Page 1

Número 133 | Ano 12 | R$ 35,00 www.grandesformatos.com

O EVENTO DO ANO!

Signs Nordeste Talks & Prêmio Bureau Criativo

Loucos por UVs

Um mercado movido pelo desejo!


DE PO SIT PH OT OS

SUMARIO

20

Loucos por UVs

Você já se rendeu ao desejo?

06 08 10 12 14

Editorial GF News Agfa e Sign Maker presentes em exposição no Metrô de São Paulo Artigo | Lazaro Ramos Qualificação Técnica Eventos “Família” Durst reunida para celebrar a primeira P5 no Brasil na Chromajet em SP GF Profissional Centro de Capacitação em impressão digital em grandes formatos lança o primeiro curso no Nordeste!

16

Artigo | Maicol Souza Quando devo comprar uma UV?

18

Artigo | Iara Luz A ciência por trás dos negócios

4 - Revista GF |

Edição 133

30

As Insanas

36

Artigo | Antonio Escobar Quantidade, qualidade e Investimentos no Marketing Digital!

40

Artigo | Fabio Madeira Entenda o alto potencial das feiras de negócios de serigrafia e impressão digital

44

GF News Webinar da EFI mostra como inovar no mercado de Comunicação Visual e Quando a profissão se traduz em missão!

46

Artigo | Marcos Gomes 76% dos brasileiros temem ter informações pessoais vazadas na internet

48

GF News A SAi lança software de produção de sinalização Flexi mais potente


EDITORIAL

DIVULGAÇÃO

LUCIANA ANDRADE Editora editora@grandesformatos.com

Queridos leitores Como apaixonada pela dinâmica do nosso mercado tenho o privilégio de ter conversas diárias com pessoas de todos os níveis de atuação. Diretores, clientes, fornecedores, operadores, adesivadores, técnicos, etc. Confesso que de todas as minhas atividades, estes momentos são os que mais me trazem alegria! Portanto, quem quiser conversar sobre o mercado comigo estarei sempre à disposição! Muitas vezes observo os dois extremos: empresários desestimulados, se deixando levar por “máximas” de que o mercado está ruim, que não tem saída, que querem vender tudo e irem embora do pais ou pelo menos mudar de ramo, que o vendedor da máquina enganou ele, e por aí vai. Neste caso a culpa é sempre do fornecedor, do concorrente ou do governo. Por outro lado, temos empresários (considerando empresas do mesmo porte) que estão animados, falando que o pior já passou, que temos problemas, claro, mas o foco principal da nossa conversa sempre são os planos de futuro. Este empresário que tem planos de futuro visitou feiras, é “parceiro” dos concorrentes (ao invés de inimigo) faz questão de visitar seus clientes sempre, tem “sede” de encontrar novos substratos que possam ser impressos. Testa muitos materiais diferentes, e, assim que tem sucesso, de forma eufórica leva aos seus clientes. Ele quer garantir a sustentabilidade do cliente. Qual a diferença entre eles? Afirmo, sem medo de errar, que é a paixão. Aquele “pulo da cama” de manhã para fazer a diferença na vida de alguém. De forma inconsciente traça estratégias de sucesso para seu cliente. Muitas vezes, sem pensar no que ganha com isto. Estes cases existem e são muitos. Eu mesma sou estimulada por eles. Tenho vontade de fazer mais pelo mercado e tudo vira um ciclo. “Loucos por UVs” são estes caras! Não importa o tamanho da empresa, o que faz a diferença real é o “brilho nos olhos”, ver muito além de uma estrutura mecânica. Espero que degustem a matéria de capa, a neurociência nos mostra o que acontece no cérebro quando um apaixonado vê um equipamento novo, Francisco Chubaci nos afirma que o caminho é certo e Debora Bregolato nos mostrou do que a força feminina “Louca por UV” é capaz! As Insanas te farão sonhar... Assim continua a GF! Com paixão pelos nossos leitores, amigos, alunos, professores, clientes, fornecedores, na verdade, para nós todos são nossos amigos! Espero vocês na Signs Nordeste!! O evento Signs Nordeste Talks será incrível, e o Prêmio voltou, vamos levar o troféu! Um beijo no coração!

6 - Revista GF |

Edição 133

EXPEDIENTE N. 133 / Ano 13 EDITORA/DIRETORA Luciana Cristina Andrade editora@grandesformatos.com ATENDIMENTO AO LEITOR atendimento@grandesformatos.com CURSOS GF capacitacao@grandesformatos.com ANUNCIOS atendimento@grandesformatos.com faleconosco@grandesformatos.com DESIGN GRÁFICO Purim Comunicação Visual (Rogério Callamari Macadura) rogerio@purimvisual.com.br GESTÃO WEB E MIDIAS SOCIAIS Digital Sign Midia (Antonio Escobar) marketing@digitalsignmidia.com.br GF Ltda TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução total ou parcial deste material é permitida mediante autorização prévia expressa pela GF Desenvolvimento Ltda, desde que seja citada a fonte. O conteúdo dos artigos é de responsabilidade dos autores, não expressando necessariamente a opinião da Revista GF. Os informes técnicos são de caráter informativo, não prevalecendo nenhuma marca em detrimento de outra. Os anúncios são de total responsabilidade das empresas anunciantes. Visite nosso portal www.grandesformatos.com Baixe o app: Revista GF Facebook.com/revistagf Instagram: #revistagf


GF NEWS

FOTOS: DIVULGAÇÃO

Agfa e Sign Maker presentes em exposição no Metrô de São Paulo

Para comemorar o Dia Mundial dos Oceanos (8 de junho), A Essential Idea Editora e a Companhia do Metropolitano de São Paulo montaram a exposição “O valor do mar” no Metrô SP. A mostra deverá ficar por cêrca de 90 dias em três estações, sendo a primeira delas a Estação Luz, que recebe 129.000 usuários/dia, em média. Baseada no livro “O valor do mar”, a mostra tem o patrocínio da Agfa Graphics e da em-

presa gráfica especializada Sign Maker; no painel de abertura são identificados os demais patrocinadores do livro - Cristal, Cia. de

Navegação Norsul e PwC Brasil. A exposição com 20 painéis nas dimensões 0,96 m X 0,66 m apresenta aspectos das diversas dimensões do mar e inclui links em QR Code legíveis por telefone celular que levam os visitantes a vídeos educativos produzidos por organizações como Instituto Baleia Jubarte, Petrobrás, Deutsche Welle, Universidades, Coppe-UFRJ e BBC News. O Metrô de São Paulo não faz estimativa oficial, mas o número de visitantes deve ser bastante elevado, superando 500 mil visitantes, porque a rede do metrô recebe cêrca de 4,5 milhões de usuários por dia - 405 milhões de usuários em 90 dias.

Palestra para formadores de opinião Entre os dias 5 e 9 de Junho foi realizada em São Paulo a Semana do Mar, promoção da Scientific American Brasil e do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo

8 - Revista GF |

Edição 133

(IO-USP), um conjunto de atividades para promover e difundir a cultura e mentalidade maritima. O evento teve o apoio de 17 organizações entre as quais Conserv tion International, WWF Brasil,

SOS Mata Atlântica, Museu Nacional do Mar, Consulado Geral da Noruega, Oceana Brasil e Secretaria Interministerial Para Recursos do Mar (SECIRM).


Rogerio Ruschel, diretor editorial da Essential Idea e editor, co-autor e co-organizador do livro “O valor do Mar”, apresentou o livro no SESC Pinheiros, dia 6 de junho, em um painel sobre a Amazônia Azul ao lado do Contra-Almirante Sergio Maria Gago, da Comissão Interministerial dos Recursos do Mar (CIRM) e do Prof. Dr. Rodrigo More, árbitro para a Convencão das Nações Unidas sobre o Direito do Mar.

Prestigiaram o evento em Lisboa o Embaixador brasileiro Luiz Alberto Figueiredo Machado e o Ministro Chefe das Forças Armadas de Portugal, Almirante António Manuel Fernandes da Silva Ribeiro.

Repercussão na imprensa Destaque para reportagens e entrevistas no jornal Valor Econômico (SP), Jornal da Record (SP), portal G1 (Rede Globo), Brasil Energia (SP) e Revista de Marinha, de Lisboa, Portugal. Sobre o livro: https://www.essentialidea.com.br/portfolio-item/o-valor-do-mar/

Edição 133 | Revista GF - 9


DEPOSITPHOTOS

ARTIGO

Qualificação Técnica Ao observar pessoas do mercado falando de conhecimentos técnicos, já tiveram a sensação de que o assunto é meio mitológico? Como se a formação técnica fosse tratada como algo inalcançável para a maioria e que poucos, ou ninguém, domine esses assuntos. Bons técnicos EXISTEM? Profissionais de excelência não são fáceis de encontrar, quando falamos de operadores que navegam em todas as áreas da produção, a coisa complica ainda mais. Nosso seguimento que tem meio milênio de desenvolvimento tecnológico constante e busca reproduzir imagens e marcas, ou seja, sensações. Nesse misto de Arte e Indústria, ser especialista é raro. Está convencionado que o profissional é bom em criação, ou em 10 - Revista GF |

Edição 133

pré-impressão, ou em impressão, ou acabamento ou em manutenção. Tudo bem segmentado, certo? Mas, os processos digitais estreitam e exigem cada vez mais que o profissional transite por todos os seguimentos, que ele seja “técnico”. É o que ouvimos e falamos muito, certo? E o que faz um técnico em artes gráficas / comunicação visual ser diferenciado? • Os conhecimentos específicos da área? • As habilidades naturais? • Estar atualizado tecnologicamente? Questões complexas, não têm resposta única. Essa não é diferente, mas podemos identificar uma característica comum aos grandes profissionais, inspiradores do nosso setor. - O Pensar Técnico, um mind set que

vai muito além da grade curricular. Quando comecei a escrever esse texto, há alguns dias, ficou claro esse diferencial comum entre os colegas de profissão que costumo chamar de mestres. Uma LINHA DE AÇÃO que proporciona diagnósticos rápidos, assertivos e soluções surpreendentes, na maioria das vezes por sua simplicidade. Isso pode ser atribuído a um pensar e agir característicos. Resolvi fazer uma pesquisa sobre o PENSAR TÉCNICO, encontrei e reli vários textos, mas, ao chegar a René Decartes, que em seu livro de Discourse on the Method de 1637 abordou muito bem esse tema, ficou sensação que que a humanidade às vezes se esquece do caminho que já percorreu. Quem quiser aprofundar no assunto, vale a pena ler um pouco sobre esse personagem.


