Issuu on Google+

LAZER & CIA

12

Š

DF/21/08/2011

PRATA DA CASA

MISTURA FINA Do blues à embolada. Formada no Paranoá, a banda Ataque Beliz combina a poesia do rap com outros ritmos estrangeiros e nacionais

A lista de influências musicais é extensa. “Brasília é uma mistura. Cada integrante da banda escutava em casa ritmos diferentes, que se transformaram em referências”, explica o MC Alisson Melo, conhecido como Mulumba. E a banda é grande.Ao todo, são sete músicos. Tanta mistura encanta, mas também atrai críticas.“O rap surgiu para ser livre e ser misturado. Mas parece que chegou alguém e colocou um lacre. Se passar de tal ponto não é rap. Não faz muito sentido”, protesta Higo Melo, também MC do grupo. “Recebemos mais críticas negativas das pessoas do mundo do rap do que do público em geral. Dizem que usamos rap como referência, mas que não fazemos rap”, lamenta. Nas músicas, letras de protesto social dividem espaço com rimas românticas.“É como a vida. Se fosse uma coisa só, seria monótono. Muitos músicos do rap insistem em falar só de tragédias. O bacana da música é passar uma coisa boa, de consciência social ou amor”, afirma Higo. A banda surgiu em 2001 com três integrantes. “Nós tínha-

mos a mesma vontade de fazer música diferente. Em 2001 nos juntamos e nasceu o Ataque Beliz”, releembra Higo. O nome da banda surgiu de uma consulta a um dicionário antigo. “Encontramos a palavra beliz, que significa indivíduo pensante”, conta Higo. Desde o início, a idéia do grupo era de ser grande, diferente dos grupos tradicionais de hip hop, que geralmente são compostos apenas pelo MC e pelo DJ. “O grupo chegou a ter 12 integrantes. Mas isso dificultava os shows em outras cidades, as viagens. Além disso, os espaços destinados ao rap, em geral, só tem espaço para duas pessoas no palco”, explica Higo. Atualmente, o grupo é composto por sete pessoas. Mas o Ataque Beliz faz apresentações no formato big band, com todos os integrantes, ou apenas com os três MCs (Higo, Benjamim e Mulumba) e o DJ. DISCOGRAFIA O primeiro disco do grupo foi lançado em 2009. O Reconceito compilou as músicas criadas pelo grupo durante os

oito primeiros anos de existência. A música O giz e o fuzil venceu o festival nacional RPB (Rap Popular Brasileiro), promovido pela Central Única das Favelas (Cufa). No mesmo ano, o Ataque Beliz dividiu o palco do Canecão, casa de shows do Rio de Janeiro, com Caetano Veloso, Dudu Nobre, Sandrá de Sá e Happin Hood na edição especial de 10 anos do Prêmio Hútuz. Em 2010, o disco Reconceito recebeu o prêmio Hip Hop Zumbi na categoria Melhor Álbum. Com participações de diversos nomes do rap e do hip hop brasilienses como Viela 17, Wlad Borges, Thiago Jamelão e Elaine Dorea, o Ataque Beliz lançou o disco Veemente – O tema é amor. “É um CD temático de dia dos namorados”, explica Higo. O terceiro disco, Toque, Primeiras, Segundas e Outras Intenções, está pronto para sair do forno. Já foram lançadas cinco músicas do álbum. O disco completo sai no fim deste ano.“É menos amorzinho do que o Veemente, mas também é romântico. É mais apimentado. A censura subiu para os 16 anos”, brinca Mulumba.

TRIO CONDUZ OS VOCAIS DO GRUPO DE RAP

O Giz e o Fuzil Com o giz posso escrever Com o fuzil posso atirar Com o giz pude entender Que com o fuzil devo matar Atiro pra me proteger de quem Mato por temer alguém Faço o mal pra fazer o bem Luto por mim e luto por 100 Vou atingindo quem também não tem nada Ganhar dinheiro mesmo de forma inadequada Peguei o relógio deixei o corpo na calçada Desse jeito saio andando enquanto provo a jaqueta furada Rasgada de um trabalhador Somos filhos desse meio e vivemos as custas dessa dor Vou dizer pra tu doutor O primeiro tiro quem disparou Quando o giz assinalou O povo genocidou. Seu conhecimento sempre assassinou. Os que dizem fazer parte desse país governado por ladrões Estratégia de negações na historia escrita com o giz. Mas a vida me traz recordações De como trataram nossas mães e pais. Por conta de dinheiro trucidaram nossos ideais Conhecimento sem direito das causas reais Nunca vai brotar paz do risco do giz Direito de conhecimento adquirimos com fuzis Queremos letras pra escrever Motivos pra não atirar Lembranças boas do viver E não números pra assinar.

TATIANA REIS/DIVULGAÇÃO

(Higo Melo, Alisson Melo e Anderson Rodrigues)

O próximo show é de graça

Quer conferir o som do Ataque Beliz? A banda se apresenta na próxima quinta-feira (25/08), às 22h30 na Praça do Museu Nacional da República. O show faz parte da programação do Festival Internacional de Teatro de Brasília Cena Contemporânea. A entrada é gratuita.


Prata da Casa - Ataque Beliz