Page 1

Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

www.gazetadalagoinha.com.br

1

O Alô Lagoinha tira o chapeú para Marcelo e sua O Jornal do Complexo da Lagoinha! do Restaurante irmã. ANO V ­ EDIÇÃO 64 ­ JORNAL DE APOIO ÀS INICIATIVAS COMUNITÁRIAS ­ BELO HORIZONTE, 30 DE JUNHO DE 2012 ­ Distribuição Gratuita Confira na pág. 5

ta u l a n s a i r á ! t i o n ã i u g m e r o c a s a a d ç o n t Lidera talização de 1 e 12. i v e r g. 10, 1 á p a a l n pe onfira C

Fotos da Lagoinha antiga.

Cosméticos, Bijouterias, Presentes e Brinquedos.

É hora de malhar! A Lagoinha acaba de ganhar uma academia completa: a Kasarão Fitness Confira na pág. 8

Acesso ao IAPI prejudicado: moradores reclamam Confira na pág. 9

Denúncia: direção do SINDPOL/MG realiza inspeção no IML e no Instituto de Criminalística Confira nas pág.14


Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

EDITORIAL

Fazendo o coro, cantando juntos!

Música e informação? Se liga Itatiaia e Extra FM!

2

TELEFONES ÚTEIS AA Alcóolicos Anônimos ­ (31) 3224­ 7744

Aeroporto Carlos Prates ­ (31) 3462­ 6455

Aeroporto Confins ­ (31) 3689­2344

Aeroporto Pampulha ­ (31) 3490­2000 AGIT­Agência de Empregos ­ 0800­ 319­020

Auxílio à Lista ­ 102 Bombeiros ­ 193

CEASA 0800­315­859

CliDEC (31)3236­2100

CEMIG ­ 0800 310 196

COPASA ­ 195 Correios ­ 159

Corpo de Bombeiros ­ 193

CW­ Centro dc Valorização da Vida ­ (31)3334­4111

3444­1818 ou 141 Defesa Civil 199

DETRAN/ MG ­ (031)3236­3501/3525

Disque Direitos Humanos ­ 0800­311­

119

Disque Ecologia

­ 1523

Disque PROCON ­ (31) 3277­

4548/9503/4547 ou 1512

Disque Turismo ­ 1677

GAPA/MG ­ (31)3271­2126

MG Transplantes (Doação de órgãos) ­ (31) 32747181

Movimento das Donas de Casa e Consumidores ­ (31)3274­1033 Ibama ­ 0800­618­080

Polícia Civil ­ 197

CÉSAR ­ PINTOR

Polícia Federal ­ (31)3330­5200 Polícia Militar ­ 190

IMOBILIÁRIO

Polícia Rodoviária Estadual ­

(31) 8567­5123

(31)2123­1901

Polícia Rodoviária Federal ­ (31 ) 3333­2999

Prefeitura Municipal ­ 156 Pronto Socorro ­ 192

Pronto Socorro (HPS João XXIII) ­ (31)3239­9200

Receita Federal ­ 0300­780­300 SENAC ­ 0800­724­4440

SINE­MG ­ (31)2123­2415

SOS Criança (Centro de Referência ­ Denúncia) ­0800 283 1244

Aguarde! Em breve a nossa tradicional festa junina!

Sudecap Disque Tapa­ buraco ­ (31)3277­8000


Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

3


Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

4


Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

5

Alô Lagoinha! TIRO O CHAPÉU PARA...

Cadê você? Wilson Camelô, velho amigo do Pitangui Entre em contato com a coluna!


Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

Bairro conta com empresas em trajetória ascendente, que ga­ nham clientela por causa da boa localização. Mas problemas com o crack e imóveis abandonados afetam outros negócios __________________________ Geórgea Choucair ­ Estado de Minas Investimentos, novos negóci­ os, casas abandonadas, miséria e crack se misturam hoje no cenário do Bairro Lagoinha, criado por imigrantes italianos e operários que trabalharam na construção de Belo Horizonte. O bairro, conhecido no passado por ser re­ gião da boemia da capital, traz atual­ mente áreas de contrastes: de um lado a duplicação da Avenida Antônio Carlos incentivou a construção de shoppings, ampliação de negócios e aumento do preço dos imóveis e aluguéis. De outro, os comerciantes reclamam dos usuári­ os de crack, que circulam na região, principalmente na Rua Itapecerica, fa­ mosa pela concentração de lojas de mó­ veis e antiquários. Até julho o shopping Plaza Antônio Carlos deve ser inaugurado na Avenida Antônio Carlos. O centro de compras vai contar com 12 lojas em área total de 2,2 mil metros quadros. A Diniz Pneus vai expandir os negócios até novembro. Com investimento de R$ 1 milhão, a empresa está construindo um prédio de 690 metros quadrados e quatro pavimentos, ao lado da loja on­ de funciona atualmente, na esquina com a Rua Rio Novo. “O espaço já esta­ va pequeno para estocar os pneus”, afir­

