Page 1

Cartas para Mikael: uma hist贸ria vivida em sala de aula.

Gisele de Oliveira Silva SME/RJ Rede Formad/Geppan


Acreditando em uma prática discursiva como fenômeno de interlocução que pretende potencializar a apropriação da linguagem, o projeto em questão apresenta possibilidades de leitura e escrita possíveis de estenderem-se para além dos muros da escola.


A escolha das cartas nesse projeto surgiu com a necessidade de comunicação entre a turma e um aluno que se mudou para o estado do Pará. Isso no sentido de nos aproximarmos de modos de vida diversos, ampliar e aprofundar conhecimentos de modo significativo e de uma rica produção de sentidos.


A imprevisibilidade do cotidiano escolar se expressa em toda sua forma quando menos esperamos. Alguns desses fatos são capazes de exprimir a cultura do diálogo reflexivo e de realizar aproximações significativas no processo ensino aprendizagem da leitura e da escrita. As diferenças regionais desse nosso país tão imenso se apresentaram ali em minha sala de aula através de uma simples pergunta: “-Tia, o que é um picolé?”


Depois das explicações e observação da figura do picolé, Mikael desenhava e escrevia sobre o mesmo em quase todas as suas produções.


A partir desse momento comecei a pensar o quanto seria interessante pesquisarmos sobre a terra de origem de nosso amigo Mikael, porĂŠm algumas demandas do dia a dia impediram que eu levasse a proposta a diante e decidi que a faria no inicio do ano letivo de 2012, jĂĄ que eu acompanharia a turma.


No final do ano letivo de 2011, os tios de Mikael me deram uma informação que mudaria um pouco os rumos da idéia primeira que me ocorreu. Ele voltaria para o Pará por solicitação de sua mãe. Passado o impacto refleti que mesmo distante, poderíamos homenagear e aprender mais com a cultura paraense nos correspondendo com ele através de cartas e o quão enriquecedora poderia vir a ser essa experiência. A idéia ficou guardada , mas não esquecida


O trabalho com o gênero cartas pode pressupor uma idéia a principio trivial, porém no nosso caso esta é prenhe de sentido, profundamente vinculado ao nosso cotidiano, sendo um trabalho que muito tem contribuído para a atividade comunicativa do dia a dia


Preenchimento do envelope

A concepção discursiva da alfabetização, está presente no uso social da escrita trazendo em si o porquê, o para quê e o para quem escrevemos.


Considerarmos que a alfabetização implica leitura e escritura, enquanto momentos discursivos, e que o processo de aquisição da linguagem também se constrói numa sucessão de momentos discursivos, de interlocução e de interação (SMOLKA, 1996, p. 29), buscamos fundamentar o presente trabalho na proposta interacionista de Vygotsky (1984), em que a aquisição se dá no curso de interações discursivas significativas entre os homens, como um processo sócio histórico.


A escrita da primeira carta para Mikael foi realizada de forma coletiva sendo um evento importante, uma escrita que veio corroborar com a ideia de que um texto se caracteriza pela sua singularidade e pelas vozes dos sujeitos em quest達o.


Trata-se de uma situação de ensino que explicita um contexto interativo, que envolve um universo cultural com forte componente afetivo e de total interesse dos envolvidos. Tal prática tem fortalecido e desenvolvido o conhecimento e a criatividade de todos. Experiências essas que tem oferecido elementos valiosos para pensar possibilidades outras de transformação da escola e das práticas dialógicas atravessadas pelas diferenças que se apresentam no cotidiano escolar.


Daniel passando a limpo a carta


Interação, comunicação, participação.

Acreditamos que a elaboração do gênero focalizado, tem possibilitado a prática da escrita significativa, pois que este gênero vem sendo utilizado como um espaço lingüístico discursivo de reflexão sobre a língua, contribuindo no aprimoramento do sentido discursivo da. linguagem.


Colaboração,união,significado

Conhecimento, troca.

Cultura e arte


Enquanto aguardamos a resposta da primeira carta enviada, vamos aprendendo um pouco mais sobre a cultura paraense. O fruto desse trabalho envolve uma prática educativa escolar que ultrapassa o muro da escola, propõe uma alfabetização dialógica, atenta as diferenças, o que vem ampliando a possibilidade de relações com diferentes lógicas e culturas.

A Dança do Treme


Durante esses meses de intensa interlocução, mediação e aprimoramento de conhecimentos nos valemos das palavras de Geraldi(2004), a guisa de (in) conclusão : “Ensinar não é mais transmitir e informar, ensinar é ensinar o sujeito aprendente a construir respostas... Tomar a aula como acontecimento é eleger o fluxo do movimento como inspiração, rejeitando a permanência do mesmo e a fixidez mórbida do passado.” Estamos nós aqui, no presente (re) fazendo a cada dia uma nova história.


“As palavras sabem muito mais longe” Bartolomeu Campos de Queirós

Obrigada.

Cartas para Mikael  

Trabalho de estudo e pesquisa