Page 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA MÍDIAS SOCIAIS E GESTÃO DA COMUNICAÇÃO DIGITAL

Felipe Moreno Grazielle Santos Luciana Cotta Marlos Machado Milene Eulina

O uso das mídias sociais no recrutamento de pessoas: um estudo de caso do LinkedIn

Belo Horizonte 2011


Felipe Moreno Grazielle Santos Luciana Cotta Marlos Machado Milene Eulina

O uso das mídias sociais no recrutamento de pessoas: um estudo de caso do LinkedIn Artigo científico apresentado como requisito de avaliação para a disciplina de Gestão de Pessoas do curso MBA Mídias Sociais e Gestão da Comunicação Digital do Centro Universitário UNA. Professora orientadora: Patrícia Augusta Alvarenga

Belo Horizonte 2011


RESUMO Este trabalho se propôs analisar o uso das redes sociais como uma ferramenta estratégica para a gestão de pessoas e o recrutamento de talentos humanos. Neste contexto, o foco do estudo deteve-se no papel do LinkedIn na seleção de pessoas, avaliando os desafios e vantagens encontrados nesta nova técnica. Para tanto, definiu-se como objetivo apontar as vantagens, e desafios do recrutamento via redes sociais, em especial o LinkeIn. Para isso, pretendeu-se pesquisar como o processo de seleção de talentos ocorre no modelo tradicional em contraposição ao canal moderno de recrutamento aberto pelas mídias sociais. Essa contraposição possibilitou uma análise das mudanças agregadas ao processo pelas redes sociais e da forma como candidatos e empresas estão atuando neste novo mercado de trabalho e de recursos humanos, agora virtual. Este trabalho foi elaborado a partir da análise de dados secundários, obtidos através de documentos, artigos científicos e materiais extraídos da mídia social LinkedIn, e de dados primários produzidos através de entrevistas em profundidade. A partir dos dados coletados, percebeu-se que o processo de seleção de talentos por intermédio das redes sociais trouxe uma economia de tempo e dinheiro para as empresas, além de reduzir o erro nas contratações e facilitar o encontro entre empresa e candidatos com o mesmo perfil. Palavras-chave: Gestão de Pessoas, Recrutamento, Redes Sociais e LinkedIn.


ABSTRACT This study proposes to analyze the use of social networks as a strategic tool for the management of people and the recruitment of human talent. In this context, the focus of the study is the LinkedIn social media used for hiring people, evaluating the challenges and benefits found in this new technique. For this purpose, it was defined as objective pointing out the advantages and challenges of recruitment by social networks, in particular the LinkedIn. For this reason, it was intended to investigate how the process of recruiting talents occurs in the traditional model in contrast to the modern channel of recruitment opened by social media. This contraposition made possible an analysis of change that came together to social networks process and the way as the applicant and the company are acting at this new job market and the human resources, now virtual one. This work was elaborated through analysis of secondary data, got by documents, scientific articles and materials extracted of LinkedIn social media, and primary data produced by deep interviews. Through this collected data, it could be realized that talent selection process by social networks brought a time and money economy to companies, besides it reduces the mistake in hire and facilitates the meeting between company and applicant with similar profiles. Key-Words: People Management, Recruitment, Social Networks and LinkedIn.


1 INTRODUÇÃO

A era digital tem causado impacto na vida das pessoas, na cultura, na política, na economia, nas empresas. Essa mudança radical nos meios de comunicação e negócios das organizações através da internet e das redes sociais está provocando vários momentos de dificuldade e adequações para as mesmas, em todos os âmbitos. Essa ideia está em consonância com o discurso defendido por Tapscott & Williams (2007), no qual eles defendem que o ambiente cibernético não é mais aquele no qual os internautas navegavam ociosamente apenas lendo, escutando ou assistindo de maneira passiva. Agora, o usuário da web apresenta um comportamento ativo e interage com o meio, compartilhando, socializando-se e acima de todo, contribuindo para a construção desse ambiente virtual, criando livremente comunidades integradas. Um grande número de empresas já se preocupa com este cenário e procuram se adaptar às novas tendências, principalmente porque muitas pessoas já se encontram conectadas em plataformas interativas, nomeadas por vários autores “redes sociais”. Diante deste contexto, as empresas precisam desenvolver estratégias para atuar dentro das redes sociais, não somente se relacionando com seus stakeholders, mas buscando ferramentas que possibilitem captar novos talentos. A seleção on line ampliou estas possibilidades de interação, pois permitiu que os candidatos tivessem acesso a um número maior de oportunidades de colocação profissional; mais informações sobre as empresas e os cargos oferecidos. Da mesma forma, conseguiram abranger uma área maior, atingindo mais candidatos e, com isso, ampliaram as chances de encontrarem talentos que se encaixem em seu perfil. De acordo com Almeida (2004), o recrutamento on line agrega “todas e quaisquer


