Page 1


Índice O Amor Intocável do Bad Boy Prólogo Capítulo Um Capítulo Dois Capítulo Três Capítulo Quatro Capítulo Cinco Capítulo Seis Capítulo Oito Capítulo Nove Capítulo Dez Capítulo Onze Capítulo Doze Capítulo Treze Capítulo Catorze Capítulo Quinze OUTRA HISTÓRIA QUE VOCÊ PODE GOSTAR Os Amores Arranjados da Máfia Capítulo Um Capítulo Dois Capítulo Três Capítulo Quatro


Capítulo Cinco Capítulo Seis Capítulo Sete Capítulo Oito Capítulo Nove Capítulo Dez Capítulo Onze Capítulo Doze Capítulo Treze Capítulo Quatorze Capítulo Quinze


O Amor Intocรกvel do Bad Boy Por Bella Rose

Todos os Direitos Reservados. Direitos Autorais 2016 Bella Rose.

CLIQUE AQUI

para se inscrever no meu boletim de novidades e ter a chance de ganhar livros grรกtis!


Prólogo Feliks Koslov emergiu do corredor sombrio à esquerda da cozinha do restaurante lotado. Ele olhou para a comida que estava perto da janela. A refeição que ele queria estava na extrema esquerda. Endireitando seu terno preto, ele observou os cozinheiros por alguns momentos. Ele aprendera há muito tempo que toda cozinha tinha um ritmo. Os garções entravam e saíam, gritavam pedidos ou reclamavam um com o outro a respeito dos clientes. Os cozinheiros frequentemente estavam apressados numa sexta-feria à noite como aquela. Resumindo, ninguém estava prestando atenção. O garçom que estava vindo recolher a comida da janela para entregá-la aos clientes voltaria a qualquer momento. Feliks saiu das sombras e fez seu serviço. Ele cuidadosamente se inclinou próximo à comida com o pretexto de examinar a qualidade. Tirando um frasco da manga direita, ele esvaziou o conteúdo do mesmo no prato correto. "Com licença,” a garçonete disse impacientemente. Feliks lhe ofereceu um sorriso agradável. "Bom trabalho hoje," ele disse antes de se virar e ir embora. Ela sorriu de volta antes de pegar os pratos e colocá-los numa bandeja e levá-los para a mesa onde o alvo de Feliks estava esperando pela comida. Mulher tola. Se ela tivesse ao menos notado que ele não fazia parte da equipe da cozinha, poderia ter salvo uma vida. Era uma vida sem valor, mas uma vida mesmo assim. Feliks tinha aprendido há muito tempo que não importava se ele realmente pertencia a algum lugar. O que importava era se ele conseguia aparentar pertencer. Por enquanto, ele voltaria de volta às sombras. O funcionário da prefeitura que estava causando problemas ao sindicado logo viraria história. Então, todas as tarefas de Feliks estariam completas, e nada ficaria entre ele e a


liderança. Realmente, ele devia ser elogiado por completar o seu trabalho dentro de um espaço tão curto de tempo. Feliks se livrou desse pensamento. Ele escutou um choro vindo da sala de jantar. A cozinha explodiu como um formigueiro. O gerente voltou para a cozinha freneticamente gritando instruções ininteligível para os cozinheiros. Com um histórico de muitos assassinatos bem concluídos, Feliks foi em direção à sala de jantar. A garçonete que ele vira mais cedo entrou correndo na cozinha, parando de frete para a janela. "O que você colocou nas batatas?" "Nada!" Um cozinheiro gritou. Feliks escondeu cuidadosamente seu rosto para que a agitada equipe não pudesse vê-lo enquanto ele deixava a cena do crime. Tomando um caminho diferente pela sala de jantar, ele passou em torno dos outros clientes do restaurante. As pessoas estavam de pé e erguendo o pescoço para conseguir ver melhor o drama que se desenrolava. Tentando ser o mais discreto possível, Feliks pegou o celular do bolso e tirou uma foto da cena. O funcionário recalcitrante estava rolando no chão, agarrando o pescoço e espumando pela boca como um animal raivoso. Felizmente, o veneno funcionava rapidamente. Ele estaria morto quando a emergência chegasse ao restaurante. Faltavam apenas meia dúzia de passos até a porta. Ainda se mantendo discreto, Feliks saiu do local. Todos os olhares estavam sobre o homem engasgando e arfando no centro do cômodo. Ninguém estava prestando atenção ao assassino indo embora da cena do crime. Do lado de fora, Feliks respirou fundo. Sirenes soaram e a buzinada de uma ambulância quebrou o ar da noite. Estava quase frio naquela noite. A queda de ar tinha uma característica distinta que fazia lembrar os residentes de Boston que o inverno rigoroso da Nova Inglaterra estava chegando. Feliks sentiu seu telefone vibrar no bolso. Caminhando pela rua, ele tirou o aparelho do bolso e olhou o display. O concelho estava procurando confirmação de sucesso. Feliks enviou a foto


tirada no restaurante para Pyotr Alkaev. Segundos depois, ele recebeu uma mensagem confirmando o pagamento em sua conta bancária. Um e-mail chegou assim que ele pisou no trem de volta para Southie. Ele nem precisava olhar para saber que era o dossiê de seu próximo alvo. Havia apenas mais alguns poucos alvos entre ele e a posição de liderança dentro do sindicado que ele cobiçava fazia tempo. Feliks sentou-se no trem. Na parada seguinte, um velho homem entrou. O cavalheiro estava vestido um terno e sapatos brilhantes. Sua cabeça careca estava coberta com um chapéu vistoso. "Você sempre foi criativo," Pyotr murmurou enquanto se sentava ao seu lado. "Sempre haverá momentos para criatividade na vida," Feliks concordou. "Assim como um bônus por ter feito o trabalho bem feito sem suspeitas." "Ah, mas não deixar suspeitas significa que um recado não foi dado." Pyotr apoiou as duas mãos na bengala que estava entre os sapatos "Só se ninguém teve tempo para enviar uma mensagem ao homem." Feliks não se incomodou em verificar o sorriso de satisfação no rosto dele. "Visto que eu tive o cuidado de enviar uma carta ao teimoso oficial de obras públicas e seus compatriotas na semana passada, acredito que os amigos dele vão saber exatamente o que aconteceu." "Mas eles não querer que a verdade venha à tona se isso implicar que eles aceitaram o suborno," Pyotr supôs. "Excelente." O velho homem suspirou. "Vasily realmente o treinou bem." "Da." "E agora a tarefa final?" Uma excitação se desenrolou no estômago de Feliks. "Acabei de receber um e-mail." "Já abriu?" "Não." "Algum problema?" O tom de voz de Pyotr fez Feliks ficar arrepiado. Ele puxou o telefone do bolso e abriu o email. Ele leu rapidamente o dossiê, observando que a jovem foi recentemente matriculada na


Universidade de Boston. Aparentemente, ela e o pai eram afastados. A informação de Orlov sugeria que ela e o pai eram afastados devido às atividades ilegais do homem. Então, Feliks clicou na foto de seu alvo. Um som apressado encheu seus ouvidos, abafando o som do trem e até mesmo a voz de Pyotr. Era uma mulher. Eles querem que ele matasse uma mulher? "Feliks?" Pyotr disse de forma urgente. "O que é?" Feliks olhou para cima para encontrar o olhar de seu único defensor no concelho. Ele não podia desistir. Nem sob essas circunstâncias incomuns. Respirando fundo, Feliks procurou algo para dizer. "O nome dela é Annika." "Uma mulher?" A sobrancelha grossa de Pyotr se ergueu de surpresa. "Por que Orlov iria querer que você matasse uma mulher?" Feliks sentiu uma sensação desagradável de mau agouro. "Porque ele sabe que eu não vou querer."


Capítulo Um Feliks encarou cada homem sentado ao redor da mesa, como se os estivesse provocando a desafiar sua candidatura pela liderança. Na verdade, Feliks os estava provocando. Ele era um homem de ação que provavelmente preferiria provar seu valor numa prova física. Em vez disso, suas entranhas estavam lhe dizendo que ele estava prestes a entrar num jogo de xadrez onde as pessoas eram peças vivas e o prêmio seria a vida, não a morte. "Então." Os rolos de gordura no pescoço de Motya Orlov balançaram quando ele falou. "O filho do pastor deseja liderar." Feliks evitou revirar os olhos. "Minha família não cria ovelhas há décadas, Orlov. Vamos rastrear seus ancestrais por algumas gerações e ver aonde eles começaram?" "O garoto está certo," Pyotr concordou. "Você não pode continuar se referindo ao fato de Koslov significar pastor de ovelhas." O pai de Feliks, Ioann Koslov, era tudo menos um garoto de ovelhas. O homem era brutal." Feliks escondeu um sorriso. Pyotr entregou aquele pequeno pedaço de informação como se brutalidade fosse um dos melhores elogios que um homem podia receber. Não era uma surpresa, visto que Feliks ganhara seu próprio reconhecimento na organização por ser o assassino mais eficiente no ranque. "Imagino que sim," Orlov falou lentamente em sua voz pesada. "Se Feliks conseguir se livrar de certos aborrecimentos para nós, podemos ser persuadidos a aceitá-lo como líder da organização." "Aborrecimentos?" Feliks forçou suas mãos a ficarem paradas. Era tentador pegar o copo sobre a mesa diante dele e enrolá-lo entre os dedos. "Você está se referindo à dúzia ou mais de tarefas que eu completei a seu pedido ao longo dos últimos seis meses?" Orlov olhou carrancudo para Feliks. "Esses aborrecimentos eram um incômodo para todos."


Feliks olhou ao redor da mesa mais uma vez. Estes seis homens efetivamente formavam um concelho dentro do sindicato do crime russo de Boston. A hierarquia impedia que eles brigassem um com o outro. Era bom para os negócios. A recente morte do sétimo "chefe" tinha criado um vácuo de poder. Agora era a vez de Feliks. Ele não queria apenas tomar a posição de poder de Vasily. Ele também queria liderar o sindicado. "Há ainda alguns funcionários em Boston que poderiam ser lembrados de que nossos subornos pagam suas hipotecas", Orlov apontou. "Entendido." Feliks não estava nem um pouco surpreso com isso. Era sabido que Orlov tinha vinganças pessoais contra metade dos engenheiros da cidade e inspetores. Orlov grunhiu de antecipação. "Então, tem aquele juiz que precisa de um bom susto." "E?" Feliks incitou. Ele tinha certeza de que Orlov não tinha terminado de reclamar sobre a injustiça do preconceito contra suas atividades criminosas. "Bom," Orlov disse. Pyotr gemeu. "Você vai falar sobre isso de novo?" "Estou errado?" Orlov acenou com as mãos enfaticamente, as palavras se tornando arrastadas enquanto ele falava cada vez mais rápido. "Era para ele ter terminado essas tarefas há semanas!" Feliks observou Pyotr de perto. Era no restaurante dele que eles estavam realizando aquela reunião. Ele era considerado uma espécie de pacificador dentro da organização. Tinha sido uma sugestão de Pyotr que Feliks adiasse o assassinato da mulher até o último momento possível na esperança de que Orlov perdesse o interesse nela. Do lado de fora da reunião fechada, Feliks podia ouvir o som da tradicional música tocando pela banda ao vivo. Uma voz melancólica de mulher cantando em russo sobre amor e perda. Assim como era o mundo. Deus dava a vida e Feliks a tirava. "A mulher é parente de Vadir Polzin", Pyotr disse cansadamente. "Orlov acha que o homem tem trabalhado fora dos limites da organização."


"Ele tem!" Orlov gritou. "Você viu isso!" Orlov apontou para Feliks. "Quando seu mentor, Vasily, foi assassinado, foi porque Polzin estava operando por conta própria. Ele está colocando todos nós em perigo. Ele precisa ser parado." Feliks forçou que sua expressão ficasse suave. Ele sabia muito pouco sobre Vadir Polzin, apenas que ele era um imigrante que não estava nos Estados Unidos há muito tempo. "Precisamos mandar uma mensagem para ele." Orlov bateu uma mão na outra e depois as esfregou enquanto pensava no que parecia ser o melhor plano de todos. "Se o homem perder uma filha por causa de sua própria estupidez ao agir por fora da organização, isso o ensinaria bastante sobre humildade." "Esse homem fez alguma coisa errada com você em particular?" Feliks perguntou com um sorriso frio. "Porque matar a filha de um homem parece bem pessoal." "Também diria isso," Pyotr disse sombriamente. Orlov bufou. "Ele não está cumprindo as nossas regras." "Então deixe ele pagar o preço," Feliks sugeriu. "Ou você está simplesmente com medo de realizar o trabalho?" Os olhos redondos e escuros de Orlov brilharam. "Meu filho Yuri não é covarde. Ele faria o trabalho e depois tomaria o lugar de Vasily como nosso líder." Feliks estreitou o olhar em Orlov. O filho de Orlov, Yuri, era um bastardo pretensioso que torturava suas vítimas antes de matá-las só porque ele gostava. De forma alguma Feliks permitiria que Orlov desse aquele pirralho licença para matar. Pyotr lançou um olhar de desdém para Orlov. "Feliks não é nenhum covarde e você sabe disso. Pare de tentar causar problemas, ou talvez devêssemos começar a conversar sobre tirá-lo do concelho." Feliks engoliu de volta o caroço que tinha acabado de aparecer em sua garganta. "Nós mataremos uma mulher para ensinar uma lição ao pai dela?" "A não ser que você não consiga realizar o trabalho," Orlov provocou. "Talvez devêssemos


procurar por um candidato mais forte para nossa liderança." "Eu não disse que não faria," Feliks argumentou. "Só estava me perguntando como matar uma mulher vai causar qualquer impressão no homem." "Você não viu o quanto o idiota ama a filha," Orlov zombou. "Ele vai escutar quando ela estiver morta. Ele saberá que cruzou o caminho do homem errado. Ele virá até nós e implorará para fazer parte da organização." Feliks sentiu os primeiros sinais de algo próximo ao que poderia ter sido chamado de seu coração. Ele rapidamente empurrou a sensação pro lado e encolheu os ombros de força desinteressada. "Já que é o que este concelho deseja. Os funcionários públicos vão lamentar o dia em que argumentaram contra vocês, e a mulher vai morrer. Depois, eu vou liderar."

***

Annika Polzin bateu o copo de vidro no balcão do bar e jogou a cabeça para trás com um uivo de alegria. "Pode pagar, otária!" "Não é justo!" Wren conseguiu falar mesmo parecendo que estava prestes a vomitar o bar inteiro. "Você roubou." "Não, eu sou russa. Tem uma diferença," Annika disse com orgulho. Wren bufou. "É ótimo que você fique toda orgulhosa de sua origem e tal, mas não pode continuar usando isso como desculpa para esse consumo excessivo de álcool. É baboseira." Annika se inclinou para perto da amiga, sentindo-se o mais feliz que podia se lembrar já ter estado. Podia ser culpa da vodca. Annika gostaria de pensar que era porque sua vida finalmente tinha voltado aos trilhos. Seu pai tinha finalmente parado com a aversão à educação americana, e ela tinha acabado de se matricular na Universidade de Boston para o seu primeiro ano de estudos de graduação. "Já decidiu no que vai se graduar?" Wren perguntou, gritando para ser ouvida sobre a


música alta dos alto-falantes. "Ainda não." Annika suspirou de satisfação. "Acabei de me matricular para os cursos de educação geral. Estou muito feliz por meu pai ter aceitado. Não quero desperdiçar um minuto." "Seu pai é realmente muito superprotetor," Wren observou. "Todos os pais russos são assim?" Annika encolheu os ombros. "Só conheço o meu pai." "Então, agora que você é uma universitária," Wren disse dramaticamente. "Está na hora de você transar!" “Yeah, baby!” Annika assoviou. "Pode trazer!" O bartender revirou os olhos. "Meninas, se vocês estão procurando um homem, acredito que já tenham conseguido ganhar a atenção de um." "Onde?" Annika virou em seu banquinho, procurando por homens em potencial. O bartender fez um gesto para indicar um canto escuro do bar, em frente ao jukebox, e com um bom número de clientes. "Aquele cara esteve observando vocês duas na última meia hora. Nesse comércio, isso geralmente indica interesse." Annika ergueu as sobrancelhas. "Sim, mas que tipo de interesse?" "Sem brincadeiras," Wren concordou. "Aquele cara parece perigoso." "E gostoso." Annika jogou para o lado seu cabelo loiro cacheado. Ela lançou um sorriso convidativo e esperou para ver o que aconteceria. "Meu Deus, ele está vindo," Wren disse com um tom de voz estranho. "Você acabou de enviar para ele um buquê cheio de ferormônios ou algo assim?" "Não. Simplesmente sou boa assim," Annika disse para a amiga. "Garota, não vou deixar você ir pra casa com esse cara. Ele parece o filho demônio de um serial killer e um gângster." Ela pegou no braços de Annika e apertou. "Eu sei." Annika nem se importou em esconder sua ansiedade. O homem tinha facilmente mais de 1,83 cm. As botas de motociclista eram desgastadas e marcadas como se ele tivesse atravessado o inferno com elas. Os ombros eram largos, mas ele era


magro na cintura e quadris. Annika ficou imaginando como ele era sem blusa. Queria passar os dedos pelo abdômen sarado até que ele implorasse para que ela descesse mais. "Ele parece um criminoso," Wren decidiu. "Quem se veste todo de preto? O cara está vestindo jeans preto, camiseta preta e um sobretudo. Um sobretudo, Annika! Sério!" "Uh hum, estou muito séria," Annika garantiu à amiga. "Estou falando sério que quero passar meus dedos por todo aquele cabelo preto." "Cala a boca," Wren sibilou. "Ele vai escutar você." O estranho ergueu uma sobrancelha, sugerindo que ele realmente a tinha escutado. Annika não se importava. Por que esconder o que ela queria? Não era como se ela estivesse tentando brincar de casinha com o homem. Ela só queria dar uma volta na moto dele, ou no que ele estivesse disposto a oferecer. "Olá." Havia um sotaque russo inconfundível nas palavras do homem. Annika inclinou a cabeça para um lado, muito fascinada com o timbre sexy da voz dele. Ela devolveu o cumprimento dele em russo. "Boa noite. Você vem aqui com frequência? Nunca te vi por aqui antes, e achei que conhecesse todos os locais." Houve uma breve chama de surpresa nos olhos dele. "Sou novo na cidade," ele respondeu num russo impecável. Wren limpou a garganta audivelmente. "Com licença, vocês dois poderiam falar em inglês para o resto de nós poder acompanhar?" "Desculpe," o homem disse numa voz baixa e agradável. "Meu nome é Feliks. E as meninas são?" Annika abriu um sorriso tão largo que pensou que seu rosto fosse dividir no meio. "Meu nome é Annika. Essa é a Wren." "E estávamos indo embora," Wren disse à Annika enfaticamente. "Ah, você precisa ir?" Annika perguntou à amiga com uma tristeza exagerada. "Que pena. Te ligo de manhã."


"Annika!" Wren explodiu. Annika deu um rápido abraço em Wren. "Estou bem. Prometo." Feliks colocou a mão no coração. "Juro me comportar o tempo todo. Embora eu não saiba exatamente como vou conseguir atestar meu não status de assassino do machado." Wren gargalhou. "O que é exatamente o que um assassino diria." "Eu sei." Feliks deu um longe e sofrido suspiro. "Não tenho como lhe garantir minhas boas intenções." "Acho que ela está mais preocupada com as minhas intenções," Annika disse para ele com um risada. "Você é incorrigível," Wren soltou. "É melhor você me ligar assim que acordar de manhã. Não. Na verdade, é melhor ligar hoje à noite. Entendeu?" "Sim, madame." Wren saiu do bar e deixou Annika para trás. Feliks observou sua amiga ir embora com um olhar quase triste naquele rosto lindo. "Ela estava falando sério sobre ligar", Annika disse. Um fantasma de um sorriso tocou as feições dele. "Então ela é uma boa amiga." "Gostaria de uma bebida?" Annika acenou para o bartender. "Acho que essa fala é minha." "Desculpe por roubá-la, então." Feliks se inclinou contra o bar, descansando os cotovelos na superfície de mogno suave. "Na verdade estou pensando que seria uma boa sair daqui." "Verdade?" "Qual é minha próxima fala?" Ele perguntou, inclinando-se para mais perto e sussurrando as palavras em seu ouvido. Animação e excitação atravessaram pelas veias de Annika. Era exatamente isso que ela estava procurando naquela noite. "Por que você não vem comigo para minha casa?"


"Perfeito", ele respondeu. "Eu ia sugerir exatamente isso."


Capítulo Dois Annika não conseguia evitar pensar que podia estar cometendo o maior erro de sua vida. Infelizmente, ela não estava se importando. Feliks era uma presença quente atrás de si no estreito corredor que levava ao seu apartamento. Não havia nada de ameaçador na sensação de ter aquele homem perto de si. Ela estava confiante de que se ele tivesse intenções ruins de algum tipo, seus instintos a avisaram de alguma forma. Ela era a filha de Vadir Polzin. Se alguém fosse capaz de captar coisas ruins, seria ela. Sua chave ficou presa na porta. Ela deu a balançada necessária e a antiga porta se abriu. Ela levou Feliks para dentro do interior escuro de seu pequeno apartamento. O espaço pareceu encolher de alguma forma com a presença dele. "Legal," ele murmurou. O olhar escuro de Feliks passeou até o futon onde ela dormia. "Eu principalmente gosto do fácil acesso à cama." Annika sentiu sua bochecha corar. "Não sou a melhor das donas de casa." "Pretendo bagunçar isso aqui um pouco. Você não?" Ele encolheu os ombros. A gargalhada borbulhou em sua garganta, e depois de começar, ela parecia não ser capaz de parar. Ela parecia ridícula, mas estava excitada e nervosa, e por algum motivo, todas essas emoções tinham resultado num surto de risada. Feliks sorriu. Então ele envolveu os braços musculosos ao redor de seu corpo e a silenciou com um beijo longo e profundo. Ela parou de rir e mergulhou no calor do contato daquele homem incrivelmente sexy. Ele tinha o cheiro maravilhoso. Como hortelã, sândalo e homem. Ela entrelaçou os braços em volta do pescoço dele e deixou seus dedos brincarem com o cabelo na nuca. Era sedoso e macio. Ela deslizou os dedos entre os fios escuros e marcou o couro cabeludo levemente com as unhas. Ele respondeu deslizando a língua sobre a junta de seus lábios. Ela deu um pequeno suspiro e ele tirou


vantagem ao encontrar caminho de volta para a boca de Annika. Calor líquido se aninhou na barriga de Annika. Ela estava pegando fogo. Tudo abaixo de sua cintura derreteu, e ela se pressionou o máximo que pôde ao corpo duro de Feliks. Levantando a perna, deixou-a deslizar ao longo da panturrilha dele. Ocorreu-lhe que ela realmente queria se livrar de suas calças. Ela queria sentir pele com pele. Ela deixou suas mãos deslizarem do pescoço dele até o peito. Ela encontrou as arestas do casaco dele e empurrou para fora do ombro. Ele não parou de beijá-la. O contato ficou mais ansioso, quase desesperado. Ele só a soltou para tirar o casaco. O casaco se agrupou no chão, com um movimento suave e um pensar um pouco mais alto que soava estranhamente incongruente. Ela não teve muito tempo para pensar nisso. Feliks agarrou a bainha de sua camiseta e a puxou para retirá-la. Ele a jogou de lado e colocou os lábios na articulação de seu pescoço e ombro. Ela gemeu e jogou a cabeça para trás. A sensação de formigamento dos beijos dele a deixou molhada de desejo. Ela estremeceu de necessidade. Annika estava louca para dar uma olhada no peito duro daquele homem. Ela rapidamente puxou a camiseta dele de dentro das calças e ficou na ponta dos pés para conseguir tirá-la. A camisa ficou presa na cabeça dele, fazendo-o rir e esticar a mão para tirá-la. O movimento lhe deu uma visão completa do corpo rígido que estava escondido debaixo do tecido. Ele era perfeito, e naquele momento, seria seu parque de diversões. Ele esticou as mãos para trás de seu corpo e abriu seu sutiã. Seus seios ficaram soltos. Seus mamilos endureceram com o ar frio do apartamento. Então, Feliks colocou as mãos em seus seios e abaixou a boca até a carne quente. Ele beijou e acariciou até Annika pensar que morreria de prazer. Ela entrelaçou os dedos através do cabelo dele e o puxou para mais perto. Ela queria ficar mais perto. Precisava disso. Ela deixou seus dedos dançarem sobre o peito dele. Ela adorou cada declive e ranhura dos músculos rígidos que descobriu ali. O poder que ele emanava era muito emocionante! As pontas de seus dedos roçavam o pouquinho de cabelo que ele tinha na cintura antes de mergulhar mais para


baixo. Ele gemeu quando Annika abriu o jeans dele. Preliminares eram ótimas, mas Annika estava ansiosa para sentir a pau dele em suas mãos. Ela enfiou a mão debaixo da cintura dele e passou o dedo polegar e indicador em torno da base da ereção de Feliks. Ele balançou os quadris, e ela percebeu o quão duro ele realmente estava. "Eu quero você," ele sussurrou. "Posso te comer, Annika?" Ela gemeu, o som lascivo e completamente transparente. "Por favor." Feliks levantou Annika do chão. Ele devorou seus lábios enquanto a carregava para a cama. Um rápido mexer de mãos e a pilha de roupas que ocupava a cama rapidamente foi parar no chão. Então, ele a abaixou e lhe lançou um olhar longo e cheio de desejo. "Essa calça jeans tem que sair," ele rosnou. Ela balançou o dedo para ele, sentindo-se atrevida. "Você primeiro." Ele manteve o contato visual enquanto começava a abaixar as calças e cueca pelas pernas. A boca de Annika ficou seca quando ela viu cada centímetro da ereção dele revelada. As penas dele eram grossas de músculos e com pelos escuros. Houve um ninho de cabelo curto e grosso na base do pênis dele. Ela lambeu os lábios enquanto absorvia visualmente a grossura e extensão dele. "Um homem pode ter ideias prazerosas quando uma mulher olha para ele dessa forma", ele contou. "Me mostra," ela exigiu. O pedido dela enviou uma bala de puro desejo através do sistema de Feliks. Essa mulher era incrível. Ele amava todas as mulheres. Elas eram suaves e quentes. Ele adorava se perder no corpo delas, mas seus instintos lhe disseram que estar dentro de Annika seria uma experiência singular. Era realmente uma pena ele não ter escolha e precisar tirar a vida dela. Ele tirou as botas e removeu o que restou de suas roupas. Então, ele lentamente se abaixou e abriu a calça dela. Ele arrastou o jeans pelas pernas de Annika. Ele parou nos pés e sorriu quando


ela ergueu as sobrancelhas na expectativa. Ela revirou os pés, rindo quando ele pegou nos seus pés e tirou os sapatos. Feliks os jogou por cima do ombro e os escutou bater no chão de madeira. Então, ele terminou de tirar a roupa dessa mulher, que seria sua escapatória por uma noite. "Você é extraordinário," ele murmurou. "Eu quero beijar cada centímetro dessa pele deliciosa." Colocando as palmas das mãos nas coxas dela, ele provou da elasticidade quente de sua carne. "Eu diria sim", ela disse de forma brincalhona. "Mas estou com tesão demais para você me comer." As palavras dela o quebraram. Feliks gemeu, colocando os joelhos em cada lado do quadril dela e lhe cobrindo o corpo com o seu. Ele a beijou profundamente, fazendo amor com ela com a boca. Ele a dominou dessa maneira, sentindo-a se submeter à sua posse com cada fibra do seu ser. Sua pele deslizava contra a dela. Ele sentiu o calor das coxas dela quando ela as abriu para dar às boas-vindas ao seu pau. A sensível cabeça de seu pênis roçou a estreita faixa de cabelo que lhe cobria a vagina. Ele gemeu contra ela, sentindo sua ereção descansar entre os lábios. Ela estava incrivelmente molhada para ele. Era intoxicante. Ela gemeu e se mexeu por baixo dele, contrariando os quadris como se estivesse exigindo que ele a penetrasse. Ele se segurou. Ele não queria que acabasse tão rápido. Fazia semanas desde que ele tinha tomado uma mulher e uma década ou mais desde que tinha se deparado com uma parecida com Annika. Era hora de desfrutar do prazer. Ele se banqueteou com os seios, sugando os mamilos até que as costas dela se curvaram e ela arqueou-se para fora da cama. Envolvendo um braço ao redor de Annika, ele a abraçou enquanto se movia entre as pernas dela, descendo entre eles para ajustar a cabeça de seu pau na abertura da vagina. A boceta dela era apertada e macia. Feliks desfrutou da pressão no seu pau dentro do corpo dela. Então, ela o envolveu com as pernas e o prendeu no lugar. Ele riu ao perceber que


essa mulher nunca seria passiva. Ela apertou-se contra a raiz de sua ereção até que ele sentiu os músculos internos dela se apertarem ao orgasmo que estava por mim. "Feliks!" Ela gritou enquanto o orgasmo a atingia. Ele ficou maravilhado com a sensação do corpo dela chegando ao clímax ao redor de seu pau. O calor sedoso o empurrou perigosamente para perto de perder o controle. Pegando os quadris dela com as mãos, ele começou a penetrá-la furiosamente. Ele a fodeu o mais duro que conseguia, e ela o encontrava em cada investida. As unhas dela penetraram seus ombros, e ele se deliciou com a violência do momento. Ele observou o rosto dela enquanto cada músculo do corpo de Annika se preparava para outro orgasmo. Ainda assim, ele a penetrava mais fundo. Ele sentiu a queimação de seu próprio orgasmo se agrupando nos músculos de sua bunda. Finalmente, ele não conseguiu mais aguentar. Com uma frase ilegível em russo e em inglês, ele derramou sua semente profundamente no calor acolhedor de Annika. Ela jogou a cabeça para trás e gritou quando o orgasmo a atingiu novamente. Ela estava absorvendo o som dos suspiros e gritos de Annika. Seria um momento que ele nunca esqueceria. Rolando para o lado, Feliks caiu no fino colchão e ofegava como se estivesse prestes a desmaiar. "Nossa," Annika murmurou. "Obrigada por isso!" Ele riu. Logo quando ele achava que estava prestes a entendê-la, ela fazia algo para surpreendê-lo. Ele a puxou para perto o suficiente para fazê-la descansar a cabeça em seu peito. A posição era estranhamente satisfatória. Ele geralmente não fazia esse tipo de coisa. Annika era diferente. Não houve choro ou lamentação, apenas o brilho após um sexo espetacular. "Você precisa de uma cama maior," ele contou com um gemido. Ela o cutucou nas costelas. "De jeito nenhum. Os homens pensariam que é um convite para passar a noite." "Ah, entendi, então esse é um movimento calculado para manter sua independência?" Ele


podia apreciar isso. "Totalmente." "Você é uma mulher diferente, Annika." "E você é a melhor transa que tive em anos." Feliks não tinha certeza de como se sentia em relação a isso. "Então isso quer dizer que você costuma levar homens para casa?" "Hum, está com ciúmes?" "Não." Houve uma longa pausa. Ele conseguia sentia os pensamentos dela se reunindo num padrão mais sério. Finalmente ela falou, e não havia nenhuma risada no tom de voz. "Faço sexo ocasional. Sim. Mas posso dizer com certeza que estar com você é uma experiência que eu nunca tive antes." Seu orgulho masculino foi satisfeito. Apesar dele não ter certeza por que isso importava. Em poucos minutos, ele executaria sua tarefa e ela não teria mais nenhum tipo de opinião. E mesmo assim, por alguma razão desconhecida, ele se importava com o que ela pensava dele. "E não espero que eu tenha outra experiência como essa," ela acrescentou. "Você é um em um milhão, Feliks." "Assim como você." Ela deu uma grande bocejada. "Não esqueça de virar a fechadura quando estiver saindo." "Está me expulsando?" "Não, mas estou prestes a ficar inconsciente, então achei prudente fazer logo esse pedido." Ele lhe apertou gentilmente. "Eu cuido disso." “Mmm-hmm.” Não houve mais barulho além dos sons suaves e rítmicos da respiração dela. Feliks olhou para ela na luz fraca. Ele traçou levemente as feições fortes do rosto dela com a ponta dos dedos. Era estranho pensar que ele estava tentando memorizá-la, essa mulher que ele nunca mais veria


de novo. Ele pegou suas roupas e foi até o banheiro. Vestiu-se rapidamente. Evitando o espelho, ele tirou do bolso do casaco uma caixa cheia de agulhas hipodérmicas. Uma injeção no pescoço e Annika dormiria para sempre. Então, houve uma repentina batida na porta da frente. Feliks pressionou as costas contra a parede e segurou a 9 mm embaixo do casaco. Ele ouviu Annika resmungar enquanto se levantava da cama. "Quem é?" Ela gritou. Feliks não conseguiu evitar rir. O tom descontente de sua voz iria desencorajar até mesmo o mais valente dos homens. Ele teria que esperar mais meia hora ou mais até ela voltar a dormir. Primeiro, o bar estava cheio demais, e agora o apartamento dela também estava. Essa tarefa estava ficando chata. "É o seu pai, Annika!" Feliks congelou. Vadir Polzin estava ali? Isso era muito inconveniente. Annika não reconheceu Feliks, mas Vadir certamente iria. "Vai embora!" Ela gritou. "Não vou deixar um criminoso entrar no meu apartamento. Não quero ver você." A discussão alta entre os dois foi o disfarce perfeito para Feliks escapar. Ele colocou a caixa de agulhas de novo na jaqueta e se virou num pequeno círculo no pequeno banheiro. Havia um duto de ventilação, mas a janela era preferível. Ele puxou a máscara e virou o trinco. Felizmente, a escada de incêndio estava ali como uma rota de fuga acessível. Feliks abriu a janela e sentiu o ar frio da noite de Boston. Em seguida, ele enfiou o pé através da abertura e saiu do apartamento. Annika e o pai ainda estavam gritando dentro do apartamento. Feliks fechou a janela e foi embora. Orlov teria que esperar um pouco mais para ter a satisfação de ver essa tarefa concluída, mas Feliks a terminaria e ganharia seu lugar no concelho. Disso ele tinha certeza.


Capítulo Três Cinco semanas depois... "Eu não me importo com seu negócio idiota!" Annika gritou para o pai. "Você não é nada além de um bandido, e o quero fora do meu prédio. Agora." "Annika, princesa," seu pai disse. "Não seja boba. Eu sou seu pai, não sou?" Ela bateu uma panela no fogão. Ela pretendia cozinhar algo rápido antes de ir para a aula. Mas então seu pai tinha aparecido e descarrilou sua agenda cuidadosamente equilibrada. "Sim. Você é meu pai. Mas às vezes acho que isso foi um movimento calculado da sua parte." "Como assim?" Ele pareceu afrontado. Ela olhou para a aparência fina e rosto pálido do homem. Seu pai frequentemente não parecia estar bem, mas como ele poderia se estava constantemente correndo das autoridades e da máfia russa de Boston? Ela ligou o fogão e viu o queimador ganhar vida. "Você casou com minha mãe americana em Moscou só para poder vir aos Estados Unidos." "Sua mãe morreu na Rússia! Nunca vim para cá com ela." "Não. Você veio comigo. Já que eu nasci lá, não tinha como o governo te expulsar do país," ela disse amargamente. Ele colocou as mãos no peito. "Você me magoa com suas suspeitas." "Sério? Porque eu aposto um bom dinheiro que você só está aqui porque precisa de alguma coisa." "Eu preciso que uma mensagem seja entregue ao FBI." Seu tom era tão suplicante que havia praticamente lágrimas escorrendo dele. "Há!" Ela quebrou um ovo na panela e escutou chiar. "Então você não pode entregar a mensagem porque está sendo procurado pelos federais. Certo?"


"Essa é uma mensagem que irá resolver um pequeno mal-entendido." O cheiro do ovo cozinhando de repente azedou no nariz de Annika. Ela ficou enjoada. Seu estômago se revirou, fazendo-a colocar a mão sobre a boca. O tom de Vadir ficou profissional. "O que foi?" "Vou vomitar!" Ela passou pelo pai e correu até o banheiro. Ela chegou na hora certa. Agarrando a porcelana no vaso, ela vomitou até não ter mais nada para sair. Tateando pela descarga, ela apertou até o conteúdo do vaso sanitário desaparecer, afundando-se no chão logo em seguida. Tal como estava acontecendo na última semana e meia, ela se sentiu melhor depois dos breves surtos de enjoo, embora ela ainda estivesse se sentindo cansada o tempo todo e um pouco fora do ar. "Você está bem?" Seu pai se recostou sobre a porta e cruzou os braços. "Estou bem." Ela lhe lançou um olhar maldoso. "Tenho certeza de que estou assim pelas coisas que você quer que eu faça." Ele bufou, optando por falar em russo em vez de Inglês. "E eu tenho certeza de que me lembro como uma mulher age e aparenta quando ela está grávida." Annika congelou. Será que o velho doido podia estar certo? Ela nem tinha considerado essa possibilidade até agora. Seu cérebro imediatamente começou a voltar no tempo e se lembrar da última vez em que tinha ficado menstruada. "Sua expressão diz que é uma possibilidade," ele meditou. "Quem é o tal que eu precisarei matar por ter tocado na minha filha?" "Você não precisa matar ninguém. Sou uma mulher adulta. Faço minhas próprias escolhas." "Obviamente," ele falou pausadamente. "Mas você precisa levantar a bunda do chão e levar minha mensagem para o FBI. Depois você pode lidar com seus próprios problemas." Ela se esforçou para conseguir se levantar, sentindo-se tonta e muito irritada. "Estou no meio de problemas pessoais, e você ainda está mais preocupado em conseguir minha ajuda com seus


problemas estúpidos com o FBI!" Ela passou desabalada por ele. "Saia do meu apartamento e não volte mais. Estou falando sério. Estou cansada de você me usar em seus negócios escusos. Estou farta de ser o seu peão." O olhar de Vadir se estreitou, e Annika conseguia sentir o calor da raiva dele chiando em sua pele como se fosse uma coisa física. Ela não se importava. Ela estava cansada de fazer parte dos negócios ilegais dele. Ele a usava como um acessório para cometer crimes desde que ela ficou velha o suficiente para sorrir e parecer fofinha. Ela já não se importava em agradar seu pai. Ela queria sua vida de volta. Ele caminhou em direção à porta, olhando para seu fogão. "Seu ovo está queimando." "Então por que não fez nada a respeito?" Ela se aproximou e tirou a panela do fogão, jogando-a na pia, onde saiu fumaça e barulho. "Você pensa em outra pessoa além de si mesmo?" "Eu só queria vê-la hoje." A atitude de Vadir se tornou suspeita. "Por quê?" Ele colocou a mão na maçaneta, preparando-se para partir. "O sindicado está mirando em mim, princesa. Tenho quase certeza de que eles enviaram um assassino." "E você vem aqui? Não achou que poderia me colocar em perigo?" Algo na expressão dele sugeriu uma sensação de arrependimento. "Só queria vê-la, princesa." "Já me viu. Agora vai." Annika o observou ir embora. Preocupava-a um pouco ele estar tão certo que o sindicado estava atrás dele. Mesmo assim, no momento, seus pensamentos estavam sendo consumidos por seu próprio drama. Se o palpite de seu pai estivesse correto, ela precisava comprar algumas coisas na farmácia e rezar para não fazer uma descoberta que mudaria sua vida para sempre.


Capítulo Quatro Annika fez xixi desajeitadamente no pequeno palito branco. Ela fechou a capa de plástico e a deixou em cima do balcão do banheiro. Então, ela se levantou e começou a andar. Ela foi até o quarto principal de seu pequeno studio e começou a circular ao redor da cama. A cada poucos segundos, ela olhava para o relógio para ver quantos tempo tinha se passado. Quando o ponteiro de segundos passou pelo número doze pela quinta vez, alguém bateu na porta. "Sério?" Ela murmurou sombriamente, então ela se deu conta de que Wren devia ter vindo vê-la. "Eu te disse para não vir. Estou um pouco ocupada no momento!" Sentindo-se irritada com sua amiga e sem ter muita certeza sobre o que dizer sobre o problema em que tinha se metido, Annika virou a maçaneta esperando encontrar o familiar rosto de Wren. Em vez disso, a porta abriu numa explosão. Annika foi jogada para longe. Ela jogou os braços para cima para tentar recuperar o equilíbrio, andando para trás até bater no futon. Passadas pesadas atravessaram a porta, depois a porta fechou. Lutando para levantar do futon e ficar de pé, Annika não conseguia nem ver quem era. Seu coração batia forte em seu peito, e o som de sangue passando por seu ouvido era quase abafado por sua respiração ofegante. Ela rolou no colchão e bateu no chão. Cada instinto em seu corpo lhe dizia para correr, mas não havia para onde ir. O que ela deveria fazer? Tentar escapar pela saída de incêndio? Segurando na margem de madeira do futon, Annika virou o pescoço para ver quem estava lhe atacando. "Você!" Seu coração quase parou, e ela se levantou num reflexo. "O que você está fazendo?" Feliks nem sorriu quando encontrou seu olhar. "Desculpe, Annika." "Espera." Ela foi até o banheiro, o único lugar que poderia lhe render algum tipo de segurança. "Você está aqui para me sequestrar?"


A risada baixa dele fez o cabelo de sua nuca se arrepiar. "Gostaria que fosse só isso." "Me matar, então?" Ela estava começando a ficar mais irritada. "Foi por isso que deu em cima de mim no bar? Você na verdade tinha que me matar, mas decidiu me comer?" Seu tom ficou mais duro de ultraje. "Não. O que aconteceu entre nós foi uma pura coincidência." Uma expressão de remorso tocou o rosto dele tão rapidamente que ela teria pensado que imaginou isso se não fosse pela pequena porção de calor permanecente no modo como ele segurava os lábios. Os olhos dele eram mais frios que o ártico. Em seguida, ele encolheu os ombros com indiferença descuidada. "Não sabia quem você era naquela noite. Seus instintos lhe disseram que ele estava mentindo. "E quem sou eu? Por que está fazendo isso?" "Seu pai irritou o sindicado com seu comportamento desrespeitoso," Feliks disse com suavidade "Não podemos olhar para o outro lado quando ele está ignorando as regras. "Um dos membros do nosso concelho foi morto por causa da ousadia de seu pai." "Então eu vou morrer porque meu pai é um imbecil?" Annika não conseguia começar a explicar o quanto isso era irônico. "Como isso é justo?" "Não é," ele murmurou. "Mas a decisão não estava nas minhas mãos." Ela plantou os pés, pronta para correr para o banheiro. "Fora das suas mãos? Você está aqui para me matar! Minha vida está bastante nas suas mãos." Com essas palavras, ela correu para o banheiro. Ficava a poucos passos dali. Feliks estava parado do lado oposto ao apartamento. Ela abriu a porta e a fechou assim que entrou. Ela escutou ele atrás da porta, xingando em russo. "Você não pode se esconder aí para sempre. Nunca imaginei que fosse covarde." "Não sou." As acusações dele a irritaram. "E desafio qualquer pessoa que diga que sou. Sou uma sobrevivente." "Ah é?" Ele parecia estar se divertindo. Que tipo de homem brincaria com ela desse jeito?


Era doentio. "E quais ferramentas estão no seu banheiro para você sobreviver?" Seu olhar foi até o pequeno espaço onde estava o teste de gravidez. Ela pegou a caixa e verificou o resultado. Depois pegou o palito do teste. Grávida. Algo que tinha sido uma possibilidade assustadora há meia hora, agora era duas vezes mais assustador e ao mesmo tempo estranhamento bem-vinda. Ela respirou fundo e balançou o teste à sua frente. Segurando o teste em uma das mãos e as instruções na outra, ela destrancou a porta do banheiro. "Você quer uma ferramenta?" Annika perguntou. "Eu tenho uma. E não é uma arma." "É mesmo?" Ela abriu a porta com o pé e saiu. Segurando o teste à sua frente como um escudo, ela gesticulou para ele olhar as instruções. "Perdi meu ciclo." A pele suave entre as sobrancelhas dele se franziu. "O que é isso?" "Apenas leia." Os olhos dele se arregalaram quando ele percebeu que era um teste de gravidez. Confusão iluminou o olhar dele. "O que está querendo dizer? Você está grávida?' "Sim." "Não é um pouco cedo para saber?" Ele parecia cético. "Bem que eu gostaria. Mas estou mais de quatro semanas atrasada, e estive enjoada todas as manhãs, além de estar cansada o tempo todo. Esses são sintomas bastante específicos. Então fiz o teste." Ele pegou o palito da mão dela e segurou junto às instruções. "Duas linhas, você está grávida, apenas uma, não." "Duas linhas," Annika murmurou. Ele bufou, jogando o palito para ela. "A linha está tão fraca que mal pode ser chamada de linha."


