Issuu on Google+

Informação da Câmara Municipal de Alcochete OUTUBRO 2011 | Número 3 | Distribuição Gratuita www.cm-alcochete.pt

GRANDE PLANO

ENTREVISTA AO VEREADOR JORGE GIRO

CÂMARA GARANTE ÁGUA MAIS BARATA DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA

alcochete

› PÁGINAS 8 E 9

PORTO DOS CACOS CLASSIFICADO SÍTIO DE INTERESSE PÚBLICO

A Olaria Romana do Porto dos Cacos é um importante exemplar de um complexo industrial romano, que terá iniciado a sua produção em meados do século I d. C. › PÁGINA 7

EM DEFESA DA ESCOLA PÚBLICA

CÂMARA MUNICIPAL INVESTE NA EDUCAÇÃO › PÁGINAS 4 e 5

INMOVIMENTO ENTREVISTA A CARLOS CORTES PRESIDENTE DO GRUPO DESPORTIVO ALCOCHETENSE ESCOLA DE FORMAÇÃO REFORÇA EQUIPA PRINCIPAL

INLOCAL ATÉ 31 DE DEZEMBRO ASSOCIAÇÃO DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ALCOCHETE ADERE À INICIATIVA “QUARTEL ELECTRÃO”

› PÁGINAS 12 E 13

› PÁGINA 7


2.inalcochete | Outubro 2011

in

Informação da Câmara Municipal de Alcochete ANA LAÍNS ACTUA EM ALCOCHETE EM NOVEMBRO Depois de Marco Rodrigues, o fado regressa ao Fórum Cultural, no próximo dia 11 de Novembro, às 21h30, com Ana Laíns. Nesta noite, em Alcochete, Ana Laíns apresenta ao público “Quatro Caminhos”, um disco que contou com a participação de Amélia Muge, José Manuel David e Filipe Raposo e com a colaboração de Diogo Clemente na produção e direcção musical. Para Ana Laíns, “os seus espectáculos são um misto de emoções e caminhos, uma viagem ao universo de cariz português que vai dar ao fado tradicional, ao cancioneiro, proporcionando momentos onde se comprova a universalidade da música portuguesa”. Os ingressos estão à venda no Fórum Cultural e têm o valor de €6 ou €4,50 (para menores de 18 anos).

SÍNTESE

TEATRO “PARA CRIANÇAS QUE AINDA NÃO CONSEGUEM CHEGAR AO PUXADOR DA PORTA” A partir de Novembro, estão abertas as inscrições para a oficina de teatro “Para crianças que ainda não conseguem chegar ao puxador da porta” que vai decorrer no Fórum Cultural, de 19 a 22 de Dezembro. Destinada a crianças, com idade entre os 8 e os 12 anos, e dinamizado por Célia Ramos, este projecto de iniciação teatral visa estimular os afectos, a autonomia e a criatividade dos participantes.

PROTECÇÃO CIVIL Elaborado pelo Serviço Municipal de Protecção Civil, o Plano de Emergência Externo está em consulta pública, podendo os munícipes enviar os seus contributos até ao próximo dia 15 de Novembro. O Plano de Emergência Externo está disponível para consulta no Serviço Municipal de Protecção Civil, nas Juntas de Freguesia do Concelho, na Biblioteca de Alcochete ou no site da Câmara Municipal.

FORMAÇÃO EM TIC Entre 15 e 29 de Novembro, a Biblioteca de Alcochete promove a 11.º Acção de Formação em Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) para cidadãos maiores de 30 anos. O objectivo desta iniciativa é dotar os formandos de competências básicas no domínio das TIC. No âmbito do Projecto Alcochete Qu@lifica, os interessados em obter um diploma de validação das suas competências em TIC podem efectuar um exame na Biblioteca de Alcochete.

CONTACTOS ÚTEIS Câmara Municipal de Alcochete – 212 348 600 | Comunicação de Avarias, Roturas e Entupimentos 919 561 411 Serviço Municipal de Protecção Civil – 912 143 999 | Canil Municipal – 914 432 270 | Cemitério – 212 348 638 Posto de Turismo – 212 348 655 | Bombeiros Voluntários de Alcochete – 212 340 229 ou 212 340 557 | Guarda Nacional Republicana – 212 348 071 | Centro de Saúde de Alcochete – 212 349 320 | Extensão de Saúde em Samouco – 212 329 600 Extensão de Saúde em São Francisco – 212 314 471 | Farmácia Nunes – 212 341 562 | Farmácia Cavaquinha – 212 348 350 Farmácia Póvoas – 212 301 245 | Central de Táxis Alcochete – 212 340 040 | Central de Táxis Samouco e Freeport – 212 321 775 | Transportes Sul do Tejo – 211 126 200 | Transtejo – 210 422 400.

FICHA TÉCNICA Inalcochete PERIODICIDADE Bimestral | PROPRIEDADE Câmara Municipal de Alcochete | MORADA Largo de São João 2894-001 Alcochete Telef.: 212 348 600 DIRECTOR Luís Miguel Carraça Franco, Presidente da Câmara Municipal de Alcochete | EDIÇÃO SCI – Sector de Comunicação e Imagem COORDENAÇÃO DE REDACÇÃO Susana Nascimento REDACÇÃO Íngride Nogueira, Micaela Ferreira, Rosa Monteiro | FOTOGRAFIA SCI | PAGINAÇÃO CJORGE – Design & Comunicação e Rafael Rodrigues/SCI | IMPRESSÃO Empresa Gráfica FUNCHALENSE | DEPÓSITO LEGAL 327832/11 | REDACÇÃO E FOTOGRAFIA SCI – Sector de Comunicação e Imagem Telef.: 212 348 658 | dmc.sci@cm-alcochete.pt | TIRAGEM 10 000 | ISSN 2182-3227 | DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

REUNIÕES DESCENTRALIZADAS A Câmara Municipal encerra o ciclo de reuniões descentralizadas nas freguesias do Concelho no próximo dia 23 de Novembro, às 21h00, na Delegação da Junta de Freguesia de Alcochete na Fonte da Senhora. As sessões descentralizadas são uma acção promovida pela Autarquia no âmbito de uma gestão participada que visa não só recolher os contributos dos munícipes, com o também aproximar a população do Executivo Municipal.

5.º FEST.T.A. De 18 a 20 de Novembro vai decorrer, em Alcochete, o 5.º FEST.T.A., um Festival de Teatro Amador promovido pela Associação GilTeatro com o apoio da Câmara Municipal. O Fórum Cultural e a Casa do Povo de Alcochete foram os “palcos” escolhidos para acolher este Festival que, nesta edição, vai homenagear os cidadãos que marcaram o teatro amador em Alcochete. O programa do 5.º FEST.T.A. está disponível em www.cm-alcochete.pt.


Outubro 2011 | inalcochete.3

Informação da Câmara Municipal de Alcochete COMÉDIA “A LA CARTE” NO FÓRUM CULTURAL No próximo dia 25 de Novembro, às 21h30, os Commedia a La Carte sobem ao palco no Fórum Cultural de Alcochete com “Nesta Peça, Peça Tudo”. Improvisação não vai faltar nesta representação em que os actores Carlos M. Cunha, César Mourão e Ricardo Peres têm como missão fazer rir a partir de personagens e conteúdos que o público vai sugerindo no momento.

EDITORIAL

Um Orçamento de Estado desastroso!

Caros (as) Munícipes,

O Governo submeteu à Assembleia da República a Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2012 (PLOE/2012). Este documento enuncia um conjunto de objectivos e medidas drásticas absolutamente desastroso para o País e para as condições de vida de todos os Portugueses, tendo igualmente reflexos negativos no Concelho de Alcochete. No domínio laboral, significará a diminuição gravosa de salários na Administração Pública, a redução do valor do trabalho extraordinário, o corte dos subsídios de férias e de Natal, a ampliação do horário de trabalho, o despedimento sem justa causa e o condicionamento da contratação colectiva, consubstanciando uma compressão clara dos direitos dos trabalhadores, com particular expressão nos funcionários públicos, ameaçando a coesão social e abrindo caminho a um retrocesso civilizacional sem precedentes. Nas áreas da Educação e da Saúde, a PLOE/2012 anuncia cortes que prenunciam “o fim da Escola Pública e do Serviço Nacional de Saúde”. Especificamente na Saúde, verificar-se-á um aumento significativo das taxas moderadoras, cortes nos exames complementares de diagnóstico e uma política de recursos humanos restritiva que poderá colocar em causa uma boa prestação de cuidados médicos. Aliás, no nosso concelho e neste domínio, já começámos a sentir os efeitos desta política. Em Alcochete, no Centro de Saúde, depois do encerramento do SAP (Serviço de Atendimento Permanente), foram reduzidos os Serviços de Apoio Complementar (SAC) aos domingos e feriados a partir das 14h. No Passil, desde Setembro que não existe serviço de enfermagem devido à ausência de várias enfermeiras por motivos de baixa médica. Em S. Francisco, foi encerrada a extensão local. No Samouco, os recursos Humanos Médicos e de Enfermagem são insuficientes. O transporte de doentes em ambulância passou a ser mais caro, devido ao corte LUÍS MIGUEL CARRAÇA FRANCO do financiamento aos Bombeiros. AcresPresidente da Câmara Municipal de Alcochete ce a isto o encerramento do Serviço de Observação (SO) da urgência do Hospi(…) mantemos a vontade de continuar a trabalhar tal do Montijo, que serve as populações no sentido de materializar objectivos estratégicos para dos dois concelhos e que deixou de funo concelho, como são exemplo a conclusão do Centro cionar a partir do dia 1 de Outubro. As razões economicistas invocadas para a imEscolar de São Francisco e a Requalificação da Frente plementação destas medidas traduzemRibeirinha de Alcochete se em pior e mais cara Saúde. No plano autárquico, quer na PLOE/ 2012, quer no “Documento Verde da Administração Local” - já em discussão pública –, anunciam-se medidas merecedoras de igual rejeição! Uma vez mais, não se aplica a Lei de Finanças Locais e são retirados 120 milhões de euros em relação a 2011 e o Município de Alcochete receberá, apenas, 2.737.661 euros (dois milhões, setecentos e trinta e sete, seiscentos e sessenta e um euros). Reduz-se a capacidade de endividamento municipal, numa revisão retroactiva dos limites de endividamento municipal e de duvidosa constitucionalidade, colocando administrativamente a maioria dos municípios numa situação de ultrapassagem dos limites de endividamento, sem que factual e verdadeiramente o seu endividamento tenha aumentado. Se a isto juntarmos a quebra de receitas locais, agrava-se a situação financeira das Autarquias, com consequências no investimento municipal e repercussões na actividade económica local e no aumento do desemprego. No que à Organização Administrativa do Território diz respeito, o Governo propõe a fusão voluntária de municípios, elimina a representação plural e democrática dos executivos municipais e estabelece critérios de extinção e agregação de freguesias. De acordo com a ANAFRE, a Freguesia do Samouco, enquanto órgão autárquico, seria extinta, numa medida inaceitável, incompreensível desrespeitora das populações e da sua identidade política e cultural. Como facilmente se compreende, o Município de Alcochete rejeita em absoluto estas propostas, porque atentatórias do Poder Local Democrático, mas, em especial, da nossa identidade política, da nossa História e do nosso sentir enquanto Povo e Comunidade! Apesar de considerarmos todas estas medidas de enorme gravidade, consideramos possível e desejável um outro rumo para o País. Pela nossa parte, mantemos a vontade de continuar a trabalhar no sentido de materializar objectivos estratégicos para o concelho, como são exemplo a conclusão do Centro Escolar de São Francisco e a Requalificação da Frente Ribeirinha de Alcochete e continuaremos a pugnar pela defesa intransigente da qualidade de vida dos nossos cidadãos, contando, para isso, com o apoio empenhado de todos os eleitos, trabalhadores das Autarquias e população em geral, perspectivando sempre Alcochete como um concelho com futuro!


