Page 1

PORTFÓLIO GA B R I E L GE OR GE GROS S KOPF

2014 - 2019


GABRIEL GEORGE GROSSKOPF Possuo Ensino Médio completo e graduação em andamento no curso de Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Santa Catarina. Realizei estágio no Laboratório BIM de Santa Catarina e no escritório Patrícia Herden Arquitetura e Gestão BIM. Participei de pesquisa acadêmica nas áreas de Criminologia Ambiental, História do Urbanismo e Iluminação Natural desenvolvidas junto ao PET-ARQ UFSC, Laboratório de Urbanismo e Laboratório de Conforto Ambiental, respectivamente. Junto à universidade também participei do Grupo de Estudos em BIM (GEBIM-UFSC) no intuito de difundir conhecimento sobre a plataforma no meio acadêmico.

DA D OS Endereço Rua Profª Maria Flora

E S TÁG I O 2019 - presente

Estagiário em Patrícia Herden Arquitetura e Gestão BIM, auxiliando no desenvolvimento de estudos preliminares e projetos executivos

2017 - 2019

Estagiário no Laboratório BIM de Santa Catarina (LaBIM-SC), parte da Secretaria de Estado do Planejamento, auxiliando no desenvolvimento de estudos e procedimentos para facilitar a adoção da Modelagm da Informação da Construção pelo estado

Pausewang, 277, apto. 104 Florianópolis, SC. CEP: 88036800 Celular (48) 991440316

P E S Q U I SA E-mail gabreorge@gmail.com

2015 - 2017

Bolsista no grupo PET Arquitetura e Urbanismo da UFSC, tendo participado de duas pesquisas: Padrões espaciais e criminalidade em estacionamentos na UFSC - Campus Trindade e Paisagens imaginárias das Cidades Utópicas, esta vinculada também ao Laboratório de Urbanismo

2016

Voluntário na pesquisa Comportamento Luminoso de Dutos de Luz e seu Emprego como Fonte Luminosa no Método dos Lúmens, vinculada ao Laboratório de Conforto Ambiental da UFSC

Nascimento 04 / 03 / 1996 Nacionalidade Brasileiro

IDIOMAS Português (fluente)

F O R MAÇ ÃO C OM PL E M ENTA R 2019

Curso online Princípios básicos para projetos estruturais de madeira massiva, ofertado por Carpinteria Estruturas de Madeira

2019

Curso certificado ArchiCAD 22 (32h), ministrado pela treinadora Arq. Patricia Herden

2018

Oficina prática de Wood-frame na Semana da Arquitetura UFSC

Inglês (avançado) Espanhol (básico)

E XP ER IÊ N C I A E M SOF T WAR E S

P UB L I C AÇ ÕE S E EVE NTOS

ArchiCAD AutoCAD

2019

Illustrator InDesign

2018

Apresentação do trabalho desenvolvido junto ao LaBIM-SC no III Seminário Regional Sul de BIM, em Porto Alegre (RS)

2017

SOARES, Mariana et al. O ambiente construído e a ocorrência de crimes: uma análise em estacionamentos de campus universitário. PARC - Pesquisa em Arquitetura e Construção. DOI: https://doi.org/10.20396/parc.v8i2.8649893

2017

Expositor de pôster do trabalho Investigando o processo projetual - uma reflexão sobre procedimentos manuais no VIII Seminário Projetar: la experimentación pojectual, realizado em Buenos Aires, Argentina (2017).

Pacote Office PremierePro Photoshop QGIS Revit SketchUp

GROSSKOPF, Gabriel G. et al. A fotografia 360 graus como ferramenta de suporte à modelagem de "as built". PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção. DOI: https://doi.org/10.20396/parc.v10i0.8653839


GRAD UAÇ ÃO


P E SCA ART E SA NA L : T R A B A LHO E MO D O D E V IDA N A B ARRA DA L AG OA Tabalho de Conclusão de Curso Orientado pelo Prof. Américo Ishida e coorientado pela Prof.a Adriana M. Rossetto 2018-2019 B 3

6 15 4 4

A

4 5 4

15 4 4

4 4 5

1

7

4

4

4

5

14 8 2

18

12 15

11

13

15

16

4

9 4 17 4

10

5

1

10

A - Conselho Comunitário B - Escola de Ensino Médio Pref. Acácio Garibaldi Santiago C - Creche Prof.aª Elisabete Nunes Anderle D - Estaleiro de barcos artesanais

2

1 - Trapiches 2 - Área de proteção: manguezal e restinga 3 - Praça esportiva 4 - Moradias 5 - Hortas 6 - Espaços de limpeza e seleção de alimentos 7 - Sede administrativa e memorial da pesca artesanal 8 - Centro Comunitário 9 - Varais de redes 10 - Oficina de barcos / Ranchos comunitários 11 - Mercado de pescados e orgânicos 12 - Praça central 13 - Venda de produtos locais 14 - Praça elevada 15 - Reservatórios d’água 16 - Mirante 17 - Centro ecumênico 18 - Estação de tratamento de efluentes

