Issuu on Google+

.

Quem ĂŠ Edwiges?

Protetora dos pobres e endividados

15/062011


Conheça aqui quem foi Santa Edwiges e como seguiu sua história pelo decorrer dos séculos.

EXPECTATIVAS DA SOLENE CERIMÔNIA DE CANONIZAÇÃO DE EDWIGES Na Idade Média, quando o túmulo da pessoa canonizada não se encontrava no lugar do anúncio do decreto de canonização ou nas suas proximidades, esta situação dificultava a cerimônia. Isto porque as pessoas particularmente ligadas ao novo santo nem sempre tinham acesso fácil ao local. Além disso, costumava-se realizar perto do túmulo do recémcanonizado cerimônias especiais que consistiam na abertura do túmulo, exumação dos ossos, levantamento da situação dos restos mortais e extração de relíquias. Também se fazia o levantamento destes restos mortais, ato que se chamava “elevatio” e transporte para um novo túmulo ou “translatio”. Esta transladação ocorria com um grande número de pessoas, clérigos e leigos. Era naquele tempo a verdadeira “canonização popular”. Nesta ocasião o Papa e os Bispos concediam ao lugar e às pessoas que lá iam diversas indulgências. Era comum celebrar-se um santo duas vezes ao ano: no dia de sua morte e no dia de sua transladação. Os habitantes da Silésia tiveram ocasião de perceber a importância da transladação de um santo quando isto foi feito com as relíquias de Santo Estanislau, Mártir, Bispo de Cracóvia. Ele havia sido declarado Santo em Assis, em oito de maio de 1253 e, um ano depois em oito de maio de 1254. O Bispo de Wroclaw, Tomás I, participou desta transladação e trouxe consigo a experiência e as impressões de forte apelo popular e devocional que isto despertava. Quando a notícia da canonização de Edwiges chegou à Silésia em maio ou junho de 1267, isto encheu o coração de todos os habitantes do ducado onde ela fora uma presença de santidade. Especialmente as religiosas do Convento de Trzebnica exultaram com isto e imediatamente começaram a preparar a exumação e deslocamento dos restos mortais de sua santa protetora em vista da “translatio” para um túmulo novo e de grande solenidade. Os preparativos para este fato são recordados por alguns documentos. Primeiro, um carta de Papa Clemente 4º dirigida à Abadessa e ao Convento de Trzebnica, datada de oito de junho de 1267. Pode-se ler nela: “Foi decidido solenemente de transladar o corpo da duquesa Edwiges do lugar onde está em sua Igreja para outro, em que sugerimos seja mais adequado para o culto e a devoção dos fiéis. A carta dá aos fiéis que participarem desta “translatio” uma indulgência de dois anos e 80 dias e, aos que visitarem a Igreja de Trzebnica nos oito dias seguintes ao fato, uma indulgência de um ano e 40 dias. Para os que forem à Igreja no aniversário da “translatio” era concedida uma indulgência de cem dias. Ainda mais: o representante do Papa


em Cracóvia, Bispo Guido, concedeu em 1º de julho de 1267 uma indulgência de 60 dias para os participantes da transladação das relíquias da duquesa.

ACEITAÇÃO DA SANTIDADE DE EDWIGES E CANONIZAÇÃO DA SANTA DUQUESA O Papa Urbano 4º havia morrido em dois de outubro de 1264. A “sede vacante” (período em que não há um Papa que governa a Igreja) perdurou por quase três anos até a eleição de Clemente 4º, em dois de maio de 1265. Este ordenou que o processo de canonização da santa duquesa foi retomado. O Bispo Wolimir foi a Trzebnica para obter mais informações sobre a vida da duquesa. Na Cúria romana recomeçaram os diálogos com as testemunhas que vinham da Polônia. Entre estas testemunhas destacou-se um certo Nicolau, Padre de Cracóvia, que testemunhou uma cura súbita de uma sobrinha pela intercessão de Edwiges. Por este e outros diversos testemunhos o postulador da causa, eclesiástico responsável pelo processo investigativo, que à época era o Cardeal Odo, Bispo de Tusculum, deu um voto favorável para a declaração de sua santidade. Por fim o próprio Papa, Clemente 4º, desejou que um último sinal fosse obtido. Não se sabe se por vontade dele ou a ele foi depois atribuída a “condição” da cura da cegueira da própria filha de Edwiges, Gertrudes, priora (superiora) do convento de Trzebnica. Isto de fato ocorreu e determinou o “sim” definitivo para a canonização de Edwiges. O documento oficial da canonização foi expedido em 26 de março de 1267 em Viterbo, onde residiram os Papas por alguns anos. Foi endereçado ao Arcebispo de Gniezno e aos Bispos de sua jurisdição. Durante a cerimônia de canonização, da qual não se tem um registro exato de data mas que deve ter sido muito imediatamente à declaração da aprovação, o Papa Clemente 4º leu pessoalmente a biografia da santa duquesa e os relatos de alguns milagres a ela atribuídos. O Papa terminou sua pregação com as seguintes palavras que foram registradas em um documento chamado “códex de Brzeg”: “Cada ano, esta festa deve ser solenemente comemorada por respectivos ofícios religiosos em todos os bispados e cidades da Alemanha, Polônia e Boêmia, por todos os clérigos e leigos”. Da mesma maneira que aconteceu na canonização de Santo Estanislau, o Papa Clemente 4º, ao finalizar a celebração, anunciou a concessão de indulgências por um ano e quarenta dias para todos os que tomassem parte da cerimônia e dos festejos da transladação das relíquias de Santa Edwiges, bem como indulgências para os que visitassem seu túmulo naqueles festejos.

