Page 1

Que Rei e ele ?

Ao se abordar criticamente alguma obra literária brasileira do século XX, é quase regra verificar de que maneira ela se coloca diante do intenso apelo à novidade que tanto marcou o período. Nesses termos, o estudioso verifica se a obra confirma ou infirma prescrições da vanguarda; se ela age de modo contemporâneo ou passadista; e, mais fundamente, se ela extrapola tais noções, revelando modernidade na aparência conservadora e denotando convencionalismo no rótulo pintado de avanço. A partir dessas considerações, pode­‑se entender a obra poé­ tica de Cecília Meireles como uma das mais peculiares da literatura brasileira, e por um intrincado movimento entre o particular e o coletivo. O desenvolvimento da poesia ceciliana é simultâneo ao do próprio Modernismo, e este teve naquela alguns picos de realização, como no caso da revisão de teor historicista empreendida pelo livro magnânimo que é o Romanceiro da Inconfidência (1953). Por essas duas razões, é possível notar, sucintamente, as proximidades de época e de concepção entre a autora e a tendência triunfante que lhe foi coetânea. No entanto, são nítidas − porque estruturais − as diferenças existentes entre uma e outra, tendo Cecília realizado um feito extraordinário e pertencendo a seu tempo sem ser por ele formatada, relacionando­‑se com uma ideologia exitosa sem se submeter a estreitezas programáticas. Se não cometo uma generalização imprudente, na fortuna crítica de Cecília Meireles é uníssono o destaque da complexidade estética de sua poesia, isenta de previsíveis conclusões acerca do velho e do novo, dotada de uma captação do tempo mais espiritual do que calendárica. Disto, Baladas para El­‑Rei (1925), a terceira

9


coletânea de poemas que a poeta publicou, é um substantivo exemplo, e já a partir de seu título. De acepção plural, “balada” é, em síntese, uma estrutura poemática afim da canção, especialmente pela presença do estribilho, cujas origens remontam à Idade Média. “El­‑Rei” é registro arcaico que designa o regente supremo de um regime monárquico. Num só lance, reúnem­‑se duas referências que não parecem pertinentes àqueles anos de 1920, e se isso for enquadrado numa dicotomia envolvendo novidade e velhice, será imediata a conclusão de que Cecília Meireles escreveu um livro passadista. A rigor, essas referências indiciam uma forma de escrita que se consolidará por todo o trabalho da poeta, mesmo na fase que estudiosos e a própria autora estabeleceram como efetivamente madura, isto é, a iniciada em 1939, com a publicação de Viagem.1 Ora, se se considerar que tal fase tem grande relevância para o fortalecimento do Modernismo, e se também for considerado que, apesar da instituição das fases, a escrita de Cecília Meireles exibe uma coesão estilística que pode atravessar divisões, concluir­‑se­‑á que não há passadismo no livro em questão. Nele há, como há nas outras coletâneas anteriores e posteriores a Viagem, uma poética elaborada pela permanente atualização de elementos típicos de estilos literários vigentes antes do Modernismo, porque o tempo de Cecília Meireles é o seu e são outros, e sua mão é, em qualquer de seus livros, a mão de uma poetisa, como demonstra, entre outras baladas, “Do crisântemo branco”: Este crisântemo em que poiso a alma, cismando, no pessimismo impressional dos sonhos meus, este crisântemo em que poiso a alma, cismando,

1 Cf. MEIRELES, Cecília. Antologia poética. 3. ed. São Paulo: Global, 2013. O vo‑ lume, publicado originariamente em 1963, foi organizado pela autora, que nele não incluiu qualquer texto anterior ao livro de 1939.

10


é, numa noite de amargura, não sei quando, a tua mão, cheia de luar, dizendo adeus...2 Dito isso, a partir de agora sublinharei um componente basilar de Baladas para El­‑Rei − o dizer com tendência à vaguidade −, já lembrando que ele é um dos fundamentos da poesia simbolista e que, em Cecília, não se restringe a uma fase, o que se verifica pelo nome de um de seus mais importantes livros, Vaga música, de 1942. Se, de acordo com o título, o destinatário das baladas não é um rei qualquer, e sim o Rei, definido e maiúsculo, convém perguntar quem é essa figura referida em 4 dos 21 textos do volume. A primeira menção é feita logo no texto de abertura, quando a voz lírica, emitida de dentro de uma atmosfera solitária e infeliz, cita o personagem sem registrar­‑lhe o nome ou dele fornecer qualquer informação específica (época, lugar, grau de proximidade etc.): “E sob olhares em pranto/ de estrelas alucinadas,/ vais, − coroa, cetro e manto,/ ó Rei das minhas baladas!”3 Pouco à frente, ainda no mesmo texto, nota­‑se distância entre emissor e o majestoso interlocutor: “E eu sonho o meu sonho oculto/ de ave triste, − que não voa,/ detida a ver o teu vulto/ de cetro, manto e coroa...”4 Se as aparências de falência amorosa não enganarem, é possível entender “Rei” como metáfora de “ser amado”, o senhor absoluto dos sentimentos de quem entoa as baladas. É possível, mas não é óbvio, pois o texto não fornece dados claros, e a exegese deve cuidar para que a especulação não descambe para a extrapolação. A próxima referência à figura real é diferente, mas, por um discreto procedimento textual, manterá o enigma, adensando­‑o.

