Jornal das 8.as Jornadas do Grupo de Estudos de Doenças Respiratórias

Page 1

Jornadas do GRESP

Jornadas do GRESP

“Todos nós somos cuidadores do doente”

A inclusão formal de outros grupos profissionais no GresP, para além da comunidade médica, é um dos seus maiores objetivos. No seu entender, “todos fazemos parte do circuito do doente e juntos podemos potenciar o trabalho uns dos outros, saber como nos complementarmos e trabalhar em equipa”.

Congresso www.justnews.pt Publicações Diretor: josé Alberto soAres 21 de outubro 2022 José Belo Vieira Tabagismo: estado da arte P. 4 Ana Rita Laranjeiro Marta Costa Cardoso DR: o “parente pobre” na esfera da MGF P. 8 Rui P. Costa Recomendações para a vacinação pneumocócica na população adulta P. 8 PUB PP-PAX-PRT-0072 | setembro 2022 banner_28-CNMI_paxlovid_v1.indd 1 26/09/2022 10:45
P. 4 P. 2
Ainda há um grande caminho a percorrer na investigação em doenças respiratórias em contexto de CSP
CL áudiA ViCenTe, CooRdenAdoRA do GReSP:
SARA ALVeS BARBoSA , SeCReTáRiA do GReSP o elo de ligação entre a Coordenação e os Grupos de Trabalho, a Co das Jornadas e a APMGF
JAiMe CoRReiA de SouSA
P. 6/7
8as 20 e 21 de outubro 2022 Porto “A coordenação, integração e personalização dos cuidados respiratórios têm de ser uma prioridade para todos nós”, afirmou o bastonário da OM na sessão de abertura.
8as 20 e 21 de outubro 2022 Porto
Co: Ana Gonçalves, Ana Rita Laranjeiro, Marta Costa Cardoso, nuno Pina, Cláudia Vicente, Pedro Simões, Sara Alves Barbosa, Jaime Correia de Sousa, Ana Margarida Correia e Guilherme Mendes (ausente na foto)

Jornadas do GRESP

Porto

Cerimónia de abertura

Cláudia Vicente explicou ontem que o lema escolhido para esta reunião, “Desafios e oportunidades em cuidados respiratórios – um novo ciclo”, pretende representar “os momentos que vivemos num passado recente, de forma global, mas também o novo ciclo que o GRESP está a viver, com este novo grupo de coor denação – vivo, em constante renovação e focado nas doenças respiratórias”.

A coordenadora do GRESP realçou que “é necessário trabalhar no conheci mento, na formação mas também nas po líticas de saúde, quando dados retirados do BI dos CSP mostram existir um eleva do subdiagnóstico”.

Através de uma mensagem gravada em vídeo, Miguel Guimarães, bastonário da OM, valorizou a existência destas reu niões para “discutir os cuidados respira tórios”, dinamizadas por “um grupo de

Pedro Leuschner, coordenador do Núcleo de Estudos de Doenças Respi ratórias da SPMI, presente no painel,

a criação teve a mão essencial do Dr. Rui Costa”.

Ana Morête, presidente eleita da So ciedade Portuguesa de Alergologia e Imu nologia Clínica (SPAIC), partilhou o seu desejo de “continuar a investir nas parce rias com a MGF, até porque nos sentimos muito próximos”. Como explicou, “ambas as especialidades têm um campo de atua ção que vai desde a criança ao idoso, e é possível haver uma partilha dos doentes”.

investigação em doenç

Ainda não se avançou, contudo, com a construção de uma rede de investiga ção, através do GRESP, que agregasse, de forma formal, elementos que pudessem trabalhar em conjunto. Contudo, existe uma rede informal de apoio à colheita de dados de investigação.

estudos que presta um enorme serviço nesta área e que junta não só a especia lidade de MGF, mas outras afins, como a Pneumologia, e outras profissões e pesso as com papel importante nesta matéria”. Na sua ótica, “cada vez mais nós ganha mos e conseguimos oferecer melhores cuidados de saúde se trabalharmos em equipa”.

afirmou que “o NEDResp deve muito ao GRESP, desde logo, porque enfren tamos dificuldades semelhantes, temos uma missão comum e temos um pa drinho que é um dos pais do GRESP”.

Como recordou, “apesar de a vontade já existir e de a necessidade ser eviden te há muitos anos, no seio da Medicina Interna, de criar um núcleo deste tipo,

Aproveitou para desafiar os colegas a participar mais nas ações de formação da SPAIC e lembrar que a Sociedade tem um grupo de interesse de CSP, onde “são envolvidos os sócios, mas também os colegas da MGF que quiserem participar nas ações formativas, científicas e profis sionais, para melhor cuidar dos doentes respiratórios”.

Catarina Araújo, vereadora da CM do Porto, também usou da palavra.

Carlos Robalo Cordeiro, presidente da Sociedade Europeia Respiratória e diretor da FMUC, proferiu a Conferência Inaugural, abordando a temática “Desa fios e oportunidades para a saúde respi ratória na Europa”.

Coordenação do GRe SP: eurico silva, Ana Margarida Cruz, Nuno Pina, Cláudia Vicente, luís Alves, Pedro Fonte e sara Alves b arbosa

tel. 21 893 80 30 www.justnews.pt

Publicações

O que se faz a nível de investiga ção na área respiratória nos Cuidados de Saúde Primários e Secundários tem vindo a melhorar substancialmente, so bretudo devido ao dinamismo de equi pas ligadas ao GRESP, ao International Primary Care Respiratory Group (IP CRG), à SPAIC e à Sociedade Portuguesa de Pneumologia. Têm sido publicados trabalhos muito interessantes e o progresso é evidente, mas sabemos que a investigação clínica em Portugal ainda tem de evoluir muito.

Infelizmente, grande parte do fi nanciamento estatal disponível, nomea damente por parte da FCT, é dirigido à investigação básica, nas áreas no cére bro, do cancro e do VIH, e não tanto à investigação clínica ou epidemiológica. Simultaneamente, quem já publicou em revistas com fator de impacto elevado tem uma maior probabilidade de ver o seu projeto financiado, devido aos crité rios de seleção que são utilizados.

Daí ter sido criada, em 2018, a Agên cia de Investigação Clínica e Inovação Biomédica, que pretende ser uma re ferência nacional e europeia enquanto entidade capaz de criar as condições essenciais para estimular a investigação clínica e a inovação biomédica em Por tugal. Acontece que o apoio que pode ria dar, ao realizar e suportar atividades, por exemplo, fica condicionado pelas limitações financeiras. Recentemente, em colaboração com a APMGF, a AICIB promoveu apoio metodológico para al guns projetos financiados pela primeira poderem iniciar-se.

Especificamente nos CSP, fazem-se poucos estudos de grande dimensão, por falta de financiamento, que nem é suficiente para pagar aos investigadores e aos técnicos de apoio, sem os quais es tes projetos não podem caminhar.

A necessidade de o GRESP constituir uma rede de investigação formal

O GRESP lançou, em 2021, as pri meiras bolsas de investigação, que per mitiram suportar monetariamente algu mas componentes técnicas e formativas associadas aos projetos e, desta forma, viabilizá-los. Esse foi um passo interes sante.

Neste momento, a nível nacional, está a decorrer um grande estudo epi demiológico ligado à asma, o Epi-Asth ma, que foi iniciado há três anos e tem envergadura nacional, graças à rede in formal do GRESP, que permitiu identifi car investigadores de várias regiões do país dispostos a colaborar. Em grande parte, pode dizer-se que este projeto só é possível porque existe o GRESP, ainda que não seja o promotor inicial. Este projeto está a ser feito de forma colaborativa entre o Instituto de Inves tigação em Ciências da Vida e Saúde (Universidade do Minho) e o CINTESIS - Centro de Investigação em Tecnolo gias e Serviços de Saúde (Universidade do Porto) e conta com o financiamento da AstraZeneca e o apoio da APMGF, da SPP e da SPAIC.

Certos investigadores do GRESP já participaram em algumas atividades internacionais, através de redes interna cionais ligadas ao IPCRG. Destaco a exis tência de um projeto recente muito in teressante, denominado de PIFotal, que se debruça sobre a área dos inaladores e já tem dois artigos publicados. Partiu da iniciativa de colegas holandeses, mas tem pessoas de vários países envolvidas, entre os quais portugueses.

Vários projetos ligados ao GRESP têm contado com a participação de uni dades de CSP que se interessam pela área respiratória, com o CINTESIS e as universidades da Beira Interior e do Mi nho. Há vários colegas a colaborar, como os Profs. Tiago Maricoto, Augusto Si mões, Pedro Simões, João Fonseca, Luís Alves e Cláudia Bulhões e os Drs. Pedro Fonte, Maria João Barbosa e Dinis Brito, além de mim.

