Page 1


Sinopse Se você me perguntar se Jonathan Statham me faz feliz, eu vou dizer "Absolutamente. Ele é o homem dos meus sonhos e eu não posso esperar para casar com ele. "Se você me perguntar por que meu ex-marido Ryan está atualmente a uma polegada de distância de mim, olhando nos meus olhos e apertando suas mãos no meu rosto, eu vou dizer, 'Eu não tenho nenhuma ideia do caralho ...' Claire Gracen finalmente tem a vida que sempre quis: '. Amizade "Uma carreira que ela ama, um homem que está disposto a fazer qualquer coisa e tudo por ela, e amigas que mostram o verdadeiro significado da palavra Enquanto ela e Jonathan se preparam para fazer o compromisso final um para o outro e planejar o casamento de seus sonhos, ela rapidamente percebe que o passado doloroso que ela deixou para trás em Pittsburgh está muito mais perto do que ela pensava. Sexy, imprevisível, e encantadoramente inteligente como Mid Life Love, "At Last" irá te cativar a partir da primeira página e nunca deixá-la ir.


Dedicatรณria Dedicado para os leitores que queriam mais...


Nota da Autora Sobre o Epílogo de Mid Life Love... Antes de começar a ler esse livro, deixe-me dizer em primeiro lugar, obrigado por ler o livro que veio antes: Mid Life Love. Quando estava editando o livro com a minha equipe beta, houve uma decisão coletiva de deixar o epílogo no final. Eu sei que muitos de vocês não concordam com a decisão final e por essa razão eu o postei no livro dois e no blog crazy girls.com uma paixão por livros, logo após a primeira publicação. Eu quero que você saiba que eu inclui a versão polida, editada do epílogo no início deste livro para quem não leu o primeiro e eu realmente espero que você aprecie Mid Life Love: At Last, tanto quanto você gostou de Mid Life Love. Obrigado por serem os melhores leitores do mundo.


Epílogo

Mid Life Love

Oito meses mais tarde...

Claire —Eu preciso de três centenas desses pisos de granito aqui amanhã à tarde. Você pode certificar-se que isso aconteça? Ah, e você poderia ver se essas maçanetas que desenhei para a Mulholland já foram aprovadas? Está bem. Muito obrigado.— Eu desliguei o telefone e virei na minha cadeira, sorrindo para o vermelho e branco entrelaçados com as letras “C” que pairava sobre a minha porta. Eu estava sentada no meu escritório de projetos do C & C Encantada com a minha própria empresa de design de interiores. Depois de ter largado meu trabalho, semanas depois de Jonathan e eu termos voltado, ele exigiu que eu aceitasse seu dinheiro e começasse minha própria companhia. O negócio era extremamente lento no início, especialmente porque ele ficava aparecendo no meio do dia e me impedindo de ter as coisas feitas. Mas cerca de quatro meses após, eu comecei a buscar cliente, e os comentários sobre meus serviços começaram a se espalhar como fogo. Agora eu tinha uma lista de espera de seis meses para projetos de design, e eu estava em processo de expansão em minha loja para incluir pequenas mobiliárias de casas. Eu ajustei os quadros de imagens que estavam em pé com orgulho na minha mesa: Jonathan e eu sorrindo em seu iate favorito,


ele e minhas filhas pulando no oceano. E o mais recente... ele me beijando no palco depois de receber mais um prêmio de prestígio. —Miss Gracen?— Minha secretária entrou no meu escritório. — Estou indo para o almoço, e suas doze horas a frente a espera. —Diga ao cliente que eu estarei bem ali.— Escorreguei em minha jaqueta e fui indo pelo corredor. Desde então eu peguei tantos clientes, que nunca mais fui capaz de ficar mais de cinco minutos sozinha. —Caroline? —Caminhei na recepção. —Eu te disse que você e a Ashley não precisam fazer nomeações para me ver. Você poderia ter ligado. —Sim.— Ela revirou os olhos. —Você praticamente vive aqui. Eu balancei minha cabeça. —O que você quer? —Preciso de trinta dólares. —Desculpe? —Na verdade, eu preciso de 50 dólares, Ashley precisa também, mas trinta para cada vai ajudar. —O aeroporto parou de dar salários de repente? Onde está o dinheiro? —O que está acontecendo?— Ashley entrou numa loja e fiquei do lado dela, nem mesmo estava olhando o meu caminho. —Ela não te deu o dinheiro ainda? —Não—. Caroline suspirou. —Ela ainda pensa que poupamos dinheiro de nosso trabalho... —Como vocês esperam ir para a faculdade neste momento sem saber como poupar dinheiro?— Eu estava cansada de ir sobre isso com elas. —Vocês acham que cresce nas árvores? Vocês acham que cai do céu sempre que vocês precisam dele?


—Então ela não vai nos dar o dinheiro?— —Eu acho que, isso é o que ela diz. —Você lhe disse que era para a noite de verão sênior e todo mundo vai estar lá? —Não, eu só pedi pelo dinheiro. Eu não acho que eu precisava explicar o porquê. Eu suspirei e me preparei para reiniciar a minha palestra, mas Jonathan entrou com um grande buquê de rosas cor de rosa brilhante —Boa tarde, senhoras—. Ele olhou para mim e então ele olhou para trás e para frente entre Ashley e Caroline. —Boa tarde—, disseram em uníssono. —Podemos ter cinquenta dólares cada?— Ashley sorriu-lhe. —É claro—. Ele puxou a carteira e entregou-lhes os dois cem dólares da conta. Assim de repente. —Por que não fazemos isso toda vez?— —Eu não sei... Talvez nós gostássemos do desafio?— Ambas riram e correram para fora. Eu assisti quando subiram em dois jipes brancos separadas — Jonathan deu ridiculamente mais presentes superiores de aniversário a elas. —Você tem que parar de fazer isso.— Eu tirei as flores dele. —Como? —Dar dinheiro sempre que elas pedem por isso. —Por quê? —Porque elas não precisam disso. E elas nunca vão aprender a salvar a sua própria vida.


—Elas fazem nove dólares por hora e elas trabalham cerca de quinze horas por semana. Honestamente com quanto você espera que elas consigam se salvar? —Eu desisto—. Eu rolei meus olhos. —Obrigado pelas flores e por ter mandado isso como bom dia. Sabe, que já estamos juntos há algum tempo agora... Você não precisa ficar me mandando flores todos os dias. Tenho certeza que o custo tem que estar pesando e não quero que sinta que você tem que fazer isso. —Shhh—. Ele me beijou, fazendo-me esquecer tudo o que eu ia dizer. —Como vai seu dia? —Está tudo bem. Tem sido um pouco ocupado. —Não parece ocupado...— Ele olhou ao redor da loja vazia. —É. —Onde está a sua secretária? —No intervalo. Por quê? Ele sorriu e me puxou para mais perto. —Sem razão. Eu vi o familiar. “Estou prestes a puxa-la para o chão” em seu olhar e imediatamente recuei, correndo atrás do balcão. Ele riu e se mudou para perto da borda do balcão pronto para se juntar a mim, mas eu apertei um botão que fez um painel claro e suspenso do teto, bloquear completamente o seu caminho. Ele levantou a sobrancelha. —O que diabos é isso? —Isto é o que eu tive um engenheiro construindo para mim na semana passada, depois que você interrompeu uma reunião muito importante com sexo, me distraindo e me custando duas horas no valor de tempo de design. —Você acha que eu sou uma distração?


—Você é uma distração. E você tem sua própria empresa para executar no valor de bilhões da última vez verificados, então agradeceria se... —Você teve isso construído para me impedir de vir atrás do balcão?— Ele apertou a mão dele contra o vidro. —Para me manter fora do seu escritório? —Claramente. E parece estar funcionando. —É muito bonito.— Ele assentiu. —Você sempre me surpreende com seu senso de criatividade.— Ele puxou sua carteira do bolso e tirou uma chave. Em seguida, ele deslizou a chave no buraco do painel e empurrou a porta aberta. O que o... —Você

está

ciente

que

eu

executo

uma

verificação

de

antecedentes em qualquer um que chegar perto de você, certo? Num piscar de olhos. — No segundo que você me disse que teria mais uma construção feita,— ele disse quando ele empurrou a porta fechada e caminhou até mim. —Tenho a certeza, que a empresa e o engenheiro sabia exatamente com quem eles estavam lidando. E eu exigia ter chaves extras para quaisquer bloqueios que você pudesse tentar instalar. —Por que você sempre faz isso? —Quanto tempo é o intervalo da sua secretária?— Ele me empurrou contra a parede. —Jonathan...— Eu tentei ignorar o olhar em seus olhos. —Eu realmente preciso fazer algum trabalho. Você não pode vir todos os dias... —Eu não apareço todos os dias.— Ele pressionou os lábios contra o meu. —Eu só apareço quando você não atende meus telefonemas. E


eu estou começando a achar que você fez isso de propósito, porque você sabe exatamente o que vai acontecer não é mesmo. —Eu estava ocupada. —Quanto tempo é o seu intervalo? —Uma hora...— Eu gemia quando ele beijou meu pescoço, quando ele apertou minha bunda e levantou minha perna em torno da cintura dele . —Eu vou fazer isto para você esta noite. —Você disse isso ontem. —Eu...— Eu ofeguei enquanto ele corria os dedos contra a parte de trás do meu sutiã. —Eu prometo. —Você vai perder essa discussão, Claire. Desista,—ele sussurrou. Então ele riu. —Eu não vim vem fazer sexo hoje. Dei-lhe um olhar vazio. —Não—. Ele me beijou de novo e recuou. —Eu só queria lembrála sobre este fim de semana, queria ter certeza que você não se esqueceu. Eu não esqueci. Ele tinha feito isso impossível. Mesmo que eu tivesse me mudado para a casa dele e tivesse viajado para lugares incríveis com as meninas, ele e eu ainda não tínhamos tido um fim de semana inteiro sozinhos. Para ele, havia sempre alguns grandes negócios que lidar. Que não podia esperar até segunda-feira. E para mim, sempre foi um projeto que eu não poderia passar longe. —Não me esqueci —. Eu sorri. —É um local de surpresa? —Não é o de sempre?


Eu corei. Ele ainda tinha um jeito de me fazer sentir como se fosse a primeira vez que nos conhecemos, como se fosse ir para fazer alguma coisa para me mostrar o quanto ele se importava. —Eu vou trabalhar até tarde, então Greg vai pegar você da nossa casa às nove.— Ele desconsiderou um fio de cabelo para longe do meu rosto. —E então nós estaremos em nosso caminho... Não traga qualquer trabalho com você, ou eu vou fazer você se arrepender.... —Ansioso, querido. —Querida—? Ele revirou os olhos e beijou-me uma última vez antes de andar até a porta. Em seguida ele se virou. —Se você usar um terninho de merda como você fez no nosso último encontro, eu vou rasgá-lo fora de você antes de sair de dentro do carro.


Jonathan —Obrigado por me receber em tão curto prazo, Sr. Statham.— A editora da Forbes levantou-se para apertar a minha mão. —Não é um problema, Senhorita Evans. —É uma honra finalmente conhecê-lo em pessoa.— Ela mordeu o lábio e eu tentei não rolar os olhos para sua atenção indesejada. Ela estava flertando comigo toda a reunião revirando os olhos, descruzando e recruzando as pernas. Ela ainda tinha “acidentalmente” deixado um chá de

hortelã cair em sua camisa de seda revelando, terrivelmente

fingindo estar. “Tão envergonhada”, porque ela “nunca foi desajeitada antes.” Parecia que ela tinha a minha idade, e seu cabelo era loiro radiante de outono com destaques coloridos. Seus olhos eram de um tom espetacular de azul, e com toda a honestidade, ela era muito bonita. Mas ela não tem nada de merda que a Claire tem. Em um todo. —Foi bom conhecer você também, senhorita Evans. Deixe-me saber se há alguma coisa que eu possa fazer por você. Seus olhos se iluminaram e ela mordeu o lábio novamente. —Seria demais pedir um passeio? —Nem um pouco.— Eu peguei meu telefone e liguei para Hayley. — Hayley? Você se importaria de dar a senhorita Evans um passeio na corporate esta tarde? Ok ... Grande. Obrigado. —Eu desliguei e caminhei com ela até a porta. —Hayley irá encontrá-la na frente dos elevadores. Tenha uma ótima tarde, Senhorita Evans. —Obrigado.— Ela zombou e se afastou. Eu sentei na minha cadeira, feliz que a entrevista desnecessária

à

revista tinha acabado. Eu abri uma gaveta para desligar o meu gravador de voz e um vislumbre de minha foto book digital. Rolando em toda a sua tela, eu sorri


para a fotografias que Claire e eu tínhamos tirado de Caroline e Ashley no mês passado. Nos últimos oito meses, eu percebi que eu finalmente tinha tudo que eu poderia querer ou quase tudo que eu poderia querer. Claire e eu tínhamos crescido mais perto do que nunca e ela finalmente aprendeu a aceitar a nossa relação e ser confortável com isso. Claro, ela ainda frustrava a merda fora de mim de vez em quando, mas não por causa de inseguranças ou de sermos vistos juntos em público. Foi, principalmente, porque ela concordou em se mudar para minha casa, mas não antes de transformar isso em um maldito projeto de renovação que parecia nunca acabar. Ela estava sempre encontrando algo novo para ajustar, alguma parte da casa que poderia ser —feito melhor. —Se eu não a amasse tanto, eu teria colocado um fim a isso há muito tempo,como o tempo em que ela quebrou o pára-brisa do meu Bugatti ao instalar novas luzes na garagem. —Senhor. Statham? —A voz de Angela ricochetearam as

minhas

paredes. —Sim? —Corey e ... Senhorita Gracen está aqui para ver você. Olhei para o meu relógio. Não havia nenhuma maneira que Claire tinha deixado sua companhia neste fim de semana de surpresa fugindo tão cedo. Eu sempre tive que arrastá-la pessoalmente para fora de lá no final do dia. —Os envie por favor.— Eu olhei para a porta e viu como Corey manteve a porta aberta para ... Ashley. Eu sorri. —Sim, Ashley? —Posso ter mais de cinqüenta dólares? Eu esqueci de explicar algumas coisas ...


—Algumas coisas como o que?— Eu lhe perguntei. —Essa é a única razão pelo o que você veio? —Não, não realmente. Eu estava me perguntando quanto tempo você e minha mãe iriam ficar fora esse fim de semana ... —Por quê? —Nenhuma razão.— Ela colocou em sua cara sua melhor face de desentendida, algo que ela definitivamente herdou de Claire. —Eu apenas pensei em parar para perguntar. Isso é tudo. —Vamos estar de volta na terça-feira ... —É bom saber!— Ela bateu palmas. —Tenha uma boa viagem! —A casa está em estado de vigilância sobre suas artes.— Eu estreitei os olhos para ela. —Apenas dois carros são permitidos pela porta de dentro pelas mesmas quatro horas, a menos que eu tenha a chave e eu já alertei a minha equipe de segurança para verificar a propriedade a cada hora para garantir que nenhum convidados extras cheguem enquanto estivermos fora. O queixo dela caiu. —Eu pensei que nós éramos amigos, Jonathan.— Ela balançou a cabeça. —Você e eu temos uma história ... Eu ri. —Nós temos uma história. Eu ainda não disse a sua mãe sobre a última festa na piscina e o segredo que você teve no meu iate, ela caiu na história do Audi, ou último fim de semana quando você e Caroline chegaram em casa às quatro horas da manhã. Você gostaria que eu falasse? —Não.— Ela revirou os olhos. —Eu te vejo mais tarde... Foi bom vê-lo novamente, Corey.— Ela deu-nos um abraço antes de sair do meu escritório. —Como você as consegue distingui-las?— Corey se sentou à minha mesa. —Eu podia jurar que ela era Caroline. —Instintos eu acho. Será que estamos definidos na conta de CS?


Ele assentiu. —A remessa deve chegar aqui dentro de uma hora. Eu vou assinar por ele e Greg o está trazendo para cima. Você fez uma consulta comigo para que eu pudesse dizer-lhe isso? —Não ...— Olhei para a única foto na minha mesa, a de Claire e Hayley jogando Scrabble. —Eu preciso de você para descobrir quem Hayley está namorando. —O quê? —Claire escorregou e me disse algo sobre isso ontem ... Ela e Hayley são, aparentemente, BFFs (Best frind forever) agora e elas estão mantendo segredos de mim. Eu preciso saber quem é este homem para que eu possa matá-lo. Corey piscou. —Matar ele? —Sim.— Eu cerrei os punhos. —Não literalmente matá-lo. Eu só quero ter algumas palavras. —Certo ...— Corey limpou a garganta e ajustou a gravata. —Bem, eu hum ... eu já exibi o cara. —Ótimo. Qual o nome dele? Ele suspirou. —Um ... —Senhor. Statham? —Angela chamou pelo interfone novamente. —Sim?— —Senhorita Gracen na linha um. —Um segundo, Corey.— Eu peguei o telefone. —Olá? —Ei ...— A voz de Claire estava fraca. —O que está errado? —Nada ... eu decidi sair do trabalho mais cedo hoje. —Houve um incêndio?


—Não ...— Ela riu. —Eu sai a algumas horas atrás. Pelo homem que eu estou vendo e por ele somente... —Simplesmente assim? —Ele saiu sem me dar o que eu queria. E pensei que eu propositadamente poderia estar evitando seus telefonemas durante todo o dia para que ele pudesse entender o recado. Ele não costuma desistir tão facilmente ... Eu sorri. —Você está em casa? —Ainda não. Eu estou deixando meu escritório agora. Mas assim que eu chegar lá, vou tomar um bom e longo chuveiro para me preparar para este fim de semana. —Não saia. Eu vou pegar você. —Eu desliguei e enviei um e-mail para Angela, cancelando o resto do meu dia. Então eu olhei para Corey. —Lembre-me de lhe perguntar sobre o namorado babaca de Hayley quando eu chegar das costas.

—Oh meu Deus Ohhh meu...-Oh meu deus ... Jonathannn ...— Claire gemeu quando eu agarrei seus quadris e a movia para frente e para trás. —Eu .... eu ...— Ela fechou os olhos e gritou, mais alto e mais alto. Vi quando ela soltou o mesmo momento em que ela chupou a respiração por respiração e desabou contra o meu peito. —Eu acho que nunca vou cansar de tomar a rota cênica com você ...— Eu esfreguei minhas mãos contra as suas costas nuas. —Você está bem? —Sim ...— Ela murmurou e acenou com a cabeça, ainda respirando com dificuldade.


Eu esperei até que ela se acalmasse completamente antes de puxá-la e ajudá-la a voltar para sua roupa. Corri meus dedos pelos cabelos e suspirei quando eu empurrei um de seus clipes de volta no lugar. —Você parece tenso ...— ela sussurrou. —Você está bem? —O que faz você pensar que eu não estou bem? —Porque você está fazendo cara que você sempre faz quando algo está incomodando você ...É o que CS representa? Eu levantei minha sobrancelha —Eu escutei a algumas noites atrás ... Você estava falando no telefone na cama e eu não conseguia dormir. —Hmmm. Bem, sim, é a conta do CS. Gostaria de oferecer seu conselho sobre o desembarque de maior negócio que eu já persegui? —Claro.— Ela se sentou no meu colo. —Quanto isso vale a pena? —Por que é que essa é sempre a sua primeira pergunta?— Eu ri quando ela franziu o rosto em antecipação a uma resposta. —Vale a pena mais do que toda a minha companhia. Muito mais ... Eu seria duas vezes mais rico, se eu fizesse isso. Seus olhos se arregalaram. —O que acontece se você não fizer isso? —Eu acho que eu teria que descobrir algo mais para fora ... Você quer voltar para Statham Indústrias para me ajudar, se isso acontecer? —Por favor.— Ela revirou os olhos. —Posso ter uma dica sobre onde nós estamos indo neste fim de semana? —Não.— Eu beijei seus lábios. Eu estava tentado

que

Greg nos

levasse a uma outra rota panorâmica, mas me segurei. Para o resto da viagem eu fiquei no silêncio familiar, tinha me acostumado a partilha do silêncio especial que ninguém mais poderia entender.


—Senhor. Statham? —A voz de Greg veio pelo alto-falante. —Sim, Greg? —Nós chegamos senhor. O carro chegou a uma parada súbita e eu ajustei o cinto de Claire novamente. Greg abriu a porta e pegou a mão dela, ajudando-a a sair. Em seguida, ele dirigiu os outros homens que estavam de pé nas proximidades para carregar as nossas malas para o meu avião. Eu coloquei minhas mãos em seus ombros e olhei em seus olhos. — Você tem certeza sobre o vôo de hoje? —É esta a melhor maneira de chegar lá?— Ela sussurrou. Eu balancei a cabeça e segurei as suas mãos. —Mas há sempre um plano B. Você sabe disso. Mesmo que ela me garantisse que ela estava em melhores condições com sua fobia de voo, eu não estava completamente vendido então eu sempre tomava precauções. Se ela parecia desconfortável ou hesitante por um segundo, eu a desligava toda a viagem para fora; eu tive que fazer isso quatro vezes ao longo dos últimos meses. —Eu estou bem—, disse ela. —Eu prometo. Estudei seus olhos por alguns segundos mais, observando se há sinais de incerteza, sugestões de medo. Quando eu não vi nenhum, eu andei com ela até as etapas e, lentamente, levei-a para cima e para dentro do avião. Eu fiz sinal para ela se sentar e tirei o papel com as. “Prés palavras do voo” que ela tinha recebido na terapia. —Eu preciso que você leia em voz alta, Claire.— Eu segurei sua mão e esperei até que ela recitou cada palavra,até que me deu um olhar de garantia de que, o que ela disse estava bem com isso.


Concordei com o piloto e sentei-me no banco ao lado dela. —Delille Chaleur Estate Blanc para beber, senhorita Gracen?— Perguntou a aeromoça verificando os nossos cintos de segurança. —Isso seria ótimo.— Claire se inclinou contra mim. Ela adormeceu antes da aeromoça voltar e não acordou até que nós paramos em um ponto de reabastecimento. —Nós estamos aqui?— Perguntou ela. Eu balancei a cabeça e ofereci-lhe um pouco da minha comida, mas ela se inclinou contra mim e adormeceu novamente. —Você colocou alguma coisa no meu jantar de ontem, Jonathan?— Claire rolou na cama e olhou para mim. —O quê? —Eu nunca dormi assim antes ... E eu me lembro de você me levando para fora do avião quando ele pousou. Você colocou alguma coisa na minha comida? —Não, Claire.— Fui até lá e a beijei. —Isso se chama, estar cansada. Você trabalha o dia todo a cada maldito dia e tivemos sexo duas vezes antes do voo. Se eu pensasse em lhe dar droga até que você voasse , em seguida, você não iria voar. Foi um voo de apenas 10 horas. Ela piscou. —Eu sinto muito ... Onde estamos? —Dê uma olhada.— Eu puxei as cortinas do teto ao chão abertas e vi quando seus olhos tomou tudo. Nós estávamos mesmo à beira das águas azuis cristalinas, na maior vila que a ilha tinha para oferecer. À esquerda de nós havia uma praia de areia e céu alastrando brancas árvores altas de palma. E a distância havia filas de bangalôs escondidos, aninhados sob milhas de vegetação exuberante.


—Qual é o nome deste lugar?— Ela deslizou a porta de vidro aberta e saiu para a varanda. —St. Kitts e Nevis. —Você poderia colocar isso em termos que um não bilionário que não tenha viajado o mundo pode entender? Eu passei meus braços em volta da cintura e ri. —As Caraíbas do Sul. Ela abriu a boca como se fosse dizer alguma coisa, mas, em seguida, ela ficou na ponta dos pés e me beijou, pressionando-se contra o meu peito como se quisesse levar isso adiante. —Espere ...— Eu lentamente me afastei. —Eu quero levá-la até a outra parte da praia. Deixe o seus sapatos. —Posso mudar de roupa em primeiro lugar? Eu balancei a cabeça e beijei-a novamente antes que ela voltasse para a suíte. Encostado na grade, eu olhei para o pôr do sol e balancei a cabeça para o casal que estava tentando andar de caiaque sem um remo. Eu estava tentando o meu melhor para me distrair da iminente conta da CS , mas era tudo a cerca do que eu poderia pensar. —Eu estou pronta agora.— O som da voz de Claire me fez virar e parei. Ela estava usando um vestido branco curto bem equipado que abraçou em todos os lugares certos, um vestido que fluiu com cada curta rajada de vento que soprava por nós. Era sem alças e fino o suficiente no qual eu podia ver o biquíni vermelho brilhante que ela usava por baixo. —Você não gosta? —Eu faço.— Eu peguei a mão dela e levei-a para baixo da costa. Fizemos uma pausa frequentemente e sempre para se levar nas ondas ou assistir a um outro casal correr para a água. Nós estávamos até a metade


da costa quando eu andei com ela até uma pequena clareira que estava escondida de todo o resto. Eu deslizei meu braço em volta da cintura dela e suspirei. —Você me prometeu que não ia fazer qualquer trabalho enquanto nós estivermos nesta viagem, Jonathan ... Ela olhou para mim. —Eu fiz, e eu quis dizer isso. —Será que essa promessa não cobre quando estou dormindo? —Com licença? —Eu estava entrando e saindo da consciência quando tivemos as escalas. Eu ouvi você falando sobre

a conta da CS

novamente ... Nós

poderíamos ter empurrado esta viagem de volta se você estivesse preocupado com o negócio. —Você já empurrou as coisas de volta pelos meus projetos antes. —Claire ...— Eu liberei os seus quadris e balancei a cabeça. —Não existe nenhuma conta CS. —O quê? Então, o que você tem feito durante as últimas oito semanas? —Ela empalideceu. —É isso que você fez,para cima do maior negócio de sua carreira para ... fazer o quê? Por quê? Por que você mentiu para mim? —CS é para você, Claire ... Fica sendo o que eu quero e o que eu preciso que você seja. Ela levantou a sobrancelha em confusão, balançando a cabeça como se ela não entendesse. Eu gentilmente agarrei a mão dela e desci em um joelho. —Claire ...— Eu parei quando ela engasgou. —Eu preciso que você saiba que não há nada que eu não faria por você. Nada. Nunca. E eu nunca me senti assim por qualquer pessoa como eu me sinto por você. —Eu resisti ao impulso de me


levantar e enxugar as suas lágrimas. —Eu me apaixonei por você no momento em que parei nessas casas de aluguel de férias em San Francisco, no momento que eu percebi que o que quer houvesse entre nós era mais do que físico. Muito mais. E eu. —Eu senti seu tremor. —Eu disse a mim mesmo que não importava o quanto você me frustrava, não importava o quanto você tentou negar que você estava se apaixonando por mim também, que eu nunca iria deixá-la ir. —Jonathan ...— Ela estava chorando. —Esta é a maior parte da minha vida e vale a pena muito mais do que a minha empresa ou qualquer outro negócio de bilhões de dólares que veio através de minha mesa. E eu não posso ficar um dia sem saber. —Eu puxei o anel de dezoito quilates do meu bolso. —Eu quero que você seja minha, oficialmente. Eu quero que você seja Claire Statham. —Fiz uma pausa por alguns segundos. —Claire ... Quer se casar comigo? —Sim. Sim! —Ela se juntou a mim para baixo na areia quando eu coloquei o anel em seu dedo. Eu beijei seus lábios de novo e de novo, limpando todas as suas lágrimas com meus dedos, abafando seus gritos com mais beijos. Quando

finalmente

se

afastou

para

respirar

um

pouco,

nós

simplesmente olhamos um para o outro em silêncio, sorrindo. Então eu a puxei em cima de mim. —O que você está pensando?— Eu olhei em seus olhos. —Você ... Como você acha que ficaria o som de Claire 'GracenStatham'? —Como ele sempre vai acontecer.— Apertei os olhos. —É um acordo de tudo ou nada. —E o seu ciúme incluído no pacote? —É a melhor parte.


—Hmmm ...— Ela sorriu. —Quantos dias eu preciso deixar de lado para as negociações e papelada? —Papelada? —Sim ...— Ela baixou a voz. —Eu não sou boba o suficiente para acreditar que você não vai elaborar um acordo pré-nupcial para isso. Quer dizer, eu tenho certeza que você iria me levar sobre as brasas se você e eu não funcionasse, mas... —Pare.— Eu pressionei meu dedo contra sua boca. —Não há nenhum acordo pré-nupcial. E não haverá um nunca. Ela engasgou. —Isso é para sempre, Claire. Voce entende? É você e eu, juntos para sempre, até o fim. Eu beijei seus lábios. —Você gostaria de um casamento? Ela assentiu com a cabeça. —Um grande? Ela assentiu com a cabeça novamente. —Ok.— Eu sorri. —Nós podemos planejar no segundo que voltarmos. Enquanto isso ... —Eu deslizei minhas mãos debaixo de seu vestido e desamarrei as cordas de sua parte superior do biquíni. —Eu gostaria de explorar a futura Sra Statham no momento. Ela revirou os olhos. —Eu já lhe disse repetidas vezes que areia e sexo não vão junto. —Eu me lembro de você dizendo isso ...— Eu arranquei a parte inferior de seu biquine. —Mas eu gostaria de saber por mim.


Capítulo Um Claire —Nós não precisamos de aconselhamento pré-marital, Claire.— Jonathan olhou pra mim quando as portas do elevador se fecharam. — Isso é uma perda de tempo. —Eu não disse que precisávamos. Eu disse que deveríamos tentar — para nos certificarmos de que ambos temos expectativas honestas sobre ser casado. —E que expectativas são essas? —Você vai descobrir quando chegarmos lá.— Eu sorri para ele e ele revirou os olhos. Eu disse a ele que queria participar de algumas sessões antes de nos casarmos, algo que Ryan e eu não fizemos, só para ter certeza de que estávamos na mesma página sobre algumas coisas. Claro, ele estava cem por cento contra a ideia, mas depois que eu disse a ele que me faria “feliz”, ele lentamente cedeu. Estávamos programados para uma sessão de duas horas com a firma de aconselhamento top em San Francisco “Waldo & Emerson Associates”. Os médicos me asseguraram que seria um processo claro e


fácil e que Jonathan e eu iriamos sair nos sentindo mais próximos do que antes. Quando nosso elevador chegou e as portas deslizaram abertas, eu percebi que não havia nada à nossa frente. Não havia nenhuma mesa de secretária, nenhum sinal simples que lê “Waldo & Emerson”, nem havia qualquer coisa que se assemelhava a qualquer tipo de negócio de aconselhamento profissional. Em vez disso, todo o piso estava coberto de areia branca, as poucas colunas claras que estavam dez pés separados estavam cheios de peixes coloridos, e havia três pufes beges que rodeavam uma pequena fogueira improvisada. Antes que eu pudesse acusar Jonathan de adulteração com a nossa sessão, um homem vestido com uma túnica toda branca deu um passo a nossa frente. —Ahhhh—, disse ele, sorrindo. — Futuro Sr. e Sra. Statham. Bem-vindo ao Waldo aconselhamento pré-marital. Eu sou o Dr. Choate e eu vou ajudar vocês através do primeiro estágio de hoje. —Espere um minuto. Me desculpe.— Eu balancei minha cabeça. —Deveríamos nos encontrar com o Dr. Clinton. Este é o andar errado? —Não, você está no lugar certo. —Então, onde está o Dr. Clinton? —Ele se aposentou na semana passada. Ele não lhe mandou um e-mail? Eu balancei minha cabeça. —Oh, bem desculpe por isso. A empresa decidiu me contratar em seu lugar no mesmo dia em que ele saiu. Depois de todo o meu sucesso com os rituais Zen na Statham Industries, eles achavam que eu era a melhor escolha. —Ele estendeu a mão para apertar a mão de Jonathan. —É por isso que é uma honra absoluta para aplicar a minha nova e exclusivas prática zen com o homem que me fez um nome familiar.


Oh Deus. Ele instruiu para que nós tirássemos os sapatos e então ele nos levou para os pufes. —Então...— Ele colocou um par de óculos e olhou para uma folha de papel. —Senhorita Gracen, eu vejo que você se inscreveu para a sessão de duas horas. Isso está correto? —Sim. —E quando perguntado o que você queria no foco principal...— Ele virou o papel. —Você disse que vocês dois estão tendo problemas no departamento de intimidade? Jonathan rapidamente virou a cabeça para me enfrentar, levantando a sobrancelha. —NÃO. Eu nunca disse isso. Eu disse que... —Ah, ah, ah. Está bem aqui. Minha secretária nunca comete um erro. —Você nem sequer têm uma... —Shhh.— Ele se inclinou para frente e pressionou uma caneta preta contra os meus lábios. —Não tenha vergonha de seus problemas no quarto, senhorita Gracen. Cada casal os tem de uma forma ou de outra. É tudo sobre o que isso é atualmente. Eu podia sentir Jonathan olhando para mim, me implorando para procurar seu caminho para que ele pudesse dizer alguma coisa, mas eu mantive meus olhos para frente. —Se você está sofrendo com alguma coisa, qualquer coisa, não importa o quão pequeno é, essas próximas duas horas é o momento perfeito para deixar sair.— Ele respirou fundo. Então, ele fechou os olhos e exalou lentamente. — Ponham tudo para fora.


Ele sentou-se assim durante pelo menos dois minutos com os olhos fechados, estilo indiano, a cabeça inclinada para o teto, e eu sinalizo a Jonathan para que pudéssemos acabar com essa brincadeira de sessão e sair, mas os olhos do Dr. Choate de repente se abriram. —Agora que isso está feito—, disse ele. —Vamos ao que interessa. Por que você está aqui hoje, Sr. Statham? —Para ajudar a corrigir os problemas de intimidade da minha noiva. —Veja isso, senhorita Gracen?— Dr. Choate assentiu. —Ele quer consertar as coisas também! Então, em uma escala de um a dez, quão satisfeito você está com sua vida sexual atual, Sr. Statham? —Vinte. —Ok, isso é ótimo. Senhorita Gracen, e você? —Vinte—, eu sussurrei. —Hmmm. Eu vejo... —Ele escreveu alguma coisa e estendeu dois blocos de notas. —Eu quero que você escreva abaixo suas expectativas honestas para o sexo depois do casamento. Será que vai ser o mesmo que é agora? Mais? Menos? Bem, definitivamente não menos porque a senhorita Gracen claramente não está satisfeita. —Obrigado, Dr. Choate.— Eu peguei o meu bloco de notas dele, ainda evitando o brilho intenso que vinha de Jonathan. Eu escrevi “mesmo” em meu bloco de notas e esperei que ele falasse novamente. —Ok, agora jogue seus cartões na fogueira. O que? Ambos os amassamos e jogamos no pequeno incêndio. —Agora,— ele disse enquanto nos entregou mais dois. —Desta vez eu quero que você responda a pergunta que está impressa no cartão de


nota e seja o mais honesto possível. E, na verdade, você pode começalos como “Caro Futuro Marido” e “Cara Futura esposa”? Nós estamos indo para lançá-los no fogo novamente assim que acabarmos, mas certifique-se de levar isso a sério. Ele chegou por trás dele e se voltou para um pequeno rádio; um rádio que tocava o som das ondas do mar, e então ele fechou os olhos novamente. Havia apenas uma pergunta sobre o cartão: Qual é a coisa que você gostaria que você pudesse mudar em suas trocas de intimidade atuais? Eu olhei e vi Jonathan rabiscando, mas eu não conseguia pensar em nada. De repente me senti culpada por sugerir esta sessão em primeiro lugar. Se eu queria acreditar em meu conto de fadas atual ou não, não havia nada que eu mudaria. Nenhuma coisa maldita. Claro, ele e eu discutimos sobre coisas de tempos em tempos, eu trabalhar até tarde em quanto, ele ser tão malditamente controlador, eu redecorar cada quarto em sua casa, mas geralmente nós éramos excelentes. Mais que ótimo. Por uma questão de fato, a noite passada ele me segurou em seus braços e me disse tudo o que amava sobre mim, me assegurando que nosso casamento seria a maior realização de sua vida. —Senhorita

Gracen?—

Dr.

Choate

me

tirou

dos

meus

pensamentos. —Você não vai escrever nada. Não tenha medo de soltar a sua honestidade. Você tem que deixá-lo saber exatamente como você se sente. Quanto mais você pode esperar até que sua má intimidade mude para uma boa intimidade? A menos que você queira experimentar o sexo ruim para o resto de sua vida. Eu sei que você disse apenas “vinte”, porque ele disse que isso primeiro lugar.— Ele piscou para mim e, em seguida, sussurrou: —Está tudo bem. Nós vamos corrigir isso. Jesus...


Revirei os olhos e escrevi algumas palavras para que parecesse que eu estava tentando. Quando eu olhei para Jonathan novamente, eu percebi que ele ainda estava escrevendo. Ele tem muito o que dizer?! —O tempo acabou!— Dr. Choate sorriu. —Agora, antes de alimentar o fogo, vamos trocar os cartões e lê-los em voz alta. O quê?! —Não... eu não posso.— Eu comecei a amassar o meu na minha mão. —Eu não sabia que isso ia acontecer. Eu teria escrito algo mais... —O que há de errado, querida?— Jonathan sorriu e estendeu o seu cartão para mim. —Eu pensei que nós estávamos trabalhando em ter expectativas honestas para nosso casamento. Suspirei e lhe entreguei o meu cartão amassado, tendo o seu em minhas mãos, sem me preocupar em olhar para ele. —Sr. Statham, você primeiro. —Dr Choate sorriu. —O que é a única coisa que sua futura esposa mudaria sobre a sua intimidade atual? Jonathan olhou para o cartão, em seguida, ele olhou de volta para mim, sorrindo com a sobrancelha levantada. Por favor, não leia em voz alta... Por favor, não leia em voz alta... —Ela diz que deveríamos ter uma melhor comunicação.— Ele sorriu ainda mais e eu exalei, aliviada. —E quanto a você, futura esposa? O que o seu futuro marido têm a dizer sobre você? Eu virei o cartão e me forcei a olhar para ele:

Cara futura esposa, a única coisa que eu desejo que eu pudesse mudar seria impedir você de acordar tarde esta manhã,


porque eu deveria ter acordado você cedo, tomado você no chuveiro, e fazer você esquecer esta reunião imbecil. No entanto, agora que estamos aqui, eu quero que você esteja plenamente consciente de que logo após isso acabar, eu vou me certificar de que as palavras “aconselhamento matrimonial” e “problemas de intimidade” nunca mais saia da sua boca novamente. :-) Eu Corei. —Ele diz a mesma coisa. —Ok, ótimo também. Agora estamos chegando a algum lugar. A comunicação é fundamental para se ter um relacionamento íntimo bem sucedido. Seguindo em frente... Em uma semana média, quantas vezes você tem atualmente sexo, futura esposa? E com toda a honestidade, ele está cumprindo? Ele está falando fodidamente sério? —Algumas vezes,— eu disse, esperando que ele fosse passar para outra coisa. —Algumas vezes?— Jonathan olhou nos meus olhos. —Isso é o que você honestamente acha? Pare com isso... Eu sabia que ele estava lendo minha mente agora e podia sentir que eu queria que ele parasse, mas ele estava claramente desfrutando o meu constrangimento. —Doutor, o que classifica como algumas vezes?— Jonathan manteve os olhos presos nos meus. —Duas ou três vezes por semana, Sr. Statham. —Hmmm... E muito? —Bem, eu acho que eu diria oito a dez vezes por semana. —Interessante.— Ele se inclinou para frente e passou os dedos em toda a extensão do meu colar dourado. —Então, Claire, tendo


ouvido isso, você acha que em algum momento estamos precisando disso para o que fazemos? —Sim. Eu tenho. —Eu não queria o doutor dentro de nossa vida sexual. Quando eu tinha feito este compromisso, eu estava certa de que o foco seria em nós discutindo nossas expectativas para o longo prazonossas metas e nossos sonhos. Não houve menção de dissecar o que fazíamos no quarto e eu tinha a maldita certeza que eu nunca disse nada sobre “problemas de intimidade”. —Eu estou tão magoado por estas reivindicações, doutor.— Jonathan colocou a mão sobre o peito. —Quero dizer, ter o amor da minha vida me dizendo que ela sente como se nós tivéssemos sexo somente algumas vezes por semana e só... Essa é a parte onde eu estou autorizado a chorar? —Sim, Sr. Statham. Deixe para fora toda a sua dor. Ele sorriu. —Será que o nosso sexo não memorável para você, Claire? Não deve ser, se você acha que só tem sexo de duas a três vezes por semana. Eu quero um casamento honesto também, por isso, se você acha que nós temos problemas de intimidade e que nosso sexo é terrível... —Temos sexo todos os dias.— Eu quase me perdi. —Todo. Dia. Às vezes mais de uma vez. Às vezes mais do que o dobro. E cada vez é fodidamente memorável. Feliz? —Eu estreitei os olhos para ele e ele beijou minha bochecha. —Um...— O médico ajustou as mangas de sua túnica. —Bem... eu.... Muito bom para ambos. Vamos nos afastar da intimidade, então? —Obrigado.— Nós dois dissemos em uníssono. Uma vez que a sessão de aconselhamento, finalmente chegou ao fim, ambos apertamos a mão do Dr. Choate e dissemos que entraríamos “em contato” sobre o agendamento da segunda parte. Assim que as


portas do elevador se abriram, eu corri para dentro e apertei o botão “fechar a porta” mais e mais ansiosa para chegar longe da areia branca e blocos de notas invasivos. —Qual é a pressa, futura esposa?— Jonathan deu um passo na minha frente e apertou minhas costas contra a parede. —Você tem outra reunião para ir agora? Outro lugar onde você está pensando em discutir os nossos problemas de intimidade? —Eu nunca disse que tinha problemas de intimidade... Isso foi um erro e você sabe disso. —Hummm.— Ele passou os dedos contra o meu colar. —Eu não posso acreditar que você me empurrou para lhe contar sobre a nossa vida sexual. —Ele perguntou. —Você não tem que dizer a ele a verdade. —Eu pensei que você me queria sendo honesto.— Ele correu os dedos pelo meu cabelo. —Eu já disse um milhão de vezes que eu não minto. —Bem, por que não disse a ele o que eu escrevi naquele cartão? Ele enfiou a mão por baixo da minha saia. —Se você quiser, podemos voltar e eu felizmente vou lhe dizer que a minha futura esposa desejava que minha cabeça estivesse entre as pernas dela agora. Corei e balancei a cabeça. —Você tem certeza?— Ele puxou minha calcinha. —Eu não sou contra lhe dizer isso. —Está bem...


Ele abaixou a boca para o meu pescoço, tomando seu tempo para pressionar beijos suaves na minha pele enquanto envolveu seus braços em volta da minha cintura. Eu olhei para os números do piso que foram piscando acima das portas quando passamos por eles; oito, sete, seis, e o empurrei para longe de mim. —Estamos quase de volta no lobby,— eu murmurei enquanto eu pisei para o outro lado. —Não. Nós não estamos. —Ele apertou o botão de parada e se aproximou de mim, me pressionando contra a parede novamente. —Eu realmente acho que nós temos um problema enorme de intimidade, Claire. —O quê? —Por que é que você só pode estar aberta comigo sobre sexo em mensagens de texto e blocos? —Do que você está falando? —Você sabe exatamente do que eu estou falando.— Ele me cortou com um beijo e lentamente subiu o meu vestido para o meu estômago. —Eu sempre tenho que tentar ler sua mente, ou ler entre os seus comentários poucos espertinhos quando se trata do que você quer... Por que isso, Claire? —Eu...— Eu não podia me concentrar quando ele me olhava assim, quando ele trancava seus olhos nos meus e exigia respostas que eu não tinha. —Se você gosta quando eu te fodo com a minha boca, por que você apenas não diz quando estamos em casa? Mordi o lábio quando ele deslizou um dedo dentro de mim, enquanto ele me segurava firme com o outro braço.


—Hmmm, Claire? Eu estou bem aqui... Diga-me o que você quer... —Jonathan...— Eu gemia; ele estava pressionando seu polegar contra o meu clitóris, punindo com lentos círculos sensuais. —Você não pode me dizer agora, porque você prefere esperar até que você comece a trabalhar e me mande uma mensagem de texto? —Não... —Então me diga o que você gosta... —Tudo o que... Ele fechou o pouco espaço que restava entre nós, mantendo o polegar ocupado, trazendo sua boca perto do meu ouvido. —Diga-me que você ama quando eu te fodo com a minha boca. —Eu faço. —Diga. Isto. Engoli em seco. —Eu adoro quando você vai para baixo em mim... Ele suspirou e lentamente se afastou de mim, e eu pensei que ele ia passar por cima e apertar o botão de início, mas ele me virou para que eu estivesse de frente para o canto e agarrou minha cintura. —Você estava certa... Nós precisamos de uma comunicação melhor. —Jonathan

existem

escritórios

federais

aqui.

O

corpo

de

bombeiros vai... — Eu parei de uma vez eu o senti deslizando para mim, forçando cada vez mais fundo. —Se você acha que eu vou estar feliz em um casamento onde a minha própria esposa não pode me dizer o que ela quer, você está redondamente enganada, Claire...— Ele me segurou completamente imóvel, uma vez que ele estava totalmente dentro. Beijando parte de


trás do meu pescoço, ele sussurrou mais uma vez, — Me. Conte. O quê. Você. Gosta. Eu não conseguia pensar. Eu estava muito preocupada com pensamentos do corpo de bombeiros chamando o elevador para nos verificar, o pensamento de eu em pé num canto com Jonathan enterrado profundamente dentro de mim ficaria... Antes que eu pudesse voltar a encaixar na realidade e responder a ele, ele puxou e empurrou-se para trás rapidamente mais e mais, me fazendo gritar mais alto do que nunca. —Eu lhe fiz uma pergunta, Claire.— Ele agarrou meus seios e os apertou, batendo em mim com cada gemido que deixei escapar da minha boca. —Eu... eu gosto...— eu gaguejei. —Eu gosto quando você... —Sim?— Ele moveu uma de suas mãos para baixo para o meu clitóris e começou a esfrega-lo em um ritmo que ele conhecia muito bem. —Quando você... —Me fode com a sua boca...— Ele estava acelerando suas estocadas agora, tornando-se cada vez mais difícil para mim falar em linha reta. —Termine. A sentença. —Espere... Eu... Eu gosto quando... quando você... BEEP! BEEP! —Elevador carro número 510 no Waldo Emerson e Associates, esta unidade está respondendo 861.— A voz veio pelos alto-falantes. — Falando com você agora é o chefe dos bombeiros Brennan Marshall. Nós percebemos que o carro atual está parado por mais de seis minutos. Existem quaisquer pessoas ai dentro? BEEP! BEEP!


—Você sabe que eu não me importo se nos verem assim...— Jonathan estendeu a mão para as minhas, as puxando por cima da minha cabeça e as pressionando contra a parede. —E eu não vou parar quando eles abrirem as portas se você não me responder. —Existem pessoas ai dentro?— O bombeiro chefe repetiu. — Hummm. Pode ser um carro vazio senhores —, disse ele em voz baixa. —Há pessoas aqui dentro.— Jonathan respondeu calmamente, mas suas estocadas dentro de mim eram exatamente o oposto. Eu estava fazendo o meu melhor para prender a respiração e morder meu lábio para me impedir de gritar novamente. —Ok, segure firme. Vamos enviar uma equipe neste momento. Houve outra série de sinais sonoros para terminar a conversa, e então tudo à minha volta era nebuloso e turvo. De repente eu estava gritando a plenos pulmões conforme ele me empurrou para a beira de um orgasmo, enquanto ele exigia que eu lhe respondesse uma última vez. —Eu amo quando você...— Eu deixei minha cabeça cair para trás contra seu ombro, meu corpo indo completamente. —Quando você me fode com a sua boca...— Eu fechei meus olhos enquanto meus joelhos cederam, enquanto ele deslizava lentamente para fora de mim e deixeme cair no chão. Eu queria me sentar assim para sempre, em alto, êxtase, mas Jonathan me puxou e me segurou contra seu lado, apertando o botão de parada e pressionando o nível que era bem acima do lobby. Quando saímos do elevador, ele me manteve escondida ao seu lado e me levou para baixo da escada pela saída de emergência. Assim que o primeiro sopro de ar fresco bateu no meu rosto, eu respirei fundo. —Você sempre tem que fazer isso para mim? É impossível para você esperar?


—É a única maneira de conseguir que você me diga a verdade...— Ele me soltou. —E eu acho que gostou... Revirei os olhos e tentei não sorrir. —Eu amo você, Claire.— Ele beijou minha testa e ajustou meu colar. —Eu não sei por que você ainda é tão reservada em discutir sexo comigo, mas você não deve ser. Você deve ser capaz de me dizer o que quiser, quando quiser, e eu vou ter certeza de que seja feito.— Ele me beijou novamente e passou os braços em volta da minha cintura, me levando para o estacionamento. Quando nos aproximamos de nossos carros; carro popular para mim, Bugatti para ele, ele me girou para encará-lo. —Você ainda acha que precisamos de aconselhamento prémarital? Existem outros problemas de intimidade que precisamos discutir? —Não... —Hmm...— Ele apertou seus lábios contra os meus. —Você tem tanta sorte que eu tenho que pegar um avião agora,— disse ele enquanto lentamente puxou sua boca longe de mim, conforme pressionava meu cartão de nota amarrotado na minha mão. —Esteja em casa às seis.

Dias depois, eu estava no meu escritório e olhando para o mais novo conjunto de fotos de família que eu pendurei na minha parede: fotos de mim, Ashley, Caroline, e Jonathan em um lago privado. Em uma foto, nós quatro estávamos construindo um grande castelo de areia, rindo o tempo que ele tinha tirado para nos colocar juntos. Em outro estávamos remando quatro pequenos caiaques através da água.


Desde que Ashley e Caroline haviam saído cedo para a faculdade no Arizona, os meus dias em casa foram muito menos barulhentos. Eles foram realmente muito chato. Eu senti faltadas das duas espalhadas sobre o sofá, falando sobre absolutamente nada, rindo das minhas piadas terríveis, e, finalmente, me dando nos nervos de vez em quando. Eu sentia falta disso. Agora, em vez de jantares de família no domingo e as noites de quinta, Jonathan e eu simplesmente íamos até sua irmãzinha Hayley, no condomínio de apartamentos e jantávamos com ela. Embora nunca tenha admitido isso, Jonathan estava faltando a jantares de família também; eu tinha certeza que era por isso que ele já tinha planejado uma pausa para a semana de Graças e Natal. —Senhorita

Grace?—

Minha

assistente

interrompeu

meus

pensamentos. —Sim, Rita? —Suas flores diárias do Sr. Statham acabaram de chegar. Gostaria de tê-las aqui? —Sim, por favor.— Eu me inclinei para trás e vi quando ela puxou um pequeno carrinho de flores;orquídeas, fragrância de bebê, e cravos brancos, em meu escritório. Como de costume, havia um cartão de prata com uma nota no topo:

Cara futura esposa, eu preciso começar a pegar você no trabalho para chegar em casa a tempo de jantar comigo? Você esteve atrasada durante toda a semana. Pare de me testar. Amor, seu futuro marido.


Eu ri. Eu estava prestes a pegar meu telefone e ligar para ele, mas Rita entrou no meu escritório novamente. —O seu compromisso das três está aqui agora—, disse ela. —Eu estou indo para ir em frente e trazê-lo de volta antes da minha pausa para o almoço. —Obrigada, Rita.— Eu me levantei e alisei meu vestido, pronta para selar um outro negócio, bloqueando todo o resto. Assim que a cliente entrou em meu escritório, minha mente estava focada em colunas brancas, armários emoldurados, e a madeira manchada necessária para criar um novo espaço. Ela e eu conversamos por horas, negociando o cronograma, os melhores materiais, e, claro, o custo para tudo. Quando eu lhe entreguei o contrato final, ela balançou a cabeça e pegou uma caneta para assinar. —Tudo parece realmente bom, senhorita Gracen. Estas datas funcionam bem para mim. —Ótimo. Eu estou realmente ansiosa para projetar sua nova sala de estar, senhora Klein.— Eu apertei a mão dela e então ela se levantou. —Obrigada.— Ela sorriu. —Eu tenho certeza que estará tão fabulosa como todos os seus outros trabalhos. —Eu garanto.— Eu a levei para fora do meu escritório e de volta para dentro da loja, puxando todas as cortinas fechadas uma vez que ela caminhou para fora. Eu vou finalmente chegar em casa a tempo hoje... Comecei a endireitar o display de almofadas que estava junto à janela da baía, me certificando que todas as etiquetas foram firmemente


dobradas embaixo. Eu estava tentado estabelecer todos eles e relaxar, mas o meu telefone tocou. Jonathan. —Olá? —Olá, Claire.— Sua voz profunda ainda tinha o poder de me fazer derreter. —O que você está fazendo agora? —Eu estou... Eu estou fechando a loja. Você? —Estou dirigindo. Você está cansada? —Por quê? —Responda a questão. —Sim.— Eu revirei os olhos. —Estou muito cansada para fazer sexo com você agora. Ele riu. —Gostaria que eu reprogramasse o nosso encontro com o planejador do casamento, então? —Não!— Eu tinha estado ansiosa para essa reunião por semanas. —De modo nenhum. —Bom. Eu estou no meu caminho para buscá-la. Eu estarei aiem cinco minutos. —Vejo você em breve.— Eu desliguei e comecei a passar um mini espanador sobre todas as prateleiras de velas. Eu estava a meio caminho de terminar quando eu ouvi o sino sobre o umbral da porta. —Eu estarei lá.— Eu suspirei e não me incomodei em virar. — Deixe-me terminar esta última prateleira e... —Claire? Meu sangue ferveu no exato momento em que ouvi o som daquela voz.


