Page 1

Gran Priorato Templário do Brasil

GPTB

Cavalaria Espiritual São João Batista – CESJB

➢ APRESENTAÇÃO, ➢ Quem somos... ➢ Complexo Templário Jacques de Molay; ➢ Um pouco de nossa Formação: Física, mental e espiritual

Julho de 901 – Annum Templi (2019 – Era Gregoriana) Edição 001

OSMTH -Magnum Magisterium


Brasão de Armas do Grão Priorado Templário do Brasil

OSMTH – Magnum Magisterium

52º Grão Mestre Dom Albino Neves

OSMTH – Magnum Magisterium 1


Nota ao Leitor O Presente material não tem por finalidade a divulgação dos estudos Templários que são reservados a seus membros iniciados e aptos a receberem as palavras do Santíssimo Evangelho de jesus e nem tão pouco profanar o simbolismo e ensinamentos Templário que foi preservado e repassado de geração em geração por 900 anos. Nosso principal objetivo é buscar esclarecer as lacunas deixadas pela história contada e as discussões a respeito dos Templários nos últimos 700 anos; e que se tornou mais aflorada após a publicação de obras literárias como por exemplo “O Código Da Vinci” do escritor Daniel Gerhard Brown, conhecido por assinar como Dan Brown; o mesmo autor escreveu ainda, outros livros, que juntamente desse primeiro, se tornaram uma série de filmes (O Código Da Vinci, Angels & Demons e Inferno; Tom Hanks interpretou Robert Langdon na adaptação do filme de 2006, O Código da Vinci, repetiu o seu papel na adaptação cinematográfica

que colocaram muitas ideias Fictícias a respeito dos Templários, do 'Priorado de Sião', do Opus Dei e da Maçonaria. Essa Edição 001 tem por objetivo (exclusivo à essa edição) a APRESENTAÇÃO da Hierarquia do Gran Priorato Templário do Brasil, assim como a apresentação da OSMTH – Magnum Magisterium a qual fazemos parte. Apresentar um pouco de quem somos, onde estamos (ao apresentar os Comendadores) ... E explicar a importância do Complexo Templário Jacques de Molay, quais suas características e finalidades; Um pouco de nossa Formação (Física, mental e espiritual) está sendo compartilhada com os leitores, com a finalidade de dividir um pouco do que já é público e pode ser encontrado facilmente em pesquisas feitas aleatoriamente em várias fontes..., mesmo assim, compartilhamos... Nosso intuito não é tornar as informações repetitivas, mas sim um estudo agradável e de forma organizada. Mostramos que, tudo está ao nosso alcance, como diz o ditado “Embaixo de nosso nariz”, o que nos falta é o “Sentir”, pois Deus não se revela nas palavras ditas, mas sim nos sentimentos impregnados no ato da transmissão. “O coração do receptor das palavras precisa ser tocado de forma doce e suave pelo coração daquele que está emitindo!” da sequência, Anjos e Demônios e em Inferno.)

Fr ++ Eutenciano da Silva Chagas Grão Prior do Brasil Gran Priorato Templário do Brasil – GPTB Cavalaria Espiritual São João Batista – CESJB

2


Carta Aberta sobre os Princípios que norteiam os Cavaleiros Templários. Queridos Irmãos, Irmãs, Escudeiros e Postulantes à Ordem Templária, já há algum tempo, muitos têm nos solicitado para que escrevermos uma Carta Aberta onde fosse possível esclarecer aos Templários, postulantes e profanos sobre os princípios da Ordem do Templo, haja vista, que muitos acreditam que a Ordem Templária acabou em 1314, com a morte de Jacques De Molay vítima da cobiça, da ambição, da mentira, da maledicência, da calúnia, da covardia e da crueldade. A Ordem se mante viva pois “vão-se os anéis e ficam-se os dedos” e assim, a Ordem segue a sua história e trajetória há mais de 900 anos, enquanto os infiéis sempre são enterrados pela história e sobre eles lançada uma “pá de cal”. Diante das solicitações vamos procurar informar, partindo de princípios básicos como o Código de Honra e as Virtudes Templárias que são princípios da Ordem Templária que podem ser constatados pela Internet e que se não observados por aqueles que se intitulam Cavaleiros e Damas do Templo estes não passam de profanadores do Templo, pois se mostram indignos de “conhecer os mistérios do reino de Deus”. Vivemos em uma época em que muitos se intitulam Templários, mas poucos conseguem seguir o que determina os princípios da Ordem. Mentem, difamam, caluniam, desrespeitam a hierarquia, usam de maledicência andam na contramão dos princípios, vivem em busca de títulos e glórias, gostam de pompas! Se queres conhecer um Cavaleiro Templário veja as suas obras e realizações, são elas que falam por ele, observe o seu proceder, o seu falar, a sua forma de tratar ao outro Irmão e saberás se ele é um Templário ou um filho do maligno disfarçado. Fr +++ Don Albino Neves Grão-Mestre OSMTH Magnum Magisterium

3


SUMÁRIO Brasões Templários (iconografia da Ordem) ---------------------------------------------- 01 Nota ao Leitor -------------------------------------------------------------------------------------- 02 Carta aberta sobre os princípios que norteiam os Cavaleiros Templários ---------- 03 Hierarquia da OSMTH-MM e do GPTB --------------------------------------------------- 05 Grandes Oficiais ------------------------------------------------------------------------------------ 06 Comendadores ------------------------------------------------------------------------------------- 07 O Templo ------------------------------------------------------------------------------------------- 08 Sala de Vela de Armas ---------------------------------------------------------------------------- 09 Ermida de Stª Maria Madalena ---------------------------------------------------------------- 10 Um pouco mais (um texto sobre os ensinamentos internos) -------------------------- 11 Os Cavaleiros Solitários -------------------------------------------------------------------------- 12 Código Templário --------------------------------------------------------------------------------- 13 As 7 Virtudes de um Cavaleiro Templário -------------------------------------------------- 14 Quem pode fazer parte da Ordem ----------------------------------------------------------- 14 A ideia de “Princípios” --------------------------------------------------------------------------- 15 O Temor e o Amor andam juntos (texto para reflexão) -------------------------------- 15 Grão-Mestres da Ordem desde 1118 até os dias atuais. ------------------------------ 16 História sintetizada da Ordem do Templo ------------------------------------------------ 17 Beaussant – Estandarte de guerra usado pelos Templários -------------------------- 19 Assumir o Tau (História do TAU e a ligação com os templários ---------------------- 20 Cruz das oito beatitudes ------------------------------------------------------------------------ 21 Jesus é o pão da vida, o pão espiritual (texto para reflexão) ------------------------- 22 Carta aos Templários e postulantes do Brasil -------------------------------------------- 23 Créditos e referências -------------------------------------------------------------------------- 24 Contato com o GPTB ----------------------------------------------------------------------------- 24

4


Hierarquia Gran Priorato Templário do Brasil – GPTB Cavalaria Espiritual São João Batista – CESJB O Gran Priorato Templário do Brasil (GPTB) – Cavalaria Espiritual São João Batista (CESJB) faz parte da OSMTH Magnum Magisterium, a qual está instalada em dezenas de Países em todo o mundo. E tem como 52º Grão-Mestre Dom Albino Neves e como Princesa Regente Suzana Sendin Fontes.

