Page 1


sistemas de espaços livres

parque paulistano

Giulia Corsi Moreno da Silva TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO | ARQUITETURA E URBANISMO | UNICAMP 2014 profª ORIENTADORA gisela Cunha Viana Leonelli CAMPINAS, 2014


AGRADECIMENTOS

Aos meus pais, que sempre me motivaram, fazendo desse sonho realidade, pela preocupação constante e pelo apoio e amor incondicionais. Às minhas irmãs pela eterna amizade e pela compreensão na ausência e constante motivação na presença. Aos meus amigos Fabiana, Fernando, Giovanni, Giusepe, Marina, Roberto e Tifani que me acompanharam direta ou indiretamente ao longo desse 7 anos, me ajudando a evoluir como pessoa. E acima de tudo à convivência tão intensa e prazerosa que levarei para o resto na minha vida. À Tifani e à Beatriz pela amizade e companheirismo que me ajudaram a construir esse trabalho ao longo do ano. Ao André pela amizade, paciência, compreensão, suporte emocional e motivação contantes. Além da companhia nas inúmeras visitas de campo. À professora Gisela pela orientação, apoio, confiança e amizade. Nesses 17 meses de contato que tivemos depois da sua chegada nessa faculdade tive surpresas muito positivas e conhecimentos adquiridos essenciais. (Seja bem vinda!) Aos demais docentes e funcionários dessa faculdade por permitirem que tudo isso se realizasse. Ao Silvio Soares de Macedo pelos livros presenteados logo no início da minha pesquisa, os quais me serviram de grande motivação. Ao Noé, da equipe do IBEG na subprefeitura de São Miguel Paulista que com paciência forneceu os dados técnicos que eu precisava. A todos que de uma forma ou de outra participaram da elaboração desse trabalho. E por fim aos amigos de classe e de faculdade, todos essenciais nessa jornada que tem uma de suas etapas finalizada aqui.


Este trabalho final de graduação explora aspectos que conformam e caracterizam algumas dinâmicas do espaço urbano, assim como a relação do homem com o ambiente construído e não construído, mais especificamente no bairro Parque Paulistano, na periferia de São Paulo. De modo geral o bairro se caracteriza por sua infraestrutura de espaços públicos e de mobilidade bastante carente e fragmentada, acompanhada de um projeto urbano arquitetônico de baixa qualidade, de uma alta taxa de ocupação do solo e de uma paisagem monótona. O objetivo do trabalho é qualificar os espaços livres públicos existentes por meio de um sistema de intervenções pontuais, justificado pela necessidade de um processo de reestruturação urbana. O intuito é que esses espaços sejam estruturadores da paisagem urbana, a fim de estabelecer uma nova relação entre si, a população e o suporte físico existente.


Índice INTRODUÇÃO������������������������������������������������������������������������������������������ 7 CONSIDERAÇÕES INICIAIS���������������������������������������������������������� 11 JUSTIFICATIVA�������������������������������������������������������������������������������14 PROPOSTA/OBJETIVO������������������������������������������������������������������15 FUNDAMENTOS TEÓRICOS������������������������������������������������������������������17 SISTEMAS DE ÁREAS LIVRES�����������������������������������������������������18 SISTEMAS DE ÁREAS LIVRES EM SãO PAULO�������������������������19 LEVANTAMENTO HISTÓRICO����������������������������������������������������������������23 FORMAÇÃO URBANA DA CIDADE DE SÃO PAULO��������������������24 ZONA LESTE����������������������������������������������������������������������������������27 HISTÓRICO������������������������������������������������������������������������������������30 A VÁRZEA OCUPADA���������������������������������������������������������������������38 O LOCAL��������������������������������������������������������������������������������������������������49 JARDIM HELENA/PARQUE PAULISTANO������������������������������������50 CARACTERIZAÇÃO��������������������������������������������������������������������������������������62

LEGISLAÇÃO����������������������������������������������������������������������������������94 TERRENO FÉRTIL������������������������������������������������������������������������ 100 REFERÊNCIAS�������������������������������������������������������������������������������������� 101 ESTRATÉGIAS��������������������������������������������������������������������������������������� 114 ENTREVISTAS E ATIVIDADES���������������������������������������������������� 116 PROJETO����������������������������������������������������������������������������������������������� 132 PROGRAMA���������������������������������������������������������������������������������� 140 LEITURA DO TERRITÓRIO E PROPOSTAS������������������������������� 146 MASTER PLAN�������������������������������������������������������������������������������������������� 153 VIAS ESTRUTURADORAS������������������������������������������������������������������������� 157 MINI PRAÇAS���������������������������������������������������������������������������������������������� 170 PARQUE������������������������������������������������������������������������������������������������������ 182 VIAS������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 197

BIBLIOGRAFIA��������������������������������������������������������������������������������������� 211 FIGURAS, IMAGENS E ILUSTRAÇÕES����������������������������������������������� 217


01

INTRODUÇÃO


08


Referências conceituais Um Espaço Livre é todo espaço, ao redor de edificações, não ocupado por um volume edificado (espaço-solo, espaço-água, espaço-luz) e aos quais as pessoas têm acesso (MAGNOLI, 2006). Para Morin (2008, p. 157), o conceito de sistema exprime unidade, multiplicidade, totalidade, diversidade, organização e complexidade. Constitui-se como um objeto complexo que deve obrigatoriamente ser aberto, pois se relaciona com outros sistemas, mas também fechado, já que caso contrário não seria definido como tal. Um sistema possui elementos que se relacionam de forma a constituir uma organização e uma estrutura estável que caracterizam o todo sistêmico. Por sua vez, a organização possui relações que definem e transformam o sistema, alterando sua estrutura, possibilitando sua permanência ou dissolução. Ou seja, um sistema é um processo que está sempre em movimento. Ainda segundo Morin, dentro de um sistema existem subsistemas ou suprassistemas que abrangem o todo estudado (apud QUEIROGA et al., 2011). Conforme definido por Queiroga et al. (2011), entende-se como sistema de espaços livres urbanos “os elementos que organizam e estruturam o conjunto de todos os espaços livres de um determinado recorte urbano – da escala intraurbana à regional”. sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

09


Figura 01. desigualdades s贸cio territ贸riai fonte: UN-HABITAT

Gr谩fico 01.taxa de crescimento populacional no Brasil

63.8 36.2

67.6 54.9

55.9

45.1

44.1 32.4

% 1950

1960

1970

1980

75.6

24.4 1990 urbano

81.3

84.4

18.8

15.6

2000 2010 rural

fonte: un-habitat, 2010

010


CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atualmente, a maior parte da população brasileira se concentra em áreas urbanas. Tal perfil de ocupação do território nacional se consolidou principalmente entre 1940 e 2010, quando a taxa de urbanização passou de 40% para mais de 85% (cerca de 165 milhões de pessoas; ver gráfico 01). Porém essa taxa de crescimento urbano, a qual reflete um novo perfil mundial baseado na preferência por aglomerações urbanas, ocorreu segundo padrões de urbanização que alimentam cidades desiguais e sem qualidade de vida. Como o estoque histórico de moradias não foi suficiente para suprir a demanda necessária, ocorreu uma forte periferização das cidades. São cidades insustentáveis, marcadas por desigualdades socioterritoriais, especulação imobiliária, apropriação privada da terra e priorização do automóvel. Além disso, há questões relacionadas a poluição dos cursos d’água, destinação inadequada de esgoto e lixo, lixões mal regulados, contaminação do solo, dos recursos hídricos e do ar, e invasões de áreas de proteção permanente e encostas, o que por sua vez gera desastres naturais e carência de espações públicos e verdes (BONDUKI, 2012).

cesso de reestruturação urbana cujos perfis paisagístico, ambiental e social devem ser revisados. Neste contexto, parto do pressuposto de que qualidade de vida é um direito de qualquer cidadão e de que é necessário considerar os espaços livres de forma prioritária e integrada diante do quadro atual da urbanização brasileira e dos desafios que se apresentam para a constituição de um ambiente urbano mais adequado às práticas sociais, à esfera pública e à conservação ambiental. Evidentemente não se trata de uma intenção de priorizar os investimentos em sistemas de espaços livres em detrimento de setores como educação, habitação e saúde, mas sim de levantar questões como:

É nesse contexto que nasce esta proposta de trabalho final de graduação: baseada em análises, inquietações e especulações pessoais, a partir das dinâmicas dos espaços urbanos e da relação do ser humano com o ambiente construído e não construído. O tema tratará dos espaços livres públicos urbanos em um recorte da Zona Leste de São Paulo, mais especificamente no bairro Parque Paulistano (ilustração 01), justificado por um necessário prosistema de espaços livres_Jardim Paulistano

011


(...) qualificação dos sistemas de espaços livres é, portanto, contribuir para a educação, saúde, transportes, habitação (vida cotidiana), saneamento e meio ambiente, é construir uma cidade melhor, é pensar no homem enquanto cidadão e não apenas como consumidor (QUEIROGA et al., 2011).

012


Ilustração 01. localização do bairro em questão (Parque Paulistano)

Guarulhos Parque Paulistano

Osasco

São Bernardo do Campos

fonte: CORSI, 2014

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

013


JUSTIFICATIVA Diferentes autores concordam, em linhas gerais, quanto ao fortalecimento da incorporação do discurso ambiental nos planos diretores municipais brasileiros a partir da década de 1990, o que acarretou no aumento da importância dada aos espaços livres urbanos. São marcos de destaque acerca desta questão a promulgação da Constituição Federal de 1988 e a formulação da agenda 21 (Eco 92). Segundo a Constituição de 1988, art. 255, Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-los e preservá-los para presentes e futuras gerações. Entretanto, apesar de questões ambientais, sociais e culturais serem abordadas de modo mais consistente e até refletidas em ações concretas, os projetos de maior importância são implantados em sua maioria em áreas de elevado poder aquisitivo. Também cabe ressaltar aqui que tais projetos obedecem cada vez mais a uma lógica mundial urbana, com a função de criar um status de cidade mundial. A cidade de São Paulo, dentro deste contexto, possui uma desequilibrada distribuição de seus espaços livres e públicos, com a diminuição de sua qualidade e quantidade à medida que nos dirigimos a bairros mais periféricos. Praças urbanizadas dão lugar a ocupações públicas improvisadas (campos de futebol, pistas de corrida, mesas e bancos para conversa), ruas onde se percebe certa preocupação com o projeto e manutenção dos espaços para circulação e acesso, porém com precária arborização, sem falar da grande

014


PROPOSTA/OBJETIVO ocupação de margens de rios e córregos que se espalha por toda a cidade (AKAMINE et al., 2011). O sistema de espaços livres é básico na existência da cidade por que:  é fundamental ao desempenho da vida cotidiana;  é fundamental na constituição da paisagem urbana, elemento da forma urbana, da imagem da cidade, sua história e memória;  participa da constituição da esfera pública (geral e política) e da esfera da vida privada (QUEIROGA et al., 2011). Em relação à conexão entre espaços livres e esfera pública contemporânea, vale lembrar a proposição de Queiroga et al. (2009) de que espaços livres públicos são por excelência espaços da esfera pública geral, o que nos permite concluir que para se ampliar a esfera pública política é importante qualificar os espaços da esfera pública geral. Nesses termos é importante aprofundar o debate sobre a forma da cidade do século XXI. Urge discutir o conceito e a especificidade da paisagem urbana, observando a tensão entre assentamento urbano e meio ambiente em todas as suas dimensões A área escolhida, o bairro Parque Paulistano, apresenta um série de características que ilustram as problemáticas dessa grande cidade, as quais serão posteriormente ilustradas. Portanto, a proposta deste TFG vem de encontro a esta tendência, levantando um debate sobre as possíveis soluções que poderiam ser adotadas em um contexto tão complexo como esse.

A proposta deste TFG visa criar um sistema de espaços públicos livres urbanos no bairro Parque Paulistano, Zona Leste de São Paulo, que busquem desempenhar funções como: 1. melhorar o desempenho da vida cotidiana; 2. constituir uma esfera pública e de convívio; 3. dar suporte à infraestrutura de equipamentos existentes; 4. incentivar práticas de lazer e esporte. Dessa forma, busca-se estabelecer uma nova relação entre o suporte físico existente e a paisagem urbana local. Cabe aqui ressaltar as considerações que Leite (2006, p. 70) faz sobre a paisagem e que exprimem os conceitos que guiam este trabalho. A paisagem, objeto de estudo do Paisagismo, é uma integridade momentânea e visualmente sensível que nos informa sobre a articulação entre aspectos tangíveis, ou não, da realidade social. (...) Sensível como visualidade, a paisagem é uma apreensão surpreendente do real que, ao ganhar visibilidade, e só então, indica-nos intervenções e formas de organização que melhor possam contribuir para concretizar as alterações desejadas pela sociedade. As transformações na paisagem são inerentes à atividade social e o conjunto dessas transformações é obra dessa coletividade e não de algumas poucas pessoas especiais. Assim o objetivo propositivo final deste trabalho é qualificar um conjunto de espaços públicos livres por meio de um sistema de intervenções pontuais. Tal proposta pretende resgatar áreas residuais de ocupação (lotes vagos, beiras de trem e córregos),

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

015


vias de circulação e outros espaços que ao longo deste estudo se mostrem potenciais ou por estarem livres e abandonados, ou por estarem sendo utilizados de maneira inadequada ao entorno. O sistema de equipamentos visa atender diversas escalas de usos: 01. escala local: através de equipamentos de uso cotidiano distribuídos de maneira dispersa por todo o sistema; pretendem atender demandas de uso local, tendo pouca concentração de usuários (ex.: playgrounds, equipamentos de ginástica, jogos, bancos). 02. escala do bairro: através de espaços maiores que contemplam um conjunto de equipamentos de uso cotidiano (ex.: quadras esportivas, pistas de skate, feiras, lugares de contemplação, praças com funções diversas). 03. escala da cidade: através de equipamentos de uso específico e que concentram um grande número de usuários, podendo se tornar referências regionais (ex.: centros culturais, esportivos, parques, etc).

016


02

FUNDAMENTOS TEร“RICOS sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano

017


Referências conceituais Com base nas reflexões de Luiz Augusto dos Reis-Alves, o conceito de Lugar é entendido em concordância com o arquiteto Norbeerg-Schulz, ou seja, o lugar é a concreta manifestação do habitat humano. E para sua diferenciação em relação ao espaço, recorremos à etimologia dos cognatos. Assim, espaço, do latim spatium, é a “distância entre dois pontos, ou área ou volume entre limites determinados” e o Lugar, do latim localis, de locus, é o “espaço ocupado”.

SISTEMAS DE ÁREAS LIVRES Um sistema de espaços livres urbanos é constituído por ruas, quintais, pátios, calçadas, terrenos, parques, praças, rios, represas e áreas cultivadas, além de outros diversos lugares por onde as pessoas passam ao longo de seu dia-a-dia, em diversas escalas de entendimento e intervenção. O espaço livre entre edificações pode ser verde por conter vegetação, pode ser árido e cinza se for o estacionamento externo a um shopping ou uma praça seca, pode ser alagado e, portanto, verde ou azul, pode ser marrom ser for em um rio, e assim por diante. Todos estão relacionados a processos urbanos e econômicos que incidem sobre a cidade e a intensa convivência social que se constitui por meio de relações complementares entre o público e o privado (LEITE et al., 2011). Um sistema de áreas livres urbanas está inserido em um complexo de inter-relações com os sistemas de drenagem, transportes, entre outros, que podem conversar entre si ou simplesmente se justaporem, criando uma teia de relações de conectividade e complementariedade com a preservação, a conservação e a requalificação ambientais, a circulação e a drenagem urbanas, as atividades de

lazer, o imaginário, a memória e o convívio social público (LEITE et al., 2011). Uma linha recente de projetos procura dar legibilidade ao território por meio da articulação dos espaços livres. Emerald Necklace, Mélun-Sénart e Emscher Park são exemplos de tal corrente e serão posteriormente tratados neste trabalho. Sua estratégia se baseia em conformar um sistema estruturador em grande escala de maneira que ele possa agregar novos valores aos espaços livres tornando-os espaços livres com grande potencial para estruturar a metrópole, dando-lhes continuidade e articulando-os a um sistema de suporte que outorgue coerência e qualidade ao tecido construído. Nesse contexto, Vescina (2010) comenta a ideia de que “(...) nos novos territórios, projeto urbano e projeto de paisagem se confundem integrando arquitetura e projeto do solo (do vazio) num verdadeiro projeto urbano: o projeto do sistema de relações constitutivas da nova ordem territorial, as novas ‘geometrias da paisagem’ (...)”. Bhocci (2005) defende a importância de que (...) el sustrato de referencia para la nueva “forma urbana” no sea más la constitución formal de los tejidos urbanos (morfología urbana) sino mucho más la constitución formal de un sistema territorial más vasto que llamamos con alguna aproximación “paisaje”, un sistema territorial en el cual el dominio de los grandes espacios vacíos (no construidos) es igualmente y más importante del dominio de la ciudad construida (BHOCCI, 2005).

018


SISTEMAS DE ÁREAS LIVRES EM SãO PAULO O município de São Paulo teve seu sistema de áreas livres informalmente estabelecido. Inexistiram planos efetivos em sua consolidação que articulassem a expansão do sistema viário nas áreas passíveis de urbanização e se definisse a hierarquização e a distribuição das áreas livres públicas nas suas diversas escalas de abrangência: cidade, região e bairro (AKAMINE et al., 2011). Mesmo seguindo diretrizes referentes ao sistema viário durante o parcelamento das glebas, as normas vigentes não foram suficientes para induzir o traçado das vias. Estas ficaram restritas a parâmetros quantitativos, dimensões de calhas, regras gerais referentes à continuidade de vias existentes, iluminação e implantação da rede de infraestrutura (ALVAREZ, 2008). Em áreas periféricas do município, os espaços destinados ao sistema de espaços livres públicos foram muitas vezes ocupados por habitações, equipamentos sociais ou sistema viário. E, de modo geral, tais áreas foram originalmente destinadas a tal uso por apresentarem acessibilidade precária ou topografia e configurações inadequadas para construções residenciais – e, por consequência, baixo valor da terra, o que por sua vez não descarta a dificuldade de apropriação dos mesmos pelo uso de praças e parques. Além disso, a distribuição dos espaços livres no tecido urbano não é usualmente objeto de análise, o que acarreta prejuízos na organização de um sistema funcionalmente e ambientalmente adequado (AKAMINE et al., 2011). A Constituição de 1988, a fiscalização mais rigorosa por parte dos órgãos públicos e a vigilância da sociedade influenciaram diretamente na ação da municipalidade e do governo em São Paulo por meio da criação de novos programas de sa-

neamento de rios e córregos, de realocação da população de áreas de riscos e de reurbanização de assentamentos em áreas de mananciais. De maneira geral, foram projetados e implantados parques lineares ou convencionais oriundos de locais com vegetação nativa pré-existente. No entanto, o aproveitamento de espaços livres em áreas consolidadas e a requalificação de áreas previstas como praças não foram abrangidos em programas e ações contínuas, sobretudo no que diz respeito à remodelação ou à manutenção permanente (AKAMINE et al., 2011). Entre as principais posturas da administração pública nos últimos anos podemos citar: incremento de parcerias público-privadas de caráter duradouro, consolidação de uma política mais abrangente para as verbas do Termo de Compromisso Ambiental (TCA), investimentos de recursos para a política de implantação de novos parques. Assim, é possível notar o que muitos estudos apontam: São Paulo apresenta um grande desequilíbrio em sua distribuição de espaços livres. Enquanto as áreas centrais são bem servidas de praças urbanizadas, os bairros mais distantes do centro são marcados pela presença de campos de futebol improvisados, ruas e calçadas estreitas e sem arborização, além de ocupações habitacionais em áreas de risco. (ilustração 02) Resumidamente poderíamos citar as seguintes características de diagnóstico para o sistema de espaços livres públicos de São Paulo: 01.Calçadas estreitas, com pouca manutenção e sem referência de padrões e projeto; 02.Arborização viária quase inexistente na maior parte dos bairros, com fiação e posteamento aéreos; 03.Projetos viários sem visão hierarquização e ausistema de espaços livres_Jardim Paulistano

019


Figura 02. campos de futebol improvisados fonte: Frederico Haikal

sência de vias exclusivas para pedestres; 04.Ocupação irregular das várzeas dos rios e comprometimento quase total de sua qualidade devido ao esgoto; 05.Ausência de rede de ciclovias hierarquizada; 06.Ausência de política sistemática de requalificação e manutenção eficiente de espaços livres; 07.Gestão desigual entre novos e antigos equipamentos, principalmente quando envolve mudanças de gestão governamental; 08.Distribuição desigual da quantidade de espaços livres pela cidade; indefinição da distribuição de acordo com cada tecido urbano específico e da cidade;

ceiros e até mesmo indevidamente pela municipalidade, ficando perdidas para apropriação pública (AKAMINE et al., 2011). Para concluir, segundo Akamine et al. (2011), a construção de um sistema de áreas livres (...) implicará resoluções adaptativas dos problemas, combinada, por vezes, com alterações radicais do tecido urbano, mas resultante da inexistência de espaços disponíveis em meio à grande parte da mancha urbana consolidada para esse fim. Até porque a diversidade de desenho urbano e situações urbanas e potenciais que a cidade apresenta não exigem uma única resposta.

09.Falta de recursos públicos para ações como desapropriações, aquisição e manutenção; 10.Muitas áreas públicas foram ocupadas por ter-

020


Parque Paulistano

centro tecido urbano consolidado tecido urbano não consolidado corpos d’água dunas de areia densa cobertura vegetal vegetação herbáceas e /ou arbustivas (tendência a permanecer livre) vegetação herbáceas e /ou arbustivas (possibilidade de ocupação) espaços livres com uso rodovias e vias principais ferrovias limite municipal tecido urbano com boa distribuição de espaços livres implantados formalmente tecido urbano com boa distribuição de espaços livres implantados informalmente tecido urbano com arborização viária significativa tecido urbano com distribuição de espaços livres arborização viária significativa Ilustração 02. mapa de sistema de espaços livres e mancha urbana fonte: Quapá-Sel

Este mapa ilustra a desigual distribuição dos espaços livres dentro na mancha urbana da cidade de São Paulo. É importante notar a grande concentração dos mesmos na zona Oeste e Sul, enquanto que nas proximidades da área de intervenção, em destaque no mapa, isto se torna insignificante.

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

021


Gráfico 02.distribuição de áreas livres verdes da cidade de São Paulo 1000

Aparelheiros subprefeitura de São Miguel, Jaçanã / Tremembé dentro da qual se insere a área Perus em questão, está na décima quarFreguesia/Brasilândia taCasacolocação dentro dos índices Verde/Cachoeirinha deSantana/Tucuruvi áreas verdes da cidade de São Penha Paulo, com 5,12m2 por habitante. Pirituba Vale a pena ressaltar que o índice Itaquera mínimo recomendado pela OrgaIpiranga M´Boi Mirim Mundial de Saúde para nização Jabaquara áreas urbanas é de 12 m2.

100

10

1

Pinheiros

Mooca

São Mateus

Guaianases

Cidade Ademar

Campo Limpo

Vila Prudente/Sapopemba

Santo Amaro

Capela do Socorro

Vila Maria/Vila Guilherme

Aricanduva

Itaim Paulista

Lapa

Butantã

Ermelino Matarazzo

Vila Mariana

Cidade Tiradentes

Pinheiros

São Miguel

Jabaquara

Ipiranga

M´Boi Mirim

Itaquera

Penha

Pirituba

Santana/Tucuruvi

Casa Verde/Cachoeirinha

Perus

Freguesia/Brasilândia

parelheiros

Jaçanã / Tremembé

0,1

Fonte: SVMA (Departamentos de PlanejaSão Miguel mento Ambiental e Parques e Áreas Verdes), Vila Mariana daCidade Secretaria Estadual do Meio Ambiente Tiradentes e Secretaria Municipal de Desenvolvimento Ermelino Matarazzo Urbano (projeção da população, a partir do Lapa CENSO/IBGE). Butantã

Figura 03.mapa infravermelho Região metropolitana de São Paulo 2010/2011 fonte: Emplasa

Parque Paulistano

Com o mapa infra vermelho da Região Metropolitana da Cidade de São Paulo é possível perceber como as áreas verdes (destacadas na cor vermelha) se sufocam em meio a enorme mancha urbana cinza, principalmente na área centro-leste e algumas manchas específicas por todo o mapa.

