Page 1

Alma do Poeta Poesias

Gerdi達o Cezar


Alma do Poeta

Alma do Poeta Gerdi達o Cezar

3


Gerdião Cezar

Categoria: Poesias Direitos Autorais Reservados. Proibido a cópia ou publicação sem prévia autorização. Diagramação e Capa Janete Rodrigues Ribeiro Tel: 3872-5694 Direitos Reservados Maio 2004

Contatos Tel: 43 3254 7287 Pedidos Diretos

4


Alma do Poeta

Agradecimentos

Agradeço em primeiro lugar a Deus, por me conceder o Dom e a Inteligência. Ao meu sobrinho Hugo Santos de Lima, pelo trabalho de digitação. A diagramadora Janete Rodrigues Ribeiro, pela correção, diagramação e preparação do livro. Ao meu amigo Roque Rodrigues, o “Baiano”, pelo incentivo de sempre. A minha família que me deu carinho e entusiasmo necessário. Enfim, a todas as pessoas que me ajudaram e confiaram em mim. Minha homenagem especial é para a cidade de Lajinha, Minas Gerais, onde passei toda minha infância. Gerdião Cezar

5


Gerdi達o Cezar

6


Alma do Poeta

Prefácio

Diante de momentos de grandes incertezas e situações adversas de uma sociedade onde o perigo eminente é claro, o livro de poesias Alma do Poeta , traz em suas entrelinhas palavras simples e humildes que vem agraciar prosas e versos trazendo para acalentar nossas imaginações e para alguns instantes de: Paz, alegria, distração e fuga do stress. Traz também momentos da vida real numa linha de composição poética para refletirmos e apreciarmos com os olhos voltados para uma realidade fictícia, que a vida nos proporciona nesta existência tão passageira e quase imperceptível e que permeiam nossa rotina, um homem de grande talento porém discreto em sua personalidade, e que nos oferece em sua terceira obra, este recatado e insigne escritor Gerdião Cezar.

Uziel Rodrigues de Lima. Advogado, escritor e compositor.

7


Gerdi達o Cezar

8


Alma do Poeta

A pedra Torta Eu conheço a pedratorta Desdequando garotinho Eunascinaquelasbandas Eu morava bem per tinho Município de Lajinha Córrego domutunzinho Masusando a nossa mente Seviaja e se tran sporta Pode otempo sepassar A distancianão importa Quando melembro desta pedra Saudade no peito brota Vejo acasa emque morava Vejo ospastos e ut do em volta Vejo o sitio do meupai Vejo as serras e asgrotas Recordo etenho saudade Da famosa pedratorta Seum dia Deus me permitir Quero estar ai devolta Pramatar minha saudade E a dorque mesufoca Rever meus velhosamigos E aquerida pedratorta

9


Gerdião Cezar

O homem feliz O homem só éfeliz Quandocrê na escritura Quandoacredita em Deus Enassuas estruturas Quandoajoelha nochão Com asua alma pura Paraagradecer o Se nhor Por nosdar cobertura Não existe outrocaminho Paraqualquer criatura Pois o homem sem Deus Podechegar aloucura Pode serhumilhado E sofrervárias n i júrias Senão searrepender Pode car nas escuras Masquem acreditar No senhor lá das alturas Não precisatemer Porque nos se gura Pois ele nosprometeu Ao sairda sepultura No livro da vida Gravar nossaassinatura

10


Alma do Poeta

Artistas urbanos

Somosartistasurbanos Motoristas rodoviários Nossospalcossão os ônibus Asruas os ce nários A cidade é oteatro As peças nossos rtabalhos Que prestamos comqualidade A todos usuários Ospassageirossão nossos fãs Não podemos deixarna pista Seja velho seja novo Trabalhador ou turista Pois dependemosuns dos outros Pramanter nossa política Maspra aturar o que a gente atura Só mesmo sendo artista

11


Gerdião Cezar

Eu Só queria saber

Eu sóqueria saber Quemnunca teve problemas Quemnunca seapaixonou Nem passouum dilema Quemnunca chorou um dia Nunca amou nemteve pena Todasas pessoasque choram Sempre encontram a solução Poischorar faz bem a alma E faz bem ao co ração Equando o choro é deverdade Lagrimas rolam no chão Unschoram de tristeza Outroschoram depaixão Tem gente chorando asmagoas Outroschorando de emoção Sónunca vi ninguém chorando Sem motivo e semrazão

12


Alma do Poeta

Que bom seria

Que bom seria Senão existisse amaldade Senão existisse o ódio A injustiça e falsidade Que bom seria Senão existisse a cobiça Senão existi sse Olho-Grande Desanimo e apreguiça Que bom seria Senão existisse

a desavença

Senão existisse a inveja Terrorismo e aviolência Que bom seria Se ninguém andasse e rrado Senão existisse a rtaição A mentira e o pecado Que bom seria Senão existisse orancor Senão existisse acalunia E setodos tivéssemosmaisamor