4.inalcochete | Outubro 2011

in

Informação da Câmara Municipal de Alcochete ESCOLA N.º 1 DE ALCOCHETE TEM ESPAÇO DE RECREIO RENOVADO O espaço de recreio da Escola do Ensino Básico nº 1 de Alcochete foi objecto de requalificação, tornando-o mais atractivo e adequado às actividades escolares. As crianças que frequentam este estabelecimento público de ensino vão poder usufruir, a partir do início do mês de Novembro, de uma área onde foi criada um espaço de conto ou de aula ao ar livre, instalada uma bancada para actividades plásticas e uma horta pedagógica. Com esta intervenção a Câmara Municipal garantiu ainda as acessibilidades para pessoas com mobilidade reduzida, quer no espaço lúdico, quer no espaço desportivo já existente. Uma parte do recreio da escola nº 1 de Alcochete já tinha sido requalificada no ano lectivo 2009/

FOCO

O SERVIÇO EDUCATIVO ASSOCIA A COMPONENTE PEDAGÓGICA E LÚDICA EM ACTIVIDADES QUE VISAM INCENTIVAR O GOSTO PELA HISTÓRIA E CULTURA LOCAIS

Escola Pública é fundamental para um ensino de qualidade Em matéria de educação, a defesa da Escola Pública tem norteado o modo de acção e o investimento do Executivo Municipal, que tem prosseguido com o que considera ser o interesse público da população, garantindo às crianças do Concelho as condições necessárias a uma educação de qualidade. Os cortes do Governo na educação a nível nacional, na ordem dos 800 milhões, e a diminuição de transferências de dinheiro, associado ao momento de crise actual têm dificultado a acção da Autarquia no cumprimento das suas responsabilidades, ao abrigo das transferências de competências do Governo para nas Câmaras Municipais. Por outro lado estas transferências de competências levantam algumas dúvidas ao Executivo Camarário. Por exemplo no que concerne à gestão pedagógica e contratação de docentes, matérias sobre as quais não é expectável que a responsabilidade recaia sobre os Municípios, assim como a gestão pedagógica das actividades de enriquecimento curricular, que deve ser assumida pelo

Ministério da Educação, não é compreensível para o Vereador da Educação que sejam as Câmaras ou outras entidades a efectuar essa gestão. Mas estes condicionalismos com consequências graves ao nível do ensino público no Concelho não constituem impedimento ao trabalho desenvolvido, de forma continuada, pela Câmara Municipal, nas escolas do Concelho, em prol de um ensino de qualidade. “A Câmara não se demite, não se demitiu, nem se demitirá de nada do que diz respeito ao seu entendimento global e integral de que é o seu papel e a sua competência em matérias de educação”, assume o Vereador Paulo Machado. Ainda que nem todos os estabelecimentos escolares apresentem as me-

lhores condições de funcionamento, pois segundo o Presidente da Câmara, Alcochete tem um parque escolar que durante muitos anos não foi requalificado e está sobrelotado, a Autarquia assume anualmente, no âmbito das suas competências, a requalificação dos estabelecimentos escolares do Concelho, quer através de continuadas intervenções nas escolas de 1.º Ciclo do Ensino Básico e nos jardins-de-infância, quer com a construção do Centro Escolar de São Francisco. A Autarquia investiu vários milhares de euros em acções de reparação de avarias eléctricas, de vedações, limpeza e corte de relvas, montagem de toldos, limpeza de telhados, requalificação dos recintos de recreio, reparação de calçadas, entre

Autarquia investe na requalificação do parque escolar Câmara implementa complemento de horário da Componente de Apoio à Família no 1.º Ciclo do Ensino Básico

outras acções, em todas as escolas do 1.º Ciclo do Ensino Básico e jardins-de-infância, e na Escola E.B. 2,3 El Rei D. Manuel I. Quanto ao Centro Escolar de São Francisco, que já deveria estar a funcionar, mas por motivo de insolvência da empresa a quem foi adjudicada a obra, mas não está, a Câmara Municipal adianta que este novo equipamento escolar estará concluído no final do ano. Constituído por um Jardim-de-Infância e por uma Escola de Ensino Básico do 1.º Ciclo, com 12 salas de aulas, um refeitório, um ginásio/sala polivalente, uma sala de meios/ centro de recursos e as diversas instalações de apoio, o Centro Escolar de São Francisco terá capacidade para 300 crianças e representará um investimento de cerca de três milhões de euros. “Trata-se do maior investimento de sempre da Câmara Municipal, não só na freguesia de São Francisco, mas no concelho de Alcochete”, en-


Outubro 2011 | inalcochete.5

Informação da Câmara Municipal de Alcochete 2010, com a instalação de um campo de jogos com relva sintética. Esta requalificação visa dar mais qualidade ao muito tempo que as crianças passam na escola. Refira-se que este equipamento escolar está a funcionar com o número adequado de turmas, isto é, quatro em regime normal, para um total de cerca de 100 crianças, e assim deverá continuar a funcionar nos próximos anos lectivos.

inFOCO SAIBA MAIS

OS NÚMEROS DA EDUCAÇÃO NO CONCELHO

2594 ALUNOS FREQUENTAM O ENSINO PÚBLICO NO CONCELHO

207 CRIANÇAS FREQUENTAM OS JARDINS DE INFÂNCIA

783 CRIANÇAS APRENDEM NAS ESCOLAS DE 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO

995 ALUNOS ESTÃO INSCRITOS NO 2.º E 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

fatizou o Presidente da Câmara na Recepção à Comunidade Educativa, que marcou o início do ano lectivo em Alcochete. COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA ABRANGE MAIS DE 300 ALUNOS No presente ano lectivo a Autarquia alargou a oferta do Serviço de Complemento de Horário da CAF – Componente de Apoio à Família ao 1.º Ciclo do Ensino Básico, uma vez que já assegurava este serviço nos jardins-de-infância da rede pública do Concelho. O Serviço de Prolongamento de Horário que funciona nos Jardins-deInfância e Escolas do 1.º Ciclo de Alcochete, Samouco, São Francisco e Passil, que abrange este ano lectivo 583 alunos, destina-se prioritariamente, às crianças cujo agregado familiar, devido a compromissos profissionais tenha necessidade deste serviço. Com o alargamento deste serviço a todas as escolas do 1.º Ciclo do Ensino Básico, a Câmara Municipal garante iguais condições a todos os alunos no acesso a este serviço, que vai ser pago pelos pais, em função da análise sócio-económica das famílias. Para o Vereador Paulo Machado este é mais um exemplo do esforço que

609 JOVENS ESTUDAM NO ENSINO SECUNDÁRIO

a Câmara Municipal faz, no sentido de honrar os seus compromissos nestas matérias, e tranquilizar as famílias, sendo certo que está garantido um serviço de qualidade a todas as famílias do Concelho. No que diz respeito ao ensino Préescolar trata-se de uma competência que resulta de um contrato de transferência de competências entre os Municípios e o Ministério da Educação, através de um acordo com a Associação Nacional de Municípios. No que concerne ao 1.º Ciclo do Ensino Básico não existe qualquer enquadramento nesta matéria, assumindo a Câmara Municipal a responsabilidade directa sobre deste serviço. Com o objectivo de garantir uma melhor qualidade do ensino no Concelho, em articulação com os diferentes parceiros locais, a Câmara Municipal tem desenvolvido parcerias com diferentes entidades. Neste sentido a Câmara Municipal celebrou acordos de colaboração com a Fundação João Gonçalves Júnior e com o CENSA – Centro Social de São Brás com o objectivo de garantir a implementação da Componente de Apoio à Família (CAF) no 1.º Ciclo do Ensino Básico do Concelho. A Fundação João Gonçalves Júnior assume a responsabilidade pela contratação dos recursos humanos necessários à implementação da CAF nas Escolas do Ensino Básico nº 1, nº2, da Restauração/JI e na EB1/JI do Passil, ficando o CENSA responsável pela contratação dos recursos humanos necessários à implementação da CAF nas Escolas Básicas de São Francisco e de Samouco. Com a Associação Desportiva Samouquense a Autarquia firmou ainda uma adenda ao protocolo já ce-

lebrado relativo à cedência das instalações da colectividade, no horário da Componente de Apoio à Família, das 7h00 às 10h00 e das 15h15 às 19h30. A Câmara Municipal assegura ainda, no âmbito da Acção Social Escolar, o apoio a 276 crianças que inclui auxílios económicos aos alunos do Pré-escolar e 1º Ciclo do Ensino Básico do Concelho, para aquisição de manuais e material escolar e para a comparticipação no valor das refeições diárias nos estabelecimentos de ensino dotados de refeitório. Neste âmbito, a Autarquia assegura o serviço de apoio ao Transporte Escolar a 516 jovens, através da senha de passe escolar, e a 47 jovens que residem na zona rural e usufruem da carrinha escolar Este é um serviço direccionado aos alunos do Ensino Básico e Secundário, em regime diurno, residentes a mais de 3 km do estabelecimento de ensino que frequentam, sendo que é gratuito para os alunos do Ensino Básico e comparticipado em 50% para os alunos do Ensino Secundário. SERVIÇO EDUCATIVO “ENSINA” DE UMA FORMA LÚDICA E DIVERTIDA A preocupação com um ensino de qualidade não se esgota na sala de aula e por isso a Câmara Municipal promove anualmente uma programação, especialmente direccionada para os alunos, transversal a diferentes sectores da Câmara Municipal, denominada de Serviço Educativo, que registou em 2010 mais de 7 mil participantes nas dezenas de actividades realizadas. O Serviço Educativo associa a componente pedagógica e lúdica, e de

276 ALUNOS SÃO ABRANGIDOS PELA ACÇÃO SOCIAL

307 CRIANÇAS ESTÃO INSCRITAS NA COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA

563 JOVENS BENEFICIAM DE APOIO DE TRANSPORTE ESCOLAR

7200 PARTICIPANTES NAS ACTIVIDADES DO SERVIÇO EDUCATIVO

ESCOLAS DO CONCELHO TÊM SIDO OBJECTO DE REQUALIFICAÇÃO

Para garantir melhor qualidade no ensino a Autarquia desenvolve parcerias com entidades do Concelho Serviço Educativo regista mais de 7 mil participantes

uma forma divertida, procura incutir nos mais novos o gosto pela história e cultura locais, o contacto com as artes performativas e de uma maneira geral a transmissão do conhecimento e o incentivo ao gosto pela descoberta. Neste âmbito são promovidas diferentes actividades através da Divisão de Cultura e Identidade Local, Divisão de Educação, Desenvolvimento Social e Saúde e do Serviço Municipal de Protecção Civil, organizadas por temáticas, nomeadamente, “O Livro e a Leitura”, “Artes Performativas e Plásticas”, “História e Património Local”, “Ambiente” e “Cultura de Segurança”.


6.inalcochete | Outubro 2011

in

Informação da Câmara Municipal de Alcochete

LOCAL

ACESSO AO PARQUE DO VALBOM ESTÁ CONDICIONADO Desde o passado dia 17 de Outubro, os acessos aos percursos do Parque Desportivo e de Lazer do Valbom estão condicionados, uma vez que estão a ser reparados alguns dos pavimentos que se encontravam degradados. A intervenção está a ser executada pelo empreiteiro responsável pela obra que, numa primeira fase, vai remover o pavimento existente e preparar uma nova base para suportar a colocação de um novo pavimento de betão colorido. Caso não se verifiquem condições meteorológicas adversas, prevê-se que esta intervenção esteja concluída em Novembro.

CÂMARA IMPLEMENTA PLANO DE CONTROLO DO ESCARAVELHO DA PALMEIRA

SESSÃO DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL REALIZADA A 22 DE SETEMBRO

A Câmara Municipal vai implementar no Concelho um plano de controlo da praga do escaravelho da palmeira, que já contaminou alguns exemplares desta espécie em algumas propriedades privadas e um exemplar no Jardim do Rossio, em Alcochete. Está prevista a realização de acções curativas e preventivas que acarretam custos avultados para a Autarquia na ordem dos 15 mil euros, consideradas fundamentais, na medida em que cada palmeira, as de maior porte, tem um custo de cerca de 7 mil euros, sem contar com o seu valor histórico incalculável. Uma vez que o processo de desenvolvimento e propagação desta praga é muito rápido, e a sua detecção só é possível numa fase de contaminação avançada da palmeira, são fundamentais os tratamentos de prevenção e exterminação, para o efectivo controlo da mesma. Numa primeira fase as acções curativas e preventivas vão ser efectuadas por técnicos especializados, que garantam a aplicação de todas as medidas necessárias no processo de abate, quando necessário, e a remoção das palmeiras mortas, de forma a não contaminar outras espécies locais ou existentes no percurso de transporte para aterro. Numa fase posterior os tratamentos vão ser assegurados pelos funcionários da Autarquia que vão ter formação especializada para o efeito. No sentido de preservar algumas palmeiras, de valor incalculável a nível patrimonial para o Concelho, a Autarquia já deu início ao processo de identificação dos exemplares contaminados com o objectivo de evitar o abate de palmeiras de grande impacte paisagístico e arquitectónico, localizadas em zonas de maior interesse turístico de Alcochete, nomeadamente, no Jardim do Rossio, no Miradouro Amália Rodrigues, na Avenida da Restauração, entre outros.

