Page 1

18|julho de 2012

deESCOLAS JOSÉ SANCHES E SÃO VICENTE DA BEIRA PARA OS PAIS: 15 MEDIDAS

Como podem os pais/encarregados ajudar a escola e os seus educandos? São muitos os pais/encarregados de educação que manifestam junto dos professores/ diretores de turma, a sua preocupação na forma de ajudar o seu educando: porque não têm tempo, porque não têm estudos, porque não sabem o que fazer... O certo é que a escola apenas pede aos pais/encarregados de educação, que assumam os seus deveres de pais/ encarregados de educação. Poder á parecer que algumas das medidas que aqui se apontam, nada têm a ver com a escola, mas elas seriam uma grande ajuda para a melhoria do ambiente nas escolas e salas de aula. Mais uma vez repetimos os pais têm um trabalho importantíssimo. São eles que conduzem os filhos no caminho certo para que tenham vidas bem-sucedidas, para que possam vencer os desafios que enfrentarão

quando adultos. A escola, os professores são os parceiros chave dos seus filhos. Quando as famílias e os educadores se aliam, os alunos têm um melhor desempenho e da mesma forma as escolas. 1.Dar modelos positivos: manter boas rela ções familiares e resolver amigavelmente os conflitos sem aceitar a violência. 2.Exercer a autoridade que lhes é conferida no processo de educação e formação dos filhos. 3.Definir normas de conviv ência claras e consistentes, explicandolhes o que está permitido e o que não está, com os argumentos adequados. 4.Terem uma atitude positiva na rela ção com os filhos: maior atenção e disponibilidade e maior aceitação das atitudes pessoais. 5.Apelo à não violência. Não permitir que provoquem os compa-

nheiros. 6.Coopera ção ativa e conjunta entre pais e professores em casos de agressividade e em todo o processo de ensino/aprendizagem. 7.Apoio à escola e ao professor. Não desautorizar o professor perante os filhos. 8.Desenvolvimento de valores democr áticos como o respeito e tolerância no ambiente familiar ( o que a criança/jovem vê em casa , tem tendência a repetir na escola). 9.Den úncia de qualquer situação de violência ou agressão na escola ou no trajeto casa/escola. 10.Colaborar na constru ção de valores baseados no esforço pessoal como a perseverança, a constância, o trabalho e a vontade. 11.Acompanhar o crescimento emocional ensinando-lhes a expressar sentimentos, a colocar-se no

lugar do outro e entender os seus sentimentos e a controlar-se emocionalmente. 12.Impedir que os filhos acedam a programas de televis ão, de videojogos e internet inadequados à sua idade, dando-lhes alternativas. 13.Evitar a sobreprote ção dos seus filhos. 14.Maior interesse dos pais pelas fun ções que lhes são atribuídas nas escolas. 15.Valoriza ção das escolas como lugares de ensino e formação. Como sabemos algumas crian ças/jovens são “órfãos” dentro do seu ambiente familiar, aqui fica também uma sugestão: Cria ção na comunidade educativa de um corpo voluntário de pais/mães para apoiar esses alunos. Prof ª Isabel Adónis

Dia Mundial da alimentação

APOIOS

Foi no passado dia 14 de Outubro que, as salas A e B do Jardim de Infância do Agrupamento de Escolas de S. Vicente da Beira comemoraram o Dia Mundial da Alimentação Saudável. Na parte da manhã, as crianças amassaram e tenderam pão. De seguida deslocaram -se em passeio pedestre, transportando os pães em recipientes individuais até à padaria da localidade onde foram cozidos, e onde também nos foi oferecido um bolo por sala. Da parte da tarde registamos as tarefas da manhã, preparamos os frutos que trouxemos de casa e fizemos um delicioso chá, com folhas de laranjeira e casca de limão,

que recolhemos da Horta Escolar e não nos esquecemos de decorar as toalhas. Depois de tanto empenho chegou finalmente a hora de “Um lanche à maneira não é nenhuma brincadeira”. Depois das mesas preparadas a surpresa foi geral e entoou-se “Parabéns a você” como se de um Aniversário na realidade se tratasse. Foi comer e mais comer e ninguém se negou ao pãozinho com manteiga ou marmelada. O objetivo primordial desta atividade foi atingido com sucesso, uma vez que, após este lanche, as crianças trazem lanches mais saudáveis onde o pão é presença assídua!

