Issuu on Google+

M I N H A VERDADES Seis

Gil Marcos Cordeiro Veiga


As vias, caminhos, passagens, acessos, são os meios, que a poesia abre, à mente aberta, sair de seu clausulo, de sua prisão, de sua inércia, de sua inépcia. O Autor.

2 Gil Marcos Cordeiro Veiga


De quem tu sabe ser alguĂŠm que se perde em si por tentar te encontrar...

3 Minhas Verdades Seis


Pedra, piso pisado, pé trocado, descalço, semeado, atalho, asfalto, concreto, rumo, caminho, onde ando, aonde ando, vias, todas as vias, todavia, um seguir, por onde ir, por onde voltar, por onde caminhar, sem querer parar, piso, pedra, chão, tudo em vão...

4 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Pego tua mão, com carinho, com devoção, pelo caminho, colho emoção, que alinho, sem pensar, que seguir, mãos se dar, coração a sorrir, bocas a calar, desejos a vir, caminho, pelo caminho, caminho, sem seguir, meu próprio caminho...

5 Minhas Verdades Seis


Nem todo fato, concreto ou discreto, acontece ao certo, pelo momento incerto, mesmo que de perto, colha o cheiro perto, sorva teu beijo, como vinho, sem pressa e sem tempo. vagarosamente, delicadamente, colho o toque de tua alma, que sobre a minha aceita, viver a cada sentir, sem pensar em partir, de mim...

6 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Queria um dia ser, este tempo a correr, pelos segundos, como vários mundos, a cada minuto, vários universos, a cada hora, não cometem loucuras, nem se fazem cometas, são apenas lapsos, cadafalsos, o tempo enforcado, pela comédia, que o drama apressa, empurrado pelo suspense, tempo, bravo pêndulo, que vai e vem, feito tortura, vestida na loucura...

7 Minhas Verdades Seis


Viril, o que partiu, pela porta que se abriu, saindo pela linha, que as pernas abriam, fato feito feto, parido sem respeito, arrancado do peito, sentimento vil, pulha de sarcasmo, lida servil, ao levitar de si, na mais dor febril, atiro a moeda, nos desejos que empoço, reprimidos na alma, efêmera criada, do viver sem conceber, parir diante do sorrir...

8 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Quando criança, em minha infância, julguei mal minha carência, quando tanto amor recebia, de meus irmãos, de meus pais, minha carência se fazia, pela minha ausência, de mim, era um ausente, perdi o tempo, noção de vida, que seguia, diante de mim, sem me esperar, carente me sentia, de vida perdida, que eu mesmo perdi...

9 Minhas Verdades Seis


Vejo hoje o sofrer, da violência tão tenra, onde os conceitos brutais, recriam a maturidade, precoce e insensata, fazendo de seres meigos, a bruta força, tecendo na criança, a imprudência adulta, tirando a pureza, que devia ser cria, eterna para a vida, os conceitos de hoje, criam a deturpação, que vira retaliação, corrompendo, sufocando, aniquilando...

10 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Acho muito graça, que as mulheres, doces seres alados, se prestam atualmente, seguem cegamente, a idolatria machista, achando estar liberta, quando na verdade, o que mais lhe afeta, é o fato de estar coberta, de conceitos ridículos, a mulher não se valoriza, não a torna certa, apenas se flerta, com conceitos que a cerca, mas torna-se presa fácil, da vontade machista, em recria-la a sua imagem, onde ela acredita estar livre, apenas mais presa ficou...

11 Minhas Verdades Seis


Uma fruta, de sabor sem igual, que se apoderou, de minha boca, invadindo meu paladar, uma fruta que desfruta, de minha partilha, aguça meu gosto, adoçando meu desgosto, um sabor diferente, que cada um sente, como cada um Ê, inocente, mas sente o sabor, da fruta o sabor, do sabor, meu ser...

12 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Amo esta mulher, tempero de vida, alegria de viver, alma minha bandida. Amo esta mulher felina, que das garras tigresa, revela uma guerreira menina, sacudindo a alma de surpresa. Amo esta mulher perfeita, que a cada dia me beija, sem me tocar por desfeita, esconde o ser e me rejeita. Amo esta mulher delícia, que a cada momento sereno, invade-me em plena carícia, como semeadura no terreno. Amo esta mulher amiga, que em mim semeou amizade, às vezes fica perdida, mas encontra minha cumplicidade. Amo esta mulher, morena, loira, ruiva, castanha, muito mais do que qualquer, mulher que se faça estranha...

13 Minhas Verdades Seis


Estou aqui, para te dizer, que estou feliz, pelo dia, pelo momento, pela ternura, que representa, ĂŠ a minha candura, que arrepia a pele, descobre a verdade, e nesta realidade, culmina no existir, e como teu existir, ĂŠ mais lindo, teu dia, hoje, em que se faz, em nossas vidas, o presente mais doce, teu nascer...

