Issuu on Google+

ESTUDO SOBRE O รNDICE DE MASSA CORPORAL (IMC) DOS ALUNOS DO 8ยบANO

ANO LECTIVO 2010-2011


O Índice de Massa Corporal dos alunos do 8º ano da nossa Escola As professoras de Matemática do 8º ano, Luísa Vale, Manuela Simões e Paula Mourão, propuseram aos seus alunos o estudo do seu Índice de Massa Corporal (IMC). Segundo a Organização Mundial de Saúde, este indicador ajuda a definir o grau de obesidade de uma pessoa. Através do cálculo do IMC é possível saber se uma pessoa está acima ou abaixo dos parâmetros de peso ideal ou saudável para a sua estatura. O cálculo do IMC é feito da seguinte forma: IMC = Peso, em kg / (Altura)2, em m2. (Peso expresso em quilogramas a dividir pela altura ao quadrado expressa em metros quadrados)

Nota: esta é a fórmula oficial com a palavra “peso” para designar a massa de uma pessoa. Depois de conhecidos os “pesos” e as alturas dos alunos que foram determinados nas aulas de Educação Física com a ajuda da professora Carla Azevedo que leciona todas as turmas do 8ºano, os alunos calcularam o IMC e agruparam os resultados em categorias, por género, de acordo com os seguintes gráficos que tem em conta o nível etário dos alunos que são alvo do estudo.


http://saude.hsw.uol.com.br/indice-de-massa-corporal2.htm

Os resultados globais constam da seguinte tabela de frequências.

CATEGORIA Abaixo do peso Peso normal Risco de excesso de peso Excesso de peso TOTAL

Frequência absoluta Rapazes Raparigas

Frequência relativa (%) Rapazes Raparigas

4

2

6

3,2

37

48

55,2

76,2

12

9

17,9

14,3

14

4

20,9

6,3

67

63

100

100

Foi ainda solicitado a um pequeno grupo de alunos de cada turma a realização de um relatório comparando os resultados obtidos na turma com os resultados de todo o oitavo ano. São esses os documentos que a seguir se apresentam.


Realizado por: Catarina Silva, nº4 Inês Lima, nº12 Júlia da Silva, nº15


Análise comparativa do estudo realizado na turma do 8ºA com os resultados globais e por género obtidos no conjunto de todas as turmas do 8ºano Neste estudo comparámos o Índice de Massa Corporal (IMC) em 131 alunos do 8ºano (63 raparigas e 68 rapazes) com os 27 alunos do 8ºA (17 rapazes e 10 raparigas).

No 8ºA:

Nas turmas do 8º ano:

- 0% estão abaixo do peso;

- 7% estão abaixo do peso;

- 35% estão no peso normal;

- 54% estão no peso normal;

- 35% estão em risco de excesso de peso;

- 18% estão em risco de excesso de peso; - 21% estão em excesso de peso.


- 30% estão em excesso de peso.

Concluímos que no 8ºano a maioria dos rapazes encontram-se no peso normal, no entanto, no 8ºA apenas 35% se encontra nesta categoria. A maioria dos rapazes do 8ºA estão em risco e em excesso de peso, enquanto que no 8ºano estes valores são atenuados.

No 8ºA:

No 8ºano:

- 10% estão abaixo do peso;

- 3% estão abaixo do peso;

- 70% estão no peso normal;

- 76% estão no peso normal;

- 20% estão em risco de excesso de peso;

- 14% estão em risco de excesso de peso;

- 0% estão em excesso de peso.

- 7% estão em excesso de peso

Concluímos que tanto no 8ºA como no 8ºano, a maioria das raparigas encontram-se na categoria de peso normal. No 8ºA, os valores da categoria abaixo de peso são mais elevados do que no 8ºano. O 8ºA não apresenta valores na categoria excesso de peso, por sua vez, o 8ºano apresenta. Na categoria risco de excesso de peso, o 8ºA apresenta um valor superior ao do 8ºano.


Num modo geral, as raparigas do 8ºA estão no peso normal, enquanto que os rapazes precisam de fazer regime.

1- Rapazes 2- Raparigas

 Nos rapazes O Q1 do 8ºA é idêntico ao dos rapazes do 8ºano. O Q2 é ligeiramente superior no 8ºA. O Q3 é superior no 8ºA. O X mínimo é superior nos rapazes do 8ºA. O X máximo é idêntico tanto no 8ºA como no 8ºano.

