Issuu on Google+

Maximiliano Souza


Maximiliano Souza


Maximiliano Souza

Copyright ©, 2012 de Maximiliano Souza Título: Amor Invertido Linha literária: Ficção Capa: Gislene Vieira de Lima Fotografia: Fabiana Mendonça Revisão e texto de capa: Glória Lopes Diagramação: Gislene Vieira de Lima 1ª edição em 2012

Ficha Catalográfica elaborada pelo Bibliotecário Aparecido Toledo Melchiades – CRB1-2353

S729a

Souza, Maximiliano. Amor Invertido / Maximiliano Souza ─ Campo Grande, MS: Modo Editora, 2012. 196p.; iI. ISBN – 978-85-6558-821-8 1. Literatura brasileira 2. Ficção 3. Contos brasileiros I. Título CDD 869.4.


Amor Invertido

1 O porteiro conferiu o RG, procurou por meu nome em uma lista e estendeu a chave. Agradeci e puxei a minha mala até o hall de entrada. O elevador se abriu e uma senhora desceu com um garotinho gordo me jogando um cumprimento polido. Entrei e apertei o décimo andar. Já no corredor de piso branco girei a chave e invadi o apartamento. Deixei a mala no meio da sala de estar e peguei o bilhete que tinha sobre a mesinha: “Desculpa Didi, acabaram me escalando. Pode ir se alojando que eu devo voltar na segunda. Beijos.” Ainda me lembrava da ligação que havia recebido de Juliete. Não deu pra entender muito mais do que: “a chave vai ficar com o porteiro”; pois a ligação estava péssima. Desabei cansado no sofá estirando as pernas sobre o encosto. Tirei os tênis com os pés. O apartamento era confortável, porém com um ar meio abandonado. Imagino que uma vez que Juliete era uma aeromoça não devia ficar muito tempo entre aquelas paredes e talvez, por isso, elas ainda não tivessem adquirido muito da personalidade da dona. Um miado baixo chamou minha atenção. Uma gata cinza de pelo curto se aproximou de minha mão que estava caída ao lado do sofá. Fiz-lhe um afago na cabeça.


Amor Invertido ─ Como vai Tia? Cheguei. Veio dar as boas vindas? Ela deu um miado baixo, mas logo se desinteressou e se afastou. Sentindo sede me levantei e fui até a cozinha. Abri a geladeira e constatei meio decepcionado que tirando um pacote de molho de tomate, uma caixa de leite e uma bebida láctea, ela estava completamente vazia. Não era algo muito espantoso de fato. Juliete sempre fora uma péssima cozinheira. Olhei desconfiado para a data de validade do leite. Pelo menos estava no prazo. Mexi na embalagem e percebi que não tinha muito. Bebi direto da caixa. Meu primeiro dia em meu novo lar. O que deveria fazer? Pensava que a dona do apartamento iria estar ali me esperando então não planejei nada. Talvez eu devesse tomar um banho e depois dar uma volta pelas imediações. Quem sabe ir a algum supermercado. A idéia me pareceu boa. Fui até o fim do corredor e encontrei o banheiro. Tinha toalha e sabonete lá dentro. Tirei as roupas e entrei no chuveiro deixando a água quente espantar o cansaço. Era estranho poder ficar à vontade em um lugar. De onde eu vinha sempre tinha alguém chegando ou alguém saindo. Os momentos de solidão eram raros. Era uma mudança boa para variar. Lembrei-me que minhas roupas ainda estavam na mala abandonada na sala. Sai do chuveiro enxugando a cabeça, pensando em abri-la e separar uma muda de roupa quando, ao chegar à sala de estar, me deparei com um homem desconhecido. Paramos os dois surpreendidos. Eu, por estar nu em pêlo com a toalha na cabeça devo ter levado um pouco mais de tempo para perceber a sua presença do que ele à minha. Quando o vi ele já me observava com um ar sério e, em ato reflexo, tirei a toalha da cabeça e a meti entre as pernas sentindo as orelhas ficarem vermelhas. Logo me repreendi por esta reação tão embaraçada. Éramos homens afinal. Não cheguei a pensar que ele ofereceria algum tipo de ameaça. Além de estar muito bem vestido ainda carregava a gata que apenas ronronava calmamente. Imagem muito diferente da que eu tinha de um assaltante ou assassino.


Maximiliano Souza Era alto. Talvez 1,85. Endireitei os ombros tentando parecer maior do que meus míseros 1,69 permitiam. Ele continuava me observando. Senti-me nervoso já que estava totalmente exposto. Por fim ele tomou o caminho da cozinha dizendo com calma: ─ Vim apenas dar a comida da gata. Aproveitei aquela ausência para envolver devidamente a cintura com a toalha. Depois, agarrei minha mala pela alça e corri até o banheiro para me trocar. Quando finalmente me meti num jeans amassado e numa camiseta, retornei para a sala e ele havia desaparecido sem deixar vestígios. Apenas tive a certeza de não ter sido uma ilusão por encontrar a gata na cozinha comendo o resto da ração que lhe fora posta. A porta da entrada estava novamente trancada, no que deduzi que ele tinha uma cópia da chave. Quem seria? Talvez um namorado de Juliete? Não era um pensamento tão louco assim. Explicava muita coisa. Tal pensamento não chegou a me agradar muito. Minha irmã mais velha deveria ter ao menos se dado ao trabalho de me por a par de tais assuntos.


Amor Invertido ACOMPANHE ÀS RESENHAS DISPONIVEIS 

 SKOOB FAN PAGE NO FACE @AMOR INVERTIDO

CONVERSE COM O AUTOR maximilianoinvertido@hotmail.com

ADQUIRA O LIVRO modoeditora.com.br livrariacultura.com.br

ACOMPANHE AO BLOG DO AUTOR Letrasinvertidas.blogspot.com

E COMENTE! RS. SABER O QUE VOCÊS PENSAM É FUNDAMENTAL PARA QUE AS PRÓXIMAS HISTÓRIAS SE TORNEM MELHORES. CONTO COM O SEU APOIO!


Maximiliano Souza


Amor Invertido por Maximiliano Souza