"Não importa o quão fraca a linha está, idiota. Estou grávida." "Você quem está dizendo." "Você realmente quer arriscar matar seu próprio filho ao me matar?"

FELIKS SENTIU COMO se estivesse caindo tão profundamente que não tinha como enxergar a saída. O assassinato de uma mulher era uma coisa. O fato dele ter aproveitando metade de uma noite com essa mulher em particular tornava o trabalho mais difícil. Agora ela estava grávida e a criança muito provavelmente era dele? Pela primeira vez em décadas de tarefas bem realizadas, trabalhos e negócios com o sindicado, que ele não tinha ideia do que fazer. Então ele percebeu que Annika tinha dito algo bastante significativo. Ela tinha chamado o pai de imbecil. Se ela e o pai eram praticamente estranhos, como Orlov alegava que matar Annika faria um impacto tão grande em Vadir Polzin? "Você e seu pai são próximos?" Ele perguntou. Ela balançou a cabeça, parecendo confusa. "Não. Por quê?" "Você o chamou de imbecil." "Ele é," ela soltou. "Olha pra ele, fazendo besteiras e colocando os outros em risco só para ganhar dinheiro rápido." "Você diria que seu pai te valoriza?" Ela enrugou o cenho. Ele podia ver que ela estava esgotada, mas ela parecia estar se segurando muito melhor do que Feliks podia imaginar. Ela era uma mulher forte. Finalmente, ela balançou a cabeça. "Você precisa entender meu pai. Ele provavelmente me valoriza tanto quanto valoriza qualquer outra coisa na vida dele. Ele me ama pelo que posso fazer por ele. Se eu fosse assassinada, ele veria isso como um inconveniente." Ela pareceu considerar o assunto. "Então, acho que o irritaria bastante." "O suficiente para retaliação?" Um padrão de possíveis eventos começou a se formar na mente de Feliks.


"Sim." Ela assentiu com força. "Se ele sentir que foi desrespeitado. Por quê?" "Quando foi a última vez que você falou com seu pai?" Ela pressionou os lábios, parecendo que não queria responder à pergunta. "Hoje. Ele veio aqui de manhã." Algo mudou na expressão dela, e Feliks teve a sensação de que ela tinha feito uma descoberta. "Diga o que está pensando," ele exigiu. Annika não pareceu satisfeita. "Meu pai me disse que o sindicado estava atrás dele por quebrar as regras. Brigamos por causa disso. Eu nem imaginava que ele estava certo." "Ele não estava. Nunca se falou em ir atrás do seu pai diretamente. Você sempre foi o alvo." A mente dele estava em outro lugar, e ele nem parou para pensar em como isso soaria para ela. "Todos esses idiotas arrogantes na terra!" Ela disse sarcasticamente. "Você tem algum vestígio de emoção humana na sua alma?" "Não particularmente." "Não acredito nisso." Ele inclinou a cabeça para o lado, encarando-a e imaginando por que ela conseguia penetrar sob sua pele. "Por que você acredita nisso e por que eu deveria me importar?" "Porque na outra noite você fez amor comigo. Nós não apenas fodemos. Havia mais. Eu vi seu rosto quando você gozou. Um homem que está morto por dentro não tem aquela expressão. Você pode fingir que não se importa, mas se importa sim." Ele estava prestes a corrigi-la, mas seu celular vibrou dentro do bolso. Não havia dúvidas de quem estava o incomodando no momento. Era o concelho, exigindo provas da morte de Annika. Perfeito. "Meu Deus!" Ela jogou as mãos pro alto. "Vai ficar mexendo no celular agora? Você está no meio do meu assassinato." "Não fique tão descontente." Ele estava provocando ela? Era um terrível pensando, mas ele percebeu que era verdade. "Você ainda está viva, não está?"


Ela deu um grunhido estrangulado, e antes que Feliks pudesse se preparar plenamente, ela lançou sua estrutura atlética direto sobre ele. O instinto o fez se esticar para pegá-la, mas ele não estava preparado para o pé que Annika ergueu em direção ao meio de suas pernas. No último segundo, Feliks só conseguiu contorcer o quadril e proteger suas bolas de serem esmagadas. Infelizmente, a ação protetora o deixou meia dúzia de passos atrás de sua presa quando ela saiu correndo do apartamento. Girando nos calcanhares, ele foi atrás dela. O corredor estreito era terrível para seus ombros largos enquanto ele tentava girar em torno do corrimão até as escadas. Ele podia ouvi-la descendo as escadas logo abaixo. Diminuindo a distância, ele saltou por cima do antigo trilho de madeira e se jogou em uma queda controlada. Pousando de cócoras, ela não gastou tempo e desceu mais um lance de escadas da mesma maneira. Mais dois e ele alcançou Annika no final. "Idiota!" Ela gritou. "Vai embora!" "Annika, pare." Ele ergueu as mãos. "Não decidi o que vou fazer. Não tenha conclusões precipitadas." "Precipitadas? Você é louco?" Ela se virou e voltou a subir os degraus correndo. Feliks rosnou e a seguiu. Neste ritmo, ele ia desmaiar antes mesmo de conseguir descobrir o que realmente estava acontecendo. Apesar de ter percebido que, no momento, ele tinha decidido poupar a vida dela. Ele precisava saber por que Orlov a queria morta. Por que atrair Vadir Polzin dessa forma? A qual propósito? "Vá embora!" Ela jogou as palavras por cima do ombro antes de tentar fechar a porta do apartamento na cara dele. Feliks jogou a bota em frente à porta, estremecendo quando a madeira pesada acertou seus dedos. Mesmo com a bota pesada protegendo, seu pé sentiu a dor. "Annika, pare." Ela estava indo em direção à janela, e ele percebeu que ela podia tentar utilizar a escada de incêndio. Segurando a mão dela, primeiro a palma, ela olhou por cima dos ombros. "Você precisa se afastar."


"Ou o quê? Ele a repreendeu gentilmente. "Vamos conversar por um minuto, Annika. Não vou te matar. Honestamente, preciso dizer que você me impressionou demais. A maioria dos homens estaria chorando e implorando por suas vidas agora." Ele abruptamente parou de falar. Sua escolha de palavras não foi bem-sucedida. "Bebês não podem implorar," ela sussurrou. "Nem quando dependem completamente de você."


Capítulo Cinco "Você não pode me manter prisioneira para sempre," Annika disse irritadamente. "Estivemos dirigindo por horas. Em algum momento você vai ficar sem gasolina ou estrada." Ele olhou para o espelho retrovisor pelo que parecia ser a milionésima vez. "Um ou o outro. Sim. Mas pelo menos conseguimos despistar quem estava nos seguindo." "O quê?" Ela se esforçou para se virar no banco. Ela estava tão cansada e faminta que não tinha percebido que alguém estava seguindo eles. "Isso significa que podemos parar?" "Por quê?" "Eu realmente preciso fazer xixi." Ela não se incomodou em suavizar o tom de voz. "E não acredito que alguém estivesse nos seguindo. Por que estariam?" "Não posso responder isso. Para descobrir, eu teria que ter parado e o espancado até conseguir a informação." "Certamente você podia simplesmente pedir." Ela não gostava nada desse papo de violência. "Você não precisa bater em todo mundo com quem entra em contato, precisa?" "Geralmente é mais rápido." Ela estreitou o olhar, percebendo com surpresa que ele realmente a estava provocando. "Está tentando ser engraçado? Porque isso é demente." "Por quê?" "Você me sequestrou!" "Eu salvei a sua vida." "E como descobriu isso?" Ele enrugou os lábios, estacionando o carro preto esportivo no estacionamento de uma loja de conveniência. "O sindicado quer você morta. Eu recusando o trabalho, você não teria nenhuma sorte ao convencer meu substituto que você merece viver."


"Isso parece ameaçador." Na verdade, seu estômago se apertava só de pensar na situação. "O quão doido é você ser basicamente meu ingresso para a vida no momento?" "Bastante doido." Ele parou o carro. "Agora. Vou deixar você ir fazer xixi. Se decidir correr, você está por conta própria. "Como assim?" "Quero dizer que não vou persegui-la por Boston. Então, se decidir que prefere tentar a sorte com o próximo homem que o sindicador enviar para matá-la, divirta-se com isso." A expressão dele não era reconfortante. Ela engoliu o caroço que tinha se formado em sua garganta. "Certo. Eu sei quando é melhor ficar quieta. Mas se você não me deixar sair agora, terá que limpar seu banco." Ele lhe lançou um olhar sujo enquanto pressionava o botão que destrancava a porta. "Então vai. Vou esperar aqui." Ela abriu a porta e praticamente saiu rolando do carro. Considerando sua falta de graciosidade no primeiro trimestre, ela podia imaginar como estaria com oito meses de gravidez. Isso era algo a se considerar se ela virasse uma fugitiva do sindicato. Annika entrou na loja lotada tão focada na sua vida doido que quase não viu o policial até ele esbarrar nela. "Desculpe, madame." O policial a colocou de pé novamente com um sorriso autodepreciativo. "Melhor prestar atenção por onde anda." "Sim, melhor," ela disse fracamente. Furtivamente olhando por cima do ombro, ela o viu sair pela porta e seguir para um carro da polícia estacionado na extremidade oposta ao carro de Feliks. Será que ela se atreveria a ir pedir ajuda ao policial? Ela deu um passo como se fosse se virar e correr até o policial, mas seu pai tinha instalado uma fagulha de desconfiança bem fundo em seu ser a respeito da polícia. Isso a conteve de se arriscar. Resmungando um pouco, ela foi em direção ao banheiro.


A porta estava trancada, e ela podia ouvir alguém se movendo do lado de dentro. "Droga!" Ela sibilou entre os dentes. Cruzando os braços e sentindo-se na defensiva, ela olhou para baixo e percebeu que ainda estava vestindo uma calça de dormir e uma blusa surrada. Fabuloso. Isso realmente fazia maravilhas à sua autoestima. Do outro lado da loja cheia, um homem alto, cadavericamente magro e com um cavanhaque pontudo estava lhe encarando. Ela se mexeu um pouco mais e tentou voltar alguns centímetros para se abrigar atrás de uma pilha de cerveja. O olhar do homem não vacilou. Sua pele começou a formigar. Ela desejou que a mulher dentro do banheiro se apressasse. Finalmente a porta fez um barulho e abriu, e uma mulher de grandes proporções saiu de lá. Ela quase atropelou Annika ao sair. "Sai da frente, magrela!" "Sério?" A palavra saltou de sua boca antes que Annika pudesse engoli-las de volta. A enorme mulher girou rapidamente nos calcanhares. Parando na frente de Annika, ela deu ao corpo atlético de Annika um barulho zombeteiro. "Você tem alguma coisa para me dizer, vadia magrela?" Annika suspirou. O Cara Estranho ainda estava a observando como um pervertido que estava prestes a atacar, e ela estava prestes a fazer xixi nas calças. Não era hora de entrar numa discussão. "Então?" A Garota Grande soltou. "Você tem uma língua?" "Não." Annika desapareceu para dentro da segurança do banheiro e fechou a porta. Dentro do pequeno cubículo, ela se apressou para fazer suas necessidades. Era pequeno e pegajoso, e seus sentidos alterados de grávida faziam o lugar feder dez vezes pior do que realmente era. Annika deu a descarga e depois lavou as mãos, mas pensando durante todo o tempo se estava sujando mais ou lavando realmente. Ela finalmente saiu do banheiro e percebeu que o Cara Estranho tinha mudado de lugar. Ele agora estava em pé ao lado da geladeira em frente às


portas do banho. Os cabelos de seu pescoço ficaram arrepiados. Annika o ignorou deliberadamente e caminhou na posição oposta. Virando-se numa esquina, ela amassou as costas contra uma estante e olhou para cima para garantir que não havia um espelho sob sua cabeça. Não tinha, e ela aproveitou a oportunidade para tentar espiar o Cara Estranho. Ele estava saindo de perto dos banheiros e indo até a porta. Alguns segundos a mais e ele se colocaria entre ela e a saída. Não era bom. Annika se apressou para a porta. Ela não se importou se alguém tinha visto sua saída insana. Ela só precisava sair dali. Agarrando a porta, ela a abriu e foi em direção à sua liberdade.

FELIKS SABIA QUE as mulheres tendiam a demorar mais no banheiro do que os homens. Ele aproveitou a oportunidade para enviar uma rápida mensagem para Pyotr explicando que tinha sido preciso adiar o assassinato de Annika Polzin. Pyotr tinha acabado de responder quando Feliks viu Annika saindo da loja e indo até o estacionamento. Ela parecia muito agitada. Na verdade, ela parecia tão chateada que Feliks esticou o braço em baixo do seu banco para pegar uma arma. Então, ele a viu olhando selvagemente para a esquerda. Quando ela caminhou rapidamente em direção ao carro da polícia estacionando, Feliks quis a arma em sua mão para um propósito completamente diferente. Seu cérebro estava gritando com ele. Seus instintos lhe diziam que Annika tinha se voltado contra ele e estava lhe entregando para a polícia. Ainda assim, algo em torno de seu peito se recusou a acreditar nisso. Então, ele observou e esperou, sabendo que talvez precisasse escapar a qualquer segundo. Annika gesticulou para o policial, apontando de volta para a loja e usando as mãos para falar com grandes gestos. Ou ela estava realmente agitada ou era uma ótima atriz. Feliks suspeitava que fosse os dois. Seu estômago se apertou quando observou dois policias saírem do carro.


Um homem falou no rádio preso ao ombro do uniforme. O outro tinha colocado a mão na arma. Os dois estavam completamente interessados na loja. Eles olharam para Annika mais uma vez. Feliks aproveitou a oportunidade de abaixar um pouco a janela para escutar o que ela estava dizendo. "Ele está lá dentro," Annika disse num tom quase desesperado. "Alto, muito magro e super assustador. Ele me assustou tanto que corri de lá como se meu cabelo estivesse pegando fogo. Graças a Deus vi vocês por aqui. E se ele for um estuprador ou algo do tipo?" "Nós vamos resolver isso, dona. Apenas fique aí. Pegaremos um depoimento seu se for preciso." "Ok, oficial. Muito obrigada!" Annika já estava indo em direção ao carro de Feliks. Ela observou a polícia. Assim que eles se focaram no prédio e entraram na loja, ela entrou no carro e se sentou no banco do passageiro. Levou apenas um segundo para ela abrir a porta e sentar. Ela fechou a porta e fez um gesto com a mão. "Não sei o que você está esperando, mas acho que devia ir. A pessoa que estava nos seguindo ficará ocupada com os policiais por um tempo, então vamos embora." "A pessoa que estava nos seguindo?" Feliks já estava colocando o carro para andar. "Acho que sim." A pele delicada entre as sobrancelhas dela se enrugou enquanto ela pensava no que tinha acabado de acontecer. "Ele era alto, mais ou menos da sua altura, acho. Cabelo loiro, talvez olhos azuis, e tão magro que parecia um espantalho com uma barba pontuda." Feliks xingou em russo, inglês e depois em ucraniano. "Esse é Yuri Orlov." "Imagino que ele seja sua competição?" Ele bufou. "Dificilmente." "Só quis dizer que ele quis realizar a sua tarefa, não que ele é igual a você." Ela riu. O som era alegre e brilhante contra a escuridão das circunstâncias. Feliks colocou o carro de volta no trafego e procurou num lugar onde eles poderiam ficar por alguns dias em segurança. Apesar de que ele já estava pensando que não existiria tal lugar a


esse ponto. "Yuri quer uma posição no concelho." "O sindicado tem um concelho?" Annika ergueu as duas sobrancelhas em surpresa. "Claro. Como conseguiríamos realizar alguma coisa sem ele?" "Não quero insultar. É só um pouco doido pensar que uma enorme organização criminal tem algum tipo de hierarquia, com um corpo governamental que dita as práticas do negócio." Ela encolheu os ombros. "Vocês são bandidos. Não é o tipo de comportamento que me vem à mente quando penso em bandidos." "Eu pareço um bandido?" "Sim." Feliks estava prestes a se sentir ofendido quando percebeu que agora ela que o estava provocando. Ele sufocou um sorriso e fez uma careta no lugar. Annika realmente não precisava saber como lhe agradava a personalidade atrevida que ela tinha. "Você não é tão mau quanto finge ser," ela anunciou. "Então eu não pretendia matar você?" Ela acenou com a mão com desdém. "Isso não tem nada a ver com ser mal ou não. São negócios. Tenho certeza de que você é capaz de fazer seu trabalho quando necessário. Só estou dizendo que diferente de alguns homens como — ah, não sei, — meu pai, por exemplo, você realmente tem uma personalidade embaixo de toda essa atitude." Deus que lhe ajudasse, ela talvez estivesse realmente certa.


Capítulo Seis Annika observou Feliks mudar as marchas enquanto dirigia para algum lugar desconhecido. As mãos dele eram grandes e bronzeadas. Ela notou o quanto os dedos dele dirigiam com certeza aquele carro esportivo. Havia uma força tranquila a respeito dele que a atraia em um nível primal. Uma sensação estranha em sua barriga a fez se mexer desconfortavelmente no banco. Ela conseguia se lembrar de outras coisas sobre a mão de Feliks. Como era a sensação delas a tocando. A forma como as palmas das mãos dele deslizaram suavemente pela parte de dentro de sua coxa e a fizeram se abrir para ele. Lembrar do primeiro encontro deles foi o suficiente para alterar sua respiração e a deixar molhada. Ela se contorceu de novo. Por que ela estava pensando nisso agora? O homem tinha sido enviado para matá-la. Ela não devia pensar romanticamente sobre as mãos dele e como era a sensação dele chupando seus seios. Ela cruzou os braços sobre o corpo, que agora estava formigando de necessidade. Feliks era bom com a boca e com as mãos. Não tinha como discutir isso. Ele podia ser um assassino, mas ele era muito bom de cama. "No que está pesando?" Ele perguntou repentinamente, virando-se para olhá-la. "Em coisas." "Tipo?" Doeria perguntar? "Você acha que um feto em desenvolvimento reconhece a presença de um doador genético?" "O quê?" Ele franziu o cenho. "Você está perguntando se o pacote minúsculo de células humanas que você está carregando pode nos sentir?" "Sim." "Não tenho ideia. Por que pensar nisso?" Ele pareceu confuso.


"Porque eu devia estar tão irritada com você agora que devia querer cortar sua garganta. Em vez disso, estou sentindo coisas positivas em relação a você. A única razão que consigo imaginar para isso é que o bebê reconhece que você é o pai e por isso se recusa a me deixar odiá-lo." "Isso é doentio." "Eu sei, mas pelo menos tem uma certa lógica," ela murmurou. "Não tem lógica nenhuma nas minhas emoções agora. Isso eu posso te dizer." Os lábios dele se curvaram num generoso sorriso. "Não estamos longe. "Quando você descansar e comer alguma coisa, vai ficar um pouco menos doida." "Nossa, obrigada." "Você que está propondo que um feto está te impedindo de me odiar." "Isso é verdade," ela cedeu. "Quando você fala assim, parece loucura. Ela tinha acabado de abrir a boca para perguntar aonde eles estavam indo quando viu um carro viajando terrivelmente rápido em direção a eles. "Feliks!" Os reflexos rápidos dele os salvaram de um desastre, mas por muito pouco. Os carros tocaram um no para-choque do outro. O carro de Feliks começou a rodar. Annika se segurou com força enquanto eles giravam 360 graus. "Segure-se firme!" Feliks ordenou. O motor rugiu enquanto ele tentava acelerar até colocar o carro na direção em que eles estavam indo. Os prédios passavam cada vez mais rápido. Eles estavam voando pela rua estreita. Finalmente, Feliks girou o volante e freou. Annika tinha voado em sua porta quando eles viraram numa esquina praticamente sob duas rodas. O beco se abriu e pareceu ser muito longo. Annika virou a cabeça para trás e tentou ver se ainda havia alguém seguindo eles. "Eles não conseguiram se safar da colisão", ele disse, a voz entrecortada. "Mas a esse ponto, imagino que ele não seja nosso único amigo."


"E não é!" Ela gritou enquanto um outro veículo acelerava na direção deles do outro lado do beco. O pequeno carro balançou enquanto Feliks acelerava. Eles estavam agora caminhando em direção ao segundo atacante a uma feroz de velocidade. "O que está fazendo?" Ela exigiu. "Pare!" "Confie em mim." No último segundo, ele girou o volante para a esquerda, fazendo-os entrar numa rua mais larga. Annika conseguiu ver o olhar duro do outro motorista por um segundo antes deles virarem. O outro carro passou por eles, ainda no beco. O barulho do freio encheu o ar enquanto eles tentavam parar. Feliks já estava pisando no pedal quando virava em outro beco. Eles estavam fazendo ziguezague pela cidade como se não existisse regras de trânsito. Buzinas tocavam enquanto os outros carros eram obrigados a parar, os motoristas gritando e acenando os punhos para Feliks. Ele não pareceu se importar. "Aonde você aprendeu a dirigir?" Annika perguntou. "Na escola de palhaços?" "Na Rússia, na verdade." "Ah, senhor, estamos mortos", ela choramingou. Ele riu como um maníaco. Logo em seguida, uma rotatória se abriu na frente deles e ele virou como se o carro fosse de corrida, indo na direção que eles já tinham ido. "O que você está fazendo?" Ela imaginou se ele tinha ficado doido. "Indo para o lugar que vai fazer eles demorarem mais para chegar. Onde mais?" "Ok, isso não parece inteligente. Mas você está dirigindo tão rápido que está me deixando tonta." "Feche os olhos." "Não, obrigada, prefiro ver a morte vindo." No meio de toda essa loucura, Feliks se virou para olhá-la e lançou um sorriso suave. "Sim,


você realmente prefere." "Dá pra prestar atenção na estrada?" Ela reclamou. "Prefiro não morrer batendo num prédio." Ele riu enquanto dirigia pelas mãos de via única do sul de Boston, para o lugar que apenas ele conhecia. Depois, ele virou mais em uma rua e eles chegaram a um pequeno espaço entre dois grandes portões. A pequena área se abriu numa maior com um estacionamento coberto. Ele parou o carro num ponto escuro no canto e desligou o motor. "Presumo que chegamos," ela perguntou hesitante. "Tipo isso."

***

"Você está louco de trazê-la aqui?" Pyotr perguntou numa voz quase alta o suficiente para contar para o resto da casa sobre o que eles estavam discutindo. Feliks ergueu as mãos num gesto de rendição. "Acame-se, Pyotr. Não é por muito tempo. Só até eu descobrir por que está parecendo que todos estão mirando em mim." "Não seja tolo," Pyotr disse em russo. "Você sabe por que. "É porque você está carregando o seu alvo por aí como uma grande mala em vez de se livrar dela como o planejado." "Não posso me livrar dela," Feliks disse suavemente. "Por que não?" "Ela está grávida." Pyotr xingou bastante. "Tem certeza?" "Sim. Vi o teste." "Então você estará livrando o mundo de um bastardo indesejado. E daí?" Por alguma razão, o desrespeito frio pela vida plantado por trás dessa afirmação incomodou Feliks. Ele deixou isso de lado por um momento e se focou no outro fato que mantinha


Annika viva. "A criança é minha." Dessa vez não houve xingamento. Houve apenas silêncio, e isso era bem pior. Pyotr sentou-se na cadeira de couro atrás de sua enorme mesa de mogno e juntou os dedos. "Como pode ter certeza disso?" Feliks olhou ao redor do escritório. As estantes de madeira escura tinham um tom antiquado. Uma coleção de livros clássicos enfeitava a estante de vidro frontal, e havia belas artes feitas por bons artistas russos na parede. Quantas vezes ele já ficara ali de pé, naquele mesmo local, recebendo ordens de Pyotr ou Vasily? Os dois homens eram muito próximos dele. Feliks tinha sido o pequeno prodígio deles. Ele sempre acreditou que conhecia aqueles homens tão bem quanto se conhecia. Agora não tinha tanta certeza. "A primeira noite em que tentei finalizar a tarefa," Feliks disse numa voz desprovida de emoção. "Eu fui até o bar e a convenci a me levar para casa por algumas horas. Nós dormimos juntos. No dia, eu tinha a intenção de injetar o veneno nela depois e acabar logo com isso. Infelizmente, Vadir apareceu e precisei fugir antes de conseguir finalizar o serviço." "Uma mulher como aquela podia ter dormido com uma dúzia de homens na semana anterior e mais outra dúzia na seguinte. Você não tem como saber de quem é a criança. Por que presumiria que ela é sua?" Feliks sentiu uma queimação de raiva com a acusação de Pyotr contra Annika. "Ela não é assim. Acha que não sei a diferença?" "Não estou dizendo isso. Simplesmente é impossível saber com certeza se essa criança é sua até que um teste de paternidade seja feito." "Entendo," Feliks disse suavemente. A raiva latente e lenta assentou-se em seu peito como uma coisa viva. "E a melhor resposta é tirar a vida dos dois antes de eu ter a chance de saber com certeza?" "Também não disse isso. Você está colocando palavras na minha boca." "Você as está inferindo!"


O olhar de Pyotr se estreitou de forma suspeita. "O que você quer dessa mulher?" "Não tenho certeza ainda." "Você não é o tipo de homem que se acomoda com uma mulher e cria uma família como se fosse algum urso domesticado. Você é um assassino de sangue frio. E é isso o que você tem sido durante toda a sua vida adulta. Por que você pararia agora para brincar de casinha com uma mulher que mal conhece?" "Isso foi duro." "É a verdade!" "Você tem uma família." Pyotr bufou. "Não sou um assassino treinado. Sou um homem de negócios." "Talvez você precisasse de um par de bolas, então." O homem mais velho riu, erguendo a mão como se estivesse se rendendo. "Acalme-se, Feliks. Por favor. Sente-se e me conte mais uma vez sobre o envolvimento de Yuri nessa situação." Ele se sentou na beirada do sofá de Pyotr, com as pernas abertas e descansando os cotovelos nos joelhos, Ele estava muito nervoso para relaxar. "Ele nos seguiu praticamente por todo o caminho do apartamento de Annika até a loja de conveniência. Após deixarmos a loja, dois veículos na cidade nos atacaram. Nenhum deles era o carro que Yuri estava dirigindo mais cedo." "Maldito bastardo do Orlov! Ele devia estar tentando conseguir um lugar no concelho para Yuri." "Isso seria um desastre. O homem mal consegue soletrar, quanto mais gerenciar um negócio." "Sim, mas todos ficamos cegos e estúpidos quando se trata dos talentos e inteligência de nossos filhos." Pyotr suspirou. "Yuri certamente é um idiota. Mas é um idiota com cede de sangue." "Sim. E é por isso que não posso permitir que você e sua passageira não autorizada fiquem aqui na minha casa." Havia uma leve expressão de censura no rosto de Pyotr. "Não esperava que você nos acolhesse. Só queria saber se você podia me dizer alguma


coisa a respeito do envolvimento de Yuri." "E também precisava que as coisas esfriassem. Não nasci ontem, jovem." "Ninguém imaginaria isso," Feliks brincou. Pyotr apontou o dedo para ele. "Melhor se cuidar. Uma hora pode perder a cabeça." "Você acha que os outros questionam meu direito de um lugar no concelho?" Feliks se perguntou se o velho homem lhe daria uma resposta honesta. Mesmo assim, ele precisava tentar. "Não sei dizer." Pyotr coçou a barba. "Ninguém disse nada perto de mim, mas é possível que tenham feito isso de propósito devido ao meu relacionamento próximo com você e Vasily." "Queria que Vasily ainda estivesse aqui," Feliks murmurou. Pyotr fez uma careta. "Assim como eu."

Capítulo Sete

Annika estava andando pela pequena sala onde Feliks a tinha mandado ficar. Ela odiava ficar parada. Ela estava acostumada a fazer o que bem entendesse. Alguém mandar ela esperar e tomar decisões por ela era irritante. Um pequeno rostinho apareceu na entrada da porta. Annika sorriu e recebeu de volta um sorriso banguela. Depois, Annika acenou para sua pequena visita. Houve uma risada, mas nenhum aceno de volta. "Você pode entrar," Annika disse à pequena menina. Sem resposta, apesar da criança ter se inclinado um pouco mais ao redor da porta para conseguir ver melhor. Annika tentou novamente, dessa vez em russo. "Não tenha medo. Você pode entrar e conversar comigo se quiser." A garotinha deu alguns passos hesitante para dentro do cômodo. Ela vestia um lindo vestido


rosa, com laços combinando no final de suas tranças loiras. Annika imaginou que ela não tivesse mais de cinco ou seis anos. A pequena inclinou a cabeça para o lado como um pequeno passarinho. "Minha mãe disse que você deveria estar morta." "Estou sabendo." Annika decidiu parar de andar e optou por se sentar numa cadeira verde feia. "Estou muito feliz por não estar morta." "Papai Pyotr disse que seu papai deixa muita gente brava e que é por isso que você deveria estar morta." O olhar inquisitivo ficou mais pronunciado. Ninguém censurava o que era dito em frente a essa criança? Annika se perguntou o que diria em resposta. Ela não podia chamar o pai da menina de bastardo, podia? Annika tinha respirado para respondendo quando uma mulher apareceu na porta. "Oksana, vá para o seu quarto imediatamente," ela soltou em russo, e a garotinha precoce foi correndo para fora do cômodo. "Não fale com minha filha," a mulher disse com um pesado sotaque russo. "Eu não estava dizendo nada que ela já não soubesse," Annika explicou. "Na verdade, ela estava ocupada me informando que eu deveria estar morta." O olhar escuro da mulher se arregalou um pouco. "Desculpe, ela é nova demais para perceber que está sendo rude." "Entendo." Era óbvio que a mulher queria dizer mais alguma coisa. Annika se perguntou quem ela era. "Você pode me perguntar qualquer coisa que quiser." "O quê?" "Eu disse que você pode me perguntar o que quiser," Annika repetiu. "Dá pra ver que você tem alguma coisa em mente." "Seu pai." A mulher parecia estar se esforçando para falar em inglês. Annika ficou com pena dela. Quem era essa mulher? Algum tipo de noiva russa


encomendada pelo correio? Annika mudou para russo. "Você pode perguntar em russo se quiser." "Por que seu pai matou meu marido?" Annika sentiu como se alguém tivesse jogado água gelada em suas costas. "Como assim? Você acha que meu pai matou seu marido?" "Sim." "Quem era seu marido?" "Vasily Volkov." Annika procurou em seu cérebro por qualquer menção desse nome que seu pai possa ter feito. Nada lhe veio à mente. Ela e Vadir não conversavam muito. Ela certamente não lhe perguntava nada relacionado aos negócios. "Essa manhã, meu pai me disse que o sindicado estava atrás dele," Annika disse suavemente. "Ele tinha certeza de que tinha feito algo de muito ruim. Talvez seu marido estivesse envolvido." "Meu marido era um bom homem!" A mulher estava lutando contra as lágrimas. "Qual seu nome?" Annika perguntou gentilmente. "Irina." "Sinto muito por sua perda, Irina. Não é difícil imaginar que meu pai possa estar envolvido, mas não posso lhe dizer por que ou como, porque não sei." Annika pensou em tudo o que tinha acontecido desde que seu pai aparecera em seu apartamento essa manhã. "Acredite em mim, aprendi há muito tempo que meu pai não é um bom homem. Estou com problemas agora pelas coisas que ele fez." Irina suspirou. "Não devo te culpar pelos pecados de seu pai." "Eu entendo por que você faria isso." Irina pareceu pensar bastante sobre algo. Ela começou a falar e depois parou. Finalmente a expressão dela mudou como se tivesse acabado de tomar uma decisão. "Tem uma entrada nos fundos aqui." "Ok."


"Ninguém está tomando conta no momento." Annika ficou de pé rapidamente. "O quão perto nós estamos de uma estação de trem?" "Alguns quarteirões, no máximo." Irina apontou para o que Annika imaginou ser a direção nordeste. "A estação fica para aquele lado, mas você precisa se apressar. Pyotr e Feliks não devem demorar mais muito tempo." "Obrigada." Annika tocou o ombro de Irina. "Vou me lembrar disso. Se um dia eu puder retornar o favor, farei isso." "Saia desse cômodo e vire à esquerda," Irina instruiu. "Você verá o caminho." Annika pisou rápido e silenciosamente enquanto saia do feio cômodo. Ela escutou vozes barulhentas conversando em russo à sua direita. Afastando-se dos homens que provavelmente faziam parte do sindicado, ela foi em direção à esquerda até o estreito corredor. Havia itens decorativos antiquados em todos os lugares. Annika teve que desviar de um relógio para não bater o joelho. Felizmente, os grossos tapetes persas abafavam seus passos. Assim que atingiu o fim do corredor, ela percebeu que ele dava na cozinha. O cômodo era cheio de prataria brilhante, mas sem pessoas. Annika caminhou em direção à porta. Ela aumentou a velocidade do paço, antecipando a liberdade e se perguntando se estava tomando a decisão certa. Agarrando a maçaneta, ela a girou e cautelosamente abriu a porta. Ela segurou a respiração e esperou para ver se ouvia o barulho dos homens do lado de fora. O único som era do movimento do trafego numa rua próxima. Annika saiu e fechou a porta suavemente atrás de si. Ela mediu sua direção e acelerou na esperança de conseguir pegar um trem assim que entrasse na estação. Ela olhou para trás uma vez enquanto caminhava. Não havia dúvidas de que Feliks ficaria irritado. A questão era: por que ela se importava?

***


Feliks notou uma pequena pessoa espiando pela abertura da porta bem antes de Pyotr. Ele gesticulou para o amigo ver que eles tinham visita. "Ah, ela está muito triste desde a morte do pobre pai," Pyotr disse pesarosamente. "A deixaria alegre saber que o Tio Feliks veio fazer uma visita." Feliks levantou e rastejou em direção à porta. Usando seus dedos, ele cutucou a sombra atrás da porta. Houve uma risada em resposta e um gritinho feminino de prazer. "Acho que temos um ratinho," Feliks disse em voz alta para Pyotr em russo. "Melhor chamarmos o exterminador." "Ou talvez pudéssemos arrumar um gato," Pyotr sugeriu. Feliks cutucou a sombra novamente. "Para um rato tão grande? Dá pra imaginar o tamanho do gato que precisaríamos?" "Um gatinho?" Oksana aparentemente pensou que essa era uma ideia maravilhosa. A porta abriu e a filha de seis anos de idade de Vasily apareceu no escritório de Pyotr. "Eu quero um gatinho, Tio Feliks! Você pode me trazer um?" "Não sei." Feliks olhou para Pyotr. "Você terá que perguntar ao papai Pyotr, já que a casa é dele." Feliks pegou a menininha no colo e sentou novamente no sofá. Ela se aconchegou, e ele se perguntou como seria abraçar seu próprio filho. Ele gostava de Oksana. Na verdade, Feliks conseguia se lembrar do dia em que ela nasceu e a sensação de segurar um corpinho tão pequeno em suas enormes mãos. Ainda assim, ter seu próprio filho seria uma experiência completamente diferente. "Eu poderia trocar uma coisa pelo gatinho," Oksana ofereceu. Pyotr sorriu. "E o que você tem para trocar, boneca?" "Eu tenho um segredo." Feliks imaginou que segredo maravilhoso seria esse que a garotinha poderia usar numa


troca. Talvez realmente houvesse um rato na casa. "E qual seu segredo, malenkaya?” "Havia uma mulher na casa," Oksana anunciou. Feliks trocou olhares com Pyotr. Eles frequentemente subestimavam os precoces poderes de observação da menina. Feliks pegou na trança dela. "Sim, tem." "Ela não está mais aqui." Feliks se esforçou para não reagir violentamente. Oksana não entenderia. "O que você quer dizer?" "A moça saiu da casa pela cozinha." Ela fez uma carinha diferente. "Ela era muito legal. Acho que mamãe gostou muito dela." Feliks e Pyotr começaram a piscar um pro outro. Oksana não era o tipo de criança que inventa histórias. Ela às vezes exagerava, como qualquer criança normal, mas não mentia. Será que Irina tinha ajudado Annika a escapar? E por que ela faria isso? Feliks beijou Oksana sobre o loiro cabelo sedoso e a colocou no sofá. Levantando-se, ele tentou fingir calma. Na verdade, ele estava quase entrando em pânico do lado de dentro. O corredor do lado de fora do escritório de Pyotr estava silencioso. Feliks caminhou sobre os grossos tapetes enquanto ia em direção à cozinha. O cheiro de biscoito o fez salivar. Quanto tempo fazia desde que ele comera pela última vez? Mulheres grávidas comiam com frequência? E se Annika estivesse com fome? Como ele não tinha pensado nisso? Irina estava sozinha na cozinha. Ela não ergueu o olhar quando ele entrou. Repetidamente, ela usou uma espátula para soltar o biscoito da panela. Depois, ela o colocava num pratinho e pegava outro para colocar na panela. O trabalho parecia catártico. "Irina, você deixou Annika sair pela cozinha?" Feliks perguntou suavemente. “Da.” "Por quê?" "Ela estava aqui contra a própria vontade." O tom de voz dela parecia muito plano. "Eu sei disso, Irina, mas Annika não está segura sozinha. O sindicato a quer morta." Por que


ele estava explicando isso para Irina? Não era da conta dela. Ela tinha violado a confiança de Pyotr. E isso era muito sério. Irina foi até a bacia com massa de biscoito e começou a formar outra fornada. "Então deixe-a tentar por conta própria. Nenhuma mulher gosta de ser prisioneira de homem que ela não quer." "É assim que você se sente?" Feliks perguntou suavemente. Irina virou olhos enormes e escuros em sua direção. A dor que Feliks viu refletida neles não conhecia limite. Ela perdera o marido, e agora estava sendo forçada a aceitar a caridade do amigo dele. Dizer que isso não viria com um custo seria besteira. Feliks sabia disso tão bem quanto Irina. As narinas de Irina se abriram. "Eu dei uma chance à ela. Até mesmo a filha de um assassino merece isso." "Posso fazer alguma coisa por você, Irina?" Ela endureceu. "Encontre o homem que realmente é responsável pela morte do meu Vasily. Esse plano de Orlov está errado. Que tipo de homem cria guerra contra mulheres e crianças?" "Covardes." Irina o encarou, inclinando a cabeça para o lado, como se conseguisse enxergar através dele. "Você a quer, Feliks?" "Ela está carregando um filho meu." Ele não sabia por que tinha compartilhado esse fato, mas Irina era uma mulher confiável. "Então vá atrás dela nos termos dela. Não pode mantê-la presa. Ela precisa vir por vontade própria. Acho que você sabe disso." Ele tocou no ombro de Irina e ficou surpreso ao vê-la recuar. "Obrigado." Ela abaixou a cabeça. "E não acredite em tudo que o sindicado te fala. Não confie em ninguém, Feliks. Nem naqueles próximos de você. Há coisas ruins acontecendo dentro da organização. Vasily sabia disso, foi o que custou a vida dele."


Feliks queria pergunta mais. Ele precisava saber o que ela sabia a respeito da morte de Vasily. SerĂĄ que poderia haver um traidor no meio deles? E como Yuri Orlov se encaixava nisso tudo? Mas agora, ele precisava encontrar Annika antes que outra pessoa conseguisse. Essa era a Ăşnica tarefa que importava.


Capítulo Oito Annika estava começando a acreditar que sua aposta pela liberdade era uma completa loucura. Seu caminho através do bairro mal iluminado era angustiante na melhor das hipóteses. Se ela não conseguisse ver a brilhante estação MBTA logo à frente, talvez ficasse tentada a bater na porta de algum estranho para pedir para usar o telefone e fazer algo estúpido, como ligar para o pai. "Isso seria ridículo," ela sussurrou. De alguma forma, falar consigo mesma fez parecer menos solitário. Como poderia um bairro numa área metropolitana estar completamente deserto? Não deveria haver pessoas em algum lugar? Conforme Annika se aproximava da estação de trem, ela se lembrou que não tinha nenhum dinheiro. Feliks tinha permitido que ela pegasse um casaco e sapatos, mas nenhuma bolsa ou telefone. Tinha sido uma boa estratégia da parte dele, mas a tinha deixado com praticamente nada. Ela enfiou a mão no bolso do casaco enquanto terminava de caminhar até a estação. Seus dedos encontraram uma única nota. Annika a puxou, aliviada em ver que a nota de dez dólares seria o suficiente para levá-la para casa. "Sorte sua." Ela foi pega de surpresa por uma voz masculina. Então ela percebeu que havia uma outra pessoa na estação de trem. O mesmo cara alto e cadavericamente magro que ela vira mais cedo na loja de conveniências. Ele estava ali. Agora. "O que você quer?" Ela exigiu, tentando manter o tom de voz firme e confiante. "Pequena Annika," o homem disse. "Sempre um passo atrás." Dois podiam brincar aquele jogo. Ela inclinou a cabeça para o lado e se moveu para a


beirada da plataforma. "É Yuri, certo?" Ele fez uma reverência ridícula. "Serviço de descarte de corpos do Yuri, ao seu... bom, serviço, imagino." "Péssimo." A expressão dele ficou sóbria, ficando feia. "Você está com pouco tempo. Não acha que deveria estar usando suas últimas palavras de uma forma mais efetiva?" "Quem disse que não estou sendo efetiva?" Antes que ele tivesse tempo de reagir, Annika se jogou no colho entre as plataformas. Os quase dois metres de queda fizeram com que ela arranhasse os joelhos na parede, mas ainda estava viva. "Annika!" Yuri bufou. "O que pensa que está fazendo?" Ela pensou a mesma coisa quando escutou o trem apitando no ar da noite. As luzes brilhantes do veículo chegando a fizeram perceber a situação difícil em que se encontrava. "Sua vadia estúpida!" Yuri comeu ao lado da plataforma. "Você está fazendo meu trabalho por mim. Tudo o que preciso fazer é esperar, levar uma prova de sua morte e boom! Dia do pagamento!" Ela o ignorou. Não era hora de deixar que ele a incentivasse a entrar numa discussão. Ela não tinha tempo de duvidar de si mesma. Mantendo as passadas curtas e segurando os braços no alto para equilíbrio, ela correu das luzes. Ela precisava passar pela margem da plataforma da estação e encontrar uma forma de sair dos trilhos. Depois precisava se esconder. Yuri não ia desistir. Isso era óbvio. "Ah, Annika!" A voz de Yuri a seguia. Lágrimas pinicaram seus olhos enquanto ela lutava para manter os pés nas pedras. Finalmente, o final da plataforma ficou visível. Ela quase chorou de alívio. Então ela viu que havia uma queda de 6 metros, um monte gramíneo íngreme em ambos os lados dos trilhos. Depois disso, uma ponte tinha sido criada para levar o trem acima das ruas lotadas de Boston.


"Isso mesmo, sua vadia estúpida," Yuri provocou de cima da plataforma. "Melhor se preparar para o trem, porque ele está chegando rápido." Não responda. Não responda. Tudo o que ela podia fazer era ficar em silêncio. O cara era um babaca! Sua irritação ajudou na sua determinação. E enquanto o trem se aproximava apitando, ela se sentou na grama íngreme e se abaixou. "O que está fazendo?" Ele repentinamente ficou incerto do resultado da situação. "Você não pode fazer isso!" Ela caiu rapidamente, quase como se estivesse em um enorme declive com um ângulo perigoso e louco. Agitada para diminuir sua descida, Annika enfiou os dedos dentro da grama ao lado de seu corpo e se abaixou até sentir seu cabelo encostando na grama. A corrida deveria se uma adrenalina só em qualquer outra circunstância. Naquele momento, ela sentiu vontade de chorar. A única coisa pior do que a insana descida era a aterrisagem. Sua bunda bateu no chão com tanta força que ela acabou mordendo a língua. Ela estava com frio, cansada, faminta e com tanta vontade de fazer xixi que estava quase enlouquecendo. As lágrimas eram o passo mais lógico, e Annika se esforçou para não as deixar cair. Por alguns minutos, ela não se moveu. Yuri provavelmente ainda estava lá. Ou talvez estivesse descendo. De qualquer jeito, ela precisava parar por um momento até ele decidir que não teria como encontrá-la. A noite estava parada e fria. Ela tossiu o cheiro de terra molhada, árvores e os remanescentes gases de escape do trem e dos carros na estrada a alguns quilômetros de distância. Ela não conseguia ver o céu, mas imaginou que, em algum lugar sem luzes, havia estrelas lá em cima. Só uma vez, ela queria ver as estrelas. "Annika." Ela se esforçou para se sentar. Ou ela estava ouvindo coisas ou alguém estava chamando seu nome numa voz suave e baixa. "Posso escutá-la em algum lugar por aqui."


