Page 1

See

Look and see DESIGN GRÁFICO arte, percepção e emoção à flor da pele

Publicidade

Comunicação visual

Variedades

Publicidade

Comunicação visual

Variedades

Edição Única

www.lookenadsee.com.br Dez/2013 Por Geane Barreto


A gata da capa

BELINHA

Nossa modelo tem 5 anos de idade e adora dormir pelos cantos da casa, especialmente nas janelas. Dona de um olhar marcante, adora carinho e não dispensa um leitinho gelado e uma ração bem crocante.

Para interpretar uma imagem, é necessário que se conheça

seus elementos constituintes. Não se trata de olhar apenas. É mais que isso. Ler uma imagem significa compreender os sentimentos do autor - designer, artista, enfim. Cada pessoa percebe esses elementos de forma diferente. Cor, movimento, direção, isoladamente não dizem muito, mas numa composição, podem contar uma história. Ao lermos uma imagem, colocamos nela nossa cultura, nosso conhecimento. Saber olhar é fundamental.

‘ Para enxergar além, é preciso despregar os olhos de si mesmo’


Look and see DESIGN GRÁFICO

EDITORIAL Esta edição apresenta o Design Gráfico sob a óptica dos elementos e técnicas da linguagem visual. É essencial, na comunicação, o cuidado na transmissão e na recepção de uma mensagem. A profusão de imagens hoje é tão grande que muitas informações são desconsideradas pela maioria dos leitores. Mas não é culpa deles apenas. O Designer gráfico deve pensar e analisar cada projeto, visando o máximo de absorção dos elementos empregados. A revista trata de alguns desses elementos e aborda algumas técnicas que auxiliam o trabalho deste profissional e facilitam o entendimento das mensagens por parte do espectador. Confira as matérias e mergulhe nessa experiência! Edição: Geane Barreto


-

08 Maquiagem para o Carnaval 10 Comunicação visual 11 Alfabeto visual 14 Elementos visuais 23 Programação cultural 39 Composição 40 Mensagem visual 44 Técnicas 50 Entrevista com o Designer Gráfico Moisés Monteiro

D E Z E M B R O 2013


Maquiagem para o CARNAVAL A maquiagem para o Carnaval 2014 pode e deve ser bem ousada, trazendo para o seu rosto as mais diversas cores fortes e chamativas.

As mulheres adoram se produzir para ficarem bonitas, independente da data ser festiva ou não. Muitas mulheres já começaram a procurar dicas de como se maquiar para o Carnaval 2014, uma das festas mais agitadas do Brasil. O que as mulheres precisam saber é que o carnaval requer muita cor e vibração, então opte por maquiagem que destaque seu rosto. A maquiagem de carnaval deve ser bem colorida, trazendo para você o espírito do carnaval. Abuse das cores e novas tendências de maquiagens 3D, que possibilita diversas combinações. As cores que devem causar no carnaval 2014 são: azul, verde, rosa, laranja, amarelo, entre outras cores bem fortes e chamativas.

08


Espetaculosas ............................................................................................................

TendĂŞncia de cores para o Carnaval 2014: azul, verde, rosa, laranja, amarelo

Es t Co ojo d ntĂŠ e s o m 1g mbra ,R s $1 20

09


COMUNICAçÃO

VISUAL IR T N SE X R A S PEN 10

A construção de uma imagem pressupões o uso de uma linguagem visual. Constituída por elementos gráficos, a linguagem visual faz uso de símbolos e gráficos para gerar um pensamento ou ideia. A teoria da Arte e do Design são fundamentais na construção de uma linguagem visual.


A L F A B E T O Toda linguagem tem seu próprio

V sistema de organização I S U A L

As mensagens são melhor compreendidas quando se tem conhecimento sobre seus elementos constituintes. Além disso, é necessário, muitas vezes, conhecer as estraégias que autor usou e o funcionamento desses recursos sobre a nossa sensibilidade. O Alfabeto Visual é um conjunto dos elementos que servem para formar as mensagens.

11


12


13


Elementos da LINGUAGEM

14

Visual


COR A cor é um elemento fundamental na Linguagem Visual. Influencia pensamentos, ações e comportamentos devido à sua capacidade de transmitir mensagens e sensações. Muitas vezes é associada a sentidos simbólicos. A cor exerce seu poder nas mais diversas áreas: design, moda, artes plásticas, arquitetura, decoração, etc. Uma cor influencia a outra e ambas podem se completar (complementares) ou se contrastar. A percepção das cores é uma experiência individual, por isso cada um vê e sente uma cor de maneira diferente do outro.

