Page 1

UNIVERSIDADE DO ESTADO ESTADO DE MINAS GERAIS - BOMBA BIÓTICA

Edição nº01 01

Bomba Biótica Rios Voadores

22/05/2018 Entenda o fenômeno Bomba Biótica porElvis Elvis Denner Bicalho Pereira, Gislene da Conceição Marcelino, Iara Silv Silvaa Gandra, Mayara Mara de Almeida

BOMBA BIÓTICA, A BOM BOMBA BA DO BEM! Essa revista didática foi criada para explicar o que é a bomba biótica, o que são os rios voadores e por que eles têm tudo a ver com a preservação da Amazônia por sua importante contribuição para as chuvas nas regiões Sul e Sudeste do país.

Apresentação Bomba biótica biótica de umidade é o processo de movimentação de ar úmido do oceano para o continente. Mas como esse processo de movimentação ocorre? Correntes de ar se movimentam de regiões de alta pressão para regiões de baixa pressão. Uma grande floresta tropical como a floresta amazônica cria uma região de baixa pressão pela alta taxa de evaporação da densa vegetação. Isso provoca a movimentação dos ventos úmidos do oceano para o continente, trazendo mais umidade e provocando o movimento de massas de ar úmido condensado em forma de nuvens formando as chuvas que condensado caem em várias regiões do continente.

NESTA EDIÇÃO

A floresta faz chover O que acontecerá se a Floresta Amazônica continuar sendo derrubada para dar lugar a pastos e áreas desmatadas, como vem acontecendo desde a década de 1980? Qual será o efeito a longo prazo sobre os rios voadores e, por consequência, sobre o clima do país?

Há muita água sobre nossas cabeças Os “rios voadores” são cursos de água atmosféricos, invisíveis, formados por vapor de água, muitas vezes acompanhados por nuvens, propelidos pelos ventos. Perto da linha do Equador, são os ventos alíseos que sopram de leste para oeste e que trazem a umidade evaporada do Oceano Atlântico em direção ao continente sul-americano americano (saiba mais).

O Brasil é campeão das chuvas Os rios voadores e o clima no Brasil Estima-se se que a vazão dos rios voadores seja igual ou superior à vazão do Rio Amazonas, que é o maior do mundo e transporta 200.00m³ de água por segundo!

O título de campeão das chuvas deve deve-se se ao fato de possuirmos rmos a maior floresta tropical do mundo, que, ao propelir e suprir os rios voadores, fornece o vapor de água que chega em outras regiões do país ao sul da Amazônia

Fonte: Projetos Voadores


UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - BOMBA BIÓTICA

Edição nº01

Rios Voadores por [Elvis Pereira] O Brasil é indicado como umas das maiores potências mundiais no contexto ambiental, tendo grande abundância de águas subterrâneas e também a maior rede de bacias hidrográficas do Planeta. Cerca de 12% das reservas de água doce do planeta estão em nosso território. Mesmo assim, sofremos com a distribuição irregular deste recurso, visto que 80% da água estão na Bacia Amazônica, região que concentra apenas 7% da população brasileira. O vapor de água cedida para a atmosfera pela evaporação das folhas e a transpiração das árvores e plantas. são cerca de 20 bilhões de toneladas de água por dia que evaporam da floresta, sendo que uma parte é transportada de forma “invisível”, por cima das nossas cabeças. Para se ter uma idéia, a vazão média do Amazonas é da ordem de 17 bilhões de toneladas de água por dia. Ou seja: a quantidade de água evaporada diariamente poderia superar a vazão do maior rio do mundo. Apenas uma árvore pode evaporar 300 litros de água em um dia, podendo, quando maiores, jogar até 1.100 litros na atmosfera. O clima de São Paulo, por exemplo, nunca terá impacto direto na Amazônia, mas o estado de preservação de toda a região amazônica parece fazer a diferença, não só para as demais cidades brasileiras como até mesmo para outros países. Texto Adaptado voadores.html

de

FONTE:

