seria tão rápido assim. – ergueu a taça e brindou o ar, depois bebeu todo o conteúdo. — E, bem, me diga como foi. Stephen conteve a vontade de socar Matthew e lhe tirar aquele sorriso ridículo do rosto. — Foi uma maneira de lhe ensinar quem manda. – explicou convicto. Matthew fez uma careta. — Ora, você é homem Stephen. Deve ter sentido algo. – insistiu. — Eu… Uma batida na porta interrompeu Stephen de continuar com seu relato. — Entre. Em um gesto rápido, Moira apareceu dentro da


biblioteca, caminhando sorrateiramente. — Senhor? — Estou aqui, Moira. O que houve? – Stephen perguntou irritado. A mulher torceu o tecido do vestido nos dedos e se moveu incomoda. — Eu fiz o que o senhor ordenou. Matthew dirigiu um olhar questionador a Stephen. Ele o ignorou. — Seja rápida. Moira assentiu e respirou fundo antes de dizer de uma só vez: — Não teve sangramento este mês, meu senhor. Houve um breve silêncio na sala. — Do que diabos estão falando? – Matthew questionou quase caindo da poltrona. — Calado. – Stephen fez um gesto ignorando o amigo. — O que mais? A criada engoliu em seco e apertou o vestido mais forte. — Disse que não tinha acontecido isso antes e que essa é a primeira vez. Um arrepio de pânico percorreu Stephen, mas se manteve firme.


— Têm passado mal? — Não tenho notado, meu senhor. Talvez tenha acontecido, mas não estamos sempre juntas. — Chega! Alguém pode me dizer o que está acontecendo? – Matthew ficou de pé. Stephen também levantou. — Pode se retirar, Moira. A criada fez um gesto gentil e saiu correndo pela porta. Stephen caminhou até a mesa com o vinho, encheu uma taça e virou-a nos lábios. O efeito foi muito fraco. Precisava de mais. Bebeu mais, e mais uma. — Prefere ficar bêbado ao me contar o que houve? Sim! — Moira falava da senhorita Wickford. – disse simplesmente, sem se virar. — Stephen… Não me diga que… – o amigo disse tropeçando nas palavras. — Você mesmo ouviu tudo. Inferno! Estava certo Matthew. Estava malditamente certo. – rosnou batendo a taça contra a mesa. — Sinto muito, amigo. Stephen se virou para ele.


— Não quero sua compaixão, Matthew. Você falou que me diria o que deveria fazer. – ele se aproximou dois passos. — Então, diga. Quero ouvir. Matthew lambeu os lábios, nervoso. Stephen estava um pouco alterado pelo álcool. Mas mesmo assim, a situação exigia que ele fosse direto ao assunto. — Considero que há três opções para isso, Stephen. – ao ver o olhar do amigo, continuou a explicar. — Você pode colocá-la na rua. Stephen negou. — Ela se tornaria uma prostituta ou uma pedinte e morreria em pouco tempo. Não seria responsável pela morte da pobre mulher e da criança que ela carregava na barriga. — Bem, a segunda opção é obrigá-la a interromper a gravidez. – Matthew disse com a voz baixa. — Não! Isso de forma alguma. – Stephen cruzou os braços. Poderia ser a Fera de Bordeaux, como todos o chamavam, mas ele ainda era humano a ponto de não permitir que a vida de uma criança inocente se fosse dessa forma. — Ainda tenho mais uma opção. Diga-me qual é. O amigo caminhou para perto da lareira e ficou em silêncio. — Fale, Matthew! Quero saber qual a outra solução que pensou. – Stephen definitivamente queria


socar o amigo naquele momento e talvez golpeá-lo no estômago. — Acredito que você não deseja saber. – murmurou Matthew. — Sim, eu quero! – gritou irritado e tomou uma lufada de ar. — Não espera que eu arranque isso de você a força, espera? Lorde Cheeven se voltou lentamente para o amigo, com o rosto sério. — A sua última opção Stephen, é que a mulher se case. – prendeu seus olhos nos dele. — Com você. Stephen ficou calado, apenas o observando. Era possível que tivesse ouvido mal.


Capítulo Onze — Matthew? — Sim? – o amigo sorriu. — Está louco. – Stephen disse passando ao lado dele e indo até a lareira alimentar o fogo. Matthew bufou irritado. — Por quê? Minha ideia é ótima, você sabe disso. Stephen jogou um pedaço de madeira ao fogo e olhou para ele ceticamente. — Acontece, meu amigo, que eu não desejo me casar. – limpou as mãos em um trapo que estava ao lado da lareira e voltou a se sentar na poltrona. Lorde Cheeven continuou de pé, encarando-o. — Não diga besteiras, Stephen. É claro que você precisa se casar. Você é um duque e precisa de um herdeiro varão. – sorriu maliciosamente. — E se não estou enganado, é necessário uma esposa para se conseguir um herdeiro legítimo. Stephen endureceu a mandíbula. Por que ele ainda era amigo de Matthew, mesmo? — Meu ducado pode passar para um primo distante. – estranhamente sentiu uma sensação horrível ao


dizer isso. — Além do mais, a senhorita Wickford poderia se casar com qualquer outro homem, talvez um camponês. Matthew rolou os olhos. Era extremamente difícil argumentar com Lorde Edmond. — Você mesmo disse que a beijou. Suponho que tenha gostado, verdade? – quando percebeu a dúvida no olhar do amigo, ele decidiu continuar. — Ela me parece muito encantadora, sem dúvida seria uma boa esposa. E você não precisaria viver sob o mesmo teto que ela, seria apropriado mandá-la para seu solar no campo. Casar com Rosaleen e depois enviá-la para o campo? Ele poderia… — E a criança? Não estou disposto a assumir um bastardo! – Stephen exclamou tremendo. De forma alguma criaria aquela criança como seu filho. Não tinha tanto sangue frio assim. Lorde Cheeven sentou em uma cadeira ao lado de Stephen e respirou fundo. — A criança não terá culpa de nada, meu amigo. Nem a senhorita Wickford tem. O que aconteceu com ela… – balançou a cabeça, nervoso. — Quem fez isso a ela merecia ser morto em praça pública. Nisso Stephen concordava. Em verdade, tentava evitar pensar no que tinha acontecido a ela. Todas as vezes que imaginava o que ela havia passado, acabava


furioso. Se pudesse, ele mesmo teria o prazer de matar tais animais. — Há outra coisa, Stephen. – Matthew chamou à atenção dele. — Você precisa casar-se com ela rapidamente, porque logo a gravidez começará a ficar visível. Sei que não frequenta a sociedade, mas quando alguém descobrir que o duque de Caston mantêm uma empregada gravida em sua casa, crê que não suspeitarão que você seja o pai? E você não pode isolá-la do mundo para sempre. Stephen encostou a cabeça na poltrona e suspirou. — Não concordei em me casar com ela. Não vejo bons motivos para isso. — Pois darei a você alguns motivos. A moça precisa se casar, ou será jogada na rua, onde se tornará uma prostituta e morrerá em alguns anos de sífilis. E você, — Matthew apontou para Stephen. — precisa se casar e gerar um herdeiro para seu ducado. Já me disse várias vezes que não está interessado em nenhuma das beldades da sociedade. Ela é sua criada, Stephen, é sua responsabilidade. Não percebe? Você tem o destino dela em suas mãos, basta decidir se a salvará, ou a deixará sem amparo. – ele terminou de dizer e então levantou, deu dois tapinhas no ombro do amigo e se retirou da biblioteca. Stephen ficou sozinho no silêncio, com a mente em uma colisão de pensamentos sem fim.


O que faria? Realmente não desejava que a pobre criada fosse para rua, tampouco gostaria de vê-la perder a criança. Mas casar? Casar com a senhorita Rosaleen Wickford? Ele seria capaz disso? Teria forças para tal sacrifício? Em meio a tantas perguntas sem respostas, Stephen agarrou a garrafa de conhaque e puxou a rolha, levando o bico aos lábios. Precisava desesperadamente de respostas e talvez o álcool o ajudasse.

Estava tudo ali. Os dois vestidos que havia ganhado de Moira, o embrulho com pão e queijo que roubara da cozinha, um par de sapatos… Faltava algo… — Cookie! – Rosaleen puxou a bolinha de pelo marrom para seu colo e o beijou na cabecinha. O cãozinho balançou o pequeno rabo e latiu alegremente. — Silêncio, Cookie. Não podemos ser descobertos. – ela acariciou as ancas do animal e pegou a velha bolsa com seus pertences. — Pronto? Estamos indo embora, amigo. Vamos começar uma nova vida em outro lugar. – sussurrou enquanto deixava o quarto silenciosamente. Rosaleen desceu lentamente a escada. Não podia fazer ruído algum, ou seria descoberta, e tinha certeza que,


se Lorde Edmond a encontrasse naquele momento, não teria piedade dela. Abaixou os pés com enorme cuidado sobre a madeira dos degraus, guiando-se pelo corrimão. Estava muito escuro. Tinha esperado todos estarem na cama, principalmente Stephen. Quando chegou ao salão principal, Rosaleen parou para pensar no que faria a seguir. Sairia pela frente, ou pela porta da cozinha? Olhou para os lados e decidiuse pela da frente. Estava mais próxima. Apertou Cookie contra o peito e rumou para a porta. Deixou a bolsa no chão e, com a mão livre, tentou abrir o trinco. Enquanto abria a porta, o cão latiu novamente, fazendo ecos no grande salão. Rosaleen se apressou, juntou a bolsa e correu para fora, sem olhar para trás. A noite não estava tão escura quanto ela esperava, mas estava fria. Deu graças a Deus por ter a capa de lã para cobrir os ombros. Amassou Cookie em seu colo e passou a capa por cima dele, tentando aquecer o animal. Sem saber muito bem para onde estava indo, Rosaleen seguiu pelo caminho em frente a casa, que era ladeado por grandes construções. Voltaria para o campo, procuraria os vizinhos, pediria ajuda e encontraria um trabalho. Sorriu com um calor de esperança tomando conta de seu coração. Sim, daria tudo certo. Poderia, talvez


ajudar a senhora Amiéé em sua casa, a mulher era de idade e precisava de alguém que cozinhasse para ela. Rosaleen poderia fazer isso. Animada, Rosaleen continuou caminhando, a luz da lua a guiando pelas ruas e becos. Não soube exatamente por quanto tempo caminhou, mas quando percebeu, já estava em uma rua movimentada que ela supôs ser a região central da cidade. Enquanto percorria com receio o caminho, Rosaleen avistou algumas pessoas à sua frente. Com a pouca luz, podia ver somente as sombras emitindo gemidos e gritos incoerentes. Assustada, desviou para o beco seguinte, que exalava um cheiro fétido de excrementos, e uma espessa fumaça se dissolvia no ar. Ao passar perto de uma caixa de alimentos podres, uma mulher surgiu das sombras e se arrastou até os pés de Rosaleen. — Uma moeda, por favor, menina. – a mulher magra, de cabelos vermelhos, tremia violentamente e levava o vestido completamente imundo. Quando Rosaleen tentou se afastar, a mulher lhe agarrou as saias e sorriu com seus poucos dentes. — Ajude a pobre Meggie, menina. Com muito esforço Rosaleen conseguiu se desvencilhar da mulher e fugir pelo beco escuro. Abraçada a Cookie e a bolsa, ela virou para o outro beco


e continuou a caminhar. Ficaria tudo bem. Ficaria tudo bem, ela repetia para si mesma. Precisava apenas chegar ao campo, e logo aquele pesadelo acabaria. — Só mais um pouco, Cookie. Amanhã você estará correndo pelo campo verde, irá brincar próximo ao rio. Eu prometo. – ela afagou o animal pela fresta da capa. Rosaleen desviou de uma leva de ratos mortos e parou por um momento. Abriu a bolsa e retirou um pedaço de pão. — Aqui, vai matar um pouco da sua fome. – ela ofereceu a Cookie, que devorou tudo prontamente. Tirou um pedaço de pão e de queijo e também comeu. Precisava admitir que não sabia quando seria sua próxima refeição, então deveria aproveitar o que tinha conseguido pegar na cozinha. Enquanto mordia o queijo, ela tentou imaginar como Stephen reagiria pela manhã, quando percebesse que ela não estava lá. Será que ele iria procurá-la? Ele poderia, não é?! Afinal, querendo ou não, ela era sua criada, e legalmente ele tinha todos os direitos sobre ela. Isso frustrou Rosaleen, e ela logo tratou de afastar tais pensamentos. Agora não tinha mais volta, não poderia simplesmente voltar para a casa e se enfiar em sua cama


quente e fingir que nada havia acontecido. Sua cama… A lembrança dos lençóis macios e as mantas quentes fez Rosaleen gemer em desgosto. Mas o que ela queria? Sempre dormira em colchões de restos de tecidos e, às vezes, até mesmo sobre a grama seca. Não poderia sentir falta do luxo. Sabia que a partir daquele momento, não teria mais comida sempre que desejasse, nem tomaria banhos quentes todos os dias. Mas pelo menos estaria livre. Enfim poderia recomeçar sua vida. E a primeira coisa que faria, decidiu, seria pedir ao padre para rezar uma missa pela alma do pai, e também retornaria a frequentar as missas dominicais. Precisava mais que tudo, de toda ajuda possível, e se possivelmente Deus pudesse se compadecer dela, e ajudá-la, Rosaleen não seria ingrata de negá-lo. Pensando nisso, ela tentou recordar alguma oração que aprendera com as velhas senhoras da igreja, mas nada veio a sua mente. Nenhuma prece, nenhum sermão. Ela engoliu em seco. Será que tinha perdido sua fé? Bem, não importava. Naquele momento ela precisava se preocupar apenas em sair daquele lugar horrível. Guardou o que restou da comida na bolsa e seguiu em frente. Não demorou muito e Rosaleen avistou outras sombras mais a frente.


Pela pouca claridade ela percebeu que eram duas pessoas. Um homem e uma mulher. Eles estavam contra a parede. A figura do homem esmagando a mulher contra os tijolos. Rosaleen parou de repente. Ficou observando a cena. O homem puxou as saias da mulher para cima e abriu a frente de suas calças. A mulher o ajudou, e rapidamente ele empurrou o quadril contra ao dela, arrancando em resposta um grito profundo da garganta da mulher. Apavorada, Rosaleen arregalou os olhos. Deveria correr, fugir, mas suas pernas não obedeciam, e ela permaneceu ali, escondida nas sombras, observando o homem se balançar contra a mulher. — É assim que você gosta? – o homem perguntou pausadamente. A mulher emitiu um gemido alto. — Oh, sim, sim. Devore-me! – ela o segurou pelo pescoço e o abaixou para seus seios. O homem… Eles estavam… Rosaleen achou que fosse desmaiar. Aquele homem e aquela mulher estavam… Deus! Quando achou que a cena tivesse acabado, Rosaleen viu o homem virar a mulher de costas, fazendo-a


se apoiar na parede, e ele empurrar o quadril contra as nádegas dela. O homem começou a se mover e emitir tapas contra a mulher, que gritava alucinadamente. Meu Deus! Rosaleen se virou para sair correndo, mas em seu primeiro passo, topo com algo grande e firme. Ela foi ao chão, se agarrando a Cookie. — Eu… Não… – ela já estava à beira das lágrimas. — Silêncio. Fique quieta ou seremos descobertos. – uma voz sussurrou perto dela. Ela conhecia aquela voz… Stephen! Tentou ficar de pé para correr, mas duas mãos fortes a seguraram firmemente e a puxaram para fora do beco. Ela não tinha ideia do porquê, mas uma sensação de alívio a invadiu quando percebeu que era Stephen. Alívio que logo foi transformado em desespero. Como ele havia a encontrado? O que ele faria a ela? Alarmada, Rosaleen começou a chacoalhar o braço, tentando se soltar de Stephen. Aquela mulher só podia ser louca. Stephen tinha quase certeza que sim. Primeiro, ela fugia sorrateiramente no meio da noite pela porta da frente de sua casa, e depois, vagueava pelas ruas empesteadas de Bordeaux como se estivesse


desfilando em Paris. Mon Dieu! Fora pura sorte Stephen ter ouvido o latino daquele maldito cão enquanto estava na biblioteca, e mais sorte ainda tê-la visto escapar ela porta. Naturalmente, Stephen tinha a seguido à distancia pelas ruas assegurando que estava tudo bem. Somente quando percebeu que ela assistia àquela cena deplorável, Stephen resolveu acabar com o jogo de perseguição. Sexo no meio da rua era comum naquela região decadente da cidade. Ali se situavam os bares mais imundos, os bordéis e as casas de ópio. Diversão barata, regada a doenças e vícios. Ao perceber que estavam suficientemente longe da imundice daquele lugar, Stephen parou para deixar Rosaleen tomar folego. — Por que fez isso? Por que fugiu? – ele perguntou assim que teve a oportunidade. Ela desviou o olhar. — Me responda, Rosaleen! – Stephen apertou o braço dela. Ela o fitou assustada. Era a primeira vez que ele a chamava pelo nome. Era uma mudança significativa. — Eu estava com medo. — Medo? Tinha medo que eu pudesse castigá-la? Ela concordou com a cabeça. Stephen queria rir. A mulher achava que ele a


açoitaria, era isso? — Mulher tola. – conduziu-a para uma rua adiante, onde dois homens estavam encostados em pilastras de madeiras. Rosaleen não compreendeu muito bem o que Stephen disse aos dois homens, só percebeu quando ele a levava até uma carruagem preta, com dois cavalos presos. — O que está fazendo? – ela perguntou ferrando os pés no chão. Ele abriu a porta da carruagem e a empurrou para dentro. — Estamos indo embora. Não estou com desejo de caminhar. – explicou ao entrar e se sentar ao lado dela. Com uma batida no teto da carruagem, Stephen avisou ao condutor que estavam prontos para ir. Os primeiros minutos dentro da carruagem foram em completo silêncio, nem mesmo Cookie se manifestou. — Está com frio? – Stephen perguntou. Rosaleen negou. Mas ele percebeu que ela estava tremendo os dentes, os braços envoltos em torno de si mesma. Ele tocou a mão dela e se assustou. — Deus! Está gelada! – ele a olhou, pensando em como aquecê-la e, sem ver outra solução, ele abriu os braços e a puxou para mais perto. Ela endureceu junto a


ele. — Estou apenas aquecendo-a. Relaxe. No começo foi difícil, mas depois de um tempo, com o calor daquele corpo a aquecendo, os braços a envolvendo e a respiração dele no topo de sua cabeça, Rosaleen conseguiu se acalmar. — Desculpe. – não sabia porque tinha dito aquilo. Por que estava se desculpando, afinal? Estava apenas tentando proteger-se dele. Stephen suspirou. Passou a mão pelas costas dela, para cima e para baixo. — Eu não a machucaria. Quero que entenda que é minha criada e que não adianta tentar fugir, porque eu a encontrarei, onde quer que você vá. Compreendeu?! — Sim. – ela abaixou a cabeça. Stephen subiu a mão pela coluna dela e deslizou pela base do pescoço, erguendo o queixo dela levemente. Queria que ela olhasse nos olhos dele. — Você não precisará mais fugir de mim, Rosaleen. Porque amanhã nós nos casaremos. – a voz dele soou baixinha. Ela piscou, completamente confusa. — Casar? – por que ele queria casar com ela? Ele a amava, ele a queria como esposa… Por quê…? Por trás da máscara, os olhos de Stephen se tornaram nebulosos. A mão dele caiu para o estômago de


Rosaleen, onde acariciou sutilmente. — Preciso de uma esposa e você precisa se casar também. Ela demorou a compreender, mas quando o fez, quase desabou. — Oh, meu Deus! Eu… Não! – as mãos de Rosaleen deixaram de segurar Cookie, que pulou do colo dela para o chão da carruagem. — Você trouxe esse animal? – Stephen ralhou, mas ela já não ouvia mais. Ela estava…? Apertou as mãos contra seu ventre plano. Como…? Ah, Deus… Não! As lágrimas começaram a cair pelo rosto de Rosaleen e ela se viu novamente rodeada pelos braços de Stephen. — Como você pode ter certeza? – ela sussurrou. — Seu sangramento… — Eu… Esse mês eu não o tive. – ela admitiu. Stephen alisou o cabelo dela. — Isso pode ser uma prova, mas não podemos esperar que novos sintomas surjam. Precisamos nos casar rapidamente, para que ninguém note a gravidez. Rosaleen se afastou dos braços dele. — Eu não posso me casar com você. Eu posso ir


para o campo, posso ter a criança… — Não! Não irei permitir que você saia da minha casa. Lembra-se que eu disse que é minha criada? Pois eu falo sério. E nós dois sabemos o que acontece com uma mãe solteira. Você não seria aceita em lugar algum. – ele bateu a mão contra a coxa. — Infelizmente também não posso deixá-la viver nessas condições em minha casa, todos pensariam que nós… – limpou a garganta. — Veja, a única saída é nos casarmos. Rosaleen olhou para ele. Tentou, porque a escuridão não deixava vê-lo perfeitamente. — Mas você não me ama. – ela murmurou. Stephen congelou. — Eu a respeitarei. Prometo jamais machucá-la. – era a única coisa que podia prometer. Somente isso. Ele não a amaria. Ela queria aquilo? Casar-se com aquele homem, o qual temia? — Nós… Seus direitos… – ela gaguejou. Stephen compreendeu. Era isso. Precisava dizer o que ela queria ouvir naquele momento. — Eu os renuncio. A menos que você me peça para compartilhar sua cama. Isso ela jamais faria, Rosaleen tinha certeza. — Tenho sua palavra?


— De cavalheiro. – mas, bem, ele não era um cavalheiro. Com aquela resposta, Rosaleen ficou em silêncio. Os dois não falaram mais nada, até que a carruagem parou em frente à casa de Stephen. Ele a soltou e se moveu para abrir a porta da carruagem. — Espere… – ela tocou no braço dele. Stephen a olhou. — Eu irei me casar com você. – Rosaleen disse timidamente. Stephen sentiu um calafrio percorrer sua espinha. Iria se casar com a senhorita Rosaleen Wickford, sua criada.

Capítulo Doze Rosaleen levou lentamente a mão até o ventre. Grávida. Como não tinha percebido antes? Seu sangramento não havia aparecido ainda naquele mês, e Rosaleen sempre fora regrada, nunca tinha se preocupado com tal


coisa. Estivera tão ocupada e preocupada com o novo rumo de sua vida que nem se deu conta de que seu corpo não estava normal. Por quê? Por que Deus havia lhe destinado tal coisa? Não bastava ter perdido o pai, a casa onde vivera e sua virtude? Que Deus era esse que quando criança aprendera amar e adorar, mas que agora, em sua vida adulta, deixava-a a mercê do mundo? Rosaleen pensava o que poderia ter feito de errado, qual pecado teria cometido para ser castigada daquela forma. Uma lágrima deslizou pelo olho de Rosaleen enquanto passeava a mão pelo tecido do vestido que lhe cobria a barriga. Não, não pensaria em tais coisas agora. Faria todo possível para ter afeto por aquela criança. Tentaria amá-la, se já não a amasse. Como não poderia amá-la? Aquele pequeno ser não tinha culpa de absolutamente nada. Rosaleen sempre ouvira das mulheres, algumas vizinhas que estavam grávidas, visitavam sua mãe, dizendo que a gravidez era uma benção, o melhor presente que uma mulher poderia receber da vida. E, bem, agora Rosaleen estava grávida. E casaria com Lorde Stephen Edmond. Rosaleen soltou um grunhido. Casar! Nunca tinha sido uma romântica incurável que


esperava pelo homem perfeito que lhe roubaria o coração. Não, mas tampouco desacreditava do amor. Sim, desejava um casamento como o de seus pais. Ainda tinha lembranças, um pouco falhas, de seus pais andando de mãos dadas pelo campo, o olhar entre os dois, a forma como sua mãe corava diante de um elogio de seu pai, os sorrisos… Era isso que ela esperava de um casamento. Mas Rosaleen era consciente de que seus sonhos não eram relevantes naquele momento. Em verdade, sabia que não poderia se deixar sonhar por coisas tão grandes e fora da realidade em que vivia agora. Se fosse uma boa filha de Deus, deveria cair de joelhos e agradecer por Lorde Stephen ter se apiedado dela e lhe proposto casamento. Provavelmente isso lhe provava que estava enganada a respeito daquele homem, e que ele não era de todo mau. Claro, por qual outro motivo que não fosse sua generosidade que ele proporia casamento a uma simples criada que vivia em sua casa? Estava muito óbvio para Rosaleen que essa era a única solução. Não exatamente a única, mas a que proporcionaria a ela continuar viva e ter seu filho nos braços. Não poderia dizer não. Com as mãos enlaçadas sobre a barriga, Rosaleen suspirou. Daquele momento em diante, deveria pensar somente naquele pequeno ser. Era seu bebê. Estava crescendo dentro dela, e ela


faria de tudo para ser exatamente como sua mãe fora. Amável e bondosa. Seguraria o bebê nos braços e cantaria no ouvido dele, contar-lhe-ia histórias mágicas e dormiria com ele ao seu lado. O coração dela disparou. Isso, talvez fosse possível, talvez devesse acreditar no futuro. Faria isso por aquela criança.

Stephen não dormiu. Passou a noite toda com os olhos vidrados no teto, tentando colocar em ordem seus pensamentos. Havia muita coisa para pensar, e ele estava a ponto de gritar ou esmurrar alguém. Durante a madrugada, à luz fraca da lareira, tinha sonhado acordado com sua vida dali para frente. Em breve estaria casado e isso o estava atormentando. Ele vestiu o casaco e arrumou a máscara sobre o rosto, ignorando a dor que rasgava sua pele. Enfrentar a si mesmo diante do espelho era uma das piores coisas para Stephen, fugia disso o máximo que podia, somente quando necessitava se barbear se permitia ver seu próprio reflexo. Normalmente seu estômago se retorcia diante da imagem da pele avermelhada, das feridas que nunca cicatrizavam e da deformidade que carregava. Era apenas a sombra do homem que fora antes. Stephen saiu bem cedo naquela manhã, não se deu


ao trabalho nem de tomar o desjejum, apenas informou a Ned que ficaria fora por todo o dia e deixou ordens para que Rosaleen não trabalhasse, e que precisamente ficasse em seu quarto sem se esforçar com nada. O mordomo em princípio havia ficado um pouco contrariado com tal ordem, mas bastou um olhar feroz do patrão, para que o criado se colocasse em movimento rapidamente. Lorde Edmond deixou a casa em seu confortável coche negro, diretamente para o outro lado da cidade, mais precisamente na casa de seu amigo Lorde Cheeven. Era metade da manhã, e Stephen encontrou o amigo ainda adormecido, um indicativo de que o lorde havia passado a noite entregue em algum tipo de prazer proibido, e, se Stephen estivesse certo, supunha que ele estivera na cama de alguma cortesã. Julgava isso pelo aroma de perfume extremamente doce que emanava de Matthew, enquanto ele tentava de forma exasperada cortar o presunto em seu prato. — Precisa de ajuda? – Stephen perguntou enquanto o analisava. Do outro lado da mesa, Matthew lhe lançou um olhar gelado. — Espero que o motivo pelo qual tenha me feito levantar da cama tão cedo, seja algo realmente relevante. – reclamou ao desistir de cortar o naco de presunto e passar para o croissant de queijo.


Stephen ignorou o comentário. — O que tenho para dizer é tão urgente que talvez eu devesse ter vindo noite passada, enquanto você gozava de alguns prazeres carnais. Matthew ergueu uma sobrancelha. — Não gosto de compartilhar minhas mulheres. Stephen balançou os ombros. — Absolutamente. Então, concentre-se no que vim dizer. — Estou ouvindo. – Lorde Cheeven bocejou, fez um gesto chamando o criado parado ao lado da mesa. — Sirva-me os ovos. Stephen estava exasperado. Quase a ponto de voar por cima de toda aquela comida sobre a mesa e apertar o pescoço de Matthew. — Vou me casar. – Lorde Stephen disse no exato momento em que seu amigo tomava um longo gole de chá, o que fez com que Matthew começasse a tossir terrivelmente, derrubando parte da bebida sobre a mesa. — O que acabou de dizer? – perguntou entre arfadas. Provavelmente sua noite de sexo havia o afetado no cérebro. Era impossível realmente ter ouvido aquilo. Stephen não conteve a risada. Sabia que a reação de Matthew seria interessante, mas não imaginava o quanto.


O criado entrou no salão carregando uma bandeja com ovos cozidos, mas logo Matthew indicou para que ele saísse. — Deixe de ser um idiota e me responda logo, Stephen. – Lorde Cheeven limpou as mãos em um guardanapo de linho e o jogou sobre a mesa. Com um sorriso irônico, Stephen se recostou na cadeira. — Você ouviu bem, irei me casar. – foi apenas o que disse. Matthew o olhou ceticamente. — Quem é a afortunada? Eu a conheço? Stephen bufou, espalmando as mãos na mesa. — Não seja ridículo, Matthew. O papel de ignorante não lhe cai bem. – disse irritado. Matthew tamborilou os dedos sobre o queixo, encarando Stephen do outro lado da mesa. — Acredito que possivelmente você esteja se referindo a sua adorável criada, a bela Rosaleen. Minha intuição está correta? Stephen não moveu sequer um músculo. — Sua inteligência é uma afronta à humanidade, Matthew. – cutucou. Lorde Cheeven levou a mão ao peito, em um gesto de ofendido.


— Devo dar os parabéns? Ou antes pode me explicar o motivo dessa decisão inusitada? Se bem me recordo, até ontem você havia rejeitado minha excelente ideia. Lorde Edmond respirou fundo. Seria difícil, mas tentaria explicar ao amigo tudo o que tinha acontecido. — Ontem à noite, Rosaleen fugiu. – e então Stephen começou a narrar os detalhes da fuga da criada, como ele havia conseguido resgatá-la e também sua decisão em desposá-la. Matthew ouviu tudo atentamente, por nenhum momento sorriu ou fez qualquer piada, manteve-se sério, concordando às vezes com algo que Stephen dizia. — Então, não vi outra opção que não fosse o casamento. – disse por fim. Matthew apoiou os cotovelos em cima da mesa e o fitou. — Pensou nas possibilidades que eu lhe disse? – indagou. — Sim, absolutamente todas. – ao ver o outro lorde franzir a testa, Stephen se apressou em continuar. — Não me olhe assim, Matthew. Não sou tão desumano quanto imagina. Não seria capaz de mandar aquela pobre mulher para o campo onde seria apedrejada por todos. Também não poderia colocá-la na rua ou escondê-la em minha casa, e a opção de interromper a gravidez está completamente descartada.


— Então não há outra solução se não o matrimônio. – concluiu Matthew e Stephen concordou. — Sabe, amigo, nunca imaginei que tal momento chegaria, não me leve a mal, mas com suas insistentes negações a respeito à união, achei que jamais seria capaz de lhe dar os parabéns. Mas, vejo que a vida pode nos surpreender, certo?! Permita-me lhe desejar sorte em seu casamento, meu amigo. Tenho certeza de que você precisará. Muita sorte — pensou Stephen. — Agradeço a gentileza, mas a verdade é que não estou aqui apenas para lhe dar a notícia. Preciso que você me acompanhe a alguns lugares hoje. Matthew balançou a cabeça. — Tenho negócios a resolver hoje. Stephen semicerrou os olhos. — Negará um favor a seu único amigo? Lorde Cheeven sorriu. — Eu sou seu único amigo, Stephen. Lembre-se que ainda frequento a sociedade e compartilho de algumas amizades importantes. Porém, como és tão prestativo a mim, e suponho que me convidará para a cerimônia, irei renunciar aos meus compromissos para lhe acompanhar. Me dê um minuto para apanhar meu chapéu. – disse ao levantar e sair a passos largos do salão, deixando Stephen com um sorriso satisfeito no rosto.


Assim que Matthew conseguiu encontrar seu chapéu (o que levou quase metade de uma hora) os dois saíram para as ruas de Bordeaux. O primeiro destino era em Saint Emillion, na Capela da Trindade, onde Stephen conseguiria uma licença especial para o casamento. De forma alguma poderia esperar mais pela união, não poderia, já que em pouco tempo a gravidez de Rosaleen poderia ser descoberta, e pior ainda, os meses de gestação e o nascimento da criança não estariam de acordo com a data do casamento. Assim, quase uma hora depois, Lorde Edmond finalmente desceu as escadas da capela com o documento queimando em suas mãos. Agora sim poderia se casar com a senhorita Rosaleen. Enquanto passavam por uma rua comercial no centro da cidade, Stephen teve sua atenção desviada para a vitrine de uma loja de vestidos. Matthew parou ao lado dele. — Acha que ela vai gostar? – perguntou, indicando para a vitrine, onde um vestido de cor creme estava exposto. Stephen não respondeu, apenas entrou na loja, de onde voltou minutos depois, carregando uma caixa com o conteúdo feminino. — Acabou suas compras? – Matthew questionou


de braços cruzados. Lorde Edmond deu de ombros. Quase fora expulso da loja de vestidos porque a costureira tinha ficado transtornada com sua aparência e havia solicitado a ajudante seus sais aromáticos, mas fora esse pequeno incidente, tudo estava bem.

Rosaleen passou o dia todo sem fazer absolutamente nada. Novamente, por ordens de seu ilustríssimo senhor, ela fora advertida de que não deveria exercer nenhuma função naquela casa. Não gostava disso. Já era fim de tarde e ela continuava escondida em seu quarto, tinha descido somente para as refeições, mas logo depois, Ned a tinha feito subir novamente. Qual era o problema de Stephen? Será que ele achava que ela era uma invalida que não poderia nem mesmo lavar uma camisa? Ah! E aonde ele havia indo tão cedo? Rosaleen se pegou rindo sozinha. Deus! Estava se comportando quase como uma esposa! — Senhorita Rosaleen? – uma voz do outro lado da porta a chamou. Ela levantou da cama e correu a atender.


Era Moira, que estava com uma caixa enorme nas mãos. — O que houve? – Rosaleen perguntou. A criada passou por ela e foi até a cama, onde deixou a caixa. — Meu senhor ordenou que eu entregasse isso à senhorita. Ele pediu para que a senhorita o use essa noite. – disse já saindo do quarto. Rosaleen concordou. O que havia ali? A curiosidade dela falou mais alto e rapidamente ela eliminou a tampa da caixa. Dentro, muito bem dobrado, estava um tecido de cor creme. Assim que o retirou da caixa e o ergueu, Rosaleen quase perdeu os sentidos. Era um vestido. Senhor! Era um vestido de casamento. Ornamentado com pequenos bordados de flores minúsculas, o vestido era o mais lindo que Rosaleen já tinha visto. Nas saias, havia um rico bordado de arabescos e flores, junto com pequenas pedras transparentes. O decote era quadrado e na cintura, uma faixa de cetim branco. Foi então, que Rosaleen se deu conta que o vestido que tinha nas mãos era para seu casamento. E se


Moira tinha dito que ela deveria usá-lo naquela noite… Oh, meu Deus! Aquela era a noite de seu casamento! Rosaleen precisou sentar-se na cama, ou então seus joelhos cederiam. Tomou várias respirações longas, tentando se acalmar. Não havia imaginado que se casariam tão rapidamente. Quando Stephen dissera que se casariam no dia seguinte, ela não acreditara realmente. Por que a pressa? Ela não entendia. Ah, e estava a ponto de desmaiar de nervosismo. Mas, espere! Ela não poderia ficar ali, sentada, esperando algo acontecer. Se Lorde Edmond desejava se casar naquela noite, o que ela poderia fazer? Decidida, Rosaleen retirou o desgastado vestido de algodão e o espartilho que levava. Depois retirou as meias de lã e a anágua. Era difícil vestir-se sozinha, mas com um pouco de esforço e empenho, Rosaleen conseguiu abotoar as costas do vestido. Olhou-se no espelho e sorriu. O resultado era bom. O tecido tinha caído perfeitamente em seu corpo magro, não tanto quanto gostaria, mas era aceitável. Ela prendeu as mechas do cabelo em um coque e usou as pequenas presilhas que acompanhavam o vestido


para prendê-lo, conferindo-lhe um visual mais sofisticado. Calçou os sapatos de pelica que faziam jogo ao vestido e por fim, soube que estava pronta. Ali, parada diante do espelho, Rosaleen sentiu uma onda de melancolia a invadir. Daria tudo que jamais teve para que sua mãe e seu pai estivessem ali naquele momento… Não! Era melhor assim. Não gostaria de enganá-los, fazê-los presenciar um casamento por conveniência, onde o amor não era o motivo pela união. Rosaleen jamais queria que seus pais a vissem naquele momento. Grávida. Alisou a própria barriga, mas evitou chorar. Era por ele. Por aquele ser que estava dentro dela que Rosaleen estava entregando sua vida na mão daquele homem. Para sempre.

Moira não disse nenhuma palavra quando entrou para avisar a Rosaleen que descesse. Apenas a acompanhou em silêncio até o grande salão. Lá estavam reunidos Lorde Cheeven, Ned e, claro, Stephen. Ele foi a primeira pessoa que Rosaleen viu. Diferente dela, ele não vestia nenhuma roupa


especial. Levava um casaco azul-escuro e calças de montaria. Mesmo assim, ela o considerou atraente. Rosaleen parou ao lado de Stephen, que lhe tomou a mão. — Senhorita Wickford. – ele a cumprimentou de maneira sóbria. — Este é o reverendo Davis, ele realizará a cerimonia. Ela fez uma breve reverência ao homem, que já era bem idoso. — Se me permite, está muito graciosa, senhorita Wickford. – Matthew beijou de leve a mão dela. Rosaleen corou, agradecida pelo elogio. — Podemos começar? – Stephen interrompeu os dois.

Por ordem de Lorde Edmond, a cerimônia foi rápida e objetiva. O reverendo, mesmo contrário, foi obrigado a pular várias partes, que Stephen achou desnecessárias, fazendo assim com que se fosse logo ao final. Rosaleen proferiu seus votos de maneira mecânica, mal ouvindo suas próprias palavras. Só tinha se dado conta de que Stephen também tinha os feito quando ele colocou no dedo anelar dela, um pequeno anel de cor


dourada, tão fino que ela mal podia notá-lo. Mas ela gostou. — Pode beijar a noiva. – o reverendo disse ao fim. Rosaleen arregalou os olhos. Beijar? Beijo? Abriu a boca para protestar, mas foi interrompida, pelo braço de Stephen que a puxou pela cintura, e pela boca que cobriu a dela. No começo, ela o rejeitou. Mas, depois com a exigente pressão da língua morna em seus lábios e do formigamento que correu por seu corpo, Rosaleen perdeu a batalha. Deixou-se ser beijada. Tão breve foi o beijo que Rosaleen ficou desejosa de mais. Estranho. Um pouco atordoada, ela olhou ao redor e viu Moira e Ned sorrindo para ela, de forma gentil. Matthew se aproximou dos dois e bateu nas costas de Stephen, dando os parabéns ao amigo. Ela se sentiu um pouco deslocada, mas aguentou firme. Tudo já estava acabando. — Meus cumprimentos ao duque de Caston e sua nova duquesa. – o reverendo ofereceu a mão a Stephen, que a apertou firmemente. Como? O homem tinha dito duquesa? Não… Não podia…


Stephen, o reverendo, Matthew e os criados começaram a girar e o salão escurecer. Rosaleen levou a mão a cabeça e fechou os olhos. — Rosaleen? – foi a última coisa que ela ouviu antes de se estatelar no chão.

Capítulo Treze A primeira coisa que ela viu quando abriu os olhos foi a luz tremeluzente de uma vela em cima de uma mesinha. A segunda, foi uma sombra se movendo à sua esquerda. Quando seus olhos se focaram, ela pôde perceber que se tratava de Moira, que se encontrava sentada do lado dela. Precisou piscar algumas vezes para poder recobrar a consciência. Esforçou-se para sentar na cama e olhou para Moira. — O que houve? – perguntou, mas assim que a mulher abriu a boca para responder, Rosaleen a interrompeu com um gesto. Agora lembrava. Oh, como esqueceria? Bastou baixar o olhar para a própria mão


esquerda onde se encontrava uma fina linha de ouro e depois para o vestido que usava para então confirmar que, sim, estava casada. Engoliu o liquido amargo que se formou em sua boca. Não era apenas isso. Havia mais. Ela lembrava que o reverendo tinha dito algo sobre… Sobre Stephen ser um duque. Rosaleen levou as mãos ao rosto e gemeu em frustração. Era uma duquesa. Tinha se casado acreditando que não seria nada mais que apenas um adorno, um objeto, e menos de cinco minutos depois de casada, descobria que era uma duquesa. Uma duquesa! Deus! Mal sabia o que tal posição significava ao certo. Como poderia…? Não, absolutamente devia ser um erro. — A senhora está bem? Precisa de algo? – Moira tocou no ombro dela, fazendo-a ressaltar-se. Rosaleen a encarou. — Eu… – tomou folego para continuar. — Onde está lorde Stephen? — Seu marido está no salão azul com lorde Cheeven, senhora. – respondeu sorrindo. Se pudesse, Rosaleen deitaria naquela cama e dormiria pelo resto da vida para não precisar ver a reação


da criada diante da pronuncia da palavra marido. Precisava ficar lembrando-a disso? Moira levantou da cama e foi até a tina do outro lado do quarto. Adicionou uma barra de sabão aromático na água morna e deixou pendurada uma enorme toalha felpuda. Rosaleen assistiu a tudo, um tanto atordoada. — O que está fazendo, Moira? – questionou enquanto saía da cama. A criada terminou o que estava fazendo e se voltou para ela, com o rosto cheio de dúvidas. — Bem, é sua noite de núpcias, e eu… Pensei que talvez gostaria de um banho para ajudar a relaxar… – conforme Moira ia falando, sua voz ia sumindo no mesmo ritmo em que as bochechas de Rosaleen iam se avermelhando até quase se tornarem dois tomates. Noite de núpcias. Rosaleen se apoiou na beirada da cama e respirou fundo. Moira acreditava que ela e Stephen deitariam juntos. Senhor! — Senhora, sei por tudo que passou, mas posso lhe garantir que o ato carnal é muito agradável quando feito corretamente. – Moira comentou, atravessando o quarto e se ajoelhando em frente à Rosaleen. — Agradável? – Rosaleen franziu a testa. – Como sabe… – de repente arregalou os olhos. — Oh!


Você já se deitou com um homem? – perguntou incrédula. Moira soltou uma gargalhada e juntou as mãos de Rosaleen nas suas. — Escute minha senhora, o que lhe contarei é algo que não contei nem mesmo à minha mãe. – confidenciou. — Quando eu era uma menina e brincava pelo vilarejo em que morava, sofri o mesmo que você naquela noite. – os olhos de Moira se tornaram melancólicos. — Não temos muita diferença de idade, apesar de eu colecionar alguns anos a mais que a senhora. O que quero dizer é que anos depois, quando já era uma mulher feita, encontrei um homem que fez meu coração bater tão forte que achei que iria morrer. Já sentiu isso, senhora? Já sentiu que morreria por seu próprio coração? – ao ver a expressão de curiosidade e a negação de Rosaleen, Moira continuou seu relato: — Pois eu senti. No começo achei que ele não me aceitaria, porque eu não tinha nada a oferecer a ele, nem mesmo minha virgindade. Mas, me surpreendi quando ele disse que não lhe importava, que me desejava de qualquer forma. Me encontrei com ele em uma noite e, no calor da paixão, acabei me entregando. – uma cor rosada surgiu na face dela. — Não tenho como explicar o que senti. Só posso dizer que agradável não definiria nem metade do sentimento. Rosaleen observou Moira. — Onde ele está? O que aconteceu com ele?


Moira apertou as mãos de Rosaleen e suspirou desviando o olhar. — Na semana seguinte, ele foi enviado para um campo de batalha sob o comando de Bonaparte. Nunca mais tive notícias dele. Rosaleen deu batidinhas nas mãos dela, tentando confortá-la. — Eu sinto muito. – disse baixinho. — Tudo bem. – Moira sorriu tristemente. — Agora precisamos pensar na senhora. Precisa de ajuda para se despir? Ou prefere esperar por meu senhor? – ficou de pé e voltou para a tina de água. Rosaleen focou os olhos no vapor que saía da tina e considerou a possibilidade do banho. Mas, claro que sozinha, sem nenhuma possibilidade de Stephen ali com ela. — Pode deixar que eu me dispo sozinha, Moira. Pode ir cuidar das necessidades de lorde Stephen. – ela fez um gesto nervoso com a mão, apontando para a porta. Moira deixou de mexer na água e caminhou para a porta. — Se precisar de ajuda, basta chamar. – curvouse educadamente e saiu. Assim que a porta se fechou, Rosaleen se deitou na cama, com os braços abertos, olhando para o teto.