52º Grão Mestre Dom Albino Neves

Princesa Regente Suzana S. Fontes

Nomeado em 26 de janeiro de 2019, por Dom Albino Neves, o Grão Prior do Brasil é o Fr.++ Eutenciano Chagas.

Grade Oficial – OSMTH-Magnum Magisterium Grão Prior do Brasil Eutenciano Chagas O Grão Prior do Brasil Eutenciano Chagas foi nomeado Grande Oficial pelo Grão-Mestre Don Fernando de Sousa Fontes (in memoriam) em 19 de dezembro de 2017 e ao ser consagrado por Don Albino Neves destacou que “toda honra e toda a Glória deve ser dada a Deus” e complementou “sou apenas um fiel Soldado de Cristo que honra o juramento feito com a mão sobre as Escrituras Sagradas” arrematando “se um dia este juramento for quebrado estarei ferindo minha dignidade e honra e, principalmente, a confiança do Deus Onipotente”. 5


Representantes da Ordem do Templo GRANDES OFICIAS

Além do atual Grão Prior Eutenciano, foram nomeados outros dois Grandes Oficiais em 19 de dezebro de 2017; Trata-se do Fr. ++ Renato Milhiolo (Senescal do GPTB) e da Sor. ++ Ana Claudia M. L. Chagas (Guardiã da Virgem, do GPTB). Posteriormente, o Fr.++ Albino Neves, na função de Legado Magistral e Mestre Templário da OSMTH Magnum Magisterium, nomeou o Fr. ++ Wandersom Braz (Mestre de Armas do GPTB). Ambos atuam no Gran Priorato Templário do Brasil – Cavalaria Espiritual São João Batista. Na ocasião da assinatura dos certificados, Don Fernando reforçou que “o trabalho realizado no Brasil pelo GPTB-CESJB deve servir de exemplo para o esto do mundo”.

Sor. ++ Ana Claudia

Fr. ++ Renato Milhiolo

Fr. ++ Wandersom Braz

Em solenidade realizada no dia 23 de junho de 2019, na Ermida de Santa Maria Madalena, juntou-se ao corpo de Grandes Oficiais o Fr.++ Adaniel Barbosa (Vice Grão Prior do GPTB). Por nomeação direta, feita pelo 52º Grão Mestre Dom Albino Neves.

6


COMENDADORES

Em 19 de dezembro de 2017, sob a regência do 51º Grão-Mestre da Ordem do Templo, Don Fernando Campello Pinto Pereira de Sousa Fontes – OSMTH-Porto, o mesmo confirmou as nomeações e indicações feitas por seu representante no Brasil e assinou de próprio punho (como era de costume, de Dom Fernando, prencher e assinar os documentos todos à mão) os Certificados dos Comendadores. Em 23 de junho de 2019, na regência do 52º Grão Mestre Dom Albino Neves, o mesmo reafirmou as Certificações feita por seu antecessor e nomeou outros novos Comendadores para atuarem junto ao Gran Priorato Templário do Brasil e em nome da OSMTH Magnum Magisterium, eis os nomes dos Comendadores: Comendador Adílio Jorge Marques Comendador Dalton Neves Duarte Comendador Émerson Rossi Comendador Fernando Bacellar Comendador Gilson Casemiro Comendador Kleber Tavares Comendador Pedro Gomes Comendador Renato Menendes Comendador Ricardo Fabris Comendador Robson Gimenes Comendador Sidení Moratelli

Decreto de Nomeação assinado pelo 52º Grão Mestre Dom Albino Neves

7


Sede do Gran Priorato Templário do Brasil

O TEMPLO Construído em pedras, a exemplo das obras do período Medieval e em formato octogonal, em homenagem ao Templo de Salomão, se encontra instalado no Complexo Templário Jacques De Molay, o Templo do Gran Priorato Templário do Brasil – Cavalaria Espiritual São João Batista.

Pai Eterno, Pela poderosa intercessão de São João, Apóstolo amado de Jesus, eu rogo pelas graças de que tanto necessito. Assim como São João, quero acolher a Palavra de Jesus e com amor levar as sementes do Vosso Reino por onde eu passar. Amém. A construção do Templo consta de oito paredes de 3 metros cada uma; existem 4 colunas externas simbolizando os 4 pontos cardiais, O ORIENTE representava a Primavera, o Ar, Infância e a Madrugada. O MEIO DIA (Sul), o Estio, o Fogo e a Idade adulta. O OCIDENTE, o Outono, a Água, o Anoitecer. O NORTE, a Terra, o Inverno, a Noite. Sobre as quatro colunas frontais do Templo encontram-se esculpidas os quatro Evangelistas, sendo que os dois de frente são João e Mateus e nas laterais Lucas e Marcos. Na porta de entrada, em suas laterais, existe a escultura de uma Dama Templária e de um Cavaleiro Templário, simbolizando a escultura do lado esquerdo, o coração e a sensibilidade da mulher e/ou do Monge e a do lado direito o homem simbolizando o Guerreiro. A obra foi construída pelo Mestre em construção de pedras Lelei e as esculturas feitas pelo escultor Afonso Barra. O local foi sagrado pelo então Gran Prior Internacional Fr.+++ V.M.Iacopo, em 1º de junho de 2012. “Não se pode creditar o mérito de uma obra dessas a esta ou aquela pessoa, pois tudo aconteceu por inspiração e sobre orientação divina, portanto toda a honra e toda a glória se deve a Deus” Disse o Gran Prior Fr. +++ Albino Neves, que hoje se encontra na posição de Grão Mestre da OSMTH Magnum Magisterium.

8


SALA DE VELA DE ARMAS Por ocasião da sagração do Templo Templário do Gran Priorato Templário do Brasil – Cavalaria Espiritual São João Batista, em 1º de junho de 2012, também foi sagrada pelo Gran Prior Internacional Fr.+++V.M. Iacopo a Sala de Velas de Armas do Complexo Templário Jacques De Molay. A Sala de Vela de Armas é o local onde o postulante à Iniciação toma o primeiro contato com a Ordem e onde faz suas reflexões sobre a decisão que vai tomar. Ali ele pode ou não continuar a sua jornada de acordo com suas reflexões.

