Issuu on Google+

com os amigos um grupo de comédia chamado De 4 é Melhor, que revelou nomes como Flávio Nardelli, Fabianna Kami e Márcio Minervino e atuou ao longo de oito anos na cena nacional. Dentre as peças estão A Noite; Assexuados; É Tudo Mentira; De Volta aos Anos 90; Eu Tenho a Última Temporada. Porém, o grande legado da companhia foi o espetáculo Não Durma De Conchinha, com mais de 60 mil espectadores em Brasília e no Rio de Janeiro. “Como sabíamos que o gênero comédia era muito forte em Brasília, pensamos que esse era o caminho”, rememora Bernardo. Entretanto, o nome causou polêmica. “Tivemos alguns problemas e chegamos a mudar para De 4

Naipes. Tudo para não perdermos alguns patrocinadores”, recorda. Depois de uma temporada de seis meses no Rio de Janeiro, em 2011, o grupo se desfez. “Éramos quatro artistas diferentes e cada um querendo fazer sua carreira solo”, diz Bernardo. Antes do Rio, o grupo já tinha se arriscado por São Paulo. “Foi muito difícil. São Paulo é a terra do teatro. Concorríamos com 200 espetáculos por dia e nós não éramos muito conhecidos”, contou, sobre o período com a peça Eu Tenho a Última Temporada, em 2009. “Quando o avião pousou em Brasília, me senti em casa. Peguei meu carro e fui para todos os lugares que mais gosto da cidade. Fui no meu primeiro colégio chamado Integração, na 707 Sul. No Leonardo da Vinci e no Maristão. Por fim, na UnB e no Parque da Cidade”, lembra. Com o fim do grupo, Bernardo começou a fazer outros trabalhos. Além das participações em TV, continuou no teatro como ator e também como roteirista. Escreveu Como Não Arruinar o Seu Relacionamento, que obteve 50 mil espectadores. Quando sobe nos palcos de Brasília, Bernardo se sente à vontade. “Aqui o público já me conhece. É mais confortável. E, ao mesmo tempo, sinto uma responsabilidade maior. Mas confesso que fico mais nervoso que em apresentar em outras cidades”, conta o ator, que vive em um hotel às margens do Lago Paranoá, para facilitar as viagens por conta do trabalho. O brasiliense acha importante passar adiante seu conhecimento. Por isso, decidiu dar aulas de teatro. Aos sábados, leciona um curso de teatro, na Escola Parque da 308 Sul, não só para quem quer seguir a carreira, mas também para quem busca autoconhecimento e melhorar a oratória e expressão corporal. Hoje, o ator tem cerca de 35 alunos.

VEÍCULOS DE MASSA Apesar de o teatro ser sua base, a magia da TV o conquistou. “O teatro é a arte de raiz. É feito de maneira mais artesanal. As pessoas estão presentes. Não podemos parar e refazer GPSBrasília « 43


Revista GPS Brasília 15