022


03

LEVANTAMENTO HISTร“RICO sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano

023


FORMAÇÃO URBANA DA CIDADE DE SÃO PAULO

até 1929

de 1930 à 49

de 1950 à 62 no período anterior ao período massas d’água

Em São Paulo, com o processo de urbanização acelerado entre o fim do século XIX e o início do século XX devido ao aumento do papel estratégico da capital paulista, ocorreu um aumento significativo da área de ocupação urbana e do número de habitantes na cidade (ilustração 03). Esse aumento foi acompanhado pela desorganização administrativa baseada mais nos interesses de promotores imobiliários privados do que na preocupação com questões sociais e urbanísticas. Desta forma, não se criou uma política, pensada e estruturada, para a recém-chegada demanda habitacional. Segundo Moraes, até o início da década de 1930 os imigrantes tinham que se acomodar em cortiços ou vilas operárias. Só após o advento do ônibus, no início dos anos 1930, foi que os loteamentos periféricos e a autoconstrução apareceram com mais força (MORAES, 2007, p.19). Mariano et al. coloca que a aparente falta de planejamento nas cidades não deve ser atribuída à ausência ou incapacidade do Estado, mas sim à ausência de bens, serviços e espaços públicos que se constituem com a sua presença. Neste contexto é de interesse das elites que a cidade se organize desta maneira: “(...) o Estado moderno representa o que seria ‘legal’ através da burocracia técnica e da fragmentação do aparato institucional, e o setor privado termina por instalar-se no interior do próprio Estado, maximizando seus interesses na

privatização cartorializada das políticas públicas” (MARIANO et al., 2001, p. 4). Aliado a tudo isso, como comenta Rolnik (1997), “a legislação urbanística desse período reforça a valorização da área central, iniciando portanto a alocação das classes de menor renda nas periferias” (ROLNIK, 1997). Consequentemente, esse espraiamento da mancha urbana, juntamente com o déficit habitacional, gerou oportunidades para agentes imobiliários criarem loteamentos em áreas distantes do centro urbanizado. Loteamentos que por sua vez eram entregues com padrões mínimos exigidos, sofrendo com falta de mobilidade, com a baixa qualidade urbana, com as intempéries ambientais etc. Ferreira coloca ainda, no que diz respeito à necessidade de provisão habitacional, que “na maioria dos casos, o poder público pouco se empenhou para isso, em função da abundância de mão-de-obra ofertada (que reduzia seu poder de reinvindicação) e de sua imiscuição com as elites dominantes, interessadas em manter baixos os níveis salariais e o custo de mão-de-obra” (FERREIRA, 2001, p. 5). No mesmo período, São Paulo se consolida como uma cidade industrial. Pelas ruas das áreas centrais se instalam comércios, escritórios, escolas etc., e os mais variados tipos de pessoas passam

024


de 1963 à 74

de 1975 à 85

de 1986 à 92 Ilustração 03.expansão urbana aproximada de São Paulo

a frequentá-las. Com isso a vivacidade que a região central apresentava anteriormente também se altera. Primeiramente, a partir dos anos 1940, ocorre a diminuição do interesse pelo centro para uso residencial. Posteriormente, na década de 1960, com a transferência de parte dos serviços e do comércio para a região da Avenida Paulista, a população que ali vivia se viu ainda mais expelida daquele espaço. Vale lembrar ainda que, a partir de 1937, o governo federal aquece o mercado de vendas de imóveis e desincentiva a oferta de aluguéis. Esse fato, associado ao congelamento dos preços dos aluguéis pela Lei do Inquilinato em 1942, impulsiona significativamente o crescimento de loteamentos periféricos, sejam eles informais ou não.

ção cresceu pouco, principalmente a partir de 1990 (cerca de 0,7% ao ano no município de São Paulo e 1,65% na região metropolitana nos últimos vinte anos), mas de uma forma muito desigual: as áreas melhor urbanizadas perderam população, enquanto que as regiões mais distantes, as áreas de interesse ambiental e os municípios mais pobres da Região Metropolitana continuam com crescimento elevado. Essa expansão e ocupação acabam resultando em práticas urbanísticas peculiares, (imagem 04) que configuram desenhos urbanos característicos do processo de urbanização do município de São Paulo e dentro do qual o loteamento do Parque Paulistano, objeto de trabalho deste trabalho final de graduação, se insere.

Devido às supracitadas industrialização e urbanização da cidade, a crise habitacional se aprofunda no início dos anos 1960. E é em meio a esse quadro de mudanças que se consolidam projetos habitacionais em áreas periféricas, seguindo projetos padronizados (consequentemente, incentivando ainda mais o espraiamento das cidades) e sem considerar questões climáticas e culturais. Além disso, há inúmeros loteamentos de baixa qualidade ou irregulares, com suas precárias casas autoconstruídas. Desde então, a migração diminuiu e a populasistema de espaços livres_Jardim Paulistano

025


Figura 04. Sta Etelvina, Cidade Tiradentes, novembro de 1984 fonte: arquivo COHAB Ilustração 04.taxa de crescimento anual da populacão na cidade de São Paulo

1980-91

1991-2000

2000-2009

até -3,95 de -1,9 à -1 de -0,9 à -0,5 de -0,45 à 0 de -0,01 à 3 de 3,01 à 5 de 5,01 à 14 mais de 14,01

fonte: Fundação Seade. Projeções populacionais 2000/2009; IBGE. Censos demográficos 1980/1991/2000

Como citado anteriormente, as taxas de crescimento dessa ilustração mostram que as áreas melhor urbanizadas perderam população, enquanto que as regiões mais distantes, as áreas de interesse ambiental e os municípios mais pobres da Região Metropolitana continuam com crescimento elevado.

026


ZONA LESTE A Zona Leste de São Paulo e seus bairros, tais como Itaquera, Guaianases, Itaim e São Miguel Paulista, possui características de cidade-dormitório, sem um polo de desenvolvimento e produção própria, e abriga mais de um terço dos 9,5 milhões de habitantes da cidade. As estatísticas apontam uma média de apenas 16 empregos para cada 100 habitantes, enquanto a média da cidade é de 50 para 100 e a do centro de 200 para cada 100 moradores. Tais fatos caracterizam a Zona Leste de São Paulo como um espaço periférico e, por que não dizer, marginal dentro do contexto da metrópole paulistana (ver ilustração 05) (SERPA, 1997). O deslocamento pendular dos bairros dormitórios para o centro expandido gera a superlotação do sistema viário e do transporte coletivo. Nestas viagens, há quem enfrente terríveis seis horas diárias em coletivos, perdendo, literalmente, um terço de sua vida útil no deslocamento.

Neste sentido, mais recentemente, em 2012, foi lançada uma proposta de desenvolvimento para a região que visa não reverter, mas ao menos amenizar esse quadro (ver ilustração 06 e 07). Segundo Gouveia e Roncolato, a ideia é “oferecer um generoso pacote de benesses tributárias a fim de incentivar empresas a se instalarem na área, o que já foi algumas vezes tentado e até agora não deu certo (...). Se aprovada, a medida pode contribuir para um processo de desenvolvimento que está em curso” (GOUVEIA e RONCOLATO, 2013).

Como sugere Bonduk, o desenvolvimento urbano das áreas periféricas, para que elas possam atrair atividades econômicas, (...) exige qualificação urbanística e regularização fundiária, articuladas com programas de inclusão social e de economia solidária, capaz de estimular o empreendedorismo na população local. A transformação destes assentamentos periféricos precários em bairros de verdade, com infraestrutura, áreas verdes, equipamentos, documentação de posse e organização social teria enorme repercussão na redução da violência e mudaria a cara dos bairros dormitórios que caracterizam a região, marcada por uma paisagem indefinida e acinzentada (BONDUKI, 2012b). sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

027


Ilustração 05.mapa da exclusão/inclusão social

Parque Paulistano

O Mapa da Exclusão/Inclusão Social é uma metodologia que utiliza linguagens quantitativas, qualitativas e de geoprocessamento na produção de índices territoriais intraurbanos que hierarquizam regiões de uma cidade quanto ao grau de exclusão/inclusão social. Esses índices vinculam as condições de vida da população a território em que vive. A exclusão e a inclusão social são necessariamente interdependentes, na medida em que só existe a exclusão a partir de uma dada situação de inclusão. No mapa aqui representado - versão 2002, o referencial da utopia de inclusão social é uma construção qualitativa medida por meio de quatro dimensões: autonomia, qualidade de vida, desenvolvimento humano e eqüidade, sendo cada uma delas resultado da agregação de um conjunto de indicadores. Fonte: PUC/SP, Inpe, Instituto Polis. Mapa da Exclusão/Inclusão Social. Nota: Realizado com Philcarto - http://perso.club-internet.fr/philgeo

028


Ilustração 06. operações urbanas propostas (2012/2014)

Parque Paulistano

Ilustração 07. diretrizes de transporte das operações urbanas (2012/2014)

fonte: SMDU/ATOU Parque Paulistano

fonte: prefeitura de São Paulo

Os mapas de diretrizes urbanas para São Paulo mostram três importantes intervenções na zona leste, dentro da qual o bairro parque Paulistano está localizado. A primeira é a operação Verde-Jacú, que prevê o adensamento de novos estabelecimentos comerciais, a outra é nova linha de metrô que chega até o bairro da Penha e por último, os novos corredores de ônibus. Apesar dessas propostas de representarem um avanço na visão de desenvolvimento para a área, geram muitas dúvidas em relação a sua real efetivação (por motivos históricos) e levantam questões negativas como a ausência de participação social nas decisões tomadas (destaque para a não inclusão de projetos habitacionais na área da operação Verde-Jacú).

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

029


HISTÓRICO SÃO MIGUEL PAULISTA

Ilustração 08.linha do tempo do bairro de São Miguel Paulista

030


fonte: CORSI (2014)

sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano

031


Ilustração 09.subprefeitura de São Miguel, área aproximada fonte: http://bancodosimoveis.net


O Padre José de Anchieta – que chegou ao Brasil em 1553, junto com outros jesuítas – ajudou a fundar a vila de São Paulo de Piratininga em 1554. Para dar continuidade ao trabalho de evangelização dos índios, esforçou-se tenazmente para não perder o contato com aqueles índios dissidentes que se afastaram da vila de Piratininga. Tudo parece indicar que ele conseguiu esse intento e, em duas aldeias indígenas próximas, construiu duas pequenas capelas: uma dedicada a São Miguel Arcanjo e outra a Nossa Senhora da Conceição dos Pinheiros. Devido a esse esforço religioso, alguns historiadores consideram Anchieta o fundador dos dois primeiros bairros paulistanos: São Miguel Paulista e Pinheiros, afirma Imamura, no artigo “História de São Miguel – A origem do bairro” (IAMAMURA apud GODOI, 2011).

Ao longo do século XVIII, graças à atividade agrícola, São Miguel prosperou economicamente. Entretanto, essa prosperidade significou o gradual declínio do aldeamento indígena na região, como descrito no trecho abaixo: Com a importação de escravos negros, que começou a ser largamente empregada na lavoura paulista, diminuiu a importância da mãode-obra indígena. No final do século XVIII, os índios estavam com uma população bastante reduzida devido ao alto índice de mortalidade, às fugas para outras regiões e à miscigenação, completa Imamura, no artigo “História de São Miguel – A decadência do aldeamento indígena” (IAMAMURA apud GODOI, 2011). No século XIX, após anos de trabalho agrícola, a produtividade do solo decresceu e o bairro estagnou, perdendo a importância de outros tempos.

Não se sabe, com certeza, a data de fundação do bairro de São Miguel Paulista, porém o mais provável é que tenha sido em 1560. Após erguerem a capela descrita no trecho acima, a aldeia se desenvolveu e tornou-se um estratégico ponto de defesa da Vila de Piratininga. Sua localização privilegiada permitia a visão da chegada dos índios Tamoios, que usavam o rio Ururaí (atualmente chamado de Rio Tietê) para atacar os inimigos Guaianases e os colonizadores portugueses, e de todos que subiam rumo a São Paulo. Vinte anos após a fundação da aldeia, já em 1580, os índios receberam a terra em doação, por meio de uma Carta de Sesmaria. Em 1622, a rudimentar igreja de Anchieta foi demolida, dando lugar a outra capela, feita de taipa de pilão, construída pelos índios (GODOI, 2011). sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

033


Em função da demanda crescente por material de alvenaria da cidade, no início do século XX o trabalho das olarias se multiplicou em São Miguel. Além dos tijolos, o distrito gerava madeira, carvão, pedregulho e areia extraída do rio Tietê. A construção da rodovia São Paulo-Rio, em 1920, que beirava a Capela e colocava o bairro no principal circuito comercial interestadual, foi um marco histórico da expansão urbana de São Miguel. Em 1930, uma linha de ônibus que ligava o bairro à Penha foi inaugura-

Figura 05.capela de São Miguel, 1941 fonte: subprefeitura de São Miguel

da para amenizar a situação do transporte, o que não aconteceu. De acordo com Bomtempi, a construção da variante da Estrada de Ferro Central do Brasil e a inauguração da estação de São Miguel foi o que supriu de algum modo as deficiências do serviço de ônibus (GODOI, 2011).

034


Figura 06. olaria Parque Paulistano - atual distrito Jardim Helena 1920 fonte: subprefeitura de São Miguel

Figura 07.estação de São Miguel Paulista. déc. 1950 fonte: Piassi restaurante


No final da década de 1930, o início da fase industrial do bairro foi marcado pela instalação da Companhia Nitro Química Brasileira. Nos anos seguintes, a indústria se tornaria uma das maiores do país e teria influência decisiva no desenvolvimento e na vida social de São Miguel. A maioria dos trabalhadores atraídos era composta por migrantes rurais, principalmente nordestinos, que foram morar nas proximidades. Contando com grande afluência e alto índice de rotatividade de grande parte de sua mão-de-obra, a empresa não se interessou por universalizar o acesso às casas para o conjunto de seus empregados. Já no início dos anos 1940, novos núcleos habitacionais, como o Parque Paulistano, começaram um vigoroso processo de loteamento urbano, o qual transformou o bairro em um dos distritos de maior crescimento e em um exemplo de expansão periférica da cidade (FONTES, 2008). Apesar do acelerado processo de industrialização e urbanização entre os anos 1940 e 1960, as lembranças dos antigos moradores, quando questionados sobre as características, segundo Paulo Fontes, remetem para a ausência de infraestrutura urbana, resumida na ideia de que São Miguel era composto apenas pela fábrica, pela praça central e adjacências, e o resto “era tudo mato” (FONTES, 2008). Amauri da Cunha comenta sobre algumas características do bairro em 1950: “a Vila Rosário era tudo mato, tudo barro. Curuçá não tinha nada (...). O Jardim Helena também era uma meia duzinha de casas” (FONTES, 2008). Helena de Oliveira completa: “Não tinha nenhuma estrada de asfalto. (...) Só paralelepípedo na estrada de São Paulo-Rio. O resto era tudo terra” (FONTES, 2008).

Ainda sobre as características que marcaram esse início do bairro, há relatos, segundo os Anais da Câmara Municipal de São Paulo (239ª sessão ordinária, 29/081957, e 243ª sessão ordinária, 03/09/1957), de que o Parque Paulistano (...) e outras vilas circunvizinhas estão ameaçadas e suas populações atemorizadas, eis que se chover mais terão que desocupar suas moradias e procurar locais outros onde se sintam seguros (apud FONTES, 2008). Entre 1950 e 1960, o bairro teve média anual de crescimento de 13,4%, a mais alta do município de São Paulo. Cerca de 7 mil moradores habitavam o bairro em 1940, já em 1950 o bairro contava com aproximadamente 40 mil moradores. Mais recentemente as duas principais peças da história do bairro sofreram um processo de tombamento. A Capela de São Miguel Arcanjo, que já era tombada nas esferas federal e estadual, passa a ser tombada na municipal (Resolução 05/ Conpresp/91). E a Companhia Nitro Química Brasileira teve suas edificações e elementos constitutivos do processo de produção industrial tombados pela Resolução Nº 10/Conpresp/2012. Atualmente, segundo dados da prefeitura de São Paulo, a área territorial de São Miguel Paulista é de 24,3km², com uma população de, aproximadamente, 370 mil habitantes e uma densidade demográfica de 15,2 hab/km².

036


Figura 08.Nitro QuĂ­mica, vista a partir da atual Rua Evangelista Ferreira, s.d. fonte: resturante Piassi

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

037


A VÁRZEA OCUPADA A princípio, a ocupação urbana paulistana se configura pela fulga dos terrenos metamórficos das várzeas, devido às dificuldades de ocupação. Porém, com a expansão da mancha urbana o confronto e a tranposição desses alagadiços torna-se inevitável e os gigantes projetos de canalização de aterramento acabam redesenhando toda a paisagem. A combinação de um pragmatismo e praticidade já

descritos acima, que visam atender estritamente a questões funcionais, acabam por apagar os principais elementos estruturadores da paisagem da cidade, e com eles suas memórias, identidade e potencialidades. A paisagem construída resultante impõe-se carente de referências e elementos naturais estruturadores dos lugares urbanos.

Ilustração 10.topografia, rio e linha férrea fonte: ALMEIDA, 2009 adaptado por CORSI, 2014

038


Nesse contexto, o trecho leste do Rio Tietê, à montante da Barragem da Penha, foi mantido estratégicamente como área inundável para controlar a vazão do Rio Tietê e prevervou, ainda que precariamente, algumas condições da paisagem varzeana anteriormente existente.

e colocando em risco a necessária área inundável para a cidade. Neste trecho em específico, dentro do qual se localiza o Jardim Helena, a inserção de uma linha férrea potencializa e complica ainda mais este processo conflituoso de urbanização.

Contudo, ao longo dos anos a pressão pela ocupação urbana nas áreas alagadiças da várzea, acabou comprometendo alguns de seus trechos

Jardim Helena

0

1000

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

N

039


PARQUE VÁRZEAS DO TIETÊ Mais recentemente o Projeto Parque Várzeas do Tietê, 2011, busca controlar e frear essa ocupação iminente através da implantação de um grande parque linear, que já começa a ser implantado em alguns de seus trechos. O projeto possui 75 km de extensão e 107 km² de área, e será implantado ao longo do rio Tietê, unindo o Parque Ecológico do Tietê (localizado na Penha) e o Parque Nascentes do Tietê (localizado em Salesópolis).

“O Tietê deu a São Paulo quanto possuía: o ouro das areias, a força das águas, a fertilidade das terras, a madeira das matas, os mitos do sertão. Despiu-se de todo o encanto e de todo o mistério: despoetizou-se e empobreceu por São Paulo e pelo Brasil” (NÓBREGA, 1978, P. 195).

A primeira etapa do projeto será realizada em 25km de extensão às margens do rio, entre a barragem da Penha e a divisa com a cidade de Itaquaquecetuba, contemplando os municípios de São Paulo e Guarulhos.

Figura 09. parque Várzas do Tietê fonte: http://www.daee.sp.gov.br

040


Figura 10. parque Várzas do Tietê na escala metropolitana fonte: http://www.daee.sp.gov.br

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

041


A FLORA A cidade de São Paulo está inserida dentro dentro do bioma Mata Atlântica, que por sua vez é formada por um conjunto de formações florestais (Florestas: Ombrófila Densa, Ombrófila Mista, Estacional Semidecidual, Estacional Decidual e Ombrófila Aberta). A cobertura vegetal remanescente no município é constituída basicamente por fragmentos da vegetação natural secundária (floresta ombrófila densa, floresta ombrófila densa alto montana, floresta ombrófila densa sobre turfeira e campos naturais), que ainda resistem ao processo de expansão urbana, em porções mais preservadas no extremo sul, na Serra da Cantareira ao Norte e em manchas isoladas, como as APAs do Carmo e Iguatemi, na zona leste; por ambientes implantados, em áreas urbanizadas, restringindo-se aos parques e praças municipais e a escassa arborização viária; e por conjuntos ou espécies isolados em terrenos particulares. (TAKIYA, 2002)

LEVANTAMENTO Com base em intenções que vão além das questões formalistas, onde ganham destaque aspectos ambientais, sociais e históricos, e levando em consideração a proposta de intervenção deste trabalho, estão relacionadas a seguir algumas espécies vegetais características da Floresta Ombrófila Densa e das Matas Ciliares. O intuito deste levantamento é dar diretrizes para escolha da cobertura vegetal do projeto proposto, de modo inserir componente bióticos originais através de espécies que compunham o ecossistema original da região. Juntamente com essas espécies serão previstas espécies já adaptada e inseridas na cidade de São Paulo, de modo a gerar um equilíbrio ambiental e formal para a proposta.

042


N

Figura 11. mapa da cobertura vegetal nativa paulista, PerĂ­odo 2008-2009 fonte:http://revistapesquisa.fapesp.br

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

043


FAMÍLIA / ESPÉCIE

NOME POPULAR

ANACARDIACEAE

BIOMA / ECOSSISTEMA DE OCORRÊNCIA

CLASSE SUCESS.

MM / MC R / MA / MM / MC / MB /C

NP

Araticum Pindaíva Peroba-poca Peroba-rosa Peroba-poca

MM / MC / MB MA / MM / MC / MB MM / MC / MB MM / MC / MB MM / MC / MB

P NP NP NP

Maria-mole

MA / MM / MC / MB / C

NP

Macaúba

MM / MC

NP

Euterpe edulis

Palmito-juçara

NP

Syagrus romanzoffiana

Jerivá

R / MA / MM / MC / MB R / MA / MM / MC / MB /C

Astronium graveolens

Guaritá

Tapirira guianensis

Peito-de-pomba

ANNONACEAE Annona cacans Duguetia lanceolata APOCYNACEAE Aspidosperma polyneuron Aspidosperma cylindrocarpon ARALIACEAE Dendropanax cuneatum ARECACEAE Acrocomia aculeata (Acrocomia sclerocarpa)

ASTERACEAE

P

P

Cambará

MM / MC / MB / C / FOM

P

Ipê-felpudo

MM / MC

P

Paineira

MM / MC / MB

P

Cordia superba

Babosa-branca

Patagonula americana

Guaiuvira

MA / MM / MC MM / MC

P P

Guanandi

R / MA / MM / MC / C

NP

Terminalia brasiliensis

Cerne-amarelo

Terminalia triflora

Capitãozinho

MA / MM / MC / MB MA / MM / MC / MB

NP NP

Gochnatia polymorpha BIGNONIACEAE Zeyheria tuberculosa BOMBACACEAE Chorisia speciosa BORAGINACEAE

CLUSIACEAE Calophyllum brasiliense COMBRETACEAE

EUPHORBIACEAE

044


FAMÍLIA / ESPÉCIE

NOME POPULAR

CLASSE SUCESS.