As coisas haviam se tornado estranhas. Moira agora era sua criada e tinha acabado de se curvar diante dela, porque agora ela era uma duquesa e porque estava casada com Stephen Edmond, porque estava grávida. Um fato levava ao outro, mas nenhum deixava Rosaleen menos apavorada. Bom, agora poderia relaxar um pouco, porque apesar de grávida, estava casada. Porém, o fato de estar casada a deixava em maus lençóis, ou melhor, nos lençóis da cama de Stephen. Na noite em que ele a pedira em casamento, Rosaleen havia mencionado os direitos conjugais do marido, e ele, por vez, tinha dito que os renunciaria. Na ocasião, ele havia enfatizado que, caso contrário, se Rosaleen lhe pedisse, ele sim, compartilharia a cama com ela. A ideia era estranha para Rosaleen. Ela não pediria isso a ele. Mas lorde Stephen tinha dado sua palavra de cavalheiro, e apesar de ela achar que ele não merecesse tal título, confiaria de que não seria obrigada a se deitar junto a ele. Por mais que Moira tivesse lhe dito que o leito conjugal poderia ser muito agradável, Rosaleen não tinha tanta convicção disso. Já tinha experimentado tal ato e mesmo se recusando a lembrar, suas únicas memórias


eram de dor, humilhação e medo. Mas, mesmo assim não conseguia deixar de se perguntar, se o que a criada havia confidenciado era realmente verdade. Nunca descobriria. Jamais deixaria outro homem tocá-la, por mais que a ideia de Stephen com suas grandes e quentes mãos sobre ela a fizesse sentir uma dor no ventre, mesmo a recordação do beijo inebriante que ele lhe dera, mesmo assim, Rosaleen faria todo o possível para nunca se deitar com seu marido. Decidida, levantou da cama e caminhou para a tina, onde começou a se despir, pronta para um longo e relaxante banho.

— Se continuar a beber dessa forma, não conseguirá cumprir sua parte na noite de núpcias. Acredito que não deseje deixar sua esposa insatisfeita logo na primeira noite de casados. Stephen calculou mentalmente a distância entre ele e Matthew sentado do outro lado da mesa do escritório. Se inclinasse o corpo um pouco para a direita, poderia certamente acertá-lo com a taça que segurava nas mãos. — Levarei em consideração de que o vinho está afetando seu raciocínio, Matthew. E somente por isso não


lhe golpearei por colocar em dúvida minha virilidade. – tomou um longo gole da bebida e encostou a cabeça contra a cadeira. O amigo deixou a taça de vinho em cima da mesa e encarou Stephen. — Não duvidei de forma alguma de sua virilidade, meu amigo. Coloquei em dúvida sua condição mental. – Stephen arqueou uma sobrancelha, confuso. — Não me olhe desse jeito, estou falando do fato de que lá em cima em sua cama, há uma mulher, se quiser pode chamá-la de esposa, que está pronta para recebê-lo ardentemente. Stephen conteve a vontade de gemer. Matthew não sabia de nada. — Ela não está na minha cama. — Não? É algum tipo de desejo secreto, como se deitar com ela no sótão, ou quem sabe na cozinha? – lorde Cheeven sorriu matreiro. A paciência de Stephen, como sempre, já estava a ponto de trasbordar. — Não seja ridículo, Matthew, não tenho tais desejos profanos. – apesar de que a ideia do sótão era tentadora… — Estou tentando dizer que não me deitarei com ela nesta noite, e provavelmente em nenhuma outra. — Perdão? – Matthew se inclinou na cadeira,


chegando mais perto da mesa. — Devo estar com problema de audição, porque acredito que acabei de ouvir dizer-me que não se deitará com sua esposa. Stephen bufou. — Ouviste bem. Minha esposa pediu para que eu não me deite com ela. Lorde Cheeven o encarou por uns segundos e depois abriu lentamente um sorriso. — Ardilosa. Ela o está tentando! – riu alto. — Tenho certeza que isso o deixa ainda mais excitado, não é? Sim, era! Mas Stephen não queria confessá-lo. — Não. Não é. Ela não me aceitará em sua cama por causa da minha aparência. Matthew parou de rir. — Ela disse isso a você? Stephen desviou o olhar para a taça de vinho. — Não foi necessário. E você estava presente, viu como ela desmaiou quando percebeu que estava casada comigo. Lorde Cheeven bateu com a mão na mesa e ficou de pé. — Está fazendo papel de tolo. Qualquer um que estava naquela sala percebeu que Rosaleen desmaiou porque se assustou ao saber que era uma duquesa. Você


não tinha mencionado isso a ela, verdade? Um balançar de cabeça foi a única coisa que Stephen conseguiu fazer. — Eu não… Ele foi interrompido por uma batida na porta. Matthew se apressou em abri-la. Era Moira, com um radiante sorriso no rosto. — Meu senhor, com sua licença. – ela segurou as saias nas mãos. — Sim? – Stephen levou a taça de vinho aos lábios. — Minha senhora está em seu quarto esperando pelo senhor. Stephen engasgou com o vinho, e o amigo teve que correr para bater em suas costas. — Diabos! Pare! – deixou a taça do lado e levantou. — O que disse? – dirigiu-se a Moira. Assustada, a criada abriu a boca e fechou, mas não disse nada. — Pode se retirar. – Matthew se interpôs e assim que a criada saiu, ele se voltou para Stephen: — Minha cama me espera, meu amigo. – sorriu maliciosamente. — E sua esposa o espera. Depois que Matthew saiu, Stephen ainda ficou um


tempo sentado, pensando no que tinha acontecido. Rosaleen o esperava? Ela o queria? Será que…? Serviu mais uma taça de vinho e sorveu tudo em um único gole. Com um gemido alto, Stephen levantou e foi para a porta. Saiu do escritório e subiu as escadas em direção aos quartos, com uma terrível dor entre as calças, que estavam mais apertadas do que nunca.

Rosaleen massageou a nuca e relaxou contra a madeira da tina. Estava há vários minutos ali dentro, aproveitando a tranquilidade, o perfume de rosas do sabão que Moira lhe dera. Antes de chegar naquela casa, nunca tomara um banho tão bom quanto aquele. Normalmente, a água era fria, porque precisavam economizar a lenha, e não havia sabão perfumado. Não sabia até então, que um ritual de limpeza podia ser tão prazeroso. Mas agora a água já estava esfriando, e ela precisava sair, ou pegaria um resfriado. Enxaguou o cabelo com a água de um balde, e com um pouco de cuidado ficou de pé e pisou fora da tina.


Pegou a toalha da cadeira e enrolou em volta do corpo, satisfeita com a sensação aconchegante do tecido macio em sua pele. Sorrindo, Rosaleen caminhou até a lareira, onde deixou que a toalha caísse em seus pés, ficando nua e deixando o fogo aquecê-la. O calor era agradável, e enquanto o recebia, começou a pentear os cabelos com a ponta dos dedos. Foi absolutamente tudo muito rápido. Ela mal percebeu os passos que se aproximavam e nem a porta se abrindo lentamente, muito menos Stephen entrando no quarto. Mas a voz rouca que rugiu ela ouviu. — Rosaleen! Ela virou rapidamente. Encontrou lorde Stephen parado perto de sua cama, com o cabelo desarrumado, o peito arfando e os olhos… Havia algo que ela não reconheceu. E, naquele momento, o tempo parou, porque Rosaleen Wickford estava completamente nua, diante de seu marido, Stephen Edmond, que parecia muito, muito bravo.


Capítulo Quatorze Há coisas que um homem pode esperar de uma mulher. Stephen acreditava nisso, mas apesar de sua vasta e devassa experiência com as mulheres, ele definitivamente não se encontrava preparado para abrir aquela porta e ver sua esposa daquela forma. Na melhor das hipóteses que tinha suposto, a encontraria encolhida debaixo das mantas da cama, e na pior, veria ela se jogando pela janela. Mas, aquela cena que estava diante de seus olhos só podia ser algum tipo de alucinação, das mesmas que sempre o atormentavam, porém, em uma forma mil vezes mais deliciosa. O corpo era perfeito. Era curvilíneo, os quadris eram deliciosamente largos, as coxas firmes… Stephen se controlou para não gemer quando percebeu que os mamilos rosados estavam endurecidos, deliciosos e maduros diante do seu olhar. Rosaleen inutilmente tentou cobrir com as mãos os seios e o vértice de suas coxas, mas foi em vão, porque logo lorde Edmond começou a se aproximar e ela se desesperou. A proximidade não era algo bom. Ah, Deus! Ele estava bravo, ela podia ver o olhar duro por trás da máscara. Assustada, cambaleou alguns


passos para trás, percebendo que Stephen tinha a respiração mais acelerada, seus ombros balançavam e os passos dele… Pareciam os passos de um lince. Lentos, mas firmes. Ele iria atacá-la. Desesperada pela proximidade dele, que naquele momento a estava fazendo sentir os objetos balançarem ao seu lado e seu estômago doer, Rosaleen se virou para correr, mas acabou enroscando o pé na toalha que tinha deixado cair no chão. Levou os braços sobre o rosto para se proteger da queda e soltou um grito. Stephen jogou os braços em volta da cintura de Rosaleen e a puxou contra ele rapidamente, evitando que ela caísse entre as chamas da lareira. Ela se agarrou a ele, segurou-o pelas lapelas e numa reação automática enterrou o rosto no peito dele. Mortificado, Stephen não se moveu. Na verdade, ela também não. Ficaram ali parados, ele sentindo o calor da pele nua dela atravessando as camadas de roupas e o queimando, a respiração acelerada que deslizava suavemente em seu pescoço, e o ritmar do coração que batia inquieto no peito dela. Todo o corpo de Stephen recebeu uma onda gigante de luxuria, de desejo, de loucura. Ele não podia suportar aquilo. Qual homem


suportaria? Ela aferrada a ele, completamente nua, com seu perfume de rosas… Rosaleen estava com os olhos cerrados, mas isso não a impediu de perceber o que ele estava a ponto de fazer, mas tampouco o impediu. Os lábios de Stephen desceram para o cabelo dela, depositando um beijo terno ali. Ela respirou fundo, e ele continuou. Beijou-lhe a orelha, lentamente a seduzindo com a língua, que percorria a pele com movimentos sinuosos. Ela achou que talvez estivesse em outro mundo. Um mundo quente, que fazia sua pele arder terrivelmente. Mas era tão bom… Quando os lábios dele chegaram à lateral da boca dela, instigando-a, tentando-a a continuar, Stephen se surpreendeu; Rosaleen jogou os braços em volta do pescoço dele e, ainda de olhos fechados, o beijou. Sim, ela o beijou. O choque do abraço dela fez Stephen aferrar os pés no chão para não caírem, e quando recobrou o equilíbrio, perdeu-se. Não foi ele, foi ela quem dessa vez o fez abrir os lábios, empurrando a língua, abrindo caminho. Stephen não negou de forma alguma. Beijou-a desesperadamente, segurando-a pela nunca e pela cintura, enquanto


empurrava-se descaradamente contra o quadril dela. O gosto… Céus! Rosaleen era consciente de sentir um tom adocicado de vinho na língua dele, que a embriagava e a fazia querer mais. Por esse motivo o enlaçou com as pernas, sentindo ali em seu sexo um formigamento diferente, um calor terrível... Stephen apertou-a nos braços e caminhou até a cama, onde, ainda a beijando, depositou-a levemente sobre os lençóis. Ela não abriu os olhos, e ele não o pediu. Com a claridade da luz das velas, Stephen podia ver cada curva, cada centímetro do corpo de Rosaleen. Encantou-o o formato dos seios, o tom coral dos mamilos eretos e a suavidade que os envolvia. Seus dedos correram pela pele dos seios, provocando-os delicadamente e, quando chegou nos pontos rosados, Rosaleen gemeu alto. Ele gostou disso. Tanto, que abaixou os lábios e a beijou ali. Rosaleen arqueou o corpo em resposta, oferecendo-se a ele. Stephen contornou o mamilo com a língua e chupou, até o corpo dela começar a tremer. — Oh, meu Deus... –ela murmurou, debatendo-se debaixo dele. — Shhhh. É apenas prazer, não tenha medo. Deixe-me tocá-la. –ele sussurrou com os lábios contra a


pele dela. Rosaleen não conseguiu pensar em nada mais quando ele desceu os beijos pelo ventre dela, mordendo-a de leve, fazendo círculos com a língua. — Stephen... –gemeu ao senti-lo cada vez mais para baixo. Quando o hálito morno de Stephen tocou a junção das coxas dela, Rosaleen o segurou pelo cabelo. — O que está fazendo? –perguntou alarmada. O que era aquilo? Stephen ergueu o rosto para ela, e Rosaleen viu um sorriso brilhando nos lábios dele. Oh, e ele estava tão fantástico banhado pelas luzes das velas, a máscara conferindo-lhe uma aura de mistério. — Vou apenas beijá-la aqui. –ele disse ao levar os dedos até o sexo dela, e acariciá-la. Ela engasgou. — Eu não acho que isso seja correto... Talvez... – ela se calou quando sentiu a língua morna e úmida tocá-la. Uma onda de prazer correu pelo ventre de Rosaleen. Era... Não tinha o que dizer, a não ser que seu marido sabia muito bem como usar a língua. Oh, como sabia! Ele a torturou, fê-la gemer, gritar, debater-se contra o colchão e, quando chegou ao ápice do prazer,


Stephen a assistiu se contorcer eroticamente em frente a ele. Foi o paraíso. Stephen não permitiu se mover até que Rosaleen tivesse acalmado a respiração. Ela ainda continuava de olhos fechados quando ele sentou ao lado dela na cama. Era uma cena gloriosa; sua esposa nua, com o cabelo bagunçado, os lábios inchados e cheirando a sexo. Stephen podia se acostumar a isso facilmente. — Rosaleen, precisamos conversar. –ele disse com a voz tensa. Ela se moveu na cama, abriu os olhos e o fitou. — Eu sei. –respondeu em voz baixa. Ela sabia exatamente sobre o que ele queria conversar. Era óbvio. Ele lhe diria que ela havia se comportado com uma qualquer, porque ela sabia que um casal não fazia aquilo que eles tinham acabado de fazer. Uma esposa não gemia descontroladamente como ela fizera, nem sentia aquela necessidade estranha a qual sentia agora, que gritava desavergonhadamente dentro dela, pedindo mais. — O que aconteceu... Não foi premeditado. –ele começou. — Mas saiba que apreciei muito, e tenho certeza de que você também. –Stephen sorriu ao olhá-la. Ela não precisou responder, apenas o rubor em suas bochechas falava por si só.


— Sei que passou por coisas horríveis... –ele viu que agora ela desviava o olhar, mas continuou mesmo assim — Quero que esqueça o passado, não a obrigarei a compartilhar sua cama comigo, já lhe disse isso uma vez. Mas não suportaria que nosso casamento fosse como os que estão na moda na sociedade. Não quero ter que vê-la somente na hora do jantar, nem passar dias sem dirigir-lhe uma palavra. — Eu também não quero. –ela confessou. Stephen deslizou o polegar sobre o braço dela, subindo e descendo lentamente. Ela suspirou. — O filho que você carrega dentro de você, esse foi o motivo do nosso casamento. Mas você precisa saber que eu não o odeio, nem culpo a você, e se eu pudesse, mataria com minhas próprias mãos aqueles homens. –ele abaixou o rosto, atormentado pelos gritos que ouviu naquela noite, mas que não fez nada. — Eu sei. –Rosaleen refletiu por um momento. — Eu estava errada sobre você. Achei que era um homem cruel e sem coração, porém, agora sei que é um homem honrado e de bom coração. –ela sorriu timidamente. Stephen negou com a cabeça, ficou de pé e se afastou dela. — Isso é ilusão. Não procure ver entre o escuro,


Rosaleen, porque encontrará somente dor e ódio. –os ombros dele tremeram. Sem se dar conta da própria nudez, Rosaleen sentou-se na cama. — Não estou errada. E por favor, não diga como devo pensar. Não importa o que tenha feito, a imagem que tenho de você não mudará. –ela afirmou convicta. Ele se voltou para ela, com o rosto cansado. — Chegará um dia em que essas palavras serão como folhas ao vento, Rosaleen. Ela não compreendeu as palavras e nem procurou por qualquer significado. O momento em que os dois estavam vivendo agora era tão estranho, diferente, que Rosaleen não queria estragá-lo. Ela estava realmente confusa, porque desde aquela maldita noite em que tudo acontecera, ela mal podia se aproximar de um homem sem sentir uma onda de pânico percorrê-la. Acontecia até mesmo com o próprio Stephen. Mas, desde a noite em que ele a pedira em casamento, Rosaleen tinha mudado sua percepção sobre Stephen. Não sentia mais temor algum ao lado dele. Claro que ainda as lembranças ruins a atormentavam terrivelmente, só que ao contrário do que imaginava, o toque dele em sua pele era reconfortante, mais ainda, era quente e a fazia querer voar, fazia-a livre. Definitivamente não queria se sentir assim. Tinha


medo. Acontecia que havia prometido jamais deixar outro homem machucá-la outra vez. Mas... Stephen não iria machucá-la, verdade?! — Sei que está confusa pelo que aconteceu e eu também. –passou a mão pelos cabelos. — Só que mesmo querendo, não irei ignorar esse momento. Proponho que estipulemos um acordo sobre nosso casamento. — Acordo? Ele se aproximou dela, puxou uma manta e a cobriu. Era tentação demais vê-la nua daquele jeito. — Primeiro, quero que me prometa que conversará comigo. E também que jamais fugirá novamente. Porque eu juro, Rosaleen, procurarei você até no inferno. Coloque em sua cabeça que você é minha. Entendido? Assustada, ela assentiu com um movimento de cabeça. — Ótimo. Agora há mais uma coisa. –Stephen se sentou na cama em frente a ela. — Qual? Ele sorriu. Oh, senhor! — Prometa-me que irá me procurar cada vez que se sentir quente, quando sentir seu sexo queimar e pulsar desesperadamente. Quando isso acontecer, quero que vá até mim, não importa onde e com quem eu esteja.


Ela engoliu em seco. — Por quê? –conseguiu perguntar. Ele tocou a coxa dela e a acariciou. — É simples: porque sou seu marido, e meu dever é cuidar das suas necessidades. Prometa-me! –Stephen apertou a perna dela. Rosaleen sentiu as gotas de suor percorrerem suas costas. Como fugiria disso? Como iria dizer não? — Eu... Eu... Prometo. –sim ela prometeu e realmente quis dizer aquilo — Mas tenho medo. Ele franziu a testa. — Medo? Rosaleen apertou os olhos e agarrou com força a manta. — Não quero gostar disso. Porque... Há dor, há medo em minha mente. Não sei se poderia deixar você... Se deitar comigo. –confessou. Stephen entendeu. — Não estou lhe pedindo isso. Lembre-se que só compartilharei uma cama com você, quando me pedires. Jamais a forçarei a nada. –explicou a ela. — Verdade? –os olhos dela se iluminaram. — Sim, verdade. Por mais que eu tenha certeza de que esse momento irá chegar logo. –ele olhou ao redor e,


com um suspiro cansado, se levantou. — Acredito que esteja tarde e você queira descansar. — Obrigada. –Rosaleen puxou a manta até o queixo. Stephen caminhou para a porta, mas parou de repente. — Mais uma coisa; Moira disse-me que você esperava por mim. Isso é verdade? –ele não pôde deixar de perguntar. Ela deu de ombros. Ele riu. — Eu imaginava. Acho que precisarei conversar seriamente com Moira. –abriu a porta. — Boa noite, Rosaleen. –disse antes de sair. Sozinha, Rosaleen se permitiu relaxar contra as mantas macias. Ainda estava nua e dormiria assim. Mesmo tentando evitar, não conseguiu deixar de pensar no que tinha acontecido, enquanto mergulhava em um sono leve, com um sorriso serpenteando em seus lábios.

Havia algo errado. Rosaleen soube disso assim que acordou. Ainda estava um pouco escuro quando ela sentou na cama e se espreguiçou. Uma dor cortante a atingiu no


ventre e ela se encolheu. Sim, havia algo muito errado. Apavorada, ela levantou da cama e tentou caminhar até a bacia de água. Assim que a alcançou, lavou as mãos e o rosto, refrescando-se. A dor ainda a atingia enquanto voltava para a cama, até que parou abruptamente ao olhar para os lençóis. Sangue. Muito sangue. Com um grito afogado, Rosaleen olhou para o próprio corpo e se encontrou com as pernas cheias de sangue. Meu Deus! O que estava acontecendo? Era seu bebê? Ele estava morrendo? Não! Completamente desesperada, Rosaleen se enrolou em uma manta, abriu a porta do quarto e saiu para o corredor, gritando. O primeiro a aparecer subindo as escadas correndo foi Stephen, que assim que a viu, aumentou o passo. — Rosaleen, o que houve? Está bem...? Ela levou as mãos aos lábios e começou a chorar e soluçar. — Fale comigo, Rosaleen. Diga-me o que


aconteceu! –ele gritou. Inconscientemente, ela se jogou nos braços dele. — Meu bebê! Ele morreu! –Rosaleen desabou no peito de Stephen. Um buraco se abriu sob os pés de Stephen e ele foi sugado para baixo, levando sua alma junto.

Capítulo Quinze


O doutor Wilms deu pequenas batidinhas no pulso de Rosaleen e o pressionou por alguns segundos, medindo o ritmo cardíaco. Um silêncio constrangedor se instalou no quarto, e ela embaraçada, começou a fitar o teto. Com um suspiro, o medico soltou o braço de Rosaleen e tirou os finos óculos pendurados no nariz. Estava cansado, pensou Rosaleen ao observá-lo. Ora, claro que estava cansado, o pobre velho havia sido retirado da cama logo cedo por Ned, que provavelmente o tinha feito atravessar Bordeaux dentro de um coche de aluguel apertado. Depois de ampará-la nos braços e levá-la para a cama, Stephen, naquela manhã, a tinha feito explicar o que estava acontecendo. Rosaleen, chorando muito, apenas conseguiu apontar para os lençóis ensanguentados da cama. Stephen a fez sentar próxima a lareira e, depois aos gritos, chamou Moira para que trocasse as mantas e lençóis. Rosaleen permanecera sentada com os braços envoltos ao lado do corpo, com a mente em uma confusão terrível. Logo o doutor Wilms havia chegado, com sua grande maleta de instrumentos e feito Rosaleen deitar na cama novamente. E ali estava ela, com as mantas até o queixo, os olhos inchados e o corpo trêmulo, além é claro, da dor no ventre e o sangue que escorria entre suas pernas. Stephen esperava do lado de fora do quarto


quando o médico terminou de analisar Rosaleen e passou por ele. — Doutor, espere! –ele puxou o braço do homem. O velho parou imediatamente sob o toque dele. — Posso responder suas perguntas, senhor. –o doutor desviou os olhos do rosto de Stephen, o que possivelmente não era um gesto de um médico interessado em curá-lo, e sim repudio na sua forma mais crua. Stephen ignorou o ato. Estava tão acostumado com aquilo, que agora mal lhe afetava. — Como está minha esposa? –perguntou nervoso. Esperava desesperadamente que ela estivesse bem, não suportaria que lhe tivesse feito mal. O doutor passou os dedos pelo grosso bigode e mexeu os ombros, claramente desconfortável. — Ela não sofreu nenhum dano. Deus! Alívio rodopiou pelo peito de Stephen. Rosaleen estava bem! Mas... — E o bebê? –a voz dele saiu estrangulada. O medico ergueu uma sobrancelha como se a menção do bebê fosse a admissão de que Stephen não era o pai, porque obviamente o velho doutor sabia que Stephen havia casado recentemente. Porém, o medico sujeitou-se apenas a trocar a maleta de mão e suspirar pesadamente.


— Pode me oferecer uma bebida? Estou velho e cansado para me levantar tão cedo. E velho demais para beber, pensou Stephen. Mas apenas apontou para a escada e seguiu atrás do médico. Em seu escritório, depois de servir ao velho uma enorme taça de seu melhor vinho, Stephen pediu para que ele lhe explicasse detalhadamente em que estado se encontrava o bebê de Rosaleen. — Entenda lorde Edmond, – doutor Wilms começou. — serei o mais claro possível para que não haja enganos a respeito do que direi. Stephen apenas meneou a cabeça levemente. O velho tomou um gole de vinho e se aproximou de Stephen, esticando o corpo na cadeira em que se sentava. — Não existe bebê algum. – sussurrou. — Como disse? –Stephen tinha ouvido mal, era isso. Wilms lambeu os lábios finos e roxos. — Ouviste bem; não há nenhum bebê dentro de sua esposa. –disse um pouco mais alto. Stephen piscou, atordoado. Sim, realmente agora ele tinha ouvido bem. Mas como? Ela...? — Foi a hemorragia? A culpa foi minha? Eu não


devia ter... –se calou abruptamente. Curioso, o médico chegou mais perto dele. — O que o senhor fez? –perguntou. Stephen o encarou. — Nada que lhe diga a respeito, doutor. –disse entre dentes. Ora, jamais diria àquele homem, por mais que ele fosse um médico, que na noite anterior estivera com a língua entre as pernas de sua esposa! Com um gemido de desdém, Wilms se levantou. Começou a caminhar pelo escritório, ainda com sua taça de vinho na mão. — Estou tentando dizer, meu lorde, que sua esposa nunca esteve grávida. –falou ao levar a taça aos lábios. Stephen sentiu um golpe no coração. — Perdão? O doutor se voltou para ele. — Está com algum problema de audição, lorde Edmond? Acredito que tenho um tônico em minha maleta que possa ajudá-lo a... — Pare! –Stephen rugiu, ficando de pé. O velho arregalou os olhos diante da altura em que Stephen cresceu com sua ira, e também porque um homem tão alto, forte, que usava uma máscara e não tinha nenhuma gota de simpatia poderia facilmente afugentar um adversário a


altura, imagine então o caquético senhor Wilms? — Cuide com suas palavras doutor, porque lhe garanto que não há problema algum com minha audição. Agora, o senhor irá me explicar como é possível que minha esposa não esteja grávida. Ela não teve seu sangramento este mês e em toda sua vida jamais acontecera antes! Wilms precisou se apoiar na cadeira e pousar a taça de vinho sobre uma mesa. Estava com os olhos arregalados e o rosto terrivelmente vermelho. — Bem... –limpou a garganta. — Acontece frequentemente meu lorde, mais do que pode imaginar. Sua esposa aparentemente é muito ignorante sobre tais assuntos, e acabou por confundir os sinais. O atraso é normal quando uma mulher... É... –gaguejou, estava tão nervoso que precisou afrouxar a gravata. — O que estou tentando dizer é que depois de casadas, as mulheres tendem a ter esses atrasos. Stephen apertou os punhos. — E a hemorragia? –questionou. — Não foi hemorragia, meu lorde. Foi apenas seu sangramento mensal que havia atrasado como eu lhe disse, e agora voltou. As dores que ela sente são cólicas devido a isso. –o doutor passou um lenço pela testa, limpando o suor que se acumulava. Tinha ouvido tudo aquilo, mas ainda não podia


acreditar. Stephen deixou de prestar atenção no médico e começou a focar em seus próprios pensamentos. Levou alguns minutos, os quais o escritório ficou em absoluto silêncio, e quando lorde Edmond compreendeu processou e compreendeu o assunto, teve vontade de esmurrar a si mesmo. Havia se casado com Rosaleen Wickford sem necessidade. Confundira-se, tirara conclusões erradas. Procurara sua própria ruína. — Lorde Edmond? Se me permite dar minha opinião... O doutor ficou mudo. Ou melhor, Stephen o deixou mudo com sua sútil pressão na garganta do velho. — Escute bem, seu velho –o corpo de Stephen tremia pela raiva e pela ira. — Sua opinião não me é útil para nada, por isso quero que pegue suas coisas e saia da minha casa. –apertou mais um pouco e o doutor engasgou. — E esqueça tudo que viu e ouviu nesta casa sobre minha esposa. Não dirá uma única palavra a ninguém, entendeu?! O velho balançou a cabeça. — Ótimo. Meu mordomo lhe entregará seu pagamento e o levará até a porta. – soltou-o e o homem aterrissou no chão com um impacto. Stephen deixou Wilms para trás e saiu do


escritório. Ned cuidaria dele, senão provavelmente ele perderia o controle mais ainda. Passou pelo largo salão e rumou para a escada. Precisava realizar a tarefa mais difícil de todas; contar a verdade à Rosaleen.

— Mas a senhora pouco comeu! –Moira reclamou deixando o prato de sopa na mesa ao lado da cama. Rosaleen estalou a língua. — Já disse que não tenho fome. E pare de me chamar de senhora! –reclamou. A criada suspirou. — Casou-se com meu senhor, então o correto é chamá-la de senhora. Ainda não compreendo a rejeição de lorde Stephen em usar seu título. –comentou enquanto servia um copo de água e entregava à Rosaleen. — Para falar a verdade, também não entendo. Por falar nisso, por que não me contou sobre o título de Stephen? –perguntou enquanto bebericava a água. Moira sorriu, e Rosaleen soube o motivo; era porque havia chamado o marido pelo primeiro nome. — A senhora ainda era uma criada, e criados não falam da vida de seus senhores. –disse calmamente. Rosaleen achou que aquilo fazia sentido.


Stephen apareceu à porta, sem dar-se ao trabalho de bater ou se anunciar. — Deixe-nos a sós. –falou secamente, passando por Moira que saiu do quarto a passos largos. Rosaleen se encolheu na cama quando viu Stephen. Ele parou ao lado e a olhou. — Posso me sentar? –ele apontou para a cama. Ela fez um gesto afirmativo com a cabeça. Stephen sentou ao lado de Rosaleen, e ela ficou imóvel. Ele pegou o prato de sopa na mesa e ofereceu uma colherada a ela. — Precisa se alimentar para estar forte o suficiente para sair dessa cama. –ele forçou a colher nos lábios dela, que acabou aceitando. Rosaleen estranhou tal gesto, mas também não questionou. — Ainda sente dor? –Stephen perguntou enquanto lhe oferecia mais sopa. — Sim, mas agora são mais fracas. O doutor me deu um tônico horroroso para dor. –explicou. Nossa, a sopa estava realmente boa, ou era que estava desde a noite anterior sem comer? Ao pensar na última noite, um rubor tomou conta do rosto de Rosaleen, porque junto a isso lhe vinham as lembranças do que ela e Stephen tinham feito...


— Eu falei com o doutor. Ele me disse que você está bem. Provavelmente dentro de uma semana estará correndo por toda casa. –levou mais sopa aos lábios dela, mas dessa vez Rosaleen fez que não. — E... –ela tomou coragem para perguntar. — O que aconteceu com... –as mãos dela caíram para o ventre. Nervoso, Stephen deixou a sopa novamente na mesinha e se virou para Rosaleen. Deus o ajudasse! — Não há bebê, Rosaleen. Ela não se moveu. Não disse nada. Permaneceu em silêncio por um tempo. — Não? –perguntou com a voz trêmula. Stephen chacoalhou a cabeça. Ela mordeu os lábios, pensativa. — Ele morreu? O que nós fizemos ontem...? –os olhos dela se arregalaram. — Não é isso. Ouça o que tenho a lhe dizer, Rosaleen. –segurou o queixo dela, fazendo-a encará-lo. — Você nunca esteve grávida, carinho. Foi um erro, uma suposição precipitada de todos nós. Rosaleen engoliu em seco. Não estava grávida? Não tinha um bebê dentro dela?


— Mas... –a voz foi sumindo. Stephen, em um gesto inesperado, puxou Rosaleen para seus braços, deitando a cabeça dela em seu peito. — Vou lhe explicar tudo. –e ele explicou, contou todos os detalhes a ela, sobre as regras, o atraso e as dores. No final, Rosaleen estava muda, com o olhar perdido nas pedras da lareira. Ainda estava aninhada no peito de Stephen, recebendo um agradável calor que lhe acalmava, mas que ainda assim não conseguia tirá-la da maré de dúvidas e medos. — Stephen, sobre nosso casamento... — Não se preocupe com isso, teremos tempo para conversamos. –ele massageou as costas dela lentamente. — A única coisa com a qual deve se ocupar é em descansar. Ela assentiu. Infelizmente, só podia fazer tal coisa, por mais que agora estivesse terrivelmente nervosa, porque, oras, havia se casado com Stephen por causa daquela criança, e se não havia criança, o que aconteceria? Rosaleen inalou o perfume masculino de Stephen e se apertou mais a ele. Sua vida estava nas mãos do destino novamente.


Três semanas depois, Stephen recebia lorde Cheeven em seu escritório. O amigo havia mandado um lacaio informá-lo sobre sua visita e que era assunto de urgência. — Sente-se. –Stephen indicou o sofá. — Ah, achei que deixaria que meus pés criassem raízes. –Matthew comentou ao sentar relaxadamente. Stephen sentou no sofá em frente a ele. — Como está sua adorável duquesa? –lorde Cheeven perguntou enquanto tirava um charuto do bolso do casaco e o acendia em uma vela ao lado. — Não sabia que tinha trazido seus vícios para fora dos clubes. –Stephen espantou a fumaça de frente dos olhos. Matthew deu de ombros, soltando uma baforada de fumaça. — Os negócios me deixam nervoso. Não fuja da pergunta, bom amigo. — Está recuperada. –na verdade, Stephen poderia ter dito que ela estava perfeitamente bem, porém, se o fizesse, certamente lorde Cheeven conseguiria fazer algum comentário totalmente sem nexo. — Eu sinto muito pelo que aconteceu. –Matthew


desviou o olhar do amigo, constrangido, até porque havia sido ele quem incentivara Stephen a casar-se com a criada, agora duquesa. — Não vamos falar sobre isso. Seu lacaio disseme que teria algo urgente para me falar. Matthew prendeu o charuto com os dentes e abriu o casaco, onde revirou os bolsos a procura de algo. — Aqui está. –entregou um envelope a Stephen. Sem perder tempo, Stephen quebrou o lacre da carta e a abriu. Retirou o papel e começou a ler: A vossa graça, Décimo duque de Caston, lorde Edmond. Obtivemos através do jornal parisiense o conhecimento de que o duque de Caston contraiu bodas há algumas semanas com a lady inglesa Rosaleen Wickford. E, como o lorde está a serviço da coroa, assim como todas suas propriedades e bens, a corte francesa oferece-lhe a chance de se apresentar novamente à sociedade no baile anual de Lady Catherine, onde o duque de Caston deverá cumprir com seus deveres, depois de anos voltando a atuar na sociedade, apresentando também sua nova duquesa. Para bem de todos envolvidos nesse impropério, fica exposto que o não comparecimento de vossa graça denota-se que esteja abrindo mão de todos seus direitos


e deveres, para conosco. Seus humildes servos. C.P — O que houve? –Matthew perguntou ao ver que Stephen empalidecera. — Estamos em que dia? Lorde Cheeven contou mentalmente. — Dia 23. Por quê? Stephen deixou a carta em cima da perna e levou a mão à máscara. Suas feridas doíam terrivelmente. — Dentro de três semanas terei que me apresentar em Paris com Rosaleen, ou perderei tudo que tenho. – disse lentamente, como se ainda estivesse processando tudo aquilo e estava mesmo.

Capítulo Dezesseis Lorde Edmond não estava preparado para aquela notícia, tal como para a reação descabida de seu grande amigo lorde Cheeven, que tinha deixado o charuto de lado e agora se dedicava a rir descontroladamente. — Fico agraciado ao saber que minha desgraça o diverte, Mathew. -Stephen disse com a expressão fechada. Lorde Cheeven, depois de algum tempo, conseguiu recuperar parte da compostura e, com um grande esforço, sentou-se de forma ereta no sofá, como um


perfeito cavalheiro. — Certamente não de sua desgraça, bom amigo. Garanto que o fato de que você está a um passo de ser jogado ainda mais para baixo da sociedade francesa, o mais próximo da escória, não me agrada absolutamente. – um sorriso maroto brincou nos lábios de Mathew. –Mas confesso que é impossível me controlar diante da perspectiva de vê-lo fazendo sua grande volta para sociedade, agora junto da sua refinada duquesa. Stephen o olhou ceticamente. — Está perdendo seu tempo imaginando tal espetáculo, Mathew. Eu não irei a esse baile. –olhou novamente para a carta em suas mãos e franziu a testa, era como se o pedaço de papel lhe queimasse a pele. — Vejo que prefere perder tudo que tem.- Mathew deu de ombros. -Por falar nisso, poderia me presentear com aquele belo cavalo entalhado em madeira e ouro? Será uma pena vê-lo nas mãos da Coroa. –apontou para uma estante abarrotada de livros, onde se encontrava o minúsculo adorno. Stephen acompanhou-o com o olhar. — Será que consegue se concentrar apenas por um momento? Preciso pensar em que atitude tomar. Agradeceria muito se convertesse esse senso de humor duvidoso em uma brilhante ideia.


Matthew mudou de posição no sofá e, com o rosto coberto por uma máscara de mistério, aproximou-se do amigo. — Muitas pessoas, principalmente as mulheres, apreciam meu senso de humor, Stephen. –devagar um sorriso enigmático foi brotando nos lábios dele. — Somos amigos, sei que não deixará nada do que é seu para a Coroa, não por ambição, mas sim por que odeia tanto esse governo que preferirá se expor novamente no meio de todos aqueles canastrões conservados em bebidas caras. Edmond encarou Matthew. Ele estava terrivelmente certo. Infelizmente. — Preciso encontrar alguém que ensine à Rosaleen como ser uma dama em menos de três semanas. –suspirou profundamente. Nada estava bem. — Agora que sua mente aflorou, poderia me dar a honra de me ajudar a encontrar alguém para tal função? Lorde Cheeven cruzou as pernas e apoiou as mãos atrás da cabeça. — Obrigado por seus elogios, bom amigo. Mas, acho que você não se recorda de que todas as pessoas que conheço são jogadores, prostitutas, estelionatários e toda classe de dissolutos. Provavelmente não irá querer que sua esposa seja orientada por uma mulher que saiba exatamente o que fazer quando está de joelhos, estou certo?


Stephen arqueou uma sobrancelha, divertido. — Poderia ser sua mãe. Ela é uma dama respeitável na sociedade de Bordeaux. –sugeriu. Matthew negou veemente com a cabeça. — Ela está viajando com as amigas pelo continente. –fez um gesto frustrado com as mãos acima da cabeça. Lady Clarisse, mãe de lorde Cheeven, era viúva há tantos anos que mal se recordava. O marido falecera depois de contrair varíola em uma de suas supostas viagens de trabalho. Stephen ainda recordava do pai coberto por postulas e a última vez que o vira antes que a morte o levasse. Ao contrário do que imaginava, não fora tão difícil sobreviver sem o pai. O velho era mesquinho e ambicioso, além de carregar um comportamento indecoroso para com sua esposa, a qual traía diversas vezes, sem ao menos ter o senso de discrição. Matthew filho único- e a mãe viveram em um pequeno solar em uma cidade próxima à Bordeaux por muitos anos, até que o rapaz decidiu mudar-se para a mansão que possuíam na cidade e assumir definitivamente os negócios do pai. Lady Clarisse nunca mais se casara, o que o filho acreditava ser um reflexo da vida que levava com o falecido marido. Era claro que ela já não mais acreditava no amor. E com Matthew não fora diferente. O jovem logo se tornou bemsucedido em seus investimentos nas vinícolas e também


por sua lascívia. Junto de Stephen, Matthew ficou conhecido como um dos Lordes Dissolutos, que destroçavam os corações das jovens, erguiam as saias das viúvas e enlouqueciam as casadas. Lorde Edmond havia sido convocado para a batalha ao lado de Bonaparte, e o amigo não. Quando Stephen voltou, destruído, Matthew teve certeza que seu velho amigo não seria mais o mesmo. E não foi. Lady Clarisse, com seu coração bondoso, tentou ajudar o amigo do filho, ofereceu-se para prestar-lhe cuidados, pois o considerava como um filho. Edmond negou todas as tentativas de aproximação e se isolou em seu próprio mundo. — Bem, então não me recordo de qualquer outra pessoa. –Stephen falou, trazendo o amigo para a realidade, longe das recordações. Matthew pegou o charuto antes abandonado e puxou uma longa tragada, soltando a fumaça em seguida e a assoprando na direção de Stephen. — Sua tia Sophie ainda está viva? –perguntou enquanto levava o charuto aos lábios novamente. Stephen piscou, com os olhos ardendo por causa da fumaça causticante. — Sim, recebi uma carta dela há alguns meses. Tem vivido em Paris, junto de sua dama de companhia e


uma garrafa de rum. Lorde Cheeven sorriu. Estava tudo resolvido. — Envie uma carta a ela dizendo que se casou e que necessita de sua ajuda. Não especifique exatamente qual será a tarefa dela, deixe-a curiosa o suficiente para que arraste sua dama de companhia e a garrafa de rum para Bordeaux. Stephen mal piscou. — Matthew? –chamou. — Sim? — És o próprio demônio! –e então sorriu. Levantou do sofá e correu para a mesa onde ficavam os papéis destinados às cartas. Com algumas linhas de palavras emocionais e apelos possivelmente sinceros, Stephen selou o envelope e o segurou entre os dedos. — Acredito que esse problema esteja resolvido. Agora me basta resolver o mais difícil de todos. — A que se refere? –Matthew perguntou sem conseguir acompanhá-lo. — Rosaleen. –Stephen respondeu. Exatamente. Convidar tia Sophie para que o visitasse era fácil, o real problema era convencer Rosaleen a participar de toda aquela situação.


Depois de uma semana confinada naquele maldito quarto, Rosaleen acreditava que provavelmente estava perdendo seu juízo perfeito. Minutos atrás, tinha se irritado com Moira lhe oferecendo a maldita sopa sem sal, que quase lançara o prato sobre a cabeça da criada. Se já não estivesse louca, ficaria em pouquíssimo tempo. Durante os dias em que permanecera deitada sobre a cama macia –que no terceiro dia havia se tornado uma perfeita rocha, ela fora terminantemente proibida de fazer as refeições na cozinha e no salão de jantar, com ordens de seu marido, que temia que Rosaleen sofresse algum dano. Ela sinceramente não acreditava que poderia sofrer dano algum, mas resolveu não contestar, estava irritada demais para conversar com o marido. As dores e o sangramento foram diminuindo gradativamente com o passar da semana, assim como a insistente vontade de chorar que a atormentava. No lugar, carregava uma grande preocupação; O que aconteceria agora com seu casamento? Tinha passado algumas noites em claro, com os olhos fixos no teto, refletindo o que Stephen faria. O mais provável, pensava ela, era que ele anulasse o casamento, porque ele não o fora consumado o que, diante da lei, servia para dissolver uma união. — Oh, Deus! –ela bateu com a mão na testa ao recordar de que a lei da consumação não valeria porque


era óbvio que ela não era mais virgem, o que a levava a crer que Stephen cumprira com seus deveres conjugais. Em suma, Rosaleen estava com grandes problemas. Se pelo menos ainda fosse virgem, se aquela noite não tivesse acontecido... Não! Não choraria e nem recordaria o que acontecera. Era uma promessa para si mesma. Não precisava se lamentar e chorar como um animalzinho assustado. Estava viva e, o mais importante,não carregava em seu ventre o resultado daquela atrocidade. Claro que se tivesse realmente grávida, faria de tudo para amar o bebê por mais difícil que fosse. Desejava ser mãe desesperadamente. Podia imaginar-se com um pequenino bebê nos braços, de olhos verdes e brilhantes iguais aos do pai, iguais aos de... Stephen. Assustada com os pensamentos, Rosaleen sentou na cama. O que tinha dado nela para pensar em um lindo e rosado bebê de olhos verdes filho de Stephen? Era o efeito do cárcere que se encontrava, só podia ser! Jamais teria filho algum de seu marido, porque não se deitaria com ele. Não outra vez. Por mais que a noite de núpcias houvesse sido uma grande surpresa e que Rosaleen tivesse aproveitado muito, deveria ficar claro


que fora apenas um evento isolado. Mas eu adoraria repeti-lo…- pegou-se pensando. Era certo, precisava sair daquele quarto e tomar ar fresco, ou então se jogaria pela janela, porque aquelas ideias não tinham fundamento algum, (por mais que a lembrança da boca de Stephen entre suas pernas fosse maravilhosa). Acalorada, Rosaleen levantou da cama e correu lavar o rosto e o pescoço, sentindo uma deliciosa sensação de refresco. Mas não era o suficiente, ainda estava com a pele queimando. Enquanto caminhava até a porta, prendeu os cabelos no alto da cabeça com um grampo. Sentindo-se melhor, Rosaleen saiu do quarto e seguiu pelo corredor. Stephen encontrou Rosaleen descendo as escadas. Quando a viu, parou por um momento para admirá-la. Ela usava um vestido verde água, que tinha sido comprado em uma loja no centro da cidade. O caimento era perfeito para ela, com a cintura marcada por uma fita de verdemusgo, e as mangas bufantes, acompanhadas de um reservado decote. Ele também não deixou de notar o cabelo preso com algumas mechas caindo despreocupadamente. — Stephen. –ela parou quando o viu.