ma Haroldo César Duarte Pereira, proprietário da construtora Enngemape, responsável pela obra. A localização privilegiada da Lagoinha, perto do Centro e acesso fá­ cil à Savassi, também favorece os negó­ cios da Formato Artes Gráficas, que está há 48 anos na região. A empresa apostou em tecnologia e investiu R$ 500 mil na aquisição de uma máquina digital. A expectativa é de aumentar o faturamento em 4% neste ano. “A nos­ sa concorrência tem sede na Pampu­ lha, Olhos D’Água e Contagem, o que dificulta a logística da nossa clientela. A maior parte das agências de publicida­ de fica na Zona Sul”, diz Lugério Vilela, gerente comercial da Formato. A degra­ dação de algumas áreas na Lagoinha não prejudicou os negócios da gráfica, que tem clientes de peso como Cemig, Usiminas, Grupo Pitágoras e Vale. “To­ dos chegam de carro e entram no nos­ so estacionamento”, ressalta, observando que os clientes não enfren­ tam o problema para estacionar, presen­ te nas ruas do entorno. Já as lojas que não contam com estacionamento para a clientela so­ frem mais com a presença do comércio de crack e andarilhos na região. “Nosso movimento caiu cerca de 80% nos últi­ mos anos. Estamos quase tendo que pagar para trabalhar”, diz Harley Lan­ ga, gerente do antiquário Velho Arma­

vendas.

zém. Depois da duplicação da Av. Antônio Carlos, conta, muitos usuários de crack que ficavam na favela Pedrei­ ra Prado Lopes desceram para o ponto de comércio. “Muitos clientes ligam e te­ mos que levar as peças nas casas de­ les ou então ir até o carro de quem tem objetos para vender. Eles ficam com medo de descer aqui”, ressalta Langa. Cerca de 50% da clientela do antiquá­ rio, segundo o gerente, mora na Zona Sul da capital. “Há ainda uma falta de cuidado da prefeitura com as casas tombadas e abandonadas”, observa. A Tamietti Decorações, de papel de parede, também sofre com a retração nas vendas. “Nos últimos dois anos nossa venda caiu cerca de 70% em função do crack. A aparência dos andarilhos amedronta a população, prin­ cipalmente as mulheres, que são nos­ sas grandes consumidoras”, diz Fábio Lúcio Tamiette, dono da loja. O cartão de visitas na região da Lagoinha, segundo Paulo Tavares, presidente do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (Creci) e diretor da Sotão Imobiliária, é muito ruim. “Os prédios são feios e malcuidados”, diz. Na sua avaliação, o mesmo tratamento que foi dado ao conjunto IAPI, que está com a pintura sendo finalizada, deveria ter sido feito na Rua Itapecerica, que era muito comercial e ficou prejudicada. “É preciso investimento do poder públi­ co”, diz. A imobiliária Sótão, por exem­ plo, aluga uma área na Rua Itapecerica para um supermercado, que vai deixar o local em função da estagnação nas

enquanto isso...…Bulevar Arrudas deslancha Os investimentos da prefeitu­ ra e da iniciativa privada avançam mais rápido na área do Bulevar Arrudas. O arranha­céu de 27 andares na região está a todo vapor para virar hotel cinco estrelas, em investimento de R$ 200 mi­ lhões. O Golden Tulip vai contar com 405 apartamentos de luxo, com 40 me­ tros quadrados, além de quatro suítes presidenciais de 90 metros quadrados cada uma e uma suíte real, de 230 me­ tros quadrados. O edifício, todo em vi­ dro, vai ser idealizado por arquitetos nacionais e internacionais. O hotel vai ser a âncora de novos negócios para a região. O grupo de incorporadores já tem projetos para desembolsar, em mé­ dia, mais R$ 100 milhões em empreen­ dimentos comerciais de luxo no Bulevar. A área, caracterizada pela boe­ mia e concentração de shoppings popu­ lares, vai mudar de cara, garantem os investidores. Boa influência da universidade Do outro lado da Avenida Antônio Carlos, nas proximidades do Centro Universitário de Belo Horizonte (Uni­BH), a situação imobiliária e de ne­ gócios é positiva, influenciada principal­ mente pelos estudantes da faculdade. A padaria Diamantina, na vizinhança da Uni, está na região há 16 anos. O movi­ mento, segundo a gerente Flávia Pas­ sos, cresce de 10% a 15% ao ano. Tanto é que a padaria foi obrigada a tro­ car de ponto. A empresa continua na Rua Diamantina, mas em área três vezes maior. E além de funcionar como pada­

6

ria e restaurante, abriu ainda a parte de lanchonete, mercearia e happy hour. Cerca de 50% do movimento é de estudantes da Uni. “Mas nos últi­ mos anos também vieram para cá mui­ tas empresas de engenharia, sindicatos, escritórios de contabilidade e gráficas”, diz Flávia. O carro­chefe das vendas são os pãezinhos: são vendidas cerca de 200 unidades diaria­ mente. A Uni também ajuda a ele­ var a cotação dos negócios imobiliári­ os. O operador de máquinas Alessandro Mafra tem apartamento de dois quartos no mesmo quarteirão da faculdade. Ele aluga o imóvel há 10 anos. O último inquilino saiu há dois meses. Ele agora está reformando o apartamento e vai decidir se vai locar novamente. Se for alugar, o valor mé­ dio da locação hoje está em R$ 1,1 mil, segundo ele. “Os apartamentos valori­ zaram muito na região por causa da duplicação da Antônio Carlos. A Uni também ajuda”, diz. O aquecimento do mercado é geral, na avaliação de Fernando Jú­ nior, vice­presidente da Câmara do Mercado Imobiliário de Minas Gerais (CMI­MG). “Faltam imóveis para aten­ der a demanda da população. Na La­ goinha aconteceram diversas modificações com as obras”, observa Júnior. Ele ressalta que a região é típi­ ca de atividades de alto impacto, como oficinas e venda de peças de veículos. “Há o problema da favela Pedreira Pra­ do Lopes e dos imóveis abandonados na Rua Itapecerica. Mas a expectativa é de que esse transtorno seja diluído e o público busque áreas menos movi­ mentadas”, afirma. (GC)


Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

7


Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

8

Você sabe a origem da Academia de Ginástica e Musculação?