14 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Subjetivamente, quem disse isso, que te abandono, não sou disso, porque és meu consolo, fruto de minha calma, serena e madura, que em mim repousa, não te abandono, mesmo que fosse possível, pois és minha marca, meu cheiro, meu todo...

15 Minhas Verdades Seis


Que posso eu querer, dentro desta vida insana, que seja apenas caminhos, em tuas vias serenas, pelos rios de tua paixão, neste mar imenso amor, não te esqueci, sequer deixei de lembrar, apenas me retirei, um pouco desta vida, para poder com forças, renovadas e retomadas, ir adiante, diante, quem sabe te encontrar, tranquilamente...

16 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Seria abuso não reconhecer, que esta mulher desperta, na mais tenra idéia perdida, a vontade em ser guarida, das paixões tão perseguidas, mas não encontra na saída, o que jamais se fez na chegada, esta mulher resulta sonhos, que meus delírios não alcançam, confunde minha serenidade, como a quem se veste camaleoa, mas é indiscutivelmente, a mais concreta alegria, ao mais torpe mortal, pois não alivia em sintonia, a difusa e estranha melodia, que ao amor delega aos montes, a quem se entrega por inteiro, esta mulher é pecado, mas é um doce pecado...

17 Minhas Verdades Seis


Como é bom te ver, a cada dia a cada hora, em momentos felizes, outros nem tanto, mas o prazer em te ver, a cada dia preenchendo, os espaços vazios, que em mim habitam, preenchendo de alegria, pela tua existência, preenchendo de saudades, pela tua distância, mas hoje é teu dia, especial acima de tudo, o dia em que tu vieste, ao mundo para alegrar, aos que, como eu, te amam profundamente, pelo simples fato, em estar presente...

18 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Pescar os sonhos no ar, como saborear a vida, discreta aventura, em sermos nascentes, de um mundo melhor, nas cachoeiras do amor...

19 Minhas Verdades Seis


Há muito meu juízo é de fora, e tu que nasceste em Juiz de Fora, neste dia combina com minha serenidade, em poder te dar um grande beijo, um abraço super carinhoso, apenas para lembrar da alegria, que neste dia tu me deixa, repleto de saudades, mas a certeza de existir, presente eterno em minha vida...

20 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Furta de mim a cor, a furta cor em mim, sem mais ret贸ricas, sem mais c贸licas, te agasalha de mim, em teu ser perfeito, que nasce em mim direito, acessando minha paix茫o, semeando teus desejos, que vislumbram prazer, em poder me ver e entender, que somente mulher sendo, pode amar este poeta, doido para se entregar, aos deleites do amor...

21 Minhas Verdades Seis


Sonho poder te abraçar, nos momentos tenros, que um dia te darei, na paixão em ser teu, amor imprevisível, dentro de ti...

22 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Meu amor, tu completas hoje, n達o mais um ano, nem mais tempo, mas o perpetuar, em mim voraz, como sede matada, como fome acabada, como amor saciado...

23 Minhas Verdades Seis


Não limita tua atitude, pois és tudo e nada, na semântica da vida, na verdade do amor, teu sonho é realizado, sempre que acreditar nele, és fruto da música, és pecado ao cantar...

24 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Seria o sol nascer, num belo dia nublado, para poder entender, que as pessoas amam, não intencionalmente, nem sexualmente, mas ama como vida, como parte de algo, senão maior, pelo menos, inevitável, o mundo é palco, cujo aprendizado, nos revela o saber, em podermos dançar, cantar ou interpretar, mas somos gigantes, em nós mesmos, pois temos a certeza, que poucos entendem, de viver com maturidade, mesmo que sejamos, distantes elos da vida...

25 Minhas Verdades Seis


Me culpo, por ser inocente, a te amar, plenamente, eternamente, compulsivamente, somente teu, desejo, ser...

26 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Que neste domingo, não como tantos outros, mas como alguns poucos, resolva ao meu lado sentar, em teu sorriso navegar, pelas facetas de teu nascer, pois há muito meu viver, engrandece ao teu querer, como a quem canta, da alma se levanta, na paixão que encanta, aos que não te falam, com o coração, mas calam, diante de tanta alegria, por que em ti caberia, a minha alegria...

27 Minhas Verdades Seis


N達o h叩 raz達o maior, que este dia exista, se tu n達o existisse nele...

28 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Um dia seria pouco, para o tanto que quero, descobrir teu encanto, como teu eterno canto, na voz que me leva, ao sonho do que preza, a presença tua certa, na minha alma desperta, canta para mim a dor, que representa o amor, de quem não sabe viver, diante de uma esquecer, seja minha parte reta, na estrada que me aperta, rumo ao meu coração, que é só por ti emoção...

