Page 1

Positivo [Digite o nome da empresa] [Escolha a data]


Disponibilização: Juuh Allves Tradução :Eline e Jeh Revisão Inicial :Stella Z.,Lunna Revisão e Leitura final:Rosane Formatação Juuh Allves

1


Sinopse Quando o seu namorado Ryker Lawson é condenado à prisão por porte de drogas, Allie Wallace enfrenta um evento de mudança de vida. Depois de ser afastada de sua mãe e à beira de ficar sem-abrigo, ela se transforma em uma fonte inesperada de ajuda do: irmão mais velho de seu namorado. Heath Lawson é tudo que seu irmão não é: um lutador de rua áspero que não pode confiar em uma garota nem que a sua vida dependesse disso. Ele gosta de ficar sozinho. Gosta de viver a vida simples. Mas quando Allie aparece pedindo ajuda, ele não tem escolha, mas ajuda-la. Sabendo a maior parte da vida de Allie, a ajuda é algo que Heath está mais do que pronto para oferecer. Afinal, ela é o amor da vida de seu irmão. No entanto, o que ele não espera ... é que ela seja o dele também

2


Capítulo Um Allie

Eu tive que andar três quarteirões no calor escaldante, à noite, para chegar ao galpão pichado e abandonado. Era tão ruim quanto eu pensei que seria. O lugar estava destruído, o qual já era esperado dessa parte industrial abandonada de Hedley. A entrada estava coberta por um homem alto, musculoso, cobrando as taxas de entrada no início da fila de pessoas ansiosas. Ninguém olhou na minha direção quando entrei na fila, absorvendo as animadas conversas ao redor sobre o que estava por vir. Retirei algum dinheiro do meu bolso para pagar a taxa de entrada, encolhendo-me porque vai doer se eu não acabar recebendo ajuda até o final desta noite. Enquanto isso, os homens pagavam o custo para suas próprias meninas, fazendo o melhor para parecerem cavalheiros. Só me deu vontade de rir sabendo muito bem que, um homem desesperado o suficiente para ficar com alguém, irá desembolsar qualquer tipo de dinheiro. "Senhoras, vocês vão apostar?” Um cara perguntou a várias meninas de um grupo na minha frente, quando todas movemos alguns passos para frente na fila do inferno.

3


"Não." A menina respondeu. "Nós só queremos verificar o que é todo esse alarido. Você nos arrastou para o meio do fodido Hedley, Carl, então é melhor fazer isto vale a pena." O cara riu em troca. "Você disse que queria ver uma luta, querida. Uma real. Bem, agora você vai conseguir." Distraída pelo calor abano o meu rosto com uma mão, segurando firme a alça da minha mochila com a outra, e reviro os olhos para essas pessoas. Os homens trazem as meninas que não são das favelas para impressioná-las, e elas envolvem-se no aspecto perigoso da noite, sentindo-se como se vivessem alguma vida bandida. Grupos de presunçosos! Eu não consigo entender uma menina fascinada por assistir os homens sangrarem, mas eu tenho estado em torno tempo suficiente e sei que elas são absolutamente loucas por isso. Para elas, parece haver algum tipo de fascínio estar deste lado da cidade, onde a pobreza é depressiva e as ruas correm desenfreadas com a atividade criminosa. Ter alguma coisa selvagem. Elas cresceram privilegiadas com tudo entregue a elas, nunca chegaram a ver o lado negro do mundo, a menos que elas estavam na frente de uma tela de televisão. Não foi nenhuma surpresa que elas romantizaram sobre arruaceiros durante toda a sua vida, e essas lutas oferecem-lhes um pedaço dessa existência sem sair fora do conforto de seu mundo privilegiado. Parece patético, se você me perguntar.

4


Um século mais tarde, eu finalmente estava em pé na frente do homem musculoso da entrada. Eu o reconheci como Sanguessuga, um conhecido em comum que eu tinha visto de passagem. Ele olhou para mim por um momento, as sobrancelhas se unindo em reconhecimento quando ele perguntou: "Você é a garota de Ryker, não é?" Meu coração se apertou no peito enquanto eu dei-lhe um duro aceno. "Você está aqui para ver seu irmão lutar?" "Sim." Ele olhou para o dinheiro na minha mão e se irritou. "Cara, você quer minha bunda chutada por Lawson? Você não está pagando. Merda. Entre." "Você tem certeza? Eu não vou dizer a Heath..." "Garota, leve sua bunda para dentro neste maldito segundo antes dele descobrir que você estava esperando na porta tanto tempo." Sem querer causar uma cena, ou continuar a manter a fila parada, concordei novamente e agradeci. Ele apenas balançou a cabeça para mim como se eu tivesse perdido a minha mente e me empurrou para o armazém. Nunca tinha estado neste lugar antes. As lutas geralmente alternam em alguns lugares em todo o Hedley, mas nunca em uma sala deste tamanho. O armazém abandonado estava cheio de holofotes e lâmpadas incandescentes penduradas nas vigas do teto, ainda não o suficiente para

5


iluminar todas as áreas da grande sala. Havia ainda bolsões de escuridão em alguns cantos. O lugar estava em frangalhos, com grandes pedaços sem o telhado de zinco, mostrando o céu noturno acima. O chão estava sujo e o ar fedendo a suor. Que inferno... Vozes de dezenas de pessoas invadiram minha audição. As apostas foram gritadas, e em meio ao caos eu mal podia distinguir uma palavra de tudo isso. Separo-me mentalmente da cena; ao invés disso, foco em não ser empurrada ao redor enquanto vou para o centro da sala. Tenho um pouco de pânico. O ar ficou mais denso e o calor estava realmente chegando até mim. Se eu pensei que estava muito quente do lado de fora, eu estava totalmente enganada. Isto é o calor. Minutos depois, um apito foi soprado silenciando a maioria das pessoas no interior. Um círculo começou a se formar e eu fui forçada a recuar enquanto os corpos estavam no meu caminho. Eles foram formando um anel onde o combate ia ter lugar, e agora eu podia sentir a tensão no ar, a antecipação engrossando por segundo. Pessoas apostando muito dinheiro aqui. Alguns ganharam muito, outros perderam tudo. Com 1,63m de altura, eu certamente não sou a garota mais alta aqui, especialmente quando as meninas ao meu redor – que vestem seus tops sumários e saias curtas – estavam calçando dez centímetros de saltos. Tenho que ficar na ponta dos pés para ver o que está ao redor e conseguir encontrar uma lacuna grande o suficiente para ver o que acontece. As meninas estão ficando loucas, apontando para um homem, rindo e abanando-se. Sem camisa, o homem alto tem bem mais de 1,83m. Seu corpo é magro, completamente

6


rasgado. Em pé diretamente sob uma lâmpada, de costas para mim, ele está coberto de tatuagens, e elas colorem a maior parte de suas costas, torcendo em torno de seu peito e terminando logo abaixo da sua linha do pescoço. Quando ele se virou ligeiramente, as meninas na minha frente engasgaram, babando sobre seu torso musculoso, onde seu abdômen é tão pronunciado que parecia ter sido esculpido com uma lâmina de barbear. Ele passou a mão que estava coberta de fita vermelha de boxe sobre seu cabelo escuro, que foi cortado todo bagunçado e fez algumas oscilações no ar. As meninas gritaram e gritaram: "Eu te amo, Lawson." e ele mal piscou em sua direção, muito absorvido no que estava por vir. Meus lábios curvaram para cima, e o entorpecimento que eu estava sentindo o dia todo desapareceu pouco a pouco. O sentimento de familiaridade era bom, depois de um dia duro. Afinal, este era Heath Lawson, o irmão mais velho do meu namorado. Não tendo visto Ryker por um mês, meu coração acelerou. Haviam partes de Heath que se assemelhavam muito a ele, como a forma de coração de seu rosto, olhos escuros e pele bronzeada. Sempre me surpreende que, embora parecidos em alguns aspectos, eles também parecem completamente diferentes. Outro apito soou e outro homem entrou no centro, tendo as suas próprias mãos enfaixadas enquanto olhava ameaçadoramente para Heath. Este homem careca é um tanque, cheio de músculos, facilmente segurando duas vezes mais massa do que Heath.

7


Merda. Não gosto de suas chances, e eu tenho a sensação de que mais alguém na sala também não. Preocupo-me que Heath pode ficar realmente ferido, e a parte egoísta de mim me perguntava o que diabos eu iria fazer se ele terminasse em um hospital no final da noite. Não era incomum para os lutadores de rua. Inferno, eu já tinha visto algumas lesões terríveis que fariam você estremecer por dias depois disso. A violência é repugnante. Não havia nada de bom gosto sobre ver dois homens lutarem. Especialmente desagradável quando eles são cercados por um muro de pessoas gritando. Isso é sujo e amador, e nem uma coisa sobre isso é segura, mas é por isso que eles são tão populares. A multidão se envolve nessa merda com olhos famintos. Talvez fosse isso que eu temia: que ele se machucasse seriamente; ou talvez fosse porque eu tinha uma visão clara para o caos iminente que estava prestes a começar, qualquer que seja a razão os meus nervos dispararam e um sentimento

de excitação

percorreu

meu

corpo. A antecipação

foi

absolutamente brutal. Não conseguia segurar enquanto assisti Heath fazer o seu caminho para o centro do círculo onde o injetor de esteroide encontrou-o. Então, imersa na diferença de tamanho entre eles, estou fora da zona completamente.

O

nível

de

ruído

caiu.

Foco

exclusivamente

no

impressionante torso de Heath e o leve movimento de sua cabeça enquanto ele espera o árbitro assinalar o início da luta. Seus olhos estão brilhantes e semicerrados, e sua pele já suando da umidade do ar. Ele está calmo e estável, e o ligeiro brilho de seu rosto relaxado na minha direção me falou de sua confiança, especialmente quando ele piscou para algumas meninas.

8


Então, sem aviso, começaram os socos em seu rosto.

Foram muito poucos os momentos em minha vida que eu poderia me lembrar de sentir como se estivesse à beira do abismo. Meu mundo sempre foi seguro. Eu tinha dois pais religiosos que tinham sublinhado a importância da educação em nossas vidas atingidas pela pobreza; ambos combinados resultaram em estrita parentalidade que me manteve abrigada na maioria da minha educação. Tinha ido sobre os meus dias de acordo com o cronograma e a previsibilidade tinha entorpecido a minha alegria na vida. Isso foi até a depressão do meu pai vir à tona, quando ele tirou sua vida três anos atrás. Ele foi encontrado enforcado na floresta com uma nota de suicídio. Tinha sido um choque para minha mãe e eu, e de repente estávamos de frente para o mundo em circunstâncias terríveis. Embora nunca estivéssemos superconfortáveis e com dinheiro sobrando, meu pai sempre fez o suficiente para sobreviver. Sem ele, nós estávamos lutando. Ela perdeu o rumo e levou sua fé ao extremo, e eu estava praticamente sozinha no meu sofrimento. Foi como sair de uma gaiola no meio da selva, sozinha. A segurança foi imediatamente retirada e você não podia depender de ninguém, mas somente de si mesmo. Mas quando Ryker veio para pegar as peças, ele retirou a pressão da vida e eu estava no meio daquela gaiola. Ele me ajudou a lidar e nunca saiu do meu lado, me dando o tipo de confiança que eu nem por um segundo tinha imaginado.

9


Até que ele quebrou meu coração, fazendo o que ele fez. Foi só agora, estando neste armazém abandonado, que eu começo a realmente ver e sentir coisas que eu nunca fiz antes. Como seria se você apostasse o seu último dinheiro, em um resultado que não conseguiria controlar? A empolgação resultou na imprevisibilidade – e não apenas na luta – mas em tudo que Hedley tinha para oferecer. Era um lugar escuro e frio, onde as pessoas estão desesperadas por dinheiro – tão desesperadas, de fato, que eles recorrem a lutar assim. Era fascinante. Vi as pessoas gritarem "Lawson" uma e outra vez quando ele se recuperou imediatamente do soco no rosto. Ele balançou a cabeça, quase como se para recuperar a clareza, e afastou-se do grande adversário. Eu aprendi rápida e apropriadamente a chamá-lo de Tank1. Sem perceber, eu estava segurando a minha respiração e estremecendo a cada soco de ambos oponentes. Às vezes, eles bateram no ar, e outras vezes eles bateram na carne. E o som de grunhidos pesados ofegando tão perto de mim só aumentava a realidade da luta. Eu não estava assistindo a algum filme, sozinha, mas atenta. Esta era a realidade, e eu estava mais emocionalmente envolvida do que eu pensei que eu poderia estar. Então, novamente, este era Heath, um homem que, até pouco tempo atrás, eu tinha visto quase todos os dias. Meus olhos estavam grudados nele. Observei a maneira mais hábil em que ele se moveu: fluida, sem um passo em 1

Tanque.

10


falso, quando ele se esquivou de Tank e achou os momentos mais oportunos para enviar um soco em todo o maciço rosto e costelas do homem. Eles eram fortes, perfeitamente destinados a bater e você realmente pode ouvi-los em meio à gritaria. Heath tinha um punho muito bom e ele é forte como o inferno. Algumas coisas nunca mudam. Não demorou muito para que eu percebesse uma coisa: Heath era mais alto, mais magro e mais leve em seus pés. Tank, por outro lado, era todo a granel, se movendo mais lento do que ele. Heath poderia muito bem ter executado voltas ao redor do grande homem. Logo, Tank estaria fora do ar, balançando cansado, enquanto seu rosto ficaria mais vermelho. Esteroides podem ter ajudado a parecer um gladiador, mas não teve absolutamente nenhuma finalidade em sua capacidade cárdio. E quando Heath entrou em cena mais e mais, fechando a distância, fiquei chocada. Porque ele tinha isso. A vitória era dele. A multidão enlouqueceu enquanto o observava atacar Tank. Soco após soco, após soco... E então um golpe curto que enviou o homem caindo para trás, caindo sem graça. O sangue irrompeu fora do rosto de Tank muito antes de suas costas baterem forte no chão. Brumas de sangue e suor misturavam no ar ao seu redor. A sala ficou em silêncio. Por um momento, os olhos desceram sobre a forma imóvel deitada, inconscientemente, aos pés de Heath. E quando esse momento passou, foi preenchido com aplausos e gritos.

11


E eu só fiquei lá. Chocada. Heath não estava convencido sobre sua vitória. Eu tinha visto outros exibindo seus egos enquanto praguejavam para o seu adversário gritando: "Quem é o homem?" para todos ao seu redor. Mas em vez disso, ele apenas ficou lá também, enxugando o suor do rosto com as costas da mão. Seu peito subia e descia, e subia e descia, até que ele finalmente recuperou o fôlego. Houve uma expressão vazia plantada no rosto, e aqueles olhos pareciam distantes e frios quando eles viajaram ao redor da sala. Quando Heath entrava em sua zona, era assustador. Não tinha certeza de que ele registrava o que estava olhando. Ele lutou a partir de dentro e levou além do presente. Todo mundo o cercou, gritando seus louvores, batendo-lhe em todos os lugares. Empurrei pela multidão dispersando, sabendo que era inútil conseguir sua atenção agora. Invisível como sempre, eu me apressei a sair de lá sem nenhum problema.

12


Capítulo Dois Allie

Estava esperando em seu caminhão quando o armazém explodiu com corpos inundando fora das portas. Alta tagarelice e buzinas excitadas encheram o ar quando eles foram para seus carros, ou pelas calçadas, em grupos. Agarro a alça da minha mochila cheia de meus pertences com uma mão e enfrento o caminhão. Olho para ele, lembrando o verão que Ryker e Heath tinham passado fazendo-o funcionar. Ele era velho, mas a lataria forte, e de acordo com Heath: "Um manual pode sempre ser salvo." Eu não sabia nada sobre carros, mas eu os assisti por horas, suando um rio sob o sol escaldante, palavrões e rasgando pedaços. Os irmãos lutaram sem parar, especialmente quando Heath – aprendiz de mecânico que estava muito familiarizado com os carros –continuou tentando conseguir que Ryker fizesse o que lhe foi dito. Eu não queria dizer a Ryker que seu irmão realisticamente sabia mais do que ele, então eu assisti a argumentação desdobrar agindo como uma espectadora. "Não me diga o que fazer!" Ryker tinha gritado, jogando uma chave no chão. "Eu sou seu irmão mais velho.", retrucou Heath.

13


"Por um colossal tempo de 18 meses, idiota. Isso não significa nada." "Sim, bem, eu sou maior que sua bunda, então mantenha a porra da sua cabeça para cima e faça o que você eu disse!” Mesmo quando eles fizeram quase todas as situações tensas com sua interminável rivalidade entre irmãos, foram bons tempos também. Eles tinham cuidado um do outro, nunca deixando um problema de lado sem assistência. Exceto pela parte criminosa, eles fizeram praticamente tudo juntos; e para além de lutando, Heath estava limpo e havia atormentado Ryker a ser o mesmo. Isso, obviamente, não foi bem em tudo. "Quem é você?", veio uma voz feminina. Virei-me e fiquei cara a cara com uma bela morena, vestida com uma minissaia e top branco apertado. Os peitos dela foram empurrados para o alto, praticamente tocando o queixo, e seu rosto estava coberto de maquiagem brilhante. Parecia a joia típica de Hedley, que rondava as ruas à noite. Não respondi a ela, e quando ela veio alguns passos mais perto, vi o olhar corajoso em seus olhos. Ela colocou uma mão em cada quadril e disse lentamente: "Eu lhe fiz uma pergunta, menininha." Menininha? Eu fiz uma careta e encarei punhais para ela. Eu tinha dezoito anos. Eu não era uma garotinha, mas eu realmente não podia culpar ninguém por pensar assim. Meu corpo não tinha desenvolvido tanto como

14


outras meninas da minha idade. Meus seios eram pequenos e eu era muito magra. Mamãe uma vez me chamou de "início tardio". Ela sorriu para mim enquanto seus olhos percorreram meu corpo, examinando minha calça preta e camiseta branca folgada. Suas sobrancelhas se ergueram e um olhar de desgosto assumiu suas feições. "Se você está pensando por um segundo que ele vai voltar para casa com você em vez de mim, então você fumou 'algo pesado'." Me encolhi a merda verbal que ela estava vomitando. Meninas como ela compõe até noventa por cento da população feminina na minha escola, e elas falam como se pertencessem a um jardim de infância do gueto. Claramente ela tinha a intenção de ir para casa com Heath, que foi bom. Eu não iria julgar. Se ele gostava de meninas seminuas que não poderiam falar duas palavras corretamente, então, era sua prerrogativa. Não era incomum também. Pelo que eu vi, ele não era domável, e ele não era um tipo de relacionamento. "Eu só preciso falar com Heath." Eu disse a ela, tentando evitar uma discussão. Eu não era boa em confrontos. Eu evitava a todo custo, principalmente, porque eles me deixavam ansiosa e instável. "E o que a faz pensar que Lawson vai querer falar com você?" Caramba, meus ouvidos doíam. Eu dou um encolher de ombros. "Talvez porque ele me conhece?"

15


Ela deixou escapar um grunhido de desgosto, cética em relação às minhas palavras. "Vamos ver isso." ela murmurou defensivamente. Ela cruzou os braços e encostou-se na frente do caminhão, olhando na direção da entrada. Ela esgueirou olhares sujos para mim e eu estava bem com eles, desde que ela não estava falando. Quando Heath finalmente saiu, ele estava conversando com um monte de caras. Um deles era o Matt, um dos melhores amigos de Ryker, parecendo muito bom em uma camisa mostrando seus músculos e cabelo loiro cheio de gel. Mas ainda empalideceu ao lado de Heath. Ele tinha vestido uma camisa, mas suas mãos ainda estavam com a fita vermelha de boxe e seu corpo brilhava com o suor sob o luar. Ouvi sua risada quando ele disse adeus e fez seu caminho para o caminhão. Seus passos abrandaram quando seus olhos encontraram os meus e depois se viraram para a menina que estava, de repente, em pé e sorrindo brilhantemente para ele. "Hey, Lawson," ela disse, estendendo a mão para seu braço. "Hey," ele murmurou para ela, mas seu foco estava de volta em mim. Dei um passo para a frente e acenei para ele, sem jeito, abrindo a boca para falar, quando ela interrompe com: "Eu apostei em você, você sabe. Você vai transar comigo?" Heath não estava olhando para ela. Ele estava olhando fixamente para mim com a confusão em seu rosto. "Você está bem?", ele me perguntou. Balancei a cabeça rigidamente. "Sim, eu estou bem." No sentido físico, de qualquer maneira. "Eu preciso falar com você, apesar de tudo."

16


Ele vislumbrou em torno das ruas vazias. "Al, você não está sozinha, não é?" Al. Deus, eu odiava quando ele me chamava assim. Isso me fez soar como um menino. Balancei a cabeça novamente. "Sim, eu estou." Ele exalou, um olhar de irritação cruzando seu rosto. "É um lugar realmente duvidoso aqui. Você não deveria estar sozinha." "Eu estou sozinha", canaliza a menina, sua mão ainda envolvida em torno de seu braço. "Você vai cuidar de mim, Lawson?" Dirigindo sua irritação a ela, ele retruca: "Eu te conheço?" Ela parecia imperturbável pelo seu tom e deu uma risadinha. "Nós nos conhecemos na última festa que estávamos. Fodemos e tudo. Você me prometeu um encontro. Não se lembra disso?” Eu a vi bater seus cílios e empurrar o peito para fora. Deus, isso era estranho. "Eu não fui a uma festa em meses", ele respondeu, olhando para ela agora. "E eu não prometo encontro às pessoas. Que tal você encontrar seu caminho agora?" Ela piscou para ele e, em seguida, soltou seu braço. “Eu não estou mentindo..."

17


"Então você me confundiu com outra pessoa." Seu rosto era duro, mas ele suavizou o tom quando ele acrescentou: "Querida, eu não estou pegando qualquer uma. Isso não é coisa minha, está bem?" Ela não respondeu por um momento. Ela claramente não estava esperando esse tipo de reação. Ela quase parecia ferida. "Vá e tenha uma boa noite", continuou ele. Envergonhada, ela saiu correndo, seus saltos estalando contra o pavimento com pressa. Eu me senti um pouco mal por ela. Ela, obviamente, teve suas esperanças, e ela tinha todo o direito dado a quão bonita ela era. Observei-a desaparecer na distância, impressionada com sua classe de declínio. Eu tinha visto algumas rejeições terríveis no meu tempo. "O que está acontecendo, Allie?" Ele perguntou então, concentrando-se de volta em mim. Imaginei que recusar garotas era uma ocorrência comum para ele, porque ele estava completamente não afetado por ela. "Não 'Olá, como você está'?", eu perguntei despreocupadamente. Ele inclinou a cabeça para o lado. "Quando você veio até mim antes? Isto não é você. Nós não somos próximos. Alguma coisa aconteceu, obviamente, e eu não gosto de rodeios." "Rodeios", eu repeti, pensativa. "Ditado interessante, esse." "Allie". "Eu preciso de sua ajuda."

18


"Tudo bem", disse ele com cautela, "continue". Lembrando-me da razão pela qual eu estava aqui, eu mudei de um pé para outro nervosamente. Meus olhos piscaram longe dos seus. Fiquei olhando para o cimento e reforcei o aperto sobre a alça da minha bolsa quando eu disse: "Eu fui expulsa. Eu não tenho um lugar para ficar, e eu tentei obter alguns amigos para me ajudar, mas seus pais não estão bem comigo dormindo lá. Você é, tipo, a única esperança que eu tenho no momento." Silêncio. Eu olhei para ele, tentando decifrar o seu estado de espírito. Ele não estava dando nada, mas seus olhos moviam-se por todo o meu rosto. Tentei não corar pela intensidade de seu olhar, mas falhei. Posso ter conhecido-o quase toda a minha vida, mas como ele disse, não éramos próximos. Eu estava sempre ao lado de Ryker. Nós éramos inseparáveis. Heath tinha uma espécie de papel meramente decorativo, com quem eu nunca gostei de ser deixada sozinha em uma sala. As coisas eram sempre um pouco estranhas. Nós nunca nos misturamos, ou já tivemos alguma coisa em comum para falar. No entanto, eu estava corando como uma idiota, porque ele era extremamente bonito. Mais do que Ryker, porque seu corpo era preenchido até a borda com músculos e seu rosto era mais áspero. Apesar de dezoito meses a mais entre os irmãos, Ryker tinha um monte de recuperação a fazer. Assim, naturalmente, meu corpo parecia ter uma mente própria. Eu supunha que era normal para uma adolescente, no entanto. Hormônios e tudo isso, que à menor atenção de um cara legal, e nossas mentes superficiais estavam bebendo-o.

19


"Por que sua mãe a expulsou?", ele perguntou, curioso. "Eu sempre achei que ela não era que tipo de pessoa que fazia isso." Mais uma vez, eu mudei nervosamente. "Nós temos que falar sobre isso aqui?" "É aqui ou no caminhão." Olhei em volta pelos arredores, certificandome que ninguém estava ao alcance da voz. Nós estávamos completamente sozinhos, nem um pio ouviu-se por perto. "Os sem-teto vão aparecer em breve," murmurei. Hedley era embalado com eles, e muitos deles ficam juntos e rondam as ruas durante a noite, causando estragos. Você não quer ficar sozinho aqui se estiverem bagunçando. "No caminhão, então." Ele abriu as portas e eu entrei no banco do passageiro. Eu imediatamente abaixei a janela, deixando qualquer brisa entrar. Heath sentouse no banco do motorista, com o rosto virado em minha direção. "Fora com isso, então", ele pressionou, sem perder tempo. Ou ele estava realmente preocupado comigo, ou ele queria conseguir tudo o que aconteceu fora do caminho. Naquele momento, eu tinha a sensação de que era o último. "Eu só preciso de um lugar para ficar", eu disse a ele, olhando para o estacionamento. Os olhos escuros de Heath era uma coisa a ser temida. Quando ele olhava para você, ele realmente olhava para você, e era como se ele pudesse ler todos os seus pensamentos parvos. Eu não quero que ele saiba os meus.

20


"Vai ser apenas por uns dias", acrescentei apressadamente. "Eu não estou procurando atrapalhar sua vida por muito tempo. Eu sei que é um inconveniente..." "Eu quero saber por que você foi expulsa", ele interrompeu friamente. "Sobre ficar no meu lugar, eu não estou preocupado com isso. Era o lugar de Ryker não muito tempo atrás, então o quarto é praticamente seu. Mas eu tenho que saber o que está acontecendo, Allie. Eu prometi cuidar de você, e só se passaram quatro semanas desde que ele se foi e você já foi expulsa de sua casa. Eu preciso saber por quê." Engoli em seco. Isso era difícil de falar. Eu não queria fazer isso agora. Eu só queria um maldito telhado sobre a minha cabeça. Hoje tinha sido um inferno. Um confronto com a minha mãe ultrarreligiosa e eu fui jogada para fora da porta com nada, exceto a mochila nas costas, disse para nunca voltar para casa a menos que eu estava buscando ser salva. Eu era a pecadora. A tentação horrível que os outros em sua comunidade ficariam enojados. Ansiedade construiu dentro de mim enquanto ele continuava a me assistir. Suprimi as lágrimas, revivendo a decisão que tomei logo depois que ela tinha me jogado porta afora. Foi difícil, mas era a coisa certa a fazer, e eu ainda tive que suportar a dor disso rapidamente. "O problema vai ser cuidado", eu disse a ele. "Por isso, não importa." Ele trocou seu corpo ao redor para me olhar de perto. Olhei para ele, envolto no escuro com aqueles olhos presos a mim. "Cuidado," ele repetiu lentamente.

21


"Sim. Portanto, não se preocupe com isso." Lentamente, a realização clareou para ele, e com um profundo suspiro, ele disse, "Merda. Você está grávida, não está?" Com um aceno de cabeça que fez meu peito doer, eu sussurrei: "Sim, eu estou.”

22


Capítulo Três Allie

"Merda", ele xingou novamente, balançando a cabeça. Seu nariz alargou e seus olhos escureceram quando ele passou a mão através de seu bagunçado cabelo. "Eu pensei que você fosse esperta, Allie." "Nunca fui inteligente", eu respondi categoricamente. Silêncio severo encheu o ar. Ele estava perdido em pensamentos, olhando para longe de mim e fora do para-brisa. "É de Ryker?", ele perguntou então, tencionando sua mandíbula. Eu lutei contra a raiva dentro de mim, sem sucesso. "É claro que é de Ryker", eu respondi de maneira rude. "Ele é a única pessoa com quem eu já estive, Heath. Todo mundo sabe disso." "Eu só estou me certificando", ele respondeu, me lançando um olhar amargo. Eita, o que diabos estava errado com ele? "Olha", eu disse com um suspiro, "como eu disse, isso vai ser cuidado." "Você vai fazer um aborto, você quer dizer?" "Sim."

23


"Quando?" "Eu reservei-o para esta semana. Eu estou indo para a clínica amanhã para ver quais são minhas opções..." "Jesus Cristo", ele interrompeu, bufando com raiva agora, "de quanto tempo você está?" "Oito semanas". "E você sabe há quanto tempo?" "Duas". Outro silêncio doloroso. Um que me fez sentir vergonha. Olhei para o meu colo, lutando contra as lágrimas que estavam surgindo de repente na parte de trás dos meus olhos. Eu não esperava um resultado positivo na reação de qualquer um – afinal, Ryker e eu éramos culpados por essa bagunça – mas um pouco de compreensão não mataria. Em vez disso, eu fui expulsa da minha casa com a minha mãe, pedaço de merda, gritando a Bíblia para mim e, em seguida, sendo encarada por Heath como se eu fosse a maior decepção de todas. E talvez eu era. "Você já disse a Ryker?" Pânico passou por mim. "Não", eu disse com tristeza. "Eu não disse." "Então, você vai fazer um aborto e ele não tem nada a dizer?"

24


Esfreguei meu rosto, exasperada. "Heath, ele me disse e a si mesmo, que nunca quer ser pai.. Ele sempre usou preservativo para impedir que isso aconteça, mas nós tivemos um susto antes e a primeira coisa que ele disse quando minha menstruação estava atrasada foi para consertá-lo. Ele não vai ter uma opinião diferente sobre isso." "Ele ainda tem o direito de saber." Eu balancei a cabeça, frustrada que ele estava fazendo isso difícil. "Eu vou lidar com isso nos meus próprios termos. Não é da sua conta, de qualquer maneira..." "Não é da minha conta?" Ele riu sem humor e balançou a cabeça em choque. "Você fez da minha conta ao vir a mim!" Não era assim que eu pensei que isso seria. Uma parte de mim meio que esperou que ele concordaria em me deixar ficar na sua casa e me deixar para lá. É claro que era estúpido pensar isso, ingênuo. Eu deveria saber que Heath gostaria de fazer perguntas. Ele nunca foi o tipo de pessoa que só vai com o fluxo e guardava para si. Ele tinha que saber tudo. "Olha, eu sinto muito", eu disse calmamente, tentando apaziguar a situação imediatamente. "Sinto muito, Heath. Eu sei que você deve estar decepcionado comigo, e eu também estou. Mas, por favor, não trabalhe contra mim agora mesmo. Estou com medo. Tudo bem? Eu não posso fazer isso, e Ryker concordaria. Ele está na prisão, e eu estou aqui fora por mim mesmo, e é difícil..."

25


O medo e estresse das últimas duas semanas finalmente me fez desmoronar. As lágrimas atingiram duramente, caindo acaloradamente pelo meu rosto. Cobri o rosto com a mão, não queria que ele visse. Eu estava com tanta raiva dele, mas eu sabia que ele estava exigindo respostas a partir de um bom lugar. Mas, Deus, eu só queria que isso fosse embora. Eu queria colocá-lo para atrás, rapidamente. Eu não queria ficar mais uma maldita noite pensando em como eu iria corrigir isso. "Allie", ele então disse em um tom mais suave, "isto é enorme." "Você não acha que eu sei disso?" Uma mão quente tocou a minha. Ele agarrou-a com cuidado e puxou-a longe do meu rosto. Pisquei duro e olhei para ele. Ele virou o corpo ao redor para me encarar. Tendo um longo ajuste à escuridão, vi o olhar preocupado no seu rosto. "O aborto é um grande passo", disse ele solenemente. "Isso não é algo para tomar de ânimo leve. Pode feri-la emocionalmente, Allie. Ele pode resolver um problema agora, mas pode criar um ainda maior depois. Você tem que ter certeza que é isso que você quer." Rapidamente, eu disse: "É, Heath. É. Eu tenho certeza disso." Ele inclinou a cabeça para o lado. "Você está realmente certa? Eu acho que você está apenas com medo agora e reagindo impulsivamente." "Eu disse que eu tenho certeza." Por que ele tem que manter arrastando isso? Eu estava tendo um momento difícil, uma vez que estava me

26


convencendo que estava certo, eu não preciso dele cavando ao redor até que eu estarei mostrando hesitação. "E se eu falasse com Ryker? Ele podia ver as coisas sob uma luz diferente..." "Heath," interrompi-o, segurando sua mão com força, "você conhece Ryker. Você sabe que isso é o que ele vai querer também. Ele mesmo disse em muitas ocasiões." Ele xingou baixinho e desviou o olhar. Ele sabia que eu estava certa. Não havia nenhuma maneira em uns cem anos que Ryker me diria para manter este bebê. Ele nunca quis ser pai. Ele tinha algum tipo de opinião pessoal sobre isso que eu nunca poderia chegar ao fundo. "Que tipo de vida que a criança teria, afinal?", eu disse, mais para mim do que para ele. "Crescer sem uma figura paterna por cinco anos e, depois, aprender sobre onde ele estava e por que estava em lá. Esse tipo de coisa poderia atrapalhar um garoto crescendo". "Já para não falar que eu teria que abandonar a escola e lutar para apoiar uma criança que não merece crescer em extrema pobreza em um lugar como Hedley. Acredite em mim, eu era uma daquelas crianças, e isso é um saco. Maldição, que vá tudo para o inferno." Eu me senti mal do estômago só de pensar nisso. "Allie", de repente ele sussurrou para mim, me puxando para fora do caos completo dos meus pensamentos, "se você não tivesse nada a temer, você ainda abortaria?"

27


Sua pergunta me jogou fora. Minha mente ficou muda, mas meu corpo falava de outra forma. Coloquei a mão no meu estômago sem pensar e deixei cair a cabeça. Olhei para o meu colo, não querendo admitir a verdade para essa pergunta. "Não posso", eu disse a ele em um soluço. Meu ser abalado com a derrota. "Não tenho nenhuma maneira de fazer isso, Heath. Estou tão sozinha agora. Não posso fazer isso. Não posso. Tenho apenas dezoito anos. Eu nem sequer tenho um emprego, e eu procurei e procurei e..." Um braço foi em torno de mim, e foi tão inesperado que eu pulei. Ele nunca tinha estado tão perto de mim, e agora abruptamente seu calor estava em cima de mim. Ele me puxou para ele, minha testa bateu no peito enquanto eu chorava duro contra sua camisa fina. O cheiro de suor e leve colônia me envolveram, lembrando-me de segurança Eu costumava me sentir assim nos braços de Ryker quando ele me segurava tão próximo. "Se o dinheiro não fosse um problema, se você não se importasse com o que Ryker queria, se você não fosse sozinha, e se... você tivesse alguém para ajudá-la, Allie, você ainda iria abortar?" Impossível, eu queria dizer. Porque ele não parece entender que, mesmo que eu mantivesse o bebê, eu teria uma infinidade de problemas. Mas a minha boca se abriu de qualquer maneira e disse o que estava no meu coração. "Não, eu não faria isso." Que mulher iria querer fazer isso? Era fácil dizer que você não faria. Que era moralmente errado. Mas quando foram confrontadas com a dificuldade de não ser capaz de cuidar de algo que foi dado

28


a você sem planejamento, a realidade se transformou em uma quebrada, estrada imprevista. Uma onde as escolhas que você pensou que você faria se tornaram aqueles que você não podia fazer. Eu sentia sua respiração quente no meu ouvido. O cheiro dele era tão reconfortante quanto a sua proximidade. Seu aperto ao meu redor se intensificou quando ele sussurrou as cinco palavras que mudariam para sempre a nossa vida. "Então deixe-me ajudá-la."

29


Capítulo Quatro Heath

Entrei no apartamento com um saco de fast food que eu peguei em nosso caminho de volta. Sempre comi depois de um bom combate, e o segundo em que Allie cheirou a comida no ar, no drive thru, eu poderia dizer que ela estava morrendo de fome também, então eu pedi para nós dois. Ela acompanhou de perto atrás de mim, olhos vermelhos e crus de todas as lágrimas derramadas no caminho até aqui. Fui para a cozinha, enquanto ela rigidamente se sentou no sofá. O apartamento era pequeno, com a cozinha de frente para a pequena sala de estar, mas Ryker e eu nunca nos preocupávamos com o tamanho. O aluguel era acessível, cada um tinha seu próprio quarto e isso foi tudo o que realmente importou, especialmente, se isso significava ter privacidade com nossas mulheres. Eu gostava de viver de forma simples, e desde que ele foi preso, a desordem tinha parado de se acumular. Como resultado, o lugar estava sempre limpo e arrumado. Enchi nossos pratos com os hambúrgueres e batatas fritas, o tempo todo eu a olhava de braços cruzados enxugando a cachoeira de lágrimas. Seu corpo estava tenso e imóvel. Provavelmente, ainda absorvendo a mudança em sua decisão. Fui até ela e entreguei-lhe um prato. Então eu caminhei até a porta da

30


varanda e olhei para fora no céu escuro, mal tocando a minha comida. Eu deveria estar comendo, mas minha mente estava muito distraída. Eu era todo o tipo de fodido. Meu cérebro parecia uma caixa de peças de quebra-cabeça espalhadas. Um minuto eu me parabenizei por fazê-la desistir do aborto, e no próximo eu estava me perguntando que tipo de ajuda eu poderia oferecer a ela. Eu não sabia nada sobre gravidez ou bebês. Inferno, eu estava dificilmente sobrevivendo agora com meu salário como mecânico de baixo nível em uma pequena loja de carro. Eu joguei longe meus anos de escola, não levando nada a sério. Não ajudou que minha dislexia fez-me aprender no dobro do tempo que levou uma criança média. Eu estava pagando por isso agora, mas eu nunca poderia ter previsto isto. Virei a cabeça para olhar para ela. Meus lábios curvaram-se com a visão dela enchendo a garganta de comida como se ela tivesse passado fome durante dias. E, assim, o pensamento sozinho limpou esse sorriso do meu rosto. Grávida. Ela estava com fome, porque ela tinha uma coisa viva que crescia dentro dela. Foda-se, a menina era minúscula. Era quase impossível imaginá-la com uma, gigante, barriga redonda. Ela era tão jovem, mas você realmente não podia vê-lo em seus olhos azuis ferozes. Ela sempre foi madura para a idade. Ela viveu uma vida de caos: um pai que, inexplicavelmente, tirou sua vida, uma mãe religiosa que lhe dera um momento difícil, e a condenação de Ryker

31


após o idiota estúpido ser preso por vender uma porrada de crack em um beco não muito longe daqui. E agora isso. Porra. Imediatamente senti que estava entrando em um território que estava fora do meu alcance, e eu de repente desejei que Ryker não tinha ido para a prisão, não tinha me deixado sozinho para pegar os pedaços quebrados na vida de sua namorada. Este problema é deles, não meu! Os pensamentos egoístas corriam desenfreados através de mim, buscando maneiras de pular do barco a partir desta bagunça e continuar a viver a minha vida sem graça. Mas, em seguida, seus olhos encontraram os meus, e o desespero em seu rosto parou-os imediatamente em suas trilhas, me lembrando da minha promessa à Ryker e a certeza que eu senti por trás das minhas palavras quando eu disse que iria cuidar dela. De alguma forma fodida isso foi culpa minha. Eu nem sabia os detalhes e eu já estava culpando a mim mesmo. Eu deveria ter mantido um olhar atento sobre Ryker e Allie. Eu deveria ter a certeza que Ryker sabia que estava fazendo sexo com uma menina dois anos mais nova do que ele e do que pode significar para ela se não tivesse cuidado a cada maldita vez. Eu deveria ter dito a ele as consequências e quão longe ele poderia afastar alguém tão puro e bom como Allie, porque você sabia a partir de uma milha de distância que ela era especial. Em vez disso, eu fui pego na minha própria mentira, minha própria história triste, e as minhas próprias lutas.

32


Eu falhei com eles. Não. Eu falhei com ela. Se eu tivesse sido um irmão melhor, eu teria feito Ryker ser um responsável bom homem. Não um que decidiu aleatoriamente cometer crimes para viver uma vida melhor, enquanto nos enganava com mentiras de que não estava. Para ser justo, ele não tinha sido sempre assim. Ryker tinha sido direito e justo antes de se envolver na turma errada, há alguns anos, arrastando Allie com ele no meio da lama. Porquê ela ficou em torno dele por tanto tempo, eu não conseguia entender. Destoando como um polegar dolorido, ela nunca esteve integrada dentro de sua turma. Mesmo agora, ela não parecia em nada com as meninas em Hedley. Ela estava sempre em roupas soltas, andando pelas ruas durante o dia com fones de ouvido gigantes, sua pesada mochila sedendo em sua bunda, e um boné de beisebol. Era como se ela quisesse ser invisível a todos, menos Ryker. Mas eu a vi. Eu sempre tinha visto Allie Wallace, a pequena alma tranquila que ficava afastada em cada situação social, agarrando seus livros contra o peito, ou olhando deslumbrada para o meu irmão mais novo. E Ryker foi igualmente afetado. Eles pareciam se complementar bem, sempre desaparecendo em sua pequena zona quando eles estavam em torno um do outro. Muitas vezes eu invejava sua proximidade, perguntando-me como se sentiria ser tão compatível com outra pessoa.