Segundo Capinussú & Costa (1989) Platão criou em 387 a.C. uma escola em homenagem ao herói ateniense Academus, onde havia o ensino de práticas esportivas e lúdicas entre outras, e esse local recebeu o nome de Akademia. As academias, conhecidas como ginásios de esportes, exis­ tem desde o século passado quando o alemão, professor Attila, montou em 1867, em Bruxelas, uma instituição destinada ao ensino da cultura física com aparelhos. No Brasil, foi em 1914, em Belém, que surgiu a primeira academia em moldes comerciais, com a atividade de jiu­jitsu ensinada pelo japonês Conde Koma. Em 1925, no Rio de Janeiro, o português Enéas Campello montou um ginásio onde era oferecido halterofilismo (levantamento de pe­ so e culturismo) e ginástica olímpica. Segundo Pereira (1996), as academias devem ter se originado de­ vido à necessidade de maior segurança, pois os parques, praças e ruas tor­ navam­se perigosos, além do grande crescimento populacional que impedia a livre movimentação. A autora também afirma que a atividade físi­ ca em academias tem origem na calistenia [ginástica rítmica] que, posteri­ ormente, passou a utilizar a música para acompanhar o movimento e motivar os clientes. Foi, também, a partir do interesse pelos exercícios car­ diorespiratórios (aeróbios), desenvolvidos por Cooper, que as academias multiplicaram­se. Referências: CAPINUSSÚ, J.M., COSTA, L.P.Administração e marketing nas academias de ginásti­ ca e musculação.São Paulo, Ibrasa, 1989. 78p.

PEREIRA, M.M.F.Academia: estrutura técnica e administrativa.Rio de Janeiro: Sprint, 1996. 200p.


Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

9

Toda a linha HASKELL com 10% de desconto


Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

10

Betão, Pescador da Lagoinha ­ betao.lagoa@gmail.com

A MATRINXÃ QUE SE TRANSFORMOU EM UM BELO DOURADO

Foto: Acervo pessoal.

Companheiros: Betão, Marcão, Vicentão, Liseu (in me­ morian) Beto e Dalton,Rio São Francisco (Barra do Rio de Ja­ neiro), setembro de 1989

Associação Lagoinha Viva! Gostaria aqui de manifestar a ale­ gria de comemo­ rar o Primeiro Aniversário da As­ sociação dos Moradores da Lagoinha e Adjacências, que foi celebrado no últi­ mo dia 21 de junho; onde destacamos os principais objetivos entre eles de lu­ tar acima de tudo por melhores condi­ ções sociais para a nossa querida Lagoinha. Este primeiro ano de ativida­ de a Associação Lagoinha Viva, vem se fortalecendo para ficar ainda mais atuante em toda região; as demais as­ sociações da região, ONG’s e movimen­ tos sociais destacam a atuação presente da Lagoinha Viva, em inúme­ ras atividades sociais em prol do bairro. Inúmeras são as necessida­ des do bairro e da região do grande complexo da Lagoinha, mas com paci­ ência e persistência as necessidades estão sendo sanadas, através de parce­ rias e iniciativas de toda a diretoria e colaboradores. Alguns projetos bem sucedi­ dos realizados pela Associação são destaques na área da segurança como a criação da Rede de Vizinhos das ru­ as Itatiaia, Ildeu Gramiscelli, Botelhos, e Borda da Mata; onde tem se destaca­ do a participação de todos os morado­ res da região. A próxima etapa será a implantação na rua Rezende Costa, Além Paraíba, Jequeri, Sebastião de Melo e rua Serro. Em relação às demandas so­ ciais a Associação vem participando as­ siduamente de todos movimentos, em destaque na área de saúde no Posto São Cristóvão, na área social através do movimentos realizados no CRAS. A Lagoinha desponta como uma fonte inesgotável de desenvolvi­ mento, em matéria publicada no jornal Estado de Minas no último dia 18/06 que ressalta os valores do bairro e as dificuldades das empresas que aqui fun­ cionam. Creio que seria diferente se es­

Um ano de Associação!

tas empresas resolvem criar parcerias com os movimentos populares para le­ var à cabo projetos que para melhorar as condições para o bairro. Ainda se­ gundo o jornal a Lagoinha a desponta com grandes fontes empregatícias pio­ neiras, conforme levantamento da CDL na mesma reportagem. As possibilidades de gera­ ção de empregos no bairro são enor­ mes e as oportunidades são escassas em absolver as necessidades apresen­ tadas. Hoje a Lagoinha, em sua área comercial, possui 33 lanchonetes; 24 serviços de manutenção e reparação mecânica de veículos automotores; 23 pastelarias, confeitarias, 23 casas de chá, de doces e salgados, de sucos de frutas e sorveteria; 22 varejistas de pe­ ças e acessórios novos para veículos automotores; 21 lojas de móveis, obje­ tos de arte, de decoração e de antigui­ dades, 21 comércios de outros produtos não especificados; 21 lojas co­ merciais de peças e acessórios para veículos, 21 restaurantes e similares; 20 bares. Falta interesse por parte des­ tes empresários de gerar empregos lo­ cais e participarem das políticas pÚblicas desenvolvidas em prol da La­ goinha. As parceiras serão busca­ das em um futuro breve! gostaria de agradecer a toda diretoria da Associa­ ção e principalmente aos moradores da Lagoinha, por confiar em nosso traba­ lho a frente desde movimento. Silviano sob nova direção A Escola Silviano, na última terça­feira, recebeu o seu novo Diretor Márcio Antônio Fonseca, que veio com a proposta de reorganizar a escola e atender as necessidades dos pais de alunos. Após o ato de vandalismo sofri­ do pela escola, a Secretaria optou pela mudança, em seu primeiro ato como Di­ retor Empossado, Márcio Antônio; per­ correu todas as salas de aulas da escola, sendo apresentado pela Supe­ rintendente de Ensino do Estadual.

