Issuu on Google+

03.OUT.2008.SEXTA

Mundo

no125

sexy xy • dinâmico d nâ âm co • ác ácido do • efervescent efervesce efervescente ervesc ce c e te e

cor-de-rosa

MAÍRA ASSMANN

Entrevistamos a blogueira e VJ mais famosa do Brasil

No princípio “Mari Moon” era apenas o apelido da jovem Mariana de Souza Alves Lima, nascida em 27 de setembro de 1982, em São Paulo. Mas, em 2003, virou nome artístico. Naquele ano sua fama começou a se espalhar pelo universo cyber através de auto-retratos publicados em seu foto-blog (www.fotolog.com/marimoon). O espantoso número de 350 mil visitas mensais ao espaço atraiu também a atenção da mídia. Logo Mari foi chamada pra conceder diversas entrevistas, dentre elas para a revista Capricho de agosto de 2006, edição em que foi capa. Começaram também os convites pra campanhas publicitárias e parcerias, uma delas um contrato de janeiro a julho de 2007 com a marca de calçados Melissa, como “embaixadora da marca” e modelo. Considerada “celebridade da internet” e “a blogueira mais famosa do Brasil”, não demorou pra Mari se tornar o único nome de referência quando se fala de internet. Sabendo disso, a MTV contratou-a como VJ do inédito programa Scrap MTV, direcionado aos jovens – com assuntos como internet, moda, música e comportamento. A estréia aconteceu em janeiro deste ano, no horário nobre da emissora, às 19h30, com duas reprises diárias. O cabelo rosa-choque e o estilo alternativo de se vestir conquistaram de cara a galera que até então não conhecia a guria. Também voltada aos jovens, Mari Moon criou uma marca de roupas sob seu nome, vendida no Mercado Mundo Mix, o maior evento de moda alternativa da América Latina, e também em sua loja virtual, no www.marimoon.com.br/ loja. Além da linha de roupas, na lista de produtos também constam calçados, acessórios e até tinta de cabelo. Todos os itens usados pela apresentadora. A loja tem em média 70 mil visitantes e 1 milhão de hits mensalmente. Tudo absurdo, mas que na vida virtual dela já virou rotina. Por todos os seus talentos e competência em tudo o que faz, Mari Moon já foi foco de matérias dos maiores jornais e revistas do País. Além disso, foi eleita uma das 25 mulheres mais criativas de 2007.


Q? o Q?

03.OUT.2008.SEXTA

de

Fot

POR JANSLE APPEL JUNIOR jansle@gazetadosul.com.br

5 minutos

Jansle Appel Junior jansle@gazetadosul.com.br

A paulistana Mariana de Souza Alves Lima, a Mari Moon, 26 anos, com em várias poses pra postar no seu blog – e mais tarde no fotolog (hoje são mantém). Até hoje, enquanto não está no ar na MTV, vive plugada na internet. anos de moda e antes disso estudou desenho. Tudo isso ajudou a compor seu muito de grafitismo e arte de uma forma geral (talvez o gosto tenha sido her arquiteto de São Paulo). Hoje também mantém uma loja virtual, cujas rou sua autoria. Por e-mail, o Q? bateu um papo com ela, enquanto descansa mais fotos em seus blogs.

Q? – Quando você criou o blog, imaginava ou tinha pretensão de ganh Mari Moon – Nem um pouco! Fiz apenas porque sempre achei a int amadoras era uma maneira de exercitar minha criatividade e publicar penso. É uma troca legal com quem acessa e me conhece. Nunca imagin você voltasse no tempo e me contasse que isso aconteceria, eu não acredi

Q? – O que tinha de diferente no blog pra fazer tanto sucesso? Mari – Eu nunca sei responder a essa pergunta. Só posso dizer que disse tudo o que eu pensava. Sempre mostrei o que eu realmente sou e expressar minha criatividade e a maneira que eu me enxergo. Talve encontrar alguém com um visual parecido com o meu, talvez houvesse bem. Mas de alguma maneira as pessoas curtiram meu trabalho, min e continuaram acompanhando minha vida pela internet.

