Page 1

A N N A

Z A I R E S


D IS P ON IB I L IZ A ÇÃ O : JU L IA N A A L VE S T R A D U ÇÃ O : A D D R IA N A R E V IS Ã O : N I CK L E IT U R A F IN A L : VI V I , L Y F OR M A T A ÇÃ O : D A D Á

A N N A

Z A I R E S


ANNA ZAIRES

A N N A

Z A I R E S


SEQUESTRADA AOS 18 ANOS. CATIVA POR 15 MESES. PARECE UMA DAQUELAS MANCHETES DE NOTICIÁRIO. E SIM, EU FIZ ISSO. EU ROUBEI-A. NORA, COM O SEU LONGO E ESCURO CABELO, E PELE SUAVE. ELA É A MINHA FRAQUEZA, A MINHA OBSESSÃO. NÃO SOU UM HOMEM BOM. NUNCA FINGI SER. ELA PODE ME AMAR, MAS ELA NÃO PODE ME MUDAR. EU POSSO, NO ENTANTO, MUDÁ-LA.

O MEU NOME É JULIAN ESGUERRA... E A NORA É MINHA, PARA SEMPRE.

Keep Me é uma sequencia de Twist Me, escrito no POV de Nora e Julian. Aviso: Este não é um romance de tradicional. Ele contém assuntos perturbadores, incluindo temas de consentimento questionável e Síndrome de Estocolmo, bem como, conteúdo sexual explícito. Esta é uma obra de ficção destinada a um público maduro, 18+ somente. A autora não aprova, nem tolera esse tipo de comportamento. A N N A

Z A I R E S


Gostaria de dedicar este livro a nossos leitores maravilhosos, por nos permitirem viver o nosso sonho, e para as nossas famílias, por serem nossa rocha e apoio. Eu também sou muito grata aos nossos incríveis leitores beta (Chancy, Erika, Kelly, Lina, Tanya, Jackie, Fima, e Fern), bem como a nossa nova colega e editora, Mella. Você é absolutamente incrível!

A N N A

Z A I R E S


PARTE I

A N N A

Z A I R E S


Há dias em que o desejo de ferir, matar, é forte demais para ser negado. Dias em que a capa fina da civilização corre o risco de escorregar à menor provocação, revelando o monstro dentro de mim. Hoje não é um desses dias. Hoje eu a tenho comigo. Estamos no carro no caminho para o aeroporto. Ela está sentada pressionada contra o meu lado, seus braços magros em volta de mim e seu rosto enterrado na curva do meu pescoço. Embalando-a com um braço, enquanto acaricio o cabelo escuro, deliciando-me com a sua textura sedosa. Está comprido agora, atingindo todo o caminho até sua cintura estreita. Ela não cortou seu cabelo em dezenove meses. Não desde que eu a raptei pela primeira vez. Inalando, sinto seu aroma leve e florido, deliciosamente feminino. É uma combinação de um pouco de xampu e a química única do seu corpo, e isso me dá água na boca. Eu quero deixa-la nua e seguir aquele cheiro em todos os lugares, para explorar cada curva e pedaço de seu corpo. Meu pau se contrai, e eu me lembro que acabei de foder com ela. Não importa, no entanto. Meu desejo por ela é constante. Ele costumava me incomodar, esse desejo obsessivo, mas agora eu estou acostumado com isso. Eu aceitei minha própria loucura.

A N N A

Z A I R E S


Ela parece calma, contente até. Eu gosto disso. Eu gosto de senti-la abraçada contra mim, toda suave e confiante. Ela conhece a minha verdadeira natureza, mas ela ainda assim se sente segura comigo. Eu a tenho treinado para que se sinta dessa forma. Eu fiz ela me amar. Depois de alguns minutos, ela se move em meus braços, levantando a cabeça para olhar para mim. "Para onde estamos indo?", Pergunta, piscando, seus longos cílios negros para cima e para baixo. Ela tem o tipo de olhos que poderiam deixar um homem de joelhos bambos, olhos escuros que me fazem pensar em lençóis emaranhados e carne nua. Eu me forço a manter a concentração. Aqueles olhos fodem com a minha concentração como nada mais. "Nós vamos para minha casa na Colômbia", eu digo, respondendo a sua pergunta. "O lugar onde eu cresci." Eu não estive lá por anos, não desde que meus pais foram assassinados. No entanto, o complexo do meu pai é uma fortaleza, e isso é precisamente o que nós precisamos agora. Nas últimas semanas, eu já implementei medidas de segurança adicionais, tornando o local praticamente inexpugnável. Ninguém vai tomar Nora de mim novamente – eu tenho certeza disso. "Você vai ficar lá comigo?" Eu posso ouvir a nota de esperança em sua voz, e eu aceno, sorrindo. "Sim, meu animal de estimação, eu estarei lá." Agora que a tenho de volta, a compulsão para mantê-la perto é forte demais para negar. A ilha tinha sido uma vez o lugar mais seguro para ela, mas não é mais. Agora eles sabem de sua existência, e eles sabem que ela é meu calcanhar de Aquiles. Eu preciso tê-la comigo, onde eu possa protegê-la. Ela lambe os lábios e os olhos seguem o caminho de sua língua rosa delicada. Eu quero envolver seu cabelo grosso em volta do meu punho e forçar sua cabeça para baixo para o meu colo, mas eu resisto ao impulso. Haverá tempo de sobra para isso mais tarde, quando estivermos em um local mais seguro – e menos público. "Você vai enviar aos meus pais mais um milhão de dólares?" Seus olhos estão abertos e sinceros conforme ela olha para mim, mas eu posso

A N N A

Z A I R E S


ouvir o desafio sutil em sua voz. Ela está me testando – testando os limites desta nova etapa do nosso relacionamento. Meu sorriso alarga, e eu a trago mais perto para colocar uma mecha de cabelo atrás da orelha. "Você quer que eu envie para eles, meu animal de estimação?" Ela olha para mim sem pestanejar. "Não, na verdade", diz ela suavemente. "Eu preferiria muito mais ligar para eles ao invés." Eu seguro seu olhar. "Tudo bem. Você pode ligar para eles quando chegarmos lá." Seus olhos se arregalam, e vejo que a surpreendi. Ela estava esperando que eu fosse mantê-la cativa novamente, cortada do mundo exterior. O que ela não percebe é que não é mais necessário. Eu já consegui o que me propus a fazer. Faze-la completamente minha. "Ok", diz ela lentamente, "eu vou fazer isso." Ela está olhando para mim como se ela não conseguisse me entender – como se eu fosse algum animal exótico que ela nunca viu antes. Muitas vezes ela olha para mim assim, com uma mistura de cautela e fascínio. Ela está atraída por mim, ela foi atraída para mim desde o início, mas ela ainda tem medo de mim em algum nível. O predador em mim gosta disso. Seu medo, sua relutância adicionam uma certa vantagem para a coisa toda. Isso torna muito mais doce possuíla, senti-la envolta em meus braços todas as noites. "Conte-me sobre o seu tempo em casa", murmuro, ajeitando-a mais confortavelmente próxima ao meu ombro. Escovo o cabelo para trás com os dedos, eu olho para seu rosto virado para cima. "O que você tem feito todos esses meses?" Seus lábios macios se curvam em um sorriso auto-depreciativo. "Quer dizer, além de sentir falta de você?" Uma sensação de calor se espalha através de meu peito. Eu não quero reconhecer isso. Eu não quero que isso importe. Eu quero que ela me ame, porque eu tenho uma compulsão doente de possui-la inteiramente, não porque eu sinto nada em troca. "Sim, além disso," eu digo baixinho,

A N N A

Z A I R E S


pensando nas muitas maneiras que eu vou transar com ela quando eu ficar sozinho com ela novamente. "Bem, eu me encontrei com alguns dos meus amigos", ela começa, e eu escuto quando ela me dá uma visão geral de sua vida nos últimos quatro meses. Eu já sei muito sobre isso, uma vez que Lucas tinha tomado a iniciativa de colocar um segurança discreto em Nora, enquanto eu estava em coma. Assim que eu acordei, ele me deu um relatório completo sobre tudo, incluindo as atividades diárias de Nora. Devo-lhe por isso e por salvar minha vida. Ao longo dos últimos anos, Lucas Kent tornou-se uma parte importante da minha organização. Poucos já tiveram as bolas para agir assim. Mesmo sem saber a verdade completa sobre Nora, ele tinha sido inteligente o suficiente para entender que ela significava algo para mim e tomar medidas para garantir a sua segurança. Claro, a única coisa que ele não fez foi restringir suas atividades de forma alguma. "Então você o viu?", Pergunto casualmente, levantando a mão para brincar com sua orelha. "Jake, eu quero dizer?" Seu corpo se transforma em pedra em meus braços. Eu posso sentir a tensão em cada músculo. "Encontrei com ele brevemente, depois do jantar com a minha amiga Leah", diz ela calmamente, olhando para mim. "Tomamos um café juntos, nós três, e essa foi a única vez que o vi." Eu seguro seu olhar por um segundo, em seguida, aceno com a cabeça, satisfeito. Ela não mentiu para mim. Os relatórios tinham mencionado esse incidente particular. Quando li pela primeira vez sobre isso, eu queria matar o menino com as minhas próprias mãos. Eu ainda posso fazer isso, se ele se aproximar alguma vez de Nora. O pensamento de outro homem perto dela me enche de fúria incandescente. Segundo os relatos, ela não namorou durante o nosso tempo separados – com uma exceção notável. "E aquele advogado?", Pergunto suavemente, fazendo o meu melhor para controlar a raiva fervendo dentro de mim. "Vocês dois se divertiram?" Seu rosto fica pálido debaixo de seu tom de pele dourada. "Eu não fiz nada com ele", diz ela, e eu posso ouvir a apreensão em sua voz. "Eu saí naquela noite porque eu estava sentindo falta de você, porque eu estava

A N N A

Z A I R E S


cansada de estar sozinha, mas nada aconteceu. Eu tomei umas bebidas, mas mesmo assim eu não pude ir até o fim." "Não?" Grande parte da raiva sai de mim. Sou capaz de ler ela bem o suficiente para saber quando ela está mentindo e agora ela está dizendo a verdade. Ainda assim, eu faço uma nota mental para ter isso investigado. Se o advogado a tocou de alguma maneira, ele vai pagar. Ela olha para mim, e eu posso sentir sua própria tensão se dissipando. Ela pode discernir o meu humor como ninguém. É como se ela estivesse em sintonia comigo em algum nível. Tem sido assim com ela desde o início. Ao contrário da maioria das mulheres, ela sempre foi capaz de perceber o meu eu real. "Não." Sua boca aperta. "Eu não podia deixá-lo me tocar. Estou muito fodida para estar com um homem normal agora". Eu levanto minhas sobrancelhas, divertido, comigo mesmo. Ela não é mais a menina assustada que eu trouxe para a ilha. Em algum lugar ao longo do caminho, meu pequeno animalzinho cresceu com garras afiadas e estava começando a aprender a usá-las. "Isso é bom." Corro os dedos de brincadeira em sua bochecha, em seguida, dobro a cabeça para inalar seu aroma doce. "Ninguém está autorizado a tocar em você, baby. Ninguém além de mim." Ela não responde, apenas continua olhando para mim. Ela não precisa dizer nada. Nós entendemos um ao outro perfeitamente. Eu sei que vou matar qualquer homem que colocar um dedo nela, e ela sabe disso também. É estranho, mas eu nunca me senti possessivo com uma mulher antes. Este é um território novo para mim. Antes de Nora, as mulheres eram intercambiáveis em minha mente – apenas criaturas macias e bonitas que passavam através da minha vida. Eles vinham até mim de bom grado, querendo ser fodidas, ser feridas, e eu dava isso a elas, satisfazendo minhas próprias necessidades físicas no processo. Eu comi a minha primeira mulher, quando eu tinha quatorze anos, logo após a morte de Maria. Ela era uma das prostitutas do meu pai; ele a mandou para mim depois que eu despachei dois dos homens que assassinaram Maria, castrando-os em suas próprias casas. Acho que meu

A N N A

Z A I R E S


pai esperava que a atração do sexo fosse suficiente para me distrair do meu caminho de vingança. Desnecessário dizer que seu plano não deu certo. Ela entrou no meu quarto usando um vestido preto apertado, a maquiagem perfeitamente feita e sua boca exuberante, carnuda, pintada de um vermelho brilhante. Quando ela começou a tirar a roupa na minha frente, eu reagi como qualquer adolescente faria, com desejo instantâneo, violento. Mas eu não era qualquer adolescente naquele ponto. Eu era um assassino; Eu tinha sido um desde que eu tinha oito anos. Tomei a prostituta asperamente naquela noite, em parte porque eu era muito inexperiente para me controlar, em parte porque eu queria atacar ela, meu pai, o mundo todo, porra. Eu levei minhas frustrações para sua carne, deixando para trás hematomas e marcas de mordidas, e ela veio por mais na noite seguinte, desta vez sem o conhecimento do meu pai. Nós fodemos daquele jeito por um mês, com ela entrando no meu quarto em toda a chance que tinha, me ensinando do que ela gostava... o que ela dizia que muitas mulheres gostavam. Ela não me queria doce e gentil na cama; ela queria dor e força. Ela queria alguém para fazê-la se sentir viva. E eu descobri que eu gostava disso. Eu gostava de ouvi-la gritar e implorar que eu a machucasse, fazendo-a gozar. A violência rastejando sob a minha pele tinha encontrado outra saída, e eu usei todas as chances que eu tinha. Não foi o suficiente, é claro. A raiva que habita dentro de mim não poderia ser pacificada tão facilmente. A morte de Maria mudou algo dentro de mim. Ela tinha sido a única coisa linda e pura na minha vida, e ela foi embora. Sua morte fez mais do que a formação do meu pai jamais poderia: matou qualquer consciência restante que eu poderia ter possuído. Eu não era mais um menino, relutantemente, segui os passos do meu pai; Eu era um predador que ansiava por sangue e vingança. Ignorando as ordens do meu pai para deixar o assunto morrer, eu cacei os assassinos de Maria, um por um e os fiz pagar, bebi seus gritos de agonia, seus pedidos de misericórdia e de morte mais rápida. Depois disso, houve retaliações e contra retaliações. Pessoas morreram. Os homens do meu pai. Os homens do seu rival. A violência continuou aumentando até que meu pai decidiu tranquilizar seus

A N N A

Z A I R E S


associados, me tirando do negócio. Eu fui mandado embora, para a Europa e Ásia... e lá eu encontrei dezenas de outras mulheres como aquela que tinha me apresentado ao sexo. Mulheres bonitas e dispostas cujas inclinações espelhavam a minha. Eu dei-lhes as suas fantasias escuras, e elas me deram prazer momentâneo, um arranjo que se adequava a minha vida perfeitamente, especialmente depois que eu voltei e tomei as rédeas da organização do meu pai. Não foi até dezenove meses atrás, durante uma viagem de negócios para Chicago, que eu a encontrei. Nora. Minha Maria reencarnada. A garota que eu pretendo manter para sempre.

A N N A

Z A I R E S


Sentada ali nos braços de Julian, eu sinto o zumbido familiar de excitação misturado com apreensão. Nossa separação não mudou isso nem um pouco. Ele ainda é o mesmo homem que quase matou Jake, que não hesitou em sequestrar uma menina que ele queria. Ele também é o homem que quase morreu para me resgatar. Agora que eu sei o que aconteceu com ele, eu posso ver os sinais físicos do seu sofrimento. Ele está mais magro do que antes, sua pele bronzeada esticada sobre as maçãs do rosto afinado. Há uma cicatriz rosa irregular na orelha esquerda, e seu cabelo escuro está extremamente curto. No lado esquerdo de sua cabeça, o padrão de crescimento do cabelo está um pouco irregular, como se estivesse escondendo uma cicatriz lá também. Apesar destas pequenas imperfeições, ele ainda é o homem mais lindo que eu já vi. Eu não posso tirar os olhos dele. Ele está vivo. Julian está vivo, e eu estou com ele novamente. Ainda parece tão surreal. Até esta manhã, eu pensava que ele estava morto. Eu estava convencida de que ele tinha morrido na explosão. Por quatro longos meses, excruciantes, eu tinha me forçado a ser forte, para continuar com a minha vida e tentar esquecer o homem sentado ao meu lado agora. O homem que roubou minha liberdade. O homem que eu amo.

A N N A

Z A I R E S


Levantando minha mão esquerda, eu gentilmente traço o contorno dos lábios com o meu dedo indicador. Ele tem a boca mais incrível que eu já vi – uma boca feita para o pecado. Com o meu toque, seus belos lábios abrem, e ele pega a ponta do meu dedo com os dentes brancos e afiados, mordendo-o levemente, em seguida, chupa o dedo em sua boca. Um tremor de excitação corre através de mim enquanto sua língua quente e úmida lambe meu dedo. Meus músculos internos apertam, e eu posso sentir minha calcinha ficando úmida. Deus, eu sou tão fácil quando se trata dele. Um olhar, um toque, e eu o quero. Meu sexo está inchado e um pouco dolorido depois do jeito que ele me fodeu mais cedo, mas meu corpo dói por ele para me levar novamente. Julian está vivo, e ele está me levando para longe novamente. Conforme esse fato começa a afundar, eu puxo meu dedo longe de seus lábios, um frio repentino passa sobre a minha pele esfriando meu desejo. Não há como voltar atrás agora, nenhuma possibilidade de mudar de ideia. Julian está novamente no comando da minha vida, e desta vez eu tinha voado de bom grado para sua teia de aranha, colocando-me à sua mercê. Claro, não teria importância se eu tivesse sido relutante, eu me lembro. Lembro-me da seringa no bolso de Julian, e eu sei que o resultado teria sido o mesmo, independentemente. Consciente ou sedada, eu teria acompanhado ele hoje. Por alguma razão fodida, esse fato me faz sentir melhor, e eu coloco minha cabeça no ombro de Julian, deixando-me relaxar contra ele. É inútil lutar contra o próprio destino, e eu estou começando a aceitar esse fato.

Com o tráfego, o nosso percurso até o aeroporto leva um pouco mais de uma hora. Para minha surpresa, nós não vamos para O'Hare. Ao invés disso, acabamos em uma pequena pista de pouso, onde um avião de tamanho considerável espera a nossa chegada. Eu posso ver as letras "G650" em sua cauda.

A N N A

Z A I R E S


"Isso é seu?", Eu pergunto quando Julian abre a porta do carro para mim. "Sim." Ele não olha para mim ou fala mais. Em vez disso, seu olhar parece digitalizar em volta de nós, como se à procura de ameaças ocultas. Há um estado de alerta na sua maneira que eu não lembro de ter visto antes, e, pela primeira vez, eu percebo que a ilha era o seu santuário, bem como, um lugar onde ele poderia realmente relaxar e baixar a guarda. Assim que eu saio, Julian agarra meu cotovelo e me leva em direção ao avião. O motorista nos segue. Eu não vi ele antes, com um painel separando a área do banco de trás do carro da parte da frente, então agora eu dou um olhar para ele conforme nós caminhamos em direção ao avião. O cara deve ser um dos soldados da marinha de Julian. Seu cabelo loiro é cortado curto, e seus olhos claros são gelados no rosto de queixo quadrado. Ele é ainda mais alto do que Julian, e ele se move com a mesma graça guerreira, atlética, cada movimento cuidadosamente controlado. Há uma enorme metralhadora em suas mãos, e não tenho dúvida de que ele sabe exatamente como usá-la. Outro homem perigoso... que muitas mulheres, sem dúvida, acham atraente, com suas feições regulares e corpo musculoso. Ele não serve para mim, já estou estragada. Poucos homens podem competir com o fascínio de anjo escuro de Julian. "Que tipo de avião é esse?", Pergunto a Julian conforme nós subimos os degraus e entramos em uma luxuosa cabine. Eu não sei nada sobre jatos particulares, mas esse parece extravagante. Eu estou fazendo o meu melhor para não me embasbacar com tudo, mas estou falhando miseravelmente. Os assentos de couro de cor creme são enormes, e há um sofá real com uma mesa de café na frente dele. Há também uma porta aberta levando para a parte de trás do avião, e eu pego um vislumbre de uma cama kingsize lá. Minha boca cai aberta em estado de choque. O avião tem um quarto. "É um dos Gulfstreams high-end", ele responde, me virando para que ele possa me ajudar a tirar o casaco. Suas mãos quentes roçam contra meu pescoço, enviando um arrepio agradável através de mim. "Um jato executivo de longo alcance. Ele pode nos levar diretamente para o nosso destino sem a necessidade de fazer uma parada de combustível."

A N N A

Z A I R E S


"É muito bom", eu digo, vendo como Julian guarda meu casaco no armário ao lado da porta e, em seguida, tira a própria jaqueta. Eu não posso tirar os olhos dele, e eu percebo que uma parte de mim ainda teme que isso não seja real, que eu vou acordar e descobrir que tudo isso era apenas um sonho... que Julian tinha realmente morrido na explosão. O pensamento provoca um arrepio através de mim, e Julian percebe meu movimento involuntário. "Você está com frio?", Pergunta ele, dando um passo em direção a mim. "Eu posso ter a temperatura ajustada." "Não, eu estou bem." No entanto, eu gosto do calor de Julian quando ele me puxa para ele e esfrega os meus braços por alguns segundos. Eu posso sentir o calor do seu corpo que escoa através das minhas roupas, afugentando a lembrança daqueles terríveis meses, quando eu pensei que o tinha perdido. Passando os braços ao redor da cintura de Julian, eu o abraço ferozmente. Ele está vivo, e eu o tenho comigo. Isso é tudo o que importa agora. "Estamos prontos para a decolagem." Uma voz masculina desconhecida me assusta, e eu deixo Julian, olhando para trás para ver o piloto loiro que está lá, nos observando com uma expressão ilegível em seu rosto duro. "Bom." Julian mantém o braço em volta de mim, me pressionando contra o seu lado quando tento me afastar. "Nora, este é Lucas. Foi ele quem me arrastou para fora do armazém". "Oh, entendi." Eu sorrio para o homem, o meu sorriso largo e genuíno. Este homem salvou a vida de Julian. "É muito bom conhecê -lo, Lucas. Eu não posso nem começar a agradecer pelo que você fez-" Suas sobrancelhas arqueiam um pouco, como se eu disse algo que o surpreendeu. "Eu estava apenas fazendo o meu trabalho", diz ele, a voz profunda e um pouco divertida. O canto da boca de Julian levanta em um leve sorriso, mas ele não responde a isso. Em vez disso, ele pergunta, "Está tudo pronto para nós na propriedade?"

A N N A

Z A I R E S


Lucas afirma. "Tudo pronto." Então ele olha para mim, com o rosto inexpressivo como antes. "É bom conhecer você também, Nora." E vira, ele desaparece na área do piloto na frente. "Ele dirige e pilota aviões para você?", Pergunto a Julian depois que Lucas está desaparecido. "Ele é muito versátil", Julian diz, levando-me para os assentos de pelúcia. "A maior parte dos meus homens é." Logo que nos sentamos, uma belíssima mulher de cabelos escuros entra na cabine de algum lugar na frente. Seu vestido branco parece ter sido costurado sob medida, e com a camada de maquiagem que ela usa, ela parece tão glamorosa como uma estrela de cinema, exceto pela bandeja com uma garrafa de champanhe e duas taças que ela está segurando em suas mãos. Seu olhar pousa em mim brevemente antes de deslizar sobre Julian. "O senhor gostaria de qualquer outra coisa, Sr. Esguerra?", Ela pergunta conforme se inclina para colocar a bandeja sobre a mesa entre os nossos lugares. Sua voz é suave e melódica, e a maneira faminta como ela olha para Julian me deixa irritada. "Isso deve ser suficiente por agora. Obrigado, Isabella", diz ele, dandolhe um breve sorriso, e eu sinto uma súbita pontada de ciúme. Julian me disse uma vez que ele não tinha fodido qualquer outra pessoa, uma vez que me encontrou, mas eu ainda não consigo deixar de me perguntar se ele teve relações sexuais com essa mulher em algum momento no passado. Ela é deslumbrante, e a sua maneira, deixa claro que ela estaria mais do que disposta a dar a Julian tudo o que ele quiser, incluindo-se, nua numa bandeja de prata. Antes que meus pensamentos possam viajar mais longe por esse caminho, eu respiro fundo e me forço a olhar para fora da janela a neve caindo lentamente. Uma parte de mim sabe que essa coisa toda é uma loucura, que é ilógico me sentir tão possessiva com Julian. Qualquer mulher racional estaria muito feliz de ter a atenção de seu sequestrador desviada para longe dela, mas eu não sou mais racional quando se trata dele.

A N N A

Z A I R E S


Síndrome de Estocolmo. Ligação de captura. Vínculo traumático. A minha terapeuta tinha usado todos esses termos durante nossas breves sessões juntas. Ela estava tentando me fazer falar sobre meus sentimentos por Julian, mas tinha sido muito doloroso para mim discutir sobre o homem que eu pensei que tivesse perdido, então eu parei de ir a ela. Eu pensei nesses termos mais tarde, porém, e eu posso ver porque eles eram aplicáveis a minha experiência. Eu não sei se é tão simples assim, embora, ou mesmo se isso importa neste momento. Nomear algo não o faz ir embora. Seja qual for a causa da minha ligação emocional com Julian, não posso desligá-la. Eu não posso me fazer amá-lo menos. Quando eu viro para enfrentar Julian, a comissária de bordo desapareceu da cabine principal. Eu posso ouvir os motores do jato rugindo, e eu aperto automaticamente o meu cinto de segurança, como eu tinha sido ensinada a fazer a minha vida inteira. "Champanhe?", Pergunta ele, estendendo a mão para a garrafa na mesa. "Claro, por que não", eu digo, e o observo com destreza servir-me um copo. Ele o entrega para mim, e eu sento no meu lugar espaçoso, sorvendo a bebida borbulhante quando o avião começa a decolar. Minha nova vida com Julian já começou.

A N N A

Z A I R E S


Sorvendo do meu próprio copo, eu estudo Nora quando ela olha pela janela para o chão que diminui rapidamente abaixo. Ela está usando jeans e um suéter de lã azul, seus pequenos pés com um par de botas de pele de carneiro pretas robustas. Uggs, eu acho que é assim que elas são chamadas. Apesar do calçado fora de contexto, ela ainda parece sexy, embora eu agora prefira vê-la em vestidos de verão, sua pele lisa brilhando ao sol. Observando sua expressão calma, eu me pergunto o que ela está pensando, se ela tem algum arrependimento. Ela não deveria. Eu a teria levado independentemente. Como se sentisse meu olhar sobre ela, ela se vira para mim. "Como eles descobriram sobre mim?", Ela pergunta em voz baixa. "Os homens que me sequestraram, quero dizer. Como é que eles souberam da minha existência?" Com sua pergunta, todo o meu corpo fica tenso. Minha mente relembra novamente daquelas horas infernais após o ataque na clínica, e por um momento, eu estou agarrado nessa mesma mistura volátil de queima de fúria e medo paralisante. Ela poderia ter morrido. Ela teria morrido, se eu não a tivesse encontrado a tempo. Mesmo se eu tivesse dado a eles o que eles queriam, eles ainda teriam matado ela para me punir por não ceder às suas exigências mais cedo. Eu teria perdido ela, assim como eu perdi Maria.

A N N A

Z A I R E S


Assim como nós dois perdemos Beth. "Foi a auxiliar de enfermagem na clínica." Minha voz sai parecendo fria e distante conforme eu coloco a minha taça de champanhe de volta na bandeja. "Ângela. Ela estava na folha de pagamento da Al-Quadar o tempo todo." Os olhos de Nora ficam brilhantes. "Aquela cadela", ela sussurra, e eu posso ouvir a dor e raiva em sua voz. Sua mão treme quando ela coloca para baixo seu próprio copo sobre a mesa. "Que puta." Eu aceno, tentando controlar a minha própria raiva conforme as imagens do vídeo que Majid enviou deslizam pela minha mente. Eles torturaram Beth antes de matá-la. Fizeram-na sofrer. Beth, cuja vida não tinha tido nada além de sofrimento desde que seu pai, filho da puta, a vendeu a um bordel, na fronteira mexicana, com a idade de treze anos. Que tinha sido uma das poucas pessoas cuja lealdade eu nunca questionei. Fizeram-na sofrer... e agora vou fazê-los sofrer ainda mais. "Onde ela está agora?" A pergunta de Nora traz-me de volta de um devaneio agradável onde eu tenho cada membro da Al-Quadar amarrado e à minha mercê. Quando eu olho para ela sem expressão, ela esclarece, "Ângela". Eu sorrio para sua pergunta ingênua. "Você não tem que se preocupar com ela, meu animal de estimação." Tudo o que resta de Ângela são cinzas, espalhadas no gramado da clínica nas Filipinas. A marca do interrogatório de Peter é a brutalidade, no entanto é eficaz, ele sempre tem as respostas depois. "Ela pagou por sua traição." Nora engole, e sei que ela entende exatamente o que quero dizer. Ela já não é a mesma garota que eu conheci naquele clube em Chicago. Eu posso ver as sombras em seus olhos, e eu sei que eu sou responsável por colocá-las lá. Apesar dos meus melhores esforços para mantê-la abrigada na ilha, a feiura do meu mundo a tocou, maculando sua inocência. Al-Quadar vai pagar por isso também. A cicatriz em minha cabeça começa a latejar, e eu a toco levemente com a mão esquerda. Minha cabeça ainda dói de vez em quando, mas por outro lado, estou quase de volta ao meu estado normal. Considerando que

A N N A

Z A I R E S


eu passei uma boa parte dos últimos quatro meses como um vegetal, estou bastante satisfeito com o estado das coisas. "Você está bem?" Há uma expressão preocupada no rosto de Nora quando ela levanta até tocar na área acima da minha orelha esquerda. Seus dedos finos são suaves em meu couro cabeludo. "Ainda dói?" Seu toque envia prazer pela minha espinha. Eu quero isso dela. Eu quero que ela se preocupe com meu bem estar. Eu quero que ela me ame mesmo que eu roube sua liberdade, mesmo que, por todas as razões, ela devesse me odiar. Não tenho ilusões sobre mim mesmo. Eu sou um desses homens que mostram no noticiário – os que todos temem e desprezam. Tomei uma mulher jovem porque eu a queria e por nenhuma outra razão. Levei-a, e fiz dela minha. Eu não dou desculpas para minhas ações. Eu não sinto nenhuma culpa também. Eu queria Nora, e agora ela está aqui comigo, olhando para mim como se eu fosse a pessoa mais importante em seu mundo. E eu sou. Eu sou exatamente o que ela precisa agora... o que ela anseia. Vou dar-lhe tudo, e eu vou levar tudo dela em troca. Seu corpo, sua mente, sua devoção – Eu quero tudo. Eu quero sua dor e seu prazer, seu medo e sua alegria. Eu quero ser sua vida inteira. "Não, está tudo bem", eu digo em resposta a sua pergunta anterior. "Está quase curado." Ela afasta os dedos, e eu pego a mão dela, não estou pronto para renunciar ao prazer de seu toque. Sua mão é fina e delicada ao meu alcance, sua pele suave e quente. Ela tenta puxar reflexivamente, mas eu não a deixo, meus dedos apertando em torno de sua pequena palma da mão. Sua força é insignificante se comparada a minha; ela não pode fazerme libertá-la, a menos que eu opte por deixá-la ir. Ela realmente não quer que eu a deixe ir, de qualquer maneira. Eu posso sentir a excitação crescente dentro dela, e meu corpo endurece, uma fome escura desperta dentro de mim novamente. Atingindo o outro lado da mesa, eu lentamente e propositadamente desato o cinto de segurança.

A N N A

Z A I R E S


Então eu levanto, ainda segurando a mão dela, e a levo para o quarto na parte de trás do avião.

Ela é silenciosa quando entramos na sala e eu fecho a porta atrás de nós. A área não é à prova de som, mas Isabella e Lucas estão na frente do avião, por isso, devemos ter alguma privacidade. Eu normalmente não me importo se alguém ouve ou me vê tendo relações sexuais, mas o que eu faço com Nora é diferente. Ela é minha, e eu não pretendo compartilhar ela. De maneira nenhuma. Deixando de lado sua mão, eu ando até a cama e sento, inclinandome para trás e cruzando as pernas na altura dos tornozelos. A pose casual, embora não há nada de casual no modo como me sinto quando olho para ela. O desejo de possuí-la é violento, consome tudo. É uma obsessão que vai além de uma necessidade sexual simples, embora meu corpo queime por ela. Eu não quero apenas transar com ela; Quero me imprimir nela, marcala de dentro para fora, de modo que ela nunca vá pertencer a qualquer homem, senão eu. Quero possuí-la completamente. "Tire suas roupas," eu ordeno, segurando seu olhar. Meu pau está tão duro, é como se tivessem passado meses, ao invés de horas, desde que eu a tive. Leva todo o meu auto-controle para não rasgar as roupas dela, dobrala sobre a cama, e me enterrar em sua carne até que eu exploda. Eu me controlo porque eu não quero uma transa rápida. Eu tenho outras coisas em mente para hoje. Respirando fundo, eu me forço a ficar parado, observando enquanto ela lentamente começa a se despir. Seu rosto está vermelho, sua respiração vindo mais rápido, e eu sei que ela já está excitada, sua vagina quente e lisa, preparada para mim. Ao mesmo tempo, eu posso sentir a hesitação em seus movimentos, ver a cautela em seus olhos. Há uma parte dela que ainda tem medo de mim, que sabe do que eu sou capaz.

A N N A

Z A I R E S


Ela tem razão para ter medo. Há algo dentro de mim que prospera com a dor dos outros, que quer prejudicá-los. Que quer machucá-la. Ela tira a blusa de lã primeiro, revelando um top preto por baixo. As alças do sutiã rosa espreitam, e a cor inocente me excita, por algum motivo, envia uma nova onda de sangue diretamente para o meu pau. A parte superior do top sai em seguida, e no momento em que ela tira as botas e jeans, eu estou pronto para explodir. Em sua combinação rosa de sutiã e calcinha, ela é a criatura mais deliciosa que eu já vi. Seu corpo pequeno é firme e tonificado, os músculos de seus braços e pernas sutilmente definidos. Apesar de sua magreza, ela é inegavelmente feminina, sua bunda perfeitamente curva e seus pequenos seios surpreendentemente redondos. Com seus longos cabelos fluindo pelas costas, ela se parece como modelo da Victoria´s Secret em miniatura. A única falha é uma pequena cicatriz no lado direito de seu estômago – uma pequena lembrança da sua cirurgia de apendicite. Eu tenho que tocá-la. "Venha aqui", eu digo com a voz rouca, meu pau forçando dolorosamente contra a minha calça jeans. Olhando para mim com seus enormes olhos escuros, ela se aproxima cautelosamente, incerta, como se eu pudesse atacá-la a qualquer momento. Eu puxo uma respiração profunda para impedir-me de fazer exatamente isso. Em vez disso, quando ela me alcança, eu inclino-me para frente e seguro com firmeza sua cintura, puxando-a para mim, para que ela esteja de pé entre as minhas pernas. Sua pele é fresca e suave ao toque, sua caixa torácica tão estreita que eu quase posso cercar sua cintura com minhas mãos. Seria tão fácil danifica-la, quebrá-la. Sua vulnerabilidade me excita quase tanto quanto sua beleza. Levantando, acho o fecho do sutiã e libero os seios de seu confinamento. Conforme o sutiã desliza para baixo dos seus braços, a minha boca fica seca e todo o meu corpo aperta. Mesmo que eu já a tenha visto nua centenas de vezes, cada vez é uma revelação. Seus mamilos são pequenos, rosa escuros, e seus seios tem um tom dourado, como o resto do seu corpo.

A N N A

Z A I R E S


Incapaz de resistir, eu pego neles, os montes redondos macios em minhas mãos, apertando-os, amassando-os. Sua carne é macia e firme, seus mamilos duros contra as palmas das minhas mãos. Eu posso ouvir sua respiração presa conforme o meu polegar esfrega esses picos endurecidos, e minha fome se intensifica. Liberando seus seios, eu coloco meus dedos no cós da sua calcinha e puxo para baixo de suas pernas, em seguida, toco seu sexo com a minha mão direita. Meu dedo médio empurra em sua pequena abertura, e a umidade quente que eu encontro lá faz meu pau estremecer. Ela engasga quando meu polegar calejado esfrega contra seu clitóris, e suas mãos sobem até agarrar meus ombros, suas unhas afiadas cavando minha pele. Eu não posso esperar mais. Devo tê-la. "Vá para a cama." Minha voz é grossa com o desejo, conforme eu tiro minha mão de sua vagina. "Eu quero você de barriga." Ela se mexe para obedecer conforme eu fico em pé e começo a me despir. Eu a treinei bem. Até o momento que eu tirei minhas próprias roupas, ela está deitada de bruços totalmente nua, um travesseiro sustenta acima sua bundinha curvada. Seus braços estão dobrados sob a cabeça, e seu rosto está voltado para mim. Ela está me olhando com aqueles olhos densamente ansiosos, e eu posso sentir sua antecipação nervosa. Ela sente tanto desejo como medo de mim neste momento. Isso me acende, aquele olhar, mas também desperta um outro tipo de fome em mim. Uma necessidade mais perversa, mais escura. Com o canto do meu olho, vejo o cinto de meu jeans deitado no chão. Eu o pego, seguro a fivela em torno da minha mão direita e me aproximo da cama. Nora não se move, embora eu possa ver a tensão ansiosa em seu corpo. Meus lábios se contorcem. Como uma boa menina. Ela sabe que seria pior para ela se resistisse. É claro que, agora ela também sabe que eu vou temperar sua dor com prazer, que ela vai ter prazer disso também. Parando na beira da cama, eu estendo a minha mão livre e trilho os dedos ao longo de sua espinha. Ela treme sob o meu toque, uma reação que traz uma emoção escura surgindo através de mim. Isso é exatamente o que eu quero, o que eu preciso – essa conexão profunda e torcida que existe

A N N A

Z A I R E S


entre nós. Eu quero beber do seu medo, da sua dor. Eu quero ouvir seus gritos, senti-la lutando e indefesa, em seguida, tê-la derretendo em meus braços conforme eu a levo ao êxtase uma e outra vez. Por alguma razão, esta pequena menina traz à tona o pior em mim, me faz esquecer qualquer pedaço de moralidade que eu possuo. Ela é a única mulher que eu já forcei em minha cama, a única que eu queria tanto... e de um modo tão errado. Tê-la aqui, à minha mercê, é além de inebriante – é a droga mais poderosa que eu já provei. Eu nunca me senti assim sobre outro ser humano antes, e o conhecimento de que ela é minha, que eu posso fazer o que quiser com ela, é uma coisa incomparável a qualquer outra. Com todas essas outras mulheres, foi um jogo que nós jogamos, uma forma de aliviar o desejo mútuo, mas com Nora, é diferente. Com ela, é algo mais. "Linda", murmuro, acariciando a pele macia de suas coxas e nádegas. Logo ela será marcada, mas por agora eu estou gostando de sua lisura. "Tão, mas tão bonita..." Inclinado sobre ela, eu pressiono um beijo suave na base de sua coluna, inalo seu perfume feminino quente deixando construir a antecipação. Um arrepio corre através dela, e eu sorrio, adrenalina surgindo através de minhas veias. Endireitando, eu dou um passo para trás e balanço o cinto. Eu não uso muita força, mas ela ainda salta quando a correia aterrissa sobre os globos redondos de seu traseiro, um gemido suave escapa de seus lábios. Ela não tenta se mover ou arrastar para longe; em vez disso seus pequenos punhos seguram os lençóis com força, e seus olhos se espremem fechados. Eu balanço mais forte uma segunda vez, em seguida, uma e outra vez, meus movimentos assumindo um ritmo hipnótico, de transe. Com cada batida da correia, eu afundo mais e mais fundo na escuridão, meu mundo estreitando até que tudo o que vejo, tudo o que eu ouço, tudo o que eu sinto é ela. A vermelhidão da sua carne tenra, os suspiros de dor e soluços que saem de sua garganta, a forma de seus tremores corporais sob cada golpe de meu cinto – eu absorvo tudo isso, deixo-a alimentar o meu vício, aliviar a fome desesperada roendo minhas entranhas. O tempo vira um borrão e se estende. Eu não sei se foram minutos ou horas. Quando eu finalmente paro, ela está deitada mole e imóvel, suas

A N N A

Z A I R E S


nádegas e coxas cobertas com vergões rosa. Existe uma expressão aturdida, quase beatificante no rosto molhado de lágrimas, e seu corpo esbelto está tremendo, pequenos tremores sobre sua pele. Deixando o cinto cair no chão, eu cuidadosamente a busco e sento na cama, segurando-a embalando no meu colo. Meu coração está martelando no meu peito, minha mente ainda se recupera da incrível corrida que eu acabei de experimentar. Ela estremece, escondendo o rosto no meu ombro, e começa a chorar. Eu acaricio seus cabelos, lentamente, suavemente, deixando-a se recuperar da sua alta dose de endorfina induzida como eu me recuperei da minha. Isto é o que eu preciso agora - confortá-la, senti-la em meus braços. Eu quero ser o seu tudo: seu protetor e seu algoz, sua alegria e seu sofrimento. Eu quero uni-la a mim fisicamente e emocionalmente, para marcar-me tão profundamente em sua mente e alma que ela nunca vai pensar em deixar-me. Quando seus soluços começam a diminuir, a minha fome sexual retorna. Minhas carícias suaves tornam-se mais intencionais, minhas mãos começam a vaguear sobre seu corpo com a intenção de despertar, não apenas acalmar. Minha mão direita desliza entre as coxas, os dedos pressionando contra seu clitóris, e, ao mesmo tempo, minha outra mão em seu cabelo, puxando-o, forçando ela a encontrar o meu olhar. Ela ainda parece atordoada, seus lábios macios se separam enquanto ela olha para mim, e eu me inclino para baixo, tomando sua boca em um beijo profundo e cuidadoso. Ela geme em minha boca, as mãos agarrando meus ombros, e eu posso sentir o calor subindo entre nós. Minhas bolas crescem firmemente contra o meu corpo, meu pau dói para ter ela, sua úmida carne quente. Levanto-me, ainda a segurando em meus braços, e a coloco na cama. Ela estremece, e eu percebo que os lençóis estão esfregando contra seus vergões, machucando-a. "Vire, baby", eu sussurro, querendo apenas o prazer dela agora. Ela obedientemente rola sobre seu estômago, na mesma posição de antes, e eu a posiciono de modo que ela está em suas mãos e joelhos, seus cotovelos dobrados. De quatro, com o rabo inclinado para cima e as costas ligeiramente arqueadas, ela é a coisa mais quente que eu já vi. Eu posso ver todas as

A N N A

Z A I R E S


dobras de sua delicada vagina, o pequeno buraco de seu ânus e as deliciosas curvas da sua bunda, rosa com as marcas do cinto. Meu coração está batendo fortemente em meu peito, e meu pau está latejando dolorosamente enquanto eu agarro seus quadris, alinho a cabeça do meu pau contra sua abertura e empurro para dentro. A carne quente, molhada, me envolvendo em uma perfeição apertada. Ela geme, arqueando em direção a mim, tentando me levar mais profundo, e eu faço, retirando parcialmente e, em seguida, batendo de volta. Um grito escapa de sua garganta, e eu repito o movimento, minha espinha formigando com o prazer do seu canal apertado. Ondas de calor correm através de mim, e eu começo a empurrar mais, mal consciente dos meus dedos cavando na pele suave de seus quadris. Seus gemidos e gritos aumentam de volume, e então eu sinto seu clímax, seus músculos internos contraindo ao redor do meu pau, ordenhando-o. Incapaz de me segurar por mais tempo, eu explodo, minha visão borrando com a força da minha libertação conforme minha semente irrompe em suas profundezas quentes. Ofegante, eu caio para o meu lado, puxando-a comigo. Nossa pele está úmida de suor, nos grudando juntos, e meu coração está acelerado. Ela está respirando pesadamente demais, e eu posso sentir sua vagina apertando ao redor do pau amolecendo com uma última ondulação de orgasmo através dele. Deitamos unidos conforme a nossa respiração começa a diminuir. Eu estou segurando ela de conchinha contra mim, a curva suave de seu traseiro pressionando em minha virilha, e uma sensação de paz, de contentamento, lentamente passa em mim. É sempre assim com ela. Algo sobre ela acalma meus demônios, me faz sentir quase normal. Quase... feliz. Não é algo que eu possa explicar ou racionalizar, só está lá. É o que faz a minha necessidade por ela tão forte, tão desesperada. Tão perigosamente fodida. "Diga que você me ama", murmuro, acariciando sua coxa exterior. "Diga que você sentiu minha falta, baby." Ela gira em meus braços, virando o rosto para mim. Seus olhos escuros são solenes quando ela encontra o meu olhar. "Eu te amo, Julian", ela diz baixinho, sua delicada palma curva em torno de meu queixo. "Eu senti sua falta mais do que a própria vida. Você sabe disso."

A N N A

Z A I R E S


Eu faço, mas eu ainda preciso disso dela. Nos últimos meses, o aspecto emocional tornou-se tão necessário para mim, como o físico. Diverte-me, este estranho hábito meu. Eu quero que a minha pequena prisioneira me ame, cuide de mim. Eu quero ser mais do que apenas o monstro de seus pesadelos. Fechando os olhos, eu a atraio mais profundamente no meu abraço e me deixo relaxar. Em poucas horas, ela vai ser minha em todos os sentidos da palavra.

A N N A

Z A I R E S


Devo ter adormecido nos braços de Julian porque só acordei quando o avião começou a descer. Abrindo os olhos, observo o ambiente desconhecido, meu corpo dolorido do sexo que nós acabamos de ter. Eu tinha esquecido como era com Julian, quão devastador e catártico o passeio de montanha-russa de dor e êxtase poderia ser. Eu me sinto vazia e alegre ao mesmo tempo, retorcida, mas revigorada pelo turbilhão de emoções. Sentando-me cautelosamente, eu me encolho quando minha bunda machucada toca nos lençóis. Essa tinha sido uma das sessões de cinto mais intensas; Eu não ficaria surpresa se essas contusões durassem um tempo. Lançando um olhar ao redor do quarto, vejo uma porta que eu assumo que leva ao banheiro. Julian não está no quarto, então eu me levanto e vou até lá, sentindo a necessidade de lavar-me. Para minha surpresa, o banheiro contém um pequeno chuveiro, bem como uma pia real e vaso sanitário. Com todas estas comodidades, o jato de Julian parece mais como um hotel de voo do que qualquer avião comercial que eu já estive. Há até mesmo uma escova de dentes envolta em plástico, creme dental e enxaguante bocal no meio de uma pequena prateleira na parede. Eu uso todos os três, acompanhado de um banho rápido. Então, me sentindo infinitamente mais refrescada, eu volto para o quarto para me vestir.

A N N A

Z A I R E S


Quando eu entro na cabine principal, vejo Julian sentado no sofá, um laptop aberto sobre a mesa na frente dele. As mangas de sua camisa estão dobradas para cima, expondo seu bronzeado e os antebraços musculosos, e há uma carranca de concentração em seu rosto. Ele parece sério e tão devastadoramente belo que minha respiração pára por um momento. Como se sentindo a minha presença, ele olha para cima, seus olhos azuis brilhando. "Como você está, meu animal de estimação?", pergunta ele, a voz baixa e íntima, e eu sinto um rubor quente colorindo todo o meu corpo em resposta. "Eu estou bem." Eu não sei mais o que dizer. Minha bunda dói porque você me bateu, mas tudo bem, porque você me treinou para me divertir? Sim, claro. Seus lábios abrem em um sorriso lento. "Bom. Fico feliz em ouvir isso. Eu estava prestes a ir te pegar. Você deve sentar em seu lugar estaremos pousando em breve." "Ok." Eu segui a sua sugestão, tentando não estremecer com a dor causada pelo simples ato de sentar. Eu, definitivamente, vou ter contusões pelos próximos dias. Afivelo meu cinto, e olho para fora da janela, curiosa sobre o nosso destino. Conforme o avião passa através da cobertura de nuvens, vejo uma grande cidade surgindo abaixo, com montanhas iminentes na borda. "Que cidade é essa?" Eu pergunto, voltando-me para Julian. "Bogotá", ele responde, fechando seu laptop. Pegando-o, ele caminha para se sentar ao meu lado. "Nós só vamos ficar lá por algumas horas." "Você tem negócios lá?" "Você poderia dizer isso." Ele parece vagamente divertido. "Há algo que eu gostaria de ter feito, antes de voar para a propriedade." "O quê?" Pergunto com cautela. Um Julian divertido raramente é um bom sinal. "Você vai ver." E abrindo o laptop de novo, ele concentra-se em tudo o que ele estava fazendo antes.

A N N A

Z A I R E S


Um carro preto semelhante ao que nos deixou no aeroporto espera por nós quando saímos do avião. Lucas assume o papel de nosso motorista de novo, enquanto Julian continua trabalhando em seu laptop, aparentemente absorto em sua tarefa. Não me importo. Estou muito ocupada olhando tudo conforme nós dirigimos pelas ruas apinhadas. Bogotá tem uma certa vibração "Velho Mundo", que eu acho fascinante. Eu posso ver traços de sua herança espanhola em todos os lugares, misturada com um aroma exclusivamente latino. Faz-me desejar arepas - bolos de milho que eu costumava comer de um food truck colombiano no centro de Chicago. "Para onde estamos indo?", pergunto a Julian quando o carro para em frente a uma igreja antiga em um bairro de aparência rica. De alguma forma eu não tinha imaginado meu captor como o tipo de ir à igreja. Ao invés de responder, ele salta para fora do carro e estende a mão para mim. "Venha Nora", diz ele. "Não temos muito tempo." Tempo para quê? Quero interrogá-lo ainda mais, mas eu sei que é inútil. Ele não vai me responder a menos que ele sinta que deva. Colocando minha mão na palma grande de Julian, eu saio do carro e deixo-o me levar em direção ao prédio da igreja. Pelo que eu sei, nós vamos encontrar alguns de seus associados aqui, embora o por que dele me quer com ele para isso seja uma incógnita. Entramos por uma pequena porta lateral e nos encontramos em um pequeno, mas lindamente decorado aposento. Bancos de madeira antiquados alinhados aos lados dele, e há um púlpito com uma cruz intrincada na frente. Por alguma razão, a visão me deixa nervosa. Um pensamento insano, improvável me ocorre, e as palmas das mãos começam a suar. "Um, Julian..." Eu olho para cima para encontrá-lo olhando para mim com um sorriso estranho. "Por que estamos aqui?" "Você não pode imaginar, meu animal de estimação?", Ele diz suavemente, virando o rosto para mim. "Estamos aqui para nos casar."

A N N A

Z A I R E S


Por um momento, tudo o que posso fazer é olhar para ele em estado de choque mudo. Em seguida, um riso nervoso escapa da minha garganta. "Você está brincando, certo?" Ele levanta as sobrancelhas. "Brincando? Não, de jeito nenhum." Ele pega a minha mão novamente, e eu o sinto deslizar algo no meu dedo anelar esquerdo. Com meu coração acelerado, eu olho para a minha mão esquerda em descrença entorpecida. O anel parece algo que uma estrela de Hollywood poderia usar – um aro fino, cravejado de diamantes com uma grande pedra redonda brilhando no centro. É delicado e ostentador, e o ajuste é absolutamente perfeito, como se tivesse sido feito apenas para mim. A sala desaparece na frente dos meus olhos, manchas de luz dançando nos cantos da minha visão, e eu percebo que eu literalmente parei de respirar por alguns segundos. Desesperadamente aspirando o ar, eu olho para Julian, todo o meu corpo começando a tremer. "Você... você quer se casar comigo?" Minha voz sai em uma espécie de sussurro horrorizado. "Claro que sim." Seus olhos estreitam ligeiramente. "Por que mais eu a traria aqui?" Eu não tenho resposta para isso; tudo o que posso fazer é ficar lá e olhar para ele, sentindo como se eu estivesse hiperventilando. Casamento. Casar com Julian. Isso simplesmente não parece certo. Casamento e Julian são tão distantes em minha mente, que eles poderiam muito bem estar em pólos opostos do planeta. Quando penso em casamento, é no contexto de um ambiente agradável, ainda distante e futuro, um futuro que envolve um marido amoroso e duas crianças barulhentas. Nesse quadro, há um cão e uma casa nos subúrbios, jogos de futebol e piqueniques escolares. Não há um assassino com o rosto de um anjo caído, nenhum monstro bonito para me fazer gritar em seus braços. "Eu não posso me casar com você." As palavras saem antes que eu possa pensar melhor. "Sinto muito, Julian, mas eu não posso." Seu rosto fica preto. Num piscar de olhos, ele está em mim, um braço em volta da minha cintura, me pressionando contra ele, e a outra mão

A N N A

Z A I R E S


agarrando meu queixo. "Você disse que me amava." Sua voz é suave e uniforme, mas eu posso sentir a raiva escura por baixo. "Isso foi uma mentira?" "Não!" Tremendo, sustento o olhar furioso de Julian, minhas mãos empurrando impotentes contra seu peito poderoso. Eu posso sentir o peso do anel no meu dedo, o acrescenta mais pânico. Eu não sei como explicar, como fazê-lo entender algo que eu mal consigo compreender. Eu quero estar com Julian. Eu não posso viver sem ele, mas o casamento é algo totalmente diferente, algo que não pertence a nossa relação torcida. "Eu te amo! Você sabe disso-" "Então por que você iria recusar?", Ele exige, seus olhos escuros de fúria. Seu domínio sobre minha mandíbula aperta, os dedos machucando minha pele. Meus olhos começam a queimar. Como eu posso explicar minha relutância? Como posso dizer que ele não é alguém que eu possa imaginar como o meu marido? Que ele é parte de uma vida que nunca imaginei, nunca quis, e que se casar com ele significaria desistir daquele sonho vago, distante de um futuro normal? "Por que você quer se casar comigo?", Pergunto desesperadamente. "Por que você quer algo tão tradicional? Já sou sua-" "Sim, você é." Ele se inclina até que seu rosto está a meros centímetros do meu. "E eu quero um documento legal para esse efeito. Você vai ser minha esposa, e ninguém será capaz de levá-la de mim." Eu fico olhando para Julian, meu peito apertando enquanto eu começo a entender. Esse não é um gesto doce, romântico da sua parte. Ele não está fazendo isso porque ele me ama e quer começar uma família. Essa não é a forma como Julian opera. Casamento legitimaria seu poder sobre mim – é tão simples como isso. Seria uma forma diferente de propriedade, uma mais permanente... e algo dentro de mim estremece com a ideia. "Sinto muito", eu digo de forma uniforme, reunindo minha coragem. "Eu não estou pronta para isso. Podemos discutir isso de novo em algum momento mais tarde?" Sua expressão endurece, seus olhos se transformando em lascas de gelo azul. Abruptamente, ele me libera e dá um passo para trás. "Tudo

A N N A

Z A I R E S


bem." Sua voz é tão fria quanto seu olhar. "Se é assim que você quer jogar, meu animal de estimação, vamos fazer do seu jeito." Enfiando a mão no bolso, ele puxa um smartphone e começa a digitar nele. Uma sensação doentia se aloja no meu estômago. "O que você está fazendo?" Quando ele não responde, repito a minha pergunta, tentando não soar tão em pânico como eu me sinto. "Julian, o que você está fazendo?" "Algo que eu deveria ter feito há muito tempo", ele finalmente responde, olhando para mim conforme ele agarra o seu telefone. "Você ainda sonha com ele, não é? Esse rapaz que uma vez quis?" Meu coração para de bater por um segundo. "O quê? Não, eu não! Julian, eu juro a você, Jake não tem nada a ver com isso-" Ele interrompe com um curto, gesto de desprezo. "Eu deveria ter removido ele de sua vida há muito tempo. Agora vou corrigir essa omissão. Talvez então você vá aceitar que você está comigo agora, não com ele". "Eu estou com você!" Eu não sei o que dizer, como convencer Julian a não fazê-lo. Andando em direção a ele, aperto suas mãos, o calor de sua pele queimando meus dedos congelados. "Ouça-me, eu amo você, só você... Ele não significa nada para mim, há muito tempo!" "Bom." A expressão dele não amolece, embora seus dedos dobrem em torno dos meus, aprisionando-os em suas mãos. "Então você não deveria se importar com o que acontece com ele." "Não, não é assim que funciona! Eu me importo porque ele é um ser humano, um espectador inocente em tudo isso, e por nenhuma outra razão!" Eu estou tremendo tanto agora, que meus dentes estão batendo. "Ele não merece ser punido por meus pecados" "Não me interessa o que ele merece." A voz de Julian vem para mim como um chicote quando ele usa o seu poder sobre as minhas mãos para me puxar para mais perto. Inclinando-se, ele solta, "Eu o quero fora de sua mente e fora de sua vida, você me entende?" A queimação em meus olhos se intensifica, a minha visão borra das lágrimas não derramadas. Através da névoa de pânico nublando minha mente, eu percebo que só há uma coisa que posso fazer para parar isso, só há uma maneira que eu possa impedir a morte de Jake.

A N N A

Z A I R E S


"Tudo bem", eu sussurro em derrota, olhando para o monstro por quem eu tinha me apaixonado. "Eu farei. Eu casarei com você."

A próxima hora parece surreal. Depois de chamar seus capangas, Julian me apresenta a um homem velho e enrugado usando vestes de um padre católico. O homem não fala inglês, então eu aceno e finjo acompanhar conforme ele fala para mim em espanhol rápido. É embaraçoso admitir, mas o único espanhol que sei é das minhas aulas na escola. Quando eu estava crescendo, meus pais falavam Inglês em casa, e eu não passei tempo suficiente com minha avó para pegar algo mais do que algumas frases básicas. Quando a minha introdução ao sacerdote termina, Julian me leva a outra sala de um pequeno escritório que tem uma mesa e duas cadeiras. Assim que chegamos lá, duas jovens entram na sala. Uma delas traz um longo vestido branco, enquanto a outra carrega sapatos e acessórios. Elas são amigáveis e animadas, conversando comigo em uma mistura de Espanhol e Inglês conforme elas começam a fazer o meu cabelo, e eu tento responder da mesma forma. No entanto, as minhas respostas saem desajeitadas e estranhas, o crescente nó de medo no meu peito me impedindo de agir como a jovem noiva ansiosa que esperavam ver. Percebendo minha falta de entusiasmo, Julian me lança um olhar escuro, em seguida, desaparece, deixando as mulheres trabalhando em cima de mim. No momento em que terminam de me embelezar, estou tanto mentalmente como fisicamente exausta. Mesmo que Chicago e Bogotá estejam no mesmo fuso horário, eu sinto um jet-lag e estou totalmente drenada. Uma dormência estranha se instala em mim, aliviando a tensão agitada no meu estômago. Está acontecendo. Está realmente acontecendo. Julian e eu vamos nos casar. O pânico que tomou conta de mim mais cedo se foi, depois de ter amadurecido em um tipo de resignação. Eu não sei o que eu esperava de

A N N A

Z A I R E S


um homem que me manteve em cativeiro durante quinze meses. Uma discussão razoável sobre os prós e contras de se casar neste momento em nosso relacionamento? Eu mentalmente bufo. Sim claro. Em retrospectiva, é claro que a nossa separação de quatro meses tinha entorpecido minhas memórias daquelas semanas iniciais terríveis na ilha, eu tinha, de alguma forma, conseguido romancear meu sequestrador em minha mente. Eu tinha tolamente começado a pensar que as coisas poderiam ser diferentes entre nós, a acreditar que eu tinha algo a fazer da minha vida. "Tudo pronto." A mulher que estava trabalhando no meu cabelo me dá um sorriso radiante, interrompendo meus pensamentos. "Linda, señorita, muito bonita. Agora, por favor, o vestido, e então faremos uma bela maquiagem." Elas me dão roupas íntimas de seda para vestir com o vestido, e, em seguida, com muito tato se afastam, dando-me um pouco de privacidade. Não querendo arrastá-lo no chão, eu rapidamente viro e visto o vestido – que, como o anel, me serve perfeitamente. Agora tudo o que resta é a maquiagem e os acessórios, e as duas mulheres fazem esse trabalho. Dez minutos mais tarde, eu estou pronta para o meu casamento. "Vamos ver", diz uma delas, levando-me para o canto da sala. Há um espelho de corpo inteiro lá que eu não tinha notado antes, e eu olho em um silêncio atordoado para o meu reflexo, dificilmente reconhecendo a imagem que eu vejo. A menina no espelho é muito bonita e sofisticada, com seu cabelo preso em um coque artístico e sua maquiagem feita com bom gosto. O vestido estilo sereia é simplesmente certo para sua estrutura fina, com um corpete expondo a inclinação graciosa de seu pescoço e ombros. Brincos de diamante em forma de lágrima decoram suas pequenas orelhas, e um colar combinando brilha ao redor de seu pescoço. Ela é tudo que uma noiva deveria ser... especialmente se alguém ignorasse as sombras em seus olhos. Meus pais teriam ficado tão orgulhosos. O pensamento corre do nada, e eu percebo pela primeira vez que eu estou casando sem a minha família lá, que meus pais não vão ver sua única filha nesse dia especial. Uma dor surda se espalha através de meu peito

A N N A

Z A I R E S


com o pensamento. Não haverá compra de vestido de noiva com a minha mãe, nem degustação do bolo com o meu pai. Nenhuma festa de despedida com os meus amigos em um clube de strip. Tento imaginar como Julian reagiria a algo assim, e um riso inesperado escapa dos meus lábios. Eu tenho uma forte suspeita que esses pobres strippers deixariam o clube em sacos para corpos se eu me aventurasse perto deles. Uma batida na porta interrompe minhas reflexões semi-histéricas. As mulheres correm para atendê-la, e eu ouço Julian falando com elas em espanhol. Voltando-se para mim, elas acenam adeus e saem rapidamente. Assim que elas se foram, Julian entra na sala. Apesar de tudo, não posso deixar de olhar para ele. Vestido com um smoking preto perfeito que abraça seu corpo alto e poderoso com perfeição, o meu futuro marido é simplesmente de tirar o fôlego. Minha mente volta para a nossa sessão de sexo no avião, e calor úmido reúne entre as minhas coxas até mesmo quando meus machucados começam a pulsar com a lembrança. Ele está me estudando também, seu olhar quente e possessivo conforme ele observa o meu corpo. "Não é má sorte para o noivo ver a noiva antes da cerimônia?", Eu injeto tanto sarcasmo em minha voz quanto posso, tentando ignorar o efeito que ele tem sobre os meus sentidos. Nesse momento, eu o odeio quase tanto quanto eu o amo, e o fato de que eu quero pular em seus ossos me preocupa em vários graus. Eu deveria estar acostumada com isso agora, mas eu ainda acho que é perturbador, a forma como o meu cérebro e meu corpo não se comunicam em sua presença. Um pequeno sorriso puxa o canto de sua boca sensual. "Está tudo bem, meu animal de estimação. Eu acho que você e eu estamos imunes a tais preocupações. Você está pronta?" Concordo com a cabeça e caminho em direção a ele. Não há nenhum ponto em retardar o inevitável, de uma forma ou de outra, vamos nos casar hoje. Julian oferece-me o braço, e passo a minha mão através da dobra do cotovelo, deixando-me levar de volta para bela sala com o púlpito. O padre já está esperando por nós, assim como Lucas. Há também uma câmera considerável em cima de um tripé alto.