Como a primeira impressão é a que fica, o diretor Márcio ficou en­ cantado com a estrutura da escola, res­ saltou com ênfase a educação e potencial dos alunos da instituição; em suas propostas de trabalho, ele desta­ ca a importância da participação do cor­ po docente e discente para melhor produtividade do aprendizado. Destaca que as mudanças se fazem necessárias, e aponta a im­ portância dos alunos para a instituição, nos próximos meses serão retomados alguns projetos acadêmicos, sendo eles a reabertura do Laboratório de in­ formática e o reestruturação da bibliote­ ca, a renovação do material didático. Em reunião com alguns membros do colegiado e representante da Associação de Moradores da Lagoi­ nha, foi mencionada a importância dos incentivos aos professores e da recicla­ gem dos mesmos, através do compro­ metimento e seriedade para lecionar. As adequações com responsabilidade mútua entre a comunidade, escola, pro­ fessores e principalmente os alunos, se­ gundo Márcio Antônio, a base da escola. Prestes a completar 100 anos, o Silviano Brandão caminha ago­

No centro, o novo diretor do Silviano Brandão, Márcio Antônio. Foto: Oscar Fernandes.

ra com visão para futuro tendo como in­ centivo a valorização do aluno, para que saiam da escola direto para a facul­ dade, através de um ensino de qualida­ de. O Espetáculo vai começar No próximo dia 7 de julho se iniciará a Campanha Eleitoral 2012, on­ de serão escolhidos os nossos repre­ sentantes municipais, Prefeito e Vereadores. Segundo o TRE­MG, são quase 2.500 candidatos a vereadores para 41 vagas. Assim, gostaria de ressaltar a importância do voto de cada eleitor, muitas vezes votamos nas pessoas que conhecemos ou naquelas de de­ monstram carisma com suas palavras. Temos que estar alerta com este tipo de candidato, que se vestem de cordei­ ro, mas na verdade são verdadeiras ra­ posas, ou melhor, verdadeiros lobos. Ao longo dos anos vemos cotidiana­ mente a degradação da política, onde são eleitos candidatos sem propostas ou apenas por serem artistas, sem ne­ nhum conhecimento político e social. Temos que ficar espertos com este tipo de políticos que buscam um mandato para suprir suas vaidades e interesses pessoais. Todos os dias abrimos os jornais e nos deparamos com diversos tipos de escândalos en­

volvendo nossos políticos tais como improbidade administrativa, evasão de divisas, propinas , desvio de verbas, compras de votos e outros. Ainda nos defrontamos com o oportunismo. Quando são apresenta­ dos aos eleitores, aqueles velhos caci­ ques que se perpetuam no mandato sem apresentar quaisquer novidades. E, por outro lado, o povo se vende por benefícios pessoais momentâneos co­ mo festas, churrascos e famosos bai­ les populares em vias públicas. Além disso, existem ainda as religiões que apresentam os seus salvadores da pá­ tria, com um eleitorado já definido den­ tro das igrejas. E, por fim, ressalto aqueles que praticam o nepotismo, apresentando os filhos, irmãos, irmãs e até mesmo as esposas para disputa­ rem os votos dos mais humildes. Só falta mesmo quem lance a sogra como candidata. A democracia é um ato ma­ ravilhoso que a sociedade civil deve vi­ venciar, mas que nem sempre sabe usufruir do bem coletivo que ela pode trazer. A política é a manifestação de uma sociedade organizada; já a politi­ cagem é o lado podre, baixo e mesqui­ nho dos nossos políticos. A Associação dos Morado­ res da Lagoinha quer ouvir os candida­ tos da região e para isso estamos programando três debates ao longo do período eleitoral para podermos ver, conhecer e ouvir as propostas; para que possamos escolher aquele candi­ dato que tenha compromisso com a nossa comunidade. Podem se escrever para os debates pelo email associacaolagoi­ nhaviva@yahoo.com.br. Ressaltamos que os debates serão realizados em julho, agosto e setembro. Contamos com a participação de todos os mora­ dores do bairro, para escolher o me­ lhor para a nossa Lagoinha. Oscar Fernandes Presidente da Associação dos Mora­ dores da Lagoinha e Adjacências


Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

Associação Comunitária do Conjunto Residencial IAPI

Sempre em movimento

Tradicionalmente a região da Lagoinha é um misto de lutas, mas também de mui­ ta festança. Nesse último mês ti­ vemos experiências que mexeram muito comigo. Tivemos o privilégio de receber no IA­ PI, a comemoração do Dia Mundial do Fusca, or­ ganizado pelo Portal do Fusca em parceria com a Associação e o Festival Internacional de Teatro ­ FIT organizado pela PBH. Por outro lado, em soli­ dariedade ao nosso vizinho mais próximo, a Pe­ dreira Prado Lopes, estamos tentando intermediar o diálogo entre comunidade e Prefeitura, com o ob­ jetivo de resolver a situação lastimável que se en­ contram as obras do Programa Vila Viva. Mais uma vez, registramos aqui nosso apoio incondicio­ nal a esta comunidade e no que for possível, esta­ remos sempre a disposição para ajudar. Outra vitória importante que tivemos, justamente por trabalhar coletivamente, é a reinau­ guração da Farmácia Popular do Gegê, que foi fe­ chada por motivo de denúncia, deixando seus usuários sem medicação, mas que, graças a uma boa articulação, volta a funcionar na sede da Asso­ ciação do IAPI, a partir da segunda quinzena de ju­ lho. O que há três anos eram somente pro­ jetos, hoje é realidade! E o mais importante de tu­ do isso, foi que a idéia mirabolante dessa nova geração de lideranças da região, que tem um per­ fil mais técnico e tecnológico, o que vem dando certo. Voltar no tempo e descobrir que toda nossa região era Lagoinha e que atualmente foi redividi­ da em sub­regionais, deu origem ao Movimento Vi­ va Lagoinha, que busca soluções coletivas e unifica as lutas dos bairros do Complexo da Lagoi­ nha (Lagoinha, Bonfim, Vila Senhor dos Passos, Pedreira Prado Lopes, Conjunto IAPI, São Cristó­

vão, Santo André e Bom Jesus). Como prova do sucesso da nossa atu­ ação, pontuo alguns movimentos que estão sur­ gindo espontaneamente na região como #DESCEIAPI, cujo seu objetivo é que o morador do IAPI "desça" e venha frequentar as áreas de convívio coletivo do conjunto, embalados pelas festas e eventos promovidos pela associação. Outro motivo, senão o mais importante, é que se as pessoas de bem não ocuparem essas áreas, continuaremos ter problemas sociais como vimos hoje em dia. Outra oportunidade que teremos de re­ ver amigos, relembrar bons tempos e fazer novas amizades, é o lançamento do Circuito Cultural Vi­ va Lagoinha que inicialmente teve a adesão dos eventos promovidos pela Associação do IAPI, mas que tem o objetivo de divulgar tudo que rola de cultural no Complexo da Lagoinha.

Associação Recreativa Comunitária dos Amigos do Bonfim ­ ARCA­Bonfim

Alô comunidade do Bonfim, vamos resgatar nossa história!

O Bairro Bonfim se encontra na região noroeste atrás da rodoviária, esta cons­ truída dando as costas para este bairro centenário e esquecido por todos, sendo vizinho do centro da capital mineira. O Bairro Bonfim é mais velho que a própria cidade de Belo Horizonte. O morador do Bonfim precisa resgatar esta história, valorizá­lo. Muitos dos que aqui vem tem ideias e conceitos pré­concebidos do bairro. Alguns alunos da UNI chegaram aqui com medo de andar no bairro para fazer um documentário; ao conduzi­los às entrevis­ tas saíram com outro pensamento. Em entrevista com o jovem Breno Ce­ zar em seu comércio ele disse:

Confira aí nossa programação: ­ 4º Arraiá do IAPI ­ 07 de Julho ­ Praça Interna do Conjunto IAPI ­ Festa dos Ex­Alunos do Colégio Municipal ­ 11 de Agosto – Praça Interna do Conjunto IAPI ­ Festa do IAPIense Ausente ­ 15 de Setembro ­ Praça Interna do Conjunto IAPI Grande abraço a todos e mês que vem tem mais novidades. VIVA NOSSA HISTORIA! Juninho do IAPI Contatos: www.facebook.com.br/juninhodoiapi Siga­me no twitter: @juninhodoiapi Email: juninhodoiapi@gmail.com 8506­3190 (Oi)

Associação dos Moradores da Vila Senhor do Passos

Quem não agradece, não terá outras vitórias

Na edição passada, além de publicar a volta das ativida­ des da associação, divulga­ mos também várias pendências que hoje graças à movimentação da associação, junto com os mora­ dores, vem sendo atendidas. Esta edição será dedicada a um gesto que está quase extinto em nossa sociedade: o agradecimento. Agradecemos primeiramente ao morador da Vila Senhor dos Passos que não dei­ xa as reuniões se esvaziarem e entende que parti­ cipando das mobilizações do OP (Orçamento Participativo), PPR (Planejamento Participativo Re­ gionalizado), PDR (Planos Diretores Regionais) e do Movimento Viva Lagoinha, contribui para o de­ senvolvimento da comunidade. Agradecemos à Ur­ bel que entendeu a legitimidade das reivindicações da nossa comunidade e hoje nos re­ cebe com respeito e dignidade e vem, na medida do possível, atendendo às nossas demandas. Agradecemos à Regional Noroeste, que ganha uma nova forma de pensar e agir, com seu novo secretário, que faz parte dessa nova geração de li­ deranças e mostra que entende o trabalho colabo­ rativo quando convoca as lideranças e a comunidade para conversar e entender a comple­ xidade das questões. Outro importante agradeci­ mento vai ao UniBH por nos dar a oportunidade de divulgar nossas ações através do Jornal Daqui (rádio, jornal e tv), projeto este que nos coloca à frente do nosso tempo e, como resultado, atrai par­ ceiros e faz com que o poder público nos perceba