Eu balancei a cabeça, sabendo que ele não poderia estar de pé em minha loja. Eu tinha que estar em casa e dormindo na minha cama. Eu tinha que estar sonhando. Eu tinha que estar tendo um pesadelo. —Claire?— Ele perguntou de novo, e eu me belisquei antes de me virarlentamente. Eu não estava em casa. Eu não estava sonhando. Era Ryan. —O que você está fazendo aqui?— Eu assobiei. —Eu quase não te reconheci quando entrei. Você parece bem, muito bem...— Ele me olhou de cima para baixo. —A vida deve estar te tratando bem. —O quê. Você Está. Fazendo. Aqui? — Eu estreitei os olhos para ele. —Veja. Eu sei que eu sou a última pessoa que você quer ver agora, mas desde que eu estou na cidade, eu pensei que seria... —Convidar-me para jantar? Falarmos sobre a vida? Eu não tenho nada para lhe dizer. —Eu

peço

desculpa,

mas

não

concordo.

Nós

precisamos

conversar. —Não, obrigado. Não estou interessada. —É importante.— Ele suspirou. —Não. Não é. —Claire, tem sido cinco anos. Podemos, pelo menos, ser cordial um com o outro. —Cordial? Como cordial que você acha que eu devo ser com o saco mentiroso de merda que teve a minha ex-melhor amiga grávida?—


Eu balancei minha cabeça. —Na verdade, nem sequer responda a isso. Eu já usei os meus minutos de conversa inútil para o dia. Por favor, dê o fora da minha loja. —Você vai me ouvir, Claire.— Ele deu um passo para frente e olhou diretamente nos meus olhos. —Quer você goste ou não, você vai estar lá e ouvir cada palavra de merda que eu tenho a dizer. Cruzei os braços. —Se eu fosse você, eu iria embora agora. Meu noivo vai estará aqui a qualquer minuto e ele não vai ser tão bom quanto eu estou sendo com você. Seu rosto de repente caiu, ou pelo menos parecia que ele fez. — Você é... Você está envolvida agora? Com quem? —Saia, por favor, Ryan.— Senti uma dor no meu peito, uma dolorosa dor ardente. —Eu não quero você aqui. Nunca. Ele

olhou

para

mim

balançando

a

cabeça

enquanto

ele

lentamente recuava. Antes que ele pudesse abrir a porta, olhou por cima do ombro. — Eu só estou saindo agora porque você está fechando e eu tenho um lugar para estar. Eu só estava parando para me certificar de que era verdade que você trabalhava aqui. Confie em mim, eu vou estar de volta. E você e eu vamos conversar. Levou toda a força do meu corpo para não correr e esfaqueá-lo com a ponta afiada do meu espanador de pó mas eu só fiquei lá. Paralisada. Lívida. Assim que ele se foi, eu ganhei mobilidade novamente e joguei meu espanador no chão. Eu fui atrás do balcão, pressionando o botão que fez o painel de vidro cair e bloquear qualquer pessoa de chegar mais longe; Eu não queria correr nenhum risco com ele retornando minutos depois.


Eu me tranquei no banheiro e deixei correr água fria na pia, espirrando no meu rosto uma e outra vez. Tão duro quanto eu tentei lutar contra isso, a minha memória mais vívida e amarga do nosso casamento fracassado começaram a tocar em minha mente...

Tomei outro gole de vinho nojento e olhei para as fotos incriminadoras que Barry me entregou. —Eu perguntei onde Amanda estava na sexta-feira passada.— Barry acendeu um charuto e balançou a cabeça. —Ela me disse que estava com você, fazendo compras para um vestido novo.— Ele pegou uma das fotos e correu os dedos ao longo da imagem impressa. —Talvez significasse que ela estava usando um vestido enquanto ela estava transando com Ryan em seu escritório... Deixei escapar um riso curto nervoso, mas eu não conseguia parar de chorar. Por mais difícil que eu tentava reprimir os soluços, as lágrimas estavam caindo cada vez mais rápido e meu peito arfava descontroladamente. Um garçom parou e limpou a garganta. —Hum, senhor? Este é um café para não-fumantes. —Minha esposa está fodendo com seu marido.— Barry estalou. — Eu posso fumar onde diabos eu quiser hoje.— O rosto garçom ficou vermelho e ele atravessou a sala. Limpei outra torrente de lágrimas e olhei para a foto que tinha caído no meu colo, o de Ryan colocando uma mecha de cabelo atrás da orelha de Amanda, e uma sua se inclinando para um beijo em seus lábios. —Posso ficar com um conjunto destas?— Minha voz falhou.


—Claro que você pode. Eu fiz quatro exemplares. Uma para você, outra para mim, e dois conjuntos para os meus advogados. Eu balancei a cabeça e deslizei a pilha de fotos de volta no envelope. Eu estava dormente demais para dizer qualquer outra coisa. Eu precisava ficar sozinha. Levantando-me, eu me aproximei e abracei Barry, sabendo que eu não iria vê-lo novamente por um tempo muito longo. Ele me abraçou de volta e usou sua manga enrugada para limpar meu rosto. —Você vai ficar bem, Claire. Não deixe o que eles fizeram para nós arruinar você. Você é uma pessoa incrível e você vai se recuperar disso... Ele disse mais algumas coisas, mas eu não conseguia distinguir qualquer uma das palavras. Eu estava muito ocupada com foco na viagem para casa, muito ocupada me perguntando o que diabos eu ia dizer quando visse Ryan cara a cara. Eu me arrastei para fora do salão do hotel e para a chuva, sem me preocupar em abrir meu guarda-chuva. O manobrista trouxe o meu carro ao redor e se ofereceu para me dar uma toalha para o meu lugar, mas eu deslizei para dentro e sai em disparada. —Eu amo você, Claire... Você é o amor da minha vida... Eu vou fazer com que o nosso aniversário seja o melhor que já teve... Eu funguei enquanto eu me lembrava dele dizendo essas palavras para mim, na noite passada. —Você é a única mulher que amei e você sempre será... Virei na saída que conduzia ao nosso bairro, balançando a cabeça em todas as belas memórias que estavam jogando na minha cabeça sabendo que não importa o que eu dissesse a ele hoje à noite, o nosso chamado “conto de fadas” acabou.


Eu dirigi em torno do nosso bairro até que a agulha de combustível chegou ao final “E”, tentando inventar algo para dizer, mas eu estava muito entorpecida, muito ferida. Depois de decidir que eu iria deixar as fotos dizerem tudo, eu dirigi meu carro na garagem e me sentei ao volante com a minha cabeça em minhas mãos. Nós dois tínhamos apenas comprando as novas bancadas de cozinha na semana passada, ele desejava eu quisesse madeira e granito. Nós só estávamos planejando nosso aniversário de 15 anos, e mesmo que ele tinha sido vago sobre os planos, eu tinha certeza que ele estava me levando ao Canal do Panamá, o lugar que eu sempre quis ir. Uma rodada de trovão rugiu ao longe e a chuva começou a apedrejar ainda mais difícil, então eu fechei a porta da garagem e saiu do carro. Respirando fundo, eu torci lentamente a maçaneta da porta e dei um passo para dentro da casa. —Ei, mãe! —Por que você chegou tão tarde hoje?— Caroline e Ashley não olharam para cima a partir de sua lição de casa. —Hey baby.— Ryan puxou-me em seus braços e beijou minha testa. —Você está bem?— Ele levantou a sobrancelha, baixando a voz e perguntando por que meu rosto estava “tão vermelho... como se tivesse chorado”. Eu não respondi sua pergunta. Eu só olhava nos olhos dele, imaginando como ele poderia agir como se tudo estivesse normal, como se ele não tivesse apenas fodido Amanda no nosso quarto ontem. —Você está encharcada...— Ele passou as mãos contra o meu blazer encharcado. —Você perdeu o seu guarda-chuva? Engoli em seco, balançando a cabeça. Ele sorriu. —Bem, vá se secar. Seja o que for que está te incomodando – o que quer que seja, podemos falar sobre isso depois do


jantar. OK? Eu pedi pizza do lugar favorito das meninas e está pronta agora.— Ele beijou minha bochecha. —Eu já volto.— Eu o ouvi sussurrar —eu te amo— em meu ouvido antes dele se afastar e desaparecer na garagem. Assim que eu o ouvi acelerando seu carro e indo até a calçada, me virei para enfrentar minhas filhas. —Mãe?— Ashley inclinou a cabeça para o lado. —O que há de errado com você?— Caroline levantou a cabeça e franziu a testa. —Mamãe? Por que você está olhando para nós assim? —Ela olhou para Ashley e balançou a cabeça. —Por que não ela está falando?— —Eu preciso que você duas vão para o seu quarto.— Minha voz falhou. —Eu preciso ... eu preciso falar com seu pai quando ele voltar. Sozinha.— Elas se entreolharam confusas, mas elas colocaram as suas pastas longe e me abraçaram antes de irem para cima. Assim que ouvi a porta fechar, eu tirei o envelope de dentro do meu blazer e sentei-me na mesa, pensando em como eu estava indo para apresentar as fotos para Ryan. De repente, meu celular vibrou. Um texto. Amanda. —Hey Claire! Apenas enviando uma mensagem de texto para você lembrar sobre essa classe de jazz que nós nos inscrevemos para amanhã de manhã! Vou buscá-la as nove! — Isso é sério cadela ?! Joguei meu telefone em toda a sala, derrubando uma moldura na parede. Machucada, levantei-me e tirei as fotos fora do envelope. Dei a volta no térreo e as joguei por todo o chão, deixando um rastro da sala de jantar para a sala e na cozinha.


A última foto em minhas mãos era uma de Amanda montando seu colo em seu carro na semana passada, no estacionamento do seu escritório de advocacia. Eu queria destruí-la e forçar as peças para baixo de sua garganta, mas eu ouvi a maçaneta da porta da garagem torcer, ouvi ele dizendo: —Onde todo mundo foi? Estou de volta!— Encostei-me à mesa e tentei acalmar minhas mãos trêmulas. —Ashley? Caroline? Claire? —Seus passos foram ficando cada vez mais perto. —Será que um tornado atingiu o interior da nossa casa enquanto estive fora?— Ele finalmente entrou na cozinha. —O que está acontecendo, Claire?— Ele colocou as pizzas no balcão. —O que são todas essas imagens e por que elas estão todos os lugares?— Eu não respondi. Eu só olhava para ele enquanto ele se abaixou para pegar uma delas para cima, enquanto seu rosto imediatamente ficou branco. Ele olhou para mim com horror absoluto, devastação. —Claire, eu sinto muito ... Podemos ... Podemos falar sobre isso?—

Eu me encolhi com a memória e espirrei mais água no meu rosto. O simples pensamento de Ryan ainda acendia uma chama amarga dentro de mim, mas vê-lo? Em pessoa? Isso foi um incêndio maldito, e eu não tinha certeza de quanto tempo levaria para colocar para fora. Eu não podia acreditar em sua audácia - para realmente aparecer e tentar ter uma conversa normal comigo, para agir como se eu lhe daria uma hora do dia.


Que porra é essa que ele quer? Houve uma batida na porta, mas eu não respondi. Eu não podia. Meu corpo tremia e meus pensamentos foram consumidos com raiva e fúria. Por que ele iria mesmo aparecer aqui? Ele sabe que eu o ODEIO ... —Claire?— A voz de Jonathan estava do outro lado da porta. —Sim?— Eu bati para fora do meu transe e destranquei. —Por que você está aqui? E por que seu rosto está molhado?— Ele pegou uma toalha fora do rack e suavemente pressionou contra minhas bochechas. —Você está com calor?— —Não ... eu ...— eu hesitei. —Nós podemos remarcar o compromisso.— Ele colocou seu braço em volta da minha cintura e me levou de volta à nossa frente. —Eu vou deixá-la saber que pode vir outro dia. Você não parece que está se sentindo bem —. —Não eu estou ... Ryan esteve aqui.— Seu corpo ficou tenso de repente, e ele olhou para mim com a mandíbula apertada. —Seu ex-marido Ryan?— Eu balancei a cabeça. —O que ele queria?— —Eu não sei ... Eu disse-lhe para sair. Eu não queria falar com ele. — —Bom.— Seus olhos suavizaram um pouco, mas eu poderia dizer que ele estava chateado. —Como ele sabe onde você trabalha? —Eu não sei ...— Caroline e Ashley sabia que não adiantava eu conversar com Ryan, assim como elas sabiam melhor do que ele que era


melhor não discutir comigo. Os poucos amigos em comum que compartilhamos de volta em Pittsburgh só sabia boatos de minha nova vida - nada de importante, e eles nunca compartilhariam qualquer informação com ele. —Você sabe por que ele se incomodaria de vir para São Francisco?— Eu balancei minha cabeça. Não havia nada aqui para ele. —Hmmm.— Ele me puxou para perto e beijou meu cabelo. —Eu vou me certificar que ele nunca a incomode novamente.— Eu queria perguntar, —Como?— Mas eu sabia que ele iria lidar com isso. Debrucei-me contra ele e suspirei enquanto ele me levou para o lado do passageiro de seu carro. —Desde que você está finalmente deixando trabalho na hora certa hoje o que você gostaria para o jantar?— Ele acelerou o motor e olhou para mim. — Você. — —Isso está implícito.— Ele sorriu. —Nós podemos pedir algo dentro.— Ele tirou e correu para a estrada, me fazendo sorrir de como aperfeiçoada minha vida estava agora, como tudo o que eu queria e precisava estava sentado ao meu lado neste carro. Quando olhei pela minha janela e vi a cidade desaparecer a distância, eu tentei não pensar sobre a visita de Ryan, mas eu não conseguia evitar. Ryan

nunca

tinha

me

incomodado

fora

do

horário

de

agendamento das minha filhas em qualquer outro ano que eu tinha vivido aqui. Ele sabia que não devia, e eu não preciso do meu passado doloroso colidindo com meu presente perfeito. Nunca.


Tem que ser algo realmente sério para ele vir aqui ... Não, foda-se ele. Não importa o que é ...


Capítulo 1.5 Claire Verão 2009. —Você não viu nada disso chegando Claire?— Minha vizinha do lado Andrea me entregou uma caixa. —Tinha de haver sinais. —Não. Não havia qualquer sinal... — Eu cerrei os dentes. —Eu sinto muito... Eu só... —Você só o quê? —Amanda é uma pessoa muito boa... —Você está brincando comigo, Andrea? Convidei você para que pudesse ajudar a carregar o meu carro, não ficar aí e defender essa vagabunda. Ela suspirou. —Me desculpe... Eu só achei que você teria sido um pouco desconfiada... —Desconfiada sobre o quê? —Os dois saindo tanto talvez?— Ela colocou os cobertores das meninas em meu porta-malas e fechou. —Michael e eu pensamos que algo estava errado quando os três vieram à nossa festa de Natal no ano passado... Eles gastaram muito tempo no nosso pátio...


—Obrigada, Andrea—. Eu tentei não revirar meus olhos. —Isso é o que eu preciso ouvir agora. Você sabe o que? Repita isso para que eu me sinta ainda melhor. Ela puxou-me em seus braços e me abraçou firmemente. —Eu só estou dizendo isso por que... Eu nunca realmente gostei de Ryan, Claire. Eu sempre pensei que você poderia fazer melhor, muito melhor... Eu não sou feliz em tudo sobre o que aconteceu com você, e se eu pudesse matá-los e fugir com o corpo eu iria.— Sua voz falhou. —Eu só tenho tentado mudar de ideia sobre você ir embora, mas... Mantenha-se a salvo em San Francisco, está bem? Eu quero que você encontre alguém que realmente mereça você. Eu balancei a cabeça e lentamente deixei-me para fora de seu abraço. Eu tentei entregar-lhe o cheque de dois mil dólares que ela tinha me dado mais cedo, mas ela se recusou a levá-lo e se afastou chorando. Forcei um caroço na minha garganta e entrei em meu Audi Q7 com as minhas filhas, indo direto para a rodovia, para minha nova vida. —Você tinha que ver os sinais, Claire... Você tinha que ver os sinais... Eu não tinha. Eu realmente não tinha. Como eu poderia, quando Ryan era tão foda maravilhoso? Então, porra perfeito. E Amanda era, ela era minha melhor amiga. Eu dirigia pela interestadual e folheava todas as minhas memórias, aniversários, confraternizações, aniversários de casamento– e até o último que os dois estavam ao meu lado como sempre. Lembreime de memórias mais recentes conforme eu atravessei a fronteira estadual, e depois de um momento as coisas começaram a ficar fora um par que eu nunca teria imaginado segundo antes...


Três meses atrás... —Morte por cair de um prédio ou se afogar no oceano?— Eu joguei um amendoim M & M em Ryan. —Cair de um edifício. —O quê? Por quê? —Seria uma morte instantânea, uma vez que meu corpo acertar o concreto. Afogamento leva muito tempo. Além disso, não há garantia de que meu corpo seria encontrado se eu morresse no oceano. Eu quero o meu corpo esteja no caixão depois que eu morrer. Eu concordei com a sua lógica e olhei para o céu brilhante, azul. Estávamos sentados na grama no parque Frick, desfrutando de um piquenique com pequeno almoço juntos. Nós tínhamos vindo a este parque uma vez por mês desde que estávamos na escola, desde que ele admitiu que estava apaixonado por mim e queria casar comigo um dia. —Ok, espere.— Eu olhei para ele novamente. —Eu tenho uma outra: O que é pior? Um caso emocional ou um caso físico? Ele fez uma pausa antes de responder, então ele olhou nos meus olhos. —Emocional. É mais fácil cortar o sexo. Sentimentos nunca vão embora, não importa o quão duro você tente enterrá-los ... —Isso faz todo o sentido ... Então, vamos dizer que sua esposa está tendo um caso. Você prefere que seja com um estranho ou com seu melhor amigo? —O quê? —Você prefere perder sua esposa para um estranho ou para seu melhor amigo?— Eu joguei outro M & M para ele. —Jesus, Claire. Que tipo de pergunta é essa?


—Você me perguntou muito pior antes.— Eu estremeci, pensando sobre quando ele me perguntou se eu preferia ter relações sexuais na frente de vinte pessoas ou uma suruba com três homens em privado. Ele olhou para o lago e suspirou. —Nenhuma. —Você não pode escolher nenhuma das duas.— Eu balancei minha cabeça. —Essa é uma das suas regras, lembra? Escolha. —Eu acho que eu escolheria o estranho ... Sim ... O estranho. — É isso? Isso é tudo que você tem a dizer? Você geralmente tem um raciocínio por trás de toda a sua escolha. Dá-me a lógica. —Bem, eu acho que seria... Seria dolorido de qualquer forma, eu só...— Sua voz sumiu. —Com o estranho eu não teria que me preocupar sobre o sentimento de ser traído... Considerando que, se eu perder você para o meu melhor amigo eu, eu não estou certo como eu algum dia lidaria com isso ou se eu alguma vez superaria isso. Seria a pior coisa que o meu melhor amigo poderia fazer... —Eu concordo cem por cento.— Puxei-o para baixo em nosso cobertor e beijei seus lábios. —Você sabe o que eu estava pensando no outro dia? —Conte-me. —Nós nunca tivemos a chance de ter um casamento real... —O que você quer dizer? Eu suspirei e lembrei de como pobres éramos quando decidimos nos casar, como eu tive de comprar o meu vestido de noiva no brechó no bairro e pedir a minha mãe para fazer todas as alterações. Nós nem sequer tínhamos dinheiro suficiente para alugar um local, e uma vez que nossa igreja estava passando por reformas, decidimos tê-lo no quintal de sua mãe. Não me interpretem mal, que era o dia mais feliz da minha vida e nossas mães decoraram o inferno fora


do quintal que, a tal ponto que quase parecia que pertencia

a uma

revista, mas não era tudo o que eu queria que fosse. —Não seria ótimo se para o nosso décimo quinto aniversário nós renovássemos os nossos votos em uma cerimônia real?— Perguntei. — Bem, espere. Provavelmente teria de ser cinco ou seis meses após o nosso aniversário. — Por que isso? —Por causa de Amanda. Ela vai estar ganhado seu bebê e eu quero que ela seja minha dama de honra de novo, com um vestido real e flores neste momento. Ele murmurou alguma coisa que eu não podia ouvir. —E nós poderíamos tê-lo em um local real, não no quintal de sua mãe.— Eu sorri. —Ashley e Caroline poderiam ser as damas de honra júnior. Ou você acha que elas preferem estar de recepcionistas? —Eles provavelmente vão estar feliz de estar no casamento.— Ele se aproximou de mim. —Eu pensei que você tivesse gostado do nosso casamento. Eu fiz... —Oh, eu também, mas não era o casamento dos meus sonhos. Você sabe? —Foi para mim.— Ele acariciou minha mão. —Eu só queria me casar com você. Não importava onde aconteceu. Poderia ter sido no tribunal, pois não importava para todos o que me importava. Meu coração inchou conforme ele pressionou seus lábios contra os meus. Eram pequenos momentos como este que me fez apreciar Ryan mais e mais. Mesmo que ele estava fazendo dez vezes a quantidade de dinheiro que ele estava fazendo quando nos casamos, ele sempre me


aclamava como seu melhor trunfo e ele sempre encontrou as palavras mais doces para dizer. —Espero que seja sempre assim, Ryan.— Eu sorri. —Sempre. —Como o que? —Calmo. Fácil. Perfeito. Simplesmente perfeito ... —Eu o beijei novamente. —Eu também.

Dois meses atrás... —Diga-me porque você está planejando uma viagem para o Canal do Panamá de novo?— Amanda amarrou um avental em torno de seu inchaço de bebê. —Você está com medo de aviões. —Nós vamos fazer um cruzeiro para lá, espertinha. E eu percebi que nós precisamos começar a planejar agora. Você sabe que Ryan não tem muito tempo livre fora de seus dias de folga. Ele parece estar muito mais ocupado agora. Ela limpou a garganta. —Certo. Você gostaria de alguns biscoitos? Eu fiz ontem o seu favorito. —Ela caminhou até sua geladeira e pegou uma bandeja de biscoitos de chocolate de menta. —Eu acho que finalmente aperfeiçoei a receita da minha mãe para estes. Você sabe que ela ainda não vai dar para mim? Isso é como ela é teimosa. —Ryan nunca iria enganar-me, certo? —O que?— Ela levantou a sobrancelha. —O que você acabou de dizer? —Isso .... Isso Ryan nunca iria enganar-me, certo? —Você acha que ele está traindo você?— Ela franziu a testa.


—Não... eu... eu não sei. Eu acho que eu tenho assistido muito Dr. Phil ou algo assim. Cada casal lá que tem estado juntos por dez anos ou mais parece desmoronar sobre infidelidade. E um monte deles falando sobre todos estes sinais que indicam que um caso pode estar acontecendo, mas... Ryan está apenas muito ocupado agora. Não pode ser o que eles dizem. —Não, definitivamente não é. Não veja isso muito. Eu suspirei. —Me desculpe, eu nunca trouxe isso. Eu não sei nem por aonde esse pensamento veio. —Não se desculpe... Eu tenho certeza que toda mulher tem dúvidas sobre seu casamento de vez em quando. Eu sei que eu faço... —Você faz? Eu pensei que tudo estava ótimo agora, especialmente porque você finalmente tem um bebê a caminho. —Eu me inclinei sobre o balcão e peguei alguns biscoitos da bandeja. —As aparências enganam—. Parecia que ela estava prestes a chorar, como se o que estava em sua mente fosse algo que estava atormentando-a. —Barry está... eu não sei... Ele está diferente ultimamente. Ele quase nunca fala comigo. Isso só começou a acontecer há algumas semanas... Nós estávamos excelentes e, em seguida, um dia ele chegou em casa, foi até a cozinha, e ele apenas olhou para mim por um longo tempo, me olhando diretamente nos meus olhos. Ele não tem sido o mesmo desde então. Eu não sei o que poderia possivelmente — Ela parou e seus olhos se arregalaram. —Você acha que sabe o que poderia ser?— Eu dei uma mordida do meu cookie. —Oh Deus, estes são realmente incríveis. Você deve vendê-los algum dia. Posso tomar metade deles para casa? Ela não me respondeu. Ela ficou em silêncio, olhando para a distância como se estivesse em um transe terrível.


—Amanda?— Eu acenei minha mão no ar. —Olá? Amanda? Você está aí? Ela balançou a cabeça e sorriu nervosamente. —Sim, desculpe... Você me dá licença por um minuto? Preciso ligar para alguém... Se esses brownies disparar, você poderia tira-los para fora para mim? — Ela deslizou um par de luvas de forno para mim e correu para fora da sala antes de me dar a chance de responder. Quando ela voltou - dez minutos depois, foi como se esse pequeno episódio estranho nunca tivesse acontecido. E para o resto da tarde, ela e eu rimos sobre nosso passatempo favorito, cozinhar. —Prometa-me que nós vamos fazer isso para o resto de nossas vidas, Amanda.— Eu sorri para ela quando eu coloquei meus bolinhos favoritos em sacos Ziploc. —Ashley e Caroline vão ser um desastre na cozinha, então eu vou precisar que você faça isso comigo quando a vida estressar-me. —Claro—, disse ela. —Eu sempre estarei aqui quando você precisar de mim. Não importa o que aconteça entre nós... —O que poderia acontecer entre nós para fazer-nos não sermos mais amigas, Amanda? Ela sorriu e pegou um cookie. —Nada... —Isso mesmo... Ao lado de Ryan, você é meu tudo, e não se esqueça disso. Lágrimas escorriam pelo meu rosto enquanto eu joguei moedas na cabine de pedágio, enquanto eu folheava mais memórias e percebi que havia, sinais, mas que os dois tinham trabalhado tão duro para cobri-los, e eles propositadamente me deixaram no escuro. Talvez pelo lado de fora olhando para dentro as frestas tinham sido fácil de ver, mas de onde eu estava parada tudo parecia completo.


Eu me apressei para a próxima estrada e virei a minha música para cima, tentando abafar os gritos Eu estava finalmente deixando livre, prometendo meu coração que eu nunca iria permitir-me ser tão confiante e vulnerável. Eu nunca vou permitir que outro homem chegue tão perto de mim de novo... nunca.


Capítulo Dois Jonathan —Eu não quero Ryan Hayes dentro de dez milhas da minha noiva. Está claro? —Sim,

senhor.—

—Claro,

Sr.

Statham.——Como

quiser,

senhor.— O meu pessoal de segurança máxima assentiram com a cabeça em concordância. —Eu preciso saber por que ele está aqui até o final da semana, e se ele ainda está aqui nesse momento, precisamos descobrir uma maneira de obter-lhe fora daqui e voltando para Pittsburgh. Vivo ou morto. —Sr. Statham... —Greg estreitou os olhos para mim. Revirei os olhos. — Vivo ou quase morto... Vocês estão dispensados senhores.— Eu esperei para que eles saíssem antes de cair de volta na minha cadeira. Eu tinha estado zangado demais para dormir na noite anterior, e eu podia dizer pelo jeito que olhei Claire quando ela acordou esta manhã que ela não tinha dormido bem também. Por um lado, eu estava feliz que ela me contou sobre Ryan fazendo uma visita indesejada em sua loja, mas por outro lado, eu estava com raiva de mim mesmo. Se eu tivesse chegado lá alguns minutos mais cedo, eu poderia ter pessoalmente a certeza de que ele nunca iria incomodá-la novamente.


Claire era minha. Já era tempo. Eu não precisava dele tentando ganhar o seu caminho de volta em sua vida, ou o que diabos ele estava tentando fazer agora que ela estava feliz. Eu tinha trabalhado muito, muito duro para reparar todos os danos que ele tinha feito, muito, muito duro para ganhar sua confiança e mostrar que ela poderia ser amada novamente, e eu não ia deixá-lo foder isso. Eu preciso de uma bebida... —Sr. Statham? —Angela entrou no meu escritório sem bater. —O que aconteceu com usar o interfone? —Eu tenho privilégios especiais. Além disso, eu estou cobrindo para Hayley hoje de modo que o protocolo vai ser um pouco débil. —Por que você está cobrindo para ela? —Ela tem um encontro no café da manhã.— Ela encolheu os ombros. —E não é nada demais. Ela vai estar de volta em duas horas. De qualquer forma, a sua entrega de flores diariamente à senhorita Gracen acaba de ser confirmada, o seu encontro com Flynn da tecnologia está programado para o meio-dia, a reunião com o planejador de casamento com você e a senhorita Gracen está definido para as três, e você tem outro compromisso com a sua mãe e o terapeuta as quatro e meia. Eu não tinha ouvido nada que ela tinha dito após a expressão “encontro no café da manhã”. Hayley não tinha mencionado alguém novo para mim em meses. Isso tinha que ser um erro. Eu balancei minha cabeça e me forcei a acreditar que minha irmã tivesse dito simplesmente a palavra “encontro” em vez de “reunião”. Então, novamente, eu tinha ouvido ela e Claire rindo sobre algo durante o jantar a alguns dias, algo que nenhuma delas pareciam interessadas em me dizer.


—E o Centro Foster City convidou-o para receber o Prêmio Humanitário Anual.—Angela deslizou um envelope na minha mesa. — Eles dizem que vão planejar a cerimônia em torno de sua programação. Eu sei que você tem em mente o mês, mas você não definiu uma data de casamento real ainda? —Ainda não...— Eu me inclinei na minha cadeira. —Envie-me um texto mais tarde esta noite. Eu acho que nós vamos ter uma em mente, até o final do dia. —Claro senhor. Você precisa de mais alguma coisa de mim antes de eu correr para assuntos executivos? —Não, Angela. Obrigado. Assim que ela saiu do meu escritório, eu peguei meu telefone e liguei para Corey. —Sim?—, Ele respondeu. —Quem está perseguindo neste lindo dia? —Você está na corporação? —Ainda não. Eu ainda estou no café da manhã. E aí? —Eu preciso de você para construir um arquivo para mim assim que você entrar. —Eu tenho meu tablet comigo. Eu posso fazer isso para você agora.— Ele fez uma pausa. —Qual é o nome e data de nascimento? —Ryan Hayes. Eu não tenho uma data de nascimento. Ele é exmarido de Claire. —Bom o bastante. Aguente... —Ele cantarolava algumas vezes e murmurou algumas palavras para si mesmo - seu ritual de hacker normal. —Tudo bem, feito. Enviei-lhe tudo, desde os três principais bancos de dados. Quando eu voltar, eu posso correr o seu nome através dos dezesseis mais.


—Obrigado. Não se esqueça. Eu abri meu e-mail e vasculhei todos os documentos e imagens de segurança que ele tinha enviado. Eu não consegui encontrar nada ligando-o a San Francisco exceto Claire. Inferno, Ashley e Caroline estavam no Arizona e eu sabia que ele estava bem ciente disso. Eu estava prestes a defini-lo de lado por um dia, mas eu vi um email sobre uma reunião da turma da escola secundária no Regency Ballroom que era de duas semanas a partir de agora, algo que Claire não havia mencionado para mim: Cara Turma da escola secundária Schenley de 1991, Tenho o prazer de convidar a todos para a nossa reunião anual da Califórnia! Como de costume, eu estarei cobrindo as despesas de viagem para cada um de vocês. (Vale a pena ser CFO da Disney não é? E sim, eu estou esfregando isso em seus rostos. Mais uma vez.) Uma vez que nós fizemos Anaheim no ano passado e LA na maioria dos anos antes, achei que faríamos San Francisco por uma mudança! Agora, como sempre, se você decidir ser assistente de planejamento, eu vou voar para fora em um par de semanas antes da reunião para me ajudar com certos aspectos de coordenação, mas você deve ajudar por pelo menos cinco horas por dia. (Você sabe o quão grande este evento é para todos nós e nós temos que certificar-se de cada ano é melhor do que o último.) Se você é um assistente, você vai ajudar a finalizar o itinerário final e ser responsável por configurar os sacos de presente para a nossa classe de 500 pessoas incríveis. Se você está ocupado e têm uma vida (sim, James Klein, todos nós sabemos que você é uma grande estrela do golfe agora e sua programação é agitada), basta enviar-me suas preferências de viagem / alojamento (até dois ingressos por pessoa) e os


assistentes vão enviar-lhe os seus bilhetes oficiais uma semana antes da reunião. Olhando para a frente para vê-lo em poucos meses! Harrison Woods. Eu cliquei através dos participantes que se inscreveram e notei que ao lado do nome de Claire estava uma marca com—nenhuma resposta. Eu chamei Corey novamente. —Corey, eu preciso de algo mais ... Eu preciso de você para interceptar e-mails a respeito de uma reunião de classe da High School Schenley de um Harrison Woods. Ele é o diretor financeiro da Disney. —Disney? Você está falando sério? —Você pode fazer isso? Ele suspirou. —O seu firewall (como uma parede) pode ser um pouco desafiador para passar... Dê-me alguns segundos... —Se você puder ignorar qualquer e-mails sobre detalhes da festa insignificantes seria ótimo. Eu só quero a lista finalizada de RSVP. —Você tem algo ainda melhor... Você o vê? Eu olhei para a tela do computador e vi uma planilha detalhando cada membro de sua Classe alta da escola e cada reunião da Califórnia que eles assistiram ao longo dos anos. Claire não tinha assistido a nenhum. Nunca. —Todas essas reuniões são da Califórnia, Corey? —Parece que sim, o que é louco, porque a escola está em Pittsburgh. Parece que tudo começou com seu reencontro 10 anos e, em seguida, tornou-se anual um a um. Aquele cara Harrison literalmente


paga para cada uma dessas coisas. Deve ser bom para a declaração de imposto. —Hmmm... Ok, obrigado.— Eu desliguei e chamei Ashley. —Hey, Jonathan.— Ela pegou no primeiro toque. —Olá. Você está ocupada agora? —De modo nenhum. Na verdade, eu apenas abri o pacote de cuidados que você me enviou. Você está chamando porque você quis enviar quinhentos dólares e não trezentos? Não se preocupe. Eu sabia que era um erro. Você pode me enviar o resto. Revirei os olhos. —Isso é mais do que suficiente para que você obtenha através da semana. Estou ligando para te perguntar uma coisa: Quando foi a última vez que falou com seu pai? —Um, dois dias atrás. Por quê? —Apenas querendo saber... Ele mencionou sair de Pittsburgh? —Não. Ele mencionou levar eu e Caroline a um jogo de hóquei no inverno desde que sua empresa deu-lhe bilhetes grátis para a temporada - o que é estranho porque nós detestamos hóquei. —Então, ele ainda vive em Pittsburgh? —Que eu saiba, sim. Tenho certeza que ele teria dito a mim e Caroline se ele estivesse pensando em se mudar. Ele nos diz tudo. —Certo. Bem, obrigado por me avisar. —Você estava falando sério sobre só me dando três centenas de dólares? Você não acha que isso é uma quantidade ímpar para dar a alguém todas as semanas? As primeiras vezes foram ok, mas está ficando fora de controle agora. —Adeus, Ashley.— Eu desliguei.


Eu estava prestes a ligar para Claire, mas eu ouvi torcendo a minha maçaneta da porta e - lá estava ela. Ela estava vestida com um vestido branco curto escarpins cinza de salto alto, com um colar de pérolas tripla tipo vertente que eu tinha comprado para ela na semana passada. —Você está familiarizada com a frase 'bater primeiro'?— Eu levantei minha sobrancelha. —Estou interrompendo uma sessão privada? Existe uma mulher sugando-o fora sob sua mesa? —Hoje não.— Eu me levantei e fui até ela. —Ela só faz isso quando ela está realmente feliz comigo. —Ela está muito feliz com você.— Ela colocou os braços em volta do meu pescoço e me beijou. —Eu sei que o nosso encontro não está agendado até mais tarde, mas podemos cancelá-lo? Eu quero um planejador do casamento diferente. -Você veio aqui só para me dizer isso? —Eu vim aqui porque eu estou no meu intervalo para o almoço. Por falar nisso se você vai continuar a enviar a minha equipe um almoço encomendado todos os dias, eles preferem chá doce e limonada ao invés de Coca-Cola. Eu sorri e beijei seu pescoço. —Eu vou ter isso mudado até amanhã. Quantos minutos lhe resta em sua pausa? —Dez—. Ela revirou os olhos e deu um passo atrás. —Isso é um não à mudança de planejadores do casamento? —É um talvez porque este é o seu terceiro planejador de casamento ... Você está tentando protelar se casar comigo? —O quê? Claro que não ... Eu só quero que nosso casamento seja perfeito. E, na verdade, eu estive lendo alguns artigos detalhados sobre


enormes casamentos e a maioria deles concordam que o período de planejamento ideal é de seis meses a um ano. —Onde você quer chegar? —Meu ponto é que eu acho que você deveria reconsiderar o limite de tempo que você me deu, porque isso não é o suficiente para até mesmo raspar a superfície de tudo o que eu quero fazer... Uma vez que você diz que não quer nada mais do me fazer feliz, eu acho que você deve

ser

um

pouco

mais

generoso

quando

se

trata

disso.

-

especialmente porque este dia é tão importante —Claire...— Eu olhei diretamente nos olhos dela. —Eu vou dizer isso uma última vez e eu nunca vou dizer isso de novo. Você tem três meses para planejar este casamento. Prazo. De três. Meses. Eu não quero nada mais do que fazer você feliz, e pela forma como você grita meu nome a cada noite, eu tenho certeza que eu estou fazendo um trabalho muito bom. Dito isto, eu não estou esperando por mais tempo do que noventa dias. E confie em mim, eu estou sendo mais do que generoso. —Jonathan —Se fosse por mim, eu teria casado com você o dia depois que eu propus. Mas já que você insiste em ter um casamento, você precisa descobrir uma maneira de planejar durante esse período. Se você tiver um problema com doze semanas e um orçamento ilimitado, ou se você ainda tentar empurrar este casamento de volta por um porra de mais segundos, nós vamos nos casar em um tribunal e você vai estar planejando uma festa depois. Ela estreitou os olhos para mim e eu a puxei de volta para os meus braços. —Por que você não me conta sobre sua reunião de escola na Califórnia? Você não acha que é por isso que Ryan estaria na cidade?


—Eu acho que eu não estava pensando sobre isso...— Ela balançou a cabeça. —A reunião é sempre na Califórnia e ele nunca me incomodou antes, então... —Você não quer ir? —Não. Eu nunca vou. —Por que não? —Eu não quero ver ele ou ela... Eu não posso lidar com estar na mesma sala com qualquer um deles. Nunca— Ela me deu um último beijo e desembaraçou-se do meu abraço. —Eu tenho que voltar ao trabalho então vou te ver em casa. E antes que você pergunte - Sim, estou redesenhando a sala de estar novamente esta semana. Vejo você no jantar. —Às seis? —Às seis.— Ela sorriu quando ela deixou meu escritório, e eu sabia muito bem que ela não ia estar em casa às seis. Ela nunca estava. Depois que ela saiu do meu escritório, eu voltei para examinar arquivos de Ryan. Mesmo que ele estava em San Francisco duas semanas antes da reunião, ele não era um dos “assistentes de planejamento” e ele ainda não tinha respondido ao convite real - o que significava que ele definitivamente não estava aqui para isso. Ele estava aqui para outra coisa...

—OK. Jonathan, Denise, estamos nos minutos finais desta sessão.

—Senhorita

Tate

olhou

para

minha

honestidade, como você acha que passou hoje?

mãe.

—Com

toda


—Acho que estamos realmente fazendo progressos —, disse ela conforme ela amarrou um lenço ao redor do pescoço. —Eu sinto que estamos chegando a algum lugar. —Estamos.— Eu suspirei. —Se você continuar se comportar, eu poderia convidá-la para o casamento. —Com licença? Que casamento? —Meu casamento. —Você está envolvido?— Seus olhos se arregalaram. —Com Claire? —Isso é um problema? Senhorita Tate bateu em seu notebook. —Podemos discutir isso na próxima vez. Não há novos tópicos de conversa nos últimos dez minutos, lembra? —Deixe-me ver se entendi.— Minha mãe ignora. —Você está prestes a se casar e você não pensou em me dizer? —Eu não achei que você se importaria. —Tem sido ao longo de oito meses, Jonathan.— Ela suspirou. — Eu pedi desculpas a você, eu enviei a Claire Deus sabe quantas,muitas cartas pelo correio, e eu realmente gostaria de ter uma relação funcional com, pelo menos, um dos meus filhos. Eu não deveria ter que implorar por isso. —Ela olhou para a senhorita Tate. —Eu deveria? Houve um silêncio. Eu não me sentia bem em entrar numa conversa profunda com ela hoje. Eu estava bem com o progresso melado de velocidade que estávamos fazendo e eu não tinha vontade de integra-la completamente de volta na minha vida. Levantei-me e apertei a mão da senhorita Tate. —Como sempre, obrigado por mediar essas sessões, senhorita Tate. Mãe, Greg está lá embaixo esperando para levar você para casa.


—Duas vezes por semana é pedir muito?— Minha mãe parecia magoada. —Podemos, pelo menos, experimentar? —Vou perguntar a Claire sobre isso e voltar para você na próxima semana. —Claire? Você tem que perguntar a Claire? —Ela estreitou os olhos para mim. —Eu sei que minha opinião não importa muito. —Não importa em tudo. —Deixe-me terminar, Jonathan. Posso pelo menos... —Não, você não pode. Você não precisa dizer nada sobre o que estou fazendo com a minha vida ou qualquer coisa que se relacione com Claire porque não é nenhum negócio seu. O que você pode fazer é ser feliz por mim, ficar no seu melhor comportamento, e mostrar-se no casamento se eu decidir convidá-la. —Eu mantive meus olhos fixos nos dela. —Se você puxar o que você tirou no ano passado, se você sequer tentar dizer alguma coisa com ela sem a minha permissão, eu nunca vou falar com você de novo. —Jonathan, Denise...— Senhorita Tate se levantou. —Eu acho que é melhor se nós terminarmos a reunião sem dizer uma palavra um ao outro. Vocês estão indo tão bem. Vocês não querem perder todo o terreno que fizemos até agora não é? —Você ainda está segurando essa besteira do ano passado contra mim?— Minha mãe zombou. —Sério? É isso o que se trata? Você está sobre o nosso passado, mas você só quer jogar Claire no drama para me manter fora da sua vida? —Mantê-la a uma distância não tem nada a ver com Claire. Isso nunca teve. —Então por que você ainda me trata assim?— Ela levantou-se, sibilando. —Por que você está agindo como uma maldita criança? Eu disse que estava arrependida. E no caso de você não pegar o que eu


disse anteriormente, eu me desculpei todo santo dia e eu mesmo desculpei com sua namorada desculpe-me, sua noiva, dizendo a ela o quanto eu desejo que eu pudesse ter tudo de volta. O que mais você quer? Eu sentia como se fosse vomitar. Ela estava literalmente me deixando doente. —Eu te trato assim porque isso nunca foi sobre mim.— Eu me levantei e estreitei os olhos para ela. —Eu poderia ter tratado a mim mesmo. Eu cuidei de mim mesmo. Tem sido sempre sobre Hayley e como você a deixou aos meus cuidados - cuidados de uma criança. Por que você não pode ver isso? —Hayley não tem nada a ver com o que aconteceu entre mim e você, Jonathan. É culpa dela se ela não quer se reconciliar comigo porque você sabe muito bem que eu tentei. Você está apenas chegando com outra argola que eu tenho que saltar através, e você sabe o quê? —Vá para o inferno. Seu rosto empalideceu, logo que eu disse aquelas palavras, e por meio segundo me arrependi de dizê-las, mas não o suficiente para ficar. —Mãe, senhorita Tate, eu vou ver vocês duas na próxima semana. Eu não posso lidar com isso agora. —Eu saio correndo do meu escritório e em direção a mesa de Angela. —Sr. Statham? Está tudo bem? —Ela olhou para cima. —Não... Você pode chamar a minha noiva e dizer a ela que eu estou no meu caminho para buscá-la para jantar por favor? Diga-lhe que é não. Negociável —Sim senhor. Apertei o botão para baixo no elevador e entrei assim que as portas se abriram. Eu não tinha certeza por que eu ainda aguentava a minha mãe por que eu até mesmo tentei, porque ela realmente não merecia nada de mim depois do que ela fez no ano passado.


Talvez, no fundo, fosse pena, pena, mas eu prometi a mim mesmo eu nunca iria perdoá-la até que ela completamente reconheça e entenda como ela quase destruiu a minha irmã para a vida, como ela tinha a jogado e danificado, me deixando para reparar o pouco que pude.


Capítulo 2.5 Jonathan Verão de 1995 Eu suspirei enquanto girei a maçaneta da porta para o nosso trailer, lentamente entrando no interior. —Onde diabos você estava?— Minha mãe se levantou e deu uma longa tragada de seu charuto. —São três da tarde e você se foi o dia todo. —Eu estava na escola. —Oh, certo. Bem, você poderia voltar para lá e calar a sua irmã? Ela está gritando durante todo o dia e não consigo dormir. Tudo o que ela faz é chorar porra. Eu olhei para o corredor e percebi que, mais uma vez, a porta para o meu e quarto e de Hayley estava trancada, então ela não podia sair. —Você pode assinar isso?— Eu puxei um papel para fora da minha mochila e entreguei a ela. —Pre-K começa na próxima semana. Você tem que conduzi-la dessa forma na próxima segunda-feira para que ela possa ir. —Ugh, Deus, Jonathan! Uma coisa maldita de cada vez! Você pode fazer o que eu lhe pedi para fazer primeiro? Você pode desligar essa menina por favor?—Ela jogou o papel no chão enrolado em uma


bola. —Como você pode esperar que eu assine a papelada quando ela está lá gritando seus pulmões para fora? Caia fora da minha frente. Eu percebi que eu ia ter que retirar um de seus antigos talões de cheque novamente e forjar sua assinatura. Eu também ia ter que vir acima com um inferno de uma desculpa, porque eu sabia que ela não iria aparecer para primeiro dia de escola de Hayley. Ela nunca fazia nada para Hayley. Antes que eu pudesse percorrer o corredor, uma lata de cerveja me acertou justo na parte de trás das costas. Eu me virei e vi meu pai tomando um assento no sofá ao lado da minha mãe. —Há mais dessas na geladeira menino —, disse ele. —Se você não puder fazê-la calar a boca, apenas dê-lhe um pouco e ela vai estar fora em vinte minutos. Ela funcionou como um encanto ontem. Olhei para os dois por meio segundo, desejando que eu fosse acordar deste pesadelo a qualquer segundo, que eles iriam voltar a ser quem eles costumavam ser; mas eu sabia que não iria acontecer. Eles tinham sido assim pelos últimos dois anos e não há nenhuma maneira de voltar. Destranquei a maçaneta da porta para o meu quarto, eu deslizei para dentro e vi Hayley abraçando um travesseiro contra o peito, balançando para frente e para trás. Ela não havia percebido que eu tinha entrado, e ela ainda estava chorando, e gritando. —Deixe-me sair, por favor, mamãe! Deixe-me sair, por favor! Aos quatro anos de idade, ela era muito menor do que outras crianças de sua idade, e mesmo que ela fosse à cara de minha mãe, era a única pessoa na minha família que tinha cabelos loiros. Ela nem sempre tinha chorado tanto, mas dessa forma ela atraia a atenção dos meus pais. Assim que ela fez três anos, os seus interesses foram para outro lugar e ela chorava por sua atenção o tempo todo.


—Pare de chorar, Hayley.— Fui até lá e a peguei em meus braços. —Está tudo bem, está tudo bem. —Johnnie?— Ela olhou para mim em lágrimas. —Você me deixou... —Eu sinto muito.— Eu dei um tapinha em suas costas. —Eu tive que ir para a escola, mas eu estou aqui agora. —Mas você vai à escola todos os dias ... Por quê? Eu suspirei e a segurei perto, consolando-a até que ela parou de soluçar. Olhei para trás e notei que ela não tinha molhado a cama hoje - uma coisa boa, porque eu não tinha roubado os outros quartos esta semana e eu não me sentia bem em caminhar para a lavanderia na chuva. Quando eu estava certo de que ela estava bem, eu vasculhei minha mochila e puxei o que eu tinha salvo da minha merenda escolar: Duas maçãs, macarrão esmagado e queijo, purê de batatas, e um sanduíche de peru - praticamente uma refeição gourmet para nós. — Eu tenho uma coisa especial hoje— Entreguei-lhe o último saco Ziploc, algo que eu tinha roubado do meu professor de matemática, e ela gritou e esvaziou-o sobre a cama. —Morangos!— Ela pegou um punhado e enfiou-os em sua boca. —Desacelere. Um de cada vez antes de sufocar. —Eu esperei até que ela retirou três deles de sua mandíbula. —Você assistiu algo de bom na TV hoje? —Vila Sésamo... Mas já vi esses antes. Eu sabia todas as músicas! Monstro do biscoito toca bateria! —Isso parece ótimo. Qual música foi a sua fav... —Graças a foda você conseguiu fazer ela calar a boca!— Meu pai invadiu o quarto. —Essa menina não vai ter uma voz no momento em


que ela estiver com dez se ela continuar chorando assim. Você viu minhas chaves do carro? —Eles estão na TV lá fora. —Certo. Bem, eu e sua mãe estamos saindo para obter algumas pizza. —Pizza?— Os olhos de Hayley se iluminaram e ela aplaudiu. — Pizza! Ele balançou a cabeça e se inclinou para beliscar sua bochecha. —Que tipo de pizza que você quer, Hales? —Pepperoni! E queijo! —OK. Isso é exatamente o que nós vamos pedir. Jonathan, que tipo você quer? Eu não respondi. Eu apenas balancei a cabeça. —Ok, bem, eu espero que você goste de pepperoni e queijo porque é isso que Hayley quer e é isso que estamos recebendo. —Ooohhh!—Hayley ainda estava batendo palmas. —Eu mal posso esperar! Eu mal posso esperar! Posso ir com você e mamãe, papai? Posso ajudar pegar a pizza? Por favor? Seu sorriso fino desapareceu e ele lhe afagou a cabeça. —Da próxima vez, querida. OK? —Tudo bem...— Ela parecia triste, mas então ela olhou para mim e sussurrou: —Estamos recebendo pizza! Meu pai saiu do quarto e Hayley o seguiu até a sala de estar. Ela esticou os braços no ar - à espera de nossa mãe a dar-lhe um abraço, mas ela simplesmente olhou para ela e disse: —Vamos estar de volta, Hayley.


E com isso, eles saíram batendo a porta do nosso trailer no seu caminho para fora. Suspirando, eu voltei para o nosso quarto e peguei os sacos Ziploc, colocando-os na geladeira. Eu sabia que eles viriam a calhar mais tarde esta noite. —Eu adoro pizza, Johnnie. Não é? —Hayley se sentou no sofá e olhou para fora da janela. —É o meu prato favorito! Eu balancei a cabeça e puxei a minha lição de casa, olhando para cima a cada 15 minutos ou assim, assistindo Hayley olhar pela janela, em antecipação de uma pizza que não estava vindo. Depois de três horas de espera, ela finalmente caiu no sono. Eu queria levá-la de volta para o nosso quarto e dobra-la na cama, mas eu não queria que ela acordasse com fome. —Hayley?— Eu balancei o seu ombro. —Hayley, acorde. —Será que a pizza veio?— Ela murmurou. —Não... Ela não o veio. Você precisa comer alguma coisa antes de dormir. —Eu lhe entreguei um prato de microondas com purê de batatas e macarrão. —Aqui. Ela franziu o rosto e balançou a cabeça. —Eu não quero isso. —Agora, Hayley. Coma. Franzindo a testa, ela pegou o garfo e levou pequenas, picadas lentas. Quando ela terminou, ela caminhou até onde eu estava sentado e pegou a ficha rosa brilhante que eu tinha dado a minha mãe horas atrás. —Oh-oh-reh-yuh E-e-e-meh-meh. P-re-escola. Emory pré escola? —Ela olhou para mim. —Pré-escola Emory.


—Pré-escola-E-mory.— Ela repetiu e seus olhos se iluminaram. — Eu estou indo para pré-escola, Johnnie?! Vou ler realmente muito bem se eu conseguir ir! —Nós veremos... —Isso significa que sim!— Ela levantou-se e me abraçou. —Oh, Eu mal posso esperar! Eu mal posso esperar! Forcei um sorriso e decidi mudar de assunto. Eu não quero começar suas esperanças. —Vamos assistir a um filme, Hayley.— Eu peguei a mão dela. — Qual deles você quer assistir? —Cinderela! —Ok.— Eu andei de volta para o nosso quarto e a enfiei debaixo das cobertas. Então eu liguei o leitor de VHS e coloquei o filme, esperando que ela adormisse. Ela cantou junto a cada música, incentivando-me a cantar junto, bem como, e desde que eu sabia todas as palavras das milhões de vezes que tinha visto isso antes, eu tentei não soar muito terrível. À medida que a madrasta má trancou Cinderela no sótão, ela rolou para me enfrentar. —Eu tenho uma pergunta, Johnnie... —O que é? —Você é meu guardião? —Seu o que? —Meu guardião... Elmo diz que todo mundo tem uma mãe, um pai, ou um guardião. —Seu guardião?


Ela assentiu com a cabeça e eu suspirei. —Não. Eu não sou seu guardião. Eu sou apenas seu irmão mais velho. —Mas você fazer tudo que um guar-di-ão faz ... Você me coloca na cama à noite ... Você me ensina a ler ... Você me consegue comida ... —Vá dormir, Hayley. —E quando eu choro você vem e me abraça para que eu possa parar ...— Ela rolou de volta. —Isso é o que guardiões fazem, Johnnie. Eu vi na TV ...

