Page 1

quarta-feira, 16 de maio DE 2012

O melhor da

gazetarussa.com.br

PRODUzido por RUSSIA BEYOND THE HEADLINES

www.rbth.ru

Volta ao mundo

Cozinha em alta na capital

Maior barco a vela do mundo vai passar pelo Brasil e outros 20 países

Cursos inovadores são resultado de grande demanda por gastronomia

P.4

P.3 alamy/legion media

Publicado e distribuído com The New York Times (EUA), The Washington Post (EUA), The Daily Telegraph (Reino Unido), Le Figaro (França), La Repubblica (Itália), El País (Espanha), Folha de S.Paulo (Brasil), The Economic Times (Índia), La Nacion (Argentina), Süddeutsche Zeitung (Alemanha), The Yomiuri Shimbun (Japão) e outros grandes diários internacionais

Terceiro mandato Vladímir Pútin tomou posse na presidência no início do mês. Medvedev virou premiê

Troca de posições, outra vez

notas Protesto contra Pútin tem mais de 400 detidos

Cerimônia para três mil convidados e benção de líder da Igreja Ortodoxa Russa foram destaques da posse. Das agências de notícias

AP

Depois de quatro anos como primeiro-ministro, Vladímir Pútin voltou oficialmente ao cargo de presidente no último dia 7 de maio. Pútin fez juramento sobre a Constituição russa em uma cerimônia realizada no Kremlin com 3 mil convidados. Entre esses, destacou-se o ex-premiê italiano Silvio Berlusconi. O líder da Igreja Ortodoxa Russa, Patriarca Kirill, conduziu a benção do chefe de Estado na Catedral da Anunciação e a primeira-dama Liudmila Pútina, pouco fotografada nos últimos anos ao lado do marido, também esteve presente à celebração, assim como expresidente Dmítri Medvedev.

Em 6 de maio, um dia antes da posse presidencial, mais de 400 pessoas foram detidas, segundo dados o Ministério do Interior russo, em protesto na capital contra o novo presidente, que assume o terceiro mandato. A manifestação reuniu entre 50 mil e 100 mil pessoas na praça Bolôtnaia, no centro de Moscou. De acordo com a assessoria do ministério, a razão das detenções foi “insubordinação policial” e “realização de atividade ilegal”. Dois dias depois, de 150 a 400 pessoas se reuniram perto do metrô Barikádnaia, no que chamaram de “Passeio do Povo”. O blogueiro Aleksêi Naválni e o líder esquerdista Serguêi Udaltsov, entre outros, foram detidos e condenados a 15 dias de prisão.

Medvedev, novo premiê

Vitáli Iástrebov

AP

Depois do mandato como presidente (2008-2012), Medvedev agora troca de posição com Pútin. Indicado pelo último à votação na Duma (câmara dos deputados da Rússia), Medvedev foi eleito primeiro-ministro no dia 8 de maio com 299 votos – de um total de 443 - com apoio da bancada do Rússia Unida e do P a r t ido L ib e r a lDemocrata).

Cerimônia de posse contou com a presença do ex-premiê italiano Sílvio Berlusconi e benção em catedral que já foi exclusiva para tsares

Carne Apesar de atuais restrições ao produto brasileiro, países podem estabelecer acordo de reciprocidade

Adesão russa à OMC pode favorecer o Brasil Tendo ampliado significativamente a produção avícola, a Rússia agora enfrenta problemas na exportação para seu principal mercado potencial, a União Europeia. “Enfrentamos problemas ao tentar introduzir a carne de aves no mercado europeu. O Brasil tem questões semelhantes com outros tipos de carne, e juntos vamos tentar abrir o mercado europeu”, disse Dankvert em entrevista à Gazeta Russa depois de

Viktor Kuzmin

especial para gazeta russa

Após a adesão à OMC, a Rússia deve se unir a um grupo de países que têm problemas semelhantes na exportação de carne, e considera a possibilidade de cooperação com o Brasil, Chile e Argentina.

regressar de uma visita à América Latina no início de abril.

Dando a volta por cima

Empenhada em desenvolver sua própria produção avícola, a Rússia está buscando mercados externos. Há apenas três anos o país importava 1,6 milhão de toneladas do produto. No ano passado, entretanto, a importações de aves diminuíram para cerca de 200 mil

toneladas. Neste ano, as tendências positivas se mantêm. No primeiro trimestre, a produção avícola russa aumentou quase 21%, atingindo 826 mil toneladas. O crescimento se deu com a expansão da produção avícola existente e a criação de novas empresas. De acordo com a imprensa russa, há mais de 20 projetos de investimento no setor avícola nacional, que podem ultrapassar, sozinhos, a meta de

Rússia enfrenta problemas para exportar produção avícola

650 mil toneladas nos próximos dois anos. A Rússia está aberta a investimentos estrangeiros, inclusive brasileiros, no setor.

Em abril, o diretor do Serviço Federal de Fiscalização Veterinária e Fitossanitária Continuação na página 3

Eleições Em decisão histórica, Comitê Eleitoral analisa vídeos de votação e abre inquérito

Termina greve de fome na cidade de Ástrakhan aleksandr liliakov gazeta russa

Em greve de fome por dois meses, Oleg Chein, candidato a prefeito derrotado na cidade de Ástrakhan, encerrou seu protesto no final de abril A decisão foi tomada depois de Chein analisar, junto ao

mikhail mordasov_focuspictures

Comitê Eleitoral Central admite irregularidades e abre caminho para fim das fraudes após candidato ficar dois meses sem comer.

Assertiva de irregularidades é vitória para Oleg Chein

presidente do CEC (Comitê Eleitoral Central) Vladímir Tchurov, todos os vídeos feitos pelo órgão nas seções eleitorais da cidade, localizada a 1,5 mil quilômetros a sudeste da capital russa. Chein, que obteve 30% dos votos, contestava os resultados da apuração, chamando de impostor o prefeito eleito Mikhail Stoliarov, que obteve oficialmente 60% dos votos. Stoliarov é do partido governista Rússia Unida.