Instantaneamente, suas bochechas tomaram um tom avermelhado que Stephen achou interessante. — Rosaleen. Sente-se melhor? –perguntou ansioso. Surpreendentemente, ela deu um pequeno sorriso. — Me sinto ótima, obrigada. –olhou para os lados por um momento. - Estou um pouco acalorada e queria passear um pouco. –confessou. — Permita-me acompanhá-la. -Lorde Edmond ofereceu o braço a ela. Rosaleen aceitou. Enlaçou-se no braço dele e os dois desceram a escada. Passaram pelo salão principal, onde Moira que tirava o pó de uma mesa, sorriu abertamente para os dois. Um pouco constrangida, Rosaleen virou o rosto e seguiu para fora da casa junto a Stephen. Como moravam na região mais agraciada de Bordeaux, consequentemente, a casa ficava muito próxima às outras vizinhas, o que não dava muita liberdade para eles. Era noite e, mesmo com nenhuma nuvem no céu, Rosaleen que sempre adorara observar as estrelas, não conseguiu encontrar nem uma sequer. — É o ar de Bordeaux. –ele explicou ao perceber a decepção dela.


— Quando eu era pequena, ficava até madrugada sentada na varanda observando as estrelas. –riu fracamente. — Sempre procurava reconhecer as constelações. Meu pai me ensinara o nome de muitas, mas sozinha nunca consegui encontrá-las. Stephen, mesmo com a escuridão da noite, a observou. Sorriu. Era fácil ter simpatia por Rosaleen. Ela era tão diferente de qualquer outra mulher que já conhecera. — Quando eu estava em batalha, a noite era o único momento que os ataques cessavam. Deitávamos esgotados em cima de sacos de comida, apoiando nossas armas ao lado, sempre preparadas para qualquer movimento. –Stephen apertou a máscara contra o rosto e respirou fundo. — Para me distanciar daquele lugar, dos corpos fétidos, das feridas e da fome, eu observava as estrelas. No campo, o brilho delas é mais intenso, mais puro. Passava as noites assim, procurando paz no céu, em meio aos gritos dos que estavam morrendo. Rosaleen controlou as lágrimas. Sentiu uma vontade desesperadora de abraçá-lo, de confortá-lo, dizer que tudo era passado. Mas como poderia fazer isso? — Deve ter visto coisas horríveis. –ela murmurou.


Edmond apertou a mão dela em seu braço. — Tantas que eu não seria capaz de descrevê-las. –ele disse, puxando-a para caminhar mais um pouco. Contornaram uma árvore baixa e uma roseira, onde Stephen a fez parar. — Prometo levá-la ao campo para observar as estrelas. — Verdade? –ela arregalou os olhos. — Mostrarei a você os vinhedos. –lentamente Stephen escorregou a mão para a cintura dela e a trouxe para mais perto. — Provará do vinho mais doce. Rosaleen sentiu o hálito morno de Stephen em seu rosto. Ele iria beijá-la. E ela queria desesperadamente. As mãos dele seguraram-na pela nuca e a fez arquear o corpo. Os lábios de Stephen contornaram o queixo de Rosaleen em uma delicada carícia. Ela ofegou, entregando-se. — Mas o que...? -Stephen se afastou dela de repente. Um pouco perdida, Rosaleen se equilibrou nos braços do marido. Logo ela entendeu o que tinha acontecido. Stephen estava lutando contra um pequeno animal que tinha se aferrado a suas botas. Cookie! — Achei que tivesse se livrado desse maldito animal! –Stephen se queixou, empurrando o cão para


longe. Segurando o riso, Rosaleen removeu Cookie de cima da bota de Stephen. — Volte para casa, seu menino mau. –deu palmadinhas nos flancos de Cookie, que saiu correndo para dentro da casa. Ela olhou para Stephen. Mesmo no escuro podia ver que ele estava zangado. — Sobre Cookie... — Falaremos sobre esse animal em outro momento. Tenho algo importante a dizer. –a voz dele havia se tornado fria. Rosaleen moveu a cabeça concordando. — Eu não esperava que fosse acontecer tal coisa. Mas recebi uma carta da Coroa. Devo me apresentar em Paris dentro de três semanas, para voltar a atuar na sociedade. Portanto, terei que viajar por algum tempo. — Oh, compreendo. –ela juntou as mãos em frente ao corpo. Sentiria falta de Stephen. — Não, você não compreende; A Coroa sabe que me casei. Como deve saber, sou um duque e passei muitos anos sem exercer minha função. Agora o parlamento de Paris quer que eu volte à sociedade. E isso inclui você, Rosaleen. Você é a duquesa de Caston e é imprescindível


que esteja ao meu lado. –ele explicou. — Perdão? Stephen mudou o peso do corpo para a utra perna. A conversa estava mais difícil do que esperava. — Você irá comigo para Paris e será apresentada como a nova duquesa durante o baile de Lady Catherine. Rosaleen chacoalhou a cabeça. — Eu pensei que eu ficaria apenas como enfeite. –ela sussurrou. Lorde Edmond tocou o braço dela. — Como eu disse, não imaginei que aconteceria isso. Mas entenda, se não formos, tudo que possuo será tomado pela Coroa. Ela torceu o nariz. — Eles não podem fazer isso! –protestou. — Eu não a obrigarei a me acompanhar, Rosaleen. Irá por sua vontade. — É claro que irei! –ela contestou. —Sou sua esposa e, enquanto estivermos casados, farei de tudo... Rosaleen foi interrompida pelas mãos de Stephen em seu rosto. — Há mais uma coisa que precisa compreender, Rosaleen; Não irei deixar você. Nosso casamento é perfeitamente válido. –passou o polegar pela bochecha


dela. — E você é minha. Nossa noite de núpcias foi a prova de quão bom somos juntos. Porém, não irei apressála, farei com que me deseje tanto, que queime tanto por mim, que me implorará para estar dentro do seu corpo. – beijou a ponta da orelha dela e se afastou. Perdida. Sem ar. Rosaleen estava em outro lugar. Ali não poderia ser, porque certamente seu marido, Stephen, não tinha lhe dito tais coisas. Ela demorou a recobrar os sentidos, ainda atordoada e intoxicada pela masculinidade de Stephen. — Eu... — Enviei uma carta à minha tia. Ela a ajudará a aprender a se comportar como uma dama. No dia do baile será tão formal quanto qualquer outra mulher daquele salão. –Stephen falou ao conduzi-la de volta para dentro da casa. Ela ficou calada. Ainda estava sem fala. Quando chegaram ao corredor, cada um foi para seu próprio quarto. Naquela noite, Rosaleen sonhou com beijos, uma barriga arredondada e um lindo bebê. Stephen sonhou com gritos, pedidos de socorro não atendidos e lágrimas, muitas lágrimas.


Sabia que, mesmo que Stephen não a quisesse como esposa, ele não a jogaria na rua. Tinha certeza absoluta, confiava nele. Mesmo não sabendo ao certo o motivo.

Capítulo Dezessete Foi necessário três dias para que tia Sophie conseguisse ser transportada de Paris para Bordeaux. Demorara mais do que o previsto porque infelizmente a carruagem havia perdido uma roda ao passar pelas


trepidantes estradas francesas. Essa intempérie fez com que lady Sophie fosse remanejada para outra carruagem, que levara horas para chegar, e depois de transportarem a grande quantidade de baús, finalmente puderam seguir viagem. Isso até a velha senhora exigir que parassem em uma estalagem na beira da estrada para que ela tomasse um banho, o que é claro foi apenas uma tola desculpa para poder reabastecer discretamente seu estoque de rum. Depois de incontáveis horas presa na minúscula carruagem decadente bordando e dormindo, tia Sophie finalmente pôde relaxar os músculos ao descer em frente à casa do sobrinho, lorde Edmond. Ela relanceou os olhos de cima a baixo da enorme construção. Mon Dieu! Estava tudo caindo aos pedaços! O que Edmond pensava ao deixar a casa tornar-se aquele punhado de escombros? — Milady, por favor, me acompanhe. –um homem magro apontou para a entrada da casa. — E você, quem é? –Sophie perguntou analisando-o. — Sou Ned, o mordomo, milady. — Edmond o alimenta? –ela franziu a testa, preocupada com a aparência do homem. Será que o pobre se alimentava? Era tão franzino que poderia se quebrar facilmente. Ned olhou para os lados, envergonhado, mas logo


deu um pequeno sorriso. — Tenho direito a quatro refeições por dia, milady. –contou orgulhoso. — Pois então beba mais rum, ele fortalece os ossos, garanto-lhe. –Tia Sophie informou enquanto suspendia as saias e subia os degraus da escada frontal da casa. Ned logo apareceu ao lado dela, para lhe abrir a porta com um gesto cortês desengonçado.

Rosaleen e Stephen observaram a porta se abrir e a figura arredondada de lady Sophie surgir na entrada. Enquanto a velha se aproximava marchando até os dois, Rosaleen percebeu o quão diferente a senhora era da mulher que ela tinha imaginado. Tia Sophie não era magra e nem alta; tinha os cabelos branquíssimos presos em um coque apertado na nuca, vestia-se completamente de preto –provavelmente guardava luto, e carregava uma bolsa agarrada à mão esquerda. Sua postura era etérea, o nariz empinado, o rosto sem uma única ruga, a boca em uma linha reta. Quando Sophie parou em frente a eles, Rosaleen prendeu a respiração ao ver a minuciosa inspeção que a velha fazia nela. Depois, encarou Stephen e revirou os olhos, exasperada.


— Ficará parado aí, ou virá me dar um abraço? – ela perguntou dirigindo um olhar irritado ao sobrinho. Stephen se adiantou até a tia, envolvendo-a em um abraço caloroso. — Seja bem-vinda, tia Sophie. –a voz dele saiu abafada porque tinha o rosto enterrado no ombro da mulher. Sophie soltou Stephen, empurrando-o, não sem antes dar algumas palmadinhas nas nádegas dele. — Ora, está ótimo! Quando foi a última vez que lhe vi? Há dois, ou cinco anos? –ela ergueu a mão esquerda e começou a contar nos dedos. — Três, tia Sophie. –Stephen corrigiu-a. Ela o ignorou. Enquanto Sophie analisava atentamente cada detalhe do salão com um evidente desgosto, Rosaleen que estava ao lado de Stephen, sentia os joelhos baterem um contra o outro. O marido percebeu o nervosismo de Rosaleen e, por esse motivo, tomou a pequenina mão na dele, tentando confortá-la. Isso fez Rosaleen suspirar. Para tentar acalmá-la, Stephen desenhou pequenos e deliciosos círculos nas costas da mão dela. Tia Sophie deixou por um momento de verificar o salão e despojou-se do longo casaco vermelho. — Aqui. Tome cuidado para não amassá-lo, é de


pele de chinchila do norte. –ela entregou a vestimenta à Rosaleen. Confusa, Rosaleen olhou para o casaco em sua mão, para Sophie e depois para o marido, procurando por uma resposta. Para Edmond foi mais fácil compreender a atitude da tia. Ele soltou levemente a mão da esposa e arrancou o casaco dela. — Rosaleen não é uma criada, tia Sophie. –ele disse irritado, enquanto entregava a ela a peça de mau gosto. A velha abriu bem os olhos e fitou Rosaleen, levantando os olhos e depois os abaixando, estudando-a dos pés à cabeça e repetindo o trajeto várias vezes. Estava em choque. — Oh! Perdoe-me! –ela tentou sorrir, ainda sem jeito. — Eu não sabia, imaginei que... Bem, suas roupas... –ela gaguejou, mortificada. Rosaleen reprimiu uma risada. Não se ofendera de forma alguma. A verdade é que até entendia o motivo pelo qual Sophie agora se avermelhava e arfava constrangida. A pobre velha supunha que ela era uma criada pelas roupas desajustadas que levava. Ora, como podia uma duquesa usar simples


vestidos de algodão? — Tia, deixe-me apresentar minha esposa, lady Rosaleen. Minha nova duquesa. –Stephen envolveu a cintura de Rosaleen, aproximando-a dele. Sophie corou mais ainda pelo gesto indecoroso de afeto que o sobrinho demonstrava, mas se apressou em voltar à sua bela e parisiense educação: — É um prazer vossa graça. –ela fez uma mesura um tanto trôpega. Rosaleen olhou para Stephen e, depois de um leve menear de cabeça, saiu dos braços dele e foi até a velha. — Bem-vinda, tia Sophie. Por favor, me chame de Rosaleen. –ela abriu os braços, oferecendo um abraço amigável. Surpreendida, Sophie cedeu e deixou ser envolvida pelos magros braços da mulher. Stephen, se pudesse, certamente definiria aquele momento como estranho. Principalmente pelo olhar que a tia lançou a ele por cima dos ombros de Rosaleen. Ele apenas desviou o olhar e pigarreou. Rosaleen soltou Sophie e voltou até Stephen. — A senhora deve estar muito cansada. Pedirei que Ned suba sua bagagem, e Moira prepare algo para comer. –Lorde Edmond ofereceu. A tia, agora mais relaxada, sorriu.


— Minhas pernas doem tanto que parece que cheguei até aqui em um cavalo e não em um coche. –ela reclamou, fazendo um gesto exagerado com as mãos. Ned apareceu na sala arrastando um grande baú de madeira escura adornado por entalhamentos que lembravam girassóis. O pobre mordomo parou no início da escada e soltou o ar preso nos pulmões. Tinha o rosto arroxeado e suado, mesmo com o frio que fazia. Infelizmente, para a sorte de Ned, havia mais baús esperando lá fora para serem transportados. Enquanto Ned exercia uma força sobre-humana para empurrar o baú escada a cima, tia Sophie explicou que subiria para seu aposento para descansar. Ela passou pelo mordomo balançando os quadris, com sua bolsa apertada contra a cintura, depois sumiu no corredor. Quando ficaram sozinhos, Rosaleen pôde finalmente deixar o ar voltar a fluir em seu corpo. Seus ombros tremeram levemente quando percebeu como o marido a fitava. Ele chegou mais perto dela. — Peço que desculpe minha tia. –suspirou cansado. –Não esperava que ela... — Tudo bem. Não há problema algum. –Rosaleen pousou a palma da mão no braço esquerdo de Stephen e sorriu. –Ela tem algo um tanto peculiar, há algo sobre ela


que me faz sorrir. –confidenciou. Edmond fitou a esposa. Tão graciosa. Tão bela com aquele sorriso moroso estampado nos lábios. Sentiu uma vontade desesperadora de embalar aquele pequeno rosto entre as mãos e beijá-la até perder a respiração. Embalá-la em seus braços e lhe dar tanto prazer que ela desvaneceria sobre ele. — Está tudo bem? Ficou distante de repente. – Rosaleen apertou o braço dele. Stephen chacoalhou a cabeça. — Eu estava pensando em algumas coisas. Coisas que incluíam você, na verdade. –ele explicou. Ela ergueu uma sobrancelha. — Deixou-me curiosa. –riu. A expressão de Stephen mudou. Se tornou mais escura, mais séria. Com um movimento tão rápido que a própria luz, ele puxou Rosaleen pela cintura para junto dele. — Então, deixe-me satisfazer a curiosidade de minha bela esposa. –a boca dele roçou o lóbulo da orelha de Rosaleen. — Estava recordando da noite em que estive entre suas pernas, na noite em que descobri seu sabor. – beijou-a na nuca. — Sabe qual seu sabor, carinho? –ela fez que não. Stephen lambeu o pontinho sensível atrás da


orelha dela, fazendo-a se arrepiar. — Deixe-me fazer aquilo novamente e então lhe direi o quão doce és. Quero entrar em você tão profundamente e te fazer gritar tão alto que todos ouvirão. Deixe-me, Rosaleen. Provavelmente, choque seria uma palavra um tanto inexpressiva para explicar o que Rosaleen sentiu. Em verdade, ela pouco conseguiu raciocinar, apenas sentir. Aquela onda de calor em brasa que rasgava cada pedacinho de seu corpo e descia efervescendo lenta e dolorosamente direto para sua intimidade. E ela sentiu também os lábios de Stephen deslizarem por sua garganta com uma calma atormentadora e encontrarem o ponto perfeito sobre os dela. Ah, ela sentiu. E retribuiu. Rosaleen perdeu o controle. Apertou-se nos braços de Stephen, envolvendo-o pelo pescoço e aceitando a intrusão deliciosa da língua do marido em sua boca, provando-lhe cada canto macio, fazendo círculos, dando mordidas leves. Era frenética a forma como os dois se beijavam, como se estivesse há apenas um minuto do final, que tudo se acabaria e que fosse o último beijo. — Oh, Stephen... –ela gemeu nos lábios dele. Stephen moveu-se até o sofá do salão, levando Rosaleen colada em seu peito. Sentou, afundando-se na


espuma, e a esposa caiu junto, com as pernas escarranchadas sobre as dele. O beijo tornou-se desesperado. Rosaleen começou a sentir algo firme pressionando em suas nádegas, e um tanto inconsciente se acomodou melhor sobre o colo dele. Estavam tão perdidos um no outro, que mal perceberam quando Moira entrou no salão, soltando uma risada abafada. Rosaleen pulou do colo de Stephen e ficou de pé imediatamente. Tentou abaixar as saias e prender as mechas do cabelo, ao mesmo tempo em que o marido levantava e se prostrava atrás dela, tentando esconder-se dos olhares da criada, que continuava a rir baixinho (era evidente que ela não precisava ver a forma que o patrão estava desgraçadamente excitado). — Moira, leve chá e sanduíches para lady Sophie no quarto de hospedes. –Stephen limpou a garganta audivelmente. — Agora mesmo, meu senhor. –a criada mordeu o lábio e voltou correndo para a cozinha. Rosaleen tapou o rosto com as mãos, mortificada. — Isso foi algo inesperado. –Lorde Edmond comentou ao lado dela. Ela abaixou as mãos e o encarou.


— Oh, Deus! Que tipo de mulher eu sou? Eu não deveria... –murmurou. Stephen riu. — Somos casados, Rosaleen. Supõe-se que os casais façam isso quando estão sozinhos. A esposa o fitou ceticamente. — Não em salões de recepção. –ela o corrigiu. — Em salões, quartos, cozinhas e todos os cômodos que conseguir imaginar. Ah, e é claro não se esqueça das janelas, sofás, camas, paredes, mesas, cadeiras... — Cadeiras? –ela o interrompeu. Ele sorriu sedutoramente. — Sim, cadeiras. Posso garantir que elas são muito prazerosas. Como se faz isso em cadeiras? –Rosaleen refletiu. — Posso ensiná-la, se desejar. –ele ofereceu. Ela bufou. — Agradeço sua generosidade e sua preocupação com minha capacidade de aprendizagem, Stephen, mas terei que declinar. Se bem se recorda, sua tia está aqui para me ajudar a aprender a ser uma dama em apenas três semanas. –esfregou a testa, sentindo uma leve dor de cabeça.


Lorde Edmond removeu a mão dela e começou a massagear-lhe os ombros. Era uma técnica chinesa em que ele aprendera nas trincheiras. Havia pontos ligados por todo corpo, e ele aprendera a combater algumas dores, fazendo pressão em lugares próprios. — Tenho certeza de que aprenderá facilmente. E quanto a sua recusa, só posso dizer que minha preocupação por sua aprendizagem é demasiadamente grande e com diversos temas, a grande maioria, prazerosos. –fez um circulo na nuca dela. — Dentro de pouco tempo você saberá cada um deles. Ela se negou a responder. Estava tão suscetível às mãos dele que mal encontrou forças para fazê-lo. Apenas aproveitou o toque morno e relaxante.

Levou aproximadamente quatro horas para que Sophie conseguisse se banhar, degustar o chá e dormir. Depois disso, ela finalmente desceu para o jantar. — Peça à criada para que me sirva. –ela falou ao se sentar à mesa. Stephen fez um gesto com a mão e Moira se apressou em servir a velha. Rosaleen estava sentada ao lado de Stephen, com os ombros baixos e os braços apoiados na mesa, mexendo com os nabos no prato. Ainda estava pensando no beijo e


nas carícias que ela e Stephen tinham confidenciado à tarde. Assim que ele terminara a massagem, ela conseguira encontrar uma desculpa e fugir para a cozinha. — Stephen requisitou-me para que ajude sua esposa a se tornar uma dama. –Rosaleen levantou o olhar para ela. –Por certo, começaremos nesse exato momento. Veja, erga os ombros, menina. Imitando a forma como a velha fazia, Rosaleen ficou ereta. — Agora sustente o garfo desta forma. –Sophie colocou o objeto de prata entre os dedos e ergueu a mão para Rosaleen imitá-la. Durante todo o jantar, tia Sophie ensinou Rosaleen em como se comportar durante uma refeição. Explicou-lhe em detalhes o uso de cada um dos objetos postos na mesa. Ensinou como bebericar o refresco e vinho (apesar de Rosaleen ter recusado bebê-lo). Stephen pouco acompanhou da aula da esposa e também mal apreciou o jantar. Como poderia, se o único sabor que sentia era o dos lábios de Rosaleen? Com um pedido de desculpas, ele se retirou da mesa e seguiu para o próprio quarto. Ou melhor, para o quarto que ocupava.

Nos quatro dias seguintes, Rosaleen aprendeu as


maneiras de portar-se diante de outros nobres, a nomeação e a reverência. Tia Sophie, com sua atitude autoritária, fazia-a decorar cada um dos nomes mais importantes da sociedade parisiense, porque evidentemente os encontraria no baile. Uma semana se passou e as lições passaram para outro tema. Os floreios e mesuras das conversas com as outras damas e cavalheiros. Para Sophie ficou um tanto óbvio que Rosaleen tinha um pouco de dificuldade em interagir com os demais. E para corrigir isso ela usou Ned e Moira como cobaias. A velha organizara pequenos ensaios de conversas, onde Rosaleen deveria colocar em prática tudo que tinha aprendido. Na segunda semana, trataram de algo que agradou muito à Rosaleen. A aula foi em um dos estúdios de costura mais importantes de Bordeaux. Sophie, a mando de Stephen, pedira um guarda-roupa completo para a nova duquesa. E para isso foram necessárias três longas tardes, as quais Rosaleen ficou no topo de um banquinho enquanto suas medidas eram tiradas e lhe cravavam às vezes alfinetes em sua pele. Mas ela suportou tudo e no final lady Sissi entregara vários pacotes e caixas com vestidos de todas as cores e tecidos, além de sapatos, fitas, roupas íntimas, meias e tudo que fosse necessário. A costureira tinha também, por ter simpatizado com Rosaleen, disposto em uma caixinha azul-turquesa uma


camisola de seda branca, muito curta e com rendas e fendas nas costas. Fora um presente para não somente ela, mas também para o marido, que lady Sissi garantira, ficaria louco.

Faltavam apenas cinco dias para o grande baile, e as mudanças em Rosaleen eram evidentes a qualquer um que a visse. Principalmente Stephen. — Está graciosa, Rosaleen. –tia Sophie segurou as mãos dela e sorriu. No decorrer daquelas semanas, as duas haviam se aproximado muito. Rosaleen aprendera a gostar e admirar a velha que sempre estava disposta a ajudá-la, até permitiram-se usarem os nomes de batismo. O mesmo acontecia com Sophie, que nutria um forte sentimento pela duquesa. — Essa é nossa última aula antes de partimos para Paris. –a velha convidou Rosaleen a se sentar com ela no sofá. E ela o fez graciosamente, como uma dama. Isso fez a velha sorrir. — Estou um pouco nervosa. –Rosaleen comentou. — Não há motivos. Você estará magnífica. – respirou fundo. –Menina, antes que eu termine meu trabalho, quero dizer a você que jamais imaginei encontrar meu sobrinho desta forma. Antes daquela


batalha, Stephen era o homem mais belo e adorado de toda Paris. Era tão doce e carinhoso que fazia qualquer dama apaixonar-se por ele. Condeno-me ao vê-lo assim, mas não sei como ajudá-lo. Tentei durante todos esses anos, mas ele preferiu se isolar. — Eu sinto muito... –começou Rosaleen. — Não, não. Não quero suas lamentações, menina. Não vê? Somente você pode curá-lo. Rosaleen se moveu inquieta no sofá. — Do que está falando, Sophie? A velha olhou nos olhos dela. — Ame-o. Ame Stephen, menina. Faça com que o coração do meu sobrinho volte a bater. Sei que pode amálo. Logo verá que atrás daquela máscara há um homem encantador, apenas deixe que isso aconteça. –Sophie chispou as mãos nas saias do vestido. Completamente confusa, Rosaleen levantou e caminhou até a lareira do salão. — Sophie, você não sabe. Há coisas que aconteceram. Meu casamento com seu sobrinho não foi por amor. Eu era apenas uma criada. –confessou. Exasperada, tia Sophie foi até ela. — Eu sei de tudo, Rosaleen. Não me pergunte como, mas eu sei. E realmente não vejo problema algum nisso. Você é uma duquesa, é esposa de Stephen. Não fuja,


Rosaleen. Ame-o. Vocês dois tem almas quebradas e precisam um do outro para reconstruí-las. –insistiu. Será? Seria possível tal coisa? Poderia deixar se permitir? E se...? — Espero não estar atrapalhando. –Stephen apareceu na entrada do salão. Rosaleen se virou depressa. — De forma alguma. Já que está aqui, nos ajudará na valsa. –tia Sophie foi até o grande piano recém-polido e se sentou. Folheou algumas partituras e encontrou uma apropriada. Começou a tocar. Lorde Edmond foi até Rosaleen e ofereceu a mão a ela. — Me dê a honra dessa dança, minha bela esposa? –os olhos dele cintilaram. Ela aceitou. Ele a segurou pela cintura e começou a conduzi-la pelo salão. Stephen não deixou de observá-la enquanto a guiava. Tinha mudado, na aparência. Usava o cabelo preso com grampos de brilhantes, o vestido de seda azul e as luvas de pelica. Perfeita. — Olhe nos olhos de seu parceiro, Rosaleen. Não encare seus sapatos, por mais belos que sejam. –Sophie a corrigiu.


Ela ergueu os olhos. E claro, encontrou os de Stephen. Um calor estranho percorreu o corpo de Rosaleen ao olhá-lo. Ele estava vestido de preto dos pés à cabeça. A máscara também. Oh, como ela desejava removê-la e descobrir cada um de seus segredos. Beijar cada uma das feridas que lhe queimavam a pele, passar os dedos pelos cabelos e vê-lo suspirar. Deus! Talvez... Um dia o amaria. Ele a apertou mais nos braços e a rodopiou pelo salão, embalados pela música que Sophie tocava. E, nos braços de seu marido, no descompassar acelerado do coração e nos olhos verdes tão profundos e misteriosos, Rosaleen teve certeza de que daria tudo certo naquele baile.


Capítulo Dezoito A viagem até Paris levou mais de dois dias, nos quais Stephen teve certeza que enlouqueceria. O fato era que viajar com sua esposa seria infinitamente agradável, pois como planejara, teria muito tempo a sós com ela para ensinar algumas lições... O problema foi que sua querida tia se interpôs, oferecendo-se de companhia na carruagem do sobrinho. Como não houve maneira de fazê-la mudar de ideia, Stephen tinha aceitado –relutantemente– que lady Sophie se apinhasse ao seu lado no banco da carruagem. Espremido no banco pelas longas saias da tia, lorde Edmond tinha passado maior parte da viagem estudando sua esposa, no banco à frente. Ela mantinha-se encolhida contra o veludo escuro, com as saias azuis escarrapachadas levemente sobre o banco, as luvas de pelica cobrindo-lhe as mãos e os dorsos recatadamente. Levava um chapéu de tecido cor creme, com fita da mesma cor combinando. O cabelo com algumas mechas caindo-lhe nos ombros. Apesar da aparência, o que mais chamou a atenção de Stephen foi a expressão preocupada no rosto de Rosaleen. Sem oportunidade para perguntarlhe o que a deixava daquele modo, Edmond apenas supôs que ela estava ansiosa pelo baile. Ele não a culpava,


porque até mesmo ele estava a picos de nervosismo enormes. Aparentemente, a única que estava tranquila era tia Sophie que divagava sem parar sobre os salões de bailes parisienses e os escândalos da última temporada. Quando enfim chegaram na casa que Stephen conservava no centro de Paris, os criados aparecerem nas escadas, com uma evidente expressão de perplexidade, pois o patrão não aparecia na casa desde a época em que voltara da batalha. Lorde Edmond ajudou a esposa e a tia descerem da carruagem, e foi especificar ao condutor para remover as malas do compartimento. Enquanto Rosaleen fitava a enorme casa com expressão curiosa, Sophie, ao lado dela, gritava com os criados para que zelassem por seus delicados baús. Parecia que toda criadagem havia deixado seus afazeres e descido até a entrada, pelo menos foi o que Rosaleen calculou. — Seja bem-vindo, vossa graça. Não o esperávamos. –um homem alto e gordo fez uma mesura a Stephen e depois se dirigiu a Sophie, ignorando furtivamente Rosaleen. Irritado pela atitude do criado, Edmond se pôs ao lado de Rosaleen e colocou o braço dela no seu. — Audrey, essa é lady Rosaleen, a duquesa de Caston. –informou, e para sua alegria, o criado empalideceu, arregalando os olhos. — Oh, oh... Vossa graça, eu não sabia que havia


contraído bodas. Peço que me perdoe. É uma honra recebê-la, duquesa. –Audrey abaixou-se elegantemente, sorrindo simpaticamente. Rosaleen apenas meneou a cabeça. Não podia dizer qualquer coisa quando ainda estava fascinada pela esplendorosa construção de tijolos cinza. — Podemos entrar? –Stephen tocou no braço dela, fazendo ressaltar-se. — Sim. –ela sorriu para ele. Seu marido estava tão belo. Mesmo com a viagem de dois dias e com a barba já crescida, ele conservava a postura etérea, os olhos misteriosos atrás da mascara negra e uma pequena insinuação de um sorriso atravessando seus lábios. O homem com quem me casei... — Cuidado com meus sapatos! – tia Sophie passou esvoaçante pelos dois, seguindo um par de criados que transportava um baú escada acima. Quanto a Stephen e a Rosaleen, simplesmente trocaram um olhar cheio de significados ocultos antes de começar a subir os vários degraus.

Para a infelicidade de Rosaleen (e a felicidade de Stephen), como a casa havia passado muito tempo sem receber nenhum hóspede, restara somente dois quartos em


condições de acomodá-los. Obviamente, lady Sophie havia se trancado em um deles assim que conseguiu chegar ao corredor. No outro, o quarto principal, havia se instalado Rosaleen, que se desesperara ao perceber que não restava outra opção a não ser compartilhar o quarto com o marido. — Posso dormir na biblioteca. –ele ofereceu, pouco convincente aos ouvidos dos dois. Ela franziu a testa, achando graça da forma como seu marido tentava ser gentil. — Realmente? –perguntou cruzando os braços sobre o peito. Parado no meio do quarto, rodeado de malas e baús, Stephen a encarou. — Não, absolutamente. Dormirei com você, nessa cama. A menos é claro, que você, minha querida esposa, me expulse do quarto. Você fará isso, Rosaleen? –cruzou o espaço que havia entre os dois e ficou bem próximo a ela, que inesperadamente, não se afastou. — Eu poderia. –ela sorriu misteriosa. — Mas não o farei. Tenho certeza de que podemos compartilhar um quarto sem nenhum problema. Edmond inclinou a cabeça para o lado. — A que tipo de problema se refere? –deu dois passos até ela. — Possivelmente se refere ao que acontece a um casal quando estão no mesmo quarto e na


mesma cama? –ela não respondeu, e isso o incitou mais ainda. — Diga-me Rosaleen, tem medo de que eu fique entre suas pernas e a possua? Ou que eu a beije até que lhe falte o ar? –se colocou atrás dela, onde inclinou o rosto no alvo pescoço e inalou o perfume adocicado. Rosaleen prendeu a respiração. — Eu poderia penetrar em você tão facilmente. Poderia senti-la tão quente em volta de mim. Você quer isso, Rosaleen? Quer que eu beije seus seios e os marque com meu cheiro? –roçou os lábios na nuca dela. Ela se curvou para trás, perdida em sensações mornas que reverberavam por sua pele. — Oh, Stephen. Por favor... –ela murmurou. Stephen a segurou pela cintura e a trouxe contra seu corpo, abraçando-a. — Basta me pedir, e eu farei. –soltou os grampos que prendiam o cabelo de Rosaleen e os jogou no chão, sem cerimonia alguma. — Peça-me Rosaleen. Peça-me e eu lhe darei. Sim, sim... Dê-me... — Edmond! Está aí? –uma voz surgiu do corredor, interrompendo os dois. Frustrado, Stephen soltou Rosaleen e foi até a porta. — Precisa de alguma coisa, tia Sophie? – perguntou um tanto irritado quando abriu a porta.


A velha jogou um olhar para dentro do quarto, onde Rosaleen, mortificada, tentava enfaticamente restaurar o cabelo desarrumado. Ao entender o que estava acontecendo, Sophie sorriu satisfeita. — O jantar será servido. É necessário que o duque e a duquesa estejam presentes. –explicou ainda sorrindo abertamente. — Certamente. Desceremos em seguida. –e com um aceno de cabeça, Stephen fechou a porta. Do outro lado do cômodo, lady Sophie desceu as escadas rindo calorosamente. Era certo que havia interrompido os dois em um momento íntimo. E isso era maravilhoso, porque logo o casal não resistiria mais ao desejo que cercava. Ora, será que Stephen seria tão cego a ponto de não ver o quanto Rosaleen o queria? Até mesmo a velha tia Sophie percebia. Ela gargalhou. Seria muito interessante ver os dois descobrirem que estavam completamente apaixonados um pelo outro.

Depois de um jantar informal, com apenas carne, pão e queijo, lady Sophie se retirou para seu quarto mais cedo, alegando estar cansada da viagem. Rosaleen e Stephen demoraram mais tempo para se retirarem, ficaram certo tempo ainda conversando sobre Paris, o marido contando como as gerações


anteriores habitaram aquela casa. — É incrível. –elogiara Rosaleen. — Você possui muitas coisas, verdade? –comentara indiferente. Stephen tinha parado a taça de vinho em frente aos lábios e a fitado. — Sim, nós possuímos. Lembre-se de que tudo que é meu, pertence a você também, Rosaleen. –dissera sobriamente. Na ocasião, ela tinha apenas desviado o olhar, incapaz de falar qualquer coisa. Acontecia que Rosaleen não se importava com qualquer franco que Stephen tivesse. Sempre vivera com pouco, acostumara-se assim, e mesmo estando agora envolta em luxo, não esqueceria o que havia passado. A conversa se desviou para outro assunto e quando viram já passava da meia-noite. Stephen tinha bebido duas taças de vinho, enquanto Rosaleen o observava contar sobre suas aventuras pelas regiões inóspitas da França. Ela ficara fascinada com os confrontos que ele enfrentara, as tempestades e a beleza dos rios. — Devemos nos recolher. –ele disse ao deixar a taça de cristal sobre a mesa. Rosaleen abaixou a cabeça, olhando para as próprias mãos. Tinha chegado a hora. Teria que compartilhar a


cama com Stephen. Claramente ela não tinha outra opção. E a consciência disso excitava e a atormentava a níveis extremos. — Vamos? –ele levantou e ofereceu a mão a ela. Rosaleen ergueu o rosto para ele. Stephen logo reconheceu aquela expressão. — Apenas dormiremos, Rosaleen. Dou minha palavra. –uma insinuação de um sorriso apareceu nos lábios dele. O que poderia fazer a não ser dizer sim? Qual outra opção teria? Graças aos céus nenhuma mais. Aceitou a gentileza e apoiou a mão na dele.

O dia amanheceu quente. As temperaturas naquela época do ano não eram tão inconstantes daquela forma havia décadas. Normalmente o frio impossibilitava muitos eventos sociais, porque nenhum nobre e nenhuma dama de estima se aventurariam em deixar sua confortável casa aquecida por uma grandiosa lareira para comparecer em algum baile ou recital. Mas, naquela noite, com as altas temperaturas que assolavam Paris esporadicamente, o certo era que a sociedade franca compareceria em massa no baile de lady Catherine. Ninguém, nem mesmo sob as intempéries do clima, deixaria de ver a volta do famoso


duque de Caston e a apresentação de sua nova duquesa, uma camponesa que todos estavam curiosos para conhecer. Quando Rosaleen acordou, Stephen já não estava mais ao seu lado. Ela olhou para o travesseiro e a manta que ele tinha usado e sorriu. Tinham dormido juntos. Lado a lado. E para surpresa de Rosaleen, não havia sentido medo algum de qualquer contato. Stephen, na noite anterior, tinha deixado claro que não faria nada que ela não desejasse e que apenas dormiriam. E foi o que acontecera. Mas para ela não foi apenas isso. Havia algo tão profundo que supunha que vinha de seu coração, que tinha mudado. Como descreveria? Confiava em Stephen. Sim, era isso. Depois daquela noite, em que o ouvira respirar calmamente ao seu lado, sentira seu perfume e o calor de seu corpo, poderia dizer que gostava de estar casada com lorde Edmond. Rosaleen se moveu contra os lençóis, sentindo o roçar do linho em sua pele. Dormira com uma camisola que a cobria dos pés a cabeça e agora o calor começava a incomodá-la. Um pensamento a deixou curiosa... Como seu marido havia dormido? De bata, ou... Completamente nu? Não sabia ao certo, pois o quarto estava escuro quando ele se deitou ao seu lado. E apesar de não poder enxergá-lo perfeitamente, as sombras que entravam pela janela lhe permitiam ver os contornos do corpo sob a


manta. Estava feliz. Ah, sim, poderia dizer que estava feliz. Stephen era um homem bom. Tinha uma beleza obscura, mas um coração cheio de gentileza. Será que tia Sophie estava certa? Será que realmente ela poderia amá-lo? E ele a amaria? As dúvidas começaram a perturbar Rosaleen, e isso a fez perder a vontade de continuar na cama. O sol entrava pelos vidros da janela e iluminava o quarto. O dia seria lindo. Não ficaria deitada a manhã toda. Estava em Paris! Desejava conhecer a cidade. Enquanto levantava e se lavava, Rosaleen pensou que poderia convencer Stephen a levá-la em um passeio...

— Onde está a duquesa? –Edmond perguntou à Sophie, que bebericava uma xícara de chá na mesa de refeições. Ela pousou a xícara lentamente na mesa e o olhou com cautela. — Está falando de sua esposa? –perguntou furtivamente. Stephen bufou, exasperado. — Ainda é cedo para seus jogos, tia Sophie. –ele alfinetou. — Bom dia. –Rosaleen apareceu no salão


timidamente. — Oh, bom dia, menina. Dormiu bem? –lady Sophie perguntou com um sorriso que no mínimo era malicioso. Rosaleen enrubesceu. Obviamente tia Sophie sabia que ela e Stephen haviam compartilhado uma cama na noite anterior. Bastava agora saber o que ela estava pensando... — Tive uma noite agradável, Sophie. –respondeu ao sentar na cadeira que Stephen indicara a ela. — Magnífico! –Sophie limpou o canto da boca com um guardanapo branco e olhou para Stephen. — Sabe, Rosaleen, Stephen estava me dizendo que estará disponível hoje o dia todo e por isso decidiu lhe levar para passear pela cidade. Stephen lançou um olhar mortífero à tia. Rosaleen abriu um enorme sorriso. — Verdade?! Será maravilhoso! — Será um prazer acompanhá-la. –Stephen sorriu desconcertado. Se pudesse, provavelmente estrangularia a tia por tal coisa. Ela sabia que Stephen não tinha nem sequer um grão de vontade de sair em plena luz do dia pelas movimentadas ruas de Paris. Ele entendia o jogo de lady Sophie e, mesmo gostando muitíssimo da ideia de passar o dia com Rosaleen, poderia facilmente dizer não.


Porém, não faria. Por Rosaleen. — Mas lembrem-se que o baile será esta noite e que precisam estar aqui às cinco horas. – Sophie recitou veemente.

Lorde Edmond tinha alugado um coche particular para levá-los em uma excursão pela cidade. Havia planejado levar Rosaleen aos lugares mais visitados de Paris e que julgava que a agradariam. Enquanto percorriam as movimentadas ruas, Rosaleen se pendurava à janela, admirando tudo a sua volta. A qualidade de marido ordenava a Stephen que dissesse à sua esposa que não se comportasse daquela forma, pois era uma dama. Porém, ela ficava tão graciosa quanto uma menina que via uma boneca pela primeira vez na vitrine de uma loja, e ele não teve coragem de tal coisa. Minha menina. Ele afastou o pensamento estranho e inesperado para voltar-se a se concentrar em Rosaleen. Levaram alguns minutos para chegarem à Catedral de Notre-Dame após terem passado pela ponte do rio Sena. Stephen ajudou Rosaleen a descer do coche e indicou a construção. — É linda! Ouvi tantas histórias sobre ela. –ela comentou com os olhos arregalados.


— Quer ver o interior? –ele ofereceu. Rosaleen se voltou sorrindo. — Podemos? Sem se importar com os passantes ao lado, Stephen puxou a esposa para dentro da catedral. Os dois passaram cerca de um quarto de hora visitando a construção em estilo gótico. Já era meio dia quando pararam em uma estalagem no centro da cidade e almoçaram em uma mesa mais afastada de todos. Stephen, apesar dos olhares, tinha se sentido à vontade o tempo todo. Por causa de Rosaleen, é claro. Ela o acalmava, deixava-o seguro. Estavam de volta em casa antes mesmo das cinco horas, como Sophie ordenara. Mal colocaram os o pés no salão de recepção e a velha arrastara Rosaleen para cima, para começar os preparativos para o baile. Satisfeito, Stephen também subiu para um dos quartos que, segundo suas ordens, havia sido preparado para ele usar naquela noite.


Capítulo Dezenove — Onde ela está? –Stephen perguntou quando viu somente a tia descer as escadas que levavam ao andar superior. Ele estava no centro do salão. Esperava há vários minutos intermináveis. Havia se vestido rapidamente –e ansiosamente, para encontrar Rosaleen. Apesar de saber o que aquele evento significava, ele estava aparentemente tranquilo. Na verdade, estava mais ansioso para encontrar a esposa do que qualquer outra coisa. — Como estou? –Rosaleen apareceu no alto da escadaria, segurando as saias do vestido. Lorde Edmond olhou para ela, e então o mundo saiu de seu eixo. Minha. Minha mulher. –foi a única coisa que conseguiu pensar. Descrever Rosaleen era algo totalmente fora de contexto naquele momento, igualmente a dor repentina que atingiu o estômago de Stephen ao deslizar os olhos pela silhueta da esposa. Bem, ele sentiu dor em outras partes do corpo, pouco consideráveis para aquela situação. — Linda! Eu sabia que esse vestido ficaria bem em você. –Sophie comentou enquanto ajudava Rosaleen a descer os degraus da escada. O vestido amarelo-claro


tinha saias bufantes, o que não permitia a ela movimentos exagerados. Stephen não pôde deixar de sentir o perfume de rosas que Rosaleen exalava. Ansiava desesperadamente para soltar os cachos daquele cabelo e envolvê-los entre os dedos. Como Rosaleen ficaria completamente nua com os cabelos caindo sobre os seios? Ele gemeu, consternado. Precisava se concentrar. A noite seria importante e ele não podia se deixar levar por seu desejo. — Devemos ir. –anunciou, indicando a porta. Rosaleen o observou e sorriu. Ele estava muito elegante naquela noite, totalmente vestido de preto, com uma máscara diferente da que normalmente usava. Essa era de couro negro, com pequenos e singulares entalhes nas laterais. As luvas da mesma cor davam-lhe um ar mais sombrio ainda, quase a de um fantasma vindo das profundezas do mundo. — Estou um pouco nervosa. –ela confessou. A verdade era que estava afetada. Sim, afetada pela presença forte e masculina do marido. Tia Sophie, ao seu lado, sorriu. — Não fique. A noite será maravilhosa, você está preparada para isso, menina. Você é uma duquesa, Rosaleen. –segurou as mãos dela e as apertou docemente.