Órgãos Autárquicos aprovaram taxas para 2012 A Câmara e a Assembleia Municipais já fixaram as taxas para o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e o lançamento de derrama para o ano económico de 2012, assim como a participação variável no IRS para 2013. As taxas aprovadas vão ao encontro dos valores já estipulados em anos transactos, o que, segundo o Presidente da Câmara Municipal, é resultado “da difícil conjuntura que se vive no país e que afecta as Autarquias locais”. A fixação da taxa em 0,7% para os prédios urbanos e em 0,4% para os prédios urbanos avaliados nos termos do CIMI foi a proposta de taxas para o IMI apresentada pela Câmara Municipal, e que foi aprovada por maioria, com 15 votos a favor pelos deputados da CDU e do PSD e 6 abstenções do PS, na última sessão da Assembleia Municipal realizada a 22 de Setembro. “O único pilar financeiro que ainda se mantém com alguma estabilidade é precisamente o IMI”, destacou Luís Miguel Franco. No entanto, o autarca referiu que, apesar de ser um dos principais pilares financeiros da Câmara Municipal, o Imposto Municipal de Imóveis também apresentou uma redução significativa. “Em Agos-

to de 2010, a execução do IMI ascendia a 1 milhão e 565 mil euros e em Agosto de 2011, ascendeu a 1 milhão e 300 mil euros”. O Presidente da Câmara reforçou que, ao contrário do que aconteceu em 2008 (ano em que a Autarquia reduziu os limites máximos relacionados com IMI), a proposta aprovada é condicionada pela actual conjuntura económicofinanceira. “A conjuntura económico-financeira está subjacente a estas propostas da Câmara Municipal de manutenção dos limites quer para o IMI, quer para a participação variável em sede de IRS, quer em sede de derrama que é o imposto que as empresas com sede social na área geográfica do Concelho de Alcochete têm de pagar e que incide sobre o lucro

tributável dessas mesmas empresas, ou seja, quaisquer empresas que não tenham lucro não serão tributadas por via da aplicação do percentual de 1,5%”, destacou Luís Miguel Franco. O lançamento de derrama de 1,5% para 2012 foi aprovado com 15 votos a favor pelas bancadas da CDU e do PSD e 6 abstenções pela bancada do PS. Sobre este imposto, o Presidente referiu que “durante o ano de 2010, em termos de execução global, a derrama ascendeu a 386 mil euros sensivelmente. Em Agosto de 2010, tínhamos uma execução de 324 mil euros e, em Agosto de 2011, de 286 mil euros”. A proposta referente à participação variável de 5% no IRS para 2013 foi aprovada, por unanimidade, em Assembleia Municipal.

Executivo reuniu com os trabalhadores municipais A situação de crise e o anúncio de novas medidas para a Administração Pública Local foram os temas dominantes dos dois plenários com os trabalhadores do Município, realizados no dia 11 de Outubro, no refeitório dos Serviços Operacionais na Lagoa do Láparo e no Salão Nobre dos Paços do Concelho, na sequência de uma convocatória do Presidente da Câmara Municipal. O Executivo Municipal quis dar conhecimento aos trabalhadores das intenções do Governo no âmbito da elaboração do Orçamento do Estado para 2012, ainda antes de serem conhecidas as mais recentes medidas aplicadas aos vencimentos dos funcionários públicos, e

desde logo alertar para as dificuldades financeiras e o agravamento das condições de vida dos portugueses e dos funcionários em particular. O Presidente da Câmara Municipal deu ainda conta aos funcionários da rejeição do Município quanto à aplicação das directrizes constantes no “Documento Verde da Reforma da Administração Local”, no que respeita à proposta de fusão de concelhos, agregação de freguesias, composição dos órgãos autárquicos e diminuição do número de cargos dirigentes nas autarquias locais. O autarca referiu algumas medidas já tomadas desde 2008 para redução da despesa municipal, entre as quais a significativa redução do

trabalho extraordinário, destacando que “é um modelo que tem que ser seguido”, e lembrou que “ao longo dos últimos seis anos, a política de recursos humanos visou a valorização dos trabalhadores”. Apesar da generalizada crise económica e das gravosas medidas previstas para os trabalhadores e para a Administração Local, que têm registado uma substancial redução das receitas nos últimos anos, o Presidente da Câmara Municipal de Alcochete apelou à união e ao empenho dos trabalhadores na sua actividade laboral. No final da reunião e não obstante a situação de crise, o autarca fez questão de dirigir aos trabalhadores “uma palavra de esperança em relação ao futuro”.


Outubro 2011 | inalcochete.7

Informação da Câmara Municipal de Alcochete AUTARQUIA ALERTA PARA A OCORRÊNCIA DE ACTOS DE VANDALISMO A Câmara Municipal apela à população para que esteja atenta à ocorrência de actos de vandalismo no Concelho. Frequentemente, os serviços municipais registam danos nos equipamentos que estão à disposição da população em diversos espaços públicos. As luminárias na Praia dos Moinhos, em Alcochete, paragens de autocarros e os dispensadores para resíduos são exemplos de equipamentos que, recentemente, foram alvo de actos de vandalismo. Sendo o espaço público de e para todos, a Câmara Municipal apela à compreensão e à cooperação da população, de forma a identificar e a responsabilizar os autores destes actos.

inLOCAL

COM UMA ZONA ESPECIAL DE PROTECÇÃO

Porto dos Cacos classificado Sítio de Interesse Público A Olaria Romana do Porto dos Cacos é um importante exemplar de um complexo industrial romano, o qual terá iniciado a sua produção em meados do século I d. C. Após década e meia do início do processo relativo à classificação do Sítio Arqueológico de Porto dos Cacos, esta Olaria Romana localizada no Município de Alcochete foi classificada como Sítio de Interesse Público, de acordo com a Portaria n.º 591/2011 (2.ª Série do Diário da República, de 27 de Junho de 2011). A Secretaria de Estado da Cultura também definiu a fixação de uma Zona Especial de Protecção (ZEP) que “abrange uma zona riquíssima em vestígios arqueológicos de cronologia romana, alguns dos quais indiciam ocupações eventualmente tão importantes quanto a do Porto dos Cacos”, no sentido de “salvaguardar o contexto e o enquadramento do sítio arqueológico classificado”.

A fixação desta ZEP “visa salvaguardar o contexto e o enquadramento do sítio arqueológico classificado, garantindo um futuro estudo arqueológico dos terrenos, salvaguardando, deste modo, uma zona riquíssima em vestígios arqueológicos e possibilitando o estudo e o registo dos vestígios já existentes e dos que resultem de prospecções arqueológicas”. Segundo a referida Portaria, “a Olaria Romana do Porto dos Cacos é um importante exemplar de um complexo industrial romano, o qual terá iniciado a sua produção em meados do século I d. C., constituído por olarias com os seus respectivos fornos e entulheiras, em cujas escavações foram encontrados exemplares de ânforas tipo Beltran IV, Dressel 30, Almagro 51C e Almagro 50, além de um inúmero conjunto de cerâmica comum de cozinha”, assim como “uma importante necrópole composta por 37 enterramentos, dos quais foram 24 escavados, onde coexistiam os rituais de incineração e de inumação, com práticas de enterramento até então desconhecidas no território nacional”. A proposta refere ainda que “esta descoberta parece indiciar a existência nas imediações de um povoado com alguma grandeza, eventualmente um vicus, e atesta a

importância científica do sítio justificando uma ocupação permanente”. Quanto ao Porto dos Cacos é também dito que “este sítio constitui um dos mais importantes centros de produção oleira da época romana até agora identificados no território português, representando um valor patrimonial excepcional pela qualidade e monumentalidade dos vestígios já revelados pela escavação, nomeadamente os fornos e diversas estruturas de apoio, um alinhamento de ânforas também sem paralelos conhecidos e as sepulturas de tipologia diversa”. O conjunto agora classificado por iniciativa da Câmara Municipal de Alcochete está abrangido pelas disposições legais em vigor, nomeadamente que “a sua transmissão depende da prévia comunicação à Direcção Regional de Cultura de Lisboa e Vale do Tejo e ao IGESPAR I.P.”, que “os comproprietários, o Estado e o Município gozam, pela ordem indicada, do direito de preferência em caso de venda ou dação em pagamento” e que “quaisquer obras ou intervenções no imóvel serão objecto de autorização e acompanhamento do órgão competente para a decisão final do procedimento de classificação”.

BOMBEIROS RECOLHEM RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELÉCTRICOS E ELECTRÓNICOS Até ao final deste ano participe na campanha “Quartel Electrão”, que está a decorrer nas instalações da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Alcochete, com a entrega neste quartel dos Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos (REEE) e resíduos de Pilhas e Acumuladores (RPA) em fim de vida. Este projecto está a ser desenvolvido pela Amb3E – Associação Portuguesa de Gestão de Resíduos no sentido de apoiar as corporações de bombeiros e de sensibilizar as comunidades para a reciclagem e a valorização dos resíduos. Em função das quantidades recolhidas, a referida Associação atribuirá os seguintes prémios às corporações em todo o País: 1.º Prémio: uma Ambulância de Transporte Múltiplo (ABTM) 2.º Prémio: Lavandaria Profissional para Bombeiros 3.º ao 12.º Prémio: Cartões de combustível no valor de €1.500,00

NA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE ALCOCHETE, A FIXAÇÃO DE UMA ZONA ESPECIAL DE PROTECÇÃO VISA PRESERVAR A ÁREA DE INFLUÊNCIA DE PORTO DOS CACOS

Contribua com a entrega dos referidos resíduos, nomeadamente pequenos electrodomésticos, como por exemplo ferros de engomar, secadores e torradeiras, para que os Bombeiros consigam ganhar prémios com a ajuda de todos. O Quartel dos Bombeiros de Alcochete está situado na Rua do Salineiro, na Vila de Alcochete, junto ao Centro de Saúde. No ano em que a associação festeja o seu 63.º aniversário, os Bombeiros Voluntários estão também a desenvolver uma campanha de angariação de novos sócios e a desenvolver várias outras actividades para angariação de receitas.


8.inalcochete | Outubro 2011

Informação da Câmara Municipal de Alcochete

GRANDEPLANO

ENTREVISTA AO VEREADOR DA CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE, JORGE MANUEL PEREIRA GIRO

ALCOCHETE CONTINUA A SER O CONCELHO DA AML ONDE A ÁGUA É MAIS BARATA Responsável pelos pelouros do Ambiente e Espaços Verdes, Água e Saneamento, Saúde Pública e Veterinária Municipal, o Vereador Jorge Giro destaca a importância das campanhas de sensibilização ambiental promovidas pela Autarquia e a necessidade premente de repensar os pagamentos efectuados na Simarsul e Amarsul.