Alchornea glandulosa (Alchornea iricurana)

BIOMA / ECOSSISTEMA DE OCORRÊNCIA

Tanheiro

R / MA / MM / MC / MB

P

Croton floribundus

Capixingui

Croton urucurana

Sangra-d’água

P P

Pera glabrata

Tamanqueira

MA / MM / MC / MB / C MA / MM / MC R / MA / MM / MC / MB /C MA / MM / MC R / MA / MM / MC / MB /C

NP

NP NP NP

P

FLACOURTIACEAE Casearia gossypiosperma

Espeteiro

Casearia sylvestris

Guaçatonga

P

LAURACEAE Nectandra megapotamica

Canelinha

Ocotea corymbosa

Canela-do-cerrado

Ocotea puberula

Canela-guaicá

MA / MM / MC MA / MM / MC / MB / C R / MA / MM / MC / MB

Jequitibá-branco

R / MA / MM / MC / MB

NP

Copaifera langsdorffii Peltophorum dubium (Peltophorum vogelianum) LEG. – MIMOSOIDEAE

Òleo-de-copaíba

MA / MM / MC / MB / C

NP

Canafístola

MM / MC

P

Acacia polyphylla

Espinho-de-maricá

R / MA / MM / MC

P

Enterolobium contortisiliquum

Orelha-de-negro

MM / MC

P

Inga marginata Parapiptadenia rigida (Anadenanthera rigida) Piptadenia gonoacantha

Ingá-feijão

R / MA / MM / MC / MB

P

Angico-da-mata

MM / MC

P

Pau-jacaré

R / MA / MM / MC / MB

P

Centrolobium tomentosum

Araribá

R / MA / MM / MC

P

Lonchocarpus guilleminianus

Embira-de-sapo

R / MA / MM / MC

P

Lonchocarpus muehlbergianus

Embira-de-sapo

MA / MM / MC

P

Machaerium aculeatum

Pau-de-angú

MM / MC / MB

P

Machaerium aculeatum

Pau-de-angú

MM / MC / MB

P

Machaerium nictitans

Jacarandá-bico-de-pato

R / MA / MM / MC / MB

P

LECYTHIDACEAE Cariniana estrellensis LEG. – CAESALPINIOIDEAE

LEG. – PAPILIONOIDEAE

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

045


FAMÍLIA / ESPÉCIE

NOME POPULAR

BIOMA / ECOSSISTEMA DE OCORRÊNCIA

CLASSE SUCESS.

Machaerium stipitatum Myroxylon peruiferum (Myroxylon balsamum) Ormosia arborea

Sapuva

MA / MM / MC

P

Cabreúva-vermelha

MA / MM / MC / MB

NP

Olho-de-cabra

R / MA / MM / MC / C

NP

Dedaleiro

MM / MC / MB / C

P

Cabralea canjerana

Canjerana

R / MA / MM / MC / MB

NP

Cedrela fissilis

Cedro-rosa

MA / MM / MC / MB / FOM

P

Guarea guidonia

Marinheiro

MA / MM / MC / MB

P

Figueira-branca

MM / MC / MB

P

Capororoca

R / MA / MM / MC / MB / C / FOM

P

Blepharocalyx salicifolius

Murta

R / MA / MM / MC / MB / C / FOM

NP

Campomanesia xanthocarpa

Gabiroba

R / MA / MM / MC

NP

Eugenia florida

Pitanga-preta

MA / MM / MC / MB

NP

Eugenia speciosa

Laranjinha-do-mato

R / MA / MM / MC / MB

NP

Eugenia uniflora

Pitanga

MM / MC / FOM

NP

Pau-d’alho

MM / MC

P

Colubrina glandulosa (Colubrina rufa)

Saguaragi

MA / MM / MC

NP

Rhamnidium elaeocarpum

Saguaragi-amarelo

MM / MC

P

Balfourodendron riedellianum

Pau-marfim

MM / MC

NP

Esenbeckia grandiflora

Guaxupita

R / MA / MM / MC / MB

NP

Zanthoxylum rhoifolium

Mamica-de-cadela

MA / MM / MC / C / FOM

P

Allophylus edulis

Chal-chal

MA / MM / MC

P

Cupania vernalis

Arco-de-peneira

MA / MM / MC / C

NP

LYTHRACEAE Lafoensia pacari MELIACEAE

MORACEAE Ficus guaranitica

MYRSINACEAE Rapanea umbellata

MYRTACEAE

PHYTOLACCACEAE Gallesia integrifolia (Gallesia gorazema)

RHAMNACEAE

RUTACEAE

SAPINDACEAE

046


FAMÍLIA / ESPÉCIE

NOME POPULAR

BIOMA / ECOSSISTEMA DE OCORRÊNCIA

CLASSE SUCESS.

Diatenopteryx sorbifolia

Correeiro

MM / MC

P

Caxeta-amarela

MA / MM / MC

NP

Solanum granuloso-leprosum

Gravitinga

MM / MC

P

Guazuma ulmifolia

Mutambo

MM / MC

P

Heliocarpus americanus

Jangada-brava

MM / MC

P

Luehea divaricata

Açoita-cavalo-miúdo

MM / MC / MB / C

P

Crindeúva

R / MA / MM / MC

P

Aegiphila sellowiana

Tamanqueiro

R / MA / MM / MC / MB

P

Vitex montevidensis (Vitex megapotamica)

Tarumã

MM / MC / MB / C

NP

SAPOTACEAE Chrysophyllum gonocarpum

SOLANACEAE

TILIACEAE

ULMACEAE Trema micrantha

VERBENACEAE

LEGENDA: Biomas / ecossistemas: R = Vegetação de Restinga MA = Floresta Ombrófila Densa MM = Floresta Estacional Semidecidual MC = Mata Ciliar MB = Mata de brejo C = Cerrado FOM = Floresta Ombrófila Mista

Estas espécies foram selecionadas a partir da listagem oficial de espécies nativas produzidas em viveiros florestais, nos diversos biomas do estado de São Paulo da Secretaria do Meio Ambiente.

Classe sucessional: P = espécie pioneira ou secundária inicial NP = Espécie secundária tardia ou clímax.

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

047


Um dia qualquer numa rua qualquer. Os pedestres caminham pelas calçadas, as crianças brincam em frente aos portões, há pessoas sentadas em bancos e escadas, o carteiro faz seu caminho habitual, os transeuntes se cumprimentam nas calçadas, os mecânicos consertam carros, alguns grupos de pessoas se reúnem para conversar. Nessa mistura de atividades realizadas nos espaços livres, incidem uma série de fatores. (GEHL, 2006, p. 17, tradução nossa).

048


04

O LOCAL

sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano

049


JARDIM HELENA/PARQUE PAULISTANO

050


Figura 12. Pq. Paulistano, vista a partir de uma das passarelas da via fĂŠrrea, 2014 fonte: CORSI, 2014

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

051


TERRITÓRIOS ENTRE RIO-FERROVIA

Ilustração 11.território entre o Rio e a linha férrea fonte: ALMEIDA, 2009 adaptado por CORSI, 2014

052


N

sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano

053


são miguel paulista jd. helena/vl. mara

N Ilustração 12.estruturadores da várzea

jacu

Itaquera

águ

054


ua vermelha

jardim romano

trĂŞ pontes

itaim paulista

tijuco preto

lageado

itaim sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

055


Guarulhos

LOCALIZAÇÃO

fonte: CORSI, 2014

Ilustração 13. recorte a ser ampliado

Recorte próximo à área

Ao sul, o bairro está limitado pela linha 12 de trem da CPTM, que liga o bairro do Brás em São Paulo ao bairro Calmon Viana em Poá. Como o trem é de superfície, toda a transposição para os bairros ao Sul se dá através de passarelas para pedestres ao longo da linha. A oeste, a Companhia Nitro Química Brasileira é responsável por outra grande barreira física local que, juntamente com a linha do trem, tornam a Av. Dr. José Artur Nova, a Av. Eduardo Sabino de Oliveira e a Av. Marechal Tito complicadas vias desafogadoras do trânsito local. Já ao norte e a leste, o Parque Paulistano dá continuidade ao distrito Jardim Helena, do qual ele faz parte. As avenidas Dr. José Artur Nova e Eduardo Sabino se conectam a uma das principais rodovias da região, Rod. Ayrton Senna, que liga o leste de São Paulo a cidades como Poá, Mogi das Cruzes, Suzano e Arujá.

Ro d. Pr es ide nte

O Parque Paulistano é um bairro pertencente à subprefeitura de São Miguel Paulista, na Zona Leste de São Paulo. Está localizado a cerca de 30 km do centro de São Paulo, sendo que tal trajeto pode demorar de 35 minutos a 2 horas de carro ou 1 hora e 40 minutos a 3 infindáveis horas em transporte público, dependendo da situação do trânsito.

Du

tra

Av. Gov Carvalho Pinto

Av .A ri c Ilustração 14.foto aérea com identificação de pontos de referência da região fonte: google earth

Linha Vermelha Parque Linear Tiquatira do Metrô

056

a


Parque Ecológico do Tietê

Aeroporto Int. de Guarulhos Cia. Nitro Química Brasileira

Av. Eduardo Sabino de Oliveira

Av. Dr. José Artur Nova Senna a Ayrton Rodo vi i to hal T

Av .M

ar

ec

ão Miguel Av. S

Av. Jac eg o êss úP

an d va

N

Metrô Itaquera

Operação Verde-Jacú Linha 12 da CPTM sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

057


MAPA DO TRANPORTE METROPOLITANO

Ilustração 15.mapa de transporte metropolitano fonte: governo de são paulo


sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano

059


Parque Primavera

Principais parques Parque Ecológico do Tietê

Parque do Jacuí

Bairro Parque Paulistano

060


Parque Chico Mendes Ribeirão Água Vermelha

Parque Santa Amélia

N Ilustração 16.mapa da rede estrutural hídrico ambiental s/escala fonte: Prefeitura de São Paulo

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

061


CARACTERIZAÇÃO [...] A metrópole atual, permeada por terrenos vagos, determina uma rede desconexa de espaços residuais, vazios urbano. Um território permeado por fraturas urbanas. Os cidadãos perdem, então, o senso da totalidade, da abrangência da urbe, do seu território. Passamos a ser, então, nas nossas cidades, estrangeiros na sua própria terra. (LEITE, p57, 2012) Se o ponto de partida para esse trabalho foram análises, inquietações e especulações pessoais, das dinâmicas do espaços urbano e da relação do ser humano com o ambiente construído e não construído, que de uma maneira ou de outra me levaram a localidade em questão, análises mais técnicas e a aproximação sensorial com o bairro ao longo do semestre me levaram a identificação de problemáticas e potencialidades que passaram a constituir o substrato desse ensaio projetual. Um recorte territorial foi definido de acordo com características intrínsecas ao local, como diria Lynch (1960), através de elementos que as pessoas utilizam para estruturar a imagem da cidade, sejam eles físicos, e portanto configurando quebras lineares na continuidade, como o trilho do trem, a indústria Nitroquímica Brasileira ou uma rua comercial, sejam eles virtuais, através de transformações das mais variadas naturezas que ocorrem a todo tempo no território: texturas, espaços, formas, detalhes, símbolos, usos, topografia, etc. A área mais especificamente definida possuim 770.000 m², com 40 quadras, 1 praça urbanizada, 5 mini praças com função exclusivamente viária e uma população total de 19.218 pessoas. (IBGE,2010) Como já comentado ao longo do desenvolvimento do trabalho, possui sua infra-estrutura de mobilidade e equipamentos públicos bastante carente e fragmentada, acompanhada da baixa qualidade de projeto arquitetônico e urbano. Entre as principais características identificadas podemos citar:

limite de área de intervenção mini praças originais

N s/escala

Ilustração 17.loteamento original do bairro.

Destaque para as micro praças internas às quadras e ao formato dos lotes, que variam de aproximadamente 115m2 à 500m2. fonte: subprefeitura de São Miguel Paulista.

062


2: 19x40m al: 0m m

²

área: 534m T.O.: 56% C.A.: 0,56 T.P.:~40%

TIPOLOGIA ORIGINAL 1: dimensões: 10x90m área: 900m²

Mapeamento de lotes predominantes e tranformações do loteamento original TIPOLOGIA ORIGINAL 2: dimensões: 10x22m área: 220m²

TRAÇADO ORIGINAL 1: dimensões: 10x90m área: 900m²

TIPOLOGIA ORIGINAL 1: dimensões: 10x90m área: 900m²

TIPOLOGIA ORIGINAL 2: dimensões: 10x22m área: 220m²

TIPOLOGIA 2: dimensões: 19x40m recúo frontal: 0m lateral: 1;0m fundo:0,6m área: 534m² T.O.: 56% C.A.: 0,56 T.P.:~40%

TIPOLOGIA 2: dimensões: 19x40m recúo frontal: 0m lateral: 1;0m fundo:0,6m área: 534m² T.O.: 56% C.A.: 0,56 T.P.:~40%

TRAÇADO ORIGINAL 2: dimensões: 10x22m área: 220m²

TRAÇADO ATUAL A: 1: dimensões:TIPOLOGIA 7,5X15m dimensões: 7,5X15m recúos: 0m recúos: 0márea: 114,76m² T.O.: 68% área: 114,76m² C.A.: 0,68 T.P.:32% T.O.: 68% C.A.: 0,68 T.P.:32%

TRAÇADO ATUAL B: dimensões: 19x40m recúo frontal: 0m lateral: 1;0m fundo:0,6m TRAÇADO ATUAL C: área: 534m² dimensões: 10x51,5m T.O.: 56% recúo frontal: 0m TIPOLOGIA 2: C.A.: 0,56 lateral: 1;0m dimensões: 10x51,5m recúo frontal: 0m 2: lateral: 1;0m T.P.:~40%TIPOLOGIA dimensões: 10x51,5m fundo:0,6m fundo:0,6m recúo frontal: 0m área: 534m² lateral:área: 1;0m T.O.: 56% 534m² fundo:0,6m C.A.: 0,56 T.P.:~40% área: 534m² T.O.: 56% T.O.: 56% C.A.: 0,56 C.A.: 0,56 T.P.:~40% T.P.:~40%

TIPOLOGIA 1: dimensões: 7,5X15m recúos: 0m área: 114,76m² T.O.: 68% C.A.: 0,68 T.P.:32%

TIPOLOGIA 1: dimensões: 7,5X15m recúos: 0m área: 114,76m² T.O.: 68% C.A.: 0,68 T.P.:32%

TIPOLOGIA 2: dimensões: 10x51,5m recúo frontal: 0m lateral: 1;0m fundo:0,6m área: 534m² T.O.: 56% C.A.: 0,56 T.P.:~40%

Figura 13.recortes de traçados originais e recentes fonte: Prefeitura de São Paulo, adaptado por: CORSI, 2014

A partir do traçado original do bairro, buscou-se entender os processos de transformação que ocorreram nas tipologias de traçado e ocupação dos lotes. O principal fator a se destacar é a quase total ocupação dos terrenos por áreas cobertas, em consequência da cultura de se construir, seja um cômodo ou uma casa nova, aos fundos da existente à medida que novos membros da família nascem ou passam a morar no mesmo local. Além disso, é marcante a presença de galpões, que geralmente ocupam a área de dois ou três lotes do tamanho original.

064


Diagnóstico O bairro é predominantemente residencial de baixo padrão e porte, com casas de autoconstrução, que variam entre 1 e 2 pavimentos. As fachadas são em sua maioria passivas ou cegas e as calçadas por sua vez, se transformam em uma continuação dos quintais, no sentido de que cada um dá seu tipo de tratamento e transição para o exterior. No que se diz respeito a equipamentos públicos culturais, esportivos e ambientais, o bairro é bem defasado, sendo necessário ir até bairros vizinhos para se ter acesso a esse tipo de infraestrutura. No projeto de loteamento original do bairro existiam mini praça espalhadas por todo bairro, porém por motivos não identificados elas nunca chegaram a exercer tal função, tornando-se apenas alargamentos das vias nas quais se encontram.

Em relação ao transporte público, segundo moradores locais o maior problema é a falta de uma ligação direta com o terminal Parque Dom Pedro, sendo que os moradores locais, de modo geral, não costumam utilizar o novo terminal de ônibus construído do outro lado da linha do trem. Já em relação a educação, existem três escolas públicas, a E.E. Maria de Lourdes Vieira, a E.E. Dr. Diogo Faria e o CEI Santa Rosa de Lima Por último, em conversas feitas pelo bairro o maior problema identificado é a falta de infraestrutura de saúde. Existe apenas um posto de saúde dentro da área, e segundo informações obtidas com usuários do local, faltam médicos e não há medicamentos básicos disponíveis.

Ilustração 18. maquete 3D na volumetria do bairro. fonte: CORSI, 2014

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

065


Ilustração 19. uso do solo esc.:1|5000

construído espaço livre mini praças

N


residencial

institucional

lote vazio

comercial

misto

remanescentes vegetais

Ilustração 20.Uso e ocupação do Solo fonte: CORSI, 2014

industrial

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

067


Peixe-galo

Frederico Lange

Jerônimo Pinto

Ariçá-Açu

Ilustração 21. mini praças originais esc.:1|5000

construído espaço livre mini praças

N


Figura 14. mini praรงa transformada em rua fechada foto: CORSI, 2014

sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano

069


1

Ariçá-Açu

070


Figura 15. mini praรงa 1 foto: CORSI, 2014

Figura 16. mini praรงa 1 foto: CORSI, 2014

Figura 17. mini praรงa 1 foto: CORSI, 2014

sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano

071


2

Jerônimo Pinto

Figura 18. mini praça 2 foto: CORSI, 2014

4

Peixe-galo

Figura 19. mini praça 4 foto: CORSI, 2014

072


sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano

073


3

Frederico Lange

074


Figura 20. mini praรงa 3 foto: CORSI, 2014

Figura 21. mini praรงa 3 foto: CORSI, 2014

sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano

075


ritmo das coberturas skyline

aberturas para a rua

Ilustração 22.levantamento de perfil das casas envolta da mini Praça Ariça Açú

ritmo das coberturas skyline aberturas para a rua

Ilustração 23.levantamento de perfil das casas envolta da mini Praça Frederico Lange

ritmo das coberturas

skyline

aberturas para a rua Ilustração 24.levantamento de perfil das casas envolta da mini Praça Jerônimo Pinto ritmo das coberturas

skyline aberturas para a rua

ritmo das coberturas skyline aberturas para a rua Ilustração 25.levantamento de perfil das casas envolta da mini Praça Peixe Galo

O intuito deste levantamento é perceber graficamente como se dá a transição entre as edificações e a cidade, assim como encontrar potencialidades para possíveis intervenções nesses locais. Perceber como se dá a vida nessa zona de transição, é muito interessante, “pois é aqui que a vida do interior das edificações pode se encontrar com a vida do lado de fora; é onde os pedestres passam bem perto e têm tempo para aproveitar as grandes e pequenas experiências”. (GEHL, 2009) É possível observar a diferença entre cada uma das mini praças, algumas com muitas unidades cegas e longas, outras com mais áreas ativas e unidades curtas, umas mais baixas outras mais altas, etc. acarretando em diferentes percepções dos locais.

076


a

N

Rua Dr. Fransc isco Tancredi

Dr. Bettino de Deo

Ru

Jo Dr.

ur

h Art

ire

Rua Oliveira Fre

ova

Rua Santa Davin

a

N

s/ escala

Ilustração 26.pólos de atração Posto de Gasolina

Feira de bairro (quintas-feiras)

Supermercado Nagumo

Mitra Diocesana São Miguel Pta.

Farmácia

Escola/creche pública

Escola particular

Unidade Básica de Saúde

Terminal de Ônibus S.M. Cia. Nitro Química

Rua comercial Rio Itaquera Linha de trem

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

077


Alta densidade construtiva A organização interna dos lotes reproduz o traçado ortogonal do bairro. As ruas se dispõem em ângulo reto, os lotes em sua maioria são quadrados ou retangulares e sua ocupação se organiza através de paredes perpendiculares e paralelas às linhas de divisa, sem recuo lateral ou frontal em muitos casos. Fatores como insolação, ventos dominantes e fontes de ruídos foram desconsiderados no momento do loteamento. Com isso, podemos destacar os consequentes desconfortos e dificuldades com a salubridade interna das edificações que,

além de tudo, são em muitos casos, superocupadas. Tal fator é maximizado pelo desrespeito às taxas de ocupação e recuos, alta taxa de impermeabilização e paulatinas adições de cômodos ou até residências. Nesse aspecto, Monteiro (2007, p. 2) comenta que a morfologia de bairros mais carentes se assemelha à morfologia de áreas mais centrais da cidade, onde o adensamento extingue as áreas abertas dentro dos quarteirões.

Figura 22.imagem em infra vermelho 2010/2011 de um recorte próximo a área fonte: Emplasa

Estas figuras (21 e 22) Permitem identificar como a área de intervenção e Figura 23.(próxima página): imagem em infra vermelho 2010/2011 de um recorte bairros próximos possuem pouquissímas áreas verdes ou livres. Ao norte da primeira imagem é possível identificar a grande mancha em amarelo que específico da área identifica o parque Várzes do Tietê. fonte: Emplasa

078


Ilustração 27.levantamento do construído e não construído esc.:1|5000 construído espaço livre

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

N

079


080


Vias Em relação aos fluxos de veículos, o desenho viário cria uma estrutura hierarquizada que organiza as movimentações locais e externas. Tal hierarquização pode ser percebida através do levantamento realizado na imagem 28, no qual se destacam as vias perimetrais a área de intervenção. Também foi possível notar alguns pontos de conflitos de tráfego, principalmente na Av. Oliveira Freire, que em horário de pico se transforma em um caos de carros estacionados, pessoas caminhando para todos os lados, veículos em velocidade incompatível com aquela estrutura, etc.

LEGENDA fluxo intenso fluxo de bairro fluxo de local

pontos de ônibus

As maiores barreiras físicas se dão pela linha de trem ao Sul e pela Cia. Nitroquímica à Leste, como é possível observar na imagem 27 ao lado. Já a Av. Oliveira Freire, (em vermelho) se destaca por ser uma conexão interna entre as diversas micro vizinhanças. Em relação a paisagem do bairro, conforme ilustrado nas imagens 29, 30, 31 e 32, todas as vias de maneira geral são pouco arborizadas, com postes e fios dominando a paisagem, e com calçadas estreitas e sem referência de padrões e projeto.

Ilustração 28.principais fluxos. Fonte: Dados obtidos por observações e análise em campo.

passarela conflitos de trânsito

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

081


Ilustração 29.sintaxe espacial - análise de acessibilidade local por pedestres

LEGENDA

maior acessibilidade menor acessibilidade

Fonte: CORSI, 2014

A teoria sócio espacial chamada de sintaze espacial, ganhou destaque nos anos 1980 com Hillier e Hanson. Através dela fenômenos urbanos passam a ser vistos em suas relações sistêmicas vivas e aparentes, sendo capaz de evocar com clareza uma dimensão social do espaço antes só intuída, dentro de um campo onde predominavam a visão cognitiva incipiente das relações humano-espaciais. (NETTO, 2013) Nesta teoria foi reconhecida uma relação direta entre a estrutura geométrica da malha viária ou espaços em questão, e as restrições que ela impõe ao movimento e copreseça, passando a ser

um sistema de barreiras e permeabilidades. Deste modo, afirma o espaço como dimensão viva para o desenvolvimento humano e para a construções de dinâmicas sociais. (NETTO, 2013) Dentro da sintaxe espacial, ou análise sintática, trabalharemos a simulação do tipo Axial, que fornece unidades de medida como a “integração”, a “conectividade”, a “visibilidade”, a “profundidade de linha” entre outras. Por se aplicar melhor às análises pretendidas para o Parque Paulistano trabalharemos com a unidade “integração”. O nível de integração indica o quão integrado ao sis-

082


tema viário está cada ponto(nó). Resumidamente, as linhas mais próximas(rasas) são consideradas mais integradas ao sistema, enquanto as linhas mais distantes(profundas) são consideradas segregadas. A partir da profundidade média calculada obtém-se a integração efetiva de cada linhas axial.

integra os bairros, o que associado a seu uso comercial nos permite ter uma visão mais clara do motivo do grande fluxo tanto de veículos como de pedestres na mesma. Além disso também se evidencia as grandes barreiras a Sul, Leste e Noroeste do bairro, que acabam complicando os fluxos de chegada e saída do bairro.