A Sala é toda construída em pedras, arejada e apesar de não ser um octógono perfeito tem oito paredes que simbolizam o contato do postulante com o infinito. A sala fora da época de iniciações é utilizada pelos os Irmãos para troca de roupas e de assuntos pertinentes à Ordem e aos trabalhos do dia. Ali também existem vários símbolos que ligam à Ordem, como um baú adornado com Cruzes da Ordem, a Biblioteca Templária, o Código Templário, uma cruz esculpida na pedra, entre outros. A Sala recebeu, em 2016, o nome de Sala de Vela de Armas Dom Fernando Campello Pinto Pereira de Sousa Fontes, 51º Grão-Mestre da Ordem do Templo, que esteve à frente do comando da Ordem por mais de 50 anos.

9

Oração de Gratidão a Deus Senhor, nada mais tenho a te pedir nesta vida, pois, tudo já me deste. Tenho o ar para respirar, enquanto que a outros ele já foi retirado. Tenho os pés para caminhar sobre a relva ainda orvalhada enquanto que outros nem pés têm. Tenho os olhos que veem as cores das flores e o brilho das estrelas enquanto que outros vivem em completa escuridão. Tenho os ouvidos que ouvem o sussurro do mar a cantarolar nas ondas do mar e a ouvir o canto dos pássaros a eles alegrar enquanto que outros se quer escutam o estrondo dos trovões que relampejam no céu em dias de fortes tempestades, por mais fortes que sejam. Tenho a voz perfeita a cantar o quanto a vida é bela e para expressar o amor que abunda no coração enquanto que muitos são mudos e guardam sufocados todo tipo de alegria e dor. Tenho a mente perfeita que me faz escrever àquilo que Me sopras aos ouvidos enquanto que outros se quer sabem quem são e tão pouco reconhecem o seu viver. Tenho todo o Universo ao meu dispor mesmo preso a esse corpo de carne finito. Tenho a liberdade para voar enquanto outros vivem enjaulados como feras em uma gaiola. Tenho o coração cheio de amor enquanto outros estão corroídos pelo ódio, o rancor e a tristeza. Tenho o Senhor para me amparar enquanto que outros sequer sabem que Tu existes. Tenho tudo Senhor e tudo tenho porque tenho a graça de te ser grato, pois, de Ti emana toda a vida e o sopro da existência. Portanto toda a graça que dou é muito pouca por tudo que tenho. Senhor, meu Senhor te sou grato por esse momento e todos os momentos vividos e apena te rogo que tenhas compaixão de mim e continues me preparando para o grande encontro que espero um dia ter contigo e, face-aface, te adorar e mostrar toda a minha gratidão. Que assim seja, hoje e sempre. Amém

52º Grão Mestre Dom Albino Neves


Ermida de Stª. Maria Madalena Para completar o Complexo Templário Jacques De Molay, que compõe o Gran Priorato Templário do Brasil – Cavalaria Espiritual São João Batista - CPTB-CESJB, foi inaugurado em 31 de dezembro de 2015 a Ermida de Santa Maria Madalena, também construída toda em pedras, em estilo das construções Medievais.

FIEL ATÉ O FIM

Foi construída em forma de cruz, numa referência à Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém e das Catedrais Góticas, construídas pela Ordem do Templo e espalhadas por toda a Europa. O Altar é feito sobre duas grandes pedras onde sobre elas fora colocada uma prancha de pedra de quase dois metros de comprimento. Na parede lateral encontra-se um sino de bronze que por quase um século encontrava-se em uma Igreja e que foi restaurado e ali instalado. A Ermida tem acesso por uma escada e por uma rampa para facilitar a visita dos fiéis e Templários. A obra foi construída pelo mestre em construções de pedra Lelei.

A característica marcante de Santa Maria Madalena foi a fidelidade a Nosso Senhor Jesus Cristo. Três versículos do Evangelho de São Mateus que, por vezes, passam despercebidos, revelam-nos esta fidelidade. Primeiro, aos pés da cruz de Jesus, quando todos os discípulos (menos João) tinham fugido, ela estava lá junto com Maria, Mãe de Jesus.

Exercício de Reflexão: Leia e reflita sobre os versículos abaixo; Mt 27,56 Mt 27,61 Altar da Ermida, momento de Celebração da Palavra 10

Mt 28,1


“UM POUCO MAIS” Queridos Leitores, sabemos do desejo de todos vocês em conhecerem UM POUCO MAIS da parte oculta de nossa Sagrada Ordem, daí informamos que; Fazemos parte da OSMTH Magnum Magisterium e somos reconhecidos e representantes legítimos dela no Brasil; Neste trabalho apresentamos a nossa sede e complexo Templário; Este material não se propõe trazer todas as informações que desejais, apenas as que nos sãos permitidas apresentar publicamente. A parte oculta sobre os ensinamentos da Ordem são reservadas e assim devem permanecer, como vem ocorrendo há 9 séculos. Delas só tomam conhecimento os Iniciados, de acordo com os graus que ocupem dentro da Ordem e, mesmo assim, através de documentos devidamente criptografados, conforme determina a direção de nossa Sagrada Ordem. Muitos dos ensinamentos só podem ser adquiridos dentro do Templo, visto que são complementados através de nossa Egrégora e sob a inspiração do Divino Espirito Santo e não poderia ser de outra maneira. Lembramos ainda que o próprio Mestre Jesus teve duas pregações uma pública e outra privada e disse a seus discípulos a respeito “a vós foi dado conhecer os mistérios do reino de Deus” e também em outra passagem “digo meus mistérios aos que são dignos de meus mistérios”. Portanto não insistais em receber informações nesse nível, ou no caso dos Iniciados acima de seus graus, cargos ou funções pois lhe serão negadas. “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” assim Jesus deixou claro para a humanidade e só conhecendo a verdade ela pode libertar o homem das algemas do materialismo, fazer ele nascer de novo e em espírito. Isso é uma questão de escolha através da lei do livre arbítrio; Aos Fraters e Soros afirmamos que devem buscar nos ensinamentos sagrados todos os dias e assim fortalecer seus espíritos para que possais crescer mais e mais dentro de si e assim, dentro da Ordem. Sem renascer não se pode atingir níveis de elevada consciência; "Aqueles que não passam pela forja alquímica da Iniciação e tem um encontro consigo mesmo, dificilmente saberão o que representa a formação do caráter de um homem como a dignidade e a honra" Cavaleiro Templário do século XIII.

