Page 147

Pressionou os lábios sobre os dela e enterrou o dedo profundamente em seu interior. Ela arqueou e gemeu. A cabeça de Rohan cambaleou, afligido pela paixão até ele. Tinha sabido no instante que a viu no alto da muralha, com o gelado ar de novembro revolvendo o cabelo, que era uma tigresa. Nesse momento teve uma clara visão dela suave e branda baixo ele, tal e como estava agora. Rohan sabia que se lhe desse o mais leve sinal, sepultaria-se por completo nela. Não confiando em si mesmo, retirou o dedo. Isabel gritou: —Nay! —Isabel, não posso olhar seu quando te toco e não desejar culminar o meu desejo de você. Ele se ajoelhou e a virou do outro lado, elevando os quadris com o braço esquerdo. A visão de seu firme derriere macio e o que queria lhe fazer lhe causou uma interrupção momentânea. Rohan tomou uma profunda respiração, perguntando-se se tinha cometido um engano girando-a. O pênis aumentou contra as nádegas. Poderia tão facilmente... Gemendo, deslizou o dedo médio profundamente na quente e úmida abertura. Isabel sugou um profundo fôlego. —Oh, Deus, Rohan —ofegou. Ele fechou os olhos, tentando controlar-se. Moveu-se para trás contra ele e ele sussurou. —Nay, Isabel. —Seria tão fácil substituir o dedo pelo pau. Estava tão quente e escorregadia para ele, perdoaria-lhe sua perda de controle na agonia da paixão? Ele disse a ela que não poderia prometer... —Rohan. —rogava enquanto lhe empurrava o traseiro contra a mão. —Jesus, Isa, não sou de pedra. Rigidamente, ele se fincou de joelhos detrás dela, temendo não ser capaz de controlar-se a si mesmo se ela se movesse contra ele de novo. Ela devia haver sentido sua luta. Seu corpo tremia. —Rohan, —disse em voz baixa— por favor, alivie minha dor. Rohan empurrou os quadris contra as nádegas, o pau deslizou entre as firmes nádegas, e em um movimento lento e rítmico, ele deslizou o dedo dentro e fora dela. Isabel fechou os olhos e se deleitou no erótico ataque. Ela não tinha nem idéia de que tais sensações existissem. Seu dedo era grande e grosso, e Isabel soube que se alguma vez a pressionasse com o pênis, não seria capaz de adaptar-se a ele. Ele golpeava em um profundo ponto no interior cada vez que empurrava dentro dela. O pau se endureceu em toda sua capacidade e se deslizava para trás e para frente contra o traseiro. Ainda viscosa pela ejaculação anterior e o suor, moveu-se entre as nádegas. Rohan se inclinou sobre ela e a mordeu nas costas lhe sussurrando: —Isa, faz-me esquecer minha promessa. Mordeu-a na parte de atrás do pescoço, e Isabel disparou como uma estrela cadente. Gritou quando uma dura onda de liberação se estrelou contra ela estremecendo-a todo o corpo com a força de um exército. Os músculos apertados ao redor do dedo. —Isa. —gritou ele com voz rouca. Os quadris se estrelaram contra ela sentindo o calor do derrame contra o traseiro. Pouco a pouco, o vertiginoso rodeio se reduziu a uma ofegante parada. Isabel se deixou cair na cama, respirando com dificuldade e sabendo que estava perdida para sempre

Profile for Giselle Troitskyevna

O legado da espada de sangue 01 - o senhor da rendição - Karin tabke  

O legado da espada de sangue 01 - o senhor da rendição - Karin tabke  

Advertisement