Issuu on Google+

estilo

Por Marcella Oliveira

O

brasileiro está viajando mais. De carro, de avião e de navio. Para perto, para longe. Em família, sozinho ou excursão. E para qualquer tipo de viagem sempre fica aquela dúvida: será que colocou na mala o que precisa? Providenciou todos os documentos? Conhece tudo do lugar? Um guia prático acaba de ser lançado pela jornalista Glória Kalil, o Viajante Chic. Afinal, há quem diga que o prazer da viagem começa muito antes do embarque. Dicas do que fazer antes e durante a viagem estão reunidos no livro. “É um companheiro de viagem aos brasileiros. Se você é um viajante calejado, o livro serve de lembrete. Se é marinheiro de primeira viagem, é recheado de orientações”, disse Glória Kalil, em entrevista exclusiva à revista GPS|Brasília. E a autora divide com o leitor experiências pessoais. Por exemplo, a lista do que não pode faltar na necessaire, documentos importantes e itens básicos da mala. São listas que Glória tem plastificadas, que ficam dentro da gaveta do armário. “Quando você está fazendo a mala, sempre uma pessoa interrompe, o telefone toca ou você se distrai com outra coisa, e acaba esquecendo algo. Ter uma lista ajuda a evitar surpresas desagradáveis”, garante. Conhecer os costumes do destino é essencial. E Gló-

Sempre

>> 64

ria conta uma situação inusitada que aconteceu em uma viagem à Tailândia. “Durante um tour, um amigo saiu de bermuda, mas precisou passar a tarde inteira com um saiote de algodão com elástico na cintura para entrar nos templos e palácios. Ele não se atentou que os costumes locais eram diferentes”, lembra. Destinos com cultura muito diferente da nossa acabam causando situações como essa, por isso a importância de saber bem sobre o local. “Desde 1992, por exemplo, é proibido mascar chicletes em Cingapura, como forma de evitar que sejam colados em bancos ou portas com sensores”, conta a autora.

chic Glorinha Kalil lança o quinto livro de sua carreira e fala sobre condutas de viagem. Expert em comportamento e estilo, ela diz que atualmente há tanta oferta na moda, que a chance de fazer escolhas erradas é maior


Revista GPS 3