Algo na cadência e no tom disseram à Annika que quem a chamava era Feliks. Como ele a tinha encontrado? Será que estava bravo? Será que ela ainda se importava? "Feliks!" Ela sussurrou. "Aí está você," ele murmurou apenas alto o suficiente para que ela escutasse. Ela se concentrou no som da voz dele e se esforçou para ficar de pé. Suas pernas estavam cambaleantes, e sua bunda doía. Annika tinha certeza de que ficaria um roxo enorme na manhã seguinte. Mas Feliks estava ali e, naquele momento, a única coisa que ela conseguia pensar era na segurança do abraço dele. "Annika." Ele se materializou do emaranhado escuro de árvores e arbustos. Ela não perdeu mais tempo. Correndo diretamente para ele, ficou grata quando ele abriu os braços para recebê-la. Abraçando-o, ela enterrou o rosto contra o peito dele e inalou o familiar cheiro que ele emanava.

FELIKS NÃO TINHA necessariamente colocado muita fé no que Irina tinha lhe dito. Parecia absurdo que a melhor maneira de ficar com Annika era deixar que ela escolhesse isso. Por que uma mulher escolheria ficar com um homem que uma vez fora mandado para matá-la e que repetidamente a tinha mantido em cativeiro contra a própria vontade? Ainda assim, enquanto ele estava parado ali na escuridão aninhando o corpo trêmulo de Annika contra o peito, precisava admitir que Irina sabia sobre o que estava falando. Não havia nenhum tipo de resistência na forma como Annika o abraçava. Implicitamente, ela confiava nele. "Está tudo bem agora," Feliks murmurou. "Está segura." "Eu nunca devia ter ido embora daquele jeito." Ele considerou o que Annika disse. "Verdade, mas posso entender por que fez isso. Ninguém gosta de ser levado contra a própria vontade." "Agora, acho que nós dois estamos nisso juntos." Os ombros dela balançaram enquanto dava uma risada amarga. "Ou imagino que eu dependa de você não concluir sua tarefa. Deus sabe que


você estaria melhor se colocasse uma bala na minha cabeça e acabasse logo com isso." Estranho, mas essa ideia não pareceu legal para ele. "Não acho que seja mais tão simples assim." "Você acha que mais alguém além de Yuri está agindo," ela adivinhou. Ele podia quase ouvila pensar. "Sua amiga Irina tem bastante certeza de que meu pai matou o marido dela." "Sim, mas ela também me mandou ter cuidado. Ela disse que Vasily sabia de coisas que estavam acontecendo no sindicado e que essas informações foram o que o mataram." "Então, e se nós presumirmos que alguém dentro do sindicado contratou meu pai idiota para matar Vasily?" Ele não podia ver a expressão dela na escuridão, mas podia sentir a tensão no corpo. Ela provavelmente sabia quais eram seus pensamentos a respeito disso, e ainda assim teve a coragem de apontar o dedo aos seus associados. Ele podia respeitar isso, mesmo não gostando da acusação. Feliks escolheu suas palavras com cuidado. "Eu odiaria pensar que alguém que chamo de amigo e camarada seja capaz de tal duplicidade, mesmo assim, entendo onde você quer chegar." "Não estou tentando desculpar o papel de meu pai no assassinato de Vasily, se ele estiver envolvido." Houve uma pausa grande. "Mas também conheço meu pai. Se alguém oferecesse dinheiro para matar um homem como Vasily, ele não teria feito." Ele estava prestes a argumentar, mas ela colocou a palma da mão no seu peito. "Não. Não estou dizendo que ele não mataria Vasily," ela esclareceu. "Só estou dizendo que seria necessário mais do que apenas dinheiro para convencê-lo a aceitar tamanho risco." "Então você está sugerindo que alguém possa ter oferecido a ele imunidade ou outra coisa?" Feliks precisava admitir que ela era muito mais esperta do que ele podia suspeitar. "Meu pai gosta de trabalhar nos próprios termos. Então, se alguém oferecesse fazer vista grossa, ele ficaria inclinado a fazer um acordo." "Fazer vista grossa a respeito de quê?"


Ela suspirou. "Não sei muito sobre os negócios dele. Tentei me manter distante." "Ele falou alguma coisa recentemente que possa ter deixado suspeitando?" "Essa manhã," ela começou devagar. Então ela fez um barulhinho. "Ou devo dizer ontem? Estou tão cansada que não lembro quanto tempo faz desde que tudo isso começou." Feliks esfregou os braços dela, dizendo a si mesmo que só estava fazendo isso para que Annika ficasse mais relaxada e lhe desse a informação que precisava. Não tinha nada a ver com sentimentos de afeição. "O que aconteceu essa manhã?" "Ele queria que eu levasse um recado até os oficiais do FBI." Ela bufou, o som raivoso e cheio de escárnio. "Ele jurou que o recado esclareceria um pequeno mal-entendido, e que a única razão para ele mesmo não entregar era por causa desse mesmo mal entendido." "E você achou que era mentira?" Ela se afastou do peito dele e envolveu os braços ao redor de sua cintura. Estava ficando frio. A escuridão tinha aparecido há muito tempo e a temperatura estava caindo rapidamente. Feliks precisava pensar no que faria a seguir e precisava de respostas. E rápido. "Você precisa entender meu pai," ela lhe disse suavemente. "A primeira preocupação dele sempre será ele mesmo e os negócios. Todo o resto só existe como uma ferramenta para ajudá-lo a atingir seus objetivos. Ele é muito determinado." "Isso significa que ele a usou para conseguir atingir o próprio objetivo a maior parte de sua vida," Feliks disse. "O homem é insuportável, Annika. E o que eu não consigo entender é por que Orlov continuou garantindo ao concelho que você era a peça chave para fazer seu pai pagar pelos crimes dele. Que ele a amava tão profundamente que ficaria completamente destruído se você fosse ferida." Ela riu. "Ele ficaria triste. Isso eu posso dizer. Mas eu ficaria surpresa se a tristeza passasse de um dia. Ele conseguiu a cidadania aqui nos EUA quando eu era adolescente. Isso fez terminar meu único propósito na vida dele." "E desde então?"


Ela encolheu os ombros. "Ela inicia contato quando quer alguma coisa. Além disso, nós ficamos distantes." Ele pegou na mão dela e começou a caminhar em direção à estação de trem. "Acho que precisamos iniciar esse contato e extrair do seu pai o que precisamos."


Capítulo Nove O estômago de Annika estava apertado quando eles chegaram ao armazém no South Boston, onde seu pai trabalhava e vivia. Estava estranhamente silencioso. Não tinha Lua no céu, e a brisa era fria e pouco amigável. Ela não conseguia decidir se a noite realmente parecia sinistro, ou se ela estava temendo devido à missão que a trouxera à porta de Vadir. Ela tentou não deixar a mão tremer quando apertou a campainha do armazém. Não havia dúvidas em sua mente que seu pai ultra paranoico teria câmeras observando cada movimento seu. Um estalo silenciado acompanhou a voz desencarnada de seu pai no interfone. "Veio mudar de ideia a respeito da entrega da mensagem que te pedi?" Ele perguntou em russo. “Nyet.” Ela forçou os dentes, tentando controlar seu humor. "Eu vim falar sobre os bandidos do sindicado que tentaram me matar." "O quê? Houve um pequeno barulho e um clique enquanto a porta abria. "Entre, e rápido!" Annika abriu a porta e a segurou aberta enquanto Feliks saia das sombras e entrava no prédio antes dela. Ela o seguiu, perguntando-se se essa seria a noite em que sua lealdade seria testada. Vadir Polzin era um bastardo, um mentiroso e um trapaceador. Ele a usara exatamente da mesma forma que usara sua mãe antes de si, mas ainda era seu pai. Ele era tudo o que Annika tinha e conhecia. Ainda assim, enquanto Feliks subia as escadas de metal que levavam até o apartamento no topo do armazém, ela não conseguia deixar de pensar que, de certa forma, Feliks era seu futuro. Ela teria o bebê daquele homem. Que tipo de lealdade ela deveria dar a ele, se tivesse que dar alguma? "Annika!" Vadir apareceu no topo das escadas. Então, ele viu Feliks e começou a xingar em russo. "Por que você trouxe um assassino com você? Você se tornou uma traidora? Minha própria filha?"


Eles chegaram ao topo das escadas. Annika viu seu pai ir atrás de uma arma. Mas Feliks já estava com a dele apontada para seu pai. Ela sabia o que viria a seguir, e isso não faria bem a ninguém. "Pare!" Circulando Feliks, ela se colocou entre ele e o pai. "Não, Feliks. Você não pode matálo, ou nunca teremos nenhuma resposta." Depois ela se virou para Vadir. "E você! Você me deve uma explicação. Feliks podia ter me matada uma dúvida de vezes hoje, mas ele salvou minha vida em vez disso. Se você tiver uma grama de sentimento paterno dentro de você, abaixaria sua arma e o agradeceria por tomar conta de sua filha após você colocá-la em perigo." "Eu?" Vadir caminhou em direção à cozinha do loft. Annika sabia que ele tinha mais armas guardadas em gavetas e armários. Mesmo quando ela era uma criança, ele guardava um arsenal na cozinha. "Papai, fique aí." Ela olhou para Feliks. "Ele guarda uma arma e várias facas na cozinha." Vadir parou e se virou, encarando Annika como se nunca a tivesse visto antes. "Me magoa pensar que minha filha se juntou ao meu inimigo." "Vasily era seu inimigo?" Feliks exigiu. "Foi por isso que você o matou?" A risada suave de Vadir fez os pelos da nuca de Annika se arrepiarem. "Esse jovem filhotinho acha que sabe tudo o que acontece em seu precioso sindicado, Annika. Mas não sabe." Ela olhou rapidamente para Feliks, encorajando-o a ficar calado. "Então por que você não explica para a gente, pai?" "O assassino de Vasily foi o próprio Yuri Orlov," Vadir disse de forma arrogante. Isso não era suficiente para Annika. "Mas você estava lá." "Sim. Esse era o acordo." "Espere. De que acordo você está falando?" Ela franziu o cenho. "Se Yuri matou Vasily, por que você estava lá?" Vadir suspirou. "Eu estava esperando um envio naquela noite. Orlov sabia disso. Eu tenho pago por anos para que ele me deixe trabalhar em paz."


Era óbvio que Feliks estava tendo dificuldade para digerir tudo aquilo. Ele estava apertando o maxilar, as mãos em punho. "Orlov tem aceitado suborno." "Sim. Mas seu Vasily descobriu." "Então eles atraíram Vasily para o local onde você encontraria Orlov para dar a percentagem dele," Annika chutou. "Da, mas eu não sabia que Vasily estaria lá. Eu tinha certeza de que Orlov estava ferrado." Vadir não pareceu perturbado com essa possibilidade. "Então Yuri saiu das sombras e matou Vasily. Ele atirou duas vezes no peito e uma na cabeça para garantir." Feliks cobriu o rosto com as mãos e xingou várias vezes em russo. A angústia em seu tom de voz era o suficiente para quebrar o coração de Annika. Ela sabia que eles precisavam continuar. "Então por que eles estão tentando me matar? O mundo todo sabe que você valoriza a si mesmo primeiro, depois seu negócio e eu em terceiro, se sobrar tempo no dia." "Não sou um pai tão ruim assim," Vadir murmurou. "Apesar de admitir que não sou o mais atencioso." "Agora não é o momento," Annika soltou. "Por que eu?' Vadir gesticulou para Feliks. "Isso não tem nada a ver com você ou comigo. Imagino que num mundo perfeito, Orlov iria me querer morto, mas eu também forneço a ele um grande rendimento, independente do sindicado." Ele gesticulou em direção a Feliks. "Se ele ganhar poder no concelho, pode impedir esse acordo." "Então por que não marar ele?" Annika franziu o cenho. Ela ainda estava perdendo alguma coisa. Vadir bufou. "Matá-lo seria suspeito demais. Mas se eles pudessem provar que ele é um covarde que não consegue realizar as tarefas necessárias para ganhar a posição, ele não seria mais uma ameaça." Feliks começou a rir. Baixo à princípio, depois mais alto, até o som preencher o cômodo como


se viesse das profundezas de sua alma. "O quê?" Ela exigiu. "Você está me assustando." "Eles querem me taxar como covarde ao usar meus escrúpulos contra mim." Ele fez um vago gesto em sua direção. "Matar mulheres e crianças é um anátema ara a maioria dos homens. Ainda assim, se for necessário, é preciso ser feito para proteger o sindicado. Ao provar que eu não posso executar a tarefa, eles me deixam sem poder." "Mas você teria me matado com facilidade se eu não estivesse..." Annika olhou para o pai, sem querer compartilhar mais nenhum tipo de informação. Vadir lançou um olhar especulativo para Feliks. "Então esse é o homem que gerou esse bastardo que você está carregando." "Pode calar a boca e me deixar pensar?" Annika sugeriu de forma irritada. "O que ainda tem para pensar?" Feliks se virou e caminhou em direção ao conjunto de janelas que tinham vista para o Neponset River.

DOÍA NUM nível que Feliks nunca havia experienciado pensar que Vasily tinha sido assassinado por algo tão mesquinho e sem sentido. Atrás dele, Annika ainda tentava conseguir mais informações com o pai. Ele não se importava. Não era mais necessário. Feliks agora entendia o que estava realmente acontecendo. Só restava descobrir quantos membros do concelho sabiam dessa informação. "Você está exausta," Vadir soltou. "Olhe pra você. Você se importa tanto com esse assassino que colocaria sua própria saúde e da sua criança em risco?" As palavras de Vadir chamaram a atenção de Feliks. Annika parecia mesmo exausta. Na luz suave da cozinha de Vadir, Feliks conseguia ver os círculos escuros sob os olhos dela. Quando fora a última vez que ela comera ou descansara? Essa era a mãe de seu filho. Ele queria ser melhor para ela do que o pai tinha sido. "Chega," Feliks disse, virando-se. "Podemos confiar que você vai ficar de olho enquanto


descansamos um pouco?" Feliks balançou a cabeça em direção à Annika. "Ela também precisar comer." Vadir assentiu. "Se minha filha acredita que você não vale o preço de uma bala, acredito que consigo controlar meu desejo de vê-lo morto no chão." "Sua generosidade não tem limites," Feliks soltou. Annika cobriu a boca com a mão, obviamente abafando uma risada. "Meu quarto continua aqui?" "Sim. Exatamente como você o deixou," Vadir disse num tom plano. "Vou deixar um pouco do strogonoff que fiz mais cedo. Você pode comer isso." "Obrigada." Feliks viu o jeito estranho que Annika e Vadir interagiam. Isso o deixou curioso para saber exatamente o que tinha acontecido para a filha se voltar contra o pai. Então Annika caminhou para o seu lado. Ela ficou na ponta do pé e deixou um beijo em sua bochecha. "Não confie demais nele," ela sussurrou em seu ouvido. Depois, numa voz mais alta, "Vou toma um banho. Sejam bonzinhos enquanto eu estiver fora." Feliks tinha que dar algum crédito a Vadir. O homem esperou até que a filha ficasse completamente fora de vista antes de ir atrás de Feliks. Não era nenhuma surpresa. Vadir simplesmente foi até a gaveta da cozinha e puxou uma arma. Ele a ergueu em direção a Feliks e colocou o dedo no gatilho. Um pequeno aperto no gatilho e Feliks estaria morto. A adrenalina correu pelas veias de Feliks. Ele se forçou a ficar completamente parado, as mãos abertas e soltas ao lado do corpo. Sua própria arma estava guardada no cós em sua lombar. Mas ele não atiraria no pai de Annika. Independentemente da raiva que ela podia ter do homem, esse era um ato que não teria volta. Não com uma mulher como Annika. "Eu devia matá-lo agora", Vadir disse. "Pelo que fez com minha filha." "Deveria." Sua resposta pareceu deixar o velho homem com a guarda baixa. "Você está concordando


comigo? Que tipo de estratégia seria essa para se manter vivo?" "Uma estratégia realista. Você não vai me matar porque, apesar de suas escolhas egoístas, você ama sua filha e sabe que, seja lá qual for a razão, ela me quer vivo." "Essa criança," Vadir cuspiu. "É realmente sua?" "Não sei." Foi uma resposta honesta, mas o incomodava um pouco. "Annika disse que é, e acredito nela." "Por quê?" "Você não acreditaria?" Vadir abaixou a arma. "Sim. Apesar de às vezes eu me perguntar como conseguir criar uma criança tão honesta." "Suspeito de que viver com uma pessoa destorcida como você a deixou honesta." Feliks achou que a arma voltaria a ser apontada, mas Vadir riu. O homem era doido. Essa era a única certeza que Feliks tinha. "Você a manteve a salvo," Vadir disse de má vontade. "Eu não vou te matar por isso. Nada mais. Já lhe disse mais do que devia." "Orlov é um bastardo. Yuri é pior ainda." Feliks considerou o que ele faria a seguir. "Você deve matá-lo." Vadir falou como se aquela fosse a solução mais óbvia. "Não se mata outro membro do sindicato sem razão, ou evidência." Feliks se perguntou como ele conseguiria obter esse tipo de prova. "A prova é o próprio Yuri." Vadir coçou a barba escassa. "O bartardinho não consegue evitar se gabar das coisas que faz. Mesmo se o concelho estivesse parado na frente dele, ele não deixaria de soltar que matou um dos membros. Ele é arrogante assim." "Você está certo. O que significa que eu preciso de uma armadilha pra pegar um rato." "Você tem uma isca." Vadir enrugou os lábios. "Apesar de que eu vou te matar se algo acontecer com minha menina." Feliks balançou a cabeça. Estava se tornando mais e mais aparente que ser pai fazia o


homem perder o bom senso. Ele só podia esperar ser exceção à essa regra em particular.


Capítulo Dez O chuveiro tinha acabado de ser desligado na suíte quando Feliks entrou no quarto de Annika. Ele deixou o prato de strogonoff que trouxera em cima da penteadeira e deu uma olhada ao redor do cômodo. Era difícil dizer o quanto aquele quarto a representava. Era óbvio que ninguém ficava naquele quarto por um longo tempo. Havia uma grossa camada de poeira nos móveis, e a cama queen-size estava imaculada. Ainda assim, ele podia facilmente imaginar uma Annika adolescente morando ali. Era arrumado de um jeito prático. Havia alguns quadros de paisagem pendurados na parede, assim como uma fotografia em preto e branco do horizonte de Moscou. Uma única fotografia se encontrava na mesinha de cabeceira. Feliks a pegou, golpeado pela beleza da mulher fotografada na pequena moldura. "Essa é minha mãe," Annika lhe disse. Ele olhou para cima, percebendo que ela tinha entrado no quarto usando apenas uma toalha. O cabelo ainda estava molhado. A umidade só ajudava a intensificar a cor. Ela estava esfregando e apertando o cabelo com outra toalha enquanto o encarava. O formato do corpo dela o fascinava. Os seios fartos eram a única coisa que mantinham a toalha no lugar. O inchaço generoso do decote acima do tecido era sedutor. Havia força nos músculos firmes dos braços e pernas. Ele não podia ver a barriga lisa, mas conseguia facilmente se lembrar do jeito em que ela gradualmente descia até os pelos curtos que cobriam o topo de sua vagina. Ele tentou voltar para o presente. "Sua mãe era uma linda mulher." "Obrigada." Ela pareceu passar alguns segundos pensando no que exatamente queria dizer. "Ela era doida pelo meu pai. Acho que ela nunca soube o que ele era." "Você acha que ele a usou?" Feliks já tinha deduzido isso.


"Sim." Annika jogou a toalha do cabelo de lado e pegou um pente. Sentando-se na ponta da cama, ela começou a desembaraçar o cabelo. "E após a morte da minha mãe, ele continuou o legado ao me usar no lugar dela." "Ele ama você." Ele se perguntou se a tinha deixado com raiva ao falar isso. "Do jeito dele, acredito que ele me ame." Ela curvou a cabeça para o lado. "Assim como eu também acredito que, do seu jeito, você também me ame." Feliks ficou tão chocado com as palavras delas que deu um passo para trás. Amor? Ela estava louca? Ele estava planejando matá-la há menos de vinte e quatro horas. Ela o encarou como se estivesse esperando para ver o que aconteceria. Então, ela se levantou e foi para perto dele. Feliks mal conseguia respirar. Ele sentiu o cheiro de seu perfume feminino e sangue correu para sua virilha. Ela esticou a mão e abriu a toalha, deixando-a cair no chão. "Não estou pedindo uma declaração, Feliks," ela sussurrou. Ainda assim, ele não sabia o que responder. O que a tinha possuído para dizer tal coisa? "Você podia ter me matado e terminado com isso tudo." Ela ficou na ponta dos pés, deixando os lábios suaves acariciarem seu maxilar. "Mas não fez isso. Você me deixou viver. Você escolheu me deixar viver. Não se pergunta por quê" Claro que ele se perguntava. Mas naquele momento, a única coisa que ele conseguia pensar era na mulher nua parada na sua frente, tão perto que ele conseguia sentir o calor da pele dela queimando sobre seu corpo. Não tinha como voltar atrás. Não agora. Ele envolveu os braços ao redor dela e lhe cobriu a boca com a sua. Ele devorou os lábios dela, empurrando a língua para dentro da boca de Annika e exigindo aquilo que não podia ser negado. Colocando as mãos na bunda dela, ele a puxou para perto de seu corpo. O cume de sua ereção se encaixava perfeitamente contra o V da pélvis dela. Ela fez um barulhinho e deslizou os braços ao redor de seu pescoço. Quando ela aranhou seu escalpo com as unhas, Feliks não conseguiu mais esperar.


Ele soltou Annika e procurou pela bainha de sua camiseta. Segundos depois, ela o estava ajudando, puxando-a sobre sua cabeça para que ele pudesse jogá-la no chão. Depois ele tirou a calça. Ele abriu a calça e a abaixou junto com a cueca. Ela agarrou no seu pau antes que ele conseguisse tirar as botas. Feliks gemeu e caiu de costas na cama. As palmas das mãos macias tinham uma sensação muito gostosa contra a pele quente e esticada de seu pênis. Quando ela começou a masturbá-lo da base até a cabeça, ele se perdeu completamente. "Você está tão duro," ela sussurrou. Inclinando-se, ela colocou os lábios na ponta do seu pênis e lhe deu um beijo suave. "Quero montar em você, Feliks. Quero gozar enquanto estiver fodendo com você. Posso fazer isso?" Ele ia morrer. Ele nem conseguia encontrar as palavras para dizer sim. Um sorriso curvou os lábios dela, e ela se levantou para montar nele. Ela nunca tinha sido uma florzinha, mas o furacão que estava lhe provocando era mais do que jamais sonhou em encontrar em qualquer mulher. Ela arrastou os seios nus sobre seu torso. A pele macia o provocou, mas quando ele foi tocála, Annika agarrou seus pulsos e os ergueu acima de sua cabeça. "Não," ela lhe disse. "Você vai me deixar brincar dessa vez, ou eu vou parar e encontrar alguma rouca." Feliks não argumentou. Ela gostava demais da ousadia dela para parar. E na luz suave da lâmpada de cabeceira, ele também podia saborear a visão dela. Era o sonho de qualquer homem se tornando realidade.

ANNIKA ESTAVA BÊBADA com o que ela chamaria de poder feminino. Enquanto ela esfregava o corpo contra o de Feliks, ela absorveu cada nuance na reação dele. A forma como ele prendia a respiração e a visão dos músculos dele se tencionando de forma reflexiva eram lisonjeiros. Ela estava fazendo ele se contorcer. Ela estava no controle. Ela estava completamente molhada. Tudo nela do quadril para baixo estava inchado e


pesado de excitação. Ela abriu as pernas sentiu seu sexo tremer enquanto encostava de leve contra a extensão do pau dele. O encontro pegajoso da pele deles era incrível. Ela se permitiu abaixar mais e se prendeu nele. Ele fez um som gutural que apenas serviu para aumentar sua necessidade. Ela o desejava muito. Desejava isso. Era como se seus hormônios estivessem em chama por esse homem. Ela olhou para ele e sentiu um forte senso de possessividade. Pegando as mãos dele, ela as ergueu até seus seios. Ele os segurou, e ela arfou de prazer. Eles estavam muito mais sensíveis do que da última vez, e quanto mais ele provocava seus mamilos, mais ela sentia ele se contorcer entre suas pernas. Feliks rolou seus mamilos sensíveis entre os dedos, apertando-os gentilmente até que ela não conseguisse mais aguentar. O vácuo dentro de sua boceta só podia ser satisfeito com uma coisa. Arqueando as costas, ela mexeu os quadris até sentir a ponta do pau dele contra sua abertura molhada. Ele sibilou quando ela permitiu que o pau dele penetrasse fundo dentro de si. Annika gritou, o som ecoando pelo quarto como um animal no cio. Ela não se importava. Já tinha deixado de se importar há muito tempo. A única coisa que importava era aquilo. Ela colocou as mãos no peito dele. As dele deslizaram para sua cintura. Ele a fez aumentar o ritmo, para bater contra ele mesmo se estivesse usando os joelhos para montar nele. A fricção dentro de seu corpo só a fez desejar mais. Ela podia sentir seu orgasmo se formando. Suas pernas começaram a formigar quando o calor do desejo se juntou na base de sua espinha. Abaixo dela, Feliks estava usando os quadris para encontrar com os dela. A sensação era maravilhosa. Ela deixou que ele controlasse o ritmo, sem se importar com quem estava no controle. Não havia mais ele ou ela. Só havia os dois numa corrida para chegar ao topo e ver quem conseguia cair mais rápido. Ela gritou, sem ter certeza do que estava fazendo e apenas sabendo que não podia parar. Ela estava tão perto que quase podia tocar as estrelas. A frustração começou a se formar quando


sentiu que seu orgasmo estava escapando. Então, Feliks encontrou seu clitóris no meio de sua boceta inchada e gentilmente o circulou com a ponta do dedão. O prazer explodiu através do corpo de Annika. Ela jogou a cabeça para trás e se deixou levar. Tremendo e gemendo, ela fodeu com Feliks o mais forte que conseguia. E quando sentiu todo o seu corpo ficar tenso, ela sabia que estava prestes a gozar. "Annika!" "Me fode, Feliks. Me faz ser sua!" Ele gemeu e estremeceu. O calor preencheu sua boceta. A sensação lhe deu uma última sacudida, e ela sentiu um pequeno tremor de prazer rasgá-la em uma onda de contrações musculares que a deixou ofegante. Ela caiu contra o peito de Feliks. Ele a abraçou. Era tão estranho se sentir tão segura com um homem que tinha sido mandado para matá-la. Nada disso importava. Não mais. Ela pertencia a ele, e ele pertencia a ela. Independentemente do que acontecesse, Annika sabia que ficaria ao lado dele. "Vamos encontrar uma posição mais confortável?" Ele murmurou. Ela riu, puxando as cobertas e rolando para debaixo delas. Feliks fez o mesmo. Ela rolou para o lado dele e sentiu seus olhos ficarem pesados. "Pode desligar a lâmpada?" Ela pediu com um bocejo. Ele acariciou gentilmente seu cabelo. "Eu te trouxe comida." A ideia de comer era boa, mas Annika estava simplesmente muito casada no momento. "Talvez daqui a pouco." "Você está bem?" "Está me perguntando se você machucou nosso bebê?" Ela provocou. Ele ficou em silêncio, e Annika percebeu que ele estava pensando seriamente sobre isso. Ela revirou os olhos. Homens. Eles eram todos ridículos. "Imagino que seja uma pergunta válida," ele começou devagar. "Nunca pensei sobre isso


antes." "Não tem problema fazer sexo enquanto eu estiver grávida. Acho que não tem problema até chegar perto do porto." "Isso é algo que nunca considerei antes." "O quê? Sexo com uma mulher grávida ou parto de bebês?" Ele traçou círculos com o dedo em suas costas. Talvez Feliks não tinha ideia de como era estar num relacionamento. Diabos. Talvez nem ela. Era quase demais para se pensar no momento. "Acho que nunca pensei em nada disso," ele admitiu. "Nunca achei que tivesse uma família." "Acho que eu também não. Porém, agora que está acontecendo, não me arrependo." Houve uma longa pausa. Então ele a apertou gentilmente. "Também não me arrependo." "Contanto que eu pare de falar palavras assustadoras como 'amor', certo?" Ela podia sentir que o tinha atingido de novo. Era quase cômico. "Grande e malvado assassino da máfia treme como uma garotinha quando alguém diz a palavra 'amor'. Uau. Preciso me lembrar disso se eu confrontar outro tipo como você." Ele bufou. "Vamos esperar pelo bem de todos nós que isso nunca aconteça."


Capítulo Onze Após se vestir, Annika se sentou na beirada da cama com a pernas cruzadas, comendo o prato de strogonoff que Feliks tinha deixado na penteadeira. O molho cremoso e os pedacinhos de carne tenra eram um conforto para a sua alma. À luz fraca do abajur, ela observou Feliks sorrir e tentou decidir o que ele tinha que a fascinava tanto. Mesmo dormindo, ele parecia uma parede impenetrável de força. O maxilar dele parecia de ferro. Havia algo tão incrivelmente certo a respeito dele. Annika podia se ver dependendo daquele homem. E para uma mulher que aprendera há muito tempo a nunca depender de ninguém além de si mesma, isso era ao mesmo tempo aterrorizante e animador. Um estrondo atravessou a quietude da noite. Annika parou de mastigar, sentindo seus instintos acordarem abruptamente. Na cama, os olhos de Feliks abriram na mesma hora. Ele se sentou. Agora haviam vozes gritando na parte principal do armazém. O coração de Annika quase parou quando reconhecer a voz do pai no meio delas. "Pegue seus sapatos e um jaqueta," Feliks ordenou. Ela se esforçou para obedecer, colocando o prato de volta na penteadeira e procurando por uma jaqueta no armário quase vazio. "O que está acontecendo?" "Não sei." Ele puxou a arma e verificou se tinha munição. "Mas sei que não vamos ficar esperando para ver se seu pai tem outros inimigos." "Para onde nós vamos?" Ela imaginou que eles estavam com poucas opções. "Nós temos um plano?" "Não exatamente." Feliks caminhou até a janela e abriu as cortinas. "Mas precisamos de uma saída e tem uma disponível bem aqui." "Oh. Meu. Deus!" Ela se assustou. "Não posso escalar uma escada de incêndio." "Você considerou isso ontem no seu apartamento quando estava tentando fugir de mim."


"Sim, mas não fiz." Ele abriu a janela. Uma rajada de ar frio da noite entrou no quarto. Annika estremeceu, mas foi mais de nervoso do que de frio. "Não posso fazer isso, Feliks." "Sim. Você pode." Ele nem lhe deu uma opção. Pegando-a pela cintura, ele praticamente a enfiou pela janela. Ela agarrou-se ao corrimão e congelou. Ela olhou para o beco sombrio atrás do armazém de seu pai. O chão era quase imperceptível na escuridão. Não havia muitas luzes ali atrás. Seu pai não gostava de luz para suas negociações ilegais. "Você está bem", Feliks murmurou. Ele a seguiu e fechou a janela. Annika tremeu. O cheiro de lixo era forte e, além disso, ainda tinha o cheiro úmido e podre do rio Neponset nas proximidades. Ela se forçou a se mover. Seu coração pulava no peito, e estava muito ciente de que não era responsável apenas por sua vida. Precisava se preocupar com a vida que estava crescendo dentro de si. O pensamento fortaleceu sua determinação. "O que eu faço?" Ela perguntou. "Escale os trilhos e vá até a escada." As mãos dele eram gentis enquanto a ajudavam a se segurar nos degraus. "Vou ajudá-la." Annika se forçou a respirar normalmente. Ela colocou um pé no trilho do fundo. O metal pareceu frio e duro através da sola de seu sapato. Ela balançou a outra perna por cima e jogou o pé contra um pedaço cruz, a fim de preparar o seu peso. Com a ajuda de Feliks, ela conseguiu encontrar a escada. Ela estava quase começando a respirar com mais facilidade quando seu peso fez um degrau quebrar e cair. A queda acentuada a deixou se sentindo tonta e enjoada. Ela se esforçou para se segurar nos degraus mesmo com as mãos suadas e ficando dormentes. "Feliks," ela sussurrou. "Tudo bem. É para isso acontecer. Vai continuar acontecendo enquanto você estiver descendo, até não ter mais muito espaço entre nós e o chão. Continue. Estou aqui com você."


Mordendo o lábio, Annika se forçou a continuar descendo. Descendo firmemente cada degrau por vez, ela tentou ser rápida. Certamente aquela briga no armazém já tinha acabado. Certo? Será que eles chegariam no chão só para entrar no meio da briga e dar uma boa risada nesta reviravolta bizarra de circunstâncias? Um estrondo repentino no quarto dela enviou essa teoria direito para o inferno. Annika arfou quando vidro voou por cima de sua cabeça. A urgência apressou sua viagem para o chão. "Seu bastardo inacreditável!" A voz de um homem veio da direção do seu quarto, como se ele estivesse lá dentro. "Sinto muito, Yuri." O tom de Feliks era quase sarcástico. "Eu interrompi seus planos de assassinato?" "Já me livrei daquele tolo do Vadir", Yuri gritou. "Agora vou me livrar da vadia da filha dele e fechar a noite." Annika se forçou a continua descendo. Ela sentiu a escada deslizar o resto do caminho. Soltando-se do último degrau, ela se jogou no chão. Era uma sensação horrível. Ela não conseguia ver o chão, mas sabia que estava lá. Caindo como uma pedra, ela perdeu o equilíbrio quando seus pés bateram no pavimento. "Annika?" Feliks gritou. "Estou bem." "Não por muito tempo", Yuri gritou. O som dos dois homens lutando era horrível de ouvir. Ela não tinha como saber o que estava acontecendo. A briga estava acontecendo muito acima de sua cabeça para ela ver. Ainda assim, ela não conseguia deixar de imaginar o que Yuri queria dizer quando disse que já tinha "cuidado" de seu pai. Será que Vadir estava ferido? Ou era pior do que isso? Levou apenas segundos para Annika decidir. Ela precisava saber se seu pai estava seguro ou não. Esgueirando-se pelas sombras profundas ao lado do edifício, ela voltou para a entrada da frente.


O que ela viu fez um grito chegar até seus lábios. Annika pressionou a palma da mão contra a boca para abafar o som. Não tinha como saber se Yuri estava sozinho. A porta tinha sido arrancada de suas dobradiças como se alguém tivesse usado uma granada ou algum tipo de explosivo. As bordas da moldura da porta de metal estavam enegrecidas. Parecia uma zona de guerra. Ela cautelosamente atravessou os destroços. Sabia que não deveria estar lá. Isso era bastante óbvio. Apenas meia dúzia de luzes de emergência iluminavam o armazém. Elas estavam estacionadas em intervalos longos em todas as paredes exteriores e dava para ver muito pouco. Ela contornou seu caminho pelos destroços. Finalmente, ela viu uma forma irregular que percebeu ser um corpo deitado no chão. Annika ajoelhou-se ao lado do corpo do pai e pegou a mão dele. Os dedos dele estavam sangrentos, como se tivesse tentado lutar. Mas o buraco de bala no centro de sua testa tinha interrompido qualquer luta. "Papai," ela sussurrou. "Sinto muito."

FELIKS SENTIU A picada dura da grade de metal nas costas quando Yuri tentou empurrá-lo para fora da escada de incêndio estreita. O movimento não funcionou, principalmente porque Feliks tinha mais músculos e peso. "Morra!" Yuri bufou. Feliks empurrou Yuri para trás e agarrou o pé dele com uma das mãos, e sacudiu as pernas dele. "Não achei que você me quisesse morto." "Quero o seu lugar!" Yuri enrolou as pernas das de Feliks, prendendo-o e o empurrando contra a grade de metal. Yuri se revirou, tentando prender Feliks. "Você sempre foi o favorito. O estúpido do Vasily nunca viu como você é um covarde." "Diferente do batardo sádico que você é?" Feliks se virou, dobrando os joelhos e envolvendo o corpo de Yuri com as penas para realizar uma inversão muito eficaz. "Você não passa de um covarde sanguinário que mataria a própria mãe se isso o ajudasse a realizar seus objetivos. Você


é desprezível e todos sabem disso." Yuri xingou algo ininteligível em russo. Feliks pegou apenas o suficiente para balançá-lo. A distração deu vantagem à Yuri. Ele colocou a bota na barriga de Feliks e o empurrou. Yuri se balançou de volta para a janela e foi embora. Feliks queria ir atrás de Yuri. Ele precisava saber se o bastardinho estava dizendo a verdade ou mentindo para salvar a própria vida. Mas Annika era mais importante no momento. Forçando-se a ficar de pé, Feliks gemeu enquanto considerava os machucados que encontraria dali a algumas horas. Ele ignorou a dor. Não importava. Balançando sobre os trilhos para a escada, ele teve pouco trabalho com a caminhada até o chão. Ele caiu de cócoras para salvar seus joelhos. Olhando ao redor, ele deixou que seus olhos se ajustassem à escuridão e procurou por um lugar onde Annika pudesse estar escondida. "Feliks?" O sussurro dela veio das sombras não muito longe do prédio. Feliks percebeu que ela deve ter voltado a entrar no armazém. Ela estava perto demais da entrada. Yuri tinha voltado para dentro. Ele podia estar saindo a qualquer momento. Correndo em direção à Annika, Feliks a garrou pela cintura e a virou justamente quando um tiro foi disparado. A dor atravessou seu ombro, e Feliks caiu no chão, levando Annika junto com ele. Ele rolou para o lado, erguendo sua arma. Ele segurou Annika no chão e mirou na direção em que veio o tiro. Feliks disparou dois tiros. Ele escurou o primeiro atingir o tijolo do prédio do outro lado da rua. O segundo quebrou o para-brisa de um carro exatamente quando os pneus cantaram e desceram pela rua. "Feliks!" O tom de voz de Annika era de puro pânico. "Você levou um tiro! Ah, meu Deus, você levou um tiro!" "Estou bem." Ele podia sentir que a bala tinha atravessado seu ombro. "Precisamos parar o sangramento." "Temos que sair daqui antes que Yuri volte."


"Ele não vai voltar," ele disse, com certeza de sua afirmação. "Ele conseguiu o que queria." "Eu sei." A voz dela ficou entrecortada. "Meu pai está morto." "Sinto muito." Ele se esforçou para ficar de pé. Cada movimento enviava uma onda agonizante de dor através de seu braço. Ela se enfiou em baixo de seu braço bom e começou a caminhar de volta para a entrada principal. Feliks tentou não colocar muito peso sobre ela, mas a sensação de tê-la ao seu lado era boa. "Você é maravilhosa, sabia disso?" Ela disse suavemente. "Não consigo imaginar nenhuma outra mulher no mundo se segurando da forma que você está. Você é maravilhosa." "Nossa, todos os elogios vão me deixar convencida." Ele podia perceber que ela estava tentando o seu melhor para fingir que não tinha algo a matando por dentro. Por mais estranho que tivesse sido o relacionamento que ela tinha com o pai, perdê-lo era doloroso. "O que Yuri quis dizer com aquilo?" Ela perguntou enquanto eles entravam pela porta da frente estourada. "Sabe, quando ele estava gritando algo sobre seu pai." Feliks podia ver a forma sombria de corpo Vadir Polzin jogado no chão à direita da porta. Ele deliberadamente se moveu para a esquerda em busca de algo para estancar o fluxo de sangue. Ele podia sentir o rastro de umidade pegajosa debaixo do braço. Neste ponto, o sangue estava escorrendo de seus dedos para o chão. "Feliks?" Annika insistiu. "Ele disse que Vasily era seu pai." Ele forçou os dentes. Ele não queria pensar nisso agora. "Deixa pra lá." "É verdade?" "Não sei." "Como você pode não saber?" Ele encontrou alguns panos e os pressionou no ombro. "Simplesmente não sei." Ela o olhou. Mesmo no armazém mal iluminado, ele podia ver a contemplação sagaz na


expressão dela. "Você quer saber?" "Você iria querer saber?" "Sim." Feliks bufou. "Você já provou várias vezes que é muito mais corajosa do que eu."


Capítulo Doze Quando Feliks chegou à porta da frente da casa de Pyotr com Annika ao seu lado, o amanhecer estava começando a beijar o horizonte. As últimas vinte e quatro horas pareciam um pesadelo no qual ele não conseguia despertar. "Feliks?" As sobrancelhas grossas de Pyotr se ergueram de surpresa. Era difícil não se perguntar se Pyotr estava surpreso que Yuri ainda não tinha conseguido se livrar dele. Feliks deixou esses pensamentos de lado. Ele não tinha tempo para isso agora. "Precisamos conversar." O olhar de Pyotr deslizou para Annika. "Você pode nos dar licença?" "Não." Feliks não esperou pelo amigo. Ele já estava caminhando em direção ao escritório de Pyotr. "Annika fica comigo." "Como desejar." O rosto de Pyotr estava apertado com alguma emoção reprimida que ele tentava sem sucesso esconder. Feliks entrou no escritório, mas não conseguiu se sentar. Seu braço doía demais. E tinha certeza de que ainda estava sangrando muito. Acima de tudo, ele estava começando a suspeitar de que as pessoas mais próximas dele estavam mentindo desde o começo. "Agora." Pyotr fechou a porta. "Por que não me diz o que está te incomodando?" Annika tinha se sentado no sofá, onde há apenas algumas horas, Feliks havia se sentado para discutir suas suspeitas sobre o concelho com Pyotr. A expressão dela era estoica. Ela parecia desgastado. O cabelo estava embaraçado e as roupas estavam amarrotadas, mas havia um fogo nos olhos dela que diziam que ela estava longe de estar derrotada. Feliks inclinou a cabeça para o lado. "Você não vai nem comentar o fato de eu ter sido baleado?"


O homem mais velho não respondeu na mesma hora. Ele serpenteou em direção à mesa e sentou-se na cadeira executiva confortável, que lhe dava uma visão de comando do cômodo. "Imaginei que a história de como você foi baleado fazia parte da razão pela qual você desejava falar comigo." Feliks odiava a forma como ele estava suspeitando desse homem que ele conhecera praticamente durante toda a sua vida. Ainda assim, não era como se ele não tivesse motivos para estar. "O tiro é cortesia de Yuri Orlov." "Yuri atirou em você?" A incredulidade de Pyotr pareceu genuína, mas Feliks suspeitava que ele já soubesse o motivo. "Sim," Feliks confirmou. "E Vadir Polzin está porto." "O quê?" Feliks sentiu sua raiva aumentar enquanto observava a expressão de Pyotr. "Agora, isso foi um choque." "Como é?" Feliks olhou para Annika, querendo confirmar o que ele já sabia. Ela balançou a cabeça quase de forma imperceptível. Ela também notara a diferença na veracidade das respostas de Pyotr. "Você não ficou surpreso que Yuri atirou em mim," Feliks disse. "Mas ficou impressionado que Vadir está morto." "Como isso aconteceu?" Pyotr exigiu saber. Annika finalmente falou. "Yuri Orlov atirou na cabeça dele. Eles estavam brigando, mas não tenho certeza do motivo. Meu pai já tinha nos contado várias coisas a respeito do seu sindicado e os acordos de negócios que frequentemente aconteciam entre ele e seu concelho." "Por que você simplesmente não conta a verdade?" Feliks disse com o tom de voz afiado. "Qual é a verdade?" Pyotr disse. "Que você estava aceitando subornos junto com os Orlov," Feliks adivinhou.


Pyotr nem se incomodou tentar esconder a verdade. Ele simplesmente assentiu. "Negócios são negócios, sabe. Não importa como um fim é alcançado, desde que o objetivo seja cumprido ". Feliks sentiu cada gota de respeito que ele sentira por aquele homem ir para o ralo. "Então, ganhar dinheiro era o objetivo. E não importava como você conseguiria, contanto que conseguisse." Feliks caminhou de forma mais energética, sentindo o sangramento em seu braço se intensificar porque sua raiva fazia o sangue fluir furiosamente através de suas veias. Todos aqueles ideais a respeito de agir de acordo com as regras e respeitar o sindicado e as decisões do concelho. É tudo bobagem se entrar em conflito com seu ganho em dinheiro." "Poupe-me de suas besteiras idílica," Pyotr cuspiu. "Vasily e eu discordamos sobre este privilégio de ser um membro do concelho. Ele se sentia exatamente como você." "Então foi por isso que você não se importou muito quando ele foi assassinado." Pyotr se ajeitou na cadeira, o rosto era uma máscara de raiva. "Não se atreva a sugerir que eu fui responsável pela morte de Vasily." "Você deixou acontecer," Feliks acusou. Ele ficou na frente da mesa de Pyotr e apoio as duas mãos sobre ela. Inclinando-se para frente, ele encarou o homem mais velho como se fosse cortá-lo ao meio. "Você não parou. E podia ter feito isso. Você sabia que ele iria até o armazém tentar pegar Vadir e os Orlov selando o acordo. Sabia que ele nunca sairia de lá vivo." "Não era para Vasily morrer," Pyotr soltou. "Era para ser apenas uma lição." "E meu pai?" Annika perguntou amargamente. "Acha que ele aprendeu a lição dele agora também?" "Seu pai era um pedaço de merda insolente que se recusava a seguir outras regras a não ser as dele próprio. Ele morreu porque era idiota demais para respeitar seus superiores," Pyotr sibilou. Ela se levantou. "Você enviou Yuri para matar o meu pai?" Pyotr esfregou uma das mãos no rosto e suspirou. "A esse ponto, ninguém está enviando Yuri a lugar algum. Ele está fazendo tudo por conta própria. O menino sempre foi teimoso. Agora ele


está louco por poder e determinado a destruir tudo." "Percebi," Feliks disse sarcasticamente. "Ele possui mais informações do que eu imaginaria que fosse sábio ele possuir, e ele está louco para usar isso para o próprio benefício. Ele é uma praga igual uma barata." A garganta de Pyotr se moveu enquanto ele engolia. "Que tipo de informação?" Era imaginação de Feliks ou Pyotr parecia nervoso? "Ele alega que a única razão para o concelho me apoiar para uma posição era porque Vasily era meu pai."