A profundidade média de uma linha axial (MD) é obtida pela somatória das profundidades de todas as linhas axiais em relação a ela, dividida pelo número total de linhas menos um:

Feitas essas colocações é importante destacar a importância de que essas análises sejam feitas concomitantemente com outros estudos morfológicos e humanos, já que ela não leva em consideração questões como pontos atrativos, topografia, uso e ocupação do solo, além de reduzir o ator social a um autômato e não conseguir integrar significado aos lugares. (IDOM B., UNIFESP, 2014 in relatório PDInfra Diadema)

Onde: MDi = Profundidade média do espaço; dij = Profundidade da linha j em relação à linha; k = Número total de espaços do sistema. (SABOYA, 2013) Dentro do campo da arquitetura e urbanismo essa teoria tem sido usada para apoiar os estudos de previsão ou análise de fluxos de pedestres, sejam eles em edifício ou aglomerados urbanos. Sendo também utilizada em investigações e aplicações práticas em áreas como a arqueologia, a criminologia, a geografia, a antropologia, entre outros. (IDOM B., UNIFESP, 2014 in relatório PDInfra Diadema) Análisando ao gráfico obtido com base na malha próxima ao bairro, é possível observar indo de uma escala de vermelho a azul, regiões respectivamente mais e menos integradas entre si. Fica claro como a Av. Oliveira Freire (em vermelhos) sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

083


Paisagem Destaca-se uma paisagem monótona, onde os principais elementos percebidos são: a uniformidade de ocupação dos lotes, os postes de iluminação e a falta de manutenção dos equipamentos. É significativo destacar a importância da vida e da atividade com atração humana, já que vida é algo que não falta a esse bairro. Entretanto, como diz Jan Gehl, “bairros bem planejados inspiram os moradores, ao passo que comunidades mal planejadas brutalizam seus cidadãos (...). Nós moldamos a cidade e elas nos moldam” (GEHL, 2014). Ilustração 30.corte da Av. Oliveira Freire

fonte: CORSI, 2012

Ilustração 31.corte da Av. Franscico Tancredi

fonte: CORSI, 2012

084


Ilustração 32.corte da Rua Santa Davina

fonte: CORSI, 2012

Ilustração 33.corte da Rua Paranacity

fonte: CORSI, 2012

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

085


Figura 24.perfil de rua do Parque Paulistano

fonte: CORSI, 2012

Figura 25.perfil de rua do Parque Paulistano

fonte: CORSI, 2012

Figura 26.perfil de rua do Parque Paulistano

fonte: CORSI, 2012


Vida Pública Em meio à problemática urbanização, dentro da qual o bairro Parque paulistano se insere, existe uma contínua movimentação de moradores nas áreas externas às casas, consequência direta da falta conforto e organização interna dos lotes. As crianças brincam nas calçadas, adultos realizam seus afazeres diários, os pequenos comércios de bairro surgem a cada quarteirão, carrinhos de coleta de recicláveis passam a toda hora, jovens conversam ou escutam música no meio fio, enquanto outros batem um papo em mesinhas de bar instaladas nas calçadas. Sendo que só existe uma área livre de caráter público estruturada (esquina da rua Santa Davina com a Av. Dr. José Artur Nova). Mas vale aqui ressaltar que a experiência de vitalidade não se limita à quantidade de pessoas que foi possível ver ou interagir nas ruas durante esses meses de estudo em que tive contato direto com o bairro, mas sim, à sensação de que o espaço da cidade é convidativo e popular, com um signo forte para seus moradores, onde o “fora” de casa é uma opção agradável de disfrute e contemplação.

Figura 27.e 27 .terreno destinado a armazenagem de materiais recicláveis e movimento de crianças voltando da escola da Rua Dr. Bettino de Deo

fonte: CORSI, 2012

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

087


Ilustração 34. levantamento de áreas livres esc.:1|5000

N

088


Figura 28.acesso da passarela da Rua Pedroso da Silva à Rua Imeri foto: CORSI, 2014

legenda construído espaço livre terreno ocupados por catadores ou estacionamento terrenos livres mini praças originais áreas livres públicas praça existente

Figura 29.coleta de materiais recicláveis mal estruturada e regulamentada foto: CORSI, 2014

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

089


Ilustração 35.identificações de ZEIS (1) esc.:1|5000 construido espaço livre ZEIS 1

N

090


ZEIS 1 Favelas, loteamentos irregulares e conjuntos habitacionais de interesse social, nos quais podem ser feitas intervenções de recuperação urbanística, regularização fundiária, produção e manutenção de habitações de interesse social. (LEI Nº 13.885/04. Das Zonas Especiais de Interesse Social – ZEIS) imagem 41: localização das ZEIS na área de intervenção fonte: CORSI, 2014

Figura 30. perfil de construções na área delimitada como ZEIS foto: pessoal

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

091


Dados populacionais São Miguel Paulista, subprefeitura na qual se insere o bairro Parque Paulistano, é caracterizada por um Índice de Desenvolvimento Humano Municipal baixo (0,68 – 25ª posição). A renda per capita mensal dos habitantes é de R$163,30 reunindo 1,5% do rendimento total do município. Seus moradores têm em média 5,9 anos de estudo e 5,1% são analfabetos. (MORAES, 2003) De um total de 495 setores censitários, 308 são caracterizados por um IDH-M baixo, concentrando 65% da população, que por sua vez se apropria de 50% do rendimento total da microrregião. Já com um IDH-M médio, temos apenas 34% dos habitantes, concentrando 49% do rendimento de São Miguel por possuírem uma renda per capita 2 vezes maior e 2 anos de estudo a mais do que a outra faixa (5,3 contra 7,3 anos). (MORAES, 2003) Apesar de esses dados muitas vezes serem superficiais e não levarem em consideração importantes questões sócio culturais, servem como comparativo básico entre diferentes regiões da cidade. Não foi possível encontrar índices específicos do Parque Paulistano, no que se diz respeito às questões consideradas para a definição do IDH-M, porém

a seguir estão ilustrados alguns pontos que nos dão uma ideia da situação geral do bairro. No gráfico 07, observa-se que a maior parte dos domicílios, 98%, estão ocupados, contra apenas 2% de vacância, o que nos salienta que não existe nenhum tipo de degradação ou fulga de seus moradores para outros bairros. A maior parte dos domicílios é atendida pela rede de esgotos (85%), porém uma faixa considerável utiliza Valas, Fossas sépticas ou rios (aproximadamente 12%), conforme gráfico 08. Nota-se também que a maior parte da população é jovem (ver gráfico 09), com 33% concentrada na faixa entre 0 e 20 anos, e 33 % na faixa entre 20 e 40 anos. Tabela 01.IDH dos distritos de São Paulo

colocação 1 17 32 50 66 78 89 96

distrito Moema Lapa Brás Vila Matilde Itaquera São Miguel Pta. Jardim Helena Marsilac

índice 0,884 0,661 0,571 0,527 0,476 0,451 0,409 0,245

Gráfico 03.pirâmide etária

fonte: IBGE/Censo 2000 e Fundação SEADE. Elaboração SDTS/PMSP, apud, Prefeitura do Município de São Paulo

Seguindo a tendência demográfica do País, observa-se a o estreitamento da base pirâmide etária, devido à redução do número de nascimentos e aumento da expectativa de vida. Além disso, a maior parte da população atual se concentra na faixa que varia de 4 a 30 anos. Esses dois indicativos são muitos importantes como fatores que justificam as propostas deste trabalho e devem guiar políticas públicas a curto e longo prazo, no que se diz respeito ao atendimento de jovens e idosos.

092


14 12

Gráfico 04.taxa média de desemprego por subprefeitura na cidade de São Paulo. Fator de desigualdade subprefeituras: 1,71 vezes Maior valor: 11,60 - Menor valor: 6,80

10 8 6 4

Fonte: Pesquisa de Emprego e Desemprego da SEADE (Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados)/DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos)

2

São Miguel

São Mateus

Ipiranga

Itaquera

Guaianases

Ermelino Matarazzo

Parelheiros

Cidade Tiradentes

M´Boi Mirim

Cidade Ademar

Campo Limpo

Capela do Socorro

Perus

Pirituba

Freguesia/Brasilândia

Casa Verde/Cachoeirinha

Santana/Tucuruvi

Vila Maria/Vila Guilherme

Jaçanã / Tremembé

Penha

Vila Prudente/Sapopemba

Mooca

Aricanduva

Vila Mariana

Jabaquara

Santo Amaro

Itaim Paulista

Lapa

Pinheiros

Butantã

0

40 35 30 25 20 15 10 5 0

Gráfico 05.porcentagem de domicílios sem ligação com a rede de esgoto, sobre o total de domicílios da subprefeitura. Fator de desigualdade subprefeituras: 49,44 vezes Maior valor: 37,08 - Menor valor: 0,75

Sé Pinheiros Vila Mariana Mooca Aricanduva Lapa Vila Maria/Vila Guilherme Ipiranga Vila Prudente/Sapopemba Santo Amaro Casa Verde/Cachoeirinha Penha Freguesia/Brasilândia São Miguel Itaim Paulista Cidade Tiradentes Santana/Tucuruvi Butantã Itaquera São Mateus Ermelino Matarazzo Jabaquara Pirituba Guaianases Jaçanã / Tremembé Campo Limpo M´Boi Mirim Perus Capela do Socorro Cidade Ademar

Fonte:IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - Censo 2000)/SABESP (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo)

9.938

Gráfico 06. distribuição de população por sexo

0% 1% 5% 5% 1% 3%

mulheres homens

19.218 hab

5.635 domicílios 5.486

Rede geral de esgoto ou pluvial Fossa séptica Fossa rudimentar Vala Rio, lago ou mar Outro tipo Não Tinham

38.247 domicílios

9.280

149

Gráfico 07.tipo de esgotamento

85%

Gráfico 08. índice de ocupação dos domicílios

Domicílios particulares e coletivos desocupados Domicílios particulares e coletivos ocupados Fonte: IBGE, 2010. Á rea de intervenção aproximada pelos setores censitário.

1640 204

Gráfico 09.distribuição faixa etária

6.313 4.509

6.313 pessoas

6.276

0-20 anos

20-40 anos 40-60 anos 60-80 anos 80-100 anos

Fonte: IBGE, 2010. Á rea de intervenção aproximada pelos setores censitário.

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

093


LEGISLAÇÃO

LEI Nº 13.430 , DE 13 DE SETEMBRO DE 2002 (Projeto de Lei nº 290/02, do Executivo) Plano Diretor Estratégico. Projeto de Lei de revisão do PDE (PL 688/13)

O Município de São Paulo possui um Plano Diretor Estratégico (PDE) aprovado em 2002, através da Lei 13.430/02). Segundo o Estatuto da Cidade (Lei 10.257/01), que estabelece diretrizes gerais da política urbana no país, ele deve ser revisto a, pelo menos, cada dez anos. Recentemente, somente após 12 anos, foi elaborado um Projeto de Lei de revisão do PDE (PL 688/13), com aprovação no novo plano diretor em Junho de 2014. O primeiro aspecto a ser observado relativo ao PDE é de que ele foi elaborado de acordo com o Estatuto das Cidades, o que teoricamente o faz reforçar o princípio da função social da terra, garantindo uma cidade sustentável, apoiado no tripé formado pelo crescimento socioeconômico e a preservação ambiental.

Figura 31.macrozona de Proteção e Recuperação Ambiental

Fonte: Projeto de Lei de revisão do PDE (PL 688/13) Figura 32.macroárea de Recuperação Urbana e Ambiental

Fonte: Projeto de Lei de revisão do PDE (PL 688/13)

No que concerne ao macrozoneamento e a questões ambientais, o Parque Paulistano se encontra em uma área de Recuperação Urbana e Ambiental. Tais áreas se destacam por serem território ambientalmente frágeis, que demandam cuidados especiais para sua conservação, e tem como principal função prestar serviços ambientais essenciais para a sustentação da vida urbana. As seguintes diretrizes são descritas no PDE: CAPÍTULO II – Do Macrozoneamento Art. 11. O território do Município de São Paulo fica subdividido em: I – Macrozona de Proteção e Recuperação Ambiental; Seção II – Da Macrozona de Proteção e Recuperação Ambiental Art. 16. A Macrozona de Proteção e Recuperação Ambiental, conforme Mapa n. 01 anexo, e caracterizada pela existência de sistemas ambientais, compostos por elementos e processos relacionados ao clima, solo, relevo, recursos hídricos, remanescentes florestais, biodiversidade, entre outros, que, ao interagir com elementos dos sistemas urbanos, resultam em áreas com diferentes estágios de preservação e degradação ambiental. § 1º. Os sistemas ambientais tem função precípua de prestar serviços ambientais essenciais para a sustentação da vida urbana das gerações presentes e futuras, estando sua qualidade ambiental influenciada pela sua

094


interação com os sistemas urbanos. § 2º. A Marazona de Proteção e Recuperação Ambiental contem remanescentes florestais significativos em diversos estágios sugestionais, que contribuem para a manutenção da biodiversidade, conservação do solo e manutenção dos recursos hídricos superficiais e subterrâneos. § 3º. As características geológicas e geotécnicas da Marazona de Proteção e Recuperação Ambiental demandam critérios específicos de ocupação que admitem tipologias de assentamentos urbanos e atividades econômicas, inclusive agrícolas e de extração mineral. Art. 13. Os objetivos específicos da Marazona de Proteção e Recuperação Ambiental são: I – preservação, conservação e recuperação das características naturais dos elementos e processos que compõem os sistemas ambientais; II – respeito as fragilidades geologico-geotecnicas e de relevo dos terrenos existentes; III – garantia da manutenção dos serviços ambientais prestados pelos sistemas existentes; IV – promoção de atividades econômicas compatíveis com o desenvolvimento sustentável; V – melhoria das condições urbanas e ambientais nos assentamentos, promovendo a compatibilização entre a garantia de moradias dignas, preservação da qualidade ambiental e dos bens e áreas de valor histórico e cultural; VI –urbana que expõem diversos grupos sociais, especialmente os de baixa renda, a situações de riscos, perigos e ameaças; VII – contenção da expansão urbana sobre áreas de interesse ambiental e de proteção e recuperação dos mananciais hídricos. VII – contenção da expansão urbana sobre áreas de interesse ambiental e de proteção e recuperação dos mananciais hídricos. Art. 14. Para atingir seus objetivos específicos, a Macrozona de Proteção e Recuperação Ambiental subdivide-se em: I – Macroárea de Preservação de Ecossistemas Naturais; II – Macroárea de Contenção Urbana e Uso Sustentável; III – Macroárea de Recuperação Urbana e Ambiental; IV – Macroárea de Redução de Vulnerabilidade Urbana. Seção III – Da Macroárea de Recuperação Urbana e Ambiental Art. 18. A Macroárea de Recuperação Urbana e Ambiental, conforme Mapa n. 02 anexo, é caracterizada pela existência de áreas urbanizadas com distintos padrões de ocupação, predominantemente horizontais, permeadas por vazios intraurbanos e cobertura vegetal pouco expressiva ou ausente, ocorrendo, ainda, áreas de exploração mineral, ativas e desativadas, e assentamentos precários, muitos localizados em áreas suscetíveis a processos erosivos, escorregamentos ou outros movimentos de massa, sendo este um território prioritário para recuperação urbanística e ambiental. § 1º. A Macroárea de Recuperação Urbana e Ambiental contém elementos dos sistemas ambientais que podem ser recuperados para a prestação de serviços ambientais, em especial aqueles relacionados com a produção de água, bem-estar humano e conservação do solo, mesmo que impactados pela interação com sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

095


os elementos dos sistemas urbanos, com assentamentos precários e irregulares ocupados por populações de baixa renda que se encontra em situações de vulnerabilidade. § 2º. Os objetivos específicos da Macroárea de Recuperação Urbana e Ambiental são: I – promoção da urbanização e regularização fundiária dos assentamentos urbanos precários e irregulares existentes, dotando-os de serviços, equipamentos e infraestruturas urbanas, garantido o direito social à moradia adequada, recuperando a qualidade ambiental e minimizando os impactos decorrentes da ocupação indevida do território; II – contenção da expansão e do adensamento construtivo e demográfico dos assentamentos urbanos precários e irregulares existentes mencionados no inciso anterior; III – construção de habitações de interesse social para reassentamento de populações moradoras de áreas de risco que já vivem nesta Macroárea; IV – melhoria e complementação do sistema de mobilidade com a integração entre os sistemas de transporte coletivo, viário, cicloviário e de circulação de pedestres dotando-o de condições adequadas de acessibilidade universal e sinalização; V – redução e eliminação dos riscos geológicos geotécnicos e dos riscos decorrentes da contaminação do solo e prevenção em relação ao surgimento de novas situações de risco; VI – compatibilização de usos e tipologias de parcelamento do solo urbano com as condicionantes de relevo, geológico-geotécnicas e com legislação de proteção e recuperação aos mananciais e com a preservação de bens e Áreas de valor histórico e cultural; VII – recuperação das áreas mineradas e degradadas suscetíveis a processos erosivos minimizando a ocorrência de poluição difusa; VIII – articulação entre órgãos e entidades municipais e estaduais para garantir a conservação, preservação e recuperação urbana e ambiental; IX – recuperação dos serviços ambientais prestados pelos sistemas ambientais existentes, em especial aqueles relacionados com a produção da água, proteção do solo e redução de riscos geológico-geotécnicos e de relevo; X – compatibilização das soluções de saneamento ambiental com as condicionantes de relevo, geológicogeotécnicas e com a legislação estadual de proteção e recuperação aos mananciais. § 3º. Na Macroárea de Recuperação Urbana e Ambiental se aplicam, no mínimo, os seguintes instrumentos de política urbana e de gestão ambiental: I – zonas especiais de interesse social 1 e 4; II – Zona Especial de Preservação Cultural III – concessão do direito real de uso; IV – concessão de uso especial para fins de moradia; V – usucapião especial de imóvel urbano; VI – legitimação de posse; VII – demarcação urbanística; VIII – assistência técnica, jurídica e social gratuita;

096


Figura 34.zeis

Fonte: Projeto de Lei de revisão do PDE (PL 688/13)

IX – Plano de Desenvolvimento do Bairro; X – direito de superfície; XI – direito de preempção; XII – estudo e relatório de impacto de vizinhança; XIII – estudo e relatório de impacto ambiental; XIV – avaliação ambiental estratégica; XV – estudo de viabilidade ambiental; XVI – termo de compromisso ambiental; XVII – termo de compromisso de ajustamento de conduta ambiental; XVIII – pagamento por prestação de serviços ambientais; XIX – legislação de proteção e recuperação dos mananciais e correlatas. Seção IV - Da Zona Especial de Interesse Social (ZEIS) Subseção I - Dos Conceitos e Classificação da ZEIS Art. 44. As Zonas Especiais de Interesse Social (ZEIS), demarcadas nos Mapas 4 e 4A, são porções do território destinadas, predominante mente, à moradia digna para a população da baixa renda por intermédio de melhorias urbanísticas, recuperação ambiental e regularização fundiária de assentamentos precários e irregulares, bem como à provisão de novas Habitações de Interesse Social - HIS e Habitações de Mercado Popular -HMP a serem dotadas de equipamentos sociais, infraestruturas, áreas verdes e comércios e serviços locais, situadas na zona urbana. § 1º Para efeito da disciplina de parcelamento, uso e ocupação do solo, as disposições relativas às ZEIS prevalecem sobre aquelas referentes a qualquer ou tra zona de uso incidente sobre o lote ou gleba. Art. 45. - As ZEIS classificam-se em 5 (cinco) categorias, definidas nos seguintes termos: I - ZEIS 1 são áreas caracterizadas pela presença de favelas, loteamentos irregulares e empreendimentos habitacionais de interesse social, e assentamentos habitacionais populares, habitados predominantemente por população de baixa renda, onde haja interesse público em manter a população moradora e promover a regularização fundiáriae urbanística, recuperação ambiental e produção de Habitação de Interesse Social; sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

097


LEI Nº 13.885, DE 25 DE AGOSTO DE 2004 Uso e Ocupação do Solo do Município de São Paulo

ZCP ZM: Figura 35.zoneamento Fonte: Lei n°13.885, de 25 de Agosto de 2004

Sobre o Uso e Ocupação do Solo do Município de São Paulo, a área tratada se encontra dentro das seguintes características: Seção II - Das Macrozonas Subseção II - Da Macrozona de Estruturação e Qualificação Urbana Art. 108. Para fins de uso e ocupação do solo, a Macrozona de Estruturação e Qualificação Urbana, fica subdividida nas seguintes zonas de uso: III. zonas mistas - ZM: porções do território da Macrozona de Estruturação e Qualificação Urbana, destinadas à implantação de usos residenciais e não residenciais, inclusive no mesmo lote ou edificação, segundo critérios gerais de compatibilidade de incômodo e qualidade ambiental, que têm como b) ZM - 2: zonas mistas de densidades demográfica e construtiva médias, com coeficiente de aproveitamento mínimo igual a 0,20, básico igual a 1,0 e máximo variando de 1,0 até o limite de 2,0; IV. zonas centralidade polar - ZCP: as porções do território da zona mista destinadas à localização de atividades típicas de áreas centrais ou de subcentros regionais, caracterizadas pela coexistência entre os usos não residenciais e a habitação, porém com predominância de usos não residenciais, classificadas como: a)... ZCPa: zona centralidade polar com coeficiente de aproveitamento mínimo igual a 0,20, básico igual a 1,0 e máximo variando de 1,0 até o limite de 2,5. a) ver artigo 192 da parte III desta lei, quanto à taxa de ocupacao na ZM para edificacoes de até 12m de altura b) ver artigo 185 da Parte lll desta lei, quanto ao recuo mínimo de frente em ZM, ZCP, ZCL, ZPI e ZEIS c) ver artigo 186 da Parte lll desta lei quanto aos recuos mínimos laterais e de fundos para edificações com altura superior a 6,00 metro d) ver §1º e §2º do artigo 186 da Parte lll desta lei, quanto aos recuos para atividades industriais, serviços de armazenamento e guarda de bens móveis e oficinas f) respeitadas as disposições da Legislação Ambiental vigente g) incluindo garagens e cobertura para autos. h) CA máximo poderá ser igual a 4.0 quando aplicado o instrumeno Operacao Urbana Jacú-Pêssego.

098


(c) (d)

(c) (d) NÃO EXIGIDO (d)

NÃO EXIGIDO (d) 5 (b)

5 (b) 25

SEM LIMITE 5

5 125 0,15

125 ZCP - a/03

Tabela 02.índices urbanísticos permitidos

0,2

1

1

0,5 (res) (a);(g) 0,7(com) 0,5 (res) 0,7(com) 2 1 0,2 ZM - 2 ZM - MÉDIA DENSIDADE

BÁSICO

0,15

FUNDOS E LATERAIS FRENTE IFICAÇÃO MENOR OU IGUAL ALTURA DA EDIFICAÇÃO (m) A 6, 00 m SUPERIOR A 6,00 m MÁXIMO

TAXA DE OCUPAÇÃO MÁXIMA

TAXA DE PERMEABILIDADE MÍNIMA

LOTE MÍNIMO (m²)

FRENTE MÍNIMA (m)

CARACTERÍSTICAS DE DIMENSIONAMENTO E OCUPAÇÃO DOS LOTES COEFICIENTE DE APROVEITAMENTO

ZONA DE USO

ZONA CENTRALIDADE POLAR OU LINEAR

Art. 192. Nas zonas mistas - ZM, a taxa de ocupação poderá chegar a 0,70 quando o gabarito de altura da edificação não exceder 12,00 m (doze metros).

CARACTERÍSTICAS DAS ZONAS DE USO

Art. 186. As edificações, instalações ou equipamentos, a partir de 6 m (seis metros) de altura em relação ao perfil natural do terreno devem observar recuos laterais e de fundos, que podem ser escalonados e dimensionados de acordo com a fórmula a seguir, respeitado o mínimo de 3 m (três metros): R = (H - 6) ÷ 10 onde: R = recuos laterais e de fundos; H = altura da edificação em metros contados a partir do perfil natural do terreno. § 1º - As edificações destinadas aos grupos de atividades industriais, serviços de armazenamento e guarda de bens móveis e oficinas, localizadas nas zonas e vias onde esses grupos são permitidos fora das zonas predominantemente industriais - ZPI, deverão observar os recuos obrigatórios definidos no “caput” desse artigo a partir do pavimento térreo, excetuadas: III. as edificações com área construída computável de no máximo 250 m2 (duzentos e cinquenta metros quadrados); IV. as edificações com área construída computável de no máximo 500 m² (quinhentos metros quadrados), quando localizadas nas demais zonas e vias onde as atividades referidas no caput são permitidas. § 2º - As edificações destinadas aos grupos de atividades locais de reunião e eventos e associações comunitárias, culturais e esportivas, localizadas nas zonas e vias onde essas atividades são permitidas fora das zonas predominantemente industriais - ZPI e das zonas centralidades ZCP e ZCL, deverão observar os recuos obrigatórios definidos no “caput” desse artigo a partir do pavimento térreo, excetuadas as edificações com área construída computável de no máximo 500 m2 (quinhentos metros quadrados).