1- Ter claro a habilidade desejada DESEJO 2- Ter as informações básicas suficientes - DADO 3- Experimentar em laboratório e em CAMPO a teoria recebida EXPERIÊNCIA 4 - Avaliar o resultado - AVALIAÇÃO 5- Repetir o processo - EXCELÊNCIA Vemos muitos fazendo apenas o item 2 no máximo parte do 3. Quando o candidato a técnico, tem claro o que quer (1) e tem perseverança/oportunidade de repetir os passos 4 e 5, a “mágica” acontece Falta o discernimento de que todos nós hoje, temos acesso à informação (2), mas ela não se basta. O mais complexo é ter a “visão planificada” de onde queremos chegar, aí   buscar conhecimento, ter um bom planejamento para os passos seguintes, experimentar, avaliar e melhorar continuamente. Os que conseguem assimilar esses passos, alcançam o objetivo. Boas escolas e cursos direcionados são o caminho, mas infelizmente não resolvem sem o engajamento individual. Ser ou se tornar um técnico, passa pelo princípio de estar disposto a mudar sua forma de perceber. Teoria e prática precisam se intercalar o tempo todo. Ver os “problemas” como um mapa a ser compreendido e a raciocinar voltando sempre às informações e experimentos acumulados, analisando e antecipando-se aos fatos. ERRAR muito e com isso acumular experiências, que à medida que forem sendo repetidas, vão melhorar o desempenho. Para um bom técnico, quanto mais cedo tiver grandes responsabilida-

des, mais promissora será sua carreira. Só não erra quem não faz. Conceitualmente, não há novidade alguma. O cenário atual, porém, promove e permite essa multidisciplinaridade. Que pode deixar todos perdidos. Para os que focarem no MÉTODO, repetir e aprimorar, independente do conteúdo ou segmento, o sucesso está assegurado. Ser técnico é ter imenso desejo executar a partir do Pensar, logo, EXISTIR.

DIVULGAÇÃO

Atualmente a informação é abundante, era praticamente inalcançável e ver os estudos desse grande cientista que mudou a forma de pensar, pode nos tirar da nossa zona de conforto. Imaginar que no Século XVII alguém se dedicou ao processo que transformou o nosso mundo nos desafia a aprimorar nossa visão, uma leitura muito válida. Proponho aos que buscam conhecimentos, e desejam encontrar colaboradores com potencial, parar e refletir. Seguem algumas conclusões para colaborar. Uma forma simples e eficiente de exercitar esse pensar é se espelhar em quem faz bem, a boa prática demanda modelagem, seguir uma referência, até intuitivamente começar a encontrar as próprias soluções. Modelos devem ser os que conseguem melhores diagnósticos e resultados, que têm o pensamento Cartesiano, ou seja, conseguem avaliar a questão ficando à parte do problema, planificam e de forma racional encontram caminhos mais curtos. São os que parecem adivinhar soluções. Na verdade à medida que vão alimentando o seu portfólio de “cases”, conseguem identificar tendências e com alguns sintomas, são capazes de apresentar soluções viáveis. Sem essa CONSCIÊNCIA, a formação técnica acaba sendo demorada e o caminho muitas vezes é abandonado, ficando apenas a teoria bem superficial e criando essa crença limitante de que, ser técnico é para poucos, praticamente impossível. A qualificação tem sido tratada como algo “mágico” que às vezes “acontece” ou não. Uma formação eficaz, independente das características pessoais, se baseia em:

LAZARO RAMOS Iniciando a carreira em 1987 como tipógrafo no interior de MG, foi buscar a formação técnica na Theobaldo de Nigres em 1993 especializando Produção Visual e serigrafia. Estudou engenharia de produção e filosofia. Atuou como Orçamentista, gerente de produção, produtor gráfica, instrutor, consultor em empresas muito especiais como Ibérica, Hoje Comunicação, Senai, DelRey, TCS, Heidelberg, Alphaprint entre outras equipes de valor. Atualmente como consultor negócios na AGFA, onde todo o time respira essa máxima de que conjunto de posturas é mais importante que qualquer parte isoladamente.

Edição 133 | Revista GF - 11


EVENTOS

“Família” Durst reunida para celebrar a primeira P5 no Brasil na Chromajet em SP

No dia 28 de maio, estive presente em um evento muito bem elaborado. Tudo foi feito dentro da empresa Chromajet. A comemoração da instalação da primeira impressora P5 no Brasil. A casa lotada, e o mais interessante: parceiros e concorrentes da Chromajet de todo o Brasil brindaram junto com Eduardo Ale-

12 - Revista GF |

Edição 133

xandre Gomes pela conquista! O entusiasmo de todos demonstra os resultados da empresa em fazer mais por seus clientes. Estiveram presentes Christian Gamper, CEO da Durst, e Christian Harder, responsável mundial de vendas para grandes formatos. O conceito de “família” para com toda a equipe Durst faz com que todos tenham o mesmo “brilho nos olhos”! Agradeço ao Diretor Geral da Durst Brasil, Ricardo Pi, pelo convite! Parabéns e vida longa a Chromajet!

ESTIVERAM PRESENTES CHRISTIAN GAMPER, CEO DA DURST, E CHRISTIAN HARDER, RESPONSÁVEL MUNDIAL DE VENDAS PARA GRANDES FORMATOS. O CONCEITO DE “FAMÍLIA” PARA COM TODA A EQUIPE DURST FAZ COM QUE TODOS TENHAM O MESMO “BRILHO NOS OLHOS”!


GF PROFISSIONAL

Centro de Capacitação em impressão digital em grandes formatos lança o primeiro curso no Nordeste!

AO LONGO DESTES 8 ANOS PUDEMOS PERCEBER A CARÊNCIA DE INFORMAÇÕES NO MERCADO DO NORDESTE. EM NOSSO CURSO TÉCNICO EM IMPRESSORAS, 80% DOS ALUNOS DA GF EM SP VINHAM DO NORDESTE 14 - Revista GF |

Edição 133

FOTOS: DIVULGAÇÃO

Nos dias 31 de maio e 01 de junho, a GF Profissional, no mercado desde 2011 lançou seu primeiro curso no Nordeste. “Ao longo destes 8 anos pudemos perceber a carência de informações no mercado do Nordeste. Em nosso Curso técnico em impressoras, 80% dos alunos da GF em SP vinham do Nordeste. Precisávamos fazer mais pelo mercado”. Comenta Luciana Andrade. O primeiro treinamento foi de Aplicação de Adesivos, em Olinda – PE, ministrado pelo Prof. Diomedes


Souza de Curitiba. Os alunos tiveram a oportunidade de ter acesso a técnicas fundamentadas de todo o processo correto de trabalho, da possibilidade de sair da forma amadora de trabalhar. Sob os cuidados de Andressa Lima, diretora da GF Nordeste o curso foi um sucesso! “A próxima turma será para o Curso Técnico em impressoras, o qual o mercado Nordestino aguarda ansioso! ” Confirma Andressa. As informações sobre os cursos da GF Nordeste podem ser obtidas pelo whatssap 81-99269-5205.

GF Profissional em SP Na sede da GF em SP tivemos o Curso Técnico em Impressoras Digitais com o Prof Francisco Chubaci nos dias 16 a 19 de maio e Curso de Gerenciamento Avançado de Perfil

de Cores com Prof Marcelo Chagas no dia 20 de maio! Os treinamentos foram um sucesso, com alunos de todo Brasil presentes! Novas unidades da GF Profissional estarão em funcionamen-

to em breve! Parabéns aos coordenadores, aos alunos e aos professores que se dedicam em levar o melhor conhecimento para todo Brasil!

Edição 133 | Revista GF - 15


DEPOSITPHOTOS

ARTIGO

Quando devo comprar uma UV? Os equipamentos atuais de comunicação visual são uma evolução tecnológica de antigos processos de produção como as pinturas feitas à mão e a serigra-

16 - Revista GF |

Edição 133

fia, acompanhando esse avanço tecnológico, que é constante, sempre fica no ar a pergunta para saber qual o futuro desse mercado? Látex, UV, Led, 3D?

Para onde vamos? Onde investir? Nesta edição estamos tratando da tecnologia UV, equipamentos com um custo maior de aquisição, mas com algumas


vantagens produtivas e características próprias. Antes de adquirir qualquer equipamento é necessário avaliar a relação entre o valor pago e o retorno do investimento. Precisa estar claro suas vantagens competitivas antes de tomar tal decisão. A impressão direta em chapas, por exemplo, proporciona um melhor acabamento, eco-

nomiza o vinil que é utilizado na solvente e principalmente não tem a mão de obra de aplicação, mas qual a sua demanda para esse tipo de serviço? Conhecer e explorar os diferenciais deste equipamento é fundamental, produzir materiais diferenciados com alto valor agregado, ou produzir serviços com um alto volume por preços comerciais apostando na qualidade? De qualquer forma você vai precisar de um setor comercial alinhado, que saiba explorar esses recursos e garantir um alto giro para justificar o investimento. Vejo hoje algumas empresas muito bem de estrutura, com diversos tipos de equipamentos, mas com uma baixa produtividade. Empresários com cinco impressoras com um volume de trabalho para no máximo duas, maquinas de corte a laser trabalhando poucas horas no mês, e principalmente, falta de gerenciamento de tempo de mão de obra. Instaladores saindo da empresa em dupla para serviços que poderiam facilmente fazer sozinhos, e ainda, demorando muito mais tempo que o necessário para concluir o serviço. Exemplos como esse são comuns em nosso mercado e são exemplos de desperdício, e vale lembrar que em toda empresa a perda sempre sai do que seria o lucro (olho). O mercado está cada dia mais competitivo, temos que ter menos donos de impressoras e mais empresários, qualidade hoje não mais diferencial, é obrigação! Inúmeras empresas desse setor abrem e fecham todos os dias,

empresas tradicionais passando dificuldades. Não podemos mais achar que a compra de um equipamento vai ser a solução para se destacar da concorrência, é preciso estratégia. Para se manter no mercado hoje é fundamental uma estrutura enxuta e altamente produtiva. É fundamental também conhecimento técnico e administrativo. Conhecer seus custos de forma real servirá como uma peneira que te levará a produzir somente trabalhos que gerem lucro e eliminar boa parte de trabalhos que apenas consomem o bem maior que é o seu tempo, evolua sua gestão e gaste tempo com o que realmente é importante, assim seu negócio e você estarão alinhados e seus objetivos se tornarão um só.