ANNIKA NÃO PRECISAVA de um conhecimento muito íntimo de Pyotr Alkaev para ver que a verdade estava estampada no rosto dele. O homem parecia doente. Ela tentou imaginar como fora possível esconder um segredo tão grande de Feliks durante toda a vida. Feliks riu, o som terrivelmente amargo no ar fechado do escritório. "Posso ver que nem preciso de uma confirmação. Sua expressão diz o suficiente." Feliks fechou os punhos, a raiva evidente em cada linha do corpo dele. "Meu pai era Ioann Koslov. O concelho estava brincando a respeito do significado do meu nome há poucas semanas. Como isso é possível?" "Koslov foi o homem que Vasily escolheu para casar com sua mãe quando ela ficou grávida. Ele já era casado com a primeira esposa. Vasily amava sua mãe, mas ela era um amante e não uma esposa." A piedade de Pyotr era quase tão desprezível quanto suas palavras. "E Ioann Koslov. Ele sabia? Por que ele teria sido tão bom comigo se eu não fosse filho dele? Ele era distante às vezes, mas era um homem ocupado. Ele nunca me tratou de forma diferente," Feliks insistiu. Destruía Annika por dentro ver o quanto estava sendo difícil para Feliks relembrar todo o relacionamento que ele tivera com o homem que ele pensava ser seu pai. Pyotr limpou a garganta, obviamente desconfortável. "Não estava ciente de que Yuri sabia a respeito da conexão entre você e Vasily." "Mas o pai de Yuri sabe." Feliks certamente estava tentando pescar a verdade. "Há quanto tempo Motya Orlov sabe a respeito da conexão entre eu e Vasily?"


"Não tenho certeza." Pyotr junto os dedos à sua frente e fechou os olhos. "Acredito que faça muitos anos. Vasily suspeitava de que tinha tomado muita vodca numa noite com Motya e de alguma forma soltara a verdade." Annika podia ver o quanto custava Feliks para anular as ramificações daquela verdade e se concentrar em sua aplicação à sua situação atual. A força da determinação dele era inspiradora. Ela sentiu uma onda de orgulho e uma onda de possessividade que a fez querer gritar aos quatro ventos que este homem lhe pertencia. Feliks expirou lentamente, obviamente, focando-se na coisa mais importante em toda aquela situação. "Então por que Yuri diz que essa é a única razão para o concelho aprovar minha posição?" "Não sei." "Sim. Você sabe." Pyotr xingou em russo, deixando sua máscara de civilidade cair apenas tempo suficiente para Annika e Feliks verem o homem egoísta que se escondida ali debaixo. "Vasily ia acabar com o direito de um membro do concelho fazer negócios com homens como Vadir Polzin!" "Bom." "Não é bom! Sabe o quanto isso podia ter me custado?" "Você? E o Orlov Achei que fosse ele quem tivesse problemas com Vasily!" Feliks bufou "Agora eu escuto que você estava contando com o dinheiro de suborno. Quem matou Vasily, Pyotr?" "Yuri Orlov matou Vasily." Pyotr ficou de pé. "Não era para isso acontecer, mas Vasily nunca ficaria de boca fechada. Ele ameaçou contar para os outros membros do concelho." Feliks curvou o lábio superior com nojo. "Vasily sabia que você era um mentiroso que aceitava subornos?" Annika estava tão concentrada em Pyotr, esperando uma resposta, que ela não conseguiu ver a quarta pessoa que tinha entrado no escritório até que fosse tarde demais. Yuri Orlov a levantou do sofá. Ele envolveu o braço ao redor de seu pescoço e colocou uma incrível pressão em


sua clavícula. A dor foi instantânea e terrível. Ela fez um barulho estrangulado. Feliks também estava focado em Pyotr. Agora ele tinha se virado da mesa e estava encarando Annika e Yuri. "Deixe-a ir, Yuri," Feliks disse. Yuri bufou. "Acho que não." Annika estava com medo de se mover. Se ele apertasse mais um pouco seu pescoço, ia acabar quebrando. Ela respirava superficialmente, tentando não se mover. De canto de olho, ela podia ver o olhar furioso e assassino no rosto de Feliks. Ainda assim, ela não queria que ele fizesse nada precipitado. Ele já estava machucado. Agora não era o momento de entrar numa briga com Yuri. O homem já tinha provado ser um adversário astuto. Pyotr puxou uma arma de sua mesa. Ele ergueu o barril para Yuri e mirou. "Yuri, não foi isso que combinamos." "Descobri que não gosto do que combinamos," Yuri provocou. "Então decidi mudar as coisas. Espero que não se importe." Yuri se virou, arrastando Annika com ele. Ela gemeu de dor enquanto ele apertava ainda mais seu pescoço. Suas articulações rangeram em protesto. Um tiro frio de medo deslizou por sua espinha. Isso não terminaria bem. Não tinha como. "Solte-a!" Uma voz feminina estridente atravessou o escritório. O sotaque pesado na voz só podia pertencer a uma pessoa. Annika sentiu as lágrimas começarem a cair quando viu Irina entrar no cômodo segurando outra arma. As mãos dela tremiam, e o barril da arma começou a balançar enquanto ela tremia de medo. "Vamos lá, Irina." A voz de Yuri era repleta de asco. "Apesar de que imagino que não posso culpá-la por interferir. Vadias sempre ficam unidas. Não é?" "Eu escutei esses homens conversando," Irina disse hesitante. "Você matou meu marido!" "Vasily?" O desrespeito irreverente de Yuri contra seu adversário vencido pareceu enfurecer


Irina ainda mais. "Sim. Eu matei aquele velho bastardo idiota." "Você vai morrer por isso!" Irina gritou; Annika fechou os olhos quando Irina apertou o gatilho. Sua posição a deixava tão próxima de Yuri que a tornava nada mais do que um escudo humano. Ou Irina era uma ótima atiradora ou Annika ficaria cheia de buracos. As possibilidades não pareciam muito boas para Annika. O tiro veio, mas a dor não. Annika abriu os olhos, confusa. Então ela viu Irina deslizando lentamente para o chão. Havia um buraco de bala na testa dela. Atrás dela, a parede do escritório de Pyotr estava coberta de sangue e pedaços de cérebro. Annika ficou enjoada com a visão. O cheiro acobreado de sangue era esmagador. Ela mal podia respirar, mas Yuri continuava a arrastando em direção à porta. Ele estava prestes a sair. Este homem, que merecia morrer milhões de vezes. "Yuri Orlov! Estou indo te pegar!" Feliks gritou. Yuri olhou por cima dos ombros. "Ah, estou contando com isso. Venha até a casa do meu pai em uma hora. Haverá uma reunião do concelho, e você deve comparecer."


Capítulo Treze Feliks não conseguia pensar direito. Não com o incessante choro de Pyotr, que estava abaixado ao lado do corpo sem vida de Irina e a abraçando. Não com o medo que estava sentindo pela segurança de Annika. Feliks nunca sentira esse tipo de indecisão. Seu mundo era geralmente tão organizado, completamente correto e seco. Havia um trabalho. Ele desenvolvia uma estratégia para finalizar o trabalho, quando tivesse terminado, seguia em frete para o próximo. "Sinto muito, meu velho amigo," Pyotr choramingou. "Vasily! Eu prometi cuidar dela e agora ela está morta. Morta!" "Mamãe?" Oksana espiou pela porta com sua pequena cabeça. Pyotr se esforçou para virar de costas para evitar que Oksana visse a mãe daquele jeito. "Feliks! Tire Oksana daqui. Por favor." Feliks ficou de pé e pegou a menina nos braços. Ela começou a chorar. Ele não sabia como fazê-la se sentir melhor. Ele mal conseguia fazer a si mesmo se sentir melhor. "Tio Feliks, por que mamãe está no chão?" Oksana perguntou, lágrimas descendo pelas bochechas. "Ela foi embora ficar com seu papai, pequena," Feliks disse suavemente. "Vai ficar tudo bem." "Mas quem vai tomar conta de mim?" Oksana parecia pequena e indefesa, e Feliks se deu conta de que uma criança na idade dela tinha tão pouco conhecimento a respeito da morte que ela podia não perceber o que tinha acontecido. Pensar nisso o deixou muito triste. Ele acariciou o cabelo loiro de Oksana. "Eu vou tomar conta de você, pequena. Prometo." "Eu vou morar com você?" Ela quis saber. Feliks pensou no horror que sua vida tinha se transformado nas últimas vinte e quatro horas.


Mesmo assim, ainda havia muitas coisas boas. Pela primeira vez em sua vida, ele tinha um propósito para viver. Ele se importava com sua vida. Havia um futuro para ele, uma família e uma mulher que o olhava como se ele fosse o mundo dela. "Sim," Feliks disse à Oksana. "Você pode vir morar comigo quando tudo tiver terminado." Ele entrou no quarto da menina e olhou ao redor. Havia uma cama e uma pequena mesa com cadeiras. Alguns brinquedos estavam espalhados, mas na maior parte, parecia com o quarto de uma criança que se preocupava em agradar as pessoas importantes em sua vida. Colocando Oksana no chão, Feliks se abaixou para ficar na altura dela. "Preciso que você fique aqui nesse quarto até eu voltar para buscá-la. Tudo bem?" Ela assentiu, os grandes olhos cheios de lágrimas. "Mamãe foi embora. Não foi? Assim como meu papai. É como você disse." "Sim," ele concordou. "É." "Estou com saudades da mamãe." Grandes lágrimas desceram pelas bochechas rechonchudas, e Feliks gostou da sensação dos bracinhos da menina ao redor de seu pescoço. Ocorreu-lhe que essa criancinha era na verdade sua meia-irmã. O conhecimento disso apenas o deixou mais determinado a sobreviver àquela noite, resgatar Annika e retornar para buscar essa pequena criança órfã. Yuri Orlov tinha arruinado a vida de tantas pessoas. Estava na hora dele pagar o preço por sua arrogância. "Vamos colocá-la na cama. Tudo bem?" Feliks sugeriu. Ela assentiu. Ele podia ver pela roupa de cama bagunçada que Irina já tinha colocado Oksana cama naquela noite. Causou-lhe tristeza pensar naquela mulher colocando a filha para dormir pela última vez sem saber disso. A vida era tão efêmera. "Preciso que fique na cama, bem debaixo das cobertas. Tudo bem?" Feliks lhe disse. "Independentemente do que aconteça. Fique aqui até eu vir buscá-la."


"Sim, Tio Feliks," Oksana disse suavemente. "Boa noite." "Boa noite, malenkaya.” Ele olhou por cima dos ombros uma última vez para ver a pequena cama segurando a garotinha antes de apagar a luz. Instantaneamente o teto foi coberto de unicórnios e castelos. A inocência daquela cena reforçou sua determinação. Sobreviver não era uma opção. Era imperativo. Fechando a porta do quarto de Oksana, Feliks caminhou de volta para o escritório. Pyotr estava exatamente no mesmo lugar que estiver quando Feliks o deixou. Ele segurava o corpo de Irina e encarava para a parede em estado catatônico. "Sinto muito," Pyotr disse quando Feliks entrou no escritório. Feliks não respondeu. Ele não sabia o que dizer. Em vez disso, ele foi diretamente até o botão debaixo da mesa que abria um compartimento secreto numa parede. Um arsenal de armas foi exposto. Escolhendo alguns itens que ele iria precisar, Feliks tentou não pensar na possibilidade do fracasso. Ele se lembrou de Oksana e Annika. Ele se concentrou naquelas duas pessoas e na pequena vida dentro do corpo de Annika que eventualmente seria seu filho. "Eu deveria ir com você," Pyotr disse. Feliks bufou. "Duvido muito que você seja de alguma ajuda." "Ainda posso segurar uma arma." "Então escolha uma e fique pronto." Pyotr se esforçou para ficar de pé. Caminhando sem firmeza, ele pegou sua arma pessoal. "Vou levar Oksana comigo assim que tudo isso tiver acabado," Feliks disse para Pyotr. "Achei que você deveria saber." "Minha empregada ficará feliz com isso." Pyotr colocou a jaqueta por cima da arma, endireitando a lapela como se estivesse se preparando para uma reunião qualquer do concelho. "Ela reclama sem parar sobre o incômodo de ter uma criança na casa."


Isso apenas deixou Feliks mais decidido. Ele e Annika tinham que sobreviver. Apenas o destino para determinar que os dois se tornariam pais.

ANNIKA respirou fundo, tentando se concentrar numa fuga. Era possível. Tinha que ser. Ela se recusava a desistir. Conforme o carro escuro se lançava através do amanhecer se aproximando, ela rastreou em seu cérebro para qualquer coisa que pudesse servir contra Yuri Orlov. "Realmente é muito ruim seu pai estar morto." O tom casual de Yuri era quase um insulto à memória de Vadir. "Ele rendia um bom dinheiro. Penso nele como um homem que sabia o que era importante." Annika não conseguiu se conter. Ela tinha que dizer algo. "Em outras palavras, você apreciava a natureza egoísta dele porque fazia com que validasse a sua própria natureza igualmente egoísta." Ele soltou uma gargalhada tão alta que doeu seus ouvidos por causa do confinamento do carro. “Da! Exatamente! É bom que você consiga ver o lado prático das coisas. Isso tornará o dia muito mais fácil para você." "Ah, você quer dizer me matar?" Doía dizer as palavras, mas ela não ia recuar. Ela queria que aquele babaca reconhecesse que ele tiraria sua vida. Ela queria que ele a visse como uma pessoa antes de fazer qualquer coisa. Yuri dirigiu o carro entre dois prédios estreitos, dirigindo-se a uma área de estacionamento pequena localizada no que provavelmente algum dia foi um pátio. Ele estacionou e depois desligou o motor. Ela não gostava da forma com que ele a olhava. Havia alto tão calculado a respeito do olhar dele que lhe dava arrepios. "Você não é o que parece, sabia?" Não havia nada de superficial no tom dele agora. "Você acha que me mostrando que você é uma pessoa, eu terei algum problema para matá-la." "A não ser que você seja um sociopata," ela disse num tom plano. "Então vou adivinha que você é exatamente isso."


"Prefiro me chamar de determinado." Ele encolheu os ombros. "Mas acredito que seja outra forma de ver." "Sim, você poderia dizer isso." "Hora de sair." Yuri abriu a porta dele e saiu do carro. "Se correr, eu atiro. Simples. Entendido?" Annika saiu do carro cautelosamente. Se esse babaca continuasse com essa rotina idiota, ela mesma ia atirar nele. "Já que não sou uma sociopata e não sou retardada, sim. Entendi." Ela seguiu Yuri para dentro da casa. A estrutura estreita parecia sonolento. Havia apenas uma luz acesa na cozinha, e Annika podia ver uma mulher corpulenta trabalhando no balcão. Ela se perguntou se o pai de Yuri sabia dos planos do filho, e esperava que nenhum dos funcionários fosse pego no fogo cruzado. "Senhor Yuri!" A mulher disse com surpresa quando eles entraram na cozinha pela porta de trás. "O Sr. Orlov não me disse que você estava vindo para o café da manhã." "Ele não estava me esperando." Ele acenou descuidadamente para a mulher. "Vá acordá-lo para mim. Precisamos conversar." "O Sr. Orlov não gosta de ser acordado antes das sete, senhor Yuri," ela afirmou. Era óbvio que a mulher estava acostumada a lidar com o filho mimado do patrão. Annika segurou a respiração, esperando para ver como a situação se desenrolaria. Yuri estava tão louco que provavelmente não ia gostar de encontrar nenhum obstáculo no caminho. Como ela desconfiava, Yuri puxou a arma e apontou para o rosto da mulher. A expressão dela congelou, a boca abriu num redondo O de surpresa. Yuri apontou a arma em direção ao que deveria ser o quarto do pai. A senhora saiu correndo, aparentemente convencida de que devia obedecer a Yuri ou corria o risco de morrer. Annika não a culparia se ela se demitisse e nunca mais voltasse. "Você realmente tem um jeitinho especial com as pessoas," Annika falou sarcasticamente. "E você realmente tem vontade de morrer ao ficar me questionando o tempo todo."


"Eu tenho alguma coisa a perder? Você já disse que vai me matar." Ele deu de ombros e pegou dois pasteis que estavam no balcão e enfiou na boca. Ele lhe pareceu estranhamente juvenil com esse comportamento. "Ninguém estabeleceu limites para você quando era criança? Você parece um adolescente mimado com uma arma na mão e licença demais para tomar as próprias decisões." "Cala. A boca," ele bufou. Interessante. De todas as coisas que ela disse, essa foi a primeira que pareceu realmente atingir ele. Annika deixou isso de lado e seguiu Yuri até o próximo cômodo. O espaço estava cheio de móveis antigos e sofás. Parecia uma sala de estar antiga, decorada com cores escuras e masculinas e tecidos caros. Quando Yuri se sentou perto do meio da sala, Annika decidiu que ali deveria ser onde ele pretendia encenar a falsa reunião do concelho. "Yuri!" Um homem mais velho e generosamente gordo desceu as escadas. "Olga me disse que você apontou uma arma para ela! Qual seu problema?" O homem que Annika deduziu ser Motya Orlov estava usando pijama de seda e um robe. Os pés estavam em chinelos e todos as seis ou sete mechas de cabelo grisalho na cabeça estavam em pé. Obviamente ele estivera dormindo. Então Motya Orlov notou Annika parada atrás do filho. Os olhos escuros se abriram de alarme. "O que ela está fazendo aqui? Você sequestrou a filha de Vadir? Está louco?" "Achei que esse fosse o jogo, pai," Yuri provocou. "Forçar Feliks Koslov a tomar uma decisão se a mataria ou não. Quando ele falhasse, pareceria fraco. Então eu seria votado no concelho e Feliks seria considerado um covarde." "Nada foi dito a respeito de sequestrá-la." Motya parecia doente. "Vadir já me dá problemas suficientes sem isso." "Vadir está morto." Yuri descuidadamente mexeu o cano de sua arma de um lado para o outro, como se descartando um incidente. "Ele não causará mais problemas." "Problemas? Vadir valia muito dinheiro, Yuri." Orlov olhou consternado para o filho. "O que


você fez?" Annika começou a dar pequenos passos em direção à porta da cozinha. Aquilo não ia acabar bem. Se ela tivesse sorte, poderia escapar antes que tudo piorasse. "Não se mova, vadia!" Yuri sibilou. Annika congelou onde estava. Cada centímetro a colocava mais perto da fuga. Yuri se virou para o pai. "Ligue para os outros membros do concelho. Teremos uma pequena reunião."


Capítulo Catorze Annika olhou ao redor do cômodo, perguntando-se se aquilo seria a última coisa que ela veria antes de morrer. Se fosse, ela ficaria irritada. Esta reunião falsa do concelho era uma mesa redonda entre homens velhos egoístas que pareciam como se não tivessem levantado um dedo em anos para fazer qualquer coisa a não ser comer. "Por que deveríamos apontá-lo para o concelho?" Um homem barrigudo com cabelo vermelho desbotado exigiu. "Já temos um Orlov. Isso daria à sua família poder demais. E se eu quiser colocar meu sobrinho no lugar de Vasily?" "Seu sobrinho é um idiota que não sabe nem onde arma começa e termina", Yuri disse impacientemente. "Se o concelho apontar a mim para ficar no lugar de Vasily, as coisas vão ficar melhores. Eu tenho grandes planos para esse sindicato!" "Quais planos?" Alguém perguntou. "Escutei rumores de que você matou Vadir Polzin." O homem acenou em direção à Annika. "E você está carregando a filha dele por aí como uma mala. Isso não diz nada sobre você como homem." A mão de Yuri tremeu, e Annika observou com fascinação como ele estava controlando o próprio temperamento. Era óbvio que ele não queria o concelho morto. Ainda. A porta da frente se abriu tão repentinamente que todos os presentes pularam de surpresa. Pyotr entrou no cômodo com Feliks atrás. O coração de Annika pulou quando o olhar de Feliks passou pelos homens e parou nela. Ele parecia estar avaliando sua saúde em geral. Ela balançou de leve a cabeça para mostrar que estava bem. Por enquanto. "Não acreditem nesse pequeno bastardo," Pyotr disse aos camaradas. "Foi ele quem matou Vasily, para começar. Ele e Motya conspiraram para que Vasily estivesse lá naquela noite. Yuri foi quem atirou nele. Não Vadir. "Como você sabe disso?" O homem ruivo perguntou.


Pyotr pareceu envergonhado. "Porque eu estava aceitando subornos de Vadir. Pensei que convenceríamos Vasily a parar de lutar contra isso. Mas não sabia que ele seria morto." "Mentiroso!" Motya Orlov gritou. "Você sabia!" O olhar dele passeou pela mesa, obviamente tentando ver quem acreditavam no quê. Naquele ponto, todos estavam em terreno movediço. "Estou dizendo a verdade," Pyotr insistiu. "O que tenho a perder agora? Yuri matou Vasily, Vadir Polzin e até a viúva de Vasily." Ele apontou de forma acusatória para Yuri. "Estão entendendo? Este homem matou uma mãe à sangue frio com uma criança dentro de casa!" O zumbido baixo de vozes ficou mais alto enquanto os homens cogitavam suas opiniões. Annika podia ver Yuri ficar cada vez mais agitado. Ele explodiria a qualquer minuto. Então, pessoas iriam morrer. "E o filho de Vasily?" Annika gritou em meio ao barulho. "Vocês querem saber o que o filho de Vasily tem a dizer? Se alguém merece tomar o lugar de Vasily no concelho, não seria alguém com seu próprio sangue?" Feliks estava olhando para Annika como se ela tivesse perdido a cabeça. Mas seu comentário tinha tido o efeito desejado. Todo o cômodo estava focado em Feliks agora, até Yuri. Feliks se endireitou e olhou para cada homem presente na sala. Quando ele falou, a voz era apenas alta o suficiente para viajar pelo cômodo, mas o tom era determinado. "Yuri Orlov vem manipulando esse concelho e o sindicado desde que o pai dele o colocou à frente das operações da família. O que estou querendo dizer é que não podemos confiar nele. Ele colocará os próprios interesses acima do sindicado sempre que possível." Yuri bufou algo incompreensível em russo, obviamente ultrajado. Então, ele levantou de sua cadeira, balançando a arma no ar. "Como se atreve? Você! Você é o homem que é fraco demais para cumprir a tarefa que o concelho ordenou." Houve um murmurinho entre os outros membros. O homem ruivo falou primeiro. "Yuri tem razão, Feliks. Por que não finalizou a tarefa?" "Porque apenas um covarde cria uma guerra contra uma mulher e criança," Feliks disse


firmemente. "Mesmo assim, você disse que finalizaria essa tarefa que lhe demos," o ruivo argumentou. "Você pode finalizá-la? Ou a mulher significa mais para você do que o sindicado?" O estômago de Annika se apertou. De todas os resultados possíveis, ela não acreditava que aquele pudesse ocorrer. A expressão de Feliks era fria. Ainda assim, ela podia ver em cada linha do corpo dele que ele não poderia finalizar a tarefa. Ela tinha jogado a palavra "amor" para cima dele para provocar, mas a verdade era que Annika realmente acreditava que as emoções dele em relação a ela eram muito fortes. Mas ela sabia que amava Feliks. Então, caminhando para o centro do cômodo, ela se ajoelhou diante dele. Ela o encarou e desejou que ele visse o que ela estava sentindo apenas com o olhar. "O que é isso?" Motya Orlov riu nervosamente. "A vadia quer morrer?" "Não," Annika o corrigiu. "Eu amo Feliks. Não vou forçá-lo a tomar essa decisão. Prefiro dar a minha vida de bom grado do que alguém acreditar que ele é um covarde." A arma de Feliks tremeu ao lado dele, mas ele não se moveu para afastar a arma. Annika podia ver que ele nunca machucaria. Ela também nunca o machucaria, o que lhe deu uma ideia interessante. "Vocês não vêm que há uma forma diferente de neutralizar uma ameaça?" Annika perguntou na sua voz mais alta. "Vocês queriam que Feliks me matasse para garantir que meu pai não seria mais uma ameaça ao sindicato. Mas Feliks não concluiu esse objetivo? Ele tem minha lealdade. Eu não sou mais uma ameaça para ele. Sou uma aliada." Annika lançou um olhar de lado para Yuri. "E agora que Yuri Orlov matou meu pai, Vadir, eu estou no comando dos negócios dele. E isso significa que Feliks está no comando também, portanto, numa posição de poder."

FELIKS PODIA VER que todo o cômodo cheio de homens estava absorvendo a força do anúncio de Annika. Era uma virada de jogo. Embora, na verdade, Annika tinha sido o divisor de


águas. Ela tinha encurralado o concelho. E ela tinha feito isso ao torcer os ideais deles e forçá-los a enfrentar a própria falta de coragem. A tosse baixa de Pyotr pareceu quebrar a tensão que tinha recaído sobre o cômodo. "Não posso imaginar como podemos argumentar com essa lógica, cavalheiros." O ruivo Yurovich balançou a cabeça. "Vasily teria aprovado, acredito. O homem sempre foi um pouco mole." Outra pessoa bocejou. "Está cedo demais para estar acordado e falando sobre isso. Gostaria de ir para casa e descansar se já acabamos de lidar com o problema." "É isso?" Yuri disse. "Todos estão satisfeitos com isso? Feliks pode simplesmente entrar aqui e conseguir o que quer só porque ele é filho de um homem morto que era fraco demais para fazer o que era preciso?" “Da.” Yurovich encolheu os ombros. "Os lugares no concelho são hereditários, Yuri. Você sabe disso. Independentemente de Vasily reconhecer ou não, Feliks era filho dele e, portando, seu sucessor." O estômago de Feliks se apertou quando percebeu a lata de vermes que tinha acabado de ser aberta. Ele esticou a mão e puxou Annika do chão. Colocando-a na curva de seu corpo, ele se abaixou e rolou em direção a uma cobertura assim que Yuri disparou o primeiro tiro. Gritos de raiva e de dor tocavam toda a sala conforme Yuri salpicava a casa do pai com balas. De seu lugar atrás de um pesado sofá, Feliks se manteve entre Annika e Yuri. "Você precisa pará-lo!" Ela implorou. Feliks não respondeu. Não havia tempo a perder. Ele contornou as grossas pernas de madeira do sofá e mirou em Yuri. O homem louco estava de pé sobre o corpo sem vida do próprio pai, rindo como um lunático. Repentinamente, Yuri se virou. Ao ver Feliks, começou a rir. Ele ergueu a arma e atirou. Feliks se abaixou atrás do sofá assim que a espuma e tecido voaram pelo ar quando a bala atingiu o móvel.


"Você quer um pedaço meu, Feliks Koslov?" Yuri gritou. "Venha me pegar!" Feliks se recompôs, sabendo que não tinha outro jeito. Ele tinha que parar o homem ou ele ia acabar matando Annika. Feliks se recusava a aceitar isso. Rolando para fora do sofá, Feliks se levantou. Yuri já estava mirando. Feliks ignorou o que estava por vir, avistando seu alvo com muito cuidado e preparando-se para o tiro que viria depois. "Não!" Pyotr se jogou entre Feliks e Yuri. Quando Feliks esperava sentir a dor da bala em sua carne, ele viu Pyotr cambalear. A fúria o deixou cego e com cede de sangue conforme disparava sua arma repetidamente contra o corpo de Yuri. "Feliks!" Annika foi até ele, e Feliks gentilmente a puxou para perto. Mas era Pyotr que tinha sua atenção. O velho homem estava lutando para respirar, o sangue saindo do peito numa velocidade alarmante. Feliks caiu sobre os joelhos e puxou a cabeça de Pyotr para seu colo. "Seu velho tolo, o que estava pensando?" "Eu lhe disse que ainda podia segurar uma arma," Pyotr arfou. "Eu queria matá-lo. Por Irina." Feliks tocou na bochecha pálida do amigo. "Assuma os negócios e deixe tudo correto aqui," Pyotr disse. "Vasily iria gostar disso." Feliks teria concordado, mas era tarde demais para fazer promessas. A luz deixou os olhos de Pyotr assim que ele morreu. Feliks abaixou a cabeça dele cheio de tristeza. Pyotr tinha feito coisas que nunca poderiam ser perdoadas, mas mesmo assim, ele fora uma grande parte da vida de Feliks e nada mudaria isso. "Tanta morte," Annika suspirou. Ela se prendeu a Feliks, os braços enrolados em seu pescoço e a bochecha pressionada contra seu ombro. "Como eles não viram que isso estava prestes a acontecer?"


"Eles ficaram complacentes," Feliks contou suavemente. "Uma coisa que nós teremos que nos proteger." "Você vai realmente fazer isso?" Ela olhou ao redor, observando a carnificina. "Ele acabou com quase todo o concelho." "Então nós recomeçaremos." Ela parecia paralisada pela visão de Yuri deitado em uma poça de sangue no tapete do pai. "Motya Orlov tinha mais filhos?" "Um", Feliks admitiu. "Ele está estudando fora." "Ela precisa ter um lugar no concelho," ela decidiu. Feliks bufou. "Nenhum Orlov será bem-vindo aqui. Não depois disso." "Você está errado." A expressão no rosto dela era tão determinada e tão calma que ele se sentiu tentado a escutar. Annika sorriu e lhe tocou o rosto. "Disputas de sangue não fazem nada além de causarem mais sangue. Converse com esse Orlov mais jovem. Diga o que aconteceu. Dê a ela uma voa e a chance de redimir a família. Essa é a forma de criar um sindicado forte." Feliks assentiu, sentindo uma inacreditável onda de emoções inchar seu coração. "Foi um ótimo dia quando eles me mandaram matá-la, Annika Polzin." O som alegre da risada dela era quase macabra contra o fundo de sangue e morte na sala, mas Feliks estava grato pela luz que ela trouxe para a sua escuridão. Ela tocou seus lábios. "Eu diria que o melhor dia foi quando você acidentalmente me engravidou." E não tinha como ele argumentar contra isso.


Capítulo Quinze Um ano depois... Annika puxou um cobertor leve sobre o corpinho de seu bebê. Ele fez um barulhinho com a boca e deu algumas sugadas na chupeta antes de dormir. Observá-lo nunca deixava de impressioná-la. Ele era tão pequeno e frágil, e ainda assim, dali a vinte anos, ele estaria comandando Boston como um fodão igual ao pai. Feliks apareceu na porta do quarto do bebê e descansou o ombro contra a moldura. "Você ainda está aqui?" "Óbvio." "O bebê pode dormir sem você precisar olhar para ele, sabe disso." Ela sabia, mas às vezes Annika se sentia mais segura ficando no mesmo quarto que o filho indefeso. Feliks abriu os braços e Annika foi até ele. "Ele está seguro," Feliks prometeu. "A casa é segura. Temos guardas pelo terreno e, além disso, não temos inimigos." "Agora." Ela suspirou. "O que acontece se daqui a seis meses nós irritarmos alguém? Nossa família pode se tornar um alvo. Yuri não era o único sociopata no mundo." "Não. Mas às vezes é mais seguro estar do lado oposto ao da lei. Pelo menos nós sabemos o que tem lá fora." "Como está Oksana?" Ela olhou em direção ao corredor que dava para o quarto da filha que eles tinham adotado. "Aquela lá dorme igual uma pedra," ele disse com uma risada. "Eu entrei e ela estava dormindo do lado errado da cama. Ela nem se mexeu quando a troquei de lugar." "Bom." Isso deixava Annika muito feliz. "Nossa menina merece se sentir segura após tudo o que ela passou."


"Assim como você," Feliks a lembrou. "Estou segura. Eu sou a esposa do maior e mais malvado chefão da máfia russa na cidade," ela o lembrou. "Certo, princesa da máfia, você poderia vir para a cama?" "Você vai me fazer esquecer o quanto estou estressada?" Ela provocou. Ele a puxou para os braços e começou a carregá-la para o quarto deles; Eles tinham escolhido uma casa que era nova para eles. Não era a antiga casa de Vasily, de Pyotr ou de seu pai. Era a casa deles. "Estou feliz por termos escolhido essa casa." Ela pegou o rosto de Feliks com as mãos. Ele fechou a porta do quarto deles com o pé. "Estou feliz que tenha bastante espaço para aproveitarmos nossa privacidade." "E para que você precisa de privacidade? Hmm?” Ela gostava de provocá-lo. "Está com medo de que eu vá incomodá-lo enquanto você dorme?" "Não estou com vontade de dormir." "Você vai ler, então?" Ela gesticulou para a cadeira no canto do quarto. "Vou deixá-lo sozinho. Sei como valoriza seu tempo." "Mulher, você vai me deixar louco." "Esse era o objetivo." Ela passou o nariz no pescoço de Feliks e beijou o local onde começava o ombro. Os músculos dele tremeram sob seus lábios. "Já te disse o quão inacreditavelmente poderosa eu me sinto ao saber que posso deixá-lo excitado dessa forma?" Ele colocou beijos logo abaixo de sua orelha até que o hálito quente fizesse cócegas. "Sim, mas nunca me canso em escutar isso, então fique à vontade para dizer novamente." Feliks a sentou na cama e gentilmente sentou-se ao seu lado. Ela se sentiu quente demais, mesmo usando apenas uma camisa e um robe fino. Ele olhou para ela. A única luz no cômodo vinha de uma lâmpada ao lado da cama. O brilho silenciado fazia os olhos dele parecerem muito mais intensos.


Gentilmente puxando o cinto do robe, ele o soltou e deixou o tecido deslizar por seu corpo. Então, ele colocou a palma da mão em sua barriga e deixou a mão traçar uma linha em direção aos seus seios inchados. "Feliks." Ela mal conseguia sussurrar o nome dele. Ele abaixou a cabeça e deixou beijos pela linha de sua clavícula. O calor da boca dele era delicioso contra sua pele. A excitação começou a aumentar, e ela desejou que ele amenizasse a dor entre suas pernas. Ela já estava tão quente e molhada para ele. Colocando as mãos na barriga dele, ela explorou os contornos do peito nu do marido. Ele gemeu e arqueou as costas enquanto ela arranhava a pele dele com as unhas. Ela encontrou os mamilos dele e puxou cuidadosamente cada um deles até que ficassem durinhos. Ela sentiu os próprios mamilos endurecerem conforme eles ansiavam pela mesma atenção. Quando ele abaixou sua blusa e beijou seu seio direito, Annika pensou que podia morrer de prazer. Ele deu atenção igual ao mamilo esquerdo e depois se moveu mais para baixo para deslizar o tecido solto para fora de seu corpo. Ela ergueu os quadris, dando acesso a Feliks. Quando ele apareceu por cima dela, Annika encontrou a cintura dele e abriu a calça. O zíper foi barulhento contra a respiração pesada dos dois. Ela se esforçou para puxar a calça e finalmente foi recompensada quando suas mãos entraram em contato com os firmes músculos da bunda dele. Ela o puxou para perto, sentindo a ereção dele pressionar contra seu monte. "Annika, eu preciso tanto de você," Feliks disse arfando. "Posso tê-la?" Como se ela algum dia fosse negar. "Por favor!" Ela abriu as pernas para lhe dar às boas-vindas. Seu centro estava completamente molhado, e os poucos pelos cobrindo seu monte estavam pesados com seu líquido. Ele apoiou os braços de cada lado de seus ombros e se inclinou para beijar seus lábios. Ele devorou sua boca como se nunca tivesse o suficiente. Durante todo o tempo, o pau dele gentilmente se esfregava contra seu sexo, até ela ficar tão excitada que pensou que enlouqueceria.


FELIKS NUNCA se acostumou com a ideia de que tinha conseguido uma mulher como Annika e feito dela sua esposa. Mesmo com sua língua se enroscando com a dela, duelando pela dominação, ele se maravilhava com o privilégio de estar com aquela mulher. A pele macia dela provocava uma sensação sublime contra a sua. Uma leve camada de suor cobria o corpo deles enquanto eles se moviam juntos. Alguns segundos a mais e ele deslizaria o pau para dentro da boceta dela e a reivindicaria como sua mais uma vez. Por agora, porém, ele queria saborear a antecipação. Ela ergueu uma das pernas e acariciou com a panturrilha a parte de trás de sua coxa. A posição abria o sexo dela apenas o suficiente para permitir que a extensão de seu pau deslizasse contra as dobras molhas e quentes de Annika. A carne dela era incrivelmente resiliente. A fricção contra a pele sensível da cabeça de sua ereção era quase o suficiente para fazê-lo perder o controle. "Annika", ele gemeu, sentindo como se estivesse beirando a insanidade. "Não vamos mais esperar, Feliks," ela disse. "Me tome agora. Me faça ser sua;" Como se ele precisasse de mais alguma coisa que dissesse que aquela mulher era sua. O corpo dela se abriu quando ela alargou as pernas para lhe dar as boas-vindas. Cada músculo dentro do canal dela se flexionou contra seu pau. O abraço confortável dela era quase sua ruína. Em vez disso, ele travou os dentes e começou a se mover para dentro e para fora. Ele queria ir devagar, fazer amor suave com sua esposa e lhe dar um prazer indescritível. Mas ela não parecia querer nada disso. As unhas dela cravaram em seus ombros enquanto arqueava as costas e flexionava os quadris para ele entrar. Ele aprofundou as investidas, sentindo a ponta do seu pau beijar o ponto molhado dentro da boceta dela em cada metida. Fogo atravessou suas veias. Ele sentiu a sensação familiar de seus músculos se preparando pata o orgasmo. A respiração dela estava instável, cada uma exalando uma lamúria de necessidade. Os quadris dela começaram a se mover enquanto ela encontrava com cada investida


que ele dava. E quando ela finalmente desmoronou em seus braços, Feliks absorveu cada segundo daquela linda experiência. O grito dela ecoou pelas paredes do quarto quando ela gozou. Feliks nunca diminuiu o ritmo de suas investidas. Ele meteu mais uma vez e sentiu o orgasmo dela provocando o seu próprio. O prazer estava deixando ele tão zonzo que mal conseguia processar o que estava acontecendo. Então ele arqueou as costas tão forte que pensou que sua coluna ia quebrar quando uma sacudida de êxtase fez ele estremecer. Ele gozou com força, preenchendo Annika com sua semente até ficar completamente vazio. Seus braços começaram a tremer, e ele rolou para o lado para evitar esmagar o corpinho pequeno dela. Sem ser capaz de deixar qualquer tipo de distância os separar, ele a puxou para a curva de seu corpo e envolveu os braços ao redor dela. "Às vezes eu acho que você vai me matar," ela disse com uma risada. "Sim, mas que jeito bom de morrer." "Os homens sempre dizem isso, mas você realmente iria querer morrer assim?" Ele considerou a ideia. "Que tal eu simplesmente dizer que não tenho nenhum desejo de morrer." "Gostei disso," ela murmurou. Ele conseguia praticamente escutar a preocupação dela. "Vamos ficar bem." "Eu sei. Mas estamos fazendo o certo?" Feliks pensou a respeito. Ele traçou gentilmente o contorno dos ombros de Annika, amando a sensação da pele dela abaixo de seus dedos. "Eu entendo aonde você quer chegar. Todas as áreas nas quais trabalhamos tornam as decisões legais serem impossíveis. Mas no final do dia, somos apenas pessoas tentando ganhar a vida." "Ao quebrar as leis." "Quem decide o que é legal ou não? Você acha que todos os homens de negócio que ganham o dinheiro deles dentro dos confinamentos da legalidade realmente fazem algo melhor do


que nós?" Ele deseja poder ajudá-la a ver as coisas da mesma forma que ele. "Estamos tentando ser boas pessoas. Foi isso que Vasily me ensinou, e é isso o que vou ensinar aos nossos filhos." "E é por isso que confio em você," Annika murmurou. "Porque no final do dia, você não é o meu pai." "É por isso que você deu o nome Vadir para nosso filho?" Ele sempre suspeitara, mas nunca soubera com certeza. "Tenho fé de que você ensinará Vadir a ser um homem melhor do que o avô dele foi. Você o ajudará a compreender o sacrifício próprio em vez do egoísmo, e a importância de ser bom e honesto com as pessoas que ele ama." Ela passou o nariz no seu peito. "Então, sim. O nome do nosso filho é Vadir para que talvez meu pai tenha uma segunda chance na redenção." "Ele te amava, você sabe." Ela beijou seu pescoço e esticou o corpo para que cada centímetro do corpo dela se encostasse no seu. "E Vasily amava você, apesar de não ter sido capaz de dizer publicamente que você era filho dele." "Então, acho que nosso único trabalho é amar nossas crianças da melhor forma que pudermos e criá-las para serem membros produtivos do mundo." Mesmo Feliks tendo que torcer o nariz para a esmagadora arrogância dessa afirmação. "Uau, sem pressão." "Você é uma pessoa incrível, Annika." Ele acariciou gentilmente o rosto dela. "Nossos filhos são abençoados com a sorte de terem você como mãe." "Isso quer dizer que você é abençoado por me ter como esposa?" Ele se perguntou se algum dia ela compreenderia de verdade. "Às vezes acho que enganei o destino ao conseguir ter você como minha esposa." Ela o fez ficar de barriga para cima, subindo dele e deixando os seios gentilmente roçarem contra seu peito. "É mesmo?" "Desculpe, estava dizendo alguma coisa? Não consigo pensar quando seus seios ficam tão


perto de mim." Ele pegou nos fartos seios e deu um beijo em cada um. "Vou lhe dizer uma coisa," ela disse. "Nem em um milhĂŁo de anos esperei me divertir tanto com meu marido." "Prometa-me que sempre serĂĄ divertido," ele implorou. "Ou que ao menos vamos tentar nos divertir, mesmo quando estiver uma merda." A risada de Annika era a promessa que ele precisava. "Mesmo quando estiver uma merda," ela concordou.

FIM

CLIQUE AQUI

para se inscrever no meu boletim de novidades e ter a chance de ganhar livros grĂĄtis!


OUTRA HISTÓRIA QUE VOCÊ PODE GOSTAR Os Amores Arranjados da Máfia Por Bella Rose

CLIQUE AQUI

para se inscrever no meu boletim de novidades e ter a chance de ganhar livros grátis!


Os Amores Arranjados da Mรกfia Por Bella Rose

Todos os direitos reservados. Direitos Autorais 2016 Bella Rose.

CLIQUE AQUI

para se inscrever no meu boletim de novidades e ter a chance de ganhar livros grรกtis!