A N N A

Z A I R E S


"Isso é para fotos de casamento?" Eu pergunto, surpresa, parando na entrada. "Claro." Os olhos de Julian brilham para mim. "Memórias e todas essas coisas boas." Uh-huh. Eu não posso entender por que Julian quer isso – o vestido, o smoking, a igreja. A coisa toda é confusa para mim. Nós não estamos entrando em uma união de amor; ele simplesmente me quer ligada mais firmemente, formalizando a sua propriedade. Todos esses apetrechos são sem sentido, especialmente porque Lucas é o único que vai testemunhar o evento. O pensamento faz o meu peito doer novamente. "Julian", digo em voz baixa, olhando para ele, "Eu posso ligar para meus pais agora? Quero dizerlhes sobre isso. Eu quero que eles saibam que eu vou me casar." Eu estou quase certa que ele irá recusar o meu pedido, mas sinto-me compelida a pedir independentemente. Para minha surpresa, ele sorri para mim. "Se você quiser, meu animal de estimação. Na verdade, depois de falar com eles, eles podem assistir à cerimônia em um vídeo ao vivo. Lucas pode configurar isso para nós". Eu fico boquiaberta para ele em choque. Ele quer que os meus pais assistam ao casamento? Para vê-lo, o homem que raptou a sua filha? Por um momento, eu sinto que eu entrei um universo alternativo, mas, em seguida, a pura genialidade de seus planos desponta em mim. "Você quer que eu te apresente a eles, não é?", Eu sussurro, olhando para ele. "Você quer que eu lhes diga que eu vim com você por minha própria vontade, para mostrar-lhes o quanto estamos felizes juntos. Então você não terá que se preocupar com as autoridades ou qualquer outra pessoa vindo atrás de você. Eu serei apenas mais uma garota que se apaixonou por um homem bonito, rico e fugiu com ele. Essas fotos... esse vídeo... é tudo sobre a realização de um ato..." Seu sorriso se alarga. "Como você age e o que você dirá a eles é inteiramente com você, meu animal de estimação", diz ele suavemente. "Eles podem testemunhar uma ocasião alegre, ou você pode dizer-lhes que foi sequestrada novamente. A escolha é sua, Nora. Você pode fazer o que quiser."

A N N A

Z A I R E S


Seus olhos escuros estão largos e sem piscar enquanto ela olha para mim, e eu sei exatamente qual será sua escolha. No que diz respeito a seus pais preocupados, ela vai ser a noiva mais feliz do mundo. Ela vai fazer a melhor atuação de sua vida. Raiva e algo mais, algo que eu não me importo de examinar devidamente, vira em meu intestino com o pensamento. Racionalmente eu entendo sua hesitação. Eu sei o que eu sou, o que eu fiz para ela. Uma mulher inteligente iria correr o mais rápido que pudesse e Nora sempre foi mais esperta, mais perspicaz do que a maioria. Ela também é jovem. Eu esqueço isso às vezes. No mundo confortável de classe média americana, poucas mulheres se casam com a sua idade. É possível que o casamento não seja algo que ela pensou ainda; na verdade, é provável, uma vez que ela tinha saído da escola quando eu a conheci. Racionalmente eu entendo tudo isso..., mas a racionalidade não tem nada a ver com as emoções selvagens fervendo sob a minha pele. Quero amarra-la, chicoteá-la, e depois transar com ela até que ela esteja crua e implorando por misericórdia, até que ela admita que é minha, que ela não pode viver sem mim. Eu não faço nada disso, embora. Ao invés disso eu sorrio friamente e espero por sua decisão.

A N N A

Z A I R E S


Ela inclina a cabeça em um pequeno aceno de cabeça. "Tudo bem." Sua voz é quase inaudível. "Eu vou fazer isso. Vou dizer-lhes tudo sobre o nosso caso de amor." Eu escondo a minha satisfação. "Como quiser, meu animal de estimação. Vou mandar Lucas configurar uma conexão segura para você." E deixando-a ali de pé, eu caminho até Lucas para discutir a logística dessa operação específica.

Peço a Padre Diaz para nos dar uma hora antes de começar a cerimônia e, em seguida, sento em um dos bancos, dando a Nora um pouco de privacidade para conversar com seus pais. Claro, eu estou monitorando a conversa através de um pequeno dispositivo de bluetooth no meu ouvido, mas ela não precisa saber disso. Recostando-me contra a parede, eu fico confortável e preparo-me para me divertir. A mãe atende no primeiro toque. "Oi mãe... sou eu." A voz de Nora é alegre e otimista, praticamente cheia de emoção. Eu abafo um sorriso, ela vai ser ainda melhor nisso do que eu pensava. "Nora, querida!" A voz de Gabriela Leston é cheia de alívio. "Estou tão feliz que você ligou. Tentei ligar-lhe cinco vezes hoje, mas o telefone continuou indo para a caixa postal. Eu estava prestes a ir lá em pessoa – oh, espere, de que número você está ligando?" "Mãe, não surta, mas eu não estou em casa, ok?" O tom de Nora é calmante, mas eu estremeço internamente. Eu não sei muito sobre pais normais, mas eu tenho certeza que dizer as palavras 'não surta' garante que eles façam exatamente isso. "O que você quer dizer?" A voz da mãe aguça imediatamente. "Onde está você?" Nora limpa a garganta. "Hum, eu estou na Colômbia, na verdade."

A N N A

Z A I R E S


"O QUÊ?" Eu me encolho com o grito ensurdecedor. "O que quer dizer, você está na Colômbia?" "Mãe, você não entende, é uma grande notícia..." E Nora lança uma explicação de como se apaixonara na ilha, quão devastada ela tinha ficado quando ela pensou que eu estava morto, e como em êxtase, ela ficou ao saber que eu estou vivo. Depois que ela fez isso, só há silêncio no telefone. "Você está me dizendo que você está com ele agora?" Sua mãe finalmente pergunta, com a voz rouca e tensa. "Que ele voltou para você?" "Sim, exatamente." O tom de Nora é eufórico. "Você não vê, mãe? Eu realmente não podia falar com você sobre nada disso antes, porque era muito difícil, porque eu pensei que eu o tinha perdido. Mas agora estamos juntos novamente, e há algo... algo surpreendente que eu tenho para lhe dizer." "O que é?" A mãe dela soa compreensivelmente cautelosa. "Nós vamos nos casar!" Há um outro longo silêncio na outra extremidade da linha. Então: "Você vai se casar... com ele?" Eu suprimo outro sorriso conforme Nora começa a tentar convencer sua mãe que eu não sou tão ruim quanto eles pensam – que era uma combinação de circunstâncias infelizes que resultou no sequestro e que as coisas são muito diferentes entre nós agora. Eu não tenho certeza se Gabriela Leston está comprando isso, mas ela realmente não precisa. A gravação desta conversa será distribuída aos indivíduos-chave em certas agências governamentais, ajudando a aliviar suas penas eriçadas. Sou muito valioso para eles foderem comigo, mas ainda não faz mal jogar junto. A percepção é tudo, e Nora como minha esposa é muito mais palatável para eles do que Nora como minha prisioneira. Eu poderia ter casado com ela antes, mas eu estava tentando mantêla oculta, mantê-la segura. É por isso que a raptei e a levei para a minha ilha: para que ninguém descobrisse sobre sua existência e sua importância para mim. Agora que o segredo está fora, no entanto, quero que o mundo inteiro saiba que ela é minha – que, se eles ousarem tocá-la, eles vão pagar. A notícia da minha vingança contra Al-Quadar está começando a filtrar

A N N A

Z A I R E S


através dos esgotos do submundo, e tenho a certeza que os rumores são ainda mais brutais do que a realidade. São esses rumores que irão manter a família de Nora segura – isso e o detalhe da segurança que coloquei em seus pais. É improvável que alguém iria tentar chegar a mim através dos meus sogros, não sou exatamente conhecido como um homem de família, mas eu não estou deixando nenhuma chance. A última coisa que eu quero é que Nora se lamente por seus pais da maneira como ela ainda está de luto por Beth. No momento em que Nora está encerrando a conversa, Padre Diaz começa a ficar impaciente. Dou-lhe um olhar de advertência, e ele imediatamente para a inquietação, todos os traços visíveis de irritação desvanecendo de sua face. O bom Padre me conhece desde que eu era um menino, e ele sabe quando ele deve ter cautela. Quando eu olho na direção de Nora novamente, ela acena para mim, fazendo sinal para que eu me aproximasse. Eu me levanto e caminho até ela, desligando meu dispositivo Bluetooth no caminho. Conforme eu chego perto, eu ouço ela dizendo: "Olha, mamãe, deixe-me apresentá-la a ele, ok? Vou pedir-lhe para colocar-nos em vídeo – dessa forma vai ser quase como se estivéssemos todos reunidos em pessoa.... Sim, vamos conectar com você em um par de minutos." E desligando, ela olha para mim com expectativa. "Lucas." Eu mal levanto minha voz, mas ele já está lá, carregando um laptop com uma conexão segura. Colocando em um parapeito, ele arruma de forma que os pequenos pontos de câmera fiquem em nós. Um minuto depois, a chamada de vídeo é estabelecida, e o rosto de Gabriela Leston enche a tela. Tony Leston- pai de Nora está por trás dela. Ambos os pares de olhos escuros imediatamente voltam-se para mim, me estudando com uma mistura peculiar de hostilidade e curiosidade. "Mamãe, papai, este é Julian," Nora diz suavemente, e eu inclino minha cabeça com um pequeno sorriso. Lucas caminha de volta para o outro lado da sala, deixando-nos sozinhos. "É muito bom conhecê-lo." Eu propositadamente mantenho minha voz calma e firme. "Tenho certeza de Nora já os colocou a par de tudo. Peço desculpas pela velocidade com que isso está acontecendo, mas eu adoraria se vocês pudessem ser uma parte de nosso casamento. Eu sei que significaria muito para Nora ter seus pais presentes, mesmo que seja

A N N A

Z A I R E S


remotamente." Não há nada que eu possa dizer aos Lestons para justificar minhas ações ou fazê-los gostar de mim, então eu nem sequer tento. Nora é minha agora, e eles terão que aprender a aceitar esse fato. O pai de Nora abre a boca para dizer algo, mas sua esposa acotovela ele bruscamente. "Tudo bem, Julian", ela diz lentamente, olhando para mim com os olhos estranhamente semelhantes aos da sua filha. "Então você vai se casar com Nora. Posso perguntar onde vocês vão viver depois disso, e se vamos vê-la de novo?" Eu sorrio para ela. Outra mulher inteligente, intuitiva. "Pelos primeiros meses, provavelmente vamos estar aqui, na Colômbia", eu explico, mantendo meu tom leve e amigável. "Há certas questões de negócios que eu tenho que cuidar. Depois disso, no entanto, ficaríamos mais do que felizes em irmos para uma visita, ou termos vocês nos visitando". Gabriela concorda. "Entendo." A tensão sobre seu rosto continua, embora o alívio passe brevemente em seus olhos. "E o sobre os planos futuros de Nora? E sobre a faculdade?" "Eu vou ter certeza que ela receba uma boa educação e tenha uma chance de buscar sua arte." Dou aos Lestons um olhar. "Claro, eu tenho certeza que você percebe que Nora não precisa se preocupar com dinheiro mais. Nem vocês. Eu estou mais do que confortável, financeiramente, e eu sempre cuido dos meus." Os olhos de Tony Leston estreitam com raiva. "Você não pode comprar a nossa filha-", ele começa a dizer, apenas receber uma cotovelada de sua esposa silenciando-o. A mãe de Nora tem claramente uma melhor compreensão sobre a situação; ela percebe que esta conversa tão facilmente poderia não estar acontecendo. Eu me inclino mais perto da câmera. "Tony, Gabriela", eu digo baixinho, "Eu entendo a sua preocupação. No entanto, em menos de meia hora, Nora vai ser minha esposa, minha responsabilidade. Posso asseguralos que vou cuidar dela e fazer o meu melhor para garantir sua felicidade. Vocês não têm nada com o que se preocupar." A mandíbula de Tony aperta, mas ele permanece calado dessa vez. É Gabriela que fala em seguida. "Gostaríamos que pudéssemos falar com ela

A N N A

Z A I R E S


em uma base regular", diz ela uniformemente. "Para nos certificarmos de que ela está tão feliz quanto ela parece hoje." "Claro." Eu não tenho nenhum problema de fazer essa concessão. "Agora, a cerimônia começa em poucos minutos, por isso precisamos criar uma transmissão de vídeo melhor para vocês. Foi um prazer conhecê-los", eu digo educadamente, em seguida, fecho o laptop. Voltando, eu vejo Nora me observando com alguma perplexidade. No longo vestido branco e com o cabelo todo feito, ela parece uma princesa, o que suponho que faz de mim o dragão do mal roubando sua vida. Inexplicavelmente divertindo-me com o pensamento, eu levanto minha mão e corro meus dedos por sua bochecha suave. "Você está pronta, meu animal de estimação?" "Sim, acho que sim", ela murmura, olhando para mim. Eles fizeram algo com seus olhos, aquelas mulheres que contratei, fazendo seus olhos parecem ainda maiores e mais misteriosos. Sua boca também parece mais suave e mais brilhante do que o normal, totalmente para foder. Um aumento súbito de desejo me pega de surpresa, e eu me forço a dar um passo atrás antes de cometer um sacrilégio no meu próprio casamento. "O vídeo está configurado," Lucas me informa, aproximando-se de nós. "Obrigado, Lucas," eu digo. Em seguida, voltando-me para Nora, eu pego a mão dela e a levo em direção ao Padre Diaz.

A N N A

Z A I R E S


A cerimônia em si leva apenas cerca de 20 minutos. Ciente da câmera apontada para nós, eu sorrio muito e faço o meu melhor para parecer uma noiva brilhante e feliz. Eu ainda não entendo completamente a minha própria relutância. Afinal, eu vou casar com o homem que amo. Quando eu pensei que ele estava morto, eu queria morrer, e levou toda a minha força para sobreviver um dia depois do outro. Eu não quero ficar com ninguém, mas Julian... eu ainda não posso suprimir o frio dentro de mim. Ele lidou com os meus pais sem problemas, dou isso a ele. Eu não tenho certeza do que eu estava esperando, mas a conversa calma, quase civilizada, que aconteceu não tinha sido ele. Ele tinha estado no controle o tempo todo, sua atitude casual não deixando espaço para acusações lacrimosas e recriminações. Ele pediu desculpas pelo casamento apressado, mas não por me sequestrar, em primeiro lugar, e eu sei que é porque ele não sente nenhuma culpa sobre isso. Em sua mente, ele tem direito sobre mim. É simples assim. Depois de um longo discurso em espanhol, Padre Diaz começa a falar com Julian. Eu pego algumas palavras – algo sobre esposo, amor, proteção, e então eu ouço a voz profunda de Julian responder "Sí, quiero". É minha vez em seguida. Olhando para cima, eu encontro o olhar de Julian. Há um sorriso em seus lábios, mas seus olhos contam uma história

A N N A

Z A I R E S


diferente. Seus olhos refletem a fome e necessidade, e por baixo de tudo, uma escura possessividade que consome tudo. "Sí, quiero", eu digo baixinho, repetindo as palavras de Julian. Sim, eu aceito. Sim, eu quero. Meu espanhol rudimentar é bom o suficiente para traduzir isso, pelo menos. O sorriso de Julian se alarga. Enfiando a mão no bolso, ele pega outro anel – um fino, cravejado de diamantes que coincide com o meu anel de noivado e desliza-o no meu dedo. Em seguida, ele coloca um aro de platina em minha palma e estende a mão esquerda para mim. Sua palma é quase o dobro do tamanho da minha, os dedos longos e masculinos. Ele tem mãos fortes e ásperas com calos de um homem. Mãos que podem dar prazer ou magoa com igual facilidade. Respirando fundo, eu deslizo a aliança de casamento no dedo anelar esquerdo de Julian e olho para ele de novo, apenas meio ouvindo quando Padre Diaz conclui a cerimônia. Olhando para as belas feições de Julian, tudo o que posso pensar é que ele conseguiu. O homem que me sequestrou agora é meu marido.

Após a cerimônia, eu digo adeus aos meus pais, assegurando-lhes que vou falar com eles novamente em breve. Minha mãe está chorando, e meu pai está usando uma expressão pétrea que normalmente significa que ele está extremamente chateado. "Mãe, pai, eu prometo que vou estar em contato", eu lhes digo, tentando segurar minhas próprias lágrimas. "Eu não irei desaparecer novamente. Tudo vai ficar bem. Vocês não têm nada com o que se preocupar..." "Eu prometo que ela vai ligar muito em breve", Julian acrescenta, e depois de mais alguns adeuses chorosos, Lucas desliga o sinal de vídeo. A meia hora seguinte é gasta tirando fotografias em toda a bela igreja. Então nós voltamos para nossas roupas normais e voltamos para o aeroporto.

A N N A

Z A I R E S


Nesse ponto, é noite e eu estou completamente exausta. O estresse do último par de horas, combinado com todas as viagens, me deixou quase em coma. Eu fecho meus olhos, inclinando-me para trás contra o assento de couro preto conforme o carro segue o seu caminho através das ruas escuras de Bogotá. Eu não quero pensar em nada; Eu só quero esvaziar minha mente e relaxar. Me mexendo, eu tento encontrar uma posição melhor, uma que não coloque muito peso sobre a minha bunda ainda dolorida. "Cansada, baby?", murmura Julian, colocando a mão na minha perna. Seus dedos espremem levemente, massageando minha coxa, e eu forço minhas pálpebras pesadas a abrir. "Um pouco", eu admito, voltando-me para ele. "Eu não estou muito acostumada a isso de voar ou me casar." Ele sorri para mim, seus dentes piscando branco na escuridão. "Bem, felizmente, você não terá que passar por esta experiência novamente. O casamento, quero dizer. Eu não posso prometer nada sobre o voo". Talvez eu esteja muito cansada, mas isso me parece ridiculamente engraçado por algum motivo. Um riso escapa da minha garganta, primeiro um, depois outro, até que eu estou rindo incontrolavelmente, rolando no banco de trás do carro. Julian me observa com calma, e quando meu riso, finalmente, começa a se acalmar, ele me puxa para o seu colo e me beija, reivindicando minha boca com um beijo longo e feroz que, literalmente, rouba meu fôlego. No momento em que ele me deixa respirar, eu mal posso lembrar meu próprio nome, muito menos do que eu estava rindo antes. Estamos ambos ofegantes, nossa respiração misturando conforme nós olhamos fixamente um para o outro. Há fome em seu olhar, mas há também algo mais, um desejo quase violento que é mais profundo do que simples luxúria. Uma tensão estranha aperta o meu peito, e eu sinto que estou caindo cada vez mais, perdendo ainda mais de mim mesma. "O que você quer de mim, Julian?" Eu sussurro, levantando minha mão para embalar os contornos rígidos de sua mandíbula. "Do que você precisa?" Ele não responde, mas sua mão grande cobre a minha, segurando-a, pressionado contra seu rosto por alguns momentos. Ele fecha os olhos, como se absorvendo a sensação, e quando ele os abre, o momento se foi.

A N N A

Z A I R E S


Deslocando-me de seu colo, ele enrola um braço pesado sobre os meus ombros e me instala confortavelmente contra o seu lado. "Descanse um pouco, meu animal de estimação", ele murmura no meu cabelo. "Nós ainda temos um caminho a percorrer antes de chegar em casa."

Eu adormeço no avião de novo, então eu não tenho ideia de quanto tempo o voo leva. Julian me sacode para que eu acorde depois de pousar, e eu o sigo sonolenta para fora do avião. Ar quente e úmido me bate assim que desembarco, tão espesso que sinto como um cobertor molhado. Bogotá tinha sido muito mais quente que Chicago, com a temperatura em algum lugar em torno de 16 graus1, mas isso... isso é como se eu pisasse em uma sauna úmida. Com minhas botas de inverno e um suéter de lã, eu sinto como se estivesse sendo cozida viva. "Bogotá está a uma altitude muito maior", diz Julian, como se lendo minha mente. "Aqui em baixo, é terra caliente – a zona quente de baixa altitude." "Onde estamos?" Eu pergunto, acordando um pouco mais. Eu posso ouvir o chilrear dos insetos, e o cheiro no ar é a de uma vegetação verdejante, dos trópicos. "Qual parte do país, eu quero dizer?" "O Sudeste" Julian responde, me levando para um SUV esperando do outro lado da pista. "Estamos, na verdade, à direita, na beira da floresta amazônica." Eu levanto minha mão para esfregar no canto do meu olho. Eu não sei muito sobre a geografia da Colômbia, mas soa muito remoto para mim. "Estamos perto de algumas aldeias ou cidades?" "Não", diz Julian. "Essa é a beleza desse local, meu animal de estimação. Estamos completamente isolados e seguros. Ninguém vai nos incomodar aqui."

Tomei a liberdade de converter 60 graus fahrenheit para Celsius, o que dá em torno de 15-16 graus Celsius. Evidentemente, a autora estava chapada para dizer que 16 graus é quente O.o 1

A N N A

Z A I R E S


Chegamos ao carro, e ele me ajuda a entrar. Lucas se une a nós um par de minutos mais tarde, e, em seguida, nós estamos fora, descendo uma estrada de terra através de uma área densamente arborizada. É um breu lá fora, os faróis do carro a nossa única fonte de iluminação, e eu espio curiosamente através da escuridão, tentando discernir o nosso destino. Tudo o que posso ver, no entanto, são árvores e mais árvores. Abandonando esse esforço fútil, eu decido ficar mais confortável em meu lugar. É mais frio no carro com o ar condicionado trabalhando a todo vapor, mas eu ainda estou muito quente, então eu tiro minha blusa. Felizmente, eu estou vestindo um top por baixo. Como os golpes de ar frio em toda a minha pele aquecida, eu suspiro de alívio, abanando-me para acelerar o processo de arrefecimento. "Eu tenho roupas para você aqui que são apropriadas para o tempo", Julian diz, observando minhas ações com um meio sorriso. "Eu provavelmente deveria ter pensado em trazê-las comigo, mas eu estava muito ansioso para recuperar você." "Oh?" Eu olho para ele, absurdamente satisfeita com sua admissão. "Eu fui atrás de você assim que eu pude", ele murmura, com os olhos brilhando no interior escuro do carro. "Você não achou que eu iria deixá-la sozinha por muito tempo, não é?" "Não, eu não fiz," eu digo suavemente. E é a verdade. Se há uma coisa que eu sempre tive certeza, é que Julian me quer. Eu não tenho certeza se ele me ama - se ele é capaz de amar alguém, mas eu nunca duvidei da força de seu desejo por mim. Ele arriscou a vida para me tirar daquele armazém, e sei que ele iria fazê-lo novamente. É uma certeza que vai até os ossos e me enche com um sentimento de conforto peculiar. Fechando os olhos, eu inclino para trás contra o assento com outro suspiro. A dicotomia das minhas emoções faz minha cabeça doer. Como posso estar chateada com Julian por me forçar a casar com ele e, ao mesmo tempo, ser tão feliz com o fato de que ele não podia esperar para me raptar outra vez? Que pessoa sã se sente assim? "Chegamos," Julian diz, interrompendo meus pensamentos, e eu abro meus olhos, percebendo que o carro tinha parado.

A N N A

Z A I R E S


Na frente de nós há uma mansão de dois andares rodeada, em sua extensão, por várias estruturas menores. Luzes ao ar livre brilhantes iluminam tudo na vizinhança, e eu posso ver largos gramados verdes e um paisagismo deslumbrante, meticulosamente cuidado. Julian não estava exagerando quando ele chamou esse lugar de fazenda. Eu também posso ver algumas das medidas de segurança, e eu olho ao redor curiosamente quando Julian me ajuda a sair do carro e me leva para o edifício principal. Nas bordas mais distantes do imóvel, há torres espaçadas por algumas dezenas de quilômetros de distância, com homens armados visíveis na parte superior de cada uma. É quase como se estivéssemos na prisão, exceto que esses guardas são destinados a manter as pessoas más de fora, não dentro. "Você cresceu aqui?", pergunto a Julian a medida que nos aproximamos da casa. É um edifício branco, bonito, com colunas imponentes na frente. Isso me lembra um pouco da plantação de Scarlett O'Hara de ...E o Vento Levou2. "Sim" Ele me lança um olhar de soslaio. "Passei a maior parte do meu tempo aqui até que eu tinha cerca de sete ou oito anos. Depois disso, eu estava geralmente nas cidades com meu pai, ajudando-o com os negócios." Depois que subo os degraus da varanda, Julian para na porta e se abaixa para me levantar em seus braços. Antes que eu possa dizer qualquer coisa, ele me leva por cima do limiar, colocando-me de pé, uma vez que estamos no interior. "Não há razão para que não possamos ter essa pequena tradição", ele murmura com um sorriso travesso, mantendo seu domínio sobre meus lados enquanto ele olha para mim. Meus lábios se contorcem em um sorriso em resposta. Eu nunca posso resistir a Julian quando ele está sendo brincalhão assim. "Ah, sim, eu esqueci que você é o Sr. tradicional hoje", eu provoco, propositalmente tentando não pensar sobre a natureza forçada de nosso casamento. É importante para a minha sanidade mental manter os bons tempos separados dos maus, para viver o momento, tanto quanto possível. "E aqui eu acho que você sentiu como se devesse me pegar." Com o título original de Gone with the Wind, foi intitulado de ...E o vento levou, no Brasil. É um filme sobre a filha de um fazendeiro, e sua perseguição romântica a Ashley Wilkes, que é casado com sua prima, durante a Guerra se Secessão. 2

A N N A

Z A I R E S


"Eu senti", ele admite, o seu sorriso alargando. "É a primeira vez que meus desejos e a tradição coincidem, então por que nós não continuamos 'observando a tradição?'" "Eu estou dentro", eu digo baixinho, olhando para ele. Neste momento, minha mente está firmemente no campo 'bons tempos', e eu ficaria feliz em ir junto com tudo o que ele quiser fazer. "Señor Esguerra?" Uma voz feminina incerta nos interrompe, e eu viro para ver uma mulher de meia-idade de pé ali. Ela está usando um vestido de manga curta preto, com um avental branco enrolado em seu quadril arredondado. "Tudo está pronto, assim como o senhor pediu", diz ela no sotaque Inglês, nos observando com curiosidade mal contida. "Devo lhes servir o jantar?" "Não, obrigado, Ana," Julian responde, a mão apoiada possessivamente no meu quadril. "Basta trazer uma bandeja com alguns sanduíches para o nosso quarto, por favor. Nora está cansada das viagens." Então ele olha para mim. "Nora, essa é Ana, a nossa empregada. Ana, essa é Nora, a minha esposa." Os olhos castanhos de Ana aumentam. Aparentemente, a parte "esposa" é tanto um choque para ela como tinha sido para mim. Ela se recupera rapidamente, embora. "Muito prazer em conhecê-la, Senhora", diz ela, dando-me um sorriso largo. "Bem vinda." "Obrigada, Ana. É bom conhecer você também." Eu sorrio de volta, ignorando a dor aguda apertando meu peito. Esta dona de casa não é nada como Beth, não posso deixar de pensar na mulher que tinha se tornado minha amiga e de sua cruel morte, inútil. Não, não vá lá, Nora. A última coisa que eu preciso é acordar gritando de outro pesadelo. "Por favor, certifique-se esta noite que não seremos perturbados", Julian instrui a Ana, "a menos que seja algo urgente." "Sim, senhor", ela murmura, e desaparece através das amplas portas duplas que levam para fora da área de entrada. "Ana é uma das funcionárias aqui", Julian explica conforme ele me guia em direção a uma grande escada, curva. "Ela tem estado com a minha família de uma forma ou outra durante a maior parte da minha vida."

A N N A

Z A I R E S


"Ela parece muito boa", eu digo, estudando a minha nova casa enquanto nós subimos as escadas. Eu nunca estive dentro de uma residência tão extravagante, e eu mal posso acreditar que vou viver aqui. A decoração é uma mistura de bom gosto do antigo charme e elegância moderna, com pisos de madeira brilhando e arte abstrata nas paredes. Eu suspeito que as molduras douradas sozinhas são mais caras do que qualquer coisa que eu tinha no meu apartamento. "Quantas pessoas estão na equipe?" "Há dois que sempre cuidam da casa", Julian responde. "Ana, a quem você acabou de conhecer, e Rosa, que é a empregada. Você provavelmente vai encontrá-la amanhã. Existem também vários jardineiros, trabalhadores manuais e outros que supervisionam a propriedade como um todo." Paramos na frente de uma das portas do andar de cima, ele abre para mim. "Aqui estamos. Nosso quarto." Nosso quarto. Isso tem um ar muito doméstico. Na ilha, eu tinha o meu próprio quarto, e mesmo que Julian dormisse comigo na maioria das noites, ele ainda parecia como o meu espaço, algo privado que, aparentemente, eu não teria aqui. Entrando no interior, eu cautelosamente examino o quarto. Como o resto da casa, ele traz uma sensação de opulência antiga, apesar de vários toques modernos. Há um tapete azul grosso no chão, e uma enorme cama de dossel no centro. Tudo é feito em tons de azul e creme, com um pouco de ouro e bronze misturados. As cortinas que cobrem as janelas são grossas e pesadas, como em um hotel de luxo, e há mais algumas pinturas abstratas nas paredes. É bonito e intimidante, como o homem que agora é meu marido. "Por que não toma um banho?" Julian diz suavemente, dando um passo atrás de mim. Seus braços poderosos dobram em torno de mim, seus dedos chegam na minha fivela do cinto. "Eu acho que nós dois podíamos tomar um." "Claro, isso parece bom", murmuro, deixando-o me despir. Faz-me sentir como uma boneca, ou talvez uma princesa, pelo que nos rodeia. Conforme Julian puxa a minha camisa e empurra para baixo os meus

A N N A

Z A I R E S


jeans, suas mãos roçam contra a minha pele nua, causando arrepios de calor que correm até o meu núcleo. A nossa noite de núpcias. Essa noite é nossa noite de núpcias. Minha respiração acelera com uma combinação de excitação e nervosismo. Eu não sei o que Julian tem guardado para mim, mas o cume duro pressionando contra a minha parte inferior das costas não deixa dúvida de que ele tem a intenção de me foder novamente. Quando estou completamente nua, eu viro para encará-lo e ver como ele tira suas roupas, seus músculos bem definidos brilhando sob a luz suave vinda do teto rebaixado. Seu corpo é um pouco mais magro do que antes, e há uma nova cicatriz perto de sua caixa torácica. Ainda assim, ele é o homem mais impressionante que eu já vi. Ele já está totalmente ereto, seu pau espesso e longo, projetando-se para mim, e eu engulo, meu sexo apertando com a visão. Ao mesmo tempo, estou consciente de uma dor fraca no fundo e o latejar contínuo na minha bunda machucada. Eu o quero, mas não sei se posso lidar com mais alguma dor hoje. "Julian..." Eu hesito, sem saber como explicar. "Existe alguma maneira... Nós podemos-?" Ele dá um passo em minha direção, emoldurando meu rosto com as mãos grandes. Seus olhos brilham conforme ele olha para mim. "Sim", ele sussurra, entendendo a minha pergunta silenciosa. "Sim, querida, nós podemos. Vou dar-lhe a noite de casamento dos seus sonhos."

A N N A

Z A I R E S


Inclinando-me, eu coloco meu braço sob seus joelhos e a levanto. Ela mal pesa, seu pequeno corpo incrivelmente leve conforme eu a levo para o banheiro, onde Ana preparou a jacuzzi para nós. Minha esposa. Nora é agora minha esposa. A satisfação feroz que sinto com o pensamento não faz sentido, mas eu não pretendo pensar sobre ele. Ela é minha, e isso é tudo que importa. Vou transar com ela e cuidar dela, e ela vai cumprir todas as minhas necessidades, não importa o quão escuro e torcido. Ela vai me dar tudo de si mesma, e eu vou levá-la. Vou levar tudo, e então eu vou exigir mais. Esta noite, porém, vou dar o que ela quer. Eu serei doce e gentil, como qualquer marido deve ser com sua nova noiva. O sádico dentro de mim está em repouso, por agora, contido. Haverá bastante tempo mais tarde para puni-la por sua relutância na igreja. Neste momento, não tenho nenhum desejo de machucá-la. Eu só quero abraçá-la, acariciar sua pele sedosa e sentir seu estremecimento de prazer em meus braços. Meu pau está duro, pulsando com necessidade, mas a fome é diferente agora, mais controlada. Alcançando a grande jacuzzi redonda, eu entro e abaixo nós dois na água borbulhando, sentando-me com Nora abrigada no meu colo. Ela solta um suspiro feliz e relaxa contra mim, fechando os olhos e colocando a cabeça no meu ombro. Seu cabelo brilhante faz cócegas em minha pele, as extremidades longas flutuam na água. Eu me desloco um pouco, deixando

A N N A

Z A I R E S


que os jatos fortes surrem minhas costas, e sinto a tensão gradualmente drenando para fora de mim, apesar da minha excitação persistente. Por alguns minutos, eu estou contente em apenas sentar lá, segurando-a aninhada em meus braços. Apesar do lado de fora estar um calor sufocante, a temperatura no interior da casa é agradável, e a água quente faz bem a minha pele. Relaxante. Imagino que esteja boa para Nora também, aliviando a dor das contusões que eu infligi antes. Levantando minha mão, eu preguiçosamente a acaricio de novo, maravilhado com a suavidade de sua pele dourada. Meu pau contrai, clama por mais, mas eu não estou com pressa nesse momento. Quero prolongar este momento, para aumentar a expectativa para nós dois. "Isso é bom", ela murmura depois de um tempo, inclinando a cabeça para trás para olhar para mim. Suas bochechas são rosadas pelo calor da água e as pálpebras estão parcialmente fechadas, fazendo-a parecer como se ela já tivesse sido completamente fodida. "Eu gostaria de poder tomar um banho assim todos os dias." "Você pode," eu digo suavemente, deslocando-a do meu colo para que ela fique de frente para mim e atingindo sob a água para pegar seu pé direito. "Você pode fazer o que quiser aqui. É a sua casa agora." Aplicando uma leve pressão na sua sola, eu começo a massageá-lo do jeito que ela gosta, apreciando os gemidos tranquilos que escapam dos lábios ao meu toque. Seus pés são pequenos e belos, como o resto dela. Sexy mesmo, com o esmalte rosa em seus dedos delgados. Cedendo a uma vontade súbita, eu levanto o pé na minha boca e chupo-o de leve, girando minha língua ao redor de cada dedo do pé. Ela suspira, olhando para mim, e eu posso ouvir sua respiração aumentar, vejo seus olhos escurecendo com a excitação. Isso a acende, eu percebo, e esse conhecimento faz meu pau endurecer ainda mais. Segurando seu olhar, eu alcanço o outro pé de Nora e dou-lhe o mesmo tratamento. Os dedos dos pés enrolam com o toque da minha língua e sua respiração torna-se instável, sua própria língua saindo para umedecer os lábios. A dor em minha virilha intensifica, eu libero o pé e, lentamente, deslizo minha mão até o interior de sua perna, sentindo os músculos da coxa tremendo de tensão quando me aproximo de seu sexo. Meus dedos roçam contra sua vagina, separando as dobras macias. Então eu empurro a

A N N A

Z A I R E S


ponta do meu dedo médio em sua pequena abertura, usando o meu polegar para pressionar em seu clitóris ao mesmo tempo. No interior, ela é incrivelmente quente e lisa, suas paredes internas agarrando meu dedo com tanta força que meu pau salta em resposta. Ela solta um gemido suave, levantando seus quadris para mim, e meu dedo desliza mais profundo dentro dela, causando um grito sufocado da sua garganta. Ela se contorce para trás reflexivamente, como se estivesse tentando afastar, mas eu coloco minha mão livre em torno de seu braço e a puxo para mim, mantendo-a contra o meu lado. "Não lute contra isso, baby", murmuro, segurando-a ainda conforme eu começo a transar com ela com o meu dedo, meu polegar aplicando a mesma pressão rítmica em seu clitóris. "Apenas deixe-se sentir... Sim, é isso..." Sua cabeça cai para trás e seus olhos se fecham, uma expressão de intenso êxtase aparece em seu rosto enquanto ela deixa escapar outro gemido. Bela. Ela é tão fodidamente bonita. Eu não posso tirar meu olhar, bebendo na visão dela desmoronando em meus braços. Seu corpo magro arqueia e endurece, e então ela grita enquanto sua carne em volta do meu dedo começa a pulsar, espremendo, o movimento fazendo meu pau pulsar em uma necessidade agonizante. Eu não posso continuar com isso muito mais tempo. Retirando meu dedo, eu deslizo as mãos sob seu corpo e a levanto em pé. Ela abre os olhos e lança seus braços em volta do meu pescoço, me observando atentamente conforme eu saio da jacuzzi e começo a carregá-la de volta para o quarto. Nós dois estamos pingando com água, mas eu não posso suportar parar por um momento sequer. Eu não dou a mínima de ter os nossos lençóis molhados agora, eu não dou a mínima para nada, exceto ela. Chegando na cama, eu a deito, minhas mãos tremendo de desejo violento. Em qualquer outra noite, eu já estaria dentro dela, batendo sua pequena buceta apertada até eu explodir, mas não esta noite. Esta noite é para ela. Esta noite vou dar o que ela pediu – a noite de núpcias com um amante, não um monstro. Ela me olha, seus olhos escuros cheios de desejo conforme eu subo na cama entre suas pernas e deito sobre sua carne macia, tenra. Ignorando o meu pau dolorido, eu começo com pequenos beijos na parte interior das

A N N A

Z A I R E S


coxas e, em seguida, me movo até que eu alcanço meu objetivo: sua fenda molhada, rosa e inchada de seu orgasmo de antes. Empurrando suas dobras com meus dedos, eu lambo a área diretamente ao redor do clitóris, provando sua essência, em seguida, empurro a minha língua para dentro, penetrando-a tão profundamente quanto eu posso. Ela estremece, suas mãos encontrando seu caminho até a minha cabeça, e eu sinto suas unhas cavando em meu crânio. Um de seus dedos passa sobre a minha cicatriz, enviando uma pontada de dor através de mim, mas eu ignoro isso também, me concentrando unicamente no prazer dela, em fazer ela gozar. Eu me deleito em cada gota de umidade que eu tiro de seu corpo, cada suspiro e gemido que escapa de seus lábios enquanto minha língua pressiona sobre o feixe de nervos na abertura de seu sexo. Ela começa a tremer, as coxas vibrando com a tensão, e eu sinto o gosto da sua umidade agridoce quando ela goza com um grito impotente, seus quadris levantando-se da cama e sua boceta remoendo contra a minha língua. Quando ela finalmente fica calma, respirando pesadamente após sua liberação, eu rastejo sobre ela e beijo a delicada concha de sua orelha. Eu não terminei com ela ainda, não por um longo tempo. "Você é tão doce," eu sussurro, sentindo-a tremer com o calor da minha respiração. Meu pau palpita mais duro em sua resposta, minhas bolas doloridas, e as minhas próximas palavras saem baixas e ásperas, quase guturais. "Tão, porra doce... Eu quero te foder tão forte, mas eu não vou-" Eu passo a língua na parte inferior do lóbulo da sua orelha, fazendo suas mãos agarrarem convulsivamente ao meu lado, "-não até que você goze para mim novamente. Você acha que você pode gozar para mim, baby?" "Eu... Acho que não..." Ela engasga, se torcendo em meus braços conforme a minha boca se move para baixo para a coluna lisa de sua garganta, deixando um rastro úmido quente em sua pele. "Oh, eu acho que você pode," murmuro, minha mão direita deslizando para baixo de seu corpo para sentir sua buceta encharcada. Conforme meus lábios viajam sobre os ombros e a parte superior do tórax, eu massageio o clitóris inchado com os dedos, e ela começa a ofegar novamente, sua respiração se tornando errática quando a minha boca se aproxima de seus seios. Seus mamilos rosados estão duros, praticamente

A N N A

Z A I R E S


implorando pelo meu toque, e eu fecho meus lábios sobre um mamilo tenso, chupando fortemente. Ela solta um som que é meio caminho entre um gemido e um lamento, e eu volto minha atenção para o outro mamilo, chupando-a até que ela está tremendo debaixo de mim, a umidade de seu sexo inundando minha mão. Antes que ela possa atingir o seu clímax, no entanto, eu deslizo para baixo no seu corpo e a saboreio de novo, minha língua empurrando dentro dela, conforme suas contrações começam novamente. Eu a lambo até seu orgasmo estar totalmente acabado, então eu me movo sobre ela mais uma vez, apoiando-me em meu cotovelo direito. Usando minha mão esquerda, eu agarro seu queixo, forçando-a a encontrar o meu olhar. Seu olhar está desfocado, nublado, como consequência do seu prazer, e eu abaixo a cabeça, clamando sua boca com um beijo profundo e íntimo. Eu sei que ela pode provar-se em meus lábios, e o pensamento me excita, fazendo com que meu pau endureça ainda mais. Ao mesmo tempo, seus braços envolvem meu pescoço, me abraçando, e eu sinto seus seios empurrando contra o meu peito, seus mamilos como pequenas pedras. Caralho. Eu tenho que tê-la. Agora. Meu auto-controle está ruindo, continuo beijando ela conforme eu uso os meus joelhos para abrir suas coxas. Pressionando a cabeça do meu pau contra sua abertura, eu deslizo minha mão esquerda em seu cabelo para embalar a parte de trás de seu crânio. Então eu começo a penetrar em seu corpo. Ela é pequena por dentro também, sua buceta mais apertada do que qualquer outra que eu já conheci antes. Eu posso sentir sua carne molhada me engolindo gradualmente, estendendo-se para mim, e minha espinha formiga, minhas bolas enrijecem contra o meu corpo. Eu nem estou plenamente dentro dela ainda, e eu estou prestes a explodir de prazer entorpecente. Lento, eu duramente me lembro. Devagar. Ela tira sua boca longe da minha, sua respiração vindo em pequenos sopros suaves contra a minha orelha. "Eu quero você", ela sussurra, com as pernas subindo para apertar meus quadris. O movimento me leva mais profundo dentro dela, fazendo-me gemer de necessidade desesperada. "Por favor, Julian..."

A N N A

Z A I R E S


Suas palavras destroem qualquer fragmento de restrição que ainda possuía. Para o inferno com ir devagar. Um rosnado baixo vibra profundo dentro do meu peito, e minha mão agarra em seu cabelo conforme eu começo a empurrar nela, selvagemente, implacavelmente. Ela grita, e seus braços apertam ao redor do meu pescoço, seu corpo ansiosamente recebendo meu ataque implacável. Minha mente explode com as sensações, em um êxtase esmagador. Isto, aqui, é o que eu quero, o que eu preciso. Porque eu nunca vou deixá-la ir. Nossos corpos se esforçam juntos na cama, lençóis molhados enrolados em torno de nossos membros, conforme eu me perco dentro dela, nos sons e cheiros quentes, no sexo sem barreiras. Nora é como fogo líquido em meus braços, ela arqueia o corpo magro contra mim, as pernas se entrelaçando em torno das minhas coxas. Cada impulso me leva mais profundo nela até que eu sinto que estamos fundindo, fundindo um no outro. Ela atinge o seu clímax primeiro, sua boceta me apertando ainda mais forte. Eu ouço seu grito estrangulado enquanto ela morde meu ombro no meio de seu orgasmo, e então eu estou lá, tremendo sobre ela enquanto minha semente dispara em jorros aquecidos contínuos. Respirando com dificuldade, eu afundo em cima dela, meus braços não são capazes de suportar meu peso. Cada músculo do meu corpo está tremendo com a força da minha libertação, e eu estou coberto com um fino véu de suor. Após alguns momentos, eu reúno a força para rolar para as minhas costas, puxando-a para deitar em cima de mim. Não deveria ser tão intenso novamente, não depois da maneira como nós transamos antes, mas é. Sempre é. Nunca há um momento em que eu não quero ela, quando eu não penso sobre ela. Se eu a perderNão. Recuso-me a pensar sobre isso. Isso não vai acontecer. Eu não vou deixá-la. Farei o que for preciso para mantê-la segura. A salvo de todos, menos de mim.

A N N A

Z A I R E S


Quando eu acordo de manhã, Julian já se foi. Pulo para fora da cama, e vou direto para o chuveiro, me sentindo suja e pegajosa depois da noite passada. Nós dois caímos no sono após o sexo, muito desgastados nos preocupar com outro banho ou a troca dos lençóis molhados. Então, pouco antes do amanhecer, Julian me acordou deslizando dentro de mim novamente, seus dedos hábeis trazendo-me ao orgasmo antes que eu estivesse totalmente acordada. É como se ele não se cansasse de mim após a longa separação, a sua já forte libido superando tudo. Claro, eu não me canso dele também. Um sorriso se forma em meus lábios enquanto eu me lembro da paixão ardente de ontem à noite. Julian prometeu-me a noite de núpcias dos meus sonhos, e ele certamente conseguiu. Eu nem sequer sei quantos orgasmos eu tive ao longo das últimas vinte e quatro horas. Claro, agora estou ainda mais dolorida, meu interior cru de tanta foda. Ainda assim, eu me sinto imensamente melhor hoje, tanto física como mentalmente. Os hematomas nas minhas coxas são menos sensíveis ao toque, e eu já não estou me sentindo tão sobrecarregada. Mesmo a ideia de estar casada com Julian não parece tão assustadora na luz da manhã. Nada realmente mudou, exceto que agora há um pedaço de papel nos unindo, deixando o mundo saber que eu pertenço a ele. Captor, amante ou

A N N A

Z A I R E S


marido, é tudo a mesma coisa; o rótulo não altera a realidade da nossa relação disfuncional. Piso debaixo do jato do chuveiro, eu inclino minha cabeça para trás, deixando o fluxo de água quente sobre o meu rosto. O chuveiro é tão luxuoso como o resto da casa, o box circular grande o suficiente para acomodar dez pessoas. Eu lavo e esfrego cada polegada do meu corpo até que eu começo a me sentir humana novamente. Então eu volto para o quarto para me vestir. Eu encontro um enorme armário no fundo, cheio principalmente com roupas leves de verão. Lembrando-me do lado de fora, do calor que fazia, eu escolho um vestido azul simples, em seguida, deslize os pés em um par de rasteirinhas marrom. Não é o acessório mais sofisticado, mas ele vai servir. Eu estou pronta para explorar o meu novo lar.

A propriedade é enorme, muito maior do que eu pensei ontem. Além da casa principal, há também barracas para os mais de duzentos guardas que patrulham o perímetro, e uma série de casas ocupadas por outros funcionários e suas famílias. É quase como uma pequena cidade, ou talvez algum tipo de complexo militar. Eu aprendo tudo isso de Ana no café da manhã. Aparentemente, Julian deixou instruções que eu deveria ser alimentada e exibida em torno quando eu acordasse. O próprio Julian estava ocupado com o trabalho, como de costume. "Señor Esguerra tem uma reunião importante", Ana explica, servindome um prato que ela chama de Migas de Arepa – ovos mexidos feitos com pedaços de bolo de milho e molho de tomate e cebola. "Ele me pediu para cuidar da senhora hoje, então por favor deixe-me saber se a senhora precisar de alguma coisa. Depois do almoço eu posso pedir a Rosa para lhe dar um tour, se quiser." "Obrigado, Ana," eu digo, remexendo a minha comida. É incrivelmente delicioso, a doçura das arepas complementando o sabor picante dos ovos. "Um tour seria ótimo."

A N N A

Z A I R E S


Nós conversamos um pouco enquanto eu termino a minha refeição. Além de aprender sobre a propriedade, eu descubro que Ana viveu nesta casa a maior parte de sua vida, tendo começado como uma jovem empregada doméstica que trabalhava para o pai de Julian. "É assim que eu aprendi Inglês", diz ela, servindo-me um copo de chocolate quente espumoso. "Señora Esguerra era americana, como você, e ela não falava espanhol." Eu aceno, lembrando de Julian me contando sobre sua mãe. Ela tinha sido uma modelo em Nova York antes de se casar com o pai de Julian. "Então você conheceu Julian quando ele era uma criança?" Eu pergunto, sorvendo a bebida quente. Como os ovos, é extraordinariamente saborosa, com notas de cravo, canela e baunilha. "Sim." Ana para por aí, como se tivesse medo de dizer muito. Dou-lhe um sorriso encorajador, na esperança de instiga-la a me dizer mais, mas ela começa a tirar os pratos ao invés disso, sinalizando o fim da conversa. Suspirando, eu termino o meu chocolate quente e me levanto. Quero saber mais sobre meu marido, mas eu tenho a sensação de que Ana pode ser tão reticente sobre esse tema como Beth. Beth. A dor familiar me atravessa novamente, trazendo consigo uma raiva ardente. Memórias de sua morte violenta nunca estão longe da minha mente, ameaçando me afogar em ódio se eu as deixar. Quando Julian me contou pela primeira vez sobre o que ele fez para os atacantes de Maria, eu tinha ficado horrorizada... mas agora eu entendo. Eu gostaria de poder de alguma forma colocar minhas mãos sobre o terrorista que matou Beth, fazêlo pagar pelo que ele fez com ela. Mesmo o conhecimento de que ele está morto não acalma a minha raiva; ela está sempre lá, me comendo, me envenenando por dentro. "Señora, essa é Rosa," Ana diz, e eu viro em direção à entrada da sala de jantar para ver uma mulher jovem de cabelos escuros em pé lá. Ela parece ter mais ou menos a minha idade, com um rosto redondo e um sorriso brilhante. Como Ana, ela está usando um vestido preto de manga curta com um avental branco. "Rosa, este é a nova esposa do Señor Esguerra, Nora."

A N N A

Z A I R E S


O sorriso de Rosa se ilumina mais. "Oh, Olá, Señora Esguerra, é um prazer conhecê-la." Seu Inglês é ainda melhor do que o de Ana, seu sotaque quase imperceptível. "Obrigada, Rosa," eu digo, simpatizando de imediato com a menina. "É muito bom conhecer você também. E, por favor, me chame de Nora." Eu olho para a governanta. "Você também, por favor, Ana, se você não se importar. Eu não estou acostumada com o 'Señora'." E é verdade. É especialmente estranho ouvir ser chamada como Señora Esguerra. Isso quer dizer que o sobrenome de Julian agora é meu? Nós não discutimos isso ainda, mas eu suspeito que Julian iria querer seguir a tradição, nesse caso também. Nora Esguerra. Meu coração bate mais rápido com o pensamento, alguns dos medos irracionais de ontem voltando. Durante dezenove anos e meio, eu fui Nora Leston. É um nome que eu estou acostumada, com o qual eu estou confortável. A ideia de mudar isso me deixa profundamente desconfortável, como se eu estivesse perdendo outra parte de mim. Como se Julian estivesse me tirando tudo o que eu costumava ser, transformandome em alguém que eu mal conheço. "É claro", diz Ana, interrompendo meus pensamentos ansiosos. "Estamos felizes em chamá-la de qualquer coisa que você queira." Rosa acena com a cabeça vigorosamente de acordo, sorrindo para mim, e eu tomo algumas respirações profundas para acalmar a minha pulsação. "Obrigada." Eu me viro para dar-lhes um sorriso. "Eu agradeço." "Gostaria de ver a casa antes de ir para fora?" Rosa pergunta, alisando o avental com as palmas das mãos. "Ou você prefere começar ao ar livre?" "Podemos começar dentro de casa, se estiver tudo bem com você," digo a ela. Então agradeço a Ana pelo café da manhã, e começamos o tour. Rosa mostra-me o andar de baixo primeiro. Há mais de uma dúzia de quartos, incluindo uma grande biblioteca abastecida com uma variedade de livros, um home theater com uma TV do tamanho da parede, e uma sala de ginástica considerável cheia de equipamentos de exercícios. Eu também tenho prazer em descobrir que Julian lembrou do meu passatempo de pintura; um dos quartos é configurado como um estúdio de arte, com telas

A N N A

Z A I R E S


em branco alinhadas na frente de uma grande janela virada para o sul. "Señor Esguerra arrumou tudo isso umas semanas antes que você viesse," Rosa me diz, levando-me de sala em sala. "Então, tudo é novo." Eu pisco, surpresa ao ouvir isso. Eu tinha assumido que o estúdio de arte era novo, uma vez que Julian não é de pintura, mas eu não sabia que ele tinha refeito toda a casa. "Ele não construiu a piscina, não é?" Eu brinco enquanto caminhamos pelo corredor. "Não, a piscina já estava lá," Rosa diz com absoluta seriedade. "Mas ele reformou." E me conduzindo de volta para um alpendre, ela me mostra uma piscina de tamanho olímpico, rodeada por vegetação tropical. Além da piscina em si, há espreguiçadeiras que parecem surpreendentemente confortáveis, guarda-sóis gigantes que fornecem sombra do sol, e várias mesas ao ar livre com cadeiras. "Bom", murmuro, sentindo o ar quente e úmido na minha pele. Tenho a sensação que a piscina será muito útil com esse tempo. Voltando para dentro da casa, vamos para o andar de cima. Além da suíte master, há um número de quartos, cada um maior do que todo o meu apartamento. "Porque é que a casa é tão grande?", Pergunto a Rosa depois de ver todos os quartos ricamente decorados. "Há apenas algumas pessoas que vivem aqui, certo?" "Sim, isso é verdade", confirma Rosa. "Mas esta casa foi construída pelo Señor Esguerra mais velho, e pelo que eu sei, ele hospedava muita gente aqui, frequentemente convidando seus colegas de trabalho para ficar." "Como você veio trabalhar aqui?" Eu dou a Rosa um olhar curioso enquanto descemos a escada em curva. "E aprendeu a falar Inglês tão bem?" "Oh, eu nasci aqui, na propriedade Esguerra", diz ela despreocupadamente. "Meu pai era um dos guardas do Señor mais velho, e minha mãe e irmão mais velho também trabalharam para ele. A esposa do Señor, ela era americana, sabe, me ensinou inglês, quando eu era uma criança. Eu acho que ela estava, talvez, um pouco entediada aqui, então ela deu aulas para todo o pessoal doméstico e qualquer outra pessoa que quisesse aprender a língua. Então ela insistiu que só falassem Inglês em casa, mesmo entre nós, para que pudéssemos praticar".

A N N A

Z A I R E S


"Entendo." Rosa parece mais falante que Ana, por isso faço-lhe a mesma pergunta que fiz para a governanta mais cedo. "Se você cresceu aqui, você conheceu Julian naquela época?" "Não, não realmente." Ela olha para mim conforme nós saímos da casa para a varanda da frente. "Eu era muito jovem, tinha apenas quatro anos de idade quando o seu marido deixou o país, então eu não me lembro muito de quando ele era um menino. Até um par de semanas atrás, eu o vi aqui por apenas um curto período de tempo depois..." Ela engole, olhando para o chão. "Depois de tudo que aconteceu." "Após a morte de seus pais?", Pergunto silenciosamente. Lembro-me de Julian me dizendo que seus pais foram mortos, mas ele nunca explicou como aconteceu. Ele apenas disse que era um dos rivais de seu pai. "Sim", diz Rosa sombriamente, seu sorriso brilhante desparecido. "Poucos anos depois de Julian partir, um dos cartéis de North Coast tentou assumir a organização Esguerra. Eles atacaram em muitas das suas operações principais e até mesmo vieram aqui, para a propriedade. Muita gente morreu naquele dia. Meu pai e irmão, também." Eu paro no caminho, olhando para ela. "Oh Deus, Rosa, me desculpe..." Eu me sinto terrível por trazer um assunto tão doloroso. Por alguma razão, não me ocorreu que as pessoas aqui poderiam ter sido afetadas pelos mesmos eventos que moldaram Julian. "Eu sinto muito-" "Está tudo bem", diz ela, sua expressão ainda tensa. "Isso aconteceu a quase 12 anos atrás." "Você devia ser muito jovem, então," eu digo suavemente. "Quantos anos você tem?" "Vinte e um", ela responde à medida que começamos a descer os degraus da varanda. Então ela me lança um olhar curioso, um pouco de sua melancolia desaparecendo. "E você, Nora, se você não se importa que eu pergunte? Você parece jovem também." Eu sorrio para ela. "Dezenove. Vinte em poucos meses." Eu estou feliz que ela se sente confortável o suficiente comigo para fazer perguntas pessoais. Eu não quero ser a 'Señora' aqui, não quero ser tratada como a senhora da casa.

A N N A

Z A I R E S


Ela sorri de volta, seu antigo entusiasmo pela vida aparentemente restaurado. "Eu pensei que fosse isso", diz ela com evidente satisfação. "Ana pensou que você era ainda mais jovem quando ela viu você na noite passada, mas ela tem quase cinquenta e todos da nossa idade se parecem com um bebê para ela. Meu palpite essa manhã era de vinte anos, e eu estava certa." Eu rio, encantada por sua franqueza. "Você estava, de fato." Durante o resto do tour, Rosa faz perguntas sobre mim e minha vida nos Estados Unidos. Ela está aparentemente fascinada com a América, tendo assistido a inúmeros filmes americanos em um esforço para melhorar o seu Inglês. "Espero ir lá algum dia", diz ela melancolicamente. "Ver New York City, andar na Times Square entre todas as luzes brilhantes..." "Você deve definitivamente ir", digo a ela. "Eu só visitei New York uma vez, e foi ótimo. Muitas coisas para fazer como turista". Enquanto conversamos, ela me mostra em torno da propriedade, apontando o quartel dos guardas que Ana mencionou anteriormente, e a área de formação dos homens do lado oposto do composto. A área de treinamento consiste em um ginásio de luta, um campo de tiro ao ar livre, o que parece ser uma pista de obstáculos em um grande campo coberto de grama. "Os guardas gostam de se manter em forma," Rosa explica quando passamos por um grupo de homens de rosto duro praticando algum tipo de artes marciais. "A maioria deles são ex-militares, e todos são muito bons no que fazem." "Julian treina com eles também, certo?" Eu pergunto, observando com fascinação como um só homem derruba seu adversário com um poderoso chute na cabeça. Eu sei um pouco de auto-defesa das aulas que fiz quando voltei para casa, mas é coisa de criança comparada a isso. "Oh, sim." O tom de Rosa é um pouco reverente. "Eu vi o Señor Esguerra no campo, e ele é tão bom quanto qualquer um de seus homens." "Sim, eu tenho certeza que ele é", eu digo, lembrando de Julian me resgatando do armazém. Ele tinha estado completamente no seu ambiente, chegando na noite como um anjo da morte. Por um momento, as memórias escuras ameaçam me inundar novamente, mas eu as afasto, determinada a não viver no passado. Afastando-me dos combatentes, pergunto a Rosa,

A N N A

Z A I R E S


"Você sabe onde ele está hoje, por acaso? Ana disse que ele está em uma reunião". Ela encolhe os ombros em resposta. "Ele provavelmente está em seu escritório, naquele prédio ali." Ela aponta para uma pequena estrutura de aparência moderna perto da casa principal. "Ele reformou também, e ele tem passado muito tempo lá desde o seu retorno. Eu vi Lucas, Peter, e alguns outros irem lá esta manhã, então eu suponho que Julian esteja reunido com eles." "Quem é Peter?", Pergunto. Eu já conheço Lucas, mas eu estou ouvindo o nome de Peter pela primeira vez. "Ele é um dos funcionários do Señor Esguerra," Rosa responde à medida que caminhamos de volta para a casa. "Ele veio aqui há algumas semanas para supervisionar algumas das medidas de segurança." "Oh, entendo." No momento em que chegamos à casa, minhas roupas estão grudando na minha pele por causa da umidade extrema. É um alívio estar de volta dentro de casa, onde o ar-condicionado mantém a temperatura agradável e fresca. "Essa é a Amazônia para você," Rosa diz, sorrindo quando eu engulo um copo de água gelada que peguei da cozinha. "Estamos ao lado da floresta tropical, e é sempre como um banho de vapor do lado de fora." "Sim, não é brincadeira", murmuro, sentindo-me com extrema necessidade de um outro banho. Tinha sido quente na ilha também, mas a brisa que vinha do oceano tinha feito tolerável, até mesmo agradável. Aqui, no entanto, o calor quase asfixia, o ar ainda espesso e com umidade. Colocando o copo vazio na mesa, eu viro para Rosa. "Eu acho que eu poderia usar essa piscina que você me mostrou", eu digo a ela, tomando a decisão de aproveitar as comodidades. "Você gostaria de se juntar a mim?" Os olhos de Rosa aumentam. Ela está claramente surpreendida por meu convite. "Oh, eu adoraria", diz ela com sinceridade, "mas eu preciso ajudar Ana a preparar o almoço e, em seguida, limpar os quartos no andar de cima..." "Claro." Eu me sinto um pouco embaraçada, porque, por um momento, eu esqueci que Rosa não está aqui apenas para me fazer

A N N A

Z A I R E S


companhia, que ela tem deveres reais e responsabilidades em torno da casa. "Bem, nesse caso, obrigada pelo passeio. Eu realmente gostei disso." Ela sorri para mim. "Foi um prazer, fico feliz de fazĂŞ-lo a qualquer momento." E enquanto ela ocupa-se na cozinha, eu vou lĂĄ em cima para colocar um maiĂ´.

A N N A

Z A I R E S


Acho Nora na piscina, relaxando com um livro debaixo de um dos guarda-sóis. Suas pernas finas estão cruzadas nos tornozelos, e ela está vestindo um biquíni branco, sua pele dourada brilhando com gotas de água. Ela deve ter entrado na piscina recentemente. Ao ouvir meus passos, ela se senta e coloca seu livro sobre uma mesa lateral. "Oi," ela diz suavemente quando me aproximo de sua espreguiçadeira. Seus óculos de sol são grandes demais para seu pequeno rosto, fazendo-a parecer um pouco como uma libélula, e eu faço uma nota mental para comprar-lhe um par mais adequado na próxima viagem para Bogotá. "Olá, meu animal de estimação", murmuro, sentando-me em sua cadeira. Levantando minha mão, eu puxo os óculos de sol fora de seu nariz e inclino para a frente para tomar sua boca em um beijo curto, profundo. Ela tem gosto de luz solar, os lábios suaves e flexíveis, e meu pau imediatamente enrijece, reagindo à proximidade de seu corpo quase nu. Hoje à noite, eu prometo a mim mesmo conforme eu, relutantemente, levanto a cabeça. Vou tê-la novamente hoje à noite. "Como foi a sua reunião essa manhã?", Pergunta ela, sua respiração ligeiramente irregular após o beijo. Seus olhos escuros seguram a curiosidade e apenas uma pitada de cautela enquanto ela olha para mim. Ela está testando as águas novamente, tentando determinar o quanto estou disposto a compartilhar com ela agora.

A N N A

Z A I R E S


Considero por um momento. É tentador continuar a mantê-la no escuro. Apesar de tudo, Nora ainda é tão ingênua, tão ignorante do mundo real. Ela teve uma pequena amostra disso naquele armazém, mas não era nada em comparação com as coisas com que lidamos todos os dias. Quero continuar protegendo-a da natureza brutal da minha realidade, mas não há segurança na ignorância por mais tempo, não quando meus inimigos sabem sobre ela. Além disso, tenho a sensação de que minha jovem mulher é mais resistente do que sua aparência delicada poderia sugerir. Ela tem que ser, para sobreviver a mim. Chegando a uma decisão, eu dou-lhe um sorriso. "Acabamos de chegar à inteligência em duas células da Al-Quadar", eu digo, observando a reação dela. "Agora estamos tentando descobrir como podemos eliminá-los e capturar alguns dos seus membros no processo. O encontro foi para coordenar a logística dessa operação." Seus olhos se alargam um pouco, mas ela faz um bom trabalho de controlar seu choque com minhas revelações. "Quantas células estão lá?", ela pergunta, deslocando para a frente na cadeira. Posso ver a palma da mão direita fechada em punho ao lado de sua perna, embora sua voz permaneça calma. "Quão grande é a organização?" "Ninguém sabe, exceto seus principais líderes. É por isso que é tão difícil elimina-los – eles estão espalhados por todo o mundo, como vermes. Eles cometeram um erro, porém, quando eles tentaram jogar duro comigo. Eu sou muito bom em exterminar pragas." Nora engole reflexivamente, mas continua segurando meu olhar. Garota corajosa. "O que eles querem de você?", Ela pergunta. "Por que eles decidiram jogar duro?" Eu hesito por um segundo, em seguida, decido responder. Ela poderia muito bem saber a história completa neste ponto. "Minha empresa desenvolveu um novo tipo de arma, um explosivo poderoso que é quase impossível de detectar", explico. "Um par de quilos é tudo o que seria necessário para explodir um aeroporto de médio porte, e uma dúzia de quilos poderia acabar com uma pequena cidade. Ele tem a força explosiva de uma bomba nuclear, mas não é radioativa, e a substância da qual é feita se assemelha a plástico, de modo que pode ser moldado em praticamente qualquer coisa... até mesmo brinquedos para crianças."