Q? – Seu visual alternativo vem de antes do blog ou foi mais um a galera? Mari – Nunca tive uma estratégia para conquistar ninguém. A o oposto: seja você mesma, ainda que isso signifique ser alvo internet (o que aconteceu muito no início e ainda acontece um cabelo de colorido desde 2002, e já passei por todas as cores. G desde adolescente.

MAÍRA ASSMANN

Durante os últimos dois dias eu pensei sobre o significado de cinco minutos na vida. É aquele tempo clichê que todo mundo pede pra ficar na cama mais um pouquinho, mas nunca funciona. É quanto demora pra esquentar a água pra um miojo no microondas, porque três não bastam. É, também, o atraso que pode te tirar de um compromisso importante e deixar de cara virada alguém que estava esperando. Mas, neste fim de semana, os cinco minutos que mais importam são aqueles entre a chegada na seção de votação e os cliques dos sete números pra escolher prefeito e vereador. O tempo é curto, o ato é quase automático, mas em hipótese alguma pode ser impensado. Os poucos passos até a urna te levam a uma encruzilhada: de um lado, candidatos mais podres que laranja velha. Do outro, aqueles que vão realmente fazer o que você quer pela cidade. Lembre-se: cinco minutos, sete dígitos. Nos últimos meses até o Orkut andou infestado de pedidos de votos. Principalmente daqueles que se dizem da galera. Muita calma nessa hora. Esse tipo, geralmente, exige desconfiança redobrada. Uma boa análise no histórico e no caráter do indivíduo podem ajudar a descobrir se o cara está na política pra mudar o mundo e representar você nessa empreitada ou se concorre apenas pra testar a própria popularidade. Nesse último caso, os votos só servem pra inflar o ego, já bem inchado. E o eleitor faz papel de imbecil. Tem muito jovem otário, assim como há muito adulto otário, que não precisa de muitas razões concretas pra votar no Zeca da Padaria, no Miltão da Balada ou no João Dentede-Cavalo. Basta pensar que conheceu o cara numa festa, que o fulano é dono de não-sei-o-quê e pronto. Estampa a foto do cara no perfil do Orkut, mete o número no nick do msn e veste a camiseta. Se fosse tão fácil, a Câmara de Vereadores seria um reduto de banzés que não sabem o nome da rua onde moram. E a culpa seria sua. Portanto, se ainda não escolheu o candidato, valorize cinco minutos da sua vida. Até domingo, até chegar na frente da urna, até digitar os botõezinhos, dá tempo de definir o futuro. Levante da cama, faça um miojo e não se atrase. E pense: quatro anos de mandato têm 420.480 cinco minutos.

Moo

Um

Q? – Você já sofreu preconceito por causa do visual? Mari – Sim, ainda mais quando eu comecei a pintar o cabelo os vermelhos vibrantes de farmácia. Todo mundo gritava alguma coisa simpáticas a xingamentos mesmo. A abordagem também acontecia por ca comecei a usar meia listrada até o joelho com coturno, minissaia e touca obrigada a ouvir muita gente mexendo comigo. Infelizmente tudo que é não sei por que, mas as pessoas fazem questão de dar a opinião delas sob passarem do seu lado na rua. Mas os anos se passaram e foi surgindo um parecidas comigo, e agora gritam menos na rua.

Q? – Como você encarou o fato de ter sido elevada ao status de “popstar Mari – Não me sinto muito à vontade sendo chamada de celebridade ou acostumei muito com essa idéia.

Q? – Você sonhava em um dia ser VJ da MTV? Mari – Não sonhava, mas já me imaginei fazendo isso quando era adolesce MTV”, mas não achava que eu seria capaz de ser VJ. Sonhava em ser figurinist filmes incríveis como Moulin Rouge. Mas estou gostando tanto de trabalhar com trabalhar com moda.