Capítulo Um A campainha da porta da frente da loja de flores tilintou em tom alegre e Katrina Sokolov se encheu com um sentimento de nostalgia. Fazia mais de uma década que ela não visitava a loja do pai. Katrina adorava a escola, mas também era bom estar de volta à casa, ao lado de seu pai e irmã. "Posso ajudá-lo, Maksim?", perguntou o pai. Katrina olhou para cima em seu lugar na pequena mesa na parte de trás da loja. Ela estava pesquisando os cursos on-line que precisava terminar a fim de acabar o curso de política externa. Agora, sua atenção estava voltada para seu pai. Ela nunca tinha escutado seu pai se portar dessa maneira com um cliente. "Bom dia, Denis." O homem chamado Maksim passeava pela loja. Katrina olhou para ele fascinada. Ela era uma acadêmica em todos os sentidos da palavra. Era assim como ela analisava as coisas. Seu cérebro analisava os dados coletados e ela nunca fazia um julgamento sem antes ter todos os fatos. Ela estava prestes a abrir uma exceção com este homem chamado Maksim. A única palavra que lhe veio à cabeça quando o viu foi assustador. Ele tinha um corpo de mais de 1,80 e mãos tão musculosas que pareciam poder esmagar crânios. Seu cabelo era escuro e bem cortado. Ele estava mais para bandido do que para o tipo que compraria flores para sua mãe. "Katrina". Seu pai olhou de soslaio para ela, recusando-se a encontrar o seu olhar. "Por que você não vai até a esquina comprar um bom café no Mamacita’s?" "Já passamos da uma da tarde." Katrina fez uma careta. Por que seu pai queria café no meio da tarde? Ela olhou por um momento, tentando entender esse comportamento estranho. Fazia muito tempo que ela tinha saído em casa. Durante seus anos na Saint Asonia’s Academy em Miami, ela


tinha voltado para casa no feriado de Ação de Graças e no Natal, mas tinha passado os verões na escola cursando alguns programas de estudos especiais. Quando ela se formou no colegial e foi para a faculdade, o pai e a irmã foram passar o Natal com ela. Desde que voltou para a casa, ela tinha percebido o quanto seu pai parecia ter envelhecido enquanto ela estava fora. Seu pai tirou algumas notas dobradas da carteira. "Por favor, Katrina, vá buscar um pouco de café." "Mas…" Katrina fechou a boca abruptamente quando Maksim lançou-lhe um olhar de puro aborrecimento. OK. Ela deu um suspiro exagerado e fechou a janela do navegador em seu laptop. Lançando mais um olhar mais do que furtivo a esse personagem Maksim, ela calçou suas sandálias. Qual era o problema desse cara, afinal? Quem realmente precisava de total privacidade para comprar flores? Era ridículo! "Katrina!" Sua irmã Nika apareceu na área de trás da loja onde estava tirando os espinhos das rosas que eles usavam na maior parte dos arranjos. "Eu adoraria um dos muffins de blueberry do Mamacita’s. E um café com leite com chantilly de verdade, por favor." Katrina torceu o nariz para a irmã. "Se eu não te conhecesse, acharia que você está tentando se livrar de mim por alguma razão." Seu pai e sua irmã trocaram um olhar preocupado antes que seus rostos recuperassem uma aparência branda de indiferença. Katrina franziu a testa novamente e pegou sua bolsa. O que estava acontecendo? Se olhares pudessem matar, Maksim teria se queimado com a ferocidade de sua gritante desaprovação. Katrina saiu da loja. A rua principal e pitoresca de Hollywood, na Florida, estava cheia de turistas, com cerca de um milhão de pessoas nas calçadas olhando as palmeiras, o céu azul e a variedade de lojas. Detendo-se perto do meio-fio fora da loja de seu pai, Katrina jogou a cabeça para trás e fechou os olhos. O sol ardia quente em suas bochechas. Ela amava como o ar sempre parecia perfumado pelas buganvílias e lírios que seu pai tinha no pátio ao lado do edifício.


Ela olhou de volta para a loja e para as três pequenas janelas do segundo andar de seu apartamento no andar de cima. Quando ela era mais jovem, sentia-se envergonhada com o fato de sua família viver acima de sua loja. Esses sentimentos se desvaneceram com o tempo. Agora, ela às vezes até sentia falta dos quartos apertados mas aconchegante que ela dividiu com Nika e seu pai por tanto tempo. Algo dentro da loja chamou sua atenção. Franzindo a testa, Katrina olhou através das flores que Nika tinha pintado nas janelas. Ela podia ouvir o murmúrio de uma dura voz masculina. Maksim apontou enfaticamente para seu pai. O que está acontecendo aqui? Por que este idiota estava ameaçando sua família? Pelo menos era o que parecia. O rosto de Maksim estava contorcido de raiva e seu pai parecia pedir desculpas por algo. Quando ele tinha se tornado tão frágil? Katrina viu o pai abaixar a cabeça. Seu cabelo há muito tempo já estava branco e muitas vezes preso em ângulos estranhos. Ele era um sonhador, um homem esquecido, que muitas vezes se perdia nas frondes das plantas que ele cuidadosamente podava. Como uma criança, Katrina tinha a imagem de seu pai sorridente com as mãos no chão, cuidando de suas preciosas plantas. Ver essa pessoa de coração mole sendo ameaçada por este tipo com cara de bandido deixou Katrina louca como o inferno. Mas o que ela poderia fazer sobre isso? Seu pai e Nika claramente não queriam que ela por perto neste confronto. Será que Maksim era um cliente insatisfeito? Se fosse isso, Katrina diria a ele que encontrasse uma outra loja de flores para enviar flores para sua mãe. Se o mau comportamento do seu filho tivesse alguma coisa a ver com ela perto, a mulher seria provavelmente uma megera. Frustrada, Katrina tomou a única opção deixada a ela naquele momento. Ela resolveu descobrir a verdade por trás de envolvimento dessa pessoa Maksim com seu pai e sua loja. Mas, neste momento, ela tinha que comprar um café e um ridículo muffin de blueberry. ***


Ivan Petrov deu um gole distraído em seu mocha gelado e observou o barista atrás do balcão do Mamacita's Bakery & Coffeehouse. Ele se perguntava como seria ter esse tipo de trabalho com turnos ordenados, simples e direto ao ponto. A única preocupação do barista era colocar os ingredientes na máquina na ordem correta. Se o café saísse ruim era só jogá-lo fora e fazer outro. Ah, se a vida fosse tão simples. Ivan se ajeitou em seu banco. Ele havia escolhido um lugar no canto de trás, onde ele tinha uma visão de todo o espaço. Ele sempre fazia isso. Era uma força do hábito. Na verdade, essa mania provavelmente era algo que ele tinha herdado do pai. Nicolai Petrov era quase paranoico quando se tratava de sua segurança pessoal. A ironia disso tudo é que ele havia morrido no ano passado por conta de um ataque cardíaco. Os médicos disseram a Ivan e Maksim que a dieta rica em colesterol de seu pai e a completa falta de atividade física foram responsáveis por sua morte aos sessenta anos. No final, nenhuma das paranoias de seu pai tinha se provado e ele tinha morrido por suas próprias e más decisões. Ivan se perguntava algumas vezes se ele e seu irmão mais novo, Maksim, haviam realmente parado para lamentar a morte de seu pai. Ou, talvez, a verdade seja que nenhum deles sentiu que havia algo para se lamentar. Seu pai tinha sido um cruel filho da mãe que não se importava com nada além de dinheiro e sua posição na comunidade “mafiya”. Esse era motivo pelo qual Ivan estava sentado no Mamacita’s tomando um café em uma hora absurda. Nicolai Petrov tinha sido um tirano. Seu território na comunidade de Hollywood, Flórida, estava cheio daqueles de quem seu pai havia arrancado tudo. Dinheiro, recursos, até seus filhos e filhas tinham sido convocados para preencher as fileiras da máfia Petrov. Agora, Nicolai estava morto e Ivan passou a segurar as rédeas de algo que ele não estava totalmente certo de que poderia encarar. Ivan tinha a ideia de que poderia ser gentil e honesto nas suas relações com as pessoas do seu território. No entanto, a maioria destes indivíduos tinham sido governados pelo medo e governados pelo ódio por tanto tempo que eles não sabiam mais como responder a um toque mais


suave. Ser visto como fraco seria o fim de Ivan. Não apenas como o chefe da família Petrov, mas provavelmente em toda a sua vida. Assim, Ivan enviou Maksim para ser o braço forte enquanto tentavam recolher a montanha de dívidas não resolvidas que seu pai tinha deixado com a esperança de que, uma vez que eles estivessem no comando, poderiam resolver tudo de maneira mais suave. Alguém empurrou sua perna. Ivan olhou para cima, surpreso, e encontrou um traseiro muito bem torneado. Uma jovem estava curvada, tentando equilibrar uma bandeja cheia de copos de café e um saco de padaria. Ela parecia ter despejado uma caixa de guardanapos no chão e estava tentando recuperá-los. "Desculpe, posso ajudá-la?", perguntou Ivan, tentando não rir. Ele não queria ofender a pobre moça. Ela se levantou abruptamente e se virou. "Ai, meu Deus, eu acabei de te atropelar? Desculpa! Tenho tanta dificuldade em prestar atenção ao que estou fazendo….geralmente minha mente está a um milhão de quilômetros de distância. Desculpa!" Ivan tentou falar, mas suas palavras pareciam tê-lo abandonado completamente. Ele nunca tinha sido tão fortemente atraído por uma mulher antes em sua vida. Parte disso era porque ela era extraordinariamente bonita. O cabelo dela era pálido como a seda do milho e grosso. Seus fios longos caíam por suas costas e quase roçavam a sua cintura. Ela havia afastado o cabelo de seu rosto, prendendo-o com algum tipo de clipe, o que fazia seus olhos azuis se destacarem ainda mais. Ela era magra, com uma parte traseira suavemente arredondada e pernas musculosas. Seus shorts minúsculos lhe ofereciam uma vista fantástica de suas coxas, e sua camiseta básica exibia um conjunto de seios empinados. Espera! Ela estava falando? Ele deveria estar respondendo? Ivan percebeu que tinha estava sentado como um imbecil sem falar nada durante todo esse tempo. "Meu nome é Katrina, aliás." Ela sorriu e Ivan ficou impressionado com a inteligência em seus olhos azuis.


Ele limpou a garganta, tentando encontrar seu intelecto. "Eu sou Ivan. Acho que nunca te vi por aqui. Você acabou de se mudar? Ou está por aqui de viagem? " "Na verdade, eu estava fora estudando por muito tempo.” Seu sorriso era melancólico. "Então, eu acho que eu sou um pouco como uma turista, já que tudo me parece tão novo! É incrível como um lugar pode mudar ao longo dos anos. " Ela colocou a bandeja de café sobre a mesa. Ivan observava como ela verificava metodicamente a estabilidade de cada taça. Ele se perguntou qual seria o sobrenome dela e se ele conheceria sua família. Em seguida, um pensamento horrível lhe ocorreu. E se ele tivesse mandado Maksim para coagir sua família por conta do dinheiro que eles deviam ao Petrovs? Isso entraria na categoria “nada boa:. "Então, Ivan." O sorriso de Katrina era quente e acolhedor. "Você está por aqui de viagem? Eu não me lembro de ter te visto antes. " "Não sou um turista", ele disse. "Eu também estive fora estudando e voltei para assumir os negócios da família. Meu pai faleceu no ano passado ". "Eu sinto muito." Ela estendeu a mão e acariciou seu antebraço com a ponta dos dedos. "Eu não posso imaginar como seria perder meu pai. Isso deve ser tão difícil. " O lugar onde ela o tocou queimou com o seu contato. Era tudo o que ele podia fazer para permanecer imóvel. "Eu tenho sorte de ter meu irmão para dividir esse peso." "Que sorte," ela concordou. "Falando no diabo." Ivan viu Maksim entrar no Mamacita’s. "Meu irmão está logo ali." Katrina virou e seus olhos azuis se arregalaram ao ver Maksim. "Calma, esse é o seu irmão?" "Sim." Ivan fez uma careta. Maksim às vezes pode aparecer assustador, mas ele é um urso de pelúcia gigante. "Ele só parece assustador. Eu juro." "Infelizmente, eu o vi em ação, e eu tenho que dizer que assustador é um eufemismo." Ela apertou os lábios, com uma expressão de pesar. "Você vai ter que me desculpar. Eu preciso voltar para minha irmã e meu pai. "


"É claro", Ivan murmurou, observando-a ir. Maksim tomou um assento na mesa de Ivan. Ele olhou para Katrina com leve interesse. "O que você estava fazendo com ela?" "Você a conhece?" "Não, mas você acaba de me pedir para ir ameaçar seu pai por mais dinheiro", Maksim lhe disse preguiçosamente. "Merda." Ivan sentiu seu humor atingir um ponto baixo. "Essa merda faz sentido”.


Capítulo Dois "Ugh! Como podem esses dois serem irmãos? "Katrina gemeu. Ela caminhou energicamente de volta à loja de flores de seu pai, determinada a obter algumas respostas. Pergunta número um: quem era o cara gata com o irmão idiota? Pergunta número dois: por que o irmão idiota estava na loja de seu pai dando chilique? Será que seu pai, de alguma forma, tinha feito algo errado no funeral do pai de Ivan? Katrina fez uma careta. Ivan tinha dito a ela que seu pai havia falecido no ano passado. Certamente eles não estavam discutindo sobre as flores de um funeral que tinha ocorrido um ano atrás. Talvez fosse algo que loja de seu pai tinha feito mal no túmulo? Esperava que o problema tivesse sido resolvido hoje. Katrina queria muito acreditar nisso. Ela deu um pequeno suspiro. Ivan não era apenas bonito; ele era absolutamente delicioso. Com aqueles enormes olhos castanhos e longos cílios, ele parecia mais um sonhador e um pensador do que lutador. Talvez ele fosse um professor. Ele tinha a aparência de alguém assim, com aquele cabelo escuro caindo sobre a testa e uma expressão pensativa estampada em seu bonito rosto. É claro que sua estrutura não era a de um professor. Ele tinha um corpo de capa de revista e ela desejou que o encontro entre os dois tivesse ocorrido em na praia para que ela pudesse vêlo tirando a camisa. Ela podia apostar que ele tinha um conjunto de músculos abdominais que ficaria perfeito coberto de óleo de bronzear. Sim. Um par de óculos de sol e talvez um livro iria completariam perfeitamente a imagem. Katrina ainda estava fantasiando sobre Ivan, o possível professor, quando ela usou seu bumbum para abrir a porta da floricultura de seu pai. O sino tilintou quando ela entrou. Ela segurou a bandeja de cafés no alto. Pelo menos ela havia se lembrado do muffin de blueberry de Nika. Katrina estava sempre esquecendo detalhes mundanos como esse, consequência de ter sempre o seu nariz enfiado em um livro e a cabeça nas nuvens imaginando alguma solução


esotérica para os problemas do mundo. "Aí está você", disse seu pai com um sorriso. "Eu já estava me perguntando se você tinha decidido fazer uma caminhada pela cidade antes do café”. "Não", Katrina avaliava cuidadosamente o humor de seu pai. Ele parecia nervoso, como se estivesse se segurando diante de um momento difícil. "Mas conheci alguém novo no Mamacita’s". "É mesmo?" O pai dela empilhava freneticamente terra em um pote. "Quem você conheceu?" "Seu nome é Ivan." Katrina deixou a bandeja de café na mesa de trabalho de seu pai e começou a tirar com cuidado os copos dos pequenos buracos. "E eu acho que ele conhece o homem que estava aqui quando eu saí." "Ah, é?" "Sim. Na verdade, eu sei que ele o conhece. "Ela entregou o café para seu pai. "Eu acho que Maksim é seu irmão." Katrina fez uma careta. Ela realmente queria saber o que Maksim tinha a ver com seu pai e só havia uma maneira de descobrir. "Papai, por que Maksim estava aqui? E por que ele estava tão nervoso? Será que estragamos sua encomenda de flores? Sei que seu pai faleceu no ano passado. Eles estavam insatisfeitos com os arranjos do túmulo? Eu não entendo por que ele estava aqui agindo daquela maneira ". "Que maneira?", Seu pai perguntou bruscamente. "Eu o vi, papai." Ela mordeu o lábio inferior, imaginando o que deveria dizer. "Quando eu saí, olhei para trás e vi Maksim aqui apontando para você e falando muito alto. Eu não podia ouvir o que ele estava dizendo, mas ele parecia irritado. " "Katrina, você não deve se intrometer em algo que não é seu," seu pai disse rigidamente. "Papai, eu faço parte desta família. O que acontece na loja é o meu problema também. Especialmente se nós temos algum cliente que chega aqui ameaçando você porque ele está com raiva por um pedido errado. " Katrina estava começando a se irritar. Ela demorava a se irritar, mas quando chegava a esse ponto, poderia ter um acesso de raiva como ninguém. "Você pode fazer parte desta família, Katrina, mas você passou muito tempo fora para


entender o que está acontecendo." Seu pai pressionou a sua mandíbula como se não tivesse a intenção de ceder. "Francamente, eu quero que você se concentre em seus estudos enquanto estiver aqui e que fique fora dos negócios da loja." "O que?" Ela não podia acreditar que estava sendo excluída desta maneira! Seu pai a olhou firmemente. "E, além disso, você vai ficar longe de Ivan e Maksim Petrov. Você me entendeu? Eu não quero que você fale com qualquer um deles nunca mais. E ponto! " "Mas, papai, Ivan é um cara legal." Katrina pensou sobre a sua visão dele como um professor ligeiramente despenteado. "Eu acho que nós dois poderíamos nos dar bem. Talvez possamos até encontrar uma maneira de fazer com que Maksim se acalme e pare para escutá-lo. " Seu pai deu uma risada alta. "Volte para os seus livros e seu computador, menina. E fique longe dos Petrov. " Katrina poderia ter argumentado um pouco mais, mas seu pai saiu em direção ao refrigerador batendo a porta atrás dele como se não tivesse disposto a discutir absolutamente nada com ela. *** "Esse homem nos deve dezenas de milhares de dólares, Ivan", disse Maksim bufando. "Não acho que ele gostaria da ideia de você namorar sua filha." Ivan odiava admitir, mas Maksim estava absolutamente certo. Não havia nenhuma maneira de Denis Sokolov aceitar quaisquer avanços de Ivan em direção à sua filha. Era uma pena porque Katrina Sokolov era a mulher mais interessante com quem Ivan já tinha se deparado. "Este é apenas mais uma razão pela qual eu detesto os métodos do nosso pai," Ivan disse sombriamente ao seu irmão. "Eles deixam tudo uma bagunça.” Maksim se serviu da vodca que estava no aparador da sala de estudo de Ivan. A cobertura com vista para o mar da Flórida era uma das propriedades favoritas de Ivan. De um modo geral, ele tentava não ficar em um lugar por muito tempo. Todas as suas casas, caixas fortes, e empresas estavam escondidas atrás de empresas de fachada. Além disso, ele tinha alguns negócios marítimos


e meia dúzia de restaurantes, que também geravam um lucro legítimo. Recentemente, a ideia de viver de negócios legais começava a tomar conta dele. Ivan estava cansado de correr e se esconder. "Sim, mas os métodos de nosso saudoso pai nos deixou tudo isso." Maksim acenou com a mão ao redor da sala para indicar o luxuoso ambiente. "Ele sabia que a fraqueza significava desastres e passou sua vida provando que ele não era fraco." "Não emocionalmente, mas você não acha irônico que seu coração simplesmente parou de funcionar?" Ivan deu uma risada amarga e se moveu em direção às janelas com vista para o mar. Em um fim de tarde nebuloso, ele não conseguia distinguir os detalhes das ondas que entravam e saíam da praia. Maksim bufou. "Todo mundo morre de um ataque cardíaco eventualmente. Não importa o que te matou: seu coração para e eles chamarão isso de parada cardíaca. Boom. Você está morto." "Uau. Grande visão, irmãozinho. "Ivan sacudiu a cabeça. Às vezes, ele se perguntava se Maksim estava condenado a ficar sozinho e solitário para o resto da vida. "Voltemos ao seu ponto fraco romântico", Maksim pediu. "Quando digo que Denis deve dezenas de milhares de dólares, eu não estou brincando." "Eu sei. Eu vi os livros. " "Ele parou de pagar o dinheiro de proteção anos atrás." "Alguém já foi perguntar-lhe qual era o problema?" Ivan perguntou. "Sempre achei que essa era a falha de Nicolai. O que há de errado em perguntar por que eles não estão pagando? " "Hum, eu acho que tem a ver com toda aquela história que já contei sobre parecermos fracos", Maksim replicou. Ele limpou a garganta e adotou um tom super feminino de voz. "Hum, desculpe-me, proprietário da empresa tal. Então ... eu queria saber se você está tendo apenas alguns problemas financeiros e por isso você não pagou a quantia de dinheiro que lhe disse que você tinha que pagar, ou se você realmente não quer pagar ... "


Ivan não pôde reprimir o riso. As pessoas nunca acreditavam nele quando ele dizia que Maksim tinha um ótimo senso de humor. Seu irmão sempre desempenhou o papel de durão insensível porque esse era o papel atribuído a ele por seu pai. Sinceramente, Maksim era coração mole como qualquer outra pessoa e encontrava humor em tudo. "Ok, talvez não desse jeito.” Ivan franziu os lábios, pensativo, tentando colocar seus pensamentos em ordem. "Eu estou falando mais sobre a suposta relação original entre a mafiya e as pessoas que ela concorda em proteger. A ideia era simbiótica. A taxa de crimes baixava e isso ajudava a aumentar as receitas, já que as pessoas se sentiam seguras o suficiente para comprar localmente. As pessoas que pagaram dinheiro de proteção não deviam se sentir como se estivessem sendo extorquidas. E sinceramente, se eles não podiam pagar, a primeira questão para os mafiya deveria ter ser perguntar por que o cliente não tinha um negócio lucrativo. Havia alguém roubando? Por que os moradores paternalisam outras empresas? " "Sempre o idealista", Maksim murmurou. "Nosso pai governava pelo medo." "Sim, mas você realmente quer seguir esses passos?" Ivan perguntou em voz baixa. A expressão de Maksim ficou sombrio. "Eu não acho que eu posso, Ivan. Estou cansado de ameaçar pessoas por um dinheiro que eu não tenho certeza que eles devem. " "No entanto, não podemos simplesmente perdoar as dívidas de todos também", Ivan suspirou. Maksim resmungou. "Não, porque pareceríamos um par de maricas." "Então talvez nós pudéssemos começar com esse Sokolov," Ivan refletiu. "Vamos dar uma semana a ele e, em seguida, tentar descobrir por que ele não está pagando. Talvez fazer algumas perguntas em vez de ameaçá-lo quebrando seu joelho, ou o qualquer outra coisa que você costuma fazer". "Sabe... eu fico um pouco cansado de ser o assassino de aluguel", Maksim reclamou. "Eu juro que você não faz ideia do que se passa." "Eu estou tentando sair desse ciclo de raiva e talvez levar as coisas em uma nova direção." Ivan teve que admitir que Maksim tinha todo o direito de sentir raiva sobre a maneira como as


coisas tinham se definido. Ivan foi escolhido para ser o governante benevolente e Maksim, o vilão malvado. "E o se o Sokolov se recusa a cooperar?" Maksim queria saber. "Ele é um velho teimoso. Ele poderia facilmente decidir enrolar a gente e manter seu dinheiro, suas informações e suas filhas. " "Então eu acho que nós devemos atravessar essa ponte quando alguém nos empurre para fora dela", disse Ivan com mais otimismo do que sentia. A vida pode ser tão incrivelmente confusa às vezes.


Capítulo Três Katrina entrou no quarto que dividia com Nika e fechou a porta atrás dela. Nada tinha mudado muito desde que eram meninas. As paredes ainda estavam pintadas de lavanda pálido e suas cortinas com babados pareciam que tinham sido roubadas de sua avó. Katrina nunca se preocupava com a decoração adolescente ou as duas camas individuais com a sua cama de modelo floral. Ele estava em casa e estava feliz por estar de volta. "Então," Katrina começou lentamente. "Eu quero que você me conte tudo sobre Ivan e Maksim Petrov e não deixe nada de fora." Nika estava deitada em sua cama com um livro aberto, embora estivesse gastando mais tempo com mensagens de texto para seus amigos do que com a leitura. Ela olhou para Katrina e fez uma careta. "Papai vai me matar se eu te contar o que está acontecendo." "O que significa que ele não quer me envolver porque ele não me considera uma parte desta família mais." Katrina disse as palavras sabendo que eles não eram exatamente verdade, mas com a intenção de fazer sua irmã se sentir mal sobre deixá-la de fora. Pela expressão no belo rosto de Nika, Katrina tinha definitivamente acertado. Nika ficou de joelhos e esticou sua camisola para baixo sobre as coxas. Obviamente ela nutria algum tipo de emoção sobre este drama. Fosse o que fosse. "Por que você me olha como se estivesse prestes a me dizer que fomos secretamente escolhidas para aparecer em um reality show?", Perguntou Katrina, em tom de brincadeira. "É quase isso!" Os olhos azuis de Nika brilharam com excitação. "Ivan e Maksim Petrov são membros da família do crime de Petrov." Nika parecia estar à espera de Katrina para prosseguir. "Você sabe, eles são da máfia!" Katrina lutou para não rir. "Espere um segundo aqui. Você está tentando me dizer que a máfia mudou-se para Hollywood, Flórida? Assim como Tony Soprano na porcaria do seriado de


TV? " "Não apenas a máfia", Nika assegurou. "É a máfia russa." Katrina ponderou por um momento com a parte acadêmica do seu cérebro. Eles estavam realmente perto do mar e com fácil acesso à navegação. Havia realmente um grande número de imigrantes russo-nascidos na área. Ela supôs que era inteiramente possível que um elemento do crime tivesse se mudado para a área, mas parecia tão surrealista. "Você vai me dizer que você não precisa acredita no que estou dizendo?" Nika estava fazendo beicinho. "Você deve ver a maneira como eles vivem! Eles têm casas em todos os lugares, carros escondidos em todo lugar, e eles extorquem dinheiro de todos os proprietários de negócios na área. " "Ok, então, hipoteticamente, se isso é verdade, suponho que haja mais de uma família. Certo? "Katrina especulou. "Sim, exatamente!" Nika gritou. "As famílias Ivanovich e Tretiak também estão aqui." "Ok." Katrina já estava entrando em modo de resolução de problemas. "Então me diga exatamente como papai está envolvido com essas pessoas." Nika deu de ombros. "Alguns anos atrás, nós estávamos tendo um monte de problemas com arrombamentos e roubos. O bairro estava em decadência. Havia” - ela usou citações de ar para imitar o seu pai - "arruaceiros correndo em todas as horas. Tínhamos janelas quebradas, flores pisoteadas, e alguém ainda invadiu a casa no andar de cima uma vez. " "Nada foi roubado?" Katrina perguntou abruptamente. Nika balançou a cabeça, os lábios apertados. "Eles pegaram as joias da mamãe." "E essa foi a gota d'água para papai," Katrina adivinhou. "Sim. Um homem da família Petrov veio algumas semanas mais tarde e ofereceu proteção. "Nika deu de ombros. "Papa aceitou e foi aí que tudo começou." "Então, o primeiro pagamento firmou algum tipo de contrato?" Katrina lutou para envolver sua mente em torno de algo tão vago. "Existe papelada ou algo assim?"


Nika revirou os olhos. "É a máfia, Katrina, e não um serviço de segurança. Não, não é um contrato de trabalho! É mais uma coisa verbal. Papai concordou em pagar uma taxa trimestral ". "Então o que aconteceu? Os negócios não foram bem e ele não pôde pagar? "Katrina começou a se perguntar se a loja de flores de seu pai estava afundando. "Na verdade, os negócios vão bem." O olhar de Nika deslizou para longe de Katrina, provando que ela ainda estava escondendo algo. "Nika, conte-me tudo," Katrina exigiu. "Eu não quero ferir seus sentimentos." Nika mordeu o lábio inferior. Uma horrível suspeita começou a crescer na mente de Katrina. "Papai usou todo o dinheiro para pagar a minha taxa da matrícula escolar, não foi? É por isso que ele não conseguiu fazer os pagamentos aos Petrov? " "Sim." Nika assentiu humildemente. "Estava tudo bem enquanto você estava na Saint Asonia. Mas sua mensalidade da faculdade era muito cara. " "Eu poderia ter conseguido um empréstimo!" Katrina explodiu. "Por que ele não me disse nada?" "Ele não queria que você ficasse sobrecarregada." Nika balançava para frente e para trás sobre a cama. "Ele tinha medo de você parar de ir à escola se soubesse o quanto era difícil para nós pagarmos por isso." Katrina estava chocado com a ideia de que ela tinha acidentalmente colocado seu pai e sua irmã nesta situação. Que tipo de filha se vê tão envolvida em seus estudos que esquece completamente das pessoas mais importantes de sua vida? Seu pai tinha colocado a sua própria vida e os negócios em perigo para que ela pudesse seguir o seu sonho de aprender coisas novas sem a responsabilidade financeira. "Katrina?" Nika disse, hesitante. "Eu realmente sinto muito. Eu não deveria te dizer isso. Nós nunca nos incomodamos com isso. Eu queria que você estivesse estudando. Você era mais feliz lá e você tem realmente uma chance de ser alguém. Isso é importante."


Katrina não tinha resposta. Como poderia? A única coisa que podia pensar era no que ela precisava fazer para corrigir as coisas com sua família antes que fosse tarde demais. *** Katrina passou os próximos vários dias em uma névoa. Ela não conseguia estudar. Ela não conseguia nem ler. Sua mente continuava girando ao redor de seus pensamentos sobre Maksim ameaçando seu pai porque ela tinha sido gananciosa o suficiente para drenar os cofres da família. Ela nem sequer tinha um emprego fora da floricultura. Seu pai tinha sido inflexível sobre ela e Nika trabalharem na loja em tempo integral ou nada feito. Ele gostava de mantê-las por perto. "Ei!" Nika estalou. "Eu estou tentando chamar a sua atenção há uns cinco minutos. O que há de errado com você ultimamente? " Nika, obviamente, parecia tranquila sobre o que tinha acabado de compartilhar com Katrina. Isso deixou Katrina preocupada e Nika vivendo a vida como de costume. "O que você precisa?", Perguntou Katrina. Ela estava sentada na frente de seu laptop mas sem realmente se concentrar na tela. "Eu quero um café", disse Nika com uma torção petulante em seus lábios. "E um muffin. Um daqueles com crocante por cima ". "Sério?" Katrina gemeu e se levantou de seu assento. "São quatro horas da tarde." "Então?" Nika olhou Katrina de canto olho. "O café não é uma bebida específica de algum horário. Ele pode ser apreciado em todas as horas do dia e da noite. " "Bom..." Katrina se arrastou para fora da loja e desceu a rua em direção Mamacita’s. Foi chocante a diferença que apenas alguns dias podiam fazer. Menos de setenta e duas horas atrás, ela estava cheia de alegria e otimismo por estar em casa e se preparando para seguir seu novo caminho de estudo. Agora ela se sentia como se o peso do mundo inteiro tivesse caído sobre os ombros. Ela abriu a porta do Mamacita’s e se dirigiu ao balcão. Pelo canto do olho, ela viu Ivan


Petrov sentado na mesma mesa onde ela o encontrou pela primeira vez no outro dia. O que ele estava fazendo? Por que um dos reis da máfia se sentaria em um café durante toda a tarde? Uma combinação de raiva e curiosidade fez Katrina esquecer suas maneiras, seu bom senso, e as ordens de seu pai para nunca falar com este homem. Em vez de se afastar, ela caminhou até a mesa com um olhar arrogante. "E o que o traz a um café?" Katrina perguntou firme. "Planejando seu próximo movimento ilegal?" Ivan ergueu as sobrancelhas. "Perdão?" "Bem, eu apenas pensei o chefão da máfia deve ter muitos planejamentos ilegais a fazer, mas eu nunca imaginei que ele iria fazê-los sentado em um lugar como o Mamacita’s, à vista de todo o mundo." Katrina olhou para Ivan. "É isso que você realmente acha que eu estou fazendo?" Ele apontou para o jogo de palavras cruzadas sobre a mesa diante dele. "Talvez isso seja um código, certo? Secretamente, eu estou planejando uma aquisição hostil da costa oriental da Flórida ". "Você está mesmo?" Katrina piscou surpresa. Será que ele realmente admitiria uma coisa dessas? "Não." Ele riu. "Eu não tenho nenhuma pressa para assumir uma responsabilidade deste tamanho. Obrigado." "Mas você quer loja do meu pai", Katrina replicou. Os músculos de sua mandíbula saltaram, e ela se perguntou se ele estava se mordendo por dentro. "Não é tão simples assim." "Então, quão simples é isso?" Ele exalou um suspiro tempestuoso. "Seu pai nos deve uma grande quantidade de dinheiro. Na verdade, ele não paga o que deve há mais de quatro anos. "Ivan parecia afundar em seu pensamento. "Antes disso, ele era sempre bastante amigável sobre nossos negócios." "Que negócio? Você está roubando dinheiro para um serviço de merda. "Katrina tinha suas


dúvidas sobre essa coisa toda de proteção. "Sério?" Ele inclinou a cabeça para um lado. "E você sabe que isso é verdade porque..." "Porque não faz sentido. É por isso. A polícia mantem as ruas seguras e se livre dos elementos criminosos. "A mente lógica de Katrina estava convencida de que isso era verdade. "E se a polícia estiver dentro dele?" Ivan questionou. "E se os policiais nesta área forem um pouco sujos e arranjam dinheiro vendendo drogas na porta de trás da estação? E se esses viciados em drogas, em seguida, se transformam em um incômodo, vadiando pela cidade cometendo pequenos delitos, como quebrar janelas e destruir propriedades? " Ok, então ela realmente não tinha pensado sobre os serviços de proteção nesses termos. "Então, você e seus", ela procurou a palavra correta "manos saem por aí como super-heróis no combate à criminalidade e mantendo as ruas seguras?" "Uau." Ivan riu. "É muito menos dramático do que você pintou. E eu não me lembro da última vez que chamei meus homens de manos . Mas eu acho que você tem a ideia geral. Sim." Ele estava olhando para ela como se ela fosse uma experiência particularmente interessante. Claro, Katrina estava se comportando como uma completa lunática. Ela estava tão chateada com a forma como as coisas tinham se encaminhado. Principalmente porque ela tinha sido a causa do atraso dos pagamentos de seu pai a este senhor do crime organizado. Claro, Ivan Petrov parecia qualquer coisa menos um tipo de senhor do crime, organizado ou não. Ele usava calça cinza sob medida e uma camisa azul pálido com botões. As mangas da camisa estavam enroladas até os cotovelos, e ele tinha um cheiro divino. Na verdade, Katrina queria aproximar-se apenas para sentir o cheiro contundente de sua colônia. A combinação do sexo masculino com especiarias lhe deu água na boca e fez tudo abaixo do umbigo acordar e tomar nota. Quanto tempo havia passado desde que ela tinha tido relações sexuais pela última vez? Era algo que ela raramente pensava. "O que você está pensando?" Ivan perguntou de repente. Katrina empalideceu. "Nada, por que?"


"Não se parecia com nada. Sua expressão era bastante ... cativante. " "Cativante?", Ela bufou. "Quem usa essa palavra?" "Eu uso." Ele apontou para as palavras cruzadas. "Vinte e uma resolvidas.” Katrina não conseguiu conter o riso que irrompeu nesta virada bizarra de conversa. Como o homem que supostamente destruiu o sustento de sua família podia ser tão incrivelmente simpático?


Capítulo Quatro Quatro dias depois, Katrina estava começando a se sentir realmente culpada sobre suas visitas agora diárias ao Mamacita’s. Ela nem precisava procurar Ivan. Ele sempre estava por lá. Normalmente, fazendo um jogo de palavras cruzadas ou cuidadosamente fazendo jogos de Sudoku. Katrina só parou para dizer dar oi a fim para parecer educada. Ou ao menos essa era a mentira que ela estava a si mesma. "Você anda muito distraída ultimamente," seu pai murmurou. Ele estava envolvido em um enorme arranjo de lírios que ocupava a maior parte do espaço na sua mesa de trabalho. Katrina tentou se focar na tela do seu computador. "Quem? Eu?" "Estou começando a pensar que você se apaixonou por um homem jovem." Seu pai olhou para cima, levantando sua sobrancelha branca espessa em questão. "Não seja bobo." Ela não tinha certeza se ela deveria se sentir lisonjeada ou horrorizada que seu pai não só tinha notado a situação, como também poderia facilmente adivinhar o que estava acontecendo em sua vida. "Eu não tenho tempo para os homens." Seu pai pareceu ponderar. "Às vezes na vida temos que encontrar tempo para essas coisas." Katrina tinha aberto a boca para responder quando o sino da porta soou. Seu estômago deu um nó quando ela reconheceu Maksim Petrov. O que ele estava fazendo aqui? Certamente não tinha nada a ver com o fato de que ela andava próxima a Ivan, não é? "Denis", Maksim disse com polidez grave. "Você tem o dinheiro que nos deve hoje?" "Não, não tenho." Seu pai nem sequer tirou os olhos do seu arranjo. Maksim suspirou e deu vários passos mais perto de seu pai. "Você sabe que você deve esse dinheiro, Denis." "Talvez." "Nós tínhamos um acordo."


"Mas era impossível para mim manter minha parte do acordo," seu pai disse suavemente, ainda focado em seu trabalho. "Portanto, você deveria ter parado seus serviços no momento em que parei de pagar por eles. Então, não teríamos esse dilema ". A expressão de Maksim foi inestimável. Ele parecia absolutamente pasmo. "Isso não funciona assim, Denis. Você sabe disso." "Talvez." O coração de Katrina estava batendo tão forte contra as costelas que ela pensou que poderia desmaiar. Maksim levou deu dois passos em direção à mesa de trabalho de seu pai e pegou o vaso. Ele o levantou com sua mão grande e, em seguida, atirou-o na parede. O vidro se quebrou em um milhão de pedaços, os lírios e outras plantas caíram no chão como se estivessem mortos. Katrina cobriu a boca com as mãos para conter seu grito. "Preste atenção em mim, seu velho bobo." Maksim franziu os lábios e pegou um outro arranjo, um presente cheio de flores caras. "Você vai pagar o que deve, ou vamos mostrar-lhe exatamente o que acontece quando você não tem a nossa proteção." "Por favor", o pai sussurrou. "Não faça isso." Maksim recuou e lançou o segundo vaso na parede. O barulho foi tanto que trouxe Nika veio correndo da parte da trás da loja. Ela era tinha os olhos arregalados e suspirava. Katrina tentou conter sua irmã, mas não conseguiu agarrá-la antes de Nika se lançar sobre Maksim. "Seu malvado filho da puta!" Nika gritou. "Por que você tem que fazer isso? Não é justo! Não é! Nós teríamos pago tudo. Nós não podemos! Você não tem coração? "Nika bateu no peito de Maksim com suas pequenas mãos. O grande homem segurou as mãos de sua irmã para cima e prendeu-as em uma de suas mãos. Então ele enrolou sua mão em seus longos cachos loiros e puxou sua cabeça para trás. "Não faça isso. Não encoste em mim ", ele rosnou. Katrina não aguentou mais. Ela saiu correndo da loja. Ela só conseguia pensar em uma pessoa que pode ser capaz de ajudar a sua família se ele tivesse tempo. Correndo pela calçada


em direção ao Mamacita’s, ela nem sequer se preocupou em notar que não estava usando sapatos. Ela bateu na porta com as mãos para abri-la e quase caiu dentro do café meio deserto. Um soluço ameaçou pular para fora de sua garganta e ela lutou para não gritar de terror e frustração. Se Maksim tivesse ferido Nika, Katrina nunca se perdoaria. "Ivan!", Ela engasgou. Ele estava sentado em seu lugar habitual à mesa, com as palavras cruzadas diante dele. "Você tem que vir comigo. Por favor!" "Katrina?" Ele se levantou estendendo a mão para agarrá-la e levou-a para uma cadeira. "Sente-se por um momento. O que está acontecendo?" "Eu não posso me sentar! Você está louco? ", Ela engasgou. "O estúpido do seu irmão está aterrorizando a minha família e você tem que parar com isso!" A expressão de Ivan se fechou. Katrina nunca teria acreditado que ele pudesse ter um olhar tão frio. Este não era o homem com quem ela riu e brincou nesta última semana. Aparentemente, este era o senhor do crime com quem ela tinha feito piada. Ele realmente existia. "Ivan, por favor?", Ela implorou. "Maksim estava jogando coisas na loja do meu pai e Nika ficou brava. Ela o atacou. Ele vai matá-la. Você tem que nos ajudar. " "Ela atacou Maksim?" Ivan passou a mão pelo rosto. "Uma das coisas mais loucas a se fazer." Ele deu um suspiro gigante. "Eu não deveria me envolver, Katrina." "Então quão bom é você?", Ela se enfureceu. Saltando para cima de sua cadeira, ela cerrou os punhos. "Então eu vou ter que fazer isso sozinha. Talvez se eu bater na cabeça dele com um desses vasos de vidro, ele vai aprender a ser mais gentil. " "Katrina", Ivan avisou. "Essa não é a resposta." "Nem essa!" Ela retrucou. "Por favor. Você poderia pará-lo. " Katrina viu o então o momento em que ele decidiu ajudá-la. Seus ombros se endireitaram e ele se levantou da mesa. Algo duro transformou os belos olhos castanhos de Ivan e ela sentiu um tipo estranho de admiração pelo homem que ela sabia que ele poderia ser. ***


A floricultura de Sokolov parecia uma zona de guerra no momento em que Ivan e Katrina chegaram à cena. Ivan não podia acreditar em todos os destroços. Ele havia pedido a Maksim para obter informações sobre as razões pelas quais Denis Sokolov não poderia fazer seus pagamentos. Não destruir a loja do homem. Claro, a maioria dos danos havia sido obra da filha mais nova de Denis. Nika estava rodando em torno da loja como uma espécie de fada louca com uma saia rosa espumosa, blusinha, e seus cachos loiros ao ar. Ela também estava jogando qualquer coisa que ela encontrava em seu caminho para atingir Maksim. "Nika, pare!" Katrina gritou. "Você tem que parar!" "O inferno que eu vou parar! Este idiota tem vindo aqui exigindo dinheiro durante anos, Katrina. Anos! Agora eu vou lhe mostrar o que vai acontecer se ele voltar aqui outra vez. " "Tem que haver uma outra maneira, Ivan," Katrina implorou. "Por favor?" Ivan sempre se manteve separado das incursões de Maksim em lugares de negócio de seus clientes. Ivan nunca tinha sido uma parte do processo de cobrança, nem mesmo quando seu pai ainda executava as coisas. Esse sempre foi o trabalho de Maksim. Ivan era um delegante e um negociador. Ele sabia que o melhor lugar para conseguir itens roubados e como transformar um carregamento de veículos roubados em lucro. Ele poderia ter ligações diplomáticas com outras organizações criminosas e tratados de território envolventes e precisos. Ivan não sujava as mãos com as coisas do dia-a-dia. E agora ele sabia o porquê. Foi horrível. Denis Sokolov estava chorando. Lágrimas gordas rolavam pelo seu rosto enquanto ele se encolhia em um canto de sua bancada. Ele parecia completamente derrotado. Ivan olhou para a direita e viu o rosto pálido de Katrina. Ele não teria ficado surpreso ao saber que seu coração estava partido. Ela merecia muito mais. Por que seu pai não poderia fazer os estúpidos pagamentos? Ele concordou no início e as coisas iam bem. O que tinha acontecido para que tudo mudasse completamente?


"Maksim, recue." Ivan apontou para a porta. "Saia. Vou encontrá-lo em casa. " "Mas, Ivan," Maksim começou a discutir. Ivan deu a seu irmão um olhar duro que ele raramente usava. "Agora." Maksim baixou a cabeça e saiu da loja, olhando grato pelo indulto. Ivan não poderia culpálo. A expressão beligerante no rosto da mais nova das irmãs Sokolov era desanimador. "Katrina, você pode por favor, pedir a sua irmã que espere na outra sala?" Ivan perguntou suavemente. Ela assentiu com a cabeça. "Nika. Vá. Você já montou uma confusão mais do que suficiente. Maksim pode ter começado isso, mas você terminou. " "Mas ...", ela começou a protestar. "Agora", Katrina bravejou. Então, ela virou-se para seu pai. "Papai, você está bem?" "Minha filha querida, o que você está fazendo com esse demônio?", Ele chiou. "Papai, Ivan não é um demônio." Ivan detestava a ideia de que alguém de seu território poderia pensar isso dele. Ele não era seu pai. Então, ele fez algo que seu pai nunca teria feito. "Denis, o que aconteceu? Você parecia satisfeito com o acordo no início. Até me lembro quando você e meu pai apertaram as mãos. O que mudou? " Denis se recusou a encontrar o olhar de Ivan, mas Katrina parecia positivamente estranha. Ivan começou a perceber exatamente onde tudo isso começou. Ele se lembrou de uma jovem ansiosa falando sobre ir para ora estudar e percebeu que seu amoroso pai tinha provavelmente pagado por isso tudo. "Foi minha culpa", Katrina disse suavemente. "Foi tudo culpa minha." "Não!" Denis disse com veemência. "Você foi uma brilhante estudante, cheia de possiblidades. Por que eu não a mandaria para as melhores escolas? " "eu poderia ter conseguido um empréstimo, Papai. Eu poderia ter pago à minha própria maneira. Eu teria feito isso se tivesse percebido que você estava se afundando em dívidas apenas


para que eu pudesse continuar estudando ". Ivan se sentiu mal. Que homem deveria ser forçado a escolher entre pagar pelo ensino de seu filho ou pagar pelo serviço de proteção da máfia local? Ele se sentia a pessoa mais baixa do mundo. Uma proposta ridícula começou a se formar na mente de Ivan. Era praticamente medieval por natureza e altamente ilegal, mas tudo que ele havia feito até então tinha sido assim. "Ivan, por favor", Katrina disse seriamente. "Não há alguma maneira de resolvermos isso?" "Sim. "Ivan respirou fundo. Ou ela veria como uma solução ou ela jogaria o resto dos vasos nele. "Se você prometer vir morar comigo por um período não inferior a doze meses, eu perdoarei a dívida inteira do seu pai." Sua boca se abriu. "Sério?" "Sim. Estou falando sério. " "Eu não sou uma prostituta." Seu tom era plano. Droga. Ele não queria dizer isso de maneira nenhuma. "Eu estou ciente disso." "Então, qual é o propósito de querer que eu viva com você?" Seu ceticismo foi quase adorável. "Gosto de passar tempo com você." Ele deu de ombros. Não havia nenhuma maneira de explicar isso sem soar como um completo idiota. "Você é espirituosa e inteligente. Você pode ter uma conversa inteligente sobre algo diferente de trabalho. Você é uma grande ajuda com as palavras cruzadas e eu poderia usar outro cérebro como ajuda. " "Ajudá-lo?" Ela não parecia convencida. Como dizer a ela sem dizer a ela? "Eu estou tentando fazer algumas mudanças dentro de minha organização." Ele sentiu um sorriso brincando nos cantos de sua boca. "Vamos chamá-los de mudanças na política da empresa?" A luz da compreensão amanheceu em seus belos olhos. "E você quer minha ajuda?" "Sim."