 Nas raparigas O Q1 do 8ºA é idêntico ao das raparigas do 8ºano. O Q2 é ligeiramente superior no 8ºA. O Q3 é ligeiramente superior no 8ºA. O X mínimo é idêntico no 8ºano e no 8ºA. O X máximo é inferior no 8ºA do que no 8ºano.


Trabalho realizado por: Gonçalo Espínola, nº 7 Pedro Costa, nº 18 Marta Valente, nº 20 Sara Paiva, nº 26


Este relatório serve para analisar e reflectir o estudo feito nos alunos do 8º ano da nossa escola. Serve também para comparar os dados da nossa turma com os das restantes turmas do 8º ano da escola. O estudo que apresentamos, baseia-se no IMC de cada aluno e nas suas categorias.

A.

Diagramas circulares relativos às categorias do IMC  Raparigas:

Ao comparar estes gráficos pudemos concluir que a maioria das raparigas, tanto da nossa turma como da escola, se encontram na categoria normal, sendo de salientar que existe uma considerável percentagem de alunas com risco de excesso de peso. A percentagem mais baixa que se encontra em ambos os gráficos é a que representa o nº de pessoas que estão abaixo de peso. Verificamos de um modo positivo, que as alunas do 8º ano da nossa escola têm uma percentagem pequena da categoria excesso de peso.


Rapazes:

Já ao comparar estes gráficos, podemos ver que a percentagem de alunos com peso de categoria normal, tal como nas raparigas, é a mais elevada. Relativamente à nossa turma, o nº de rapazes com excesso de peso é inferior ao valor apresentado para a categoria excesso de peso. Mas, ao contrário dos gráficos relativos às raparigas, nas restantes turmas do 8º ano o nº de rapazes com excesso de peso supera a percentagem de alunos com risco de excesso de peso. O valor obtido para os rapazes que estão na categoria abaixo de peso é o mesmo tanto na nossa turma como nas restantes turmas de 8º ano da nossa escola.

Para concluir, podemos dizer que a maioria dos alunos da nossa escola tem um peso normal, sendo de referir que se deve ter especial atenção com aqueles que estão nas outras categorias de forma a evoluírem positivamente.


Masculino (8ºB) – Mínimo – 15,1

Masculino (8º ano) – Mínimo – 14,7

Q1 – 17,6

Q1 – 17,9

Q2 – 18,9

Q2 – 20,8

Q3 – 21,3

Q3 – 23,3

Máximo – 25,9

Máximo – 29

8ºano

8º B | | | | | | | | | | | | | | | | | | | | | | | 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36

Agora, ao observar estes gráficos verificamos que o extremo mínimo na nossa turma é mais elevado do que no 8º ano todo, isto significa que o IMC mais baixo de todo o 8º ano é 14,7 e da nossa turma é 15,1. Na mediana, verificamos que o valor mais baixo se encontra na nossa turma e que a diferença entre eles é de 1,9. O extremo

máximo é mais elevado em todo o 8º ano do que o da nossa turma (29 › 25,9).


Feminino (8ºB) – Mínimo – 15,9

Feminino (8ºano) – Mínimo – 14,0

Q1 – 18,6

Q1 – 18,5

Q2 – 21,4

Q2 – 19,6

Q3 – 25,2

Q3 – 22,1

Máximo – 35,4

Máximo – 35,4

8ºano

8ºB

| | | | | | | | | | | | | | | | | | | | | | | 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36

Ao comparar estes gráficos, podemos ver que o valor mais baixo de IMC nas raparigas do 8º ano é o mais baixo, atingindo o valor de 14. Na nossa turma, o IMC mais baixo das raparigas tem o valor de 15,9. Na mediana, concluímos que o valor mais elevado é o da nossa turma, com 21,4. No 8º ano e na nossa turma o extremo máximo é o mesmo, com o valor de 35,4.

Para concluir este trabalho, podemos dizer que a maioria dos alunos e alunas do 8º ano da nossa escola está na média normal de peso e de IMC, mas há ainda uma considerável parte de alunos que se encontra nas outras categorias e medidas de peso e IMC, ao que é necessário prestar cuidados e ajudar para que possam encaixar na categoria normal de peso.