29 Minhas Verdades Seis


Minha alma ĂŠ tua, solenemente entregue, aos teus prazeres...

30 Gil Marcos Cordeiro Veiga


A vida é recomeço, como todo dia, como todo momento, como teu aniversário, que ao contrário, do que te dizem, é mais importante, pois é o dia certo, em te presentear, com teus desejos, com teus segredos, mas estou distante, sou um viajante, que na tua presença, me faço presente, em teu dia querido, porque sou teu, acima de tudo, amigo...

31 Minhas Verdades Seis


Aos homens de boa vontade, olhai esta deusa maravilhosa, descobre que ela ĂŠ amor, razĂŁo de ser em nossas vidas...

32 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Este pessoinha, que carreguei no colo, que vi crescer, que ouvi seu choro, minha sobrinha, mais linda, a qual ĂŠ vida, parte extensa na minha, no teu dia, quando completa anos, sobre a face da terra, deixo meu carinho, mesmo estando ausente, mas estou presente, mesmo que pensamento, mesmo que distante...

33 Minhas Verdades Seis


Meu dia, nasce, morre, mas em lembrança, continua, presente, vivo, pulsante, mesmo passado, mas trago, um sopro de luz, em tua essência, vontade em viver, cada dia, único...

34 Gil Marcos Cordeiro Veiga


N達o seja sonho, seja presente, mesmo que ausente...

35 Minhas Verdades Seis


Um sonho, que vive em perder, as cores de outrora, os sentimentos agora, uma deusa querida, de tantas mulheres, que em mim resiste, a presenรงa em ser...

36 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Quero ser tua arte, ser teu artista, ser teu palhaço, rir da tua risada, chorar com tua lågrima, amar teu desejo, beijar teu carinho, ser presente, ser passado, ser todo futuro, porque tu Ês amor, e para amor, rego com ternura, que teu dia, teu nascimento, seja agora, partilhado...

37 Minhas Verdades Seis


Sou por demais, cruel comigo mesmo, t達o idiota e burro, que ao te perder, n達o somente a ti, perdi, mas perdi a mim, perdi, teus carinhos, teus beijos, meus desejos, perdi, a oportunidade, em te pedir em casamento...

38 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Estou eu aqui, a desvirginar, tua pรกgina, feliz em te receber, em minha vida...

39 Minhas Verdades Seis


Ao te receber em mim, acolho um anjo perfeito, que me leva ao infinito, sem que posso perceber, s達o teus carinhos a sustentar, a leveza em ser teu par...

40 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Se serena em mim, Se minha estrada, Se minha pousada, Se minha morada, Se minha boca, Se minha carĂ­cia, Se minha amizade, Se minha felicidade, Se minha ternura, Se minha vida, Se Serena pra mim, como tu ĂŠs mulher, de infinitas Se, Serena em mim...

41 Minhas Verdades Seis


Seja minha apenas, não por egoísmo, não por ceticismo, muito menos, por aprisionar, te quero para mim, para juntos, sermos livres, desejos eternos, em carícias, em carinhos, em amor...

42 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Que o tempo passe, mas não te desgaste, na tua alegria plena, nesta sinceridade, cativante e verdadeira, pois nesta amizade, que de ti colho frutos, sei que és cúmplice, neste teu dia de nascer, renasça com serenidade, pois tens neste amigo, distante a proximidade, de quem te admira, como rica pessoa que és...

43 Minhas Verdades Seis


Não me esqueça, porque não te esqueço, sou quadro negro, que teu giz deita, tecendo palavras, em minha leve alma, esperando por ti, calorosamente, acompanhar na amizade, que nos enriquece...

44 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Se tu me esqueceste no inferno, n達o te preocupa com isso n達o, apenas retorna para vivermos, na intensidade de nossa loucura, um tempo que nos pertence...

45 Minhas Verdades Seis


Putz, não sobrevivi, será que morri? Sei não, mas se morri, tu és meu céu, ou quem sabe, meu doce inferno...

46 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Te amar ĂŠ viver, por isso vivo, para somente te ver...

47 Minhas Verdades Seis


Amo estar contigo, pelos teus beijos, carinhos e afetos, pela intensidade, pelo livre arbĂ­trio, pelo amor incontido, que somente juntos, aprendemos a sentir, sabemos vivenciar...

48 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Amo te amar assim, doce e carinhosa, somente para mim...

49 Minhas Verdades Seis


Ser teu, ser pecado, ser amado, ser retrato, ser paisagem, ser viagem, ser aragem, pelas terras, de teu corpo, que semeio, meu amor...