Considera que a promoção de diferentes campanhas no sentido de implementar boas práticas ambientais já tem efeitos práticos na mudança de comportamentos? Eu penso que a população adulta já está desperta para as questões ambientais, mas nós temos esperança e confiança na população jovem e é por isso que desenvolvemos campanhas especialmente direccionadas para as crianças envolvendo as escolas. Conjuntamente com a Junta de Freguesia de Alcochete desenvolvemos o projecto Praia Limpa, que já está a surtir efeito e é visível nos comportamentos que as crianças têm na praia. As crianças estão mais atentas, mas é na população adulta que temos de centrar um pouco mais a nossa atenção, até porque um estudo recente diz que cada português produz em média por dia 1,4 kg de lixo e em Alcochete produz-se 1,6kg. A Autarquia tem vindo a qualificar os espaços verdes, de que forma é efectuada a sua manutenção? E qual o reconhecimento obtido por parte das pessoas? Acima de tudo queremos que as pessoas respeitem os espaços verdes e respeitem o trabalho desenvolvido pela Autarquia. Actualmente, os espaços verdes que existem em Alcochete não correspondem de modo nenhum, em termos de área, aos que existiam há 10 anos atrás. Ainda há bem pouco tempo a Autarquia recepcionou em São Francisco um espaço público, assumindo a sua manutenção, que representa mais uns milhares de m2 de área verde. Infelizmente, o número de trabalhadores não acompanha o que recepcionamos em termos de área em espaços verdes e como tal temos de fazer um grande esforço para que os nossos trabalhadores possam chegar a todo o lado. Apelo à população para a preservação dos espaços verdes, muitos deles requalificados por nós, pois sem a ajuda de todos é impossível manter o Concelho impecável como todos nós gostaríamos.

Estão previstos alguns projectos para o futuro nesta área? Numa área próxima do Canil Municipal queremos fazer uma unidade de compostagem. O projecto já está em elaboração e economicamente é muito vantajoso para a Câmara Municipal, uma vez que actualmente gastamos milhares de euros para levar para aterro as relvas, as pernadas e todo o material que resulta das podas. Por cada tonelada pagamos 20 euros. Esta unidade traria outros benefícios para a Autarquia, no que diz respeito aos adubos para as relvas que, em pequenas quantidades poderiam também ser cedidos à população. No entanto o projecto só avança quando estiverem criadas as condições financeiras, que neste momento não existem. A Autarquia tem implementado a substituição de contentores por moloks e ilhas ecológicas, mas há ainda locais onde ainda existem contentores. Está prevista a sua substituição? Pretendemos instalar cada vez mais moloks e ilhas ecológicas suprimindo nas zonas de maior concentração populacional muitos contentores de RSU’s, até porque além de terem muitos mais metros cúbicos para o depósito do lixo, suprimem muitos daqueles contentores verdes. Provavelmente em cada molok suprimimos 6 ou 7 contentores. Mas há zonas onde isso não é possível, nomeadamente a zona rural, porque as habitações são muito dispersas. Nas zonas onde se concentra mais população tentamos instalar um molok ou que a Amarsul instale uma bateria de ecopontos em locais, que causem menos impacto nas pessoas, sendo certo que eles têm de ser instalados. Qual o sucesso obtido com a Campanha do Oleão? Está prevista a instalação de mais oleões? A campanha do oleão foi um sucesso. Actualmente, verificamos que os oleões existentes não são suficientes. Se queremos incentivar a nossa população à reciclagem, assim como à depo-

Pretendemos instalar mais moloks e ilhas ecológicas Os Municípios que integram a Amarsul e a Simarsul sempre foram o suporte financeiro destes sistemas multimunicipais

sição dos óleos, também temos de ter cada vez mais estruturas destas em todo o Concelho. É com base nessa premissa que vamos fazer um protocolo com uma empresa, para proceder à instalação de 10 oleões de superfície, a juntar aos quatro já existentes, que permitam aos munícipes depositar o óleo dentro de uma garrafa, e não vertê-lo directamente no óleão, garantindo assim que o processo de deposição seja mais fácil e mais higiénico. Em parceria com a Fundação das Salinas do Samouco e com o ICNB foram criadas as Hortas Sociais, qual a adesão registada? Revitalizámos todo aquele espaço e conseguimos que as Hortas Sociais se tornassem uma realidade. Depois de apurada a área passível de ser cultivada, que são cerca de 18 mil m2, não prevíamos que a adesão fosse tão acentuada e por isso tivemos de reduzir alguns espaços inicialmente pensados de 300 m2 para parcelas que tem em média cerca de 100 m2. As pessoas referenciadas pelo CLAS (Conselho Local de Acção Social) como mais carenciadas do Concelho, tiveram prioridade nas inscrições. Posteriormente e após a identificação dos lotes que ficaram disponíveis, estes foram disponibilizados às pessoas que estavam em lista de espera. Neste momento temos 43 hortelãos e existe já uma grande lista de espera, o que nos permite pensar em expandir este projecto para uma área maior. Cada hortelão celebrou com a Fundação das Salinas de

Samouco um contrato, que estipula algumas regras de cumprimento obrigatório, nomeadamente: as hortas têm de ser 100% biológicas, não podem ser aplicados componentes químicos, tem de existir rotatividade de produtos na própria horta, até para bem do próprio solo. É de salutar passar ali ao fim da tarde e aos fins-de-semana e ver pais e filhos a cultivar as suas pequenas hortas e penso que foi gratificante para a Câmara Municipal fazer surgir este projecto. Para a Primavera e o Verão de 2012 está prevista a realização da primeira Feira dos Produtos dos Hortelãos das Hortas Sociais no Mercado Municipal em Alcochete. A água para consumo humano no Concelho é submetida a um controlo rigoroso. Qual a qualidade da água que chega a casa dos munícipes do Concelho? A água que abastece os lares do Concelho cumpre os parâmetros exigidos por lei. As análises da água são feitas por empresas externas e comprovam que a nossa água é de boa qualidade. O sistema de abastecimento de água integra actualmente seis captações e 93 km de rede de distribuição. Estão previstas intervenções de requalificação da rede de abastecimento de água? Estão sempre previstas intervenções. Actualmente, nós garantimos o abastecimento de água a 95% da população do nosso Concelho, uma indicação superior àquela que o PEASAR II indica (PEASAR II - Plano Estratégico de Abastecimento de Água e Saneamento de Águas Residuais). Para tornarmos Alcochete 100% autónomo no que diz respeito à captação e distribuição de água falta-nos uma zona na Fonte da Senhora, cujo furo está feito e falta proceder à aquisição e montagem do equipamento, cujo valor estimado é de cerca de 78 mil euros. Efectuamos, com regularidade, operações como aquela que foi efectuada na Rua João de Deus, em Alcochete, em que aproveitamos a


Outubro 2011 | inalcochete.9

Informação da Câmara Municipal de Alcochete

GRANDEPLANO

Garantimos o abastecimento de água a 95% da população Neste mandato suprimimos perto de 100 fossas

perto de 100 fossas, ainda faltam algumas, mas estamos a aumentar o número de habitações que estão ligadas à nossa rede de saneamento. Queremos chegar ao máximo de locais possível, mas há zonas, que por problemas de custo e até mesmo por problemas gravíticos, não é possível a sua integração.

realização de algumas obras necessárias, por exemplo de repavimentação, para alterar e substituir as infraestruturas, assim como para elaborar um cadastro da rede de águas e de saneamento eficaz, sem esquecer outras intervenções solicitadas por particulares. O novo Regulamento do Serviço de Abastecimento de Água e de Drenagem de Águas Residuais do Município de Alcochete prevê a actualização do tarifário da água. O aumento do tarifário vai ser significativo? Perante imposição legal, a Câmara Municipal teve de actualizar o tarifário da água. Tivemos de incluir na factura da água uma tarifa fixa para o saneamento e outra para os resíduos, que vai ser utilizada para o pagamento à Simarsul e à Amarsul. Ainda assim Alcochete continua a ser o concelho da Área Metropolitana de Lisboa onde o preço da água é mais barato. Mas esta actualização integra também uma componente social que se traduz na redução da tarifa para quem tem rendimentos não superiores ao salário mínimo, essa é a chamada tarifa social, além de uma tarifa para famílias numerosas. Em traços gerais existem certos serviços que a Câmara Municipal presta e que até 2015 vão sendo deduzidos 20% por ano, até chegar ao custo zero, nomeadamente, a ligação de ramais de água, de saneamento, contratos de abastecimento de água. De forma a esclarecer todos os munícipes sobre o novo tarifário e outras questões relacionadas com o novo regulamento, a Autarquia vai promover, em Novembro, sessões de esclarecimento, nas três freguesias do Concelho. Ao nível da rede de águas residuais domésticas, qual a situação actual? Neste momento fechámos um ciclo, ou seja, com a construção das duas estações elevatórias no Passil, todas as águas residuais, que estão ligadas à nossa rede de saneamento, são alvo de tratamento. Actualmente, cerca de 70% daquelas habitações já estão ligadas à re-

de de saneamento. Em termos ambientais é de salutar porque foram suprimidas inúmeras fossas sépticas. Estamos a trabalhar para que sejam suprimidas mais fossas e garantir a ligação de mais habitações à rede pública. A construção de estações elevatórias e o alargamento da rede de águas residuais têm contribuído para a desactivação de fossas sépticas. Este é mais um passo em direcção a uma melhor qualidade de vida dos cidadãos? Claro que sim, mas ainda temos fossas sépticas no Concelho, pois não conseguimos chegar a todos os locais com a rede de saneamento. Contudo, nos aglomerados populacionais estamos a 100%. Neste mandato suprimimos

Qual o impacte da Estação de Tratamento de Águas Residuais no Concelho? A ETAR de Alcochete foi a primeira a ser construída pela Simarsul e constitui uma mais-valia, tendo em conta o modo de funcionamento da antiga ETAR. Embora nós saibamos que a situação financeira da Simarsul não é a melhor, até porque os Municípios estão em dificuldades, existe um projecto que está relacionado com a reutilização da água que neste momento é descarregada no Tejo e que passaria a ser aproveitada para a rega dos espaços verdes. Mas esta é uma obra da responsabilidade da Simarsul. Nós utilizamos a água proveniente do depósito de água dos Barris, que já não é utilizada para consumo humano, para a rega dos espaços verdes de toda a zona da Variante e da urbanização dos Barris. Queremos estender esta rede de rega até ao Rossio, de modo a quando se fizer a intervenção na frente ribeirinha, toda aquela zona de espaços verdes, o novo Rossio, seja regada com água do depósito e não com água da rede pública. Qual a participação da Autarquia no financiamento da Simarsul e na Amarsul? Neste momento, a nossa preocupação são os

custos efectivos que estes sistemas têm para a Autarquia e a nossa dificuldade em cumprir com os pagamentos. Talvez seja chegada a altura de repensar esta situação, porque os Municípios não podem ser accionistas só para suportar as despesas. Está na altura de sermos parte integrante nas receitas até porque todos os Municípios que integram a Amarsul e a Simarsul sempre foram o grande suporte financeiro destes sistemas multimunicipais. É preciso parar para pensar em conjunto sobre a possibilidade de sermos ressarcidos de todos estes investimentos que temos feito ao longo dos anos. No que diz respeito à Simarsul, Alcochete vai pagar durante 2011, 670 mil euros, e para a Amarsul são cerca de 300 mil euros, portanto só para estas duas entidades o valor é de um milhão de euros que tem de sair do nosso parco orçamento. A gestão do Canil Municipal é da responsabilidade da Autarquia, quais as condições deste espaço e qual o número de cães acolhidos? Existem sempre entradas e saídas constantes no Canil Municipal, mas mantemos uma população de 95 a 100 cães, num espaço que considero um exemplo para outros concelhos. A Câmara Municipal está a tentar criar condições que possibilitem a construção no mesmo local, de um novo pavilhão para albergar mais 44 animais, que contempla ainda a criação de um novo espaço de recreio para os cães. Também gostávamos de ter um Gatil, porque não são só os cães que nos preocupam, mas de momento a prioridade é um novo espaço para o Canil Municipal. O abate de cães não é uma opção mas essa decisão tem custos acrescidos para a Autarquia. De que forma a CMA tem conseguido gerir esta situação? É uma luta diária, para a qual contribui de forma positiva a Associação “Os Canitos”. Contamos com a colaboração efectiva e real no terreno desta associação, que nos ajuda a manter esta visão e por isso não procedemos ao abate de animais. Não esquecendo também à Associação Alfaite que colabora na defesa dos direitos dos animais. Não posso deixar de mencionar o apoio dos voluntários que através do seu tempo e da doação de bens materiais contribuem para a manutenção desta postura de não abate de animais. Alcochete é dos poucos concelhos do País a ter esta postura. Todavia, os gastos com o Canil Municipal são enormes, só o ano passado totalizaram mais de 37 mil euros, pois a Autarquia assume o pagamento das rações, dos encargos com 3 trabalhadores, a tempo inteiro, da veterinária municipal que dá o seu apoio dentro das suas competências, além de todo material necessário, desde coleiras a medicação. É possível em qualquer altura adoptar um animal que esteja no Canil Municipal? Sim, é possível. Nós temos promovido algumas campanhas nesse sentido, os nossos cães são devidamente chipados, vacinados e têm um relatório que comprova que estão aptos para adopção. Em caso de dúvidas eu aconselho, porque existe essa possibilidade, que as pessoas levem o cão por um fim-de-semana ou por um período de 2 a 5 dias, para ver se há uma adaptação ou não ao animal. A adopção de um animal deve ser um acto pensado e deve ser assumido para o resto da vida porque de facto um cão é um amigo que temos para a vida.