Fonte: http://blogs.canalrural.com.br

http://aguasdobrasil.org/edicao-04/projeto-rios-

Fonte::http://somosverdes.com.br

O enigma do desmatamento por[Elvis Pereira] As árvores e sua ligação com o regime de chuvas Mas muitas dessas árvores estão em perigo. Os últimos dados divulgados pelo INPE indicam que o desmatamento está no seu nível mais alto desde 2008. E uma das grandes incógnitas é o efeito que isso pode ter sobre os rios voadores. Os dados existentes não permitem que isso seja determinado. "Imagine um ônibus que vai parando de lugar em lugar. Agora imagine um ônibus expresso que não para do início ao fim. O que estamos vendo é que as chuvas estão cada vez mais concentradas em alguns dias no sul do Brasil, norte da Argentina, Uruguai". "Parece que os ventos estão mais fortes, que o jato, os rios estão mais fortes. São as conclusões das projeções dos modelos climáticos para o futuro". "Isso que nos preocupa. Se houver chuvas mais intensas em áreas vulneráveis como São Paulo ou Rio de Janeiro, a possibilidade no futuro de desastres naturais associados a fortes chuvas, como deslizamentos de terra e inundações em áreas urbanas e rurais, também aumenta", adverte. "No Brasil, esses fenômenos causam grandes perdas de vida".


UNIVERSIDADE DO ESTADO ESTADO DE MINAS GERAIS - BOMBA BIÓTICA | Edição Nº 01

3

Há muita água sobre nossas cabeças por[Gislene Gislene Marcelino Marcelino] Os “rios voadores” são cursos de água atmosféricos, invisíveis,formados por vapor de água,muitas vezes acompanhados por nuvens, propelidos pelos ventos. Perto da linha do Equador, são os ventos alíseos que sopram de leste para oeste e que trazem a umidade evaporada do Oceano Atlântico em direç direção ão ao continente sulamericano (veja infográfico infográ co ao lado). A chuva que cai sobre a Floresta Amazônica logo é evaporada pelo calor do sol tropical e pela ação da evapotranspiração das árvores.Dessa forma, o ar é sempre recarregado com mais umidade,que continua sendo transportada rumo ao oeste para cair novamente como chuva mais adiante.Ao encontrar a barreira natural formada pela Cordilheira dos Andes,as massas de ar ainda carregadas de vapor de água são forçadas rumo ao sul e trazem a umidade para outr outras as regiões do país.Essa umidade, eventualmente, se transforma em chuva. É essa ação de transporte de enormes quantidades de vapor de água pelas correntes de ar que recebe o nome de rios voadores.A expressão foi difundida no Brasil na década de 1990 pelo pesquisador do clima José Marengo,do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Esse conceito de rios aéreos, uma analogia aos rios terrestres, surge para simpli simplificar ficar o nome científi científico: co: Jatos de Baixos Níveis da América do Sul. O Projeto Rios Voador Voadores es colocou uma lupa nesse processo, voando junto com os ventos e coletando amostras de vapor, em busca de conhecer melhor esse fenômeno tão importante para o clima do nosso país. Fonte: Os rios voadores, a Amazônia e o Clima brasileiro.

“Os rios voadores carregam tanta água quanto os rios terrestres”

Fonte: Vix, 2018.

A partir do projeto “Expedição Rios Voadores”, observa observa-se se que a devastação da Floresta Amazônica poderá influenciar diretamente no clima de toda América do Sul e também de outras partes do mundo. Pois, sem floresta, não haverá rios voadores, a umidade cairá e as massas de ar ficarão mais aquecidas, contribuindo para o aumento intensivo das temperaturas. Fonte: Adaptado de Brasil Escola. Pena, R. A.

