Issuu on Google+

Divulgação

Nannai Beach Resort

O primeiro restaurante que pisei na vila foi o Peixe na Telha, comandado pela própria dona e sua filha, simpáticas e hospitaleiras. A comida é feita de delícias variadas e, claro, o delicioso peixe assado na telha, que dá nome ao local. Tem também o Barcaxeira e suas entradas criativas, ambiente descontraído e serviço impecável.  Ainda na vila e com requintes de sofisticação, o Beijupirá, ambiente bem decorado e ideal para um jantar romântico na penumbra. A cozinha é inovadora e deliciosa, cujo carro-chefe é o peixe que batiza a casa. Fora da vila não posso deixar de mencionar o bolinho de feijoada do restaurante do João, na praia de Maracaípe. 

VIVENDO BEM Quanto aos programas, são várias as opções. Um muito interessante é o de jangada até as piscinas naturais. Ele deve ser feito na maré vazante, já que esse é o melhor momento para se apreciar a caminhada sobre os corais. É obrigatório que você esteja calçado por causa dos ouriços e uma ou outra ponta de coral mais afiada. O passeio é calmo e tranquilo e todo mundo pode fazer, da vovó ao netinho. O trajeto de buggy pelas praias vizinhas é uma segura opção para a família. Nada daquelas dunas e motoristas destemidos tentando quebrar o pescoço do turista incauto que opte por um passeio com aquilo que eles chamam de “emoção”. Porto de Galinhas é plano, as estradas que beiram as praias ladeadas por coqueirais são seguras e bem tratadas. Foi de buggy que chegamos ao Pontal de Maracaípe. Atenção que aqui, sim, é um passeio de jangada com alto

Piscinas naturais

grau de emoção, já que nos possibilita o contato direto com cavalos marinhos preservados pelo projeto Hippocampus. É lindo vê-los “cavalgando”, minúsculos, cheios de encantos e mistérios em seu habitat natural.  As crianças ficam fascinadas ao ver seres exóticos assim de tão perto numa aula de Biologia  in loco. Depois desta visão de pura beleza, continuamos descendo o Rio Maracaípe até aonde ele deságua no Atlântico. Finalmente, atracamos para um banho de água doce e salgada, já que ali mar e rio se misturam. Delícia revigorante o banho e os sucos de frutas nas poucas barraquinhas que por ali existem. O sol continua a brilhar. Na volta, já no cais do Pontal, uma pausa para provar a tapioca afrodisíaca da Glaice. O resto da tarde foi na praia de Maracaípe, paraíso com ondas ideais para o surf. Na areia, pais entusiasmados e de pés molhados dão instruções aos filhos, que se esforçam praticando esse esporte que ultimamente tem trazido muitas glórias e reconhecimento ao Brasil.

74 « GPSBrasília

[GPS_brasilia_edicao_14_final.indd 74

11/08/16 22:41


Revista GPS Brasília 14