ferramentas ou sistemas que utilizam web ou a internet para coletar informações sobre os candidatos, com o propósito de ajudar nas decisões de contratação”. Em busca de facilitar o relacionamento profissional, Reid Hoffman criou a rede social LinkedIn, que possui como objetivo principal possibilitar a conexão entre empresas e candidatos a uma vaga de emprego, ampliar os contatos com parceiros de negócios. Redes sociais como o LinkedIn fazem com que os processos de seleção se tornem mais ágeis, com menor custo e têm o índice de acerto muito maior do que os convencionais. Neste cenário, conhecer e saber utilizar as ferramentas oferecidas e criar estratégias de recrutamento dentro dessas novas plataformas interativas se tornou um grande desafio para as empresas. Assim, este trabalho tem como objetivo principal analisar como as empresas podem utilizar, estrategicamente, as redes sociais e suas ferramentas para o recrutamento de novos talentos. Para tanto, definiu-se como objetivos específicos, com o intuito de suportar o alcance do objetivo principal, analisar a forma como essas redes estão sendo utilizadas durante a seleção de talentos, e identificar as mudanças, em termos de desafios, vantagens e desvantagens que agregaram ao processo. Para delimitar os estudos, optou-se por analisar uma rede específica, o LinkedIn, que tem sido amplamente explorado neste processo. A realização deste estudo se justifica a partir da contribuição para a área de gestão de pessoas e recrutamento, com o intuito de promover um melhor entendimento do processo de seleção de pessoas no ambiente das redes sociais. Este tema se mostra relevante considerando as constantes transformações e inovações tecnológicas pelas quais o mundo está passando. Além desta introdução, este trabalho está estruturado em outros quatro capítulos. No segundo capítulo, serão discutidos os conceitos de recrutamento e redes sociais. No capítulo três, discorreu-se sobre o processo de recrutamento no linkedIn e a metodologia de estudo aplicada neste trabalho. E no último capítulo foram transcritas as conclusões e impressões acerca dos assuntos e análises discutidos nas seções anteriores. Logo após, seguem as referências que serviram de base para o estudo proposto.


2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Neste capítulo, pretende-se discutir os conceitos e aplicações dos termos ligados às redes sociais e ao recrutamento de talentos humanos, a partir da ótica de autores referências nestes temas. O estudo, portanto, será norteado por tais discussões que servirão de base para a análise dos dados coletados e guiarão os próximos capítulos.

1.1 Recrutamento

Diariamente, pessoas e organizações interagem em um processo constante de trocas, no qual estão engajadas a atrair uns aos outros. Enquanto, os indivíduos procuram se informar sobre as empresas e as selecionam com base na pesquisa realizada, as empresas, por sua vez, também desejam atrair os indivíduos e obter o máximo de informações a seu respeito para realizar uma boa escolha. Para isso, é necessário que exista um meio que possibilite a comunicação entre as partes. Segundo Chiavenato (2008), este é o papel do recrutamento “divulgar no mercado as oportunidades que a organização pretende oferecer para as pessoas que possuam determinadas características desejadas”. Dessa forma, o recrutamento atua como uma ponte entre a empresa, que faz parte do mercado de trabalho, e o candidato, que faz parte do mercado de recursos humanos. O processo seletivo ocorre com base em necessidades presentes e futuras da área de recursos humanos da empresa. Ele consiste em uma pesquisa em fontes capazes de fornecer um número suficiente de indivíduos que possam se enquadrar nos pré-requisitos estabelecidos pela organização. Chiavenato (2006) explica que “dentro desse conceito, recrutamento é uma atividade de relações públicas e de envolvimento da organização com a comunidade que a rodeia”. Isto é, o recrutamento exige uma aproximação


entre as partes, de forma a estabelecerem contato e se relacionarem buscando um intercâmbio de informações. Essa interação entre a organização e a empresa é o que permite que as partes se conheçam e possam avaliar a compatibilidade do que está sendo ofertado com seus objetivos. E isso só ocorre devido ao processo de recrutamento e seleção, que como Gil (2001) descreve, o processo capaz de atrair

candidatos

potencialmente

qualificados

para

atuar

dentro

da

organização. Entretanto, existem atualmente vários canais de recrutamento, cada qual com suas vantagens e limitações. Cabe ao profissional de Recursos Humanos, definir o método mais adequando considerando as vagas e meios que estão sendo ofertados pela organização. Chiavenato (2008) descreve que existem várias técnicas de recrutamento como anúncios em jornais e revistas, agências de recrutamento, contatos com escolas, universidades e agremiações, fixação de cartazes em locais visíveis, apresentação de candidatos por meio de indicação de funcionários, consulta aos arquivos de candidatos, banco de dados e o recrutamento virtual. De acordo com a ABRH-RJ 1(entidade integrante da Associação Brasileira de Recursos Humanos): As fontes de recrutamento podem vir de dentro da empresa ou de fora, neste caso, correspondendo à pesquisa no mercado de recursos humanos. Exemplos de fontes de recrutamento são: recomendação ou indicação de empregados; ex-empregados; anúncios em jornais ou revistas; Sites Corporativos ou de Empregos; Escolas e Universidades; sindicatos e Associações de Classe; caçadores de talentos – headhunters; consultorias na área de Recursos Humanos; banco de talentos das empresas; redes sociais profissionais na internet como Linke-in, Plaxo e Via6. (ABRH-RJ)