13


Gerdião Cezar

Chuvas de Verão Quandochega o verão Eu co preocupado O sol esquentamuito Éum calor danado A chuvacai forte Chega a fazer estr ago O relâmpago clareia o céu O raio bate no chão O vento assopra forte Semrumo e sem direção A chuva molha aterra Ao som do trovão Masquando o diaamanhece Éum alvoroço danado Muitos rios sem ponte Muitas casas semtelhado Epássaro sem ni nho Emuitos galhosquebrados Na cidade é pior Ficamais complicado Muitos bairros sem luz Muitos carros enguiçados Os rios se transbordam Muitas pessoas cam desabrigadas

14


Alma do Poeta

O Asilo Ao longo da minha vida Trabalhei paracriar os lhos Hoje estou abandonado Eunão vivo mais tranqüilo Minha vida éum sofrimento Minha casa é o sailo Eunão tenho mais esperança Meus lhos me abandonaram Sinto falta decarinho E também demuito amor Nem os netos que tanto amo Vemaqui onde estou Hoje eu estou velhinho Nem caminho mais direito Minhas pernas estão fr acas Nem enxergomais direito Euchoro de tristeza Deitado no meuleito Masquando eu morrer Quero descansar ranqüilo t Queroque escreva no meuúmulo t Uma frase com bastante estilo Descansaem paz Um avô, sem neto, eum pai semlho 15


Gerdião Cezar

Minha Esposa Quando conheci você Meu amor era profundo Meu coraçãobatia forte Muitas vezes por segundo Pareciaque sóexistia Você demulher no mundo Meu amor era tão forte Nem dava paraexplicar Com tantasmulheres nomundo Só conseguia te enxergar Eu estava me smo cego Louco prate amar Já estava deses perado Neste mundo cruel Pela mulher de meus sonhos Eu dava a té o céu Para beijar tua boca Eprovar do teu mel Nunca mearrependi Eu estava mesmo certo O amor quando é sincero Ég i ual aum bloco de concreto Hoje ela cuida de meus lhos Toma conta de meus netos 16


Alma do Poeta

As Cicatrizes Depois que ela partiu Meu castelo desmoronou O vento soprou forte Minha canoavirou Não sei mas oque faço Nem sei como estou Não sei da onde vim Nem sei pra onde vou Nossoamor era sincero Mas o destino nos separou Coração cou magoado E no peito muita dor Elafoi morar no céu Junto com nossoSenhor Maisna hora da despedida Lágrimas nochão rolou Deus da e também tira Foi ele que noscriou Nunca maisamei ninguém Só os lhos que ela deixou Masfoi difícil aceitar O golpe que nos separou Easferidas no meu peito Nunca mais cicatrizou

17


Gerdião Cezar

Oração da Manhã Quando acordo de manhã Antes de melevantar Ajoelho no meuquarto Ejá começo a re zar Vou pedindo a Deus do céu Para nos ajudar A livrar-nos do perigo Que está emtodo lugar Eu peçopara meu Senhor Proteger as nossasvidas Não deixarfaltar remédio Nem roupa, nem comida Não deixar-nos envolver Comdrogas e bebidas E livrar da violência Etodas asbalas perdidas Na certeza de ser ou vido Eu peço commuita fé Eu peço deoelho j Seja oque Deus quiser Abençoe todos nós Seja homem oumulher Eprepare nossas al mas Para quando o Senhor Vier

18


Alma do Poeta

Prece a São Sebastião

VamosRezar Para nossopadroeiro Querido SãoSebastião Protetor do Rio de Janeiro Tenha clemência de nós Estamos em dese spero Padroeiro Sebastião A violência nossufoca Tenha piedade de seus lhos Nos devotos te invoca Proteja o Rio de Janeiro E seu povocarioca Nós rezamos com fé E detodo coração Tenha compaixão de nós Nos dê a olução s Nóscariocaste imploramos Padroeiro Sebastião

19


Gerdião Cezar

A Dengue Vamos combater a dengue Vamosacabar comsso i Vamoster muito cuidado E vamoster muito capricho Não deixaráguaparada Procriando o mosquito Ele é pequenininho Poderoso em seu bico Seele te picar Vai car muito esquisito Você pode até morrer Com a picada do mosquito Nós devemoster cuidado Não deixaráguaparada Não deixarcaixa sem ampa t Nem deixarágua empoçada Você está corre ndo o risco De levar uma picada A dengue está se spal e hando Estávirando epidemia Sevocê não secuidar Pode ser picado um dia E com a picada deste mosquito Morre gente todo dia 20


Alma do Poeta

O Desespero A fumaça estásubindo E ofogo estáqueimando A chapa estáquente E o bicho está pegando O dólar estásubindo O Real está caindo E o povo está recl amando O Dólar ta disparado Lá nos Est adosUnidos Petróleo vaiaumentar Com certeza meuamigo Mais o povobrasileiro Já está no dese spero Todo mundo aborrecido Eutenho muita dó É doassalariado Que trabalha todo dia Pradar cont a do recado Maisvive morrendo de medo De perder o seu mprego e E depois car parado Com oaumento da ciência Aumentou o desemprego Tudo é computador Já estou até com medo O povonão tem maiscrença Aumentou a violência E a falta de so ssego 21