Iniciado em 3 de maio no Centro Cultural Yves Alves, o festival tem na programação, além de filmes, uma palestra sobre cinema russo. “Escolhemos Tiradentes porque a cidade é muito rica do ponto de vista histórico e cultural”, diz Maria Vragova, uma das idealizadoras do evento, organizado com apoio institucional da Fiemg (Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais). Para o bate-papo agendado para o dia 17, Vragova promete uma viagem por toda história do cinema russo. Maria Azálina

itar-tass

Com poder de voto na OMC (Organização Mundial de Comércio), Moscou planeja apoiar países aliados exportadores de carne.

Tiradentes (MG) recebe festival russo

A principal alegação do candidato sobre a suspeita de fraude era a grande diferença entre os resultados oficiais e as pesquisas de boca de urna, que lhe davam vitória. A ação de Chein teve grande repercussão e gerou uma série de protestos na cidade, enquanto seus partidários exigiam acesso às gravações de vídeo feitas pelas câmeras do CEC instaladas em mais de 100 seções eleitorais.

“Ele conseguiu chamar a atenção dos deputados da Duma (Câmara dos Deputados) e do presidente para as eleições locais. Ele obrigou o CEC a intervir, o problema foi discutido nos mais altos escalões. É uma nova certeza, tanto para comissões eleitorais, como partidos na corrida eleitoral, de que as eleições não são um vale tudo”, declarou o diretor do Continuação na página 2

Em busca do mais potente laser do mundo Cientistas russos querem desenvolver o laser mais potente do mundo no parque tecnológico de Sarov, na região de Níjni Novgorod. “Por um lado, o laser será usado para o estudo das propriedades físicas do plasma denso, importantes para a construção de armas termonucleares. Por outro, a fusão termonuclear a laser pode nos ajudar a obter energia no futuro”, explica Radi Ilkaev, diretor do centro de estudos nucleares da agência estatal Rosatom. O laser medirá 360 metros de comprimento e mais de 30 metros de altura, atingindo uma potência de 2,8 megajoules – mais forte do que seu congênere em construção na França, cuja eficácia não será superior a 2 megajoules. Vzgliad


Política e Sociedade

Gazeta Russa

www.gazetarussa.com.br

entrevista vsiÉvolod tcháplin

“Não vamos nos calar, vamos criticar” Porta-voz da Igreja ortodoxa russa fala sobre

marina darmaros gazeta russa

O arcipreste Vsevold Tchálin é incumbido de um cargo que leva o enigmático título de “Presidente Sinodal para Cooperação entre Igreja e Sociedade do Patriarcado de Moscou”, e que pode ser entendido como uma espécie de porta-voz da Igreja Ortodoxa Russa. Por meio de suas polêmicas declarações na última década em inúmeros programas de televisão, debates e entrevistas para jornais, a população russa, cada vez mais religiosa desde o fim da União Soviética, fica sabendo, quase toda semana, de novas nuances na posição da Igreja. Apesar do aumento no número de fieis, a instituição enfrenta rejeição de indivíduos e grupos, com invasões a catedrais em diversos pontos do país, destruição de imagens religiosas e agressão a padres. As investidas levaram a Igreja a promover uma demonstração, em forma de oração “pela defesa da fé”, no final de abril, que reuniu

50 mil fieis em frente à Catedral do Cristo Salvador, em Moscou. Na Catedral de São Nicolau, onde é pároco, Tcháplin recebeu a Gazeta Russa e falou de suas relações com representantes de outras religiões, dos liberais russos e da banda punk Pussy Riot, que pode enfrentar até sete anos de prisão caso seus membros sejam condenados por cantarem dentro de uma das principais catedrais da capital. Como o senhor poderia descrever a posição atual da Igreja Ortodoxa Russa? O renascimento espiritual da sociedade continua. As pessoas começam a tratar a fé de maneira mais consciente. Se na União Soviética apenas uma pequena parcela da população era praticante da religião, agora cerca de um terço da população conhece os conceitos básicos do cristianismo ortodoxo, possui ícones da Igreja, lê literatura religiosa e reza em casa. Durante os últimos 10 anos o perfil das pessoas que vão à igreja também mudou. Agora, em vez de mulheres de idade, são jovens famílias que frequentam o espaço com os filhos. A Igreja recebe um grande número de seguidores

ativos e isso nos dá um novo impulso.

são as pessoas que propõem a criação desses eventos.

A Igreja Ortodoxa Russa tem projetos na América Latina? Eu não chamaria isso de projetos. Muitas pessoas são seguidoras da Igreja Ortodoxa na América Latina. São pessoas de ascendência ucraniana, russa e moldava que têm suas próprias paróquias. Ultimamente, a Igreja Russa no exterior se uniu à Igreja Ortodoxa Russa. Isso significa que as paróquias na América Latina se tornaram parte da nossa Igreja. Há muitos ortodoxos no Brasil e na Argentina, e aparecem novos no Chile e em Cuba. O número de paróquias no exterior está aumentando.

A atitude da Igreja Ortodoxa Russa à banda Pussy Riot [que tocou músicas punk de protesto contra o presidente Vladímir Pútin dentro da Catedral do Cristo Salvador] não prejudica a própria Igreja? Existe um grupo agressivo de pessoas socialmente ativas em Moscou que não pertencem à Igreja Ortodoxa, ou que pertencem apenas formalmente. Eles tentam reformar a Igreja como bem entendem. A ação sacrílega do Pussy Riot é uma das tentativas de forçar a Igreja a se adaptar ao mundo de consumismo e moralidade pequeno-burguesa. A Igreja não deve permitir isso. Muitos intelectuais dizem que devemos reconhecer que essa ação é normal, que devemos perdoar – mesmo que ninguém peça perdão –, que devemos nos adaptar ou não teremos futuro. A história vai julgar quem tem futuro.