Os rios voadores abastecem o Rio Amazonas Fonte: https://brasilescola.uol.com.br/brasil/rios https://brasilescola.uol.com.br/brasil/rios-voadores voadores-amazonia.htm amazonia.htm

Para se ter uma ideia da umidade gerada por esse processo, o INPA (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia) estima que uma árvore de 10 metros de diâmetro possa produzir mais de 300 litros de água por dia, mais do que o dobro de água que uma pessoa utiliza diariamente para beber, cozer alimentos, tomar banho etc. Uma árvore de 20 metros, por sua vez, pode bombear mais de 1.000 litros de água por dia.

Alguns pesquisadores apuraram que os rios voadores contribuem diretamente na formação das nascentes dos cursos d’água que formam o grande Rio Amazonas. Isso porque toda essa umidade gerada pela floresta é transportada pelos ventos em direção à Cordilheira dos And Andes, es, um imenso “paredão” de quase 4.000 metros de altitude que funciona como uma espécie de barreira para as frentes úmidas. Ao barrar toda essa quantidade de vapor d’água, parte dela se precipita na forma de chuvas ou neve, que vão contribuir para a forma formação ção de rios e nascentes de importantes cursos d’água da região da costa do Peru, inclusive aqueles que dão origem ao Rio Amazonas. Fonte: Adaptado de Mundo Educação. Pena, R. A.


UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - BOMBA BIÓTICA

Edição nº01

Os rios voadores e o clima no Brasil por[Gislene Marcelino] Sabe-se que os rios voadores originam as chuvas e contribuem para amenizar o clima em algumas regiões com temperaturas mais elevadas. Estima-se que a vazão dos rios voadores seja igual ou superior à vazão do Rio Amazonas, que é o maior do mundo e transporta 200.00m³ de água por segundo! Observa-se então a importância da preservação da Floresta Amazônica. As consequências poderão ser extremamente severas principalmente para a agricultura, que não contará mais com o mesmo regime de chuvas para o abastecimento da produção. Além disso, a tendência é que o ar que respiramos fique mais seco e as temperaturas se elevem, sobretudo nas regiões mais próximas à Linha do Equador. Para saber mais, visite a homepage do Projeto Rios Voadores.

Links de sites relacionados ao tema. CPTEC – Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos: www.cptec.inpe.br INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais: www.inpe.br INPA – Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia: www.inpa.gov.br LBA – Programa de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia : lba.inpa.gov.br/lba/ IMAZON – Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia: www.imazon.org.br

A floresta faz chover por[Gislene Marcelino] O que acontecerá se a Floresta Amazônica continuar sendo derrubada para dar lugar a pastos e áreas desmatadas, como vem acontecendo desde a década de 1980? Qual será o efeito a longo prazo sobre os rios voadores e, por consequência, sobre o clima do país? Uma das descobertas recentes mais espetaculares sobre os serviços ambientais prestados pela Floresta Amazônica foi a de que ela faz chover. A descoberta foi realizada no âmbito do projeto LBA (Programa de Grande Escala da BiosferaAtmosfera na Amazônia), um experimento científico internacional liderado pelo Brasil. O LBA foi iniciado em 1998 e já soma 156 projetos de pesquisa desenvolvidos por 281 instituições nacionais e estrangeiras. O pesquisador Antonio Nobre explica a relação encontrada entre a floresta e as chuvas: “Gotas precisam de alguma coisa sólida para se formarem, e isso é fácil de perceber quando se tira uma garrafa de refrigerante da geladeira e formamse gotinhas em volta. A floresta também emite vapores orgânicos para a atmosfera, e esses condensam no ar como poeira higroscópica que funciona como eficiente semente de nuvens”. Só que esse serviço ambiental prestado pela Amazônia não acontece se essas partículas orgânicas forem produzidas em quantidade muito elevada, como nas queimadas, uma das consequências diretas do desmatamento. “As grandes árvores da Amazônia não têm a mesma resistência ao fogo que as espécies típicas do cerrado. Um fogo bobo mata as árvores porque queima suas raízes superficiais de nutrição, e aquela floresta está condenada”,relata Nobre.