A N N A

Z A I R E S


Ela olha para mim, com o rosto ficando pálido. Ela está começando a entender as implicações disso. "É por isso que não queria dar a eles?", Ela pergunta. "Porque você não quer colocar uma arma tão perigosa nas mãos de terroristas?" "Não, não realmente." Eu dou-lhe um olhar divertido. É doce dela atribuir razões nobres para as minhas ações, mas ela deve entender melhor agora. "É simplesmente porque o explosivo é difícil de produzir em grandes quantidades, e eu já tenho uma longa lista de compradores na espera. AlQuadar estava na parte inferior da lista, de modo que teria tido que esperar anos, se não décadas, para obtê-lo de mim." Para crédito de Nora, sua expressão não muda. "Então, quem está no topo da sua lista?", Diz ela uniformemente. "Algum outro grupo terrorista?" "Não." Eu rio baixinho. "Nem mesmo perto. É o seu governo, meu animal de estimação. Eles fizeram um pedido tão grande, que vai manter minhas fábricas ocupadas por anos." "Oh, entendo." Inicialmente, ela parece aliviada, mas, em seguida, uma expressão intrigada vinca sua testa lisa. "Então governos legítimos compram coisas de você também? Eu pensei que os militares dos EUA desenvolvessem suas próprias armas..." "Eles fazem." Eu sorrio com sua ingenuidade. "Mas eles nunca deixariam passar a chance de colocar as mãos em algo parecido com isto. E quanto mais eles compram, menos eu posso vender para os outros. É um arranjo que funciona bem para todos." "Mas por que eles não apenas tomam de você a força? Ou simplesmente desligam suas fábricas? "Ela olha para mim em confusão. "No geral, se eles sabem de sua existência, porque é que eles permitem que você produza armas ilegais?" "Porque se eu não o fizesse, outra pessoa faria e essa pessoa pode não ser tão racional e pragmática como eu sou." Eu posso ver o olhar incrédulo no rosto de Nora, e meu sorriso se alarga. "Sim, meu animal de estimação, acredite ou não, o governo americano prefere lidar comigo, que não tem pela América nenhuma má intenção, do que ter alguém como Majid no comando de uma operação semelhante." "Majid?"

A N N A

Z A I R E S


"O filho da puta que matou Beth." Minha voz endurece, meu divertimento desaparecendo sem deixar vestígios. "O responsável por roubar você da clínica." Nora fica tensa com a menção de Beth, e vejo suas mãos cerrando em punhos novamente. "O Terno – é assim que eu o chamei na minha mente", ela murmura, seu olhar parecendo distante por um momento. "Porque ele estava vestindo um terno, entende..." Ela pisca, então concentra sua atenção em mim novamente. "Foi Majid?" Eu aceno, mantendo minha expressão impassível, apesar da raiva agitando dentro de mim. "Sim. Aquele era ele." "Eu gostaria que ele não tivesse morrido na explosão", diz ela, surpreendendo-me por um momento. Seus olhos brilham escuros na luz solar. "Ele não merecia uma morte tão fácil." "Não, ele não merecia", eu concordo, agora compreendendo o seu significado. Como eu, ela deseja que Majid tivesse sofrido. Ela tem fome de vingança; Eu posso ouvi-la em sua voz, vê-la em seu rosto. Faz-me perguntar o que aconteceria se ela, de alguma forma, acabasse com Majid à mercê dela. Ela seria capaz de machucá-lo realmente? Infligir tanta dor que ele iria implorar pela morte? É uma ideia que eu acho mais do que um pouco intrigante. "Alguma vez você trouxe Beth aqui?", Ela pergunta, interrompendo essa linha de pensamento. "Para este composto, eu quero dizer?" "Não." Eu balanço minha cabeça. "Antes que ela fosse ficar na ilha, Beth viajou comigo, e eu não vim aqui por um longo tempo." "Por que não?" Eu dou de ombros. "Não era meu lugar favorito, eu acho", eu digo casualmente, ignorando as memórias sombrias que inundam minha mente com sua pergunta inocente. A propriedade era onde eu passei a maior parte da minha infância, onde o cinto e punhos do meu pai reinaram supremos até que eu tive idade suficiente para lutar de volta. Foi onde eu matei o meu primeiro homem e para onde eu retornei para recuperar o cadáver ensanguentado de minha mãe há doze anos. Não foi até que eu reformasse a casa completamente que eu poderia suportar a ideia de vir morar aqui

A N N A

Z A I R E S


novamente e, mesmo assim, é apenas a presença de Nora que torna suportável para mim estar aqui. Ela coloca a mão no meu joelho, trazendo-me de volta ao presente. "Julian..." Ela faz uma pausa por um momento, como se para ter certeza se deve prosseguir. Em seguida, ela aparentemente decide seguir em frente. "Há algo que eu gostaria de lhe perguntar," ela diz calmamente, mas com firmeza. Eu levanto minhas sobrancelhas. "O que é, meu animal de estimação?" "Eu tive aulas quando voltei para casa", diz ela, com a mão inconscientemente apertando o meu joelho. "Auto-defesa e tiro, esse tipo de coisa... e eu gostaria de retomá-las aqui, se possível." "Entendo." Um sorriso se forma na minha boca. Minhas especulações anteriores tinham estado corretas, aparentemente. Ela não é a mesma menina amedrontada, impotente que eu trouxe para a ilha. Esta Nora é mais forte, mais resistente... e ainda mais atraente. Lembro-me de ler sobre suas aulas no relatório do Lucas, de modo que o seu pedido não é totalmente inesperado. "Você gostaria que eu a treinasse em lutas e em uso de armas?" Ela balança a cabeça. "Sim. Ou talvez ter alguém para me ensinar, se você estiver ocupado." "Não." O pensamento de qualquer um dos meus homens pondo as mãos nela, mesmo em uma situação de ensino, me faz ver vermelho. "Eu vou te ensinar eu mesmo."

Eu decido começar o treinamento de Nora naquela tarde, depois que eu recuperar o atraso em alguns e-mails de negócios. Por alguma razão, eu gosto da ideia de ensinar auto-defesa a ela. Não tenho a intenção que ela esteja em uma situação de perigo de novo, mas eu ainda quero que ela saiba como se proteger em caso de necessidade.

A N N A

Z A I R E S


A ironia do que estou fazendo não me escapa. A maioria das pessoas diria que eu sou o único de quem ela precisa de proteção, e eles provavelmente estariam certos. Eu não dou a mínima, porém. Nora é minha agora, e vou fazer o que for preciso para mantê-la segura, mesmo se isso se tratar de lhe ensinar como matar alguém como eu. Quando eu termino com os meus e-mails, eu vou procurá-la em torno de casa. Dessa vez eu a encontro na academia da casa, correndo na esteira em velocidade máxima. A julgar pelo suor escorrendo por suas esbeltas costas, ela está nesse ritmo a um tempo. Tomando cuidado para não assustar ela, eu me aproximo pela lateral. Me vendo, ela reduz a velocidade na esteira, abrandando para uma corrida. "Oi", diz ela, sem fôlego, pegando uma pequena toalha para limpar o rosto. "É hora para o treinamento?" "Sim, eu tenho um par de horas agora." Minhas palavras saem baixas e roucas, conforme uma onda familiar de excitação endurece meu pau. Adoro vê-la assim, toda sem ar, com a pele úmida e brilhante. Isso me lembra de como ela parece após uma foda particularmente selvagem. Claro, o fato de que ela está vestindo apenas um par de shorts e um sutiã esportivo não ajuda. Eu quero lamber as gotas de suor da sua barriga lisa e plana, em seguida, jogá-la sobre o tapete mais próximo para uma transa rápida. "Excelente." Ela me dá um sorriso enorme e aperta o botão 'Stop' na esteira. Então ela pula fora da máquina, pegando a garrafa de água. "Estou pronta." Ela parece tão animada que eu decido adiar a foda no tapete por agora. Desejo reprimido pode ser uma coisa boa, e eu realmente tirei este tempo especificamente para a sua formação. "Tudo bem", eu digo. "Vamos." E, tomando-lhe a mão, eu a levo para fora da casa. Vamos para o campo onde eu costumo trabalhar com meus homens. Nessa altura do dia, está muito quente para algum exercício sério, então a área está em grande parte vazia. Ainda assim, à medida que passamos, eu vejo alguns dos guardas furtivamente olhando para Nora. Isso me faz querer rasgar seus olhos para fora. Eu acho que eles percebem, porque seus

A N N A

Z A I R E S


olhares desviam conforme olham para mim. Sei que é irracional ser tão possessivo com ela, mas eu não me importo. Ela pertence a mim, e todos eles precisam saber isso. "O que vamos fazer primeiro?", Ela pergunta conforme nos aproximamos de um galpão de armazenamento no canto do campo de treinamento. "Tiro". Dou-lhe um olhar de lado. "Quero ver o quanto você é boa com uma arma." Ela sorri, seus olhos brilhando de entusiasmo. "Eu não sou má," diz ela, e a confiança em sua voz me faz sorrir. Parece que meu animal de estimação aprendeu algumas coisas na minha ausência. Eu não posso esperar para vê-la demonstrar suas novas habilidades. Dentro do galpão estão algumas armas e equipamentos de treinamento. Entrando, eu seleciono algumas das armas, as mais comumente usadas, desde uma pistola 9mm até um rifle M16. Eu até mesmo pego uma AK-47, embora ela possa ser pequena demais para usá-la com facilidade. Em seguida, vamos para fora para o campo de tiro. Há uma série de metas estabelecidas em diferentes intervalos. Eu a deixo começar com o alvo mais próximo: uma dezena de latas de cerveja vazias apoiadas em uma mesa de madeira a uns 15 metros de distância. Entregando-lhe a 9mm, eu a instruo sobre como usá-la e, em seguida, façoa mirar nas latas. Para minha surpresa, ela atinge dez das doze latas em sua primeira tentativa. "Droga", ela murmura, baixando a arma. "Eu não acredito que eu perdi as duas." Surpreso e impressionado, eu a deixo experimentar as outras armas. Ela está confortável com a maioria dos tipos de pistolas e espingardas de caça, atingindo a maior parte das metas de novo, mas seus braços tremem quando ela tenta apontar o AK-47. "Você teria que ficar mais forte para usar aquele," eu digo a ela, tirando o rifle de assalto dela.

A N N A

Z A I R E S


Ela balança a cabeça em concordância, pegando sua garrafa de água. "Sim", ela diz entre os goles. "Eu quero ficar mais forte. Eu quero ser capaz de lidar com todas essas armas, como você." Não posso deixar de rir com isso. Apesar de sua natureza geralmente descontraída, Nora tem uma forte veia competitiva. Tinha notado isso antes, quando fizemos aquela corrida de três milhas da ilha. "Ok", eu disse, ainda rindo. Tomando a garrafa dela, eu bebo um pouco de água e, em seguida, devolvo para ela. "Eu posso treiná-lo para ficar mais forte também." Depois dela praticar tiro mais algumas vezes, devolvemos as armas para o galpão. Então eu a levo para a academia de formação interna, para mostrar-lhe alguns movimentos básicos de luta. Lucas está lá, treinando com três dos guardas. Vendo-nos entrar na sala, ele pára e respeitosamente acena para Nora, mantendo os olhos fixos firmemente no rosto. Ele sabe agora como me sinto sobre ela, e é inteligente o suficiente para não mostrar nenhum interesse em seu corpo magro, seminu. Seus companheiros de treino, no entanto, não são tão sábios, e eles recebem um olhar assassino meu para eles pararem de ficar de boca aberta para ela. "Oi Lucas," Nora diz, ignorando este pequeno jogo. "É bom ver você novamente." Lucas dá-lhe um sorriso cuidadosamente neutro. "Você também, Sra Esguerra." Para meu aborrecimento, Nora visivelmente recua com o nome, e minha irritação leve com os guardas se transforma em raiva súbita por ela. Sua relutância em casar antes é como uma farpa purulenta na parte de trás do meu cérebro, e não demora muito para trazer de volta a maneira que eu senti na igreja. Com todo seu suposto amor por mim, ela ainda se recusa a aceitar nosso casamento, e eu não estou mais inclinado a ser razoável e indulgente. "Fora", eu lato para Lucas e os guardas, apontando o polegar para a porta. "Precisamos desse espaço." Eles saem dentro de segundos, deixando eu e Nora sozinhos.

A N N A

Z A I R E S


Ela dá um passo atrás, de repente parecendo cautelosa. Ela me conhece bem, e posso dizer que ela sente algo errado. Como de costume, ela pode adivinhar o que é. "Julian", ela diz cautelosamente, "Eu não quis reagir assim. Eu só não estou acostumada a ser chamado assim, isso é tudo..." "Não é certo, meu animal de estimação?" Minha voz é como seda, não refletindo nada da fúria fervendo por dentro. Andando em direção a ela, eu levanto minha mão e lentamente traço meus dedos sobre sua mandíbula. "Você prefere não ser chamada assim? Talvez você gostaria que eu não tivesse voltado para você?" Seus enormes olhos crescem ainda mais. "Não, claro que não! Eu te disse, eu quero estar aqui com você " "Não minta para mim." As palavras saem frias e afiadas conforme eu largo minha mão. Isso me enfurece, que eu me preocupe com isso, que eu deixe algo tão insignificante como os sentimentos de Nora me incomodarem. O que importa se ela me ama? Eu não deveria querer isso dela, não deveria esperar por isso. E ainda assim eu o faço – é parte dessa obsessão fodida que tenho com ela. "Eu não estou mentindo", ela nega veementemente, dando um passo para trás. Seu rosto está pálido na penumbra do quarto, mas seu olhar é direto e firme enquanto ela olha para mim. "Eu não deveria querer estar com você, mas eu o faço. Você acha que eu não percebo como isso é errado? Como sou confusa? Você me sequestrou, Julian.... Você me forçou." A acusação paira entre nós, gritante e pesada. Se eu fosse um homem diferente, um homem melhor, gostaria de desviar o olhar. Eu sentiria remorso pelo que eu tinha feito. Mas eu não. Não me engano. Eu nunca o fiz. Quando eu sequestrei Nora, eu sabia que eu cruzei a linha, que caí para uma nova baixa. Eu fiz isso com o pleno conhecimento do que isso me faz: um monstro incurável, um destruidor de inocência. É um rótulo com que estou disposto a manter para tê-la. Eu faria qualquer coisa para tê-la. Então, ao invés de olhar para longe, eu seguro seu olhar. "Sim", eu digo em voz baixa. "Eu fiz." Minha raiva desaparece, substituída por uma

A N N A

Z A I R E S


emoção que eu não quero analisar muito de perto. Dando um passo na direção dela, eu levanto minha mão de novo e traço a suavidade de seu lábio inferior com o polegar. Seus lábios abrem com o meu toque, e a fome que eu estive suprimindo todo o dia aguça, arranhando meu interior. Eu quero ela. Eu quero ela, e eu vou tê-la. Após isso, ela não terá nenhuma dúvida de que ela pertence a mim.

A N N A

Z A I R E S


Olhando para o meu marido, eu luto contra o impulso de me afastar. Eu não deveria ter deixado Julian ver a minha reação ao meu novo nome, mas eu tinha adorado a sessão de tiro – e a companhia de Julian – tanto que eu tinha esquecido a realidade da minha nova situação. Ouvir 'Sra. Esguerra' dos lábios de Lucas me assustou, trazendo de volta aquele sentimento desconcertante da identidade perdida, e, por um momento, eu tinha sido incapaz de esconder o meu desânimo. Aquele momento foi o suficiente para transformar Julian de uma companhia risonha e provocativa a um homem terrível, imprevisível que primeiro me trouxe para sua ilha. Eu posso sentir a batida rápida do meu pulso conforme o polegar acaricia meus lábios, seu toque suave, apesar da escuridão brilhando em seus olhos. Ele não parece chateado com minhas acusações irresponsáveis; se alguma coisa, ele parece mais calmo agora, quase divertido. Eu não tenho certeza do que eu pensei que iria acontecer quando eu joguei essas acusações nele, mas eu não esperava que ele admitisse seus crimes tão facilmente, sem sequer uma pitada de culpa ou remorso. A maioria das pessoas tentam justificar as suas ações a si e aos outros, torcendo os fatos para atender às suas finalidades, mas Julian não é a maioria das pessoas. Ele vê as coisas como elas são; ele simplesmente não está incomodado com a ideia de cometer atos que maioria das pessoas abominam. Ao invés de um

A N N A

Z A I R E S


psicopata iludido, que acha que está fazendo a coisa certa, o meu novo marido é simplesmente um homem sem consciência. Um homem a quem eu tanto amo, como temo agora. Sem dizer outra palavra, Julian reduz a pressão do aperto no meu braço, levando-me para uma das largas esteiras de luta livre perto da parede. À medida que caminhamos, eu pego um vislumbre da protuberância em sua bermuda, e minha respiração acelera a partir de uma combinação de ansiedade e desejo involuntário. Julian tem a intenção de me foder, aqui e agora, onde qualquer pessoa pode entrar. Uma mistura desconfortável de desejo e constrangimento faz minha pele queimar. A lógica me diz que não é provável que seja mais um dos nossos encontros baunilha, mas meu corpo não sabe a diferença entre uma foda punitiva e fazer amor carinhoso. Tudo o que sabe é Julian, e está condicionado a desejar seu toque. Para minha surpresa, Julian não começa imediatamente. Ao contrário, ele libera o meu braço e me olha, sua boca sensual torcida em um sorriso frio e um pouco cruel. "Por que você não me mostra o que você aprendeu nessas suas aulas de auto-defesa, meu animal de estimação?", ele Diz em voz baixa. "Vamos ver alguns dos movimentos que lhe ensinaram." Eu fico olhando para ele, meu coração subindo na minha garganta enquanto eu percebo o que Julian quer. Ele quer que eu lute com ele, para resistir – mesmo que isso não vá mudar o resultado. Mesmo que isso só vá me fazer sentir impotente e derrotada quando eu perder. "Por quê?", eu pergunto em desespero, tentando adiar o inevitável. Sei que Julian está apenas brincando comigo, mas eu não quero jogar este jogo, não depois de tudo o que ocorreu entre nós. Quero esquecer os primeiros dias na ilha, não os reviver desta forma torcida. "Por que não?" Ele começa a circular em torno de mim, fazendo minha ansiedade aumentar. "Não é por isso que você fez essas aulas, para que você possa proteger-se de homens como eu? Os homens que querem levá-la, abusar de você?"

A N N A

Z A I R E S


Minha respiração acelera ainda mais, a adrenalina inundando meu sistema como um mecanismo de resposta involuntária de luta ou fuga. Instintivamente eu viro, tentando mantê-lo à vista em todos os momentos, como se ele fosse um perigoso predador – porque ele é um agora. Um predador belo e mortal que tem a intenção de me ter como sua presa. "Vá em frente, Nora", ele murmura, parando para que as minhas costas estejam contra a parede. "Lute." "Não." Eu tento não vacilar quando ele chega perto de mim, sua mão fechando ao redor do meu pulso. "Eu não vou fazer isso, Julian. Assim não." Suas narinas. Ele não está acostumado a mim negando-lhe qualquer coisa, e eu prendo a respiração, esperando para ver o que ele vai fazer. Meu coração está batendo dolorosamente no meu peito, e um fio fino de suor desliza por baixo das minhas costas enquanto eu seguro seu olhar. Até agora eu sei que Julian não iria realmente me prejudicar, mas isso não significa que ele não vá me punir por meu desafio. "Tudo bem", diz ele em voz baixa. "Se é assim que você quer." E usando seu aperto no meu pulso, ele torce meu braço para cima, forçandome de joelhos. Com a mão livre, ele abre seus shorts, deixando sua ereção livre. Então ele envolve meu cabelo em torno de seu punho e empurra minha boca para seu o pau. "Chupe", ele ordena grosseiramente, olhando para mim. Aliviada pela tarefa simples, de bom grado obedeço, fechando os lábios ao redor da coluna grossa de seu pau. Ele tem gosto de sal e homem, a ponta do seu pau úmida com pré gozo, e um pouco da minha ansiedade desvanece, superada pelo crescente desejo. Adoro dar prazer a ele assim, e conforme o aperto de Julian no meu pulso afrouxa, eu uso as duas mãos para cavar suas bolas, amassando e massageando-as com uma pressão firme. Ele geme, fechando os olhos, e eu começo a mover minha boca, para frente e para trás, usando um movimento de sucção para trazê-lo mais profundo em minha garganta cada vez. A maneira como ele segura meu cabelo dói no meu couro cabeludo, mas o desconforto só aumenta a minha

A N N A

Z A I R E S


excitação. Julian estava certo quando disse que eu tenho tendências masoquistas. Se por natureza ou por adestramento, eu aproveito a dor agora, meu corpo almejando a intensidade desse tipo de sensação. Olhando para ele, eu admiro a expressão torturada no seu rosto, aproveitando a pequena amostra do poder que ele me permite. Hoje, porém, ele não me deixa definir o ritmo por muito tempo. Em vez disso, ele empurra os quadris para frente, forçando seu pau ainda mais na minha garganta, e eu engasgo, cuspindo um pouco de saliva. Isso parece agradá-lo, e ele murmura grosso: "Sim, é isso, baby", abrindo os olhos para me ver conforme ele começa a foder meu rosto com um ritmo duro, implacável. Eu engasgo novamente, e mais saliva sai, cobrindo meu queixo e seu pau com a umidade viscosa. Ele me solta em seguida, mas antes que eu possa recuperar o fôlego, ele me empurra para baixo sobre o tapete, de cara, me fazendo cair sobre minhas mãos. Em seguida, ele fica atrás de mim, e eu o sinto puxando meu shorts e calcinha até os joelhos. Meu sexo aperta com fome antecipada... mas isso não é onde ele me quer hoje. É a outra abertura que mantém a sua atenção, e eu tenciono, instintivamente, conforme eu sinto a cabeça de seu pênis pressionando entre as minhas nádegas. "Relaxe, meu animal de estimação", ele murmura, agarrando meus quadris para me segurar no lugar quando ele começa a empurrar. "Apenas relaxe... Sim, boa menina..." Puxo pequenas respirações rasas conforme eu tento seguir o conselho de Julian, lutando contra o desejo de retesar-me enquanto ele lentamente começa a penetrar minha bunda. Sei, por experiência, que isso vai doer muito menos se eu não estiver tão tensa, mas meu corpo parece determinado a lutar contra esta intrusão. Depois de meses de abstinência, é quase como se eu fosse virgem lá novamente, e eu sinto uma forte pressão, queimando, enquanto o meu cu é vigorosamente esticado aberto. "Julian, por favor..." As palavras saem em um sussurro baixo, implorando, quando ele, impiedosamente, empurra mais profundo, a saliva revestindo seu pau como lubrificante improvisado. Minhas entranhas torcem, e suor escorre por todo o meu corpo conforme o anel apertado do músculo finalmente relaxa, deixando seu pênis enorme deslizar por todo o

A N N A

Z A I R E S


caminho. Agora ele está pulsando dentro de mim, me fazendo sentir insuportavelmente cheia, consumida e sobrepujada. "Por favor, o quê?", Ele sussurra, deslizando um braço musculoso sob meus quadris para me manter no lugar. Ao mesmo tempo, a outra mão agarra meu cabelo novamente, forçando o meu corpo a arquear para trás. O novo ângulo aprofunda a penetração, e eu grito, começando a tremer. É demais, não posso levá-lo, mas Julian não está me dando uma escolha. Este é o meu castigo, sendo fodida como um animal em uma esteira suja, sem cuidado ou preparação. Deveria me fazer sentir doente, matando todos os traços de desejo, mas de alguma forma eu ainda estou excitada, meu corpo ansioso por quaisquer sensações que Julian escolha me dar. "Por favor, o quê?", Ele repete, em voz baixa e áspera. "Por favor, me foda? Por favor, me dê mais?" "Eu... Eu não sei..." Eu mal posso falar, meus sentidos sobrecarregados. Ele acalma, em seguida, sem se mover, e eu sou grata por essa pequena misericórdia, enquanto ele me dá uma chance de me ajustar a sua dureza brutal dentro de mim. Tento acalmar a minha respiração, para relaxar, e a dor começa gradualmente a diminuir, transformando-se em outra coisa, um calor escaldante que envolve minhas terminações nervosas. Ele começa a se mover novamente, suas estocadas lentas e profundas, e o calor se intensifica, centrando baixo em meu núcleo. Meus mamilos endurecem, e uma onda de umidade inunda meu sexo. Apesar do desconforto, há algo de perversamente erótico sobre ser fodida assim, sobre ser possuída de uma forma que é tão suja e proibida. Fechando os olhos, eu começo a entrar no ritmo primordial de seus movimentos, o ir e vir, que faz com que minhas entranhas relaxem com agonia e prazer. Meu clitóris incha, tornando-se mais sensível, e eu sei que vai levar apenas alguns leves toques para me fazer vir, para aliviar a tensão construindo dentro de mim. Mas ele não toca meu clitóris. Ao invés disso, sua mão libera meu cabelo e desliza para baixo para o meu pescoço. Então ele agarra minha garganta, me forçando a levantar para que eu fique de pé em meus joelhos, as costas ligeiramente arqueadas. Meus olhos se abrem e as minhas mãos voam automaticamente, agarrando os dedos que me estrangulam, mas não há nada que eu possa fazer para afrouxar seu aperto. Nessa posição, ele

A N N A

Z A I R E S


está ainda mais fundo dentro de mim, e eu mal posso respirar, meu coração começa a bater com um medo novo, desconhecido. Ele se inclina para a frente, em seguida, e eu posso sentir seus lábios roçando minha orelha. "Você é minha para o resto de sua vida", ele sussurra duramente, o calor de sua respiração fazendo minha pele formigar com arrepios. "Você me entende, Nora? Toda você, sua boceta, seu cu, seus pensamentos internos porra... É tudo meu, para usar e abusar, como eu quiser. Eu possuo você, dentro e fora, em todos os sentidos possíveis..." Seus dentes afiados afundam em minha orelha, fazendo-me engasgar com a dor súbita. "Você me entende?" Há uma nota escura em sua voz que me assusta. Isso é novo, ele nunca fez isso comigo antes e minha pulsação acelera, enquanto seus dedos apertam em torno de minha garganta, lenta, mas inexoravelmente cortando meu suprimento de ar. Pânico crescente envia adrenalina através de minhas veias. "Sim..." Eu me viro para responder, meus dedos agora agarrando sua mão, tentando tira-la para longe. Para meu horror, eu começo a ver estrelas, o lugar borra e fica escuro na frente dos meus olhos. Certamente ele não quer me matar.... Certamente ele não quer me matar.... Estou apavorada, mas por alguma estranha razão, meu sexo tem pulsações e arrepios elétricos correm sobre a minha pele conforme a minha excitação sobe inexoravelmente. "Bom. Agora me diga... de quem você é esposa?" Seus dedos apertam ainda mais, e as estrelas apagam conforme meu cérebro se esforça para obter oxigênio suficiente. Meu corpo está à beira da asfixia, mas está mais vivo nesse momento, do que jamais foi, cada sensação afiada e refinada. A espessura de seu pau queima dentro da minha bunda, o calor de sua respiração na minha testa, o pulsar do meu clitóris inchado - que é demais e não o suficiente ao mesmo tempo. Eu quero gritar e lutar, mas não posso me mover, não posso respirar... e, como se de muito longe, eu ouço Julian exigindo novamente: "De quem?" Logo antes de eu desmaiar, seu aperto em minha garganta diminui, e eu sufoco, "Sua...” e meu corpo convulsiona em um paroxismo de êxtase agonizante, o orgasmo súbito e surpreendentemente intenso conforme o oxigênio muito necessário corre em meus pulmões.

A N N A

Z A I R E S


Freneticamente engolindo ar, eu caio contra ele, tremendo toda. Eu não posso acreditar que eu gozei assim, sem Julian sequer tocar em meu sexo. Eu não posso acreditar que eu gozei ao ter medo de morrer. Depois de um momento, eu me torno consciente de seus lábios no meu rosto úmido de suor. "Sim", ele murmura, sua mão agora acariciando minha garganta, "isso está certo, baby..." Ele ainda está enterrado dentro de mim, seu pau duro me dividindo, me invadindo. "E qual é o seu nome?" "Nora", eu suspiro com voz rouca, tremendo quando seus dedos trilham para baixo do meu pescoço para os meus seios. Eu ainda estou usando meu sutiã esportivo, e sua mão se enterra sob o material apertado, cobrindo meu peito. "Nora do quê?", Ele persiste, seus dedos beliscando meu mamilo. Está ereto e sensível do meu orgasmo, e seu toque envia uma nova onda de calor para baixo, para o meu núcleo. "Nora do quê?" "Nora Esguerra", eu sussurro, fechando meus olhos. É um fato que eu nunca vou esquecer agora e, como Julian retoma a me foder de novo, eu sei que Nora Leston nunca existirá novamente. Ela se foi para sempre.

A N N A

Z A I R E S


PARTE II

A N N A

Z A I R E S


Durante o próximo par de semanas, eu lentamente me aclimato à minha nova casa. A propriedade é um lugar fascinante, e eu gasto muito do meu tempo explorando-a e conhecendo os seus habitantes. Além dos guardas, há algumas dezenas de pessoas que vivem aqui, algumas por si só, outras com suas famílias. Todas elas trabalham para Julian de uma forma ou de outra, desde a geração mais antiga até a mais nova. Algumas – como Ana e Rosa – cuidam da casa e dos jardins, enquanto outras estão envolvidas nos negócios de Julian. Ele pode ter só recentemente voltado para a propriedade, mas muitos de seus funcionários vivem aqui desde o momento em que Juan Esguerra – pai de Julian – reinou como um dos barões de droga mais poderosos do país. Para uma americana como eu, essa lealdade a um empregador é incompreensível. "Eles são bem pagos, com alojamento gratuito, e o seu marido chegou a contratar um professor para seus filhos alguns anos atrás", explica Rosa quando eu pergunto a ela sobre esse fenômeno incomum. "Ele pode não ter estado muito aqui pessoalmente, mas ele sempre foi bom em cuidar de seu povo. Eles são todos livres para sair, se eles quiserem, mas eles sabem que é improvável encontrar algo melhor. Além disso, aqui eles estão protegidos, mas lá fora, eles e suas famílias seriam perseguidos por policiais intrometidos ou por qualquer outra pessoa em busca de informações sobre a organização Esguerra." Dando-me um sorriso irônico, acrescenta: "Minha mãe diz que uma vez que você é uma parte dessa vida, você é sempre uma parte dessa vida. Não há como voltar atrás."

A N N A

Z A I R E S


"Então por que escolheram essa vida?" Eu pergunto, tentando entender o que iria fazer uma pessoa se mudar para um lugar isolado, para trabalhar com um negociante de armas, na divisa da floresta amazônica. Eu não conheço muitas pessoas sãs que fariam algo assim de bom grado, particularmente se eles sabiam que não havia nenhuma maneira fácil de voltar para casa. Rosa dá de ombros. "Bem, todo mundo tem uma história diferente. Alguns eram procurados pelas autoridades, outros fizeram pessoas perigosas como inimigos. Meus pais vieram aqui para escapar da pobreza e fornecer uma vida melhor para mim e meus irmãos. Eles sabiam que estavam assumindo um risco, mas eles sentiram que não tinham outra escolha. Até hoje, a minha mãe está convencida de que eles tomaram a decisão certa para si e seus filhos." "Mesmo depois-?", Eu começo a perguntar, em seguida, fecho a boca quando percebo que estou prestes a trazer memórias dolorosas para Rosa novamente. "Sim, mesmo depois", diz ela, entendendo minha pergunta incompleta. "Não há garantias na vida. Eles poderiam ter morrido de qualquer maneira. Meu pai e Eduardo – meu irmão mais velho – foram mortos fazendo o seu trabalho, mas pelo menos eles tinham emprego. Na aldeia dos meus pais, não havia empregos, e as cidades eram ainda piores. Meus pais fizeram tudo o que podiam para manter a comida na mesa, mas não foi suficiente. Quando minha mãe ficou grávida de mim, Eduardo, que tinha doze anos na época, foi para Medellín em busca de se tornar uma mula de drogas para que a nossa família não morresse de fome. Meu pai foi atrás dele para impedi-lo, e isso foi quando os dois correram para Juan Esguerra, que estava na cidade para as negociações com o Cartel de Medellín. Ele ofereceu tanto ao meu pai como ao meu irmão um trabalho em sua organização, e o resto é história." Ela para e sorri para mim antes de continuar, "Então você vê, Nora, trabalhar para o Señor Esguerra foi a melhor alternativa para a minha família. Como minha mãe diz, pelo menos eu nunca tive que me vender por comida, da maneira como ela fez em sua juventude." Rosa diz essa última parte, sem qualquer amargura ou auto piedade. Ela está simplesmente afirmando fatos. Rosa, genuinamente, se considera

A N N A

Z A I R E S


sortuda por ter nascido na propriedade Esguerra. Ela é grata a Julian e seu pai por fornecerem a sua família uma boa vida, e, apesar de seu desejo de ver a América, ela não se importa de viver no meio do nada. Para ela, esta propriedade é seu lar. Eu aprendo tudo isso durante nossas caminhadas. Enquanto Rosa não gosta de correr, ela está mais do que feliz em dar um passeio comigo na parte da manhã, antes que fique muito quente e abafado. É algo que nós começamos a fazer no meu terceiro dia aqui, e está rapidamente se tornando parte da minha rotina diária. Gosto de passar um tempo com Rosa. Ela é brilhante e simpática, lembrando-me um pouco da minha amiga Leah. E Rosa parece gostar da minha companhia também, embora eu tenha certeza que ela seria gentil comigo, independentemente, da minha posição aqui. Todo mundo na propriedade me trata com respeito e cortesia. Afinal, eu sou a esposa do Señor. Após o incidente no ginásio, eu fiz o meu melhor para aceitar o fato de que eu sou casada com Julian – que o homem bonito e amoral que me sequestrou, agora é meu marido. É uma ideia que ainda me perturba em algum nível, mas a cada dia que passa, eu me torno mais e mais acostumada a isso. Minha vida mudou irrevogavelmente quando Julian me roubou, e um longínquo futuro 'normal' é um sonho do qual eu deveria ter desistido há muito tempo. Agarrando-me a ele, enquanto me apaixonei pelo meu sequestrador tinha sido tão irracional quanto desenvolver sentimentos por ele em primeiro lugar. Em vez de uma casa nos subúrbios e de dois filhos, o meu futuro agora detém uma propriedade fortemente vigiada perto da selva amazônica e um homem que tanto me excita como me apavora. É impossível para mim imaginar ter filhos com Julian, e eu temo o fato de que em poucos meses, o implante de controle de natalidade de três anos que eu coloquei aos dezessete anos deixará de ser eficaz. Em algum momento, eu vou precisar trazer essa questão a Julian, mas por agora eu estou tentando não pensar sobre isso. Não estou mais preparada para ser mãe do que eu estava para ser uma esposa, e a possibilidade de ter essa escolha forçada em mim, me faz suar frio. Eu amo julian, mas criar filhos com um homem que não pensa em nada além de sequestro e assassinato? Isso é uma outra coisa.

A N N A

Z A I R E S


Meus pais e amigos em casa não estão ajudando. Falei uma vez com Leah, dizendo-lhe sobre o meu casamento apressado, e sua reação tinha sido chocada, para dizer o mínimo. "Você se casou com um traficante de armas?", Ela exclamou, incrédula. "Depois de tudo que ele fez para você e Jake? Você está louca? Você tem apenas dezenove e ele deveria estar na cadeia!" E não importa o quanto eu tentei mostrar tudo em uma perspectiva positiva, eu poderia dizer que ela desligou o telefone pensando que meu sequestro me deixou com alguns parafusos a menos. Meus pais são ainda piores. Toda vez que eu falo com eles, tenho de afastar as suas perguntas sondando sobre o meu casamento inesperado e os planos de Julian para o nosso futuro. Eu não os culpo por aumentar a minha ansiedade, sei que eles estão preocupados comigo. A última vez que tivemos uma chamada de vídeo, os olhos da minha mãe estavam vermelhos e inchados, como se tivesse chorado. É óbvio que a história apressadamente inventada que eu disse a eles no meu casamento fez pouco para aliviar suas preocupações. Meus pais sabem como meu relacionamento com Julian começou, e eles estão tendo dificuldade em acreditar que eu poderia ser feliz com um homem que veem como pura maldade. E ainda assim estou feliz, minha preocupação com o futuro de lado. O vazio gelado dentro de mim se foi, substituído por uma abundância impressionante de emoções e sensações. É como se o filme em preto-ebranco da minha vida fosse refeito em tecnicolor. Quando estou com Julian, eu estou completa, de uma forma que eu não compreendo, e não consigo chegar a um acordo com isso. Não é como se eu fosse infeliz antes de eu conhecê-lo. Eu tinha ótimos amigos, uma família amorosa, e a promessa de uma vida boa, no futuro, mas simples. Eu até tive uma paquera – Jake – que me deu borboletas no estômago. Não faz sentido que eu de alguma forma, precisasse de algo tão perverso como essa relação com Julian para enriquecer a minha vida e me dar o que estava faltando. Claro, eu não sou psiquiatra. Talvez haja uma explicação para os meus sentimentos, alguns traumas de infância que eu reprimi, ou um desequilíbrio químico no meu cérebro. Ou talvez seja apenas Julian e ele está, de forma deliberada, moldando minhas respostas físicas e emocionais

A N N A

Z A I R E S


desde os primeiros dias na ilha. Estou consciente de seus métodos de condicionamento, mas o meu reconhecimento deles não altera a sua eficácia. É estranho saber que você está sendo manipulada, e ao mesmo tempo desfrutar dos resultados dessa manipulação. Mas eu os aprecio. Estar com Julian é emocionante, tão assustador e emocionante, como montar um tigre selvagem. Eu nunca sei qual lado ele vai mostrar a qualquer momento: o amante charmoso ou o mestre cruel. Tão confuso como é, eu quero ambos, estou viciada em ambos. A luz e a escuridão, a violência e a ternura – tudo anda junto, formando um coquetel volátil, vertiginoso, que faz estragos no meu equilíbrio e me faz cair ainda mais fundo sob o feitiço de Julian. Naturalmente, o fato de eu vê-lo agora todos os dias não ajuda. Na ilha, as frequentes ausências de Julian me davam tempo para me recuperar do potente efeito que ele tem sobre a minha mente e corpo, permitindo-me manter algum equilíbrio emocional. Aqui, no entanto, não há nenhuma pausa da atração magnética que ele exerce sobre mim, não há maneira de me proteger de seu fascínio inebriante. A cada dia que passa, eu perco um pouco mais da minha alma para ele, minha necessidade por ele cresce, ao invés de diminuir com o tempo. A única coisa que me impede de pirar é o conhecimento de que Julian é tão louco por mim, como sou por ele. Eu não sei se é a minha semelhança com Maria ou apenas nossa química inexplicável, mas eu sei que o vício funciona nos dois sentidos. A fome de Julian por mim não conhece limites. Ele me leva ao prazer um par de vezes a cada noite e, muitas vezes durante o dia, e ainda tenho a sensação de que ele quer mais. Está lá, na intensidade de seu olhar, na forma como ele sempre me toca, me segura. Ele não pode manter suas mãos longe de mim, e isso me faz sentir melhor sobre a minha própria atração impotente por ele. Ele também parece gostar de passar tempo comigo do lado de fora do quarto. Fiel à sua promessa, Julian começou a me treinar, ensinando-me como lutar e usar armas diferentes. Após o início duro, ele acabou por ser um excelente instrutor – experiente, paciente e, surpreendentemente dedicado. Treinamos juntos quase todos os dias, e eu já aprendi mais nestas duas semanas do que nos três meses anteriores em meus cursos de

A N N A

Z A I R E S


auto-defesa. Claro, seria um equívoco chamar o que ele me ensina de autodefesa; as aulas de Julian têm mais em comum com algum tipo de campo de treinamento assassino. "Você aponta para matar toda vez", ele instrui durante uma sessão da tarde, onde ele me faz atirar facas em um pequeno alvo na parede. "Você não tem tamanho ou força, assim, para você, é tudo sobre velocidade, reflexos e crueldade. Você precisa pegar seus adversários de surpresa e eliminá-los antes que eles percebem quão você está qualificada. Todo golpe tem de ser mortal, cada movimento tem que contar." "E se eu não quiser matá-los?", Pergunto, olhando para ele. "E se eu só quiser feri-los, para que eu possa fugir?" "Um homem ferido ainda pode prejudicá-la. Não é preciso muita força para apertar um gatilho ou esfaqueá-la com uma faca. A menos que você tenha uma boa razão para querer o seu inimigo vivo, você aponta para matar, Nora. Você me entende?" Eu aceno e atiro uma faca, pequena e afiada, na parede. Ela bate fraca contra o alvo, em seguida, cai no chão, mal tendo arranhado a madeira. Não é a minha melhor tentativa, mas está melhor do que as minhas cinco anteriores. Eu não sei se eu posso fazer o que Julian diz, mas eu sei que eu nunca quero me sentir indefesa novamente. Se isso significa aprender as habilidades de um assassino, eu estou feliz em fazê-lo. Isso não quer dizer que eu vá usá-las, mas apenas saber que eu posso me proteger me faz sentir mais forte e mais confiante, me ajudando a lidar com os pesadelos residuais do meu tempo com os terroristas. Para meu alívio, eles melhoraram também. É como se meu subconsciente soubesse que Julian está aqui, que estou segura com ele. Claro, também ajuda que quando eu acordo gritando, ele está lá para me segurar e levar o pesadelo longe. A primeira vez que isso aconteceu foi na terceira noite depois da minha chegada na propriedade. Eu sonhava com a morte de Beth de novo, um oceano de sangue onde estou me afogando, mas desta vez, braços fortes me pegam, me salvam da maré cruel. Dessa vez, quando eu abro meus olhos, eu não estou sozinha na escuridão. Julian acendeu o abajur de

A N N A

Z A I R E S


cabeceira e está agitando-me para acordar, uma expressão preocupada no rosto bonito. "Eu estou aqui agora", ele acalma, me puxando para o seu colo quando eu não consigo parar de tremer, lágrimas de horror escorrendo pelo meu rosto. "Tudo está bem, eu prometo..." Ele acaricia meu cabelo até minha respiração soluçante começar a estabilizar e, em seguida, ele pergunta baixinho: "Qual é o problema, baby? Você teve um pesadelo? Você estava gritando meu nome..." Eu aceno, agarrando-me a ele com toda a minha força. Eu posso sentir o calor de sua pele, ouvir a batida constante de seu coração, e o pesadelo começa lentamente a recuar, a minha mente a voltar ao presente. "Era Beth," eu sussurro quando eu posso falar sem a minha voz embargada. "Ele estava torturando ela... matando ela." Os braços de Julian apertam em volta de mim. Ele não disse nada, mas eu posso sentir sua raiva, sua fúria em chamas. Beth tinha sido mais do que uma governanta para ele, embora a natureza precisa de seu relacionamento sempre fosse um mistério para mim. Desesperada para me distrair das imagens sangrentas ainda enchendo minha mente, eu decido satisfazer a curiosidade que tinha me corroído durante todo o meu tempo na ilha. "Como você e Beth se conheceram?" Eu pergunto, indo para trás para olhar para o rosto de Julian. "Como é que ela foi parar na ilha comigo?" Ele olha para mim, seus olhos escuros com as memórias. Antes, sempre que eu queria fazer esses tipos de perguntas, ele me dispensava ou mudava o tópico, mas as coisas são diferentes entre nós agora. Julian parece mais disposto a falar comigo, para me deixar mais envolvida em sua vida. "Eu estava em Tijuana, há sete anos para uma reunião com um dos cartéis", ele começa a falar depois de um momento. "Após o meu negócio ser concluído, eu fui à procura de entretenimento na Zona Norte, no distrito da luz vermelha da cidade. Eu estava passando por uma das vielas quando vi isso... uma mulher gritando, chorando, debruçada sobre uma figura pequena no chão." "Beth", eu sussurro, lembrando o que ela me contou sobre sua filha.

A N N A

Z A I R E S


"Sim, Beth", ele confirma. "Não era da minha conta, mas eu tinha tomado umas bebidas e eu estava curioso. Então eu cheguei mais perto... e foi aí que eu vi que a pequena figura no chão era uma criança. Um bebê bonito com cabelo encaracolado vermelho, uma pequena réplica da mulher chorando sobre ela." Um brilho furioso e selvagem surge em seus olhos. "A criança estava deitada em uma poça de sangue, com um tiro em seu peito pequeno. Ela aparentemente tinha sido morta para punir sua mãe, que não queria deixar seu cafetão oferecer a criança a alguns clientes com inclinações mais exóticas." Náuseas, afiadas e fortes, sobem na minha garganta. Apesar de tudo o que passei, ainda me horroriza saber que existem tais monstros lá fora. Monstros muito piores do que o homem por quem eu me apaixonei. Não admira que Beth via o mundo em tons de preto, sua vida tinha sido ultrapassada pela escuridão. "Quando ouvi a história completa, levei Beth e sua filha comigo", Julian continua em voz baixa, com força. "Ainda não era da minha conta, mas eu não podia deixar que esse tipo de coisa de lado – pelo menos não depois de ver o corpo da filha. Nós enterramos a filha em um cemitério nos arredores de Tijuana. Então eu peguei alguns de meus homens, e Beth e eu voltamos para procurar o cafetão." Um pequeno sorriso vicioso aparece em seus lábios quando ele diz suavemente, "Beth o matou pessoalmente. Ele e seus dois capangas – os que ajudaram a assassinar sua filha". Eu inspiro lentamente, não querendo começar a chorar novamente. "E ela veio trabalhar para você depois disso? Depois que você a ajudou assim?" Julian balança a cabeça. "Sim. Não era seguro para ela ficar em Tijuana, então eu lhe ofereci um emprego como minha cozinheira pessoal e de limpeza. Ela aceitou, claro, era muito melhor do que ser uma prostituta no México, e ela viajou comigo para todos os lugares depois disso. Não foi até que eu decidi adquirir você que eu lhe ofereci a oportunidade de ficar permanentemente na ilha e, bem, você sabe o resto da história". "Sim, eu sei", murmuro, empurrando contra seu peito para me livrar de seu abraço – um abraço que de repente parecia sufocante ao invés de reconfortante. A parte ‘adquiri você’ da história é um lembrete desagradável de como cheguei aqui... do fato de que o homem ao meu lado,

A N N A

Z A I R E S


impiedosamente, planejou e executou o meu sequestro. No espectro do mal, Julian não pode ser todo o caminho do lado negro, mas ele não está muito longe disso. Ainda assim, enquanto os dias passam, meus pesadelos lentamente diminuem. Tão perverso como isso é, agora que estou de volta com o meu sequestrador, eu estou começando a me curar da provação de ser roubada dele. Até a minha arte se tornou mais pacífica. Eu ainda me sinto obrigada a pintar as chamas da explosão, mas eu comecei a ficar interessada em paisagens novamente, capturando sobre a tela a beleza selvagem da floresta que invade as fronteiras da propriedade. Como antes, Julian incentiva meu hobby. Além de montar o estúdio para mim, ele manteve um professor, um homem magro e idoso, do sul da França, que fala Inglês com um forte sotaque. Monsieur Bernard tinha ensinado em todas as melhores escolas de arte na Europa antes de se aposentar no final da década de setenta. Eu não tenho nenhuma ideia de como Julian convenceu-o a vir para a fazenda, mas eu sou grata por sua presença. As técnicas que ele me ensina são muito mais avançadas do que o que eu tinha aprendido através dos meus vídeos instrutivos antes, e eu já estou começando a ver um novo nível de sofisticação na minha arte – como diz o Sr. Bernard. "Você tem talento, Señora", diz ele com seu forte sotaque francês, examinando a minha mais recente tentativa de pintar um pôr do sol na selva. As árvores parecem escuras contra o laranja brilhante e rosa do sol poente, com as bordas da pintura desfocadas e fora de foco. "Isso tem um – como que você diz isso? Uma sensação quase sinistra?" Ele olha para mim, seu olhar se desvanece de repente afiado com curiosidade. "Sim", ele continua suavemente depois de me estudar por alguns momentos. "Você tem talento e algo mais, algo dentro de você que sai através de sua arte. Uma escuridão, que eu raramente vi em alguém tão jovem". Eu não sei como responder a isso, então eu simplesmente sorrio para ele. Não tenho certeza se Monsieur Bernard sabe sobre a profissão do meu marido, mas eu estou quase certa que o professor idoso não tem ideia de como meu relacionamento com Julian começou. O que mundo sabe agora, é que eu sou a jovem esposa mimada de um homem bonito e rico, e isso é tudo que existe.

A N N A

Z A I R E S


"Eu já matriculei você para o trimestre de inverno em Stanford," Julian diz casualmente durante o jantar uma noite. "Eles têm um novo programa online. Está ainda em fase experimental, mas o feedback inicial é muito bom. É com os mesmos professores, só que as palestras são gravadas, ao invés de serem ao vivo." Meu queixo cai. Estou inscrita em Stanford? Eu não tinha ideia de fazer qualquer tipo de faculdade, muito menos uma dentre as top dez. "O quê?" Eu digo incrédula, colocando para baixo meu garfo. Ana tinha preparado uma deliciosa refeição para nós, mas eu já não tinha qualquer interesse na comida no meu prato, toda a minha atenção focada em Julian. Ele sorri para mim calmamente. "Eu prometi a seus pais que iria te dar uma boa educação, e eu estou cumprindo essa promessa. Você não gosta de Stanford?" Atordoada, eu olho para ele. Eu não tenho uma opinião sobre Stanford, porque eu nunca tinha sequer pensado na possibilidade de ir lá. Minhas notas na escola tinham sido boas, mas a minha pontuação no SAT3 não era muito alta, e meus pais não poderiam ter me proporcionado uma escola tão cara, de qualquer maneira. A faculdade comunitária seguida por uma transferência para uma das estaduais ia ser o meu caminho para a obtenção de um grau, então eu nunca olhei para Stanford ou qualquer escola do seu calibre. "Como você conseguiu me colocar?" Eu finalmente consegui perguntar. "A taxa de admissão deles não é de um dígito? Ou o programa online é menos competitivo?" "Não, é ainda mais competitivo, creio eu," Julian diz, enchendo o prato com uma segunda porção de frango. "Eu acho que eles estão aceitando apenas uma centena de estudantes para o programa este ano, e havia cerca de dez mil candidatos." "Então como é que você" Eu começo a dizer, então calo a boca quando percebo que me colocar em uma escola de elite é brincadeira de criança SAT ou Scholastic Assessment Test é um teste educacional americano para ingresso nas universidades, sendo a média dos estudantes um dos elementos utilizados no somatório da nota. 3

A N N A

Z A I R E S


para alguém com a riqueza e as conexões de Julian. "Então eu começo em janeiro?", Pergunto ao invés disso, excitação correndo pelas minhas veias conforme o choque começa a diminuir. Stanford. Oh meu Deus, eu vou estar na Stanford. Eu provavelmente deveria me sentir culpada que eu não entrei por meu próprio mérito, ou pelo menos estar indignada com a prepotência de Julian, mas tudo o que posso pensar é a reação dos meus pais quando eu lhes der a notícia. Eu vou para Stanford! Julian acena com a cabeça, pegando mais arroz. "Sim, isto é, quando o trimestre de inverno começar. Eles devem enviar um e-mail para você com um pacote de orientação nos próximos dias, assim você vai ser capaz de encomendar seus livros uma vez que você saiba os requisitos da classe. Vou me certificar de que eles sejam entregues a você aqui a tempo." "Uau, tudo bem." Eu sei que não é uma resposta adequada para algo dessa magnitude, mas eu não posso pensar em nada mais inteligente para dizer. Em menos de duas semanas, eu vou ser uma estudante em uma das universidades mais prestigiadas do mundo, a última coisa que eu esperava quando Julian voltou por mim novamente. Com certeza, será um programa online, mas ainda é muito melhor do que qualquer coisa que eu poderia ter sonhado. Uma série de perguntas me ocorrem. "E o meu curso? O que vou estudar?", Pergunto, imaginando se Julian tomou essa decisão por mim também. O fato de que ele levou o assunto da minha educação universitária em suas próprias mãos não me surpreende; afinal de contas, esse é o homem que me sequestrou e me obrigou a casar com ele. Ele não é exatamente grande em me dar opções. Julian me dá um sorriso indulgente. "O que você quiser, meu animal de estimação. Eu acredito que há um conjunto comum de assuntos que você precisa fazer, para que você não tenha de decidir a sua grade por um ano ou dois. Você tem alguma ideia do que você quer estudar?" "Não, não realmente." Eu estava planejando ter aulas em diferentes áreas para descobrir o que eu queria fazer, e eu estou contente que Julian me deixou esta opção. Na escola eu tinha ido igualmente bem na maioria das matérias, o que tornava difícil para limitar minhas opções de carreira. "Bem, você ainda tem tempo para descobrir isso", Julian diz, soando como um orientador. "Não há pressa."

A N N A

Z A I R E S


"Certo, uh-huh." Uma parte de mim não podia acreditar que estávamos tendo essa conversa. Menos de duas horas atrás, Julian me encurralou, à beira da piscina, e fodeu meus miolos em uma das espreguiçadeiras. Menos de cinco horas atrás, ele me ensinou como desarmar um homem esfaqueando-o no olho com os dedos. Duas noites atrás, ele me amarrou à nossa cama e me bateu com um chicote. E agora nós estamos discutindo meu potencial currículo na faculdade? Tentando envolver minha mente em torno de uma estranha reviravolta tão grande de eventos, pergunto a Julian no piloto automático, "Então o que você estudou na faculdade?" Assim que as palavras deixam minha boca, eu percebo que eu não tenho ideia se Julian foi mesmo para a faculdade, que eu ainda sei muito pouco sobre o homem com quem eu durmo todas as noites. Franzindo a testa, eu faça uma matemática mental rápida. De acordo com Rosa, os pais de Julian foram mortos doze anos atrás, momento em que ele assumiu o negócio do pai. Tendo em conta que cerca de vinte meses se passaram desde que Beth me disse que Julian tinha vinte e nove anos, ele tem que ter algo em torno de trinta e um hoje, o que significava que ele assumiu o negócio do pai aos dezenove anos. Pela primeira vez, desperta em mim que Julian estava perto da minha idade quando tomou o lugar do pai como chefe de uma operação ilegal de drogas e transformou-a em um grande -embora igualmente ilegal – império de armas de ponta. Para minha surpresa, Julian diz: "Eu estudei engenharia elétrica." "O quê?" Eu não posso esconder meu choque. "Mas eu pensei que você assumiu o negócio do seu pai realmente jovem-" "Sim." Julian me dá um olhar divertido. "Eu abandonei o Caltech depois de um ano e meio. Mas enquanto eu estava lá, eu estudei engenharia elétrica através de um programa avançado". Caltech? Eu fico olhando para Julian com novo respeito. Eu sempre soube que ele é inteligente, mas a engenharia da Caltech é um nível totalmente diferente de brilhantismo. "É por isso que escolheu entrar no tráfico de armas? Porque você tinha um conhecimento em engenharia?"

A N N A

Z A I R E S


"Sim, em parte. E em parte porque eu vi mais oportunidades do que no comércio de drogas". "Mais oportunidades?" Pegando meu garfo, eu rodo entre meus dedos enquanto eu estudo Julian, tentando entender o que faria alguém abandonar um empreendimento criminoso por outro. Certamente alguém com seu nível de inteligência e dinamismo poderia ter escolhido fazer algo melhor, algo menos perigoso e imoral. "Por que você simplesmente não pegou o seu diploma da Caltech e fez algo legítimo com ele?", Pergunto depois de alguns momentos. "Eu tenho certeza que você poderia ter obtido qualquer trabalho que você quisesse, ou talvez começasse seu próprio negócio, se você não gostasse do mundo corporativo." Ele olha para mim, sua expressão ilegível. "Eu pensei sobre isso", diz ele, me chocando mais uma vez. "Quando deixei a Colômbia após a morte de Maria, eu queria acabar com esse mundo. Pelo resto da minha adolescência, eu fiz o meu melhor para esquecer as lições que meu pai me ensinou, para manter a violência dentro de mim sobre controle. É por isso que eu me matriculei na Caltech, porque eu pensei que poderia tomar um caminho diferente... me tornar alguém diferente do que eu estava destinado a ser". Eu fico olhando para ele, meu pulso acelerando. Essa é a primeira vez que eu ouço Julian admitir que quis algo diferente da vida que ele está conduzindo atualmente. "Então, por que não o fez? Certamente não havia nada te amarrando a esse mundo uma vez que seu pai estava morto..." "Você está certa." Julian me dá um sorriso fino. "Eu poderia ter ignorado a morte de meu pai e deixado o outro cartel assumir a sua organização. Teria sido fácil. Eles não tinham ideia de onde eu estava ou o nome que eu estava usando naquele momento, então eu poderia ter começado de novo, terminado a faculdade e conseguido um emprego com uma startup do Valle do Silício. E eu provavelmente teria feito isso, se não tivessem também matado a minha mãe". "Sua mãe?" "Sim." Suas belas feições torcem de ódio. "Eles a caçaram aqui na propriedade, juntamente com dezenas de outros. Eu não podia ignorar isso."

A N N A

Z A I R E S


Não, claro que não podia. Não alguém como Julian, que já havia matado por vingança. Lembrando a história que ele me contou sobre os homens que assassinaram Maria, sinto uma ondulação de frio sobre a minha pele. "Então você voltou e os matou?" "Sim. Juntei todos os homens restantes do meu pai e contratei alguns novos. Nós atacamos no meio da noite, atacando os líderes do cartel bem em suas casas. Eles não estavam esperando tal retaliação rápida, e nós os pegamos de surpresa." Seus lábios se enrolam em um sorriso escuro. "No momento em que chegou a manhã, não havia sobreviventes, e eu sabia que tinha sido tolo de pensar que eu poderia ignorar o que eu sou... imaginar que eu poderia ser outra coisa que não o assassino que eu nasci para ser." O arrepio correndo sobre a minha pele se transforma em um grande calafrio. Este lado de Julian me aterroriza, e eu fecho minhas mãos debaixo da mesa para evitar que elas tremessem. "Você me disse que viu um terapeuta após a morte dos seus pais. Porque você queria matar mais." "Sim, meu animal de estimação." Há um brilho selvagem em seus olhos azuis. "Eu matei os líderes do cartel e as suas famílias, e quando tudo acabou, eu tinha sede de mais sangue... mais morte. O desejo dentro de mim só se intensificou durante os anos que eu tinha estado afastado; levando uma chamada vida 'normal' me fez pior, não melhor." Ele faz uma pausa, e eu estremeço com as sombras negras que vejo em seu olhar. "Ver um terapeuta foi uma última tentativa para lutar contra a minha natureza, e não demorou muito tempo para perceber que era inútil – que a única maneira de avançar era abraçá-la e aceitar o meu destino." "E você fez isso, entrando no tráfico de armas." Eu tento manter minha voz firme. "Ao tornar-se um criminoso." Naquele momento, Ana entra na sala de jantar e começa a limpar os pratos da mesa. Observando-a, eu lentamente esfrego meus braços, tentando dissipar o frio dentro de mim. De certa forma, isso torna tudo pior, o fato de que Julian tinha uma escolha e que conscientemente escolheu abraçar a parte mais escura de si mesmo. Seu passado me diz que não há esperança de redenção, sem chance de fazê-lo ver o erro de seu caminho. Não é que ele nunca soube que havia uma alternativa fora a vida de crime; pelo contrário, ele tinha experimentado tal alternativa e decidiu rejeitá-la.

A N N A

Z A I R E S


"Vocês gostariam de alguma coisa?" Ana nos pergunta, e eu balanço a cabeça em silêncio, muito perturbada para pensar na sobremesa. Julian, no entanto, pede uma xícara de chocolate quente, soando sereno como sempre. Quando Ana sai da sala, Julian sorri para mim, como se sentindo a direção dos meus pensamentos. "Eu sempre fui um criminoso, Nora", diz ele em voz baixa. "Eu matei pela primeira vez quando eu tinha oito anos, e eu sabia que não haveria como voltar atrás. Eu tentei enterrar esse conhecimento por um tempo, mas estava sempre lá, esperando por mim para vir aos meus sentidos. "Ele se inclina para trás em sua cadeira, sua postura indolente, ainda predatória, como a expansão lenta de um gato selvagem. "A verdade da questão é que eu preciso desse tipo de vida, meu animal de estimação. O perigo, a violência e o poder que vem com tudo, eles me atendem de uma forma que um trabalho corporativo chato nunca poderia fazer." Ele faz uma pausa, em seguida, adiciona, seus olhos brilhando, "Eles me fazem sentir vivo. "

Quando chegamos ao quarto naquela noite, eu vou tomar um banho rápido enquanto Julian responde a uns e-mails de trabalho urgentes em seu iPad. No momento em que eu saio do banheiro com uma toalha enrolada em volta do meu corpo úmido, ele coloca o tablet de lado e começa a se despir. Conforme ele tira a camisa, eu sinto uma excitação incomum dentro dele, uma energia reprimida em seus movimentos que não tinha estado lá antes. "O que aconteceu?", Pergunto cautelosamente, a nossa conversa anterior fresca em minha mente. Coisas que excitam Julian são, na maioria das vezes, algo que me fariam tremer. Parando ao lado da cama, eu ajusto a toalha, estranhamente relutante em face à luz do seu olhar. Ele me dá um sorriso brilhante conforme ele se senta na cama para tirar as meias. "Você se lembra quando eu lhe disse que tinha uma inteligência em duas células da Al-Quadar?" Quando eu aceno, ele diz: "Bem, conseguimos destruí-los e até mesmo capturar três terroristas no

A N N A

Z A I R E S


processo. Lucas está trazendo eles aqui para interrogatório, de modo que vai chegar na parte da manhã." "Oh." Eu fico olhando para ele, meu estômago revirando com uma mistura perturbadora de emoções. Eu entendo o que 'interrogatório' significa no mundo de Julian. Eu deveria estar horrorizada e enojada com a ideia de meu marido provavelmente torturar aqueles homens, e eu estou, mas lá no fundo, eu também sinto uma espécie de alegria doente, vingativa. É uma emoção que me perturba muito mais do que o pensamento de Julian interrogá-los amanhã. Eu sei que esses homens não são os mesmos que assassinaram Beth, mas isso não muda o que sinto por eles. Há uma parte de mim que quer que eles paguem pela morte de Beth... sofram pelo que Majid fez. Aparentemente, interpretando mal a minha reação, Julian se levanta e diz baixinho: "Não se preocupe, meu animal de estimação. Eles não vão te machucar – eu vou ter certeza disso.” E antes que eu possa responder, ele empurra para baixo seu jeans para revelar uma ereção crescente. Com a visão de seu corpo nu, uma onda de desejo corre em cima de mim, me aquecendo de dentro para fora, apesar de minha agitação mental. Ao longo das duas últimas semanas, Julian recuperou um pouco dos músculos que perdeu durante seu coma, e ele está ainda mais impressionante do que antes, os ombros impossivelmente largos e sua pele bronzeada do sol quente. Levantando os olhos para o seu rosto, eu me pergunto pela centésima vez como alguém tão bonito pode carregar tanto mal dentro de si e se alguns dos seus males estão começando a passar para mim. "Eu sei que não vão me machucar aqui", eu digo silenciosamente quando ele chega até mim. "Eu não tenho medo deles." Um meio-sorriso irônico aparece em seus lábios enquanto ele puxa a toalha para fora do meu corpo, deixando-a cair descuidadamente no chão. "Você tem medo de mim?", Ele murmura, dando um passo mais perto de mim. Levantando as mãos, ele pega meus seios em suas grandes palmas e aperta, seus polegares brincando com meus mamilos. Conforme ele olha para mim, eu noto um brilho divertido, mas um pouco cruel em seus olhos azuis.