50 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Me surpreenda a cada dia, mesmo com uma flor murcha, mesmo com um café amargo, mesmo com um refri sem gás, mesmo com um chocolate derretido, mas nunca me deixe, sem teus beijos doces, sem teus carinhos certos, sem teus momentos juntos, sem teus abraços fortes, porque sou parte tua, na presença e na ausência, sou teu concretamente...

51 Minhas Verdades Seis


Amar, como tu deves ser amada, por toda a eternidade, pois sois o sol, beijando a lua, em meu cĂŠu perdido...

52 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Não te dizer, o tanto a te querer, pois para mim, tu és luz, acalmando minha escuridão, tu és alimento, aliviando minha fome de vida, tu és desejo, insaciável pela distância, por isso, ao sentires solidão, lembra que tens um amor, perdido no leito do tempo, mas presente, sempre, a qualquer momento...

53 Minhas Verdades Seis


Amei tantas, me perdi, sofri, te perdi, me feri, ao te ver, partir...

54 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Sonhar esta mulher, como a quem permite, em mim transcender, ela Ê fruto orvalhado, de uma noite sem fim, onde espero saborear, doce fruta em mim, quero ser teu porto, não para cada despedida, mas ser teu lugar seguro, que ao precisar encontre, sempre um ombro carinhoso, um abraço sincero, um beijo dedicado, quero ser teu par, como serei teu a te amar...

55 Minhas Verdades Seis


Esta é presença, que na lembrança, de minha infância, trago próxima, ela é riqueza, pura grandeza, mulher alada, que sonha acordada, tem na sua palavra, a morada certa, de quem tem amor, vive nas salas da paixão, como a quem sobrevive, a tanta confusão, ela é doce menina, que na simpatia, namora plena de alegria, quero neste poema, deixar meu carinho, para que ela cubra-se, quando for necessário, desejar que tão logo possa, receber um convite, onde juntará trapinhos, com seu amado...

56 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Por ti alço vôo, com asas de cetim, abrançando-a, recolhendo-a, amando-a, porque tu és pecado, na ausência do medo, é a mulher verdadeira, que homem algum entende, quero te pousar em mim, mulher amada, onde possa desfrutar, de minha pequena devoção, ao ser que recebo, mulher de fato, ato e concreto, mulher, menina, querida...

57 Minhas Verdades Seis


Componha, um risco sobre o papel, brevemente, retoricamente, compulsivamente, ardorosamente, carinhosamente, sinceramente, dizendo alegremente, que apenas sou, um pedacinho, de tua alegria...

58 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Ah menina, bem que podia, em tua simpatia, viver meu dia, como Ăşltimo, sufocando-a no beijo...

59 Minhas Verdades Seis


Quem de poucas mulheres, seria esta que me acaso, por ela tenho sentimentos, que aos meus momentos, sinto não caber em mim, mas que esta mulher, digna em ser leonina, felina que em mim cativa, mesmo rasgado pelas presas, esta mulher intensa, que traz para mim, um desejo tão imenso, que às vezes esqueço, que é amiga e desejo, mas é além que mim, a tua existência plena, que em mim vagueia, como estrelas cadentes, é esta mulher intensa, que no meu universo, faz meu céu brilhar...

60 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Esta mulher, invade a causa, estremece razões, devora emoções, bebe amor no café, almoça paixões, janta todos os tesões, é uma mulher total, que vive o viver, sem questionar, pois sabe o que quer, e perder não faz, nem parte de si, nem de seu vocabulário, é a menina querida, que em pele de mulher, sabe ao ser revelar, que tudo que cresce, não é apenas vida, mas a intensidade, mesmo que tardia e nua, explode no presente, pois ela sente, que somente, mulher é, diariamente...

61 Minhas Verdades Seis


Viaja sempre, mesmo que perto, por mais distante, por mais previsível, por mais impossível, por mais desprezível, pois te alcanço, não tens como esconder, nem como fugir, ainda mais hoje, neste dia doce, que a amargura desfaz, uma angústia tênue, pelo ter de encarar, mais um passo adiante, nesta viagem única, mais uma conquista, forjada em sentimentos, por ora agradáveis, por outra nem tanto, mas o que conta e muito, é poder te dizer, com esta serenidade, és minha amiga presente, mesmo que ausente, então, neste teu dia, em que posso te dar, beijos e mais beijos, quero apenas te falar, sou teu amigo sim, e sempre serei, teu mais doce presente... 62 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Explode em mim ternura, afoga minha cumplicidade, em teus braços sedentos, desejosos de meus carinhos, sabemos que queres beijar, meus lábios a te procurar, quero te recolher em mim, feito a mulher a ser amada, com a intensidade da paixão, de um homem que não te esquece, por mais que tente desfazer, o teu cheiro de morango em mim, revigora esta torpe lembrança, estraçalha minha inconstância, deseja a mim como parte tua, muitas vezes inacabada e abrupta, a dor maior é reconhecer o erro, maior ainda não poder reverter-lho, mas ainda sinto teu doce sabor, teus lábios fecundos nos meus, sinto a tua pele na minha, teus olhos sorrindo para mim, tua entrega desprendida e real, perdi-te por minha imprudência, incoerência em te compreender, mas sei que não volta mais, sei que de mim nem quer, a mais sincera amizade, sou apenas uma lembrança, sem qualquer esperança, em poder reencontrar, o amor que perdi... 63 Minhas Verdades Seis