11

de forma diferente e entenda que somos parcei­ ros e não a antiga "massa de manobra". Não po­ demos deixar de agradecer às outras lideranças do Complexo da Lagoinha (Bonfim, Lagoinha, IA­ PI, Pedreira e Santo André) que não nos abando­ na e fortalece nossa luta aderindo ao Movimento Viva Lagoinha. Aos comerciantes da região, o nosso muito obrigado e reforçamos o convite, só que agora convocando­os a participar das nossas reu­ niões, levando em consideração a importância das conquistas da Vila, que de uma forma ou de outra, contribui para o crescimento de cada um de vocês. Para finalizar, nosso agradecimento especial a Deus, que nos ilumina e nos dá saúde e força todos os dias para trabalhar em prol do coletivo. Grande abraço a todos, VIVA A VILA e a luta continua. José Iran Martins Presidente Associação dos Moradores da Vila Senhor dos Passos Contatos: www.facebook.com.br/VilaSrDosPassos Siga­nos no twitter: @vilasrdospassos Email: associacaovilasenhordospas­ sos@gmail.com 8539­8285 (Oi)

"O Viva Lagoinha é um movimento democrático e apartidário que usa as ferramentas da comunicação para conectar pessoas que sonham com a Revitalização da Lagoinha" #SejaLivreComoALagoinha

“Vim para o bairro quando tinha dois anos, quando meu pai veio assumir a chefia do ce­ mitério. Somos comerciantes. O bairro é bom e cal­ mo. Várias famílias e comércio. Moro no centro e venho pra cá para buscar tranquilidade. Há vinte anos assumi o comércio de meu pai. Sabe onde eu gostaria de estar quando não estou aqui? É aqui mesmo, é aqui que eu gostaria de estar. Aqui é irmandade, todo mundo conhece todo mundo. Gosto de tudo. Quem vem e conhece, quer ficar aqui. Ficou um pouco mais complicado porque a policia não segurou a bandidagem.” O Senhor Newton, morador e dono da fábrica de persianas, disse:

“Já morei no São Pedro e outros bairros considera­ dos nobres; vim para o bairro por questão de aco­ modação e minimizar o stress do trânsito, a qualidade de vida é melhor, menos estressante, menos poluição sonora. Setecentos metros do cen­ tro, com qualidade de vida de interior. Conheço quase todo mundo. Gosto daqui pela proximidade do centro; vou a pé à feira, ao parque, fácil locomo­ ção.” O casal mais lindo do bairro, O senhor Paulo Ricardo Paola, que mora neste desde que nasceu há 89 anos, e a senhora Ukenis Calazãs de Paola, que moram perto da AEC, disse:

“Conheci meu esposo aqui neste bairro. Casei, cri­ ei meus filhos e estou aqui até hoje” Senhor Pau­ lo: “Antes podia se jogar bola na rua, hoje o

Siga­nos no Twitter: @MovVivaLagoinha Facebook: MovVivaLagoinha

email: movimentovivalagoinha@gmail.com

31.91793551 ­ Filipe Thales [Coordenação]

movimento de carros é maior, muita gente. Co­ nheço muitas pessoas. O Bairro é muito bom pra se viver.” Mas o bairro tem características diver­ sas e um olhar diferenciado nos fazer ter uma percepção mais perfeita sobre ele. Subindo a Rua Bonfim temos a AEC empresa de telemarketing com seus três mil funcionários, um fervilhar de moças e rapazes, vida passando 24 horas. Próxi­ mo ao cemitério o olhar é de uma rua interiorana com arquitetura antiga. Muitas firmas, Praça do Peixe, Rádio Itatiaia, bares e boteco. Mas como em todo o lugar o bairro também tem suas mazelas e seus problemas. Na Rua Jaguarão e Borba da Mata a insegurança predominam. Casas abandonadas por seus pro­ prietários sem nenhuma conservação. Olhares di­ ferentes, mas todos que aqui estão, gostam deste espaço e como moradores devemos nos consci­ entizar e buscar soluções e melhorias. “À medida que um lugar toma consciência de si mesmo, ele se afirma culturalmente”. Assim, ao conhecer o seu bairro os moradores valorizarão e serão ca­ pazes de desvendá­los e interpretá­los aos visi­ tantes. A associação quer buscar a história do bairro e valorizá­lo. Pleiteando projeto de Revitali­ zação deste bairro centenário, onde se localiza o primeiro Cemitério de Belo Horizonte. O cemitério já é um patrimônio histórico, pela riqueza cultural que existe, já tem visita agendada uma vez por mês. Mas queremos mais. Que ele seja conside­ rado um “museu a céu aberto”, a ponto de torná­ lo parte do roteiro cultural e turístico da cidade, como ocorre em cemitérios como o Recoleta, em Buenos Aires ou o Père Lachaise em Paris. Para que isto aconteça no bairro, é mister que seus moradores conheçam a sua his­ toria nos seus aspectos, culturais e turísticos. Te­ mos que ter o olhar atento aos acontecimentos. O bairro tem em seu contorno duas vias de acesso de ligação do centro as outras regionais: Av. Anto­ nio Carlos e AV. Pedro ll. Com a construção do BRT, BST e melhoria do entorno da Lagoinha po­ deremos ficar ilhados e com toda a problemática. A hora é agora quando estão se discutindo proje­ tos de reestruturação da cidade com os Planos Diretores Regionalizados. O local abandonado pelo poder público, pela Regional Noroeste, sujo, propicia que a criminalidade se instale. A Associação, através de sua Presi­ dente, Selma Cândida, vice, Ângela Maria e a as­ sociada Maria das Dores em reunião com o Sr. Josué Valadão e Dona Mariza, chefe de gabinete do prefeito, reivindicou melhorias de infraestrutu­ ra, meio ambiente, cultura, lazer, dentre outras. Em setembro teremos nossa primeira Rua de la­ zer do SESC. Aguarde! A associação assume os princípios de uma doutrina que expressa a crença de que jun­ tos nós podemos encontrar soluções melhores para os conflitos que a vida em sociedade nos apresenta. Sejamos parceiros na construção de um Bairro Bonfim cada vez melhor para se viver! Vamos abraçar o Bonfim! Selma Cândida Presidente da ARCA­Bonfim arcabonfim@gmail.com


Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

Associação Comunitária do Bairro Sr. Bom Jesus

Linha 4113: reunião na BHTrans

Pela Lagoinha Wagner Pinto, Miranda, Renato e Edson Moreira. Foto: Cristiane Borges.