33


Até agora. O idiota jogou tudo fora. Jogou sua namorada maravilhosamente ímpar para fora da janela juntamente com a sua liberdade. Ele sabia a porra dos riscos. Ele sabia que a cidade estava ficando quente com a tensão do nível do crime que tinha subido o ano passado com as gangues da pesada que tomavam conta das ruas. Ele sabia e optou por continuar saindo com as pessoas erradas e vendendo drogas, e tanto quanto eu odiava dizer isso, ele merecia estar apodrecendo na cadeia. Ele precisava disso, e talvez ele saia e endireite a si mesmo de uma vez por todas. "Vou visitar Ryker em breve", eu disse, quebrando o silêncio. Seus olhos se arregalaram. "Você vai dizer a ele?" "Ele merece saber, Allie. Certo?" Ela pensou por um segundo, e então ela balançou a cabeça tristemente. "Eu sei, mas ele não vai aceitar a minha decisão." "É por isso que eu vou vê-lo. Eu tenho certeza que eu posso fazer sentido para ele. Você é mais que bem-vinda para vir." Eu não sabia se ela o visitou ainda. Desde que ele foi trancado há um mês atrás, depois que ele se declarou culpado, eu não tinha cruzado com Allie. "Não", ela disse com um aceno de cabeça. "Eu ainda estou com raiva dele depois de tudo. Eu não posso fazer isso. Eu não vou fazer isso." Ela olhou para seu prato, afastando suas batatas fritas. Senti a raiva, e eu estava muito curioso sobre o que estava acontecendo entre eles. "Você ainda está com ele?", encontrei-me perguntando.

34


Ela ainda não olhava para mim, mas suas bochechas avermelharam. "Eu estava com raiva dele depois que ele foi preso. Nós tivemos uma briga e eu ... terminei com ele." "O tipo real de terminar? Ou será que você acabou de fazer isso por raiva?" Ela se encolheu. "Eu não sei." "Será que ele sabe disso?" "Ele disse para esperar por ele." "Ele deve estar fora de sua mente esperando você vá esperar em torno de cinco anos." "Ele disse que se ele tiver bom comportamento, ele pode estar fora muito mais cedo do que isso. Ele me prometeu que iria mudar de vida." "E você acredita nele?" "Com seu histórico de mentir, você acha que eu sou estúpida o suficiente para acreditar nele? Mesmo depois tudo, ele se recusa a admitir que ele estivesse vendendo. Então é claro que eu não acredito nele mas, às vezes, a prisão muda as pessoas, então eu tenho que pensar positivamente." Observei-a com cuidado, tentando entender suas emoções por ele depois de tudo. "Ainda assim," murmurei, "essa é uma longa espera de merda, Al, mudança ou nenhuma mudança."

35


Ela encolheu-se no nome que eu chamei-a, e ela ainda não sabia que eu faço isso por causa da reação que ela me dá o tempo todo. "Você pode seguir em frente até então", eu acrescentei. "Para ser honesta, eu não me importo se eu faço", respondeu ela. "Não?" "O relacionamento é um trabalho árduo. O pensamento de começar de novo do zero com alguém me cansa. Eu preciso focar nisso", ela apontou para a barriga, "e na escola. Não algum cara na prisão que me magoou. Não tentando soar dura, mas Ryker bagunçou as coisas de uma maneira que não pode ser corrigido com um pedido de desculpas." Balancei a cabeça. Garota esperta. Bem, não a parte ficando grávida, mas todo o resto. Eu respeitava sua opinião, foi bem impressionante ela não ser como aquelas meninas defendendo seus caras quando eles absolutamente fodem tudo. "Você teve uma boa luta, aliás", ela então disse, finalmente olhando para mim. Seus olhos azuis se animaram um pouco e ela sorriu. "Não achei que você iria ganhar." Eu sorri. "Você e todos os outros." "Grande golpe?" Lembrando o maço de dinheiro no meu bolso, acenei com vontade. "Oh, sim."

36


Minha renda mal dava para conseguir, mas com uma luta aqui e ali, a injeção de dinheiro era bem-vinda, e sempre trouxe minhas dívidas de volta para o zero. Eu nunca tinha perdido uma luta, e as pessoas não tinham o direito de ter uma opinião negativa de mim do jeito que eles fizeram esta noite, mas, novamente, eles nunca me viram contra um cara com o dobro do meu tamanho. E eu já era um cara grande. Então isso diz alguma coisa. Ela levou o prato para a cozinha e lavou na pia. Então ela voltou e pegou sua mochila. "Onde você quer que eu durma?" Resisti de revirar meus olhos. "O quarto de Ryker ainda está lá e pronto, Al." Outro encolher. Resisti rindo. "Ok, bem, eu aprecio muito isso, Heath. Vou tentar hum... estar fora do seu caminho. Eu não quero ser um estresse para você..." "Você não vai ser um estresse", eu interrompi solenemente. "Nós vamos passar por isso. Nós vamos resolver isso, certo?" Ela assentiu com a cabeça e piscou para conter as lágrimas. "Sim." Ficamos em silêncio por alguns momentos; a marca de embaraço entre nós cresceu a cada segundo. "Ok, bem, boa noite." Ela se virou e saiu da sala, desaparecendo segundos depois no quarto do Ryker.

37


Olhei para a minha comida intacta, não sentindo um pingo de fome, e coloquei-a no balcão da cozinha. "Ainda há comida na cozinha," falei para ela no meu caminho pelo corredor. "Ok", ela falou de volta. De pé no banheiro, tirei lentamente a fita em torno de ambas as mãos. Flexionei meus dedos e olhei para o espelho. Todo o meu corpo estava dolorido. Talvez eu tenha batido em Tank hoje à noite, mas ele tem alguns socos que foram malditamente impressionantes. Virei as costas para o espelho vendo as marcas de punhos em vermelho-escuro ao longo dos meus ombros. Porra, isso ia doer terrivelmente amanhã. Estava acostumado com a dor nesse momento, por isso não me incomodei. Lutar era um bom lançamento para mim. Manteve meus níveis de agressão baixos e tinha me aterrado na vida cotidiana. Isso e sexo. Peguei o dinheiro do bolso e coloquei-o sobre o assento do vaso sanitário. Cem notas de dólar empilhadas em cima umas das outras em uma pilha espessa, me lembrou por que eu fiz isso. Ainda assim, não importa o quanto libertador era, eu não queria estar fazendo isso para sempre. Tomei um banho rápido, o tempo todo querendo saber como eu iria contribuir para esta gravidez. Talvez lutar mais? Eu poderia usar alguma renda extra para ajudar, e de um jeito que Allie não se estressaria tanto por

38


causa de dinheiro. Eu também poderia reduzir outros custos: parar com os shakes de proteína, porque eles estavam caros para caralho, cortar noitadas com os caras, e parar todos os projetos de carros que eu tinha de lado, como um passatempo na loja de carro. Suspirei. Um monte de merda para cortar, eu percebi. O que diabos eu estaria fazendo em meu tempo de folga? Assim quando eu saí, ouvi uma batida na porta da frente. Verificando a hora, amaldiçoei. Esqueci completamente de Trudy. Sem me vestir, eu corri para a porta da frente, não querendo atrair Allie fora de seu quarto, no caso de Trudy bater novamente. Abri a porta e imediatamente braços delgados embrulharam em volta de mim. Lábios macios tocaram os meus quando ela empurrou-se contra mim. "Alguém tomou uma chuveirada", ela murmurou, me banhando com seu perfume floral quando ela deslizou suas mãos em meu peito nu e para onde a toalha estava em torno dos meus quadris. Me afastei antes que ela pudesse desfazer a toalha e olhei por cima do meu ombro. "Eu tenho companhia, Tru." Ela baixou os braços para os lados. "O quê? Você sabia que essa era a única noite que eu poderia sair do trabalho..." "Eu sei, mas isso foi inesperado." "O que você quer dizer? Quem é?"

39


Antes de responder, corri meus olhos sobre seu corpo. Ela veio embonecada para isso, usando o que ela sabia que iria me impressionar. Jeans apertado, top cortado baixo e saltos sensuais que faziam suas pernas parecerem como se continuassem por porra de milhas. Resisti gemendo. Tru nunca me decepcionou nas noites que nós transávamos. "Heath?", ela pressionou, levantando as sobrancelhas. "A namorada de Ryker," eu disse a ela. Bem, talvez namorada. Eu não entendi muito bem a parte "eu não sei". Se você estava sendo técnico, terminaram, e tudo o que precisava para consertar o tecnicismo era uma simples discussão um com um outro, uma que eu tinha certeza de que Allie não estava pronta em qualquer tempo em breve. Imediatamente, ela franziu a testa. Tru viveu um andar abaixo de mim e estava familiarizada com Ryker. Encontrara-o em várias ocasiões em que tínhamos começado o nosso arranjo um par de meses atrás, mas ela nunca esteve ao redor para ver Allie. Mantive Tru a uma certa distância quando ela veio para minha vida pessoal. Pude ver o olhar de desaprovação em seu rosto enquanto ela esperava eu dar mais detalhes. "Ela precisava de um lugar para dormir", eu disse a ela. Agora, o olhar poderia cortar carne. "Onde é que ela está dormindo?" "No quarto de Ryker." "Então, qual é o problema?" "Nós não podemos fazer isso hoje à noite."

40


"Por quê? Ela está em seu quarto, e vamos estar no seu." Minha mandíbula se apertou. Como eu poderia focar nela quando eu sabia que, ao lado, Allie estava na cama sozinha? Não era como antes, quando ela estava lá com Ryker. Não poderia compartilhar uma parede com ela e ser íntimo com Tru ao mesmo tempo. Parecia errado, que era fodido porque não era. De todo. Quando eu não respondi, ela deu um passo para frente, bloqueando aqueles olhos cor de avelã com os meus. Aqueles sedutores lábios finos se curvaram quando ela disse: "Venha foder meu cérebro para fora de mim, Heath. Estive querendo por dias." Eu amei uma mulher que sabia o que queria. Nada dessa besteira insegura para me puxar para baixo. Tru era toda sobre a diversão no momento, um pequeno refúgio agradável para mim duas vezes por semana. Ela estava segura. Nada como prostitutas cheias de DSTs que me pediam uma foda ao lado da estrada. Eu sou extremamente exigente com quem eu meto meu pau. Quando ela começou a lamber meus lábios, senti no fundo a agitação dentro de mim crescer. Depois de um certo ponto, não havia como parar isso. Luxúria era uma cadela. Ela me empurrou para trás e me levou para o meu quarto.

41


Capítulo Cinco Allie

Bem, até agora eu tinha esquecido completamente que as paredes deste lugar eram malditamente finas. Então Heath rejeitou aquela garota no armazém porque ele tinha outra coisa na lateral. Eu me perguntei se ela era tão sexy e ousada quanto parecia. Venha foder meu cérebro para fora de mim, Heath. Pelo menos ela podia juntar duas palavras corretamente. Mas caramba, fale sobre excitar um homem. Refleti sobre Ryker e sua constante pressão para ser mais sexualmente aberta. Nós estávamos fazendo sexo desde que eu tinha dezesseis anos. Após o primeiro ano, ele queria que eu fosse mais extrovertida. Lingerie e conversa sexy eram o principal tipo de coisas que ele pedia mais, mas me apavorei e me senti estressada com a pressão para cumprir seus desejos do jeito que ele gostava. Não ajuda que ele era dois anos mais velho do que eu e muito mais experiente, e eu sempre senti como se estivesse competindo contra as mulheres de seu passado. Porque como Heath, Ryker teve um longo passado, o que era impressionante para sua idade.

42


Eu ouvi a porta do quarto ao lado fechar, e continuar com sons de beijos. Eu estava esparramada na cama de casal de Ryker, tentando muito duro não ouvir tudo. Vergonha que esses lugares não eram à prova de som. O próprio prédio era muito abandonado e duvidoso, mas os meninos tinham feito o interior bem, decorando-o com o mobiliário bom e simples. Duas pessoas sendo íntimas uma com a outra tão perto de onde eu estava, que fiquei surpresa por quão solitária eu me senti naquele momento. Não foi só a intimidade que eu desejava. Ryker não tinha sido apenas o meu namorado, ele tinha sido mais parecido com o meu melhor amigo. "Eu não fiz isso", ele me disse depois que tinha sido preso. Seus olhos castanhos claros olharam profundamente em meu próprio, enquanto ele me segurou para ele. "Baby, você tem que acreditar em mim. Eu fodi tudo por ficar ao redor desses caras, mas eu não achei que iria me custar você. Por favor, não me deixe. Eu realmente não fiz isso." Eu queria acreditar nele, porque eu sabia que se eu fizesse, então eu não teria que romper com ele. Depois que meu pai morreu há três anos, ele era o único menino do bairro que me visitava e se certificava de que estava tudo bem. Nós éramos amigos de infância, completamente confortáveis um com o outro, mas a morte do meu pai foi o auge. Trouxe-nos para mais perto e fez ele realmente olhar para mim. Ele estava fora do meu alcance. Os meninos Lawson eram além de lindos. Então, quando ele me pediu para sair em um encontro, eu quase caio com o choque. Eu? Eu não era o seu tipo de menina. Eu era muito simples. Eu nunca me importei com cabelo e maquiagem. Nunca tentei impressionar os

43


outros com o que eu usava. Acho que depois de uma infância de ser intimidada pelas minhas pernas longas e finas e pele pálida como um fantasma, eu tentei o meu melhor para ser invisível. "Apenas pare de mentir para mim", eu disse a ele bruscamente. "Eles encontraram as drogas com você, Ryker. Você foi pego em flagrante. Então, basta confessar!" Quando ele continuou a negar, a minha raiva explodiu nele. Eu disse a ele que, até que ele me dissesse a verdade, eu estava feita. Eu ainda quero dizer isso. Eu sabia que se eu fosse vê-lo na prisão, ele provavelmente iria continuar mentindo. E se há uma coisa que eu odeio mais, são os mentirosos. Então, estou por mim mesma, essencialmente. E se ele confessou? Bem... Eu não sabia. Ele é agora um criminoso, igual metade dos caras em Hedley, e que não era uma característica cativante para ter em seu namorado. Principalmente, eu estava apenas brava. Mesmo que eu encontrei em mim o perdão para suas mentiras e seu crime, eu estava certa de que a imagem dele estaria para sempre manchada. E isso só me deixou triste. Suspirando, virei-me do meu lado e estudei seu quarto, em todas as coisas que amava – os cartazes de boxe, citações da vida, e imagens de Mohamed Ali. Lutar era uma paixão dele e Heath, compartilhada igualmente. Apenas que Ryker era o observador, e Heath o lutador. Peguei a garrafa meio vazia de colônia de sua cômoda e tirei a tampa. Pontilhei alguns no meu pulso, sentindo-me confortada pelo cheiro dele ao meu redor. Fez-me lembrar de todos os tempos em que ele parou o que estava fazendo para estar comigo.

44


Eu sentia falta dele, mas eu também me lembrei de todas as noites que ele estava fora, deixando-me para trás. Agora eu sabia com certeza que ele não tinha sido bom, e isso me ajudou a superar a parte que sentia falta dele imensamente. Substitui-lo foi uma amargura que cavou fundo em meus ossos, e eu suponho que isto foi o início do caminho para o ressentimento. Apesar dos gemidos ao lado, minha exaustão me pegou, e eu adormeci rapidamente.

O problema com a gravidez, que eu rapidamente vim a perceber, era que você tinha que fazer xixi. Muito. Virei e mexi, mas a sensação de bexiga cheia era muito difícil de ignorar. Sentei-me e esfreguei os olhos quando o som de mais gemidos correu para os meus ouvidos. Suspirei e verifiquei a hora. 01:27 Eu estava dormindo durante três horas e eles ainda estão nisso? Ou talvez esta foi a segunda rodada. Segunda rodada ou ainda terminando a primeira rodada, isso era um feito impressionante. Um que, infelizmente, fez isso um pouco estranho. O

45


banheiro era no final do corredor. Eu tinha que passar pelo quarto de Heath para chegar lá. E o chão rangia como o som de um maldito trem de carga! Mas minha bexiga... Deslizei lentamente para fora da cama e fui na ponta dos dedos até a porta. Abri-a centímetro por centímetro, até que eu poderia escorregar através. Um passo, dois passos... Parei quando vi que a porta do quarto estava metade de um pé aberto. Eu não conseguia ver nada a partir deste ângulo – não que eu queria – então eu continuei na ponta dos dedos do pé, segurando a minha respiração enquanto eu passava pela porta e continuei até final do corredor. Estava muito mais confortável no meu caminho para lá. A menina estava a revelar-se útil para o meu esforço para ser invisível. Ela era barulhenta. Muito, muito barulhenta. "Sim, sim, Heath, oh meu Deus." Gemidos. "É isso aí. Como você está fazendo isso?" Fazendo o quê? "Oh, meu Deus!” respirações pesadas “SIM! SIM! SIM! " Engoli uma bolha de riso quando eu abri a porta do banheiro e entrei. Fechei-a atrás de mim e cobri minha boca no caso de escapar. De todas as mulheres que ele trouxe para casa, eu nunca ouvi uma tão barulhenta antes. "É ISSO AÍ! É ISSO AÍ!" Silenciosamente fiz minhas coisas no banheiro, e então eu esperei por um gemido/grito especial para dar descarga. Lavei minhas mãos, espirrando

46


um pouco em minhas bochechas superaquecidas. Outra coisa que a gravidez é uma merda: ondas de calor. Saí quando eu terminei e fui na ponta dos dedos alguns metros antes que ela declarou alto: "Ok, menino grande, sua vez. Abaixe-se." Parei por alguns momentos, à espera de seus gemidos para ajudar a abafar os rangidos no desgastado piso de madeira. Só que ela tinha parado completamente. Dei alguns passos para a frente, e quando o piso sob os meus pés rangeram de novo, eu congelei. Para meu espanto, eu estava presa de pé e diretamente em frente à porta aberta, onde o suave brilho de uma luz lá dentro me deu um visual de tudo. Olhei para longe antes que eu pudesse ver algo. Isso era privado. Isso estava errado. No entanto, a menina não estava fazendo nenhum barulho mais, e se eu me movesse... bem, merda, eles ouviriam o rangido direto fora do seu quarto, e o que eles poderiam pensar se eles me vissem? Espreitadora Allie. Ugh. Minha vida estaria terminada. Você não poderia viver passando esse tipo de humilhação. Ouvi mais movimentos de corpos mudando e, em seguida, o som da respiração pesada. Aqueles que não estavam vindo da garganta de uma fêmea. Eles foram duros e trabalhados, misturados com um grunhido baixo. Heath.

47


Minhas bochechas coraram e, por sua própria vontade, meus olhos dispararam e vislumbrei seu quarto. Eu não podia ver muito da gritadora, mas eu podia ver Heath, claro como o dia, nu e de pé no meio do quarto. Cristo, o cara era rasgado... e suado. Mesmo com a pouca luz, eu podia ver as veias grossas saindo de seu pescoço e braços. Ele estava olhando para ela, paralisado, com as mãos agarrando firmemente seu cabelo, fazendo com que aqueles bíceps inchassem incrivelmente. Olhei para o seu corpo da cabeça aos pés, persistindo em seu abdômen e para baixo em sua trilha feliz onde eu vi a cabeça balançando para trás e para frente. Engoli em seco e desviei o olhar novamente. Eu estava toda suada. Meu corpo tremia. Por que não estava me movendo? Provavelmente estava tão barulhento lá, com suas respirações, que eles não iam me ouvir. No entanto, eu estava enraizada no lugar e tudo que eu queria fazer era olhar para ele de novo. Isso era uma bagunça. Meus olhos saltaram de volta à cena, e desta vez sua cabeça estava virada para o teto e sua boca estava meio aberta. Havia algo tão incrivelmente proibido em ver uma pessoa na crista do prazer. São como rachaduras na armadura, e você vê um lado vulnerável. No entanto, mesmo assim, Heath era absolutamente primal. Ele olhou de volta para ela, e ele não estava olhando para uma pessoa, por exemplo, mas a um brinquedo que ele estava usando. Não havia nada, somente a luxúria em seus olhos. Ele finalmente empurrou-a e forçou-a a seus pés. Eu finalmente a vi. Viu o ágil corpo que pertencia a revistas. Deus, ela era linda. Forçou-a contra seu armário e dobrou-a antes de dirigir-se dentro dela.

48


Seus gemidos começaram novamente quando ele absolutamente devastou-a. Puxando o cabelo dela. Segurando seus quadris tão apertados que eu tinha certeza de que iria machucar. Era tão impessoal. Eu acho que eu vi pornô com mais emoção do que isto. Quando o tremor no meu corpo fez meus dentes começarem a bater, eu desviei o olhar e rapidamente decolei para o final do corredor. Minhas pernas estavam formigando e fracas na hora que eu pulei na cama e joguei as cobertas por cima de mim. Eu tremia como louca, com a culpa da minha espionagem rasgando buracos no meu peito. Eu nunca tinha feito algo parecido! Eu nem sequer me afastei, quando poderia ter feito! O que havia de errado comigo?! Senti-me mal, sabendo que essas imagens ficariam queimadas para sempre em mim, e odiei tanto como fiquei excitada ao ver o prazer no rosto de Heath. Fechei os olhos e tentei dormir. Levou um longo tempo, mas eu consegui manejar ao longo do tempo que sua sessão havia finalmente terminado. Eu tive um sono agitado, sacudindo e virando, acordando nas primeiras horas da manhã com o cabelo suado e meu coração batendo de forma irregular no peito. Até mesmo o cheiro de Ryker não me ajudou a acalmar.

49


Quando eu finalmente saí da cama, imediatamente vi algo branco no chão ao lado da porta. Quando eu esfreguei os olhos e dei uma olhada mais de perto, percebi que era um pedaço de papel dobrado. Meu corpo apertou quando um sentimento ruim veio. Inclinei-me lentamente e peguei. Levei alguns momentos para finalmente ter coragem de abri-lo. Quando eu fiz, minha boca ficou seca e meu coração acalmou ao ler as palavras escritas em letras femininas borbulhantes.

Espero que tenha gostado do show <3 Ele é meu.

"Pelos meus cálculos, senhorita Wallace, você está de nove semanas", disse a dra. Evans. "Sua data de parto é 8 de fevereiro." Balancei a cabeça para ela, ignorando sua carranca e a forma de julgamento com que ela estava olhando para mim. Eu não estava certa por que ela estava reservando toda a atenção negativa em mim quando toda a sala de espera estava cheia com meninas igualmente jovens e mais adiantadas na gravidez do que eu. "Eu já agendei a sua ultrassonografia para a décima segunda semana de gravidez. Eu vou te dar o endereço e a data, é com você chegar aqui a tempo. Nós não gostamos de retardatários. Tente não perder a consulta. Depois de

50


terminar, venha me ver. Sua próxima ultrassonografia depois disso será em 20 semanas. É importante sabermos se o bebê está progredindo de forma saudável." Ela divagava depois disso, falando sobre testes de glicose e como eu estaria vendo uma enfermeira, mais e mais, perto da minha data de parto. Em seguida, foi o que comer, o tipo de pílulas que beneficiaria o bebê, e assim por diante. Minha cabeça girava com as informações no momento em que ela terminou. "Alguma pergunta?", ela perguntou, em seguida, com pouco entusiasmo. Eu era apenas um número para ela. Um rosto que ela esqueceria no segundo em que eu saísse. Balancei minha cabeça. Ela me deu a minha data de ultrassonografia e enviou-me para fora da porta. Eu saí da clínica e esperei do lado de fora em uma bolha de calor do verão por Heath vir e me pegar. Quando ele finalmente veio pela rua, eu verifiquei o tempo e notei que ele estava, na verdade, adiantado. Eu pulei no caminhão assim que ele se aproximou e baixou o volume. "Espero que você não ficou esperando muito tempo", disse ele, olhando para os meus braços brilhantes. Eu balancei minha cabeça. "Não. Cinco minutos, talvez." "Não poderia esperar lá dentro? Não deve ser bom estar sob o sol quando você está grávida, certo?"

51


"Sim, eu acho." "Dê-me uma chamada da próxima vez e eu vou pegar você mais cedo." "Ok." Ele dirigia pela estrada, e eu olhei para ele várias vezes. Ele tinha acabado de sair do trabalho, todo gorduroso e malcheiroso. Ele parecia tão áspero com seu cabelo bagunçado e restolho escuro. As mangas do seu uniforme de trabalho foram puxadas para cima, revelando todas as suas tatuagens intrincadas. Definitivamente, nada como o menino bonito Ryker era, mesmo que Heath era um cidadão modelo em comparação. Só serve para mostrar que você realmente não pode julgar um livro pela capa. Ele me pegou olhando para ele e sorriu. Afastei-me imediatamente, sentindo meu rosto corar. Deus, eu esperava que ele não achasse que eu estava verificando-o ou qualquer coisa. Porque eu não estava... Eu sabia que Heath tinha um ego. Ele sempre foi tão confiante, tão seguro de si, e a última coisa que eu queria era alimentá-lo, dando-lhe atenção. Então, eu senti como se eu falhei por estar boquiaberta por ele. Mas com Ryker fora do quadro, o que diabos mais eu deveria focar? "Então, como foi?", perguntou. "Está indo tudo bem com o bebê?" "O check-up foi bom. Eu tenho uma ultrassonografia em três semanas, e eu tenho que tomar umas pílulas nesse meio tempo." "Que tipo de pílulas?"

52


Eu retirei o pedaço de papel que a médica me deu e olhei para o nome das pílulas. "Algo chamado Elevit. É para dar ao bebê todos as multivitaminas e minerais que ele necessita." "Ah, certo." E isso era toda a conversa que poderíamos realizar. Esse embaraço desconfortável rapidamente estabeleceu-se, e então olhei pela janela e vi a cidade passar. Por que eu não podia simplesmente relaxar ao redor esse cara? O que faz Heath ser tão incrivelmente difícil de estar em torno? "Visitarei o Ryker amanhã", disse então. Eu fiquei tensa no meu lugar. "Você tem certeza que é uma boa ideia?" "Sim, eu tenho. Não se preocupe. Ele vai ser legal sobre isso." Não respondi. Eu estava incrivelmente cética, recordando o tempo que eu perdi o meu período e quão zangado ele tinha ficado. Ele me arrastou para a farmácia, comprou um monte de testes de gravidez e não esperou até que estávamos em casa para usá-los. Em vez disso, ele me levou para um banheiro público na área de compras no centro. Durante todo o tempo ele estava tentando tranquilizar-se dizendo que, independentemente do resultado, cuidaríamos disso. Isso foi há um ano. Mais uma vez, a amargura de antes voltou. Eu acabei de cara feia olhando para fora da janela, o nariz alargado, sentindo ressentimento em relação a ele.

53


"Allie", Heath disse suavemente, me tirando dos meus pensamentos, "Pare de se preocupar." "Eu não estou", eu menti. "Você deve praticar na frente de um espelho com mais frequência. Dessa forma, você verá a forma como o seu nariz enruga para cima e o olhar de negação em seu rosto quando você faz isso". Eu atirei-lhe um olhar mordaz e ele riu. "Ok, então eu estou preocupada. Você pode me culpar? Ryker é intenso quando está infeliz com alguma coisa. Você o conhece." "Sim, ele tem um temperamento, hein?" "E ele não vai ter medo de mostrá-lo quando se tratar disso." "Eu não vou deixá-lo. Então pare de se preocupar, não é bom para o bebê". Olhei para ele. Ele pegou o meu olhar quando ele parou em um sinal vermelho. Ele me olhou com sinceridade, curvando um lado de sua boca para cima. Ele estava me dando um olhar de garantia que disse: “Não se preocupe, eu cuido disto”. Enquanto minhas bochechas aqueceram mais uma vez em sua atenção, o meu corpo cedeu com facilidade no meu lugar. Ele estava certo. Eu não deveria me preocupar, especialmente quando eu sabia que não estava sozinha nessa. Obrigado. Eu queria dizer isso para o Heath ali mesmo. Eu tinha um enorme desejo de apenas abraçá-lo com força e chorar, e dizer a ele o quanto o

54


seu apoio significou para mim. Mas eu não conseguia achar as palavras. Especialmente quando as imagens dele e da menina de repente me superou, e tudo que eu podia ver era aquela cara sincera sobre um corpo que estava além de qualquer coisa que eu já tinha visto. Ele ficou olhando direto de volta para mim também, e se isso ia alimentar o ego dele, eu não me importo. Eu estava muito sugada pela força de seus olhos. "Você vai ficar bem", disse ele para mim, baixinho. Quando uma buzina soou atrás, ele quebrou o contato e olhou para o sinal verde, pressionando o acelerador. Em nosso caminho para o apartamento, paramos pelo centro de compras e ele pegou minhas pílulas e alguns mantimentos. Ele ficava me perguntando o que eu podia ou não podia comer, certificando-se de que todos os alimentos no carrinho estavam certos. Como resultado, ele gastou um monte de dinheiro no caixa. À medida que carregou as sacolas na parte traseira de sua caminhonete, eu disse: "Eu vou continuar tentando me candidatar a um emprego, mesmo que seja em tempo parcial. Dessa forma eu posso ajudar com os mantimentos e aluguel. Não é justo com você comprar todas essas coisas para mim também." Heath balançou a cabeça. "Temo que não está acontecendo, Allie. Você precisa se concentrar na escola, depois nas férias de verão, e eu vou cuidar do resto. Eu estava falando sério quando disse que estou nisso com você. Portanto, relaxe e tudo o que você precisar eu vou conseguir. "

55


Olhei-o de perto quando ele disse essas palavras, tentando detectar qualquer hesitação nele. Mas ele estava completamente à vontade, acreditando em suas palavras de todo o coração. Esse cara estava realmente tentando, e ele não estava nem mesmo um pouco habilitado. Os hormônios da gravidez devem ser potentes porque eu estava, de repente, lutando contra as lágrimas. Quando voltamos para o apartamento, nós arrumamos os mantimentos e ele começou o jantar. Permaneci em torno dele, encostada no balcão com os meus braços cruzados enquanto ele cozinhava batatas e colocava dois bifes em uma panela aquecida. Minhas sobrancelhas se ergueram em surpresa quando ele jogou sem esforço um pouco de azeite e ervas. Ele olhou para mim e sorriu para a minha expressão. "O quê?" Eu balancei minha cabeça. "Nada." "Mentirosa. Diga Al." Dei de ombros. "Eu não percebi que você era um cozinheiro. Você e Ryker sempre comeram fora." "Sim, bem, agora eu estou dentro de um orçamento. Sair vai ser uma coisa do passado." "Por minha causa, certo?" Eu lutei contra a carranca no meu rosto, encarando-o. Ele virou o corpo de frente para mim e me deu outro sorriso encantador. "Sim, é, mas você sabe o quê? Isso é bom. Você sabe o quão duro eu tenho que

56


malhar todas as noites por causa da junk food que coloquei no meu corpo? Há um lado positivo em tudo." "Sim, eu acho, mas você ainda não me respondeu sobre suas habilidades na cozinha." Ele riu, pegando as pinças para virar o bife. O cheiro era absolutamente divino, fazendo meu estômago reclamar em voz alta. "Minha mãe me ensinou muita coisa antes de morrer", disse ele, pensativo. "Eu estava interessado em comida. Fui um bastardo gordinho." Quando eu ri, ele deu de ombros. "É, é, é engraçado, eu acho." "E impossível de imaginar." "Bem, porque eu adorava comida e mamãe iria trabalhar fora algumas noites, eu tive que aprender a cozinhar minha própria merda." Mordi o lábio, pensativa. "Você sabe, Ryker me falou sobre isso. Disse que você fazia macarrão com queijo queimado para ele enquanto você vivia comendo cachorro-quente..." "Eu nunca disse nada sobre ser um bom irmão", ele interrompeu com um sorriso insolente. "Nós estávamos falando sobre culinária, não Ryker, mas nessa nota, o merdinha merecia isso." Eu ri. "O que ele fez para merecer isso?" Heath apenas levantou uma sobrancelha, olhando sinistro agora, quando ele pegou dois pratos e colocou-os no balcão. "Mais parecido com o que ele

57


não fez para merecer isso? Vamos, Allie, você sabe como ele é. Eu preciso dizer mais?" Balancei a cabeça depois de um momento de deliberação. Ryker nunca foi fácil, e eu não poderia imaginar o terror que ele tinha sido como um irmão. Havia algumas coisas como namorado que tinha me enfurecido por, na sua maioria, envolver seu temperamento e sua necessidade de ter o seu caminho. Só de pensar nisso me fez sentir decepcionada comigo mesma. Por que em retrospecto, você poderá ver as rachaduras em uma fundação que você teria de outra forma pensado que era sólida e firme? Ajudei Heath a por a mesa. Servi purê de batatas e carne com molho. Sentamo-nos e comemos, e foi a comida mais saborosa que eu tive em meses. Depois, nós descansamos no sofá e assisti um pouco de televisão. Heath adormeceu em algum momento ao longo do caminho, enquanto eu passei a maior parte da noite agonizando sobre como Ryker ia levar as notícias.

58


Capítulo Seis Heath

Esperei na sala de visitas por alguns minutos. A sala estava cheia de prisioneiros aguardando para falar com os seus entes queridos. Eu até mesmo vi uma criança ou duas. Tentei imaginar um pequeno Ryker correndo por aqui, e o pensamento me fez sentir como se eu tivesse engolido um balde de agulhas. Seriam alguns anos tristes. Mas o garoto não iria realmente entender o que estava acontecendo, certo? Talvez fosse bom. Afinal, no momento em que Ryker sair e colocar sua vida de volta junta, o garoto não pode realmente entender o que tinha acontecido. Esse era um bom pensamento positivo para ter, embora ingênuo como o inferno. Quando, finalmente, o vi andando com um guarda da prisão que parecia irritado a seu lado, o meu ser congelou no olho roxo e lábio partido que ele estava ostentando. Seu cabelo escuro estava mais longo, o seu quadro mais fino, e a sua pele menos bronzeada. Apesar de tudo isso, ele sorriu para mim, e eu me levantei para dar-lhe um grande abraço. Ele era tão alto como eu, mas não tão grande. Senti como se estivesse abraçando ar pela quantidade de peso que tinha perdido, mas eu não deixei minha preocupação se mostrar na minha cara.

59


"Como diabos vai indo, mano?", disse ele, me batendo duro na parte traseira. "Sim, homem, vai indo", eu respondi. Sentamo-nos e o guarda tomou alguns passos para trás, dando-nos espaço para falar. Olhei para seu rosto comprido e fino, e ele estavam me estudando assim interessado também. "Você está bem?", perguntei tentando minimizar as contusões, porque Ryker era tudo sobre ser difícil, e se ele pensou que estava com pena dele, de alguma forma, ele desligava e ficava agressivo. Ele deu de ombros como se fosse nada. "Sim, cara. Estou bem. As contusões? Apenas uma briga. Um monte de porra de luta neste lugar, mas você me conhece. Eu seguro bem. Não se pode bater os Lawsons para baixo, certo? Fodido impenetrável." Provavelmente não com as contusões, mas acenei com a cabeça de qualquer maneira. "Sim, cara. E sobre a comida, embora? Você parece ter emagrecido um pouco." "Algumas aqui tem gosto de bunda. Eu sou exigente." Outra mentira. Eu ri levemente, e eu esperava que ele não ouviu como falso soou. "Sim, eu sei."

60


Ele começou a se remexer. Isso era claramente conversa fiada. Ele examinou o lugar antes de se inclinar sobre a mesa. Seus olhos perfuraram os meus e um olhar sério, de repente, o acompanhou. Eu sabia o que estava vindo. Podia sentir a mudança no ar. O tipo desesperado. "Você tem conversado com Allie? Nós tivemos uma briga depois que eu fui preso. Ela te disse isso? Disse que nós estávamos terminados. Eu não sei o quão sério ela estava. Ela não veio ao redor ainda, e eu estou realmente muito perdido na minha merda sem ela. Nem uma palavra dela, Heath, e está fazendo a minha cabeça, sabe?" Eu balancei a cabeça. "Sim." "Eu só..." Ele exalou e balançou a cabeça. "Eu amo essa garota, e eu preciso que ela esteja aqui para me ver. Ela é tudo que eu penso. Diga-me que a viu." "Eu vi, na verdade." Seus olhos se arregalaram e o desespero cresceu. "Sim? O que o meu amor está fazendo?" Eu não respondo por um momento. Foda-se, isto era difícil. Como eu iria fazer isso? Eu não podia olhar para ele. Olhei por cima do ombro, olhando para o guarda por um momento. Levou alguns segundos para Ryker sentir que algo estava errado, e o olhar de medo em seu rosto, porra, me matou. "Diga-me que ela não se mudou", ele implorou, sua voz apertando. "Cara, não me olhe assim, Heath. Diga-me que ela está esperando por mim."

61


Engoli em seco. "Sim, homem, não é isso..." Seus ombros relaxaram um pouco. "Ela está me esperando?" "Ela ... Ela tem um monte sobre os ombros, Ryker, e você precisa saber sobre isso." Suas sobrancelhas se juntaram. "O que você quer dizer?" "Eu quero dizer que você precisa deixar de lado se ela está esperando por você ou não, porque ela tem outros problemas..." "Como o quê, Heath? Apenas para fora com isso." Lambi meus lábios lentamente, com cuidado, dizendo: "Ela veio até mim. Ela está grávida, Ryker. Sua mãe louca chutou-a para fora de casa quando ela descobriu. Aparentemente, foi toda psico sobre ela, disse-lhe para nunca para vir ao redor, a menos que ela queria ser salva, ou alguma merda. Ela precisava de um lugar para dormir, e eu dei-lhe seu quarto. Ela viu o médico ontem. Nove semanas de gravidez e tem uma ultrassonografia das 12 semanas chegando." Ryker ainda estava como pedra. Seu rosto estava vazio de emoção, enquanto olhava para mim duro como se ele não compreendesse o que eu tinha acabado de lhe dizer. Ficou dolorosamente em silêncio por alguns instantes. "Grávida?", ele finalmente soltou fora.

62


"Sim, mas eu tenho tudo planejado", eu rapidamente tranquilizei-o, inclinando-me sobre a mesa para descansar minha mão em seu ombro. Ele não reconheceu o meu toque. Em vez disso, seus olhos vidrados e o choque continuaram a se mostrar nele. "Nove semanas?" "Sim." Vamos, Ryker, saia dessa. Ele fez, mas não estava em um bom caminho. Ele deu de ombros para minha mão sair dele e esfregou o rosto em exasperação. "Nove semanas", repetiu ele antes de olhar para mim. "Isso é tempo suficiente para cuidar disso, certo?" Eu pressionei meus lábios com força e não respondi. Realmente? Esta foi a primeira reação do caralho que ele estava me dando ao ouvir que o amor da sua vida estava grávida? "Ela ainda tem tempo", continuou ele. "Você tem que dizer a ela para fazê-lo, homem. Não deixe que ela obtenha uma porra de ultrassonografia. Essa merda vai fazê-la se prender..." "Ela não está fazendo um aborto", eu friamente interrompi, sentindo minhas costas endurecerem com a raiva que estava correndo por mim. "Quer saber por quê? Porque eu falei a ela o contrário". Ryker olhou para mim agora. "Falou a ela do contrário? Que porra você está falando? Este é o nosso negócio, não é teu."

63


Rangi os dentes. "Ryker, ouça a si mesmo, este um garoto de merda que estamos falando..." "Um garoto que eu não posso cuidar ou proteger", interrompeu, erguendo a voz. "Eu não vou ter algum bebê na prisão. Esse garoto não merece isso. E uma vez que eu sair daqui, qual o tipo foda de vida que eu posso dar-lhe? Eu seria um pai fodido sem boas perspectivas de emprego. " "Estamos falando de seu filho aqui..." "Foda-se o garoto! Eu me importo com Allie. Eu me preocupo com seu futuro. Não alguma porra de erro que fizemos." "Você não quer dizer isso." "Olha, Allie tem uma vida brilhante pela frente. Ela é inteligente. Ela tem a faculdade em breve. Ela estuda duro, e ela tem muito potencial. Vejo fogo nela. Sempre vi. É uma das coisas que me atraíram para ela, e eu não estou estragando isso, fazendo-a ter um filho. Eu não estou fazendo dela uma mãe do gueto..." "Ela não seria uma mãe do gueto," disparei de volta, cerrando os punhos. "Porra, Ryker, tenha alguma compaixão. Você sabe que a mãe foi pressionada para nos abortar? Os putos na vida dela não queriam-nos, mas ela continuou em frente e nos teve. Eu quero o mesmo para esse garoto." "Mas não é seu filho!", ele gritou de volta, fazendo com que algumas cabeças virassem em nosso caminho. "E veja como acabamos de qualquer maneira! Fodidos quebrados como o inferno de todas as nossas vidas. Sem o

64


papai por perto, apenas um bando de violentos idiotas que arruinaram suas vidas. Portanto, não pregue que manter a porra de uma criança significa que está dando-lhe uma boa vida..." "Isso significa que está dando-lhe uma chance!" "Olha, eu entendo de onde você está vindo, bro. Eu admiro isso. Eu sei que você é contra isso, e inferno, talvez um dia você vai enfrentar a mesma decisão com uma garota que você cavar. Mas este é o meu negócio, minha mulher, meu erro. Você não tem uma palavra a dizer." Eu não deveria ter dito isso, mas porra eu estava com raiva quando eu retruquei: "Sim, bem, eu estou deste lado da mesa, não é? Um homem livre tem mais de uma palavra a dizer, que aquele que não é. E, a julgar por sua indiferença com você, eu diria que ela não é a sua mulher." Em apenas um segundo a sua ira quebrou, e seus olhos lacrimejavam. "Foda-se, Heath," ele sussurrou, aflito por minhas palavras. "Isso é baixo." Eu não respondi por um momento. Suspirei quando a culpa construiu dentro de mim. Isso era baixo. "Merda, Ryker", eu sussurrei com pesar. "Eu sinto muito. Eu não quis dizer isso assim. Foda-se, eu só estou com raiva." Ele deu de ombros, olhando para a mesa sem uma palavra.

