Page 1

Quinta da Confusão – O nascimento de um império A quinta, naquele momento, estava numa grande azáfama. Vários trabalhadores circulavam de um lado para o outro, carregando tábuas de madeira, sacos de cimento e outros materiais entre os camiões carregados e as construções da quinta: o celeiro, as cavalariças, a pocilga, a vacaria e a casota. A casa para António Gomes e a família era a única a estar pronta. Tinha sido concluída ainda no dia anterior, e ainda cheirara ligeiramente a tinta fresca no seu interior. Um dos homens da quinta, ao ver o carro de António Gomes chegar, aproximou-se, e este reconheceu-o de imediato. Era o engenheiro que tinha projectado todas as construções da Quinta da Confusão, incluindo a casa para ele e a família. António saiu do carro e cumprimentou-o. -Olá, António. Vieste mesmo para ficar, certo? – disse o engenheiro -Exacto – respondeu António Gomes – E trouxe a minha família comigo. A Quinta da Confusão é a nossa nova residência. -Pai, quem é este senhor? – perguntou um dos filhos de António, que entretanto tinha saído do carro -Este, filho, é o engenheiro que projectou todas as construções da Quinta da Confusão. Sem ele, não teríamos aqui nada para além de um terreno descampado – virou-se para o engenheiro – Este é o Afonso, o mais velho, com 12 anos. Dentro do carro está o Aníbal, com 10 anos. -Muito bem, estou a ver – respondeu ele – Bom, a Quinta da Confusão está quase acabada. Os operários deverão acabar as obras antes do pôr-do-sol. A seguir, ficarão com a quinta só para vocês. -Isso é óptimo, pois iremos viver cá a partir de hoje – disse António Gomes – Não nos queres mostrar a quinta, a mim, à minha mulher e aos meus filhos? -Claro. Venham, que eu mostro-vos a Quinta da Confusão. António Gomes e a família seguiram, então, o engenheiro, que os levou até à sua casa nova. Tinha dois andares. No rés-do-chão, ficava a sala, a cozinha e uma despensa, para além de uma casa de banho e uma arrecadação para se guardarem instrumentos agrícolas, lenha e outras coisas. No 1º andar ficavam os quartos: um para António e a mulher, outro para Afonso e Aníbal e ainda um terceiro quarto. António queria fazer dele um escritório, mas a mulher argumentava que ele podia perfeitamente tratar dos seus assuntos na sala, enquanto que o quarto extra seria o quarto dos hóspedes. Também havia uma outra casa de banho, para não ter que se descer as escadas a meio da noite para se ir à casa de banho.

6


Quinta da Confusão – O nascimento de um império A casa, por segurança, ficava a 100 metros da ribeira, para no caso de esta transbordar, não a atingir. Ainda assim, era da nascente da ribeira que vinha a água potável da casa. Depois, o engenheiro mostrou à família Gomes as cavalariças. Os operários estavam a montar o tecto, a única parte inacabada do espaço. Tinham espaço para 50 cavalos, pois como a Quinta da Confusão era grande (1.000 metros de comprimento por 500 de largura, estando numa posição este – oeste), teria muitos animais. -Muito interessante. Nem te esqueceste da palha nem nada – observou António Gomes -Temos que dar algum conforto aos animais. Ainda pensei em pôr aquecimento central dentro das suas habitações, mas como eles não o conseguiriam ligar e desligar, acabaria por ser inútil. Mais vale deixá-los só com a palha – disse o engenheiro -E as outras construções? Como são? – perguntou Aníbal -Não são muito diferentes destas cavalariças – respondeu ele – Em conjunto, conseguem comportar 50 vacas, 50 porcos e 50 cães. A contar com os 50 cavalos deste espaço, dá um total de 200 animais. E por falar em animais, os camiões devem estar a chegar.

Ilustração 1 - Mapa da Quinta da Confusão entre 1954 e 2009. Vermelho – Celeiro; Laranja – Casa da família Gomes; Castanho – Ponte de madeira que cruza a ribeira; Roxo – Cavalariças; Rosa – Vacaria; Verde-escuro - Casota

-Quais camiões? – perguntou Afonso -Os que irão trazer os animais comprados pelo teu pai, para povoar a Quinta da Confusão. Vamos ao portão, para ajudarmos a desembarcar os animais.