Rosaleen beijou carinhosamente cada uma das mãos enrugadas. — Obrigada, tia Sophie. –agradeceu com os olhos marejados. A importância que a mulher obtivera em sua vida mesmo com aquelas poucas semanas, a fizera como uma mãe, ou uma verdadeira tia. A velha não se conteve e puxou Rosaleen para um abraço caloroso. — Oh, minha menina, não faça essa velha rabugenta chorar! –soltou Rosaleen e a pegou pela mão. — Ande, vamos logo! Não vejo a hora desse baile terminar logo para eu poder me deitar junto ao meu rum.

A casa de lady Catherine ficava do outro lado da cidade. Era uma construção tradicional de mais de dois séculos, considerada uma obra-prima da cidade. Em frente, fazia-se uma fila de carruagens de vários tamanhos, de onde cavalheiros e damas desciam elegantemente e eram direcionados para o interior da casa, guiados por diversos criados impecavelmente uniformizados. Rosaleen, Stephen e Sophie seguiram os mesmos procedimentos que os outros e entraram no salão de bailes acompanhados por um criado de baixa estatura. Enquanto caminhavam por entre a centena de


pessoas, Rosaleen conseguiu perceber a quantidade de olhares de reprovação que eram dirigidos a eles e também os burburinhos dos casais que se espalhavam pelas mesas. — Não se intimide com os olhares, Rosaleen. Mantenha a postura e lembre-se de que é uma duquesa. – Sophie sussurrou discretamente ao lado dela. Tudo por Stephen, tudo por meu marido- ela recitava mentalmente. Era isso, a única coisa capaz de acalmá-la era pensar que estava ali por seu marido e que sairia tudo bem. — Por misericórdia! O miserável está aqui. – Stephen aumentou a pressão no braço de Rosaleen e respirou fundo. Ela acompanhou o olhar dele para o outro lado do salão e encontrou um cavalheiro elegante rodeado por duas jovens damas ruborizadas. Lorde Cheeven. Rosaleen esboçou um discreto sorriso. — Não imaginava que lorde Cheeven fosse convidado. –comentou confusa. Lorde Edmond olhou para ela com a expressão mal-humorada. — Ele não é. Não entendo por que está aqui. – percebeu que, ao ficarem parados naquela extremidade do salão, estavam chamando mais ainda a atenção para si mesmos. — Lady Catherine está mais adiante, vamos até


ela. Rosaleen aquiesceu. Lady Sophie se pôs na frente dos dois. — Encontrarei algumas amigas, enquanto isso, circulem pelo salão. Rosaleen, lembre-se de manter a postura, e você, Edmond, -a sobrancelha dela se ergueu sutilmente. — trate de não perder o controle em momento algum. –e com um leve arfar de saias, a velha saiu desfilando entre as pessoas, com sua figura escura no meio de todas aquelas cores e luzes. Apesar de guardar luto, Sophie não deixava absolutamente de frequentar os eventos sociais. Era uma excentricidade na sociedade parisiense, para não dizer escândalo. Com uma expressão de reprovação à tia, Edmond conduziu Rosaleen até as mesas de champanha, onde uma mulher de cabelos louros e vestido azul-marinho conversava com um criado em tons nervosos. — Lady Catherine? A mulher deixou de prestar atenção ao que o criado dizia e ergueu os olhos para a voz. Quando percebeu que Stephen estava diante dela, seu rosto se inundou com uma expressão de surpresa. Sua boca se abriu e seus olhos se arregalaram. — Edmond! –ela abriu um sorriso gentil e fez uma mesura prolongada, fazendo seu vestido azul se


mover graciosamente. — É um prazer revê-la, Catherine. –Stephen sentiu que Rosaleen o fitava, e entendeu o que acontecia. — Permita-me apresentar minha esposa, lady Rosaleen, duquesa de Caston. Novamente, a mulher de cabelos louros se curvou elegantemente. — É um prazer tê-la em meu baile, duquesa. Espero que se divirta esta noite. –ofereceu um sorriso amigável. Rosaleen controlou a pulsação intermitente em seu cérebro e tentou relembrar as praxes que Sophie lhe ensinara duas semanas atrás, sobre como ser educada com uma anfitriã. — Eu... Er... Mas para alívio dela, o criado que conversava anteriormente com Catherine retornou e voltou-lhe a falar. Stephen dirigiu um olhar impassível a ela. Era um aviso. Não poderia falhar. — Peço que me perdoem, mas terei que subir ao quarto das senhoras. Parece-me que uma de minhas convidas sentiu-se mal e necessita de meus sais. –agarrou as saias e olhou para a pista de dança. — Brevemente estarei aqui para vê-los dançar a valsa. Observando a mulher que desaparecia por uma


escada ao lado, Rosaleen finalmente deixou o ar circular em seus pulmões. Não se dignou a olhar para o marido. Sabia muito bem qual seria a reação dele naquele momento. Era claro que estava irritado com ela. Como não estaria? — Não devia me evitar dessa forma. –ele disse observando a interação das outras pessoas em volta. — Manter a cabeça baixa não é um gesto de uma duquesa. Altiva, Rosaleen empinou o nariz e encarou a todos. — Eu apenas tive um momento de... — Não importa. –ele interrompeu, a voz impassível. — Está no passado. Agora devemos nos concentrar no resto da noite. –Stephen sentiu a mão de Rosaleen se apertar nervosamente. — Sente-se bem? – perguntou com visível preocupação. Ela piscou clareando a mente. — Sim, estou. — Está nervosa. -ele segurou a mão dela na sua e a fez abrir os dedos. — Não fique, estou aqui com você. Passaremos por isso, juntos. Juntos. Stephen queria que ela se acalmasse. Se pudesse, se não estivesse em uma situação tão desconfortável, pegaria sua esposa e a levaria até um canto mais afastado,


possivelmente uma biblioteca solitária, e a acalmaria. Colocaria-a em seus braços e a beijaria, até fazê-la perceber que não havia o que temer, que ele a possuía de corpo e de alma, e que a única pessoa que deveria temer era ele próprio. Entendia o motivo pelo qual ela estava nervosa. E até mesmo ele, sentia-se sufocado no meio de todos aqueles olhares evasivos de pessoas e antigos amigos que havia convivido anos atrás, e que agora eram apenas desconhecidos que o evitavam e o repudiavam por sua aparência. Ele havia notado, quando conduzira Rosaleen até Catherine, que muitas damas enquanto ele passava haviam soltado sussurros consternados. Ora, ele não era surdo, pôde ouvir muito bem os sussurros o chamando por seu outro nome. A Fera de Bordeaux. Porém, com uma força que desconhecia, conseguiu controlar-se e evitar que a ira explodisse em suas veias e que fizesse cada uma daquelas pessoas entenderem o que ele realmente era. Ardia de vontade de torcer o pescoço de todos aqueles supostos cavalheiros, que antes o veneravam, saldavam-no alegremente, e que agora, anos depois, repudiavam-no por sua aparência. Bastardos! Ele havia se tornado aquilo que era por ter servido a seu país. Carregava feridas por ter jurado honra à França, levava uma horrorosa máscara


negra por ter defendido a honra de cada dama e cada cavalheiro que naquele momento o olhavam com evidente repugnância. Mas, por ela, pela mulher ao seu lado, se controlaria. Somente por Rosaleen. Deus! Não se importava com aquele maldito baile. Não haveria nada tão desastroso quanto ficar sem Rosaleen. Em um canto mais afastado do salão, um cavalheiro calvo e de bigode e uma lady de cabelos cor de fogo e vestido roxo conversavam longe dos ouvidos alheios. — Seu pupilo está de volta, minha querida. – desdenhou o homem. A mulher bebeu um pequeno gole da champanha e passou a língua pelos lábios de forma sedutora. — Ouvi boatos que ele estaria aqui esta noite. Não pude deixar de comparecer. — Está casado. –informou o acompanhante. A ruiva fez um movimento desdenhoso com os ombros e fitou lady Rosaleen ao lado do marido. — Uma rameira inglesa. Tão insípida que passa despercebida. –esfregou o polegar na taça, pensando em algo. — Stephen continua bem, a máscara o deixa apenas mais interessante. Poderia facilmente atrair o desejo de


uma dama. O homem riu grosseiramente. — Eu ficaria encantado em conhecer melhor a bela e insípida duquesa de Caston mais intimamente. – perscrutou Rosaleen com um olhar de cobiça. Ao perceber que Stephen deixava a esposa junto da asquerosa tia para ter com lorde Cheeven, a dama entregou a taça ao homem ao lado e se dirigiu sorrateiramente até Edmond. — Stephen. –ela falou em voz alta, fazendo com que todas as pessoas próximas ouvissem. Lorde Edmond endureceu ao ouvir aquela voz que conhecia tão bem. — Isobel. –ele disse bruscamente, deixando de lado o amigo Matthew. A ruiva exuberante sorriu mostrando os dentes perfeitamente brancos. Continuava bela, como Stephen ainda recordava, apesar de agora ela já estar na casa dos quarenta. O decote do vestido era profundo, revelando muito mais do que somente curvas. A mulher exalava luxuria em cada poro. — Estava ansiosa para vê-lo. –Isobel bateu os cílios lenta e sedutoramente. Stephen apertou os punhos. — Sabia exatamente onde eu estava todos esses


anos. –acusou acidamente. Não que ele quisesse que ela tivesse o visitado, mas seu ego não permitiria deixá-la levar a melhor. Ela, consciente de todos que apreciavam a cena, levou a mão ao coração dramaticamente. — Mas agora está de volta, Stephen. Você voltou por mim. –murmurou as últimas palavras. Cochichos espalharam-se entre as pessoas, e Matthew tocou o ombro do amigo. — Controle-se. Vamos sair daqui. Ignorando lorde Cheeven, Stephen encarou profundamente os olhos de Isobel. Eram os mesmos olhos venenosos e desinibidos que conhecera. Nada mudara. — Milorde, poderia atender sua esposa por um momento? –a voz de tia Sophie surgiu atrás de Stephen, que virou rapidamente para ela. — O que houve com ela? –perguntou preocupado. A velha balançou a cabeça tristemente. — Sentiu-se mal. Duas criadas tiveram que ajudála a subir para um aposento oferecido gentilmente por lady Catherine. –deu um suspiro exagerado. Matthew riu baixinho ao lado dos dois. Nervoso, Stephen acabou dando as costas a Isobel e seguindo lady Sophie entre as pessoas. — Pelo inferno, tia Sophie, diga-me o que está


acontecendo com Rosaleen! –ele exclamou enquanto subiam uma longa escadaria. A velha parou em um degrau e o olhou ceticamente. — Ela está no segundo cômodo à esquerda. Cuide bem dela. –arrumou o decote do vestido e desceu a escada pisando duro, sem olhar para trás. Confuso, Stephen terminou de subir os degraus com passos largos e correu até a porta indicada. — Rosaleen! –ele chamou quando entrou no aposento. A esposa estava sentada em uma cadeira em frente à janela, de costas para ele. Quando o ouviu, virou-se lentamente. Ele se aproximou mais alguns passos e parou no meio do quarto mal iluminado pelas fracas luzes das quatro velas em cima de uma cômoda. Conseguiu vê-la melhor, mas não percebeu nenhum ferimento, nem expressão de dor, ou qualquer outra coisa do tipo. Então, o que tinha acontecido? — Stephen. –ela levantou e foi até ele. Rosaleen percebeu que o marido tinha a respiração acelerada, seu peito arfava e os olhos estavam assustados por trás da máscara. — Está bem? –ele não suportou mais, foi até ela e


a segurou pelas laterais do rosto. — Tia Sophie disse-me que se sentiu mal. Rosaleen fechou os olhos atordoada pelo toque morno em sua pele. — Sophie pediu-me que subisse para o quarto e depois foi até você, para que assim aquela mulher de cabelos cor de fogo o deixasse em paz. –ela explicou, fitando-o. O rosto de Stephen se contorceu, uma mescla de fúria e algo mais que ela não reconheceu. — Por quê? –perguntou. — Solte-me. –ela pediu tentando se afastar. — Diga-me, Rosaleen. Por quê? –ele insistiu, quase gritando. A pressão de suas mãos a angustiando. Estava perdendo o controle. Ela retirou a mão dele de seu rosto e se afastou, ficou de costas para ele. Rosaleen se encolheu, assustada. — Não gostei do modo como ela se insinuou a você. –respondeu baixinho. Stephen ofegou, perplexo. Queria rir, queria gritar, mas a única coisa que conseguiu foi ir até sua esposa e a agarrá-la pela cintura. — Está ciumenta de mim, carinho? –ele puxou


alguns fios de cabelo dela para trás e beijou-a no pescoço. — Não. –ela murmurou. Stephen mordeu o lóbulo da orelha dela, fazendo uma pressão tentadora com a ponta da língua. — Sim, está. –subiu as mãos pela lateral do quadril de Rosaleen, até encontrar os seios, circulando os mamilos duros com os polegares. — Tem medo de que eu vá até ela? –apertou os montículos entre os dedos, fazendo-a arfar. — Me solte, Stephen. Alguém pode nos ver. – Rosaleen segurou as mãos dele para afastá-las de seu corpo, mas em vez disso ele a fez segurar seus próprios seios. — Não irei até Isobel, Rosaleen. Não preciso de outra mulher quando tenho isso. –apertou a mão dela contra a pele do seio. — Sinta, veja o quanto é perfeita. Quer minha boca em seus mamilos, minha esposa? Sim, sim... Por Deus, sim! — Não podemos fazer isso, Stephen. Estamos na casa de lady Catherine... –ela tentou argumentar. Edmond deixou uma risada abafada escapar. — Ela entenderá perfeitamente nossa ausência no baile. Somos casados, Rosaleen. Quando um casal desaparece junto durante um evento social, todos sabem


que eles estão escondidos em algum cômodo, provando alucinadamente de desejos reprimidos. — Verdade? –questionou, se encostando ao peito dele. Oh senhor, estava perdendo o jogo, já não tinha mais sua própria razão. — Sim. –Stephen a virou para ele, e antes que ela protestasse, a beijou. No primeiro contato, ele invadiu lhe a boca com a língua, forçando-se para dentro, em um ataque sensual. Ela não resistiu, se entregou a ele. Rosaleen jogou os braços em volta do pescoço do marido e o beijou com todo fervor. Sentiu as mãos deslizando por suas costas, descendo até suas nádegas, a empurrando contra seu quadril, deixando que ela sentisse o tamanho de sua excitação. — Se afaste, Rosaleen. Afaste-se ou deitarei você nesta cama e farei amor contigo sem me importar com quem bata à porta. –ele sussurrou no ouvido dela. Ela não o ouviu, não o obedeceu. Puxou-o pelo cabelo para outro beijo, e mais outro. Stephen começou a empurrar Rosaleen contra a cama, forçando-a a se deitar. Ela se segurou em seus braços e prendeu a respiração. — Desejo-te tanto. –acomodou-a entre os lençóis e ficou por cima dela. — Quero beijar cada parte de seu


corpo, cada centímetro, sentir seu gosto e depois entrar em você. Você deixará, Rosaleen? Irá permitir que eu faça amor com você? Ela passou a língua pelos lábios e fitou o esposo. — Sim, Stephen. Farei amor com você. Mas não esta noite, não aqui, por favor, temos que voltar para o baile. –Rosaleen tocou o peito dele, sentindo o calor que se espalhava. Ele a contemplou por uns longos minutos, absorto. Então abaixou-se e a beijou levemente. — Costumo cobrar promessas, Rosaleen. –ficou de pé e a ajudou a levantar. Rosaleen endireitou o cabelo e o vestido, evitando fazer contato visual com ele. — Está ruborizada. Seus lábios estão inchados. – Stephen tinha parado ao lado de um armário, mantinha os braços cruzados sobre o peito e sorria sedutoramente. — Todos saberão que estava beijando alguém. Ela levou a mãos aos lábios, sentindo a textura. — O que devo fazer? Não podem pensar que eu estava beijando alguém... –o olhou alarmada. Stephen saiu de onde estava e ofereceu o braço a ela. — Todos saberão que você estava beijando seu marido, Rosaleen. –explicou ao levá-la até a porta.


A primeira pessoa que encontraram ao retornar ao salão de baile foi lady Catherine, que os abordou rapidamente. — Sente-se melhor, duquesa? –perguntou solicita. — Muito, obrigada pela gentileza em oferecer-me um quarto para repousar por alguns instantes. – Rosaleen segurou a mão de Catherine. A mulher sorriu empolgada. — Isso acontece com todas nós. Oh! Ia-me esquecendo, a valsa começará dentro de alguns poucos minutos. Gostariam de participar? Tenho certeza que encontrarão pares para os dois. –indicou três casais que se movimentavam em direção à pista de dança. — Certamente. Obrigada, Catherine. –Stephen a cumprimentou cordialmente. — Espero vê-los novamente depois dessa noite. Poderiam acompanhar-me no almoço de amanhã? – convidou. Stephen e Rosaleen entreolharam-se. — Enviaremos uma missiva informando se estaremos disponíveis, lady Catherine. –Rosaleen tomou a frente para responder. — Oh, por favor, me chame de Catherine. Já sinto


que seremos amigas. –deu uma risadinha. — Com a condição de que me chame de Rosaleen. — Agora que especificaram as formas de tratamento entre as duas, será que podemos seguir? A valsa está começando. –Stephen, mal-humorado, interrompeu-as. Catherine revirou os olhos e saiu dando pulinhos até uma roda de mulheres matronas. — Vamos. –Stephen conduziu Rosaleen até o meio do salão, onde ela tentou se separar dele, mas o mesmo não permitiu. — O que foi? — Dance comigo, Rosaleen. –Stephen sabia que era indecoroso dançar com a própria esposa em um baile. Mas ele realmente não se importava minimamente. Ela era dele. — Não é correto. –ela balbuciou desorientada. Lembrava claramente de Sophie dizendo-lhe o quanto impróprio era tal coisa, por mais que lhe parecesse um motivo banal para tal condenação. — Esqueça todos. Somos apenas você e eu. – Stephen apoiou a mão na cintura dela e a ajudou a ficar na posição, diante de outros casais, que os olhavam embasbacados. — Vamos, Rosaleen. Dance.


Bendito Deus! Como poderia se negar? Permitiu que Edmond a segurasse em seus braços. O local que estavam era o mais centralizado, o que permitia à Rosaleen uma visão de todos os outros demais casais, mais à direita, Sophie e Matthew, e à esquerda, a ruiva insolente. A música começou, assim como Stephen iniciou os passos da valsa. No primeiro momento, Rosaleen achou que talvez fosse cair ou tropeçar em seus próprios pés, mas a forma como o marido a protegia deixava-a segura, suas mãos firmes em sua cintura dava-lhe a segurança que tanto precisava. As notas que saíam do piano eram suaves, tranquilas e fizeram Rosaleen relaxar. Ela sabia os passos, havia ensaiado durante dias para isso. — Olhe em meus olhos, Rosaleen. Esqueça todo o resto. Concentre-se em mim. –Stephen a fez girar pelo salão, e quando ela regressou para seus braços, encontrou os olhos verdes dele. Os olhos verdes como os campos que percorria quando menina, que brincava alegremente, que era feliz, livre... Os olhos de seu marido. Do homem que a protegia. Deus, o que era aquilo que estava fazendo seu coração fraquejar daquela forma? Todo o resto deixou de existir. Não estava mais


em um baile, não estava em Paris, não usava aqueles trajes apertados e caros. Rosaleen sentiu como se estivesse voando sobre as nuvens, flutuando em algodão macio, aquecida pela quentura das mãos de Stephen. De repente, se deu conta do que acontecia. Eu o amo. Amo meu marido. Amo Stephen. A constatação daquilo a assustou. Não tinha como explicar, mas sabia com toda certeza de que amava aquele homem que agora a fitava ardentemente. Teve vontade de chorar. A intensidade da revelação e do sentimento que surgiu em seu coração era tão grande que a única coisa que desejava naquele momento era jogar-se nos braços de Stephen e contar-lhe que o amava. Desejo-o. Sim, o desejava. Ah, muito! Desejava loucamente seu marido, mesmo com qualquer ferida ou deformidade. Queria-o por inteiro. Emocionada, Rosaleen sorriu para Stephen, que apenas continuou a guiá-la pela pista. Quando a valsa terminou, Stephen levou Rosaleen até lady Sophie. — Você é meu herói, Stephen. Existe algo melhor


do que um escândalo em um baile tão grandioso? – Matthew comentou ao se aproximar dos três. — Ainda não me disse o que faz aqui, Matthew. – o amigo inquiriu. Lorde Cheeven balançou as sobrancelhas comicamente. — Eu não perderia por nada sua grande volta à sociedade, bom amigo. E há outra razão para isso. –tirou um cisco imaginário da manga de seu casaco. Edmond controlou o riso. — A bebida e as mulheres? — Exatamente. –Matthew ergueu a taça que carregava, fazendo um brinde imaginário. Todos, inclusive tia Sophie com seu cálice de rum, riram. Depois da dança, os homens se reuniram em uma saleta separada, onde fumaram charutos e apreciaram vinho do Porto. Foi nessa oportunidade que Stephen se tornou o centro total das atenções. Os cavalheiros perguntaram tudo que fosse possível. A respeito de negócios, das propriedades de Edmond, o casamento repentino com Rosaleen, e claro, sobre sua inesperada volta à sociedade parisiense. Tentando parecer o mais à vontade possível, Stephen tinha respondido a todas as perguntas


educadamente, de maneira formal, não se excedendo nos detalhes, mas sempre dando a quantidade de informações certas. No fim da noite, sentia-se exaurido, como se tivesse passado por uma investigação sobre sua vida. E na verdade, não deixava de ser realmente. Rosaleen e lady Sophie tinham se juntado às outras mulheres em um salão mais afastado. As dezenas de mulheres mostraram- se amigáveis com Rosaleen, mantendo a cortesia e fazendo algumas perguntas sobre seu casamento com lorde Edmond. Era evidente que elas a respeitavam. Todas, menos lady Isobel, que tinha sentando do outro lado do salão, mas que lançava olhares gelados à Rosaleen. Ignorá-la foi o que Rosaleen fez. Sentia-se feliz, mesmo no meio de todas aquelas mulheres exageradas. Não seria uma mulher do passado que a afetaria. Isobel podia ser o passado de Stephen, mas Rosaleen era o presente e o futuro. Assim que o relógio anunciou duas da madrugada, Stephen disse a Rosaleen que deveriam se retirar, alegando que tinha visto tia Sophie roncando em uma poltrona no salão de baile. Precisaram acordar a velha e transportá-la, mesmo sonolenta, até a carruagem. Depois de se despedir das damas e principalmente de Catherine, o casal seguiu para a saída.


— Virá conosco? –Stephen perguntou a Matthew. O lorde meneou a cabeça. — Tenho um compromisso. — Sei. –o amigo riu, já sabendo a que ele se referia. Provavelmente alguma dama disposta a uma noite selvagem. — Ficará na cidade? –lorde Cheeven questionou. — Sabe que não suporto Paris. –Stephen rebateu. Matthew riu. — Imaginei. Então, nos veremos em breve, amigo. –os dois trocaram um aperto de mão e um tapinha nas costas. Stephen desceu as escadas rumo à carruagem, e Matthew entrou novamente na mansão, à procura de sua companhia feminina daquela noite.

Rosaleen estava tão cansada, que acabou se juntando à lady Sophie e adormecendo durante a volta para casa. Porém, Stephen a acomodou em seu colo e a segurou até que estivessem em frente os portões. Quando a carruagem parou, ele as acordou. Um pouco cambaleante, Sophie subiu tropeçando


os degraus para casa e depois sumiu pelos corredores. Stephen acompanhou Rosaleen até a porta do quarto dela. — Não vai entrar? –ela perguntou sonolenta. Ele, apoiado na porta, negou com a cabeça. — Por que não? — Porque –Stephen beijou-a de leve nos lábios e se afastou. — se eu entrar nesse quarto com você, não serei capaz de sair daí por muitos, muitos dias. Virou as costas e saiu andando pelo corredor, deixando-a sem palavras.


Capítulo Vinte Rosaleen tinha um plano. Um plano no qual levara muito tempo para pensar. Na manhã seguinte ao baile de lady Catherine, Rosaleen havia sido acordada por Sophie, que um pouco grogue pela noite anterior, explicara a ela que o marido a solicitava urgentemente em seu escritório naquele momento. Estranhando tal atitude, Rosaleen vestira-se e dispensara o desjejum para encontrar ansiosamente o marido. Stephen a esperava sentado em uma cadeira de madeira branca e estofado vermelho, em frente à grande janela de vitrais azuis. Ela se apresentou timidamente, preocupada com o assunto que ele lhe falaria. Ao perceber a esposa parada ao seu lado, Stephen apenas moveu a cabeça para olhá-la. Mas, para Rosaleen –agora consciente a respeito de seus sentimentos para com o marido, aquele olhar fora muito significativo, tanto que evocava nela algumas sensações, antes confusas e, naquele momento, deliciosas. Educadamente, Stephen se levantara e indicara a


ela um lugar para sentar-se, para então lhe explicar o que aconteceria. — Iremos para Le Vente Solaire. –tinha dito abruptamente. — Perdão? Stephen não movera um músculo sequer. Estava com o rosto inexpressível, como se a Fera estivesse em sua pele naquele momento. Ele inclinou-se para frente, para Rosaleen, e a fitou intensamente. — Voltaremos para Bordeaux esta manhã. Tenho um solar no campo, mais ao leste da cidade. Preciso avaliar os vinhedos e por isso passaremos algum tempo por lá. –explicou mais lentamente para que ela entendesse. Rosaleen piscou um pouco confusa. Mal haviam chegado em Paris e já iriam partir? — Por quê? Achei que ficaríamos alguns dias mais... –ela sussurrou. O marido notou a decepção da esposa e isso o incomodou. — Entendo que deseja fazer compras e passear por Paris, mas eu não pretendo ficar por mais tempo. –ele parou para refletir. — Se quiser, pode ficar junto de tia Sophie por quanto tempo desejar. Deixarei uma quantidade de dinheiro suficiente.


Rosaleen arquejou. Ficar ali, sozinha? Não! — Agradeço sua bondade, milorde. Porém, não pretendo de forma alguma ficar esquecida nessa cidade de luxos e vaidade. Prefiro a tranquilidade do campo. A noite de ontem foi o bastante por toda vida. –ela exclamara, com um tom de irritação. Stephen se viu curioso. — Não gostou da noite passada? –inquiriu, arqueando a sobrancelha. Ora, ele estava jogando com ela! As bochechas de Rosaleen tomaram vários tons de vermelho. — Bem... Houve coisas que foram interessantes... –ela limpou a garganta, constrangida. O marido tentou evitar uma gargalhada, porque era evidente sobre o que ela estava se referindo. — Fico contente ao saber que ao menos algo a agradou. A mim também agradou muito, minha querida esposa. –ele levantou e caminhou até a janela, ficando de costas para ela. — O único problema foi que não consegui dormir pelo resto da noite. — Sentiu-se mal? –ela arregalou os olhos, preocupada. Stephen estivera doente? Por que não dissera a ela? — Pois deveria ter me chamado, eu poderia ajudálo.


Stephen encostou a cabeça contra o vidro frio da janela. Rosaleen era tão inocente... — Se eu tivesse lhe chamado, provavelmente eu teria piorado. –suspirou. — Não entendo o que está dizendo, milorde. –ela sentou-se mais para frente da cadeira, deixando as costas retas, como Sophie ensinara. Edmond se virou, e foi então que Rosaleen pôde perceber as olheiras arroxeadas em volta dos olhos do marido. Ele contornou a cadeira em sua frente e parou atrás da que Rosaleen estava sentada. Sentir a presença dele tão perto, o calor dele irradiando para ela, deixou-a nervosa. — Porque, minha adorável esposa, você me deixou tão duro, tão excitado que eu mal pude me mover sem sentir que minhas calças fossem arrebentar. –ele colocou as duas mãos nas laterais da cadeira e aproximou o rosto do ouvido dela. — A única maneira que você poderia me ajudar era deixar que eu entrasse em seu corpo com meu pênis, Rosaleen. –a respiração morna arrepiou o pescoço de Rosaleen. — Passei a noite toda acordado, olhando para o teto, imaginando todas as formas que eu daria prazer a você, e tenha certeza, a maioria delas a deixaria chocada. Rosaleen controlou a respiração. As coisas estavam diferentes. Ela não sentia mais medo quando ele


se aproximava daquela forma, apenas seu corpo que esquentava terrivelmente. Ela tocou o rosto com a palma da mão e o acariciou. Stephen deslizou as mãos pelo pescoço dela, exercendo pressão nos pontos exatos, os quais já conhecia. Puxou o decote do vestido de renda e o afastou para o lado, maravilhado ao descobrir que ela não usava espartilho. — Sua pele tem perfume de flores. –plantou beijos na clavícula pálida, arrancando suspiros da esposa. Fascinada pelo prazer que sentia, Rosaleen deixou que seu corpo caísse contra o assento da cadeira. Edmond voltou a se concentrar no decote da esposa, tirando a renda do caminho e deixando o mamilo coral exposto. Ele tomou o seio nas mãos e os beliscou com força, fazendo com que Rosaleen soltasse pequenos gemidos. Espremeu-o entre os dedos e torceu, para depois massageá-los suavemente. Controlando a intensidade, ele brincou com o montículo delicioso, tornando-o duro. Ele repetiu o processo no outro e depois, quando Rosaleen já lhe implorava para que continuasse, ele ergueu o vestido até os ombros e a deixou sozinha no escritório. Frustrada, Rosaleen viu-se sozinha naquele estranho cômodo. Por que Stephen parara? Ela não suportava mais aquilo! Desejava-o, ele sabia disso, então por que ele não fazia amor com ela? Bom, era mais do que


claro que não suportaria mais que ele a tocasse e a deixasse daquele jeito. Naquele minuto seu corpo estava fervilhando, seus mamilos doloridos. Enquanto subia para o quarto para tomar o desjejum e arrumar suas coisas, Rosaleen pensou que era necessário fazer algo a respeito daquele situação. Assim, depois que fizera o que precisava, tinha descido até a cozinha, onde encontrara lady Sophie. A velha tinha uma ótima aparência, o que não revelava a quantidade de rum que ela havia ingerido durante o baile. Rosaleen pedira a Sophie que a acompanhasse até um lugar privado, pois precisava de alguns conselhos. A tia postiça a levara até um salão mais afastado de todos, longe da criadagem, onde pedira chá. Quando perguntara do que se tratava, Rosaleen fora bem direta: — Preciso seduzir meu marido. Lady Sophie tinha parado de adoçar o chá e a encarado perplexa. — O que disse? –perguntou virando a orelha esquerda para ela. Talvez estivesse um tanto surda... Rosaleen bebeu um pequenino gole do chá e limpou a boca com o guardanapo. Era isso, precisava ser muito direta com tia Sophie se quisesse que ela a ajudasse. Nada de timidez. — Quero me deitar com meu marido, mas não sei


como faço isso. -tentou explicar, um pouco sem jeito. Tia Sophie, recuperada do choque, voltara a mexer o açúcar do chá. — Bem, se as coisas não mudaram desde o meu tempo, é necessário que você se deite, preferencialmente em uma cama, já que é mais confortável, e então ele fique em cima de você, para que... — Não, espere! –Rosaleen a interrompeu, com as mãos para cima. — Eu não me refiro a isso. –tomou um biscoito de nata entre as mãos e o encarou. — Eu não sei como convidá-lo para que se deite comigo. — Oh, meu sobrinho não tem se sustentando, é isso minha querida? –lady Sophie abriu bem a boca em sinal de incredulidade. Sem paciência, Rosaleen apertou o biscoito entre os dedos, transformando-o em farofa. — Tia Sophie, eu estou tentando dizer que não faço a mínima ideia de como seduzir Stephen para que ele se deite comigo. Já fizemos algumas coisas… –a voz dela abaixou um pouco. — Mas, nunca tivemos relações, porque antes de nos casarmos, eu o fiz prometer que não haveria isso em nosso casamento. Porém, agora eu tenho me sentido diferente... Um sorriso malicioso se distendeu no rosto enrugado de Sophie.


— Descobriu que o ama, verdade? Rosaleen a encarou. — Como sabe? A velha deu de ombros. — Acredito que a forma como você dançou com ele no baile deixou isso claro. –olhou para os lados antes de cochichar: — Vocês praticamente copularam durante a valsa, minha sobrinha. Seus olhos brilhavam mais do que qualquer estrela. Foi fácil presumir o que se passava em sua mente. A velha tia Sophie era boa nisso, muito, na verdade. –concluiu Rosaleen. — A senhora estava certa. –sorriu. — Stephen tem um bom coração, e eu... Eu o acho bonito. –confessou. E era verdade. Achava-o encantadoramente lindo. Sophie deixou a xícara de porcelana na bandeja e tomou a mão de Rosaleen na sua. — Você não imagina o quanto meu coração se tranquiliza ao saber disso, menina. Meu sobrinho merece ser feliz e somente você dará essa felicidade a ele. –os olhos dela se encheram de lágrimas mal contidas. Com um suspiro e uma gargalhada rouca, deu palmadas no colo de Rosaleen. —Agora falemos sobre alguns truques que aprendi em minha juventude. Diga-me, minha querida, alguma vez já assoprou uma flauta?


Rosaleen pensou por um momento. — Acho que não. — Pois bem, terá que aprender. Vou contar exatamente como você tocará a flauta de seu marido... Flauta? Do que ela falava? O que isso tinha a ver com sedução? Conforme lady Sophie começou a explicar a Rosaleen as técnicas que deveria usar, a duquesa mais teve certeza que não sabia absolutamente nada sobre instrumentos musicais e nem os de um homem.

A despedida de Paris fora aparentemente tranquila. Apenas houve uma pequena comoção ao ter que arrastar tinha Sophie da porta da carruagem, a qual se aferrava dramaticamente tentando impedir que o duque e a duquesa de Caston partissem. Depois de vários minutos tentando convencer a velha a não causar um acidente, Stephen e Rosaleen puderam finalmente deixar Paris e se dirigir para o campo. A esposa combinara com lady Sophie que na próxima temporada parisiense, voltariam a visitá-la, para desgosto de Stephen. As horas de viagem haviam sido absolutamente agradáveis. Apesar do silêncio, Rosaleen conseguira tirar muito proveito do percurso. Seu marido, sentando a sua frente, tinha passado maior parte do tempo dormindo,


recuperando as horas de sono perdidas. Ela tinha tentado se distrair lendo um volume de Shakespeare que recebera de lady Sophie há duas semanas. Mas, por mais que tentasse se concentrar, as palavras mal adentravam seu cérebro. Não quando Stephen tinha seu corpo tão próximo ao dela, com as longas pernas esticadas, os braços dobrados sobre o peito e o rosto tranquilo. Santo Deus! Queria jogar-se sobre ele! O que acontecia com ela? Mal controlava mais seu próprio corpo! Acalorada, Rosaleen jogara o livro para o lado e pegara um leque de penas de pavão, abanando-se freneticamente, enquanto tentava purificar sua mente. À noite, os dois tiveram que parar em uma pequena hospedaria na beira da estrada, que acolhia viajantes e quem estivesse necessitando de um bom e forte vinho. Assim que pisou na recepção do local, Rosaleen teve uma certeza: Faria amor com Stephen naquela noite. Por isso, quando chegou ao quarto, correu para lavar-se, usando o sabonete de limão que carregava em uma mala, e procurou no fundo de uma bolsa sua camisola de renda transparente que ganhara da costureira, por último, soltara os cabelos. Ansiosa, correra para a cama, onde puxou as mantas até o queixo. Iria esperar seu marido.


E ela esperou. Por tanto tempo que mal sabia o quanto. Até que ouvira uma batida na porta. — Entre. –ela exclamara, com o coração na garganta. Para sua decepção, eram duas criadas carregando bandejas com carne assada, pão, queijos e vinhos. — Sua alteza mandou. –uma delas explicara antes de sair. Com raiva, Rosaleen saíra da cama e fora até a mesa com a refeição. Onde estava Stephen? O que infernos ele estava fazendo? Sentou em uma cadeira e começou a encher o prato com vários pedaços de carne e queijo. Pois bem, se ele a deixara sozinha, ela pouco se importava. Mordeu uma perna de coelho e mastigou furiosamente.

Quando Stephen entrou no quarto de Rosaleen já era madrugada. Ficara vagando por muitas horas em torno da hospedaria e nas proximidades. Tentava desesperadamente se livrar da terrível dor que se abatia sobre seu rosto. Havia tempos que já não sentia suas feridas doerem daquela forma, mas agora estavam de volta, junto com as apreensões, os gritos e as lamurias em sua cabeça. Se fechasse os olhos podia ver o vermelho do


sangue inundando suas botas no campo de batalha. Podia sentir o cheiro dos corpos se decompondo ao seu redor. Fez todo esforço para não acordar a esposa enquanto se despia e deitava ao lado dela. Provavelmente, ela estava brava com ele, e com razão. Mas o que ele poderia fazer? Não permitiria que ela o visse degradado daquele jeito. À sombra da única vela acesa, ele acompanhou os movimentos dos ombros de Rosaleen. Ela dormia profundamente. Se estivesse bem, se a dor não cortasse sua pele, com toda certeza estaria entre as pernas de sua esposa a noite toda. Mon Dieu! Não esperava que fosse tão torturado naquele casamento. Seu consolo era que, no dia seguinte estaria em casa, com sua esposa à sua disposição em tempo integral. A teria de manhã, à tarde e durante toda a noite. Ele gemeu de frustração. Saiu da cama e, mesmo nu, sentou numa solitária cadeira em frente à lareira. A noite seria longa, e as dores e os fantasmas logo começariam a atormentá-lo novamente.

Le Vente Solaire era uma construção com mais de um século, pertencente à linhagem dos Edmond´s. Rosaleen a achou incrível. Era o primeiro castelo que via em sua vida e precisava confessar que estava encantada.


Ao passarem de carruagem pelo corredor de vinhedos em flor, o magnífico castelo se apresentava em seus tons de pedras de areia, com as torres acinzentadas. Quanto mais se aproximavam, mais fascinante o cenário ficava. Havia muitas janelas, todas muito grandes, algumas começavam no chão e subiam os andares. — O que achou? –Stephen perguntou ao seu lado. Pela primeira vez desde o dia anterior, ela o olhou. Tinha ficado tão magoada ao perceber que voltara de madrugada para o quarto, que só conseguiu controlar as lágrimas porque não queria que ele visse o quão triste ela estava. De manhã, tomara o desjejum sozinha, enquanto ele verificava a carruagem. Até então, não trocaram uma palavra. — É um castelo. –concluiu. Edmond sorriu, levantando as sobrancelhas. — É claro que é. Eu o chamo de solar porque acho mais intimista. –explicou. Ela ignorou o comentário dele e voltou a se concentrar na paisagem.

Depois de levarem as malas para os quartos, os criados serviram a Stephen e Rosaleen um sofisticado almoço, que os dois apreciaram infinitamente.


Stephen estava com a aparência cansada, as manchas ao redor dos olhos continuavam lá, deixando junto à máscara um ar sombrio. Rosaleen estava brava. Para não dizer irritada. — Milorde, poderia me acompanhar em um passeio pelos arredores do solar? –perguntara o mais doce que conseguira. Edmond tinha apenas meneado a cabeça concordando. Saíra de seu lugar na mesa e colocara o braço dela no seu, dirigindo-a para fora. E bem, foi naquele momento em que Rosaleen colocou em prática seu plano. Atrás do solar, havia um jardim com vários tipos de rosas. Foi preciso Rosaleen se conter para não sair cheirando cada uma delas. Queria muito, mas havia outra coisa que ela queria ainda mais naquele momento. Fingindo desinteresse, Rosaleen fizera com que Stephen a conduzisse mais para dentro do roseiral em flor. Caminharam à luz do sol por alguns minutos. Stephen continuava em silêncio, e isso estava deixando Rosaleen a ponto de socá-lo. No final do roseiral, numa extremidade ao lado, uma clareira com gramas ralas se estendia como um tapete, algumas árvores próximas faziam sombras.


Rosaleen olhou para todos os lados para conferir se não havia ninguém por perto. Ótimo. Chegara ao momento. Respirou fundo, deixou o braço de Stephen e se afastou uns passos dele. — Não acha que está um clima agradável hoje, milorde? –ela perguntou com um sorriso grandioso. — Absolutamente. –ele resmungara. Rosaleen revirou os olhos. Iria avançar mais um passo. — Na verdade, -ela começou a desabotoar o decote do vestido sorrateiramente. — acredito que eu esteja com um pouco de calor. Não se importará se eu tirar um pouco das minhas roupas, não é mesmo? –suas mãos começaram a fraquejar um pouco ao tentar tirar os botões de suas casas. Stephen entrecerrou os olhos. — Rosaleen... — Oh, sinto-me tão quente, milorde. –lentamente ela separou o tecido do vestido, revelando os seios endurecidos. Edmond cerrou a mandíbula. O que ela estava fazendo? Rosaleen continuou com seu espetáculo, agora erguendo as saias e tirando os sapatos.


— Sinto que terei de tirar minhas meias também. –puxou a seda e a desenrolou sobre uma coxa, permitindo que sua perna ficasse à mostra. — Pare! –Stephen gritou se aproximando dela. Rosaleen se assustou com a forma que ele a segurou pelos braços, usando muita força. — Sei o que está tentando fazer. — Sabe? Os olhos dele faiscaram. — Sei. E, apesar de apreciar seu jogo, quero que fique bem claro que quem está no comando sou eu. Compreende o que quero dizer, Rosaleen? Oh, ela compreendia. E gostava da ideia. — Beije-me. –ela pediu com a voz rouca. — Não suporto mais meu corpo pedindo para que você me faça sua. Beije-me, Stephen. Santo Céu! Com um gemido alto, Stephen buscou os lábios de Rosaleen, puxando o corpo dela para o seu. No primeiro momento, Rosaleen ficou um pouco perdida com o excesso de paixão que o marido infligia no beijo, mas quando a língua morna separou os lábios dela e invadiu sua boca, ela pouco se importou. Deixou que ele traçasse deliciosos círculos em sua boca, chupasse seu lábio inferior, ao mesmo tempo em que suas mãos desciam por suas costas para abrir os fechos do vestido.


Os lábios de Stephen desceram para o pescoço de Rosaleen, dando pequenas e leves mordidas, enlouquecendo-a. Pressionou o quadril dela contra o seu, empurrando seu membro dolorido nela. Quando conseguiu abrir todo o vestido, Edmond puxou-o freneticamente pelos ombros da esposa, surpreendendo-se ao ver que ela levava apenas uma regata de linho. Devagar, ele a carregou até a sombra de uma árvore, onde a deitou na grama, tirando o vestido preso em seu quadril. Deixou-a somente com a fina regata e a combinação, além da meia que restara na outra perna. Ele concluiria o serviço. De joelhos ao lado de Rosaleen, Stephen removeu a meia dela, concentrando-se em tocá-la durante o processo. Jogou o objeto para trás e se apoiou sobre o corpo de Rosaleen. — Você não irá mais precisar disso. –ele enganchou os dedos nas costuras da regata e a rasgou com um único puxão. Rosaleen arregalou os olhos, em choque. Stephen contemplou os seios dela. Primeiro, apenas roçou a ponta com os polegares, fazendo com que ela mal o sentisse. — Stephen, por favor, preciso de mais... –ela gemeu. — Quer minha boca em seus seios, Rosaleen? –os lábios dele pairaram a centímetros dos mamilos, mas sem tocá-la.