Mescla teu sabor ao meu, para podermos nos sentir, sem que mágoas nos alcancem, sem que nos cobrem de novo, quero em tua pele sentir, o doce sabor da mulher que és, deliciar-te com meus carinhos, preencher-te com meu amor, afasta esta revolta de mim, tenta perdoar este poeta, que sendo homem é encostaste, mas que te deseja vibrante, quero te sentir de novo, como novo quero te dar, sem marcas passadas, pois ao não te entender, esqueci de te compreender, quero partilhar contigo, a felicidade completa, abraçar-te ao passar, no vestibular e na vida, quero ser teu novamente, como fui anteriormente, mas vestido de novo, hoje tenho a certeza, que tua falta me faz, infeliz por demais, mas se para ti não falto, perdoa-me por me expressar, que de ti guardo certo, meus carinhos a te encontrar...

64 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Mulher, sim, às vezes não temos o que dizer, porque o compreender nos foge, tão absurdamente que se recolhe, nas asas do esquecimento pobre, mas é rico em serenidade e paz, menina, sim, és sempre doce e constante pequena, que em tua saga em viver tão serena, reporta aos ventos que nos contam, sobre como podes revoar nossos céus, resgata nossas asas perenes com doçura, poeta, sim, és a versatilidade certa dos versos, que em qualquer gesto do universo, vem de forma a contemplar um sonho, mesmo que no real se esqueça dele, tens dom de no imaginário eternizá-lo, amiga, sim, sempre que chegares a minha casa, encontrarás diante de ti porta aberta, a casa sempre iluminada para chegada, um lugar que possas repousar da viagem, que todos os dias lhe fazem conquistar, quero poder, sem te perder, apenas dizer, serei teu amigo eternamente... 65 Minhas Verdades Seis


Sou um desejo perdido, pelo caminho não doído, corrompido pela solidão, mutilado pelo abandono, morde meu coração a dor, mastiga-o e engole, fazendo faltar um pedaço, a cada profundo perder, dói mais ainda lembrar, que das tuas costas, expostas diante de mim, restaram apenas toques, adocicados pelo momento, tenro e carinhoso, acordo em teus olhos, sempre a me olhar, mesmo na foto desbotada, persigo a mim em ti, tentando me reencontrar, afastando a dor de gostar, não consigo te arrancar, de meus pensamentos, quero de novo te abraçar, com muitos sentimentos, pois sempre serás, a mulher mais doce, com quem me fiz deitar, descobrindo em deleites, de festas e enfeitas, a mulher completa, que em mim repleta, em sabores novos... 66 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Lembro não muito distante, de que mesmo tu ausentes, concretizo um delírio, nele te encontro nua, por vestes que viestes, trazendo nos olhos sorrisos, nas mãos colheste estrelas, nos lábios doces o mel, em teus ouvidos o silêncio, em tua bochecha morangos, em tua testa a preocupação, em teu nariz beijo de esquimó, em teu queijo uma mordida, em tua nuca meus beijos, em teu pescoço meus lábios, teus ombros minha língua, neste delírio contínuo, em teu corpo todo perpetuo, prazeres que me concede, descubro que ao fazeres, traduz a alegria do querer, descobrir além de nós, o que podemos compreender, amor não se limita limitar, meus limites se estendem, aos teus desejos de mim...

67 Minhas Verdades Seis


Tu agracias minha vida, nem imaginas de que forma, por sequer saberes de mim, nem nos conhecemos de perto, mas podemos concluir decerto, que nada na vida se constrói, sem que exista reciprocidade, e tu na mais doce idade, revela para mim teus brilhos, traz estrelas no teu ser, sacode-me com sorrisos nos olhos, tantas vezes tenho de segurar, as vontades em te abraçar, porque não tens a mim perto, devemos nos conhecer de certo, pois nada pode mais implodir, do que alegrias de conhecer, contigo em tuas angústias, compreender teus defeitos, admirar amplamente tuas virtudes, em tuas tristezas te dar colo, sei que pareço galanteador, desses conquistadores baratos, mas posso te afirmar com certeza, que se houvesse preço em mim, não seria barato não nem caro, porque não me considero, conquistador mas um cara sincero, que ao poetar para ti, com honestidade me revelo...