Uma semana depois... Era o primeiro dia de pré-escola de Hayley e minha mãe tinha chocantemente se lembrado de levá-la. Com nós três caminhando para Emory, Hayley riu e bateu palmas em ir para a escola real! Como na TV! —Você pode parar a porra da gritaria?— Minha mãe revirou os olhos. —É muito de manhã cedo para essa merda. —Eu sinto muito, mamãe ...— Ela olhou para mim - machucada, então eu acariciei sua cabeça e fiz uma cara engraçada para fazê-la sorrir novamente. Nós três caminhamos para o prédio da escola e esperou enquanto a minha mãe preencheu mais papelada e entregou sua ID. Quando ela terminou, um dos professores nos conduziu a uma sala de aula colorida. Hayley gritou e deixou imediatamente nossas mãos e foi andando ao redor da sala em reverência. —Uau.— A professora sorriu. —Eu acho que isso é o mais animado que eu já vi uma criança sobre o seu primeiro dia de escola.


Meu nome é Srta. Cole e eu vou ser professora de educação geral de Hayley para o ano, Sra Statham. Desde que você esteja aqui no início, onde você gostaria de se sentar hoje? —Sentar? —Sim. Nós pedimos que pelo menos um dos pais se sentem com a criança em seu primeiro dia de pré-escola, para que eles possam fazer a transição tão facilmente quanto possível. Não se preocupe, durante hora de dormir temos pedidos de alimentos para todos os pais para que possa obter uma pequena pausa. —Eu...— Minha mãe balançou a cabeça. —Eu não posso ficar aqui o dia todo... Eu tenho... Eu tenho um longo turno a minha frente no hospital... Lotes de vidas estão em jogo. Ela vai ficar bem. Senhorita Cole parecia confusa. —Você pode ficar para as primeiras duas horas, pelo menos? Nós geralmente deixamos as crianças se apresentar e seus pais durante o suco de laranja e muffins. —Não, eu não posso. Desculpe. —Ela encolheu os ombros. —Meu filho pode tomar o meu lugar? —Hum... Será que ele não tem que ir para a escola hoje também? —Você tem escola hoje, Jonathan?— Ela olhou para mim e, em seguida, ela riu. —Claro que ele tem escola, mas é a apenas dois quarteirões abaixo. Desde que vocês são Emory e ele está na Emory II você não pode chamar mais e em alguma coisa? Eu ficaria se pudesse eu realmente faria, porque eu não quero que ela esteja sozinha em seu primeiro dia... Se eu soubesse sobre isso eu prometo que eu teria tirado... Eu só... simplesmente não posso, não no último minuto. Olhos da Senhorita Cole suavizaram-se e ela parecia que realmente acreditou nas mentiras da minha mãe. —Eu vou ver o que podemos fazer, Sra. Statham. Obrigado por todo o trabalho duro que você faz no hospital.


Minha mãe estendeu a mão para apertar a mão dela e então ela se aproximou de Hayley, sussurrando algo em seu ouvido que a fez fraca o rosto brilhante e seus olhos lacrimejarem. —Sr. Grande Irmão? —Senhorita Cole me entregou duas placas de papel. —Escolha um assento para você e sua irmã mais nova e, em seguida, tire os lápis de cera que estão na mesa. Antes de apresentarnos, nós vamos fazer um desenho das nossas coisas favoritas. Eu vou resolver tudo com Emory II quando eu voltar. Eu tenho que conseguir mais alunos. Minha mãe afagou a cabeça mais uma vez de Hayley e jogou dois polegares acima para nós, enquanto ela saia da sala de aula, dizendo: —Eu te amo, Jonathan e Hayley!— Na voz mais falsa que eu já ouvi. Eu tentei manter Hayley distraída sugerindo coisas para ela desenhar em seu papel, mas eu não pude deixar de notar as lágrimas caindo pelo seu rosto enquanto as outras crianças se sentaram com os pais, como se elas fossem beijadas e abraçadas repetidamente. —Certifique-se de fazer um desenho de seus pais ou guardiões sobre a placa de papel também!— Senhorita Cole sorriu a partir da frente da sala. O lábio inferior de Hayley tremia e ela tomou várias respirações curtas, um sinal de que outro de seus episódios de longo choro estava prestes a começar. Antes que ela pudesse tirar isso, eu inclinei o seu rosto para mim e sussurrei. —Você pode guardar um segredo, Hayley? Ela assentiu com a cabeça, ainda tendo respirações erráticas e curtas. —O que um segredo quer dizer? —Eu ... eu não posso ... não conte a ninguém... —Exatamente...— Eu segurei o queixo para cima e enxuguei as lágrimas com as mangas. —Então, o segredo é... Eu sou o seu guardião.


—Eu sabia!— Ela cobriu a boca e, em seguida, a descobriu, sussurrando: —Eu sabia disso, Johnny! Eu não vou dizer a ninguém! Nunca! Eu prometo de mindinho! Ela estendeu a mindinho para mim para selar o acordo e, em seguida, ela se inclinou e me deu um abraço. Ela começou a colorir a sua placa novamente e então ela olhou para mim. —Você pode guardar um segredo? —Claro. —Eu não acho que mamãe e papai me ama...— Ela piscou. —Isso não é verdade, Hayley. Eles te amam. —Não, eles não fazem. Eles não são como as mamães e papais na TV... Eles não se importam... Mas você, Johnnie... Você é o melhor guardião do mundo.


Capítulo Três Claire Eu ainda estava sentada na minha cadeira no Sweet Dolce - um dos negócio de restauração mais conceituados em San Francisco. Eu estava tentando ao máximo não pular sobre a mesa e perfurar a diretora de restauração nos olhos, tentando não gritar com ela por ser completamente amadora. O nome dela era senhorita Hansen e para a última hora e meia, ela estava flertando com Jonathan como se eu não estivesse sentada ao lado dele. Ela nos mostrou mais de vinte exemplos de seus produtos nos monitores e ela só pediu a opinião de Jonathan - batendo os grandes olhos castanhos cada vez que ela pronunciou: —Como você gostaria disso, Sr. Statham? O pior é era que os membros de sua equipe - todos do sexo feminino, estavam de pé na sala. Elas estavam com um olho da porra em cada movimento seu e franzindo a testa para mim sempre que eu dizia uma única palavra. —E, finalmente, este é um exemplo da nossa camada de cobertura em chocolate com morangos.— Senhorita Hansen sorriu enquanto suas assistentes ajustaram uma fonte de chocolate de tamanho médio na nossa frente. —Os morangos são cimentadas em torno das bordas com uma cola de açúcar clara, e seus convidados serão capazes de recuperar os morangos do chocolate que estão atualmente flutuando no segundo nível. —Com varas?— Perguntou Jonathan.


—Sim, Sr. Statham.— Ela assentiu com a cabeça e corou. — Podemos até gravar o seu último nome nas varas para um toque extra de personalidade. Revirei os olhos enquanto ela pegou uma caixa de vidro de varas de madeira, quando ela entregou a ele e perguntou se ele gostava delas o suficiente para dar-lhes uma tentativa. —Você tem perguntas sobre qualquer coisa, senhorita Gracen?— Ela olhou para mim pela primeira vez durante todo o dia. —Existe alguma coisa que você gostaria de me mostrar? —Não.— Eu coloquei minha mão esquerda sobre Jonathan, propositalmente mostrando meu anel de noivado maciça. —Eu acho que você cobriu tudo. Podemos meu noivo e eu termos só alguns minutos, por favor? —Claro.— Ela zombou quando ela olhou para o meu anel, e ordenou a sua equipe a segui-la para fora da sala. Assim que elas foram embora, eu peguei meu garfo e esfaqueei um morango antes de mergulhá-lo na fonte. Antes que eu pudesse trazê-lo para os meus lábios, Jonathan gentilmente pegou minha mão e empurrou o fruto em sua boca. —É muito bom.— Ele sorriu e preparou um para me tentar. —O que você acha? —Está tudo bem. Poderia ser melhor. —Você está dizendo isso porque ela estava flertando comigo ou você honestamente achou que poderia ser melhor? —Então, você notou quanta atenção extra que ela estava dando a você? Ele sorriu. —Não é engraçado, Jonathan.


—Eu não estou rindo, Claire.— Ele zombou de mim. —Nesse caso, você deveria ter dito alguma coisa... —Algo parecido com o que? —Nada.— Eu revirei os olhos. —Eu gostava dela dando as suas opinião sobre trufas brancas, preenchendo-as com creme de manteiga, e eu apreciei o mergulho de amêndoas caramelizada. Isso é diferente. —Algo parecido com o que?— Ele segurou meu rosto entre as mãos. — Você está com ciúmes? —Não... Ele arrastou os dedos em meus lábios. —Você tem certeza? Você não tem nenhuma razão para estar... —Eu não estou com ciúmes. Eu estou apenas... Seria muito bom se nós fossemos em algum lugar e cada mulher não ficasse boquiaberta por você ou flertando com você, como se eu não estivesse nem aí. Como se eu fosse invisível Lembrei-me de nosso último encontro para jantar em um restaurante no Cais dos Pescadores, quando a garçonete imediatamente corou vermelho brilhante e deu uma risadinha - uma porra de uma risadinha, ao ver Jonathan. Eu tinha certeza de que se não houvesse ordenado a minha comida para mim, ela nunca teria me perguntado o que eu queria, porque fora dizer “Mais água, senhorita?” Ou “Posso levar o seu prato?” Ela dirigiu todas de sua atenção para ele. —Eu poderia dizer o mesmo para você.— Ele estreitou os olhos para

mim.

—Outros

homens

olham

para

você

o

tempo

todo,

especialmente quando você está usando um vestido. —Bem, pelo menos eu não flerto de volta.— Eu peguei um dos croissants em forma de coração que estava sobre a mesa e entreguei a


ele. —Os homens nem sequer falam comigo quando você está por perto e você sabe disso... Como você se sente sobre esses croissants? Você gosta de como ela os fez em “obras de arte” ou ao contrário o bolo quadrado xadrez? Ou você acha que ela pode... Ele apertou seus lábios contra os meus e me puxou para o seu colo, fazendo-me esquecer tudo o que eu estava prestes a dizer. —Em primeiro lugar—, disse ele enquanto deixava meus lábios ir. —Eu nunca flertei de volta. Eu simplesmente sorrio e respondo, porque isso é a coisa legal de se fazer. Em segundo lugar, a única razão que eu não olho para você durante esta reunião, era porque eu sabia que se eu fizesse, eu estaria colocando você através dessa tabela diante de todos. E terceiro, oito meses atrás eu não poderia fazer você sair em público comigo e agora você está me mostrando afeição o tempo todo - o que, devo dizer eu amo porra, mas acho que você está com ciúmes. Por uma questão de fato, eu acho que você é do tipo ciumenta. —O quê? Eu não estou... —Você está.— Ele me beijou novamente. —Mas eu gosto. Eu balancei a cabeça, preparada para lhe dizer exatamente por que eu não era do tipo ciumenta, mas ele me tirou de seu colo e me pôs sobre a mesa. Antes que eu pudesse perguntar o que ele estava fazendo, ele deslizou as alças do meu vestido para baixo e desabotoou meu sutiã, deixando-o cair no meu colo. —Você quer saber como eu sei que você é do tipo ciumenta, Claire?— Ele sorriu e pegou uma das varas de madeira, colocando um morango sobre ela e sufocando-o em chocolate. —Vendo como eu não sou, seria bastante interessante ouvir seus pensamentos...


—Hmmm.— Ele moveu o morango sobre meus seios, deixando o gotejamento chocolate sobre meus mamilos. Então ele se moveu lentamente em direção a minha boca. —Coma isso... Tomei algumas pequenas mordidas e engoli. —Eu posso ver como o gotejamento de chocolate em mim prova que eu sou o tipo ciumenta. —Você correu para essa fase no ano passado e me beijou na frente de todos porque você estava com ciúmes de que Stacy estava fingindo ser minha namorada, porque você não a queria perto de mim. —Não... eu corri até lá para provar a você que — Eu parei quando ele se inclinou para frente e lambeu um dos meus mamilos. —Eu acho que, no fundo, essa é a verdadeira razão por que você correu lá em cima, você não queria que ela me tivesse.— Ele lentamente levou meu outro mamilo na boca e correu os dedos pelo meu cabelo. —Isso não é verdade...— eu murmurei. Ele olhou nos meus olhos e sorriu. Em seguida, ele mergulhou um de seus dedos no chocolate e empurrou-o em minha boca. —Eu queria transar com você bem naquele palco quando você fez isso...— Ele esperou até que eu chupei seu dedo limpo. —Mas vi como você não fez isso por ciúmes... Minha respiração ficou presa na minha garganta enquanto ele empurrou meus ombros para baixo para que minhas costas estivessem contra a mesa. —Há outras razões que provam claramente que você é do tipo ciumenta... Eu gemia enquanto se movia o fundo do meu vestido para o meu estômago, enquanto ele se inclinou para frente e pressionou um beijo longo e quente entre as minhas coxas.


—A verdadeira razão pela qual você sempre sai como meu encontro nas funções da empresa, não é porque você está tentando ser uma boa namorada...— Sua voz era baixa. —É porque você não quer que outra mulher se aproxime de mim sem saber que eu sou tomado. E você se certifica de que elas saibam, porque você nunca solta a minha mão ... Estou tirando conclusões erradas? Eu não disse nada. Eu apenas mordi meu lábio quando ele sacudiu o meu clitóris com a língua entre frases - me rendendo completamente indefesa. Ele se sentou e pegou outro morango, deixando escorrer o líquido quente para o meu estômago. Ele manteve o olhar fixo nos meus enquanto ele o arrastava através do meu umbigo. —Você troca mensagens com Angela a qualquer momento se tenho uma reunião com um cliente do sexo feminino...— Ele rodou sua língua ao redor da minha pele, gentilmente lambendo tudo e ainda segurando minhas coxas. —E você sempre telefona imediatamente antes dessas reuniões... Ou aparece no meu escritório assim que terminam...— Ele beijou seu caminho até o pescoço. —Você acha que eu não tenho notado? —Jonathan... Ele soltou uma risada baixa e jogou um beijo em meu ouvido. — Você ainda não acha que você é do tipo ciumenta? Eu estava tentando não ceder. Ele estava beijando meus lábios e suavemente acariciando meus seios com as mãos. —Sou eu que vou ter que transar com você nesta mesa para fazer você me dizer a verdade? Eu balancei a cabeça e ele lentamente puxou minhas pernas. —Então me diga a verdade, Claire... Diga-me você estava com ciúmes ao executar aquela cena...


—Eu estava um pouco ciumenta... —Um pouco?— Ele sorriu e arrastou seus dedos contra meus lábios inferiores. Eu chupei em uma respiração enquanto ele massageava meu clitóris inchado com o polegar, conforme ele usava a outra mão para pegar outro morango com chocolate. —Muito... —Quão alto você acha que você iria gritar, se eu transasse com você agora? Você acha que as mulheres do outro lado da porta iriam entender seu ponto? Engoli em seco e apertei minhas pernas em volta dele. —Por favor... Nós temos...— Eu não queria gozar na mesa de catering. —Nós temos outros... outros compromissos para irmos... Ele estreitou os olhos para mim, mas ele lentamente me puxou de volta para cima e lambeu uma última gota de o chocolate fora de meus seios. —Vamos terminar isso hoje à noite.

Horas mais tarde, Greg puxou o carro em meio à cidade para um pequeno shopping e abrandou quando ele se aproximou dos redutores de velocidade. —Ok, Claire...— Jonathan soltou um suspiro exasperado. —Este é o último compromisso do dia. Se você não gostar deste lugar, você vai ter que escolher um dos outros oito, porque eu não estou aguentando outro dia desta merda. —Sério? Este é o nosso casamento. Você não quer que ele seja perfeito? —Eu não tenho que ter um casamento e você sabe disso. Eu apenas quero me casar com você, quanto mais cedo melhor.


Eu suspirei. Desde que eu tinha insistido em ter um buffet distinto para a jantar principal, nós tínhamos vindo a testar diferentes fornecedores de doces durante todo o dia. Enquanto a maioria deles eram bons, nenhum deles me deixou impressionada. Quando a execução havia sido um pouco fora, a apresentação não era atraente o suficiente, ou o sabor da comida deixava muito a desejar. —Tudo bem—, eu disse. —Eu vou tentar não ser tão crítica. O último lugar não era tão ruim, era apenas... —Apenas o que? —Houve esse lugar de volta em Pittsburgh, Stella. Eu costumava usá-los para as nossas funções da empresa e eles foram fenomenais. É uma pequena empresa, mas a mulher que a possuía funcionava a magia em cada momento. Ela sempre saiu do seu caminho para se certificar de cada exposição frutas e produtos em exibição estava perfeitamente desenhado. Além disso, ela faz a melhor comida servida que eu já tive na minha vida. Eu acho que estou apenas comparando tudo que... Ele estendeu a mão e segurou a minha. —Se temos de olhar um outro dia, esta tudo bem. Eu quero que este seja o casamento dos seus sonhos. —Isso significa que você vai me dar mais um mês para planejar isso? —Não.— Ele revirou os olhos. —E a próxima vez que você me pedir isso eu vou fazer você se arrepender.— Ele beijou minha bochecha quando o carro parou. —Nem mesmo tente, Claire... Greg abriu a porta de trás e pegou minha mão. —Sr. Stath... Srta... Gracen—Ele limpou a garganta. —Obrigado, Greg.— Saí e olhei para o sinal rosa e branco que pairava sobre o edifício pequeno creme colorido. Ele dizia “Happily Ever


After Catering de um coração feliz para outro”. Havia coloridos biscoitos rosa e hortelã sentados nas janelas da loja, e quando eu vi a exibição impecável de baunilha e mousse em copos de champanhe fosco, eu esperava

que

nós

finalmente

tivéssemos

encontramos

o

nosso

fornecedor. Jonathan segurou a porta aberta para mim e eu andei ao redor da loja em reverência absoluta. As paredes foram pintadas em listras de branco e prata - listras que complementaram as exibições que estavam bem na frente deles. Na frente dos panos de fundo branco, macaroons coloridos e torta pops estavam em posição de sentido. Em frente às de prata, cheesecakes bebê e morangos texturizados pareciam como se tivessem sido feitos minutos atrás. —Venha aqui. Olhe para isso.— Fiz um gesto para uma fonte que expelia chocolate branco. —Olhe como esses cookies estão flutuando. E eles estão todos na forma da letra S. Como isso é bonito? O chefe realmente se preparou para o nosso encontro. —É muito criativo. Eu gosto disso. Fui até a —Estação Cristais Açucarados— e inspecionei os Cupcakesde cereja e a difusão de torta em miniatura. —Eu tenho um sentimento muito bom sobre isso.— Eu sorri. —A apresentação é perfeita e ela nem sequer tem qualquer exemplos de frutas aqui fora. Aposto que essas serão fenomenais. As portas francesas que estavam à nossa esquerda se abriram de repente e uma loira que parecia como se tivesse a idade das minhas filhas veio e limpou a garganta. —Boa tarde, em breve - a ser. Sr. e Sra Statham—, disse ela. — Bom vindos ao Happily Ever After Catering. Nossa chefe está terminando uma chamada de emergência agora, mas eu gostaria de


levá-los através da nossa galeria até que ela seja capaz de ajudá-los pessoalmente. Eu balancei a cabeça e a seguimos para uma sala enorme, onde espelhos cobriam as paredes e lustres brilhantes pendiam o baixo do teto. —Este é o lugar onde nós mantemos a maioria de nossos produtos para serem exibidos. Por contrato, nós somos capazes de acomodar casamentos de até quinhentas pessoas - qualquer coisa mais que exige um adicional por pessoa a mais só pode aumentar até duas mil devido a nossa licença —Isso é incrível...— Peguei uma pequena escultura de gelo que continha abacaxi em forma de pomba e biscoitos de caramelo coberto. —Você sabe o que? Eu não preciso de ver qualquer outra coisa. —Eu apertei minhas mãos juntas. —É isso. Isso é o que gostaria de reservar. A mulher corou. —Realmente? Eu estarei de volta com a minha gerente! Jonathan puxou-me em seus braços e me beijou. —Finalmente ... O que mais precisamos fazer? —Bem, nós precisamos encontrar com o designer do convite esta noite... Então eu preciso agendar meu compromisso do vestido e precisamos...— vi uma exposição de cookie de chocolate que soletrava —Sra Statham — com o canto do meu olho. —Dê-me um segundo. Eu tenho que tentar um daqueles... Fui até lá e coloquei um em minha boca - depois outro e outro. Deus, eu estou no céu... Quando eu estava comendo o meu quinto, ouvi uma voz rouca pelas minhas costas.


—Jonathan Statham? Como o Jonathan Statham? —, Disse a mulher. —Meu marido e eu somos grandes fãs de seus celulares! Parabéns pelo noivado! É um prazer absoluto mostrar a nossa galeria hoje. Tentei engolir um último biscoito antes que eu virasse de volta para cumprimentá-la. —É um prazer fazer negócio com você também.— Ele colocou seu braço em volta da minha cintura e me virei. —Esta é a minha noiva, Claire Gracen. Ela estava apenas falando sobre o quanto ela amou —Eu não quero nada a partir daqui.— Eu podia sentir o sangue escorrendo do meu rosto. —O quê?— Ele levantou a sobrancelha. —Eu pensei que você disse... —Claire?— Os olhos de Amanda se arregalaram quando ela olhou para trás e para frente entre mim e Jonathan. —Você está envolvida? Com ele? Bem, eu... Parabéns... Isso é wow... Eu um... Ela disse alguma coisa, algo que soou como —Eu espero que você não vá deixar nosso passado pessoal interferir com fazer negócios uns com os outros—, mas tudo o que eu podia fazer era ficar lá e olhar para ela em estado de choque. Em descrença e desgosto. E quanto mais eu olhava para ela, mais eu tentava o meu melhor para não investir nela e dar-lhe o soco que ela merecia. Ela não tinha mudado muito desde a última vez que a vi. Ela ainda tinha fluindo os longos cabelos ruivos e olhos castanhos que tornaria mais difícil para qualquer pessoa a acreditar que ela era uma cadela destruidora de lares. —Eu sou apenas a gerente de meio período—, ela sussurrou. — Você não tem que trabalhar diretamente comigo se você não quiser.


—Eu não quero.— Eu estreitei os olhos para ela. —Eu não quero trabalhar com alguém que, mesmo porra conhece você. —Claire, você não tem que ser assim. Um monte de tempo se passou e você teria apenas que me dar uma chance para —Você não está carregando mais um bebê, Amanda.— Eu bati. — E já que eu ainda te devo uma surra pelo o que você fez para mim, eu sugiro que você simplesmente cale a boca e deixe que eu e o meu noivo saia por aquela porta sem você dizer outra palavra a qualquer um de nós. Seu rosto ficou branco e ela recuou, o que nos permitiu passar por ela e para fora da loja. Eu fiquei chocada com o quão bem eu tinha mantido isso junto na frente dela, porque assim que eu fiz isso do lado de fora eu me perdi. —Estou na zona de decadência porra?!— Eu gritei para Jonathan. —Será que isso realmente aconteceu? Ela trabalha em San Francisco agora? Por que diabos ela e aquele bastardo não podiam viver em outro lugar? E por que razão Ashley e Caroline não me disseram que eles tinham se mudado pra cá? Elas poderiam ter pelo menos me avisado elas são mais espertas do que isso... —Acalme-se...— Ele colocou as mãos nos meus ombros. — Nenhuma das duas fazia ideia. Não havia nenhuma maneira que você poderia ter sabido sobre ela estar aqui também. Você sempre pensou que ela ainda estava —Em Pittsburgh porra! Onde ela e Ryan pertencem! Que porra é essa, Jonathan? Ambos? Aqui? Eu os vejo na mesma semana? Ele olhou nos meus olhos e parecia que ele estava prestes a falar, mas ele me puxou para os seus braços e me segurou perto. —Eu não quero mentir para você, mas ele ainda me deixa doente...— Minha voz falhou. —Eu não posso tolerar qualquer um


deles. Eu simplesmente não posso fazer isso... Eu estou realmente feliz agora e eu... eu não os quero em qualquer lugar ao redor da minha felicidade ... Eu não gosto de saber que eles ainda existem.—Eu ficava balançando a cabeça, mas eu não permitia que uma única lágrima a caísse. Eu não ousaria. Eu deixei-me chegar tão longe e eu não quero voltar. Nunca. —Podemos fazer o designer dos convites nos encontrar mais tarde essa semana?— Eu olhei para ele. —Eu só quero estar em casa com você para o resto do dia. —Claro.— Ele me acompanhou até o carro e me ajudou a entrar. Antes dele se juntar a mim, eu o ouvi dizer algo a Greg: —Há uma empresa de catering em Pittsburgh chamada Stella. Encontre uma maneira para fazer o chefe e sua equipe estarem aqui neste fim de semana para que possamos falar com eles.


Capítulo Quatro Jonathan Eu olhei os arquivos de confirmação para a nossa viagem de lua de mel, verificando em dobro cada de tempo de voo e histórico de vôos de cada piloto. Claire era muito mais confortável com o vôo agora, mas sempre que nós não usávamos o meu piloto pessoal, ela insistia em ter uma cópia do registro de segurança do novo piloto antes de pisar a bordo. Ela estava me perguntando para onde estávamos indo após o casamento todos os dias, até mesmo tentou recusar o sexo para tirá-lo de mim, mas eu queria que tudo fosse uma surpresa. Eu queria que ela amasse cada segundo de nossa viagem. —Tudo parece ótimo.— Eu concordei com Hayley. —Muito obrigado. Certifique-se de Claire receba uma cópia desses registros piloto dos próximas semanas. —Vou fazer, e você é bem-vindo.— Ela pegou os papéis e os colocou em sua pasta. —Você sabe, eu sinceramente nunca pensei que você iria se casar. —Por que não? —Eu vim viver com você uma vez que você começou a construir esta empresa, lembra? Antes de obter a sua saída para a faculdade ... Havia um monte de mulheres dentro e fora do condomínio essa ... —Não, não havia.— Eu suspirei. —Eu nunca me enrosquei com qualquer mulher perto de você e você sabe disso.


—Eu não as via, mas eu encontrei todas as suas calcinhas debaixo das almofadas do sofá - as pequenas lembranças que deixavam para trás para que você pudesse se lembrar o quão incrível a noite foi. Elas ainda deixavam pequenas notas dentro das etiquetas “Ontem à noite foi a melhor noite da minha vida”, “Você é a melhor foda que eu já tive”, e o meu favorito “Oohhh me ligue a qualquer hora, Jonathan. Vou deixar tudo o que eu estou fazendo se isso significar que eu estarei transando com você novamente”. —Saia do meu escritório, Hayley. Ela riu. —Eu olhei através da conta Bergstrom anteriormente. Eu não acho que devemos assinar com eles, mas o conselho pensa de forma diferente, certifique-se de ler sobre tudo esta noite. Há também uma reunião com a divisão de contabilidade as três para discutir novas maneiras de monitorar os gastos executivos, e oh sim - você precisa garantir que você tenha esse arquivo de compra para a sua chamada internacional em poucas horas. —Angela me informou sobre tudo isso horas atrás porque você não estava aqui na hora hoje. Pelo quarto dia consecutivo. Importa-se de explicar por quê? —Eu posso chegar atrasada. —Você pode ficar desempregada. Ela revirou os olhos. —Você é rigoroso com Ashley e Caroline? Será que elas recebem o tratamento super protetor também? —Você está evitando minha pergunta. —Eu estou.— Ela sorriu e jogou o cabelo loiro por cima do ombro. —Eu também estou pensando em colocar uma queixa de RH sobre o CEO excessivamente difícil para mim, então veja. —Você pode, pelo menos, se certificar de que você está no tempo para o seu encaixe do vestido na próxima semana? Claire irrita-se sobre


qualquer coisa relacionada com o casamento, se atrasar mais do que um segundo. —Eu estarei lá cedo. Eu ainda não posso acreditar que ela me pediu para ser dama de honra! Estou tão honrada para dar você e sua loucura longe para outra pessoa. Será que ela sequer sabe o quão louco você é? Você já lhe mostrou suas cores verdadeiras ou você está salvando-os para mais tarde? —Hayley ... —Sr. Statham? —A voz de Angela veio pelo interfone. —Sim? —Um de seus assessores de Segurança está aqui para ver o senhor. Ele diz que é urgente. Devo dizer-lhe para esperar até que você termine a reunião com Hayley? —Não.— Eu balancei minha cabeça. —Estamos mais do que feito aqui. Mande-o entrar, por favor. Ah, e Angela? —Sim, Sr. Statham? —Quando a Srta. Statham sair, você poderia entregar a ela política de empregados sobre atrasos e encomende a ela um relógio Cartier - com os maiores números disponíveis, por favor? Mande entregar durante a noite. —Sim senhor. Hayley estreitou os olhos para mim e franziu os lábios. —Você é o pior. —Eu também te amo. Vi quando ela correu para fora do meu escritório, enquanto ela quase colidiu com o meu segundo mais alto chefe de segurança - Clive.


—Onde está o Greg?— Fiz um gesto para ele se sentar em frente à minha mesa. —Ele está treinando um novo membro hoje. Você gostaria que eu o trouxesse para cima em vez disso? —Não, está tudo bem. O que está acontecendo?— Ele tirou uma pequena caixa marrom de dentro do paletó e entregou para mim. —Nós encontramos isso fora da loja da Srta Gracen esta manhã. —Correspondência? —Não. Ele foi encontrado às seis da manhã. Não há nenhum endereço

de

retorno

do

correio

foi

entregue

durante

a

noite.

Acreditamos que as pequenas iniciais vermelhas de —RH— pertencem ao Sr. Hayes, o homem que temos vindo a manter sobre o controle. —Você encontrou quaisquer novas informações? —Não, mas ele sabe que o estamos seguindo,porque ele está nos dando a corrida - ao redor. Nós temos uma reserva em um prédio de condomínio executivo em nome de sua empresa embora. Eu o vi ir para dentro algumas vezes, mas ele nunca passa a noite. É sempre dentro e fora. Ele ainda está pagando a hipoteca sobre uma casa em Pittsburgh, por isso, assumimos que a sua visita aqui seja temporária. —Obrigado, Clive. —O prazer é meu, Sr. Statham. Eu vou deixar você saber o momento em que encontrar qualquer outra coisa. Eu balancei a cabeça e esperei até que ele deixasse meu escritório. Eu deixei imediatamente Angela saber que eu não queria ser incomodado pelos próximos trinta minutos. Eu olhei para a pequena caixa marrom que estava posta em frente a mim, me perguntando por que diabos Ryan iria tentar dar a


Claire qualquer coisa, e então Rasguei-o aberto: Um retrato. E uma carta. A imagem era desbotada de Claire, Ryan e Amanda. Ele deveria ter tido, pelo menos, dez anos de idade, porque eles estavam todos vestidos com roupas desatualizadas. Um dos braços de Ryan estava em torno de cada uma delas, e eles estavam todos sorrindo amplamente e mantendo seus polegares pra cima. Na parte inferior da imagem ele havia escrito: —Lembra-se disso? Irritado, eu desdobrei a carta e li: Querida Claire,

Sinto muito por mostrar-se em sua loja sem aviso prévio na semana passada, mas eu sabia que se eu lhe contatasse antecipadamente você não concordaria em me ver. É a mesma razão pela qual eu não disse a Ashley e Caroline sobre mim se movendo para cá q seis meses, por isso que eu lhes disse que teríamos de reprogramar a nossa última visita até este inverno. (Eu sei que mesmo que n ós dois as amamos igualmente, a lealdade delas está com você.) Como eu disse antes, eu realmente preciso falar com você. Sozinho. Cara a cara. É algo que eu prefiro não colocar em uma carta ou dizer ao telefone então agradeceria se você pudesse se lembrar de como as coisas costumavam ser entre nós - por apenas cinco minutos. Se você pudesse apenas se lembrar de como costumávamos ser capazes de dizer um ao outro toda e qualquer coisa ... Eu realmente aprecio o seu tempo. Eu sei que no fundo você ainda tem algum tipo de amor por mim.


Seu primeiro, Ryan Reli aquelas última linhas “Eu sei que, no fundo, você ainda tem algum tipo de amor por mim”, e “Seu primeiro” e tentei o meu melhor para não pegar o telefone e colocar alguém para bater a vida fora deste homem. Meu sangue estava aquecendo para níveis que eu nunca soube que existia e eu estava a segundos de distância de explodir. Eu peguei meu telefone e liguei para Greg. —Sr. Statham —, ele respondeu. —Por favor, me diga que você sabe exatamente aonde o ex-marido de Claire vive e você está apenas mantendo-o longe de mim então eu não vou matá-lo. —Eu sei, senhor. Eu pensei assim ... —Você sabe por que ele está na cidade? —Nós ainda estamos tentando descobrir isso. Vou alertá-lo quando eu souber. Isso é tudo? —Não. Eu quero toda a correspondência de Claire selecionada a partir de agora. Nada de Ryan Hayes, RH, ou qualquer coisa sem um endereço de retorno chegando a sua caixa de correio. E eu quero que você dê todas essas coisas para mim para que eu possa pessoalmente se livrar delas. —Email adulterado é um crime federal, o Sr. Statham. —Eu não dou à mínima. Faça-o. —Eu desliguei e olhei para carta de Ryan pela última vez antes de colocá-la em minha trituradora. Eu vou matá-lo ... Meu alarme para reunião do conselho de hoje começou a soar, mas eu estava muito perdido para levar a mão no bolso e desligá-lo.


Eu ainda estava sentado em minha mesa - atordoado. Com raiva. Irritado. Eu não podia acreditar na coragem de seu ex-marido depois de todo esse tempo, não podia acreditar que ele iria mesmo tentar contatar Claire - a minha Claire. Eu estava prestes a cancelar todas as minhas reuniões para o dia e ir até o escritório de Corey fazer outra rodada de investigação, mas o toque especial que eu tinha para Claire começou a soar. Peguei meu telefone e li sua mensagem de texto: —Eu ainda não posso acreditar que você me enviou TODAS essas flores. EM UM ÚNICO DIA! Você completamente se superou, mas eu aproveitei cada segundo delas. Os buquês que você enviou hoje são absolutamente incríveis e eu adoro eles. Eu te amo tanto, Jonathan ... Sua última, Claire. :-) E assim, a temperatura do meu sangue começou a esfriar e a dor em meu peito lentamente cedeu. Eu vou lidar com Ryan depois ...

—Que tal um presente?— Corey segurou a mão de um manequim em frente a mim, lentamente, acenando para que eu pudesse ver como os diamantes brilhavam a luz. Estávamos de pé na única loja de jóias que eu confiava - Valenti de, e o dono da loja tinha fechado para que eu pudesse comprar aliança de casamento de Claire em privado. Eu deslizei o anel fora do dedo de plástico e o segurei em frente ao meu rosto, balançando a cabeça. —Claire não iria gostar. —Qualquer

mulher

gostaria

de

receber

uma

banda

com

diamantes rosa raros - qualquer mulher. Confie em mim, eu estive com um número suficiente delas para saber.— Ele sorriu.


—Falando de qualquer mulher, você não mencionou um trio recentemente? Foi com duas atrizes, certo? Você nunca me disse se funcionou em seu favor ou não. —Não foi possível fazê-lo ...— Ele deu de ombros. —Espere um minuto. Por que você está obtendo a Claire outro anel de diamante? Seu anel de noivado já é de dezoito quilates. Não é o suficiente? —Eu quero fazer algo especial para ela, desde que ela está fazendo algo especial pra mim. —Certo.— Ele revirou os olhos. —Eu deveria saber que você iria acabar propondo. Você era um caso perdido o minuto que você me contou sobre ela. —Isso não é verdade. —É claro que não é. Você sempre me chamou à uma da manhã para me dizer sobre uma mulher qualquer que você viu em uma festa, uma mulher que você nem ao menos conversou. E você me fez localizála quatro horas mais tarde. —Foi seis horas mais tarde. —Isso faz com que seja muito menos perseguidor não é?— Ele pegou seu telefone. —Quando exatamente é o casamento? Eu preciso ter certeza que eu não faça quaisquer planos na semana. —Nós não temos uma data definida ainda.— Vi duas bandas de diamante que chamaram a minha atenção; separadamente eles eram atraentes, mas juntos eles poderiam ser deslumbrantes. Como se tivesse lido minha mente, ele pegou os dois anéis e os colocou no dedo de um outro manequim. —Você vai se casar em menos de três meses e você não definiu a data ainda? Você tinha a bola de IPO (Oferta pública inicial) planejada seis meses de antecedência e você nem sequer deseja ir.


—Vamos nos encontrar com o organizador de casamentos na próxima semana. Ele ergueu a sobrancelha, mas não disse nada. — Está Tudo bem, Sr. Statham? Sr. Walters? —O dono da loja se aproximou de nós. —Você já encontrou algo que você gosta? Enfiei a mão de plástico por cima do balcão. —Eu quero o anel para ser uma mistura destes dois projetos - não soldadas entre si, porém, que será muito grosso. E eu desejo as mesmas gravuras que discutimos antes. —Claro, Sr. Statham. Isso deve ser fácil. —Merda, eu tenho que ir ...— Os olhos de Corey se arregalaram quando ele olhou para o telefone e começou a andar para trás. — Violação de Firewall, pela segunda vez hoje. Eu te ligo mais tarde. Eu vi como os guardas o deixaram sair para fora da loja antes de concentrar a minha atenção sobre os anéis. —O que você estava dizendo, senhorita Valenti? —Que este deve ser um reparo fácil, mas ele vai me levar pelo menos duas a três semanas para aperfeiçoá-lo - Isso é um monte de pequenos diamantes e eles precisam de tempo para definir. Mas como de costume, as mensagens gravadas para Claire me fazem chorar. —Ela sorriu. —Ela tem muita sorte por ter você. —Uma vez que você está projetando o meu anel pra ela, vai coincidir com a minha aliança? Ela levantou a sobrancelha. —O quê? —Será que a minha aliança corresponde com a dela?


Ela deslizou os óculos para baixo de sua testa e tirou seu Tablet, rolando a tela para baixo. —Pode corresponder com o seu, mas desde que ela não me pediu para projetá-lo ... Eu não tenho certeza. O quê? —Ela não reservou uma sessão com você? Ela balançou a cabeça e me mostrou o tablet. —Você é o meu melhor cliente. Eu sempre empurro os seus compromissos para o topo da lista. Minha equipe sabe que a senhorita Gracen deverá receber o mesmo tratamento. Ela nunca me chamou. Nunca. Apertei os olhos para a tela - na esperança de que sua visão era o problema e que Claire tinha de fato marcado uma consulta como ela prometeu, mas não havia nada lá. Todas as compras e compromissos eram coisas que eu tinha feito: a pulseira Harry Winston, o colar de âncora, o colar do encanto de correspondência com o anel vintage, o anel de noivado, várias coisas para Caroline e Ashley, e agora isso - sua aliança de casamento. —Ela pode estar usando outra pessoa Sr. Statham.— Ela ofereceu. Ela não “sabe” de ninguém ... —Certo. Bem, muito obrigado. É um prazer fazer negócios com você como sempre. Preciso pagar por isso agora? — —Não. Eu acho que você é bom para ela.— Ela piscou e caminhou até o meu lado do balcão, levando-me até a porta. —Eu vou fazer todo o trabalho sobre isso pessoalmente e chamá-lo para uma consulta de acompanhamento para me certificar de que você goste. Estou ansiosa para o seu casamento. Perguntei-lhe algumas coisas sobre sua vida - como o que os seus filhos estavam fazendo, se qualquer um dos colegas que eu havia indicado pararam por referência, e então eu apertei a mão dela e prometi entregar pessoalmente um convite.


Assim que eu pisei fora, o manobrista trouxe o meu carro e eu lhe entreguei qualquer que seja a quantia da gorjeta. Eu estava muito por fora para contar ou se importar. Sentei-me ao volante e olhei para a frente. Por que Claire não fez o compromisso com o anel? O que diabos está acontecendo com ela? Será que ela já reservou o nosso encontro com o organizador de casamento ?! Eu rolo através do meu telefone e ligo para o número que ela tinha me dado para a empresa de planejamento do casamento. —Sonho de Casamento Associates,— uma mulher atendeu. —É Charlotte falando. Como posso te ajudar, hoje? —Eu preciso falar com a gerente agora. —Um ...— Ela fez uma pausa. —Bem, ela está atualmente ocupada no momento, mas se você me dar seu nome, eu posso tê-la retornando para você. —Jonathan Statham. Ela engasgou. —Eu sinto muito, Sr. Statham. Vou lhe transferir agora. O telefone tocou duas vezes antes de uma mulher com uma voz estridente responder. —É a senhorita Corwin. Com quem estou falando esta tarde? —Jonathan Statham. —Oh! Sr. Statham! —Sua afinação aumentou ainda mais alto. — Estou tão animada e honrada que você escolheu-me para coordenar seu casamento! Eu prometo que será o casamento do ano! Vai ser o melhor que eu já fiz! —Então, minha noiva reservou um compromisso com você?


—É claro que ela fez.— Ela parecia confusa. —Eu estou programada para se encontrar com vocês dois...— Havia papéis chacoalhando o fundo. —Próxima quinta-feira às seis. Ela me contou como você se sente sobre os pequenos detalhes, de modo que ela e eu estamos indo para atender sexta-feira para passar por cima disso sozinhas. Mas todas as características - cores, localização, data, etc será discutido quinta-feira. Estou tão animada! Mal posso esperar! —Eu também.— Eu estreitei os olhos para a foto que Ryan tinha enviado para Claire anteriormente - a foto que eu tinha deixado no meu painel. —Por uma questão de fato, eu preciso lhe fazer mais algumas perguntas ...


Capítulo Cinco Claire Horizontal e para a frente... Para trás e frente... Horizontal e para a frente... Eu teci minha agulha através do abajur, tentando fazer os pontos tão limpo quanto possível. Eu estava trancada dentro meu escritório durante todo o dia, com ordem de costura após ordem. Uma vez que as minhas luminárias artesanais foram destaque em uma revista nacional na semana passada, eu tive que contratar mais três pessoas para preencher todas as solicitações de entrada. Eu até mesmo considerei fechar a loja por alguns dias para terminar, mas todos os membros da minha equipe se ofereceram para ficar até mais tarde e ajudar. —Senhorita Gracen?— A voz de Rita veio pelo interfone. —Lisa e Sam estão indo para casa para o dia e seu noivo está na linha um. —Obrigado.— Eu peguei o telefone. —Sim, Jonathan? —Venha para casa. —Eu vou, logo após esta última peça. Eu só tenho mais doze patches para costurar. —São oito horas em ponto, Claire. Venha para casa agora. Eu suspirei. —Você não pode me dar mais quinze minutos? —Não. Agora. —Ele desligou.


Revirei os olhos e peguei a minha agulha de novo, furando-o através do fundo. Eu acidentalmente usei o tecido errado antes e eu precisava terminá-lo para uma escolha do cliente - até amanhã. Eu vou explicar isso a ele mais tarde ... Quando acabei a metade, houve uma batida leve na minha porta. —Entre—, eu disse, ainda concentrada no meu projeto. —Senhorita Gracen.— A voz profunda de Greg me fez olhar para cima. —Sr. Statham é inflexível sobre você indo pra para casa comigo agora. — Há algo errado? —Ele só quer que você vá pra casa.— Ele segurou a porta aberta e gesticulou para eu ficar de pé. —Não é negociável. Suspirando, eu liguei para Rita agradecendo a ela por ficar até tão tarde. Então peguei meu blazer e saí para frente da loja - jogando as chaves da loja para ela no meu caminho. Greg abriu a porta detrás do carro e esperou até que eu estivesse confortável antes de se retirar. —Greg?— Eu limpei minha garganta. —Sim, senhorita Gracen?— Ele olhou para mim através do espelho retrovisor. —Há quanto tempo você vem trabalhando para Jonathan? —Desde que ele começou sua companhia. —Será que ele tratava todas as suas namoradas dessa forma? As fazendo largarem o que quer que estivessem fazendo só porque ele queria vê-las? —Não.— Ele balançou a cabeça.


—Mas você as levava ao redor também, certo? Aquelas poucas namoradas sérias que ele teve? —Senhorita Gracen... —Eu só estou tentando fazer conversa para tirar da minha cabeça o fato de que ele só exigiu que eu volte para casa. Isso é tudo. —Claro.— Ele parou o carro na rampa da estrada e virou a música acima de um entalhe. —Você vai responder a minha pergunta, Greg? Ele suspirou. —Sr. Statham nunca me pediu para levar qualquer uma de suas outras namoradas. O quê? —Como elas se locomoviam quando iam a encontros? —Ele dirigiu seu próprio carro para buscá-las. —Será que ele as levou em seus iates? —Senhorita Gracen ...— Ele manteve a voz firme. —Lembro-me de alguns encontros aleatórios em seu iate dos anos passado, mas com o melhor de meu conhecimento você é a única mulher que tem ido em todos os seus iates. Com exceção de sua irmã e suas filhas, você é a única mulher que já voou em seu avião particular e você é, sem dúvida, a única mulher que eu pessoalmente tenho levado ao redor. Você também é a única mulher que ele já mostrou o seu verdadeiro lar. Agora, se você não se importar, eu preferiria não falar sobre meu patrão. Eu balancei a cabeça e me sentei no banco, completamente sem palavras. Todo esse tempo que estávamos juntos eu sempre pensei que ele tinha mostrado seu lado mais suave para outra pessoa. Sabendo que ele não tinha, me fez se sentir ainda mais especial.


Quando o carro rolou passando a saída à direita para me levar para casa, eu bati Greg no ombro. —Eu pensei que você estava me levando para casa? —Sr. Statham me ligou há alguns minutos atrás. Ele quer que eu a leve para a pista de pouso em vez disso. — —Ele está me levando em algum lugar? Sem avisar antes? — —Ele não disse mais nada, senhorita Gracen.— Meia hora depois, cruzamos a pista de pouso privado e paramos algumas centenas de metros na frente de Jonathan e seu avião. Havia vinte pessoas que estavam ao redor dele, sua tripulação, alguns de seus principais contadores, e um par de pessoas que eu nunca tinha visto antes. Ele estava andando na frente deles, sacudindo a cabeça com raiva, dando ordens de algum tipo. Greg abriu a minha porta e pegou minha mão, sussurrando um aviso. —Algo o esteve incomodando por todos esses dias ... Eu balancei a cabeça e vi como Jonathan continuou a gritar com seus empregados, algo sobre “Isto é inaceitável”, e “Por que eu estou descobrindo sobre isso apenas hoje?!” Eu fiquei tentada a dar um passo para trás e mergulhar de novo dentro do carro, mas ele olhou por cima do ombro e seus olhos azuis encontraram os meus. Ele imediatamente parou de falar e me fitou, me olhando de cima a baixo. Ele caminhou até onde eu estava e me puxou para os seus braços. Antes que eu pudesse dizer “Olá”, ele pressionou seus lábios contra os meus e enfiou a língua na minha boca - me beijando até que eu não conseguia respirar.


—Por que você tem tanta dificuldade em chegar em casa às seis?— Ele sussurrou asperamente. —Nós discutimos isso muitas vezes... —Eu acho que eu continuo esquecendo que eu tenho um toque de recolher. —Fizemos um acordo. —Você deveria ter conseguido isso por escrito. Um leve sorriso brincou em seus lábios e ele se inclinou para frente e me beijou de novo, com mais paixão desta vez. Ele acariciou minhas costas com as mãos e enfiou a língua mais e mais profundamente em minha boca. Abri os olhos e percebi que as vinte ou mais pessoas que estavam atrás de nós estavam agora olhando em nossa direção, sussurrando uns com os outros. Eu me afastei dele, corando. —Você não pode me beijar assim na frente dos seus funcionários ... —Eu posso te beijar como eu quiser. — Ele apertou minha mão e me levou até sua equipe. —Eu preciso de três conselheiros, um executivo e um estagiário. Decolamos em cinco minutos. Ele murmurou algo sob sua respiração enquanto ele me levava até o avião. Como de costume, ele olhou nos meus olhos para o que pareceu uma eternidade antes de me ajudar a subir a bordo. Ele fez sinal para eu tomar um assento em primeiro lugar e, em seguida, sentou-se ao meu lado. —Para onde estamos indo?—, Perguntei. Ele não respondeu. —Você poderia dizer a minha equipe para se apressar e decidir quem está vindo com a gente?— Ele balançou a cabeça para a aeromoça.


Dentro de minutos, alguns de seus funcionários se apresentaram na cabine. —Você vai responder a minha pergunta, Jonathan? —Não. Coloque o seu cinto de segurança. Eu pisquei e ele revirou os olhos, passando por cima do meu colo para fazendo sozinho. Eu tentei ler sua expressão para que eu pudesse ver o que ele estava pensando, mas ele estava perfeitamente estoico. —Sr. Statham, —a aeromoça disse quando olhou para mim, e não para ele. —O piloto está perguntando se você gostaria de esperar alguns minutos para a decolagem ou ... Ele segurou meu rosto entre as mãos. —Está se sentindo bem? Eu balancei a cabeça. —Podemos decolar.— Ele apertou minha mão. Eu fechei meus olhos enquanto a aeromoça lembrava sua equipe para apertar os cintos de segurança, quando o avião rugiu para a vida e se movia lentamente para baixo na pista. Enquanto subíamos no ar, eu senti Jonathan apertando a minha mão e beijando minha bochecha. Eu mantive meus olhos fechados até que ouvi o ping familiar que significava que estávamos livres para se mover pela cabine, até que ouvi a voz do piloto pelo interfone: —Estamos todos seguros agora, senhorita Gracen. Olhei para trás de nossos lugares e notei que todos os seus companheiros estavam ocupados digitando longe na tela do seus aparelhos - totalmente envolvidos com o que eles estavam fazendo. —Jonathan ...— Eu estava sinceramente preocupada. —O que está acontecendo? Conte-me.


Ele soltou meu cinto de segurança e me puxou. —Nós precisamos conversar. Agora.— Ele me puxou pelo corredor para o banheiro luxuoso do avião. Trancando a porta, ele me puxou para me encostar seu peito e retirou algo do bolso. —O que é isso?— Ele segurou uma foto de mim, Ryan e Amanda entre nós. —Onde você conseguiu isso? —Um dos meus seguranças encontrou fora de seu escritório esta manhã. Estava com uma carta - em uma caixa de Ryan. —Seus seguranças verificaram meu correio? —A partir de hoje, sim. Onde é está imagem? —Podemos discutir a questão de adulteração de correspondência em primeiro lugar? —Claire ...— —É a nossa primeira reunião da High School. —Eu pensei que você disse que nunca foi a uma. —Eu fui para a primeira, a única que foi em Pittsburgh.— Eu parei meus dedos em torno do vestido preto apertada frouxamente que eu estava usando na foto, ao redor do bracelete de ouro bonito que combinava com o que Amanda estava usando. Eu me encolhi quando eu li a anotação de Ryan —Lembre-se disso? —Isso não significa nada para você?— Ele inclinou meu queixo para cima. —Não.— Eu balancei minha cabeça. —É realmente muito irônico que ele iria enviar esta foto, porque eu me lembro disso. Lembro-me muito bem ... — Fiz uma pausa. —Eles passaram esses prêmios


cristalizados para as pessoas que ganharam superlativos no anuário sênior ... Ryan e eu tivemos o mais bonito Jovem Casal e Mais Provável para se casar, e eu e Amanda conseguimos mais prováveis de serem melhores amigas para sempre ... —Sinto muito. —Isso é passado.— Eu dei de ombros. —Onde está a carta? —Você acha que eu guardaria essa merda para você ler? —Claro que não ...— Revirei os olhos. —Agora, sobre você mexer com meu correio. —O que sobre isso? —Bem, um, é ilegal. Dois, Ryan não é uma ameaça. —Ele é quando ele quer algo que é meu. —Eu não acho que esse é o caso. Eu só acho que ele tem algo a dizer, mas eu sinceramente não me importo com o que é. —Você não deveria.— Ele estreitou os olhos para mim. —Você não deve se preocupar com ele em tudo. —Eu não... Silêncio. Ele deslizou seu polegar por baixo do amuleto de âncora do meu colar e falou lentamente. —Você não é dele mais, e eu vou fazer o que for preciso para mantê-lo longe de você porque -— Ele deu um beijo quente contra meu peito. —Você me pertence.— Fiquei em silêncio. —Você tem algum problema com isso? —Não...


—Se ele passar e deslizar pela minha segurança ...— Ele olhou nos meus olhos e colocou as mãos em volta da minha cintura. —Ou se ele entrar em sua loja de novo, ou em qualquer lugar em torno de você quando eu não estiver lá ... Você precisa me ligar. O mais rápido possível. Eu balancei a cabeça e ele puxou meu lábio inferior em sua boca, duramente prendendo-a entre os dentes durante vários segundos antes de deixá-lo ir. —Diga-me que você vai me chamar. —Sim, eu vou ... Chamá-lo ... —Eu não compartilho ...— Ele traçou meus lábios com as pontas dos dedos. —E eu nunca vou. Nunca. Eu não tinha certeza do que dizer ou como reagir quando ele me olhava assim. Eu simplesmente encarei seus profundos olhos azuis e senti meu coração batendo um ritmo totalmente novo. —Isso foi ... Isso era tudo o que tínhamos para falar?— Eu dei um passo para a esquerda e estendi a mão para pressionar a maçaneta da porta, mas ele pegou minha mão e me empurrou contra a parede. —Não. Não é só isso.— Ele estendeu a mão e puxou o clipe de prata que eu estava usando fora do meu cabelo. Ele roçou o polegar sobre meu rosto e murmurou algo que eu não entendia. Da mesma forma que eu estava prestes a pedir-lhe para repetir, o jato começou a tremer pra trás, e eu instintivamente me agarrei a ele e fechei os olhos, preparando-me para o pior. —É só turbulência, Claire,— ele sussurrou. Mas o avião estava tremendo mais violentamente então eu me agarrei a ele ainda mais cavando minhas unhas em seu pescoço.