Gerdião Ce zar

A Eternidade

Eu sei que vou morrer E deste mundo vou partir Vou morar na eternidade Para nunca maisvoltar aqui Ou mais cedo oumais tarde Devagar ou de repente Tenho que partir Pois não nascipara semente É triste a despedida Para quem vaipara car Eunão volto maisaqui Masvou esperar vocês por lá No dia emque partir Nãochore na despedida Posso estar morrendo aqui Enascendo em outravida Osversosque escrevi A todos ofereço Peço se for po ssível Que recite no meu en terro

22


Alma do Poeta

Lajinha Pra escrever este o pema Euusei tudo que tinha Pra fazer sesa homenagem A Cidade deLajinha Cidade que meviu nascer Meu berço minha rainha Ésuma cidadelinda Bonita ecalminha Seu povo hospitaleiro Suasruas bemlimpinhas Seusjardins têm muitas rosas Tuaságuassão clarinhas Tu és amais linda detodas Tu ésuma gracinha Querida por todos nós Só tu és minha Por isso me orgulho em dizer Que soulho da Lajinha Lajinha:te amo demais Por tudo que nos representa E por tudo que nos traz Por esse povomaravilhoso Que de tudo é capaz Tu és o orgulhoda nação Etoda MinasGerais 23


Gerdião Ce zar

O Pedágio

Estamos neste mundo Para aprender Fazer ut do certo E nosfortalecer Estagiar comJesus Andar emsua luz Enquanto viver Tudo aqui émuito ágil Temosque ter pressa O tempo passarápido Issojá épromessa Equem parte paraeternidade Comtoda sinceridade Nunca maisaqui regressa Para herdar o R eino de Deus O caminho certo é Jesus É sócrer Nele Eandar na sua luz Com seusangue derramado O pedágio já foi pago Lá no alto da cruz

24


Alma do Poeta

Não Existe Neste Mundo Sedutor Não Existe peito sem dor Não existe passado semlembranças Nem futuro sem esperança Não existe namoro sem beijo Nem noivado sem aliança Não existe rio semcachoeira Nem país sem fron teira Não existe noite sem dia Nem cego semguia Não existe céu sem estr ela Nem mar semmaresia Não existe rosa sem e spinhos Nem amor semcarinho Não existe mar sem peixe Nem pássaro sem ni nho Não existe perfume semcheiro Nem fuga semcaminho Não existe partida semchoro Nem ida sem e r torno Não existe fé sem esperança Nem saudade semlembrança Não existe tristeza semproblemas Nem violência semvingança 25


Gerdião Ce zar

Mundo Cruel Quando eu era solteiro Sóandavaagoniado Tudo era muito ruim E difícil pro meu lado Sóvivia pelasruas Gastando igual um danado Mais graças a a Snto Antonio Hoje eu estou casado Nãovivo nabandalha Nem durmo mais detoca Abraçando qualquer uma E beijando qualquer boca Souum cara inteligente Não tomo qualquer sopa Querover mulher pelada Mando a minha tira a roupa Não vivo mais em boate Nem emquarto de motel Sóvivo pra minha amada Na doçura do seu mel Quando estou em seus braços Pareceque estou no céu Longe detodas asmaldades Deste mundo cruel

26


Alma do Poeta

Meu Violão Meu violão Tá pendurado na parede Faz tanto tempo Que a gente não se arranha As suas gordas Já estão enferrujadas E dentro dele Só tem telha de arranha O braço dele Já está todo brocado E a pintura Arranhada pela capa O som Não é mais o mesmo Meu violão Ta entregue as baratas

27


Gerdião Ce zar

Meu Senhor O meuSenhor Eute peço por favor Ajudai um pecador E me de oseu perdão Se meajudar Nem sei comoagradecer Eununca vou te esquecer De tanta gratidão O meu senhor Eunão sei mais oque faço Me tira desse embaraço E me de asuamão Tem dó de mim Porque eu fui derrotado Estou sendo humilhado Me deuma solução O meu senhor Vai ouvir o meu pedido Tenho certeza comigo Quenão vai meabandonar Tenho esperança Tenho fé e souforte Eu resis to até a morte O senhor vai mesalvar

28


Alma do Poeta

De Onde Eu Vim Quandocheguei neste mundo Eu quei admirado Se soubesse falar Eugritariaapressado Para alguém meexplicar Por que está tudo errado Porque o homem Sóvive revoltado Todasascriançasque nascem Jáchegam aqui chorando Assustadas com aviolência E com a t nto desengano Com a falta de re speito E de afeto humano Seelaspudessem falar Jánasciam protestando Ao chegar a este mundo Euacheimuito ruim O povomuito confuso Uma luta sem m Não existe amor aopróximo Quasetodos pensamassim Sepudesse eu voltaria Para o ugar l de onde vim