"Você sabe que você provavelmente não vai gostar do que eu tenho a dizer a maior parte do tempo, certo?" Ela torceu o nariz para ele. Ivan estendeu a mão e acariciou sua bochecha com as pontas dos dedos. "Estou contando com isso." Ela mordeu o lábio. "OK. Eu concordo. Mas eu quero que este acordo por escrito antes do final da semana ou nada feito". Ivan sorriu. Isso ia ser muito divertido, mas o deixaria tonto. Ele só podia esperar que as coisas funcionassem como ele queria.


Capítulo Cinco Katrina agarrou a bolsa que tinha pendurada no ombro e tentou não ficar de boca aberta com a cobertura de luxo com vista para o mar. Ivan estava ocupado conversando com Maksim. Ela não queria saber o que eles estavam dizendo. Sem dúvida, eles estavam falando da loja de seu pai. Ela esperava que Ivan estivesse dizendo para Maksim para ficar bem longe da família de Katrina. Tudo o que ela tinha a fazer era ficar aqui com Ivan por um ano. Um ano envolta em luxo? Certamente eu posso lidar com isso. Ela flutuou pela sala de estar. O estilo parecia ser o de um solteiro minimalista . Os sofás eram de couro branco, e os tons pareciam ter sido escolhidos para coincidir com a vista da areia branca e água azul-esverdeada. Diversas fotografias de praia com tema preto e branco penduravam das paredes. Katrina fez uma pausa para dar uma olhada mais de perto as obras de arte. Não demorou muito tempo para perceber que as peças caras, provavelmente, custavam mais do que a floricultura de seu pai fazia em um mês. O pensamento a enojou. Quem precisava de tanto dinheiro assim? E se Ivan era tão rico, por que ele se importava com o quanto seu pai lhe devia? O que importava? Mesmo quando ela fez a pergunta, Katrina já sabia a resposta. Ivan estava em um negócio onde o poder é o rei supremo. Ele não podia se dar ao luxo de mostrar fraqueza ou misericórdia. Mesmo perdoar uma dívida seria o equivalente a declarar-se incapaz de recolher seu dinheiro. Então ninguém mais o pagaria e todo o sistema iria desmoronar. Não que Katrina pensasse que isso era necessariamente uma coisa ruim. Era difícil dizer. Ele nunca tinha outra coisa que além de bondoso e indulgente com ela, mas ela sabia que outros pensavam que ele era um tirano. "O que você está pensando?" Ivan perguntou de repente. "Ou você está simplesmente


apreciando a vista?" "É uma visão muito espetacular", admitiu ela suavemente. "Acho que eu estava apenas esperando para ver o que você pretendia fazer comigo." Assim que as palavras saíram, Katrina ficou vermelha cor de fogo. Ela não tinha conhecimento do possível duplo sentido do que tinha acabado de dizer. E se a chama de calor nos olhos de Ivan era um indicador, ele entendia muito claramente. "Aqui." Sua voz sexy de barítono aliviou o momento embaraçoso. "Vou lhe mostrar o seu quarto. Lá é um bom lugar para começar. " Katrina estava tão aliviada por saber que teria seu próprio quarto que não tinha nada a acrescentar. Uma pequena parte dela tinha medo de que tivesse que dividir a cama com Ivan. E uma parte ainda mais traiçoeira dela tinha se animado um pouco com essa possibilidade. Ivan abriu caminho passando a sala de bilhar, a cozinha e um antro dominado por uma mesa repleta de papéis. Finalmente, chegou ao fim de um longo corredor. O último conjunto de portas duplas estava fechada. Katrina pensou que deveria ser o seu quarto. Ela estava perturbadoramente ansiosa para dar uma olhada e ver que tipo de coisas Ivan mantinha em seu espaço pessoal. Em vez disso, ele virou à direita e levou-a para um quarto menor. Pelo menos Katrina percebeu que era menor do que a suíte máster. O cômodo era pelo menos duas vezes o tamanho do quarto que compartilhava com sua irmã em seu apartamento em cima da loja. A cama era uma peça maciça em azul e branco. O edredom parecia que preenchido com marshmallows e toda a cama estava coberta de travesseiros. Katrina teve de reprimir o impulso de saltar no meio de tudo e ver quanto afundaria. "Eu espero que isso seja bom." Ivan, na verdade, parecia preocupado. "Se você não gosta das cores, nós provavelmente podemos redecorar." Katrina levantou uma sobrancelha. "De verdade? Parece um hotel de cinco estrelas. " "Você tem um banho privativo aqui." Ivan deu cinco passos em direção à porta adjacente.


Katrina deu uma olhada e quase gemeu em voz alta. A banheira de canto era enorme. Era tudo o que podia fazer para não empurrar Ivan porta afora para que ela pudesse tomar um banho de espuma na banheira. "Eu estou começando a me sentir um pouco nervosa", ela disse em segredo. "Por que isso?" "Isso tudo é bom. Muito bom. " Ela apontou para o quarto. "Mas o que eu lhe devo para compensar este tipo de luxo? Se você acha que eu estou nisso só para pular na cama com você, você escolheu a garota errada. " "Não é nada disso, Katrina. Eu prometo." Tudo nele parecia sincero, mas que tipo de sentido tinha isso? O cara concordou em perdoar uma dívida monetária em troca de seu tempo gasto com ele em seu apartamento à beiramar? Fazendo o que? Lendo um livro? Quais eram as regras? A cabeça de Katrina girava com as possibilidades. Pior, ela tinha seu próprio corpo traidor com que se preocupar. Ela gostava de Ivan. Isso era óbvio desde o início. Agora eles iriam estar próximos. "Eu não tenho nenhuma expectativa", disse ele calmamente. "Eu acredito que você esteja fazendo cursos online. Eu acho que isso vai mantê-la ocupado. Eu gostaria que você apenas pudesse jantar comigo todas as noites. Eu gosto muito de sua companhia e de seu ponto de vista sobre as coisas que possam acontecer ao longo do dia ". Oh Deus, um homem que lhe disse que ela poderia fazer suas próprias coisas mas que gostaria de jantar com ela para que ela pudesse compartilhar seu ponto de vista. Ele soou como um conto de fadas. IVAN PODIA VER o ceticismo no rosto de Katrina e não poderia culpá-la. Ele praticamente havia comprado Katrina de seu pai. Isso não era exatamente uma maneira saudável de começar um relacionamento. E Ivan estava certo sobre o que queria de Katrina. Eventualmente. Por enquanto, ele tentava controlar a sua resposta física por tê-la dentro de sua casa. Ivan deu um sorriso muito casual e, em seguida, deliberadamente, virou-se para sair do quarto.


"Aonde você vai?", Ela perguntou, olhando desconfiada. Ele encolheu os ombros. "Eu pensei em deixar você se instalar. Além disso, tenho muito trabalho a fazer." "Oh." Sua expressão era impagável. Ivan lutou contra a vontade de beijá-la e saiu do quarto em vez disso. Seu pênis estava pulsando por trás do zíper de sua calça. Basta estar perto de Katrina para que ele se endurecesse. Tê-la em sua casa o manteria em um constante estado de excitação. Não que ele se importasse. Qualquer quantidade de desconforto valeu a pena para ter a chance de ver onde essa relação louca poderia ir. Onde ele estava indo? Ivan acidentalmente ignorado seu quarto e acabou na cozinha. Ele abriu a geladeira e olhou inutilmente para as profundezas do gigantesco aparelho. Pegou um refrigerante, fechou a porta e se virou. "Você é um idiota completo", disse Maksim com má vontade. "Você sabe disso, certo?" "Talvez." Ivan refletia sobre a avaliação de seu irmão. "A menos que isso funcione. Então, eu seria um gênio. Você vê a inconsistência? " "Funcionar?" Maksim franziu a testa. "Do que você está falando?" "Eu só quero dizer que se eu e Katrina nos tornarmos um casal." Ivan fez um gesto com a mão. "Você sabe. Se funcionar… " "Isso tudo é um plano para tirar a saída de uma menina!" Maksim estalou. "Você tem alguma ideia do tamanho dessa confusão? Você perdoou uma dívida terrível para isso! Você acabou de comprar uma prostituta de quarenta mil dólares, Ivan. Eu não ligo para o rótulo que você coloca nela. Está tudo errado. " OK. Quando Maksim colocou a coisa desse jeito, fez tudo soar mal embora essa não tivesse sido a intenção de Ivan. Ele sentiu-se cada vez mais teimoso. Se seu irmão queria ser um ignorante total sobre isso, então Ivan simplesmente não iria discutir com ele. "Você tem o relatório que eu pedi?", Perguntou Ivan, mudando completamente de assunto.


Maksim suspirou e seguiu Ivan até seu quarto. "Sim. Mas você não vai gostar. " "Por quê?" "Temos um vazamento." Ivan afundou em sua cadeira. "Do que você está falando?" "Eu estou dizendo que nós temos policiais rodando um dos nossos armazéns no porto”. O tom de Maksim era sombrio. "Qualquer coisa poderia ter chamado a atenção deles." Ivan não queria começar acusar ninguém até que tivesse provas absolutamente indiscutíveis que alguém houvesse dedurado a história para a polícia. "Ivan, ninguém tem qualquer razão para acreditar que o armazém é alguma coisa além disso. A entrega está lá há meses. Alguém deve ter dito alguma coisa". O tom de Maksim foi paciente. Ivan olhou para o irmão. Maksim era o único que tinha crescido desconfiado de todos. Ivan sempre foi o eterno otimista. Por isso, ele não conseguia fazer sua mente acreditar que uma de suas pessoas, ou alguém do seu território, havia telefonado para a polícia dando uma dica sobre seus negócios. "Deixe os relatórios e saia" Ivan disse calmamente. Maksim suspirou. "Só porque você não quer acreditar, não quer dizer que seja é verdade." "Eu estou ciente de como a negação funciona, Maksim. Obrigado. "Ivan curvou os lábios em direção ao seu irmão mais novo, e ficou contente quando Maksim entendeu o recado e saiu do quarto. Em algum lugar dentro da cobertura, a água estava ligada. Um calafrio deslizou pela espinha de Ivan quando ele percebeu que o som estava vindo do quarto de Katrina. Ela estava tomando banho? Ela queria desesperadamente tomar um longo banho de banheira e isso tinha ficado claro pela expressão em seu rosto. Ivan se recostou na cadeira e tentou concentrar-se nos relatórios. Ele não conseguia sequer


lembrar o que era aquilo. A única coisa em sua cabeça era a imagem de Katrina cuidadosamente prendendo seu longo cabelo loiro em cima de sua cabeça e escorregar sob a água quente na banheira. Ele pensou em como ela ficaria reclinada contra a volta da banheira com os dedos dos pés apontando para fora acima das bolhas. Ele desejava ver a expressão de felicidade em seu rosto. Talvez ele pudesse pegar uma esponja e muito gentilmente traçar um caminho ao longo do gracioso arco de seu pescoço até seus seios. Os olhos de Ivan se fecharam ao imaginar como seriam os seios de Katrina. Suas auréolas eram rosa pálido ou escuro? Será que eles se enrugariam quando alguém lhes prestasse atenção? Será que Katrina gemeria quando fosse tocada por ele? Ivan queria tanto saber as respostas. Ele queria traçar um caminho descendo por seu tórax mas antes circulando cada mama. Ele provocaria seus mamilos com pequenas mordidas antes de mergulhar mais baixo e acariciar sua barriga. Ele gemeu um pouco, sentindo uma onda de excitação que o deixou com raiva diante dessa necessidade. Ele deu umas palmadas em seu pênis por cima da calça. O que estava errado com ele? Era totalmente inapropriado sentar-se aqui no seu quarto no meio do dia e fantasiar sobre Katrina de uma maneira tão desesperadora que o deixasse a ponto de por tudo para fora. Ele não poderia se comportar assim. Ele não podia se dar ao luxo de perder completamente o controle. Além disso, era muito improvável que pudesse haver uma relação física entre ele e Katrina. Ele precisava aceitar isso. Caso contrário, ele corria o risco de pressioná-la, torturando-se desnecessariamente. Ivan limpou a garganta e tomou um longo gole de seu refrigerante. O gás acordou-o um pouco e o trouxe de volta à terra. Este não era um bom momento para perder a cabeça. Embora ele estava certo de que o destino já tinha decidido jogar rápido e solto com o seu coração.


Capítulo Seis Katrina colocou sua calça de pijama favorita e uma camiseta velha. Com seu cabelo puxado para trás em um rabo de cavalo bagunçado, cada polegada de seu corpo se parecia ao de uma estudante universitária. Agarrando seu laptop, ela se dirigiu até a sala para trabalhar em seus cursos online. Não importa onde ela estava vivendo, não era a hora de se esquecer dos seus estudos. Eventualmente, ela queria se formar e conseguir um emprego de verdade para que ela pudesse ser independente. Ela parou quando viu Ivan esparramado no sofá. A TV zumbia baixo ao fundo. Ela não reconheceu o show na TV, mas ela raramente assistia programas, somente alguns documentários para a escola. "Entre e sente-se," Ivan pediu. "Eu não vou morder. Eu juro." Katrina se dirigiu rigidamente para o outro sofá. "Claro que eu sei que você não morde." "Eu estava apenas retificando a minha promessa de me comportar." Ela acomodou-se no couro branco. Surpreendentemente, foi muito mais confortável do que parecia. Ela abriu seu laptop e tirou o papel onde estava escrevendo. "No que você está trabalhando?" Ivan queria saber. "Um artigo sobre a atual política externa da Rússia e o crime organizado." "Sério?" Do canto do olho, ela podia ver sua expressão. Era óbvio que ele estava tentando decidir se ele acreditava nela ou não. Ela não se importava. Ela tinha começado a trabalhar nessa ideia depois quando Nika lhe contou a situação de seu pai. "E o que você já decidiu sobre esse tipo de política?", Ivan perguntou com um tom divertido. "Na verdade, eu acho que a Rússia é muito frouxa. Enquanto os criminosos pagarem uma tarifa, não haverá quase nenhuma consequência para eles. É como se o governo só quisesse uma


fatia do bolo, mas isso é tão errado. Eles devem reprimir a atividade criminosa para que isso não se torne um problema a longo prazo para outros países. " "E a política externa sobre o crime internacional organizado aqui nos Estados Unidos?" Ivan parecia sinceramente curioso. Katrina havia pensado nisso. Havia um fascínio da cultura americana em relação à máfia. Mas a maioria disso era de uma natureza tecnicamente doméstica. Mas como isso poderia ser chamado de doméstico realmente? Quase todo o crime organizado tinha suas raízes em famílias de imigrantes. Às vezes, esses hábitos de interação tratavam dos tempos feudais. "Eu ainda estou pesquisando", ela disse a ele, desconfortável. "Eu nunca percebi o quanto este tema atingia diretamente a minha casa." "Entendo." Ele estava balançando a cabeça como se estivesse realmente tentando entender. Ele não deveria estar zangado com ela agora? Katrina o cutucava intencionalmente. Ele só não mordeu a isca. Certamente, ninguém poderia ser tão descontraído. Especialmente um chefe da máfia. Ele deveria ser um tirano. não? Katrina engoliu seu medo e perguntou o que ela realmente queria saber. "As pessoas dizem que o seu pai era um homem terrível. Isso é verdade?" "Eu suponho que depende de sua definição de terrível", Ivan meditou. "Ele era um homem duro. E ele tinha pouquíssima paciência para o fracasso. Ele também passou sua vida evitando a fraqueza de qualquer tipo. Eu costumava pensar que ele só queria parecer forte, mas eu sinceramente acho que ele tinha medo de que ele realmente fosse fraco. Isso afetou sua escolha de ações ". "Então você está dizendo que as coisas que ele fez tinham a finalidade de projetar a qualidade da força." Katrina enrolou esse pensamento em torno de sua mente. "Mas você não parecem compartilhar da mesma mentalidade." "Não, eu não." Ivan suspirou. "Eu não quero que as pessoas no meu território tenham medo


de mim." "Mas você está fazendo coisas ilegais." Katrina não conseguia conciliar essas coisas. Elas pareciam muito contraditória. "Quero dizer, a sua empresa está violando a lei. Você está escondendo dinheiro da Receita Federal, sonegando impostos, roubando as coisas de uma pessoa para vender a terceiros por um lucro ". Ivan inclinou a cabeça para um lado. Ele não parecia irritado, muito pelo contrário. Ele parecia se divertir. "Você realmente sabe o que eu faço? Ou você está baseando suas opiniões em estereótipos da cultura pop e boatos? " OK. Katrina não tinha pensado nisso assim. Ela não tinha ideia do que o crime organizado implicava. Ela não sabia quais eram seus interesses comerciais ou se eles tinham carteiras de ações. Ivan poderia estar comandando brigas de galo clandestinas e ela não saberia. Por isso, talvez fazer um julgamento baseado nessas coisas seria descabido. Ivan fez uma careta. "Isso é o que eu pensava." Ela não esperava que ele fosse tão calmo sobre tudo. E ela certamente não esperava que ele fosse provocá-la. Foi tão ... No entanto, este era o mesmo homem que fazia palavras cruzadas e sudoku em um café todas as tardes porque ele não queria se associar com a atitude beligerante de sua empresa. Talvez ela não estivesse olhando para isto de todos os ângulos possíveis. "Você está com fome?", Ele perguntou de repente. "Sim?" Ugh! ela estava pedindo ou dizendo? Por que ele fazia com que ela parecesse uma idiota? Era como se seus hormônios assumissem o comando sempre que ele estivesse por perto e ela não fazia nada além de rir e flertar como uma adolescente. Ela continuou a tentar jogar duro, mas, em seguida, ele sorria e se perdia naqueles olhos cor de chocolate derretido. Ela tinha acabado de comparar seus olhos à comida. Ela estava realmente perdendo a noção de tudo. Ela limpou a garganta. "O que você tem planejado para o jantar?", encontrando uma maneira idiota de perguntar se ela deveria cozinhar como parte deste negócio.


"Estou

pensando

em

pizza."

Ele

balançou

a

cabeça

para

cima

e

para

baixo. "Sim. Definitivamente. Pepperoni com cogumelos. " "Esse é o meu tipo favorito de pizza." Katrina piscou surpresa. Nika sempre tinha chamado esse sabor de “desperdício de pizza” porque não havia coberturas suficientes. "Você já sabia disso?" "Do que?" Ele levantou uma sobrancelha, olhando adoravelmente interrogativo. "Eu não te dei uma folha de informações para que você preenchesse com os seus gostos, aversões e alergias alimentares. Isso é o que eu vou comer, então eu só estava perguntando se estava tudo bem com você ou se você quer algo mais. " Katrina engoliu a vontade de suspirar como uma adolescente apaixonado. Era Pizza ! "Isso seria bom." IVAN LANÇOU um olhar na direção de Katrina, enquanto tentava não ser demasiado óbvio. Ele amava como era fácil para estar com ela em um ambiente relaxado. Com suas adoráveis calças manchadas de pijama, uma camiseta desgastada e o cabelo puxado para trás ao acaso, ela era quase perfeita para seus olhos. Ele enviou uma solicitação rápido para um dos guardas estacionados lá embaixo para pegar uma pizza de sua pizzaria favorita na esquina. Ele estava morrendo de fome, mas ele também esperava que compartilhar uma refeição ajudasse a quebrar ainda mais o gelo entre eles. Vê-la questionar sobre a sua escolha de carreira e estilo de vida era uma distração bemvinda da realidade das coisas. E talvez ela o tivesse feito começar a pensar assim. Ela não parava de olhar para ele, tentando ser sub-reptícia sobre ele. Ele queria provocá-la um pouco mais. "Então, você nunca me perguntou o que eu realmente faço para viver." "Você poderia me dizer?", Ela perguntou, incrédula. Ivan deu de ombros. "Certo. Eu não tenho nada a esconder. " "Você está na máfia. Tenho certeza de que você precisa esconder suas atividades da polícia". Ela parecia cética.


"E eu tenho certeza que você continua a usar esse termo - ele fez um sinal de aspas com a mão - os federais porque você realmente não sabe quem está atrás de mim." "Há agências de inteligência atrás de você?" Ela parecia um tanto fascinada e horrorizada com essa possibilidade. "Claro." Ele pensou no armazém sobre o qual Maksim havia insistido naquela tarde. "Geralmente, são os moradores neste momento. Às vezes, a divisão de crime organizado do FBI se torna um incômodo também". "Então o que você faz exatamente?" Havia uma nota definitiva de curiosidade em sua voz. "Evasão fiscal na maior parte." Ivan bufou enquanto pensava em todos os problemas que ele teve para evitar os impostos. "Nós não pagamos impostos sobre nada. Fazemos o nosso rendimento através de empresas falsas, sem fins lucrativos, e empresas legítimas. Você escolhe. " "É por isso que você é procurado?" Sua boca se abriu. "E quanto a assassinar pessoas, decepar os dedos polegares e coisas assim?" "Um pouco sanguinário, não acha?" Ele riu. "Isso não é coisa minha. Nós temos uma porção de braços-fortes para os interesses comerciais, mas isso é quase sempre devido a problemas de cobrança”. Ele fez uma careta. Isso não é algo do qual me orgulho, mas as pessoas poderiam ser responsáveis pelos seus próprios vícios. "Fazemos operações de reserva, na maior parte na linha de apostas, corridas de cavalos, jogos esportivos e similares. Quando as pessoas perdem a cabeça, tentamos fazer acordos. Na maioria das vezes nós conseguimos. Às vezes as pessoas mordem mais do que podem mastigar. Às vezes, elas simplesmente não querem pagar. " "Eu suponho que eu conheço agências de cobrança legais que ferram com a vida das pessoas da mesma maneira", admitiu ela. "Então, por que as pessoas te pintam como o diabo?" "Eu especificamente?" Ele odiava pensar que era verdade. "Ou a máfia em geral." Ela estava sorrindo para ele agora, um grande, sorriso genuíno. "Eu estou falando do estereótipo." "Eu acho que é mais romântico dessa forma." Ele pensou no filme que ele tinha visto quando


criança e que o afetou profundamente. "Isso e este país está obcecado com a trilogia de O Poderoso Chefão." Houve uma batida na porta e, em seguida Mikhail entrou com sua pizza na mão. "Aqui está o seu jantar, chefe." "Obrigado! Pode trazê-lo aqui, por favor?” Ivan acenou para guarda. "Você recebeu algum extra para você e para os caras?" "Sim, chefe, obrigado." Mikhail olhou educadamente para Katrina antes de sair do apartamento. Katrina esperou que ele saísse. "Eles ficam por aqui esperando que você precise de alguma coisa? "Mais ou menos isso. Ele está estacionado abaixo, no escritório de segurança. Se eu precisar de algo como uma pizza, então eles saem. É muito mais fácil eles saírem do que terem que sair comigo." Ivan pensou sobre o pesadelo logístico que poderia se tornar uma viagem à pizzaria. "Mas você vai para o café sozinho", Katrina ressaltou. Ele balançou as sobrancelhas para ela. "Eu?" "Acho que eu não tenho ideia. Existem caras com auriculares andando pelos cantos para mantê-lo seguro onde quer que você vá?" Seu tom de provocação era absolutamente encantador. Ivan cortou a pizza e tirou uma fatia enorme. Ele deu uma mordida e mastigou durante vários minutos. "Não é bem um serviço secreto, mas sim, eu tenho uma equipe de homens que vêm comigo onde quer que eu vá. Às vezes eu tento ir sozinho, mas só quando vou a algum lugar mundano como Mamacita’s". "Isso não é chato?" Ela perguntou, pegando uma fatia de pizza. Mais do que ele estava disposto a dizer a ela. "Sim, um pouco." Maksim apareceu de repente na direção do quarto. Ivan fez uma careta para avisar seu irmão que não gostou de ser interrompido, mas não surtiu efeito. Obviamente, alguma coisa tinha acontecido. Ivan tinha a sensação de que tinha a ver com aquele armazém cheio de carros no


porto. Ivan acenou para Maksim. "O que é isso?" "Nosso informante sobre em na polícia de Hollywood nos deu uma dica de que eles têm um mandado de busca para o nosso armazém." Maksim não estava somente desagrado, ele parecia chateado. Droga. E as coisas com Katrina estava indo tão bem. Mesmo agora que ela estava olhando para eles dois com muita atenção, enquanto enchia sua boca com uma segunda fatia de pizza. Não havia nada isso. A cobertura era sua residência conhecida. Era hora de sumir. "Katrina, minha querida," Ivan começou lentamente. "Temo que seja hora de uma mudança de cenário”.


Capítulo Sete Katrina estava tremendo. Na verdade, ela não tinha certeza se iria se sentir segura novamente. Quando ela tinha concordado em vir viver com Ivan Petrov em troca do perdão da dívida de seu pai, ela tinha pensado que seria uma coisa permanente. O que significa que residiria em uma residência como as pessoas normais fazem. Eles seriam uma espécie de companheiros de quarto ou algo parecido. Em nenhum lugar nesse cenário ela teria que fugir da residência principal de Ivan porque alguém estava a caminho para prendê-lo! Sim, ela sabia que ele estava em empresas clandestinas e um pouco ilegais. Não tinham acabado de discutir isso? Mas essa coisa toda deixou o conceito de ilegal mais claro. O SUV com as janelas escurecidas ronronou pelas ruas de Hollywood, Flórida, a caminho da casa segura. Como se isso por si só não fosse suficiente para assustá-la, eles estavam sendo seguidos por um outro veículo cheio de homens armados. Katrina tinha visto esses caras em seu caminho para o SUV. Eles falavam russo e pareciam um bando de mercenários de um filme de ação B. Eles realmente precisavam de proteção contra a polícia? Ela precisava? O SUV desceu uma longa entrada que serpenteava entre pomares de laranja antes acabar na frente de um pequeno bangalô na praia. Apesar do fato de que as luzes estavam acesas, o lugar parecia deserto. Katrina olhou para fora da janela e observou o caminhão de mercenários havia descido do veículo e verificavam a área com suas armas em punho. "Você está bem?" Ivan perguntou gentilmente. Ele estendeu a mão do outro lado do banco de trás e tocou sua mão. "Não, eu não estou bem." Ela odiava que sua voz tremesse. "Eu estou vendo homens armados correrem como se fossem participantes de algum tipo de jogo de guerra. Isso está me assustando. " "Esse tipo de coisa não acontece com muita frequência", Ivan assegurou. "Nós apenas tivemos


um pequeno problema com um carregamento da Ucrânia." "Não é verdade." Ela nem sequer se preocupou em soar convencida. Ivan fez um barulho suave. "Sinto muito que você teve que ser arrastada para esta parte da minha vida. Você não deve se preocupar com isso ". "Sim, mas é um pouco difícil não se preocupar quando eu estou vendo isso acontecer." Ela apertou os dentes para parar de batê-los. Ela mal teve tempo de pegar suas coisas antes que Maksim os empurrasse para o SUV. Pelo menos ela tinha seu computador. Ela poderia fazer sua lição de casa e tentar viver como se as coisas estivessem normais. Maksim virou-se e resmungou alguma coisa em russo do banco da frente. Ivan sorriu. "Nós podemos ir agora." "E se eu não quiser?", Perguntou ela, teimosa. Ivan deu de ombros. "Então suponho que podemos ir dar um passeio na praia." Maksim virou-se para olhar para Ivan. Era óbvio que uma caminhada na praia à meia-noite não estava na lista de atividades aprovada por Maksim. Ivan saiu do veículo e deu a volta para abrir a porta de Katrina. Ela sentou-se por alguns minutos, olhando para ele e tentando decidir se ela realmente faria isso ou não. Mas ela realmente tinha alguma escolha neste momento? Ela já tinha feito seu acordo. Katrina pegou a mão de Ivan e deslizou para baixo do assento. Ele sorriu e seu estômago virou uma cambalhota. Ela deveria odiá-lo agora mesmo. Em vez disso, ela achou difícil não ficar nas pontas dos pés e dar-lhe um beijo. Seus lábios pareciam tão suave. Ela queria se eles se sentiriam dessa forma também. Ivan gentilmente levantou os dedos sobre os lábios. Ele beijou sua mão e a apoiou em seu braço. "Posso levar suas coisas para você?" Ela puxou sua bolsa, pendurando-a por cima do ombro. "Não, obrigado. Eu mesma levo". Ivan deu de ombros. "Como quiser, mas não ouse dizer a ninguém que eu não me comportei


como um cavalheiro." Katrina não podia conter sua risada. Ivan era uma das pessoas mais cavalheiras que ela conhecia. Muito estranho considerando que ele também era um criminoso procurado. "Portanto, esta é uma casa segura?" Ela olhou em volta para o bangalô acolhedor, com as tochas acesas. Ela poderia realmente ouvir o mar, do outro lado da casa. "Estamos na praia?" "Sim, a poucos metros" Ele sorriu. "Nós gostamos de nos esconder em grande estilo." "Isso é loucura", ela murmurou. Eles fizeram o seu caminho até a porta da frente, que já estava aberta, cortesia de Mikhail. Quando ela entrou, toda a sala tinha sido criada para parecer exatamente como a casa que eles haviam deixado: sofás de couro branco, uma televisão de tela grande e até mesmo uma pizza esperando na mesa do café. "Eles trouxeram a nossa pizza?", Ela perguntou. "É mais provável que seja uma nova pizza, mas sim. Mikhail sabia que não tinha tido a chance de terminar a minha e pegou outra pizza no caminho para cá. " "Sim. Quão longe da cidade nós estamos exatamente? ", Perguntou ela. "Alguns quilômetros." Obviamente, ele não queria dar uma resposta direta. Bem. Ela entrou na casa, deixou suas coisas no chão, pegou uma fatia de pizza quente e caiu no sofá. "Fico feliz em ver que você está disposta a sentir-se confortável." Ivan sentou-se ao lado dela. "Você tem alguma coisa para beber?", Perguntou ela. Ivan levantou uma sobrancelha. "Qual é o seu veneno?" "Algo com álcool, por favor?" "Que tal vinho?" "Aquela coisa cara?" Cara, ela estava se sentindo mimada! Katrina se perguntou se ela estava canalizando sua Nika interior. Sua irmã era quem agia assim quando coisas não iam à sua


maneira. Katrina era geralmente mais calma, mas sua paciência se foi. "Bom vinho então." Ivan desapareceu no que Katrina só poderia assumir ser a cozinha. IVAN VOLTOU em alguns momentos com uma garrafa de vinho branco gelado e dois copos. Ele poderia sentir que Katrina estava nervosa. Provavelmente, o álcool iria acalmá-la o suficiente para, pelo menos, descansar um pouco esta noite. Ele sentou-se ao lado dela no sofá, mantendo uma boa quantidade de espaço entre eles. Era tentador se aproximar. Em vez disso, ele serviu o vinho e entregou-lhe uma taça. Para sua surpresa, ela virou o copo e pediu outro. "Desculpe, mas eu estou me sentindo um pouco ansiosa." "Está tudo bem." Ivan lhe serviu um segundo copo. "Que tal tentar mais lentamente? Eu odiaria ter que mudar de lugar novamente porque você vomitou no chão. " "Ha ha ha”. Ela fez uma careta para ele e relaxou de volta nas almofadas do sofá. "Para um cavalheiro, você diz algumas coisas rudes." "Eu acho que é a primeira coisa grosseiro que eu já disse a você," Ivan apontou. "E certamente posso ser desculpado por uma piada de mau gosto." "Eu acho que o júri ainda não se decidiu sobre isso." Ela deu um pequeno soluço adorável. Ivan lhe deu mais uma taça. Ela estava no caminho de se embriagar. Ele suspirou. "Coma mais um pouco de pizza porque o vinho está indo diretamente para a sua cabeça. " "O que? Você tem medo que tome alguma decisão inadequada enquanto bêbada?” Ela riu e tomou outro gole de vinho. "Talvez eu não queira ser um de seus arrependimentos." Ele não disse mais nada, deixando que adivinhasse o que ele queria dizer com essa frase. "Pobre Ivan. Com medo de ser estuprado por uma mulher que mal conhece." Ela bufou. "Eu acho que você está certo. Preciso de mais pizza. " Ela enfiou uma fatia em sua boca. "Você foi quem usou a palavra inadequada. É algo em que você esteja pensando? " Ele brincou. "Você tem medo que você não possa se controlar perto de mim?"


"Isso não é engraçado." Sua voz era de mau humor. "Você anda por aí desse jeito e está implicando comigo por me sentir atraída por você? Você é o único mandando todos esses sinais". Ela acenou com a mão enfaticamente. "Que sinais?" Ele realmente queria saber neste momento. "Essa coisa que você faz." Ela tomou outro gole do seu copo de vinho, deixando-o seco. "Coisa?" "Essa coisa de você ser bom em tudo." Ela acenou com a mão, indicando que ela queria mais vinho. Ele obedeceu, mas ela pegou a garrafa dele e encheu o copo até a borda. "A coisa de ser bom." Ele ainda precisava de esclarecimento. "Ao contrário de quando eu sou mau, eu suponho." "Obviamente." Ela estava começando a tropeçar em suas palavras.” Você não deveria ser tão agradável. Ou nem ter essa aparência também. " Ivan não conseguia parar de sorrir. "Você me acha bonito, é?" "Sim! Como eu poderia não te achar bonito?” Ela deu um pequeno suspiro. "Seus olhos são achocolatados. E você tem esse corpo! É como se você fizesse parte de uma propaganda de cueca". "Chocolate", ele meditou. "Isso é bom?" "É claro que é bom! Eu só comparo você a alimentos incríveis. " Ela deu um pequeno arroto. "Você está bêbada?" Ivan perguntou imaginando em que ponto estavam. "Eu gostaria de poder usar isso como minha desculpa, mas estou muito mais sóbrio do que eu deveria estar para lhe dizer todas essas coisas." Ela parecia positivamente descontente. "Sabe o que mais?" "O que?" "Eu realmente queria tentar beijá-lo por mais tempo." Ela chegou mais perto dele no sofá. "Você costumava sentar-se no café todos os dias. E todos os dias eu olhava para você e falava com você e só me perguntava como seria te beijar. "


Ivan sabia que ele provavelmente seria o único lamentando isso pela manhã, mas tudo em seu corpo estava dizendo a ele que esta mulher deveria ser sua. Ele se inclinou para ela, olhando para o arco suave de seus lábios. "O que está te impedindo dessa vez ?". Ela se inclinou. Ele podia sentir o calor do seu corpo contra o dele. Era como estar ao lado do sol. Ela cheirava tão bem. Como um toque de baunilha e algum tipo de tempero que era todo feminino e perigosamente atraente. Seus lábios roçaram uma vez e Katrina saltou para trás. "Você tem um gosto bom." Essa foi a única coisa que ela disse antes de lançar-se sobre ele. Ivan grunhiu enquanto todo o seu peso corporal o atingiu de uma só vez. Ele passou os braços em volta dela e a segurou. Ela afundou os dedos no cabelo ele e cobriu sua boca com a dela. O beijo foi cheio de energia e excitante. Ele não queria que isso acabasse nunca. "Com licença, chefe?" Mikhail ficou do lado de fora da porta da cozinha, vermelho como um tomate e parecendo distintamente desconfortável. "O que você precisa?" Ivan tentou voltar a si. Mikhail nano tinha culpa que os hormônios de Ivan o faziam agir como um adolescente. "Nós já garantimos o perímetro. O Sr. Maksim ficará na casa de hóspedes com a gente pois não há um segundo quarto." Mikhail assentiu e saiu de forma precipitada. Sem dúvida, o cara estava indo dizer a Maksim cada detalhe suculento do que tinha visto. Que bom. "Ivan?" Ele se virou para ver que Katrina tinha conseguido chegar a seus pés. Ela estava olhando para ele com aqueles olhos de cobalto dela e ele se perguntou se não derreteria em uma poça ali mesmo. "O que você está fazendo, Katrina?" Ele tentou manter a voz firme. Seus olhos estavam brilhando de forma positiva. "Eu ouvi Mikhail dizer que há apenas um quarto nesta casa?" "Está certo. Há apenas um quarto e, em seguida, a casa de hóspedes. Por quê?” Ele olhou


para ela caminhando de forma sensual sobre o chão de madeira. Dane-se se ela não estava indo direto para o quarto. "Porque eu estava pensando que eu deveria descansar um pouco, mas eu não acho que deveria ficar sozinha." Ela piscou repetidamente com seus grandes cílios. Ivan soltou um palavrão em russo em voz baixa. Não havia nenhuma maneira dele rejeitar essa oportunidade. Ele nem sequer queria rejeitá-la. Tudo o que ele podia esperar era que não houvesse nenhum pesar quando o sol voltasse a brilhar.


Capítulo Oito Katrina nunca quis tanto algo em sua vida. Ela ansiosamente baixou as calças do pijama por suas pernas e chutou para fora antes de se contorcer para fora de sua camiseta. Agora ela estava nua com Ivan, embora ele ainda estivesse vestido e isso era totalmente injusto. Ela tentou agarrar sua camisa mas ele gentilmente pegou suas mãos. "Ei, mais devagar. Não há realmente nenhuma necessidade de pressa ". Katrina fez um pequeno ruído de frustração e o beijou. Ele a beijou de volta avidamente, deslizando sua língua entre seus lábios e lentamente movê-la ao longo da sua. A ação a deixou louca de desejo. Ela estava encharcada entre as pernas e uma dor quente estava se construindo abaixo de seu umbigo. Ivan cuidadosamente levou-a de volta para a cama. A única luz do lugar era das tochas que revestiam as passarelas for a e entravam através das janelas. O brilho do fogo tingiu o quarto com sombras profundas. Ivan não parecia se importar. Ele gentilmente se ajoelhou ao seu lado no colchão. "Você é tão linda", ele murmurou. A maneira reverente com que ele correu as palmas de suas mãos pelos lados do corpo de Katrina lhe deu uma sensação de vibração em seu abdômen. Ela nunca tinha sido tocada assim antes. Ele gentilmente segurou seus seios e acariciou seus mamilos em pequenos pontos. Ela arqueou as costas e se empurrou para mais perto dele. Em seguida, ele levou a boca aos seios e Katrina pensou que iria morrer. A

sensação

de

Ivan

sugando

seus

mamilos

incendiou

seu

sexo.

Katrina

se

contorceu. Apoiando os pés na cama, ela levantou os quadris e implorou para que ele a enchesse. "O que você precisa, querida?" O tom suave de sua voz lhe deu arrepios. Este homem era incrível.


O álcool subiu em seu sistema. Seus sentidos estavam mais aguçados e quaisquer inibições que ela já havia sentido já não existiam mais. Ela se sentia sexy e confiante. Ela queria este homem e não tinha vergonha nenhuma em demonstrá-lo isso. "Eu preciso que você me faça gozar, Ivan" ela engasgou. Ele acariciou seu peito, beijando o caminho que levava ao seu baixo ventre. "Como quiser." Quando seus lábios atingiram sua barriga, Katrina respirou rápido. Ela sentiu cócegas, mas tudo era tão bom que ela não queria que ele parasse. Então seu rosto roçou o triângulo de cabelos loiro escuro de seu monte secreto. Seus olhos se abriram com surpresa. Ele estava realmente indo prová-la? Ivan colocou as mãos nos quadris e enterrou seu rosto contra sua virilha. O calor de sua respiração era chocantemente erótico. Cada músculo abaixo de sua cintura dela se contraiu por ansiedade até que ela sentiu sua língua deslizar entre os lábios de seu sexo. Ele fez cócegas em seu clitóris, massageando a ponta do pequeno conjunto de nervos, até que ela estava pairando à beira do orgasmo. "Abra-se para mim, querida." Seu pedido a deixou em frangalhos. As pernas dela se abriram para expor as dobras de sua vagina. O ar frio se chocava contra sua carne quente e inchada. Então, ele a lambeu com toda a face da sua língua e ela, se desfazendo, gozou. Este clímax a mandou direto para as estrelas. Ela gritou de prazer uma e outra vez com as ondas de contrações musculares que faziam seu corpo tremer. Ainda assim Ivan continuou a sentir o gosto dela. Ele brincou com sua abertura e lançou sua língua como um dardo para dentro de seu corpo. O atrito de suas atenções a deixou louca de necessidade. Ela sentiu um segundo orgasmo chegando e se perguntou arderia em chamas antes da noite acabar. Ivan acomodou-se entre as coxas e encaixou seus braços por baixo das pernas de Katrina. Segurando-a firmemente contra sua boca, ele começou a chupar seu clitóris. Isso aumentou sua circulação fazendo tudo ficar tão sensível que ela estava com falta de ar. Ela enrolou suas


mãos nas cobertas, tentando encontrar uma âncora para se segurar. Arqueando as costas, ela sentiu seus seios vibrarem e percebeu que seu corpo inteiro estava tremendo. Os sons de Ivan agindo contra seu sexo eram deliciosamente impertinentes. Katrina nunca tinha experimentado nada tão cru. Ele a devorava, lambia e sugava seus líquidos, provocando-a até que ela lhe desse mais. Outro orgasmo se construiu na base de sua coluna vertebral. Ela sentiu um calor escuro se espalhar por seu corpo até as pontas dos dedos formigarem com poderosas sensações. Ivan forçou sua língua contra seu sexo. Essa última parte do estímulo foi o suficiente: Katrina gozou fortemente, gritando o nome de Ivan enquanto deixava, onda após onda, que a satisfação consumisse toda sua força. Sua cabeça estava nos ares e seu coração batia forte. Ivan mimou seu sexo com pequenos beijos antes de cuidadosamente deitar-se ao lado dela. Katrina virou para ele e enterrou o rosto em seu pescoço. Ela podia cheirar sua própria essência nele. Foi uma coisa estranhamente erótica e completamente satisfatória. "Você é incrível", Ivan murmurou. Ele acariciou seu rosto e acariciou a mecha de cabelo que tinha escapado de seu rabo de cavalo. "A maneira como você responde me excita de uma maneira que você não pode acreditar." "Sério?" Essa informação a surpreendeu um pouco. Não que ela fosse virgem, mas suas experiências sexuais deixavam um pouco a desejar. Especialmente quando ela as comparava com Ivan. "Eu acho que nunca pensei que a maneira com que uma mulher responde tivesse a ver com o que um homem sentisse." "Minha querida, eu acho que os seus parceiros anteriores eram idiotas." Ivan deu uma pequena risada. "Que tal mudar a forma como você pensa sobre sexo?" Katrina não pôde evitar o riso que escapou. "Eu acho que você já está mudando." "E não estamos nem na metade." Seu tom zombeteiro fez com que ela risse novamente. "Não se atreva a pensar que já acabamos”.