65


"Agora você está certo, é o seu erro, mas você precisa ser um homem e aceitar que essa gravidez está acontecendo. Allie está passando isso. Se você está dentro ou não, ela vai fazer isso, com ou sem o seu apoio." Ainda nenhuma palavra dele, mas seu corpo estava tenso. Não era assim que eu pretendia que isso fosse. Esperava para fazer algum sentido para ele, não ter um argumento que o deixou se sentindo como merda. Eu deveria ter escolhido minhas palavras com mais cuidado. Foda-se, talvez ele estava certo sobre tudo e não era o meu negócio. Eu tinha acabado de me meter em suas questões, não é? Eu não tinha direito, também. "Será que ela está feita comigo?", perguntou ele, com uma expressão vazia no rosto. "Não é o meu lugar para responder a isso", eu disse, me odiando por ter dito isso. "Apenas me dê, homem. Estou te implorando." Porra. "Eu... eu não sei, Ryker. Essa é a mais pura verdade, ok?" Seus olhos estavam vermelhos de lágrimas não derramadas. Naquele momento eu percebi o quanto ele realmente amava-a. Esta era uma confusão maldita. Seu coração estava sobre a mesa. Eu podia vê-lo sangrando com esperança. “Homem," soltei, com um aceno de cabeça, "Por que você fez isso, Ry? Por quê? Tudo estava indo bem. Você tinha-a. Você tinha trabalho. Você tinha amigos. Você me tinha. Por que você fez isso?"

66


Ele lambeu o lábio inferior seco e piscou duro para conter as lágrimas. "Você não quer saber, porra, mano." "O que eu não quero saber?" "Você não quer saber a merda que eu agitava lá fora. Não é algo que eu vou ser capaz de sair daqui e andar para longe." Olhei para ele com força, tentando entender. "No que você se meteu?" Ele não respondeu. Ele olhou em volta de novo, aqueles lábios fechados, sua expressão de dor. Eu queria sacudi-lo e exigir o que diabos ele estava falando! "Ryker," pressionei. "Não importa", ele sussurrou. "Não se trata de você." "Você é meu irmão. Você é meu amigo. Você é o meu sangue. Aconteça o que acontecer com você me envolve. Eu te amo, cara. Você sabe disso." Ele assentiu com a cabeça. Minutos se passaram. O silêncio estava me matando. Eu queria entrar dentro da sua maldita cabeça. Eu queria entender tudo. Mas essa oportunidade passou. Eu sabia pelo olhar em seus olhos. Ele vai terminar a conversa e recuar para a sua concha secreta. “Aconteça o que acontecer”, veio baixinho, voz derrotada quando ele trancou seus olhos castanhos no meu, “Apenas cuide dela, bro. Você é o único em quem confio lá fora. O único, Heath. E se você acha que ela pode fazer isso,

67


então tudo bem. Eu vou... aprender a aceitá-lo de alguma forma. Tudo que eu peço é que você mantenha-a segura e cuide-a, e eu sei que é pedir muito, mas eu juro por deus do caralho, eu vou sair daqui e beijar a porra do chão que você pisa, porque ela é tudo que eu tenho. Ela é tudo que eu preciso. Ela é tudo para mim, Heath. Então por favor..." Minha garganta trancou. Meus olhos se sentiram crus com a necessidade de chorar, mas eu consegui me segurar. Ele não estava certo. Toda esta situação era fodida. Eu não deveria estar vindo a uma prisão para ver meu irmão. Apesar da besteira secreta que ele tinha se envolvido, ele não merecia isso. Como diabos eu poderia ter pensado de outra forma? Isso era castigo suficiente. Eu gostaria de poder jogar-lhe uma chave, livrá-lo e vê-lo mudar. Porque eu realmente acreditava que ele faria. Ele iria agarrar essa segunda chance com tudo dentro dele e mudar de vida. "Você nem precisa perguntar:" Eu engasguei com um aceno de cabeça firme. "Está feito, irmão."

Allie estava sentada no sofá comendo uma tigela de sorvete quando eu entrei no apartamento. Ela virou-se longe do show lixo que ela estava assistindo e imediatamente endireitou as costas quando olhou para mim. Ela estava usando uma das grandes jaquetas de motociclista de Ryker e seu

68


moletom. Seu cabelo estava em um confuso coque, os olhos azuis arregalados quando eles encontraram os meus. Meu peito se mexeu. Eu nunca entrei no meu apartamento para encontrar uma mulher que se fez em casa como esta. Sempre que ela tinha estado em torno, ela estaria no quarto de Ryker com ele, ou ignorando-me com paixão. Nós nunca nós misturamos. Eu costumava pensar que ela me odiava. Mas agora eu sabia que ela era apenas tímida. Ela colocou a tigela para baixo e juntou as mãos. Eu podia ver a ansiedade nela. Ela tinha estado esperando por mim. Para isso. Coloquei as chaves para baixo e me sentei ao lado dela. Ela cheirava a Ryker e eu não gostava do cheiro sobre ela. Balancei a cabeça para o sentimento estúpido, atado dentro de mim e me virei para o seu rosto nervoso. Deus, ela era bonita, não era? Toda olhos de corça e assustada. Era uma atração sutil que cresce até que estava em seus ossos e você não conseguia olhar para ela sem sentir. O tipo menos óbvio do belo era o mais perigoso, eu percebi. Porque ele te faz querer continuar procurando, continuar vendo essa beleza, até que cada centímetro do rosto foi marcado em você. "Ele está bem com isso, Allie," eu disse calmamente, ignorando a forma como o meu pulso estava estranhamente batendo em torno dela. Seus olhos imediatamente arregalados. "Sério?"

69


Eu balancei a cabeça. "Sim." "Ele não tentou por um aborto?" Eu balancei a cabeça imediatamente, sabendo que essa mentira era necessária. "Não, ele ficou chocado. Quero dizer, ele fez-me todos os tipos de perguntas." "Como o quê?" "Como o quão longe você está." "E você disse a ele?" ‘’Sim." "O que ele disse?" "Ele quer que você vá até o fim." Ela enxugou os olhos e abriu um grande sorriso para mim. Foi um belo sorriso. A fazia parecer menos como a pessoa miserável que ela tinha sido a última semana. "Isso é incrível", disse ela. "Eu estava pensando sobre isso o dia inteiro. Eu já cresci tão ligada a essa gravidez, eu decidi que eu não me importava com o que ele diria. Porque é a minha escolha, você sabe?" Eu balancei a cabeça, sentindo-me aliviado por sua convicção. "Ela é a sua escolha, Al. Se eu empurrei-o no início..." "Você não. Você estava certo. Eu estava reagindo impulsivamente. Agora eu não estou. Agora eu estou olhando para o quadro maior, e eu sei que

70


vou ficar bem. Eu não me importo se eu tiver que adiar a faculdade e trabalhar em uma merda de trabalho. Eu quero fazer isso porque eu quero provar que posso ser responsável por quaisquer coisas inesperadas vindo em minha direção. Porque a vida nunca vai de acordo com o plano, certo? É apenas um monte de besteira na montanha-russa, e você nunca aprende nada por escolher o caminho mais fácil." Deus, como diabos alguém tão jovem pudesse se recompor como ela? Eu nunca tinha dado a ela esse pensamento. Ela desenvolveu-o por conta própria. Agarrou uma situação de merda e transformou-a ao redor. Era difícil – muito fodido difícil – não admirar Allison Wallace naquele momento. Era difícil não me sentir ciumento de Ryker por ter alguém cuja cabeça estava enroscada tão certa. Sim, eles cometeram um erro, assim como todas as pessoas. Cometer um erro não é a questão. É como você lida com isso que define você. Ela estava lidando com isso muito bem, e de uma forma calma que me ajudou a sentir-me fundamentado. "Nada disso vai acontecer," eu disse a ela baixinho, incapaz de me afastar destes olhos apaixonantes. "Quer saber por quê?" Ela examinou meu rosto e sussurrou: "Por quê?" "Porque você me tem." Ela me surpreendeu com um abraço, inclinando-se para envolver os braços em volta de mim. Eu estava rígido em primeiro lugar. Ela nunca tinha chegado muito perto de mim antes. Isso estava fora de seu elemento. Depois de um momento tenso, relaxo o corpo e abraço-a de volta, trazendo um braço

71


em torno de seu pequeno quadril. Meu rosto estava encostado ao lado de sua cabeça, meu nariz respirando o cheiro do xampu. Meu xampu. Meu coração fez essa porra de coisa estranha de novo, batendo um pouco mais rápido, dando-me um estranho sentimento como se eu estivesse fazendo algo que estava fora da minha zona de conforto. Quando foi a última vez que alguém me deu um verdadeiro abraço? Perguntei-me. Desde mamãe. Quando ela soltou-se do abraço em primeiro lugar, eu imediatamente escondi o olhar conflituoso no meu rosto e sorri calorosamente para ela. Então, inclinei minhas costas contra o sofá, fingindo que o contato era normal para mim. Sim, porra. Certo. Isso não era normal. Isso era estranho como o inferno. Ela parecia confortável, embora; sorrindo para si mesma quando ela também se inclinou para trás, relaxando antes de voltar sua atenção para a televisão. Olhei para ela por um tempo. Assistindo ela trazer os joelhos até o peito e passar a mão pelo seu cabelo longo. Ela poderia até mesmo ter esquecido que eu estava lá, um pé longe dela. Mas estava tudo bem. Eu gostei de vê-la. Ela carregava suas emoções em seu rosto, e eu podia ler cada uma delas enquanto ela se perdeu em algum reality show lixo. Eventualmente, eu desviei o olhar e assisti também, sugando minha alma seca com essa porra de drama ridículo que as pessoas achavam divertido.

72


Quase me levantei para sair do absurdo de tudo isso quando Allie riu e disse algo a respeito de um personagem, e de repente eu nunca investi mais em um show do que agora. Passar o tempo com uma menina e não tocå-la explicitamente era diferente... Mas eu estava começando a gostar de diferente.

73


Capítulo Sete Allie

Dez semanas de gravidez e eu estava conversando com meu estômago uma dúzia de vezes por dia. Se era natural falar com o seu bebê por nascer ou não, era irrelevante para mim. Foi o que me fez sentir melhor. "Seu pai supostamente quer você", eu sussurrei enquanto descansava a mão sobre minha barriga. O sol estava apenas começando a nascer, iluminando o quarto pelas frestas das cortinas. Esta era a manhã número quatro acordando com aquele sentimento doente de náuseas. Eu andava pelo corredor em silêncio por uma hora, à espera do espaguete de ontem à noite voltar. Tudo em vão. "Se ele sente por você do jeito que ele faz por mim, eu tenho certeza que ele vai te amar", eu continuei, acariciando o fundo do meu estômago, onde eu mal podia sentir um inchaço. "Pelo menos... Espero que ele o faça." Foi difícil para mim acreditar que Ryker tinha aceitado a gravidez e não tinha empurrado para uma aborto. Eu não era estúpida. Uma grande parte de mim tinha suspeitado que Heath tinha feito isso para me fazer sentir melhor. Fiquei surpresa que isso não iria me incomodar de qualquer forma. Se ele tivesse me dito uma mentira branca, então, isso mostrava que pelo menos ele

74


se preocupava com meus sentimentos e me queria concentrada no que realmente importava. Que era meu bebê e começar o meu primeiro ano na faculdade. Era difícil sem Ryker, mas cada dia que passava eu revivia o momento em que ele foi preso. As mentiras que ele me disse – que ele estava limpo e não tinha infringido a lei – só para saber o contrário. Fui profundamente ferida, e eu sabia que em algum momento, em breve, precisava confrontá-lo sobre isso e deixá-lo saber o quanto me machucou. Eu nunca tive essa chance a partir do momento em que ele foi preso até sua sentença, que tinha sido um caso aberto e fechado rapidamente. Eu precisava decidir o que era melhor para o bebê, e de repente toda essa besteira de relacionamento, se eu estava esperando por ele ou não, parecia tão sem importância. Nunca esperei que a gravidez pusesse tanto em perspectiva. Neste ponto, eu não queria vê-lo novamente. Seu quarto não mais me agitava por dentro, só me deixava triste. Eu não tinha ninguém para conversar, porque eu costumava dizer-lhe tudo nestas quatro paredes. Talvez eu perdi muito dele no começo, porque eu estava sozinha. E então ocorreu-me ... Você não disse uma única vez que o amava. Eu sempre tive um problema com a palavra amor. Enquanto ele expressou que tinha caído no amor por mim no ano passado, eu tinha tentado e me convenci de que me senti da mesma forma. Mas eu nunca poderia me fazer dizer isso. Agora eu estava realmente feliz por isso.

75


Cortando os meus pensamentos breves, eu ouvi a porta de Heath abrir e seus passos pesados pelo corredor. Era sábado e ele ainda estava levantando às seis da manhã. Ele nunca dorme. Ouvi ele limpar a garganta e remexer na cozinha, provavelmente ligando a máquina de café. Eu não era geralmente uma pessoa da manhã. Eu estava dormindo até o meio-dia alguns dias, porque a gravidez me deixava exausta. Mas esta manhã, em especial, me senti muito bem. Saltei da cama e me juntei a ele na cozinha. Dei um pulo no início, quando eu o vi em nada, apenas suas boxers. Ele estava sem camisa, sua parte superior do corpo marcada com linhas dos seus lençóis. Admirei seu corpo por um momento, fixando nos ombros largos e quadris estreitos. Ele malha muito em casa. Notei alguns pesos empilhados de lado em seu quarto, uma vez, quando eu estava esperando ele ficar pronto para me levar às lojas. Quase todas as noites, mesmo quando ele voltou para casa dolorido e cansado além do limite, o ouvi grunhindo ao lado, como uma tempestade, levantando e contando as repetições conforme ele fazia. Ele era uma máquina. E ele parecia absolutamente divino. "Bom dia," eu disse com um sorriso tímido. Ele virou-se, surpreso com a minha companhia. "O que está fazendo de pé, dorminhoca?" "Eu estive faz um tempo." "A doença da manhã de novo?"

76


"Sim." Ele franziu a testa. "Merda. Nada que possamos fazer sobre isso?" Eu praticamente roubei seu laptop a última semana ou assim, procurando por tudo o que tinha a ver com gravidez. Eu tenho uma atualização enviada para mim todas as semanas para mostrar a progressão do meu amendoim. "Eles dizem que bolachas ajudam", eu disse. "Nós não temos bolachas?" "Não." "Por que você não colocou isso na lista de compras?" "Esqueci, eu acho?" Ele balançou a cabeça como se eu tivesse cometido um crime atroz e virou-se para o frigorífico. Ele tinha prendido um pedaço de papel e caneta há um tempo atrás, dizendo-me que era a lista de compras e para eu escrever tudo o que eu precisava. Ele pegou a caneta e escreveu biscoitos em grandes letras em negrito, antes atirando-me outro olhar, murmurando: "Eu vou te dar um grande e gordo porra de saco de biscoitos e você vai sentar sua bunda gorda no sofá e comer um quilo por dia. Entendeu?" Eu ri de suas palavras duras e peguei um copo no armário. "Sim, senhor, mas você não pode me dizer que estou gorda". "Por quê?"

77


Derramando cereal em minha tigela, eu respondi: "Porque você simplesmente não sai por aí dizendo às pessoas grávidas que estão gordas! Você tem que ser um cavalheiro, ou aguentar um pontapé bem merecido nas bolas." Viver com Heath só tinha feito bem a nossa amizade. Apenas duas semanas, e nós estávamos brincando. A tensão estranha de antes tinha diminuído, embora eu ainda me encontrasse sentindo-a, às vezes. "Eu acho que se alguém te chama de gorda, vai precisar de um exame de cabeça", ele respondeu rindo. Fiz uma careta para ele por cima do meu ombro. "Eu vou deixar você saber se eu estou ficando inchada!" "Na cabeça, talvez?" Engoli em seco e ele riu. "Não, eu juro que estou. Eu estava sentindo isso na cama mais cedo." "Você estava sentindo-se mais cedo? Isso é informação bastante explícita, Allie. Se você está tão confortável me dizendo isso, talvez me convide na próxima vez?" Eu ri, não percebendo por um momento como realmente parecia paquera. "Isso não é o que eu quis dizer!" "Ah, certo. Você estava sentindo um inchaço inexistente. Agora eu prefiro o material explícito".

78


"Está lá. Eu não estou delirando." Ele levantou uma sobrancelha e olhou para o meu estômago. Eu estava usando uma das camisas grandes de Ryker e, provavelmente, parecia que eu estava nadando nela. "Eu não vejo, merda", disse ele. "Bem, é meio difícil quando eu tenho essa coisa enorme por cima." Ele sorriu, aquelas covinhas como pequenas crateras em seu rosto. Eu não poderia olhar para ele quando ele sorriu. Isso me fez corar. Então, eu mantive meus olhos no chão e, brincando, coloquei a mão no meu baixo ventre. "Eu juro, Heath, estou com um inchaço. É realmente duro e sólido." Quando senti a presença dele se aproximando, fui dar um passo atrás, mas percebi que já estava contra o balcão. "Mostre-me", disse ele com interesse. Mostrar a ele? Maldição. Por que isso parecia estranho de fazer? Tecnicamente não era, no entanto. Quero dizer, eu tinha visto as mulheres grávidas mostrando às pessoas os seus inchaços de bebê o tempo todo. Na verdade, algumas pessoas tocou-as por si mesmos sem pedir permissão. Isso não era nada, eu disse a mim mesma. Absolutamente nada. Ainda incapaz de olhar para o seu corpo alto, eu levantei a minha camisa para cima e mostrei-lhe meu ventre. Tive que puxar um pouco as minhas

79


calças de pijama para baixo. Esperei que ele reagisse. Dissesse alguma coisa. Mas ele estava calado, e isso me fez consciente de repente. "Vê?", Perguntei, tentando soar brincalhona. "Não", respondeu ele, desapontado. "Eu realmente acho que o inchaço está em sua cabeça, Al." Al. Ugh. Eu queria tocar fogo nesse apelido. Irritada, agarrei a mão dele – surpreendida por um segundo como ridiculamente quente que era – e coloquei no meu ventre. Não tinha percebido que tinha feito isso, até que a palma da sua mão estava plana contra a minha pele. Se eu achasse que o silêncio antes era pesado, eu tinha outra coisa vindo. Este se arrastou por um tempo excruciante. Finalmente eu quis espreitar para ele e encontrei seu olhar intenso. Agora que nós estávamos travando os olhos, eu não podia simplesmente desviar o olhar. Me senti atraída por ele. "Sentiu?", perguntei um pouco sem fôlego, mas eu mal podia ouvir o som da minha voz, quando meus batimentos cardíacos dispararam de repente e bateram em meus ouvidos. Seus olhos viajaram sobre o meu rosto, fazendo com que cada centímetro dele queimasse tão quente quanto sua pele, antes dele assentir uma vez. "Sim, wow. Eu sinto, na verdade." Sua mão percorria a parte inferior da minha barriga, segurando o pequeno inchaço que parecia ter surgido durante

80


a noite, me dando arrepios que eu não deveria estar sentindo em locais muito proibidos para admitir. "Isso é loucura, Allie." "Eu sei." "Você já pode senti-lo?" Ele. Eu ri levemente. "Você acha que é um menino?" Ele sorriu para mim. "Os Lawson são conhecidos por ter toneladas de meninos. Eu tenho vinte primos, você sabe." "Hmm, eu não me importaria com isso." "Sim? Por quê?" "Porque ele seria outro Adonis." Agora, ambas as sobrancelhas se ergueram. Ah, ótimo. Será que ele pensa que eu estava elogiando-o? Bem, é claro que eu estava, de alguma forma, mas eu não estava pretendendo que soasse como paquera ou qualquer coisa. Eu tinha acabado de... Bem... Eu estava me referindo a todos eles, mas ele parecia não querer reconhecer isso, com o olhar complacente dele. "Pare de olhar para mim desse jeito", eu disse a ele. "Você só me elogiou", ele respondeu, brincando. "Sinto-me lisonjeado." "Eu não estava me referindo a você." "A quem você estava se referindo?"

81


"A todos vocês, obviamente." "A todos eu? Uau, eu não acho que você olhou para diferentes partes do meu corpo separadamente. Que parte você gostou mais? Foi meu, muito grande... lábio?" Eu ri. "Oh, meu Deus, você não acabou de dizer isso." "Eu disse." "Você sabe o que eu quis dizer!" "De qualquer maneira, isso ainda é um elogio para mim." Revirei os olhos. "Só porque você tem boa aparência não significa que tudo tem que ser imediatamente sobre você". Ele inclinou a cabeça para o lado e sua boca lentamente formou um largo sorriso. "Você acha que eu sou bonito?" Oh, Deus. Meu corpo estava seriamente curtindo essa estranha conversa, enquanto o meu cérebro estava gritando palavrões. "De qualquer forma,” eu disse rapidamente, desviando a conversa muito, muito longe, "De volta à pergunta: não, eu não sinto o amendoim se movendo ainda. Eu não vou sentir por um tempo, ainda ". "Você vai me dizer quando acontecer?" Eu dei de ombros. "Você quer que eu te diga quando eu sentir?"

82


Ele acenou com interesse genuíno. "Absolutamente. Eu nunca senti nada parecido. Eu imagino que seria muito legal. Ainda é estranho pensar que o meu sobrinho está aqui." Seja qual for o sentimento aquecido que eu tive um momento atrás, esfriou instantaneamente. O sobrinho. Ele tem o seu sobrinho dentro de você, Allie. Mais alguns segundos se passaram, e ele ainda não tinha movido a mão. Observei-o lamber seu lábio inferior lentamente, notando o movimento lento do seu peito subindo e descendo, e todo o tempo ele só olhou para mim como se fosse a última vez que ele faria. "Você está esperando por ele, Allie?", Ele perguntou abruptamente com sua voz suave. "Porque você nunca respondeu." A pergunta era tão aleatória. Pisquei para ele com surpresa, tentando resolver os meus pensamentos. Eu não podia nem conectar meu cérebro quando ele estava olhando para mim desse jeito, tão de perto e interessado. Meu primeiro pensamento foi perguntar por que ele queria saber. "Hum...", eu estava completamente sem palavras. Eu tive que desviar o olhar apenas para pensar com clareza. Eu estava à espera de Ryker? Eu queria dizer a Heath que não, porque meu coração não aguentava mais seu irmão – ele me machucou muito. Mas o que Heath pensaria de mim? Será que ele pensaria que eu era insensível? Seria muito precipitado dizer-lhe que eu não ia esperar? Eu poderia fingir estar pensando nisso ainda, mas... "Desculpe". Heath disse com um olhar conflituoso, "Merda, isso não é da minha conta. Eu estava apenas pensando nele e no jeito que ele perguntou

83


sobre você, quando eu o vi pela última vez. Você sabe, desesperado por você e tudo." Desesperado por mim? Agora, um nó se formou na minha garganta e eu tive que limpá-la, apenas para respirar direito. Tudo isso pensando sobre o que Heath pensaria de mim, e eu não tinha parado para pensar em como Ryker ficaria devastado. Merda. "Você está me perguntando se há uma maneira de me fazer ir vê-lo?", Eu perguntei em voz alta. "Não", ele respondeu imediatamente. "Absolutamente não, Allie. Eu só quero saber se você está bem. Temos passado muito tempo juntos e você não fala sobre ele." "Ele me machucou", sussurrei. "Eu sinto que ele rasgou meu coração fora do meu peito e pisou nele." "Sim", ele exalou. "Ele fodeu as coisas para todo mundo." "Como eu poderia confiar nele de novo?" Agora eu estava buscando a resposta em seus olhos escuros. "Seria mais fácil de enfrentar se ele, simplesmente, admitisse que fez isso. Mas eu sei como ele é teimoso. Ele não vai fazer isso. Ele vai apenas ficar me dizendo que está arrependido, sem realmente explicar o porquê. Como eu sei que ele vai sair e não vai direto de volta a isso? Isso não é o exemplo que eu quero mostrar para o meu filho. " Ele balançou a cabeça em compreensão. "Eu sei."

84


Seu polegar circulou minha barriga quando ele, pensativo, olhou para baixo, para ela. Cristo, ele ainda estava me tocando lá. Nenhuma mulher grávida teve de suportar isso, eu tinha certeza. "Eu te aborreci?" Eu balancei minha cabeça. "Não." "Você promete?" "Eu prometo." "Ok." Ele ainda não tinha deixado cair sua mão. Seu toque era hipnótico, e eu estava em transe pensando que ele poderia fazer isso por horas, e que seria tão relaxante. "Você ainda está magra". Ele então murmurou, pensativo, mudando de assunto. "Tenho te alimentando o suficiente?" Balancei a cabeça, metade de mim muito focada nos movimentos circulares dele estava esfregando na minha pele. "Sim, Heath..." "Que tal eu te levar para sair hoje à noite? Ter uma refeição gordurosa agradável na cidade ou algo assim?" O sangue correu para meu rosto. Eu ainda estava concentrada em seu toque enviando arrepios em todos os lugares dentro de mim. "Hum... certo, sim. Isso soa bem."

85


Ele sorriu aquele sorriso encantador branco e abriu a boca para responder, quando uma batida na porta da frente nos interrompeu. Ele imediatamente tirou a mão e deu um passo para trás, como se tivesse sido puxado para o presente depois de ser arrastado em qualquer feitiço que nós nos colocamos. Eu, também, estava fora do tipo. Isso quase parecia como se estivéssemos perto de sermos pegos fazendo algo que não deveríamos. Quando a batida soou novamente, ele passou a mão pelo seu cabelo no que parecia frustração antes que de se apressar. Gostaria de saber quem poderia ser a esta hora tão cedo, mas pela expressão no rosto de Heath, ele parecia já saber. Ele abriu a porta e olhou para alguém. "Tru". "Ei, cara sexy, você acabou de se levantar?", Veio aquela voz familiar a partir de muitas noites atrás. Oh, merda. Ela era a última pessoa que eu queria ver agora. "Sim..." "Então você não tomou café da manhã. Isso é bom. Eu fiz uma bandeja de bolinhos ontem à noite". Ela convidou-se a entrar e manteve a referida bandeja nas mãos. Sem surpresa, rapidamente aprendi que ela era tão sexy vestida como nua, parecendo pecaminosamente bem neste início da manhã. Vestindo uma apertada bermuda e top muito pequeno, seu cabelo castanho estava solto e ondulado. Ela me viu e seus olhos castanhos alargaram-se, mas ela não perdeu um passo. Em vez disso, ela sorriu maliciosamente. E eu a odiei por uma

86


fração de segundo – por arruinar o meu momento com Heath e por me fazer sentir drasticamente simples. "Você ainda esta aqui! Heath disse que você estava ficando por um tempo. Namorada de Ryker, certo?" Eu não sabia por que ela colocou ênfase no nome de Ryker assim. Ela entrou na cozinha e colocou a bandeja para baixo antes de se virar para mim. Sem aviso, ela colocou os braços em volta de mim e me abraçou firmemente. "É bom conhecê-la face a face. Eu sou Tru". Cara a cara. Ela estava querendo dizer sobre aquela noite? Eu fiquei tensa, esperando que ela mantivesse a boca fechada. Ela parecia o tipo que pode ter prazer em torturar alguém, dando dicas como essa. "Oi", eu deixei escapar, abraçando-a de volta. Que outra escolha eu tinha? "Allie". Ela me soltou e olhou para Heath por cima do ombro. Ele estava do lado de fora da cozinha, rígido e infeliz. "Mal vestindo qualquer roupa, Heath", ela comentou, em seguida olhouo. "Isso não é maneira se vestir em torno de convidados". Quando ele não respondeu, ela ainda passou e olhou entre nós dois. "Eu interrompi alguma coisa?" Eu balancei a cabeça fracamente, olhando para Heath. "Tudo bem", disse ela, "Por isso, todos nós vamos ter alguns muffins, ou estaremos cozinhando outra coisa em vez disso?"

87


Olhando entre ambos, eu imediatamente peguei a tensão. Um segundo eu estava em torno de um quente Heath, e no próximo ele estava parado e frio, olhando para Tru como se ela estragasse sua manhã. Olhei para minha tigela de cereais com um olhar desesperado. Eu teria que abrir mão do café da manhã por mais uma hora, que era uma tragédia para uma menina grávida. Mas era impossível ficar ao redor deles, especialmente quando um deles estava armado com uma horrível informação humilhante que poderia me fazer soar como uma voyeur horrível. "Na verdade, eu tenho que ir tomar banho," Menti, me desculpando. "Mas obrigado pela oferta." Ela acenou para mim. "Não tem problema, Allie. Só deixe-nos saber quando você está por aí. Nunca se sabe o que Heath e eu faremos, então eu odiaria se você visse alguma coisa." Meu queixo caiu, e eu não podia responder. Heath não olhou para mim uma única vez enquanto eu escapei da cozinha e desapareci no corredor. Claramente, ele estava muito envolvido em seu humor escuro para entender o que ela quis dizer. Parei no meio do caminho quando a sua conversa começou a subir. Não queria ser intrometida novamente, mas Cristo, os olhares que foram trocados eram letais. E não era como se eles estivessem brincando também, ou estariam, para o que importa. Apesar de suas palavras, eu não acho que eles estariam se familiarizando tão cedo. "O que você está fazendo aqui, Tru?" Heath rosnou em um tom abafado.

88


"Nós concordamos em, no mínimo, duas vezes por semana, e você já me parou algumas vezes." Ela respondeu com uma voz tensa. "Você não atende meus telefonemas, não os retorna também, e não tenho te visto muito. Eu sei que você é uma pessoa da manhã, então percebi que esta era a única vez que eu seria capaz de pegar você e descobrir o que está acontecendo." "Muita coisa vindo para cima." "Como o quê?" "Merda pessoal, Tru." "Isso não é uma boa resposta. E por que você mal está usando roupas em torno de outra garota?" "Eu não achei que ela levantaria." "Desculpa fraca, Heath. Na mesma nota, isto é no que você está agora?” "O que você quer dizer?" "Meninas desnutridas como ela. É por isso que você me manteve por fora?". Ouch. Houve um segundo de silêncio antes que ele entrou em erupção mais irritado: "O que diabos está errado com você?" "Nada!" "Então não fale dela desse jeito!" "Sério?"

89


"Sim, estou falando sério, caralho." Ela suspirou e seus saltos estalaram ao longo do chão da cozinha. Pulei e dei alguns passos para trás, esperando que não era ela virando a esquina para encontrar-me escutando. Felizmente, não era. "Olha", ela então disse em um tom mais agradável, "Eu sei que fui uma vadia, e eu sinto muito, mas fizemos um arranjo, Heath, e eu tenho necessidades que precisam ser atendidas. Eu pensei que isso ia passar sem problemas. Você prometeu que passaria, e agora você puxou um ato de desaparecimento em mim. É por isso que eu apareci." "Deixei claro que para você não vir ao redor durante o dia", ele retrucou. "Agora eu já disse que eu estive ocupado. Eu tenho um monte de coisas para cuidar e..." "Distrações, você quer dizer, e todos eles envolvem-na, não é?" "Sim, como uma questão de fato, eles fazem." "Por quê? O que há de tão importante sobre ela, que tem que ficar no nosso caminho?" "Ela está em uma situação difícil agora, e eu estou ajudando-a." Meu coração brilhou que ele manteria a gravidez para si mesmo. "Isso deve ser trabalho de seu namorado, não seu. Você é o irmão."

90


"Ela precisa de mim, e não dele.", disse ele devagar e com firmeza. "E eu não estou virando as costas para ela, ou largando-a porque alguma pessoa que eu fodo algumas vezes por semana vem e tem um problema com isso." Puta merda. Ela engasgou. "Você está falando sério agora? Eu não sou apenas alguém que você fode, Heath. Estivemos nisso por um tempo agora. Você já deu a entender que você quer mais. Nós podemos ter um bom relacionamento. Algo real em vez de este arranjo..." "Eu nunca insinuei, merda.", interrompeu ele com raiva. "Você sabia o que isso era, desde o início, e foi tudo que eu era capaz de dar-lhe. As coisas mudaram. Ponha na sua cabeça, Tru. Não tem nada a ver com você, pessoalmente. Só eu e minhas circunstâncias no momento. Eu não estou em posição de dar-lhe o tempo que você quer. Eu tenho muita coisa acontecendo agora. Eu tenho uma pessoa que precisa de mim..." "Eu preciso de você também", ela gritou, e sua voz quebrou com a emoção. "Deus, Heath, você é minha rocha há meses. Eu sei que você sente o que eu sinto. Por favor, não estrague algo bom entre nós. Ela não pode ser mais importante do que isso, ou nós. Ela não pode dar-lhe o que eu posso. Ela está com o seu maldito irmão! E ela não tem nada de mim quando se trata de aparência. Vamos lá, concorda comigo nisso, pelo menos." O silêncio seguiu. Eu estava mordendo as unhas, esperando ansiosamente por sua resposta. Era uma difícil conversa para ouvir. Ele vinha negligenciando-a por minha causa e isso me fez sentir horrível, mas ao mesmo

91


tempo eu estava chateada – e um pouco magoada – que ela fala de mim pelas minhas costas sabendo tão pouco sobre mim. Pondo para baixo minha aparência, para vantagem, doeu. "Nós tivemos algo bom", ele finalmente disse em uma voz suave e compassiva. "Tru, você é um ótima garota..." "Oh, meu Deus, você está fazendo a sério isso?" Soluços entraram em erupção. "Tru", disse ele, "Eu sinto muito. Allie precisa de mim." "Então vamos apenas continuar o que temos, não vou reclamar..." "Você merece mais do que isso, e eu já entrei em acordo em deixar isso pra lá. Tente entender. Não é você. Eu prometo a você que não é. Mas agora eu preciso do meu espaço e você precisa encontrar alguém que vai te fazer feliz". Eu não tenho que vê-la para saber que ela estava chocada. Quer dizer, mesmo eu estava chocada e eu não sabia absolutamente nada sobre eles, exceto que eles transavam por aí. "Uau", eu a ouvi sussurrar. "Simples assim, hein? Bem, você pode enfiar a porra das desculpas na sua bunda!" O som de uma batida eclodiu seguido por seus passos apressados correndo para longe. A porta se abriu e fechou violentamente. Eu estava de pé, imóvel e chocada, por um bom tempo. Quando eu ouvi algum movimento,

92


me virei e fui direto para o chuveiro, e todo o tempo a culpa me rasgando em pedaços com o que ouvi. Eu era uma distração para Heath e, como resultado, eu só separei um casal.

93


Capítulo Oito Allie

Depois do banho, sentei-me no quarto por um tempo. Eu não tinha ouvido um pio de Heath, então eu percebi que ele ainda estava fervendo sobre o que aconteceu com Tru. Eu estava triste. Isto era a última de coisa que eu queria ser para Heath: um obstáculo que lhe custou alguém que ele tinha algum tipo de acordo. Talvez eu pudesse ter uma palavra com ele. Dizer a ele para parar de estar tão envolvido comigo e voltar para Tru e sua vida, porque eu estava dolorosamente consciente de que tinha empurrado-o longe de tudo isso. E se ele acabasse por se ressentir? Uma batida na porta interrompeu meus pensamentos. "Entre." A porta se abriu, e Heath entrou carregando uma bandeja. "Hey", disse ele com um sorriso, colocando a bandeja na cama ao meu lado. Olhei para o seu conteúdo: suco de laranja, omelete de cogumelos, dois morangos e minha pílula para a gravidez. "O que é isso?" Estupidamente, perguntei surpresa.

94


"É chamado de comida. Nós consumimos quando nossos corpos estão com pouca energia", explicou antes de rir do meu olhar fulminante. "Quero dizer, por que você passou pelo trabalho de cozinhar isso para mim?" Ele sentou-se ao meu lado, e o peso repentino no colchão me fez inclinar para o seu lado. Ele suspirou quando me empurrou de pé. "Porque Trudy assustou-a para fora, e você esteve trancada aqui, assim eu vou arrancar sua cabeça." Fiquei boquiaberta para ele, em choque. Deus, eu era tão óbvia? Eu não respondi de imediato, de repente distraída por ele. Verifiquei-o, porque ele estava muito perto de mim e não foi difícil de admirar um cara três vezes o meu tamanho trazendo uma bandeja de café da manhã para a cama. Ele estava usando outra calça jeans desbotada e uma camiseta regata que dizia: "Eu flexionei e as mangas caíram." Sorri para isso, de olho em seus braços cruzados salientes, observando que as mangas realmente iriam cair. "Vê algo que você gosta?", Disse ele, balançando as sobrancelhas em tom de brincadeira. Corei e balancei a cabeça. "Eu estava admirando sua camisa." "Isso é tudo?" "Cala a boca." Ele riu e sacudiu a cabeça na direção da bandeja. "Bem, pare de cobiçar a minha camisa e coma. Faça esse inchaço maior".

95


Peguei a pílula e engoli-a com um pouco de suco de laranja. Então eu peguei um morango e mordisquei-o, consciente que ele estava me observando de perto com um olhar alegre nele. Nada parecido com seu humor escuro de antes. Olhando para o meu morango, eu senti meu rosto corar quando eu admiti baixinho: "Ouvi a briga". "Eu sei’’. Respondeu ele, não fazendo nenhum alarde sobre isso. "Eu não ouvi os canos do chuveiro até muito tempo depois." "Isso te incomoda?" "Por que isso me incomodaria? Tenho certeza de que todos no prédio ouviram." "Sim, eu acho..." Minha voz sumiu antes de olhar para ele solenemente. "Ela está certa, você sabe. Eu estou te distraindo. Você não parece ter muito de uma vida fora de mim agora, e isso me incomoda muito. Eu nunca quis que isso acontecesse, Heath. Eu queria que você continuasse a viver a sua vida sem a minha intrusão. Você já fez o suficiente." Ele

não

respondeu

de

imediato.

Em

vez

disso,

ele

olhou

melancolicamente sobre o quarto, em todas as coisas do Ryker. Eu teria dado qualquer coisa para saber o que ele estava pensando exatamente. Quanto mais tempo o silêncio se estendeu, mais eu senti como se estivesse certa, e talvez ele estivesse prestes a concordar.

96


"Eu não estou fazendo isso apenas para você". Disse, por fim, nivelando aqueles olhos castanhos quentes ao meu. "Eu estou fazendo isso porque você está carregando a minha família em sua, ridiculamente, pequena barriga. Quando eu me comprometo a algo, Allie, não há como voltar atrás. Eu me comprometi a ajudá-la, e não há nada no mundo que vai ficar no meu caminho". "Mas Tru..." "Ela não significa nada para mim.", Ele interrompeu rapidamente, inclinando o rosto para mim. "Ela tinha um corpo de balançar. Concordamos sobre um relacionamento sexual. É isso aí". "Amigos com benefícios, você quer dizer?" Ele riu sem humor. "Nós não éramos amigos, Al. Éramos apenas duas pessoas solitárias... vivendo no mesmo prédio, sem nada para fazer algumas noites. Eu nunca disse a ela que eu queria mais. Às vezes, as meninas... elas não podem separar sexo das emoções, sabe? Eu aprendi isso da pior maneira. Isso não quer dizer que eles também não podem, mas eu só estou falando sobre a minha experiência – e que definitivamente não envolve caras". Quando eu ri, ele sorriu para mim. "Eu pensei que eu encontrei em Tru alguém que era do mesmo jeito que eu. Mas, então, quanto mais eu estava com ela, mais ela começou a falar, como realmente falar. Não foi sexo apenas. Foi, de repente, conversa antes do sexo e tentando abraçar depois." "Não é um cara romântico, hein?", Eu disse secamente.

97


Ele inclinou a cabeça para o lado e deu de ombros. "Você não pode forçar o romance em um cara. O cara tem que querer isso com a menina." "Então...?" "Então, não encontrei uma garota que eu quero ser romântico com ela." Eu fiz uma careta, ponderando suas palavras. "Mas você não está dando a ninguém uma chance. Quero dizer, Trudy poderia trazer essa parte se você decidir ser sério com ela". Com um sorriso triste, ele disse, "Eu acho que quando eu quiser algo mais com alguém, vou saber. Eu nunca me senti assim com Tru, ou qualquer menina antes dela. Chame-me de prostituto se você quiser. Diga que eu sou superficial. Desrespeitoso. Tanto Faz. Mas você não pode dizer que eu sou um mentiroso, ou que eu as enganava. Eu dizia no que elas estavam se metendo, e elas estavam mais do que felizes". Humm. Considerei suas palavras antes de dar outra mordida no meu morango. Era uma espécie de legal, ser capaz de falar sobre o histórico de relacionamento de um cara. Heath era bastante aberto, enquanto que o seu irmão era um baú do tesouro maldito fechado e enterrado no fundo do mar. Ele nunca quis falar sobre isso, e para uma menina que tinha estado apenas com um cara, era algo que sempre pensei a respeito. "Então o que você pensa de mim depois de tudo isso?". Ele então perguntou, olhando-me com cuidado. Eu ri. "Quem se importa?".