68 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Leva de mim lembranças, colhidas em nossa presença, dos dias que nos deliciaram, com a magnitude do prazer, que somente em teu corpo, lábios, mãos, pescoço, pude encontrar este dom, sendo tu a mulher gata, que em mim podendo se atraca, com a vontade de carinhar, somente posso para ti ser, um devotado amante sedutor, que em tua pele doce e macia, meus lábios te satisfazia, em teus seios delicados, descobri o teu prazer, mas foi em teu pescoço, que arrepiastes toda assim, completamente na entrega, ao amor que se comungava, por isso nesta ausência, faça das lembranças, instrumento de prazer, para poder compreender, o que sinto por ti ainda, talvez ao depurar saudade, encontre no fundo a verdade, em querer ainda me querer...

69 Minhas Verdades Seis


Esta mulher presente, que faz de mim repente, como num cordel ausente, que qualquer reticente, sendo mais retirante, acredita na singeleza, que a pr贸pria sutileza, na apropriada riqueza, traz meus versos de surpresa, para deixar esta certeza, mulher de aconchego, neste teu dia, deixo presente, minha parte, inacabada, de mim...

70 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Esta mulher é meu pecado, um pecado mais que lindo, um pecado verdadeiro, um pecado sincero, um pecado absoluto, um pecado completo, um pecado intenso, um pecado para pecar, esta mulher é linda, não pela aparência, mas pela simpatia, pela alegria de viver, pelo sorrir com os olhos, pelo intenso aconchego, é uma mulher que penso, muitas vezes sozinho, porque é tão linda, quero que cultives, sempre esta energia, que a todos contamina, pela forma que irradia, seja sempre este pecado, mais sincero e delicioso, o pecado em permanecer, eternamente criança...

71 Minhas Verdades Seis


Se me deres atenção, darei para ti emoção, a cobrirei com estrelas, repousarei tua alma, nas nuvens serenas, te abraçarei com ternura, para que sintas amor, te darei um abraço, confortante e amigo, te darei um beijo, onde repouse carinho, mas acima de tudo, te darei cumplicidade, para que nunca esqueça, desta nossa amizade...

72 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Como posso falar ao vento, sem que ele me retorne, mas que ele leve distante, não as palavras sortidas, mas as frases aqui contidas, neste breve poema carente, de humanidade e amorosidade, um poema que se lido a esmo, triste parece mas não o é, é apenas um conjunto discreto, dos sentimentos que desperto, ao tocar os corações, alimentando estas emoções, que antes eram ceifadas, na calada das frases dadas, faladas ao vento que leva, escuta, este silêncio profundo, que é o maior poema enviado, pois não leva sons ou ruídos, mas minha alma a tocar na tua...

73 Minhas Verdades Seis


Minhas filhas são riquezas, que sustento em minha alma, para que na minha vida reta, elas a entortem na alegria, posso não tê-las parido, mas as rebentei para a vida, são carinhos que dedico, são ternuras que colho, a cada sorriso lindo, a cada choro sentido, minhas filhas que amo, este poema apenas enaltece, a quem planta sementes, colhe seus frutos, aprende que a vida, na verdade é despedida, pois vivemos lembranças, sempre eternas lembranças...

74 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Seja apenas um sorriso, ou talvez uma lágrima, mas seja presente em ti, esta loucura que devoto, nas razões de minha loucura, pelo desejo em tê-la virgem, no pecado de meu tesão, por ti amaciado e dedicado, como a quem se entrega, perfeito aos teus carinhos, que me invadem soltos, e os aprisiono em mim, gota de amor colhida...

75 Minhas Verdades Seis


São estrelas em teus olhos, que alimentam o universo, de todos os sentimentos, acomodados nas naus virtuais, que embarcam sonhos reais, levando ao planeta emoção, na construção das relações, de amizade e de amorosidades, somos apenas entes humanos, que sucumbem ao coração, para renovar-se a cada paixão, que todos tanto amor...

76 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Ser apenas um sentimento, acordado em emoções reais, tecendo beijos maduros, em formas de arco-íris, onde a cada toque estrelas, para te cobrir o céu, dispersar as nuvens escuras, que sombreiam a paixão, acalentando um romance, que perpetua a essência, deste prazer tórrido, chamado amor...

77 Minhas Verdades Seis


Dizia o grande poeta, amar é verbo transitivo, estava certíssimo ele, se considerarmos que amar, é para podermos ver, nos deixa muito bobos, que é feito para transitar, pois não é apreensível, amar é um deleite de almas, temos de dar e doar alma, somente ama aquele que se doa, mesmo que o amor cause dor, não uma dor de doença, mas uma dor que consome alma, por ser inapreensível, assim, sejamos mais que alma, sejamos o primeiro amor, cultivemos nosso amor próprio, para podermos amar o outro, com a intensidade devida...