A ABRH-RJ relata que, atualmente, o uso das Redes Sociais vêm aumentando cada vez mais tanto por parte dos candidatos quanto por parte 1

Informação disponível em: ABRH-RJ. http://www.abrhrj.org.br/typo/index.php?id=385#. Acesso em: 13 de abril. 2011.


das empresas. Por meio dessa ferramenta, os profissionais se cadastram, relatam suas experiências, evidenciam suas qualificações e constróem uma rede de relacionamento com outros profissionais. Nessas redes, os potenciais candidatos podem receber e fazer uns dos outros, descrevendo o que observaram de características e potencialidades quando tiveram a oportunidade de trabalharem juntos. Após e escolha das técnicas de recrutamento, Gil (1999) explica que será necessário definir o método de seleção, que normalmente é a combinação de mais de um procedimento. O primeiro passo, normalmente é a análise de currículos, que nos métodos tradicionais de recrutamento e seleção, serve como instrumento para a obtenção de informações sobre o candidato. Entretanto, o autor explica que na maior parte dos casos, os currículos não fornecem dados suficientes para proporcionar uma visão mais próxima do real. As outras técnicas são aplicados somente, após essa análise inicial que já funciona como uma triagem dos candidatos. Neste contexto, a informatização da área de recrutamento e seleção de pessoas tem passado por diversas mudanças na forma das empresas e dos candidatos se interagirem, se mostrarem e realizarem suas ofertas no mercado de trabalho e de recursos humanos. E percebe-se, em especial, que a entrada das redes sociais neste processo de recrutamento e seleção vem trazendo vantagens e desafios aos profissionais de recursos humanos.

1.2 Redes Sociais

O conceito de Redes Sociais surge no século XX, quando, segundo Recuero (2009), cientistas sociais utilizaram a teoria dos grafos de Euler para estudar a estrutura da sociedade. O autor define a Rede social como sendo composta por atores – pessoas ou grupos que, através da interação e da construção de vínculos, modelam as estruturas da sociedade – e suas conexões – parte estrutural propriamente dita.


A internet, por meio da web 2.0, permite que, através da mediação de plataformas digitais, essas interações ocorram, mas com características inerentes ao ciberespaço. Assim, as fronteiras geográficas e temporais, por exemplo, deixam de existir. Como afirma TAPSCOTT & WILLIAMS “A Web não significa mais navegar ociosamente e ler, escutar, ou assistir passivamente. Significa produzir por peering: compartilhar, socializar, colaborar e, acima de tudo, criar no âmbito de comunidades livremente conectadas.” (TAPSCOTT; WILLIAMS, 2007, p. 62)

As redes sociais criaram uma nova forma de comunicação gerada por comunidades que utilizam a internet como ambiente de livre interatividade e colaboração, onde várias pessoas podem compartilhar em um ou em vários espaços, discussões, opiniões e informações que são importantes e valiosas a respeito do assunto proposto. Hoje se torna difícil dizer a quantidade de redes de relacionamento no mundo virtual, mas existem algumas mais conhecidas como o Facebook, Wikipédia, Orkut, Youtube, Twitter, LinkedIn. Dentro de suas páginas comunitárias, todos têm acesso a quase tudo que está disponível e podem alterar seus conteúdos, criar projetos, construir conhecimento, compartilhar vídeos, textos e artigos em conjunto. Ou seja, as pessoas se encontram dentro de um movimento colaborativo, onde este conteúdo é construído em conjunto. As mudanças culturais na forma das pessoas se interagirem, aliadas a proximidade e praticidade que existem nas redes de comunicação virtual, estão pressionando as empresas a se adaptarem a essa nova realidade e se deparam com um grande desafio: realizar a busca de novos talentos por meio dessas plataformas interativas.