29


Gerdião Ce zar

Pedra na Cruz

Eu eramuito sofrido Até encontrar Jesus Andava desesperado Sofrimento não reduz Os dias foram passando Até que encontrei a luz Maschegava a pe nsar Que joguei pedrana cruz Hô hô hô hô gloria a Deus O senhor me libertou Hô hô hô graças a Deus JesusCristo me salvou Praacabar meu sofrimento Eu pedi pra meuJesus Pratirar do meucaminho Todasasbarreirasque pus Retirar todos os problemas Queaumenta e reproduz E medar o seu perdão Se joguei pedrana cruz

30


Alma do Poeta

Eu To Correndo Atrás Eu to correndo atrás Eu to correndo atrás Posso não chegar na frente Mas estou correndo atrás Quem tem medalha de ouro Em seu peito pendurado É porque correu atrás E nunca ficou parado Você Também pode vencer E provar que é capaz Só botar o pé na estrada E começar correr atrás Eu vou correndo atrás Enquanto Deus me permi r Posso não ganhar medalha Mas eu quero compe r

31


Gerdião Ce zar

A Balança Emtoda nossavida Deparamos com abalança Ela é o sí mbolo da d elidade É o selo e a aliança Nas horas de alegria Ela pesa a felicidade Nas horas de tristezas Pesa a falsi dade Na hora do ódio Pesa amaldade Ena hora do sério Pesa a hones tidade Existem balanças Pratodos os al dos Umas pesam o certo Outras pesam o errado Umas pesam os inocen tes Outras osculpados Umas pesam o S anto Outras o pecado Muita gente tenta escapar Fingindo ser imortal Vive enganando a si mesmo Só fazendo o mal Estes seresparecem Não seremracionais Quero ver escaparda balança Lá nojuízo nal 32


Alma do Poeta

O Dom de Deus Não sou nenhum ar sta Nem sou nenhum profeta Só tenho e a honra De ser um simples poeta Pra fazer versos bonitos Pra recitar na hora certa Também não sou concursado Nem tenho nível superior Só tenho o Dom De Deus Que me foi dado com amor Pois a poesia vem da alma E do nosso interior Todos os versos queescrevo São de minha autoria Só peço pra não reparar A minha caligrafia Mas se pego na caneta Já estou fazendo poesia

33


Gerdião Cezar

Perdi o Rumo Eu estou apaixonado To sofrendo Confesso e assumo Depois que você foi embora De saudade Eu perdi até o rumo Sinto-me tão carente Fecho o olho Deito, mas não durmo. Me levanto tomo banho Boto a roupa Os sapatos e me perfumo Depois saio sem destino Igual peixe Fora do cardume Encontro com os amigos Lá nos bares Bebo e eu fumo De tanto sofrer calado Decidi fazer um resumo Arrumar outra pessoa E tentar encontrar meu rumo

34


Alma do Poeta

Homenagem Nãoadianta homenagem Depois que tiver morrido Nãoadianta me enterrar Dentro deum caixão devidro Nãoadianta fazer média Depois que tiver partido Sequiser me pres tigiar Temque ser enquanto vivo Sequiser medar carinho E medar todo conforto Sequiser medar apoio Não meça seu esforço Sequiserchorar por mim Até o olho car roxo Chore enquanto vivo Não depois de morto Sequiser meelogiar E medar asua luz Temque ser enquanto vivo Neste mundo que seduz Mas depois que eu morrer Efor morar comJesus Nãoadianta lamentar Nem chorar no péda cruz

35


Gerdião Ce zar

O Ex-Cachaceiro

Eu eraum cachaceiro Um cachaceiro deverdade Eu bebia todas pingas De qualquer qualidade Era mesmo viciado Sempre ao seuado l Tinha fortes amizades Mas amaldita cachaça Semprejudiou de mim Sempre foiuma pedra Que esteve no meucaminho Tudo só dava e rrado Veja só o resultado Hoje eu estou assim Gastei tudo o que tinha Com estaamiga falsa Perdi a af mília e asaúde Minha vida éuma desgraça E pra eunão morrer Tiveque parar de beber Estamaldita cachaça

36


Alma do Poeta

As Obras Que Apronto

Eu sou admirado Pelas obras que apronto Pois escrevo em qualquer linha Seja torta seja certa Porque sou poeta E me inspiro em qualquer canto Quanto mais for torta a linha Mais desejo de escrever Pois nas curvas que me inspiro Uma vontade infinita De fazer versos bonitos E expor pra totós ler E quando alguém pergunta De onde vem a inspiração Nem sei a resposta certa Porque não sou profeta Mas na alma do poeta Deus derrama esse dom

37


Gerdião Cezar

Se Morrer Eu Ressuscito

Se meu barco naufragar Vai ficar muito esquisito Vou passar muito sufoco Vou ficar muito aflito Porque não sei nadar Mas se morrer eu ressuscito Você pode Rogar praga Pra aumentar o meu conflito E pode rezar forte Perturbar o meu espírito Mas não vai adiantar Pois se eu morrer eu ressuscito Eu sou um velho poeta Só faço verso bonito Eu já me eternizei Por tudo que tenho escrito É por isso que eu digo Se morrer eu ressuscito

