Issuu on Google+

GRÂNDOLA

J. Rosa G.


GRÂNDOLA

J. Rosa G.


De tudo o que jรก fomos, talvez esteja hoje a nascer o homem digno que irรก povoar o deserto de flores douradas.


Este livro é sobre um dia e necessariamente sobre o tempo. Este livro é sobre um lugar e necessariamente sobre o espaço. Todas as fotos foram tiradas a 25 de Abril de 1998 na vila alentejana de Grândola. Talvez também seja um livro sobre o deserto - o actual deserto em que vivemos, desprovido de ideais e de utopia; ou talvez sobre a desertificação - consequência das crescentes migrações humanas das zonas rurais para as grandes cidades. Talvez seja um livro sobre todos aqueles que sofreram a ditadura, assistiram à democracia e continuaram em último, permanecendo, no entanto, com a firmeza e a dignidade no olhar. Talvez seja um livro de homenagem ao compositor maior que é José Afonso, através da sua emblemática canção. Grândola Vila Morena, hoje, deve ser ouvida em silêncio e na intimidade, só assim se sentindo os passos da multidão que soube sonhar e se aproxima, por bem. Talvez seja um livro de e sobre a fotografia: cores e preto e branco, retrato, paisagem rural e paisagem urbana, natureza morta e natureza viva, texturas e reflexos, portas e janelas,... apresentando uma visão ética mas não purista: ausência de tripé, utilização do flash numa só foto, a quase totalidade em negativo integral mas não prescindindo de alguns re-enquadramentos, sequências fotográficas, uma foto tremida, diferentes dimensões de apresentação das fotos, algumas com molduras a preto,... Talvez seja outra coisa. E talvez seja ainda um livro sobre a liberdade. Porém livres... só as águas. (Janeiro de 2004).


Gr창ndola Vila Morena


Terra da Fraternidade


O Povo ĂŠ Quem Mais Ordena


Dentro de Ti Ă“ Cidade


Em Cada Esquina Um Amigo


Em Cada Rosto Igualdade


Ă€ Sombra de Uma Azinheira


Que Jรก Nรฃo Sabia a Idade


Jurei Ter Por Companheira


Gr창ndola a Tua Vontade


Este livro foi totalmente concebido pelo autor e é uma versão actual do exemplar único, Grândola, realizado em 1998. O texto de apresentação foi escrito em 2004, por ocasião da exposição do autor na Biblioteca Nacional. Foram usados os tipos Orlando e Trajan Pro e Gill Sans MT. O livro foi iniciado no dia 25 de Abril de 2010 e terminado a 25 de Março de 2013. No exemplar original todas as fotografias foram tiradas no dia 25 de Abril de 1998, na vila de Grândola, exceptuando as fotografias do início do livro - da Ponte Vasco da Gama e das fotografias no final - relativas à Ponte 25 de Abril e ao Aqueduto das Águas Livres. As fotografias a cores foram efectuadas com uma câmara Nikon F70, lente 35-80 mm e as a preto-e-branco com uma Ricoh GR1, lente de 28mm. À excepção de duas imagens, todas procuram reproduzir o negativo original. O flash só foi usado numa imagem e não se utilizou tripé em nenhuma. As ampliações foram realizadas no laboratório Masterlab em Lisboa, sem tratamento digital. Impresso na Blurb. © 2013 J. Rosa G. jrosaguerra@sapo.pt


O Livro de Pan II, Museu da Ă gua - Lisboa, 2007.


J . R o s a G . n a s c e u e m 1 9 6 1 e m Va l e d e A ç o r, c o n c e l h o d e Po n t e d e S o r. D e s d e 1 9 9 5 e f e c t u o u m a i s d e 1 0 0 l i v ro s d e a u t o r, ú n i c o s o u de tiragem reduzida. Em 2004, foram apresentados 56 livros n a e x p o s i ç ã o r e t ro s p e c t i v a “ D o s L i v ro s q u e N ã o s e L ê e m ” , na Biblioteca Nacional em Lisboa. Em 2007, no

Museu da

Á g u a e m L i s b o a , r e a l i z o u a e x p o s i ç ã o “ O L i v ro d e P a n I I e O u t ro s L i v ro s ” o n d e a p r e s e n t o u o s l i v ro s : A Ú l t i m a C e i a , A l d e i a : A ç o r, V i d a F i r s t , Á g u a L i v r e e O L i v ro d e P a n I I , o b r a com 100 m de comprimento e que inclui

no seu conteúdo

f o t o g r a f i a , d e s e n h o, p i n t u r a , c o l a g e m , g r av u r a , s e r i g r a f i a , poesia, citações, textos e música original.



Grandola