Issuu on Google+

EDITORIAL

Guilherme Siqueira, Paula Santana e Rafael Badra

É BONITA, É BONITA E É BONITA

O

s livros de História nos ensinaram que a América do Norte era a terra dos sonhos e das oportunidades. Os Estados Unidos se consolidaram como nação próspera, organizada e ufanista há pouco menos de um século. Recente. Nessa dinâmica, nasceu Miami, quase bicentenária. Miami passou por poucas e boas. De catarses naturais à violência provocada por drogas. Sobreviveu a tudo. E incrivelmente conseguiu se reinventar, manter-se acolhedora. Uma capacidade regenerativa admirável. Quando um avião pousa, um navio ancora, um carro adentra as largas avenidas da cidade, parece que um abraço acalorado e acolhedor envolve o turista, o estudante, o morador estrangeiro que, de um modo ou outro, alimenta aquela vontade de por ali ficar. Está no céu, está no mar, na extensão do infinito. Miami é assim… Apaixonante. E para brasileiro cair de amores por outra região não é fácil. Apesar dos pesares, nosso País é uma terra desorganizadamente adorável. Mas não deu outra. Ambos tornaram-se simbióticos. Quase um só. Nessa atmosfera, nós também almejamos o mesmo que os norte-americanos: a oportunidade, a transformação de um desejo em fato. E assim desembarcamos nesse belo condado. GPS|Brasília também é GPS|Miami. Daqui, levaremos a nossa brasilidade,

inegavelmente o que nos torna sedutores perante os olhos do empreendedor cidadão estadunidense. Deles, admiramos a presteza, a ordem, o pragmatismo para ir sempre em frente. É por isso que elegemos os criadores do bairro mais povoado de brasileiros, Sunny Isles, para ilustrar nossa matéria principal. Joseph Milton e Yosi Gil, filho e sócio do fundador da J.Milton, respectivamente. Em duas décadas, um bairro relegado tornou-se o metro quadrado mais caro de Miami graças a eles. Vale conhecer essa inspiradora jornada. Ao longo das próximas páginas, a cidade será interpretada por brasileiros residentes. Um aprazível guia com dicas, segredos, personagens e lugares que condizem com o lifestyle do Brasil e revela um pouco do porquê dessa confortável sensação de sentir-se em casa. E, cruzando afinidades e interesses, é como se Miami cantasse aos nossos ouvidos aquele hino de Gonzaguinha “Eu sei que a vida podia ser bem melhor, e será, mas isso não impede que eu repita, é bonita, é bonita e é bonita. Simbora pois…”

14 « GPS|MIAMI

guia_GPS_miami_edicao_1.indd 14

26/11/15 21:00


Revista GPS Miami 01