10.inalcochete | Outubro 2011

Informação da Câmara Municipal de Alcochete

inVIDA

SEMANA EUROPEIA DA MOBILIDADE EM ALCOCHETE

Transportes alternativos em destaque no Largo de S. João

TRANSPORTES “AMIGOS DO AMBIENTE” ESTIVERAM À DISPOSIÇÃO DOS MUNÍCIPES NO LARGO DE SÃO JOÃO

“Mobilidade Alternativa” foi o tema da Semana Europeia da Mobilidade 2011, assinalada em 63 Municípios portugueses, entre 16 e 22 de Setembro. Alcochete também se associou a esta campanha promovida pela Comissão Europeia e, nos dias 17 e 18 de Setembro, o Largo de São João foi o ponto de partida para a circulação de veículos alternativos. Sensibilizar os munícipes para a utilização de veículos não emissores de poluição, como a bicicleta, em prol de uma vida urbana mais saudável, foi um dos principais objectivos da Câmara Municipal ao aderir a esta iniciativa. “O nosso Concelho tem condições muito propícias para a utilização de transportes alternativos e, como tal, o uso da bicicleta é fácil de im-

plementar”, destacou o Vereador da Rede Viária, José Luís Alfélua. Para o autarca, a generalização do uso da bicicleta não deverá ser apenas uma ambição individual, mas de todas as instituições que desenvolvem actividade no Município “que devem fomentar a mobilidade sustentável e a circulação de transportes alternativos”. O Verea-

dor referiu ainda que a Câmara Municipal tem colocado, em diversos espaços públicos, equipamentos que permitem o estacionamento de bicicletas, e está a elaborar um estudo para identificar os circuitos de bicicletas e pedonais existentes no Concelho. Segways, pedalkarts, bicicletas e bicicletas eléctricas foram os transportes alternativos que es-

tiveram à disposição dos munícipes que foram alertados para novos conceitos de mobilidade. A utilização de transportes públicos foi também incentivada nestas comemorações através da “Eco-Trocas – Viagens a Troco de Lixo”, uma iniciativa promovida pela S.Energia que possibilitou aos cidadãos trocarem resíduos sólidos recicláveis por bilhetes para transportes públicos. Para os mais novos foram programadas algumas iniciativas lúdicas, como um insuflável em forma de crocodilo e o touro mecânico, que incentivaram o convívio e a diversão ao ar livre. As Comemorações da Semana Europeia da Mobilidade em Alcochete foram uma iniciativa promovida pela Câmara Municipal, com o apoio da S.Energia, da Associação GilTeatro e da PlayEventos.

Mais de três centenas de pessoas participaram na V Semana Sénior Mais de três centenas de pessoas participaram nas actividades integradas na V Semana Sénior, promovida pela Câmara Municipal no início do mês de Outubro para assinalar o Dia Internacional do Idoso. Sensibilizar a população sénior para a importância de adoptar estilos de vida saudáveis e reforçar a importância do papel dos seniores na vida da comunidade através da sua participação na organização e dinamização de eventos foram também objectivos da Semana Sénior. Espectáculos musicais, visita à Quinta da Regaleira, ida ao cinema e rastreios foram as acti-

OS RASTREIOS DECORRERAM EM TRÊS LOCAIS DO CONCELHO

vidades dirigidas aos seniores com destaque para o convívio com baile realizado no Quartel dos Bombeiros de Alcochete. A V Semana Sénior foi organizada pela Câmara Municipal, em colaboração com as associações de Reformados de Alcochete e de Samouco, Juntas de Freguesia, Agrupamento de Centros de Saúde da Península de Setúbal Arco Ribeirinho, associações de Reformados de Alcochete e de Samouco, Farmácias Cavaquinha e Nunes, MDM Pulse, Intermarché de Alcochete, Sapropor, Pingo Doce e Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Alcochete.


Outubro 2011 | inalcochete.11

Informação da Câmara Municipal de Alcochete

inVIDA

8.º FESTIVAL DE EXPRESSÕES IBÉRICAS

Alcochete foi ponto de encontro entre artistas da Península Ibérica Entre 23 de Setembro e 15 de Outubro, os ritmos e as artes ibéricas estiveram em destaque na agenda cultural do Município de Alcochete. Velha Gaiteira, Lula Pena e Marco Rodrigues foram apenas alguns dos artistas que integraram a 8.ª edição do Festival de Expressões Ibéricas, um evento que para o Vereador da Cultura, Paulo Alves Machado, inscreve-se como “um dos mais interessantes a nível nacional”.

Foto: António Sousa

“O FEI assume um pioneirismo e a manutenção de uma identidade muito interessante, com abordagens que me parecem ser verdadeiramente sugestivas”, referiu Paulo Alves Machado sobre o Festival de Expressões Ibéricas que, nesta 8.ª edição, abriu portas a diversas manifestações artísticas tornando-se num evento cultural mais diversificado e completo. Entre sonoridades ibéricas, peças de teatro, um documentário e outras artes performativas, a programação do FEI surpreendeu o público com iniciativas culturais originais e contagiantes.

Para o Vereador da Cultura, a 8.ª edição do FEI teve um “resultado muito positivo”, sendo que a promoção de várias artes ibéricas foi, sem dúvida, uma mais-valia. “Conseguimos chegar a uma definição de uma programação muito interessante e abrangente, com uma matriz de expressão ibérica, não só limitada à vertente musical, mas aberta a outras áreas como o teatro, às artes performativas e às exposições e, portanto, do ponto de vista do seu impacto, eu diria que estamos perante um Festival interessante e diversificado”, destacou.

ALGUMAS DAS INICIATIVAS QUE DECORRERAM NO 8.º FESTIVAL DE EXPRESSÕES IBÉRICAS…

SPIRITS Ao Festival de Expressões Ibéricas também não faltaram espectáculos de rua. No Jardim do Coreto, com a performance “Spirits”, a companhia PIA (Projectos de Intervenção Artística) demonstrou, mais uma vez, a originalidade que a distingue. Quase de uma forma omnipresente, os actores envolveram-se numa dança silenciosa e pairaram em harmoniosas formas como se de espíritos se tratassem.

TANGO “Tango” é a exposição de fotografia e de desenho de Alexandre Costa e Marlene Pohle que pode ser visitada no Fórum Cultural de Alcochete até ao próximo dia 30 de Dezembro. Esta mostra, cuja inauguração assinalou o início do 8.º Festival de Expressões Ibéricas, apresenta os olhares dos dois artistas sobre os ritmos do tango e da noite de Buenos Aires.

MERCEDES PEÓN E no passado dia 8 de Outubro, a world music esteve ao rubro no Fórum Cultural com a actuação da compositora, cantora e multi-instrumentalista galega, Mercedes Peón. Tendo o palco como um autêntico espaço de criação, Mercedes Peón combina na perfeição percussões tradicionais e outras influências ancestrais com sons eléctricos e ritmos mais arrojados. Como resultado desta fusão, o público do FEI desfrutou de uma noite inesquecível, em que as novas sonoridades foram mais que bem-vindas.

LULA PENA Em Alcochete, o Dia Mundial da Música,1 de Outubro, não poderia ter sido comemorado de melhor forma. O Fórum Cultural recebeu aquela que é considerada uma das vozes mais inquietantes da contemporaneidade: Lula Pena. A solo no palco, apenas acompanhada por uma guitarra, Lula Pena convidou o público a ingressar numa viagem pelos temas do seu último álbum, “Troubadour”. Lula Pena revelou uma performance surpreendente que não deixou ninguém indiferente.

MARCO RODRIGUES Coube ao fadista Marco Rodrigues encerrar o 8.º Festival de Expressões Ibéricas com um concerto que superou as expectativas do público presente no Fórum Cultural, no passado dia 15 de Outubro. “Tantas Lisboas”foi o álbum que Marco Rodrigues apresentou em Alcochete, numa noite em que não faltaram momentos especiais protagonizados pelo fadista e violista. Mafalda Arnauth também esteve no encerramento do FEI, subindo ao palco para interpretar o tema “Valsa das Paixões”com Marco Rodrigues. “Tantas Lisboas”, “A Rima mais Bonita”e “O Homem do Saldanha” foram temas que se fizeram ouvir nesta noite dedicada ao fado.


12.inalcochete | Outubro 2011

in

Informação da Câmara Municipal de Alcochete FEIRAS PROMOVEM PRODUTOS LOCAIS Organizada pela Câmara Municipal, a “Feira Produtos da Terra” regressa ao Mercado Municipal já no próximo dia 29 de Outubro, entre as 08h00 e as 16h00. Produtos hortícolas, flores, mel, vinhos, doçaria e artesanato locais vão estar à venda na terceira edição desta Feira que fomenta a aproximação entre produtores e consumidores locais. A 26 de Novembro, os produtos locais voltam a estar em destaque, mas, desta vez, no Jardim do Coreto no âmbito da Feira Agrícola de Outono promovida pela Casa do Povo de Alcochete. Durante este evento, que vai decorrer entre as 09h00 e as 15h00, os munícipes vão poder adquirir vários produtos agrícolas locais.

MOVIMENTO

ENTREVISTA A CARLOS CORTES, PRESIDENTE DA DIRECÇÃO DO GRUPO DESPORTIVO ALCOCHETENSE

ALCOCHETENSE MANTÉM APOSTA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS

Quase a festejar 75 anos, o Grupo Desportivo Alcochetense reforçou nos últimos anos o seu património com mais infra-estruturas para incremento do desporto nas camadas jovens. A estabilidade financeira do Clube é o principal objectivo da actual Direcção, liderada desde 2006 por Carlos Cortes, que vê o novo plantel dos seniores como um “grupo coeso e consistente”, apoiado por um colectivo que está habituado a ir à luta. Após tomar posse como Presidente da Direcção do GDA em 2006, definiu que os seus objectivos seriam “dignificar o clube” e “fazer uma gestão participada de modo a que haja equilíbrio financeiro”. Qual o balanço do mandato? Um dos pressupostos que também é importante é a formação. Em primeiro lugar, temos a consciência tranquila em relação ao que nos propusémos na questão da formação. Está mais do que provado de que a nossa aposta está a ser conseguida e a prova disso é que no actual plantel dos seniores há 13 jovens que vieram dos escalões de formação. Quanto à dignificação do clube, ela nem se põe em causa. Temos procurado por todos os meios continuar a honrar o nome do clube e a dignificá-lo e não nos podemos esquecer que o Desportivo vai fazer 75 anos para o próximo ano. Sobre a gestão participada posso dizer que não houve nenhuma medida de carácter desportivo, financeiro ou estratégico que não fosse discutida, votada e aprovada, isto é, nunca houve a tendência da decisão centralizada. Tudo o que temos feito, inclusivamente a obra de maior vulto não só para o Clube mas também para o Concelho, que foi dotar o Clube de infra-estruturas que permitiram a expansão das nossas actividades, fizemo-lo com a aprovação, em Assembleia-Geral, de todos os sócios presentes. Quanto à questão financeira, temos que distinguir duas vertentes: a operacional, do dia-a-dia e dos fins-de-semana e o financiamento solicitado para as infra-estruturas, uma vez que esta obra só foi possível com a venda do terreno contíguo à Rua da Tacôa, e, entre estas duas vertentes, temo-nos nos sentido verdadeiramente sufocados e é um pouco como em todo o País.