DIVULGAÇÃO

TEMOS QUE TER MENOS DONOS DE IMPRESSORAS E MAIS EMPRESÁRIOS, QUALIDADE HOJE NÃO MAIS DIFERENCIAL, É OBRIGAÇÃO! INÚMERAS EMPRESAS DESSE SETOR ABREM E FECHAM TODOS OS DIAS, EMPRESAS TRADICIONAIS PASSANDO DIFICULDADES. NÃO PODEMOS MAIS ACHAR QUE A COMPRA DE UM EQUIPAMENTO VAI SER A SOLUÇÃO PARA SE DESTACAR DA CONCORRÊNCIA, É PRECISO ESTRATÉGIA

MAICOL SOUZA Autor da coluna é Maicol de Souza, empresário no ramo de Comunicação Visual por 18 anos, hoje é consultor e diretor comercial da Vivasign sistemas.

Edição 133 | Revista GF - 17


DEPOSITPHOTOS

ARTIGO

A ciência por trás dos negócios Em um mundo cada vez mais volátil, imprevisível e competitivo, o ato de desvendar os negócios sob a perspectiva da ciência comportamental e neurociência já não é mais algo opcional, e sim obrigatório. Costumo dizer isso porque para fazer os negócios funcionarem, é preciso de uma ação humana e humanos possuem estratégias mentais e hábitos comportamentais que para serem desvendados, é necessário compreender códigos. O Neurobusiness une ciência e negócios ao usar os conhecimentos sobre cérebro, mente e comportamento humano. Com conceitos da neurociência comportamental, a 18 - Revista GF |

Edição 133

técnica tenta prever a reação das pessoas quando submetidas a estímulos externos. O objetivo dessa prática é, a partir da compreensão do comportamento do indivíduo e de como ele reage a determinadas circunstâncias, desenvolver técnicas de vendas, aprimorar conceitos de liderança e inovar. Tudo isso em busca de aperfeiçoar os processos empresariais em qualquer atividade que envolva a ação do consumidor. Uma viagem ao cérebro humano O cérebro humano se divide em três partes: o cérebro racional (responsável pelo raciocínio, pelos pen-

samentos em si), o cérebro médio (responsável pelo sentir) e, finalmente, o cérebro primitivo (instintivo, autocentrado e voltado para impulsos egoístas). Por isso, podemos concluir que o cérebro primitivo é o mais importante para o Neurobusiness, já que é um centro de tomada de decisões, de onde partem a maior parte de nossas escolhas. Neste sentido, busca-se analisá-lo, visando o desenvolvimento de estratégias que possam ser aplicadas no universo dos negócios. Graças a estes estudos, é possível saber, por exemplo, que uma comunicação somente baseada nas características de um produto


A busca pelas respostas ocultas Uma das principais técnicas do Neurobusiness consiste na busca pelas “respostas ocultas” dos consumidores. Por meio do uso de instrumentos para captar as reações dos clientes, os pesquisadores de Neurobusiness conseguem ir além das respostas tradicionais que por diversas razões podem omitir a verdadeira percepção de um consumidor sobre tal produto ou serviço. Conte histórias Entre as tendências observadas no mundo dos negócios para os próximos anos, não é por acaso que cada vez mais as empresas buscam desenvolver estratégias voltadas para a arte de contar histórias. Essa prática cria uma identificação imediata entre emissor e receptor. A empatia gerada é fundamental para seduzir e aproximar a marca e o consumidor. Posicione a sua empresa Hoje, o desejo do consumidor vai muito além de um atributo específico do produto que você vende. Ele procura marcas cujos propósitos se-

EM UM FUTURO NÃO MUITO DISTANTE, OS NOVOS NEGÓCIOS NÃO SERÃO MAIS BASEADOS EM UM PRODUTO OU NO CONSUMIDOR, MAS NO PRÓPRIO SER HUMANO. ISSO SIGNIFICA QUE PARA TER SUCESSO EM QUALQUER FECHAMENTO DE NEGÓCIO SERÁ PRECISO LEVAR EM CONSIDERAÇÃO O ENTENDIMENTO SOBRE O REAL COMPORTAMENTO E FUNCIONAMENTO DA MENTE HUMANO

volvimento de modelos de gestão mais eficientes e que levem em consideração as individualidades de colaboradores e gestores. É a ciência em prol do crescimento e, sobretudo, visando desvendar o maravilhoso e complexo universo da mente humana. Em um futuro não muito distante, os novos negócios não serão mais baseados em um produto ou no consumidor, mas no próprio ser humano. Isso significa que para ter sucesso em qualquer fechamento de negócio será preciso levar em consideração o entendimento sobre o real comportamento e funcionamento da mente humano.

DIVULGAÇÃO

já não é suficiente. As empresas precisam ligar suas histórias aos desejos pessoais dos consumidores, construindo pontes entre os benefícios de um produto e estes anseios mais personalistas do cérebro primitivo. Em outras palavras, para o cérebro primitivo, não importa se um produto é bom, ele precisa ser bom para mim, compreender minhas necessidades pessoais, profissionais ou de minha empresa e atendê-las de modo personalizado.

jam os mesmos que os dele. Por isso, defina quais são os valores da sua empresa e os divulgue ao mercado. Atenção, interesse e vínculo O caminho do consumo segue três etapas principais: a chamada de atenção do cliente, a manutenção do interesse por meio da entrega de valor e, por fim, a criação do vínculo que se dá através da percepção de que determinado produto é essencial. O Neurobusiness tem auxiliado companhias de todo o mundo a se aprimorar em vendas e além disso, também contribui para o desen-

IARA LUZ Master Coach pela Sociedade Brasileira de Coaching e fundadora da Direction Coaching, empresa preparada para guiar transformações positivas em empresas e organizações. Atua há mais de 20 anos na área de liderança de equipes e trabalha como Coach de Vendas aplicando técnicas de Coaching e PNL. www.iaraluz.com.

Edição 133 | Revista GF - 19


CAPA

Loucos por

UVs

Você já se rendeu ao desejo?

20 - Revista GF |

Edição 133


as viabilidades acabei apaixonada pela evolução! Todo este cenário de novidades me deslumbra! Assim convidamos uma “Louca por UV” para participar da matéria! Desde a impressão eletrostática convivemos com estas novidades que nos deixam cada vez mais apaixonados pelo mercado. Em nossas mentes se abrem um leque de novas oportunidades de levar mais soluções para os clientes. Engana-se quem acredita no fim da impressão. Principalmente

quando se fala de grandes formatos. As escalas de volumes impressos hoje atingem patamares industriais. Os novos equipamentos UV atendem a volumes enormes! Hibridas, rolo ou planas. Não importa qual sua necessidade, as soluções estão cada vez mais incrementadas para que você possa ser cada dia mais “Louco por uma UV”! Elegemos algumas maquinas INSANAS em suas características para que você “deguste” das possibilidades reais!

DEP OSIT PHO TOS

É engraçado parar para ver a expressão dos homens olhando os equipamentos nas feiras! Os olhos brilham, deslumbrados! Parecem crianças vendo um novo brinquedo! Quando um técnico está explicando sobre as cabeças de impressão, velocidade e possibilidades a reação é de transe! Eu mesma me incluo nisto, confesso. Por mais que seja um mercado predominantemente masculino, por acompanhar de perto a evolução da tecnologia, utilizar na pratica e conhecer

Edição 133 | Revista GF - 21


CAPA

DIVULGAÇÃO

Para abrir esta matéria, entrevistamos ANTONY MOREIRA, Mestre em Neuromarketing, para mostrar o que acontece no nosso cérebro quando esta emoção de estar diante de um equipamento inovador!

GF: Como estudioso da Neurociência, gostaríamos de saber como a ciência estuda a relação do “desejo”, principalmente pelos homens, por carros, tecnologia e máquinas? AM: Falar de desejo é ótimo. Estamos sempre desejando mui22 - Revista GF |

Edição 133

tas coisas, pois isso é biológico. O desejo é a expectativa de alcançar a recompensa. O prazer. Se pudéssemos escalonar em um plano cartesiano (ou escala), o estado emocional de uma pessoa, diria que quando estamos com desejo de alguma coisa, estamos

com Excitação Alta e com o Prazer entre mediano para baixo. Estes estados emocionais, colocam a “biologia” para trabalhar em busca do prazer até alcançá-lo, fazendo com que o desejo seja parte do nosso ciclo biológico, mais especificamente do sistema do-


paminérgico. Sempre que temos o desejo por alguma coisa, ao alcançar, a recompensa por aquilo que se conquistou gera a Dopamina, um neurotransmissor que age em picos rápidos e entrega uma excelente sensação de bem-estar. Essa relação entre o desejo dos homens por máquinas, ferramentas é ancestral. Falamos neste caso, de uma síntese de antropologia com o comportamento, que leva ao desenvolvimento do cérebro. O homem, caçador em sua origem, cerca de 40 mil anos atrás, já fabricava suas ferramentas para caça e isso ao longo dos tempos se manteve. Ao parearmos os entendimentos, veremos que, o que evoluiu foram os tipos de ferramentas e máquinas desenvolvidas pelo homem, mas que todas ainda servem para caçar, sobreviver, vencer. Quando falo em pareamento de entendimento, me refiro ao homem “ser humano” nos dias de hoje. Em níveis empresariais, ele quer sua empresa mais moderna tecnologicamente, quer máquinas potentes, quer mais e mais robustez, para caçar melhores clientes, vencer concorrências e acessar seu sistema dopaminérgico com estas vitórias, ou caças. portanto, podemos afirmar que o homem continua caçador. Só as ferramentas de caça que mudaram. GF: Como se explica a diferença feminina em relação a estes “objetos de desejo”? AM: A premissa evolutiva é a mesma, porém com uma atividade operacional diferente. A mulher

era “Coletora” e cuidava da prole. Por isso o cuidado, a proximidade, o excesso de detalhes e volume de atividades. O desenvolvimento cerebral da mulher nos mostra um modelo de atuação “empático” tendo atividades elétricas funcionais multilaterais. O que significa que ela transita em diversas áreas com facilidade. A mulher como coletora possui um comportamento de conquistas em menores doses, porém contínua, enquanto o homem, quer trazer uma conquista maior. Uma caça para satisfazer-se por dias. No contexto de consumo, o ciclo de desejo, assim como o sistema dopaminérgico, fazem parte da biologia e são iguais para homens e mulheres. Porém, podemos dizer que a Mulher compra muito mais vezes e o Homem gasta muito mais. Ela faz pequenas compras continuamente e ele faz poucas compras porém de alto valor. Isso desfaz um grande viés inconsciente sobre o consumo feminino. Acho que marquei um ponto com elas! ;) GF: No nosso mercado, é bastante comum vermos em feiras homens “deslumbrados” pelas maquinas em exposição. Ao seu ver, isto pode ser perigoso ao gerar uma compra impulsiva? AM: Em todos os mercados isso é um risco. Sou defensor do cuidado com as “Neurobobagens”. Há uma máxima de que o Neuromarketing existe para fazer as pessoas comprarem mais, vai ser possível ler a mente do consumidor. Isso infelizmente existe em

qualquer área. Mas veja, eu defendo em todas as oportunidades que tenho, que o conhecimento sobre o comportamento inconsciente do consumo deve ser usado em favor de uma “melhor” compra. E não de um “maior” volume de compra. Há de se destacar, que, o que precisamos atualmente é restabelecer um vínculo de confiança com nossos clientes pois isso se perdeu. Ao conhecer

