Page 290

TRADIÇÃO

que leva ovo, cebola, salsa e batata palha. “O segredo de preparar uma carne saborosa é temperar apenas com sal. Para finalizar, realço o sabor com os molhos chimichurri e provençal”, revela Miguel. Entre as sobremesas, a campeã de vendas é a Celestina: panquecas seladas com açúcar queimado e recheadas com doce de leite puro, acompanhadas por uma bola de sorvete. O projeto do espaço leva assinatura do arquiteto Marcelo Galo. Com capacidade para 130 pessoas, o restaurante tem três ambientes: interno, externo e reservado.

é difícil encontrá-lo. De longe, é possível ver a fachada azul com o peixe estampado na logomarca, cadeiras e mesas de madeiras, com forros laranjas e azuis. “Eu tinha um sócio que sabia preparar o peixe e servi-lo dessa maneira. Por isso, decidimos abrir um restaurante com a traíra como prato principal. O sucesso é tanto, que hoje sirvo 70 pratos por dia. É a melhor de Brasília”, garante Givaldo Menezes, proprietário do estabelecimento. O restaurante é bastante frequentado por políticos nordestinos que visitam Brasília e sentem saudade dos pratos da terra natal. No cardápio, além da traíra, é possível se deliciar com o filé de surubim ao molho de camarão e o filé de salmão ao molho branco. Para quem quer carne vermelha, há a picanha grelhada na chapa, com risoto de cerveja. Por falar nisso, o happy hour também é uma boa pedida após o trabalho.

Serviço Endereço: Acampamento DFL, Rua 1, Lote 2 Telefone: (61) 3081-0541

Serviço Endereço: Acampamento DFL, Rua 4, Lote 1 Telefone: (61) 3306-2596

Traíra sem espinha

Feitiço da Vila

Tradicional prato do Traíra Sem Espinha

tradicional “almoço 0800”, ou seja, de graça. De acordo com ela, os clientes só pagam pela sobremesa e bebidas, o prato principal é por conta da casa. “Vem gente de todos os ministérios da Esplanada”, diz. Serviço Endereço: Acampamento Pacheco Fernandes, Rua Maranhão, 8 Telefone: (61) 3306-1526

Figueira da Villa Erguido à sombra de uma imensa figueira, a casa inspirada na culinária uruguaia se destaca pelos cortes de carnes selecionadas, que ficam sob os cuidados do chef parrillero Miguel Angelo Rielphoff. É um dos restaurantes mais procurados pelos políticos. Durante a Copa das Confederações, foi frequentado pela comissão técnica da seleção brasileira, que estava hospedada na região, e é destino certo do cantor Alceu Valença, quando desembarca em Brasília. O menu tem nove alternativas de cortes. Os mais pedidos são o assado de tira e o bife de costilla, que podem vir acompanhados com o tradicional arroz parrillero,

>> 288

Há 15 anos instalado na rua principal da Vila Planalto, o restaurante tem como carro-chefe a traíra sem espinha vendida em porções diferenciadas – da pequena à gigante – e vêm acompanhadas de arroz, farofa e vinagrete. Bem localizado, não

Instalado em uma rua charmosa, a casa é comandada pela pioneira Mea Silva de Araújo. Servidora pública aposentada, Mea chegou a Brasília em 1959. Vinte anos depois, começou a vender pastel no bairro, onde mora desde 1962. A ideia não correspondeu suas expectativas

e, cinco anos depois, decidiu transformar a casa de lanches em restaurante. “Queria trabalhar em algo que me desse prazer”, afirma Mea. As mesas externas têm vista privilegiada para uma pracinha cheia de árvores frondosas. Atenciosa, a cozinheira está sempre circulando pela clientela diversificada, composta por políticos e funcionários da Esplanada dos Ministérios. “No fim do ano, o movimento é grande por causa das confraternizações”, diz. Ao lado dela, está seu escudeiro fiel e genro, Rodrigo Estevão. A casa oferece comida caseira. Os pratos, antes de entrarem no menu, são testados pela família Silva de Araújo. “Se todos gostarem, eu incluo”, conta. O cardápio é de pratos executivos, que possuem até 40 itens, entre eles, nove especiais. A especialidade é o Bacalhau da Dona Mea, que é feito com lascas de bacalhau, batata doce, batata inglesa, tomate, pimentões, azeitonas, cebola e leite de coco. Acompanha arroz e salada verde. Além dele, a feijoada, a moqueca e o Brasileirinho – picanha, feijão tropeiro, vinagrete, arroz, batata frita ou mandioca –, estão entre os pratos mais pedidos. “Saem cerca de 50 a 60 pratos de cada por semana”, contabiliza. O Feitiço da Vila comporta 120 pessoas. Serviço Endereço: Acampamento DFL, Rua 5, Lote 2 Telefone: (61) 3306-1115

Revista GPS Brasilia 6  
Revista GPS Brasilia 6  
Advertisement