“Ouvir gentilmente, julgar com amabilidade” (Shakespeare)

Desde a aparição da literatura teosófica na Inglaterra, tornou-se um costume chamar os seus ensinamentos de “Budismo Esotérico”. E, como diz um velho provérbio baseado na experiência cotidiana - depois que o Erro se torna um hábito, “ele desce por um plano inclinado, enquanto a Verdade tem que subir laboriosamente abrindo caminho montanha acima.” Dica de Leitura: A citação acima faz parte da introdução do livro “A Doutrina Secreta. A Síntese da Ciência, Religião e Filosofia” por H. P. Blavatsky


OS CAVALEIROS SOLITÁRIOS O crescimento pessoal, fortalece o coletivo na formação da Egrégora da Ordem. E todos devem trabalhar nesse sentido, formando um círculo de energia que proporcione a perfeita união do grupo com o Cristo e através dEle com Deus. Um Cavaleiro ou uma Dama Templário sozinho é como uma árvore, que por mais frondosa seja, se estiver só no meio do descampado, estará mais sujeita as intempéries climáticas, aos fortes ventos, as tempestades e as pragas. Sabiamente Jesus disse que “onde estiverem dois ou mais reunidos em meu nome, ali eu estarei” ou seja onde houver a Egrégora, ali Eu estarei, me manifestarei. O Cavaleiro ou a Dama Templário que estiver só em uma região e que desejar seguir os ensinamentos reservados do Templo deve buscar a união com mais dois membros para a formação de uma Tercia, da mesma forma para a formação de uma Comendadoria. Ao contrário do que muitos pensam, a formação de uma Ordem com tão profundos conhecimentos espirituais requer trabalho, dedicação e respeito aos princípios estabelecidos pela Ordem há cerca de 900 anos. Portanto, estas informações básicas tem como objetivo apenas informar aos Irmãos que sem trabalho, dedicação e persistência não existem conquistas.

12


CÓDIGO TEMPLARIO Os Soldados do Templo, são Soldados de Deus. Como tais devem sempre andar com Deus e ser o mais simples dos mortais. Devem conduzir-se com humildade e ser os mais honrados, os mais nobres, os mais cortes, os mais honestos e os mais cavalheiros. O Templário deve servir a Ordem e não esperar ser servido por ela. Deve colaborar com o serviço de Deus e não deve esperar recompensa, salvo o saber que isso honra a Ordem com sua devoção. O Templário não deve causar nenhuma ferida ou danos a qualquer criatura humana ou outra, seja por ganância, prazer ou vaidade. Pelo contrário, o Templário deve tentar levar a justiça a todos aqueles que não a recebem porque todos são filho de Deus e a todos Deus concedeu o dom da vida. Diante de todos os seres o Templário deve demonstrar cavalheirismo, cortesia e honestidade, tendo sempre presente que é testemunha de Deus.

Nenhuma mulher deverá temer um Templário, nem de suas palavras, nem de suas ações. Nenhuma criança deverá padecer esse temor. Nenhum homem, não importa quão rude seja, deverá temer um Templário. Onde exista debilidade ali o Templário deverá levar sua força. Onde não existir voz ali o Templário deve levar a sua. Onde estão os mais pobres ali o Templário deve distribuir sua generosidade. Um Soldado do Templo não pode estar escravizado por suas crenças sectárias ou opiniões estreitas. Deus é a verdade e sem Deus não existe verdade. O Templário deve sempre buscar a verdade porque na verdade está Deus. Jamais um Templário deve desonrar outro, porque está conduta o desonrará e o levará ao descrédito da Ordem.

- Não deve buscar posições de engrandecimento dentro da Ordem. Se contentará com aqueles postos que lhe sejam encomendados para melhor servila; - Não deve julgar a ninguém dentro ou fora da Ordem por suas posses ou posições sociais. Pelo contrário deve julgar pelo caráter e a bondade ou a falta deles; Deve expressar verdadeiros sentimentos aos princípios do Templo e obediência aos seus oficiais em todas as coisas da Ordem, entendendo que elas são verdadeiras e merecem a dita obediência; - Deve ser um verdadeiro patriota para a terra que Deus lhe deu; - Não deve caçar a nenhuma criatura quer por vaidade ou por esporte. - Não deve matar a nenhuma criatura salvo para alimentar-se ou em defesa própria;

Em sua conduta o templário: - Não deve ser brutal;

Um Templário deve viver cada dia como um crítico do dia anterior, desta maneira cada amanhecer será um passo a uma maior nobreza.

- Não deve embebedar-se de forma ofensiva;

Nenhum Templário deverá ofender de forma alguma a uma pessoa ou a outro ser. Para todos o Templário deve ser um exemplo de cavalheirismo.

- Não deve ser covarde ou bestial;

- Não deve ser imoral ou amoral;

- Não deve mentir ou ter intenções maliciosas;

- Deve manter-se justo e verdadeiro nas justas causas de Deus; - Não tomará atitude ofensiva contra nenhum homem pela forma como se dirige a Deus, ainda que esta seja diferente ou estranha. Muito pelo contrário o Templário deverá entender como outros se aproximam de Deus; Deve sempre ser consciente de que é um Soldado do Templo e fazer sempre com que suas obras sejam um exemplo para os demais.


AS SETE VIRTUDES DE UM CAVALEIRO TEMPLÁRIO Conheçamos então as sete virtudes de um Cavaleiro Templário e o que elas representam. São elas: Fé, Esperança, Caridade, Justiça, Prudência, Fortaleza e Temperança todas elas são de suma importância para a formação moral e espiritual de um Cavaleiro e uma Dama Templário. A primeira é a Fé, porque sem Fé o Cavaleiro não pode saber nem entender as coisas invisíveis.

o Cavaleiro se torna cruel e não terá piedade, nem misericórdia. E nenhum Cavaleiro sem a Caridade poderá suportar a carga que deve portar um coração nobre. A quarta virtude é a JUSTIÇA isso porque sem Justiça o Cavaleiro é injurioso e ofensivo, motivo pelo qual se auto destrói.

Já a segunda virtude é a ESPERANÇA isso porque na Esperança está o Poder de Deus, não na força, nem nas armas do Cavaleiro.

A quinta é virtude é a PRUDÊNCIA porque sem Prudência, o Cavaleiro cairá nos danos materiais e espirituais e não terá razão, entendimento, nem vontade em manter a honra da Cavalaria. A Prudência representa o equilíbrio e o pensar e ponderar antes de falar e antes de agir.

A terceira virtude é a CARIDADE porque sem a Caridade, que representa o Amor,

A sexta é virtude é a FORTALEZAporque sem a Fortaleza, o Cavaleiro cairá em

muitos pecados tais como: soberba, ira, cobiça, gula, inveja e luxuria e elas provocarão fraquezas no coração e não o farão digno de ser amado. A força corporal não é nada sem Humildade e a Caridade. A Ira enfraquece o entendimento, perturba o espírito e deixa de ser o caminho para a sua iluminação. Por fim a sétima virtude é a TEMPERANÇA porque sem Temperança não terá medida em alimentar-se, beber, falar, vestir e sem esta Virtude não se honra a Cavalaria. A Temperança representa o equilíbrio. A pratica das sete virtudes conduzirão o Cavaleiro ao perfeito conhecimento e a sabedoria, porque elas procedem do Criador visto que estão afinadas com Deus.

