Page 1

ACHEGAS PARA O SEU ESTUDO PARA A HISTÓRIA DA MÚSICA EM CABO DELGADO E EM MOÇAMBIQUE Por Carlos Lopes Bento (Dr.) © Carlos Lopes Bento / ForEver PEMBA 2012 – Dezembro de 2012


PARA A HISTÓRIA DA MÚSICA EM CABO DELGADO E EM MOÇAMBIQUE BANDAS FILARMÓNICAS EXISTENTES, NA VILA DO IBO, NO 1º. QUARTEL DO SÉCULO XX ACHEGAS PARA O SEU ESTUDO Por Carlos Lopes Bento1

A bela e secular vila do Ibo, em Março de 2012. Foto cedida pelo Engº Pedrosa Lopes

A vila do Ibo, capital política, económica e cultural de Cabo Delgado, durante mais de 200 anos, com uma intensa vida social, foi uma das vilas mais famosas e relevantes de Moçambique. Teve Jornais( O Nyassa e o Echo do Nyassa), um Teatro(Almeida Garret), Consulados, ., dois clubes recreativos(Club 5 d’Outubro e Clube Recreativo Iboense), duas bandas musicais e uma escola de música.

1

-Antropólogo. Presidente do Município do Ibo, entre 1969 e 1972.

1


2

Nestas breves notas disponibilizo e partilho alguns dados sobre estas duas bandas filarmónicas, com nomes dos executantes e suas especialidades, que me foram testemunhados pelo ilustre morador Honorato Figueiredo, que constam das minhas fichas de trabalho de campo: “ A PRIMEIRA, BANDA IBOENSE

Foi fundada em 1904, pelo Delegado Procurador da República, Dr Eduardo Barbosa e era constituída por 25 elementos: Dr. Eduardo Barbosa, maestro e instrutor Adolfo de Morais, cornetim Agostinho Jordão Soares, trompete. Agostinho Resende, pratos António Soares, trompete Arsénio A Macedo, (Empregado da Comp. do Nyassa), cornetim Catarino de Morais, trombone Constantino Dulba, barítono Dante Andriolo(italiano), cornetim Ernesto Fernandes da Silva, ????? Francisco de Sousa, bombo Gouveia de Figueiredo, ????? Isodoro (Alferes), ????? João Maria Rebocho, caixa João Soares Vilela, trompete João Soares, trompa 2

- IN: https://www.google.pt/search?q=imagens+instrumentos+musicais&hl=ptPT&tbo=u&tbm=isch&source=univ&sa=X&ei=dnXIUP3jA4iZhQfv2oCYDg&sqi=2&ved=0CDgQsAQ&biw=1536&bih=68 6

2


Joaquim Teixeira Gomes, contrabaixo José Hubber, flautim José Maria Dias, (Empregado da Comp. do Nyassa), barítono Luís Teixeira Gomes, cornetim Manuel Alves Gomes),(Empregado da Comp. do Nyassa),????? Miguel de Oliveira, contrabaixo Rudolfo Hubber, trompete SEGUNDA BANDA Esta teria sido fundada em 1915, sendo constituída pelos seguintes elementos: Maestro......... Góis3 Amorim, func., advogado Abel Barreira Diogo Abílio de Sousa Arsénio A Macedo, instrutor e músico Artur do Rosário Carlos da Silva Domingos Baptista Aguiar Emílio Pereira Francisco Luís Tramier Isménio de Sousa João Soares José de Sousa. Liberato António Dias Luís António Dias Pantaleão Macedo Raul Gonzaga Estas bandas tiveram sempre dificuldades em contratar professores de música. Existiu grande rivalidade entre as duas bandas e a primeira já não existia em 1928 e a segunda em 1924.

Testemunho de Honorato de Figueiredo, que, de 1915 a 1920 fez parte dos corpos sociais da segunda banda.” Algumas notícias publicadas no jornal quinzenário Eco do Nyassa, editado na Vila do Ibo, que nos ajudam a conhecer, mais pormenorizadamente, a temática abordada.

3

- José Joaquim. Mora de Góis

3


4


Aqui deixo estas breves notas que, que por inéditas, irão surpreender muitos Filhos do Ibo. Tenho esperanças que a Vila do Ibo volto a ser, em breve, uma urbe com uma vida sociocultural intensa. .

5


6


7


IN: https://www.google.pt/search?q=imagens+instrumentos+musicais&hl=ptPT&tbo=u&tbm=isch&source=univ&sa=X&ei=dnXIUP3jA4iZhQfv2oCYDg& sqi=2&ved=0CDgQsAQ&biw=1536&bih=686 Carlos Lopes Bento, nasceu Mouriscas/Abrantes/Ribatejo/Portugal.

em

1933,

na

aldeia

de

FORMAÇÃO ACADÉMICA - 4ª classe na Escola Primária de Mouriscas. - 2º.ano e 5º ano liceais no Colégio Infante de Sagres, em Mouriscas. - 7º.ano liceal no Instituto de Santo António, em Castelo Branco. - Doutorado em Ciências Sociais, Especialidade História dos Factos Sociais, pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, da Universidade Técnica de Lisboa. - Licenciado em Ciências Antropológicas e Etnológicas pelo mesmo Instituto. - Diplomado com o Curso Superior de Administração Ultramarina pelo antigo Instituto Superior de Estudos Ultramarinos. ACTIVIDADE PROFISSIONAL E CIENTÍFICA Viveu em Moçambique, por motivos profissionais, de 1961 até l974, onde desempenhou funções na Administração Civil, como Administrador de Concelho e Presidente de Câmara, e realizou pesquisa documental e trabalho de campo entre os povos makhwa de Murrupula e Mogincual, makonde de Mueda e mwani das Ilhas de Querimba e Pemba(Porto Amélia). Antropólogo, Professor Universitário e Investigador em vários projectos de natureza sócio-politíca e de desenvolvimento em Portugal Continental e Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, designadamente, " A Reconversão da Pesca Artesanal, entre os rios Tejo e SadoAspectosHumanos", comparticipado pela JNICT. Nos últimos anos coordenou o Projecto de I&D «A cozinha Tradicional na área do Pinhal