Com a respiração acelerada e os punhos cerrados, Rosaleen achou que odiaria seu marido por tal tortura. — Sim, sim! –murmurou. Stephen sorriu satisfeito e finalmente abaixou os lábios sobre a pele dela. Ela mordeu os lábios para não gritar quando sentiu os mamilos entre os lábios do marido, ele os sugando avidamente, mordendo sutilmente, traçando círculos com a língua. Uma corrente de fogo desceu para o ventre de Rosaleen, e ela temeu enlouquecer. Aferrou as mãos no cabelo de Stephen e o puxou para um beijo. Não apenas um beijo, um beijo furioso, que os dois se devoraram. Ainda mantendo os lábios sobre os de Rosaleen, Stephen removeu com facilidade a combinação que ela usava, fazendo a peça voar sobre o ombro dele. Com delicadeza que pouco tinha, tocou-a entre as pernas. Ela gemeu em seus lábios e ele continuou. Desceu os dedos, separando os lábios úmidos, encontrando-a molhada. — Você está molhada esperando que eu a satisfaça, esposa? –ele deixou a boca de Rosaleen e se concentrou em seu pescoço, chupando-o. Ela arqueou o quadril contra a mão dele, em busca de mais contato. Edmond encontrou a entrada de Rosaleen, onde


aprofundou o dedo, movendo-o novamente para fora e depois para dentro. Desorientada, Rosaleen agarrou os braços do marido. Ele usou a palma da mão para acariciar o pontinho escondido, que lhe despertou um imenso e inimaginável prazer. — Faça, Stephen. Não suporto mais... Ele aumentou a pressão naquele ponto, esfregando-o rapidamente, levando-a para mais perto de um abismo sem fim. Assustada com a reação do próprio corpo, ela se viu gemendo e se contorcendo, até que não suportou mais e desabou diretamente para o vazio, para o escuro. Tanto prazer que as palavras não se formaram em sua boca, ela apenas jogou a cabeça para trás e fechou os olhos. A ponto de explodir, Stephen aproveitou que Rosaleen ainda se deleitava com a sensação do orgasmo para tirar as roupas o mais rápido possível, fazendo um amontoado de tecidos ao lado dos dois. Logo que sua calça se foi, ele estava gloriosamente nu em cima de sua esposa. Quando os olhos de Rosaleen voltaram a se focar, ela percebeu que Stephen se encontrava sem roupas sobre ela. Seu coração disparou quando viu que seu membro – muito grande- estava entre suas coxas. Esperava que tivesse medo desse momento, que as memórias do


passado a atormentassem, e principalmente, que sentisse asco daquela parte da anatomia do marido. Mas, não. Estava deslumbrada. Era uma obra de arte, daquelas que estariam expostas em algum museu famoso. Longo e grosso e com a ponta rosada, aquele membro parecia feito de aço. Ela desejava descobrir a textura, e com um sopro de coragem, o fez. O primeiro toque foi sutil, apenas deliciando-se com as formas, mas quando ela percebeu que Stephen gemia e movia os quadris contra sua mão, ela começou a acariciá-lo. — Chega. –ele afastou a mão dela da sua, deitou sobre ela, colocando as mãos ao lado de sua cabeça. — Quando eu estiver dentro de você, quero que pense apenas em mim, em nada mais. –ele posicionou-se na entrada dela. — Não haverá dor, apenas prazer, e você deve saber durante todo o todo momento que eu me empurrar dentro de você, que é minha. Ela apenas concordou com a cabeça. E foi então que Stephen a penetrou. Os olhos de Rosaleen se arregalaram ao senti-lo dentro de si. Mesmo ele garantindo-lhe que não haveria dor, ela não tinha total certeza disso. Oh, mas agora sabia. Ele se moveu dentro dela, para frente, para trás. Ela fechou os olhos e gemeu. — Abra seus olhos e olhe para mim. Sou eu que estou possuindo você, Rosaleen. Seu marido. –no


princípio, seus movimentos eram lentos, estocadas curtas para ela se acostumar. — Essa é sua primeira vez, Rosaleen, sou seu primeiro homem. Nenhum outro esteve dentro de você. –ele aumentou o ritmo. Sim, ele estava certo. Apenas ele estivera dentro dela, não houve aquela noite, não houve aqueles homens. Nada daquilo existiu. Stephen tentara o máximo ser paciente com Rosaleen, porque apesar de ela não ser virgem, ele sabia que ela poderia sentir medo. Porém, o prazer era tanto, tão intenso, que ele acabou se perdendo. Penetrou-a mais e mais fundo, deixando que ela o acolhesse tão quente dentro de seu corpo, e ela gemia e arfava, seu prazer crescendo cada vez mais, quase chegando à ebulição. Colocou os lábios nos dela e acelerou as estocadas, as gotas de suor se acumulando em sua testa e em suas costas, onde as mãos de sua esposa o arranhavam. Quando nada mais podia ser feito, Rosaleen gritou. Gritou pelo prazer quente rasgando-a e por sentir Stephen imóvel dentro dela, com o corpo endurecido derramando seu prazer. Permaneceram unidos, Stephen sobre ela, as testas coladas. — Tia Sophie estava certa. –Rosaleen sussurrou quebrando o silencio pós-coito.


Stephen ergueu a cabeça. — O que disse? Ela sorriu manhosa. — Sua tia disse-me que, quando o homem coloca sua flauta dentro de uma mulher, ela sente como se estivesse pisando em nuvens. –explicou. Ele franziu a testa. — Eu fiz você pisar em nuvens? –perguntou movendo-se dentro dela. Uma risada entrecortada saiu da garganta de Rosaleen. — Suponho que eu tenha caído das nuvens. Stephen afastou os cabelos do rosto dela e a fitou. Os olhos dela estavam com um brilho diferente, neles ele podia ver seu próprio reflexo, a máscara cobrindo um lado de seu rosto. — Perdi o controle. –sussurrou, como se constatando para si mesmo. Ela acariciou o ombro dele. — Não, foi perfeito. –moveu o quadril para cima. — Está muito cansado, milorde? Eu gostaria de fazer isso novamente... Stephen a calou com um beijo, enquanto voltava a tê-la.


Quando estavam finalmente saciados, -isso depois de Stephen possuí-la várias vezes, Rosaleen continuou deitada, descansando na grama macia, com o marido deitado ao seu lado. — Precisamos ir. –ele falou, sentando-se para pegar as roupas. Rosaleen ronronou com uma gata. — Ainda irá demorar para anoitecer... –tentou argumentar. — Se não voltarmos logo, os criados começarão uma busca por nós. Não quero que eles me vejam enterrado em você. –ele começou a vestir a calça de costas para ela. E foi aí que Rosaleen percebeu as enormes cicatrizes que riscavam as costas de Stephen, algumas avermelhadas, outras brancas. Eram centenas, que ela não conseguia contar. Seus olhos ficaram marejados, e ela teve que secá-los no que restava de sua regata. O que houve com você, Stephen? Quem fez isso? Rosaleen começou a se vestir também, feliz por finalmente ter se entregado a seu marido, mas desesperada pelas feridas em sua Fera.


Capítulo Vinte e Um Quando um homem e uma mulher fazem amor pela primeira vez, é sabido que principalmente pela mulher, os sentimentos mudam completamente, tanto para o bem quanto para o mal. Com Rosaleen não era diferente, apesar de já saber que estava apaixonada por seu marido antes de permitir que ele a tomasse. Mas, mesmo assim, algo havia mudado. Talvez fosse muito sútil, mas sim, ouve uma mudança. Enquanto Rosaleen caminhava ao lado de Stephen, enlaçada pela cintura com o braço musculoso do marido, desfrutando de uma sensação de paz, ela teve mais certeza ainda que o amava e também, diante daquelas rosas tão belas do jardim, soube que estava feliz. Ora, claro que estava feliz. Estava nos braços do homem que


amava, o qual tinha se entregado, que havia a levado para o céu, venerando-a com seu corpo, mostrando-lhe que não existiam limites para a plenitude. Pela primeira vez em muito tempo, desde que seu pai se fora, Rosaleen se sentiu segura, tranquila. Se Deus a permitisse escolher, ela desejaria a eternidade daquela forma. — Eu gostaria de poder ter o dom de ler pensamentos, nesse momento. –ouviu a voz do marido ao lado e se voltou para ele. Stephen estava com o cabelo despenteado pelo vento e pela luxúria do ato sexual, os olhos verdes tão intensos quanto qualquer outra vez. Era como se os olhos cor do campo refletissem a alma do homem. E Rosaleen podia jurar que já podia reconhecer vários sentimentos através apenas daquele olhar. Naquele instante, no entanto, tais olhos eram infido mistério para Rosaleen. Talvez, sua pouca experiência com homens, a qual, em seus vinte e cinco anos era baseada somente em seu pai, o sacerdote da vila, e algum garoto vizinho quando era criança, deixasse-a à mercê dos pensamentos de Stephen. — Rosaleen, está me ouvindo? –lorde Edmond segurou Rosaleen pelo braço, preocupado com o olhar distante que ela dirigia sobre o ombro dele. Em quê ela estava pensando? Ela piscou, um pouco dispersa. — Desculpe-me, milorde, eu estava observando


as rosas. –tentou um sorriso. — Elas são encantadoras. Stephen a estudou por um momento. Desde que haviam feito amor, minutos atrás, deitados sob a sombra de um carvalho, sua esposa estava se comportando de um jeito estranho. Será que fora algo errado que ele fizera? Bem, tinha certeza que ela havia apreciado o momento... A menos que... — Eu a machuquei? –perguntou com a voz estrangulada. Grande idiota! Devia ter sido mais cuidadoso, mais delicado. Em vez disso agira como um bruto! — Como? –Rosaleen franziu o cenho. Não compreendia o que ele estava falando. Ele passou a mão pelo lado direito do rosto, sobre a máscara, como se sentisse dor, e por fim, suspirou exasperado. — Quando possuí você, não fui muito paciente. – parou, procurando as palavras certas. — Possivelmente tenha sentido dor. Dor? Stephen achava que ela tinha sentido dor? Ela tapou os lábios com a palma da mão, evitando rir. — Milorde, garanto-lhe que senti muitas coisas inesperadas, e entre elas não está dor, de forma alguma. – esboçou um sorriso contido.


Stephen bufou, entrelaçando os dedos no próprio cabelo. E, em um movimento rápido e inesperado, puxou Rosaleen contra o corpo dele. — Está rindo de mim, carinho? –segurou o queixo dela e a fez olhá-lo. — Sugiro que não o faça. Não vê o que acabamos de fazer? –perguntou, aumentando a pressão na pele dela. Rosaleen engoliu em seco. — Fizemos amor. –sussurrou. Stephen entrecerrou os olhos. — Sim, fizemos. Estive dentro de você, lhe dei prazer, a fiz implorar por mim. –escovou o lábio inferior dela com o polegar. — Mas eu também tive meu prazer, Rosaleen, derramei minha semente dentro de você. Sabe o que isso significa? Apesar de saber a resposta, ela não respondeu, apenas continuou a fitá-lo. — Sim, você sabe. –desceu a mão pelo pescoço da esposa, pela clavícula e para o ventre plano. Encostou o corpo dela no seu, numa posição em que ele ficasse atrás dela. — Aqui, -contornou a barriga de Rosaleen. — poderá crescer uma parte de mim. Depois do que nós fizemos, você poderá ficar grávida. Grávida. O ar fugiu dos pulmões de Rosaleen.


— Você não gostaria de ficar grávida de um filho meu, não é?! –fez círculos no ventre dela, ao mesmo tempo em que deixava sua respiração pulsar sobre o pescoço de Rosaleen. — Seria um desastre carregar dentro de você um pedaço da Fera, verdade? — Solte-me, Stephen. –ela o empurrou para trás e, sem fitá-lo, saiu caminhando com grandes passadas em direção ao solar. Não olhou para trás, não podia. Rosaleen entrou no solar e ignorou todos que encontrou pela frente. Subiu as escadas de pedra e correu para o quarto que havia sido designado para ela. Com um gemido baixo, jogou-se na cama de dossel. Não, não, não! Stephen estava errado! Por mais que a ideia de ficar grávida a assustasse um pouco, com certeza ficaria imensamente feliz em ter dentro dela um filho do homem que ela amava. Ela ficou de costas sobre os lençóis de seda e com os olhos fechados, deslizou a palma da mão sobre a barriga. Sorriu. Um bebê rosado com os olhos verdes, idêntico ao pai. Teve vontade de rir. Sim, rir, de toda situação. Se Stephen acreditava que ela não gostaria de um provável bebê, ele estava muito enganado. Mais ainda, o pobre


homem não sabia, mas acabava de colocar um grande desejo no coração da esposa. Rosaleen tinha prioridades agora. A primeira delas era conquistar o amor de Stephen, e depois, um filho. Essa era a parte mais difícil, visto a reação dele sobre o assunto. Bom, de uma coisa ela sabia: Eles teriam que praticar muito para conseguirem o êxito, e Rosaleen iria prestar-se a tal ato com muito esmero. Oh, como iria.

Capítulo Vinte e Dois Lorde Edmond acreditava ter um pouco de


compreensão a respeito das manifestações do humor feminino. Bem, ele estava enganado. A reação de Rosaleen diante suas palavras foi no mínimo imprevisto. Esperava algum desequilíbrio por parte dela, uma enxurrada de lágrimas, ou palavras hostis, mas não. E incrivelmente isso o alegrava, porque significava que sua esposa estava cada vez mais forte. A mulher acuada que conhecera há alguns meses se tornava agora uma perfeita duquesa. Claro que ele devia dar certo crédito à sua tia Sophie, porém, ele sabia que a mudança também viera da própria Rosaleen, algo mais profundo. Podia perceber, enquanto ela se afastava dele furiosa, atravessando o roseiral bufando, que sua esposa florescia lindamente junto a sua altivez característica. Ele não quisera irritá-la, ou talvez sim. Acontecia que depois que fizera amor com ela, no momento em que se vestia, percebera o quão ignorante havia sido ao derramar-se dentro dela. Estava tão inebriado, tão enlouquecido com a sensação de possuí-la, de prazer em seu corpo, que seu cérebro não fora capaz de agir de maneira apropriada. Rosaleen era sua esposa, e ele a tinha feito sua, mas nem por isso desejava que ela carregasse dentro dela um filho seu. Não que Stephen não quisesse um filho. Que homem não desejaria um filho ao seu lado? Ele não seria tolo em negar. O problema era que Edmond sabia exatamente quem ele era e o que isso


acarretava. Por mais que tecnicamente estivesse de volta à sociedade francesa, não se enganava de que seria aceito prontamente. O ódio e o asco das pessoas para com ele não desapareciam assim facilmente. Então, por que condenar um pedaço de si ao mesmo destino? A criança seria odiada por ter o sangue do pai, da Fera. Stephen suspirou longamente. Realmente não queria ter perdido a razão com Rosaleen. Era que, quando estava junto dela, perdia momentaneamente a distinção entre o certo e o errado, havia uma força estranha que emanava diretamente de Rosaleen para ele, e que o desestabilizava. Provavelmente agora tudo se duplicaria, porque Edmond estava certo de que gostaria de fazer amor com sua esposa outra vez, e mais outra, quantas bastasse para seu desejo amenizar, o que intimamente sabia que levaria muito, muito tempo. Cansado, percebeu que uma leve dor de cabeça começava a se abater sobre ele. Era isso que o irritava. As dores constantes, que começavam fracas, mas que logo tomavam uma grande intensidade. Como ainda conseguia suportar tal dor, Stephen decidiu voltar para o solar. Precisava resolver alguns negócios sobre a produção e a venda dos vinhos, e as despesas dos funcionários. Com os ombros baixos, sumiu por entre as rosas vermelhas, percorrendo a lateral do solar e entrando pela ala dos empregados.


Rosaleen estava inquieta. Ele não viera atrás dela. Havia esperado por seu marido por duas horas seguidas, deitada na luxuosa cama. Penteara e perfumara os cabelos, além de beliscar as bochechas para deixá-las ruborizadas, tia Sophie dissera que era imprescindível para uma dama manter a cor na face. Ela fizera e esperara. No decorrer das horas, rolara de um lado para o outro da cama, pensando no bebê rosado que pretendia ter. Depois, levantara e se sentara na banqueta em frente ao grande espelho forrado de veludo vermelho. Encarara a mulher do espelho com um pouco de desconfiança, percebendo algumas marcas arroxeadas nas bordas dos seios. Stephen... Irritada, tinha voltado para a cama, onde amaciara os travesseiros a murros, para poder se aconchegar melhor. Conforme o tempo ia passando, ela sentia-se cada vez mais sonolenta e entediada. Nem mesmo seus livros de sonetos foram capazes de entretê-la, tanto que acabou dormindo abraçada a um travesseiro gordo, de penas de pato. Fora acordada uma hora depois, por uma criada que batera a porta para questioná-la sobre o jantar daquela noite. Foi aí que Rosaleen percebeu que passara a


tarde trancada no quarto, e que seu marido não viera vêla. — Há algo que vossa alteza deseje para o jantar de hoje? –a criada perguntara de cabeça baixa. Rosaleen desamassou as mangas do vestido e a encarou. — Torta de miúdos seria bom. –respondera vagamente, ainda afetada pelo sono. — Devo acrescentar tempero, vossa alteza? – voltara a perguntar a mulher. Rosaleen prendeu as pontas do cabelo em um coque firme no alto da cabeça e colocou um xale nos ombros. — Irei com você até a cozinha. –caminhou até a porta, mas parou para encarar a criada. — Onde está meu marido? –sim, não conseguiu se conter e acabou perguntando. A cozinheira erguera os olhos para ela e refletira por um momento. — Eu o vi apenas no almoço, vossa alteza. Estive o resto do dia na cozinha. –a mulher agarrou as laterais do vestido e as apertou. Parecia nervosa. Rosaleen percebeu isso e se aproximou da mulher. — Qual seu nome? A criada, assustada, dera um passo para trás.


— Célia. –murmurou. Ela tinha o rosto cansado, sinal de que trabalhara muito, o cabelo preso com uma touca de renda negra. Os olhos verdes aguados e a pele manchada. Estava na casa dos quarenta. Rosaleen considerou-a bela a seu modo. — Célia, gostaria que não me chamasse de alteza. Poderia me chamar de senhora? -esperou pela resposta da mulher, e quando viu que ela estava assustada o bastante para não responder, voltou a falar: — É um dos favores que pedirei a você. Acho que seremos amigas, Célia. Posso confiar em você? A criada piscou os olhos enormes para ela e, de repente sorriu, mostrando a falta de alguns pares de dentes nos cantos da boca. — É evidente vos... Senhora. –corrigiu-se rapidamente. — Estarei sempre disponível para ajudá-la. Rosaleen tentou sorrir, seu estado de sonolência ainda a atrapalhando. — Pois vamos até a cozinha, Célia. Pretendo ensiná-la como preparar uma boa torta de miúdos. –abriu a porta, esperou que a criada saísse e a fechou, decidida.

Stephen finalmente sentou-se para jantar. Fora obrigado a passar o resto da tarde junto com o responsável pela administração do solar, que lhe


informara tudo que ele precisava saber sobre o período em que permanecera longe. Era em horas como aquelas em que desgraçadamente sentia falta do amigo Matthew para auxiliá-lo. A verdade era que Stephen não tinha tato algum para finanças. Desde pequeno fora criado para lutar, para ferir. Fora por isso que tudo acontecera. — Sabe o que você é? –o homem mau chuta meu estômago e eu tenho vontade de vomitar. Outro chute. Controlo minha garganta para que eu não vomite, porque sei que ele me baterá mais por isso. Com muito esforço, fico de joelhos, minhas mãos segurando minha barriga. — É um maldito bastardo. –ele segura meus cabelos e puxa minha cabeça para trás, para que eu olhe em seus olhos. Tenho medo daqueles olhos. São ferozes, parecem o de um animal que irá me atacar. — Você serve apenas para isso, seu merdinha. –ele empurra meu rosto no chão, e Deus, eu sei o que ele quer que eu faça. Já fiz outras vezes e todas imaginei estar em qualquer outro lugar, menos ali. Humilhado, abaixo-me mais um pouco e inclino meu rosto sobre seus pés. — Ande! Faça logo! –quero gritar, correr, quero matá-lo. Porém, tudo que faço é lamber suas botas, exatamente como aquele homem mau ordenou. A dor começou a cair sobre o lado direito do rosto de Stephen, enquanto as memórias atingiam seus olhos. A dor foi aumentando, assim como seu desespero e


seu ódio. Descontrolado, ele levantou, deixando a cadeira cair aos seus pés e, num acesso de ira, a jogou contra a parede do salão de jantar, acertando o objeto em um vaso de cerâmica chinesa. Rosaleen ouviu o barulho do impacto quando estava na cozinha, se preparando para levar a comida para o marido e juntar-se a ele para a refeição. Assustada, ela largou tudo que estava fazendo e correu para o salão. O que encontrou a fez ficar paralisada. Stephen com as mãos postas sobre a mesa, os cristais estilhaçados ao redor de seus dedos ensanguentados. Seus ombros tremendo violentamente, a respiração em um ritmo frenético. Ele apertava os restos de uma taça na mão direita, cravando os cacos em sua palma. Os olhos fechados, apertados. O que estava acontecendo com ele? — Stephen? Está me ouvindo? –ela chamou-o. Ele não respondeu, nem se moveu. O corpo de Edmond estremeceu, e um ruído começou a sair de sua garganta. Ele estava falando algo, mas Rosaleen não podia ouvir. Ela deu alguns passos até ele, cuidadosa para que não o incomodasse. — Eles morreram. Estão mortos, todos mortos! – Stephen sussurrava entre arfadas.


Rosaleen levou a mão aos lábios. Stephen estava tendo uma alucinação. E ela precisava ajudá-lo. Ignorou o aviso que soava em sua cabeça e caminhou até ele, desviando do que restou da baixela espalhada no chão. Tocou o ombro do marido delicadamente, tentando trazê-lo de volta. — Stephen, precisamos cuidar dos seus ferimentos. –ela falou em voz baixa. Ele continuou tremendo. — Por favor, fale comigo. –Rosaleen pediu e, quando tentou acariciar o rosto dele, o marido reagiu, empurrando-a para trás, fazendo-a cair sentada no chão. Alguns criados que observavam escondidos, ao verem a cena, correram a ajudar a duquesa a se levantar. Ao lado, Stephen percebeu pela visão periférica alguns vultos próximos, o que permitiu que aos poucos ele fosse recobrando o censo de realidade. Assim que percebeu o que havia acontecido, a mancha de sangue no vestido branco e imaculado de Rosaleen, ele se ajoelhou ao lado dela. — Rosaleen... –a voz dele falhou. Ela estava de cabeça baixa, as mãos sobre a marca vermelha no vestido. Notando o sangue nas próprias mãos e a situação do salão, Stephen empurrou os criados para trás, indicando


com um olhar duro que eles saíssem dali. Sozinhos, Stephen tentou manter a calma e ajudar Rosaleen. Precisou não pensar na dor terrível em sua mão direita enquanto passava os braços pelos joelhos da esposa e a erguia no colo, levando-a pelo corredor e a escada que dava no outro andar. — Eu vou andando. –ela fez um gesto para descer do colo dele, mas Stephen a apertou mais. — Não. Desistindo, Rosaleen permitiu que ele a levasse até seu quarto, onde a depositou levemente sobre a cama. Voltou então para fechar a porta. Quando o clique da porta ecoou no quarto, o silêncio caiu sobre os dois. Rosaleen ali jazendo na cama, e Stephen parado com a cabeça encostada na porta, respirando rapidamente. Rosaleen não suportava aquilo. Preferia palavras, mesmo que fossem dolorosas, ao invés do silêncio cheio de significado. Ela levantou e foi até a mesinha perto da janela, onde encheu uma bacia com a água de um jarro de cristal. Juntou alguns panos limpos e toalhas e retornou para a cama, onde as depositou. — Preciso que me permita cuidar dos seus cortes. –a voz doce e calma de Rosaleen soou atrás de Stephen. Ele suspirou.


Como ela conseguia se manter tão tranquila? Virou-se para ela, evitando fitá-la nos olhos. — Eu machuquei você. –disse simplesmente, porque era a única coisa que conseguia pensar no momento. Ela se adiantou mais perto dele. — Eu estou bem. –afirmou. Stephen foi até a cama e se sentou, indicando para que ela fizesse o mesmo. Silenciosamente, Rosaleen atendeu o marido. Sentou em frente a ele e examinou a mão machucada. Havia dezenas de pequeninos cristais cravados na palma e nos dedos. Ela precisava retirá-los. Deixou a mão do marido sobre uma almofada e correu até sua cesta de costura, voltando com uma pinça. Apesar de serem pequenos cacos, a dor fazia Stephen franzir o rosto cada vez que Rosaleen retirava um deles. Não que não suportasse tal coisa, durante a batalha sobrevivera a coisas infinitamente piores que essa. Talvez o problema fosse a proximidade de Rosaleen, concentrada em seu trabalho. — Esse é o último. –ela disse ao deixar a pinça de lado. — Agora preciso limpar o sangue. – delicadamente, com a pericia de uma enfermeira, Rosaleen mergulhou a mão do marido na água da bacia, e


depois a envolveu com uma tira de pano. — Seu vestido. –Stephen apontou para o circulo de sangue próximo ao seio esquerdo, que parecia que ela havia sido atingida diretamente ao coração. Ela deu de ombros, ao deixar os objetos usados em cima da mesinha. — Aconteceu quando você me... –se calou rapidamente. Stephen foi até a esposa. — Me perdoe. –seus olhos pareceram perdidos. — Eu não tinha controle sobre meu próprio corpo. Eu estava... Rosaleen tocou o rosto dele, o lado bom, sem a máscara, e Stephen fechou os olhos. — Não era você. –os dedos de Rosaleen contornaram a bochecha de Stephen, e desceram para o pescoço. — Era a Fera. Ela estava no seu corpo, Stephen. Ele abriu os olhos lentamente. — Você não teve medo. –ele constatou. Rosaleen sorriu fracamente, a mão parada sobre o peito dele. — Como eu poderia, Stephen? Sei que viu coisas horríveis, mas sei também que jamais me machucaria. – sentiu o coração dele acelerar sob sua palma. — Você é meu marido.


Um ardor correu diretamente para o estômago de Stephen. Segurou a mão dela na sua e a puxou para seus braços. — Sim, ma chérie, eu sou. –com a mão boa, tirou uma mecha de cabelo que caía sobre os olhos dela e a beijou. Beijou desesperadamente, aprofundando a língua entre os lábios dela no primeiro contato. Empurrou-a contra a parede e continuou beijando-a sofregamente. Dispersou beijos e lambidas pelo queixo dela, mordendoa de leve na orelha. — Stephen... –ela tirou a boca da dele para poder falar. — Para a cama, por favor. –pediu, quase implorou. Cambaleando, o marido a levou até a cama, onde a ajudou a se despir. Nua, Rosaleen fez menção de desabotoar a camisa de Stephen, mas ele a impediu. — Vou satisfazê-la de outra forma, carinho. – sussurrou de encontro à pele da barriga dela. E ele fez. Adorou-a com sua língua, lambendo-a. Beijandoa. Fez círculos, intercalando entre rápidos e lentos, fazendo-a gritar. Quando sentiu que a esposa chegava próximo ao ápice, Stephen desistiu de sua sedução. Ao inferno! Ele não resistiria, não naquela noite.


Desabotoou as calças e as puxou até os joelhos e, sem dar chance de reação a Rosaleen, entrou nela. Stephen prendeu a respiração ao sentir a umidade quente em volta de seu pênis, abraçando-o, sugando-o. Mon Dieu, ele queria mais! Se debruçou em cima do corpo de Rosaleen, ficando com o rosto entre os seios, os quais prestou honras com sua língua. Na primeira estocada, Rosaleen agarrou os ombros do marido. Era profundo, sentia-o esticando sua feminilidade. Ele saiu e entrou outra vez, gemendo. Deveria manter aquilo lento, mas não pôde. Perdeu o controle. Acelerou o ritmo, entrando mais fundo, mais e mais Levando Rosaleen em uma linha tênue entre o prazer e a dor. Mas ela não reclamou, sabia que Stephen precisava daquilo, possessivo, forte. Aceitou. Ofereceuse. Sou tua, Stephen. O corpo dos dois movimentando-se daquela forma fazia a cama de madeira tremer contra a parede, e o barulho, misturado com os gemidos de prazer, preenchiam o quarto em uma melodia exótica. Perdido em tanto prazer que o fazia estremecer, Stephen ainda conseguiu esperar que Rosaleen alcançasse o orgasmo junto a ele. E foi pleno. Ele sobre ela, com o


corpo endurecido, a cabeça entre os seios dela, e Rosaleen esparramada no colchão, de olhos fechados. Os dois ofegantes. Novamente o quarto ficou em silêncio. Porém dessa vez foi um silencio bom, de pós-coito, quando as duas pessoas não tem palavras suficientes para descrever sensações anteriores. Somente mais tarde, quando os dois vagavam entre o sono e a realidade, Rosaleen sentiu Stephen acariciando seu seio. — Está com fome? –ele perguntou. Ela abriu os olhos, as poucas velas mal iluminando o quarto. Stephen estava sentado na beirada da cama, já vestido. Rosaleen se espreguiçou, manhosa. — Eu fiz torta de miúdos. –sorriu satisfeita, não sabia se pelo êxito de ter feito a torta, ou pelos momentos maravilhosos junto do marido. Stephen a encarou misterioso. Ficou de pé e caminhou até a cômoda ao lado, trazendo um prato com uma grande fatia da torta. Rosaleen se sentou e ele colocou nas mãos dela. — Já comeu? –ela perguntou levando um pedaço da torta aos lábios. — Enquanto você dormia. –ele explicou.


Rosaleen assentiu, pensativa pelo motivo que o marido não quis compartilhar o jantar com ela. — Dormirá aqui comigo? –questionou. Stephen removeu algumas migalhas de torta dos lábios dela e sorriu. — Nós dormimos juntos desde que você chegou em minha vida, Rosaleen. Ela parou com um pedaço de torta no ar. — Como? Ele ofereceu o prato para que ela depositasse a comida, antes de continuar a explicar. — O quarto em que você dormia era meu. Aquele é o quarto do duque e duquesa de Caston. Ela entrecerrou os olhos. — Você deu seu quarto para mim? –quase gritou, alarmada. — Era o único que estava em condições de ser usado. Você mesma viu como estava o estado da casa. Sim, ela tinha visto. Ainda lembrava bem do amontoado de pó e moveis velhos. — Você disse que dormimos juntos... –ela o lembrou. Ele assentiu. — O quarto do casal ducal é conjugado. Há uma


tradição que o casal não deve dormir na mesma cama, somente quando é preciso copular. É por isso que existe uma porta de comunicação entre os dois quartos, para que o marido possa visitar sua esposa durante a noite, sem que precise recorrer ao corredor. É discreto e prático. – explicou por fim, e quanto a Rosaleen, estava de boca aberta e olhos arregalados. — Eu achei que fossem ratos! –exclamou. — Durante algumas noites ouvi barulhos na parede. Stephen controlou uma risada. — Tenho insônia. Ela aproximou o rosto do dele. — Qual a localização da porta? Ele balançou a cabeça negativamente. — Terá que encontrar sozinha. Rosaleen bufou revirando os olhos. — E esse quarto? Há uma porta dessas para que você invada meu quarto durante a madrugada e faça amor comigo? –ficou de joelhos na cama e colocou as mãos na cintura, fazendo graça. Edmond colocou o prato dela ao lado da cama e a puxou para seu colo. — Não, esposa. Esse quarto é único e, por sorte, muito espaçoso. Tenho certeza de que acomodará perfeitamente nós dois. –circulou um mamilo com o


polegar, no mesmo instante que posicionava Rosaleen com as pernas abertas sobre seu joelho, para estimulá-la. Ela jogou a cabeça para trás. Seria uma longa noite. Graças a Deus!

Na manhã seguinte, quando Rosaleen acordou, o marido já não estava mais ao seu lado. Ela se moveu na cama, sentindo os músculos rígidos. Tinham passado maior parte da noite fazendo amor, Stephen a levando ao máximo prazer todas as vezes. E, quando estavam plenamente satisfeitos, ele a cobrira com uma manta e se deitara no outro lado da cama, distante. Rosaleen estava feliz naquela manhã. Não só porque tivera uma noite incrível, mas também porque começaria uma nova atividade. Cuidaria do jardim do solar. No dia anterior, ficara encantada com a beleza das rosas, mas também percebera que elas precisavam de alguns cuidados. E ela, filha de jardineiro, sabia exatamente o que fazer. Depois de se lavar e vestir a roupa que a criada deixara para ela, Rosaleen desceu as escadas cantando


alegremente. Encontrou Célia carregando uma mala para a escada. — O que está fazendo, Célia? A criada apoiara a mala no joelho e limpara o suor do rosto. — É a mala de lady Cristina, senhora. Quem? — A nova governanta. –a criada ofereceu. — Entendo. –Rosaleen murmurou ao ir para o salão de jantar. Lá, encontrou vários criados correndo de um lado para o outro, carregando bandejas e vestindo um uniforme preto, com gravatas e toucas de renda. Todos estavam muito nervosos. — Lustre seus sapatos, Antuán. Se eu encontrar uma pequena mancha neles, farei você esfregá-la por horas. –uma mulher alta, de vestido vermelho e cabelos louros estava parada na soleira da porta de entrada, com um leque na mão, indicando aos criados o que fazerem. Rosaleen sentiu uma pontada estranha na cabeça e, sabe-se lá o motivo, julgou ser um pressentimento. Caminhou elegantemente até a mesa e parou em frente à mulher. — E você quem é?


A loura a encarou, olhando de cima a baixo, por detrás do leque. Sorriu languidamente. — Lady Cristine, ao seu dispor, vossa alteza. Sou a nova governanta do solar. –fez uma mesura arrojada. Rosaleen empinou o nariz. — E quem a contratou? –perguntou. A lady abriu o leque e se abanou dramaticamente. — Seu marido, vossa alteza. Somos amigos de longa data, e ele me ofereceu esse emprego ao ver que eu precisava de ajuda. — Meu marido é muito caridoso, realmente. – Rosaleen esboçou um sorriso debochado. — Não imagina o quanto, vossa alteza. –a loura arrumou de forma teatral o corpete e olhou para o lado. — Me perdoe, mas preciso ver como está a cozinha. –juntou as saias e saiu rebolando para a cozinha. Rosaleen a viu sumir de vista, com os lábios apertados em uma linha reta. Amiga de longa data, realmente? Não gostara dela e se tinha algo em que Rosaleen podia confiar era em sua intuição, que nesse momento estava em vermelho.


Capítulo Vinte e Três Ainda pequena, Rosaleen aprendera com o pai a cuidar das rosas. Aos domingos, dias em que o pai não trabalhava, Rosaleen e ele passavam horas em um pequeno jardim de rosas vermelhas que fora cultivado atrás da cabana em que viviam. Era pequeno, somente com algumas poucas flores, mas todas e cada uma mais especial que a outra. Recordava que o pai sempre dizia que aquele pequeno jardim era uma homenagem para a mão de Rosaleen, que naquela época já se fora há anos. Não era necessário dizer o quanto fascinava a pequena menina deitar-se sobre a grama fresca e ficar observando o balançar das pétalas e o esplendoroso tapete que se formava ao chão quando o vento soprava forte. Aprendera, com muita atenção, a adubar a terra, a podar os galhinhos que estavam secos. O pai ensinara tudo com amor, e ainda era assim que Rosaleen via aquele jardim magnífico de Le Vente Solaire. Ela respirou fundo o aroma que desprendia das flores com o ressonar do vento frio que atingia seu rosto. Queria sorrir, abrir os braços e sentir-se livre, como fazia quando criança, sonhar que estava voando acima das


nuvens. Mas não podia. Sentia-se mal. Estava angustiada. E o motivo estava dentro do solar naquele momento. Lady Cristine. A nova governanta. Por que Stephen não contara a ela sobre a tal mulher? Era direito de Rosaleen, como esposa, saber e escolher quem seria a governanta, verdade?! Rosaleen não gostava de julgar as pessoas sem antes conhecê-las, porém, os céus a perdoassem, ela realmente não gostara da tal mulher. Havia algo, diria ela que dentro do seu peito, que a levava a sentir uma antipatia pela tal lady. Uma governanta que se vestia de vermelho? Acreditava que não. Nervosa, Rosaleen colheu algumas rosas de coloração rosada e depositou na cesta ao seu lado. Estava de joelhos na grama, a umidade da noite deixando o tecido de seu vestido de musselina cada vez mais encharcado. Deu de ombros, pouco se importava com isso. Mesmo que seu marido, se a visse, a repreenderia por um ato tão fora de tom para uma duquesa. Bem da verdade ainda não havia se acostumado com o fato de que agora era uma pessoa importante na sociedade. Podia usar vestidos luxuosos e dormir em camas maiores que sua antiga cabana, mas continuava a mesma que corria descalça pelos campos, um pouco mais comportada talvez, mas, mesmo assim, sua essência, continuava a mesma, guardada


ali dentro dela. Não fora rompida nem por aquela horrível noite em que tudo mudara. Rosaleen pegou uma rosa despetalada que caíra ao chão e franziu o cenho. Algo havia mudado. Percebia agora que fora a primeira vez que pensara naquela noite havia dias. E também, não tivera pesadelos a respeito. Ela sorriu. Bom Deus! Estivera tão envolvida com o marido, tão feliz, que deixara espontaneamente que sua alma se libertasse de tal medo, permitira mesmo sem perceber que o passado se enterrasse e a permitisse viver. Sim, era motivo para que ela sorrisse, para que se sentisse feliz. Oh Deus, realmente estava feliz. Faltava, porém, apenas duas coisas; O amor de seu marido, e um bebê rosado com olhos iguais aos do pai. Deixou a mão roçar o próprio ventre. Será que já estava grávida? Poderia, na noite passada, seu marido ter depositado sua semente dentro dela? Ou, quem sabe... Ela deveria tocar a flauta de Stephen? Será que isso ajudaria? Se fosse pelo bebê, ela faria, com prazer.

Sua maldita mão latejava terrivelmente. Stephen praguejou alto, pouco se importando com os cavalariços que o viam tentar segurar as rédeas do cavalo com a mão machucada. Mesmo com a bandagem


que Rosaleen colocara em sua mão, havia marcas de sangue infiltrando no pano. Era certo que havia se esforçado demais e que agora as dezenas de cortes sangravam. Gemeu com a constatação do verdadeiro esforço que fizera. Conduziu o garanhão para fora da baia e saiu pela lateral do solar, em direção aos vinhedos. Ah sim, o esforço da noite passada, em que tivera Rosaleen durante horas seguidas provavelmente fosse o motivo de seus machucados doerem como o inferno naquela manhã. Mas não mentiria dizendo que não havia gozado da presença da esposa colada ao seu corpo, recebendo-o convidativamente dentro dela. Havia a possuído tantas vezes durante a madrugada, que na última vez em que saíra dela, Rosaleen já jazia em seus braços, dormindo profundamente, com um sorriso satisfeito nos lábios. Stephen também ficara satisfeito, tanto que mesmo fortemente dividido entre o desejo de permanecer ao lado da esposa e o instinto que lhe ordenava para voltar à sua cama fria do outro lado do corredor, deixou que a impulsividade e o calor do corpo de Rosaleen vencesse. Acordara muito cedo, com a esposa enrolada nas mantas, do outro lado da cama. Sabia que ela estava nua e somente isso bastou para que seu membro endurecesse rapidamente. Por pouquíssimo não a tomou nos braços e a despertou com beijos e carícias. Provavelmente fora


aquele último resquício de humanidade que não o deixaram fazer tal coisa. Seu desejo por Rosaleen não abrandava. Ele pensava que sim, possuí-la algumas vezes bastaria para aplacar toda aquela luxuria, porém era evidente que o efeito havia se tornado contrário. Quanto mais fazia amor com Rosaleen, mais a desejava. Era como o ópio em suas veias, inebriando-o e o fazendo pedir por mais. E ele fraco, sucumbia sempre aos encantos sensuais da esposa, que, como o pecado, também mostrara-se deleitosa ao descobrir o quão prazeroso poderia ser o ato carnal. Jamais Stephen imaginara que Rosaleen seria tão infernalmente quente daquela forma. Pensava assim, porque sabia exatamente o que tinha acontecido a ela, e que isso deixara marcas profundas. Stephen sabia também que as coisas não eram somente voltadas ao prazer de se deitar com sua esposa. Havia problemas também. E um desses, chamava-se Cristine. Recebera uma carta de Cristine ainda em Paris, ela pedindo desesperadamente que ele a ajudasse, pois encontrava-se sem posses e a um passo de morar na rua. Gostava de lady Cristine, afinal, tinham um passado juntos, e o que parecia, um futuro também. A última vez que a vira fora assim que voltara para a França, com o rosto enfaixado, escondido de todos. Cristine fora muito


amável com ele, oferecera a ele sua casa, dissera que cuidaria dele, pois devia-lhe isso. Stephen obviamente não aceitara. Sua relação com Cristine sempre fora muito conturbada, conhecera-a ainda pequeno e logo no primeiro contato, odiou-a. Anos mais tarde, voltaram a se encontrar, porém nunca revelando a sociedade qual a verdadeira relação entre os dois. Se o fizesse, possivelmente seria o maior escândalo possível. Agora Cristine voltara, e Stephen, sem opção, tivera que a recolhe em sua casa como governanta. Não conseguira contar a Rosaleen sobre isso e, provavelmente, naquele momento as duas já haviam se encontrado. Ao menos ele havia deixado muito claro a Cristine quem era Rosaleen e como deveria se comportar diante dela. Teve vontade de esmurrar a si mesmo. Não bastava uma mulher em sua vida, agora tinha duas. Qual seria a reação de Rosaleen diante de lady Cristine? E pior ainda, o que diria a ela? Pensar em tudo isso o deixou irritado. Parecia que depois de tantos anos perdido nas sombras, Stephen tinha encontrado um ponto de luz ao qual se agarrar, Rosaleen, mas como sua vida sempre fora envolta na escuridão, naquele momento estava sendo arrastado novamente para baixo. Confessaria intimamente que Rosaleen mudara muito sua vida desde que fora jogada na porta de sua casa. Ela promovia nele uma mistura desconhecida de


sentimentos. Irritava-o, incendiava-o e o deslumbrava com sua doçura. Odiava ter essas coisas intimidando-o, porque jamais fora homem de sentimentos e pouco se importava com o dos outros, principalmente as mulheres. Usava-as e as descartava. Simples, fácil. Mas com Rosaleen não, não podia. Esporeou o cavalo até chegar ao início dos vinhedos, onde deixou o animal amarrado em uma das estacas de madeira. Ignorou os trabalhadores que colhiam as uvas, assustados pela aparência dele, e caminhou por entre as parreiras, tentando colocar os pensamentos em ordem.

— Devo esperar Stephen para que o almoço seja servido, vossa alteza? –Cristine estava parada ao lado da mesa do salão das refeições, e Rosaleen, sentada em uma cadeira à lateral. Tinha as costas eretas, o rosto inexpressivo. — Considera ter muita intimidade para se referir a meu marido pelo nome de batismo? –perguntou, lançando um olhar inquisidor à mulher. Lady Cristine esboçou um sorriso malicioso. — Vossa alteza não imagina o quanto. Stephen e eu temos uma relação de proximidade muito grande. – puxou as pontas do cabelo louro para trás da orelha,


enfatizando sua sensualidade característica. Rosaleen apertou o garfo na palma da mão. Seu coração estava acelerado, tinha subido para a garganta, e agora ela tentava manter a calma, ou certamente iria voar naquela loura vulgar. Em vez disso, movimentou um pouco os ombros e empinou o nariz, precisava mostrar quem mandava ali. — Sirva o almoço. Não esperarei por meu marido. –ordenou, mal olhando quando Cristine saiu rodopiando as saias vermelhas para a cozinha. Quando ficou sozinha, Rosaleen finalmente deixou o ar ricochetear por seu pulmão. Precisava descobrir o que havia entre Stephen e Cristine. Não era boba, sabia que era comum os maridos terem relacionamentos extraconjugais, os quais a maioria das esposas agradecia a Deus por isso, porque não desfrutavam das relações íntimas e nem amavam os maridos. Só que no caso de Rosaleen, ela amava o marido e desfrutava muito em fazer amor com ele. Então, não permitiria que ele colocasse a amante dentro de casa. Ela mesma colocaria aquela loura para fora.