A PALAVRA... Da Presidente Rosa Caetano

O alvorecer do século XXI evoca mudanças nas organizações inseridas num contexto ambiental complexo e dinâmico e a sobrevivência das mesmas dependem da sua capacidade de adaptação à mudança. À comunidade escolar, inserida nessa dinâmica, definem-se novas exigências. O contexto político, financeiro e social em que vivemos interfere inevitavelmente no mundo educativo. As escolas estão a ser alvo de mudanças a vários níveis: curriculares e organizacionais. Segundo Chiavenato “toda a mudança traz uma crise para a organização ao transformar subitamente o que era certo pelo incerto”. Na realidade, as várias medidas educativas criaram sentimentos de incerteza quanto ao futuro. Resta-nos, no entanto, uma certeza: o envolvimento e a entrega de todos aqueles que, pertencentes à comunidade educativa, acreditam na Educação enquanto formação dos cidadãos do mundo de amanhã. Assim, assumindo esse fato como uma missão centrada nos alunos, desenvolvendo todos os mecanismos organizativos e pedagógicos para contribuir para a sua formação integral porque tal como define Azevedo, para educar, “entramos num processo dialógico, um encontro de corações e de mentes, o forjar de novos caminhos de ver e de fazer, sendo esta a essência da escola enquanto, comunidade aprendente.” A educação assume, desta forma, com o contributo de todos, um cariz humanitário porque olhamos para cada aluno indo ao encontro das suas necessidades e das suas expetativas para o tornar um cidadão pró-ativo numa sociedade que precisa de ter esperança na geração do futuro. Presidente da Comissão Administrativa Provisória


20

Gazeta do Interior 18|julho de 2012

A Hora do Conto

Ao longo deste ano letivo, as crianças da Sala A do Jardim de Infância tiveram a oportunidade de assistir e interagir com a Hora do Conto proporcionada pela Biblioteca Escolar do Agrupamento de S. Vicente da Beira. No 2º período foram apresentadas várias histórias, tais como: “Os três reis”, “Tarte de Mamute”, “O rei e a estrela”, “Um lobo culto”… Os momentos proporcionados pela professora bibliotecária têm sido vivenciados com entusiasmo pelas crianças. Após a apresentação e interpretação dos diferentes contos, em contexto de sala de aula, concretizam-se as atividades de expressão, no âmbito do desenvolvimento curricular da educação Pré-Escolar.

Quadras dos alunos do 4º ano

Agrupamento

deESCOLAS DE JOSÉ SANCHES E SÃO VICENTE DA BEIRA

Semana da Leitura O PRAZER DAS LEITURAS

Os professores bibliotecários dos concelhos de Castelo Branco e Vila Velha de Ródão, em colaboração com a Biblioteca Municipal de Castelo Branco, realizou, como extensão do Concurso Nacional de Leitura dirigido anualmente pelo Plano Nacional de Leitura aos alunos do 3.º Ciclo do Ensino Básico e do Ensino Secundário, uma iniciativa de promoção da leitura dirigida aos alunos do 2.º Ciclo do Ensino Básico. A atividade procurou responder à vontade de participação dos leitores mais novos, que tanta apetência e interesse manifestaram pelo livro. A prova de seleção que englobou, no conjunto dos sete agrupamentos envolvidos, um total de 400 alunos, levou no nosso agrupamento à seleção de 3 alunas: Ana Gomes e Inês Agostinho, do 6ºA e Raquel Martins do 6ºB. A final foi no passado dia 7 de março nas instalações da Biblioteca Municipal de Castelo Branco. A atividade teve o patrocínio da Câmara Municipal de Castelo

Branco, da Junta de Freguesia de S. Vicente da Beira, da Associação dos Amigos do Agrupamento de Escolas de S.V.B, da Beiravicente - Fonte da Fraga e da livraria A Mar Arte. Ainda na Semana da Leitura, que decorreu de 5 a 9 de março, os alunos do nosso agrupamento participaram em diversas atividade que levaram à leitura de várias obras, tais como “ As Aventuras de João-Flor

A missão da princesa Alice BIBLIOTECA ESCOLAR DE S. VICENTE DA BEIRA

Ela chama-se Soraia É alta e divertida Gosta muito de caveiras É assim a sua vida. Ela é a Mara Uma menina maria-rapaz Gosta muito do preto E está sempre em paz. Mariana é o seu nome Está sempre contente Na sala de aula Está sentada à frente. Ela chama-se Tatiana É esperta e brincalhona Gosta muito do roxo E às vezes é mandona. Gonçalo é o seu nome Gosta muito de futebol E quando está lá fora Joga a transpirar ao sol. O meu nome é Thor Gosto muito de trabalhar Sei as tabuadas de cor E quase nunca estou a errar.