Relembro que nós começámos as obras em 2007 e fomos surpreendidos com a crise na alienação do terreno porque ela só foi feita, em termos reais, no final do ano passado, princípios deste ano e falta ainda fazer a escritura. Tenho que dizer que contámos com a excelente colaboração do Gabinete de Urbanismo e do Executivo da Câmara Municipal de Alcochete. É aqui que se vêem realmente os verdadeiros laços de associativismo entre instituições. Temos sido penalizados por uma situação que é do conhecimento dos sócios que estiveram na última AG porque, para além dos custos operacionais, pelo facto de termos contraído esse financiamento, temos que pagar juros e o seu montante tem sido muito elevado. Se considerarmos 2008 a 2011 temos 130 mil euros de juros pagos à Caixa de Crédito Agrícola Mútuo. As nossas receitas não são muitas. Há parceiros

que nos têm acompanhado e têm cumprido mas também há parceiros que não cumprem há muito tempo e infelizmente as coisas no nosso País arrastam-se. Todos os escalões de formação têm um treinador, um treinador adjunto, um fisioterapeuta e massagistas, coisas que não existiam. E no que diz respeito ao futebol sénior, antes de começar a época fui abordado por alguns sócios que preconizavam, perante a crise que o País vive, o próprio Clube e o Concelho, que deveríamos acabar com o futebol sénior, e outros sócios que diziam o contrário: “não, acaba-se com a formação e fica-se só com os seniores”. Decidimos continuar com a formação porque é um trabalho que só tem resultados com o esforço de muitos dirigentes e quando os jovens começam a aparecer no 1.º escalão. Por outro lado, se acabássemos com o futebol sénior iríamos deitar fora anos de trabalho e as mais-valias, os

O ALCOCHETENSE SEGUE NA TAÇA DE PORTUGAL APÓS A FESTEJADA VITÓRIA AO UNIÃO DE LEIRIA

activos do Clube, que são esses miúdos que já jogam no 1.º escalão. No futebol sénior reduzimos 50 por cento do orçamento e conseguimos economias na ordem dos 15 mil a 20 mil euros por época desportiva nas despesas variáveis. Porque é que decidiram não vender o terreno do Campo antigo e propor a venda da parcela de terreno contígua à Rua da Tacôa? É muito simples e a resposta no dia-a-dia está dada. Porque não podemos ter formação sem termos condições e o nosso campo, o velhinho “Foni”, estava interdito para provas oficiais e havia muitas dúvidas de como seria a evolução em termos urbanísticos. O que acontece é que para podermos ter captações e uma maior diversidade de miúdos tínhamos que ter condições e, hoje em dia, o Alcochetense, ao nível patrimonial, é um dos clubes que está em primeiro lugar entre os clubes da Associação de Futebol de Setúbal. Ainda ontem alguns sócios diziamme que, tirando os primórdios, nos últimos 20 anos, é a primeira vez que o Clube tem 13 atletas da formação num plantel de 22 jogadores. Quais as obras e o investimento realizados desde 2006? Foi colocado um relvado sintético no antigo Campo, construídas as necessárias infra-estruturas, a bancada para 500 lugares, a iluminação eléctrica e a rega automática, ou seja, neste momento, o Desportivo pode disputar jogos oficiais quer no relvado principal, quer no Campo de Jogos. Construímos os dois Campos de Ténis com os parâmetros que permitem jogos oficiais. Construímos uma pista de atletismo para 100 metros, 110 metros barreiras, 60 metros, salto em comprimento, triplo salto, que tem sido utilizada em várias manifestações desportivas, e temos outro segundo relvado sintético no topo sul onde se pode jogar futebol de 5 e de 7 e que serve de apoio à formação. O Clube não tinha meios de deslocação, em termos de segurança, para o transporte dos miúdos e fizemos esse investimento. Estamos a falar globalmente de 900 mil euros. Nos anos 80, a Câmara Municipal de Alcochete doou ao Alcochetense uma área superior a 25 mil metros quadrados para a construção de um Estádio. Na década seguinte construiu o Estádio com apoio de fundos comunitários, dotado de uma área comercial para receita do Clube, para além dos ganhos com a venda das garagens situadas na Rua Maria Lamas. Já em 2007, o Executivo liderado pelo actual Presidente da Câmara autorizou a venda da parcela de terreno junto à Rua da Tacôa para viabilizar a manutenção do antigo Campo de Jogos e a construção das novas infra-estruturas. O que é que este património significa para Clube? Representa um engrandecimento, uma maior valia no sentido de que o Clube está maior e tem um património avaliado num valor muito considerável. Agora nada disto seria possível sem a ajuda essencial do actual Executivo Municipal, com o qual tem havido um excelente relacionamento, em relação àquilo que é o nosso objectivo, que é a prática do desporto, mas não


Outubro 2011 | inalcochete.13

Informação da Câmara Municipal de Alcochete Foto: Rute Martins

“ALCOCHETE EXTREME” PROMOVE TRAVESSIA EM PADDLE SURF NO TEJO Em Setembro, a Associação Alcochete Extreme organizou a primeira travessia no rio Tejo em paddle surf, uma modalidade desportiva inovadora que mistura técnicas de canoagem e surf. Cerca de 36 pessoas marcaram presença nesta travessia que desafiou os participantes a remarem 15km com início no Parque das Nações, em Lisboa, e chegada na Praia dos Moinhos, em Alcochete. Segundo Luís Boal, um dos representantes da Associação Alcochete Extreme, esta foi uma iniciativa pioneira realizada no rio Tejo “muito

só, também quanto à inserção social, ao apoio à formação dos jovens e por aí fora. Com estatuto de instituição de utilidade pública, o GDA foi fundado em 1 de Janeiro de 1937. Quais os troféus mais significativos? Já fomos campeões distritais da 1.ª Divisão nas épocas desportivas de 1972/1973, 1997/1998, 2004/2005 e 2008/2009 e isto permitiu o acesso à 3.ª Divisão Nacional e inclusivamente disputámos o Campeonato da II Divisão, que é actualmente a Série B. Nos escalões de formação temos sido campeões distritais de futebol em diferentes níveis mas gostava de realçar uma situação que me deu particular prazer: é que independentemente da obsessão de ganhar, temos sido distinguidos, nos escalões de formação, com o Troféu Fairplay da Associação de Futebol de Setúbal e isto quer dizer que não queremos nem desejamos que a nossa formação seja obsessivamente orientada para a vitória, independentemente do meio que se utiliza para a atingir. Procuramos dar formação, amadurecer o carácter dos miúdos, apoiar aqueles que aparecem com alguma interferência menos positiva, formá-los essencialmente como homens e o resultado tem sido muito positivo. Quando assumiu a liderança defendeu a aposta nas camadas mais jovens. Qual o balanço do trabalho desenvolvido e quantos jovens praticam desporto? Vamos ter quatro “aulas” nos escalões de préformação, que são os escalões daqueles meninos que ainda não podem entrar em competição, para tomarem contacto com a bola e divertirem-se. Depois vamos ter quatro escalões no Futebol de 7, já de competição. No Futebol de 11 vamos ter quatro escalões e este ano vai haver uma novidade, que achamos importante, que é termos mais uma equipa de iniciados. Ou seja, vamos ter Iniciados A e B, Juvenis e Juniores. Portanto, vamos ter cerca de 280 miúdos dos 5 aos 18 anos envolvidos no futebol. Quais os objectivos nesta época desportiva, nomeadamente quanto à equipa sénior? O principal objectivo é estabilizar financeiramente o Clube mas, em termos da equipa sénior, temos um objectivo a atingir que é ficar entre os seis primeiros da classificação e fazer o que temos vindo a fazer nos outros anos. Nunca viramos a cara, vamos sempre à luta, umas vezes melhor, outras vezes menos bem. O que é certo é que não gostamos de perder, mas também sabemos que temos um grupo coeso, consistente, jogadores que quando entram em campo dão tudo aquilo que têm. Qual a implantação do GDA no Concelho? Não tenho a mínima dúvida que hoje o GDA se situa entre os três, quatro primeiros clubes da Associação de Futebol de Setúbal, não só pela sua dimensão, como pela quantidade de escalões em que compete. Daí eu dizer que é uma aposta ganha que engrandece o clube, mas essencialmente leva o nome de Alcochete a todo o lado. Ou seja, Alcochete hoje em dia, e o Desportivo em particular, são conhecidos praticamente desde Sines até Castelo Branco, já para

bem sucedida”, na medida em que se registou uma boa adesão, num dia em que as condições meteorológicas também ajudaram. Para além desta iniciativa pontual, e porque a Praia dos Moinhos assume-se como um local de excelência para a prática deste desporto náutico, a Associação Alcochete Extreme ambiciona promover aulas regulares de paddle surf. Canoagem, kitesurf e windsurf são outras actividades promovidas por esta associação sem fins lucrativos que tem como principal objectivo a dinamização da Praia dos Moinhos através da realização de diferentes actividades náuticas.

inMOVIMENTO

não falar das eliminatórias da Taça de Portugal. Todos conhecem o Alcochetense e eu penso que isso honra o passado. Quantos sócios têm e qual o apoio que têm dado aos órgãos directivos? O GDA tem cerca de 900 sócios. Quanto ao apoio dos sócios, infelizmente, tenho que lhe dizer que tem sido muito pouco. Não quero melindrar ninguém com isto mas começo pela própria Direcção, em que há 4/5 directores que praticamente têm que fazer tudo o que é inerente ao Clube e em relação aos sócios e aos adeptos nunca nos chegou alguém a dizer: “precisam de alguma ajuda nisto ou naquilo?” É que nós não precisamos só de dinheiro, muitas vezes precisamos de outras coisas, nem que seja aquele trabalho que temos que pagar a terceiros. As soluções ou sugestões nunca apareceram, pelo contrário, quando fazemos alguma coisa, temos sempre críticas, mas com elas vivemos bem porque é sinal de que fizemos alguma coisa. Nas comemorações da Restauração do Concelho em 2010, a Câmara de Alcochete distinguiu o GDA com a Medalha de Mérito Desportivo. Qual o significado desta distinção para o Clube? Tem um significado enorme porque eu, na qualidade de Presidente da Direcção do Alcochetense, tenho uma admiração profunda pelo actual Executivo porque sei o que têm feito em nome desta colectividade e das outras. É sinal de que, para a Câmara, a colectividade chamada Grupo Desportivo Alcochetense tem demonstrado que tem cumprido e executado aquilo que é a sua verdadeira missão. E ficamos muito orgulhosos e agradecidos pela distinção, que dificilmente poderemos retribuir a não ser com a defesa intransigente do nome de Alcochete. Em Janeiro de 2012, o Clube vai festejar 75 anos. Qual seria a prenda ideal? Que entrássemos no dia 1/1/2012 com o Clube estabilizado financeiramente, com tudo regularizado ou em vias de regularização, sem pôr em causa as actividades do Clube. Penso que, apesar de não termos meios nem condições, gostaríamos que alguém se juntasse a nós na Direcção para formarmos uma comissão e, mesmo sem dinheiro, organizarmos uma comemoração especial. Não se faz 75 anos todos os dias, principalmente nos dias de hoje. Como perspectiva o futuro do Clube? Sou, por natureza, uma pessoa optimista mas com os pés assentes no chão e isso também é do conhecimento e comungado pelos colegas que me têm acompanhado. Fizemos a maior obra dos últimos anos ao nível das infra-estruturas, portanto no futuro o Clube terá que tirar partido delas para gerar os seus próprios activos e ter uma postura ao nível financeiro de auto-sustentação e ao nível desportivo de se situar sempre em lugares que lhe permitam “discutir” as melhores classificações. Oxalá nos ajudem porque realmente precisamos de ajuda com as dificuldades que temos enfrentado e que estamos a enfrentar. Não tem sido fácil.

