Issuu on Google+

Acrobatas que encantam Gabriela Schmidt

A Virada Cultural apresentou sua sexta edição nos dias 15 e 16 de maio. Com 24 horas de apresentações culturais ininterruptas, a atividade movimenta o turismo e a economia local. O número esperado de visitantes foi 10% maior que o registrado em 2009, quando cerca de 300 mil turistas foram ao evento para aproveitar as atrações espalhadas pelas ruas da cidade, compondo um total de 4 milhões de visitantes. A maior parte deles veio do interior do estado. A Virada proporcionou, em 59 pontos da capital paulista, apresentações para todos os gostos, entre elas balé clássico, cinema, suspensão corporal, marchinhas carnavalescas, shows musicais e gastronomia. Nesta edição, o evento contou com a presença do grupo Acrobático Fratelli, que apresentou, inspirado na Copa do Mundo, um futebol nas alturas. Criado em 1986, o grupo Acrobático Fratelli, um dos pioneiros em São Paulo e no Brasil na busca de uma forma contemporânea de se fazer Circo, desenvolve um trabalho diferenciado em diversas áreas artísticas e empresariais. Começaram a se desenvolver na área circense, teatral e cinematográfica. Com o aumento da experiência do grupo, iniciaram trabalhos com montagens, trabalhos em altura, locações de equipamentos, montagens de estruturas variadas, efeitos especiais, eventos, produções para cinema e TV, etc. Fazem um trabalho que dificilmente alguém conseguiria, assim como montar um telão ao ar livre, pintar uma chaminé, montar uma grua gigante dentro de uma esfera de gás ou criar um efeito especial para uma propaganda. O conjunto é formado por homens e mulheres, sendo uma grande parte constituída por free-lancers contratados de circo, grupos de dança, teatro, etc. Os integrantes não têm uma rotina de treinos, costumam ensaiar somente quando têm eventos agendados. Pela terceira vez consecutiva o Acrobático Fratelli se apresenta na Virada Cultural. Nos anos anteriores, faziam travessias nos prédios do centro de São Paulo. “Não fazemos idéia do que vai acontecer nesta apresentação, paramos aqui porque a decoração chamou a nossa atenção”, confessam Seu Chico e Dona Flor, que vieram do interior para prestigiar a festa cultural. Pela segunda vez consecutiva, o casal presencia a Virada e afirma que este ano as apresentações estão melhores do que o


ano passado, mas reclamam por não terem recebido o folheto que continha toda a programação. Visitantes como Raquel Britto aproveitaram as 24 horas de atrações que o evento proporcionou. Assistir a 17 shows e visitar a Cinemateca fez parte do cronograma de Raquel. Dentro de sua programação também estava o espetáculo do grupo Acrobático Fratelli recomendado por uma amiga. “Nunca vi nada parecido com o que o grupo faz”, declara após presenciar os 40 minutos de apresentação acrobática. Das visitas realizadas, recomendou o Palácio da Justiça porque achou interessante o fato de todos poderem assistir a qualquer julgamento que estiver acontecendo no local, mesmo com o término da Virada Cultural. O grupo, que existe há 20 anos, contou pela primeira vez com a participação de Cinthia na simulação de um “amistoso” entre Brasil e Alemanha, que aconteceu às 17h30min no domingo, dia 16. A jogadora acrobata disse que seus 10 anos de experiência a trouxeram para o grupo Acrobático Fratelli, que já se apresentou em mais de 20 países sendo a Venezuela o mais recente. A torcida brasileira se prepara para a Copa do Mundo vibrando com o grupo e cantando “Posso chorar se ele não ganhar, mas se ele ganha, não adianta, não há garganta que não pare de berrar”, trecho da música “É Uma Partida de Futebol”, de Skank. A festa, que acontece desde 2005, não recebeu somente elogios; críticas também foram feitas. “Não critico as apresentações do evento, acho os espetáculos muito bonitos e que de certa forma acrescentam culturalmente, mas acho que o governo deveria investir em obras para melhoria da cidade parte do que investe na Virada Cultural”, desabafa Alberto Pimenta, 39 anos. Segundo a Folha de S. Paulo, a mobilização cultural teve seus pontos altos e baixos: declarou que a área de gastronomia estava muito bem distribuída e com ótimas receitas. Já a limpeza e a segurança do evento deixaram muito a desejar.


Virada cultural