15


A cor é um fenômeno físico

Quando a luz atinge um objeto

uma parte dos raios luminosos é absorvida. A outra parte, a que atinge a nossa visão, recebe o nome de cor. Se um objeto parece verde, é porque ele absorveu os raios luminosos e refletiu somente o verde.

(originadas da mistura das primárias)

(cores puras)

Cores Terciárias(resultam da mistura de uma cor primária com uma secundária)

16


Cores quentes

Cores frias

- aproximam - remetem ao sol, calor, alegria

- distanciam - remetem ao frio, calma, tristeza

o elh m r ve anja lar arelo am

ul az de ver o rox

CORES COMPLEMENTARES

COR

Diametralmente opostas no CĂ­rculo cromĂĄtico, produzem os melhores contrastes

17


www.vizzano.com.br

18


PONTO

Pontilhismo: técnica de pintura impressionista que se utiliza de pontos coloridos aproximados, causando efeito óptico no espectador

O ponto é o elemento mais simples, é ele quem define as outras formas. Em sucessão, forma uma linha. Quando o ponto é multiplicado, aumenta-se o seu poder de expressão. Disposição, tamanho e cor também pode influir no efeito do ponto sobre a superfície. 19


LINHA A linha é uma cadeia de pontos. Descreve uma forma. Ela cria uma dimensão no espaço. As linhas podem ser: RETAS (surgem como resultado da ação humana e de sua produção técnica)

CURVAS (expressa suavidade, flexibilidade e existe em abundância na natureza)

20


FORMA A forma é o contorno de determinado objeto ou figura. Se dá pela união das linhas. As três formas básicas são: quadrado, círculo e triângulo equilátero, cada um com suas características epecíficas. Cada forma é dotada de um significado particular.

21


22


M Ú S

T

CINEMA C A

R T E S

A T R O

PROG

RAMA

ÇÃO C

U LT U

RAL

Splice - a nova espécie Ficção cientíca Estréia: dez/2013

Em cartaz: O Chapeleiro Maluco - Jhonny Depp

Exposição / artes visuais Romero Brito Galeria Gamela

Lançamento de CD - Paula Fernandes Forrock - jan/2014

Curso de desenho Espaço Cultural Seg. à sex. - 14:h

Inscrição para Salão de Artes Plásticas Santa Rita-PB Dez/2013

Santa Rita - PB

Pça Getúlio Vargas - Centro

Teatro Ednaldo do Egypto Galinha Pintadnha e sua turma Sáb. e dom. - 17h

23


TEXTURA A textura se refere ao entrelaçamento das fibras que compõem uma superfície. É um elemento reconhecível tanto através do tato como da visão, ou pela combinação de ambos. Significa que uma textura pode apresentar somente qualidades ópticas, a exemplo dos padrões de linhas de uma página impressa. Uma superfície aparentemente lisa, pode se revelar rugosa, ondulada, esponjosa, granulada. A textura requer forte envolvimento emocional com a real sensação de estar na presença do material simulado.

Exemplos de texturas

24


TOM É a quantidade de luz relativa existente numa imagem, definindo sua obscuridade ou claridade; é a ausência ou presença de luz. Trata-se de uma relação de claro e escuro, em que as gradações consistem na escala tonal. relaciona-se com o contraste

25


26

Desenho com pastel seco - gradaçþes de preto/cinza


VOLUME Quando há luz, há sombra. É a sombra que permite a percepção do volume. Sempre que a luz muda, a sombra muda também. O contraste entre luz e sombra é definido como claro-escuro, efeito bastante utilizados pelos mestres da Renascença. O volume é um espaço dentro de uma forma tridimensional, ou seja, sua forma é definida pelo comprimento, altura e largura . A noção de perspectiva é obtida pela simulação de 2 planos, relacionados entre si.

27


28


Desenhos com grafite - claro e escuro d達o efeito de sombra e definem formas

29


MOVIMENTO Numa composição, as figuras podem dar força à percepção em determinada direção. As linhas curvas ou diagonais podem induzir maior sensação de movimento que as horizontais; assim como as cores quentes, que parecem avançar em oposição às cores frias que parecem recuar. Depende do arranjo dos elementos na composição e está associado à repetição dos mesmos, ao ritmo.

30


ESCALA A medida para se estabelecer uma relação comparativa de escala é o próprio ser humano. A proximidade de elementos de tamanhos diferentes, associados pela forma ou cor passa uma ideia de escala.

