Page 1

PeGada DiGital Discentes: Carla Botelho e Cristina Grácio | 1º Ano de Licenciatura em Língua Gestual Portuguesa | Docente: João Torres Disciplina: Tecnologia e Comunicação 08 de maio de 2014


Índice Introdução ................................................................................................................................................. 2 Redes Sociais ............................................................................................................................................. 3 Fora de casa ............................................................................................................................................... 4 Sites e e-mail ............................................................................................................................................. 4 Pegada digital............................................................................................................................................ 5 Conclusão .................................................................................................................................................. 6 Credito fotografico : ................................................................................................................................. 7 Referências ................................................................................................................................................ 7


Introdução Nestes últimos anos tem-se testemunhado um grande crescimento no número de utilizadores da internet assim como na quantidade de informação disponível online. Este crescimento de utilizadores na internet fez com que se fossem criando comunidades de utilizadores e para ajudar a comunicação entre utilizadores e criação de comunidades surgiu o conceito de redes sociais. É prática comum, aquando da apresentação de um serviço, que o utilizador seja questionado sobre a aceitação, ou não, de um conjunto de políticas referentes ao uso da sua informação facultada ao fornecedor (essa informação, parte da identidade do utilizador, é por exemplo a morada, o número de telefone, etc...). Geralmente os utilizadores aceitam a política, com base na confiança que têm do fornecedor e no contrato formal que lhes é apresentado. Os casos de violação de privacidade por parte de alguns fornecedores de serviços, vendendo ou facultando informação privada sobre os seus clientes a outros, são amplamente conhecidos e resultam da falta de controlo que os utilizadores finais têm sobre a informação que entregam aos fornecedores. Por sua vez, o grande crescimento da internet e da informatização dos serviços promoveu enumeras vantagens para a população, mas com elas têm vindo a surgir alguns problemas. Um dos grandes problemas da utilização da internet é o risco de desconhecidos terem acesso a informações pessoais. Isto pode acontecer através de ciber ataques (hacking) ou através da divulgação indevida por parte de pessoas autorizadas. Enviando informações pessoais para um terceiro corremos o risco de este as utilizar de forma inadequada, podendo divulgar as informações com outros, pondo a privacidade da pessoa em risco. Por outro lado, uma das grandes vantagens da utilização da internet é a facilidade com que se pode partilhar informação.


Redes Sociais Facebook, paras para pensar antes de publicar no facebook? Facilmente qualquer pessoa pode aceder aos dados pessoais de outra, tais como: aniversário, morada, número de telefone, férias, onde estás naquele preciso momento, etc, para que tal não aconteça, cada pessoa deve, na sua página definir quem pode ver o quê, recorrer também às listas para disponibilizar partilhas para grupos específicos de contactos. Os empregadores muitos deles também recorrem aos dados fornecidos pelas redes sociais, para analisar o perfil do seu futuro candidato. Outro exemplo muito comum, está relacionado com fotografias e vídeos que pais publicam dos seus filhos, e o possível efeito que essas publicações podem ter na “pegada digital” das crianças, esta informação foi retirada de um artigo de (Flor, 2013). “Serviços baseados na internet que possibilitam aos utilizadores construir um perfil (publico ou semi publico), oferecem as ferramentas que tornam possível a interação entre diferentes utilizadores que partilham interesses, recursos e informações” (Boyd & Ellison, 2008). Com maior ou menor consciência, as crianças e jovens tem precocemente uma presença virtual que vai deixando um rastro e moldando a sua identidade digital (Silva, P.&Cruz, S.,2013).


Fora de casa O wifi em qualquer lado pode parecer um facilitador para estar sempre online, mas é preciso ter cuidado com os sites que se visita quando se acede à internet através de redes abertas. Deve evitar-se aceder às contas e-mail ou outros sites onde se tenha de inserir senhas. Se for necessário mesmo inserir senhas ou fazer compras online, é mais seguro utilizar o pacote de dados em vez de uma ligação wifi aberta (Flor, 2013).

Sites e e-mail Para além do anti-vírus, há outras regras, tal como: escolher passwords diferentes e elaboradas, utilizar números, maiúsculas e minúsculas, caracteres, etc, nunca clicar em links que pareçam suspeitos, seja no e-mail ou em redes sociais, verificar sempre o remetente, pois através desses links pode transmitirse informações nossas pessoais do nosso computador a terceiros. Quando se efectua compras online, verifica-se sempre se a ligação que se está é segura, que deverá começar por <<https://>> ou <<shttp://>>. Estes sites tomam medidas extra para proteger as informações dos utilizadores, evitando que hackers consigam ver os dados enviados (Flor, 2013).


Pegada digital A pegada digital diz respeito a tudo o que está na internet a nosso respeito, desde o nosso perfil numa rede social, informação publicada em blogs, discussões ou mesmo em fóruns. A pegada digital não depende apenas do que nós publicamos, mas também do que os outros publicam sobre nós. Deste modo, a pegada digital de cada indivíduo é construída de duas formas: ativa e passiva. A forma ativa diz respeito ao que nós publicamos: artigos, blogs, fotografias, localizações, vídeos, etc. A forma passiva reporta-se ao que os outros publicam sobre cada um de nós. Com maior ou menor consciência, as crianças e jovens tem precocemente uma presença virtual que vai deixando um rastro e moldando a sua identidade digital. A vida online permite-nos criar uma identidade, dá-se o nome de identidade digital. A apresentação diz respeito à forma “how we presente ourselves and which “persona” we assume as part of our presence online” /Costa & Torres, 2011:49). A reputação foca-se “on what others think of us” (idem, 2011:49). Existem vários testes, que servem para cada um de nós perceber qual a pegada virtual, ou seja, que serviços digitais utilizamos mais e onde deixamos mais informações. A Google também te deixa descobrir o que <<sabe>> sobre ti: acedendo à nossa página de preferências de anúncios, pode-se editar os nossos interesses ou até desativar o “cookie” que associa os interesses e dados demográficos no teu “browser”, conforme está escrito no trabalho das autoras (Silva, P.&Cruz, S.,2013).


Conclusão Devemos estar muito atentos ao que postamos nas redes sociais, porque elas podem ser muito úteis para nós, da mesma forma que podem acabar com a nossa reputação.


Credito fotografico : Fotografia Pegada com Ícones referente a Capa : http://imgs.sapo.pt/gfx/559944.gif. Acesso visualizado 10/04/2014

Fotografia Pegada Verde referente ao Índice : http://3.bp.blogspot.com/36J22HFPjR8/TtLJyV5dcxI/AAAAAAAAMjw/tpre2DtavSk/s1600/pegada%2Bverde.jpg, Acesso visualizado 10/04/2014

Referências Flor, A. (16 de 01 de 2013). Facebook mergulha nas ferramentas de pesquisa com o graph search. Silva, P., & Cruz, S. (17,18,19 de 10 de 2013). Pegada Digital.

Pegada Digital  
Advertisement