Recordo-me particularmente de um projeto apoiado pela AICIB, em coope ração com a APMGF, cujo investigador principal é o Dr. João Braga Simões, da Universidade do Minho, que, após ter conseguido financiamento, veio propor

2 | Jornal Médico 21 de outubro 2022
8as 20 e 21 de outubro 2022
geral@justnews.pt agenda@justnews.pt
JORNAL MÉDICO CONgRessO diretor: josé Alberto soares Assistente da direção: Cherlei Correia redação: Miguel Anes soares, r aquel braz oliveira Fotografia: Nuno branco Publicidade e Marketing: Ana Mota, Ana Paula reis, Diogo Varela diretor de Produção Gráfica: josé Manuel soares diretor de Multimédia: luís soares Morada: Alameda dos oceanos, N.º 25, e 3, 1990-196 lisboa Jornal Médico Congresso é uma publicação da Just News dirigida a profissionais de saúde Notas: 1. A reprodução total ou parcial de textos ou fotografias é possível, desde que devidamente autorizada e com referência à justNews. 2. Qualquer texto de origem comercial eventualmente publicado neste jornal estará identificado como “informação”.
Jaime Correia de Sousa Fundador e primeiro coordenador do GresP
O grande segredo da investigação assenta em parcerias, trabalho em rede e projetos multicêntricos e internacionais.
Pedro Leuschner, Ana Morête, Catarina Araújo, Cláudia Vicente e Carlos Robalo Cordeiro

as respiratórias em contexto de CSP

Este ano, conseguimos entregar três bolsas de investigação APMGF/GRESP, duas delas referentes ao concurso de 2022 e uma ao de 2021. Estes projetos e um quarto, fruto das “Bolsas APMGF/ /AICIB – Vende-nos o teu projeto” – en tregues em abril, durante o 39.º Encontro Nacional de MGF −, serão apresentados nestas 8.as Jornadas do GRESP. Trata-se dos trabalhos “Efetividade de um programa de reabilitação respiratória domiciliária em pessoas com DPOC”, de Tiago Maricoto,

Especificamente nos CSP, fazem-se poucos estudos de grande dimensão, por falta de financiamento, que nem é suficiente para pagar aos investigadores e aos técnicos de apoio.

“Determinantes da contaminação micro biológica do ar interior numa unidade de saúde e impacto de um purificador de ar”, de Gil Correia, “Deteção precoce nos

Jornal Médico | 321 de outubro 2022 Jornadas do GRESP8as 20 e 21 de outubro 2022 Porto

Jornadas

Porto

“numa palavra, posso dizer que sou a ponte entre todos”

Se tivesse de escolher uma palavra para descrever o trabalho que desempenha enquanto secretária do GRESP, Sara Alves Barbosa diria “ponte”. Ao longo do ano e, principalmente, no período que antecede a realização das Jornadas, lado a lado com a coordenadora, tem de fazer a intermediação com os vários agentes.

O interesse de Sara Alves Barbosa pela área respiratória nasceu durante o interna to da especialidade em MGF. Em 2016, ain da no 1.º ano de internato, que realizou na USF São Bento, em Rio Tinto, assistiu, du rante o 20.º Congresso Nacional de MGF e o 15.º ENIJMF, a uma Oficina sobre SAOS e Cuidados Respiratórios Domiciliários le cionada por Cláudia Vicente, ficando, des de logo, entusiasmada.

“Aprendi imenso e impressionou -me pensar que nem todos os médicos de família sabem acompanhar um do ente com essa condição”, recorda. Dois anos depois, foi convidada a integrar o Grupo de Trabalho da Apneia do Sono e Cuidados Respiratórios Domiciliários do GRESP.

Em 2019, foi-lhe lançado o desafio de fazer parte da Comissão Organiza dora das 6.as Jornadas do GRESP, que seriam realizadas no ano seguinte. Em 2021, Cláudia Vicente lançou-lhe o repto de ser a secretária da Coordenação do GRESP que estava a constituir, cargo que aceitou.

Sara Alves Barbosa adianta que, ape sar de haver fases menos atribuladas, o GRESP acaba por estar presente no seu dia-a-dia, pois, por ela passa “tudo o que é relativo ao Secretariado, seja atividades que o GRESP organiza ou em que é convi dado a participar ou fazer-se representar”. Como explica, “consoante o evento ou a sessão para os quais somos convidados, tenho, em conjunto com a Cláudia, de direcionar a informação aos respetivos grupos de trabalho”.

A avaliação das solicitações de patro cínios científicos, que implica “verificar se os critérios do regulamento são cum pridos”, e a criação de diversos materiais, como panfletos e guias, que “exigem uma atualização regular, de acordo com as úl timas guidelines”, são outras das tarefas que estão sob a responsabilidade da Co ordenação do GRESP. “É preciso lançar o repto aos grupos de trabalho, identificar

“Está a ser uma experiência verdadeiramente enriquecedora, porque me obriga a estar em constante atualização, pelo desafio que representa e, principalmente, pelas pessoas que me rodeiam e com quem trabalho.”

os seus revisores e acompanhar o layout”, explica.

Além da organização das Jornadas do GRESP, “o momento alto do ano”, acresce o planeamento inerente a vários outros eventos.

Um ano após ter assumido a função, Sara Alves Barbosa afirma que “o balanço é muito positivo” e que está a ser “uma experiência verdadeiramente enrique cedora, porque me obriga a estar em constante atualização, pelo desafio que representa e, principalmente, pelas pes soas que me rodeiam e com quem tra balho”. No entanto, tem bem noção de que “nem sempre é fácil, pela exigência do cargo, que vem somar-se a dias muito absorventes enquanto médica de família, sobrecarregados ainda com o atendimen to complementar aos fins-de-semana e a presença noutras formações”. Resumin do, “globalmente, é muito enriquecedor, ainda que seja exigente”.

A dedicação integral à organização das Jornadas

Ainda que cada membro da Comis são Organizadora fique responsável pelo planeamento de uma sessão ou oficina do programa das Jornadas, Sara Alves Barbo sa, a par com Cláudia Vicente, tem de “ser o elo de ligação entre esses elementos da Comissão Organizadora, a Coordenação do GRESP e a APMGF – a entidade res ponsável pelas questões logísticas − e verificar que tudo está a ser feito corre tamente”.

Antes ainda, teve de “participar no desenho do programa e na definição dos convidados, e perceber junto dos coor denadores dos grupos de trabalho e da Coordenação do GRESP se as temáticas selecionadas vão ao encontro dos seus interesses”.

Nesse sentido, “numa palavra, posso dizer que sou a ponte entre todos”, remata.

Tabagismo:

Nas últimas décadas, o tabaco ma tou mais pessoas que todas as guerras e pandemias, 8 milhões de mortes/ano (OMS 2019), sendo o maior contribuin te para o cancro e constituindo a prin cipal causa de morte evitável. Os seus danos verificam-se não só nos fumado res mas também nos seus conviventes (vítimas da exposição ao fumo). Esta de pendência extravasa a adição à nicotina (dependência física), que se coliga com as componentes psicológica e comporta mental. Mais de 43 milhões de crianças (entre 13-15 anos) consumiram tabaco em 2018. Esta iniciação vai perpetuar uma prevalência elevadíssima do taba gismo, com consequências dramáticas na saúde mundial. Prevê-se que possa matar 175 milhões de pessoas até 2030.

A OMS sugeriu um pacote de me didas para reverter a pandemia do taba gismo – Estratégia MPOWER: Proteger a população contra o fumo do tabaco. Oferecer ajuda para a cessação. Advertir sobre os perigos do tabaco. Fazer cumprir as proibições da publicidade, promoção e patrocínio. Aumentar os impostos dos produtos do tabaco. A implementação destas medidas, em alguns países, levou a uma diminuição do consumo de cigarros, beliscando o lucro das tabaqueiras.

A indústria tabaqueira rapidamente desenvolveu novas formas de consumo, que batizou de “produtos de risco redu zido”, promovendo-as desenfreadamen te, com o desplante pseudocientífico da sua inocuidade. Produtos apelativos (co res das embalagens, aromas e sabores, possibilidade de uso onde os cigarros tra dicionais são proibidos), com um marke ting agressivo e falacioso, levaram muitos

4 | Jornal Médico 21 de outubro 2022
do GRESP8as 20 e 21 de outubro 2022
José Belo Vieira Consulta de Cessação tabágica, UsF Colina de odivelas. Pres. da AG da Confederação Port. Prevenção do tabagismo SARA ALVeS BARBoSA , SeCReTáRiA do GReSP: Sara Alves Barbosa: “Globalmente, ser secretária do GReSP é muito enriquecedor, ainda que seja exigente”

Jornadas do GRESP

estado da arte

fumadores a transferir o seu consumo, em vez de optarem pela tentativa de cessação. Além disso, captaram novos “clientes”, em especial jovens, aumentando a iniciação e o ciclo da dependência, muitas vezes com transição para cigarros tradicionais. Esta es tratégia das tabaqueiras assemelha-se a ou tras no passado, quando foi modificando os cigarros (filtro, light, etc.), apresentando-os como “mais seguros”.