Como a Igreja Ortodoxa Russa atrai a juventude? Há uma política especial em relação aos jovens? Existem várias formas de os jovens participarem da vida ortodoxa, e a Igreja quer se abrir mais a eles. Mas sou contra estratégias premeditadas. Realizamos, por exemplo, os encontros “Vida e Fé”, que contam com a participação de pessoas muito diferentes, desde oligarcas até miseráveis. Discutimos as Escrituras Sagradas e rezamos juntos. Nenhuma dessas ideias é minha,

Por que a Igreja Ortodoxa Russa tem relações tão estreitas com o governo local? Essas relações não são mais estreitas do que o são na maior parte do mundo. Não são mais estreitas do que nos EUA, na França, na Itália ou na Espa-

Análise Apoiada pelo presidente, lei tem poucas chances de aprovação

itar-tass

Projeto não define direitos e garantias de empresas

Duma debate criação de empresas militares iliá kramnik

especial para Gazeta russa

Mal acabou a polêmica em torno da declaração, em 24 de abril, do presidente Vladímir Pútin sobre sua intenção de criar na Rússia empresas militares privadas (EMP) e o respectivo projeto de lei intitulado “Da regulação estatal das atividades das empresas militares privadas”, de autoria do deputado do partido Rússia Justa Aleksêi Mitrofanov, foi introduzido na Duma de Estado (câmara ba i x a do pa rla me nto russo). Seu objetivo é criar uma força militar não controlada pelos parlamentos e pela sociedade que seja capaz de executar missões específicas em território estrangeiro evitando os longos e difíceis debates e formalidades necessários

ao envio de tropas regulares ao exterior. Além disso, as possíveis perdas das EMP permitem aos governos evitar questões embaraçosas que inevitavelmente surgem quando exércitos regulares sofrem baixas humanas. Em algumas regiões que contam com fracas estruturas de Estado, as EMP podem realmente substituir as Forças Armadas e defender as instalações da parte contratante contra as mais diversas ameaças, assim como garantir a segurança de circulação de cargas, realizar os trabalhos de retirada de minas e prestar outros serviços de natureza militar. Muitas vezes, especialistas das EMP também são contratados para treinar as Forças Armadas de outros países. No Afeganistão, por exemplo, essas empresas operam no abastecimento da Força Internacional de Assistência à Segurança no Afeganistão, permitindo à Otan evitar perdas humanas durante o trans-

FRASE

Vladímir Pútin presidente da rússia

AFP/eastnews

Grupos militares privados poderiam ampliar atuação russa no exterior, inclusive na segurança de companhias privadas e estatais.

"

Acredito que essas empresas são uma forma de implementar os interesses nacionais sem o envolvimento direto do Estado.”

porte de cargas. Claro que isso é custoso, mas os valores gastos são justificados pela diminuição de um eventual prejuízo político.

Pontos positivos

Hoje, a Rússia é das poucas entre dez primeiras economias do mundo a não recorrer oficialmente a serviços das EMP no exterior. Companhias pri-

vadas russas com interesses em países instáveis politicamente, também não são client e s f r e q u e nt e s d e s s a s empresas. A Rússia possui, por força de lei, uma capacidade bastante limitada para empregar suas Forças Armadas regulares em apoio a interesses comerciais do país no exterior, até mesmo porque, conforme a tradição política russa, as Forças Armadas têm sido sempre encaradas como ferramenta para defender os interesses soberanos do Estado e das vidas de seus cidadãos. Assim, a hipótese de usar tropas para a defesa dos interesses do empresariado russo no exterior tem sido vista como absurda. Nessas circunstâncias, a criação de EMP parece um passo completamente lógico. O país e grandes empresas privadas irão ganhar uma ferramenta que lhes permita defender seus interesses comercias em outros países contra eventuais ataques por parte de seus concorrentes ou contra os apetites econômicos dos “senhores da guerra” locais e outras gangues. As EMP podem ser usadas, pelo menos, para proteger as instalações mais importantes e funcionários russos, assim como para o treinamento de forças de segurança locais, retirada de minas e combate a ataques de grupos armados.

Perspectivas possíveis

Apesar dos benefícios políticos e econômicos que a criação das EMP poderia gerar, a atual versão do projeto de lei tem uma série de inconsistências lógicas. Entre outros defeitos, o projeto não define claramente os direitos e garantias das EMP em suas atividades no exterior. Além disso, algumas disposições do projeto podem causar um conflito de interesses, ao conceder às EMP o direito de realizar cooperações técnico-militares. Assim, na forma atual, tal projeto de lei tem poucas chances de ser aprovado.

a política antirreligiosa continua a ser oficial. Ao mesmo tempo, nós sempre criticamos as autoridades, especialmente sobre decisões na área social, cultural e moral. Sou um canal de interação e posso lhe dizer que discutimos muito sobre diferentes projetos de lei na área de cultura, saúde pública e moral na televisão. Discuto muito com funcionários públicos, mas, logo em seguida, rezamos no mesmo altar. Isso não nos impede de fazer parte de um organismo público.

raio-x idade: 44 cargo: arcipreste

Formou-se em 1990 pela Academia Espiritual de Moscou – instituição de ensino superior da Igreja que existe desde 1687 e ficou fechada de 1919 a 1946. Foi vice-presidente das relações entre Igreja e sociedade de 2001 a 2009, quando assumiu funções plenas.

Recentemente o Patriarcado de Moscou lançou uma circular chamando seus seguidores a lutar contra as “forças anticlericais e falsos valores

nha. Em todos os tipos de sociedade existe diálogo e interação entre comunidades religiosas e governos. E não falo sobre países totalitários onde

do liberalismo agressivo”. Não acha que isso pode dividir a sociedade ainda mais? A sociedade já está dividida, e são essas pessoas que declararam uma guerra da informação contra a Igreja que dividem a sociedade. Não vamos nos calar, vamos incentivar as pessoas a defender a fé, a Igreja e os santos. E vamos criticar os representantes do movimento liberal, que acham ter o monopólio da legislação, do estatismo. Não tenho nada contra os liberais, mas sou contra os que tentam convencer a sociedade de que todos devem viver seguindo as regras deles. Isso é uma tendência que poderia levar a um novo totalitarismo.

