Page 253

253 <<

www.gpsbrasilia.com.br

Fotos: Divulgação

O interior da loja em Gstaad, Suíça

Números • • • • • •

600 artesãos reunidos 6.000 relógios Parmigiani Fleurier produzidos a cada ano 300 pontos de venda que comercializam a marca 60 países que representam a marca 1 loja no Brasil, em São Paulo, no Cidade Jardim 7 coleções: Kalpa, Tonda, Bugatti, Pershing, Transforma, Ovale, Toric

Tudo parecia nebuloso, talvez irremediável. Foi quando o Michel Parmigiani, recém-formado no ofício e morador de Couvet, resolveu enfrentar a crise. Abriu seu próprio ateliê e passou a se dedicar a sua grande paixão: restauração. “Quando se trabalha com as maravilhas do passado, que fazem parte do patrimônio de nossa civilização”, ele explicaria bem mais tarde, “não dá para acreditar que a tradição poderia morrer desse jeito”. Mas Michel despertou a atenção de um grupo mais seleto, os colecionadores. Com seu conhecimento em mecânica, passou a criar peças exclusivas e a restaurar as demais. O outro lado da histó-

edicao7_GPS_brasilia.indd 253

ria da relojoaria suíça, que se fundiria quase duas décadas depois com a de Michel, vem agora. A coleção de Edouard Marcel Sandoz – artista do século XVIII e herdeiro do grupo farmacêutico Sandoz, hoje Novartis – estava com problemas.  Seu restaurador se aposentaria em breve e o acervo não tinha a quem ser confiado. Foi quando Pierre Landolt, homem visionário pertencente  à quarta geração da família e atual administrador do império dos Sandoz, oficializou Michel na função.  Outra década se passou e o talento incomparável do relojoeiro fez com que Pierre lhe propusesse um projeto ambicioso: criar a própria marca. Ele to-

11-04-14 - GPS

251

Artesã na confecção de uma peça

pou. Em 1996, nasceu a Parmigiani Fleurier. Desde então, a Parmigiani Fleurier vem se fundamentando na relojoaria por sua postura, que a todo custo privilegia a tradição ancestral de manufaturar suas peças na totalidade. Apesar da jovialidade, quando comparada a marcas seculares, a marca não poupou esforços para manter imaculado o legado suíço. Tanto que  verticalizou a produção, ou seja, ela projeta os movimentos e também os produz. “É um produto feito 100% artesanal. Nós precisamos de mãos humanas. O industrializado não nos importa”, diz o suíço Jean-Marc Jacot, CEO da marca. Os números comprovam. Uma relojoaria suíça

de grande porte e com vários fornecedores produz cerca de cem mil relógios a cada ano. A Parmigiani produz seis mil, num universo de 600 artesãos. São mais de 700 horas de trabalho a partir de seu design definido em uma única peça”, diz Ruggero Mango, general manager da marca no Brasil. Um relojoeiro pode ficar de um a três meses na confecção. “É um trabalho que exige silêncio, concentração, técnica, habilidade e precisão”, diz, lembrando que, em Fleurier, a cidadezinha de três mil habitantes, a Parmigiani tem uma escola de talentos, cujos estudantes entram aos 15 anos e saem de lá uma década depois sabidos do meticuloso ofício.

10/04/14 12:38

Revista Gps Brasília 7  
Revista Gps Brasília 7  
Advertisement