A expansão turística na Ilha de Santa Catarina a partir da segunda metade do século XX transformou rapidamente suas orlas rurais e pesqueiras em balneários de veraneio, encarecendo o modo de vida e dificultando a permanência de populações pescadoras e agricultoras nas orlas. Casas rurais e ranchos de pesca foram substituídos por pousadas, beach clubs e condomínios de alto padrão econômico; as atividades produtoras e de subsistência deram lugar ao turismo, ao lazer e ao trabalho assalariado (LAGO, 1996; CLARAMUNT, 2008; CAMPOS, 2009; IPHAN, 2015). Atualmente a pesca artesanal se apresenta na ilha como um trabalho acessório e uma herança cultural, não mais idêntica à época rural dos colonos açorianos, mas presente ainda em muitas praias, adaptada à condição contemporânea (LAGO, 1996). Dentre os principais pontos pesqueiros remanescentes, a Barra da Lagoa se mostrou uma complexa construção social à medida em que abriga o maior núcleo pesqueiro da ilha e um popular ponto turístico de veraneio (DISON, 1982; VÁRZEA, 1989; CLARAMUNT, 2008; VAZ, 2008). A pesca artesanal faz parte da paisagem da Barra da Lagoa e se materializa onde a terra encontra a água: nos ranchos de embarcações; nas plataformas de embarque e conserto dos barcos; nas redes secando ao ar livre. Manifestase também de maneira imaterial, em saberes ancestrais: na construção artesanal de embarcações (BUBNIAK, 2007); no cerco da tainha com canoa à remo - patrimônio cultural do estado catarinense (VÁRZEA, 1989; SANTA CATARINA,

C 4

10

15 D

1

2018) - no conhecimento sobre as dinâmicas de ventos e marés (DEVOS; VEDANA; BARBOSA, 2016; GERBER, 2017); nos métodos de manipulação do pescado; na culinária local. Esse conjunto de elementos materiais e imateriais relacionados à tradição da pesca artesanal, associados ao espaço geográfico em que se encontram, constituem uma paisagem cultural (DEMANGEON, 1952; SANTOS, 2006; CASTRIOTA, 2013) na Barra da Lagoa e testemunham no presente sua origem pesqueira. Considerando-se que as orlas vêm sendo ocupadas pela expansão turística, surge o questionamento sobre o futuro, não apenas da pesca e dos pescadores, mas da história e cultura locais como protagonistas na construção do espaço, especialmente no maior núcleo pesqueiro da ilha. Desse modo, propõe-se ocupar um vazio urbano em localização estratégica com um cojunto que tornaria viável e visível o ciclo da pesca e a produção orgânica. A proposta busca ofertar moradia e equipamentos de suporte para famílias pescadoras e produtoras da Barra no intuito de possibilitar sua autonomia, subsistência e a segurança alimentar local (FAO, 2017). O estudo do projeto foi desenvolvido como a tradição estudada na pesca: artesanalmente, pelo desenho manual, desde a observação das atividades pesqueiras em campo à proposição dos equipamentos e das espacialidades do projeto. Nesse processo manual foi possível experimentar, testar e verificar proposições para um estudo preliminar de como poderia ser esse conjunto agrícola-pesqueiro.


A venda de pescados e produtos orgânicos - tainha, anchova, corvina, camarão, mandioca, milho, feijão, banana - bem como seus derivados, juntamente com a culinária local e a produção artesanal de bens, constituiriam a base econômica dos moradores desse complexo, contando também com o comércio local e com o turismo como oportunidade de complemento de renda. O projeto pretende ofertar: _____aos pescadores e produtores locais: uma oportunidade de moradia e trabalho, almejando-se a subsistência, a autonomia e a sustentabilidade; _____à comunidade da Barra da Lagoa: oportunidades de emprego, incentivo à agricultura urbana, alimentação saudável e fresca e valorização da cultura local; _____à região da Grande Florianópolis: um equipamento urbano que pode ser usufruído e visitado por todos; _____aos turistas: a promoção do respeito pela cultura local e valorização dos saberes tradicionais, esperando estimular uma reflexão crítica sobre seu impacto no espaço habitado; _____à natureza: a expansão do manguezal remanescente e da restinga no trecho de intervenção; a promoção de um modo de vida mais sustentável nos âmbitos sociais e ambientais, buscando valorizar os recursos naturais enquanto fontes de vida, energia e nutrição.


U M LOCAL PA R A T R A B A LHA D O RE S N O C E N TRO D E F LO RIA N Ó P O L IS Disciplina Projeto Arquitetônico V e VI (UFSC) Conduzido pelo prof. Américo Ishida, com colaboração do Arq. Matteo Chevallard 2017