PASSOS PARA A CANONIZAÇÃO DA SANTA DUQUESA A canonização é o reconhecimento público que a Igreja faz a respeito da santidade de uma pessoa. Mas é algo exigente e requer muito trabalho. Com Edwiges houve muito empenho de diversas pessoas. O Papa Urbano 4º nomeou como seu legado, isto é, representante, na Polônia e na Prússia o Bispo de


Warmia, Monsenhor Anselmo, o qual viajava para Wroclaw e para Trzebnica. Em 10 de maio de 1262 ele esteve em Wroclaw e, dez dias depois, em Trzebnica, observando as situações que por lá existiam. Ele estava realmente interessado na canonização da Duquesa Edwiges e, segundo alguns historiadores, deu passos decisivos neste sentido. Foi composto uma comissão de notáveis que deveriam trabalhar neste sentido. Eram eles: o superior da Província da Ordem dos Pregadores ou Dominicanos, Frei Simon; o Bispo de Wloclawek, Dom Wolimir; e como postulador geral da causa de canonização o cardeal Odo di Castro Rudolphi, Bispo de Tusculum. Baseados na biografia de Edwiges é possível conhecer as datas dos encontros com as testemunhas e alguns depoimentos sobre a sua santidade. Os resultados deste trabalho não satisfizeram à Cúria Romana, que solicitou novas investigações. Em 25 de fevereiro de 1265 foi feito um capítulo, isto é, uma reunião com todos os interessados, no convento de Trzebnica. Foi o início de mais uma longa etapa de depoimentos e investigações. No ano seguinte, no dia 26 de março, houve mais um esforço em recolher informações sobre a santa duquesa. Começando naquele dia o trabalho se estendeu por todas as regiões onde Edwiges havia vivido. Tudo recolhido e organizado foi levado para o legado papal, Bispo Anselmo, naquele mesmo ano. Uma comissão especial foi montada e dirigiu-se para Roma. Era composta, entre outros, do Arquidiácono de Cracóvia, Salomão, de um cônego de Wysehrad, Herengeberto. Eles levavam consigo importantes anotações e também testemunhas que conheceram muito de perto a duquesa. Foram ouvidos em Roma em agosto de 1264. Tudo isto ainda não satisfez os responsáveis pela canonização na Cúria Romana e, por isso, mais empenho foi pedido de todo o grupo. Apesar destas dificuldades as coisas deveriam correr relativamente bem, pois uma canonização não é um ato apressado: são exigidas seguranças muito acentuadas para que ela aconteça. Infelizmente todo o processo foi interrompido com a morte do Papa Urbano 4º em 2 de outubro daquele ano.