Candidato crê em vitória após greve de fome continuação da página 1

Bureau para Direitos Humanos de Moscou, Aleksandr Brod. Juntamente com Oleg Chein, o presidente de seu partido, Rússia Justa, Serguêi Mironov, e o presidente do CEC, Vladímir Tchurov, passaram uma noite inteira examinando as gravações de vídeo apresentadas como prova. Tchurov reconheceu haver “irregularidades processuais” em 130 das 200 seções eleitorais, negando, contudo, quaisquer fraudes eleitorais. Ainda assim, Chein se declarou satisfeito e prometeu contestar judicialmente os resultados das eleições. A cidade também recebeu a visita de uma comissão especial da Duma que prometeu realizar nova votação, caso se comprovassem as denúncias.

Guerra de greves

Iniciada após as eleições de 4 de março, a greve de fome em Ástrakhan teve ampla re-

mikhail mordasov_focuspictures

De acordo com sacerdote, tendência totalitária de liberais divide a sociedade e os coloca contra Igreja, cujos padres e paróquias têm sido alvos de ataques constantes.

kommersant

principais problemas enfrentados por instituição

O blogueiro Aleksêi Naválni apoia Chein em Ástrakhan

Apenas um novo episódio Não é a primeira vez que Oleg Chein e seus partidários contestam os resultados das eleições. Em 2009, eles exigiram a recontagem dos votos, alegando que “grupos de ativistas invadiram seções eleitorais” para falsificar os resultados. Então, Ástrakhan tornou-se palco de manifestações para convencer o presidente russo a realizar novas eleições, sem sucesso.

percussão no país, e durante os dois meses que durou a cidade foi visitada pelas figuras mais relevantes da oposição russa. Estiveram na cidade apoiando o candidato derrotado o ativista anticorrupção Aleksêi Naválni, a apresentadora Ksênia Sobtchak e o líder do movimento Solidarnost Iliá Iáchin, entre outros. Enquanto isso, o movimento juvenil pró-Kremlin “Nashi” (em português, “Nossos”) realizou no local uma “greve de fome em protesto contra a fraude da greve de fome”.

Pesquisa Iate privado é o que melhor representa status

O luxo, segundo os russos Caviar negro, símbolo de boa vida em muitos países, ficou em último lugar em estudo que enumerou objetos que melhor representam o luxo. ekaterina dobrínina rossiyskaya gazeta

De acordo com pesquisa realizada pelo instituto de opinião pública Romir com mil moradores de cidades com população superior a 100 mil habitantes, em 8 unidades federativas do país, o iate privado é o principal símbolo

de luxo para a maioria dos russos (53%). Em segundo e terceiro lugar ficam as propriedades de elite (42%) e jatos particulares (38%). Em seguida, os carros exclusivos (30%) e férias em ilhas exóticas (29%). Menos da metade dos entrevistados citou antiguidades, pinturas e cruzeiros marítimos. Roupas de estilistas famosos e peles receberam, respectivamente, 9% e 8% dos votos. A marca mais ligada a luxo para homens foi a Bentley (11%),

enquanto as mulheres escolheram a Dior (12%). Apenas um em cada dez russos associa restaurantes com a palavra luxo. Um símbolo nacional, geralmente associado no exterior à boa vida, o caviar negro ficou em último lugar, indicado por apenas 4% dos pesquisados. Em relação aos país que melhor representa o conceito de sofisticação, 33% dos respondentes escolheram França, 23%, os Estados Unidos e 21%, o Reino Unido.

SUPLEMENTOS E EDITORIAS ESPECIAIS SOBRE A RÚSSIA SÃO PRODUZIDOS E PUBLICADOS Por RUSSIA BEYOND THE HEADLINES, UMA DIVISÃO DO JORNAL ROSSIYSKAYA GAZETA (RÚSSIA), NOS SEGUINTES VEÍCULOS: FOLHA DE S.PAULO, BRASIL ● EL OBSERVADOR, URUGUAI ● LA NAcION, ARGENTINA ● THE WASHINGTON POST E THE NEW YORK TIMES, ESTADOS UNIDOS ● THE DAILY TELEGRAPH, REINO UNIDO ● LE FIGARO, FRANÇA ● SÜDDEUTSCHE ZEITUNG, ALEMANHA ● EL PAÍS, ESPANHA ● LA REPUBBLICA, ITÁLIA ● LE SOIR, BÉLGICA ● DUMA, BULGÁRIA ●GEOPOLITICA, SÉRVIA ● AKROPOLIS, GRÉCIA ● ECONOMIC TIMES, ÍNDIA ● YOMIURI SHIMBUN, JAPÃO ● CHINA BUSINESS NEWS, CHINA ● SOUTH CHINA MORNING POST, CHINA (HONG KONG). E-mail br@rbth.ru. Mais informações em http://gazetarussa.com.br/quemsomos a Folha de s.paulo é publicada pela Empresa Folha da Manhã S.A., à AL. BARÃO DE LIMEIRA, 425, são paulo-sp, brasil, Tel: 55 11 3224 3222 O Suplemento “Gazeta Russa” é distribuído nas áreas metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, com circulação de 128.469 exemplares (IVC março 2012 – média mensal)


Economia e Mercado

GAZETA RUSSA

WWW.GAZETARUSSA.COM.BR

Escolas de culinária Com grande demanda e pouca oferta, escolas e restaurantes moscovitas descobrem a ânsia dos jovens locais por cursos