A briga por espaços dentro da ilha de Florianópolis - capital de Santa Catarina, marcada pela elevada especulação imobiliária - leva muitas pessoas a morar longe de seu local de trabalho, produzindo na região metropolitana um movimento pendular em massa que se desloca entre o continente e a ilha. Contribuindo com o congestionamento e superlotação dos sistemas, muitas pessoas perdem tempo significativo de suas vidas no trânsito, prejudicando seu rendimento no trabalho e seu bem-estar na vida profissional e pessoal. Buscando amenizar o efeito das distâncias entre moradia e trabalho, a Fábrica-repouso busca oferecer ao trabalhador da região metropolitana de Florianópolis um centro de apoio e descanso, que conta com dormitórios e espaços de convivência. Com isso, trabalhadores que normalmente se deslocariam grandes distâncias para chegar ao centro, por exemplo, poderiam passar alguns dias da semana neste paradouro, evitando gasto de tempo com trânsito e podendo ter condições dignas de repouso após sua jornada. A Fábrica-repouso se insere em uma área central de Florianópolis, próxima a grandes equipamentos como o Terminal Rodoviário e o TICEN, contando com a futura implantação dos pontos de BRT. Inserido no coração histórico da ilha, a Fábrica-repouso reforça seu objetivo: dar apoio a quem a ela recorrer e devolver aos trabalhadores da região metropolitana a dignidade do labor. O projeto intenta reafirmar a natureza pública do centro da cidade, relacionando-se diretamente com um praça em níveis que se interconecta ao interior do prédio, explicitando uma relação dialética inerente ao espaço urbano: o público e o privado são indissociáveis. Esse sistema de espaços públicos e semi-públicos dão suporte não apenas aos trabalhadores que buscam os dormitórios, mas também a qualquer pessoa que frequente o centro à procura de um local de repouso, convivência ou lazer.

Além dos dormitórios, um restaurante popular no nível intermediário do edifício liga o prédio à praça, abrindo-se para a cidade. No nível da praça, equipamentos de apoio como a Central do Trabalho atuam de forma a oferecer serviços básicos para que cada trabalhador possa exercer seu ofício com plenitude. Além disso, salas administrativas e espaços para os funcionários também compõem o térreo, juntamente a duas salas comerciais que consolidam o caráter misto do embasamento do edifício. Além da praça e do restaurante público, o térreo também conta com uma recepção aos hóspedes, no bloco mais alto, e salas administrativas no bloco mais baixo. Dentre essas salas, destaca-se o Central do Trabalho, que auxilia os hóspedes em dúvidas e procedimentos relativos ao exercício de suas profissões, em atividades como impressão de documentos e pagamento de contas, por exemplo. Acima do espaço público, os dormitórios se dividem em dois blocos, priorizando iluminação e ventilação naturais. Propõe-se que o bloco mais alto abrigue os dormitórios individuais e o bloco mais baixo, os coletivos. Contudo, em superlotação de demanda, cada quarto individual possui espaço para abrigar beliche. O bloco mais alto abrigaria 57 hóspedes, considerando-se os dormitórios individuais, e aumentaria para 114, considerando-se a possibilidade de se utilizar beliches em todos os dormitórios. O bloco mais baixo abriga 228 hóspedes, sendo cada andar um grande dormitório coletivo conformado por beliches modulares. O conjunto dos dois blocos totaliza capacidade de 285 hóspedes, considerando um bloco inteiramente individual e outro coletivo, e 342 hóspedes, considerando todos os dormitórios compartilhados. No pavimento de cobertura do bloco mais baixo e rompendo o bloco mais alto, há um andar inteiro composto por área de convivência para os hóspedes, com uma pequena cozinha, espaços de estar e áreas com computadores.


Q U I N T O P AV I M E N T O

P AV I M E N T O C O N V I V Ê N C I A

T E R C E I R O P AV I M E N T O

I M P L A N TA Ç Ã O + T É R R E O INO

LENT SCO TO

ANCI RUA FR

8

8 7 6 5

SOBE

O: UM

COBERTURA

4

S E G U N D O P AV I M E N T O

2

3

1

P AV . I N T E R M E D I Á R I O LO

PAU

AV.

LISTA DE AMBIENTES 1

Praça

2

Recepção

3

Restaurante

4

Cozinha

5

Central do Trabalho

6

Espaço dos funcionários

7

Administração

8

Sala comercial

9

Alojamento compartilhado

10

Alojamento individual

TES

FON

P AV I M E N T O I N T E R M E D I Á R I O

9

TÉRREO

3

P AV I M E N T O T I P O

9

S U B S O LO

10

N

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

ESPAÇO PARA O TRABALHADOR NO CENTRO DE FLORIANÓPOLIS

PROJETO ARQUITETÔNICO VI

/

/

CENTRO TECNOLÓGICO

PROF. AMÉRICO ISHIDA

FLORIANÓPOLIS, 6 DE DEZEMBRO DE 2017

/

/

ARQUITETURA E URBANISMO

ALUNO: GABRIEL GEORGE GROSSKOPF [14100797]


NATURALIDA D E : H A B I TAÇÃO S O C I A L N A V IL A APARE C IDA Disciplina Projeto Arquitetônico IV (UFSC) Realizado com Elaine A. Queiroz, Fellipy Hipólito, Gisele Schweitzer e Taís Zarpelon Conduzido pelos professores Themis da C. Fagundes, Ayrton P. Bueno, Silvana Silvestre e Veridiana A. Scalco 2016

A proposta de Habitação de Interesse Social desenvolvida pelo Grupo Naturalidade buscou tomar como partido as pré-existências físicas e sociais da Vila Aparecida, bem como intervir no bairro buscando a integração e a aproximação com o modo de viver local. O projeto buscou a valorização e integração com a topografia do terreno de intervenção e do entorno, assim como com as edificações adjacentes, optando-se por trabalhar com uma série de unidades e módulos diluidos pelo terreno. Trabalhou-se com unidades expansíveis e plantas livres no intuito de trazer flexibilidade e adaptabilidade ao projeto. Os modos de viver foram prioritários na elaboração da proposta, buscando-se manter a coabitação, a apropriação dos espaços públicos, a autoconstrução, a circulação peatonal, as relações próximas de vizinhança e a proximidade com a escala humana. Nas edificações, espaços semi-públicos e pequenas áreas compartilhadas foram propostas no intuiro de aproximar os moradores e oportunizar o convívio.