Stephen não apareceu para almoçar. E isso serviu apenas para inflamar a ira de Rosaleen, que subira para o quarto para descansar e pensar. Ficara trancada por horas,


refletindo sobre o que fazer. Tinha saído até o corredor para pedir chá a uma criada que passava com várias mantas de linho, quando estranhou ver o quarto ao lado do que Stephen ocupava sendo varrido e limpo. Perguntara à lavadeira o motivo da limpeza repentina, e a criada respondera apenas que limpavam o quarto de lady Cristine. A mulher dormiria ao lado de Stephen. Não, isso ela não permitiria. Voltara para seu quarto, para vestir um xale escuro e botas mais confortáveis. Desceu as escadas pulando os degraus e atravessou os salões sem dar atenção a ninguém. Falaria com Stephen. Contornou o solar e foi pisoteando até o estábulo. Os cavalariços, assustados com sua presença ali, correram para ajudá-la. — Onde está milorde? –perguntou ao primeiro que apareceu em sua frente. O rapaz, muito jovem, olhou para todos os lados, procurando pelo patrão. — Ele almoçou conosco, vossa alteza. Depois lady Cristine veio atrás dele, e os dois caminharam em direção ao roseiral. –explicou, totalmente sem jeito. Rosaleen sentiu um formigamento na nuca.


Sem falar mais nada, seguiu na direção indicada. Quase correu, porém, dignou-se a agir como a dama que era. Não demorou muito a encontrar o marido. Nem Cristine. Na verdade, encontrara os dois. Juntos. Abraçados. Rosaleen sentiu o mundo rodopiar a sua volta. A loura de vermelho estava com os braços em volta do pescoço de Stephen, abraçando-o fortemente, enquanto ele tentava se livrar dela. Com os pés presos no chão, Rosaleen sentiu as lágrimas queimando em suas bochechas, escorrendo amargamente de seus olhos. Devia estar preparada para isso. Mas, não estava! Como estava a poucos metros dos dois, ela levou a mão à boca para controlar os soluços que se apossavam de sua garganta. Não queria que eles a vissem. Virou-se para correr, mas quando deu o segundo passo, seu vestido enganchou-se nos espinhos de uma roseira, rasgando-o, e a desequilibrando. Rosaleen foi ao chão com um baque. Caiu de joelhos, as mãos espalmadas na grama, o vestido ainda preso. Foi sua ruína, era a única coisa da qual não precisava. Não conteve mais os soluços.


— Rosaleen. –Stephen gritou, correndo até ela. Tinha ouvido algo se chocar contra o chão, enquanto Cristine tentava o abraçar. Quando vira Rosaleen caída no chão, fora fácil imaginar que ela tinha presenciado a cena. Ele se abaixou para ajudá-la, mas Rosaleen o empurrou para longe. — Deixe-me! Não toque em mim! –ela gritou e, em um gesto de desespero, puxou o vestido com toda força, rasgando uma larga faixa, que deixava sua perna exposta. Ela se levantou e, sem dirigir sequer um olhar a ele, se pôs a correr, segurando o que restara de suas saias entre as mãos, os cabelos caindo nos ombros. — Acho que sua esposa ficou com ciúmes, Stephen. –lady Cristine comentou mais adiante, ao rir alto. Stephen a fulminou com o olhar. — Você pagará por isso, Cristine. –ele a alertou e então saiu correndo atrás da esposa.

Rosaleen correu tanto, que quando chegou a seu quarto, não sentia mais suas pernas. Teve força somente para fechar a porta com a chave e se jogar na cama. A pobre pouco teve tempo para se entregar às lágrimas, pois logo ouviu golpes na porta.


— Abra esta porta, Rosaleen! –Stephen gritou do outro lado. Assustada, Rosaleen sentou na cama. — Vá embora! –gritou do seu lado. Mais golpes, dessa vez mais forte. — Se você não a abrir, eu irei derrubá-la. Você não vai gostar disso, Rosaleen! –ameaçou Stephen. Ele não faria isso, faria? Ela cruzou os braços sobre o peito e encarou a madeira da porta. É claro que não faria. — Vá atrás de sua amante e deixe-me em paz! – Rosaleen berrou, em um acesso de raiva. Quando proferiu a última palavra, viu as dobradiças da porta começarem a se romper, assim como a própria madeira, que começou a tremer, e com um estrondo, a porta ser jogada ao chão, revelando um Stephen muito, muito... Bravo. Rosaleen ficou em pé sobre a cama, segurando um travesseiro contra o peito. Os olhos arregalados para o marido, que agora já estava dentro do quarto, mais precisamente bem próximo dela... — Stephen... –olhou para todos os lados, procurando uma rota de fuga. Será que deveria saltar pela janela?


Edmond cercou Rosaleen, deixando-a contra a parede. Ela abraçava o gordo travesseiro como se fosse uma arma, que poderia usar a qualquer momento contra ele. — Desça daí, Rosaleen. –a voz dele saiu baixa, mas firme. Ela negou com a cabeça.— Quero que saia do meu quarto! –apontou para a []]porta, que agora nada mais era que uma passagem aberta. Stephen apoiou o queixo na mão e a encarou. — Até ontem à noite, este quarto também era meu. –a lembrou. Ela sentiu o rosto esquentar. O pervertido! — Pois já disse, vá atrás de sua amante. –cravou as unhas no travesseiro. — Quando iria me contar que decidiu colocar sua amante como governanta do solar? – explodiu. Stephen piscou surpreso e logo depois surpreendeu Rosaleen ao cair em uma gargalhada. — Ora, seu dissoluto! Está rindo de mim! – Rosaleen perdeu a paciência e jogou o travesseiro nele, que apenas deu um passo para o lado. — Entendo. –Stephen pegou o travesseiro do chão e o depositou em cima da cama. — E quando iria me contar que é inglesa, minha querida esposa?


A cama havia desabado ou eram as pernas de Rosaleen? O quarto começou a girar, e ela precisou se apoiar na parede, o que não adiantou muito, pois ela acabou caindo de joelhos no colchão macio. Stephen aproveitou a vulnerabilidade dela para se sentar próximo. Rosaleen estava em completo silêncio, a cabeça baixa, as mãos chispadas sobre o vestido rasgado. — Quando? –ela perguntou sem levantar o olhar. — Logo que a conheci. — Eu não contei... –sua voz morreu. — Não procuro desculpas para assuntos que não são importantes nesse momento, Rosaleen. Voltaremos a falar sobre isso, tenha certeza. –suspirou. — Mas agora você precisa saber algumas coisas sobre Cristine. Ela o fitou, os olhos vermelhos das lágrimas. — Não quero saber nada sobre ela. –alfinetou. Ele a ignorou e começou a falar: — Conheço Cristine há muitos anos. Ainda era pequeno quando a vi pela primeira vez, e logo a odiei. Meu pai enviou ela para longe. Na época fiquei feliz por isso. Anos depois voltei a reencontrá-la, e incrivelmente nos demos bem. Ela precisava de ajuda, e eu fiz o que pude por ela. –parou por alguns segundos, passando a mão pela máscara. — Quando voltei do campo de batalha ela veio até mim, mas eu a afastei, não queria sua piedade.


Fiquei anos sem vê-la, até receber uma carta sua em Paris, pedindo que eu a ajudasse novamente, pois estava sem um franco. — E então resolveu trazê-la para o solar, sem ao menos me avisar? –Rosaleen perguntou magoada. Stephen sorriu. Sorriu! — Cristine é minha irmã, carinho. — Perdão? — Cristine é filha bastarda do meu pai, Rosaleen. Rosaleen o encarou fixamente. Irmã? — Ela estava agarrada a seu pescoço. –acusou. Ele deu de ombros. — É possível que ela tenha visto você e tenha tentado fazer uma cena. O estilo de vida de Cristine é muito... Livre. –ele estava tentando dizer que ela era uma mulher da vida? — Oh Deus... –ela murmurou, mortificada. E brava, porque era evidente que tinha motivos, sim?! — Então ela não é sua amante? — Não. Ela mordeu o lábio, desviando o olhar. — E quer dizer que eu rasguei meu vestido à toa, e você derrubou a porta do meu quarto sem motivos? – perguntou timidamente.


Stephen balançou a cabeça. Ela fechou os olhos. — Há uma coisa boa em tudo isso. — Qual? –Stephen só podia estar louco. Ele levantou e ofereceu a mão a ela. — Você não poderá dormir aqui essa noite, esposa. Por isso levarei você para um passeio, e passaremos a noite em um lugar especial. Aceita? – Rosaleen olhou para a mão estendida em sua frente, com a boca seca. — Mas devo adverti-la que há uma condição. — Sim? Os olhos de Stephen escureceram, como se alguma emoção sombria o percorresse. — Que nessa noite você se entregue a mim completamente, Rosaleen. Sem reservas, sem medos. E eu não falo somente em sexo, má chérie. Eu quero sua alma, não apenas seu corpo. Você vem? Rosaleen colocou a mão sobre a dele, com toda a certeza do mundo sobre o que faria. — Sim, eu irei.


CapĂ­tulo Vinte e Quatro


Caminhar por entre as rosas no frio da noite, de mãos dadas com o marido, foi com certeza a sensação mais incrível que Rosaleen já sentira até então. Era realmente dificil explicar, mas ela sabia que enquanto percorriam o imenso jardim, sob a lua prateada os iluminando, era como se Stephen a levasse para conhecer um grande segredo. O modo como ele falara, instigara-a a segui-lo. Entregar-se a ele. De corpo, e alma. Era o que mais desejava, e ouvir aquilo a fez ter ainda mais certeza de que teria o amor de Stephen. Sim, faria com que seu marido a amasse. Aproveitaria aquela noite para desnudá-lo, revelar cada uma de suas feridas, e curá-las a beijos. Sorriu na escuridão. Permitiu que Stephen a guiasse, e mesmo sem saber para onde iam, sentiu-se segura, livre. O coração acelerado, as mãos suando dentro das luvas de pelica. Percebeu alguns poucos metros a frente uma construção de pedra, provavelmente uma pequena casa, com luzes iluminando o interior. — Stephen? –chamou. Ao ouvi-la, ele parou de repente. Mesmo no escuro, Rosaleen sentiu o olhar dele sobre ela.


— Que lugar é esse? –perguntou. Sua curiosidade atingindo níveis extremos. Stephen apertou de leve a mão da esposa. — Estamos nos limites da propriedade. É uma antiga casa usada por peregrinos que percorriam as estradas. Possivelmente esteja aí há mais de um século. – explicou, com uma nota de orgulho na voz. Rosaleen admirou a construção iluminada pela claridade da lua. Eram pedras de granito enormes, todas posicionadas perfeitamente uma sobre a outra. Havia apenas uma porta e uma janela, as quais subiam desde o chão até as marquises. Stephen a conduziu até a entrada da casinha, abrindo a porta com a chave que retirou do bolso do casaco. Entrou, inspecionou o local e depois fez com que Rosaleen entrasse. Ela segurou o xale de lã nos ombros para se acostumar com a temperatura dentro da casa. Era apenas um cômodo. Na parede à frente, uma pequenina lareira de granito em que uma chama ardia sorrateira, mas suficiente para aquecer a quem precisasse. Havia também duas cadeiras e uma mesa quadrada, revestida por uma toalha branca de renda, e várias bandejas de comida, e uma garrafa de vinho. Surpresa, voltou-se para Stephen.


Ele estava ainda próximo à porta, retirava o casaco e as luvas de couro. Diante da interrogação no olhar dela, apenas deu de ombros. — Ordenei que um criado viesse na frente e nos provesse de comida. Ela fez um gesto assentindo. Olhou para os lados, pensativa sobre o próximo passo. Percebeu uma cama espaçosa encostada em uma parede, que dava a impressão de ter sido previamente escovada e limpa. Poderia... Deixou o xale em cima de uma cadeira e se aproximou da cama. — Passaremos a noite aqui? –perguntou, percorrendo um travesseiro com a ponta do dedo, sedutoramente, mesmo que ignorante sobre isso. Stephen engoliu em seco. — Se está perguntando se dormiremos aqui, a resposta é não. –caminhou para mais perto dela. — Porque passaremos a noite ocupados com coisas que deixam qualquer pessoa desperta para o sono. Ela parou de brincar com o travesseiro imediatamente. — Todos os homens são assim? –questionou, confusa.


Stephen franziu a testa. — A que se refere? –do que ela falava? Rosaleen riu baixinho. — Estou falando sobre o ato carnal... Todos são tão ávidos quanto você, marido? –a voz tremeu um pouco, constrangida pela ousadia. Edmond passou a mão pelo queixo, achando graça da pergunta de Rosaleen. — Temo não saber nada a respeito dos outros homens, mas posso assegurá-la, minha adorável esposa – quebrou a distancia entre os dois. Deixando o corpo bem próximo ao de Rosaleen. — De que minha avidez por você é infinita. –com a leveza de uma pluma, passou a ponta dos dedos pelo ombro descoberto dela. — Eu poderia possuí-la durante noites sem fim, e mesmo assim seria necessário a eternidade para que eu me sentisse realmente satisfeito. Rosaleen congelou diante de tais palavras, e do sutil toque. Era dificil convencer a si mesma de que Stephen ainda não amava. Como um homem poderia dizer coisas tão belas, e não nutrir nenhum sentimento amoroso por ela? — Devemos comer. –sussurrou, desviando o olhar. Stephen não se moveu. Continuou a olhá-la


daquela maneira estranha, diferente. — Gosto quando fica ruborizada. –acariciou a bochecha de Rosaleen e se afastou. Foi até a mesa e se sentou, indicando com um gesto brusco que a esposa fizesse o mesmo. De cabeça baixa, Rosaleen fez o que ele mandou. Edmond removeu as tampas das bandejas, revelando várias porções de carne fria e queijos, além de pães de cereais e frutas. Ainda um pouco tímida, Rosaleen serviu-se da comida, enquanto Stephen servia vinho aos dois. — Brinde comigo, Rosaleen. –ele ergueu a taça na mão e esperou por ela. A esposa, sem entender, olhou para a taça. — Erga sua taça e encoste na minha. –levou a sua mais próxima da dela, e suavemente a ensinou como fazer, levando depois, a bebida aos lábios. Rosaleen espiou o conteúdo arroxeado e inalou o perfume cítrico. Dando de ombros, tomou um longo gole. Arregalou os olhos ao sentir a queimação em sua garganta. — É a primeira vez que bebe vinho? –perguntou Stephen, comovido pela situação dela. Ela lambeu os lábios e devolveu a taça à mesa. — Meu pai nunca permitiu, apesar de não termos condições, também.


— Entendo. –murmurou. Claro que entendia. Ficava cada vez mais claro a forma como Rosaleen vivera no passado. E isso o angustiava terrivelmente. — Deixe que a bebida circule por sua boca, permita-se sentir o gosto adocicado. Quando considerar o vinho muito forte, balance a taça devagar. –instruiu. Rosaleen segurou novamente a taça e fez como o marido ensinara, saboreando o sabor doce da uva, que explodia em sua língua. — Devemos bater nossas taças novamente? Stephen mordeu um pedaço de faisão. — Apenas uma vez, carinho. Fazemos isso antes de bebermos pela primeira vez. –ingeriu mais um pedaço de carne, e em seguida pão. — E há algum significado nisso? –Rosaleen beliscou uma fatia de queijo de cabra e se deliciou com a textura macia. — Os romanos acreditavam que ao bater um copo no outro, o possível veneno se depositaria no fundo das taças. –Stephen comentou. Rosaleen apertou os lábios, cética. — Não se preocupe, esposa. Garanto-lhe que não a envenenaria. –sorriu maliciosamente. — Como eu poderia fazer tal coisa, se planejo fazer amor com você a noite toda?


— Não consigo acreditar que alguém consiga fazer amor uma noite inteira. –falou ao comer mais uma porção da comida. Edmond colocou os cotovelos sobre a mesa e chegou mais perto da esposa. — Comprovaremos sua teoria mais tarde. –voltou a encostar-se na cadeira e cruzou os braços. — Agora termine sua refeição, Rosaleen. Ela sequer o olhou, apenas cravou o garfo em um pedaço de maça e mordeu com força.

Rosaleen estava sozinha na casa. Stephen tinha saído para buscar lenha em um abrigo ao lado. Ela estava sentada em uma cadeira próxima a fogueira, esquentando-se com o calor agradável do fogo. Pela primeira vez em semanas, permitiu a si mesma sentar mais relaxada, sem deixar os ombros e a coluna reta, como lady Sophie ensinara. Sabia que era como uma dama, uma duquesa deveria comporta-se, porém, precisava admitir que a posição era muito desconfortável. Quando vivia em sua cabana, não necessitava de maneiras educadas, precisava somente sentar sobre o tapete de lã ao lado do fogão e esticar as pernas, cansada do dia de trabalho. Aquela era a verdadeira Rosaleen, não aquela


voltada para o luxo, educada e refinada. Porém, era essa a mulher que Stephen precisava ao seu lado. E, por isso, ela seria. Stephen voltou dentro de pouco tempo. Carregava um feixe de lenha e gravetos, que os deixou ao lado do fogo. Ajoelhou-se e alimentou as chamas, fazendo-as aumentarem consideravelmente, e consequentemente permitindo uma maior claridade na casa. Rosaleen estava atrás dele, ainda sentada, relaxada na cadeira. Ela o observava, ele podia sentir seu olhar em suas costas, e isso o fazia queimar. Não pelo fogo, e sim de desejo. Nem o ar frio da noite fora capaz de diminuir o calor liquido que transcendia em suas veias, que pulsava em seu pênis, pedindo desesperadamente por liberação. Decidido, ficou de pé e foi até a esposa. — Levante-se. –sua voz soou mais rouca e forte do que imaginava, mas a esposa obedeceu prontamente. Ele começou a desabotoar a frente do vestido dela lentamente, deixando propositalmente que seus dedos escorregassem pela pele de Rosaleen. Ela tinha os olhos voltados para baixo, e não era o que ele queria. Desejava contato, que ela o fitasse, sentisse as mesmas emoções que o atravessavam. — Quero seus olhos nos meus a todo momento, Rosaleen. Não os desvie. Ela não faria. Era impossível. O olhar de Stephen


era tão intenso, de um verde quente, e arrasador, que não a permitia focar qualquer outra coisa. Estava presa neles. Ele puxou o vestido para longe do corpo de Rosaleen e o deixou cair no chão. Precisou se concentrar muito para que a silhueta arredondada dos seios dela não o fizessem jogá-la no chão e a possuir. — Quero você completamente nua, Rosaleen. Sem nenhum objeto impedindo que eu veja seu corpo. –juntou as mãos dela e as colocou sobre o corpete de fitas que ela usava. — Dispa-se, má chérie. Pode fazer isso por mim? — Sim. –sim, sim! Ela faria, mesmo que mal soubesse como e por onde começar. Seus dedos tremeram um pouco ao puxar as fitas de cetim da peça, e desamarrá-lo sem criar qualquer nó. Enquanto Rosaleen trabalhava em seu corpete, Stephen também começou a dispor-se de suas roupas. Ele, porém, o fez mais rapidamente, retirando o casaco e a camisa com puxões fortes, a calça já apertada contra sua virilha voou pelo ar sem a mínima preocupação. Graças a Deus não usava roupa de baixo. Rosaleen mal percebeu que o marido estava nu em sua frente, até que também terminou de se despir. Finalmente conseguira –com muito afinco tirar todas as peças de roupas, que naquele momento já considerava muito pouco praticas a uma mulher que passaria todas as


noites nos braços do marido. Mas, quando viu, de relance o peito firme, a pele bronzeada, e mais para baixo... A enorme ereção do marido, teve uma grande certeza de que fora abençoada pelos céus. Naturalmente, ela sabia que não era muito cortês encarar aquela parte da anatomia masculina com tanta insistência, mas acontecia que novamente sua curiosidade sobrepunha-se a qualquer coisa e... Santo Deus! Aquela peça estranha do marido estava crescendo, bem ali, diante de seus olhos! Ela abriu a boca, em choque. — Oh, isso caberá em dentro de... –gaguejou, ainda assustada. Stephen esforçou-se para não rir. — Você não está completamente nua, ainda. – tomou a mão esquerda de Rosaleen e puxou a aliança do dedo anelar, jogando-a em cima da mesa. — Quando eu disse que não queria nada em seu corpo, eu falava sério, Rosaleen. Na verdade, a única coisa que estará em você será meu pênis. Ela cambaleou. Era dificil acostumar com a franqueza de Stephen. — Podemos ir para a cama? Estou com frio. – reclamou, cobrindo os ombros com as mãos, inutilmente. Edmond balançou a cabeça.


— Recorda que eu disse a você que se pode fazer amor em diversos lugares, alguns inimagináveis? Rosaleen recordava, certamente. — Sim. Stephen a pegou pelo braço e a levou até a cadeira, sentando e depois a fazendo fazer o mesmo, só que em seu colo. Assustada, ela se apoiou em seus ombros. — Cadeiras... –balbuciou, agora sim lembrando de ele ter citado o objeto. Ele a posicionou em suas pernas, e começou a acaricia-la na parte interna das coxas. Subindo e descendo, dedilhando linhas imagináveis. — Coloque seus seios em minha boca. –Stephen pediu. Oh, ela fez. Inclinou o corpo contra o dele, segurando as laterais da cadeira, e deixou os seios pairarem próximos aos lábios do marido. Rapidamente, ele agarrou um mamilo, puxando para dentro da boca, e o sugando avidamente. As mãos de Stephen subiram para as dobras da intimidade da esposa, primeiro explorando-a lentamente, conhecendo cada milímetro daquele precioso paraíso. Quando ela começou a mover-se sobre sua mão, e


suspirar, Stephen aumentou o ritmo. Rosaleen, tão próxima do êxtase, endureceu o corpo, a cabeça caindo para trás. Mas, então o marido parou. — O quê? –grunhiu, brava. Stephen segurou o rosto dela nas mãos e a beijou profundamente. — Os dois juntos, carinho. Vamos, sente-se sobre meu quadril e me acolha dentro de você. –suspendeu o corpo da esposa e a ajudou-a a abaixar-se novamente. Entrou nela sem pressa, sentindo como a umidade morna o enlouquecia. Assim que estava profundo o suficiente, Stephen começou a se mover, instigando Rosaleen a acompanhalo. No começo ela precisou de ajuda para aprender como proceder, mas logo por instinto deixou-se perder. Stephen abraçou a esposa, colando os lábios no pescoço dela, ao mesmo momento que entrava e saía de seu corpo, cada vez mais rápido de frenético. — Stephen! –ela gritou. A cadeira já não suportava os dois, e Edmond, um pouco trôpego, levantou com ela ainda colada em si e a carregou para a cama. Deitou-se de costas e fez com que Rosaleen continuasse sobre ele. — Cavalgue em mim, Rosaleen. –falou entre


dentes, apertando as nádegas dela com força. Perfeito. Naquela posição, Rosaleen soube o que fazer, sentiu-se segura. Movimentou-se, para frente e para trás, roçando seu clitóris na pelves de Stephen. Ele ajudou, empurrando o quadril para cima, entrando até o fim. E foi o fim. O mais perfeito, mais intenso para os dois. Ela, com o corpo inclinado para trás, os cabelos caindo nos ombros, os lábios separados, os olhos fechados, exatamente como uma deusa pagã. Ele, imóvel debaixo dela, com as mãos presas na pele de Rosaleen, a boca aberta em um grito mudo, os olhos apertados atrás da máscara preta. O prazer espalhando em cada membro de ambos. Rosaleen não suportou mais, esperou ele sair de dentro dela, e caiu nos braços do marido, sendo abraçada em seguida. O velho conhecido silencio pós coito nublou sobre os dois. Mas não foi incomodo. Foi tranquilo, o quarto envolto somente pelos estalos provocados pela madeira queimando no fogo. — Não gosto da sua irmã. –ela falou, por fim. O peito de Stephen balançou. Estava gargalhando!


— Eu sei, mas teremos que fazer um esforço e suportá-la por algum tempo, carinho. –deslizou as pontas dos dedos pela coluna dela, provocando calafrios deliciosos. — Cristine está grávida, Rosaleen. — Mas, como...? –ela ergueu os olhos para ele, perdida. — Ora, você sabe muito bem, Rosaleen. –ele lhe dirigiu um olhar significativo. Ela revirou os olhos diante da resposta. — Tudo bem, sei o que está querendo dizer. –ele suspirou. — Cristine tem uma vida que deixaria uma dama chocada, Rosaleen. Não entrarei em detalhes, mas posso dizer que quando a encontrei novamente ela vivia em um bordel. Meu pai nunca a reconheceu, a mãe era pobre e foi o único caminho que ela pôde seguir. — Você não a ajudou? — Não, e me culpo por isso. Esse é motivo pelo qual estou a ajudando agora. Consciência, pode-se dizer. –explicou. — E o pai da criança? Stephen abraçou mais forte Rosaleen. — Provavelmente ela nunca saberá. É algum cliente do bordel. Agora você entende, Rosaleen? Vê por que não posso deixa-la na rua? É uma criança, carinho. E ela vai precisar de um lar. –fechou os olhos, a imagem de


um menino sozinho, vagando pelo campo. Rosaleen se apoiou no peito dele para fita-lo. — Eu o apoiarei. Estarei ao seu lado. Acho que Cristine e eu ainda podemos ser amigas. –tentou sorrir. Ele entrecerrou os olhos. — Acredito que será um pouco dificil, mas afinal, quem resiste a sua doçura, esposa? –afagou o lábio dela. O olhar de Rosaleen foi para o rosto dele, e então teve um desejo incontrolável de retirar a máscara. Levou a mão para fazê-lo, mas ele a segurou. — Não faça. — Quero vê-lo sem ela, por favor. –pediu baixinho. Ele negou. — Não sou belo, Rosaleen. Deve saber que meu rosto é coberto por feridas, e que sem está máscara me torno a Fera. –fechou os olhos para evitar um confronto. Rosaleen engoliu o nó que se formou em sua garganta, e se esforçou para mudar de assunto. E qual maneira melhor do que usar sexo como objeto para isso? — Quero tocar sua flauta, Stephen. –falou decidida. — O que disse? –flauta? Tocar flauta? Ela sentou na cama e apontou o dedo para a


virilha dele. — Esta aqui. –dobrou o corpo e abaixou o rosto para mais perto daquela região. Stephen endureceu na hora. Ela iria...? — Tem certeza disso? Ela tinha. Tanto, que não o respondeu. Estava ocupada colocando em prática tudo que aprendera. — Quem lhe ensinou isso? –o marido conseguiu perguntar, quase num gemido. Rosaleen parou por um momento. — Tia Sophie. –respondeu antes de voltar a contornar a ponta rosada com a língua, e depois estendendo os movimentos pelo comprimento. Stephen queria rever a tia, somente pra dizer; obrigada!

Assim que Rosaleen concluiu sua perfeita apresentação de como tocar uma flauta, Stephen a possuiu novamente. Dessa vez com mais ímpeto, mais selvagem, ela debaixo dele, agarrada em seu pescoço, gemendo palavras incoerentes. Era madrugada e os dois ainda estavam acordados. Stephen deitado, vestido apenas com a calça, com uma taça de vinho nas mãos, e Rosaleen nua,


esparramada sobre ele. O fogo recém alimentado aquecendo o cômodo, a paz reinando. — Stephen, por que não o ouço falar sobre a batalha a qual participou? –Rosaleen tomou coragem para perguntar. A mão dele parou de correr por seus braços, e ouviu o coração do marido acelerar. — Desculpe-me, eu não... — Nunca contei a ninguém. –Stephen moveu-se na cama, colocando a taça já vazia no chão, e depois aconchegando-se a Rosaleen. — Não gosto de falar sobre isso. Mas eu disse que queria sua alma esta noite, verdade? Pois, acho justo contar sobre meu passado também. Rosaleen fechou os olhos, preparando-se para o que viria. Senhor! Ele contaria tudo a ela. — Desde muito cedo fui treinado por meu para ser um homem de verdade. –começou. — Ele não permitia que eu me distraísse de minhas aulas, que começaram logo cedo. As crianças das propriedades vizinhas brincavam pelo campo, enquanto eu ficava trancado na biblioteca estudando números e filosofia. Passava o dia todo assim. Nas horas livres, principalmente no final do dia, meu pai me levava até o campo, onde me ensinava a agir como homem. –molhou os lábios, ressecados. — Imagine um


menino franzino lutando contra um homem alto, corpulento, que não tinha pena em bater, provar que um soco podia doer muito. Foram anos dessa forma, recebendo chicotadas, torturas, porque segundo ele, a humilhação era a forma de construção do caráter de um homem. Quando completei vinte anos, fui enviado para a Université, em Paris. Estudei lá por muitos anos. Quando voltei, meu pai havia comprado uma patente para mim no exercito. A mão de Rosaleen apertou a de Stephen, em um gesto de afeto. Ele gostou disso. — Meu pai morreu poucos meses antes de eu ser convocado para lutar junto de Bonaparte. Por minha honra, eu fui. Foram os dias mais infernais da minha vida. Posso ouvir os gritos todas as noites ao meu redor. Achamos que seria fácil, que venceríamos facilmente. Mas eles estavam em maior número, e nos aniquilaram em pouco tempo. Amigos que conheci, perderam suas cabeças, outros foram capturados e torturados bem diante de nossos olhos. Eu confesso vergonhosamente que durante a noite, quando estávamos acampados atrás dos morros, ouvindo os gemidos e os pedidos de ajuda a minha volta, eu queria chorar, queria voltar para casa. Nessas horas eu apenas olhava para o céu e tentava esquecer a morte, a fome e o desespero. Me imaginava em Bordeaux, cavalgando nos prados verdes.


Rosaleen limpou as lágrimas que escorriam por seu rosto. Doía ouvir tudo aquilo. — Foi nessa noite que lutei pela última vez. Estávamos dormindo, esgotados na terra fria, quando ouvimos o conhecido grito de guerra. Fomos atacados, e como não tínhamos nossas armas à mão, a maioria morreu sem chance de lutar. Eu tinha minha espada ao meu lado, e por isso consegui me manter vivo, mas em contra partida meu rosto foi marcado. –instintivamente tocou a máscara. — Como conseguiu suportar tudo isso? Como? – Rosaleen tapou os olhos marejados com as palmas das mãos. — Eu não suportei. Estou marcado por cada segundo daquele tempo, as memorias não vão, e nem os fantasmas. –confessou. — E depois de tudo, como pode não me odiar, mesmo sabendo que sou inglesa? Stephen tirou o cabelo que caía sobre o rosto dela. — Eu não odeio os ingleses, Rosaleen. Meu ódio é destinado ao homem que faz guerra, e não a seu povo. Eles não tem culpa, você não tem. –explicou, e Deus era testemunha como tudo era verdade. Rosaleen tomou várias respirações longas, tentando compreender tudo aquilo. Stephen era bom. Era


um homem honrado. Seu coração era enorme, mas seu corpo era marcado. Sua alma estava quebrada. Mas ela o curaria! Libertaria ele de todo aquele sofrimento. — Stephen? — Sim? Ela procurou os olhos dele, e com as mãos em cima do coração do marido, confessou: — Eu amo você.

Capítulo Vinte e Cinco — Mamãe! –o garotinho de olhos verdes apareceu por entre as árvores, correndo com os cabelos bem aparados balançado ao vento. Ao chegar ao lado da mãe, ergueu a pequenina mão, mostrando a flor amarela que havia encontrado no meio do campo. A mãe sorriu, inalando o perfume da flor. — É linda, meu amor. –elogiou, acariciando os cabelos do filho, brincando depois, com o nariz dele, fazendo carinho. A criança riu, jogando-se nos braços da mãe, jogando-a contra a grama, fazendo-a perder o


equilíbrio. Os dois abraçados, deitados à sombra de uma árvore de copa alta. — Gosto muito de você, mamãe. –o garotinho colou o rosto na curva do pescoço da mãe, sentindo o conhecido perfume de baunilha e o calor aconchegante do corpo dela. — Eu também, meu querido. –beijou o rosto do filho e o abraçou com toda a força possível para ela. — Eu o amo muito, filho. Lembre-se disso sempre. A respiração da criança se alterou, as pequenas mãozinhas agarradas à mãe, como se todo seu mundo fosse centrado a ela. — Não me abandone, mamãe. –ele suplicou. A mãe olhou para o céu, as nuvens acima de sua cabeça, e permitiu que algumas lágrimas rolassem secretamente. — Jamais, Stephen. Estarei sempre ao seu lado. –sussurrou ela. Uma semana mais tarde, Stephen retornara ao mesmo lugar onde estivera com a mãe. Dessa vez estava sozinho. Ela havia partido, deixara-o. Ergueu os olhos para a imensidão sobre sua cabeça e deixou que um choro compulsivo o tomasse.


Stephen ficou paralisado, seus olhos fitando incredulamente sua esposa em seus braços. Olhava-a, mas não a via. Pudera talvez, ter sido apenas mais uma de suas débeis alucinações, daquelas que o atormentavam quando ele menos esperava? Oh, mas não era. Rosaleen realmente havia dito que o amava. E ele não sabia como reagir, por isso ficou ali, como se o tempo tivesse congelado e os minutos e segundos se tornado eternos. — Stephen. –Rosaleen o chamou com a voz embargada. Não fora algo premeditado, dizer que o amava, daquela forma. Acontecera, deixara-se levar pela emoção do momento. Porém, não pensara que ele reagiria daquele jeito. Nervosa, ela tocou o rosto do marido, os dedos serpenteando pelo queixo rígido. — Stephen, perdoe-me. Eu não deveria ter... – Rosaleen foi calada pelos lábios dele, inesperadamente, em um beijo dominador e possessivo. Ainda a beijando, Stephen se colocou sobre ela.


Suas mãos tomando rumos pelas direções tão conhecidas do corpo da esposa. Agarrou-lhe um seio com força, apertando o mamilo entre o indicador e o polegar. Rosaleen arfou, em choque pelo toque. — Não a perdoarei por dizer que me ama, Rosaleen. –aumentou a pressão, tornando a carícia mais intensa e mais perturbadora. — Por favor. –ela choramingou. A respiração de Stephen estava acelerada, sorvia o ar em golfadas, seus ombros balançando violentamente. Rosaleen temia que ele perdesse o controle. — Não quero seu perdão. Quero seu amor, Rosaleen. –ele soltou o mamilo do cativeiro de seus dedos, para abocanhá-lo. Sugou avidamente, lambendo e apertando-o entre os dentes. Ela se contorceu debaixo dele. — Não suporto mais, Stephen. Eu imploro, quero você. –ela estava a ponto de chorar de desejo, antecipação. O marido passou as carícias para o outro seio, enquanto lutava para desabotoar a calça. Quando conseguiu, ficou entre as pernas de Rosaleen, sua calça presa em seus joelhos. Deslizou os dedos pela lateral das pernas da esposa, vendo o efeito que provocava nela. Introduziu os


dedos em suas dobras, para descobrir o quão molhada ela se encontrava. Isso o deixou mais excitado do que já estava. Sua bela e adorada esposa pronta para ele. Tentoua, circulando lentamente o clitóris, empurrando para frente e depois arrastando o dedo para sua abertura. Introduziu o polegar dentro dela, sentindo-a se contrair ao seu redor. Ele gemeu. Precisava estar dentro dela. E o fez. Penetrou Rosaleen com avidez, indo até o fim, enterrando-se completamente. Ela gritou surpresa. Ele a embalou nos braços e começou a se mover. Desesperadamente. — Diga, Rosaleen. –Stephen rosnou no ouvido dela. Suas estocadas se aprofundando ainda mais. — Diga que me ama. Eu preciso ouvir, fale para mim. Rosaleen cravou as unhas nas costas do marido, perdida no prazer e na intensidade do momento. Queria chorar, Deus, queria coisas que nem ao menos podia descrever. Mas gritou, disse bem alto e claro para que seu marido, e quem mais pudesse, ouvisse: — Eu o amo, Stephen. Amo você. –disse entre suspiros, ao mesmo momento em que seu prazer se elevava a um nível supremo e depois descia dos céus, diretamente para seu corpo. Não pode mais controlar as


lágrimas que queimavam em seus olhos, e então sucumbiu a um choro desesperado. Stephen arremeteu dentro dela mais algumas vezes, até que sentiu como se o mundo rodopiasse para fora de seu eixo. Derramou-se dentro dela e rolou para o lado, trazendo-a para cima de seu corpo. Ela chorava a soluços, agarrada em seus braços, o rosto escondido em seu peito. — Eu a machuquei, Rosaleen? –perguntou nervoso. — Deus, sou um monstro! Sentou no colchão, levando a esposa junto. Ela ficou sentada no colo dele daquela forma por alguns minutos. O quarto em silêncio, somente a respiração de Rosaleen preenchendo o vazio. — Eu estou bem. –ela disse alguns minutos mais tarde. Tirou os cabelos que cobriam seu rosto e deu um fraco sorriso a Stephen. — Não tratei você como uma dama e como minha esposa merece. –o marido segurou o rosto de Rosaleen entre as mãos e respirou fundo. — Perdi o controle. — Gostei de você ter perdido o controle. Foi bastante... Intenso. –ela confessou, desviando o olhar. As sobrancelhas de Stephen se ergueram. — Quer dizer que minha tímida e recatada esposa gosta de sexo bruto? –brincou ele, passando as mãos


pelos seios dela. Rosaleen arregalou os olhos diante da carícia. — Eu não devia? –ela mordeu o lábio, constrangida. — Me desculpe, suponho que as esposas não deveriam gostar de tal coisa, ou pelo menos não dizer em voz alta. — Está errada, Rosaleen. Todo marido espera que sua esposa seja disposta na cama. Acredite, a ideia de que uma mulher deva ser insípida e que não desfrute do leito conjugal é completamente insólita. Posso garantir que muitos homens matariam para ter uma esposa que fosse tão apaixonada quanto você, carinho. As bochechas de Rosaleen ficaram rubras. — Preciso ser sincera e dizer que milorde colabora muito para que eu desfrute de tais momentos. Stephen riu. — Absolutamente. E milady, como bem sabe, também contribui para isso. Posso demonstrar? Ela meneou a cabeça, concordando. Ele a deitou novamente na cama e se pôs entre as pernas dela. — Tudo para satisfazer minha bela esposa. – murmurou, antes de mergulhar a língua no sexo de Rosaleen. Ela o segurou pelos ombros e sorriu satisfeita.


Regressaram ao solar logo nos primeiros raios do sol da manhã. Tinham aproveitado divinamente a noite, Rosaleen dormindo nos braços do marido, depois de passarem horas fazendo amor exaustivamente. Ele a acordara com beijos e não a possuiu de novo, somente porque percebeu o quanto ela estava cansada. E também, pela certeza de que a teria em sua cama novamente naquela noite e em todas as outras que viriam. Stephen ainda estava um pouco aturdido pela inesperada declaração de amor de Rosaleen. Claro que gostara, os céus eram testemunha do quanto seu coração esteve perto de falhar ao ouvi-la dizer tais palavras. No começo, sentira-se fora do chão porque lembranças do passado se abateram sobre ele, porém, de dentro de si, de um recanto desconhecido, encontrou forças para reagir. Infelizmente não dissera que a amava. Por mais que desejasse a esposa, Stephen não tinha certeza se a amava. Como saberia? Nunca havia amado romanticamente nenhuma mulher em sua vida. Vivera anos vagando entre camas e lençóis, dos quais mal recordava as donas. Era claro que no início não desejara se casar com Rosaleen. Fizera-o somente porque achava que ela estava grávida, e sofrera mais tarde com um golpe do destino ao saber que não havia bebê algum. Mas já era tarde, já que naquele


precioso momento já desejava sua esposa ardentemente.

Assim que entraram no salão de visitas do solar, Stephen e Rosaleen foram recebidos por uma cena inusitada. Sentada próxima à lareira, estava lady Cristine, com uma porção de biscoitos amanteigados nas mãos, mastigando fervorosamente. Em frente a ela, encontravase lorde Cheeven, e em seu colo, Cookie, dormindo profundamente. — Oh, olá, bom amigo. –Matthew sorriu para Stephen e depois meneou a cabeça para Rosaleen. — Bom dia, milady. — Pode me chamar pelo meu nome de batismo, Matthew. Já não somos mais desconhecidos. –ela ofereceu um sorriso gentil. Stephen dirigiu um olhar possessivo à esposa. — Não tenho muita certeza se seu marido concorda com isso, milady. Mas como não me importo com o que Edmond diz, irei assentir com prazer a seu pedido. –Matthew disse sorridente, ao acariciar o cão em seu colo. Lorde Edmond revirou os olhos. Passou em frente ao amigo e ofereceu uma poltrona à esposa, que se sentou graciosamente. Ele fez o mesmo ao lado dela, mas não


sem franzir o cenho ao ver a irmã com as bochechas estufadas de biscoitos. — Você está bem, Cristine? — Estou. Apenas sinto que meu estômago está alguns bons centímetros maior. –mordeu mais um biscoito e tomou um longo gole de chá em seguida. — Deve ser o bebê. –Rosaleen cochichou por trás de sua xícara de chá, que havia servido a si mesma. A cunhada não ouviu, porém o marido sim e o fez trocar um sorriso confidente com ela. Lorde Cheeven limpou a garganta e deu algumas palmadinhas nos flancos de Cookie. — Ah, sim. A que devemos sua visita, Matthew? –Stephen perguntou, cruzando as pernas e bocejando. — Vejo que você e sua esposa não dormiram muito, porém não vou me atentar a esse detalhe. –de repente, a expressão de Matthew mudou. — Estou aqui para me despedir, Stephen. Estarei de partida para a Inglaterra dentro de alguns dias. — Como? — Tenho uma dívida muito importante a ser cobrada, e preciso fazê-la o mais depressa possível. – explicou, dirigindo um olhar significativo ao amigo. Stephen entendeu. Conhecia muito bem o amigo para saber ao que ele se referia. Conhecia-o tão bem


quanto a um irmão. — Se decidiu dessa forma, não o contestarei. Mas saiba que se precisar de auxilio, basta me mandar uma missiva. Matthew concordou. — É louco? Será enforcado pelos ingleses. – gralhou Cristine, entre mordidas no biscoito. Lorde Cheeven olhou ceticamente para Stephen. — Quando me contou anos atrás, sobre uma irmã, não imaginei que ela fosse tão... Interessante. –olhou com desaprovação a mulher em sua frente. Stephen controlou o riso. — Cristine, poderia informar à cozinheira que Matthew almoçará conosco? Desconfiada, a mulher levantou, sacudindo as saias do vestido vermelho, impregnado de farelos de biscoitos. Com o nariz empinado e os ombros erguidos, seguiu para a cozinha na ala leste. — Por que trouxe Cookie? –Rosaleen questionou, com as mãos coçando para pegar o animalzinho. — Não tive outra escolha. –Matthew segurou o cão na palma das mãos e entregou à Rosaleen. Com o movimento, Cookie acordou, logo reconhecendo a dona e se colando a lambê-la e a pular em seu colo. — Estive em sua casa em Bordeaux, Edmond. Pretendia deixar alguns


documentos que você pode precisar. E tive que enfrentar, além de seus dois criados em uma situação constrangedora na cozinha, esse cão mordendo minhas botas recém-lustradas. — Moira e Ned? -Stephen fechou a cara. — Ora, não faça essa cara, milorde. –interviu Rosaleen. — Todos têm o direito de se apaixonarem. — Ouça sua esposa, Stephen. –Matthew gargalhou. Quanto a Edmond, apenas lançou alguns olhares cortantes ao amigo.