O chacoalhar áspero continuou e eu ouvi o tremor dos armários pequenos próximo a mim, ouvi a série de pings altos que significava que era suposto estar em nossos lugares com nossos cintos de segurança afivelado. Eu não vou sentir nada se bater ... Eu não vou sentir nada ... Tirei várias respirações curtas e baixei a cabeça de Jonathan na minha. —Eu te amo... Eu não sabia por quanto tempo eu me agarrei a ele, mas depois que eu disse adeus silenciosamente a todo mundo que eu amava, eu notei que o tremor tinha parado e os braços de Jonathan estavam muito apertados em volta de mim. Havia outra série de pings, mas só para ter certeza, eu contei até sessenta antes de abrir meus olhos. Quando meu olhar encontrou o de Jonathan eu percebi que ele estava sorrindo para mim com uma sobrancelha levantada. —Estou feliz por você pensar que era engraçado.— Revirei os olhos e o empurrei, alcançando a porta. —Eu estou explodindo de rir de mim. —Pare.— Ele me bloqueou e bateu alguns dígitos em um teclado, de forma eficaz nos bloqueando dentro. Em seguida, ele abaixou a boca para a minha. —Eu não estava rindo de você, Claire. Eu estava apenas olhando para você Porque você parece bonita pra caralho hoje ... Ele hesitou, olhando como se quisesse dizer mais alguma coisa, mas ele esmagou seus lábios nos meus e me prendeu contra a porta. Eu gemi quando ele tomou o seu tempo me beijando, correndo os dedos através de cada polegada do meu cabelo. Eu nem sequer fechei os olhos para saborear o sentimento. Eu não podia.


Ele estava me ordenando a mantê-los abertos, dando-me um olhar que disse que ele estava prestes a me foder sem sentido. Sem quebrar o nosso beijo, ele deslizou as alças do meu vestido para baixo dos meus ombros e o empurrando para baixo, deixando-o cair no chão. Eu deslizei minhas mãos para suas calças, desafivelando seu cinto e descompactando sua braguilha - sentindo quão duro seu pau já estava. Eu estava começando a desabotoar seu paletó, mas ele segurou minhas mãos e colocou-as em cima da minha cabeça. Ele arrastou a língua pela minha clavícula e entre meus seios, usando os dentes para soltar a trava na frente. Quando ele finalmente o conseguiu aberto, ele rodou a ponta da sua língua em torno de ambos os meus mamilos, mordendo cada um deles até que eu murmurei seu nome. Inclinando a cabeça para trás, ele pressionou beijos de cima a baixo minha garganta e lentamente liberado minhas mãos. Ele deslizou seu polegar por baixo do lado da minha calcinha e lentamente as rasgou fora. Engoli em seco quando ele enganchou uma das minhas pernas ao redor de sua cintura, enquanto ele lentamente empurrou seu pau dentro de mim e mandou que eu envolvesse minha outra perna em torno dele. —Jonath... —Shhh ...— Ele colocou meus braços ao redor de seu pescoço e pressionou um leve beijo na minha testa. Mordi o lábio quando ele segurou minha bunda e começou a se mover lentamente comigo pra cima e para baixo. Ele apertou minhas costas contra a parede e deslizou as mãos por baixo de minhas coxas, agarrando-me mais forte conforme ele começou a bater em mim.


Não havia conversa entre nós - apenas o som da respiração pesada e o tapa de nossa pele um contra o outro. O avião balançou de novo e eu apertei meus braços em volta do seu pescoço conforme ele acelerava o nosso ritmo. Eu tentei não chorar, mas eu não conseguia evitar. —Jonathan ... Ele atraiu ambos os meus lábios em sua boca e segurou o prendeu com os dentes, continuando a dirigir-se dentro e fora de mim. Eu estava murmurando em sua boca, pedindo-lhe para soltar os meus lábios, mas ele os mordeu ainda mais difícil. Eu apertei minhas coxas em torno dele conforme os tremores começaram a fazer o seu caminho através do meu corpo, enquanto eu me sentia cada vez mais perto de um orgasmo. Porra... Ele olhou nos meus olhos, silenciosamente dizendo 'eu te amo', e nós explodimos junto - agarrados um ao outro conforme nossos corpos tremeram violentamente, quando o avião fez uma curva perceptível no céu. Ele deixou meus lábios irem e ofegou. —Eu te amo pra caralho, Claire ... pra caralho ...— Ele beijou meu rosto uma e outra vez e eu ofegante disse a ele que eu o amava muito. Ele olhou nos meus olhos por um longo tempo, acariciando minha bochecha com a palma da mão. Assim que minha respiração estava normal novamente, ele deu um passo para trás - com os nossos corpos ainda entrelaçados, e sentou-se no banquinho perto da janela. Eu tentei sair do seu colo, mas ele ainda me segurou e beijou meus lábios.


—Eu nunca vou ter o suficiente de você.— Ele acariciou minhas costas com as mãos. —Você não tem ideia do quanto você significa para mim ... —Eu faço ... Eu me sinto da mesma maneira sobre -— Minha sentença foi interrompida com um beijo quente e apaixonado. Quando ele finalmente se afastou de mim, eu tentei terminar o que eu ia dizer, mas ele me beijou até que eu esqueci completamente. Eu não tinha certeza de quanto tempo se passou com a gente sentado assim, mas a próxima coisa que eu senti foi ele lentamente se movendo-se para fora de mim e me reposicionando em seu colo. —Eu sinto que nós já fizemos tudo ...— eu murmurei. —Tudo? —Em relação ao sexo ... —Não, não é tudo.— Ele segurou minha bunda e apertou-a, arrastando um dedo entre as minhas bochechas. —Mas eu acho que devemos guardar algo para a lua de mel. Meus olhos se arregalaram em choque. —Eu também posso pensar em vários outros lugares onde eu adoraria te foder. —Você deve fazer uma lista. —Eu vou.— Ele gentilmente me aliviou fora de seu colo. —Você vai me dizer para onde estamos indo agora? —Para o único tabelião em que eu confio.— Ele se levantou e pegou o meu vestido do chão. —Ele não foi capaz de fretar um avião com tão pouca antecedência por isso estamos indo para ele em LA —Por que precisamos ver um tabelião?


—Porque você não assinou os papéis que eu enviei para o seu escritório. Eu suspirei. Ele me mandou uma caixa selada de escrituras das propriedades, os registros de propriedade do iate, e várias carteiras de investimento no início da semana. Ele tinha os entregado através de dois de seus agentes

de

segurança

com

uma

nota

manuscrita:

—Eu

quero

compartilhar tudo que eu tenho com você, antes de nos casarmos Jonathan. —Por que você está com tanta pressa?— Perguntei. —Por que você não? —Porque eu estou sendo prático. Você não acha que faz mais sentido esperar até que eu realmente tenha seu sobrenome antes de possuir com você tudo que você trabalhou tão duro para conseguir? —Não a menos que você esteja pensando em desistir de casar comigo.— Sua voz era firme. —Desde que você não decidiu assinar os papéis quando eu disse para você - quando meu banco estava disposto a fazer vista grossa, nós dois precisamos de um conjunto separado de testemunhas e um tabelião por cada série de contrato. Oh ... —Eu sinto muito ... Eu não sabia que era por isso que você fez. —E o segundo que terminar de assinar todos esses malditos contratos, vamos fazer uma parada em um hotel. —Estamos passando a noite em L.A.? —Sim. Com a nossa planejadora do casamento. —O quê? Eu pensei que estávamos nos reunindo com ela na próxima semana. Eu ainda preciso olhar através algumas revistas e catálogos para ter certeza que tenho tudo o que quero.


—Estamos fazendo isso agora, Claire. Agora. Certo. Eu sinto que você está adiando isso, e se for esse o caso, eu preciso saber por que.— Ele olhou como se ele estivesse esperando por mim para dizer alguma coisa, mas eu balancei minha cabeça. —Se não for o caso, eu preciso saber que você é tão séria como eu estou a ponto de se casar.— Ele me puxou para perto de seu peito. —Você ainda pode se encontrar com ela na próxima semana para afinar todos os pequenos detalhes, mas eu quero a data e o local definido hoje à noite. —Eu sou muito séria sobre me casar com você, Jonathan ... —Prove.

—Ok, deixe-me entender ... em linha reta— Nossa organizadora de casamentos passeava na nossa suíte do hotel tocando o lábio. Seu nome era Paris Corwin e ela era a planejadora de casamento top no país. Tinha trabalhado com centenas de celebridades, atletas estrelas mundial, e até mesmo havia sido conselheira para um casamento real no exterior. Impecavelmente vestida com um terno cinza escuro e uma blusa de cor creme, ela usava os cabelos castanhos em um bob assimétrico que vagamente lhe emoldurava o rosto em forma de coração. —Você quer que a cerimônia a seja ao ar livre de frente para o oceano, mas você não quer que seja dentro de milhas de qualquer lugar que é acessível ao público?— Ela olhou para mim. —E você também não quer que seja em uma praia? —Certo. —E você quer que a recepção seja feita num salão fechado que esteja a uma curta distância a partir do espaço da cerimônia, mas tem que ter tetos de vidro?


—Correto. Ela tirou os óculos e esfregou a testa. —Ele também tem que ser em San Francisco? Jonathan falou. —Nós preferimos isso. —Ok, bem ... Eu só vou ser honesta com vocês dois. Você pode ter que ceder em algumas coisas se você quer ter isto lá. —Algumas coisas como o que?— Eu levantei minha sobrancelha. Eu estava imaginando meu casamento a cada noite e eu não queria abrir mão de qualquer uma das minhas preferências. —Bem ...— Ela andou até a tela de projeção que ela tinha criado do outro lado da sala. Ela diminuiu as luzes e estalou o controle remoto. —Este é um retrato de The Shores Resort. É um resort à beiramar, mas eles têm um enorme salão com teto de vidro. Ela clicou novamente e outra imagem apareceu na tela. —Este é La Santa Maria Resort. Ele tem uma bela área ao ar livre que é perto da praia, mas em vez de areia há grama - que é o que você quer, mas o salão de baile não dispõem de tetos de vidro. Ela tem paredes de vidro do chão ao teto, porém, e essas paredes são vinte pés de altura. Um dos membros de sua equipe se aproximou e me entregou uma pasta branca. —Dentro dessa pasta, você encontrará resorts semelhantes que são igualmente grandiosos.— disse a Srta.Corwin. —Eles são caros, mas eles estão faltando apenas uma das coisas que você está procurando. —Todos têm as grandes passarelas para a recepção?— Eu olhei para Jonathan. —Eu quero entrar na recepção descendo as escadas, à direita antes de nossa primeira dança.


—Todas as páginas com as guias cor de rosa tem grandes passarelas. Os outros têm passarelas padrão. —Ok.— Eu suspirei. —Deixe-me ver ...— Eu abri as pasta e folheei as páginas relativamente rápido. Todos os locais eram bonitos, mas eles não tinham tudo o que eu queria, tudo o que eu tinha sonhado. —E quanto a este?— Jonathan apontou para uma página que apresentava um castelo histórico perto da praia. Era lindo: Pedras de Sol encharcadas, degraus de mármore grande, mas o salão de baile não tinha um teto de vidro e área ao ar livre para a cerimônia tinha mais sujeira do que grama. Eu balancei a cabeça e fechei a pasta. —Eu sinto muito, mas isso não é o que eu quero ... Eu não quero ceder em nada. Se nos mover para outra cidade nossas opções vão ser melhores? —Sim, senhorita Gracen. Elas realmente seriam. Deixe-me mostrar-lhe as opções.— Ela tomou um pendrive do bolso e colocou-o em seu laptop. —Vamos começar com Los Angeles. —Senhorita Corwin.— Jonathan cortou. —Você tem uma equipe completa de arquitetos em sua equipe, correto? Sim, claro. Vou me certificar de que o gazebo que você tanto deseja seja construído com perfeição. —Na verdade ...— Ele levantou minha mão e a beijou. —Eu quero que você construa o local do casamento dos sonhos da minha noiva a partir do zero. Dê a ela o que ela quer. Houve um silêncio. Um silêncio ensurdecedor. Os olhos de todos se arregalaram - incluindo o meu, e todos rostos dos membros do pessoal ficaram brancos.


Olhei para ele em choque, sussurrando: —Não, isso é insano. Você não tem que fazer isso. —É como comprar um carro. Não é nada.—Ele me beijou e voltou sua atenção para a senhorita Corwin novamente. —Você tem uma semana para encontrar um local adequado para ser comprado em San Francisco, mas eu quero o orçamento proposto na minha mesa até segunda-feira e uma lista de todas as licenças de construção que você precisa. Quanto tempo você acha que a construção vai demorar? Ela piscou. —Levaria cerca de oito a dez semanas, uma vez apuradas as licenças senhor.— Um dos membros da sua equipe falou. —Nós provavelmente teríamos que trazer uma outra empresa para ajudar, mas dependendo da altura do edifício, nós também precisariam de uma depuração de zoneamento da cidade. Isso leva meses para chegar, às vezes anos. —Eu vou cuidar disso.— Ele não parecia perturbado. —Qual é o próximo? —Hum, bem ...— Senhorita Corwin recuperou lentamente a compostura. —Nós hum ... Nós precisamos discutir os aspectos mais intrincados agora ... O esquema de cores que você tem em mente para o seu dia especial? Jonathan olhou para mim. —Eu ...— Eu ainda estava tentando envolver minha cabeça em torno do fato de que ele estava tendo o meu local de sonho construído sob encomenda. —Eu estava pensando branco anjo e champanhe como as principais cores - com notas de cor rosa, marfim, e pastel amarelo por toda parte. Nada muito pesado embora; talvez um toque de cor nas pétalas pelo corredor ou nas decorações no jantar, mas não o suficiente para que isso assuma o controle das cores principais.


—Isso soa bonito, senhorita Gracen.— Ela assentiu com a cabeça. —Podemos afinar as coisas menores na próxima semana, mas apenas para que eu tenha uma ideia sobre o número da festa nupcial ...— Ela estalou a caneta. —Quem é a sua dama de honra? —Eu tenho duas. Minhas filhas, Ashley e Caroline. —E quantas damas de honra você vai ter? —Três - minhas melhores amigas Sandra e Helen, e sua irmã Hayley. —Obrigada...— Ela rabiscou seus nomes para baixo. —Sr. Statham, quem é o melhor homem e quantos padrinhos você vai ter? —Corey Walters é o melhor homem. Eu vou ter dois padrinhos. —Muito bem. Vou trazer amostras de suas escolhas da cor na próxima semana. Ah, e enquanto eu estou à procura de um lugar para construir seu local, você poderia manter-me informada sobre o status do seu vestido? Eu sempre gosto de corresponder alguns dos arranjos florais com o tema do traje da noiva, se possível. —Você já comprou seu vestido, correto?— Jonathan apertou minha mão. —Ainda não. Eu estou indo fazer compras neste fim de semana com a minha mãe. Ele ergueu a sobrancelha, mas a Srta.Corwin continuou falando. —Eu suponho que nós estamos indo com smokings pretos para os padrinhos, Sr. Statham? —Sim. —Ótimo! Bem, já que eu tenho que encontrar um lugar para construir seu local, se vocês dois não tem nenhuma pergunta para mim ... — Ela olhou para trás e para frente entre nós, esperando por nós para dizer alguma coisa. —Eu vou ter o orçamento proposto para você


na segunda-feira, Sr. Statham. E Srta. Gracen Estou ansiosa para ver você novamente mais tarde. Nós dois nos levantamos e apertamos a mão dela, agradecendo a todos os membros de sua equipe por nos receber em tão curto prazo. Eu ajudei embalar suas pastas e posters fora e percorri com eles até o lobby. —Espere aqui.— Disse Jonathan a mim quando fomos escoltados para fora até limusine à espera, que ele havia ordenado. Assim que o carro arrancou, ele se aproximou de mim e me puxou para os seus braços. —Por favor me diga que você estava sendo modesta com ela sobre seu vestido de casamento. —Modesta? —É hediondo? Mostre-me uma foto dele e eu vou deixar você conhecer os meus pensamentos. —Não ...— Revirei os olhos. —Eu honestamente não o tenho ainda. Eu estou indo para compra-lo este fim de semana. —Você me disse que começou a fazer compras para seu vestido na semana passada. —Não, eu não fiz. —Sim. Você fez. —Ele estreitou os olhos para mim. —Essa é a razão por que você voltou para casa na sexta-feira passada.— Ele puxou seu telefone para fora e rolou através de seus textos. —Sextafeira. Cinco e quarenta e oito horas: Jonathan, eu vou estar atrasada para o jantar hoje à noite. Marquei uma consulta tardia com uma boutique de vestidos às seis. Eu prometo que vou fazer as pazes com você -. Claire —Ele ergueu a sobrancelha na expectativa de uma resposta. —Tudo bem ... Eu tinha um compromisso, mas não estava em uma loja de roupas.


—Você mentiu para mim? —Eu não poderia dizer-lhe o que era, porque isso era ... Era para o nosso aniversário. —Então, você mentiu para mim?— Ele me puxou ainda mais perto. —Jonathan,

foi

uma

consulta

marcada.

Depois

de nosso

aniversário, eu estarei feliz para mostrar-lhe a hora do compromisso no meu comprovante para que você possa ver que eu não estava mentindo para você. Eu tinha algo programado. Ele piscou. Então ele me olhou nos olhos por um longo tempo não dizendo absolutamente nada. —Eu deveria estar olhando para trás em você agora? Nós estamos jogando um jogo de algum tipo? —Eu sorri. —O primeiro a piscar realmente age como um adulto para o resto da noite? —Sim, futura esposa ...— Ele apertou sua mão na minha cintura. —Vamos jogar um jogo. É chamado, Jonathan vai ensinar Claire uma lição muito extenuante sobre mentir para ele ...


Capítulo Seis Claire Eu ainda estava no centro de uma plataforma, tentando o meu melhor para não rolar meus olhos. Eu estava em uma boutique de casamento, pacientemente contando os minutos até que Greg me levaria de volta para casa. O vestido que eu estava experimentando tinha sido selecionado por minha mãe, então eu tinha certeza de que era horrível, mas eu tinha que apaziguar ela e experimentei de qualquer maneira. —Por favor, não conduza Jonathan para longe como você fez no ano passado.— Ela fechou o zíper do vestido. —Eu quase lhe bati por isso. Eu deveria golpeá-la agora por segurança, para se certificar de que isso não aconteça novamente. Eu revirei meus olhos e olhei para mim mesma no espelho. —Isso foi há oito meses atrás. —Eu não me importo a quanto tempo foi. Se eu tivesse um bilionário quente e sexy, me perseguindo como ele perseguiu você, eu teria aceitado no momento em que ele me convidou para sair. Inferno, eu provavelmente teria dormido com ele na primeira noite também. —Obrigado, mãe.— Eu balancei a cabeça e franzi a testa para o decote do vestido. —Eu vou ter a certeza de dar esse mesmo conselho a Ashley e Caroline um dia ... Enfim, eu não tenho certeza se eu gosto desse vestido. Eu não acho que ele vai gostar também. Há perolado demasiado perolado parte superior.


Havia realmente muito de tudo sobre o vestido. Ele cobria cada polegada de mim do pescoço para baixo; tinha as mangas atadas, uma cintura de pregas, e missangas suficientes para uma aula de jardim de infância se divertir durante uma semana. —Bem, eu acho que parece tradicional—, disse ela. —Você Nunca pode errar com o tradicional. Tenho certeza de que Jonathan vai gostar de você em algo assim. —Você está fora de sua mente?— Helen caminhou para dentro da sala e imediatamente enxotou minha mãe embora. —Sem desrespeito, Sra. Gracen, mas só vamos tentar os vestidos que foram costuradas neste século -. —De preferência nesta década. Minha mãe bufou e se dirigiu de volta para a frente da boutique. Assim que ela saiu, Helen colocou alguns vestidos novos contra o rack. Virei uma das etiquetas de preço e segurei um suspiro: Setenta e oito mil dólares. Eu sabia que Jonathan não se importava com o quanto meu vestido custaria, mas cada vestido nesta loja era um pouco extremo. —Você está animada?— Helen me ajudou a sair da atrocidade. —Eu estou.— Eu não pude deixar de sorrir. Fui dormir sonhando com o nosso casamento a cada noite. —Isso é bom. Você deve estar. E para celebrar esta de bagunça — amarrando-se para baixo—, eu vou dar a você um inferno de uma festa de despedida. Estou quase terminando com os detalhes, por isso, se houver alguma pessoa que você deseja convidar, deixe-me saber. Certifique-se de dizer-lhes que tudo está em minhas mãos. —Oh, não.— Eu puxei o vestido por cima da minha cabeça. — Está bem. Eu realmente não ... —Você realmente não o quê?


—Eu não acho que queira uma festa de despedida. Eu prefiro gastar esse tempo com Jonathan ... eu ficarei feliz só com ele. —Claire ...— Ela agarrou o seu peito. —Você está prestes a se casar, o que significa que para o resto de sua vida – para o resto de sua vida, você só vai ser capazde ter um pau. Um. Pau. —Helen... —Você sabe como deprimente isso é? Você se lembra do dia que você disse a todos nós que ele propôs para você - o dia em que você viu minhas lágrimas? Eu não estava chorando porque eu estava feliz. Eu estava chorando porque eu realmente me senti mal por você. Eu não me importo o quão bom é um homem na cama - isso não é o suficiente para me fazer querer dormir com ele para o resto da minha vida. —Você vai fazer um ponto a qualquer momento em breve? —Eu vou dar você a festa de despedida mais épica de todos os tempos, independentemente das advertências ridículas de seu noivo. —Ele advertiu você? —Ele fez. — Ela sorriu. —Ele também me enviou um e-mail com algumas orientações de merda que ele quer que eu siga, algo sobre não deixar sua festa ficar muito obscena ou excessiva. Ele não quer mais do que cinco homens lá, e ele não quer que qualquer homem se aproxime dentro de três metros de você.— Ela revirou os olhos. —Mas adivinhem? Será obscena. Será excessiva. Haverá paus em todos os lugares, e caramba Claire você vai porra adorar. Agora, vire-se para que eu possa ajudar você com o próximo vestido. Eu me virei e balancei a cabeça. Ao longo das próximas horas, eu tentei vestido após vestido, mas eu não me apaixonei por qualquer um deles. Eles eram de qualquer forma muito simples ou demasiado decorativo. Além do mais a cada vez que eu tentava um vestido, Helen e minha mãe criticava como se eu não


estivesse na sala. Então elas discutiam sobre quem tinha um gosto melhor. —Você já tentou olhar em nossa sala da galeria, Sra. Statham? Quero dizer, Srta. Gracen. — Um atendente pegou um vestido fora de um cabide. —Todos os vestidos naquela sala tem um tipo de classe. —Eu não tentei.— Eu suspirei. —Qual é a faixa de preço? —Muito acessível. Eles começam em noventa mil dólares. Noventa mil dólares ?! Eu queria declinar, mas Helen e minha mãe estavam discutindo sobre véus, então eu segui a mulher para fora da minha suíte e para uma sala toda em branco. Havia apenas duas estantes de vestidos, mas eles se estendiam de uma parede para outra. Parecia que eles foram ordenados pelo tamanho, porque não havia nenhuma maneira de dizer o que cada vestido parecia; eles estavam todos cobertos de sacos de prata pura com etiquetas cor de rosa penduradas em seus lados. A atendente me rodeou com fita de medição, esticando-a em meus ombros e meus seios, segurando-a brevemente em torno de meus quadris. —Que tipo de vestido você gosta de usar em um dia normal?—, Ela perguntou. —Um dia, quando você está indo só para estar executando algumas incumbências? —Geralmente algo simples: cor sólida, a forma básica, e um decote V. —Eu vejo ... E que tal quando você vai para um encontro? —Depende...


—Bem, e sobre o seu último encontro? Que tipo de vestido que você usou? E onde foi, se você não se importa que eu pergunte. Corei apenas no pensamento do último encontro com Jonathan. —Foi em um vinhedo. Vestido de renda cor nude com um corte baixo na frente. —Certo. E você mencionou anteriormente de que você prefere os tons mais sólidos, da saia de organza, decote e corpete espartilho então ... —Ela folheou algumas cabides e tirou um vestido. —Este é o seu vestido de casamento. Lhe garanto. —O que te faz ter tanta certeza? —Eu sou a melhor.— Ela sorriu e me levou de volta à minha sala de provas. —Deixe-me saber se ele funciona para você. Eu honestamente não queria experimentá-lo, mas eu escorreguei de volta para minha suíte e andamos à direita entre Helen e minha mãe. —Você poderia me ajudar em com esses dois este últimos, por favor? Então, nós todos poderemos obter bebidas antes de irmos de volta. —E sobre a maratona de compras?— Minha mãe franziu a testa. —Jonathan me prometeu que eu poderia conseguir tudo o que eu queria. Você não tem o seu cartão de crédito com você? —Sim ...— Eu revirei meus olhos. —Eu vou ter Greg para buscála amanhã e trazer você de volta. Fiquei parada enquanto ela e Helen levaram o seu tempo me ajudando a entrar no vestido longo de seda. Eu não me incomodei em olhar no espelho à medida que puxavam e ajeitaram cada polegada dele. Eu só queria acabar logo com isso e ir para casa. Eu esperava que elas começassem a discutir sobre se elas gostaram ou não, mas ambas estavam olhando pra mim em silêncio atordoadas.


—É tão ruim assim ou bom?— Perguntei. —É absolutamente perfeito.— Os olhos de Helen se iluminaram. —Você está além de linda, Claire ... —Gostaria de colocar o véu correspondente?— Os olhos de minha mãe estavam cheios de lágrimas. Eu balancei a cabeça e me abaixei para que pudessem puxar meu cabelo em um coque e guiar o pente do véu sobre minha cabeça. —Não olhe ainda.— Helen sorriu. —Deixe-me perguntar para as atendentes por algumas jóias. Eu esperei até que ela voltou e tentei ficar o mais imóvel possível conforme ela as fixava uma coroa de flores Harry Winston em meu pescoço. Eu tentei dar uma espiada em mim, mas minha mãe segurava minha cabeça ainda e garantiu um par de brincos de diamantes para os meus ouvidos. Elas me levaram para a sala principal, onde o maior espelho estava e me ajudaram a subir em outra plataforma. Conforme elas recuaram, pude ver lágrimas caindo em seus rostos. Fora do canto do meu olho, vi as atendentes da loja sussurrando e balançando a cabeça em aprovação. Eu não poderia tomar mais antecipação. —Posso virar e olhar no espelho agora? —Sim.— Elas disseram em uníssono. Eu lentamente girei e respirei fundo uma vez que eu vi meu reflexo. Oh meu Deus... O vestido era impecável. Perfeição absoluta.


Era um vestido sem alças, com um decote, que era embelezado com uma linha fina de cristais brancos e prata cintilante. A parte superior do vestido se encaixava como um espartilho vintage e deu lugar a uma longa saia de organza com belas ondas que fluíam de meus quadris para meus dedos do pé, em uma cauda longa que drapeava para fora da plataforma. O véu era simples, mas impressionante. Ele tinha luz, acentos do laço em torno de suas bordas e sua barra roçava a minha parte inferior das costas. Eu girei e olhei por cima do ombro, notando que a joia que eu estava vestindo complementou perfeitamente os grânulos cintilantes no pente do véu. Eu não queria chorar, mas as lágrimas já tinham começado a cair pelo meu rosto. Tudo de repente parecia mais real agora; eu estava realmente me casando. —É este.— Havia um nó em minha garganta. —Este é o vestido que eu quero. Todas as atendentes aplaudiram, e a gerente se aproximou e entregou a cada uma de nós um copo de champanhe gelada. —Parabéns, Srta. Gracen— disse ela. —Eu vou trazer a nossa costureira para verificar qualquer alteração necessária. —Só para ficar claro, não são realmente lágrimas nos meus olhos.— Helen subiu na plataforma e me abraçou. —Este momento nunca aconteceu. Eu segurei uma risada e balancei a cabeça. —Eu não consigo superar o quão bonita você parece, Claire. Você está linda ... —Minha mãe enxugou os olhos com um lenço de papel. — Ele não vai ser capaz de olhar para longe de você quando você andar


pelo corredor.— Ela colocou a mão sobre o peito e chorou. —Por favor, não foda isso!

Eu sorri enquanto o mais novo conjunto de flores de Jonathan foram entregues em meu escritório no dia seguinte. Elas eram uma coleção de tulipas brancas, cor de rosa, e amarelas, com orquídeas selvagens uniformemente colocadas entre eles. Eu peguei o envelope que estava no topo e o cortei aberto: Cinco lugares onde eu adoraria Foder 5. Em um concerto lotado 4. Em um cinema lotado 3. Na sauna do nosso banheiro 2. No capô do meu Bugatti 1. Na minha mesa de reuniões ... Chame-me logo que a sua última reunião acabar. Com Amor, Seu futuro marido Eu ri e deslizei a nota em meu bolso. —Você pode enviar o meu encontro das dez agora, Rita.— Zumbi para o interfone. Fui até a minha porta e abri, esperando ver um homem idoso e sua esposa, mas em vez disso - Ryan?! —Você nunca me pareceu o tipo doméstico, Claire.— Ele tirou o chapéu e passou direto por mim. —Mas eu acho que quando você está noiva de um bilionário suas prioridades mudam. Design de interiores? Sério?— Ele zombou. —Eu aposto que posso adivinhar o que o outro — C — em C & C Charming Designs significa.


—Você não entende “caia fora” e “Eu não quero você aqui”'? Ou será que colocar o seu pau em Amanda ao longo dos anos fez você perder um pouco da sua audição? —Você sempre foi uma espertinha. Eu amei isso sobre você. —É evidente que não foi o suficiente. Dê o fora daqui porra. Ele suspirou. —Você sabe como é difícil se ajustar a uma nova cidade? Quão difícil é quando você está sendo observado e seguido por agentes de segurança onde quer que vá?— Ele balançou a cabeça. — Você se sente ameaçada por mim? —Dê. O. Fora. Porra. Daqui —Eu vou sair.— Ele caminhou em minha direção. —Mas nós precisamos conversar primeiro. Sente-se. —Eu vou se sentar depois que você sair. —Você não pode me dar cinco segundos? —Eu dei-lhe mais do que isso já.— Fui até a porta e a abri. — Além disso, eu não falo com imbecis. Eu jamais poderia dominar essa linguagem. —Você me deve isso, Claire. Só por favor, ouça. Por respeito de como você costumava se sentir sobre mim ... Por respeito com uma de nossas velhas promessas: A gente nunca esquece o seu primeiro —. —A menos que ele pegue a sua melhor amiga. As pessoas nunca leem as letras miúdas. —Claire ... —Sr. Hayes. — Greg estava subitamente de pé ao meu lado. — Seria melhor se você não pronunciasse mais uma palavra para a Srta Grace. Você não é bem-vindo no estabelecimento.


Olhos de Ryan esmaeceram e ele balançou a cabeça, olhando para mim como se ele estivesse ferido. O que há de errado com ele ?! —Você tem cinco segundos para sair por essa porta, Sr. Hayes.— Greg estreitou os olhos e Ryan saiu do escritório, olhando para mim conforme outros dois agentes de segurança o escoltaram para fora. —Eu notifiquei o Sr. Statham sobre a invasão.— Ele pareceu desapontado. —Sr. Hayes escorregou por nosso relógio hoje e conseguiu pegar um táxi até aqui. Minhas sinceras desculpas, Srta Gracen. Isso não vai acontecer novamente. Você está bem? —Eu estou bem.— Eu menti. Eu odiava Ryan com cada gota do meu ser, mas eu tinha visto aquele olhar aflito com ele duas vezes antes, quando estávamos casados: uma vez, quando estávamos sendo expulsos para fora do nosso primeiro apartamento porque não tínhamos pago o aluguel em três meses. E novamente quando eu entrei em trabalho de parto com Ashley e Caroline quatro semanas mais cedo. Definitivamente é algo sério ... —Senhorita Gracen?— Greg bateu-me para fora do meu transe. —Sim? —Sr. Statham perguntou se ele precisa vir agora. —Ele estava segurando o telefone até sua orelha. —Ele quer saber se você quer ser levada para casa mais cedo por causa disso. Eu balancei minha cabeça. —Não, diga-lhe que estou bem. Eu vou para o escritório dele depois do meu compromisso. Ele balançou a cabeça e repetiu a minha mensagem para Jonathan antes de deixar-me sozinha.


Suspirando, eu caminhei até minha mesa e afundei na cadeira. Eu balancei a cabeça, esperando que eliminaria todos os pensamentos de Ryan da minha cabeça, mas então vi um envelope branco na minha mesa. Algo que não estava lá antes. Agarrei-o e percebi que Ryan tinha provavelmente o colocado lá antes de ter sido escoltado para fora. Eu sabia que eu não deveria abrilo, que eu deveria simplesmente rasga-lo e ir sobre o meu dia, mas eu estava curiosa: Claire, Estive enviando fotos e cartas todos os dias, mas ontem à noite eu percebi que você provavelmente não recebeu nenhuma delas. Então, eu pensei que eu iria pessoalmente largar este ai. Eu não estou aqui para causar qualquer problema em sua nova vida, que parece ser muito maravilhosa em seu caminho ... Me mudei para cá há seis meses com Amanda e eu decidi não contar as meninas para que eu pudesse ter a oportunidade de falar com você sem que você desligue, mas ... Parece que você já tem feito isso. Eu gostaria de falar com você durante um café. Você pode dizer onde poderá ser, e eu juro que vou usar apenas alguns minutos do seu tempo. (Você honestamente acha que eu estaria passando por todo esse problema se o que tivesse a dizer não fosse importante? PORQUE É.) Por favor, ligue-me para que possamos encontrar-se pessoalmente. Seu primeiro, Ryan PS-Você sempre esteve bonita, mas você parece merda incrível agora :-) PSS-Eu sei que uma parte de você ainda me ama ...


Segunda-feira 01 setembro de 2014

Jonathan Você não podia deixar de se apaixonar por ... Pelo menos é isso que eu continuo dizendo a mim mesmo. Sento-me no final da mesa de reuniões e tento parecer como se eu quisesse estar aqui. Eu acabei de voltar e tive relações sexuais com raiva com Claire e eu estou começando a desejar que eu tivesse ficado com ela para o resto do dia - para se certificar de que ela enviou aqueles convites malditos. Será que realmente importa se eles são marfim ou branco? Se eles têm acentos do laço ou aquelas pérolas? Se eles têm quatro ou cinco partes diferentes do lado de dentro? Estou além inquieto porque ela me fez ficar acordado a noite toda para que eu pudesse ajudá-la a escolher entre centenas de estilos de envelope: — Creme branco com nenhuma borda? Creme branco com uma borda branca? Ou marfim e creme branco com uma borda ligeiramente sombreada? Ela também passou duas horas nesta manhã repassando os selos que estarão na parte de trás do envelope - o lugar onde ninguém porra percebe: — O selo branco vai dar o nosso casamento uma vibe mais elegante, mas o prata diz que ele vai para ser um evento de alto nível. O ouro é um pouco demais eu acho ... Mas espere, como seremos capazes de obter os selos personalizados? Talvez selos brancos com nossas iniciais em detalhes prata e ouro? Ela tem, sem dúvida dominado a arte de ficar sob a minha pele porque eu disse a ela que isso não importava, e que era melhor (melhor ...) ter esses convites enviados até o meio-dia de hoje. Mas como de


costume, ela tem que cumprir a sua quota semanal de 'fazer Jonathan irritado' e quando a chamei em sua pausa para o almoço, ela disse que estava —ainda decidindo o que [ela] deve fazer sobre os selos.— —Sr. Statham —Meu conselheiro de confiança número um? Milton, limpou a garganta. —Você ouviu o que eu disse sobre a minha proposta de um novo pacote de benefícios para todos os empregados?— —Alto e claro.— Eu sorrio e ele revira os olhos. A reunião de hoje é sobre os benefícios conjugais para os funcionários da Statham Indústrias, mas eu sei que esta é uma tentativa velada de me fazer forçar Claire para assinar um acordo prénupcial. Os meus membros do conselho estão nervosos porque eles sabem que no segundo que eu me casar com ela, ela terá automaticamente direito a uma quota de vinte e seis por cento dos Statham Industries, que, ao lado da minha é a maior ação para qualquer pessoa individual. Eles não confiam porque ela não cresceu com uma colher de prata na boca, porque acham que ela vai girar-me uma vez que a tinta em nossos papéis de casamento secar. Mas eu não acredito nisso em tudo. Eu confio completamente em Claire. Claro, ela testa os meus nervos como ninguém jamais os testaram antes, mas ela é real - frustrantemente real, e isso é o que eu mais amo sobre ela.


Capítulo Sete Jonathan —Você acha que eu não vou demiti-la porque você é família?— Eu estreitei os olhos para Hayley e balancei a cabeça. Ela estava aparecendo tarde para as reuniões, transformando seu trabalho abaixo da média, e pedindo a minha secretária para cobrir para ela quase todos os dias. —Eu acho que você não vai me demitir porque a sua noiva não deixará que você faça.— Ela sorriu. —O que faz você pensar que Claire tem qualquer controle sobre o que eu faço com a minha empresa? —Porque ela tem.— Ela riu. —Eu não estou sendo preguiçosa, Sr. Statham. Eu prometo. Eu ainda estou me ajustando da Costa Oeste e a trabalhar aqui ... E para ser justa, eu refiz todos esses relatórios horas depois que você os assinalou. Você só está sendo extra duro comigo porque eu sou sua irmã e você sabe disso. —Ok.— Eu fechei minha pasta. —Quem é o cara? —Que cara? —O cara que transformou você em uma idiota chorona em cada reunião do conselho. O cara que alimentou você nessa linha de merda sobre eu ser extra duro com você. Eu coloquei uma cláusula de bônus de oitenta mil dólares em seu contrato apenas para aparecer para trabalhar todos os dias. Tenho certeza que isso significa que eu estou sendo o mais tolerante possivel com você.


—Você acabou de me chamar de idiota chorona? —Você tem quarenta e oito horas para refazer aquela bagunça de apresentação que deu esta manhã. E desde que você não quer me dizer quem é este homem, eu estou indo para descobrir e então eu vou —Ter algumas palavras com ele, isto é, arruinar sua vida. Você realmente tem que perguntar por que eu não te digo com quem eu estou namorando mais? —Então você está namorando alguém? Ela suspirou e se levantou. —Existe alguma coisa que você precisa de mim hoje? Eu tenho uma apresentação de trinta páginas para refazer por um pedido ridículo do CEO. A palavra em torno do escritório é que ele é um idiota. —Ele também é brilhante e extremamente sexy. Ela revirou os olhos e saiu do meu escritório. Eu peguei meu telefone para ligar para Corey para que eu pudesse chegar ao fundo de sua vida secreta, mas eu detectei um envelope

vermelho

estranho

no

topo

da

minha

pilha

de

correspondência. Eu desliguei o telefone e estendi a mão para ele, notando que não havia endereço de remetente - apenas um simples — Para o Sr. Statham— escrito na frente. Este é o convite do Red Boll que Angela me contou? Eu esqueci de reservar bilhetes para mim e Claire? Abri o envelope e tirei o cartão de nota branco liso: Mr. Statham, Quão divertido me sinto sobre você se sentindo “ameaçado” por minha presença em San Francisco, por favor, esteja ciente de que eu sou um advogado e posso apresentar queixas necessárias contra você para os seguintes crimes: Perseguição, adulteração de


correio,

e

sendo

um

idiota.

Bem,

essa

última

não

é

necessariamente uma ofensa, mas assim que ele se torna um, eu vou ter a certeza para atendê-lo com os documentos apropriados. Desde que você parece que gosta de sequestrar as minhas cartas para Claire, eu pensei que iria enviar-lhe uma das suas próprios para que você possa se sentir tão especial. Aproveite seu dia, Ryan Hayes Amassei sua carta em uma bola e revirei os olhos enquanto a joguei na lata de lixo. Eu não me sentia “ameaçado” por ele em tudo. Aborrecido? Absolutamente. Irritado? Definitivamente. O fato de que ele era um advogado não significa nada para mim. Eu tinha o número do promotor público na discagem rápida e uma equipe de advogados de alto perfil que fariam suas realizações parecer como de um estudante do ensino médio. Eu realmente espero que eu consiga ver este homem pessoalmente um dia ... LOGO ... Suas cartas patéticas para Claire ainda vinham como um relógio, apesar de terem sido muito menores agora: ”Você pode se juntar a mim para apenas uma xícara de café?” “Você não pode me dar cinco minutos? Isso é tudo que estou pedindo, Claire ... “ “Eu fui uma vez o seu melhor amigo ... Lembre-se disso.“ Antes que eu pudesse chamar Greg e perguntar-lhe se havia quaisquer novas atualizações, a voz de Angela veio pelo interfone. —Sr. Statham? —Ela chamou. —Sim, Angela?


—Sua mãe está aqui. Você está disponível para falar com ela hoje? Eu hesitei. —Certo... Eu me inclinei para trás em minha cadeira e vi quando ela entrou na sala com os ombros caídos. Por alguma razão, ela parecia triste uma emoção que eu não estava acostumado a ver nela. —Você não parece muito bem.— Eu levantei minha sobrancelha. —O que há de errado com você? —Além do fato de que a minha única filha ainda não vai reconhecer a minha existência, e eu tenho que perguntar a secretária do meu filho se eu tenho permissão para vê-lo cada vez que eu aparecer em seu escritório? Eu suspirei. —O que você quer? —Eu um ... eu estava apenas fazendo algumas compras hoje no Farmer’ s Market e eu ... Eu queria saber se você queria se juntar a mim para jantar na minha casa esta noite ... Eu estou fazendo o seu favorito. —Você sabe qual é a minha comida favorita? —Macarrão. Frango Alfredo com pimenta extra para ser exata. —Eu não tenho nenhuma lembrança de você cozinhar qualquer coisa quando eu era mais jovem, então eu não tenho certeza se eu iria apreciá-lo. Agradeço a oferta, mas Claire e eu já temos planos para o nosso aniversário. Além disso, quinta-feira é a noite do jantar em família. —Certo ... Bem, isso é ... Isso é tudo o que eu vim para perguntar ... Obrigado por não me afastar hoje. —Espere um minuto,— eu disse antes que ela pudesse se afastar. Enfiei a mão na gaveta da minha escrivaninha e peneirei através de


uma pilha de envelopes. —Eu falei com Claire sobre isso e ... Ela quer que você saiba que ela não guarda nenhum sentimento de rancor sobre o que você fez com ela no ano passado. —Então, você consegue me perdoar oficialmente por tudo agora? —Não.— Eu revirei meus olhos e dei a volta na minha mesa para entregar-lhe o envelope. —Mas eu quero que você venha para o meu casamento. Seria bom ter pelo menos um de meus pais biológicos lá. Seus olhos se iluminaram e ela correu os dedos pela gravado “S” que estava assentado sobre a borda do envelope. Então ela puxou lentamente o convite para fora e ficou parada, em silêncio, lendo-o para si mesma. Eu esperava que ela dissesse algo negativo ou perguntar — quanto, custou os convites, mas ela se inclinou para frente e me abraçou. Duro. —Me desculpe, eu era tão terrível para você quando você estava crescendo, Jonathan ...— Ela chorou. —Eu realmente, realmente sinto ... Eu sei que não significa muito para você, mas eu estou muito orgulhosa de tudo que você fez com a sua vida, apesar do fodido começo, que você teve ... E eu estou feliz por você estar se casando. Eu nunca vi você tão feliz antes ... Eu olhei para baixo em seus olhos marejados, tentando não ser sugado para suas desculpas desgastadas. Ela me abraçou uma última vez e deu um passo para trás, puxando uma pequena caixa azul fora de sua jaqueta. —Eu participei de uma sessão de reabilitação ontem e todas as mulheres estavam falando sobre o quanto elas sentem em terem perdido comemorar aniversários de seus filhos quando eram mais jovens. —Pare com isso.


—Não ... Eu sei que eu perdi todos os seus aniversários e acontecimentos importantes, mas ... Aqui.— Ela apertou a caixa na minha mão e correu para fora do meu escritório sem olhar para trás. Eu defini a caixa sobre a mesa e olhei para ele, sem saber o que fazer. Eu estava honestamente tentado a jogá-la fora e esquecer que ela já passou por aqui. No entanto, tanto quanto eu a detestava por coisas que ela tinha feito no passado, eu não podia negar que ela estava tentando fazer as coisas direito. Eu desembrulhei lentamente a caixa de azul claro e hesitei antes de virar a parte superior: Um relógio de prata Audemar Piguet e uma pequena, nota manuscrita: Jonathan, Eu fui uma mãe terrível para você toda a sua vida - ainda mais terrível para o que eu fiz para sua noiva no ano passado ... Eu quero que você saiba que eu estou plenamente consciente dos erros que eu fiz E se alguma vez deixar-me voltar para a sua vida não vou cometer os mesmos erros de novo ... no grande esquema das coisas, eu não tenho muito tempo para fazer as coisas direito, mas eu vou ser grata por qualquer segundo que você escolher para compartilhar comigo a partir deste ponto ... Você merecia muito mais do que aquilo que te dei, Mamãe Ugh ... Senti que meu coração fraco se derretia, esse ponto que não me deixou desistir dessa mulher, não importa quantas vezes ela fodeu as coisas. Corri para o meu elevador privativo e segui para baixo até o estacionamento. Dirigi-me para o carro e abri a porta antes que ela pudesse fechá-la.


—Você estaria de acordo em fazer o macarrão na minha casa hoje à noite?— Eu suspirei. —Nós podemos fazer isso juntos.

Minha mãe olhou em volta da minha cozinha, correndo os dedos contra as bancadas de granito. —Você tem uma casa muito agradável, Jonathan. Combina com você bem ... —Obrigado.— Eu derramei um copo de vinho e entreguei a ela. — Você tem permissão para beber álcool ainda? Ela balançou a cabeça. —Meu erro.— Eu coloquei o copo para baixo e caminhei até a geladeira. —Cranberry, laranja ou maçã? —Cranberry. —Eu vou ter o mesmo depois.— Eu fixo dois copos e me sentei em frente a ela no bar de café da manhã. Pela última hora e meia nós tínhamos negociado receitas e fizemos um monte de frango Alfredo. As sentenças entre nós foram apenas “”Oh, eu sempre coloco queijo extra sobre o macarrão assim que está feito”, e “Eu nunca uso alho previamente embalado”. Nada pessoal. Sempre que essas palavras vazias não estavam sendo faladas, não havia nada, mas um silêncio constrangedor pairando no ar entre nós, um silêncio que revelou que ainda não nos sentíamos confortáveis um com o outro. Eu tomei um gole do meu suco e decidi dar-lhe uma tentativa. — Como você está se saindo em seu novo emprego na loja de departamento? Você está trabalhando na Saks Fifth Avenue agora, certo? —Ah não. Eu parei depois do meu primeiro dia. —Ela riu.


—O quê? Por quê? —Não era meu cenário - há demasiadas tendências da moda para acompanhar todas as semanas. Eu trabalho em um salão de beleza agora. Eu faço maquiagem e depilação de sobrancelha. —Você gosta disso? —Um monte.— Ela sorriu. —Eu sei que não preciso do dinheiro, mas eu sou realmente muito boa nisso e eu adoro ver a reação depois que alguém já fez mais de ...— Seu sorriso brilhante esmaece. —Claire não vem para o jantar, porque eu estou aqui, certo? Olhei para o meu relógio. —Na verdade, ela deve estar em casa a qualquer minuto. Sua assistente disse que ela estaria atrasada. Eu não tive a chance de dizer a ela que você estava vindo. —Oh ... Bem, ótimo. Sinta-se livre para dizer-lhe que a minha massa é dez vezes melhor do que a sua, quando ela chegar aqui. Revirei os olhos e ri. —Porque você usa orégano? —Porque ele só tem um sabor melhor e você sabe disso. Eu sabia disso, e eu tinha escrito tudo o que ela usou para que eu pudesse copiá-lo para a próxima vez. Desde que Claire ainda não estava em casa uma hora mais tarde, eu perguntei à minha mãe para fazer outro lote para que eu pudesse têlo levado de avião para o Arizona para Ashley e Caroline. Como eu e ela continuamos a falar, percebi que, pela primeira vez na minha vida, eu realmente gostei de estar ao seu redor - mesmo se nós só discutimos as coisas simples. —Obrigado por seu tempo comigo, Jonathan. Isso realmente significou muito para mim.— Ela ficou na frente de seu carro em lágrimas. —Espero que esta não tenha sido a última vez ...


Eu dei um passo para frente e a abracei. —Não foi. Vejo você na terapia na próxima semana. Ela assentiu com a cabeça e deslizou para dentro do carro, e eu esperei que saísse da garagem antes que eu fosse para dentro. Eu estava guardando o restante da massa, quando aconteceu de eu olhar para o relógio de vidro que estava pendurado na parede. Isso tem que estar errado ... Será que nós nunca o reprogramamos? Eu puxei meu telefone para verificar novamente e percebi que o nosso relógio estava absolutamente certo. Claire estava me testando. Mais uma vez.


Capítulo Oito Claire Eu puxei em nossa garagem às nove e meia. Eu não tinha ideia que a minha última consulta levaria três horas, e nenhuma ideia de que o segundo conjunto de flores que chegou ao meu escritório esta tarde tinha sido enviado por Ryan. Não foi até que eu estava fechando que eu tinha notado um pequeno cartão rosa pendurado no caule e percebi que eu tinha colocado os seus buquês por toda parte da loja com as de Jonathan. Antes de eu sair, eu tive a certeza de atirar até a última das suas rosas no lixo e lavar sua nota no vaso sanitário. Ainda assim, eu não poderia esquecer o que ele dizia: —Eu preciso enviar-lhe flores todos os dias como seu noivo bilionário apenas para obter a sua atenção? Você vai falar comigo, Claire ... ~Ryan. Estremeci só de pensar nele. Ele literalmente fazia minha pele arrepiar. Eu rolei através de meu telefone e vi que Jonathan tinha me enviado vários textos enquanto eu estava dirigindo para casa: —Onde está você? —Claire, me ligue ... —Eu chamei seu escritório a uma hora atrás, mas você não estava lá. Você está bem? —Por que você não atende o telefone?


Hoje era uma quinta-feira - uma noite de jantar em família e nosso aniversário. Ele tinha falado sobre isso durante toda a semana, fazendo amor comigo todas as noites por horas, e me dizendo como ele estava feliz que nós tínhamos estado juntos há tanto tempo. Eu liguei para ele. Sem resposta. Eu mandei uma mensagem para ele —Você está em casa?— Não houve resposta. Saí do carro e olhei para o caminho onde estacionava sua coleção, notando que seu Aston Martin estava faltando. Bom ... Eu percebi que significava que ele tinha ido embora e eu ainda tinha tempo para configurar tudo. Eu fui para a casa e na sala de jantar, determinada a acender algumas velas e preparar um pouco de champanhe para nós. Mas quando eu bati o interruptor de luz nada aconteceu. Liguei para cima e para baixo mais duas vezes e não houve efeito. Em seguida, eles de repente brilharam e escureceram. —Boa noite, querida.— Jonathan estava sentado na ponta da mesa, sorrindo. —É bom saber que você chegou em casa às seis hoje como você prometeu ... Eu estava começando a pensar que tinha esquecido o nosso aniversário. —Você me enviou uma centena de flores hoje. Como eu poderia esquecer?— Eu olhei ao redor da sala e notei que ele tinha estabelecido champanhe e uma grande bandeja de morangos que foram banhados em chocolate. Havia velas vermelhas altas à espera de serem acesas, e bem em frente de mim, do meu lado da mesa, estava uma caixa prata com o meu nome nele.


Ele se levantou de sua cadeira e se aproximou de mim, segurando-me ainda com o olhar. —Você sabe o que eu mais amo sobre você, Claire? —Só há uma coisa? —Há várias.— Ele deu um passo por de trás de mim e beijou a minha nuca, definindo a minha pele em chamas. —Mas a única coisa que eu mais amo sobre você, é que você é tão docemente teimosa. Você nunca pode ficar com o que estamos de acordo. Eu não penso mesmo que você tenta mais. —Nove e meia é extremamente tarde não é? Você pode acreditar que algumas pessoas realmente chegam em casa depois disso? Eu me pergunto como eles vivem com elas mesmos ... —Você é a pessoa que sugeriu seis horas—. Ele puxou minha cadeira e se moveu na minha frente. —Sente-se.— Sua voz era firme. —Você está tentando me intimidar, Jonathan? Em nosso aniversário? —Mandei se Sentar, Claire. Apertei os olhos e cruzei os braços, esperando por ele para parar de olhar para mim como se quisesse me curvar. —Eu não estou intimidada por você agora. Ele sorriu e apertou seus lábios contra os meus. —Você deveria estar. Meus olhos se arregalaram e eu afundei em minha cadeira. Eu o vi acender as velas altas que estavam espalhadas ao redor da sala, assisti ele pegar a garrafa de champanhe e copos e trazê-los para mim. Ele manteve os olhos nos meus enquanto ele bateu o frasco aberto e serviu cada um de nós um copo.