RECONHECENDO O LUGAR

Localização da Praça Santos Dumont em relação a entorno / Fonte: Geoprocessamento da Prefeitura Municipal de Florianópolis

IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS DE PROJETO

Fotografias mostrando a atual situação da Praça Santos Dumont / Fonte: foto da Igrejinha da UFSC disponível em: <http://mapio.net/s/29682562/>. Acesso em 20 de junho de 2017. O restante das três imagens são de acervo dos autores.

Investigando o Processo Projetual: uma Reflexão sobre Procedimentos Manuais Gabriel, Grosskopf ; Maristela, Almeida ; Carlos, Vaz.

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, CENTRO TECNOLÓGICO, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA, FLORIANÓPOLIS - BRASIL.

SITUAÇÃO ATUAL DA PRAÇA SANTOS DUMONT Concentração de fluxos nos passeios

RESUMEN

Ambiência escura e com pouca visibilidade deivo à densidade da vegetação

REORDENAMENTO DO ESPAÇO PÚBLICO Dificuldade do pedestre na travessia

Implantação da praça escalonada em platôs com circulação por escadarias

SITUAÇÃO PROPOSTA PARA A PRAÇA SANTOS DUMONT Diluição dos fluxos pelo espaço público integrado

Reordenamento do paisagismo criando eixos e possibilitando maior visibilidade

Travessia em nível

Implantação da praça em piso inclinado almejando princípios do desenho universal

PROPOSTA VOLUMÉTRICO-ESPACIAL

Maquete que deu origem à elaboração do Partido Arquitetônico

O desenvolvimento do Anteprojeto arquitetônico se deu de maneira integrada com desenho e modelos físicos, ambos em escala, de tal maneira que cada ferramenta complementava o entendimento da outra.

Concepção do Partido Arquitetônico da edificação proposta. A volumetria da edificação visa a atender às diretrizes estabelecidas para o projeto, buscando-se uma conexão simultânea da edificação com a praça e com a via pública, atuando também como recepção e espera de ônibus.

PROPOSTA ARQUITETÔNICA DA EDIFICAÇÃO SUPORTE 1. Café

1 2

2. Banheiros públicos 3

3. Informações

Este trabalho tem o obje�vo de realizar uma reflexão sobre o processo projetual no ateliê de Projeto Arquitetônico III, do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Santa Catarina. Situado na metade do curso, este ateliê (aqui chamado P-3) consiste no reordenamento de uma centralidade da cidade de Florianópolis (SC), com o lançamento de par�do arquitetônico para edificação de uso público de pequeno a médio porte a ser implantada na área de estudo. No semestre 2015-2, o local de intervenção foi a Praça Santos Dumont, localizada no acesso ao Campus Trindade da UFSC. A orientação de P-3 consis�a no desenvolvimento da proposta a par�r de processos experimentais manuais – como o desenho à mão e o estudo em modelos �sicos em escala. Esta sistemá�ca está focada no incen�vo à criação de respostas projetuais intui�vo-experimentais, aliadas ao incen�vo à autonomia do aluno para desenvolver um caminho próprio no processo de projeto que melhor responda a sua intenção. A inves�gação e o desenvolvimento das habilidades de apreensão e representação das ambiências desejadas são �dos como aspectos norteadores da desse ateliê. Sabendo-se disso, faz-se aqui o registro da reflexão do aluno sobre seu processo inves�ga�vo. Por meio de textos, desenhos, esquemas e fotografias, apresenta-se um infográfico-síntese dessas reflexões contendo as etapas, pensamentos e processos definidores do desenvolvimento da proposta realizada em 2015-2. Com esse infográfico, buscou-se expressar a não-linearidade do pensamento no ato de projetar e também a integração e simultaneidade das ferramentas cria�vas analógicas – desenho livre, modelos �sicos, fotografias, diagramas, desenho técnico etc – demonstrando assim as múl�plas possibilidades de conexões entre diferentes saberes e áreas do conhecimento. Sendo assim, assume-se neste trabalho que a ação projetual se constrói a par�r de relações e conexões de maneira mul�dimensional, mesclando passado, presente e futuro; tempo e espaço; pensamento e matéria; abstração e realidade. Entende-se que o resultado desse estudo, embora expresse um processo individual, contém elementos que evidenciam de uma forma mais explícita boa parte dos processos projetuais desenvolvidos pelo conjunto de alunos no atelier desde o referido semestre. Portanto, a presente exposição do resultado pretende abrir uma discussão sobre a per�nência dos instrumentos sensíveis e sua potência para gerar soluções aos problemas de projeto, notadamente nessa etapa de lançamento do par�do geral da proposta.