Q? – Como blogueira “profissional”, que dicas você dá pra quem quer fazer entre a galera? Mari – Não sei dar dicas desse tipo. Acho que a coisa acontece naturalmente imagino que vá dar certo. Talvez uma boa dica possa ser “seja original”. Criando que já existe pode atrair os internautas mais do que “mais do mesmo”.


ondo

tos

meçou tirando fotos caseiras seiras diversos endereços que ue ela A guria chegou a cursar ar três visual incomum. Mari gosta ança do pai, um importante rtante upas vendidas são todas as de ostava t ava das gravações e postava

MAÍRA ASSMANN

nesta, e sempre fui muito honesta, e nas minhas fotos eu tentei ez na época fosse maiss raro e menos blogs, não sei muito nhas fotos, meu jeito de ser

uistar ma estratégia pra conquistar

te Aliás, prego justamente de piada na rua ou naa m pouco comigo). Pinto o Gosto desse visual exagerado

r da internet”? u de popstar... Ainda não me

ente! Eu era super “geração ta de hollywood, para fazer m TV que não sinto falta de

r o blog bombar

e, e se forçar não algo diferente do

Domingo passado rolou a sexta edição do projeto Pista em Movimento, no Skate Park de Santa Cruz do Sul. Dessa vez, a galera promoveu uma edição especial, comemorando com o aniversário da cidade. Além da gurizada do skate, a função contou com DJs, B-boys e show do grupo de rap Insana Fusão. Nos carrinhos, ocorreram as disputas nas categorias Iniciante e Amador. O grande momento do evento foi o abraço coletivo que os skatistas deram na pista, parabenizando o município e o espaço criado pra galera. A realização foi da Associação Santa-cruzense de Skate (Assk), com patrocínio da Suspect Surf Skate e apoio do Q?. Confere aí na foto o abração.

sexy • dinâ dinâmico • ácido á • efervescente

har toda essa repercussão? são? ternet divertida, fazer fotos tudo isso e mais o que ue eu nei que daria nisso tudo! do! Se itaria.

(2002) e não existiam nem a pra mim na rua, de coisas ausa do meu visual. Quando a de orelha de gatinho, era diferente causa alvoroço e, bre você, mesmo que seja ao ma nova geração de pessoas

e t a k s o n o ç Abra

o

Vire um blogueir

Blog é uma abreviação de weblog. Qualquer registro freqüente de informações pode ser considerado um blog (últimas notícias de um jornal online por exemplo). A maioria das pessoas tem utilizado os blogs como diários pessoais, porém pode ter qualquer tipo de conteúdo e ser utilizado para diversos fins. Uma das vantagens das ferramentas é permitir que os usuários publiquem seu conteúdo sem a necessidade de saber como são construídas páginas na internet, ou seja, sem conhecimento técnico especializado. Existem várias ferramentas online para fazer um blog. A mais simples e baratinha (de graça, gente!) é o Blogger (www.blogger.com). O Portal Viavale também mantém o serviço, pelo endereço http:// web.via.com.br/blog. Editar o blog não requer conhecimento de HTML nem download de programa algum. Tudo é feito através do browser. Pra criar a página, basta seguir as instruções na tela, bem simples, desde o endereço e o nome até o layout do seu blog. Depois, é só partir pras postagens. Com o tempo, você aprende a publicar fotos, vídeos e áudio.


03.OUT.2008.SEXTA

Por Andréia Bueno

dekinhabueno31@hotmail.com @hotmail.com

Maiquel Théssing maiquel@gazeta.fm.br bailao101@gazeta.fm.br Aquele salve galera! Tudo bem? Sábado passado, na InSide, realizamos a festa de dois anos do Bailão 101. O ampliado espaço de eventos da casa, que em novembro abrigará a aguardada apresentação de Victor e Léo, foi tomado pelo público (foto). A Banda 2001 abriu a série de shows da noite, seguida pelo Tchê Guri e Toque de Mágica. Nos intervalos, teve o som dos dj’s residentes e, claro: o aguardo brinde. Mas ah! Na elegância! Mais uma exclusiva Gazeta Rádios!