A N N A

Z A I R E S


"Eu deveria ter?" Meu batimento cardíaco aumenta, meu núcleo apertando com a sensação de seu pau duro roçando contra o meu estômago. Suas mãos estão quentes e ásperas sobre a pele sensível dos meus seios nus, e eu inalo drasticamente à medida que meus mamilos apertam sob seu toque. "Você vai me machucar essa noite?" "É isso que você quer, meu animal de estimação?" Ele aperta os meus mamilos com força, em seguida, enrola-os entre os dedos, fazendo-me dar de volta um gemido de prazer misturado com dor. Sua voz se aprofunda, ficando escura e sedutora. "Você quer que eu te machuque... marque sua pele macia e faça você gritar?" Eu lambo meus lábios, tremores de calor e excitação ansiosa correndo pelo meu corpo. Eu deveria ter medo, especialmente depois da nossa conversa hoje à noite, mas eu estou desesperadamente desperta ao invés disso. Tão perverso como isso é, eu quero isso também, eu quero a ferocidade de seu desejo, a crueldade de sua afeição. Eu quero me perder no arrebatamento de seu abraço, esquecer-me sobre o certo e o errado e simplesmente sentir. "Sim", eu sussurro, pela primeira vez, admitindo minhas próprias necessidades escuras pelo desejo aberrante que ele instilou em mim. "Sim, eu quero..." Calor salta em seus olhos, selvagem e ardente, e então nós caímos na cama em um emaranhado de membros e carne. Não há nenhum vestígio do amante enganosamente gentil agora, ou do sádico sofisticado que manipula minha mente e corpo todas as noites. Não, esse Julian é puro desejo masculino, selvagem e descontrolado. Suas mãos vagueiam sobre o meu corpo, e sua boca está sobre mim, lambendo, chupando, mordendo cada polegada da minha carne. Sua mão esquerda encontra o seu caminho entre as minhas coxas, e um dedo grande empurra para dentro de mim, me fazendo ofegar quando ele impiedosamente vai dentro e fora do meu sexo molhado, tremente. Ele é duro, mas o calor dentro de mim só se intensifica, e eu passo minhas unhas pelas costas dele, desesperada por mais à medida que rolamos na cama, indo para o outro como animais. Eu acabo nas minhas costas, presa por seu corpo musculoso, meus braços esticados acima da minha cabeça e meus pulsos apanhados nas garras de ferro da sua mão direita. É uma posição de conquista, mas o meu

A N N A

Z A I R E S


coração bate com antecipação, ao invés de medo, ao ver o olhar de fome predatória em seu rosto. "Eu vou te foder", diz ele duramente, joelhos entre as minhas coxas e espalhando-as abertas. Não há nenhuma sedução em sua voz agora, só o que importa é a necessidade agressiva. "Eu vou te foder até que implore por misericórdia, e então eu vou te foder mais. Você me entende?" Eu consigo dar um pequeno aceno, meu peito arfante conforme eu olho para ele. Minha respiração em fôlegos rápidos e fortes, e minha pele queima onde seu corpo me toca. Por um momento, eu posso sentir o comprimento latejante de sua ereção roçando o interior da minha coxa, a cabeça larga suave e aveludada, e então ele agarra seu pau com a mão livre e orienta-o para minha entrada. Estou molhada, mas nem de longe pronta para o impulso brutal com o qual ele junta nossos corpos, e um choque de dor corre nas minhas terminações nervosas quando ele bate em mim, quase me dividindo ao meio. Um grito escapa da minha garganta e meus músculos internos apertam, resistindo a penetração viciosa, mas ele não me dá qualquer momento para me ajustar. Em vez disso, ele define um ritmo forte, duro, me tomando com uma violência que me deixa abalada e sem fôlego, incapaz de fazer qualquer coisa, além de aceitar o movimento incessante no meu corpo. Eu não sei quanto tempo ele me fode assim, ou quantas vezes eu gozo com a força de seus impulsos. Tudo o que sei é que no momento em que ele atinge o seu clímax, tremendo em cima de mim, eu estou rouca de tanto gritar e tão ferida que dói quando ele puxa para fora de mim, a umidade de seu sêmen ardendo na minha carne esfolada. Eu também estou muito desgastada para me mover, então ele se levanta e vai para o banheiro, voltando com uma toalha fria e molhada. Pressionando-a contra meu sexo inchado, ele gentilmente me limpa, em seguida, vai para baixo em mim, seus lábios e língua, forçando meu corpo exausto a outro orgasmo. E então dormimos, entrelaçados nos braços um do outro.

A N N A

Z A I R E S


Na manhã seguinte eu acordo quando o sol toca o meu rosto. Eu deliberadamente deixei as cortinas abertas na noite passada, querendo começar cedo o dia. A luz funciona melhor do que qualquer alarme comigo, e é muito menos prejudicial para Nora, que está dormindo envolta em meu peito. Por alguns minutos, eu só fico ali, deleitando-me com a sensação de sua pele quente pressionada contra a minha, nas exalações suaves de sua respiração e na forma como seus longos cílios parecem como crescentes escuros em suas bochechas. Eu nunca tinha querido dormir com uma mulher antes dela, nunca tinha entendido o apelo de ter outra pessoa em sua cama para nada, mas porra. Foi só quando eu adquiri a minha prisioneira que eu aprendi o simples prazer de cair no sono, mantendo seu pequeno corpo macio... de senti-la ao meu lado durante toda a noite. Respirando fundo, eu gentilmente tiro Nora de cima de mim. Eu preciso levantar, embora a tentação de ficar lá e não fazer nada é forte. Ela não acorda quando eu sento, só rola para o lado dela e continua a dormir, o cobertor saindo do seu corpo e deixando suas costas, em grande parte, expostas ao meu olhar. Incapaz de resistir, eu me inclino para beijar um ombro esguio e noto alguns arranhões e contusões estragando sua pele lisa – marcas que eu devo ter infligido a ela ontem à noite. Me acende, os ver sobre ela. Eu gosto da ideia de marcar ela, de alguma forma, de deixar sinais de minha posse em sua carne delicada. Ela

A N N A

Z A I R E S


já usa meu anel, mas não é suficiente. Eu quero mais. Com cada dia que passa, a minha necessidade por ela cresce, a minha obsessão se intensifica, ao invés de diminuir com o tempo. Isso me perturba, esse desenvolvimento. Eu tinha esperança de que ver Nora todos os dias e tê-la como minha esposa iria acabar com essa fome desesperada que sinto por ela o tempo todo, mas justamente o oposto parece estar acontecendo. Eu me ressinto cada minuto que eu passo longe dela, cada momento que eu não estou tocando ela. Assim como com qualquer vício, eu pareço necessitar de doses cada vez maiores da minha droga escolhida, a minha dependência é crescente até que eu estou constantemente desejando minha próxima dose. Eu não sei o que eu faria se eu a perdesse. É um medo que me faz acordar com um suor frio à noite e assalta minha mente em momentos aleatórios ao longo do dia. Eu sei que ela está segura aqui na propriedade – nada menos do que um ataque direto por um exército inteiro pode penetrar a minha segurança – mas eu ainda não posso deixar de me preocupar, não posso evitar, temendo que ela vá ser tirada de mim de alguma forma. É uma loucura, mas estou tentado a mantê-la acorrentada ao meu lado em todos os momentos, assim saberia que ela está bem. Lançando um último olhar para a sua forma dormindo, levanto-me tão silenciosamente como eu posso e vou para o chuveiro, forçando os meus pensamentos longe da minha obsessão. Vou ver Nora novamente esta noite, mas primeiro, há uma entrega à noite que requer a minha atenção. Conforme minha mente volta-se para a próxima tarefa, eu sorrio com a antecipação sombria. Meus prisioneiros do Al-Quadar estão esperando.

Lucas os tinha levado a um galpão de armazenamento na extremidade mais distante da propriedade. A primeira coisa que noto conforme eu caminho é o fedor. É uma combinação acre de suor, sangue, urina e desespero. Ele me diz que Peter já trabalhou duro essa manhã.

A N N A

Z A I R E S


Conforme os meus olhos se acostumam com a luz fraca no interior do galpão, vejo que dois dos homens estão presos a cadeiras de metal, enquanto o terceiro está suspenso em um gancho no teto, pendurado por uma corda unindo seus pulsos acima de sua cabeça. Todos os três estão cobertos de sujeira e sangue, o que torna difícil dizer a sua idade ou nacionalidade. Eu me aproximo de um dos sentados primeiro. Seu olho esquerdo está fechado por conta do inchaço, e os seus lábios entumecidos e incrustados com sangue. Seu olho direito, no entanto, está fixado em mim com fúria e desafio. Um jovem, eu decido, estudando-o mais de perto. Vinte e poucos anos ou adolescente, com uma tentativa de um começo de barba e cabelo preto, aparado e curto. Eu duvido que ele seja mais do que um soldado de infantaria, mas eu ainda pretendo interrogá-lo. Mesmo peixes pequenos podem, ocasionalmente, engolir pedaços de informações e, em seguida, regurgita-las quando solicitado corretamente. "Seu nome é Ahmed," uma voz profunda, com leve sotaque diz atrás de mim. Virando, eu vejo Peter ali de pé, com o rosto tão inexpressivo como sempre. O fato de que eu não o vi de imediato não me surpreende; Peter Sokolov se destaca por espreitar nas sombras. "Ele foi recrutado há seis meses no Paquistão." Um peixe ainda menor desapontado, mas não surpreso.

do

que

eu

esperava,

então.

Estou

"E quanto a esse?" Eu pergunto, caminhando para o outro homem em uma cadeira. Ele parece um pouco mais velho, mais perto de trinta anos, seu rosto magro barbeado. Como Ahmed, ele foi agredido um pouco, mas não há nenhuma fúria em seu olhar quando ele olha para mim. Há apenas ódio gelado. "John, também conhecido como Yusuf. Nascido nos Estados Unidos de imigrantes palestinos, recrutados pela Al-Quadar há cinco anos. Isso é tudo que eu tirei desse até agora", Peter diz, apontando para o homem pendurado no gancho. "O próprio John não falou comigo ainda." "Claro." Eu fico olhando para John, interiormente satisfeito com esse desenrolar dos acontecimentos. Se ele é treinado para suportar uma quantidade significativa de dor e tortura, então ele é, pelo menos, alguém de

A N N A

Z A I R E S


nível médio na operação. Se conseguirmos quebrar ele, estou certo de que seremos capazes de obter algumas informações valiosas. "E este é Abdul." Peter gesticula na direção do homem pendurado. "Ele é primo de Ahmed. Supostamente, ele se juntou a Al-Quadar na semana passada". Semana passada? Se isso for verdade, o homem é inútil. Franzindo a testa, eu ando até ele para dar uma olhada. Com a minha abordagem, ele fica tenso, e eu vejo que seu rosto é um enorme hematoma, inchado. Ele também cheira a urina. Conforme eu paro na frente dele, ele começa a balbuciar em árabe, sua voz cheia de medo e desespero. "Ele diz que nos disse tudo o que sabe." Peter vem para ficar ao meu lado. "Afirma que ele só se juntou a seu primo porque prometeu dar a sua família duas cabras. Jura que não é um terrorista, nunca quis machucar ninguém em sua vida, não tem nada contra a América, etcetera, etcetera". Eu aceno, tendo percebido isso eu mesmo. Eu não falo árabe, mas eu entendo um pouco dele. Um sorriso frio se estende em meus lábios enquanto eu pego um canivete suíço do meu bolso de trás e puxo uma pequena lâmina. À vista da faca, Abdul puxa freneticamente as cordas que o prendem, e suas desculpas crescem em volume. Ele é claramente tão verde como parece – o que me deixa inclinado a acreditar que ele está dizendo a verdade sobre não saber nada. Não importa, porém. Tudo que eu preciso dele é informação, e se ele não pode fornecê-la, ele é um homem morto. "Tem certeza de que não sabe mais nada?" Pergunto-lhe, lentamente, girando a faca entre os dedos. "Talvez algo que você possa ter visto, ouvido, se deparado? Quaisquer nomes, rostos, qualquer coisa desse tipo?" Peter traduz a minha pergunta, e Abdul balança a cabeça, lágrimas e ranho escorrendo pelo rosto golpeado e ensanguentado. Ele balbucia um pouco mais, algo sobre conhecer apenas John, Ahmed, e os homens que foram mortos durante a sua captura ontem. Com o canto do meu olho, eu vejo Ahmed olhando para ele, sem dúvida desejando que seu primo mantenha a boca fechada, mas John não parece alarmado com a diarreia verbal de Abdul. A falta de preocupação de John só confirma o que meus instintos estão me dizendo: que Abdul está dizendo a verdade sobre não saber mais nada.

A N N A

Z A I R E S


Como se lendo minha mente, Peter chega perto de mim. "Você quer fazer as honras, ou eu deveria?" Seu tom é casual, como se ele estivesse me oferecendo um copo de café. "Eu faço isso", eu respondo da mesma maneira. Não há espaço para a suavidade no meu negócio, não há lugar para sentimentalismo. A culpa ou a inocência de Abdul não importa; aliou-se com os meus inimigos e, ao fazêlo, assinou sua própria sentença de morte. A única misericórdia que vou conceder-lhe é a de um fim rápido pela miséria de sua existência. Ignorando os pedidos aterrorizados do homem, eu passo a minha lâmina em toda a garganta de Abdul, então dou um passo para trás, vendo como ele sangra. Quando isso acaba, eu limpo a faca na camisa do homem morto e me volto para os dois prisioneiros restantes. "Tudo bem", eu digo, dando-lhes um sorriso plácido. "Quem é o próximo?"

Para meu aborrecimento, é preciso a maior parte da manhã para quebrar Ahmed. Para um novo recruta, ele é surpreendentemente resistente. Ele finalmente desiste, é claro, todos eles o fazem, e eu sei o nome do homem que atua como um intermediário entre o seu celular e outro que é administrado por um líder mais sênior. Eu também descubro sobre um plano para explodir um ônibus de turismo em Tel-Aviv 4 – informação que os meus contatos no governo israelense vão achar bastante útil. Eu deixei John assistir todo o processo, até o momento de Ahmed dar seu último suspiro. Mesmo que John possa ser treinado para resistir a tortura, eu duvido que ele esteja psicologicamente preparado para ver seu colega ser cortado pedaço por pedaço, o tempo todo sabendo que ele, John, vai ser o próximo. Poucas pessoas são capazes de manter a calma em uma situação como essa, e eu sei que John não é um deles quando eu pego o seu olhar indo para o chão durante um momento particularmente horrível. Ainda assim, eu sei que vai nos levar pelo menos algumas horas para 4

Tel-Aviv ou Telavive é a segunda maior cidade de Israel.

A N N A

Z A I R E S


extrair algo dele, e eu não posso negligenciar meu negócio pelo resto do dia. John terá que esperar até esta tarde, depois que eu tiver almoçado e resolvido alguns trabalhos. "Eu posso começar se você quiser," Peter diz quando eu lhe digo isso. "Você sabe que eu posso fazer isso sozinho." Eu sei disso. No ano em que ele trabalhou para mim, Peter provou ser mais do que capaz nessa área. No entanto, eu prefiro praticar sempre que possível; Na minha linha de trabalho, micro gerenciar muitas vezes compensa. "Não, está tudo bem", eu digo. "Por que você não dá uma pausa para o almoço também? Vamos retomar isso às três." Peter balança a cabeça, em seguida, desliza para fora do galpão, sem sequer lavar o sangue de suas mãos. Eu sou mais exigente sobre essas questões, então eu caminho até um balde de água ao lado da parede e lavo o pior do resíduo sangrento das minhas mãos e rosto. Pelo menos eu não preciso me preocupar com a minha roupa; Eu deliberadamente usava uma camiseta e calções pretos hoje, assim as manchas não seriam visíveis. Dessa forma, se eu me deparar com Nora antes de eu ter uma chance de me trocar, não vou dar a ela pesadelos. Ela sabe o que eu sou capaz de fazer, mas saber e ver são duas coisas muito diferentes. Minha pequena esposa ainda é inocente em alguns aspectos, e eu quero que ela mantenha o máximo da inocência possível. Eu não a vejo no meu caminho para casa, o que é provavelmente melhor. Eu sempre me sinto mais feral imediatamente após uma matança, nervoso e animado ao mesmo tempo. Isso costumava me incomodar, esse prazer que eu tenho por coisas que horrorizam a maior parte das pessoas, mas eu já não me preocupo com isso. É quem eu sou, quem eu fui treinado para ser. Insegurança leva à culpa e arrependimento, e eu me recuso a ter essas emoções inúteis. Uma vez dentro da casa, eu tomo um banho completo e visto roupas frescas. Então, sentindo-me muito mais limpo e mais calmo, eu vou até a cozinha para fazer um almoço rápido. Ana não está lá quando eu entro, então faço um sanduíche e sento para comer na mesa da cozinha. Eu tenho meu iPad comigo, e pela próxima

A N N A

Z A I R E S


meia hora, eu lido com problemas de fabricação na minha fábrica na Malásia, falo com o meu fornecedor de Hong Kong, e mando um e-mail para o meu contato em Israel sobre o próximo bombardeio. Quando eu termino o almoço, eu ainda tenho uma série de telefonemas para fazer, assim eu vou para o meu escritório, onde eu tenho linhas seguras de comunicação. Eu me deparo com Nora na varanda quando eu saio da casa. Ela está subindo as escadas, conversando e rindo com Rosa. Vestida com um vestido amarelo justo, com seu cabelo solto e escorrendo por suas costas, ela se parece com um raio de sol, seu sorriso largo e radiante. Me vendo, ela pára no meio da escada, seu sorriso se tornando um pouco tímido. Gostaria de saber se ela está pensando sobre a noite passada; meus próprios pensamentos, certamente, seguiram essa direção, logo que eu a vi. "Oi", ela diz baixinho, olhando para mim. Rosa para também, inclinando a cabeça para mim respeitosamente. Dou-lhe um breve aceno de reconhecimento antes de me concentrar em Nora. "Olá, meu animal de estimação". As palavras saem involuntariamente roucas. Aparentemente sentindo que ela está no caminho, Rosa murmura algo sobre a necessidade de ajudar na cozinha e escapa para a casa, deixando Nora e eu sozinhos na varanda. Nora sorri com a partida de sua amiga, então sobe os degraus restantes para ficar ao meu lado. "Eu recebi o pacote de orientação de Stanford esta manhã e já me inscrevi para todas as classes", diz ela, com a voz cheia de emoção mal contida. "Eu devo dizer, eles trabalham rápido." Eu sorrio para ela, sentindo prazer em vê-la tão feliz. "Sim, eles o fazem." E eles devem – dada a generosa doação de uma das minhas empresas de fachada feitas para o seu fundo de ex-alunos. Por três milhões de dólares, espero que o escritório de admissões de Stanford se dobre para a minha esposa. "Eu vou ligar para os meus pais esta noite." Seus olhos estão brilhando. "Oh, eles vão ser ficar tão surpresos..." "Sim, eu tenho certeza", eu digo secamente, imaginando a reação de Tony e Gabriela para isso. Eu escutei um pouco mais das conversas de

A N N A

Z A I R E S


Nora com eles, e eu sei que eles não acreditaram em mim quando eu disse que Nora iria ter uma boa educação. Será útil para os meus novos sogros saberem que eu mantenho minhas promessas – que eu estou falando sério quando se trata de cuidar de sua filha. Não vai mudar a sua opinião sobre mim, é claro, mas pelo menos eles vão ficar um pouco mais calmos sobre o futuro da Nora. Nora sorri de novo, provavelmente imaginando a mesma coisa, mas então sua expressão se transforma, inesperadamente, ficando sombria. "Então, eles já chegaram?", Ela pergunta, e eu ouço um traço de hesitação na voz. "Os homens Al-Quadar que você capturou?" "Sim." Eu não me incomodo em dourar a pílula. Eu não quero traumatiza-la, deixando-a ver esse lado da minha vida, mas eu não vou esconder sua existência dela também. "Eu comecei a interrogá-los." Ela olha para mim, sua excitação anterior desparecida. "Oh, eu entendo." Seus olhos percorrem meu corpo, demorando-se nas minhas roupas limpas, e eu estou contente que tomei a precaução de tomar banho e me trocar mais cedo. Quando ela levanta os olhos para encontrar meu olhar, há um olhar peculiar em seu rosto. "Então você descobriu alguma coisa útil?", Ela pergunta baixinho. "Ao interrogá-los, quero dizer?" "Sim, eu fiz", eu digo lentamente. Surpreende-me que ela é curiosa sobre isso, que ela não está agindo chocada como eu teria esperado. Eu sei que ela odeia Al-Quadar pelo que eles fizeram com Beth, mas eu ainda teria esperado que ela se assustasse com o pensamento de tortura. Um sorriso repuxa em meus lábios enquanto eu me pergunto o quão escuro meu animal de estimação está disposto a ser nesses dias. "Você quer que eu fale sobre isso?" Ela me surpreende novamente acenando com a cabeça. "Sim", ela diz calmamente, segurando meu olhar. "Diga-me, Julian. Eu quero saber."

A N N A

Z A I R E S


Eu não sei que demônio me levou a dizer isso, e eu prendo a respiração, esperando que Julian ria de mim e se recuse. Ele nunca esteve interessado em me dizer muito sobre o seu negócio, e embora ele tenha se aberto para mim desde o seu retorno, fico com a sensação de que ele ainda está tentando me proteger das partes mais feias de seu mundo. Para minha surpresa, ele não recusa ou zomba de mim de qualquer maneira. Em vez disso, ele me oferece a mão. "Tudo bem, meu animal de estimação", diz ele, um sorriso enigmático jogando em seus lábios. "Se você gostaria de saber, venha comigo. Tenho alguns telefonemas para fazer." Meu coração batendo, eu experimentalmente coloco minha mão na sua e o deixo levar-me a descer as escadas. À medida que caminhamos para o pequeno edifício que serve como escritório de Julian, não posso deixar de me perguntar se estou cometendo um erro. Estou pronta para desistir do conforto questionável da ignorância e mergulhar na fossa obscura do império de Julian? Sinceramente, eu não tenho ideia. No entanto, eu não paro, não digo a Julian que eu mudei de ideia... porque eu não mudei. Porque no fundo, eu sei que enterrar a cabeça na areia, não muda nada. Meu marido é um criminoso perigoso, poderoso, e minha falta de conhecimento sobre as suas atividades não altera o fato de que eu estou suja por associação. Por vontade de entrar em seus braços todas as noites, por amá-lo, apesar de tudo que ele fez – estou aprovando implicitamente as suas ações, e eu não sou ingênua o suficiente para

A N N A

Z A I R E S


pensar o contrário. Eu posso ter começado sendo vítima de Julian, mas eu não sei se eu posso reivindicar mais essa duvidosa distinção. Com seringa ou não, eu fui com ele sabendo muito bem o que era e para que tipo de vida eu estava indo. Além disso, uma curiosidade escura está me impulsionando agora. Eu quero saber o que ele soube esta manhã, que tipo de informação seus métodos brutais trazem a ele. Eu quero saber sobre as chamadas de telefone que ele está planejando fazer e para quem ele está planejando falar. Eu quero saber tudo que há para saber sobre Julian, não importa o quanto a realidade de sua vida me horrorize. Quando chegamos até o prédio de escritórios, vejo que a porta é feita de metal. Assim como na ilha, Julian abre submetendo-se a uma digitalização de retina, uma medida de segurança que já não me surpreende. Dado o que eu sei agora sobre os tipos de armas que a empresa de Julian produz, sua paranoia parece bastante justificada. Nós vamos para dentro, e eu vejo que é uma sala imensa, com uma enorme mesa oval perto da entrada e uma ampla mesa de trabalho com um monte de telas de computador na parte de trás. Monitores de TV de tela plana revestem as paredes, e há cadeiras confortáveis de couro em volta da mesa. Tudo parece muito high-tech e luxuoso. Para mim, o escritório de Julian parece uma mistura entre uma sala de conferências de um executivo e algum lugar que eu imagino que a CIA se reúne para traçar estratégias. Conforme eu fico lá, de boca aberta para tudo, Julian coloca as mãos sobre os meus ombros por trás. "Bem vinda ao meu lar", ele murmura, os dedos dando um aperto por um breve momento. Então ele me deixa e caminha para se sentar atrás da mesa. Eu o sigo até lá, impulsionada pela curiosidade. Há seis monitores de computador na mesa. Três deles estão mostrando o que parece ser uma transmissão ao vivo de várias câmeras de vigilância, e dois são preenchidos com diferentes gráficos e números piscando. O último computador é o mais próximo de Julian, e ele está exibindo algum tipo de programa de e-mail de aparência incomum. Intrigada, eu dou um olhar mais atento, tentando descobrir o que estou vendo. "Você está monitorando seus investimentos?" Eu pergunto,

A N N A

Z A I R E S


olhando para os dois computadores com os números piscando. Estou longe de ser um guru de ações, mas eu vi um par de filmes sobre Wall Street, e a configuração de Julian me lembra as mesas que os homens tinham lá. "Você poderia dizer isso." Quando me viro para olhar para ele, Julian se recosta na cadeira e sorri para mim. "Uma das minhas subsidiárias é um tipo de fundo de cobertura. Ela mexe com tudo, desde moedas até o petróleo, com foco em situações especiais e eventos geopolíticos. Eu tenho algumas pessoas muito qualificadas trabalhando nisso, mas acho esse material bastante interessante e, ocasionalmente, gosto de jogar com ele eu mesmo." "Oh, entendi..." Eu olho para ele, fascinada. Esse é um outro lado de Julian que eu não conhecia. Eu me pergunto quantas camadas a mais eu vou descobrir com o tempo. "Então, para quem você está planejando ligar?" Eu pergunto, lembrando-o dos telefonemas que ele mencionou anteriormente. O sorriso de Julian se alarga. "Venha aqui, baby, sente-se", diz ele, estendendo a mão para pegar meu pulso. Antes que eu perceba, ele tem me sentada em seu colo, os braços efetivamente me enjaulam entre o peito e a borda da mesa. "Basta sentar aqui e ficar quieta", ele sussurra em meu ouvido, e rapidamente digita algo em seu teclado, enquanto eu me sento lá, respirando seu aroma quente e sentindo seu corpo rígido em torno de mim. Ouço alguns sinais sonoros, em seguida, uma voz de homem vem do computador. "Esguerra. Eu estava me perguntando quando você entraria em contato." O orador tem um sotaque americano e uma dicção educada, um pouco abafada. Imagino imediatamente um homem de meia-idade em um terno. Um burocrata de algum tipo, mas um sênior, a julgar pela confiança em sua voz. Um dos contatos no governo de Julian, talvez? "Eu suponho que os nossos amigos israelenses já o atualizaram", diz Julian. Segurando minha respiração, eu ouço atentamente, não querendo perder nada. Eu não sei por que Julian decidiu me explicar dessa forma, mas eu não vou perder isso.

A N N A

Z A I R E S


"Eu não tenho muito a acrescentar", Julian continua. "Como você já sabe, a operação foi um sucesso, e agora tenho um par de detidos nos quais estou trabalhando para ter informações." "Sim, nós ouvimos isso." Há um silêncio por um segundo, em seguida, o homem diz: "Gostaríamos de ouvir esse tipo de notícia em primeiro lugar na próxima vez. Teria sido bom se os israelenses tivessem ouvido falar do ataque ao ônibus por nós, ao invés de você." "Oh, Frank..." Julian suspira, passando o braço em volta da minha cintura e me deslocando ligeiramente para a esquerda. Sentindo-me fora de equilíbrio, eu agarro o braço de Julian, tentando não fazer nenhum som, enquanto ele me instala mais confortavelmente em sua perna. "Você sabe como essas coisas funcionam. Se você gostaria de ser o único a informar os israelenses, eu preciso de algo mais para adoçar o negócio". "Nós já limpamos todos os vestígios de sua desventura com a menina," Frank diz uniformemente, e eu fico tensa, percebendo que ele está se referindo à minha abdução. Desventura? Sério? Por um segundo, uma fúria irracional sobe através de mim, mas então eu tomo uma respiração calmante e me lembro que eu realmente não quero Julian punido pelo que ele fez para mim, não se isso significar ser separada dele novamente. Ainda assim, estaria tudo bem se tivessem, pelo menos, reconhecido que Julian cometeu um crime, ao invés de chamá-lo de uma maldita 'desventura'. É estúpido, mas eu me sinto desrespeitada de alguma forma, como se eu nem sequer importasse. Alheio à minha perturbação sobre a sua escolha de palavras, Frank continua, "Não há nada mais que possamos dar-lhe nesse ponto-" "Na verdade, você pode", interrompe Julian. Ainda me segurando, ele acaricia meu braço em um gesto calmante e possessivo. Como de costume, o seu toque me aquece por dentro, tira um pouco da minha tensão. Ele provavelmente entende porque eu estou chateada; não importa como você o faça, é um insulto ter o seu sequestro falado tão casualmente. "Que tal um pouco de olho por olho?" Julian continua suavemente, dirigindo-se a Frank. "Eu os deixo ser os heróis da próxima vez, e você me deixa entrar em alguma ação com a Síria. Eu tenho certeza que existem

A N N A

Z A I R E S


alguns boatos que você gostaria de vazar... e eu adoraria ser o único a ajudá-lo." Há um outro momento de silêncio, em rispidamente, "Bom. Considere isso feito."

seguida,

Frank

diz

"Excelente. Até a próxima vez, então," Julian diz e, avançando, clica no canto da tela para desligar a chamada. Assim que ele o faz, eu giro em torno dos braços de Julian para olhar para ele. "Quem era aquele homem?" "Frank é um dos meus contatos na CIA", Julian responde, confirmando a minha suposição anterior. "Um burocrata, mas um que é muito bom no seu trabalho." "Ah, eu pensei isso." Começando a me sentir inquieta, eu empurro o peito de Julian, com a necessidade de me levantar. Ele me libera, observando com um leve sorriso quando eu dou um par de passos, em seguida, sustento meu quadril contra a mesa e dou-lhe um olhar interrogativo. "O que foi aquilo sobre israelenses e um ônibus? E sobre Síria?" "De acordo com um dos meus convidados da Al-Quadar, há um ataque planejado em um ônibus em Tel-Aviv," Julian explica, inclinando-se para trás na cadeira. "eu notifiquei o Mossad - a agência de inteligência israelense – sobre isso hoje mais cedo." "Oh." Eu franzo a testa. "Então, por que Frank objetou sobre isso?" "Porque os americanos têm um complexo de heróis ou, pelo menos, gostam que os israelenses pensem assim. Eles querem que essas informações sejam provenientes deles em vez de mim, de modo que o Mossad lhes deva um favor." "Ah, eu entendo." E eu o faço. Eu estou começando a entender como esse jogo funciona. No mundo sombrio das agências de inteligência e da política confidencial, favores são como moeda – e meu marido é rico em mais de uma maneira. Rico o suficiente para garantir que ele nunca iria ser processado por crimes menores, como sequestro ou tráfico ilegal de armas. "E você quer que Frank lhe dê algumas informações para vazar para a Síria, para que eles lhe devam um favor, certo?"

A N N A

Z A I R E S


Julian sorri para mim, os dentes brancos piscando. "Sim, de fato. Você aprende rápido, meu animal de estimação". "Por que você decidiu deixar-me ouvir hoje?" Eu pergunto, olhando-o com curiosidade. "Por que hoje de todos os dias?" Em vez de responder, ele se levanta e vem na minha direção. Parando ao meu lado, ele se inclina para frente e coloca as mãos sobre a mesa em ambos os lados do meu corpo, prendendo-me novamente. "Por que você acha, Nora?", Ele murmura, inclinando-se mais perto. Sua respiração é quente contra minha bochecha, e seus braços são como vigas de aço que me cercam. Faz-me sentir como um pequeno animal preso em uma armadilha – uma sensação perturbadora de ser caçada que, todavia, me excita. "Por que nós somos casados?" Eu arrisco em uma voz incerta. Seu rosto está a poucos centímetros do meu, e a parte inferior da minha barriga aperta conforme com uma forte onda de excitação quando ele empurra os quadris para frente, deixando-me sentir sua ereção endurecendo. "Sim, querida, porque nós somos casados", diz ele com voz rouca, os olhos escurecendo com o desejo conforme meus mamilos repicam contra seu peito, "e porque eu acho que você não é tão frágil como parece..." E baixando a cabeça, ele capta a minha boca em um beijo faminto, possessivo, suas mãos deslizando para cima das minhas coxas com uma intenção familiar.

Ao longo dos próximos dias, eu aprendo mais sobre o império escuro de Julian e começo a entender o quão pouco a maioria das pessoas sabe sobre o que acontece nos bastidores. Nada do que eu ouço no escritório de Julian aparece no noticiário... porque, se o fizesse, cabeças iriam rolar, e algumas pessoas muito importantes iriam acabar na cadeia. Divertindo-se com o meu contínuo interesse, Julian me deixa ouvir mais conversas. Uma vez eu até mesmo começo a assistir a uma conferência de vídeo do fundo da sala, onde não posso ser vista pela câmera. Para minha surpresa, eu reconheço um dos homens no vídeo. É

A N N A

Z A I R E S


um proeminente general dos EUA – alguém que eu vi um par de vezes em talk shows populares. Ele quer que Julian mova suas operações de fabricação da Tailândia por medo de que a instabilidade política na região possa inviabilizar o próximo embarque do novo explosivo da remessa que deve ir para o governo dos Estados Unidos. Meu ex-captor não tinha mentido quando disse que tem conexões; se alguma coisa, ele tinha subestimado a extensão de seu alcance. Claro, políticos, líderes militares e outros da sua laia são apenas uma pequena fração das pessoas com quem Julian lida em uma base diária. A maior parte de suas interações são com clientes, fornecedores e vários intermediários do submundo, indivíduos normalmente assustadores de todo o mundo. Seus conhecidos variam entre a máfia da Rússia e rebeldes da Líbia e ditadores obscuros em países africanos. Quando se trata de venda de armas, o meu marido é muito igualitário. Terroristas, barões da droga, governos legítimos, ele faz negócios com todos eles. Mexe com meu estômago, mas eu não consigo me forçar a sair do escritório de Julian. Todo dia eu o sigo para lá, movida pela curiosidade mórbida. É como assistir a algum tipo de exposição à paisana; as coisas que aprendo são ao mesmo tempo fascinantes e perturbadoras. Julian leva três dias, mas ele consegue quebrar o último prisioneiro do Al-Quadar. Como, ele não me diz e eu não pergunto. Eu sei que é por meio de tortura, mas eu não sei os detalhes. Eu só sei que a informação que ele extrai resultada em Julian localizar mais duas células do Al-Quadar e a CIA lhe deve outro favor. Agora que Julian decidiu me deixar entrar nessa parte de sua vida, passamos mais tempo juntos. Ele gosta de me ter em seu escritório. Não só é conveniente para quando ele quer sexo, que é pelo menos uma vez durante o dia, mas ele também parece desfrutar da velocidade com a qual eu estou aprendendo. Sou afiada, diz ele. Intuitiva. Eu vejo as coisas como elas são e não como eu quero que eles sejam, um dom raro, de acordo com Julian. "A maioria das pessoas tapa os olhos", ele me diz durante o almoço um dia", mas não você, meu animal de estimação. Você enfrenta a realidade de frente... e é isso que permite que você veja abaixo da superfície."

A N N A

Z A I R E S


Agradeço o elogio, mas por dentro eu me pergunto se é necessariamente uma coisa boa, ver abaixo da superfície assim. Se eu pudesse fingir para mim mesma que no fundo, Julian é um homem bom, que ele é simplesmente mal entendido e que pode ser mudado, seria muito mais fácil para mim. Se eu fosse cega à natureza do meu marido, eu não me sentiria tão em conflito sobre meus sentimentos por ele. Eu não me preocuparia que eu esteja apaixonada pelo diabo. Mas eu o vejo pelo que ele é, um demônio disfarçado de um homem bonito, um monstro usando uma máscara bonita. E eu me pergunto se isso significa que eu sou um monstro também... que eu sou má por amá-lo. Eu gostaria de ter Beth para conversar sobre isso. Eu sei que ela não era exatamente uma especialista em normal, mas eu ainda sinto falta de suas opiniões heterodoxas sobre as coisas, a maneira como ela poderia transformar tudo em sua cabeça e fazer algum tipo de sentido torcido. Eu tenho certeza que eu sei o que ela diria em relação à minha situação. Ela iria me dizer que eu tenho sorte de ter alguém como Julian – que estamos destinados a ficar juntos e todo o resto é besteira. E ela provavelmente estaria certa. Quando relembro aqueles meses solitários, vazios, antes de Julian retornar, quando tive minha liberdade e a vida normal, mas não o tinha – todas as minhas dúvidas desaparecem. Não importa o que ele é ou o que ele faz, eu preferiria morrer a passar por esse sofrimento de esmagamento de alma novamente. Para melhor ou pior, eu já não sou completa sem Julian, e nenhuma quantidade de auto-flagelação pode alterar esse fato.

Uma semana após a conversa de Julian com Frank, eu bato na porta de metal pesado e espero ele me deixar entrar. Eu tinha passado a manhã andando com Rosa e me preparando para as minhas próximas aulas, enquanto Julian entrou sem mim para cuidar de alguma papelada em suas contas offshore. Aparentemente, até mesmo senhores do crime têm de lidar com impostos e questões legais; parece ser um mal universal que ninguém pode evitar.

A N N A

Z A I R E S


Quando a porta se abre, estou surpresa de ver um homem alto, de cabelos escuros sentado do outro lado da grande mesa oval de Julian. Ele parece estar em seus trinta e poucos anos, apenas alguns anos mais velho do que o meu marido. Eu o vi caminhando ao redor da propriedade antes, mas eu nunca tive uma oportunidade de interagir com ele em pessoa. De longe, ele me fez lembrar de um predador elegante, sombrio- impressão que só é reforçada pela forma como ele está olhando para mim agora, seus olhos cinzentos seguindo cada movimento meu com uma mistura peculiar de vigilância e indiferença. "Entre, Nora," Julian diz, apontando para mim se juntar a eles. "Este é Peter Sokolov, o nosso consultor de segurança." "Oh, Olá. É muito bom conhecê-lo." Caminhando para a mesa, eu dou a Peter um sorriso cauteloso quando me sento ao lado de Julian. Peter é um homem de boa aparência, com traços fortes e alto, maçãs do rosto exoticamente protuberantes, mas por alguma razão, ele faz com que o cabelo fino na parte de trás do meu pescoço se levante. Não é o que ele diz ou faz, ele acena com a cabeça para mim educadamente enquanto está sentado lá, sua pose enganosamente calma e relaxada, é o que eu vejo em seus olhos de aço de cor clara. Ira. Pura, ira não diluída. Eu sinto isso dentro de Peter, sinto que emana de seus poros. Não é raiva ou uma momentânea explosão de temperamento. Não, essa emoção é mais profunda do que isso. É uma parte dele, como seu corpo musculoso ou a cicatriz branca que corta sua sobrancelha esquerda. Por todo seu comportamento frio, cuidadosamente controlado, o homem é um vulcão mortal esperando para explodir. "Nós estávamos terminando," Julian diz, e eu percebo uma nota de desagrado em sua voz. Tirando meus olhos longe de Peter, eu vejo o tencionar de um músculo pequeno na mandíbula de Julian. Eu devo ter olhado para Peter durante muito tempo sem perceber, e meu marido interpretou mal o meu fascínio involuntário como interesse. Merda. Um Julian ciumento nunca é uma coisa boa. Na verdade, é uma coisa muito, muito ruim.

A N N A

Z A I R E S


Enquanto eu quebro minha cabeça tentando descobrir como resolver a situação, Peter se levanta. "Podemos retomar isso amanhã, se quiser", diz ele com calma, dirigindo-se a Julian. Eu não posso deixar de notar que ao contrário do restante das pessoas que trabalham na propriedade, Peter não defere para o meu marido. Em vez disso, ele fala com Julian como um igual, seu comportamento respeitoso, contudo totalmente auto-confiante. Eu pego um sotaque fraco do leste da Europa em seu discurso, e gostaria de saber de onde ele é. Polônia? Rússia? Ucrânia? "Sim", Julian diz, levantando-se também. Sua expressão ainda está escura, mas sua voz agora é lisa e uniforme. "Vejo você amanhã." Peter desaparece, deixando-nos sozinhos, e eu fico lentamente em pé, minhas mãos começam a suar. Eu não fiz nada de errado, mas convencer Julian disso não vai ser fácil. Sua possessividade beira a obsessão; às vezes eu fico surpresa que ele não me mantenha trancada em seu quarto, para que outros homens nunca me vejam. Com certeza, assim que a porta se fecha atrás de Peter, Julian dá passos em minha direção. "Você gostou do Peter, meu animal de estimação?", Ele diz suavemente, me encurralando com seu poderoso corpo até que eu sou forçada a encostar contra a mesa. "Você tem uma coisa por homens russos?" "Não." Eu balanço minha cabeça, segurando o olhar de Julian. Eu espero que ele possa ver a verdade no meu rosto. Peter pode ser bonito, mas ele também é assustador e o único homem assustador que eu quero é o que está olhando para mim agora. "Nem um pouco. Não é por isso que eu estava olhando para ele." "Não?" Os olhos de Julian estreitam quando ele segura meu queixo. "Por que, então?" "Ele me assustou," Eu admito, imaginando que a honestidade é a melhor política aqui. "Há algo nele que eu achei preocupante." Julian me estuda atentamente por um segundo, em seguida, libera meu queixo e dá uns passos para trás, fazendo-me soltar um suspiro aliviado. Tempestade evitada.

A N N A

Z A I R E S


"Perspicaz como sempre," ele murmura, sua voz segurando uma nota triste de diversão. "Sim, você está certa, Nora. Há de fato algo perturbador sobre Peter ". "Qual é o seu problema?" Eu pergunto, a minha curiosidade desperta agora que Julian não está mais com raiva de mim. Sei que Julian não emprega rapazes certinhos, mas o que eu senti em Peter é diferente, mais volátil. "Quem é ele?" Julian me dá um pequeno sorriso triste e caminha para se sentar atrás de sua mesa. "Ele é um ex-Spetsnaz – Forças Especiais Russas. Ele foi um dos melhores até que sua esposa e filho foram mortos. Agora, ele quer vingança, e ele veio a mim na esperança de que eu possa ajudá-lo." Eu sinto um lampejo de piedade. Não é apenas raiva, na verdade; Peter também está cheio de tristeza e dor. "Ajuda-lo como?" Eu pergunto, encostando-me à mesa. O consultor de segurança de Julian não me parece alguém que iria precisar de ajuda em muitas coisas. "Para usar minhas conexões para obter-lhe uma lista de nomes. Aparentemente, houve alguns soldados da NATO 5 envolvidos, e o encobrimento está a uma milha de profundidade". "Oh." Eu fico olhando para Julian, sentindo-me desconfortável. Eu só posso imaginar o que Peter pretende fazer com os soldados. "Então você deu a ele essa lista?" "Ainda não. Eu estou trabalhando nisso. Muita dessa informação parece ser classificada, por isso não é fácil." "Você não pode pedir ao seu contato na CIA para ajudá-lo?" "Eu perguntei a ele. Frank está arrastando os pés, porque há alguns americanos nessa lista." Julian parece irritado por um breve segundo. "Ele vai me dar a lista, eventualmente, no entanto. Ele sempre faz. Eu só preciso ter algo que a CIA queira o suficiente."

Nato (North Atlantic Treaty Organization) ou Aliança do Atlântico Norte é uma aliança militar formada por diversos países, inclusive os Estados Unidos e a Rússia, que tem o objetivo de garantir a segurança militar no continente Europeu. Já esteve envolvida em várias guerras como a do Iraque e a guerra civil da Síria. 5

A N N A

Z A I R E S


"Sim, claro", murmuro. "um favor por um favor... É por isso que Peter está trabalhando para você? Porque você prometeu-lhe essa lista?" "Sim, esse é o nosso negócio." Julian sorri bruscamente. "Três anos de serviço leal em troca de obter-lhe esses nomes no final. Eu também lhe pago, é claro, mas Peter não se preocupa com dinheiro." "E o Lucas?" Eu pergunto, meus pensamentos se voltando para o braço direito de Julian. "Ele também tem uma história?" "Todo mundo tem uma história," Julian diz, mas ele parece distraído agora, sua atenção se desviando para a tela do computador. "Mesmo você, meu animal de estimação". E antes que eu possa questionar mais, ele se ocupa com e-mails, pondo fim à nossa discussão para o dia.

A N N A

Z A I R E S


As próximas semanas são o mais perto da felicidade doméstica que eu já experimentei. Tirando uma viagem de um dia para o México para uma negociação com o cartel de Juarez, eu gasto todo o meu tempo na propriedade com Nora. Com suas aulas começando, os dias de Nora estão cheios de livros, artigos e provas. Ela está tão ocupada que muitas vezes ela estuda até tarde da noite, uma prática que eu não gosto, mas não coloco um fim. Ela parece determinada a provar que ela pode dar conta, como os alunos que entraram para o programa de Stanford pelo seu próprio mérito, e eu não quero desencorajá-la. Eu sei que ela está fazendo isso em parte por seus pais – que continuam a se preocupar com seu futuro comigo, e em parte porque ela está gostando do desafio. Apesar do estresse, meu animal de estimação parece estar prosperando esses dias, com os olhos brilhantes de emoção e seus movimentos cheios de energia. Eu gosto disso. Eu gosto de vê-la feliz e confiante, contente com sua vida comigo. Embora o monstro dentro de mim ainda saia em busca de sua dor e medo, sua crescente força e resistência me atrai. Eu nunca quis quebrar ela, só fazê-la minha, e me agrada vê-la se tornar o meu jogo em mais de um sentido. Embora a escola consuma muito do seu tempo, Nora continua sua tutela com o Sr. Bernard, dizendo que ela acha relaxante desenhar e pintar. Ela também insiste que eu continue dando-lhe as aulas de auto-defesa e

A N N A

Z A I R E S


tiro duas vezes por semana, um pedido que eu sou mais do que feliz em cumprir, uma vez que nos dá mais tempo juntos. À medida que o treinamento progride, vejo que ela é melhor com armas do que com facas, embora ela seja surpreendentemente decorosa com ambos. Ela também está se tornando muito boa em certos movimentos de luta, seu pequeno corpo lento, mas seguramente, transformando-se em uma arma letal. Ela até conseguiu sangrar meu nariz uma vez, seu cotovelo afiado acertando a minha cara antes que eu tivesse a chance de bloqueá-la rápido. É uma conquista que deve ser motivo de orgulho, mas, é claro, sendo a boa menina que ela é, Nora ficou imediatamente horrorizada e com remorso. "Oh meu Deus, eu sinto muito!" Ela corre para mim, agarrando uma toalha para estancar o sangramento. Ela parece tão perturbada que começo a rir, embora meu nariz pulse como um filho da puta. Isso é o que eu ganho por me distrair durante o treinamento. Ela conseguiu me pegar de surpresa no momento em que eu estava olhando para seus seios e fantasiando sobre puxar para cima seu sutiã esportivo. "Julian! Por que você está rindo?" A voz de Nora sobe de tom quando ela pressiona a toalha na minha cara. "Você deve consultar um médico! Pode estar quebrado" "Está tudo bem, baby", eu a tranquilizo entre as séries de riso, levando a toalha de suas mãos trêmulas. "Eu posso prometer-lhe que estive pior. Se estivesse quebrado, eu saberia." Minha voz soa nasal devido a toalha pressionada contra o meu nariz, mas eu posso sentir a cartilagem com os dedos, e está em linha reta, sem danos. Vou ter um olho preto, mas é só. Se eu não tivesse desviado para a direita no último segundo, porém, seu movimento poderia ter esmagado meu nariz completamente, forçando fragmentos de osso no meu cérebro e me matado no local. "Não está bem!" Nora dá passos se distanciando, ainda parecendo extremamente chateada. "Eu poderia ter te machucado seriamente!" "Não teria merecido isso?" Eu digo, apenas em meia-provocação. Eu sei que há uma parte dela que ainda se ressente pela forma como eu a levei – que sempre vai ressentir-se de mim por isso. Se eu fosse ela, eu não iria pedir desculpas por me causar dor. Eu procuraria por oportunidades de chutar a minha bunda em qualquer chance que eu tivesse.

A N N A

Z A I R E S


Ela olha para mim, mas eu vejo que ela está começando a se acalmar agora que o choque imediato passou. "Provavelmente", diz ela em um tom mais calmo. "Mas isso não significa que eu quero que você sofra. Eu sou estúpida e irracional assim, como você vê." Eu sorrio para ela, baixando a toalha. O sangramento está quase no fim; como eu suspeitava, foi apenas um sucesso moderado. "Você não é estúpida," eu digo suavemente, dando um passo mais perto dela. Embora meu nariz ainda doa, há uma dor crescendo de novo em uma região muito mais baixa do meu corpo. "Você é exatamente como eu quero que você seja." "Com Lavagem cerebral e apaixonada pelo meu sequestrador?", ela pergunta secamente conforme eu chego até ela, deixando cair a toalha ensanguentada no chão. "Sim, exatamente", murmuro, tirando o sutiã esportivo para desnudar os seios pequenos, perfeitamente em forma. "E muito, muito fodível..." E quando eu a puxo para baixo no tapete, minha lesão é a última coisa em minha mente.

Conforme o semestre de Nora progride, nós desenvolvemos uma rotina. Eu costumo acordar antes dela e ir para uma sessão de treinamento com meus homens. Quando eu volto, ela está acordada, por isso, tomamos café da manhã, e então eu sigo para o escritório, enquanto Nora vai para uma caminhada com Rosa e assiste as palestras on-line. Depois de algumas horas, eu volto para a casa, e nós almoçamos juntos. Então eu volto para o meu escritório, e Nora atende o Monsieur Bernard para sua aula de arte ou se junta a mim no escritório, onde ela estuda em silêncio enquanto eu trabalho ou conduzo reuniões. Mesmo que ela pareça não estar prestando atenção nesses momentos, eu sei que ela o faz, porque muitas vezes ela me faz perguntas sobre os negócios no jantar. Não me importo com sua curiosidade, mesmo que eu saiba que ela silenciosamente condena o que eu faço. A ideia de que eu fornecer armas para os criminosos e os métodos frequentemente brutais que eu uso para

A N N A

Z A I R E S


manter o controle sobre o negócio são um anátema para Nora. Ela não entende que, se eu não fizesse isso, alguém faria, e o mundo não seria necessariamente mais seguro ou melhor. Os senhores de drogas e ditadores teriam suas armas de uma forma ou de outra. A única questão é quem iria lucrar com isso e eu preferiria que essa pessoa fosse eu. Eu sei que Nora não concorda com esse raciocínio, mas não importa. Eu não preciso de sua aprovação, tudo que eu preciso é dela. E eu a tenho. Ela está comigo tanto que eu estou começando a esquecer como é não ter ela ao meu lado. Estamos raramente separados por mais do que algumas horas em um momento, e quando estamos, eu sinto falta dela tão intensamente, que é como uma dor física no peito. Eu não tenho nenhuma ideia de como eu tinha sido capaz de deixá-la sozinha na ilha por dias ou mesmo semanas em um momento. Agora eu não gosto nem de ver Nora ir para uma corrida sem mim, então eu faço o meu melhor para acompanhá-la quando ela corre em torno da propriedade no final da tarde. Eu faço isso porque eu quero a companhia de minha esposa, mas também para me certificar de que ela está segura. Embora meus inimigos não possam roubá-la aqui, há cobras, aranhas e sapos venenosos na área. E na floresta nas proximidades, existem onças e outros predadores da selva. As chances de ela ser picada ou gravemente ferida por um animal selvagem são pequenas, mas eu não estou disposto a arriscar. Eu não posso suportar a ideia de qualquer dano a ela. Quando Nora teve seu ataque de apendicite, eu quase fiquei louco, em pânico, e isso foi antes de meu vício por ela alcançar esse nível novo, totalmente insano. Meu medo de perdê-la está começando a adentrar na fronteira da patologia. Eu reconheço isso, mas eu não sei como controlar. É uma doença que parece não ter cura. Eu me preocupo com Nora constantemente, obsessivamente. Eu quero saber onde ela está a cada momento de cada dia. Ela raramente está fora da minha vista, mas quando ela está, não consigo me concentrar, minha mente fica evocando acidentes mortais que poderiam ocorrer com ela e outros cenários assustadores. "Eu quero que você coloque dois guardas com Nora", digo a Lucas em uma manhã. "Eu quero que eles a sigam sempre que ela ande em torno da propriedade, para que eles possam garantir que nada aconteça com ela."

A N N A

Z A I R E S


"Tudo bem." Lucas não pisca, com meu pedido incomum. "Eu vou trabalhar com Peter para escalar dois dos nossos melhores homens." "Bom. E eu quero que eles me façam um relatório sobre ela a cada hora." "Considere isso feito." Os relatórios de hora em hora dos guardas mantêm meus medos na baía por um par de semanas, até que eu recebo um e-mail que vira meu mundo de cabeça para baixo.

"Majid está vivo", digo a Nora no jantar, observando atentamente a reação dela. "Eu acabei de ouvir de um dos contatos de Peter em Moscou. Ele tem sido visto no Tajiquistão". Seus olhos se arregalam em choque e consternação. "O quê? Mas ele morreu na explosão!" "Não, infelizmente ele não o fez." Eu faço o meu melhor para manter minha raiva sob controle. O fato de que o assassino de Beth está vivo faz meu sangue ferver como ácido puro. "Acontece que ele e outros quatro deixaram o armazém duas horas antes de eu chegar lá. Você não o viu lá quando eu resgatei você, certo?" "Não, eu não o fiz." Nora franze a testa. "Achei que ele estivesse fora, guardando o edifício ou algo assim..." "Isso é o que eu pensei, também. Mas ele não estava. Ele não estava nem perto do armazém quando a explosão ocorreu." "Como você sabe disso?" "Os russos capturaram um dos quatro homens que saíram com Majid naquela noite. Eles o pegaram em Moscou, conspirando para explodir o metrô." Apesar dos meus melhores esforços, a fúria se infiltra em minha voz, e eu posso ver a tensão correspondente em Nora. Se há algum assunto que pode fazer o meu animal de estimação sentir raiva, são os assassinos de Beth. "Eles interrogaram ele e souberam que ele estava se escondendo

A N N A

Z A I R E S


na Europa Oriental e na Ásia Central nos últimos meses, junto com Majid e os outros dois." Antes de Nora poder responder, Ana entra na sala de jantar. "Querem uma sobremesa?" A governanta nos pergunta, e Nora balança a cabeça, sua boca suave desenhada em uma linha apertada. "Nada para mim, obrigado", eu digo secamente, e Ana desaparece, deixando-nos em paz mais uma vez. "E agora?", Pergunta Nora. "Você vai encontrá-lo?" "Sim." E quando eu fizer, eu vou cortar ele em pedaços, um pedaço de carne e osso em um momento, mas eu não digo isso a Nora. Em vez de me explicar, "Seu comparsa admitiu ter visto Majid pela última vez no Tajiquistão, de modo que é onde vamos começar a nossa busca. Aparentemente, ele conseguiu reunir um grupo considerável de novos seguidores nos últimos meses, injetando sangue fresco na Al-Quadar." Esse último boato me preocupa um pouco. Embora tenhamos feito sérios danos ao grupo terrorista ao longo dos últimos dois meses, a organização Al-Quadar é tão dispersa que ainda poderia haver uma dúzia de células funcionando em todo o mundo. Combinadas com os novos recrutas, essas células poderiam ser poderosas o suficiente para ser perigosas e, de acordo com a inteligência que Peter recebeu de seus contatos, Majid está se preparando para algo grande... algo na América Latina. Ele está se preparando para me atacar de volta. Ele não vai penetrar a segurança da propriedade, é claro, mas apenas a possibilidade de esses filhos da puta estarem perto de cem milhas de Nora me faz lívido de raiva e desperta o medo que eu não consigo evitar. O medo completo, irracional de perdê-la. Há mais de duzentos homens altamente treinados que guardam o composto e dezenas de drones de uso militar varrendo a área. Ninguém pode tocá-la aqui, mas isso não muda o que sinto, não acaba com o pânico primitivo roendo minhas entranhas. Tudo o que eu quero fazer é pegar Nora e levá-la tão longe quanto possível, para um lugar onde ninguém nunca vai encontrá-la... onde ela será minha e só minha.

A N N A

Z A I R E S


Mas não há mais lugar assim. Os meus inimigos sabem sobre ela, e eles sabem que ela é importante para mim. Eu provei isso ao vir atrás dela antes. Se eles ainda querem o explosivo e estou certo de que eles o fazem, eles vão tentar pegá-la, uma e outra vez, até que estejam completamente exterminados. Esforço exagerado ou não, tendo em conta essa nova informação, eu preciso tomar precauções adicionais para garantir a segurança de Nora. Eu preciso ter certeza de que sempre tenho uma conexão com ela. "No que você está pensando?" Nora pergunta, uma expressão preocupada no rosto, e eu percebo que eu estive olhando para ela por um par de minutos sem dizer nada. Eu me forço a sorrir. "Nada demais, meu animal de estimação. Eu só quero ter certeza de que você está segura, isso é tudo". "Por que eu não estaria segura?" Ela parece mais confusa do que preocupada. "Porque há um rumor que Majid pode estar planejando algo na América Latina," eu explico tão calmamente quanto eu posso. Eu não quero assustá-la, mas eu quero que ela entenda porque eu tenho que tomar essas precauções. Por que eu tenho que fazer o que eu estou a ponto de fazer com ela. "Você acha que eles estão vindo aqui?" Seu rosto empalidece um pouco, mas sua voz permanece estável. "Você acha que eles vão tentar atacar a propriedade?" "Eles podem. Isso não significa que eles terão sucesso, mas eles provavelmente irão tentar." Alcançando o outro lado da mesa, eu fecho os dedos em torno de sua mão delicada, querendo tranquilizá-la com o meu toque. Sua pele está gelada, traindo sua agitação, e eu massageio a palma da mão levemente para aquecê-la. "É por isso que eu quero ter certeza de que posso sempre encontrar você, baby – que eu posso sempre saber onde você está." Ela franze a testa, e eu sinto sua mão ficar ainda mais fria antes que ela a puxe para fora do meu alcance. "O que você quer dizer?" A voz dela é normal, mas eu posso ver o pulso na base de sua garganta começando a acelerar. Como eu havia previsto, ela não está muito feliz com a ideia.

A N N A

Z A I R E S


"Eu quero colocar alguns rastreadores em você", eu explico, segurando seu olhar. "Eles vão ser colocados em alguns lugares no seu corpo, assim, se você for roubada de mim, eu seria capaz de localizá-la imediatamente." "Rastreadores? Você quer dizer... como chips de GPS ou algo assim? Como algo que você usaria para marcar gado?" Meus lábios apertam. Ela vai ser difícil sobre isso, eu já posso dizer. "Não, não gosto disso", eu digo uniformemente. "Esses rastreadores estão atualmente classificados e destinados especificamente para uso humano. Eles terão chips GPS, sim, mas eles também terão sensores que medem a frequência cardíaca e a temperatura corporal. Dessa forma, eu sempre vou saber se você está viva." "E você sempre saberá onde estou", ela diz baixinho, os olhos escuros no rosto pálido. "Sim. Eu vou sempre saber onde você está." O pensamento me enche de imenso alívio e satisfação. Eu deveria ter feito isso semanas atrás, assim que a recuperei de Illinois. "É para sua própria segurança, Nora", acrescento eu, querendo enfatizar esse ponto. "Se você tivesse esses rastreadores quando você e Beth foram tomadas, eu teria encontrado você imediatamente." E Beth ainda estaria viva. Eu não digo essa última parte, mas eu não preciso. Com as minhas palavras, Nora recua, como se eu tivesse a atingido com um golpe, e a dor aparece em seu rosto. Ela recupera a compostura um segundo mais tarde, no entanto. "Então deixe-me ver se entendi ..." Ela se inclina para a frente, colocando os antebraços sobre a mesa, e eu vejo que seus dedos estão fortemente atados juntos, os nós dos dedos brancos com a tensão. "Você quer implantar alguns chips dentro do meu corpo que lhe dirão onde estou o tempo todo, só assim eu vou estar segura em uma propriedade remota que tem mais segurança do que a Casa Branca?" Seu tom é pesado com sarcasmo, e eu sinto meu temperamento subindo em resposta. Eu a poupo de muitas coisas, mas não vou correr riscos com sua segurança. Teria sido mais fácil se ela tivesse escolhido

A N N A

Z A I R E S


cooperar, mas eu não estou prestes a deixar sua relutância me impedir de fazer a coisa certa. "Sim, meu animal de estimação, isso é certo", digo suavemente, levantando-me da cadeira. "Isso é exatamente o que eu quero. Você vai receber esses rastreadores hoje. Agora, na verdade".

A N N A

Z A I R E S


Atordoada, eu olho para Julian, meu coração ruge em meus ouvidos. Uma parte de mim não pode acreditar que ele vai fazer isso comigo contra a minha vontade, me marcar como um animal, privando-me de qualquer aparente privacidade e liberdade – enquanto o resto de mim está gritando que eu sou uma idiota, que eu deveria ter sabido que um tigre não muda suas listras. É que as últimas semanas tinham sido tão diferentes de tudo o que passamos juntos antes. Eu tinha começado a imaginar que Julian estava se abrindo para mim, que ele estava realmente me deixando entrar em sua vida. Apesar de sua posição dominante no quarto e do controle que ele exerce sobre todos os aspectos da minha vida, eu tinha começado a sentirme menos como seu brinquedo sexual e mais como sua parceira. Deixei-me acreditar que estávamos nos tornando algo como um casal normal, que ele estava começando a realmente se preocupar comigo... a me respeitar. Como uma tola, eu comprei a ilusão de uma vida feliz com o meu sequestrador, com um homem completamente desprovido de consciência ou moral. Que estúpida, que ingênua eu fui. Eu quero me chutar e chorar ao mesmo tempo. Eu sempre soube que tipo de homem Julian é, mas eu ainda me deixo levar por seu charme, pela maneira como ele parece me querer, precisar de mim.

A N N A

Z A I R E S


Permiti-me a pensar que eu poderia ser algo mais do que uma posse para ele. Percebendo que eu ainda estou sentada ali, me recuperando da desilusão dolorosa, eu empurro minha cadeira para trás e levanto para enfrentar Julian do outro lado da mesa. A sensação de chute no estômago ainda está lá, mas agora isso é raiva. Pura e intensa, está se espalhando pelo meu corpo, varrendo os restos de choque e mágoa. Esses rastreadores não têm nada a ver com a minha segurança. Eu sei a extensão das medidas de segurança na propriedade, e eu sei que as chances de alguém ser capaz de me levar novamente estão além de minúsculas. Não, a ameaça terrorista renovada é apenas um pretexto, uma desculpa conveniente para Julian fazer o que ele provavelmente estava planejando fazer o tempo todo. Ela dá-lhe uma razão para aumentar o seu controle sobre mim, para me ligar a ele com tanta força que a única coisa que eu vou fazer sem o seu conhecimento é respirar. Os rastreadores vão me fazer sua prisioneira para o resto da minha vida... e tanto quanto eu amo Julian, não é um destino que eu estou disposta a aceitar. "Não", eu digo, e estou surpresa como a minha voz soa calma e firme. "Eu não vou receber esses implantes." Julian levanta as sobrancelhas. "Oh?" Seus olhos brilham com raiva e um leve toque de diversão. "E como você vai impedi-los, meu animal de estimação?" Eu levanto meu queixo, meu coração acelerando ainda mais. Apesar de todas as horas de treinamento na academia, eu ainda não sou páreo para Julian em uma luta. Ele pode me colocar em trinta segundos no chão – para não mencionar que ele tem todos esses guardas sob seu comando. Se ele estiver decidido a forçar esses rastreadores em mim, eu não serei capaz de detê-lo. Mas isso não significa que eu não vá tentar. "Foda-se," eu digo, enunciando claramente cada palavra. "Foda-se você e esses chips." E operando no instinto orientado por pura adrenalina, eu empurro os pratos de jantar através da mesa para Julian e vou para a porta.