38


Alma do Poeta

Meu Tempo de Criança

Eu fuicriado na roça Desdegarotinho Lá no interior de Minas Na cidade deLajinha No sítio de meupai No Corgo do Mutunzinho A casa lá do ítio s Até parece estar a mostra Muita vagem dearroz Muitos pastos Emuita grota De um lado a pedra podre Do outro a pedra torta O sítio do meupai Pareciauma fazendinha Currais dos o bis todo coberto O engenho e o moinho Munjol pra socar arroz Paiol pra guardar farinha Um gerador pra produzir energia Pra iluminar nossacasinha

39


Gerdião Cezar

As divisas lá do sítio Pareciam ser maió De um lado era o tio Neca E do outro soca pó Tinha a mata do Eugênio Cobertinha de cipó E a horta lá de casa Era do vovô Zozó Nós tínhamos um carro de boi E umas vacas leiteiras Um cavalo de charrete E muitas bananeiras Um lindo pomar E uma cachoeira Ainda hoje sinto saudades Do meu tempo de criança Das noites enluaradas Dos amigos da infância A primeira namorada Ainda trago na lembrança

40


Alma do Poeta

A Roça Moderna Quando morava na roça Me recordo era pequeno Mas ralava com o meu pai Pra nós cul var o terreno Era foice era enxada Com sol quente ou chovendo Hoje em dia e diferente Não se vê ninguém sofrendo Ninguém tem calo na mão A ciência está crescendo No lugar que ia a enxada O povo joga veneno Pra mecanizar o terreno Até Parece brincadeira No lugar de animal Usa trator de esteira E quando a lavora madura Pra colher e a ceifadeira E até aquela estrada Que era cheia de sarjeta Hoje esta toda asfaltada Dividida com mureta Não tem mais carro de boi No transporte e só carreta 41


Gerdião Ce zar

Um Dia Me Levanto Ascachaçasque eu bebo É pra deixar eutonto Para esquecer o meupassado E aamargura emque me encontro De tanto sofrer Meuscabelos estão br ancos Meu rosto molhado Com a ágrima l de meu pranto Depois que você foi embora Eutenho sofrido tanto Minha vida éum desespero Vejam só como me n econtro Só bebendo pelosbares Ecaído pelos cantos Mastenho fé em Deus Que um dia melevanto Vou erguer minha cabeça Eacreditar em meusanto Vou dar a volta por cima Não vou entregar os pontos Vou provar para você Equebrar o seu e ncanto Encontrar alguém que meame Isso eute garanto

42


Alma do Poeta

O bilhete da Passagem Quando nós nos co nhecemos Há muitos anos atrás Nós morávamos no sítio Lá em Barbo sa Ferraz Recordo etenho saudade Daqueletempo bom Quenão volta nunca mais Quando a gente se encontrava No meio doscafezais Todo branquinho de or Nós cávamos empaz Nossoamor iaaumentando Euma hora por dia Jánão resolvia mais Depois euvim embora E deixei tudo para trás Nunca mais eu voltei lá Mas trouxeela na bagagem Embarcamos emum ônibus Fizemos boaviagem Até hoje ainda tenho O bilhete da passagem

43


Gerdião Ce zar

Meu Pagamento Jánão sei mais oque faço Pradar cont a do recado Eu trabalho o mês inteiro Já estou desesperado Do dinheiro que recebo Não sobra ne nhum trocado Quandosai meupagamento Cadaum leva um bocado Umaparte pro açougue Outra pro mercado Se compro tudo que devo Aluguel ca atrasado O pobre sofre a t nto Parece sercastigado Nada praele dá certo Tudo ca errado Coitado só vai pra frente Quando tropeça ou é empurrado Trabalhei avida inteira Hoje oslhos estão criados Mas pra descansar Ou poder car parado Só depois que morrer E estiver bem enterrado 44


Alma do Poeta

O Idoso Quando o homem ca velho É fácil desaber Seus cabelos cam brancos No seu rosto corre pranto Não sente mais prazer Fica entrevado Seu rostoenrugado Equase semcomer Tudo ca sem jeito Não escuta direito Começa esquecer A vida deixou asmarcas Eas pernas caram fracas De tanto correr O cansaço éforte Não faz mais esportes Vive a perder As vistas escurecem Lágrimas descem De tanto sofrer Ainda tem lho Que deixa noasilo Sem merecer E lá ca esquecido recebendo o castigo Até morrer 45


GerdiãoCezar

Procurando Uma Pessoa To procurando uma pessoa Que tome conta de mim Eu estou muito carente Levando a vida sozinho Sofrendo neste mundo Sem amor e sem carinho Estou mesmo procurando É verdade eu confesso Mas no dia que encontrar A pessoa que interesso Eu vou ser o mais feliz De todo esse universo Porque o homem sem ninguém Sua vida e vazia É por isso que procuro Alguém que me acaricia Tenho fé e esperança Que vou encontrar um dia

46


Alma do Poeta

Só Acontece Comigo Só acontece comigo Só acontece comigo Eu não sei porque Só acontece comigo Se alguém ficou devendo Porque eu pagar o preço Então eu me pergunto Será que eu mereço Eu não sei se é azar Eu não sei se é cas go Mas tudo que acontece Só acontece comigo Já joguei tantas pedras Neste mundo de luz Será o veredito Que acertei pedra na cruz Tantas coisas me acontecem De bom e de ruim Mas tudo que acontece Só acontece pra mim 47