Os vapores orgânicos da floresta funcionam como “sementes de chuva”

Fonte: Árvore, Ser Tecnológico.

O Brasil é campeão das chuvas O título de campeão das chuvas deve-se ao fato de possuirmos a maior floresta tropical do mundo, que, ao propelir e suprir os rios voadores, fornece o vapor de água que chega em outras regiões do país ao sul da Amazônia. A chuva que cai alimenta rios importantes,como o Paraná e o Tietê, nos quais imensas hidrelétricas fornecem a energia da qual dependem as indústrias nacionais. Grande parte das terras cultivadas no Brasil depende da permanência do regime de chuvas para continuar produzindo – e essas chuvas precisam dos rios voadores, entre outros elementos, para o seu transporte.


UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - BOMBA BIÓTICA | Edição Nº 01

Fonte: Arvore, Ser tecnológico

5


UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - BOMBA BIÓTICA

Edição nº01

A importância das árvores Segundo o Instituto Árvores Vivas por[Iara Silva]

o

Uma grande árvore pode providenciar as necessidades de oxigênio para nossa existência o Retém CO2 o Árvores podem reduzir a incidência de asma, câncer de pele e doenças relacionadas ao estresse, pois ajudam a diminuir a poluição do ar, promovem sombreamento e um ambiente atrativo, calmo e adequado para recreação o Ajudam a reduzir em até 10% o consumo de energia por meio do efeito de moderação climática local o Desenvolvem um papel importantíssimo no ecosistema pois são responsáveis por manter mais de 50% da biodiversidade

É verdade que uma mata fechada atrai chuva? por[Iara Silva] "Não atrai, mas produz. Fechada ou não, a mata lança vapor d'água na atmosfera por meio da transpiração das árvores, aumentando a umidade do ar e alimentando a formação de nuvens. Mas se isso vai resultar ou não no aumento de chuvas sobre ela depende das condições climáticas do local. No caso da Amazônia, a cobertura vegetal tem um papel importante no regime de chuvas. Estudos preliminares de um programa internacional chamado Experimento Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia mostraram que o desmatamento de uma área de 2000 km2 provocou uma redução de 10 a 15% na quantidade de chuva. Mesmo assim, não dá para generalizar. Em Campinas, cidade no interior de São Paulo que já foi totalmente coberta pela Mata Atlântica, o regime de chuvas não mudou nada nos últimos 100 anos, apesar do desmatamento total da região. Uma das explicações para isso é que as chuvas no Sul e no Sudeste do país dependem de fenômenos meteorológicos mais complexos, como o encontro de uma frente fria com uma de ar quente e úmido. Já a Amazônia não sofre tanta influência dessas frentes e a umidade produzida na região fica mais ou menos estacionada sobre ela. Mas é evidente que ainda assim a chuva não cai exatamente no mesmo lugar onde os vapores d'água foram produzidos." Fonte: https://mundoestranho.abril.com.br/ambiente/e-verdade-que-uma-mata-fechada-atrai-chuva/

A evapotranspiração das árvores gera uma condensação grande de água, tornando a pressão do ar sobre a floresta, baixa em relação a pressão sobre o oceano, provocando assim, a movimentação de ventos úmidos do oceano para o continente, gerando uma maior umidade e causando a movimentação de massas de ar úmido, que se condensa e forma as nuvens que trazem chuvas para as nossas diversas regiões.


UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - BOMBA BIÓTICA | Edição Nº 01

Sem árvores não há água por[Iara Silva] Sabemos que com o plantio de árvores, podemos contribuir com a bomba biótica do nosso planeta, então, que tal, aderirmos essa idéia?