CONCEITO PARTIDO

SIMBIOSE

ANTEPROJETO

GABRIEL GEORGE GROSSKOPF PROJETO ARQUITETÔNICO II PROFª MARIA INÊS SUGAI 2015.1


E S TÁG IO


AS-BUILT D O 1 º B ATA LH ÃO D E B O MB E IRO S MIL I TA RE S D E F LORIANÓP O LI S + PR O PO S TA DE RE F O RMA E AMP L I AÇ ÃO Desenvolvido durante estágio no Laboratório BIM de Santa Catarina (LaBIM-SC) Realizado com Yasmin Herden e coordenado pelo Eng. Rafael Fernandes Teixeira da Silva 2018

Enquanto estagiário no Laboratório BIM de Santa Catarina - uma iniciativa do governo estadual de adotar o Building Information Modelling (BIM) nas obras públicas - participei na elaboração do as-built do Primeiro Batalhão do Corpo de Bombeiros Militares de Florianópolis, localizado no Estreito. Além disso, foi estudada uma proposta de reforma e ampliação para a edificação existente. Para a elaboração do as-built foram utilizadas ferramentas diversas como: visitas a campo; modelagem BIM a partir das plantas existentes; medições; fotografias. Contudo, destaca-se o uso da metodologia de modelagem sobre nuvem de pontos e o uso de fotografias 360 graus para validação de dados, processos ainda considerados inovadores e de vanguarda na construção civil brasileira, especialmente na elaboração de modelos de as-built.Partindo-se da nuvem de pontos, foi possível atualizar o modelo BIM conforme a realidade executada da obra, aproximando-se o máximo possível da realidade. Para a elaboração do projeto de reforma e ampliação, trabalhouse com a informação associada aos elementos do modelo BIM. Desse modo, foi possível classificar cada elemento modelado conforme seu estado: existente/mantido, a demolir ou a construir. Desse modo foi possível trabalhar tanto com o as-built quanto com a reforma em um único arquivo de modelo. Além disso, foi possível produzir quantitativos e informações diversas relativas a elementos que seriam demolidos ou construídos, tais como metragem quadrada de revestimentos, identificação de portas e janelas, dentre outras.


AS-BUILT DA FU NDAÇÃO NOVA V IDA ATUA L E P Ó S- RE F O RMA Desenvolvido durante estágio no Laboratório BIM de Santa Catarina (LaBIM-SC) Realizado com Yasmin Herden e Rafael Sicilliani e coordenado pelo Eng. Rafael Fernandes Teixeira da Silva 2018

Foi solicitado ao Laboratório BIM-SC a modelagem da edificação existente que abriga a Fundação Nova Vida, em Florianópolis (SC), que passaria por uma reforma interna e substituição de mobiliário. O intuito era ter um registro documental mais detalhado e preciso das condições atuais da edificação, além de registrar também as modificações realizadas. Adotou-se a modelagem na plataforma BIM no intuito de realizar um inventário dos móveis e itens, bem como documentar a edificação em plantas, cortes, fachadas, modelo virtual, além de gerar tabelas de aberturas e listagem de mobiliario. Após o primeiro levantamento, os membros da equipe iniciaram a modelagem da edificação de forma colaborativa, no software BIM ArchiCAD. Foram modelados os elementos materiais da edificação (estrutura, paredes, aberturas, revestimentos, etc.) e o mobiliário interno, contando também com o terreno e as vias de acesso. O registro fotográfico serviu como banco de dados para validar dúvidas referentes às anotações manuais, auxiliando também na identificação de mobiliário, dos tipos de revestimento e demais aspectos visuais de elementos da construção, como portas, janelas e paredes. O uso de fotografias 360 graus para o levantamento de dados contribuiu como parte de um estudo, publicado no periódico PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção da UNICAMP, versando sobre o uso desse tipo de tecnologia e sua aplicação na modelagem de as builts em softwares BIM.


C ONC U R S O S


“THE DRAIN HO U S E ” ( A CASA D RE N O ) Concurso universitário Archsharing + TECHO Paraguay Trabalho realizado com Elaine A. Queiroz, Fellipy S. Hipólito e Jazmín T. C. D. Royg 2018

O acesso à habitação, serviços públicos e condições de vida digna é um privilégio de poucos e está na raiz de uma série de problemas sociais, como a desigualdade e a segurança pública. Considerando-se as condições atuais de moradia em comunidades pobres no Paraguai, o protótipo da Casa Dreno procura oferecer uma solução de emergência que forneça um modelo de baixo custo e rápida montagem e permita uma vida mais confortável e autônoma. O projeto usa materiais comuns e acessíveis, especialmente a madeira e os paineis de OSB, com instruções de construção simples. O PVC branco encerado fornece uma alternativa barata para a cobertura, criando uma cavidade de ar acima do teto que protege a casa do aquecimento direto do sol e permite a ocorrência do efeito chaminé através da ventilação. Além disso, a cobertura recolhe a água da chuva e armazena diretamente sobre as instalações sanitárias, caso a residência não esteja ligada à rede de abastecimento de água. Quanto às instalações sanitárias, as áreas do WC e do banho estão separadas para o uso simultâneo. A área do dormitório é designada de forma a garantir privacidade aos ocupantes e tem suas janelas voltadas para o leste. A área de expansão é delimitada sob o prolongamento da lona para o oeste, atuando como proteção da insolação e como um espaço coberto ao ar livre.


