Issuu on Google+

Efeitos das Projeções das Flechas Quando os meteoritos e cometas caem, podemos vê-los como flechas; cuja incidência se dá segundo quadrantes, pois podemos reduzir os 180º de horizonte a horizonte a apenas 90º de chances de queda (o outro lado está contemplado na modelação matemática). Num quadrante a chance seria de 1/90, mas como estamos no espaço, olhando de cima veríamos quatro quadrantes relativos aos oito octantes do espaço. Como há outros 90º, a chance de queda é de 1/(90x90) = 1/8.100. Além disso – estudamos tais quedas – devem ter caído 154 desde o hipergrande HG-4017 (de 4,0 bilhões de anos atrás) e estamos muito longe de presenciar todos os ângulos de incidência. Sendo a chance de cair fora do plano vertical 90 vezes tanto quanto nele, é possível que a maioria tenha caído, com maior certeza, fora do plano vertical. Se fosse no plano vertical – já vimos isso – as posições iriam desde a tangente rascante, “rasgante”, que arranha, aquela que tocasse a superfície pelo lado de dentro, até outra na vertical perfeita (cujas chances respectivas de cada qual são de somente uma em 90) a direção-sentido de ação seria para frente, com reação para trás, como a composição BrasilÁfrica, em que o movimento do Brasil foi devido a ação para oeste-sul, sudoeste, e o da África foi reação para norte-leste, nordeste. Assim, por toda parte se distribuem os sucessivos efeitos dessas 154 quedas: 1) no plano vertical há uma componente vertical em OY que rebenta a placa, que a racha; 2) no plano horizontal uma componente em OX que a empurra. Suponhamos que caia uma a cada 26 milhões de anos e suponhamos a de 13 milhões de anos atrás: onde quer que tenha caído distribuiu seus efeitos SOBRE OS OUTROS EFEITOS, os anteriores todos. Eles foram sendo somados uns aos outros, indefinidamente. Juntando a isso as bolas de gelo (congelamentos) e as bolas de fogo (vulcanismos acentuados), na realidade sob a ótica da Vida a Terra é um inferno de acontecimentos, de eventos geológicos, de estremecimentos, de fenômenos assustadores, de abalos extraordinários, de congelamentos e esquentamentos sucessivos. A Vida é um acidente, enquanto estão acontecendo os bombardeios. A Vida age muito rápido, enquanto as flechas não vem. Ela pula de banda para escapar ao tiroteio. Quando os projeteis batem nela, distribuem os efeitos poderosamente por toda a pele do planeta. Este vibra, balança, reverbera – os efeitos fazendo a Terra pipocar, chacoalhar. E a todas essa a pálida mancha da Vida resistindo com valentia. Vitória, quinta-feira, 16 de setembro de 2004. José Augusto Gava. 1


Efeitos das Projecoes das Flechas