1


Análise comparativa do estudo de IMC realizado na turma 8ºC com os resultados globais e por género obtidos no conjunto de todas as turmas do 8º ano

Neste estudo analisamos o Índice de Massa Corporal (IMC) em 130 alunos do 8º ano, 67 rapazes e 63 raparigas que comparamos com os 25 alunos do 8º C, que tem 10 rapazes e 15 raparigas. A amplitude (máximo - mínimo) do IMC da turma é 12,47 e do 8º ano é 21,42; ou seja, os valores do IMC da turma estão mais próximos e não há grande variação enquanto que nos 8º anos os valores do IMC, variam muito mais que os da turma (quadro 1). Quadro 1

8ºC

8º Ano

Diferença

Máximo

27,23

35,43

8,20

Mínimo

14,70

14,01

- 0,69

Amplitude

12,47

21,42

Os mínimos de IMC do 8º ano e do 8º C estão muito aproximados, no entanto para os máximos isso não acontece. Os quartis também se encontram com valores próximos (quadro 2).

2


Quadro 2

8ºC

8º Ano

Máximo

27,23

35,43

Mínimo

14,70

14,01

Q1

17,81

18,37

Q2

19,34

20,10

Q3

22,01

22,50

Analisando agora o IMC por género e ao observarmos os diagramas de extremos e quartis (gráfico 1) verificamos que para os rapazes os mínimos estão aproximados, no entanto o primeiro quartil (Q1) no 8º C é inferior ao do 8º ano, o mesmo se verifica com o terceiro quartil (Q3). Apenas a mediana não regista uma diferença tão acentuada. Podemos concluir que a distribuição dos rapazes do 8º C é mais equilibrada que a do 8º ano porque as distâncias são todas praticamente iguais.

Gráfico 1

3


Para as raparigas (gráfico 2) os mínimos estão afastados, no entanto o Q1 e o Q2 no 8º C são praticamente iguais aos do 8º ano, o Q3 é inferior ao do 8º ano. Os máximos apresentam uma diferença muito acentuada. Podemos concluir que também a distribuição das raparigas do 8º C é mais equilibrada que a do 8º ano porque as distâncias são todas praticamente iguais mas no 8º ano há grandes diferenças principalmente entre Q3 e o máximo.

Gráfico 2

Passamos agora à análise das categorias de IMC por género Para o 8º C: (grafico 3) - 8% dos alunos estão em risco de excesso de peso; - 8% estão abaixo de peso; - 84% estão na categoria normal;

4


Gráfico 3

categorias de IMC do 8º C 0% 8%

8%

ABAIXO DO PESO PESO NORMAL RISCO DE EXCESSO DE PESO EXCESSO DE PESO

84%

E que nos 8º anos: (gráfico 4) - 4,1% estão abaixo de peso; -65,4 % estão na categoria normal; - 16,5% estão em risco de excesso de peso; - 14% estão na categoria de excesso de peso; Gráfico 4

CATEGORIAS IMC do 8º ANO 14%

5%

ABAIXO DO PESO PESO NORMAL

16% RISCO DE EXCESSO DE PESO 65%

EXCESSO DE PESO

5


Ao comparar agora as categorias de IMC dos rapazes (gráfico 5 e gráfico 6), podemos verificar que não há alunos no 8º C com excesso de peso embora no 8º ano essa percentagem seja de 21%, no entanto a percentagem de rapazes em risco de excesso de peso é elevada no 8º C e apenas metade têm peso normal. Gráfico 5

categorias de IMC dos rapazes do 8º C ABAIXO DO PESO 9%

18% PESO NORMAL

18%

RISCO DE EXCESSO DE PESO 55%

EXCESSO DE PESO

Gráfico 6

categorias de IMC dos rapazes do 8º ano ABAIXO DO PESO

6% 21%

PESO NORMAL

18% 55%

RISCO DE EXCESSO DE PESO EXCESSO DE PESO

6


Na turma o IMC máximo é de 25,43 e 29 no 8º ano, concluímos que existem nos 8ºs anos valores de IMC bem mais elevados que na turma C, reflecte portanto que na turma C não há ninguém com excesso de peso e nas restantes existe.