1.3 Recrutamento nas Redes Sociais

De acordo com Almeida (2004), o recrutamento on line agrega “todas e quaisquer ferramentas ou sistemas que utilizam web ou a internet para coletar informações


sobre os candidatos, com o propósito de ajudar nas decisões de contratação”. Podese incluir nos tipos de recrutamento on line aqueles realizados por intermédio das redes de relacionamento do mundo virtual visto que as mesmas fazem parte deste ambiente cibernético. Uma pesquisa realizada pela Carreer Builder 2 com seus 3.169 funcionários da área, revelou que cerca de 22% dos profissionais de Recursos Humanos estudam o perfil de seus candidatos por meio das redes sociais e consideram ser possível selecionar talentos com esta ferramenta. Portanto, os sites de relacionamento são hoje importantes canais para os profissionais de Recursos Humanos. Por meio deles, os recrutadores realizam uma pesquisa sobre o candidato para avaliar seu estilo de vida, sua estrutura familiar, seu modo de interagir com os outros, seus interesses, e outras impressões a seu respeito. O estudo realizado pela Jobvite 3, também mostrou que as companhias planejam “gastar mais” no recrutamento via redes sociais esse ano. Isso não significa que esta ferramenta apresente um custo maior do que os métodos tradicionais, mas que as empresas simplesmente irão investir mais nesse processo. Com a economia mostrando que está se recuperando, as organizações estão cada vez mais buscando fazer contratações com um melhor custo-benefício e procurando métodos mais eficientes para encontrar novos talentos. Esses dados também se comprovam na edição online da revista Você S/A 4, que apresentou os dados de um estudo realizado pela Digital Jobs, mostrando que as empresas de recrutamento pretendem aumentar a utilização das redes sociais digitais. Durante a pesquisa foram entrevistados diretores de RH e funcionários de grandes e médias empresas. Os resultados revelaram que 82% dos entrevistados acreditam que as redes sociais funcionam como uma ferramenta eficaz para encontrar emprego. A pesquisa apontou que “92% dos profissionais qualificados estão presentes nas redes sociais e 25% desses utilizam os recursos pelo menos uma vez ao dia”. 2

Informação disponível em: Portal das Redes Sociais. http://grou.ps/redesocial. Acesso em: 13 de abril. 2011. 3 Informação disponível em: Jobvite. http://recruiting.jobvite.com/. Acesso em: 13 de abril. 2011. 4 Pesquisa disponível em: VOCÊ S/A. http://vocesa.abril.com.br/noticias/empresas-recrutamentoselecionam-cada-vez-mais-pelas-redes-sociais-500940.shtml. Acesso em: 13 de abril. 2011.


Dessa forma, percebe-se que há uma tendência crescente, por parte dos candidatos, a utilizarem cada vez as redes sociais como uma forma de buscar uma (re) colocação no mercado, assim como também as empresas estão aderindo a esse novo método de recrutamento on line, com o intuito de selecionar novos profissionais. E dentre as diversas opções de redes de relacionamento virtuais existentes, o LinkedIn se destaca por ser uma rede social de caráter profissional, sendo portanto o próximo tópico a ser discutido no item a seguir.

1.4 LinkedIn

De acordo com o seu próprio site, o LinkedIn 5 “é a maior rede profissional do mundo na internet, com mais de 100 milhões de usuários em mais de 200 países e territórios e tem como objetivo principal proporcionar aos participantes da rede busca de contatos profissionais, troca de conhecimento, oportunidades de emprego”. Diferente das demais redes sociais, o LinkedIn se preocupa em reunir as pessoas dentro de um ambiente mais formal, onde possam adquirir informações e trocar conhecimento com outros profissionais de sua área ou demais áreas de seu interesse. Segundo a Wikipédia6 (2011), o objetivo principal da rede de relacionamento é contribuir para que os usuários cadastrados tenham um banco de contatos e possam conhecer, interagir e buscar novas oportunidades de emprego. Todos que se encontram registrados no site podem convidar seus amigos ou demais pessoas de interesse para criarem uma conexão entre si.

5

Pesquisa disponível em: LinkedIn Corporation. http://press.linkedin.com/about/Sobre-oLinkedIn.php. Acesso em: 12 de abril. 2011. 6 Pesquisa disponível em: WIKIPÉDIA. LinkedIn. http://pt.wikipedia.org/wiki/Linkedin. Acesso em: 11 de abril. 2011.


Os usuários do LinkedIn conseguem pesquisar sobre assuntos de interesse profissional, oportunidades de empregos, desenvolver trabalhos, participar de fóruns de discussão e visualizar tendências de mercado. Por outro lado, os empregadores conseguem procurar por novos talentos e visualizar o perfil dos possíveis candidatos as vagas que oferta. O LinkedIn se tornou um espaço virtual importante para o mercado de negócios, principalmente para o recrutamento de profissionais para as empresas, que precisam se preparar para entender sua dinâmica, apesar de recente, para conseguirem potencializar essas ferramentas e construírem estratégias que tragam resultados positivos.