A N N A

Z A I R E S


Os pratos batem no chão com um barulho de estilhaçamento, e eu ouço Julian xingando quando ele salta para evitar ser salpicado com alimentos. Ele está distraído por um momento, e isso é todo o tempo que preciso para correr para a porta e sair para o hall de entrada. Eu não sei para onde estou indo, nem tenho qualquer coisa parecida com um plano. Tudo o que sei é que eu não posso ficar lá e humildemente ir junto com essa nova violação. Eu não posso ser uma pequena vítima submissa de Julian novamente. Eu posso ouvi-lo correndo atrás de mim enquanto eu corro pela casa, e eu tenho um flashback repentino de meu primeiro dia na ilha. Corri, também, tentando fugir do homem que se tornaria minha vida inteira. Eu me lembro como me senti aterrorizada, como estava tonta das drogas que ele tinha me dado. Esse foi o dia que Julian tinha me apresentado ao devastador prazer e dor de seu toque, a primeira vez que eu percebi que não estava mais no comando da minha vida. Eu não sei por que eu deixo essa coisa de rastreador me surpreender. Julian nem uma vez lamentou tirar qualquer uma das minhas escolhas, nunca pediu desculpas por me sequestrar ou me forçar a casar com ele. Ele me trata bem, porque ele quer, não porque existem quaisquer consequências adversas para fazer o contrário. Não há ninguém para impedi-lo de fazer qualquer coisa que ele queira comigo, nenhuma palavra segura que eu possa usar para fazer valer os meus limites. Eu posso ser sua esposa, mas eu ainda sou sua prisioneira em todos os sentidos que contam. Eu estou na porta da frente agora, e eu peguei na maçaneta, puxando-a aberta. Com o canto do meu olho, eu vejo que Ana está perto da parede, de boca aberta para mim enquanto eu voo para fora da porta com Julian me seguindo em meus calcanhares. Eu estou correndo tão rápido que eu sinto apenas um flash de constrangimento com a noção de que sua gente o vê assim. Eu acho que a nossa empregada suspeita da natureza BDSM do nosso relacionamento, minhas roupas de verão nem sempre ocultam as marcas de Julian na minha pele, e eu espero que ela considere isso como nada mais do que um jogo bizarro.

A N N A

Z A I R E S


Eu não tenho nenhuma ideia de para onde eu estou indo quando eu corro para baixo dos degraus da frente, mas isso não importa. Tudo que eu quero é fugir de Julian por alguns momentos, para comprar-me algum tempo. Eu não sei o que isso vai me trazer, mas eu sei que eu preciso disso – que eu preciso sentir como se eu fizesse algo para desafiá-lo, que eu não me curvei ao inevitável sem uma luta. Eu estou metade do caminho para cruzar o grande gramado verde quando sinto Julian se aproximando de mim. Eu posso ouvir sua respiração dura - deve ter vindo em sua velocidade máxima também – e, em seguida, sua mão se fecha em volta do meu braço esquerdo, me girando e puxandome para seu corpo duro. O impacto me atordoa por um momento, tirando o fôlego dos meus pulmões, mas meu corpo reage no piloto automático, a minha formação de auto-defesa chuta. Em vez de tentar se afastar, eu caio como uma pedra, tentando fazer Julian se desequilibrar. Ao mesmo tempo, meu joelho vem para cima, apontando para suas bolas, e meu punho direito voa em linha reta em seu queixo. Antecipando a minha jogada, ele vira no último momento, voltando-se e o meu punho perde seu rosto e meu joelho conecta com a coxa em vez disso. Antes de eu ter a chance de tentar qualquer outra coisa, ele me derruba, deixando minhas costas bateram na grama, e imediatamente me prende para baixo com todo o seu peso, usando as pernas para controlar as minhas e pega meus pulsos para esticar meus braços acima da minha cabeça. Agora estou completamente incapacitada, tão indefesa como sempre, e Julian sabe disso. Uma risada suave escapa de sua garganta quando ele encontra o meu olhar furioso. "Pequena coisa perigosa, não é?", Ele murmura, estabelecendo-se mais confortavelmente em cima de mim. Para meu aborrecimento, sua respiração já está começando a voltar ao normal, e seus olhos azuis estão brilhando com diversão e prazer. "Você sabe, se eu não tivesse sido o único a ensinar-lhe esse movimento, meu animal de estimação, poderia ter realmente funcionado." Com o peito arfando, eu olho para ele, fervendo com um desejo de fazer algo violento para ele. O fato de que ele está desfrutando isso só

A N N A

Z A I R E S


intensifica a minha raiva, e tento me desvencilhar com todas as minhas forças, tentando tirá-lo de cima de mim. É inútil, é claro; ele tem mais do que o dobro do meu tamanho, cada polegada de seu corpo poderoso repleto de músculos de aço. Tudo o que eu consigo fazer é diverti-lo ainda mais. Bem, isso, e desperta-lo-como evidenciado endurecida contra a minha perna.

pela protuberância

"Solte-me," Eu falo entre os dentes cerrados, agudamente ciente da resposta automática do meu corpo para a dureza do seu corpo pressionando contra mim dessa maneira. Ficar presa por baixo assim é algo que eu associo com sexo nos dias de hoje, e eu odeio que eu esteja ligada agora, meu núcleo pulsando com a necessidade quente, apesar da minha raiva e ressentimento. É ainda uma outra coisa sobre o que eu não tenho controle; meu corpo está condicionado a responder ao domínio de Julian, não importa o quê. Seus lábios sensuais formam um meio-sorriso de satisfação. O bastardo é, sem dúvida, consciente da minha excitação involuntária. "Ou o quê, meu animal de estimação?", Ele respira, olhando para mim quando ele ergue minhas pernas tensas com os joelhos. "O que você vai fazer?" Eu olho para ele desafiadoramente, fazendo o meu melhor para ignorar a ameaça de sua ereção dura como pedra pressionando contra a minha entrada. Apenas seus jeans e minha calcinha frágil nos separam agora, e eu sei que Julian pode se livrar dessas barreiras em um piscar de olhos. O único obstáculo para ele me foder agora, é aquele com o qual eu estou contando – é o fato de que estamos em plena vista de todos os guardas e quem mais possa passear pela casa, nesse momento particular. Exibicionismo não é uma coisa de Julian, ele é muito possessivo para isso e me sinto razoavelmente certa que ele não vai me tomar em um espaço aberto assim. Ele pode fazer outras coisas comigo, mas estou a salvo de punição sexual por agora. Esse fato e minha raiva estimulam minha resposta imprudente. "Na verdade, a verdadeira questão é o que você vai fazer, Julian?" Eu digo, minha voz baixa e amarga. "Você vai me arrastar chutando e gritando para ter esses rastreadores colocados em mim? Porque é isso que você tem que

A N N A

Z A I R E S


fazer, você sabe, não vou aceitar isso como uma boa pequena prisioneira. Estou cansada de jogar esse papel." Seu sorriso desaparece, substituído por um olhar de determinação implacável. "Eu vou fazer o que for preciso para mantê-la segura, Nora", diz ele duramente e se levanta, puxando-me com ele. Eu me esforço, mas é inútil; dentro de um segundo, ele me levantou nos braços, uma de suas mãos restringindo meus pulsos e o outro braço firmemente enganchado debaixo dos meus joelhos, essencialmente, imobilizando minhas pernas. Enfurecida, eu arqueio minhas costas, tentando quebrar seu aperto, mas ele está me segurando muito forte para isso. Tudo o que eu consigo fazer é me cansar, e depois de alguns minutos, eu paro, ofegante, exausta frustrada conforme Julian começa a caminhar de volta para a casa, carregando-me como uma criança indefesa. "Você pode gritar se você quiser", ele me informa assim que nos aproximamos dos degraus da varanda. Sua voz é calma e contida, e seu rosto está vazio de toda emoção quando ele olha para mim. "Não vai mudar nada, mas você está convidada a experimentar." Eu sei que ele provavelmente está usando psicologia reversa em mim, mas eu permaneço em silêncio enquanto ele abre a porta da frente, de costas e entra na casa. Minha raiva anterior está desaparecendo, uma espécie de resignação tomando seu lugar. Eu sempre soube que lutar contra Julian é inútil, e o que aconteceu hoje só confirma esse fato. Eu posso resistir o quanto quiser, mas ele ainda vai ganhar. Conforme Julian me leva para o hall de entrada, vejo Ana ainda de pé ali, olhando para nós em estado de choque e fascínio. Ela deve ter ficado para assistir a conclusão da perseguição pela janela, e eu posso sentir seu olhar nos seguindo quando Julian passa por ela sem uma palavra. Agora que o flash imediato de adrenalina passou, estou ciente do que fiz e sinto uma profunda onda de constrangimento. Uma coisa é Ana notar algumas contusões leves sobre minhas coxas, mas outra coisa, completamente diferente, é ela nos ver assim. Eu tenho certeza que ela viu pior, afinal, ela trabalha para um senhor do crime, mas eu ainda não posso deixar de me sentir desconfortavelmente exposta. Eu não quero que as pessoas na propriedade saibam a verdade sobre a minha relação com Julian; Eu não quero que eles olhem para mim com pena em seus olhos. Eu

A N N A

Z A I R E S


tive muito disso quando voltei para casa em Oak Lawn, e eu não estou ansiosa para repetir a experiência. "Você vai só empurrar os rastreadores para dentro?", Pergunto a Julian quando ele me traz para o nosso quarto. "Sem anestesia ou alguma coisa?" Meu tom é profundamente sarcástico, mas eu estou realmente pensando sobre isso. Eu sei que meu marido gosta de infligir dor em mim, às vezes, por isso não é inteiramente ilógico que isso vá ser algum tipo de coisa sexual para ele. A mandíbula de Julian flexiona quando ele me coloca em pé. "Não", ele diz secamente, me liberando e dando a volta para atrás. Meus olhos se desviam imediatamente para a porta, mas Julian está entre mim e a saída enquanto ele caminha até uma pequena cômoda e vasculha as gavetas. "Vou me certificar de que você não sinta nada." E conforme eu assisto, ele puxa uma pequena seringa, muito familiar. Minhas entranhas ficam geladas. Eu reconheço essa seringa, é a que ele tinha no bolso quando ele voltou para mim, a que ele teria usado em mim se eu não tivesse ido com ele por vontade própria. "É assim que você me drogou quando você me roubou do parque?" Minha voz é plana, mostrando pouco o fato de que eu estou desmoronando por dentro. "Que tipo de droga é essa?" Julian suspira, parecendo inexplicavelmente cansado quando ele vem na minha direção. "Ela tem um nome longo, complicado, que eu não me lembro de cabeça e, sim, é o que eu usei para trazê-la para a ilha. É uma das melhores drogas de seu tipo, com muito poucos efeitos colaterais." "Poucos efeitos colaterais? Que lindo". Dando um passo para trás, lanço um olhar frenético ao redor da sala, à procura de algo que eu possa usar para me defender. Não há nada, porém. À exceção de um pote de creme de mão e uma caixa de lenços na cama, o quarto está impecavelmente limpo, livre da desordem. Eu continuo recuando até que meus joelhos chegam na cama, e então eu sei que não tenho outro lugar para ir. Estou presa. "Nora..." Julian está a menos do que um metro de mim agora, a seringa em sua mão direita. "Não faça isso mais difícil do que tem que ser."

A N N A

Z A I R E S


Mais difícil do que tem que ser? Ele está falando sério? Um novo surto de fúria me dá força renovada. Eu me jogo na cama e rolo em toda ela, na esperança de chegar do outro lado para que eu possa correr para a porta. Antes de eu chegar até a borda, no entanto, Julian está em cima de mim, seu corpo musculoso me pressionando contra o colchão. Com o meu rosto enterrado no cobertor macio, mal posso respirar, mas antes de eu ter a chance de entrar em pânico, Julian desloca a maior parte de seu peso de cima de mim, permitindo-me virar a cabeça para o lado. Conforme eu puxo o ar, eu o sinto se movendo – ele está abrindo a seringa, sinto um gelado calafrio e eu sei que tenho apenas alguns segundos antes dele me drogar novamente. "Não faça isso, Julian." As palavras saem em um pedido desesperado. Eu sei que lhe implorar é inútil, mas não há nada mais que eu possa fazer nesse momento. Meu coração bate fortemente em meu peito enquanto eu jogo a minha última carta. "Por favor, se você se importa comigo, se você me ama, por favor, não faça isso..." Eu posso ouvir sua respiração presa, e por um momento, eu sinto uma centelha de esperança – uma centelha que é imediatamente extinta quando ele gentilmente tira o meu cabelo emaranhado do meu pescoço, expondo a minha pele. "Isso realmente não vai ser tão ruim assim, baby", ele murmura, e então eu sinto uma picada aguda no lado do meu pescoço. Imediatamente meus membros ficam pesados, minha visão escurece como as drogas. "Eu odeio você", eu consigo sussurrar, e depois a escuridão me toma novamente.

A N N A

Z A I R E S


Eu odeio você... Se você me ama, não faça isso... Conforme eu pego seu corpo inconsciente, as palavras de Nora ecoam na minha mente, se repetindo como um disco quebrado. Eu sei que não deveria doer tanto, mas elas o fazem. Com apenas um par de frases, de alguma forma ela conseguiu me ferir, me esfolando, rompendo a parede que me envolveu desde a morte de Maria, que me permitiu manter uma distância de tudo e todos, exceto dela. Ela não me odeia realmente. Eu sei disso. Ela me quer. Ela me ama, ou, pelo menos, pensa que ela o faz. Uma vez que tudo isso acabar, vamos voltar para a vida que tivemos nos últimos dois meses, só que eu vou me sentir melhor, mais seguro. Com menos medo de perdê-la. Se você me ama, não faça isso... Porra. Eu não sei por que eu me importo que ela disse isso. Eu certamente não a amo. Eu não posso. O amor é para aqueles que são nobres e altruístas, para as pessoas que ainda têm um coração. Esse não sou eu. Nunca fui eu. O que eu sinto por Nora não é nada como a emoção suave e florida representada em todos os livros e filmes. É mais profundo, muito mais visceral do que isso. Eu preciso dela com uma violência que torce minhas entranhas, com um desejo que tanto destrói

A N N A

Z A I R E S


como me eleva. Eu preciso dela como eu preciso de ar, e gostaria de fazer o que for preciso para mantê-la comigo. Eu morreria por ela, mas eu nunca iria deixá-la ir. Embalando seu corpo pequeno e tépido em meus braços, eu a levo para fora do quarto para a sala de estar. David Goldberg, o nosso médico residente, já está lá, esperando com sua maleta e suprimentos médicos no sofá. Eu lhe pedi para passar por aqui hoje mais cedo, para que ele pudesse fazer o procedimento o mais rapidamente possível após o jantar, e eu estou contente que ele já tenha chegado. Eu só dei a Nora um quarto da droga que estava na seringa, e eu quero ter certeza de que tudo seja feito antes de ela acordar. "Ela já está dopada?" Goldberg pergunta, levantando-se para nos cumprimentar. Um homem careca, baixo, em seus quarenta anos, e um dos cirurgiões mais talentosos que eu já conheci. Eu lhe pago uma fortuna para tratar de ferimentos leves, mas eu considero que ele vale a pena. Na minha linha de trabalho, nunca se sabe quando um bom médico virá a calhar. "Sim." Eu cuidadosamente coloco Nora no sofá. Seu braço esquerdo fica pendurado para fora da borda, então eu gentilmente a coloco em uma posição mais confortável, certificando-me de que seu vestido cubra as coxas finas. Goldberg não vai se importar de qualquer forma, é muito mais provável que ele tenha uma queda por mim do que pela minha esposa, mas eu ainda não gosto da ideia de a expor desnecessariamente, mesmo com um homem que é abertamente gay. "Você sabe, eu poderia ter apenas anestesiado a área", diz ele, tirando o equipamento que ele precisa. Todos os seus movimentos são metódicos e eficientes; ele é um mestre no que faz. "É um simples procedimento de nada que não requer que o paciente esteja inconsciente." "É melhor assim." Eu não explico melhor, mas acho que Goldberg entende, porque ele não diz mais nada. Em vez disso, ele coloca as luvas, tira uma enorme seringa com uma agulha hipodérmica de grande espessura, e se aproxima de Nora. Eu dou um passo para trás para dar-lhe algum espaço. "Quantos rastreadores você gostaria? Um ou mais?", Ele pergunta, olhando em minha direção.

A N N A

Z A I R E S


"Três." Eu pensei sobre isso antes, e isso é o que faz mais sentido para mim. Se ela for roubada, meus inimigos podem pensar em procurar um chip localizador em seu corpo, mas é improvável que procurem três deles. "OK. Vou colocar um em seu braço, um em seu quadril, e um em sua coxa". "Isso deve funcionar." Os rastreadores são pequenos, do tamanho de um grão de arroz, assim Nora não vai nem mesmo senti-los lá depois de alguns dias. Eu também estou planejando que ela use uma pulseira especial como um chamariz; haverá um quart rastreador nela. Dessa forma, se seus raptores encontrarem a pulseira rastreadora, podem ser tolos o suficiente para se livrar dela e não procurarem em seu corpo. "Então é isso que eu vou fazer", Goldberg diz e, esfregando o braço de Nora com uma solução desinfetante, pressiona a agulha na sua pele. Uma pequena gota de sangue sai quando a agulha entra, depositando o rastreador; então ele desinfeta a área novamente e coloca um pequeno curativo sobre ela. O implante em seu quadril é o próximo, seguido por um em sua coxa. Demora menos de seis minutos entre o início e o final do procedimento, e Nora dorme pacificamente durante tudo isso. "Tudo pronto", Goldberg diz, tirando maleta. "Você pode tirar as ataduras em sangramento parar, e colocar um Band-Aid ficar sensíveis por um par de dias, mas não especialmente se você mantiver os pontos de período. Qualquer coisa, me chame, mas problemas."

as luvas e arrumando sua uma hora, uma vez que o normal. Essas áreas podem deve haver qualquer cicatriz, inserção limpos durante esse eu não antecipo quaisquer

"Excelente, obrigado." "O prazer foi meu." E com isso, Goldberg levanta sua maleta e sai da sala.

A N N A

Z A I R E S


Nora recupera a consciência em torno das três da manhã. Estou dormindo levemente, então eu acordo logo que ela começa a se mexer. Eu sei que ela vai ter dor de cabeça e algumas náuseas da droga, e eu tenho uma garrafa de água preparada no caso de ela estar com sede. Espero que os efeitos colaterais sejam leves, uma vez que eu dei a ela uma dose pequena. Quando eu a levei do parque, eu tive que lhe dar muito mais para ter certeza que ela ficasse apagada durante a viagem de mais de vinte horas para a ilha, por isso ela deve se recuperar muito mais rápido hoje. Eu te odeio. Foda-se, de novo não. Eu afasto a lembrança de seu pequeno sussurro acusador e foco no presente. Eu posso sentir a sua agitação ao meu lado, um pequeno som de desconforto escapa de sua garganta enquanto o colchão entra em contato com o ponto sensível em seu braço. Esse som faz algo em mim, fica sob a minha pele por algum motivo. Eu não quero que Nora tenha dor, não por isso, pelo menos, e eu chego até ela, puxando-a para mais perto de mim para que eu possa abraçá-la por trás. Ela endurece com o meu toque, tensão rígida espalhando por seu corpo, e eu sei que ela está acordada agora, que ela se lembra do que aconteceu. "Como está se sentindo?", Pergunto, mantendo minha voz baixa e suave conforme eu acaricio a curva suave de sua coxa com a mão. "Você quer um pouco de água ou algo assim?" Ela não diz nada, mas eu sinto sua cabeça se movendo um pouco, e eu interpreto isso como um aceno de cabeça. "Tudo bem, então." Tirando a minha mão, eu pego a garrafa de água, tateando um pouco no escuro. Apoiando-me em um cotovelo, ligo a lâmpada de cabeceira, para que eu possa ver, e entrego a garrafa para Nora. Ela pisca algumas vezes, olhando a luz, e pega a água de mim, seus dedos finos curvando-se ao redor da garrafa quando ela se senta. O movimento faz com que o cobertor deslize para baixo, expondo a parte superior do seu corpo. Eu a despi antes de colocá-la na cama, então ela está nua agora, com apenas seu cabelo grosso escondendo os seios rosados – roubando meu olhar. Um desejo familiar se agita dentro de mim, mas eu o

A N N A

Z A I R E S


empurro para baixo, querendo ter certeza que ela está bem em primeiro lugar. Eu a deixo tomar alguns goles de água antes de perguntar novamente: "Como você está se sentindo?" Ela encolhe os ombros, os olhos não encontrando os meus. "Tudo bem, eu acho." Sua mão levanta para seu braço, tocando o Band-Aid lá, e eu a vejo tremer ligeiramente, como se ela sentisse frio. "Eu tenho que usar o banheiro", diz ela subitamente e, sem esperar pela minha resposta, sai para fora da cama. Eu tenho um breve vislumbre de seu pequeno traseiro arredondado antes de ela desaparecer pela porta do banheiro, e meu pau salta, ignorando a diretiva da minha mente para ficar parado por uma vez. Suspirando, eu deito no travesseiro para esperar por ela. Quem estou enganando? Meu animal de estimação sempre tem esse efeito em mim. Da mesma forma como eu não posso parar de respirar, eu não posso ignorar vê-la nua. Quase involuntariamente, minha mão desliza sob o cobertor, meus dedos enrolando em torno de meu pau duro enquanto eu fecho os olhos e imagino suas paredes internas quentes, aveludadas, agarrando meu pau, a boceta molhada e deliciosamente apertada... Eu te odeio. Porra. Meus olhos se abrem, um pouco do calor dentro de mim esfriando. Eu ainda estou duro, mas agora o desejo está misturado com um peso estranho no meu peito. Eu não sei de onde isso está vindo. Eu deveria me sentir mais feliz agora que os rastreadores estão nela, mas não. Em vez disso eu me sinto como se tivesse perdido alguma coisa... algo que eu nem sabia que eu tinha. Irritado, eu fecho meus olhos novamente, dessa vez propositadamente enfocando a dor crescendo em minhas bolas conforme eu balanço o punho para cima e para baixo no meu pau, deixando a fome aumentar. Mesmo que ela me odeie, e daí? Ela provavelmente deve me odiar, dado tudo o que eu fiz para ela. Eu nunca deixei essas preocupações me impedirem de fazer o que eu queria, e eu não estou prestes a começar agora. Nora vai se acostumar com os rastreadores como ela se acostumou a ser minha, e se a segurança da propriedade for alguma vez rompida, ela vai agradecer as estrelas a sorte da minha previsão.

A N N A

Z A I R E S


Ao ouvir a porta abrir, eu abro os olhos e a vejo sair do banheiro. Ela ainda não me olha diretamente. Em vez disso, ela mantém os olhos no chão conforme ela volta para a cama e entra debaixo das cobertas, puxando o cobertor até o queixo. Então ela olha fixamente para o teto, como se eu nem sequer existisse. Ela poderia muito bem ter batido no meu rosto com a indiferença. O desejo dentro de mim se torna mais forte, mais escuro. Eu não vou tolerar esse tipo de comportamento, e ela sabe disso. O desejo de puni-la é forte, quase irresistível, e é apenas o fato de que ela já está ferida que me impede de amarrá-la e ceder as minhas inclinações sádicas. Ainda assim, eu não vou deixá-la ir longe com isso. Nem essa noite, nem nunca. Tirando meu cobertor, eu sento e comando acentuadamente, "Venha aqui." Ela não se move por um momento, mas depois seus olhos levantam para o meu rosto. Não há medo em seu olhar, nenhuma emoção de qualquer tipo, de fato. Seus grandes olhos escuros estão sem vida, como os de uma linda boneca. O peso na região do meu peito cresce. "Venha aqui", repito, a dureza do meu tom mascarando a turbulência se intensificando dentro de mim. "Agora." Ela obedece, seu condicionamento finalmente aparecendo. Afastando o cobertor, ela vem a mim de quatro, rastejando sobre a cama, com as costas arqueadas e sua bunda ligeiramente levantada. É exatamente do jeito que eu gosto que ela se mova no quarto, e minha respiração acelera, meu pau incha a uma espessura quase dolorosa. Eu treinei ela bem; mesmo angustiada, meu animal de estimação sabe como me agradar. "Boa menina," murmuro, estendendo a mão para ela assim que ela está ao meu alcance. Deslizando minha mão esquerda em seu cabelo, eu coloco o meu braço direito em torno de sua cintura e a puxo para o meu colo, colocando-a contra mim. Então eu inclino minha boca na dela, beijando-a com uma fome que parece emanar da própria essência do meu ser.

A N N A

Z A I R E S


Ela tem gosto de creme dental mentolado e dela mesma, seus lábios macios e receptivos conforme eu saqueio as profundezas de seda de sua boca. Conforme o beijo continua, seus olhos fecham e as mãos vão descansar provisoriamente em meus lados. Eu posso sentir seus mamilos duros contra o meu peito, e a percepção de que ela está respondendo como a mesma fome de sempre envia uma onda de alívio através de mim, aliviando em muito o meu desconforto atípico. Seja qual for o humor estranho em que ela está, ela ainda é minha de todas as maneiras que importam. Ainda a beijando, eu inclino para a frente até que nós dois estamos deitados na cama, comigo cobrindo-a. Tenho muito cuidado para lidar com ela gentilmente, para que eu não coloque qualquer pressão sobre as áreas cobertas de Band-Aid. O monstro dentro de mim pode almejar sua dor e lágrimas, mas esse desejo empalidece em comparação com a minha enorme necessidade de confortá-la, para tirar aquele olhar sem vida em seus olhos. Mandando em meu próprio desejo, começo a cuidar dela da única maneira que eu sei. Eu a beijo toda, provando sua pele suave e quente quando eu faço o meu caminho da curva delicada de sua orelha até embaixo, em seus pequenos dedos. Eu massageio suas mãos, braços, pés, pernas e costas, apreciando seus gemidos silenciosos de prazer conforme eu a esfrego, relaxando, dissipando toda a rigidez em seus músculos. Então eu a levo ao orgasmo com a minha boca e meus dedos, atrasando a minha própria libertação até minhas bolas ficam quase azuis. Quando eu finalmente entro em seu corpo, é como voltar para casa. Sua boceta quente me acolhe, me aperta com tanta força que eu quase explodo. Conforme eu começo a me mover dentro dela, seus braços se fecham a minha volta, me abraçando, me segurando perto e então nós explodimos juntos no final, nossos corpos estremecendo, na violenta felicidade de abalar a mente.

A N N A

Z A I R E S


Eu acordo mais tarde do que o habitual, a minha cabeça e boca com uma sensação como se tivessem sido recheadas com algodão. Por um momento, eu me esforço para lembrar o que aconteceu – de alguma maneira eu bebi muito? Mas, em seguida, as memórias da noite passada infiltram-se em minha mente, torcendo meu estômago em nós e me inundando com o desespero confuso. Julian fez amor comigo ontem à noite. Ele fez amor comigo depois de me violar, me drogando e forçando os rastreadores em mim contra a minha vontade e eu deixei. Não, eu não apenas o deixei; Eu me alegrei com seu toque, permitindo que o calor escaldante de suas carícias queimassem a dor congelada dentro de mim, me fazendo esquecer, mesmo que apenas por um momento, a ferida que ele infligiu em meu coração. Eu não sei por que isso, de todas as coisas horríveis que Julian fez, me afeta tão fortemente. No grande esquema das coisas, colocar os rastreadores sob a minha pele supostamente para me manter segura – não é nada comparado ao meu sequestro, bater em Jake, ou me chantagear para o casamento. Esses rastreadores não são sequer necessariamente para sempre. Teoricamente, se eu quiser sair da propriedade, eu posso ir a um médico e ter os implantes removidos, então eu posso nem mesmo estar presa com eles para o resto da minha vida. Meu medo ontem definitivamente tinha um componente irracional nele; Eu estava reagindo por instinto e não pensando sobre as coisas.

A N N A

Z A I R E S


No entanto, parecia que uma parte de mim morreu na noite passada, como se a picada da seringa matou algo dentro de mim. Talvez seja porque eu tinha começado a sentir que Julian e eu fomos nos aproximando, que estávamos nos tornando mais como um casal normal. Ou talvez porque a minha Síndrome de Estocolmo ou qualquer problema psicológico que eu tenho – me fez imaginar um arco-íris e unicórnios onde não havia nenhum. Seja qual for a razão, as ações de Julian foram como a traição mais agonizante. Quando recuperei a consciência ontem à noite, eu me senti tão devastada que eu queria cavar um buraco e desaparecer. Mas Julian não deixou. Ele fez amor comigo. Ele fez amor comigo quando eu pensei que ele iria me chicotear- quando eu esperava que ele me punisse por não ser o seu animal de estimação complacente. Ele me deu carinho quando eu esperava crueldade; em vez de tomar-me com força, ele me fez sentir inteira novamente, mesmo que fosse apenas por algumas horas. E agora... agora eu sinto falta dele. Sem ele ao meu lado, a frieza dentro de mim está começando a rastejar de volta, a dor voltando lentamente para me sufocar por dentro. O fato de que Julian fez isso comigo contra minhas objeções – que ele fez isso mesmo que eu implorasse para ele não fazer – é quase mais do que eu posso lidar. Isso me diz que ele não me ama – que ele pode nunca me amar. Isso me diz que o homem com quem eu sou casada pode nunca ser nada mais do que o meu captor.

No café da manhã Julian não está lá, fato que contribui para a minha depressão aumentar. Eu estava tão acostumada a ter a maioria das minhas refeições com ele que a sua ausência parece como uma rejeição, embora como eu ainda posso almejar a sua companhia depois de tudo está além da minha compreensão. "Señor Esguerra fez um lanche rápido antes de sair," Ana explica, servindo-me os ovos misturados com feijão frito e abacate. "Ele recebeu uma notícia com a qual ele teve que lidar imediatamente, então ele não é

A N N A

Z A I R E S


capaz de acompanhá-la esta manhã. Ele pediu desculpas por isso e me disse que você pode ir para o escritório quando estiver pronta." Sua voz é incomumente quente e gentil, e há simpatia em seu rosto enquanto ela olha para mim. Eu não sei se ela sabe de todos os detalhes sobre o que aconteceu ontem à noite, mas eu tenho a sensação que ela ouviu a essência. Envergonhada, eu abaixar meu olhar para meu prato. "Ok, obrigado, Ana," murmuro, olhando para a comida. Parece deliciosa, como de costume, mas não tenho apetite, essa manhã. Eu sei que não estou doente, mas me sinto assim, com meu estômago revirando e meu peito dolorido. Os implantes na minha coxa, quadril e braço pulsam com uma dor lancinante. Tudo o que eu quero fazer é rastejar para debaixo das cobertas e dormir o dia inteiro, mas, infelizmente, isso não é uma opção. Eu tenho um trabalho para fazer para a minha aula de Literatura Inglesa, e tenho duas palestras, para a minha aula de cálculo. Eu cancelei a minha caminhada matinal com Rosa, no entanto; Não tenho nenhum desejo de ver minha amiga enquanto eu estou me sentindo assim. "Quer um pouco de chocolate quente ou alguma coisa? Talvez café ou chá?" Ana pergunta, ainda pairando por cima da mesa. Normalmente, quando Julian e eu estamos comendo juntos, ela não aparece, mas por algum motivo, ela parece relutante em me deixar em paz esta manhã. Eu olho para cima do meu prato e me forço a dar-lhe um sorriso. "Não, eu estou bem, Ana, obrigada." Pegando meu garfo, eu pego um pouco dos ovos e levo para a minha boca, determinada a comer algo para aliviar a preocupação que vejo no rosto suavemente arredondado da governanta. Conforme eu mastigo, vejo Ana hesitar por um instante, como se ela quisesse dizer outra coisa, mas depois ela desaparece na cozinha, deixandome com o meu café da manhã. Pelos próximos minutos, eu faço uma tentativa séria de comer, mas tudo tem gosto de areia e eu finalmente desisto. Levantando-me, eu vou para a varanda, querendo sentir o sol na minha pele. A frieza dentro de mim parece estar se espalhando a cada momento, a minha depressão profunda avança com a manhã. Pisando para fora da porta da frente, eu ando até a borda do alpendre e inclinando-me sobre o parapeito, respirando o ar quente e úmido.

A N N A

Z A I R E S


Conforme eu olho para fora para o grande gramado verde e os guardas a distância, eu sinto minha visão borrar, lágrimas quentes brotando e começando a deslizar pelo meu rosto. Eu não sei por que estou chorando. Ninguém morreu; nada realmente terrível aconteceu. Eu já passei por muito pior nos últimos dois anos, e eu tenho lidado com isso – eu me ajustei e sobrevivi. Essa coisa relativamente menor não deveria me fazer sentir como se meu coração tivesse sido arrancado. Minha convicção crescente de que Julian não é capaz de amar não deve destruir-me assim. Uma mão toca suavemente meu ombro, assustando-me para fora da minha miséria. Rapidamente limpando meu rosto com as costas da minha mão, eu me viro e estou surpresa ao ver Ana ali de pé, com uma expressão incerta no rosto. "Señora Esguerra... Quer dizer, Nora..." Ela tropeça no meu nome, seu sotaque mais espesso do que o normal. "Sinto muito interromper, mas eu queria saber se você teria um minuto para conversar?" Surpresa com o pedido incomum, eu aceno. "Claro, o que é?" Ana e eu não somos particularmente próximas; Ela sempre foi um pouco reservada perto de mim, educada, mas não excessivamente amigável. Rosa me disse que Ana é assim porque foi isso que o pai de Julian exigiu de sua equipe, e é um hábito difícil para ela quebrar. Parecendo aliviada pela minha resposta, Ana sorri e caminha para se juntar a mim no parapeito, colocando seus braços na madeira pintada de branco. Dou-lhe um olhar interrogativo, perguntando-me o que ela quer discutir, mas ela parece satisfeita em ficar ali por um momento, seu olhar treinado na selva à distância. Quando ela finalmente vira a cabeça para olhar para mim e fala, suas palavras me pegam desprevenida. "Eu não sei se você sabe disso, Nora, mas seu marido perdeu todo mundo com quem ele já se preocupou", ela diz suavemente, nenhum traço de sua reserva habitual em vista. "Maria, seus pais... para não mencionar muitos outros que conhecia tanto aqui na propriedade quanto nas cidades".

A N N A

Z A I R E S


"Sim, ele me disse," eu digo lentamente, olhando para ela com alguma cautela. Eu não sei por que ela de repente decidiu falar comigo sobre Julian, mas eu estou mais do que feliz em ouvir. Talvez se eu entender o meu marido melhor, será mais fácil para mim manter a minha distância emocional dele. Talvez se ele não for tanto um enigma, eu não seja atraída por ele tão fortemente. "Bom", Ana diz calmamente. "Então eu espero que você entenda que Julian não queria magoar você na noite passada... que tudo o que ele fez foi porque ele tem cuidado com você". "Cuidado comigo?" A risada que escapa da minha garganta é nítida e amarga. Eu não sei porque eu estou falando sobre isso com Ana, mas agora que as comportas foram abertas, eu não consigo fechá-las novamente. "Julian não se preocupa com ninguém, além consigo mesmo." "Não." Ela balança a cabeça. "Você está errada, Nora. Ele o faz. Ele se preocupa muito com você. Eu posso ver isso. Ele é diferente com você, em relação aos outros. Muito diferente." Olho para ela. "O que você quer dizer?" Ela suspira, então se vira para mim totalmente. "Seu marido sempre foi uma criança sombria", diz ela, e eu vejo uma profunda tristeza em seu olhar. "Um rapaz bonito, com os olhos e feições de sua mãe, mas tão duro por dentro... A culpa era de seu pai, eu acho. O Señor mais velho não o tratou como uma criança. A partir do momento que Julian tinha idade suficiente para caminhar, seu pai o empurrou, fazendo-o fazer coisas que nenhuma criança deve fazer..." Eu escuto extasiada, mal ousando respirar enquanto ela continua. "Quando Julian era pequeno, ele estava com medo de aranhas. Temos umas grandes aqui, muito assustadoras. Alguns das mais venenosas. Quando Juan Esguerra descobriu, ele levou seu filho de cinco anos para a floresta e o fez pegar uma dúzia de grandes aranhas com as próprias mãos. Então ele fez o menino matá-las lentamente com os dedos, de modo que Julian visse como é conquistar seus medos e fazer seus inimigos sofrerem." Ela faz uma pausa, a boca com os lábios cerrados de raiva. "Julian não dormiu por duas noites depois disso. Quando sua mãe descobriu, ela

A N N A

Z A I R E S


chorou, mas não havia nada que pudesse fazer. A palavra do Señor aqui era lei, e todos tinham que obedecer." Eu engulo a bile subindo na minha garganta e desvio o olhar. O que eu acabei de saber aumenta meu desespero. Como posso esperar Julian amar alguém depois de ter sido criado dessa maneira? O fato de que o meu marido é um assassino frio com tendências sádicas não é surpreendente; a única maravilha é que ele não é ainda pior. Não há esperança. Totalmente sem esperança. Sentindo minha angústia, Ana coloca a mão no meu braço, seu toque quente e reconfortante, como o de minha mãe. "Durante muito tempo, eu pensei que Julian iria crescer para ser como seu pai", ela diz quando eu viro para olhar para ela. "Cruel e indiferente, incapaz de qualquer emoção mais suave. Pensei assim, até que o vi com um gatinho um dia quando ele tinha doze anos. Era uma criatura minúscula, com olhos grande e a pele branca e macia, mal tinha idade suficiente para comer por conta própria. Algo aconteceu com a sua mãe, e Julian encontrou o gatinho fora e o trouxe. Quando eu o vi, ele estava tentando persuadi-lo a beber leite, e a expressão de seu rosto-" Ela pisca, seus olhos parecendo molhados. "Foi assim... tão suave. Ele era tão paciente com o gatinho, tão gentil. E eu soube que seu pai não tinha conseguido quebrar Julian completamente, que o rapaz ainda podia sentir". "O que aconteceu com esse gatinho?", Pergunto, me preparando. Estou preparada para ouvir outra história de horror, mas Ana dá de ombros em resposta. "Ele cresceu na casa", diz ela, apertando suavemente meu braço antes de tomar a mão. "Julian manteve-o como seu animal de estimação, deu o nome de Lola. Ele e seu pai tiveram uma briga sobre isso, o Señor mais velho odiava animais, mas então Julian tinha idade suficiente, e era resistente o suficiente, para enfrentar seu pai. Ninguém se atrevia a tocar a pequena criatura enquanto estava sob a proteção de Julian. Quando ele partiu para a América, ele levou o gato com ele. Tanto quanto eu sei, ele viveu uma vida longa e agradável, e faleceu de velhice".

A N N A

Z A I R E S


"Oh." Um pouco da minha tensão se desvanece. "Isso é bom. Não é bom que Julian perdeu seu animal de estimação, eu quero dizer, mas que viveu por um longo tempo". "Sim. É bom mesmo. E você sabe, Nora, a maneira como ele olhou para aquele gatinho..." Ela vira, olhando para mim com um sorriso estranho. "O quê?", Eu pergunto cautelosamente. "É como ele olha para você às vezes. Com o mesmo tipo de ternura. Ele nem sempre pode mostrá-lo, mas ele valoriza você, Nora. À sua maneira, ele te ama. Eu realmente acredito nisso." Eu pressiono meus lábios, tentando segurar as lágrimas que ameaçam inundar meus olhos novamente. "Por que você está me dizendo isso, Ana?", Pergunto quando eu estou certa que posso falar sem quebrar. "Por que você veio aqui?" "Porque Julian é a coisa mais próxima que eu tenho de um filho", diz ela suavemente. "E porque eu quero que ele seja feliz. Eu quero que ambos sejam felizes. Eu não sei se isso muda alguma coisa para você, mas eu pensei que talvez você devesse saber um pouco mais sobre o seu marido." Estendendo a mão, ela aperta a minha mão e, em seguida, caminha de volta para dentro da casa, deixando-me de pé junto ao corrimão, ainda mais confusa e deprimida do que antes.

Eu não me junto ao Julian no escritório naquela tarde. Em vez disso eu me tranco na biblioteca e trabalho sobre o que tenho que fazer, tentando não pensar sobre o meu marido e o quanto eu quero estar sentada ao seu lado. Eu sei que apenas estar perto dele me faria sentir melhor, que a sua presença por si só, ajudaria com a minha mágoa e raiva, mas algum impulso masoquista me mantém longe. Eu não sei o que eu estou tentando provar a mim mesma, mas estou determinada a manter minha distância por pelo menos algumas horas. Claro, não há como evitar ele no jantar.

A N N A

Z A I R E S


"Você não veio hoje", afirma ele, observando-me enquanto Ana nos serve uma concha de sopa de cogumelos de entrada. "Por que não?" Eu dou de ombros, ignorando o olhar suplicante que Ana me dá antes de voltar para a cozinha. "Eu não estava me sentindo bem." Juliano faz uma careta. "Você está doente?" "Não, apenas um pouco cansada por causa do tempo. Além disso, eu tinha um trabalho para terminar e algumas palestras para pôr em dia ". "É mesmo?" Ele olha para mim, as sobrancelhas desenhadas juntas. Inclinando-se para frente, ele pergunta baixinho: "Você está de mau humor, meu animal de estimação?" "Não, Julian", eu respondo tão docemente quanto eu posso, mergulhando minha colher na sopa. "Amuada implicaria que eu estou com raiva de algo que você fez. Mas eu não fico brava, não é? Você pode fazer o que quiser comigo, e eu devo apenas aceitá-lo, certo?" E, tomo um gole da sopa deliciosa, eu dou-lhe um sorriso doce, apreciando a forma como seus olhos estreitam com a minha resposta. Eu sei que estou puxando a cauda de um tigre, mas eu não quero um Julian doce, suave esta noite. É tão enganoso, tão perturbador para minha paz de espírito. Para minha frustração, ele não mordeu a isca. Seja qual for a raiva que eu consegui provocar é de curta duração e, no momento seguinte, ele se inclina para trás, um sorriso lento, sexy nos cantos dos lábios. "Você está tentando me culpar, baby? Certamente você já sabe que eu estou além de qualquer tipo de emoção". "Claro que você está." Eu quis dizer as palavras para soarem amargas, mas eles saem sem fôlego. Mesmo agora, ele tem o poder de fazer os meus sentidos girarem e girarem com nada mais do que um sorriso. Ele sorri, sabendo muito bem como ele me afeta, e mergulha sua própria colher na sopa. "Basta comer, Nora. Você pode me mostrar quão louca você está no quarto, eu prometo." E com essa ameaça tentadora, ele começa a consumir a sopa, me deixando sem escolha a não ser seguir o seu exemplo. Enquanto comemos, Julian me questiona sobre minhas aulas e como o meu programa on-line vai. Ele parece genuinamente interessado no que eu tenho a dizer, e eu logo me vejo falando com ele sobre as minhas

A N N A

Z A I R E S


dificuldades com Cálculos – será que um assunto mais chato já foi inventado? E discutimos os prós e contras de fazer um curso de Humanas no próximo semestre. Tenho certeza que ele deve achar minhas preocupações divertidas, afinal, é apenas a faculdade, mas se ele o faz, ele não mostra. Em vez disso ele me faz sentir como se eu estivesse conversando com um amigo, ou talvez um conselheiro de confiança. Isso é uma das coisas que fazem Julian tão irresistível: a sua capacidade de ouvir, de me fazer sentir importante para ele. Eu não sei se ele faz isso de propósito, mas há poucas coisas mais sedutoras do que ter a atenção de alguém, e eu sempre tenho isso, com Julian. Eu a tive desde o primeiro dia. Um sequestrador mal ou não, ele sempre me fez sentir querida e desejada, como se eu fosse o centro do seu mundo. Como se eu importasse verdadeiramente. Conforme o jantar continua, a história de Ana mexe mais e mais com a minha mente, tornando-me violentamente contente que Juan Esguerra esteja morto. Como pode um pai fazer isso com seu filho? Que tipo de monstro iria propositadamente tentar moldar o seu filho em um assassino? Imagino um Julian com doze anos de idade, levantando-se para aquele bruto por um gatinho indefeso, e eu sinto um flash involuntário de orgulho com a coragem do meu marido. Tenho a sensação de que manter esse animal de estimação contra a vontade do seu pai tinha sido extremamente difícil. Eu ainda estou longe de estar pronta para perdoar Julian, mas conforme seguimos nosso jantar para o segundo prato, considero a possibilidade de que algo diferente das tendências assediadoras de Julian estava por trás de seu desejo de implantar esses rastreadores em mim. Pode ser que, ao invés de não se importar comigo, ele se preocupe demais? Poderia seu amor ser tão escuro e obsessivo? Tao torcido? Eu sabia, é claro, sobre a morte de Maria e de seus pais, mas eu nunca coloquei os dois eventos juntos, nunca pensei nisso como Julian perdendo todos com quem ele já se preocupou. Se Ana está certa, se eu realmente sou especial para Julian – então não é particularmente surpreendente que ele vá tão longe para garantir a minha segurança, especialmente já que ele quase me perdeu uma vez. É insano e assustador, mas não é particularmente surpreendente.

A N N A

Z A I R E S


"Então, o que era tão urgente essa manhã?", pergunto, terminando a minha segunda porção do prato de salmão cozido que Ana preparou como o prato principal. Meu apetite está de volta com uma vingança, todos os vestígios do meu mal-estar anterior se foram. É incrível o que até mesmo um pouco da companhia de Julian faz para mim; sua proximidade é melhor do que qualquer droga que aumente o humor no mercado. "Quando você não pôde se juntar a mim no café da manhã, eu quero dizer?" "Oh, sim, eu ia lhe dizer sobre isso", Julian diz, e eu vejo um brilho de emoção escura em seus olhos. "os Contatos de Peter em Moscou conseguiram permissão para nós realizarmos uma operação para tirar Majid e o resto dos combatentes da Al-Quadar do Tajiquistão. Assim que estiver pronta – espero que em uma semana ou assim estaremos fazendo o nosso movimento." "Oh, uau." Eu olho para ele, tanto animada como perturbada com a notícia. "Quando você diz 'nós', quer dizer seus homens, certo?" "Bem, sim." Julian parece intrigado com a minha pergunta. "Eu vou levar um grupo de cerca de cinquenta dos nossos melhores soldados e deixar o resto para proteger a propriedade." "Você vai para essa operação?" Meu coração salta uma batida conforme eu espero ansiosamente por sua resposta. "Claro." Ele parece surpreso que eu poderia pensar de outra forma. "Eu sempre vou nesses tipos de missões pessoalmente se eu puder. Além disso, tenho alguns negócios na Ucrânia que são melhores se tratado em pessoa, então eu vou lidar com isso no caminho de volta." "Julian..." Sinto-me doente de repente, toda a comida que ingeri pesando no meu estômago como uma rocha. "Isso parece realmente perigoso... Por que você tem que ir?" "Perigoso?" Ele ri baixinho. "Você está preocupada comigo, meu animal de estimação? Posso lhe assegurar, não há necessidade. O inimigo vai estar em menor número e desarmado. Eles não têm chance, acredite em mim." "Você não sabe disso! E se eles detonarem uma bomba ou algo assim?" Minha voz se eleva quando eu me lembro do horror da explosão do

A N N A

Z A I R E S


armazém. "E se eles o enganarem de alguma forma? Você sabe que eles querem matar você." "Bem, tecnicamente, eles querem me forçar a dar-lhes o explosivo", ele me corrige, um sorriso escuro nos lábios, "e, em seguida, eles querem me matar. Mas você não tem nada com que se preocupar, baby. Vamos digitalizar os aposentos para detectar quaisquer sinais de bombas antes de entrarmos, e todos nós vamos estar usando uma armadura de corpo inteiro que pode resistir a tudo, menos uma explosão de foguete." Eu empurro meu prato, nem um pouco tranquila. "Então deixe-me ver se entendi... Você está me forçando a usar rastreadores aqui, onde ninguém pode tocar em um único fio de cabelo na minha cabeça, e você está planejando ir para fora para o Tajiquistão para brincar de 'capturar o terrorista'? " O sorriso de Julian desaparece, sua expressão endurecendo. "Eu não estou brincando, Nora. A Al-Quadar representa uma ameaça muito real, e é uma que eu preciso eliminar o mais rapidamente possível. Precisamos atacá-los antes que eles venham atrás de nós, e essa é a oportunidade perfeita para fazer isso." Eu olho para ele, a enorme injustiça de toda a coisa fazendo a minha pressão arterial subir. "Mas por que você tem que ir pessoalmente? Você tem todos esses soldados e mercenários em seu comando – certamente eles não precisam de você lá-" "Nora..." Sua voz é suave, mas seus olhos são duros e frios, como pingentes de gelo. "Isso não é motivo de discussão. O dia em que eu começar a temer minha própria sombra será o dia em que eu precisarei deixar esse negócio, porque isso significa que eu fiquei mole. Mole e preguiçoso, como o homem cuja fábrica eu tomei quando eu estava começando..." Ele sorri novamente com meu olhar de choque. "Oh, sim, meu animal de estimação, como você acha que eu mudei de drogas para armas? Eu assumi a operação existente de alguém e construí sobre ela. O meu antecessor também tinha soldados e mercenários em seu comando, mas ele era pouco mais do que um burocrata glorificado e todos sabiam disso. Ele não mantinha rédeas apertadas em sua organização, e foi uma simples questão de subornar algumas pessoas para derrubá-lo e ter sua fábrica de foguetes para mim." Julian faz uma pausa para me deixar digerir

A N N A

Z A I R E S


isso por um segundo, em seguida, acrescenta, "Eu não vou ser aquele homem, Nora. Essa missão é importante para mim, e eu tenho toda a intenção de supervisiona-la eu mesmo. Majid não vai sobreviver dessa vez eu vou ter certeza disso".

A N N A

Z A I R E S


Após o jantar acabar, eu levo Nora para o nosso quarto, a minha mão apoiada na parte inferior de suas costas, enquanto caminhamos até as escadas. Ela está tranquila, como ela tem estado desde que eu expliquei a ela sobre a próxima missão, e eu sei que ela ainda está chateada comigo, tanto sobre os rastreadores como a viagem em si. Acho a preocupação dela tocante, até mesmo doce, mas eu não tenho nenhuma intenção de perder essa oportunidade de colocar minhas mãos sobre Majid. Meu animal de estimação não entende a emoção sombria de estar no meio da ação, de sentir o choque da adrenalina e ouvir o zumbido de balas. Ela não percebe que, para alguém como eu, a visão do sangue e o som dos gritos dos meus inimigos é excitante, que tenho vontade disso quase tanto quanto de sexo. Esse lado meu é o motivo pelo qual um psiquiatra achou que eu poderia ser um sociopata limítrofe... bem, isso e minha falta geral de remorso. É um rótulo que nunca me incomodou, particularmente, pelo menos nem uma vez eu tive a ilusão juvenil que eu poderia um dia levar uma vida "normal". À medida que entramos no quarto, a fome que eu tenho restringindo desde ontem se intensifica, o monstro dentro de mim exigindo sair. O distanciamento que estou sentindo de Nora só piora as coisas. Eu posso sentir as barreiras que ela está tentando erguer entre nós, o jeito que ela está tentando me colocar para fora de seus pensamentos, e isso me enlouquece, alimentando o desejo sádico escondido dentro de mim.

A N N A

Z A I R E S


Vou quebrar essas barreiras hoje à noite. Eu vou derrubá-las até que ela não tenha defesas, até que eu possua sua mente, totalmente, de novo. Ela se desculpa para ir tomar um banho rápido, e eu a deixo, caminhando até a cama para esperar por seu retorno. Já estou semi-duro, meu pau agitado na expectativa do que eu vou fazer com ela, e minhas calças estão começando a ficar desconfortavelmente apertadas. Ouvindo a água ligando, eu tiro a roupa, em seguida, vou até a gaveta de cabeceira e puxo para fora uma variedade de ferramentas que pretendo usar nela essa noite. Fiel à sua palavra, Nora não leva muito tempo. Cinco minutos depois, e ela está saindo do banheiro, uma toalha branca de pelúcia enrolada em seu corpo pequeno. Seu cabelo está preso em cima de sua cabeça em um coque bagunçado, e sua pele dourada está úmida, gotículas de água ainda agarradas a seu pescoço e ombros. Ela deve ter tirado o Band-Aids, para tomar banho, porque eu posso ver uma pequena crosta e alguns hematomas no braço, onde o rastreador entrou. A visão disso me enche de uma estranha mistura de emoções – alívio que eu agora posso sempre manter um olho sobre ela e algo com gosto estranho, como pesar. Seu olhar vai em direção à cama, e ela para dura no caminho, arregalando os olhos enquanto ela vê os objetos que eu peguei. Eu sorrio, apreciando a expressão de espanto no seu rosto. Nós não temos brincado com brinquedos há algum tempo, pelo menos não assim. "Solte a toalha e vá para a cama," Eu ordeno, levantando-me e estendendo a mão para a venda. Ela olha para mim, os lábios entreabertos e sua pele suavemente corada, e eu sei que ela está animada com isso também, que suas necessidades agora espelham as minhas. Há apenas uma pitada de hesitação em seus movimentos enquanto ela tira a toalha e a deixa cair no chão, deixando-a ali completamente nua. Conforme eu deleito meus olhos em seu corpo magro, escultural, minhas bolas apertam e meu coração acelera. Racionalmente eu sei que deve haver mulheres mais bonitas do que Nora lá fora, mas se houver, eu não consigo pensar em nenhuma. Do topo da cabeça até os dedos dos pés delicados, ela se adapta as minhas preferências perfeitamente. Meu corpo

A N N A

Z A I R E S


anseia por ela com uma intensidade que parece estar crescendo mais forte a cada dia, com um desespero que quase me consome. Ela sobe em cima da cama, ficando em uma posição ajoelhada, com os pés enfiados debaixo dela apertado sua bunda redonda. Seus movimentos são fluidos e graciosos, como os de um gato pequeno e elegante. Ficando de joelhos atrás dela, eu tiro seu cabelo fora de seu ombro e gentilmente beijo seu pescoço, desfrutando da forma que sua respiração muda em resposta. Ela cheira a algo feminino, sua pele quente e seu corpo com cheiro de flor, uma mistura que faz minha cabeça girar e meu batimento aumentar com a necessidade. Em algumas noites isso é tudo o que quero dela – a doçura de sua resposta, a sensação dela em meus braços. Algumas noites eu quero tratá-la como a frágil criatura quebrável que ela é. Naquela noite, porém, eu quero algo diferente. Puxando- a para trás, eu amarro a venda em torno de seus olhos, certificando-me de que ela não pode ver nada. Eu quero que ela se concentre apenas nas sensações que ela vai estar enfrentando, para sentir tudo da forma mais profunda possível. Em seguida, eu pego um par de algemas acolchoadas e as encaixo em torno de seus pulsos, prendendo suas mãos atrás das costas. "Um, Julian..." Sua língua sai para umedecer o lábio inferior. "O que você vai fazer comigo?" Eu sorrio, a pequena pitada de medo em sua voz me excita ainda mais. "O que você acha que eu vou fazer com você, meu animal de estimação?" "Ferir-me?", Ela adivinha, com a voz baixa e um pouco rouca. Eu posso ver seus mamilos crescendo tensos quando ela fala, e eu sei que a ideia não é exatamente repelente para ela. "Não, baby", murmuro, estendendo a mão para um dos outros itens eu preparei – um par de grampos de mamilo ligados por uma corrente de metal fina. "Você não está curada o suficiente para isso ainda. Eu tenho outras coisas em mente para você hoje." E pegando os grampos, eu envolvo meus braços em torno dela pela parte de trás e belisco o mamilo esquerdo

A N N A

Z A I R E S


entre meus dedos. Então eu aplico um dos grampos no broto duro, apertando até que sua respiração sibila por entre os dentes. "Como se sente?", Pergunto suavemente, inclinando-me para beijar o topo de sua orelha conforme eu vou para seu mamilo direito. As mãos atadas, enroladas firmemente em punhos, pressionam em meu estômago, lembrando-me de sua impotência. "Eu quero ouvir você descrevendo-o" Ela solta um suspiro trêmulo, o peito arfando. "Dói-" ela começa a dizer, então clama fortemente quando eu aplico o segundo grampo em seu mamilo e aperto-o da mesma maneira. "Bom..." Eu levemente mordo sua orelha. Minha ereção roça contra a parte inferior de suas costas, o contato enviando vibrações de prazer até minhas bolas. "E agora?" "Dói ainda mais..." Suas palavras saem em um sussurro áspero. Suas costas estão tensas contra mim, e eu sei que ela está dizendo a verdade, porque seus mamilos sensíveis estão retesados com a agonia da pressão viciosa do brinquedo. Eu usei grampos de mamilo nela antes, na ilha, mas aqueles eram uma versão mais suave, capaz de aplicar apenas uma pressão leve. Esses são muito mais hardcore6, e eu sorrio sombriamente quando eu imagino o quanto eles vão doer quando eles saírem. Tocando a parte inferior dos seus seios com as mãos, eu os espremo ligeiramente, moldando a carne macia com os dedos. "Sim, dói, não é?" Murmuro enquanto ela empurra na dor, o movimento das minhas mãos puxando a corrente entre os mamilos. "Minha pobre bebê, tão doce, mas tão abusada..." Liberando seus seios, eu corro minha mão para baixo na sua barriga lisa, plana, até chegar as dobras suaves entre as pernas. Como eu suspeitava, apesar da dor ou, mais provavelmente, por causa dela, ela está totalmente molhada, sua boceta pingando com necessidade. Meu pau pulsa em resposta. A visão dela presa, com seus mamilos delicados grampeados e feridos, agrada-me de uma forma que meu velho psiquiatra teria, sem dúvida, achado perturbadora. Fazendo o meu melhor para controlar a minha fome, eu toco seu pequeno clitóris com o polegar, pressionando-o

Hardcore pode ser interpretado como uma variação extrema de algo. Nesse caso Julian quis dizer que esses grampos de mamilo são extremamente dolorosos. 6

A N N A

Z A I R E S


levemente, e ela geme, recostando-se contra o meu peito, seus quadris levantando-se em um apelo silencioso por mais. "Diga-me o que você está sentindo agora." Eu deliberadamente mantenho uma leve pressão sobre o clitóris. "Diga-me, Nora." "Eu... Eu não sei..." "Diga-me como esses pequenos mamilos se sentem. Eu quero ouvir você dizer isso." Eu exijo, enquanto pressiono meu dedo firmemente em seu clitóris, fazendo-a gritar e empurrar contra mim por causa da dor súbita. "Eles, eles ainda doem", ela suspira quando ela se recupera, "mas agora é diferente, menos doloroso e mais como um pulsar constante..." "Boa menina..." Eu acaricio seu clitóris inchado suavemente como uma recompensa. "E qual é a sensação quando eu te toco assim?" Sua língua cor-de-rosa pequena sai de novo, passando sobre o lábio inferior. "É uma sensação boa", ela sussurra, "realmente boa... Por favor, Julian..." "Por favor, o quê?" Eu provoco, querendo ouvi-la implorar. Ela tem a voz perfeita para mendigar, doce e inocentemente sexy. Sua súplica me afeta de uma maneira que é exatamente o oposto do que ela pretende, me faz querer atormentá-la mais. "Por favor, me toque..." Ela levanta os quadris novamente, tentando intensificar a pressão sobre seu sexo. "Tocá-la onde?" Eu tiro a minha mão, privando-a de meu toque completamente. "Diga-me exatamente onde você quer que eu te toque, meu animal de estimação". "Meu... meu clitóris..." As palavras saem com um gemido sem fôlego. Eu posso ver o brilho de suor na sua testa, e eu sei que a minha tortura está tendo um efeito sobre ela, que as sensações que ela está sentindo são tão intensas como eu pretendia. "Tudo bem, baby." Eu a toco de novo, pressionando meus dedos em suas dobras estimulando com golpes leves e contínuos. "Assim?" "Sim." Ela está respirando mais rápido agora, seu peito subindo e descendo enquanto seu orgasmo se aproxima. "Sim, apenas assim..." Sua voz diminui, seu corpo tencionando como uma corda, e então ela grita,

A N N A

Z A I R E S


empurrando em meus braços quando ela atinge o seu pico. Eu a seguro, mantendo a pressão sobre o clitóris constante até suas contrações diminuírem, e então eu vou para um outro objeto que eu preparei. É um vibrador, desta vez, um que é aproximadamente do tamanho do meu próprio pau. Feito de uma mistura especial de silicone e plástico, é projetado para imitar a sensação de carne humana, até a textura da pele – como no exterior. É o mais perto que eu vou deixar Nora experimentar o pênis de outro homem. Segurando-a contra mim com um braço, eu trago o vibrador ao seu sexo e posiciono a cabeça na sua abertura, abrindo-a. "Diga-me o que você está sentindo agora," Ordeno, e começo a empurrar o objeto dentro. Ela engasga, sua respiração acelerando novamente, e eu a sinto se contorcendo conforme o grande brinquedo entra lentamente na sua vagina. Seus dedos apertam e soltam contra o meu estômago em um ritmo agitado, as unhas arranhando a minha pele. "Eu-eu não..." "Você não o quê?" Meu tom aguça. "Diga-me como você sente isso." "Parece... grosso e duro." O tremor em sua voz endurece meu pau ainda mais, pulsando com necessidade. "E?" Eu pergunto, empurrando o objeto mais profundamente. O vibrador parece quase grande demais para seu corpo delicado aceitar, e a visão de sua buceta apertada gradualmente engolindo ele é dolorosamente erótica. "E-" ela exala fortemente, a cabeça caindo para trás contra o meu ombro, "-e ele parece como se ele estivesse me alargando e me enchendo..." "Sim, querida, isso é certo." Agora o vibrador está todo dentro dela, com apenas o fim de fora. Eu a recompenso por sua honestidade, esfregando seu clitóris com os dedos, espalhando a umidade, abrindo tudo ao redor de suas dobras suaves. Quando ela está ofegante de novo, seus quadris ondulando contra a minha mão, eu paro, movendo-me um pouco para trás, antes que ela possa gozar sem mim. Então eu a empurro para a frente, pressionando seu rosto contra o colchão, e puxo suas pernas para trás, tirando-as debaixo dela, fazendo-a deitar plana sobre sua barriga. Tanto quanto eu quero continuar a brincar com ela, eu não posso mais esperar para transar com ela.

A N N A

Z A I R E S


Privada de meu toque e com seus mamilos apertados esfregando dolorosamente contra os lençóis, ela choraminga, tentando rolar para o lado dela. Eu não a deixo, segurando-a com uma mão enquanto eu enfio um travesseiro sob os quadris dela com a outra. Então eu pego lubrificante e esguicho diretamente sobre a abertura pequena, enrugada entre suas nádegas, logo acima, onde a borda do vibrador está saindo de sua boceta esticada, brilhante. Ela fica tensa, percebendo agora as minhas intenções, e eu dou um tapa na bunda dela com uma mão, reprimindo qualquer protesto que ela poderia ter tentado fazer. "Calma agora. Você precisa me dizer como se sente, você me entende, meu animal de estimação?" Ela choraminga quando eu abro ela e pressiono a ponta do meu pau no seu pequeno rabo apertado, mas eu a sinto tentando relaxar debaixo de mim, assim como eu lhe ensinei. O sexo anal é algo com o qual ela ainda não está inteiramente confortável, e sua relutância me agrada de alguma forma perversa. Mostrando-me o quanto ela evoluiu com minha formação e quão longe eu ainda tenho que ir. "Você entendeu?" Eu repito em um tom mais áspero quando ela permanece em silêncio, respirando pesadamente no colchão, as mãos atadas e presas atrás das costas. Eu quero desesperadamente enfiar meu pau em todo o caminho, mas eu me contento em apenas empurrar ele, escorrendo o lubrificante em volta da sua abertura traseira. Hoje à noite eu quero estar dentro de sua mente tanto quanto eu quero estar dentro de seu corpo, e eu não vou me contentar com nada menos. "Sim..." Suas palavras são abafadas pelo cobertor quando eu avanço e começo a penetrar seu rabo, ignorando suas tentativas de se esquivar. "Parece... Oh Deus... Eu não posso... Julian, por favor, é muito, muito-" "Diga-me," eu ordeno, continuando a pressionar, empurrando a resistência do seu esfíncter. Com sua boceta já preenchida com o vibrador, o rabo está tão apertado em volta do meu pau que eu estou tremendo com o esforço que estou fazendo para me controlar. Minha voz é grossa com o desejo quando eu falo, "Eu quero ouvir tudo." "Isso-queima..." Ela está ofegante, e eu posso ver gotas de suor entre as omoplatas, fios de seu cabelo longo que aderem a sua pele úmida. "Oh, caralho... Estou muito cheia... É muito intenso..."