Gerdião Ce zar

Herança de Meus Pais Quando eusaí decasa Mamãechorava demais Me disselho querido Sejaum homem depaz Trabalhador igual a seus avós Honesto igual a seus pais Mamãenão sepreocupe E pode car tranqüila Vou cumpri seu pedido Mesmo estando amuitas milhas Vou seguir seus conselhos E respeitar nossa família Vou seguir seus bons exemplos Para viver tranqüilo Sempre pedindo a Deus Que nos de o seu auxilio E a herança de meus pais Queropassar meus lhos Por issoquero falar Com carinho e com afeto Transmitir esse pedido Para meus lhos e meus netos Siga o exe mplo da família Eande noscaminhos retos 48


Alma do Poeta

O Senhor Está Presente

O Senhor está presente O Senhor é nossopai Com aajuda do meu Deus Todos os problemassaem Mas seele não permitir Nem uma folha não cai Não precisamostemer Porandar em estradas estreitas Com Deus ao nosso a l do As coisastornam-se perfeitas Podecair mil ao nosso a l do E dez mil a no ssa direita Jesus ambém t falou Não devemostemer Pois tudo é possível Aqueleque crê É sóter fé em mim Eu estarei com você

49


Gerdião Ce zar

Se Eu Pudesse Se eupudesseacabar Acabava com aviolência Acabava com aguerra E comtoda desavença Acabava com a dor Etodo tipo de doença Acabava com anjustiça i Acabava com aprisão Acabava com amaldade Etoda destruição Acabava com a fome E a se ca no sertão Acabava com ochoro E comas diculd ades Acabava com a men tira E comtoda ansiedade Acabava com a tris teza E comtoda falsidade Masquando issoacabar Efor tudo pro abismo Nós vamosviver alegres E fazer oque for preciso Igualzinho Adão eEva Quando estavam noparaíso 50


Alma do Poeta

Se Meu Fusca Falasse O meu fusquinha Ta guardado na garagem Com pneu novo Com farol e buzina Seu retrato no painel Amarelado Com cheiro da gasolina O meu fusquinha Vai ficar para relíquia Pra recordar Quando eu dava carona Quando a gente namorava Agarradinho Encostado na poltrona E hoje Você deve estar casada Levando a vida Na moral e na classe Mas o que seria de nós Se o meu Fusquinha falasse

51


Alma do Poeta

Estou Aqui de Passagem I- Meu querido leitor Escuta oque vou dizer Escrevi esse poema Para explicar pra você Peçonão levar amal Senão entender Hoje estou com saúde Posso escrever Não sei amanhã Quando o diaamanhecer Posso estar vivo Ou posso morrer

II- Mas enquanto estou vivo Escrevo pranão esquecer O que deixar escrito Nunca vai perecer Podepassar milanos Sempre vai pe rmanecer Euqueria ser imortal Enunca falecer Mas sei que é m i possível De issoacontecer Pois todos nascemosum dia Um dia vamos morrer

52


Alma do Poeta

III- Eu estou aqui de passagem Breve vou desaparecer Vou morar na eternidade Nunca mais vão me ver Só estes versos Vou deixar pra você Vou deixar minha homenagem A todos quando ler Inclusive as criancinhas Que ainda vão nascer Também deixo meu abraço Apesar de não conhecer

IV- Antes de fechar meus olhos E não puder mais te ver Quero pedir desculpas Pois não quis te ofender Só quero deixar bem claro O quanto é gostoso viver Mas a vida é passageira Não podemos esquecer O tempo passa rápido Sem a gente perceber

53


Gerdião Cezar

V- Não seja orgulhoso Um dia tudo vai perecer Não fique aí parado Esperando acontecer Lute em quanto é tempo Você vai vencer Trabalhe honestamente Pra não faltar o que comer Seja inteligente E prove quem é você VI- Problemas todos nos temos Desde quando fomos bebês Temos que dar a volta por cima E nos fortalecer Não podemos desanimar Nós vamos vencer Pois aqui, se faz aqui se paga Nisso podemos crer E deste mundo não se leva nada Mas o que plantar vamos colher

54


Gerdião Cezar

A Roseira Minha roseira morreu Ficou triste meu jardim Todas as flores caíram Não ficou nenhum bro m Só restaram os galhos secos E um tronco cheio de espim Quando chega a primavera Da saudade da roseira Da vontade de chorar Até de fazer besteira Ao ver o jardim florido Menos minha roseira Sei que um dia vou morrer Sei que vai chegar meu fim Mas nunca vou esquecer Nem se quer um momen nho Das rosas perfumadas Colhidas no meu jardim