Quem pode fazer parte da Ordem? “Apresentados o Código de honra e as Sete Virtudes de um Cavaleiro Templário acreditamos que, por ambos, dê para se conhecer o alicerce da Ordem Templária.”

Don AlbIno Neves Grão-Mestre da OSMTH Magnum Magisterium

14

Homens e Mulheres com mais de 18 anos que sejam apresentados por algum Irmão ou Irmã e que se proponham caminhar pelo sendeiro da luz, respeitar as normas e hierarquias da Ordem, seguir os passos e princípios apontados pelo Mestre Jesus para a realização do renascimento do homem em espírito e a descoberta do reino de Deus em si mesmo. Também podem fazer parte crianças, adolescentes e jovens cujos pais ou tutores façam parte dos quadros da Ordem, apresentem os mesmos e estes sejam aprovados, sempre obedecendo aos critérios da Ordem, conforme orientação de seus superiores hierárquicos, nas Comendadorias, Prioratos e Gran Prioratos.


A ideia de “Princípios” De forma sintetizada e simples, expomos nesta página, alguns dos princípios da Ordem do Templo. Não se tem outro objetivo que não seja o de mostrar aos que fazem parte da Ordem e aos Postulantes que de nada adianta estar ou querer penetrar nos portais do Templo sem que haja uma vontade ardente de renascer, de ser outro, de nascer em espírito, de seguir os ensinamentos do Cristo. Os princípios são básicos e se tivéssemos que sintetizá-los, diríamos que bastariam os dois fixados por Nosso Senhor Jesus Cristo: “temor a Deus” e “amor ao próximo”. Portanto, sem a busca ardente de tais princípios, dificilmente tornase possível se tornar um Iniciado Crístico. Aqueles que vestem o manto branco ou que pretendem vesti-lo e não observam tais princípios básicos, passarão pela Ordem como muitos, sem nada ver e sem nada descobrir. Em contrapartida, aqueles que observam tais princípios, continuarão avançando em direção à descoberta do Graal e tomarão parte de uma categoria de Iniciados que descobriram a luz anunciada por Jesus através da expansão de suas consciências.

O temor e o amor andam juntos O temor a Deus não consiste em se esconder de Deus, e sim no respeito a ele. O cristão que teme a Deus não foge, mas busca se apresentar diante do Senhor para saber se está o agradando ou não, e se estiver desagradando, ele quer saber onde falhou, para corrigir o caminho e não mais entristecer o Espírito Santo.O temor e o amor andam juntos. Quem ama a Deus, o teme, não pela condenação, mas pela reverência. Quando o servo se intensifica na adoração, ele passa a amar a perfeita justiça de Deus mais do que a si mesmo, ou seja, ele capaz de assumir os seus erros para que a perfeita justiça de Deus continue intacta aos olhos das pessoas que não o conhecem. O relacionamento aprofundado com o Senhor pode ter como exemplo a atitude de João, ao demonstrar grande amor por Jesus, e também a atitude de temor de um certo centurião, ao temer se aproximar do Filho de Deus:

digno de que entres debaixo do meu telhado." (Lucas 7.6). "Ora, um de seus discípulos, aquele a quem Jesus amava, estava reclinando no seio de Jesus." (João 13.23).

"...Quando, porém, já estava perto de sua casa, o centurião enviou-lhe uns amigos para dizerlhe: Senhor, não te incomodes, porque não sou

“O que oprime o pobre insulta àquele que o criou, mas o que se compadece do necessitado o honra.” (Provérbios 14.31).

Temor não é ausência de amor e o amor não é ausência de temor, pois ambos concordam entre si. O temor a Deus é o princípio da sabedoria e o amor é a base dela. Qualquer coisa que é feita sem amor não é sabedoria. O cristão demonstra que tem respeito por Deus quando trata as pessoas mais desprezadas da sociedade com respeito e amor, pois o ser-humano é criado à imagem e semelhança de Deus. Ele só conseguirá respeitar uma pessoa desprezada se ele tiver amor pelo ser-humano, pois, como já foi dito, o temor e o amor andam juntos. Aquele que despreza o pobre insulta o Criador:


Grão-Mestres da Ordem desde 1118 até os dias atuais. A lista apresentada a seguir está de acordo com o Manual dos Templários Alemães, oferta do confrade Dipl. Ing. Max Baumgartner e publicada no livro História Concisa dos Templários - 1118-2008, de autoria de Mário Simões Dias. Grão-Mestres 1. Hugo de Payens (Huguens de Payns) (1118-1136) 2. Hugue, conde de Champagne 3. Rossal de Clairvaux 4. Geoffro de Bissor 5. André de Condemare 6. Archambaud de Saint-amande 7. Philippe de Milly (Philippus de Neapoli/de Nablus) (1169-1171) 8. Odo de St Amand|Odo (Eudes) de St Amand ou Odon de Saint-Chamand (1171-1179) 9. Arnaud de Toroge (Arnaldus de Turre Rubea/de Torroja) (1179-1184) 10. Gérard de Ridefort (1185-1189) 11. Robert de Sablé (Robertus de Sabloloi) (1191-1193) 12. Gilbert Horal (Gilbertus Erail /Herail /Arayl /Horal /Roral) (1193-1200) 13. Phillipe de Plessis / Plaissie`/ Plesse` /Plessiez (1201-1208) 14. Guillaume de Chartres ou Willemus de Carnoto (1209-1219) 15. Pedro de Montaigu|Pierre (Pedro) de Montaigu (Petrus de Monteacuto) (1219-1230) 16. Armand de Périgord (Hermannus Petragoricensis) ou Hermann de Pierre-Grosse (-1244) 17. Richard de Bures (1245-1247) 18. Guillaume de Sonnac (Guillelmus de Sonayo) (12471250) 19. Renaud de Vichiers (Rainaldus de Vicherio) (12501256) 20. Thomas Bérard (1256-1273) 21. Guillaume de Beaujeu (Guillelmus de Belloico) (1273-1291) 22. Thibaud Gaudin (Thiband Ggandin) (1291-1292) 23. Jacques de Molay (1292-1314)