A N N A

Z A I R E S


"Sim, isso é bom... Continue falando..." Estou agora quase todo dentro, e eu posso sentir meu pau esfregando contra o vibrador apenas com uma fina parede me separando do brinquedo. Ela está tremendo debaixo de mim agora, seu corpo esmagado pelas sensações, e eu a acaricio de novo em um movimento suave conforme eu avanço uma última polegada, chegando ao fundo de seu corpo. Ela faz um barulho incoerente, os ombros começando a tremer, e seus músculos se contraem em torno do meu pau em um esforço inútil para me empurrar para fora. O movimento mexe o vibrador dentro dela, e ela grita, sua agitação se intensificando. "Eu não posso... Julian, por favor, eu não aguento..." Eu gemo, prazer explosivo vindo através das minhas bolas quando o seu rabo aperta meu pau. Meu controle acaba, eu tiro a metade e, em seguida, mergulho de volta dentro, deleitando-me com a sensação de resistência do seu corpo, no aperto quase agonizante de sua passagem quente e suave em torno do meu pau. Ela grita no cobertor conforme eu começo a entrar nela com confiança, uma mistura de soluços e súplicas ofegantes escapando de sua garganta quando eu defino um ritmo duro, constante. Inclinado para a frente, eu abraço ela com uma mão e deslizo a outra sob os quadris, encontrando seu sexo. Agora cada impulso do meu quadril pressiona o clitóris contra meus dedos, e seus gritos assumem uma nota diferente, a do prazer sem vontade, de êxtase misturado com dor. Eu posso sentir o vibrador mudando e se movendo conforme eu transo com ela, e meu orgasmo ferve com a intensidade súbita, minha coluna endurece quando minhas bolas soltam uma descarga contra o meu corpo. Assim que eu estou prestes a entrar em erupção, seu rabo aperta em mim, e eu percebo com prazer escuro que ela está vindo também, que seus músculos têm espasmos ao redor do meu pau enquanto ela grita debaixo de mim. E então meu orgasmo vem, uma onda de choque de prazer rasgando meu corpo com jatos da minha semente nas suas profundezas quentes, deixando-me atordoado e sem fôlego com a força da minha libertação. Quando o meu coração já não se sente como se estivesse prestes a explodir, eu cuidadosamente retiro da sua bunda e puxo o vibrador da sua vagina. Ela está lá mole e flexível, pequenos soluços ainda sacudindo o

A N N A

Z A I R E S


corpo quando eu abro as algemas e massageio seus pulsos delicados. Em seguida, eu solto a venda, deslizando-a para fora dela. A peça de seda está banhada com as lágrimas de Nora, e quando eu gentilmente a pego, eu vejo listras molhadas em seu rosto vincado pelo cobertor. Ela pisca para mim, apertando os olhos contra a luz brilhante, e eu chego até os mamilos, liberando primeiro um, depois o outro dos grampos. Ela não reage por um momento, mas depois de toda a sua descarga corporal quando o sangue corre de volta para as papilas abusadas. Um gemido escapa de sua garganta, e lágrimas vem em seus olhos enquanto suas mãos vão para cima para cobrir os seios, embalando-os de forma protetora contra a dor. "Shh", eu a acalmo, inclinando-me para beijá-la. Seus lábios tem um gosto salgado de suas lágrimas, e uma pequena chama de excitação reacende dentro de mim. Meu pau, agora flácido, tem contrações musculares, sua dor e lágrimas me acendem apesar da minha extrema saciedade. Eu não estou duro ainda para a segunda rodada, no entanto, e em vez de aprofundar o beijo, eu relutantemente levanto a cabeça e olho para ela. Ela olha para mim, os olhos ligeiramente fora de foco, e eu sei que ela ainda está se recuperando da intensidade da experiência que a fiz passar. Nesse momento, ela está totalmente indefesa, a mente e o corpo não blindado, e eu uso seu estado debilitado para tirar vantagem. "Diga-me como você se sente agora", murmuro, levantando uma mão para acariciar ternamente sua mandíbula. "Diga-me, baby". Ela fecha os olhos, e vejo uma única lágrima rolar pelo seu rosto. "Eu me sinto... cheia e vazia, ao mesmo tempo, destruída, ainda que reabastecida", ela sussurra, suas palavras quase inaudíveis. "Sinto-me como se tivesse sido cortada em pedaços e, em seguida, refeita, com os pedaços sendo algo mais, algo que já não sou eu... algo que pertence a você..." "Sim." Eu absorvo suas palavras com avidez. "E o que mais?" Ela abre os olhos, encontrando o meu olhar, e eu vejo espécie de desesperança gravado em seu rosto. "E eu te calmamente. "Eu te amo mesmo que eu o veja pelo que você eu saiba o que você está fazendo comigo. Eu te amo porque

A N N A

Z A I R E S

uma estranha amo", diz ela é, mesmo que eu já não sou


capaz de não amar você... porque você é agora parte de mim, para o melhor ou para o pior." Eu seguro seu olhar, os cantos vazios e escuros da minha alma sugam suas palavras como uma planta do deserto suga a água. Seu amor não pode ser dado livremente, mas é meu. Será meu sempre. "E você é parte de mim, Nora," Eu admito, minha voz baixa e, incomumente, rouca. Isso é o mais próximo que eu posso chegar a lhe dizer o quanto ela significa para mim, quão profundo é o meu desejo por ela. "Eu espero que você saiba disso, meu animal de estimação". E antes que ela possa responder, eu a beijo novamente, em seguida, deslizo os braços sob o corpo dela, a pego e levo ao banheiro para se lavar.

A N N A

Z A I R E S


A semana antes da partida de Julian é agridoce. Eu ainda não o perdoei totalmente pelos implantes forçados dos rastreadores ou pela pulseira incorporada com outro rastreador que ele me fez começar a usar um par de dias mais tarde. No entanto, desde as palavras de Julian naquela noite, eu fui me sentindo infinitamente melhor. Eu sei que o que ele disse não é exatamente uma declaração de amor eterno, mas vindo de um homem como Julian, poderia muito bem ser. Ana está certa: Julian perdeu todos os que já importaram para ele. Todos, exceto eu, é isso. O fato de que ele se agarra a mim com tanta possessividade brutal pode ser esmagador às vezes, mas é também uma indicação de seus sentimentos. Seu amor por mim é errado e perverso de muitas maneiras, mas não é menos real por causa disso. É claro que, sabendo isso faz o meu medo pela segurança de Julian na próxima viagem ainda mais intenso. Conforme se aproxima sua partida, a minha alegria sobre sua confissão desaparece, e a ansiedade toma o seu lugar. Eu não quero que Julian vá. Toda vez que penso nele indo nessa missão, eu sou tomada por uma sensação sufocante de medo. Eu sei que há um componente irracional no meu medo, mas isso não o diminui de forma alguma. Além do perigo muito real do que Julian irá enfrentar, eu tenho simplesmente medo de ficar sozinha. Nós passamos tão pouco tempo

A N N A

Z A I R E S


separados nos meses anteriores que o pensamento de estar sem ele, mesmo que por alguns dias me faz sentir profundamente estressada e inquieta. Não ajuda que eu tenho exames e trabalhos em abundância, ou que meus pais têm me pressionado para ir para uma visita, algo que Julian não vai permitir que até que a ameaça Al-Quadar seja totalmente contida. "Você não pode deixar a propriedade, mas eles podem vir nos visitar aqui, se você quiser", ele me diz durante a prática de tiro uma tarde. "Eu aconselharia contra isso, no entanto. Agora seus pais estão mais ou menos fora do radar, mas quanto mais contato eu pareça ter com a sua família, em mais perigo eles estarão. Cabe a você, porém. Basta dizer uma palavra, e vou enviar um avião para eles." "Não, está tudo bem", eu digo apressadamente. "Eu não quero chamar atenção desnecessária para eles." E levantando minha arma, eu começo a atirar as latas de cerveja na borda distante do campo, deixando o choque agora familiar da arma tirar um pouco da minha frustração. Percebi que meus pais estão em perigo um par de dias depois que vim para a fazenda. Para meu alívio, Julian me disse que ele já tinha colocado uma segurança discreta neles - seguranças altamente treinados cuja função é proteger a minha família, deixando-os seguir com suas vidas. A alternativa, explicou, é trazê-los para a propriedade com a gente, uma solução que meus pais rejeitaram assim que eu levantei. "O quê? Nós não vamos mudar para a Colômbia para viver com um traficante de armas ilegal!" Meu pai exclamou quando lhe contei sobre o perigo potencial. "Quem é que aquele bastardo pensa que é? Eu acabo de arranjar um emprego novo, além do que, não podemos deixar todos os nossos amigos e parentes!" E isso foi tão longe quanto eu consegui. Eu não posso dizer que culpo meus pais por não quererem se mudar para o outro lado do mundo para estar comigo na propriedade do meu sequestrador. Eles ainda são jovens, em seus quarenta e poucos anos, e eles sempre levaram vidas ocupadas, ativas. Meu pai joga lacrosse quase todo fim de semana, e minha mãe tem um grupo de amigas que se reúnem para o vinho e fofocas em uma base regular. Meus pais também são ainda muito apaixonados um pelo outro, com o meu pai constantemente surpreendendo minha mãe com pequenos presentes de flores, chocolate, ou um jantar fora. Crescendo, eu não tive

A N N A

Z A I R E S


nenhuma dúvida de que eles me amavam muito, mas eu também sabia que eu não era o epicentro absoluto de suas vidas. Não, se o que Julian diz é verdade e eu estou inclinada a confiar nele nisso – é melhor se meus pais não parecerem ter um contato muito próximo com a organização Esguerra. A sua capacidade de levar uma vida normal depende disso.

Na noite antes que Julian está programado para sair, eu peço a Ana para preparar um jantar especial para nós. Eu descobri recentemente que Julian tem uma fraqueza por tiramisu, de modo que é a nossa sobremesa para hoje à noite. Para o prato principal, Ana fez lasanha da mesma maneira que a mãe de Julian costumava fazer. A governanta me disse que era o seu prato favorito quando ele era um menino. Eu não sei por que estou fazendo isso. Não é como se uma boa refeição, de repente convencesse Julian a renunciar ao prazer cruel de ter suas mãos sobre Majid. Eu conheço o meu marido bem o suficiente para entender que nada pode dissuadi-lo disso. Julian está acostumado com a perigo. Eu acho que ele anseia por ele até certo ponto. Eu não sou tola o suficiente para pensar que eu posso domestica-lo com um jantar. Ainda assim, eu quero que essa noite seja especial. Eu preciso que ela seja especial. Eu não quero pensar sobre terroristas e tortura, sequestro e mentes fodidas. Por apenas uma noite, eu quero fingir que somos um casal normal, que eu sou simplesmente uma esposa que quer fazer algo de bom para o seu marido. Antes do jantar, eu tomo um banho e seco o meu cabelo castanho comprido até que esteja liso e brilhante. Eu até mesmo aplico um pouco de sombra e gloss. Eu normalmente não me esforço tanto com a minha aparência, uma vez que Julian já é insaciável como sou, mas essa noite eu quero parecer mais bonita para ele. Meu vestido para a noite é um modelo curto sem alças, marfim com um detalhe preto na cintura, e os meus sapatos são peep-toes scarpins pretos sensuais. Por baixo, eu estou

A N N A

Z A I R E S


vestindo um sutiã sem alças pushup preto e uma tanga correspondente, o conjunto de lingerie mais perverso que eu tenho no meu guarda-roupa. Eu vou seduzir Julian essa noite, por nenhuma outra razão que não seja porque eu quero. Ele fica atrasado por alguma logística de última hora, assim eu acabo esperando por ele na mesa de jantar à luz de velas para uns poucos minutos, ansiedade e excitação lutando por supremacia no meu peito. Ansiedade, porque eu tenho o pensamento doente sobre o amanhã, e excitação, porque eu não posso esperar para passar o tempo com Julian. Quando ele finalmente entra na sala, eu me levanto para cumprimentá-lo, e seu olhar fixa em mim com uma intensidade de tirar o fôlego. Parando a poucos passos de distância, ele corre os olhos por cima do meu corpo. Quando ele levanta os olhos de volta para o meu rosto, o fogo que arde nas profundezas azuis envia um formigamento elétrico direto para o meu núcleo. Um sorriso sensual lento enrola seus lábios enquanto ele diz suavemente: "Você está linda, meu animal de estimação... Absolutamente linda." Um rubor de prazer aquece minha pele com o elogio. "Obrigada", eu sussurro, os olhos colados em seu rosto. Ele se troca para jantar e coloca uma camisa polo azul claro e um par de calças cáqui cinza que se ajustam em seu corpo alto, de ombros largos, como se fossem feitas para ele. Com seu cabelo escuro e brilhante de volta ao seu comprimento anterior, Julian pode facilmente passar para um modelo ou uma estrela de cinema de férias em um resort de golfe. Minha voz soa ofegante quando eu digo, "Você também parece bastante surpreendente." Seu sorriso se alarga quando ele se aproxima da mesa e para na minha frente. "Obrigado, querida", ele murmura, seus fortes dedos curvando-se ao redor dos meus ombros nus quando ele abaixa a cabeça e prende minha boca em um beijo profundo, mas incrivelmente terno. Eu me derreto no local, meu pescoço arqueia para trás sob a pressão da fome de seus lábios, e não é até que Ana incisivamente limpe a garganta atrás de nós que eu recupero meus sentidos o suficiente para perceber que não estamos no nosso próprio quarto. Envergonhada, eu o afasto, e Julian me solta, me liberando, e volta para trás com um sorriso.

A N N A

Z A I R E S


"Jantar primeiro, eu acho", ele diz com ironia e, rodeando a mesa, senta à minha frente. Ana, com as bochechas levemente avermelhadas, nos serve a lasanha e um copo de vinho, e desaparece antes que eu tenha a chance de dizer mais do que um rápido obrigada. "Lasanha..." Julian fareja apreciosamente a comida. "Eu não me lembro da última vez que eu comi isso." "Ana me disse que a sua mãe costumava fazer isso para você quando você era pequeno," eu digo suavemente, observando como ele dá a primeira mordida. "Eu espero que você ainda goste disso." Seus olhos levantam de seu prato, o olhar preso nos meus enquanto ele mastiga a comida. "Você arranjou isso?", Pergunta ele depois que ele engole, e há uma nota estranha em sua voz. Ele aponta para o vinho e as velas acesas nas bordas da mesa. "Não foi Ana que arrumou tudo isso?" "Bem, ela fez todo o trabalho", eu admito. "Eu simplesmente pedi a ela algumas coisas. Eu espero que você não se importe." "Me importar? Não, claro que não." Sua voz ainda soa um pouco estranha, mas ele não me questiona mais. Ao contrário, ele começa a comer, e a conversa se volta para as minhas próximas provas. Depois que terminamos com a lasanha, Ana traz a sobremesa. Parece tão rica e esplêndida como qualquer uma que tenha sido vista em um restaurante italiano, e observo a reação de Julian quando Ana a coloca sobre a mesa na frente dele. Se ele está surpreso, ele não demonstra. Em vez disso, ele dá a Ana um sorriso quente e agradece a ela pelos esforços. Não é até que ela saia da sala que ele se vira para olhar para mim. "Um tiramisu?", Ele diz suavemente, seus olhos refletindo a luz das velas. "Por que, Nora?" Eu dou de ombros. "Por que não?" Ele me estuda por um momento, seu olhar extraordinariamente pensativo enquanto demora-se no meu rosto, e eu espero ele pressionar ainda mais. Mas ele não o faz. Em vez disso, ele pega seu garfo. "Por que não, na verdade," ele murmura e volta sua atenção para a sobremesa deliciosa.

A N N A

Z A I R E S


Eu sigo sua liderança, e logo nossos pratos estão praticamente limpos, como se tivéssemos lambido eles.

Quando chegamos lá em cima, Julian me leva para a cama. Em vez de me despir de imediato, no entanto, ele segura o meu rosto entre as mãos. "Obrigado por uma noite maravilhosa, baby", ele sussurra, seus olhos escuros com alguma emoção indefinível. Eu sorrio para ele, minhas mãos indo para a sua cintura. "Claro..." Meu coração parece que está prestes a transbordar de felicidade. "O prazer é meu." Ele parece que está prestes a dizer algo mais, mas então ele apenas inclina a boca e começa a me beijar com paixão profunda, quase que com desespero. Meus olhos se fecham com o prazer fazendo espirais através de mim. Seus lábios são incrivelmente macios, sua língua habilmente acariciando a minha, e o sabor rico e escuro dele faz a minha cabeça girar. Conforme nós nos beijamos, suas mãos deslizam nas minhas costas, me pressionando mais perto dele. A dureza de sua ereção contra a minha barriga envia uma lança de calor direto para o centro do meu sexo, e eu me agarro ao seu lado, meus joelhos enfraquecendo enquanto seus lábios vagam da minha boca para minha orelha e, em seguida, para baixo para o meu pescoço. "Você é tão gostosa", ele murmura roucamente. Sua respiração quase queima minha pele sensível, e eu gemo, minha cabeça caindo para trás enquanto ele me levanta sobre o braço para mordiscar a área bem acima da minha clavícula. Meus mamilos apertam, e meu sexo começa a doer com a tensão pulsante familiar quando Julian lambe minha pele, em seguida, sopra ar frio sobre a mancha molhada, enviando arrepios eróticos por todo o meu corpo. Antes que eu possa me recuperar, ele me puxa de pé, me girando de modo que eu estou de pé, de costas para ele. Então suas mãos estão na parte traseira do meu vestido, puxando para baixo o zíper. O pequeno

A N N A

Z A I R E S


vestido cai no chão, deixando-me vestindo nada além de meus saltos pretos, sutiã push-up, e fio dental. Julian suga uma respiração audível, e eu me viro, dando-lhe um sorriso provocante, lento. "Você gosta?" Murmuro, dando um par de passos para trás para lhe dar uma visão melhor. A expressão em seu rosto faz meu pulso acelerar de excitação. Ele está olhando para mim como um homem faminto olha para um pedaço de bolo, com desejo agonizante e luxúria nua. Seus olhos dizem que ele quer me devorar e me saborear ao mesmo tempo... que eu sou a mulher mais quente que ele já viu em sua vida. Em vez de responder, ele anda na minha direção e chega nas minhas costas para desenganchar o sutiã. Assim que meus seios estão livres, ele cobre-os com as palmas das mãos quentes, os polegares raspando em meus mamilos endurecidos. "Você está fodidamente extraordinária", ele sussurra se aproximando, olhando para mim, e eu solto uma respiração instável, as suas palavras e o toque de suas mãos, fazendo minhas entranhas torcerem. "Você é tudo em que eu posso pensar Nora... tudo o que posso focar..." Sua confissão transforma meus ossos em gelatina. O conhecimento que tenho esse efeito sobre ele, que esse homem poderoso e perigoso é tão consumido por mim como eu sou por ele, faz meu coração bater num ritmo selvagem, errático. Independentemente de como tudo começou, Julian agora é meu, e eu quero ele tanto quanto ele me quer. Encorajada, eu envolvo meus braços em volta do seu pescoço e puxo sua cabeça para baixo para mim. Conforme nossos lábios se encontram, eu coloco tudo que tenho naquele beijo, deixando-o sentir o quanto eu preciso dele, o quanto eu o amo. Minhas mãos deslizam em seu cabelo grosso, sedoso, enquanto seus braços se fecham em torno das minhas costas, me pressionando contra ele, e meus mamilos pontiagudos esfregam contra o algodão com as nervuras de sua camisa, lembrando-me do contraste tentador entre a minha quase-nudez e seu estado vestido. Sua ereção dura empurra contra a minha barriga, e o calor dentro de mim intensifica quando nossas bocas se beijam em uma sinfonia de luxúria, vindo juntamente com anseio explosivo. Eu não sei como acabamos na cama, mas eu me encontro lá, minhas mãos freneticamente rasgando as roupas de Julian enquanto ele dá beijos quentes no meu peito e estômago. Sua mão se fecha em torno da minha

A N N A

Z A I R E S


tanga, rasgando-a com um único movimento, e então seus dedos empurram dentro da minha abertura, dois grandes dedos penetrando-me com uma aspereza que me faz suspirar e arquear contra ele. "Você está tão molhada", ele rosna, empurrando seus dedos mais fundo dentro de mim antes de puxa-los e trazê-los para o meu rosto. "Prove o quanto você me quer." Insuportavelmente excitada, eu fecho meus lábios em torno de seus dedos, sugando-os em minha boca. Eles estão revestidos com a minha umidade, mas o gosto não me repele. Se alguma coisa, isso me excita, me faz queimar ainda mais. Julian geme quando eu chupo os dedos, girando minha língua em torno deles como se fossem seu pau, em seguida, ele tira a mão. Levantando-se, ele puxa a camisa sobre a cabeça com um único movimento, expondo os músculos embaixo. Suas calças são as próximas, e eu tenho um breve vislumbre de sua ereção antes que ele suba em cima de mim, com as mãos poderosas agarrando meus pulsos e prendendo-as ao lado dos meus ombros. Então seus olhos travam nos meus, e ele abre minhas coxas com os joelhos, pressionando a cabeça de seu pênis contra a minha abertura. Meu coração vibra com antecipação, eu seguro seu olhar. Seu rosto está tenso com o desejo, a mandíbula apertada quando ele lentamente me penetra. Eu esperava que ele me tomasse rudemente, mas ele é cuidadoso essa noite, trabalhando seu pau grosso dentro de mim com uma deliberação que é tanto excitante como frustrante. Não há dor conforme meu corpo se estende para aceitá-lo, apenas a plenitude agradável, mas alguma parte doente de mim agora quer a aspereza, a violência. "Julian..." Eu corro minha língua sobre os meus lábios. "Eu quero que você me foda. Realmente me foda." Para enfatizar o meu pedido, eu coloco minhas pernas ao redor de seus quadris, puxando-o todo o caminho para mim. Nós dois gememos com a sensação intensa, e eu vejo suas pupilas dilatarem até que tenha apenas uma borda fina de restos azuis ao redor do círculo preto. "Você quer que eu te foda?" Sua voz é gutural, tão cheia de fome que eu mal consigo distinguir as palavras. Suas mãos apertam em meus pulsos, quase cortando minha circulação. “Realmente te foda?"

A N N A

Z A I R E S


Eu aceno, meu pulso em algum lugar na estratosfera. Ainda me sinto mal em admitir isso sobre mim mesma, reconhecer que eu preciso de algo, que uma vez que eu temi. Saber que eu estou pedindo para o meu sequestrador abusar de mim. Julian inala bruscamente, e eu posso sentir a barragem de seu controle estourar. Sua boca desce sobre a minha, seus lábios e língua, agora selvagens, quase cruéis. Esse beijo me devora, rouba minha respiração e alma. Ao mesmo tempo, seu pau sai de mim quase todo o caminho e, em seguida, bate de volta com um impulso brutal que me divide ao meio – e deixa as minhas terminações nervosas em chamas. Eu grito em sua boca, minhas pernas envolvendo mais apertadas em torno de seu firme, musculoso traseiro quando ele começa a me foder sem restrição. É uma posse tão violenta quanto qualquer violação, mas eu me divirto com isso, meu corpo amando o ataque feroz. É o que eu quero agora, o que eu preciso. Eu posso ter contusões amanhã, mas nesse momento, tudo o que posso sentir é a tensão enorme dentro de mim, a pressão enrolando profundamente dentro do meu sexo. Cada impulso implacável me consome mais e mais, até que eu sinto que vou explodir... e depois eu o faço, uma explosão de prazer subindo pelo meu corpo conforme eu caio nos braços de Julian, completamente inundada pela felicidade escura. Ele vem em seguida, também, com a cabeça jogada para trás em um êxtase que parece dor, cada músculo em seu pescoço tenciona enquanto ele enfia seu pau mais profundo em mim com um grito áspero. A pressão de sua virilha contra o meu clitóris prolonga minhas contrações, forçando cada gota de sensação do meu corpo, tirando todos os restos de força dos meus músculos. Na sequência, ele rola de cima de mim e me coloca contra ele, embalando-me por trás. E conforme a nossa respiração começa a abrandar, nós caímos em um sono profundo e sem sonhos.

A N N A

Z A I R E S


Na manhã seguinte eu acordo antes Nora, como de costume. Ela está dormindo em sua posição favorita: envolta em meu peito, uma de suas pernas descansando em cima da minha. Tranquilamente me desembaraço dela, e sigo para o chuveiro, tentando não pensar na tentação de seu pequeno corpo sexy deitado lá, todo suave e quente do sono. É lamentável, mas eu não tenho tempo para saciar-me com ela esta manhã; o avião já está esperando por mim na pista de pouso. Ela conseguiu surpreender-me ontem à noite. Durante toda a semana eu senti uma pequena distância, quase imperceptível nela. Eu posso ter quebrado através de suas barreiras, naquela noite, mas ela as reconstruiu em um pequeno grau. Ela não tinha feito beicinho ou me dado o tratamento do silêncio, mas eu poderia dizer que ela não tinha totalmente me perdoado também. Até ontem à noite. Eu pensei que eu não precisava de seu perdão, mas a luz, o sentimento quase eufórico no meu peito, diz hoje o contrário. Meu banho leva menos de cinco minutos. Uma vez que eu estou vestido e pronto para ir, eu ando até a cama para dar a Nora um beijo antes de sair. Inclinando-me sobre ela, eu passo meus lábios contra sua bochecha, e naquele momento, seus olhos se abrem. Seus lábios se curvam para cima em um sorriso sonolento. "Oi..."

A N N A

Z A I R E S


"Oi pra você," eu digo com voz rouca, me aproximando mais com a minha mão para tirar uma mecha emaranhada de cabelo do rosto. Porra, ela faz coisas para mim. Coisas que nenhuma garota pequena deveria ser capaz de fazer. Estou prestes a finalmente ter vingança contra o homem que matou Beth e roubou Nora de mim, e tudo o que posso pensar é em subir de volta para a cama com ela. Ela pisca algumas vezes, e eu vejo seu sorriso desaparecendo à medida que ela se lembra de que, hoje, não é qualquer manhã. Todos os traços de sonolência desaparecem do seu rosto enquanto ela se senta e olha para mim, sem se importar com o cobertor caindo e expondo seu torso nu. "Você já está indo embora?" "Sim, querida." Tentando manter os olhos fora de seus seios redondos e rosados, sento-me na cama ao lado dela e aperto sua mão entre as palmas das minhas mãos, esfregando-a suavemente. "O avião já está abastecido e esperando por mim." Ela engole. "Quando você vai voltar?" "Se tudo correr bem, em cerca de uma semana. Eu tenho que me encontrar com um par de funcionários na Rússia primeiro, por isso não vou chegar ao Tajiquistão de imediato." "Rússia? Por quê?" Uma pequena carranca se forma em sua testa. "Eu pensei que você estivesse indo cuidar de alguns negócios na Ucrânia em seu caminho de volta." "Eu estava, mas as coisas mudaram. Ontem à tarde eu recebi um telefonema de um dos contatos de Peter em Moscou. Eles querem que eu encontre com eles primeiro, ou então eles não vão nos deixar chegar ao Tajiquistão." "Oh." Nora parece ainda mais preocupada agora, sua carranca se aprofundando. "Você sabe por quê?" Eu tenho algumas suspeitas, mas nenhuma que eu queira compartilhar com ela no momento. Ela está muito preocupada. Os russos sempre foram imprevisíveis, e o fato da situação estar cada vez mais volátil naquela região não ajuda. "Eu tive algumas interações com eles no passado", eu digo evasivamente, e levanto antes que ela tenha a chance de me questionar

A N N A

Z A I R E S


mais. "Eu tenho que ir agora, baby, mas eu vou vê-la em poucos dias. Boa sorte com suas provas, ok?" Ela balança a cabeça, os olhos suspeitosamente brilhantes quando ela olha para mim, e incapaz de resistir, eu abaixo e a beijo uma última vez antes de sair do quarto.

Moscou em março é mais fria do que a teta de uma velha. O frio escoa através das minhas espessas camadas de roupa e se instala no fundo de meus ossos, fazendo-me sentir como se eu nunca fosse me aquecer novamente. Eu particularmente nunca gostei da Rússia, e essa visita única solidifica minha opinião negativa do lugar. Congelada. Suja. Corrupta. Eu posso lidar com os dois últimos, mas todos os três combinados é demais. Não admira que Peter estava contente de ficar para trás na propriedade. O bastardo sabia exatamente no que eu estaria me metendo. Eu podia ver o sorriso no seu rosto, enquanto observava o avião decolar. Depois do calor tropical da selva, a temperatura de gelar os ossos em Moscou, no fim do inverno, chega a ser até mesmo dolorosa, assim como as minhas negociações com o governo russo. Demora cerca de uma hora, dez diferentes aperitivos, e metade de uma garrafa de vodka antes Buschekov chegar ao ponto da reunião. A única razão pela qual eu tolero isso é porque leva esse tempo para os meus pés descongelarem do frio abaixo de zero lá de fora. O tráfego no caminho para o restaurante foi tão ruim que Lucas e eu acabamos saindo do carro e caminhando oito quarteirões, congelando nossas bundas no processo. Agora, porém, sou finalmente capaz de mover os dedos dos pés e Buschekov parece pronto para falar de negócios. Ele é um dos funcionários não oficiais aqui: a pessoa que exerce influência significativa no Kremlin7, mas cujo nome nunca aparece no noticiário.

O Krelim é a residência oficial do Presidente da Rússia, bem como, a sede do governo, portanto é o nosso equivalente, politicamente, ao Planalto Central. 7

A N N A

Z A I R E S


"Eu tenho um assunto delicado que eu gostaria de discutir com você", diz Buschekov após o garçom tirar alguns dos pratos vazios. Ou pelo menos, diz nosso intérprete, após Buschekov dizer alguma coisa em russo. Uma vez que nem Lucas nem eu entendemos mais do que algumas palavras da língua, Buschekov contratou uma jovem mulher para traduzir para nós. Bonita, loira e de olhos azuis, Yulia Tzakova parece ser apenas um par de anos mais velha do que a minha Nora, mas o oficial russo garantiu-me que a menina sabe ser discreta. "Vá em frente", eu digo em resposta à declaração de Buschekov. Lucas senta ao meu lado, silenciosamente consumindo sua segunda porção de blinis8 recheadas com caviar. Ele é o único que eu trouxe comigo para esta reunião. O resto dos meus homens estão estacionados nas proximidades no caso de qualquer dificuldade. Eu duvido que os russos vão tentar qualquer coisa no momento, mas você nunca pode ser muito cauteloso. Buschekov me dá um sorriso de lábios finos e responde em russo. "Tenho certeza de que você está ciente das dificuldades na nossa região", traduz Yulia. "Gostaríamos que você nos ajudasse a resolver essa questão." "Ajudá-lo como?" Eu tenho uma boa ideia do que os russos querem, mas eu ainda quero ouvi-lo colocar tudo para fora. "Há certas partes da Ucrânia que precisam de nossa ajuda", Yulia diz em Inglês depois das respostas de Buschekov. "Mas, seria problemático se ajudássemos diretamente, pois a opinião mundial nos condenaria." "Então você gostaria que eu o fizesse em seu lugar." Ele balança a cabeça, os olhos pálidos treinados no meu rosto enquanto Yulia traduz a minha declaração. "Sim", ele diz, "nós gostaríamos de uma transferência considerável de armas e outros suprimentos para os combatentes da liberdade em Donetsk. Ela não pode ser rastreada até nós. Em troca, você seria pago com a sua taxa usual e teria uma passagem segura para o Tajiquistão". Eu sorrio para ele suavemente. "Isso é tudo?"

8

Blinís são panquecas gourmetizadas.

A N N A

Z A I R E S


"Nós também preferiríamos que você evitasse quaisquer negociações com a Ucrânia nesse momento", diz ele, sem pestanejar. "Duas cadeiras e um rabo." Eu assumo que essa última afirmação faz mais sentido em russo, mas eu entendo a essência do que ele está dizendo. Buschekov não é o primeiro cliente a exigir isso de mim, e ele não será o último. "Temo que eu vá exigir uma compensação adicional para isso", eu digo calmamente. "Como você sabe, eu não costumo tomar partido nesses tipos de conflitos." "Sim, nós ouvimos isso." Buschekov pega um pedaço de peixe curado no sal com o garfo e mastiga lentamente conforme ele olha para mim. "Talvez você possa reconsiderar essa posição no nosso caso. A União Soviética pode ter ido embora, mas a nossa influência nessa região ainda é bastante substancial." "Sim, eu estou ciente. Por que você acha que eu estou aqui agora?" O sorriso que eu dou a ele agora tem uma borda irônica. "Mas a neutralidade é um bem caro para desistir. Eu tenho certeza que você entende." Algo gelado pisca no olhar de Buschekov. "Eu entendo. Estou autorizado a oferecer-lhe vinte por cento mais do que o pagamento de costume para a sua cooperação nesse assunto." "Vinte por cento? Quando você está cortando meus lucros potenciais ao meio?" Eu rio baixinho. "Eu não penso assim." Ele se serve outra dose de vodca e gira o copo, olhando-me pensativo. "Vinte por cento a mais e você pode levar o terrorista capturado do AlQuadar sob a sua custódia", diz ele depois de alguns momentos. "Essa é a nossa oferta final." Eu o estudo enquanto eu me sirvo um pouco de vodka também. Na verdade, isso é melhor do que eu tinha esperança de conseguir dele, e eu sei que é melhor não empurrar longe demais com os russos. "Temos um acordo, então," eu digo e, levantando meu copo em um brinde irônico, bebo a dose.

A N N A

Z A I R E S


Meu carro está esperando por nós na rua quando saímos do restaurante. O motorista finalmente chegou através do tráfego, o que significa que não iremos congelar no nosso caminho para o hotel. "Você se importaria de me dar uma carona até o metrô mais próximo?" Yulia pergunta enquanto Lucas e eu nos aproximamos do carro. Posso vê-la já começando a tremer. "Ele deve estar a de cerca de dez quadras daqui." Dou-lhe um olhar considerando, então faço um movimento para Lucas com um curto gesto. "Reviste ela." Lucas se aproxima e a apalpa. "Ela está limpa." "Ok, então", eu digo, abrindo a porta do carro para ela. "Suba." Ela sobe e se instala ao meu lado na parte de trás, enquanto Lucas se junta ao motorista na frente. "Obrigada", diz ela com um sorriso bonito. "Eu realmente aprecio isso. Esse é um dos piores invernos nos últimos anos". "Não tem problema." Eu não estou com vontade de bater papo, então eu retiro meu telefone e começo a responder e-mails. Há um de Nora, que me faz sorrir. Ela quer saber se eu pousei em segurança. Sim, eu escrevo de volta. Agora só estou tentando não congelar em Moscou. "Você vai ficar aqui por muito tempo?" A voz suave de Yulia me interrompe quando eu estou a ponto de puxar um relatório detalhando os movimentos de Nora em torno da propriedade na minha ausência. Quando eu olho para ela, a menina russa sorri e cruza suas pernas longas. "Eu poderia mostrar-lhe a cidade, se quiser." Seu convite não poderia ser mais evidente se ela tivesse pego meu pau ali mesmo. Eu posso ver o brilho de fome em seus olhos enquanto ela olha para mim, e eu percebo que ela é uma daquelas: uma mulher ligada ao poder e perigo. Ela me quer por causa do que eu represento – por causa da emoção que ela tem de brincar com o fogo. Não tenho dúvidas de que ela iria me deixar fazer o que quisesse com ela, não importa o quão sádico ou depravado, e então ela iria implorar por mais. Ela é exatamente o tipo de mulher que eu teria prazer de foder antes de conhecer Nora. Infelizmente para Yulia, sua beleza pálida não faz nada para mim agora. A única mulher que eu quero na minha cama é a menina

A N N A

Z A I R E S


de cabelos escuros que está atualmente a vários milhares de quilômetros de distância. "Obrigado pelo convite," eu digo, dando a Yulia um sorriso frio. "Mas nós vamos partir em breve, e eu acho que estou exausto demais para fazer justiça à sua cidade hoje à noite." "Claro." Yulia sorri de volta, sem se incomodar com a minha rejeição. Ela claramente tem autoconfiança suficiente para não ficar ofendida. "Se você mudar de ideia, sabe onde me encontrar." E quando o carro entra em uma parada em frente à estação de metrô, ela graciosamente desce, deixando para trás um rastro fraco do perfume caro. Quando o carro começa a se mover novamente, Lucas se vira para me encarar. "Se você não quer ela, eu ficaria feliz em entretê-la esta noite", ele oferece casualmente. "Se está tudo bem com você, é claro." Eu sorrio. Loiras quentes sempre foram a fraqueza de Lucas. "Por que não?", eu digo. "Ela é toda sua se você quiser." Nós não voamos até amanhã de manhã, e eu tenho muita segurança no lugar. Se Lucas quer passar a noite transando com a nossa intérprete, eu não vou negar-lhe esse prazer. Quanto a mim, eu pretendo usar meu punho no chuveiro, enquanto penso em Nora, e, em seguida, ter uma boa noite de sono. Amanhã vai ser um dia agitado.

O voo para Tajiquistão de Moscou deve levar um pouco mais de seis horas no meu Boeing C-17. É um dos três aviões militares que possuo, e é grande o suficiente para essa missão, cabendo facilmente todos os meus homens e nosso equipamento. Todos, inclusive eu, estamos vestidos com o mais recente equipamento de combate. Nossas roupas são à prova de balas e com retardadores de chama, e estamos totalmente armados com rifles, granadas e explosivos. Isso pode ser um exagero, mas eu não vou correr riscos com a vida dos meus homens. Gosto de perigo, mas eu não sou suicida, e todos os riscos que eu tomo na minha empresa são cuidadosamente calculados. O

A N N A

Z A I R E S


resgate de Nora na Tailândia foi, provavelmente, a operação mais perigosa em que eu estive envolvido nos últimos anos, e eu não teria feito isso por mais ninguém. Apenas por ela. Eu passo a maior parte do voo analisando as especificações da construção de uma nova fábrica na Malásia. Se tudo correr bem, posso mudar a produção de mísseis para lá saindo da sua localização atual na Indonésia. As autoridades locais lá estão ficando muito gananciosas, exigindo propinas mais altas a cada mês, e eu não estou inclinado a sacialos por muito mais tempo. Eu também respondo a algumas perguntas do meu gerente de carteira com sede em Chicago; ele está trabalhando na criação de um fundo através de uma das minhas subsidiárias e precisa de mim para dar-lhe alguns parâmetros de investimento. Estamos voando sobre o Uzbequistão, a poucas centenas de milhas do nosso destino, quando eu decidir falar com Lucas, que está pilotando o avião. Ele se vira para mim assim que eu entro na cabine. "Estamos no caminho certo para chegar lá em cerca de uma hora e meia", diz ele sem esperar pela minha pergunta. "Há um pouco de gelo sobre a pista de pouso, por isso eles estão degelando para nós agora. Os helicópteros já estão abastecidos e prontos para ir". "Excelente." O plano pede para nós pousarmos umas doze milhas distante do esconderijo terrorista suspeito nas montanhas de Pamir e voar de helicópteros o resto do caminho. "Alguma atividade incomum nessa área?" Ele balança a cabeça. "Não, tudo está tranquilo." "Bom." Entro na cabine, sento-me ao lado de Lucas no assento do copiloto e coloco o cinto. "Como foi com a menina russa na noite passada?" Um sorriso raro aparece em todo o seu rosto de pedra. "Bastante satisfatório. Você perdeu." "Sim, eu tenho certeza", eu digo, embora eu não sinta o menor lampejo de pesar. Não há maneira alguma que uma noite possa se aproximar da intensidade da minha conexão com Nora, e não tenho nenhum desejo de me contentar com nada menos do que isso.

A N N A

Z A I R E S


Lucas sorri, uma expressão que é ainda mais incomum em suas feições duras. "Eu tenho que dizer, eu nunca esperava vê-lo como um homem bem casado." Eu levanto minhas sobrancelhas. "É mesmo?" Essa é provavelmente a observação mais pessoal que ele já fez para mim. Em todos os anos que ele esteve com a minha organização, Lucas nunca cruzou a ponte que distancia o empregado leal do amigo antes – não que eu tenha encorajado a fazê-lo. Confiança nunca veio fácil para mim, e houve apenas um punhado de indivíduos que eu fui capaz de chamar de "amigo". Ele dá de ombros, o rosto voltando a sua habitual máscara impassível, apesar de uma pitada de diversão ainda espreitar em seus olhos. "Certo. Pessoas como nós não são geralmente consideradas um bom marido". Uma risada involuntária escapa da minha garganta. "Bem, eu não sei se, a rigor, Nora me considera 'um bom marido’.” Um monstro que sequestrou e fodeu com sua cabeça, com certeza. Mas um bom marido? De alguma forma, eu duvido. "Bem, se não o fizer, então ela deveria", Lucas diz, voltando sua atenção aos controles. "Você não a trai, você cuida bem dela, e você arriscou sua vida para salvá-la antes. Se isso não é ser um bom marido, então eu não sei o que é." Enquanto ele fala, eu vejo uma pequena ruga aparecendo em seu rosto quando ele espia em alguma coisa na tela do radar. "O que é isso?", Pergunto, todos os meus instintos de repente em alerta. "Eu não tenho certeza", Lucas começa dizendo, e naquele momento, o avião sacode com tanta violência que eu sou quase jogado para fora do meu assento. É apenas o cinto de segurança que eu tinha amarrado, fora do meu costume habitual, que me impede de bater no teto, enquanto o avião tem uma súbita queda livre. Lucas pega os controles, um fluxo constante de obscenidades sai de sua boca enquanto ele freneticamente tenta corrigir nosso curso. "Merda, merda, merda, merda, filho da puta merda-"

A N N A

Z A I R E S


"O que nos atingiu?" Minha voz é firme, minha mente estranhamente calma conforme eu avalio a situação. Há um ruído de trituração proveniente dos motores. Posso sentir o cheiro de fumaça e ouvir os gritos na parte de trás, então eu sei que há um incêndio. Foi uma explosão. Isso significa que alguém ou atirou em nós de outro avião ou um míssil explodiu nas imediações, danificando um ou mais dos motores. Não poderia ter sido um míssil direto porque o Boeing é equipado com uma defesa anti-míssil que é projetada para repelir todos, até as mais avançadas armas e porque ainda estamos vivos e não explodidos em pedaços. "Eu não tenho certeza", Lucas consegue dizer enquanto ele luta com os controles. O avião nivela por um breve segundo e, em seguida cai abruptamente novamente. "Será isso fodidamente importa?" Eu não tenho certeza, para ser honesto. A parte analítica de mim quer saber o que, ou quem, vai ser responsável pela minha morte. Duvido que seja Al-Quadar; de acordo com as minhas fontes, eles não têm armas tão sofisticadas. Isso deixa a possibilidade de erro de algum soldado Uzbequistão ou um ataque intencional de outra pessoa. Os russos, talvez, embora por que eles iriam fazer isso é uma incógnita. Ainda assim, Lucas está certo. Eu não sei por que eu me importo. Conhecer a verdade não vai mudar o resultado. Eu posso ver os picos nevados de Pamir à distância, e eu sei que não vamos chegar lá. Lucas retoma seu xingamento enquanto ele luta com os controles, e eu seguro na borda do meu assento, meus olhos treinados no chão correndo em nossa direção a um ritmo espantosamente rápido. Há um rugido em meus ouvidos, e eu percebo que é o meu próprio coração, que eu posso realmente ouvir o sangue correndo pelas minhas veias conforme a adrenalina aguça todos os meus sentidos. O avião faz mais algumas tentativas para sair da queda livre, cada um retardando nossa queda por alguns segundos, mas nada parece ser capaz de parar a descida letal. Enquanto nos observo despencando para a morte, eu tenho apenas um arrependimento. Eu nunca vou segurar Nora novamente.

A N N A

Z A I R E S


PARTE III

A N N A

Z A I R E S


Dois dias sem Julian. Eu não posso acreditar que já faz dois dias inteiros sem Julian. Eu tenho levado a minha rotina habitual, mas sem ele aqui, tudo parece diferente. Vazio. Mais escuro. É como se o sol se escondeu atrás de uma nuvem, deixando o meu mundo na sombra. É louco. Completamente louco. Estive sem Julian antes. Quando eu estava na ilha, ele saía nessas viagens o tempo todo. Na verdade, ele passou mais tempo fora da ilha do que nela, e de alguma forma eu ainda conseguia funcionar. Dessa vez, no entanto, eu tenho que lutar constantemente com uma horrível sensação de mal-estar, de ansiedade que parece piorar a cada hora. "Eu realmente não sei o que há de errado comigo", eu digo a Rosa durante a nossa caminhada matinal. "Vivi durante dezoito anos sem ele, e agora, de repente, eu não posso ficar sem ele por dois dias?" Ela sorri para mim. "Bem, claro. Vocês dois são inseparáveis, então isso não me surpreende, no mínimo. Eu nunca vi um casal tão apaixonado antes." Eu suspiro, com tristeza balançando a cabeça. Por toda a sua praticidade aparente, Rosa tem uma veia romântica tão grande como o mar.

A N N A

Z A I R E S


Um par de semanas atrás, eu finalmente confiei nela, dizendo-lhe como Julian e eu nos encontramos e sobre o meu tempo na ilha. Ela ficou chocada, mas não tanto quanto eu teria ficado em seu lugar. Na verdade, ela parecia pensar que a coisa toda foi bastante poética. "Ele roubou-lhe porque ele não poderia viver sem você", disse ela com ar sonhador quando eu tentei explicar-lhe por que ainda tenho reservas sobre Julian. "É como o tipo de coisa que você lê nos livros ou vê nos filmes..." E quando eu olhei para ela, quase incapaz de acreditar nos meus ouvidos, ela acrescentou melancolicamente, "Eu gostaria que alguém me quisesse o suficiente para me roubar." Então, sim, Rosa definitivamente não é a pessoa para colocar algum senso em mim. Ela pensa que meu definhamento sem Julian é um resultado natural do nosso caso de grande amor, em vez de algo que provavelmente requer ajuda psiquiátrica. Claro, Ana não é muito melhor também. "É normal sentir falta do seu marido," a governanta me diz quando eu mal consigo me forçar a comer no jantar. "Tenho certeza que Julian sente falta de você tanto quanto." "Eu não sei, Ana", eu digo, em dúvida, empurrando o arroz em torno do meu prato. "Eu não tenho notícias dele durante todo o dia. Ele respondeu ao meu e-mail ontem, mas eu lhe enviei dois e-mails hoje, e nada". Isso, mais do que tudo, é o que me perturba, eu acho. O Julian ou não se preocupa com o fato de que eu estou preocupada, ou ele não está em condições de me responder, estando de joelhos na luta contra os terroristas. Qualquer possibilidade me deixa enjoada. "Ele pode estar voando em algum lugar," Ana diz razoável, levando meu prato. "Ou estar em algum lugar sem sinal. Na verdade, você não deve se preocupar. Eu conheço Julian, e ele pode cuidar de si mesmo." "Sim, eu tenho certeza que ele pode, mas ainda assim ele é humano." Ele pode ser morto por uma bala perdida ou uma bomba. "Eu sei, Nora," Ana diz suavemente, batendo no meu braço, e eu vejo a mesma preocupação refletida nas profundezas de seus olhos castanhos. "Eu sei, mas você não pode se abater pensando coisas ruins. Tenho certeza

A N N A

Z A I R E S


que você vai ouvi-lo em poucas horas. Ele vai entrar em contato com você, pela manhã, o mais tardar."

Eu durmo mal, acordando a cada duas horas para verificar meu email e telefone. Pela manhã, ainda não há notícias de Julian, e eu tropeço, cansada para fora da cama, com os olhos turvos, mas determinada. Se Julian não está entrando em contato comigo, eu vou agir por conta própria. A primeira coisa que faço é caçar Peter Sokolov. Ele está falando com alguns guardas na fronteira mais distante da propriedade quando eu o encontro, e ele parece surpreso quando me aproximo dele e peço para falar com ele em particular. No entanto, ele atende o meu pedido imediatamente. Assim que estou fora do alcance da voz dos outros, eu pergunto: "Você já ouviu falar de Julian?" Eu ainda acho o homem russo intimidante, mas ele é o único que eu conheço que pode ter respostas. "Não", ele responde com sua voz acentuada. "Não desde que o avião decolou de Moscou ontem." Há uma sugestão de tensão em torno de seus olhos quando ele fala, e minha ansiedade triplica conforme eu percebo que Peter está preocupado também. "Eles deveriam fazer check-in, não?", Eu digo, olhando para seu rosto exótico e bonito. Meu peito aperta como se eu não pudesse ter ar o suficiente. "Algo deu errado, não é?" "Não podemos assumir isso ainda." Seu tom é cuidadosamente neutro. "É possível que eles não estejam respondendo a nossas chamadas por razões de segurança, porque eles não querem que ninguém intercepte suas comunicações." "Você realmente não acredita nisso." "É improvável," Peter admite, seus olhos cinzentos e frios no meu rosto. "Isso não é o procedimento habitual nesse tipo de caso." "Sim, claro." Faço o meu melhor para lutar contra o medo nauseante espalhando através de mim, pergunto uniformemente, "Então, qual é o

A N N A

Z A I R E S


plano B? Você vai enviar uma equipe de resgate? Você tem mais homens prontos que podem atuar como backup?" Peter balança a cabeça. "Não há nada a ser feito até sabermos mais", explica ele. "Eu já contatei informantes na Rússia e Tajiquistão, por isso devemos ter uma melhor ideia do que aconteceu em breve. Até agora, tudo que nós sabemos é que o avião decolou de Moscou, sem quaisquer problemas". "Quando você acha que você vai ter um retorno de suas fontes?" Eu estou tentando conter meu pânico, mas um pouco dele se infiltra através da minha voz. "Hoje? Amanhã?" "Eu não sei, Sra. Esguerra", diz ele, e eu vejo uma sugestão de pena nos olhos cinzentos impiedosos. "Pode ser a qualquer momento. Eu vou deixar você saber logo que eu ouvir alguma coisa." "Obrigada, Peter," eu digo e, não sabendo mais o que fazer, caminho de volta para a casa.

As próximas seis horas passam rastejando. Eu ando ao redor da casa, indo de cômodo em cômodo, incapaz de me concentrar em qualquer atividade específica. Sempre que me sento para estudar ou tentar pintar, uma dúzia de cenários diferentes, cada um mais horrível do que o próximo, começam a aparecer na minha cabeça. Eu quero acreditar que tudo vai ficar bem, que o avião de Julian desapareceu do radar, por algum motivo inócuo, mas eu sei melhor do que isso. Não há contos de fadas no mundo que Julian e eu vivemos, apenas a realidade selvagem. Eu não sou capaz de comer nada o dia todo, embora Ana procurasse me tentar com tudo, de carnes a sobremesas. Para acalmá-la, eu dou algumas mordidas no mamão na hora do almoço e retomo o meu ritmo sem rumo ao redor da casa.

A N N A

Z A I R E S


No início da tarde, eu estou literalmente doente de ansiedade. Minha cabeça está latejando, e meu estômago parece que está comendo a si mesmo, o ácido queima um buraco em meu interior. "Vamos dar um mergulho," Rosa oferece quando ela me encontra na biblioteca. Eu posso ver a preocupação em seu rosto, e eu sei que Ana provavelmente a mandou para me distrair. Rosa está geralmente muito ocupada com seus deveres para parar no meio do dia, mas ela está obviamente fazendo uma exceção hoje. A última coisa que quero fazer é nadar, mas concordo. A companhia de Rosa é melhor do que me deixar louca de preocupação. À medida que saímos da biblioteca juntas, eu vejo Peter caminhando em nossa direção, uma expressão grave no rosto. Meu coração para por um momento, em seguida, começa a bater furiosamente contra meu peito. "O que é ?" A minha língua mal consegue formar as palavras. "Você ouviu alguma coisa?" "O avião caiu no Uzbequistão, umas cem milhas da fronteira do Tajiquistão", ele diz calmamente, parando na minha frente. "Parece que houve uma falha de comunicação, e os militares do Uzbequistão atiraram neles para derruba-los." A escuridão entra na minha visão. "Atiraram para derrubar?" Minha voz soa como se ela estivesse vindo distante, como se as palavras pertencessem a outra pessoa. Estou vagamente consciente de Rosa colocando um braço como suporte em torno de minhas costas, mas seu toque não faz nada para deter a frieza espalhando através de mim. "Nós estamos procurando os destroços no momento", Peter diz, quase gentilmente. "Sinto muito, Sra. Esguerra, mas duvido que eles possam ter sobrevivido."

A N N A

Z A I R E S


Eu não sei como eu chego ao quarto, mas eu me encontro lá, enrolada em uma bola de agonia silenciosa na cama que Julian e eu compartilhamos. Eu posso sentir as mãos macias no meu cabelo, ouvir vozes murmurando em espanhol, e eu sei que tanto Ana como Rosa estão lá comigo. A governanta parece que está chorando. Eu quero chorar também, mas eu não posso. A dor é muito crua, muito profunda para permitir o conforto de lágrimas. Eu achava que sabia o que era sentir ter o seu coração arrancado. Quando eu equivocadamente pensei que Julian estava morto, eu havia estado devastada, destruída. Esses meses sem ele tinham sido os piores da minha vida. Eu achava que sabia o que era sentir a perda, por saber que eu nunca mais veria seu sorriso novamente ou sentiria o calor do seu abraço. É só agora, no entanto, que eu percebo que existem graus de agonia. Essa dor pode variar de devastadora para a alma tremendo. Quando eu perdi Julian antes, ele tinha sido o centro do meu mundo. Agora, porém, ele é meu mundo inteiro, e eu não sei como existir sem ele. "Oh, Nora..." A voz de Ana é grossa de lágrimas quando ela acaricia meu cabelo. "Sinto muito, filha... Eu sinto muito..." Eu quero dizer a ela que eu também sinto muito, que eu sei que Julian era importante para ela também, mas eu não posso. Eu não posso falar. Mesmo respirar parece exigir um esforço exorbitante, como se meus

A N N A

Z A I R E S


pulmões se esquecessem de como funcionar. Um pequeno fôlego, uma respiração pequena é tudo o que pareço ser capaz de fazer no momento. Apenas respirar. Apenas não morrer. Depois de um tempo, os murmúrios tranquilos e toques suaves param, e eu percebo que estou sozinha. Elas devem ter me coberto com um cobertor antes de sair, porque eu posso sentir seu peso macio em cima de mim. Deveria fazer-me sentir quente, mas isso não acontece. Tudo que eu sinto é um vazio congelante, dolorido, onde o meu coração costumava estar.

"Nora, criança... Venha, beba alguma coisa..." Ana e Rosa estão de volta, suas mãos suaves me puxando para uma posição sentada. Uma xícara de chocolate quente é oferecida para mim, e eu aceito isso no piloto automático, embalando-a entre as palmas das mãos frias. "Apenas um gole," Ana insiste. "Você não comeu o dia todo. Julian não iria querer isso, você sabe disso." O choque de agonia com a menção de seu nome é tão forte que a xicara quase desliza fora do meu controle. Rosa segura ela, firmando minhas mãos, e gentilmente, mas inexoravelmente empurra o copo em direção a meus lábios. "Vamos, Nora", ela sussurra, seu olhar cheio de simpatia. "Apenas beba um pouco." Eu me forço a tomar alguns goles. O líquido rico e quente escorre pela minha garganta, a combinação de açúcar e cafeína afastando um pouco da minha exaustão dormente. Sentindo-me uma fração mais viva, eu olho para a janela e percebo em choque que já está escuro, que eu devo ter ficado lá por algumas horas, sem registrar a passagem do tempo. "Alguma notícia de Peter?" Eu pergunto, olhando para Ana e Rosa. "Eles encontraram os destroços?"

A N N A

Z A I R E S


Rosa parece aliviada que eu estou falando novamente. "Nós não o vimos desde a tarde", ela diz, e Ana acena com a cabeça, com os olhos avermelhados e inchados. "Ok." Eu tomo mais alguns goles de chocolate quente e, em seguida, entrego a xicara de volta para Ana. "Obrigada." "Posso pegar alguma coisa para comer?" esperançosamente. "Um sanduíche talvez, ou uma fruta?"

Ana

pergunta

Meu estômago agita com o pensamento de comida, mas eu sei que eu preciso comer alguma coisa. Eu não posso morrer ao lado de Julian, não importa quão atraente essa opção pareça no momento. "Sim, por favor." Minha voz soa tensa. "Só um pedaço de torrada com queijo, se você não se importa." Saltando da cama, Rosa me dá um enorme sorriso de aprovação. "Aí vamos nós. Veja, Ana, eu disse que ela é uma lutadora." E antes que eu possa mudar de ideia sobre a refeição, ela corre para fora do quarto para pegar a comida. "Eu vou tomar banho", digo a Ana, levantando-me também. De repente, eu tenho um forte desejo de ficar sozinha – estar longe da preocupação que vejo no rosto de Ana. Meu corpo se sente frio e frágil, como um pingente de gelo que pode quebrar a qualquer momento, e meus olhos estão ardendo com lágrimas não derramadas. Apenas se concentre em respirar. Apenas uma pequena respiração após a outra. "Claro, filha." Ana me dá um sorriso gentil, cansado. "Vá em frente. A comida estará esperando por você quando você sair." E conforme eu faço a minha fuga para o banheiro, eu a vejo calmamente sair do quarto.

"Nora! Oh meu Deus, Nora!" Os gritos de Rosa são frenéticos batendo na porta do banheiro assustando-me para fora do meu estado entorpecido, quase catatônico. Eu

A N N A

Z A I R E S


não tenho nenhuma ideia de quanto tempo eu estive de pé sob o jato quente, mas eu imediatamente salto para fora. Então, envolvendo uma toalha em volta de mim, eu corro para a porta, meus pés molhados deslizando sobre os azulejos frios. Meu coração martelando na minha garganta, eu abro a porta. "O que é isso?" "Ele está vivo!" O grito de Rosa quase me ensurdece com o seu volume estridente. "Nora, Julian está vivo!" "Vivo?" Por um momento, eu não posso processar o que ela está dizendo, meu cérebro lento de fome e dor. "Julian está vivo?" "Sim!" Ela grita, agarrando minhas mãos e pulando para cima e para baixo. "Peter acabou de saber que o encontraram e alguns de seus homens vivos. Eles estão sendo levados para o hospital enquanto falamos!" Meus joelhos se dobram, e eu balanço sobre os meus pés. "Para o hospital?" Minha voz é quase um sussurro. "Ele está realmente vivo?" "Sim!" Rosa puxa-me em um abraço esmagador, em seguida, me libera, dando um passo para trás com um sorriso gigante no rosto. "Não é incrível?" "Sim, claro..." Minha cabeça está girando com alegria e descrença, meu pulso correndo a mil por hora. "Você disse que ele está sendo levado para um hospital?" "Sim, isso é o que Peter disse." A expressão de Rosa um pouco mais sóbria. "Ele está falando com Ana no andar de baixo. Eu não fiquei para ouvir – eu queria dar-lhe a notícia o mais rápido possível." "Claro, obrigada!" Estou energizada, de repente, todos os vestígios de minha confusão mental e desespero saindo. Julian está vivo e sendo levado para um hospital! Correndo para o armário, eu puxo o primeiro vestido que eu encontro e o visto, deixando cair a toalha no chão. Então eu corro para a porta e voo descendo as escadas, com Rosa correndo atrás de mim. Peter está na cozinha ao lado de Ana. Os olhos da governanta se alargam quando ela me vê voando em direção a eles, meus pés descalços e os cabelos pingando molhados do banho. Eu provavelmente pareço uma

A N N A

Z A I R E S


louca, mas não dou a mínima. Tudo o que importa é descobrir mais sobre Julian. "Como ele está?" Eu solto, derrapando até parar a um metro de distância deles dois. "Em que estado ele está?" Uma expressão chocante semelhante a um sorriso cintila no rosto duro de Peter quando ele olha para mim. "Eles estão indo para fazer alguns testes no hospital, mas agora parece que o seu marido sobreviveu a um acidente de avião com nada mais do que um braço quebrado, um par de costelas quebradas e um corte feio na testa. Ele está inconsciente, mas isso parece ser principalmente devido à perda de sangue de seu ferimento na cabeça." E conforme eu olho para Peter de boca aberta não acreditando, ele explica, "O avião caiu em uma área densamente arborizada, então as árvores amorteceram grande parte do impacto. A cabine onde Esguerra e Kent estavam sentados foi arrancada pela força do impacto, o que parece ter salvado suas vidas." O sorriso desaparece em seguida, e seus olhos metálicos escurecem. "A maioria dos outros morreram, entretanto. O combustível estava na parte de trás, e explodiu, destruindo essa parte do avião. Apenas três dos soldados sobreviveram, e eles estão muito queimados. Se não fosse pelo o equipamento de combate que estavam todos vestindo, eles não teriam sobrevivido também." "Oh meu Deus." Uma onda de terror corre sobre mim. Julian está vivo, mas cerca de cinquenta de seus homens morreram. Eu tive o mínimo de interação com a maioria dos guardas, mas já vi muitos deles em volta da propriedade. Eu os conheço, mesmo que apenas de vista. Eram todos homens fortes, aparentemente indestrutíveis. E agora eles estão mortos. Se foram, assim como Julian teria ido se não tivesse estado na cabine da frente. "E Lucas?" Eu pergunto, começando a tremer com a reação retardada. Está começando a me bater que Julian esteva em um acidente aéreo e sobreviveu. Que, como um gato com sete vidas, ele bateu as probabilidades mais uma vez. "Kent tem uma perna quebrada e uma concussão grave. Ele também estava inconsciente quando eles foram encontrados."

A N N A

Z A I R E S


Alívio corre através de mim, e meus olhos, queimando com a secura de antes, se enchem de lágrimas repentinas. Lágrimas de gratidão, de alegria, tão intensas que é impossível contê-las. Eu quero rir e chorar ao mesmo tempo. Julian está vivo, assim como o homem que uma vez salvou sua vida. "Oh, Nora, criança..." os braços roliços de Ana apertam em torno de mim quando as minhas lágrimas estouram. "Vai ficar tudo bem agora... Tudo ficará bem..." Tremendo com soluços reprimidos, eu a deixo me segurar por um momento em um abraço maternal. Então eu me afasto, sorrindo através das lágrimas. Pela primeira vez, acredito que vai dar tudo certo. Que o pior já passou. "Quando podemos voar para lá?", Pergunto a Peter, enxugando a umidade das minhas bochechas. "O avião pode ficar pronto em uma hora?" "Voar para lá?" Ele me dá um olhar estranho. "Nós não podemos voar para lá, Sra. Esguerra. Estou sob ordens rígidas de permanecer na propriedade e certificar-me que você esteja segura aqui." "O quê?" Olho para ele, incrédula. "Mas Julian está ferido! Ele está no hospital, e eu sou sua esposa-" "Sim, eu entendo." A expressão de Peter não muda, seus olhos frios e velados quando ele olha para mim. "Mas eu receio que Esguerra vai literalmente me matar se eu lhe permitir estar em perigo." "Você está me dizendo que eu não posso ir ver o meu marido que acabou de estar em um acidente de avião?" Minha voz se eleva como uma onda de fúria repentina varrendo através de mim. "Que eu tenho que sentar aqui e não fazer nada enquanto Julian está deitado, ferido e a meio mundo de distância?" Peter não parece impressionado com a minha explosão. "Eu farei o meu melhor para arrumar uma ligação de telefone segura e talvez uma ligação de vídeo para você", diz ele calmamente. "Eu também irei mantê-la informada de qualquer evolução no que diz respeito à sua saúde. Além disso, eu receio que não há nada que eu possa fazer no momento. Atualmente, estou trabalhando para aumentar a segurança em torno do

A N N A

Z A I R E S


hospital onde Esguerra e os outros estão, por isso espero que ele volte para cá são e salvo, e você vai vê-lo em breve." Eu quero gritar, gritar e discutir, mas eu sei que não vai adiantar nada. Eu tenho tanta influência sobre Peter como eu tenho sobre Julian – que é nenhuma. "Tudo bem", eu digo, respirando fundo para me acalmar. "Você faz isso e eu quero ter notícias assim que ele recuperar a consciência." Peter inclina a cabeça. "É claro, senhora Esguerra. Você será informada de imediato."