Vamos agora fazer o mesmo estudo para as raparigas. (gráfico 7 e gráfico 8) Gráfico 7

Categorias de IMC das raparigas do 8º ano 3% ABAIXO DO PESO

7% 14%

PESO NORMAL RISCO DE EXCESSO DE PESO 76%

EXCESSO DE PESO

Gráfico 8

Categorias de IMC das raparigas do 8º C 0%

0%

0% ABAIXO DO PESO PESO NORMAL RISCO DE EXCESSO DE PESO

100%

EXCESSO DE PESO

Nas raparigas da turma C temos o IMC máximo de 22,68 e nas restantes turmas de 35,4 como valor máximo, havendo diferença, há no entanto uma proximidade. O 7


valor máximo do IMC da turma C embora normal está perto do risco de excesso de peso, enquanto o valor 35,4 já se encontra com excesso de peso.

Conclusão: A turma do 8º C não é representativa de todo o 8º ano porque apresenta, no caso das raparigas, apenas a categoria de peso normal. A amplitude dos valores de IMC do 8º C é 10,3 e no 8º ano é de 21,42 o que dá uma grande variedade de valores. Também verificamos que a nossa turma é saudável porque 84% têm peso normal, 8% em risco de excesso de peso e não há alunos em excesso de peso. Os alunos do 8º ano têm que começar a ter cuidado com a alimentação porque cerca de 30% destes alunos têm excesso de peso ou estão em risco de excesso de peso e apenas 64 % têm peso normal.

8


Relatório comparativo do IMC do 8º ano com o do 8º D Rapazes 8º ano / 8º D

Podemos reparar que o máximo da turma D é inferior ao máximo do total dos rapazes do 8º ano, no entanto existe o mesmo número de alunos entre o 18 (quartil 1) e o 21 (quartil 2) no 8º D e no 8º ano (quadro 1).

IMC 8º ano Rapazes 8º Ano 8º D Q1 18,08 17,63 Min 14,70 14,70 Q2 20,77 20,60 Máx. 28,97 27,23 Q3 23,27 23,32 Quadro 1

Ao observar os diagramas de extremos e quartis, verificamos que os quartis do 8º D estão mais afastados que os do 8º ano, o que provoca uma maior dispersão dos dados (gráfico 1).

IMC de Rapazes do 8º ano / 8º D 31,0 28,0 IMC

25,0

Q1

22,0

min

19,0

Q2

16,0

máx

13,0

Q3

10,0 8º Ano

8º D

Gráfico 1

1


Podemos também comparar os totais dos rapazes do 8º ano (67) e os do 8º D (12) dividido pelas seguintes categorias (quadro2).

FREQUÊNCIA ABSOLUTA 8º ANO 8º D

CATEGORIA ABAIXO DO PESO

4

1

PESO NORMAL

37

7

12

1

14

3

67

12

RISCO DE EXCESSO DE PESO EXCESSO DE PESO TOTAL

FREQUÊNCIA RELATIVA 8º ANO 8º D 6% 8% 55% 18% 21% 100%

58% 8% 25% 100 %

Quadro 2

No 8º D, 25% dos alunos tem excesso de peso o que é superior à percentagem dos alunos do 8º ano. No entanto, a percentagem de alunos com peso normal é muito aproximada e podemos dizer que mais de metade dos alunos estão nesta categoria.

Os gráficos circulares (gráfico 2 e gráfico 3) mostram a divisão dos rapazes segundo a categoria do I.M.C.

CATEGORIA IMC DOS RAPAZES DO 8º ANO ABAIXO DO PESO PESO NORMAL RISCO DE EXCESSO DE PESO EXCESSO DE PESO

Gráfico 2

2


CATEGORIA IMC DOS RAPAZES DO 8º D ABAIXO DO PESO PESO NORMAL RISCO DE EXCESSO DE PESO EXCESSO DE PESO

Gráfico 3

Em conclusão:   

A percentagem de rapazes do 8º ano e do 8º D com excesso de peso é elevada. A maioria dos rapazes, quer do 8º ano quer do 8º D têm peso normal. Há uma percentagem relativamente elevada de rapazes do 8º ano em risco de excesso de peso.