O HOMEM, CAÇADOR EM SUA ORIGEM, CERCA DE 40 MIL ANOS ATRÁS, JÁ FABRICAVA SUAS FERRAMENTAS PARA CAÇA E ISSO AO LONGO DOS TEMPOS SE MANTEVE. AO PAREARMOS OS ENTENDIMENTOS, VEREMOS QUE, O QUE EVOLUIU FORAM OS TIPOS DE FERRAMENTAS E MÁQUINAS DESENVOLVIDAS PELO HOMEM, MAS QUE TODAS AINDA SERVEM PARA CAÇAR, SOBREVIVER, VENCER Edição 133 | Revista GF - 23


CAPA

o comportamento do consumidor, temos a chance de recuperar essa confiança e criarmos relações de “recompra” contínua. As compras por impulso não são controladas, mas eu sempre friso que ganhar a confiança de alguém, em muitos casos é oferecer a “não compra”. Orientar, frear e

PRECISAMOS NOS LEMBRAR SEMPRE, QUE O EXCESSO DE FACILIDADE E DISPONIBILIDADE DA ATUALIDADE, GERA ANSIEDADE E NÃO EXPERIÊNCIA. NÃO SOMOS MULTITAREFAS COMO IMAGINAMOS. E VIVEMOS NUM MUNDO EM QUE UMA CRIANÇA DE DOIS ANOS TEM MAIS INFORMAÇÃO QUE UM IMPERADOR ROMANO. E A NOSSA BIOLOGIA NÃO ESTÁ PREPARADA PARA ISSO. PRECISAMOS FAZER ESCOLHAS E AS ATRAÇÕES EMOCIONAIS GERAM MAIOR ENGAJAMENTO E TENDEMOS A OPTAR POR ELAS. É POR ISSO QUE UMA FEIRA ATRAI TANTAS PESSOAS 24 - Revista GF |

Edição 133

ganhar algo duradouro e não momentâneo. Acredito, conhecendo um pouco da indústria gráfica, que são compras de volumes financeiros altos e penso não ser tão por impulso, mas que, o cérebro ancestral para vencer, afirmar-se e caçar, pode falar alto e pesar na decisão. Neste caso, um vendedor hábil, consolida uma relação contínua em vez de apenas fechar uma venda. GF: Mesmo em um mundo de Industria 4.0, de “internet das coisas”, este “momento” da experiência presencial do cliente com seu “objeto de desejo” parece ser insubstituível. Nas feiras do nosso setor os empresários se movimentam de todo Brasil para ver pessoalmente o que eles poderiam ver na internet. Isto fica ainda mais evidente quando vemos a quantidade de empresários que visitam as feiras no exterior. Qual sua visão sobre isto? AM:  Somos serem multissensoriais. Quanto mais canais empáticos forem ativados e neste caso falo especificamente de biologia, melhores serão as experiências. As empresas que investirem em momentos memoráveis, multissensoriais ao redor do seu produto, terão maiores chances de ativarem canais de memorização de longo prazo, pois ativarão emoções que são memorizadas não Hipocampo, área do cérebro responsável pelas memórias de longo prazo. Convido-os para um exercício rápido de imaginação. Pen-

se que você quer comprar uma máquina e já sabe qual. Agora imagine tudo o que precisa ser feito para ir á uma dessas feiras. Reserva de passagens, viagens, hotel, embarque, visitar outro país, comer uma outra comida, beber um vinho local, visitar feira e conhecer pessoas novas, culturas novas, fazer uma amizade no evento e mais outros tantos pontos de experiência possíveis. Compare o exercício anterior com apenas acessar um site e ver um catálogo. Claro que é mais rápido e prático. Mas não se compara a experiência de viver cada etapa de uma viagem. Precisamos nos lembrar sempre, que o excesso de facilidade e disponibilidade da atualidade, gera ansiedade e não experiência. Não somos multitarefas como imaginamos. E vivemos num mundo em que uma criança de dois anos tem mais informação que um Imperador Romano. E a nossa biologia não está preparada para isso. Precisamos fazer escolhas e as atrações emocionais geram maior engajamento e tendemos a optar por elas. É por isso que uma feira atrai tantas pessoas.

ANTONY MOREIRA Profissional de Marketing há 20 anos, mestre em Neuromarketing pela Flórida Christian University(EUA), Palestrante e Professor de comportamento inconsciente de consumo na ESIC – Marketing Business School, eleita entre as 20 melhores escolas de negócios do mundo.


OS OT PH SIT PO DE

A BUSCA PELO DIFERENTE! Por Luciana Andrade

Clientes sempre querem ter uma UV, seja para aumentar e melhorar sua produtividade ou para se diferenciar e abrir novas possibilidades. Este “novo nicho de possibilidades” vai muito além do tradicional impresso em escala atualmente. Tive a oportunidade de estar em empresas realmente “Loucas por UVs” fora do Brasil. E o que mais me chamou atenção? São empresas com setores dedicados a busca de substratos diferentes, de outros mercados. Estas amostras são testadas de várias formas, tratadas antes de receber a impressão e pós impressão. Estes setores testam muitos materiais ao mesmo tempo com dedicação 100% nisto. Quando um novo material é então identificado como seguro, as equipes se reúnem em “brainstorming” para análise de possibilidades de utilização. Assim o comercial pode traba-

lhar para levar as novas soluções para seus clientes. Pois a preocupação com a sustentabilidade do seu cliente no mercado é realmente importante não só para o vendedor, mas para toda a empresa de impressão. Estas empresas crescem em passos largos e nunca reclamam do segmento. Aqui no Brasil, a impressão virou um commodity pela estratégia inversa, a preocupação é apenas com o preço. Dizem que a culpa é do mercado. Ao meu ver, algumas vezes a culpa é da falta de paixão pelo negócio. Em contrapartida empresas pequenas, com somente impressoras solvente e muita paixão mandam trabalhos para o Premio Bureau Criativo que são dignos de muitos troféus! O brasileiro é o povo mais criativo do mundo! Com uma boa UV nas mãos consegue fazer o inimaginável!

AQUI NO BRASIL, A IMPRESSÃO VIROU UM COMMODITY PELA ESTRATÉGIA INVERSA, A PREOCUPAÇÃO É APENAS COM O PREÇO. DIZEM QUE A CULPA É DO MERCADO. AO MEU VER, ALGUMAS VEZES A CULPA É DA FALTA DE PAIXÃO PELO NEGÓCIO Edição 133 | Revista GF - 25


Tecnologia com PROF FRANCISCO CHUBACI GF: Desde o princípio deste mercado de impressão em grandes formatos no Brasil, vemos que é quase um desejo geral: MAQUINAS. Nem sempre os empresários precisam, mas eles SEMPRE querem! O brilho nos olhos deles vendo equipamentos nas feiras é generalizado! Você, que trabalha no mercado de equipamentos desde a época onde o “sonho de consumo” era um equipamento solvente maior. Hoje este “brilho nos olhos” mudou! O desejo por uma UV (ou mais para quem já as tem) faz parte da maioria dos empresários do segmento. Na tua visão, como e por que isto aconteceu e acontece na mente 26 - Revista GF |

Edição 133

DIVULGAÇÃO

CAPA

dos empresários da impressão? FC: Uma impressora UV é uma máquina que dependendo de sua característica (híbrida ou cama plana) apresenta infinitas possibilidades de impressão. Com uma gama enorme de materiais que podem ser impressos uma empresa que possua uma impressora UV pode imprimir desde materiais flexíveis, rígidos e mistos. Costumo dizer que o limite de uma impressora UV é a criatividade da equipe responsável pelo setor, portanto não há limites. Além disso uma impressora UV possui uma tecnologia de impressão mais moderna se compararmos com impressoras solvente, melhor aderência entre tinta e subs-

trato, possui um apelo ecológico muito forte, fato esse importante nos dias de hoje e também não gasta muita tinta (pouco processo de limpeza), maior rendimento por metro quadrado impresso. GF: Por ser um engenheiro apaixonado por equipamentos de impressão em grandes formatos, em todo este tempo no mercado, na tua opinião, qual foi a evolução mais importante dos equipamentos UV? FC: As tintas evoluíram muito nos últimos anos, melhor aderência, cores mais vibrantes, melhor desempenho foram pontos muito favoráveis. A tinta branca também evoluiu satisfatoriamente,


não mais sendo um pesadelo para técnicos e empresários detentores da tecnologia UV, os entupimentos de cabeça devido tinta branca diminuiu bastante. Mas as máquinas evoluíram muito também. Desde ano 2007, que foi quando instalei minha primeira impressora digital de grande formato UV no Brasil (uma das primeiras a chegar por aqui) a qualidade e velocidade das cabeças de impressão aumentou muito, mundo esse da alta qualidade x alta velocidade de impressão pouco distantes no passado, hoje temos máquinas UV imprimindo chapas de 1,22m x 2,44 m em aproximadamente 50 segundos com excelente qualidade de impressão. Os módulos UV (reatores) de lâmpadas UV a gás também evoluíram muito principalmente no que diz respeito a eficiência energética e ruído eletromagnético. E não podemos esquecer das fontes geradoras de radiação UV a led, que não dissipam calor sobre material a ser impresso. GF: Qual será, ao teu ver, a tecnologia mais importante da impressão em 3 anos aqui no Brasil? FC: Sem dúvida as impressoras UV estão cada vez mais tomando o espaço das impressoras base solvente, nos próximos anos essas máquinas estarão mais difundidas. GF: Em relação ao mercado de impressão mundial. Qual o maior problema deste segmento aqui no Brasil?