O PASSO INICIAL PARA A CANONIZAÇÃO Depois de alguns poucos anos da morte da santa Duquesa começaram os trabalhos para a declaração de sua santidade. É isto que começamos a contar aqui. Era uma constante popular o desejo de ver a querida Duquesa, Edwiges, declarada como santa e muitas autoridades se empenhavam neste sentido. No entanto, uma questão política dificultava a situação. E isto é uma curiosa ironia! O caso é que havia um litígio entre o neto de Edwiges, o príncipe Boleslau 2º e o Bispo de Wroclaw, Tomas 1º. Edwiges que sempre lutara em favor da paz entre os líderes políticos e que trabalhara em favor da liberdade da Igreja tinha em um de seus descendentes por um lado e em um Bispo uma dupla em contenda. Felizmente as diferenças foram superadas e em 1261 houve paz. Neste ano foi eleito como Papa em Roma o Cardeal Giacomo Pantaleone, que fora legado papal na Polônia e na Prússia entre os anos 1247 e 1249. O novo Papa adotou o nome de Urbano 4º e assim serviu a Igreja entre 1261 e 1264.


Urbano 4º conhecia bem as Igrejas do nordeste da Europa. Como legado papal (representante do Papa) esteve em Wroclaw por três vezes e certamente ouviu falar da santa Duquesa recentemente falecida. Também teve conhecimento do grande afluxo de devotos ao seu túmulo em Trzebnica e seguramente entrou em contato com a Abadessa Gertrudes, filha de Edwiges. Em fins de 1261 os Bispos da Província eclesiástica de Gniezno, juntamente à Abadessa Gertrudes e o Convento das Cistercienses de Trzebnica enviaram um pedido de canonização de Edwiges ao Papa, em Roma. Ao mesmo tempo iniciaram os trabalhos para recolher os documentos necessários para uma biografia e relatos de milagres realizados pela intercessão de Edwiges.

EDWIGES: A CAMINHO DA CANONIZAÇÃO Depois da morte da santa Duquesa Edwiges houve, como já foi visto, uma crescente procura de sua sepultura. As pessoas vinham de longe para ver o lugar onde aquela santa mulher havia sido depositada. Estes romeiros traziam consigo diversos objetos. Eram moedas, cereais, velas, imitações de partes físicas que, segundo diziam, correspondiam às partes do corpo que haviam sido curadas pela intercessão de Edwiges. O convento onde seus despojos repousavam recebia cada vez mais visitantes, gente de perto e de longe que desejava olhar, tocar a sepultura da mulher que de rica se fez pobre, que se fez tudo para todos por amor a Deus e a seu povo. Os doentes que lá chegavam eram acomodados em um hospital fundado pela santa Duquesa. Eles vinham sobretudo próximos de algumas festas litúrgicas específicas: de São Bartolomeu Apóstolo, dia 24 de agosto, padroeiro da Igreja do Convento e de São Calixto, Papa, dia 14 de outubro, justamente o dia da morte de Edwiges. Era tanta gente que vinha que a superiora do Convento, Priora Gertrudes, filha de Edwiges, precisou acolher os peregrinos nas dependências internas do mesmo. Logo ela foi acusada de infração às regras da vida monástica em função desta abertura para os peregrinos. Ela soube muito bem responder a esta acusação. Na realidade o sonho de Gertrudes era fazer do Convento de Trzebnica um centro de vida religiosa e de intenso culto cristão, motivado pela devoção crescente à sua mãe, a Duquesa Edwiges. A priora e as demais religiosas foram, durante muitos anos, as mais intensas motivadoras deste ímpeto devocional. Isto exatamente porque eram também testemunhas do que foi e viveu Edwiges. Em pouco tempo surgiu o pedido de canonização de Edwiges, provavelmente saído do Convento de Trzebnica e confirmado pelo Bispo de Wroclaw, Tomás 1º, pelo Arcebispo de Gniezno, Janusz, pela Ordem dos Cistercienses, bem como apoiado por figuras influentes na Cúria Romana. Diversos nobres da região da Silésia e príncipes de outras províncias polonesas mostraram-se interessados nisto pois estavam também ligados a Edwiges por laços sanguíneos. Em 1244 o Arcebispo Wilbrando, de Magdeburgo, definiu a Abadia de Trzebnica como um “lugar digno de veneração”. Cinco anos depois, em 1249, aconteceu a cura milagrosa de uma mulher. Isto deu um notável impulso ao processo de canonização de Edwiges. Foi um tempo favorável pois outras figuras importantes e populares haviam sido canonizadas ou estavam em processo de sêlo. Estanislau, Bispo de Cracóvia, foi declarado oficialmente santo por estes anos e os tchecos se alegraram com a canonização de Santo Waclaw (Venceslau). Se a Tchecoslováquia tinha seu Santo e a os poloneses de Cracóvia tinham o seu, por que a “pequena Polônia” (assim era chamada a região de Edwiges) não poderia ter a “sua” santa?


Jornal