Raparigas 8º ano / 8º D

Já nas raparigas observámos que o total do 8º ano tem um máximo muto mais elevado que as raparigas do 8º D e ainda que o Q1 e a mediana coincidem em ambos os casos. (quadro 3) IMC 8º ano Raparigas 8º Ano 8º D Q1 18,47 18,23 Min 14,01 14,71 Q2 19,69 18,95 Máx. 35,43 23,83 Q3 21,97 20,32 Quadro 3

3


A observação do diagrama de extremos e quartis mostra claramente a grande amplitude (máximo-mínimo) existente no 8º ano contrariamente ao que acontece no 8º D (gráfico 4).

IMC de Raparigas do 8º ano / 8º D 37,0 34,0

IMC

31,0 28,0

Q1

25,0

min Q2

22,0

máx

19,0

Q3

16,0 13,0 10,0 8º Ano

8º D

Gráfico 4

Comparando agora os totais das raparigas do 8º ano (63) e os do 8º D (15) dividido pelas seguintes categorias (quadro 4).

CATEGORIA

FREQUÊNCIA ABSOLUTA 8º ANO 8º D

FREQUÊNCIA RELATIVA 8º ANO 8º D 3,2% 6,7%

ABAIXO DO PESO

2

1

PESO NORMAL

48

12

9

2

14,3%

13,3%

4

0

6,3%

0%

63

15

100%

100 %

RISCO DE EXCESSO DE PESO EXCESSO DE PESO TOTAL

76,2%

80%

Quadro 4

4


Não há raparigas no 8º D com excesso de peso contrariamente ao que acontece no 8º ano. A grande maioria das raparigas, em ambos os casos, têm peso normal. No entanto, a percentagem das raparigas do 8º D abaixo do peso é quase o dobro das raparigas do 8º ano.

E através de um gráfico circular (gráfico 5 e gráfico 6) podemos observar as seguintes categorias do I.M.C.

CATEGORIA IMC DAS RAPARIGAS DO 8º ANO ABAIXO DO PESO PESO NORMAL RISCO DE EXCESSO DE PESO

EXCESSO DE PESO

Gráfico 5

CATEGORIA IMC DAS RAPARIGAS DO 8º D ABAIXO DO PESO PESO NORMAL RISCO DE EXCESSO DE PESO EXCESSO DE PESO

Gráfico 6

5


Em conclusão:   

As raparigas do 8ºD não têm excesso de peso. A maioria das raparigas, quer do 8º ano quer do 8º D têm peso normal. Há uma percentagem relativamente elevada de raparigas do 8º ano em risco de excesso de peso.

Analisando todos os dados relativos a todo o 8º ano (130 alunos), podemos concluir que há uma elevada percentagem de alunos do 8º ano com excesso de peso (14 %) e em risco de excesso de peso (16,5 %); no entanto (65,4 %) dos alunos têm peso normal.

6


Categorias do IMC do 8º ano Turma do 8ºE

Nas raparigas da turma do 8ºE pode-se verificar que mais de metade tem o IMC na categoria normal, estando 23% em risco de peso e 15% em excesso de peso.

Nos rapazes da turma do 8ºE podemos certificar que menos de metade tem IMC na categoria normal, sendo assim, mais de metade dos rapazes estão acima do peso normal. Logo, quase 60% dos rapazes estão em risco ou excesso de peso.


No geral, podemos reparar que mais de metade da turma está na categoria de IMC normal. Um quarto na categoria de IMC de excesso de peso, e o restante em risco de peso. Comparando os gráficos do IMC das raparigas e do IMC dos rapazes da turma do 8ºE podemos comparar que as raparigas estão em melhor estado físico.

Todas as turmas do 8ºano

Neste gráfico podemos reparar que apenas 4% de todas as alunas do 8º ano estão abaixo do peso. Quase um quarto está em risco ou excesso de peso e mais de 70% com IMC normal.


Neste gráfico podemos concluir que mais de metade tem IMC normal e que aproximadamente 40% dos rapazes das turmas do 8º ano estão em risco ou excesso de peso. Somente 7% está abaixo do peso.

No global, verificamos que 30% dos alunos do 8º ano estão em risco ou excesso de peso, 5% abaixo do peso e mais de 60% na categoria de IMC normal. Comparando os dois gráficos acima, concluímos que as raparigas estão em melhor estado de saúde do que os rapazes, visto que 28% das raparigas não estão na categoria de IMC normal e 46% dos rapazes (quase metade) não estão na categoria de IMC normal.



ESTUDO SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL NO 8ºANO