2 Idem. Do crisântemo branco. In: ______. Baladas para El­‑Rei. São Pau‑ lo: Global, 2017. p. 60. 3 Idem. [Na grande noite tristonha]. Ibidem. p. 17. 4 Ibidem. p. 18.

11


Em “Sem fim”, sexto poema do livro, o discurso lírico ganha ares de narrativa, visto que as dez estrofes se iniciam com “Era uma vez”, sendo a primeira “Era uma vez uma donzela,/ nos bons tempos do rei Guntar...”.5 Embora nomeado, o rei é fictício, e, além disso, a voz lírica usa a terceira pessoa, falando dele, e não com ou diretamente para ele, conforme se deu no exemplo anterior. Nova menção ocorre no poema precisamente intitulado “Para El­ ‑Rei”, no qual a fala sentimentalista tem fortes contornos: “Oh! nem de leve me recordes esperanças...”,6 pede­‑se no primeiro verso. Diferentemente do ocorrido no texto de abertura, aqui não se emprega, no corpo do texto, o vocábulo “rei”, tampouco alguém figura portando aparatos monárquicos, conforme também se deu no poema de abertura do livro. Mas a fala volta a se dirigir à segunda pessoa, reativando a proximidade inexistente em “Sem fim”, e a hipótese de o rei ser o amado da persona lírica recebe novo matiz, instaurado por um detalhe que denota sacralidade: “Não queiras, pois, que eu sofra mais... Deixa­‑me, apenas,/ lembrando a calma dos teus grandes olhos bentos,/ onde anda a luz das longas vésperas serenas,”.7 O adjetivo em destaque permite pensar num amor existencial concebido como sagrado, ou no amor devocional dedicado a ícones da religião. A segunda possibilidade se reforçará caso tomada em conjunto com a próxima referência ao rei, feita em “Oferenda”, texto derradeiro do volume: Fiquem teus olhos, toda a vida, fiquem teus olhos, ó meu Rei, com a sua luz em mim perdida...

5 Ibidem. Sem fim. p. 29. 6 Ibidem. Para El­‑Rei. p. 43. 7 Ibidem. p. 43. Grifo do autor.

12


Sobre a minha alma, toda a vida, teus olhos tristes, d’Agnus Dei!...8 A hipótese metafísica aqui recebe traços expressivos, mas insisto em chamar atenção para o fato de o Rei não ser identificado pelo texto de modo objetivo. Na liturgia católica, o Cordeiro de Deus (Agnus Dei   ) é Jesus, o Cristo, rei de um reino de outro mundo, mas o texto não invoca seu nome em vão: no lugar disso, emprega uma simbologia, e na Língua de Roma... Reunidos sinteticamente, esses indícios tornam provável o fato de o Rei do livro ser um conjunto de reis. A impossibilidade de identificá­‑los fielmente dá relevo a uma linha de força da escrita de Cecília Meireles, a linguagem reticente, também linha de força do Simbolismo, tão familiar à poeta, e, mais ainda, linha elementar da própria poesia, que não se guia pelos princípios da coesão, da coerência e da clareza. E por ser aqui a reticência um princípio de construção literária (e não simples coincidência ou um jogo de esconder), importa salientar que as reticências (sinal de pontuação) são empregadas 304 vezes ao longo dos 21 poemas do livro. Portanto, não é seguro apontar, com pretensa certeza, quem é o Rei receptor das baladas, mas é possível ouvi­‑las badalando no livro que é um reino do dizer obnubilado e do subentendido. Marcos Pasche

8 Ibidem. Oferenda. p. 66.

13


Baladas p a r a E l ­‑ R e i


Na grande noite tristonha, meu pensamento parado tem quietudes de cegonha numa beira de telhado. – Na grande noite tristonha... Lembram planícies desertas de uma paisagem do Norte, as perspectivas abertas no mundo da minha sorte... – Lembram planícies desertas... Ao longe, distâncias ermas... Em tudo quanto se abarca, há ligeirezas enfermas de luas da Dinamarca... – Ao longe, distâncias ermas... E sob olhares em pranto de estrelas alucinadas, vais, – coroa, cetro e manto, ó Rei das minhas baladas! – E sob olhares em pranto... .................................................................. Na grande noite tristonha, meu pensamento parado tem quietudes de cegonha numa beira de telhado. – Na grande noite tristonha...

17


E eu sonho o meu sonho oculto de ave triste, – que não voa, detida a ver o teu vulto de cetro, manto e coroa... – E eu sonho o meu sonho oculto...

18

Baladas para El-Rei  

Primeiro Capítulo

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you