Os novos produtos de fumar e vape ar não são inócuos! O cigarro eletrónico (para lá da nicotina, que provoca adição) tem substâncias carcinogénicas e químicos com outros efeitos nefastos. O tabaco aque cido provoca igualmente danos nas células pulmonares. Também a exposição passiva a ambos os produtos é nociva. Não existe evidência de que estes produtos sejam efi cientes como ajuda na cessação tabágica. Pelo contrário, sabemos que, para além dos prejuízos físicos, ambos perpetuam uma experiência ritual e sensorial mimetizadora do uso do cigarro. Não podemos pactuar com estratégias de transferência de consu mos e devemos defender a sua erradicação. É necessário promover e reforçar o apoio à cessação tabágica.

Os Cuidados de Saúde Primários são um local privilegiado para abordar o fumador e para fomentar ideias de prevenção e de cessação.

Os Cuidados de Saúde Primários são um local privilegiado para abordar o fuma dor e para fomentar ideias de prevenção e de cessação. Todos os profissionais da saúde devem fazer uma abordagem ao fumador, em intervenção breve resumida na estraté gia de 5 Às: Abordar sistematicamente todos os utilizadores de tabaco. Aconselhar, com convicção, todos os fumadores a abandonar o consumo. Avaliar se o utente deseja fazer uma tentativa. Apoiar o fumador na sua ten tativa de cessação. Acompanhar o processo de tentativa em contactos posteriores.

A organização de redes de Consultas de Apoio Intensivo à Cessação Tabágica (CAICT) devem complementar o apoio à cessação, necessário em fumadores mais complexos (com mais dificuldades em

parar ou com patologias particulares).

Devem ser constituídas por técnicos com formação específica em cessação tabágica, idealmente em equipas multiprofissio

nais. O uso de fármacos aumenta muito as taxas de cessação. Fármacos substitutos de nicotina (em formas transdérmicas e orais), bupropiona, citisina (a mais recen

te no país) e vareniclina (temporariamen te indisponível) são eficazes e seguros.

Abordagens cognitivo-comportamentais estruturadas aumentam a eficácia das in

tervenções. Promover a cessação tabágica é a intervenção terapêutica com melhor custo/efetividade na redução da mortali dade de doenças evitáveis.

Jornal Médico | 521 de outubro 2022
8as 20 e 21 de outubro 2022 Porto

Jornadas do GRESP

Porto

“Todos fazemos parte do circuito do doente, somos o trabalho uns dos outros, saber como nos complementarmos

A inclusão formal de outros grupos profissionais no GRESP, além da comunidade médica, é um dos maiores objetivos de Cláudia Vicente para o seu mandato, que iniciou há um ano, na sequência das últimas Jornadas deste núcleo da APMGF. A importância da investigação clínica, da formação e da literacia em saúde são outros aspetos que a médica de família da USF Araceti, em Montemor-o-Velho, aborda nesta entrevista.

Just News (JN) − É importante que os médicos de família estejam aptos a lidar com esta área das doenças respi ratórias, que atinge tantos utentes?

Cláudia Vicente (CV) − É fundamental, porque são doenças que sabemos serem mui to prevalentes na população mundial e tam bém na portuguesa. São motivos frequentes de consulta nos CSP, não só de forma programa da, mas também em situação aguda. Por isso, é importante que os médicos de família conhe çam bem estas doenças e saibam orientar da melhor forma os utentes que delas padeçam.

JN – Nas agendas dos médicos de família, encontram-se muitos utentes com estas patologias?

CV – No caso da DPOC, há um sub diagnóstico, mas estima-se que atinja 14% da população mundial. Sabe-se que tal está relacionado com a exposição ao tabaco e a fatores ambientais. Há 10% de pessoas com asma, uma doença que atravessa todas as faixas etárias. Vamos, agora, entrar no outono/inver no, onde nos confrontamos com muitas gripes e infeções das vias aéreas superiores e inferio res. É importante termos conhecimento nesta área, a nível do diagnóstico, do tratamento e do acompanhamento posterior. Estas estimati vas repercutem-se na realidade portuguesa. Na maioria das vezes, estes doentes têm ou po derão ter várias comorbilidades associadas, de que são exemplo a diabetes ou a hipertensão.

JN – Nesse âmbito, considera que se ria benéfico existir uma relação de maior proximidade com a Medicina Interna?

CV – Sim, e essa é uma das áreas em que temos vindo a trabalhar. Durante a coor denação anterior, foi iniciada uma parceria entre o GRESP e o Núcleo de Estudos de Doenças Respiratórias da Sociedade Portu guesa de Medicina Interna, que nós temos feito por manter viva e reforçar, procurando progredir nesta aliança, que penso ser be néfica para todos, mas principalmente para os doentes, que são o nosso foco! Vamos ter o prazer de ver esta parceria representada numa mesa das 8.as Jornadas do GRESP.

É importante que se fale entre os diferentes níveis de cuidados, porque cada especialidade tem uma forma diferente de abordagem dos doentes e tem algo a acres centar nos melhores cuidados a prestar. A

Medicina Interna é uma especialidade que nos é próxima, por ter muitos pontos em comum com a MGF. Existem outras entida des dedicadas a esta área, como a Socieda de Portuguesa de Pneumologia e a Socieda de Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica, com quem temos estabelecido várias pontes, quer ao nível da formação, quer da orientação dos doentes, e que tam bém marcarão presença neste evento.

JN – Comparando com a atividade e os meios disponibilizados por outros países nesta área, como vê a realidade portuguesa?

CV – O acesso à espirometria é muito díspar quer entre países, quer dentro do território nacional, e, em Portugal, con tinua a ser uma barreira. Não há muitos sítios onde possa ser feita e, em muitos ca sos, não é comparticipada, o que acaba por criar um entrave a um grupo de doentes que não tenha possibilidade de se deslocar ou disponibilidade financeira para supor tar o valor do exame. Em Espanha, por exemplo, este exame é realizado nos CSP. São formas de organização diferentes.

Na área respiratória, existem muito poucos indicadores associados. Não existe uma periodicidade ou um programa estabe lecido para o acompanhamento das doen ças crónicas pulmonares, o que leva a um subdiagnóstico e subacompanhamento. Tal como aconteceu com outras patologias do foro cardiovascular, para as quais foram de finidos programas com indicadores associa dos, é importante começar por estabelecer quais devem ser os aspetos a medir na área respiratória e partir para a construção desses mesmos programas nesta área.

entre profissionais e entre estes e os doen tes e cuidadores. No último ano, estivemos presentes em várias campanhas, como “Asma a vida!”, “Pasmado?” e “O cancro do pulmão não tira férias”, e desenvolvemos iniciativas, como a “CaminhAsma”, além de também ter mos participado em anúncios televisivos.

No passado dia 30 de setembro, mar cámos presença no programa das primei ras Jornadas de Literacia em Saúde Respira tória. Este tipo de reuniões contribuiu para promover a literacia em saúde, no geral, e em saúde respiratória, de forma particular. Sinto que, nesta área em concreto, as pes soas ainda valorizam pouco os sintomas e, por vezes, não procuram atempadamente os serviços de saúde, o que acaba por atra sar o diagnóstico e dificultar o tratamento.

JN – O GRESP continua a investir na realização de formações dirigidas aos médicos de família, com vista ao ensino da utilização dos inaladores?

“As pessoas ainda valorizam pouco os sintomas e, por vezes, não procuram atempadamente os serviços de saúde, o que acaba por atrasar o diagnóstico e dificultar o tratamento.”

transmitida aos doentes e que, a cada con sulta, a técnica inalatória seja verificada e os eventuais erros possam ser corrigidos.

que exige uma grande preparação e algum compromisso por parte dos elementos do GRESP que a dão. Por exigir algum trabalho de grupo e só fazer sentido acontecer de forma presencial, só agora surgiu o mo mento ideal para a recuperarmos.

Para assinalar o Dia Mundial da Asma, organizámos, no dia 25 de maio, o webinar “Como gerir a pessoa com Asma, em todo o seu percurso, à luz das últimas guidelines”. Alu sivo ao Dia Mundial da DPOC, projetamos re alizar também um webinar dedicado ao tema, durante o mês de novembro. Entretanto, fize mos vários desktops que agregam informação prática e estão disponíveis nas nossas páginas. O ponto alto, em termos formativos, são as nossas Jornadas, além do Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, que decorreu no final de março.

JN – Como avalia a literacia dos portugueses em saúde respiratória?