35. Philippe de Chabot (1516-1544) 36. Gaspard de Saulx et de Tavennes (1544-1574) 37. Henri de Montmorency (1574-1615) 38. Charles de Valois (1615-1651) 39. Jacques Ruxel de Grancey (1651-1681) 40. Jacques-Henri de Dusfort, Duc de Duras (16811705) 41. Philippe de Bourbon, Duque d’Orleans (1705-1724) 42. Louis-Auguste de Bourbon, Duc de Maine (17241737) 43. Louis-Henri de Bourbon, Prince de Conde (17371741) 44. Louis-François de Bourbon, Prince de Conty (17411776) 45. Louis-Hercules-Timoleon de Cosse, Duc de Brissac (1776-1792) Regent Claude-Mathieu Radiz de Chevillon (1792-1804) PALAPRAT 46. Bernard-Raymond Fabre-Palaprat (1804-1838) Regent Charles-Antoine-Gabriel, Duc de Choiseu (1.Amtszeit) (1813) Regent Charles-Louis-Le Peletier, Comte d’Aunay (18131827) Bernard-Raymond Fabre-Palaprat Regiert (1827-1838) Regent Charles-Antonie-Gabriel, Duc de Choiseu (2.Amtszeit) (1838) La Commission Executive du Convent General (1838) Regent Charles-Fortuné-Jules Guigues, Comte de Moreton et de Chabrillan (1838-1839) Regent William Sidney Smith (18339-1840) Regent Jean Marie Raoul (1840-1850) In England EdwARD VII. Of great Britain (1840-1850) In Deutschland George V, Von Hannover (1840-1866) Regent Narcisse Valleray (1850-1866) Regent Dr. A.G.H. Vernois (1866-1892) Regent Josephin Péladan (1892-1894) Secretariat International de Templiers (1894-1934) Conseil de Regence unter Joseph Vanderberg (19341935) Regent Thèodore Covias (1935) Regent Emile-Clément-Joseph Vandenberg (1935-1942) 50. Regent Graf Antonie Campello Pinto de Souza Fontes (1942-1960) 51. Regent (Spater,Prinzregente und Grossmeister)Graf Dom Fernando Campello Pinto Pereira de Sousa Fonte (1960-18/05/2018) 52. Grão-Mestre Don Albino Neves

LARMENIUS 24. Jean- Marc Larménius de Jerusalém (1314-1324) 25. François-Thomas-Thibaut d’Alexandrie (1324-1340) 26. Arnold de Baque (1340-1349) 27. Jean de Clermont (1349-1357) 28. Bertrand Duguesclin (1357-1381) 29. Jean d’ Armagnac (1381-1392) 30. Bernard d’ Armagnac (1392-1419) 31. Jean d’ Armagnac (1419-1451) 32. Jean d’ Croy (1451-1472) Regent Bernard Imbalt(1472-1478) 33. Robert de Lenoncour de Lorraine (1478-1496) 34. Galéas de Salazar (1497-1516)

16


História sintetizada da Ordem do Templo A organização existiu por cerca de dois séculos na Idade Média, fundada no rescaldo da Primeira Cruzada de 1096, com o propósito original de proteger os cristãos que voltaram a fazer a peregrinação a Jerusalém após a sua conquista. A Ordem foi fundada por Hugo de Payens em 1118, com o apoio de mais 8 cavaleiros e do rei Balduíno II de Jerusalém, após a Primeira Cruzada, com a finalidade de proteger os peregrinos que se dirigiam a Jerusalém, vítimas em todo o percurso de ladrões e, já na Terra Santa, dos ataques que os muçulmanos faziam aos reinos cristãos que as Cruzadas haviam fundado no Oriente. Os seus membros fizeram voto de pobreza e castidade para se tornarem monges. Usavam mantos brancos com a característica cruz vermelha, e o seu símbolo passou a ser um cavalo montado por dois cavaleiros. Em decorrência do local onde originalmente se estabeleceram (o Monte do Templo em Jerusalém, onde existira o Templo de Salomão, e onde se ergue a atual Mesquita de Al-Aqsa) e do voto de pobreza e da fé em Cristo denominaram-se "Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão". Oficialmente aprovada pelo Papa Honório II em torno de 1128, a ordem ganhou isenções e privilégios, dentre os quais o de que seu líder teria o direito de se comunicar diretamente com o papa. A Ordem tornou-se uma das favoritas da caridade em toda a cristandade, e cresceu rapidamente tanto em membros quanto em poder; seus membros estavam entre as mais qualificadas unidades de combate nas Cruzadas e os membros não-combatentes da Ordem geriam uma vasta infra-estrutura econômica, inovando em técnicas financeiras que constituíam o embrião de um sistema bancário, e erguendo muitas fortificações por toda a Europa e a Terra Santa. O poder da Ordem tornou-se tão grande que, em 1139, o papa Inocêncio II emitiu uma bula, Omne datum optimum, declarando que os Templários não deviam obediência a nenhum poder secular ou eclesiástico, apenas ao próprio papa. Mais tarde outros privilégios foramlhes dados através das bulas Milites Templi em 1144 e Militia Dei em 1145. Em 14 de Outubro de 1229 o papa Gregório IX redige uma outra bula, Ipsa nos cogit pietas, dirigida ao mestre e cavaleiros da ordem do Templo que os isenta de pagarem as décimas para as despesas da Terra Santa atendendo "à guerra continua que sustentavam contra os infieis arriscando a vida e a fazenda pela fé e amor de Cristo". A regra dessa ordem religiosa de monges guerreiros (militar) foi escrita por São Bernardo. A sua divisa foi extraída do livro dos Salmos: "Non nobis Domine, non nobis, sed nomine Tuo da gloriam" (Sl. 113,9 - Vulgata Latina) que significa "Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao Vosso nome daí a glória". Com o passar do tempo a ordem ficou riquíssima e muito poderosa: receberam várias doações de terras na Europa, ganharam enorme poder político, militar e econômico, o que acabou permitindo estabelecer uma rede de grande influência no continente. Também começaram a ser admitidas na ordem, devido à necessidade de contingente, pessoas que não atendiam aos critérios que eram levados em conta no início. Logo, o fervor cristão, a vida austera e a vontade de defender os cristãos da morte deixaram de ser as motivações principais dos cavaleiros Templários. As derrotas sofridas pela ordem reforçaram a ideia nos altos escalões do clero de que os Templários já não cumpriam sua missão de liberar e proteger os caminhos para Jerusalém. A principal derrota aconteceu em 1291, quando os mulçumanos conquistaram São João de Acre, a última cidade cristã na Terra Santa, o que levou o deslocamento de muitos de seus membros de volta à Europa. A partir desse período começam as perseguições pelo rei Felipe, o Belo, que, incomodado pela autonomia e poder da ordem, toma diversas medidas para dominá-la. Sem alcançar seus objetivos, decreta a dissolução da ordem, a prisão de seus líderes que, depois de interrogatórios, são condenados a morrer na fogueira em 18 de março de 1314. Filipe IV da França pensou em apropriar-se dos bens dos Templários, e por isso havia posto em andamento uma estratégia de descrédito, acusando-os de heresia. 17