Na hora do almoço, Rosaleen sentou-se ao lado do marido, na grande mesa do salão de refeições. Stephen sentado no lado oposto dela. Lady Cristine tinha orientado os criados para servi-los. E fora estranho, porque a cunhada não proferira sequer uma palavra contra Rosaleen, nenhuma indireta. Enquanto desfrutavam da sopa de nabos que a cozinheira preparara, um criado informara a Stephen que uma carta de lorde Morgan havia chegado e que era de extrema urgência, por isso Edmond não hesitou em quebrar o selo e lê-la ali mesmo durante ao almoço, já que se tratava de algo mais íntimo. — Há algo ruim? –Rosaleen se encorajou a


perguntar, ao ver a expressão do marido. Stephen deixou o papel sobre a mesa e olhou para ela. — Nossos vizinhos, lorde Morgan e sua esposa nos convidaram para um jantar informal esta noite. – contou. — Oh, isso é inesperado, verdade? –Rosaleen comentou, deixando os talheres de lado. — Muito. E na verdade, estou mais surpreso por eles saberem que estamos aqui. Fui bem claro ao dizer aos criados que não espalhassem a notícia a ninguém. Lorde Cheeven pigarreou ao lado dos dois. — Talvez seja interessante saberem que no dia seguinte à partida de vocês, sua tia, lady Sophie, possivelmente tenha se excedido em sua ingestão de rum e se posto a falar sobre o duque e a duquesa de Caston terem viajado para um reservado solar no interior. E infortunadamente, algum jornalista tenha ouvido e publicado na edição especial do jornal parisiense... Na coluna de fofocas, por exemplo. Stephen fechou os olhos e bufou. Irritado, apertou o guardanapo de linho impecavelmente branco nas mãos e o empurrou contra a mesa. — Já está na hora de tia Sophie aprender a se


comportar como uma verdadeira viúva. — E quanto ao jantar, o que faremos? –perguntou Rosaleen. Lorde Edmond deu de ombros. — Por mais que eu não faça questão alguma em comparecer, será falta de decoro deixar nossos vizinhos em falta. –ah, mas como queria permanecer em casa naquela noite, deleitando-se nos braços da esposa. — Acompanhara-nos, Matthew? Lorde Cheeven sorriu para a esposa do amigo. — Apesar de ser um evento muito interessante, terei que decair ao convite. Pretendo partir de volta à minha casa em Bordeaux hoje mesmo. — Será a última vez que nos encontraremos antes que se vá à Inglaterra? –questionou Stephen. — Temo que sim, meu querido amigo. – respondeu, Matthew, com a voz embargada. Assim que terminaram o almoço, Rosaleen despediu-se de Matthew e retirou-se do salão, deixando os dois amigos sozinhos para que pudessem desfrutar de vinho, e claro, conversarem. — Sabe que não precisa fazer isso. Matthew deixou a taça sobre a mesa e fitou Stephen.


— Sim, eu sei. Mas preciso. Passei anos fugindo do passado e acredito que agora seja a hora de enfrentálo. — Confie em mim, às vezes enterrar o passado é a melhor coisa a se fazer. Lorde Cheeven olhou com admiração para o amigo. — Sua esposa o fez mudar, Stephen. Edmond estudou Matthew e percebeu que não havia nenhum traço de humor no rosto dele. Ele falava a sério. — Sim, fez. –admitiu. — Você a ama. –afirmou Matthew. Stephen foi pego de surpresa por tal comentário. Moveu-se incômodo na cadeira. — Você sabe que eu não posso sentir tal coisa, Matthew. Lorde Cheeven estalou a língua. — Em nome de Deus, não seja um eunuco, Stephen. Ouça-me, não acredito em amor, mas se existe algo, algum sentimento que se assemelhe a tal palavra, creio piamente de que a relação de Rosaleen com você possivelmente seja amor. Não compreende? Eu daria qualquer coisa que tenho para ter alguém ao meu lado, alguém doce e fiel, como sua esposa.


Stephen não disse nada, Matthew continuou: — Você viveu a mesma vida que eu por vários anos, sabe muito bem que, ao vagarmos entre os braços de damas, senhoras casadas, viúvas ou prostitutas, estamos procurando algo que certamente não encontraremos nessas mulheres. Você encontrou, Stephen. Por que acha que o levei a considerar a ideia de casar-se com sua criada? Edmond considerou por uns segundos. — Seu bastardo! –acusou ao amigo. Matthew riu alto. — Suspeitei que diria tal coisa. E confesso que tive medo que meu plano não se concretizasse, e nossa amizade se dissolvesse. Mas quero que me responda, bom amigo; Está arrependido de ter casado com sua criada? Stephen cerrou a mandíbula. — Rosaleen nunca foi uma criada. — Era a resposta que eu gostaria de ouvir. – Matthew bebeu mais um gole de vinho e respirou fundo. — Acho que devo me pôr em marcha novamente. Os dois se levantaram e caminharam até a saída, desceram as escadas de granito e pararam em frente ao coche de Matthew. — Preciso ir. —Já sabe, se precisar, estarei disposto a ajudá-lo. Matthew esticou a mão para o amigo.


Stephen riu e o puxou para um abraço. Eram como irmãos, sempre seriam, não importava onde cada um estivesse. — Cuide-se. Lorde Cheeven desamassou o casaco e a gravata, subiu o primeiro degrau do coche, mas parou. — Diga que a ama. Conte toda a verdade a ela. E seja feliz, bom amigo. –disse, ao entrar no veículo e, com uma suave batida no teto, fazê-lo começar a se mover. Stephen ficou parado, observando o coche negro se afastar pela estrada de pedra, levando embora seu único amigo. E não é que lorde Cheeven poderia enfim dizer palavras que fizessem o coração de um amigo reconsiderar, passado, presente e principalmente o futuro? Um bom amigo, sempre ajuda o outro, afinal.

Capítulo Vinte e Seis À tarde, enquanto Stephen percorria os campos com o responsável pela produção dos vinhos, Rosaleen, em seu quarto, recebera uma visita um tanto... Indesejada. Bateram à porta a murros, e quando Rosaleen foi ver quem era, encontrou sua querida cunhada parada no


batente, com seu longo –e decotado, vestido vermelho. Carregava nas mãos uma bandeja com chá e bolinhos, além de um pequeno vasinho com flores cor-de-rosa. Rosaleen colocou a mão na cintura e a fitou de cima a baixo. — Não recordo de ter pedido chá. Cristine balançou os ombros de leve. — Preciso conversar com vossa graça e achei que um chá poderia ajudar a amenizar os ânimos. –explicou. Amenizar os ânimos? Do que ela falava? Ainda pouco convencida, Rosaleen fez um gesto para que ela entrasse no quarto, fechando a porta em seguida. Cristine deixou a bandeja sobre uma cômoda perto da cama e sentou em uma cadeira de leitura que estava próxima. Sem opção, Rosaleen fez o mesmo e sentou-se em frente a ela. Uma olhou para a outra. Bem, ali estavam elas. O que aconteceria agora? Rosaleen arqueou uma sobrancelha, forçando implicitamente a cunhada a falar. Com um suspiro cansado, Cristine começou a falar: — Estive considerando durante a noite passada, que talvez, possivelmente, eu tenha sido um pouco


petulante com vossa graça. –olhou para a bandeja ao lado e agarrou um bolinho de nozes. — E bem, como sou uma dama muito educada, além é claro do meu faro social, quero... Eu quero pedir desculpas a vossa graça por meu anterior comportamento. –terminou de falar e enfiou todo o bolinho na boca, mastigando rapidamente. Rosaleen a olhou incrédula. O que havia acontecido com aquela mulher? — Cristine, não estou entendendo o motivo pelo qual você está fazendo isso. Milorde pediu que você viesse até aqui e dissesse tudo isso? A mulher limpou as migalhas do canto dos lábios e encarou Rosaleen. — Pode ser que ele tenha dito algo sobre, mas a ideia dessa conversa foi absolutamente minha. –deixou seus ombros caírem, sua postura altiva caindo por terra. — Vi vossa alteza no jardim, e abracei milorde deliberadamente, para que ficasse com ciúmes de mim. Eu não imaginei que as proporções fossem se tornar tão terríveis. Quando vi que milorde saíra correndo atrás de vossa alteza, percebi o meu erro. — Por que fez isso, Cristine? –Rosaleen perguntou, porque realmente desejava saber o motivo dos atos da cunhada. A mulher desviou o olhar, constrangida pela


pergunta. — Stephen é meu irmão. Sou filha bastarda. Nosso pai foi amante de minha mãe durante anos. E, apesar de parecer que não tenho sentimento algum por meu irmão, eu o amo. Quando pedi ajuda a ele, fiquei sabendo que ele estava casado. E quando vi vossa alteza, confesso que senti ciúmes. –apertou uma mão na outra. — Ciúmes e ódio porque eu estava grávida de um filho que nem ao menos tem pai, e vossa alteza tinha casado com um homem bom, vivia em uma casa luxuosa, usava vestidos belos... –ela se interrompeu, as lágrimas caindo de seus olhos. Rosaleen engoliu em seco. O coração apertado pela cena em sua frente. Colocou a mão sobre a de Cristine, confortando-a. — Está tudo bem. –é claro que estava. Não podia odiar aquela mulher. — Eu não sei o que fazer com o bebê. –desabou, tapando o rosto com as mãos. Sem saber muito bem como proceder, Rosaleen levantou da cama e se ajoelhou ao lado de Cristine, apoiando-se na cadeira. — Você tem certeza da gravidez? — Sim, minhas regras estão atrasadas há três semanas. –respondeu fungando, os olhos vermelhos e


inchados. — Stephen irá ajudá-la. E eu também. Daremos todo apoio que precisar. Cristine olhou para Rosaleen e franziu a testa. — Por que está me oferecendo ajuda depois do que fiz a você? Rosaleen sorriu. — Você não fez nada que não pudesse ser consertado. E acredite, já vivi experiência semelhante. Entendo seu desespero. A cunhada arregalou os olhos. — Esteve grávida? Rosaleen negou. E foi então que começou a detalhar a Cristine toda sua história, desde o momento em que o pai morrera, até o presente. — Eu não imaginava que tivesse passado por tantas coisas. –Cristine disse ao final, quando já estavam mais calmas. — E desde então, está casada com Stephen. Você o ama, não é?! –acusou, com um sorriso brincalhão. — Aposto que sim! Se não o amasse, não teria saído correndo entre as roseiras. Rosaleen corou pelo tom da brincadeira da outra mulher. — Seu irmão é incrivelmente fácil de ser amado, mesmo que ele não saiba disso. –fechou os olhos,


recordando de alguns momentos junto do marido. — Já disse isso a ele? — Sim. — E o que ele fez? Disse-lhe que corresponde seu amor? –Cristine perguntou ansiosa. Rosaleen se apoiou na cadeira e ficou de pé, dando as costas à cunhada. — As coisas não são tão simples. Stephen passou por muitas coisas ruins e tem dificuldade em revelar seus sentimentos. Cristine bufou. — O que está dizendo? Pelo que me contou há pouco, você também sofreu, acredito que muito mais do que ele, porque meu irmão ganhou algumas feridas no corpo, mas você, sua esposa, ganhou muito mais. E mesmo assim consegue amá-lo. –ralhou, agitada. Já estava de pé também, com a mão distraidamente sobre o ventre. Rosaleen virou-se para ela. — O que me curou foi o amor que começou a nascer em meu peito. Stephen foi tão bom, tão cuidadoso comigo, que despertou dentro de mim um amor tão forte, tão puro, que aquelas antigas lembranças, os pesadelos, perderam-se. Ele curou minha dor. –falou, com a voz trêmula. — Então cure-o também, Rosaleen. Meu irmão


precisa se livrar de seus fantasmas. Somente você será capaz de libertá-lo. Só você, Rosaleen. Ajude-o, eu imploro. Stephen merece ser feliz. –suplicou Cristine, as lágrimas novamente escorrendo por suas bochechas. Com a mão sobre o peito, Rosaleen tentou respirar fundo. Cristine estava certa. Deus, ela estava! Precisava ajudar Stephen, somente assim ele poderia finalmente amá-la. — O que devo fazer? –perguntou, perdida. Cristine riu entre lágrimas. — Ora, o que toda mulher é boa em fazer; Seduzir seu marido. Rosaleen deu um passo para trás, com o nariz erguido. — Sei tocar a flauta de Stephen, e ele gosta muito que eu faça. –gabou-se orgulhosamente. — Deus! É assim que estão chamando isso? – admirou-se Cristine. — Pois bem, não importa. Ensinarei a você alguns truques que aprendi durante a vida. Serão muito úteis a você, e garanto-lhe que meu irmão cairá rendido de amores a seus pés. Rosaleen balançou a cabeça. Era inegável que Cristine e Stephen eram irmãos, realmente. E ainda mais porque a cunhada, mal percebendo, deixara de se referir a ela com formalidade e isso deixava Rosaleen feliz, pois


significava que talvez se tornassem amigas.

Quando Stephen retornou ao solar, o sol já se punha entre as montanhas que rodeavam a propriedade. Fazia frio para a época do ano, o que, estranhamente, não despertou nele as dores comuns que se assomavam no lado direito de seu rosto. Algo estava diferente. Não encontrou Rosaleen no quarto e, preocupado, ao descer as escadas para procurá-la, fora informado por uma aia de que sua esposa estava nos aposentos de lady Cristine e que o encontraria dentro de pouco tempo no salão principal. Mesmo não entendendo nada, Stephen se apressou em pedir aos criados que lhe subissem uma banheira de cobre para seu quarto e que a completassem com água morna, para que pudesse se banhar. O fez em poucos minutos e logo vestiu sua calça e casaco de lã preta, junto, evidentemente, de sua máscara. Descera as escadas em seguida, questionando-se o que havia acontecido com sua esposa e sua irmã. Ele logo a encontrou. Ela estava parada no centro do salão azul, usava um vestido de cor marfim, os cabelos presos por presilhas reluzentes em um coque apertado e, sobre os ombros, um xale de seda branco. Quando o viu, ela sorriu alegremente, enquanto Cristine, ao lado dela,


dava-lhe... Tapas em seu rosto! — O que pensa que está fazendo, Cristine? – Stephen gritou, aproximando-se em largas passadas. A irmã se afastou assustada. — Ela estava apenas dando um pouco de cor às minhas bochechas, Stephen! –Rosaleen o segurou pelo braço, tentando controlá-lo. Ele parou instantaneamente. — Como disse? A esposa sorriu, achando graça. — Cristine esteve me ajudando a me preparar para o jantar, e aconselhou-me a deixar minhas bochechas ruborizadas, porém, como não havia outra maneira de fazê-las, ela estava me auxiliando. Havia outra maneira sim. E se tratava de algo perversamente excitante, que a deixaria com as bochechas tão vermelhas quanto um tomate, refletiu Stephen. — Falaremos disso no coche. Vamos? –convidou, oferecendo o braço a ela.

Um jantar informal, normalmente, era regado à comida exagerada, vinho e muita, muita fofoca. E, aparentemente, todos os convidados gostavam disso. Menos, Stephen, é claro.


O percurso até a casa de lorde Morgan tinha sido em completo silêncio e tensão. Os dois não ousaram dizer uma única palavra, porque se o fizessem, certamente não estariam em estado de apresentação muito considerável. Stephen queria (muito) jogar sua esposa sobre o banco e enterrar sua boca entre as pernas dela. Santo Céu! Podia quase sentir o gosto adocicado dela em sua língua. Mas ele controlou-se. Haveria tempo para isso mais tarde. Quando o jantar fora servido, os poucos convidados foram transferidos para o enorme salão de refeições, onde uma mesa gigantesca, com mais lugares que o rei necessitaria, estava preenchida com todo tipo de variedade de comida. Algumas das quais nem mesmo Stephen ouvira falar. Apesar da extravagância, a refeição fora tranquila. Os lugares foram dispostos para que Stephen ficasse frente a frente com sua esposa. E isso a confortou, porque tinha a segurança do olhar dele quando necessitasse. Mais tarde, os cavalheiros permitiram que as damas os acompanhassem até o salão de jogos, para que os observassem por alguns minutos. Rosaleen ficara sentada em um canto, junto de lady Isabella e sua filha de quinze anos. Conversaram


sobre amenidades, as tendências da temporada e os costumes do povo do interior. Fora uma conversa relativamente agradável. Quanto a Stephen, passara horas intermináveis jogando cartas com lorde Morgan e mais um cavalheiro, o qual bebia descabidamente várias taças de vinho de uma safra antiga. Morgan era um homem inteligente em sua idade, seus assuntos a respeito da maturação e fermentação da uva foram de grande utilidade a Stephen, que acabou encontrando um possível sócio para seus futuros investimentos. A família de lorde Morgan tratava com respeito Stephen e Rosaleen, sendo cordiais e amigáveis em todo momento. O problema era o cavalheiro, que atendia por nome de Alexander, que descaradamente estava lançando olhares nada honrados a sua esposa. — Com vossa licença, irei me retirar por alguns minutos. –o homem levantou trambalhando, indo em direção à saída. — Soube que as rotas para a América serão reforçadas com a compra de mais dois navios por parte do governo. Pretendo enviar meus melhores vinhos mar a dentro. –Morgan contou, rindo roucamente. Stephen olhou para seu jogo de cartas e refletiu se deveria ou não ganhar o jogo novamente. Fizera isso três vezes na última hora e agora não tinha certeza se seria


sensato. — Essas rotas são arriscadas demais. Sem uma garantia de segurança, não farei investimento algum. – informou, ao espalhar a combinação das cartas sobre a mesa, revelando por fim que ganhara novamente. O homem do outro lado da mesa jogou seu maço de cartas sobre a mesa e sorveu mais um gole de vinho. — Volto em um minuto. –Stephen levantou, abotoando o casaco e se aproximou de onde as ladies estavam sentadas. Em cima de Rosaleen, estava o mesmo cavalheiro que há pouco se retirara da mesa. Agora, ele cortejava sua esposa desinibidamente, inclinando-se para mais perto dela. Quando viu que Stephen estava perto, o homem deu alguns passos para trás, sorrindo debilmente. — Sempre me disseram que as inglesas eram belas, mas agora posso comprovar com meus próprios olhos. –disse soluçando. Stephen percebeu o olhar assustado de Rosaleen, que dizia claramente que não deveria acontecer uma comoção naquele momento. E Stephen, guiado por alguma inspiração divina, encontrou equilíbrio para simplesmente oferecer a mão a sua esposa e conduzi-la até o outro lado do salão, para lhe


mostrar uma peça de decoração egípcia. Fora o melhor que conseguira fazer diante da situação, e pareceu que todos ali naquela sala, principalmente lady Isabella, que se abanava freneticamente com um leque de pavão. Pouco depois, os eventos da noite felizmente foram encerrados, e finalmente Stephen pôde colocar Rosaleen dentro do coche e seguir viagem para casa. — Não dirá nada? –a esposa perguntou. — Não. Há momentos em que prefiro usar de outras táticas que não sejam as palavras. –ele disse com a voz neutra. Ela se recostou no banco e sorriu, puxando as presilhas usadas para prender o cabelo. Os cachos caíram delicados por cima de seus ombros. — Ah, sim? Creio que eu não esteja familiarizada com essas tais táticas, milorde. Poderia ser um bom marido e ensinar à sua esposa como usá-las? –murmurou, puxando o xale para longe do corpo, revelando o sutil decote. Stephen gemeu. Não respondeu a ela. Simplesmente a pegou pelos braços e a puxou para seu colo, fazendo-a sentar-se escarranchada. Em meio à confusão de saias, Stephen ergueu o vestido até a cintura da esposa, para enfim tocá-la onde


tanto desejava. Rosaleen arfou quando sentiu um dedo entrar de súbito em seu interior. E nisso soube que o marido desejava tudo rápido, intenso e duro. E ela também queria. Segurou-se nas laterais do banco de couro e remexeu o quadril sobre a mão de Stephen, roçando seu clitóris e conduzindo a si mesma ao prazer. — Está molhada, minha esposa. –ele abriu os botões da calça e libertou sua ereção dolorida. Retirou o dedo e o levou aos lábios da esposa. Sem pensar, ela o aceitou, chupando o líquido, os olhos fechados. — Não grite. –ele a advertiu e finalmente a penetrou em uma única estocada. Ela abriu os olhos arregalados para ele, que mesmo com a pouca claridade no interior do veículo, pôde ver a luxuria que vibrava nela. — Não suporto que nenhum homem chegue perto de você. –empurrou o quadril para cima, suas mãos segurando as nádegas de Rosaleen. — O que preciso fazer para que todos saibam que você me pertence? Rosaleen cravou as unhas no estofado do banco, eufórica pelo prazer que atravessa seu corpo. — Talvez eu deva gritar a todos que a senhorita Rosaleen Wickford, a inglesa, é somente minha? –afundou


nela mais um pouco. — Stephen... –ela murmurou, com a cabeça caindo para trás. — Diga que me ama, Rosaleen. Diga bem alto. – Stephen mordeu de leve o pescoço dela, esperando pela resposta. — Eu amo você! –ela gritou, estremecendo. Foi sua perdição. Stephen arremeteu mais uma e duas vezes e a levou ao mais alto e sublime prazer, permitindo que ela se retorcesse sobre suas pernas. Ele veio pouco depois, gemendo, os olhos fechados, o suor escorrendo por entre as aberturas da máscara. Ele foi ao céu nos braços de sua esposa. Depois disso ninguém disse mais nada. Rosaleen, em silêncio, sorriu, fazendo uma breve oração de agradecimento a Deus, porque naquele momento, parecia que ele havia voltado a olhar por ela.


Capítulo Vinte e Sete — Gosto quando você faz isso. –Rosaleen murmurou encantada pelo toque delicado que o marido exercia em seu braço, correndo os dedos para cima e para baixo. Os dois estavam deitados, abraçados sob a sombra da árvore, onde dias antes haviam feito amor pela primeira vez. Stephen segurava Rosaleen em seus braços, os cabelos dela esparramados sobre seu peito, esbanjando um perfume doce que o tranquiliza. Com ela ali, emaranhada em seu corpo, tudo parecia extremamente perfeito. O marido riu roucamente, dando um leve beijo na têmpora da esposa. — Fico extremamente satisfeito em saber que meus toques a afetam, milady.


Feliz, Rosaleen começou a brincar distraidamente com o botão da camisa de Stephen. Era difícil de acreditar que os dois estivessem vivendo tal momento. Era fato que as coisas haviam mudado, mas quando acontecera? Talvez fosse há duas noites, quando voltavam do jantar de lorde Morgan, em que fizeram amor loucamente na carruagem? Ela jurava ter sentido algo diferente, percebeu isso na intensidade do olhar que o marido dirigia a ela. Por trás da máscara, os olhos verdes revelaram-se mais iluminados do que nunca, com uma emoção que Rosaleen nunca vira antes no rosto de Stephen. Era amor? — Está muito quieta, Rosaleen. Ela desviou o olhar da camisa e olhou para o marido. — Tem falado com Cristine? –perguntou, procurando distrair o rumo de seus pensamentos. Iria refletir sobre aquilo em outro momento, agora havia algo mais importante para ser discutido. — Eu a vi no desjejum. Mas ela mal dirigiu um olhar a mim. –comentou pensativo. — Sua irmã precisa de sua ajuda, Stephen. – Rosaleen disse, sem rodeios. — Eu o faço. Permiti que ela ficasse no solar e que pudesse ter a criança. –o marido respondeu


bruscamente. O humor de Stephen alterara-se em segundos, evidenciando seu mínimo desejo em tratar de tal assunto. — Isso não é o suficiente. –ela protestou. Tirou as mechas de cabelo que voaram em seu rosto com uma rajada de vento e virou o rosto para Stephen. — Cristine precisa de seu apoio, Stephen. Não percebe? Ela não necessita apenas de recursos. Em alguns meses haverá um bebê, um sobrinho seu, e tudo que você precisa fazer é ser o irmão que ela necessita. — Já tentei me aproximar dela, mas Cristine tem um temperamento difícil, nunca nos entendemos realmente. — Exatamente como você, marido. –Rosaleen deu uma risadinha. — Conversei com Cristine e percebi que ela não é má pessoa, o que a resultou triste e amargurada foram as incertezas da vida. Se a apoiarmos, tenho certeza que tornaremos as coisas mais fáceis. — Por que está me pedindo isso? –Stephen perguntou enfrentando os olhos arregalados da esposa. Rosaleen se moveu incomoda nos braços dele. Sem dizer nada, apoiou-se na grama e sentou ao lado de Stephen. Ele permaneceu deitado, ainda a fitando. — Não é justo que uma criança cresça sem mãe. Quero que o bebê de Cristine nasça em um lar cheio de amor. –sussurrou de cabeça baixa.


Stephen teve a sensação de ter levado um murro no estômago. Aquilo era importante para Rosaleen e, mesmo ele não entendendo o motivo disso, faria uma concessão à esposa. Lorde Edmond agarrou o braço de Rosaleen e a fez deitar-se novamente sobre ele. Apertou-a em seus braços e beijou o topo de sua cabeça. — Falarei com Cristine, carinho. — Obrigada, marido. –ela sorriu, aconchegandose no calor dele. Stephen deslizou a mão pelo pescoço dela, diretamente para os seios. — Na realidade, há outra maneira de você me agradecer... –murmurou começando a beijá-la.

Stephen nunca fugira de uma luta, sempre manteve sua honra lutando até suas forças se extinguirem. Houvera momentos em que se colocara em luta mesmo banhado em sangue, com a pele perfurada ou com um osso fraturado. Porém, lorde Edmond julgava que a batalha que enfrentaria ali naquele momento poderia ser mortal para ele. À sua frente, seu oponente o olhava de esguelha,


enquanto empunhava em sua mão direita uma grande coxa de pato assado. — Desculpe-me por essa cena, mas eu realmente tenho muita fome. –Cristine disse entre mordidas na carne suculenta. Stephen serviu-se do vinho que estava disposto ao seu lado na biblioteca, e sorveu um longo gole. — Rosaleen falou comigo. –falou, procurando uma maneira de iniciar a conversa. — Sobre você. A irmã deixou de comer e olhou para ele. Tinha a expressão cansada, grandes olheiras arroxeadas sombreando seus olhos, os lábios manchados do molho da carne. — Não era necessário tal coisa. –falou baixinho. Stephen bebeu o último gole do vinho e deixou a taça sobre uma mesinha de apoio. Sentou na beirada da cadeira para ficar mais próximo da irmã. — Ouça-me, Cristine; estou aqui para falarmos de seu filho. Importa-se com ele, não é? Ela piscou, analisando-o. — Amo meu bebê. –afirmou convicta. Edmond se apoiou nas laterais da cadeira. — Isso facilitará muita coisa. –inspirou longamente. — Gostaria de me falar sobre o pai dele? Ela abriu a boca para dizer algo, mas se calou no


mesmo instante. — Quero que sejamos sinceros um com outro, Cristine. Sem julgamentos a respeito do passado. A irmã não disse nada, estava encolhida na cadeira, correndo o polegar na superfície da mesa onde três livros estavam dispostos. — Eu não sei quem é o pai. –disse, a voz ressonando na imensa biblioteca. — Fiquei muitos meses naquele bordel, e houve muitos clientes... Não sei como foi acontecer, as outras mulheres me ensinaram como evitar. Stephen imaginou a situação da irmã vivendo em um prostíbulo sujo e asqueroso, os quais ele conhecia de perto, sabia exatamente como era a vivência de tais mulheres. — Quando descobri, tentei esconder da dona da casa, mas provavelmente alguma das mulheres que sabiam acabaram contando a ela. Fui jogada na rua com apenas dois francos e uma grande dívida pelo que diziam ser minha estadia. Como não tinha com o que pagar, fugi e escrevi para você. –contou, suas mãos tremendo em seu colo. — Levou alguns dias para que sua carta chegasse até mim. Onde você ficou durante esse tempo? –Stephen perguntou, já prevendo a resposta.


— Eu... Fiquei na rua. –Cristine limpou as lágrimas que caíam em suas bochechas. Odiava chorar, demonstrar fraqueza. — O pouco dinheiro que eu tinha não era suficiente para ficar em uma hospedaria e nem para me alimentar... –soluçou, cobrindo o rosto com as mãos. — Eu tive que fazer, Stephen. Eu juro em nome de Deus que não tive outra opção. Eu não queria... Stephen se ajoelhou em frente à irmã e passou a mão pelas costas dela, os ombros da pobre mulher tremendo violentamente. Um sentimento de remorso, de dor e compaixão se apossou de Edmond. Seria impossível não sentir tal coisa, ao saber que sua irmã mais nova fora obrigada a vender seu corpo nas ruas de Paris, para poder alimentar-se. Sufocou sua angústia e tentou acalmar a mulher que agora chorava em seu ombro. — Eu sei Cristine. Ei, olhe para mim –segurou a cabeça dela e a fez fitá-lo. —, nada do que aconteceu importa de agora em diante. Eu a protegerei, a manterei segura. Você e seu filho. Ela fungou desconcertada. — Sua compaixão... — Não é compaixão, Cristine. –ele a interrompeu. — Somos irmãos, sou mais velho que você e tenho a obrigação de cuidá-la. Algo que eu devia ter feito há muito tempo. –desviou o olhar, perturbado por tal constatação.


Cristine se afastou do toque do irmão, e Stephen voltou para se sentar em sua cadeira. — Amaldiçoo nosso pai por ter feito-me odiá-lo. –apertou uma mão na outra, nervosa. — Lembro-me que na primeira vez que fui vê-lo, papai disse-me que você era mal. E todas as outras vezes que teve oportunidade, contou-me todas as atrocidades que meu irmão havia cometido. Stephen passou a mão pelos cabelos, desconfortável pelo rumo da conversa. — Ele sempre manipulou todos ao seu redor. Não houve nenhuma pessoa capaz de desafiá-lo. –parou por um momento, refletindo. — Eu gostaria de ter tido coragem para ser tal pessoa. Ficaria muito feliz em poder matá-lo com minhas próprias mãos. Cristine arregalou os olhos. — Não diga tal coisa, Stephen! Acredito que nosso pai esteja neste momento pagando por todos seus pecados. –olhou tristemente para o irmão. — Ele o machucava, verdade? Recordo-me de, algumas vezes quando ele estava em casa jantando comigo e mamãe, ter se gabado da educação que estava dispondo a seu filho. Suas palavras eram tão cheias de ódio que eu sentia um arrepio em minhas costas. Mas papai dizia que o menino era mau e que precisava ser corrigido.


— O que houve com sua mãe? –perguntou Stephen, trocando desesperadamente o assunto. — Depois que nosso pai morreu, mamãe e eu tivemos que sair de nossa casa, porque os advogados nos disseram que seria um escândalo se a sociedade soubesse que o duque tinha outra família. Fomos mandadas para uma casinha no campo. Mamãe trabalhava como cozinheira em uma estalagem, até que um dia adoeceu de sífilis. –franziu os lábios, repudiada. — Fiquei com ela até o último minuto. Depois que a enterrei, vi que estava sozinha e sem emprego. Tentei encontrar trabalho na mesma estalagem, porém não me aceitaram e, sem alternativa, tive que ir para a cidade. Stephen assentiu, já sabendo o restante da história. — Quando retornei da batalha, você ofereceu-me ajuda. Por quê? Cristine abaixou a cabeça. — Eu era amante de um cavalheiro muito rico, e ele me mantinha em uma boa casa na cidade. Quando soube que você estava ferido e não havia mais ninguém para cuidá-lo, achei justo oferecer-me para isso. — Eu rejeitei. Estava destruído, não queria a piedade de ninguém. Ela ergueu os olhos.


— Mudaste. Não vejo mais a mesma escuridão em seus olhos e nem dor. Ela o mudou. –sorriu. — Realmente. –ele concordou. — Rosaleen contou-me como tudo aconteceu. Acredita que o destino não tenha agido sobre a vida dos dois? –questionou. Stephen franziu o cenho. — Não acredito em destino. A vida é o resultado de nossas ações. –disse sentindo um gosto amargo na boca, porque, inevitavelmente, lembrou-se da terrível noite em que Rosaleen fora deixada em sua porta. — Estão casados. E ela o ama. Você a ama. Tenho pena de sua pouca fé, querido irmão. –ela revirou os olhos, exasperada. — Acha que eu poderia amá-la? –Stephen não conseguiu evitar a pergunta. — É vidente que sim. Todos merecem ser felizes, Stephen. –Cristine direcionou um olhar de cobiça para a carne jazida no prato ao lado. — Fique à vontade. Cristine abocanhou uma boa porção da carne e lambeu os dedos sujos de molho. Stephen sorriu. — E você, irmã, está feliz? Ela engoliu a comida e limpou a boca no dorso da


mão. — Depois dessa conversa tenho certeza de que ficarei. –colocou a mão sobre o ventre. — Mas também desejo sua felicidade. Sei que não sou ninguém para dar algum conselho, mas talvez você devesse dizer a Rosaleen que a ama, contar a ela tudo que for importante, e bem, ser feliz. Edmond observou a figura da mulher. Mesmo agarrada a uma coxa de pato, os cabelos desgrenhados, a barriga um pouco inchada, estava graciosa. Soube naquele segundo que possivelmente gostava dela e tinha absoluta certeza de que seria o irmão que ela tanto necessitava e que faria o possível para torná-la feliz. — Sim, você é alguém. É minha irmã. –ele disse com a voz embargada.

— Cookie, já lhe disse para parar. –Rosaleen ralhou, brava porque o cãozinho estava escalando suas pernas. — Estou tentando bordar um sapatinho para o bebê de Cristine. –explicou a ele, como se o pobre animal pudesse compreendê-la. Ela estava há duas horas sentada em uma cadeira de balanço em seu quarto, envolvida com o minucioso trabalho que era produzir um minúsculo sapato. Como não sabia se era menino ou menina, decidira fazê-lo branco,


que poderia ser usado por qualquer um. Mesmo ainda sendo um tanto cedo para começar a se preocupar com aquilo, Rosaleen quis adiantar, porque nunca havia feito um sapatinho e pressentira que talvez levasse muitos meses para aprontá-lo. Pouco tinha evoluído naquela tarde. Cookie a fizera perder um tempo precioso, tirando o novelo de lã da boca do cão e entrando debaixo da cama para tirá-lo, já que o amigo resolvera brincar de esconder. Stephen entrou sorrateiramente no quarto da esposa. A porta ainda não havia sido consertada, então pôde ver Rosaleen concentrada em seu bordado, com Cookie pulando sobre seus pés. E a cena pareceu-lhe tão natural que só aumentou a necessidade urgente que o levara ali. Contar toda a verdade. Já havia pensado no assunto, mas há pouco, enquanto falava com Cristine, percebera que, se desejasse ter um casamento verdadeiro com Rosaleen, precisava ser transparente. E ele seria, estava ali para isso. Rosaleen o viu e sorriu. Deixou o novelo de lã em cima da cama e correu para os braços do marido. Enlaçou-o pelo pescoço e o puxou para um beijo apaixonado. — Vem comigo. –ele disse ao desgrudar os lábios dos dela.


Rosaleen, animada, seguiu o marido até o quarto dele, na verdade dos dois, pois agora ela também dormia ali. — Há algo errado? –perguntou assim que ele fechou a porta. Stephen se virou para ela e começou a desabotoar a camisa. Ela ruborizou. — Quer fazer amor agora? –não que não estivesse ardendo de desejo, mas fora tão inesperado. O marido negou com a cabeça. Jogou a camisa para o lado e desabotoou a calça. Retirou as botas e as meias e atirou junto a pilha de roupas. Ficou completamente nu frente à esposa. Ela o olhou de cima a baixo com um olhar de admiração, as bochechas rosadas e as mãos agarradas às saias do vestido. — Quero lhe mostrar algo. –ofereceu a mão a ela e, quando Rosaleen aceitou, levou-a até a cama, onde a fez sentar. Ele ficou de pé para que ela pudesse vê-lo por inteiro. — Desnudei você e conheci sua alma. Agora quero que você conheça a minha. –hesitou um pouco ao colocar a mão sobre a máscara. — Stephen, não é necessário... Por favor... –ela


disse aflita. Ele a ignorou e, com um suspiro determinado, desamarrou o laço de couro atrás da cabeça. Rosaleen prendeu a respiração ao vê-lo remover a máscara lentamente. A peça caiu ao chão, esquecida. Stephen não conseguiu se mover. Ficou parado esperando a reação da esposa diante de sua verdadeira aparência. Esperou pelo espanto, pela repugnância e pelo olhar de piedade, já tão conhecido, mas ao invés disso, Rosaleen o fitou com os olhos marejados, com um brilho diferente. Ela sorria para ele, os lábios esticados revelando os dentes brancos e perfeitos. — Você é lindo. –ela balbuciou, fascinada. Ele não compreendeu, e Rosaleen se pôs de pé. — Posso? –perguntou próxima a ele, a centímetros de tocá-lo. Stephen assentiu. Rosaleen colocou a ponta dos dedos sobre a pele avermelhada. As cicatrizes cobriam todo o lado direito do rosto, algumas maiores que outras, mas todas com um grande significado. Ao sentir o toque da esposa, Stephen fechou os olhos e ofegou. Imaginara esse momento centena de vezes e, todas as vezes, pensara que sentiria dor. Mas, não. Era reconfortante, quente e doce. Ela continuou, agora o toque convertido em uma carícia terna. Rosaleen


estava maravilhada com a beleza do rosto do marido. A verdadeira beleza, a que ele escondera todo aquele tempo atrás daquela máscara. — Amo-te. –ela contornou o olho direito dele, que se apresentava deformado abaixo e acima, mas tão perfeito. Beijou-lhe a pele sensível com todo amor que possuía. Seus lábios escorregaram para a mandíbula, onde a pele havia provavelmente sido cortada e agora era espessa e rígida. Stephen a segurou pelos quadris, esperando pela próxima reação dela. Rosaleen adorou cada uma de todas as cicatrizes do rosto de Stephen, beijando-as, marcando a pele ferida com novas e boas lembranças, que Deus permitiria, iriam permanecer para sempre livrando todo o sofrimento. — Amo-te. –ela repetiu ao beijá-lo nos lábios. Stephen retribuiu o beijo, abraçando-a como se toda sua vida estivesse centrada naquele pequeno corpo, e Deus, estava mesmo! Ela o puxou para a cama, onde os dois caíram um em cima do outro, resfolegados pela paixão. — Espere. –ele se desvencilhou dela. Deixou Rosaleen sentada na cama e se ajoelhou na frente dela. — Preciso-lhe dizer o que aconteceu naquela noite. –e, por um momento, Stephen desejou não precisar


dizer aquilo. Mas, sim precisava. — Do que está falando? Ele colocou as mãos sobre os joelhos e a encarou verdadeiramente. — Na noite em que você foi violada, eu estava acordado. Ouvi seus gritos, mas julguei serem apenas alucinações, ou qualquer outra mulher. –seus olhos se voltaram para o chão. — Eu estava quebrado, não me importava com qualquer ser no mundo. Ouvi seus gritos, mas não a ajudei. Rosaleen ficou em silêncio, absorvendo as palavras do marido. As cenas começaram a ricochetear em sua mente. Viu-se correndo pelas ruas de Bordeaux, os homens prendendo e arrastando-a para o beco escuro, suas vãs tentativas de fugir, o homem se despindo, violando-a, a dor, a vergonha. Viu novamente tudo ficar escuro, recordou ter sido jogada ao relento, seu corpo batendo contra as pedras frias, lembrava também da enorme lua prateada que a velou durante a noite e dos sonhos mudos que tivera durante a inconsciência. Mas jamais esqueceria os braços quentes que a seguraram, embalando-a, salvando-a do frio. Do coração bom que a dera uma cama macia e mantas quentes, que lhe


saciara a fome. Nunca sairia de sua memória os olhos verdes sombrios que fizeram seu coração voltar a bater, que a fizerem mulher e a despertaram para o amor. Jamais, nem por séculos que se passassem, esqueceria o homem ajoelhado a seus pés, despido de seus demônios, sua alma exposta. Rosaleen deslizou pela cama, caindo de joelhos na frente do marido. Tocou-o no peito, sobre o coração. Os olhos encontraram-se. — Salvaste minha vida. Como eu não poderia amá-lo? -abaixou-se e depositou um beijo na pele quente, sentindo o palpitar acelerado do coração. Stephen perdeu o controle. Segurou e beijou-a. Furiosamente. Ela correspondeu avidamente. Os lábios famintos, deslizando um sobre o outro, como seu nunca antes tivessem se encontrado, ou que aquele fosse o último beijo. Stephen colocou Rosaleen na cama e a despiu, retirou peça por peça de cada uma das roupas de seda, revelou o corpo que tanto amava acariciar. Tocou-a entre as pernas, enlouquecendo-a de prazer, enquanto sorvia beijos doces dos lábios dela. Mordeu-a nos seios, marcando-a, dizendo que era sua. E quando a possuiu, sua alma antes quebrada, tornou-se


completa novamente. De mãos dadas, encontraram um prazer mútuo, silencioso, mas que não necessitava sequer uma palavra. Exaustos e suados, caíram sobre a cama, Stephen ainda dentro dela, pedindo aos céus que sua semente crescesse ali dentro.

Stephen e Rosaleen jantaram no quarto naquela noite. Estavam ocupados perdidos um no outro. Transformaram o cômodo em um ninho de amor interminável. O marido a possuiu diversas vezes, sempre a preparando, fazendo-a subir para os céus. As palavras ainda não eram necessárias, porque os murmúrios e os gemidos preenchiam o lugar. Pela manhã, Edmond acordou a esposa com beijos e explicou-lhe que precisava ir até o povoado, mas que voltaria antes da noite. Cansada, Rosaleen o beijara e voltara a dormir profundamente. Mais tarde, depois de um café da manhã reforçado e de um almoço mais reforçado ainda, ela decidira passear pelo roseiral e pelo campo. Convidara a cunhada para acompanhá-la, mas a mesma sentia muitos enjoos e não pudera seguir junto. Mesmo assim, Rosaleen seguiu para seu passeio, carregando uma cesta de vime repleta de frutas. Pretendia


descansar em alguma sombra para comê-las. Ela caminhava alegremente pela campina verde, Cookie correndo em círculos a seus pés. Estava feliz. Porque Stephen havia sido honesto, contado a ela a verdade. E que Deus a perdoasse, pois sabia que era pecado, mas estava feliz por tudo que tinha acontecido. Ela segurou o chapéu de pelúcia que balançou com o vento, e chamou por Cookie, que apareceu correndo. Quando abria a cesta para pegar o pedaço de pão que trouxera para o cãozinho, sentiu uma enorme mão encobrir sua boca. Assustada, tentou golpear o estranho, mas ele a envolveu pela cintura e começou a arrastá-la. Cookie latiu, pulando nas pernas do homem, mas foi golpeado na cabeça. Rosaleen foi carregada entre as roseiras, sua pele sendo rasgada. Stephen! Oh, Deus! O que aconteceria com ela?

Lorde Edmond, como prometera, retornou antes da noite. Deixara o cavalo amarrado nos estábulos, a correr para os braços da esposa. Estava desesperado para beijá-la.


Assim que entrou no solar, Stephen notou que havia algo diferente. No salão principal, estavam os criados e Cristine chorando desesperadamente. Ele não avistou a esposa. — Stephen! –a irmã correu para ele, entregandolhe um pedaço de papel. Ele desdobrou o papel e leu o conteúdo. Rosaleen havia sido sequestrada e agora pediam uma grande quantia de resgate. — Eu não pude acompanhá-la, eu estava com enjoos... –Cristine tentou explicar, desesperada. Stephen colocou as mãos sobre os ombros dela e a acalmou. — Eu a encontrarei. Morrerei por ela. –amassou o papel na mão e se dirigiu para o escritório. Rosaleen era seu amor. Amava e a traria de volta.