98


"Eu me importo. Eu quero saber". Meu riso desapareceu quando percebi o quão sério ele estava. "Se elas sabem no que estão entrando, não vejo nenhum problema... Mas eu acho que você é incrivelmente idiota por isso.” Suas sobrancelhas se uniram em confusão. "O que você quer dizer?" "Você não pode esperar que uma menina fique com um cara que parece como você e não tenha sentimentos, eventualmente. Também não ajuda que você é um cara muito bom por dentro." Quando a lâmpada ainda não o fez registrar, eu suspirei. "Você não está sendo egoísta com elas, Heath. Ou seja, se você está sendo qualquer coisa como você está comigo agora, então elas estão ferradas." Seus lábios curvaram-se lentamente, e o calor em seus olhos cresceu quando ele calmamente disse: "Tenho medo de que isso não seja verdade, Allie. Eu sou fechado com elas. Você tem estado em torno de mim mais do que elas têm, por isso estou mais aberto com você do que eu jamais mais vou estar com elas. Mas nessa nota, eu posso te perguntar uma coisa?" Assenti com cuidado, mas eu também estava cautelosa, a julgar pela seriedade em que ele perguntou. "Você e Ryker... " ele fez uma pausa e procurou as palavras certas. "O que você vê nele?" Sorri um pouco, refletindo sobre a minha relação com Ryker por um momento. "Eu não vi nada no começo. Ele era tão inteligente quanto uma caixa de pedras, mas ele era um sonho de se olhar. Ele era apenas o garoto do bairro – vocês dois eram. Você brinca com cada criança em torno, incluindo

99


eu. Mas Ryker... ele me notou. Ninguém nunca fez. Eu era a estranha. As meninas amáveis não queriam fazer amizade. Depois que meu pai morreu, ele parou e me perdeu o seu tempo para me conhecer. Quase parecia que ele estava me protegendo. A partir do que, eu não sei, mas era tudo para mim, porque ninguém jamais fez. Eu era apenas uma garota feia invisível com a mãe louca que nunca me deixava sair". Ele parecia incomodado com as minhas palavras. "Você nunca foi feia, Allison." Allison. Eu senti minhas entranhas derreterem. Não fui chamada pelo meu nome completo muitas vezes. "Por que ninguém nunca disse isso, então? Tudo o que uma jovem quer ouvir, de vez em quando, é que ela é bonita. Não que ela é uma aranha com suas longas pernas e olhos grandes." "Se eu soubesse disso, eu teria fodido um monte de gente para você." Sorri em bom humor. "Está tudo bem, Heath. O que é uma infância sem algum assédio moral, certo?" "Uma normal?" Balancei a cabeça, não querendo que ele visse a forma como os meus lábios tremiam e meu coração batia forte. Voltei-me para a minha comida e fingi comer com entusiasmo. Todo o tempo, ele se sentou ao meu lado, ainda como pedra, tranquilo e atencioso. Eu esperava que ele não fosse continuar falando sobre coisas particulares assim. Não era um tópico divertido para mim. Minha infância foi um saco. Não adianta relembrá-la. Qualquer pessoa intimidada entenderia – pelo sentimento pesado na boca do estômago, a forma

100


como o seu peito apertou, e o ardor atrás de seus olhos – como era difícil falar abertamente sobre uma infância difícil. "Então, onde estamos indo para comer mais tarde?" Perguntei, mudando de assunto. "Eu não sei. Eu não costumo levar meninas para sair, para ser honesto. Alguma ideia?" Seu tom era um pouco plano, como se ele ainda estivesse chateado por nossa conversa. "Eu não sou exigente." Eu disse, dando outra mordida entusiasmada na minha omelete – que estava incrível. "Você e Ryker não saíam para aquele bar de lutadores com os meninos algumas noites?" "Sim, mas aquele é um lugar muito áspero." Atirei-lhe um sorriso malicioso. "Oh, qualquer que seja, Heath. O que é mais áspero do que você? Tenho certeza de que estaríamos bem." Ele era o mais forte em seu grupo. Teve mais vitórias em seu currículo. Por isso, foi fácil para mim achar que esse lugar estaria bem com ele ao meu lado. Ele passou a mão pelo cabelo e acenou com a cabeça. "Sim, eu acho." Ele permaneceu por um tempo antes de se levantar e sair para as lojas. Eu não sabia o que poderíamos possivelmente precisar, uma vez que a geladeira ainda estava lotada, mas eu não perguntei. Chame isso estranho, mas eu tinha uma sensação de que ele queria ficar sozinho, e eu estava bem com isso. Porque eu meio que queria ficar sozinha depois daquela conversa também.

101


Enquanto ele estava fora, eu escolhi através das minhas roupas. Sabendo que íamos sair hoje à noite, não queria me vestir com roupas mais largas, roupas que não me fazem jus. Tinha a sensação de que eu iria esbarrar em um monte de garotas atraentes, e depois de me sentir simples em torno de Trudy, por uma única vez, eu só queria se misturar. Eventualmente, eu encontrei uma roupa de melhor ajuste na parte inferior da minha mala.

Heath

Estacionei um pouco longe do bar, não querendo atrair a atenção para o meu caminhão em um local onde há grande quantidade de pessoas e roubar carros era a norma. "Tudo bem." Eu disse a Allie assim que saímos para a noite. "Mantenhase perto de mim. Você nunca esteve neste lugar, e você não quer ser uma garota sozinha lá. Não há homens nobres. Eles têm uma coisa em sua mente e isso é o ouro do tesouro entre suas pernas." Ela encolheu-se com as minhas palavras, fechando a porta do carro e correndo para o meu lado. Eu tive que desviar o olhar. Ela havia decidido

102


vestir algo... mais apertado do que o habitual, e realmente enfatizou as formas do seu corpo, que eram suaves e femininas. A túnica branca simples com legging cinza teria classificado-a como uma freira, em comparação com os shorts curtos que eu já estava vendo as outras meninas usando. Mas lhe convinha. Porraaaaaaaaa, que realmente lhe convinha. Ela tinha o seu longo cabelo no comprimento do cotovelo em um rabo de cavalo apertado, e realmente mostrava seu rosto. Allie era bonita, e isso me irritou que ela tinha sido intimidada quando criança. Eu teria prazer em foder cada criança que pronunciou a palavra "aranha" para ela. Idiotas. As palavras dela tinha chegado a mim hoje. Eu continuei tentando lembrar onde eu estava quando tudo estava acontecendo e por que diabos Ryker teve que notá-la antes de mim. Quão diferente seriam as coisas se fosse eu, no lugar dele? Merda, não é uma boa coisa a se pensar. À medida que nos aproximávamos do lugar, agarrei seu braço e puxei-a para o meu lado. "Assim. Finja você está comigo, está bem?" Seus olhos ficaram atraídos para a calçada quando ela balançou a cabeça. "Ok, Heath. Você não precisa explicar. Eu sou daqui também, você sabe." Sim, mas ela realmente não tinha testemunhado a cultura de beber. Por um segundo, eu me perguntava por que, diabos, eu estava trazendo-a aqui em primeiro lugar. Mas ela parecia intrigada, talvez querendo saber onde Ryker estava a cada vez que teve uma noite só de garotos. Ele sempre foi protetor

103


dela, certificando-se de que ela estava em algum lugar escondido. Mas se eu tivesse uma garota como Allie, e eu estava caindo em pedaços por ela, eu nunca teria escondido. Eu ficaria nos telhados, exibindo-a para o mundo ver. Quando eu entrei, cumprimentei meus companheiros de luta. Este bar era praticamente nosso, um lugar que relembrou nossas histórias e falou sobre os nossos adversários. Eles me perguntaram como eu estava indo, que desapareci, e foi então que eu percebi quanto tempo tinha passado uma vez que eu estava aqui. Desde que eu tinha mesmo bebido. Merda, tinha sido muito. Ainda perto de mim, eu liderei Allie para o fundo enquanto ela ficou de boca aberta ao redor da sala com os olhos tão amplos como pires. O bar não era absolutamente nada espetacular – na verdade, era a porra de uma lixeira, realmente. Mas era a atmosfera de saída que chamou a multidão. Encontrei meus rapazes, Matt e Jorge, sentados em torno de nossa mesa de sempre, e eles gritaram quando me viram. Sentei-me à mesa com Allie. "Quem é essa?", Perguntou Jorge, correndo os olhos em Allie com um sorriso no rosto. "A namorada de Ryker, Allie", disse Matt antes que eu pudesse. Ele olhou para Allie e deu-lhe um caloroso sorriso, e algo sobre isso não se sentiu bem comigo. Este foi Matt, garoto bonito extraordinário, trabalhando o seu charme. Allie acenou para ele. "Hey, Matt." "Como você está, linda? Tem falado com Ryker?"

104


Ela escondeu o desconforto bem, mas eu poderia pegar essa merda há um quilômetro de distância. "Sim, bem." ela respondeu. "Não começou a escola ainda?" "Próxima semana." "Legal. O que você está indo fazer?" "Eu estou aderindo a Inglês. A única coisa que eu já fui bem." Ele assentiu com entusiasmo. "Legal, querida." Eu fiz uma careta para o próximo sorriso que ele deu a ela, querendo limpar-lhe do rosto com as costas da minha mão. Que porra ele estava fazendo dando à namorada de Ryker sorrisos de flerte? Zero respeito, esses caras. Ele pegou meu olhar mordaz e deu de ombros. Sim, ele sabia exatamente o que eu não estava dizendo em voz alta. Entreguei à Allie um menu e ela olhou para ele enquanto os rapazes falaram sobre algumas lutas que eles tinham ido. Fui convidado regularmente para ver o que meus concorrentes tinham, mas eu nunca me preocupei. Eu não assisto lutas. Vou estritamente para lutar – e vencer. Eu gostava de encarar o inesperado. Aprender sobre a minha concorrência domava a emoção dele para mim. "Você quer algo para beber?" Matt, então, perguntou à Allie quando sinalizou para uma garçonete. "Vai ser por minha conta."

105


"Não." Me intrometi antes que ela pudesse responder. A menina estava grávida... e menor de idade, não que este último ainda importava em um lugar como este. Todo mundo bebe: os jovens e os velhos. Este era Hedley para você. "Nós não estamos aqui para ficar bêbados, Matt." "Bem, tudo certo, porra." ele me disse, irritado. "Ela tem uma boca, Heath, o que você acha de deixá-la usar?" Moí meus dentes para ele. "Não é noite para ser um idiota", eu avisei. Ele devolveu o olhar gelado, mas não respondeu. Eventualmente, ele recuou e levantou-se para jogar sinuca. Eu conversei com Jorge por um tempo antes que ele, também, se juntou ao jogo. Allie comeu o prato de hambúrguer e batatas fritas, e eu dei a metade da minha comida para ela, sabendo que provavelmente ainda estaria com fome depois. Ela sorriu para o ato, seus olhos azuis brilhando. Um aperto surgiu em meu peito, e eu tive a súbita vontade de jogar um braço ao redor dela e fingir que era realmente minha. Muitos caras estavam percebendo-a, e hoje à noite havia pelo menos três vezes mais homens do que mulheres e, para minha frustração, aquelas meninas pareciam gravitar em torno de mim. "Hey, Lawson," elas murmuraram, uma de cada vez. Eu dei um aceno de cabeça em sua direção, esperando que seria o fim de tudo. Eu não gosto do jeito que Allie assistiu-as me olhar. Pela primeira vez, estou desconfortável. Sua impressão de mim era importante. Eu não queria que ela pensasse que eu era algum saco podre, mas eu não ia culpá-la se fizesse. Eu tinha uma longa história de mulheres, e mesmo que eu era cuidadoso para me certificar de que

106


elas estavam limpas e eu estava completamente protegido cada vez, ainda não mudou minha imagem. Olhei ao redor da sala, certificando-me que não havia tensão em qualquer lugar. O menor rufar de penas de alguém e o bar era suscetível a mergulhar no caos. "Oh, meu Deus", disse Allie em horror. "Não é aquele cara que você lutou, quando fui lhe pedir ajuda naquela noite?" Segui a linha direta de visão para Tank. O cara era uma bagunça quente, sentado em uma mesa com uma enorme caneca de cerveja e uma menina quase legal, seminua em seu colo. Ele era todo sorrisos, enquanto outro homem começou um jogo de cartas. "Eu pensei que combatentes inimigos foram feitos para se manter longe um do outro em lugares sociais", ela continuou, olhando para mim por uma explicação. Eu não pude evitar a risada que saiu de mim. "Porra, Allie, você assistiu a muitos filmes. Não é assim aqui. Você mantém sua bagagem pessoal fora de uma luta. Você nunca quer tornar mais do que negócios entre dois lutadores". "Então vocês são como... ok?" Jesus, como protegida ela estava? "Você não foi a um monte de lutas?" "Sim, mas Ryker costumava me levar direto para casa depois." "Ele realmente sufocou você, não foi?"

107


Ela deu de ombros e olhou para longe. "Eu não me sentia assim na época." Não querendo fazê-la se sentir desconfortável, eu olhei para Tank e assobiei. "Hey, Tank! Como é que você está esta noite?!" Tank levantou os olhos do jogo de cartas e encontrou meus olhos. Com um aceno de cabeça, ele gritou de volta: "Fodidamente certo, cara. Como você está, Lawson?" "Indo muito bem, obrigado." "Esta é sua namorada aí?", Ele perguntou, apontando para Allie. "Fora dos limites para você, se é isso que você está realmente perguntando", eu disse a ele. Ele piscou. "Fora dos limites, hey? Eu adoro um bom desafio." Da minha visão periférica, Allie se encolheu e eu ri. Tank estava sendo um cabeça de merda. Ao contrário de muitos, ele era um bêbado feliz, e apesar de seu status de lutador, ele era tão inofensivo ao público quanto uma mosca. Ele levantou a cerveja para mim e me deu outro aceno antes de retornar ao seu jogo. Debrucei-me sobre a Allie e disse: "Ele é calmo. Não se preocupe. Bom cara no interior, aquele lá." "Isso é loucura", respondeu ela, sorrindo para mim. "Quando vocês estavam brigando ele parecia tão agressivo. Chame-me de tola, mas eu não acho que esse tipo de coisa poderia ser facilmente desligada."

108


"Você está certa. Alguns dos lutadores são agressivos naturalmente, mesmo fora das partidas. Mas são seus ânimos exaltados que levam-lhes em linha reta pra cadeia. Você vai vê-los ao redor mas, pessoalmente, tenho me dado muito bem com a maioria dos lutadores. Como eu disse, nós mantemos a merda pessoal para fora." Ela assentiu com a cabeça em compreensão. Por um tempo eu deixei-a aproveitar o lugar. Ela escutou a conversa, relaxada e colocou seu pequeno coração para fora. Isso era bom. Pela primeira vez, eu não precisava do zumbido que vinha com a bebida. Eu estava pegando isso dela. "Eu gosto dessa música," de repente ela disse, apontando para o jukebox. Parei de me mover e ouvi atentamente a música que está tocando. "Love is the drug", de Bryan Ferry. Foi agridoce. Mamãe gostava dessa música também. "É mesmo?", Eu perguntei com um sorriso. Antes que ela respondesse, me levantei e peguei sua mão. Eu a puxei para fora da cadeira e levei-a para o centro do bar onde os outros estavam dançando. Ela estava vermelho brilhante quando eu trouxe as mãos para cima, no ar, e gritei com ela para dançar como todo mundo. Ela riu e, para minha surpresa, começou a mover seu corpo em torno da música. "Você conhece as palavras?", gritei para ela. Ela assentiu com a cabeça. "Claro que eu sei!"

109


"Prove!" Ela me tirou o fôlego quando ela abriu a boca e começou a cantar a letra, ficando mais alto e mais confiante enquanto continuou. "Tarde da noite eu estaciono o meu carro Parada em meu lugar no bar de solteiros Cara a cara, frente a frente Coração para coração, como nós batemos no chão Trastes para cima, depressão para baixo O abraço bloqueado, a rodada de tropeço Eu digo vá, ela diz que sim Apague as luzes, você pode adivinhar o resto Oh, oh, pegar o zumbido O amor é a droga que eu estou pensando. "

Seu corpo inteiro estava corado, com o rosto brilhante, aparentando sua idade, e não consumida pelas recentes pressões em sua vida... Allie Wallace. Esta menina inacreditável. O que diabos estava pensando Ryker jogando esta fora? Ela estava sem fôlego quando terminou a canção, e o som alto de aplausos dos caras sentados no bar atrás de nós, de repente, encheu a sala. Ela

110


saltou e olhou para eles sobre seus ombros, arregalando os olhos e o rosto – se fosse possível – ficando ainda mais vermelho. Ela não tinha esperado um público, e eu estava tão absorvido por ela, que eu não notei-os também. "Brilhante cantando, Allie", piou Matt, vindo atrás dela. Ele tinha um taco de sinuca em uma mão e seu braço foi em torno dela, puxando-a em seu peito para lhe dar um abraço "boas-vindas". Porra, esse cara queria morrer, certo? Ele estava implorando por isso. Allie sorriu para ele, e minha raiva irracional surgiu quando eu a assisti dar-lhe atenção. Eu queria tudo para mim, e foi uma bonita fodida coisa infantil de admitir para mim mesmo. Eu fui direto para ela, olhando para Matt, e tomei-a pelo braço. Fiz um gesto dela para mim e disse: "Vamos voltar para a mesa, Al." Ela mudou-se para ir embora, mas o aperto de Matt ao redor de seus ombros aumentou. "Está tudo bem, cara", ele me disse: "Eu quero ter essa próxima dança com ela." "Ela precisa descansar", eu disse a ele, queimando minhas narinas quando ele fez uma careta para mim. "Ela parece-me muito bem", ele respondeu. "Não é verdade, Allie?" Agora seu sorriso desapareceu, e ela olhou entre nós, desconfortável. Ela limpou a garganta e fez um movimento para sair de seu aperto de novo, dizendo: "Na verdade, você sabe, isso realmente me cansou. Heath está certo. Eu só vou tornar a sentar por um tempo".

111


Puxei-a pelo braço quando ela disse isso, e Matt relutantemente soltoua. Suavemente empurrei Allie em direção a nossa mesa, e quando ela estava a uma distância segura, me virei para Matt e deu-lhe um áspero empurrão para trás, rosnando: "O que diabos está errado com você, cara? Você está realmente tão bêbado?" Ele estava – e foi a única coisa que salvou-o de uma batida para baixo –, mas ele balançou a cabeça e retrucou: "Nada de errado comigo. Ela passou por merda áspera. Eu queria dar-lhe um bom tempo." "E o que é um bom tempo com você?" Eu dei um passo para mais perto dele, intimidando-o com a minha largura e altura. Matt não tinha nada de mim no departamento corpo. Ele estava com raiva. "Cara, qual é o seu problema? Desde quando é que te incomoda quando eu falo com uma menina?" "Você sabe que é a namorada do Ryker, certo?" Eu o repreendi. Ele levantou uma sobrancelha, olhos vidrados ousando olhar para os meus e disse: "A verdadeira questão é, você sabe que é a namorada do Ryker? Você acha que, porque ela tem um gosto de um irmão, ela vai querer um gosto de outro..." Ele não terminou a frase. Não com o soco que eu dei-lhe, de qualquer maneira. Ele caiu direto para trás e pousou no chão, como o idiota bêbado que era. Sangue derramou de seu lábio superior arrebentado e ele ficou olhando de boca aberta para mim com choque e raiva. Ele teria preferido que eu batesse nele no nariz? Isso teria sido um osso quebrado, e eu estava me sentindo legal

112


suficiente para não querer isso na cara dele. Ele deveria estar me agradecendo por ter ido fácil em sua bunda, depois do que disse em um bar lotado. Todo mundo em torno de nós se afastou, olhando com interesse crescente, até que eu olhei para eles. Eles se afastaram imediatamente e retomaram suas conversas enquanto suspirei e ofereci a Matt minha mão. "Você não sabe quando deve calar a boca." Eu mordi para fora. Ele olhou para a minha mão e balançou a cabeça. "Eu não estou tomando sua mão depois de me dar a porra de um soco." Eu não o ouvi. Agarrei-o pelo braço e arrastei-o a seus pés. Ele não teria sido capaz de ter sua bunda tropeçando de outra maneira. Ele arrancou da minha mão e limpou o sangue de sua boca, afastando-se rapidamente para sair do bar. Eu tinha envergonhado-o na frente dos caras, e eu me senti mal por ele, mas o que diabos pensava que ia acontecer com ele dizendo esse tipo de merda? Eu fui atrás dele, agarrando-o pelo braço, sempre que ele tropeçou em seus pés. Quando chegamos fora do bar, peguei meu telefone e chamei um táxi, ao mesmo tempo mantendo a minha mão firmemente em torno dele. Ele continuou tentando se esquivar da minha mão, como se esperasse, de repente, ser atingido com uma força igual a do Hulk. "Sente-se," eu disse a ele, e sem esperar pela sua resposta maldita, empurrei-o para o chão, forçando-o para baixo na calçada. "O taxi está vindo." "Eu tenho carro", ele arrastou com raiva. "Você está bêbado. Você não está dirigindo."

113


"Fico feliz em saber que você se preocupa com o meu bem-estar depois de me dar uma porra de um soco, amigo." Não respondi. Abri a carteira e tirei algumas notas. Joguei-as para ele. "Use isso para o pagamento. Vou voltar para dentro. " "Voltar para ela, você quer dizer." Eu hesitei. "Eu a trouxe aqui, Matt. Ela queria ver onde nós levamos Ryker. Então, ela é minha responsabilidade." "É isso o que isso realmente é?", Ele retrucou, virando o rosto para olhar acusador para mim. "Porque depois do que eu vi lá, eu não posso concordar. Você olhou como se você quisesse ela." Eu zombo. "Você está tão bêbado, homem, que não sabe mesmo o que você está vendo..." "Eu estou vendo muito bem, Heath." Eu olhei para ele, tentando não deixar o pânico que suas palavras me fizeram sentir, mostrar no meu rosto. Eu gostava de achar que tinha uma boa cara de pôquer e, mais uma vez, eu nunca me senti assim por uma garota. Eu estava, de repente, lutando contra os sentimentos que eu nunca tive. "Você está entendendo errado", salientei. "Ela é minha amiga, Matt." Ele me olhou com aqueles olhos de julgamento antes de encolher e olhar para a rua. "Seja como for, homem. Basta manter suas mãos para si mesmo."

114


Minhas mãos estavam formigando com a vontade de dar-lhe uma dura lição, mas eu parei de reagir impulsivamente. Eu não era uma pessoa com raiva. Não depois de testemunhar toda a merda que os homens na vida da mamãe fizeram-na passar antes de morrer. Jurei nunca mais agir dessa forma. Mas isto parece ser pessoal para mim. Pessoal demais para o meu gosto. Eu não era o tipo de cara que gostava de explorar as minhas emoções. Eu queria simplicidade em cada parte da minha vida. Nada sobre Allie estava provando ser simples, no entanto. Eu não respondi a Matt. Deixei-o ali, sentado no meio-fio, movendo-me de volta para a entrada do bar quando ouvi um "Yo, Lawson," atrás de mim. Eu parei e olhei para trás, para um homem sólido que eu nunca tinha visto. Ele era da minha idade, parecia com a maioria dos bandidos do gueto em Hedley, vestindo calças jeans pretas e largas, e uma camiseta extragrande branca. Correntes de prata envolvidas em torno de seu pescoço, o cabelo densamente definido em dreadlocks, e no canto de sua boca estava um cigarro de maconha que ele estava sugando. Fiquei de pé, olhando desconfiado para ele quando eu disse, "Sim?" Ele caminhou até mim com confiança. Ele se portava como se tivesse todo o poder e eu, de repente, tive um mau pressentimento sobre isso. Olhei ao redor das ruas lotadas, perguntando-me se ele tinha caras à espreita em torno que podem me levar para baixo. "Ei, cara", disse ele, estendendo a mão para um tapa. "Sou Ricardo."

115


Retornei-lhe e dei-lhe um aceno de cabeça frio. "O que está acontecendo?" Ele balançou a cabeça. "Nada, homem. Olha, eu só vou ir direto ao ponto. Eu estava no bairro e pensei em ter uma palavra com você. Não foi difícil encontrá-lo. Só perguntando em volta e todo mundo estava chamando você de lutador. Isso está certo?" Eu dei de ombros. "As pessoas dizem um monte de coisas." Ele riu e acenou com a cabeça, provavelmente pegando minha cautela. "Certo, bem, olha, eu vou apenas sair com isso. Seu irmão trabalhava para o meu patrão. Fez alguns... acordos com ele por um longo tempo. Não vou lhe dar os detalhes no momento. Eu só vou deixar você saber que eu estarei por perto, e é importante para caralho termos um bate-papo sobre as falhas do seu irmão. Sabe o que eu estou dizendo?" Eu o olhei de novo. Minha coluna endureceu e eu poderia ter amaldiçoado se eu não estava moendo meus dentes com tanta força. Esta situação não era ciência de foguetes. O homem era um bandido. Obviamente, parte de uma gangue. A quadrilha, que eu tinha certeza, estava por trás das atividades criminosas de Ryker. Essa merda ainda estava causando problemas e ele estava na prisão! Eu me irritei. "Você sabe que eu não tenho nenhuma parte no que ele fazia de ilegal, certo?"

116


O bandido sorriu para mim, mostrando um dente de ouro que eu não queria nada mais do que rasgar direto para fora. "Sim, eu sei, cara. Mas veja, de onde meus rapazes e eu viemos, no nosso mundo não importa se você se manteve, ou não, à distância. O ponto é que você está no sangue. O sangue significa que você herdou a merda que aquele bastardo deixou para trás." "E o que é que ele deixou para trás?" Ele olhou para mim enigmaticamente. "Você vai saber em breve." Olhei para ele. "O que você acha de cortar a perseguição e me deixar saber agora? Eu não vejo o ponto de esperar." "Eu sou parte de uma pirâmide, homem. Me disseram o que dizer e o que não dizer. Agora, eu só precisava dizer-lhe que você estará me vendo por aí." "Pelo menos me dá alguma coisa." "Eu tenho certeza que você vai descobrir isso." Ele, então, jogou sua maconha no chão e esmagou-a com a ponta do sapato. "Tenha uma boa noite, homem." Ele virou-se e saiu pela calçada, andando naquele lado-a-lado exagerado que eu tinha certeza que era exaustivo da porra. Apenas seus movimentos pareciam pesados com finalidade. Ele iria relatar essa conversa com alguém. Seu chefe. Matt ouviu a conversa e estava obedientemente evitando o meu olhar. Eu olhei para ele com cuidado. "Tem alguma ideia do que se tratava?"

117


Ele hesitou antes de se encolher. "Eu não sei muito. Apenas... Você sabe que Ryker era traficante de drogas, certo?" "Eu não sabia até depois de sua prisão." "Bem, ele estava colado com esse cara. Eu já o vi por aí. Parte de uma dessas grandes gangues." "Sim, e?" "E... o que fez Ryker ser acusado?" Comecei pegar a essência do que ele estava dizendo. "Produto da criminalidade. Teve uma porrada de dinheiro com ele depois que ele vendia drogas." Matt assentiu. "Sim, por isso, esse cara está vindo por aí, dizendo-lhe que ele vai ter uma palavra com você sobre os fracassos de Ryker. O que você acha que isso significa?" "Significa que ele quer ser compensado pelo que foi pego com Ryker." "Sim." "Quanto você acha que é?" "Foda-se, nenhuma ideia, cara. Talvez você deva perguntar a ele." Eu não tinha certeza que tinha sentido essa raiva antes. Esfreguei meu rosto, exasperado. Apesar da minha raiva, não fiquei surpreso. Eu sabia que quando você lida com gangues na cidade, você não se afasta ileso. Mesmo

118


depois de ser preso essa merda ia assombrá-lo até eles receberem. O que eu não esperava era ser o único que eles iam cobrar. O comportamento suspeito de Ryker na prisão estava começando a fazer sentido agora. Olhei para a porta e tomei algumas respirações profundas. Eu precisava colocar essa merda de lado por agora. Eu não queria pensar sobre o homem, ou prestar atenção na sensação desconfortável no meu peito que o que Ryker fez ia mudar a sério as coisas. Eu precisava me focar no agora. Escapei de volta para o bar. Deixei Allie sozinha aqui por muito tempo. Fiquei contente de ver que ela ainda estava sentada na mesma cadeira. Talvez os caras tinham recebido a mensagem alta e clara. Sentei-me ao lado dela e seu conturbado olhar encontrou o meu. "Você esteve fora por um tempo. O que está acontecendo?", Perguntou ela. Eu balancei minha cabeça. "Nada." "Então por que você bateu em Matt?" "Quando Matt fica bêbado, sua boca fica solta." Ela franziu a testa com a minha resposta. "Ele disse algo sobre mim? Olha, Heath, eu não quero quebrar uma amizade apenas porque ele poderia ter dito alguma coisa..." "Essa não é a primeira vez que eu lhe bati", eu interrompi, fazendo o meu melhor para atirar nela um verdadeiro sorriso. "Não é o última, também.

119


Isso é o que nós fazemos. Um de nós sai da linha e nós botamos em ordem. Quantas vezes Ryker voltou para casa com um lábio arrebentado?" Ela riu ironicamente e tomou um gole de sua água. "Wow, os homens são uma raça diferente, né?" "Você não tem ideia." Ela sorriu aquele sorriso glorioso e terminou sua comida, e eu encarei qualquer um que chegou à distância de um pé dela.

"Você se divertiu?", Perguntei a ela em nosso caminho de volta para o caminhão. Ela assentiu com a cabeça, inclinando o corpo dela contra mim. "Sim, cansada embora." Eu trouxe o meu braço em torno dela e mantive sua posição vertical, mas também tão perto de mim quanto possível. Ela cheirava bem, sentia-se agradável, ela era tudo bem. No caminho de volta para casa, ela olhou pela janela do passageiro, o rosto sereno e contente, aparentemente perdida em pensamentos enquanto o mundo passou. Minha mão estava sobre a alavanca de câmbio quando algo tocou-a. Olhei para sua pequena mão cobrindo a minha.

120


"Obrigado por ter me levado para sair", ela sussurrou. Engoli em seco. "A qualquer hora." Além do incidente com Matt e ter que empurrar aproximadamente uma porrada de homens longe cada vez que pressionaram contra ela, foi uma boa noite. Ela falou, ela cantou, ela riu. Ela não era a introvertida Allie que eu estava acostumado a ver. Havia uma outra camada inteira lá esperando para ser desvendada, e porra, eu queria desvendar esta menina em mais de um sentido. Eu decidi não contar a ela sobre o cara sombrio. Eu contaria, mas não agora. Não quando ela estava derrubando seus muros em volta de mim. Ryker era uma nuvem escura do caralho. Ele iria mijar na nossa luz do sol se eu tivesse ela preocupada com ele ou o que ele tinha feito. Ela precisava se concentrar em seu bebê. Eu fiquei me dizendo isso. Continuei tentando acreditar também. No meio do caminho, ela adormeceu, seu pequeno corpo enrolado no assento. Eu estacionei o carro e encarei-a por um tempo. Estava muito escuro, exceto por uma rua nas proximidades. "Allie". Eu sussurrei, "Nós estamos aqui." Ela não se moveu. Todo o movimento da noite chegando a ela. Tentei cutucá-la acordada, mas nenhum resultado. Com um suspiro, eu saí e tive que carregá-la para o elevador. Enquanto nós subimos, seu braço serpenteou para

121


cima e em volta do meu pescoço, e ela soltou um suspiro contente. Ela parecia como uma bola quente que não quero deixar ir, então eu apertei meu abraço no caminho para o apartamento. Levei-a para o quarto dela e gentilmente a deitei na cama macia. Escorreguei suas sandálias fora e joguei as cobertas sobre ela. Soltei seu cabelo e coloquei o prendedor sobre a cômoda. Me endireitei e olhei para a porta, sabendo que eu provavelmente deveria sair e deixá-la dormir. Mas meus olhos voltaram para ela. Antes que percebesse, eu estava sentado na cama acariciando seus cabelos. E quando não foi suficiente para aliviar a dor dentro de mim, inclinei meu rosto para o dela e corri meu nariz ao longo de sua mandíbula, pegando seu perfume e a sensação suave de sua pele. Foda-se, o que eu estava fazendo? E por que diabos eu estava tendo estas urgências estranhas, como o inferno, para tocá-la? Conforme eu puxei de volta, minha respiração parecia que tinha sido batida para fora de mim, encontrei seus olhos abertos e ela estava olhando diretamente para mim. A meramente centímetros de distância, encarei de volta, sabendo muito bem que eu tinha sido pego tocando-a de forma inadequada. Eu esperava que ela dissesse alguma coisa, mas ela apenas me olhou com aqueles olhos cansados. Eles vagavam em volta do meu rosto, fixando-se em minha boca. Parecia que ela queria me beijar. Sentimentos estranhos me inundaram. Minha pele aqueceu e meu pulso acelerou. Cristo, eu não sabia como agir em torno desta menina.

122


"Hey," eu sussurrei, porque o que diabos mais eu poderia dizer agora? Quando ela não respondeu de imediato, eu acrescentei, "Eu tentei acordá-la. Você desmaiou, assim eu carreguei você até aqui. " E esfreguei o rosto contra o seu, mas não vamos falar sobre isso. "Obrigada", ela sussurrou de volta. "Eu acordei você?" "Não. Eu estava tendo um pesadelo." "Sobre o quê?" Ela balançou a cabeça fracamente. "Ficar sozinha." "Isso não vai acontecer. Você sabe disso, certo?" Seus olhos brilhavam quando ela olhou para o quarto para não fazer contato visual. "Qualquer um que me prometeu isso, empurrou-me para longe de alguma forma. Meu pai, minha mãe... Ryker. Eu não estou dizendo que eu não acredito em você, mas... Eu não tenho muita confiança em mais ninguém." Suas palavras estavam me matando, e eu parei de pensar em certo ou errado. Eu a empurrei mais na cama e coloquei-me ao lado dela. Passei um braço em volta dos ombros e puxei-a para o meu lado. Em minha mente racionalizei que deveria mostrar a ela que eu queria dizer as palavras, por estar perto dela a ajudaria a acalmar seus temores. Mas em meu coração eu sabia que era errado. Se ela tivesse qualquer relutância ficando tão perto, ela não mostrou. Ela estava completamente relaxada envolvendo um braço em

123


volta do meu torso, quando eu disse, "Eu sou um homem de palavra. Você não vai se livrar de mim." "Eu não quero", respondeu ela. Meu coração – esse pequeno órgão do tamanho do punho – explodiu dentro de mim. Apertei meu domínio e olhei para o teto escuro. Demorou para sempre antes do meu pulso acalmar lentamente, mas cada movimento que ela fez parecia levá-lo ao pico novamente. Meu corpo a queria. Meu coração doeu por ela também. Mas meu cérebro... porra, ele estava me matando com a sua besteira lógica. Eu escutei sua respiração nivelar. Eu até olhei para baixo e observei-a adormecer em meus braços como se fosse a coisa mais natural que já aconteceu. Esta era a felicidade, eu percebi. Você é a única pessoa em quem confio. As palavras de Ryker me mataram, e eu comecei a pensar... Talvez eu não era a melhor pessoa para confiar depois de tudo.

124


Capítulo Nove Allie

Nós nos sentamos na sala de espera, aguardando minha primeira ultrassonografia. Peguei uma revista e, preguiçosamente, passei pelas páginas enquanto mulheres grávidas enchiam a sala. Havia alguns homens que as acompanham, parecendo tão ansiosos e animados. Eu me perguntava o que eles viram quando eles olharam para mim. Será que eles acharam que Heath era meu? Sorri para o absurdo disso. Nós tínhamos caído em uma rotina confortável, ele e eu. Comecei as aulas na faculdade. Eu mantive a mim mesma, e fiquei surpresa como foi fácil. Ele me levou para lá a cada manhã e tomei um ônibus para casa depois. Eu tinha algo cozinhando pelo tempo que ele voltava do trabalho. Depois disso, eu estudava na sala de estar e ele geralmente se sentava ao meu lado e assistíamos a televisão. Teve surpreendentemente muita conversa com Heath. Desde a noite no bar, eu nunca tinha visto ele tão relaxado e contente. O que ele tinha dito sobre Trudy não importar parecia soar verdadeiro também. Ela nunca foi mencionada, e ele nunca desapareceu à noite também, fazendome pensar que ela estava completamente fora de cogitação.

125


Senti-me muito grata que eu tinha alguém fazendo isso comigo agora. Eu odiaria ter vindo aqui sozinha, encarando a minha primeira experiência da gravidez sem uma pessoa que eu me importasse para compartilhá-la, e eu realmente comecei a valorizar Heath mais do que ninguém. Eu não tinha ninguém perto antes de Ryker. Eu parecia à deriva constantemente através de multidões, nunca encontrando um lugar em qualquer um deles. Ele não me chateava. Na minha cabeça sempre foi sobre como fazer esta gravidez funcionar e manter isso em segredo por tanto tempo quanto eu poderia. Foi uma missão, especialmente quando minha barriga foi ficando mais visível a cada semana. Olhei para Heath. Ele estava vestido com uma camiseta branca e calça jeans clara, o cabelo escuro tinha crescido um pouco. Por um breve momento, eu me inclinei para ele, pegando seu aroma, que era único e almiscarado. Sempre que eu estava em torno dele, sentia-me relaxada e em boas mãos. Ele me fez sentir protegida e como se eu pudesse ser eu mesma. Não tendo notado a minha proximidade assustadora, ele estava muito ocupado assistindo as crianças ao redor de uma área de jogo brigando por um par de blocos de brinquedo. Quando alguém empurrou o outro e roubou-os, ele balançou a cabeça com um pequeno sorriso no rosto. "O quê?" Eu perguntei a ele, divertindo-me com sua atenção a eles. "Eu serei amaldiçoado se eu tiver um filho que não lutar de volta". Ele respondeu.

126


Eu ri levemente, embora a ideia de ele ser um pai fez o meu peito apertar. Ele seria um muito bom. "Bem, qualquer conselho e eu vou ter a certeza de passá-lo para o meu". Eu disse a ele, escondendo o meu estado de espírito taciturno. Não haveria pai para ensinar meu filho a lutar de volta. Seria tudo comigo, e isto foi um assustador pensamento. Ele tirou os olhos das crianças e olhou para mim, percebendo o quão perto eu estava dele. Olhos castanhos, suaves e calmos, olharam profundamente nos meus. Desejei saber o que ele estava pensando então, porque o sorriso lentamente desapareceu de seus lábios deliciosos. O segundo que eu senti calor no meu rosto, eu me virei para longe de seu olhar e recuei na minha revista. Enquanto fingindo ler, eu estava ciente de todos os seus movimentos e isso fez o meu corpo ficar tenso tão próximo a ele. Como isso poderia fazer qualquer sentido, que eu poderia estar ao mesmo tempo confortável e na borda em torno dele? "Allison Wallace." Eu quase saltei para os meus pés quando eu ouvi o meu nome. Coloquei a revista na prateleira e fui para a técnica esperando por mim no corredor. Heath seguindo de perto por trás. A jovem técnica de nome Ruby sorriu calorosamente para mim. "Olá, senhorita Wallace, por aqui por favor." Ela nos levou pelo corredor e na sala do canto e disse: "Deite-se e puxe a sua camisa para cima sobre a sua barriga."

127


Deitei na cama preparada para mim e levantei minha camisa para cima. Heath se sentou ao meu lado enquanto Ruby ajustou a

máquina de

ultrassonografia. "Como estamos indo esta manhã?", Ela perguntou, olhando entre Heath e eu. Os olhos dela permaneceu nele por alguns momentos, sem dúvida absorvida por sua boa aparência. "Bem", eu murmurei. “E o pai seria?" Meu corpo ficou tenso e eu olhei para Heath. Quando avistei suas costas endurecerem e seus olhos arregalarem, imediatamente eu disse: "Não, não, ele não é o pai." "Oh, eu sinto muito." A partir da curva de seus lábios, arrependida era a última coisa que ela estava. Heath não respondeu, mas ele parecia pedra agora e não iria encontrar os meus olhos. "Recoste-se", ela me disse quando lambuzou uma substância gelatinosa na sonda do ultrassom. Uma vez pronta, ela colocou-a sobre o meu estômago e uma sensação gelada passou por mim. "Você tem um agradável inchaço de bebê, pequeno e pronunciado", comentou ela enquanto ela movia a sonda ao redor. "Deve ser uma coisa genética. Sua mãe era assim pequena?"

128


Dei de ombros, não querendo pensar nela. "Eu não sei. Ela nunca falou sobre isso." Ela nunca falou sobre um monte de coisas, na verdade. As imagens em preto e branco surgiram no monitor, e eu olhei para ele por um tempo, não entendendo o que estava olhando. Concentrei-me duro até que finalmente me ajustei e o que eu vi levou meu fôlego. "Este é o seu pequenino", disse ela. "Bom e saudável, pela aparência dele." Amendoim estava na forma de um bebê. Cabeça grande, corpo pequeno, e ele estavam se movendo rapidamente agitando os braços. Meu Deus. Olhei animadamente em Heath, que estava inclinado para a frente, parecendo absorvido pelas imagens assim como eu. "Isso está acontecendo na minha barriga agora?" Eu perguntei em choque. Ruby riu e me deu um aceno de cabeça. "Claro que sim." "Eu não posso sentir nada disso." "Você, possivelmente, não vai sentir por mais seis semanas. Doze semanas é um pouco cedo para estar sentindo qualquer coisa, especialmente sendo o seu primeiro."

129


Eu assisti ofuscada pelos movimentos, quando o meu bebê começou tocar seu rosto. "Você sabe o sexo?", Perguntou Heath. "Ainda não. Sua próxima ultrassonografia será com 18 semanas e poderei dizer-lhe isso," Ruby respondeu. Eu já sabia disso, mas foi bom ouvir Heath interessado o suficiente para perguntar. Ela começou fazendo medições e me mostrando diferentes partes do corpo, das mãos, cabeça e pés do meu amendoim. Era além de qualquer coisa que eu poderia ter imaginado. Meu espírito elevou, e eu sorri tão grande que meu rosto doía. Eu ia ser uma mãe. Eu, Allie Wallace. Uau. "O bebê está bem e saudável", disse ela até o final. "Eu vou ter um DVD das fotos pronto para você em breve." "Obrigado", eu disse quando ela limpou o lamaçal no meu estômago. Revirei minha camisa para baixo e saí da cama. Heath levantou-se comigo, não tendo ainda dito uma palavra para mim desde que eu tinha corrigido a técnica, e saímos. Eu não deixei seu indiferente comportamento derrubar meu humor. Eu ainda estava me recuperando da excitação. Eu ia ter fotos de meu bebê!

130


A viagem de volta para o apartamento foi em silêncio. Eu segurei meu disco com ambas as mãos, já ansiosa para reviver a experiência quando eu chegasse e fosse para o laptop de Heath. Olhei para ele de novo, franzindo a testa para seu estado de espírito. Deus, o que eu tinha feito? "Você está bem?", Eu perguntei a ele quando o silêncio ficou demais. Ele assentiu com a cabeça. "Sim." Eu suspirei. Ele estava mentindo. Eu coloquei o disco no meu colo e me virei totalmente para ele . "Heath", eu comecei com uma voz suave: "Eu quero que sejamos abertos e honestos um com o outro. A comunicação é extremamente importante. Se algo está incomodando você, por favor me avise. Dessa forma, podemos evitar uma má interpretação, ou quaisquer sentimentos feridos." Ele pensou em minhas palavras por um momento. "Foda-se, você tem que ser assim tão racional o tempo todo? " "O que você quer dizer?" "Quero dizer que você é como o adulto entre nós, às vezes, o que você não deve ser. Me dizendo essa merda e me fazendo perceber como você está certa..." "Eu não quis te ofender..."