_____________________ Cristiane Borges Renato

“A abertura da avenida Antô­ nio Carlos tem colaborado para a revita­ lização da Lagoinha, mas não pode parar por aí. A rua Itapecerica está es­ quecida, é preciso melhorá­la para que o comércio local se valorize”. Renato disse que outra inter­ venção que o bairro precisa é a amplia­ ção do Hospital Odilon Behrens. Ex­vendedor de lingüiça, o empresário Miranda conta que a histó­ ria da Furacão Ventiladores começou “por acaso”, em 1975. Ele disse que ga­ nhava a vida trazendo peixe de Vitória, Espírito Santo. Em uma de suas entre­ gas, Miranda viu em um ferro­velho de Coronel Fabriciano um motor de bomba com hélice de jipe, pendurado na pare­ de, e teve a curiosidade de tentar fazer igual. Ele conta que isso o entusiasmou bastante. Começou a oferecer seu pro­ duto (exaustor) que fazia com a utiliza­ ção de hélices de veículos mais potentes, como scania e jipe. Logo esta­ va fazendo ventiladores “gigantes” sob encomenda, que tinham “vento que va­ lia por quatro ventiladores normais da época”, lembra. “Eu não tinha dinheiro para comprar as peças. O cliente com­

prava e eu montava. Eu ganhava só pe­ la mão de obra”, disse o empresário, que foi aperfeiçoando a sua criação à medida em que aumentava o número de pedidos. Hoje a Furacão Ventiladores é referên­ cia no mercado regional e atende todo o estado, o Espírito Santo e o nordeste brasileiro.

delegado considera que os que tiveram desfechos mais surpreendentes foram o Bruno, o Viviane Brandão, e o do ge­ rente de uma agência do Banco Bra­ desco em Uberlândia, Aleir Fernandes, que foi encontrado morto, com o corpo coberto por concreto dentro de um só­ tão.

Edson Moreira O delegado famoso por in­ vestigar casos de grande repercussão como os casos José Cleves (2001); Emílio Beletti (1999); Maníaco de Conta­ gem (2009) e caso Bruno (2010), nas­ ceu na cidade de São Paulo e foi condecorado cidadão honorário de Belo Horizonte. “Fui acolhido por Belo Hori­ zonte e essa receptividade me faz pres­ tar serviço para esse povo há 23 anos”, disse. Ele contou que desde peque­ no quis ser delegado. “Fui da PM de São Paulo, depois fiz Direito e decidi ser delegado pela possibilidade de des­ cobrir os criminosos e poder servir me­ lhor a população. Todo mundo tem um dom e esse Deus me deu”. Quanto às dificuldades da profissão, Edson enumerou algumas: “pouca vida social, dedicação 24 horas por dia, perigo constante de vida, estres­ se em demasia”. Dos casos que trabalhou o

Edson disse que o efetivo da PCMG é pequeno em relação ao ta­ manho do estado, mas que a qualifica­ ção é muito boa. “Ela desenvolve um trabalho investigativo de primeira li­ nha.” O delegado apontou a falta de pessoal, de material de inteligência (computação, áudio, filmagem) dentre as maiores dificuldades que o DHPP vi­ ve hoje. “Não só aqui, mas em todo o estado”, disse.

PCMG

Para um delegado como você, que indicia pessoas à prisão, qual o significado de liberdade? “A liberdade tem de ser para pessoas de bem, honestas e trabalha­ doras, que cumprem com suas obriga­ ções. A vida social requer regras que devem ser respeitadas. Hoje em dia as pessoas honestas e trabalhadoras es­ tão presas em suas casas e os bandi­ dos estão soltos cometendo crimes. Esses é que devem estar presos”.

12


Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

As cantineiras das escolas

Antônio de Pádua Galvão Economista e Psicanalista ­ www.galvaoconsultoria.com.br (31) 9956­9161

Com a palavra, Milton Kabutê!

13

O dia em que a Lagoinha acordou!

miltonkabute@gmail.com


Violência contra idosos ­ 2ª parte

Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

14


Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

15

s a r u d r e v a r t n o c n e ê c o v o r i e n i M m o Aqui no B fresquinhas todos os dias! e frutas

m e , a h n i o g a L , 2 5 , a g i m r o F a u R a n i l s n e r h É logo a e B n o l i d O l a t i p s o H frente ao ) 3441‐3701 (31

O Bom Mineiro agora é SuperVarejista, a mais nova rede de lojas do varejo alimentar da Grande BH.

Ofertas e promoções imbatíveis pela concorrência!


Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

16


Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

17

MatrĂ­culas Abertas.


Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

18

Tostão

Minas Gerais tem futebol de ponta!