HOJE TEMOS MÁQUINAS UV IMPRIMINDO CHAPAS DE 1,22M X 2,44 M EM APROXIMADAMENTE 50 SEGUNDOS COM EXCELENTE QUALIDADE DE IMPRESSÃO. OS MÓDULOS UV (REATORES) DE LÂMPADAS UV A GÁS TAMBÉM EVOLUÍRAM MUITO PRINCIPALMENTE NO QUE DIZ RESPEITO A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E RUÍDO ELETROMAGNÉTICO. E NÃO PODEMOS ESQUECER DAS FONTES GERADORAS DE RADIAÇÃO UV A LED, QUE NÃO DISSIPAM CALOR SOBRE MATERIAL A SER IMPRESSO

custo para compra de uma máquina UV diminuiu nos últimos anos, mas não muito principalmente devido taxa Dólar frente ao Real ter se elevado significativamente mas, com o surgimento de novos fabricantes de máquinas UV e a difusão de modelos de impressoras UV podemos dizer que cenário está mais favorável para compra de uma máquina UV. GF: Qual sua mensagem para os empresários da impressão? FC: Certamente a necessidade de impressão UV vai crescer exponencialmente no Brasil próximos anos, portanto ter uma máquina UV é um planejamento estratégico para empresas do setor de comunicação visual. Não é exagero dizer que um bureau de impressão digital no Brasil nos próximos anos será praticamente obrigado a ter uma impressora UV. Mas saibam não há limites para uma impressora UV, o limite é a sua capacidade de criar, ou seja, sua criatividade e claro de seus colaboradores também.

FRANCISCO F. CHUBACI FC: O custo de produção creio que é maior problema no Brasil. O custo do litro da tinta UV, por mais que a máquina UV seja mais econômica em termos de consumo de tinta, uma tinta muita cara impacta significativamente no custo de produção. Também temos que lembrar custo de manutenção, peças e importação. O

Professor GF Profissional. Físico e Engenheiro Eletricista, mestre em Física Aplicada a Medicina e Biologia pela USP. Atua mais de 15 anos no suporte técnico, instalação e manutenção de impressoras digitais de grande formato, realizando serviços de campo para clientes no Brasil e no exterior. Proprietário da MLC Serviços de Manutenção Especializada, sediada no bairro Butantã, na cidade de São Paulo Capital.

Edição 133 | Revista GF - 27


CAPA

E elas? DEBORAH BREGOLATO é um exemplo de uma LOUCA POR UV! Diretora da empresa Lemax Print , em Sinop-MS, com 6 anos no mercado, tem 10 equipamentos em seu bureau (entre todas as tecnologias, UVs com relevo, branco e verniz e equipamento 3D) e  nos mostra que UV é “COISA DE MENINA SIM”! GF: Como você entrou no segmento de impressão em grandes formatos? DB: Em 1988 a família do meu esposo começou a investir no seguimento de gráfica offset. Em 2006, meu esposo passou a administrar a empresa para sua família e foi buscando caminhos para desenvolver e ampliar os negócios, encontrando algumas lacunas para o ramo da comunicação visual na região. Em 2013 se desligou da empresa da família, com ajuda dos pais, conseguiu adquirir seu primeiro equipamento, uma máquina ampla, e ajuda do seu irmão, que cedeu um espaço de 28m², que facilitou a iniciar sua empresa. Eu atuava no ramo de direito, já namorávamos há 12 anos, e nesse mesmo ano nos casamos. Após eu passar por um processo de câncer, percebemos que deveríamos 28 - Revista GF |

Edição 133

nos dedicar mais à nossa vida, foi aí que decidimos trabalhar juntos, uma vez que a empresa já estava prosperando, e logo conseguimos sede própria, e fomos contratando os colaboradores para a nossa empresa. Nos apaixonamos cada dia mais pela tecnologia e amplitude do ramo de comunicação visual. Nos propomos a vender qualidade, alegria, satisfação e fomos buscando cada vez mais tecnologia e qualidade. Até encontrar as UVs, através do nosso fornecedor, que se tornou nosso amigo e que nos fez ampliar a visão em relação ao seguimento. Por enquanto temos apenas 2 UVs, mas a intenção é expandir cada vez mais para poder atender nossos clientes. GF: Como empresaria neste mercado predominantemente masculino, imagino que deve ter

passado por algumas situações inusitadas! Teria alguma situação que pudesse nos contar? DB: Existem várias situações, principalmente de desconfiança de que nós mulheres não pudéssemos da conta desse mercado tão competitivo, sendo consideradas sensíveis e frágeis. O mercado de comunicação visual realmente tem mais homens do que mulheres, até na parte de contratação. Os candidatos têm um certo receio por ter uma mulher à frente da empresa, contratando e administrando. Mas para contar uma situação bem engraçada, e que sempre acontece, quando eu viajo com as minhas amigas para o exterior ou aqui mesmo brasil, elas param e ficam olhando as vitrines e as roupas, elas olham dentro da vitrine. As roupas, a moda, o que


DIVULGAÇÃO

premissa buscar tecnologia, novidades, inovação em materiais, enfim, tudo que há de melhor, tudo que há de mais qualidade para oferecer a todos os nossos clientes terceirizados e clientes finais. E quando conhecemos a tecnologia UV a fundo, não hesitamos em traze-la para região do Mato Grosso. Tivemos o apoio do nosso fornecedor, que se tornou nosso amigo, e tornou esse sonho possível!

está sendo usado. E eu sempre olhando a parte de fora! O que está aplicado na vitrine. Os adesivos, a mídia, o que está sendo usado como display. Na parte externa, a comunicação visual em geral, olho, passo a mão, observo a qualidade de impressão se tem relevo, se tem textura verniz, tudo! (risos) GF: Na tua visão qual o principal problema deste segmento no Brasil? DB: Falta de profissionalização das empresas, falta de mão de obra qualificada, conscientização da sustentabilidade. GF: Em relação ao avanço da tecnologia de impressão. Como é para você aderir as novas tecnologias na sua empresa? DB: A nossa empresa tem como

GF: Você é uma “apaixonada por UVs”? O que move esta paixão? DB: Sim, eu sou loucamente apaixonada pelas UVs! Além da tecnologia inovadora de branco, verniz, relevo, durabilidade e garantia que se pode oferecer aos clientes, ainda temos o principal fator, que move o mundo ao seu lado: ser ecologicamente correta. 90% menos poluentes,  tintas não têm solventes voláteis, ou seja, não emitem substâncias nocivas no ar durante o processo de secagem, são formadas por partes sólidas e compostos orgânicos que se dissipam e não prejudicam a natureza nem os profissionais. Com isso, o meio ambiente e o ambiente de trabalho ficam preservados. Como cada camada tem secagem instantânea, é natural que a impressão ocorra mais rapidamente, pois o tempo entre as passadas da cabeça de impressão é menor. A melhor definição de imagem se dá graças à secagem imediata, que impede que a tinta se espalhe no substrato e, assim, permaneça mais fiel ao arquivo original. Após a impressão, as tintas se tornam insolúveis. Assim, é possível imprimir múltiplas camadas e criar texturas, volumes, relevo e outros. Isto tudo nos fascina!

EU SOU LOUCAMENTE APAIXONADA PELAS UVS! ALÉM DA TECNOLOGIA INOVADORA DE BRANCO, VERNIZ, RELEVO, DURABILIDADE E GARANTIA QUE SE PODE OFERECER AOS CLIENTES, AINDA TEMOS O PRINCIPAL FATOR, QUE MOVE O MUNDO AO SEU LADO: SER ECOLOGICAMENTE CORRETA. 90% MENOS POLUENTES GF: Você tem algum novo equipamento em vista?  DB: Sim, laser para chapa de aço, impressora UV de alta produção. GF: Teria uma mensagem para nossos leitores (98% homens)? DB: O mercado de comunicação visual esta englobando o seguimento de decoração, assim as mulheres vão ganhar cada vez mais espaço. Sendo na prospecção de clientes, criação de produtos decorativos, produção, principalmente com a tecnologia e flexibilidade das UVs de impressão em diversos materiais. Esta diversificação vai propiciar, que cada vez mais as mulheres entrem no ramo de comunicação visual. Pela criatividade, e perfeccionismo nos pequenos detalhes. E você? Já se deixou levar pela “magia” de ter um equipamento capaz de transformar sua empresa e seus clientes? Conte para nós! Adoramos estar presente na vida da empresa de cada um de vocês! editora@grandesformatos.com

Edição 133 | Revista GF - 29


AS INSANAS

FOTOS: DIVULGAÇÃO

CAPA

Produtividade e confiabilidade como nenhuma outra A Durst é um fabricante de tecnologias avançadas de produção digital industriais e em diversas áreas de negócios a Durst é a primeira opção para transformação e digitalização de processos de produção industriais de impressão em todo o mundo. A Durst é uma empresa familiar com uma história de mais de 80 anos, cujo valores giram em torno da inovação orientada para o cliente com sustentabilidade e qualidade. A série P5 HS é a solução industrial para impressão de formatos de até 250 cm de largura. As impressoras P5 HS estão equipados com o software Durst Print Workflow e a ferramenta de monitoramento Durst Analytics, oferecendo a mais alta qualidade de impressão com resolução de até 1.200 dpi e gotas 5 pl em todas as velocidades graças as mais avançadas cabeças de impressão MEMS, gerando uma produtividade de até 600 m²/h. Além disso as impressoras da plataforma P5 HS imprimem em chapas e bobinas de até 250 cm de largura, com recirculação otimizada de tinta, gerando apenas 1 purga por semana. O novo sistema de avanço de materiais da plataforma P5, aliada a