Ela bravamente escorregou seus os dedos sobre a protuberância em sua virilha e sentiu seu membro valente e bonito. "Não mesmo". O GOSTO DE Katrina permaneceu na boca de Ivan. Ele saboreava a incrível sensação de intimidade. Tudo foi perfeito. O som das ondas na praia era um contraponto perfeito para suspiros suaves de prazer de Katrina. A luz das tochas tremiam nas paredes e o brilho quente criava um clima romântico. Era mais do que Ivan jamais poderia ter esperado para a primeira vez que Katrina fosse dele. Ele desabotoou as calças e as empurrou, escorregou seus boxers para baixo suas pernas e os jogou no chão. Deitado ao lado de Katrina por apenas um momento, ele gostava da sensação de suas pernas lisas ao lado dele. Eles estavam frente a frente. A posição era surpreendentemente confortável. Ele cuidadosamente levantou o joelho e deixou que parte interna de sua coxa se apoiasse do lado de fora da dela. "Posso te tocar?", Ela sussurrou. Todo o seu corpo se contraiu com o pedido. "Eu adoraria que você me tocasse." Suas mãos encontraram seu pênis. Ela deixou que seus dedos encontrassem a fenda na ponta e traçou uma linha sobre a veia grossa até chegar em sua base. Ela o segurou na palma da mão, dando-lhe um leve aperto que quase o deixou descontrolado. Ivan sentiu que isso era novo para Katrina. Ele sabia que ela tinha estado com um homem antes, mas ele tinha a sensação de que esta ousadia não era necessariamente parte da sua natureza. Talvez fosse o vinho. Ivan esperava que tudo se devesse ao fato dela se sentir confortável com ele de maneiras que ela nunca havia experimentado com mais ninguém. "Você está tão duro”. Ela manuseou seu membro, segurando suas bolas com a outra mão. "Dói?" "Não." Ele apertou os dentes. "Embora seja difícil em manter-me longe do orgasmo se você continuar me tocando desse jeito." "Sério?" Ela parecia fascinada. "Eu posso fazer você gozar só com a minha mão? Uma


punheta de verdade? " "Absolutamente." Ele se deleitava com a sensação de suas mãos suaves acariciando seu pênis. "Seu toque é incrível. Sua pele é tão suave e quente. Você não pode sentir como eu mal posso me segurar? " "Sim." Ela se inclinou e muito gentilmente deu um beijo em seus lábios. "Ah!", Exclamou ela. "O que?' "Eu posso provar a mim mesma em sua boca." Ela não parecia chocada. Na verdade, ela parecia curiosa em relação a isso. "Isso é porque eu ainda posso te provar nos meus lábios", ele disse a ela. "Isso me deixa excitado." "Sério?" Ela parecia chocada com esta ideia. "Eu nunca pensei que um homem pudesse gostar desse, hum, esse sabor." "Eu amo o seu sabor." Ele a beijou novamente. Suas mãos acariciaram seu pênis, mas ele queria mais. Ele queria abrir suas coxas e esfregar a ponta do seu pênis contra as escorregadias dobras de seu sexo. Ele queria experimentar esse primeiro momento da penetração, quando tudo era tão deliciosamente apertado e molhado. "Eu estou tão dolorida", ela gemeu. "Eu nunca me senti assim antes." Ela se encolheu na cama ao lado dele, rolando de costas e estendendo a mão para ele. "Por favor, Ivan. Eu preciso de você." Esse era todo o incentivo que ele precisava. Ele se colocou entre suas coxas. A cabeça de seu pênis cutucou o cabelo crespo seu púbis e ela ansiosamente abriu as pernas um pouco mais. Ele sentiu seus lábios carnudos se abrindo apenas o suficiente para que ele pudesse se empurrar para a umidade de sua fenda. Ela gemeu. Sua cabeça girava de um lado para o outro e ela agarrou seus quadris como se estivesse tentando puxá-lo para dentro ela. Ivan começou a sussurrar suavemente em russo. Ele


queria acalmá-la. Como ela começou a se acalmar, ele mudou seu corpo de posição até que sentiu a abertura do corpo de Katrina contra a ponta do seu pênis. O primeiro toque longo e apertado contra seu corpo o deixou quase tonto de tanta intensidade. "Ivan!" Katrina gritou. Seus músculos estavam internos tensos e ela estava quase que instantaneamente à beira do orgasmo. Ivan apertou os dentes e se obrigou a acalmar-se. Não seria nada bom forçá-la como um adolescente conduzido por seus hormônios. Ele queria aquela sensação de penetrações longas e completas queimando suas veias com o clímax. Obrigando-se a manter a calma, ele começou a deslizar dentro e fora de seu corpo em um ritmo constante. Ele observou seu rosto. As expressões que de sua boca e sobrancelhas eram bonitas de se admirar. Essa maravilha fez ele se sentir como se pudesse conquistar o mundo. Com esta mulher ao seu lado, ele estaria pronto para qualquer coisa. Katrina estava incrivelmente molhada. O som do sexo encheu a sala e Ivan foi ainda mais fundo no corpo de Katrina. Seus suspiros agudos seguiam o ritmo de seus golpes penetrantes. E, quanto mais perto ele chegava do êxtase, mais ele podia senti-la vindo com ele. Ela ficou mais apertada e mais excitada. Arqueando as costas, empurrou os seios em seu rosto. Abaixando a cabeça, ele deu uma mordidela suave em seu mamilo esquerdo. Ele chupou e lambeu a aquela pequena protuberância dura. Ele podia sentir a tensão indo direto de seus seios à sua buceta. Essa deliciosa sensação o deixou à beira do orgasmo. "Goze comigo, Katrina," ele exigiu em voz áspera. "Me leve com você." Ela gritou. Suas costas se curvou de u jeito que ele pensou que ela fosse se partir ao meio. A posição empurrou seu pênis contra a parede frontal de seu canal e esse atrito era tudo o que ele poderia segurar. Empurrando duro, ele deixou seu orgasmo levá-lo para sua própria libertação. Encheu-a com seu sêmen até que ele não tivesse mais nada. Como os últimos tremores o deixaram enfraquecido, Ivan rolou para o lado. Katrina rolou com ele. Ele passou os braços em volta dela. Parecia incrivelmente certo tê-la ali com ele. Ela deu


um bocejo sonolento e ele sorriu. Era provável que ela acordasse com uma dor de cabeça monstruosa considerando todo o vinho que ela tinha tomado. Ivan se abaixou e puxou o lençol sobre seus corpos. A cama estava uma bagunça, mas nada disso importava. Ele beijou sua testa com mais ternura do que jamais havia sentido por outra pessoa no planeta. "Durma, Katrina," ele disse a ela suavemente. "Nós vamos descobrir o resto da manhã."


Capítulo Nove Katrina acordou com a sensação de ter um par de rinocerontes correndo em seu crânio. Sua língua tinha gosto de meias de ginástica sujas e ela sentia como se estivesse a ponto de vomitar. Pior, ela estava tendo alguns sérios flashbacks de algo que poderia ou não ter acontecido na noite anterior. Será que eu realmente dormir com Ivan? Ela se lembrou da súbita mudança louca para uma casa segura na praia. Houve pizza e vinho. Foi aí que as coisas ficaram um pouco confusas. Ela fechou os olhos contra o sol quente que se derramava dentro da sala. Lá fora, ela podia ouvir as ondas implacáveis batendo contra a praia como um pequeno pedaço do paraíso. "Bom dia, linda." Katrina agarrou o lençol, puxando-o sobre seus seios nus e piscando em confusão. Por que Ivan achava que poderia simplesmente entrar em seu quarto? "Não sabe bater?", Ela perguntou. Ela estava se sentindo um pouco ranzinza no momento e não foi tímida sobre deixá-lo notar seu tom. Ele franziu as sobrancelhas. "Eu geralmente não bato na porta do meu próprio quarto." "Seu quarto", ela murmurou. Um sentido horripilante de realidade bateu em Katrina. "Nós dormimos juntos?" Algo em sua expressão deu-lhe a ideia de que tudo o que tinha acontecido entre os dois tinha sido bastante surpreendente. Então, talvez a parte ruim de toda esta situação foi o fato dela não lembrar de quase nada do que havia acontecido. "Você não se lembra." Sua declaração tranquila a fez se sentir horrível. É claro que o resultado disso foi que ela se recusou a se sentir mal por algo que ela não podia mudar. Em vez disso, ela optou pela


indignação. "Eu estava bêbada! Você tem mania de seduzir garotas que não podem dizer não? " "Você não quis dizer não", disse ele. Sua declaração tranquila foi o suficiente para lhe dar uma pausa. Ela estava começando a se preocupar por ter conseguido bloquear a melhor noite de sexo de sua vida. Droga. Ela não podia pensar sobre isso agora. Era hora de se concentrar no aqui e agora. "Por que você está aqui?" "Nós estamos mudando para mais uma das minhas residências." Ele virou de costas, provavelmente para dar-lhe privacidade. "Me dê cerca de uma hora e estarei pronta." Ela estava fazendo uma lista mental de tudo o que ela precisa fazer a fim de estar apresentável. Seu suspiro tempestuoso deveria ter servido de aviso a ela. "Temo que não temos uma hora. Temos uma janela apertada de oportunidade, por isso, é agora ou nunca. " "Nunca parece bom." Katrina soou mal-intencionada, mas a verdade era que ela gostava desta pequena casa. Ela tinha dormido melhor aqui do em sua própria cama. "Não para mim." Ele encurtou a distância entre eles com dois passos. Katrina estava ficando alarmada. "O que você está fazendo?" "Eu te disse. Temos de ir." Katrina gritou de indignação quando ele passou o lençol em torno dela como se ela fosse algum tipo de recheio de burrito. Ela estava tão enrolada que nem sequer podia mover os braços para afastá-lo. Ela se contorceu mas já não podia se mover. "Pare de se mexer ou eu te derrubar no chão", alertou. "Como você se atreve!", Ela rosnou. "Quando eu descer, eu vou dar um chute tão grande na sua bunda que você vai ficar com uma marca na testa." "Uma ameaça elegante, mas eu duvido." Na verdade, ele riu. Insuportável! Katrina quase engoliu a língua quando ele a colocou sobre o ombro e começou a caminhar em direção à porta. Ela lutou para soltar seus braços, mas não conseguiu. Sua cabeça estava


pendurada junto a parte traseira de Ivan. Se ela pudesse se libertar, ela poderia, pelo menos, bater nele e fazê-lo entender que isso era totalmente inadequado. "É melhor você ficar parada ou…” Ela bateu a cabeça no batente da porta. "Não diga que eu não avisei." "Isso dói!" Ela saiu com seus olhos marejados em resposta ao golpe na cabeça. "Eu poderia ter uma concussão!" "Duvido". Ele estava indo em direção à porta da frente. "Você não bateu tão forte. Mas se você quiser um médico para te atender na nossa outra cobertura, eu posso fazer isso acontecer. " "Não! Eu não quero um médico. Eu quero descer! " Eles haviam saído pela porta da frente. Houve uma rodada de risos e ela imaginou que fossem os guarda-costas rindo dela. Ela podia ver suas pernas como troncos de árvore e seus sapatos, mas não podia ver seus rostos. Por que eles não podiam ajudá-la? Ah, sim, porque eles trabalharam para ele ! "Maksim, abra a porta," Ivan bradou. "Claro que sim, chefe," Maksim respondeu. "Você é um idiota!" Ela insultou a Maksim mas poderia ter sido qualquer um. Katrina estava mortificada. Ela estava pendurada sobre o ombro de Ivan vestindo apenas um lençol. Ela estava ridícula! As chances eram de que cada um desses caras tivesse dado uma olhada em seus seios e sua bunda. Que vergonha! Ivan jogou Katrina para o outro lado. O movimento foi vertiginoso. Seu estômago cheio de álcool quase deu marcha ré e ela cobriu a boca com as mãos. Quando o mundo parou de girar, ela estava sentada na parte de trás do SUV preto de Ivan mais uma vez. Ele entrou atrás dela e eles se dirigiram de volta pelo longo caminho. Katrina esticou o pescoço para ver por trás deles. A pequena casa de praia ficava cada vez menor até que acabou por ser engolido pelas laranjeiras folhosas. A sensação de perda


trouxe lágrimas aos seus olhos. Ela gostava daquele lugar. Era pequeno, mas perfeito. Ela poderia ser feliz em um lugar como aquele. Ela sabia que podia. A vida com Ivan seria sempre assim? *** Ivan bateu com o punho na mesa e olhou para Maksim sobre a tela de seu laptop. "O que você quer dizer com não sabe quem deu com a língua nos dentes?" "Seus homens são leais." Maksim teve a ousadia de agir como se isso fosse uma coisa boa. É claro que realmente era , mas o fato de que eles não tinham um suspeito óbvio era incômodo demais. "Então, quem não é leal?" Ivan perguntou. Maksim deu de ombros. "Homens como o pai de Katrina?" "Não se atreva a dizer que…" Ivan rosnou. "O quê?" Maksim arregalou os olhos. "Não diga que a solução mais óbvia é que o vazamento está bem debaixo do seu nariz?" Maksim bufou. "Ou, me perdoe, bem na frente de seu pau." "Você está passado dos limites!" Ivan rosnou. "Deixe a Katrina fora disso." "Eu não posso." Maksim passou seus dedos por seu cabelo escuro. "Veja. Eu entendo que você é louco por essa garota. Mas, pelo menos, seja inteligente. Restrinja seu acesso a internet. Ela poderia facilmente passar mensagens para aquela irmã idiota dela. " "Katrina não faria isso", Ivan insistiu. Maksim revirou os olhos. "Então não importa o que você faça." Ivan odiava a ideia de levantar suspeitas sobre a mulher que ele estava começando a amar. Especialmente quando ela não parecia ter qualquer lembrança da noite incrível que eles passaram juntos. Ele tinha acordado esta manhã com ela enrolada nele. Ele havia cuidadosamente apoiado Katrina no colchão e, em seguida, se levantou para organizar suas tarefas do dia. Nesse curto período de tempo, era como se ele se tivesse se tornado um estranho para ela mais uma vez. "Tudo bem." Ivan tinha a sensação de que ele ia se arrepender. "Faça isso."


"Já fizemos." A voz de Maksim se encheu de um tom sarcástico que lhe renderia um soco na cara se ele tivesse feito isso com qualquer outra pessoa. "Eu já não aguento mais o bullying e esse forte armamento." Foi a única coisa que Ivan conseguiu dizer. "Se o traidor está na minha casa ou no meu território, o terror deve parar agora. Isso só nos dá mais inimigos quando, na verdade, precisamos de apoiadores". "Ok." "O que aconteceu com o carregamento no cais?" Ivan odiava ter que perguntar isso. "Apreendidos". Maksim soltou um suspiro frustrado. "Eu diria que é uma perda total." "Mentira." O cérebro de Ivan já estava girando com todas as possibilidades. "Conhecemos alguém que trabalha lá?" Maksim arqueou as sobrancelhas. "Você quer roubar o carregamento de volta debaixo do nariz deles?" "Claro que sim." Ivan estava com raiva e frustrado. Não apenas com esta situação do carregamento, mas com a forma como as coisas estavam indo com ele e Katrina. "Já é hora das pessoas pararem de pensar que podem passar por cima de mim." "E como você acha que pode fazer isso?" Maksim parecia mais curioso do que negativo. "Dois grandes caminhões e alguns rapazes da área. Diga a Vassily para chamar seus primos. Eles podem ajudar e estão perfeitamente dispostos a fingir que não sabem de nada enquanto houver dinheiro envolvido ". "Esta noite então." Maksim deu um aceno de cabeça e saiu da sala. Havia muito tempo que Ivan não via esse tipo de respeito nos olhos de Maksim. Ele e seu irmão costumavam não concordar sobre a maioria das coisas. Geralmente, Maksim era um touro numa loja de porcelana e Ivan era preciso e evitava ao máximo os danos colaterais. Hoje à noite Ivan estaria pronto para se posicionar. "Licença..” Katrina enfiou a cabeça dentro da porta. Ivan acenou para ela. "Claro, entre."


"Desculpe incomodá-lo" Ela apertou os lábios. "Eu acho que preciso de uma nova senha para o Wi-Fi. Não consigo acessar meu e-mail. " "Nós estamos tendo que restringir o acesso a certas coisas por causa do perigo de interferência da polícia." A desculpa parecia vergonhoso a Ivan e ele era o que estava dizendo isso. Não era de se admirar que a expressão de Katrina assumisse um semblante teimoso. "Sério?", Ela retrucou. "Você está restringindo o meu acesso a Internet? Você sabe que, sem acesso ao meu e-mail, eu não posso nem mesmo ver meus deveres do curso, certo? Eu vou ser reprovada porque você não passa de um criminoso comum? Isso é justo? " OK. Isso doeu. Muito. Ivan odiava pensar que isso era o que ela pensava dele. Um criminoso comum? Quantos homens estavam dispostas a perder um acordo de dezenas de milhares de dólares em dívida só por uma chance de conquistar uma mulher teimosa que, aparentemente, o odiava? "Diga-me, Ivan," ela disse friamente. "Eu tenho que merecer meu acesso a internet?" Katrina chegou mais perto, seus quadris balançando sob a saia como se estivessem mandando um recado. Ela jogou os ombros para trás com uma olhada sensual. Ivan não conseguia frear a enxurrada de emoções conflitantes que o esfolava vivo naquele momento. "Katrina, não." Ele não queria que fosse assim. "O quê?" Ela levantou a mão e a arrastou pelo peito de Ivan, parando logo acima do botão da calça. "Você não quer que eu te compense?" Ele pegou o pulso dela, deixando-a imóvel. "O que eu não quero é que você se barateie por algo que não é nada." Ele se inclinou mais perto. Sua respiração roçou seu pescoço. A sensação de formigamento deixou seu pênis inchado como se todo o sangue em seu corpo tivesse subido às pressas para sua virilha. "Você e eu sabemos que você pode estar jogando, mas o que você realmente quer é tudo menos um jogo." Seus olhos azuis se arregalaram, e Ivan sabia que ele estava certo. Ela pode estar jogando, mas ela o queria quanto ele a queria. Ela simplesmente não estava pronta para admitir isso ainda.


Ivan moveu os lábios em sua bochecha. "Você pode não se lembrar de tudo o que aconteceu ontem à noite, mas eu aposto que você está tendo alguns flashbacks." Sua respiração ficou irregular, mas ela nem sequer tentou se afastar. "Eu aposto que você se lembra da minha língua entre as suas pernas", ele sugeriu. "Você se lembra do jeito com que eu lambi e chupei sua vagina até que você gozasse na minha boca? Não se lembra o quanto você gostou? Você me pediu mais e eu te dei. Eu te dei tudo até que você estivesse muito saciada para se mover ". "Pare", ela sussurrou. "Por favor." Era uma espécie distorcida de triunfo. Então, ele soltou seu pulso. "Vou ver o que posso fazer sobre o e-mail, certo?" Algo em seus olhos rasgou sua alma. Ivan queria que ela fosse completa e feliz, não virada do avesso e cheia de dúvidas. Mas antes que ele pudesse dizer qualquer coisa para acertar as coisas, ela deu um aceno rápido e, em seguida, fugiu de seu escritório.


Capítulo Dez Katrina olhou para seu calendário de tarefas e soltou um baixo ruído de frustração. Ela estava na cobertura de Ivan há mais de uma semana e ainda não tinha acesso a sua conta de email. Neste ritmo, ela estava a caminho de ser reprovada em seus cursos atuais e teria que pagar para retomá-los no próximo semestre. Não era justo! Ela se levantou da mesa e caminhou para a grande parede de janelas com vista para o oceano. Nem mesmo a beleza do cenário poderia acalmá-la naquele momento. Ela estava trancada neste lugar estúpido, sem nem mesmo poder cruzar a cidade para ir ao Mamacita’s para um café. Sua tolerância a este cativeiro estava por um fio. Ela acabaria trancada em um quarto acolchoado em algum lugar. "Com licença, senhorita?" Katrina virou, obrigando-se a sorrir para a governanta. Wanda era a mulher mais doce do mundo e ela tratado Katrina como uma princesa. Ela não merecia que Katrina descontasse nela sua irritação com Ivan. Katrina exalou lentamente e contou até cinco antes de responder. "O que você precisa, Wanda?" "O Sr. Ivan há alguns minutos e disse que eu deveria dizer-lhe que ele vai ser levá-la para jantar hoje à noite em algum lugar chique”. "A mulher mais velha deu um tapinha no seu próprio cabelo bem penteado. Ela usava os cabelos grisalhos em um coque apertado impecável todos os dias. "Sr. Ivan está mandando uma estilista agora mesmo para fazer seu cabelo e maquiagem. Eu acredito que ela esteja trazendo roupas novas também. " Era tentador dizer a Wanda para chamar o "Sr. Ivan " de volta para dizer para enfiasse o convite para jantar no rabo. Por outro lado, Katrina estava morrendo de vontade de sair. Além disso, esta poderia ser uma oportunidade para conseguir algum tipo de acesso a internet. Ela tinha que descobrir uma maneira de enviar um e-mail com seus trabalhos para seu instrutor. Não que ela


fosse dormir com Ivan só porque ele a daria o que ela queria. Ela ainda tinha algum orgulho depois de tudo. É claro que eu quero dormir com ele só porque eu quero dormir com ele. "Devo mandar a estilista para você quando ela chegar?" Wanda perguntou, inclinando a cabeça e soltando um olhar curioso na direção de Katrina. "Claro, isso seria ótimo." Katrina se perguntou quão vermelho estaria seu rosto. "Obrigada, Wanda." "De nada.” Wanda desapareceu e Katrina foi deixada com seus próprios pensamentos errantes. Na outra noite, quando Ivan a acusou de não querer admitir que ela se lembrava de pedaços da noite que eles passaram juntos, ele estava absolutamente certo. Algumas coisas eram nebulosas. Outras não. Mas uma coisa da qual Katrina se lembrava muito claramente era o quanto ela queria Ivan e como ela havia se sentido com ele. Seus mamilos formigavam debaixo da blusa. Ela cruzou os braços sobre o peito para silenciar a sensação. Mas isso não adiantou para conter a queimação que ela sentia entre as pernas. Ela tinha tão pouca experiência com homens e sexo oral. Ela havia se chocado com o quanto Ivan parecia ansioso para enterrar seu rosto entre suas pernas. Mais estranho ainda foi o quanto ela tinha gostado. A sensação suave e elegante foi diferente de tudo o que ela havia experimentado. Mesmo a memória fez seu sexo ficar molhado e inchado. Katrina apoiou a testa contra o vidro. A frieza era um alívio bem-vindo ao seu corpo. Sua temperatura interna parecia disparar. Logo ela estaria tão desesperada que ela se renderia à vontade de deslizar a mão sob o cós de seu shorts e por dentro de sua calcinha. Ela iria separar as dobras de sua vagina e tocar-se do mesmo jeito que Ivan a havia tocado. Era tudo o que podia fazer para dar a si mesma um pouco de alívio para a excitação constante de estar em estreita proximidade com Ivan. A cada dia em que ela o via, ela se forçava a negar o quanto ele a afetou. Era isso ou ela teria que aceitar que ela era uma completa fraca à mercê de seus desejos.


"Olá, minha querida!" Alguém voou pela sala com toda a sutileza de um trem. "Você está pronta para uma transformação?" Katrina se encheu de surpresa. "Eu não tenho certeza que uma transformação era parte do plano." "Oh, querida, nós temos que fazer algo com você!" Uma mulher vestindo um sarong e uma tonelada de joias agitou as mãos até suas pulseiras tilintarem. "Aqui, sente-se nesta cadeira de jantar." A estilista deu um tapinha em uma almofada elegante. Katrina cautelosamente se sentou na beirada da cadeira, perguntando se ela tinha, de alguma maneira, concordado com uma lobotomia. Em vez disso, a estilista já iniciou um processo que parecia exigir muito pouca participação por parte de Katrina. "Então", a estilista começou lentamente. "Você sabe que Ivan Petrov nunca trouxe outra mulher para esta cobertura antes, certo?" "Não" Katrina limpou a garganta, tentando não parecer muito ansiosa para obter informações. “Ai, meu Deus, sim!" A estilista gritou, obviamente, ansiosa por fofocas. "Meu nome é Sophia, a propósito." "Sophia", Katrina reconheceu com um aceno amigável. "Sim. Prazer em conhecê-la também. Mas o que eu realmente preciso dizer é que Ivan nunca sai. Nunca. “Sophia penteou o cabelo loiro incrivelmente longo do Katrina. "Ele trabalha, trabalha, trabalha. Agora, o Sr. Maksim sai com bastante regularidade. Embora Maksim não costume ficar com uma única mulher. Estes homens Petrov simplesmente não são de relacionamentos a longo prazo. " "Talvez eles simplesmente não tenham encontrado ainda a garota certa," Katrina sugeriu. "Ai, eu sempre pensei isso. É que quando eu recebi um telefonema de Ivan dizendo que eu deveria deixá-la como uma princesa para um encontro esta noite, eu sabia que ele finalmente


havia encontrado alguém com quem queria mais do que apenas um rolo rápido. Então, querida, você não se esqueça de fazer esse menino trabalhar para isso! " Sim, é exatamente o que eu pretendo. *** "O que está errado com você?" Maksim reclamou. Ivan olhou para seu irmão, divertindo-se com o que ele considerava a mais recente rodada de reclamações de Maksim sobre Katrina. Maksim estava nisso há mais de uma semana. Ele tinha feito de tudo, desde acusar Katrina de ser um espiã a dizer a Ivan que ele iria jogar fora toda a operação da máfia Petrov por um pedaço de bunda. Ivan tinha sua própria teoria. Maksim estava com ciúmes. Ivan era feliz aqui na cobertura com Katrina. Ele estava desfrutando ao máximo de seus debates noturnos sobre questões de moralidade e legalidade. Ela estava animada e divertida e a química entre os dois era explosiva. Não levaria muito mais tempo para que os dois entrassem em combustão. "Você está mesmo me escutando?" Maksim exigiu. "Eu estou dizendo a você que a operação de readquirir a sua remessa de veículos foi um fracasso e você está me perguntando se eu me lembrei de fazer suas reservas para o jantar? Você está maluco? ", Maksim disse algo menos educado em um russo baixo e fervoroso. "Não aja como se eu não conseguisse entender a minha própria língua", Ivan disse bruscamente. "E Katrina não é uma bruxa do inferno. Eu sugiro que você pare de agir como uma mulher velha antes que você realmente se torne uma ". "E eu sugiro que você comece a agir como um chefe dos mafiya ou corre o risco de perder toda a sua operação para os Tretiaks." O olhar de Maksim encolheu. "Talvez aí esteja o vazamento," Ivan meditou. Maksim parou abruptamente de falar. Sua expressão se afrouxou. "Você sabe, Sasha Krachenko tem laços com os Tretiaks." "Eu achei que você tinha dito que nossos homens eram leais," Ivan lembrou seu irmão.


Maksim virou-se e caminhou em direção à janela. Ele estava com aquela cara que Ivan sempre definia como “cara de pensamento”. "Eu não poderia imaginar qualquer um dos nossos homens dando informações ao politzia. Eu não penso sobre a possibilidade de passar informações para outra família que as usaria para seu próprio benefício. " "Ou seja, você acredita que na noite que nosso embarque foi apreendido, havia algo acontecendo com os Tretiak que exigia uma distração legal?" Ivan disse especulativamente. "Isso realmente faz algum sentido." "Será que Sasha tem família em nosso território?" Maksim perguntou de repente. "Qualquer um que nos deva dinheiro ou alguém que nosso pai possa ter irritado?" "É provável que essa lista seja longa e sórdida", comentou Ivan. Seu pai havia sido um idiota com uma propensão a ameaçar as pessoas por qualquer coisa. Maksim bateu o punho contra a palma da outra mão. "Eu acho que você acaba de chegar na informação que precisamos para descobrir quem é o dedo-duro." Maksim abriu uma das gavetas de Ivan e começou a procurar algo. "Há uma lista de nossos homens e suas conexões familiares aqui em algum lugar. Nosso pai considerava isso como um seguro contra as ideias rebeldes de seus homens. " "Ótimo", Ivan grunhiu. Nunca era uma coisa agradável quando esfregavam em sua cara mais uma vez que seu pai tinha sido um homem bruto e amargo. "Hoje à noite nós podemos analisar todas as conexões possíveis e talvez até mesmo fazer uma visita a eles." Maksim franziu os lábios, olhando como se estivesse formulando um plano extremamente complexo. "Gostaria de saber se há uma maneira de atrair o dedo-duro. Você sabe, alimentá-lo com algumas informações falsas e, em seguida, esperar para ver se ele cai. " "Possivelmente." Ivan considerou esta opção válida. "Se eu ainda estiver na lista de observação do departamento de polícia, eles estarão me vigiando. Poderíamos vazar informações sobre onde estou e ver se ela vai parar nas pessoas certas ". "Perfeito!" Maksim olhou como se alguém tivesse acabado de lhe dizer o Natal estava


acontecendo duas vezes este ano. "Seu jantar hoje à noite irá funcionar muito bem." "Você está brincando?" Ivan deu um pulo. "Você sabe quanto tempo eu trabalhei para me certificar de que terei privacidade e que não serei interrompido pela polícia ou por qualquer outra pessoa durante esta noite? Como diabos eu posso ligar meu encontro com Katrina a uma operação policial? " "É uma oportunidade fantástica", Maksim argumentou. "Nós não devemos jogá-la no lixo." "Ela não vai para o lixo. É uma noite com Katrina. Eu juro para você, se você aparecer esta noite, de maneira planejada ou não, eu vou te esfolar vivo. Eu quero que esta noite seja perfeita para Katrina. Essa é a única coisa que importa. " "Desde quando você colocar uma mulher acima de sua responsabilidade com a família?" Maksim zombou. "Você se tornou uma mulher velha?" "Ah, você quer dizer que eu coloco o bem-estar e a felicidade de uma mulher que eu amo acima dos meus interesses empresariais?" Ivan atirou de volta. “Sim, você está certo. Eu sou um otário. Eu não quero colocar Katrina em risco por algum esquema meia-boca. Em vez disso, eu prefiro aproveitar o tempo gasto com ela em um ambiente longe de estresse ". "Suas prioridades estão seriamente distorcidas!" Maksim apontou para Ivan. "Estou começando a me perguntar se o nosso pai escolheu a pessoa errada para levar a família após a sua morte." "Ah, é mesmo?" Ivan estava esperando que isso viesse à tona. Houve várias alusões ao fato desde a morte de seu pai e da leitura do seu testamento. "Bom, isso é muito ruim. Talvez até mesmo o idiota do nosso pai tenha percebido que você é demasiado impetuoso para executar uma organização como esta ". "E você é muito fraco", Maksim replicou. Ivan fez uma careta. Eles festavam realmente trocando insultos como um casal de jovens? Era ridículo! Respirando fundo, Ivan decidiu entregar o último golpe e encerrar a noite. "E só para que você esteja ciente, estou restaurando o acesso de Katrina a internet. Ela precisa acessar seu e-mail


para a escola ". "Tanto faz.� Maksim virou as costas. "Mas não venha chorar para mim quando você acordar com uma faca em suas costas."


Capítulo Onze Katrina se sentiu realmente como uma princesa quando Ivan gentilmente pegou seu cotovelo e a levou a partir da porta da frente do alto edifício para o SUV preto que esperava na calçada. O ar ameno aquecia a pele nua de suas costas e pernas. Era tão bom estar fora de casa. O sol estava indo baixando e as luzes brilhantes de néon brilhantes dos sinais pintavam de cima a baixo, como joias, as calçadas da movimentadas ruas. Ela podia sentir o cheiro do mar a apenas alguns quarteirões de distância. Noites como esta faziam Katrina apreciar a vida, mesmo as partes confusas e mais complicadas. "Minha senhorita." Ivan fez um reverência exagerada quando ao abrir a porta de trás do SUV para que ela entrasse. Ela se acomodou no assento de couro e alisou a saia sobre suas coxas. O justo tecido de veludo azul-escuro a fez sentir-se sexy e atrevida ao mesmo tempo. Sophia, a estilista, tinha cortado as pontas do cabelo de Katrina e depois enrolou suas suaves madeixas loiras para prendê-las no topo de sua cabeça. O resultado era uma penteado suavemente desfeito com cachos que conseguiu enquadrar o rosto de Katrina e luziam seu sedutores olhos. Katrina nunca esteve tão ciente de seu poder feminino. Ivan correu para o outro lado do veículo e ficou ao lado dela. Ele deu uma série de comandos em um tom baixo de russo para o condutor antes de colocar cuidadosamente o braço em volta dela. Estranhamente, ele não se sentia controlador. "Você está incrível," Ivan disse a ela suavemente. "Eu mal posso parar de olhar para você. E agora eu tenho medo que você fique batendo nas minhas mãos durante toda a noite também. " "Por que? Ele gentilmente colocou a mão sobre sua coxa. "Porque eu estou morrendo de vontade de te tocar."


"Ah." A palavra saiu em um suspiro. Ela prendeu a respiração, sentindo sua pulsação vibrar em seu pescoço e se perguntando se ele podia ouvir o barulho de seu coração. Havia algo tão incrivelmente atraente nele. Ela não sabia dizer se era sua aparência sombria e linda ou algo mais. De qualquer forma, quando ele segurou seu rosto em sua mão, ela já estava inclinando-se em direção a ele para um beijo. Seus lábios se encontraram e o mundo parou um segundo. O toque era leve como uma pena. Não havia pressão. Ele gentilmente a persuadiu, deslizando a língua sobre a costura de seus lábios até que ela se abrisse para ele. O gosto dele era exótico. Ela fez um pequeno ruído com a garganta, desejando que ela fosse corajosa o suficiente para implorar por mais. Ivan segurou-a firmemente com uma mão e deslizou a outra até seu seio. Ele gentilmente circulou seu mamilo. Mesmo através de duas camadas de tecido, ela podia sentir o toque como uma marca a ferro. Ela engasgou e se arqueou em direção a ele. Era tão bom quando ele a tocava. Um tiro de excitação foi direto para seu núcleo e em segundos sua calcinha estava embebida em seu creme.. Ele se afastou apenas o suficiente para falar. "Eu te quero muito, Katrina." Cada movimento de seus lábios roçava sua bochecha. "Você é tão sexy. Você tem alguma ideia do que você faz comigo? " Suas palavras a inflamaram. Ela estendeu a mão e entrelaçou os dedos na suavidade de seu cabelo sedoso. Ela o beijou de novo, desesperadamente desta vez. Ele devolveu o beijo com outro de sua autoria, e depois outro. Logo não havia espaço entre eles. Ela estava quase rastejando em seu colo enquanto lutava para se aproximar de seu calor. Uma voz profunda vinda da parte da frente do veículo os interrompeu. "Senhor, nós chegamos." Era óbvio que o orador não tinha nenhuma vontade de interromper o momento. Katrina tinha esquecido completamente da presença do motorista. Ela estava mortificada que alguém tivesse visto ela se amassar com Ivan como se ela fosse uma adolescente com tesão. Ela saltou para longe dele e alisou o vestido e o cabelo.


Felizmente, Ivan apenas riu. Katrina o espiou, apreciando o tom de sua risada, mesmo estando um pouco envergonhada para participar. "Você é linda", Ivan disse a ela com ternura. "E parecer um pouco desarrumada só faz você mais sexy." "Para você talvez." Ela torceu o nariz. "Outras pessoas vão pensar que fico fazendo coisas na parte de trás do seu SUV. Muito fino, claro. " "Pergunte-me se eu me importo com o que algum estranha pensa sobre minha acompanhante," ele disse a ela. Um manobrista abriu a porta e Ivan saiu do veículo. Katrina se sentiu aquecida pela maneira como ele cuidadosamente a ajudou a deslizar pelo banco e sair do SUV sem amassar seu vestido. Ele se comportou como um verdadeiro cavalheiro. Ivan colocou cuidadosamente seu braço na dobra do cotovelo e a levou até o restaurante. Era óbvio que ele já esteve aqui muitas vezes. A equipe se ocupou dele imediatamente. A hostess os cumprimentou e, em seguida, os levou para uma mesa privada no meio do restaurante. "Você realmente é bem tratado, não é?", ela perguntou quando eles já estavam sentados. Ivan encolheu os ombros. “Às vezes um pouco de notoriedade compensa." "Você é dono deste lugar?" Katrina estava pensando no estranho estereótipo de mafiosos que sempre comem nesses restaurantes super-extravagantes dos quais eram os donos. "Não, eu não." Ele olhou ao redor. "Eu prefiro deixar que as pessoas do meu território continuem a possuir e operar seus negócios. Eu sei que não é necessariamente uma ideia popular, mas acho que as pessoas são um pouco mais motivadas pelo sucesso em seus empreendimentos comerciais quando o risco e os ganhos decisões deles próprios. Eu poderia compartilhar dos lucros de alguma maneira, mas eu não sou ganancioso como o meu pai era. " IVAN observava as velas cintilarem sobre os traços agora familiares do rosto de Katrina. O jantar foi perfeito. Tudo estava indo bem. A comida estava deliciosa. O serviço foi rápido, mas não


arrogante. E a conversa tinha sido alegre e gratificante. "O quê?" Ela sorriu para ele enquanto lambia uma boa quantidade de trufa de chocolate de sua colher. "Você está olhando para mim há uns bons cinco minutos. Tem chocolate no meu nariz ou algo assim? " Ivan não poderia deixar de rir. "Eu só estava pensando que olhar para você me tira o fôlego." "Uau," ela murmurou. Seus olhos azuis brilhavam. "Você é muito encantador quando quer ser." "Talvez." Ele procurou uma forma de aliviar o momento com uma conversa sobre o uso da internet sem parecer que ele estivesse tentando chegar à sua calcinha. "Como você está se acomodando na cobertura? Eu sei que toda esta situação foi um turbilhão bastante interessante ". "Sinto falta da minha família." A expressão dela se encheu de melancolia. "Eu estava na escola há tanto tempo, mas estamos habituados a manter contato. Sem o meu e-mail, estou ficando muito atrás na escola e perco todos os pequenos grupos de e-mails e piadas trocamos de vez quando. " "Eu não tinha pensado nisso." Ivan percebeu que ele não tinha imaginado como seria para Katrina estar completamente separada de sua família. "Nunca tive a intenção de fazer você se sentir sozinha assim." "Eu sei que você não." Ela deu uma outra garfada no pudim. O gesto lhe remeteu a pensamentos decadentes que não tinham lugar nesta conversa. "Eu gostaria de pensar que chegamos a um ponto de confiança onde eu posso te dar acesso irrestrito a internet e saber que você não irá passar informações sobre mim para as pessoas erradas." "Eu nunca faria isso!" Ela parecia verdadeiramente chocada. Ivan se apressou em suavizar qualquer acusação. "Eu não estou dizendo que você faria isso de propósito, mas se as autoridades estão monitorando sua irmã ou seu pai por algum motivo, eles podem pegar qualquer queixa ou comentário feito por você e usá-lo fora do contexto." Ela assentiu com a cabeça, com uma expressão muito séria. "Eu vou ter cuidado com o que


digo. Eu prometo. Eu realmente agradeço que você me deixe usar a internet. Você não tem ideia do quanto isso significa para mim. " Ela se estendeu sobre a mesa para pegar na mão dele. Ivan se deleitava com a sensação da pequena mão de Katrina sobre a sua. Ele tentou manter o autocontrole. Não faria nenhum bem pensar em voltar para a cobertura e possui-la. Na verdade, se ela soubesse o que ele estava pensando, teria provavelmente o efeito oposto. De repente Ivan viu Maksim caminhando através do restaurante com a mão sob o casaco como se estivesse prestes a puxar sua arma. Uma escura sensação de raiva começou a se construir no estômago de Ivan. Havia apenas uma razão possível para Maksim estar aqui agindo como a cavalaria proverbial e Ivan tinha sido muito específico quando disse "não" a seu irmão sobre este tema. "O quê?" Ivan estalou. Maksim agarrou o braço de Ivan e arrastou-o a seus pés. "Nós precisamos ir. Agora. Há meia dúzia de carros da polícia lá fora. Eles estão se preparando para invadir o restaurante. Temos que sair daqui. " O rosto de Katrina empalideceu vários tons e parecia que ela iria vomitar. Ivan amaldiçoou seu irmão por sua busca incessante pelo dedo-duro na sua organização. Ele poderia ter esperado uma noite. Não havia nenhuma razão para jogar jogos quando a segurança de Katrina estivesse na linha. "Katrina", disse Ivan tão calmo quanto possível. "Me dê a sua mão e fique do meu lado." "Não se preocupe com ela", Maksim rosnou. "Eles não se preocupam com ela. Eles querem você. " "Katrina virá comigo ou você estará sozinho nessa" Ivan disse com firmeza. Maksim soltou palavrões em russo e arrastou Katrina a seus pés. Ele a empurrou na direção de Ivan e levou a ambos para a parte de trás do restaurante. Ivan teve a impressão de que as portas da frente tinham sido abertas com chutes com um bando de policiais invadindo a frente do restaurante.


Os três desceram para a cozinha. O aroma de especiarias inundou os sentidos de Ivan. O ar no local estava pesado com o vapor. Garçons corriam para frente e para trás, a maioria carregando bandejas enormes amontoados com pratos e alimentos. Alguém virou-se para eles enquanto Maksim abria caminho passando a janela de pedido e indo para os fogões. Um grande corpo apareceu na outra extremidade da sala. "Pare! Polícia! Isto é uma ordem! " "Merda". Maksim girou e levantou a arma. Ivan agarrou Katrina e girou quando o primeiro tiro atingiu o coador a apenas alguns metros de distância e saltou para o teto. Ela deu um pequeno grito e agarrou os braços de Ivan enquanto ele se enfiava na a porta que dava para o beco. Outro policial apareceu no caminho que levava aos banheiros "Ivan Petrov, você está preso…" Ele nunca terminou sua declaração. Ivan colocou a cabeça para baixo e se jogou sobre o homem, deliberadamente chocando seu ombro contra o diafragma do policial. O homem engasgou e se dobrou. Isto permitiu que Ivan e Katrina saíssem do prédio. O SUV estava esperando no beco. Ivan nunca tinha ficado tão feliz em ver um veículo antes em sua vida. Ele puxou Katrina pelos degraus e em direção a uma lixeira. Havia uma briga acontecendo atrás dele e ele ouviu Maksim grunhido quando alguém muito provavelmente lhe deu um soco. Neste ponto, Ivan estava se sentindo como se seu irmão estivesse recebendo o que merecia. Com exceção de que Maksim era seu irmão e ele não queria que ele fosse preso. Ivan abriu a porta de trás do SUV e Katrina mergulhou no assento. Como ela estava lutando dentro do veículo, Ivan tirou sua própria arma. Estava escuro no beco. O único brilho vinha de um único poste de luz amarela fraca. Ivan podia ver Maksim lutando com alguém, talvez vários, mas ele não tinha nenhuma chance clara de acertar o tiro. "Maksim!" Ivan gritou, sabendo que seu irmão iria entender. Ivan apertou o gatilho. A arma resistia em sua mão enquanto ele descarregava uma bala. Ela se chocou contra o tijolo acima das cabeças dos Maksim e seus agressores. Os três


homens se separaram, os policiais foram para o chão e Maksim pulou para o SUV. Ivan subiu atrás de Katrina enquanto seu irmão saltou para o banco do passageiro da frente. Segundos depois, eles estavam acelerando para longe em uma corrida de pneus cantando e roncos de motor. Dentro do veículo, Katrina se encolhia nos braços de Ivan enquanto encharcava sua camisa com lágrimas.


Capítulo Doze Katrina estava encolhida no canto do sofá com um cobertor sobre os ombros. Seu cabelo era um ninho de ratos, e a maquiagem escorria por suas bochechas. Ela se sentia como um refugiado e certamente se parecia com um. Ela ainda não entendia o que tinha acontecido no restaurante. Por que os policiais vieram atrás de Ivan com esse tipo de poder de fogo? "Eu sinto muito," Ivan murmurou. Ele se sentou ao lado dela e gentilmente a puxou para seu colo. "Maksim é um idiota. Ele não tinha o direito de colocá-la no meio disso. " "Por que eles estavam atirando?" Ela enterrou a cabeça no peito dele, não se importando com o que ele pensava que aquilo significava. Ela precisava de conforto muito mais do que ela precisava de distância. "Eu não sei por que eles abriram fogo. Isso vai exigir um pouco de estudo. Vou mandar Maksim para investigar e descobrir o que está acontecendo. Mas isso não importa. Você está segura aqui comigo. Eu prometo. " Era óbvio que ele queria muito tranquilizá-la, mesmo que sua vida parecesse se intrometer a cada esquina. Será que vai ser sempre assim? Ele estava tão quente. Ela gentilmente enrolou as unhas no tecido suave de sua camisa, embora o que ela realmente quisesse era tocar sua pele nua. "Você pode tirar a camisa?" "Desculpe-me?" Ele parecia completamente pego de surpresa. "Por favor, não me pergunte por quê", ela implorou. "Eu só preciso estar perto de você." Essa explicação não fazia mais sentido, mas Ivan a obedeceu. Ele tirou a camisa e jogou-a sobre a outra ponta do sofá. Katrina passou as palmas das mãos sobre os músculos de seu peito. Era reconfortante sentir o quão forte e capaz ele era. Este homem iria mantê-la segura. Ele tinha acabado de ajudá-la a escapar de um grupo de policiais loucos disparando suas armas. Mesmo depois dela ter sido tão má com ele durante a maior parte desta última semana. "Isso é bom", disse ela calmamente. "Posso devolver o favor?"