A ordem de prisão foi redigida em 14 de Setembro de 1307 no dia da exaltação da Santa Cruz, e no dia 13 de Outubro de 1307 (uma sexta-feira) o rei obrigou o comparecimento de todos os Templários da França. Os Templários foram encarcerados em masmorras e submetidos a torturas para se declararem culpados de heresia, no pergaminho redigido após a investigação dos interrogatórios, no Castelo de Chinon, no qual Filipe IV da França (Felipe, o Belo), influenciado por Guilherme de Nogaret havia prendido ilicitamente o último grãomestre do Templo e alguns altos dignitários da Ordem. O Pergaminho de Chinon atesta que o Papa Clemente V esteve para absolver os Templários das acusações de heresia, evidenciando, assim, que a queda histórica da Ordem deu-se por causa da perda dessa sua vontade e de razões de oportunismo político que a ultrapassaram. O chamado "Pergaminho de Chinon" ao declarar que Clemente V pretendia absolver a Ordem das acusações de heresia, e que poderia ter dado eventualmente a absolvição ao último grão-mestre, Jacques de Molay, e aos demais cavaleiros, suscitou a reação da monarquia francesa, de tal forma que obrigou o papa Clemente V a uma discussão ambígua, sancionada em 1312, durante o Concílio de Vienne, pela bula Vox in excelso, a qual declarava que o processo não havia comprovado a acusação de heresia. Após a descoberta nos Arquivos do Vaticano, da acta de Chinon, assinada por quatro cardeais, declarando a vontade de dar a inocência dos Templários, sete séculos após o processo, o mesmo foi recordado em uma cerimónia realizada no Vaticano, a 25 de outubro de 2007, na Sala Vecchia do Sínodo, na presença de Monsenhor Raffaele Farina, arquivista bibliotecário da Santa Igreja Romana, de Monsenhor Sergio Pagano, prefeito do Arquivo Secreto do Vaticano, de Marco Maiorino, oficial do Arquivo, de Franco Cardini, medievalista, de Valerio Manfred, arqueólogo e escritor, e da escritora Barbara Frale, descobridora do pergaminho e autora do livro "Os Templários". O fato de nunca ter havido uma oportunidade de acesso aos documentos originais dos julgamentos contra os Templários motivou o surgimento de muitos livros e filmes, com grande repercussão pública, porém, sem nenhum fundamento histórico. Por este mesmo motivo, muitas sociedades secretas, como a Maçonaria e demais, se proclamam "herdeiras" dos Templários. A obra , publicada pela Biblioteca Vaticana, restaura a verdade histórica sobre Os Cavaleiros da Ordem do Templo, conhecidos como Templários, cuja existência e posterior desaparecimento foram motivo de numerosas especulações e lendas.

Processos contra Templários: Investigação Papal sobre os julgamentos dos Templários Composta por 799 exemplares numerados, a obra Processo Contra Templários foi lançada oficialmente pelo Vaticano. Os documentos considerados secretos de um dos grandes julgamentos da História, que condenou ao fim os Cavaleiros dos Templários, foram colocados à venda em edição bilíngüe – italiano e inglês. Um dos destaques é a reprodução dos originais em pergaminho do ato de Chinon, de 1308, do antigo processo de condenação dos Cavaleiros dos Templários. Ele mostra que o papa Clemente 5º reabilitou inicialmente os Templários acusados de heresia. Segundo o historiador medievalista Franco Cardini, o papa planejava reformar o grupo religioso e militar medieval, mas nunca o condenou. De acordo com o estudioso, o pergaminho “testemunha que o pontífice não considerava a ordem herege”.

18


Beaussant – Estandarte de guerra usado pelos Templários A luz através das trevas, Branco: pureza, conhecimento a mostrar, Negro: escuro, secreto, pagão, força dentro do esotérico. Lema dos Guerreiros Templários: Jovem cavaleiro difunde aos ventos ... Os campos enrijecidos de batalha feitos com a essência dos guerreiros, sê nobre, sê santo, disse o vetusto (antigo) grito Templário. Luta por honra, não por algo distinto. Buscai o destino, proteger os caminhos Abre teu coração, Grita tua canção. As terras clamam teu nome, Guerreiro não tenhas medo... A obscuridade sai do teu corpo, deixa entrar a luz branca do conhecimento Não percas a fé, és o único que permanece ... Não tema a desterro... És dono de nada, porém livre como o vento.

"O selo da Ordem do Templo simboliza a dupla natureza, divina e humana, assim como a dualidade em cada ser, “animus/anima” (segundo C. G. Jung), e o cavalo sobre o qual dois cavaleiros estão montados possibilita a passagem entre dois mundos: o celeste e o terrestre. Além disso, os dois cavaleiros e o seu cavalo evocam a tríplice natureza do ser: spiritus (espírito), animus (alma), corpus (corpo), estando este último representado pelo cavalo, tal como nos ensina Platão no Fedro, sugerindo que o corpo não é senão o veículo da alma e do Espírito divino.

19


Assumir o Tau O Tau para Francisco seria o símbolo de uma opção por uma radicalidade maior de vida onde o Evangelho se torna a regra máxima do viver. Ou dizendo de forma diferente: uma vida de seguimento real das pegadas de Nosso Senhor Jesus Cristo. Assumir o Tau quer significar estar comprometido com a proposta de Cristo. Caberia nos perguntar, então, se essa “onda” do Tau constatada atualmente na sociedade não é também portadora, ainda que de modo velado, de um acalentado sonho de “um outro mundo possível”, calcado na fraternidade e na paz como Francisco buscou construir com seus irmãos e irmãs? Se assim o é, quem pudera que estivesse presente em todos os lugares e de todas as formas. Mas, caso contrário, ao menos os franciscanos e franciscanas deveríamos ser os portadores desta utopia que, claramente, integra a mística de São Francisco. (Por Frei Aldir Crocoli, OFMCap)

Um Templário é um Soldado de Cristo Como bem destacou o Frei Aldir ao “ o assumir o Tau significa estar comprometido com a proposta de Cristo”, assim sempre pensaram os Templários que além do Beausant sempre traziam consigo o estandarte do Tau que também era exposto em suas Comendas e residências, da mesma forma faziam expondo nelas o símbolo de Salomão.

20


Cruz das oito beatitudes Na Cruz das oito beatitudes, encontra-se um dos misteriosos segredos Templários. Utilizada pelos Templários da GPIT-SMOTH, a cruz tem no centro da a Estrela de David, símbolo de proteção e de grande força energética. David enviou seu filho Salomão para aprender nas escolas iniciática do Egito os mistérios ocultos, o gnosticismo e as ciências ocultas que deram origem a várias religiões e sociedades secretas. Além da Estrela, encontra-se no meio da mesma, a Cruz de cinco pontas que simboliza a ligação entre o céu e da terra, os cinco elementos e outros tantos mistérios. Quando segura com quatro dedos ela é uma chave criptografada para a entrada em lugares secretos, bem como para abrir determinadas portas e livros. Tal segredo sempre foi resguardado inclusive de muitos membros da Ordem. O livro de Jesús Ávila Granados, que fala sobre a mitologia Templária confirma essa e outras verdades ocultas. O oculto e o esoterismo Templário se mostram em várias catedrais e castelos construídos pela Ordem na Europa, o que para muitos passa por despercebido. A cruz das oito beatitudes aparece em várias igrejas e sítios Templários como marca de que ali o aceso ao secreto só era permitido aos que tivessem as “chaves”, ou seja, conhecesse os códigos ocultos.