CV – O GRESP tem vindo a caminhar no sentido de aumentar a literacia dos portu gueses nesta área, nomeadamente, através de movimentos sociais. Estão em curso o CAPA (Cuidados Adequados à Pessoa com Asma) e, mais recentemente, o COPD +, na área da DPOC, que procuram promover o diálogo

CV – Sim, essa é uma das nossas áreas de atuação. Grande parte do tratamento das doenças respiratórias é feito através de tera pêutica inalatória, e é preciso saber manuse ar bem os inaladores, porque se as moléculas não forem administradas de forma correta não chegam ao local onde devem atuar. Mui tas vezes, esta formação de forma mais inten siva e prática não faz parte dos programas pré ou pós-graduados. Através de formações dadas por um grupo de trabalho do GRESP dedicado aos dispositivos inalatórios, procu ramos que a informação que passamos seja

JN – Além dessa, têm vindo a di namizar outras iniciativas formativas, dirigidas aos médicos de família?

CV – Sim, no fim de semana de 24 e 25 de setembro, realizámos a 4.ª edição da formação de formadores - “Teach the Teachers”, onde pudemos discutir casos clínicos, rever materiais do GRESP e iniciar um trabalho de grupo que se prolonga no tempo e que tem em conta os objeti vos do GRESP. Esta era uma formação que queríamos muito retomar porque durante a pandemia não foi realizada, além de, por norma, não acontecer todos os anos, dado

Sendo o GRESP um grupo de trabalho de médicos de família que trabalha para médicos de família, a nossa forma de atu ação passa pela partilha de conhecimento, pela troca de ideias e pela discussão de projetos, com vista à progressão.

JN – Como forma de incentivar a inves tigação clínica, este ano voltaram a atribuir bolsas de investigação a alguns projetos...

CV – Sim, a ideia da atribuição das bolsas remonta a 2018, quando o 9th IPCRG World Conference teve lugar no Porto. Através de algum trabalho que foi sendo desenvolvido pelo GRESP, conseguiu-se criar estas bolsas, que foram atribuídas, pela primeira vez, em 2021. Este ano, apoiámos três projetos, que

6 | Jornal Médico 21 de outubro 2022
8as 20 e 21 de outubro 2022
Trabalhar Na MelhorIa da lITeraCIa eM saúde da população e Na forMação dos profIssIoNaIs
CL áudiA ViCenTe, CooRdenAdoRA do GReSP – GRuPo de eSTudoS de doenÇAS ReSPiRATÓRiAS dA APMGF: Cláudia Vicente: “É importante começar por estabelecer quais são os cuidados adequados ao tratamento das doenças e, partindo daí, chegar-se maior acompanhamento dos doentes”

Jornadas

podemos potenciar complementarmos

somos seus cuidadores,

trabalhar

serão apresentados numa sessão destas Jor nadas. Fazer investigação clínica em CSP em Portugal não é fácil, dado termos agendas muito completas e haver falta de profissio nais em muitas unidades, mas é fundamen tal, pois, sem ela não poderemos progredir.

INCorporar ouTros grupos profIssIoNaIs No gresp

JN – Na última entrevista que deu à Just News, referiu que um dos seus maio res propósitos era a integração de outros grupos profissionais no gresp, sejam en fermeiros ou técnicos de Cardiopneumologia. Já conseguiu formalizar esse desejo?

CV – Para a Comissão Coordenadora do GRESP, não faz sentido que o trabalho não seja em equipa. Nos CSP, trabalhamos com equipas que englobam médico, enfermeiro e secretário clínico, e os doentes, frequente mente, passam de seguida pela Farmácia. To dos nós deveríamos falar a mesma linguagem, porque todos fazemos parte do circuito do doente, somos seus cuidadores. Por isso, se não existir a mesma linha de pensamento, os cuidados não serão prestados da mesma maneira e, provavelmente, o doente vai re colher mensagens de formas diferentes, o que o poderá confundir.

À semelhança do que o International Pri mary Care Respiratory Group (IPCRG) faz, ao integrar vários grupos profissionais, o nosso objetivo seria também potenciar o trabalho