A cura do mundo pela música

Bruna e Paulinho Turma do Santa Cruz

PROJETO ACÚSTICOS – ANO II Preparem-se! Vem aí o Projeto Acústicos Bailão 101 – Ano II. Na Oktoberfest 2008 a Gazeta FM traz para o seu estúdio as melhores bandas do sul do Brasil em shows especiais e bate-papo sobre suas carreiras. A série de apresentações abre no dia 9, com Sétimo Sentido. O programa vai ao ar das 21h às 22h. Esperamos sua audiência! FESTIVAL DE BANDAS Próxima quinta acontece o lançamento oficial do CD do 7º Festival de Bandas da Oktoberfest. A programação ocorre durante jantar para autoridades e representantes das bandas no Restaurante Bierhaus, com cerimonial e entrega de placa para os participantes.

Ju, Bruna e Lika

MUNDO BAILÃO É incrível a repercussão do 1o Mundo Bailão! Toda a galera já comenta que nos dias 22 e 23 de novembro irá invadir a InSide para conferir de perto o maior espetáculo do segmento bandas já visto na região. No sábado, dia 22, confirmado: shows com Tchê Brabaridade, Tchê Chaleira, Maria Fumaça e Alma Nova. No domingo, dia 23, é a vez de Brilha Som, Sétimo Sentido, Áudio Som e simplesmente eles, o mais aguardado show: Victor e Léo.

Betina Borba

Jéssica Wartchow

Sora Lu e alunos

Acenda a luz na escuridão. Para muitos essa é uma frase bastante familiar. Para outros, não. O autor, Bob Marley, acreditava em um mundo melhor, e pedia para não desistirmos de nossos ideais, mesmo às vezes parecendo tudo tão obscuro e inacreditável. Muitos são aqueles que propagam idéias otimistas, mas pouco são os que as colocam em prática, e que vão até o fim acreditando nelas. O mais famoso cantor de reggae não só acreditou, como morreu firme com os seus ideais. Ele, mais do que ninguém, confiava na idéia da salvação, do amor através da música. Bom exemplo para os dias de hoje. Enquanto boa parte da humanidade sofre com a miséria e a discriminação, a outra corre para ter lugar nos mais requintados restaurantes e conseguir aquela bolsa que é lançamento da última moda em New York. Vamos e viemos, ninguém sozinho seria capaz de mudar o mundo num passe de mágica. Ninguém conseguiria convencer todos de abrirem mão de seus confortos (que são fruto de muito esforço, de muita batalha) para simplesmente doar ao próximo que nada tem. E quando nos damos conta disso, a maioria no primeiro momento da descoberta fica em estado de choque, de desconforto, mas basta um telefonema para o melhor amigo e pronto, os problemas mundiais podem esperar. Se não for capaz de fazer um mundo melhor, lute para fazer o seu meio melhor. Se em sua família, por exemplo, as coisas fluírem bem, já é um passo para a mudança. Acredite, como o memorável Bob, no poder de uma boa música. E qual seria a relação de música e problemas? Simples, seria a solução. Não faz sentido? Então responda: quem faz guerra ao som de uma linda canção? Qual a única linguagem que não precisa tradução em vários idiomas, basta apenas sentir? O que ativa ótimas emoções em quem quer que seja, e atrai boas recordações? O que nos faz parar, pensar melhor? O que nos faz mexer até cansar, sorrir e nos alegrar? O que muitas vezes nos faz acreditar, no que for, apenas acreditar? Música. Não interessa que estilo, que batida, apenas música pelo bem. Seria loucura, alucinação, desejar que através da música os povos se encontrassem, os povos compartilhassem, quebrassem os receios e anseios para fazer o nosso mundo melhor? Talvez sim, talvez não. Não importa, o importante é acreditar e fazer a sua parte, por menor que possa parecer. Eu acredito em um mundo melhor. Eu acredito no poder da música para ajudar a melhorar os seres humanos. Sinta a vibre e não desanime. Acenda a luz na escuridão!


Gazeta do Sul - Q? 125