78 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Sou apenas um poeta, que às vezes desperta, a fúria dos homens, isso porque sou honesto, em aceitar a mulher, com todo o seu protesto, que melhor lhe convier, porque entendo os homens, em sua mediocridade humana, mas entendo mais as mulheres, em sua capacidade sobre-humana, mas tem muita diversidade, nas razões de ser mulher, que homem algum compreende, por se considerar dominante, muitas vezes cruel e insensível, por isso tenho a mulher, como referência de atitude, na extensa sensibilidade, inerente a sua feminilidade...

79 Minhas Verdades Seis


Todo mês te cabe, a tua bendita diversidade, esta coisa que sequer sabem, os homens que lhe seguem, às vezes a ignoram, quando estás de tpm, por pura covardia, pois na tua ironia, não entendem de simpatia, para amenizar a distonia, os homens inconformados, seguem a passos largos, desejosos e esperançosos, que nesta tua época fatídica, seja doce como desejam, mas esquecem que és mulher, como tal, tens prerrogativas, dentre tantas está, a de não querer amar, a quem te pentelha, sem desanimar...

80 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Ao entardecer de nossas vidas, tentamos encontrar um significado, uma razão de tantas idas e vindas, que justifique o que está destacado, somos apenas meros transitórios, que na realidade perdemos a noção, dos tantos adjetivos simbólicos, que representam nossa emoção, uns nos preconceituam, outros nos descriminam, mas para os que atuam, na causa certa se primam, pela eficácia em ser a mais, do que pobres mortais, mas que sobrevivem ao todo, mesmo que seja imposto, pelas agruras da vida, curando abertas feridas, somos sobreviventes, de nós mesmos...

81 Minhas Verdades Seis


Amo amar quando amo, porque te amo amar, se te amo amar te amo, mesmo que amar ao te amar, seja apenas um amar mas um amar que te amo, um amar que supera amar, sendo que amo teu amar, mesmo que amar me ame, amo te amar assim amando, como quem ama amar te amo, não quero deixar de te amar, porque ao te amar amando, amo teu amar que tanto amo, enfim, como te amo amar, peço que me ame amando, como a quem ama o que amo, essencialmente a quem amar...

82 Gil Marcos Cordeiro Veiga


De todas as morenas, sagitarianas aladas, que sustentam minha fé, no desejo da mulher, tem esta menina doce, a compreensão de mim, que complementa assim, as vitalidades do ser, que ao entender querer, ela conduz ao prazer, são dispostas paralelas, que num vôo descontrolado, invade o meu oceano, como a quem respira, ofegantemente após o beijo, que foi dado e roubado, sim, esta é a morena, que encanta minha vida, com a devida delícia, em ser a mulher, que desejo ter, além do viver...

83 Minhas Verdades Seis


Não consigo mais esconder, o tanto te desejo querer, pois em mim ficaste mulher, perpetuada, tatuada e morada, quero te receber novamente, com todo meu carinho recente, sendo cada vez mais prudente, evitando ser tão inconseqüente, quero em tua boca sentir, o chão sair de meus pés, como sinto a cada beijo, quero te olhar nos olhos, sentir tua pureza em mim, que voltar a sorrir, pois minha alma está triste, quero te recolher amada, dentro de mim acompanhada, quero poder novamente ser, um bem querer teu, que se perdeu, na incompetência, em te desejar, amar...

84 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Peço tua exata incerteza, teus olhos de grandeza, frutas que adoçam alma, teus lábios suculentos, que abrem meus desejos, queria poder cultivar, neste teu imenso olhar, os sorrisos plantados, como em teus lábios, poder ouvir sussurrando, o quanto que quanto sou, impecavelmente retórico, ao teu convívio meteórico, não te ver e desejar, é por demais não pecar, sois o pecado mais doce, que possa consistentemente, realizar nesta vida pequena, que em ti mergulha serena, acorda então de meu sonho, que por ti cultivo, joga-me água fria, porque não sei, não querer, te querer...

85 Minhas Verdades Seis


Lá se vão anos luz, que a tua voz partiu, rachou terras vis, compôs a saga serviu, trouxe a sensibilidade, que outrora existia, na breve modernidade, que o canto te tecia, era somente um canto, como a quem ouvimos, mas que repetimos, como é bom te ouvir, sentir esta delicadeza, que emana da pureza, de tão farto sentir, há de convir, canta, apenas canta...