GABARITO DE ALTURA MÁXIMO (m)

Art. 185. Não será exigido recuo mínimo de frente nas zonas ZM-2 e ZM-3, ZMp, ZCP, ZCL, ZCPp, ZCLp, ZPI e ZEIS quando no mínimo 50% (cinqüenta por cento) da face de quadra em que se situa o imóvel esteja ocupada por edificações no alinhamento do logradouro, no levantamento aerofotográfico do Município de São Paulo, de 2000.

MÍNIMO

Seção IV Das características de aproveitamento, ocupação e dimensionamento dos lotes

RECUOS MÍNIMOS (m)

Capítulo IV Da construção de edificações e da instalação dos usos

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

099


TERRENO FÉRTIL

Monteiro, analisando o caso de áreas abertas de um bairro na cidade de Campinas, aponta que: Há uma tendência a condenar todo o sistema que produziu as inadequadas decisões de projeto que o formaram e aos padrões iguais a ele. A partir daí cresce o risco de todos eles serem estudados apenas como uma anomalia, como um Quasimodo, listando todas as suas inadequações, incoerências e incongruências, e fazendo dele o anti-modelo que deveria ser evitado a todo

custo. E de certa forma isto é o correto, chama-se aprender com os erros (...) (MONTEIRO, 2007, p. 194). Nesse sentido, adaptando a análise de Monteiro para este trabalho, talvez seja preferível entender o bairro Parque Paulistano como algo além de um modelo ruim, ou seja, como um terreno fértil de desafios e possibilidades, o qual não devemos tomar como perdido. Figura 36.parque paulistano fonte: CORSI,2014

0100


05

REFERรŠNCIAS

sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano 0101


REFERÊNCIAS IBA Emscher Park Vale do Ruhr, Alemanha, 1989 Em 1989, foi criada uma oficiana para a renovação de uma antiga região industrial, delimitada pela zona do rio Emscher, no vale do Ruhr, por um período de 10 anos. O cenário original era constituído por uma complexa realidade regional composta de áreas industriais obsoletas, esvaziadas e em ruínas; conseqüências do abandono das atividades mineradoras e das indústrias em geral. Especificamente, os dois principais objetivos projeto eram dar à região uma imagem mais verde e dar vida às plantas industriais tradicionais.

do conceito de cinturões verdes, desenvolvido anteriormente, em 1920, por Robert Schmidt. Estes elementos foram considerados ordenadores do espaço, articulados por um corredor verde 70Km de comprimento e 15 quilômetros de largura. Este corredor verde, o Emscher Landschaftpark (Emscher Parque da Paisagem) foi a linha estrutural para a regeneração do coração da região do Ruhr. Este projeto se torna referência para este trabalho, na medida que, através dos cinturões verdes cria um sistema de espaços livres que articula e procurar dar legibilidade a todas as intervenções do projeto, sejam elas pontuais ou não.

A defesa dos espaços abertos foi tomada através Figura 37.recuperação da paisagem industrial através do verde fonte: Flickr Creative Commons e Flickr Larraine Henning

0102


Figura 38.mapa geral do parque com 70km de comprimento e seus principais pontos e rotas fonte: Regionalverband Ruhr

sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano 0103


Mélun Sénart Mélun, França, 1987

Figura 39.mapa geral com a definição das áreas livres escolhidas fonte: site OMA

“uma nova concepção da cidade, uma cidade que não seria mais definida por seus espaços construídos, mas pela ausência destes ou pelos vazios” (apud NESBITT, 2008).

Diante de uma repulsa em projetar e construir uma nova cidade dentro das condições e dos recursos existentes, o escritório de Koolhass começa a se perguntar se não haveria uma nova técnica, uma nova maneira de trabalhar. [...] sem essa deficiência ou incompetência, uma possibilidade de reverter a situação, de modo que não pudéssemos mais assegurar que podíamos construir uma cidade, mas que pudéssemos sim descobrir outros elementos com os quais criar uma nova forma de condição urbana. [...] [...]Decidiram não construir nas fronteiras do norte e do sul, nem em um entremeio com pequenos bosques ou perto de rodovias. Com essa sistemática eliminação, sobrou uma espécie de desenho chinês, onde foi tomada a decisão de “não construir aqui e não estamos interessados em construir ali”. Controlando esse sistema de espaços vazios ou espaços de paisagem natural, foram abandonados qualquer reivindicação de controle sobre as terras residuais, na crença de que elas provavelmente acabaraim no que os franceses chamam de merde. A qualidade sublime dos espaços verdes poderia propiciar em vez disso uma nova concepção de cidade que não seria mais definida por seus espaços construídos, mas pela ausência destes ou pelos espaços vazios (apud NESBITT, 2008). O Mélun Senart é referencia para este projeto por dar legibilidade ao território através da dos espaços livres. No contexto do Parque Paulistano, uma área tão densa construtivamente e já plenamente estabelecida, este projeto desperta alguns questionamentos: E se houvesse uma mudança na forma de encarar o construído e o não construído a partir de hoje? E se o vazio passasse a ser o guia de todo o planejamento daqui para frente? Quais as mudanças que isso acarretaria para o bairro?

0104


Emerald Necklace Boston, EUA, 1877 O sistema de parques The Emerald Necklace, em Boston, é um dos primeiros exemplos da articulação de peças de espaços livres em sistema. É uma combinação de parques, parkways e bulevares desenhados para a cidade de Boston em 1877, por Frederick Olmsted, que forma uma sequência de espaços livres verdes em semicírculo por mais de 11 quilômetros. O parque, que incorpora o rio Stony Brook e Muddy, o Boston Public Garden, o Boston Common, a Commonwealth Avenue, o Back Bay Fens, o Riverway, o Olmsted Park, o Jamaica Park, o Arnold Arboretum e o Frank Park entre vários caminhos verdes, foi o estruturador do desenvolvimento da cidade. Podemos dizer que o parque se lança e permanece – parcialmente, pois foi entrecortado por ave-

nidas – até os dias de hoje, em várias dimensões. Além dos fins sociais e recreativos, atua como provedor de infraestruturas de mobilidade e de controle de enchentes; auxilia na qualidade do ar, das águas e do solo; catalisa e qualifica o desenvolvimento urbano; e traz inúmeros benefícios ambientais (climáticos e relativos à biodiversidade). Vale lembrar que este é o primeiro projeto de construção de áreas alagadas (wetlands) de que se tem notícia (HERZOG e ROSA, 2010). O Emerald Necklace surge como referência para este trabalho pois articula espaços livres verdes através de um sistema que alia diversas funções: controle de enchentes, qualidade do ar, água e solo, catalisação ou qualificação do desenvolvimento urbano, além de trazer biodiversidade e benefícios sociais e recreativos

Figura 40.mapa do sistema de parques Emerald Necklace fonte: site OMA

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0105


VAZIOS DE ÁGUAS São Paulo, Brasil, 2007 Uma das soluções propostas para o problema das enchentes em São Paulo é a construção de um conjunto de reservatórios de retenção e regulação das águas pluviais conhecido como “piscinão”. Segundo Franco, Moreira e Braga (2007), em suma, o “piscinão” visa substituir o funcionamento regulador original das várzeas ocupadas e impermeabilizadas da cidade. Atualmente, existem 39 reservatórios construídos, em um total previsto de 131, que manterão 15,5 milhões de m³ de água. Eles se distribuem por todas as microbacias tributárias do rio Tietê e muitos se localizam junto a setores de ocupação informal da cidade. Dessa forma, o enfrentamento da dimensão metropolitana do problema das enchentes significará necessariamente um investimento público em zonas periféricas. À medida que os “vazios de água” se referem a espaços públicos periféricos como locais temporariamente vazios com potencial para diversas possibilidades de uso e sobretudo com potencial para inserção de espaços públicos, e propõem ainda a sistematização integrada de várias esferas de atuação, eles se tornam uma referência para o sistema de espaços livres urbanos deste trabalho.

O projeto Espacialmente, os piscinões são escavações distribuídas de forma difusa e preenchidas temporariamente durante o período das chuvas. No restante do tempo são espaços ociosos. Porém, para os arquitetos envolvidos, os vazios oferecem diversas possibilidades de usos caso sua construção seja articulada aos demais planos para a cidade, conciliando entre si as políticas de transporte, de equipamento urbano e, sobretudo, de espaços públicos da metrópole.

urbanos em São Paulo, pode ser convertida em um oportuno aumento da presença de espaços públicos na cidade. Neste contexto vale destacar que os setores informais são os mais desfavorecidos. Neles, onde a disputa por solo urbano é muitas vezes mediada pela violência, persistem áreas sem ocupação. São terrenos usualmente destinados a campos de futebol e outras atividades coletivas. Desempenham um papel fundamental para a construção das redes de sociabilidade e pertencimento, responsáveis por fortalecer os vínculos sociais que resistem às adversidades da vida na grande metrópole. Representam um sintoma que atesta o valor do espaço público para essas áreas (FRANCO, MOREIRA e BRAGA, 2007). Outra proposta do projeto é a construção de uma rede difusa de estações compactas de tratamento de esgoto junto às fontes poluentes de cada microbacia. A melhoria da qualidade das águas aportaria um maior volume aos córregos, viabilizando assim uma diretriz pública de construção de parques lineares ao longo dos principais cursos de água (FRANCO, MOREIRA e BRAGA, 2007). Resumidamente, o projeto apresenta como principais diretrizes: remover favelas das áreas non aedificandi; recompor a calha dos córregos para as águas; ampliar a lâmina de água da rede hidrográfica por meio de represamentos localizados; regular o fluxo hídrico com a construção de barragens fixas e móveis nos canais fluviais; implantar as habitações sobre as áreas originalmente previstas para os piscinões. Os vazios resultantes representam um sistema técnico de drenagem, tratamento e reuso dos recursos hídricos, assim como estruturam um sistema de espaços públicos. Eles atuarão como uma referência espacial na paisagem da cidade, uma escritura de água na cartografia da periferia “técnica e simbólica, rigorosa e cristalina” (FRANCO, MOREIRA e BRAGA, 2007).

Sua infraestrutura, considerada uma rede de vazios

0106


sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0107

Figura 41.estrutura de águas no Campo Limpo e piscinões existentes fonte: FRANCO, MOREIRA, BRAGA


Parque Sarmiento Córdoba, Argentina, 1911 O Parque Sarmiento, localizado perto do centro da cidade de Córdoba, Argentina, foi projetado pelo arquiteto paisagista Francês Carlos Thays e inaugurado em 1911. O espaço é a maior área verde inserida na cidade, sendo um dos mais antigos da América do Sul. Em sua grande infra estrutura se destacam o Jardim Zoológico, importantes instituições como o Museu de ciências naturais e o novo centro de interpretação da cidade de Córdoba, um lago artificial, o farol do bicentenário, a Cordoba Lawn Tennis Club, instalações esportivas, etc. Este parque se torna referência para este trabalho por sua inserção urbana integrada e complementar à cidade, sendo uma continuação da mesma, e não só uma área verde inserida na paisagem.

0108


sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano 0109


POCKET PARKS Nova Iorque, EUA, 1967 São pequenas áreas públicas convidativas que permitem que as pessoas relaxem, contemplem e se isolem da cidade. Tais espaços devem ser abertos e contar com vegetação e lugares para sentar, relaxar e conversar. De maneira geral, devem ainda contribuir para uma cidade mais agradável, verde e resiliente.

vegetação reduzidas, cadeiras leves e portáteis, materiais duráveis e, a fim de garantir a segurança, o fechamento noturno. O Paley Park gerou outros Pocket Parks, por exemplo, o Greenacre Park (por iniciativa da família Rockefeller), projetado por Hideo Sasaki e inaugurado em 1971 em um terreno de 18x36m (LOURENÇO, 2012).

Em 1967 foi inaugurado o primeiro Pocket Park (Paley Park). Este modelo de parque traria grandes mudanças à paisagem nova-iorquina. A ideia inicial visava projetar espaços que exigissem pouca manutenção. Para tanto, propunha-se área e

Este projeto foi escolhido como referência pois se trata de uma estratégia interessante de transformação de uma paisagem existente por meio da implantação de espaços públicos em espaços antes odiosos ou degradados.

Figura 42.corte do Green Acre Park, 1971

fonte: sasaki associates Figura 43.Green Acre Park (1971) e Paley Park (1967)

fonte: sasaki associates

fonte: flick Alex Enciu

0110


EM SÃO PAULO... Se nos Estados Unidos os “Pocket Parks” existem há mais de 45 anos, em São Paulo estão apenas começando. Previstos no novo Plano Diretor, estes miniparques, se realizados por aqui, podem transformar terrenos baldios em espaços públicos ao ar livre.

plação. Quaisquer pessoas podem propor projetos, seja pessoa física ou jurídica. Basta entrar com um pedido junto à subprefeitura do bairro, assim como à administração municipal.

Além disso, foi assinado um decreto no dia 16 de abril de 2014 pelo atual prefeito da cidade de São Paulo, Fernando Haddad, que regulamenta a implementação dos chamados “parklets”. A ideia é transformar vagas de carros nas ruas em espaços públicos de descanso, lazer e contem-

Figura 44.noreiga Street Parklet

fonte: Matarozzi Pelsinger


VEGIETECTURE A mistura de vegetação e arquitetura é o que dá destaque a esse conceito expresso em uma fachada de 21m de altura e cerca de 300m2 projetada pela consultora Capella Garcia em um edifício residencial na cidade de Barcelona.

com bancos, fontes, abrigos para pássaros e até um telescópio. Internamente existe uma série de escadas que ligam os andares. A irrigação é feita por um gotejamento automatizado que monitora o consumo de água.

Segundo LAYLIN (2012), “when an adjacent building was demolished, a stark blank wall was left behind – so the designers completely transformed this eyesore with a freestanding 21-meter-tall galvanized steel structure adorned with lush green plants”.

A grande vantagem desse sistema em uma área urbanizada consolidada, e o que o faz ser uma referência para este projeto, é sua estrutura física independente do edifício. Esta pode ser anexada a qualquer empena cega de um edifício, abrindo assim diversas possibilidades de intervenção urbana, além de filtrar impurezas do ar, controlar a temperatura e isolar ruídos.

A estrutura do paredão foi feita em aço galvanizado. Suas várias plataformas de jardins contam

Figura 45.fotos da estrutura sem e com vegetação fonte: Capella Garcia

0112


RECETAS URBANAS Figura 46.fotos dos projetos El Niu e Bancos Alegales

Recetas Urbanas O arquiteto Santiago Cirugeda, em seu escritório Recetas Urbanas, desenvolve projetos que, como eles mesmos definem, misturam diferentes aspectos da realidade urbana, objetivando superar a complicada vida em sociedade. Suas intervenções vão desde o efêmero até o permanente, podendo estar presentes em espaços públicos, fachadas, pátios, coberturas, entre outros. O Recetas Urbanas foi escolhido como um projeto referencial especialmente por ser um coletivo que se propõe a tratar do espaço público como algo complexo e cheio de conexões, variando suas intervenções de acordo com a realidade local e sempre alternando entre intervenções oficiais e iniciativas locais El Niu El Niu é uma intervenção arquitetônica efêmera, localizada no terraço de um edifício. O objetivo da intervenção era dar suporte ao Centro de Arte para a realização de atividades dirigidas a intervenções e investigações artísticas. Para a construção dos espaços foram reciclados quatro containers e outros elementos doados. Os containers foram cobertos por folhas secas, ramos e tecido para que pudesse se assemelhar a um ninho. Além de ser um espaço de exposição e produção, El Niu também funciona como residência temporária. A instalação de seis bancos em solo residual de um bairro periférico em Vigo surge com o objetivo de levar melhorias funcionais ao local e enriquecer experiências pessoais e coletivas de modo a manter o ânimo pela luta por outros projetos mais complexos e de maior desenvolvimento.

fonte: site Recetas Urbanas

Bancos Alegales

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0113


POST-IT CITY O conceito Post-it City faz referência a formas de utilização e ocupação temporárias de espaços urbanos – sejam elas de caráter comercial, lúdico, sexual ou qualquer outra natureza – com a característica comum de deixar rastro e autogerir suas chegadas e saídas. Por analogia, está ligado à interferência que se faz sobre algo quando colocamos um post-it, ou papel com cola, fato que altera a ordem pré-estabelecida de prioridades, apresentando outros destaques a serem observados (PERÁN, 2009). Como comenta Perrán (2009): Los fenómenos Post-it City ponen de relieve la realidad del territorio urbano como el lugar donde, de forma legítima, se solapan distintos usos y situaciones, en oposición a las crecientes presiones para homogeneizar el espacio público. Frente a los ideales de la ciudad como lugar de consenso y de consumo, las ocupaciones temporales del espacio rescatan el valor de uso, desvelan distintas necesidades y carencias que afectan a determinados colectivos, e incluso potencian la creatividad y el imaginario subjetivo (PERÁN, 2009).

Estes lugares contêm uma experimentação implícita de novas formas de sociabilidade que se transformam e se moldam incessantemente de acordo com as ocasiões e as oportunidades às quais são submetidas (VARRA, 1987). A cidade, encarada como elemento vivo, dinâmico, ativo e reativo, fez com que, por exemplo, o grupo Bureau dês Mésarchitectures propusesse algumas sugestões para ocupações efêmeras de espaços públicos e é o que faz dessas ocupações efêmeras referências para este projeto. A meu ver, esse tipo de arquitetura é uma forma inteligente de habitar o vazio, pois se relaciona com as crescentes mudanças sociais e culturais em nossas cidades tão complexas, com territórios tão incertos. Eventos, feiras, exibições se mostram úteis em situações de emergência ou em lugares esquecidos e ignorados, de forma a dar vida, dinamismo, consolidar a vida na cidade e determinar o uso de seus espaços públicos (MARRA, 2012).

0114


sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0115

Figura 48.: exemplo de uma ocupação temporária do território foto: http://www.ciutatsocasionals.net/

Figura 47.exemplo de ocupação temporária do território foto: Sérgio Carrasco


06

ESTRATÉGIAS

0116


Relações, conexões e intensa vida existente nas ruas

Desejos da população

Entendimento do local

Novo sistema de espaços livres

Diretrizes de transformação do suporte físico existente

Figura 49. diretrizes projetuais


ENTREVISTAS E ATIVIDADES Primeira Etapa Data: 22/05/2014 E.E. Dr. Diogo de Faria Consistiu em uma primeira aproximação a um grupo de crianças do quinto ano do ensino fundamental na E.E. Dr. Diogo de Faria. Nossa visita foi uma primeira aproximação de um grupo de crianças do quinto ano do ensino fundamental na E.E. Dr. Diogo de Faria. Por coincidência, no mesmo dia do início das nossas atividades com os alunos, a professora responsável pela sala havia feito a leitura coletiva do livro “‘Essa Rua é Nossa!’: aprendendo a conviver no espaço público”. Por isso toda a atividade realizada foi elaborada a partir dessa introdução feita anteriormente. Optou-se por não apresentar qualquer tipo de crítica ou opinião pessoal sobre os espaços livres existentes no bairro neste momento, com o objetivo de que as respostas e desenhos feitos fossem os mais honestos e inocentes possíveis.

espaços público existentes. Foram estímulos aos sentidos e às lembranças referentes ao bairro em que esses alunos vivem, os quais poderiam inspirar e estimular soluções de projeto – o que, de fato, ocorreu. Elaborou-se assim um relato ao mesmo tempo gráfico e escrito das percepções, anseios e angústias acerca dos espaços livres existentes e desejados. Vale a pena ressaltar como a falta de referências de um bom padrão urbano arquitetônico influenciou as opiniões e propostas de novos espaços livres. Observamos uma repetição nos desenhos de algumas crianças, que mostravam os mesmos bancos e praças precários presentes atualmente no bairro como sendo um ideal de espaço livre.

A primeira atividade realizada foi a exposição de sete fotografias recentes do bairro, nas quais os alunos deveriam colar post-its com comentários sobre suas opiniões e lembranças acerca desses locais, estimulando assim suas memórias e experiências pessoais e sensoriais. A segunda atividade proposta foi a elaboração de desenhos sobre como seriam os espaços de lazer e convívio ao ar livre que eles gostariam de ter. Esta atividade foi dada como dever de casa pela professora para que os alunos pudessem ter um tempo maior de reflexão sobre o assunto. Estes exercícios procuravam tanto fundamentos sociais quanto subjetivos sobre a percepção dos

0118


Figura 50.desenhos ilustrando as vontades de duas das crianรงas presentes na atividades

sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano 0119


Figura 51.imagem com opiniþes das crianças sobre o local em destaque


Figura 52.imagem com opiniþes das crianças sobre o local em destaque


Figura 54.imagem 53.Imagem com opiniþes das crianças sobre soreb o local em destaque


Figura 55.imagem com opiniþes das crianças sobre o local em destaque


sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano 0127


Figura 56.imagem com opiniþes das crianças sobre o local em destaque


sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano 0129


Figura 57.imagem com opiniþes das crianças sobre o local em destaque


Segunda Etapa Data: 23/06/2014 Associação Beneficente Irmã Idelfranca A conversa foi realizada com 10 participantes da Associação Beneficente Irmã Idelfranca residentes no Jardim Helena e Parque Paulistano. A Associação, segundo informações obtidas pessoalmente e pelo site da mesma, é uma organização social, sem fins lucrativos, fundada em 17 de março de 1998 com a finalidade de oferecer a seus associados espaço de convívio social onde haja integração na dinâmica social e cultural do bairro, bem como representar as aspirações da comunidade, através de reivindicações junto aos poderes públicos. (ASSOCIAÇÃO...) A atividade aconteceu no dia 23/06/2014, segunda-feira. Os idosos falaram suas opiniões sobre os espaços livres do bairro e seu dia-a-dia. Trechos dessa conversa coletiva estão transcritos a seguir:

Figura 58.aula de coral sendo realizada no dia 23/06 na Associação Beneficente Irmã Idelfranca

0132


“Venho aqui na associação de segunda, quarta e sexta. Nos outros dias não tem o que fazer, faço minha caminhada pelas ruas mesmo, porque não tem nada perto.” “Os postos não têm médico, não têm remédio, não têm nada. As prateleiras estão todas vazias! Estou tentando marcar uma consulta faz 3 meses. Mas para falar a verdade nem sei se aquela mulher é médica.” “Eles colocaram só dois equipamentos nessa pracinha aqui do lado. E ainda vem os maloqueiros destruir tudo de noite. Daí com o que sobra ainda dá briga para ver de quem é a vez. Eu que não me meto com isso, faço meu exercício no meu canto.” “Lá na praça do forró tinha aula de dança para a gente, mas agora eles abriram para o pessoal mais jovem. Eu parei de ir, está tudo lotado e fedendo. Até desinfetante eles jogam no ar para ver se melhora aquilo. Mas fazer o que? Minha amiga falou que melhorou, eu acho que vou voltar a ir, porque ficar parada não dá. Começa a doer tudo, não consigo nem fazer as danças que treinamos aqui na associação.” “Dá para fazer tudo aqui no bairro mesmo, só médico que é difícil, os postos são muitos ruins.” “Até que tem ônibus, mas às vezes demora muito e falta uma linha para o parque Dom Pedro. E o terminal a gente não usa muito não, acho que deve ser o pessoal de São Miguel que usa.” “Se eles colocassem mais desses negócios de fazer ginástica, já estava bom. É muito bom! A gente adora! Mas o ruim é que é meio longe de casa e para a gente que é velho é difícil.” “Moça, quando você for fazer seu projeto, não faz coisa muito difícil não, por que você já sabe, né? Por aqui eles não fazem nada.” “Por aqui não tem nada não, só essas praça aí mesmo. Tem as academias, mas quem tem dinheiro para isso? Se eu tivesse eu iria, é tão bom!” “Eu uso bicicleta, mas só para andar por aqui, porque sair é meio perigoso.” “Calçada? A gente não tem calçada não, mas é assim que eles chamam. Isso aí eu não sei o que é não (risos).” sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0133


07

PROJETO

0134


Condicionantes e elementos estruturadores do projeto

fixos

Linha de alta tensão Mini praças originais Passarelas

Edificações potenciais Vazios Urbanos Via comercial Escolas

Ilustração 36.Condicionante fixos de projeto

fluxos

Fluxo de veículos muito intenso + transporte público Vias locais com fluxo local intenso + transporte público Novas vias propostas Rio Itaquera Linha de trem ativa Ilustração 37.Condicionante fluxos de projeto

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0135


A paisagem construĂ­da carente de referĂŞncias e elementos naturais estruturadores dos lugares urbanos.

