Issuu on Google+

radIcal

>> 24

sUrFIsTas do laGo Por Marina Macêdo Fotos Celso Junior

J

á é hábito em brasília. em dia de sol, amigos se reúnem em lanchas e jet ski para desfrutar as delícias que o lago Paranoá oferece, mas nem só de lazer vive o lago. Velas, pipas, pranchas e manobras radi-

cais colorem e desafiam a paisagem. em pleno cerrado, é possível encontrar atletas profissionais se aventurando em esportes radicais como windsurf, kitesurf, wakesurf e stand up paddle. com clima seco e quente, as práticas atraem brasilienses e capacitam atletas para campeonatos mundiais.

Marcello Morrone, 41 anos, é bicampeão nacional e vice-campeão sul-americano de windsurf. Ele veleja pelas águas do lago há 30 anos. “o lago Paranoá abraça a cidade e recebe muito bem esses esportes. atualmente, brasília está entre as maiores flotilhas do Brasil”, afirma. o windsurf é composto por uma prancha e uma vela,

onde os atletas conseguem planar sobre a água com a força do vento. “Na capital, o esporte é mais voltado para práticas como regatas, percursos e provas de velocidade”, ressalta Morrone. Outro esporte em alta é o stand up paddle, uma espécie de surf praticado em pé na prancha, com o auxilio de remos.

Integrantes das olimpíadas de 2016, os esportes radicais na água elegem brasília como o principal centro de treinamento do País


Revista Gps Brasília 2