Um raro fenômeno econômico ESPECIAL PARA GAZETA RUSSA

O mercado russo de cursos de gastronomia sofreu uma forte contenção devido à recente crise financeira, após um período de esplendor entre 2003 e 2005. “Naquela época, muitas pessoas abriram escolas de culinária em Moscou. Mas depois da crise várias fecharam as portas, por isso não há mais concorrência nesse mercado”, conta Pável Rogójin, dono da escola de culinária Pro.stranstvo. Em sua instituição, Rogójin optou pelo modelo clássico de escola de culinária europeia, onde pratos de alta gastronomia são preparados em um ambiente de disciplina. “Temos um rígido sistema de conduta: nada de conversas alheias à matéria e telefonemas. Assim que o cliente põe o pé em minha escola, recebe ingredientes e ferramentas e fica preso ao fogão por quatro horas, trabalhando”, diz. As regras rígidas determinam a clientela da escola de Rogójin: gente endinheirada com mais de 35 anos que deseja aprender a cozinhar pratos requintados e deliciosos em casa. Muitos frequentaram aulas de culinária na Europa e procuram algo parecido na Rússia. E o cardápio está à altura: frutos do mar, carnes caras, molhos e sobremesas

NÚMEROS

30

reais valem uma aula de ravióli ou omelete em restaurantes que oferecem suas cozinhas e chefs para moscovitas ávidos por aprender a cozinhar. Além de preços em conta, oferecem variedade de pratos.

O preço do prazer

O preço médio de uma aula de culinária em Moscou se mantém, desde 2005, na faixa de R$ 250 a R$ 500. Mas Rogójin diz que para fugir do vermelho seria preciso cobrar cerca de R$ 760 por aula. “Mas isso iria

“A principal demanda por parte dos meus alunos é por receitas caseiras”, diz o chef Pável Rogójin

760 KONSTANTIN VINOGRADOV

EKATERINA FROLOVA

sofisticadas com ingredientes exóticos, sem quaisquer preferências geográficas. “Meus clientes não querem apenas aprender a cozinha italiana ou espanhola. Eles querem aprender a preparar uma comida caseira deliciosa, pratos que não requerem habilidades especiais.”

Veja galeria de fotos em: www.gazetarussa.com.br/14448

Cursos ensinam desde passos básicos, como corte de carne, até criação de pratos elaborados

Além da economia com estrutura, cursos em restaurantes com chefs locais ajudam a atrair clientela matar meu negócio”, diz. Para manter a escola a todo vapor, ele busca patrocinadores, como produtores de eletrodomésticos e distribuidor e s de louç a , a lé m de importadores de alimentos e bebidas. “Os gastos em alimentos absorvem de 30% a 50% da minha renda, enquanto outros 50% vão para o aluguel”, conta. Sua escola rea-

EKATERINA FROLOVA

Empreendedores buscam as melhores estratégias de lucro enquanto fervilha entre moscovitas a vontade de aprender a cozinhar.

Demanda é grande e escolas têm fila de espera na capital

liza até 20 eventos por mês, desde aulas para turmas de 4 a 5 alunos até festas corporativas. O fluxo de clientes costuma aumentar no período de festas de fim de ano. “Em dezembro de 2011 não tivemos um só dia de folga, recebemos mais de 30 eventos, sobretudo de empresas”, diz a gerente do bar gastronômico Academia Del Gusto Evguênia Bélkina. Inaugurado em meio à crise de 2008, o bar Academia é conhecido por ter muitos clientes, jantares barulhentos e banquetes luxuosos. “As pessoas vêm aqui para sentir o espírito da Itália, beber vinho, fazer uma

reais é o preço por aula que salvaria a Pro.stranstvo do vermelho, segundo o chef Pável Rogójin. Hoje, R$ 514 é o preço máximo por aula no local, e a estratégia para sobreviver é a busca de parcerias.

comida gostosa, saboreá-la e ter prazer com tudo isso”, diz. O preço pelo prazer no Academia é alto: 5.500 rublos, o equivalente a 340 reais. Para assistir a um seminário, é preciso entrar na fila e aguardar entre cinco e seis semanas.

Concorrência mínima

O Academia, assim como a Pro.stranstvo, quase não tem concorrentes. “Recentemente, a atriz Iúlia Vissótskaia, esposa do diretor de cinema Andrêi Kontchalóvski, abriu seus cursos de culinária. Enquanto isso, não há nenhuma concorrência”, diz Bélkina. Nem ela nem Rogójin

sabem explicar o fenômeno, mas acreditam que não há burocracia para abrir os cursos em Moscou, onde as escolas são cadastradas como empresas de alimentação e devem preencher os mesmos requisitos de higiene.

Vantagem no restaurante

Outra maneira de lucrar com o crescente desejo de moscovitas de se familiarizar com os segredos da cozinha são os cursos de culinária junto a restaurantes, ministrados pelos chefs locais. Hoje, mais de 20 cafés de Moscou oferecem o serviço, assim como uma variedade maior de pratos e preços do que as escolas autônomas: os cursos ensinam a fazer desde ravióli e omelete, por R$ 30, até sushi para crianças, por R$ 370. “É também uma boa forma de propaganda, pois o dono de um restaurante indiretamente diz a seus clientes: vejam nossa cozinha, conheçam nossos chefs”, explica Tatiana Potochnikova, fundadora dos cursos de culinária exclusivamente para homens no restaurante As Irmãs Grimm. “Nossa ideia era ensinar os homens, às vésperas do verão, a escolher carnes para churrasco, bem como a preparálo”, conta. Segundo Potochnikova, a escola não só traz lucros, como também ajuda a atrair clientela para o restaurante. “Moscou é uma cidade muito dinâmica. Você sempre tem que inventar algo novo para ficar por cima”, diz.