—Para o amor teimoso da minha vida.— Ele encostou-se à mesa e colocou um copo na mão. —No próximo ano estaremos comemorando nosso aniversário de casamento, mas por agora, agradeço por... —O primeiro dia que disse eu te amo—, eu sussurrei. Ele beijou minha bochecha e fez sinal para eu terminar o meu copo, sorrindo enquanto ele bebia até a última gota. —Eu fiz o jantar.— Ele se inclinou e beijou meu rosto novamente. —Você gostaria de comer agora? —Não há outra opção? —Há sempre uma outra opção.— Ele pegou minha mão e me puxou para fora da cadeira. —Mas, para o seu bem, eu acho que você deve comer primeiro. —Jonathan ...— Eu não podia lê-lo hoje à noite. Havia alguma coisa acontecendo em sua mente - algo que eu desesperadamente queria saber. Eu disse a mim mesma para mantê-lo juntos no meu caminho para casa, mas ele me fez molhada assim que ele acendeu as luzes. —Sim, Claire? Você estava indo para dizer alguma coisa? —Certo. Eu um ... eu preciso trocar de roupa antes de comer. Eu já volto. —Você está em casa. Basta levar o seu casaco de chuva. Você não vai precisar de sua roupa por muito mais tempo de qualquer maneira. Eu dei um passo para trás. —Eu só quero ficar confortável. Só vai levar dez segundos. —Eu tentei passar por ele, mas ele me agarrou pela cintura e puxou a jaqueta de cima de mim, deixando cair sua mandíbula, uma vez que bateu no chão. Eu poderia literalmente sentir seus olhos tomando meu corpo na falto do vestido, sentindo-o tentando segurar seu choque.


Ele colocou as mãos nos meus ombros, me olhando de cima a para baixo. Em seguida, ele respirou fundo e estreitou os olhos para mim. —Por favor, me diga que você tirou suas roupas reais na garagem e ninguém viu você usando isto hoje. Eu suspirei. Eu estava usando um conjunto de lingerie toda preta, um sutiã que quase era totalmente transparente e a calcinha com finas cordas que tinha um arco de seda em cada lado. O conjunto também tinha ligas e meias arrastão que apresentava uma fina costura de seda que viajava até a volta das minhas pernas e complementado meus estiletes vermelhos brilhantes. —Claire?— Ele estava realmente tentando se controlar. —Eu preciso de você para me responder. Agora. —Não é o que você pensa. —É melhor não ser.— Ele me olhou de cima a baixo novamente. —Alguém viu você nisto hoje? —Sim mas —Quem? —Meu instrutor. Eu fui ... Fui tomar lições. —De como enganar? —Não ... Aulas de dança - aulas de dança erótica ... Ele piscou. —Foi ideia de Helen. Ela disse que iria me ajudar a ser mais agressiva em dizer-lhe o que eu quero ... Ele ficou em silêncio por um tempo, e então seus lábios se curvaram em um leve sorriso. —Há quanto tempo você as esteve tomando? —Quatro meses ... Eu estava indo para mostrar-lhe mais tarde.


—Mostrar-me o quê? Eu corei. Mesmo que ele e eu estávamos íntimos - além íntimo, ele ainda tinha o poder de me fazer nervosa sempre que discutíamos sexo fora do sexo. —Você quer dançar para mim?— Ele girou os dedos em volta do meu rabo de cavalo. —Depois do jantar ... eu preciso mudar. —Eu não penso assim.— Ele apertou minha mão e me puxou até a sala de estar. Havia um pequeno fogo crepitante na lareira e as luzes estavam apagadas. —Onde eu deveria sentar?— Ele olhou para mim, sorrindo. —Você está rindo de mim? —Claro que não.— Ele me beijou. —Estou em êxtase. Diga-me onde sentar. —Lá ...— Eu apontei para a cadeira bordô que estava no canto. Ele andou até ela, ainda segurando minha mão. —Posso tocar em você enquanto você dança? Eu balancei minha cabeça. —Eu vou de qualquer maneira. Eu soltei a sua mão e dei um passo atrás. —Me passa seu telefone. Ele entregou-me e entrei no código-chave, sorrindo quando eu vi que ele tinha mudado o papel de parede para outra foto nossa. Eu entrei em meu e-mail e encontrei minha música de desempenho, o que o instrutor disse que trabalharia melhor.


Eu tomei meu tempo desatando o nó da sua gravata e a coloquei em volta do meu pescoço. Eu lentamente desfiz os botões de sua camisa, movendo minha cabeça afastada cada vez que ele tentou me beijar. Depois que eu o tinha fora de sua camisa, eu deslizei meus braços para ela, rebotando cada botão, tentando ignorar o olhar aquecido que ele estava me dando - os olhares que me faziam querer parar e deixar ele me foder agora. Ele suspirou e eu corri minhas mãos por todo o seu abdômen endurecido - o provocando, pressionando minha boca contra cada parte de seu peitoral musculoso. —Claire ...— Ele me puxou para o seu colo, onde eu podia sentir seu pau endurecer em suas calças. Ele segurou meu rosto entre as mãos e trouxe o meu rosto perto do seu para um beijo, mas me mudei de volta. —Você não tem permissão para me tocar ...— Eu pressionei meu dedo contra os seus lábios e olhei nos olhos dele. —Você não tem permissão para falar comigo também. Tudo o que você pode fazer é sentar ai e assistir.— Eu corri minha mão contra a enorme protuberância em suas calças. —E quando eu estiver feita, eu poderia deixar você me foder. Ele sorriu e recostou-se na cadeira com a sobrancelha levantada, já me fodendo com os olhos.


Capítulo Nove Jonathan Eu assisti quando Claire se afastou de mim, enquanto ela puxava a faixa em torno do seu rabo de cavalo e jogou o cabelo para trás. Em poucos segundos, a música que ela tinha selecionado começou a tocar e vibrantes sons suaves baixos, encheu a sala. Ela lentamente levantou minha gravata sobre a cabeça e moveu seus quadris sedutoramente. Em seguida, ela trouxe a gravata em frente ao peito, torcendo-a entre as mãos, mantendo os olhos presos nos meus. Ela desceu até o chão com ela mordendo o lábio. —É difícil para você me deixar estar no controle para uma mudança? —Você não está no controle.— Eu sorri. Ela colocou a mão em seu quadril e desfilou para mim, inclinando-se para a frente e sussurrando em meu ouvido. —Essa pergunta foi retórica, Jonathan ... Eu preciso te dar um dicionário para que você possa aprender o que essa palavra significa? Estendi a mão para dobrar ela sobre o meu colo, mas ela mudouse atrás de mim e começou a massagear meus ombros - dando beijos no meu pescoço enquanto suas mãos encontraram seu caminho até meu peito.


Assim quando eu estava começando a me acostumar com seu ritmo suave, ela moveu as mãos para longe e escorregou em torno de mim, desabotoando lentamente a camisa branca. Quando chegou ao último botão, alegremente ela abriu a camisa para mostrar a lingerie preta 'foda-me', então ela fechou de novo. Ela repetiu isso pelo menos seis vezes, até que ela finalmente deslizou a camisa fora de seu corpo e jogou-a através da sala. Quando a música chegou ao segundo verso, ela se deixou cair no chão, e esticou as pernas até ao limite máximo, espalhando-os em um amplo “V”. Então ela trouxe as pernas juntas novamente e as inclinou, trazendo-as para perto de seu peito antes que ela virasse todo o seu corpo por cima. Sedutoramente sorrindo, ela sentou-se sobre os joelhos e passou as mãos sobre seus seios - apertando-os e fechando os olhos. Eu estava tentando o meu melhor para não levantar-me e agarrála, tentando desesperadamente manter as minhas mãos em meus lados enquanto ela continuava a sorrir para mim e movendo-se por todo o chão. —Algo errado, Jonathan?— Ela levantou-se e arrastou uma das cadeiras do bar alguns pés em frente a mim. —Você não é normalmente tranquilo assim ...— Ela se sentou na cadeira com as costas de frente para mim e rolou a cabeça ao redor, jogando o cabelo por toda parte. Em seguida, ela se curvou todo o caminho para trás, usando as mãos para se apoiar no chão, e antes que eu percebesse ela capotou e foi subindo no meu colo. Eu acariciava seus quadris com as mãos, mas ela agarrou as minhas mão e as moveu quando ela começou a moer seus quadris contra mim - propositadamente rolando contra o meu pau. —Eu pensei em você hoje no trabalho ...—, ela sussurrou em meu ouvido.


Eu estava perdendo isso. Ela estava muito foda boa nisso. Ela se inclinou para trás e abriu as pernas mais amplas. —Eu pensei comigo mesma, eu me perguntava como ele vai transar comigo depois que eu tiver terminado ... Será que ele vai estar por cima?— Ela gemeu quando ela girava contra mim ainda mais difícil.—Contra a parede? Em seu colo? Eu vou transar com você como se nunca tivesse sido fodida antes... Ela trouxe seus lábios perto dos meus como se ela fosse me beijar, mas ela rapidamente se afastou e se levantou, caminhando para a parede. Ela pressionou as costas contra ela e esticou os braços para o alto, torcendo e girando os quadris com a batida, sabendo muito bem que ela estava chegando para mim. Eu me inclinei para a frente e estendi a mão para ela, mas ela chutou minha mão. —Eu não terminei.— Ela estreitou os olhos para mim e virou-se, inclinando-se para que sua bunda estivesse no meu rosto. Eu não aguento mais esta merda ... Levantei-me e a puxei contra mim, mas ela se soltou e me empurrou de volta para baixo em minha cadeira. Antes que eu pudesse dizer-lhe que esta dança tinha acabado e a empurrar contra o bar, ela abaixou-se entre as minhas pernas e descompactou minha calça. A canção foi se repetindo pela terceira vez, mas ela não fez nenhum movimento para mudar isso. Ela simplesmente descompactou minha calça e a removeu antes de puxar algo fora de seu sutiã - uma garrafa de algum tipo. Ela despejou qualquer que fosse o conteúdo por toda parte do meu pau e esfregou as mãos sobre ele, fazendo-me fechar os olhos e gemer.


A próxima coisa que eu senti foram os lábios molhados tocando a minha ponta, sua língua macia, lentamente girando em torno dele. —Deus, Claire ...— Corri meus dedos através de seu cabelo enquanto ela levou-me mais e mais profundo em sua boca, enquanto ela me trazia para a beira de um clímax. Antes que eu pudesse gozar, eu a puxei para cima e olhei nos olhos dela, na porra de reverência completa e total. Beijando seus lábios, fui buscá-la e a levei para o outro lado da sala. Eu coloquei-a através do bar e abri suas pernas separadas, rasgando sua calcinha de renda fora. Ela gemeu quando eu pressionei beijos de cima para baixo em suas coxas, conforme eu agarrei-a pelos tornozelos e joguei as pernas sobre meus ombros. Antes que ela pudesse tomar outra respiração, eu chupei delicadamente seu clitóris em minha boca e corri minha língua ao longo de suas dobras, provocando-a com cada lambida. —Ahhh ... Ahhh ... Jonathannn ...— Ela estava se contorcendo, tentando se sentar, mas eu a empurrei de volta para baixo. Beijei seus lábios molhados e inchados como se eu estivesse beijando sua boca - empurrando minha língua mais e mais, rolando-a em torno implacavelmente. Cada vez que ela gritou, eu acariciava seu clitóris com beijos mais suaves, sem mover minha boca longe dela. Seus quadris começaram a tremer e ela começou a respirar pesadamente, dizendo meu nome enquanto ela chegava mais perto e mais perto de seu orgasmo.


Senti as pernas dela tremulas - tremendo, e eu sabia que ela estava a segundos de distância de chegar, então eu levantei minha cabeça e dei um passo atrás. Sorrindo, eu me juntei a ela em cima do balcão do bar e tirei seu sutiã fora. Ela se sentou e olhou para mim em confusão. —Por que ... Por que você ... Por que você parou?— Ela ofegava. Eu pisquei e girei em torno dela, posicionando-a de quatro. Eu deslizei minhas mãos contra seus lados e puxei seu cabelo para trás. Então eu bati nela sem misericórdia, ouvindo os gritos de prazer que estavam vindo de sua boca. —Fodaaa Jonathann ... —Você é tão porra sexy, Claire ...— Eu beijei a parte de trás de seu ombro e puxei seu cabelo ainda mais difícil. —E minha... Eu mudei minhas mãos para seus seios e os apertei, duramente torcendo seus mamilos enquanto eu batia nela de novo e de novo. Ela gritou mais alto e começou a cair para a frente - quase em colapso, então eu recuou e a virei. Eu deslizei para ela de novo e olhei em seus olhos. —Eu amo você...— Eu a senti apertar em torno de mim conforme ela estendeu a mão e colocou os braços ao redor do meu pescoço. —Diga de volta.— Eu lentamente empurrei dentro e fora dela, vendo quando ela começou a perder o controle. —Diga de volta, Claire. —Eu ... Eu te amo ... Eu também te amo ...— Ela gritou e segurou-me quando nós viemos ao mesmo tempo. Seu peito arfava rápido e ela respirava pesadamente.


Inclinei-me e pressionei meus lábios contra os dela, abafando a maioria de seus murmúrios. Eu beijei cada polegada de seu rosto e dei um beijo longo e quente contra seu pescoço. Quando sua respiração finalmente abrandou, eu deslizei para fora dela e a puxei para meu colo. —Você está bem?— Eu escovei seu cabelo úmido longe de sua testa. Ela assentiu com a cabeça. —Você deveria ter me dito que estava tendo aulas. Eu não teria ficado chateado sobre você voltar tarde por causa disso. —Eu ... eu queria surpreendê-lo ... Você gostou? —Eu amei isso ...— Eu beijei seus lábios novamente e a posicionei em meu colo. —E eu vou amar te comer em qualquer posição que você mencionou pelo resto da noite. Eu acordei sozinho e rolei na cama, procurando Claire, mas ela tinha desaparecido. Quando eu estava prestes a me levantar e olhar por ela, ela entrou no quarto segurando uma bandeja de café da manhã. —Você nunca vai me dizer como o pequeno-almoço está sempre magicamente fixado e esperando para nós todas as manhãs?— Ela colocou a bandeja na mesa de cabeceira. —Não. —Você tem um contrato com um fornecedor não é?— Ela pegou um pedaço de torrada. —É por isso que você nunca prepara o café apenas almoço e jantar ... —Era suposto ser uma pergunta? —Você planeja respondê-la?


Eu a puxei de volta para a cama e beijei seus lábios. —Eu vou te dizer um dia. Ela tentou se levantar, mas eu a prendi e beijei meu caminho para seu pescoço. —Espera ... Precisamos conversar ...—, ela murmurou. —Sobre o quê?—, Eu continuei a beijá-la. —Eu estou conseguindo minhas trompas desamarradas na próxima semana. Eu quero tentar e ter outro bebê -. Seu bebê — —Desculpe-me?— Sentei-me e estreitei os olhos para ela. —O que você acabou de dizer? Ela caiu na gargalhada. —Eu queria ter certeza de que você estava prestando atenção. Era uma piada. —Por favor Diga-me mais uma. Ela apoiou a cabeça sobre um travesseiro. —Eu não quero ter relações sexuais novamente até depois de nos casarmos. Eu estava pensando sobre isso outro dia e ... Minha mente não tinha nada além de processado à primeira frase. Eu vi seus lábios se movendo, pego um pouco mais de suas palavras: “íntimo” “especial” “genuíno”, mas aquela primeira sentença tinha explodido minha mente. —O que você acha?— Foi a próxima coisa que eu ouvi dizer. —O que eu penso sobre o quê? —Sobre estar em abstinência até nos casarmos. —Isso não estará acontecendo. —Por que não?


—Porque não faz qualquer sentido maldito. Porque eu não lhe pedi para ser minha esposa para que eu não pudesse te foder. Isto. Não. Estará. Acontecendo. Ela suspirou. —Eu quero que a nossa primeira vez como casados seja especial ... —Vai ser especial.— Eu corri minha mão sobre sua coxa. —Muito especial. —Eu quero que seja como a nossa primeira vez ... —Eu peguei você em uma cozinha a nossa primeira vez. O que você está dizendo, Claire? —Você sabe exatamente o que estou dizendo.— Ela se sentou e me beijou. Então, ela falou muito lentamente. —Eu não quero ter relações sexuais novamente até que estamos realmente casados. Eu acho que vai ser bom para nós - vai testar o nosso compromisso um com o outro. Fiquei em silêncio. Chocado. Depois da noite incrível que tivemos, eu não podia acreditar que ela estava dizendo essas palavras para mim, que ela estava mesmo me pedindo para fazer algo assim. Eu balancei minha cabeça. —Eu não posso ... —Você não pode ou não quer? —Ambos. —Jonathan ... Eu a puxei para os meus braços, perto o suficiente para que nós estivéssemos boca a boca e os nossos olhos estivessem perfeitamente alinhados. —Eu sou viciado em você, Claire,— Eu sussurrei contra sua boca. —Foda viciado. Não se passa um segundo que você não esteja em


minha mente. Nenhum. Um. Segundo. Quando negócios estão vindo através de minha mesa, eu estou querendo saber como o seu dia está indo em sua loja, me perguntando se você vai rir ou sorrir para a nota que enviei com suas flores. Você não tem ideia de como é difícil para mim ficar no meu escritório quando você me manda textos sobre ir em seu horário de almoço, não tem ideia de quanto eu tenho que me conter quando você não está em casa às seis e hospedando outra reunião tarde da noite. Ela respirou fundo e eu corri meus dedos através de seu cabelo, sussurrando novamente. —Eu passo por abstinência cada vez que vamos por caminhos separados porque estar sem você por um segundo é

malditamente

perto

de

insuportável.

Então,

eu

estou

sendo

completamente porra honesto sobre o que você está me pedindo para fazer - eu não posso. Houve um silêncio espesso pairando no ar entre nós, e antes que ela abrisse a boca para quebrá-lo, eu sabia exatamente o que ela ia dizer. —Isso me faria feliz se você fizesse isso por mim, se você poderia pelo menos tentar ... Eu estive pensando sobre isso por um tempo e é algo que eu realmente quero que façamos ... —Claire ...— Eu balancei a cabeça e suspirei, desejando que eu pudesse encontrar o idiota que tinha enchido sua cabeça com este absurdo. —Se eu concordar com isso, se eu me comprometer totalmente com essa ideia absolutamente ridícula, eu quero que você saiba que eu não vou desistir até depois de nos casarmos. —Estou muito honrada por isso. —Não importa o quanto você pedir - e você vai implorar porque eu sei melhor do que você conhece a si mesma, não vou fazer sexo com você até depois já que disse que vou fazer.


—Muito obrigado.— Ela sorriu e me beijou, e eu tive que me impedir de puxa-la em meu colo. —Desde que nós vamos ter uma tarde muito chata ...— Peguei uma caixa de prata a partir da mesa de cabeceira e entreguei a ela. — Você não teve a chance de abrir o seu presente de aniversário ontem. —Você não conseguiu o resto do seu também.— Ela apontou para uma mancha branca estranha em seu pé esquerdo. —Descasque isso fora. Eu levantei minha sobrancelha e lentamente puxei para trás duas camadas de gaze e fita. Não havia nada por baixo dele, mas nada de eu parei. —Eu tive a liberdade de ter a minha tatuagem removida. Tenho recebido pedaços dela gravado retirada por meses ... —ela sussurrou. — Eu não quero qualquer parte do meu passado no nosso futuro ... Olhei para seu pé descalço, correndo os dedos contra o local onde a data de divórcio costumava estar. Então eu olhei em seus olhos, sem dizer nada - esperando que ela simplesmente pudesse ver o quanto isso significava para mim. Suspirando, eu puxei-a para mais perto. —Abra a caixa. Ela sorriu e gentilmente puxou a fita de prata, propositalmente tomando seu tempo. Em seguida, ela virou a parte de cima e leu a pequena nota escrita à mão em voz alta: —Eu te amei a primeira vez que te vi, eu te amei a primeira vez que eu te conheci, e eu vou te amar para o resto da minha vida, Jonathan... Ela passou o dedo contra essas palavras algumas vezes mais, e ficou calada quando puxou o colar de prata cintilante fora da caixa. Eu pensei muito sobre o que fazer com ela para o nosso primeiro aniversário, desde que tinha chegado tão longe do que costumava ser:


Ela não questionou a nossa diferença de idade ou teve qualquer hesitação sobre as outras pessoas sabendo que ela era minha. Na verdade, ela estava mais feliz que eu já tinha visto e ela falou sobre o nosso “para sempre” mais do que eu fiz. —Quanto você pagou por isso?— Ela sussurrou. —Isso não importa. Você é mais do que vale a pena —Eu peguei o colar de suas mãos - um fio de diamantes brilhando com um amuleto do Infinito e a palavra —amor —. Gravado dentro de seu laço. —Eu estou adicionando o mesmo amuleto para o seu outro colar na próxima semana. Eu quero adicionar um novo para ele a cada ano. Ela sorriu, e então ela balançou a cabeça. —Eu nunca disse de volta naquele dia, Jonathan ... Por que esse é o nosso aniversário quando eu nunca disse isso de volta? —Do que você está falando? —No primeiro dia você me disse que me amava no ano passado, quando estávamos na Jacuzzi juntos, eu nunca disse— eu te amo — de volta ... Eu não lhe disse até meses mais tarde naquela conferência ... Suspirei e a puxei para mais perto. —Você disse em seu sono naquela noite. Mais de uma vez ... Você diz em seu sono agora ... Ela corou. —Onde estão as suas amigas, você não está tendo sua festa de despedida? Existe uma razão pela qual eu não recebi um convite? —Porque você não está convidado.— Ela riu. —Eles não me disseram onde, mas eu tenho certeza que nós estamos indo para Vegas. Helen continua falando sobre a obtenção de sorte. Onde será a sua? —Vegas. —Isso não significa que você vai estar me vendo enquanto você estiver lá.


—Eu tenho certeza que estarei.— Eu sorri. —Quanto tempo você vai ficar fora? —Uma semana. Eu tenho que encontrá-los no aeroporto esta noite. —Você está voando em um avião comercial? Com outros passageiros que você não conhece? Ela assentiu com a cabeça. —Interessante.— Eu a empurrei para baixo em cima da cama. — Bem, já que não podemos ter mais relações sexuais, há uma coisa que eu preciso fazer para você antes de sair ...


Capítulo Dez Claire Eu estava sentada na parte de trás do carro, sorrindo e correndo os dedos pelo meu mais novo colar. Tudo o que eu conseguia pensar era na última noite a maneira que Jonathan olhou para mim enquanto eu estava dançando, do jeito que ele me beijou uma vez que eu tinha terminado. —Existe uma razão que você esteja segurando esse sorriso por meia hora?— Helen levantou a sobrancelha. —Qual sorriso? —O sorriso 'Estou completamente-bem-fodida'.— Ela revirou os olhos. —Eu sei muito bem. E esses são malditos chupões?— Ela se inclinou e tocou as marcas vermelhas no meu pescoço. —Chupões? —Aquele idiota marcou você de propósito não foi? Porque você está indo embora por uma semana e ele quer que todos os homens saibam que você está indisponível, certo? Ele é tão ridículo! Eu ri e olhei pela janela quando nos aproximamos da pista — lendo o enorme banner rosa que estava pregada em toda a porta de entrada do avião: —Para Claire liberdade

em seu último fim de semana de


Helen me disse que ela tinha originalmente comprado bilhetes de primeira classe para o vôo, mas Jonathan tinha chamado horas atrás e insistiu que nós usássemos seu jato. —Você tem o seu passaporte, Claire?— Helen olhou para mim quando Greg abriu a porta de trás. —Por que eu preciso do meu passaporte? —Porque nós estamos indo para fora do país e você precisa de um passaporte para entrar e sair dos estados. Por favor me diga que você tem. —Fora do país? Pensei que estávamos indo para Vegas. —Vegas? Sério, Claire? Eu fui lá no ano passado - estive lá, estamos fazendo isso. Nós estamos indo para Costa Rica! —O quê?! —Por que você acha que eu tenho vindo a fazer um negócio tão grande sobre isso? Eu quero que você experimente a felicidade final. Vamos.— Ela me puxou em direção ao avião. —Mas eu disse a Jonathan que estávamos indo para Vegas. —Você não deveria dizer nada a Jonathan. Esta é uma festa de despedida, Claire. Aconteça o que acontecer na Costa Rica, fica em Costa Rica – a menos que ele tenha um visto americano e eu queira trazer ele de volta para uma semana ou duas — Ela piscou e fez um gesto para eu entrar no avião. Eu pisei a bordo e tomei uma respiração profunda, apertando meu caminho através de dois carrinhos de álcool. No primeiro banco havia um enorme buquê de lírios brancos e um cartão: Cara futura esposa e dançarina exótica,


Eu não estou emocionado sobre as próximas semanas de tortura, mas eu espero que você aproveite a sua festa de despedida. (Apenas não muito.) Eu vou estar na suíte Penthouse no Palácio de César em Las Vegas esta semana, se você precisar de alguma coisa. Seu futuro marido & Secreto Fã, Jonathan PS Eu Te Amo. —Bem-vindo a bordo, senhoras!— Eu ouvi Helen dizer quando seu riso estridente encheu a cabine. Virei-me e encontrei-me cara a cara com outro conjunto das melhores amigas de Helen - Kimberly e Bobbie Jo. Elas pareciam ter saído direto fora de uma revista - de maquiagem perfeita e cabelo como de costume, o que era apropriado uma vez que eram ambas exsupermodelos. Ela conheceu as duas anos antes de ela me conhecer, e ela sempre se gabava de como ela ajudou a processar a Maybelline por milhões de dólares. Eu ainda me lembrava da primeira vez que eu as conheci, no momento em que me desafiaram a fazer uma foto de corpo com um completo estranho e me incentivaram a —escovar suavemente contra seu pau ... só para ver se ele era tão grande quanto parecia ... — Elas alegaram que isso era um passo para a obtenção de Ryan fora do meu sistema, um passo para mostrar-lhe que estava bem melhor. Eu não podia ser deixada sozinha com as três para uma semana ... Onde diabos está Sandra ?! —Legal vê-las novamente, senhoras. Eu já volto. — Eu sorri e fugi para o banheiro. Puxei imediatamente o meu telefone e liguei para Sandra.


Ele tocou seis vezes antes que ela pegasse. —Olá?— Ela estava sussurrando. —Você está no seu caminho para a pista? O vôo sai em trinta minutos. —Ohhhh, não. Eu sinto muito, Claire ... —Você não vem para a minha despedida de solteira? Você está falando sério? —Não de propósito. Eu estava embalado e pronta para ir esta manhã, mas ... Eu estou envolvida agora! —Ela gritou. —Michael fez a pergunta e ele está me levando para a França amanhã! Você pode acreditar nisso? —Havia uma voz de homem no fundo. —Espera, espera. É Claire. Dê-me mais dez segundos. —Mais dez segundos? —Eu realmente sinto muito, Claire. Eu vou compensar você por isso, eu prometo. Eu vou te levar para fora para bebidas e uma noite na cidade no segundo que eu voltar. —Você não pode me deixar com Helen e suas amigas ... Será uma coisa ou outra, não posso lidar com todas elas. —Elas são suas amigas também, Claire.— Ela estava revirando os olhos - Eu poderia dizer. —Talvez saindo com elas com mais frequência você vai parar de estar tão tensa. —Você acha que eu estou tensa? A linha ficou muda. Ugh ... Eu balancei minha cabeça e a porta se abriu. —Sexo por telefone?—Bobbie Jo entrou e virou suas longas madeixas cor de mel por cima do ombro. —É isso que você está fazendo?


—A porta estava fechada, Bobbie Jo. Ela encolheu os ombros. —Eu costumava ter sexo por telefone o tempo todo - de volta quando eu estava fazendo shows no exterior e ninguém à minha volta e falava um pouco de Inglês. Eu ligaria para casa apenas para que eu pudesse ser fodida por telefone. — —Eu não estava tendo sexo por telefone. Eu estava conversando com Sandra. —Não há necessidade de explicar. Se eu estivesse noiva de Jonathan Statham, gostaria de ter sexo com ele de qualquer maneira que eu conseguisse - a qualquer momento que eu pudesse. Aposto que ele fode como um campeão. Oh, Deus... —Claire? Bobbie Jo ?!— Helen gritou da cabine. —Estamos prestes a dar os primeiros tiros da noite! Levantei-me e segui Bobbie Jo para fora do banheiro, em silêncio, lembrando-me que esta viagem seria apenas por uma semana e que, mesmo que todas elas fossem selvagens, eu não iria deixá-las me convencer a fazer qualquer coisa que faria Jonathan chateado. —Aqui está, Claire.— Kim me entregou dois copos de shot. —Você parece muito mais feliz desde que te vi no ano passado. Você está brilhando. —Obrigado. —Se eu estivesse fazendo sexo com um bilionário todos os dias eu provavelmente estaria muito brilhante ...— Helen pegou uma garrafa de vodka e encheu nossos copos. —Falando nisso, seu amigo Corey está solteiro?


Revirei os olhos e joguei de volta ambos os tiros. Eu tinha a sensação de repente que eu estaria indo precisar de estar bebendo todo fim de semana. Helen rapidamente reabasteceu meu copo antes de segurar suas próprias bebidas para o alto. —Para os homens com paus enormes, inesgotável sexo, e para os últimos dias de Claire como uma mulher solteira! Todas nós rimos e lançamos as bebidas para trás segundos antes do comissário de bordo nos pedir para tomar nossos lugares. Sentei-me e mandei uma última mensagem de texto a Jonathan —Indo para a Costa Rica para a semana, Te amo—, e engoli duas das pílulas que ele tinha me dado. Antes que eu percebesse, eu estava olhando para a parte de trás das minhas pálpebras. —Como se pronuncia o nome deste lugar novamente?— Kim suspirou. —Peninsula Papagayo.—Bobbie Jo enunciou cada sílaba. —O Gayo rima com I-yo (referência em demonstrar excitação). —Eu só vou continuar dizendo Costa Rica ... Eu rolei em minha toalha de praia e olhei para longe. Peninsula Papagayo era um dos lugares mais bonitos que eu já tinha explorado: As águas que cercavam sua costa eram azuis como o céu, o verde luxuriante que estava atrás do resort se estendia por milhas e milhas, e pura, areia branca cobria toda as suas praias. Nós só tínhamos estado aqui por três dias, mas havia sido muito mais relaxado e descontraído do que eu pensava que seria. Quando havia chegado em primeiro lugar e verificado a nossa área privada - uma villa opulenta de seis quartos, e quatro banheiro, que estava colocado direito sobre as águas, Helen tinha me dado um folheto de viagem e me disse para escolher o que eu queria fazer.


Eu fiquei chocada que ela até pediu minha sugestão, mas por meu pedido tínhamos ido velejar, feito bungee jumping, e tomado uma caminhada de cinco milhas em uma trilha da vida selvagem. Entre bebidas coloridas, caiaque e passeios, nós tínhamos nos descontraído na praia e tomado inúmeras bebidas com guarda-chuva para passar o tempo; Eu sinceramente esperava que o resto da semana fosse o mesmo. Bobbie Jo bateu no meu ombro. —Você está relaxada o suficiente para finalmente ter algum divertimento agora? Ou será que precisamos fazer outra atividade recreativa? Assistir mais pássaros tropicais, talvez? —Foi uma caminhada dos animais selvagens. Essas aves eram bonitas. —Elas também estavam chatas!— Ela revirou os olhos. —Nós vamos sair todas as noites para o resto da semana, porque eu me recuso a fazer mais besteira - turística. Começando hoje à noite, você vai se vestir como se fosse solteira, dançar como se fosse solteira, e uma vez que você ainda não é casada -. Você está indo para agir como se fosse solteira —Concordo.— Kim levantou-se e me cobriu com a sua sombra. — Merda ao ar livre coxo nunca mais, não mais cochilos na praia, e não mais chamadas para Jonathan de madrugada. —Eu não tenho chamado Jonathan ... Ambas cruzaram os braços e deram-me olhares em branco. —Eu só o chamo uma vez por dia. —Ele está em Vegas agora!— Kim praticamente gritou. —Vegas! Ele está se divertindo ao máximo e você deveria estar também! —Eu estou me divertindo...


As duas me puxaram e me levaram em direção ao litoral, passando os braços à minha volta como se estivessem me segurando. Em seguida, elas me empurraram para uma onda que se aproximava. —Nós vamos continuar fazendo isso até que você acorde e perceba onde diabos você está.— Kim riu. —Chega de chamar Jonathan. OK? Helen vem planejando esta viagem por semanas e ela realmente quer que você tenha um bom, e sexy tempo. É por isso que ela voltou para o quarto para a tarde -. Ela está planejando o que vamos fazer hoje à noite —Ela voltou para o quarto com um barman semi nu... Ambas caíram na gargalhada e se juntaram a mim na água. —Ok, então talvez ela se cansou de fazer atividades ao ar livre por três dias seguidos.—Bobbie Jo deu de ombros. —Mas esta noite, tudo isso muda. Entendeu? Mais tarde naquela noite, Helen entrou em um vestido de verão e sorriu. —Eu sou agora um membro oficial do clube completamente bem fodida! Atraquinagem de hoje vai para baixo nas minhas dez melhores fodas de todos os tempos. —Eu pensei que você não mantinha a contagem.

—Eu não mantenho a contagem. Eu classifico embora.— Ela riu e me entregou uma enorme margarita de morango. —Você está pronta para finalmente começar a sua festa de despedida? —Não vai ser nada de louco, certo? —Claro que é.— Ela revirou os olhos. —Apresse-se e beba esse para que eu possa levá-la a primeira surpresa.


—Espera ... Bobbie Jo e Kim vem com a gente? Por que elas me abandonaram após a praia? —Beba a bebida maldita, Claire. Suspirei

e

derrubei

a

bebida

em

três

goles

enormes

-

estremecendo com a incrível quantidade de álcool que foi misturado. —Ok, agora, aqui ...— Ela me puxou para cima e fixou uma venda em torno de meus olhos. —Passo pra frente ... Cuidado com o degrau ... Acelere um pouco ... Ok, agora continue seguindo em frente ... Eu não sabia onde diabos ela estava me levando, mas meia hora depois ela ainda estava me levando ao redor. —Obrigado, senhor—, disse ela a alguém conforme ela me empurrou para a frente. Uma explosão de ar frio bateu no meu rosto e eu podia sentir os pisos lisos de fora do edifício. Eu continuei seguindo suas instruções até que ela repente agarrou meus ombros e me segurou imóvel. Limpando a garganta dela, ela tirou minha venda e eu percebi que estava de pé no meio de um enorme spa e salão de beleza. Não havia ninguém por perto, exceto Bobbie Jo e Kim, e elas estavam de pé do outro lado da sala, acenando para mim. —Antes que possa conseguir a verdadeira festa iniciada, Kim e Bobbie Jo estão indo para dar-lhe uma muito necessária reforma. —O quê? Eu não quero uma reforma. —Eu acenei meu anel na frente de seu rosto. —E eu claramente não precisa de uma. —Doce, ingênua e tola Claire ...— Ela balançou a cabeça. —Você está cometendo um erro número um de mulher casada e você não está nem mesmo casada ainda. Nenhum homem quer voltar para casa mês após mês para a mesma mulher. Você tem que mudar-se de vez em quando. Mantê-lo interessado, faça-o lembrar por que você é o -. Sim ...


Sinta-se livre para preencher toda a merda eu não acredito mesmo nisso—Ela riu. —Eu, pessoalmente, adoro o seu estilo e seu cabelo, mas você tem o usado da mesma forma por quatro anos e meio, por isso é hora de uma mudança. Além disso, eu duvido que as duas supermodelos vão estraga-la. —Você vai ficar por aqui e assistir?— Eu observei ela pisar para trás. —Claire, há um certo vapor de spa vaginal no final do corredor. O tratamento é suposto para apertar minhas paredes e fazer o sexo dez vezes mais agradável. Onde você acha que eu vou estar? —Você é uma amiga terrível. —Eu também te amo.— Ela me levou até Kim e Bobbie Jo. —Por favor, não assustem demais a Claire. Ela é praticamente inocente. Eles riram e a enxotaram embora. —Sente-se aqui.—Bobbie Jo me ajudou a se sentar em uma cadeira do salão. —Você tem muito boa simetria, Claire. Eu não tenho certeza se eu já lhe disse isso antes. —Muito obrigado. —Não não, não. Eu estava falando de você, não para você. Este é o negócio.— Ela pegou uma pinça e arrancou uma das minhas sobrancelhas. —Olhe para isso, Kim. Estes sobrancelhas não estão em conformidade com o seu formato natural. Precisamos consertar isso agora assim elas estarão perfeitamente em forma, quando ela se casar. —Você está certa ... E sobre o cabelo dela? Eu não estou me sentindo realmente bem com essa cor. Limpei a garganta. —Não. Eu gosto do meu cabelo vermelho. Kim levantou a mão e me deu um olhar. —Sabemos linda, Claire. Nós trabalhamos com os melhores, sempre com o melhor, e nós


fodidamente somos as melhores. Nós sabemos exatamente o que estamos fazendo. —O vermelho pode ficar, mas precisa de mais volume -. Jeito mais volumoso—Bobbie Jo olhou para mim como se eu fosse um projeto impossível. —Estou pensando em destaques com castanho avermelhado e um arroubo —E uma máscara facial profunda ... —E um banho de lama ... —E um grande processo de esfoliação ... As duas mantiveram-se listando tratamento após tratamento, falando de mim como se eu não estivesse sentada bem na frente delas. Um garçom apareceu do nada e estendeu uma bandeja de taças de champanhe. Eu levei dois e tomei um gole de um deles o mais rápido que pude. —Claire?—Bobbie Jo bateu em seu queixo. —Nós estamos tentando descobrir qual a cor que devemos pintar os seus lábios ... Me diga uma coisa, depois de fazer um boquete em Jonathan você cuspe ou engole? Eu cuspiu minha champanhe no ar. —Desculpe-me? —Ela engole.— Kim riu e me ajudou a levantar-se. —Bom para você, Claire! Cuspidoras são perdedoras! Jesus ... Bobbie Jo jogou a cabeça para trás e riu. —Há uma pecadora encarnada em você! Elas me levaram até uma estação com shampoo e para a próxima hora, eu estava de volta e as deixando fazer pelo menos dez tratamentos de proteínas diferentes. Quando terminaram, elas se revezavam em


escovar meu cabelo, Kim coloriu os destaques macios no meu cabelo, me prometendo que Jonathan “poderia foder [me] no local”, uma vez que ele visse “nova e melhorada” em mim. Eu tinha desistido de protestar qualquer uma de suas sugestões; Eu tinha aceitado os seus mantras —Nós sabemos o que estamos fazendo— e —Você está lidando com as melhores—. Mesmo quando insistiram que eu as deixasse colocar algum tipo de marisco gosmento no meu rosto, eu não me incomodei dizendo-lhes que eu odiava frutos do mar. Eu só segurei minha respiração e esperei acabar logo com isso. —Ok, agora relaxe ...— Kim puxou um secador de vapor soprou ar quente pelo meu cabelo. —Esta é a parte mais importante. Isto é onde nós fazemos você parecer fodível. Enquanto ela brincou, penteando, e enrolou meu cabelo, Bobbie Jo cantarolava e aplicava maquiagem em meu rosto, exigindo que eu franzisse os lábios a cada poucos segundos. De repente, senti o meu telefone vibrar e puxei-o para fora do meu bolso. Eu estava esperando que fosse Jonathan, mas era um número que eu não reconheci. Um texto. —Ouvi dizer que você está de férias em Costa Rica - Deve ser bom ... Temos de falar assim que você voltar. Eu não estou tendo um não como resposta então esteja pronta para falar - Ryan. —É Jonathan?— Kim suspirou. —Hum, não.— Eu apaguei a mensagem. —Não é Jonathan. Apenas alguém com o número errado.— Eu fechei os olhos e me sentei imóvel conforme elas continuaram a trabalhar, tentando não pensar sobre Ryan e qualquer que seja o inferno que ele queria falar. Como ele conseguiu meu novo número?


—Ok, nós terminamos.— Kim parecia feliz. —Agora é hora de ajudar com o vestido certo.— Ela colocou à venda nos meus olhos novamente e me conduziu para outra sala. Pelo que pareceu uma hora, ela e Bobbie Jo literalmente me vestiram e despiram, até que finalmente chegaram a acordo sobre o que devo vestir. —Dê a volta sexy.—Bobbie Jo tirou minha venda e me virei. —O que você acha? Uau... Eu não me reconhecia. Meu cabelo era agora um vermelho muito mais profundo e mais brilhante - com notas de loiro escuro e castanho avelã e estava com estilo pra cima - com cachos soltos e ondulados - um estilo que eu estava pensando para o casamento. Meus olhos se desviaram em direção ao vestido branco fino que tinham escolhido e eu me senti nua exposta - tal como não fazia sentido em mim usando um vestido em tudo. Bobbie Jo ergueu a sobrancelha. —Algo errado com o vestido? —Não, é só que ... É um pouco ... —Um pouco o quê? Eu balancei a cabeça para a bainha que mal roçava minha coxa, o tecido entre cruzado na frente expunha a pele debaixo dos meus seios. —Sacana. —Não é sacana!— Kim zombou. —Este é QUENTE! Todos os homens vão estar olhando para você hoje à noite! —Irei me casar.


—Mas você não tem que parecer casada.—Bobbie Jo revirou os olhos. —Esta é uma noite que você vai olhar para trás e valorizar anos a partir de agora, e nós estamos indo para ter a maldita certeza que você nunca vai esquecer ...


Capítulo Onze Claire Debrucei-me sobre o ombro de Kim quando deixamos o terceiro clube da noite. Meus pés estavam completamente entorpecidos de dançar muito, e minha garganta estava doendo desde a quantidade de álcool que eles tinham me obrigado a beber. Nós não tínhamos estado na “lista” para qualquer dos clubes então fomos para fora, mas Bobbie Jo e Kim tinham virado em seu charme, esfregaram seus seios contra os seguranças e flertaram com eles, de modo que pudemos ignorar todos e entrar gratuitamente. —Este é o último clube, Helen?— Eu me arrastei, percebendo que estávamos parando na frente de um edifício todo preto onde não havia linha. —Eu estou... Eu não tenho certeza se eu posso... Se eu aguento mais esta noite... Ela revirou os olhos. —Sim, este é o último clube. Bem, isso não é realmente um clube. É... —Ela colocou as mãos sobre os meus ombros para me firmar. —Isto é o que eu tenho preparado desde que você me disse que estava noiva. Eu sinceramente odeio perder qualquer amigo para a vida conjugal, mas desde que você quis ir por esse caminho, eu mantive esse sentimento em mente enquanto eu estava planejando cada momento dessa... Por que ela está agindo assim como se essa fosse a maior merda que ela já realizou?


—Isto é como eu quero que a sua vida de solteira chegue a um fim.— Ela fingiu enxugar uma lágrima de seu olho. —Então, por favor, me faça um favor e tente se deixar ir pelo resto da noite. Sem julgamento, não se preocupe, com nada. Você pode me prometer isso? Eu balancei a cabeça. —Diga isso, Claire. —Eu prometo. —Ótimo!— Ela abriu a porta e nos conduziu para dentro. Nós caminhamos através de dois corredores mal iluminados, onde eu podia ouvir o grande baixo da música que vinha da outra sala. O ar estava ficando mais e mais denso a cada passo que eu dava e eu estava começando a suar. Ao dobrar uma esquina, um guarda todo de amarelo se levantou e cruzou os braços de bloqueio na porta prata que estava atrás dele. —Nome—, disse ele categoricamente. —Claire Statham.— Os três disseram em uníssono. Ele olhou para todas nós, como se estivesse questionando por que estávamos lá, e então ele abriu a porta. —Tenha uma boa noite senhoras. Eu me senti sendo empurrada para dentro da sala e uma vez que meus olhos perceberam o que diabos eles estavam vendo, meu queixo caiu no chão. Jonathan vai me matar... A sala era enorme. Eu não conseguia distinguir aonde as “paredes” iam porque havia uma fumaça vermelha se infiltrando a


partir dos pisos e tetos. No entanto, eu podia ver claramente os homens seminus em todos os lugares. E por “seminus”, eu quis dizer que eles só estavam vestindo cuecas brancas apertadas e um sorriso. E uma vez que eles suavam, eu podia ver tudo. Havia um enorme palco preto na extremidade distante da sala, onde dançarinos pouco masculinos estavam se contorcendo um contra o outro, como se estivessem fazendo sexo. Havia até mesmo pessoas de pé abaixo do palco, jogando calcinhas e dólar para eles. O bar que estava a minha direita era feito todo de vidro e se estendeu até o outro lado da sala para uma parede que eu não podia ver. As palavras “Cum Shots” estavam piscando em letras neon vermelhas por trás dele, e uma longa linha de bartenders estavam freneticamente misturando as bebidas. Eu estava prestes a perguntar onde diabos estávamos, mas um homem construído como um deus grego entrou em cena na minha frente e entregou a cada uma de nós um pequeno saco de veludo. —Bem-vinda ao clube Sin, senhoras.— Ele sorriu e Bobbie Jo estendeu a mão e segurou seu pau. —Ele não é recheio.— Ela piscou para mim. —Todos aqui somos.— Ele sorriu ainda mais. —Siga-me à sua mesa. Você tem um espaço reservado na área VIP. Eu balancei a cabeça e me virei para sair, mas eles me empurraram para frente e me fizeram segui-lo através de uma sala até um lance de degraus. Nossa mesa estava bem acima da pista de dança e direto em frente do palco. O deus grego tirou uma caneta de algum lugar, e esperou por nós para tomarmos nossos lugares.


—Vocês devem sentir um pouco mais de frio aqui do que lá embaixo—, disse ele. —Mas se ficar muito quente, há uma estação de arrefecimento atrás daquela porta. —Ele apontou para um sinal abaixo que lia-se “Frio depois você lia esperma”. —Qual o tipo de bebidas posso começar pedindo esta noite para as senhoras? —Eu vou ter uma água.— Eu disse. —Em um copo... —A ignore.— Kim cobriu minha boca. —Nós todos vamos ter gozadas para começar. —E uma rodada de sexo na praia.— Helen olhou de cima e para baixo. —Com duas garrafas de sua melhor vodka e uma jarra de suco de laranja para compartilhar. Ele escreveu tudo e virou para ir embora, mas não antes de Bobbie Jo dar um tapa na bunda, rindo. —Estou tão feliz em trazer alguém de volta para a suíte esta noite. Eu balancei a cabeça e abri o saco de veludo que ele tinha nos dado à porta: Preservativos, no fundo que lia “Para o seu prazer de sopro”,

um

mini-vibrador,

algemas,

uma

venda

nos

olhos,

e

lubrificante. Montes e montes de lubrificantes. O que porra?! Deixei cair o saco debaixo da mesa e olhei para a cena que estava passando abaixo de mim na dança do chão. Um dos homens seminus foi dar a uma mulher um inferno de uma dança no colo e parecia que ela estava gostando um pouco demais. Ela estava se agarrando de costas e ofegante, gritando como se ele fosse na realidade... OH MEU. DEUS! Eu me levantei. —Eu não posso estar aqui, Helen! Que porra é esse lugar? —Clube Sin. Você não ouviu o homem dizer quando chegamos aqui? Apenas relaxe, Claire. Cada pessoa neste este lugar sabe que você


está prestes a ser a Sra. Statham e que você está fora dos limites. O a sua dança no colo será com um dominador. —Eu não quero uma dança de colo. Ela revirou os olhos quando as nossas bebidas foram colocados sobre a mesa. —Senhoras e Senhores.— Uma voz profunda veio ao longo dos alto-falantes abafando a frenética música techno. —A pista de dança será desligada em duas horas para nossos regulares. Todos os olhos nos desempenhos. Por favor, aproveite antes de fechar essa seção. —Ok, espere!— Kim deslizou todos os quatro tiros de drink esperma para mim. —Eu acho que você precisa lançar para dentro todos estes. Precisamos de você de uma maneira muito boa com as bebida antes do show começar. —Que tipo de show é esse? —É um show de cena. Eles mostram diferentes posições sexuais e eu realmente preciso de algumas novas para adicionar na minha lista de balde de sexo. —Sua lista de foda.— Corrigiu Bobbie Jo. —Atire de volta as bebidas para que possamos dançar, Claire. Agora. Suspirei e joguei para trás o primeiro com gritos altos e estremecendo com o quão amargo era. —Dois! Três! Quatro! —Elas aplaudiram e empurraram outra bebida na minha mão, logo que eu terminei o último tiro do drink esperma. Tomei mais alguns goles e antes que eu percebesse, eu estava sendo puxada para a pista de dança. A sala estava girando e tudo estava borrando junto, tanto que eu não tinha certeza se o que meus olhos estavam me mostrando era


verdadeiro: Um policial oficial seminu estava se esfregando contra mim, balançando os quadris ao ritmo enquanto eu lutava para manter o equilíbrio. Helen estava moendo contra dois homens ao mesmo tempo, e Bobbie Jo e Kim foram imprensados em outro deus grego se esfregando todo. Fora do canto do meu olho eu vi pessoas fazendo fila em um tipo diferente de bar. Não havia garrafas de álcool ou copos pendurados atrás de sua parede: Havia correntes, cabos, chicotes, e muitas coisas de metal que eu não reconhecia. Eu assisti um par comprar uma longa corrente de prata, e levantei minha sobrancelha enquanto eram levados para fora da sala e através do lugar de fumantes por um segurança em algum lugar que eu tinha certeza que eu não queria saber. Tonta e confusa, eu lentamente me libertei do abraço suado do desconhecido e voltei para a nossa seção VIP. Olhei para o meu telefone e percebi que tinha um texto. Jonathan: —A sua nova reforma é tão sexy porra. Mal posso esperar para vê-la em pessoa. Ligue-me assim que você voltar para seu quarto. Eu estava muito confusa e desorientada para sequer pensar em falar com ele hoje à noite. Eu não queria escorregar e lhe dizer alguma coisa sobre este clube. Nunca. —Você está bem, Claire?— Kim colocou a mão na minha testa. — Eu vi você dançando com aquele policial. Estou orgulhosa de você! Você está aprendendo! —Ela se sentou e me entregou uma garrafa de água. —Helen não estava mentindo para mim, certo? Este é realmente o último clube? —É... Pode ser que você e eu estamos voltando para casa juntas.— Ela apontou para o canto onde Bobbie Jo atualmente estava com a mão para baixo nas cuecas de um bombeiro e Helen estava moendo contra um conjunto diferente de homens.


Eu balancei a cabeça e tomei goles lentos de água, saboreando cada gota fria. Assim quando eu estava, finalmente, quieta, um xerife com sua bunda nua pegou a garrafa da minha mão e se posicionou sobre meu colo. —Oh meu deus, não... não... NÃO... — Eu arrastei. —Por que o seu pênis está para fora?! Eu não... Eu quero que você possa... pode ao menos colocar suas cuecas sobre isso?! —Não se preocupe.— Ele sorriu. —Seus amigos me disseram para ser mais gentil. —O quê?!— Eu fechei meus olhos enquanto ele “dançou” contra mim. Ele estava gemendo e usando meus ombros para se apoiar, dizendo: Eu aposto que seu noivo não se da a você assim. Quando eu finalmente abri meus olhos novamente, ele tinha ido embora e todo mundo estava de volta na cabine VIP. As luzes do clube foram escurecidas e as palavras da “cena espetáculo” estavam piscando nas luzes brancas em toda a etapa. —Eu acho que eu já tive o suficiente por uma noite.— Eu me levantei. —Isso tem sido muito divertido, mas eu acho que deveria voltar. Helen me puxou de volta para baixo. —Sente-se, Claire. Temos mais quatro horas e estamos usando todos os último segundo! Além disso, o DJ acaba de anunciar que o grupo de dança Twerk1 antes mesmo do show começar. —Twerk? Eu ainda quero saber o que isso significa? Bobbie Jo se levantou e inclinou-se ligeiramente, colocando sua bunda na minha cara. Em seguida, ela preparou o chão com as mãos e começou a saltar sua bunda para cima e para baixo, se movendo mais perto e mais perto de mim. 1

dança sexual.


—Beijinhos nelesss...— Ela dançou mais alguns segundos antes de rir de pé. —Agora, imagine homens fazendo isso com paus duros e cuecas apertadas e ahhhh... Céu... —Soa emocionante.— Revirei os olhos e me servi um grande copo de vodka. Sem suco de laranja. Joguei-o de volta e apertei meu queixo com a sensação de queimadura rolando na minha garganta. Quando eu estava me servindo outro, um grupo de homens entraram no palco preto em cuecas pretas que perfeitamente destacavam seus paus enormes, e eles começaram a dançar com uma batida techno alto. Eles estavam em sincronia uns com os outros, se curvando apenas como Bobbie Jo tinha feito. Mas em vez de sacudir suas bundas, eles tremiam seus paus fazendo tocar o chão com cada movimento reduzido. Eles esfregavam as mãos sobre o peito suado, piscando para várias mulheres no meio da multidão. E então, um a um, eles começaram a dançar “Twerk” no solo, e lentamente removiam suas cuecas. —Oh. Meu. Deus... —Nós todos dissemos em uníssono. Eu tinha certeza de que minha boca estava escancarada com a pura perfeição de seus corpos suados e deleitável, na imensidão, e eu balancei esses pensamentos e bati no ombro de Helen. —Será que realmente precisamos ficar aqui para obter amostra de sexo? —Claro que sim, estamos... Oh, Deus!— Ela olhou para o relógio. —Você não obteve a sua massagem ainda. Você precisa obtê-la antes que o salão feche. Por que foi incluído no pacote. —Ela acenou para a barra.