ME SINHA-SI R I Prêmio Design Universitário Tok&Stok Trabalho orientado pela Prof.a Ana Verónica Pazmino 2018

A comunicação virtual e o compartilhamento de dados em rede criaram uma independência entre trabalhador, espaço e tempo até então não vivenciada. Surgiram novas formas de trabalho, como o home office (“escritório em casa”) e o freelance (acordo temporário por serviço específico). O trabalhador saiu do escritório, mas agora leva o trabalho para casa. Nesse sentido, a Mesinha Siri é uma afirmação: trabalho em casa deve ser confortável e adequado o habitar. A proposta é de um mobiliário prático, confortável e versátil. O trabalho também é ampliado a artesanato e desenho, bem como estudos, tarefas cotidianas, leituras, pagamento de contas e pequenos consertos. A mesa é um mobiliário de fácil manuseio e de medidas adequadas ao uso, podendo ser utilizada no sofá, na cama, e até mesmo em terminais rodoviários, aeroportos, bibliotecas etc.

O mobiliário segue a tendência TOK&STOK “Urbano Vintage”, valorizando a leveza no desenho dos elementos e celebrando o habitar. O tampo pode ser em madeira aparente ou pintado colorido, podendo variar entre branco, azul, amarelo ou ainda outros. A estrutura possui quatro apoios, em peças de madeira pregadas e coladas. Um tampo de 550 por 300 milímetros possui dis trincos metálicos parafusados, de um lado, e dobradiças parafusadas do outro. As dobradiças permitem ao plano de trabalho se deslocar, inclinando-se em duas diferentes angulações, enquanto os trincos fixam o tampo inclinado. Desse modo, é possível obter duas posições distintas. Por seu porte carregável pelo corpo humano, o mobiliário pode ser facilmente armazenado e transportado em embalagem pequena que cabe em automóvel e/ou ônibus.


O projeto foi elaborado com desenhos e modelos físicos de papel. Após a elaboração do projeto detalhado, a mesinha foi produzida na Pronto 3D da UFSC, tendo sido materializada em madeira na escala real (1:1 m).


P E S Q U ISA


PAISAGEM I M AGI NÁ R I A DAS C I DA D E S U TÓ P IC AS Pesquisa acadêmica vinculada ao PET-ARQ e ao LABURB-UFSC Com Lia M. Bizzo e Susan L. N. Oliveira, orientada pelas professoras Elizabeth de Siervi, Marina T. Siqueira e Soraya Nór 2016-2017

O termo utopia – que significa lugar algum – foi inaugurado pelo advogado e escritor inglês Thomas Morus em 1516 para nomear uma ilha imaginária habitada por uma sociedade idealizada, centrada em valores de justiça e igualdade (MORUS, 2001). Desde então, o uso do conceito de Utopia passou a ser tratado de forma múltipla, tendo sido incorporado no vocabulário popular com o sentido de descrever uma situação irreal e inalcançável, distante da realidade. José Teixeira Coelho Netto (1981) estabeleceu uma definição mais precisa da ideia. Diferente do sonho - produto mental subconsciente e imposto ao Ser - a utopia assumiria uma postura crítica e consciente, com caráter propositivo de mudança e não um mero devaneio como muitas vezes esse conceito é tratado. Para esse autor, o caráter imaginário das utopias deve ser compreendido como uma ação propositiva contrária a uma situação vigente, e também como um produto de seu tempo: a soma entre os dados reais de um período, as correntes filosóficas e tendências sociais daquele momento e a vontade humana alimentada por uma postura crítica (NETTO, 1981). A questão da utopia pode ser tratada em diferentes disciplinas, e dentro do universo da Arquitetura e do Urbanismo, Françoise Choay (1985) defendeu a inclusão dessas ideias utópicas na reflexão teórica sobre a construção da História do Urbanismo. Além dos Tratados de Arquitetura, elaborados como conjuntos de normas e regras para a construção do espaço habitado, a autora defende a inclusão dos pensamentos utópicos nessa linha do tempo, considerando-os também textos instauradores e influentes no processo de produção do espaço. Choay contrapôs as utopias (modelos) aos tratados (regras), enfatizando que, apesar de delegadas ao universo da ficção, as utopias representaram a aspiração por mudança sobre a cidade no início da era Moderna (CHOAY, 1985).