e Joana-Amor”; “ Diferentes”; “A Colcha de retalhos”; “O valor da caridade”; “Vovó viaja e não sai de casa”; “O sapo encontra um amigo”, “Maria Benguela” e muitos mais, ligados à temática da “Cooperação/ Solidariedade”. Os trabalhos de expressão plástica realizados pelos mais pequenos foram expostos no átrio da Biblioteca escolar. Professora Bibliotecária

Era uma vez uma princesa chamada Alice, que vivia num palácio perto das montanhas. As montanhas eram muito altas, com os cumes cobertos de neve e nas encostas havia árvores altas e grossas. Junto ao palácio corria um pequeno rio de águas cristalinas, onde viviam alguns peixes. As suas margens eram verdejantes e da janela, a princesa via o esvoaçar e o cantar alegre dos passarinhos. Alice era bonita, alegre, corajosa, aventureira e não gostava de viver fechada no seu palácio. Certo dia em que o vento soprava com muita força, arrastando consigo as folhas caídas das árvores, Alice refugiou-se no seu quarto. Mas, ao fechar a janela, apareceu-lhe um passarinho a tremer de frio e assustado que lhe disse: - Princesa Alice, socorro, ajuda-me. - O que se passa?

- No Sul está um pinguim em apuros! Ficou preso e coberto de crude, não se consegue mexer, nem limpar ou nadar. Se não o salvarmos vai acabar por morrer! - Como é que isso aconteceu? - Um petroleiro foi atacado por piratas, ficou a derramar crude para o mar e já está a chegar às praias. - Então temos que o ir salvar. Mas como? - Eu sei onde está um barco! Atrás daquelas montanhas. É muito perto. Vamos! Saíram do palácio, mas demoraram horas e horas a chegar ao barco, por causa do vento forte que lhes dificultava a caminhada. Quando chegaram ao barco, começaram a navegar. Passado algum tempo, apareceu no horizonte um barco estranho. Ao aproximar-se, verificaram, pela bandei-

ra, que era um barco de piratas que rapidamente os abordou. A princesa começou a gritar: - Socorro, socorro, quem nos ajuda? De repente, apareceu a voar, um super-herói, que lutou com os piratas e os fez prisioneiros. Continuaram, todos juntos, a viagem até ao Sul. Quando chegaram a terras do Sul, avistaram o pinguim coberto de petróleo, a tremer de frio e sem se mexer. Foram imediatamente salvá-lo, mas foi muito difícil limpar todo o crude do pinguim, da praia e do mar. O pinguim ficou muito agradecido. - Obrigado, salvaram-me a vida! A princesa, o super-herói e o passarinho ficaram muito felizes e resolveram continuar a viagem pelos mares, salvar outros animais e alertar outras pessoas para não poluírem os mares, porque podem por em perigo as vidas dos seres vivos. Os piratas arrependidos do mal que tinham causado, prometeram que nunca mais iriam pôr em perigo o ambiente e juntaram-se a eles. Devemos seguir o exemplo da princesa Alice e dos seus amigos, proteger o ambiente, porque sem ele, não podemos viver! Autores e ilustradores: Alunos da turma B, 2º/3º anos

Ti Janja vem à Escola

No dia 15 de maio, no âmbito do programa “ Você na TV”, a TVI deslocou-se à nossa escola para filmar a Ti Janja, figura bastante conhecida dos alunos do Agrupamento de Escolas de São Vicente da Beira. As filmagens decorreram na biblioteca da escola, mais precisamente no cantinho dos contos e foi aqui que a Ti Janja partilhou os seus conhecimentos, contando aos alunos do Pré-escolar e do 1º ciclo alguns contos do seu tempo. Esta iniciativa contribuiu para a importância de manter a tradição do património oral (costumes, tradições), não podendo deixar que ele desapareça das nossas aldeias, vilas e cidades. Os alunos ouviram, durante alguns minutos, atentamente e silenciosamente a Ti Janja, colocando-lhe, no final, algumas perguntas às quais respondeu com bastante amizade e satisfação. Todos aqueles que quiserem ver este momento de passagem de testemunho de uma geração a outras gerações, poderá fazê-lo acedendo ao link: http://www.tvi.iol.pt/ videos/13629494 . O Clube de Jornalismo