—Massagem? Sério, Helen? Você não sabe o que a frase “eu-soucasada” significa? Isso significa que eu não posso agir como você. E quem diabos escolheu este clube? —Você ouve algo, Bobbie Jo?— Ela me ignorou. —E você, Kim? Eu podia jurar que todos nós discutimos sobre alguém se deixar ir antes que entramos pela porta que hoje à noite. Bobbie Jo balançou a cabeça. —Não, eu não ouvi nada. Mas você vê que o homem está à beira de encenar? —Ela lambeu os lábios. — Deus, eu gostaria de lamber seus mamilos penetrantes... e seu peito e... sua... tudo. Kim e Helen atirou olhares em branco. —De qualquer forma...— Eu suspirei. —Jonathan não gostaria de me ver ser tocada por outro homem, especialmente um seminu, fazendo massagem profissional ou não... —Claire...— Helen revirou os olhos. —Eu nunca, nunca iria sugerir qualquer coisa que possa fazer o seu louco, ciumento e arrogante noivo chateado com você. Tudo o que você fez esta noite foi dançar, beber em excesso, e experimentar a dança de colo mais falha do mundo. —Ele estava nu. —Ele mal tocou você. E você sabe algo mais? —Boa noite, senhoras.— Um Deus sol perfeitamente bronzeado pisou em nosso estande. —Quem está recebendo a massagem de hoje à noite? Eu não conseguia encontrar palavras para dizer. Ele era absoluta perfeição, ainda mais atraente do que os homens que tínhamos visto no palco.


Helen transou com os olhos para ele por alguns segundos antes de olhar para mim de novo. —Como este homem é perfeito... Eu fiz especificamente claro que A) O seu massagista deve ser gay e B) Deve ser uma massagem de vapor, assim mais uma vez, ele quase não vai tocar em você. Confie em mim, ele não quer você de qualquer modo... E é uma pena. Pisquei e olhei para o Sr. Perfeição novamente. —Eu tenho um namorado.— Ele deu de ombros e pegou minha mão. —Eu não vou te machucar. Além disso, são apenas quinze minutos. Joguei para trás outro tiro e relutantemente peguei sua mão. Ele se apresentou para mim como Sean e me levou para baixo de dois corredores escuros, em uma sala que assustou a merda viva fora de mim: Havia chicotes e correntes penduradas no teto, velas vermelhas queimando lentas que quase cobriam todo o piso, e incontáveis engenhocas de metal que se projetavam para fora das paredes. Olhei em volta para a mesa de massagem e o vi no canto. —Este é o melhor quarto disponível para uma massagem?— Perguntei. —Há algum problema? —Não, só... As pessoas realmente vêem aqui para fazer essas coisas?— Eu puxei um par de algemas que pendia a partir da parede. — Este é um clube de sexo? —Você está descobrindo isso apenas agora?— Ele me levou até a mesa. —Mas, para responder sua pergunta, Sim. Meu ex usava para obter um pontapé real fora disto. Ele adorava. —Dor?


—Não se tiver mente fechada.— Ele parecia ofendido. —É a linha fina entre o prazer e a dor que transforma as pessoas . Olha, vem aqui. —Ele puxou meus braços por cima da minha cabeça e garantiu uma corda em volta deles. —Eu vou te mostrar algumas coisas que você pode levar para casa para o seu noivo. Está sentindo dor? —Não. Ele apertou a corda e as cerdas começaram a esfregar na minha pele. —Que tal agora? —Sim. —Ok, bom. —Bom? Ele acenou e deu alguns passos para trás. —Então, agora seus braços estão suspensos no ar e você não tem total controle de si mesma. Você está enviando a energia restante e significativa aos outros. —Tenho certeza que ele gostaria disso...— eu murmurei. —Hmmm... Que tal adicionar isso também?— Ele ergueu meu corpo para cima do chão por algumas polegadas. Em seguida, ele espalhou minhas pernas largas e apertou cada um dos meus tornozelos para pesos pesados. —Como você está se sentindo agora? —Eu bebi um monte de álcool esta noite... Eu honestamente não tenho certeza se isso realmente está acontecendo ou não... Ele riu e se aproximou de uma mesa, desembrulhando uma caixa preta. —Nós vendemos kits de prazer no momento em que é feita as compras no andar de cima, mas vendo como você está Sra. Statham, eu vou ter certeza de que você obtenha um monte disso de graça. —Ele


trouxe a caixa se aproximou de mim e me mostrou vários vibradores de brinquedo em estado da arte para prazeres menores. —Você acha que você estaria disposta a tentar algumas das coisas mais ousadas em casa?— Sean fechou a caixa e fez um gesto com as outras coisas no quarto. —Os meus olhos estão vermelhos? Olhando inchado para você? Ele sorriu e apertou minha bochecha. —Eu acho que você vai aquecer ele um dia. Eu vou pegar o vapor e algumas garrafas de água a partir da próxima porta. Vou lhe desamarrar e em seguida estarei de volta. Esperaremos que mais de dez segundos com isto, irei convencê-la a experimentar, certo? Eu ri de seu entusiasmo e balancei a cabeça enquanto ele se afastava. Olhei ao redor do quarto novamente, perguntando por que eu nunca duvidei de Helen quando ela prometeu um “Acima do topo” geralmente. Ela tinha realmente superado a si mesma e a semana ainda não foi terminada. Tentei mover minhas pernas e descer, mas foi inútil. Só tinha estado aqui alguns segundos, mas parecia como se estivessem caindo no sono. Com a quantidade de álcool que corria em minhas veias, eu sabia que estava prestes a desmaiar se eu não saísse em breve. Eu vou ter um inferno de uma ressaca amanhã... Meus olhos estavam lutando para se manter aberto e o calor das velas estava me fazendo suar. Eu desejei ter, pelo menos, me amarrado mais perto da porta, ou pelo menos devia tê-lo enfrentado, para que eu pudesse estar mais perto das saídas de ar. —Sean!—, Gritei.


Eu ouvi a porta se abrir e eu suspirei, aliviada. —Olha, Sean. Você não precisa me dar uma massagem. Apenas me deixe ir e eu vou mentir com isso e dizer que tudo foi ótimo. Estou começando a me sentir um pouco —Este é o tipo de merda que gira sobre você, Claire?— O som da voz de Jonathan fez meu coração bater dez vezes mais rápido. —Jonathan?!— Eu o senti beijar a minha nuca. —O que diabos você esta fazendo aqui? Ele pressionou um beijo contra a minha pele, ignorando a minha pergunta. Ele passou as mãos de cima para baixo nos meus lados e eu podia senti-lo sorrindo. —Então, havia alguma verdade no que você disse ao nosso terapeuta sobre nossos problemas de intimidade? Você não está satisfeita com nosso sexo regular? —Sexo tradicional.— Eu disparei de volta e o ouvi rir. —Estou aprendendo tantas coisas novas sobre você ultimamente, futura esposa... Primeiro, você ter aulas exóticas depois do trabalho, e agora você está em cativeiro... Existem mais segredos que você quer me dizer antes de amarrar o nó? Como o que você tira para o dinheiro extra nos fins de semana? Revirei os olhos. —Você poderia se apressar e me desamarrar, por favor? —Desatar você? Por que eu faria isso? —Ele plantou beijos abaixo do sulco exposto das minhas costas. Então ele garantiu que as cordas estivessem ainda mais apertadas em torno de meus pulsos. —O que você está fazendo?! Ele deu a volta para me encarar. —Você estava prestes a deixar que outro homem toque em você? —Você realmente não vai me soltar?


—Parece que você estava prestes a deixá-lo tocar o que é meu...— Ele deu um passo para frente e beijou meus lábios, deslizando as mãos por baixo do tecido do meu vestido. —É assim que você normalmente se veste pelas minhas costas? Este vestido mostra tudo... Você poderia muito bem estar nua... —Solte-me. Agora, Jonathan. —Eu não penso assim.— Ele me beijou novamente, sussurrando: —Eu não sei mais quem você é, Claire... Deixei escapar um suspiro, mas eu não tive a chance de dizer mais nada porque ele apertou os lábios fechados com os dedos. Olhando para mim, ele envolveu seu outro braço em volta da minha cintura. —Eu não dou à mínima se ele é gay. Outro homem não vai tocar em você. Nunca. Está claro? Eu balancei a cabeça. —Diga. —Está claro. Ele olhou para mim mais alguns segundos antes de me deixar ir. Ele caminhou até a mesa e agarrou a caixa que Sean tinha aberto. Então ele definiu atrás de mim e murmurou algo para si mesmo que eu não podia ouvir. Tentei virar e ver o que ele estava fazendo, mas foi inútil. Eu não conseguia mover minhas pernas, e as cerdas da corda estavam realmente começando a doer. De repente, o senti pressionando beijos contra a traseira de meus ombros, chegando em torno de mim e apertando meus seios. —Você gostou de estar em abstinência esta semana?— Ele soou divertido.


—Foi à melhor semana da minha vida. —É assim mesmo? —Sim. Tem sido muito divertido, eu acho que eu não quero ter sexo nunca mais. Ele soltou uma risada baixa e gentilmente puxou minha cabeça para trás pelo meu cabelo até que eu estava olhando para ele. —Eu acho que a última semana e estas noites têm sido as piores noites de sua vida... Eu não disse nada. Eu mantive o sorriso leve no rosto e olhei em seus olhos. —Eu acho que você já jogou e virou em seu sono desejando que eu estivesse aqui, para que eu pudesse ajudar a aliviar a dor da saudade entre suas coxas. —Ele baixou a voz. —E eu sei que você já acordou todas as manhãs, estendendo a mão para mim... —Ele puxou meu cabelo um pouco mais e apertou seus lábios contra os meus para um beijo de cabeça para baixo. —Porque eu alcancei para você... Meu coração acelerou e eu levantei minha cabeça para frente. — Por favor, me solte... Ele não respondeu, então eu me repetir. Nada. —Jonathan?— Eu chamei o nome dele e tentei inclinar minha cabeça para trás, mas eu o senti pressionando um vibrador zumbindo contra mim. —Será que você arrumou um desses na sua mala?—, Ele sussurrou em meu ouvido. —Sim, não.


—Você tem certeza?— Ele me segurou firme com a outra mão. — O roxo único e infame estava faltando de seu armário no outro dia... —Você estava planejando usá-lo em si mesmo, enquanto eu tinha ido embora? Pacientemente esperando a oportunidade? Ele arrastou o vibrador em torno de meu estômago e me puxou de volta contra ele, deixando-me sentir o seu pênis endurecido contra a minha pele. —Eu pensei que nós concordamos com nenhuma auto prazer ou... — Ele suavemente mordeu meu ombro. —Você está me traindo com um vibrador? Minha voz ficou presa na minha garganta enquanto ele arrastou a outra mão contra meus lados, até o limite dos meus pulsos. Ele começou a esfregar a palma da mão contra a corda, fazendo escoriações em minha pele. —Jonathan... Isso dói... Continuou esfregando contra ele, forçando as cerdas para rasgar lentamente em minha carne, e de repente ele parou. Eu ouvi um barulho tilintando em cima de mim, o som áspero de moagem de metal contra metal. Então eu senti meu corpo lentamente inclinando e virando até que eu estava de cabeça para baixo com as minhas pontas dos dedos emaranhadas no chão. Olhei para cima e vi Jonathan de pé no meio das minhas pernas, e eu engoli. —O que é que você está fazendo? Ele arrancou minha calcinha e deslizou sua língua entre as minhas pernas, me fazendo chorar. Ignorando meus gemidos, ele segurava uma garrafa estranha em cima de mim e apertou, permitindo que o líquido quente regue em cima de mim.


Fechei os olhos quando o sangue subiu à minha cabeça, quando ele abaixou a cabeça novamente e deslizou sua língua provocativamente em mim. Comecei a relaxar quando ele estabeleceu um ritmo torturante: colocando a sua língua dentro e fora de mim, a girando contra o meu clitóris, beijando francês meus lábios... Senti minhas entranhas tremendo, implorando por mais, mas ele parou. Eu olhei para ele confusa ansiando que ele continuasse, mas ele riu e agarrou algo fora da mesa. Antes que eu pudesse dizer qualquer coisa, ele bateu na minha bunda com um chicote de couro. Duro. Gritei e ele bateu novamente. E de novo. —Isto é o que você honestamente gosta?— Ele colocou a ponta do chicote entre as minhas pernas, batendo-o contra os meus lábios inchados. —Eu não estou indo para vira-la de cabeça para cima, a menos que você me diga a verdade... É isto o que você gosta? Eu não respondi. Eu só gemi quando ele deixou cair o chicote no chão e posicionou seu pênis contra a mim. Eu me preparei para o pouco controle utilizando um sexo muito necessário que eu tinha que flexionar meus quadris, mas ele agarrou minha cintura e me segurou. —Você sabe o quão difícil é não te foder agora, Claire?— Ele esfregou seu pênis contra mim e para trás, uma e outra vez, mas não me penetrou. Eu raspei minhas unhas contra o chão para desviar algum prazer, e tentei não chorar de absoluta frustração. Eu falhei. —Por favor, Jonathannnn...


Ele deslizou dois dedos dentro de mim, gemendo uma vez que ele sentiu como eu estava molhada. Ele deslizou lentamente para dentro e para fora, fazendo ambos gemer com cada golpe profundo. Eu balancei a cabeça e mordi meu lábio, lhe implorando para me levantar e me foder, mas ele respondeu cada uma das minhas súplicas com um beijo carinhoso contra as minhas coxas. Ele continuou a me torturar com os dedos, e os meus pensamentos se tornaram nebulosos. Comecei a me sentir tremores familiares viajando para cima e para baixo do meu corpo. —Ohhhh, deus...— Eu comecei a tremer em convulsão, me preparando para deixar ir. Mas ele não me deixou gozar. Ele me virou de cabeça para cima em segundos e olhou nos meus olhos. Segurando o vibrador contra o meu clitóris, ele trouxe seu rosto perto do meu e sussurrou. — Como você gostaria que eu terminasse isso? Me fodendo... —Eu não posso ler sua mente.— Ele mentiu, sorrindo. —Como você gostaria que eu terminasse isso? —Ao me foder... —Com a minha boca? —Com seu pau... Agora, por favor. —Eu não acho que seria especial se tivéssemos sexo agora...— Ele mudou o vibrador de distância e minha entranhas continuaram a latejar de prazer torturado. —Não nos faria sentir íntimo... —Por favor...— Eu implorei com os meus olhos e eu poderia dizer que ele estava prestes a desistir. Eu tentei me empurrar para frente


para que eu pudesse beijar seus lábios, para que eu pudesse convencêlo de que eu precisava disso, mas ele recuou. —Depois de nos casarmos. — Ele beijou a ponta do meu nariz e puxou as calças para cima, me deixando ofegante e totalmente perdida. Ele libertou as minhas pernas a partir dos pesos e lentamente desamarrou a corda ao redor das minhas mãos. Eu caí para ele e lhe disse para me levar de volta para minha suíte, mas ele me levantou e me deitou na mesa plana no meu estômago. Eu não me incomodei mesmo em perguntar o porquê. Eu estava muito frustrada. Fechei os olhos e prometi não falar com ele por um tempo, mas de repente eu o senti colocar pedras quentes para baixo no centro das minhas costas. —Fale comigo...—, ele sussurrou. —Sobre o que? A frustração sexual? —Se é isso que você quer... Eu suspirei. —Será que meus amigos o viram? Será que eles sabem que você está aqui? —Não.— Ele amassou as mãos contra os meus lados. —Eles estavam muito bêbados para prestar atenção a qualquer coisa. Eu tive Greg para levá-los de volta à sua casa para que eles não fossem desmaiar no tão chamado clube. —Como você é prestativo... Ele acrescentou mais algumas pedras quentes nas minhas costas. —Obrigado. —O que aconteceu com sua despedida em Vegas? Foi tão chato que você sentiu a necessidade de vir e arruinar a minha? —Eu não quis estragar sua festa.— Ele beijou meu cabelo. —Eu estava tendo um bom tempo em Vegas, mas eu recebi uma imagem de


forma distraída e sexy “reforma” da minha noiva enquanto eu estava em um clube. —Eu não me lembro de estar digitando “vêm acabar minha despedida” na parte inferior do mesmo. —Ele estava implícito.— Ele empurrou minhas novas franja mergulhada longe do meu rosto. —Eu não queria esperar até que você chegasse em casa para vê-la, assim... —Realmente? Porque eu acho que é porque você não pode ficar mais de três dias sem me tocar. —Quatro. Eu tenho alguma restrição. Revirei os olhos e o senti removendo as pedras. —Eu nunca estarei bebendo muito de novo... Eu ainda não posso me lembrar quantos tiros eu tive... Ah, e só para que não haja segredos entre nós: eu dancei com muitos homens, hoje à noite. E você sabe o quê? Eu adorei, assim como Helen disse que eu faria... —Shhhh.— Ele suspirou quando ele começou pressionando suas mãos nas minhas costas. —Fique quieta, Claire. —Não... Você disse que queria que eu falasse.— Eu fechei meus olhos. —Se você pode acabar a minha despedida e me negar sexo, você pode ouvir... —eu bocejei. —Você pode me dizer...— Suas mãos erram boas demais para ser verdade. —Tudo a cerca de... Tudo ficou escuro. Eu acordei e percebi que estava na minha suíte. O sol estava subindo lentamente fora da minha janela e Jonathan estava de pé em cima de mim, completamente vestido e afofando o meu travesseiro. No criado-mudo a minha esquerda tinha colocado três garrafas de suco de laranja, uma garrafa de Tylenol, e um bilhete:


Aproveite o resto de sua semana na Costa Rica, futura esposa. —Você está indo embora?— Minha garganta estava seca. Ele balançou a cabeça e beijou minha testa. —Seus amigos vão acordar em breve. Tenho certeza que você vai querer refazer ontem à noite com eles. Diga a Helen para enviar o recibo para a vila e qualquer coisa que ela e seus amigos comprarem esta semana. Eu vou reembolsar tudo o que ela gastou. —Tudo bem... Você pode tomar um banho comigo antes de ir? —Claro.— Ele sorriu e deslizou seus braços debaixo de mim para me pegar. Ele me levou para a o banheiro e removeu rapidamente meu roupão Quando ele me colocou dentro do chuveiro e ligou a água, eu pensei sobre como eu estava indo para seduzi-lo e fazê-lo me dar um pouco do maldito sexo. Ele tinha estado à direita horas atrás. As últimas noites tinham sido horríveis. Meu corpo ansiava por seu corpo toda noite; doía por seu toque como se ele não fosse sobreviver sem ele. Eu não posso acreditar que eu lhe pedi para ser abstinente! O que diabos eu estava pensando?! Ele se juntou a mim debaixo da água fumegante e correu os dedos pelos meus cabelos úmidos. —Eu realmente amei o que eles fizeram para o seu cabelo. Eles estão fazendo isso para o nosso casamento? Eu balancei a cabeça. —Em troca de uma festa em um de seus iates neste inverno. Eu já disse a eles que eles poderiam. —E se eu disser não?


—Eu sou coproprietário. Não importa o que você diz. Ele sorriu e eu não me incomodei de desperdiçar mais um segundo. Eu pressionei meus lábios contra os dele e o beijei profundamente, usando minhas mãos para massagear seu pênis. Antes que ele pudesse me dizer para parar, eu me abaixei e o levei em minha boca me movendo dentro e fora até que ele ficou duro e pesado. Eu olhei para ele quando eu deslizei minha língua ao redor e ele pareceu surpreso, mas ele me puxou para cima e me beijou. Quando a água continuou a cair sobre nós, ele manteve seus lábios ligados ao meu e passou os braços em volta da minha cintura. Senti seu pau pressionando contra o meu estômago e murmurei: —Por favor...—, mas ele continuou o seu profundo e apaixonado beijo. Ele rolou a língua em torno de mim e mordeu meu lábio inferior sempre que eu tentava puxar para longe dele. Eu estava completamente sem fôlego quando ele me soltou e me virou para a parede. Agarrou meus quadris e ajustou a minha posição me inclinando lentamente para frente para fácil acesso. Eu gemi quando ele chegou ao redor e acariciou meus seios, quando ele colocou um beijo molhado contra a ranhura das minhas costas. —Você tem certeza que quer isso?— Ele sussurrou. —Sim... Ele agarrou meus quadris ainda mais apertado e apertou seu pau contra mim. Então ele deslizou a mão entre minhas pernas e gemeu quando ele tocou meu clitóris inchado.


—Quero transar com você tão mal, Claire...— ele sussurrou. — Você não tem ideia... Aproveite o resto da sua viagem. —Ele de repente me deixou ir e saiu do chuveiro. Engoli em seco e me preparei na parede. —O quê?! Mais frustrada do que nunca, eu desliguei o chuveiro e me enrolei em uma toalha. Voltei para meu quarto e cruzei os braços uma vez eu vi que ele estava colocando suas roupas de volta. —Você está indo? Ele sorriu e fechou o zíper de suas calças. —Você não vai fazer sexo comigo? —Claro que eu vou.— Ele se aproximou e beijou meu rosto. — Depois de nos casarmos. Eu abri minha boca para falar, mas ele pressionou o dedo contra meus lábios. —Eu vou buscá-la a partir da pista de pouso no segundo que você voltar. Eu quero levá-la em um encontro depois que você resolver voltar para o seu trabalho. —Ele deu um beijo na minha testa. —Eu amo você, Claire. Revirei os olhos. —Diga de volta. —Faça-me...— Eu lhe dei o meu melhor olhar sedutor. Ele sorriu e me puxou para perto. —Uma vez que eu me prometer a fazer algo, seja o que for que esse algo seja, eu nunca vou recuar a partir dele. Você pode continuar a tentar me seduzir, você é muito boa por sinal, mas eu fiz uma promessa e eu nunca quebro as minhas promessas... Agora, diga de volta. —Eu também te amo.


Ele me beijou uma última vez e eu o assisti saindo pela porta do meu lado. Ele olhou por cima do ombro há poucos segundos e sorriu para mim, então eu esperei até que ele não estivesse mais na minha visão e corri imediatamente para a minha mala e procurei meu vibrador para que eu pudesse terminar esta frustração por mim mesma. Eu puxei a aba aberta onde eu sabia que eu tinha colocado ele, mas ele não estava lá. Em vez disso, havia um guardanapo dobrado com uma nota: Não trapaceei, futura esposa. Você vai ter isso de volta após o casamento :-) Amaldiçoei sob a minha respiração e me dirigi para a cozinha, onde Bobbie Jo, Kim, e Helen estavam todos olhando para mim com olhares de horror em seus rostos. —Você trouxe alguém para casa com você do clube na noite passada? E não se atreva a mentir, por que todos nós ouvimos vozes esta manhã. —Helen praticamente estava perdida. —Isso não é como você em tudo, Claire! O quê diabos você estava pensando ?! —O quê? Você acha que eu trai Jonathan? —Não importa o que pensamos.— Bobbie Jo levantou-se e caminhou pelo chão. —Está tudo bem. Nós podemos definitivamente corrigir isso... Eu sei que nós lhe dissemos para deixar ir, mas você não deveria se deixar ir completamente... Está se casando com Jonathan foda Statham! Você não precisa experimentar qualquer outro homem, nunca! Helen balançou a cabeça em desacordo com essa última linha, mas ela manteve o olhar de preocupação em seu rosto. —Sem mais boates esta semana.— Kim juntou as mãos. —Nós ainda vamos beber toneladas, mas vamos ficar com as atividades normais que estávamos fazendo antes. Iremos até mesmo levá-la para


comprar um novo conjunto de guarda-roupa hoje... Jonathan nunca vai saber sobre isso. Seu segredo estรก seguro com a gente...


Capítulo Doze Claire Sentei-me no meio da Starbucks, ostentando um novo bronzeado e um vestido cinza claro que as meninas tinham escolhido para mim no último dia da viagem. Era curto com um decote V profundo e abraçava todas as minhas curvas perfeitamente. Era o tipo de vestido que Jonathan gostaria, pelo menos eu esperava que ele fosse quando me visse mais tarde esta noite para o nosso encontro. Ele me disse que queria me levar a algum lugar especial logo que ele me pegou na pista no outro dia. Ele deixou pequenos lembretes no meu armário, na minha bolsa, até mesmo no meu carro: —Hoje à noite será o melhor encontro que você e eu já tivemos. —Não... Eu não estou fechando a Golden Gate Bridge de novo... Mas eu posso se você quiser. — Eu estou ansioso para ver você mais tarde. Você é sempre a melhor parte do meu dia. —Senhorita Gracen?— Minha cliente de alto perfil limpou a garganta, me tirando do meu transe. —Isso é tudo? Preciso assinar alguma coisa?


—Sinto muito. Eu vou ter a minha secretária lhe enviando uma cópia do contrato amanhã de manhã. Você tem quaisquer outras perguntas para mim, Lisa? Quero dizer, Senhorita Kane? —Não, nenhuma.— Ela se levantou. —Obrigado por ter me trazido para um café hoje. Isto foi... diferente. Eu ri e assisti sua caminhada para fora da loja. Graças a meus funcionários, que tinham falhado em desligar o ar condicionado toda a semana que eu estive fora, o sistema de ventilação da minha loja tinha deixado de funcionar e eu tive que reprogramar todos os compromissos de hoje para fora do escritório. Eu olhei através da minha agenda para me certificar se eu não tinha mais reuniões para o dia, e de repente ouvi meu telefone tocando. Ashley. —Olá, Ashley. —É a Caroline.— Ela zombou. —Você está usando o telefone de Ashley, Caroline. Como é que eu vou saber que é você? — Eu praticamente podia vê-la dando de ombros e revirando os olhos. —Ashley e eu gostaríamos de saber por que não fomos convidados para sua festa de despedida. Estamos no casamento, somos suas damas de honra para isso. —Porque você não pode tirar uma semana da escola e minhas amigas não acharam que seria apropriado para vocês duas. E depois de ir lá, eu estou completamente certa de que fiz a escolha certa. —Certo... Enfim, eu estou apenas chamando para que você saiba que nós temos seu e-mail. Nós adoramos e achamos que Jonathan vai adorar também. —Você não disse a ele qualquer coisa que fizemos não é?


—Não...— Ela suspirou. —Embora nós estejamos descobrindo que é um pouco estranho falar com ele mais do que com você nestes dias. —O quê? Isso não é verdade! —É verdade. Ele nos chama ou nos manda mensagem todos os dias. —E ele nos envia pacotes de cuidado a cada segunda-feira!— Ashley gritou no fundo. —Eu sinto muito...— Eu percebi que elas estavam certas. Ultimamente eu só tinha vindo a verifica-las uma ou duas vezes por semana, mas eu pensei que era o que elas queriam. —Eu vou fazer melhor... Eu prometo, eu vou começar a ligar mais vezes. —Não, não, não.— Caroline estalou os dentes. —Basta nos enviar alguns pacotes de cuidados. Na verdade, agora que estamos no assunto de pacotes de cuidados... Jonathan nos dá três centenas de dólares por semana em caixas, além de um monte de outros presentes agradáveis. Agora, nós duas sabemos que você não ganha tanto quanto ele faz, mas nós sabemos que você pode fazer o suficiente para nos dar duzentos por semana sem suar a camisa. Então, nós estamos pensando... Eu desliguei e enviei um texto com “eu te amo”. Rindo, eu comecei a guardar as minhas coisas. Senti algo escovar contra a minha mesa, e quando eu olhei para cima, vi Ryan sentado em frente a mim com uma expressão de satisfação no rosto. —Dia agitado, huh?—, Perguntou. —Você se encontrou com muitos clientes... —Foda-se.— Eu me levantei para sair, mas ele agarrou meu cotovelo. —Por favor, Claire. Dois minutos... Só isso.


Olhei em seus olhos, aquelas familiares íris verde e cinza que eu costumava amar, e vi um mundo cheio de dor. Eu queria ir embora, sabia que eu devia ter me afastado, mas o olhar em seus olhos me fez sentir pena dele. —Dois minutos. Só isso. —Obrigado...— Ele esperou por mim para se sentar e deslizou uma xícara de café para mim. —Será que Jonathan Statham faz você feliz? —Ele não me faz chorar.— Revirei os olhos. —Eu não lhe dei dois minutos para uma discussão. —Você ainda é incapaz de conversa fiada? —Com o meu ex-marido mulherengo? Ele suspirou. —É justo, Claire... Eu tenho tentando obter a sua atenção para as últimas semanas porquê... Amanda está doente... —Então?— Dei de ombros. —Então? —Sim. Então. Tipo, o que isso tem a ver comigo? —É fatal, Claire.— Parecia que machucava para dizer aquelas palavras, e por meio segundo eu me senti mal por ela, por ambos. —Ela quer falar com você... O quê?! —Por quê? —Porque você era sua melhor amiga... Sua única amiga... —Tivemos outros amigos em comum. Por que ela não quer falar com eles? —Sua cabeça está realmente presa tão fundo na sua bunda agora?


Levantei-me para sair novamente, mas ele agarrou meu braço e limpou a garganta. —Por favor, Claire. Eu sinto muito. Eu não quis dizer que... — Ele olhou como se quisesse que voltasse a me sentar, mas eu permaneci de pé. —Todos os amigos mútuos estavam do seu lado. —Realmente? Porque será... —Eu não estou pedindo para você e ela para assistir filmes de pinto juntas e chorar, e eu não estou pedindo para vocês serem melhores amigas novamente. Eu só estou pedindo em nome da minha esposa... —Sua esposa? Eu ainda não posso acreditar que você pode dizer isto sem um pingo de culpa atravessando seu rosto. É nojento. —Eu só estou pedindo para que você possa vê-la. Talvez até mesmo ter um almoço juntas na próxima semana? É um dos desejos dela antes de morrer e eu estou fazendo o meu melhor para cumprir todos eles. —O quê?! Você está fora da porra da sua mente? —Eu zombo e o deixo sentado à mesa. Eu não podia acreditar na sua coragem em agir como se eu lhe devesse ou a Amanda alguma coisa, para ter a audácia de até mesmo me pedir para fazer qualquer coisa em seu benefício. Eu pisei fora da loja e abri meu guarda-chuva, caminhando até o meu carro debaixo de chuva. Enquanto eu abria a porta, eu senti fortes mãos sobre meus ombros, alguém me girando. —Poupe-me deste ato estúpido e burro e deixe de ser tão foda infantil, Claire.— Ryan estava embaixo do meu guarda-chuva e agarrou meus braços. —Desculpe-me?— Meus olhos se arregalaram. Ele não estava se comportando nada parecido com o Ryan que eu conhecia de anos atrás, aquele Ryan nunca iria me segurar assim.


—Ryan...Eu... —Você me deve vinte segundos.— Ele assobiou. —Vinte segundos porra e eu vou usar cada um deles até o último. Você honestamente acha que se casar com um bilionário significa que você não precisa se preocupar com mais nada? Você acha que isso faz de você uma pessoa melhor agora? Isso não faz. —Eu acho que ser um namorador mentiroso o faz embora, hein? Saia de cima de mim.— Eu levantei o meu joelho para cima, com a intenção de chutá-lo em suas bolas, mas ele agarrou minha perna e mudou-se em torno de sua cintura, segurando-a com firmeza. —Sério, Claire? Você estava tentando fazer o que eu acho que você estava tentando fazer? —Salvar a raça humana de mais um filho bastardo? —Quando você se tornou uma vadia?— Seus olhos escureceram. —Você ainda está amarga sobre o que aconteceu entre nós? Cinco anos atrás? Você tem estado claramente bem. — Ele olhou para o meu anel de noivado. —Tire suas mãos de mim, Ryan. Ele não se moveu para trás. Em vez disso, ele apertou seu aperto no meu braço e perna e falou lentamente. —Ouça-me, Claire. Eu considerei cuspir em seu rosto, mas por algum motivo eu não poderia reunir saliva o suficiente na minha boca. —Amanda e eu nos mudamos para cá para que pudéssemos diminuir as viagens para o St. Francis. O hospital? Ele balançou a cabeça como se tivesse ouvido o meu pensamento. —Ela está trabalhando naquela loja de catering em tempo parcial para manter sua mente fora do seu próximo tratamento...— Ele suspirou. —


Ela tem outro tumor cerebral, um maligno. Nós viemos aqui para obter uma segunda opinião e tentar um novo procedimento, porque nenhum dos médicos em casa vai tocá-lo... —Sua voz falhou. —Ela apenas... Ela só quer te ver de novo, apenas no caso... Só... Você nunca deu a ela uma chance de dizer tudo o que ela tinha para dizer. —Ela estava transando com você nas minhas costas! Não havia mais nada a dizer! — Eu tentei me desvencilhar novamente, mas seu aperto era muito forte. —Veja. Eu honestamente não desejo a ela qualquer mal, e como um ser humano eu espero o que tratamento que ela está aqui fazer corra bem. No entanto, pessoalmente, vocês dois não existem no meu mundo mais e sua doença não tem nada a ver comigo. Então, se você pudesse, por favor, me deixar ir e voltar para qualquer vida que você construiu com Amanda seria ótimo. Eu dei-lhe mais de vinte segundos e eu não vou te dar mais. —Ela era a sua melhor amiga de merda. —Era, como eu era sua esposa. Engraçado como uma palavra de três com letras diz muito, hein? Seu rosto ficou vermelho e parecia que ele estava prestes a realmente se perder, mas ele se inclinou mais perto para que ficássemos nariz com nariz, boca com boca. —Pare de fingir que você não se importa, Claire. Você faz. Eu posso ver isso em seus olhos. —Você está doente também? Por favor, diga-me que em St. Francis tem agendado algumas noites em sua ala psiquiátrica. Ouvi dizer que eles dão gelatinas agora. A de cereja continua sendo a sua favorita? —Tudo que você tem a fazer é falar com ela por cinco minutos. Isso não vai te matar. —Sim vai. Agora por favor ...


Eu ouvi o estilhaçar do vidro à minha direita, o ouvi ecoando através do vento e cortando o som das gotas de chuva batendo na pele. Eu olhei e vi Jonathan de pé debaixo de um guarda-chuva preto, segurando um único lírio branco, o único que não tinha caído no chão. Mudei a minha perna da cintura de Ryan, mas ele ainda estava segurando meu braço e me prendendo contra o meu carro. Eu tentei pegar minha respiração e encontrar as palavras certas para dizer a Jonathan, as palavras que podiam ter dito a ele, que o que ele estava vendo era apenas um grande mal-entendido. Mas do jeito que ele estava olhando para mim me disse que ele não iria acreditar em uma única palavra que eu dissesse. O olhar em seu rosto era de raiva, confusão, mágoa. Ele olhou por cima do meu vestido curto, a postura de Ryan, na pequena lasca da distância que havia entre nós dois. —Tire a porra das mãos dela. Agora.— Sua voz era mais fria do que eu já ouvi antes. Ryan soltou imediatamente as mãos e deu um sorriso maligno para mim. Parecia que ele estava prestes a dizer algo rude, mas Jonathan falou primeiro. —Se você valoriza sua vida, Hayes, eu sugiro que você dê o fora da minha vista antes que eu o tire. Ryan olhou para Jonathan e revirou os olhos, lentamente se afastando debaixo do meu guarda-chuva, saindo na chuva. Eu o assisti desaparecer na correria dos detentores de chuva do estacionamento. Virei-me para enfrentar Jonathan novamente e percebi que ele ainda estava olhando para mim, olhando como se eu tivesse quebrado seu coração. Ele se abaixou para pegar o envelope branco que estava em cima do vaso quebrado e as flores. Então ele caminhou lentamente até mim e


colocou o único lírio que ele estava segurando e o cartão em cima do meu carro. Ele estreitou os olhos para mim e abriu a boca para falar, mas as palavras não saíam. —Jonathan...— Eu podia ver a dor em seus olhos. —Deixe-me explicar... Você sabe exatamente como me sinto sobre... Ele foi embora antes que eu pudesse terminar minha frase.

Corri para o escritório de Jonathan e parei na mesa de Angela. Eu tentei correr atrás dele no estacionamento minutos atrás, mas ele fugiu. —Senhorita Gracen?— Ela olhou para mim. —Você está bem? Gostaria eu mandesse alguém lhe trazer um conjunto de roupa seca? Uma xícara de café quente talvez? Eu balancei minha cabeça. Eu estava encharcada da cabeça aos pés, mas eu estava muito angustiada para sentir qualquer coisa. —Eu preciso falar com Jonathan. Ela suspirou e olhou para suas mãos. —Ele não está atendendo nenhum dos compromissos programados. —Besteira, Angela. Ele está de volta e você sabe disso. Diga a ele que estou aqui. Agora. Ela pegou o telefone. —Sr. Statham? Eu... Sim senhor... —Ela desligou o telefone. —Ele me disse para dizer-lhe para ir para casa. Engoli em seco e puxei meu telefone do meu bolso, chamando-o pela décima vez desde que eu tinha deixado a Starbucks. Ele nem sequer tocou duas vezes. Ele bateu ignorar.


—Angela, por favor...— Eu sabia que ela tinha a outra única chave para sua porta. — Você poderia só me deixar entrar e eu vou lidar com o que ele disser? —Eu sinto muito, senhorita Gracen. Eu não posso me dar ao luxo de perder esse emprego. Ele fez as ordens muito claras. —Ela puxou um bloco de notas e um envelope de sua gaveta. —Eu posso ter certeza que ele receba sua mensagem embora. Vou me certificar de que ele leia. Senti as lágrimas caindo pelo meu rosto e acenei com a cabeça para dizer “Obrigado”. Eu anotei minha mensagem, a assinando com um “eu te amo” e então eu lentamente fui para casa. Sozinha. E eu mantive-me dirigindo para a mesma casa vazia durante o resto da semana...


Quinta-feira 18 de setembro de 2014 Jonathan Eu nĂŁo tenho merda nenhuma pra dizer. 102


Capítulo Treze Jonathan Olhei pela janela do meu escritório, observando gotas pesadas de chuva caindo sobre a cidade. Por mais difícil que eu tentava racionalizar o que eu tinha visto naquele estacionamento, eu não podia ajudar, mas se sentir magoado. Meu coração malditamente quebrou com a visão dela com outra pessoa, mas uma vez que eu percebi que era ele, seu ex-marido, praticamente me destruiu. Por que ela não me ligou? Eu sabia que tinha de haver uma explicação lógica, algum tipo de razão, então eu peguei meu telefone para ligar para ela, mas já havia uma chamada em espera. —Olá? —Sr. Statham? —Era uma voz estridente. Senhorita Corwin. —Boa tarde, senhorita Corwin. Eu posso te ajudar com alguma coisa? —Sim, eu hum... eu estive deixando mensagens de texto com sua noiva, mas ela não me retornou. Eu vou ficar na cidade para as próximas semanas, assim você se importaria de me deixar um convite do casamento com sua secretária? Eu pedi a senhorita Gracen para me enviar um, mas ela provavelmente esqueceu. —Quando foi isso?


—Quando foi o quê? —Quando você pediu a ela que lhe enviasse o convite?— Eu sabia muito bem que ela tinha feito um. Na verdade, nós tínhamos feito dez, apenas no caso de ela querer incorporá-los no espaço da recepção de alguma forma. —Hum... Bem, eu perguntei a ela naquela noite que você veio para L.A, lembra? E eu liguei para ela há duas semanas sobre isso. —E você nunca o recebeu? —Não...— Sua voz era suave. —Me desculpe se eu estiver lhe causando algum problema... —Não é nenhum problema. Eu vou tê-lo entregue a você pessoalmente. —Obrigado... Eu desliguei e liguei para Milton. —Eu estou no meu caminho para o seu escritório, Jonathan.— Ele pegou no primeiro toque. —Não há necessidade de agir como se você realmente desse a mínima para os meus relatórios financeiros hoje. —Não é por isso que estou ligando. —É claro que não é. O que você quer? —Você já recebeu meu convite de casamento por correio? Houve uma batida repentina na minha porta e eu andei para respondê-la. —Você gostaria de continuar a falar comigo ao telefone?— Milton entrou no meu escritório. —Não me surpreenderia se você fizesse. —Você recebeu um convite de casamento?


Ele deu de ombros. —Não. —Você tem certeza? —Eu tenho certeza, mas eu não preciso de um daqueles para estar lá, se é por isso que você está perguntando... Eu balancei minha cabeça. —Não... eu estou só... Eu só estou querendo saber. Ele me pediu para dar-lhe alguns minutos para obter seus arquivos organizados e eu tomei um assento na minha mesa. Eu enviei um texto para cinco pessoas, cinco pessoas que eu sabia que tinha, pessoalmente, dito a Claire para convidar, endereços e tudo, e esperei por eles para me dizer se eles tinham recebido o convite pelo correio. Suas respostas voltaram imediatamente: —Não. —Não... —Não. —Eu preciso de um convite para entrar... —Não? Que porra é essa ?! Eu preparei para Angela um texto para chegar ao fundo da questão, mas eu acidentalmente bati no meu app de e-mail e vi uma mensagem rotulada: URGENTE. Era de nosso desenhista do bolo: Para: Statham, Jonathan De: Cakes Elegant, Inc. Mr. Statham,


Meu nome é Jacqueline Russell e eu sou o gerente do Cakes Elegant. Por minha conversa com sua noiva há duas semanas, eu queria ter certeza de que você estava cancelando sua encomenda completa que inclui: Um bolo de casamento de cinco andares, dois, três bolos de sonho em camadas, e o bolo de aniversário congelado personalizado. Desde que seu nome está no contrato e temos a sua assinatura em arquivo, vamos precisar de você para verificar que esta informação está correta. Lamentamos que não vamos ser capazes de trabalhar com você em seu dia especial, Atenciosamente, Jacqueline R. Minha mente estava oficialmente queimando. Eu não podia acreditar nesta merda. —Jonathan? Jonathan? —Milton pigarreou. —Você está aí? Eu balancei a cabeça e suspirei. —Continue... —Tudo bem...— Milton me entregou uma pasta. —Dentro dessa pasta, você verá que eu esbocei os seus ativos correntes, totalizei suas contas bancárias nacionais e estrangeiras, e avaliei os ganhos futuros da empresa. Como você pode ver claramente, o nome da futura Sra. Statham está longe de ser encontrado, pois bem... Ela não contribuiu para você ganhar alguma dessas coisas assim... —Eu pensei que esta era uma reunião de estratégia.— Revirei os olhos. —Isto é. Angela me informou que você cancelou todos os seus compromissos com o advogado civil a partir desta manhã. Isso é verdade? —Sim.


—Bem, talvez você não esteja pensando direito... Deixe-me ajudálo: Seu patrimônio líquido a partir deste trimestre é de nove virgula oito bilhões. Seu patrimônio líquido. Vivemos na Califórnia, num estado de cinquenta por cento de divisão. —Milton... —Isso significa que se você nunca deve obter um divórcio, a sua ex-mulher terá automaticamente direito a mais de quatro bilhões de dólares. Se durar mais de dez anos e os seus ganhos continuar a crescer como têm no passado, você está olhando para entregar 7,8 bilhões facilmente. Você entende isso? —Eu faço. —Fico feliz em ouvir isso. Vou providenciar para que o advogado volte. —Não vai ter um acordo pré-nupcial, Milton. Seu queixo caiu. —Eu pensei que você disse que concordava comigo. —Não pode haver um acordo pré-nupcial se eu não vou me casar... —O quê?— Ele engasgou. —Vocês dois estavam apenas aqui semanas atrás me falando sobre o local do casamento... O que é isso? Eu não lhe respondi. —Jonathan? Eu suspirei. —Eu te ligo mais tarde esta noite para passar por cima desse erro no arquivo mestre que você mencionou na reunião desta manhã. Tenho a sensação de que vai precisar de mais do que uma equipe de contabilidade para resolver isso.


Ele abriu a boca para falar, mas, em seguida, ele balançou a cabeça. Ele levou sua pasta para trás e me deu um tapinha no meu ombro antes de sair de meu escritório. Assim que a porta se fechou, eu me inclinei para trás em minha cadeira e fechei os olhos. Eu não posso acreditar nesta merda... Que diabos Claire está pensando? Eu não queria chegar a conclusões precipitadas sobre o casamento, sobre o casamento com Claire, mas o convite e bolo, besteiras de lado, o que ela tinha puxado na semana passada me rachou até o núcleo. No início, eu não queria acreditar que eu tinha visto ela e Ryan dentro do Starbucks, quando eu passava. Recusei-me a acreditar. Então, eu tinha conduzido ao redor do estacionamento, dizendo a mim mesmo que Claire, a minha Claire, teria me chamado no segundo em que Ryan aparecesse perto dela. Como ela prometeu. Eu decidi que os meus olhos estavam pregando peças em mim, então eu simplesmente estacionei meu carro. Com flores a tiracolo, eu fui em direção ao Starbucks, mas depois eu a vi novamente, com Ryan, pressionada contra seu carro com porra de sua perna em torno de sua cintura, com os lábios polegadas de distância da sua boca. Não importa o quanto eu tentasse, eu não conseguia tirar essa imagem da minha mente... Eu não estive em casa em uma semana, e eu não tinha planos para voltar em breve. Eu estava muito irritado para estar em qualquer lugar perto dela. Quando ela tinha rompido comigo no ano passado e seguiu seu caminho separado por três meses do caralho, eu estava lívido.


Enfurecido. Inconsolável. Mas este recente golpe dela era, não havia palavras para esta merda. Que parte do “eu não compartilho” ela não entendeu? Que parte de “me ligue o mais rápido possível, se Ryan aparecer” é difícil de compreender? Ela tinha estado a me enviar inúmeras mensagens de texto para pedir desculpas, tentando explicar seu lado da história e me implorar para voltar para casa, mas eu nunca respondi. E enviei cada uma dos seus telefonemas de hora em hora diretamente para a caixa postal. Eu não quero falar com ela agora. Eu não queria falar com ela nunca. —Sr. Statham? —A voz de Angela veio de repente pelo interfone. —Sim? —Senhorita Gracen está... —Eu não estou aqui. —Senhor, ela está de pé fora de sua porta. —Eu. Não. Estou. Aqui.— Eu cerrei os dentes. —Fui claro? —Sim senhor... Eu esperei por uma hora, até que eu tive a certeza de que Claire tinha ido embora, e então eu pisei fora. Me orientei a esquina e parei na mesa de Angela. —Será que a minha...— Eu parei. Eu quase disse a minha esposa. —Srta. Gracen deixou outra nota? —Sim, senhor.— Ela me entregou uma folha de papel branca dobrada e eu o levei para o meu escritório. Eu me debatia se deveria ou não lançá-lo no lixo com todos os seus outros, mas eu decidi por abri-lo:


Jonathan, Eu sei que você está muito zangado comigo, mas por favor me dê uma chance para explicar o que você viu na sexta-feira... Me desculpe, eu nunca permiti que isso acontecesse, e não é o que você pensa. Eu prometo. Eu amo você e somente você, e eu gostaria que você voltasse para casa... Sua, Claire Amassei sua carta em uma bola e joguei-a no lixo. Eu respirei fundo e balancei a cabeça, tentando pensar sobre o que eu precisava fazer para tirar isto da minha mente. Liguei para Angela de volta. —Sim, Sr. Statham? —Será que a reunião da equipe de segurança ainda está em curso agora? —Sim senhor. Eu suspirei. —Escreva isso: eu quero as imagens e as filmagens das câmeras de segurança internas e externas da última segunda-feira a partir da Powell Avenue Starbucks, tudo entre quatro horas em ponto a sete da noite. E eu quero o áudio. No mesmo instante que Corey sai da sua reunião, peça a ele para colocar a sua melhor equipe sobre isso. —Eu vou senhor. Isso é tudo? —Não.— Eu cerrei os punhos. —Eu quero que eles invadam Smith & Associates Hayes em Pittsburgh e me consiga uma lista completa de clientes do Sr. Hayes. Eu quero o nome de cada cliente que já trabalhou com ele antes dele fazer parceria, até mesmo os clientes nos quais trabalhava quando ele era a porra de um estagiário. Eu também preciso de uma lista de cada escritório de advocacia individual


em Pittsburgh; grande, pequeno, independente, comercial, cada último deles. —Vou me certificar de que seja feito. Um .. Você ainda está enviando flores a Srta. Gracen esta semana? A ordem deve ser colocada dentro durante a próxima meia hora, se você ainda quiser enviar alguma coisa. Fiquei em silêncio. —Sr. Statham? Isso é um sim ou um não? Fechei os olhos e tentei bloquear a semana passada. Eu nunca perdi um dia de enviar flores a Claire. Mesmo quando ela estava na Costa Rica, eu tinha chamado uma floricultura local e tive a certeza que ela acordasse com um novo conjunto de flores todas as manhãs. Não enviá-los parecia errado, doloroso, mesmo que ela esteve malditamente perto de me fez chorar na última sexta, eu não poderia me convencer a dizer que não. Eu suspirei. —É um sim, Angela... Mas nenhuma nota, apenas as flores...


Capítulo Quatorze Jonathan —Você não parece muito bem.— Hayley deslizou uma garrafa de água na minha mesa. —E você mal falou na reunião desta manhã. Você está bem? —Não. —Você está vivendo em seu escritório agora? Eu não vi seu carro se movendo toda a semana e você não veio com Claire para jantar na última noite... Eu não respondi. Ela suspirou e caminhou para o meu lado da mesa. —Olha, eu sei que não é da minha conta... —Não é. Será que você rompeu com o seu namorado secreto já? Tenho notado que o seu trabalho tem melhorado a partir da terrível média. —Vou tomar isso como um elogio. Revirei os olhos e abri a garrafa de água. —Sr. Statham? —Angela chamou pelo interfone. —Corey está aqui para o seu encontro de três horas. Devo dizer-lhe que a sua reunião com Hayley está correndo? —Não, nós terminamos aqui. Mande-o entrar. Hayley me deu um abraço e sorriu. —Eu não passei seis horas experimentando vestidos de damas de honra para nada, Jonathan. É


melhor você falar com ela e corrigir isso. Claire te ama e você sabe disso. —Adeus, Hayley. —Eu também te amo.— Ela se levantou e dirigiu-se para a porta quando Corey entrou. Então eu olhei para cima e vi isso. Obvio e claro. Os olhos e a forma como Hayley se iluminou quando ele segurou a porta aberta para ela, do jeito que ele quase se inclinou para beijá-la de adeus, porém se conteve e sorriu ao invés. Que. Porra. É. Essa. Eu esperei até que ele fechasse a porta, até que ele se sentasse na minha mesa, diretamente na minha frente. —Então...— Ele limpou a garganta. —Sobre a conta do Meyer. Eu estava pensando que poderíamos investigar a fundo um pouco mais antes de cometer totalmente. O que você acha? —Você está fodendo a minha irmã? —O quê? Do que você está falando? —É uma pergunta, sim ou não. Você. Está. Fodendo. Minha. Pequena. Irmã? —Eu... Não é assim. —Sim ou não. Ele suspirou. —Não... Não... —Ainda? Você está pensando em foder a minha irmã? —Jonathan, cara... Não é o que você pensa que é. —Para seu bem eu espero que não.— Eu estreitei os olhos para ele. —Quando diabos você ia me contar sobre esta merda?


—Eu queria dizer a você semanas atrás, mas eu sabia como você reagiria a isso... O que eu tenho com Hayley não é nada como o que eu tive com todas essas mulheres no passado. E se você apenas me escutar por um segundo eu posso explicar. Eu não conseguia ouvir nada do que ele estava dizendo. A única coisa que eu poderia focar era em quebrar cada osso dentro do seu rosto, empurrando-o para fora da janela, e vê-lo cair para uma morte precoce. Eu

não

me

importava

quanto

tempo

esta

merda

estava

acontecendo e por quê. Ele não era digno de Hayley, tanto quanto eu estava em causa, melhor amigo ou não; especialmente não mesmo o meu melhor amigo, cujo a contagem de corpos era mais do que os meus ao quádruplo. —Eu nunca iria machucá-la—, disse ele. —Eu juro. —Saia do meu escritório. —Não faça isso, cara. Somente... —Eu só posso enfrentar tanta merda ruim uma de cada vez, então me desculpe se eu não quero falar com o homem que está dias longe de foder a minha irmã e ter o seu coração pendurado para secar. Basta dar o fora.— Virei-me na minha cadeira e esperei até que ouvi a porta fechar. Será que essa merda realmente está acontecendo? Eu peguei meu telefone e liguei para Angela. —Sim, Sr. Statham? —Será que a Srta. Gracen enviou um memorando para cada pessoa na minha vida e dizer-lhes para me foder como um miserável tanto quanto possível esta semana? —Hum... Não senhor. Não que eu esteja ciente.


—Você pode, por favor, verificar? —Sim, senhor... Você ainda vai se encontrar com o designer de anel esta tarde? —Não. Cancele que, por favor.— Eu desliguei e suspirei. Eu havia chamado a Srta. Valenti ontem para perguntar se Claire já tinha parado para projetar o meu anel e surpresa, surpresa, ela não tinha. Eu sabia que tinha anteriormente brincado com ela sobre não saber quem ela era, mas quando ela revelou que ela estava tendo aulas eróticas, e no momento que eu a encontrei naquela sala bondage em sua festa de despedida não me surpreendeu. Mas com o nosso casamento caindo aos pedaços e seu ex-marido entrando em sua vida novamente, eu honestamente poderia dizer que eu não sabia quem ela era agora. Ela não estava agindo como a Claire que eu amava...