METODOLOGIA

A pesquisa proposta neste trabalho é de natureza qualitativa do tipo exploratória, visto que este tipo de método tem como objetivo, segundo Gil (1999) “proporcionar uma visão geral, do tipo aproximativo”, acerca do problema escolhido. Este tipo de pesquisa é adequado, como relata o autor, para os casos nos quais o tema ainda foi pouco explorado em estudos, sendo este o caso do recrutamento via redes sociais. Gil (1999) explica que a finalidade deste tipo de estudo permite um maior conhecimento do assunto, promovendo uma aproximação com o fato, com o intuito de possibilitar a formulação de problemas e criar hipóteses para pesquisas futuras. Para isso, utilizou-se como técnicas o levantamento bibliográfico, a coleta de informações no ambiente virtual (internet) e a realização de entrevistas em profundidade com profissionais da área de Recursos Humanos. Além disso, o trabalho também foi alicerçado na análise de estudos de caso que estimulam a compreensão do tema e do problema aqui proposto.


O objeto de estudo deste trabalho é a rede profissional LinkedIn, tendo como foco a análise dessa mídia como ferramenta estratégica para a área de recrutamento e seleção de talentos. Para isso, foi avaliado o uso da rede, suas vantagens e desvantagens agregadas ao processo. O trabalho foi dividido em três etapas: pesquisa bibliográfica exploratória, entrevistas e análise dos dados. Na primeira etapa, objetivou-se conhecer o objeto de estudo através de seu histórico, recorrendo à pesquisa e leitura de dados secundários como artigos científicos, reportagens, vídeos, pesquisas e documentos encontrados na internet. Por meio desta pesquisa bibliográfica exploratória foi possível realizar uma primeira aproximação com o objeto de estudo, explorando o funcionamento do processo de recrutamento e da rede social LinkedIn. Em relação às entrevistas abertas foram consultados profissionais de Recursos Humanos.

A

entrevista

foi

conduzida

por

meio

de

perguntas

centrais

preestabelecidas que funcionaram como um roteiro para a pesquisa. Duarte e Barros (2005) defendem que a entrevista aberta é uma das ferramentas que podem ser aplicadas em pesquisas de campo exploratórias. Estes autores explicam que as entrevistas abertas são flexíveis, não possuem uma sequência predeterminada de perguntas e tem como ponto de partida questões gerais. Dessa forma, esse tipo de entrevista flui livremente e se aprofunda na medida em que o entrevistador identifica algo significativo a ser explorado, elaborando novos questionamentos. Os entrevistados, por sua vez, respondem às questões conforme o seu conhecimento, percepção, linguagem, experiências e realidade. Duarte e Barros (2005) explicam que (...) a seleção dos entrevistados em estudos qualitativos, tende a ser não probabilística, ou seja, sua definição depende do julgamento do pesquisador e não do sorteio a partir do universo, que garante igual chance a todos


(características de amostras probabilísticas). Existem dois tipos básicos de amostras não probabilísticas para uso em entrevistas qualitativas: por conveniência ou intencional (DUARTE; BARROS, 2005, p.69).

Estes autores explicam que a seleção é intencional quando o pesquisador faz sua escolha considerando seu juízo particular, que pode estar ligado ao conhecimento do tema ou pela representatividade subjetiva que o entrevistado possa possuir. As pessoas a serem entrevistadas foram escolhidas por critérios definidos pela intencionalidade, considerando a experiência e a acessibilidade aos profissionais de recursos humanos.

3 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

Considerando a definição de recrutamento apresentada por Chiavenato (2008), é possível afirmar que as redes sociais virtuais, em especial o LinkedIn, exercem o papel de agente integrador, por permitir a interação entre os usuários e por possibilitar a construção de conexões. Dessa forma, a rede social facilita a aproximação e a troca de informações entre seus usuários de maneira rápida, ágil e fácil. Se, de acordo com Gil (2001), o processo de recrutamento deve ser capaz de atrair candidatos potencialmente qualificados para atuar dentro da organização, a seleção pode ocorrer de maneira ainda mais fácil com a entrada das mídias sociais, visto que elas fornecem o espaço para divulgação de informações claras e objetivas. Isso ocorre, principalmente, no LinkedIn, visto que tanto a empresa quanto o candidato podem avaliar o perfil um outro identificando possíveis interesses. O LinkedIn, por ser uma rede social criada para a esfera profissional, possui todos campos necessários para o candidato expor suas experiências profissionais, as habilidades desenvolvidas, suas áreas de interesse, além de