Jornal Médico | 721 de outubro 2022
do GRESP8as 20 e 21 de outubro 2022 Porto
e juntos
e
em equipa” chegar-se a uma prática estabelecida, que permita um Terapêutica de Referência na Rinite Alérgica 2,3  Alívio significativo dos sintomas em 5 minutos 4  2x mais eficaz que os Corticosteroides intranasais 5  Adequado para adultos e adolescentes ≥ 12 anos Cloridrato de Azelastina + Propionato de Fluticasona ARIA 2020: À frente no tratamento da rinite alérgica1 Cutterguide: NO Printing Process: Offset GD: 553459 Size: 210 (W) mm x 267 (H) mm Pages: 1 Colors: C M Y K (4 Colors) Native File: Indesign CC Windows Generated in: Acrobat Distiller 10.0 INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RCM. NOME DO MEDICAMENTO Dymista 137 microgramas / 50 microgramas por aplicação Suspensão para pulverização nasal COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada g de suspensão contém 1000 microgramas de cloridrato de azelastina e 365 microgramas de propionato de fluticasona. Uma aplicação (0,14 g) liberta 137 microgramas de cloridrato de azelastina (=125 microgramas de azelastina) e 50 microgramas de propionato de fluticasona. Excipientes com efeito conhecido: Uma aplicação (0,14 g) liberta 0,014 mg de cloreto de benzalcónio. FORMA FARMACÊUTICA Suspensão para pulverização nasal. Suspensão branca, homogénea. Indicações terapêuticas Alívio dos sintomas da rinite alérgica sazonal e perene moderada a grave se a monoterapia com o anti-histamínico ou com o glucocorticoide intranasal isolado não for considerada suficiente. Posologia e modo de administração Posologia: Para um benefício terapêutico completo é essencial a utilização regular. Deve evitar-se o contacto com os olhos. Adultos e adolescentes (idade igual ou superior a 12 anos): Uma aplicação em cada narina duas vezes ao dia (de manhã e à noite). Crianças com idade inferior a 12 anos: Dymista não é recomendado para crianças com menos de 12 anos, porque não foi estabelecida a segurança e eficácia neste grupo etário. Duração do tratamento: Dymista é adequado para utilização a longo prazo. A duração do tratamento deve corresponder ao período de exposição alérgica. Modo de administração: Dymista destina-se apenas a uso nasal. Preparação do spray: O frasco deve ser agitado suavemente antes de utilizar durante 5 segundos, inclinando para baixo e para cima e seguidamente remover a tampa protetora. Antes da primeira utilização Dymista deve ser acionado pressionando para baixo e libertando a bomba 6 vezes. Se Dymista não for utilizado por mais de 7 dias deve ser acionado uma vez pressionando e libertando a bomba. Utilização do Spray: Agite cuidadosamente o frasco durante 5 segundos, inclinando para cima e para baixo. Seguidamente remova a tampa protetora. Após assoar o nariz, aplicar a suspensão uma vez em cada narina mantendo a cabeça inclinada para baixo (ver figura). Após utilização, limpar a parte superior e colocar a tampa protetora. Contraindicações Hipersensibilidade às substâncias ativas ou a qualquer um dos excipientes. Advertências e precauções especiais de utilização A utilização concomitante de propionato de fluticasona e ritonavir deve ser evitada, salvo se os potenciais benefícios para o doente forem superiores ao risco de efeitos adversos sistémicos aos corticosteroides. Podem ocorrer efeitos sistémicos de corticosteroides inalados, particularmente quando prescritos em altas doses por períodos prolongados. Estes efeitos são menos prováveis de acontecer do que com corticosteroides orais e podem variar de doente para doente e conforme a preparação corticosteroide. Efeitos sistémicos potenciais podem incluir síndroma de Cushing, situações Cushingoides, supressão das suprarrenais, atraso no crescimento em crianças e adolescentes, cataratas, glaucoma e mais raramente, uma série de efeitos psicológicos ou comportamentais incluindo hiperatividade psicomotora, alterações do sono, ansiedade, depressão ou agressão (particularmente em crianças). Dymista sofre um metabolismo de primeira passagem, portanto a exposição sistémica ao propionato de fluticasona em doentes com doença grave no fígado pode aumentar. Isto pode provocar um aumento da frequência de reações adversas sistémicas. O tratamento com doses mais altas do que as recomendadas para os corticosteroides nasais pode provocar supressão das suprarrenais clinicamente relevante. Se houver evidência para a utilização de doses superiores às recomendadas, deve considerar-se uma cobertura adicional com corticosteroides sistémicos durante períodos de stress ou cirurgia eletiva. Em geral a dose das formulações intranasais de fluticasona deve ser reduzida para a dose mais baixa com a qual é mantido o controlo eficaz dos sintomas da rinite. Doses mais altas que as recomendadas não foram testadas com Dymista. Tal como com todos os corticosteroides nasais, a quantidade total sistémica de corticosteroides deve ser considerada quando outras formas de tratamento corticosteroide são prescritas concomitantemente. Foram notificados em crianças tratadas com corticosteroides nasais, atrasos no crescimento com as doses aprovadas. Uma vez que o crescimento continua na adolescência, recomenda-se que o crescimento de adolescentes sujeitos a tratamentos prolongados com corticosteroides nasais seja também monitorizado regularmente. Se o crescimento for retardado, a terapêutica deve ser revista com o objetivo de reduzir a dose do corticosteroide nasal se possível, para a dose mais baixa eficaz capaz de manter os sintomas controlados. Podem ser notificados distúrbios visuais com o uso sistémico e tópico de corticosteroides. Se um doente apresentar sintomas como visão turva ou outros distúrbios visuais, o doente deverá ser encaminhado para um oftalmologista para avaliação de possíveis causas que podem incluir cataratas, glaucoma ou doenças raras, como a coriorretinopatia serosa central que foram notificadas após o uso de corticosteroides sistémicos e tópicos. É necessária uma monitorização apertada em doentes com uma alteração da visão ou com antecedentes de pressão ocular aumentada, glaucoma e/ou cataratas. Se houver qualquer razão para acreditar que a função suprarrenal está comprometida, deve ter-se cuidado quando se transferem os doentes de um tratamento esteroide sistémico para o Dymista. Em doentes com tuberculose, com qualquer tipo de infeção não tratada, ou que tenham sido sujeitos a uma cirurgia recente ou traumatismo no nariz ou boca, os possíveis benefícios do tratamento com Dymista devem ser ponderados frente aos possíveis riscos. Infeções nas vias nasais devem ser tratadas com antibacterianos ou antimicóticos, mas não constituem uma contraindicação específica ao tratamento com Dymista. Dymista contém cloreto de benzalcónio. A utilização a longo prazo pode causar edema da mucosa nasal. Interações medicamentosas e outras formas de interação Propionato de fluticasona: Em circunstâncias normais, atingem-se concentrações baixas de fluticasona após aplicação intranasal, devido ao extenso metabolismo de primeira passagem e uma depuração sistémica alta mediada pelo citocromo P450 3A4 no intestino e no fígado. Salienta-se que interações significativas mediadas pelo propionato de fluticasona são improváveis. Cloridrato de azelastina: Não foram realizados estudos específicos de interação com o cloridrato de azelastina spray nasal. Foram realizados estudos de interação com altas doses orais. Contudo, não têm relevância para a azelastina Spray Nasal porque as doses nasais recomendadas promovem uma exposição sistémica muito mais baixa. No entanto, deve ter-se especial cuidado quando se administra cloridrato de azelastina a doentes a tomar sedativos ou medicação para o sistema nervoso central porque o efeito sedativo pode ser potenciado. O álcool pode também potenciar este efeito. Efeitos indesejáveis As frequências são definidas da forma seguinte: Muito Frequentes (≥1/10); Frequentes (≥1/100, <1/10); Pouco frequentes (≥1/1.000, <1/100); Raros (≥1/10.000, <1/1.000); Muito raros (<1/10.000); Desconhecido (não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis). Doenças do sistema imunitário: Muito raro: Hipersensibilidade incluindo reações anafiláticas, angioedema (edema da face ou língua e erupção cutânea), broncoespasmo; Doenças do sistema nervoso: Frequente: Cefaleias, disgeusia (sabor desagradável), cheiro desagradável, Muito raro: Tonturas, sonolência; Afeções oculares*: Muito raro: Glaucoma, aumento da pressão intraocular, cataratas, Desconhecido: Visão turva (ver secção 4.4); Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino: Muito frequente: Epistaxe, Pouco frequente: Desconforto nasal (incluindo irritação nasal, picadas, prurido) espirros, secura nasal, garganta seca, irritação da garganta, Muito raro: Perfuração do septo nasal**, erosão da mucosa, Desconhecido: Úlceras nasais; Doenças gastrointestinais: Raro: Boca seca, Muito raro: Náuseas; Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos: Muito raro: Erupção cutânea, prurido, urticaria; Perturbações gerais e alterações no local de administração: Fadiga (cansaço, exaustão), fraqueza. * Foram identificados um número muito pequeno de notificações espontâneas após o tratamento prolongado com propionato de fluticasona intranasal. ** Foi notificada perfuração do septo nasal após a utilização intranasal de corticosteroides. Podem ocorrer efeitos sistémicos de alguns corticosteroides nasais, particularmente em altas doses por períodos prolongados. Foi notificado atraso no crescimento em crianças que receberam corticosteroides nasais. O atraso no crescimento pode ser possível também em adolescentes. Em casos raros foi observada osteoporose, se glucocorticoides nasais foram administrados a longo prazo. Rev: agosto 2020 Medicamento Sujeito a Receita Médica. 37% de Comparticipação. Para mais informações deverá contactar o titular da autorização de introdução no mercado. Titular de AIM: BGP Products, Unipessoal, Lda., uma empresa Mylan. e-mail da farmacovigilância: pv.portugal@viatris.com BIBLIOGRAFIA: 1. Bousquet J, et al. J Allergy Clin Immunol 2020; 145: 70-80. 2. Carr W, et al. J Allergy Clin Immunol. 2012; 129(5): 1282-1289. 3. Leung et al. J Allergy ClinImmunol.2012;129(5):1216.4.BousquetJ,etal.JAllergyClinImmunolPract2018;6(5):1726-1732.e6.5.MeltzerEetal.IntArchAllergyImmunol2013;161:369-77. 4/2021/BGP/273 2021-PT_VIATRIS-0443_D2.indd 1 5/3/2021 3:41:00 PM (Continua na pág. 8)

Jornadas do GRESP

Porto

uns dos outros, saber como nos podemos complementar e trabalhar em equipa.

Na prática, já o estamos a fazer, por exemplo, através do movimento CAPA, que integra enfermeiros, farmacêuticos e outros especialistas. Há vários profissionais que colaboram connosco há vários anos e têm desenvolvido um trabalho notável na comunidade e contribuído para a progres são da literacia em saúde da população.

JN – o que está na origem do tema destas Jornadas, “desafios e oportunidades em cuidados respira tórios – um novo ciclo”?

CV – A pandemia trouxe uma mudan ça de paradigma e um novo desafio no tra tamento das doenças respiratórias. A pró pria covid-19 veio chamar a atenção para a importância dos problemas respiratórios. Estamos, sem dúvida, a entrar numa nova era e precisamos de perceber o que apren demos com esta transição, o que queremos mudar e melhorar. Os temas que trazemos procuram espelhar o melhor da Ciência à luz atual. Todos os anos surgem mudanças e novidades, que devem ser tratadas.

JN – As comunicações orais são uma forma de discutir esses avanços?

CV – Sim, as comunicações orais per mitem que os colegas possam mostrar o que está a ser feito localmente, partilhar ideias e projetos. Eventualmente, criam-se novas alianças e os trabalhos podem ser melhorados. Há vários ganhos que podem existir ligados às apresentações dos traba lhos, a nível da melhoria da qualidade, com a entreajuda e a cooperação, além do ganho económico.

As doenças respiratórias continuam a ser, infelizmente, o “parente pobre” na esfera da MGF

dade na tomada de decisão, com o avançar da especialização e consequente ganho de autonomia, fomos definindo as nossas áreas de interesse e tomando consciência das nos sas lacunas e necessidades. Para além disso, é notório o desinvestimento nos cuidados respiratórios, pelo que consideramos existir larga margem para aprendizagem.

“Estreantes na Comissão Organizadora (CO) das 8as Jornadas do GRESP, cujo lema é “Desafios e oportunidades em cuidados respiratórios um novo ciclo”, abraçámos o projeto do GRESP/APMGF no início do ano de 2022, aceitando igualmente o de safio de colaborar na organização de mais umas Jornadas de excelência para todos os colegas com interesse nas temáticas em torno dos cuidados respiratórios.

Pertencer a esta CO é dar seguimento ao importantíssimo trabalho desenvolvido nos anos transatos, nesta área acarinhada por nós, cujo sucesso e relevância do evento são notórios. A pandemia covid-19 obrigou ao reformular logístico na passada edição, tendo o GRESP optado, na procura de alter nativas exequíveis para todos, pelo formato digital, com transmissão online e, assim, fa zer chegar a sua mensagem a um maior nú mero de colegas, num período tão crítico.

