Page 1

Gazzetta di Santa Teresa

Geral

Setembro 2015

14

Vereadores questionam Cachoeira do Country, pública ou privada? secretaria Dhenise Romano

Seixas Baré

N

a tribuna da sessão do dia 08 de setembro o vereador Leomar Caetano Bola (PDT) voltou a reclamar da inércia do órgãos públicos em tomar providencias para conter os abusos contra o meio ambiente do município, segundo Ele, para os agricultores a secretaria cria obstáculos em questões simples que envolve o bem de todos, mas para uma outra área do município a secretaria parecia não existir. Para a nossa reportagem Bola se diz preocupado com o futuro da cidade, “E nós que sonhávamos com uma cidade turística, estamos regredindo, faço um apelo à população: que aju-

de os vereadores nesse momento em que a câmara luta pelos interesse cidade, peço que a população se mobilize, assista a sessão e participe conosco na missão de fiscalizar o cumprimento da Lei.” Explica. O vereador Jorge Natalli diz não compreender a falta de ação dos órgãos competentes, “Tudo isso acontecendo justamente no centenário de nosso patrono Algusto Ruschi e mais, alguém está ganhando com isso.” Frisou. Ainda nessa sessão foi sugerido a convocação do Secretário de meio ambiente do município para prestar esclarecimentos sobre o avanço da depredação ambiental que vive a capital nacional da mata atlântica.

Na boca do povo Luiz Fernando Bier

Você concorda com a cobrança de acesso a cachoeira? Não. Eles deveriam investir na melhoria da cachoeira e nunca fizeram nada. Paulo Vieira de Souza, 39, Motorista de ônibus escolar, Vila Nova.

Não. Não tem estrutura que justifique a cobrança. Além disso é um local público. Renilton Jorge Rudio, 49, Funcionário Publico, Alvorada.

Não. Santa Teresa não tem muita opção na área de lazer e o único que tem é cobrado. Jorcieli Borges de Souza, 26, Vendedora, Vila Nova.

Não. Antes era público e não vejo motivo para cobrança. Lourdes Ribeiro, 62, Auxiliar de Serviços Gerais, Vila Nova.

Não. Cobrar nunca. Têm é que oferecer opções de lazer para os teresenses, melhorar o parque. Tim Fernandes, 55, Construtor, Alvorada.

Não. É um patrimônio público sem estrutura, qual a razão da cobrança? Alice Oliveira, 16, Estudante, Vila Nova.

DR ANTONIO JOSÉ COELHO

Advogado

OAB- ES 5.627

‘RECONCILIA-TE COM TODAS AS COISAS DO CEU E DA TERRA’

M

oradores reclamam da cobrança de pedágio no acesso à Cachoeira do Country, segundo contam as cobranças variam de R$ 3,00 a R$ 10,00. Inácio Machado morador de São Lourenço se diz indignado com a cobrança. “A cachoeira tá acabando, se degradando a cada ano, e ainda por cima acharam de cobrar, tive que pagar R$ 10, 00 por mim e duas sobrinhas, pelo que sei eles não são nem donos.” Reclama. Renilton Rúdio morador de Alvorada diz que a cobrança não faz sentido, “até poderiam cobrar mas se melhorassem a infraestrutura do local” Para Ignês Fontana o teresense merece ter um espaço público de lazer, “nós temos direito a um espaço de lazer, mas pra isso a prefeitura tem que tomar conta, se é do povo é do povo”. Argumenta. De acordo com prof. Alfredo Ferrari um dos sócios do antigo Country Clube diz que a área de recreação da cachoeira foi doada para a prefeitura de Santa Teresa para criação do Parque Municipal São Lourenço. “Doamos nossos lotes para ver realizado o projeto do Parque Municipal São Lourenço

que se for implementado pode ser nossa maior atração para a baixa temporada” sugere. Antônio Zurlo, que também doou sua parte para a criação do Parque, Confirma o desejo de ver o parque implementado “Eu espero que um dia seja feito da maneira que foi idealizado, e que todos possam desfrutar” expõe. Para Wanderson Gregório que administra o local da cachoeira, a cobrança de R$ 3,00 é simbólica e serve apenas para ajudar na manutenção e conservação do local, roça e carpina, “essa área é privada, minha família mora aqui há 56 anos.” Explica. O assessor do vereador Kiko Renato cosmi informou que um reque-

rimento foi dirigido ao executivo municipal pedindo detalhes da situação do Parque São Lourenço e a documentação existente, segundo renato o assunto envolve muitos orgãos e instituições que trabalharam nos estudos e desenvolvimento do projeto. “posteriormente quando tivermos os documentos em mãos, estudaremos e nos posicionaremos no sentido de garantir que os direitos do cidadãos sejam garantidos” explica. Entramos em contato com a secretaria de meio ambiente por telefone e email, como também a assessoria de comunicação da prefeitura mas até o fechamento dessa edição não houve retorno.

Trabalhadores com o dinheiro de volta

P

or conta de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que considerou a Taxa Referencial (TR), responsável até então pela correção monetária de precatórios e do FGTS, como inconstitucional e ilegal, com isso todos que trabalharam com carteira assinada entre 1999 e 2013 tem direito ao reajuste. A partir de agora, o índice escolhido para a correção do FGTS será o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). “Assim como outros índices, o INPC sempre acompanha o nível da inflação. Em termos de comparação, em um ano a TR acumula uma variação de 0,04%, enquanto o INPC registra uma alta de 6,67% durante o mesmo período”, relaciona o especialista em Direito Tributário. Por causa da mudança, todos

as pessoas que trabalharam nos últimos 14 anos, inclusive os aposentados, podem entrar com ação judicial para pedir a correção do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. A estimativa é que a diferença percentual entre o que o trabalhador de fato recebeu, e o que deveria ter recebido, varia de 60% a 80%, dependendo dos meses e dos anos trabalhados. Segundo os especialistas em Direito Tributário, a decisão se deu pelo fato de que durante o período vigente em que a TR foi utilizada (1999 a 2013), a TR não acompanhou os demais índices de correção e esteve abaixo da inflação, com isso os trabalhadores receberam menos do que deveriam. De acordo com o advogado José Antônio Coelho, os aposentados e contribuintes que já tenham sacado o Fundo de Garantia também têm direito à revisão. Para entrar com a

Colatina

(27)9 9894-6442 Travessa Tulio Margoto, 27 1º andar, sala 03 - Centro - Colatina Ao lado do banco Bradesco

ação, o trabalhador deve obter os extratos do FGTS de 1999 a 2013 junto à Caixa Econômica Federal, RG, CPF, comprovante de residência procurar um advogado.“A partir dos extratos, haverá uma comparação entre o índice que foi aplicado e o índice que deveria ter sido utilizado. A partir daí será calculada a diferença”, esclarece José Antonio.

Fundo de Garantia por Tempo de Serviço O FGTS foi criado em 1966 por meio da Lei 5.107, para proteger o trabalhador demitido sem justa causa. Atualmente, é a Lei 8.036/1990 que regula o FGTS e faz menção à correção monetária. O Fundo de Garantia é uma conta aberta pelo empregador junto à Caixa Econômica Federal, para que seja depositado mensalmente 8% do salário, mais atualização monetária e juros.

Santa Teresa

(27)9 9909-3765 Av. Barão Orlando Bomfim, nº 1015 Vila Nova - Santa Teresa - ES Em frente a escola José Pinto Coelho

Gazzetta 0214  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you