Issuu on Google+

Teatro

>> 136

Ma A fundadora Tereza Padilha faz referência ao caminhão itinerante que leva teatro a lugares onde arte é raridade

Por Raquel Jones Fotos Celso Junior

Companhia de teatro dirigida por Tereza Padilha celebra duas décadas. Leva sua arte itinerante, brasileira e lúdica tanto para comunidades carentes quanto para grandes centros fora do País

O

teatro é o alimento para a alma. É fantasia e emoção. É alegria e, também, a cura. E foi para curar uma tristeza que a atriz Tereza Padilha criou a Companhia Teatral Mapati, há 21 anos. O Mapati não foi só uma terapia que Tereza descobriu para lidar com a morte precoce de um filho. Começou nas ruas de Brasília, popularizou o teatro na capital federal, fez história em uma casa na Asa Norte, remontou clássicos, reescreveu peças de Shakes-

peare para crianças. No lugar de uma escola de teatro, um lar. Em vez de funcionários e professores de dramaturgia, uma família. A vontade de fazer teatro fez com que Tereza organizasse apresentações nas ruas. “Era muita burocracia conseguir um espaço para se apresentar, então, junto com um grupo de atores, passamos a fechar as vias. Na época, há mais de 20 anos, Brasília era muito tranquila, podíamos fazer aquilo”, conta Tereza.


Revista GPS Brasilia 4