Nesta edição, e na tentativa de regresso à nova normalidade, contamos com um for mato híbrido, colocando a tónica nos temas respiratórios abandonados para segundo plano (além da tão em voga covid). Assim, no presente ano, usufruímos das mais-valias do formato presencial, como a promoção da reunião e o encontro entre colegas, e o fo mentar da partilha e discussão de ideias. E, por outro lado, ultrapassamos a barreira ge ográfica, assegurando e facultando o acesso a esta ação de índole pedagógica e formativa a todos os interessados pela via online.

Sendo ambas nós médicas internas de formação especializada em Medicina Geral e Familiar, denotámos ao longo dos anos de internato a necessidade de aprimorar alguns temas rotineiros na nossa prática clínica di ária. Se nos primeiros anos de formação, numa perspetiva de consulta “ombro-a -ombro”, nem sempre sentíamos a dificul

Relembrando um dos objetivos primá rios do GRESP – “fomentar o contacto, co municação e encontro entre profissionais motivados pelos problemas relacionados com as doenças respiratórias” –, conside ramos deveras gratificante a oportunidade de integrar este grupo de estudos e poder trabalhar ativamente nas áreas prioritárias de Asma e Rinite, Doença Pulmonar Obs trutiva Crónica, Apneia do Sono e Cuida dos Respiratórios Domiciliários, Doenças Infeciosas, Dispositivos Inalatórios, Taba gismo, Formação e Investigação.

Se anteriormente já tínhamos levado a cabo atividades e iniciativas neste âmbi to, torna-se extremamente enriquecedor poder agora integrar estas equipas de tra balho e contribuir para a missão GRESP.

Com esta experiência, além de poder mos dar o nosso contributo, conseguimos aliar o ganho formativo ao desenvolvimen to de reuniões e eventos como as Jornadas do GRESP ao treino do trabalho em equi pa, à capacitação em gestão organizativa e à realização de iniciativas e projetos nesta área em crescimento, que é a área respi ratória, contribuindo para a melhoria dos cuidados respiratórios em Portugal.

Consideramos que as doenças respira tórias continuam a ser, infelizmente, o “pa rente pobre” na esfera da Medicina Geral e Familiar, ocupando as doenças cardiovascu lares e a patologia metabólica grande parte do dia-a-dia e do tempo de consulta de um médico de família, tornando-se um verda deiro desafio a gestão de agenda dedicada à patologia respiratória. Reconhecemos que é, por isso, crucial e urgente o investimento em cuidados respiratórios, o discutir e par tilhar de ideias, as sugestões de melhoria e a criação de soluções para a abordagem destas doenças com tanto impacto na quali dade de vida da nossa população, servindo as Jornadas do GRESP este exato propósito.

A Medicina Geral e Familiar é a área, por excelência, da prevenção e promoção da saúde, do acompanhamento intergera cional e da construção de uma relação de proximidade com a população, como ne nhuma outra. Se, para nós, o interesse pela MGF esteve lá, desde sempre, tendo sido re forçado pela passagem, durante o curso, em unidades de saúde que só nos reafirmaram a certeza da decisão, o interesse pela área respiratória tem vindo a ser construído pela perceção do impacto das doenças na vida das pessoas e da qualidade de vida que te mos potencial para lhes proporcionar.

Denotamos que a estima pela área é amplificada pelas partilhas entre pares nas mais diversas ocasiões ao longo do nosso internato, bem como pelo contacto e privilégio de trabalhar diariamente com colegas com grande atividade nesta área.

A doença pneumocócica e recomendações para a vacinação antipneumocócica na população adulta (≥ 18 anos)

tente sobre a prevenção da doença pneumo cócica, julgamos pertinente esta atualização das recomendações GRESP.

A vacina VPC15 apresenta os seró tipos da VPC13 mais o 33F e o 22F e a VPC20 contém os serótipos da VPC15 mais os 8,10A,11A,12F e o 15B.

alternativa, poderá ser opção o esquema se quencial com a vacina VPC15, seguida, pas sado pelo menos um ano, da VPP23.

Rui P. Costa

especialista em MGF. Diretor sãvida Medicina Apoiada, sA. Membro do GresP

O GRESP, após a publicação, em 2016, das suas primeiras recomendações para a vacinação antipneumocócica na população adulta com ≥ 18 anos, vem neste ano de 2022 publicar as suas atua lizações das recomendações.

Fruto do lançamento internacional de duas novas vacinas antipneumocócicas con jugadas, a 15 valente (VPC15) e a 20 valente (VPC20), e face à evidência científica exis

Na população portuguesa, constatou-se que, após a introdução no PNV da vacinação com a VPC13, os serótipos que mais frequen temente causaram DIP no adulto entre 2015 e 2018 foram os 8 e 3, seguidos dos 22F, 14 e 19A. Com as vacinas conjugadas, a VPC15 e a VPC20, e com base neste estudo, teríamos, respetivamente, uma taxa de cobertura para os serótipos vacinais de 44% e 72%.

O GRESP, em concordância com o con senso do CDC de 2022, e atendendo à reali dade epidemiológica nacional dos serótipos circulantes causadores da doença invasiva (DIP) e da doença não invasiva na popula ção adulta e ao custo-efetividade, recomen da a adoção de uma estratégia de vacinação antipneumocócica universal e simples da população elegível com a vacina VPC20. Em

As recomendações GRESP para a vacina ção antipneumocócica na população adulta (≥ 18 anos) dividem-se em recomendações principais (Tabela I) para as pessoas que vão iniciar a vacinação e recomendações com plementares (Tabela II) para pessoas que já tenham realizado qualquer esquema de vaci nação antipneumocócica.

recomendação preferencial da vacina pneumocócica conjugada contra infeções por S. pneumoniae de 20 serótipos (VPC20) para todos os adultos com idade igual ou su perior a 65 anos e toda a população com ≥ 18 anos com risco acrescido de contrair DIP, imunocomprometidos ou com risco acresci do de meningite bacteriana.

Recomendação alternativa da vacina pneumocócica conjugada contra infeções por S. pneumoniae de 15 serótipos (VPC15) seguida, passado 1 ano, da vacina pneumo cócica polissacarídea 23-valente (VPP23) para todos os adultos com idade igual ou superior

a 65 anos e toda a população com ≥ 18 anos com risco acrescido de contrair DIP, imuno comprometidos ou com risco acrescido de meningite bacteriana.

A vacinação antipneumocócica afigura -se como a principal forma de proteção

das populações em risco contra a doença pneumocócica. Por este motivo, é funda mental sensibilizar para a importância da prevenção da doença pneumocócica atra vés da vacinação de toda a população de risco acrescido.

Tabela i Recomendações principais para a vacinação antipneumocócica em adultos ≥ 18 anos de idade, imunocompetentes com risco acrescido de DiP, imunocomprometi dos ou com risco acrescido de meningite bacteriana.

Condição

65 anos

18 anos com risco acrescido de DiP

18 anos imunocomprometidos ou com risco acrescido de meningite bacteriana

Preferencial

VPC 20

*Pode ser administrada após um período de 8 semanas

Alternativa

VPC 15

23 (≥ 1 ano)

20

15

23 (≥ 1 ano)

20

15

VPP 23 (≥ 1 ano)*

Tabela ii Recomendações complementares para a vacinação antipneumocócica em adultos ≥ 18 anos de idade, imunocompetentes ou imunocomprometidos, ou com risco acrescido de DiP ou de meningite bacteriana.

Condição

Vacinação VPP 23 prévia com ≥ 65 anos Vacinação VPP 13 prévia

Vacinação sequencial VPC 13 e VPP 23 prévia, independentemente da idade

Preferencial

VPC 20 (≥ 1 ano)

VPC 20 (≥ 1 ano)

Alternativa: VPP 23 (≥ 1 ano)

VPC 20 (≥ 1 ano)

8 | Jornal Médico 21 de outubro 2022
8as 20 e 21 de outubro 2022
Ana Rita Laranjeiro interna do 3.º ano de MGF, UsF Araceti, ACes baixo Mondego Marta Costa Cardoso interna do 4.º ano de MGF, UsF Araceti, ACes baixo Mondego
(Continuação da pág. 7)
→ VPP
VPC
→ VPP
VPC
VPC
VPC

Jornadas

GRESP

A dR como foco da atenção dos cuidados de enfermagem

e possam, com pertença, apoiar os uten tes nas suas dúvidas sobre a correta técni ca inalatória, fator tão decisivo na eficácia do tratamento. E ainda perceber quais

história vacinal de cada utente, perceber em cada momento quais as vacinas que estão recomendadas, intervenção breve na cessação tabágica, modelos de consulta

CSP, entre outros.