A N N A

Z A I R E S


Primeiro fico consciente dos ruídos. Murmúrios femininos baixos entremeados com um sinal sonoro rítmico. Um zumbido de eletricidade no fundo. Tudo isso coberto com uma dor latejante na frente do meu crânio e um forte odor antisséptico nas minhas narinas. Um hospital. Estou em algum tipo de hospital. Meu corpo dói, sinto dor, aparentemente, em todos os lugares. Meu primeiro instinto é abrir os olhos e procurar respostas, mas eu ainda me encontro, deixando as lembranças virem a mim. Nora. A missão. Para o Tajiquistão. Eu revivo tudo isso, as sensações lembradas nítidas e vivamente. Vejo-me falando com Lucas na cabine, sentindo o avião caindo debaixo de nós. Eu ouço a pulverização dos motores e experimento a sensação de revirar o estômago ao cair do céu. Eu suporto a paralisia do medo naqueles últimos momentos quando Lucas tenta nivelar o avião acima da linha das árvores para nos comprar preciosos segundos e então eu sinto o impacto do acidente rangendo no osso. Além disso, não há mais nada, apenas escuridão. Que deveria ter sido a escuridão permanente da morte, mas estou vivo. A dor no meu corpo me diz isso. Continuando a ficar deitado parado, eu avalio minha nova situação. As vozes à minha volta eles estão falando em uma língua estrangeira. Soa

A N N A

Z A I R E S


como uma mistura de russo e turco. Provavelmente usbeque, dado onde estávamos voando no momento do acidente. São duas mulheres que falam, o seu tom casual, quase fofoqueiro. A lógica me diz que elas são, provavelmente, as enfermeiras desse hospital. Eu posso ouvi-las em movimento enquanto elas conversam uma com a outra, e eu abro cuidadosamente um olho para olhar os meus arredores. Eu estou em um quarto monótono com paredes verdes pálidas e uma pequena janela na parede oposta. As lâmpadas fluorescentes no teto emitem um baixo zumbido de som de eletricidade que eu tinha notado antes. Um monitor está ligado a mim, com uma ligação IV conectada ao meu pulso. Eu posso ver as enfermeiras do outro lado da sala. Elas estão trocando os lençóis de uma cama vazia. Uma cortina fina separa a minha área daquela cama, mas ela está aberta, permitindo-me ver o quarto todo. Tirando as duas enfermeiras, estou sozinho. Não há nenhum sinal de qualquer um dos meus homens. Meu pulso salta com essa percepção, e eu faço o meu melhor para firmar minha respiração antes delas notarem. Eu quero que elas continuem pensando que eu estou inconsciente. Não parece haver qualquer ameaça evidente, mas até que eu saiba o que aconteceu com o avião e como eu acabei aqui, não me atrevo a baixar a minha guarda. Cautelosamente flexionando os dedos das mãos e pés, fecho meus olhos e faço um balanço mental dos meus ferimentos. Eu me sinto fraco, como se tivesse perdido muito sangue. Minha cabeça lateja, e eu posso sentir um curativo pesado sobre minha testa. Meu braço esquerdo - que dói impiedosamente - está imobilizado, como se estivesse em um gesso. O direito parece muito bem, no entanto. Dói para respirar, então eu assumo que minhas costelas estão danificadas de alguma forma. Além disso, eu posso sentir todo o meu apêndice, e a dor no resto do meu corpo parece ser mais de arranhões e contusões do que ossos quebrados. Depois de alguns minutos, uma das enfermeiras sai, enquanto a outra vem até minha cama. Eu me mantenho deitado e tranquilo, fingindo inconsciência. Ela ajusta o lençol que me cobre, em seguida, verifica a atadura na minha cabeça. Eu posso ouvi-la cantarolando suavemente sob sua respiração quando ela se vira para sair, bem como, naquele momento, passos pesados entram na sala.

A N N A

Z A I R E S


Uma voz de homem, profunda e autoritária, faz uma pergunta em usbeque. Eu abro um pouco meus olhos novamente para roubar um olhar para a porta. O recém-chegado é um homem de meia-idade, magro, vestindo um uniforme oficial de militar. A julgar pela insígnia no peito, ele deve ser do alto escalão. A enfermeira lhe responde, sua voz suave e incerta, e então o homem se aproxima da minha cama. Eu fico tenso, preparado para me defender, se necessário, apesar da fraqueza nos músculos. No entanto, o homem não chega com uma arma ou faz qualquer movimento ameaçador. Em vez disso, ele me estuda, sua expressão estranhamente curiosa. Agindo por instinto, eu abro meus olhos totalmente e olho para ele, meu corpo pronto para um potencial ataque. "Quem é você?", Pergunto sem rodeios, imaginando que a abordagem direta seja o melhor nesse momento. "Onde fica esse lugar?" Ele parece assustado, mas recupera a compostura quase imediatamente. "Eu sou o coronel Sharipov, e você está em Tashkent, Uzbequistão", ele responde, dando metade de um passo para trás. "Seu avião caiu e você foi trazido para cá." Ele tem um sotaque forte, mas o Inglês é surpreendentemente bom. "A embaixada da Rússia tem estado em contato com você. Seu pessoal está enviando um outro avião para buscálo". Ele sabe quem eu sou então. "Onde estão os meus homens? O que aconteceu com meu avião?" "Ainda estamos investigando a causa do acidente", Sharipov diz, com os olhos deslocando ligeiramente para o lado. "Não está claro até aqui-" "Mentira." Minha voz é mortalmente calma. Posso dizer quando alguém está mentindo, e esse filho da puta está definitivamente tentando abafar algo. "Você sabe o que aconteceu." Ele hesita. "Eu não estou autorizado a discutir a investigação-" "Seus militares dispararam um míssil contra nós?" Eu uso o meu braço direito para sustentar-me para cima em uma posição sentado. As minhas costelas protestam contra o movimento, mas eu ignoro a dor. Eu me sinto tão fraco como uma criança, mas nunca é uma boa ideia parecer

A N N A

Z A I R E S


assim na frente de um inimigo. "Você pode muito bem me dizer agora porque eu vou saber a verdade de uma forma ou de outra." Seu rosto aperta com a minha ameaça implícita. "Não, não fomos nós. Nesse momento, parece que um dos nossos lançadores de mísseis foi usado, mas ninguém deu a ordem para abater o avião. Recebemos a notícia da Rússia que você estaria passando por nosso espaço aéreo, e nos disseram para deixá-lo passar." "Você tem uma ideia de quem é o responsável, no entanto," eu observo friamente. Agora que eu estou sentado, não me sinto tão vulnerável, embora eu me sentiria ainda melhor se eu tivesse uma arma ou uma faca. "Você sabe quem usou o lançador." Sharipov hesita novamente, então, relutantemente, admite, "É possível que um dos nossos agentes possa ter sido subornado pelo governo ucraniano. Estamos investigando essa possibilidade agora." "Entendo." Tudo finalmente faz sentido. De alguma forma, a Ucrânia recebeu a notícia da minha cooperação com os russos e decidiu eliminar-me antes de me tornar uma ameaça. Esses malditos bastardos. É por isso que eu tento não tomar partido nesses pequenos conflitos – são muito caros, em mais de uma maneira. "Nós colocamos alguns soldados nesse andar", Sharipov diz, mudando de assunto. "Você estará seguro aqui até o enviado russo chegar para levá-lo a Moscou." "Onde estão os meus homens?" Eu repito a minha pergunta anterior, meus olhos estreitando enquanto o olhar de Sharipov desviam novamente. "Eles estão aqui?" "Quatro deles", admite ele em voz baixa, olhando para mim. "Temo que o resto não sobreviveu." Eu mantenho a minha expressão impassível, embora sinta como se uma lâmina afiada estivesse torcendo no meu interior. Eu deveria estar acostumado com isso agora, com as pessoas morrendo em torno de mim, mas de alguma forma isso ainda pesa sobre mim. "Quem são os sobreviventes?" Eu pergunto, mantendo o meu nível de voz. "Você tem os seus nomes?"

A N N A

Z A I R E S


Ele balança a cabeça e puxa para fora uma lista de nomes. Para meu alívio, Lucas Kent está entre eles. "Ele recuperou a consciência brevemente", Sharipov explica, "e ajudou a identificar os outros. Além de você, ele é o único que não foi queimado pela explosão." "Entendo." Meu alívio é substituído pela construção lenta da raiva. Quase cinquenta dos meus melhores homens estão mortos. Homens com quem eu treinei. Homens que eu comecei a conhecer. Conforme eu processo esse fato, me ocorre que só há uma forma do governo ucraniano ter sabido sobre minhas negociações com os russos. A linda intérprete russa. Ela era a única pessoa de fora a par da conversação. "Eu preciso de um telefone", digo a Sharipov, balançando os pés no chão e levantando-me. Meus joelhos agitam um pouco, mas as minhas pernas são capazes de manter o meu peso. Isso é bom. Isso significa que eu sou capaz de sair daqui por conta própria. "Eu preciso agora", eu acrescento, quando ele para olhando para mim enquanto eu puxo a agulha IV do meu braço com os dentes e arranco os sensores do monitor do meu peito. Com a roupa do hospital e pés descalços, sem dúvida, pareço ridículo, mas eu não dou a mínima. Eu tenho um traidor para lidar. "Claro", diz ele, se recuperando de seu choque. Enfiando a mão no bolso, ele puxa para fora um telefone celular e entrega para mim. "Peter Sokolov queria falar com você assim que você acordasse." "Bom. Obrigado". Colocando o telefone na minha mão esquerda, que sai do gesso, eu começo a digitar os números com a minha direita. É uma linha segura que corre através de tantos relés, que precisaria de um hacker de classe mundial para seguir seu destino. Quando eu ouço os cliques e bips da conexão familiar, eu pego o telefone com a mão direita e digo a Sharipov, "Por favor, peça para uma das enfermeiras me pegar algumas roupas normais. Estou cansado de usar isso." O coronel balança a cabeça e sai da sala. Um segundo depois que ele sai, a voz de Peter vem na linha: "Esguerra" "Sim, sou eu." Minha mão no telefone aperta. "Eu suponho que você ouviu a notícia."

A N N A

Z A I R E S


"Sim, eu ouvi." Uma pausa na linha. "Eu tive Yulia Tzakova detida em Moscou. Parece que ela tem algumas conexões que os nossos amigos do Kremlin negligenciaram". Então, Peter já está no topo disso. "Sim, parece que é isso." Minha voz é calma, embora a raiva ferva dentro de mim. "Desnecessário dizer que estamos abortando a missão. Quando serei pego?" "O avião está a caminho. Ele deve estar aí em poucas horas. Mandei Goldberg junto no caso de você precisar usar um médico". "Bem pensado. Estaremos esperando. Como está Nora?" Há um breve momento de silêncio. "Ela está melhor agora que ela sabe que você está vivo. Ela queria voar para aí assim que soube." "Você não a deixou, no entanto." É uma afirmação, não uma pergunta. Peter sabe melhor do que foder assim. "Não, claro que não. Você deseja vê-la? Eu posso configurar uma conexão de vídeo com o hospital." "Sim, por favor, configure." O que eu realmente quero é vê-la e segura-la em pessoa, mas o vídeo terá que servir por agora. "Enquanto isso, eu vou dar uma olhada em Lucas e nos outros."

Por causa do gesso volumoso no meu braço, é uma luta colocar a roupa que a enfermeira me trouxe. As calças entram sem qualquer problema, mas eu acabo tendo que arrancar a manga esquerda para o gesso passar através da cava. Minhas costelas doem como o inferno, e cada movimento exige um esforço tremendo quando o meu corpo quer nada mais do que deitar-se na cama e descansar. Eu persisto, no entanto, e depois de algumas tentativas, finalmente, tenho sucesso na roupa. Felizmente, a caminhada é mais fácil. Sou capaz de manter um passo regular. Conforme eu saio da sala, vejo os soldados que Sharipov mencionou anteriormente. Há cinco deles, todos vestidos com uniformes militares e carregando Uzis. Vendo-me sair para o corredor, eles silenciosamente andam atrás de mim, me seguindo enquanto eu sigo para a

A N N A

Z A I R E S


Unidade de Terapia Intensiva. Seus rostos inexpressivos fazem eu me perguntar se eles estão lá para me proteger ou para proteger os outros de mim. Eu não posso imaginar que o governo do Uzbequistão esteja entusiasmado em ter um traficante de armas ilegais em seu hospital civil. Lucas não está lá, então eu verifico os outros primeiro. Como Sharipov me disse, todos eles estão muito queimados, com ataduras cobrindo a maior parte de seus corpos. Eles também estão fortemente sedados. Faço uma nota mental para transferir um grande bônus para cada uma das suas contas bancárias para compensá-los por isso, e para serem vistos pelos melhores cirurgiões plásticos. Esses homens conheciam os riscos quando eles vieram para trabalhar comigo, mas eu ainda quero ter certeza de que eles sejam todos bem cuidados. "Onde está o quarto homem?", Pergunto a um dos soldados que me acompanham, e ele me direciona para outro quarto. Quando eu chego lá, eu vejo que Lucas está dormindo. Ele não parece tão ruim quanto os outros, o que é um alívio. Ele vai ser capaz de voltar comigo para a Colômbia uma vez que o avião chegue, ao passo que os homens queimados vão ter que ficar aqui por pelo menos mais alguns dias. Voltando ao meu quarto, eu encontro Sharipov lá, colocando um laptop na cama. "Foi pedido que eu desse isso para você", explica ele, entregando-me o computador. "Excelente, obrigado." Tomando o laptop dele com a mão direita, eu me sento na cama. Ou, mais apropriadamente, caio na cama, minhas pernas tremendo do esforço de andar por todo o hospital. Felizmente, Sharipov não vê a minha manobra desajeitada, uma vez que ele já está saindo. Assim que ele se vai, eu vou na internet e baixo um programa para esconder minhas atividades online. Então eu vou a um site especial e coloco o meu código. Isso abre uma janela de chat de vídeo, e eu coloco mais um código lá, conectando o computador com a propriedade. A imagem de Peter aparece primeiro. "Finalmente, você está aí", diz ele, e vejo a sala da minha casa no fundo. "Nora está descendo." Um momento depois, o pequeno rosto de Nora aparece na tela. "Julian! Oh meu Deus, eu pensei que nunca iria vê-lo novamente!" A voz

A N N A

Z A I R E S


dela está cheia de lágrimas mal contidas, e há rastros molhados em suas bochechas. Seu sorriso, entretanto, irradia alegria pura. Eu sorrio para ela, toda a minha raiva e desconforto físico esquecidos em uma súbita onda de felicidade. "Oi bebê, como você está?" Ela fica de boca aberta para mim. "Como eu estou? Que tipo de pergunta é essa? Você é quem acabou de estar em um acidente de avião! Como você está? É um gesso em seu braço?" "Parece ser." Eu levanto o meu ombro direito em um breve encolher de ombros. "É o meu braço esquerdo, no entanto, e eu sou destro, por isso não é grande coisa." "E a sua cabeça?" "Oh, isso?" Eu toco a bandagem grossa ao redor da minha testa. "Eu não tenho certeza, mas desde que eu estou andando e falando, eu suponho que seja algo menor." Ela balança a cabeça, olhando para mim com descrença, e meu sorriso amplia. Nora provavelmente pensa que eu estou tentando ser todo macho na frente dela. Meu animal de estimação não percebe que esses tipos de lesões são verdadeiramente menores para mim; Já tive piores dos punhos do meu pai quando era uma criança. "Quando você vem para casa?", Ela pergunta, trazendo seu rosto mais perto da câmera. Seus olhos parecem enormes dessa forma, seus longos cílios espetados com umidade residual. "Você está voltando para casa agora, certo?" "Sim, claro. Eu não posso ir exatamente atrás da Al-Quadar assim." Eu aceno minha mão direita em direção ao gesso. "O avião já está no seu caminho para me pegar e Lucas, então eu vou ver você em breve." "Eu não posso esperar", ela diz suavemente, e meu peito aperta com a emoção crua que vejo em seu rosto. Um sentimento muito parecido com ternura serpenteia através de mim, intensificando o desejo por ela até que eu a encontre. "Nora-" Eu começo a dizer, apenas para ser interrompido por um estalo. Ele é seguido por vários outros, uma explosão de ruídos de tiros rápidos que eu reconheço de imediato.

A N N A

Z A I R E S


Tiros. As armas estão usando silenciadores, mas nada pode acalmar o estrondo ensurdecedor de uma metralhadora. Imediatamente, há gritos e respostas de tiros. Sem silenciadores dessa vez. Os soldados do andar devem estar respondendo a qualquer ameaça lá fora. Em um milésimo de segundo, eu estou fora da cama, o laptop no chão. Adrenalina correndo através de mim, acelerando tudo e, ao mesmo tempo diminuindo a minha percepção do tempo. Parece que as coisas estão acontecendo em câmera lenta, mas eu sei que é apenas uma ilusão, que é a tentativa de meu cérebro para lidar com o perigo intenso. Eu opero no meu afiado instinto por uma vida inteira de treinamento. Em um instante, eu avalio o quarto e vejo que não há nenhum lugar para me esconder. A janela na parede oposta é muito pequena para eu passar, mesmo se eu estivesse inclinado a arriscar cair do terceiro andar. Isso deixa apenas a porta e o corredor – que é de onde os tiros estão vindo. Eu não me incomodo tentando descobrir quem está atacando. É imaterial no momento. A única coisa que importa é a sobrevivência. Mais tiros, seguido de um grito lá fora. Eu ouço o pesado baque de um corpo que cai nas proximidades, e eu escolho esse momento para fazer a minha jogada. Abrindo a porta, eu mergulho na direção do som da batida, usando o impulso do mergulho para deslizar no piso de linóleo. Meu gesso bate contra a parede conforme eu topo com o soldado morto, mas eu nem sequer registro a dor. Em vez disso eu o puxo para cima de mim, usando seu corpo como um escudo enquanto as balas começam a voar em volta de mim. Vendo sua arma no chão, eu a seguro com a mão direita e começo a disparar tiros para o outro lado do corredor, onde eu vejo homens mascarados com armas agachados atrás de uma maca de hospital. Muitos. Já posso ver isso. Há muitos fodidos deles e não há balas suficientes na minha arma. Posso ver os corpos caídos no corredor – os cinco soldados uzbeques foram ceifados, bem como alguns dos atacantes mascarados, e eu sei que é inútil. Eles vão me pegar também. Na verdade, é surpreendente que eu não esteja já cheio de buracos, com escudo humano ou não.

A N N A

Z A I R E S


Eles não querem me matar. Eu percebo esse fato, assim que a minha arma dispara uma última vez, descarregando a última rodada de balas. O chão e as paredes em volta de mim estão destruídos de suas balas, mas estou ileso. Uma vez que eu não acredito em milagres, isso significa que os atacantes não estão apontando para mim. Eles estão visando ao redor de mim, para me manter preso em um ponto. Rolando o homem morto de cima de mim, eu lentamente começo a levantar, mantendo meu olhar treinado nas figuras armadas na outra extremidade do corredor. O tiroteio para quando eu começo a me mover, o silêncio ensurdecedor depois de todo o ruído. "O que vocês querem?" Eu levanto a minha voz apenas o suficiente para ser ouvido na outra extremidade do corredor. "Por que vocês estão aqui?" Um homem ergue-se atrás da maca, a arma apontada para mim quando ele começa a caminhar em minha direção. Ele está mascarado como todos os outros, mas algo sobre ele parece familiar. Quando ele para a poucos passos de distância, vejo o brilho escuro de seus olhos acima da máscara, e o reconhecimento vem. Majid. Al-Quadar deve ter ouvido falar que eu estou aqui, ao seu alcance. Eu me movo sem pensar. Eu ainda estou segurando a metralhadora agora vazia, e eu aponto para ele, balançando a arma como faria um morcego, arqueando enganosamente alto antes de colocá-la para baixo. Mesmo com minhas lesões, meus reflexos são excelentes, e a coronha da arma faz contato com as costelas de Majid antes que eu seja jogado contra a parede, o meu ombro esquerdo explodindo em agonia. Meus ouvidos estão zumbindo da explosão quando eu deslizo para baixo na parede, e eu percebo que eu levei um tiro, que ele conseguiu disparar sua arma antes que eu pudesse causar dano real. Eu posso ouvir gritos em árabe, e, em seguida, mãos ásperas me pegam, me arrastando pelo chão. Eu luto com toda a minha força restante, mas eu posso sentir que meu corpo começa a desligar, meu coração

A N N A

Z A I R E S


trabalhando para bombear o seu fornecimento cada vez menor de sangue. Algo pressiona para baixo no meu ombro, aumentando a dor ardente, e manchas negras cobrem minha visão. Meu último pensamento antes de eu perder a consciência é que a morte provavelmente será preferível do que me espera se eu sobreviver.

A N N A

Z A I R E S


Eu não percebo que eu estou gritando até que uma mão tapa a minha boca, abafando os meus gritos histéricos. "Nora. Nora, pare com isso. "A voz firme de Peter me puxa para fora do vórtice de horror, me arrastando de volta à realidade. "Acalme-se e me diga exatamente o que você viu. Você pode se acalmar o suficiente para falar?" Eu dou um pequeno aceno de cabeça, e ele me libera, dando um passo para trás. Com o canto do meu olho, eu vejo Rosa e Ana de pé a poucos metros de distância. As mãos de Ana estão sobre a boca, as lágrimas escorrendo pelo rosto novamente, e Rosa parece assustada e perturbada. "Eu não-" Eu mal posso forçar as palavras através da minha garganta inchada, "-Eu não vi nada. Eu apenas ouvi. Nós estávamos falando, e depois, de repente, houve tiros e-e gritos, e depois mais tiros. Julian-" Minha voz falha ao falar seu nome. "Julian deve ter deixado cair o computador porque tudo ficou às avessas na tela, e em seguida, tudo o que eu podia ver era a parede, mas eu ouvi o tiroteio, os gritos, mais tiros..." Eu não sou consciente que estou soluçando incontrolavelmente até que as mãos de Peter apertam meus ombros e gentilmente me guiam em direção ao sofá. Ele me obriga a sentar quando eu começo a tremer, o terror do que eu acabara de testemunhar combinando com as memórias de alguns meses

A N N A

Z A I R E S


antes, quando eu tinha sido tomada pelo Al-Quadar nas Filipinas. Por alguns momentos horripilantes, o passado e o presente se fundem, e eu estou de novo na clínica, ouvindo aqueles tiros e sentindo um medo tão intenso que a minha mente não pode registrá-lo. Só que agora não é Beth e eu que estamos em perigo. É Julian. Eles vieram para ele, e eu sei exatamente quem eles são. "É Al-Quadar." Minha voz é rouca quando eu levanto, ignorando os tremores que continuam a acumular no meu corpo. "Peter é a Al-Quadar." Ele balança a cabeça em concordância, e vejo que ele já está em seu telefone. "Da. Da, eto ya9", diz ele, e eu percebo que ele está falando russo. "V gospitale problema. Da, seychas-Zh10." E desligando o telefone, ele me diz: "Eu notifiquei a polícia Uzbekistani dos eventos no hospital. Eles estão a caminho, com mais soldados. Eles estarão lá dentro de minutos". "Será tarde demais." Eu não sei de onde minha certeza vem, mas posso senti-la profundamente dentro de meus ossos. "Eles o pegaram, Peter. Se ele ainda não morreu, ele será morto muito em breve." Ele olha para mim, e eu posso ver que ele sabe disso também, que ele sabe o quão desesperadora a coisa toda é. Estamos lidando com uma das organizações terroristas mais perigosas do mundo, e eles têm o homem que os está caçando e dizimando suas fileiras. "Nós vamos encontrá-los, Nora," Peter diz calmamente. "Se eles não o mataram, há uma chance de que podemos ser capazes de recuperá-lo." "Você realmente não acredita nisso." Eu posso ver isso em seu rosto. Ele está apenas dizendo isso para me acalmar. O pessoal de Majid tem sido indetectável por meses, e só a sorte de capturar aquele terrorista em Moscovo, foi o que nos levou a descobrir seu paradeiro. Eles vão desaparecer novamente, escondendo-se em outro lugar, agora que sabem que sua localização no Tajiquistão foi comprometida. Eles vão desaparecer, e assim vai acontecer com Julian. Peter me dá um olhar indecifrável. "Não importa no que eu acredito. O fato é que eles querem algo do seu marido: o explosivo. Eles queriam isso 9

Tradução: Sim. Sim, sou eu. Tradução: Um problema no Hospital. Sim, agora

10

A N N A

Z A I R E S


antes, e estou certo de que eles querem isso agora. Seria muito tolo se eles o matassem imediatamente." "Você acha que eles vão torturá-lo primeiro." Bile sobe na minha garganta enquanto eu me lembro dos gritos de Beth, o sangue espalhando por toda parte conforme Majid sistematicamente cortava pedaços de seu corpo. "Oh meu Deus, você acha que eles vão torturá-lo até que ele quebre e lhes dê esse explosivo". "Sim", Peter diz, seus olhos cinzentos constantes no meu rosto enquanto Ana começa a soluçar baixinho no ombro de Rosa. "Eu acho. E isso nos dá tempo para encontrá-los". "Não há tempo suficiente." Eu olho para ele, doente de terror. "Não é tempo suficiente. Peter, eles vão torturá-lo e matá-lo, enquanto nós procuramos por eles." "Não sabemos ao certo", diz ele, puxando o seu telefone novamente. "Eu vou jogar todos os nossos recursos nisso. Se Al-Quadar aparecer no radar em algum lugar, vamos saber." "Mas isso pode levar semanas, até mesmo meses!" Minha voz se eleva conforme a histeria me agarra novamente. Eu posso sentir o meu domínio sobre a sanidade escorregar como uma montanha-russa de tristeza, alegria e terror que estive andando pelos últimos dias me mergulhando num abismo de desespero. Foi só ontem que eu pensei que tinha perdido Julian novamente, só para saber que ele está vivo. E agora, justamente quando parecia que o pior já tinha passado, o destino nos deu o golpe mais cruel de todos. Os monstros que mataram Beth vão levar Julian de mim também. "É a única opção que temos, Nora." A voz de Peter é calma, como se ele estivesse falando com uma criança rebelde. "Não há outro caminho. Esguerra é duro. Ele pode ser capaz de aguentar por um tempo, não importa o que façam com ele." Eu respiro fundo para recuperar o controle de mim mesma. Eu posso cair depois, quando estiver sozinha. "Ninguém é resistente o suficiente para suportar a tortura sem parar." Minha voz é quase calma. "Você sabe disso." Peter inclina a cabeça, reconhecendo o meu ponto. Pelo que eu ouvi sobre suas habilidades únicas, ele sabe melhor do que ninguém como a

A N N A

Z A I R E S


tortura pode ser eficaz. Quando eu olho para ele, uma ideia surge na minha cabeça uma ideia que eu nunca teria tido antes. "O terrorista que capturaram", eu digo lentamente, sustentando o olhar de Peter. "Onde ele está agora?" "Ele deveria ser colocado sob nossa custódia, mas por enquanto ele ainda está em Moscou." "Você acha que ele poderia saber de alguma coisa?" Minhas mãos torcem no meu vestido enquanto eu olho para o torturador-chefe de Julian. Uma parte de mim não pode acreditar que estou prestes a pedir-lhe para fazer isso, mas minha voz é firme quando eu digo: "Você acha que você poderia fazê-lo falar?" "Sim, eu tenho certeza que eu poderia", Peter diz lentamente, olhando para mim com algo semelhante a respeito. "Eu não sei se ele vai saber para onde eles poderiam ir em seguida, mas vale a pena tentar. Eu vou voar para Moscou imediatamente e ver o que posso descobrir." "Eu vou com você." Sua reação é imediata. "Não, você não vai", diz ele, franzindo a testa para mim. "Estou sob ordens explícitas para mantê-la segura aqui, Nora." "Seu chefe acaba de ser capturado e está prestes a ser torturado e morto." Minha voz é afiada e cortante conforme eu enuncio cada palavra. "E você acha que a minha segurança é uma prioridade agora? Suas ordens não se aplicam mais, porque eles têm Julian. Eles já não precisam de mim para chegar nele." "Bem, na verdade, eles gostariam de tê-la para poderem influenciar ele. Eles poderiam quebrá-lo muito mais rapidamente se eles tivessem você também." Peter balança a cabeça, com uma expressão de arrependimento, mas determinação. "Sinto muito, Nora, mas você precisa ficar aqui. Se conseguirmos resgatar o seu marido, ele ficaria muito descontente em saber que eu permiti que você estivesse em perigo." Eu me afasto, balançando, terror e frustração misturando-se e alimentando-se uns dos outros até que sinto como se eu fosse estourar. Sinto-me impotente. Totalmente e completamente inútil. Quando eu fui pega, Julian veio por mim. Ele me resgatou e eu não posso fazer o mesmo por ele.

A N N A

Z A I R E S


Eu não posso nem sair da propriedade. "Nora..." É Rosa. Eu posso sentir a mão no meu braço enquanto eu cegamente olho pela janela, minha mente correndo por todos os becos sem saída como um rato em um labirinto. "Nora, por favor... Venha, vamos comer..." Balanço a cabeça em negação e puxo meu braço, mantendo meu olhar treinado no gramado verde do lado de fora. Há algo na borda do meu cérebro, um pensamento errante, meio-formado que eu não consigo alcançar. Tem a ver com algo que Peter disse, algo que ele mencionou de passagem... Eu o ouço sair da sala, seus passos tranquilos no corredor, e de repente me ocorre. Girando, eu corro atrás dele, ignorando o choque no rosto de Rosa quando eu a empurro para fora do caminho. "Peter! Peter, espere!" Ele para no corredor, dando-me um olhar frio quando eu paro ao lado dele. "O que é?" "Eu sei," Eu suspiro para fora. "Peter, eu sei exatamente o que fazer. Eu sei como ter Julian de volta." A expressão dele não muda. "Do que você está falando?" Puxo uma respiração e começo a explicar o meu plano, falando tão rápido que eu estou tropeçando nas palavras. Posso vê-lo balançando a cabeça enquanto eu falo, mas persisto de qualquer maneira, impulsionada por um sentido de urgência mais intenso do que qualquer coisa que já experimentei. Eu preciso convencer Peter de que eu estou certa. A vida de Julian depende disso. "Não", ele diz quando eu termino. "Isso é uma loucura. Julian me mataria-" "Mas ele poderia estar vivo para matá-lo," eu interrompo. "Não há outra opção. Sabe tão bem quanto eu." Ele balança a cabeça, e o olhar que ele me dá é genuinamente arrependido. "Sinto muito, Nora-" "Eu vou te dar a lista," Eu deixo escapar, agarrando a única esperança que eu tenho. "Vou dar-lhe a lista de nomes antes que seus três

A N N A

Z A I R E S


anos acabem se você fizer isso. Julian irá entregá-la assim que ele recebe-la em suas mãos." Peter olha para mim, sua expressão mudando pela primeira vez. "Você sabe sobre a lista?", Ele pergunta, com a voz pulsando com tanta raiva que eu tenho que lutar contra o desejo de voltar atrás. "A lista que Esguerra me prometeu?" Eu concordo. "Eu sei." Em outras circunstâncias, eu ficaria aterrorizada por provocar esse homem, mas estou além do medo no momento. A imprudência nascida do desespero me deixa insensível, dandome uma coragem atípica. "E eu sei que você não vai tê-la se Julian morrer," Eu continuo, pressionando o meu ponto. "Todo esse tempo que você tem trabalhado para ele será em vão. Você nunca será capaz de se vingar das pessoas que mataram sua família." Seu olhar impassível desaparece completamente, quando seu rosto se transforma em uma máscara de chamas de fúria. "Você não sabe nada sobre a minha família", ele ruge, e dessa vez eu dou um passo para trás, meu instinto de auto-preservação tardiamente aparecendo conforme eu vejo suas mãos apertando em punhos. "Você ousa insultar-me com a porra deles?" Ele dá um passo em direção a mim quando eu me afasto, meu coração batendo no meu peito. Então, com um movimento acentuado, violento, ele vira e soca a parede, seu punho quebra através do drywall. Eu estremeço, saltando para trás, e ele dá um soco na parede novamente, tendo sua raiva para fora nela quando ele, sem dúvida quer fazer em mim. "Peter..." Minha voz é baixa e suave, como se eu estivesse falando com um animal selvagem. Eu posso ver Rosa e Ana na porta, olhando apavoradas, e eu tento apaziguar a situação. "Peter, eu não estou zombando de você, estou apenas apontando os fatos. Quero ajudá-lo, mas primeiro você precisa me ajudar." Ele olha para mim, com o peito arfando de raiva, e eu o vejo lutando para recuperar o controle. Estou tremendo por dentro, mas eu mantenho o meu olhar fixo no seu rosto. Não mostre medo. Faça o que fizer, não mostre medo. Para meu grande alívio, sua respiração gradualmente começa a abrandar, a fúria retrocedendo, suas feições suavizando quando ele volta de qualquer lugar escuro em que sua mente estava.

A N N A

Z A I R E S


"Sinto muito", diz ele depois de alguns momentos, a voz tensa. "Eu não deveria ter reagido assim." Ele toma uma respiração profunda, depois outra, e vejo sua habitual máscara controlada deslizando no lugar. "Como eu sei que você vai ser capaz de manter sua promessa sobre a lista?", Diz ele em um tom mais normal de voz, a sua ira aparentemente desaparecida. "Você está me pedindo para fazer algo que Esguerra vai odiar. Como eu sei que ele vai chegar com a lista se eu fizer isso?" "Vou fazer-lhe dar a você." Eu não tenho ideia de como posso fazer Julian fazer qualquer coisa, mas eu não deixo qualquer uma das minhas dúvidas aparecer. "Eu juro para você, Peter. Ajude-me com isso, e você pode ter a sua vingança antes de terminar seus três anos aqui." Ele olha para mim, e eu posso praticamente sentir o seu debate interno. Ele sabe que meus argumentos são sólidos. Se ele fizer o que eu peço, ele tem uma chance de ter essa lista de nomes mais cedo. Se Julian morrer, ele não vai ter lista nenhuma. "Tudo bem", diz ele, aparentemente, chegando a uma decisão. "Prepare-se então. Estamos saindo em uma hora".

Quando pousamos em um pequeno aeroporto perto de Chicago, há uma espessa camada de neve no chão, fazendo-me grata que eu decidi usar as minhas velhas Uggs. Já é noite, e o vento é muito frio, penetrando através do meu casaco de inverno. Eu mal registro o desconforto, no entanto, todos os meus pensamentos consumidos pela provação por vir. Não há nenhum carro à prova de balas esperando por nós. Nada que possa chamar a atenção para a nossa chegada. Peter chama um táxi para mim, e eu entro na parte de trás do carro sozinha, enquanto ele volta para o avião. O motorista, um homem de meia-idade, gentilmente, tenta conversar, provavelmente na esperança de descobrir quem eu sou. Tenho certeza que ele pensa que eu sou uma celebridade de algum tipo, dessas que chegam em um jato particular como aquele. Eu dou respostas monossilábicas para todas as suas perguntas, e ele rapidamente percebe o meu desejo de ser

A N N A

Z A I R E S


deixada sozinha. O resto do caminho passa em silêncio enquanto eu olho para fora da janela para as estradas escuras pela noite. Minha cabeça dói de estresse e jet lag, e meu estômago vira com náuseas. Se eu não tivesse me forçado a comer um sanduíche no avião, eu provavelmente iria desmaiar de exaustão. Quando chegarmos a Oak Lawn, eu levo o táxi para a casa dos meus pais. Eles não estão me esperando, mas isso é melhor. Isso faz a coisa toda parecer mais autêntica, menos como uma armação. O motorista me ajuda a descarregar a pequena mala que fiz para a ocasião, e eu pago-lhe, dando um extra de vinte dólares pela minha grosseria anterior. Ele vai embora, e eu levo a minha mala até a porta da minha casa de infância. Parando na frente da porta marrom familiar, eu toco a campainha. Eu sei que meus pais estão em casa porque eu vejo as luzes na sala de estar. Leva um par de minutos para chegarem até a porta – um par de minutos que parece como uma hora no meu estado exausto. Minha mãe abre a porta, e seu queixo cai de espanto quando ela me vê de pé, minha mão descansando sobre a alça da mala. "Oi Mãe," Eu digo, minha voz tremendo. "Posso entrar?"

A N N A

Z A I R E S


Primeiro, há apenas escuridão e dor. Dor que me rasga. Dor que me destrói por dentro. A escuridão é mais fácil. Não há dor apenas o esquecimento. Ainda assim, eu odeio o nada que me consome quando eu estou nesse vazio escuro. Odeio o vazio da não-existência. Com o passar do tempo, eu venho a desejar a dor, porque isso é o oposto do vazio, porque sentir alguma coisa é melhor do que não sentir nada. Aos poucos, o vazio escuro recua, diminui o seu poder sobre mim. Agora, juntamente com a dor, existem memórias. Algumas boas, algumas ruins – elas vêm para mim em ondas. O sorriso gentil da minha mãe quando ela me lê uma história para dormir. A voz dura do meu pai e seus punhos mais duros. Eu correndo pela floresta atrás de uma borboleta colorida, tão feliz e despreocupado como só uma criança pode ser. Matando o meu primeiro homem naquela selva. Brincando com a minha gata Lola, em seguida, lembro da pesca e dos sorrisos com uma menina de doze anos de idade, de olhos brilhantes... com Maria. O corpo de Maria quebrado e violado, sua luz e inocência para sempre destruídos. Sangue em minhas mãos, a satisfação de ouvir os gritos de seus assassinos. Comendo sushi no melhor restaurante em Tóquio. Moscas zumbindo sobre o cadáver da minha mãe. A emoção de fechar o meu primeiro negócio, a tentação do dinheiro. Mais morte e violência. Morte que eu causei, a morte em que eu me deleito.

A N N A

Z A I R E S


E depois há a ela. Minha Nora. A menina que eu roubei porque ela me lembrou de Maria. A menina que agora é minha razão de existir. Eu seguro a imagem dela em minha mente, deixando todas as outras memórias desaparecerem no fundo. Ela é tudo em que eu quero pensar, tudo que eu quero focar. Ela faz com que a dor vá embora, faz com que a escuridão desapareça. Eu posso ter trazido o sofrimento a ela, mas ela me trouxe a única felicidade que eu conheço desde os meus primeiros anos. Como o tempo se arrasta, eu tomo conhecimento de outras coisas. Além da dor, há sons e sensações. Eu ouço vozes e sinto uma brisa fria no meu rosto. Minhas queimaduras no ombro esquerdo, minhas pulsações no braço quebrado, e eu estou morrendo de sede. Ainda assim, pareço estar vivo. Eu estremeço meus dedos para verificar esse fato. Sim, vivo. Quase fraco demais para me mover, mas vivo. Porra. O resto das memórias inunda, e antes mesmo de eu abrir meus olhos, eu sei onde estou, e eu sei que eu provavelmente não deveria ter lutado na escuridão. Esquecimento teria sido melhor do que isso. "Bem vindo de volta", uma voz de homem diz suavemente, e eu abro meus olhos para ver o rosto sorridente de Majid pairando sobre mim. "Você tem estado apagado por tempo suficiente. É hora de começarmos."

Eles me arrastam ao longo de um piso de cimento duro que parece ser algum tipo de canteiro de obras. Pela aparência, ele vai ser um edifício industrial, e o lugar em que me encontro não tem janelas, apenas uma porta. Eu penso em lutar, mas eu estou muito fraco das minhas lesões para ter alguma chance de sucesso, então eu decido esperar durante um tempo e conservar o pouco da força que me resta. Eu suponho que vou precisar dela para lidar com o que eles têm para mim.

A N N A

Z A I R E S


Eles começam por me deixar nu e me amarrarem com uma corda que eles prendem sobre uma viga no teto inacabado. Eles não são gentis sobre isso, e o gesso no meu braço esquerdo quebra quando eles amarram meus pulsos juntos e colocam meus braços ligados por cima da minha cabeça. A dor agonizante no meu braço ferido e ombro me fazem desmaiar, e não é até que jogam água gelada no meu rosto que eu recupero a consciência novamente. De certa forma, eu admiro seus métodos. Eles sabem o que estão fazendo. Tire a roupa de um homem, e ele imediatamente se sente mais vulnerável. Mantê-lo frio, fraco e ferido, e ele já está em desvantagem, sua psique golpeada como o seu corpo. Eles estão começando com o pé direito. Se eu não tivesse colocado outros nessa mesma situação, eu estaria pedindo e implorando agora mesmo. Dessa forma, meu corpo está em um estado de sobrevivência completo. O conhecimento de que eu estou tão perto da morte, ou pelo menos da dor insuportável faz meu coração bater em um ritmo muito rápido. Eu não quero dar-lhes a satisfação de me ver ter medo, mas eu posso sentir pequenos tremores correndo sobre a minha pele, tanto da água fria que derramaram sobre mim, em um lugar já gelado, como pelo excesso de adrenalina. Eles me colocaram tão alto que apenas as pontas dos meus dedos do pé tocam o chão, e com a maior parte do meu peso sendo suportado pelos meus pulsos amarrados, meu braço ferido e ombro já estão gritando em agonia. Conforme eu fico pendurado ali, tentando respirar através da dor, Majid se aproxima de mim, um sorriso de satisfação vincando seu rosto. "Bem, se não é o próprio Esguerra", ele fala lentamente, seu sotaque britânico fazendo-o soar como alguma versão do Oriente Médio de James Bond. "Que bom que você nos fez uma visita." Eu não digo nada, apenas olho para ele com desprezo, sabendo que vai irritá-lo mais do que qualquer coisa. Eu sei o que ele vai exigir, e não tenho intenção de dar a ele, não quando ele vai me matar da maneira mais dolorosa possível, de qualquer maneira. Com certeza, a minha falta de resposta provoca ele. Eu posso ver o brilho de raiva em seus olhos. Majid Ben-Harid prospera no medo e na miséria dos outros. Eu entendo ele porque eu sou do mesmo jeito. E porque

A N N A

Z A I R E S


nós somos tais almas afins, eu sei como estragar a diversão para ele. Ele vai destruir o meu corpo, mas ele não vai se divertir tanto quanto ele gostaria. Eu não vou deixá-lo. É um pequeno consolo para o fato de que eu vou morrer uma morte torturante, mas é tudo o que tenho no momento. Seu sorriso de satisfação se foi, Majid dá passos em direção a mim. "Vejo que você não está afim de papo", diz ele, trazendo uma grande faca de açougueiro para o meu rosto. "Vamos direto ao assunto, então." Ele corre a ponta da lâmina no meu rosto, cortando fundo o suficiente para que o sangue escorra pelo meu queixo com um fio fino. "Você me dá a localização da sua fábrica de explosivos, bem como todos os detalhes de segurança, e eu-" ele se inclina tão perto que eu posso ver o preto de suas pupilas na íris marrom de seus olhos, "-Vou fazer a sua morte rápida. Se não o fizer... bem, eu tenho certeza que eu não preciso explicar sobre a alternativa. O que você diz? Você quer tornar mais fácil para nós ou difícil? Porque o resultado será o mesmo de qualquer maneira". Eu não respondo, e não recuo, nem mesmo quando a lâmina continua o seu caminho doloroso, cortando caminho pelo meu pescoço, peito e estômago, deixando um rastro de sangue onde toca a minha pele. Não importa o que eu escolha, porque Majid não tem nenhuma intenção de honrar as promessas que ele faz para mim. Ele nunca vai me dar uma morte rápida nem mesmo se eu entregar pessoalmente o explosivo para ele amanhã. Eu já causei muito dano a Al-Quadar ao longo dos últimos meses, frustrei muitos de seus planos. Assim que eu lhe der o que ele quer, ele vai me levar para o além da forma mais dolorosa possível, apenas para mostrar as suas tropas como ele pune aqueles que cruzam seu caminho. Isso é o que eu faria no lugar dele, pelo menos. A faca para logo abaixo das minhas costelas, a ponta afiada cavando a minha carne, e eu posso ver os olhos de Majid brilhando com prazer vicioso. "Bom?", Ele sussurra, pressionando-a em uma fração de um centímetro. "Aceita ou não aceita, Esguerra? É realmente com você. Posso começar por colher alguns órgãos, apenas para torná-lo mais rentável para

A N N A

Z A I R E S


nós, ou se você preferir, eu posso começar mais embaixo, com a parte favorita de sua esposa..." Eu suprimo um desejo masculino instintivo de estremecer que dura pouco e mantenho minha expressão calma, quase divertida. Eu sei que ele não vai fazer nada muito prejudicial à princípio, porque, se o fizesse, eu iria sangrar imediatamente. Eu já perdi muito sangue, por isso não vai demorar muito para eu apagar. A última coisa que Majid deseja é privar-se de uma vítima consciente. Se ele é sério sobre a obtenção do explosivo, ele vai ter que começar pequeno e trabalhar até a brutalidade com que ele me ameaçou. "Vá em frente", eu digo friamente. "Faça o seu melhor." E dando-lhe um sorriso zombeteiro, espero a tortura começar.

A N N A

Z A I R E S


A noite em que eu chego na casa dos meus pais é um fluxo sem parar de choro, abraços, e perguntas sobre o que aconteceu e como eu consegui voltar. Eu digo aos meus pais tanto da verdade quanto eu posso, explicando sobre a queda do avião e na captura posterior do Uzbequistão de Julian pelo grupo terrorista com o qual ele está lutando. Conforme eu falo, eu posso vê-los lutando contra o choque e a descrença. Os terroristas e os aviões abatidos por mísseis são tão fora do paradigma normal de suas vidas que eu sei que é difícil para eles processarem. Foi difícil para mim uma vez, também. "Oh, Nora, querida..." A voz da minha mãe é suave e simpática. "Eu sinto muito, eu sei que você o amava, apesar de tudo. Você sabe o que vai acontecer agora?" Eu balanço minha cabeça, tentando evitar olhar para o meu pai. Ele acha que isso é ótimo; eu posso ver isso em seu rosto. Ele está aliviado de que eu estou mais do que provavelmente livre do homem que ele considera ser o meu agressor. Estou certa que ambos os meus pais pensam que Julian merece isso, mas minha mãe está, pelo menos, tentando ser sensível sobre os meus sentimentos. Meu pai, porém, dificilmente consegue esconder a sua satisfação com o rumo dos acontecimentos. "Bem, o que quer que aconteça, eu estou feliz que você voltou para casa." Minha mãe estende a mão para pegar a minha. Seus olhos escuros

A N N A

Z A I R E S


estão cheios de lágrimas frescas enquanto olha para mim. "Estamos aqui para você, querida, você sabe disso, certo?" "Eu sei, mãe", eu sussurro, minha garganta apertada com emoção. "É por isso que voltei. Porque eu senti sua falta... e porque eu não podia ficar sozinha na propriedade." Isso é verdade, mas essa não é a verdadeira razão pela qual estou aqui. Eu não posso dizer aos meus pais o motivo real. Se eles soubessem que eu vim para casa para ser sequestrada pela Al-Quadar, eles nunca me perdoariam por isso.

Apesar da minha exaustão, eu quase não durmo naquela noite. Eu sei que vai levar algum tempo para a Al-Quadar descobrir à minha presença na cidade, mas ainda estou consumida pelo medo e antecipação nervosa. Toda vez que eu deito, eu tenho pesadelos, só que nesses sonhos não é Beth, que está sendo cortada em pedaços – é Julian. As imagens sangrentas são tão vivas que eu acordo com náuseas e tremendo, meus lençóis encharcados de suor. Finalmente, eu desisto do sono completamente e retiro os materiais de arte que eu trouxe comigo na minha mala. Eu espero que a pintura vá me impedir de me deter sobre o fato de que meus pesadelos podem estar acontecendo nesse momento em algum esconderijo da Al-Quadar a milhares de milhas de distância. Quando a luz dos crescentes raios solares entra no quarto, eu paro para examinar o que eu pintei. Parece abstrato primeiro, apenas redemoinhos de inspeção de vermelho, preto e marrom, mas mais de perto revelam algo diferente. Todos os redemoinhos são rostos e corpos, pessoas emaranhadas juntos em um paroxismo de êxtase violento. Os rostos revelam tanto agonia e prazer, quanto desejo e tormento. É provavelmente o meu melhor trabalho até agora, e eu odeio isso. Eu odeio porque ele me mostra o quanto eu mudei. Quão pouco do antigo eu me resta.

A N N A

Z A I R E S


"Uau, querida, isso é incrível..." A voz da minha mãe me assusta, me tirando dos meus pensamentos, e eu me viro para vê-la de pé na porta, olhando para a pintura com genuína admiração. "Esse seu instrutor francês deve ser muito bom." "Sim, o senhor Bernard é excelente," Eu concordo, tentando manter o cansaço escondido da minha voz. Eu estou tão cansada que eu só quero entrar em colapso, mas isso não é uma opção no momento. "Você não dormiu bem, não é?" Minha mãe franze a testa, parecendo preocupada, e eu sei que não consegui esconder o cansaço dela. "Você estava pensando nele?" "Claro que eu estava." Uma onda repentina de raiva aguça a minha voz. "Ele é meu marido, você sabe." Ela pisca, claramente pega de surpresa, e lamento imediatamente meu tom áspero. Essa situação não é culpa da minha mãe; se alguém é inocente em tudo isso, são meus pais. Meu temperamento é a última coisa que eles merecem... particularmente desde o meu plano desesperado, provavelmente, que vai causar ainda mais angústia. "Sinto muito, mãe", eu digo, indo para lhe dar um abraço. "Eu não quis dizer isso." "Está tudo bem, querida." Ela acaricia meu cabelo, seu toque tão gentil e reconfortante que eu quero chorar. "Eu entendo." Eu aceno, mesmo que eu saiba que ela não pode compreender a extensão do meu estresse. Ela não pode, porque ela não sabe o que eu estou esperando. À espera de ser tomada pelos mesmos monstros que têm Julian. Esperando Al-Quadar agarrar a isca.

A manhã se arrasta. É um sábado, por isso ambos os meus pais estão em casa. Eles estão felizes com isso, mas eu não estou. Eu gostaria que eles estivessem no trabalho hoje. Eu quero estar sozinha, se – não, quando –os capangas de Majid vierem para mim. Tinha sido relativamente seguro

A N N A

Z A I R E S


passar a noite, uma vez que a Al-Quadar precisaria de tempo para colocar o plano que eles têm em ação, mas agora que é de manhã, eu não quero meus pais perto de mim. A segurança de Julian posta em prática em torno da minha família iria garantir a sua segurança, mas esses mesmos guardacostas também podem interferir no meu sequestro, e isso é a última coisa que eu quero. "Compras?" Meu pai me dá um olhar estranho quando eu anuncio a minha intenção em ir às lojas depois do café. "Você tem certeza, querida? Você acabou de chegar em casa, e com tudo acontecendo-" "Pai, eu estive no meio do nada por meses." Eu dou-lhe o meu melhor olhar de que homens não entendem. "Você não tem ideia do que é isso para uma menina." Vendo que ele não está convencido, acrescento, "Sério, Pai, eu poderia usar essa distração." "Ela tem um ponto," minha mãe entra na conversa. Voltando-se para mim, ela me dá uma piscadela cúmplice e diz a meu pai, "Não há nada como fazer compras para levar a mente de uma mulher para fora das coisas. Eu vou com Nora como nos velhos tempos." Meu coração afunda. Eu não posso ter a minha mãe junto, se o ponto é ter meus pais longe do perigo potencial. "Oh, me desculpe, mãe", eu digo com pesar, "mas eu já prometi a Leah que eu iria encontrá-la. É férias da primavera, você sabe, e ela está em casa." Eu tinha visto uma atualização no Facebook mais cedo essa manhã, então eu estou apenas parcialmente mentindo. Minha amiga está realmente na cidade, eu só não tinha feito quaisquer planos para vê-la hoje. "Oh, ok." Minha mãe parece ferida por um momento, mas depois ela encobre isso e me dá um sorriso brilhante. "Não se preocupe, querida. Vamos ver você depois de conversar com seus amigos. Estou feliz que você esteja se distraindo assim. É para o melhor, realmente..." Meu pai ainda parece suspeito, mas não há nada que ele possa fazer. Eu sou uma adulta, e eu não estou exatamente pedindo sua permissão. Assim que acabamos o café da manhã, eu dou em cada um beijo e um abraço e caminho até o ponto de ônibus na rua 95 para pegar o ônibus para o Chicago Ridge Mall.

A N N A

Z A I R E S


Vamos lá, me levem já. Porra me levem já. Eu fiquei passeando no shopping por horas, e para minha frustração, ainda não há sinal da Al-Quadar. Ou eles não sabem que eu estou aqui, ou eles não se preocupam comigo agora que eles têm Julian. Eu me recuso a aceitar a última possibilidade, porque se é verdade, Julian está tão bem quanto um morto. O plano tem que funcionar. Não há outra alternativa. Majid simplesmente precisa de mais tempo. Tempo para farejar que estou aqui sozinha e desprotegida – uma ferramenta conveniente que eles podem usar para forçar Julian a dar a eles o que querem. "Nora? Puta merda, Nora, é você?" Uma voz familiar me puxa para fora dos meus pensamentos, e eu me viro para ver minha amiga Leah de boca aberta para mim com espanto. "Leah!" Por um segundo, eu esqueço tudo sobre o perigo e corro para abraçar a menina que tinha sido minha melhor amiga há muito tempo. "Eu não tinha ideia de que você estava aqui!" E é verdade, apesar da minha mentira para os meus pais essa manhã, eu não esperava me deparar com Leah assim. Em retrospectiva, porém, eu provavelmente deveria ter, uma vez que costumávamos sair nesse shopping quase todo fim de semana, quando éramos mais jovens. "O que você está fazendo aqui?", Ela pergunta quando paramos o abraço. "Eu pensei que você estivesse na Colômbia!" "Eu estava, quer dizer, eu estou." Agora que a excitação inicial passou, eu estou percebendo que correr para Leah pode ser problemático. A última coisa que eu quero é que a minha amiga sofra por minha causa. "Eu só estou aqui para uma breve visita," eu explico rapidamente, lançando um olhar preocupado ao redor. Tudo parece estar normal, então eu continuo "Me desculpe, eu não lhe disse que estava em casa, mas as coisas foram meio agitadas e, bem, você sabe como é..." "Certo, você deve estar ocupada com seu novo marido e outras coisas", diz ela devagar, e eu posso sentir a distância entre nós crescendo, mesmo que não me movendo uma polegada. Não temos nos falado desde

A N N A

Z A I R E S


que eu disse a ela sobre o meu casamento – apenas trocado alguns breves e-mails e vejo agora que ela ainda questiona a minha sanidade... que ela não entende a pessoa que me tornei. Eu não a culpo por isso. Às vezes eu não entendo essa pessoa também. "Leah, baby, aí está você!" Uma voz de homem interrompe a nossa conversa, e meu coração salta quando uma figura masculina familiar se aproxima de Leah atrás de mim. É Jake – o rapaz por quem uma vez tive uma queda. O menino de quem Julian me roubou na fatídica noite no parque. Só que ele não é mais um garoto. Seus ombros são mais largos agora; seu rosto é mais enxuto e mais duro. Em algum momento nos últimos meses, ele se tornou um homem, um homem que só tem olhos para Leah. Parando ao lado dela, ele se abaixa para dar-lhe um beijo e diz em voz baixa, provocando, "Baby, eu trouxe aquele presente..." As bochechas pálidas de Leah viram beterraba vermelha. "Um, Jake," ela murmura, puxando seu braço para chamar a sua atenção para a minha presença, "olha quem eu acabei de encontrar." Ele se vira para mim e seus olhos castanhos se arregalam com o choque. "Nora? O que-o que você está fazendo aqui?" "Ah você sabe… - apenas algumas compras..." Eu espero que eu não soe tão surpresa quanto eu me sinto. Leah e Jake? Minha melhor amiga Leah e meu ex-paquera Jake? É como se meu mundo tivesse inclinado em seu eixo. Eu não tinha ideia que eles estavam namorando. Eu sabia que Leah rompeu com seu namorado um par de meses atrás, porque ela mencionou em um e-mail, mas ela nunca me disse que estava com Jake. Quando eu olho para eles, de pé um do lado do outro com expressões de desconforto idênticas em seus rostos, eu percebo que não é totalmente ilógico. Ambos vão para a Universidade de Michigan, e eles têm um círculo de sobreposição de amigos e conhecidos do nosso colégio. Eles ainda têm uma experiência traumática em comum: ter a sua amiga/paquera sequestrada – que pode tê-los aproximado. Eu também percebo nesse momento que tudo o que eu sinto quando eu olho para eles é alívio.

A N N A

Z A I R E S


Alívio que eles parecem felizes juntos, que a escuridão da minha vida não deixou uma mancha permanente sobre Jake. Não há volta para o que poderia ter sido, nenhuma inveja somente uma ansiedade que cresce a cada minuto que Julian passa nas mãos da Al-Quadar. "Sinto muito, Nora," Leah diz, me dando um olhar cauteloso. "Eu deveria ter lhe contado sobre nós anteriormente. É só que-" "Leah, por favor." Deixando de lado o meu estresse e exaustão, eu consigo dar-lhe um sorriso tranquilizador. "Você não tem que explicar. Sério. Sou casada, e Jake e eu só tivemos um encontro. Você não me deve nenhuma explicação... Eu fiquei surpresa, só isso." "Você quer, um, tomar um café com a gente?" Jake oferece, deslizando seu braço em volta da cintura de Leah em um gesto que me parece extraordinariamente protetor. Pergunto-me se é de mim que ele a está protegendo. Se for isso, ele é ainda mais inteligente do que eu pensava. "Nós poderíamos sair uma vez que você está na cidade", ele continua, e eu balanço a cabeça em recusa. "Eu adoraria, mas não posso", eu digo, e o pesar na minha voz é genuíno. Eu quero desesperadamente estar com eles, mas não posso tê-los perto de mim no caso de Al-Quadar escolher esse momento particular para atacar. Eu não tenho nenhuma ideia de como os terroristas iriam me pegar no meio de um shopping center lotado, mas tenho certeza de que vão encontrar uma maneira. Olhando para baixo para o meu telefone, eu finjo me assustar com a hora e digo me desculpando: "Eu receio que eu já estou atrasada..." "Seu marido está aqui com você?" Leah pergunta, franzindo a testa, e eu vejo o rosto de Jake ficando branco. Ele provavelmente não considerou a possibilidade de Julian estar por perto quando ele fez o convite para mim. Eu balanço minha cabeça, a minha garganta apertada com a terrível realidade da situação correndo o risco de me sufocar novamente. "Não", eu digo, esperando que eu soe normal. "Ele não pôde vir." "Oh, ok." A carranca de Leah se aprofunda, um olhar perplexo entra em seus olhos, mas Jake recupera um pouco da sua cor. Ele fica obviamente aliviado que ele não vai ser confrontado pelo criminoso cruel que lhe causou tanta dor.

A N N A

Z A I R E S


"Eu realmente tenho que correr", eu digo, e Jake balança a cabeça, seu braço na cintura de Leah mais apertado para mantê-la perto. "Boa sorte", ele diz para mim, e eu posso dizer que ele está feliz que eu estou saindo. Ele foi criado para ser educado, no entanto, então ele acrescenta: "Foi bom vê-la", embora seus olhos digam algo diferente. Dou-lhe um sorriso compreensivo. "Você também," eu digo e, acenando adeus a Leah, eu sigo para a saída do shopping.

Eu esqueço de Jake e Leah, logo que eu saio para o estacionamento. Dolorosamente alerta, eu faço uma varredura da área antes de relutantemente tirar meu telefone e ligar para um táxi. Eu iria ficar no shopping mais tempo, mas eu não quero correr o risco de pôr em perigo os meus amigos novamente. Minha próxima parada será a Michigan Avenue, em Chicago, onde eu posso ver algumas lojas enquanto oro que eu seja tomada antes de eu perder completamente a minha mente. O vento frio atravessa minhas roupas enquanto eu estou lá esperando, meu casaco no comprimento da coxa e suéter de cashmere fino oferecem pouca proteção contra a temperatura fria de fora. Leva uma meia hora até que o taxi finalmente pare no meio-fio. Por esse tempo, eu estou meia congelada, e meus nervos estão tão tensos que estou pronta para gritar. Abrindo a porta, eu subo para a parte de trás do carro. É um táxi com aparência limpa, com uma divisória de vidro grossa que separa o banco da frente da parte de trás, e as janelas na parte de trás são ligeiramente coloridas. "Para a cidade, por favor." Minha voz saí mais aguda do que pretendia. "As lojas na Michigan Avenue." "Claro que sim, senhorita", o motorista diz suavemente, e minha cabeça percebe a ponta de sotaque em sua voz. Meus olhos bloqueiam com os seus no espelho da frente, e eu congelo enquanto um parafuso de puro terror dispara na minha espinha. Ele pode ser um dos milhares de imigrantes dirigindo um táxi para ganhar a vida, mas ele não é.

A N N A

Z A I R E S


Ele é da Al-Quadar. Eu posso ver isso na maldade fria de seu olhar. Eles finalmente chegaram até mim. É o que eu estava esperando, mas agora que o momento está aqui, eu me encontro paralisada por um medo tão intenso que me sufoca vindo de dentro. Minha mente se volta para o passado, e as memórias são tão vivas, que é quase como se eu estivesse lá novamente. Eu sinto a dor de pontos mal curados no meu lado, vejo os cadáveres dos guardas na clínica, ouço os gritos de Beth... e então eu sinto gosto de vômito na parte de trás da minha garganta quando Majid toca meu rosto com um dedo coberto de sangue. Eu devo ter ficado tão branca como um lençol, porque o olhar do motorista endurece, e eu ouço o clique fraco da fechadura do carro sendo ativado. O som me leva a ação. Adrenalina em minhas veias, eu mergulho para a porta e agarro a maçaneta enquanto grito a plenos pulmões. Eu sei que é inútil, mas eu preciso tentar e, mais importante, eu preciso dar a aparência de tentar. Eu não posso sentar calmamente enquanto eles me levam de volta para o inferno. Eu não posso deixá-los saber que dessa vez eu quero voltar para lá. Quando o carro começa a se mover, eu continuo lutando com a porta e batendo na janela. O motorista me ignora quando ele sai do estacionamento em alta velocidade, e nenhum dos visitantes do shopping parece notar nada de errado, os vidros escuros do carro me escondendo de seus olhares. Nós não vamos muito longe. Em vez de sair para a estrada, o carro vira para a parte de trás do edifício. Vejo uma van bege esperando por nós, e eu luto mais, minhas unhas quebram conforme eu agarro na porta com um desespero que é apenas parcialmente falso. Na minha pressa para resgatar Julian, eu não tinha analisado exaustivamente o que significaria ser tomada pelos monstros de meus pesadelos – passar por algo tão horrível outra vez, e o terror que me inunda é apenas ligeiramente diminuído pelo fato de que essa situação foi planejada por mim. O motorista para ao lado da van, e as fechaduras abrem. Abrindo a porta, eu rastejo para fora de quatro, raspando as palmas das mãos no asfalto áspero, mas antes que eu possa ficar de pé, um braço vai em volta

A N N A

Z A I R E S


da minha cintura e mãos enluvadas tapam minha boca, abafando os meus gritos. Eu ouço ordens em árabe conforme eu sou levada para a van, chutando e lutando, e então eu vejo um punho voando em direção ao meu rosto. Há uma explosão de dor no meu crânio, e depois não há mais nada.