Semelhante aos Tratados de Arquitetura do Renascimento, a construção textual das utopias se deu na forma de crítica a uma realidade vigente e a posterior proposição de modelos espaciais que abrigassem novas concepções e organizações sociais. Desse modo, tanto os Tratados quanto as Utopias abordaram a construção urbana no plano intelectual e exterior à realidade vivida, submetido à perspectiva de seu autor, tal qual o fizeram também Alberti, em seu tratado De re aedificatoria (1452), e Filarete em seu Trattato di Architettura (1464), no qual desenhou uma proposta de cidade ideal chamada Sforzinda (BERRIEL, 2004b; CHOAY, 1985; GRENDLER, 1965). Desse modo, a contribuição de Choay consiste em apresentar um novo olhar sobre as utopias, considerando-as dispositivos de crítica social, não apenas de forma verbal e escrita, mas propositiva e espacializada em modelos de cidades utópicas, que abrigariam organizações sociais também utópicas. A partir desse entendimento, iniciamos em 2015 uma pesquisa intitulada Paisagens Imaginárias das Cidades Utópicas, desenvolvida em parceria entre o grupo PET Arquitetura e Urbanismo e o Laboratório de Urbanismo da Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (NÓR ET AL, 2016). O objetivo do estudo é representar graficamente os modelos espaciais de cidades utópicas, devido à escassez de representações dessas espacialidades. Com base na pesquisa bibliográfica, foram selecionadas onze cidades utópicas da Idade Moderna, das quais foram detalhadas cinco, compreendidas num período de 166 anos, entre 1516 e 1682. São elas: Utopia, de Thomas Morus - 1516; Mundo Sábio e Louco, de Anton Francesco Doni - 1552; Cidade do Sol, de Tommaso Campanella - 1602; Cristianópolis, de Johannes Valentinus Andreae - 1619 e Sinapia, atribuída a Pedro Rodríguez de Campomanes - 1682.


http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc http://dx.doi.org/10.20396/parc.v10i0.865383

A FOTOGRAFIA 360 GRAUS COMO FERRAMENTA DE SUPORTE À MODELAGEM DE AS BUILT THE 360-DEGREES PHOTOGRAPHY AS A SUPPORT TOOL TO AS BUILT MODELING Gabriel George Grosskopf 1 Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, gabreorge@gmail.com

Yasmin Sarquis Herden 2 Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, yasminherden@gmail.com

Rafael Fernandes Teixeira Silva 3 Secretaria de Estado do Planejamento de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, rafaelfernandes@spg.sc.gov.br

Fernanda Fernandes Marchiori 4 Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, fernanda.marchiori@ufsc.br

Resumo Considerando a pertinência do as built para reformas e manutenções e a ascensão de novas tecnologias na Indústria 4.0, foi analisada a contribuição de fotografias 360 graus nas etapas de levantamento de dados e validação de informações para modelagem desse documento, comparando-a com a fotografia tradicional usualmente utilizada. Partindo-se de pesquisa empírica em campo, foram modelados dois as built em software BIM do processo de reforma da edificação da Fundação Nova Vida, em Florianópolis (SC), dedicada à assistência social. Com os as built pré-reforma e pós-reforma foi possível comparar as duas modalidades: fotografias tradicionais na etapa pré-reforma e fotografias com lente esférica 360 graus na etapa pós-reforma. Parâmetros como quantidade de informações contidas e tamanho dos conjuntos de arquivos fotográficos gerados foram considerados no estudo. A fotografia 360 graus apresentou mais dados e maior área de abrangência, reduzindo a quantidade de arquivos gerados e o tamanho do conjunto de arquivos armazenados. A fotografia tradicional, por envolver a tomada de decisão sobre o que registrar, demanda tempo extra em levantamentos em campo, enquanto a fotografia 360 graus faz um registro global. A fotografia 360 graus mostrou-se mais eficaz do que a tradicional, proporcionando maior agilidade na coleta e conferência de dados para a modelagem BIM. Palavras-chave: Fotografia 360 graus. Fotografia imersiva. As built. Reforma. BIM.

Abstract Considering the relevance of ‘as built’ for renovations and maintenance and the rising of new technologies in the 4.0 Industry, the contribution of 360-degrees photography in data survey and information validation stages for ‘as built’ modeling was analysed, comparing this technology to the traditional photography usually adopted. Based on empirical field surveys, two as built of the Fundação Nova Vida renovation process, in Florianópolis (SC), a public building dedicated to social assistance, were modeled in BIM software. With pre-renovation and post-renovation as built was possible to compare the two modalities: traditional photographs were taken in the pre-renovation stage, and 360-degrees spherical lens photographs were taken in the post-renovation stage. Parameters such as amount of contained information and size of generated photographic files were considered in the study. The 360-degrees photograph presented more available data and larger coverage area, which reduced the amount of files generated and the size of stored files. It was also verified that the traditional photograph, by not only involving the record itself, but also the decision-making about what to register, demands extra time in field surveying, while the 360-degrees photograph makes a global record. The 360degrees photograph presented itself as a more effective tool if compared to the traditional photograph, allowing more agility in data verification to BIM modeling. Keywords: 360-degrees photography. Immersive photography. As built. Renovation. BIM

How to cite this article: GROSSKOPF, G. G.; HERDEN, Y. S.; SILVA, R. F. T.; MARCHIORI, F. F. A fotografia 360 graus como ferramenta de suporte à modelagem de "as built&quot;. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, v. 10, p. e019021, 28 maio 2019. DOI:https://doi.org/10.20396/parc.v10i0.8653839.