Este projeto foi desenvolvido na região de São Paulo. Para saber mais, basta acessar: https://www.catarse.me/boraplantar

"Levaremos 120 PESSOAS para plantar 1000 MUDAS DE ÁRVORES nativas da Mata Atlântica na região de Parelheiros, área rural e repleta de MANANCIAS no extremo sul de São Paulo. Com esta ação, objetivamos recompor a mata cilar de APPs (Áreas de Proteção Permanente) para PRESERVAR A ÁGUA que ainda existe por lá e evitar o assoreamento que provoca a seca - dos rios."

O projeto A recomposição da mata ciliar, que beira as nascentes, é extremamente importante para preservar o solo e para prevenir o assoreamento, que acontece quando a terra, já em processo erosivo, não retém mais a água da chuva e é levada para os rios, secando-os.

7


UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - BOMBA BIÓTICA

Árvores para urbanização urbana por[Iara Silva] Em São Pulo o projeto já foi implantado. Por que não aderir a essa idéia em sua cidade também? Veja abaixo, sugestões de árvores:

Edição nº01


UNIVERSIDADE DO ESTADO ESTADO DE MINAS GERAIS - BOMBA BIÓTICA | Edição Nº 01

A Mata Atlântica e sua importância para a bomba biótica Por [Mayara Almeida] Muito se fala na proteção da Amazônia para a conservação de florestas no país, a Mata Atlântica tem uma história de desmatamento muito mais drástica – mesmo com apenas 12% da sua área original ainda em pé, resguarda uma das maiores biodiversidades do mundo mundo.. Para além da perda de habitat, das espécies endêmicas e da cultura, a degradação das florestas também compromete os recursos hídricos dos quais dependem mais de 63 milhões de habitantes das regiões metropolitanas localizadas no bioma Mata Atlântica. Grande parte do remanescente de Mata Atlântica em Minas Gerais estão distribuídos de forma fragmentada, principalmente nas dependências de proprietários privados. Além disso, a expansão da agropecuária o desenvolvimento industrial e tráfico de animais silvestres são ameaças diretas ao bioma. Ainda assim, a Mata Atlântica do estado abriga alta diversidade de espécies da flora e fauna, incluindo espécies endêmicas e ameaçadas. Logo, é necessária a compreensão de toda a população quanto a importância em se manter esse bioma. A cidade de João Monlevade possui áreas onde se encontra o bioma Mata atlântica. Restaur Restaurar ar e proteger a Mata pode ajudar às regiões nos seguintes aspectos:

 Regulação Climática. Climática. Assim como a Amazônia, a Mata Atlântica influencia positivamente a hidrologia local. Suas florestas que recobrem as montanhas costeiras e formam os cinturões verdes geram oferta de água, especialmente nos períodos secos, através da condensação da água vaporizada que forma as neblinas e as frentes úmidas úmidas,, transfer transferindo-as as ao solo pela infiltração.  Controle de sedimentos. As árvores saudáveis da Mata Atlântica têm um complexo sistema de raízes que seguram o solo, previnem a erosão, evitam a perda de solo e nutrientes, e, consequentemente, aumentam qualidade da água captada para abastecimento público, uso agrícola e industrial.  Controle de enchentes enchentes.. A Mata Atlântica funciona como uma esponja que ajuda a conter enchentes durante o período chuvoso, reabastecendo o lençol freático e transferindo lentamente a água para os rios nos períodos mais secos. Por auxiliarem esses processos de reg regulação ulação e estabilização do fluxo hídrico sazonal, essas florestas se tornam ainda mais necessárias, especialmente diante do prolongamento esperado dos períodos de estiagem e d do o aumento na frequência de chuvas torrenciais causadas pelas mudanças climáticas. Companhias de Saneamento do Estado de São Paulo e outras companhias de abastecimento público da Regi Região ão Sudeste não têm controle sobre as decisões que são tomadas em relação ao uso do solo amazônico. Sendo assim, não podem alcançar a oferta hídrica que chega ao sudeste via “rios aéreos” formados na grande floresta, distante quase dois mil quilômetros. Mas podem ajudar a proteger e restaurar as florestas à sua volta, como uma estratégia proativa no manejo dos recursos hídricos regionais. A Sabesp, por exemplo, tem conduzido a conservação de mais de 45 mil hectares de florestas em áreas sob sua respon responsabilid sabilidade, ade, enquanto a Sanasa vem promovendo parcerias com o setor público e privado para a recuperação de matas ciliares nos mananciais que abastecem a região de Campinas. Entretanto, as ações das companhias de abastecimento público ainda são muito tímidas e res restritas. tritas. Fonte: http://wribrasil.org.br/pt/blog/2017/12/amaz%C3%B4nia-%C3%A9 http://wribrasil.org.br/pt/blog/2017/12/amaz%C3%B4nia %C3%A9-importante-mas mas-companhias-de de-abastecimento abastecimento-de-%C3%A1gua %C3%A1gua-tamb%C3%A9m tamb%C3%A9m-precisamse