País quer se unir a exportador de carne na OMC CONTINUAÇÃO DA PÁGINA 1

da Rússia, Serguêi Dankvert, se reuniu com executivos da Brasil Foods para discutir a possibilidade de investimentos em produção conjunta na Rússia. Segundo analistas do Instituto de Estudos de Mercado Agrícola da Rússia, existe uma grande oferta de produtos avícolas no mercado local que excede em muito a demanda interna. Dessa forma, os fabricantes optam pelo processamento da carne e pelo desenvolvimento de seu potencial de exportação. Mas

russa após a adesão do país à OMC. Ele também relembrou a experiência com a Argentina, que recebeu restrições e depois estabeleceu um acordo de reciprocidade. “Seria vantajoso que a Rússia propusesse o mesmo esquema ao Brasil. Ao exportar carne para a Rússia, os brasileiros deveriam importar os grãos russos durante pelo menos 10 anos”, disse Dankvert. Enquanto isso, segundo o enviado russo, o país fi naliza um memorando de entendimento com o Brasil sobre o possível fornecimento de grãos.

o mercado mais próximo territorialmente da Rússia, a União Europeia, está fechado aos produtos avícolas do país. Apesar de muitas empresas russas terem adotado os padrões de qualidade europeus e cumprirem com as diretrizes do bloco, a Europa não mostra interesse em importar nem mesmo os produtos avícolas para consumo final. Nos encontros com brasileiros, Dankvert falou sobre as exportações de carne brasileira para a Rússia e eventuais mudanças na política

Com uma colheita de grãos bastante satisfatória neste ano, o país pretende exportar entre 25 e 26 milhões de toneladas, inclusive para a América do Sul. “Se nos enviam de lá a soja, os mesmos contêineres poderiam levar daqui quantidade equivalente em grãos”, considera Dankvert.

Brasil e produção interna

Embora o Brasil continue a ser o maior exportador do produto para a Rússia, as importações russas registram uma queda no volume de importações do país pelo quin-

to ano consecutivo. No ano passado, a Rússia embargou a importação de carne proveniente de frigoríficos dos Estados do Rio Grande do Sul, Mato Grosso e Paraná sob a alegação de que esses não atendiam aos requisitos sanitários da Rússia. Em 2011, a Rússia importou 55 mil toneladas de carne brasileira menos que no ano anterior, totalizando 228 mil toneladas – quase metade da quantidade importada em 2007. Em parte, o espaço da carne brasileira e paraguaia no mercado russo está sendo tomado pelo Uruguai, que al-

RACHEL NIELSEN

THE MOSCOW TIMES

As movimentadas lanchonetes da rede McDonalds’s na capital russa ilustram a demanda por trás da contínua expansão do gigante do fast food norte-americano mais de 20 anos após a inauguração de sua primeira filial no país. Para este ano são esperados 45 novos estabelecimentos, bem como a contratação de 5 mil funcionários, segundo anunciou Khamzat Khasbu lat ov, pr e side nt e do

recomenda:

Voz da Rússia Descubra a frequência na sua região

portuguese.ruvr.ru

McDonald’s na Rússia, em meados de abril. Atualmente, o país já conta com mais de 300 lanchonetes e 30 m il funcionários. Os números seguem a tendência das 5 mil contratações e 40 novos restaurantes abertos no ano passado, que colocaram o McDonald’s à frente de seus concorrentes: Burger King, com 42 lanchonetes, e Wendy’s, com sete.

Produção própria

O McDonald’s também está investindo na infraestrutura para o cultivo de alimentos na Rússia. Iniciada em 2011, a produção pretende suprir as chapas, fritadeiras e geladeiras de seus restaurantes. Neste

CONTATOS Para questões editoriais contatar br@rbth.ru Para anunciar aqui contatar sales@rbth.ru Tel.: +7 495 775-31-14

LORI/LEGION MEDIA

Rede de lanchonetes anuncia inauguração de 45 novas lojas na Rússia neste ano e segue rumo a regiões orientais do país.

Logística atrapalha a abertura de lanchonete na Sibéria

ano, será dado início à produção de frango na região de Tula e Kaliningrado, informou Khasbulatov. Também será lançada uma fábrica de molhos em Tchuváchia, próxima à cidade de Kazan.

Khasbulatov também confirmou a informação de que o McDonald’s Rússia irá fechar seu primeiro contrato de franquia, permitindo, assim, que a empresa Rosinter use o nome da marca.

Marques, Dankvert levantou novamente questão referente ao controle dos serviços veterinários do Brasil. Com poucos avanços na produção nacional de carne bovina (em 2011, a produção russa caiu 8%, equivalente a 1,6 milhão de toneladas), o governo russo busca incrementar a importação de gado de raça. Como resultado, no período de janeiro/fevereiro de 2012, o rebanho nacional atingiu 20,3 milhões de cabeças de gado, o que representa uma alta de 0,5 % em relação ao ano anterior – a primeira desde 2008.

LEIA NO SITE

Fast-food Com 300 lanchonetes no país, expansão ao Oriente levará tempo

Sibéria espera por seu primeiro McDonald’s

cançou um recorde de vendas, pulando de 3 mil toneladas anuais em 2005 para 78 mil no ano de 2011. Oitenta e duas empresas uruguaias têm autorização para exportar carne bovina, de carneiro e manteiga para os países da União Aduaneira RússiaBielorrússia-Cazaquistão. Além disso, nenhuma delas sofreu embargos pela vigilância veterinária russa, como ocorreu com as empresas brasileiras. Durante uma reunião com o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura do Brasil, Enio

Logística

A expansão rumo à Rússia oriental também faz parte de um processo que será iniciado com a introdução do famoso “M” amarelo ainda em 2012 nas cidades de Saransk, Ijevsk, Briansk e Oriol, todas na Rússia europeia, bem como em diversas cidades menores. Tiumen é atualmente a cidade mais oriental do país a possuir um McDonald’s. E x i s t e m ap e n a s oit o McDonald’s nos Urais, na Rússia central, incluindo as regiões de Iekaterinburgo e Tcheliabinsk. Khasbulatov afirma que a rede quer aumentar o número de restaurantes nesses lugares, mas a logística necessária para entrega de alimentos ainda é uma barreira para a expansão. “Precisamos considerar as possibilidades de obter imóveis que nos permitam criar uma rede, para que a logística e sua gestão sejam eficazes”, disse Khasbulatov sobre a Sibéria.