ADSRUGBY PROMOVE MODALIDADE NO CONCELHO ADSrugby é o novo projecto que a Associação Desportiva Samouquense abraça com o objectivo de promover, no Concelho, o râguebi e os valores associados a esta modalidade de génese amadora. O grande impulsionador deste projecto é o ex-lobo Paulo Murinello, que assume as funções de Director Técnico, à frente de uma equipa que integra nomes que se destacaram no râguebi nacional, nomeadamente, como Head Coach o árbitro internacional Pedro Murinello, como Director Desportivo, o campeão nacional pelo Belenenses, Fernando Esteves e na Coordenação Técnica de Escalões de Formação o treinador certificado e licenciado pela FMH, Ivo Quendera. A ADSrugby pretende implementar a prática da modalidade nas escolas e criar uma escola de râguebi, mas numa primeira fase tem como principal objectivo envolver a comunidade neste desporto diferente, pois este é um projecto que além de apostar nas vertentes de competição e de formação, quer generalizar a prática do râguebi numa filosofia de desporto para todos. Paulo Murinello considera que o Complexo Desportivo de Samouco tem condições excelentes para a prática da modalidade e para o sucesso deste projecto: “Queremos tentar replicar o que acontece na Irlanda, na África do Sul e na Nova Zelândia, três potências do râguebi, que têm uma representação provincial, ou seja, a nossa ideia é criar um clube de representatividade regional, cujo objectivo último é a promoção da modalidade”. Actualmente, a ADSrugby tem 35 jogadores inscritos na equipa sénior a competir pela primeira vez na segunda divisão nacional da Federação Portuguesa de Rugby e 20 jogadores inscritos nas camadas jovens. As inscrições estão abertas para os escalões sub-8 até sub-21 e devem ser efectuadas nas instalações da ADS, às terças e quintas-feiras, das 18h30 às 22h00, ou através da página www.facebook.com/ADS.RUGBY .

ESTÃO DE PARABÉNS EM OUTUBRO… Grupo Académico da Juventude de Alcochete | 1 de Outubro de 1965 Grupo Motard Alcochete | 1 de Outubro de 2006 Associação Cultural e Desportiva da Comissão de Moradores do Bairro 25 de Abril | 4 de Outubro de 1979 Alfaiate – Associação para a Defesa e Protecção dos Animais em Alcochete | 17 de Outubro de 2003 Associação de Fotografia e Cultura de Alcochete | 28 de Outubro 2010 Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Alcochete 31 de Outubro de 1948 EM NOVEMBRO... Casa do Benfica de Alcochete | 5 de Novembro de 2005 Organização de Reformados, Pensionistas e Idosos da Freguesia de Samouco | 8 de Novembro de 1989


14.inalcochete | Outubro 2011

Informação da Câmara Municipal de Alcochete

inPLURAL

A Assembleia Municipal reuniu em sessão ordinária a 22 de Setembro último, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, para deliberar sobre o Imposto Municipal sobre Imóveis para o ano de 2012, o Lançamento de Derrama para o ano de 2012, a Participação Variável no IRS para o ano de 2013 e a Alteração ao Contrato de Mútuo celebrado com a Caixa de Crédito Agrícola entre Tejo e Sado, CRL – Reafectação da quantia objecto de Mútuo. Além dos assuntos que constavam da Ordem do Dia, os deputados municipais abordaram diferentes assuntos que consideraram relevantes para o Município.

Bancada da Coligação Democrática Unitária o período que antecedeu a Ordem do Dia, a bancada da CDU manifestou preocupação quanto à qualidade do ensino em Portugal e sobre as questões conturbadas e complexas a que se tem assistido. A deputada Olívia Silva solicitou informações ao Executivo Municipal sobre a forma como se processou o início do ano lectivo no Concelho, sobre os problemas que teve de enfrentar e quais os desafios que se apresentam à Autarquia. O Executivo Municipal esclareceu a deputada municipal sobre as questões colocadas. Na discussão dos Assuntos Relevantes para o Município, na sequência da intervenção do deputado Francisco Giro, a deputada Raquel Prazeres esclareceu que, enquanto representante da Assembleia Municipal na Comissão Alargada de Protecção de Crianças e Jovens de Alcochete, foi a única que esteve presente na reunião que antecedeu as duas últimas, e que antecipadamente apresentou justificação da sua ausência para as duas que se seguiram, o que não se verificou na reunião em que esteve presente. No período de discussão e aprovação de Propostas de Moção, a bancada da CDU apresentou uma moção intitulada “Manifestação 1 de Outubro”, que foi aprovada, por maioria, com 13 votos a favor da bancada da CDU, com seis abstenções do PS e dois votos contra da bancada do PSD. O deputado Fernando Leiria considerou lamentável a rejeição desta proposta de moção pela bancada do PSD, considerando que os factos são verdadeiros e que é na rua que a democracia dá liberdade de expressão a todos os cidadãos. O deputado municipal alertou ainda para existência de tumultos, considerando que o aumento de impostos, o trabalho precário e os despedimentos sem justa causa colocam o poder democrático em causa. Quanto às matérias que constaram na Ordem do Dia os deputados da bancada da CDU votaram favoravelmente as propostas “Imposto sobre Imóveis para o ano de 2012” e “Lançamento da Derrama para o ano de 2012”. As propostas foram aprovadas por maioria, com 13 votos a favor da bancada da CDU e dois da bancada do PSD, e seis abstenções da bancada do PS. Em relação ao ponto 4 “Participação Variável no IRS para o ano de 2013” os deputados da Coligação Democrática Unitária votaram de forma favorável, tendo a proposta sido aprovada por unanimidade. A proposta “Alteração ao Contrato de Mútuo celebrado com a Caixa de Crédito Agrícola entre Tejo e Sado, CRL – Reafectação da quantia objecto de mútuo” teve os votos favoráveis da bancada da CDU, tendo sido aprovada por maioria, com os votos a favor da bancada do PS e abstenção dos deputados do PSD. Em relação a esta proposta António Almeirim, presidente da Junta de Freguesia de Samouco, manifestou concordância pelo facto de estar em causa o bom nome da Câmara Municipal e solicitou que fosse elaborada uma informação séria e real com os nomes dos culpados dessa situação, que impossibilita a construção do Reservatório Apoiado de Água no Samouco. (A proposta diz respeito ao pagamento de uma verba, para dar cumprimento a uma decisão legal, referente a trabalhos adicionais realizados no Fórum Cultural de Alcochete e que impossibilita a construção de um Reservatório Apoiado de Água no Samouco). Após a votação, a bancada da CDU apresentou uma declaração de voto, onde refere que esta é a única solução para o problema.

N

Bancada do Partido Socialista

Bancada do Partido Social Democrata

A

A

ntes da Ordem do Dia, e por ocasião do início do ano lectivo, o deputado municipal Fernando Pinto, questionou o Executivo Municipal sobre a educação no Concelho e os termos inerentes ao envolvimento das Associações de Pais das respectivas escolas no arranque do ano lectivo. No que diz respeito à desafectação de uma parcela de terreno do domínio público municipal para domínio privado, para edificação no Valbom de um supermercado da cadeia Pluricoop, aprovada pela Assembleia Municipal, a 13 de Novembro de 2009, o deputado questionou o Executivo Municipal sobre o que vai ser feito em relação a esta parcela de terreno, uma vez que volvidos praticamente 2 anos, a Pluricoop está a atravessar um processo de insolvência. O Executivo Municipal respondeu às questões colocadas pela bancada do PS. No período dedicado aos Assuntos Relevantes para o Município o deputado municipal Francisco Giro informou, enquanto representante da Assembleia Municipal na Comissão Alargada de Protecção de Crianças e Jovens de Alcochete, que decorreram duas reuniões desta comissão no dia 14 de Julho e no dia 15 de Setembro, mencionando também que deve ser objecto de reflexão por parte da Assembleia Municipal o facto de ter sido difícil a existência de quórum para a mesma funcionar. O deputado manifestou preocupação sobre o bom funcionamento de uma comissão que considera fundamental para o Concelho, sublinhando que nestas reuniões foi o único representante da Assembleia Municipal a estar presente, ainda que os elementos que faltaram tivessem apresentado as devidas justificações. No âmbito da Discussão e Aprovação de Propostas de Moção, após a votação da Moção “Manifestação 1 de Outubro”, aprovada, por maioria, com seis abstenções dos deputados socialistas, a bancada do PS apresentou uma declaração de voto, por não concordar em parte com o conteúdo da moção. No período dedicado à Ordem do Dia os deputados socialistas abstiveram-se no ponto 2 “Imposto sobre Imóveis para o ano de 2012” e no ponto 3 “Lançamento da Derrama para o ano de 2012”. Ambas as propostas foram aprovadas por maioria. Em relação ao ponto 4 “Participação Variável no IRS para o ano de 2013” e ponto 5 “Alteração ao Contrato de Mútuo celebrado com a Caixa de Crédito Agrícola entre Tejo e Sado, CRL – Reafectação da quantia objecto de mútuo”, os deputados socialistas votaram favoravelmente às propostas apresentadas. O deputado municipal, Francisco Giro, teceu alguns comentários sobre o ponto 5 referindo que esta decisão vai prejudicar a população de Samouco e que a bancada do PS não concorda com o procedimento que foi adoptado no passado e que provocou este fim. No entanto considera que o Fórum Cultural é um equipamento que promove a cultura de Alcochete e que ajuda a promover, para além do nosso Concelho, a identidade cultural local.

ntes da Ordem do Dia, a deputada Raquel Saraiva chamou a atenção para o mau estado de conservação do parque infantil na Urbanização da Lagoa do Láparo (Quebrada Norte) em Alcochete e questionou o Executivo Municipal sobre o grau de execução orçamental do corrente ano e qual o atraso aplicado aos pagamentos da despesa corrente. O deputado municipal Luiz Batista questionou o Executivo Municipal sobre o elevado número de comunicados entre a Câmara Municipal e as Associações de Pais, que marcou de forma negativa o arranque do ano lectivo nas escolas de Ensino Básico do Concelho. O deputado quis saber ainda qual a razão de o Executivo Camarário ter este ano assumido a promoção das CAF e porque razão a Autarquia não se candidatou este ano à promoção das AEC. O deputado Luiz Batista pediu ainda esclarecimentos sobre a actual situação da Estação Elevatória localizada numa parcela de terreno da Quinta da Pacheca, que até à data não estava funcionar. O Executivo Municipal respondeu às questões colocadas pela bancada do PSD. Durante o período dedicado aos Assuntos Relevantes para o Município a bancada do PSD saudou o recomeço das obras do Centro Escolar de São Francisco, fazendo votos que sejam respeitados os prazos e que o referido equipamento seja colocado ao serviço das crianças do Concelho. O deputado Luiz Batista referiu que se fosse o PSD responsável por esta Câmara não teria seguido o procedimento por ela adoptado. O Executivo Municipal respondeu à questão colocada pela bancada do PSD. No período de Discussão e Aprovação de Propostas de Moção, a bancada do PSD rejeitou a moção apresentada pela bancada da CDU “ Manifestação 1 de Outubro” por considerar que o País não precisa de manifestações de rua, mas sim de enfrentar a crise, que é grave. Quanto às matérias que constam na Ordem do Dia a bancada do Partido Social Democrata votou favoravelmente às propostas “Imposto Municipal sobre Imóveis para os ano de 2012” e “Lançamento de Derrama para 2012”. Ambas as propostas foram aprovadas por maioria. A proposta “Participação Variável no IRS para o ano de 2013” teve os votos a favor dos deputados do PSD tendo sido aprovada por unanimidade. Os deputados da bancada do PSD abstiveram-se na proposta sobre a “Alteração ao Contrato de Mútuo celebrado com a Caixa de Crédito Agrícola entre Tejo e Sado, CRL – Reafectação da quantia objecto de mútuo” que foi aprovada, por maioria. Sobre esta proposta o deputado municipal, Luiz Batista questionou o Executivo Camarário sobre a verba que estava orçamentada para o Reservatório Apoiado de Água do Samouco. Quanto à questão da construção do Reservatório de Água, a bancada do PSD questionou o Executivo se não haveria uma outra alternativa, pois a Câmara tem património, de forma a não prejudicar a população de Samouco, em relação a um bem público tão essencial como é a água. O Executivo Municipal respondeu às questões colocadas pela bancada do PSD.