86 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Alada como as nuvens, as morenas são virtudes, sendo de sagitário, são forças e atitudes, bravas centauras, que ao lúdico existir, reconstroem o fútil, fazendo valer o viver, poucos a entendem, nas divergências, mas são apenas insistências, remontadas de consciência, do que é certo em ser, pois ao errado não compete, morenas mulheres sagitarianas, traçam uma linha sedutora, que carregam seus seduzidos, sim, sabeis seduzir como ninguém, não demonstram apego, de início, mas depois, vão até o fim com intensidade, voracidade e reciprocidade, adoro-as, morenas de sagitário...

87 Minhas Verdades Seis


Este ĂŠ o sentido da vida, encontrar alguĂŠm em dedicar, todo meu carinho e ternura, alguĂŠm para mim especial, uma pessoa maravilhosa, que na virtualidade me fez, um ser melhor a cada dia...

88 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Linda esta mulher, que a cada pôr de sol, a descubro mais bela, uma mulher sincera, que na minha tela, figura como de fora, mas que está muito dentro, do meu coração...

89 Minhas Verdades Seis


Agora entendo, que teu jeito, doce e feliz, ĂŠ pleno de viver, regado na alegria, coberto pela simpatia, que somente queria, em sua valentia, correr rios ao mar, colher beijos sinceros, um amor para amar...

90 Gil Marcos Cordeiro Veiga


IncrĂ­vel ser, que nesta estrada, mesmo de mim, perdida e ferida, tem meus carinhos, a cada pedacinho, de sua vida, colhida pela minha, em um campo, de estrelas...

91 Minhas Verdades Seis


IrresistĂ­vel, assim te quero, sempre ver, como mulher, como pessoa, eternamente, doce e linda, um amor, verdadeiro...

92 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Mulher sutil, de formas densas, concretas, que vaga diante de mim, pelos caminhos afins, que possa me levar, para os que possam, me acompanhar...

93 Minhas Verdades Seis


Hoje ao te deixar, te vendo sair, de nossa cama, seguindo para a vida, abracei o travesseiro, para sentir teu cheiro, como um suspiro, de tua ausĂŞncia...

94 Gil Marcos Cordeiro Veiga


O teu existir, mesmo que difuso, em minha vida, mesmo que confuso, tenho de confessar, a cada banho, tomado em mim, te sinto mais minha, como a รกgua, que te abraรงa, vagarosamente...

95 Minhas Verdades Seis


Seja sempre assim, mulher maravilhosa, que na calada do ser, idiotas os homens, que não te descobrem, a riqueza de teu ser, que a cada teu viver, completa sentidos, para poder conviver, com o que te vêem, como és...

96 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Itinerante ĂŠ teu olhar, pelas vias da vida, pelo mundo afora, pelos sentidos que aflora, pelos carinhos da demora, abre teus olhos, para que sorriam para mim...

97 Minhas Verdades Seis


Este teu sorrir, dentro de mim, mata minha tristeza, que te percorria, atrรกs de mim, com sentido, confuso, de teu sorriso, mais lindo...

98 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Não sei ao certo, mas te desejo, talvez por tu ser tão doce e meiga, uma mulher infinitamente amável, uma mulher que tem o dom de cativar, como a mim cativou, mas devo refletir, ter a certeza concreta e real, que tu és apenas um sonho distante, uma paixão virtual, uma paixão perdida, não por não querer tomá-la em meus braços, dedicar-lhe todo o carinho do mundo, sendo-te fiel e companheiro, sendo inteiro, sem meias verdades, sem meias intenções, ser pleno e absoluto, mas não posso, tens o tempo a te comungar na tua vida, eu tenho apenas a tristeza, em perder-te...

99 Minhas Verdades Seis


Quero sentir teus beijos, entregar aos meus, como somente quem ama, sabe se completar, mas temo estar amando, um sonho perdido, ferido na distância, machucado pelo tempo, mortificado pelo impossível...

100 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Te vejo solitĂĄria, sem versos, sem amor, sem carinho, sem ternura, assim ouso, me declarar, para te completar, tirando-a, desta solidĂŁo...

101 Minhas Verdades Seis


Quero tanto me sentir, por ti amado e seguro, que sonho todos os dias, e amanheço derrotado, preciso entender, que tu Ês um sonho, impossível de se ter, sem chances de realizar...

102 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Quando te vi, pela primeira vez, minha insensatez, fez dobrar minha paixĂŁo, por ti devota e fiel, mas nĂŁo tenho chance, em me perpetuar em ti, porque sou tempo demais, a tua essĂŞncia vivida, sou amor perdido, perdido por ti...

103 Minhas Verdades Seis


Preciso confessar, que de tanto esperar, minha espera é mortal, te espero há muito tempo, mas meu tempo não te alcança, tu és minha doce esperança, em amar a mulher concreta, que amor em mim desperta...

104 Gil Marcos Cordeiro Veiga


Minhas Verdades Seis