GAZETARUSSA.COM.BR/14532 RUSSOS CELEBRAM VITÓRIA NA SEGUNDA GUERRA REUTERS/VOSTOCK-PHOTO

No principal feriado do país, a Rússia celebrou, no dia 9 de maio, o 67° aniversário do Dia da Vitória, que marca a rendição alemã na Segunda Guerra. O desfile foi aberto por uma escolta de honra portando a bandeira do país.

PROGRAMA VOZ DA RÚSSIA Saiba tudo sobre o país através do site

Descubra um novo mundo

in Ass

e

Assine a nossa newsletter semanal

gazetarussa.com.br/assine


Em Foco

GAZETA RUSSA

WWW.GAZETARUSSA.COM.BR

Comemoração No Brasil o Sedov, maior barco a vela do mundo, vai ancorar em Recife em agosto e terá eventos abertos a bordo

MARINA DARMAROS GAZETA RUSSA

No dia 20 de maio, São Petersburgo vai se despedir por 14 meses do Sedov, a maior embarcação a vela do mundo, de acordo com o “Livro Guiness dos Recordes”. Construído em 1921 na Alemanha e preservado até hoje, o lendário Sedov vai embarcar numa viagem de volta ao mundo para celebrar, por três oceanos e 21 países (veja mapa abaixo), os 1.150 anos de nascimento do Estado russo. “O principal objetivo da viagem é a demonstração da nossa bandeira. A Rússia, como uma grande potência marítima, deve mostrar ao mundo que é um país pacífico e aberto”, explicou à Gazeta Russa o porta-voz da Rosribolovstvo (Agência Federal de Pesca da Rússia), Aleksandr Saviolov. Será a primeira volta ao mundo do barco, de propriedade da Rosribolovstvo, que deve revezar, de tempos em tempos, a tarefa com outras duas embarcações: Palada e Kruzenstein. “É uma antiga tradição russa, nada foi inventado agora. Esses três barcos praticamente todos os anos realizam essas longas expedições transatlânticas”, afirma Saviolov.

De cadetes e roqueiros

O barco levará cerca de 200 pessoas a bordo e 50% da tripulação deve ser composta por cadetes navais da MGTU (Universidade Técnica Esta-

business, e acho que se eles escolheram fazer essa viagem, irão com a gente até o final”, diz. Formado em 1983 na cidade portuária de Vladivostok, o Mummy Troll afirma que vai realizar um sonho de infância. “A ideia de gravar um álbum em uma campanha marítima surgiu ainda na infância, depois começou a se realizar um pouco há um ano, quando fizemos nossa viagem ‘Rockmarinho’, e demos shows em navios da frota naval russa”, contou à Gazeta Russa o voc a l i s t a d a ba nd a, I l i á Lagutenko. “O Mummy Troll é um grupo único na Rússia, onde é muito popular, e tem relações estritas com o mar, com muitas músicas sobre o tema. No Brasil, pode ser que este seja seu primeiro contato e que ele arrebate muitos fãs por lá também”, acredita Saviolov.

tal de Murmánski), que ocuparão a embarcação por turnos. Os grupos de cadetes, todos estudantes navais do segundo ano, serão trocados duas vezes, uma em Casablanca, no Marrocos, e outra em Vladivostok, no Extremo Oriente russo, de onde retornarão a São Petersburgo para concluir a viagem. “Para ser sincero, eu nunca viajei ao exterior, nunca estive fora da Rússia. Acho que, em primeiro lugar, será uma

Barco levará cadetes, marinheiros e uma das bandas de rock mais famosas da Rússia, Mummy Troll “A embarcação vai demonstrar não só a bandeira aos portos onde ancorar, mas a amizade com o país”

Bandeira e diversão

grande experiência, e em segundo, vai ser uma oportunidade de ver o resto do mundo”, disse à Gazeta Russa o cadete Dmítri Stolpóvski, de 18 anos. Dmítri, que vai embarcar em Casablanca e concluir a viagem em Vladivostok, afirma que seus pais estão muito orgulhosos. Nascido na cidade de Sieveromorsk, à beira do Mar de Barents, no norte da Rússia, ele está entusiasmado também por outro motivo: sua banda de rock preferida, o Mummy Troll, estará a bordo. “Sou fã do Mummy Troll, e acho muito legal eles irem com a gente. São estrelas de primeira linha do show

Nos 30 portos onde o Sedov parar haverá eventos a bordo abertos à população local. “Em cada porto foi planejada uma série de eventos junto ao Ministério das Relações Exteriores da Federação Russa, com participação das embaixadas e consulados russos, e figuras oficiais dos países onde a embarcação estiver”, explica Saviolov. Da última vez que o barco visitou São Petersburgo, por exemplo, houve concursos de desenho infantil, maratona de danças, entre outras atividades culturais. “A chegada da embarcação a vela em qualquer país é em grande parte não só a demonstração

Faça um tour 3D pelo Sedov: www.gazetarussa.com.br/14516

Guiness: Sedov é o maior barco a vela do mundo, segundo o “Livro dos Recordes”

NÚMEROS

14

meses será a duração da viagem, que levará cerca de 300 cadetes navais em três turnos e 100 marinheiros

21

países receberão o Sedov. Em alguns deles, como a Alemanha, a embarcação irá ancorar em mais de um porto

REUTERS/VOSTOCK-PHOTO

Maior barco a vela do mundo vai exibir bandeira russa em 21 países e 394 dias, levando marinheiros experimentados, cadetes e até roqueiros.

AFP/EAST NEWS

Volta ao mundo irá celebrar 1.150 anos da Rússia

Em Recife (PE), o barco também contará com eventos, que já são tradicionais nas paradas

da bandeira do país e da frota naval, mas também uma demonstração de intenções amigáveis”, diz o vocalista do Mummy Troll. No Brasil, por enquanto, ainda não está definida a programação de entretenimento do Sedov, que vai ancorar em Recife por três dias a partir de 22 de agosto. “A gente nunca esteve no Brasil, mas será legal demais!”, afi rma Lagutenko.