Received in 30.10.2018 - accepted in 02.05.2019 – published 28.05.2019

e019021-1 | PARC Pesq. em Arquit. e Constr., Campinas, SP, v. 10, p. e019021, 2019, ISSN 1980-6809


http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc http://dx.doi.org/10.20396/ parc.v8i2.8649893

O AMBIENTE CONSTRUÍDO E A OCORRÊNCIA DE CRIMES: UMA ANÁLISE EM ESTACIONAMENTOS DE CAMPUS UNIVERSITÁRIO THE BUILT ENVIRONMENT AND THE OCCURRENCE OF CRIMES: AN ANALYSIS IN UNIVERSITY CAMPUS PARKING LOTS Mariana Soares 1

Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, mariana_soa@hotmail.com

Gabriel George Grosskopf 2

Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, gabreorge@gmail.com

Julia Roberta Eli 3

Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, julia.eli96@gmail.com

Renato Tibiriçá de Saboya 4

Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, rtsaboya@gmail.com

Fernando Barth 5

Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil, fernando.barth@ufsc.br

Resumo Embora haja um grande número de estudos que analisam a relação entre a forma urbana e arquitetônica e a ocorrência de crimes, estudos específicos em ambientes universitários ainda são raros. Neste trabalho, são analisados dois pares de estacionamentos no campus principal da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, para verificar se a visibilidade, permeabilidade, nível de apropriação e diversidade de uso do solo podem ser fatores explicativos de uma maior ou menor ocorrência de crimes nesses locais. Eles foram escolhidos por apresentar, em cada par, quantidades semelhantes de vagas e quantidades contrastantes de crimes, sendo um estacionamento com alta e o outro com baixa ocorrência. A análise comparativa foi feita com base em levantamentos in loco, observação e elaboração de mapas. Os resultados indicam que a visibilidade e permeabilidade são efetivamente importantes para diminuir a ocorrência de crimes. Por outro lado, a quantidade de pessoas em cada local, por si só, não foi capaz de explicar as diferenças nas taxas de crimes, a não ser quando foi considerada sua distribuição ao longo do dia e a visibilidade a partir dos principais caminhos para os estacionamentos. Quanto aos usos do solo, os resultados mostraram-se contrários à crença disseminada entre arquitetos e urbanistas de que maior diversidade estaria relacionada a menor número de ocorrências criminais. As conclusões trazem elementos para fomentar os debates, planos e intervenções em campi universitários sob a lógica da segurança. Palavras-chave: Campus universitário. Ocorrência de crimes. Visibilidade. Vigilância Natural. Usos do solo.

Abstract Although there are many studies about the relationship between urban and architectural form, and the occurrence of crimes, studies that deal specifically with university environments are still rare. In this work, we analyze two pairs of parking lots on the main campus of the Federal University of Santa Catarina (UFSC), in Florianópolis, to ascertain if visibility, permeability, number of users and land use diversity are relevant explanatory factors of higher or lower quantities of crime occurrences in these areas. Each pair comprised one parking lot with high and other with low crime rate, both with similar amounts of parking spots. Field surveys, observations, and maps supported a comparative analysis. The results indicate that visibility and permeability are effectively crucial in reducing the occurrence of crimes. On the other hand, the sheer number of people in each place was not able to explain the differences in crime rates, except when its distribution throughout the day and the visibility provided by the primary circulation paths to the parking lots were taken into account. As for land uses, the results were contrary to the widespread belief among architects and urbanists that greater diversity is related to a lower number of criminal occurrences. The conclusions bring forth essential aspects to be considered in debates, masterplans and spatial interventions on university campuses. Keywords: University campus. Crime occurrence. Visibility. Natural surveillance. Land use. How to cite this article: SOARES, Mariana et al.. O ambiente construído e a ocorrência de crimes: uma análise em estacionamentos de campus universitário. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 8, n. 2, p. 102-116, jun. 2017. ISSN 1980-6809. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8649893>. Acesso em: 14 dez. 2017. doi:http://dx.doi.org/10.20396/parc.v8i2.8649893. Received in 14.07.2017 - accepted in 14.11.2017

102 | PARC Pesq. em Arquit. e Constr., Campinas, SP, v. 8, n. 2, p. 102-116, jun. 2017, ISSN 1980-6809


ILU S TR AÇ Õ E S


P E S C A A RT E SA N A L DA TA I NHA NA BA RRA DA L AG OA F LO R I A N Ã&#x201C; P O L I S , 2 0 1 8


P R AI A DA AR MAÇ ÃO, F LO R I A N Ó P O L I S , 2018

R AN C H O D E P E S C A D O “ S E U D E C A” , C A M PECHE , F LORI A NÓPOL I S, 2018


PA R Q U E D O I B I R A P UE R A , SÃO PAU LO, 2017


Profile for Gabriel George Grosskopf

Portfólio  

Conjunto de trabalhos e estudos desenvolvidos enquanto estudante de graduação em Arquitetura e Urbanismo (UFSC).

Portfólio  

Conjunto de trabalhos e estudos desenvolvidos enquanto estudante de graduação em Arquitetura e Urbanismo (UFSC).

Advertisement