"Sim." Ele tirou seu vestido para cima e sobre a cabeça dela, deixando-a de sutiã e calcinha. Katrina respirou fundo ao sentir o delicioso toque de suas mãos em sua pele. Ele passou as pontas dos dedos em suas costelas e gentilmente passou pelos omoplatas até massagear suavemente a tensão de suas costas. Em segundos, seus olhos estavam fechados e sua respiração era irregular. Tudo abaixo de seu umbigo se derreteu em uma poça de desejo. "Eu quero você, Katrina," Ivan disse em voz baixa. "Bem aqui e agora. Você é minha, e eu quero te mostrar exatamente o que isso significa. " Ela não poderia dizer não nem se quisesse. Agora não. "Sim." A simples palavra parecia desencadear algo escuro e sensual dentro de Ivan. Ele beijou seu pescoço e ombros, beliscando a pele dela com os dentes e fazendo-a dar um pequeno grito de surpresa. Tudo parecia surpreendentemente bom. Ela se contorceu contra ele, implorou por mais. "Coloque seus joelhos em cima do sofá e descanse os braços sobre a parte traseira", ele instruiu. A posição parecia estranha mas deliciosamente impertinente. Com suas pernas abertas, ela estava muito exposta. A palma da mão de Ivan pressionava contra suas costas. Ele percorreu sua coluna e, em seguida, deu um beijo sobre a linha de sua calcinha. Ela estremeceu quando começou a baixar sua calcinha por suas pernas. Um sopro de ar contra seu sexo molhado a fez estremecer. Em seguida, Ivan segurou seu bunda e a apertou. A sensação era erótica. Ela nunca tinha percebido o quanto ela poderia gostar desta posição. "Você está molhada para mim, Katrina?", Ele perguntou. Ela olhou para ele por cima do ombro. "Me toque para descobrir." De onde vinha essa gata brava e sexual? Ela não era assim, era? No entanto, quando Ivan a abriu e mergulhou em sua fenda, ela arqueou as costas, como uma gata no cio. Foi tão bom ter seus dedos contra sua carne inchada. Ele circulou seu clitóris e em seguida mergulhou em sua abertura. Seus músculos internos se moldavam à penetração, mas ela precisava de mais para


atingir o seu pico. Ela precisava de Ivan por inteiro. "Por favor", ela implorou. "Eu preciso de você, Ivan". A primeira vez tinha sido assim? Ela sabia que ela continuava fingindo não lembrar, mas que era uma mentira. Seu corpo sabia exatamente o que tinha acontecido naquela noite na casa de praia. E por isso ela estava tão ansioso agora. Ela sabia como iria se sentir. Ela ouviu o som do zíper de Ivan e, em seguida, o sofá se mexeu ao lado de suas pernas. Sua pele era tão incrivelmente quente ao lado dela. Isso era o que ela precisava. Suas mãos a abriram. A ponta de seu pau grosso deslizou através das dobras molhadas de seu sexo. Katrina fechou os olhos e jogou a cabeça para trás, esperando com grande expectativa o que estava por vir. A primeira pressão de seu membro em seu corpo foi requintada. A pressão e a fricção eram exatamente o que ela queria. Então, ele foi fundo e ela deu um grito de alívio. Mas Ivan não estava satisfeito. Tirando apenas alguns centímetros para fora, ele voltou a se afundar de volta em seu corpo. A intensidade do ato a fez estremecer por inteira. Logo o som de suas carnes se golpeando encheram a sala de estar. Ela não se importou. Não importa se cada um dos funcionários soubesse que eles estavam transando no sofá. Ela já estava longe demais para se importar. O orgasmo que ela queria tanto estava ao seu alcance. Seus músculos estavam se reunindo, e seu corpo se apertou quando ela estava na ponta da liberação. "Goze para mim, Katrina", Ivan ordenou. A resposta imediata foi impressionante. Ela se derreteu em orgasmo. O corpo dela se suavizou ao redor do pênis de Ivan enquanto ela apertava seus olhos fechados e se deixava levar. Seus quadris sacudiam com o tremor de seus músculos desciam até o pau de Ivan. Ele grunhiu e empurrou com força contra seu traseiro. Katrina gemeu de felicidade quando sentiu Ivan ejacular dentro de seu corpo. O calor de seu sêmen lhe deu outro choque que a fez cravar as unhas no couro do sofá. Foi tão bom. Nada


nunca tinha sido melhor. "Deus, mulher, você me deixa louco", ele rosnou. "Ninguém nunca me fez perder o controle desse jeito." Era estranho tomar isso como um elogio? Ela não sabia decidir. Era realmente justo que ela tenha perturbado Ivan já que ele a fazia se sentir louca a cada segundo do dia. "Eu amo estar com você." Ele se inclinou e deu um beijo em seu ombro. "Você é uma mulher incrível. Você sabe disso?" "Claro, mas você pode continuar a dizer", ela brincou. Ivan riu e desceu para o chão. Ela esticou o pescoço e viu que ele estava vestindo sua calça. Era um pouco estranho estar ali no sofá, apenas de sutiã. Ela estava prestes a descer quando Ivan a pegou em seus braços. Ela deu um pequeno grito de surpresa. "O que você está fazendo?" "Levando você para a minha cama." "Eu tenho meu próprio quarto, você sabe." Ela colocou os dedos contra sua bochecha, amando a textura da barba em seu rosto. "Minha cama é grande o suficiente para dois." Katrina não ofereceu resistência. Por que se preocupar se ela realmente não queria dormir sozinha. Para Ivan também não era só o brilho pós-sexo. Seus nervos ainda estavam tensos após o incidente no restaurante. Ela não queria ficar sozinha. Ele a colocou em sua cama. "Ai está." "Você vai se deitar?" Ela odiava o quão carente e vulnerável ela soava, mas lá estava ele. "Claro." Ela ouviu um barulho como se ele estivesse arrancando suas roupas. "Eu acho que eu estava com muita roupa.” "Eu também," ela decidiu. Em apenas alguns segundos, ela tirou seu sutiã e o arremessou pela sala. "Você ao menos prestou atenção onde ele foi parar?" Ela podia vê-lo girando-se para olhar


na escuridão. "Não. Vou encontrá-lo pela manhã. " Ele se arrastou para a cama ao lado dela. "Boa noite, Katrina." "Boa noite, Ivan." Ela se aconchegou e descansou sua bochecha em seu ombro. Seu último pensamento antes que ela dormisse foi que isto não deveria parecer tão certo. *** Katrina abriu os olhos e se sentou na cama. O sonho tinha sido tão real. Seu coração estava latejando. Tateando no escuro, ela finalmente sentiu o calor da pele de Ivan. Ela imediatamente começou a relaxar. Ele estava bem. Tinha sido apenas um sonho. "Calma, Katrina, era apenas um sonho." Ele tentou puxá-la de volta para o colchão. "Eu preciso pegar uma bebida." Ela se inclinou e deu um beijo em seu ombro. Era a única coisa que ela poderia realmente ver na escuridão. "Eu volto já. Prometo." Ele murmurou alguma coisa, mas ela não podia dizer o quê. Em segundos, ele estava roncando levemente. Ela gentilmente o tocou novamente apenas para ter certeza que ele estava bem. Inspirando e expirando lentamente, ela se levantou e foi pegar uma bebida. A sala estava escura, mas as luzes da cidade se derramavam pelo chão de madeira. Ela não tinha noção de que horas eram, mas ela suspeitava que deveria ser antes da quatro da manhã. O pequeno copo de água não fez nada para acalmar suas emoções irregulares. Não havia nenhuma maneira dela ser capaz de voltar para a cama. Não imediatamente. Pegando seu laptop, ela se perguntou se seu acesso a seu e-mail havia sido restaurado. Recuperar o atraso dos e-mails poderia levá-la a se sentir cansada. Ela se enrolou em um canto do sofá e abriu o computador. Na tela, ela viu que tinha mais de quinhentos e-mails. Katrina fez uma careta. Se Ivan não a tivesse mantido aqui trancada como uma prisioneira, ela não precisaria vasculhar dias e dias de e-mails. Vasculhando através do lixo eletrônico, correntes e outras coisas sem interesse, Katrina


finalmente de deparou com um e-mail de sua irmã. Seu coração saltou à vista quando viu o endereço de eletrônico de Nika. Baixando a tela do e-mail, ela se acomodou para ler o que provavelmente seriam algumas anedotas sobre a floricultura. Só que e-mail de Nika não era sobre isso. Katrina leu tudo de uma vez, e, em seguida, leu novamente para ter certeza que ela tinha entendido o conteúdo. Seu pai estava tentando fazer um acordo com a polícia local, a fim de encontrar Katrina e trazê-la de volta para casa. Nika queria Katrina tomasse alguma atitude antes que seu pai se aprofundasse com os policiais locais. Katrina deixou o laptop de lado e colocou os braços ao redor de seus joelhos dobrados. Sua família ainda estava em apuros. Pior, seu pai ia se meter em problemas com os dois, com Maksim e com os policiais, se isso continuasse. Ela não sabia por que a polícia tinha sido tão ansiosa em atirar primeiro e perguntar depois, mas não era um bom presságio para Ivan ou para a sobrevivência de sua família. Ela precisava de um plano e rápido. O tempo estava acabando e ela queria fazer as coisas direito para as pessoas que amava. Todos eles.


Capítulo Treze Ivan rolou na cama e a encontrou vazia. O sol da manhã apenas começava a brilhar em torno das cortinas de seu quarto. Acordar sozinho era um saco. Especialmente porque ele tinha ido para lá sozinho. Apoiando as mãos atrás da cabeça, ele pensou sobre a noite. Ele nunca tinha dormido tão profundamente antes em sua vida. Ele não poderia dizer se isso era por fazer amor com Katrina ou simplesmente por adormecer com ela ao seu lado. Ele se lembrava dela ter um sonho ruim em algum momento nas primeiras horas da manhã. Ela lhe disse que pegaria uma bebida e, em seguida, voltaria para a cama. Aparentemente, não foi isso que aconteceu. Doía um pouco que ele ainda não tinha sido consciente o suficiente para perceber que ela tinha desaparecido. A ideia de que ele tenha "dormindo no trabalho" o deixou de mau humor. Então, ele viu Katrina aparecer pela borda da porta aberta e seu humor melhorou imediatamente. "Ei," ela disse suavemente. "Ei, você." Ele sorriu e acenou para que ela se aproximasse. "Vamos voltar para a cama." Ela não protestou, vindo de boa vontade e subindo ao lado dele. Ivan a envolveu em seus braços e a segurou perto de seu peito. Parecia certo se deitar assim. Na verdade, parecia incrivelmente certo ser assim. "Ivan", Katrina sussurrou. "Eu preciso de um favor." "O que?" Ivan ainda estava absorvendo as boas vibrações de ter Katrina esmagada ao lado dele na cama. "Eu já mandei restaurar seu acesso a internet." "Sim, eu sei." "Ah, então o favor tem a ver com algo que você descobriu online?" Ele só podia imaginar onde esta conversa estava indo.


"Ei! Você está lendo meus e-mails? " Ela pulou tão rápido que acabou atingindo o queixo dele. Ivan a empurrou de volta para baixo contra o peito dele, onde ela pertencia. "Não. Eu não tenho que lê-los. É óbvio o que aconteceu. Você deve ter visto algo em seu e-mail e veio aqui implorando favores ". "Ah." Ela parecia estar ponderando que mais. "Eu acho que faz sentido. Você sabe que se você lesse meus e-mails, eu ficaria seriamente chateada." "Entendi." "Eu preciso ver minha irmã." Ivan podia sentir que Katrina estava segurando sua respiração, ansiosa pela resposta. "Você pode me dizer por quê?" Ele perguntou, analisando o ambiente. "Isso é privado." Ivan podia imaginar o humor de Maksim quando dissesse ao seu irmão que ele deixaria Katrina ter uma pequena reunião com sua irmã. Primeiro de tudo, Maksim odiava Nika. Segundo, eles estavam tentando descobrir o que estava acontecendo com os policiais e este vazamento de informações em sua organização. "Ivan, por favor? Ela é minha irmã. "A angústia de Katrina finalmente fez com que ele cedesse. "Ok. Mas você precisa ir e estar de volta ao meio-dia de hoje. Entendeu?" Ivan pensou na tristeza sem fim que isso causaria. "E eu vou mandar dois dos meus homens para vê-la, então, não banque a engraçadinha." "Ai, meu Deus, como se eu fosse chamar a polícia para que eles possam atirar em mim por conta do problema!" Ela deu um cutucão nele. Ele certamente não tinha a intenção de que o incidente da noite anterior plantasse sementes de paranoia na cabeça de Katrina. Mas se isso a mantivesse a salvo, ele o faria. Ela começou a rolar para fora da cama. Ele a pegou e devorou seus lábios em um beijo longo e faminto. Os


pequenos ruídos que ela fez na parte de trás da garganta o deixaram louco. Na verdade, tudo sobre esta mulher o deixava louco. Ela saltou para fora da cama e se dirigiu para seu próprio quarto. "Eu vou estar de volta antes do meio-dia. Prometo." "É melhor assim, Cinderela!" Ele gritou para ela. Ivan tateou em sua mesa lateral, finalmente encontrando seu telefone e disparando uma mensagem rápida para Mikhail. Minutos depois, o musculoso homem apareceu na porta de Ivan. Mikhail, obviamente, não estava totalmente confortável com a intromissão no quarto privado do chefe. Normalmente era Maksim quem parecia não ter qualquer tipo de propriedade ou limites. "Você precisa de algo?" Mikhail perguntou em russo. A escolha da língua fez o seu desconforto ainda mais evidente. Ivan teve pena dele e não mencionou nada. "Eu quero que você siga Katrina quando ela saia." "Ela está indo embora?" Mikhail levantou as orelhas. "Não para sempre. Ela estará de volta ao meio-dia." Ivan pensou sobre esta necessidade súbita e urgente de ver sua irmã. "Ela vai para um brunch com sua irmã. Leve um outro homem com você e mantenha distância, mas sem tirar o olho dela. " "Devo informar o Maksim?" Mikhail perguntou deslocado, incapaz de olhar Ivan nos olhos. Ivan detestava colocar outras pessoas no meio de suas brigas com Maksim, mas ele realmente não queria seu irmão envolvido nisso até que houvesse uma necessidade real. "Não. Me mande uma mensagem se algo de anormal acontecer e eu decido se coloco Maksim na jogada ou não. " "Tudo bem, chefe." Mikhail baixou a cabeça e, em seguida, desapareceu pela porta. Ivan quase riu alto. Se desse uma arma automática ao seus homens e pedisse que eles entrassem em um armazém cheio de combatentes armados, eles o fariam sem medo nenhum. Peça a eles para intermediar um confronto potencialmente dramático entre Maksim, Ivan, e Katrina e eles


fugiriam como bebês. Com um suspiro profundo, Ivan se sentou e jogou as pernas para o lado da cama. A vida era tão horrivelmente complicada. As coisas tinham sido muito mais fáceis quando ele não era o único responsável. Comandar tudo era muito superestimado. Especialmente quando o custo poderia ser mais do que ele estava disposto a pagar. *** Katrina lançou os braços ao redor de Nika e apertou com força. Sua irmã mais nova deu um gritinho e depois riu quando ela retornou o abraço. Era tão bom ver sua irmã! Elas estavam acostumadas a estar separadas. Fazia quase uma década que Katrina tinha saído de casa para ir à faculdade. Mas elas nunca tinham passado mais de uma semana sem qualquer tipo de contato. "Estou tão feliz em te ver!" Katrina vibrou. Nika se sentou à mesa com seu café. Era óbvio que ela tinha muita coisa em mente. Katrina se sentou com seu próprio café e esperou por Nika para que pudessem pensar juntas em tudo. Era incrivelmente bom estar de volta ao Mamacita’s. Ela não esperava que a pequena loja se tornaria um lugar confortável para se encontrar e conversar, mas o ambiente familiar parecia acalmá-la depois de todo o tumulto. "Você precisa voltar para casa, Katrina," Nika disse em voz baixa. "Papai está enlouquecendo sem você. Ele não come. Ele não trabalha. E ele está incomodando a merda dos policiais para que eles saiam atrás de você ". Katrina traçou o logotipo do copo de café com um dedo, tentando decidir o que dizer. "Eu não quero voltar para casa." Ela não tinha percebido quão verdadeiras eram suas palavras até que elas foram ditas. Nika ficou boquiaberta. Obviamente, sua irmã e seu pai estavam pensando que Katrina era uma prisioneira. E para ser honesta, ela podia ver Mikhail e outro dos homens de Ivan zanzando na frente de uma loja do outro lado da rua. Ainda assim, Ivan era superprotetor acima de tudo. Depois da situação ridícula com a polícia na noite anterior, talvez ele tivesse razão em agir


forma. "Como você pode dizer isso?" Nika exigiu. "Ivan levou você embora contra a sua vontade! Papai devia-lhe dinheiro e ele te usou para cobrir a dívida!" "Tudo começou dessa forma, sim." Katrina deu um gole de café para ganhar mais tempo para pensar. Explicar que seus sentimentos tinham mudado era mais complicado do que ela imaginava. "Mas, honestamente, Nika, Ivan não é um cara do mal. Ele é um homem maravilhoso. Ele é gentil e atencioso e ele está fazendo um grande esforço para mudar a maneira como ele lida com as pessoas." "Ele é uma puta mafioso, Katrina!" Nika sussurrou com voz rouca. "Ele faz coisas ilegais e toma dinheiro que não é dele." "Essa é a parte estranha, Nika." Katrina sabia que sua irmã não ia gostar disso. "Papai aceitou essa proteção. Pode não ser totalmente legal, mas os policiais não estavam fazendo nada para se livrar dos vândalos. Fiz algumas pesquisas e Ivan não estava mentindo para mim quando me disse que a polícia nesta área estava vendendo drogas para os moradores. Os arrombamentos aconteceram por causa do problema da droga." "Quem disse que os Petrovs não estavam por trás de tudo isso? Eles fizeram nosso pai acreditar que precisava de proteção. Em seguida, eles cobraram por isso! "A afirmação de Nika não parecia tão certo como há alguns minutos. "Eu não estou negando que o pai de Ivan era um idiota." Na verdade, pelo que Katrina tinha ouvido falar dele, o cara era um mau caráter sem alma. "E eu não estou nem dizendo que ele não teria se aproveitado de uma oportunidade de negócio. Só estou dizendo que, no caso do nosso pai, o Petrovs ofereceram um serviço real e ele aceitou. Então, ele não cumpriu sua parte do acordo. " "Então você está do lado de Ivan?" Nika soou enojada. "Eu nunca te imaginaria como uma traidora da sua família." "Não é tão simples assim," Katrina argumentou. "Só isso." Ela suspirou. Sua irmã ainda era


tão jovem e impetuosa. Parecia estranho já que a diferença entra as duas era de apenas dois anos. "Eu amo o Ivan. Ele é um bom homem. Ele tem sido bom comigo mesmo sem nem precisar. Ele cuidou de mim. E eu gosto de estar com ele. " "Sua vendida", Nika reclamou. Katrina revirou os olhos. "Você pode parar?" "Katrina?" Katrina virou, chocada ao ver seu pai se aproximando da mesa. Ele estava com dois policiais. Um enorme nó se formou em no seu estômago. Isso não ia acabar bem. As expressões de ganância e ansiedade nos rostos dos policiais eram indicadores disso. "Papai, o que você está fazendo?" Katrina sussurrou. Seu pai apertou sua mão. "Esses homens só querem o Ivan. Diga onde ele está se escondendo e eles vão deixá-la voltar para casa. " "Não, eles não irão." Katrina olhou para os homens e sabia que estava certa. "Eles irão me manter sob custódia até que eles possam me usar para forçar Ivan a fazer o que eles querem." "Por que você está dizendo isso?" Seu pai perguntou. "Você não significa nada para esse idiota!" "Isso não é verdade, papai. Eu amo Ivan e ele me ama." Ela torceu o nariz para os policiais. Eles já estavam se aproximando dela como se soubessem que ela estava pensando em fugir. Ela balançou a cabeça. "E estes homens sabem do que Ivan abriria mão para me ver segura." "Filha, você precisa acreditar em mim. Isto é o melhor." Seu pai tentava ganhá-la pela consciência. "Desculpe-me, senhor," o policial mais alto interrompeu. "Sua filha vai terá que ir até a delegacia com a gente para preencher uma declaração." "Você não disse nada sobre isso mais cedo." Seu pai franziu a testa. Katrina suspirou. "Olha, papai. Você não pode confiar neles. Assim como você não pôde


confiar neles todos esses anos para frear o vandalismo na floricultura ou os assaltos no bairro. Mas você confiou nos Petrovs, não é? E eles fizeram o que disseram que fariam. " "Talvez", seu pai disse fracamente. "E então você não pagou o que tinha combinado." Katrina se inclinou e beijou seu pai na bochecha. "Eu estou bem, papai. Ivan me trata bem e não há nenhuma maneira que eu possa estragar isso. " "Katrina Sokolov, você está presa por extorsão e conspiração para fraudar o governo." O policial mais baixo parecia quase triunfante. Então, ele olhou em volta e percebeu que Mikhail e seu companheiro tinham entrado no Mamacita’s. Os dois policiais não levariam Katrina sem ao menos uma luta.


Capítulo Quatorze Gritos eclodiram no interior do café quando alguém viu o policial mais baixo puxar sua arma. Katrina empurrou o pai em direção a Nika. "Saia com ela daqui. Saiam agora e não olhem para trás. Você não pode se envolver nisso! " "Mas filha!" Seu pai começou a protestar mas o policial mais baixo disparou sua arma em um ponto sobre o ombro de Katrina. O som da primeira bala era ensurdecedor. Katrina gemia de dor enquanto seu tímpano parecia haver sido rompido. Ela podia não podia ouvir nada, apenas um som agudo. Seu primeiro instinto foi se jogar no chão mas Mikhail a agarrou pelo braço e foi a arrastou até a saída. "Saia!" Ele ordenou. Katrina obedeceu e teria feito isso se o homem trazido por Mikhail não tivesse agarrado sua cintura. Ela lutou, confusa sobre o que estava acontecendo. "Sasha?" Mikhail parecia aturdido. "Pegue Katrina e saia daqui!" O policial alto puxou sua arma e apontou para Mikhail. "Você vai. E, então, nós te deixaremos viver. " Os outros clientes do Mamacita’s já tinham saído. Provavelmente havia dezenas de chamadas para a emergência sendo feitas naquele momento. A pior parte era que a polícia era o inimigo. Não havia ninguém para pedir ajuda. Mikhail ainda estava focado em seu colega. O homem estava arrastando Katrina em direção à polícia. Obviamente, eles tinham acabado de desmascarar o dedo-duro. Pena que havia sido no pior momento. "Você ouviu, Mikhail." O homem chamado Sasha tinha um sorriso no rosto e um ar de superioridade. "Meu primo está lhe dando a chance de viver. Não cague esta oportunidade. Ou você pode deixar o fraco do Ivan para trás e se juntar aos Tretiaks ".


"Você é o traidor?" Mikhail rosnou. Katrina tentou se esquivar de Sasha, mas ele apertou seu braço com tanta força na sua cintura que ela pensou que ele poderia cortá-la pela metade. Mal conseguindo respirar, ela tentou ter calma e pensar. Então ela viu algo maravilhoso. Atrás do balcão, por onde os empregados haviam fugido, ela viu Maksim e Ivan se movendo escondidos. Eles estavam, obviamente, tentando encontrar uma posição melhor para intervir. "Eu não vou deixar a Katrina com você!" Mikhail avisou a Sasha. "Deixe ela ir. Você sabe que Ivan vai matá-lo por isso. " Sasha riu. "Ele é fraco demais para puxar o gatilho." Ivan repente saiu de trás do balcão. "Você tem certeza?" Sasha soltou um palavrão em russo. "Matem ele!", Ordenou à polícia. "Ele é um criminoso, não?" Mas a polícia parecia nervosa. Agora eram três contra três. As probabilidades não eram boas para os policiais que não sairiam dessa sem alguém perguntar porque eles haviam puxado suas armas em um café e atirado em uma mulher desarmada. Denunciar Mikhail como um ladrão seria simples. Um tiroteio com Ivan e Maksim não seria tão fácil de explicar. O policial mais alto começou a recuar em direção à porta. "Sasha, eu acho que nós precisamos renegociar." "Eu não concordei em mexer com esses dois diretamente", o mais baixou assentiu. "Ah, claro, mas você pode atirar nas minhas costas enquanto eu janto?" Ivan disse espumando. "Covardes!" Ele puxou sua semiautomática e diminuiu a distância entre ele e os policiais. O coração de Katrina quase parou quando ela percebeu que ele estava se colocando diretamente na linha de fogo. Ela tinha que ajudá-lo! Se ela pudesse fazer com que eles se distraíssem, ela poderia ajudar a acabar com este impasse ridículo.


Contorcendo-se contra Mikhail, ela conseguiu colocar seu braço mais perto de seu pescoço. A ação teve um efeito negativo e era impossível respirar, mas ela poderia alcançar o babaca com os dentes. Pensando que agora é melhor do que nunca, ela chamou a atenção de Maksim e depois mordeu o antebraço de Sasha o mais forte que conseguia. Seus dentes queimavam com a intensa pressão e, segundos depois, ela estava voando. Sasha gritou como uma adolescente em um concerto de rock e a empurrou para longe dele tão rapidamente que ela não podia se manter em pé. Katrina girou para longe, tentando e não conseguindo pousar graciosamente. Seu pé ficou preso na perna de uma cadeira e ela bateu no chão como uma pilha de tijolos enquanto Maksim disparava um tiro que pegou Sasha no intestino. Sua mão se sacudiu ao baixar e um segundo tiro estalou pelo ar. Para o horror do Katrina, Mikhail grunhiu e caiu de joelhos. O som ensurdecedor dos tiros e a visão de Mikhail levando um tiro fizeram Katrina gritar de horror. Isso também teve um duplo efeito e fez os policiais fugirem. Aparentemente, eles desistiram de fingir que isto era um crime que eles estavam investigando. Os dois homens se viraram e correram para a porta. Maksim começou a latir ordens em russo. Atordoada, Katrina assistiu em silêncio quando uma dúzia de homens Petrov invadiram o Mamacita’s. Eles pegaram tanto Sasha quanto Mikhail e os empurraram para fora do café. Katrina sem lembrou que o Mamacita’s estava no território de Ivan. Isso significava que ele tinha a capacidade de desfazer tudo isso? Ivan se ajoelhou ao lado dela. "Você está machucada?" "Não" Katrina tremia. Ela não conseguia nem andar. "Mikhail vai ficar bem? E o meu pai e minha irmã? Você os viu lá fora?" Katrina pensou em como eles deveriam estar preocupados. "Eu tenho que encontrá-los para dizer que estou bem." "Eu acho que você já teve contato suficiente com a sua família para um dia," Ivan disse friamente. Ele balançou Katrina em seus braços e saiu do Mamacita’s com Maksim atrás dele. Não lhe


ocorreu até que eles tivessem no carro, que o tom e forma de Ivan sugeriam que ele acreditava que ela tinha desempenhado um papel na sua traição. Não, Ivan, não! *** Ivan nunca esteve tão irritado em sua vida. Quando Mikhail ligou para ele para dizer que o pai de Katrina tinha trazido dois policiais ao seu brunch com Nika, ele tentou dizer a si mesmo que ela não tinha a intenção de que isso acontecesse. Ele tinha mandado a Mikhail para resgatá-la da polícia. Em seguida, ele tinha chegado lá e a viu entrar no que parecia ser uma negociação com sua família. Ela estava traindo Ivan? Ela sabia seu pai estava se oferecendo para usá-la como uma forma de chegar a ele? Ele poderia confiar nela novamente? "Essa mulher será a sua morte," Maksim disse sombriamente. "Olhe para essa zona!" Ivan bufou. "Ah, sim. A zona. Você está falando do fato de que agora sabemos quem é o nosso traidor e como a polícia está ligada aos Tretiaks? " "Tem isso também…" Maksim admitiu a contragosto. "Mesmo assim, ela é um problema. " Mikhail grunhiu enquanto seu médico dava injeções em seu braço por conta da bala. "Katrina não estava te dedurando, chefe." Ivan desejou que ele pudesse ter cinco segundos de tempo sozinho para pensar sobre as coisas em paz, mas isso não ia acontecer. Eles estavam todos escondidos aqui em um de seus armazéns, mas a polícia estaria atrás deles em menos de uma hora. Levaria tempo para os policiais de verdade seguirem as falsas pistas que as pessoas do Mamacita’s se comprometeram em fornecer. Ivan teve o pensamento tardio de que pelo menos as pessoas de seus território estavam começando a se afeiçoar a ele. Por enquanto, eles tinham alguns minutos no armazém para interrogar Sasha e para um médico ver a feridas de Mikhail. E para lidar com Katrina. "Deixe-me falar com ela", Maksim pediu. "Vou fazê-la ser honesta." "Não. Você vai assustá-la de propósito," Ivan argumentou. "Vá falar com Sasha. Não me


importa o que você tem que fazer. Descubra quantos de seus primos trabalham no departamento de polícia. Precisamos saber quem está atirando na gente. Então entregue-o aos Tretiaks. Ele não é mais útil para eles. Tenho certeza de que eles sabem o que fazer com um traidor maldito." Maksim pareceu desapontado. "Você realmente vai acreditar em qualquer coisa que essa mulher diz?" "Eu não sei" Ivan disse a seu irmão. "Mas eu vou ouvir." Ivan deu um tapinha no braço de Mikhail e depois se dirigiu para a sala onde Maksim tinha colocado Katrina. Quando ele entrou, viu que seu amoroso irmão tinha algemado Katrina à mesa como se ela fosse um criminoso comum. A visão lhe lembrava que, não muito tempo antes, ela tinha definido a Ivan dessa mesma maneira. "Ivan!" Ela parecia aliviada. "Você está bem!" "Você está decepcionada?" Perguntou. "Porque eu estaria?" A confusão em seu rosto era tão convincente, Ivan tinha dificuldade em decidir como proceder. Ela era leal ou não? Ele acreditaria nela? Até agora, ele nunca tinha pensado que ela poderia ser uma boa atriz. Katrina era muito brusca e prática para fingir qualquer coisa. "Mikhail está bem?" Ela parecia genuinamente preocupada. "Eu vi que ele levou um tiro no braço. Eu sei que não é uma ameaça à sua vida, mas ele poderia perder a destreza e tenho certeza de que isso seria angustiante." Ela mordeu o lábio, nervosa. "Ele tem família? Tenho certeza de que eles devem estar preocupados." "Por que você está tão preocupada com Mikhail?" Ivan perguntou honestamente. Suas elegantes sobrancelhas se uniram em preocupação. "Ele correu um grande risco para me ajudar, Ivan. Ele é a única razão pela qual o policial corrupto não me arrastou para fora do Mamacita’s. Eles estavam tentando me usar para atrair você." Ela se inclinou para frente, deixando seus pulsos travados com um som metálico abafado. "Meu pai não entendia o que ele estava fazendo, Ivan. Por favor, não se vingue. "


"Por que eu não deveria fazer isso?" Ivan decidiu entrar no jogo embora ele não tivesse ideia de onde esta conversa estava indo. Uma única lágrima rolou pelo seu rosto. Ela secou seu rosto com o braço o melhor que podia. "Papai pensou que eu era um prisioneira. Ele e Nika não percebeu que eu estou feliz com você. Eles não entenderam que eu te amo e que quero ficar com você. Mas eu disse a eles. Eu disse a eles que eu não queria sair. Eu quero ficar com você." "Você quer?" Ivan mal podia forçar as palavras por entre os lábios dormentes. Ele tinha medo de ter esperança. "Você quer ficar comigo?" "Ivan". Ela parecia chocada. "Como você pode perguntar isso?" Ele encolheu os ombros. "Eu te levei por um caminho muito menos que romântico." "Eu acho que pode parecer isso." Ela riu um pouco. "Mas eu não precisaria ficar. Eu poderia ter tentado escapar. Eu poderia ter sido um pé no saco. Eu poderia ter mandado uma mensagem para minha família ou te entregado para a polícia." Ela apertou os lábios, seus grandes olhos azuis cheios se encheram com o tipo de calor amoroso que ele esperou a vida toda para ver. "Mas eu não quero. Você não entende isso?" "Katrina", Ivan sussurrou. "O que você está dizendo?" "Eu estou dizendo que eu preferiria morrer a te trair." Sua voz era sólida como uma rocha. "Eu estou dizendo a você que eu te amo. E eu estou prometendo que quero estar com você por vontade própria e não porque o meu pai te deve alguma dívida estúpida." Ela apertou a mandíbula, teimosa como um burro. "Na verdade, eu vou pagar de volta cada centavo se é isso que é preciso para provar que eu quero estar com você." Ivan não podia resistir. Ele riu até as bochechas doerem. Maksim não ficaria feliz com esse desdobramento. Mas Ivan realmente não se importava com o que seu irmão pensava. Katrina deu um sorriso e balançou as mãos para fazer um chocalho com as algemas. "Mas você precisa me soltar ou eu vou chutar o seu traseiro quando chegarmos em casa."


Capítulo Quinze Ivan apontou para Maksim e indicou que ele deveria ficar do lado de fora da entrada traseira da floricultura para vigiar. Seu irmão lhe mostrou o dedo do meio e, em seguida, assumiu a posição com os braços cruzados. Ivan não julgou Maksim por sua má atitude. O homem tinha se decepcionado que Ivan não tinha dado um fora em Katrina. Agora, dois dias depois, Ivan tinha tomado a decisão de deixar a segurança de seu esconderijo/cobertura e levou Katrina para visitar sua família. Dizer que Maksim estava irritado era um eufemismo de proporções épicas. "Será que ele nunca vai superar isso?" Perguntou Katrina, olhando para a expressão azeda de Maksim. Ivan considerou a realidade de sua pergunta. "Eventualmente. Ele pode guardar rancor contra você por um tempo ainda. Ele é muito infantil nesse aspecto." "Baby." Ela dirigiu o comentário a Maksim, que lhes mostrou o dedo médio outra vez antes de grunhir e olhar para o outro lado. Katrina abafou uma risadinha antes de entrar pela porta de trás da loja de seu pai. Ela só foi autorizada a mandar um e-mail mais do que genérico a Nika, dizendo a sua irmã que estava a salvo. Ivan se sentiu mal por isso, mas era a única maneira dele garantir que a segurança de Katrina não seria comprometida. Agora, enquanto observava Katrina se dirigir ansiosamente em direção à frente da loja onde seu pai estava trabalhando, Ivan se sentiu mal de ter evitado sua família por tanto tempo. Ela foi em direção ao seu pai e jogou os braços em volta de seu pescoço. "Eu vim visitar vocês!" Ela anunciou. Nika apareceu na sala de trás e atirou-se em Katrina. "Meu Deus! Eu não posso acreditar que você está aqui! E segura também. Eu estava tão preocupada depois do e-mail ridículo que


você me mandou. " "Era tudo que eu podia me arriscar a dizer depois dessa loucura do Mamacita’s", explicou Katrina. Ela lançou um olhar para Ivan e ele se sentiu quase inseguro sob o escrutínio de Nika. "Ivan estava cuidando bem de mim e me mantendo segura. Certo, Ivan?" Ele acenou com a cabeça na hora, sentindo-se como um urso treinado. Mr. Sokolov olhou para ele, com a suspeita ainda acesa em seu olhar. Ivan deu um aceno educado ao velho. Ele não tinha nenhum desejo de começar a rivalizar com sua família. "Papai, Nika," Katrina começou. "Eu trouxe Ivan aqui hoje porque precisamos limpar o ar entre nós de uma vez por todas." "É aqui que você entra com a sua síndrome de mulher agredida e diz que vocês estão juntos porque se amam?" Nika zombou. "Quer parar?" Katrina pareceu aflita. "Eu o amo mesmo. Ivan me trata como uma rainha. Eu não sei por que isso é tão difícil de acreditar. " "Hum, deixe-me pensar," Nika disse sarcasticamente. "Vamos começar com ... ele é um mafioso". "Ivan é um bom homem", disse Katrina. Ela apontou para a frente e Ivan suspirou. Isto era extremamente desconfortável. Por que ser um bom namorado significa ser agradável com a família da sua namorada? Especialmente quando eles eram ranzinza como o pai de Katrina. "Filha, você realmente o ama?" Perguntou Sokolov. "Sim." Katrina assentiu enfaticamente. "Eu quero estar com ele." "Você não me deve nada mais." Ivan disse finalmente. "Eu amo a sua filha. Eu estou perdoando sua dívida não porque a tenho, mas porque eu estou com ela e quero fazê-la feliz." Aha! Ivan pôde ver o minuto em que o velho homem entendeu tudo. Finalmente alguém estava vendo a razão. Não que ele pudesse dizer o mesmo sobre Nika. A jovem olhou como se ela estivesse prestes a explodir.


"Nika, não", disse Katrina a sua irmã. "Eu sei como você se sente. Entendo. Mas esta é a minha escolha e eu vou fazer isso." "Você está cometendo um erro," Nika estalou. "Você é a que estava sempre tão obcecada com a mafiya ," Katrina lembrou sua irmã. Ivan considerou isso com interesse. Nika estava fascinada com histórias sobre as famílias do crime, não? Interessante. Ele definitivamente não teria imaginado isso ao ver seu comportamento crítico. "Isso foi antes de perceber o quão horrível todos eles são", Nika disse petulante. "Eles fazem uma tonelada de dinheiro com as pessoas pequenas e não compartilham nada." "Isso não é verdade!" Katrina protestou. Apesar de ter sido bom ouvir a mulher que amava defendê-lo em frente sua família, Ivan não deixaria Katrina ser empurrada para esse papel. Ele ergueu a mão para silenciar o resto da agressão verbal de Nika. "O quê?", Ela rosnou. "Alguém poderia pensar que você parece com ciúmes" Ivan apontou. "Com ciúmes?" O olhar de Nika se afastou e ela parecia desconfortável. "Por que eu teria ciúmes?" "Talvez porque sua irmã ..." Ivan não terminou de falar, porque Katrina agarrou seu braço e o apertou forte. "Nika, me desculpe por te deixado sozinha aqui com Papai por todos esses anos." Katrina se moveu lentamente em direção à sua irmã." Eu sei que você lidou com este tema de dinheiro, os problemas da loja e com todo este drama sozinha. Isso foi errado da minha parte. Eu fiquei tão envolvida em meus estudos que esqueci o que significava ser uma parte de uma família." Katrina puxou sua irmã em seus braços. "Eu não vou mais fazer isso. Eu vou estar grudada em você a cada segundo de cada dia, cuidando de você. " "Ai, meu Deus!” Nika deu uma risada. "Por favor, não me ameace com isso!"


Ivan olhou em confusão enquanto as irmãs riam, choravam e abraçavam. As mulheres eram impossíveis de entender. Então ele olhou para Sokolov e viu que ele estava em um estado semelhante de confusão. Ivan caminhou para perto do velho homem e ficou surpreso quando Sokolov sorriu para ele. Ivan deu de ombros em resposta. "Isso é normal?" "Aprendi a não tentar entender por que eles fazem o que fazem" Sokolov disse a ele. "Quanto mais velho fico, mais eu percebo que os homens nunca tiveram a intenção de compreender como a mente de uma mulher funciona." O velho deu um tapinha no braço de Ivan. "Você verá." *** A pedido de Katrina, eles estavam de volta na pequena casa de praia mais uma vez. Ela olhou para ondas do lado de fora. O céu crepuscular pintava a água em tons profundos de azul é púrpura. A visão era quase etérea. Com o cheiro de sal do mar e os sons suaves da noite da praia, ela estava no céu. Ela ouviu Ivan se aproximando e se virou para sorrir para ele. "Eu queria saber para onde você tinha fugido." "Achei que você e Maksim poderiam ter um pouco de privacidade para conversar." Katrina perguntou se o irmão de Ivan iria perdoá-la por suas transgressões imaginárias. "Ele vai superar isso", disse Ivan, adivinhando corretamente seus pensamentos. "Eu te amo, sabia?", ela disse a ele. Ivan colocou os braços ao redor de sua cintura e virou seu rosto para ele. "Eu sei disso. E eu te amo também." "Você está pronto para ir para a cama?" Perguntou Katrina. Ele pareceu surpreso. Então ela começou a puxá-lo para dentro das portas francesas que levavam diretamente para o quarto. Eles não precisavam esconder nada mais. Ele bateu a porta para entrar.


Katrina apertou seus lábios contra os dele, beijando-o com tudo o que ela sentia por dentro. Ela queria que Ivan soubesse que tudo o que ela não eram só palavras. Ela sentia isso. E quando ele deslizou a língua entre seus lábios e aprofundou o contato, ela sabia que ele havia entendido a mensagem. Eles caíram contra a cama, mas no último segundo Ivan se afastou. Ele deu um passo para trás e olhou para Katrina de uma forma que pôs seu sangue em chamas. Ivan arrancou sua camisa sobre a cabeça e, em seguida, empurrou seus shorts para o chão. "Eu gosto quando você está nu", ela brincou. "Mas agora eu tenho muita roupa." "Então, tire tudo." Ele subiu na cama e se encostou na pilha de travesseiros contra a cabeceira da cama. Katrina pegou a bainha de seu vestido de verão e, lentamente, levantou-a sobre a cabeça. Ela desejava que ela fosse o tipo de mulher que sabia como fazer um strip-tease, mas esse realmente não era seu estilo. Além disso, o engate na sua respiração sugeriu que ele estava muito excitado com o que estava vendo. Um formigamento surgiu em sua espinha. Ela se contorceu para fora de sua calcinha e percebeu que sua vagina estava quente e molhada. Ela estava tão pronta para ele, e ela o queria agora. Não há mais espera. Empurrando sua calcinha e estalando o fecho de seu sutiã, ela subiu na cama ao lado dele. Ele se entreolharam por um momento, mas Katrina não sentia como se ele estivesse no comando de todo. Em vez disso, ela se sentia poderoso. Ela segurou as rédeas e sabia exatamente o que queria fazer com elas. Katrina montou nas pernas de Ivan. A posição deixou seu sexo exposto. O beijo de ar fresco contra sua carne aquecida a fez querer ainda mais. Olhando em seus olhos escuros, ela colocou as mãos sobre seu peito e se esfregou dolorosamente sobre sua ereção. Ivan gemeu. Suas pálpebras flutuaram mas não se fecharam. Quando ele ia agarrá-la pela cintura, ela segurou suas mãos e as prendeu contra a cabeceira da cama.


"Não", ela disse. "Essa é a minha vez." Ele não discutiu, mas quando ela começou a se esfregar contra seu eixo, ele reagiu. Katrina apertou os joelhos contra os seus quadris e se mexeu até que sentir a ponta de seu pau contra sua abertura. A sensação era tentadora ao ponto da loucura. Ela queria muito a esse homem. Era tudo o que ela podia fazer para obrigar-se a ir devagar. Isto tinha que durar porque a espera tornaria tudo muito mais doce. "Katrina", ele gemeu. "Transe comigo, por favor!" Finalmente ela inclinou seus quadris e permitiu que seu pênis penetrasse plenamente sua vagina quente. Ele cresceu dentro dela, o poderoso movimento de seus quadris era demais para que ela pudesse negar. Ela cravou as unhas nos ombros dele e montou-o com força. Revirando seus quadris, ela apoiou seu peso sobre os joelhos e usou a posição para subir e descer em seu pênis. O atrito atingia níveis intoleráveis. O calor entre eles criou uma camada de suor sobre seus corpos. Suas peles se juntaram em todos os lugares possíveis. Juntos, eles mergulharam em direção ao êxtase e Katrina sabia que eles estavam indo rápido demais. "Eu vou gozar, meu amor", ele murmurou. "Eu quero sentir o sua vagina derretendo no meu pau. Eu quero ser seu, Katrina. Goze pra mim!" Sua voz a fez desbordar. Seus músculos contraídos e ela se desfez quando sua vagina desaguou sobre seu pênis. Ele estava tão fundo nela que ela sentia cada pulsar de suas veias enquanto ele derramava seu sêmen no seu corpo. A sensação era perfeita. Eles se juntaram em cada maneira possível. Quase. Quando voltou seu pós-orgasmo, Katrina descansou a bochecha no peito de Ivan e pensou em tudo o que queria na vida. Ela nunca tinha pensado em ter um relacionamento monogâmico como uma de suas prioridades. No entanto, ali estava ela com o suor de Ivan em sua pele e o brilho quente do seu amor em seu coração. "Katrina", ele sussurrou.


Ela mal conseguia formar palavras. Talvez essa fosse a ideia por trás de “fodida de amor”. Ela encontrou os meios para mover os lábios. "Uh huh?" "Você quer se casar comigo?" Demorou um segundo para as palavras entrarem em seu sistema. Ivan a segurava tão docemente. Seus braços estavam presos em suas costas e seu pênis ainda estava dentro dela. Ali mesmo ela sabia que queria passar cada momento amando este homem. Ele era tudo para ela. Ele tinha provado uma e outra vez que ela não o intimidava. Ele era teimoso, mas disposto a ouvir. Suas ideias eram novas e excitantes, mas ele também estava disposto a debater quando havia uma diferença de opinião. "Sim", disse Katrina decisivamente. "Embora eu não faça ideia de como serei bem sucedida em uma carreira como diplomata se o meu marido está metido até a cabeça com o crime organizado." Ivan riu e deu um doce beijo bem em cima de sua cabeça. "Baby, isso é diplomacia pura." Touché. Aparentemente, esta rodada era do homem que segurava seu coração.

FIM!

CLIQUE AQUI

para se inscrever no meu boletim de novidades e ter a chance de ganhar livros grátis!

Bella rose o amor intocável do bad boy [oficial]  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you