131


"Você não ofendeu. Você está me lembrando o que estou fazendo de errado, e você está completamente certa". Eu esperei que ele continuasse, mas ele não o fez. "Então, o que há de errado?" Eu pressionei. Ele exalou, virando o carro para o estacionamento de um shopping center. O motor ainda estava ligado depois que ele estacionou, e ele levou alguns momentos olhando de braços cruzados para fora da janela para reunir seus pensamentos. "Quando ela achou que eu era o pai", ele começou calmamente. "Você foi tão rápida para dizer a ela que eu não era. Você tem vergonha de mim ou algo assim? Quer dizer, eu sei que não sou nada para se ter orgulho, e eu definitivamente não sou algum triunfo de cara realizado..." "Eu não quis dizer isso assim", eu rapidamente o interrompi. Senti uma bolha de pânico. Essa foi a última coisa que eu queria que ele pensasse! "Oh, meu Deus, Heath, de jeito nenhum que eu iria ter vergonha de você! Isso é impossível. Quando ela disse isso, parecia que você tinha sido atropelado por um carro ou algo assim. Eu não quis enlouquecer você e te mandar embora, se as pessoas começarem a pensar que você é algo que não é." O alívio brilhou em seu rosto quando ele balançou a cabeça. "Eu nunca disse que não queria ser uma parte da vida do seu filho, Allie, e eu gostaria de nunca me assustar com o que as outras pessoas pensam. Eu estou fazendo tudo isso para que eu possa ser um tio e dar a sua pequena pessoa uma chance. Eu não quero você fazendo isso por conta própria."

132


"Bem, eu aprecio isso." Com um leve sorriso, ele disse: "Eu sei que você faz. Tudo sobre você é genuíno. Sempre genuíno." Voltei a sorrir, sentindo meu coração soluçar no peito. "Qualquer outra coisa incomodando você?" "Não, e se houver, eu vou ter a certeza de trazê-lo para você." "Ok." Ele, então, desligou o carro e abriu a porta. Ele me fez sinal para fora. "Para onde estamos indo?", Perguntei. Quando ele saiu, ele esticou e respondeu: "Para que você obtenha algumas roupas de gravidez. Você vai precisar delas, certo? Vi sua barriga, e ficou muito maior em duas semanas". Saí e fui com ele para as portas de entrada do shopping. Senti em torno do jeans que eu estava usando, observando como eles estavam apertados. "As roupas são caras", eu disse. "Podemos ir a uma loja de usados..." "Não", ele interrompeu, parando para me enfrentar. "Eu vou te dar um monte de coisas legais. Nada desta merda folgada que você está vestindo. Eu estou cansado de vê-la nas roupas de Ryker. Eu a quero usando algo de mim." "Mas é caro..."

133


"Eu tenho uma outra luta chegando e você pode estar certa que vou vencer. Pare de se estressar. Eu posso puxar algumas horas extras no trabalho também. Nós vamos ficar bem." Não houve discussão com Heath. Uma vez que ele decidiu em algo, era quase impossível alterar o curso do mesmo. Então, eu simplesmente assenti com a cabeça, porque no final do dia, ele estava certo. Eu estava ficando maior, não estava encaixando em nenhuma das minhas roupas, e eu não podia continuar a viver com as roupas de Ryker por mais tempo. Passamos o resto da tarde na obtenção de um novo guarda-roupa para mim. Ele não perdeu a paciência. Não me apressou. Ele esperou pacientemente por mim, parando a cada poucos corredores para apontar alguma coisa. Ele tinha um gosto totalmente diferente para mim, me empurrando para usar roupas que não escondiam minha barriga. Ele queria que eu aceitasse-a, o que foi difícil, porque eu não queria a atenção voltada para mim, porque eu era jovem e grávida ao mesmo tempo. Eu tinha visto olhares julgadores suficientes em público sobre outras meninas em situações semelhantes, e eu sabia que não poderia ter sido bom. "Olhe para isso". Disse ele, puxando para fora, um vestido folgado cinza de um rack. "É chamado de vestido de maternidade." Eu estava ao lado dele e fui olhar o preço. Tendo aprendido sobre esta compulsiva coisa que eu faço, ele imediatamente escondeu-o em sua mão. "Legal", eu murmurei com um rolar de meus olhos. "Eu posso sempre olhar para o preço em outros mesmos vestidos exatos aqui, Heath".

134


"Você não vai se atrever", ameaçou. "Ou o quê?" "Ou, eu juro por Deus, eu vou bater em você." "Você vai bater em uma mulher grávida?" "Existem outros métodos para isso." "Sim? Me esclareça." Ele sorriu maliciosamente. "Toda garota odeia ter cócegas. Vou fazer cócegas em você para a porra de um hora." Dei de ombros com indiferença, escondendo o terror que me fez sentir. "Eu gosto de cócegas. Não é grande coisa." Inclinando-se para perto de mim, ele sussurrou em meu ouvido: "Você não seguiu meu conselho sobre ficar na frente de um espelho, hein, Allie?" Corei e pressionei meus lábios para baixo para não sorrir. Evitando o calor inclinando-se para meu lado, eu agarrei a manga do vestido e olhei-o. "Eu não gosto do decote em V", eu disse a ele. "Por que não? Ele pareceria quente em você". "Não" "Por quê?" "Porque".

135


"Porque o quê?" "Porque, caso você não tenha notado," eu disse, apontando para o meu peito, "eu não sou muito abençoada em alguns lugares." "Eu acho que você é abençoada muito bem", respondeu ele, olhando abertamente o meu peito com diversão. "Doze semanas de gravidez e você tem alguns seios fartos chegando... Ouch!" Eu bati-lhe com força no ombro, traindo a seriedade em mim, rindo. Para o meu horror, ele jogou o vestido em nossa cesta e piscou para mim. "Você vai parecer como uma deusa nisso." Merda, eu estava corando duro. Optei por não responder, sabendo que a minha voz, provavelmente, viria soando como uma criança de quatro anos com um alto teor de açúcar. Compras com Heath era definitivamente inaceitável, não importa como era divertido. Depois que ele encheu minha cesta com roupas, ele não me levou para o check-out. Ele virou-se e foi em uma direção diferente. Me perguntei se ele estava indo para pegar para ele mesmo também, quando ele abruptamente foi para a seção de bebês. Minha garganta engrossou quando ele começou a triagem através de minúsculos macacãozinhos sobre um rack. "Porra, eles são pequenos, hein?", Disse ele, assobiando em surpresa, fazendo outras mães em torno chicotear as cabeças em sua direção.

136


Eu dei um passo ao lado dele e olhei para as roupas de recém-nascidos unissex que ele estava me mostrando. Ele começou a carregar outra cesta com alguns, nunca uma vez verificando as etiquetas de preço. Eu assisti a concentração em seu rosto, o modo como seus lábios cheios estavam pressionando para baixo, pensativo, como seus olhos se estreitaram quando ele encontrou algo de que ele gostava... No geral, Heath parecia se encaixar em uma seção de bebê, com o rosto duro e tatuagens rastejando por todo o corpo, que espiavam para fora do decote de sua camisa. Ele era muito grande. Muito cru. Muito... áspero. Nenhuma das coisas que se encaixavam em uma área um pouco delicada assim. "Alguns bons negócios aqui, Allie", ele murmurou. "Vá em frente, dê uma olhada." Fingi olhar, mas meus olhos estavam atraídos estritamente nele e sua aparentemente interminável missão de estragar a merda fora de mim e do... meu bebê. O calor tomou conta de mim, e eu rapidamente percebi que estava começando a realmente gostar de Heath. E o pior era que eu estava gostando dele de uma forma que eu não deveria estar. Merda. Isso era ruim. "Você está bem?" Ele então perguntou, olhando para mim com aqueles penetrantes olhos castanhos.

137


Eu percebi que tinha acabado de ser pega olhando para ele pelos últimos... quem sabe quanto tempo. Eu simplesmente balancei a cabeça e murmurei um sim, enquanto voltei minha atenção para as roupas. Depois que se contentou com a quantidade que tínhamos reunido, ele pagou e fomos embora. Não querendo ir para casa imediatamente, ele nos pegou algo para comer e comemos em um parque perto do apartamento. Houve um jogo de basquete na quadra também, e nós sentamos na grama próximo a ele. "Nós deveríamos ter olhado o que estávamos comprando", eu disse, satisfeita comendo minha pequena cesta de frango fritos salgados. Oh, meu Deus, a gravidez tinha-me ansiando por tudo salgado. E picles. Grandes quantidades de picles. Distraído com o jogo acontecendo, ele deu de ombros. "Viemos abaixo do orçamento em mantimentos. Só desfrutar." Eu dei uma mordida saudável no meu hot dog quando ouvi os risos de algumas meninas. "Hey Lawson," que chamam à medida que passaram por nós na direção da quadra de basquete. Elas não podiam ser muito mais velhas do que eu, vestindo sua assinatura de roupas apertadas, todas arrumadas e bonitas sem esforço. Heath deu-lhes um sorriso simpático e um aceno de cabeça, voltando sua atenção para o jogo entre o meninos locais. Eu assisti as meninas quando elas pararam perto de nós e da quadra, rindo e sussurrando no ouvido uma da outra. Não precisava ser um gênio para saber de quem elas estavam falando a julgar pelos olhares em sua direção.

138


"Elas querem você". Eu disse, e então eu queria cobrir meu rosto, porque como isso foi aleatório? "Hmm?" Disse ele, dando uma mordida em seu hambúrguer, absorto no jogo. "Quem me quer?" Agora eu revirei os olhos. "Você sabe quem. Essas meninas ali, furando buracos em você." Demorou alguns segundos antes dele preguiçosamente deslizar o olhar do jogo para as três meninas. Elas pegaram-no olhando e riram de novo, mais alto do que antes. E é por isso que, muitas vezes fui excluída das panelinhas femininas; você poderia me encontrar morta do que rir descaradamente para a atenção de um cara bonito. Ele riu delas. "Elas estão tentando muito duro, hein? Talvez eu devesse usar um saco de papel na minha cabeça ou algo assim." "Ou você pode falar com elas. Você precisa substituir Tru, afinal de contas, não é?" Seu corpo ficou tenso e ele arrastou aqueles olhos para mim. Aquele sorriso dele foi embora, substituído por um olhar incomodado que me fez querer ter de volta o que eu disse. Deus, eu não tinha filtro com ele por perto. Desde que estamos confortáveis um com o outro, merda, estava acontecendo, eu tinha afrouxado notavelmente. Ainda mais do que quando eu estava com Ryker. E isso dizia alguma coisa. "Desculpe", eu rapidamente me desculpei, encolhendo. "Você sabe... Eu não quis dizer isso... É que... O que eu quero dizer é..." Meu cérebro estava vazio. Era como se ele soubesse que eu havia dito algo completamente idiota, e que eu merecia sua ira. Ele olhou para

139


mim duro, com um olhar indecifrável no rosto, e então ele se aproximou de mim. Assistiu com sobrancelhas unidas enquanto seus dedos vieram até o canto da minha boca. "O que você ia dizer é...? Vá em frente," ele sussurrou, a ponta de seu indicador escovando meu lábio. Meu ser vibrou com seu toque, e me levou um momento para, finalmente, romper com o olhar e desviar para baixo em seu dedo. Molho. Ele limpou molho... e aqui, eu estava pensando que era algum tipo de momento erótico. Ele lambeu o molho de seu dedo e minha respiração realmente deixou meu corpo. Minha boca se separou em surpresa, e então eu percebi, bem, merda, esse tipo era erótico. "Allie", ele solicitou em voz baixa, como se ele apenas não tivesse limpado molho do canto da minha boca e lambeu-o de seu dedo. Então, como se para me torturar um pouco mais, ele disparou sua língua e lambeu seu dedo de novo, como se estivesse tirando um pouco mais de sabor. A dor familiar reuniu-se na parte inferior da minha barriga, e minhas bochechas aqueceram quando eu soube que isto era luxúria. Ele ergueu as sobrancelhas, me dando outro de seus encantadores sorrisos de parar o coração, e continuou a esperar. Pisquei para ele e, em seguida, olhei para o meu cachorro-quente, ociosamente, me perguntando se eu deveria apenas manchar com um pouco mais molho em torno da costura dos meus lábios e esperar por ele fazê-lo novamente. Talvez ele iria fazê-lo com a língua..." Chega! "Hum, bem," Eu limpei a boca e dei de ombros. "Eu não penso, às vezes. Ignore essa observação. Não é da minha conta quem você lambe... er, você

140


sabe, vê." Ele riu levemente, como se soubesse exatamente por que eu estava me atrapalhando como uma idiota. Levou-me um momento para recuperar algum equilíbrio, e quando voltei a mim novamente – embora ainda com o fogo luxurioso transbordando no meu poço – eu arrogantemente perguntei: "Por que você fez isso agora?" Heath estava se divertindo. É claro que ele estava. Ele não pulou uma batida quando ele fez um gesto com a cabeça para as meninas e disse: "Um pouco carinhoso para esclarecê-las." Olhei para as meninas. Elas estavam assistindo, o seu interesse em nós crescendo, provando que a sua teoria tinha efetivamente o efeito oposto. "Um pouco de cabeças acima não teria matado." "Mas então você não teria reagido da maneira que você fez." "Que maneira?" Ele inclinou a cabeça para o lado e balançou as sobrancelhas. "Você sabe, toda sem fôlego e... varrida." Eu olhei para ele. "É isso que você acha que você fez para mim?" Ele sorriu amplamente – e eu tinha certeza que ouvi o suspiro sonhador dessas meninas – e inclinou-se ainda mais para mim, até que seu rosto estava a centímetros do meu. "Al, estou 100% certo que é o que eu fiz para você. Na verdade, diga-me que o seu coração não está correndo neste segundo." "Não está." Está.

141


Ele sabia que eu estava mentindo. "Não há borboletas no poço do seu estômago?", Ele perguntou em voz baixa. "Não." Sim. "Você realmente é tão imune a mim?" "Sim." Não. Ele estudou-me longa e duramente, em algum ponto movendo-se um pouco mais perto de mim, observando a maneira como eu reagi, enquanto eu lutava para não reagir em tudo. Ele fez isso até que eu podia sentir sua respiração contra o meu rosto. E como um cervo nos faróis, congelei completamente e só observei-o. Meu corpo estava respondendo a sua proximidade; meus dedos doíam para trazê-lo mais perto, minha boca implorou para inclinar-me um pouco para escovar meus lábios contra os dele, o meu coração bateu mais rápido e minha mente fervilhava de imagens de seu torso musculoso envolvido em torno de mim. Eu estava viva em todos os lugares. Não pensei. Nem sequer me lembrei do meu nome. Fui absorvida por ele. Presa ao local como se eu fosse uma parte da terra. E eu passei uma quantidade enorme de tempo pensando em como seria a sensação de ser beijada por ele. Seus os lábios seriam tão suaves como pareciam? Será que eu me desfaria? Deveria beijá-lo de volta?

142


Ele pode ter sido arrogante um segundo atrás, mas agora ele estava tão preso por nosso olhar como eu. Por um breve momento, eu podia ver que ele queria a mesma coisa. Paixão e luxúria reunidas em seus lindos olhos, os lábios entreabertos, sua respiração reduzida e... "Hey Lawson, só, merda, beije-a já!", Gritou um homem. Imediatamente eu desviei o olhar e respirei o que parecia ser o primeiro gole de oxigênio em um século. Risos irromperam na quadra enquanto os caras assistiram, não mais jogando basquete. Ouvi Heath expirar em voz alta e de minha visão periférica vi quando ele se afastou, mas eu não poderia ousar olhar para ele. Não por alguns momentos. O constrangimento era sufocante. "Oh, vamos lá! Nenhuma ação?" Gritou o cara de novo, quicando a bola de basquete com falta de entusiasmo. "Sim, muito engraçado", Heath respondeu, e ele não parecia nem um pouco divertido. Eles cacarejaram novamente e ele grunhiu em aborrecimento antes de dizer-me: "Vamos sair daqui." Levantei-me e andei ao seu lado. Levou apenas alguns minutos – minutos que pareceram horas – antes dele acalmar o momento estranho, retornando ao que ele era bom: me fazer rir. E enquanto ele dissipou o momento estranho como um profissional, não poderia balançar o que eu sentia por ele para fora de mim. Semeou em mim e cresceu, e cresceu... E cresceu.

143


Linhas foram ofuscadas, e eu n達o poderia dizer onde, ao longo do caminho, eu parei de me preocupar.

144


Capítulo Dez Heath

Obrigado, diabos, eu não tenho mais que vê-la por aí, andando com as roupas de Ryker. Isso fez o meu sangue ferver e meu coração acelerar com raiva. Era irracional como o inferno, mas eu senti que ela não foi devidamente cuidada, estando em roupas de outro homem, mesmo que fosse alguém que ela amava. E só de pensar nela amando Ryker, me deixa puto. Porra, eu estava louco. Talvez eu estivesse gastando muito tempo com uma menina e era por isso que eu tinha desenvolvido este tipo de possessividade sobre ela. Talvez eu precisasse ramificar-me e tentar foder alguém em breve, e bani-la dos meus pensamentos. Porque isto era errado. Era um erro, como o inferno, olhar para Allison e sentir essa, estranha prá caralho, dor aprofundando interiormente. Eu sabia o que estava acontecendo comigo, mas eu estava me submetendo a essa tortura com um sorriso maldito no meu rosto. Correndo para casa depois de um dia de merda no trabalho, sabendo que ela estaria lá. Falando sobre os nossos dias.

145


Assistindo televisão de merda até as primeiras horas da manhã – que incluiu algum reality show lixo sobre uma menina com uma bunda gigante que me fez homicida. Fingindo dar a mínima para seus assuntos na escola quando ela falou sobre eles, quando tudo o que eu realmente gostei foi ouvir o delicado som de sua voz. Isso estava ficando fora de controle, e enquanto eu estava me sentindo massacrado por dentro, ela não sabia de nada. Eu mantive-me enrolado apertado, não permitindo que ela visse o efeito que ela tinha sobre mim. Quanto mais dias se passaram, mais o sentimento cresceu, e minha raiva tinha escalado a um ponto de não retorno. Eu estava apenas grato que eu tinha uma grande luta. Eu estava no banheiro me preparando, enfaixando minhas mãos como um meio para passar o tempo. Eu não quero estar perto de Allie. Ela me atordoa com pensamentos que acabei me repreendendo por ter. Eu estava me sentindo um pouco desequilibrado. Dormir não tinha vindo fácil ultimamente, não quando eu estava passando a maior parte da noite em um sofá com uma menina que eu não podia tocar. Eu não tinha tido a porra de uma liberação em tempos – não desde Tru – e isso estava realmente começando a mexer com a minha cabeça. O sexo era uma grande coisa para mim; uma maneira rápida e eficaz para me endireitar novamente. Tru teria sido uma boa solução, mas eu não tinha pensado nela nem uma vez desde que ela quebrou a bandeja dos muffins no

146


chão da cozinha e decolou. Não é legal. Mas nessa nota, eu não tinha pensado sobre tocar qualquer outra pessoa em tudo... salvo por aquela que eu não podia. Eu estava apenas me torturando e desfrutando da miséria derivada disso? "Outra luta?" Sua voz me fez tenso por um segundo. Olhei para cima das minhas mãos e em sua posição na porta, vestindo essas porras de shortinhos e uma blusinha rosa. Uma aguda dor na virilha entrou em erupção, e eu pensei, sim, eu devo estar me torturando. Com quase 16 semanas, sua barriga de grávida ainda não era óbvia, embora eu notei sua forma arredondada toda vez que ela se espreguiçou e sua camisa subiu. A maioria iria pensar que ela estava apenas inchado. "Sim", eu simplesmente disse, olhando para trás, para as minhas mãos. Eu não queria falar. Eu precisava dessa raiva reprimida fora do meu sistema. Necessária para lutar, necessária para foder, necessária para voltar ao que era a vida antes dela. Não havia nenhuma maneira, eu não podia. Especialmente quando a garota que eu estava ansiando era fruta proibida. Porra, eu era patético. "Você sabe onde?", Perguntou ela então. Eu suspirei. "Armazém, novamente." "Talvez eu devesse ir e torcer por você. Seria uma maneira divertida de passar o meu..."

147


"Não", eu cortei bruscamente, olhando para ela. "Não esta noite." No meu tom, seu corpo recuou e sua excitação foi lavada. Ela simplesmente assentiu com a cabeça e me viu sair do banheiro e ir ao meu quarto. "Você pode pedir pizza," Eu brevemente disse ela, abrindo a gaveta de mesa de cabeceira ao lado da minha cama e agarrando alguns preservativos. Enfiei-os no bolso da minha calça jeans e olhei por cima do meu ombro quando senti sua presença. Ela estava em pé na porta, e seus olhos estavam no meu bolso antes que eles voltassem para o meu. "Eu vou chegar um pouco tarde hoje à noite", eu acrescentei com força. Seu olhar continuou a piscar do meu bolso de trás ao meu rosto algumas vezes, e eu podia ver a compreensão lá. E a mágoa. Eu não gosto da sensação que me deu que ela sabia o que eu estava fazendo, mas eu engoli. Eu era um homem adulto. A culpa não era um sentimento que eu merecia. Eu não tinha feito nada errado. Ela não era minha. Eu não era dela. Tínhamos uma linha que nos separava de nunca ficar juntos, e a bombardearia se eu pudesse. Mas não podia. "Tudo bem". Ela disse baixinho, franzindo a testa agora. Antes que eu pudesse dizer alguma coisa, ela virou-se e decolou para o corredor. Eu ouvi a porta do quarto ser fechada calmamente. Exalei e passei a mão pelo meu cabelo. Porra! Eu não queria ir a qualquer lugar. Eu queria passar a noite no sofá, queria ela perto o suficiente

148


para sentir seu calor, ouvir sua risada, vê-la sorrir... Praticamente, eu queria foder com ela com os meus olhos, porque eu não podia com as minhas mãos. Eu sou um bastardo doente. Peguei minhas chaves e saí de lá.

A luta foi uma piada. Subi contra outro injetor de esteroide que foi incapaz de fazer um pouco de treino de cárdio. Estes estúpidos eram todos a mesma porcaria, não eram? Eu não podia admirar alguém que tomou atalhos para parecer rasgado, então eu deixei que ele tenha. Pintei seu rosto bonito com sangue, mas acabou em poucos minutos e fiquei desapontado. Meu corpo estava vibrando, a adrenalina tão alta que eu estava tentado a correr ao redor de um quarteirão, talvez pular e perambular pelas ruas e isso não era nada bom. Em vez de cair fora de lá no final e ir para casa como de costume, eu aceitei a oferta de Matt para ir até o bar. Não era a minha cena desde Allie, mas eu precisava de uma forma de extravasar a minha energia. Bebi um pouco com alguns lutadores e deixei meus olhos vaguearem pela sala. Havia garotas em todos os lugares, dando-se a todo homem que estava a fim de uma perseguição. Eu não teria que correr atrás, e eu não estava sendo arrogante dizendo isso. As meninas me amavam. Eu poderia abocanhar duas em uma noite, ao mesmo tempo, se era algo que eu queria fazer.

149


Em vez disso, eu procurei as morenas de olhos azuis, sabendo muito bem por que. Certamente haviam meninas mais bonitas com essa descrição do que a que eu estava vivendo. Talvez se eu encontrasse uma, ela poderia me tirar do buraco em que eu estava. Encontrar uma menina que era solteira, não no amor com meu irmão e grávida dele, seria gloriosamente fácil... Mas nessa nota, a gravidez de Allie estava fazendo algumas maravilhas para seu corpo. Ela estava ficando com algumas curvas, e eu poderia dizer que ela não estava acostumada com a maneira como as roupas se encaixavam, abraçando a ampliação dos seus quadris. No entanto, ela reclamou sobre eles, e eu deveria ter me irritado cada vez que ela deixou mostrar sua insegurança, mas eu estava estranhamente ansioso para agradá-la e fazê-la ver como ela estava errada. E agora você está pensando nela novamente, você fodido idiota. "É bom ver você fora". Matt disse de repente, olhando-me por trás de sua cerveja quando ele tomou um grande gole. "Não achei que você tinha isso em você." Dei de ombros em sua observação. Desde o incidente no bar, Matt era estranho de estar ao redor. Ele estava sempre me olhando com curiosidade, como se houvesse uma bagagem de pensamentos por trás daqueles olhos. "É por causa de Allie, não é?" Perguntou ele então. Eu atirei-lhe um olhar e não respondi. Ele estava de volta no meu caso sobre isso? Por que ele estava tão obcecado? "Gastando muito tempo com ela, eu acho."

150


"Ela mora comigo", retruquei. "Não tive nenhuma escolha no assunto." "Não tenho certeza se Ryker iria gostar." Mordi o lábio inferior duro e evitei seu olhar. Ele estava pedindo por mais um soco no rosto? "Você está tentando começar um problema?" Rosnei, olhando-o perigosamente. O idiota presunçoso sorriu para mim. "Nah, cara. Estou apenas dizendo..." "Cuide da sua vida de merda, Matt." "Você é meu amigo, e eu só quero lembrá-lo. Isso é tudo." "Lembrar-me de quê?" Ele deu de ombros e olhou para o lado, fingindo estar ocupado por um grupo de meninas no canto do bar. Calmamente, ele respondeu: "É sobre o que pertence a você, e que não pertence." Eu não respondi. Eu estava com raiva. Ele sabia disso também, porque ele levantou-se e acenou uma vez para mim antes de fazer seu caminho para algumas meninas. Eu refleti sobre suas palavras durante vários minutos. O idiota estava certo. Foda-se, eu precisava de Allie fora da minha cabeça.

151


Engoli um pouco de cerveja e vi uma menina com longos cabelos negros e pele pálida, bebendo em uma mesa próxima. Ela pegou o meu olhar e sorriu para mim. E essa foi a minha sugestão. Levantei-me e dirigi-me para ela.

Allie Triturei meu dentes e lutei contra as lágrimas nadando atrás de meus olhos. Hormônios estúpidos estavam transformando-me em uma louca emocional. O que diabos estava errado com Heath? O que eu tinha feito para ele ser tão frio comigo de repente? Eu sabia que não deveria ficar chateada. O que ele fez foi o seu próprio negócio. Além disso, o que eu estava sentindo estava errado. Ele era irmão de Ryker. Ele estava completamente fora dos limites. Fui até a cozinha e abri a pizza que foi entregue há uma hora. Peguei meu terceiro pedaço e olhei para a bagunça de queijo, não vendo nada, mas o olhar no rosto de Heath quando ele embolsou aqueles... "Os preservativos." Eu sussurrei em voz alta com um escárnio. "Ele pegou o preservativo."

152


Ele estava trepando com alguma garota no momento. Provavelmente alguém tão bonita como Tru. Inferno, era provavelmente Tru. Bem, ele e Tru podiam cavalgar pelo pôr do sol e ter o seu felizes para sempre, ou o que quer que deixe-os felizes. Na minha opinião, eu acho que eles mereciam cavalgar em um poço de lava e sofrer uma longa e dolorosa morte. Bem, não importa. Isso foi um escuro pensamento para ter. Talvez apenas Tru? O som de uma chave na porta da frente agitou-me para fora dos meus pensamentos assustadores. Meu coração pulou uma batida, uma vez que a porta se abriu, e eu estava esperando o som de uma risada enchendo o ar, ou um par de pernas longas vir mergulhando para dentro do apartamento. Mas apenas um corpo entrou pela porta. Heath. Ele estava desgrenhado, sua camiseta de treino suada e seu jeans pendurado abaixo. Seus movimentos eram lentos. Ele fechou a porta e passou a mão pelo cabelo escuro e longo, sem parecer um pouco embriagado. Era quase uma da manhã, então eu assumi que ele estava. Eu estava parada tão quieta e silenciosa, que ele não havia me notado até que virou o corpo para a cozinha. Quando seus olhos se encontraram com os meus, ele parou de se mover. Estudei esse rosto, travando o meu olhar por um segundo em sua boca que estava entreaberta. Eles foram feridos? Eles não pareciam inchados. Seu corpo brilhava com suor, fazendo seu grande corpo musculoso parecer mais cortado e pronunciado. O que tinha ele tão malhado?

153


"Você teve uma boa noite?" Eu encontrei-me perguntando, não mascarando a amargura na minha voz. Eu nunca fui boa nisso. Eu sempre fui embora antes de um confronto. Não gostava de brigas, mas depois de tudo nessas semanas de passar tempo com ele e vê-lo me cuidar, eu fiquei arrasada e confusa. "Será que você festejou depois de sua vitória? É por isso que você estava fora por tanto tempo?" Ele não respondeu. Ele só olhou para mim. Algo estava muito fora. Não gostei da sensação. Não entendi o que significava, e estava começando a me irritar. Eu queria algum tipo de reação dele, caramba. "Espero que você colocou os preservativos para usar também", acrescentei, apesar de cada parte de mim tremendo. Seu corpo ficou tenso e ele respirou fundo. Sim, uma maldita reação finalmente. Ele não era um manequim, afinal. "Você estava com uma garota?", Deixei escapar, e eu imediatamente me senti estúpida por perguntar. Mordi o lábio duro enquanto os meus olhos lacrimejavam. Emoção rompeu e ele parecia irritado com a minha pergunta. "Por que isso importa para você?" ele respondeu. "Por que pergunta isso?" Não respondi. Ele deu um passo para frente, seu corpo de repente assumiu um olhar ameaçador quando ele, furiosamente, apontou para mim e disse: "Por que você não está respondendo, Allie? Não gosta quando você é a que está sendo instigada com perguntas?" Fiz uma careta para ele e me virei para sair.

154


"Não ande para longe, porra". Disse ele, fazendo-me parar em meus passos. "Que tal me responder, hein? Por que isso importa para você, se eu estava com uma garota?" "Não importa.", eu respondi. "Não?", Ele repetiu com ceticismo. "Então, por que perguntar, Allie?" Tomei mais alguns passos, virando de costas para ele. Deus, eu tinha aberto uma lata de vermes com essa. Eu não deveria tê-lo questionado assim! Merda, o que havia de errado comigo? "Porque você não pode admitir o que você sente?" Eu parei e me virei. Ele ainda estava colado ao chão, me encarando. Eu balancei a cabeça para ele. "Eu não sei do que você está falando..." "Como diabos você não sabe o que eu estou falando?" "Eu não sinto nada por você..." De repente, ele veio até mim, movendo-se rapidamente, ainda com o olhar de raiva e... algo mais. Determinação? Desejo? Cristo, eu não sabia. Eu estava muito ocupada tentando parar meu coração de saltar no meu peito quando ele bateu direto para mim, me batendo um passo para trás quando esmagou sua boca na minha. Eu teria caído se ele já não tivesse me agarrado pela cintura. Seu beijo era duro, mas seus lábios estavam macios e molhados. Eu imediatamente me vi relaxando em seu abraço, fechando meus olhos enquanto

155


o beijo assumiu cada parte de mim. Eu o beijei de volta com igual paixão, trazendo a minha mão até seu peito duro e ao redor de seu pescoço. Deus, ele poderia beijar. De repente, ele se afastou e olhou para mim, deixando-me surpreendida quando ele disse, "Eu sabia porra. Você não é tão imune a mim depois de tudo." Meus olhos se arregalaram em choque. Eu senti como se tivesse levado um chute no estômago. Ele beijou-me apenas para provar que eu sentia algo por ele? Eu trouxe a minha mão de volta para baixo e tentei empurrá-lo na minha raiva, mas ele não me deixou ir. "Tire suas mãos de mim", Eu disse a ele, percebendo pela primeira vez desde que ele chegou em casa, que nós nunca tínhamos falado um com o outro de forma tão negativa antes. "Não", ele disse, segurando-me mais apertado contra ele, até que todo o seu corpo foi pressionado contra mim. Ele era tão quente. Tudo o que meu corpo queria fazer era ceder e deixá-lo fazer o que ele queria comigo, mas eu não podia permitir isso. "Pare". Pressionei novamente, perguntando por um segundo se eu estava falando com ele ou comigo. "Por quê?" Ele perguntou, sua voz assumindo um tom mais suave que antes. Seus olhos escuros procuraram os meus. Ele parecia tão delicioso de perto. Eu não conseguia desviar o olhar, nem se eu tentasse. Tudo sobre

156


Heath era cru e masculino. Sua mandíbula, seu restolho, seu cabelo crescendo, aqueles olhos ferozes... "Porque é errado." Ele levou minhas palavras em consideração. Respirou lentamente conforme ele me olhou. Enquanto isso, eu estava ofegante, esperando que ele dissesse alguma coisa. Seus braços soltaram. Meu coração bateu quando ele deu um passo para trás e passou a mão pelo cabelo. Eu não parei para tomar esse olhar perturbado no seu rosto. Voltei para o meu quarto, onde eu fechei a porta e fiquei no escuro. Quando eu não ouvi nenhum movimento, meus ombros cederam e desabei na cama. Fechei os olhos com força e respirei pela boca lentamente. Todo o meu corpo estava quente com nervosismo. O que diabos aconteceu? Ele me beijou, e eu devolvi aquele beijo sangrento com tudo dentro de mim. Ele sabia exatamente o que eu sentia por ele! Eu agora estava com medo do que ele pensava de mim. A última coisa que eu queria era jogar uma cunha entre nós e afastá-lo. Quem gostaria de estar ao redor de uma menina grávida, hormonal, cujo bebê pertencia a seu irmão, com ciúmes e necessitada de você em vez disso? Sim, eu totalmente estraguei tudo. Eu queria rastejar debaixo da minha cama e morrer de humilhação. A manhã ia trazer o embaraço direto de volta como a força de uma maldita onda. Mas, Deus, ele me beijou! Ele não tinha que fazer isso para provar um ponto. Eu estava começando a pensar que ele se arrependeu. Por que mais ele iria para longe de mim assim?

157


A porta de repente rangeu e meus olhos se abriram. Olhei para a porta escura e vi sua imóvel figura ocupar a maior parte do quadro, lembrando-me o quão grande ele era. Seus braços estavam contra os lados, e ele estava inclinado para a frente. Eu não podia ver seu rosto claramente, mas eu podia sentir aqueles olhos intensos furando em minha cabeça. "Você disse antes de eu sair, que você gostaria de estar na luta, e eu cortei-a antes de deixar você dizer-me a razão". Disse ele, surpreendendo-me com uma direção completamente diferente da conversa. "Isso de repente, ocorreu-me há um tempo atrás, e eu quero saber qual era sua razão." Por que isso importa, de repente? Ele foi e eu fiquei em casa sozinha. Apertei os lábios enquanto eu pensei em mentir para ele mas, em seguida, que tipo de pessoa eu seria se eu não fosse honesta? "Eu queria fazer alguma coisa para a minha marca de quatro meses", eu sussurrei, olhando para o teto escuro . Ouvi-o mudar de posição e deixar escapar um longo suspiro. "Foda-se.", ele murmurou. "Eu sou um idiota." "Não, você só... não queria que eu fosse. Não importa. Eu não tenho que segui-lo em todos os lugares que você vai..." "Eu gosto de ter você por perto", ele cortou, exasperação construindo em seu tom. "Não é nada disso." "Então por que você me empurrou para fora?" Perguntei, meus sentimentos feridos escapando para fora, obviamente.

158


Eu olhei para ele de novo, estando em linha reta agora, na porta, com os olhos duros ainda em mim. Mesmo há metros de distância eu podia sentir o cheiro dele, e me torceu o quanto eu gostava dele, o quanto me acalmou. Ele provavelmente passou um tempo com uma garota mais cedo e ainda assim eu ainda estava ansiando por sua companhia, e me senti estúpida e com nojo de mim mesma por isso. "Foi porque eu estaria no caminho, não é?" Pressionei quando ele não tinha respondido imediatamente. "Você queria sair e estar com seja quem for e não precisar se preocupar com a garota jovem, estúpida, grávida..." "Pare, Allie, pois não é nada disso." "Então, me ilumine." Minha voz falhou e eu odiava que as lágrimas estavam caindo pelas minhas bochechas. "Eu não sabia sobre a sua marca", disse ele em voz baixa. "E se não fosse? Será que você ainda teria me escovado para fora?" "Não." "Você estava com uma garota?" A pergunta saiu de mim de novo sem pensar, impulsionada puramente por minhas emoções. Eu precisava saber. Eu odiava o seu silêncio. Odiava o jeito que fez o meu peito doer e minha respiração clarear. Deus, ele realmente estava, não estava? Eu estava com raiva e desapontada com ele. Eu me atirei para fora da cama e fui para ele. Empurrei-o para trás. Ele mal se mexeu, me observando atentamente

159


enquanto eu fiz uma tola de mim mesma tentando removê-lo do meu quarto. "Basta ir, Heath. Eu quero ir para a cama." Ele forçou minhas mãos antes de me puxar para ele. Seus braços vieram em volta de mim, me trazendo de volta na mesma posição que ele me deixou ir mais cedo. Seu nariz tocou o meu e minha respiração parou. "Não". Ele sussurrou de repente para mim, sua respiração bateu no meu rosto enquanto seu nariz aninhou o meu. Relaxei com alívio e meu coração apertou terrivelmente. "Eu ia, no entanto," acrescentou arrependido. "O que te parou?" "O que você acha?" Quando eu não respondi, ele me pegou e me levou para minha cama, lentamente me colocando para baixo. Ele se moveu também, descansando seu corpo atrás do meu. Prendi a respiração, imaginando o que ele estava fazendo, até que sua mão queimando tocou meu ombro. Senti o calor dele atrás de mim quando ele passou o braço em volta do meu torso. Eu estava tão surpresa com tudo isso, mas eu não deixei minha surpresa aparecer. Me senti moldada perfeitamente para ele, e eu amei como bem me senti. Meu coração estava batendo forte no peito e minha mente tentou envolver-se em torno dele tocando-me assim. Quando seu nariz começou a arrastar na parte de trás do meu pescoço e minha escápula, eu parei de pensar e meu corpo se centrou em seu toque. Tudo que eu queria era a sua boca de volta na minha, porque o que eu senti quando ele me beijou foi absolutamente divino.

160


"Você está me deixando louco". Ele deixou escapar, com a voz tensa e triste. "Tudo que eu quero fazer é estar ao seu redor. Não consigo parar de pensar em você. Eu não consigo parar de me imaginar dentro de você, te beijar, tocar cada centímetro suave desta linda pele. Eu não posso parar, e acredite, eu tentei. Mas eu prefiro me torturar por estar perto de você e saber que eu não posso te ter, do que estar com alguma foda sem significado que não vai me tocar no interior do jeito que você faz." Seus lábios contornaram ao longo do meu ombro, e se deslocaram até a curva do meu pescoço. Cada centímetro de mim explodiu em arrepios enquanto eu apreciava a sensação. "Diga-me

que

não

estou

sozinho

nessa",

ele

murmurou

desesperadamente. Eu balancei a cabeça ligeiramente, tremendo agora. "Diga. Diga-me o que você sente." Eu abri minha boca, mas eu não sabia formar as palavras. Elas pararam na minha garganta, duras como rocha, tornando mais difícil até mesmo respirar. Ele gentilmente me puxou, até que eu estava nas minhas costas e seu rosto estava sobre o meu. Sua boca estava a centímetros de distância, seus olhos olhando para os meus, procurando uma resposta. O ar era espesso ao nosso redor. Meu corpo todo apertado com antecipação, mas eu estava igualmente com medo. Isso estava errado. Eu sabia ali mesmo. Eu estava brincando com fogo. Não, nós estávamos brincando com fogo. Isso não poderia acontecer. Seria apenas complicar as coisas de uma forma irrecuperável, mas o meu ser tornou-se vivo. Eu gostei da sensação de

161


ele estar tão perto. Eu queria seu toque. Eu queria seu beijo. Eu queria que ele continuasse a dizer o que ele sentia por mim. "Você não está sozinho". Eu finalmente consegui falar. Por um tempo, foi apenas isso: o seu rosto sobre o meu, nossos olhares se encontraram, nossas bocas se separaram. Muitas palavras não ditas estavam balançando no ar em torno de nós, implorando para serem ditas. Mas não dissemos nada. Talvez a gente queria fingir que este momento era simples e descomplicado. Apenas duas pessoas que se gostavam e queriam mais, sem a toda a bagagem para fazer-lhe sombra. Sua mão tocou o lado do meu rosto. Ele acariciou minha bochecha levemente. "Heath", respirei, olhando para seus lábios. Eu queria eles novamente. Deus, eu queria senti-los. Ele estava em guerra com seus pensamentos. Sua parte superior do corpo tremia enquanto ele lutava para recuperar o controle. Ele fechou os olhos por um segundo e respirou fundo. "Foda-se", ele sussurrou antes de bater a boca contra a minha.

162


Capítulo Onze Allie

Seu beijo era lento, cauteloso. Seus lábios macios roçaram os meus uma e outra vez. Sua mão em concha do lado do meu rosto quando ele pressionou seu corpo contra o meu. Me cobrindo com necessidade enquanto eu beijei-o desesperadamente. Segurei a parte de trás de sua cabeça, puxando-o para mim, meus lábios entreabertos e minha língua saiu para saboreá-lo. Ele abriu a boca e me acolheu, deslizando sua língua entre meus lábios, tocando a minha. Meu corpo cantarolava com prazer na forma erótica, lânguida que ele me beijou. Meu Deus. Isto era além de bom. Melhor do que antes. Meus quadris mexeram-se contra ele, já sentindo uma dor entre as minhas pernas. Sua outra mão à deriva contra meu lado, segurando meu quadril com força. Esta foi uma subida rápida. Quando ele abriu minhas pernas e moeu contra mim, me libertei de sua boca e gemi alto e longo no ar. Sua calça jeans era grossa, mas eu podia sentir a protuberância endurecida à medida que avançava em mim novamente. Ele ofegava contra a minha boca, agarrando o meu cabelo com uma mão e apertando mais duro no

163


meu quadril com a outra. Nós estávamos superaquecidos e suados, os sons de nossas respirações rápidas, pesadas assumindo cada centímetro do quarto. Minha cabeça girava com a luxúria. Eu não conseguia pensar. Olhei para o teto escuro quando a dor entre as minhas pernas piorou. As sensações foram bater-me com força e rápido, e eu estava impotente na sensação viciante. Seus beijos molhados trilhando o meu pescoço, lambendo um caminho para a minha clavícula. O calor da sua carne contra a minha. A sensação de sua mão se movendo debaixo da minha camisa, ao longo da borda da minha calça de pijama. Suas maldições suaves enquanto ele continuou moendo em mim, murmurando: "Foda-se". Uma e outra vez, fazendo mais gemidos enchendo o ar. O cheiro de seu suor e água de colônia, tão incrivelmente diferente de Ryker. Ryker. Fechei os olhos com força, conforme o nome colocou buracos no meu peito. Heath sente-se incrível e direito me tocando assim. Eu não queria estragar o momento, não queria que ele visse a batalha que eu estava tendo por dentro...