21

Gazeta do Interior 18|julho de 2012

REPORTAGEM

Agrupamento

deESCOLAS DE JOSÉ SANCHES E SÃO VICENTE DA BEIRA

Visita de Estudo a Sintra No dia 17 de maio os alunos E.V.T e de E.M.R.C dos 2.º e 3.º Ciclos fizeram uma visita de estudo a Sintra tendo como objectivos: motivar os mesmos para as disciplinas envolvidas, promover a Interdisciplinaridade, valores de respeito, consciencialização, cidadania e solidariedade, fortalecer os laços de amizade, sensibilizar para a necessidade de preservação e valorização do património, promover o contacto com novas realidades e proporcionar novas experiências, desenvolver a capacidade de observação e espírito crítico. Assim, por volta das 11h00 e tal como estava estipulado os alunos tiveram a possibilidade de visitar o Museu do Brinquedo e apreciar os belos exemplares de brinquedos de várias gerações que o Senhor João apaixonadamente foi colecionando ao longo dos tempos e que com muito

orgulho explicou a origem de alguns deles. Seguidamente, o almoço foi num belo parque de Sintra, onde os alunos e professores num verdadeiro espírito de alegria, partilharam os seus deliciosos farnéis. Depois da barriguinha reconfor-

tada chegou a hora de partir à busca da belíssima história do Palácio Nacional da Pena. Aqui, os alunos e professores foram acompanhados pelos guias que simpaticamente relataram a história que envolve todo o Palácio e “mataram” todas as curiosidades que foram surgindo pe-

los alunos ao longo da visita. Este dia foi muito agradável para todos. Aqui os alunos tiveram oportunidade de verificar que este Palácio representa uma das melhores expressões do Romantismo arquitetónico do século XIX no mundo e que quase todo o Palácio assenta em enormes rochedos. E, ainda que, o mesmo ostenta uma mistura de estilos lindíssimos “embrulhados” numa história verdadeiramente maravilhosa. Depois desta fantástica aventura, chagou a hora de voltarmos para casa, mas no coração trouxemos momentos de verdadeira descoberta, partilha, alegria, boa disposição e alargámos a nossa cultura, sem dúvida. No fundo, revelou-se um dia muito agradável para todos e uma experiência, digna de ser repetida. Os alunos de EVT e de EMRC 2º e 3º Ciclos

“A PRIMAVERA DA VIDA É BONITA DE VIVER…”

Inquietudes da Adolescência

Depois de termos refletido sobre os problemas da adolescência na disciplina de Formação Cívica, estamos aqui para partilhar esta nossa experiência, que afinal acontece a todos os seres humanos. Por vezes é difícil compreender os adultos, mas lembrem-se que eles já passaram por esta fase da vida. Esta altura parece a pior… temos mudanças no nosso corpo, sentimonos sós e algumas preocupações começam a surgir. Preocupamo-nos, por exemplo, com o que as pessoas do outro sexo acharão sobre nós, sentimo-nos, por vezes, feios, gordos e as borbulhas não ajudam em nada. O que às vezes não consegui-

mos perceber é que se estamos a transformar-nos em adultos, como é que somos mais rebeldes e atrevidos? Por vezes achamos que ninguém nos liga, mas não é essa a verdade... Nós é que queremos estar sós, por causa da vergonha do nosso aspeto físico, de termos medo de tudo e de todos ou simplesmente porque queremos estar sós. Tudo isto depende da pessoa e da sua capacidade de ver as coisas como elas são. Embora por vezes tenhamos um sentimento triste pelo facto dos nossos amigos estarem a crescer mais rápido, tentamos não deixar que isso nos atormente a vida. Porque nos sentimos assim se todos passam por isto?

O que temos de aproveitar é o facto de ainda sermos “crianças” e vivermos sem tantas preocupações. Por isso vamos unir-nos e passar por esta fase da melhor maneira. Esperamos que tenham percebido a men-

sagem que vos quisemos transmitir. Como diz a música de Rui Veloso “A primavera da vida é bonita de viver…” Os alunos do 6º B

PEDITÓRIO PARA A AMI - ASSISTÊNCIA MÉDICA INTERNACIONAL

Os nossos alunos também são solidários

Pelo sexto ano consecutivo os nossos alunos de Educação Moral e Religiosa Católica demonstraram o seu espírito de solidariedade ao disponibilizarem-se, prontamente, a participar no 18.º Peditório Nacional da AMI – Assistência Médica Internacional.