30 - Revista GF |

Edição 133 132

já consagrada tecnologia do motor linear (não utiliza correias na movimentação da carreagem), geram alinhamento perfeito em impressão de frente e verso, com deslocamento inferior a 1mm. A plataforma P5 HS ainda conta com periféricos para utilização de materiais flexíveis em rolos jumbo de até 480 Kg, carregador de materiais paletizados e também um sistema de paletização de materiais impressos, que automatizam até 100% da sua produção, evitando assim a manipulação de materiais por operadores. O sistema de identificação de recarga de tintas com segurança também está presente na nossa plataforma P5 HS, onde com essa tecnologia você terá um escâner de lote que impede o carregamento incorreto da cor de tinta, impede que uma tinta vencida seja carregada, avisa a data de expiração da tinta, mostra com sinais luminosos o compartimento correto para a carga de cada cor de tinta, além do fechamento mecânico do compartimento de carga de tinta. Todas as impressoras P5 já são fornecidas com o novo software DURST WORKFLOW PRINT e a fer-

ramenta de monitoramento DURST ANALYTICS. Isso converte a impressora em uma unidade de produção para cobrir as necessidades do comércio eletrônico. A Durst ainda oferece uma solução escalável com DURST SMART SHOP além de todos os softwares Durst poderem ser expandidos modularmente e gerenciados com uma interface de usuário da web. O DURST WORKFLOW é uma solução revolucionária e abrangente para simplificar o processo de pré-impressão e de produção, onde a partir do navegador você irá combinar dados, preparar a produção e gerenciar cores para garantir uma produção eficiente, com ótimos resultados, no menor tempo possível. Como vocês podem ver a plataforma P5 é muito mais que uma impressora, a plataforma P5 é formada por impressoras, tintas, softwares, assessoria de integração, treinamento, contratos de manutenção e tudo mais que o seu negócio realmente necessita para estar em um patamar profissional e industrial. Informações: 11 94545 3825 r.montini@durst.com.br


AS INSANAS

EFI VUTEk HS F4 TECNOLOGIA F4 PARA IMPRESSÕES MAIS RÁPIDAS E INTENSAS As impressoras jato de tinta híbridas planas/rotativas EFI VUTEk HS125 F4 não são apenas rápidas. Elas também garantem uma qualidade incrível. Mídia/Manuseio • Aceita substratos flexíveis ou rígidos de até 3,2 m de largura e até 5,08 cm de espessura • Material Edge Guides (MEG) opcionais para segurar materiais não planos • Mesa com seis zonas de vácuo automatizada • Opções de automação de manuseio para atender a qualquer necessidade de negócio, desde três-quartos de automação no carregamento e descarregamento de bobinas até sistemas totalmente automatizados • Enroladores de bobinas elevados e reforçados opcionais Produtividade • Até 225 placas por hora em modo visualização à distância/mídias externas

• Até 160 placas/hora no modo de produção Considerações ambientais • Ar comprimido: 95–145 psi máximo a 4 cf/m — ar seco apenas (não incluído) • Design totalmente fechado para garantir a segurança do operador e respeitar as considerações ambientais Peso da máquina • VUTEk HS125 F4: 6.804 kg • VUTEK HS100 F4: 5.900 kg • Altura: 221 cm • Largura: 732 cm • Profundidade: 203 cm • Elétrica: Trifásico, 5 fios (trifásico + neutro + aterramento) 480 VAC (60 A) Tintas originais da EFI • Sistema de suprimento de tinta que permite 100% de utilização da tinta, de modo que nenhuma tinta é desperdiçada

• CMYK expandido para adequação ao Pantone de classe mundial • A EFI desenvolve dispersões de pigmento que conferem tamanho e concentração ideais para perfeita estabilidade da tinta Front-end digital Fiery • Entregue com o front-end digital EFI Fiery proServer Premium com os seguintes recursos: • FAST RIP (Fiery Accelerated System Technology), cores especiais, Color Profiler, Color Verifier, marcas de corte e opções de exportação de arquivos • Espectrofotômetro EFI ES-2000 • Opção para 1 impressora EFI, opção para impressora M/XL/XXL Informações: Br_marketing@efi. com; 11 2199-0116; WhatsApp: 11 94148-7795

Edição 133 132 | Revista GF - 31


AS INSANAS

FOTOS: DIVU LGAÇÃO

CAPA

AGFA JETI TAURO H3300 LED UMA NOVA ERA EM IMPRESSÃO DE ALTO VOLUME DE PRODUÇÃO • Sistema Híbrido (mídia rígidas, flexíveis, full automate e manual) • Rolo-a-rolo de até 3,2m de largura (dual-roll com 2 rolos de 1,60m / cada) • 6 cores standard com opcional da cor branca em 2 opções: • possibilidade de impressão com reserva local

O menor custo de impressão do mercado, incluindo manutenção e peças! Maior produtividade com qualidade do mercado (635x1200dpi). Tecnologia LED (possibilidade de impressão em vidro, materiais sensíveis ao calor e materiais refletivos).

32 - Revista GF |

Edição 133 132

• aplicação de branco em 100% da área (chapado), neste caso a impressora mantém a velocidade nominal total de até 453m²/h • Até 453m2 / hora (com qualidade produtiva de 635x1200 dpi) • Cabeças de impressão Ricoh Gen5 (7 pl) • G7 Gracol integrado no SW Workflow Asanti

Impressão com múltiplas chapas simultâneas. Tinta própria, SW próprio, Atendimento Técnico diretamente da empresa, tudo isso reunido em um único fornecedor! Um grande diferencial para se obter redução de custos com re-

petibilidade de cor é através da automação que um SW Workflow controla, padroniza, mensura e reduz custos de retrabalhos, carga de tintas e controle total do processo. Informações: Agfa Brasil 11-99129-9072


AS INSANAS

AMPLA NEW SAMBA XT RR UV LED A MELHOR OPÇÃO DE INVESTIMENTO NA CLASSE DE IMPRESSORAS INDUSTRIAIS DE GRANDE PORTE Produção de até 350m²/h modo expresso 16 cabeças Gen5 7pL 1200dpi Sistema híbrido para mídias flexíveis e chapas rígidas leves Qualidade, custos e prazos são exigências de um mercado cada vez mais competitivo e globalizado. Investir em ferramentas corretas para produção com estes atributos é ponto crucial para o crescimento e sucesso de sua empresa. A NEW SAMBA XT RR UV LED é a terceira geração da consagrada linha de impressoras industriais SAMBA da Ampla, projetada para

desempenho superior em ambientes de grande produção e que exigem rígido controle de custos e de prazos de entrega. Concebida para oferecer o melhor TCO em relação a outros equipamentos da mesma categoria, a NEW SAMBA XT RR UV LED é uma impressora construída para atender elevadas demandas de impressão digital UV sobre cha-

pas rígidas leves e mídias flexíveis. Com definição de até 1200dpi, garante para sua empresa escala industrial na reprodução de imagens em alta qualidade. Para maiores informações, consulte um especialista AMPLA. 41 3525 9300 | ampla@ampladigital.com.br www.ampladigital.com.br

Edição 133 132 | Revista GF - 33


AS INSANAS

CAPA

ONSET X3 – UM NOVO ESTÁGIO PARA OS NEGÓCIOS! IMPRESSORA DIGITAL INDUSTRIAL – ATÉ 900M2/H

• 25 zonas de vácuo independentes; • Limpeza automática das cabeças de impressão; • Configuração de cores: CMYK, Light, Branco e Laranja Informações: Fujifilm Brasil 11-5091-4000 www.fujifilm.com.br

FOTOS: DIVULG AÇÃO

• Variação de acabamento sem verniz a partir da cura UV; • Baixo custo de impressão; • Automação completa ou ¾; • Impressão de ponta a ponta; • Altura do material: 46mm; • Cabeças de impressão industrial Dimatiz com 14pl;

LIYU – IMPRESSORA GRANDFLAT UV LED • Konica Minolta KM1024i 6pL – Triplo CMYK+W • Produz até 87m2h (15 cabeças) • Mesa plana: 2.5x1.2m ou 3.0x2.0m

34 - Revista GF |

Edição 133 132

• Resolução Máxima 2.880 dpi • Opções: CMYK+2W (6H) / Duplo CMYK+W+V (12H) Megagraphic (41) 3033-6061


AS INSANAS

LIYU - IMPRESSORA HIBRIDA PLATINUM Q2 UV LED Konica Minolta KM1024i 6pL - Duplo CMYK+W Produção Max. 128m2h Onde encontrar: Megagraphic (41) 3033-6061 www.megagraphic.com.br Lançamento para produção industrial UV, Platinum Q2 Hibrida. O tradicional fabricante chinês LIYU, atua no mercado de impressão digital há anos sempre entre os melhores fabricantes na China. No Brasil possui parceria EXCLUSIVA com a Megagraphic, empresa com mais de 19 anos de experiência em vendas e assistência técnica autorizada para equipamentos de diversas marcas. A Impressora Platinum Q2 UV LED Híbrida está disponível com três diferentes opções de tecnologias de impressão: Kyocera 4pL

Outras Tecnologias Disponíveis: Kyocera 4.5pL (CMYK LcLm+W) Ricoh Gen5 (CMYK+W+V)

(indicada para o segmento de fotografia), Konica Minolta 6pL e Ricoh GEN5 (ambas para o segmento de comunicação visual e sinalização). Conta com limpeza de cabeças automática, largura de impressão 2,0m, equipada com esteira de origem italiana de alta precisão, com vácuo dividido em 4 setores, duas mesas extensoras de 1.5m cada, alimentação de folhas rígidas e semi-rígidas com abastecimento semi-contínuo, e também rolo a rolo tensionado. Design fantástico que definitivamente coloca a Liyu Platinum Q2

como um dos grandes expoentes desenvolvedores de tecnologia de impressão no mundo, e especialmente, com grande penetração no exigente mercado Europeu. A Megagraphic busca sempre a inovação tecnológica. Desde os mais simples equipamentos de entrada, até as impressoras industriais solvente, têxtil, sublimação e UVs, buscamos oferecer sempre a melhor qualidade para fidelizar e satisfazer nossos clientes. Saiba mais: contato@megagraphic.com.br – (41) 3033-6061

Edição 133 132 | Revista GF - 35


ARTIGO

DE PO SIT PH OT OS

Quantidade, qualidade e Investimentos no Marketing Digital!

36 - Revista GF |

Edição 133

Os prováveis problemas ocorridos como: falha no planejamento, uso incorreto de ferramentas de anúncio, produto fora do nicho individualizado pela infuencer, poderiam ser maximizados se ela ainda tivesse seguidores alocados. Não podemos afirmar isso, mas é um questionamento que fica nas nossas cabeças. Conhecer bem o mercado em que atua e conhecer os seus seguidores, conhecer o que eles esperam do seu produto, do seu serviço, das suas redes sociais! Uma dica é essa, conhecer e se fazer conhecer. Divulgar a história da empresa ajudará a fortalecer a marca, divulgar os seus parceiros e os eventos que participam, gerará credibilidade e confiança. E claro, divulgar as novidades, as promoções, as especificidades, revelar o seu diferencial! Invista em links patrocinados e segmente sempre! O marketing digital é um dos braços de divulgação do marketing, então, não esqueça as mídias tra-

dicionais (revistas, jornais, rádios, TVs, etc.), pois, o seu público, por mais tecnológico que seja, pode estar presente em qualquer lugar e situação. Distribua seu budget para diversas ações e não chegue perto das “maracutaias digitais”. O muito fácil, pode custar muito caro! Sucesso a todos!