164


Mas eu não precisei. Ele lambeu minha garganta, me beijou apaixonadamente – drenando cada pedaço de si mesmo –, antes que ele se afastou e olhou para mim. Ele ainda estava tremendo, ainda ofegando duro contra a minha boca, e ainda duro como granito entre as minhas pernas, mas o olhar conflituoso em seus olhos provavelmente espelhou o meu. Nós sabíamos que isso estava errado. Ele esfregou o nariz contra o meu, com o peito arfando enquanto ele sussurrava: "Isso não pode acontecer no quarto do Ryker, Allie." Balancei a cabeça, mas o meu braço se moveu em torno de seu pescoço, mantendo-o plantado onde ele estava. Eu não queria que ele saísse, mas tinha a sensação de que ele ia fazer. Ele era minha âncora e, se ele não estivesse comigo agora, eu ia afundar. Pressionei minha boca contra a sua de novo, beijando-o, e amando quando ele retornou fervorosamente. Mas no segundo que eu lambi a minha língua contra os lábios, ele relutantemente se afastou novamente. "Diga-me para parar". Ele então disse, seu peito se movendo mais rápido do que nunca. "Diga-me que não podemos fazer isso." O Quê? Não. Não. Não. Pisquei as lágrimas. "Eu não posso dizer isso." "Allie..." ele gemeu como se estivesse aflito, retornando o próximo beijo que eu roubei dele. Sua mão viajou o meu comprimento novamente enquanto ele aprofundou o nosso beijo, estremecendo a cada gemido que eu dei. Deus, o

165


que eu estava fazendo para torná-lo tão excitado? Eu não sabia. Eu não entendo isso, mas Cristo, ele me fez sentir tão bem e... querida. Eu estava tão quente com necessidade, me sentindo primitiva. Eu só queria. Deus, me dê isso! Eu queria implorar para ele não parar. Eu queria gritar para ele me dar o que tanto queríamos agora, e mesmo embora eu estava beijando, engolindo sua paixão até que estava correndo através de mim, eu ainda podia sentir sua relutância. Choraminguei quando ele quebrou o beijo e baixou a cabeça entre meu pescoço e ombro. Ele balançou a cabeça. "Allie, por favor..." "Eu não quero que você pare," resmunguei. Minha voz parecia que tinha sido passada contra uma lixa. Eu não poderia me reconhecer. Quem era essa garota que só queria jogar a precaução ao vento e não se preocupar com as consequências? Era a sensação viciante dele, eu sabia. Era o sabor dos lábios que eu não poderia ter o suficiente. Uma parte egoísta de mim queria dizer que era tudo culpa dele por ser tão gostoso! "Eu estou tão dividido agora", ele sussurrou." Meu corpo está partido em dois. Jesus. Quero transar com você até que você esteja em pedaços, mas quero ir embora também." "Não vá embora." Eu não quero que soe como um apelo, mas ele soou. A verdade era que eu precisava dele, eu precisava dessa conexão. Eu precisava quebrar o vazio que estava silenciosamente me matando por dentro a cada dia que passava.

166


Ele gemeu, tomando um momento para decidir. Talvez ele estivesse esperando a necessidade passar. Talvez eu também estivesse. Infelizmente, não tive tanta sorte. Tocá-lo estava fazendo ficar pior. "Fique comigo". Eu sussurrei, temendo a rejeição como nada mais antes. "Por favor." Essas palavras foram sua ruína. Ele me beijou com força; língua e mordidas suaves ao longo de meus lábios. Fui negligente, deixando-o vaguear onde ele queria, saboreando cada pedacinho dele quando ele magistralmente me tocou. Eu gemia e respirava asperamente quando sua mão escorregou para o lado do meu corpo e descansou entre as minhas coxas. Não querendo que ele parasse, agarrei-o com força, nem uma vez contestando algo disso. Eu senti como se estivesse me rendendo completamente a ele. Isso fez parar o tempo. O mundo escapou enquanto ele continuava a me atormentar. Seus dedos se moveram, flutuando suavemente sobre minha barriga, puxando a minha camisa para cima ao longo do caminho até que foi agrupado acima dos meus seios. Ele se afastou de minha boca e olhou para o meu sutiã branco liso. Ele puxou os bojos para baixo, expondo meus seios para ele. Sua respiração engatou quando ele arrastou o dedo ao longo de ambos os mamilos, endurecendo-os instantaneamente. "Porra, Allison." Essas palavras me ligaram tanto quanto seu toque. Eu mal respirava quando aqueles dedos continuaram pelo meu estômago, escovando levemente

167


contra o cós da minha calça de pijama. Meus quadris empurrando para fora da cama, pressionando os dedos. Olhei para seu rosto hipnotizado, esperando ansiosamente ele continuar. Deus, é melhor ele continuar, porra! Ele lambeu os lábios, molhando-os de uma maneira que me fez querer lamber a umidade fora, antes dele mergulhar os dedos lentamente sob as minhas calças. Minhas bochechas aqueceram quando eu os senti vagando ao longo da borda do meu núcleo. Ele estava tentando me matar? Ele me deu outro beijo, enquanto ele lentamente me tocou mais perto de onde eu mais precisava dele. Quando as pontas dos dedos contornaram minha fenda, deixei escapar um gemido e ele grunhiu em resposta. "Você está tão molhada". Disse ele de um jeito dolorido. "Porra, você realmente quer isso." Como eu não poderia? Eu simplesmente assenti enquanto meus olhos rolaram para o fundo da minha cabeça com as sensações. O calor e a sensação de formigamento percorreu-me quando ele vagou até minha fenda, circulando meu clitóris de uma forma que tirou mais gemidos. Oh meu... Eu estava preparada para chamá-lo de Deus, se ele quisesse. Inferno, eu diria que ele era o diabo em vez disso, porque essas sensações eram nada menos do que pecado. Ele estava me tocando como se ele já conhecesse meu corpo muito bem. Nunca pensei que poderia sentir tão bem.

168


Quando continuou colocando a metade de baixo do meu corpo em chamas, ele pegou meu mamilo na boca e chupou levemente. Descansei minha mão contra a parte de trás de sua cabeça, movendo os quadris novamente, incentivando-o a continuar. Para não parar. Por favor, nunca pare. "Você gosta disso?", Perguntou ele, respirando acaloradamente contra os meus seios, cada vez que eu gemi. Não pensei que podia ser tão erótico. Eu não sabia o que eu estava dizendo exatamente. Um monte de sons inarticulados e pouco inteligentes saindo com pressa, como, "Não pare... Deus... Heath... Sim, assim... eu não posso acreditar... Tão bom." Eu tinha certeza de que eu estaria constrangida se eu não estivesse tão ligada. Eu estava perdida nesse mundo que ele construiu em torno de nós. Eu nunca quis deixar essa maldita cama. "Não pare." Ele não parou. Ele não parou, porra. Eu nunca tive isso acontecendo comigo. Esperei que ele se afastasse e pedisse para ser devolvido o favor. Ele não pediu. "Oh meu Deus."

169


No segundo que ele deslizou seu dedo dentro de mim, o orgasmo construiu em tempo recorde. Uma pincelada. Duas pinceladas. Três pinceladas. Quatro... E eu fui, gritando para o ar, arrastando o seu nome enquanto eu ia. Eu tremia pela sua intensidade e ele abafou meus gritos com essa bela boca dele. "Merda, Allison", disse ele em confusão. "Merda, você está me matando." Eu desci do alto, mas meu desejo por ele era tão forte, se não mais. Eu o beijei novamente, agradecendo-lhe em silêncio pelo mais maravilhoso orgasmo que eu já tive. Ele se afastou e olhou para mim, aqueles olhos famintos escurecidos com cada segundo que passava. "Você..." ele fez uma pausa e olhou em meu rosto. "Você quer mais, Allison?" Allison. Ele disse meu nome completo em uma noite mais vezes do que eu já tinha sido chamada por ele em toda a minha vida. Ele estava me destruindo, esse cara. "Sim", eu disse imediatamente. Não houve hesitação. Se ele detectasse o menor indício, todo este momento entraria em colapso ao nosso redor. Eu não tinha certeza de quais pensamentos se escondiam dentro dele, mas o olhar que ele estava me dando, fez o meu coração entrar em erupção.

170


Era tão quente. Tão bom. Nada como o olhar cheio de luxúria que ele tinha dado à Tru. Ele me beijou suavemente. "Ok". Ele sussurrou. Então, tudo aconteceu de uma vez. Ele tirou minha roupa rapidamente, surpreendendo-me pela forma áspera que ele estava. Ele puxou minha camisa sobre a minha cabeça, puxando alguns fios de meu cabelo comprido no processo, em seguida, puxou para baixo os meus shorts e roupas íntimas, removendo-os completamente fora de uma perna, mas deixando a outra pois não tinha tempo de sobra. O Heath que eu conhecia era bom em tudo o que fazia. Ele era calmo e sereno. Ele era encantador e suave. Este na minha frente agora estava em todo o lugar. Um segundo beijando os meus lábios, no próximo, o meu pescoço e os meus seios, arrancando meu sutiã como se houvesse uma contagem regressiva que eu não sabia. Eu estava quente ao toque pelo tempo que ele começou a tirar suas próprias roupas, e dificilmente levou alguns segundos antes que ele estava pressionado contra mim de novo, desta vez carne contra a carne. Ele diminuiu seus movimentos por completo quando ele se estabeleceu entre as minhas pernas, lambendo entre os meus lábios abertos com sua língua quente. "Eu nunca pensei que eu estaria com você assim". Disse ele. "Eu sinto que estou sonhando." "Se você estiver, não acorde."

171


"Acredite em mim, eu não vou... Vai precisar de um trem de carga para me bater para fora disto." Fechei meus olhos quando eu senti a ponta dura de sua ereção empurrando para cima e para baixo as minhas pregas, e ele murmurou de novo como eu estava molhada. Como é bom me sentir contra a cabeça do seu pau. Era como se ele estivesse me provocando com o seu comprimento, deslizando sobre a minha entrada e me fazendo sentir mais vazio do que nunca. "Heath," choraminguei. "Por favor..." Sua respiração se acelerou conforme minhas palavras. Ele se acalmou na minha entrada e lentamente empurrou para dentro de mim, enchendo-me polegada após polegada com tudo dele. Eu engasguei com a plenitude do meu corpo se estendendo por ele. Ele ficou tenso quando ele saiu, deixando escapar um silvo agudo. "Puta que pariu", ele gemeu. "Você é apertada, Allie. Foda-se, você se sente bem." Moveu-se para dentro e para fora algumas vezes em um ritmo dolorosamente lento, saboreando a sensação disso. Ele amaldiçoou enquanto ele foi, me encaixotando com seus braços enquanto ele tentava segurar-se de ir mais rápido. "Tem sido um longo tempo para mim". Ele murmurou depois de um beijo. "Eu não sei quanto tempo eu posso me manter segurando." Balancei minha cabeça contra sua boca. "Não se segure então."

172


Ele moveu-se mais duro em mim e nós gememos em uníssono. Deus, me senti bem. Segurei-o mais apertado quando ele pegou o ritmo, me esticando com cada estocada, o impulso rápido. Ele beijou meu pescoço, lambeu o oco da minha garganta antes de tomar meu mamilo em sua boca. Ele chupou duro novamente, fazendo o meu sangue correr em linha reta para os meus seios. Todo o tempo ele continuou a se mover violentamente em mim. "Por favor..." Eu estava perdida no meu prazer, à espera da explosão vir e varrer-me. Eu estava desesperada para ele me dar isso. Apertei ao redor dele, e ele rosnou no sentimento. "Foda-se, você está me matando." Ele trouxe sua boca de volta sobre a minha novamente e seu corpo imediatamente diminuiu, afastando a crista de prazer imediatamente. Cravei minhas unhas em suas costas e tentei levá-lo a acelerar novamente. "Eu estou tão perto." Eu gritei para ele. "Eu sei. Eu posso sentir isso." No entanto, ele ainda não acelerou. Ele olhou para mim enquanto ele continuou suas estocadas lentas. Ele rodou seus quadris contra mim, e eu engasguei com o atrito desencadeando uma enxurrada de formigamento no meu núcleo. Meu corpo tremia conforme ele continuou esses movimentos lentos e tortuosos. Dentro, fora, rodopio dos quadris. Eu gritei, beijei-o avidamente enquanto meu prazer construía e construía. "Heath", eu gemi quando ele empurrou mais duro em mim.

173


"Deixe ir, Allie", ele rosnou, rodopiando os quadris em mim. Eu deixei. Meu corpo cedeu e o segundo orgasmo rasgou através de mim. Eu senti isso em todos os lugares. Sua intensidade tinha enrolando meus dedos quando eu montei-o. Era tudo o que eu pensei que seria com ele. E ainda assim, eu estava com fome. Eu estava com fome dele, e não apenas isso. Ele beijou a pele abaixo da minha orelha e pegou ritmo em seus movimentos. Ele bateu em mim, perdendo a si mesmo enquanto ele foi em frente. Ele me esmagou com o seu peso, até que minhas respirações eram superficiais e eu estava escorregadia com o nosso suor. "Porra, merda", ele gemeu, empurrando com força em mim mais uma vez e acalmando completamente. Senti seu comprimento sacudir dentro de mim. Ele tremeu quando ele gozou, antes de cair com a cabeça entre meu pescoço e ombros. Realidade entrou correndo, e quando a nossa respiração voltou ao normal, o silêncio encheu meus ouvidos. Era dolorosamente mais alta do que o nosso tempo juntos. Esperei por ele para fazer algo. Talvez me beijar ou abraçar. Eu queria alguma garantia de que o que fizemos foi bom. Ele finalmente se afastou e eu olhei para cima enquanto ele olhou para mim. Eu não tinha que procurar o seu rosto para saber o que ele estava sentindo. Para saber se o que fizemos não foi um erro. Eu vi isso claro como o dia em seu rosto. Seu choque.

174


Sua dor. Seu... arrependimento. Heath quebrou meu coração naquele momento.

Heath Eu fodi tudo.

175


Capítulo Doze Heath

Eu saí de lá mais rápido do que uma bala. Não há palavras necessárias de serem ditas. O que porra eu poderia dizer de qualquer maneira? "Desculpem-me por te comer"? De alguma forma, eu não acho que iria cortar isso. A culpa era uma merda de uma coisa, não era? Foi a maneira perfeita de entrar na cabeça de alguém e foda-se o seu assunto. O que eu fiz... Oh, merda. Isso ia me custar meu irmão. E ela. Eu ia perder duas das pessoas mais importantes na minha vida por causa do meu momento de fraqueza. Nada disso teria acontecido se eu apenas fodesse a menina do bar e ficado longe a noite toda. Eu não poderia fazê-lo, no entanto. Viver com Allie era um desastre prestes a acontecer. Ela me fez perceber que eu queria coisas que eu nem sabia que queria. Estar ao seu redor, desejando-a, ansiando pelo gosto dela, mudou tudo. Eu queria algum maldito significado na minha vida. Eu queria me assentar. Queria ter uma menina tão incrível como ela ao meu lado. Alguém

176


macio e real. Uma menina amável que olhasse para o mundo feio e ainda se apegava à crença que havia beleza lá, de alguma forma. Como diabos eu iria corrigir isso? Eu tinha pegado minhas chaves e roupas e saído do prédio, com o objetivo de ir tão longe quanto possível. Agi como uma porra de um babaca completo; esses tipos de caras que tiveram o que queriam e correram para o pôr do sol. Provavelmente deixei-a para trás sentindo-se como merda, e eu teria voltado apenas para fazê-la se sentir melhor se eu não tivesse sido uma maldita boceta. Dirigi sem rumo, perdido em pensamentos, tentando descobrir uma maneira de atenuar a dor, porque estava atormentando a merda fora de mim. Eu não queria pensar sobre isso, porra. Eventualmente, eu voltei para o bar e bebi minhas tristezas para longe. Esmaguei tiro após tiro. Esperei o zumbido. Para o meu cérebro começar a turvar. Mas nada veio. Senti-me podre. "Você parece uma merda". Disse uma voz familiar no meu ouvido. Eu não olhei para Tru quando ela deslizou no banco ao meu lado. Eu podia sentir o cheiro do perfume de flores que, merda, eu adorava nela. Agora só me deixou doente. "Precisa falar sobre isso?". Ela começou a perguntar. "Não", eu respondi.

177


"É aquela garota, não é? Desde que ela apareceu, você mudou. Eu vejo isso em você. Você ficou todo suave, Heath..." "Olha, eu não dou a mínima, tudo bem?" Interrompi, olhando para ela. "Me deixe em paz." Ela ignorou o que eu disse e continuou: "O que é isso sobre ela? Porque eu não vejo. Quer dizer, eu vejo a maneira como você age a respeito dela. Eu vejo isso na maneira como você olha para ela. Mas eu não posso encontrá-lo. Ela é simples. Ela é tímida. Ela não é sexy ou extrovertida..." "Ela é tudo o que você não é", interrompi, dando-lhe um outro olhar frio. "E isso é uma coisa boa?" Eu pensei sobre a pergunta dela por um momento. Realmente eu não preciso pensar. Balancei a cabeça e fiz sinal para o bartender para um outro tiro enquanto falei entre dentes: "É a melhor coisa do caralho que eu poderia pedir." Ela congelou. Ela pareceu triste por um momento antes que a borda má assumiu. Ela se inclinou para mim, empurrando os seios contra o meu braço quando rosnou, "Não há nenhuma maneira que vocês foderem do jeito nós fizemos. Hmm? Eu deixei você fazer o que você queria comigo. Dei-lhe tudo que você pediu..." "Tru". Eu disse, deixando escapar um riso duro, “você não era diferente das outras garotas que eu peguei antes. Não havia nada entre nós. Eu não

178


olhei para você quando estávamos juntos. Você pode chupar o pau de um homem como um aspirador, mas isso não quer dizer merda. Você nunca fez o meu pulso acelerar. Nunca fez o meu coração apertar. Nunca me fez sentir nada. Então pare, ok? Você está cavando e é tudo por nada." Seus olhos lacrimejaram, e talvez o álcool tenha me feito cruel, porque eu realmente não me importei com isso. Ela se afastou de mim e decolou. Finalmente. Joguei de volta mais alguns tiros e assisti ao tempo passar. As coisas podem voltar ao normal? Mais importante, eu iria deixá-las? Culpa. Culpa. Culpa. "Você foi servido", disse outra voz. Porra! Pareço sociável essa noite? Bati minha mão para baixo no bar e rosnei, "Eu não estou na porra do humor esta noite para conversar. Cai fora." "Sim, bem, nem eu estou", respondeu a voz. Olhei para cima para encontrar o Ricardo. O puto parecia o mesmo da última vez. "O que você quer?", Perguntei, não mascarando a minha raiva. "Você vai me agraciar com algumas informações sobre o meu irmão? Ou você vai ficar por aí e ser sinistro pra caralho de novo?"

179


Ele sorriu para mim, não se preocupando com a minha atitude. "Você foi servido", ele repetiu antes de fixar um pedaço de papel ao lado do meu copo. "A dívida do seu irmão está com você. Cinquenta das grandes." "Espero que você queira dizer cinquenta porra de dólares." "Estou falando na casa dos milhares, homem." "Eu não tenho esse tipo de dinheiro comigo." Ele riu, deliberadamente empurrando meus botões enquanto ele respondeu: "Você é um lutador. Faça algum dinheiro. Só porque eu gosto de você, e realmente não é sua culpa por qualquer dessa merda, seu primeiro pagamento é quinze. Leve-o para este endereço no próximo domingo." Olhei para o endereço e apertei minha mandíbula. "Você está me pedindo para dar-lhe o dinheiro que eu não tenho. Isso não vai acontecer." Ele não parecia incomodado por minhas palavras. Talvez ele esteja acostumado a ouvi-las saindo do boca de todos os outros cujos bolsos ele sangrou. Sua arrogância me disse que ele sempre teve o que queria. Ele olhou ao redor do bar, parecendo calmo e casual enquanto ele continuou a falar comigo. "Lawson, não seja um idiota como seu irmão. Você ama aquele merdinha. Tenho certeza que você não quer que algo aconteça com seu irmãozinho na cadeia. Ouvi dizer que ele arranjou uma garota também. Ouvi dizer que você está especialmente perto dessa coisa grávida." Ele riu da maneira como eu endireitei minha espinha e olhei sombriamente

180


para ele. "Não fique com raiva de mim. Eu sou apenas o coletor. Meu chefe me dá um trabalho, e eu faço esse trabalho. " "Você está me pedindo para fazer quinze mil dólares em sete dias." “Sim, eu acho que eu estou." "Como diabos é que isso vai acontecer?" Ele não parecia incomodado. "Eu não dou a mínima. Roube um banco, pule em algumas pessoas – foda-se, eu não me importo. Não é da minha conta como você vai obtê-lo." "O que acontece se eu não conseguir?" "Como eu disse, nós sabemos tudo sobre seus parentes. Eu não sou um fã de fazer o trabalho sujo. Mas se chegar nisso, então eu vou. Eu vou fazer o trabalho sujo, e eu acho que você sabe exatamente o que eu quero dizer quando digo isso." Meu estômago revirou. Enrolei minhas mãos e inclinei-me para mais perto dele, rosnando: "Se você me matar, como diabos você vai obter o seu dinheiro, então?" Ele sorriu com a minha ousadia. Esse dente de ouro da porra refletindo minha distorcida cara de raiva. "Sangue é uma outra forma de pagamento, Lawson. Você não paga, tudo bem. Sua cabeça, junto com a cabeça dessa bonita menina que você está cuidando estão na tábua de corte, e nós não nos importamos. Na verdade, isso vai apenas enviar uma declaração para o resto dos malditos idiotas que querem fazer negócios com a gente. Então é melhor

181


você apenas pagar. Como eu disse, no domingo ao meio-dia. Esteja lá com o dinheiro." Ele acariciou minhas costas como se fôssemos os melhores amigos e saiu. Fiquei olhando para o pedaço de papel, meio tentado a rasgá-lo em pedaços. Apenas quando eu pensei que esta noite não poderia ficar pior, os céus se abriram e choveu inferno para baixo em cima de mim. Pela primeira vez em muito tempo, eu me senti completa e totalmente derrotado.

182


Capítulo Treze Allie

Tudo mudou. Eu acordei e Heath não estava lá. Na verdade, ele tinha ido embora todo o fim de semana. Passei duas noites sozinha, em um apartamento que agora foi manchado por aquilo que tinha feito. Mal dormi. Mal comi. Mal fiz absolutamente nada, mas deitei-me e assisti televisão sem sentido. Em algum momento, na madrugada de segunda-feira, ele havia retornado. Ouvi barulhos altos vindo de seu quarto. Já tendo ficado acordada a maior parte da noite, eu fui para checá-lo, na ponta dos pés pelo caminho, caso ele me ouviu. Ele estava em pé no meio do quarto em nada além de sua boxers, levantando pesos. Ele estava instável, e quando fui atingida com o espesso cheiro de álcool, eu sabia o porquê. Ele estava xingando baixinho, fez seis repetições antes que ele com raiva, jogou os pesos para baixo. Pulei e dei um grande passo para trás, surpreendida que os pesos não tivesse caído direto no chão. Ofegante, ele passou as mãos pelo seu couro cabeludo e um som aflito irrompeu de sua garganta. Ele abanou a cabeça várias vezes, tropeçando quando ele pisou sobre os pesos. Seu corpo bateu em sua cômoda, e ele agarrou as bordas da mesma, tremendo e tomando grandes goles de ar. Meu

183


coração se partiu. Nunca o vi assim. Eu sabia que ele tinha passado dois dias torturando-se com a culpa. Me senti responsável. Implorei para ele ficar comigo. Isto é minha culpa. Entrei devagar, abrindo a porta. Ele ouviu os rangidos de meus passos e virou a cabeça para olhar para mim. Seus olhos escuros estavam vermelhos e vidrados. Sua pele não tinha seu costumeiro brilho bronzeado, mas estava pálida e parecendo doente. Em apenas dois dias parecia que ele tinha perdido dez quilos, mas eu sabia que isso não era possível. Esta era a aparência da miséria. Meu coração pegou quando eu sussurrei, "Heath". Seus olhos me lamberam da cabeça aos pés, e quando eles persistiram em volta do meu estômago, fiquei tensa. Ele estava olhando para minha barriga, empalidecendo ainda mais. "Vá", disse ele, sua voz soando grossa e áspera. "Eu não posso deixá-lo assim", eu respondi, tentando o meu melhor para não chorar. Deus, as coisas estavam fodidas. "Vá". "Heath..." "Eu não quero ver você, Allie. Apenas vá."

184


Meu coração apertou e engoli em seco, dizendo baixinho: "Eu só quero ajudá-lo, Heath." Sua expressão se tornou fria. Eu vi algo parecido com nojo quando ele zombou de mim. "Ajudar-me? Você não acha que fez o suficiente?" Olhei para longe de seu olhar gelado e encarei um ponto aleatório na parede. Eu estava quebrando por toda parte. "Eu... eu não sei o que dizer sobre o que aconteceu entre nós..." "Eu não estou pedindo para você dizer qualquer coisa. Eu estou dizendo para você ir." Eu não queria, mas quando ele virou-se e nem sequer reconheceu-me, eu sabia que ficar era sem sentido. Saí do quarto, e só passou um momento antes dele bater a porta de repente. Sentei na minha cama por um tempo, sentindome mais sozinha do que nunca, me perguntando como na terra, minha vida tornou-se tão... complicada. Olhei impotente ao redor do quarto, como se as paredes pudessem me oferecer respostas. Eu queria desesperadamente sentir pena de mim mesma. Enrolar em uma bola e chorar meu coração. Ter alguém correndo sua mão para cima e para baixo nas minhas costas, me dizendo que estaria tudo bem. Mas eu não tinha ninguém. Apenas uma solitária, como sempre, com a diferença de que eu estava cansada disso. Então empurrei todas as emoções na minha garganta e tranquei-as. Então me levantei e comecei a ficar pronta para a escola mais cedo. Juntei minhas coisas e fui para o banheiro. Eu me tranquei

185


por dentro e tive um longo banho, sentada na banheira com as costas contra o spray. Ouvi movimentos. Dele deixando o quarto e batendo no corredor. Parecia estar se movendo em torno de um monte, na hora que eu levantei e desliguei a água. Saí e rapidamente me vesti, prendendo a respiração entre meus movimentos para ouvir o que ele estava fazendo. Eu não quero cruzar com ele no meu caminho para a saída. A tensão entre nós havia subido para um ponto de ebulição, e eu estava petrificada de um confronto envolvendo maldições e palavras de raiva. Joguei meu cabelo molhado e peguei minha mochila quando ouvi um estrondo vindo de um dos quartos. Congelei e ouvi maldições e grunhidos de Heath quando sons mais caóticos entraram em erupção. Que diabos? Abri a porta do banheiro e saí timidamente. Outro barulho soou e eu segui-o para o meu quarto, onde eu o encontrei em pé no centro com um bastão de aço na mão. Ele estava batendo na cabeceira da cama várias vezes até que ela se estilhaçou e quebrou. Minha respiração ficou presa na garganta enquanto eu o assisti destruir tudo o que ele poderia, derrubando a cômoda depois de ter aniquilado a cama, e derrubar os cartazes. Fiquei surpresa com o quão violento ele parecia. Ele ainda estava morto de cansaço, parecia como um maldito fantasma selvagem com nada exceto suas boxers. Sua pele suada falou de quão duro ele tinha sido. Parei no limiar e

186


olhei para cada centímetro do quarto, perturbada por encontrar inúmeros itens do Ryker destruídos e desarrumados no chão. Em apenas 20 minutos, desde que eu tinha saído do quarto, ele havia destruído-o completamente. "O que você está fazendo?" Deixei escapar em pânico. Ele parou abruptamente e se virou para mim. Ele ficou surpreso ao me ver lá. Seus olhos vermelhos arregalaram e sua mão segurando o bastão de repente caiu para o lado dele. "O que você está fazendo?" Eu repeti, histericamente. Seu rosto pode ter suavizado quando me viu, mas aqueles olhos eram mais duros do que nunca. "O que se parece?" Ele respondeu ofegante. "Você destruiu completamente o quarto de Ryker, Heath!" "Não diga." "Por quê? Por causa do que aconteceu entre nós?" Quando ele não respondeu, exigi em voz alta, "Diga-me por que?" "Porque eu transei com você em sua cama!", ele gritou, apontando o bastão na direção da cama. "E é aí que ele tomou-lhe uma e outra vez. Você sabe como fodido isto é, Allie?"

187


"Você sabe como fodido é que você está quebrando tudo como resultado?!" "Porque aquele bastardo egoísta não merece essa merda!" Ele jogou o bastão na lâmpada na mesa de cabeceira, estilhaçando-a instantaneamente. Meu ritmo cardíaco acelerou. "O que deu em você?" Dando um passo para frente, ele olhou para mim descontroladamente e gritou: "Você! Você chegou em mim! Em cada parte de mim! Eu não posso pensar em nada mais que você, porra! Você, porra, me destruiu, Allie! E eu te odeio por isso. Eu te odeio por amá-lo em vez disso! Eu te odeio por fazer o que você fez, por causa de como irritada você está com ele, por causa do quanto você está tentando negar o seu amor por ele..." "Eu não quis te beijar, ou pedir-lhe para me tocar, porque eu queria negar o meu amor por Ryker," cortei-o, chocada que ele pensaria assim. "Isso é estúpido, Heath. Eu queria tocá-lo pelas mesmas razões que você queria me tocar." "Mas você é dele." "Eu não sou de ninguém!" Ele balançou a cabeça e se afastou de mim, chutando uma pilha aleatória de lixo no chão. Ele passou as mãos pelo seu cabelo enquanto ele olhava com uma expressão vazia. "Ele não merece você". Ele disse em voz baixa "Mas ele te ama pra caralho. Ele está desesperado. E eu só estraguei tudo. Apaixonado pela sua

188


garota. Grávida com seu bebê, e mesmo assim eu me apaixonei duro por ela. E então eu a fodi." Minha garganta fechou e novas lágrimas caíram dos meus olhos. "Eu traí. Ele confiou em mim e eu... porra, ri dele por trás das suas costas." "Você se esquece o quanto ele riu por trás da nossa." Ele virou a cabeça para mim e me encarou. "Então, o quê? Será que temos a intenção de afundar a seu nível? Veja o que nós fizemos com ele, Allie!" "E o que ele fez para mim?", retorqui, levantando a minha voz quando eu continuei. "Ou você? Ele decidiu estragar tudo com a venda de crack! Por que devemos ser atenciosos com seus sentimentos quando ele não deu uma FODA sobre os nossos?!" "Porque é isso que nos separa de pessoas como ele!" Eu não respondi por um momento. Eu olhei duro para ele e balancei a cabeça. "Não, Heath. Quando alguém joga pessoas como nós fora, por seus próprios desejos egoístas, isso não significa que devemos tratá-los como se eles não tivessem feito. Ryker não merece ser colocado em um pedestal. Nenhuma quantidade dele sentindo minha falta ou me amando vai mudar isso. Eu decidi há muito tempo atrás, eu terminei com ele..."

189


"Então por que você não disse nada?", ele cortou. "Eu perguntei-lhe tantas vezes se você estava esperando por ele e você não disse nada. Você tinha todo o tempo para ir até lá e dizer-lhe que você estava feita." "Eu terminei com ele há muito tempo..." "Você reagiu emocionalmente. Ele não acha que você quis dizer isso." "Eu não mudei minha mente." "Então diga isso a ele!" Eu me encolhi. "Você quer que eu vá e diga a um homem desesperado em uma espelunca que o que ele está segurando não está esperando por ele do outro lado?" Mais lágrimas caíram quando eu senti a raiva em minha voz aumentar. "Você e eu sabemos que é mais fácil dizer do que fazer!" "E isso só vai ficar mais difícil quanto mais o tempo passar. Para ele e você". Virei-me para longe dele. Eu não estava pronta para enfrentar Ryker. Ainda havia muita raiva e ódio cru lá. Não havia nenhum ponto em discutir assim. Eu sabia que não ia chegar a lugar nenhum. Peguei minha mochila do chão e disse calmamente: "O que aconteceu entre nós foi algo que eu queria. Não tinha nada a ver com o seu irmão. Você não era uma distração, Heath". "Ele precisa saber." Eu não disse nada.

190


"Allie", ele pressionou, "faça. Diga-lhe que você está feita. Ele não merece você. Ele é um fodido. Ele... Ele fez um monte." "Eu sei disso." "Não. Eu não lhe disse tudo." Franzindo a testa, olhei para ele. "O que você quer dizer?" Ele engoliu em seco e sentou-se na borda da cama no meio da pilha de lixo espalhado em torno dele. Ele colocou os cotovelos em cada joelho e manteve o olhar fixo em um ponto na parede. Meu mal-estar aumentou com seu comportamento conturbado. "Ele devia, para a quadrilha que ele trabalhou, um monte de dinheiro", explicou ele em voz vaga. "O dinheiro com que ele foi pego pela polícia era para ser pago a eles. Me entregaram a dívida para ser paga." Minha mochila caiu de minhas mãos em estado de choque. Eu dei um passo hesitante para frente. "Por que você disse que ia pagá-la?" "Porque eu sou seu irmão. Este é o tipo de merda que essas pessoas vão fazer, Allie. Não é novo." "Há quanto tempo você sabe disso?" "Eu soube sobre o valor em dólar duas noites atrás. O cara atual mostrou-se um tempo atrás e disse-me que ele ia me deixar saber sobre isso." "Por que você não me disse imediatamente?"

191


Aqueles olhos castanhos profundos subiram ao encontro dos meus. Ele lambeu os lábios lentamente, proferindo: "Porque você não merecia ser sobrecarregada por isso. Eu não quero que você se preocupe. Eu queria que você se concentrasse em sua gravidez e aulas. Você não precisa da sua merda em cima de tudo isso." Lentamente, eu fui até ele e sentei-me na beirada da cama ao lado dele. Terror e medo estabeleceram-se. Estas eram pessoas ruins. "Heath, nós temos que ir à polícia." "Vamos para a polícia e eles vão saber sobre isso. Eles vão atrás de Ryker na cadeia. Eles são assim, conectados." "De quanto dinheiro estamos falando aqui?" "Cinquenta mil". Meus olhos se arregalaram e meu queixo caiu. "O quê?" Ele balançou a cabeça lentamente, franzindo os lábios. "Sim. O bandido está exigindo quinze no próximo domingo." Eu senti nada menos do horror. "Onde é que vamos conseguir todo esse dinheiro? Eu sabia que eu devia estar trabalhando. Eu deveria ter..." "Não se atreva a se culpar por nada", ele interrompeu severamente. "Não é o momento para isso... ’deveria ter, poderia ter’. É o tempo para descobrir isso, ok?"

192


Eu balancei a cabeça, mas não aliviou as minhas preocupações. A ansiedade tomou conta de mim no meu núcleo. "Agora eu já tenho cinco mil dólares postos de lado para o bebê", continuou ele. "Vou ter que usá-lo. Eu tenho uma luta nesta sexta-feira. Isso poderia facilmente ser mais cinco mil no bolso. Que significa que a partir de agora nós temos que vir para cima com mais cinco, e eu não consigo ver nada em torno deste apartamento que vai vender por essa quantidade de dinheiro." "Então, o que vamos fazer para consegui-lo?" "Eu poderia ter de pedir ao redor." Ele suspirou lentamente. "Não é um monte de pessoas que tem esse dinheiro aqui em torno, mas vale a pena um tiro." Eu não disse nada. Meu cérebro estava funcionando nos piores cenários. O que eles fariam se nós viéssemos com os quinze mil completos? Onde estaríamos indo para obter o restante dos cinquenta se eles nos derem outro prazo absurdamente curto? "Vou sair e começar a perguntar por aí". Disse então, levantando-se. "Você precisa descansar primeiro". Eu respondi. "Parece que você não tem dormido..." "Eu não tenho tempo para descansar. Eu tenho que ficar em cima disso." Eu não discuti com ele, embora eu quisesse. Seus movimentos eram lentos e desequilibrados. Ele parecia doente e quase não conseguia se

193


concentrar quando ele deu a volta no apartamento, trocando-se para um novo par de roupas, mas ainda com cheiro miserável. Ele saiu e eu não podia fazer nada, a não ser ir para a aula. Eu não tinha a quem recorrer para o dinheiro, exceto... bem, a minha mãe, mas ela não estava atendendo qualquer um dos meus telefonemas. Mesmo quando eu estava ligando de uma cabine telefônica, ela estava se esquivando dos números desconhecidos com paixão. Após as aulas da manhã, voltei para casa e negligenciei a minha lição de casa. Eu não conseguia pensar em qualquer coisa, exceto nessa dívida maldita. Vasculhei os meus pertences em busca de qualquer coisa que poderia vender. Encontrei um par de brincos de ouro que Ryker me deu no meu aniversário de dezoito anos, e ao verificar suas coisas, eu encontrei vários relógios que estragaram ao longo dos meses antes dele ser preso. Saí novamente e peguei um ônibus para a loja de penhores mais próxima. Me cansando, eu caminhei alguns blocos no calor para chegar lá. Meu estômago doía, e eu tive que parar várias vezes para esfregar minha barriga e engolir um pouco de água. Quando eu finalmente cheguei, descobri que meus brincos não eram de ouro real e eram praticamente inúteis, e os relógios de Ryker, juntos, totalizaram trezentos dólares. Não me importando que ele os amava, eu os entreguei. Ele poderia viver sem eles – afinal, esta era a sua maldita dívida. No caminho de volta, eu parei por várias lojas e preenchi alguns currículos. Eu tentei esconder meu inchaço de bebê, o que não era tão difícil quando eu estava vestindo uma camisa folgada e ainda parecia minúscula. Se

194


eu tenho algo em breve, eu poderia ser capaz de conseguir algumas moedas antes do bebê nascer. Bebê. Jesus. A este ritmo, eu não tinha certeza de que eu poderia cuidar de uma outra alma. Minha vida estava uma bagunça. Heath não estava em casa quando eu voltei. Eu me fiz algo para comer antes de desmaiar em sua cama. Eu não conseguia dormir no quarto de Ryker após Heath tê-lo destruído. Eu joguei o dinheiro em cima da cômoda e puxei as cobertas sobre mim. Meu estômago doía, meu corpo estava fraco, e os meus pés estavam bem inchados. O sono venceu eventualmente, especialmente porque o cheiro de Heath se agarrava fortemente nos lençóis ao meu redor.

Acordei com um corpo quente em minhas costas e seu braço grosso em volta da minha cintura. A primeira coisa que eu pensei foi que ele cheirava bem, como se tivesse tomado um banho. O quarto estava escuro e, a julgar pela escuridão do lado de fora, eu sabia que era bem tarde da noite. "Heath", eu sussurrei, "Você está acordado?"

195


"Sim", ele respondeu imediatamente, soando mais acordado do que nunca. "Eu estou." "Alguma sorte?" "Jorge me emprestou quinhentos dólares." "Isso é bom." Melhor do que nada. "Penhorei os relógios de Ryker. Trezentos dólares." "Quando você fez isso?" "À tarde. Era a loja mais próxima, a poucos quarteirões para baixo." Ele suspirou com tristeza. "Eu não gosto de você andando em torno dessas ruas. Eu não gosto de você se cansando também." Dei de ombros. "Você espera que eu não faça nada sobre isso?" "Eu prefiro que você não faça." Não fazer nada estava fora de questão. Jogar este tipo de carga sobre os ombros de Heath era apenas absurdo. "Eu gostaria que houvesse mais que eu poderia fazer". Eu disse, sentindo-me decepcionada com o pouco que eu poderia contribuir. "Trezentos dólares é bastante, Allie." Apesar de tudo, o meu corpo aqueceu com suas palavras. Ele estava falando normalmente comigo, não mostrando sinais do Heath com raiva desta manhã. Esta era a parte dele que eu mais precisava. Eu não queria que o que

196


fizemos amaldiçoasse o nosso relacionamento. Gostaria de aproveitar esse lado dele feliz, se fosse o melhor que eu poderia receber. "Sinto muito por tudo." De repente eu disse, com remorso. "Eu não queria estragar as coisas com você." "Você não arruinou nada". Respondeu ele, beijando a parte de trás da minha cabeça antes de aninhar o nariz em meu cabelo. "Você é perfeita, e não me arrependo de nada quando se trata de estar com você." "Mas você disse..." "Entrei em pânico. Eu perdi minha merda e eu não deveria ter perdido. Sinto muito por correr. Eu não deveria ter corrido. A última coisa que eu quero para você é ser tratada como merda por um outro garoto Lawson. Eu não quero que você me odeie." Balancei minha cabeça. "Você nunca me tratou mal, e a última coisa que eu poderia fazer é odiar você, Heath." Ele me apertou com mais força contra ele. Nós não dissemos mais nada, mas nossos corpos estavam entrelaçados de um jeito que estava longe de ser neutro. Tentei entender o que isso significava. Eu não sabia se isso era a sua maneira de nos empurrar de volta para o que éramos antes daquela noite, ou se o paradigma havia mudado e este era o começo de outra coisa. Independentemente disso, eu não iria implorar por seu toque, apesar de ter estado constantemente na ponta da minha língua. Deixei o nosso destino em suas mãos.