8


Interior e do Vale do Tejo, num Processo de Mudança – Estudo Exploratório(meados do século xx). Membro da Sociedade de Geografia de Lisboa, onde exerceu cargos de presidência, nas secções de Etnografia, Antropologia e História e, actualmente, faz parte dos seus Órgãos Directivos, e de vários centros de investigação ligados a África, onde tem apresentado dezenas de Comunicações. Participação em muitas dezenas de eventos científicos- congressos, seminários, mesas redondas, ligados a temáticas da sua especialidade. ÁREAS CIENTÍFICAS DE INTERESSE Actualmente, interessa-se pela Antropologia Africana -ritos de passagem, alimentação e contactos de cultura-, e no domínio da Antropologia Portuguesa pela cultura alimentar tradicional e pelos problemas relacionados com a mudança em comunidades rurais e piscatórias e em organizações empresariais, particularmente, turísticas e hoteleiras. PUBLICAÇÕES Entre a múltipla colaboração dispersa por livros e publicações periódicas, realçam-se os seguintes artigos publicados ou em prelo: "A Póvoa do Varzim e o seu Passado - A sua Comunidade de Pesca no Limiar do Séc. XX"(1978); "Pescadores e Artes de Pesca - Aspectos da Actividade Piscatória nos rios de Lisboa e de Setúbal"(1978 e 1979); “Achegas para o Estudo da Economia Alimentar em Portugal"(1979); "Problemas Eco-Sociais e a Reconversão da Pesca Artesanal"( 1980);"Práticas costumeiras dos Wamwani do Ibo. A cerimónia da akika"( 1981); "O Trabalho de Campo na Antropologia e o Desenvolvimento" (1982); "Problemas dos Países em Transição - Algumas considerações sobre a posse e a exploração na terra da Madeira e suas implicações"(1982); "O Desenvolvimento das Pescas nas Costas do Algarve-Achegas para o Estudo do seu Passado"(1984); "A Historiografia e a Antropologia em África"(1984):T; "A Cozinha dos Wamwani das Ilhas de Querimba / Moçambique”(1984); "Moinhos e Azenhas em Mouriscas"(1985); "O casamento (arusi) entre Wamwani das Ilhas Querimba-A escolha da noiva e o pedido do casamento"( 1985); "As Potencialidades das Fontes Históricas na Pesquisa Antropológica"(1986); "O Desenvolvimento das Pescas nas Costas do Algarve-Achegas para o Estudo do seu Passado. Breves Considerações Finais"(1986); "A Pesca do rio Tejo. Os Avieiros: Que Padrões de Cultura? Que Factores de Mudança Sócio-Cultural? Que Futuro?"(1987); "O Desenvolvimento das Pescas nas Costas do Algarve- Achegas para o Estudo do seu Passado.Ambiente, Tecnologia e Qualidade de Vida"(1988); "A Posição GeoPolítica e Estratégica das Ilhas de Querimba. As Fortificações de Alguns dos seus Portos de Escala"(1989); "La Femme Mwani e la Famille. Étude Quantitatif des Quelques Comportements des Femmas de l’île d’Ibo»(1990); "As Companhas de Ceifeiros Ribatejanos no Alto AlentejoUma Forma de Organização Social Extinta"(1991); "O 1º Pré-censo de Moçambique-A Relação Geral de População de 1798 das Ilhas de Querimba ou de Cabo Delgado"(1991); "Uma Experiência de Desenvolvimento Comunitário na Ilha do Ibo/Moçambique entre 1969 e

9


1972"(1992); "Os Prazos da Coroa nas Ilhas de Querimba e a sua Importância na Consolidação do Domínio Colonial Português(1997)"; "Ambiente, Cultura e Navegação nas Ilhas de Querimba: Embarcações, Marinheiros e Artes de Navegar"(1998); "A Administração Colonial Portuguesa em Moçambique-Um Comando Militar em Mogincual, entre 1886 e 1921"(1999); "Situação Colonial nas Ilhas de Querimba ou de Cabo Delgado- Senhorios, Mercadores e Escravos"(Resumo da Tese de doutoramento)(2000); "Contactos de Cultura Pós- Gâmica na Costa Oriental de África. O Estudo de um Caso Concreto”(2000);"Quem Defende os Interesses dos Pequenos Agricultores do Alto Ribatejo?(2001); “A Ilha do Ibo: Gentes e Culturas-Ritos de Passagem”(2001);"Mouriscas: Terra Pobre, Gente Nobre.(2002); “A Antropologia da Alimentação em Portugal.Um estudo concreto”(2003); “A Cozinha Tradicional na Área do Pinhal e o Desenvolvimento Regional -O Maranho como Prato Emblemático num Processo de Mudança”(2003); “A possessão em Moçambique-O Curandeiro N´kanga entre os Wamwuani do Ibo(1969-74)”(2003); “As Ilhas de Querimba em Imagens”(2004); “A Antoponímia de Mouriscas, entre 1860 e 1910”(2005).

© Carlos Lopes Bento / ForEver PEMBA 2012 – Dezembro de 2012

10

PARA A HISTÓRIA DA MÚSICA EM CABO DELGADO E EM MOÇAMBIQUE  

BANDAS FILARMÓNICAS EXISTENTES, NA VILA DO IBO, NO 1º. QUARTEL DO SÉCULO XX - Por Carlos Lopes Bento

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you