No fundo, para normalizar e incorpo rar os cuidados com os doentes e a doen ça respiratória na prática clínica quotidia

que os profissionais de saúde e as equipas dediquem a estas pessoas e à sua doença a atenção que a sua influência na qualidade de vida dos doentes e pressão que criam

As doenças respiratórias despertam cada vez mais a atenção dos profissionais de saúde e os enfermeiros de família não são exceção. Sendo estes um elo nos cui dados de saúde tão próximo dos utentes e do seu contexto familiar, e sabendo nós que a maioria dos utentes com doença respiratória tem outras patologias associa das, muitas delas, como a hipertensão e a diabetes, com uma vigilância bem estabe lecida nos cuidados saúde primários, faz todo o sentido incluir a doença respirató ria como foco da atenção dos cuidados de enfermagem.

No meio da multimorbilidade e dos programas de saúde existentes nos CSP a que os enfermeiros de família já dão res posta, os enfermeiros podem aproveitar o contacto privilegiado com os utentes, em diferentes contextos, para avaliar os utentes com doença respiratória ao nível do controlo de sintomas. Mas também o seu estado vacinal, nomeadamente, a va cina da gripe e as vacinas polissacárida conjugada 13 valente e a polissacárida 23 valente, a técnica inalatória, a gestão do ambiente físico das suas habitações e cuidados em meio social e laboral, as agudizações que surgem e requerem uma intervenção atempada, para evitar a necessidade de cuidados saúde mais com plexos, além do que afetam o quotidiano e a qualidade de vida dos doentes respi ratórios, etc.

Foi a pensar nestas condições que se elaborou o curso “Enfermagem nas doenças respiratórias”. Para que os en fermeiros possam atualizar e desenvolver competências na implementação de testes de controlo de sintomas tão necessários para se perceber quais os sintomas respiratórios presentes e qual o nível de controlo sintomático, para que manipu lem os diferentes dispositivos inalatórios

Jornal Médico | 921 de outubro 2022
do
8as 20 e 21 de outubro 2022 Porto
Pedro nuno neves enfermeiro especialista em saúde Mental e Psiquiátrica, UsF Horizonte, ACes Matosinhos
CS:
nhaled
Cost pcosteroids v por tugal@viatr
s com
As doenças respiratórias despertam cada vez mais a atenção dos profissionais de saúde e os enfermeiros de família não são exceção.

Jornadas do GRESP

Porto

enfermagem nas doenças respiratórias

o caminho certo

1 Dia para Enfermeiros, Farmacêuticos e Profissionais de Saúde, realizado no Con gresso Ibero-Americano, integrado no 9.º Congresso Mundial do IPCRG, que se realizou no Porto. Juntou palestrantes e participantes portugueses e espanhóis e tornou mais rica a troca de experiências e realidades.

A importância das Comunicações Livres

eurico Silva

Tudo começou nas 4as Jornadas do GRESP, em 2017, quando se realizou o primeiro Curso Intensivo para Enferma gem em Doenças Respiratórias. Minto, começou bastante antes, enquanto dis cutíamos no GRESP sobre e importância do enfermeiro de família na gestão con junta da doença respiratória, e daí surgiu o desafio de fazermos um primeiro curso, em que participei como médico de família, em conjunto com duas en fermeiras já muito vocacionadas para as doenças respiratórias.

A avaliação do curso foi positiva e no ano seguinte arriscámos alargar a outros profissionais de saúde, com o Curso de

Em 2019, fizemos uma oficina alargada nas 5 as Jornadas do GRESP, mais uma vez com a intenção de agre gar a equipa, a qual denominámos de Consulta em Equipa em Doenças Res piratórias Crónicas, em que a inten ção principal foi juntar microequipas médico-enfermeiro, para definirem um modo de consulta adequado a cada contexto.

E agora, em 2022, nas 8as Jornadas, voltamos a convidar os enfermeiros a participarem neste espaço formativo, tendo o programa uma oficina dedica da ao enfermeiro, mas convidando-o a estar presente nos restantes momentos das Jornadas, para que haja um encontro físico e de saberes entre os profissionais médico e enfermeiro. E que desse encon tro surjam sinergias para uma melhor e conjunta prestação de cuidados nas do enças respiratórias nos cuidados de saú de primários.

A doença ou o doente?

Os números da morbilidade e morta lidade das doenças respiratórias em Por tugal e no mundo não deixam margem para dúvidas, algo está a falhar na gestão destas doenças.

A partilha do conhecimento cientí fico é fundamental para que possamos refletir sobre a nossa prática clínica e po dermos melhorá-la. Por esta razão, quase todos os congressos, encontros e jorna das possuem, nos seus programas cientí ficos, momentos alocados à apresentação de trabalhos.

Os mais comummente apresenta dos, no âmbito da MGF, em Portugal, podem ser enquadrados em quatro ca tegorias principais: Trabalho de Investi gação, Garantia da Qualidade, Revisão e Relato de Caso. Enquanto que os Tra

balhos de Investigação são importantes, pois, avaliam que tratamentos/atitudes poderão ser mais benéficas para os nos sos utentes, e os de Melhoria da Quali dade permitem que o médico/equipa/ /unidade reflita acerca de “como está a fazer” e de como poderá melhorar a sua prestação, já os trabalhos de Revisão po dem ser uma importante fonte de com pilação da melhor evidência acerca de um tema e os Relatos de Caso uma im portante fonte de partilha de experiên cias em consulta, de modo a nos alertar para situações para as quais possamos não estar tão atentos.

Assim, cada uma das categorias é importante para o conhecimento, sen do que os Relatos de Caso costumam ser as primeiras fontes de informação disponíveis (como, por exemplo, acerca do aparecimento de novas doenças, de novas associações entre doenças ou de novos tratamentos), que posteriormente são testadas por estudos mais robustos e multicêntricos.

Como a Comissão Organizadora das 8.as Jornadas do GRESP considera que esta partilha de conhecimento é deveras importante, voltámos a aceitar a submis são de Comunicações em formato de Pós ter, de forma a podermos ter um maior

número de trabalhos. O GRESP também tem estimulado a realização de trabalhos de qualidade, premiando monetariamen te os melhores.

Na formação dos vários júris tentá mos que eles englobassem tanto pes soas com experiência reconhecida na área e na avaliação de trabalhos como elementos mais novos, para que ocorra uma partilha de conhecimentos e exis ta uma maior diversidade de pontos de vista. Ter um corpo de júris com experi ência é muito importante também para que possa haver o feedback necessário aos autores, de modo que se melhore a globalidade da qualidade dos trabalhos realizados.

É muito importante que o médico não perca o espírito de investigador e não pare de fazer estes tipos de trabalho após a conclusão do internato, uma vez que são sempre uma boa forma de me lhoria dos cuidados prestados aos nossos utentes, quer a nível individual, quer numa perspetiva comunitária. Por isso, também é de destacar a sessão “Investi gação – ponto de situação”, onde quatro médicos especialistas vão partilhar como estão a decorrer os seus trabalhos de in vestigação, que foram financiados pelo GRESP/APMGF.

especialista

de

Do ponto de vista clínico, sabe-se bem como tratar estas doenças, existem orienta ções nacionais e internacionais que ajudam os profissionais de saúde a decidir. Mas, en tão, onde poderá estar o problema? Estare mos nós, profissionais de saúde, a tratar a doença e não o doente?

É ao doente que compete fazer uma boa gestão da sua doença, seja ela aguda ou crónica, sendo necessário adotar comportamentos de adesão ao tratamento. Porém, para que isto seja

possível, não basta educar o doente so bre a sua doença. A informação, por si só, mostra não ser o suficiente para levar a uma boa autogestão da doença respirató ria e adesão ao tratamento.

A doença respiratória crónica, assim como qualquer doença crónica, implica adaptação, mudança de comportamen to, adoção de estilos de vida adequados à condição e adesão ao tratamento, seja ele farmacológico ou não farmacológico. O que a enfermagem acrescenta nesta área é a sua capacidade de integrar a(s) doença(s) no doente, investindo naquilo que se considera ser condição sine qua non para a adesão da pessoa ao trata mento da sua doença respiratória cróni

ca, que é a consciencialização para essa mesma doença e para a necessidade que se impõe de adotar comportamentos de adesão.

Só uma pessoa consciencializada da sua condição, com informação acerca da doença e das mudanças necessárias, com capacidade cognitiva para tomar a sua de cisão e envolvida no processo de gestão da doença poderá ter bons resultados. Caso estas condições não se verifiquem, fará sentido sequer falar em adesão?

Existem instrumentos válidos para a avaliação do controlo das doenças respi ratórias crónicas e bem sabemos o impac to que o seu mau controlo tem na evolu ção da própria doença e nos serviços de

saúde. Na consulta de enfermagem, estes instrumentos poderão servir de ponto de partida para discutir e analisar com a pes soa a implicação que a doença tem na sua vida, as limitações que impõe e identificar os eventos críticos que servirão de mote para promover a tão necessária conscien cialização.