As florestas como um meio de economia Por[Mayara [Mayara Almeida] Só a floresta em pé garante água “grátis” para o resto do Brasil. Além de garantir chuva, a floresta presta outros serviços aambientais mbientais que precisamos, aprender a “dar valor”: ✓ regula a qualidade do ar e o clima, as chuvas e as secas; ✓ protege do solo e a biodiversidade; ✓ protege mananciais e recursos hídricos; ✓ protege contra desastres naturais; ✓ cumpre a meta do acordo de Paris para estabilizar o aquecimento global; ✓ garantir fixação de carbono; ✓ evitar o lançamento na atmosfera 5,6 bilhões de toneladas de CO2.

9


UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - BOMBA BIÓTICA | Edição Nº 01

10

A floresta como prestadora de serviços ambientais por [Gislene Marcelino] Serviço ambiental ou ecossistêmico é um conceito novo que exprime o papel exercido por um determinado conjunto de organismos ou bioma para o funcionamento equilibrado do meio ambiente, o que beneficia a vida de todos os seres. Processos naturais, como o de purificação da água e a absorção de gás carbônico e liberação de oxigênio, realizada pela fotossíntese das plantas, são exemplos de serviços feitos “de graça” pela natureza e que são essenciais para a manutenção da vida tal como a conhecemos. Além do ar puro e da água limpa, a riqueza da biodiversidade é outra grande fonte de valores que um determinado bioma oferece, na forma de alimentos, fibras ou remédios naturais. A continuidade desses serviços depende, diretamente, da preservação e integridade do bioma, pois, se ele se modifica, seja por ação natural ou do homem, seu papel no sistema também pode ser alterado. Fonte: Caderno Professor Rios Voadores, 2015.

Fonte: https://arvoresertecnologico.tumblr.com

O “sequestro de carbono”, na floresta e no mar

Tanto a superfície do mar quanto a floresta tropical possuem a capacidade de absorver o gás carbônico da atmosfera. É um mecanismo conhecido como “sequestro de carbono”. Só que a influência humana vem afetando esses dois ambientes. No caso dos oceanos, a elevação da temperatura média diminui a capacidade de o mar absorver o CO2 (acima, à direita). No caso do desmatamento, enquanto a floresta intacta tem um papel fundamental no sequestro do carbono, a floresta degradada perde progressivamente essa capacidade (acima, à esquerda), até se tornar emissora de carbono durante um período de seca, por exemplo. Em 2010, houve a pior seca da história da Amazônia, suplantando a de 2005: esses dois anos também tiveram recordes de alta temperatura. Segundo a agência americana National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA), 2000-2010 foi a década mais quente desde que começaram os registros. Fonte: Caderno Professor, Rios Voadores, 2015.

Fonte: Arvore, Ser Tecnológico.

Newsletter bomba biotica  

trabalho de educação ambiental

Newsletter bomba biotica  

trabalho de educação ambiental

Advertisement