A cruz de oito pontas, é uma marca de que para o Templo, o número oito, sempre teve um significado muito especial desde a sua fundação em 1118, onde durante nove anos viveram nos escombros do Templo de Salomão, que era construído em forma de octógono. O oito é um número cabalístico de grande potência e significado, representa o infinito, como infinita deve ser a busca dos eu desejam chegar ao Graal. A cruz é formada por quatro braços abertos do exterior para o interior, que como flechas apontam para o centro, numa demonstração de que o caminho iniciático começa largo e vai se estreitando. Ao centro só se chega pela via do coração, o conhecimento através dos sentires.

21


Jesus é o pão da vida, o pão espiritual O que diferencia os Templários é o saber, não o saber através da absorção de conhecimentos pela via do intelecto, mas do armazenamento dos ensinamentos sagrados através do sentir. Todo aquele que deseja tomar parte na mesa do Senhor, deve antes se tornar um humilde servo de Deus, sem esse princípio, as páginas do livro sagrado, continuarão seladas como sempre estiveram para os que não estão preparados. Antes de alcançar a iniciação de filho de Deus, o homem não passa de um simplesmente ignorante que não sabe o que faz. Jesus afirma: “MINHAS PALAVRAS SÃO ESPÍRITO E VIDA”. O Templário deve tomar consciência de que o verbo se manifestou através da palavra de Jesus, posto que sua palavra, toda foi criada por Deus e sua potência foi demonstrada plenamente durante toda a sua vida terrestre por inumeráveis prodígios. É preciso que o Iniciado busque e encontre o espírito e a vida de Cristo por trás das letras, que a receba em seu coração e as coloque em sua própria vida. Jesus é o pão da vida, o pão espiritual “baixado do céu” e o novo maná. Cristo é o Verbo e o Verbo é a palavra, e a palavra de Cristo no plano iniciático é a sua doutrina. Portanto, ela deve sustentar a vida espiritual do Templário. A oração e as boas intenções não bastam. Só a palavra Crística que é espírito-vida, dará vida e força ao espírito humano. Por entre as frestas penetra a luz e quem acompanha seu caminhar compreende a sua importância e lança-se ao caminho em busca de sua própria transformação.

22


Carta aos Templários e postulantes do Brasil Queridos +Fr., + Sor. e postulantes, Nós do Gran Priorato Templário do Brasil – Cavalaria Espiritual São João Batista – GPTB-CESJB temos recebido muitas solicitações de filiações, fato que demonstra o reconhecimento do trabalho que temos desenvolvido em favor da Ordem e dos irmãos. Isso requer que cada dia redobremos mais a vigília de adesões às nossas fileiras, tendo em vista que um prédio demora muito tempo para ser levantado e pouco tempo para ser destruído. Além do mais os infiéis sentem-se mal entre nós. Depois de ser levado ao Conselho do GPTBCESJB tais solicitações e pedidos de adesões resolvemos tornar público a posição do Conselho:

6 – Somos ligados as Ramas da OSMTHPorto e ao GPIT Jacques De Molay –SMOTH, uma completa a outra e as duas se completam em si; 7 – Todo aquele que deseja ingressar ao GPTB-CESJB precisa estar ciente do que está especificado no link de nosso site sobre a “Formação da Ordem e a forma hierárquica”, vide o link: http://granprioratotemplario.com.br/que m-somos-nos-sub/a-formacao-da-ordem-e-aforma-hierarquica Não vivemos distribuindo “cartilhas ” de formação Templária que nada mais são do que informações que podem ser adquiridas nas páginas da Internet. Possuímos ensinamentos que atravessam os séculos resguardados dos olhos e conhecimentos dos profanos e que assim devem ser mantidos, portanto, dentro da Ordem, cada um recebe os conhecimentos de acordo com o seu grau de evolução, cabendo aos responsáveis pelas Tercias, Comendadorias, Prioratos e Gran Prioratos repassar tais ensinamentos aos seus, sem profanar o Templo;

1- As portas do GPTB-CESJB estão abertas a todos que cumpram as exigências da Ordem em nível Nacional e Internacional; 2 – Aos já Iniciados que pretendem aderir ao GPTB-CESJB precisamos informar que a Ordem não é apenas o vestir um manto branco ou ter o diploma de Templário, é muito mais do que isso. Requer estudo, dedicação, obediência, respeito aos seus superiores hierárquicos, trabalho para fortalecer a Ordem em seu território e assim poder realizar trabalhos de elevação espiritual onde a formação da Égregora é fundamental;

8 – Aos que desejam estar conosco leiam atentamente todos os itens e entrem em contato conosco através do e-mail

3 – Aos que desejam só ser um Iniciado, ter título de Templário e não tem interesse de renascer, de ser um novo homem, de se tornar uma pessoa melhor em todos os sentidos, aqui não é o seu lugar, pois leremos o fundo de vossos corações e sentir-seá mal entre nós;

granprior.eutenciano@gmail.com

Sejam todos ben-vindos!

4 – Nosso Templo é um lugar Sagrado e não pode ser profanado por pessoas indignas de estar entre nós; 5 – Somos a única fração da Ordem na América do Sul, quiçá na América Latina que tem sua própria estrutura para acolher os Irmãos com independência total. O Complexo Templário do GPTB-CESJB tem sua própria Sala Capitular (Templo), Sala de Vela de Armas e Ermida com capacidade de abrigar até 100 Templários, daí nossa independência;

23


Créditos e referências Todas as informações nas páginas desse material está publicado e pode ser conferido no Site oficial do Gran Priorato Templário do Brasil – Cavalaria Espiritual São João Batista – GPTB-CESJB Apenas com uma exceção da página 02, Nota ao Leitor... Essa foi escrita pelo Grão Prior do Brasil.

Contato com o Gran Priorato Templário do Brasil – Cavalaria Espiritual São João Batista – GPTB-CESJB Site oficial: http://granprioratotemplario.com.br/ Blog Oficial: http://cavaleirostemplariosdobrasil.blogspot.com/ Telefone: (032) 998 146 049 e-mail: granprior.eutenciano@gmail.com

Profile for Gran Prior Eutenciano

Revista Brasil Templário  

Essa Edição 001 tem por objetivo (exclusivo à essa edição) a APRESENTAÇÃO da Hierarquia do Gran Priorato Templário do Brasil, assim como a a...

Revista Brasil Templário  

Essa Edição 001 tem por objetivo (exclusivo à essa edição) a APRESENTAÇÃO da Hierarquia do Gran Priorato Templário do Brasil, assim como a a...

Advertisement