A N N A

Z A I R E S


Eu derivo dentro e fora da consciência, os períodos de agonizante vigília intercalados com trechos curtos de escuridão calmante. Eu não sei se foram horas, dias ou semanas, mas parece que eu estive aqui para sempre, à mercê de Majid e da dor. Eu não durmo. Eles não me deixam dormir. Eu tenho pausa somente quando minha mente desliga do tormento, e eles têm maneiras de trazer-me de volta quando estou fora por muito tempo. Eles me jogam água primeiro. Acho que é engraçado, de uma espécie de forma perversa. Gostaria de saber se eles estão fazendo isso porque eles sabem que eu sou parte americano11, ou se eles só acham que é um método eficiente de quebrar alguém sem infligir danos severos. Eles fazem isso uma dúzia de vezes, me empurrando para a beira da morte e, em seguida, trazendo-me de volta. Parece que eu estou me afogando uma e outra vez, e meu corpo luta por ar com um desespero que parece fora do lugar, dada a situação. Não seria tão ruim se eles acidentalmente me afogassem; minha mente sabe disso, mas meu corpo se esforça para viver. Cada segundo com esse pano molhado em meu rosto parece como uma eternidade, o fio de água de alguma forma mais terrível do que a lâmina mais afiada.

Os Estados Unidos são acusados de torturar alguns prisioneiros com banhos gelados, simulação de afogamento e “hidratação” retal, entre outras técnicas envolvendo água. 11

A N N A

Z A I R E S


Eles param de vez em quando e fazem perguntas para mim, prometendo parar se eu responder. E quando meus pulmões sentem como se eles fossem explodir, eu quero desistir. Eu quero colocar um fim a isso – mas algo dentro de mim não me deixa. Recuso-me a dar-lhes a satisfação de ganhar, de deixá-los me matar, sabendo que eles conseguiram o que queriam. Conforme meu corpo procura por ar, a voz de meu pai vem para mim. "Você vai chorar? Você vai chorar como o menino bonito da sua mãe ou me enfrentar como um homem?" Tenho quatro anos de novo, encolhido no canto conforme meu pai me chuta repetidamente nas costelas. Eu sei a resposta certa para a pergunta, eu sei que eu preciso encará-lo, mas estou com medo. Estou com tanto medo. Eu posso sentir a umidade no meu rosto, e eu sei que vai torná-lo irritado. Não me refiro a chorar. Eu não tenho realmente chorado desde que eu era um bebê, mas a dor em minhas costelas faz meus olhos lacrimejarem. Se minha mãe estivesse aqui, ela me abraçaria e me beijaria, mas ela não se aproxima de mim quando o meu pai está neste tipo de humor. Ela tem muito medo dele. Eu odeio meu pai. Eu o odeio, e eu quero ser como ele ao mesmo tempo. Eu não quero ter medo. Eu quero ser o único com o poder, aquele de quem todos têm medo. Enrolando em uma pequena bola, eu uso o fundo da minha camisa para enxugar a umidade do meu rosto, e então eu começo a ficar de pé, ignorando o meu medo e a dor em minhas costelas machucadas. "Eu não vou chorar." Engolindo o nó na minha garganta, eu olho para cima para encontrar o olhar de raiva de meu pai. "Eu nunca vou chorar." Xingamentos em árabe. Mais umidade no meu rosto. Minha mente é violentamente arrancada de volta ao presente, conforme eu convulsiono, engasgo e aspiro o ar quando o pano embebido é removido. Meus pulmões se expandem com avidez, e através do toque em meus ouvidos, ouço Majid gritando com o homem que quase me matou. Bem, foda-se. Parece que essa parte da diversão acabou. Eles começam com as agulhas então. Longas, agulhas grossas que eles colocam sob as unhas dos pés e unhas. Eu sou capaz de suportar isso

A N N A

Z A I R E S


melhor, minha mente se separa do meu corpo torturado me levando de volta ao passado. Eu tenho nove agora. Meu pai me trouxe para a cidade para as negociações com seus fornecedores. Estou sentado nos degraus, guardando a entrada do edifício, uma arma escondida em meu cinto debaixo da minha camiseta. Eu sei como usar essa arma; Já matei dois homens com ela. Eu vomitei após o primeiro, ganhando uma surra, mas a segunda morte tinha sido mais fácil. Eu nem sequer pestanejei quando eu puxei o gatilho. Alguns adolescentes saem para a rua. Reconheço suas tatuagens; eles são parte de uma gangue local. Meu pai provavelmente usou-os em algum ponto para distribuir o seu produto, mas agora eles parecem estar entediados e em pontas soltas. Eu vejo como eles serpenteiam de cima para baixo na rua, chutando algumas garrafas quebradas e irritam um ao outro. Uma parte de mim inveja sua camaradagem fácil. Eu não tenho um monte de amigos, e todos os meninos com quem eu ocasionalmente jogo parecem ter medo de mim. Eu não sei se é porque eu sou o filho do Señor, ou se eles já ouviram coisas sobre mim. Normalmente, não me importa o seu temor – eu incentivo, na verdade, mas às vezes eu desejo que eu pudesse apenas jogar como uma criança normal. Esses adolescentes não ouviram falar sobre mim, no entanto. Eu posso dizer, porque quando eles me viram sentado lá, eles sorriram e caminharam em direção a mim, pensando que eles encontrariam uma presa fácil para intimidar. "Hey," um deles chama. "O que um menino como você está fazendo aqui? Esse é o nosso bairro. Você se perdeu, garoto?" "Não", eu digo, replicando seus sorrisos. "Eu estou tão perdido quanto você... criança." O menino que falou comigo incha com raiva. "Por que você seu merdinha-" Ele começa a vir em minha direção, e imediatamente congela quando eu aponto a minha arma para ele sem pestanejar. "Experimente", eu o convido suavemente. "Aproxime-se, por que não você?"

A N N A

Z A I R E S


Os meninos começam a recuar. Eles não estão completamente mudos; eles veem que eu sei como lidar com a arma. Meu pai e os seus homens saem naquele momento, e os meninos se espalham como um bando de ratos. Quando eu digo a meu pai o que aconteceu, ele acena com a cabeça em aprovação. "Bom. Você não recuou, filho. Lembre-se que você tem o que você quiser, e você nunca vai para baixo." Água fria no meu rosto, seguida por um tapa brutal, e eu estou de volta ao presente. Eles me amarraram a uma cadeira agora, meus pulsos amarrados atrás das costas e os tornozelos amarrados às pernas da cadeira. Meus dedos das mãos e pés pulsam com agonia, mas eu ainda estou vivo, por agora. Eu posso ver a fúria frustrada no rosto de Majid. Ele não está feliz com o progresso até agora, e tenho a sensação de que ele está prestes a amplificar seus esforços. Com certeza, ele se aproxima de mim, sua faca apertada em seu punho. "Última chance Esguerra..." Ele para na minha frente. "Eu estou te dando uma última chance antes de eu começar a cortar algumas partes úteis do seu corpo. Onde está a fábrica de merda, e como é que vamos entrar?" Em vez de responder, eu reúno o pouco de saliva que permanece na minha boca e cuspo nele. A saliva vermelho-matizada respinga em todo seu nariz e bochechas, e vejo com satisfação quando ele limpa com a manga, o corpo vibrando com raiva do insulto. Eu não tenho a oportunidade de desfrutar a reação dele por muito tempo, no entanto, porque ele põe a mão no meu cabelo e puxa, fazendo com que o meu pescoço dobre dolorosamente para trás. "Deixe-me dizer o que está prestes a acontecer, seu pedaço de merda", ele sibila, pressionando a lâmina contra a minha mandíbula. "Eu vou começar com os seus olhos. Vou cortar seu globo ocular esquerdo no meio e então eu vou fazer o mesmo com o direito. E quando você estiver cego, eu vou começar a aparar seu pau, centímetro por centímetro, até que haja apenas uma pequena ponta... Você me entende? Se você não começar a falar agora, você nunca vai ver ou transar de novo."

A N N A

Z A I R E S


Lutando contra a vontade de vomitar, eu permaneço em silêncio enquanto ele empurra a faca para cima, para a pele fina debaixo do meu olho esquerdo. A lâmina corta através da minha bochecha no caminho, e eu sinto o calor do sangue escorrendo pela minha pele fria. Eu sei que ele não está blefando, mas também sei que ceder não vai mudar o resultado. Majid vai me torturar para obter respostas e uma vez que ele as tenha ele vai me torturar ainda mais. Olhando para minha falta de reação, Majid pressiona a faca mais profundo em minha pele. "Porra de oportunidade perdida, Esguerra. Você quer manter seus olhos ou não?" Eu não respondo, e ele arrasta a faca mais, fazendo com que minhas pálpebras espremam fechando reflexivamente. "Tudo bem, então", ele sussurra, desfrutando do meu corpo involuntariamente em pânico enquanto eu tento empurrar para fora de seu alcance... e então eu sinto uma explosão nauseante de dor quando os furos da lâmina atravessam a minha pálpebra e penetram profundamente no meu olho.

Eu devo ter perdido a consciência de novo, porque não há mais água fria que está sendo jogada em mim. Eu estou tremendo, meu corpo entrando em choque da agonia excruciante. Eu não posso ver nada pelo meu olho esquerdo - tudo que eu sinto é uma queimadura, escoando no vácuo. Meu estômago se agita com a bile, e leva tudo que tenho para não vomitar sobre mim. "Que tal o segundo olho, Esguerra, hmm?" Majid sorri para mim, a faca ensanguentada mantida firmemente em seu punho. "Você gostaria de estar cego, enquanto nós tiramos o seu pau fora, ou você prefere ver tudo isso? Claro, não é tarde demais para parar tudo isso.... Basta nos dizer o que queremos saber, e podemos até deixá-lo viver – já que você é tão valente."

A N N A

Z A I R E S


Ele está mentindo. Eu posso ouvi-lo no tom exultante de sua voz. Ele acha que ele me tem quase quebrado, tão desesperado para parar a dor que eu vou acreditar em qualquer coisa que ele diga. "Foda-se," eu sussurro com minha força restante. Você não recua. Você nunca recua. "Foda-se você e suas ameaças patéticas." Seus olhos estreitam de raiva, e a faca brilha em direção ao meu rosto. Eu aperto o meu olho restante fechado, em preparação para a agonia... mas ela nunca vem. Surpreso, eu abro minha pálpebra ilesa e vejo que Majid foi distraído por um de seus homens. O homem parece animado, apontando para mim conforme ele vibra em árabe rápido. Eu me esforço para entender algumas das palavras que eu sei, mas ele está falando muito rápido. A julgar pelo sorriso se espalhando por todo o rosto de Majid, no entanto, tudo o que ele está dizendo é uma boa notícia para Majid, o que significa que é provavelmente uma má notícia para mim. Minha suposição é confirmada quando Majid se vira para mim e diz com um sorriso cruel, "Seu outro olho está seguro, por agora, Esguerra. Há algo que eu realmente quero que você veja em algumas horas." Eu olho para ele, incapaz de esconder meu ódio. Eu não sei do que ele está falando, mas a boca do meu estômago aperta. Há apenas uma coisa que poderia me convencer a desistir, e ela está segura na minha propriedade. Eles não podem estar falando de Nora, não com toda a segurança que tenho ao redor dela. É um novo jogo de mente que eles estão jogando comigo, tentando me fazer pensar que eles têm algo pior para mim do que o que eu já sofri. É uma tática de atraso, uma forma de prolongar meu sofrimento, nada mais. Não tenho a intenção de cair no seu truque, mas enquanto eu espero lá, amarrado e na pior dor da minha vida, eu não sou forte o suficiente para parar a ansiedade rastejando para cima de mim. Eu deveria ser grato por essa pausa da tortura, mas eu não sou. Eu ficaria feliz em deixar Majid cortar cada um de meus membros se eu pudesse ter certeza de que Nora está segura. Eu não sei quanto tempo passa, enquanto espero em tormento, mas finalmente eu ouço vozes do lado de fora. A porta se abre, e Majid arrasta

A N N A

Z A I R E S


uma pequena figura vestida com um par de Uggs e um camisa de homem que vai até os joelhos. Suas mãos estão amarradas atrás das costas, e há uma mancha sangrenta na parte inferior do seu braço esquerdo. Meu estômago cai e horror frio se espalha através de minhas veias quando os olhos escuros de Nora param no meu rosto. Meu maior medo veio. Eles têm a única pessoa que importa para mim em todo o mundo, porra. Eles têm a minha Nora – e, dessa vez, eu não posso salvá-la.

A N N A

Z A I R E S


Tremendo da cabeça aos pés, eu olho para Julian, meu peito aperta com agonia sua visão. Há, uma bandagem de aparência suja em seu ombro, com o sangue escorrendo para fora dela, e seu corpo nu é uma massa de cortes, hematomas e arranhões. Seu rosto é ainda pior. Abaixo do velho curativo na testa, não há um local que não esteja descolorido ou inchado. A coisa mais terrível de tudo, porém, é o corte enorme sangrando correndo por sua bochecha esquerda e todo o caminho até a sobrancelha – uma confusão de carne irregular, onde o olho costumava estar. Onde seu olho costumava estar. Eles cortaram seu olho. Eu não posso nem começar a processar isso, no momento, então eu não tento. Por agora, Julian está vivo, e isso é tudo que importa. Ele está amarrado a uma cadeira de metal, com as pernas presas à parte e os braços contidos por trás das costas. Eu posso ver o choque e horror em seu rosto ensanguentado quando ele percebe a minha presença, e eu quero dizer-lhe que tudo vai dar certo – que dessa vez estou salvandoo, mas eu não posso. Ainda não. Não até que Peter tenha a chance de chegar aqui com os reforços. Minha bochecha machucada está latejando onde eles me bateram, e o lado de baixo do meu braço esquerdo está queimando com a dor da ferida aberta lá. Eles tiraram minhas roupas e cortaram o meu implante de

A N N A

Z A I R E S


controle de natalidade, enquanto eu estava nocauteada, provavelmente temendo que era um rastreador de algum tipo. Eu não esperava isso – eu percebi que, se alguma coisa, eles iriam encontrar um dos rastreadores reais – mas funcionou ainda melhor do que eu esperava. Depois de cortar o implante e vendo que não era nada mais do que uma haste de plástico simples, eles devem ter me descartado como uma ameaça, pensando que eu sou exatamente o que eu estava fingindo ser: uma menina ingênua que foi ver seus pais, alheia a qualquer perigo. Fez-me feliz o fato de que eu tive a precaução de deixar a pulseira rastreadora na propriedade, de modo a não despertar as suas suspeitas. Para meu alívio, não parece que eles me tocaram muito de outras maneiras. Pelo menos, se eles fizeram algo mais do que isso enquanto eu estava inconsciente, eu não sinto nenhuma evidência disso. Não há dor ou rigidez entre as minhas pernas, sem dor de qualquer tipo. Minha pele está rastejando no conhecimento que eles me tiveram nua, mas poderia ter facilmente sido muito pior. Quando eu acordei, eu já estava vestindo a camisa de alguém e minhas próprias botas Ugg. Eles devem estar salvando todo o drama para quando estiver na frente de Julian. Essa foi a parte do meu plano que Peter achou mais arriscada: o tempo da minha captura até a minha chegada ao seu esconderijo. "Você sabe que eles podem procurar cada polegada de você e encontrar todos os três dispositivos de rastreamento de Julian colocados em você", ele me disse antes de sairmos da propriedade. "E então ambos estarão perdidos para nós. Você entende o que eles vão fazer para que você faça Julian falar, certo?" "Sim, eu sei, Peter." Eu dei um sorriso triste. "Eu entendo perfeitamente. Não há outra escolha, porém, e os rastreadores são minúsculos, as feridas de inserção quase invisíveis nesse momento. Eles podem encontrar um ou dois, mas eu duvido que eles vão encontrar todos os três e se eles fizerem isso, no momento em que fizerem isso, você pode ter a sua localização." "Talvez", disse ele, com os olhos analisando a minha sanidade, "ou talvez não. Há uma centena de coisas que podem dar errado entre o momento em que você for tomada e quando eles a levarem para Julian."

A N N A

Z A I R E S


"É um risco que eu vou ter que tomar", eu disse a ele, trazendo a discussão para um fim. Eu sabia o quão perigoso seria para mim agir como um dispositivo de rastreamento humano para localizar os terroristas, mas eu não podia ver qualquer outra forma de chegar a Julian a tempo – e, a julgar pelo seu estado atual, eu quase cheguei tarde demais. Vejo Julian tentando se recompor, para esconder sua reação visceral à minha presença, mas ele não é inteiramente bem sucedido. Após passar o choque inicial, sua mandíbula aperta, e seu olho intacto começa a brilhar com fúria violenta quando ele vê meu estado semi-vestida. Seus poderosos músculos tencionam, lutando contra as amarras. Parece que ele quer rasgar todos na sala, e eu sei que as cordas que o amarram na cadeira são a única coisa impedindo-o de lançar um ataque suicida em nossos captores. Os outros terroristas devem estar pensando a mesma coisa, porque dois deles chegam mais perto de Julian, agarrando suas armas apenas no caso. Olhando muito satisfeito com o rumo dos acontecimentos, Majid ri e me arrasta para o meio da sala, sua mão no meu braço dolorosamente apertada. "Você sabe, sua putinha idiota simplesmente caiu no meu colo", diz ele em tom de conversa, colocando a mão no meu cabelo e me forçando para baixo nos meus joelhos. "Nós a encontramos fazendo compras em sua ausência, como todas essas cadelas americanas gananciosas. Pensamos que gostaríamos de trazê-la aqui, para que possa ver o seu rostinho bonito antes de dividi-la... A menos que você queira começar a falar." Julian permanece em silêncio, olhando para Majid com ódio assassino, enquanto eu tomo, respirações curtas e rasas para lidar com o meu terror. Meus olhos estão lacrimejando por causa da dor no meu couro cabeludo, e o medo pulsando através de mim parece quase como uma coisa viva. Com minhas mãos presas nas minhas costas, não há nada que eu possa fazer para evitar Majid de me machucar. Eu não tenho nenhuma ideia de quanto tempo vai levar para Peter chegar, mas existe a chance de que ele possa não chegar a tempo. Eu posso ver as manchas cor de ferrugem na lâmina solta no cinto de Majid, e náuseas sobem na minha garganta enquanto eu percebo que é o sangue de Julian. Se nós não formos resgatados em breve, será o meu sangue, também. Para meu horror, Majid pega aquela lâmina, ainda segurando meu cabelo naquele aperto doloroso. "Oh, sim", ele sussurra, pressionando a

A N N A

Z A I R E S


borda plana contra o meu pescoço, "Eu acho que a cabeça vai ser um pequeno troféu agradável – depois que eu cortá-la, é claro…" Ele empurra a faca para cima, e eu congelo em terror quando eu sinto o corte da lâmina na pele macia debaixo do meu queixo, seguida pela sensação de revirar o estômago do líquido quente escorrendo pelo meu pescoço. O rugido que emana de Julian não se assemelha a nada humano. Antes que eu possa fazer mais do que suspirar, ele vem para a frente, usando as pontas dos pés para impulsionar a si mesmo e a cadeira do chão. Sua ação é tão súbita e violenta que os dois homens que estavam ao lado dele não reagem a tempo. Julian, literalmente, bate em um deles, levando o terrorista armado para o chão, e, com uma virada de seu corpo, leva a perna de metal da cadeira na garganta do homem. Os próximos segundos são um borrão de sangue e gritos em árabe. Majid lança sua força sobre mim e grita algumas ordens, levando os outros a ação quando ele próprio vai para a briga. Ainda amarrado à cadeira, Julian é arrastado para fora do corpo do homem ferido, e eu assisto com horrorizada fascinação como o homem que Julian atacou se contorce no chão, apertando sua garganta enquanto sons escapam de sua boca. Ele está morrendo – eu posso ver os jorros de sangue provenientes da ferida irregular em seu pescoço diminuindo, mas sua agonia não parece me tocar. É como se eu estivesse assistindo a um filme em vez de observar um ser humano sangrando até a morte na frente dos meus olhos. Majid e outros terroristas correm em seu auxílio, tentando estancar o fluxo de sangue, mas é tarde demais. O aperto frenético do homem na garganta diminui, e ele fica com os olhos vidrados, o fedor da morte e da violência enchendo a sala. Ele foi morto. Julian o matou. Eu deveria estar revoltada e chocada, mas eu não estou. Talvez essas emoções vão me bater mais tarde, mas por agora, tudo o que eu sinto é uma estranha mistura de alegria e orgulho: a alegria que um desses assassinos está morto, e orgulho que foi Julian quem o matou. Mesmo amarrado e enfraquecido pela tortura, meu marido conseguiu derrubar um

A N N A

Z A I R E S


de seus inimigos, um homem armado que foi estúpido o suficiente para ficar ao alcance letal de Julian. Minha falta de empatia me perturba em algum nível, mas eu não tenho tempo para me debruçar sobre isso. Se Julian pretendia criar uma distração ou não, o resultado final é que ninguém está prestando atenção em mim, no momento, e assim que eu percebo isso, eu entro em ação. Saltando para os meus pés, eu lanço um olhar frenético ao redor da sala. Meu olhar pousa em uma pequena faca em uma mesa perto da parede, e eu pulo em direção a ela, meu pulso acelerado. Os terroristas estão todos reunidos em torno de Julian, do outro lado da sala, e eu ouço grunhidos, xingamentos, e o som nauseante de punhos batendo na carne. Eles estão punindo Julian por este assassinato e, por agora, me ignorando. Virando as costas para a mesa, eu consigo pegar a faca e calço a lâmina por baixo da fita adesiva que está em torno dos meus pulsos. Minhas mãos estão tremendo, fazendo com que a lâmina afiada vá na minha pele, mas eu ignoro a dor, tentando cortar a fita grossa antes que eles percebam o que está acontecendo. O aperto está escorregadio de suor e sangue, mas persisto e, finalmente, minhas mãos estão livres. Tremendo, eu examino o lugar novamente e detecto um rifle inclinado por negligência contra a parede. Um dos terroristas deve ter deixado lá na confusão resultante do inesperado ataque de Julian. Meu coração pulsa na minha garganta, enquanto eu sigo devagar ao longo da parede em direção a arma, esperando desesperadamente que os terroristas não olhem em minha direção. Eu não tenho ideia do que eu vou fazer com uma arma em uma sala cheia de homens armados até os dentes, mas eu tenho que fazer alguma coisa. Eu não posso estar perto e vê-los baterem em Julian até a morte. Minhas mãos se fecham em torno da arma antes que alguém perceba qualquer coisa, e eu puxo uma respiração tremendo de alívio. É um AK-47, um dos rifles que eu pratiquei durante a minha formação com Julian. Segurando a arma pesada, eu a levanto e aponto na direção dos terroristas, tentando controlar o tremor induzido pela adrenalina nos meus braços. Eu

A N N A

Z A I R E S


nunca atirei em uma pessoa antes – apenas em latas de cerveja e alvos de papel, e eu não sei se eu tenho o que é preciso para puxar o gatilho. Enquanto eu estou tentando criar coragem para agir, uma explosão sacode a sala, me derrubando no chão.

Eu não sei se eu bati com a cabeça ou estava apenas atordoada pela explosão, mas a próxima coisa de que eu estou ciente é o som de tiros fora das paredes A sala inteira está cheia de fumaça, e eu tusso quando instintivamente tento ficar de pé. "Nora! Fique no chão!" É Julian, sua voz rouca por causa da fumaça. "Fique aí, baby, você está me ouvindo?" "Sim!" Eu grito de volta, alegria intensa preenchendo cada célula do meu corpo quando eu percebo que ele está vivo e em um bom estado o suficiente para falar. Mantendo-me para baixo no chão, eu espio por trás da mesa que caiu ao meu lado, e vejo Julian deitado de lado na outra extremidade da sala, ainda amarrado à cadeira de metal. Vejo também que a fumaça está vindo pela abertura no teto, e que a sala está vazia, exceto por nós dois. A batalha, ou o que está acontecendo, está acontecendo lá fora. Peter e os guardas devem ter chegado. Quase chorando de alívio, eu pego o AK-47 deitado ao meu lado, viro de barriga para baixo, e começo a rastejar em direção a Julian, prendendo a respiração para evitar inalar muita fumaça. Naquele momento, a porta se abre, e uma figura familiar entra na sala. É Majid e na mão direita, ele está segurando uma arma. Ele deve ter percebido que a Al-Quadar estava perdendo e voltou para matar Julian. Uma onda de ódio sobe na minha garganta, me sufocando com a bile amarga. Esse é o homem que assassinou Beth... que torturou Julian e teria

A N N A

Z A I R E S


feito a mesma coisa comigo. O vicioso, terrorista psicótico que, sem dúvida, assassinou dezenas de pessoas inocentes. Ele não me vê lá, toda a sua atenção em Julian quando ele levanta a arma e aponta para o meu marido. "Adeus, Esguerra", diz ele em voz baixa... e eu aperto o gatilho da minha própria arma. Apesar da minha posição de bruços, o meu alvo é preciso. Julian tinha me feito praticar tiro sentada, deitada, e até mesmo correndo em algum ponto. O rifle treme em meus braços, batendo dolorosamente contra meu ombro, mas as duas balas atingiram Majid exatamente onde eu pretendia – em seu pulso e no cotovelo direito. Os tiros o jogam contra a parede e derrubam a arma fora de seu alcance. Gritando, ele agarra o braço sangrando, e eu me levanto, sem me importar com o perigo representado pelas balas voando lá fora. Eu posso ouvir Julian gritando algo para mim, mas não consigo registrar as suas palavras exatas através do zumbido nos meus ouvidos. Nesse momento, é como se o mundo inteiro desaparecesse, deixandome sozinha com Majid. Nossos olhos se encontram, e, pela primeira vez, eu vejo o medo em seu olhar escuro de réptil. Ele sabe que eu sou a única que atirou nele, e ele pode ler a intenção fria no meu rosto. "Por favor, não-" ele começa a dizer, e eu aperto o gatilho novamente, descarregando mais cinco balas em seu estômago e no peito. No breve silêncio que se segue, eu vejo quando o corpo de Majid desliza para baixo na parede, quase em câmera lenta. Seu rosto está frouxo com o choque, sangue escorrendo para fora do canto de sua boca, e seus olhos estão abertos, olhando para mim com uma espécie de descrença entorpecida. Ele move os lábios, como se quisesse dizer alguma coisa, e um gorgolejo escapa de sua garganta enquanto mais sangue borbulha fora de sua boca. Abaixando a arma, eu chego mais perto dele, levada por uma estranha compulsão para ver o que fiz. Os olhos de Majid olham nos meus, implorando por misericórdia, sem palavras. Eu sustento seu olhar, prolongando o momento... e então eu aponto o AK-47 em sua testa e puxo o gatilho novamente.

A N N A

Z A I R E S


A parte de trás de sua cabeça explode, sangue e pedaços de tecido cerebral explodem contra a parede. Seus olhos vidrados, o branco em torno da íris ficando carmesim quando os vasos sanguíneos estouram em seus olhos. Seu corpo fica mole, e o cheiro da morte, afiada e pungente, permeia a sala pela segunda vez hoje. Só que não é Julian quem é o assassino dessa vez. Sou eu. Minhas mãos estão firmes quando eu abaixo a arma novamente, observando o filete de sangue na parede atrás de Majid. Então eu ando em direção a Julian, ajoelho-me ao lado dele, e coloco cuidadosamente a arma no chão conforme eu começo a soltar suas cordas. Julian está em silêncio enquanto eu o liberto das cordas, e eu também. Os sons de tiros do lado de fora estão começando a diminuir, e eu espero que signifique que as forças de Peter estão ganhando. De qualquer maneira, porém, estou pronta para o que acontecer, uma calma estranha me engolindo apesar da nossa situação ainda precária. Quando os braços e as pernas de Julian estão livres, ele chuta a cadeira longe e deita de costas, fechando a mão direita em volta do meu pulso. Seu braço esquerdo, ainda parcialmente no gesso, está imóvel ao seu lado, e não há mais sangue em seu rosto e corpo da surra que ele acabou de receber. Seu aperto no meu pulso, no entanto, é surpreendentemente forte conforme ele me puxa para mais perto, forçando-me no chão ao lado dele. "Fique aí, baby", ele sussurra por entre os lábios inchados. "Está quase no fim... Por favor, fique para baixo." Eu aceno e deito ao lado dele a direita, tomando cuidado para não agravar seus ferimentos. Com a porta aberta, um pouco da fumaça está começando a dissipar, e eu posso respirar livremente pela primeira vez desde a explosão. Julian libera meu pulso e desliza seu braço sob meu pescoço, reunindo-me contra ele em um abraço protetor. Minha mão acidentalmente passa contra as costelas, causando-lhe um sibilar de dor, mas quando eu tento fugir de volta, ele simplesmente me segura mais apertado.

A N N A

Z A I R E S


Quando Peter e os guardas passam pela porta alguns minutos depois, eles nos encontram deitado nos braรงos um do outro, com Julian apontando o AK-47 para a porta.

A N N A

Z A I R E S


"Como ela está?" Lucas pergunta, sentando-se na cadeira ao lado da minha cama. Há uma bandagem grossa sobre a sua cabeça, e ele tem que usar muletas por conta de sua perna quebrada. Fora isso, ele já está se recuperando. Ele estava inconsciente no outro quarto quando a Al-Quadar atacou o hospital no Uzbequistão e, assim, perdeu toda a diversão. "Ela está... bem, eu acho." Eu pressiono um botão para ter a cama em uma posição de metade sentada. As minhas costelas doem com o movimento, mas eu ignoro o desconforto. A dor tem sido minha companheira constante desde o acidente, e eu estou mais ou menos acostumado com isso nesse momento. Desde nosso socorro naquele canteiro de obras no Tajiquistão cinco dias atrás, Nora e eu estamos nos recuperando em uma instalação especial na Suíça. É uma clínica privada composta pelos melhores médicos de todo o mundo, e eu tive Lucas supervisionando pessoalmente a segurança aqui. Claro que, com as células mais perigosos da Al-Quadar eliminadas, não há uma ameaça imediata, mas ainda vale a pena ser cauteloso. Eu tive todos os meus homens feridos transferidos para cá também, para que eles pudessem se recuperar mais rapidamente e em um ambiente mais agradável. A sala que Nora e eu dividimos é de última geração, equipada com tudo, desde de jogos de vídeo até uma ducha privada. Há duas camas ajustáveis, uma para mim e uma para Nora, com lençóis de algodão egípcio

A N N A

Z A I R E S


e colchões macios em cada uma. Mesmo os monitores cardíacos e IV posicionados em torno das camas têm aparência elegante, mais decorativa do que médica. Toda a configuração é tão luxuosa que é quase possível esquecer que ainda estou em outro hospital. Quase, mas não completamente. Se eu nunca puser os pés dentro de um hospital de novo, eu vou morrer um homem feliz. Para meu tremendo alívio, todos os ferimentos de Nora acabaram sendo menores. A ferida no braço dela precisou de alguns pontos, mas o golpe em seu rosto deixou apenas uma contusão desagradável em sua bochecha. Os médicos também confirmaram que ela não tinha sido abusada sexualmente, apesar de seu estado de nudez. Depois de algumas horas da nossa chegada aqui, Nora foi declarada saudável e pronta para ir para casa. Eu, por outro lado, estou um pouco pior, embora não tão fodido como eu poderia ter ficado. Eles já realizaram duas operações em mim - uma para minimizar a cicatriz no meu rosto, e a segunda para colocar uma prótese ocular no soquete de olho vago, por isso não pareço com um ciclope. Eu nunca vou ser capaz de ver com meu olho esquerdo de novo, pelo menos não até que a tecnologia de olho biônico avance ainda mais, mas os cirurgiões me garantiram que eu vou parecer quase normal uma vez que tudo esteja curado. Meus outros ferimentos não são muito ruins também. Eles tiveram que reajustar o meu braço quebrado e colocá-lo em um novo gesso, mas o ferimento de bala no meu ombro esquerdo está curando bem, assim como as minhas costelas quebradas. Eu ainda tenho um pouco de sangue em crosta sob minhas unhas das mãos e dos pés da tortura com a agulha, mas está gradualmente melhorando. Os homens de Majid me batendo no final machucaram meus rins um pouco. No entanto, graças à rápida chegada de Peter, eu escapei de outros ferimentos internos e mais ossos quebrados. Quando tudo estiver passado e cicatrizado, eu vou ter mais algumas cicatrizes e potencialmente alguma fraqueza no meu braço esquerdo, mas a minha aparência não vai assustar as crianças pequenas.

A N N A

Z A I R E S


Eu sou grato por isso. Eu nunca fui particularmente vaidoso sobre minha aparência, mas eu quero ter certeza de que Nora ainda me ache atraente, que eu não a desgoste com o meu toque. Ela garantiu-me que as minhas cicatrizes e hematomas não incomodam, mas eu não sei se ela realmente quer dizer isso. Por causa das minhas lesões, não temos tido sexo desde nosso socorro, e eu não sei como ela realmente se sente até que eu a tenha em minha cama novamente. Em geral, eu não sei como Nora tem se sentido nos últimos cinco dias. Com todas as cirurgias e os médicos no caminho, não tivemos a oportunidade de falar sobre o que aconteceu. Sempre que eu começo, ela muda de assunto, como se ela quisesse esquecer a coisa toda. Eu iria deixála, exceto que ela também tem estado extraordinariamente tranquila. Recolhida de alguma forma. É como se o trauma que ela passou lhe fez recuar dentro de si mesma... encerrando suas emoções de alguma maneira. "Então ela está lidando com isso?" Lucas pergunta, e eu sei que ele está falando sobre a morte de Majid. Todos os meus homens sabem sobre a maneira como Nora acabou com ele para, e sobre seu papel em meu socorro. Eles a admiram por ser tão corajosa, enquanto eu estou lutando contra um impulso diário para estrangulá-la por arriscar sua vida. E Peter, bem, isso é um outro assunto. Se ele não tivesse desaparecido imediatamente após nos trazer para a clínica, eu teria arrancado sua cabeça por colocá-la nesse tipo de perigo. "Ela está", eu digo em resposta à pergunta de Lucas. Minhas preocupações sobre o estado mental de Nora não são algo que eu quero compartilhar com ele. "Ela está lidando com isso tão bem quanto se pode esperar. A primeira morte nunca é fácil, é claro, mas ela é forte. Ela vai passar por isso." "Sim, eu tenho certeza que ela vai." Alcançando as muletas, Lucas se levanta e pergunta: "Em quanto tempo você quer voltar para a Colômbia?" "Goldberg diz que podemos sair amanhã. Ele quer que eu fique aqui mais uma noite, para garantir que tudo esteja curando corretamente, e então ele vai supervisionar minha recuperação na propriedade." "Excelente", diz Lucas. "Eu vou fazer os arranjos, então."

A N N A

Z A I R E S


Ele manca para fora da sala, e eu pego o meu laptop para verificar sobre o paradeiro de Nora. Ela foi para comprar um lanche no café do primeiro andar da clínica, mas ela já saiu a mais de dez minutos, e eu estou começando a ficar preocupado. Fazendo log in, eu puxo o relatório dos rastreadores e vejo que ela está de pé no corredor, a cerca de 50 metros de distância do quarto. O ponto mostrando sua localização está parado, ela deve estar conversando com alguém lá. Aliviado, eu fecho o laptop e o coloco de volta na mesa de cabeceira. Eu sei que meu medo por ela é excessivo, mas eu não posso controlar isso. Ver a faca de Majid na garganta de Nora tinha sido a pior experiência da minha vida. Eu nunca tinha estado tão aterrorizado como quando vi o sangue escorrendo de sua pele lisa. Eu literalmente vi uma parede vermelha naquele momento, a raiva bombeando através de mim me dando uma onda de força que eu não sabia que eu possuía. Matar aquele terrorista não tinha sido uma decisão consciente; a necessidade de proteger Nora tinha dominado tanto o meu instinto de auto-preservação como meu bom senso. Se eu estivesse pensando mais claramente, eu viria com alguma outra maneira de chamar a atenção de Majid longe de Nora até que os reforços pudessem chegar. Eu tinha começado a suspeitar do plano de resgate assim que Majid mencionou as compras. Isso fez sentido: Nora sabia que meus inimigos iriam querer ela como um trunfo, e ela sabia que ela tinha os rastreadores. Eu não podia acreditar que ela iria colocar-se lá fora, daquele jeito, ou que Peter iria deixá-la, mas era a única coisa que poderia explicar como AlQuadar foi capaz de colocar suas mãos sobre ela na minha ausência. Em vez de ficar segura na propriedade, Nora arriscou sua vida para salvar a minha. Sabendo do que Majid era capaz, ela enfrentou seus pesadelos por mim, para resgatar o homem que ela tem todas as razões para odiar. Eu não sei se eu acreditava que ela realmente me amava até aquele momento... até que eu a vi de pé lá, com medo, ainda determinada, seu pequeno corpo envolto na camisa de um homem dez vezes o tamanho dela. Ninguém nunca tinha feito nada parecido com isso por mim antes; mesmo

A N N A

Z A I R E S


quando eu era criança, minha mãe escapuliu ao primeiro sinal de agressividade do meu pai, deixando-me em suas mãos. A não ser pelos guardas que contratei, nunca ninguém tinha me protegido. Eu sempre tinha sido sozinho. Até ela. Até Nora. Enquanto eu estou lembrando de como ela parecia feroz com sua arma apontada para Majid, a porta do quarto se abre, e o objeto de minhas reflexões entra. Ela está usando um par de jeans e uma blusa de manga comprida marrom, seu cabelo espesso preso em um rabo de cavalo atrás das costas e os pés calçados em sapatilhas tipo ballet. A contusão em sua bochecha ainda está lá, mas ela cobriu com um pouco de maquiagem hoje, provavelmente para que ela pudesse conversar em vídeo com seus pais sem se preocupar com isso. Ela está falando com eles quase diariamente desde a nossa chegada na clínica. Eu acho que ela se sente culpada por assustá-los com seu desaparecimento novamente. Ela também está mastigando uma maçã, seus dentes brancos mordendo a fruta suculenta com prazer evidente. Meu coração começa a bater fortemente em meu peito quando ele se expande com alegria e alívio. É assim cada vez que eu a vejo agora, minha reação é a mesma se ela se for por quinze minutos ou várias horas. "Oi." Ela caminha e graciosamente senta no lado direito da minha cama. Inclinando-se, ela pressiona seus lábios macios em meu rosto em um beijo breve, em seguida, levanta a cabeça e sorri para mim. "Quer um pouco de maçã?" "Não, obrigado, baby." Minha voz se torna rouca enquanto seu toque me faz dolorosamente ciente do fato de que eu não fodi com ela desde que deixei a propriedade. "É toda sua." "Tudo bem." Ela morde a maçã. "Encontrei o Dr. Goldberg no corredor", diz ela depois de engolir. "Ele disse que você está ficando cada vez melhor, e nós podemos ir para casa amanhã." "Sim, isso é certo." Eu a observo colocar a língua para fora para limpar um pequeno pedaço da fruta de seu lábio inferior, e um raio de calor

A N N A

Z A I R E S


aperta minhas bolas. Estou definitivamente ficando melhor, ou pelo menos meu pau acredita que eu estou. "Vamos sair assim que ele der ok." Nora morde um outro pedaço de maçã e mastiga devagar, estudandome com uma expressão peculiar. "O que é isso, baby?" pegando sua mão livre, eu trago a delicada palma para cima para o meu rosto e esfrego as costas da mão no meu rosto. Eu sei que provavelmente estou arranhando sua pele macia com a minha barba de mais de uma semana por fazer, mas eu não posso resistir à tentação de seu toque. "Diga-me o que está em sua mente." Ela coloca o caroço da maçã em um guardanapo na mesa de cabeceira. "Devemos falar sobre Peter", diz ela calmamente. "E sobre a promessa que fiz a ele." Eu fico tenso, minha mão em sua palma apertando. "O que você prometeu?" "A lista". Seus dedos se contorcem ao meu alcance. "A lista de nomes que você prometeu a ele durante os três anos de serviço. Eu disse a ele que eu daria a ele assim que você a tivesse se ele me ajudasse a salvá-lo." "Foda-se." Eu fico olhando para ela em descrença. Eu tinha me perguntado como ela persuadiu Peter a desobedecer a uma ordem direta, e aqui está a minha resposta. "Você prometeu que ia ajudá-lo a se vingar, se ele a ajudasse nessa loucura?" Nora balança a cabeça, os olhos nos meus. "Sim. Foi a única coisa em que eu consegui pensar no momento. Ele sabia que se você morresse, ele não iria ter a lista de qualquer jeito e eu disse que ele iria tê-la mais cedo, se ele me ajudasse." Minhas sobrancelhas se elevam conforme uma onda de fúria rola através de mim. Aquele filho da puta russo colocou a minha mulher em perigo mortal, e isso não é algo que eu posso perdoar ou esquecer. Ele pode ter salvo a minha vida, mas ele tinha arriscado Nora, a fim de fazê-lo. Se ele não tivesse desaparecido depois de realizar o resgate, eu teria matado ele por isso. E agora Nora quer que eu lhe dê essa lista? Nem fodendo. "Julian, eu prometi a ele", ela insiste, aparentemente sentindo a minha resposta surda. Seu olhar está cheio de determinação atípica quando

A N N A

Z A I R E S


ela acrescenta: "Eu sei que você está bravo com ele, mas todo o plano foi ideia minha, e ele não queria fazê-lo num primeiro momento." "Certo. Porque ele sabia que sua segurança deveria ter sido a sua prioridade." Percebendo que eu ainda estou apertando a palma da sua mão, eu a libero e digo duramente, "O bastardo tem sorte de ainda estar vivo.” "Eu entendo isso." Nora me dá um olhar. "O mesmo acontece com Peter, acredite. Ele sabia que você ia reagir assim – é por isso que ele foi embora depois de nos largar aqui." Eu inspiro, tentando me agarrar a minha raiva. "E boa viagem para ele. Ele sabe que eu nunca vou confiar nele agora. Eu pedi-lhe para mantêla segura na propriedade, e o que ele fez?" Eu olho para ela enquanto a memória dela se arrastado por aquela sala sem janelas, sangrando e com medo, fazem arranhões no meu cérebro. "Ele porra entrega você na mão Majid!" "Sim, e ao fazê-lo, salvou sua vida" "Eu não me importo com a porra da minha vida!" Sento-me, ignorando o choque de dor nas minhas costelas. "Você não entende, Nora? Você é a única pessoa que me interessa. Você – não eu, nem mais ninguém!" Ela olha para mim, e eu vejo seus grandes olhos começando a brilhar com a umidade. "Eu sei, Julian", ela sussurra, piscando. "Eu sei disso." Eu olho para ela, a raiva saindo de mim, substituída por uma necessidade inexplicável de fazê-la entender. "Eu não sei se você entende, meu animal de estimação." Minha voz é calma quando eu pego a mão dela novamente, precisando de seu calor frágil. "Você é tudo para mim. Se algo acontecesse com você, eu não gostaria de sobreviver, eu não iria querer uma vida que não tivesse você nela." Seus lábios tremem, as lágrimas reunindo em seus olhos antes de transbordar. "Eu sei, Julian..." Seus dedos curvados ao redor da minha palma da mão, apertando com força. "Eu sei, porque é o mesmo para mim. Quando eu soube que o avião tinha caído-", ela engole, com a voz embargada, "-e, em seguida, mais tarde, quando ouvi os tiros durante a ligação..."

A N N A

Z A I R E S


Puxo uma respiração, sua angústia fazendo meu peito doer. "Não, querida..." Eu trago a sua mão até meus lábios e beijo o interior da palma da mão. "Não pense mais nisso. Acabou – não há mais nada a temer. Majid se foi, e nós estamos a ponto de erradicar completamente a Al-Quadar..." Conforme eu falo, eu vejo sua expressão desanimando, seu olhar ficando estranhamente taciturno. É como se ela estivesse tentando resguardar as suas emoções, construindo algum tipo de parede mental para se proteger. "Eu sei", diz ela, e seus lábios se estendem até o tipo de sorriso vazio que eu a vi frequentemente usar desde o nosso resgate. "Está acabado. Ele está morto." "Como você se sente sobre isso?" Eu pergunto, baixando a mão. Eu preciso entender a fonte de seu recolhimento, para chegar ao fundo do que está deixando ela distante assim. "Você se arrepende que você o matou, baby? É por isso que você está triste nos últimos dias?" Ela pisca, como se assustada com a minha pergunta. "Eu não estou chateada." "Não minta para mim, meu animal de estimação." Liberando sua mão, eu gentilmente seguro seu queixo e olho em seus olhos sombreados. "Você acha que eu não conheço você até agora? Eu posso ver que você está diferente desde o Tajiquistão, e eu quero entender o porquê." "Julian..." Sua voz tem uma nota suplicante. "Por favor, eu não quero falar sobre isso." "Por que não? Você acha que eu não entendo? Você acha que eu não sei como é matar pela primeira vez e viver com o conhecimento que você tirou uma vida humana?" Faço uma pausa, procurando uma reação. Quando não vejo nenhuma, eu continuo, "Nós dois sabemos que Majid merecia, mas é normal se sentir uma merda depois. Você precisa falar sobre isso, então você pode começar a entrar em acordo com tudo o que aconteceu-" "Não, Julian", ela interrompe, o vazio cuidadoso do seu olhar dando lugar a um surto repentino de raiva. "Você não entende. Eu sei que Majid merecia morrer, e eu não estou pesarosa que eu o matei. Não tenho dúvidas de que o mundo é um lugar melhor sem ele."

A N N A

Z A I R E S


"Então, o que é então?" Eu estou começando a suspeitar para onde isso está se dirigindo, mas eu quero ouvi-la dizer isso. "Eu o matei", diz ela em voz baixa, olhando para mim. "Eu estava ao lado dele, olhei-o nos olhos, e puxei o gatilho. Eu não o matei para proteger você, ou porque eu não tinha outra escolha. Eu o matei porque eu queria." Ela faz uma pausa, em seguida, acrescenta, com os olhos brilhando, "Eu o matei porque eu queria vê-lo morrer."

A N N A

Z A I R E S


Julian me olha, a expressão em seu rosto enfaixado inalterada com a minha revelação. Eu quero desviar o olhar, mas não posso, seu aperto no meu queixo obrigando-me a sustentar seu olhar enquanto eu desnudo o segredo terrível que está me comendo desde o nosso resgate. Sua falta de reação me faz completamente o que estou dizendo.

pensar

que

ele

não

entende

"Eu o matei, Julian", repito, determinada a fazê-lo compreender agora que ele me obrigou a falar sobre isso. "Eu assassinei Majid a sangue-frio. Quando o vi entrar no quarto, eu sabia o que eu queria fazer, e eu fiz isso. Eu atirei para tirar a arma de sua mão e quando ele estava desarmado, eu atirei nele de novo no estômago e no peito, tomando cuidado para não acertar no coração, então ele iria viver um par de minutos a mais. Eu poderia tê-lo matado imediatamente, mas não o fiz." Minhas mãos espremem em punhos no meu colo, minhas unhas cavando dolorosamente na minha pele conforme eu confesso: "Eu o mantive vivo, porque eu queria olhar na cara dele quando eu tomasse sua vida". O olho sem bandagens de Julian brilha num azul mais profundo, e sinto uma onda de vergonha. Eu sei que não faz sentido, eu sei que eu estou falando com um homem que cometeu crimes muito piores do que isso, mas eu não tenho a desculpa de sua educação fodida. Ninguém me forçou a me tornar uma assassina. Quando eu atirei em Majid naquele dia, eu fiz isso por minha própria vontade.

A N N A

Z A I R E S


Eu matei um homem porque eu o odiava e queria vê-lo morrer. Eu espero Julian responder, dizer alguma coisa seja desconsiderar ou condenar, mas ele pergunta baixinho em vez disso, "E como você se sentiu quando acabou, meu animal de estimação? Quando ele estava lá morto?" Sua mão libera meu queixo e move-se para descansar na minha perna, sua grande palma cobrindo a maior parte da minha coxa. "Você estava feliz em vê-lo assim?" Concordo com a cabeça, baixando os meus olhos para escapar de seu olhar penetrante. "Sim", eu admito, um tremor ondulando através de mim quando eu me lembro o auge quase eufórico de ver as balas da minha arma rasgando a carne de Majid. "Quando vi a vida deixar seus olhos, senti-me forte. Invencível. Eu sabia que ele não podia mais nos machucar, e eu estava feliz." Reunindo minha coragem, eu olho para ele novamente. "Julian... Eu explodi o cérebro de um homem fora e o mais assustador é que eu não me arrependo de nada." "Ah, eu vejo." Um sorriso puxa os lábios parcialmente cicatrizados. "Você acha que você é uma pessoa ruim, porque você não sente culpa por matar um assassino terrorista e você acha que deveria." "Claro que eu deveria." Eu franzo a testa pela diversão inadequada em sua voz. "Eu matei um homem, e você mesmo disse que é normal se sentir uma merda sobre isso. Você se sentiu mal após a sua primeira morte, certo?" "Sim." O sorriso de Julian tem um tom amargo. "Eu me senti. Eu era uma criança, e eu não conhecia o homem que fui forçado a atirar. Ele era alguém que tinha traído o meu pai, e até hoje, não tenho ideia do tipo de pessoa que ele era... se ele era um criminoso perigoso ou apenas alguém que se misturou com más companhias. Eu não o odiava, eu não tinha opinião sobre ele, realmente. Eu o matei para provar que eu poderia fazê-lo, para deixar o meu pai orgulhoso de mim." Ele faz uma pausa, em seguida, continua, sua expressão suavizando, "Então você vê, meu animal de estimação, era diferente. Quando você matou Majid, você livrou o mundo do mal, ao passo que eu... bem, isso é uma outra história. Você não tem nenhuma razão para se sentir mal com o que você fez, e você é inteligente o suficiente para saber isso."

A N N A

Z A I R E S


Eu olho para ele, minha garganta apertada quando imagino Julian com oito anos de idade puxando o gatilho. Eu não sei o que dizer, para aliviar sua culpa sobre esse evento do passado, e raiva de Juan Esguerra enche meu peito. "Você sabe, se seu pai estivesse vivo, eu iria matá-lo também", eu digo selvagemente, fazendo com que Julian solte uma risada encantadora. "Oh, sim, eu tenho certeza que você faria", diz ele, sorrindo para mim. A expressão deveria ter parecido grotesca em seu rosto machucado e inchado, mas de alguma forma parece sexy. Até mesmo quebrado, enfaixado como uma múmia, e com pelos de vários dias da barba escura no queixo, meu marido irradia um magnetismo animal que transcende meras aparências. Os médicos nos disseram que o seu rosto vai ficar quase normal, uma vez que tudo esteja curado, mas, mesmo se não ficar, eu suspeito fortemente que Julian será igualmente tão sedutor com um tapaolho e algumas cicatrizes. Como se em resposta aos meus pensamentos, sua mão na minha coxa move mais para cima, em direção à junção entre as minhas pernas. "Minha querida pequena feroz", ele murmura, seu sorriso desaparecendo quando um brilho aquecido familiar aparece em seu olho descoberto. "Tão delicada, mas tão feroz... Eu desejo que você pudesse ter visto a si mesma naquele dia, baby. Você estava magnífica quando você enfrentou Majid, tão corajosa e bonita..." Seus dedos pressionam aproximando do meu clitóris através do meu jeans, e eu puxo uma respiração assustada, meus mamilos endurecendo conforme uma onda de necessidade líquida amortece meu sexo. "Sim, isso é certo, baby", ele sussurra, seus dedos se movendo para cima para o meu zíper. "Você com aquela arma era a coisa mais sexy que eu já vi. Eu não conseguia tirar os olhos de você." O zíper desliza para baixo com um silvo metálico, o som estranhamente erótico, e meu núcleo aperta com uma súbita dor desesperada. "Um, Julian..." Minha respiração é irregular, meu coração acelera quando a mão de Julian investiga a braguilha aberta do meu jeans. "O queo que você está fazendo?" Seus lábios se curvam em um meio sorriso perverso. "O que parece que estou fazendo?"

A N N A

Z A I R E S


"Mas... mas você não pode..." A sentença se transforma em um gemido quando os dedos empurram corajosamente na minha calcinha e tocam meu sexo, seu dedo médio deslizando entre minhas dobras molhadas para massagear o meu palpitante clitóris. O calor que explode através de minhas terminações nervosas parece quase como uma faísca elétrica, todos os pelos do meu corpo em pé em resposta ao prazer. Eu suspiro, sentindo a tensão reunir dentro de mim, mas antes que eu possa atingir o meu clímax, os dedos de Julian saem, deixando-me frustrada. "Tire a roupa, em seguida, suba", ele ordena com a voz rouca, puxando para trás o cobertor para revelar uma roupa de hospital elevada com uma ereção massiva. "Eu preciso te foder. Agora." Eu hesito por um momento, preocupada com seus ferimentos, e a mandíbula de Julian aperta em desagrado. "Quero dizer isso, Nora. Tire essas roupas." Engolindo, eu salto para fora da cama, incapaz de acreditar que eu sinto compulsão por obedecer-lhe mesmo agora. Seu braço esquerdo está em um gesso, ele mal consegue se mover sem dor, e ainda assim a minha resposta instintiva é de temê-lo – o querer e temê-lo ao mesmo tempo. "E tranque a porta," ele manda quando eu começo a puxar a minha camisa para cima. "Eu não quero ser interrompido." "OK." Deixando a minha camisa, eu corro até a porta para trancar e nos dar privacidade. Cada passo que dou me lembra o calor pulsando entre as minhas pernas, meus jeans apertados esfregando contra meu clitóris sensibilizado adicionando fogo a minha excitação. Quando eu volto, Julian está em uma posição semi-reclinado na cama, sua roupa aberta na frente e sua mão acariciando seu pênis ereto. Há uma bandagem rígida em torno de suas costelas, mas isso não prejudica em nada o poder bruto de seu corpo musculoso. Mesmo ferido, ele consegue dominar a sala, o seu apelo magnético como sempre. "Boa menina", ele murmura, olhando para mim com um olhar de pálpebras pesadas. "Agora dispa-se para mim, baby. Eu quero ver o seu pequeno traseiro sexy saindo desses jeans."

A N N A

Z A I R E S


Eu aperto meus dentes em meu lábio inferior, o calor em seu olhar me excitando ainda mais. "Tudo bem", eu sussurro, e virando de costas para ele, eu dobro para a frente e, lentamente, puxo para baixo minha calça jeans, certificando-me de balançar os quadris de um lado para outro enquanto eu exponho minha bunda com uma tanga. Quando os jeans estão nos meus tornozelos, volto-me para encará-lo e chuto os sapatos, em seguida, saio da minha calça jeans, deixando-a no chão. Julian assiste meus movimentos com desejo indisfarçável, sua respiração se tornando pesada enquanto a ponta do seu pênis começa a brilhar com a umidade. Ele não está mais tocando-se, suas mãos segurando os lençóis em vez disso, e eu sei que é porque ele está perto de gozar, a coluna dura de seu pau sobressaindo-se em desafio à gravidade. Mantendo meus olhos treinados nele, enquanto eu continuo a tirar minha camisa, puxando-a por cima da minha cabeça em um movimento lento, provocante. Por baixo, eu estou vestindo um sutiã de seda branca que combina com a minha tanga. Eu comprei várias roupas on-line no início da semana, e eu estou feliz por ter decidido ter uns conjuntos mais agradáveis de roupa intima. Gosto de ver aquele olhar de fome incontrolável em Julian, aquele que diz que ele moveria montanhas para me ter naquele momento. Quando a camisa cai no chão, ele diz: "Venha aqui, Nora." Seu olhar me devora, me consome. "Eu preciso te tocar." Eu inalo, meu sexo inundando com umidade quando eu dou uns passos em direção à cama, parando na frente dele. Ele me alcança, alisando a mão sobre meu peito, e então move a mão para cima, em direção ao meu sutiã. Seus dedos fecham em torno de meu peito esquerdo, amassando-o através do material de seda, e eu suspiro enquanto ele aperta meu mamilo, fazendo-o endurecer ainda mais. "Tire o resto de suas roupas." Ele exige, tirando sua mão do meu corpo, me fazendo sentir abandonada por um momento, e eu apressadamente abro meu sutiã e empurro o fio dental pelas minhas pernas antes de passa-los pelos meus pés. "Bom. Agora me monte."

A N N A

Z A I R E S


Mordendo meu lábio, eu subo na cama, sobre os quadris de Julian. Seu pau roça contra o interior das minhas coxas, e eu o agarro na minha mão direita, guiando-o para a minha entrada dolorida. "Sim, é isso", resmunga, estendendo a mão para segurar meu quadril quando começo a me abaixar sobre seu pau. Liberando seu pau, eu uso minhas mãos para me apoiar na cama, e ele geme: "Sim, leve-me, meu animal de estimação... Todo o caminho..." Usando seu aperto no meu quadril, ele me empurra para baixo, forçando seu pau mais profundo em mim, e eu gemo com a sensação se alongamento, meu corpo se ajustando para ser preenchido e penetrado por seu comprimento grosso. Parece o mais doce dos relevos, o prazer – a dor de sua posse aguda e dolorosamente familiar de uma só vez. Enquanto eu o vejo, absorvendo o olhar de prazer atormentado no seu rosto, de repente me ocorre que isso poderia facilmente não estar acontecendo, que em vez de deitado debaixo de mim, Julian poderia estar a seis pés embaixo da terra, seu poderoso corpo mutilado e destruído. Não estou ciente de ter feito qualquer som, mas devo ter feito, porque os olhos de Julian se estreitam, sua mão apertando no meu quadril. "O que foi, baby?", pergunta ele bruscamente, e eu percebo que eu comecei a tremer, calafrios percorrendo meu corpo com a imagem dele deitado frio e quebrado. Meu desejo evapora, substituído pelo terror lembrado e pavor. É como se eu tivesse sido encharcada com água gelada, o horror do que nós já passamos borbulhando e me sufocando por dentro. "Nora, o que é?" A mão de Julian desliza para cima na minha garganta, segurando a minha nuca para trazer o meu rosto para perto do dele. Seu olho aborrecido em mim enquanto minhas mãos apertam convulsivamente os lençóis de cada lado do peito. "O que foi? Diga-me!" Eu quero explicar, mas eu não posso falar, minha garganta fechandose enquanto meu coração bate mais forte, o suor frio encharcando meu corpo. De repente, eu não consigo respirar, um pânico tóxico arranhando meu peito e impedindo meus pulmões, e eu começo a hiperventilar conforme pontos pretos invadem as bordas da minha visão. "Nora!" A voz de Julian me atinge como se viesse de longe. "Porra... Nora!"

A N N A

Z A I R E S


Um golpe de ardor no meu rosto leva minha cabeça para o lado, e eu suspiro, minha mão voando para embalar minha bochecha esquerda. O choque da dor me assusta fora do meu pânico, e meus pulmões, finalmente, começam a trabalhar, meu peito se expandindo para respirar o ar muito necessário. Ofegante, eu viro minha cabeça para olhar incrédula para Julian, a escuridão em minha mente recuando quando a realidade volta. "Nora, querida..." Ele está esfregando suavemente meu rosto agora, acalmando a dor que ele infligiu. "Sinto muito, meu animal de estimação. Eu não queria golpeá-la, mas parecia que você estava tendo um ataque de pânico. O que aconteceu? Você quer que eu chame uma enfermeira?" "Não-" Minha voz falha conforme soluços aparecem, irrompendo da minha garganta. As lágrimas começam a fluir pelo meu rosto enquanto eu percebo que eu apaguei completamente e que aconteceu durante o sexo. O pau de Julian ainda está enterrado dentro de mim, apenas um pouco mais suave do que antes, e ainda estou tremendo e chorando, como uma pessoa louca. "Não", eu repito com a voz embargada. "Estou bem... Realmente, eu vou ficar bem..." "Sim, você vai." Sua voz assume um tom duro, comandando enquanto sua mão se move para baixo para agarrar minha garganta. "Olhe para mim, Nora. Agora." Incapaz de fazer qualquer outra coisa, eu obedeço, encontrando seu olhar com o meu próprio. Seu olho de um brilhante, azul feroz. Quando eu olho para ele, minha respiração começa a abrandar, meus soluços aliviam e meu pânico desesperado desaparece. Eu ainda estou chorando, mas em silêncio agora, mais como um reflexo do que qualquer outra coisa. "Ok, bom," Julian diz no mesmo tom áspero. "Agora você vai montar em mim e você não vai pensar em tudo o que deixou você tão chateada. Você me entendeu?" Eu aceno, suas instruções me acalmam mais. Conforme a minha ansiedade derrete, outras sensações começam a rastejar dentro. Eu fico consciente do aroma limpo, familiar de seu corpo, a sensação nítida de sua perna pressionando contra minhas panturrilhas... A maneira como seu pau se sente dentro de mim, quente, grosso e duro.

A N N A

Z A I R E S


Meu corpo responde novamente, me distraindo do meu pânico. Respirando fundo, eu começar a me mover, levantando-me e, em seguida, abaixando sobre seu pau, minha boceta ficando mais molhada e macia conforme o prazer começa a enrolar baixo da minha barriga. "Sim, só assim, baby", murmura Julian, sua mão deslizando pelo meu corpo para pressionar contra o meu clitóris, intensificando a tensão crescendo dentro de mim. "Foda-me. Monte-me. Me use para esquecer seus demônios." "Sim", eu sussurro. "Eu vou." E mantendo meus olhos em seu rosto, eu pego o ritmo, deixando que o prazer físico me leve longe de toda a escuridão, o inferno da nossa paixão queimando as memórias do horror gelado de dentro. Gozamos praticamente juntos, nossos corpos como em sintonia um com o outro como nossas almas.

Naquela noite eu durmo na cama de Julian, não na minha. Os médicos dão ok depois alertando-me para não bater nas costelas ou no rosto durante a noite. Eu deito à sua direita, com a cabeça apoiada em seu ombro ileso. Eu deveria estar dormindo, mas eu não estou. Minha mente está zumbindo, cantarolando como uma colmeia. Um milhão de pensamentos estão passando pela minha cabeça, minhas emoções oscilando de euforia à tristeza. Estamos ambos vivos e mais ou menos intactos. Estamos juntos novamente, tendo ambos sobrevivido contra todas as probabilidades. Eu já não tenho dúvidas de que, de alguma forma fodida, estamos destinados a ficar juntos. Para melhor ou pior, que nos encaixamos um ao outro agora, nossas peças torcidas, danificadas, encaixadas juntas como um quebracabeça. Não tenho a menor ideia do que o futuro nos reserva, se as coisas podem realmente dar certo novamente. Eu ainda preciso convencer Julian a honrar minha promessa de Peter e eu preciso pedir aos médicos uma pílula

A N N A

Z A I R E S


do dia seguinte, dado o fato de que nenhum de nós se lembrou de usar proteção mais cedo hoje. Eu não sei se é possível engravidar tão rapidamente depois de perder o implante, mas não é um risco que estou disposta a correr. A possibilidade de uma criança – de um bebê indefeso submetido a nosso tipo de me vida me horroriza agora mais do que nunca. Talvez eu mude de ideia com o tempo. Talvez em alguns anos, eu me sinta de forma diferente. Menos temerosa. Por enquanto, porém, estou agudamente consciente do fato de que a nossa vida nunca mais será um conto de fadas. Julian não é um bom homem e eu já não sou uma boa mulher. Isso deveria me preocupar... e talvez amanhã isso vá. Nesse momento, no entanto, sentindo seu calor em torno de mim, tenho apenas conhecimento de um profundo sentimento de paz, da certeza de que isso é certo. Que aqui é onde eu pertenço. Levantando minha mão, eu traço meus dedos pelos lábios meio curados, sentindo a forma sensual deles na escuridão. "Você vai me deixar ir?" Murmuro, lembrando nossa conversa há muito tempo. Seus lábios se contorcem em um leve sorriso. Ele lembra também. "Não", ele responde em voz baixa. "Nunca." Deitamos em silêncio por alguns momentos, e então ele pergunta baixinho: "Você quer que eu a deixe ir?" "Não, Julian." Eu fecho meus olhos, um sorriso curvando em meus próprios lábios. "Nunca."

FIM

A N N A

Z A I R E S


Quer ficar por dentro dos lanรงamentos? Siga nosso blog e curta nossa Fanpage no Facebook!

A N N A

Z A I R E S

Anna zaires trilogia twist me 2  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you