55


Gerdião Ce zar

Quem Sabe Um Dia Èmadrugada Acabei perdendo o sono Porque eu quei lembrando Quando estavate amando E hoje es tou desamparada Vocêfoi embora Me deixou na solidão O meupobre coração Já está em de pressão E reclamatoda hora A dor éforte Porque eu estou sozinho Semamor esemcarinho Mas comcalma e e j itinho Vou tentando minha sorte Quem sabeum dia Você vai searrepender Vai voltar para me ver Você vaiaparecer E metirar dessaagonia Eutenho muita fé Te espero debraçosabertos Porque tudo vaidar certo Você vai medar afeto Seja lá oque Deus quiser 56


Alma do Poeta

O Mundo de Hoje

No mundo de hoje Que estamosvivendo Estãotodos nervosos Ninguém está entendendo Éguerra sem trégua É fogocruzado É aterra tremendo De tanto sofrer O povo está geme ndo A fome é demais Violência crescendo Aviões estãosubindo E os mísseisdescendo Destruindo as cidades Que iam crescendo O povo confuso Não sabe oque estáquerendo É agrande potência Contra os pequenos E ospaíses se enfrent ando É osangue correndo Mas seum dia omundo acabar Osculpados somos nós me smos

57


Gerdião Ce zar

Amar é Bom Demais

Amor puro e verdadeiro Resiste qualquer tentação Levanta oastral Inspira emoção Machucamaisnão dói Agüenta apressão Da certeza deter alguém Ao lado do coração Levasaudadepra longe Espanta a o s lidão Não deixa serenganado Amar émuito bom Grande é a felici dade Onde possote amar Mesmo estando distante Esperote encontrar Seus ábios l poder beijar Consegue superar tudo Encher meu coração Zerar o meu vazio Aumentar minha razão Renovar minha paixão

58


Alma do Poeta

Quem Tem, Tem Conheci um camarada Um sujeito do bem Trabalhavatodos os dias Praganhar algum vintém Prasustentar sua família Epagar oarmazém Masquando chovia demais Tinha que car parado Ouvindo achuvacair Em cima do telhado Nem dormia direito De tão preocupado Chegava a ou vir vozes Quevinham do além E obarulho da goteira Imitava também Parecia est ar dizendo Quem tem, tem Quem não tem, não tem Quem tem, tem Quem não tem, não tem Quem tem, tem Quem não tem, não tem

59


Gerdião Ce zar

A Fazendinha Quando eu meaposentar Vou pegar a minha graninha Vou embora lá pra roça E comprar uma fazendinha Vou plantar uns pés decafé Ecuidar deumas vaquinhas A casinha da fazenda Maispareceuma gracinha Toda coberta detelha E pintada de branquinha Comuma varandana frente Pra colocar umas redinhas Ao lado é ocurral dogado Ena frente uns pés de pinho Nos fundos da minha casa Temuma cachoeirinha Onde possotomar banho E ouvir ospassarinhos O pastinho da fazenda Vai sertodo cercadinho A porteira de peroba E ocurral é de ce drinho Pratirar oleite das vacas E prender os bezerrinhos 60


Alma do Poeta

Pra tratar dos animais Vou fazer umas lavourinhas Vou plantar bastante milho Pra criar minhas galinhas E uns pezinhos de mandioca Pra fazer farinha Pertinho da minha casa Eu vou construir um laguinho Para eu me distrair Dar umas voltas de barquinho Uma vara com anzol Pra pegar alguns peixinhos Hoje eu agradeço a Deus Com toda sinceridade Tudo aquilo que era sonho Jå se tornou realidade Vivo com a minha família Na fazenda da amizade

61


Gerdião Cezar

Minha Família Pra escrever este poema Caminhei por uma trilha Peguei o meu barquinho E atravessei para uma ilha Onde fiz esta homenagem Pro meu neto e minha filha Naquela ilha deserta Distante dos meus Ajoelhado na areia Eu orava ao meu Deus Pedindo muita benção Pra Diana e Mateus Eu ainda de joelho Sozinho naquela ilha Pedi muita proteção Pra nós todos da família Que iluminasse nosso caminho Como uma estrela que brilha Na certeza de ser ouvido Vai minha gratidão Ajoelhado nesta ilha Com muita dedicação Deste pai e avô que sou O poeta Gerdião 62


Alma do Poeta

Os Móveis da Minha Casa

Depois que você foi embora Foi uma tristeza imensa Tudo estava recl amando A falta desuapresença Minha casa cou triste E os móveis diferentes

Eu estavana cozinha Até me deuuma agonia O fogão e a geladeira Reclamavam com a pia Isso era a noite inteira Até amanhecer o dia

Quando fuitomar banho Aumentou meu desespero Tudo estava tão triste Lá dentro dobanheiro A pia e o vaso Até a água dochuveiro

63


Gerdião Cezar

Ao chegar na sala Aumentou minha tristeza As cadeiras e a estante Comentavam com a mesa O som quase mudo E a TV muito surpresa

Quando eu entrei para o quarto Eu não consegui dormir Minha cama estava fria De tanto esperar por ti Os lençóis e os travesseiros Até a colcha de cobrir