As Moções e Declarações de Voto apresentadas pelos deputados municipais durante a sessão da Assembleia Municipal estão disponíveis em www.cm-alcochete.pt


Outubro 2011 | inalcochete.15

Informação da Câmara Municipal de Alcochete

inEMPRESARIAL

ENTREVISTA A CARLOS BAPTISTA, DIRECTOR DA CROWN CORK & SEAL

Empresa produz 300 milhões de embalagens por ano Fortemente posicionada na indústria das embalagens, a multinacional Crown Cork & Seal opera em vários países do mundo. Em Portugal, a Crown dedica-se à produção de embalagens metálicas para produtos alimentares e a sua fábrica está instalada em Alcochete. Em entrevista ao InAlcochete, o Director Carlos Baptista fala-nos do percurso desta empresa e dos investimentos que se avizinham. A Crown Cork & Seal é uma multinacional que está sedeada em Alcochete. Pode fazer um enquadramento global da sua actividade? A Crown é uma multinacional americana, que tem empresas em todos os continentes e em vários países, havendo duas divisões muito importantes, sendo que a Europeia é, talvez, uma das mais importantes. Temos uma sede em Zurique, um laboratório central de investigação e desenvolvimento em Inglaterra e depois temos empresas em todos os países, nomeadamente no sector ibérico. A Crown dedica-se a produzir embalagens metálicas, que podem ser para produção alimentar, para produtos industriais, bebidas ou cosméticos e, até há bem pouco tempo, produzia também embalagens de plástico. Portanto, temos a nossa actividade dividida por áreas de negócio. Temos definitivamente uma área para produtos alimentares, a que nós chamamos Crown Food, temos a Crown Special Packaging, relacionada com tintas e coisas do género, temos o Peer and Beverage que são só embalagens para bebidas carbonatadas, como a cerveja ou a coca-cola, e temos a área das tampas, que é uma área de negócios específica. No âmbito destas áreas, nós, em Alcochete, pertencemos ao Food e só produzimos latas e embalagens metálicas para produtos alimentares. E qual o percurso da Crown Cork & Seal em Portugal? A Crown existe em Portugal desde 1956. Tínhamos uma fábrica em Lisboa que só se dedicava à produção de caricas e de latas de três peças e, mais tarde, adquirimos uma fábrica em Ovar onde só se fabricavam latas para peixe. Na altura a Crown tinha uma concorrente, que era a Ormis e que estava sedeada aqui em Alcochete. Quando a Ormis entrou em dificuldades financeiras, fizeram uma oferta de compra à Crown, que aceitou. Quando viemos para Alcochete trouxemos os funcionários da Crown que trabalhavam em Lisboa e ficámos com os trabalhadores da Ormis.

A Crown, em Alcochete, produz embalagens para que tipo de produtos alimentares? Nós abastecemos três mercados distintos: o mercado das latas de peixe, o mercado dos vegetais, do tomate e de frutas e, por último, temos a área da cerveja para a qual produzimos as caricas que todas as pessoas conhecem. Só para lhe dizer, nós facturamos 43,5 milhões de euros, dos quais 61% são exactamente da área do peixe e 26% são da área dos vegetais e dos produtos cárneos, nomeadamente as salsichas. Ao nível da quantidade quantas embalagens produzem por ano? Das latas rectangulares compostas por duas peças, (o corpo e a tampa), às quais nós chamamos de duas peças fish, vamos produzir qualquer coisa como 230 milhões de embalagens. Em open top, que são as latas redondas (compostas por três peças) vamos produzir 70 milhões. Portanto vamos produzir, no total, 300 milhões de embalagens. Ao nível de caricas, estamos a produzir cerca de 777 milhões, mas o nosso objectivo para o próximo ano é produzir um bilião. Em 2005/ 2006, já produzimos cerca de 1,2 biliões. Quantos funcionários tem a Crown Cork & Seal? Como sabe, na última década as empresas têm funcionado muito com trabalhadores efectivos e temporários. De maneira que nós temos 200 trabalhadores efectivos, e depois temos cerca de 30 a 40 trabalhadores temporários dependendo um pouco da sazonalidade. Temos a campanha do tomate, entre Junho e Outubro, e aí sim temos que admitir trabalhadores temporários. Neste caso, na produção de embalagens para tomate em que há uma sazonalidade forte, os funcionários trabalham em turnos e, muitas vezes, aos sábados e Domingos para dar resposta ao mercado. Em relação ao peixe há também uma sazonalidade mas não tão intensa.

“Está na altura de investirmos na actualização do equipamento fabril”

Considera que a Crown já faz parte da história ou das memórias da comunidade local? Eu acho que sim porque durante muito tempo, e antes do Freeport Outlet abrir ao público, a Crown era o maior empregador em Alcochete. Por outro lado, sempre tivemos uma “paz social” muito grande. Felizmente já sou administrador da Crown desde 1992 e fui eu que orientei a transferência dos trabalhadores de Lisboa para cá e tenho uma relação com as pessoas já de há muitos anos. Por outro lado, há pequenos aspectos que, no todo, fazem com que a população goste de trabalhar aqui. Para além de estar bem situada, de estar à porta da Vila, a empresa sendo única no país goza de uma situação muito boa. Temos crescimentos anuais na casa dos 5% / 8% e acompanhamos a subida do mercado, isto é, se o mercado sobe nós também vendemos mais porque não temos concorrência doméstica. A concorrência vem de empresas sedeadas em Espanha. Em Portugal, há uma fábrica muito grande, que é a Colep, mas fabrica maioritariamente embalagens industriais e aerossóis. Estão previstos novos investimentos para a empresa? Sim. Nos últimos anos, o que fizemos foi consolidar a empresa. Há dois anos, demos prioridade aos investimentos ambientais. Tivemos que fazer um investimento na aquisição de um incinerador, uma máquina que livrou a população de Alcochete dos cheiros a vernizes

e tintas porque é tudo queimado num incinerador que nos custou mais de um milhão de euros. Tivemos também que investir internamente em condições de trabalho, em equipamentos de protecção e em áreas de segurança. Tivemos que colocar a Crown ao nível das empresas europeias, em termos de segurança e higiene no trabalho e no que respeita às questões ambientais. Fez-se um esforço grande e agora está na altura de investirmos na actualização do equipamento fabril. Há equipamentos que vão aumentar a nossa capacidade, porque já estamos no limite e também porque estamos a “olhar” para a exportação, coisa que até agora não fazíamos, para países onde a Crown não está instalada como o Peru, o Chile ou o Equador… Aliás, na América Latina, a Crown só existe no Brasil e na Colômbia onde produz latas de cerveja. Sem dúvida, o nosso investimento futuro será canalizado para a área do peixe. Serão pelos menos instaladas duas prensas de grande produção que nos irão aumentar a capacidade de produção em mais de 100 a 150 milhões de latas. Já abordou a questão da segurança… Quais as preocupações que a Crown tem a este nível? A Crown tem tido a preocupação de educar as pessoas e realizar muita formação porque, no geral, não havia muita sensibilidade para a higiene e segurança no trabalho. Nos últimos anos temos desenvolvido muitos esforços no sentido de educar as pessoas, no sentido de transmitir quais os comportamentos a adoptar numa fábrica, para que os funcionários se possam defender porque o acidente espreita a qualquer momento. A pessoa tem que saber proteger-se a ela própria, utilizar óculos de segurança quando necessário, sapatos de biqueira de metal, luvas… Enfim, há um conjunto de cuidados que tiveram que ser incutidos e, para isso, despenderam-se muitas horas de treino. Felizmente, já temos um plano organizado. A Ormis utilizava o slogan “As boas latas valorizam as boas conservas”. Adoptando este slogan ao novo conceito de produção, concorda que as boas embalagens valorizam os bons produtos? Sim, essa é uma verdade absoluta. Eu costumo dizer que a qualidade já está nos nossos produtos e já nem coloco essa questão. A nossa qualidade tem que ser e é, neste momento, muito boa. A qualidade dos nossos produtos já está adquirida, até porque trabalhamos para produtos alimentares. Por isso, uma conserva tem que ter obrigatoriamente um bom produto porque já sabemos que a lata é de boa qualidade.


16.inalcochete | Outubro 2011

Informação da Câmara Municipal de Alcochete

ENCANTOS & PATRIMÓNIO

“O espaço de Sabonha deve ser protegido e a recuperação tridimensional da Igreja de Sabonha faz parte do projecto do Plano das Memórias do Concelho”

JORNADAS EUROPEIAS DO PATRIMÓNIO

ALCOCHETE RECONSTITUIU IGREJA DE SANTA MARIA DE SABONHA O Museu Municipal de Alcochete apresentou, no dia 24 de Setembro, no Núcleo de Arte Sacra, a comunicação “Sabonha, uma Reconstrução do Passado”, uma iniciativa local inserida na programação das Jornadas Europeias do Património. Considera-se que Sabonha foi a mais antiga Igreja do actual território de Alcochete, edificada em 1252, na actual povoação de São Francisco, mas a memória colectiva relembra apenas a existência de um convento franciscano edificado em 1571 junto da velha igreja e destruído em 1836, do qual apenas restou o pórtico de entrada do espaço religioso: os “Arcos” de São Francisco. Não se conhece nenhuma iconografia do templo para que possamos visualizar o seu aspecto e a comunicação, da autoria de Miguel Correia, Arqueólogo do Museu Municipal de Alcochete, é uma proposta de reconstituição da imagem tridimensional da antiga Igreja com recurso às Visitações (inventários exaustivos)

SABIA QUE A área envolvente à Igreja de Santa Maria de Sabonha e o próprio espaço interior do imóvel funcionaram como uma necrópole, desde o século XIII até meados do século XIX, e que na capela-mor, onde estaria sepultado Afonso Arriaga, Comendador da Ordem de Santiago, existia um altar em pedra lioz, decorado com azulejos hispano-árabes. O Pórtico do Convento de São Francisco data do século XVIII, de uma fase posterior à construção do Convento em 1521 e em frente dos actuais arcos “existia um adro, um espaço aberto, destinado à realização das feiras e mercados”.

da Ordem de Santiago (com destaque para as de 1512 e 1553) e aos trabalhos arqueológicos decorridos no local durante a última década. A projecção espacial aponta para uma Igreja com 37 metros de comprimento e 15 metros de largura com a fachada principal resguardada por um alpendre e a porta principal em ogiva, respeitando o estilo gótico antigo de cariz rural que deveria caracterizar os restantes elementos arquitectónicos da igreja original. Sobre o cunhal sul assentava um pequeno campanário para dois sinos e a nave, de corpo único, podia ser ainda acedida por duas portas laterais secundárias. Ao fundo, na capela-mor com retábulo em madeira destacava-se a imagem de Santa Maria de Sabonha, segurando o Menino Jesus.

Ao longo dos tempos foram acrescentados novos volumes ao templo. Numa primeira fase, as capelas laterais, dedicadas a São Pedro e a São Brás, a Norte e Sul respectivamente, foram edificadas na viragem para o século XV. No subsolo da capela de São Brás foram identificadas em 2004, imagens de São Brás e de Santo Antão, hoje expostas no Núcleo de Arte Sacra do Museu Municipal de Alcochete. Estas imagens em pedra, que tinham sido substituídas por outras em madeira já descritas nas Visitações de 1553, foram depositadas no local da antiga Igreja e junto delas encontrava-se ainda uma imagem do Menino Jesus. Anexas ao lado norte da nave existiam, em 1512, duas casas do ermitão, construídas a partir do antigo alpendre. Possivelmente já na fase da construção do convento, após 1571, foi criado um outro anexo na ala sul da nave e assistimos ao alargamento da capela-mor ou da capela de São Pedro. No decorrer da apresentação da comunicação “Sabonha, uma Reconstrução do Passado”, o Vereador da Cultura, Paulo Alves Machado, destacou que o Município de Alcochete se associou desta forma “a uma iniciativa europeia que visa precisamente proteger e divulgar o património” e que “este ano junta a temática do património com a paisagem urbana”, duas vertentes “indissociáveis”, às quais se deve ainda associar, segundo o autarca, o “património imaterial das populações”. “Temos a oportunidade de retornar ao passado, a um passado bem longínquo, se pensarmos nas nossas vivências e voltarmos a Santa Maria de Sabonha”, sublinhou Paulo Alves Machado, que propôs que a iniciativa fosse igualmente divulgada junto da população de São Francisco e da comunidade educativa. O autarca defendeu ainda que “o espaço de Sabonha deve ser protegido” e que a “recuperação” tridimensional da Igreja de Sabonha “faz parte de um trabalho que temos vindo a fazer no âmbito de um projecto a que chamamos “Plano das Memórias do Concelho”.


InAlcochete