197


Capítulo Catorze Heath

Eu não pude dormir. Os dias passaram, mas as noites se passaram dolorosamente lentas. Eu era uma bagunça do caralho. Doze mil dólares. Isso é o que nós tínhamos na sexta-feira de manhã. Eu estava perdendo minha merda. Eu precisava vencer a luta de hoje à noite. Precisava de mais cinco ou seis mil para adicionar a esse montante. No máximo, eu poderia espremer algumas centenas de dólares do aluguel, mas isso significava ser perseguido pelo proprietário na próxima semana. Aquele desgraçado mesquinho estava em sua porta se você estivesse uma hora atrasado. Esfreguei meu rosto quando o sol espreitou por entre as cortinas, iluminando o quarto com os seus raios. Imaginei que me provocando. Dizendo que eu tinha mais duas pela manhã para ir. A tensão era insuportável.

198


O corpo perto de mim mudou apenas ligeiramente. Olhei para Allie, enrolada em seu lado com as costas para mim. Tive que fingir que estava dormindo cada vez que ela acordou no meio da noite para chegar ao banheiro. Não quero que ela saiba sobre a tempestade dentro de mim. Deus, se alguma coisa acontecer com ela... Isso foi o que me matou mais. Se eu não conseguir o dinheiro a tempo, o que eles fariam para ela? Eu não poderia viver comigo mesmo se eu falhasse. Só de pensar nisso machuca. Aproximei-me dela e passei um braço em volta da sua cintura. Puxei-a de volta contra mim, na mesma posição que ela tinha dormido nestas últimas noites. Seu cheiro, seu toque, o som de sua respiração – tudo isso ajudou a me acalmar e concentrar-me. Ela parecia ser a única coisa que poderia afastar uma horrível situação e me fazer esquecer por um tempo. Levemente beijei ao longo de seu ombro até o lado de seu pescoço. Beijei a pele abaixo de seu ouvido e respirei o perfume de seus cabelos. Ainda que ela usasse o meu xampu, porra, isso me deixava louco. Fez-me fingir por um segundo que ela foi marcada por mim, e isso me perturbou um pouco mais, pois essa ideia me acalmou. Ela se moveu um pouco novamente. Sua bunda estava contra a minha pélvis e os menores movimentos fizeram-na se esfregar contra mim. Eu fiquei tenso e fechei os olhos com força. Pensar em foder Allie me deixou duro, enquanto ela ainda estava dormindo. Eu tinha um par de horas para matar antes do trabalho, e se ela era gasta com ela contra o meu pau desse jeito, eu ia explodir.

199


Minutos mais tarde e eu estava lutando contra o desejo de moer contra ela. Eu mantive meu braço firmemente envolto em torno de sua cintura, mas meus quadris estavam excitados contra a traseira dela. Eu era uma pedra sólida, desesperado com a necessidade de transar com ela de novo. Respirando pela boca, beijando o seu pescoço, até que me ocorreu que sua respiração tinha desaparecido completamente. Ela estava acordada. "Allie". Eu sussurrei em seu ouvido. "S-Sim". Ela gaguejou. Foi sutil no início. Minúsculos movimentos constantes. Os únicos sons eram roupas roçando contra roupas. Ela tremia, e eu sentia cada movimento ressoar em mim. Meus beijos viraram lambidas delicadas em suas omoplatas até a parte de trás de seu pescoço. Chupei levemente o lóbulo da sua orelha e então ela estava totalmente ofegante. Na verdade, nós dois estávamos. Algo nela me fez perder os sentidos. Eu não entendo, até mesmo na segunda vez. Cada pequeno toque, embora leve e aparentemente insignificante do lado de fora, estava, na verdade, ardendo por dentro. Foi doloroso segurar, mas era uma dor gratificante. Meu vício começou apenas necessitando estar perto dela. E agora... Agora era isso. Precisando tocá-la. Precisando estar dentro dela.

200


Precisando que ela precisasse disso também. "Você se sente tão bem". Eu disse a ela. Ela balançou novamente. Ela gostava que eu lhe dissesse essas coisas, eu sabia. Afrouxei meu braço e trouxe a minha mão ao seu peito. Ela estava nua. "Porra perfeita, Allie." Peguei o seu seio na palma da minha mão, e através de sua camisa belisquei seu mamilo, sentindo-o instantaneamente endurecer. Ela soltou um gemido e empurrou sua bunda mais forte contra mim. "Sim, você precisa disso também, não é? Eu sei que você precisa." Ela assentiu com a cabeça para as minhas palavras. Deixei seu peito e puxei seus shorts para baixo até que estavam ao redor de suas coxas. Enfiei a mão na sua boceta molhada e encharcada e esfreguei-a. Ela empinou contra mim e gemeu. Chupei seu pescoço febrilmente enquanto eu acariciava-a, empurrando entre suas dobras e sentindo as paredes da sua boceta apertada. Puta merda. Não demorou muito para que ela estivesse clamando por seu orgasmo. Eu amei seus sons. Amei quão real eles eram. Sua mão viajou atrás dela, puxando ansiosamente a barra da minha calça. Eu imediatamente abandoneias. Eu precisava senti-la novamente. Ela ainda estava do seu lado quando eu puxei a perna para cima e coloquei meu pau contra sua entrada. Em um movimento rápido, eu empurrei direto nela. Ela ficou tensa com a intrusão, entretanto meus olhos rolaram

201


para trás da cabeça enquanto suas paredes abraçaram cada centímetro meu. Parecia como se ela estivesse me apertando cada vez que eu empurrei para dentro. Quente. Molhado. Suave. Era o paraíso. Eu aproveitei desta vez. Não fui forte e rápido. Ela estava emocional. Eu precisava considerar isso e fazê-la sentir-se valorizada. Ela me levou a um lugar onde nada existia, exceto nós. Eu queria a mesma coisa para ela. Eu queria que ela esquecesse o estresse e apenas sentisse. Sentisse cada pedacinho disto. Cada curso. Cada beijo. Cada palavra erótica que eu sussurrei em seu ouvido. Apertei-a com força contra mim, desesperado para sentir como um só com ela. Até que nós gritamos e sacudimos na nossa libertação. Ela era perfeita. Eu decidi então que nunca iria deixar Allie novamente.

202


Allie O armazém estava lotado. Heath empurrou pela multidão, mantendo-me contra ele quando ele foi para o centro da sala. Ele tirou a camisa e entregou-a para mim, nem uma vez olhando para cima para ver o seu adversário. Mas eu fiz e, santo inferno, o homem era enorme. Marko era seu nome, e Heath nunca lutou contra ele. Ele era novo, e com suas misteriosas tatuagens realistas de cobra rastejando por todo o seu torso, ele parecia nada menos do que sinistro. Normalmente, eu diria que estava confiante com a luta de Heath. Ele nunca tinha perdido. Ele era o irmão Lawson imbatível com punhos de aço. Mas hoje à noite ele estava lento e mentalmente não está presente. Depois do sexo inesperado desta manhã, ele tornou-se completamente introvertido. Eu sabia que não era comigo, pessoalmente. Ele ainda estava me tocando e me segurando. Ele só estava esgotado. Ele não teve um sono decente em mais de uma semana. Ele tinha sido pego por isso, e eu tinha certeza que ele estava vendo tudo dobrado. "Tem certeza que você pode fazer isso?" Eu perguntei a ele, dificilmente capaz de mascarar a minha preocupação. Ele assentiu com a cabeça. "Sim, baby. Estou bem." Assim quando ele virou-se para enfrentar o seu adversário e ir direto ao assunto, eu trouxe a minha mão em seu rosto e obriguei-o a olhar para mim.

203


Eu olhei para aqueles olhos castanhos e rosto sem vida entorpecidos com tristeza. "Heath, eu não quero que você se machuque. Não se empurre." Ele levou a mão sobre a minha própria e disse: "Eu não tenho uma escolha, Allie. Você sabe disso." "Mas você está horrível." Ele me lançou um sorriso tímido que ainda enviou arrepios por todo o caminho até meus dedos dos pés. "Al, não vou me machucar. Tudo o que me resta é minha aparência." Balancei a cabeça, passei um braço em volta do seu pescoço e forçei seu rosto para baixo, para o meu. Beijei-o com força. Ele passou os braços a minha volta e devolveu o beijo, desesperadamente acariciando sua língua contra a minha. Eu não me importava que as pessoas à nossa ficaram quietas. Este tipo de afeto por Heath era longe de ser comum, mas não é só isso, todo mundo sabia quem eu era, e a quem eu deveria pertencer. Este iria indefinidamente mexer a panela. Mas eu não me importei. Eu queria Heath. Quis por muito tempo agora. "Cristo, Allison, você definitivamente me acordou agora", ele murmurou, olhando para mim com seus olhos ternos. Sorri para ele. "Chute a bunda daquele cara, certo?" "Sim", disse ele com uma voz vacilante.

204


Larguei-o e assisti-o enfrentar Marko. Eu senti a presença de alguém atrás de mim e me virei para trás para ver Matt com os braços cruzados e os olhos dirigidos para os meus. Ele estava franzindo a testa para mim, sem dúvida desaprovando o meu beijo no Heath. Não deixei isso chegar até mim. Afastei-me dele e voltei a assistir ambos os adversários ficarem prontos. O primeiro apito soou e os dois começaram a se aproximar um do outro. O olhar no rosto esculpido de Marko era letal, enquanto isso Heath ainda estava obscurecido por sua exaustão. Então o segundo apito soou e começou oficialmente. Eles circularam um ao outro. Marko foi o primeiro a tomar um balanço, batendo no ar quando Heath esquivou de seu punho. "Vamos, Lawson!" Os gritos vinham de todos os cantos da sala. Heath balançou no Marko algumas vezes, sem sucesso de bater nele. Foi de igual para igual até Marko mover-se de forma agressiva, sem se importar com Heath socando em todo o rosto e peito. Era como assistir a uma bola de demolição quebrando através do concreto. Marko enviou, rapidamente, socos rápidos no rosto de Heath e na parte superior do corpo. Ele era tão rápido, que Heath mal conseguia encontrar espaço para socar de volta. Ele tropeçou para trás quando Marko continuou a vir para ele, e só quando tocou as costas contra a multidão fez Marko ceder e se afastar. Ele pareceu arrogante, afastando-se de Heath sem olhar para trás. Como se ele estivesse confiante de que Heath não tomaria essa oportunidade de saltar nele. Ele estava certo. Heath não o fez. Ele estava muito ocupado recuperando o fôlego e balançando a cabeça de um lado para o outro. Ele abriu a boca e esticou o queixo, como se estivesse verificando se havia alguma coisa

205


quebrada, e eu não queria nada mais do que entrar no círculo e ir até ele. Protegê-lo desse cara assustador, porque ele não era como qualquer outro adversário que Heath havia enfrentado. Dei um passo à frente para fazer exatamente isso. Meu coração estava partido. Heath pode ficar seriamente ferido. Uma mão, de repente, em volta do meu braço me puxou para trás. "Não", veio a voz severa de Matt no meu ouvido. "Heath pode cuidar de si mesmo." Eu não confio em mim mesma para ficar colada nesse lugar, então deixei Matt manter seu domínio sobre mim. Assisti em desespero quando Marko começou esse jogo de novo, permitindo que Heath se aproximasse antes de enviá-lo direto de volta contra a multidão. Eu queria acreditar que era a exaustão de Heath que domou a sua força, mas Marko tinha uma vantagem sobre ele que me assustou. Era como ver um leão fora da gaiola depois de uma vida de cativeiro. O homem era uma maldita máquina e Heath tinha, finalmente, encontrado seu par. Por que diabos ele tem que encontrá-lo agora? Foi um abate. Heath caiu, mas o idiota teimoso não ficou para baixo! Ele se levantou e lutou com tudo dentro dele, e ele me rasgou em pedaços ao vê-lo cair de volta uma e outra vez. Cada soco foi recebido com um suspiro que escapou de seus pulmões. Sem fôlego e exausto, ele ainda continuou, dando ao homem alguns bons socos ao longo do caminho. Marko não só ficou

206


enfurecido com as batidas de Heath, mas surpreendido também, como se ele nunca tivesse sido tocado dessa forma. Parecia enfurecê-lo ainda mais. Eu nunca tinha visto o lugar tão silencioso antes. Todo mundo assistia com admiração como o homem quebrou aquele que eu... amava. Eu o amava. Eu queria cobrir meus olhos e chorar, mas eu encontrei-me escorregando. Distante da realidade, ainda sentindo como se eu estivesse sendo torturada por dentro. Eu sentia cada soco, ouvi cada som, e engoli em seco de volta toda a lágrima, enquanto Marko o derrubou um balanço de cada vez. Nem mesmo o desespero pôde ajudar Heath como ele tinha esperado inicialmente. Ele perdeu. Completa e totalmente enfrentou a derrota de uma maneira que eu sabia que iria matá-lo mais em um nível mental do que físico.

muito tempo depois que o armazém estava vazio, Heath estava deitado no chão, olhando para o teto quebrado com olhos mortos. Fiquei parada, observando-o de longe enquanto ele recusou a se mover. Atrás de mim, eu ouvi as pegadas de Matt quando ele também esperou por Heath. Ele sabia que ia precisar de ajuda para chegar até o carro e para o apartamento. Matt

207


ofereceu para nos levar para casa porque no estado atual de Heath, eu tinha certeza que ele não seria capaz. Seu lábio estava arrebentado. Seu rosto estava inchado, com hematomas e um de seus olhos mal podia abrir o caminho inteiro. Seu corpo estava todo vermelho e sem dúvida seria um mar de preto pela manhã. Ele estava brilhante da cabeça aos pés com suor, e estava, provavelmente, além de desidratado. No entanto, ele se recusou a dizer uma palavra para nós. Recusou-se a beber água ou reconhecer a nossa presença. Matt sabia o que estava acontecendo. Heath se aproximou dele para alguma ajuda, mas Matt mijou fora todo o seu dinheiro sobrando com álcool e saídas. Eu acreditei. Eu tinha visto ele e Ryker em primeira mão jogar fora uma quantidade insana de dinheiro em uma noite. "Se eu fosse você," ele sussurrou para mim, observando cuidadosamente Heath, "eu convenceria-o a levá-la para fora daqui e chegar o mais longe de Hedley possível." Eu não respondi. Será que ele realmente tem que dizer isso? Franzindo a testa, eu caminhei até Heath e sentei-me no chão ao lado dele. Olhei para o buraco entre as vigas do teto, para as estrelas que brilhavam como diamantes no céu da noite. Pitoresco quando estava vindo através de um buraco abandonado em um telhado. Algumas coisas são apenas relativas, eu acho.

208


"Heath". Eu disse baixinho. "Precisamos sair antes que alguém perceba que ainda estamos aqui." A última coisa que precisávamos era sermos roubados de tudo o que tínhamos por andarilhos moradores de rua, ou qualquer quadrilha que se escondia nas proximidades. "Sim". Ele simplesmente murmurou. Ele se moveu antes de parar imediatamente. Ele fez uma careta de dor e respirava através de seus dentes. Matt correu para o seu lado e tentou ajudálo, mas Heath se arrancou de suas garras. Esta foi a sua maneira de dizer que ele não precisava de ajuda, e qualquer que seja o orgulho que ele ainda tinha após essa luta, precisava permanecer intacto, então eu atirei a Matt um olhar que dizia: "Faça o que ele quer." Demorou um pouco antes de Heath estar em seus pés e em seu carro. Inclinei-me em seu lado em muitas ocasiões, caso ele tropeçasse e precisasse de algo para mantê-lo na posição vertical. Ele se recusou a ser conduzido para casa por Matt, escolhendo, em vez disso, saltar para o banco do motorista. Apesar disso, Matt disse que iria nos acompanhar até em casa e sair quando estivéssemos em nosso apartamento, o que eu apreciei. Heath dirigiu lentamente, a dor era crua em seu rosto. Observei-o atentamente, sem saber o que dizer. Eu não tinha certeza se palavras iriam ajudá-lo no momento. Elas teriam parecido vazias de qualquer maneira. Ele colocou o carro no estacionamento e cautelosamente saiu. Matt se juntou a nós. Nós fizemos o nosso caminho em silêncio até o apartamento. Ao entrar, Heath desapareceu imediatamente para o quarto.

209


"Você não tem que ficar por aqui". Eu disse a Matt que estava de pé ao lado da porta. "Eu só quero ter certeza de que ele está bem". Ele respondeu com um breve sorriso. "Ele sempre fez questão que eu estivesse. É o mínimo que posso fazer." Balancei a cabeça em compreensão. Então eu o deixei e entrei no quarto. Heath estava sentado no borda da cama, no escuro, com a cabeça entre as mãos. Eu lentamente fui até ele, sem saber o que eu poderia fazer para que se sentisse melhor. Percebendo minha presença, ele estendeu um braço para fora e agarrou-me. Ele me puxou para ele, descansando a cabeça contra a minha barriga. Ele respirou profundamente e para fora, segurando-me firmemente como se eu fosse uma tábua de salvação. "Está tudo bem". Eu sussurrei para ele, acariciando meus dedos por seu cabelo curto. "Está tudo bem, Heath." Ele balançou a cabeça e respirou fundo. "Foi demais. A porra do estresse... eu não podia focar." "Eu sei. Você precisa descansar." "Eu não posso. Eu tenho que descobrir..." "Deite-se e descanse". Eu cortei. "Você não pode pensar assim. Você está se desgastando. Você tem que dormir, Heath." Comecei a empurrá-lo de volta, e ele lutou contra mim. Empurrei com mais força e, finalmente, ele cedeu. Subi na cama depois dele e tirei os seus

210


sapatos. Beijei-o, murmurando que ele precisava descansar, uma e outra vez até que seu corpo relaxou no colchão. Ele me puxou para o seu lado e me segurou com força. "O que eu faria sem você?" Ele murmurou enquanto cochilou. Viver sua vida, eu teria dito há muito tempo. Mas agora que eu estava tão perto dele, eu estaria na verdade, perguntando-lhe a mesma coisa. Nos conhecemos há muito tempo, mas nunca havíamos explorado o nosso relacionamento. Não até que o mal aconteceu. E quem teria pensado que em tempos ruins algo tão bom poderia vir? Eventualmente, eu me afastei e deixei-o dormir. Matt ainda estava esperando na porta quando eu reapareci. Ele parecia um pouco cansado, mas quando me viu, endireitou-se. "Como ele está?" Perguntou. "Descansando", eu respondi. "Já faz mais de uma semana desde que eu o vi dormir." "Jesus". "Sim." Ele passou a mão pelos seus cabelos loiros e verificou a hora em seu relógio. "Tudo bem. Bem, eu provavelmente deveria ir. A menos que você precise de mais alguma coisa."

211


Comecei a balançar a cabeça quando um pensamento de repente entrou na minha mente. Fiz uma pausa enquanto eu pensei nisso. O tempo estava passando, e nós talvez não teremos a quantia total de quinze mil no domingo, mas conseguindo o máximo possível iria ajudar a nossa causa, certo? "Na verdade..." Eu disse. "se não irá perturbá-lo por me levar a um lugar, eu realmente apreciaria isso." "Agora? É quase meia-noite." "Eu sei." Embora surpreso, ele cuidadosamente balançou a cabeça e disse: "Ok, Allie. O que você quiser."

Matt estacionou seu carro em frente da degradada casa revestida de tábuas. Ela parecia tão triste igual a maioria neste bloco negligenciado. Por costume, o carro da mamãe estava estacionado de lado, metade do seu corpo sobre a grama alta e a outra metade na calçada de cimento. As lixeiras foram nitidamente colocadas ao lado da casa e esvaziadas. Acima delas, pendurado na esquina da casa, tinha um carrilhão de vento, e ele estava indo forte esta noite. "Você tem certeza que quer vê-la?" Perguntou Matt. "Sim". Eu respondi. "Ela está me evitando por muito tempo."

212


"Parece morto lá dentro." As luzes estavam apagadas. Ela tinha ido para a cama. Mas seja qual for, era fim de semana. Ela poderia pagar levantando-se à meia-noite para saudar sua filha grávida, a quem ela tinha jogado fora sem se importar. "Dê-me um minuto". Disse a Matt. Ele balançou a cabeça e saí. Andei até o caminho para a porta da frente. Eu estava tão longe do ponto de me importar, que não estava nada nervosa como eu teria pensado que eu estaria. Acho que foi porque eu não tinha realmente nada a perder, então não havia mal nenhum em tentar. Abri a porta de tela e bati várias vezes o mais alto possível. A casa não tinha campainha... Nenhuma que funcionasse de qualquer maneira. Eu conhecia minha mãe. Ela tinha um sono leve. As noites que eu tinha saído da cama e tentado me esgueirar para fora para ver Ryker nunca resultou em sucesso, embora ela parou de tentar quando eu me rebelei contra ela uma e outra vez. A luz da varanda exterior acendeu, e eu passei para trás para que ela pudesse me ver claramente através do olho mágico. Eu podia ouvir os movimentos do outro lado da porta. O arrastar – um som distinto que eu conhecia muito bem – foi sua frente pressionado contra a porta. Então... Silêncio. Suspirei e bati novamente. "Abra a porta, mamãe." Ela não abriu a porta.

213


Bati um pouco mais alto. "Abra a porta, mamãe! Eu posso ouvir você. Eu não vou a lugar nenhum, você sabe." Mais arrastar. "Eu preciso de você." Pausa. Os sons dela desbloqueando o ferrolho e outros dois bloqueios foram um alívio para os meus ouvidos. A maçaneta girou e a porta se abriu. Ela pareceu mais baixa do que eu e estava vestindo seu habitual roupão rosa floral e chinelos, que pareciam tristes. Seu cabelo escuro estava uma bagunça e seus olhos estavam olhando na minha direção, revelando aqueles pés-de-galinha franzidos um pouco mais forte do que eu me lembrava. Seus lábios franziram e ela encarou – e garoto, quando a mãe encarava, aquela mulher poderia fazer você correr para o outro lado, sem perda de tempo. "Hey," eu disse fracamente, com uma onda patética da minha mão. "O que você está fazendo aqui, Allison?", Ela respondeu com sua voz rouca. "Eu deixei claro que eu não quero ver você..." "A menos que eu queira ser salva. Sim, eu sei, ok? Eu já sei. Você gritou dez mil vezes quando você jogou minhas coisas para fora da porta. Eu não me esqueci." Eu não queria parecer tão amarga, mas não poderia deixar de ser. Eu não estava aqui por causa do que ela tinha feito. Não tinha certeza se que eu jamais poderia estar.

214


"Eu joguei-a por causa de seu desafio constante", ela latiu quando deu um passo mais perto de mim. "Você não tinha respeito por si mesma. Primeiro, um menino que não fez nada, mas arruinar a sua vida e engravidar você. Agora, onde está ele? O menino que prometeu a você o mundo está apodrecendo na cadeia, não é? E então o que você faz? Fica falando sobre abortar um filho de Deus – como se eu pudesse aceitar isso! O que todos na Igreja pensariam de você?" "Se eles se importassem com o seu Deus, como você diz que eles fazem, eles me perdoariam". Retruquei com raiva. Eu já estava com raiva! Típico dela me fazer sentir desse jeito em menos de um minuto. "Eles não iriam julgar, que é o que você é excelente em fazer." Ela também teve o suficiente. "O que você quer?" Oh, Deus. Como eu poderia pedir dinheiro quando tínhamos apenas cuspido no rosto uma da outra? Engoli duro e hesitei. Ela me olhou com cuidado, cruzando os braços dessa maneira autoritária. Era hora de pôr de lado o meu orgulho. "Sinto muito", eu disse, olhando para a varanda. Eu tinha certeza que era a primeira vez que eu já tinha me desculpado com ela por qualquer coisa na minha vida. "Você está certa. Eu era uma garota de merda quando se tratava de Ryker. Desafiei você sobre ele, porque pensei que vi algo nele, mas... você estava certa o tempo todo." Ela não respondeu. Eu tinha certeza de que eu tinha confundido-a.

215


"Ele... deixou para trás um monte de mau, e é por causa disso que estou aqui. Eu preciso de sua ajuda." "Ajuda com o quê?", Ela perguntou com cautela. "Eu preciso de dinheiro..." Ela interrompeu com uma ingestão aguda de respiração. Soou como um assobio para mim. "Quanto dinheiro estamos falando?" "Cinco mil iriam realmente ajudar." "Eu nem mesmo tenho dois centavos para esfregar juntos, Allie." "Bem, eu quero dizer, qualquer coisa iria ajudar, realmente. Eu vou pagar de volta." Ela balançou a cabeça, me dando um grande e gordo não. "Eu não tenho nada." Porra. Exalei alto e esfreguei os olhos doloridos. "Tudo bem. Bem, eu posso ter um copo de água ou alguma coisa? Eu estou realmente com sede." Ela inclinou a cabeça para o lado e olhou para mim como se eu fosse o maior inconveniente de sua vida. "Você está falando sério comigo agora?" "Sim." Mais uma vez, ela apertou seus lábios e então ela se virou. Ela entrou na cozinha e eu segui depois dela. Apertei a mão no meu estômago, sentindo

216


tontura com o esforço excessivo. Eu não tinha comido durante todo o dia. Dor subiu pela parte inferior das minhas costas, e minha barriga crescendo estava começando a se sentir como se eu tivesse engolido uma bola de boliche gigante. Esperei na entrada da cozinha enquanto ela enchia um copo de água sob a torneira. Em seguida, ela caminhou até mim e ia me entregar o copo quando ela parou de repente. Os olhos dela estavam grandes, a boca aberta com medo, e seu olhar estava firmemente treinado na minha mão contra a barriga. "Oh," eu disse, lembrando-me, "sim, eu nunca abortei, por sinal. Quer dizer, eu ia dizer a você sobre isso, mas você nunca atendeu o maldito telefone, então... " Peguei o copo de sua mão e bebi até a última gota da água enquanto ela continuou encarando descaradamente. "De quanto tempo?", Ela praticamente articulou para fora. “Quatro meses." "Oh, meu Jesus. Onde você está ficando?" "Heath". Seu rosto se contorceu. "Heath Lawson?" "Sim." "O que há com você e aqueles meninos Lawson?" Eu sorri melancolicamente. "Heath é diferente, mãe. Ele é... tudo para mim agora".

217


Ela não respondeu. Ela escondeu suas emoções – algo que ela sempre tinha sido boa – e simplesmente acenou para mim. Isso foi praticamente o fim de tudo. "Tudo bem", eu murmurei, "eu tenho que voltar. Obrigado por abrir a porta e não me ignorar. Entendo que você não pode ajudar, por sinal. Eu apenas pensei que valia a pena tentar. Todo mundo está apertado por aqui, então..." Ainda assim, nenhuma resposta. "Ok. Boa noite, mãe." Eu gostaria que as coisas fossem diferentes. Desejo que estivéssemos perto. Desejo que a morte do papai não tivesse te fodido, porque você era ótima antes de acontecer. Esses pensamentos sempre giravam em torno de minha mente, mas eu nunca poderia expressá-los. Eu me virei em vez disso e saí de lá. O vento soprou o meu cabelo no meu caminho para o carro. Eu dei a Matt um olhar de desculpas quando eu estendi a mão e abri a porta. Eu estava prestes a deslizar para dentro quando, de repente, eu ouvi, "Allie!" Olhei de volta para a casa e vi a mãe, às pressas, fazendo seu caminho para mim. No escuro não consegui distinguir o rosto dela, mas eu a vi segurando algo na mão. Ela se aproximou de mim, virando a cabeça por uma batida em Matt antes de olhar para mim. Ela pegou minha mão e empurrou, o que eu agora sabia ser um envelope, na palma da minha mão.

218


"Aqui," ela disse com uma voz abalada, "isto é... tudo que eu tenho reservado. É três mil dólares, ou algo próximo a isso. " Meu coração deve ter parado de bater porque eu não conseguia respirar. "Me desculpe, eu não pude ser o que você queria que eu fosse", ela então disse, dando um passo para trás. "Eu não sou... Eu nunca estive bem desde... Não é culpa sua. Nunca foi." Ela saiu correndo antes que eu pudesse dizer qualquer coisa. Apertei o meu domínio sobre o envelope, enquanto os meus olhos travaram em seu quadro enquanto ela fugiu para a casa e fechou a porta. Lágrimas salgadas encontraram os meus lábios entreabertos quando eu acenei uma vez à casa em agradecimento e entrei no carro.

219


Capítulo Quinze Heath

Observei a manhã de sábado sentado na beira da cama, com o dinheiro na mão. Ela estava contando-o uma e outra vez, parecendo um pouco satisfeita consigo mesma. Eu tinha acordado com um beijo nos meus lábios e as boas notícias. Três mil dólares extras. Mas se tivesse vencido ontem à noite, poderia ter sido um inferno de muito mais. "Nove mil e duzentos dólares", disse ela, pela terceira vez. "Você não pode me dizer que eles vão estar chateados com isso." Eles estariam chateados com isso indefinidamente. Eu não lhe disse isso, apesar de tudo. Eu só lhe ofereci um sorriso, e ela caiu por ele. "Como você se sente?" Ela perguntou então, olhando sobre meu rosto arruinado com preocupação.

220


"Eu dormi bem". Eu respondi. Essa foi a única coisa que eu poderia dizer que soava positivo. Qualquer outra coisa teria sido uma mentira. Sentei-me lentamente, lutando contra a dor que subiu nas minhas costelas. Eu estava fodido. Eu mal podia mover uma polegada sem sentir a dor de ossos quebrados em algum lugar. Estava vendo estrelas ao redor dos cantos da minha visão. Minha boca doía de constantemente tencionar meu queixo e ranger os dentes. Allie colocou os braços para fora, querendo me ajudar mas, em seguida, puxando para trás como se estivesse incerta sobre isso. Depois da minha derrota – mais como abate – eu acho que ela estava tentando não me fazer sentir como se eu estivesse completamente indefeso. Apreciei isso. No momento eu me sentia castrado. Que tipo de cara eu era, se eu não poderia fornecer, porra? Talvez eu deveria ter lutado mais e apertado mais o orçamento. Deveria ter, podia ter. Não vai ajudar a sua situação, se lembra? "Eu vou levar o dinheiro até lá hoje", eu disse a ela. Ela parou de contar o dinheiro de novo e olhou para mim. A hesitação e medo refletidos em seus olhos. "Por quê?", Perguntou ela. "Temos um outro dia. Podemos ser capazes de conseguir mais..."

221


"De jeito nenhum vamos conseguir quinze." Eu cortei com calma. "A melhor coisa seria mostrar-se um dia mais cedo e dizer-lhe o que temos. Dessa forma, se ele pegá-lo, estamos limpos até o próximo pagamento." "E se ele não pegar?" Exalando com determinação, eu disse: "Então, isso nos dá um dia para dar o fora daqui." Ela engoliu em seco, lutando contra as lágrimas por trás daqueles olhos azuis claros. "Ok." Abri os braços para ela e ela se arrastou até eles. Ela aninhou-se contra mim, passando cuidadosamente um braço sobre minha cintura. Eu acariciava seus cabelos e pensava muito sobre os eventos de hoje. Foda-se, deixe isso acabar bem.

Você sabe que está no fundo do poço quando você estaciona seu carro em frente a um banco, observando as pessoas entrarem e saírem, e se pergunta quão possível pode ser, entrar lá e roubar o lugar. Porra de 'Dick e Jane' tipo merda aqui. Levei muito tempo para me convencer a não fazer algo estúpido. Ganhei no final, pulando fora e dirigindo o mais longe possível. Segui as instruções do meu guia de ruas para o endereço que tinham me dado. Até o momento que eu

222


finalmente cheguei lá, eu estava na periferia de Hedley, me aproximando das divisões agrícolas rurais que estavam, em sua maioria, negligenciadas ou abandonadas. O lugar que virei era uma concha. Todas as janelas tapadas. Uma casa manchada de preto e instável que parecia que uma rajada de vento poderia derrubar seus muros para baixo. Contudo, apesar de seu menor do que estelar real estado, uma Ferrari amarela estava estacionada na frente. Porque isso não é suspeito, certo? Passei dirigindo, e estacionei o carro meio quilômetro abaixo na estrada. Saí com o envelope de dinheiro na mão e fiz a minha caminhada sob o sol nublado. Eu respirei calmamente, com foco exclusivamente em me manter junto. Cada passo em frente era uma agonia. Meu peito queimando. As minhas costelas doíam. Minhas pernas estavam rígidas e doloridas. Eu estava fodido e o céu refletia minha situação, cobrindo a terra com a sua sombria presença. Eu podia sentir o cheiro da chuva no ar. Uma explosão de chuva estava chegando, e eu só podia esperar que uma explosão de um tipo diferente não chegasse.

223


Eu olhei para o carro no meu caminho na frente da destilaria. Eu até parei na varanda e tentei ouvir qualquer coisa. Uma coisa era doar dinheiro para um bandido perigoso, e era uma coisa inteiramente diferente fazê-lo, aparecendo sem aviso prévio. Mas eu precisava da vantagem de tempo no caso dele me mandar embora e me dar até amanhã para obter o resto. Os pensamentos ficam confusos quando você está sob pressão. Uma boa ideia pode vir a ser completamente o oposto, e é só quando você está com a cabeça limpa e pensando direito você percebe isso. Mesmo assim, em pé na frente do antro de drogados, eu estava parcialmente consciente da minha estupidez. Mas já era tarde demais para voltar atrás agora. Bati na porta e dei um passo para trás. Meu coração correu no meu peito, e uma inquietante sensação se formou na boca do meu estômago. Controle-se. Controle-se. A porta se abriu de repente, centímetro por centímetro, até que eu fiquei cara a cara com o cano de uma arma. "Ah, você. Falando sério agora?", Veio a voz irritada de Ricardo. Engoli o ar, tentando remover o choque de ver uma arma mortal apontada na minha cara, e olhei para ele. Metade de seu rosto estava coberto com uma bandana azul-marinho. Ele estava vestido de preto, roupas com mangas compridas, e suas mãos estavam enluvadas.

224


Merda. A única razão pela qual você se cobre assim, é se você está tentando esconder a sua identidade. Alguma coisa ruim estava indo para baixo em breve... ou já aconteceu. "Que inferno você está fazendo aqui, Lawson?", Ele perguntou, mantendo a ponta da arma apontada para o meu rosto. Eu não apreciei essa porra. "O dinheiro.", eu consegui fazer sair. Eu vi aquelas sobrancelhas atirarem para cima. "Sério? Eu te dei até amanhã para passar por aqui. Você não deveria estar indo e vindo como você quer ao redor meu território, porra. Essa merda não é aceitável. " "Eu não achei que o endereço me levaria a uma casa parecendo fodida no meio de lugar nenhum, homem. Ou, que eu iria ver uma arma apontada para o meu maldito rosto." "Sim, bem, você deveria ter esperado isso! Eu não tenho tempo para esta merda. Me dê os quinze e dá o fora daqui agora. Eu vou lidar com você mais tarde." Suspirei e olhei para o envelope. Lentamente entreguei, e ele mais ou menos arrancou-o da minha mão. "Você viveu para ver outro dia", exclamou ironicamente. "Parabéns.” Não me mexi nem uma polegada. Este foi ele me enviando embora, mas não havia nenhuma maneira que eu estava me virando enquanto ele entrou e contou o que estava lá dentro.

225


"Não são os quinze completos," eu disse a ele, hesitante. "Tem um pouco mais de nove." Por alguns segundos, havia apenas silêncio. Eu não poderia dizer o que ele estava pensando. Eu só podia ver aqueles olhos escuros olhando diretamente para mim. Foi sinistro como o inferno. Tipo, como se ele fosse o anjo da morte decidindo meu destino. "Isso é uma piada para você?", Ele disse, parecendo confuso. "Você não sabe o que eu passei para conseguir isso", retorqui, apontando para o envelope. "Então, não, não é uma maldita piada..." "Você percebe que você é um homem morto, certo?" "Pelo menos eu dei-lhe algo..." "Homem, que se foda esse dinheiro." Ele jogou o envelope na minha frente. "Nunca foi sobre o porra do dinheiro, Lawson! Foi sobre você fazer como lhe foi dito! Eu não tenho uma escolha, mas apagá-lo." "Eu vou conseguir mais..." "Você não tem mais!", Ele interrompeu, dando um passo para frente na varanda, a porra da arma ainda apontada na minha cara. "Você não pegou a porra da dica? Seu irmão cometeu um erro enorme. Ele chateou um monte de pessoas! Você nunca iria sair dessa! Por que você acha que lhe foi dada uma porra de tarefa que não era possível concluir? Cinquenta mil dólares – não há ninguém na sua posição que vai ter isso."

226


"Então por que você não me mata para começar?" "Porque o meu chefe é um puto doente que gosta de assistir você nadar antes de se afogar." "E quem é o seu chefe? Leve-me para ele!" Ricardo bufou e balançou a cabeça. "Tarde demais para isso, homem. Você, porra, falhou". "O que isso significa?" Ele empurrou a arma na minha cara, até que o barril estava batendo na minha testa e gritou: "Significa, porra, que você está feito, cara! Faça sua bunda andar. Eu não vou apagar você na minha varanda." Ele me empurrou e meu corpo gritava de dor. Ele me dizia para me mover, me guiando na direção do campo, apenas para além da casa. Jesus Cristo porra, eu não podia fazer nada, mas andar, e mesmo isso era o caos em meus membros. "Não faça isso", eu disse a ele, sentindo parte das minhas emoções desligando. Autopreservação, talvez. Foda-se se eu sabia. Eu estava estranhamente calmo na superfície. Ele não respondeu a isso. Só ficou gritando para eu me mover. Praticamente me dizendo que eu estava caminhando para minha morte. Este tipo de chicotada me entorpecendo. Eu vim aqui para dar-lhe dinheiro. Agora eu ia conseguir uma bala na cabeça? Que porra é essa?

227


"O que vai acontecer com Allie?" Deixei escapar, dando cada passo com um estremecimento. "Essa cadela idiota fez sua cama no segundo que ela foi com o seu irmão idiota." Era como se alguém tivesse enfiado a mão no meu peito e apertado a vida fora do meu coração. Ia me virar, quando a arma veio quebrando contra o lado da minha cabeça. Minha visão turvou e uma dor branca e quente queimou através do meu crânio. "Eu disse para se mover porra!" Mas não consegui. Caí no chão duro, tentando sacudir a dor. Eu estava tão disperso. Eu não conseguia me concentrar. Não poderia mesmo olhar diretamente. Eu vi as duas pernas em minha visão periférica dar um passo atrás. Ouvi o clique de sua arma. Eu sabia que ele ia atirar em mim. Por uma fração de segundo, eu não me importava. Eu estava tão quebrado fisicamente, eu poderia dormir por uma eternidade. "Nós vamos nos divertir com essa menina". Ele disse então. Então, de repente isso me bateu. Allie sozinha naquele apartamento. Desarmada. Insegura. Me esperando chegar em casa. Era como uma rachadura na armadura para mim. Eu podia sentir uma sensação imediata de possessividade sobre ela; era a necessidade de protegê-la

228


a qualquer custo. Eu olhei para Ricardo, assim quando ele colocou o dedo no gatilho, e então senti... uma centelha de algum tipo. Eu perdi isso. Saltei para ele, batendo-o para trás, quando ele puxou o gatilho. O som da arma disparando passou a minha cabeça, temporariamente ensurdecendo a minha orelha direita. Ele gritou incoerentemente quando nós caímos para trás. Ele caiu com força nas suas costas, disparando mais um par de tiros da arma com sua mão estendida. Agarrei seu pulso freneticamente, batendo-o contra o chão para retirar a arma de suas garras. Era uma luta que consistia, principalmente, de grunhidos animalescos de ambas as partes. Ele arranhou os meus braços com a suas mãos enluvadas enquanto eu arranquei a arma dele e joguei-a o mais longe possível de nós. Ele balançou os punhos para mim, tentando torcer seu corpo debaixo de mim, mas eu tinha a vantagem do tamanho, e eu mal senti mais a dor. Eu dei um soco de volta, rasgando a bandana. Sua boca estava aberta, seus gritos eram sons inarticulados para mim, enquanto eu me concentrei exclusivamente naquela porra de dente de ouro, visando cada soco contra sua boca. Este homem ia me matar. Este homem ia matar Allie. Este homem não merece viver. Antes que eu percebesse, eu estava de pé e forçando minha bota em seu corpo. A adrenalina correndo por minha corrente sanguínea, frenética e

229


imparável. Meu coração batia dentro do meu peito enquanto minha bota continuou a bater contra carne e osso. Minha visão ficou turva quando o suor quebrou livre sob o céu escuro. Eu usava todos os fragmentos da minha energia para golpeá-lo. Duro. Mais duro. O quão duro a minha força me permitiria. Eu estava possuído. Monstruoso. Raiva e medo mesclados. Eu quase tive minha cabeça estourada em pedacinhos, e eu não ia permitir que isso acontecesse novamente. Então eu continuei, até que o chão estava corado com vermelho e o cheiro de cobre e suor se fundiu no ar em torno de mim. Era como ver, mas também como ser cego, ao mesmo tempo. Eu sabia o que eu estava fazendo. Eu sabia que eu deveria parar. Mas eu estava muito cego pelo medo – por aquele desespero para sobreviver – e não podia parar a mim mesmo. Um segundo eu estava em cima dele, o seguinte, eu senti como se tivesse sido empurrado para trás por uma força invisível. Eu estava ofegante, meu corpo tremendo de repente quando eu pisquei e olhei para o homem irreconhecível. Encarei primeiro o solo, sua cabeça estava completamente achatada e seu corpo estava imóvel. Eu não conseguia me concentrar em meus pensamentos. Eu não conseguia ouvir nada, exceto a correria do meu próprio sangue na minhas

230


orelhas. Mas o que eu senti... foi avançando lentamente seu caminho em todos os cantos do meu ser. Essa repulsa, esse sentimento doente e torcido que você tem quando algo terrivelmente indescritível acontece. Minha cabeça nadou e minha respiração aliviou. "Porra", eu murmurei antes de me curvar e vomitar. Eu acabei de matar um homem. Oh, minha porra. Eu acabei de matar um homem. A náusea me bateu duro. Eu caí de joelhos e arfei até que meu estômago doía. Então eu limpei minha boca e olhei para o homem que eu matei. Naquele momento eu senti que a minha vida tinha acabado. Eu ia ser repudiado por isso. Eu ia apodrecer na prisão, enquanto os melhores anos da minha vida ficavam no esquecimento. Allie. Porra, Allie. Senti um aperto no meu peito. Não fiquei surpreso ao sentir. Porque estava me dizendo que eu não quero que nada aconteça com ela se eu for repudiado. Quem iria cuidar dela? Quem iria levá-la e ajudá-la? Ela estaria completamente sozinha em uma cidade pedaço de merda, com um bebê que eu a convenci a manter. Sentei-me, continuando a olhar para o que restava de Ricardo. Esse filho da puta tinha que vir. Eu não queria isso. Eu não vim aqui para matar um ser

231


humano, mesmo que o ser humano era claramente um pedaço de merda que não merecia o oxigênio em seus pulmões. Eu rasguei meus olhos longe dele e olhei para o céu coberto por nuvens. A chuva estava vindo. O que era bom. Eu precisava que essa enorme mancha de sangue desaparecesse de alguma forma. E o corpo. Sim, e a porra do maldito corpo. Merda. Como é que eu ia fazer isso e sair dessa? Que porra é que você faz com um corpo morto? Eu não tinha certeza de que eu teria estômago levando o bastardo em meus braços sem vomitar novamente. Isso era muito surreal. Eu quase senti como se eu nem estivesse dentro do meu corpo atravessando os movimentos. Eu estava olhando para mim de outro ângulo:

um homem que estava coberto de sangue e hematomas,

olhando para os campos vazios ao seu redor, como a alma perdida. Alma irreconhecível que ele se tornou. Eventualmente, eu me levantei. Operando exclusivamente na adrenalina, eu o deixei para trás e fui para a casa. A porta ainda estava parcialmente aberta. Lentamente eu subi os degraus da varanda. Eu sabia que não havia ninguém no interior. Se houvesse, eles teriam saído quando ouviram os tiros. Até agora. Eu estava sendo mais cauteloso. Eu muito lentamente entrei. Imediatamente caminhei em um espaço tipo sala de estar, só que estava vazia, exceto por uma televisão no chão e um Xbox ligado a ela. Andei mais alguns passos para dentro e cheguei na cozinha. Garrafas de cerveja e copos de refrigerante vazios estavam desarrumados no balcão rachado da cozinha .