FOTOS: DIVULGAÇÃO

É notório o desgaste de empresas e pessoas, hoje em dia, em um “desespero frenético” por números, seja de seguidores, visualizações, comentários, curtidas, etc., esquecendo a qualidade do conteúdo de suas postagens. As pessoas já notaram as “maracutaias digitais” desenvolvidas apenas para chamar a atenção do usuário, como perfis, com um número excessivo de seguidores, que com certeza, foram “alocados”, pois numa pequena pesquisa, se percebe usuários que não pertencem ao nicho ou segmento de atuação dos seus digitais influencers. Comprar seguidores, curtidas e comentários, você acha certo? Lembro-me do caso daquela influencer que fechou um contrato com uma empresa de camisetas e que tinha apenas como meta vender 36 produtos e apesar do número de seguidores (2 milhões), a meta não foi cumprida após 13 dias. Como pode ter falhado com esse expressivo número de seguidores?

ANTONIO ESCOBAR Especialista em gestão de redes e Diretor da Digital Sign Midia


ARTIGO

Entenda o alto potencial das feiras de negócios de serigrafia e impressão digital No setor de comunicação visual, assim como em outros mercados, as feiras de negócios representam grandes oportunidades — principalmente quando o objetivo é destacar nichos específicos de atuação. Por isso, alcançar o sucesso nesse segmento requer estar sempre de olho nas iniciativas que reúnem empresá40 - Revista GF |

Edição 133

rios e atualizações do setor. Quando o assunto é serigrafia e impressão digital, a questão não é diferente. As feiras do setor de serigrafia e impressão digital são indispensáveis para quem atua na área e quer conferir as melhores práticas do mercado. A troca de informação e o acesso a matérias-primas fazem

com que a participação do empresário seja absolutamente necessária! Afinal, é uma forma de saber o que está em alta, o que pode contribuir para redução de custos e o que pode ser favorável para a otimização dos processos. Mas quais outros fatores fazem com que participar de feiras de ne-


DEPOSITPHOTOS

gócios seja um diferencial para quem está envolvido na área? Explicaremos como tais eventos são, além de uma oportunidade para atualização, uma forma de entender melhor o mercado, ampliar o networking e conquistar boas negociações. Saiba como são as feiras do setor de serigrafia e impressão digital Máquinas, produtos e serviços serigráficos, além de matérias-primas para impressão têxtil, são parte do que pode ser conferido nas grandes feiras que movimentam o segmento da impressão digital e serigrafia. Tais eventos reúnem marcas em torno de  tecnologias e soluções inovadoras que ajudam a alavancar

O ACESSO À INFORMAÇÃO É UM DOS GRANDES DIFERENCIAIS DAS FEIRAS DE NEGÓCIOS. ALÉM DAS OPORTUNIDADES DE NETWORKING, EXISTE A QUESTÃO DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL. ISSO ACONTECE PORQUE ESSES EVENTOS GERALMENTE TÊM EM SUA ORGANIZAÇÃO AÇÕES DE CONTEÚDO, COMO PALESTRAS, WORKSHOPS E DEBATES o segmento. Essa é uma forma de: • Ampliar portfólio; • Ficar por dentro das novas soluções; • Estreitar o  relacionamento com fornecedores; • Contribuir para o crescimento da indústria nacional. Com o objetivo de desenvolver novos negócios, uma série de conceitos, tendências e perspectivas para o setor são colocadas em foco. Algo também muito benéfico é a possibilidade de fazer comparações em um único local, como por exemplo,  as diferenças entre as  técnicas de estampagem - para assim saber qual delas está mais alinhada às necessidades do seu negócio. Ou seja, a participação em

algo do estilo é algo que pode transformar a sua empresa e impulsionar o desenvolvimento de técnicas de impressão! Ainda não está convencido? Separamos cinco motivos pelos quais a participação em feiras de negócios do mercado de serigrafia e impressão digital são tão relevantes. 1. Descobrir as tendências do mercado As feiras são indispensáveis para as empresas que desejam se manter competitivas. Uma das principais vantagens é que esses eventos compilam grandes representantes de maquinários, tecnologias, altamente capacitados e preparados para compartilhar o que há de mais novo e essencial no setor. Além disso, também podem ser conferidas, olho no olho,  as tecnologias e soluções que podem reduzir os custos da impressão digital e da serigrafia, e melhorar a qualidade das entregas. 2. Ter acesso a diversas empresas em um só lugar Produtos e serviços da estamparia podem ser conferidos em uma única oportunidade, por meio da participação em feiras de negócios em serigrafia e impressão digital. Representantes diversos, entre fabricantes de máquinas, fornecedores de tintas e prestadores de serviços podem ser consultados para a expansão do negócio ou otimização dos processos. 3. Expandir o conhecimento O acesso à informação é um dos grandes diferenciais das feiras de negócios. Além das oportunidades de networking, existe a questão Edição 133 | Revista GF - 41


ARTIGO

cores até o controle de boas práticas no mercado - para trazer aos clientes as melhores experiências, técnicas e entregas.

4. Aprender novas técnicas Como as feiras de serigrafia e impressão digital são pensadas para negócios e conhecimento, o ambiente permite o aprendizado de técnicas mais modernas e completas. O setor está constantemente sendo repensado, com foco na melhora de processos e redução de custos. Por isso, essa é uma oportunidade que pode favorecer questões que vão desde o gerenciamento de

5. Valorizar o seu produto Apresentar seus produtos em uma feira de negócios é, por si só, uma maneira de ter um contato direto com o comprador. Assim, construir um relacionamento presencial e direto com os seus potenciais clientes é, também, uma forma de valorizar os seus produtos. Ao estar em um espaço 100% preparado para as novidades do segmento, automaticamente o seu negócio passa a ter um ganho maior. Isso melhora o potencial da sua empresa e fortalece o escopo do seu negócio. Estar em uma feira de serigrafia e impressão digital é uma maneira de fortalecer sua marca e suas ofertas — principalmente quando a ação é pensada em parceria com empresas especializadas.

AO ESTAR EM UM ESPAÇO 100% PREPARADO PARA AS NOVIDADES DO SEGMENTO, AUTOMATICAMENTE O SEU NEGÓCIO PASSA A TER UM GANHO MAIOR. ISSO MELHORA O POTENCIAL DA SUA EMPRESA E FORTALECE O ESCOPO DO SEU NEGÓCIO

Aproveite para utilizar o conhecimento de empresas especializadas Quer manter a sua empresa competitiva? Para se destacar no segmento da serigrafia e impressão digital é interessante contar com a consultoria de empresas especializadas em feiras de negócios. Dessa forma, a qualidade, promoção e organização de tais iniciativas é o que faz com que tal evento seja, de fato, proveitoso. As empresas especializadas em feiras  fazem com que sua participação seja, de fato, recompensadora em todos os sentidos. Esse envolvimento permite que você consiga atualizar

42 - Revista GF |

Edição 133

seu maquinário, além de oferecer condições para que conheça grandes nomes do mercado. Enfim, as feiras de negócios de serigrafia e impressão digital são obrigatórias para quem atua no mercado. Assim, é possível ter conhecimento das tendências que envolvem a impressão, além de descobrir soluções que contribuem para a melhoria das entregas e ofertas.

DIVULGAÇÃO

da qualificação profissional. Isso acontece porque esses eventos geralmente  têm em sua organização ações de conteúdo, como palestras, workshops e debates. Assim é possível se preparar para despontar no mercado, aliando capacidades de networking com noções aprofundadas sobre serigrafia e impressão digital. Ou seja, um ambiente altamente propício para quem quer se diferenciar da concorrência.

FABIO MADEIRA Gerente Comercial - Febratex Group Graduado em Direito pela UNIVALI-SC, Pós-graduado também em Direito pela PUC-RS, advogado inscrito na OAB-RS sob o número 75326 e com Especialização em Planejamento Estratégico e Gestão de Negócios pela FAE Business School, é um profissional com alta capacidade para identificar oportunidades de negócios e desenvolvê-los. Orientado a resultados, prima por estabelecer ambientes de trabalho e de desenvolvimento cujo foco seja a atuação de excelência. Apaixonado pelo mundo dos negócios, considera que as lideranças possuem papel fundamental na visão estratégica empresarial e no desenvolvimento de profissionais de excelência.


GF NEWS

Webinar da EFI mostra como inovar no mercado de Comunicação Visual Com uma abordagem única e diferenciada para quem busca novos recursos no segmento de Comunicação Visual, a EFI, líder mundial em inovação de impressão digital focada no cliente, realizou no dia 13 de junho, às 10h, o webinar “Novas formas de Comunicação Visual”. Gratuito para todo o território latino-americano, a apresentação foi ministrada em português, pelo diretor de vendas para a América Latina, Ernande Ramos, que

Gente que

soma mais de 20 anos de experiência no segmento de impressão nas áreas de gestão técnica e comercial. Para o executivo e ministrador, a ascensão do mercado digital está exigindo ainda mais criatividade dos profissionais de comunicação. “Pesquisas mostram que os materiais impressos vão continuar a desempenhar um papel fundamental no mercado corporativo, mas a inovação deve nortear as criações e os

DE PO SIT PH OT OS

produtores precisam conhecer as ferramentas disponíveis no mercado para se destacar da concorrência. ” Com conteúdo informativo e técnico na área de Comunicação Visual, o webinar mostrou como trabalhar em conjunto com mídias digitais, possibilidades de impressões em novos substratos, gráficos diferenciados, projetos especiais e aplicações com recursos visuais que estão encantando os clientes.

CV!