Para o capitão, que completará sua quarta volta ao mundo no comando do Sedov, a expectativa é grande, principalmente pela atenção dedicada à América do Sul no trajeto. “Brasil, Chile, Peru, são novos e exóticos locais para onde quero muito ir, ver como são as coisas por lá”, afirma o capitão Nikolai Zortchenko, 58 anos. Além de Alemanha, Suécia, Noruega, França, Mar-

rocos, Estados Unidos, Coreia, Japão, China, Cingapura, Ilhas Maurício, África do Sul, Senegal e Espanha, a embarcação parará ainda no Brasil, no Uruguai, na Argentina, no Chile e no Peru. “O projeto será financiado por meio do orçamento federal e também da iniciativa privada, como a [segunda maior produtora de gás da Rússia] Novatek”, conta Saviolov.

30

portos no exterior receberão o Sedov, entres eles, Recife (PE), onde a embarcação promoverá eventos de 22 a 26 de agosto

45

mil milhas marítimas serão percorridas pela embarcação, que passará por três oceanos: Atlântico, Índico e Pacífico

ENTREVISTA NIKOLAI ZÓRTCHENKO CAPITÃO DO MAIOR BARCO A VELA DO MUNDO

“Vamos dar um mergulho direto no século 18” MARINA DARMAROS GAZETA RUSSA

O que o senhor espera da quarta volta ao mundo? Minha quarta volta ao mundo será a mais longa, vai durar 14 meses. As anteriores tiveram somente de 10 a 11 meses. Nós vamos contornar a América do Sul e a África do Sul, ou seja, todos os pontos pelos quais passavam os navios a velas quando ainda não havia o Canal do Panamá, o Canal de Suez. Isso significa que vamos mergulhar direto no século 18. Como é para o senhor viajar com tantos jovens? Os jovens têm uma atitude boa. Todos se soltam no mar e querem navegar como [o marinheiro inglês James] Cook ou [o russo Ivan] Kruzenshtein. Mas depois de dois ou três meses começam a ficar cansados, a sentir saudades de casa etc. E isso é o mais difícil: acostumar-se com a distância da Rússia, dos paren-

Trajeto a ser percorrido pelo Sedov (de maio de 2012 a junho de 2013)

RAIO-X PATENTE: CAPITÃO IDADE: 58 NACIONALIDADE: RUSSO

Recebeu o posto de capitão em 1984. Foi condecorado com a ordem russa “Por Méritos Marítimos”, criada em 2002. Esteve no comando do Pallada de 1993 a 2010 e do Sedov, desde 2011.

tes, dos amigos e assim por diante. As voltas ao mundo são organizadas também para introduzi-los em longas e distantes navegações. É a primeira volta ao mundo do Sedov, certo? Sim. A embarcação tem 91 anos. Nos primeiros 15 anos de vida, de 1921 a 1936, o navio só ia até a Austrália e voltava. Depois de 1945, foi enviado ao Atlântico, ultrapassou o Equador. Mas é sua primeira volta ao mundo. Vai haver dificuldades por ser a primeira vez do barco? Não se esperam dificulda-

EXPEDIENTE PRESIDENTE DO CONSELHO: ALEKSANDR GORBENKO (ROSSIYSKAYA GAZETA); DIRETOR-GERAL: PÁVEL NEGÓITSA (RG); EDITOR-CHEFE: VLADISLAV FRÓNIN (RG) ENDEREÇO DA SEDE: RUA PRAVDY, 24, BLOCO 4, 12º ANDAR, MOSCOU, RÚSSIA - 125993 WWW.RBTH.RU E-MAIL: BR@RBTH.RU TEL.: +7 (495) 775 3114 FAX: +7 (495) 775 3114 EDITOR-CHEFE: EVGUÊNI ABOV; EDITOR-EXECUTIVO: PÁVEL GOLUB;

DIVULGAÇÃO

Primeira volta ao mundo do barco Sedov será comandada por capitão que já enfrentou desafio três vezes.

des. O trajeto é conhecido. Inicialmente, vamos a portos europeus, depois cruzamos o Atlântico de norte a sul. Circundamos a América do Sul, depois subimos ao norte. Não penso que possam surgir muitos imprevistos. Nós sabemos como sair das dificuldades e vamos trabalhar nisso. Será sua primeira vez em algum desses portos? Sim, em Montevidéu [no Uruguai], Valparaíso [no Chile], Ushuaia [na Argentina], e na América do Sul, onde eu pouco estive... São novos e exóticos locais que quero conhecer.

EDITOR: DMÍTRI GOLUB; SUBEDITOR: MARINA DARMAROS; EDITOR NO BRASIL: WAGNER BARREIRA; EDITOR DE FOTO: ANDRÊI ZÁITSEV; CHEFE DA SEÇÃO DE PRÉ-IMPRESSÃO: MILLA DOMOGÁTSKAIA; PAGINADORES: IRINA PÁVLOVA; ILIÁ OVCHARENKO

© COPYRIGHT 2011 – ROSSIYSKAYA GAZETA. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É EXPRESSAMENTE PROIBIDA A REPRODUÇÃO, REDISTRIBUIÇÃO OU RETRANSMISSÃO DE QUALQUER PARTE DO CONTEÚDO DESTA PUBLICAÇÃO SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO ESCRITA DA ROSSIYSKAYA GAZETA.

PARA A PUBLICAÇÃO DE MATERIAIS PUBLICITÁRIOS NO SUPLEMENTO, CONTATE JÚLIA GOLIKOVA, DIRETORA DA SEÇÃO PUBLICITÁRIA: GOLIKOVA@RG.RU

PARA OBTER AUTORIZAÇÃO DE CÓPIA OU REIMPRESSÃO DE QUALQUER ARTIGO OU FOTO, FAVOR SOLICITAR PELO TELEFONE +7 (495) 775 3114 OU E-MAIL BR@RBTH.RU

ESCREVA PARA A REDAÇÃO DA GAZETA RUSSA EM MOSCOU: BR@RBTH.RU

Gazeta_russa  
Gazeta_russa  

Gazeta Russa