Ilustração 38.Condicionante gerais de projeto

0136


ausência de espaços livre/públicos

monotonia e degradação da paisagem

esfera pública existente

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0137


Diretrizes Projetuais A partir da leitura do território e do entendimento das dinâmicas sociais que caracterizam o bairro, foi possível entender suas deficiências e as potencialidades. A área é marcada por um tecido extremamente recortado e uma morfologia urbana homogênea e degradada, o que despertou uma necessidade de pensar e desenhar este espaço como sendo uma extensão de seu entorno. O contato com a população foi muito importante para guiar e levantar questionamentos e propostas, trazendo a visão dos moradores do bairro para

dentro destas proposta. Chegou-se a uma proposta de intervenção que opta por reagir às premissas da falta de planejamento urbano. O elemento estruturador é a idealização de um planejamento holístico, envolvendo qualidades essenciais para tornar o bairro mais seguro, sustentável e saudável, permitindo assim, que seus moradores disfrutem plenamente do contato direto com a sociedade entorno deles.

Área de intervenção

ro air o b etê tod Ti or do s p as cio ze ér vár om de a sc e ns no rqu nte ue pa a i eq o lic p m úb de co a p nça de vid se ida e pr oxim pr

Hierarquizar vialidades Reorganizar prioridades de meios locomoção Eliminar as barreiras físicas Recuperar meio ambiente urbano Incentivar a apropriação do bairro pelos moradores Melhorar o desempenho da vida cotidiana Dar suporte a esfera pública e de convívio Incentivar práticas de lazer e esporte Organizar coleta de material reciclável

De fi

ciê

nc ias

es

ad

lid

cia

ten

po na bre al tur re vá ta d al laçã r oa ba ze en mb po rre a d sida i o d ien r n au to a f R e te mi sên s d ísic io T con co ba ni p cia e pa as ietê stru ns tru ída au ixa raç de ss (Nit ído a r s a q u pr ên ua s m ge oq /a ac ioriz cia lid ma re m i uím mb po úm açã de ade l uti de d nse ica ien fal luiç ulo o d es urb liza e c gur e l te ta ão de o pa a da ol os inh de d lix au ço na s eta a fér diá o ri o n tom s pú con se re let as óv bli st log o a) r i c e v ru l os uíd oe a a a ntr s de ee qu sp ali aç da op de úb lic oe pr iva do

Po

Diretrizes Projetuais

Intervenção Urbana

Ilustração 39.infográfico resumo de diretrizes projetuais

0138


principais estruturadores e condicionantes do território existente

apropriação das condicionantes pelo sistema de espaços livres proposto

Ilustração 40.infográficos do partido projetual

Diria que um edifício é arquitetura, mas dois seriam já PAISAGEM URBANA, porque a relação entre dois edifícios próximos é suficiente para liberar a arte da paisagem urbana. As relações entre os edifícios, e o espaço entre eles, são questões que imediatamente se configuram importantes. Multiplique-se isto à ESCALA DE UMA CIDADE e obtém-se a arte do AMBIENTE URBANO; as possibilidades de relacionação aumentam, juntamente com as hipóteses a explorar, e os partidos a tomar. Até um pequeno grupo de edifícios pode assumir uma expressão própria, e ser espacialmente estimulante. Mas através da observação da cidade construída pela especulação ou pelas autoridades locais é se forçado a constatar que esta concepção de paisagem urbana não tem sido respeitada (no melhor dos casos). Continuam ainda numa FASE PRIMITIVA em que o edifício isolado é por si a totalidade e finalidade do urbanismo. Se pensarmos os edifícios como letras do alfabeto, reparamos que elas não são utilizadas para formar palavras coerentes, mas sim gritos monótonos e desolados de AAAAAA! Ou OOOOO! (...) (CULLEN, 1971)

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0139


Diretrizes Projetuais

frio/calor vento poeira, barulho, ofuscamento chuva poluição

espaços para caminhar ausência de obstáculos acessibilidade para todos boas superfícies fachadas interessantes

efeito de transição|zonas espaços atraentes para p apoio para pessoas em p

sobreposição de funções dia e noite ambiente público cheio de vida boa iluminação eliminar o medo do tráfego proteção aos pedestres

Proteção

Con

0140


s permanecer pé

nforto

tirar proveito das vantagens: vista, sol, pessoas zonas para sentar-se linhas de visão desobistruidas vistas interessantes iluminação (para a noite) mobiliario urbano com disposição para paisagens e conversas baixos níveis de ruído (dia e noite|verão inverno) convites para criatividade, atividade física, ginástica e jogos árvores, plantas, água bom detalhamento bons materiais vistas espaços projetados para escala humana

Prazer

Ilustração 41.critérios de qualidade, a serem aplicados neste projeto, com respeito à qualidade do pedestre fonte: livro Cidade para Pessoas, Jan Gehl. IIlustrado e adaptado por CORSI, 2014

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

0141


PROGRAMA OBJETIVO ESPECÍFICO MEIOS 01

Melhorar acessibilidade para pedestres

eliminar barreiras físicas existentes

Pacificar o trânsito e reorganizar prioridades de meios locomoção

redesenho de vias

Dar segurança e comodidade aos ciclistas e pedestres

redesenho de vias e calçadas

04

Recuperar meio ambiente urbano

transformar meio ambiente urbano

05

Definir a hierarquia e prioridade dos meireorganizar fluxos locais os de transporte

06

Ordenar coleta e armazenagem de material reciclável

adaptação da infraestrutura atual

07

Dar suporte a esfera pública e de convívio, Incentivar práticas de lazer e esporte

criar espaço que convide o usuário a essas atividades

08

Incentivar a apropriação do bairro pelos moradores

inclui-los em atividades comunitárias

09

Melhorar paisagem urbana existente

tranformação da paisagem existente

Melhorar Microclima

inserir infraestrutura amenizadora

02 03

10

0142


METAS Desassociar a imagem de perigo e marginalidade associada as passarelas Permitir conexão mais agradável com o outro lado do bairro Facilitar conexões internas ao bairro Priorizar escala do pedestre Encaixar o pedestre como os olhos da rua e dominador do espaço público Atrair usuários ao parque Diminuir a velocidade do trânsito Priorizar o transporte não motorizado Reorganizar trânsito de acesso ao bairro Permitir melhor conexão entre o parque paulistano e o centro de São Miguel paulista Aumentar a apropriação do espaço público Incentivar práticas de lazer e esporte Promover encontros pelas ruas e calçadas Adensar a vegetação do bairro Estimular o uso da biclicleta Reinserir o casarão abandonado ao bairro Integrar todas as faixa etárias Permitir variedade de atividades de acordo com a necessidade Melhorar impacto negativo da paisagem Respeitar meio ambiente urbano Gerar movimento constante nas ruas Melhorar qualidade de vida do catadores de material reciclável Melhorar microclima sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

0143


01 03 06

Ilustração 42.espacialização do programa

07

08

09

10

11 12

0144


Espacialização 01. Reestruturação da Av. Dr. José Artur Nova na altura de seu encontro com a linha férrea, de modo a pacificar o trânsito e priorizar o uso por pedestres; 02. Criação de um sistema de ciclovias; 03. Remodelação das passarelas, extrapolando sua função primária de circulação por meio da criação de um “espaço virtual” que permita aos cidadãos circular, flanar e permanecer; 04. Criação de eixos verdes estruturadores do sistema proposto através de uma infraestrutura amigável ao ciclista e ao pedestre; 05. Redesenho de vias locais de modo a pacificar o trânsito veicular, diminuir o impacto visual negativo existente, aumentar área permeável, permitir a inserção de áreas para lazer, passeio e esporte e amenizar o micro clima local; 06. Redesenho de minipraças de acordo com uso potencial existente; Praça Ariça-Açú: uso ativo (lazer, comércio) Praça Frederico Lange: uso passivo (descanso e contemplação) Praça Jerônimo Pinto: uso ativo (bares, restaurantes e lojas) Praça Peixe Galo: uso ativo (lazer) 07. Estruturação de lotes vazios com usos diversos: hortas, parquinhos, banca de jornal; 08. Definição de local único para armazenamento de materiais recicláveis para os catadores locais; 09. Criação de um parque com design de final aberto no vazio urbano da Av. Bettino de Deo; 10. Integração de casarão abandonado ao parque por meio de sua remodelação para o recebimento de atividades socioculturais; 11. Criação de conexões da Av. Bettino de Deo ao parque; 12. Proposta de novos parâmetros de ocupação do lote para substituição do passivo construtivo existente (recuos, fachadas etc.). sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

0145


como

Ilustração 43.espacialização e possíveis conexões do programa

0146


conectar? sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano

0147


LEITURA DO TERRITÓRIO E PROPOSTAS O ponto de partida para análise do bairro foi sua vida pública intensa, que se manifesta nas calçadas por meio de bancos improvisados, quadras de futebol feitas com chinelos ou latas nas vias, mesas de bar e jogos ao ar livre. Neste cenário, as minipraças propostas no projeto de loteamento original, e que foram transformadas em vias de circulação, mostram-se como ponto de partida para a estruturação de um sistema de espaços públicos que forneça lugares para a prática de esportes, cultura e lazer, e que dê suporte à infraestrutura existente, melhorando consequentemente o desempenho da vida cotidiana de seus moradores e às questões ambientais existentes. Neste projeto, estão previstas quatro mini praças, com usos variados que lhe foram destinados segundo a vocação identificada durante o levantamento. Outro ponto importante a se destacar é a pobre relação ambiente construído/ambiente natural. As enchentes, que atingiam a área nos anos 1980 devido à ocupação inadequada do solo urbano, atualmente se encontram controladas. Contudo, como ocorre frequentemente em cidades brasileiras, quando o território atinge momentos de usos limítrofes, as catástrofes emergem facilmente. Como comenta Carlos Leite (p.138, 2012): “(...) a cidade é um organismo vivo, criado e gerido pelo homem. Como tal, está continuamente sujeita à falha. Como tal, necessita de adequado cuidado. Planejar a cidade é cuidar dela. Tratá-la com zelo e cuidado é fazê-la funcionar bem (...)”. Sendo uma área residencial extremamente densa construtivamente e localizada justamente em uma área da várzea do Rio Tietê, a presença de um su-

porte físico e ambiental adequado e com potencial de integração com os remanescentes verdes pertencentes ao projeto Várzeas do Tietê é de extrema importância para o início de um reordenamento urbano saudável, principalmente em relação a uma área tão frágil ambientalmente e com poucos espaços livres disponíveis. Neste contexto é que surge a proposta da criação de um parque às margens do Rio Itaquera. A intenção é a renaturalização de sua margem à Oeste, avançando sobre um dos únicos espaços livres que o bairro possui e que atualmente encontra-se sem uso. Sua margem à Leste, por estar toda ocupada por residências deverá permanecer canalizada, porém com alterações no desenho urbano. Outras grande problemática para o bairro é a atual configuração da linha de trem, que cruza o bairro em nível. As passarelas existentes são pouco utilizadas e sem nenhum tipo de manutenção pública, gerando dois pontos de passagem inseguros, que atraem usuários de droga e que viraram pontos de despejo de entulho. Pretendeu-se aqui, encarar as passarelas como uma oportunidade de usos públicos e comerciais. Seu aproveitamento vem de encontro com a escassez de terrenos livres do bairro e as necessidades de acessibilidade e conexão entre as margens do trem. E como comenta Magiano, (...)A passarela costura as fraturas urbanas, criando novas espacialidades, que por um lado unem estruturas contrastantes, e por outro tornam mais sólidas as intervenções nos espaços eleitos, marcando a paisagem com projetos que, ao mesmo tempo se des-

0148


tacam e se relacionam com as margens (...) (MAGIANO) As novas passarelas propostas se conectam acima da linha do trem por meio de uma estrutura que acompanha suas margens. Ao total estão previstos 6 pontos de descida/subida deste solo criado, que deverão como conjunto, ser capaz de receber atividades ao ar livre tanto passivas quanto ativas.

material coletado pelos catadores antes de serem enviados para uma central de triagem, minimizando assim os custos com transporte e o percurso dos catadores. Para os 3 terrenos que serão liberados através dessa proposta, estão previstas hortas e viveiro comunitários ligados às escolas locais.

Por fim, em virtude da existência de residências, comércios e serviços no bairro, aliada à falta de coleta seletiva adequada, a grande geração de resíduos sólidos reflete na presença de uma quantidade significativa de catadores de material reciclável pelas ruas. Apesar dessa presença, segundo informações oferecidas pelos próprios catadores, eles não estão organizados em nenhuma cooperativa, o que torna sua atuação menos eficiênte. Além disso, muitos deles acabam sujeitos à venda de seus materiais por um baixo valor, já que a falta de um local adequado impede que seja agregado valor aos produtos através de triagem, prensa, etc. A partir do momento em que houver uma organização e uma instalação em um local adequado, o que permitirá aperfeiçoar a execução das atividades necessárias, os catadores conseguirão aumentar o valor de venda dos materiais e melhorar suas condições de trabalho. É a partir dessa premissa que este trabalho visa, através de diretrizes pontuais e da definição de um terreno local, guiar a formação de uma rede de coleta seletiva de base cooperativista. O objetivo será definir um local único de armazenagem do sistema de espaços livres_Jardim Paulistano

0149


passarela

Ilustração 44. paisagem local hoje

subidas e descidas atrativas

transformação da paisagem

parque

Todos os pontos propostos acima, deverão estar associado por meio de rotas lógicas, compactas, sinalizadas e com uma hierarquia clara. Para tanto, além das vias padrões foi proposto um sistema de vias estruturador não linear, de modo a quebrar a ortogonalidade tão marcante na paisagem do bairro. Esta configuração permite que os transeuntes sejam instigados a descobrir o que acontece em cada um dos pontos atrativos, gerando uma leitura diversificada do território.

perc o urs

ad tig s in

Visa-se criar um bairro com estrutura de 5km/h, ou seja, onde há grande quantidade de impressões sensoriais, com espaços onde a combinações de detalhes, rostos e atividades contribuem para uma experiência sensorial rica e intensa, de modo que só poderiam ser sentidas se o transeunte ali passasse caminhando ou estivesse em um momento de contemplação.

o re

s

0150


hortas

rio transformação física

Ilustração 45. transformação da paisagem


Diretrizes de Intervenção


Ilustração 46. diretrizes de intervenção Legenda circuito não linear reestruturação de passarelas novas conexões viárias parque redesenho de Vias locais redesenho de Vias Coletoras mudança de padrões urbanísticos ciclovia nova conflito de tráfego/terminal


0154


7.1

MASTER PLAN

sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano 0155


MASTER PLAN 01 - Parque e rio

Situação: Existência de um vazio urbano e do Rio Itaquera, que funcionam como barreira física no bairro Proposta: criação de um parque em uma das margens no rio (eliminação de via atualmente não utilizada por automóveis), de modo a facilitar os fluxos locais, aproximar a população da água e fornecer uma área livre de lazer e convívio à população

02 - Acessos Passarela

Situação: passarelas existentes pouco utilizadas e sem nenhum tipo de manutenção pública, o que gera dois pontos de passagem inseguros, que atraem usuários de droga e que viraram pontos de despejo de entulho. Proposta: criar passarelas que forneçam oportunidades de usos públicos.

03 - Passarela Conectora

Situação: Ausência de espaços livres públicos e conexões ineficientes entre as margens da linha férrea Proposta: Conexão das passarelas através de uma estrutura suspensa acima e ao longo da linha do trem. Seu aproveitamento vem de encontro com a escassez de terrenos livres do bairro e as necessidades de acessibilidade e conexão entre as margens do trem

04 - Mini Praças

Situação: não apropriação da ideia original do loteamento, onde haviam praças instaladas ao longo de todo o bairro, e sua consequênte ausência de espaço livres públicos Proposta: criação de um sistema de minipraças nos locais originalmente destinados à elas

05 - Nova conexão entre as margens da linha férrea Situação: Malha urbana fragmentada e passagens

inseguras Proposta geral: Conexão atraente ao pedestre. Instalação de passarelas e equipamento relacionados que proporcionem vitalidade a área (ao longo de todo o trecho da linha férrea) (vide prancha de vias) Proposta local: criação de um espaço para evento temporários como feiras, shows, exposições e atividades culturais locais

06 - Abertura de Via

Situação: Baixo fluxo de pedestres, vida comercial degradada, isolamento físico Proposta: Abertura de via de modo a complementar os novos fluxos gerados pelo sistema proposto

07 - Vias Estruturadoras

Situação: Vias sem padrão de piso e vegetação, paisagem monótoma e degradada Proposta: criação de um sistema de vias interligando todos os pontos atrativos desta proposta. Os eixos escolhidos tem o objetivo de quebrar a forte lineariedade da malha urbana. (possibilidade de “flutuação” do pedestre)

08 - Coleta Seletiva

Situação: Coleta de Materiais Recicláveis desorganizada Proposta: Realocar pontos atuais em um terreno conjunto de modo e guiar a formação de uma rede de coleta seletiva de base cooperativista.

09 - Horta/Viveiro Comunitário

Situação: Existência de terrenos utilizados para armazenamento de materiais recicláveis sem a organização adequada Proposta: Realocar os pontos atuais em um terreno conjunto. Nos terrenos que ficarão livres são propostas hortas e vivieros comunitários ligados às escolas locais, de modo a proporcionar educação ambiental às crianças e facilitar e dar suporte aos novos muros verdes que poderão surgir com as diretrizes projetuais propostas mais adiante.

0156


Proposta

Mini praças Parque Passarela + apoio Hortas/viveiros Total de novas áreas livres públicas

Área (m²)

5.770,0 47.562,66 15.205,26 1.685,01 70.223 (7,02ha)

04

04 04 06

04 06

09 01

09

08

02

02 03 02

02

05 02

02 Ilustração 47. master plan 0

75

300m


0158


7.2

VIAS ESTRUTURADORAS

sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano 0159


Vias estruturadoras Numa cidade, que é um local habitado, a disposição dos espaços onde se movimentam as pessoas tem, como já dissemos, uma impacto direto sobre as suas emoções. A racionalização de todos os espaços unicamente em ruas ou, pior do que isso, numa grelha ortogonal uniforme de ruas, parece ser contrária à natureza humana, e fundamentalmente ilógica uma vez que parece não se basear no carácter intrínseco das cidades tal como as conhecemos. A cidade típica não é um padrão uniforme de ruas, mas sim uma sequência de espaços criada pelos próprios edifícios. (CULLEN, 1971) Situação: Vias e calçadas sem padrão de piso e quase sem arborização, paisagem monótoma e degradada. Objetivo Priorizar os meios de transporte não motorizados Fornecer segurança aos pedestres e ciclistas Padronização das calçadas e forma de acesso às garagens Reestruturação da paisagem Proposta Criação de um sistema de vias interligando todos os pontos atrativos desta proposta. Os eixos escolhidos tem o objetivo de quebrar a forte lineariedade da malha urbana de modo a proporcionar variações na paisagem e estimular o transeunte a disfrutar dos pontos atrativos propostos. (possibilidade de “flutuação” do pedestre) Atuação 01. Reestruturação das calçadas, com aumento geral das larguras aonde houver espaço suficiente para isto. Além disso estão previstos alargamento maiores de calçadas, de modo a criar pequenos oasis. Tais alargamentos devem ser estudados casos a caso, devido a heterogenidade das ocuImpações lindeiras. 02. Implantação de mobiliário urbano 03. Adequação de iluminação 04. Nova sinalização de vias e equipamentos

05. Racionalizar as vagas de estacionamentos públicas 06. De modo a manter uma calçada uniforme, a subidas dos acessos veiculares deve ocorrer depois do meio fio, deixando a faixa da calaçada livre de desníveis para o pedestre.

Figura 59.desníveis da calçada fonte: CORSI, 2014

Figura 60.postes do meio da calçada fonte: CORSI, 2014

0160


detalhe 1

Ilustração 48.principais eixos do sistema localização das figuras 59 e 60

N

0

75

vias estruturadoras

300m

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0161


aumento de áreas permeáveis

transformação de terrenos vazios

fachadas verdes

6m 3m

Ilustração 49.detalhe 1 - corte cc depois

0

10

25

transformação de terrenos vazios

b

detalhe a

possibilidade de acesso livre jardins de chuva

c estacionamento

expansão da calçada

b

pespectiva 1

6m 3m

N

0

10

25

Ilustração 50.detalhe 1 - planta

Senna macranthera Fedegoso

Jacaranda cuspidifolia Jacarandá de Minas

Tabebuia serratifolia Schinus molle Aroeira-salsa Ipê amarelo

Ilustração 51.espécies indicadas para a áreas de expansão da calçada. São espécies de cor marcante e que se adaptam em ruas sob fiação elética

Cyclolobium vecchii Louveira

Ilustração 52.Espécies indicadas para as vias do sistema estruturador em geral.

0162


aberturas (interação público-privado)

muros permeáveis visualmente

6m 3m

0

10

25

a

a

padronização de calçada estacionamento

c

expansão da calçada

a uso misto

Áreas permeáveis Dispositivos de fechamento

Acesso livre

Fachada verde/arte

Aberturas

Ilustração 53.novos parâmetros e incentivos de ocupação. objetivo: transformar o passivo construtivo existente, de modo a incentivar uma relação público privado mais fluida e saudável. (ver descrição em capítulo de vias

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0163


Ilustração 54.Detalhe a - planta antes esc.:1/100

0,47m 0,47m

1,7m

0,7m

0,5m

1m

0,5m

braço curto, médio e longo

0,7m

0,05m

0,05m

Ilustração 55.Diretrizes de desenho para o mobiliário público a ser implantado.

Área total 2966,6

Área da via 2054 1524

Área de calçada 912,6 1442,6*

5% JARDINS DE CHUVA

Ilustração 56.Diretrizes de desenho para nova iluminação de vias arborizadas.