permitir que aqueles com quem já trabalhou, possam recomendá-lo, discorrendo sobre qualidades e percepções adquiridas durante o tempo de convivência profissional. E todo esse processo ocorre sem que ambos precisem estar no mesmo espaço-tempo, além de não possuir custos. Isso, além de gerar um melhor custo benefício ao empregador em relação ao tempo para o recrutamento e seleção dos talentos, também permite um maior grau de assertividade durante a contratação. Isso se deve ao fato de que as redes sociais permitem que os recrutadores colham mais informações, tanto profissionais quanto pessoais sobre o candidato. A interação promovida nas mídias sociais possibilita que as partes se conheçam, por meio do intercâmbio de informações, mas também pelo volume de informação disponível para análise neste espaço virtual. A seleção on line ampliou as possibilidades de interação entre profissionais e organizações, pois permitiu que os candidatos tivessem acesso a um número maior de oportunidades de colocação profissional, mais informações sobre as empresas e os cargos oferecidos. Da mesma forma, a seleção conseguiu abranger uma área maior, atingindo mais candidatos e com, isso ampliaram as chances das empresas de encontrarem talentos. Todas essas questões vêm promovendo uma adesão cada vez maior por partes dos profissionais e das organizações quanto a sua inserção e uso das mídias sociais. A pesquisa de recrutamento social realizada nos Estados Unidos pela Jobvite em 2010 revelou que 46% dos pesquisados planejam gastar mais em recrutamento social em 2010 do que o fizeram em 2009. Além disso, os investimentos nos métodos tradicionais mostraram queda, visto que 36% afirmaram que pretendem gastar menos em anúncios de vagas e 38% pretendem gastar menos em processos de recrutamento por meio de agências especializadas. Dentre aqueles que estavam recrutaram ativamente em 2010, cerca de 90% relataram que


atualmente utilizam ou planejam utilizar as redes sociais como ferramenta para o recrutamento de novos profissionais. Este relatório, conhecimento como Jobvite Social Recruiting Survey 2010, foi baseado em uma sondagem online, aplicada para cerca de 825 participantes entre os meses de maio e junho. Quando questionados sobre a rede social mais utilizada para o recrutamento os resultados apontaram o LinkedIn como o mais usado, com cerca de 78%, sendo que o Facebook ficou em segundo lugar com 55%.

Conclui-se também que a maior parte das organizações que estão contratando leva em consideração a presença do candidato nas mídias sociais, sendo parte do processo de seleção. O estudo mostrou que 38% sempre pesquisam os perfis nas redes sociais e 32% fazem isso às vezes. Outro dado interesse foi o fato de que 58% das empresas consultadas já realizaram contratações de sucesso por meio das redes sociais.

As entrevistas realizadas confirmaram os dados produzidos pelo relatório da Jobvite. Dentre os profissionais de Recursos Humanos pesquisados, que utilizam as mídias sociais para recrutar novos talentos, o LinkedIn também foi apontado como o mais usado, por apresentar um perfil mais profissional e descrever a experiência do candidato.

A analista de RH da Denso Sistemas Térmicos do Brasil Ltda - Grupo Toyota -, Andréa Profeta Queiroz, afirmou que a informação mais relevante encontradas nas redes sociais é o perfil do profissional e sua experiência relatada no site, por isso utiliza o LinkedIn com maior frequência. Ao ser questionada sobre o grau de importância que as mídias sociais possuem dentro do processo de seleção da empresa na qual trabalha, Andréa relatou que ainda é pouco utilizado, mas que facilita o encontro de profissionais, especialmente para a seleção de cargos mais específicos/especialistas. Mesmo


ainda não utilizando o recurso em todo a sua potencialidade a analista afirmou que a utilização do LinkedIn tem dado grande retorno. A coordenadora de recursos humanos da Estrela Distribuição, Juliana Figueiredo, relatou que faz uso das redes sociais apenas para a seleção de cargos menos operacionais e durante a etapa inicial. Com a finalidade de conhecer um pouco mais sobre os candidatos, Juliana, pesquisa dados em todas as redes buscando mais informações sobre a pessoa, sua rede de relacionamento, interesses, formas de lazer entre outros. A analista de RH da Impactu Desenvolvimento, Treinamento e Gestão, Jane Teixeira,

relatou

que

diversas

empresas

utilizam

as

mídias

sociais,

principalmente para a etapa de recrutamento de profissionais, sendo o LinkedIn a ferramenta mais utilizada. Entretanto, Jane acrescentou que outros blogs específicos de profissionais, também são utilizados, com o objetivo de complementar as informações. A entrevistada, ainda completou defendendo que as mídias sociais tem grande importância no processo de recrutamento para a busca de profissionais no mercado, principalmente, o que estão acompanhando as novas tecnologias. Ela acredita, que isso acelera o processo, amplia o networking e, consequentemente, as possibilidades de contratação da empresa. Outro dado interessante coletado que está em consonância as informações citadas anteriormente, é o fato da empresa Coelho da Fonseca, uma das maiores do setor imobiliário, ter contratado 200 profissionais em 2010, sendo que 10% desses novos funcionários, foram selecionados por meio de perfis nas redes Facebook, LinkedIn e Twitter. O diretor de Canais e Inovação da imobiliária, Allan Fonseca, ponderou vários pontos interessantes propiciados pelas redes sociais, tais como as baixas despesas e a facilidade de realizar ações de divulgação e recrutamento de candidatos. Segundo o diretor, a previsão é de que em 2011, a abra cerca de