Maureci Martins, tem 40 anos, com 24 anos de profissão. Trabalhou como funcionário em grandes empresas de Comunicação Visual de Curitiba, com aplicação de adesivos e atendimento ao cliente. Por sempre resolver muito rápido as questões que apareciam, procurando sempre se aprofundar cada vez mais nesta área. Seu encanto pela profissão o fez chegar mais longe. Após 7 anos abriu sua empresa, área de Marketing Visual com foco no atendimento. “O meu atendimento é todo personalizado tenho uma equipe especializada nas mais diversas 44 - Revista GF |

Edição 133

áreas: bureau de impressão, design gráfico, projetista de layout, entre outros, para que eu hoje me dedique ao que mais gosto de fazer que é adesivar.” Maureci, conhecido no mercado como um dos pioneiros na área de adesivagem, atende muitos clientes emergenciais, que contam com ele para socorrer em alguma campanha, onde ele já tem inteira confiança! Já tem um slogan forte: “Pensou em adesivos e plotagens, o primeiro nome que virá a sua cabeça é Maureci Martins o aplicador especializado ao seu dispor!”

DIVULGAÇÃO

Quando a profissão se traduz em missão!


CREATIVEART/FREEPIK

ARTIGO

76% dos brasileiros temem ter informações pessoais vazadas na internet Lei Geral de Proteção de Dados gera dúvidas em empresas e clientes O brasileiro é o povo mais inseguro quando se trata da proteção de dados. É o que aponta o levantamento da consultoria Accenture, realizada recentemente em 13 países. Dos 1.400 executivos de alto escalão e 10 mil funcionários de outros níveis, entrevistados na pesquisa, 77% relataram preocupação referente a forma que as empresas possam estar utilizando suas informações pessoais. Outros 76% alegaram temer que seus dados sensíveis – raça, etnia, opinião política, religião, filosofias, orientação sexual, genética, biométrica e dados relacionados a saúde – possam ser alvos de ataques cibernéticos. E as desconfianças só aumentam. Casos como os da Cambridge Analytica, do Facebook e outras entidades financeiras dão sinal de alerta em todo o mundo. De acordo 46 - Revista GF |

Edição 133

com a publicação Wired – especializada em tecnologia – este ano ocorreu a maior violação de dados da história, onde mais de 800 milhões de e-mails e senhas foram invadidos e compartilhados, resultando na exposição de mais de 12 mil arquivos com 87 gigabytes de dados. LGPD Quando se trata de proteção de dados, o Brasil é um dos países mais atrasado da América Latina. Desde 1999, o Chile tem sua lei vigorando, enquanto que, em nosso país a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) foi aprovada somente em agosto de 2018 e a previsão que entre em vigência o ano que vem. E desde sua criação tem gerado dúvidas entre empresas e cidadãos, que desconhecem os direitos e as obrigações previstas na lei.

Em dezembro de 2018 foi editada a Medida Provisória nº 869, que prevê a criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), responsável pela fiscalização, advertências, multas e também pela conscientização sobre o correto tratamento às informações pessoais. O executivo de segurança da informação na innovativa Executivos Associados, Marcos Gomes, alerta que todo o cuidado é pouco quando se trata de proteção de dados. “O Brasil tem um longo caminho a seguir. É inadmissível ter nossas informações violadas a qualquer momento. Precisamos de uma lei atuante, para que preservem nossos direitos como cidadãos. Infelizmente, por questões meramente políticas, somos considerados um país em desenvolvimento, inclusive em vários estágios, principalmente,


em educação. Temos competência, mas há necessidade de uma evolução assertiva e construtiva em todas as áreas, para que possamos evoluir e nos destacarmos”, completa o especialista. Negócios E as empresas, que não estiverem preparadas para enfrentar a nova realidade, estão com seus dias contados. De acordo com uma pesquisa da Adobe, realizada com cerca de mil tomadores de decisão de TI, nos Estados Unidos, a segurança de dados está no topo da lista de preocupações destes executivos. “Embora aqui no país a lei comece a valer a partir de 2020, muitas empresas deixaram de fechar contratos por conta da falta de garantia da proteção de seus dados”, conta o executivo. Pode parecer exagero, mas essa é uma tendência para os próximos anos. As empresas irão concretizar seus negócios somente com companhias que protegerem não só suas informações como as de seus clientes e de seus fornecedores.

“Está nítido que a lei será levada à sério, principalmente, porque a multa prevista para quem não respeitar será entre 2% do faturamento a R$ 50 milhões por infração”, afirma Marcos, que nos dá algumas dicas de como se preparar para a LGPD e evitar as multas: • Envolvimento da liderança, RH, TI e jurídico; • Definir o controlador que tomará as decisões sobre o tratamento dos dados; • Escolher o encarregado (DPO) que será responsável pela proteção e comunicação entre os donos dos dados; • Atualizar os termos de consentimento de acessos em linguagem simples e fácil compreensão; • Controlar os termos de consentimento para garantir que todos os dados utilizados são permitidos para uso; • Mapear os dados pessoais, identificando onde são armazenados, utilizados e transmitidos; • Manter registros das operações realizadas com os dados pessoais; Treinar os colaboradores internos e externos sobre o uso dos dados.

MARCOS GOMES Executivo de Segurança da Informação na innovativa Executivos Associados. • Carreira em empresas do segmento industrial, tecnologia, serviços e consultoria, atuando em áreas de Tecnologia, Segurança da Informação, Processos, Projetos, Compliance e Auditoria, com forte liderança em projetos de ITO, BPO, Tecnologia e Negócios. • Formado em Administração de Empresas pela Luzwell • Pós-graduado pelo IPEN/ USP – Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares da Universidade de São Paulo.

Edição 133 | Revista GF - 47


GF NEWS

A SAi lança software de produção de sinalização Flexi mais potente

Salt Lake City, Utah, EUA – A SAi anunciou o lançamento do Flexi 19, uma atualização mais poderosa e rica em recursos de seu software de produção de sinalizações emblemáticas, projetada para atender ao design exigente para desafios de produção de fornecedores de impressão de sinalização e de grande formato. Criado como uma solução completa para o fluxo de trabalho de produção de design, impressão, impressão e corte e diretamente no vinil, o Flexi 19 também inclui uma série de recursos e ferramentas inestimáveis e fáceis de usar, sendo algumas disponíveis gratuitamente para os clientes de assinatura da SAi. Eles incluem mais de uma dúzia novas adições, cada uma voltada para melhorar os aspectos de design, produção e negócios das operações dos usuários. No Design… Entre as novas ferramentas práticas introduzidas para garantir um fluxo de trabalho de design mais eficiente e sem complicações, está a Localizar a minha fonte. Ela permite que os usuários 48 - Revista GF |

Edição 133

DIVULGAÇÃO

A solução de software de vários recursos inclui o poderoso novo RIP de 64 bits, que oferece mais de 30% de aumento na velocidade para os usuários, bem como um conjunto de novas ferramentas práticas

abram arquivos de fotos diferentes, incluindo Bitmaps, antes de detectar automaticamente a fonte ou a melhor correspondência daquela usada no arquivo. Outra nova adição é a Ferramenta de correspondência da cor spot de rápido ajuste fino PANTONE®. Ela é especialmente útil para empresas de sinalização e display que usam regularmente livros Pantone, além disso, permite que os usuários meçam gráficos e façam ajustes manuais para obter uma correspondência de cores precisa dos perfis ICC, economizando tempo e garantindo a precisão das cores.

CRIADO COMO UMA SOLUÇÃO COMPLETA PARA O FLUXO DE TRABALHO DE PRODUÇÃO DE DESIGN, IMPRESSÃO, IMPRESSÃO E CORTE E DIRETAMENTE NO VINIL, O FLEXI 19 TAMBÉM INCLUI UMA SÉRIE DE RECURSOS E FERRAMENTAS INESTIMÁVEIS E FÁCEIS DE USAR, SENDO ALGUMAS DISPONÍVEIS GRATUITAMENTE PARA OS CLIENTES DE ASSINATURA DA SAI >>


GF NEWS

Para Empresas... O Flexi 19 também inclui uma série de ferramentas de aprimoramento de negócios, incluindo cinco adições completamente novas. Dentre elas, Pulso fornece dados em um painel. Isso permite que usuários de sinalizações e displays controlem a produção e o uso de mídia de projetos em andamento por meio de gráficos e gráficos de pizza. Além disso, o Sidekick permite que os usuários criem orçamentos, gerenciem contas de clientes e implementem um fluxo de trabalho de CRM para que os trabalhos possam ser exportados com rapidez e facilidade para o processo de faturamento. Outras ferramentas de destaque incluem: • Melhor Mapeamento de cores Spot, um recurso particularmente útil que permite aos usuários ma50 - Revista GF |

Edição 133

O USO DO MAPEAMENTO DE CORES SPOT PERSONALIZADO PERMITE QUE OS PROVEDORES DE IMPRESSÃO DE SINALIZAÇÃO E DE GRANDE FORMATO CRIEM FACILMENTE SUA PRÓPRIA BIBLIOTECA PERSONALIZADA DE CORES SPOT, GARANTINDO QUE ESSAS CORES SEJAM REPLICADAS COM PRECISÃO TODA VEZ QUE FOREM IMPRESSAS pear com rapidez e precisão as cores spot/corporativas no arquivo de design para obter valores exatos de saída. Isso garante que a impressora corresponda à cor de saída desejada para cada novo trabalho. O uso do Mapeamento de cores Spot personalizado permite que os

provedores de impressão de sinalização e de grande formato criem facilmente sua própria biblioteca personalizada de cores Spot, garantindo que essas cores sejam replicadas com precisão toda vez que forem impressas. • Um Assistente de perfil personalizado, projetado para facilitar a configuração de limites de tinta e o processo invariavelmente complicado de dividir a tinta.Ele permite que os usuários obtenham essas informações em gráficos de medição, eliminando o trabalho de adivinhação manual necessário ao criar perfis visualmente. Informações: Marcelo Chagas Nascimento Sales and Technical Director/ Director de Ventas y Tecnologia Direct: 0055.11.2949.6069 Office: 0055.11.98556.8198 MarceloC@ThinkSAi.com ThinkSAi.com

DIVULGAÇÃO

e Produção… Incluída no conjunto Flexi 19 de ferramentas de produção, a ferramenta Corte por camadas ou cores permite que os usuários expandam sua capacidade de cortar desenhos intrincados com base na camada. Isso se baseia no uso de cores de longa data do Flexi para distinguir entre os diferentes vinis a serem cortados. Para maior praticidade, a SAi também habilitou camadas para os usuários que trabalham com outros softwares, mas que podem aceitar o trabalho no Flexi. Além disso, o Flexi 19 inclui uma Régua impressa acessível ao longo da arte para que os operadores o local em que pararam.


Profile for Revista Grandes Formatos

Edição nº 133| Loucos por UVs  

Edição nº 133| Loucos por UVs  

Advertisement