Jardins de chuva 165,22

48% ÁREA PERMEÁVEL 0164


Ilustração 57.Detalhe a - planta depois esc.:1/100

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0165


Ilustração 58.corte aa - antes

Ilustração 59.corte aa - depois

Ilustração 60.corte bb- depois

0

1

5m


Estruturação do comércio local Espaços para atividades ao ar livre

Nova relação público-privado

Aumento de áreas verdes

Intervenções artísticas

Mobiliário

Apropriação do espaço público Parede verde


Ilustração 62.perspectiva 1

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0169


Imagens de referência projetual - Vias

Figura 61. Mobiliário urbano fonte: www.smekab.se/produkter/moblering-i-utemiljo/parkmobler/landscape/

Figura 63.Projeto de integração urbana Medellín. fonte: http://urbandesignprize.org/

Figura 62. Paisagem urbana. fonte: www.pinterest.com/pin/324611085615499768/

0170


sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano 0171


7.3

MINI PRAÇAS0172


mini praça Arigá-Açu Situação: Não apropriação da ideia original do loteamento, onde haviam praças instaladas ao longo de todo o bairro, e sua consequênte ausência de espaço livres públicos. A mini praça em específico se configura atualmente como via de passagem, totalmente asfaltada, quase sem arborização e com uma pobre relação entre o espaço público e o privado. Objetivo: Proporcionar um espaço público de qualidade.

mini praças do projeto

mini praça Ariçá-Açú

Ilustração 63.localização mini praça Ariçá-Açú

Ilustração 65.imagem satélite mini praça Ariçá-Açú

Proposta: Criação uma minipraça voltada para o lazer ativo devido sua proximidade com o parque. Atuação: 01. Nivelamento da via com a calçada 02. Implantação de mobiliário urbano 03. Adequação de iluminação 04. Aumento de áreas permeáveis e arborização 05. Transformação do uso lindeiro 06. Instalação de atrativos públicos (parede de escalada e academia ao ar livre)

mini praça Ariçá-Açú Ilustração 64.loteamento origina mini praça Ariçá-Açú

Ilustração 66.cheios e vazios mini praça Aricá-Acú

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0173


corte aa

Ilustração 67.ocupação lindeira

fachadas 04

fachadas 02

fachadas 03

fachadas 01

Figura 64.fachada 01

Figura 65.fachada 02

Figura 66.fachada 04

Figura 67.fachada 03

0174


*

* *

*ver parâmetros e incentivos no capítulo 7.5 Vias

*

*

*

*

Ilustração 68.perspectiva 1

Ilustração 69.perspectiva 2


Vagas de estacionamento controle de acesso

trecho de via no nível da calçada Possibilidade de acesso livre

uso comercial

Ilustração 70.mudança de uso

demolição

2000m2 de espaço público Ilustração 71.plano de ação

0176


Bancos

Parede de escalada

pespectiva 2

Passagem de veículos

Jardim de água

Área Permeável

Cobertura leve tensionada

Equipamento Público (academia ao ar livre)

Vagas de estacionamento

Sinalização de piso para identificação da mini praça

controle de acesso

Ilustração 72.planta mini praça Ariçá-Açu

0

5

10m

pespectiva 1

N trecho de via no nível da calçada

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0177


parede de escalada

cobertura leve tensionada

ati

equipamento pĂşblico

0178


Figura 68.vista aproximada do corte bb - antes

ividades ao ar livre

acesso livre Ilustração 73.corte bb esc.:1/100

mobiliário urbano sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0179


acesso livre

0180


Ilustração 74.corte aa - antes esc.:1/100

passeio

leito carroçável

passeio

nivelamento via-calçada

mobiliário urbano

Ilustração 75.corte aa - depois esc.:1/100

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0181


mini praça Jerônimo Pinto Proposta: Criação de uma minipraça com uso lindeiro comercial voltado à alimentação.

04. Adequação de iluminação 05. Aumento de áreas permeáveis e arborização 06. Transformação do uso lindeiro

Atuação: 01. Nivelamento da via com a calçada 02. Instalação de atrativos públicos (parede verde e cozinha/restaurante comunitários) 03. Implantação de mobiliário urbano

mini praças do projeto

mini praça Jerônimo Pinto

Ilustração 76.localização mini praça Jerônimo Pinto

Ilustração 77.Imagem satélite mini praça Jerônimo Pinto

mini praça Jerônimo Pinto Ilustração 78.loteamento origina mini praça Jerônimo Pinto

Ilustração 79.cheios e vazios mini praça Jerônimo Pinto

0182


fachadas 03

fachadas 01

Ilustração 80.ocupação lindeira

fachadas 02

01

02

Figura 69.fachada 01 e 02

03 Figura 70.fachada 02 e 03

02 sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0183


Áreas para alimentação

pespectiva 1

Equipamento Público

(cozinha/restaurante comunitário)

0184


Área Permeável

Cobertura leve tensionada

Horta vertical

Esguichos d’água Bancos

Jardim de água

Ilustração 81.implantação mini praça Jerônimo Pinto 0 5 10m

N

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0185


passeio


Ilustração 82.corte aa - antes esc.:1/100

leito carroçável

passeio

cob. leve tensionada

comércio (alimentação) Ilustração 83.corte aa - depois esc.:1/100

mobiliário urbano área para restaurantes


Ilustração 84.perspectiva 1


Imagens de referência projetual - mini praças

Figura 71.Public Space Shading Canopy. fonte: http://www.dezeen.com/2007/01/24/dezeen-loves-public -space-shading-canopy/

Figura 72.Playgrounds de Aldo Van Eyck, Amsterdam. fonte:http://www.pinterest.com/pin/526499012657311644/

Figura 73.Modus Magazine - illustrated collage by Ciara for an article about architecture in the 2012 Olympics fonte:http://weandthecolor.com/illustrations-paper-crafts-and-collages-by-ciara/14076

Figura 74.Jardim de água, Projeto american colony dream Tema fonte: TeMA urban landscape design. http://www.pinterest.com/ pin/178736678936184353/

Figura 75.Playgrounds de Aldo Van Eyck, Amsterdam. fonte:http://www.pinterest.com/ pin/526499012657311644/

0190


sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano 0191


7.4

PARQUE/PASSARELA

0192


Situação: Existência de um vazio urbano e do Rio Itaquera, que funcionam como barreira física no bairro. Além disso existe uma edifício abandonado próximo a essa área, em um ponto estratégico em relação aos fluxos do bairro. Objetivo: Proporcionar um espaço público de qualidade. Proposta: Criação de um parque em uma das margens no rio (eliminação de via atualmente não utilizada por automóveis), de modo a facilitar os fluxos locais, aproximar a população da água e fornecer uma área livre de lazer e convício à população Atuação: 01. Urbanização da área vazia existente 02. Abertura de uma ponte sobre o Rio Itaquera acompanhada da abertura de via uma via de modo a complementar os novos fluxos gerados pelo

sistema proposto 03. Redesenho de via na margem oposta do rio em relação ao parque (Alargamento de calçadas, conversão em via de sentido único, arborização, implantação de mobiliário urbano, instalação de uma ciclovia conectada a rede existente) 04. eliminação de via atualmente não utilizada por automóveis 05. integração e recuperação do edifício abandonado ao parque através da instalação de um equipamento público voltado a atividade musicais 06. criação de um espaço para evento temporários como feiras, shows, exposições e atividades culturais locais 07. Inserção de uma passarela atraente ao pedestrepara a transposição da linha férrea e para facilitar o acesso ao terminal de ônibus existente. Tal passarela estará ligada à estrutura suspensa que liga todas as passarelas do bairro. 05. Implantação de mobiliário urbano 06. Adequação de iluminação

Figura 76.Fotos do local

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0193


flora Com base em intenções que vão além das questões formalistas, onde ganham destaque aspectos ambientais, sociais e históricos, foi feito um detalhamento de espécies vegetais, com o intuito de dar diretrizes para escolha da cobertura vegetal do projeto.

Considerando-se que o ambiente urbano construído encontra-se quase que totalmente descaracterizado ambientalmente, a proposta visa resgatar a memória do território de intervenção através da inserção de espécies que compunham o ecossistema original da região. Juntamente com iso, também são pro-

Figura 77.espécies escolhidas

Inga marginata

Blepharocalyx salicifolius

Delonix regia

Machaerium aculeatum

Cordia ecalyculata

Blepharocalyx salicifolius

Caesalpinia leiostachya Erytrina suina

0194


Nectandra megapotamica

Patagonula americana

Astronium graveolens Dendropanax cuneatum

Campomanesia phaea

Eugenia uniflora

espécies ornamentais ou frutíferas

Tabebuia heptaphylla

Cordia superba

espécie secundária tardia ou clímax

Casearia sylvestris

espécie pioneira ou secundária inicial

postas espécies já adaptada e inseridas na cidade de São Paulo, de modo a gerar um equilíbrio ambiental e formal para a proposta.

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0195


FAMÍLIA / ESPÉCIE NOME POPULAR

Machaerium aculeatum Pau-de-angú Inga marginata Ingá-feijão Cordia ecalyculata Café-de-bugre Casearia sylvestris Guaçatonga Cordia superba Babosa-branca Patagonula americana Guaiuvira Blepharocalyx salicifolius Murta Tabebuia impetiginosa Ipê-roxo-de-bola Tabebuia heptaphylla Ipê-roxo-sete-folhas Astronium graveolens Guaritá Dendropanax cuneatum Maria-mole Nectandra megapotaCanelinha mica Caesalpinia leiostachya Pau-ferro Eugenia uniflora Pitangueira Delonix regia Campomanesia phaea

BIOMA / ECOSSISTEMA DE OCORRÊNCIA

MM / MC / MB R / MA / MM / MC / MB MA / MM / MC / C / FOM R / MA / MM / MC / MB / C MA / MM / MC MM / MC R / MA / MM / MC / MB / C / FOM MA / MM / C / FOM MA MM / MC MA / MM / MC / MB / C

Flamboyant Cambuci

CLASSE SUCESS.

P P P P P P NP NP NP NP NP

MA / MM / MC

NP

MA MM/R

NP NP

MM MA/R

NC NP

LEGENDA DAS ESPÉCIES: Biomas / ecossistemas: R = Vegetação de Restinga MA = Floresta Ombrófila Densa MM = Floresta Estacional Semidecidual MC = Mata Ciliar MB = Mata de brejo C = Cerrado FOM = Floresta Ombrófila Mista Classe sucessional: P = espécie pioneira ou secundária inicial NP = Espécie secundária tardia ou clímax.

Tabela 03.espécies escolhidas

P

P

P

P

Ilustração 85.satélite

Ilustração 86.curvas de nível P

P

P

P

P

P

fase 1

P

P

P P P

P

P P

P

P

P

P

P P

Ilustração 87.delimitação do parque

Ilustração 88.principais fluxos

Ilustração 89.conexões propostas

0196


parque

atividades passarela

cinema

a lazer ativo

lazer passarela

lazer passivo

lâmina d’água

aprox. água

a

feiras

ativ. água

casa de música

ciclovia

b

Ilustração 90.implantação parque 0

75

50m

b


0198


Ilustração 92.corte aa - antes

Ilustração 91.corte aa - depois

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0199


Ilustração 93.perspectiva 1


passarela Situação Ausência de espaços livres públicos e conexões ineficientes entre as margens da linha férrea

aproveitamento vem de encontro com a escassez de terrenos livres do bairro e as necessidades de acessibilidade e conexão entre as margens do trem

Objetivo Proporcionar segurança ao pedestres que utilizam as passarelas, costurar uma das barreiras físicas do bairro, proporcionar um espaços livres públicos de qualidade

Atuação 01. reestruturação das passarelas existentes 02. inserção de duas passarelas novas 03. conetação das passarelas nos pontos mais altos 04. reestruturação do entorno de acesso às passarelas, com mudanças de uso das edificações lindeiras e inserção de equipaentos públicos

Proposta Conexão das passarelas através de uma estrutura suspensa acima e ao longo da linha do trem. Seu

Passarela conectora

Parque

Áreas de permanência para atividades ao ar livre

b Ed. abandaonada

Terminal de ônibus

b Rio Itaquera

Passarelas novas

passarela parquinho

linha férrea rio Itaquera

0204


subida proposta

subida hoje

desnível existente

6m

Ilustração 94. intenções projetuais

Ilustração 95.esquema de diretrizes de usos nas passarelas

Mini praças de acesso

UsoMisto

Linha férrea

Ilustração 96. plano de massas passarelas esc.: 1/4000

passarela parque Ilustração 97. corte bb passarela - mini praça esc.: 1/250

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0205


Imagens de referência projetual - Parque

Figura 78. Margens do Rio Rhone em Lyon. fonte:http://europaconcorsi.com/projects/250396-IN-SITU-Les-berges-du -Rho-ne

Figura 79. Margens do Rio Rhone em Lyon. fonte:http://europaconcorsi.com/projects/250396-IN-SITU-Les-bergesdu-Rho-ne

Figura 80. SEB Bank, praça em Copenhagen. fonte:http://www.pinterest.com/pin/469992911086728457/

Figura 81. Renaturalização das margens do Rio Girona. fonte:http://www.diaridegirona.cat/girona/2014/06/09/projecte-renaturalitzar-lleres-dels-rius/673518.html

0206


Imagens de referência projetual - Passarela

Figura 82.Redes suspensas. fonte:http://www.lsd.com.mx/proyecto?id=81#

Figura 83.Trem Fantasma, Basurama, Lima Peru, 2010. fonte:http://www.play-scapes.com/play-design/contemporary-design/ghosttrain-park-basurama-lima-peru-2010/

Figura 84.Área recreativa escultórica de Schulberg, Alemanha fonte:http://europaconcorsi.com/projects/175847-ANNABAU-Architektur-und -Landschaft-Sculptural-Playground

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0207


0208


7.5

VIAS

sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano 0209


Situação: O bairro possui uma hierarquia de vias bem definida, porém devido ao seu isolamento territorial causado pelas grande barreiras físicas existentes(linha do trem, Rio Itaquera e Tietê e a Nitroquímica), existe um grande problema de acessibilidade e de engarrafamento em horários de pico. Além disso o acesso de pedestres ao centro de São Miguel Paulista fica limitado às passarelas sobre a linha do trem. De maneira geral as vias possuem dimensões amplas, porém com clara priorizade aos veículos motorizados. As calçadas não possuem um padrão de acabamento, nem arborização, variando muito de tamanho e contam com inúmeras barreiras físicas, que vão desde o posteamento mal localizado aos degraus de uma casa para outra. Somado a essas problemáticas, ainda podemos citar a falta de manutenção.

Proposta: Redesenho da locais e coletoras. Atuação: 01. Aumento e padronização das calçadas de modo a favorecer meios de transporte não motorizados 02. Criação de vias em pontos estratégicos de modo a melhorar a acessibilidade geral do bairro 03. Aumento da largura da Av. Dr. José Artur Nova na altura de seu cruzamento com a linha férrea, diminuindo assim o gargalo viário existente 04. Criação e reestruturação de passarelas, tornando a linha de trem um atrativo e não mais uma barrreira física 05. Melhoria e criação de ciclovias com instalações seguras e adequadas 06. Ordenamento de posteamento e iluminação 07. Aumento de áreas permeáveis e arborização

Objetivo: Transformação da paisagem e melhora da acessibilidade local.

Figura 85.passarelas existentes

0210


Figura 86.exemplo de calรงadas existentes

sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano 0211


detalhe de via estruturadora

legenda

Ilustração 98.hierarquização viária

Via Coletora 1 Via coletora comercial Via local receptora Sistema estruturador da proposta(3,5km) Via Parque

legenda

Novas vias Passarelas Alargamento de via

Ilustração 99.novas conexões

0212


ciclovia

Ilustração 100.projeto de ciclovias da prefeitura

Ciclofaixa

1k

Tráfego compartilhado

Ciclovia

2k

Ilustração 101.nova proposta de projeto* *já existe um sistema de ciclovias previsto e em processo de implantação para a área, porém aqui são propostas algumas modificações de acordo com os levantamentos realizados

legenda

Tráfego compartilhado em implantação Ciclovia em implantação Ciclofaixa em implantação

0 0,2 1k Ciclovia Proposta Ciclovia Proposta (alteração do projeto existente) Ciclovia Proposta (alteração do projeto existente)

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0213


via comercial - Av. Oliveira Freire

Figura 87.ciclovias existentes da Av. Oliveira Freire

Propõe-se a implantação de áreas permeáveis e arborização de modo a melhorar a qualidade do meio ambiente urbano. Também está prevista a reestruturação da ciclofaixa existente, com a implantação de uma ciclovia protegida ao nível da calçada em ambos os sentidos da via. Para tanto será necessário a retirada de toda uma faixa de estacionamento público existente.

Ilustração 102.existe x proposta - planta Av. Oliveira Freire

0214


Ilustração 103.localização da via

Ilustração 104.existe x proposta corte Av. Oliveira Freire

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0215


via coletora - Av. Dr. José Artur Nova

Figura 88.fotos da Av. Dr. José Artur Nova

Neste trecho da Av. Dr. José Artur Nova propõe-se a implantação de áreas permeáveis e arborização de modo a melhorar a qualidade do meio ambiente urbano. Além disso está prevista a implantação de uma ciclovia de sentido duplo e protegida ao nível da calçada em um dos sentidos de tráfego. Devido a presença grandes áreas vazias subutilizadas neste trecho, como pode ser observado na Figura 86 foi possível conciliar a inserção das soluções citadas e a melhora do gargalo existente na altura da linha férrea, sem grandes prejuízos ao fluxo veicular existente.

Ilustração 105.existe x proposta planta Av. Dr. José Artur Nova

0216


Ilustração 107.localização da via

Ilustração 106.existe x proposta corte Av. Dr. José Artur Nova

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0217


via receptora e via local tipo 1

Ilustração 108.existe x proposta - planta via local tipo 1

Ilustração 109.existe x proposta - corte via local tipo 1

0218


via local tipo 2

Ilustração 110.existe x proposta - planta via local tipo 2

Ilustração 111.existe x proposta - corte via local tipo 2

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0219


Caesalpinia leiostachya Pau-ferro

Cariniana estrellensis Jequitibá branco

Ilustração 114.Espécies indicadas para as vias coletoras (12-14m altura na maturidade)

Handroanthus Impetiginosus Ipê-rosa

Holocalyx balansae Schinus molle Alecrim-de-campinas Aroeira-salsa

Cyclolobium vecchii Louveira

Ilustração 112.Espécies indicadas para as vias locais

braço curto, médio e longo

Ilustração 113.Diretrizes de desenho para nova iluminação de vias arborizadas.

Ilustração 115.referências para ponto de ônibus

Ilustração 116.referência para biclicletário, Sup.Sheffield fonte: http://www.acbc.com.br/mobilidade/guia-bicicletario/

Ilustração 117.lixeiras

0220


sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano 0221


esquemas de diretrizes e detalhes projetuais Os seguintes incentivos e regras propostos pretendem contribuir para a minimização de impactos negativos causados por soluções utilizadas nas cidades, como os grandes muros, a ausência de áreas permeáveis, o desregramentos e falta de manutenção das calçadas, etc.

01

O que é?

02

Diretrizes

03

Objetivo

04

Incentivo

Regra

A intenção é que com esses pontos, associados a todas as outras propostas deste trabalho, seja possível transformar a interface lote - via pública.

Coberturas

Acesso livre

São os elementos de cobertura que avançam sobre a calçada.

Ausência de fechamento entre o lote e o espaço público

A cobertura pode avançar até o limite 1/2 da dimensão total do passeio . Deve estar sempre associada à iluminação e arborização do passeio público.

Serão permitidos acessos livres, tratados dentro do mesmo padrão proposto neste trabalho.

Proteção dos pedestres contra sol e chuva.

Será acrescido gratuitamente ao C.A. ao lote uma área equivalente a 150% da área recuada e qualificada.

Regra

Áreas permeáveis Conjunto de todas as partes do terreno e do logradouro não impermeabilizadas, é uma medida de drenagem urbana não estrutural. Por estar em uma área ambientalmente frágil e sujeita e inundações o plano deve estabelecer uma maior porcentagem de áreas permeáveis O aumento da porcentagem do solo permeável, auxilia na drenagem das águas pluvias, descongestionando o sistema de escoamento de água. Regra

É criada uma área de acesso livre entre o espaço público e o privado, tornando essa relação mais fluida e o ambiente urbano mais agradável.

Fechamentos Elementos que limitam o espaço público e o lote. Não devem nunca ultrapassar 2,5m de altura. Aconselha-se que estes dispositivos sejam opacos até 1,2m de altura e que acima deste limite, devam possuir no mínimo 70% de transparência. Melhoria da qualidade paisagística do passeio público, garantindo a interação visual entre o público e o privado Desconto no IPTU de metade da porcentagem da fachada com transparência visual

0222


Uso misto

Fachada verde

Envolve, no mesmo lote, o uso residencial e os usos não residenciais.

Fachada que possui vegetação em parte ou na totalidade da fachada.

A edificação pode recuar em até 5m se não houver fachada ativa, podendo ter qualquer uso no térreo. Se houver fachada ativa cumulativa, deve seguir os parâmetros da mesma.

A vegetação deverá ser plantada na face voltada para a rua onde se situa a entrada principal do edifício

Potencializar a vida urbana nos espaços e passeios públicos.

Além do embelezamento de fachadas cegas, esse dispositivo tem papel na drenagem, despoluição e isolamento térmico

A área construída da edificação destinada aos usos não residenciais não será computada na aplicação do C.A. até o limite de 20% do total da área construída.

Desconto no IPTU de metade da porcentagem da fachada que está coberta por vegetação desde que seja mantida em bom estado de conservação.

Aberturas

Fachada ativa

Elementos que limitam o espaço público e o lote.

São fachadas alinhadas ao passeio público ocupada por usos não residenciais com acesso livre e abertura para o logradouro.

Não devem nunca ultrapassar 2,5m de altura. Aconselha-se que estes dispositivos sejam opacos até 1,2m de altura e que acima deste limite, devam possuir no mínimo 70% de transparência.

Os lotes deverão ter o térreo destinado a usos não residenciais, com pé direito deverá ter no mínimo 4,5 metros para novas edificações.

Melhoria da qualidade paisagística do passeio público, garantindo a interação visual entre o público e o privado Desconto no IPTU de metade da porcentagem da fachada com transparência visual

Aumenta a interação do passeio público com atividades instaladas nos térreos das edificaçõoes fortalecendo e incentivando a vida urbana nos espaços públicos. Não serão computáveis no calculo do C.A., até o limite de 50% da área do lote destinada à implementação deste instrumento.

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0223


0224


08

BIBLIOGRAFIA sistema de espaรงos livres_Jardim Paulistano 0225


AKAMINE R., ARRUDA A., CUSTÓRIO V., FERNANDES E., GALENDER F., NAPOLEON H, SOARES S. Sistema de Espaços Livres urbanos da cidade de São Paulo. São Paulo, 2011. ALMEIRA T. Tietê Leste - Resgates e Permanências. Reurbanização da Orla Fluvial do Parque Ecológico do Tietê. Trabalho Final de Graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: < http:// metropolefluvial.fau.usp.br/downloads/projetos/GMF_ ensino-tfg_almeida.pdf> ALVAREZ, K. L. B. O projeto de espaços públicos na periferia de São Paulo: uma questão sócio-ambiental. [S.l.]: [s.n.], v. 2008. 219f. Dissertação (Mestrado em Paisagem e Ambiente) - Faculdade de Arquietura e Ambiente, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponivel em: <http://www.teses.usp.br/teses/ disponiveis/16/16135/tde-19112010-091606/pt-br. php>. ARANTES , C. D. M. C. A periferização da pobreza e da degradação sócioambiental na Região Metroponitana de São Paulo, o caso de Franscico Morato. 2007. 145f. Mestrado (Planejamento Urbano e Regional) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE IRMÃ IDELFRANCA. Disponível em: <http://www.abii.xpg.com.br/principal. html>. Acessado em Junho de 2014. BONDUKI, N. “Da reforma à sustentabilidade urbana: tpor um novo modelo de desenvolvimento para São Paulo”. Cidade Aberta, 2012. Disponivel em: <http://cidadeaberta.org.br/da-reforma-asustentabilidade-urbana-por-um-novo-modelo-dedesenvolvimento-para-sao-paulo/>. Acesso em: Abril 2014. BONDUKI, N. “Sustentabilidade e reforma urbana na Rio+20”. Carta Maior, 2012. Disponivel em: <http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/MeioAmbiente/Sustentabilidade-e-reforma-urbana-na-Rio20%0D%0A/3/25308>. Acesso em: Março 2014. CAMPOS, A. C. A. et al. Sistema de espaços livres urbanos da cidade de São Paulo-SP. In: CAMPOS, A. C. A., et al. Quadro dos Sistemas de

Espaços LIvres nas cidades brasileiras. São Paulo: USP, 2011. p. 286-313. CULLEN, Gordon. Paisagem Urbana. Lisboa: Edições 70, 1971. FERREIRA, J. S. W. Globalização e Urbanização Subdesenvolvida. São Paulo em Perspectiva – Revista de Fundação Seade, São Paulo, v. 4, Dezembro 2000. FONTES , P. R. R. Um Nordeste em São Paulo: trabalhadores migrantes em são Miguel Paulista (1945-66). Rio de Janeiro: FGV, 2008. FRANCO, F. D. M.; MOREIRA, M.; BRAGA, M. Vazios de Águas. Roterdã: 2007. Disponivel em: <http:// www.usjt.br/arq.urb/numero_01/artigo_07_180908.pdf>. GALENDER, F. Sobre o sistema de espaços livres da cidade de São Paulo. Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, São Paulo, p. 12, Abril 2011. Disponivel em: <http://www.anparq.org.br/dvd-enanparq/ simposios/57/57-282-1-SP.pdf>. GEHL, J. La humanización del espacio Urbano. Barcelona: Reverté, 2006. GEHL, J. Cidade para Pessoas. 2ª. ed. São Paulo: Pespectiva, 2013. GODOI, F. “São Miguel Paulista”, 2011. Disponível em: http://felipegodoy.wordpress.com/sao-miguel-paulista/. Acesso em: abril de 2014. GOUVEIA, J., RONCOLATO, L. “Plano diretor propõe acelerar desenvolvimento na Zona Leste”. Disponível em: <http://vejasp.abril.com.br/materia/plano-diretordesenvolvimento-zona-leste>. Acesso em: maio de 2014. GROINSTEN, M. D. Uma cidade por refazer: a periferia paulistana. USP, Brasil, v. 5, p. 33-38, Maio 1990. ISSN 2316-9036. Disponivel em: <http:// www.revistas.usp.br/revusp/article/view/25525>. HAZAN , V. M. As passarelas urbanas como novos vazios úteis na paisagem contemporânea. Novembro 2009. Disponivel em: <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/ arquitextos/10.114/11>.