800 oportunidades de emprego, e que aproximadamente 20% dessas vagas sejam preenchidas por meio de ferramentas como o LinkedIn. A reportagem da revista eletrônica Você S/A, informou que: (...) nos últimos dois anos, grandes empresas, como Vivo, Ambev, Oi, SAP, Vale, Ernst & Young Terco e GVT, renderam-se às redes sociais, transformando-as em grandes aliadas não só para agilizar os processos de seleção como para encontrar candidatos, até mesmo para cargos estratégicos. (Revista Eletrônica VOCÊ S/A)

As empresas brasileiras são as que mais utilizam as redes sociais para contratar, fazendo uso, principalmente do Twitter, LinkedIn e Facebook. Estes dados foram revelados em uma pesquisa realizada em 12 países pela Robert Half, especializada em seleção de executivos. A operadora de telecomunicações GVT também aderiu ao recrutamento on line por meio das redes sociais. A empresa contrato em média 500 pessoas por mês, sendo que já preencheu duas vagas através do LinkedIn. A companhia faz uso redes sociais há pouco tempo, entretanto possui uma política bem definida acerca da busca por candidatos pela internet. A estratégia foi espalhar seus profissionais de RH pelas principais redes sociais, inserindo-os em grupos ligados a diversas áreas de atuação. George Bettini, gerente sênior de RH da GVT, relata que os profissionais estão inseridos em grupos e redes relacionados a TI, telecomunicações, finanças entre outros, com o objetivo de achar candidatos. Outra empresa que investe em recrutamento via redes sociais é a Vivo, que tem entre suas principais fontes de recrutamento o LinkedIn. A companhia adota as redes sociais para buscar profissionais de nível gerencial, visando recrutar perfis técnicos, que exigem um processo mais criterioso de seleção. Nesse caso, as redes sociais permitem o acesso a mais informações sobre o candidato, tanto em quantidade, como em qualidade, como por exemplo, recomendações feitas por ex-colegas e projetos já desenvolvidos. Tudo isso, facilita a pré-seleção dos candidatos.


A gerente de RH da Predicta, Luiza Zacharias, acredita que uma das principais vantagens das redes sociais é a facilidade a acesso a informações e referências sobre os candidatos, durante a primeira etapa de seleção, que segundo Gil (1999), seria no processo de seleção tradicional, a análise de currículos. Neste contexto, as redes sociais ajudam os recrutadores a encontrar perfis próximos ao desejado, pois fornecem mais e melhores informações, per imitindo que se visualize um perfil do candidato mais próximo da realidade. Luiza explica que é possível acelerar a fase de seleção dos currículos, pois as informações disponíveis nas redes sociais vão além das contidas em um currículo impresso. Essas mídias dão acesso a uma prévia das características, habilidades e gostos do candidato, que anteriormente, as empresas só conseguiam perceber durante a entrevistas ou aplicação de testes, que são processos mais demorados e dispendiosos. Com essa nova dinâmica, a gerente de RH defende que o candidato que não se encaixar já fica logo de fora. Isso elimina o trabalho e o tempo gasto, muito comum nos processos de recrutamento tradicional. Questões que antes só podiam ser avaliadas em entrevistas, dinâmicas ou por meio da aplicação de testes, tornando o processo de recrutamento e seleção demorado e dispendioso, agora, com as redes sociais podem ser analisados sem perda de tempo ou custos altos. A capacidade do profissional de se relacionar no mercado, por exemplo, pode ser medida através do número de conexões que este possui no LinkedIn. Dessa forma, quanto maior for o número de pessoas em seu network, melhor será a imagem percebida pelas empresas e recrutadores. Um diferencial fornecido pelo LinkedIn que também facilita o trabalho dos recrutadores são as recomendações feitas por ex-colegas de trabalho e exchefes. Luiza Zacharias explica que as recomendações dão credibilidade ao histórico do candidato e muitas empresas estão anunciando vagas de emprego, para as quais a preferência é por profissionais que possuam boas avaliações.