7


Quinta da Confusão – O nascimento de um império -Fico bastante feliz por ver tudo isto pronto – disse António Gomes – Até chegar a este ponto, foi uma enorme complicação. De facto, António Gomes vivera momentos complicados para conseguir construir a Quinta da Confusão. Fora em Setembro de 1953, no ano anterior, que decidira mudar-se para o campo. Encontrar e comprar um terreno fora fácil, comprara o local onde agora estava a quinta no próprio mês. O pior fora encontrar quem lhe comprasse a loja e quem lhe construísse a quinta. O engenheiro seu amigo prontificara-se logo a fazer o projecto, mas as empresas de construção civil recusavam-se a construir a Quinta da Confusão segundo esse projecto, alegando que as obras iriam durar para lá do Outono e, em Trás-os-Montes, o Inverno era bastante rigoroso, o que dificultaria bastante as deslocações e o trabalho. Nem mesmo pagando bem António Gomes conseguiu encontrar uma empresa que aceitasse fazer a quinta. Só em Novembro é que as coisas se resolveram. A empresa onde trabalhava o seu amigo engenheiro, como estava bastante ocupada anteriormente, não podia atender o pedido de António, mas em Novembro de 1953disse-lhe que aceitava construir a Quinta da Confusão sem lhe cobrar mais do que o previsto por se ir trabalhar durante o Inverno. As obras da quinta iniciaram-se nesse mês. Faltava agora vender a sua loja. Quando soube que a Quinta da Confusão começara a ser construída e que ficaria pronta em Fevereiro de 1954, António Gomes tentou vender a sua loja no Porto, convencido de que a sua boa fama lhe traria rapidamente vários compradores. O problema era que a loja, mesmo sendo conhecidíssima no bairro onde ficava, fora dele era totalmente desconhecida. Mesmo fazendo vários anúncios em jornais regionais e nacionais, em 2 meses apenas surgiu um comprador, um empresário de Coimbra, que recusou a proposta. Já desesperado, pois precisava do dinheiro da venda da loja para pagar as obras da Quinta da Confusão, em Janeiro de 1954 António tentou vender a loja a familiares. Dessa vez, teve sucesso. O irmão aceitou a sua proposta e comprou-lhe a loja. Devido às dificuldades que sofreu para poder fundar a quinta, António Gomes decidiu dar-lhe o nome de Quinta da Confusão. Ao passarem pela ponte de madeira que cruzava a ribeira, de 5 metros de largura, o engenheiro viu que os camiões já tinham chegado à quinta. Com a ajuda dos operários, os motoristas estavam a desembarcar os animais. -Venham, filhos. Estão ali mais de 50 animais, temos de os ajudar a desembarcá-los – disse António Gomes

8


Quinta da Confusão – O nascimento de um império Com a ajuda da família Gomes, todos os 60 animais foram retirados dos camiões, que se foram embora depois disso. -Pronto. Agora, a Quinta da Confusão está devidamente povoada – disse o engenheiro – Resta esperar que os operários a acabem para ficarem com a quinta só para vocês. Precisamente nesse momento, o chefe da equipa dos operários dirigiu-se ao engenheiro: -Sr. Engenheiro, acabámos a Quinta da Confusão. Conforme está escrito no contrato, queremos receber o pagamento do trabalho. -O pagamento? Certo – disse António Gomes, retirando do casaco um cheque – Muito bem… Aqui está. Todo o dinheiro que tenho de pagar da minha parte. -Sim, de facto está o valor todo – respondeu o chefe da equipa – Bom, vou andando, eu e a minha equipa. Pouco depois, todos os operários tinham abandonado a Quinta da Confusão, juntamente com os seus materiais e equipamentos. -Bom, parece-me que o trabalho está terminado – disse o engenheiro – Despeço-me e até à próxima. -Adeus – respondeu António Gomes – Vemo-nos quando precisar de uma nova construção. -Pai, está a ficar frio cá fora. Vamos para dentro – pediu Afonso -Também acho, filho. Ainda bem que mandámos vir a nossa mobília aos poucos do Porto. Agora, temos uma casa totalmente mobilada. Antes de entrarem em casa, observaram a sua nova quinta. A casa deles, o celeiro, as cavalariças, a vacaria, a pocilga e a casota, tudo dava a sensação de ser novo e moderno. As paredes, acabadas de pintar, reforçavam ainda mais essa sensação. A cerca da quinta e o portão, ambos com 2 metros de altura, delimitavam a quinta, a relva nova demonstrava que aquele espaço estava a ter uso, e a ponte sobre a ribeira, em madeira clara, tinha um aspecto resistente. Era assim a Quinta de Confusão de 1954.

Cinquenta e cinco anos após estes acontecimentos, em 2009, a Quinta da Confusão estava bastante mudada. António Gomes, agora com 90 anos, voltara para o Porto com a mulher, deixando a quinta aos filhos, Afonso e Aníbal Gomes, respectivamente com 67 e 65 anos. Eles

9


Quinta da Confusão – O nascimento de um império

eram agora dois idosos gordos e preguiçosos, e passavam os dias em casa a ver televisão. Pouco faziam pela Quinta da Confusão, como dar comida aos animais e regar a relva. Uma coisa que faziam frequentemente era capturarem animais da quinta para os irem vender ao Porto, que vendiam a alto preço por serem grandes e saudáveis. Quando regressavam, vinham sempre com novos animais para reporem a população da quinta, que agora tinha 115 animais. O estado da Quinta da Confusão em nada se comparava ao de há 55 anos atrás. A cerca, velha e enferrujada, não era cuidada há anos, e o portão de ferro, igualmente enferrujado, não era fechado há tanto tempo que tinham crescido ervas ao pé dele. A ponte de madeira que cruzava a ribeira tinha desaparecido há vários anos, apodrecida pelos numerosos nevões e chuvadas que enfrentara ao longo da sua existência. O mesmo acontecia às casas dos animais. As paredes de madeira tinham perdido numerosas tábuas deixando entrar correntes de ar, e parte do telhado desabara, pelo nenhum animal se atrevia a dormir ali, dormindo todos ao relento. O celeiro estava em melhor estado, mas ainda assim era preciso cuidado ao se andar no 1º andar, pois o piso estava velho e enfraquecido. A casa dos donos estava ainda num estado razoável. É nesta situação que os 115 animais da Quinta da Confusão, alguns descendentes dos que foram habitar a quinta em 1954, se vão racionalizar e construir a sua civilização, dentro da quinta. Nesta quinta, velha e abandonada, surgirá o Império da Quinta da Confusão.

10

2-Quinta  

Quinta da Confusão – O nascimento de um império 6 Ilustração 1 - Mapa da Quinta da Confusão entre 1954 e 2009. Vermelho – Celeiro; Laranja –...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you