Pois é, os nossos alunos realizaram este peditório pelas suas terras (São Vicente da Beira, Casal da Fraga, Louriçal do Campo, Ninho, Sobral, Rochas, Pereiros, …) com as latinhas enviadas pela Delegação de Coimbra, contribuindo desta forma para tão nobre instituição, que há mais de vinte

anos envia ajuda humanitária para os lugares mais esquecidos do mundo, procurando minorar as carências e o sofrimento das populações vítimas de guerras, epidemias, catástrofes naturais e pobreza extrema. Desta forma, aproveito não só para agradecer, uma vez mais, aos

alunos que realizaram o peditório, mas também a todas as pessoas que contribuíram com o seu donativo, pois a nossa ajuda por mais pequena que seja fará uma grande diferença, com toda a certeza. A todos vós MUITO OBRIGADA! A Professora de E.M.R.C.

Os MegaAgrupamentos O Ministério da Educação está já a proceder por todo o país, ao agrupamento de escolas e dos agrupamentos de escolas existentes em mega agrupamentos. No concelho de Castelo Branco , como em muitos outros, a agregação não tem, nem poderia ter gerado consensos, independentemente disso, é vontade do Governo que as agregações se façam e os chamados mega agrupamentos surjam. Estas decisões irão abranger os cerca de 6500 alunos que se encontram distribuídos pelos oito Agrupamentos existentes no concelho. O primeiro “casamento”, como o designou o professor Américo André, já aconteceu, com vontade por parte de alguns, com pouca por parte de outros. O que é certo é que está anunciado o enlace do nosso Agrupamento de São Vicente da Beira com o Agrupamento de Escolas José Sanches de Alcains. Esta a razão de, na última edição deste ano letivo do jornal “O Pisco”, considerar pertinente escrever sobre esta temática. Aguarda-se agora a nomeação da comissão instaladora do novo mega agrupamento de escolas, que segundo publicações na imprensa regional, contará com cerca de 1100 alunos. A confirmação do mega agrupamento provoca na escola e na comunidade ansiedade, apreensão pelo futuro que virá: o receio de perda dos postos de trabalho por parte dos atores internos (pessoal docente e não docente); os pais/encarregados de educação sem saberem muito bem o que será melhor para os seus filhos/ educandos; a comunidade educativa em geral, pela incerteza das repercussões que as mudanças, que certamente virão irão provocar. Cabe-nos agora, a todos, unidos, fazer valer no novo mega agrupamento, os interesses do Agrupamento de Escolas de S. Vicente da Beira. Mais importante do que agrupar com outra escola, é negociar os termos em que se agrupa, fazer ouvir a voz de S. Vicente da Beira na nova sede – Alcains. Isso só será possível se o Agrupamento de Escolas de S. Vicente da Beira possuir representantes nas estruturas organizacionais (Conselho Geral, Direção, Conselho Pedagógico, Conselho Administrativo), nas estruturas que elaboram os documentos organizacionais, nomeadamente o Projeto Educativo, uma vez que a realidade deste território educativo é diferente da de Alcains. Fazer ouvir as opiniões, as preocupações, harmonizar entre os dois agrupamentos as boas práticas, manter as turmas de S. Vicente da Beira, em São Vicente da Beira… Agrupar, não significa encerrar, o Agrupamento de Escolas de São Vicente da Beira só encerrará quando os pais retirarem desta escola os seus filhos, aí, não será preciso nenhum governo encerrála, ela morrerá por si só. É assim que mais um ano se finaliza, desta vez com muitas incertezas e apreensão pelas mudanças, mas também com muitas lembranças, muitas histórias para contar, muitos sonhos realizados, outros que ficaram por realizar. Esta é a dinâmica da vida, e na escola vive-se e aprende-se a cada dia uns com os outros, engrandecendo-nos a todos como seres humanos. É por este aprender diário dos meus catorze anos nesta escola, que deixo um agradecimento a todos os que ao longo destes anos constituíram a Comunidade Educativa (alunos, professores, pessoal não docente, pais/ encarregados de educação, autarquia, entidades e instituições), primeiro da EBI de S. Vicente da Beira, depois do Agrupamento. Cada um dos que por aqui passaram, na sua função, deixaram um pouco de si e criaram a identidade deste agrupamento. OBRIGADO Professora Isabel Adónis


22

Gazeta do Interior 18|julho de 2012

Agrupamento

A melhor Fotografia

A me lho r Fo tog ra fia

A me lho r Fo tog raf ia

deESCOLAS JOSÉ SANCHES E SÃO VICENTE DA BEIRA

Mural Mural Mural

Workshop Teatro

Do conto aos gestos

Feira do L ivro

Festa de Natal Visita de estudo ao Oceanario

Dia dos Castel os A melhor Fotografia

A melhor Fotografia

A melhor Fotografia

Dia de Reis

Agrupamento de Escolas José Sanches e São VIcente da Beira  

Suplemento da Gazeta do Interior