Rolei na minha cama, estendendo a mão para Claire, xingando a mim mesmo por ainda fazer isso. Esta tinha sido uma semana e meia desde que nos falamos sobre o casamento e as suas chamadas para mim ainda vinha de hora em hora. Eu ainda estava hospedado na minha suíte executiva no escritório, recolhendo as notas que ela mandava e realmente li os mais recentes. O que ela tinha enviado ontem dizia: “Você é o único amor da minha vida. Por favor, me ouça. – Claire” E o que ela tinha enviado hoje era, “eu sinto falta das notas que você envia junto com as flores... Isso é o que as faz especial...”. Eu praticamente podia imaginar seu rosto enquanto ela recebia minhas flores sem as notas, poderia literalmente vê-la balançando a cabeça e tentando não chorar. Por muito que isso me machuca, saber


que ela estava com dor, eu não poderia me fazer consolá-la, porque eu estava sofrendo muito... Suspirei e olhei para o relógio: 02h58min. Mesmo que eu ainda estivesse machucado, além de magoado, eu percebi que quando ela chamasse este tempo, eu iria tentar pegar. Exatamente três horas, meu telefone tocou e eu o levei até a minha orelha. —Olá?— Eu tentei esconder a dor na minha voz. —Hey, Jonathan.— Era Caroline. —Caroline? Olá, como vai? —Estou bem. Eu e Ashley queremos voltar para casa neste fim de semana e comer o jantar com você e mamãe se estiver tudo bem... Nós estamos um pouco cansadas da comida do campus. —Isso seria bom. Eu vou... Eu vou configurar isso. Isso é tudo? —Quase... Você pensa que eu e Ash somos idênticas-idênticas ou quase idênticas? —O que você quer dizer? —Como, quanto tempo você demorou para descobrir quem era quem depois que nós conhecemos você, pela primeira vez? —Uma semana.— Eu ri. —Por quê? —Bom o bastante. Eu vou pedir Ashley para tomar o resto dos meus testes de Física Estratégica. —Desculpe-me?— Eu ouvi seu suspiro e eu sabia que ela não tinha a intenção de dizer a última frase em voz alta. —Você vai correr o risco de expulsão? É isso que você acabou de dizer, Caroline? —O quê?! Não...


—Você tem dez segundos para me dizer o que diabos está acontecendo. Não se atreva a vir com besteiras. Ela suspirou. —Eu perdi as duas primeiras semanas de aulas, porque eu dormi demais... eu saí para festas todas as noites e quero dizer que é física, como o meu melhor assunto. Ou assim eu pensei... eu não posso entrar no programa de carreiras com um B menos... —E? —Isto não é como a física normal... É um curso de nível estratégico. Não é sobre quantas você acerta, é sobre quais você acerta. Aparentemente, os problemas que eu escolher para resolver são os únicos no valor de dois pontos...— Sua voz falhou. —Existem apenas quatro testes neste semestre e eu já não consegui o primeiro. Terrivelmente. Eu preciso fazer um A em cada uma individual para obter a média B menos... —Presumo que Ashley não está fracassando? —Ha! Você está brincando comigo? —Ela zombou. —Claro que não. Estratégia é o seu melhor trunfo. Ela tem a maior pontuação na classe... Eu tentei levá-la para me ajudar, mas eu simplesmente não entendo... Suspirei

e

balancei

a

cabeça,

dizendo-lhe

como

fiquei

decepcionado por que ela iria sequer pensar em pedir a Ashley para se passar por ela, e que eu estava chateado porque ela não estava levando a sério a faculdade. Eu disse a ela que eu iria contratar um professor particular para ela, porém ela teria que se comprometer a pena de sessões de vinte horas por semana à noite, durante o horário de folga. Eu sabia que era a única maneira que ela ia levá-lo a sério. Ela parecia que estava tentando não chorar, mas eu poderia dizer que ela estava. —Quando vou começar as aulas?


—Essa noite. Vou ter Greg voando para te pegar. Eu vou ajudá-la com algumas delas aqui. —Tudo bem... Obrigada...— Ela fungou mais uma vez antes de desligar. Chamada quatro horas “de Claire” deparei com meu telefone e eu queria pegá-lo, porém eu não consegui. Em vez disso, eu pedi duas canecas de chocolate quente favorito de Caroline e tinha uma loja de doces local, montando um pequeno bar de doces no meu escritório. Eu percebi que uma longa noite de problemas de física iria me impedir de pensar em Claire. Era um pouco depois das oito horas quando ouvi bater à minha porta. —Um segundo.— Eu defini algumas calculadoras para baixo na minha mesa e abri. Era Claire. E Caroline. E a Ashley. —Olá senhoras.— Evitei olhar diretamente para Claire. Eu sabia que ela havia chorado pela forma como ela tinha feito sua maquiagem, pela maneira que ela escovou os cabelos sobre o rosto, mas eu não poderia me convencer a dizer qualquer coisa para ela. —Só porque eu tenho um A na classe não significa que eu não quero ser levada no jato particular, Jonathan.— Ashley pegou uma vara de chocolate. —Estou ofendida que eu não recebi uma chamada. Você não me ama também? Revirei os olhos e mostrei-lhes sobre a minha mesa. —Vamos começar, vamos? Enquanto Caroline pegou seus livros, eu deixei minha visão acompanhando Claire até o sofá onde ela estava colocando sua cabeça sobre um travesseiro. Enquanto eu seguia sobre os problemas com as meninas, ela se mantinha enrolada em uma bola nos observando sem dizer uma palavra.


Como de costume, Ashley e Caroline foram excelentes alunas. Elas assistiram toda equação que eu quebrei, e fizeram perguntas sempre que elas não entendiam. Demorou um pouco, cinco horas, para Caroline finalmente entender o que ela estava fazendo de errado, mas eu dei-lhe problema após problema para me certificar de que ela não iria esquecer tão cedo. —Finalmente! Demorou tempo suficiente para descobrir isso!— Ashley sorriu para o papel de Caroline. —Eu acho que nós deveríamos fazer isso novamente no próximo fim de semana. Sabe, quantas fotos eu coloquei no Twitter de nós duas dentro do seu jato? Espere até que pessoas vejam que nós podemos fazer isso a qualquer hora que quisermos... —Sua modéstia nunca deixa de me surpreender.— Eu balancei a cabeça para ela e se levantei. —Você acha que você tem um melhor controle sobre isso agora, Caroline? Ela assentiu com a cabeça. —Sim, muito obrigada... —A qualquer hora. Eu vou ter um tutor para você amanhã à noite. Greg está esperando lá embaixo para levar você de volta para a pista. Ambas me abraçaram e a Claire antes de saírem do meu escritório e eu senti meu coração inchar. Eu ainda estava me acostumando a ter uma família, mas eu gostei. Muito. Assim que ouvi o ping dos elevadores, eu me virei e olhei para Claire. Apertei os olhos para ela e tentei andar pra longe, mas eu não poderia fazê-lo. Eu ainda não tenho nada a dizer. Eu entrei na minha suíte executiva e deitei em minha cama. Eu esperava que ela iria simplesmente cair no sono no sofá e me deixar


falar quando eu estivesse pronto, mas eu a senti deslizando na cama ao meu lado. —Por favor, deixe-me explicar—, ela sussurrou. Eu não disse nada. —Eu estava saindo da Starbucks quando ele apareceu... Ele se sentou à minha mesa e me pediu para dar-lhe dois minutos para falar. Eu não queria, e eu juro que eu não ia, mas havia esse olhar em seus olhos. —Existe um ponto vindo? Ela respirou fundo. —Eu disse a ele para dizer o que ele tinha a dizer e quando me disse que Amanda estava gravemente doente... Eu me senti mal, mas deixei de qualquer maneira... Então ele me seguiu até meu carro e começamos a discutir... Eu tentei lutar com ele, mas ele... —Você ainda tem sentimentos por ele, Claire?— Eu finalmente me virei para encará-la. —Não me diga o que você acha que eu quero ouvir. Diga-me a porra da verdade. Mesmo que ele rasgou o seu coração para o ponto onde eu tive que lutar com você a cada passo do caminho para colocar de volta, mesmo que ele te traiu com sua melhor fodida amiga e te deixou infeliz durante anos, você ainda tem sentimentos por ele? —Não! Não, eu prometo. Não há nada lá. —Você tem certeza? Existe uma razão pela qual você ainda não projetou a minha aliança de casamento? Por que razão os convites que eu podia jurar que você enviou semanas atrás, ainda não chegaram a nenhuma das caixas de correio dos meus amigos? Ou melhor ainda, você pode explicar por que os bolos que ambos concordaram sobre foram cancelados a partir de duas semanas atrás e você não escolheu para me dizer? —Jonathan...


—Qual é a porra do seu problema, Claire? Por que você está auto sabotando o casamento que você me pediu para ter? —Eu não estou sabotando qualquer coisa. Eu nunca... É que... Eu não posso explicar isso agora, mas, tanto quanto Ryan vai, você não pode pensar que eu... —No momento em que ele se sentou em sua mesa no Starbucks, ou o momento em que você decidiu ter uma conversa com ele, no entanto, aconteceu, você deveria ter me ligado imediatamente. Você não pertence mais a ele. Você não tem nenhuma obrigação para com ele e você não deve a ele porra nenhuma. Você é minha e esta é a última vez que eu vou reiterar esse fato para você, Claire. MINHA. Não dele. Não de qualquer outra pessoa.— Eu apertei minha mandíbula. — Se você ainda não entende o que isso significa? —Sim...— ela murmurou. Revirei os olhos e saí da cama. —Eu tenho algum trabalho a fazer. Você precisa de Greg para levar você para casa quando ele voltar? —Não... Eu quero ficar aqui com você... —Tudo bem.— Eu puxei um cobertor e coloquei sobre ela. Então eu lhe entreguei o controle remoto. —Boa noite. Eu entrei no meu escritório e tirei uma garrafa de uísque. Servime um copo, bebi, e então rapidamente servi outra. Por que ela está tão fodidamente me enfurecendo? Por que ela ainda tem o poder de chegar até mim assim? Sentei-me na minha mesa e comecei a ir sobre os números do meu mais recente produto. Liguei meu laptop e vi o vídeo que a equipe de segurança tinha feito para mim a partir da Starbucks, o vídeo que eu ainda não pude me convencer a assistir. —Jonathan...— A voz suave de Claire me fez olhar para cima.


—Sim, Claire? —Você está indo para se sentar aqui e ficar com raiva de mim a noite toda?— Sua voz falhou. —Ou será que estamos indo para falar de tudo para que possamos corrigir isso? Eu não respondi. Eu só olhava para ela. —Tudo bem.— Ela deu de ombros enquanto as lágrimas caíam pelo rosto. —Eu vou entrar no hotel Fairmont para o resto da semana, porque eu não posso continuar morando em nossa casa sozinha. Se você quiser falar comigo, é exatamente onde eu vou estar... E se você quiser cancelar o casamento, porque você honestamente acha que eu iria escolher o pedaço de merda do meu ex-marido sobre você ou que eu iria propositadamente tentar arruinar o nosso dia especial, então...— Ela não poderia mesmo terminar a frase. Ela olhou para mim com dor absoluta e demorou muito para mim para não me levantar e confortá-la, para mim não envolvê-la em meus braços e dizer-lhe para ficar a noite comigo. No entanto, o meu coração estava uma bagunça e ela não tinha respondido a nenhuma das minhas perguntas sobre as questões do convite e do bolo. Balançando a cabeça lentamente, ela disse: —Eu espero que eu vá te ver no meu quarto em breve— antes de sair do meu escritório em lágrimas.


Capítulo Quinze Claire Eu acordei no meio da noite e alcancei Jonathan, virando para ver se ele finalmente veio para o hotel, mas ele não estava lá. Eu me arrastei para fora da cama e na sala de estar, na esperança de vê-lo esperando na sala, mas a única coisa nova era um bilhete a partir da recepção: —Obrigado por nos permitir ser sua casa provisória, Sra. Statham. Esperamos que você nos mantenha em mente para futuras estadias. Eu suspirei. Eu tinha estado muito miserável para perceber que eu nunca tinha feito formalmente o “check-in.” Assim que eu cheguei, o manobrista me ajudou a sair do carro e o gerente pessoalmente me acompanhou até meu quarto. Sem perguntas. Ele pode ligar para o hotel, mas ele não pode me chamar? Eu olhei para o pequeno foyer e vi que ele tinha enviado outro buquê de flores para mim hoje, como ele tem feito durante toda a semana, mas não havia nenhuma nota. Nada. Eu fui para o banheiro e imediatamente liguei a água quente. Eu ia precisar de um inferno de um banho de espuma para voltar a dormir. Atirando meu roupão fora, eu entro na banheira e deixo a água subir em cima de mim enquanto eu fico sentada lá. Atordoada. Enquanto ele tinha todos os motivos para pensar que os preparativos para o casamento estavam em ângulo diferente, ele tinha que saber que eu nunca daria a Ryan uma hora do dia novamente, que


eu nunca iria permitir que ele caminhasse de volta à minha vida, por qualquer motivo. Então, novamente, toda vez que eu pensava em como nós dois deveríamos parecer dentro daquele parque de estacionamento, meu coração afundava um pouco. Filho da puta... Uma parte de mim queria descobrir qual quarto a Amanda estava internada para que eu pudesse terminar sua vida por ela e Ryan, dar algo mais para se concentrar, mas eu não queria enfrentar qualquer parte do meu passado de novo; Ryan já tinha feito o suficiente. Quando a água quente aumentou até meu peito e roçou o colar que ele me deu, eu estiquei meu pé para fora para desligar a alavanca. E antes que eu percebesse, eu estava chorando. Difícil. A semana inteira que ele não estava em casa tinha sido a pior semana que eu tive em anos. Eu não conseguia dormir, eu não podia comer, e cada vez que ele bateu sobre ignorar meus telefonemas, eu me senti como se eu não pudesse respirar. Ele era o meu tudo e os muitos pensamentos dele não confiar em mim, ele não falar comigo, era muito doloroso para pensar. Doía ainda mais quando Ashley e Caroline me ligaram para me dizer sobre os mais recentes pacotes de cuidado que ele tinha enviado, como tinham falado com ele todos os dias na semana passada. —Ele nos disse que o seu primeiro encontro foi na Ponte Golden Gate! Por que você não nos disse naquela época? — Nós relembramos por horas, você devia ouvi-nos! —Ele tem estado muito calado sobre o casamento ultimamente... Ele provavelmente tem uma surpresa para você...


—Você poderia dizer a ele para nos chamar via vídeo chat amanhã à noite? E diga-lhe que dissemos que o amamos desde que vamos estar fora de alcance para o resto do dia? Esfreguei uma bucha em todo meu corpo e decidi tornar o meu banho de espuma curto. Eu precisava ir para uma corrida. Agora. Eu deslizei de volta para o meu robe e peguei o telefone do quarto. —Fairmont Recepção,— uma mulher atendeu. —Como o posso ajudar Sra. Statham? —É senhorita Gracen. —Eu sinto muito, senhorita Gracen. Como posso te ajudar, hoje? —Vocês têm uma loja de presentes ou uma loja de roupas lá embaixo? —Nós temos senhora. Nossa loja de presentes dispõe de coleções da cidade e lanches, e nossa loja de roupas é uma mistura de moda praia

e

equipamentos

de

verão

no

momento.

Gostaria

que

a

fechássemos a loja para que você possa fazer compras em particular? —Oh... Não, está tudo bem. Eu só estava me perguntando se alguém poderia me trazer um agasalho de tamanho médio. Basta colocá-lo na minha guia de quarto. —Imediatamente, senhorita Gracen.— Ela esperou por mim para desligar primeiro. Eu puxei meu cabelo em um coque bagunçado e espirrei água fria no meu rosto para tirar um pouco da vermelhidão dos meus olhos. Se não fosse pela maneira como eles pareciam, eu poderia ter passado como perfeitamente feliz agora. Antes que eu pudesse começar a minha próxima série de tiros de água fria no rosto, houve uma batida na minha porta.


Eu me certifiquei que meu roupão estava fechado e corri para abrir a porta. —Boa tarde, senhorita Gracen.— O mensageiro entregou-me cinco sacos de guarda-roupa preto. —Não tínhamos certeza de que cor você gostaria portanto, trouxe um de cada. —Muito obrigada.— Entreguei-lhe uma gorjeta. —Há um parque de corredores fechado a duas milhas abaixo. Gostaria de um dos nossos motoristas para escoltá-la até lá, uma vez que está chovendo? —Não, está tudo bem... Eu só estou indo para uma curta caminhada... Eu tenho um guarda-chuva. Muito obrigada embora. — Eu sorri enquanto eu fechava a porta. Eu não me importava que estivesse chovendo. Eu precisava estar fora com ar fresco. Além disso, eu não tinha vontade de estar perto de outras pessoas. Eu queria ficar sozinha. Eu coloquei a roupa de treino e coloquei os tênis esportivos que Greg tinha me trazido no início da semana. Peguei meu guarda-chuva e minha música favorita e olhei em volta pela minha chave do quarto. De repente, houve outra batida na minha porta. No fundo eu desejava que fosse Jonathan, mas eu sabia que a recepção estava provavelmente entregando outro conjunto de flores atrasada, então eu me arrastei até a porta e abri. Ryan?! —Claire, será que podemos conversar? Bati a porta na cara dele e me virei. Eu percebi a porta deve ter saltado para trás, porque de repente eu o senti andando atrás de mim.


—Que porra você está fazendo?— Eu bati. —Por favor, me escuta...— Havia lágrimas em sua voz. —Claire, podemos... Podemos por favor, seja civilizada por cinco minutos? —Passamos de cinco segundos a cinco minutos? Por favor.— Eu tentei passar por ele, mas ele colocou as mãos sobre meus ombros. —Ela não quer morrer sabendo que você ainda a odeia...— Ele estreitou os olhos para mim. —Você não tem que dizer isso... Você poderia apenas dizer que você a perdoa. —Toda a besteira de lado, Ryan.— Eu dei-lhe a aparência mais malvada que eu consegui. —Cinco anos atrás, eu desejava morrer casada com você. Mas nem sempre conseguimos o que queremos, não é? Diga a ela para chupar essa merda, ou melhor, por que você não tem uma das amigas dela te chupando e, em seguida, ela pode se sentir exatamente como me sinto.— Eu o deixei fervendo na sala e corri para o quarto ao lado, onde outra porta dava para o corredor. Abri a corrente na parte superior da porta e a abri. Eu corri em direção aos elevadores e mandei uma mensagem para Greg ao número “9” código para a emergência. Eu apertei o botão para baixo freneticamente, esperando que um elevador viria antes de Ryan me encontrar. —Você nunca agiu desse modo, Claire.— Ele dobrou a esquina. — O que aconteceu com você? —Eu acho que algumas pessoas trazem o pior em você. É realmente surpreendente que uma vida de traição faria me comportar como uma cadela? Ele estreitou os olhos para mim e se aproximou, me empurrando contra a parede pelos meus ombros. —Se você quer ser uma cadela de coração frio para o resto de sua vida, e se você quer se casar com aquele idiota de homem que você chama de noivo, isso está bem. Mas o que


você não vai fazer é me desrespeitar. Eu tive você antes dele, e eu sei quem diabos você é. Você está vindo comigo para ver Amanda quer você goste ou não. Agora. Eu tentei lutar com ele, batendo os punhos contra seu peito e tentando dar uma joelhada nele, mas ele ainda me segurou e mudou o tom de sua voz. —Claire... Por favor só... —Pare porra de falar comigo, Ryan!— Eu estava chorando, com raiva. —Você já fez o suficiente! —Cinco minutos... Você não pode dar isso a ela? —NÃO!— Eu tomei algumas respirações profundas e tentei não gritar. —Eu tenho uma nova vida agora e eu não preciso de você ou Amanda nela por mais tempo do que já estiveram. Você e a porra da escória dela estar em cirurgia não muda nada sobre o que vocês dois me fizeram. Apenas minta para ela e diga que eu a perdoei, assim como você mentiu para mim. Não deve ser tão difícil para você. —Escute...—

De

repente,

ele

soltou.

—Eu

sei

que

você

honestamente não se sente assim. Eu passei por ele e corri para a escada de emergência, esperando que ele fosse desistir e me deixar em paz. Eu fiz isso através da porta e estava a meio caminho de um lance de escadas quando eu o senti pegando meu braço e o torcendo duramente. —Socorro! Socorroooo! —Eu gritei tão alto quanto pude, mas ele não parecia perturbado em tudo. Em vez disso, ele apertou meu braço ainda mais duro e me puxou para perto dele. —Eu mudei muito nos últimos anos...— Ele parecia possuído, e ele realmente estava me machucando. —De maneiras que


você não pode sequer começar a imaginar, Claire. Nós podemos fazer isso da maneira fácil ou da maneira mais difícil, mas... Eu trouxe o meu outro braço para cima e bati a merda fora dele. Seus olhos escureceram e ele assobiou. Chocado, ele me soltou e me afastei dele, duro. Eu tentei me apoiar contra a parede, porém eu não podia. Eu perdi meu equilíbrio e me senti rapidamente caindo, caindo, caindo, até que eu senti fortes dores por toda parte, até que tudo ficou escuro.


Capítulo Dezesseis Claire Disse uma voz suave —Senhorita Gracen?—. —Senhorita Gracen? Você pode me ouvir? Eu gemi e ligeiramente abri meus olhos, fechando-os logo que uma luz brilhante infiltrou. —Você sabe onde está? Eu mantive meus olhos fechados. Eu não podia falar. —Alguém poderia me dar um novo IV?— —Deixe o monitor sozinho por favor.— —Será que ela tinha um telefone celular quando ela foi trazida? Qualquer outra coisa além de sua identificação? Havia sons clicando e ruídos irritantes de bipes que pareciam ficar mais alto e mais alto a cada segundo. Senti uma dor penetrante aguda em meu braço direito e forcei meus olhos abertos para ver uma enfermeira empurrando uma agulha na minha pele. A voz suave que tinha falado antes, falou novamente. —Você está no St. Francis, em uma unidade de terapia intensiva. Está bem doce? Ela me fez mais perguntas - algo sobre como eu estava me sentindo e se eu estava vendo em cores, mas tudo que eu podia fazer era perguntar sobre o que diabos tinha acontecido. A última coisa que eu a ouvi perguntar era —Você pode sentir isso?— Antes de tudo ao meu redor ficou escuro.


—Senhorita Gracen?— Aquela voz suave familiar me acordou. Eu balancei a cabeça e abri meus olhos. Desta vez, eu era capaz de mantê-los abertos e realmente ver a mulher que estava falando: Uma pequena morena com um lenço vermelho brilhante e um crachá combinando com corações em torno dele - Dra. Phillips. —Você pode sentir alguma coisa agora?— Ela tocou a minha testa. Eu tentei agitar minha cabeça, mas havia algo segurando meu pescoço no lugar. —Não ...— eu murmurei. —Bem, bom. Eu vou te manter na dose de morfina por um dia ou dois, e então eu vou ter que prescrever alguma medicação para a dor para você levar para casa. Você tem muita sorte que você só tem uma concussão e algumas distensões graves. —O quê?— Eu resmunguei. Ela levantou a sobrancelha e removeu uma prancheta debaixo de seus braços. —Você torceu ambos os tornozelos, você tem um ombro deslocado - o esquerdo, hematomas no interior de suas costas, uma entorse no pescoço grave, e uma concussão. Nada mal por cair dez lances de escada. Como eu disse, muito sorte. Eu pisquei. Eu estava dormente demais para dizer alguma coisa inteligente para ela agora. Ela caminhou ao redor da cama - onde eu não podia virar o pescoço para vê-la, e, em seguida, ela deu um passo para trás em meus olhos e me entregou meu celular. —Eu tive que colocá-lo em silêncio porque ele não parava de tocar. Há alguém que você gostaria que eu chamasse para você e deixá-los saber que você está aqui? Seu noivo, talvez? —Ela olhou para o meu anel de noivado.


Eu tomei meu tempo tocando a tela, digitando as palavras —As minhas filhas ... Ashley e Caroline— antes de colocar o telefone para ela. —OK. Eu vou fazer isso agora ... —Ela sorriu e rolado através de meus contatos. —Olá eu possa falar com Ashley por favor? Não, isso é ... Não, eu ... Sua mãe está no hospital, hun. Ela não pode falar agora, mas ela quer que você saiba que ela está bem ... Acalme-se, acalme-se ... Bem, sim ... Ela queria que eu chamasse você e sua irmã para lhes informarem ... St Francis Hospital, Sala cinquenta e seis, ala leste. Ok querida. Adeus. Ela ajustou meu travesseiro e entregou o telefone de volta para mim. —Alguém mais? Eu digitei a minha mãe e ela ligou e deixou uma mensagem de voz. Depois disso, eu pedi-lhe para ligar para Rita digitando —assumi para mim esta semana—, como a mensagem que eu queria dar. E depois que eu a tinha chamado Greg que aparentemente estivera na sala de espera desde que eu cheguei ontem à noite, eu consegui um sorriso dela por saber que era ele. —Você não quer que eu ligue para seu noivo?— Ela limpou a garganta. Eu olhei para o meu telefone e rolei através das minhas chamadas não atendidas: Greg, Greg, Greg, Ryan, Greg, Greg, Greg, Ryan. Havia algumas chamadas da minha empresa, mas nenhuma única chamada de Jonathan. Digitei —NÃO— em minha tela e segurei até ela. —Ok, então ... Bem, eu vou estar de volta para verificar você em breve, senhorita Gracen. Se for possível pensar em outra coisa que você pode querer, é só apertar o botão de chamada azul do controle remoto e uma das enfermeiras vai vir ver que o você precisa.


Eu sorri novamente e ela saiu do quarto. Eu tinha ouvido sua lista de todas as minhas lesões, mas parecia tão surreal, especialmente desde que eu não podia “sentir” nada. Meu corpo estava tão entorpecido Eu mal podia sentir minha língua lambendo meus lábios. Confusa, eu lentamente levantei minha mão direita na frente do meu rosto e fiquei olhando para o controle remoto cinzento que estava segurando no meio da palma da minha mão. Havia quatro botões: — chamada de enfermagem— —Televisão— —volume— —Luzes— Apertei o botão televisão e segurei o botão luzes até a sala ficar completamente escura. Com sorte, a TV já estava definida em HGTV e uma maratona de um dos meus programas favoritos - Quintal Crashers estava passando. Fiquei ali na cama por horas, observando-os remodelar quintal depois de quintal, até que eu não poderia manter meus olhos mais abertos.

—Você acha que ela deseja essa gelatina?— —Provavelmente não... Ela nunca gostou de gelatina.— —Você acha que ela quer canja de galinha?— —Nós poderíamos simplesmente pedir à enfermeira para trazê-la um pouco mais... Eu abri meus olhos e vi Ashley e Caroline tendo colheradas da minha gelatina verde. Eu tentei sentar, mas Caroline balançou a cabeça e suspirou. —Pare. Você só vai se machucar. Eles nos disseram que você não deveria se mover. Suspirando, eu balancei a cabeça e limpei minha garganta. — Quando você chegou aqui?


—Noite passada. Jonathan nos teve voando logo depois que conversei com a enfermeira. — — Ele nos obteve um quarto no Marriott em frente. Então, ele sabe que estou aqui e não está ao meu lado? —Oh ...— Minha garganta doía. —Bem, isso é ótimo. Elas trocaram olhares, e como se pudesse ler minha mente, Ashley serviu-me um copo de água e Caroline ajustou meu travesseiro para que eu pudesse sentar-me e beber. —Vovó está em seu caminho para cima também.—, Disse Ashley. —Todos nós viemos hoje cedo porém você não acordava ... Você está com dor? —Não... —Eles nos disseram que você vai ter que ficar aqui por mais alguns dias e que você vai ter que usar uma tipoia por algumas semanas.— —Eles dizem que você estará curada em tempo para caminhar até o altar... Eu não estarei andando pelo corredor ... —Disseram-me isso também ... —Eles fizeram?— Caroline sorriu. —Bem, quando você tiver uma oportunidade, talvez você possa explicar isso para Jonathan. Ele parece pensar que eles estão mentindo. Ele quer que executem todos os testes que eles têm. Eu queria rir, mas mesmo isso era muito difícil. E não havia nada engraçado sobre Jonathan Statham agora. —Nós estamos indo até o refeitório.— Ashley olhou nos meus olhos. —Podemos lhe conseguir alguma coisa? Sopa talvez? —Não obrigado.


—Acho que devemos trazer alguma de qualquer forma.— —Eu também, ela está, provavelmente, muito cansada para perceber o que ela quer. Revirei os olhos enquanto caminhavam para fora do quarto, e antes que eu pudesse desligar as luzes, eu vi Jonathan em pé na porta. Eu desviei o olhar e olhava para a frente, pressionando o botão da TV em meu controle remoto. Gostaria mais de assistir a mistura de pinturas a mostra do que falar com ele agora. —Claire ...— Sua voz era baixa. Eu não respondi. Eu não podia acreditar que ele tinha ignorado todas as minhas chamadas por duas semanas, não podia acreditar que ele não tinha chamado depois de não ouvir de mim em quase dois dias. —Claire, como você está se sentindo hoje?— Sua voz estava rouca. Eu virei o volume. —Você não está falando comigo? —Eu tenho chamado por duas semanas.— Eu mantive meus olhos grudados na TV. —Eu claramente venho tentando falar com você. Escutei-o andando mais perto de mim, o senti escovar a mão no meu rosto. —Eu venho chamando você também. Eu chamei assim que você não me ligou na hora como você esteve fazendo ... Você não respondeu. —Não. Você não fez. —Revirei os olhos. —Você não tem que mentir. Basta admitir que você é uma porra egoísta e que você queria continuar a fazer-me sofrer. —Desculpe-me?


—Você me ouviu.— Eu ignorei a dor na minha garganta. —Eu posso entender você estar louco por me ver falando com Ryan, realmente posso. E eu sinto muito que eu feri seus sentimentos por falar com ele em tudo. Foi um erro da minha parte e eu não deveria terlhe dado um segundo do meu tempo, mas isso foi na semana passada e você não ter me chamado em toda esta semana. Que porra há de errado com você? —Claire ... —Mesmo Ryan chamou-me desde que entrei aqui - Ryan porra! E, aparentemente, ele é a razão pela qual eu estou aqui! —Notei que seus olhos estavam em chamas. —Eu não o chamei de volta e eu nunca vou, mas ... Você não me chamou desde que cheguei aqui - aqui na porra do hospital, Jonathan. Estive aqui durante dois dias e ... —Eu tentei não chorar. —Você só ... Você não acha que algo estava errado quando todas as minhas chamadas telefônicas param de repente? Huh? Ou você é auto absorvido para onde você pode somente se concentrar na sua ira? Mesmo quando a sua noiva está no hospital? Ele suspirou e abriu a boca para falar, mas eu o interrompi. —Quanto tempo você ia me deixar ficar no que hotel por mim mesma? Quanto tempo você ia continuar enviando-me, flores menos as notas e ignorando minhas chamadas porra? —Claire ... —Você quer saber por que ninguém tem os seus convites do casamento na porra da correspondência?— Eu não me importava que ele estava estreitando os olhos para mim. —É porque eu não gostava dos convites de papel malditos, Jonathan. Eles não eram nós, então eu pensei que eu iria fazer algo diferente. Liguei para todos os que nós convidamos e disse-lhes a data e informações sobre o local. Eu disse que não estavam mandando convites formais, e que eles iriam receber


algo poucas semanas antes do casamento ... Eu disse a eles para não dizer nada a você sobre isso porque eu queria que fosse uma surpresa... —Eu estou ciente, agora, Claire. Apenas me escute. —Não ... Você sabe quanto tempo que levou para eu projetar quinhentos ganchos marinhos? Quinhentos ganchos marinhos que faria conjunto como um gancho enorme marinho com nossas iniciais em toda a frente? Você sabe? Sabe? Ele suspirou. —Na medida em que o nosso bolo ai ...— Eu não estava recuando. —Eu não sei o que diabos aconteceu com isso, porque eu só queria dizer para cancelar um deles ... E você honestamente acha que eu iria esperar até o último minuto para projetar seu anel de casamento? Mesmo? Eu não queria usar a Valenti - Eu queria encontrar um lugar por mim mesma. Mas você, você não teria sequer me ouvido. Você nem sequer me deu uma chance ... —Minha voz falhou. —Eu não posso acreditar que você é tão egoísta ... Por uma questão de fato, eu não quero você aqui agora. Saia ... Diga a Greg para entrar assim eu posso agradecer-lhe por estar aqui para mim. Ele está na sala de espera desde que cheguei aqui, onde deveria ter sido você. Lá estava a tristeza em seus olhos quando ele me cobriu com as cobertas. —Saia, Jonathan. Eu só quero estar perto dos que se importam agora ... —Eu preparei o hospital para você, Claire.—Sua voz era baixa. — Eu estava esperando por você para chegar aqui ... O quê? Tentei não olhar chocada, mas eu poderia dizer que ele tinha lido minha mente. —Eu estava no meu caminho para o Fairmont para falar com você para que pudéssemos fazer planos porque estar sem você - se eu


estivesse com raiva de você ou não, ainda é insuportável ... Eu estava a vinte minutos, quando recebi um telefonema da minha equipe de segurança me dizendo que você tinha sido empurrada para baixo nas escadas. —Eu não tenho quaisquer chamadas não atendidas a partir de você.— Eu disse sem rodeios. —Eu estava usando o telefone de Greg. Ele esmagou o meu. —Por acidente? —Greg nunca faz nada por acaso.— Ele revirou os olhos. —Eu estava tentando ligar para algumas pessoas especiais que acertariam a merda de Ryan e despejar o seu corpo no mar. Ele fugiu uma vez que os médicos chegaram, depois que ele lhes disse que não tinha a intenção de fazê-lo, que foi um acidente ... —Eu bati nele ... Eu não devia ter feito isso. Ele pressionou os dedos contra os meus lábios. —Eu estive sentado bem ali desde que você esteve neste quarto.— Ele apontou para o canto, mas eu ainda não podia mover meu pescoço. —Eu disse a eles que eu não estava indo embora, a menos que você estivesse vindo comigo. —Você me viu contar à enfermeira para não chamá-lo? Ele balançou a cabeça e estreitou os olhos para mim. —Por que você não disse alguma coisa? —Eu estava em choque.— Ele parecia magoado. —Eu não podia acreditar que tinha dito isso, que você não queria me chamar primeiro. —Sinto muito.


—Você não deveria sentir ...— Ele roçou o polegar contra a minha bochecha, sussurrando: —Eu merecia isso ... Eu sinto muito, Claire. Isto nunca deveria ter acontecido ... Olhamos um para o outro nos olhos, sem dizer mais nada. Então me lembrei de algo que ele havia dito mais cedo. —Como sua equipe de segurança sabia que eu tinha caído nas escadas tão rápido?— Perguntei. —Você tem me observado? —Não te observando. Protegendo você.—Ele segurou minha mão.—Aparentemente, eles estavam em uma pausa para o café quando Ryan veio te ver ... —Eles estão sempre me observando? Ele não respondeu. Ele simplesmente passou os dedos contra a cinta no meu braço esquerdo e balançou a cabeça. —Sinto muito que eles não foram capazes de impedir isto ... Eles nunca deveriam deixar Ryan chegar tão perto de você... —Você os despediu? —No local.— Ele beijou minha testa. —Falaremos sobre tudo depois. Apenas descanse. —Você poderia perguntar aos médicos por quanto tempo vou ficar aqui? A dormência está começando a passar. —Mais alguns dias.— Ele olhou entristecido. —Mas não vamos focar nisso. Eu prefiro saber por que você não apareceu para o encontro com a organizadora de casamentos na quarta-feira. —Eu pensei que o casamento estava fora. —Por que você acha isso?


—Eu recebi uma ligação sobre você cancelando nosso encontro com o advogado civil, e desde que você não apareceu para o último passeio do local do evento no outro dia ... —Eu cancelei designação do advogado do civil, porque ele queria que eu assinasse um acordo pré-nupcial, não porque eu não quero me casar com você.— Ele balançou a cabeça. —E eu apareci no local, na hora. Você deve ter se atrasado porque eu esperei por você por mais de uma hora ... —Ele sorriu. —Eu fiz uma promessa a você, e se eu estou chateado com você ou não, você ainda é o amor teimoso da minha vida ... Você ainda quer se casar comigo, Claire? —Sim ... Ele se curvou e beijou meu rosto. —Gostaria de empurrar o casamento de volta?— Ele olhou por cima do meu corpo. —Até que você se sinta melhor? —Não. Ele ergueu a sobrancelha. —Eu não quero esperar mais -. Quatro semanas é tempo suficiente Ele sorriu e beijou minha testa. —Você não mudou nada nesse último encontro com a senhorita Corwin não é? —Eu fiz realmente.— Ele sorriu. —Muitas poucas coisas. Eu estava alerta agora. —Algumas coisas como o quê? —Do jeito que a sala vai ser configurada, o piso da pista de dança, a iluminação ... —Então, você praticamente mudou tudo?


—Eu acho que sim.— Ele beijou minha bochecha. —Eu não tive muita ajuda naquele dia. —Jonathan, você disse que eu poderia escolher tudo. Eu tinha as ideias perfeitas para a recepção, e você vai e ... Eu não posso acreditar que você. Você só precisa controlar tudo em sua volta? —Eu gemi e ele caminhou até desligar a TV. —Eu não estava assistindo isso feito, e eu não tenho falado com você sobre a nossa recepção de casamento. Você pode levá-la ao telefone para que ela possa explicar o que você mudou e eu possa ter a certeza que está tudo certo? —Não.— Ele apagou as luzes. —Você pode pelo menos me dizer os detalhes, então? Não é que eu não confio em seu gosto mas...—Eu senti seus lábios cobrindo o meu, suavemente, com ternura, como se ele quisesse ser o mais cuidadoso possível. —Vá dormir, Claire.


Capítulo Dezessete Claire Duas semanas depois... Eu lentamente atravessei a sala, ignorando a dor leve no meu pé direito, implorando para o meu corpo para se manter em movimento. Tão perto .... Tão perto ... Eu levei mais cinco passos e cai no sofá, uma vez eu fiz isso até o outro lado. Minha especialista aplaudiu e me entregou um copo de água. — Muito bem, senhorita Gracen!— Ela estava radiante. —Foram duas horas de caminhada! Você vai estar passeando pelo corredor com facilidade! O seu noivo irá permitir que você faça um pouco mais por conta própria agora que está em casa? Não... Eu disse-lhe que sim, mas Jonathan não tinha me deixado fazer muita coisa. Ele tinha levado umas férias prolongadas de sua empresa para que ele pudesse atender a todas as minhas necessidades. Ele até tinha construído uma réplica do nosso quarto no térreo para que eu pudesse chegar a ele - através da cadeira de rodas que eu realmente não precisa usar. Eu tentei convencê-lo de que a dor não era tão ruim assim e que eu realmente não precisava de fisioterapia, mas ele se recusou a ouvir e ele se recusou a deixe-me ir para o trabalho. Ele tinha o meu pessoal vindo durante o dia e todos nós trabalhávamos em várias salas. E


sempre que eu tinha um compromisso com um cliente, eu os recebia no exterior junto à piscina. Tanto quanto os exercícios recomendados eu deveria fazer em casa, ele estava sempre pronto a ajudar-me a completá-los. Mesmo quando ele levava uma hora para atravessar a sala sem pestanejar, ou quando eu chorei por metade de um dia, porque eu não poderia fazer a rotina com meu ombro, ele foi paciente e encorajador. —Quanto tempo você honestamente acha que vai levar até que eu possa correr de novo? E você pode por favor escrever uma nota dizendo ao Sr. Statham que estou plenamente capaz de me locomover sem cadeira de rodas agora? Eu não estou levando-a para casa comigo hoje... Ela sorriu e puxou um bloco fora de seu bolso. —Claro. Provavelmente, você pode correr em quatro meses ... Correr? —Ela balançou a cabeça. —Falaremos sobre isso quando eu ver você de novo. Eu estarei de volta com o seu gráfico de progresso. Meu celular tocou e eu segurei até minha orelha sem olhar para ele. Jonathan sempre chamava logo após quando minha sessão havia terminado. —Eu preciso de mais alguns minutos.— Eu disse. —Eu estou esperando pelo meu gráfico de progresso. —Claire ...— Era Ryan. Eu desliguei. Meu telefone tocou novamente e eu respondi, pensando que era Jonathan. —Por favor, não desligue, Claire.— Era o idiota novamente. —Eu estou ... Eu sinto muito que eu empurrei você - eu nunca quis te machucar desse jeito ... Por favor, acredite em mim.


—Eu não. E eu realmente espero que você esteja fora da cidade, porque há muitas pessoas procurando por você agora. Ele suspirou. —Eu só quero que você saiba que Amanda está se recuperando de sua cirurgia muito bem.— Ele fez uma pausa. —A fase dois foi há uma semana e era arriscado, mas realmente funcionou. —Bem, bom para ela e bom para você. Tente não empurrá-la para fora da janela. Adeus.—Eu desliguei. Ele chamou de volta, mas eu não respondi. Então ele chamou mais duas vezes antes de finalmente colocar meu telefone em modo silencioso. Eu estava prestes a chamar Jonathan e dizer-lhe que eu estaria fora, mas Ryan me enviou um texto: —Um de seus empregados mencionou que você está em St. Francis ... Ela está no mesmo lugar ... Quarto 2323 ... Eu não vou estar lá para que você não tenha que falar comigo - ou ver-me... Apenas diga a ela Olá. Isso é tudo que estou pedindo...

Eu não tinha certeza o que me fez mudar de ideia, mas lá estava eu na fila por um passe de visitação, considerando chegar cara a cara com a mulher que tinha alterado drasticamente minha vida. As luzes brilhantes e paredes na cor taupe estavam provocando memórias de anos passados, anos, quando Amanda estaria de cama durante todo o verão, quando eu ia trazer seus ursos de pelúcia e pegála acima em todas as fofocas que ela tinha perdido a partir da primeira semana da classe de aulas no ensino médio. Isso sempre costumava me causar dor de ver seu corpo ligado a inúmeros tubos, mas eu nunca deixaria minha preocupação se mostrarno meu rosto. Eu sempre disse a ela que —Desta vez é a última. Você nunca vai estar nesse quarto novamente. —E depois que nos


formamos no colegial juntas, eu tinha acreditado que aquelas palavras eram verdadeiras. —Próximo!— A mulher na mesa de segurança fez sinal para eu dar um passo adiante. —Eu preciso de sua licença e seu bilhete de estacionamento da garagem para verificação. Se você pegar o ônibus, eu preciso de uma forma separada de ID. Dei-lhe a minha licença e meu cartão de terapia. —Quem você está aqui para ver, senhorita Gracen? —Amanda Meadows. Oncologia. —Amanda Meadows?— Ela balançou a cabeça em sua tela. —Eu sinto muito.— Eu limpei minha garganta. —Amanda Hayes. Ela se casou... Ela

assentiu

com a

cabeça

e

preencheu

um

crachá

de

identificação verde antes de entregá-lo para mim. — O horário de visitação acaba às nove a menos que você obtenha permissão especial pelos médicos do andar. Mantenha o seu crachá de identificação em todos os momentos. Você vai obter a sua licença de volta depois de devolvê-lo. Ela está no nível vinte e três. Próximo! Enfiei minha bolsa por cima do meu ombro e caminhei lentamente até os elevadores, respirando fundo. Por que estou fazendo isso? Eu não devo nada a ela ... Antes que eu pudesse me convencer de desistir de vê-la, a porta do elevador estava aberta e eu me forcei a entrar. Levou vários minutos antes de chegar ao vigésimo terceiro andar; o elevador pareceu parar em todos os níveis e todos os que entraram pareciam estar preocupados com qualquer conversa que estavam tendo em seu telefone celular do que com outra coisa.


—Vinte. Três. — O alto-falante do sistema do elevador zumbiu e eu empurrei o meu caminho para a frente para dar um passo pra fora. Eu olhei para baixo no meu crachá de identificação, onde número do quarto de Amanda estava escrito e me dirigi para a esquerda. Cada um dos quartos que passei tinha cartões e —Fique Bem Logo—de mensagens gravadas sobre as molduras de portas. Quarto 2323... Eu parei em frente da porta, forçando-me não estremecer conforme seu nome, Amanda Hayes, me olhava bem no rosto a partir da escrita vermelha. Bati quatro vezes, mas não houve resposta. Dei de ombros e decidi ir embora, mas eu ouvi um leve —Entre. Eu hesitei, perguntando se eu deveria enfrentá-la ou não. Torci a maçaneta e entrei. Quando eu dobrei a esquina, seus olhos imediatamente encontraram os meus. Fiquei ali completamente congelada, surpresa com sua aparência medonha. Sua pele estava pálida, seus olhos pareciam amarelados, e todo o seu cabelo tinha sido raspado. Ela não se parecia em nada com a mulher que eu tinha visto na loja de refeições. Olhei ao lado de sua cama e vi uma abundante, peruca marrom pendurada na cabeceira. —Claire?— Ela resmungou quando ela sentou-se lentamente. — Eu não pensei que você realmente viria para me ver ... —Eu também não.— Eu mantive minha distância. —É que eu ouvi que a sua cirurgia correu bem. Ela assentiu com a cabeça. —Sim. Ela foi.


—Bem, bom para você...— Meus olhos se desviaram para os arranjos de flores que estavam colocados em seu parapeito da janela. Eram todas rosas vermelhas - estilo polo. As mesmas exatas que Ryan costumava dar-me quando estávamos casados. —Você gostaria de se sentar?— Ela limpou a garganta. —Se você não estiver muito ocupada é claro... —Na verdade, eu estou.— Eu dei um passo para trás. —Eu nem tenho certeza por que eu vim aqui, em primeiro lugar ... Desejo-lhe tudo de bom e,é bom saber que você estará bem nos próximos anos ... Adeus, Amanda ...— Eu me virei para ir embora, mas ela reuniu um gutural —Espere!— de seus pulmões. Fiz uma pausa e apenas olhei por cima do meu ombro. —Por favor, escute ... Se você encontrar uma pequena, por menor que seja, parte em seu coração que iria me perdoar pelo que fiz a você, o que eu fiz para nós e nossa amizade ... Eu realmente apreciaria. Eu estou tentando realmente consertar minha vida e trabalhar em ser mais positiva então ... eu gostaria apenas de limpar o passado ... —Limpar o passado?— Eu lentamente me virei. —É isso que você disse? Ela deu um aceno fraco. —Eu não quero isso pesando na minha consciência mais ... Há alguns dias que o próprio pensamento do que eu fiz ... Faz-me tão doente que não tenho estômago para isso e eu literalmente vomito ou choro até dormir ... Faz anos e eu ainda não consigo superar isso. Eu quero que você saiba que eu realmente sinto muito, Claire. - Por tudo que eu te fiz passar —Ela faz uma pausa. —Eu sei que nós não podemos ser amigas novamente - e, tanto quanto eu desejo que isso não fosse verdade, eu só ... Eu só quero ser capaz de ter uma consciência limpa novamente – parar de ir a um ano inteiro sem acordar no meio da noite pensando no que aconteceu ...


Eu respirei fundo e tentei engolir a amargura que eu sentia por anos, aquele gosto nojento de traição. Mas ele ainda estava lá - azedo como sempre, e doente ou não, ela ainda era uma cadela. Eu caminhei até sua cama e olhei direto em seus olhos, tentada a apertar a bolsa de oxigénio até que ela me pedisse para parar. —Isso deve pesar sobre sua consciência a cada dia.— Eu assobiei. —Todo. Dia. Porra. Toda vez que você olhar em seus olhos, aqueles que eu costumava dizer-lhe sobre, lembra? Como elas pareciam cinzentos no verão e verde no outono? Toda vez que ele está deitado em cima de você e você tem que olhar para a tatuagem em seu peito, o que se lê — Claire—, mas não pode ser removido porque aquela pequena queloide está logo debaixo dela, você deve se sentir como merda. Você não merece a consciência limpa, Amanda, e você nunca vai ter uma ficha limpa comigo. Nunca. —Claire... —Não.— Eu não lhe doua chance para uma réplica. —Eu quero que você saiba que eu estou comprometida com o homem dos meus sonhos - o homem dos meus sonhos de merda. Ele é tudo que eu poderia querer em um homem e muito mais do que Ryan poderia ser. E mesmo que eu tive que perder Ryan para encontrá-lo, eu não tinha necessidade de perdê-lo da maneira que eu fiz, da maneira que você o levou de mim. —Eu sinto muito ... —Você arruinou o meu felizes para sempre, Amanda. E não era uma coisa de uma vez. Isso estava acontecendo há meses! Nas minhas costas! Como você pode até mesmo viver com você mesma naquela época? Como você pôde sorrir para mim e sair comigo sabendo muito bem que você ... —Eu não conseguia olhar para ela sem ficar com raiva, e de repente senti minha mão se contraindo. —Você me deixou sair com você sem nenhuma porra de remorso, você simplesmente me deixou


com a minha vida como se nada estivesse acontecendo. Mas todo o tempo você sabia! Você sabia o que diabos estava acontecendo e você só... Antes que eu pudesse concluir o tapa, cadela do século, senti alguém agarrar meu pulso por trás e segurá-lo ainda. Jonathan. Eu vi Amanda apertando os olhos fechados como se ela ainda estivesse esperando por minha mão para se conectar com seu rosto, então eu lentamente me virei para enfrentar Jonathan. Sua sobrancelha estava levantada e o olhar em seu rosto era de confusão, incerteza,decepção. —Saia, Claire.— Ele enxugou uma lágrima do meu rosto. —Agora. Eu nem sequer me incomodei em olhar para Amanda. Eu queria lembrar do seu rosto como estava a segundos atrás para o resto da minha vida. Cadela covarde .... Eu pisei fora e me dirigi para o banheiro feminino que era ao lado. Frustrada, eu me inclinei sobre a pia e salpiquei meu rosto com água repetidas vezes. —Eu realmente não tive a intenção de empurrar você ...— Ryan pigarreou, assustando-me e me forçando a virar. —Fique bem longe de mim, Ryan. Eu não estou no humor para mais de suas besteiras e você causou problemas suficientes. Vá confortar sua esposa.—Eu passava por ele, mas ele agarrou meu cotovelo e me pressionou contra a parede. —Escute ...— Havia lágrimas em seus olhos. —Eu não esperava que você viesse vê-la, mas obrigado. Independentemente se você a perdoou ou não, eu acho que você vir aqui significava muito pra ela. E pra mim.


—Você realmente precisa de ajuda profissional...— Eu tentei afastar-se, mas ele estava prendendo-me contra a porta. —Para o registro, era apenas luxúria, Claire - o que ela e eu tínhamos. Ele eventualmente se transformou em amor, mas ... —Eu honestamente não dou a mínima pra você ou ela. Eu não sei quantas maneiras que eu posso possivelmente dizer isso, mas se você pudesse ... —Eu olhei para os braços e corri os olhos para a porta. — Apenas me deixe ir para que eu possa sair. —Não até que você me escute. Eu suspirei. Se minhas pernas não estivessem tão rígidas, eu teria tentado me libertar e correr para a porta, mas eu sabia que não havia jeito de eu passar por ele. —Ryan ...— Eu suspirei novamente para dar ênfase. —Há padres em toda a cidade que estão dispostos a ouvir os seus problemas de forma gratuita. Encontre um deles, porque eu não tenho tempo. —Eu gostaria de ter uma segunda chance com você, Claire. A terra caiu aos meus pés e eu perdi a capacidade de falar. Eu fiquei chocada. Sem Folego. Enojada. —Você me ouviu ...— Ele trouxe seu rosto perto do meu. —Uma segunda chance. Você e eu. Isso pode ser calmo e fácil de novo. Eu sei que porque é quem nós éramos. —No momento em que eu perdi você eu me sentia vazio—, continuou ele. —Eu não tinha ideia de que você iria arrumar as malas e sair do jeito que você fez. Quer dizer, só porque eu disse que eu sempre tive sentimentos por Amanda, não significa que eu não tinha nenhum por você. Eu só estava ... em uma situação difícil na minha vida. Eu pensei que você iria pelo menos reconsiderar o divórcio, mas você só ... Você entrou no dia seguinte. Eu não estava esperando que ...


—Ryan ...— Eu quase não digeria. —Pare com isso ... Pare com isso agora. —Tudo aconteceu tão rápido ... Meses depois você mudou todo o caminho até aqui e você só me cortou como se eu fosse —Imprestável? Patético? Cheio de merda? —Você estava com raiva.— Ele pressionou o polegar sobre meus lábios. —E você tinha todo o direito de estar ... Mas as pessoas cometem erros Claire ... Eu tentei fazê-lo funcionar com Amanda. Eu fiz a coisa certa e me casei com ela, mas ... Tudo o que sempre fizemos no primeiro ano e meio era falar sobre a forma como nos sentimos culpados sobre o que fizemos para você. Eu tentei o meu melhor para bloqueá-lo para fora. Eu não queria ouvir o resto dessa merda. Eu não me importava. —Você sabe que eu nunca quis te empurrar para baixo naqueles degraus ...— disse ele enquanto segurava meu queixo. —E mesmo que o seu novo noivo tenha me demitido e me colocado na lista negra de cada empresa individual em Pittsburgh ... Eu acho que você e eu poderíamos reconstruir o que nós tivemos novamente. Eu tenho economizado o suficiente e eu realmente acredito nisso. Amanda está falando sobre o divórcio pela quinta vez e acho que ela finalmente quer dizer que ... Você não pode ver? Nossas vidas não valiam muito sem você nelas e é exatamente por isso que você deve tomar-me de volta. Eu sei o quanto você me perdeu, porque eu perdi você também. Senti meus olhos arregalados até onde eles poderiam ir. Esta era uma visão dolorosa para ver, mas por alguma razão eu não conseguia desviar o olhar. —O que nós dois tínhamos era especial ...— Ele acariciou minha bochecha com a parte de trás de sua palma. —Era algo que eu nunca senti antes. Todos esses anos eu desejava que eu pudesse voltar no tempo e mudar o que eu...