Portanto, é possível inferir que, com a entrada das tecnologias inovadoras de recrutamento social, as empresas podem alcançar um melhor retorno do investimento, pois este canal é mais barato para implementar, mais simples de usar, mais fácil de rastrear candidatos com perfis adequados, isto é, é mais eficaz na busca por bons talentos. Dessa forma, cada vez mais profissionais são contratados por intermédio das redes sociais, principalmente pelo LinkedIn. Através dos dados coletos nas entrevistas e nas reportagens e artigos na internet, percebeu-se que a consulta nas redes sociais traz como vantagens um maior conhecimento do candidato, inclusive no meio social, de maneira mais natural. Essa nova forma de recrutamento, por meio do Linkedin, amplia as possibilidades de análise a atuação por parte dos profissionais da área de RH. Outra vantagem agregada ao processo é a facilidade de contato com os profissionais, sem intermediários, como é o que ocorre nos sites de divulgação de vagas/consultorias. Ao analisar o conteúdo e as interações dos candidatos nas redes sociais, é possível aproximar mais do real perfil, captando melhor o que realmente cada um deles pensa, observar sua contribuição nos processos de melhorias/inovação, o quanto estão atualizados acerca das novas tecnologias, se os mesmos se fazem presentes nesse meio. Todos os entrevistados apontaram como vantagens a agilidade no processo, a facilidade para alcançar diversos públicos e para buscar pessoas que estejam envolvidas atentas as mudanças e evoluções no mundo. As desvantagens e desafios descritos pelos entrevistados estão relacionados à capacidade de análise e percepção por parte dos perfis “maquiados” nas redes. Além disso, pontuou-se a possível utilização dessas ferramentas de maneira inadequada e anti-ética pelos profissionais de RH. Outro ponto relatado é necessidade de uma definição da melhor estratégia e forma de utilização dessas ferramentas pelas empresas, adaptando de acordo


com o negócio e interesse de cada uma. Isso ocorre, pois o grande desafio é realizar uma avaliação adequada do candidato, e não simplesmente avaliá-lo somente pelas características e informações que estão nas redes sociais. Essa seria apenas uma primeira triagem, melhor do que no processo anterior, mas que não elimina as próximas etapas de testes, entrevistas e dinâmicas.

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Por meio dos coletados, foi possível perceber que o grau de utilização das redes sociais no processo de seleção de pessoas, ainda é mediano, sendo que são utilizados ainda como fonte de informações complementares sobre o profissional, possuindo ainda pouco peso durante a tomada de decisão. Entretanto, esse uso vem aumentando e as empresas estão percebendo as vantagens agregadas ao processo por conta das facilidades propiciadas pelas redes sociais, especialmente, pelo LinkedIn. Percebe-se uma tendência a se utilizar cada vez mais dessa ferramenta, de maneira estratégica, buscando talentos para preencher cargos gerenciais, técnicos e especialistas. Neste sentido, as redes sociais atendem melhor as necessidades de informações do que os métodos tradicionais de recrutamento e seleção, trazendo agilidade, facilidade e aumento a taxa de acerto nas contratações.


REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Walnice. Capitação e seleção de talentos. 1ª ed. 2ª reimp. São Paulo: Atlas, 2004. Pág. 38. ABRH-RJ (Associação Brasileira de Recursos Humanos) - O que é Recrutamento e Seleção?,

disponível

em

<http://www.abrhrj.org.br/typo/index.php?id=385#>.

Acessado no dia 13 de abril de 2011. DUARTE, Jorge; BARROS, Antônio. Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas, 2005. CHIAVENATO, Idalberto. Planejamento, recrutamento e seleção de pessoal: como agregar talentos à empresa. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2006. FRANÇA, Júnia Lessa; VASCONCELOS, Ana Cristina. Manual para normalização de publicações técnico-científicas.8.ed. Belo Horizonte: UFMG, 2007. GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 2. Ed., São Paulo: Atlas, 1999. GIL, Antônio Carlos. Gestão de Pessoas: enfoque nos papéis profissionais. São Paulo: Atlas: 2011. INOVAÇÃO E MARKETING. Disponível em: <http://inovacaomarketing.com/2010/07/ 01/capital-humano-recrutar-nas-redes-sociais-a-moda-esta-a-pegar/>. Acessado no dia 13 de abril de 2011. TAPSON, Don. Wikinomics: como a colaboração em massa pode mudar o seu negócio / Don Tapscott, Anthony D. Williams; tradução de Mercello Lino. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007.


VOCÊ S/A. Disponível em: <http://vocesa.abril.com.br/desenvolva-sua-carreira/ materia/contatos-imediatos-624546.shtml>. Acessado no dia 13 de abril de 2011. WIKPÉDIA. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org>. Acessado no dia: 11 de abril de 2011. PORTAL DAS REDES SOCIAIS. Disponível em: <http://grou.ps/redesocial>. Acessado no dia: 13 de abril. 2011.

O uso das mídias sociais no recrutamento de pessoas: um estudo de caso do LinkedIn  

Artigo científico apresentado como requisito de avaliação para a disciplina de Gestão de Pessoas do curso MBA Mídias Sociais e Gestão da Com...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you