Issuu on Google+

Marcelo Sena, cantor e fundador do grupo Coisa Nossa

longos anos escrevendo os sambas-enredos. Elias também foi atuante no Botequim Aruc. Ele também criou projetos como o Clube do Samba e a Feira de Música, nos anos 70 e 80. Era presença cativa no Clube do Choro em apresentações para mais de 400 pessoas. 

FALA, MALANDRAGEM Perto da quadra da Aruc, tem mais uma parada: o Círculo Operário, no Cruzeiro Velho, todas as sextas-feiras à noite. Um dos responsáveis pela festa, Oton Neves, conta que tudo começou como brincadeira. Reunia alguns bons amigos em torno de uma mesa com batuque e cerveja até o anoitecer. Os moradores reclamaram do barulho para a Agência de Fiscalização e o quiosque, então, foi notificado muitas vezes. “Chegou o momento em que não poderíamos mais incomodar a vizinhança e precisávamos de um espaço. Conseguimos montar uma base fixa. Já são mais de quinze anos fazendo música de raiz num local que  está sempre lotado. Tem dias que contamos com 500 pessoas. É uma farra muito boa”, diz, entusiasmado. 52 « GPSBrasília

NAS ASAS Nas Asa Norte e Asa Sul, as rodas de samba lotam bares e restaurantes. Aos sábados, é só passar na frente do Bar Brahma, 201 Sul, para ouvir o bum bum baticum bum. Quem toca lá duas vezes por mês é o  grupo Bom Partido. Os sete músicos têm pegada tipicamente carioca. Levam ao público repertório de Noel Rosa, Cartola, João Nogueira, Paulinho da Viola, Chico Buarque e outros grandes sambistas. Além dos tradicionais instrumentos, como cavaco e percussão, os músicos chamam a atenção pela  flauta transversal e o violão de sete cordas. Em outra esquina, na Asa Norte, o pandeiro canta solto. O bar Armazém do Ferreira, 202 Norte, é chamado de “a esquina carioca de Brasília”. Há quase uma década o Grupo Candanguero, formado por cinco músicos, se apresenta, com participações ilustres, entre elas, Noca da Portela, Carlos Elias, Oswaldinho da Cuíca, Délcio Carvalho, Gabrielzinho do Irajá, Dudu Nobre, Sérgio Magalhães e Cacá Pereira, entre outros. “Chamamos o local de casa de resistência. Viver de música é complicado, mas gratificante. Então, vamos tocando o barco. Respeitamos a lei


Revista GPS Brasília 15