A próxima coisa que eu vi foi um punho se conectar com sua mandíbula. Demorei alguns segundos para perceber que era Jonathan e ele estava perfurando a merda fora dele, com tanta força que eu ouvi seus ossos rachando. Ryan tentou lutar de volta, balançando os punhos no ar, mas Jonathan enviou um punho diretamente em seu olho, derrubando-o contra a parede. Eu pensei que ele iria deixá-lo sozinho - que ele permitiria que ele sofresse com um olho sangrando e uma mandíbula quebrada. Mas ele se aproximou e apontou Ryan no costelas de novo e de novo, até que ele escorregou para o chão, murmurando - implorando para ele parar. Não convencido, Jonathan estava sobre ele e socou o rosto várias vezes, até que ele não pudesse dizer outra palavra. Agarrei meu peito e engasguei com a visão feia na minha frente: Ryan estava enrolado em uma bola com os olhos inchados, sangrando por todo o chão. Calmo como sempre, Jonathan foi até a pia e arregaçou as mangas, tendo todo o tempo do mundo para lavar as mãos. Quando ele terminou, ele pegou uma toalha de papel e as secou como se ele não tivesse acabado de bater em alguém perto da morte. Ele olhou nos meus olhos quando ele pegou seu telefone celular. —Greg? Sim. Estou no vigésimo terceiro andar. Banheiro das mulheres. Você poderia ter alguém aqui para ajudar o Sr. Hayes até a ER por favor? Ele precisa desesperadamente de assistência.—Ele fez uma pausa. —Estou levando Claire para voltar e pegar a sua identificação e nós vamos encontrá-lo na garagem. Tenha Sean levando meu carro para casa. Obrigado. Ele desligou e colocou o braço em volta da minha cintura, me levando para fora da sala. Não havia palavras entre nós, nenhum olhar de relance.


Eu não tinha certeza de como eu cheguei ao térreo, ou o tempo que levou para obter a minha licença de volta, mas a próxima coisa que eu soube é que eu estava sentada no banco de trás do carro, observando as ruas passarem correndo pela janela. À medida que nos aproximávamos da via expressa, eu me virei para enfrentar Jonathan. —Você quase o matou ... —Ele colocou as mãos em você.— Ele estreitou os olhos. —Ele tem sorte de eu não fazer. Engoli em seco e permaneci em silêncio ao seu lado, ainda em choque com a cena que se desenrolou no banheiro. Eu não tinha ideia de que ele era capaz de bater terrivelmente em alguém. Ele tinha estado tão possuído, tão obcecado em espancá-lo a um passo de perder sua vida. —Será que você realmente o teve demitido ... E colocado na lista negra em cada empresa em Pittsburgh?— Eu sussurrei. —Não ... Cada empresa no país. Silêncio. —Você não bateu em Amanda ...— Minha voz estava tremendo. — Você fez? —Eu nunca bati numa mulher, Claire.— Ele olhou nos meus olhos. —E eu nunca vou ... Eu disse a ela que não estava interessado em ter conexão com qualquer um deles novamente, e que eu não queria que minha futura esposa tendo qualquer noites mais em claro devido à sua interferência.— Ele ergueu minha mão e rodeou seu polegar em torno de meus dedos. —Eu paguei pela cirurgia, uma vez que poderia ser um pouco mais difícil para eles pagar, uma vez que Ryan não está trabalhando, e eu vou ter a conta do hospital para suas lesões também.


Eu tinha certeza que temia algo ainda em meus olhos, porque ele segurou meu rosto entre as mãos e apertou seus lábios contra os meus. —Eu vou ferir qualquer um que te machucar, Claire. Qualquer um. Eu concordei e ele me puxou contra seu peito, acariciando minhas costas com as pontas dos dedos. —Você nunca terá que se preocupar com qualquer um deles novamente.


Capítulo Dezoito Jonathan —Existe uma razão pela qual eu recebi um telefonema sobre você agredindo um homem em um banheiro de hospital?— Milton entrou no meu escritório. —Por favor me diga que é uma piada. —Eu não tive a intenção de quebrar o nariz. Apenas sua mandíbula. —Bem, graças a Deus você quebrou suas costelas e seu osso da clavícula também. Tenho certeza de que eles estavam sentindo bastante negligenciados na briga. —Eu já paguei a conta do hospital, e que inclui o tratamento pósterapia. Já faz mais de uma semana. Ele está tentando me processar? —Claro que sim maldição que ele está tentando processar, Jonathan! Ele é um advogado! Que porra é essa que você achou que ia acontecer ?! Eu dei de ombros. —Eu cuidarei disso. Existe alguma coisa interessante que você quer falar hoje? Ele revirou os olhos e me entregou uma pasta. —Aqui estão as opções de ações que serão alteradas ao longo do nome da sua esposa. Eu já a adicionei com um acesso para todas as suas contas pessoais e ela vai ter acesso pleno no dia que sua licença de casamento for aprovada ... acesso completo ... para todo o seu dinheiro ... Todo o seu —Algo mais?


—Sim.— Ele puxou uma pequena caixa do bolso e entregou-o para mim. —Parabéns. É uma caneta rara - apenas no caso de você mudar de ideia nos próximos dias ... Há também um verdadeiro presente lá dentro para sua futura esposa. Eu gosto dela mais do que eu gosto de você. —Muito obrigado. Vejo você no casamento.—Eu ri quando ele saiu do meu escritório. Assim quando eu estava me preparando para seguir seu exemplo, Corey entrou e fechou a porta, estreitando os olhos para mim. Sim? —Apertei os olhos de volta. —Existe um problema, Sr. Walters? —Sim. Isto é um problema do caralho. —Essa é uma frase muito carregada, você não acha? —Greg não vai ser o padrinho de seu casamento, Jonathan. Eu sou. E se você tem um problema com isso... —Eu tenho um problema com isso. —Greg não é o seu melhor amigo. —Greg não está dormindo com a minha irmãzinha. —Nem eu— Seus olhos se voltaram para fendas. —Eu gosto de Hayley - muito. Inferno, eu poderia até mesmo amá-la, eu nem porra ainda sei porque, eu nem sei mesmo o que essa palavra significa, mas é diferente com ela. Ela não é como as outras mulheres com quem estive. —Outras mulheres que você esteve no total ou outras mulheres que você esteve só este ano? Você fodeu mais de cinquenta mulheres nos últimos nove meses. —Eu sei disso. — Ela sabe?


Ele não respondeu, mas o olhar em seus olhos disse tudo. —Eu não sou mais o guardião de Hayley.— Eu balancei minha cabeça. —Eu não posso dizer a ela o que fazer ou não agora, mas você a conhece há anos. Você a protegeu junto comigo alguns daqueles anos e agora você ... Certamente você pode ver porque eu teria um problema com ela em entreter o homem que anteriormente prometeu A) Nunca se comprometer com uma mulher B) Foder tantas mulheres quanto possível e C) Viver a vida sem anexos. Para Sempre. Você quer que eu acredite que você mudou durante a noite? Por causa de um coração e poucas conversas de coração com a minha irmã? Porque ela não saltou na cama com você imediatamente como todas as outras mulheres fizeram? —Jonathan ...— Ele parecia sincero. —Eu nunca não lhe disse sobre uma mulher que eu estava porque eu não me importava. Eu nunca me preocupei com qualquer uma delas ou os seus sentimentos. Eu me importo com Hayley. Eu sempre fiz... Um silêncio espesso pairava no ar entre nós, e tanto quanto eu queria bater nele como eu bati em Ryan, eu não poderia fazê-lo. Eu não queria admitir isso, mas eu tinha visto uma mudança em Hayley e isso era o que mais importava nessa equação. Claro, ela ainda era uma terrível funcionária, sempre fora, mas ela parecia mais feliz agora. E ela não estava mais com um sorriso falso como costumava fazer apenas para obter-me a deixá-la sozinha. Sua felicidade parecia genuína para uma mudança. Eu ainda não posso acreditar nesta merda ... —Corey ...— Eu mantive minha voz firme. —Se você quebrar o pequeno coração da minha irmã, se você for o responsável por uma porra de lágrima que sair de seus olhos, eu vou ter você assassinado. E então eu vou realmente ir trabalhar em você ...


Ele piscou. Então ele sorriu. —Há quanto tempo você vem trabalhando nesse discurso? —A semana toda. Demasiado forte no destaque para o — realmente? —Não, essa parte foi boa.— Ele parecia impressionado. —Foi a última cláusula que me jogou fora. Diga-o um pouco mais lento na próxima vez por que isso soa mais ameaçador. Foi um pouco rápido demais para mim. —Eu estava falando sério sobre tê-lo assassinado. Ele balançou a cabeça e se aproximou de mim, apertando a minha mão. —Eu não vou machucá-la. Agora, onde está a caixa do melhor homem para este fim de semana? — —Deve estar em sua casa já. Angela a teve entregue esta manhã.

Claire e eu andamos em torno de jardim exterior do hotel, de mãos dadas. Era o dia antes do nosso casamento, e mesmo que tivéssemos estado um com o outro durante todo o dia, nós quase não dissemos uma palavra. Mais cedo naquela manhã tínhamos selecionado as amostras finais dos doces de Stella, ouvimos algumas curtas canções de toda a orquestra que tínhamos contratado, e andamos ao redor do local do casamento recém-construído. Ela queria ir para dentro e dar uma olhada na sala de recepção, para ver como eles tinham configurado, mas eu não iria deixá-la; Eu queria que fosse uma surpresa.


—Você acha que eles vão se lembrar do que eu disse sobre as pétalas das flores? Como eu quero que elas devam parecer no corredor? — Ela perguntou. —Eu tenho certeza que eles vão se lembrar.— Eu a puxei para perto de mim. —E

o

que

dizer

das

faixas

das

cadeiras?

Mostrei-lhes

especificamente como eu queria para serem amarradas, mas parecia que eles não estavam prestando atenção em mim. —Isso é provavelmente porque era a décima vez que você estava dizendo a eles. Eles são profissionais. Ela suspirou. —Eu só quero que seja um casamento perfeito... —Vai ser.— Eu abaixei para beijar seus lábios, mas ela estava de repente arrancada para longe de mim. —Isso é o suficiente.— Helen zombou. —Deus, vocês dois me matam. Vocês vão se ver no casamento. E então você terá toda a eternidade. Está na hora para seus tratamentos de spa, Claire. —Agora?— Ela piscou. —Sim. Agora. —Helen puxou-a para longe de mim e ela me mandou um beijo. Eu sorri e soprei umde volta para ela antes de me virar para o outro lado, esperando impacientemente para amanhã.


Capítulo Dezenove Claire Eu não conseguia dormir. Meu coração estava batendo no meu peito, e mesmo que as saídas de ar no quarto estivessem explodindo pesadamente, eu estava suando. Eu não conseguia parar de pensar, sorrindo, sobre o que estava por vir na parte da manhã, sobre como a minha vida iria mudar quando eu me tornasse a Sra .Statham. Nervosa, eu escorreguei para fora da cama e me dirigi para o banheiro. Eu segurei uma toalha na água fria e a pressionei contra o meu rosto, tomando cuidado para não tocar nas manchas brancas estranhas que Bobbie Jo e Kim tinham colocado sobre minhas sobrancelhas. Os tratamentos de spa que elas me fizeram passar anteriormente eram mais extensos que os da Costa Rica, e elas não tinham me permitido dizer uma única palavra sobre qualquer um deles. Nem sequer me deixaram ver Jonathan quando ele apareceu na minha suíte com flores, alegando que, vendo o noivo na noite antes do casamento era má sorte. Olhei-me no espelho e suspirei. Dormir sem Jonathan ao meu lado nunca foi confortável. Eu decidi levar alguns goles de vinho para passar a noite, mas eu ouvi uma batida suave na minha porta. Eu escorreguei no meu robe e olhei pelo olho mágico.


Jonathan? Eu abri a porta, sussurrando: —O que você está fazendo? —Eu preciso falar com você. —Você está cancelando o casamento? —Não. —Então você não deveria estar aqui. Vá embora. Ele revirou os olhos. —Venha dar uma volta comigo. Eu balancei minha cabeça. —Você não deveria ver-me até o casamento. Ele puxou um par de óculos e um boné de beisebol dobrado de seu bolso. —Então eu não vou te ver. Nós precisamos conversar... Enfiei os óculos sobre os olhos e puxei o boné sobre a minha cabeça antes de sair do quarto. Ele pegou minha mão na sua e me conduziu pelo corredor e para o elevador, mantendo seu olhar para a frente. Quando nós chegamos ao lobby, o manobrista puxou seu carro ao redor e segurou as portas abertas. —Para onde estamos indo?—, Perguntei. —Para o local do nosso casamento. —Por quê? —Porque nós precisamos ver tudo juntos antes de amanhã.— Ele esperou que eu afivelasse meu cinto de segurança antes de acelerar para a noite. Meia hora depois, ele puxou o carro para a curva empedrada e me ajudou a sair. Deslizando um braço em volta da minha cintura, ele me


levou para dentro onde Srta.Corwin e sua equipe estavam ocupados decorando afastados, fazendo ajustes de última hora. Ela levantou a sobrancelha quando pisamos em frente a ela. — Vocês

dois

não

deveriam

estar

dormindo?—

Ela

sorriu.

Separadamente? Jonathan beijou meu rosto. —Queríamos ter uma última turnê juntos, se estiver tudo bem. Ela assentiu com a cabeça e nos dirigiu parao fundo do corredor, onde seu outro pessoal estava brincando em alguns centimetros de altura com arranjos de flores. —O gramado da cerimônia é a direita por aquelas portas, lembra? E a sala de recepção é para baixo duas salas e para a direita. Na verdade ... —Ela puxou um pedaço de papel do bolso. —Este é um modelo reduzido de tudo. Divirtam-se, mas eu vou ter que forçá-los a deixar em quarenta e cinco minutos. Eu não quero que os fotógrafos tenham que editar olhos empapuçados de suas fotos. Nós rimos e fizemos o nosso caminho pelo corredor. Tentei nos orientar para a sala de recepção, para obter um vislumbre das mudanças que ele lhe pedira para fazer, mas ele me segurou perto e suspirou. —Você vai vê-lo amanhã. No que saímos e na escuridão, eu podia ver centenas de cadeiras brancas austerosas com faixas em marfim, blush e marcadores pastel corredor, e um belo gazebo branco que estava perto da borda da grama recém-colocadas. —Venha aqui.— Jonathan me puxou pelo corredor e sob o gazebo. Ele fez sinal para eu sentar em um banco e suspirou. —Eu quero que você olhe para isso antes de eu ter você amanhã -. Porque depois de amanhã, eu não quero que você jamais o tire. Eu vi quando ele enfiou a mão no bolso e tirou uma caixa do anel, estendendo-o para mim. Balançando a cabeça, eu empurrei-o de volta.


—É má sorte ... Olhe para o seu primeiro.— Enfiei a mão no manto e coloquei a caixa em sua coxa. Ele olhou para ela por algum tempo, então ele abriu e - parou. Ele me puxou para perto e segurou o anel para a luz, sugando uma respiração enquanto ele lia a inscrição em voz alta. —Meu último. Minha alma. Meu tudo. Ele sorriu e rolou o anel ao redor em suas mãos; era uma aliança de platina com duas tiras finas de diamantes triturados, com “C” e “J” gravadas e entrelaçados contra um gancho mar centrado. —Isso é lindo, Claire ...— Sua voz estava rouca. —Eu sinto muito que eu nunca pensei que você nãoo projetaria ...— Ele balançou a cabeça e gentilmente colocou o anel de volta na caixa. —Abra o seu. Virei a caixa aberta e engasguei com as pedras que brilhavam contra a noite. Lentamente o ergui de sua caixa, eu corri meus dedos ao longo dos diamantes brancos e azuis que foram moldadas em um projeto de ondas. As palavras —Sr. & Sra. Statham —flutuava entre elas, e no interior da aliança que ele tinha gravado— Para Sempre Seu, Sempre Minha. Senti as lágrimas caindo pelo meu rosto e ele estendeu a mão sob meus óculos escuros para enxugá-las. —Eu quero ler os meus votos para você.— Ele deu um beijo no meu rosto molhado. —Eu pensei que nós concordamos que não estávamos escrevendo votos... —Estes são apenas para você ouvir. Eles não são apropriado para dizer em público. —Ele sorriu e enxugou uma lágrima do meu rosto. — Por que você está chorando? —Eu não...


—Você sempre será uma péssima mentirosa.— Ele limpou um outro fluxo de minhas lágrimas e se inclinou para frente como se ele fosse me beijar, mas se conteve. —Claire Gracen ... A primeira vez que eu fodi você. —Sério? —Claro que não. Eu apenas estava tendo a certeza de que você está ouvindo.—Ele sorriu. —A primeira vez que eu conheci você e você me colocou me deu um fora, eu sinceramente pensei que você estava fora de sua mente, que não havia nenhuma maneira de você não querer sair comigo. Eu pensei que você estava apenas jogando duro para conseguir algo, mas então você me rejeitou novamente no trabalho .... Quando eu finalmente tive a chance de levá-la para um encontro - um em curto prazo, não menos, e nós apenas conversamos ... Eu sabia que havia algo especial sobre você. —E quanto mais tempo eu passava com você - fora o sexo incrível que tivemos, eu não podia me ajudar, mas se apaixonar por você ... Eu sei que você não acredita em ter uma segunda chance no amor e que a nossa diferença de idade incomodou você, mas eu quero que você saiba que eu nunca pensei sobre a nossa diferença de idade nem por um único segundo, e eu nunca irei ... Se algo trágico acontecer entre hoje e amanhã com o nosso casamento, por favor acredite em mim quando eu digo que eu não tinha o conhecimento o que o amor era antes de você, e você é - sem dúvida, o amor da minha vida. Meu lábio inferior tremia e eu tinha desistido de tentar segurar as lágrimas. —Você é a mulher mais linda que eu já conheci e eu não posso esperar até que você seja oficialmente minha - para sempre ...— Ele arrastou seu dedo contra meus lábios. —Eu nunca vou te machucar, te trair, ou permitir que outra pessoa faça. —Jonathan ...— Eu estava chorando agora. Ele era demais.


—Vou continuar a enviar-lhe flores todos os dias, porque você merece, porque não há nada que eu não faria por você ... E eu prometo amar, valorizar, e foder a merda fora de você para o resto de nossas vidas. Eu funguei e soltei uma risada. —Esses votos foram lindos ... Especialmente a última linha. —Isso foi o mais difícil de escrever.— Ele beijou minha testa. —Eu amo você, Claire. —Eu também te amo.— Eu me inclinei para beijá-lo, mas ele segurou meus ombros e ainda sussurrou. —Amanhã. Eu suspirei. —Você vai me dizer para onde estamos indo para a nossa lua de mel? Ele balançou a cabeça e se levantou, pegando a minha mão. Então ele deslizou seu outro braço em volta da minha cintura e me acompanhou em torno dos jardins de rosas que ele tinha importado do Sul. Nós não dissemos uma palavra um ao outro. Nós simplesmente escorregamos para aquela calma familiar que facilmente nos envolvia com tanta frequência. Depois que nós olhamos para o céu juntos, fazendo desejos distintos para as estrelas, ele deu um beijo na minha testa e nos dirigimos de volta para o hotel. Quando entramos no elevador, ele sorriu para mim e olhou debaixo dos meus óculos de sol. No segundo em que as portas se abriram, ele conduziu-me fora e me levou de volta à minha suíte. —Vejo você amanhã ...— Eu estava na ponta dos pés e trouxe sua cabeça para baixo para a minha. Eu estava morrendo para ele beijar meus lábios. Só uma vez.


—Amanhã, futura esposa—, ele disse baixinho e beijou a minha mão. —Você provavelmente deve entrar no seu quarto antes de eu arrastá-la para o meu e esquecer tudo sobre o casamento. Eu ri ele beijou na minha bochecha. —Boa noite, futuro marido.

Acordei com batidas altas na minha porta. —Estou chegando! Estou indo! —Eu joguei um robe sobre meu pijama e abri a porta. Era Helen e Sandra. —Você está atrasada para a sua maquiagem.— Sandra balançou a cabeça. —Bobbie Jo e Kim tem chamado o seu telefone pelas duas últimas horas. Que você fez ficando acordada até tarde? Eu balancei minha cabeça. —Você está tendo segundos pensamentos?— Helen levantou a sobrancelha. —O quê? Claro que não. —Bom.— Ela me arrastou até uma cadeira e me empurrou para ela. —Uma vez que você está atrasada, eu vou ter as meninas nos encontrando aqui para fazer tudo. Sandra, você poderia chamar o serviço de quarto e tê-los trazendo a Claire algum café da manhã? Nós não queremos que ela fique doente no seu grande dia. Sandra assentiu com a cabeça e desapareceu dentro do quarto. As próximas horas foram um borrão vertiginoso: Bobbie Jo e Kim fizeram meu cabelo e maquiagem com perfeição; meus olhos foram mergulhados em uma sombra para os olhos suave cintilante e meu


cabelo foi puxado em um belo coque com cachos soltos que pastavam meu ombro. Hayley veio e me presenteou com a liga que tinha projetado pessoalmente, minha mãe e filhas manipularam o meu vestido até que pensei que era perfeito, e um enorme buquê de flores branco foi trazido para o quarto. Eu estava chegando para o cartão prata que estava em suas hastes, mas Sandra arrebatou-o longe de mim. —Vamos ver o que o Sr. Multimilionário tem a dizer para sua noiva no dia de seu casamento.— Ela virou o cartão aberto e limpou a garganta como se ela fosse lê-lo em voz alta, mas depois ela começou a chorar. —Ugh.— Helen revirou os olhos. —Dê-me isso... Para minha futura esposa: Hoje é o primeiro dia do resto das nossas vidas. Com a exceção do primeiro dia que eu conheci você - o dia em que você entrou na minha vida, nenhum outro dia nunca vai significar tanto para mim como hoje. Você é a razão por trás da minha felicidade e você mantem as chaves da minha alma. Eu amo você, Claire ... Apresse-se para chegar aqui :-) Todos no quarto deixaram sair um coletivo “Awww” e enxugaram as lágrimas de seus olhos - até mesmo Helen. Quando estava passando em torno lenços de papel, eu fugi para responder à batida na porta. A mãe de Jonathan. —Oi ...— Eu olhei para o vinho vermelho escuro que estava em sua mão, esperando que ela não faria o que eu pensei que ela estava fazendo aqui .


Ela me notou olhando para o copo e rapidamente o jogou para trás. —Eu sinto muito ... É suco, não vinho ...e eu nunca ...— Ela fez uma pausa. —Você tem algo emprestado, Claire? Meus olhos se arregalaram e eu entrei em pânico. —Não ... Não, eu não faço. Oh meu Deus -. Isso é realmente falta de sorte ... Eu não posso acreditar que eu não o tenho —Eu agarrei meu peito. —Aqui.— Ela puxou um pino de pérola lindo de marfim de seu cabelo. —Minha mãe usou em seu casamento e eu usei no meu. Eu pensei que eu iria ... Eu pensei que eu iria dar a você, então você poderia ... Você sabe ... —Seus olhos eram sinceros, mas ela parecia como se ela estivesse se preparando para fugir para longe de mim. —Obrigado, Sra Statham.— Eu estendi a mão para tirar o pino dela, mas ela lentamente puxou-o de volta. —Permita-me,— ela disse e fez sinal para eu me curvar. —Você faz meu filho realmente feliz, Claire ... Depois de tudo o que ele passou, ele merece ser feliz e eu estou feliz de que você o trouxe para fora disso. Senti o pino deslizante no meu cabelo, e quando eu tinha certeza de ela terminou, levantei-me novamente. Eu olhei para ela um longo tempo, plenamente consciente de que todas as minhas amigas estavam olhando para nós, prontas e esperando para dar o bote se ela tentasse fazer algo louco. Em vez de dispensá-la, eu sorri e envolvi meus braços ao redor dela, abraçando-a com força. —Obrigado pelo algo emprestado. Estou ansiosa para nós começarmos de novo no futuro. Ela fungou conforme ela me abraçou de volta. —Eu também, Claire. Quero dizer, Sra Statham. —Estamos prontas?— Sandra limpou a garganta. —A limusine está lá em baixo e os padrinhos já estão no local de acordo com o diretor. Vamos lá!


Meu coração estava na minha garganta. Tudo sobre o nosso local era perfeito. Absolutamente perfeito. Não havia uma nuvem no céu, e os dez arcos foram feitas inteiramente de rosas brancas e amarelas e estavam altos e elegantes no gramado. Os vestidos das damas de honra, vestidos longos e arejado champanhe, perfeitamente combinavam com os lustres brilhantes que eu tinha visto pendurado no corredor. Quando nossas mães andaram pelo corredor, eu senti meu buquê escorregar pelas minhas mãos. Ele quase caiu no chão enquanto eu observava Sandra e Helen sair. Em seguida, foi a vez de Ashley e Caroline. Senhorita Corwin enfiou a mão no bolso e enxugou os olhos com um lenço de papel. —Não chore ainda, senhorita Gracen .... Respire profundamente várias vezes.— Ela esperou por mim para seguir suas instruções. —Está quase na hora... Uma voz profunda disse: —Por favor, de pé para a noiva ...— e eu ouvi o farfalhar das cadeiras. As primeiras notas de “Angels” de Robin Thicke começou a tocar e meu coração quase caiu fora do meu peito. Dei um passo para a frente e congelei. Respire, Claire .... Respire ... Eu estava tremendo. Eu estava muito nervosa. A música alcançou o meio do primeiro verso e eu ainda não tinha tomado outro passo. —Senhorita Gracen?— Os olhos de Miss Corwin se arregalaram. —Senhorita Gracen? —Eu não posso respirar ...


Ela disse algumas palavras ao microfone que estava escondido em sua luva, e a música de repente desapareceu. Ela colocou as mãos nos meus ombros e olhou nos meus olhos. —Senhorita Gracen, este vai ser o dia mais feliz de sua vida. —Eu sei disso... —Você vai se casar com o homem dos seus sonhos ... Na verdade, você vai se casar com o homem dos sonhos de cada mulher. Deixei escapar um riso nervoso. —Você pode fazer isso...— Ela baixou a voz. —E é melhor você fazer isso porque ele me disse que está vindo atrás de você, se você demorar mais do que três minutos para chegar até o altar. Eu cai na risada incontrolável e ela falou em sua manga novamente. —Estamos prontas agora. Ela tirou um tubo de brilho labial de seu bolso e aplicou uma última demão aos meus lábios. “Angels” de Robin Thicke começou a tocar mais uma vez e ela me deu um empurrão leve. Engoli em seco e dei vários passos lentos para a frente, tentando concentrar-me na melodia das teclas do piano . Enquanto se aproximava do coro de música, me aproximei do arco floral final e vi o público em pé. Tomando um último suspiro profundo, eu fiz o meu caminho até a borda do corredor - onde centenas de pétalas brancas, amarelas e rosa faziam a letra “S”. Perfeitamente. Eu peguei fragmentos de sussurros da multidão: —Muito impressionante ... ... Linda ...— e olhei para frente. Eu comecei a contar os meus passos - um, dois, três, quatro - mas assim que os olhos de


Jonathan encontraram os meus, nada mais importava; ninguém mais era relevante. Ele brevemente tirou os olhos dos meus e me olhou de cima a baixo enquanto me aproximava do meio do corredor Eu podia jurar que vi sua boca dizer. —Você está fodidamente linda ... Ele desceu do gazebo, e parecia que estava indo para vir para o corredor para mim, mas Corey o agarrou pelo ombro e segurou de volta. Sorrindo, eu travei meus olhar no seu novamente e levei meus últimos passos para o altar. Assim que eu estava ao seu alcance, ele pegou minha mão e me ajudou a subir a plataforma. Para os próximos segundos, tudo ao nosso redor desapareceu e parecia que éramos as únicas pessoas no mundo. Eu queria sussurrar “eu te amo” e eu poderia dizer que ele queria dizer isso também, mas nós simplesmente ficamos parados olhando um para o outro nos olhos, deixando que o silêncio dissesse tudo. —Agora podem se sentar.— A voz do pastor nos quebrou para fora do feitiço. Ele hesitou por um par de minutos antes de falar novamente. —Amados... Jonathan passou o braço em volta da minha cintura e me puxou para perto, beijando-me sem sentido. O pastor limpou a garganta e bateu-lhe no ombro. —Sr. Statham? —A plateia estava rindo. —Nós não chegamos a essa parte ainda ... Ele sussurrou: —Eu não me importo— contra a minha boca, e se afastou lentamente, tomando minhas mãos nas suas novamente. —Vamos tentar isso de novo ...— O pastor brincou. —Amados, estamos reunidos aqui hoje para testemunhar ... Eu não estava ouvindo uma palavra do que ele estava dizendo. Eu estava muito ocupada me perdendo nos incríveis olhos azuis de


Jonathan, tentando o meu melhor para ficar parada e esperar a parte quando finalmente seria “permitido” beijar. De repente, senti Ashley me dando um pequeno empurrão nas costas e olhei por cima do meu ombro. —O anel ...— Ela me entregou e eu virei de volta. O pastor nos instruiu para trocar as alianças e, em seguida, pediu a Jonathan para repetir cada palavra sua. —Eu, Jonathan Statham.— Jonathan me segurou cativa com o seu olhar. —Tomo você Claire Gracen para ter e manter desse dia em diante ... —Para melhor ou para pior—, disse o pastor. —Na riqueza e na pobreza ... —Para melhor ou para pior, na riqueza e na mais riqueza. O pastor revirou os olhos. —... Para amar e cuidar ...— Ele enxugou a testa. —Jonathan Carter Statham, você aceita Claire Alicia Gracen para ser sua legítima esposa? —Eu aceito. Quando foi a vez de Jonathan para me ouvir repetir as palavras, senti as lágrimas escorregando pelo meu rosto. Ele se inclinou para frente e as limpou conforme elas caiam, me observando atentamente enquanto eu seguia a liderança do pastor. —Claire Alicia Gracen, você aceita Jonathan Carter Statham para ser seu legítimo esposo? Eu olhei diretamente para Jonathan, percebendo que ele estava olhando como se ele estivesse nervoso, que eu diria outra coisa senão as palavras certas. —Eu aceito.


O pastor sorriu e fechou seu livro. —Pelo poder investido em mim Jonathan segurou meu rosto entre as mãos e beijou-me como se nunca tivesse me beijado antes, carinhosamente traçando minha língua com a dele como se estivéssemos sozinhos. —Sr. e Sra Statham. — O pastor nem sequer tentou nos interromper nesta hora. Houve aplausos e aclamações ensurdecedoras, mas ele não deixou meus lábios irem. Ele me puxou ainda mais perto e sussurrou: —Eu amo você, Claire Statham. Eu sempre vou.—Ele me tirou o fôlego com outro beijo digno de desmaio e, em seguida, ele finalmente me deixou ir. Antes que eu pudesse dizer a ele que eu o amava muito, ele me pegou em seus braços e me levou até o altar. Os fotógrafos capturaram todos os seus passos, dizendo-nos para olhar em sua direção, mas não conseguimos tirar os olhos um do outro. Nós nos aproximamos do locale a Srta Corwin deu um passo em frente de nós.—Momento das fotos! Sr. Statham, coloque Sra Statham para baixo, por favor. Ele piscou. —Sr. Statham ... —Ela cruzou os braços. —Você, concordaram em tirar fotos diretamente após a cerimônia. Você vai querer elas para olhar depois. Confie em mim. Ele suspirou e gentilmente me colocou no chão. Para a próxima meia hora, nós tiramos várias fotos encenadas com a festa de casamento, comigo no meio dos vestidos champanhes e colorido, e ele em meio aos smoking preto.


Nós também fomos forçados a tomar uma série de fotos juntos, e a Srta Corwin teve que praticamente rasgar Jonathan longe de mim quando era hora de levar minhas fotografias individuais. —Ok, pombinhos ...— Senhorita Corwin nos acompanhou para a Suite Sweetheart. —Dê uma pausa rápida antes do jantar. O Cocktail já está em andamento ... Quanto tempo você acha que vai precisar para se preparar para a recepção? Jonathan me olhou de cima a baixo. —Duas horas. —O quê? Você não pode deixar as pessoas esperar tanto tempo! —Duas. Horas. —Sim, senhor ... Eu vou ... hum eu vou pensar em alguma coisa...— Ela saiu do quarto e ele imediatamente fechou a porta. Ele se aproximou de mim e me apoiou contra a parede. —Jonathan —Shhhhh...— Ele olhou profundamente em meus olhos e inclinou meu queixo para cima para chegar a seus lábios. —As coisas que eu tenho vontade de fazer para você, Sra Statham ...— Ele me beijou tão profundamente que meus joelhos ficaram fracos, cada nervo do meu corpo veio instantaneamente à vida. —Eu quero ir para a recepção, Jonathan ...— Eu disse sem fôlego. —Depois.— Ele chegou por trás de mim e abriu a parte de trás do meu vestido. —Eu esperei tempo demais para isso ... Fiquei parada enquanto ele lentamente me despia para fora do meu vestido, deixando-o em uma poça branca macia no chão. Ele passou as mãos ao longo do meu espartilho de cetim, desatando lentamente a cada um dos gancho desabotoando a sequência dos botões. Quando ele caiu no chão, ele se inclinou na minha cintura e


levou o arco da minha calcinha entre os dentes, puxando até que ela se juntou ao meu vestido no chão. Levantando-se e olhando em meus olhos, silenciosamente me dizendo para despi-lo. Concordando, eu deslizei sua jaqueta de seus ombros e desabotoei suas calças, vendo que ele estava além de pronto para fazer amor comigo. Eu lentamente desabotoei sua camisa, e a empurrei fora de seus ombros. Assim que ela caiu no chão, ele me pegou e me levou até a chaise de couro, gentilmente me deitando de costas. Ele cobriu o meu corpo com o seu, e mesmo que ele estivesse esperando por esse momento para sempre, ele hesitou. Em seguida, ele escovou suavemente seus lábios contra os meus e olhou nos meus olhos. —Minha, Claire ...— ele sussurrou. —Diga-me que você é minha... —Eu sou sua... Ele passou as mãos nas minhas e as segurou sobre a minha cabeça enquanto ele lentamente deslizou seu pau em mim, empurrando cada polegada grossa mais e mais até que ele estava completamente enterrado dentro. Ficamos deitados assim por alguns segundos, simplesmente olhando um para o outro enquanto nossos corpos se moldaram juntos pela primeira vez em semanas. Eu não podia acreditar o quão bom ele estava dentro de mim, como eu já tinha ficado tanto tempo sem tê-lo. Engoli em seco quando ele começou a empurrar dentro e fora de mim, enquanto pressionava beijos quentes no meu peito e me fazia se contorcer debaixo dele. —Fique quieta, Claire.


—Eu não posso ...— Eu deixei suas mãos e passei meus braços ao redor de suas costas, raspando as unhas em sua pele conforme ele acelerava suas investidas. —Eu perdi tanto disso...— Sua boca se conectou com a minha novamente e ele recompensou cada um dos meus gemidos com um beijo mais profundo. —Muito... Ele balançou em mim uma e outra vez, acariciando meu rosto com as mãos, nunca quebrando o contato visual comigo. —Eu vou... Eu vou...— Eu fechei meus olhos e gritei quando onda após onda de prazer rolou pelo meu corpo. Estremeci e balancei conforme ele veio dentro de mim e suavemente desabou sobre meu peito. Ele deslizou as mãos para os meus quadris e nos rolou, então eu estava deitada em cima dele. Enquanto eu lutava para recuperar o fôlego, ele esfregou as palmas das mãos contra minhas costas nuas e suspirou. —O casamento foi tudo o que você queria que fosse? —Sim ...— eu murmurei. —Você tem certeza? Nós podemos fazer isso tudo de novo até que ele esteja perfeito se você quiser. —Isso foi perfeito... —Você estava tão linda vindo pelo corredor ... Foi preciso muito de mim para não te puxar para baixo na grama na frente de todos. —Você não ousaria.— Sentei-me. Ele levantou a sobrancelha e eu nem sequer sei por que eu duvidei dele. Ele faria. —Podemos ir para a recepção agora?


—Não.— Ele deslizou suas mãos contra o meu estômago. —Por que não? —Porque nós não tivemos relações sexuais nas últimas semanas e temos mais uma hora e nós vamos tirar o máximo proveito.— Ele me puxou de volta para baixo. Quando finalmente chegamos à sala de recepção - após Jonathan ter seu caminho comigo mais três vezes, havia lágrimas nos meus olhos. Eu sempre imaginei a nossa recepção toda branca com estouros sutis de cores, mas ele mudou - para melhor: As mesas estavam cobertas de marfim claro, com amarelo pastel e peças centrais rosa que complementaram perfeitamente as luzes brilhantes que pendiam do teto. O nosso nome “Sr. & Sra. Statham” foi gravado em letras cursivas em preto no centro da pista de dança de vidro, e no bar lindos doces que eu tinha sido tão inflexível sobre ter, era maior do que eu tinha imaginado. Era uma série de espirais enormes em displays em cascata, e levava uma parede inteira. —Senhoras e senhores, por favor recebam o recém-casado Sr. e Sra Statham!— O DJ gritou. Olhei para Jonathan, que estava de pé do outro lado e em grandes, e lentos passos fiz meu caminho até a pista de dança. Ele não me deixou descer os últimos degraus sozinha. Ele caminhou até o meu lado e pegou minha mão, insistindo em me levar ele mesmo para a pista de dança. Ele passou os braços em volta da minha cintura e me segurou perto, me dizendo que me amava novamente e novamente. As luzes da sala começaram a escurecer e um foco de luz suave brilhava sobre nós. Enquanto eu passei meus braços ao redor de seu


pescoço, a orquestra começou a tocar, impressionantes acordes de uma música que eu não reconheci. —Você mudou a música?— Eu sussurrei. —Sim. —O que é isso?— Eu estava tentando imagina

onde eu tinha

ouvido a melodia antes. Ele não disse nada. Ele simplesmente sorriu e me moveu pela música. Eu coloquei a minha cabeça no peito dele e ouvi as cordas cantar mais macia e suave. —Finalmente ...— Jonathan cantou no meu ouvido na afinação perfeita. —Meu amor também veio... Meu coração começou a disparar tudo de novo quando eu percebi que a música era Etta James “At Last”. —Na noite em que olhei para você...— Sua voz era linda. —Você me disse que não sabia como cantar...— Eu olhei para ele em lágrimas. —Eu disse que que eu não cantava.— Ele me beijou. —Eu nunca disse que eu não podia.— Ele apertou minha cabeça contra seu peito e continuou

a

cantar

a

música

inteira

para

mim,

beijando-me

profundamente assim que ele cantou a última nota. Quando as luzes brilharam novamente, inclinei-me e perguntei se poderíamos deixar e apenas ir para a lua de mel agora, mas ele balançou a cabeça. —Você queria um casamento perfeito, Claire. Nós temos que fazer todas as coisas de um “casamento perfeito”. Ele me levou ao redor do salão e nós cumprimentamos cada hóspede.


Nós posamos para fotos com nossos amigos e família, rimos quando cortamos os três níveis de bolo juntos, e não tentei me deixar levar quando foi a hora dele remover a minha liga. À medida que o DJ começou a tocar a música animada para dançar, Jonathan me puxou para a varanda aberta, onde uma pequena mesa estava à espera. Ele puxou minha cadeira, e o jantar que tinha sido perdido mais cedo foi servido para nós em três cursos de curta duração. Nós comemos em completo silêncio, simplesmente olhando um para o outro e sorrindo cada vez que nossos olhos se encontraram. No segundo em que eu terminei a minha sobremesa, ele me ajudou a levantar e me puxou para perto. —Você está pronta para sair? —Sim ... Ele acenou e fez sinal para alguém que eu não podia ver. Ele me levou de volta para a sala de recepção, e o DJ anunciou que íamos sair. —Será que realmente precisamos ter o arroz jogado em nós quando sairmos? —Isso é uma coisa de 'casamento perfeito... —Ok.— Ele me beijou, e esperamos para a Srta Corwin

levar

todos os convidados pra fora. —Sr. e Sra Statham? —Ela fez sinal para nós. —Sigam-me, por favor. Nós a seguimos pelo corredor e para a porta de entrada do salão, de mãos dadas. Quando ela deu o sinal, nós corremos para fora e descemos o longo tapete branco, esquivando-se de uma forte chuva de arroz e aplausos. Greg abriu a porta para a limusine e Jonathan me pegou e me colocou para dentro.


Assim que a porta se fechou, seus lábios estavam nos meus e suas mãos estavam em cima de mim. Eu me inclinei para a frente e comecei a rasgar sua camisa, murmurando enquanto ele deslizava mãos pelas costas do meu vestido. Eu estava jogando a camisa através do assento quando ouvi uma série de ruídos de estouro do lado de fora. Eu imediatamente interrompi. —O que é isso? —O que é o quê?— Ele ainda estava me beijando. —Esse som... É como tiros. Ele deixou meus lábios irem e sorriu. —Fogos de artifício. Como se ele pudesse ler minha mente, ele me puxou para o seu colo e colocou o casaco em cima de mim. Então ele rolou para baixo a janela e vimos como nossos nomes foram enunciados nas faíscas coloridas no céu da noite: “Claire...” “Jonathan...” “Senhor...” “Sra...” “Statham...” “Juntos...” “Para sempre...” “Até que...” “Enfim...” —Eu ainda quero saber quanto isso custou?— Eu sussurrei, extasiada. —Provavelmente não.— Ele sorriu e passou os dedos pelo meu cabelo agora-despenteados. Nós assistimos os fogos de artifício até que eles terminaram, até que a única coisa que restava no céu eram as estrelas, e nesse tempo tínhamos chegado no seu avião. Ele reajustou meu vestido e abriu a porta, mas eu agarrei seu ombro. —Espera ... Você pode, por favor, me dizer para onde estamos indo? Eu preciso ter certeza que a minha equipe tenha alguns tipo de ideia durante as próximas duas semanas ... Apenas no caso de haver


uma emergência e que eles precisem entrar em contato comigo ... Eu sei que você disse que não devemos fazer nenhum trabalho, mas... —Primeiro de tudo, vamos ficar fora por quatro semanas, não duas.— Ele segurou meu rosto entre as mãos e estreitou os olhos para mim. —Em segundo lugar, sua equipe não terá permissão entrar em contato com você. De todo. Nenhum de nós está fazendo qualquer trabalho e se houver uma emergência, você vai descobrir mais sobre ela quando voltarmos. Em terceiro lugar, nós estamos indo para oito países diferentes e você vai descobrir quais eles são quando chegarmos lá. E em quarto lugar, desde que você sempre quis ir ... Nós tomaremos um iate através do Canal do Panamá no caminho de volta. Eu o interrompi com um beijo e chorei. —Vamos lá ...— Ele me levou para fora do carro e subimos as escadas do avião. Eu não estremeci quando o avião rugiu para a pista, e eu não fechei os olhos quando subiu para o ar. Eu mantive meu olhar fixo no seu e sorri até que o piloto disse o mais novo conjunto de palavras seguras, —Tudo certo, Sra Statham. Conforme a aeromoça nos serviu uma garrafa de champanhe, Jonathan pegou a minha mão na sua. —Então, senhora Statham ... Foi a nossa primeira vez como um casal, foi especial para você? —Sim ... As quatro ... —Hmmm. —Você sabe que o sexo não acontece com tanta frequência após o casamento certo? Que após os primeiros seis meses ou mais, termina a fase de lua de mel e você está tão ocupado que você tem que agendar sexo às vezes ...


Ele sorriu e soltou o cinto de segurança com a outra mão. — Claire Statham ...— Ele me puxou para o seu colo. —O que faz você pensar que eu e você alguma vez vamos ter esse problema? —É natural. É assim que funciona. Agora que estamos casados, não temos de fazê-lo tanto. —Eu vou te foder todo dia. —Não, escutei... —Todo. Dia. Eu sorri. —Você é tão encantador quando você fala assim ... —Eu estou bem ciente.— Ele sorriu e me tirou fora de seu colo antes de se levantar. —Minha esposa adora quando eu falo sujo para ela, mas ela não vai admitir isso. —Ela soa como se fosse muito elegante para você. Ele revirou os olhos e me levou para o quarto privado na parte de trás do avião. Trancando a porta, ele pressionou seus lábios contra os meus. — Para registro, Sra Statham, a fase de lua de mel nunca vai acabar. —Você não sabe disso, com certeza. —Shhh.— Ele me beijou. —Foi uma tortura não ser capaz de fazer amor com você por semanas, Claire ... Você perto de mim malditamente me quebrou ... Você nem sequer compreende o quanto eu a queria na sua festa de despedida, o quanto dói para me deitar na cama ao seu lado sem estar autorizado a ter você ... Mas agora que eu sei qual é a sensação de estar com você de novo, eu posso porra garantir de que eu nunca vou passar um dia sem fazer amor com você. —Isso é mais um dos seus acordos?


—Não.— Ele sorriu e me puxou para a cama, abrindo o zíper nas costas do meu vestido. —É uma promessa.


Epílogo Um ano depois... Eu estava na frente do espelho do banheiro com um par de tesouras para cima em minha cabeça. Eu estava me certificando de manter os fios esticados, e então eu contei. Um, dois... —O que está fazendo, Claire?— Jonathan entrou no banheiro com a sobrancelha levantada. —Vi dois fios brancos hoje. —E? —E eu quero me livrar deles. Ele revirou os olhos e pegou a tesoura da minha mão, a colocando de volta na gaveta. Ele passou o braço em volta da minha cintura e me levou para fora em nossa sala de estar. —Todo homem na minha família começou a ficar grisalho aos trinta e cinco.— Ele sorriu. —Você deve deixar seu cabelo sozinho, para que possamos nos corresponder. —Você só está dizendo isso para me fazer se sentir melhor... —É verdade. O lado da família da minha mãe começou a ficar grisalhos aos trinta. Eu tenho certeza que vai me acontecer em breve.


—Eu tenho certeza que os cabelos grisalhos vão olhar sexy em você, Jonathan. —Tudo parece sexy em mim. Eu ri quando ele me entregou uma caixa de enfeites de árvore. Nós passamos o último Natal no exterior, então fomos passar em casa este ano por seu pedido. Ele nunca tinha tido um “verdadeiro Natal” antes, ele insistiu em ter sua mãe e Hayley para que todos pudessem partilhar a suas primeiras férias juntos. —Hey mãe?— Ashley entrou na sala com uma panela de brownies preto queimado. —Segui as direções e tudo... Eu até usei a panela certa. O que diabos está acontecendo com essas coisas? Passei por cima e olhei para a panela, suspirando. —Você desempenha seu papel em linha reta na faculdade? —Sim, e daí? Eu balancei minha cabeça. —Qual a temperatura que você os colocou? —Seiscentos. —Seiscentos?!

Eu

pensei

que

você

disse

que

seguiu

as

instruções? — A caçarola de Caroline precisava ser cozida o mais rápido possível, assim eu tinha apenas a metade do tempo. Trinta minutos a cem graus é igual a quinze minutos de seiscentos. Isso é matemática básica. Você de todas as pessoas deve saber disso. —Ela balançou a cabeça para mim e encolheu os ombros para Jonathan. —Esta claramente foi uma caixa de massa expirada... Eu estou indo comprar um pouco mais. Eu abri minha boca para dizer algo, mas Jonathan me puxou em seus braços e me beijou.


—Ela vai aprender. Minha mãe está indo para ajudá-las com tudo hoje à noite. Suspirei e beijei-o de volta. Liguei mais alguns enfeites para a árvore e podia literalmente sentir Caroline entrando na sala. —Sim, Caroline?— Eu olhei por cima do meu ombro. —Eu apenas vi as pontuações da colocação final de Ashley do teste de prática da FAA. Nossa demonstração de vôos são, em maio. No dia quatorze para ser exata. —OK? —Eu estou dizendo a você agora porque temos que reservar uma abertura de tempo em sua agenda com seis meses de antecedência se queremos que você esteja lá. Você está sempre trabalhando. —O quê? Isso não é verdade! —Eu não estou reclamando.— Ela sorriu. —Eu só estou dizendo que espero, não sei por que eu estou dizendo isso a você? Eu vou chamar ambos os seus secretários e verificar se eles vão colocar em seus horários. —Ela puxou o telefone do bolso e saiu da sala. Eu balancei a cabeça e soltei um suspiro. Por mais que eu não quisesse admitir isso, ela estava certa: C e C Designs de Charme ainda estava fazendo um nome para si mesma, mas tinha vindo a crescer além dos meus mais selvagens sonhos e tão rápido que eu estava abrindo uma nova loja no exterior em um ano. Statham Indústrias valia agora mais que os maiores concorrentes de Jonathan combinado, e eles estavam pensando em tomar umas férias prolongadas, apenas para passar mais tempo comigo. Na verdade, todas as manhãs, quando acordamos para o trabalho, ele ia me beijar e sussurrar: “Diga a palavra”, esperando para


ver se eu gostaria de lhe pedir para se demitir, praticamente implorando para mim. Por um lado, eu não estava completamente certa se eu queria que ele fizesse isso, mesmo que fosse “apenas seis meses”. Ele estava animado sobre as mudanças que sua companhia estava fazendo, todos os novos produtos que eles estavam lançando no próximo ano, e eu não queria que ele pensasse que eu não tinha notado isso. Por outro lado, apesar de a nossa vida sexual estar incrível eu não poderia pensar em um único dia quando nós não tivemos relações sexuais pelo menos uma vez, nós não víamos muito um ao outro. A menos que Ashley e Caroline voltassem para casa para uma visita ou que fizessem uma festa, nós dois trabalhávamos arduamente durante a semana e nós só partilhávamos pequenas partes do fim de semana com o outro. Não me interpretem mal, ele sempre fazia pequenas coisas para me dizer que eu estava em sua mente sempre com flores, presentes bonitos e jantares em casa que eu nunca poderia dominar, mas eu passei mais tempo no trabalho do que eu fiz com ele e isso me machuca, às vezes... —O que você está pensando?— Jonathan inclinou o rosto para ele. —Nada... Posso te perguntar uma coisa? —Sempre. —Você nunca vai me dizer o que aconteceu com aquela ação de Ryan apresentada contra você? —Você vai me dizer por que você está pensando sobre o seu exmarido? Revirei os olhos. —Você nunca me disse...


Ele deu um beijo na minha testa e sorriu. —Ele pressionou acusações contra mim por agressão. —E? —E eu tenho os melhores advogados do mundo.— Ele sorriu. —Jonathan! Ele suspirou. —Eles enviaram-lhe uma cópia da fita de segurança que mostra-lhe empurrando você... —Ele apertou a mandíbula. —Com uma nota dizendo-lhe para retirar as acusações ou isso iria pressionar contra encargos... Então ele deixou cair suas reivindicações... E então eu pressionei encargos de qualquer maneira. Meus olhos se arregalaram. —O quê? Por quê? —Porque ele poderia ter matado você... — Ele correu os dedos pelo meu cabelo. —Nós nos resolvemos fora do tribunal sob os nossos próprios termos. Você nunca vai vê-lo novamente. O tom de sua voz me disse para não perguntar mais nada sobre esse assunto. Eu não queria nem saber. Ele apertou minha mão e me levou até o sofá. —Diga-me o que você estava realmente pensando. —Você deixar o cargo por seis meses... —Você realmente quer que eu faça isso, Claire?— Ele olhou nos meus olhos. —Eu irei. Olhei para o fogo que ardia na lareira, nas meias vermelhas brilhantes que pendiam sobre os tijolos, e no nosso enorme retrato de família que pendia bem acima da nossa enorme árvore de Natal. Eu percebi que eu queria que esses eventos familiares acontecessem com


mais freqüência, e eu não queria que isso tivesse que ser um feriado para ele e eu ficarmos um tempo a sós. —Sim... —Você tem que tirar também... Eu me recuso a compartilhar. Eu balancei a cabeça e o beijei de volta. —Eu vou tirar por seis meses, mas você tem que tirar durante um ano. —Um ano? Por que isso? —Alguém tem que ficar em casa e cuidar do bebê. —O quê?— Ele estreitou os olhos para mim. —Que bebê? —Nosso bebê. —Essa piada não era engraçada na primeira vez.— Ele olhou para o meu estômago. —As suas trompas não estão atadas. —Elas estão? —Claire... —Jonathan...— Eu zombei dele. —Nós dois concordamos que não queríamos filhos, que mesmo se nós quiséssemos filhos que nós não faríamos, pelo risco ser demasiado alto para você ficar grávida. —Assim? —Então, eu preciso que você seja completamente honesta comigo agora, porra, porque eu estou há três segundos perto de chamar o meu médico e tê-la executando a droga do teste na manhã de Natal. Você está grávida? —O que você acha? —Eu acho que você precisa me responder. Agora.


—E se eu não? —Não me teste, Claire.— Ele olhou profundamente em meus olhos, implorando para eu lhe responder. —Conte-me... Eu me inclinei para perto e o beijei. Então eu me levantei. — Precisamos terminar esta árvore antes de sua mãe estar aqui. —Você não vai me responder? —Existe uma razão pela qual nós temos cinco árvores de Natal em torno da casa? Você não acha que isso é um pouco excessivo? Ele se levantou e andou até mim, envolvendo os braços em volta da minha cintura e me trancando em seu abraço. —Você tem dois segundos para me dizer a verdade. Eu pisquei e ele balançou a cabeça. —Claire Statham... — Ele me soltou lentamente, mas antes que eu pudesse fazer um traço para a cozinha ele me pegou e me jogou por cima do ombro. —Você e eu sabemos que eu estou indo para obter a verdade fora de você. Por que você está fazendo isso difícil? —Eu não estou fazendo nada difícil. Eu estou cumprindo a minha quota “eu devo frustrar a merda fora de Jonathan” para o dia. Ele riu e me levou para o nosso quarto no andar de cima. Então, ele me jogou na cama. —Estou indo para lhe dar uma última chance de responder a minha pergunta, Claire. —E o que foi que perguntou? Eu acho que eu esqueci. Seus lábios se curvaram em um sorriso irônico e ele cobriu seu corpo com o meu. —Confie em mim... Até o momento que eu estiver feito com você, tenho certeza que você vai se lembrar...

Whitney g (whitney gracia williams) duologia mid life love #2 at last (revisado)  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you