Tão importante quanto o anterior mente referido é que a equipa de saúde esteja alinhada nas mensagens transmiti das à pessoa com doença respiratória, que se integrem os cuidados e se partilhem as responsabilidades, sendo assim essencial que os elementos da equipa comuniquem entre si e se valorizem também os diag nósticos de enfermagem.

10 | Jornal Médico 21 de outubro 2022
8as 20 e 21 de outubro 2022
Pedro Augusto Simões Médico de família na UC sP Fundão, ACes Cova da beira. Prof. auxiliar na Fac. de Ciências da saúde da Ubi. Membro do GresP Membro da coordenação do GresP Liliana Silva
enfermeira
em enfermagem
reabilitação,
Uls Matosinhos
nuno Pina Médico de família, UsF tondela

Jornadas do GRESP

Porto

Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Isto irá permitir a rápida identificação de nova informação de segurança. PAXLOVID 150 mg + 100 mg comprimidos revestidos por película. Cada comprimido revestido por película cor-de-rosa contém 150 mg de PF 07321332*. Cada comprimido revestido por película branco contém 100 mg de ritonavir. INDICAÇÕESTERAPÊUTICAS Paxlovid é indicado para o tratamento da doença provocada pelo coronavírus 2019 (COVID 19) em adultos que não necessitam de oxigénio suplementar e que apresentam risco aumentado de progressão para COVID 19 grave. POSOLOGIA E MODO DE ADMINISTRAÇÃO Posologia A dose recomendada é de 300 mg de PF-07321332 (dois comprimidos de 150 mg) com 100 mg de ritonavir (um comprimido de 100 mg) tomados em simultâneo por via oral, a cada 12 horas, durante 5 dias. Paxlovid deve ser administrado logo que possível após ter sido feito um diagnóstico de COVID-19 e até 5 dias após o início dos sintomas. Recomenda-se a conclusão do ciclo de tratamento completo de 5 dias, mesmo que o doente necessite de ser hospitalizado devido a COVID-19 grave ou crítica após ter iniciado o tratamento com Paxlovid. Se o doente se esquecer de tomar uma dose de Paxlovid até 8 horas após a hora a que é tomado habitualmente, o doente deve tomar essa dose logo que possível e prosseguir com o esquema posológico habitual. Se o doente se esquecer de tomar uma dose de Paxlovid e tiverem passado mais de 8 horas, o doente não deve tomar a dose esquecida e, em vez disso, deve tomar a dose seguinte à hora habitual. O doente não deve tomar uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar. Populações especiais Compromisso renal Não é necessário ajuste posológico em doentes com compromisso renal ligeiro (TFGe ≥ 60 ml/min a < 90 ml/min).

Em doentes com compromisso renal moderado (TFGe ≥ 30 ml/min a < 60 ml/min), a dose de Paxlovid deve ser reduzida para 150 mg/100 mg de PF07321332/ritonavir a cada 12 horas, durante 5 dias para evitar sobre-exposição (este ajuste de dose não foi clinicamente testado). Paxlovid não deve ser utilizado em doentes com compromisso renal grave [TFGe < 30 ml/min, incluindo doentes com doença renal em estádio terminal (DRET) em hemodiálise]. Cuidado especial para doentes com compromisso renal moderado O blister diário contém duas partes separadas, cada uma contendo dois comprimidos de PF07321332 e um comprimido de ritonavir, o que corresponde à administração da dose diária normal. Assim, os doentes com compromisso renal moderado devem ser alertados para tomarem apenas um comprimido de PF07321332 com um comprimido de ritonavir a cada 12 horas. Compromisso hepático Não é necessário ajuste da dose de Paxlovid em doentes com compromisso hepático ligeiro (Child-Pugh Classe A) ou moderado (Child-Pugh Classe B). Paxlovid não deve ser utilizado em doentes com compromisso hepático grave. Terapêutica concomitante com regimes contendo ritonavir ou cobicistate Não é necessário ajuste de dose de Paxlovid. Os doentes diagnosticados com infeção pelo vírus da imunodeficiência humana (VIH) ou pelo vírus da hepatite C (VHC), que estejam a receber regimes contendo ritonavir ou cobicistate, devem continuar o tratamento como indicado. População pediátrica A segurança e eficácia de Paxlovid em doentes com idade inferior a 18 anos não foram estabelecidas. Não existem dados disponíveis. Modo de administração Para via oral. O PF07321332 tem de ser coadministrado com ritonavir. Se o PF07321332 não for corretamente administrado com ritonavir, terá como consequência níveis plasmáticos de PF-07321332 que serão insuficientes para se alcançar o efeito terapêutico pretendido. Paxlovid pode ser tomado com ou sem alimentos. Os comprimidos devem ser engolidos inteiros e não devem ser mastigados, par tidos ou esmagados, pois não existem dados disponíveis. CONTRAINDICAÇÕES Hipersensibilidade às substâncias ativas ou a qualquer um dos excipientes. Medicamentos que são altamente dependentes da CYP3A para a depuração e para os quais as concentrações elevadas estão associadas a reações graves e/ou potencialmente fatais. Medicamentos que são indutores potentes da CYP3A, onde as concentrações plasmáticas de PF-07321332/ritonavir significativamente reduzidas podem estar associadas à perda potencial de resposta virológica e possível resistência. Paxlovid não pode ser iniciado imediatamente após a descontinuação de qualquer um dos seguintes medicamentos, devido ao efeito tardio do indutor da CYP3A recentemente descontinuado. Os medicamentos listados abaixo servem de referência e não são considerados uma lista exaustiva de todos os possíveis medicamentos contraindicados com Paxlovid: Antagonistas dos adrenorrecetores alfa1: alfuzosina; Analgésicos: petidina, propoxifeno; Antianginosos: ranolazina; Antineoplásicos: neratinib, venetoclax; Antiarrítmicos: amiodarona, bepridilo, dronedarona, encainida, flecainida, propafenona, quinidina; Antibióticos: ácido fusídico, rifampicina; Anticonvulsivantes: carbamazepina, fenobarbital, fenitoína; Medicamentos usados para o tratamento da gota: colquicina; Anti-histamínicos: astemizol, terfenadina; Antipsicóticos/neurolépticos: lurasidona, pimozida, clozapina, quetiapina; Derivados ergotamínicos: Di-hidroergotamina, ergonovina, ergotamina, metilergonovina; Agentes modificadores da motilidade gástrica: cisaprida; Preparações à base de plantas: hipericão (Hypericum perforatum); Agentes modificadores dos lípidos: Inibidores da redutase do HMG-CoA: lovastatina, sinvastatina e Inibidor da proteína microssomal de transferência de triglicerídeos (MTTP): lomitapida; Inibidores da PDE5: avanafil, sildenafil, vardenafil; Sedativos/hipnóticos: clorazepato, diazepam, estazolam, flurazepam, midazolam oral e triazolam. EFEITOS INDESEJÁVEIS As reações adversas mais frequentemente notificadas durante o tratamento com Paxlovid (300 mg/100 mg de PF-07321332/ritonavir) a cada 12 horas durante 5 dias e durante os 34 dias seguintes após a última dose foram disgeusia (5,6%), diar reia (3,1%), cefaleia (1,4%) e vómitos (1,1%). Frequentes (≥ 1/100, < 1/10): disgeusia, cefaleia, diarreia, vómitos. Ver RCM completo para mais informação. Notificação de suspeitas de reações adversas A notificação de suspeitas de reações adversas após a autorização do medicamento é importante, uma vez que permite uma monitorização contínua da relação benefício-risco do medicamento. Pede-se aos profissionais de saúde que notifiquem quaisquer suspeitas de reações adversas ao INFARMED I.P. DATA DA REVISÃO 07/2022. Medicamento sujeito a receita médica. Para mais informações deverá contactar o Representante Local do Titular da Autorização de Introdução no Mercado. *PF-07321332 corresponde à substância com o nome químico: (1R,2S,5S)-N-((1S)-1-Ciano-2-((3S)-2-oxopirrolidina-3-il)etil)-3-((2S)-3,3-dimetil-2-(2,2,2-trifluoroacetamido)butanoil)-6,6-dimetil-3-azabiciclo[3.1.0]hexano-2-carboxamida

12 | Jornal Médico 21 de outubro 2022
8as 20 e 21 de outubro 2022
O tratamento oral da Pfizer para a COVID -19 está agora autorizado1 Laboratórios Pfizer, Lda. Lagoas Park, Edifício 10, 2740-271 Porto Salvo, Portugal. Sociedade Unipessoal Lda. - NIPC 500 162 166 1. RCM Paxlovid https://labeling.pfizer.com/ShowLabeling.aspx?id=16710. Acedido a 12 de julho 2022. PP-PAX-PRT-0099 Data de preparação: setembro 2022 Aceda a https://www.paxlovideducation.pt/ Para mais informações anuncio 22x28 cm_paxlovid_SET22_AF.indd 1 21/09/2022 17:02