Page 53

53 <<

www.gpsbrasilia.com.br

OPERÁRIA DA BOLA do, mas não queria ser clichê. Quando o Celso ressaltou a preciosidade que era tal fato e a poesia que havia nesse campeonato dos operários, logo pensei: é exatamente isso que preciso”, revive a cineasta. Após encontrar o tema de seu primeiro longa-metragem, Virna mergulhou em uma profunda pesquisa sobre o assunto. Foram semanas de apuração e visitas externas na arena. Até que conseguiu a autorização para começar suas gravações dentro do estádio. “Comercialmente é um momento interessante, porque todo mundo está com o foco no Brasil e no futebol. Mas queria mostrar o lado humanista da Copa”, conta. Com gravações iniciadas em abril de 2012, a cineasta acompanhou o processo de construção do estádio, a rotina dos trabalhadores e, em especial, a Copa Solidária

edicao7_GPS_brasilia.indd 53

A cineasta Virna Smith entra em campo e passa 18 meses no Estádio Nacional, acompanhando a rotina dos 3,6 mil operários. O resultado é um longa-metragem, que será lançado na Copa do Mundo

11-04-14 - GPS

Operários da Bola. O campeonato envolveu 800 dos 3,6 mil operários que trabalharam em três turnos no monumento. O torneio formou 64 equipes masculinas e quatro femininas, respectivamente, com 12 e 15 jogadores. E mostrou o lado solidário dos atletas. “Para se inscreverem, os operários tinham que doar alimentos. Eles conseguiram reunir uma tonelada. Imagina uma pessoa simples, doando para outra ainda mais. Isso é bem brasileiro”, comenta.

O documentário Mesmo com o final da disputa, Virna continuou suas gravações. Frequentava, em média, três vezes por semana o estádio, onde reuniu cada vez mais material para seu projeto. Interessada no universo dos operários, estendeu as filmagens até outubro de 2013.

51

Durante o convívio com os operários, Virna fazia sua aproximação sem seus apetrechos de filmagens para não intimidá-los. “Inicialmente, eles achavam que eu era repórter. Foi quando expliquei a diferença entre os dois trabalhos. E que estava ali para rodar um documentário”, lembra Virna. Com uma equipe de mais de 20 pessoas, Virna explorou a paixão dos operários pelo esporte e o orgulho que tinham por deixar seu suor nas paredes de um dos estádios da tão aguardada Copa do Mundo do Brasil. Cada um deles estava ali, fazendo o seu melhor. Queria deixar a sua marca e levar uma história de vida e participação para si. Foi um envolvimento muito engrandecedor”, diz. Em processo de finalização, o longa-metragem terá duração de cerca de 80 minutos e dará ênfase a quatro personagens: Manoel Oliveira Lima, Mário Junior, Filliphe Barros e Valdemiro Soares de Souza, apelidados pelos amigos, respectivamente, de Bala, Brother, Kaká e Vavá. “Esses quatro personagens me deram a possibilidade de ir além de uma matéria. Permitiram-me entrar em suas vidas pessoais e em suas casas”, diz. A experiência vivida ao longo dos quase dois anos lapidou a diretora. “Nesse tempo, não vi nenhum operário reclamando da vida. E aprendi que os dias são mais felizes quando vividos com simplicidade”, confidencia Virna. Cria-

10/04/14 12:22

Gps Brasília 7  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you