0226


HAZAN, V. M. As Novas Permanências da Cidade Contemporâneas. Rio de Janeiro. Disponivel em: <http://aup.org.pt/microsites/ congresso/pdf/artigo%20%2829%29.pdf>. Acesso em: Abril 2014.

Massachussettes: The M.I.T., 1960.

HERZOG, C. P.; ROSA, L. Z. Infraestrutura Verde: Sustentabilidade e Resiliência para a Paisagem Urbana. Rio de Janeiro, 2010.

MAGIANO V. H. As Novas Permanências da Cidade Contemporâneas. Rio de Janeiro

IDOM BRASIL, UNIFESP. Relatório 1. PDInfra Campus Santos. São Paulo. Outubro de 2014. IBGE, Censo Demográfico 1960, 1970, 1980, 1991, 2000 e 2010. LAYLIN, T. “Capella Garcia’s flourishing green wall brings a new norm of “Vegitecture” to Barcelona”, 2012. Disponível em http://inhabitat.com/freestandinggreen-side-wall-is-a-new-form-of-vegitecture-inbarcelona/green-side-wall-capella-garcia-arquitectura7/?extend=1. Acesso em: maio de 2014. LEITE, C. Cidades Sustentáveis, Cidade Inteligentes: desenvolvimento sustentável num planeta urbano. Porto Alegre: Bookman, 2012.

LEITE, M. A. F. P. “Em favor da paisagem”. Revista Paisagem Ambiente: ensaios, n. 21, pp. 65-72. São Paulo: 2006. LEITE, M. A. F. P. “Um sistema de espaços livres para São Paulo”. Estud. avançados-USP, v. 25, n. 71, p. 159-174, São Paulo: 2011. ISSN 0103-4014. Disponivel em: <http://www.scielo. br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010340142011000100011&lng=en&nrm=iso>. LAYLIN T. Capella Garcia’s Flourishing Green Wall Brings a New Form of “Vegitecture” to Barcelona. 2012. Disponível em: <http://inhabitat.com/freestanding-green-sidewall-is-a-new-form-of-vegitecture-in-barcelona/greenside-wall-capella-garcia-arquitectura-7/?extend=1> Acessado em Maio de 2014. LOURENÇO, T. “Pocket Parks. Alterando paisagens urbanas”. Arquitetônico, 2012. Disponivel em: <http://portalarquitetonico.com.br/pocket-parks/>. Acesso em: Março 2014. LYNCH, K. The image of the city.

MAGIANO V. H. As passarelas urbanas como novos vazios úteis na paisagem contemporânea. Novembro, 2009.

MAGNOLI, M. M. “Espaço livre - objeto de trabalho”. Pisagem e Ambiente, São Paulo, n. 21, p. 175197, São Paulo: FAUUSP, 2006. ISSN 0104-6098. Disponivel em: <http://www.revistas.usp.br/paam/article/ view/40249/43115>. Acesso em: Abril 2014. MARIADO, L.; CAVALCANTI, S.; CARREIRA, S. Espaços Públicos e Planos Diretores no Brasil: Retórica ou realidade?, Salvador, 2001. Disponivel em: <http://eurau12.arq.up.pt/sites/default/ files/327.pdf>. Acesso em: Maio 2014. MONTEIRO, E. Z. Verdes-Dentro E VerdesFora.: Visões Prospectivas Para Espaços Abertos Urbanos Privados E Públicos - Em Área Habitacional De Interesse Social. 2007. 259f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Construção) - Faculdade de Eng. Civil Arquitetura e Urbanismo, Campinas, 2007. Disponivel em: <http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/ document/?code=vtls000415636>. MORAES C. A. de. A periferização da pobreza e da degradação sócio-ambiental na Região Metroponitana de São Paulo, o caso de Franscico Morato. Dissertação de mestrado. Faculdade de arquitetura e urbanismo da Universidade de São Paulo. 2007. MORAES M. de P. Desenvolvimento humano no município de São Paulo. Uma cartografia socioeconômica como contribuição ao planejamento de políticas públicas. Mestrado em Economia Política. Pontifícia universidade católica de São Paulo. São Paulo, 2003. NABIL,B. Da reforma à sustentabilidade urbana: por um novo modelo de desenvolvimento para São Paulo. São Paulo, 2012b. NABIL,B. O plano diretor e os desafios de São Paulo. 2013. Disponível em: <http://www1.folha. uol.com.br/opiniao/2013/12/1388167-nabil-bonduki-

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0227


o-plano-diretor-e-os-desafios-de-sao-paulo.shtml> Acessado em Março de 2014 NABIL,B. Sustentabilidade e reforma urbana na Rio+20. 2012a. Disponível em: <http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/MeioAmbiente/Sustentabilidade-e-reforma-urbana-na-Rio20%0D%0A/3/25308> Acessado em Abril de 2014. NÓBREGA, M..História do Rio Tietê. São Paulo: Governo do Estado, 1978. PEDROSO, M. D. M. Desenvolvimento humano no município de São Paulo. Uma cartografia socioeconômica como contribuição ao planejamento de políticas públicas. Mestrado (Economia Política) - Pontifícia universidade católica de São Paulo, São Paulo, 2003. Prefeitura de São Paulo. Desigualdade em São Paulo: o IDH. São Paulo, 2002. QUEIROGA, E. F. MACEDO S.,CAMPOS A. C.,GOLCALVES F., GALENDER F., DEGREAS H., AKAMINE R.,CUSUTÓDIO V. Notas gerais sobre os sistemas de espaços livres da cidade brasileira. In: Sistemas de Espaçoes Livres. primeira. ed. São Paulo: FAUUSP, 2011. p. 11-20.

REIS-ALVES, L. A. dos. “O conceito de lugar”. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, 2004. Originalmente publicado em REIS-ALVES, Luiz Augusto dos. O pátio interno escolar como lugar simbólico. Um estudo sobre a inter-relação de variáveis subjetivas e objetivas do conforto ambiental. Tese de doutorado, FAU-UFRJ. Rio de Janeiro, 2006.

do estado de São Paulo. SERPA, A. “Os espaços livres de edificação nas periferias urbanas - Um diagnóstico preliminar em São Paulo e Salvador”. Revista Paisagem e Ambiente - Ensaios, São Paulo, v. 10, n. 10, p. 189-216, 1997.

SILVA, A. A. da, MELÃO, C. M. G. “O direito à qualidade de vida na cidade” em GRIMBERG, E. (Coord.) Revista Pólis: ambiente urbano e qualidade de vida, n. 3, pp. 100-109. São Paulo: Pólis, 1991. TAKIYA H. Atlas Ambiental de São Paulo. Fase I: diagnóstico e bases para a definição de políticas públicas para as áreas verdes no município de São Paulo. Relatório Final, Julho de 2012. Disponível em: < http://atlasambiental.prefeitura.sp.gov.br/ conteudo/cobertura_vegetal/veg_apres_02.pdf> UN-HABITAT. “São Paulo: A Tale of Two Cities.”

Cities & citizens serie. Bridging the urban divide. Kenya, 2010. VESCINA, L. M. Projeto urbano, paisagem e representação. Alternativas para o espaço metropolitano. Doutorado (Urbanismo)-UFRJ/FAU, Rio de Janeiro, p. 205, 2010.

ROLNIK, R. “Democracia No Fio Da Navalha. Limites E Possibilidades Para A Implementação De Uma Agenda De Reforma Urbana No Brasil”. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais - Anpur, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 20, Novembro 2009. Disponivel em: <http://www.anpur. org.br/revista/rbeur/index.php/rbeur/article/view/219>. Acesso em: Junho 2014. SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE. Listagem oficial de espécies nativas produzidas em viveiros florestais, nos diversos biomas

0228


09

FIGURAS, IMAGENS E ILUSTRAÇÕES

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0229


ÍNDICE DE GRÁFICOS Gráfico 01.taxa de crescimento populacional no Brasil

10

Gráfico 02.distribuição de áreas livres verdes da cidade de São Paulo............................................................................22 Gráfico 03.pirâmide etária.................................................92 Gráfico 06. ..........................................................................93 Gráfico 04.taxa média de desemprego por subprefeitura na cidade de São Paulo..........................................................93 Gráfico 05.porcentagem de domicílios sem ligação com a rede de esgoto, sobre o total de domicílios da subprefeitura.

93

Gráfico 07.tipo de esgotamento.......................................93 Gráfico 09.distribuição faixa etária..................................93

ÍNDICE DE FIGURAS

Figura 01. desigualdades sócio territóriai.......................10 Figura 02. campos de futebol improvisados .................20 Figura 03.mapa infravermelho Região metropolitana de São Paulo 2010/2011.................................................................22 Figura 04. Sta Etelvina, Cidade Tiradentes, novembro de 1984.26 Figura 05.capela de São Miguel, 1941...........................34 Figura 06. olaria Parque Paulistano - atual distrito Jardim Helena 1920 .......................................................................35 Figura 07.estação de São Miguel Paulista. déc. 1950

35

Figura 08.Nitro Química, vista a partir da atual Rua Evangelista Ferreira, s.d. ...............................................................37 Figura 09. parque Várzas do Tietê .................................40 Figura 10. parque Várzas do Tietê na escala metropolitana

41

Figura 11. mapa da cobertura vegetal nativa paulista, Período 2008-2009......................................................................43 Figura 12. Pq. Paulistano, vista a partir de uma das passarelas da via férrea, 2014 ......................................................51 Figura 13.recortes de traçados originais e recentes....64 Figura 14. mini praça transformada em rua fechada...69 Figura 15. mini praça 1......................................................71 Figura 16. mini praça 1......................................................71 Figura 17. mini praça 1......................................................71 Figura 18. mini praça 2......................................................72 Figura 19. mini praça 4......................................................72 Figura 20. mini praça 3......................................................75 Figura 21. mini praça 3......................................................75 Figura 22.imagem em infra vermelho 2010/2011 de um recorte próximo a área .....................................................78 Figura 23.(próxima página): imagem em infra vermelho 2010/2011 de um recorte específico da área ...............78

Figura 24.perfil de rua do Parque Paulistano................86 Figura 25.perfil de rua do Parque Paulistano................86 Figura 26.perfil de rua do Parque Paulistano................86 Figura 27.e 27 .terreno destinado a armazenagem de materiais recicláveis e movimento de crianças voltando da escola da Rua Dr. Bettino de Deo................................................87 Figura 28.acesso da passarela da Rua Pedroso da Silva à Rua Imeri ............................................................................89 Figura 29.coleta de materiais recicláveis mal estruturada e regulamentada....................................................................89 Figura 30. perfil de construções na área delimitada como ZEIS .....................................................................................91 Figura 31.macrozona de Proteção e Recuperação Ambiental 94

Figura 32.macroárea de Recuperação Urbana e Ambiental 94 Figura 34.zeis.....................................................................97 Figura 35.zoneamento.......................................................98 Figura 36.parque paulistano ............................................100 Figura 37.recuperação da paisagem industrial através do verde ...................................................................................102 Figura 38.mapa geral do parque com 70km de comprimento e seus principais pontos e rotas .........................................103 Figura 39.mapa geral com a definição das áreas livres escolhidas ...................................................................................104 Figura 40.mapa do sistema de parques Emerald Necklace

105

Figura 41.estrutura de águas no Campo Limpo e piscinões existentes.............................................................................107 Figura 42.corte do Green Acre Park, 1971....................108 Figura 43.Green Acre Park (1971) e Paley Park (1967)

108

Figura 44.noreiga Street Parklet .....................................109 Figura 45.fotos da estrutura sem e com vegetação.....110 Figura 46.fotos dos projetos El Niu e Bancos Alegales

111

Figura 47.exemplo de ocupação temporária do território

113

Figura 48.: exemplo de uma ocupação temporária do território 113 Figura 49. diretrizes projetuais...........................................115

Figura 50.desenhos ilustrando as vontades de duas das crianças presentes na atividades....................................117 Figura 51.imagem com opiniões das crianças sobre o local em destaque.......................................................................118 Figura 52.imagem com opiniões das crianças sobre o local em destaque.......................................................................120 Figura 54.imagem com opiniões das crianças sobre o local em destaque.......................................................................122 Figura 53.Imagem com opiniões das crianças soreb o local em destaque.......................................................................122 Figura 55.imagem com opiniões das crianças sobre o local em destaque.......................................................................124

0230


Figura 56.imagem com opiniões das crianças sobre o local em destaque.......................................................................126 Figura 57.imagem com opiniões das crianças sobre o local em destaque.......................................................................128 Figura 58.aula de coral sendo realizada no dia 23/06 na Associação Beneficente Irmã Idelfranca........................130 Figura 59.desníveis da calçada.......................................158 Figura 60.postes do meio da calçada.............................158 Figura 61. Mobiliário urbano.............................................168 Figura 62. Paisagem urbana............................................168 Figura 63.Projeto de integração urbana Medellín.........168 Figura 64.fachada 01.........................................................172 Figura 65.fachada 02.........................................................172 Figura 66.fachada 04.........................................................172 Figura 67.fachada 03.........................................................172 Figura 68.vista aproximada do corte bb - antes............177 Figura 69.fachada 01 e 02................................................181 Figura 70.fachada 02 e 03................................................181 Figura 71.Public Space Shading Canopy. ....................188 Figura 72.Playgrounds de Aldo Van Eyck, Amsterdam.

188

Figura 73.Modus Magazine - illustrated collage by Ciara for an article about architecture in the 2012 Olympics.......188 Figura 74.Jardim de água, Projeto american colony dream Tema.....................................................................................188 Figura 75.Playgrounds de Aldo Van Eyck, Amsterdam.

188

Figura 76.Fotos do local....................................................191 Figura 77.espécies escolhidas.........................................192 Figura 78. Margens do Rio Rhone em Lyon..................202 Figura 79. Margens do Rio Rhone em Lyon..................202 Figura 80. SEB Bank, praça em Copenhagen. ............202 Figura 81. Renaturalização das margens do Rio Girona.

202

Figura 82.Redes suspensas.............................................203 Figura 83.Trem Fantasma, Basurama, Lima Peru, 2010.

203

Figura 84.Área recreativa escultórica de Schulberg, Alemanha...203 Figura 85.passarelas existentes......................................206 Figura 86.exemplo de calçadas existentes....................207 Figura 87.ciclovias existentes da Av. Oliveira Freire....210 Figura 88.fotos da Av. Dr. José Artur Nova....................212

ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES

Ilustração 01. localização do bairro em questão (Parque Paulistano)...........................................................................13 Ilustração 02. mapa de sistema de espaços livres e mancha urbana .................................................................................21 Ilustração 03.expansão urbana aproximada de São Paulo

25

Ilustração 04.taxa de crescimento anual da populacão na

cidade de São Paulo..........................................................26 Ilustração 05.mapa da exclusão/inclusão social...........28 Ilustração 06. operações urbanas propostas (2012/2014) 29 Ilustração 07. diretrizes de transporte das operações urbanas (2012/2014).........................................................................29 Ilustração 08.linha do tempo do bairro de São Miguel Paulista 30

Ilustração 09.subprefeitura de São Miguel, área aproximada 32

Ilustração 10.topografia, rio e linha férrea......................38 Ilustração 11.território entre o Rio e a linha férrea........52 Ilustração 12.estruturadores da várzea..........................54 Ilustração 13. recorte a ser ampliado..............................56 Ilustração 14.foto aérea com identificação de pontos de referência da região..................................................................56 Ilustração 15.mapa de transporte metropolitano...........58 Ilustração 16.mapa da rede estrutural hídrico ambiental 61 Ilustração 17.loteamento original do bairro....................62 Ilustração 18. maquete 3D na volumetria do bairro......65 Ilustração 19. uso do solo.................................................66 Ilustração 20.Uso e ocupação do Solo...........................67 Ilustração 21. mini praças originais.................................68 Ilustração 22.levantamento de perfil das casas envolta da mini Praça Ariça Açú .................................................................76 Ilustração 23.levantamento de perfil das casas envolta da mini Praça Frederico Lange......................................................76 Ilustração 24.levantamento de perfil das casas envolta da mini Praça Jerônimo Pinto........................................................76 Ilustração 25.levantamento de perfil das casas envolta da mini Praça Peixe Galo...............................................................76 Ilustração 26.pólos de atração.........................................77 Ilustração 27.levantamento do construído e não construído 79 Ilustração 28.principais fluxos. ........................................81 Ilustração 29.sintaxe espacial - análise de acessibilidade local por pedestres ....................................................................82 Ilustração 30.corte da Av. Oliveira Freire........................84 Ilustração 31.corte da Av. Franscico Tancredi...............84 Ilustração 32.corte da Rua Santa Davina.......................85 Ilustração 33.corte da Rua Paranacity............................85 Ilustração 34. levantamento de áreas livres..................88 Ilustração 35.identificações de ZEIS (1).........................90 Ilustração 36.Condicionante fixos de projeto.................133 Ilustração 37.Condicionante fluxos de projeto...............133 Ilustração 38.Condicionante gerais de projeto..............134 Ilustração 39.infográfico resumo de diretrizes projetuais 136 Ilustração 40.infográficos do partido projetual...............137 Ilustração 41.critérios de qualidade, a serem aplicados neste projeto, com respeito à qualidade do pedestre ............139 Ilustração 42.espacialização do programa.....................142 Ilustração 43.espacialização e possíveis conexões do programa....144 Ilustração 44. paisagem local hoje..................................148

sistema de espaços livres_Jardim Paulistano 0231


Ilustração 45. transformação da paisagem....................149 Ilustração 46. diretrizes de intervenção..........................151 Ilustração 47. master plan.................................................155 Ilustração 48.principais eixos do sistema.......................159 Ilustração 49.detalhe 1 - corte cc depois........................160 Ilustração 50.detalhe 1 - planta........................................160 Ilustração 51.espécies indicadas para a áreas de expansão da calçada...........................................................................160 Ilustração 52.Espécies indicadas para as vias do sistema estruturador em geral........................................................160 Ilustração 53.novos parâmetros e incentivos de ocupação.

Ilustração 92.corte aa - antes...........................................197 Ilustração 93.perspectiva 1...............................................199 Ilustração 95.esquema de diretrizes de usos nas passarelas

Ilustração 54.Detalhe a - planta antes............................162 Ilustração 55.Diretrizes de desenho para o mobiliário público a ser implantado.................................................................162 Ilustração 56.Diretrizes de desenho para nova iluminação de vias arborizadas.................................................................162 Ilustração 57.Detalhe a - planta depois..........................163 Ilustração 58.corte aa - antes...........................................164 Ilustração 59.corte aa - depois.........................................164 Ilustração 60.corte bb- depois..........................................164 Ilustração 61.Objetivos implantados...............................165 Ilustração 62.perspectiva 1...............................................167 Ilustração 63.localização mini praça Ariçá-Açú.............171 Ilustração 65.localização mini praça Ariçá-Açú.............171 Ilustração 64.localização mini praça Ariçá-Açú.............171 Ilustração 66.localização mini praça Ariçá-Açú.............171 Ilustração 67.ocupação lindeira.......................................172 Ilustração 68.perspectiva 1...............................................173 Ilustração 69.perspectiva 2...............................................173 Ilustração 70.mudança de uso.........................................174 Ilustração 71.plano de ação.............................................174 Ilustração 72.planta mini praça Ariçá-Açu......................175 Ilustração 73.corte bb........................................................177 Ilustração 74.corte aa - antes...........................................179 Ilustração 75.corte aa - depois.........................................179 Ilustração 76.localização mini praça Jerônimo Pinto..180 Ilustração 77.localização mini praça Jerônimo Pinto..180 Ilustração 78.localização mini praça Jerônimo Pinto...180 Ilustração 79.localização mini praça Jerônimo Pinto..180 Ilustração 80.ocupação lindeira.......................................181 Ilustração 81.implantação mini praça Jerônimo Pinto..183 Ilustração 82.corte aa - antes...........................................185 Ilustração 83.corte aa - depois.........................................185 Ilustração 84.perspectiva 1...............................................187 Ilustração 85.satélite..........................................................194 Ilustração 86.curvas de nível............................................194 Ilustração 87.delimitação do parque..............................194 Ilustração 88.principais fluxos..........................................194 Ilustração 89.conexões propostas...................................194 Ilustração 90.implantação parque...................................195 Ilustração 91.corte aa - depois.........................................197

210

161

201

Ilustração 96. plano de massas passarelas...................201 Ilustração 97. corte bb passarela - mini praça...............201 Ilustração 94. intenções projetuais..................................201 Ilustração 98.hierarquização viária..................................208 Ilustração 99.novas conexões..........................................208 Ilustração 100.projeto de ciclovias da prefeitura...........209 Ilustração 101.nova proposta de projeto*.......................209 Ilustração 102.existe x proposta - planta Av. Oliveira Freire Ilustração 103.localização da via.....................................211 Ilustração 104.existe x proposta - corte Av. Oliveira Freire

211

Ilustração 105.existe x proposta - planta Av. Dr. José Artur Nova.....................................................................................212 Ilustração 107.localização da via.....................................213 Ilustração 106.existe x proposta - corte Av. Dr. José Artur Nova.....................................................................................213 Ilustração 108.existe x proposta - planta via local tipo 1 214

Ilustração 109.existe x proposta - corte via local tipo 1

214

Ilustração 110.existe x proposta - planta via local tipo 2

215

Ilustração 111.existe x proposta - corte via local tipo 2 215

Ilustração 114.Espécies indicadas para as vias coletoras (1214m altura na maturidade)................................................216 Ilustração 112.Espécies indicadas para as vias locais 216

Ilustração 113.Diretrizes de desenho para nova iluminação de vias arborizadas.................................................................216 Ilustração 115.referências para ponto de ônibus..........216 Ilustração 116.referência para biclicletário, Sup.Sheffield 216

Ilustração 117.lixeiras........................................................216

0232

Sistema de Espaços Livres Urbanos - TFG Unicamp  

Memorial TFG 2014 - Giulia Corsi Universidade Estadual de Campinas Orientadora: Gisela Cunha Leoneli

Sistema de Espaços Livres Urbanos - TFG Unicamp  

Memorial TFG 2014 - Giulia Corsi Universidade Estadual de Campinas Orientadora: Gisela Cunha Leoneli

Advertisement