64


Alma do Poeta

Pedras e Espinhos Quandosaí decasa Paratentar avida sozinho Encontrei muitasbarreiras Muitas pedras e espinhos Mas dei avolta por cima Eaguardei maisum pouquinho Até que surgiu uma luz Quebrilhou em meucaminho Eu estavamuito triste Estava me smo sozinho Quandoapareceu alguém Com amor e com eitinho j Tirou-meda solidão E me deutodo carinho Retirou todas as pedras Que estavam no meucaminho Hoje eu estou feliz Jánão vivo mais sozinho Meu caminho está livre Eu me sinto um passarinho Jánão tem mais solidão Acabaramtodos os espinhos Hoje ela está comigo Morando no meuranchinho

65


Gerdião Ce zar

Noite Comprida E deitei na minha cama Comecei pensarna vida Acabei perdendo o sono A noite cou co mprida Aumentou meu sofrimento Por você minha querida Hoje estou arrependido Do adeus da despedida Passar noitesacordado É motivo para quem ama Suspirando toda hora Pensandona minha dama Entreasquatro paredes Emvolta da minha cama Chorando desaudade O coração reclama Se eufosseum homem rico Tivessemuito dinheiro Eumandava lhebuscar Nem que fosse no est rangeiro Para matar minha saudade Eacabar meu dese spero Enxugar minhas á l grimas Na fronha do travesseiro

66


Alma do Poeta

Mulher Fingida A cachaçaque eu bebo Épra esquecer o meu ofrimento s Apagar o meupassado Que trago no pensamento Você disseque meamava Masfoi tudo ngimento Esqueceu oque jurou Na hora do casamento Vocêfoi embora E me deixou no esquecimento Hoje vivo tão sozinho Preso nes te apartamento Eunão tenho mais alegria Nem toco meus instrumentos Minha vida éum desespero Maispareceum sacramento Jánão sei mais oque faço Desse ej ito eu não agüento Para essamulher voltar Eujá z um juramento Fizuma promessa Pra Sãoudas J e São Bento Vou rezarpra elavoltar Eacabar meu osfrimento

67


Gerdião Ce zar

Nossa Senhora Para escrever es tes versos Eu pediNossa Se nhora Para medar inspiração Iluminasse nes te hora Eu z esta prece Quandoapareceu aaurora Atenda ao meu pedido Éteu lho que te implora Vou pedir commuita fé De joelho eute imploro Protege nossa af mília E o ul gar onde nós moramos Minha Santa Padroeira Eute peço em memória Ajuda aos inocen tes Consola atodos os que choram Ajudai nestabatalha Para nóstermos vitória Cobre comteu manto E nosdá a tuaglória

68


Alma do Poeta

Índice 4. Ficha atalog C

a

5. Agradecimentos 7. Prefácio 9. A pedra torta 10. O homem feliz 11. Artistas Urbanas 12. Eu só queria saber 13. Que bomseria 14. Chuvas de Verão 15. OAsilo 16. Minha esposa 17. Ascicatrizes 18. Oração da manhã 19. Prece a São Se bastião 20. A dengue 21. O Desespero 22. A Eternidade 23. Lajinha 24. O pedágio 25. Não existe 26. Mundo Cruel 27. Meu Violão 28. MeuSenhor 29. De Onde Eu Vim 30. Pedra na Cruz 31. Eu to C rorendo A rt ás 32. A Balança 33. O Dom de Deus 34. Perdi o Rumo 35. Homenagem 36. O Ex-Cac haceiro 37. As Obras Que Apronto 38. Se eumorrer eu ressucito 39. Meu Tempo de Criança 41. A Roça M oderna 42. Um Dia Me Levanto 43. O Bilhete da Passagem 69


GerdiãoCezar 44.Meu Pagamento 45. O Idoso 46. Procurando Uma Pessoa 47. So Acontece Comigo 48. Herança de Meus ais P 49. O SenhorEstá Pr esente 50. Se EuPudesse 51. Se Meu Fusca Falasse 52. EstouAqui de Passagem 55. A Roseira 56. QuemSabeUm Dia 57. O Mundo de Hoje 58. Amar é Bom De mais 59. Quem Tem, Tem 60. A Fa zendinha 62. Minha Família 63. OsMóveis da Minha C asa 65. Pedras e Esp inhos 66. Noite Comprida 67. Mulher Fingida 68. Nossa Senhora

70


Sou capichaba, nasci em Baixo Guandu . Fui criado no Município de Laginha, interior de Minas Gerais. Morei algum tempo em Barbosa Ferraz, no Paraná. Depois vim para o Rio de Janeiro onde constitui minha família. Hoje com cinquenta e quatro anos, já aposentado, escrevi e publiquei minha terceira obra, Alma doPoeta.

Neste livro de poesias “Alma do Poeta”, tenho o privilégio de apresentar em minha terceira “obra”, poemas simples e humildes, porém, feitos com muito carinho. §§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§§

Leia também do mesmo autor: A Vida e Outras (Homenagens de um Rodoviário) Os Fazendeiros

Alma do poeta  

Diante de momentos de grandes incertezas e situações adversas de uma sociedade onde o perigo eminente é claro, o livro de poesias Alma do Po...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you