Flávio Domênico Twitter (@flaviodomenico)

Saudações amigos e ami­ gas do Gazeta da Lagoinha! Não pode­ ria deixar de destacar este mês o excelente desempenho de Atlético, Cruzeiro e América no campeonato na­ cional. Os times parecem ter deixado de vez a lástima de 2011 para trás. O América disputa a lideran­ ça da série B e vem jogando um fute­ bol bonito e convincente. Fez algumas contratações pontuais, como o experi­ ente Gilberto que, no auge dos seus 36 anos, acertou o meio de campo do time. Rodriguinho também se destaca fazendo belos gols e boas assistênci­ as. O time mescla experiência com muita juventude para voltar à elite do futebol brasileiro. O Cruzeiro tenta se reen­ contrar apostando no comando de Cel­ so Roth. É inegável que o técnico da Raposa colocou ordem na toca. Time se estrutura em dois jogadores: Fábio (melhor goleiro do Brasil, menos para o Mano!) e Montillo. Contudo, a derro­ ta para o São Paulo diante de um Inde­ pendência lotado mostra que o time celeste ainda precisa de alguns acer­ tos para brigar no topo da tabela e não depender tanto de suas duas princi­ pais estrelas. Já o Atlético conseguiu mon­ tar um elenco competitivo para dispu­ tar o Brasileiro. A chegada de Ronaldinho Gaúcho à Cidade do Galo

mostrou que a atual diretoria respira novos ares. Logo após a vitória contra o Náutico, conversei com seu irmão e empresário, Roberto de Assis Moreira. “A chegada do Ronaldinho é para fa­ zer com que o time tenha um elenco forte, unido e a meninada vibrando junto. Nestes detalhes estamos vendo o espírito de grupo que irá fazer a di­ ferença para este Atlético”, destacou Assis (entrevista completa em meu blog flaviodomenico.blogspot.com). O clube se estruturou e co­ meça a colher os frutos de bons negó­ cios, como a parceria com BWA. Além de Ronaldinho Gaúcho, antes de fe­ char o mês de junho, o presidente do Atlético Alexandre Kallil anunciou ain­ da a contratação do goleiro Victor do Grêmio e ainda envolveu o zagueiro Werley na compra do jogador. É fato dizer que, no Brasi­ leirão de pontos corridos, cada jogo é uma final. O Galo vem mostrando ma­ turidade nos jogos. Prova disso foi a sensacional jogada do garoto Bernard que culminou no gol de Jô e deu a vi­ tória ao Galo contra o Grêmio no Está­ dio Olímpico. O Atlético assumiu a liderança do campeonato e vem se fortalecendo na união do grupo e no comando do técnico Cuca que, apesar de algumas improvisações, tem desfi­ lado um time aguerrido e que luta pelo resultado. As­ sim os times de Minas Gerais es­ crevem sua história no cenário naci­ onal de 2012. Até a próxima co­ luna!

Ronaldinho chega à cidade do Galo para ser campeão Brasileiro. Foto: Flávio Domênico

Assista ao programa que está revolucionando o comentário esportivo em Minas Gerais:

RESENHA DO GALO

toda segunda­feira ao vivo a partir das 20h30 no site www.resenhadogalo.com.br


Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

Confira aqui onde comer e beber bem nos restaurantes e bares da Lagoinha e regiĂŁo!

19

Creso Campos

Desta que do mĂŞ s!


Belo Horizonte, 30 de junho de 2012

20

Lagoinha Antiga

Ofertas boas pra cachorro! ...e gato. Ração Pedigree R

Raçã Pedigree Ração Equi Equilíbrio Natural

C Carne/vegetais/nuggets, júnior, raças pequenas jú o carne/frango/cereais ou 20Kg 2

Carne/ Carne/vegetais/nuggets, carne/ frango frango/cereais, ovelhas/cereais, raças pequenas, júnior, equilíbrio natural Exceto equilíbrio natural: raças pequenas ou júnior 1Kg

Tudo em até 6x sem juros no cartão Visa e Master Parcela mínima de R$ 20,00

Frontline Pl Plus 1­10 Kg....R$ 38,90 cada 10­20 Kg...R$ 46,90 cada 20­40 Kg...R$ 49,90 cada Acima de 40 Kg...R$ 59,90 cada Ração para Gatos Whiskas Ra Carn nuggets, frango/ Carne leite, peixe nuggets ou salmão/atum/sardinha salm 1Kg

R$ 15,90 cada

R$ 129,90 R ccada

R$ 13,90 cada

Coleira Scalibor

Cães grandes 25g / 65cm Cães pequenos/médios 19g / 48cm

R$ 49,90 cada

Frontline Spray 100ml.....R$ 73,90 cada Ração ã Champ Ch Adulto Ad 250ml.....R$ 116,90 cada R Carne/Vegetais 22kg

R$ 84,90 cada

Ração Dog Chow

Adulto light, adulto raças médias a grandes ou papita 15Kg ­ cada

R$ 89,90

R$ 114,90 20Kg ­ cada

Ração Cão Herói Adulto

R$ 47,90 cada Carne 15kg

R$ 75,00 cada 25kg

Ração Dog Chow

Filhotes, raças pequenas, light, papita, raças pequenas, filhotes raças médias a grandes, ou adulto raças médias a grandes 1Kg ­ cada

R$ 10,90

Ração Kanina

Carne/cereais ou Carne/vegetais 15kg

R$ 59,90 cada

Ração Alpo Filhotes

Carnes/leite/cereais ou frango/vegetais 1Kg ­ cada

R$ 8,90

Gazeta da Lagoinha - Junho 2012  

Jornal de apoio às iniciativas comunitárias do Complexo da Lagoinha - Junho 2012

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you