Issuu on Google+

Ano 01 | nº 02 | novembro 2016

distribuição gratuita

Reforma do

Ensino Médio

Mais de 722 famílias voltaram para a miséria em Bauru - pag. 2 Não tem emprego para 12 milhões de brasileiros - pag. 2


Jornal Bauru Atual - edição novembro de 2016 | 2

Não tem emprego para 12 milhões de brasileiros As taxas de desemprego no Brasil são assustadoras. Segundo o IBGE, o índice correspondente até agosto deste ano é de 11,3%, um acréscimo de 3,7% . Em 2003, ao final do mandado de Fernando Henrique Cardoso, o índice era de 12,6%. São 12 milhões de trabalhadores sem emprego, o que coloca o país na sétima posição do rancking mundial do desemprego, que tem participação de 52 países. Segundo o Fundo Monetário Internacional, FMI, que voltou a rondar o Brasil após o afastamento definitivo de Dilma Rousseff, as previsões para 2017 são ainda piores. As medidas de Temer tendem a aprofundar o desespero das pessoas desempregadas, pois os cortes no orçamento federal afetam diretamente as pessoas mais vulneráveis economicamente. Uma das menores taxas de desemprego medida de forma oficial no Brasil foi de 4,3% em dezembro de 2014, cuja presidência da república era de Dilma Rousseff (PT).

Por direitos, protestos são deflagrados em Bauru Após um Ato Público organizado pelo Sindicato dos Professores de SP (Apeoesp), no último dia 9, manifestantes decidiram pela paralisação da Rodovia Marechal Rondon, próximo ao viaduto da Av. Nações Unidas, sentido Capital. A PEC 55, que congela investimentos públicos por 20 anos, e a reforma do ensino médio foram as principais pautas dos Atos. Sobre a mesma pauta, estudantes secundaristas têm desenvolvido uma série de manifestações públicas. Já no dia 11/11 vários protestos foram realizados por sindicatos e movimentos populares contra o pacote de retiradas de direitos promovido pelo presidente Michel Temer.

De volta à miséria Segundo Prefeitura de Bauru, ao menos 722 famílias voltaram para a miséria A Prefeitura de Bauru divulgou recentemente que ao menos 722 famílias bauruenses voltaram para a miséria. Os números são assustadores, mas a realidade pode ser bem pior. Isso porque os dados oficiais apontam somente para as famílias cadastradas na Secretaria do Bem Estar Social, SEBS. Sem emprego e com programas sociais como o Bolsa Família fragilizados pelo governo federal, muitas pessoas voltaram a depender da caridade para sobreviver. Novos cortes orçamentários estão previstos e Temer não está poupando a área social. A SEBES estima que cerca de 100 mil pessoas estejam em condições econômicas de extrema vulnerabilidade em Bauru.

AS AMEAÇAS AOS DIREITOS SÃO REAIS! ESTAS ENTIDADES APOIAM A GREVE GERAL:


Jornal Bauru Atual - edição novembro de 2016 | 3

PEC do fim do mundo: Contra ou “a favor” Saiba como se posicionam os vereadores de Bauru A PEC 55/2016, que foi aprovada pelo Congresso como PEC 241, foi alvo de um Moção de Repúdio na Câmara dos Vereadores. O documento, de autoria do vereador Roque Ferreira (PSOL), foi aprovado por 8 votos contra 7. O vereador Lima Junior (PSDB) não votou por presidir a Sessão e Roberval Sakai (PMB) não compareceu. O que é Moção de Repúdio? É um documento oficial dos parlamentares repudiando, ou seja, se posicionando contra a PEC 241, que após ser aprovada na Câmara dos Deputados recebeu nova numeração no Senado: PEC 55/2016.

Do que trata a PEC 55/2016? Sob o argumento de economia, o presidente Michel Temer editou esta Proposta de Emenda Constitucional para alterar as leis brasileiras possibilitando o congelamento dos investimentos em saúde, educação, infraestrutura, segurança pública e outras áreas, pelos próximos 20 anos. A PEC é rejeitada pela grande maioria da população, mesmo assim já foi aprovada pela Câmara dos Deputados e tende a ser aprovada pelo Senado, já que os apoiadores da PEC são os mesmo que apoiaram o impeachment da ex-presidente Dilma Roussef.

Saiba quem são os vereadores de Bauru que são contrários à PEC 55/2015 (PEC 241), ou seja, não concordam com o congelamento dos investimentos em saúde, educação e outras áreas públicas:

Roque Ferreira PSOL

Dr. Raul PV

Carlinhos PS PV

Natalino PV

Markinhos PP

Manfrinato PP

Sandro Bussola PDT

Moisés Rossi PR

Vereadores que se posicionaram favoráveis à PEC 55/2015 (PEC 241). Estes parlamentares, supostamente, concordam com o congelamento das verbas da saúde, educação, assistência social, etc.

Carlão do Gás PMDB

Telma Gobbi Solidariedade

Milton Sardin PTB

Paulo Eduardo PSB

Artêmio PMDB

Segalla DEM

Renato Purini PMDB


TEMA DESTA EDIÇÃO:

REFORMA DO ENSINO MÉDIO

É verdade que apenas Matemática e Português serão matérias obrigatórias nas escolas de ensino médio? Sim. A Medida Provisória (MP) 746 obriga somente o ensino destas duas matérias. Atualmente são 13 matérias obrigatórias, dentre elas Artes e Educação Física.

Os alunos poderão escolher o que estudar? Sim. Mas desde que a matéria escolhida seja oferecida por sua escola. Para os especialistas em Educação, a maioria dos Estados vai enxugar ao máximo as disciplinas.

Esta reforma do Ensino Médio vai garantir a implementação do ensino integral? Não. Embora a propaganda do Governo seja a implementação do Ensino Integral, não haverá recursos para isso. Ao contrário, a PEC 55/2016, em trâmite no Senado, vai congelar por 20 anos os investimentos em educação.

A MP 746 incentiva a evasão escolar? Existem vários fatores a serem considerados para evasão escolar, contudo, a Medida Provisória 746, que reforma o ensino médio, prevê que o aluno poderá trancar sua matrícula e receber o certificado parcial de conclusão, podendo retornar a qualquer tempo.

É verdade que professores serão demitidos? Existe a possibilidade de demissão em massa de professores, já que a tendência será o enxugamento de matérias. No Estado de São Paulo, por exemplo, o número de professores temporários ou sem garantia de emprego é muito grande e estes são os mais vulneráveis.

As ocupações nas Escolas Luiz Castanho e Guia Lopes foram ilegais? Não. As ocupações se deram em defesa da educação e da escola pública. Não houve nenhum ato de vandalismo, mesmo assim, sem mandados judiciais, a Polícia Militar agiu para acabar com os protestos. Segundo denúncias de alunos e professores, a PM foi bastante truculenta.

Existem pessoas em Bauru incentivando a violência contra os alunos? Sim. Infelizmente! Durante a ocupação da Escola Estadual Guia Lopes, a coordenadora pedagógica teve um áudio de sua autoria vazado no qual dizia: “Deveria mobilizar pais e o máximo de alunos e quinta-feira estar na escola às 7h. Não Abriu! Arrebenta os cadeados e desce o porrete no povo”. Lideranças do Movimento afirmam que o “povo”, ao qual se refere a Coordenadora, são os próprios alunos.

AS AMEAÇAS AOS DIREITOS SÃO REAIS! ESTAS ENTIDADES APOIAM A GREVE GERAL:


Jornal Bauru Atual nº 02 || edição novembro 2016