31


Rosa Decor

Personalizando sonhos

Decoração de festas e pintura em paredes

32

www.rosadecor.com.br


DIREÇÃO Procuramos um sentido, uma direção para nossa observação. A compreensão de uma imagem requer organização e entendimento no que se refere à sua forma, dimensão, tamanho. A disposição dos elementos num plano pode conduzir o olhar a um sentido espacial - as linhas horizontais sugerem amplitude, linhas verticais sugerem elevação e elegância e as diagonais remetem à instabilidade.

33


EQUILÍBRIO O equilíbrio se dá pela harmonia visual entre os elementos que constituem a composição. Pode ser sentido através da simetria ou do peso visual.

34


Adobe Ilustrator

35


CHEGA DE MAUS TRATOS! - Denuncie -

36


CONTRASTE É a oposição entre coisas ou pessoas, uma fazendo sobressair a outra. Para evidenciar uma forma numa composição, é comum usar o contraste entre claro-escuro. O contraste é a base da comunicação visual. Significa distinção - de um elemento em relação a outro. O contraste positivo-negativo é bastante usado nesse tipo de comunicação. Contraste de escala

Contraste de cor

Contraste de tom

37


38


C O MP

Individualmente, os elementos que compõem o Alfabeto Visual parecem não ter vida, mas, ao combiná-los, enchem-se de significados e dão « asas à imaginação »

OS I Ç Ã O

É isso que se chama COMPOSIÇÃO.

Passos para compor: 1- Selecionar e organizar os componentes de acordo com a ideia inical. 2- Construir rascunhos , esquemas e refletir sobre eles. 3-transformar o rascunho até que as expectativas sejam alcançadas. Requer: concentração - paciência - disciplina - tempo

39


M visual E As mensagens visuais são expressas em 3 níveis: N SIMBÓLICO S A G E M Representação do universo de símbolos codificados criados pelo homem

Munch - óleo sobre tela

40


ABSTRATO Representação visual reduzida ao mais lementar

Kandinsk - óleo sobre tela

REPRESENTACIONAL Representação daquilo que nos rodeia

John Constable - óleo sobre tela 41


APOIO

42


Geane Barreto

43


TÉCNICAS

TÉCNICAS 44


EQUILÍBRIO O equilíbrio baseia-se no funcionamento da percepção humana e na enorme necessidade de sua presença, tanto no design quanto na reação diante de uma manifestação visual. Seu oposto é a instabilidade. No equilíbrio existe um centro de suspensão a meio caminho entre dois pesos.

EQUILÍBRIO

INSTABILIDADE

Instabilidade é a ausência de equilíbrio e uma formulação visual extremamente inquietante e provocadora

45


SIMETRIA Simetria é o equilíbrio axial. É uma formulação visual totalmente resolvida, em que cada unidade de um lado de uma linha central é rigorosamente repetida do outro lado. Trata-se de uma concepção visual caracterizada pela simplicidade e lógica absolutas, mas que pode tornar-se estática, e mesmo enfadonha.

EQUILÍBRIO

ASSIMETRIA

Na assimetria o equilíbrio é obtido com a distribuição desigual dos pesos na página, utilizando ainda o branco como elemento visual. Assim é criada uma impressão de movimento.

46

45


UNIDADE Unidade é o equilíbrio adequado de elementos diversos em uma totalidade que se percebe visualmente. A função de muitas unidades deve harmonizar-se de modo tão completo que passe a ser vista e considerada como uma única coisa.

EQUILÍBRIO

FRAGMENTAÇÃO

Fragmentação é a decomposição dos elementos e de unidades de um design em partes separadas, que se relacionam entre si mas conservam seu caráter individual.

47

47


SIMPLICIDADE

Técnica visual que envolve a imediatez e a uniformidade da forma elementar, livre de complicações ou elaborações secundárias.

EQUILÍBRIO

COMPLEXIDADE

Compreende um material visual constituído por inúmeras unidades e forças complementares e resulta num difícil processo de organização do significado no âmbito de um determinado padrão.

48

45 47


REGULARIDADE

Uniformidade dos elementos e o desenvolvimento de uma ordem baseada em algum princípio ou método constante e invariável.

EQUILÍBRIO

IRREGULARIDADE

Enquanto estratégia de design, enfatiza o inesperado e o insólito, sem ajustar-se a nenhum plano decifrável.

49

45 47 49


MOISES DA SILVA MONTEIRO

«

Dá pra lanchar no Bobs!

«


Revista geane 2013  

Design gráfico

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you