232


Continuando, eu fiz o meu caminho pelo corredor e abri a única porta do quarto que havia. Quando eu entrei, minha bota bateu em algo duro. Fiz uma pausa e olhei para uma mochila preta. Curvei-me, ignorando a dor do nervo em minhas costas e tentei pegá-la. Foda-se, era pesado. Em vez de pegá-la, me ajoelhei e abri o zíper. Espalhando-a aberta, olhei para dentro e vi um mar de verde. Embaladas até o topo, cem notas de dólar estavam empilhados juntos em elásticos. Peguei um pacote e folheei as notas, engolindo em seco para as centenas piscando na minha frente. Puta merda. O caralho tinha todo o dinheiro do mundo, e ele estava sendo mesquinho sobre o meu déficit patético? Mas, novamente ele disse que eu estava sendo induzido a falhar, e esse era um pensamento muito inquietante. Com um suspiro pesado, eu tentei pensar nisso. Eu não era para vir ao redor até amanhã. Ninguém suspeitaria que sua morte estava em meus ombros. Se esta mochila desaparecesse... Bem, então só poderia parecer um assalto que deu errado. Certamente com uma gangue dessa importância teria um monte de inimigos. E que tipo de tensão esse tipo de roubo causa? Isto poderia muito bem criar uma reação em cadeia. E se eles estivessem ocupados demais em busca de uma outra pessoa, então talvez eu estaria relegado a segundo plano. Essa era a única coisa que eu conseguia pensar na minha, quase perdida, mente.

233


Levantei-me e levei a bolsa comigo, certificando-me de pegar o envelope no alpendre. Enfiei-o no saco e rapidamente fiz o meu caminho para o caminhão. Dirigi de volta para a cidade. Paranoia me comeu com cada volta que eu dei. Me encarei no retrovisor. Pareci culpado e... mudado de alguma forma. Fiquei tenso toda vez que eu passava um carro, sentindo como se os olhos desceram sobre mim e eu estava sendo vigiado. Eu não tinha certeza se eu respirava a maior parte do caminho de casa. O ar ficou mais fino quando eu parei em um semáforo e virei minha cabeça para fora da janela para ver um carro da polícia estacionado ao meu lado. Como se sentisse meu olhar, o policial virou a cabeça e olhou diretamente para mim. Agarrei o volante mais apertado e esperei que ele visse. Visse tudo o que eu tinha feito. Para olhar para mim e saber que eu era um filho da puta culpado que só pisoteei um homem até a morte. Inferno, minhas roupas ainda estavam carregando seu sangue. Tudo o que ele tinha a fazer era me parar. O policial olhou... e cada segundo pareceu uma eternidade. Meu coração parou, meu suor havia dobrado, e todos os pensamentos cessaram. As luzes ficaram verdes, e o oficial simplesmente acenou para mim. Então ele foi embora, nunca parou, nunca acendeu suas luzes. Ele desapareceu em torno de um canto e eu só parado lá, na rua vazia, imaginando como diabos ele não viu.

234


Até que me ocorreu. Enquanto eu podia sentir isso, eles não podiam vêlo. Eu era apenas um outro cara invisível. Nada suspeito sobre mim. E havia algo estranhamente poderoso sobre isso. Você vai ficar bem. Poderia parecer prematuro assumir isso, mas... Eu senti isso em meus ossos. Tudo ia ficar bem. Finalmente, eu pressionei o acelerador e corri para casa, para ela.

Allie Encontrei-o sentado no chão do chuveiro. A água batia nele enquanto ele olhava com uma expressão vazia em seu rosto. Eu nem acho que ele me viu entrar no banheiro cheio de vapor. Ele estava sentado aqui nos últimos 50 minutos desde que chegou em casa. Ele não tinha dito uma palavra para mim. Mas eu vi o estado dele. Algo tinha ido seriamente errado. Eu tirei a minha roupa e entrei no chuveiro. Me afundei no chão ao lado dele, apenas fora da borda da água, e me inclinei para ele. Seu corpo estava

235


queimando ao toque, e incrivelmente cru com contusões. Algumas delas eram escuras, e outras estavam vermelhas e frescas. Eu agarrei a toalhinha e embebi em água quente antes de arrastá-la sobre seus braços. Todo o tempo eu olhava para o olhar solene no seu rosto. "O que aconteceu?" Sussurrei para ele, arrastando o pano levemente sobre o peito. Ele mal balançou a cabeça em resposta. "Heath". "Você não quer saber, Allie." Suas palavras graves me enervaram. "Nós temos que correr?" Ele virou o rosto para mim. Aqueles olhos castanhos me acolheram. Lentamente, a impassibilidade foi embora, substituída por um olhar suave que instantaneamente colocou-me à vontade. Sua mão áspera foi para o meu rosto. Ele me puxou para frente e me beijou, sacudindo levemente sua língua contra a minha boca. Foi um dos beijos mais íntimos que ele tinha me dado. Seus braços, em seguida, tomaram conta do meu corpo, me trazendo para a água, então minhas costas descansaram contra seu peito. Ele arrastou beijos da minha cabeça aos meus ombros nus, afastando meu cabelo molhado para melhor acesso. Eu relaxei nele. "Algo incrível aconteceu", disse ele em meu ouvido. "Eu percebi isso hoje." Minha respiração diluiu ao seu toque quando eu perguntei: "O que você percebeu?"

236


Me apertando suavemente, ele respondeu: "Eu me apaixonei por você, Allie. Eu nunca me senti mais em casa do que quando eu estou segurando você. Você faz tudo muito mais brilhante. Você é o centro de meu mundo, e tem sido desde que você veio até mim". Fechei os olhos com as suas palavras. Lágrimas ameaçaram derramar. "Nada nunca vai acontecer com você", continuou ele. "Você está segura comigo. Hoje me mostrou que eu sou capaz de fazer qualquer coisa, e com esse tipo de habilidade, eu sei que vou ser sempre capaz de cuidar de você." Balancei a cabeça. "Tudo vai ficar bem." Eu era como geleia em seus braços. Ele tinha se tornado o centro da minha vida também. Eu confiei em Heath mais do que eu já confiei em alguém na minha vida. Era como ter ganho um presente ouvi-lo dizer que ele tinha se apaixonado por mim. Nunca em um milhão de anos eu teria imaginado isso, e eu tenho uma corrida só de pensar em tudo de bom que havia entre nós. Nada poderia estar lá para nos ameaçar, porque Heath não era um homem egoísta como seu irmão. "Eu vou visitar Ryker," Deixei escapar algum tempo depois. "É hora de eu fazer as coisas certas." Ele balançou a cabeça e me beijou novamente no ombro. "Eu quero estar com você, Heath."

237


"Nós vamos fazer isso acontecer. O que quer que aconteça em nosso caminho, vamos fazer isso acontecer." Eu sorri suavemente com seu otimismo. Eu queria-o seriamente. No entanto, parecia errado, mas eu estava vindo a um acordo com o quão certo eu sentia. Por Heath, valia a pena lutar. Só então uma estranha sensação borbulhante foi sentida em minha parte inferior do estômago. Eu trouxe minhas mãos para baixo e me concentrei no sentimento. Fiquei olhando para minha barriga e meu coração saltou conforme uma pequena parte se projetou. "Heath", eu disse sem fôlego, pegando sua mão e colocando-a sobre a minha barriga. "Sentiu isso?" Ele ficou em silêncio por um minuto, concentrando-se. Quando o sentimento como um pequeno puxão retornou, ele riu suavemente, murmurando: "Puta merda, Allison. Eu senti." Sorri mais amplo do que nunca. "Obrigada por ter esta experiência comigo." Com um aceno de cabeça, ele respondeu solenemente: "Obrigado a você por escolher-me para compartilhar isso." Quando a água esfriou, ele me levou para fora e me segurou. Me segurou como se ele estivesse desesperado para nunca me deixar ir.

238


Capítulo Dezesseis Ryker

Eu estava bêbado. Tropeçando pela rua, visão nebulosa, passos lentos. Noite fantástica do caralho, no entanto. Verdadeiramente épica. Cindy estava quente como o inferno. Curvando-se do jeito que ela fez para mim. Foda-se, isso era bom. Pura submissão. Me escolheu ao invés de Heath, e o olhar no seu rosto... Heh. Isso foi melhor do que o prazer que eu senti quando eu a fodi profundamente. Eu amava as meninas. Enquanto Heath pode ter sido mais bonito do que eu, ele era uma espécie de uma mulher/cara. Se ele estava trepando com alguém, ele faria isso por um bom tempo antes que ele estava acabado e seguisse em frente com outra pessoa. Eu não. Eu estava transando com elas esquerda, direita e centro.

239


Eu era um cara bonito. As garotas me queriam. Eu era o irmão Lawson acessível. A única que elas faziam fila, esperando sua vez. E essas eram lindas garotas. Não as feias que não olharam direito para o espelho antes de sair. Eu estou falando garotas quentes, usando jeans skinny apertado e peitos para o alto, cabelos descendo pelas costas, lábios vermelhos roliços e brilhantes, e os olhos brilhando com desejo. Eu as uso. Eu amo a emoção. Adoro a sensação que eu sou superior ao meu irmão. Crescendo com ele parecia com uma competição gigante. Heath sempre parece ser melhor do que eu em tudo. Esportes? Ele marcou todos os gols. Aparência? Ele tem a genética de um zagueiro, enquanto isso eu tenho o corpo de um jogador de tênis. Nenhuma quantidade de levantamento de pesos poderia me cortar mais perto de seu corpo, e eu sabia que era porque tínhamos pais diferentes. Escola? O bastardo tinha dislexia e ainda tinha melhores notas do que eu. Família? Ele era o favorito da mamãe. Nossos primos preferiam sua companhia do que a minha. Todo o mundo cuidava dele mesmo que ele não tinha realizado merda nenhuma. Força? Ele era o lutador. Eu era a pessoa do lado, observando-o nocautear cara depois cara, sabendo que eu nunca poderia estar na extremidade de receber aquele punho e ter uma chance. Mas as meninas? Ele não sabia como estar em um relacionamento. Ele não poderia se comprometer. E enquanto eu não estava interessado em relacionamento, eu

240


sabia o que uma menina queria. Eu sabia como regá-las com carinho, fazê-las sentirse como se fossem queridas. Eu não descarto-as, ou coloco uma linha na areia que diz: "Nós somos apenas amigos de foda. Nós não estamos em um relacionamento. Nós não somos nem amigos." Então, eu trabalho com o que tenho. Com o que eu pareço me destacar. E deu certo hoje à noite. Eu suspeitava que era por isso que Heath decidiu ser um pau, decolando sem sequer perguntar se eu tinha uma maldita carona para casa. Deixou-me a caminhar pelas ruas no meio da noite por minha conta. Pelo menos... eu não acho que ninguém estava aqui fora. Parei e olhei ao redor, só para ter certeza. Eu não gostava da porra do escuro. Outra coisa que Heath foi o responsável. Me assustando todos esses anos como um garoto. Aprendi que você nunca sabe o que está a espreita nas sombras. Peguei meu canivete. Hedley não era um lugar para estar à noite. A menos que você fosse um cara em um grupo, é melhor você estar observando as suas costas a cada passo do caminho. Mas que seja, homem. Eu não era uma boceta. Aos dezessete anos de idade eu me sentia como um homem adulto. A vida não tinha sido fácil. Especialmente quando a mãe morreu há seis meses. Em um piscar de olhos ela estava lá num segundo e, em seguida, ela tinha ido. Foda-se você câncer.

241


Nós estávamos fazendo por isso. Um cheque de pagamento de cada vez, de qualquer maneira. Fui forçado a crescer mais rápido. Forçado a assumir as responsabilidades que um garoto não deveria. Como resultado, eu estava com raiva e a tensão entre meu irmão e eu era sempre alta. Só porque a mãe estava morta, isso não significava que ele podia me dizer o que fazer. Eu estava trabalhando como ele. Eu estava ganhando algum dinheiro para ajudar-nos a passar por isso. No final do dia eu tinha o direito de viver do jeito que diabos eu queria. "Socorro." Parei. Jurei que ouvi alguma coisa. Olhei em volta, novamente, para os prédios escuros ao longo desta rua. "Por favor." Virei-me e, instantaneamente, meu estômago revirou com o movimento. Após uma noite de beber pesado, qualquer movimento brusco ia ser a minha morte. Bile subiu pela minha garganta. Debrucei-me e arfei em seco, dando pequenos passos para a frente até que minha cabeça bateu no muro de tijolos de uma loja escura. Respirei dentro e fora por um bom tempo, a luta contra o suor frio repentino que rompeu. Por que diabos eu bebi? Perguntei a mim mesmo. "Ajude", ouvi de novo. Deus, eu estava ouvindo merda? Levantei-me em linha reta e mantive uma mão contra a parede. Tomei pequenos passos, fazendo lentamente o meu caminho mais perto de onde isso estava

242


vindo. Era uma voz masculina, e parecia fraca e profunda. Talvez embriagado? Eu o deixaria se ele estivesse. Eu tinha que cuidar do meu próprio rabo bêbado primeiro. Virei em um beco, o cheiro de lixo vindo forte. Eu respirei pela boca enquanto eu olhava duro na escuridão, esperando o homem entrar em vista. A cada passo, eu olhava mais duro, até que eu pude reconhecer o contorno de uma pessoa. Ele era um cara grande, eu poderia dizer, e eu parei na metade do caminho para ele e olhei em volta com cautela. Esta poderia ser uma armadilha. Talvez uma maneira de chegar até a minha carteira. Não que os filhos da puta iriam encontrar muito, exceto por uma nota de cinco dólares e uma identidade falsa. "Qual é o problema com você?", Eu encontrei-me perguntando, voltando minha atenção para o homem. Suas costas estavam contra a parede, com as pernas espalhadas no chão. "D-Dói", ele gaguejou, balançando a cabeça de um lado para o outro. "Onde?" Pressionei. "Em todos os lugares. P-pescoço na maior parte." "O que aconteceu? Por que você está aqui?" Ele tossiu fracamente antes de sussurrar, "E-Eles me largaram aqui há pouco tempo. Eles poderiam voltar a qualquer momento. Tire-me daqui. P-Por favor, me tira daqui." O largaram? Dei um passo mais perto, balançando a cabeça para obter alguma clareza. "Quem largou você? Quem estará de volta?"

243


"Homens m-muito ruins." Mesmo bêbado, meus instintos eram claros. Eu precisava voltar e dar o fora daqui. Limpar a porra do caminho longe deste homem antes que ele me arraste para baixo em alguma merda que eu não precisava estar. Eu tinha feito bem em me manter longe do mal que esta cidade estava infestada. A última coisa que eu precisava que acontecesse era me envolver em algum golpe – porque vamos ser fodidos claramente aqui, este era obviamente um. Este homem tinha levado uma surra, e eles estavam voltando para mais. Dei um passo para trás e comecei a sacudir a cabeça para ele. Minha boca se abriu para recusar ajuda quando o som alto de múltiplos passos surgiram por trás de mim. Vozes se espalharam pelo ar e, antes que eu conseguisse virar no meio do caminho, o riso soou. As palavras "O filho da puta trouxe reforço", foram ouvidas. "Não..." Comecei a dizer, mas já era tarde demais. Uma mão agarrou o lado da minha cabeça. Deixei escapar uma respiração afiada, atordoado com medo quando ele esmagou a minha cabeça contra a parede. Tudo ficou escuro.

244


Me agitei, sentindo a pior dor da humanidade em meu crânio. Eu estava sentado em algo duro. Minhas costas estavam duras, meu pescoço doía, e os meus braços... Algo estava do caralho errado com meus braços! Abri os olhos na escuridão. Algo estava cobrindo-os, e por reflexo tentei remover o pano. A sensação de claustrofobia imediatamente bateu-me quando eu descobri que não conseguia mover minhas mãos. Meus pulsos foram amarrados, puxando meus braços muito para trás na cadeira horrível que eu estava sentado. Eu não podia mesmo chutar. Meus pés estavam firmemente amarrados no lugar contra as pernas da cadeira. Apavorado, eu tentei me debater. Talvez se eu pudesse quebrar a cadeira. Ela gemeu e se moveu ao longo do chão duro. Não me levou nenhum momento antes que eu estivesse suando como um porco. Minha cabeça latejava e logo eu estava nadando em tonturas. Que porra é essa? "Não te canses, rapaz", disse uma voz áspera. "Você não vai a lugar nenhum." Eu congelei. Cada pedaço de mim estava em alerta máximo. Quem estava no quarto, estava desconfortavelmente perto. "O que está acontecendo?", Eu quis saber, com mais raiva do que medo. "Por que diabos estou aqui? Eu não fiz nada errado..." "Não seja idiota. Ele o chamou para reforço, não foi?" "Ninguém me chamou para reforço. Eu estava voltando para casa de uma festa! Eu estava bêbado, homem. Eu não sei de merda nenhuma..."

245


"Então, por que era sua bunda naquele beco?" "Um cara estava pedindo ajuda. Fui ver o que diabos estava acontecendo." Ele riu. "Ou você é o mais idiota, menino caipira mais azarado que eu já vi, ou você está tentando me fazer de bobo. Qual é?" Eu balancei a cabeça, enquanto que a raiva crescia a cada segundo. "Eu não sou idiota ou mentiroso. Eu não sou um menino também." "Não?" "Não!" Eu estava vendo vermelho agora. "Tirem-me o inferno fora daqui!" O idiota riu novamente. Oh, o que eu daria para ter minhas mãos sobre esse desgraçado! Eu estava histérico, tentando sair da cadeira. Não ter nenhuma noção de onde estava, ou com quem estava lidando, tornou-me superaquecido e entrei em pânico. Eu senti como se estivesse em uma pequena caixa e as paredes estavam lentamente se fechando sobre mim. "Acalme o inferno para baixo. Jesus, você está fazendo-me desconfortável." "Então me desamarre!" Ouvi sons embaralhados. Então passos. Uma mão agarrou a venda em torno de meus olhos e a arrancou. Pisquei rapidamente quando a luz inundou minha visão, temporariamente me cegando. Lentamente objetos começaram a se formar diante de mim enquanto eu pisquei as estrelas.

246


Eu estava em um quarto de cimento. Talvez um porão. O medo passou por mim quando um rosto apareceu, me olhando com um sorriso malicioso no rosto. O homem era calvo, tinha uma barba grisalha e brilhantes olhos azuis claros. Havia uma dureza implacável sobre ele, e eu sabia que de repente tudo sobre a minha vida estava prestes a mudar. Ou eu ia morrer... ou eu ia pagar de alguma forma da porra, por ir a esse homem ferido no beco. "O que há de errado?", O homem disse com as sobrancelhas levantadas. "Não parece tão durão agora, hein? Você sabe quem eu sou, rapaz?" Eu mal respirava quando eu balancei a cabeça ligeiramente. O homem se inclinou, sussurrando: "Eu posso ser seu amigo... ou eu posso ser seu pior porra de pesadelo." Eu não respondi. Eu podia sentir o suor deslizando pelo meu rosto, entregando a minha ansiedade. "Qual deles você quer ser?", Ele perguntou, caminhando até uma mesa improvisada, onde uma longa fila de facas estava. Porra, diabos. "Olha," eu disse, engolindo duro: "eu não menti para você. Eu sou apenas um bêbado fodido que tropeçou através de um homem que pediu ajuda." "Você tem certeza disso?" Eu tremia quando inflexivelmente respondi: "Cara, eu estou cem por cento certo."

247


Ele pegou uma faca Spyder de cabo amarelo e se virou para mim. Havia um brilho naqueles olhos enquanto passeava casualmente para mim, cuidadosamente olhando para o meu rosto, enquanto ele lentamente percorria os dedos para cima e para baixo na lâmina. Ele estava tentando me ferrar com medo. E o filho da puta estava fazendo um trabalho muito bom. "Quantos anos você tem, garoto?", Ele então perguntou, pegando um banquinho para sentar-se ao meu lado. "Dezessete". "Dezessete", repetiu ele, balançando a cabeça, pensativo. "Ainda a porra de um bebê, hein? O que você estava fazendo andando pelas ruas, com seu rabo bêbado, respondendo a homens aleatórios em becos?" "Meu irmão me deixou para trás. Não tinha dinheiro para o táxi para ir para casa. Decidi apenas andar quando o escutei." "Certo." Eu não poderia dizer se ele acreditou em mim ou não. Ele era impossível de ler. "Você vive em torno dessa área que eu encontrei você?", Ele perguntou. "A poucos quarteirões de distância", eu disse a ele. "Huh. E aquele homem que você viu... Será que você o reconheceu?" Tentei me lembrar do rosto no beco. "Estava muito escuro." "O que ele disse para você exatamente?"

248


"Que os homens iam machucá-lo, e que eles estavam voltando para ele." Ele ficou em silêncio por alguns instantes, olhando para a lâmina agora. Eu vi como ele, casualmente, limpava a sujeira debaixo de suas unhas, como se isso fosse apenas mais um evento normal no seu dia. Me perguntei se ele iria pensar duas vezes sobre mim, se ele decidisse me matar. Ou eu era apenas mais um número para ele? Foda-se, eu precisava pensar rápido. "Você quer saber o que vai acontecer com ele?", continuou o homem, mantendo os olhos desenhados na faca. "Ele me devia um monte de dinheiro. Decidiu que não ia pagar de acordo com prazo que lhe dei. Ele vai estar balançando em um galho de árvore quando a manhã chegar, com uma grande falsa nota de suicídio do caralho escrita por ele." Jesus Cristo. Por que ele estava me dizendo isso? "Seu nome era Walter Wallace. Conhece-o?" O nome era familiar. Eu conhecia a família, eu percebi. Inferno, eu tinha brincado com a filha quando eu era uma criança. Eu balancei a cabeça lentamente. "Não o conheço pessoalmente, mas eu sei sobre ele." "Considero que esse homem tem esse dinheiro escondido em algum lugar. Eu provavelmente vou estar rasgando através de sua casa. Eu poderia até começar a depenar a porra da sua esposa também."

249


Fechei os olhos. Porra, se isso era um pesadelo, poderia alguém apenas me acordar já?! "Bem, garoto, agora que você sabe sobre ele, é melhor começar a pleitear seu caso para mim, caso contrário, eles vão encontrá-lo balançando em um galho também." Meus olhos chicotearam abertos. "Pleitear o meu caso? Eu não fiz nada!" Ele deu de ombros e finalmente bloqueou seus olhos frios nos meus. "Sim, mas agora eu lhe disse sobre o homem, disse-lhe o que eu vou fazer à sua esposa e por quê. Eu não posso deixar você ir para o mundo sabendo que você tem esse tipo de informação contra mim." O que na porra? Ele que me disse a "informação", e agora ele estava usando isso contra mim? Minha cabeça girava. Minha dor de cabeça piorou enquanto eu tentava pensar meu caminho através disso. Será que este homem apenas desfruta aprisionando as pessoas? Será que ele estava armando para mim? Isso era um jogo doentio. "O que você quer que eu faça?", Perguntei, sabendo muito bem que eu parecia desesperado. "Bem, depende. O que você está disposto a fazer por mim?" Eu não sabia. Ele podia ver isso pelo meu silêncio. Ele suspirou, balançando a cabeça em desapontamento. "Você está provando-se inútil para mim. Pensei que eu vi um pouco de fogo em você, acordando e jurando seu pequeno coração para fora. Pensei que eu poderia usar um homem jovem. Acho que não."

250


Ele levantou-se, e meu corpo sacudiu com pânico. Pense. Pense! PENSE! "Eu vou te encontrar esse dinheiro", eu deixei escapar em uma corrida, lutando contra o tremor em minha voz. "Esse homem tinha uma filha. Eu posso – eu posso pegar para você através dela. Ela não vai suspeitar disso. N-nenhuma delas." Ele olhou para mim com as sobrancelhas franzidas. "Por que eu faria isso?" "Porque um pai suicida vai parecer realmente suspeito se algo de ruim acontecer com a mãe também." Ele olhou duro para mim, e eu não poderia ler sua emoção. Os segundos passavam em um ritmo dolorosamente lento... até que, finalmente, seus lábios se curvaram e ele sorriu largamente com um enlouquecido olhar em seus olhos. "Rapaz, eu gosto de você." Afundei na cadeira aliviado. "Eu sou o chefe", ele então disse, inclinando-se para me olhar nos olhos. "e você vai aprender muito rápido que nunca mais vai querer me foder. Porque ninguém nunca vai embora."

A prisão é como uma pausa gigante em sua vida. Você sabe que o tempo está passando, mas você não sente isso. Não é o isolamento do mundo que mata você. É a repetição. Você acorda sem propósito e vai para a cama morrendo um pouco mais por dentro. Seu coração não é nada mais do que um lembrete de que você ainda está vivo, mas não é o

251


seu órgão mais vital. Não é o que te dá propósito. Ele não diz à você como fazê-lo dia após dia em um lugar cheio de criminosos violentos. Não, é o cérebro que mantém você indo. O cérebro diz-lhe o que fazer. Diz-lhe para manter a porra da sua cabeça para baixo e nunca começar problemas. Para apenas existir. Exista. Eu estava existindo. Mas como a porra da planta que necessita de água, eu estava murcho. Eu precisava dela. Eu precisava da água. Eu precisava dela para colocar um pouco de fôlego em mim novamente, para dar-me a esperança de que havia algo bom do outro lado. O que é fodido. Porque ter esperança em um lugar como este era uma coisa perigosa. Fez a queda muito mais alta – muito mais difícil. A maioria dos dias a amaldiçoava. Ela me abandonou, mas pela minha vida, eu não poderia encontrar em mim nada para odiá-la. Eu sabia que, de alguma fodida forma, isso era karma. Eu não a merecia, mas eu serei amaldiçoado se ela pensou que estar longe de mim significava que estávamos terminados. Ela era minha. Nunca procurei me apaixonar por ela. Simplesmente aconteceu. Mas eu sabia o segundo exato em que começou a acontecer, e essas lembranças me assombraram toda a noite que eu estava sozinho na cela.

252


"Levante-se, Lawson", veio uma voz, sacudindo-me acordado. "Tem um visitante, seu idiota." Levantei-me e vim sobre as correntes. "Fodido bastardo", o guarda gordo, Jacko, murmurou quando ele passou, abusando de mim, porque eu aguento com a boca fechada. "Parece uma merda triste, não é?" Sim, ele poderia falar. Eu deixo-o. Ele não sabia do que eu era capaz, mas quanto mais ele continuou, mais eu reservei um local para ele no futuro, onde ele veria. Ele saberia exatamente com quem ele estava mexendo. Ele me levou até a ala das visitas. Eu esperava que não fosse Matt novamente. A merda que o homem tinha me alimentado a última vez que esteve aqui, foi francamente mental. Falando sobre como Heath queria Allie – minha Allie! Eu pensei sobre a nossa conversa no meu caminho. "Ela não está esperando por você", ele deixou escapar, evitando meus olhos quando ele deu de ombros derrotado. "Não há absolutamente nenhuma menção de você à ninguém. Ela passa o tempo todo indo para a escola e no apartamento com Heath. Eu não... O que diabos você quer que eu diga, Ryker? Ela não está esperando você homem." Eu não deixei essas palavras se assentarem. Eu as tratava como se fosse o vento; um ligeiro chicote no rosto e ele se foi.

253


"É Heath, cara", continuou ele, finalmente, me olhando nos olhos enquanto ele bateu os dedos nervosamente na mesa. "Ele está gastando muito tempo com ela, Ryker." Esfreguei meu rosto, exasperado. Que porra isso importa? "Eu prefiro ela passando tempo com meu irmão do que com qualquer outro homem naquele pedaço de merda, ninho de rato de uma porra de cidade, Matt. Eu disse-lhe para cuidar dela..." "Se você visse o jeito que ele olha para ela, Ryker, você ficaria irritado como o inferno, também." Eu não respondi por alguns segundos. Procurei seu rosto. Ele estava alto? O homem estava entendendo errado. Eu sabia o que ele estava querendo dizer, mas essa merda não fazia sentido para mim. Heath prometeu que ia estar lá para ela. Eu confiei nele para não furar com a sua palavra, e pelos sons disso, ele estava. Ele tinha uma legal, pequena coisa quente na lateral, e Allie estava muito abaixo de sua liga. Ele nunca olhou para ela, nunca se importou quando ela estava por perto. Isto era inofensivo, e ele estava provavelmente irritado como a porra que eu deixei-o para fazer essa merda. "Você está entendendo errado", disse a Matt. "Eu tenho certeza de que não é assim." Matt piscou para mim em aborrecimento e balançou a cabeça. "Tudo bem, cara. Não acredite em mim então. Mas eu sei o que eu estou vendo, e eles estão próximos. Ela nunca vai a lugar nenhum sem ele."

254


Mais uma vez, apenas vento. Talvez eu estivesse colocando uma parede, ou alguma merda. Talvez eu não queira acreditar, mas no final do dia, não fazia sentido para mim. Se eles já ficaram juntos – Deus ajude a porra do Heath se ele levou a esse ponto – isso seria o choque da minha vida. Eu o mataria. E eu acho que isso foi o que me assustou mais. Eu realmente iria matá-lo. Não, eu pensei de novo, lembrando a maneira como Heath falou para mim quando me viu pela última vez. Ele nunca iria me foder com isso. Ele prometeu-me com tudo dentro dele. Ele era meu irmão – o meu sangue. Meus passos abrandaram quando eu olhei para a mesa que Jacko me levou. Tudo dentro de mim congelou, exceto o meu coração. Ele bateu mais forte, e uma emocionante corrida viajou através de mim quando eu fechei os olhos em Allie. Eu sonhei com isso. Sonhos vívidos sobre ela vir me ver para dizer que cometeu um erro. Que ela não queria dizer o que disse sobre o término. Isso foi apenas uma reação emocional. Tinha de ser. Ela estar aqui era a prova disso. Meus lábios se curvaram quando eu finalmente andei para a frente. Seus olhos azuis caíram na mesa quando eu me aproximei dela. Eu estava esperando por ela me abraçar e pressionar aqueles lábios macios aos meus, mas seu olhar estava preso em um local aleatório sobre a mesa do caralho e ela manteve-se fixa em seu lugar.

255


Eu não deixei essa estranha mudança no comportamento dela chegar até mim. Nós não nos víamos em meses. Nós nunca estivemos separados por tanto tempo. Ela ainda pode estar com raiva de mim. Isso era bom. Nós poderíamos conversar. Sentei-me em frente a ela e Jacko recuou para nos dar espaço. Eu estendi minha mão para fora e peguei uma de suas mãos entrelaçadas. Como eu me lembrava, sua pele estava fria e suave. Tocá-la foi surreal para mim. "Allie", eu sussurrei, "Olhe para mim, garota." Ela não faria isso. Frustração imediatamente borbulhou na superfície. Que diabos estava acontecendo? "Allie", eu repeti com firmeza, "Olhe para mim." Ela lentamente ergueu o olhar para mim. Aqueles olhos azuis encontraram os meus. Seus lábios franzidos enquanto examinava meu rosto. Ela pareceu mais cheia e mais bonita do que eu me lembrava. Não mais aquela menina magricela de antes. Seus seios estavam realmente chegando. Ela nunca tinha sido um colírio para os olhos, mas ela estava definitivamente possuindo essa aparência. "Eu senti sua falta", eu disse a ela, trazendo-lhe a mão até a boca para dar um beijo. No segundo que eu fiz, ela se encolheu e se afastou. Senti seu conflito e raiva, e eu imediatamente tentei acalmá-la. "Não fique chateada comigo. Passei todos os dias pensando sobre isso. Eu não quero que você

256


perca tempo me odiando. Eu conheço você. Você derrete quando eu falo com você. Quando eu te digo o quanto eu te amo." Essas palavras não tocaram-na como antigamente. Ela olhou fixamente para mim. Eu a li bem e vi seu ressentimento há um quilômetro de distância. Ela me odiava por aquilo que eu a fiz passar. A ironia era que ela realmente não sabia o que eu estava fazendo. Minha vida foi construída sobre segredos e mentiras. Eu não poderia dizer-lhe a verdade. Se eu revelasse uma pequena mentira, iria criar uma reação em cadeia. Todos eles iriam desabar um após o outro, como um castelo de cartas, e eu não poderia ter isso. "Fale comigo", eu pressionei-a, calorosamente, em direção ao jeito que eu sabia que ela gostava. "Diga-me o que está acontecendo em sua cabeça bonita." Ela se inclinou para a frente e disse calmamente: "Você já sentou aqui falando sobre o quanto você me ama e sentiu minha falta, e você ainda não trouxe o nosso bebê." Eu fiquei tenso. Qualquer que fosse o calor que senti, foi posto para fora pelo arrepio gelado que a palavra "bebê" me deu. Apertei minha mandíbula e recostei-me na cadeira. Isso não estava indo de acordo com os meus sonhos. Isso foi se transformando em um pesadelo. "O que você quer que eu diga?", Perguntei a ela vagamente. "Você não está curioso para saber como ele está indo? Você não quer saber se é uma gravidez saudável?"

257


Eu dei de ombros. "Bem, é?" Ela olhou para mim por um momento. "Sim", ela disse em uma voz dura. "É sim." "Bom, eu estou contente de ouvir isso", foi a minha resposta robótica. "Você está realmente? Porque você não parece que dá uma merda." Meus olhos se arregalaram. Eu nunca a ouvi realmente xingar antes. Allie sempre falou suave. "Será que Heath lhe ensinou a ser uma boca suja?" Era para ser uma questão de bom humor. Uma forma de quebrar o gelo. Mas, em vez... a reação que eu tive me incomodou. Ela congelou e desviou o olhar. Algo estranho passou sobre suas características. Foi uma emoção que eu nunca tinha visto nela antes. Culpa? Preocupação? Algo não estava certo. "Ele tem cuidado de você?" Eu perguntei então, observando atentamente a reação dela. Ela não respondeu imediatamente, mas seu rosto ficou em um tom rosado. Ela juntou as mãos e em seguida, soltou-as, e eu reconheci como algo que ela fazia quando estava nervosa. A pergunta era: o que estava deixando-a nervosa? "Allie", pressionei com calma. Eu não sei como eu não estava gritando. Senti a raiva fervendo abaixo a superfície. No fundo do meu coração, eu sabia o que estava acontecendo, mas eu estava lutando para não reconhecê-lo.

258


"Sim", ela finalmente sussurrou. O silêncio continuou a estender-se. Seu desconforto cresceu por segundo, e sua preocupação agora superando os nervos. As palavras de Matt... Eram apenas palavras? Ou eles estavam...? Eu podia sentir meu coração estilhaçar dentro de mim. Descrença. Eu estava enfrentando um momento na minha vida que eu nunca pensei que teria que enfrentar. Allie tinha me enganado. Eu nunca pensei que ela teria isso nela para me machucar assim. Com os dentes cerrados, deixei escapar: "Você transou com ele, não é?" A menor parte de mim esperava que ela ficaria indignada com a minha pergunta. Inferno, se ela quisesse negar isso, eu teria gostado de ouvir. Eu queria me cegar com a mentira de que ela não poderia fazer isso comigo. Eu já sabia que ela tinha feito, mas eu estava implorando para que ela negasse. Ela lambeu os lábios e piscou rapidamente. Seus olhos lacrimejavam quando ela olhou para mim. A raiva que senti antes era uma maldita chama em comparação com o que eu estava sentindo atualmente. "Sim", ela raspou para fora. "Sim, eu fiz." "Uma vez?" Por que eu estava me torturando assim? Ela balançou a cabeça.

259


"Não." "Duas vezes?" Outro aceno negativo de cabeça. "Foda-se, quantas vezes?" "Você não quer saber." Me inclinei para a frente, inclinando minha cabeça enquanto eu rosnei: "Que diabos isso significa, Allie?" Ela não recuou como eu pensei que ela faria. Ela olhou para mim, lutando contra suas próprias emoções, ela respondeu, "Isso significa o que você acha que isso significa." Cerrei os punhos. Eu queria matá-la, porra. "Então, o quê? Será que ele vai jogar de papai para o nosso filho? É assim que isso está indo? Você vai ter uma vida de conto de fadas, enquanto seu cara está apodrecendo em uma prisão e você está lá fora, fodendo seu irmão?" Ela encolheu-se com as minhas palavras, mas não recuou. "Você não se importa com o bebê..." "Então, tudo isso é um sim? Você corre pelo pôr-do-sol com Heath." Soltei um riso amargo, chocado com o rumo dos acontecimentos. "Foda-se, não é apenas grande? Obrigado, Allie, por foder a minha vida." Agora, ela estava furiosa. "Fodendo sua vida? Você tem alguma ideia do que você fez eu e o Heath passar? Você acha que porque você está na prisão todos os seus problemas desapareceram? Não. Suas dívidas vieram bater à nossa porta!"

260


Eu congelei e olhei confuso para ela. "O que você está falando?" "Eu estou falando sobre aqueles cinquenta mil dólares, Ryker. Não banque o estúpido." Olhei ao redor da sala, certificando-me que nenhuma orelha estava ouvindo. "Eu não tenho nenhuma ideia sobre isso," eu disse a ela. "Mentindo novamente", ela sussurrou. "Isso é tudo em que você é bom. Mentindo." "Eu não estou mentindo. Eu não tenho nenhuma ideia sobre isso." Eu estava realmente dizendo a verdade. O chefe não disse nada sobre coletar aquele dinheiro que eu fui pego. Que porra é essa? Eu tinha uma sensação de mal estar que talvez ele tivesse me cortado fora. "Eu vou cuidar disso", eu disse a ela com firmeza. "Eu vou tê-lo resolvido. Não se preocupe, Allie. " Ela balançou a cabeça em descrença. "Tarde demais para isso, Ryker. O pior já aconteceu. " O que ela quis dizer com isso? "Eu quis dizer o que eu disse da última vez", acrescentou gravemente. "Eu estou feita com você." "Não, você não está." "Sim, eu estou." Soltei outra risada dura. "Você não vai se livrar de mim tão facilmente. Você não tem ideia do que eu passei para estar com você. Não há nenhuma

261


maneira no inferno que eu estou perdendo você para aquele filho da puta enganador." Ela não entendeu minhas palavras. Eu não tinha contado nada a ela. Mais segredos. Mais mentiras. Eu só queria limpar a lousa e começar de novo. Isso era demais para pedir? Ignorando minhas palavras, ela empurrou a cadeira para trás e disse: "Eu estou indo. Eu vou deixar você saber como o bebê vai se é isso que você quer, mas eu não estou vindo aqui como sua garota mais..." "Você vai transar com ele hoje a noite?" Eu interrompi duramente, inclinando-me ainda sobre a mesa. Ela congelou, com a boca semi-aberta enquanto ela me olhou chocada, como se eu tivesse perdido minha mente. "Você vai, não vai? Bem, isso é certo, Allie. Você tem cinco anos com essa merda infiel. Então eu estou fora daqui. E você sabe o que eu vou fazer quando eu sair? Eu vou matá-lo." Seus olhos se arregalaram, e sua respiração desacelerou. Balancei a cabeça para as minhas palavras e sorri para ela. "Eu vou. Eu vou cortá-lo em porra de pedaços, membro por membro. E então você vai olhar-me nos olhos e me dizer que você ainda está feita comigo." Eu não queria vê-la sair. Levantei-me, em vez disso, e sinalizei para o guarda para me levar embora. Ela tinha ficado mole em sua cadeira enquanto o idiota agressivamente me algemou e me guiou para fora de lá. Ela estava assustada e, inferno porra sim, ela deve estar. Vivi três anos duros sob o chefe e a única coisa que me manteve era ela.

262


Foda-se o sangue! Eu serei amaldiçoado se ele acha que pode tomar outra coisa boa para longe de mim. Isso é tudo que Heath têm feito em minha vida. Tomar, tomar... Tomar! Ele não vai vencer essa. Cinco anos a partir de agora eu vou sair, e quando o fizer, eu estou indo atrás dele. Eu vou matá-lo. ...

Continua...

263

Loving lawson - R. J. Lewis (Loving Lawson #1 )  

-----> http://livra-ria.blogspot.com.br/ <-----

Loving lawson - R. J. Lewis (Loving Lawson #1 )  

-----> http://livra-ria.blogspot.com.br/ <-----

Advertisement