Capítulo Vinte e Oito Stephen conseguiu formar um plano de resgate da esposa em poucas horas. Trancara-se no escritório, onde, depois de reler o bilhete quatro vezes e ingerir duas doses de brandy, finalmente pôde pensar com clareza. Os bandidos não revelaram o nome no pedido de resgate, apenas a quantia e a localização para a troca, porém lorde Edmond tinha total certeza da identidade dos autores. Tornava-se obvio que eram os mesmos homens que haviam feito mal à Rosaleen meses atrás. E Stephen deduzira tal coisa porque recordou do amigo Matthew contar que seu casamento e sua aparição em Paris foram estampadas nas colunas de fofocas do maior jornal parisiense. Tudo, citando detalhadamente os acontecimentos e o nome de Rosaleen. Maldição! Fora um idiota ao deixar-se conduzir pelos sentimentos e não ter sequer considerado a possibilidade de que toda aquela exibição faria mal à sua esposa. À sua Rosaleen. Porém, isso já não importava mais. A sua única preocupação naquele momento era trazê-la de volta ilesa. Foi quando a noite caía que Stephen, Antuán, seu criado, e mais dois cocheiros seguiram para o lugar da


troca. Era uma pequena casa de madeira abandonada próxima a um rio que margeava o povoado há poucas léguas de Le Vente Solaire. Havia recolhido a quantia de dinheiro exigida do cofre em sua biblioteca, e na verdade, mal se apercebera se tivera ou não retirado mais do que o solicitado. Pouco se importava, afinal! Já estava parcialmente escuro quando o coche de Stephen parou na estrada de pedra metros antes da casa abandonada. Ele desceu do veículo junto dos companheiros e conferiu as pistolas que carregava dentro da grande capa negra que o cobria, e o pacote com o dinheiro. — Iremos entrar com vossa alteza. –Antúan disse ao lado de Stephen, segurando um grosso pedaço de madeira. — Vocês ficarão aqui de guarda. Não sabemos em quantos eles estão, por isso pretendo ir sozinho. Não devo colocar minha esposa em risco tentando algo perigoso. – conferiu o tambor de uma das pistolas e voltou a guardá-la sob a capa. Com um último olhar de aviso aos criados, lorde Edmond seguiu o caminho pela noite escura, com o corpo suando frio, as mãos tremendo. Rosaleen estava perto. E, senhor, que eles não a tivessem machucado, porque certamente ele os mataria sem nenhum pouco de piedade. Podia imaginar os mais terríveis métodos de tortura que cometeria com aqueles animais. Claro, planejava matá-los


de qualquer forma. E sabia também que, assim que tudo aquilo acabasse, levaria Rosaleen para casa e a amaria loucamente, diria a ela que amava. Grande tolo! Por que demorara tanto em perceber o amor que sentia pela esposa? Fora um tremendo covarde ao deixar que ela olhasse em seus olhos e confessasse seu amor abertamente, mas ele não dissera nada em troca. Parecia que a vida de Stephen resumia-se agora em uma sequência interminável de erros e consequências desastrosas. E bem agora, no momento em que haviam compreendido um ao outro e que ela o perdoara. Sim, ele mataria cada um deles. Por vingança a Rosaleen e seu sofrimento. Edmond chegou próximo à velha casa e espiou pela janela quebrada. Havia pouca luz, apenas duas velas sustentadas em uma mesa próxima a uma cama. E lá estava ela. Reconheceria em qualquer lugar aquela silhueta. Rosaleen estava com as mãos amarradas em frente ao corpo, sentada na beirada da cama caindo aos pedaços. Stephen não podia ver seu rosto, porque ela estava de cabeça baixa, mas a forma como o cabelo caía desgarrado sobre os ombros, e o vestido sujo, revelava que ela não estava bem. Ele apertou os dentes.


Moveu a vista para a direita e percebeu três homens sentados em volta de outra mesa forrada com garrafas de bebida. Eles estavam aparentemente comemorando algo, talvez o sequestro, pois erguiam seus copos e riam alegremente, um deles cambaleando para os lados. Stephen pensou que isso poderia ser uma vantagem, o fato de eles terem ingerido álcool. Fez como estava no bilhete. Foi até a porta da frente e bateu duas vezes, afastando-se alguns bons passos. Sacou uma das pistolas e esperou. A porta abriu-se com um baque. O homem maior apareceu, empunhando uma arma, apontando para a figura de Stephen, sombreada pela luz da lua. — Vossa alteza compareceu a nosso humilde evento. –riu com escárnio, a voz pastosa. Edmond apertou o cabo da pistola na mão e se concentrou na conversa. — Liberte minha esposa. –ordenou. O outro, Stephen teve um vislumbre pela fraca luz, sorriu diabolicamente. — Nada feito. Quero o dinheiro. Mostre-o! – gritou elevando a arma para a testa de Edmond. Lentamente, como aprendera no exército, Stephen puxou o pacote com o dinheiro e o ergueu, mostrando ao bandido que cumprira sua parte do acordo. Demonstrava a


tranquilidade que não tinha, já que por dentro só conseguia pensar em sua mão na garganta de cada um dos homens. — Infelizmente sua esposa não está em condições de encontrá-lo, vossa alteza, sinto dizer que terá que vir buscá-la aqui dentro. Lorde Edmond hesitou. Seu sangue fervendo nas veias. — Se você tocar em um único fio de cabelo de Rosaleen, eu juro que rasgarei sua garganta. –rosnou, sua mão tremendo sobre o gatilho, mas não podia atirar, pois os outros dois bandidos estavam lá dentro e matariam Rosaleen se ouvissem o tiro. Precisava agir com inteligência. — Vamos, junte-se a nós para um copo de bebida. –o bandido apontou para dentro da casa, esperando que Stephen o seguisse. — Deixe a arma no chão. –avisou. Stephen obedeceu, e rapidamente caminhou para encontrar sua esposa, para salvá-la. Quando chegou à porta, o homem, agora vendo-o mais de perto, percebia-se como era repugnante, encostou o cano da arma na fronte de Stephen, o frio do ferro lambendo sua pele. Ele foi conduzido para dentro, e a primeira coisa que viu foi Rosaleen na mesma posição de antes. — Rosaleen. – chamou-a, desesperado para tocá-


la. Ela ergueu o rosto, e seus olhos encontraram os dele. Havia desespero neles, e isso atormentou Stephen, que necessitou de iluminação divina para não cometer uma loucura. — Moll, este é o homem que ficou com suas sobras? –um dos homens que estava ainda bebendo perguntou, sorrindo com vários dentes faltando. Edmond moveu-se para ele, mas parou abruptamente ao sentir a pressão da pistola em seu crânio. — Entregue o dinheiro ao Canth. – o homem com a arma empurrou Stephen para frente. Ele jogou o pacote para o sujeito, que o resgou e começou a contar a quantia. — Sabe, ela era boa. Seus gritos me excitaram. –a voz surgiu próximo do ouvido de lorde Edmond. — Vossa alteza compreende o que estou falando? Não respondeu, estava de olhos fechados, se os abrisse perderia o controle. O corpo inteiro tremia violentamente, e seu coração subira para a garganta. A única coisa que conseguia pensar era matar. O que o fez se manter firme foi o olhar assustado de Rosaleen sobre ele. A pobre tinha o rosto coberto por lágrimas, a expressão de pânico no rosto. Stephen queria dizer a ela que ficaria tudo bem, que não sentisse medo, porque ele estava ali e que logo tudo acabaria.


— Rapazes, desamarrem nossa cadelinha. Os homens, um pouco atrapalhados, seguraram Rosaleen, que desabou em seus joelhos, e cortaram suas cordas com uma faca, revelando os pulsos machucados. Ela cambaleou e caiu fracamente sobre a cama. — Soltem-na! –Stephen urrou. — Não mova nenhum músculo, vossa alteza. –o homem caminhou em volta de Stephen, deslizando o cano da pistola na nuca dele. — Achou mesmo que teria essa mulher para você? Eu a possuí primeiro, ela é minha. E agora meus homens farão o que quiserem com ela, porque é para isso que ela serve; Ser usada como a cadela que é. Você assistirá ao espetáculo e depois eu o matarei. Será fácil casar-me com a duquesa viúva e me tornar o novo duque. — Vou matá-lo. –Edmond murmurou, seus olhos vidrados na esposa. — Arrancarei seus olhos. O homem riu grosseiramente. — Nos encontremos no ínfero, então. –engatilhou a arma e posicionou novamente na fronte de Stephen. — Divirtam-se, rapazes. — Stephen! –Rosaleen gritou, esmurrando um dos homens, tentando se soltar. Mas logo foi dominada e presa na cama. E foi nesse momento em que lorde Edmond deixou de agir com a razão, e com uma força e agilidade que


jamais imaginou ter, conseguiu agarrar a arma que o homem apontava para ele. Deu dois passos para trás e mirou no peito do oponente. — Ordene que eles parem, ou o matarei. –gritou, a ponto de atirar. O homem sorriu e ergueu as mãos para cima. — Parem. –e os outros obedeceram imediatamente, saindo de cima de Rosaleen. — Será covarde o suficiente para matar um homem desarmado? – provocou. Stephen arqueou uma sobrancelha e, quando percebeu os outros dois homens estavam com duas armas, uma no peito de Rosaleen, e outra em sua bochecha. Suas pernas fraquejaram, e ele deixou a arma deslizar por suas mãos, indo diretamente para o chão. Não permitiria que a matassem. — Tomou a decisão correta. Agora, lute como um homem. –Moll ergueu os punhos e avançou sobre Stephen. Rosaleen fechou os olhos. Não queria ver o que iria acontecer, porque temia pela vida de seu marido. E fez somente o que conseguiu no momento; Rezou. Pediu desesperadamente para o Deus que a abandonara tempos atrás, para que tivesse piedade dela e protegesse Stephen. Porque depois de permitir que sua vida se enlaçasse a dele, que ela o amasse, esse Deus não


poderia permitir que nada ruim acontecesse. Rosaleen estava desesperada, ouvia apenas os sons dos dois homens lutando, socos e pancadas explodindo pelo ar. Percebeu, porém, quando um gemido de dor ecoou. Ela abriu os olhos de repente, com o coração a pulos, com medo de saber quem fora ferido. Stephen puxou a faca do peito do homem e a limpou na camisa do mesmo. Tivera sorte em carregar o objeto em seu cinto naquela noite. Enquanto o bandido gemia, com o sangue jorrando de sua boca, Stephen se colocou de pé, pois a lutara ainda não havia acabado. — Fogo! Stephen! –ele ouviu a voz de Rosaleen, e percebeu então que atrás dele havia labaredas que já chegavam à sua altura. O fogo se originara de uma vela que fora derrubada durante a luta. Tinha pouco tempo. Precisava tirar Rosaleen dali. Apertou a faca na mão e caminhou em direção aos dois homens que restaram. Um deles, em pânico tentou puxar o gatilho da arma, mas acabou deixando-a cair, o que facilitou a Stephen, que em um golpe, atingiu a faca no estômago do homem. Ele caiu de joelhos, as mãos tentando estancar o sangue. O outro homem, o mais baixo, empurrou Rosaleen para o lado e avançou para Stephen, golpeando-o no queixo, pois sabia que se disparasse a arma o fogo os


consumiria. Edmond revidou, lançando o homem ao chão e se colocando sobre ele, socando-o no rosto e o sufocando. — Saia daqui, Rosaleen! Corra! –ordenou aos berros, olhando para a esposa. Ela segurou as saias do vestido e se aproximou dele. — Solte-o, Stephen. Precisamos sair! –ela tapou o rosto com o tecido do vestido, tossindo com a fumaça escura que preenchia o ar. Se não saíssem, morreriam rapidamente. Edmond soltou o homem, já morto, e agarrou Rosaleen nos braços. Olhou para todos os lados e viu que o fogo já consumia a única janela da casa, a qual não poderiam passar. Restava apenas a porta, rodeada pelas chamas. No lado de fora, Stephen viu os criados, desesperados, balançando os braços. Teriam que passar pelo fogo, ou morrer ali. Stephen apertou Rosaleen nos braços e pediu a Deus para que desse uma chance aos dois. Desviou dos objetos jogados no chão e dos corpos, chegando mais perto das chamas. O calor era insuportável, e sua pele já começava a arder terrivelmente. Mas precisava salvar Rosaleen. Ajeitou-a em seus braços e seguiu por entre as labaredas, seus passos largos e rápidos os levando para


fora da casa. Stephen caminhou mais alguns passos para longe do fogo e caiu de joelhos com a esposa ainda em seus braços. — Stephen? –ela se colocou ao lado dele, notando com horror a pele chamuscada e as feridas sobre o corpo. Retirou a máscara do rosto dele e o embalou nos braços. — Por favor, meu amor, fale comigo. –gritou. O marido tossiu e a olhou. Rosaleen viu os olhos antes tão verdes e misteriosos, agora se apagando de repente. — Amo-te. –Stephen murmurou sorrindo fracamente. Com muito esforço, ergueu a mão e a tocou no rosto com a ponta dos dedos. Uma lágrima escorreu pelo rosto dele e caiu sobre o vestido dela. — Amo-te, carinho. — Ajudem! Ajudem! –Rosaleen exclamou, e os criados se ajoelharam ao lado de Stephen e, com cuidado, içaram-no, correndo com o corpo dele para o coche. A esposa seguiu atrás, correndo em prantos, caindo na estrada de pedra. Stephen! Ele não poderia morrer! Não! Ela entrou no coche, e os criados colocaram Stephen em seu colo, ele já de olhos fechados, a respiração fraca, assim como seu coração. Rosaleen o abraçou.


Ele estava partindo! — Rápido! Corram! –bateu no teto do veículo, que se movimentou frenético noite a dentro. Rosaleen segurou o rosto de Stephen nas mãos e explodiu em mais lágrimas, soluçando desesperadamente. — Ficará tudo bem, Stephen. Você vai ficar bem, eu garanto, meu amor. –beijou os lábios machucados do marido e fechou os olhos, enquanto o coche corria pelas estradas, Rosaleen pedindo à vida somente mais uma chance.


Final Rosaleen passou pela entrada do solar, abrindo caminho para Stephen, que era carregado pelos criados. — Stephen! –Cristine apareceu correndo pelo salão principal, uma esvoaçante massa de tecido vermelho se movendo em direção ao irmão. Ela parou diante de Rosaleen e, já em lágrimas, começou a acompanhá-los escada acima. — Cristine diga aos criados que consigam unguento, ou qualquer outra coisa que possa ser usada nas queimaduras. –a duquesa ordenou. A cunhada correu para a cozinha, para fazer o que era pedido. Quanto a Rosaleen, guiou Antuán e os outros dois criados para que colocassem Stephen com cuidado sobre a cama. Ele ainda estava inconsciente e, durante o trajeto em que Rosaleen o segurara em seus braços, ela pedira aos céus para que ele aguentasse chegar ao solar. Implorara desesperadamente, na verdade. — Tragam depressa o doutor Wilms de Bordeaux. –pediu a um dos criados. — Diga a ele que é urgente. — Sim, vossa alteza. –Antuán dirigiu um último


olhar de pesar no patrão e saiu do quarto junto dos outros homens. Assim que teve a certeza de estar finalmente sozinha, Rosaleen começou a despir o marido, tirando com delicadeza a camisa chamuscada, revelando o peito com pequenas queimaduras, e depois as calças, jogando tudo para o lado. Ela correu até a mesa onde ficava o jarro com água, encheu a bacia e agarrou alguns panos. Voltou até Stephen e se sentou ao lado dele. Umedeceu os panos na água fresca e limpou o rosto do marido, primeiro o lado bom, e depois onde as feridas da batalha se concentravam. Seus dedos tocaram as cicatrizes, e ela se viu chorando novamente. Por quê? Estava tudo perfeitamente bem entre os dois. Ela sabia que ele a amava, e que poderiam ter um lindo futuro juntos. Por que a vida era tão cruel daquela forma? Rosaleen secou as lágrimas e continuou a limpar as manchas de fuligem do rosto de Stephen. Ele não movia nenhum músculo e seus olhos continuavam fechados. Mas seu coração continuava a bater, e isso era o importante. Cristine entrou no quarto um pouco depois de Rosaleen ter banhado o corpo do marido e o coberto com um lençol. A cunhada carregava um lenço junto ao peito e tinha os olhos e o nariz vermelhos.


Ela colocou a mão sobre o ombro de Rosaleen, dando-lhe força. — Ele me salvou. –contou, olhando ceticamente para o chão. — Atravessou as chamas comigo em seus braços. — Ele ficará bem. –Cristine garantiu, a voz trêmula e incerta. — Não consegui encontrar nada que pudesse ser usado nas queimaduras. Acredito que seja melhor esperarmos pelo médico. Antuán saiu há pouco para Bordeaux. Logo regressará com o doutor Wilms.

Naquela noite, Rosaleen passou cada segundo ao lado de Stephen, segurando a mão do marido e rezando todas as orações que sabia. Não podia pensar em deixá-lo sozinho. Precisava estar ali, tocando-o, tendo certeza que ele estava bem. O que a preocupava, porém, era que agora havia febre alta e, durante alguns momentos na madrugada, Stephen tivera espasmos, o corpo suado se debatendo contra a cama. Desesperada, Rosaleen, sem saber muito bem o que fazer, segurara-o em seus braços e sussurrara palavras de amor, disse-lhe que o amava. E para efeito, o marido havia se acalmado, caindo em um sono profundo. Pela manhã, quando os primeiros raios de sol entravam através das cortinas, Rosaleen ainda estava ao lado do marido, tinham suas mãos unidas, tornando-os


apenas um. Aquela ligação fora o que dera força a ela durante a noite silenciosa. Doutor Wilms chegou pouco depois do desjejum, no qual Cristine tentou fazer com que Rosaleen comesse um pouco para recuperar suas forças, mas que ela rejeitara, alegando não ter fome. O velho médico foi orientado para seguir diretamente para o quarto do duque, apesar de ter viajado durante toda a noite. Ele entrou no aposento carregando sua inseparável maleta de couro marrom, os óculos novos pendurados no nariz. — Vossa alteza. –ele fez uma mesura ao ver Rosaleen prostrada ao lado de Stephen. Ela se levantou rapidamente e se aproximou dele. — Por favor, doutor, ele não acorda. Eu não sei o que fazer, ele teve alguns espasmos durante a noite e eu... –parou de repente, já sem saber o que dizer. O médico apoiou a maleta em uma cadeira ao lado da cama e chegou mais perto de Stephen. — Preciso que a senhora saia do quarto, vossa alteza. –disse, de costas para ela, remexendo em alguns frascos que retirara da maleta. Rosaleen segurou a mão de Stephen e fez um gesto com a cabeça. — Não posso deixá-lo sozinho. Ele é meu marido,


doutor. –lançou um olhar de desespero ao médico. Ele a encarou por um momento. — Tudo bem, fique, mas, por favor, mantenha-se afastada durante os exames. –concedeu. Concordando, Rosaleen sentou-se em uma cadeira de leitura no outro extremo do quarto, onde ainda poderia observar o que acontecia com Stephen. O médico segurou o pulso de lorde Edmond e começou a contabilizar as medidas, usando um relógio de bolso que estava na outra mão. Depois, retirou o lençol e colocou o ouvido sobre o peito de Stephen, analisando a respiração e o movimento do tórax. Conferiu, além disso, as queimaduras nos ombros e nos braços, as quais cobriu com uma pomada esverdeada com cheiro forte, e depois usou bandagens de linho branco para protegê-las. Por fim, administrou-lhe uma dose de láudano para que não sentisse dores. Assim que terminara o trabalho, Rosaleen não aguentou mais ficar sentada apenas observando e levantou para ir até o marido. Porém, nos primeiros passos, abateuse de uma forte tontura, que a fez cambalear, quase indo ao chão. Doutor Wilms correu a ampará-la. — Sente-se, vossa alteza. –ele a ajudou a se acomodar na cadeira. — Permita-me examiná-la, sim?


— Eu estou bem. Foi apenas um mal-estar. – aparteou ela. Estava bem, precisava apenas voltar para o lado do marido. O médico mediu o pulso de Rosaleen, mesmo ela sendo contrária. — Tem sentido tonturas e enjoos com frequência, vossa alteza? –perguntou, olhando-a com interesse. Ela franziu os lábios, refletindo que sim, há alguns dias acordara com alguns enjoos repentinos, e uma ou duas vezes sentira tudo girar. — Sim, creio que sim. –admitiu. — E suas regras, se me permite perguntar, estão regulares? –o médico insistiu. Rosaleen dirigiu um olhar exasperado a ele. — Doutor, eu realmente estou bem. Pode, por favor, dizer-me o que aconteceu com meu marido? O doutor suspirou, colocando o relógio de ouro de volta no bolso do casaco. Guardou seus utensílios médicos na maleta e conferiu pela última vez seu paciente. — A fumaça causou algum dano ao pulmão, e eu não sei precisar o quanto isso o prejudicou. –explicou. — E as queimaduras? –Rosaleen interveio, preocupada. Doutor Wilms moveu os ombros. — São leves e não terão maiores problemas.


Basta que aplique a pomada três vezes ao dia e que troque as bandagens com frequência. Rosaleen levantou da cadeira e foi até Stephen. — Por que ele não acorda, doutor? –perguntou, sua garganta se fechando. — Infelizmente não tenho a resposta para isso, vossa alteza. Lorde Edmond é um homem forte e irá sobreviver. Mas não encontro o motivo pelo qual não retorna de seu sono. –disse simplesmente. Fitando o rosto sereno do marido, Rosaleen levou a mão dele aos lábios e o beijou. — Vossa alteza, se me permite dizer, a senhora precisa de um pouco de repouso. Em seu estado, não é aconselhável que passe tanto tempo sem se alimentar ou dormir. Rosaleen se virou para o médico. — Perdão? –não compreendia a que ele estava se referindo. O médico já estava na saída do quarto, quando respondeu: — Está grávida, duquesa. De poucas semanas, evidentemente. –contou, antes de seguir seu caminho para fora do cômodo. Estática, Rosaleen ficou encarando a porta, seus olhos arregalados, seu cérebro tentando absorver a


notícia. — Ouviu? –ela sentou na cama ao lado de Stephen. — Você será pai! –exclamou, rindo e chorando ao mesmo tempo, seus olhos trasbordando e molhando suas bochechas.

Lorde Edmond permaneceu inconsciente por quatro dias, todos passados com Rosaleen ao seu lado, e Cristine que, de poucas em poucas horas, o visitava e levava algo para a cunhada comer. Rosaleen contara à irmã do marido sobre a gravidez, e a outra a recebera com imensa alegria, tratando de cuidar com esmo da nova gestante do solar. Era final de tarde, e Rosaleen estava sentada na cama ao lado de Stephen, segurava um livro nas mãos, uma edição do Manual de preparação de uma mãe, que Cristine lhe emprestara e que, na realidade, Rosaleen não tinha lido nenhuma linha. Esforçara-se para se concentrar, mas era difícil fazê-lo quando o amor da sua vida estava ali do seu lado, ainda sem acordar. Aborrecida, Rosaleen deixou o livro de lado e se aconchegou no travesseiro ao lado de Stephen. O quarto estava em um completo silêncio, o que fez ela recordar dos momentos quando eles, saciados de fazer amor, deitavam um nos braços do outro e compartilhavam de um


silêncio acalentador. Aquele era diferente, era mórbido, triste, doloroso. Foi inevitável as lágrimas começarem a pinicar nos olhos de Rosaleen, ela tentando secá-las rapidamente. — Você precisa acordar, Stephen. Precisa voltar para mim, para nosso filho. –sussurrou. Ele podia ouvi-la, ela sabia disso. Acreditava com sua alma nisso. — Nós teremos um bebê, meu amor. Um bebê rosado e de olhos verdes, iguais os seus. –um soluço escapou de sua garganta. — Quando ele tiver idade suficiente para nos acompanhar, o levaremos para caminhar nos vinhedos. Faremos piqueniques à sombra da árvore onde fizemos amor pela primeira vez. –fechou os olhos e começou a imaginar tal cena. — Eu o segurarei em meus braços e lhe contarei histórias sobre uma menina que cresceu longe de seu país, que cresceu em uma pequena cabana e que encontrou uma Fera muito temida por todos, que a protegeu, deu a ela sua casa, seu coração e seu amor. Nosso filho saberá de nossa história, Stephen. Ele crescerá rodeado de amor, porque eu tenho certeza que você será um ótimo pai. Rosaleen segurou a mão de Stephen na sua e a conduziu para seu ventre. A mão dos dois entrelaçadas, aquecendo a vida que começava a ser gerada dentro dela.


— Ele terá muito orgulho de você, meu amor. Como poderia ser diferente? Ele será filho de um homem honrado, honesto e de bom coração. Um homem que não mede esforços para proteger a quem ama. –seu choro tornou-se compulsivo, estava perdendo o controle. — Eu o amo tanto, Stephen. Por favor, volte para mim, meu amor, por favor. –apertou a mão dele na sua e a pôs sobre sua bochecha. Ficou daquele jeito até que seu choro foi se abrandando, e ela acabou mergulhando em um sono profundo. Estivera acordada há vários dias seguidos e agora acabara sucumbindo ao cansaço. Mal percebera que tinha dormido, até que foi acordado por um leve toque em sua bochecha. Se moveu inquieta, o toque morno fazendo cócegas em seu rosto. — Rosaleen. –ouviu uma voz fraca próxima ao seu ouvido. — Stephen?! –perguntou, sentando na cama rapidamente. E a primeira coisa que ela encontrou foram os olhos verdes do marido, fitando-a com curiosidade. — Oh, Stephen! –ela sorriu, movendo as mãos para os lados, desejando tocá-lo. Ele piscou, parecendo confuso.


— Como se sente? Stephen sentiu um gosto amargo na boca, a garganta queimando horrivelmente. — Água. –murmurou. Rosaleen levantou da cama e correu encher um copo com a água do jarro de porcelana. Ela o ajudou a beber em pequenos goles, acolhendo a cabeça dele em seus braços. — Mais? Ele negou. Rosaleen deixou o copo ao lado em uma mesa. — O que aconteceu? –Stephen perguntou, dirigindo um olhar assustado para seu próprio corpo, percebendo as bandagens. — Você me salvou. –ela explicou com a voz embargada. — E acabou se queimando nas chamas. O doutor Wilms disse que você sofreu dano no pulmão. Lorde Edmond então recordou de tudo. Do sequestro, da luta, das mortes, do fogo e da dor. — Feriu-se? –perguntou e um acesso de tosse explodiu em seu peito. — Estou bem. –Rosaleen apertou a mão uma na outra. — Você dormiu por quatro dias. Achei que iria me deixar. –confessou de cabeça baixa.


Stephen sentiu uma dor latejante em seu peito. E não era nada físico, tratava-se da reação ao imaginar o sofrimento de sua esposa durante todos aqueles dias. Ele pouco recordava dos sonhos que tivera durante a inconsciência, apenas algumas lembranças de preces e soluços, vez ou outra uma voz que o chamava de volta. Tudo era negro, não havia nada e nem dor em sua mente no tempo que dormira. Fora pacífico. E quando acordara, ouvindo a voz da esposa o chamando, seu choro desesperado, encontrara ela em seus braços, e Deus sabia o quanto ele tivera desejo de chorar ao ver que estava vivo e que ela também estava bem. — Eu estou aqui, carinho. Jamais irei deixá-la, eu prometo. –forçou suas mãos ainda pesadas e doloridas a acolher a pequenina mão da esposa entre elas. — Eu o amo tanto, Stephen. Lorde Edmond sorriu maravilhado, extremante feliz em ouvir Rosaleen dizer que o amava. E ele compartilhava do mesmo sentimento. Amava Rosaleen. — Eu também a amo, carinho. Jamais poderei dizer o tamanho do meu amor por ti. –puxou ela para mais perto de seu corpo, pouco se importando com as queimaduras. — Eu gostaria tanto de beijá-la. Rosaleen riu graciosamente e, se apoiando nas laterais da cama, içou o corpo sobre o de Stephen e


depositou um beijo nos lábios do marido. — Meu querido irmão resolveu acordar? –a voz de Cristine soou vindo da entrada do quarto. Ela estava apoiada no batente, usando seu sempre extravagante vestido vermelho. Sorria de orelha a orelha e tinha os olhos marejados. Caminhou até a cama e beijou a testa de Stephen. — Seja bem-vindo de volta, irmão. Senti sua falta. Lorde Edmond arqueou uma sobrancelha. — Da forma como fala parece que se passaram meses. Aliás, estou enganado ou sua barriga aumentou uma boa quantia? Vejo-a redonda... –brincou ele. Cristine ficou roxa e começou a apalpar freneticamente seu ventre. — Pagará por isso, Stephen. –ela o ameaçou, entrecerrando os olhos. — Quando a barriga de Rosaleen começar a crescer, você pagará na mesma moeda. Assustado, Stephen olhou para Rosaleen. Rosaleen olhou para a cunhada. Cristine encarou os dois. — Você ainda não contou a ele? –perguntou, envergonhada. — Eu estava a ponto de dizer, mas você nos interrompeu. –Rosaleen alfinetou. A cunhada entendeu o recado e, com um sorriso


amarelo, deixou o quarto. — Do que ela falava? –Stephen questionou assim que ficaram sozinhos novamente. Rosaleen mordeu o lábio, evitando um sorriso. E como não tinha muito a dizer, apenas deslizou as mãos para seu ventre e o acariciou. Os olhos de Stephen se arregalaram. — Você... Nós... Um filho? –sua voz quase mal saiu. — Fizemos amor tantas vezes que agora compreendo o motivo pelo qual a população está aumentando tanto. –ela deu uma risadinha. Lorde Edmond gargalhou. Pai! Ele seria pai! E estava extasiado por isso. Pousou a ponta dos dedos na barriga da esposa e sorriu. — Um pedaço de mim, aqui dentro. –murmurou, mais para si mesmo. — Resultado do nosso amor. –ela completou. Ele deitou a cabeça no travesseiro e inspirou profundamente, engasgando com uma tosse. Rosaleen não tinha certeza do gesto, mas julgava que provavelmente o marido estivesse agradecendo aos céus pelo filho que crescia dentro dela.


Um mês depois, lorde Edmond, décimo duque de Caston, estava finalmente recuperado de sua enfermidade. A esposa o auxiliara durante os dias seguintes, administrando-lhe os remédios e o ajudando no que fosse necessário. Durante as tardes, passavam as horas conversando sobre qualquer assunto que fosse digno de ser discutido. À noite, Rosaleen deitava-se ao lado do marido e, envolvida no calor daqueles braços, os dois dormiam profundamente. Apesar de Stephen exigir poder sair da cama, Rosaleen e Cristine só o permitiram fazê-lo no quinto dia, quando fora conduzido para o salão da ala direita e entretido com jogos de xadrez e leitura de poemas enfadonhos. Mas naquela noite, Stephen sentia-se perfeitamente bem. As dores pelo corpo já não existiam, a tosse cessara graças ao tônico que lhe fora receitado, e as queimaduras agora eram pequenas marcas vermelhas. Tinha decidido deixar de usar a máscara e, apesar de ter ficado preocupado com a reação das pessoas a isso, percebera como estava sendo extenuante poder libertar-se de tal fardo. Agora era um homem normal. Sempre fora, na realidade. Acontecia que –Stephen refletira muito nos últimos dias-, desde que voltara daquela batalha, ferido


no corpo e na alma, fechara-se para tudo e para todos, usando o objeto como proteção contra o mundo. Ele mesmo tornara-se a Fera, ninguém o fez por ele. Lorde Edmond, a Fera de Bordeaux era seu escudo. E fora assim por anos, até que em uma noite há algum tempo, encontrara um anjo caído em sua porta. Um anjo de cabelos longos, de olhos espertos, de boca inteligente, que apesar de ter suas asas quebradas, nunca deixou de sorrir. Fora esse anjo, sua Rosaleen, que o ensinara da forma mais doce que nenhum ser humano deve ser julgado por sua aparência e que todos são dignos de amor. O amor é capaz de curar qualquer ferida, é capaz de acalentar os corações mais secos e fazer florescer a vida onde havia somente tristeza, rancor e dor. Rosaleen –com sua simplicidade- conseguiu revelar a melhor parte de Lorde Edmond. O fez se abrir para o mundo. E o homem, antes cadenciado à escuridão, encontrou finalmente sua luz. — Mandou me chamar? –Rosaleen apareceu na porta da biblioteca, espreitando o lado de dentro. — Sim, entre. –o marido levantou da cadeira que estava sentado e foi até ela. — Tenho algo para você. — Tem? Stephen puxou uma caixinha azul do bolso da


calça. — Sei que achou que havia perdido sua aliança. – ele começou. — Sim, eu a perdi na casa em que passamos a noite... Ele sorriu a interrompendo. — Na verdade, eu a guardei. –abriu a caixinha e tirou um anel de ouro. Segurou a mão dela e o deslizou suavemente no dedo anelar. — No dia que você foi sequestrada eu fui até a cidade para fazer esta surpresa. O queixo de Rosaleen caiu ao reconhecer a aliança dourada, antes tão fina, e agora com entalhes de folhas em seu contorno e, no centro, uma delicada rosa pálida. — Ela representa todo meu amor por você, carinho. Gostou? Rosaleen não tirava os olhos da aliança. — Eu tenho uma dúvida. –ela disse sem jeito. Stephen se apoiou na mesa e cruzou os braços. — Sim? — Grávidas podem tocar flauta? –perguntou timidamente. Lorde Edmond riu roucamente. — Há coisas incríveis que grávidas podem fazer,


meu amor. Posso lhe ensinar? Rosaleen o envolveu pelo pescoço e o beijou apaixonadamente. — Absolutamente tudo, milorde. Amo-te. — Amo-te. –ele sussurrou no ouvido dela, enquanto começava a deitá-la sobre a mesa, porque era certo: Lorde Edmond, décimo Duque de Caston, fora completamente envolvido por sua adorável esposa, a duquesa Rosaleen Wickford.

Epílogo — Eu gostaria de falar com vocês. –Cristine entrou no salão principal com a filha de onze meses no colo. — Sente-se, por favor. –Stephen levantou e indicou um lugar para a irmã em uma cadeira ao lado. Cristine fez o que o irmão pediu, sentou-se abraçada à filha ao lado de Rosaleen. Moira entrou no cômodo carregando uma bandeja de chá, que a deixou sobre a mesa de centro. Serviu os


patrões e, com um sorriso animado, deslizou para fora do salão. Desde que o duque e a duquesa haviam voltado para a casa em Bordeaux, cerca de dois meses atrás, encontraram os dois empregados em uma situação um tanto quanto fora do comum. Depois de um pedido de casamento emocionado de Ned, Moira e o amado casaram-se poucos dias depois, concretizando um amor, que segundo os dois, crescera e multiplicara-se em todos os anos passados juntos. — Há algo que eu gostaria de contar-lhes. –a irmã deixou a filha sentada sobre uma almofada, perto de Cookie, que agora já não era apenas um filhote e que se assemelhava ao tamanho de um potro –para desgosto de Stephen. — Preciso me preparar para alguma notícia que não me agradará? –o irmão perguntou, levando a xícara de chá aos lábios. Rosaleen o censurou com o olhar. Cristine riu. — Não, absolutamente. –olhou para a filha, a pequena Cassandra, e sorriu sonhadora. — Acontece que finalmente lorde Belcchoc pediu-me em casamento! – anunciou, batendo palmas. — Oh, querida, isso é maravilhoso! –Rosaleen comentou alegremente.


— E quando ele virá falar comigo? –Stephen se entrepôs, com a testa franzida. Cristine suspirou. Sabia que a reação do irmão seria aquela. Na verdade, desejava que ele reagisse de tal forma, porque de certa forma gostava do jeito protetor de Stephen com ela. Desde que Cassandra nascera, a relação dos dois tornou-se especial. Eram verdadeiros irmãos, como deveriam ter sido há muito tempo. — John virá em breve. Está resolvendo negócios na fronteira. –contou orgulhosa. Lorde John Belcchoc era um comerciante franco, de grande fortuna, o qual se apaixonara de pronto por Cristine em uma visita a Bordeaux quando compareceu a uma reunião com Stephen sobre a venda dos vinhos de Le Vente Solaire. No primeiro olhar trocado, lady Cristine também vira-se completamente fascinada pelo cavalheiro que, mesmo sabendo de sua condição de mãe solteira, não se importou em conduzir a relação, para algo mais sério. — Diga-me, Cristine: isso a fará feliz? –Stephen fitou a irmã com um olhar preocupado. — Como jamais fui. –ela respondeu, os olhos transbordando de lágrimas. Lorde Edmond suspirou. — Eu lhe dou minha benção, então. Com a


condição de que aceite a propriedade que tenho em Paris, como presente de casamento. Nosso pai deveria ter feito isso, mas, como seu único irmão, estou tendo esse privilégio. –declarou, a voz falhando. — Obrigada. –Cristine limpou as lágrimas que caíam pelo rosto e sorriu para a cunhada. — Seria muito pedir que me ajudasse na preparação do casamento? Os olhos de Rosaleen brilharam. — Eu adoraria. Feliz, Cristine tomou a filha nos braços e a abraçou fortemente. A menina de pele branquíssima riu, puxando algumas mechas de cabelo da mãe. — Oh, Cassandra! –torceu o nariz, sentindo um odor desagradável. — Temo que devo me retirar. – levantou e carregou a filha até a saída do salão. — Precisamos conversar sobre isso, mocinha. –cochichou para a bebê. — Nunca a vi tão contente. –Rosaleen comentou quando a cunhada já havia saído. Stephen deixou a cadeira que ocupava e foi até a esposa. Ele não usava mais a máscara, que ficara perdida desde a noite do incêndio, e já pouco recordava do objeto. Agora, homem livre como era, andava livremente pelas ruas de Bordeaux, onde todos os passantes que o encontravam lhe dirigiam um olhar de admiração, de


respeito, porque a Fera de Bordeaux havia se transformado no antigo lorde Edmond, o duque de Caston. Stephen e Rosaleen visitavam os eventos sociais com pouca frequência, o que levava a presença do casal ducal ser a mais disputada pelos anfitriões. Todos desejavam recepcionar o casal mais excêntrico da sociedade, que não ligava para as regras de decoro que os impediam de valsarem juntos, ou o fato de que sempre levavam a filha pequena como companhia onde quer que fossem. — Finalmente ela encontrou o que procurou por anos. –o marido comentou ao tomar a mão da esposa e a levar até o outro extremo do salão, onde a grande janela de vitrais estava aberta, permitindo que a brisa da primavera entrasse levemente. — É o que todos passam a vida procurando, não? –Rosaleen sorriu para ele. Stephen escovou a bochecha dela com a ponta dos dedos, fazendo-a fechar os olhos e ofegar. — Mas poucos encontram o amor verdadeiro, carinho. –desceu o polegar para o lábio dela e o acariciou. — Muitos passarão a vida buscando algo que façam seus corações pulsarem, motivos que façam com que o mundo tenha sentido. –os olhos dele se prenderam aos dela. — Procurarão em todos os lugares, desesperados para provarem apenas uma gota do que um amor pode nos dar. Eu fui agraciado pelos céus, Rosaleen.


Mesmo não merecendo, recebi o maior presente que um homem poderia desejar. Tenho a ti, e nossa Lilian. — Oh, Stephen, eu o amo tanto! –ela se atirou nos braços dele, emocionada por ouvir tais palavras. — Senhora, desculpe interromper, mas ela estava chorando inconsolavelmente. –Moira entrou no salão, com um bebê nos braços. Rosaleen soltou-se do marido e correu a pegar a filha. — Tudo bem. Eu tomarei conta dela. Embalando a pequena Lilian, uma menininha rosada de grandes olhos verdes, exatamente como o pai, Rosaleen sorriu beijando as bochechas gorduchas da menina enquanto proferia sussurros no ouvido dela. O coração de Stephen se apertou. Poderia ser mais feliz? Gostaria tanto de ter o amigo Matthew ali naquele momento para dizer-lhe que ele estivera certo desde o começo e, que sim, Rosaleen Wickford era perfeita para ele. Desde que o amigo partira para a Inglaterra há mais de um ano, não recebera mais notícias do mesmo, e isso o preocupava. Porém, sabia que lorde Cheeven era forte, astuto e que daria tudo certo. — Ela dormiu. –Rosaleen apareceu ao lado dele, com a filha adormecida nos braços. Ele beijou a cabecinha da criança e depois a testa


da esposa. — Obrigada. –sua voz se tornou fraca. — Obrigada por salvar-me, por amar-me. Rosaleen sorriu. — Nosso amor é para sempre, Stephen. — Sempre. –ele concordou beijando-a de leve nos lábios. — Je t'aime mon amour et je t'aimerai toujours.* –sussurrou no ouvido dela. Sim, ela sabia. Por toda a eternidade e mais além. *Eu te amo meu amor e te amarei para sempre

Pertencer Stephen reuniu-se com Rosaleen no quarto ducal. Pedira para que Moira cuidasse da pequena Lilian para que ele pudesse conversar em particular com a esposa. Era uma noite quente de verão, e Rosaleen estava apreensiva desde o momento em que o marido pedira-lhe durante o jantar que subissem ao quarto mais tarde. Estavam ali agora, e a ansiedade da duquesa só aumentava. — Estou preocupada, Stephen. –ela confessou, seus olhos vagueando pelo rosto do marido. Edmond a segurou pelas pequeninas mãos, acariciando-a e a acalmando.


— Se acalme carinho, o que tenho para lhe dizer é algo bom. Rosaleen olhou para suas mãos unidas e respirou fundo. — Mudará algo entre nós? –perguntou temerosa. Stephen sorriu. — Jamais. –ele garantiu. Ela concordou. — Como já lhe disse antes, contratei um investigador para que descobrisse algumas coisas sobre seus pais. –Rosaleen assentiu e ele continuou. — Há dois dias ele me mandou uma missiva dizendo que havia descoberto algo sobre sua mãe, Rosaleen. — Sobre minha mãe? –a voz dela saiu abafada. — Sim, ouça-me carinho. –Stephen olhou nos belos olhos da esposa antes de continuar. — Encontrei-me ontem com esse homem, e ele contou-me que sua mãe era uma dama inglesa, filha de um dos homens mais importantes de Londres, um banqueiro, possivelmente. — O quê? Rosaleen piscou completamente confusa. — Foi o que ouviu, Rosaleen. Sua mãe era uma lady da alta sociedade inglesa, pelo que o investigador descobriu, uma das mais belas e desejadas nas temporadas em que participou. –contou Stephen.


Era dificil de acreditar, porque nem mesmo em seus sonhos Rosaleen sonhara com algo tão... Fora da realidade. — E meu pai? –perguntou emocionada. Stephen sorriu. — Ao que parece seus pais viveram um verdadeiro conto de fadas, carinho. Seu pai se apaixonou por sua mãe durante uma feira, e ele passou dias procurando por ela, e lhe enviando pequenas cartas. Sua mãe cedeu ao amor, e mesmo com a proibição de seus avós que eram contra ela casar com alguém de uma classe inferior, a bela lady acabou fugindo para a Inglaterra com seu pai, Rosaleen. — Oh meu Deus! –Rosaleen tapou os lábios com as mãos, aturdida com a descoberta. — Sua mãe deixou tudo para trás, abdicou todo o dinheiro que possuía, todo o luxo, somente para viver com seu pai. –continuou Edmond. — Fiz mal em lhe contar? Ela demorou a responder, ainda estava um pouco dispersa, tentando compreender os fatos. Era uma nova visão sobre tudo que ela sabia, e até mesmo sobre quem ela era. A garganta de Rosaleen se apertou com o pensamento do que sua mãe fizera, do que escolhera. — Eu tenho parentes? –questionou esperançosa. Seus pais jamais falaram sobre eles.


Stephen fitou o rosto da esposa, sentindo um peso atormentá-lo sobre o peito. Os olhos de Rosaleen estavam tão lúcidos, cheios de fios de esperança, de desejo de saber mais. Mas, quando ele decidira contar a ela a verdade, era consciente de que a afetaria profundamente. Porém, Stephen jamais manteria algo assim em segredo. Nada mais de segredos entre eles. — Receio que seus parentes sejam apenas alguns tios, irmãos de sua mãe, carinho. O investigador entrou em contato com eles e tentou explicar sobre sua existência, mas... Eles não quiseram ouvi-lo. Possivelmente a atitude de sua mãe tenha provocado um pouco de mágoa entre a família. Ela assentiu, sentindo um grande orgulho da mãe, de sua atitude corajosa em deixar absolutamente tudo para se unir a seu grande amor. — E a família de meu pai? Edmond negou com a cabeça. — Eu sinto muito. Rosaleen juntou as mãos sobre o colo, com uma sensação estranha recorrendo seu corpo. Sempre desejara saber mais sobre sua família, e as poucas vezes em que perguntara ao pai a respeito do que tinham deixado na Inglaterra, ele desviara do assunto, e com certa melancolia dizia que tudo o que ficara para trás nada mais


era do que algo irrelevante. E agora a filha compreendia perfeitamente o que pai tentara explicar. Ela mesma havia passado por isso. Não deixara o passado, permitira-se deixar que as coisas se perdessem através do tempo, para entregar-se ao homem que amava? Naquela época quando criança, mesmo sem saber seu pai lhe ensinara o verdadeiro significado de viver, de pertencer. Seus pais deixaram a Inglaterra para trás, deixaram parte de seu sangue, para encontrar na França sua felicidade. E eles conseguiram. — Eu pertenço. –ela disse sorrindo, enquanto sentia as lágrimas caindo por suas bochechas. Rosaleen acariciou o rosto do marido, sentindo a textura das antigas e agora não mais dolorosas feridas. — Obrigada, Stephen. Lorde Edmond beijou os lábios da esposa lentamente. — Está errada, carinho. –levantou os olhos até encontrar os dela. — Nós pertencemos. Pertencer, não somente amar. Viver, não somente respirar. Permitir, não somente sentir.

“E viveram felizes para sempre”


FIM

Profile for Grazielle Correa

O anjo e a fera  

O anjo e a fera  

Advertisement